Os benefícios do treinamento resistido para portadores de diabetes mellitus tipo II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Os benefícios do treinamento resistido para portadores de diabetes mellitus tipo II"

Transcrição

1 Os benefícios do treinamento resistido para portadores de diabetes mellitus tipo II Los beneficios del entrenamiento de la resistencia para portadores de diabetes mellitus tipo II *Acadêmicas do Curso de Educação Física da Universidade Estadual de Goiás, UEG Goiânia, ESEFFEGO **Professor docente do curso de Educação Física da UEG Coordenador do laboratório de Fisiologia do Exercício, LAFEX, UEG Especialista em Fisiologia do Exercício Mestre em Ciências da Saúde (UFG) Gisleide Alves Borges* Siomara Freire de Araújo* Raphael Martins Cunha** (Brasil) Resumo A ocorrência do diabetes mellitus tipo 2, ocasionada pela ausência de secreção de insulina ou pela redução da sensibilidade dos tecidos à insulina, tem sido responsável por inúmeras mortes no Brasil. Dentre as formas de tratamento dessa doença, está a prática do Exercício físico, no que comporta o treinamento de força. Nesse sentido, o objetivo do presente trabalho foi relatar os benefícios do treinamento de força no tratamento do diabetes mellitus tipo 2 a fim de relativizar a importância do treinamento de força na atenuação das alterações metabólicas no paciente diabético tipo II. Trata-se de um estudo sistemático de revisão. Observou-se que a prescrição do treino de força é um pouco tímido no que diz respeito ao tratamento de portadores de diabetes mellitus tipo 2. No entanto são vários os autores que defendem o treinamento com pesos para portadores de diabetes, especificamente no tipo 2, no entanto, evidencias sugerem que quando praticado de forma bem orientada, contribui de maneira significativa para o ganho de massa magra, diminuição da freqüência cardíaca, diminuição dos níveis séricos de hemoglobina glicada e diminuição dos lipídeos plasmáticos. Podendo constituir-se com uma forma complementar no tratamento desta doença. Unitermos: Treinamento resistido. Diabetes Mellitus. EFDeportes.com, Revista Digital. Buenos Aires, Año 15, Nº 151, Diciembre de / 1 Introdução Na definição de Guyton e Hall (2000), a diabetes mellitus (DM) se caracteriza como uma síndrome que compromete o metabolismo dos carboidratos, das gorduras e das proteínas, causada pela ausência de secreção de insulina ou por redução da sensibilidade dos tecidos à insulina. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (2006), a Diabetes atinge 250 milhões de pessoas no mundo, e tem agravado seu status de epidemia pelo aumento dos casos de obesidade em adultos e em crianças. Hoje o Brasil está entre os setes paises com maior número de diabéticos, com 6,9 milhões de casos registrados (ATUALIZAÇÃO BRASILEIRA SOBRE DIABETES, 2005). Segundo dados da Sociedade Brasileira de Diabetes (2009), as mortes por Diabetes têm aumentado no Brasil. Em 1996, as mortes pela doença eram de 16,3 habitantes em cada 100 mil, em 2006 a taxa passou para 24 a cada 100 mil, referente à população entre 20 e 74 anos. Estudos mais recentes apontam para a presença de 12 milhões de pessoas com diabetes no país, dos quais 50 % desconhecem que tem a doença. Em 1988, quando foi publicado o primeiro censo sobre a prevalência no Brasil, este número era de 7 milhões (ALBUQUERQUE 2009).

2 Segundo dados da Sociedade Brasileira de Diabetes (2007), pessoas portadoras de DM tipo 2 podem responder ao tratamento com dieta e exercício físico, em casos específicos pode ser necessário o uso de medicamentos orais ou uso de insulina, porém o tratamento para diabéticos pode ser realizado a partir de uma simples mudança de hábitos. Com referências do Consenso Brasileiro sobre de Diabetes (2002), a mudança no estilo de vida é particularmente importante, porque após o aparecimento do DM tipo 2 há uma piora progressiva do controle glicêmico, independente do emprego de agentes antidiabéticos, no entanto esta piora pode ser atenuada ou evitada com modificações no estilo de vida, perda de peso, implemento de atividade física e controle alimentar. Com relação aos efeitos do exercício e o comportamento glicêmico do organismo, Silva e Lima (2002), em uma pesquisa experimental realizada em Santa Catarina, nos participantes da Associação dos Diabéticos de Blumenau, que tinha como objetivo analisar o efeito do exercício físico regular no controle glicêmico em indivíduos diabéticos (N= 33) com idades entre 45 e 75 anos, submeteram os indivíduos a um programa de exercícios durante 10 semanas, ao qual puderam constatar melhora na glicemia de jejum e HbA1; diminuição de triglicerídeos e aumento de High Density Lipoprotein Cholesterol - HDL-C; diminuição da freqüência cardíaca de repouso, melhorando a eficiência cardíaca e auxiliando na diminuição do Índice de Massa Corporal - IMC, que os levaram a concluir que o exercício físico é de grande importância no controle glicêmico do indivíduo diabético tipo 2, tratado ou não-tratado com insulina, diminuindo a glicemia e a Hemoglobina - HbA1. Sheri Colberg, (2003) afirma que o exercício regular é a prática mais importante para retardar os efeitos do envelhecimento, controlar o açúcar sanguineo e reduzir o risco de complicações diabéticas, além de melhorar a sensibilidade à insulina, diminuírem os fatores de risco cardiovascular com aumento de HDL e diminuição de Low Density Lipoprotein - LDL, aumento na massa muscular, diminuição da gordura, melhora no estado psicológico e do stress associado ao diabetes. No estudo realizado por Cambri e Santos (2006), que teve como objetivo verificar o efeito de 12 semanas de um programa de exercícios resistidos com pesos na composição corporal e na hemoglobina glicada em diabéticos tipo 2, a pesquisa foi realizada com indivíduos sedentários com idades entre 47 e 58 anos e após aplicação do programa de exercícios resitidos pode se observar aumento da massa magra, diminuição na relação cintura e quadril, no somatório de 7 dobras cutâneas, e diminuição dos níveis de glicemia capilar. Nesse sentido, é importante considerar que a prática de exercícios físicos é relevante para o individuo diabético tipo 2, no entanto, a maioria das pesquisas que discutem sobre exercícios para diabéticos recomendam exercícios aeróbios, visto que os exercícios resistidos geralmente,

