Hidratos de carbono. Funções: - ENERGÉTICA. Fonte de energia (Glucose) Armazenamento de energia. Amido ou Glicogénio

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Hidratos de carbono. Funções: - ENERGÉTICA. Fonte de energia (Glucose) Armazenamento de energia. Amido ou Glicogénio"

Transcrição

1 Hidratos de carbono

2 Funções: - ENERGÉTICA Hidratos de carbono Fonte de energia (Glucose) Armazenamento de energia Amido ou Glicogénio

3 Classificação: Hidratos de carbono Monossacarideos, oligossacarídeos, polissacarídeos Monossacarídeo + frequente: glucose Aldoses Cetoses

4 Hidratos de carbono Oligassacarídeos: maltose, sacarose, lactose Polissacarídeos: amido, glicogénio

5 Hidratos de carbono Dissacarídeos: Sacarose, maltose (a 1-4), lactose e isomaltose (a 1-6) HC quebrados em monossacarídeos antes de absorvidos pelas células da mucosa intestinal

6 Hidratos de carbono Ex: maioria dos HC ingeridos: Amido (Amilose e Amilopectina) Digeridos em diferentes locais do sistema digestivo Amido dextrinas, maltose, maltotriose amilase salivar

7 Amilase Salivar Origina Cliva as ligações a 1-4 Não cliva as ligações a 1-6 Maltose Maltotrise Dextrinas

8 Hidratos de carbono Ex: (duodeno) Polímeros parcialmente digeridos monossacarídeos amilase pancreática e enzimas das microvilosidades (sucrase, lactase, maltase, isomaltases)

9

10 Hidratos de carbono Os monossacarídeos são absorvidos pelas células da mucosa intestinal Monossacarídeos grandes dimensões e hidrofilicos Não são absorvidos por difusão Transportadores

11 Hidratos de carbono Glucose e galactose processo activo Frutose processo passivo

12 Glucose e Galactose co-transporte com Na+ (SGLUT1) Frutose Transporte facilitado (GLUT 5)

13 Hidratos de carbono Monosacarídeos conduzidos ao fígado via circulação portal No fígado, frutose e galactose são convertidos em glucose Glucose Fornecer energia aos tecidos Armazenada sob a forma de glicogénio no fígado e células do músculo esquelético Processo de formação de glicogénio - glicogénese Quebra de glicogénio - glicogenólise

14 Glucose Fontes de Glucose Dieta Produção endógena Glicogenólise Gluconeogénese Controlo dos níveis de glucose sanguínea ( mg/dl) Insulina Glucagon Adrenalina Hormona do crescimento Cortisol

15 Regulação Hormonal Hormona Insulina Cortisol Glucagon Hormona de crescimento Adrenalina Acção Glucose Glucose Glucose Glucose Glucose

16 Adrenalina e mobilização de substractos

17 Glucose ß cells (Insulin) α cells (Glucagon)

18 Insulina A insulina é produzida nas células das ilhotas de Langerhans

19 Insulina Pró-insulina Peptídeo C Insulina O doseamento da insulina não permite diferenciar entre endógena e exógena determinar peptídeo C

20 Cadena α = 21 aa Cadena β = 30 aa Pró Insulina

21

22 Insulina A Insulina e o Péptido C são secretados em quantidades equimolares. Pequenas quantidades de Pró-Insulina entram também na circulação O Péptido C não tem actividade biológica conhecida A concentração sanguínea do Péptido C é 5-10 vezes superior à da Insulina, porque possui maior semi-vida (o Fígado não remove praticamente o Péptido C).

23 Insulina

24

25 Insulina Glicogénese Síntese Proteica Lipogénese Lipogénese Oxidação da Glucose Síntese Proteica

26 Vias metabólicas Glicogénese: Glicogenólise: Gluconeogénese: Cetogénese: Lipólise: Lipogénese:

27 Regulação hormonal

28 Glucagon

29 Glucagon O glucagon é secretado pelas células a das ilhotas de Langerhans Constituído por uma cadeia polipeptidica de 29 a.a. Insulina acção oposta ao glucagon A hormona da tiróide tb exerce influência

30 Acções biológicas do Glucagon A nível Hepático estimula a glicogenólise estimula a gluconeogénese síntese hepática de glucose No Tecido adiposo Estimula a lipólise ( hidrólise de TG) Estimula a Cetogénese

31 Insulina Glucagon Sinaliza o estado alimentado Sinaliza o jejum Tecidos alvo Fígado, T. Adiposo T muscular esquelético Tecidos alvo Fígado, T. Adiposo Afecta o metabolismo de: HC, Lipidos, Proteínas Afecta o metabolismo de: HC, Lipidos Acção Anabólica Acção Catabólica

32 Processo Insulina Glucagon Glucose uptake + 0 (Músculo, T. Adiposo) Gluconeogénese - + (Fígado) Glicogénese + - (Fígado e músculo) Glicogenólise - + (Fígado e músculo)

