Visualização Contextual na Plataforma Eclipse

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Visualização Contextual na Plataforma Eclipse"

Transcrição

1 Visualização Contextual na Plataforma Eclipse Ramon Alfredo Moreno 1, Sergio Shiguemi Furuie 1, Marco Antônio Gutierrez 1 1 Instituto do Coração (InCor) do Hospital das Clínicas, Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo Resumo A transição de um protótipo para um produto é uma tarefa difícil. Existem diversas limitações em um protótipo, tal como a dificuldade de implantação no cliente, configuração e uso de memória. O Eclipse RCP é uma plataforma de desenvolvimento que oferece diversas vantagens tais como: é multiplataforma; utiliza pouca memória e é extensível. Neste trabalho é apresentado o uso do Eclipse RCP como base para o desenvolvimento do Visualizador contextual de Imagens Médicas. O Visualizador Contextual é um conceito de sistema de visualização de informações médicas que utiliza diferentes contextos para assistir o usuário na interação com o programa. É apresentado um visualizador para imagens de Angiografia por Raios-X e Tomografia Computadorizada. Conclui-se que o Eclipse RCP é uma plataforma com potencial para o desenvolvimento de produtos com qualidade de usuário-final e que melhorou as características do Visualizador Contextual. Palavras-chave: Eclipse, Rich Client Platform, imagens medicas, visualizador, contexto. Abstract - The transition of a prototype to a product is a challenging task. There are several shortcomings of a prototype such as the difficulty of client deployment, configuration issues and memory usage. The Eclipse RCP is a platform for development that offers many advantages such as: multiplatform nature; small memory footprint usage and extensible architecture. In this work we present the use of the Eclipse Rich Client Platform (RCP) as the basis for the deployment of a Contextual Medical Image Viewer. The Contextual Viewer is a concept of interface for medical/clinical information visualization that uses different contexts to enhance the user s capability and experience. We present the viewer for X-Ray Angiographic and Computer Tomography images, based on Eclipse RCP. We conclude that the Eclipse RCP is a promising platform for final-user quality software, improving the Contextual Medical Image Viewer features. Key-words: Eclipse, Rich Client Platform, medical image, viewer, context. Introdução A transição de protótipo para produto é uma tarefa bastante difícil. Protótipos geralmente são lentos, consumem muita memória, não são portáveis e freqüentemente somente são executados no desktop do desenvolvedor. O usuário final sempre requisita um programa que seja simples de instalar, simples de utilizar, rápido, confiável e fácil de atualizar. Atender estas necessidades, diminuindo a distância entre o programador e o usuário final, é uma tarefa que requer conhecimento, tempo e dinheiro. Existem, atualmente, várias técnicas de desenvolvimento de software que permitem uma integração mais suave entre o usuário e desenvolvedor (tais como os modelos waterfall, desenvolvimento em espiral, protótipo evolucionário, extreme programming, etc.), mas estas técnicas são normalmente restritas a software-houses ou grupos especializados em desenvolvimento de software. A maior parte dos pesquisadores não conhece estas técnicas ou estão focados na solução de um problema imediato, na qual questões de desempenho podem não ser consideradas relevantes. Porém, esta atitude leva ao desenvolvimento de um protótipo que nunca será utilizado em um ambiente real, estando limitado ao escopo de uma tese, um relatório, ou na forma de um código aberto difícil de ser utilizado por alguém. Uma solução para tentar diminuir este descompasso é adotar frameworks que simplifiquem o desenvolvimento e que ofereçam benefícios claros para usuários e desenvolvedores. A Plataforma Eclipse é um framework de código fonte aberto bem-sucedido, e que tem sido amplamente adotado pela comunidade Java [1, 2]. O projeto Eclipse foi desenvolvido pela IBM para unificar as diferentes plataformas de desenvolvimento usadas dentro da companhia em uma única plataforma. O projeto deveria utilizar diversas ferramentas, geradas em diferentes partes da IBM e também incorporar ferramentas de terceiros, tudo em uma única interface comum. A arquitetura do Eclipse baseiase em um micro kernel e um conjunto de plug-ins que podem interagir conjuntamente e criar um Ambiente de Desenvolvimento Integrado (IDE - Integrated Development Environment). Desde que se tornou um projeto de código-fonte aberto, o Eclipse tem sido amplamente adotado [2] e é utilizado como plataforma para o desenvolvimento de diversos programas [3]-[11].

