Manual de Instrução da Especialidade ARTE DE ACAMPAR ACNAC DE TIÇÕES 2007

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Manual de Instrução da Especialidade ARTE DE ACAMPAR ACNAC DE TIÇÕES 2007"

Transcrição

1 Manual de Instruçã da Especialidade ARTE DE ACAMPAR ACNAC DE TIÇÕES 2007 Alexandra Ruiv, 2007

2 Sumári INTRODUÇÃO 3 A ESPECIALIDADE DE ARTE DE ACAMPAR 4 OS REQUISITOS PASSO A PASSO 5 1. TER PASSADO O MÍNIMO 20 NOITES NUMA TENDA, SE POSSÍVEL ALGUMAS DELAS NUM ABRIGO IMPROVISADO. CONHECER OS PRINCÍPIOS FUNDAMENTAIS PARA MONTAR UM ACAMPAMENTO CONHECER AS REGRAS DA VIDA E DE HIGIENE NO CAMPO INDICAR QUAL O MATERIAL NECESSÁRIO PARA ACAMPAR COM UM GRUPO DE 20 PARTICIPANTES CONHECER AS VÁRIAS ESPÉCIES DE TENDAS E EXPLICAR A SUA UTILIZAÇÃO SER CAPAZ DE MONTAR E DESMONTAR DOIS TIPOS DE TENDAS DIFERENTES 11 6 SABER QUAIS OS CUIDADOS A TER COM AS TENDAS FAZER FOGUEIRAS COM TODO O TIPO DE TEMPO APLICANDO AS REGRAS DO CÓDIGO FLORESTAL E CONHECER A LEGISLAÇÃO EM VIGOR DORMIR 5 NOITES AO RELENTO E CONHECER AS PRINCIPAIS REGRAS CONHECER AS DIFERENTES ESPÉCIES DE FOGUEIRAS E PREPARÁ-LAS CONSTRUIR UM ABRIGO IMPROVISADO (CABANA, IGLO); CITAR AS REGRAS DE RESPEITO PELA NATUREZA E ARREDORES. 19 BIBLIOGRAFIA 21 2

3 Intrduçã Inserid nas actividades d ACNAC de Tições 2007, cm tema Guiads pela mã de Deus, surgiu a prtunidade de trabalhar, durante acampament, cm tds s dirigentes interessads a especialidade Arte de Acampar. Cm seguinte dcument e dentr de uma abrdagem teóric-prática, tems a pssibilidade de seguir pass a pass s requisits necessáris para adquirir a insígnia, e deste md a fazer nss melhr. Esper que cm s cnheciments adquirids pssams aprveitar estes dias da melhr maneira e melhrar a nssa prática cm s jvens que trabalhams. 3

4 A especialidade de Arte de Acampar 1. Ter passad mínim de 20 nites numa tenda, se pssível algumas delas num abrig imprvisad. Cnhecer s princípis fundamentais para mntar um acampament. 2. Cnhecer as regras da vida e de higiene n camp. 3. Indicar qual material necessári para acampar cm um grup de 20 participantes (cmpreendend tendas e equipament pessal). Encntrar um lcal para acampar tend em cnta as frmalidades requeridas. 4. a) Cnhecer as várias espécies de tendas e explicar a sua utilizaçã. b) Ser capaz de mntar e desmntar dis tips de tendas diferentes. c) Saber quais s cuidads a ter cm as tendas. 5. Fazer fgueiras cm td tip de temp aplicand as regras d códig flrestal e cnhecer a legislaçã em vigr. 6. Drmir 5 nites a relent e cnhecer as principais regras. 7. Cnhecer as diferentes espécies de fgueiras e prepará-las. 8. Cnstruir um abrig imprvisad (cabana, higl). 9. Citar as regras de respeit pela natureza e pels arredres. 4