33 a) glucose b) glucose

34 Hormona Insulina Glucagon Acções principais uptake glucose celular (M,A) síntese de glicogénio (F, M) síntese de proteínas (F, M) síntese de ác.gordos e Trig (F, A) gluconeogénese (F) cetogénese (F) lipólise (A) proteólise (M) glicogenólise (F) gluconeogénese (F) cetogénese (F) lipólise (A) Adrenalina glicogenólise (F, M) lipólise (A) H. crescimento glicogenólise (F) lipólise (A) Cortisol gluconeogénese (F) Lipolise (A) proteólise (M) uptake glucose celular (M,A)

35 Glucose Distúrbios da homeostase da glicose Hiperglicemia Diabetes mellitus Anomalia da regulação da glicose Hipoglicemia

36 Glucose Determinação da glicose sanguínea Soro (evitar glicólise) Métodos Químicos Enzimáticos Método da glucose oxidase Método da hexokinase

37 Glucose Método da glucose oxidase Glucose+O 2 +H 2 O H 2 O 2 +Ác glucónico glucose oxidase H 2 O 2 +crom reduzido crom oxidado+ H 2 O peroxidase Método da hexokinase Glucose+ATP Gluc-6-PO 4 +ADP Hexokinase Gluc-6-PO 4 +NADP NADPH+6-fosfogluconato G6P desidrogenase Avaliação da glucose na urina Qualitativa/semi-quantitativa Quantitativa

38 Classificação Anomalia da regulação da glicose Anomalia da tolerância à glicose (ATG) Anomalia da glicose em jejum (AGJ) Diabetes mellitus (DM) DM tipo 1 DM tipo 2

39 Classificação Outros tipos específicos de DM Defeitos genéticos da função da célula beta Defeitos genéticos da acção da insulina Doenças do pâncreas exócrino: pancreatite, neoplasia Endocrinopatias: sindroma de Cushing, hipertiroidismo Induzida por fármacos ou químicos Infecções Formas pouco comuns de diabetes imunomediada Outros sínd genéticos, por vezes, associados com diabetes DM gestacional

40 Anomalia da regulação da glicose Estádio intermédio entre homeostase normal da glicose e diabetes ATG e AGJ representam diferentes anomalias da regulação da glicose, ATG anomalia na regulação da glucose no período pós prandial AGJ - anomalia na regulação da glucose no período de jejum Risco aumentado de progredir para diabetes AGJ - conc de Glic em jejum 110 mg/dl e 126 mg/dl

41 Concentrações plasmáticas Glucose em Jejum Valor Glucose 2h Valor de Glucose ocasional Normal < 110 mg/dl AGJ mg/dl Diabetes 126 mg/dl Normal < 140 mg/dl Int. à Glucose mg/dl Diabetes 200 mg/dl Diabetes 200 mg/dl

42 Diabetes Mellitus Distúrbio endócrino mais comum; Caracterizada pela hiperglicemia ( absoluta ou relativa de insulina e/ou resistência à insulina); A insulina controla os níveis de glucose No sangue

43 Diabetes Mellitus Valores séricos Glic em jejum 126 mg/dl Glic 2h 200 mg/dl Tipo 1 Destruição das células que conduz, geralmente, uma deficiência absoluta de insulina Inclui os casos que são atribuídos processos auto-imunes bem como aqueles em que há destruição das células e propensão para cetoacidose mas, nos quais, não é conhecida etiologia nem patogénese

44 Diabetes mellitus Tipo 2 Pode variar entre o predomínio da insulinorresistência com deficiência relativa de insulina e predomínio da deficiência de secreção com ou sem insulinorresistência

45 DM Tipo 2 Há produção de insulina, mas as células continuam a não conseguir absorver suficiente açúcar da corrente sanguínea: Ou, o pâncreas ainda produz insulina, mas perdeu a sua capacidade de repor rapidamente o fornecimento de insulina, quando necessário; Ou, há uma quantidade reduzida de receptores de insulina ou estes não funcionam devidamente resistência à insulina ; Ou, há um defeito no sistema de transportadores da glicose, para dentro da célula, que pode causar resistência à insulina.

46 Principais características DM tipo 1 DM tipo 2 Predomínio em idade < 20 anos Predomínio em idade > 40 anos Deficiência absoluta de insulina (destruição auto-imune) Deficiência relativa + resistência à insulina Indivíduo magro Indivíduo geralmente obeso, sedentário e hipertenso Sintomas: polidipsia, poliúria, polifagia Cetoacidose Ínicio subito dos sintomas Início insidioso, às vezes assintomático ou por complicações crônicas Descompensação tipo coma hiperosmolar - Tendencia herditária

47 Manifestações clínicas de DM Relacionadas com distúrbios metabólicos: Cetoacidose metabólica Glucagon/insulina Lipólise Hiperglicemia não cetótica Hiperglicemia severa desidratação Não se desenvolve cetose Acidose láctica Associada a doenças sistemicas

48 Manifestações clínicas de DM Complicações a longo prazo Nefropatia Doença renal progressiva causada por angiopatia dos capilares nos glomerulos renais; Origina disfunção renal, hiperfunção renal, aumento do tamanho do glomérulo ocorre aumento da proteinuria e disfunção renal com urémia.

