Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada"

Transcrição

1 Programa de Educação Continuada Diabetes Mellitus na Clínica Diária: 5 do controle dos fatores de risco à prevenção das complicações crônicas Bases para insulinização plena no paciente com Diabetes Mellitus Dr. Balduino Tschiedel CRM-RS 7.953

2 Esta é uma publicação Direção executiva e comercial: Silvio Araujo André Araujo Coordenação editorial: Roberta Monteiro Contatos: São Paulo (11) Rio de Janeiro (21) É proibida a duplicação ou reprodução deste volume, no todo ou em parte, sob quaisquer formas ou por quaisquer meios (eletrônicos, mecânico, gravação, fotocópia, distribuição na internet e outros), sem permissão expressa da editora. Todo o desenvolvimento, fotos e imagens utilizadas nesta publicação são de responsabilidade dos seus autores, não refletindo necessariamente a posição da editora nem do laboratório Sanofi Aventis, que apenas patrocina sua distribuição à classe médica. Esta publicação contém publicidade de medicamentos sujeitos a prescrição, sendo destinada exclusivamente a profissionais habilitados a prescrever, nos termos da Resolução RDC Anvisa nº 96/ AC Farmacêutica LTDA. Todos os direitos reservados.

3 Diabetes Mellitus na Clínica Diária: do controle dos fatores de risco à prevenção das complicações crônicas 5 Dr. Balduino Tschiedel CRM-RS Médico endocrinologista, Diretor-Presidente do Instituto da Criança com Diabetes, Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, RS. Mestre em Genética pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. O Programa de Educação Continuada em Diabetes Mellitus na Clínica Diária: do controle dos fatores de risco à prevenção das complicações crônicas, é uma publicação cadastrada na Comissão Nacional de Acreditação (CNA), sob o número nas especialidades de Endocrinologia, Clínica Geral e Cardiologia, pontuadas com 7,5 pontos. Os médicos que acertarem 70% ou mais nos testes apresentados, somando-se todos os fascículos, estarão aptos a receber os créditos anunciados. Após o estudo do conteúdo deste fascículo, você deverá realizar a avaliação de desempenho online disponível no site

4 Bases para insulinização plena no paciente com Diabetes Mellitus 05 Introdução 06 Quando iniciar insulinização plena 06 Calculando necessidade de insulina basal e prandial 07 Esquemas de insulinização no Diabetes Mellitus 07 Insulinas basais disponíveis: discutindo os diferentes agentes 08 Benefício da insulina ultrarrápida versus regular 09 Minimizando as complicações da insulinoterapia 09 Caso clínico 11 Referências bibliográficas 4

5 Bases para insulinização plena no paciente com Diabetes Mellitus Objetivos do aprendizado Ao fim do capítulo, o leitor deverá ter conhecimento para implementar insulinização no paciente com diabetes tipo 2, desde a fase inicial da mesma, quando se utiliza apenas insulina basal com antidiabéticos orais, até uma fase mais avançada, quando se institui a insulinização plena (basal-bolus). Dr. Balduino Tschiedel CRM-RS Médico endocrinologista, Diretor-Presidente do Instituto da Criança com Diabetes, Grupo Hospitalar Conceição, Porto Alegre, RS. Mestre em Genética pela Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Introdução O Diabetes Mellitus é um importante problema de saúde pública no mundo, alcançando um número aproximado de 285 milhões de pessoas. Infelizmente, muitas delas ainda não sabem o diagnóstico e, quando sabem, demoram muito em tomar atitudes de mudança de hábitos de vida, e relutam também em tomar os medicamentos. A insulinização do paciente com diabetes é uma ferramenta poderosa para alcançar as metas terapêuticas, e não deve ser postergada. O último consenso da Associação Americana de Diabetes (ADA), em conjunto com a Associação Europeia para o Estudo do Diabetes (EASD), menciona a insulina como uma das escolhas mais precoces no tratamento do paciente com diabetes mellitus tipo 2 (DM2). Um dos problemas que têm sido detectados no tratamento do DM2, em nosso meio, é a demora em implementar o tratamento insulínico. Isso tem nos colocado em posição inferior no ranking dos países, em relação ao percentual de pacientes insulinizados. Os motivos para que isso ocorra são vários, entre os quais a crença populacional equivocada de que a insulina é uma medicação para pacientes em fase final da doença, e também a inércia médica em alterar tratamentos. Quanto à inércia médica, existe um estudo que mostrou, retrospectivamente, que os pacientes com DM2 permaneciam por 5 anos com A1c > 8% e por até 10 anos com A1c > 7%, antes que a insulina fosse introduzida. Em relação à crença da população de que a insulina é medicação para doente terminal, explica-se pelo fato de que, tradicionalmente, a insulina só era mesmo oferecida a pacientes já insulinopênicos, com comportamento metabólico semelhante ao diabetes mellitus tipo 1 (DM1), com muitos anos de doença e, por isso, já com complicações crônicas importantes e severas, como amaurose, amputação de membros inferiores e insuficiência renal crônica em fase de diálise. Entretanto, com a introdução precoce do tratamento insulínico, e a consequente melhora metabólica, tais complicações podem e devem ser cada vez mais postergadas, ou mesmo evitadas. A insulina foi descoberta em 1921, tendo sido utilizada pela primeira vez em humanos em Desde então todos os pacientes, com DM1 ou DM2, beneficiaramse dessa fantástica descoberta. Apenas na década de 1950 começaram a ser 5