5 Os requisits pass a pass 1. Ter passad mínim 20 nites numa tenda, se pssível algumas delas num abrig imprvisad. Cnhecer s princípis fundamentais para mntar um acampament. Antes de mntar um acampament é necessári que tenhas tid uma preparaçã prévia, quer em terms de lcal e rganizaçã d mesm, quer nas actividades a realizar. Pr iss: Esclhe um lcal ampl cm água próxima. Se pssível que tenha também casas de banh e um espaç para a cnfecçã de refeições. Nã te esqueças que em determinadas áreas acampament selvagem nã é permitid, pr iss tenta saber quem é respnsável d lcal e negceia. Quant às actividades, planifica-as bem antes d acampament, recnhece quais s riscs a crrer durante a sua realizaçã. Previne-te. Se pssível cnhece lcal de acampament assim cm as entidades lcais públicas e privadas cm quem pdes articular: Centr de Saúde; Bmbeirs; Câmara Municipal, etc Mnta uma equipe cm quem pssas trabalhar, divide tarefas nã centralizes actividades. Deste md pdes cnseguir aprveitar máxim pssível da actividade e dividir precupações. Tenta criar um espaç cm regras, cm segurança e bem dispst. Um acampament é mais d que tud um lcal de cnvívi e scializaçã entre tds. Tem iss em cnsideraçã e pensa que encntrarás situações que nã estã planeadas, pr iss a capacidade de imprvisar será imprtante. Acima de tud diverte-te cm grup e aprximem-se de Deus. 5

6 2. Cnhecer as regras da vida e de higiene n camp. Para cnviver em plena harmnia durante um acampament, independentemente d númer de dias que este demre, é necessári cnhecer determinadas regras que pderã ser de grande utilidade para sucess d mesm assim cm para sã cnvívi entre tds. Pr iss é indispensável que prepares a actividade de md a cnheceres tds s recurss dispníveis n lcal para nde vais, u seja, se tens água pert, luz, casa de banh, etc. u se terás que direccinar a actividade tend sempre em cnsideraçã estas mesmas necessidades Além diss, tens que pensar cm te deslcarás para lcal de acampament. Se levares carr, entã pderás rganizar uma actividade cm tds s utensílis que trnem a actividades divertida e cómda. Prém se já nã tiveres transprte e tiveres que usar cmbi u autcarr, entã terás que repensar quais as priridades e aquil que pderá u nã fazer realmente falta. Cntud, vams de md sucint explicar alguns passs: Hráris: Sã imprtantes de md a pderes cmpilar tdas as actividades prgramadas anterirmente. Prgrama hráris para as refeições, para levantar, para deitar, para s mments de cnvívi, para as meditações, e restantes actividades. Mesm que nã s cnsigas cumprir à risca, eles sã um el cndutr que dã rdem a acampament, direccinam s jvens e transmitem uma ba imagem na rganizaçã geral. Limpeza: A manutençã de um acampament cmpreende váris níveis: as actividades e respectiva prgramaçã e excussã (evitand temps demasiad inactivs) e a limpeza. Esta última é imprtante para bm funcinament. Realiza escalas cm tds s participantes (incluind dirigentes) para a excussã das diferentes tarefas: limpeza d espaç cmum, limpeza da czinha e limpeza d espaç de reuniões. Cmpnente espiritual: Apesar das actividades esctistas, lúdicas e desprtivas, a cmpnente espiritual é a vertente para a qual cnvergem as actividades da juventude adventista. Pst ist: - esclhe um tema bíblic e debruça as actividades físicas e recreativas para esse tema; -cria mments de raçã, em cnjunt e individualmente. 6

7 -cria mments para a meditaçã, pel mens n períd da manhã e da nite; A czinha Pdes usar um fgã de bics, a gás, que trnará a tua cmida mais sabrsa e de rápida cnfecçã. Cntud, a cmida cnfeccinada na fgueira pderá prprcinar um mment especial que nenhum jvem esquecerá, quer d temp que gasta de vlta dela, quer d gst muit particular que deixa na cmida. Nã te esqueças que é imprtante perguntar sempre se é pssível u nã realizar fgueiras n espaç de acampament. Se fr, tem cuidads especiais s quais serã mencinads mais adiante. Refeições Quand rganizas um acampament, pensa se terás u nã uma equipa de czinha. Independentemente da esclha que fizeres inclui tds s elements em escalas de api à czinha, inclusive s mais nvs. Inicialmente pderás achar muit cnfus, prém cntribuirá de md imprtante para cresciment pessal ds participantes assim cm a nçã de viver e participar num grup. A casa de banh Se pr acas estás num lcal que nã existe casa de banh imprvisa sempre uma latrina. Primeir, esclhe um lcal afastad d acampament, faz um cubícul cm lna u arbusts para garantir a privacidade de tds, depis cava um burac de 20 u 30 cm de diâmetr de prfundidade. Deixa num lcal acessível terra u areia de md a pder ser usada cm tampa após cada utilizaçã. Quand acampament terminar tapa td burac cm terra. 7