3 estão associados a um maior risco cardiovascular e de lesões de ordem ortopédica, por isso os cuidados devem ser maiores, de forma que, a prescrição da atividade seja adequada ao grupo ocorrendo de forma progressiva em relação a alguns parâmetros como intensidade, seleção e ordem dos exercícios, número de séries e duração do intervalo de repouso (AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE, 2000). Assim, o objetivo do presente estudo foi relatar os benefícios do treinamento de força no tratamento do DM tipo 2 a fim de relativizar a importância do treinamento de força na atenuação das alterações metabólicas e das alterações associadas a essa doença no paciente diabético tipo II. Diabetes Mellitus O termo diabetes foi anunciado pela primeira vez pelo médico grego Arantes da Capadócia, no século II, que significava derretimento da carne para a urina, já no século V e VI através da observação de formigas e outros insetos atraídos pela urina de portadores da doença, médicos indianos apontaram que a urina de diabéticos era adocicada (FIGUEROLA, 1990; COSTA e SILVA NETO, 1992). A diabetes mellitus é uma doença associada com problemas no controle da glicemia, resultando no excesso de glicose no sangue, hiperglicemia. No entanto, existem três tipos de diabetes, o diabetes mellitus, foco do presente estudo; diabetes insipidus nefrogênico, uma rara doença renal, que se caracteriza pela incapacidade do rim de concentrar a urina, caracterizada por um descontrole nas concentrações do hormônio antidiurético arginina- vasopressina (AVP) e o diabetes gestacional que se apresenta durante o período de gravidez (NADEAU e PÉRONNET, 1985; ROCHA et al, 2000). A conhecida síndrome do DM é dividida em subgrupos de distúrbios, podendo ser classificada em diabetes Tipo I, e diabetes Tipo II. O DM tipo I é também conhecida como diabetes juvenil, ou diabetes dependente de insulina, portador de deficiência na secreção de insulina. Esse tipo de diabetes está associado a lesões das células beta do pâncreas, ou a doenças que comprometem a produção de insulina, como doenças autoimunes, ou infecções virais. Pode desenvolver de forma íngreme, determinada por fatores genéticos, trazendo como seqüelas aumento do nível da glicemia, utilização aumentada de gorduras e possível formação exagerada de corpos cetônicos, e depleção das proteínas (MCARDLE, 1992, GUYNTON e HALL, 2000) Já o diabetes DM tipo II é também denominada por diabetes de inicio adulto, causada por acentuada redução da sensibilidade dos tecidos alvo aos efeitos da insulina. É ocasionada por significativa resistência às ações da insulina, descrita como diabéticos não dependentes de insulina, em sua maioria é acometida por pessoas ente 40 e 60 anos. Os pacientes DM tipo II,

4 na maioria dos casos são obesos, estudos sugerem que há menor numero de receptores de insulina, comparados com os números existentes em indivíduos magros, contribuindo assim para um enorme contraste, elevada concentração plasmática de insulina e de glicose (GUYNTON e HALL, 2000). O DM tipo II, em geral, provém de graus variáveis de resistência à insulina e deficiência relativa de secreção de insulina. Em que, a maioria dos portadores são obesos e a cetoacidose ocorre apenas em situações especiais, como durante infecções graves. Normalmente acomete pessoas acima de 40 anos, embora possa ocorrer mais raramente em adolescentes (CONSENSO BRASILEIRO SOBRE DIABETES, 2002). Em estudos recentes publicados na Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício (2007), a DM tipo II provoca sérias complicações à saúde, dentre elas: hipertensão arterial, doenças cardiovasculares e dislipidemia. São vários os fatores desencadeados pela doença, dentre eles os principais são: hereditários, sedentarismo e estresse (CARDOSO et al, 2007). Segundo dados da American Diabetes Association (2003), o DM tipo 2 é mais comum em Africanos americanos, Latinos, Americanos nativos, asiáticos americanos, nativos havaianos e outras ilhas do pacífico, bem como a população dos idosos. Habitualmente, cerca de 80 a 90% dos casos de diabetes, são do tipo II. Mecanismos de regulação glicêmica Para entender a DM durante a prática de exercícios é necessário compreender a ação de alguns hormônios em nosso corpo como a ação da insulina e do glucagon. Em relação à regulação da glicemia no organismo humano, Powers e Howley (2000) faz afirmações pertinentes, e define as funções fisiológicas da insulina afirmando ser este um hormônio associado à abundância de energia, que, por conseguinte afeta o metabolismo dos carboidratos, das gorduras e das proteínas. A insulina, hormônio produzido no pâncreas, promove a captação e o metabolismo da glicose (carboidrato que constitui mais de 95% do produto final dos monossacarídeos circulantes no sangue) no músculo e no fígado, promove a síntese e o armazenamento das gorduras e das proteínas e ainda interage com o hormônio do crescimento para promoção do crescimento (POWERS e HOWLEY, 2000). Já Davies e col. (2002) afirmam A insulina é o hormônio, primariamente, responsável pela prevenção dos níveis elevados de glicose, no sangue, isso é chamado de seu efeito hipoglicemiante. Resulta da estimulação de processo de difusão facilitada, nas membranas das células- alvo, que utiliza o transportador de glicose GLUT-4, que é sensível à insulina. Outros efeitos, no nível das membranas, são o