49 Manifestações clínicas de DM Complicações a longo prazo Retinopatia RD é uma das principais causas de cegueira em todo mundo sendo 25 vezes mais comum em pessoas com DM, Os vasos sanguíneos da retina ficam lesados. Surge a retinopatia. Ocorre hemorrogia vítrea dos vasos retinais cegueira; edema que afecta a mácula maculopatia

50 Manifestações clínicas de DM Complicações a longo prazo Neuropatia nervos motores. receptores sensoriais distais e nervos do sistema nervoso autónomo são afectados pela reduzida quantidade de açúcar disponível para as suas células. Os doentes são asfectados por:: -perda de sensibilidade nas extremidades; -alteração da função motora; - úlceras neuropáticas do pé; -oscilações na pressão arterial; - alterações no funcionamento gastrointestinal

51 Pé diabético Infecção, ulceração e/ou destruição dos tecidos moles associados a alterações neurológicas

52 Manifestações clínicas de DM Complicações a longo prazo (macrovasculares) Arteriopatia - Provocada pela acumulação de lípidos nas paredes das artérias - Diminuição da circulação sanguínea nos vasos sanguíneos de maior calibre devido à sua obstrução ou estreitamento - afecta a circulação do cérebro, coração, membros inferiores, podendo culminar com acidente vascular cerebral e enfarte agudo do miocárdio

53 Manifestações clínicas de DM

54 Sinais e Sintomas Polidipsia Polifagia Poliúria

55 Produção de glicose pelo fígado + Remoção da glicose sanguínea Hiperglicemia A glic é filtrada no glomérulo e reabsorvida no túbulo proximal, mas para conc de glic 180 mg/dl o processo de reab. satura glic na urina (glicosúria) Hiperglicemia Glicosúria (inibe a reabsorção de água pelo rim) Diurese osmótica Poliúria Hiperosmolaridade e desidratação Sede (Polidipsia)

56 Diagnóstico de DM DM Necessidade de comprovar hiperglicemia Glic em jejum 126 mg/dl (1 determinação indivíduo sintomático/ pelo menos 2 determinações no não sintomático) Prova de tolerância oral à glicose (PTOG) realizada se os valores de glicemia resultantes de uma análise ao acaso se situarem num intervalo incerto; durante a gravidez; em estudos epidemiológicos

57 Diagnóstico de DM DM Sinais e sintomas Poliúria, polidipsia, polifagia Glicemia ocasional 200 mg/dl Glicemia em jejum 126 mg/dl

58 PTOG Deve ser realizada de manhã, após 3 dias de regime alimentar não restritivo (superior a 150g de HC/dia) e habitual actividade física O teste deve ser precedido de jejum de 8-14 H, durante o qual pode beber-se água Durante o teste não é permitido fumar e o indivíduo deve permanecer em repouso durante todo o teste Deve ser registada presença de factores que possam influenciar a interpretação de resultados (p.e.: medicação) Após colheita em jejum de amostra de sangue, o indivíduo deverá beber solução de 75g de glicose em ml de água, durante um período de 5 minutos Para as crianças a quantidade de glicose deve ser de 1,75g por kg de peso corporal até um máximo de 75g A contagem do tempo é efectuada a partir do momento em que se começa a beber a solução Devem ser recolhidas amostras sanguíneas ao fim de 2H após ingestão da sobrecarga de glicose

59 PTOG

60 PTOG Diagnóstico Glic em jejum 126 mg/dl Glic 2H 200 mg/dl Qualquer valor entre as 0-2H 200 mg/dl PTOG na gravidez realizar no caso de prova de Despiste de Diabetes mellitus Gestacional positiva 75g (OMS) / 100g

61 Despiste de Diabetes mellitus Gestacional Realizar entre a 24ª-28ª semana de gravidez Requisitos idênticos à PTOG Solução de 50g de glicose Colheita de sangue antes da ingestão da solução (glicose basal) e 1H após a sobrecarga de glicose 140/155 mg/dl PTOG

62 Avaliação do metabolismo da glicose Determinação da glicose em jejum Avaliação da glucose na urina (semiquantitativa/quantitativa) Concentração de proteínas glicosiladas no sg Hemoglobina glicosilada Frutosamina Teste pós-prandial da glicose

63 Tratamento Tipo 1 Insulina Cuidados dietéticos Prática de exercício físico adequado Tipo 2 Controlo dietético Prática de exercício físico adequado Hipoglicemiantes orais Sulfonilureias Biguanidas

64 Monitorização do tratamento Concentração de proteína glicosiladas Hemoglobina glicosilada Controlo metabólico das 6-8 semanas anteriores Amostra: sg+edta Doseamento Cromatografia líquida de alta pressão Cromatografia em coluna Electroforese Focagem isoeléctrica Ensaios espectofotométricos Frutosamina Tempo de semi-vida: 2-3 semanas Amostra: soro ou plasma