2 Neste artigo, se relata a utilização do Eclipse como base para o desenvolvimento do Visualizador Contextual, o qual já foi descrito anteriormente em outros artigos [12, 13]. A Visualização Contextual baseia-se na idéia de que é possível reunir informações eletrônicas de diferentes fontes e usá-las para assistir o usuário durante a visualização de algum dado, como na visualização de imagens médicas. Esta não é uma tarefa simples, uma vez que é difícil definir qual contexto é relevante em cada circunstância e também decidir como usar essa informação de maneira significativa. Outra dificuldade é recuperar as informações eletrônicas, uma vez que elas se encontram em diferentes sistemas (Sistema de Informação Hospitalar, Sistema de Laboratório, Sistema de Imagens, etc.), não existindo uma forma comum para acessar estes dados. O contexto é aqui entendido como qualquer informação relevante que caracterize a situação de uma entidade, na qual uma entidade é uma pessoa, local ou objeto que seja considerado relevante para a interação entre um usuário e um programa, inclusive o próprio programa e o usuário [14]. Por exemplo, na visualização de uma imagem por um clínico pode ser relevante realçar a informação que o paciente é diabético, pois isso pode afetar o curso de ação seguido pelo médico. A informação contextual pode consistir de qualquer tipo de dado, tal como uma imagem, uma referência bibliográfica ou um texto. Os protótipos descritos anteriormente demonstraram o potencial do Visualizador Contextual. Entretanto, o sistema apresentava algumas limitações (como a complexidade do código e sua documentação) que dificultavam sua utilização de forma mais ampla. Por este motivo, se decidiu pela busca de novas ferramentas de desenvolvimento que pudessem satisfazer as necessidades do projeto, tais como portabilidade, baixo uso de memória, extensibilidade e documentação. Adotou-se então a Plataforma Eclipse, conforme descrito aqui. Metodologia O Visualizador Contextual foi desenvolvido em um PC Intel Core 2 Duo, 1,86 GHz com 2GB de memória RAM. Foram utilizadas as seguintes bibliotecas: Dcm4che. Permite leitura de arquivos no formato DICOM [15]; JAI Image I/O Tools. Permite a leitura de diferentes formatos de imagens [16]; Log4j. Biblioteca para gerar arquivos de log [17]; Algernon. Sistema de inferência que faz interface com o Protégé; [18] Hdf-object. Biblioteca para manipulação de arquivos no formato HDF [19]; Protégé. Editor de ontologias [20]; Java3D Eclipse. Plug-in do Eclipse para o Java 3D [21]; Drools. Sistema baseado em regras [22]; Eclipse. Ambiente de desenvolvimento [23]. Eclipse Rich Client Platform O conjunto mínimo de plug-ins do Eclipse necessários para construir clientes ricos (Rich Client) é conhecido coletivamente como Rich Client Platform ou RCP [2]. O Eclipse RCP pode ser utilizado para construir qualquer tipo de programa cliente. Os principais componentes da Plataforma Eclipse são [23]: O Runtime, o qual é responsável pelo carregamento dos plug-ins e suas dependências; O Workbench, que implementa a interface gráfica do Eclipse, e seus subcomponentes: JFace e o Standard Widget Toolkit (SWT); O Workspace, que abriga o ambiente de desenvolvimento; O Sistema de Ajuda; O Sistema de Gerenciamento de Versões (Version and Configuration Management - VCM) que permite que o usuário atualize a versão do plug-in. Existem diversos trabalhos que estendem o Eclipse, utilizando a funcionalidade de plug-ins. Liu et al [3] criou um plug-in que permite a pesquisa de dependências para facilitar o desenvolvimento de software e sua manutenção; Arcelli et al [4] refez o programa Java PathFinder (JPF) na forma de um plug-in para o Eclipse; Choi et al [5] desenvolveu um sistema de processo de software e gerenciamento de projetos, cujos subsistemas forma criados com plug-ins do Eclipse; Xu et al [6] criou no Eclipse um protótipo para gravar conceitos de domínio e decisões de design em tempo de execução, enquanto um programa é implementado; Cubranic et al [7] desenvolveu um cliente no Eclipse para o sistema Hipikat. Outras extensões para o Eclipse disponíveis na literatura podem ser vistas em [8-11]. Neste trabalho, o Eclipse foi estendido nos seguintes pontos (extension points): org.eclipse.core.runtime.applications: o equivalente a classe principal do Java para o Eclipse. Controla aspectos de como o programa é executado. org.eclipse.ui.perspectives: uma perspectiva define o local em que cada elemento gráfico da interface ficará localizado. Para o visualizador criou-se uma perspective com a lista de imagens à esquerda e o editor de imagens à direita; org.eclipse.ui.views: criou-se uma vista (view) para a representação das imagens como itens em uma árvore;

3 org.eclipse.ui.editors: criaram-se dois editores. Um para imagens de Angiografia digital que é específico para visualização de imagens dinâmicas (2D dinâmico); outro para imagens de Tomografia Computadorizada, na qual as imagens são volumétricas (3D); org.eclipse.ui.editoractions: define acões associadas com o editor, inclusive ferramentas de processamento; org.eclipse.core.runtime.products: customiza o Eclipse para um programa específico e cria um programa que pode ser entregue ao usuário final. A maneira utilizada pelo Eclipse para carregamento de classes torna vantajosa a criação de plug-ins que encapsulem uma determinada biblioteca. Estes plug-ins podem ser compartilhados por diversos programas e facilitam a disseminação do produto. O Visualizador Contextual depende dos seguintes plug-ins: Java3d: Permite o uso do Java 3D dentro do Visualizador Contextual; org.eclipse.ui: Permite o uso das bibliotecas para interação com a interface gráfica do Eclipse; org.eclipse.core.runtime: necessário para o desenvolvimento de qualquer plug-in do Eclipse. edu.standford.smi.protege: Permite o uso da biblioteca do Protégé e, conseqüentemente, o acesso à ontologia definida para o Visualizador Contextual; org.drools: Permite a utilização da biblioteca Drools para execução de ações baseada no estado da ontologia definida. O uso do Eclipse permite que os programas tenham uma aparência nativa (o que, às vezes, não ocorre com programas Java), além de oferecer uma série de serviços prontos, tais como gerenciamento de janelas, sistema de ajuda, atualizações e gerenciamento dos itens selecionados na interface. Também é possível definir pontos de extensão que permitam que o programa desenvolvido receba contribuições de terceiros. gerenciamento de imagens exigido pelo SWT. Uma característica não-desejada introduzida por essa abordagem foi o surgimento de uma pequena pausa durante a animação da imagem. Conseguiu-se gerar um produto usando as características do Eclipse (opção Export no ambiente de desenvolvimento de plug-ins). A produção do executável foi simples, apesar de demorada e gerou uma pasta com cerca de 110MB (incluído o Java Runtime Environment). Uma vez gerado, o produto pode ser entregue ao usuário final de maneira fácil, através de um arquivo zip ou por meio de um instalador simples. Figura 1: Visualizador Contextual exibindo imagem de Angiografia por Raios-X (imagem dinâmica). Resultados Desenvolveu-se um Visualizador Contextual com capacidade para exibir imagens de Angiografia por Raios-X (Figura 1) e Tomografia Computadorizada (Figura 2), utilizando a plataforma do Eclipse. O editor de imagens 2D dinâmicas foi implementado com a integração de SWT e AWT (Abstract Widget Toolkit) de forma que fosse possível utilizar os filtros de processamento de imagens oferecidos pela API padrão do Java (BufferedImageOp). Isto simplificou a implementação das ferramentas de processamento e evitou a necessidade de Figura 2: Visualizador Contextual exibindo imagem de Tomografia Computadorizada (vistas transversal, sagital e coronal e visualização 3D).