6 Pontos-chave O último consenso da Associação Americana de Diabetes (ADA), em conjunto com a Associação Europeia para o Estudo do Diabetes (EASD), menciona a insulina como uma das escolhas mais precoces no tratamento do paciente com diabetes mellitus tipo 2 (DM2). Um dos problemas que têm sido detectados no tratamento do DM2, em nosso meio, é a demora em implementar o tratamento insulínico. Sabendo-se que o DM2 é uma doença progressiva, é de se esperar que o controle metabólico medido pela hemoglobina glicada (A1c) vá se deteriorando com o tempo, a despeito da adesão ao tratamento que o paciente venha utilizando. Por isso, em pacientes que já venham fazendo uso de insulinização parcial (insulina ao deitar associada a antidiabéticos orais), na medida em que a hemoglobina glicada for deixando de atingir a meta (A1c < 7,0%), deve-se iniciar a insulinização plena. fabricados os antidiabéticos orais, quando então os pacientes com DM2 passaram a utilizá-los. Hoje, com o surgimento dos análogos de insulina, que mimetizam com maior propriedade a fisiologia pancreática no que diz respeito à liberação insulínica, o arsenal terapêutico disponível para o tratamento do paciente com DM2 é bastante amplo, e vários mecanismos fisiopatológicos do diabetes podem ser atingidos com as diversas terapêuticas existentes. Entretanto, cada vez mais a insulina firma-se como o medicamento que pode alcançar as metas terapêuticas preconizadas, em qualquer grau de descompensação que esteja o paciente. Quando iniciar insulinização plena Sabendo-se que o DM2 é uma doença progressiva, é de se esperar que o controle metabólico medido pela hemoglobina glicada (A1c) vá se deteriorando com o tempo, a despeito da adesão ao tratamento que o paciente venha utilizando. Por isso, em pacientes que já venham fazendo uso de insulinização parcial (insulina ao deitar associada a antidiabéticos orais), na medida em que a hemoglobina glicada for deixando de atingir a meta (A1c < 7,0%), deve-se iniciar a insulinização plena. Outro motivo, agora clínico, que pode ou não estar associado à deterioração da A1c (recordemos que a A1c é parâmetro de controle crônico, e não agudo) é o rápido emagrecimento do paciente, quando fica claro que um quadro de catabolismo, por ausência de insulina, está se estabelecendo. Pacientes nesse estágio têm um comportamento metabólico semelhante ao do paciente com DM1, e portanto deverão fazer automonitoração da glicemia mais vezes ao dia, de forma a poderem utilizar corretamente as doses de insulina basal e prandial. Quando se intensifica a insulinização, suspendem-se as doses de secretagogos orais de insulina, como as sulfonilureias e as glinidas, mas mantém-se a metformina, desde que não haja contraindicação formal, como insuficiência renal ou hepática. De forma resumida, existe indicação de insulinização em pacientes com DM2 muito descompensados, em estado de catabolismo, definido como glicemia de jejum > 250mg/dl, glicemias casuais > 300mg/dl, A1c > 10%, ou presença de cetonúria ou cetonemia e diabetes sintomático (poliúria, polidipsia, polifagia e emagrecimento). Calculando necessidade de insulina basal e prandial Tendo em vista que o paciente com diabetes tipo 2, em geral, é obeso ou apresenta sobrepeso, a resistência insulínica encontrada nesses casos responde por uma necessidade maior de insulina que um paciente com diabetes tipo 1, onde o quadro de resistência insulínica não é tão acentuado. Temos verificado uma tendência generalizada nas prescrições médicas, no Brasil, de valores mais elevados de insulina basal em relação à insulina prandial. Entretanto, quando o paciente com DM2 necessita de insulinização plena, ele deverá utilizar uma proporção de até 50/50 na relação insulina basal/prandial. Evidentemente, cada caso é peculiar e, para sabermos se as doses de insulina prandial estão adequadas, deveremos fazer monitorização glicêmica 2 horas pós-prandial. Se os níveis glicêmicos estiverem dentro do recomendado (até 180mg/dl, conforme resultado da glicemia capilar), isso significa que a dose de insulina prandial está dentro do recomendado, pelo menos para aquela refeição monitorada. Fazendo-se o mesmo para as outras refeições, verifica-se então a necessidade de insulina prandial para aquele paciente. Em relação à insulina basal, se utilizarmos um análogo com ação de 24h, como a insulina glargina, faremos a verificação da correção da dose pela glicemia de jejum. 6

7 Esquemas de insulinização no diabetes mellitus O principal esquema recomendado para iniciar a insulinização em um paciente com DM2 é a administração de insulina ao deitar (bedtime), também podendo ser utilizada pela manhã. Nesse esquema inicia-se a insulina basal (NPH, glargina ou detemir), em dose de 10 U/dia, mantendo-se os antidiabéticos orais já em uso. Dois importantes estudos que tratam desse tema são o Treat-to-Target e o Lanmet. Ambos compararam insulina NPH à insulina glargina, associadas aos antidiabéticos orais, e mostraram ser perfeitamente factível o ajuste das doses de insulina pelo próprio paciente. Outro estudo, o Insight, comparou pacientes com DM2 inadequadamente controlados com antidiabéticos orais, randomizando-os em dois grupos: um em que se mantiveram os antidiabéticos orais e introduziu-se insulina glargina à noite, e outro em que se otimizou as doses dos antidiabéticos orais utilizados. A dose inicial da insulina glargina foi de 10 U, e a titulação foi feita de uma em uma unidade, diariamente, sempre que a glicemia de jejum fosse maior ou igual a 100mg/dl. Nesse estudo, 50% dos pacientes com insulina glargina atingiram a meta de A1c < 7%, contra 30% do grupo com antidiabéticos orais otimizados (p = 0,032), e resultados semelhantes foram obtidos em pacientes tratados quer por especialistas, quer por clínicos gerais. Esse estudo sugere que a introdução mais precoce da terapia insulínica alcança as metas metabólicas preconizadas pelas sociedades especializadas em diabetes em um maior número de pacientes, e que os pacientes podem autotitular as suas doses de insulina com facilidade, desde que sejam prescritas tabelas de fácil compreensão. Quando a insulinização inicial (insulina basal ao deitar associada aos antidiabéticos orais) não for mais suficiente para manter a A1c em níveis adequados ( 7%), ou a glicemia de jejum estiver controlada, mas a glicemia pós-prandial for consistentemente elevada, ou ocorrerem episódios de hipoglicemia inaceitavelmente frequentes ou graves durante a titulação da insulina basal, torna-se necessário intensificar a insulinização, o que significa entrar com uma insulina de ação rápida/ultrarrápida, associada à insulina basal, ou com uma insulina bifásica. Nesses casos, seria mais apropriado suspenderemse os secretagogos orais de insulina, mantendo-se a metformina. Um esquema interessante e prático é iniciar com insulina de ação ultrarrápida apenas na refeição principal, e continuar com a insulina basal e metformina. A refeição principal é considerada aquela responsável por provocar a maior elevação da glicemia pós-prandial ou a maior elevação da glicemia pré-refeição posterior. A dose de insulina ultrarrápida a ser introduzida pode ser de 4 a 5 U, inicialmente, ou 0,05 U/kg/dia, alterando-se a dose em 1 a 3 U conforme a glicemia pós-prandial for superior a 140. Esse esquema, que pode ser denominado de basal-plus, resultou em melhora significativa do controle glicêmico, medido pela A1c e glicemia de jejum, sem aumento das taxas de hipoglicemia. Pontos-chave Tendo em vista que o paciente com diabetes tipo 2, em geral, é obeso ou apresenta sobrepeso, a resistência insulínica encontrada nesses casos responde por uma necessidade maior de insulina que um paciente com diabetes tipo 1, onde o quadro de resistência insulínica não é tão acentuado. O principal esquema recomendado para iniciar a insulinização em um paciente com DM2 é a administração de insulina ao deitar (bedtime), também podendo ser utilizada pela manhã. Nesse esquema inicia-se a insulina basal (NPH, glargina ou detemir), em dose de 10 U/dia, mantendo-se os antidiabéticos orais já em uso. Insulinas basais disponíveis: discutindo os diferentes agentes No Brasil, existem dois análogos de ação prolongada (basais) disponíveis no mercado: a insulina glargina (Lantus ) e a insulina detemir (Levemir ). Esses análogos apresentam uma ação prolongada (de até 24 horas na insulina glargina e de até 20 horas na insulina detemir), praticamente sem pico de ação, e simulam a secreção basal normal de insulina, permitindo uma maior flexibilidade e praticidade no tratamento do indivíduo com diabetes. A outra insulina basal disponível é a insulina NPH humana, que tem duração entre 13 e 16h, com pico de ação entre 5 a 7h, sendo classificada como uma insulina de ação intermediária. A principal vantagem do uso dos análogos de ação prolongada (glargina ou detemir), em relação à insulina NPH em indivíduos com DM2, tem sido a ocorrência significativamente menor dos episódios hipoglicêmicos. 7