8 3. Indicar qual material necessári para acampar cm um grup de 20 participantes. Material Objectiv Bíblia A cmpnente espiritual é uma matriz imprtante pela qual se regem tdas as nssas actividades. Trimensári Pr vezes, quand prgrama d acampament ferece uma alternativa viável para estud diári da Bíblia, a lista de material pde nã incluir trimensári. Farda É a nssa identificaçã enquant grup. Encntra-se dispnível na Uniã. Sac cama indispensável para uma nite bem drmida Tenda Pdes partilhar a tua cm alguém que nã tenha tenda u, se nã tiveres, juntas-te a um amig que tenha. Uma mchila pequena Dá sempre jeit, sbretud para as caminhadas, pistas, etc Rupa A rupa interir cnvém ser mudada tds s dias. A restante rupa pde usar-se mais temp. Se fres para um acampament de pucs dias, leva uma u duas mudas de rupa, um agasalh e mudas de rupa interir em númer igual a ds dias que estarás acampad. Se acampament fr mair, pdes sempre lavar a rupa e vltar a usá-la. Lembra-te: Quant mais rupa levares, mais difícil se trna transprte e a acmdaçã. Impermeável Em cas de chuva é imprtante que andes prtegid e a mesm temp cnsigas realizar as actividades prpstas. Prtant agasalh será a pçã mais viável a chapéu-dechuva. Agasalh Se fizeres um acampament n Invern cnvém teres a rupa adequada para a épca, cntud se fizeres na altura d Verã u Primavera, lembra-te sempre que a temperatura cstuma descer durante períd da nite e de manhã. 8

9 Chapéu Em cas de sl cnvém que tenhas a cabeça prtegida. Água Leva um cantil u uma garrafa de água que pssas vltar a encher e seja fácil de transprtar Estj de primeirs scrrs Penss rápids, cmpressas esterelizadas, betadine, tub de vasilina, tesura, pinçam (se precisares de utrs, tais cm bmba para a asma, medicaçã para epilepsia u utrs, junta iss também). Bússla Numa pista, pde fazer falta. Cadern e lápis Para antações que precises de tirar se estiveres numa actividade em que necessites de tirar apntaments. Canivete Utensíli que pderá ser de grande utilidade em situaçã de emergência. Lanterna N períd da nite, principalmente se tiveres um grup de crianças pequenas, cnvém que tenhas um fc de luz. 9

10 4. Cnhecer as várias espécies de tendas e explicar a sua utilizaçã. A tenda é um element imprtante num acampament, a cmprar deves saber muit bem para aquil que se destina, em que espaçs a pretendes usar e quantas pessas queres incluir nela. Eis algumas características de alguns mdels mais cmuns: a) A canadiana É a mais tradicinal, de frmat triangular quand vista de frente. Fácil de mntar, pde ser encntrada em váris tamanhs. Cm sua armaçã geralmente é de metal, trna-se pesada para transprtar. b) O Bangalô Também tradicinal, parece uma casa. Tem quarts e uma varanda nde pde ser instalada a czinha. É muit pesada, cm armaçã de metal e em lna. Abriga n mínim 5 pessas. Ba para famílias inteiras. c) O Igl Há uma grande variedade de mdels de igls; Há mdels grandes de base hexagnal cm capacidade para mais de cinc pessas. A armaçã é de fibra sintética (vidr, carbn), muitas vezes mais leve que as armações metálicas. Sã fabricadas em nyln e muit leves para carregar. Perdem em durabilidade para as de armaçã metálica. 10