4 Discussão e Conclusões A principal dificuldade encontrada foi a compreensão do funcionamento do Eclipse e descobrir a utilização correta do SWT e JFace. O uso de livros e internet são essenciais para o aprendizado do desenvolvedor. A implementação dos pontos de extensão é bastante simples, pois o ambiente de desenvolvimento de Plug-ins (Plug-in Development Environment - PDE) fornece wizards para quase todas as funções. Dessa forma o codificador pode focar no que realmente importa sem se preocupar excessivamente com detalhes da arquitetura. Uma vantagem inesperada do uso do Eclipse foi a capacidade de se abrirem mais do que uma imagem ao mesmo tempo sem necessidade de codificação extra. O visualizador implementado pode ser melhorado com o uso das funções de atualização do Eclipse, que permitem ao usuário atualizar versões e adicionar novos módulos. Outra melhoria pode ser a definição de pontos de extensão no visualizador contextual que permitam a inclusão de novas características de outros desenvolvedores. O Eclipse RCP é uma plataforma promissora para o desenvolvimento de programas com qualidade para usuário final. Ele oferece diversas vantagens para o desenvolvedor e usuário final e melhorou o desempenho do Visualizador Contextual e simplificou sua arquitetura. A biblioteca SWT, embora bastante rápida, ainda não oferece opções mais sofisticadas para o processamento de imagens. A utilização da ponte SWT-AWT é uma alternativa interessante, porém ainda necessita mais análise para verificar se oferece o desempenho adequado para o processamento e visualização de imagens. Até o momento, a integração do Visualizador Contextual com o Eclipse tem mostrado ser uma base sólida para o crescimento do projeto. Agradecimentos Este trabalho foi financiado pela Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), processo 2006/ e pela Fundação Zerbini. Referências [1] Watson GR, De Bardeleben NA, Developing scientific applications using eclipse. Computing in Science & Engineering, 2006, 8(4), [2] Geer D, Eclipse becomes the dominant Java IDE, Computer, 2005, 38(7), [3] Liu D, Xu S, Liu Z, An Eclipse Plug-in: Dependency Browser, AICCSA '07. IEEE/ACS International Conference on Computer Systems and Applications, 2007, [4] Arcelli F, Raibulet C, Rigo I, Ubezio L, An Eclipse Plug-in for the Java PathFinder Runtime Verification System, SEW '06., 2006, 30th Annual IEEE/NASA Software Engineering Workshop, [5] Choi Y, Ha SJ, Kim JS, Eclipse-based management system for process innovation & methodology enhancement. ICACT 2006, 2006, The 8th International Conference Advanced Communication Technology, Volume 1, [6] Xu S, Chen X, Mai J, Krecorder: An Eclipse Plug-in Tool for Incremental Software Development, Canadian Conference on Development Electrical and Computer Engineering, 2006, [7] Cubranic D, Murphy GC, Singer J, Booth KS, Hipikat: a project memory for software development, IEEE Transactions on Software Engineering, 2005, 31(6), [8] Guo J, Liao Y, Pamula R, Extending Eclipse to support object-oriented system verification, IRI IEEE International Conference on Information Reuse and Integration, 2005, [9] Beyer D, Henzinger TA, Jhala R, Majumdar R, An eclipse plug-in for model checking. 12th IEEE International Workshop on Program Comprehension, 2004, [10] Kealey J, Kim Y, Amyot D, Mussbacher G, Integrating an Eclipse-Based Scenario Modeling Environment with a Requirements Management System, Canadian Conference on Electrical and Computer Engineering, 2006, [11] Zhihui Y, Jiang M, Using Eclipse as a Tool- Integration Platform for Software Development, IEEE Software, 2007, 24(2), [12] R.A. Moreno, S.S. Furuie, Contextual Medical Image Viewer. In: SPIE - Medical Imaging 2004, 2004, San Diego. SPIE, Medical Imaging 2004: PACS and Imaging Informatics, v p [13] R.A. Moreno, S.S. Furuie, A Contextual Medical Image Viewer, IEEE Transactions on Information Technology in Biomedicine, (5),

5 [14] Dey, A.K., Providing Architectural Support for Building Context-Aware Applications. PhD Thesis, Georgia Institute of Technology, November, [15] DCM4CHE. Acessado em 29/07/2008. Disponível em: [29] [16] JAI Image I/O Tools. Acessado em 29/07/2008. Disponível em [17] Log4j. Acessado em 29/07/2008. Disponível em [18] Algernon. Acessado em 29/07/2008. Disponível [19] HDF-Objects. Acessado em 29/07/2008. Disponível em [21] Java 3D plug-in for Eclipse. Acessado em 29/07/2008. Disponível em [22] Drools. Acessado em 29/07/2008. Disponível em [23] Eclipse. Acessado em 29/07/2008. Disponível [24] M. Ericson, Working the Eclipse Platform. Acessado em 29/07/2008. Disponível em Contato Ramon Alfredo Moreno Tel: (11) [20] Protege. Acessado em 29/07/2008. Disponível em

Introdução à Plataforma Eclipse. Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br

Introdução à Plataforma Eclipse. Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br Introdução à Plataforma Eclipse Leandro Daflon daflon@les.inf.puc-rio.br Agenda Introdução Arquitetura da Plataforma Componentes da Plataforma JDT PDE Visão Geral do Projeto Eclipse.org 2 Introdução O

Leia mais

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas

Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Interface DICOM para Captura e Transmissão de Imagens Médicas Diego Ferreira dos Santos 1, Eduardo Tavares Costa 2, Marco Antônio Gutierrez 3 1,2 Departamento de Engenharia Biomédica (DEB),Faculdade de

Leia mais

Pós Graduação Engenharia de Software

Pós Graduação Engenharia de Software Pós Graduação Engenharia de Software Ana Candida Natali COPPE/UFRJ Programa de Engenharia de Sistemas e Computação FAPEC / FAT Estrutura do Módulo Parte 1 QUALIDADE DE SOFTWARE PROCESSO Introdução: desenvolvimento

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE ESTADUAL DO CENTRO-OESTE UNICENTRO CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM MÍDIAS EM EDUCAÇÃO Jader dos Santos Teles Cordeiro Orientador Prof. Paulo Guilhermeti PERSISTÊNCIA EM OBJETOS JAVA: UMA ANÁLISE

Leia mais

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas

Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Recuperação de imagens médicas em bases de dados distribuídas Vágner Nepumuceno Guimarães Orient.: Paulo Eduardo Ambrósio Introdução O avanço tecnológico vem influenciando cada vez mais na área médica.