8 Pontos-chave Quando a insulinização inicial (insulina basal ao deitar associada aos antidiabéticos orais) não for mais suficiente para manter a A1c em níveis adequados ( 7%), torna-se necessário intensificar a insulinização, o que significa entrar com uma insulina de ação rápida/ultrarrápida, associada à insulina basal, ou com uma insulina bifásica. Nesses casos, seria mais apropriado suspenderem-se os secretagogos orais de insulina, mantendose a metformina. Um esquema interessante e prático é iniciar com insulina de ação ultrarrápida apenas na refeição principal, e continuar com a insulina basal e metformina. Em um estudo comparando o uso de glimepirida associada à insulina glargina pela manhã ou ao deitar, ou associada à insulina NPH ao deitar, em 695 indivíduos com DM2, houve uma redução de 1,24% dos níveis de hemoglobina glicada (A1c), com a administração da insulina glargina pela manhã e de 0,96% ao deitar, e 0,84% com a administração da insulina NPH ao deitar, sendo essa redução maior com o uso da insulina glargina pela manhã do que ao deitar (p=0,008) e do que usando NPH ao deitar (p=0,001). Além disso, os episódios de hipoglicemia noturna foram menos frequentes com administração da insulina glargina pela manhã (17%) e ao deitar (23%) do que com a insulina NPH ao deitar (38%, p<0,001). Em metanálise, comparando o uso da insulina glargina à insulina NPH humana em indivíduos com DM2, foram avaliados indivíduos com insulina glargina e com insulina NPH. A proporção de indivíduos que alcançaram o alvo terapêutico (A1c menor ou igual a 7%) foi similar em ambos os grupos (30,8% versus 32,1%, respectivamente). Entretanto, houve uma redução importante no risco de hipoglicemia sintomática (11%, p=0,0006) e noturna (26%, p<0,0001) no grupo glargina. O risco de hipoglicemia grave e, em especial, de hipoglicemia noturna grave, foi reduzido com a insulina glargina em 46% (p=0,0442) e 59% (p=0,0231), respectivamente. Em recente comparação do uso de insulina glargina com insulina detemir, usando um regime basal-bolus em 385 pacientes com DM2, foi encontrado que ambas as insulinas, detemir e glargina, foram eficazes e seguras, ocorrendo reduções clinicamente significativas da A1c em ambos os grupos, mas um número maior de pacientes atingiu A1c < 7% sem hipoglicemia com a insulina glargina (56% vs 41%). Em outro estudo, 973 pacientes com controle inadequado do DM2 utilizando apenas drogas orais, incluindo metformina, foram randomizados para insulina glargina uma vez ao dia ou insulina detemir duas vezes ao dia, com doses sistematicamente tituladas. Em 27,5% dos pacientes com insulina glargina e em 25,6% dos com insulina detemir, níveis de A1c < 7% foram atingidos, porém as doses de insulina utilizadas foram menores com insulina glargina do que com a insulina detemir (43,5±29,0 vs 76,5±50,5 U/dia, p<0,001). Benefício da insulina ultrarrápida versus regular Em revisão sistemática da Cochrane, publicada em 2006, inserindo o termo análogos de insulina, é possível detectar vários estudos comparando o tratamento intensivo com o uso de insulina NPH e regular ou análogos de ação ultrarrápida e prolongada e a ocorrência de hipoglicemia tanto em pacientes com DM1 ou DM2. Apesar da heterogeneidade (número de participantes, tempo de duração do acompanhamento e critérios de definição de hipoglicemia < 60mg/dl ou < 70mg/ dl, p<0,001) entre os estudos com pacientes com DM2, a diferença média dos eventos hipoglicêmicos totais foi de -0,2 episódios/paciente/mês (IC 95% -0,5 a 1,0), a heterogeneidade entre os estudos não significativa (p=0,80) e a incidência dos episódios de hipoglicemia grave foi de 0 a 30,3 (mediana 0,3) episódios/100 indivíduos/ano para os análogos e 0 a 50,4 (mediana 1,4) episódios/100 indivíduos/ ano para insulina regular. Em estudo com pacientes com DM2 descompensados ao diagnóstico, que comparou o uso da insulina NPH ao deitar associada à insulina regular antes das refeições com NPH e lispro nos mesmos horários, o uso do análogo ultrarrápido demonstrou ser superior em alcançar o controle metabólico, com supressão da secreção de glucagon e redução da glicotoxicidade. Em outro estudo comparando diretamente os análogos lispro e asparte, foi demonstrado que ambas são igualmente eficazes no controle das excursões glicêmicas pós-prandiais. A administração dos análogos ultrarrápidos (lispro, asparte 8