5 transporte de aminoácidos, as células hepáticas e musculares, por estimular um mecanismo de transporte ativo, a inibição da lipólise, no tecido adiposo, e a estimulação da captação de potássio, pelas células (DAVIES e col., 2002, p. 453). Ou seja, a insulina requer papel importante na utilização da glicose, dos lipídios e das proteínas como substrato energético. Desse modo, a deficiência de insulina provoca aumento do uso metabólico da gordura, aumenta as concentrações plasmáticas de colesterol e de fosfolipídios, e permite a depleção das proteínas e aumento dos aminoácidos plasmáticos. Ainda assim, a insulina aumenta a utilização da glicose pela maioria dos tecidos corporais, exceto o cérebro que utiliza a glicose sem o intermédio da insulina (GUYNTON e HALL, 2006). O glucagon é um hormônio secretado pela célula alfa das ilhotas de langerhans, que ao contrário da insulina sua principal função é elevar o nível de glicose no sangue. O glucagon age de maneira oposta à insulina, corroborando com o aumento da glicose sanguínea, tanto quanto estimulando a gliconeogênese e a glicogenólise no fígado (MCARDLE, 1998) Para melhor entendimento da ação do glucagon, Davies e col. (2002) afirmam que: A função primaria é a elevação da glicose sanguínea, efeito que é realizado por diversas ações. No fígado, o glucagon estimula a glicogenólise e a gliconeogênese, inibindo a glicogênese, todas tendo efeito direto, e positivo, sobre a glicose sanguínea. Existe alguma evidencia de que o glucagon estimula a captação de aminoácidos e glicogênios pelo fígado, ajudando desse modo, a provisão de substratos para a gliconeogênese. (p. 453) No que diz respeito ao controle da secreção do hormônio, tanto a insulina quanto o glucagon são comedidos pelos níveis de glicose circulantes no sangue, porém a ação de um é antagônica a do outro. Durante o exercício físico moderado ou pesado a ação da insulina é diminuída, e a ação do glucagon aumentada. E mesmo em decorrência de razões desconhecidas, o uso da glicose não requer grandes quantidades de insulina durante o exercício, visto que as fibras musculares em atividade tornam se permeáveis a glicose, mesmo na ausência de insulina (GUYNTON e HALL 2000), Logo o intercambio da insulina e do glucagon mantém a concentração de glicose constante, de forma que é importante manter a regulação da glicemia a fim de prevenir desidratação, depleção de líquido e eletrólitos, perda de glicose na urina, lesão de tecidos e vasos sanguíneos (CANALI e KRUEL, 2001). A redução da glicemia capilar após uma sessão de exercício físico pode ser explicada da seguinte forma:

6 Devido ao aumento da permeabilidade à glicose nas fibras musculares ativas, mesmo na ausência e/ou deficiência da ação da insulina. (GIACCA et al.,1998 apud CAMBRI et al, 2007). Neste sentido, o exercício físico regular aumenta a captação e o metabolismo da glicose pelo músculo, assim como, incrementa a síntese e translocação de GLUT-4 transportadores de glicose no tecido adiposo, músculo esquelético e cardíaco (PEIRCE, 1999, DÂMASO, 2001 apud CAMBRI et al,, 2007). Treinamento resistido e diabetes mellitus A prática regular de exercícios físicos contribui consideravelmente na prevenção do aparecimento de doenças como o diabetes, no entanto essa contribuição não se restringe apenas a prevenção mais, também, no auxílio ao tratamento, trazendo benefícios como melhora no metabolismo da glicose, do perfil lipídico, controle do peso corporal, diminuição da pressão arterial (FERNANDES et al., 2005). Tanto os exercícios aeróbicos quanto os exercícios resistidos promovem benefícios fisiológicos para o controle glicêmico, porém os exercícios aeróbicos são mais estudados (CAMBRI e SANTOS, 2006), pesquisas com exercícios de força se faz necessário para melhor conhecimento deste no controle glicêmico de pacientes Diabéticos. O treinamento resistido também conhecido como treinamento com pesos ou com cargas é considerado hoje como uma das formas mais conhecidas de exercício utilizadas para a promoção tanto do condicionamento físico, de indivíduos atletas e não atletas, como para a promoção da saúde (FLECK; KRAEMER; VOLEK, 1999). Este tipo de exercício físico tem sido bastante indicado por diversas organizações de saúde como um auxiliar do tratamento, e também da prevenção, de inúmeras patologias como Hipertensão Arterial, Doenças Coronarianas, Diabetes, entre outras (POLLITO & FARINATTI, 2006, NEGRÃO e BARRETO, 2006). Com relação ao Diabetes Mellitus, vários estudos estão sendo realizados para verificar a contribuição do exercício físico como auxiliador do tratamento dessa patologia, como também na prevenção. No Diabetes Prevention Program (DPP) evidenciou-se que em um grupo tratado com mudanças nos hábitos de vida, dieta, exercícios físicos e hábitos saudáveis, os resultados foram superiores ao grupo tratado apenas com fármacos (GHORAYER e DIOGUARDI, 2007). O exercício físico pode gerar diversas adaptações fisiológicas no individuo diabético, como a diminuição da glicemia em jejum, aumento da capitação de glicose sanguínea, redução dos valores de hemoglobina glicosada, aumento a resposta dos tecidos a insulina, aumento na concentração de HDL - colesterol, diminuição em pequenas partes da concentração de LDL -

7 colesterol, diminuição dos triglicérides e contribuição para a diminuição da pressão arterial (MERCURI, 2002; SILVA e LIMA, 2002; NEGRÃO e BARRETO, 2006). Alonso et al (2006) afirmam que o exercício físico desempenha um importante papel para o portador de DM, pois este pode promover a diminuição dos fatores de risco para o desenvolvimento desta doença, como também, no seu tratamento, já que o treinamento físico leva a fundamentais adaptações metabólicas, neuroendócrinas e cardiovasculares levando a reduções e reversões nas alterações metabólicas que o DM ocasiona. A maioria das pesquisas realizadas visando avaliar os efeitos do exercício físico no DM tipo 2 são relacionadas a utilização do exercício aeróbico (MERCURI e ARRCHEA, 2004), contudo as pesquisas relacionando o DM e o treinamento resistido tem aumentado, evidenciando diversos benefícios e adaptações fisiológicas proporcionadas pelos mesmos em portadores de DM tipo 2 (SILVA e LIMA, 2002; CIOLAC e GUIMARÃES, 2004;CANCHE e GONZALEZ, 2005; MOURA ET AL, 2006). Um dos benefícios encontrados com a prática do treinamento resistido é a diminuição da glicemia capilar de portadores de DM tipo 2 evidenciado no estudo de Cambri e Santos (2002). Estes realizaram a pesquisa com 8 indivíduos sedentários, que praticaram o treinamento resistido três vezes por semana durante 12 semanas. Observou-se diminuição da glicemia capilar pós-exercício em 80% das sessões, variando entre 1,47% e 64,36% em relação à glicemia pré-exercício (p, 36). Na pesquisa realizada por Canche e Gonzalez (2005), utilizando o treinamento resistido no período de duas semanas, todos os participantes eram portadores de DM tipo 2, tinham idade média de 53,64 anos, foram divididos em dois grupos: controle (n = 11) e experimental (n = 14). As sessões de exercícios foram de uma hora duas vezes por semana. Os resultados obtidos, após o período do experimento, demonstram uma redução nos níveis de hemoglobina glicosada, fundamental para o controle do diabetes, e incremento da força muscular no grupo experimental. Os autores concluíram que este tipo de treinamento pode contribuir no controle glicêmico em adultos com DM tipo 2. Silva e Lima (2002) avaliaram o efeito de uma sessão mista, com exercícios aeróbicos e de força, em uma amostra de 33 voluntários de ambos os sexos, portadores de DM tipo 2, controlados. Foram analisados os níveis séricos de hemoglobina glicada, lipídeos séricos, triglicérides, massa corporal, freqüência cardíaca e pressão arterial. Foi utilizado um programa de exercícios físicos com 10 semanas, dividas em 4 sessões por semana. Esta foi subdividida em 5 minutos de aquecimento, 40 de exercícios aeróbios, 5 de exercício de força e 5 minutos de alongamento. O autor concluiu que um programa de exercício como o estruturado na