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE

MANUAL DE INSTALAÇÃO CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO IDE ECLIPSE T1011 GUILHERME RODRIGUES Ano 2015 MANUAL DE INSTALAÇÃO E CONFIGURAÇÃO DA IDE ECLIPSE. Neste documento aborda como instalar e configurar a IDE eclipse para

Leia mais

OMT-G Design. Instalação por pacotes

OMT-G Design. Instalação por pacotes OMT-G Design A plataforma Eclipse OMT-G Design não é um software independente, é um plug-in que se utiliza dos mecanismos de extensão do Eclipse que por sua vez é um ambiente de desenvolvimento de software.

Leia mais

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1

Engenharia de Software. Parte I. Introdução. Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Engenharia de Software Parte I Introdução Metodologias para o Desenvolvimento de Sistemas DAS 5312 1 Mitos do Desenvolvimento de Software A declaração de objetivos é suficiente para se construir um software.

Leia mais

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS

VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM IMPLANTAÇÃO DA SUITE DE FERRAMENTAS PARA APOIO AO PROCESSO DE DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE

Leia mais

Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais

Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais Desenvolvimento de uma Plataforma Gráfica para a Descrição de Modelos de Sistemas Ambientais Tiago F. M. Lima 1,2, Tiago G. S. Carneiro 2, Sérgio D. Faria 3 1 Programa de Pós-Graduação em Análise e Modelagem

Leia mais

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/absolutenm/anmviewer.asp?a=30405&z=300

Este tutorial está publicado originalmente em http://www.baboo.com.br/absolutenm/anmviewer.asp?a=30405&z=300 WinRAR: Conheça este excelente compactador de arquivos Introdução: É fato que a Internet está mais rápida com a popularização da banda larga, mas os compactadores de arquivos ainda apresentam muita utilidade

Leia mais

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G

UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G 1082 X Salão de Iniciação Científica PUCRS UMA PROSTA DE ADEQUAÇÃO DO MS VISUAL STUDIO TEAM SYSTEM (VSTS) PARA O MPS.BR NÍVEIS F e G Agner Macedo Paiva, Bernardo Copstein (orientador) FACIN, PUCRS, Centro

Leia mais

Adotando OpenEdge Architect. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services

Adotando OpenEdge Architect. Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Adotando OpenEdge Architect Luciano Oliveira Sr. Instructor, Consultant Global Field Services Agenda Antes do OpenEdge Architect Por quê OpenEdge Architect? Adotando o OpenEdge Architect Integrar às Customizações

Leia mais

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas

Linguagem de Programação JAVA. Professora Michelle Nery Nomeclaturas Linguagem de Programação JAVA Professora Michelle Nery Nomeclaturas Conteúdo Programático Nomeclaturas JDK JRE JEE JSE JME JVM Toolkits Swing AWT/SWT JDBC EJB JNI JSP Conteúdo Programático Nomenclatures

Leia mais

Aplicações Desktop: Swing/SubMacroForms. Carlos Renato Alves Gouveia Novembro/2008 cgouveia@fes.br

Aplicações Desktop: Swing/SubMacroForms. Carlos Renato Alves Gouveia Novembro/2008 cgouveia@fes.br Aplicações Desktop: Swing/SubMacroForms Carlos Renato Alves Gouveia Novembro/2008 cgouveia@fes.br Carlos Renato Alves Gouveia Especialista em Engenharia de Web Sites pela UFMS; Professor Universitário

Leia mais

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF

INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF INTRODUÇÃO E CONFIGURAÇÃO DO PRIMEFACES MOBILE EM APLICAÇÕES JSF Guilherme Macedo, Jaime Willian Dias Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil guilhermemacedo28@gmail.com, jaime@unipar.br Resumo.

Leia mais

Desenvolvimento para Android Prá9ca 1. Prof. Markus Endler

Desenvolvimento para Android Prá9ca 1. Prof. Markus Endler Desenvolvimento para Android Prá9ca 1 Prof. Markus Endler Pré- requisitos Para desenvolver para plataforma Android, é necessário fazer o download e instalar: Android SDK Tools: necessário para gerenciamento

Leia mais

marcio@dsc.ufcg.edu.br priscillakmv@gmail.com

marcio@dsc.ufcg.edu.br priscillakmv@gmail.com DSC/CEEI/UFCG marcio@dsc.ufcg.edu.br priscillakmv@gmail.com 1 Realiza atividades com ênfase em Ensino, Pesquisa e Extensão (Ensino) 2 Configurando o projeto Adicionando código ao arquivo com o código-fonte

Leia mais

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7)

Manual de Instalação. SafeNet Authentication Client 8.2 SP1. (Para MAC OS 10.7) SafeNet Authentication Client 8.2 SP1 (Para MAC OS 10.7) 2/28 Sumário 1 Introdução... 3 2 Pré-Requisitos Para Instalação... 3 3 Ambientes Homologados... 4 4 Tokens Homologados... 4 5 Instruções de Instalação...

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³

DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP. Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ DESENVOLVIMENTO DE IDE PARA PLATAFORMA OMAP Larissa Lucena Vasconcelos¹, Raul Fernandes Herbster², Joseana Macêdo Fechine³ 1 Aluna do Curso de Ciência da Computação, integrante do PET-Computação, Depto.