9 e glulisina) até 15 minutos após a refeição é tão ou mais eficaz no controle da hiperglicemia pós-prandial que a aplicação de insulina regular antes das refeições. Uma maior previsibilidade de ação e menor variação glicêmica com o uso desses análogos também têm sido descritas em pacientes com DM2. O uso das insulinas bifásicas (pré-misturas) pode ser recomendado para aqueles pacientes com DM2 com maior dificuldade em assimilar o esquema basal-bolus. Alguns estudos têm demonstrado que as pré-misturas de análogos de insulina são mais eficazes na redução da hiperglicemia pós-prandial do que as pré-misturas contendo insulina NPH e regular, embora não promovam uma diminuição significativamente diferente dos níveis de A1c. Minimizando as complicações da insulinoterapia As complicações da insulinoterapia são principalmente o ganho de peso e as hipoglicemias. As hipoglicemias, que são o grande fator limitante no tratamento do DM, podem ser diminuídas em indivíduos com DM2, principalmente os episódios noturnos, através do uso de análogos de ação ultrarrápida e prolongada. Em um estudo realizado em 10 países latino-americanos com 481 pacientes com DM2, para avaliar a eficácia e segurança da insulina glargina ao deitar, em comparação com a NPH no mesmo horário, combinada a uma dose fixa de 4mg de glimepirida ao dia, encontrou-se uma frequência menor de hipoglicemia noturna com o uso da glargina (16,9% vs 30%, p<0,01), bem como maior percentual de pacientes com níveis de A1c < 7%, sem episódios de hipoglicemia (27% vs 17%, p<0,014). O uso de canetas de aplicação de insulina, embora ainda utilizem agulhas, tem favorecido a adesão dos pacientes à insulinoterapia, por tirarem o estigma da seringa, e serem mais fáceis de manusear. Caso Clínico A.M.F., 58 anos, feminina, natural e procedente de Porto Alegre Paciente com diagnóstico de DM2 aos 45 anos, com história familiar de DM2. Na época do diagnóstico, obesa, com IMC 32, iniciou tratamento com dieta, atividade física e metformina 850mg/dia, 2x/dia. Posteriormente foi aumentada a dose da metformina para 1g 2x/dia, com o que sua A1c baixou de 8 para 6,6%. Entretanto, um ano após, sua A1c voltou a subir (8,2%), tendo sido iniciada glimepirida 4mg/dia, e a A1c retornou a níveis ótimos (6,8%). Na evolução, veio bem controlada por 5 anos, quando o controle metabólico voltou a deteriorar-se progressivamente (A1c 8,9%). Apresentava, então, sinais de insulinopenia (poliúria e polidipsia), quando foi indicado o uso de insulina NPH ao deitar (10U), que foi sendo titulada para obter uma glicemia de jejum em torno de 100 a 130mg%, e A1c < 7%. Durante os últimos 4 anos, a paciente manteve-se com bom controle metabólico; no entanto, há 4 meses, houve aumento dos níveis da A1c (8,9%), apesar dos esforços da paciente para realizar atividade física e seguir o plano alimentar balanceado. Foi então dividida a dose da insulina em 2 aplicações diárias e solicitado retorno para reavaliação. No controle, a paciente apresentou níveis glicêmicos pós-prandiais elevados, necessitando da insulina de ação ultrarrápida (glulisina) antes das principais refeições e sendo suspensa a glimepirida. A paciente obteve melhora do controle metabólico, porém na madrugada apresentou diversos episódios de hipoglicemia. Além disso, relatou que apresentou um episódio de confusão mental durante a tarde, sendo então sugerido o uso do análogo de ação prolongada, a insulina glargina, em substituição à insulina NPH. A metformina foi Pontos-chave No Brasil, existem dois análogos de ação prolongada (basais) disponíveis no mercado: a insulina glargina (Lantus ) e a insulina detemir (Levemir ). Esses análogos apresentam uma ação prolongada (de até 24 horas na insulina glargina e de até 20 horas na insulina detemir), praticamente sem pico de ação, e simulam a secreção basal normal de insulina, permitindo uma maior flexibilidade e praticidade no tratamento do indivíduo com diabetes. A principal vantagem do uso dos análogos de ação prolongada (glargina ou detemir) em relação à insulina NPH em indivíduos com DM2, tem sido a ocorrência significativamente menor dos episódios hipoglicêmicos. A administração dos análogos ultrarrápidos (lispro, asparte e glulisina) até 15 minutos após a refeição é tão ou mais eficaz no controle da hiperglicemia pósprandial que a aplicação de insulina regular antes das refeições. 9

10 Pontos-chave As complicações da insulinoterapia são principalmente o ganho de peso e as hipoglicemias. As hipoglicemias, que são o grande fator limitante no tratamento do DM, podem ser diminuídas em indivíduos com DM2, principalmente os episódios noturnos, através do uso de análogos de ação ultrarrápida e prolongada. mantida durante todo o tratamento. Com esse tratamento (insulina glargina, insulina glulisina e metformina), a paciente apresentou redução dos níveis de glicemia de jejum, pré e pós prandiais e hemoglobina glicada (atingindo 6,9%), e não apresentou mais episódios de hipoglicemia moderados ou graves. O uso de canetas de aplicação de insulina, embora ainda utilizem agulhas, tem favorecido a adesão dos pacientes à insulinoterapia, por tirarem o estigma da seringa, e serem mais fáceis de manusear. 10

11 Referências bibliográficas 1. Alberti G, et al. Type 2 diabetes in the young: the evolving epidemic: the international diabetes federation consensus workshop. Diabetes Care Jul;27(7): Intensive blood-glucose control with sulphonylureas or insulin compared with conventional treatment and risk of complications in patients with type 2 diabetes (UKPDS 33). UK Prospective Diabetes Study (UKPDS) Group. Lancet Sep 12;352(9131): Tight blood pressure control and risk of macrovascular and microvascular complications in type 2 diabetes: UKPDS 38. UK Prospective Diabetes Study Group. Bmj Sep 12;317(7160): Nathan DM, Buse JB, Davidson MB, Heine RJ, Holman RR, Sherwin R, et al. Management of hyperglycemia in type 2 diabetes: A consensus algorithm for the initiation and adjustment of therapy: a consensus statement from the American Diabetes Association and the European Association for the Study of Diabetes. Diabetes Care Aug;29(8): Riddle MC, Rosenstock J, Gerich J. The treat-to-target trial: randomized addition of glargine or human NPH insulin to oral therapy of type 2 diabetic patients. Diabetes Care Nov;26(11): Yki-Jarvinen H, Kauppinen-Makelin R, Tiikkainen M, Vahatalo M, Virtamo H, Nikkila K, et al. Insulin glargine or NPH combined with metformin in type 2 diabetes: the LANMET study. Diabetologia Mar;49(3): Yki-Jarvinen H, Juurinen L, Alvarsson M, Bystedt T, Caldwell I, Davies M, et al. Initiate Insulin by Aggressive Titration and Education (INITIATE): a randomized study to compare initiation of insulin combination therapy in type 2 diabetic patients individually and in groups. Diabetes Care Jun;30(6): Kennedy L, Herman WH, Strange P, Harris A. Impact of active versus usual algorithmic titration of basal insulin and point-of-care versus laboratory measurement of HbA1c on glycemic control in patients with type 2 diabetes: the Glycemic Optimization with Algorithms and Labs at Point of Care (GOAL A1C) trial. Diabetes Care Jan;29(1): Rosenstock J, Park G, Zimmerman J. Basal insulin glargine (HOE 901) versus NPH insulin in patients with type 1 diabetes on multiple daily insulin regimens. U.S. Insulin Glargine (HOE 901) Type 1 Diabetes Investigator Group. Diabetes Care Aug;23(8): Haak T, Tiengo A, Draeger E, Suntum M, Waldhausl W. Lower within-subject variability of fasting blood glucose and reduced weight gain with insulin detemir compared to NPH insulin in patients with type 2 diabetes. Diabetes Obes Metab Jan;7(1): Eliaschewitz FG, Calvo C, Valbuena H, Ruiz M, Aschner P, Villena J et al. Therapy in type 2 diabetes: insulin glargine vs NPH insulin both in combination with glimepiride. Arch Med Res 2006 May; 37(4): Gerstein HC et al. Diabet Med 2006; 23 (7):

