Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: Universidade Anhanguera Brasil

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: 1415-6938 editora@uniderp.br Universidade Anhanguera Brasil"

Transcrição

1 Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde ISSN: Universidade Anhanguera Brasil Marques Lopes, Flavio; Tiago de Araújo, Edna; da Silva, Keila Jacinto; Costa Silva, Mírian; Oliveira da Cruz, Reinan; Sardinha Lisboa, Eduardo Avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador do Diabetes Mellitus Ensaios e Ciência: Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde, vol. 15, núm. 3, 2011, pp Universidade Anhanguera Campo Grande, Brasil Disponível em: Como citar este artigo Número completo Mais artigos Home da revista no Redalyc Sistema de Informação Científica Rede de Revistas Científicas da América Latina, Caribe, Espanha e Portugal Projeto acadêmico sem fins lucrativos desenvolvido no âmbito da iniciativa Acesso Aberto

2 Ensaios e Ciência Ciências Biológicas, Agrárias e da Saúde Vol. 15, Nº. 3, Ano 2011 AVALIAÇÃO DA HEMOGLOBINA GLICADA COMO IMPORTANTE MARCADOR DO DIABETES MELLITUS Flavio Marques Lopes Universidade Estadual de Goiás - UEG Edna Tiago de Araújo Faculdade Anhanguera de Anápolis Keila Jacinto da Silva Faculdade Anhanguera de Anápolis Mírian Costa Silva Faculdade Anhanguera de Anápolis RESUMO O Diabetes Mellitus (DM) é uma síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade desta em exercer adequadamente seus efeitos. A classificação do DM está representada como Diabetes tipo 1 e tipo 2, outros tipos e o Diabetes Gestacional. Entre os parâmetros laboratoriais utilizados para nortear as direções terapêuticas podemos citar a medida da glicemia de jejum, teste oral de tolerância a glicose (TOTG), a frutosamina e a hemoglobina glicada, também conhecida como A1c. A hemoglobina glicada constitui um preditor das complicações da moléstia, refletindo os níveis glicêmicos dos últimos três meses, utilizada como uma importante ferramenta de avaliação do controle glicêmico em pacientes portadores de diabetes. O estudo foi baseado em uma pesquisa descritiva e transversal, evidenciando na população estudada, que os níveis de hemoglobina glicada e de glicemia de jejum estavam alterados, demonstrando a necessidade do controle glicêmico. Palavras-Chave: diabetes mellitus; controle glicêmico; parâmetros laboratoriais. Reinan Oliveira da Cruz Faculdade Metropolitana de Anápolis Eduardo Sardinha Lisboa Faculdade Anhanguera de Anápolis Anhanguera Educacional Ltda. ABSTRACT Diabetes Mellitus (DM) is a syndrome of multiple etiology resulting from lack of insulin and / or the inability to adequately perform this effect. The classification of the DM is represented as Type 1 diabetes and type 2, gestational diabetes and other types. Among laboratory parameters used to guide therapeutic directions we can cite the measurement of fasting plasma glucose test, oral glucose-tolerance test (OGTT), the fructosamine and glycated hemoglobin, also known as A1c. Glycated hemoglobin is a predictor of complications of the disease, reflecting glucose levels over the last three months, used as an important tool for assessment of glycemic control in patients with diabetes. The study was based on a descriptive and cross-sectional evidence in this population, levels of glycated hemoglobin and fasting glucose were modified, demonstrating the importance of glycemic control. Keywords: diabetes mellitus; glycemic control; laboratory parameters. Correspondência/Contato Alameda Maria Tereza, 2000 Valinhos, São Paulo CEP Coordenação Instituto de Pesquisas Aplicadas e Desenvolvimento Educacional - IPADE

3 66 Avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador do Diabetes Mellitus 1. INTRODUÇÃO O Diabetes Mellitus (DM) é uma síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de insulina e/ou da incapacidade da insulina em exercer adequadamente seus efeitos (GROSS et al., 2002). O DM é uma situação clínica freqüente que acomete grande parte da população mundial. Devido à elevada prevalência, está relacionada a um número grande de comorbidades cujo desenvolvimento e evolução encontram-se intimamente ligados ao controle glicêmico (BEM; KUNDE, 2006). Vários processos bioquímicos e fisiológicos estão envolvidos na manutenção do estado de homeostasia, visando à sobrevivência do indivíduo. No diabético, os níveis de glicose, estão ligados diretamente à intensidade da doença, bem como o seu potencial de complicações, está relacionada à hiperglicemia, visto que a regulação da glicemia depende da ação dos hormônios produzidos nas ilhotas de Langerhans no pâncreas: a insulina e o glucagon, que ajustam a homeostasia da glicose. O glucagon vai estimular a produção de glicose pelo fígado e a insulina bloqueia essa produção (CELONEZE et al., 2006; MANNA, 2007). Caracterizado por um grupo de desordens metabólicas evidenciadas por hiperglicemia, resultante de falhas na secreção de insulina ou em sua função; a classificação do DM está representada em suas formas mais freqüentes como Diabetes tipo 1 e tipo 2, além destes tipos mais comuns, aparecem outros tipos de diabetes que incluem o diabetes gestacional, encontra-se também descritas outras formas de diabetes que incluem defeitos genéticos das células beta, da ação da insulina ou processos patológicos que danificam o pâncreas (GROSS et al., 2002; VOLTARELLI et al., 2009). Denomina-se diabetes mellitus tipo 1, quando o pâncreas não produz insulina ou se produz é em baixas quantidades. Classifica-se o diabetes tipo 2 nos casos de mau funcionamento ou diminuição dos receptores das células. A produção de insulina pode estar normal ou não, mas como os receptores não funcionam bem ou estão em pequena quantidades, a insulina não consegue promover a entrada adequada de glicose para dentro das células, aumentando os níveis de glicose na corrente sanguínea. Considera-se outros tipos de diabetes, dentre eles o diabetes gestacional, que envolve uma combinação de secreção e responsividade de insulina inadequados, assemelhando-se a diabetes tipo 2, ela se desenvolve durante a gestação, tendendo a uma melhora ou desaparecimento após o nascimento da criança (NETTO et al., 2009).

4 Flavio Marques Lopes, Edna Tiago de Araújo, Keila Jacinto da Silva, Mírian Costa Silva, Reinan Oliveira da Cruz, Eduardo Sardinha Lisboa 67 Engloba todas as formas de diabetes em que acontece primeiramente a destruição das células beta-pancreáticas. Na maioria dos casos esta destruição é auto-imune, proveniente de processos genéticos e fatores ambientais (DIB, 2008; DAMIANI, 2000; MANNA, 2007). Sua instalação e evolução ocorre de forma fulminante entre os 10 e 14 anos de idade, havendo diminuição progressiva até os 35 anos, as complicações existentes geralmente são mais graves, tais como cetoacidose diabética, evidenciada por hiperglicemia, acidose metabólica, desidratação e cetose que ocorre na ausência de insulina (BARONE et al., 2007; GROSS et al., 2002). Sabe-se que o DM 1 é a forma mais freqüente entre crianças e adolescentes, nestes pacientes encontram-se mutações no gene da insulina. Hoje, mediante ao aumento da prevalência da obesidade na infância e na adolescência ocorre um aumento no número de jovens com características de Diabetes tipo 2 (DM 2) (DIB, 2008). O tratamento do DM 1 caracteriza-se por insulinoterapia, podendo associar se a uma avaliação nutricional para uma alimentação saudável, mudança no estilo de vida, juntamente com exercícios físicos, pois a resposta glicêmica ao exercício vem sendo considerada como benefício para o controle metabólico destes pacientes (MINELLI et al., 2003; RAMALHO; SOARES, 2008; TRICHES et al., 2009; VOLTARELLI et al., 2009). O diabetes Mellitus tipo 2 ou não insulino dependente, se caracteriza nos distúrbios de ação da secreção da insulina. A maioria dos pacientes apresenta obesidade, a idade varia entre 40 e 60 anos, freqüentemente estão associados à síndrome metabólica que é evidenciada pela resistência à insulina, a dislipidemia e hipertensão arterial (ARAÚJO et al., 2000; MANNA, 2007). Está associado à presença de obesidade e resulta da combinação do defeito secretório da célula beta e na falha na ação periférica da insulina. Em conseqüência destes fatos, existe uma tendência para o aumento da prevalência do DM 2 no mundo. Sabe-se que cerca de 50% dos indivíduos portadores de DM 2 não sabem que possuem a doença, o que auxilia no diagnóstico tardio, contribuindo para alterações micro e macro vasculares (CELONEZE et al., 2006; CRUZ_FILHO et al., 2002). Diferente do DM 1, os fatores que levam ao DM 2 é a resistência à ação da insulina. No inicio da doença, ocorre uma hiperinsulinemia compensatória que pode durar anos em resposta a essa resistência, com o tempo progride-se em massa a lesão de células beta pancreáticas e reduz a secreção de insulina, entre os fatores que levam a este quadro estão a glicopatoxicidade, estresse oxidativo e acúmulo de depósitos amilóides na