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares

Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Desenvolvimento de um Framework de Jogos 3D para Celulares Fabrício Brasiliense Departamento de Informática e Estatística(INE) Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) Campus Universitário Trindade-

Leia mais

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS

UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS UM ESTUDO SOBRE ARQUITETURA PARA DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE WEB UTILIZANDO NOVAS TECNOLOGIAS Edi Carlos Siniciato ¹, William Magalhães¹ ¹ Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil edysiniciato@gmail.com,

Leia mais

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0

CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 FOLHA DO PRODUTO CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management CA Mainframe Chorus for DB2 Database Management Version 2.0 Simplifique e otimize seu DB2 para tarefas de gerenciamento de carga de trabalho

Leia mais

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte.

Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Omondo EclipseUML Ricardo Rodrigues Lecheta Aprenda como instalar o plugin EclipseUML no Eclipse e como utilizá-lo para fazer engenharia reversa de seu código-fonte. Introdução Neste tutorial será apresentado

Leia mais

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação.

ANEXO 11. Framework é um conjunto de classes que colaboram para realizar uma responsabilidade para um domínio de um subsistema da aplicação. ANEXO 11 O MATRIZ Para o desenvolvimento de sites, objeto deste edital, a empresa contratada obrigatoriamente utilizará o framework MATRIZ desenvolvido pela PROCERGS e disponibilizado no início do trabalho.

Leia mais

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com)

ARQUITETURA DE SISTEMAS. Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) ARQUITETURA DE SISTEMAS Cleviton Monteiro (cleviton@gmail.com) Roteiro Definição Documento de arquitetura Modelos de representação da arquitetura Estilos arquiteturais Arquitetura de sistemas web Arquitetura

Leia mais

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior

Reuso. Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reuso Curso de Especialização DEINF - UFMA Desenvolvimento Orientado a Objetos Prof. Geraldo Braz Junior Reutilização de Software Na maioria das áreas de engenharia de software, sistemas são desenvolvidos

Leia mais

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14

FileMaker Pro 14. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 FileMaker Pro 14 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 14 2007-2015 FileMaker, Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE TECNOLOGIA AULA 06 PROFª BRUNO CALEGARO Santa Maria, 27 de Setembro de 2013. Revisão aula anterior Desenvolvimento Ágil de Software Desenvolvimento e entrega

Leia mais

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4.

Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. 1 Sumário 1. SOBRE O NFGoiana DESKTOP... 3 1.1. Apresentação... 3 1.2. Informações do sistema... 3 1.3. Acessando o NFGoiana Desktop... 3 1.4. Interface do sistema... 4 1.4.1. Janela Principal... 4 1.5.

Leia mais

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul

Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem. Luiz Filipe Licidonio. Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms. Porto Alegre, Rio Grande do Sul 1 Análise de Sistemas I: Programação em Nuvem Luiz Filipe Licidonio Faculdade de Tecnologia Pastor Dohms Porto Alegre, Rio Grande do Sul luiz_np_poa@hotmail.com 2 Análise de Sistemas I: Programação em

Leia mais

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert:

BRAlarmExpert. Software para Gerenciamento de Alarmes. BENEFÍCIOS obtidos com a utilização do BRAlarmExpert: BRAlarmExpert Software para Gerenciamento de Alarmes A TriSolutions conta com um produto diferenciado para gerenciamento de alarmes que é totalmente flexível e amigável. O software BRAlarmExpert é uma

Leia mais

Aspectos técnicos do desenvolvimento baseado em componentes

Aspectos técnicos do desenvolvimento baseado em componentes Aspectos técnicos do desenvolvimento baseado em componentes Um novo processo de desenvolvimento O uso de componentes traz mudanças no processo de desenvolvimento Além de desenvolver um produto, queremos

Leia mais

Simão Pedro P. Marinho, Ramon Orlando de Souza Flauzino NARRATIVAS DIGITAIS

Simão Pedro P. Marinho, Ramon Orlando de Souza Flauzino NARRATIVAS DIGITAIS Simão Pedro P. Marinho, Ramon Orlando de Souza Flauzino NARRATIVAS DIGITAIS CRIANDO VÍDEOS a partir do Microsoft PowerPoint para narrativas digitais 3 Recomenda-se a leitura do documento 14 dicas para

Leia mais

7 Utilização do Mobile Social Gateway

7 Utilização do Mobile Social Gateway 7 Utilização do Mobile Social Gateway Existem três atores envolvidos na arquitetura do Mobile Social Gateway: desenvolvedor do framework MoSoGw: é o responsável pelo desenvolvimento de novas features,

Leia mais

Manual de Utilização de Webcams no. Desenvolvimento de Aplicativos Java

Manual de Utilização de Webcams no. Desenvolvimento de Aplicativos Java Manual de Utilização de Webcams no Desenvolvimento de Aplicativos Java Coordenador: Hemerson Pistori Manual desenvolvido no âmbito do projeto Plataforma de Apoio ao Desenvolvimento de Sistemas para Inclusão

Leia mais

Ambientação JAVA. Versão 0.1 MICHEL CORDEIRO ANALISTA DE NEGÓCIO (NTI 2014) 1 UNIVERSIDADE CEUMA 08/01/2014

Ambientação JAVA. Versão 0.1 MICHEL CORDEIRO ANALISTA DE NEGÓCIO (NTI 2014) 1 UNIVERSIDADE CEUMA 08/01/2014 UNIVERSIDADE CEUMA Ambientação JAVA Versão 0.1 08/01/2014 Este é um modelo de configuração para desenvolvimento no ambiente Java. MICHEL CORDEIRO ANALISTA DE NEGÓCIO (NTI 2014) 1 Sumário Sumário... 2 1

Leia mais

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o

FileMaker Pro 12. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 12 2007 2012 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais UNIVERSIDADE BANDEIRANTE DE SÃO PAULO INSTITUTO POLITÉCNICO CURSO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO Sistemas Operacionais Notas de Aulas: Tópicos 7 e 8 Estrutura do Sistema Operacional São Paulo 2009 1 Sumário