12 Como responder as perguntas: Este fascículo está vinculado a uma prova online com 10 questões de múltipla escolha. Para ter acesso à prova, acesse o site: clique em Programas de Educação Continuada e automaticamente haverá um redirecionamento para cadastramento e realização da prova. Lembrando: Para a obtenção da pontuação total de 7,5 pontos, o participante deve acertar 70% ou mais nos testes apresentados, somando-se todos os fascículos do Programa de Educação Médica Continuada. Anotações 12

13 13

14 14

15

16 Produzido Ago BR-GLA Material Produzido Setembro/2011

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada

Programa de Educação Médica Continuada em Diabetes. Programa de Educação Continuada Programa de Educação Continuada Diabetes Mellitus na Clínica Diária: 4 do controle dos fatores de risco à prevenção das complicações crônicas Insulinização basal no Tratamento do Diabetes Mellitus tipo

Leia mais

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter

24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter 2013 Norte 24 de Outubro 5ª feira insulinoterapia Curso Prático Televoter António Pedro Machado Simões-Pereira Descoberta da insulina Insulina protamina Insulina lenta Lispro - análogo de acção curta Glulisina

Leia mais

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP

Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP Protocolo para controle glicêmico em paciente não crítico HCFMUSP OBJETIVOS DE TRATAMENTO: Alvos glicêmicos: -Pré prandial: entre 100 e 140mg/dL -Pós prandial: < 180mg/dL -Evitar hipoglicemia Este protocolo

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus

TEMA: Uso de Insulina Humalog ou Novorapid (aspart) ou Apidra (glulisina) no tratamento do diabetes mellitus NT 140/2014 Solicitante: Dr. Rodrigo Braga Ramos Juiz de Direito de Itamarandiba NUMERAÇÃO: 0325.14.000677-7 Data: 17/07/2014 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Uso de Insulina Humalog

Leia mais

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue

Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Paris, 07 de junho, de 2008 Estudo mostra que LANTUS ajudou pacientes com Diabetes Tipo 2 a atingirem a meta recomendada pela ADA para o controle de açúcar no sangue Novos dados apresentados na Annual

Leia mais

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014

Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS. Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Workshop em insulinoterapia CASOS CLÍNICOS Joana Guimarães e Márcia Alves 16 de Maio de 2014 Indicações para insulinoterapia Deficiência grave de insulina Doente magro ou normoponderal Longa duração da

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais

Insulinização em pacientes portadores de DM2

Insulinização em pacientes portadores de DM2 Insulinização em pacientes portadores de DM2 Especialista em Endocrinologia e Metabologia Médico do Núcleo de Telessaúde da UFMG Acadêmico:Henrique Gomes Mendes Bolsista da PROEX/UFMG 10 Período FM/UFMG

Leia mais

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 J. Vilela Gonçalves Unidade de Diabetes Hospital CUF Infante Santo 22º Curso NEDO, Viseu, Outubro 2012 Tratamento com Insulina Diabetes tipo 1 Diabetes gestacional (

Leia mais

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR

ESTADO DO PARANÁ Secretaria de Estado da Saúde SESA Instituto de Saúde do Paraná ISEP Centro de Medicamentos do Paraná - CEMEPAR PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE ANÁLOGOS DE INSULINAS DE LONGA DURAÇÃO (GLARGINA E LEVEMIR) E DE CURTA DURAÇÃO (ASPART E LISPRO) PARA ATENDIMENTO DO PACIENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

Suplemento Especial nº 4-2007. POSICIONAMENTO nº 4. Novas diretrizes da SBD para o controle glicêmico do diabetes tipo 2

Suplemento Especial nº 4-2007. POSICIONAMENTO nº 4. Novas diretrizes da SBD para o controle glicêmico do diabetes tipo 2 Suplemento Especial nº 4-2007 POSICIONAMENTO nº 4 Novas diretrizes da SBD para o controle glicêmico do diabetes tipo 2 NOVAS DIRETRIZES DA SBD PARA O CONTROLE GLICÊMICO DO DIABETES TIPO 2 Posicionamento

Leia mais

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

Médicos do Sistema Nacional de Saúde. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt)

Médicos do Sistema Nacional de Saúde. Departamento da Qualidade na Saúde (dqs@dgs.pt) NÚMERO: 025/2011 DATA: 29/09/2011 ATUALIZAÇÃO 27/01/2014 ASSUNTO: Insulinoterapia na Diabetes Mellitus tipo 2 PALAVRAS-CHAVE: Insulina PARA: Médicos do Sistema Nacional de Saúde CONTACTOS: Departamento

Leia mais

Médicos do Sistema Nacional de Saúde

Médicos do Sistema Nacional de Saúde EM AUDIÇÃO E TESTE DE APLICABILIDADE ATÉ 30 DE OUTUBRO DE 2011 NÚMERO: 025/2011 DATA: 29/09/2011 ASSUNTO: Insulinoterapia na Diabetes Mellitus tipo 2 PALAVRAS-CHAVE: Insulina PARA: Médicos do Sistema Nacional

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes

RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes RESPOSTA RÁPIDA 219/2014 Insulina Glargina (Lantus ) e tiras reagentes SOLICITANTE NÚMERO DO PROCESSO DATA SOLICITAÇÃO Dra. Herilene de Oliveira Andrade Juiza de Direito da Comarca de Itapecirica/MG Autos

Leia mais

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1

TEMA: Uso de Insulina Glargina no diabetes mellitus (DM) tipo 1 NT 85/2013 Solicitante: Dra JACQUELINE DE SOUZA TOLEDO E DUTRA Juíza de Direito do 2º JESP Unidade Jurisdicional do Juizado Especial da Comarca de Pouso Alegre Numeração: 0004266-19.2013.8.13.0525 Data:

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica

Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Diabetes Tipo 1 e Cirurgia em Idade Pediátrica Protocolo de atuação Importância do tema Cirurgia / pós-operatório -- risco de descompensação DM1: Hiperglicemia Causas: hormonas contra-reguladoras, fármacos,