5 68 Avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador do Diabetes Mellitus Como o DM 2 favorece o aumento da morbidade e mortalidade, alguns autores vêm associando o DM 2 às doenças cardiovasculares, à intolerância à glicose, hipertrigliceridemia, hipertensão, redução do HLD-c, levando a complicações que evoluem para disfunção ou falência de vários órgãos (BEM; KUNDE, 2006; MACLELLAM et al., 2007). Dentre os tipos mais freqüentes de DM, encontra-se o diabetes mellitus gestacional (DMG), conhecido por apresentar algum nível de intolerância a carboidratos resultando em hiperglicemia, com inicio ou diagnóstico durante a gestação (PAC; REIS, 2008). Para obter-se um diagnóstico de DM, visto que a hiperglicemia é adotada como parâmetro para tal, utiliza-se métodos laboratoriais precisos. A conseqüência da hiperglicemia prolongada são lesões orgânicas irreversíveis e com grande risco para a vida devido à sua toxicidade ao organismo (NETTO et al., 2009; OTERO et al., 2006). 2. MÉTODOS DIAGNÓSTICOS O diagnóstico correto e precoce do DM é extremamente importante para o tratamento eficaz e preventivo de complicações (GROSS et al., 2002; NETTO et al., 2009). Entre os parâmetros laboratoriais freqüentemente utilizados para nortear as direções terapêuticas do DM, pode-se citar a dosagem da glicemia de jejum, teste oral de tolerância a glicose (TOTG), a frutosamina e finalmente a hemoglobina glicada (BEM; KUNDE, 2006) Glicemia de Jejum Em indivíduos não diabéticos existe uma homeostase glicêmica, isto é, taxa de glicose dentro dos padrões da normalidade, num individuo portador de DM existe um aumento anormal da glicemia devido as alterações metabólicas presentes nestes casos (COSTA et al., 2003; SCHAAN et al., 2004). A regulação da glicemia resulta da ação de dois hormônios produzidos no pâncreas, o estado normal de jejum caracteriza-se por níveis mais elevados de glucagon e baixos de insulina, mantendo a glicemia entre 70 e 110mg/dl, devido a alimentação, ocorre um aumento fisiológico de glicose, com isso a glicemia se eleva, e com a ação da insulina retorna aos níveis normais, com isso, é correto afirmar que a glicemia de jejum caracteriza-se por níveis de glicose no individuo após um período de jejum de 12 horas (CELONEZE et al., 2006).

6 Flavio Marques Lopes, Edna Tiago de Araújo, Keila Jacinto da Silva, Mírian Costa Silva, Reinan Oliveira da Cruz, Eduardo Sardinha Lisboa 69 Estudos realizados pela American Diabetes Association (ADA) apresentou novas diretrizes para o diagnóstico do DM, pois são revisadas anualmente, recomendando a dosagem de apenas uma glicemia de jejum para o diagnóstico, classificando o limite máximo da glicemia de jejum 99 mg/dl e a alterada (pré-diabetes) definida entre 100 e 125 mg/dl, estes parâmetros laboratoriais são freqüentemente utilizados para nortear as direções terapêuticas do DM (BEM; KUNDE, 2006; COSTA et al., 2003) Teste Oral de Tolerância a Glicose (TOTG) Juntamente com a glicemia de jejum o Teste Oral de Tolerância a Glicose (TOTG) vem sendo adotado como um dos parâmetros utilizados no diagnóstico do DM, tanto para gestantes como para outros indivíduos, o TOTG pode classificar as pessoas em normais, intolerantes a glicose ou em DM (CELONEZE et al., 2006; CORRÊA et al., 2007). Após um período de jejum de 12 horas os indivíduos, serão submetidos a uma sobrecarga oral de glicose, 75g de glicose diluídos em 250 ml de água, após a ingestão, aguarda se um período de repouso de 30 minutos, após este intervalo, serão realizadas, coletas nos tempos de 0, 30, 60, 90, 120 minutos para obtenção das concentrações plasmáticas de glicose e insulina (COSTA et al., 2003). Não há diferença entre o rastreamento e o diagnóstico da DM na gestação ou fora dela ou sequer para crianças, preconiza-se somente a quantidade de glicose ingerida, durante o TOTG, a suplementação é realizada com apenas 50g de glicose para a gestante e para crianças recomenda-se 1,75g/kg de glicose para a realização do teste (AYACH, 2000; AYACH et al., 2005). Estudos realizados pela Associação Americana de Diabetes (ADA), apresentou novas diretrizes para o diagnóstico do DM, pois são revisadas anualmente, recomendando a dosagem de glicemia de jejum para o diagnóstico e o TOTG em algumas circunstâncias, classificando o limite máximo da glicemia de jejum para 99 mg/dl e a alterada (pré-diabetes) definida entre 100 e 125 mg/dl (BEM; KUNDE, 2006) Hemoglobina Glicada Os eritrócitos são células que tem origem na medula óssea, proveniente de uma célula blástica de linhagem, o pró-eritroblásto, é uma célula anucleada e tem vida média em cerca de 120 dias, sua função é o transporte de hemoglobina, sendo responsáveis pela oxigenação tecidual (TEIXEIRA, 2006). Nos eritrócitos existe uma proteína especializada

7 70 Avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador do Diabetes Mellitus heme formada por protoporfirina combinada com ferro formando um tetrâmero de polipeptídeos (HOFFBRAND et al., 2008). O termo hemoglobina glicada é definido por um grupo de substâncias formadas a partir da reação entre a hemoglobina A (Hb A) e um açúcar, a parte mais relevante deste conjunto é a fração A1c, onde existe um resíduo de glicose ligado ao grupo terminal (resíduo de valina) de uma ou ambas as cadeias beta da Hb A. A ligação da glicose com a hemoglobina é o produto de uma reação não enzimática, definida como glicação. A membrana da hemácia é altamente permeável á molécula de glicose, permitindo que a hemoglobina presente fique exposta, praticamente, a mesma concentração da glicose plasmática (CAMARGO; GROSS, 2004; NETTO et al., 2009). Os eritrócitos possuem um tempo de vida médio de 120 dias, podendo oferecer na avaliação glicêmica média a dosagem de glicose ligada à hemoglobina, dentro de um período anterior de 90 a 120 dias. (CAMARGO; GROSS, 2004; NETTO et al., 2009). Os valores de referência empregados atualmente para a hemoglobina glicada são de 4% a 6%, níveis acima de 7% vêm comumente sendo associados às complicações do DM. Recomenda-se a manutenção de níveis baixos de hemoglobina glicada para prevenção das complicações que, a longo prazo, se tornam crônicas (NETTO et al., 2009). Há variabilidade entre pacientes diabéticos tipo 1 e 2, e para que haja um melhor controle utiliza-se a hemoglobina glicada como um parâmetro importante para o tratamento proposto aos pacientes (GOMES et al., 2001). As lesões orgânicas provocadas pela hiperglicemia são extremamente tóxicas ao organismo devido à promoção da glicação de proteínas, pela hiperosmolalidade e pelo aumento dos níveis de sorbitol dentro das células. Este mecanismo gera o desenvolvimento de lesões crônicas, necessitando de um rigoroso controle glicêmico feito por meio do monitoramento da hemoglobina glicada, da glicose por via subcutânea, e realização de exercícios físicos, fatores estes que geram uma boa resposta glicêmica, reduzindo as complicações relacionadas ao DM (OLIVEIRA et al., 2005; PUNHALES et al., 2007; RAMALHO; SOARES, 2008). Devido às desvantagens dos métodos atualmente utilizados para o diagnóstico e controle glicêmico, a relação entre a hemoglobina glicada e o DM tem sido um preditor das complicações da doença, seu uso tem sido difundido e validado, decorrente a dois estudos clínicos realizados pelo Diabetes Control and Complications Trial (DCCT) e o United Kingdom Prospective Diabetes Study (UKPDS). Sua utilização vem tornando-se indispensável na prática clínica, tendo em vista os níveis glicêmicos dos últimos três

8 Flavio Marques Lopes, Edna Tiago de Araújo, Keila Jacinto da Silva, Mírian Costa Silva, Reinan Oliveira da Cruz, Eduardo Sardinha Lisboa 71 Os métodos que são certificados para a dosagem de hemoglobina glicada são os de cromatografia líquida de alta eficiência, podendo também ser utilizados métodos que não sejam de cromatografia líquida como imunoensaio turbidimétrico, eletroforese, cromatografia de troca iônica e enzimático. Segundo diversos autores, fazem-se necessários tratamentos especializados, com acompanhamento clínico-laboratorial, promovendo uma melhor confiabilidade nos resultados, promovendo uma melhora na qualidade de vida dos pacientes diabéticos (MARTINS, 2004). É de grande importância que os serviços de saúde e os próprios indivíduos conheçam o papel deste método para um bom controle glicêmico (CAMARGO; GROSS, 2004). Dados de prospecção sobre a forma de tratamento dos pacientes portadores de diabetes permitem afirmar que apenas uma pequena parcela tem acesso a tratamento especializado e /ou dispõe de adequado aparato de acompanhamento clínico. Embora seja amparado pelo Sistema Único de Saúde, que garante oferta de atenção médica universal, o paciente diabético brasileiro ainda não usufrui significativamente do melhor conhecimento disponível sobre esta doença (MARTINS, 2004). Complicações relacionadas à doença têm sido apontadas como responsáveis pela necessidade de elevados custos com cuidados médicos, daí a necessidade de um efetivo controle glicêmico para evitar complicações crônicas do diabetes mellitus. Tendo em vista que a hemoglobina glicada tem sido utilizada como uma importante ferramenta para a avaliação do controle glicêmico nos pacientes diabéticos, o presente estudo justifica-se na avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador para o monitoramento do controle glicêmico (CAMARGO; GROSS, 2004; AGUIAR et al., 2007). 3. MATERIAIS E MÉTODOS 3.1. Tipo de Pesquisa Este é um estudo descritivo, transversal, delineado de acordo com as Diretrizes e Normas Regulamentadoras de Pesquisa envolvendo Seres Humanos (Resolução 196/96 e 251/97 do Conselho Nacional de Saúde) com base na coleta de dados no Laboratório Central de Análises Clínicas situado no município de Anápolis-GO. A população do estudo constituise dos pacientes analisados pelo Laboratório Central no período de 2005 a 2009.