8 pesquisa pode diminuir os níveis séricos de lipídeos plasmáticos, hemoglobina glicada, triglicérides, da massa corporal e da freqüência cardíaca. No estudo realizado por Castaneda et al (2002), em que o objetivo era verificar a eficácia do treinamento de resistência no controle glicêmico de adultos diabéticos tipo 2, realizada em 16 semanas com 62 adultos de ambos os sexos. O controle glicêmico, anormalidades da síndrome metabólica, composição corporal e as reservas de glicogênio muscular foram determinadas antes e após a intervenção. Os resultados obtidos no estudo demonstraram redução dos níveis plasmáticos de hemoglobina glicada, aumento da massa e do glicogênio muscular, além da diminuição significativa do uso de medicamentos para diabetes entre os voluntários da pesquisa. Assim, o autor conclui que o treinamento resistido é viável e eficaz no auxilio ao tratamento da DM tipo 2. Alguns estudos têm demonstrado que o treinamento resistido pode trazer efeitos benéficos tanto para diabéticos tratados com insulina como para os que não necessitam de insulina em seu tratamento, como é descrito na pesquisa de Cambri e Santos (2003) onde foi verificado a media da glicemia capilar, em diabéticos insulino dependentes e não dependentes, observando a diminuição da mesma após 12 semanas de treinamento resistidos. Além das adaptações fisiológicas já citadas, o treinamento resistido pode trazer para o portador de DM tipo 2 um aumento significativo da força e da resistência muscular (CANCHE e CONZALEZ, 2005) proporcionando melhora na execução de atividades do cotidiano, sobretudo para o indivíduo idoso que sofre com a perda de massa muscular, como também, diminuição das variáveis antropométricas como o índice de massa corporal, percentual de gordura corporal, circunferência abdominal entre outros (CAMBRI e SANTOS, 2003). Considerações finais Diversas pesquisas vêm mostrando o benefício da utilização do exercício de força para a prevenção, mas sobre tudo para o auxilio no tratamento de patologias como o DM 2, já que esta tem afetado, a cada dia, mais indivíduos. As adaptações fisiológicas acarretadas pela prática, bem orientada, do treinamento com pesos por parte dos pacientes com DM tipo 2 são bem evidenciadas pelas inúmeras pesquisas, entre elas estão a diminuição significativa dos níveis séricos de hemoglobina glicada, diminuição dos lipídeos plasmáticos, aumento da massa muscular magra, diminuição da freqüência cardíaca.

9 Além disso, a prática regular de exercícios atua como uma forma de prevenção para complicações que o Diabetes pode ocasionar no indivíduo como o aparecimento de doenças cardiovasculares. Mais pesquisas se fazem necessárias visando conhecer novos dados acerca das alterações fisiológicas que o treinamento resistido pode proporcionar em indivíduos portadores dessa patologia. Referências ALBUQUERQUE, Reginald. Mortes por Diabetes Estão Aumentando no Brasil. Publicado em: Sex, 20 de Novembro de :15. Acesso em: 9/02/2010 às 20 h e 30 min. ALONSO, D. O. RAMIRES, P. R. SILVA, M. E. R. Exercício e Diabetes. In: Cardiologia do exercício: do atleta ao cardiopata. 2 ed. Barueri São Paulo: Manole, AMERICAN COLLEGE OF SPORTS MEDICINE & AMERICAN DIABETES ASSOCIATION, Diabetes Mellitus e Exercício. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 6, ATUALIZAÇÃO BRASILEIRA SOBRE DIABETES. Sociedade Brasileira de Diabetes. -Rio de Janeiro: Diagraphic, p. ISBN BRASIL, Instituto Brasileiro de geografia e estatística. Ministro do planejamento orçamento e gestão. Comunicação Social 25 de maio de Disponível em: cia=370&id_pagina=1 Acesso em: 20/jun/2010 CASTANEDA, C. LAYNE, J. MUNOZ-ORLANS, L. GORDON, P. WALSMITH, J. FOLDVARI, M. ROUBENOFF, R. TUCKER, K. NELSON, M. A Randomized Controlled Trial of Resistance Exercise Training to Improve Glycemic Control in Older Adults With Type 2 Diabetes. DIABETES CARE, VOLUME 25, NUMBER 12, DECEMBER CAMBRI, L. SANTOS, D. Influência dos exercícios resistidos com pesos em diabéticos tipo 2. Revista Motriz. V. 12, n. 1. p , ISSN: CAMBRI, Lucieli T.; SANTOS, Daniela L. Influência dos Exercícios Resistidos com Pesos em Diabéticos tipo 2. Rio Claro: Revista Motriz. v. 12 n.1 p CANALI,Enrico S.; KRUEL, Luiz Fernando M. Respostas Hormonais ao Exercício. Revista Paulista de Educação física. São Paulo, 15(2): , julho/ dezembro