65 Hemoglobina glicosilada (HbA1C) A hemoglobina e outras proteínas plasmáticas, em contacto com a glucose sofrem um processo de glicolisação. A extensão deste processo está directamente ligada com a concentração de glucose plasmática. Reflecte o controlo glicémico pelo período de 2 ou 3 meses precedentes Avalia o controle glicêmico de médio prazo

66 Hemoglobina glicosilada (HbA1C) A determinação da HbA1C não é frequentemente utilizada para o diagnóstico da Diabetes é útil para prazo monitorização a médio/longo Este teste não é adequado para o acompanhamento de pacientes diabéticos portadores de hemoglobinopatias, pois a presença de variantes da hemoglobina provocam redução da semi-vida das hemáciais. Nestes casos é recomendado o acompanhamento destes pacientes pelo doseamento da frutosamina.

67 Este teste mede o nível de glicolisação proteica no sangue (principalmente a albumina) e reflecte o controlo glicémico durante 2 a 3 semanas. Na presença de interferentes (bilirrubina, hemólise..) a validade deste teste é incerta Particularmente útil em pacientes portadores de hemoglobinopatias, por não sofrer interferências de variantes das hemoglobinas. Frutosamina O teste é sensível à variações nos teores das proteínas séricas

68 Cetoacidose diabética Em consequência de Forma de apresentação de DM tipo 1 Omissão de dose de insulina Aumento das necessidades de insulina Clínica Sede Poliúria Desidratação Hipotensão, taquicardia e falha da circulação periférica Cetose Hiperventilação Vómito Dor abdominal Eventualmente coma

69 cetonas ACIDOSE Lipólise AGL Vómito Deficiência / Resistência à insulina Hipotensão e choque DESIDRATAÇÃO Incorporação celular de glicose HIPERGLICEMIA glicosúria Diurese osmótica

70 uptake Glic cel glicogenólise gluconeogénese proteólise lipólise uremia pré-renal output Glic hepática Hiperglicemia aminoácidos ác gordos osmolalidade pls glicosúria Sede diurese osmótica síntese de ureia cetogénese perda H 2 O,Na +,K + vómito cetonemia hipovolemia hiperventilação acidose TFG excreção renal de H +

71 Cetoacidose diabética Aspectos metabólicos Hiperglicemia Glicosúria Acidose não respiratória Cetonemia Uremia Hipercalemia Hipertrigliceridemia Hemoconcentração

72 Outras Complicações Metabólicas Hiperglicemia não cetótica DM tipo 2 Hiperglicemia severa Pode desenvolver desidratação grave com osmolalidade plasmática elevada Sem cetose e com acidose mínima Acidose Láctica Pouco comum Associada a doença sistémica severa Hipoglicemia em diabéticos

73 Complicações a longo prazo Nefropatia diabética Presença de proteinúria Microalbuminúria Arteriopatia Alteração do metabolismo das lipoproteínas Hipertrigliceridemia HDLc Eventualmente LDLc Probabilidade de acidente cardiovascular Retinopatia Neuropatia

74 Hipoglicemia Consequências clínicas Resultado de neuroglicopenia Escassez de glicose no cérebro, geralmente causada por hipoglicemia. A glicopenia afecta as funções dos neurónios e, por conseqüência, as funções cerebrais. Neuroglicopenias prolongadas podem resultar em lesões permanentes no cérebro. Confusão, alteração do comportamento, convulsões e coma Resultado de estimulação simpaticomimética com libertação de adrenalina o Palpitação, Taquicardia, Tremor, Náusea

75 Causas Hipoglicemia 1) Hipoglicemia reactiva Induzida por drogas (insulina, hipoglicemiantes orais) Salicilatos e bloqueadores adrenérgicos. Induzida pelo álcool Pós-prandial causada pela libertação exagerada de insulina após uma refeição; Após refeições em pacientes submetidos à cirurgias gástricas. Desordens metabólicas inerentes (def. enzimáticos): Galactosemia Intolerância hereditária à frutose

76 Hipoglicemia 2) Hipoglicemia em jejum Doença renal ou hepática ( Gluconeogénese) Doença endócrina (def. hormonas antagonistas à insulina) Falha adrenal (Falta de Cortisol) Falha da pituitária (Falta de Cortisol) Deficiência isolada de ACTH ou GH Desordem metabólica inerente Doença do armazenamento do glicogénio tipo I Hiperinsulinismo Insulinoma (Tumores nas cél do pancreas) Nesidioblastose (hiperplasia das células beta do pâncreas)

77 Hipoglicemia 2) Hipoglicemia em jejum Neoplasmas não pancreáticos (neoplasmas adrenais e hepacelulares) Hipoglicemia em jejum induzida pelo álcool Formas de hipoglicemia neonatal Septicemia (devido à libertação de citocinas que estimulam a secreção de insulina)