9 72 Avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador do Diabetes Mellitus 3.2. Local e Sujeitos da Pesquisa Para a realização deste estudo foi realizado um levantamento de dados dos pacientes atendidos no Laboratório Central de Análises Clínicas, situado na cidade de Anápolis, no período de 2005 a Os dados coletados seguiram os seguintes critérios: pacientes de ambos os sexos, portadores ou não de diabetes, com idade acima de 14 anos e abaixo de 85 anos O Método para a Coleta de Dados A coleta de dados foi realizada por meio de informações contidas no banco de dados do Laboratório Central de Análises Clínicas. As seguintes variáveis foram coletadas para o estudo: Sexo. Faixa Etária. Taxas de Glicemia em Jejum. Taxas de Hemoglobina Glicada. As taxas de glicemia de jejum e hemoglobina glicada seguiram as metodologias descritas por pelos kits utilizados, a saber: Hemoglobina Glicada Para o desenvolvimento dos exames laboratoriais, utilizou-se kit comercial, cujo princípio baseava-se em uma resina de troca iônica, carregada negativamente. Tal resina apresenta uma afinidade para a molécula com carga positiva que será eluída posteriormente, utilizando tampão fosfato 36 mmol/l ph 6,7. Glicemia de Jejum O teste de glicemia foi realizado utilizando kits enzimáticos contendo Glicose-oxidase e Peroxidase como ativos biocatalíticos. O produto da reação era medido em espectrofotômetro Bioplus 2000, à 510 nm. Todos os dados laboratoriais, que continham os exames de glicemia e hemoblogina glicada, mantidos no sistema de gerenciamento de pacientes foram utilizados na realização deste trabalho Tratamento e Análise dos Dados Este estudo baseia-se na coleta de dados, retrospectivos, de exames laboratoriais, não oferecendo assim nenhum risco aos pacientes participantes, pois apenas seus dados foram utilizados para o desenvolvimento do estudo em questão. O sigilo da identidade do

10 Flavio Marques Lopes, Edna Tiago de Araújo, Keila Jacinto da Silva, Mírian Costa Silva, Reinan Oliveira da Cruz, Eduardo Sardinha Lisboa 73 paciente também foi mantida, segundo as normas previstas na Resolução 196/96 e 251/97 do Conselho Nacional de Saúde. Os dados qualitativos foram coletados por meio de pesquisas bibliográficas extraídas de livros e artigos científicos adquiridos pelos bancos de dados: SciELO, Scirus, Science Direct e Scopus, utilizando como palavras-chave os unitermos: Himoglobina glicada, Diabetes, Glicemia de jejum. A análise quantitativa foi baseada nos dados obtidos do Laboratório Central, utilizando o sistema de gerenciamento de pacientes, onde possui o registro dos pacientes desde 2004, para esta análise foi utilizada informações de 2005 a Após coletados, os dados foram tabulados e organizados em planilhas de Microsoft Excell 2010, para demonstração dos resultados por meio de gráficos que relaciona os índices de hemoglobina glicada e a glicemia de jejum, por faixa etária e sexo Aspectos Éticos da Pesquisa O projeto desta pesquisa foi encaminhado ao Comitê de Ética e Pesquisa da Anhanguera Educacional (AESA), visando obter permissão para realizá-lo. Frente à permissão para consecução do estudo via processo 013/2010 IPADE/AESACEP foi realizada a coleta de dados, a tabulação e publicação dos resultados alcançados. 4. RESULTADOS Foram avaliados pelo presente estudo 216 registros laboratoriais, presentes no sistema de gerenciamento de pacientes do Laboratório Central de Análises Clínicas de Anápolis Goiás. A amostragem foi composta por 67 registros de pacientes do sexo masculino e 149 do sexo feminino, com idade entre 14 e 85 anos, destes foram avaliados os níveis de hemoglobina glicada e os de glicemia de jejum. Os resultados encontrados estão descritos abaixo. Na Figura 1, está descrita a distribuição dos níveis de hemoglobina glicada em pacientes do sexo masculino. Os valores apresentados seguem uma distribuição normal, apresentando uma maior frequência entre os valores 7,4 a 9,1%, onde é possível perceber que 37,31% (25) dos pacientes possuem seus níveis de hemoglobina glicada neste intervalo.

11 74 Avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador do Diabetes Mellitus Figura 1. Taxa de Hemoglobina Glicada - Pacientes do Sexo Masculino. Na Tabela 1 pode-se avaliar a média dos valores de hemoglobina glicada em relação à idade na população do sexo masculino. De acordo com os dados é possível relatar que pacientes com idade superior aos 50 anos estão entre os que possuem maior taxa de hemoglobina glicada, variando entre 7,5 a 8,5. Tabela 1. Média da Taxa de Hemoglobina Glicada relacionada à idade dos pacientes do Sexo Masculino. Idade Média da Taxa de Hemoglobina , , , , , , , ,3 Fonte: Laboratório Central de Análises Clínicas (2010). Ao analisar os níveis glicêmicos de jejum (Figura 2), da população do sexo masculino, é possível verificar que 20 (29,85%) indivíduos apresentaram valores glicêmicos normais, e 47 (70,15%) apresentaram valores glicêmicos acima dos valores de referência adotada pela Sociedade Brasileira de Endocrinologia.

12 Flavio Marques Lopes, Edna Tiago de Araújo, Keila Jacinto da Silva, Mírian Costa Silva, Reinan Oliveira da Cruz, Eduardo Sardinha Lisboa 75 Figura 2. Taxa de Glicemia de Jejum - Pacientes do Sexo Masculino. Considerando os valores médios de glicemia de jejum em relação à idade dos indivíduos do sexo masculino pode-se observar que pacientes acima dos 32 anos apresentaram valores glicêmicos acima do recomendado. Resultados apresentados na Tabela 2. Tabela 2. Média da Taxa de Glicemia de jejum relacionada à idade dos pacientes do Sexo Masculino. Idade Média da Taxa de Glicemia de Jejum Fonte: Laboratório Central de Análises Clínicas (2010). Analisando os dados obtidos dos pacientes do sexo feminino, quanto ao nível de hemoglobina glicada (Figura 3), é possível verificar que da população total de 149 pacientes, com idade entre 14 e 85 anos, 109 (73,15%) apresentaram-se com valores de hemoglobina elevados e 26,85% apresentaram níveis considerados normais, segundo a Sociedade Brasileira de Endocrinologia.

13 76 Avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador do Diabetes Mellitus Figura 3. Taxa de Hemoglobina Glicada - Pacientes do Sexo Feminino. A Figura 4 apresenta a média de hemoglobina glicada em relação à idade dos indivíduos do sexo feminino. Pode-se observar que somente os pacientes com idade entre 50 a 67 apresentaram índices de hemoglobina glicada acima de 8,0%. Figura 4. Média da Taxa de Hemoglobina Glicada relacionada à idade dos pacientes do Sexo Feminino. Na Tabela 3 é possível verificar os índices glicêmicos da população feminina. Verifica-se uma frequência maior de pacientes com taxa de glicemia acima de 100 mg/dl 69,1%, enquanto que 30,9% apresentam valores glicêmicos considerados normais.

14 Flavio Marques Lopes, Edna Tiago de Araújo, Keila Jacinto da Silva, Mírian Costa Silva, Reinan Oliveira da Cruz, Eduardo Sardinha Lisboa 77 Tabela 3. Taxa de Glicemia de Jejum - Pacientes do Sexo Feminino. Taxa de Glicemia de Jejum Nº de Pacientes TOTAL 149 Fonte: Laboratório Central de Análises Clínicas (2010). Na Figura 6, é possível verificar que os valores de glicemia não apresentam uma distribuição homogênea frente à idade. No entanto é perceptível que em pacientes mais jovens (14 22) o nível da glicemia está dentro da normalidade, bem como pode ser visto no grupo de 32 40, onde a média da glicemia foi de 96 mg/dl. Figura 5. Média da Glicemia de Jejum relacionada à idade do Sexo Feminino. 5. DISCUSSÃO A hemoglobina glicada é considerada o exame laboratorial de rotina, aplicado a todos pacientes diagnosticas com diabetes mellitus, fundamental para documentar o controle

15 78 Avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador do Diabetes Mellitus glicêmico dos níveis médios de glicose plasmática nos 2 a 3 meses que antecedem o procedimento laboratorial. Em indivíduos normais os índices de hemoglobina glicada está otimizado entre 1% a 4%, mas na prática estão referenciados em torno de 4% a 6%, valores acima de 7% são associados aos indivíduos diabéticos potencialmente em risco para complicações crônicas, segundo Netto et al. (2009), com o presente estudo ficou evidenciado que a população estudada apresenta um elevado risco para complicações do DM. Segundo Cruz-Filho et al. (2002), a alta prevalência do DM ocorre em todo o mundo e com projeções epidêmicas para os anos futuros, as complicações decorrentes da evolução da doença estão relacionadas ao fato do diagnóstico tardio. As manifestações clínicas são silenciosas e progressivas, o que torna claro o fato de que o diagnóstico precoce é uma ferramenta importante para a prevenção de complicações crônicas. A população analisada pelo Laboratório Central de Anápolis encontra-se com níveis de hemoglobina glicada elevados. O maior índice observado foi em indivíduos do sexo feminino totalizando 69% dos pacientes. Neste estudo verificou-se uma relação entre os valores elevados, tanto de hemoglobina glicada quanto os de glicemia de jejum, com a idade. O trabalho Schaan et al. (2004), relata que a tolerância à glicose vai diminuindo de acordo com o envelhecimento dos indivíduos, o que pode ser observado nos dados apresentados, corroborando com os estudos de hemoglobina glicada, já publicados. De acordo com os relatos de Netto et al.(2009), atualmente a hemoglobina glicada não é adotada como teste para rastreio do DM, e sim para controle glicêmico pois um resultado normal não descarta o DM, mas porém pode se dizer que um índice elevado demonstra um indivíduo diabético, pois o teste proporciona a concentração média de glicose plasmática dos últimos 60 a 90 dias que antecedem a realização do exame laboratorial. O teste em sim é fundamental para a complementação das medições do controle glicêmico, como a glicemia de jejum em plasma ou urina. A correlação observada neste estudo entre os valores elevados de hemoglobina glicada e de glicemia de jejum, tanto em indivíduos do sexo masculino e do sexo feminino, foi consistente com a literatura, pois as taxas elevadas dos valores glicêmicos levam as complicações crônicas do DM (CAMARGO; GROSS, 2004; NETTO et al., 2009). A dosagem da hemoglobina glicada apresenta altos níveis de exatidão e de reprodutividade, no entanto fatores interferentes podem resultar em valores não compatíveis com o real estado do controle glicêmico do indivíduo, podemos citar como