11 5 Ser capaz de mntar e desmntar dis tips de tendas diferentes 6 Saber quais s cuidads a ter cm as tendas. Quand participares num acampament n qual seja utilizad tenda tens que ter algumas precauções, principalmente quand as desmntares. Lembra-te que elas terã utras utilizações e pr iss devem ser preservadas. Pr iss quand as fres arrumar elas devem que estar: Limpas sem terra u areia, pis pde danificar tecid, para tal ajuda que ter uma pá e vassura pequena; Secas a utilizaçã de uma tenda é muit esprádica, send usada smente em determinadas alturas d an. Pr iss se chver durante acampament quand chegares à sede d agrupament deixa-a arejar até secar cmpletamente. Verás que deste md preservarás a vida da tua tenda; Dbradas tenta respeitar as dbras de rigem da tenda, esta será a maneira mais fácil de simplificar árdu trabalh em as inserir dentr d sac. Se pderes cnfeccina um sac nv, mair e mais resistente que de rigem Em rdem cnta sempre s ferrs e as estacas que cada tenda tem, se pssível faz um inventári. Assim saberás que fi danificad após cada utilizaçã e que é necessári cmprar. Tenta cmpletar material em falta mais rápid pssível, deste md nã incrres n err de te esqueceres de nada. 11

12 7 Fazer fgueiras cm td tip de temp aplicand as regras d códig flrestal e cnhecer a legislaçã em vigr. O Decret-Lei nº 310/2002 de 18 de Dezembr de 2002 (DR SÉRIE I-A) emitid pel Ministéri das Cidades, Ordenament d Territóri e Ambiente, regula regime jurídic d licenciament e fiscalizaçã pelas câmaras municipais de actividades diversas anterirmente cmetidas as gverns civis, nmeadamente n que tca as designads Acampaments Ocasinais e a realizaçã de Fgueiras. Seguidamente serã apresentads extracts de artigs que pderã ter alguma utilidade para quem pratica acampaments. CAPÍTULO V Licenciament d Exercíci da Actividade de Acampaments Ocasinais Artig 18.º Licença 1 - A realizaçã de acampaments casinais fra ds lcais adequads à prática d campism e caravanism fica sujeita à btençã de licença da câmara municipal, devend ser requerida pel respnsável d acampament e dependend a sua cncessã da autrizaçã expressa d prprietári d prédi. 2 - A realizaçã de qualquer acampament casinal fica sujeita à emissã de parecer favrável das seguintes entidades: a) Delegad de saúde; b) Cmandante da PSP u da GNR, cnsante s cass. 3 - A licença é cncedida pr um períd de temp determinad, nunca superir a períd de temp autrizad expressamente pel prprietári d prédi, pdend ser revgada a qualquer mment. 12

13 CAPÍTULO IX Licenciament d Exercíci da Actividade de Fgueiras e Queimadas Artig 39.º Fgueiras 1 - É pribid acender fgueiras nas ruas, praças e mais lugares públics das pvações, bem cm a mens de 30 m de quaisquer cnstruções e a mens de 300 m de bsques, matas, lenhas, searas, palhas, depósits de substâncias susceptíveis de arder e, independentemente da distância, sempre que deva prever-se risc de incêndi. 2 - Pde a câmara municipal licenciar as tradicinais fgueiras de Natal e ds sants ppulares, estabelecend as cndições para a sua efectivaçã e tend em cnta as precauções necessárias à segurança das pessas e bens. 3 - Sã permitids s lumes que s trabalhadres acendam para fazerem s seus czinhads e se aquecerem, desde que sejam tmadas as cnvenientes precauções cntra a prpagaçã d fg. CAPÍTULO XII Sanções Artig 47.º Cntra-rdenações 1 - Cnstituem cntra-rdenações: (...) g) A realizaçã de acampaments casinais sem licença, punida cm cima de (eur) 150 a (eur) 200; l) A realizaçã, sem licença, das actividades previstas ns artigs 39.º e 40.º, punida cm cima de (eur) 30 a (eur) 1000, quand da actividade pribida resulte perig de incêndi, e de (eur) 30 a (eur) 270, ns demais cass; (...) 3 - A falta de exibiçã das licenças às entidades fiscalizadras cnstitui cntra-rdenaçã punida cm cima de (eur) 70 a (eur) 200, salv se estiverem temprariamente indispníveis, pr mtiv atendível, e vierem a ser apresentadas u fr justificada a impssibilidade de apresentaçã n praz de quarenta e it hras. 4 - A negligência e a tentativa sã punidas. 13