Leia mais

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro

Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro 27/06/2014 NT 120/2014 Medicamento Material Procedimento Cobertura X Insulina glargina (Lantus ) para tratamento de diabetes + fitas de glicosímetro SOLICITANTE : Dra Herilene de Oliveira Andrade Juíza

Leia mais

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica

Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica Tratamento do Diabético com Doença Renal Crônica IV ENCONTRO NACIONAL DE PREVENÇÃO DA DOENÇA RENAL CRÔNICA Fortaleza - Ceará João Roberto de Sá Coordenador do Amb. Diabetes e Transplante - Centro de Diabetes

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA

SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DAS REGIÕES DE SAÚDE DIR-XIV-MARÍLIA Protocolo de normatização para a dispensação de análogos de insulina de longa duração (insulina glargina e detemir) e de

Leia mais

Qual o primeiro injetável no tratamento da Diabetes tipo 2: INSULINA. Dr. Maria Lopes Pereira Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga

Qual o primeiro injetável no tratamento da Diabetes tipo 2: INSULINA. Dr. Maria Lopes Pereira Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga Qual o primeiro injetável no tratamento da Diabetes tipo 2: INSULINA Dr. Maria Lopes Pereira Serviço de Endocrinologia Hospital de Braga Evidências Estudos demonstraram que mesmo com as doses máximas toleradas

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 26 de Abril Sexta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Francisco Azevedo Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª

Leia mais

Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto

Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto Profa. Dra. Maria Cristina Foss-Freitas Departamento de Clínica Médica Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto DM - Diagnóstico ADA - 2003 Normal Gj Alterada DM 100 126 OMS GTT oral - 75 g Intolerância

Leia mais

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE

PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE PROTOCOLO CLÍNICO PARA DISPENSAÇÃO DE INSUMOS PARA PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 1 NA REDE PÚBLICA DE SAÚDE SUMÁRIO I- Introdução II- Classificação III- Epidemiologia IV- Tratamento 4.1 Insulinas

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR

DESENVOLVIMENTO DE FLUXOGRAMA DO PRIMEIRO ATENDIMENTO A PACIENTES DIABETICOS TIPO 1 INSULINIZADOS NA 3ª REGIONAL DE SAÚDE DE PONTA GROSSA-PR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DESENVOLVIMENTO

Leia mais

INSULINOTERAPIA: Histórico

INSULINOTERAPIA: Histórico INSULINOTERAPIA: Histórico Egito antigo 2000 A.C. Areteu Capadócia, 2000 D.C. T. Willis Inglaterra, 1670 Chevreul 1815 Von Mering e Minkowinsky, 1889 P. Langehans 1869 Amon-Ra Banting e Best 1921 L. Thompson

Leia mais

CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE. Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus

CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE. Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus CONCEITOS BÁSICOS DE INSULINIZAÇÃO PARA A REDE PÚBLICA DE SAÚDE Aula 1: DM1: Diagnóstico, Metas de Tratamento e Esquema Basal-Bolus História Clínica BSR, 19 anos, sexo feminino. Diagnóstico de diabetes

Leia mais

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN

RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN RESPOSTARÁPIDA 36/2014 GALVUS MET, PIOTAZ, CANDESARTAN, LEVOID, ROSTATIN SOLICITANTE Dra MARCILENE DA CONCEIÇÃO MIRANDA NÚMERODOPROCESSO 0166.14.000132-1 (0001321-35.2014.8.13.0166) DATA 31/01/2014 SOLICITAÇÃO

Leia mais

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2

Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Presentation title Insulinoterapia na Diabetes tipo 2 Aspectos práticos Teresa Dias Serviço de Endocrinologia do HSM. Lisboa Lisboa, Fevereiro de 2012 Insulina Background Insulina Humana e Análogos de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARANÁ HOSPITAL DE CLÍNICAS DEPARTAMENTO DE PEDIATRIA UNIDADE DE ENDOCRINOLOGIA PEDIÁTRICA ELLEN CRISTINE LANGE DE LARA AVALIAÇÃO DA EFICÁCIA DA MUDANÇA DO ESQUEMA TERAPÊUTICO EM

Leia mais

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM. Paula Bogalho. S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo DIABETES TIPO 2 PREVALÊNCIA DIAGNÓSTICO E ABORDAGEM Paula Bogalho S. Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Hosp. Curry Cabral, Lisboa, 20.2.2010 Diabetes Crescimento nos países em desenvolvimento Diabetes

Leia mais

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS

BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS BOLETIM INFORMATIVO DO CIM-RS Insulina glargina no tratamento do diabete melito Introdução O diabete melito é uma doença crônica que apresenta uma alta prevalência mundial; acomete pacientes de todas as

Leia mais

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez).

O diabetes mellitus associado à gravidez pode ser classificado como: Diabetes gestacional (diagnosticado durante a gravidez). 1 DIABETES NA GRAVIDEZ 1 a edição: setembro/2008 Próxima revisão prevista para setembro/2010 O diabetes mellitus é doença metabólica crônica, caracterizada por hiperglicemia. É responsável por índices

Leia mais

REVISÃO SOBRE ANÁLOGOS DE INSULINA:

REVISÃO SOBRE ANÁLOGOS DE INSULINA: 2011 REVISÃO SOBRE ANÁLOGOS DE INSULINA: INDICAÇÕES E RECOMENDAÇÕES PARA A DISPONIBILIZAÇÃO PELOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE SAÚDE Posicionamento Oficial SBD nº 01/2011 Fevereiro de 2011 Índice - 3 - PREFÁCIO

Leia mais

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional

TIPOS: Diabetes tipo 1 Diabetes tipo 2 Diabetes secundária Diabetes gestacional INSULINOTERAPIA DIABETES MELLITUS: conjunto de síndromes metabólicas que cursam com hiperglicemia, decorrente de uma deficiência absoluta ou relativa de insulina. Alteração no metab do carboidrato, lipídios

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer

DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer DM Tipo 1 e Tipo 2: Principais abordagens terapêuticas e medicamentosas Marcio Krakauer Endocrinologista ADIABC Liga DM FMABC DOENÇA AUTO IMUNE DESTRUIÇÃO DA CÉLULA BETA INSULINOPENIA DM 1 Produção Normal

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

Diabetes Mellitus: Insulinoterapia

Diabetes Mellitus: Insulinoterapia Diabetes Mellitus: Insulinoterapia Elaboração Final: 11 de abril de 2005 Participante: Hissa MN Autoria: Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia O Projeto Diretrizes, iniciativa conjunta da