16 Flavio Marques Lopes, Edna Tiago de Araújo, Keila Jacinto da Silva, Mírian Costa Silva, Reinan Oliveira da Cruz, Eduardo Sardinha Lisboa 79 etiologias, hemoglobinopatias, comprometimento da medula óssea por radiação, toxinas fibroses, tumores, deficiência nutricional de ácido fólico, vitaminas B6 e B12, deficiência de ferro, hipertireoidismo, queimaduras graves, intoxicação por chumbo, condições que aumentam o número de glóbulos vermelhos e ou o valor do hematócrito (NETTO et al., 2009). Devido aos fatores que promovem interferências na dosagem da hemoglobina glicada, bem como interferir nos valores da hemoglobina glicada, estes métodos não podem ser utilizado como rastreio para o DM, mas há possibilidade de utilização dele como complemento da glicemia de jejum, tanto para o diagnóstico como para a confirmação do mesmo. Diversos autores relatam a especificidade, porém sem sensibilidade, pois um resultado normal não exclui o DM, e sim demonstra controle. A dosagem da hemoglobina glicada ainda não foi padronizada para teste de rastreio do DM, mas certamente um indivíduo que apresente níveis acima de 10% possivelmente será considerado diabético (NETTO et al., 2009; CRUZ-FILHO et al., 2002; MACLELLAM et al., 2007; LOJUDICE; SOGAYAR, 2008). A maioria da população estudada apresenta níveis de hemoglobina glicada e de glicemia de jejum alteradas, neste estudo não foi possível avaliar estes pacientes como diabéticos ou não, pois existem pacientes com níveis de hemoglobina glicada normais e de jejum com alterações. Mas levando em consideração que níveis altos de hemoglobina glicada demonstram descontrole glicêmico pode afirmar que a maioria da população estudada, 68%, está com níveis de hemolgobina glicada alterados e 32% normais, não podendo, neste caso, excluir o DM. Estes pacientes podem estar em um adequado controle glicêmico (SCHAAN et al., 2004; TRICHES et al., 2009). 6. CONSIDERAÇÕES FINAIS Os resultados apresentados por este estudo demonstraram que para os 67 indivíduos do sexo masculino analisados, 58% apresentaram valores alterados. O valor médio de hemoglobina glicada esteve entre 7,4% a 9,1%, valores fora dos padrões aceitáveis. Para os níveis de glicemia de jejum, encontraram-se níveis elevados em 70% da população masculina estudada. Da população do sexo feminino estudada ocorreu um elevado índice de pacientes com alterações, tanto na hemoglobina glicada quanto na glicemia de jejum, evidenciando que 73% delas apresentaram níveis elevados de hemoglobina glicada e que 69% apresentaram glicemia de jejum alterada.

17 80 Avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador do Diabetes Mellitus De acordo com os dados analisados, pode-se dizer que os níveis glicêmicos aumentados estão relacionados à idade elevada. O envelhecimento do paciente causa tolerância à glicose diminuída provocando um estado de hiperglicemia, demonstrados pelos resultados obtidos neste estudo. Com os resultados apresentados por este estudo pode-se concluir então que a dosagem de hemoglobina glicada não pode ser utilizada para o diagnóstico, e sim para o controle glicêmico. Objetiva-se com o controle evitar a ocorrência de complicações do DM, priorizando a qualidade de vida dos indivíduos diabéticos, sendo a hiperglicemia prolongada bastante nociva ao organismo. REFERÊNCIAS AGUIAR, Luiz Guilherme K. de; VILLELA, Nivaldo Ribeiro; BOUSKELA, Eliete. A microcirculação no diabetes: Implicações nas complicações crônicas e tratamento da doença. Arq. Brás. Endocrinol. Metab., v.51, n.2, p , ARAÚJO, Leila Maria Batista; BRITTO, Maria M. dos Santos; CRUZ, Thomas R. Porto da. Tratamento do Diabetes Mellitus do tipo 2: Novas opções. Arq. Bras. Endocrinol. Metab., v. 44, n.6, p , AYACH, Wilson. Comparação entre a Glicemia de Jejum associada aos fatores de risco e o Teste Oral de Tolerância à Glicose simplificado no rastreamento do diabete gestacional. RBGO, v.22, n.5, p.313, AYACH, Wilson; CALDERON, Iracema de Mattos Paranhos; RUDGE, Marilza Vieira Cunha; COSTA, Roberto Antonio Araújo. Associação glicemia de jejum e fatores de risco como teste para rastreamento do diabete gestacional / Fasting glycemia associated wicth factors as a screening test for gestational diabetes mellitus. Rev. Bras. Saúde Matern. Infant., v.5, n.3, p , BARONE, Bianca; RODACKI, Melane; CENCI, Maria Claudia Peixoto; ZAJDENVERG, Lenita; MILECH, Adolfo; OLIVEIRA, José Egidio P. Cetoacidose Diabética em Adultos-Atualização de uma Complicação Antiga. Arq. Brás. Endocrinol. Metab., v. 51, n.9, p , BEHLE, Ivo; ZIELINSKY, Paulo; ZIMMER, Lucia Pellanda; PONTREMOLI, Mila; RISCH, Juliana N. Níveis de hemoglobina glicosilada e anomalias cardíacas em fetos de mães com diabetes mellitus. RBGO, v. 20, n.5, p , BEM, Andreza Fabro de; KUNDE, Juliana. A importância na determinação da hemoglobina glicada no monitoramento das complicações crônicas do diabetes mellitus / The importance of glycated hemoglobin determination in the management of chronic complications associated with diabetes mellitus. J. Bras. Patol. Méd. Lab., v. 42, n.3, p , ILUS, TAB, CAMARGO, Joíza Lins; GROSS, Jorge Luiz. Glico-Hemoglobina (HbA1c, p.aspectos Clínicos e Analíticos. Arq. Brás. Endocrinol. Metab., Porto Alegre, v. 48, n.4, p , CHACRA, Antonio Roberto. Qual é o real valor da dosagem da hemoglobina glicada (A1C)?. J. Bras. Patol. Méd. Lab., v. 44, n.3, p.0-0, ND, CELONEZE, Bruno; LAMOUNIER, Rodrigo Nunes; COELHO, Otávio Rizzi. Hiperglicemia pósprandial: Tratamento do seu potencial aterogênico / Postprandial Hyerglycemia: Treating atherogenic potential. Arq. Bras. Cardiol., v.87, p , CORRÊA, Fernanda H.; NOGUEIRA, Verônica G.; BEVILÁCQUUA, Maria de Fátima; GOMES, Marília de Brito. Avaliação da secreção e reistência insulínica em indivíduos com diferentes graus de tolerância à glicose-do metabolismo normal ao diabetes mellitus. Arq. Bras. Endocrinol. Metab., v. 51, n.9, p , COSTA, Augusto C. F.; ROSSI, Adriana; GARCIA, Nádia B.; MOREIRA, Ayrton C.; FOSS, Milton