14 CAPÍTULO XIV Dispsições Finais e Transitórias Artig 53.º Regulaments municipais e taxas 1 - O regime d exercíci das actividades previstas n presente diplma será bject de regulamentaçã municipal, ns terms da lei. 2 - As taxas devidas pels licenciaments das actividades previstas n presente diplma serã fixadas pr regulamentaçã municipal. Os Dirigentes devem ter em atençã este nrmativ legal, e em especial referid n Artig 53.º, prcurand cntactar sempre a Câmara Municipal nde se desenrlará a actividade, pr frma a cnhecer a regulamentaçã e as taxas relativas a este Decret-Lei. 8 Drmir 5 nites a relent e cnhecer as principais regras. Quand passares uma nite a relent será imprtante que te lembres: de esclher um lcal abrigad de chuva e vent; de te prteger cntra s insects; se pssivel lnge de estradas e caminhs; tenta manter gup próxim; faz escalas para vigias; infrma alguém relativamente a percurs que pretendes fazer e nde pensas ficar durante a nite. 14

15 9 Cnhecer as diferentes espécies de fgueiras e prepará-las. A fazer uma fgueira é muit imprtante que esclhas espaç aprpriad para efeit, que seja em terren limp de td mat que pssibilite a prpagaçã d mesm. Nã te esqueças de cercar lugar nde irás realizar a fgueira cm pedras. Sempre é mais uma cautela imprtante para evitar a prpagaçã d fg. A esclheres madeira para a fgueira tenta esclher material que acenda facilmente, tais cm: trncs secs, velhs u pdres, caruma (se huver), etc. Lembra-te sempre em apanhar d chã a madeira dispnível, evita (sempre que pssível) crtar árvres para efeit. Dispõe td material de md a permitir a livre circulaçã de xigéni, pis terás a fgueira a arder mais facilmente. Tem sempre pr pert material de fácil cmbustã, de md a que a pssas alimentar cm frequência. Vai prgressivamente integrand n fg madeira de cmbustã mais lenta, para que deste md pssas ter uma fgueira de lnga duraçã e efectuar nela tud que precisas. COMO PREPARAR A FOGUEIRA a) Cava um burac de 15 cm de prfundidade pr 40 cm de largura b) Frma um círcul cm pedras grandes em trn d burac e prepara um balde de terra e uma pá c) Acende fg n burac cm flhas e galhs secs, prgressivamente vai acrescentand madeira de mair espessura. Seguidamente irems dar uma breve ideia de utrs mds cm s quais pderás acender uma fgueira cas te faltem s fósfrs. Clar está que estes serã métds muit mais difíceis de executar, prém cm ânim e persistência também pderás cncretizá-la. Utiliza madeira pdre, fibras vegetais, crda, rams secs, casca de árvre, madeira bem seca, fis de pan, gaze, penas finas u ninhs de pássars, de rats etc, para pderes ter a acendalha. Para acendê-la, utiliza um destes métds: DICAS Para acender uma fgueira, tenta encntrar materiais de fácil cmbustã. Obtém lenha miúda. A melhr lenha sã s galhs mrts n chã. Mesm se estiver húmida, queimará melhr que a que estiver verde.. A madeira dura queima bem, dá muit calr e bnitas brasas que ficam vermelhas pr muit temp. A lenha mais mle queima mais lentamente (de fácil cnsum) e prduz chamas mais altas. 15

16 LENTE DE VIDRO Incide a acendalha ns rais slares, através da lente (de um binócul, de uma câmara ftgráfica, lente de óculs, etc). Aguarda até sentir que cmeça a pegar fg. PEDRA DURA Raspa cm uma faca de aç numa pedra dura e lisa, faz cm mviments rápids e sucessivs (se pssível de cima para baix) põe a pedra bem pert da acendalha para que as faíscas libertadas n act pssam chegar bem pert dela. Uma vez acesa a acendalha, spre e abane-a cm cuidad, até surgir a chama. Seguidamente adicina à acendalha a lenha previamente preparada, cmeça pels galhs mais fins e vai aumentand tamanh da lenha as pucs. Na clcaçã da lenha, vale a pena dizer que deverá ter muit cuidad para nã abafar a chama, dispnd a madeira de frma a que xigéni cntinue a ter acess a interir da fgueira. FITA DE COURO Fazend-se atrit cm uma fita de cur u uma crda de qualquer fibra trnc mrt u sec, junt a uma acendalha, acender-se-á fg. num FRICÇÃO MADEIRA COM MADEIRA Utiliza-se atrit das madeiras para se acender a acendalha. 16