Leia mais

Artigo. de CARDIOLOGIA do RIO GRANDE DO SUL COMO E QUANDO USAR INSULINA NO PACIENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 2: O PAPEL DO CLÍNICO/CARDIOLOGISTA

Artigo. de CARDIOLOGIA do RIO GRANDE DO SUL COMO E QUANDO USAR INSULINA NO PACIENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 2: O PAPEL DO CLÍNICO/CARDIOLOGISTA Artigo REVISTA da SOCIEDADE de CARDIOLOGIA do RIO GRANDE DO SUL COMO E QUANDO USAR INSULINA NO PACIENTE COM DIABETES MELLITUS TIPO 2: O PAPEL DO CLÍNICO/CARDIOLOGISTA Karla F S de Melo Doutora em Medicina

Leia mais

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes

N o 36. Abril 2015. Insulina com duração de até 42 horas: nova opção para os insulinodependentes N o 36 Abril 2015 Centro de Farmacovigilância da UNIFAL-MG Site: www2.unifal-mg.edu.br/cefal Email: cefal@unifal-mg.edu.br Tel: (35) 3299-1273 Equipe editorial: prof. Dr. Ricardo Rascado; profa. Drª. Luciene

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 Norte 24 de Outubro Quinta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª hora 200

Leia mais

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças Paulo César Alves da Silva Hospital Infantil Joana de Gusmão Florianópolis-SC Florianópolis-SC Módulo de

Leia mais

Insulinoterapia em cães diabé4cos

Insulinoterapia em cães diabé4cos Insulinoterapia em cães diabé4cos Profa Dra Viviani De Marco (NAYA Endocrinologia&VESP/UNISA) Profa Mestre Leila TaranF (NAYA Endocrinologia&VESP/Fundação Municipal de Ensino Superior de Bragança Paulista)

Leia mais

Estudo com Mais de 6.000 Pacientes Confirma

Estudo com Mais de 6.000 Pacientes Confirma Estudo com Mais de 6.000 Pacientes Confirma Bezafibrato Melhora o Perfil Lipídico e Reduz Hemoglobina Glicada Ideal para Pacientes Dislipidêmicos com Diabetes Tipo 2 Isento de Efeitos Adversos Graves Diabetes

Leia mais

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO

TEMA: Sistema Integrado Inteligente de Infusão Contínua de Insulina ACCU-CHEK COMBO Nota Técnica Solicitante: Des. Vanessa Verdolim Hudson Andrade 1ª Câmara Cível TJMG Numeração Única: 1.0145.11.015633-1/001 Data: 06/12/2012 Medicamento X Material Procedimento Cobertura TEMA: Sistema

Leia mais

CRITÉRIOS NÚMERO: 001/2011 DATA: 07/01/2011 ASSUNTO: PALAVRA CHAVE: PARA: CONTACTOS:

CRITÉRIOS NÚMERO: 001/2011 DATA: 07/01/2011 ASSUNTO: PALAVRA CHAVE: PARA: CONTACTOS: ASSUNTO: PALAVRA CHAVE: PARA: CONTACTOS: NÚMERO: 001/2011 DATA: 07/01/2011 Terapêutica da Diabetes Mellitus tipo 2: metformina Metformina Médicos do Serviço Nacional de Saúde Departamento da Qualidade

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006.

GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. GOVERNO DO ESTADO DE MINAS GERAIS SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE DELIBERAÇÃO CIB-SUS/MG Nº 256, DE 11 DE ABRIL DE 2006. Aprova os critérios e normas para a Assistência Farmacêutica aos portadores de Diabetes.

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

A utilização da insulina

A utilização da insulina 1 Tipos de insulina Existem muitos tipos diferentes de insulina, os quais oferecem mais flexibilidade relativamente à quantidade e ao momento preciso de apanhar as injeções necessárias, tornando mais fácil

Leia mais

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO

DIABETES E CIRURGIA ALVOS DO CONTROLE GLICÊMICO PERIOPERATÓRIO DIABETES E CIRURGIA INTRODUÇÃO 25% dos diabéticos necessitarão de cirurgia em algum momento da sua vida Pacientes diabéticos possuem maiores complicações cardiovasculares Risco aumentado de infecções Controle

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Diabetes Mellitus: Rotinas de seguimento. Ricardo F. Arrais

Diabetes Mellitus: Rotinas de seguimento. Ricardo F. Arrais Diabetes Mellitus: Rotinas de seguimento Ricardo F. Arrais Diabetes: Breve Histórico 1550 a.c - papiros de Ebers II séc. d.c - Aretaeus da Capadócia descrição e denominação do diabetes (sifão) V e VI séc.

Leia mais

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO DIABETES MELITUS - ADO

TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO DIABETES MELITUS - ADO TRATAMENTO FARMACOLÓGICO DO DIABETES MELITUS - ADO Dra Luciana Marques de Araujo I Simpósio Científico do Centro de Ciências Médicas Por Que Tratar? Primeira causa de cegueira adquirida do mundo Primeira

Leia mais

Diário de Glicemia. Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia

Diário de Glicemia. Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia Diário de Glicemia Uma ferramenta para ajudar no controle da glicemia Seu diário de glicemia Período do diário: de até Dados Pessoais: Nome Endereço Cidade Estado CEP Telefones Dados do médico: Nome Telefones

Leia mais

Diabetes gestacional e prévia

Diabetes gestacional e prévia 2º Curso Teórico-Prático de Doenças Médicas e Gravidez Diabetes gestacional e prévia Ricardo Rangel Números Nos EUA 1.3% gravidezes DG -88% Tipo 1-7% Tipo 2-5% Índia 17%... Exposição à hiperglicémia. No

Leia mais

FORXIGA (dapagliflozina)

FORXIGA (dapagliflozina) FORXIGA (dapagliflozina) Comprimidos revestidos 5mg e 10mg FORXIGA dapagliflozina I. IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO FORXIGA dapagliflozina APRESENTAÇÕES FORXIGA (dapagliflozina) é apresentado na forma farmacêutica

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

Indicações de análogos de insulina de ação rápida e prolongada e de insulina inalável no tratamento do diabetes tipo 1 e tipo 2

Indicações de análogos de insulina de ação rápida e prolongada e de insulina inalável no tratamento do diabetes tipo 1 e tipo 2 POSICIONAMENTO nº 2 Indicações de análogos de insulina de ação rápida e prolongada e de insulina inalável no tratamento do diabetes tipo 1 e tipo 2 Indicações e Recomendações para a Disponibilização pelos

Leia mais

Resumo. Abstract ARTIGO ORIGINAL. Fábio Brasil 1, Andreia Mara Brolezzi Brasil 2. Palavras-chave: Metformina Insulina Lipídios Diabetes Mellitus