18 Flavio Marques Lopes, Edna Tiago de Araújo, Keila Jacinto da Silva, Mírian Costa Silva, Reinan Oliveira da Cruz, Eduardo Sardinha Lisboa 81 associadas à resistência insulínica / Diagnostc criteria of the glucose metabolism disorders and variables associated to insulin resistence. J. Brás. de Patologia e Medicina Laboratorial, v. 39, n.2, p , DAMIANI, Durval. Critérios diagnósticos no diabetes mellitus. Rev. Ass. Méd. Brasil, v. 46, n.4, p , DIB, Sergio Atala. Heterogeneidade do Diabetes Melito Tipo 1. Arq. Bras. Endocrinol. Metabol. Lab., v.52, n.2, p TAB, CRUZ-FILHO, Rubens A.; CORRÊA, Lávia Lugarinho; EHRHARDT, Alessandra O.; CARDOSO, Gilberto Perez; BARBOSA, Gilberto Miranda. O papel da glicemia capilar de jejum no diagnóstico precoce do diabetes mellitus: Correlação com fatores de risco cardiovascular. Arq. Bras. Endocrinol. Matab., v. 46, n.3, p , GOMES, Marília de B.; FERNANDES, Luis Maurício M.P.; FUKS, Anna Gabriela; PONTES, Cristiana R.P.A.; CASTRO, Simone Henriques; AFFONSO, Filipe de Souza; GARFINKEL, Tatiana; LUCAS, Nélson Eduardo. Variabilidade do Controle Glicêmico de Pacientes com Diabetes Tipo 1 e Tipo 2 Durante Um Ano de Acompanhamento. Arq. Bras. Endocrinol. Metab., Rio de Janeiro, v.45, n.2, p , GROSS, Jorge L.; SILVEIRO, Sandra P.; CAMARGO, Joíza L.; REICHELT Angela J.; AZEVEDO, Mirela J. de. Diabetes Melito: Diagnóstico, Classificação e Avaliação do Controle Glicêmico. Arq. Bras. Endocrinol. Metab., Porto Alegre, v. 46, n.1, p.16-26, HOFFBRAND, A.V.; MOSS, P.A.H.; PETTIT, J.E. Fundamentos em Hematologia. 5.ed. Artmed, LOJUDICE, Fernando Henrique; SOGAYAR, Mari Cleide. Células tronco no tratamento e cura do diabetes mellitus / Stem cells in the treatment and cure of diabetes mellitus. Ciência & Saúde Coletiva, v.13, n.1, p.15-22, MANNA, Della. Nem toda criança diabética é do tipo 1 / Not every diabetic child hás type 1 diabetes melitus. J. Pediatria, Rio J., v.83, supl 5, p , MARTINS, Álvaro Rodrigues. Hemoglobina glicada: ações para sua utilização com base no conhecimento científico. J. Bras. Patol. Méd. Lab. v.39, n.3, p , ND, MCLELLAN, Kátia Cristina Portero,; BARBALHO, Sandra Maria.; CATTALINI, Marino.; LERARIO, Antonio Carlos.Diabetes mellitus do tipo 2, síndrome metabólica e modificação no estilo de vida/ Type 2 Diabetes Mellitus, metabolic syndrome and change in lifestyle. Rev. Nutr. Campinas, v. 20, n.5, p , set./out MINELLI, Lorivaldo; NONINO, Andrei Bungart; SALMAZO, Jaqueline Cantarelli; NEME, Leandro; MARCONDES, Marcelo. Diabetes mellitus e afecções cutâneas / Diabetes mellitus and cutaneous affections. Na Bras. Dermatol., v. 78, n.6, p , NETTO, Augusto Pimazoni; ANDRIOLO, Adagmar; FILHO, Fadlo Fraige; TAMBASCIA, Marcos; GOMES, Marilia de Brito; MELO, Murilo; SUMITA, Nairo Massakazu; LYRA, Ruy; CAVALCANTI, Saulo. Atualização sobre hemoglobina glicada (HbA1C) para avaliação do controle glicêmico e para o diagnostico do diabetie: aspectos clínicos e laboratoriais / update of glycated hemoglobin (HbA1C) for assessment of glycemic control and the diagnostics of diabetes: clinical and laboratory aspects. J. Bras. Patol. Méd. Lab., v. 45, n.1, p.31-48, ILUS, GRA, TAB, OLIVEIRA, Cláudia H.M.C. de; BERGER, Karina; SOUZA Silvia Coral de A. L. e; MARUI, Suemi; KHAWALI, Cristina; HAUACHE, Omar M.; VIEIRA, José Gilberto H.; MACIEL, Rui M. B.; REIS, André F. Monitorização contínua de glicose: análise critica baseada em experiência ao longo de um ano / Continuous glucose monitoring: a critical appraisal after one yer experience. Arq. Bras. Endocrinol. Metab., v. 46, n.6, p , ILUS, TAB, OTERO, Morales Jorge; CONEJERO, Ana María Suares; LANTIGUA, Luis Cáspedes; REBOREDO, Waldo. Diabetes mellitus. Diagnóstico positivo. Rev. Cubana Med. Gen. Integr., v. 22, n.1, PAC, M.; REIS, R.; Diabetes mellitus gestacional. Rev. Ass. Med. Bras., v. 54, n.8, p , PUNHALES, Márcia K.C.; GEREMIA, César; MONDADORI, Paula; PICKEL, Marilissa; FORNARI, Adriana; TSCHIEDEL, Balduino. Como a monitorização contínua de glicose subcutânea pode colaborar na interpretação dos valores da HbA1c no diabetes melito tipo 1. Arq. Bras. Endocrinol. Metab. Lab., v. 52, n.2, p TAB, 2008.

19 82 Avaliação da hemoglobina glicada como importante marcador do Diabetes Mellitus RAMALHO, Ana Claudia R.; SOARES, Sabrina. O papel do exercício no tratamento do diabetes melito tipo 1 / The role of exercise in the treatment of type 1 diabetes. Arq. Bras. Endocrinol Metab., v.52, n.2, p , TAB, SCHAAN, Beatriz D Argod; HARZHEIM, Erno; GUZ, Iseu. Perfil de risco cardíaco no diabetes mellitus e na glicemia de jejum alterada / Cardiac risk profile in diabetes mellitus and impaired fasting glucose. Rev. Saúde Pública, v.38, n.4, p , SUMITA, Nairo Massakazu; ANDRIOLO, Adagmar. Importância da determinação da hemoglibina glicada no monitoramento do paciente portador de diabetes melitus. J. Bras. Patol. Méd. Lab., v.42, n.3, ND, Importância da hemoglobina aplicada no controle do diabetes mellitus e na avaliação de risco das complicações crônicas / Glycohemoglobin importance in the diabetes mellitus control and in the risk evaluation of chronic complications. J. Bras. Patol. Méd. Lab., v. 44, n.3, p , TAB, SUMITA, Nairo Massakazu. A Hemoglobina glicada e o laboratório clínico. J. Bras. Patol. Méd. Lab., v. 45, n.1, p.7-8, ND, TEIXEIRA, José Eduardo Cavalcanti. Diagnóstico Laboratorial em Hematologia. 1. ed. Mogi das Cruzes: Roca, TRICHES, Cristina; SCHAAN, Beatriz D Argord; GROSS, Jorge Luiz; AZEVEDO, Mirela Jobim de. Complicações macrovasculares do diabetes melito: peculiaridades clínicas, de diagnóstico e manejo / Macrovascular diabetic complications: clinical characteristcs, diagnosis and management. Arq. Bras. Endocrinol. Metab., v. 53, n.6, p , VOLTARELLI, Julio C.; COURI, Carlos E. B.; RODRIGUES, Maria Carolina; MORAES, Daniela A.;STRACIERI, Ana Beatriz P.L. ; PIERONI, Fabiano; NAVARRO, George; MADEIRA, Maria Izabel A.; SIMÕES, Belinda P.Terapia celular no diabetes mellitus / Cell therapy in diabetes mellitus. Rev. Bras. Hemoter., v.31, supl.1, p , Flavio Marques Lopes Graduação em Farmácia Habilitação Bioquímica pelo Instituto Unificado de Ensino Superior Objetivo (2000), mestrado em Biologia pela Universidade Federal de Goiás (2003) e doutorado em Biologia pela Universidade Federal de Goiás (2008). Professor da Universidade Estadual de Goiás. Edna Tiago de Araújo Biomédica formada pela Faculdade Anhanguera de Anápolis. Keila Jacinto da Silva Biomédica formada pela Faculdade Anhanguera de Anápolis. Mírian Costa Silva Docente da Faculdade Anhanguera de Anápolis. Reinan Oliveira da Cruz Farmacêutico formado pela Faculdade Anhanguera de Anápolis. Eduardo Sardinha Lisboa Professor e Coordenador do Curso de Enfermagem da Faculdade Anhanguera de

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde.

O Diagnóstico, seguimento e tratamento de todas estas complicações causam um enorme fardo econômico ao sistema de saúde. HEMOGLOBINA GLICADA AbA1c A prevalência do diabetes tem atingido, nos últimos anos, níveis de uma verdadeira epidemia mundial. Em 1994, a população mundial de diabéticos era de 110,4 milhões. Para 2010

Leia mais

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa.

Sedentarismo, tratamento farmacológico e circunferência abdominal no controle glicêmico de diabéticos tipo 2 em Ponta Grossa. 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE

Leia mais

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada.

PALAVRAS CHAVE Diabetes mellitus tipo 2, IMC. Obesidade. Hemoglobina glicada. 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus

Cadernos de. Informação. Científica. Ano 7 nº 11 2012. Diabetes Mellitus Cadernos de Informação Científica Ano 7 nº 11 2012 Diabetes Mellitus C a d e r n o s d e I n f o r m a ç ã o C i e n t í f i c a introdução O diabetes mellitus é um problema de importância crescente em

Leia mais

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO:

NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: NÚMERO: 002/2011 DATA: 14/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS CHAVE: PARA: CONTACTO: Diagnóstico e Classificação da Diabetes Mellitus Diabetes ; Diagnóstico Médicos e Enfermeiros do Serviço Nacional de Saúde Departamento

Leia mais

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS TÍTULO: DIABETES MELLITUS TIPO II E O ANTIDIABÉTICO METFORMINA CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: BIOMEDICINA INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão.

PALAVRAS-CHAVE CRUTAC. Diabetes mellitus. Exames Laboratoriais. Extensão. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AUTOCUIDADO

Leia mais

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE

CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE CORRELAÇÃO DA INSUFICIÊNCIA RENAL E ANEMIA EM PACIENTES NORMOGLICEMICOS E HIPERGLICEMICOS EM UM LABORATÓRIO DA CIDADE DE JUAZEIRO DO NORTE, CE Janaína Esmeraldo Rocha, Faculdade Leão Sampaio, janainaesmeraldo@gmail.com

Leia mais

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES

Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES 5.5.2009 Alterações Metabolismo Carboidratos DIABETES Introdução Diabetes Mellitus é uma doença metabólica, causada pelo aumento da quantidade de glicose sanguínea A glicose é a principal fonte de energia

Leia mais

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015

Cartilha de Prevenção. ANS - nº31763-2. Diabetes. Fevereiro/2015 Cartilha de Prevenção 1 ANS - nº31763-2 Diabetes Fevereiro/2015 Apresentação Uma das missões da Amafresp é prezar pela qualidade de vida de seus filiados e pela prevenção através da informação, pois esta

Leia mais

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB

DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB DIABETES MELLITUS: MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS EVIDENCIADAS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA UNIDADE SAÚDE DA FAMÍLIA DO MUNICÍPIO DE ALAGOA GRANDE-PB Esmeraldina Ana Sousa e Silva-Faculdade de Enfermagem Nova Esperança

Leia mais

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?...

Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Diabetes mellituséuma doença metabólica caracterizada por um aumento anormal do açúcar ou glicose no sangue QUEM DA MAIS?... Nathan et al. (2005) American Diabetes Association, (2005) 12% da população

Leia mais

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ

PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ PERFIL NUTRICIONAL DE INDIVÍDUOS DIABÉTICOS ATENDIDOS PELA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA DE UM MUNICÍPIO DO NORTE DO PARANÁ VIEIRA, G.A. Resumo: O diabetes Mellitus é considerado atualmente uma das principais

Leia mais

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses

PERFIL PANCREÁTICO. Prof. Dr. Fernando Ananias. MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses PERFIL PANCREÁTICO Prof. Dr. Fernando Ananias MONOSSACARÍDEOS Séries das aldoses 1 DISSACARÍDEO COMPOSIÇÃO FONTE Maltose Glicose + Glicose Cereais Sacarose Glicose + Frutose Cana-de-açúcar Lactose Glicose

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Insulina. Acompanhamento farmacoterapêutico. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA HEMOGLOBINA GLICADA NO DIABETES MELLITUS

A IMPORTÂNCIA DA HEMOGLOBINA GLICADA NO DIABETES MELLITUS A IMPORTÂNCIA DA HEMOGLOBINA GLICADA NO DIABETES MELLITUS LIMA, Karine de Araujo; VEIGA, Marisa Regina de Fátima kaaraujolima@gmail.com Centro de Pós-Graduação Oswaldo Cruz Resumo: A hiperglicemia prolongada

Leia mais

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS

ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS ALTERAÇÕES METABÓLICAS NO PERFIL LIPÍDICO E GLICÊMICO DE PACIENTES HIV POSITIVOS QUE FAZEM USO DE ANTIRETROVIRAIS Greice Rodrigues Bittencourt Introdução A terapia antiretroviral contemporânea (TARV) baseado

Leia mais

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE

EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE EDUCAÇÃO EM SAÚDE AOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE SOBRE DIABETES TIPO I E A PRÉ-DIABETES COM ÊNFASE NA JUVENTUDE Morais, Bruna Lais Alcará¹; Martins, Luz Marina Pinto² ¹ Estudante do Curso de Enfermagem

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP

DIABETES MELLITUS. Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS Dra. Luciana N Cosenso Martin Disciplina de Clínica Médica FAMERP DIABETES MELLITUS DEFINIÇÃO Síndrome de etiologia múltipla decorrente da falta de ação de insulina e/ou da incapacidade

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS

DIABETES MELLITUS. Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS DIABETES MELLITUS Ricardo Rodrigues Cardoso Educação Física e Ciências do DesportoPUC-RS Segundo a Organização Mundial da Saúde, existem atualmente cerca de 171 milhões de indivíduos diabéticos no mundo.

Leia mais

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas.

Os portadores de diabetes representam 30% dos pacientes que se internam em unidades coronarianas. A Diabetes é a sexta causa mais frequente de internação hospitalar e contribui de forma significativa (30% a 50%) para outras causas como cardiopatias isquêmicas, insuficiência cardíacas, AVC e hipertensão.

Leia mais

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens

ESPECTRO. ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças. Classificação de Diabetes em Jovens ALTERAÇÕES METABÓLICAS DA OBESIDADE e DMT2 EM CRIANÇAS E ADOLESCENTES Diabetes Tipo 2 em Crianças Paulo César Alves da Silva Hospital Infantil Joana de Gusmão Florianópolis-SC Florianópolis-SC Módulo de

Leia mais

CURSO: PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSO EM ANÁLISES CLÍNICAS ROSEANA NEVES SILVA ARAUJO

CURSO: PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSO EM ANÁLISES CLÍNICAS ROSEANA NEVES SILVA ARAUJO CURSO: PÓS-GRADUAÇÃO LATU SENSO EM ANÁLISES CLÍNICAS ROSEANA NEVES SILVA ARAUJO A IMPORTÂNCIA DA DETERMINAÇÃO DA HBA1C NA AVALIAÇÃO DE RISCO DAS COMPLICAÇÕES CRÔNICAS DO DIABETES MELLITUS. Salvador/Ba

Leia mais

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento

Pré diabetes. Diagnóstico e Tratamento Pré diabetes Diagnóstico e Tratamento Zulmira Jorge Assistente Hospitalar Endocrinologia do Hospital Santa Maria Endocrinologista do NEDO e do Hospital Cuf Infante Santo Diabetes Mellitus Diagnóstico PTGO

Leia mais

DIABETES MELLITUS: AVALIAÇÃO E CONTROLE ATRAVÉS DA GLICEMIA EM JEJUM E HEMOGLOBINA GLICADA

DIABETES MELLITUS: AVALIAÇÃO E CONTROLE ATRAVÉS DA GLICEMIA EM JEJUM E HEMOGLOBINA GLICADA 15 Recebido em 12/2012. Aceito para publicação em 09/2013. DIABETES MELLITUS: AVALIAÇÃO E CONTROLE ATRAVÉS DA GLICEMIA EM JEJUM E HEMOGLOBINA GLICADA DIABETES MELLITUS: AVALIATION AND CONTROL THROUGH FASTING

Leia mais

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães

Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Profa. Fernanda Oliveira Magalhães Conceito Importância - Prevalência Classificação Diagnóstico Tratamento Não farmacológico Farmacológico Diretrizes da Sociedade Brasileira de Diabetes, 2011 www.diabetes.org.br

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel

DIABETES MELLITUS. Prof. Claudia Witzel DIABETES MELLITUS Diabetes mellitus Definição Aumento dos níveis de glicose no sangue, e diminuição da capacidade corpórea em responder à insulina e ou uma diminuição ou ausência de insulina produzida

Leia mais

RESPOSTA RÁPIDA /2014

RESPOSTA RÁPIDA /2014 RESPOSTA RÁPIDA /2014 SOLICITANTE Curvelo - Juizado Especial NÚMERO DO PROCESSO DATA 3/3/2014 SOLICITAÇÃO 0209 14001499-1 Solicito de Vossa Senhoria que, no prazo de 48 horas, informe a este juízo,acerca

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS)

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB (DIABETES MELLITUS, TIREOIDEOPATIAS E OUTRAS) 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório 1a) Diabetes Mellitus Tipo 1, Tipo

Leia mais

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO

REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO REGULAÇÃO HORMONAL DO METABOLISMO A concentração de glicose no sangue está sempre sendo regulada A glicose é mantida em uma faixa de 60 a 90 g/100ml de sangue (~4,5mM) Homeostase da glicose Necessidade

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia.

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus. Aconselhamento. Glicemia. ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA 1 A PARTICIPAÇÃO DE ACADÊMICOS DO CURSO DE

Leia mais

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional

Tipos de Diabetes. Diabetes Gestacional Tipos de Diabetes Diabetes Gestacional Na gravidez, duas situações envolvendo o diabetes podem acontecer: a mulher que já tinha diabetes e engravida e o diabetes gestacional. O diabetes gestacional é a

Leia mais

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso.

PALAVRAS CHAVE: Atendimento nutricional, hipertensão arterial, sobrepeso. V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 07 ESTADO NUTRICIONAL E PREVALÊNCIA DE DOENÇAS CRÔNICAS NÃO TRANSMISSÍVEIS EM IDOSOS ATENDIDOS EM UMA CLÍNICA ESCOLA DE

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA

ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA ANÁLISE DO PERFIL GLICÍCIDO DE IDOSOS ATENDIDOS NO CENTRO DE HEMATOLOOGIA E LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS-LTDA Sarah Pereira Lins 1 ; Heronides dos Santos Pereira 2 ; Lucas Linhares Lócio 3 ; Diego

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL).

PALAVRAS-CHAVE Diabetes mellitus tipo 2. Qualidade de vida. Questionário Diabetes Quality of Life Measure (DQOL). 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EDUCAÇÃO

Leia mais

Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo

Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Reunião de Outono do Grupo de Estudo da Insulinorresistência da Sociedade Portuguesa de Endocrinologia Diabetes e Metabolismo Dia: 28 de Novembro de 2015 Local: Porto, Fundação Cupertino de Miranda Tema:

Leia mais

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL

TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL TRABALHO SUBMETIDO AO 4º ENDORIO PRÊMIO INGEBORG LAUN (MÉRITO CIENTÍFICO) Titulo: EFEITO DO EXERCÍCIO FÍSICO MODERADO DE CURTA DURAÇÃO NO CONTROLE GLICÊMICO DE MULHERES COM DIABETES GESTACIONAL AVALIADO

Leia mais

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br

0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br ANS - Nº 34.388-9 0800 30 30 03 www.unimedbh.com.br Março 2007 Programa de Atenção ao Diabetes O que é diabetes? AUnimed-BH preocupa-se com a saúde e o bem-estar dos seus clientes, por isso investe em

Leia mais

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS

Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS DIABETES Diabetes INVESTIGAÇÕES BIOQUÍMICAS ESPECIALIZADAS Homeostasia da glucose ACÇÃO DA INSULINA PÂNCREAS Gluconeogénese Glicogenólise Lipólise Cetogénese Proteólise INSULINA GO GO GO GO GO Absorção

Leia mais

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011

NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 NÚMERO: 007/2011 DATA: 31/01/2011 ASSUNTO: PALAVRAS-CHAVE: PARA: CONTACTOS: Diagnóstico e conduta na Diabetes Gestacional Diabetes Gestacional; Diabetes; Gravidez Profissionais de Saúde Divisão de Saúde

Leia mais

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ.