10 CANCHE, K. A. M. GONZALEZ, B. C. S. Exercicio de resistencia muscular em adultos com diabetes mellitus tipo 2. Revista Latino Americana de Enfermagem. v. 13. n CARDOSO, Leda Márcia; OVANDO, Ramon Gustavo de Moraes; SILVA, Sabrina Fernanda; OVANDO, Luiz Alberto. Aspectos importantes na prescrição do exercício físico para o diabetes mellitus tipo 2. Revista Brasileira de Prescrição e Fisiologia do Exercício, São Paulo, v.1, n.6, p Nov/Dez ISSN CIOLAC, E. GUIMARAES, G. Exercício físico e síndrome metabólica. Revista Brasileira de Medicina e do Esporte. v.10 n.04. São Paulo, COLBERG, Sheri R. Atividade Física e Diabetes. Barueri, São Paulo: Manole, COSTA, A. A; ALMEIDA NETO, J. Silva. Manual de Diabetes: alimentação, medicamentos, exercícios. 3ª ed. São Paulo: SARVIER, DAVIES, Andrew; BLANKELEY, Asa G. H.; KIDD,Cecil; MCGEOWN,J. G. Fisiologia Humana. Porto Alegre: Artmed Editora S.A, DIAGNÓSTICO E CLASSIFICAÇÃO DO DIABETES MELLITUS E TRATAMENTO DO DIABETES MELLITUS TIPO 2 Sociedade Brasileira de Diabetes maio Disponível em: Acesso em 28/02/2010 ás 21h e 15 min. FIGUEROLA, Daniel. Diabetes. 2ºed. Barcelona: Salvat; GHORAYVEB, N. DIOGUARDI, G. Tratado de cardiologia do exercício e do esporte. Atheneu. São Paulo, GUYTON, Arthur C. HALL, John E. Tratado de Fisiologia Médica. Décima edição. Mc Graw Hill. México: GUYNTON, Arthur C.;HALL,John E. Tratado de Fisiologia Médica. Rio de Janeiro: Elsevier,2006. MERCURI, N. ARRECHEA,V. Atividade física e diabetes mellitus. Faculdade de Ciências Médicas, Buenos Aires, MCARDLE, William D.; KATCH, Frank I.; KATCH, Victor L. Fisiologia do Exercício: energia, nutrição e desempenho humano. 3º Ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan,1992. MOURA, D. MATTOS, D. HIGINO, W. Efeito do treinamento resistido em mulheres portadoras de Diabetes Mellitus tipo II. Revista Brasileira de Atividade Física e Saúde. v.11, n. 12, ISNN: NADEAU, M.; PERONNET, F. e col. Fisiologia Aplicada na Atividade Física. São Paulo: Editora Manole LTDA,1985.

11 POLLITO, M. D. e FARINATTI, P. T. V. Comportamento da Pressão Arterial após o exercício contra-resistência: Uma revisão sistemática sobre variáveis determinantes e possíveis mecanismo. Artigo de revisão.revista Brasileira Medicina do Esporte. V. 12. n 06, POWERS SK, HOWLEY ET. Fisiologia do Exercício: Teoria e Aplicação ao Condicionamento e ao Desempenho. 3. ed. São Paulo: Manole, ROCHA, Juliane L.; WOLFANGA, Friedman L.; MARCO, Boson Luiz. Diabetes Insipidus Nefrogênico: Conceitos Atuais de Fisiopatologia e Aspectos Clínicos. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia & Metabologia.(Arq. Bras. Endocrinol Metab vol.44 no.4 São Paulo Aug SILVA, C. LIMA, W. Efeito Benéfico do Exercício físico no Controle Metabólico do Diabetes Mellitus tipo 2 a curto prazo. Arquivos Brasileiros de Endocrinologia Metabólica.v.46 n.05. São Paulo, SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Consenso brasileiro sobre diabetes 2002: Diagnóstico e classificação do diabetes melito e tratamento do diabetes melito do tipo 2. Rio de Janeiro: Diagraphic, SOCIEDADE BRASILEIRA DE DIABETES. Tratamento e Acompanhamento da diabetes mellitus. Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes SILVA, Carlos. A.; LIMA Walter. Efeito do exercício Físico no Controle Metabólico do Diabetes Mellitus Tipo 2 à curto Prazo. Arqivos Brasileiros de Endocrinologia e Metabologia. São Paulo: 2002.

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

EFEITOS DO TREINAMENTO RESISTIDO NO DIABETES MELLITUS

EFEITOS DO TREINAMENTO RESISTIDO NO DIABETES MELLITUS 107 EFEITOS DO TREINAMENTO RESISTIDO NO DIABETES MELLITUS (EFFECTS OF RESISTANCE TRAINING IN DIABETES MELLITUS) Tayane Aparecida Martins Costa; Marcelo Porto Centro Universitário UNIFAFIBE Bebedouro, São

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

TREINAMENTO DE FORÇA NO CONTROLE DA GLICEMIA DE DIABÉTICOS

TREINAMENTO DE FORÇA NO CONTROLE DA GLICEMIA DE DIABÉTICOS Juliana Avelino da Silva TREINAMENTO DE FORÇA NO CONTROLE DA GLICEMIA DE DIABÉTICOS Belo Horizonte Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG 2011 Juliana Avelino da Silva TREINAMENTO

Leia mais

EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO NA GLICEMIA EM MULHERES. UM ESTUDO CONTROLADO. Thaís Caroline da Silva¹; Rose Mizuta²; Silvio Lopes Alabarse³

EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO NA GLICEMIA EM MULHERES. UM ESTUDO CONTROLADO. Thaís Caroline da Silva¹; Rose Mizuta²; Silvio Lopes Alabarse³ EFEITO DO TREINAMENTO FÍSICO NA GLICEMIA EM MULHERES. UM ESTUDO CONTROLADO Thaís Caroline da Silva¹; Rose Mizuta²; Silvio Lopes Alabarse³ Estudante do Curso de Educação Física; e-mail: thaiscarol_94@hotmail.com¹

Leia mais

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS

INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 2007 INFLUÊNCIA DO EXERCÍCIO FÍSICO E ORIENTAÇÃO ALIMENTAR EM NÍVEIS DE TRIGLICERIDEMIA DE ADOLESCENTES OBESOS Ciliane Valerio

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM MUSCULAÇÃO E PERSONAL TRAINER