Leia mais

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa

Adobe Flex. Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa Adobe Flex Cainã Fuck dos Santos Thiago Vieira Puluceno Jonathan Kuntz Fornari Gustavo Nascimento Costa O que é Flex? Estrutura de Código aberto para a criação de aplicativos Web Utiliza o runtime do Adobe

Leia mais

Laboratório de Engenharia de Software

Laboratório de Engenharia de Software Laboratório de Engenharia de Software FEUP/LEIC - Licenciatura em Engenharia Informática, 2005/06 Ademar Aguiar ademar.aguiar at fe.up.pt João Correia Lopes jlopes at fe.up.pt Francisco Reinaldo reifeup

Leia mais

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8

INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ÍNDICE INTRODUÇÃO 2 ACESSO AO SIGTECWEB 3 TEMPO DE CONEXÃO 5 NAVEGAÇÃO 7 BARRA DE AÇÕES 7 COMPORTAMENTO DOS BOTÕES 7 FILTROS PARA PESQUISA 8 ACESSO ÀS FERRAMENTAS 9 FUNÇÕES 12 MENSAGENS 14 CAMPOS OBRIGATÓRIOS

Leia mais

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl

SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE. Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl SISTEMA DE WORKFLOW PARA MODELAGEM E EXECUÇÃO DE PROCESSOS DE SOFTWARE Aluno: Roberto Reinert Orientador: Everaldo A. Grahl Roteiro de apresentação Introdução Objetivos Fundamentação Teórica Workflow Processo

Leia mais

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications)

Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) Sistema Online de Gerenciamento de Dados Clínicos Utilizando RIA (Rich Internet Applications) ANTUNES, M. S.¹, SILVA, R. E. S. 2 (orientadora) ¹ Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas RS (FATEC-PEL) Rua

Leia mais

ArcSoft Total Media. HDCam 2.0

ArcSoft Total Media. HDCam 2.0 ArcSoft Total Media HDCam 2.0 1 Introdução Guia de Início Rápido O ArcSoft Total Media HDCam é um software de área de trabalho que combina gerenciamento de mídia e capacidades de reprodução. Gerenciamento

Leia mais

Table 1. Dados do trabalho

Table 1. Dados do trabalho Título: Desenvolvimento de geradores de aplicação configuráveis por linguagens de padrões Aluno: Edison Kicho Shimabukuro Junior Orientador: Prof. Dr. Paulo Cesar Masiero Co-Orientadora: Prof a. Dr. Rosana

Leia mais

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick

MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S. Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick MAGREGISTER 1.0: GERADOR DE INTERFACES DE COLETAS DE DADOS PARA PDA S Acadêmico: Gilson Chequeto Orientador: Adilson Vahldick Roteiro Introdução Objetivos do trabalho Fundamentação teórica Desenvolvimento

Leia mais

Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso

Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso Geração do Portal CPCX - UFMS pelo UNION: Um Estudo de Caso Lourival dos Santos Pires Júnior, Tony Carlos Bignardi dos Santos, Amaury Antônio de Castro Junior, Carlos Alberto da Silva, Leila Lisiane Rossi

Leia mais

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS

ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS ESPECIFICAÇÃO DO AMBIENTE EXPSEE SEGUNDO O MÉTODO CATALYSIS RESUMO Este artigo apresenta a especificação de um sistema gerenciador de workflow, o ExPSEE, de acordo com a abordagem de desenvolvimento baseado

Leia mais

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO

1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO 1 ÍNDICE 1 REQUISITOS BÁSICOS PARA INSTALAR O SMS PC REMOTO... 3 1.1 REQUISITOS BASICOS DE SOFTWARE... 3 1.2 REQUISITOS BASICOS DE HARDWARE... 3 2 EXECUTANDO O INSTALADOR... 3 2.1 PASSO 01... 3 2.2 PASSO

Leia mais

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor

Agenda da Aula. Resumo dos Padrões (Aula 4) Padrões Arquiteturais. Arquitetura Cliente-Servidor. Arquitetura Cliente-Servidor Reuso de Software Aula 05 Agenda da Aula Linha de Produtos de Software Eduardo Figueiredo http://www.dcc.ufmg.br/~figueiredo reuso.software@gmail.com 19 Março 2012 Padrões arquiteturais Cliente-Servidor

Leia mais

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX. Vinícius Barreto de Sousa Neto

INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX. Vinícius Barreto de Sousa Neto INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DE JOGOS COM LIBGDX Vinícius Barreto de Sousa Neto Libgdx é um framework multi plataforma de visualização e desenvolvimento de jogos. Atualmente ele suporta Windows, Linux,

Leia mais

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE

PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE PLATAFORMA DE DESENVOLVIMENTO PINHÃO PARANÁ MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO CVS NO ECLIPSE Agosto 2007 Sumário de Informações do Documento Tipo do Documento: Manual Título do Documento: MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO

Leia mais

Processos de Desenvolvimento de Software

Processos de Desenvolvimento de Software Processos de Desenvolvimento de Software Gerenciamento de Projetos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência e

Leia mais

A ajuda é apresentada de seguida, sendo esses os passos necessários para instalar o JAVA.