78 Hipoglicemia na criança Hipoglicemia neonatal transitória Hipoglicemia cetótica Idiopática secundária Hiperinsulinemia (resultantes de mutações) Hiperplasia das células das ilhotas Nesidioblastose Insulinoma Desordens metabólicas inerentes Doença do armazenamento do glicogénio Galactosemia Intolerância hereditária à frutose Defeito da oxidação dos ácidos gordos Outras causas Prematuro Desordens endócrinas Drogas Fome, etc

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

GLICÉMIA E GLICOSÚRIA

GLICÉMIA E GLICOSÚRIA GLICÉMIA E GLICOSÚRIA A glucose é o principal açúcar existente no sangue, que serve como "fonte de energia" aos tecidos. A glicémia é a taxa de glucose existente no sangue, e o seu nível é em geral mantido

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF

Cetoacidose Diabética. Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Cetoacidose Diabética Prof. Gilberto Perez Cardoso Titular de Medicina Interna UFF Complicações Agudas do Diabetes Mellitus Cetoacidose diabética: 1 a 5% dos casos de DM1 Mortalidade de 5% Coma hiperglicêmico

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos

27/08/2014. Carboidratos. Monossacarídeos. Introdução. Classificação (quanto ao número de monômeros) Carboidratos Introdução CARBOIDRATOS Outras denominações: - Hidratos de carbono - Glicídios, glícides ou glucídios - Açúcares. Ocorrência e funções gerais: São amplamente distribuídos nas plantas e nos animais, onde

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO A concentração de glicose no sangue está sempre sendo regulada A glicose é mantida em uma faixa de 60 a 90 g/100ml de sangue (~4,5mM) Homeostase da glicose Necessidade

Leia mais

PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA. Prof. Hélder Mauad

PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA. Prof. Hélder Mauad PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA Prof. Hélder Mauad PÂNCREAS SOMATOSTATINA ENDÓCRINO A somatostatina é classificada como um hormônio inibitório, cujas principais ações Além são: da

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula

METABOLISMO. - ATP é a moeda energética da célula INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO ESTRATÉGIAS DO METABOLISMO - ATP é a moeda energética da célula - ATP é gerado pela oxidação de moléculas de alimento: * as macromoléculas da dieta são quebradas até suas unidades

Leia mais

Diabetes Mellitus Tipo 1

Diabetes Mellitus Tipo 1 Diabetes Mellitus Tipo 1 Doença decorrente do mal funcionamento das células β do pâncreas, que são produtoras do hormônio insulina. Este tem a função de colocar a glicose sanguínea dentro das células.

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Caracteriza-se pela DESTRUIÇÃO das cel s beta, c/ PERDA PROGRESSIVA e eventualmente COMPLETA da secreção de INSULINA.

DIABETES MELLITUS. Caracteriza-se pela DESTRUIÇÃO das cel s beta, c/ PERDA PROGRESSIVA e eventualmente COMPLETA da secreção de INSULINA. DIABETES MELLITUS Ilhotas de Langerhans: cél s alfa que secretam glucagon horm hiperglicemiante; E as cél s beta que secretam insulina horm hipoglicemiante; Glicose para o sg entra dentro das células (PELO

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DA DIABETES MELLITUS. Maria Cristina Marques Lab. Fisiopatologia da FFUL

FISIOPATOLOGIA DA DIABETES MELLITUS. Maria Cristina Marques Lab. Fisiopatologia da FFUL FISIOPATOLOGIA DA DIABETES MELLITUS Maria Cristina Marques Lab. Fisiopatologia da FFUL DIABETES MELLITUS Doença metabólica crónica, caracterizada por uma Hiperglicémia. Pode provocar a longo prazo lesões

Leia mais

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia

Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia Texto de apoio ao curso de especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Manual Merck Seção 13 - Distúrbios Hormonais Capítulo 148 - Hipoglicemia A hipoglicemia é um distúrbio

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

As análises clínicas em Cuidados farmacêuticos

As análises clínicas em Cuidados farmacêuticos As análises clínicas em Cuidados farmacêuticos Caso clínico Manuel António, de 44 anos, apresenta o seguinte perfil de resultados laboratoriais, obtido em exame de rotina Glucose Ureia Creatinina Ácido

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

FISIOPATOLOGIA DO DIABETES E SINDROME METABÓLICA. Prof. Dr. Emerson S. Lima Universidade Federal do Amazonas-UFAM Disciplina de Bioquímica Metabólica

FISIOPATOLOGIA DO DIABETES E SINDROME METABÓLICA. Prof. Dr. Emerson S. Lima Universidade Federal do Amazonas-UFAM Disciplina de Bioquímica Metabólica FISIOPATOLOGIA DO DIABETES E SINDROME METABÓLICA Prof. Dr. Emerson S. Lima Universidade Federal do Amazonas-UFAM Disciplina de Bioquímica Metabólica 1 BREVE REVISAO SOBRE CARBOIDRATOS MONOSSACARÍDEOS FUNÇÃO

Leia mais

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia).