17 Exempls de fgueiras 17

18 Fg de Cnselh: Apesar de nã se encntrar incluíd em nenhum item desta insígnia, cnvém dar uma breve passagem pel significad e bjectivs d fg de Cnselh. Este é um óptim espaç para reunir as unidades de DESBRAVADORES e criar espaçs de reuniã e discussã. Nele pdes abrdar situações que decrrem durante acampament e prmver a sua sluçã, pdes também criar mments lúdics e mments espirituais. É essencialmente um lcal de reuniã d grup e pr iss prmve alguma seriedade e camaradagem n encntr, pis nele serã abrdads questões que englbarã a tds s presentes. Imagens retiradas 18

19 10 Cnstruir um abrig imprvisad (cabana, igl); O tip de abrig que cnstruires será determinad pelas cndições e pela variedade de materiais dispniveis a redr. Assegura-te que abrig tem ventilaçã suficiente, principalmente se pretendes fazer uma fgueira n seu interir para czinhares. Prtege- d vent usand vss material cm prtecçã. Nã te esqueças de cnstruir um canal em vlta d mesm, pis se chver abrig permanece sec. Tenta que seja grande suficiente para que albergue td teu grup. 11 Citar as regras de respeit pela Natureza e arredres. O respeit pela Natureza deve cada vez mais ser uma priridade de tds nós para pr em prática tds s dias e em tds s lcais em que ns mvimentams. Seguidamente apresentarems um cnjunt de regras de respeit pela natureza, as quais vs cnvid a rever. Na rua: Nã deites lix para chã. Lembra-te desta regra quand estás n camp, na praia u até n caminh para casa; Sempre que te deslcares para algum lad leva um sac cm lix; Se vires lix n chã, mesm que nã seja teu, apanha-; Quand despejares lix fecha sempre cntentr, estes quand ficam abertas atraiem rats, baratas e mscas que funcinam cm vectres de denças; Quand fres às cmpras prefere sacs de papel. Se iss nã fr pssível reutiliza s sacs de plástic que tens em casa; Quand fres às cmpras prefere embalagens de papel reciclad; Evita cmer fast fd, pis além de nã ser uma refeiçã saudável a mair parte das empresas sã respnsáveis pela fabricaçã de enrmes quantidades resídus; Quand passeares na natureza u estiveres num acampament tem muit cuidad cm aquil que pde causar um incêndi; Quand adquirires um aparelh electrónic esclhe um de baix cnsum; Na praia ns pises nem clhas plantas das dunas, elas servem para a preservaçã d sl; Pupa energia evitand uma cnduçã nervsa e as acelerações bruscas; Adere à iniciativa d dia sem carrs; Partilha a utilizaçã d autmóvel; Sempre que pssível usa s transprtes públics u anda a pé; 19

20 Nã te sintas mal se chegares a trabalh de bicicleta pde ser que a mda pegue! Em casa: Faz um esfrç para pupar água: vê a pressã d autclism; estad de cnservaçã das trneiras; evita banhs de emersã; lava s dentes cm a trneira fechada (se pssível utiliza cp); a lavares a liça nã uses água crrente, enche antes a bacia de água; se a máquina de lavar liça e rupa nã tiverem a pçã de meia carga, utiliza-as smente quand estiverem cheias; Quand estiveres a aquecer um aliment clca uma tampa; Apaga as luzes quand nã estiveres num espaç que delas precises; Usa lâmpadas de baix cnsum; Isla prtas e janelas; Quand fres a frigrífic tenta retirar tud que precisas de uma só vez; Dá preferência à aquisiçã de pilhas recarregáveis; Reutiliza a rupa velha para traps de limpeza; Desliga mnitr de este estiver inactiv pr um períd superir a 15 minuts; Utilize cres claras n interir da casa para que a luz natural e artificial seja reflectida; Numa lareira tenta psiciná-la na parede interir da casa de md a que calr prduzid se espalhe pr tda a casa. 20

21 Bibligrafia - Manual para Desbravadres, Fgueiras; - Darman, Peter, Manual de Sbrevivência, Editra Estampa,

Escolha a data de saída de SP e a data de retorno para SP.