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM MUSCULAÇÃO E PERSONAL TRAINER PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE GOIÁS CENTRO DE ESTUDOS AVANÇADOS E FORMAÇÃO INTEGRADA ESPECIALIZAÇÃO EM MUSCULAÇÃO E PERSONAL TRAINER LARISSA NUNES TEIXEIRA TREINAMENTO DE FORÇA EM INDÍVIDUOS DIABÉTICOS

Leia mais

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica

exercício físico na obesidade e síndrome metabólica exercício físico na obesidade e síndrome metabólica CONCEITOS Atividade Física é qualquer movimento corporal produzido pelos músculos esqueléticos que resultam em gasto energético; Exercício é uma atividade

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE

ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE ATIVIDADE FÍSICA E SAÚDE Ridailda de Oliveira Amaral * RESUMO A atividade física e o exercício foram reconhecidos formalmente como fatores que desempenham um papel essencial no aprimoramento da saúde e

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm

Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Comportamento Da Pressão Arterial De Jovens Normotensos Após Realização Dos Testes De 1rm E 10rm Siomara F. M. de Araújo; Dyego F. Facundes; Erika M. Costa; Lauane L. Inês; Raphael Cunha. siomarafma@hotmail.com

Leia mais

VI - Diabetes hiperglicémia

VI - Diabetes hiperglicémia VI - Diabetes A Diabetes mellitus é uma doença caracterizada por deficiência na produção da insulina, aumento da sua destruição ou ineficiência na sua acção. Tem como consequência principal a perda de

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA LUNARA BASQUEROTO DELLA JUSTINA OS EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO SOBRE O DIABETES MELLITUS TIPO 2

UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA LUNARA BASQUEROTO DELLA JUSTINA OS EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO SOBRE O DIABETES MELLITUS TIPO 2 UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA LUNARA BASQUEROTO DELLA JUSTINA OS EFEITOS DO EXERCÍCIO FÍSICO SOBRE O DIABETES MELLITUS TIPO 2 Palhoça 2010 2 LUNARA BASQUEROTO DELLA JUSTINA OS EFEITOS DO EXERCÍCIO

Leia mais

Hormonas e mensageiros secundários

Hormonas e mensageiros secundários Hormonas e mensageiros secundários Interrelação entre os tecidos Comunicação entre os principais tecidos Fígado tecido adiposo hormonas sistema nervoso substratos em circulação músculo cérebro 1 Um exemplo

Leia mais

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo:

O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2. ALVIN. Fabiano A. Folgate. Resumo: O beneficio da atividade física no tratamento do diabetes tipo 2 ALVIN. Fabiano A. Folgate Resumo: O objetivo do trabalho foi analisar o beneficio do exercício físico no individuo diabético tipo 2, tratando

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SERGIPE DEPARTAMENTO DE FISIOLOGIA DISCIPLINA: FISIOLOGIA HUMANA EXERCÍCIO FÍSICO PARA POPULAÇÕES ESPECIAIS Prof. Mestrando: Marcelo Mota São Cristóvão 2008 POPULAÇÕES ESPECIAIS

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ ALTERAÇÕES METABÓLICAS NA GRAVIDEZ CUSTO ENERGÉTICO DA GRAVIDEZ CRESCIMENTO E DESENVOLVIMENTO FETAL SÍNTESE DE TECIDO MATERNO 80.000 kcal ou 300 Kcal por dia 2/4 médios 390 Kcal depósito de gordura- fase

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO DIABETES COMO OBJETIVO DO PEDALANDO PATINANDO E CAMINHANDO E VENCENDO O DIABETES 1

CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO DIABETES COMO OBJETIVO DO PEDALANDO PATINANDO E CAMINHANDO E VENCENDO O DIABETES 1 CONSCIENTIZAÇÃO SOBRE PREVENÇÃO E TRATAMENTO DO DIABETES COMO OBJETIVO DO PEDALANDO PATINANDO E CAMINHANDO E VENCENDO O DIABETES 1 Anelise Mafalda 2, Fernanda Dias Lorenzon 3, Josiane Cavalheiro Michelson

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h)

Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementário: Disciplina: FISIOLOGIA CELULAR CONTROLE DA HOMEOSTASE, COMUNICAÇÃO E INTEGRAÇÃO DO CORPO HUMANO (10h) Ementa: Organização Celular. Funcionamento. Homeostasia. Diferenciação celular. Fisiologia

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

DIABETES E SINAIS VITAIS

DIABETES E SINAIS VITAIS AGENTE DE FÉ E DO CORAÇÃO PASTORAL NACIONAL DA SAÚDE 04 de outubro de 2013 DIABETES E SINAIS VITAIS Marcia Nery Equipe Médica de Diabetes Hospital das Clínicas da FMUSP Definição Diabetes mellitus: Doença

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

Tome uma injeção de informação. Diabetes

Tome uma injeção de informação. Diabetes Tome uma injeção de informação. Diabetes DIABETES O diabetes é uma doença crônica, em que o pâncreas não produz insulina em quantidade suficiente, ou o organismo não a utiliza da forma adequada. Tipos

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

RESUMOS SIMPLES...156

RESUMOS SIMPLES...156 155 RESUMOS SIMPLES...156 156 RESUMOS SIMPLES CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 159 CARNEIRO, NELSON HILÁRIO... 157 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 159 CORTE, MARIANA ZANGIROLAME... 157 GARCIA JUNIOR, JAIR RODRIGUES...

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária

Diabetes Mellitus em animais de companhia. Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária Diabetes Mellitus em animais de companhia Natália Leonel Ferreira 2º ano Medicina Veterinária O que é Diabetes Mellitus? É uma doença em que o metabolismo da glicose fica prejudicado pela falta ou má absorção

Leia mais

Curso: Integração Metabólica

Curso: Integração Metabólica Curso: Integração Metabólica Aula 9: Sistema Nervoso Autônomo Prof. Carlos Castilho de Barros Sistema Nervoso Sistema Nervoso Central Sistema Nervoso Periférico Sensorial Motor Somático Autônomo Glândulas,

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA

ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA ENFRENTAMENTO DA OBESIDADE ABORDAGEM TERAPÊUTICA Obesidade 300 mil mortes / ano; 100 bi dólares / ano; O excesso de peso (IMC >25) acomete de 15% a 60% da população de todos os países civilizados. EUA...