à diabetes? As complicações resultam da de açúcar no sangue. São frequentes e graves podendo (hiperglicemia). diabetes Quando Acidente a glicemia vascular (glicose cerebral no sangue) (tromboses), sobe, o pâncreas uma das principais O que Quais é a diabetes? as complicações associadas à diabetes? produz causas

Leia mais

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin

SISTEMA ENDÓCRINO. Prof. Diego Ceolin SISTEMA ENDÓCRINO Prof. Diego Ceolin INTRODUÇÃO Função: Atua juntamente com o sistema nervoso para o equilíbrio corporal ( Homeostase ) HOMEOSTASE Tendência permanente do organismo manter a constância

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo:

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo: O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2 ALVIN. Fabiano A. Folgate Resumo: O objetivo do trabalho foi analisar o beneficio do exercício físico no individuo diabético tipo 2, tratando

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans

Diabetes. Fisiopatologia e Farmacoterapia II. Introdução. Insulina 12/02/2012. Introdução Ilhotas de Langerhans Diabetes Fisiopatologia e Farmacoterapia II Profa. Ms. Renata Fontes Introdução Pâncreas: Glândula localizada atrás da parte baixa do estômago Introdução Ilhotas de Langerhans Porção endócrina do pâncreas

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Disciplina: Biologia

Lista de Exercícios. Aluno(a): Nº. Pré Universitário Uni-Anhanguera. Disciplina: Biologia Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 2 Ano Disciplina: Biologia 1) (Fuvest-1998) Uma jovem que sempre foi saudável chegou a um hospital em estado

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127

DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 DIABETES MELLITUS ( DM ) Autor: Dr. Mauro Antonio Czepielewski www.abcdasaude.com.br/artigo.php?127 Sinônimos: Diabetes, hiperglicemia Nomes populares: Açúcar no sangue, aumento de açúcar. O que é? Doença

Leia mais

Diabetes: diagnóstico e clínica

Diabetes: diagnóstico e clínica Diabetes: diagnóstico e clínica J. Vilela Gonçalves Unidade de Diabetes/HCIS 11º Curso Pos-Graduado/NEDO Luso, Junho 2010 Diabetes: classificação (sumária) Diabetes Mellitus tipo 1 Diabetes Mellitus tipo

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Dossier Diabetes Índice

Dossier Diabetes Índice Índice Diabetes Uma Epidemia Mundial em crescimento 02 O que é a Diabetes? 02 As causas da Diabetes 03 Tipos de Diabetes 03 A Diabetes Tipos 1 03 A Diabetes Tipo 2 03 A Diabetes Gestacional 04 Comparação

Leia mais

Diabetes Mellitus e Exercício

Diabetes Mellitus e Exercício Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prevalencia Diabetes mellitus (DM) is affecting more than 170 million people worldwide. The incidence

Leia mais

17/08/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

17/08/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Prevalência Mortalidade Disfunção da Modulação Autonômica

Leia mais

É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença.

É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença. PORTAL DA SAÚDE Diabetes É diabético ou está integrado num grupo de risco? Conheça os sintomas, os tipos e as complicações desta doença. Devidamente tratada, a diabetes não impede o doente de ter uma vida

Leia mais

Índice. 11 Introdução

Índice. 11 Introdução Índice 11 Introdução 15 CAPÍTULO 1: Perguntas e respostas sobre a diabetes tipo 2 15 O que é a diabetes? 16 O que é a insulina? 16 O que é a resistência à insulina? 17 O que significa ter pré diabetes?

Leia mais

Retinopatia Diabética

Retinopatia Diabética Retinopatia Diabética A diabetes mellitus é uma desordem metabólica crónica caracterizada pelo excesso de níveis de glicose no sangue. A causa da hiper glicemia (concentração de glicose igual ou superior

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL

10/09/2015. Glândula pineal. Hormônio Melatonina : produzido à noite, na ausência de luz. Crescimento; Regulação do sono; CONTROLE HORMONAL Glândulas endócrinas e tecidos que secretam hormônios; Coordena funções do organismo CONTROLE HORMONAL S. Nervoso + S. endócrino = Homeostase Mensageiros químicos; Atuam em um tecido ou órgão alvo específico;

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

O QUE SABE SOBRE A DIABETES?