A ajuda é apresentada de seguida, sendo esses os passos necessários para instalar o JAVA. Configuração Eclipse Instalação do JAVA A instalação do JAVA no computador de laboratório, foi feito obtendo o ficheiro de instalação a partir do site http://java.com/pt_br/download/index.jsp, Version

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA GTL 16 14 a 17 Outubro de 2007 Rio de Janeiro - RJ GRUPO XVI GRUPO DE ESTUDO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO E TELECOMUNICAÇÃO PARA SISTEMAS

Leia mais

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet

Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet 1. Autores Interface gráfica para compiladores gratuitos baseados em linha de comando disponíveis na internet Luciano Eugênio de Castro Barbosa Flavio Barbieri Gonzaga 2. Resumo O custo de licenciamento

Leia mais

Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit

Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit Como se tornar um desenvolvedor de plug-ins para AutoCAD e Revit Vitor Paulo Silva Se você é um projetista e sua principal ferramenta de trabalho é o AutoCAD ou o Revit, certamente você já se deparou com

Leia mais

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis

Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Agregador de feeds RSS para dispositivos móveis Disciplina: Computação Móvel Professor: Mauro Nacif Rocha Data: 27/02/2007 Hadriel Toledo Lima 50290 Juliana Pinheiro Campos 47683 Luis Felipe Hussin Bento

Leia mais

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS

SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS SISTEMA DE GESTÃO DE PROJETOS DE SOFTWARE - SGPS Lilian R. M. Paiva, Luciene C. Oliveira, Mariana D. Justino, Mateus S. Silva, Mylene L. Rodrigues Engenharia de Computação - Universidade de Uberaba (UNIUBE)

Leia mais

4 O Workflow e a Máquina de Regras

4 O Workflow e a Máquina de Regras 4 O Workflow e a Máquina de Regras O objetivo do workflow e da máquina de regras é definir um conjunto de passos e regras configuráveis. Ao longo de sua execução, um usuário consegue simplificar o seu

Leia mais

COMODO INTERNET SECURITY

COMODO INTERNET SECURITY COMODO INTERNET SECURITY PROTEÇÃO COMPLETA PARA O SEU COMPUTADOR COM ANTIVÍRUS, FIREWALL E VÁRIAS FERRAMENTAS DE SEGURANÇA Comodo Internet Security Premium é um aplicativo que reúne uma série de recursos

Leia mais

BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo

BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo BIRAM: Sistema para Recuperação de Imagens por Conteúdo Ramón n A. Moreno e Sérgio S S. Furuie Instituto do Coração (InCor) de São Paulo - HCFMUSP Introdução Sistemas de Recuperação de Imagens Baseado

Leia mais

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG

GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG GuiBi: Um aplicativo para plataforma Android com um guia comercial da cidade de Bambuí MG Bruno Alberto Soares Oliveira 1,3 ; Lucas Vieira Murilo 1,3 ; Maik Olher Chaves 2,3 1 Estudante de Engenharia de

Leia mais

Projeto de Arquitetura

Projeto de Arquitetura Projeto de Arquitetura Ian Sommerville 2006 Engenharia de Software, 8ª. edição. Capítulo 11 Slide 1 Objetivos Apresentar projeto de arquitetura e discutir sua importância Explicar as decisões de projeto

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP.

DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. DESENVOLVIMENTO DE PLUG-INS KETTLE PARA GERAÇÃO DE MONDRIAN SCHEMA A PARTIR DE BASES RELACIONAIS, UTILIZANDO A METODOLOGIA AGILE ROLAP. Eduardo Cristovo de Freitas Aguiar (PIBIC/CNPq), André Luís Andrade

Leia mais

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software.

Objetivos. Processos de Software. Tópicos abordados. O processo de software. Modelos genéricos de modelos de processo de software. Processos de Software Objetivos Apresentar os modelos de processo de software Conjunto coerente de atividades para especificar, projetar, implementar e testar s de software Descrever os diferentes modelos

Leia mais

Programação Orientada a Objetos

Programação Orientada a Objetos Programação Orientada a Objetos Universidade Católica de Pernambuco Ciência da Computação Prof. Márcio Bueno poonoite@marciobueno.com Fonte: Material da Profª Karina Oliveira Introdução ao Paradigma OO

Leia mais

Qlik Sense Desktop. Qlik Sense 1.1 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados.

Qlik Sense Desktop. Qlik Sense 1.1 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik Sense Desktop Qlik Sense 1.1 Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Copyright 1993-2015 QlikTech International AB. Todos os direitos reservados. Qlik, QlikTech,

Leia mais

UFG - Instituto de Informática

UFG - Instituto de Informática UFG - Instituto de Informática Especialização em Desenvolvimento de Aplicações Web com Interfaces Ricas EJB 3.0 Prof.: Fabrízzio A A M N Soares professor.fabrizzio@gmail.com Aula 10 Persistência de Dados

Leia mais

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior

Frameworks. Pasteur Ottoni de Miranda Junior Frameworks Pasteur Ottoni de Miranda Junior 1-Definição Apesar do avanço das técnicas de desenvolvimento de software, a construção de software ainda é um processo extremamente complexo.a reutilização tem

Leia mais

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa

INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa INTEGRE Diversas fontes de informações em uma interface intuitiva que exibe exatamente o que você precisa ACESSE Informações corporativas a partir de qualquer ponto de Internet baseado na configuração

Leia mais

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE

UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO GRADUAÇÃO EM CIÊNCIA DA COMPUTAÇÃO CENTRO DE INFORMÁTICA UM FRAMEWORK PARA DESENVOLVIMENTO DE APLICATIVOS EM WINDOWS MOBILE. PROPOSTA DE TRABALHO DE GRADUAÇÃO Aluno:

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008

Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Goiânia, 16/09/2013 Aluno: Rafael Vitor Prof. Kelly Instalando o IIS 7 no Windows Server 2008 Objetivo Esse tutorial tem como objetivo demonstrar como instalar e configurar o IIS 7.0 no Windows Server

Leia mais

Conceitos de extensões Joomla!

Conceitos de extensões Joomla! capítulo 1 Conceitos de extensões Joomla! Entendendo o que é extensão Extensão pode ser entendida como uma pequena aplicação desenvolvida com regras de construção estabelecidas pelo ambiente Joomla!. É

Leia mais

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1.

ARCO - Associação Recreativa dos Correios. Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Plano de Desenvolvimento de Software Versão <1. ARCO - Associação Recreativa dos Correios Sistema para Gerenciamento de Associações Recreativas Versão Histórico da Revisão Data Versão Descrição Autor Página

Leia mais

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive

Google Drive. Passos. Configurando o Google Drive Google Drive um sistema de armazenagem de arquivos ligado à sua conta Google e acessível via Internet, desta forma você pode acessar seus arquivos a partir de qualquer dispositivo que tenha acesso à Internet.