VOCÊ CUIDA DO SEU DIABETES, A GENTE CUIDA DE VOCÊ. Referências bibliográficas: 1. Sociedade Brasileira de Diabetes. Algoritmo para o tratamento do diabetes tipo 2 atualização 2011. Posicionamento Oficial SBD no. 3. São Paulo: SBD; 2011. 2. Sociedade Brasileira

Leia mais

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1

IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 IDENTIFICANDO AS COMPLICAÇÕES DO DIABETES MELLITUS EM FREQÜENTADORES DE UM CENTRO REGIONAL DE ESPECIALIDADES (CRE) 1 Ariana Rodrigues Silva CARVALHO 2 Karina Isabel VIVIAN 3 Marister PICCOLI 4 INTRODUÇÃO:

Leia mais

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014

DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS DIABETES MELLITUS 18/9/2014 UNESC ENFERMAGEM SAÚDE DO ADULTO PROFª.: FLÁVIA NUNES O Diabetes Mellitus configura-se hoje como uma epidemia mundial, traduzindo-se em grande desafio para os sistemas de saúde de todo o mundo. O envelhecimento

Leia mais

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS

8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS 8º Simposio de Ensino de Graduação AVALIAÇÃO DA PRESENÇA DE FATORES DE RISCO PARA O DESENVOLVIMENTO DE DIABETES MELLITUS EM INDIVÍDUOS ADULTOS Autor(es) MIRIÃ DE CASTRO COSTA Orientador(es) PATRÍCIA CARREIRA

Leia mais

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA POR DIABETES MELLITUS EM AQUIDAUANA E ANASTÁCIO MS

MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA POR DIABETES MELLITUS EM AQUIDAUANA E ANASTÁCIO MS MORBIMORTALIDADE DA POPULAÇÃO IDOSA POR DIABETES MELLITUS EM AQUIDAUANA E ANASTÁCIO MS Alfredo Aguirre da Paixão Acadêmico do curso de Licenciatura em Geografia da Universidade Federal de Mato Grosso do

Leia mais

TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2

TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 TÍTULO: A UTILIZAÇÃO DE PLANTAS MEDICINAIS NO AUXILIO DO TRATAMENTO DO DIABETES TIPO 2 CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA: CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E SAÚDE SUBÁREA: NUTRIÇÃO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS

Leia mais

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS

RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE RISCO PRESUMIDO PARA DOENÇAS CORONARIANAS EM SERVIDORES ESTADUAIS Apresentador 1 SILVA,Claudia Fagundes e Apresentador 2 PLOCHARSKI, Mayara

Leia mais

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes

Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Veículo: Jornal da Comunidade Data: 24 a 30/07/2010 Seção: Comunidade Vip Pág.: 4 Assunto: Diabetes Uma vida normal com diabetes Obesidade, histórico familiar e sedentarismo são alguns dos principais fatores

Leia mais

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO

DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO DIABETES MELLITUS: ADESÃO E CONHECIMENTO DE IDOSOS AO TRATAMENTO Roberta Kelle de Araújo Melo (FACENE) - robertakamelo@hotmail.com Morganna Guedes Batista (FACENE) - morganna_guedes@hotmail.com Rayra Maxiana

Leia mais

Conheça mais sobre. Diabetes

Conheça mais sobre. Diabetes Conheça mais sobre Diabetes O diabetes é caracterizado pelo alto nível de glicose no sangue (açúcar no sangue). A insulina, hormônio produzido pelo pâncreas, é responsável por fazer a glicose entrar para

Leia mais

A PESSOA COM DIABETES

A PESSOA COM DIABETES A PESSOA COM DIABETES A diabetes mellitus é uma doença crónica com elevados custos humanos, sociais e económicos, em rápida expansão por todo o mundo. Calcula-se que Portugal terá, na segunda década deste

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DOSAGENS DE GLICEMIA EM JEJUM, GLICEMIA MÉDIA E HEMOGLOBINA GLICADA EM PACIENTES DIABÉTICOS.

AVALIAÇÃO DE DOSAGENS DE GLICEMIA EM JEJUM, GLICEMIA MÉDIA E HEMOGLOBINA GLICADA EM PACIENTES DIABÉTICOS. UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS E DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE FARMÁCIA THIAGO PEIXOTO RODRIGUES AVALIAÇÃO DE DOSAGENS DE GLICEMIA EM JEJUM, GLICEMIA MÉDIA E HEMOGLOBINA GLICADA

Leia mais

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL

ID:1772 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Memorias Convención Internacional de Salud. Cuba Salud 15 ISBN 78-5-1-63-4 ID:177 MORBIMORTALIDADE HOSPITALAR POR DIABETES MELLITUS EM UM MUNICÍPIO DO INTERIOR DA BAHIA, BRASIL Andrade Rios, Marcela; Rodrigues

Leia mais

47 Por que preciso de insulina?

47 Por que preciso de insulina? A U A UL LA Por que preciso de insulina? A Medicina e a Biologia conseguiram decifrar muitos dos processos químicos dos seres vivos. As descobertas que se referem ao corpo humano chamam mais a atenção

Leia mais

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2

AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 AVALIAÇÃO DA DISLIPIDEMIA EM PACIENTES COM DIABETES MELLITUS TIPO 2 MARINA SOUSA PINHEIRO MOTA ALUÍSIO DE MOURA FERREIRA MARIA DE FÁTIMA RAMOS DE QUEIROZ MARIA DO SOCORRO RAMOS DE QUEIROZ DANIELE IDALINO

Leia mais

Monitoração. Testes para Avaliar o Controle Glicêmico. Mostram a Glicemia MÉDIA Pregressa dos Últimos 2 a 3 Meses

Monitoração. Testes para Avaliar o Controle Glicêmico. Mostram a Glicemia MÉDIA Pregressa dos Últimos 2 a 3 Meses Monitoração Testes para Avaliar o Controle Glicêmico Testes de Glicemia Testes de A1c Mostram o Nível Glicêmico Instantâneo no Momento do Teste Mostram a Glicemia MÉDIA Pregressa dos Últimos 2 a 3 Meses

Leia mais

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1

13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 13. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ISSN 2238-9113 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO GLICÊMICA POR VIA VENOSA EM IDOSOS DO ASILO LAR DO ANCIÃO O CAMINHO NA CIDADE DE ANÁPOLIS, GO.

CARACTERIZAÇÃO GLICÊMICA POR VIA VENOSA EM IDOSOS DO ASILO LAR DO ANCIÃO O CAMINHO NA CIDADE DE ANÁPOLIS, GO. CARACTERIZAÇÃO GLICÊMICA POR VIA VENOSA EM IDOSOS DO ASILO LAR DO ANCIÃO O CAMINHO NA CIDADE DE ANÁPOLIS, GO. Reinan de Oliveira da Cruz (FAMA) reinan_oliveira@hotmail.com Karla de Aleluia Batista (UFG)

Leia mais

AVALIAÇÃO DO PERFIL GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO SÍNDROME DE DOWN

AVALIAÇÃO DO PERFIL GLICÊMICO EM INDIVÍDUOS COM DEFICIÊNCIA INTELECTUAL APRESENTANDO OU NÃO SÍNDROME DE DOWN 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA AVALIAÇÃO

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal.

PALAVRAS-CHAVE Hipertensão. Diabetes mellitus. Obesidade abdominal. 12. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA 1 ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE (X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA PET-Saúde

Leia mais

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br

Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Diabetes mellitus em felinos Ricardo Duarte www.hospitalveterinariopompeia.com.br Síndrome que abrange uma série de doenças de etiologia diferente e clinicamente heterogêneas, que se caracterizam pela

Leia mais

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS

Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores. 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Disciplina de BIOQUÍMICA do Ciclo Básico de MEDICINA Universidade dos Açores 1º Ano ENSINO PRÁTICO DIABETES MELLITUS Diabetes Mellitus É a doença endócrina mais comum encontrada na clínica; - Caracterizada

Leia mais

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite

Insulinização. http://www.imepen.com/niepen. Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS. Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite Insulinização http://www.imepen.com/niepen Niepen Programa de Educação Continuada Educação Continuada para APS Dra Carla Lanna Dra Christiane Leite CONTROLE GLICÊMICO NO BRASIL: Mendes AB, et al. Acta

Leia mais

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus

II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES. Entendendo o Diabetes Mellitus II OFICINA NACIONAL DE FORMAÇÃO DE TUTORES EM EDUCAÇÃO EM SAÚDE PARA O AUTOCUIDADO EM DIABETES Entendendo o Diabetes Mellitus Dra. Jeane Sales Macedo Dra. Iraci Oliveira Objetivos Capacitar profissionais

Leia mais

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico

Utilização da Aveia x Índice Glicêmico Utilização da Aveia x Índice Glicêmico MURIELE MARQUES JOB; SAHRA BRENA DE OLIVEIRA LIBANIO RESUMO: O conceito de índice glicêmico pode ser considerado uma extensão da hipótese da fibra dietética, sugerindo

Leia mais

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas

Células A (25%) Glucagon Células B (60%) Insulina Células D (10%) Somatostatina Células F ou PP (5%) Polipeptídeo Pancreático 1-2 milhões de ilhotas Instituto Biomédico Departamento de Fisiologia e Farmacologia Disciplina: Fisiologia II Curso: Medicina Veterinária Pâncreas Endócrino Prof. Guilherme Soares Ilhotas Células A (25%) Glucagon Células B

Leia mais

EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas

EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA. Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas EPIGENÉTICA E NUTRIÇÃO MATERNA Augusto Schneider Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas EPIGENÉTICA Estudo da variação herdável que ocorre sem mudança na sequência do DNA Mudanças de longo

Leia mais

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR

OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Pró-Reitoria de Graduação Educação Física Trabalho de Conclusão de Curso II OBESIDADE INFANTIL ESCOLAR Autora: Damielle J. Costa Orientador: Prof. Dr. Ricardo Bernardo Mayolino Brasília - DF 2011 OBESIDADE

Leia mais

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro"

Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro Educação em Diabetes da Faculdade Municipal "Professor Franco Montoro" Mogi Guaçu/SP Educação em Diabetes da Faculdade Municipal Professor Franco Montoro RESUMO A educação em diabetes é parte imprescindível

Leia mais

Que tipos de Diabetes existem?