O QUE SABE SOBRE A DIABETES? O QUE SABE SOBRE A DIABETES? 11 A 26 DE NOVEMBRO DE 2008 EXPOSIÇÃO PROMOVIDA PELO SERVIÇO DE MEDICINA INTERNA DO HOSPITAL DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO, EPE DIABETES MELLITUS É uma doença grave? Estou em

Leia mais

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia

Diagnóstico. Exame Laboratorial. Poliúria Polidpsia Polifagia Diabetes Mellitus É concebido por um conjunto de distúrbios metabólicos, caracterizado por hiperglicemia resultando de defeitos na secreção de insulina e/ou na sua atividade Report of Expert Committe on

Leia mais

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte:

1. Introdução. Digestão, Absorção e Transporte: 1. Introdução Todas as células do corpo necessitam de nutrição tendo este que lhe ser fornecido. O aparelho digestivo, com a colaboração importante do aparelho circulatório, forma como que uma refeição

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus Cadernos de Informação Científica Ano 7 nº 11 2012 Diabetes Mellitus C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a introdução O diabetes mellitus é um problema de importância crescente em

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho

FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II. Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho FUNDAMENTOS DE ENFERMAGEM II Nutrição Enteral Profª.Enfª:Darlene Carvalho NUTRIÇÃO ENTERAL INDICAÇÕES: Disfagia grave por obstrução ou disfunção da orofaringe ou do esôfago, como megaesôfago chagásico,

Leia mais

Instituto Superior Ciências da Saúde Norte

Instituto Superior Ciências da Saúde Norte Instituto Superior Ciências da Saúde Norte Trabalho Realizado por: Carlos Bernardo Nº 13567 2º Ano de Bioquímica No Âmbito da Cadeira de: Metodologias Experimentais e Tutoriais III Licenciatura em Bioquímica

Leia mais

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A CLIENTES COM DIABETES MELLITUS

ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A CLIENTES COM DIABETES MELLITUS UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM NÚCLEO 10 - NÚCLEO 10: CUIDADO DE ENFERMAGEM AO ADULTO E IDOSO EM SITUAÇÕES CRÔNICAS DE SAÚDE ASSISTÊNCIA

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

HIPOGLICEMIAS DEFINIÇÃO

HIPOGLICEMIAS DEFINIÇÃO HIPOGLICEMIAS DEFINIÇÃO Condição clínico-laboratorial caracterizada pela Tríade de WHIPPLE: Níveis glicêmicos 45 mg/dl Sintomas e sinais compatíveis com hipoglicemia Reversão dos sintomas após administração

Leia mais

Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012

Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012 Bruno de Oliveira Fonseca Liga de Diabetes UNIUBE 11/06/2012 Síndrome caracterizada pela gestação associada à hiperglicemia, devido a um defeito absoluto ou relativo na secreção de insulina ou um defeito

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos

Diabetes mellitus em felinos Definição Diabetes mellitus em felinos Profa Mestre Leila Taranti (NAYA Endocrinologia&VESP/FESB) Diabetes mellitus é definido como hiperglicemia persistente causada pela relativa ou absoluta deficiência

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II

DIABETES MELLITUS. Curso de semiologia em Clínica Médica II DIABETES MELLITUS Curso de semiologia em Clínica Médica II Prof. Luiz Shiguero Matsubara Departamento de Clínica Médica, Faculdade de Medicina de Botucatu, u, UNESP 2008 DIABETES MELLITUS Síndrome clínica

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si

Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si Dia Mundial da Diabetes - 14 Novembro de 2012 Controle a diabetes antes que a diabetes o controle a si A função da insulina é fazer com o que o açúcar entre nas células do nosso corpo, para depois poder

Leia mais

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina

Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina Visão geral dos antidiabéticos orais tradicionais: secretagogos, inibidores da alfa-glicosidase e sensibilizadores de insulina INTRODUÇÃO O controle da hiperglicemia em longo prazo é essencial para a manutenção

Leia mais

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química

Nutrição Normal: Carboidratos. Histórico. Monossacarídeos. Características químicas Estrutura química Universidade de São Paulo Faculdade de Saúde Pública Departamento de Nutrição Nutrição Normal: Carboidratos Daniela Saes Sartorelli Histórico Principal fonte de energia utilizada pelos seres vivos. Seres

Leia mais

11/05/2015 INTER-RELAÇÕES METABÓLICAS INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO PRINCÍPIOS QUE GOVERNAM O METABOLISMO

11/05/2015 INTER-RELAÇÕES METABÓLICAS INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO PRINCÍPIOS QUE GOVERNAM O METABOLISMO INTER-RELAÇÕES METABÓLICAS Plano de Aula -Visão geral e principais mecanismos de regulação -Especificidade metabólica nos diferentes tecidos do organismo humano -Relações metabólicas entre tecidos nos

Leia mais

Epidemiologia DIABETES MELLITUS

Epidemiologia DIABETES MELLITUS Epidemiologia DIABETES MELLITUS 300 milhões / mundo ( 5,9% população adulta) / Brasil : > 10 milhões Aumento progressivo : Longevidade, Síndrome metabólica Mortalidade anual : 3,8 milhões AVC, IAM... Amputação

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano

SISTEMA DIGESTIVO. Ciências Naturais 9º ano SISTEMA DIGESTIVO Ciências Naturais 9º ano Digestão e Sistema Digestivo A digestão é o processo através do qual moléculas complexas dos alimentos são desdobradas, em moléculas mais simples que podem ser