Resumo. Abstract ARTIGO ORIGINAL. Fábio Brasil 1, Andreia Mara Brolezzi Brasil 2. Palavras-chave: Metformina Insulina Lipídios Diabetes Mellitus ARTIGO ORIGINAL Controle glicêmico e lipídico de pacientes com diabete tipo 2 em tratamento combinado de metformina e insulina Glycemic and lipid control of patients with type 2 diabetes in combined treatment

Leia mais

Terapia nutricional no diabetes

Terapia nutricional no diabetes Terapia nutricional no diabetes Nutricionista Cigléa do Nascimento CRN-2 2670 Conteúdos abordados Metas glicêmicas Recomendações nutricionais Índice glicêmico e carga glicêmica Contagem de carboidrato

Leia mais

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti

INSULINOTERAPIA. Aluna: Maria Eduarda Zanetti INSULINOTERAPIA Aluna: Maria Eduarda Zanetti Descoberta da Insulina 1889, von Mering e Minkowski retiraram o pâncreas de um cão para entender como isso modificaria a digestão de gordura. Ao fazer a analise

Leia mais

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento

11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes. Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento 11º Curso Pós-Graduado NEDO 2010 Endocrinologia Clínica Diabetes Diabetes: avaliação da evolução e do tratamento Zulmira Jorge Serviço Endocrinologia Diabetes e Metabolismo. H. Santa Maria NEDO - Núcleo

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 2. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista

Uso Correto da Medicação. Oral e Insulina Parte 2. Denise Reis Franco Médica. Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Uso Correto da Medicação Denise Reis Franco Médica Alessandra Gonçalves de Souza Nutricionista Eliana M Wendland Doutora em Epidemiologia Oral e Insulina Parte 2 Uso correto da medicação oral e insulina

Leia mais

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções)

ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X) SAÚDE

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos

Diabetes mellitus em felinos Definição Diabetes mellitus em felinos Profa Mestre Leila Taranti (NAYA Endocrinologia&VESP/FESB) Diabetes mellitus é definido como hiperglicemia persistente causada pela relativa ou absoluta deficiência

Leia mais

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União

Ministério da Saúde Consultoria Jurídica/Advocacia Geral da União Nota Técnica N 83/2012 Brasília, janeiro de 2012. Princípio Ativo: vildagliptina + metformina. Nome Comercial 1 : Galvus met. Sumário 1. O que é a vildagliptina+metformina?... 2 2. O medicamento possui

Leia mais

Diretrizes. Terapia Anti-hiperglicêmica Metas Glicêmicas. Opções Terapêuticas Mudanças no Estilo de Vida

Diretrizes. Terapia Anti-hiperglicêmica Metas Glicêmicas. Opções Terapêuticas Mudanças no Estilo de Vida Diretrizes DOI 10.1007/s00125-012-2534-0 ADAPTADO DO POSICIONAMENTO EASD/ADA PARA O TRATAMENTO DA HIPERGLICEMIA NO DIA- BETES TIPO 2 Gerenciamento da Hiperglicemia no Diabetes Tipo 2: Abordagem Centrada

Leia mais

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti

Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos. Profa. Dra. Fernanda Datti Tratamento de diabetes: insulina e anti-diabéticos Profa. Dra. Fernanda Datti Pâncreas Ilhotas de Langerhans células beta insulina células alfa glucagon células gama somatostatina regulação das atividades

Leia mais

Os mais recentes avanços em insulinoterapia

Os mais recentes avanços em insulinoterapia Dr. Tim Heise: Olá. Sejam bem-vindos a este programa educacional entitulado Novas abordagens para a combinação de insulinoterapia com miméticos do GLP-1. Meu nome é Tim Heise e sou Diretor Executivo de

Leia mais

Novas insulinas: qual a real vantagem?

Novas insulinas: qual a real vantagem? Uso racional de medicamentos: temas selecionados 8 Novas insulinas: qual a real vantagem? ISSN 1810-0791 Vol. 2, Nº8 Brasília, julho de 2005 Lenita Wannmacher* Resumo Comparam-se as novas insulinas usadas

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

ALGORITMO PARA O TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2

ALGORITMO PARA O TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 2011 ALGORITMO PARA O TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 ATUALIZAÇÃO 2011 Posicionamento Oficial SBD n o 3 2011 Julho de 2011 Índice - 3 - PREFÁCIO - 6 - MÓDULO 1 OBJETIVOS E LIMITAÇÕES DAS DIRETRIZES E CONSENSOS

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes. Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira

Sessão Televoter Diabetes. Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira 2010 Sessão Televoter Diabetes Jácome de Castro Rosa Gallego Simões-Pereira Indivíduos com risco elevado para diabetes (Pré-diabetes) Alteração da glicémia em jejum (AGJ): Glicémia em jejum: entre 110

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

ARTIGOS. Versão para impressão. Trayenta (linagliptina) Fact Sheet

ARTIGOS. Versão para impressão. Trayenta (linagliptina) Fact Sheet Versão para impressão ARTIGOS 16/09/2011 Infográficos Trayenta (linagliptina) Fact Sheet 1. Trayenta (linagliptina) 2. Inibidores da DPP-4 3. Principal diferencial da linagliptina em relação às outras

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro"

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro" Mogi Guaçu/SP Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro RESUMO A educação em diabetes é parte imprescindível

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

- E S T U D O D E C A S O -

- E S T U D O D E C A S O - - E S T U D O D E C A S O - Perfil glicêmico comparativo entre a insulina N versus a insulina glargina analisado através do sistema de monitorização contínua da glicemia (CGSM) no diabetes mellitus tipo1

Leia mais

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA

VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA LIGA DE DIABETES ÂNGELA MENDONÇA VI CURSO DE ATUALIZAÇÃO EM DIABETES DIETOTERAPIA ACADÊMICA ÂNGELA MENDONÇA LIGA DE DIABETES A intervenção nutricional pode melhorar o controle glicêmico. Redução de 1.0 a 2.0% nos níveis de hemoglobina

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 1 A PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE

Leia mais

Victoza. Medicamento. Material. Procedimento. Data: 13/03/2013. Cobertura. Nota Técnica 28 /2013. Número do processo: 459.13.

Victoza. Medicamento. Material. Procedimento. Data: 13/03/2013. Cobertura. Nota Técnica 28 /2013. Número do processo: 459.13. Medicamento X Material Data: 13/03/2013 Nota Técnica 28 /2013 Procedimento Cobertura Número do processo: 459.13.001038-0 Juíza: Daniela Cunha Pereira Victoza MARÇO/2013 1 SUMÁRIO 1-RESUMO EXECUTIVO...

Leia mais