Que tipos de Diabetes existem? Que tipos de Diabetes existem? -Diabetes Tipo 1 -também conhecida como Diabetes Insulinodependente -Diabetes Tipo 2 - Diabetes Gestacional -Outros tipos de Diabetes Organismo Saudável As células utilizam

Leia mais

AS MODERNAS INSULINAS

AS MODERNAS INSULINAS AS MODERNAS INSULINAS II Congresso para Diabéticos promovido pela Aliança de Atenção ao Diabetes do Rio de Janeiro - Foto molecular da insulina humana - Izidoro de Hiroki Flumignan - médico endocrinologista

Leia mais

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG

PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG PREVALÊNCIA DOS FATORES DE RISCO PARA DIABETES MELLITUS TIPO 2 EM POPULAÇÃO ATENDIDA EM APARECIDA DE GOIÂNIA PELA LIGA ACADÊMICA DE DIABETES DA UFG CAMPOS NETO, Moacir Batista de¹; SANTOS, Débora Ferreira

Leia mais

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes.

Palavras-chave: obesidade infantil, alimentação saudável, diabetes. RELATO DE EXPERIÊNCIA: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE DESENVOLVIMENTO PONDERO-ESTATURAL E ORIENTAÇÃO SOBRE OBESIDADE INFANTIL REALIZADA PELOS MEMBROS DA LIGA ACADÊMICA DE PEDIATRIA DA UFG NO III ENCONTRO DO DIA

Leia mais

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica.

PALAVRAS-CHAVE Educação em Saúde. Prevenção. Doença Renal Crônica. 12. CONEX Pôster / Produto/ Resumo 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EVENTO EXPO&FLOR: ATUAÇÃO

Leia mais

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança

Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Congresso do Desporto Desporto, Saúde e Segurança Projecto Mexa-se em Bragança Organização: Pedro Miguel Queirós Pimenta Magalhães E-mail: mexaseembraganca@ipb.pt Web: http://www.mexaseembraganca.ipb.pt

Leia mais

A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM DIABETES MELLITUS GESTACIONAL

A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM DIABETES MELLITUS GESTACIONAL A ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM A UMA PACIENTE COM DIABETES MELLITUS GESTACIONAL Kelly Cristinna de Sousa Mota 12, Kelle de Lima Rodrigues 1, Gleyciane Leandro Silveira 1, Ruth Nobre de Brito 1, Nathália Catarina

Leia mais

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS

TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS UNIVERSIDADE DE UBERABA LIGA DE DIABETES 2013 TRATAMENTO MEDICAMENTOSO DO DIABETES MELLITUS: SULFONILUREIAS E BIGUANIDAS PALESTRANTES:FERNANDA FERREIRA AMUY LUCIANA SOUZA LIMA 2013/2 CRITÉRIOS PARA ESCOLHA

Leia mais

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre

DIABETES MELLITUS. Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre MELLITUS Profa. Ms. Priscilla Sete de Carvalho Onofre O Diabetes Mellitus (DM) é uma doença crônicas não transmissíveis (DCNT), de alta prevalência cujos fatores de risco e complicações representam hoje

Leia mais

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO

DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO DIABETES E GRAVIDEZ 1. CONCEITO Diabete é uma síndrome caracterizada por elevação crônica da glicemia de jejum e/ou das pós-prandiais, devido a defeito absoluto ou relativo da produção de insulina, ou

Leia mais

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM)

Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Aula 10: Diabetes Mellitus (DM) Diabetes Mellitus (DM) Doença provocada pela deficiência de produção e/ou de ação da insulina, que leva a sintomas agudos e a complicações crônicas características; Insulina:

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 50 /2015 - CESAU Salvador, 23 de março de 2015 Objeto: Parecer. Promotoria de Justiça GESAU / Dispensação de medicamentos. REFERÊNCIA: Promotoria de Justiça de Conceição do Coité/

Leia mais

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE

10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE 10º FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM DIABETES MELLITUS E HIPERTENSÃO ARTERIAL EM PACIENTES RENAIS CRÔNICOS EM HEMODIÁLISE Patrícia Keiko Saito 1 Roger Haruki Yamakawa 1 Sueli Donizete Borelli 2 O objetivo

Leia mais

EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO.

EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO. EFEITO DA PRÁTICA DA ATIVIDADE FÍSICA REGULAR NO RISCO CARDIOVASCULAR EM IDOSOS HIPERTENSOS E/OU DIABÉTICOS: UMA ANÁLISE A PARTIR DO PERFIL LIPÍDICO. Bruna Pereira da Silva¹ bruna.silva00@hotmail.com Layla

Leia mais

Caracterização de um grupo de portadores de diabetes mellitus

Caracterização de um grupo de portadores de diabetes mellitus Caracterização de um grupo de portadores de diabetes mellitus e dos exames aos quais foram submetidos, em um laboratório localizado em um bairro da cidade de Ibaté-SP Characterization of a group of patients

Leia mais

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma

Em pleno novo milênio nossa sociedade aparece com uma 8 Epidemiologia da Atividade Física & Doenças Crônicas: Diabetes Dênis Marcelo Modeneze Graduado em Educação Física Mestre em Educação Física na Área de Atividade Física, Adaptação e Saúde-UNICAMP Em pleno

Leia mais

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes

Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Saiba quais são os diferentes tipos de diabetes Diabetes é uma doença ocasionada pela total falta de produção de insulina pelo pâncreas ou pela quantidade insuficiente da substância no corpo. A insulina

Leia mais

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza

Treinamento de Força e Diabetes. Ms. Sandro de Souza Treinamento de Força e Diabetes Ms. Sandro de Souza Taxa de prevalência de Diabetes Mellitus Período: 2009 Relevância Diagnóstico de DIABETES MELLITUS Diabetes Care. 2007;30:S4 41. Resistência a Insulina

Leia mais

PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838

PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838 PARECER COREN-SP 030/2013 CT PRCI n 100.080 Ticket nº 285.189, 287.759, 289.877, 289.899, 300.838 Ementa: Realização de glicemia capilar e aferição de pressão arterial. 1. Do fato Auxiliares e Técnicos

Leia mais

Sessão Televoter Diabetes

Sessão Televoter Diabetes 2013 26 de Abril Sexta-feira Sessão Televoter Diabetes António Pedro Machado Francisco Azevedo Simões Pereira Critérios para o diagnóstico de Diabetes A1C 6.5% Gl jj 126 mg/dl ou ou PTGO - Glicémia à 2ª

Leia mais

DEMONSTRANDO A NECESSIDADE DE ATENÇÃO ESPECIAL AOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DE UMA UNIDADE DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA, PR

DEMONSTRANDO A NECESSIDADE DE ATENÇÃO ESPECIAL AOS HIPERTENSOS E DIABÉTICOS DE UMA UNIDADE DE SAÚDE DO MUNICÍPIO DE PONTA GROSSA, PR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( x ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA DEMONSTRANDO

Leia mais

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com

Enfermagem em Clínica Médica. Diabetes. Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com Enfermagem em Clínica Médica Diabetes Enfermeiro: Elton Chaves email: eltonchaves76@hotmail.com É um grupo de doenças metabólicas, com etiologias diversas, caracterizado por hiperglicemia que resulta de

Leia mais

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino

Corrida da Saúde. Infantis A - Feminino Corrida da Saúde Classificação geral do corta-mato, realizado no dia 23 de Dezembro de 2007, na Escola E.B. 2,3 de Valbom. Contou com a participação dos alunos do 4º ano e do 2º e 3º ciclos do Agrupamento

Leia mais

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?

06/05/2012. Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (? Prof. Dr. Ricardo Duarte Ausência das manifestações clínicas da doença, apesar da suspensão do tratamento Possibilidade de recidiva Remissão cura (?) Etiologia multifatorial 80% diabetes tipo 2 em seres

Leia mais

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS

TURMA 10 H. CURSO PROFISSIONAL DE: Técnico de Multimédia RELAÇÃO DE ALUNOS Técnico de Multimédia 10 H 7536 Alberto Filipe Cardoso Pinto 7566 Ana Isabel Lomar Antunes 7567 Andreia Carine Ferreira Quintela 7537 Bruno Manuel Martins Castro 7538 Bruno Miguel Ferreira Bogas 5859 Bruno

Leia mais

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães

Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Abordagem Diagnóstica e Terapêutica da Diabete Melito Não Complicada em Cães Cecilia Sartori Zarif Residente em Clínica e Cirurgia de Pequenos Animais da UFV Distúrbio do Pâncreas Endócrino Diabete Melito

Leia mais

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes

Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes Pesquisa revela que um em cada 11 adultos no mundo tem diabetes O Dia Mundial da Saúde é celebrado todo 7 de abril, e neste ano, o tema escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para conscientização

Leia mais

A ESCOLA E AS CRIANÇAS DIABÉTICAS. Comunicação EIXO PESQUISA, EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE E CULTURAS

A ESCOLA E AS CRIANÇAS DIABÉTICAS. Comunicação EIXO PESQUISA, EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE E CULTURAS 1 A ESCOLA E AS CRIANÇAS DIABÉTICAS Comunicação EIXO PESQUISA, EDUCAÇÃO, DIVERSIDADE E CULTURAS RESUMO Priscila Bortolozzo Sueli Caro A forma como pais e crianças enfrentam a doença crônica está associada

Leia mais