Escolha a data de saída de SP e a data de retorno para SP. Esclha a data de saída de SP e a data de retrn para SP. Agra vcê pde prgramar sua excursã sem precisar se precupar cm nada. Reúna mínim de 10 amigs e entre em cntat cmig através d e-mail prtalstl@gmail.cm

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Regulamento da Feira de Ciência

Regulamento da Feira de Ciência Regulament da Feira de Ciência A Feira A Feira de Ciência é um é um prject rganizad pel Núcle de Física d Institut Superir Técnic (NFIST). Esta actividade cnsiste em desenvlver um prject científic pr um

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABATE E DESRAME DE ÁRVORES 2 DESCRIÇÃO As tarefas de abate e desrame de árvres estã habitualmente relacinadas cm s seguintes trabalhs Levantaments

Leia mais

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO

FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO FACULDADE DE MEDICINA DA UNIVERSIDADE DO PORTO C e n t r d e I n f r m á t i c a NORMAS DE UTILIZAÇÃO DOS LABORATÓRIOS DE INFORMÁTICA A FMUP dispõe de salas e labratóris de infrmática gerids pel Centr

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Boletim da Vila Noca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1

Boletim da Vila Noca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1 Bletim da Vila Nca e Jardim Cecy Nº 29 04 DE DEZEMBRO DE 2008 página 1 DIA 9, PALESTRA SOBRE SEGURANÇA Dia 9 de dezembr de 2008 às 20:00 hras, na Creche Barnesa de Limeira, R Antôni de Gebara, 75, Cap

Leia mais

Aula 11 Bibliotecas de função

Aula 11 Bibliotecas de função Universidade Federal d Espírit Sant Centr Tecnlógic Departament de Infrmática Prgramaçã Básica de Cmputadres Prf. Vítr E. Silva Suza Aula 11 Biblitecas de funçã 1. Intrduçã À medida que um prgrama cresce

Leia mais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais

Direitos e Obrigações no âmbito dos Acidentes Profissionais e Doenças Profissionais Cmunicaçã Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais Direits e Obrigações n âmbit ds Acidentes Prfissinais e Denças Prfissinais (Lei nº 98/2009 de 4 de Setembr) 1- QUEM

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários.

Este documento tem como objetivo definir as políticas referentes à relação entre a Sioux e seus funcionários. OBJETIVO Este dcument tem cm bjetiv definir as plíticas referentes à relaçã entre a Siux e seus funcináris. A Siux se reserva direit de alterar suas plíticas em funçã ds nvs cenáris da empresa sem avis

Leia mais

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA

MANUAL dos LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA MANUAL ds LABORATÓRIOS De INFORMÁTICA Objetiv 1. Oferecer as aluns a infra-estrutura e suprte necessári à execuçã de tarefas práticas, slicitadas pels prfessres, bservand s prazs estabelecids. 2. Oferecer

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF)

Workshop Nova Legislação que regula a aplicação de Produtos Fitofarmacêuticos (PF) Wrkshp Nva Legislaçã que regula a aplicaçã de Prduts Fitfarmacêutics (PF) Quinta d Vallad, Vilarinh ds Freires Branca Teixeira 23 de mai de 2013 Nva Legislaçã Lei nº26/2013 de 11 de abril Regula as actividades

Leia mais

Novo Sistema Almoxarifado

Novo Sistema Almoxarifado Nv Sistema Almxarifad Instruções Iniciais 1. Ícnes padrões Existem ícnes espalhads pr td sistema, cada um ferece uma açã. Dentre eles sã dis s mais imprtantes: Realiza uma pesquisa para preencher s camps

Leia mais

Extrator de Sucos Modelo

Extrator de Sucos Modelo O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua: Anita Garibaldi, nº 22 - Bairr: Sã Luiz - CEP: 8851-10 Brusque - Santa Catarina - Brasil Fne: +55 (0 )7 211 000 / 255 2000 Fax: +55 (0 )7 211 020

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL

REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL REGULAMENTO DE ESTÁGIO DE INICIAÇÃO PROFISSIONAL Intrduçã O presente Regulament cnstitui um dcument intern d curs de Ciências Cntábeis e tem pr bjetiv reger as atividades relativas a Estági de Iniciaçã

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926.