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EFEITO DE UM PROTOCOLO DE EXERCÍCIOS FÍSICOS SOBRE O ÍNDICE DE MASSA CORPORAL E CIRCUNFERÊNCIA DA CINTURA EM ADULTOS COM SÍNDROME

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Entendendo o Diabetes Mellitus Dra. Jeane Sales Macedo Dra. Iraci Oliveira Objetivos Capacitar profissionais

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL

ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL ORIENTAÇÕES PARA O PROFESSOR PRESENCIAL Componente Curriculares Educação Física Professores Ministrantes: Kim Raone e Marcus Marins Série/ Ano letivo: 2º ano/ 2014 Data: 26/03/2014 AULA 5.1 Conteúdo: Doenças

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

D I R E T O R I A D E S A Ú D E

D I R E T O R I A D E S A Ú D E Saúde In Forma Junho/2013 Dia 26 de Junho Dia Nacional do Diabetes Diabetes é uma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal da glicose ou açúcar no sangue. A glicose é a principal fonte de

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus

Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus Atividade Física para Pessoas com Diabetes Mellitus 7 Estratégias para o Cuidado da Pessoa com Doença Crônica Diabete Mellitus Neste capítulo serão abordadas as recomendações essenciais para as pessoas

Leia mais

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso

Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso Pró-Reitoria de Graduação Curso de Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso Papel do volume e intensidade do treinamento de força em diabéticos tipo 2. Autor: Hildebrando Diogo T. Mota Orientador:

Leia mais

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS

BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS BENEFÍCIOS DO EXERCÍCIO FÍSICO E DIETA HIPOCALÓRICA EM DIABÉTICOS Autora: Márcia de Fátima Ferraretto Pavan Resumo: Diabetes mellitus é uma doença crônica e está associada a complicações que comprometem

Leia mais

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL

AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL AUMENTO DRAMÁTICO DO INTERESSE E PARTICIPAÇÃO DE CRIANÇAS NO ESPORTE DE ALTO NÍVEL NECESSIDADE DO MELHOR CONHECIMENTO EM ÁREAS COMO: CRESCIMENTO NORMAL, DESENVOLVIMENTO, EFEITOS DO EXERCÍCIO EM CRIANÇAS

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

Proteger nosso. Futuro

Proteger nosso. Futuro Proteger nosso Futuro A Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC) é uma entidade sem fins lucrativos criada em 1943, tendo como objetivo unir a classe médica especializada em cardiologia para o planejamento

Leia mais

11/05/2015 INTER-RELAÇÕES METABÓLICAS INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO PRINCÍPIOS QUE GOVERNAM O METABOLISMO

11/05/2015 INTER-RELAÇÕES METABÓLICAS INTEGRAÇÃO DO METABOLISMO PRINCÍPIOS QUE GOVERNAM O METABOLISMO INTER-RELAÇÕES METABÓLICAS Plano de Aula -Visão geral e principais mecanismos de regulação -Especificidade metabólica nos diferentes tecidos do organismo humano -Relações metabólicas entre tecidos nos

Leia mais

Dependendo dos motivos, o diabetes pode ser de dois tipos:

Dependendo dos motivos, o diabetes pode ser de dois tipos: DIABETES O diabetes já é tratado como uma epidemia nos EUA. O Brasil é o quinto país no mundo em número de diabéticos, com 7,6 milhões de casos em 2007 ele estava na oitava posição, dos quais 50% não sabem

Leia mais

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22

Sistema endócrino. Apostila 3 Página 22 Sistema endócrino Apostila 3 Página 22 Sistema mensageiro Hormônios: informacionais, produzidas pelas glândulas endócrinas e distribuídas pelo sangue. Órgão-alvo: reage ao estímulo do hormônio. Sistema

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

17/08/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

17/08/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Prevalência Mortalidade Disfunção da Modulação Autonômica

Leia mais

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM

DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM DIABETES MELLITUS PATRÍCIA DUPIM Introdução É um conjunto de doenças metabólicas que provocam hiperglicemia por deficiência de insulina Essa deficiência pode ser absoluta, por baixa produção, ou relativa

Leia mais

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida

Colesterol O que é Isso? Trabalhamos pela vida Colesterol O que é Isso? X O que é o Colesterol? Colesterol é uma gordura encontrada apenas nos animais Importante para a vida: Estrutura do corpo humano (células) Crescimento Reprodução Produção de vit

Leia mais

Atividade Física e Saúde na Escola

Atividade Física e Saúde na Escola Atividade Física e Saúde na Escola *Eduardo Cardoso Ferreira ** Luciano Leal Loureiro Resumo: Atividade física pode ser trabalhada em todas as idades em benefício da saúde. O objetivo do artigo é conscientizar

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias AVALIAÇÃO ANTROPOMÉTRICA DE IDOSAS PARTICIPANTES DE GRUPOS DE ATIVIDADES FÍSICAS PARA A TERCEIRA IDADE Liziane da Silva de Vargas;

Leia mais

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98

Aumento dos custos no sistema de saúde. Saúde Suplementar - Lei nº 9.656/98 IX ENCONTRO NACIONAL DE ECONOMIA DA SAÚDE DA ABRES Utilização de Serviços em uma Operadora de Plano de Saúde que Desenvolve Programas de Promoção da Saúde e Prevenção de Doenças Cardiovasculares Danielle

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA. Prof. Hélder Mauad

PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA. Prof. Hélder Mauad PÂNCREAS ENDÓCRINO E A REGULAÇÃO DA GLICEMIA Prof. Hélder Mauad PÂNCREAS SOMATOSTATINA ENDÓCRINO A somatostatina é classificada como um hormônio inibitório, cujas principais ações Além são: da

Leia mais

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo

Como prescrever o exercício no tratamento do DM. Acad. Mariana Amorim Abdo Como prescrever o exercício no tratamento do DM Acad. Mariana Amorim Abdo Importância do Exercício Físico no DM Contribui para a melhora do estado glicêmico, diminuindo os fatores de risco relacionados

Leia mais

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue

Tópicos da Aula. Classificação CHO. Processo de Digestão 24/09/2012. Locais de estoque de CHO. Nível de concentração de glicose no sangue Universidade Estadual Paulista DIABETES E EXERCÍCIO FÍSICO Profª Dnda Camila Buonani da Silva Disciplina: Atividade Física e Saúde Tópicos da Aula 1. Carboidrato como fonte de energia 2. Papel da insulina

Leia mais

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?...