Leia mais

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13

FileMaker Pro 13. Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 FileMaker Pro 13 Utilização de uma Conexão de Área de Trabalho Remota com o FileMaker Pro 13 2007-2013 FileMaker Inc. Todos os direitos reservados. FileMaker Inc. 5201 Patrick Henry Drive Santa Clara,

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS

DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS DESENVOLVIMENTO WEB UTILIZANDO FRAMEWORK PRIMEFACES E OUTRAS TECNOLOGIAS ATUAIS Emanuel M. Godoy 1, Ricardo Ribeiro Rufino 1 1 Universidade Paranaense (Unipar) Paranavaí PR Brasil godoymanel@gmail.com,

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN

SISTEMAS OPERACIONAIS. Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN SISTEMAS OPERACIONAIS Apostila 03 Estrutura do Sistema Operacional UNIBAN 1.0 O Sistema Operacional como uma Máquina Virtual A arquitetura (conjunto de instruções, organização de memória, E/S e estrutura

Leia mais

Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura

Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura Demoiselle Tutorial Módulo 1 Arquitetura Vanderson Botelho da Silva (SERPRO/SUPST/STCTA) Emerson Sachio Saito (SERPRO/CETEC/CTCTA) Flávio Gomes da Silva Lisboa (SERPRO/CETEC/CTCTA) Serge Normando Rehem

Leia mais

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile

Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile 393 Frameworks para criação de Web Apps para o Ensino Mobile Lucas Zamim 1 Roberto Franciscatto 1 Evandro Preuss 1 1 Colégio Agrícola de Frederico Westphalen (CAFW) Universidade Federal de Santa Maria

Leia mais

1 http://www.google.com

1 http://www.google.com 1 Introdução A computação em grade se caracteriza pelo uso de recursos computacionais distribuídos em várias redes. Os diversos nós contribuem com capacidade de processamento, armazenamento de dados ou

Leia mais

Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos

Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Ambiente Visual para o Desenvolvimento de Jogos Eletrônicos Diego Cordeiro Barboza 1, Júlio César da Silva 2 1 UNIFESO, Centro de Ciências e Tecnologia, Curso de Ciência da Computação, diego.cbarboza@gmail.com

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO N.º 003 CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO (ECLIPSE+JBOSS)

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO N.º 003 CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO (ECLIPSE+JBOSS) PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO N.º 003 CONFIGURAÇÃO DO AMBIENTE DE DESENVOLVIMENTO (ECLIPSE+JBOSS) Versão 00.01 Dezembro/2009 Histórico de Alterações Data Versão Descrição Autor 15/12/2009 00.01 Versão

Leia mais

Metodologias Ágeis. Aécio Costa

Metodologias Ágeis. Aécio Costa Metodologias Ágeis Aécio Costa Metodologias Ágeis Problema: Processo de desenvolvimento de Software Imprevisível e complicado. Empírico: Aceita imprevisibilidade, porém tem mecanismos de ação corretiva.

Leia mais

Manual de instalação Servidor Orion Phoenix

Manual de instalação Servidor Orion Phoenix Manual de instalação Servidor Orion Phoenix Fevereiro/2011 Este documento se destina a instalação do Orion Phoenix na sua rede Versão 1.01 C ONTE ÚDO 1. INTRODUÇÃO... 3 2. VISÃO GERAL... 3 3. PROCEDIMENTOS

Leia mais

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1

LEIA ISTO PRIMEIRO. IBM Tivoli Configuration Manager, Versão 4.2.1 LEIA ISTO PRIMEIRO IBM Tivoli, Versão 4.2.1 O IBM Tivoli, Versão 4.2.1, é uma solução para controlar a distribuição de software e o inventário de gerenciamento de recursos em um ambiente multiplataformas.

Leia mais

Orientação a Objetos com Java

Orientação a Objetos com Java Orientação a Objetos com Java Julio Cesar Nardi julionardi@yahoo.com.br 2011/2 Aula 01: Começando com Java Objetivos: Compreender o que é Java, OO e suas vantagens; Entender os procedimentos para criação

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

BOLETIM TÉCNICO NComputing Brasil - #110502 Instalando o Oracle Virtualbox 4.0.2 e Criando uma VM Windows Server 2008 no Virtualbox O que é virtualbox? O virtualbox é um aplicativo de virtualização multi-plataforma

Leia mais

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition

Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition 1 Integrando Eclipse e Websphere Application Server Community Edition Sobre o Autor Carlos Eduardo G. Tosin (carlos@tosin.com.br) é formado em Ciência da Computação pela PUC-PR, pós-graduado em Desenvolvimento

Leia mais

Ferramentas para Desenvolvimento de Software Livre: Ferramentas Gráficas para CVS

Ferramentas para Desenvolvimento de Software Livre: Ferramentas Gráficas para CVS Ferramentas para Desenvolvimento de Software Livre: Ferramentas Gráficas para CVS José Aparecido da Silva 1, Sergio Moraes 1 1 Instituto de Informática Universidade do Estado do Amazonas (UEA) Caixa Postal

Leia mais

PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK

PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK PROGRAMAÇÃO MVC E ZEND FRAMEWORK MVC PROGRAMMING AND ZEND FRAMEWORK Rodolfo Vinícius Moimas Dias Centro Universitário Filadélfia de Londrina UniFil Rafael Francovig Cavicchioli Centro Universitário Filadélfia

Leia mais

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia

Princípios da Engenharia de Software Aula 02. Prof.: Franklin M. Correia Princípios da Engenharia de Software Aula 02 Prof.: Franklin M. Correia Na aula anterior... Introdução a Engenharia de Software O que é software? O que é Engenharia de Software? Conceitos importantes Tipos

Leia mais

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier

Eduardo Bezerra. Editora Campus/Elsevier Princípios de Análise e Projeto de Sistemas com UML 2ª edição Eduardo Bezerra Editora Campus/Elsevier Capítulo 11 Arquitetura do sistema Nada que é visto, é visto de uma vez e por completo. --EUCLIDES

Leia mais