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

Apoio à pessoa com diabetes Diabetes de A a Z

Apoio à pessoa com diabetes Diabetes de A a Z Apoio à pessoa com diabetes Diabetes de A a Z Tudo o que precisa de saber 1 ÍNDICE DE CONTEÚDOS 04 COMPREENDER A DIABETES TIPO 2 Em que situações surge a diabetes tipo 2? Quais as principais causas? Quais

Leia mais

CARBOIDRATOS. Prof. Esp. Manoel Costa Neto

CARBOIDRATOS. Prof. Esp. Manoel Costa Neto CARBOIDRATOS Prof. Esp. Manoel Costa Neto OBJETIVOS Definição e classificação; Funções dos carboidratos no organismo; Digestão, absorção e transporte de seus derivados no plasma; Descrição de vias metabólicas

Leia mais

Pâncreas. Glucagon. Insulina

Pâncreas. Glucagon. Insulina Diabetes Mellitus Pâncreas Pâncreas Glucagon Insulina Insulina Proteína composta de 2 cadeias de aminoácidos Seqüência de aa semelhante entre as espécies domésticas e humana Absorção de glicose glicemia

Leia mais

Concentração no local do receptor

Concentração no local do receptor FARMACOCINÉTICA FARMACOCINÉTICA O que o organismo faz sobre a droga. FARMACODINÂMICA O que a droga faz no organismo. RELAÇÕES ENTRE FARMACOCINÉTICA E FARMACODINÂMICA DROGA ORGANISMO FARMACOCINÉTICA Vias

Leia mais

Diabetes. Introdução. Sintomas

Diabetes. Introdução. Sintomas Diabetes Introdução A diabetes desenvolve-se quando o organismo não consegue controlar a quantidade de glicose (açúcar) no sangue. Isto pode acontecer se o corpo não produzir quantidades suficientes da

Leia mais

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH

CAD. choque! CAD. Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br. hiperglicemia - + H + glicose. glucagon. catecolaminas cortisol GH Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br hiperglicemia CAD acidose cetose neoglicogênese glicogenólise + amino ácidos insulina insuficiente suspensão da insulina resistência insulínica deficiência

Leia mais

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br

Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo. sgrillo.ita@ftc.br Dra. Kátia R. P. de Araújo Sgrillo sgrillo.ita@ftc.br Lipídeos são compostos guardados em grandes quantidades como triglicerídeos neutros e representam 90% da dieta. São altamente insolúveis, podendo ser

Leia mais

GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE

GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA GH EM NEONATOLOGIA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE Nice Testa Rezende HIPOGLICEMIA NEONATAL DOENÇA DA HIPÓFISE INSUFICIÊNICA ADRENAL PRIMÁRIA HIPERINSULINISMO DOENÇA METABÓLICA HIPOGLICEMIA NEONATAL HIPOPITUITARISMO OU DEFICIÊNCIA ISOLADA DE GH 1 DOENÇA

Leia mais

BIOQUÍMICA NO DIAGNÓSTICO CLÍNICO: PARÂMETROS MAIS RELEVANTES

BIOQUÍMICA NO DIAGNÓSTICO CLÍNICO: PARÂMETROS MAIS RELEVANTES BIOQUÍMICA NO DIAGNÓSTICO CLÍNICO: PARÂMETROS MAIS RELEVANTES 1. COLHEITA DE SANGUE Conforme o fim a que se destina, o sangue pode ser recolhido para um tubo com um anticoagulante, como a heparina, ou

Leia mais

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti

Bioenergética. Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Bioenergética Profa. Kalyne de Menezes Bezerra Cavalcanti Natal/RN Fevereiro de 2011 Substratos para o exercício O corpo utiliza nutrientes carboidratos, gorduras e proteínas consumidos diariamente para

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Diabetes e Gravidez. Profª. Keyla Ruzi

Diabetes e Gravidez. Profª. Keyla Ruzi Profª. Keyla Ruzi Bibliografia: Obstetrícia Fundamental Rezende 12ª.ed Ginecologia e Obstetrícia SOGIMIG 3ª ed. Guias de Medicina Ambulatorial e Hospitalar UNIFESP Zugaib Obstetrícia 2ª edição. Programa

Leia mais

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo

Sistema endócrino + Sistema nervoso. integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Sistema endócrino + Sistema nervoso integração e controle das funções do organismo Sistema endócrino Conjunto de glândulas endócrinas que secretam hormônio Relembrando Glândulas que liberam

Leia mais

Glicídeos 6/1/2012. Transtornos do Metabolismo Energético. Classificação dos carboidratos. Classificação dos carboidratos CARBOIDRATOS

Glicídeos 6/1/2012. Transtornos do Metabolismo Energético. Classificação dos carboidratos. Classificação dos carboidratos CARBOIDRATOS Classificação dos carboidratos Transtornos do Metabolismo Energético Monossacarídeos Glicídeos Professora: Renata Fontes Medicina Veterinária Período: 3 o CARBOIDRATOS Conhecidos como glicídios ou açúcares

Leia mais