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Nathan et al. (2005) American Diabetes Association, (2005) 12% da população

Leia mais

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes

- Grupo de Apoio e Educação em Diabetes DIABETES O que é Diabetes mellitus é uma doença crônica resultante do desequilíbrio entre a secreção e a sensibilidade à insulina. A classificação tradicional segrega as condições hiperglicêmicas nos seguintes

Leia mais

OBESIDADE E DIABETES MELLITUS II

OBESIDADE E DIABETES MELLITUS II AC&T- ACADEMIA DE CIENCIAS E TECNOLOGIA BIOQUIMICA CLINICA E LABORATORIAL KAYO AUGUSTO SALANDIN PACHER OBESIDADE E DIABETES MELLITUS II São Jose do Rio Preto - SP 2014 DEDICATÓRIA Dedico este trabalho

Leia mais

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO A concentração de glicose no sangue está sempre sendo regulada A glicose é mantida em uma faixa de 60 a 90 g/100ml de sangue (~4,5mM) Homeostase da glicose Necessidade

Leia mais

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo

A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A importância da alimentação no desempenho esportivo e competitivo A alimentação adequada e nutricionalmente equilibrada é um dos fatores importantes e essenciais para a otimização do desempenho, sendo

Leia mais

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM

A SAÚDE DO OBESO Equipe CETOM A SAÚDE DO OBESO Dr. Izidoro de Hiroki Flumignan Médico endocrinologista e sanitarista Equipe CETOM Centro de Estudos e Tratamento para a Obesidade Mórbida. Diretor do Instituto Flumignano de Medicina

Leia mais

Tendências do Diabete Melito

Tendências do Diabete Melito Tendências do Diabete Melito Francine Leite Carina Martins Marcos Novais José Cechin Superintendente Executivo Apresentação Este texto apresenta a evolução das taxas de mortalidade e morbidade por Diabete

Leia mais

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES. Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior ATIVIDADE FÍSICA E DIABETES Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior O QUE É DIABETES? Trata-se de uma doença crônica que ocorre quando o pâncreas não produz insulina ou quando o corpo não consegue utilizar

Leia mais

Nelié Freitas Macedo. Diabetes

Nelié Freitas Macedo. Diabetes Diabetes 1 Nelié Freitas Macedo Diabetes 1ª Edição ATIVA EDITORA LTDA Ano de 2015 ativaeditora AUTOR Nelié Freitas Macedo ORIENTAÇÃO MÉDICA Dra. Márcia Souza Freitas Alvernaz CAPA, DIAGRAMAÇÃO E ILUSTRAÇÃO

Leia mais

Programa de Condicionamento Cardiovascular

Programa de Condicionamento Cardiovascular Programa de Condicionamento Cardiovascular Versão eletrônica atualizada em Fevereiro 2010 Responsáveis pela Elaboração Dra. Luciana Diniz Nagem Janot de Matos Dr. Romeu Sérgio Meneghelo Fta. Andrea Kaarina

Leia mais

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO

AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Ciências da Vida - Nutrição AVALIAÇÃO DOS FATORES DE RISCO PARA DOENÇAS CARDIOVASCULARES DOS FREQUENTADORES DE PARQUES DA CIDADE DE SÃO PAULO Fernanda Cristina Guevara 1 Camila Maria Melo 2 Tatiane Vanessa

Leia mais

Glândulas endócrinas:

Glândulas endócrinas: SISTEMA ENDOCRINO Glândulas endócrinas: Funções: Secreções de substâncias (hormônios) que atuam sobre célula alvo Regulação do organismo (homeostase) Hormônios: Substâncias químicas que são produzidas

Leia mais

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro"

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro" Mogi Guaçu/SP Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro RESUMO A educação em diabetes é parte imprescindível

Leia mais

Diabetes Mellitus e Exercício

Diabetes Mellitus e Exercício Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Prevalencia Diabetes mellitus (DM) is affecting more than 170 million people worldwide. The incidence

Leia mais

COMO SE DESENVOLVE OU SE ADQUIRE?

COMO SE DESENVOLVE OU SE ADQUIRE? Obesidade O QUE É? Denomina-se obesidade uma enfermidade caracterizada pelo acúmulo excessivo de gordura corporal, associada a problemas de saúde, ou seja, que traz prejuízos à saúde do indivíduo. COMO

Leia mais

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR

PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR PROJETO PROMOÇÃO DA SAÚDE E EDUCAÇÃO SEXUAL EM MEIO ESCOLAR A Diabetes afeta cerca de 366 milhões de pessoas em todo o mundo e cerca de 1 milhão de Portugueses. A cada 7 segundos morre no Planeta Terra

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua

Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Teoria e Prática do Treinamento Aplicada na Corrida de Rua Prof. Ricardo Freitas M.Sc. CREF 008822-G/MG. Formação Acadêmica Atuação Profissional Linha de Pesquisa E-mail: ricardo.dias@upe.pe.gov.br www.lifegroup.com.br

Leia mais

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo:

As principais causas de diabetes insípidus central são tumores que acometem a região hipotalâmica hipofisária, como por exemplo: Diabetes insípidus O que é Diabetes insípidus? Diabetes insípidus consiste em um distúrbio de controle da água no organismo, no qual os rins não conseguem reter adequadamente a água que é filtrada. Como

Leia mais

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA

AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA AÇÕES EDUCATIVAS COM UNIVERSITÁRIOS SOBRE FATORES DE RISCO PARA SÍNDROME METABÓLICA Reângela Cíntia Rodrigues de Oliveira Lima UFPI/cynthiast_89@hotmail.com Gislany da Rocha Brito - UFPI/gislanyrochasj@hotmail.com

Leia mais

Diabetes Gestacional

Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional Introdução O diabetes é uma doença que faz com que o organismo tenha dificuldade para controlar o açúcar no sangue. O diabetes que se desenvolve durante a gestação é chamado de diabetes

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso.

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ESCOLA DE

Leia mais