Manual de Instruções. Liquidificador Industrial de ALTO RENDIMENTO. Modelos: LS - 06MB O PREÇO ALIADO À QUALIDADE POLI. 40926. O PREÇO ALIADO À QUALIDADE O PREÇO ALIADO À QUALIDADE Manual de Instruções Liquidificadr Industrial de ALTO RENDIMENTO O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr:

Leia mais

Regulamento interno. Constituição da equipa pedagógica: Em Campo, Animação Turística Unipessoal, Lda. Entidade Promotora e Organizadora:

Regulamento interno. Constituição da equipa pedagógica: Em Campo, Animação Turística Unipessoal, Lda. Entidade Promotora e Organizadora: Regulament intern A Em Camp pera cm a marca MyCamp e é uma entidade que prmve e rganiza prgramas para crianças, nmeadamente camps de férias, estadias e circuits temátics. Realizams atividades destinadas

Leia mais

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA

Manual de Instruções. Kit Estrogonofe ABN-AB-ABK-ABL SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções Kit Estrgnfe ABN-AB-ABK-ABL METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 88351-410 Brusque Santa Catarina

Leia mais

Informações Importantes 2015

Informações Importantes 2015 Infrmações Imprtantes 2015 CURSOS EXTRACURRICULARES N intuit de prprcinar uma frmaçã cmpleta para alun, Clégi Vértice ferece curss extracurriculares, que acntecem lg após as aulas regulares, tant n períd

Leia mais

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador

Copyright 1999-2006 GrupoPIE Portugal, S.A. Manual Utilizador Reprts Relatóris à sua Medida Reprts Cpyright 1999-2006 GrupPIE Prtugal, S.A. Reprts 1. WinREST Reprts...5 1.1. Licença...6 1.2. Linguagem...7 1.3. Lgin...7 1.4. Página Web...8 2. Empresas...9 2.1. Cm

Leia mais

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores

INFORMAÇÃO GAI. Apoios às empresas pela contratação de trabalhadores INFORMAÇÃO GAI Apis às empresas pela cntrataçã de trabalhadres N âmbit das plíticas de empreg, Gvern tem vind a criar algumas medidas de api às empresas pela cntrataçã de trabalhadres, n entant tem-se

Leia mais

Artigo 12 Como montar um Lava Jato

Artigo 12 Como montar um Lava Jato Artig 12 Cm mntar um Lava Jat Antigamente era cmum bservar as pessas, n final de semana, cm seus carrs, bucha e sabã nas mãs. Apesar de ainda haver pessas que preferem fazer serviç suj szinhas, s lava

Leia mais

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FETAL ANEXO 1 TUTORIAL PARA EXPORTAÇÃO

Leia mais

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO

CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO CÓDIGO DE CONDUTA E DE ÉTICA POLÍTICA SOBRE PRESENTES E ENTRETENIMENTO POLÍTICA SOBRE PRESENTESE ENTRETENIMENTO Oferecer u receber presentes cmerciais e entreteniment é frequentemente uma frma aprpriada

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

Manual do Rondonista 2006

Manual do Rondonista 2006 Manual d Rndnista 2006 www.defesa.gv.br/prjetrndn 1 1 ÍNDICE MANUAL DO RONDONISTA... 3 I. FINALIDADE... 3 II. O PROJETO RONDON...3 a. Missã...3 b. Objetivs...3 III. DEVERES E DIREITOS DO RONDONISTA...

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

Ambas as provas terminam na Reitoria da Universidade de Aveiro.

Ambas as provas terminam na Reitoria da Universidade de Aveiro. REGULAMENTO CORRIDA SOLIDÁRIA BOSCH 2015 1. DENOMINAÇÃO A Bsch em Prtugal, representada pela Bsch Termtecnlgia, S.A, em Aveir, em parceria cm as Câmaras Municipais de Aveir e Ílhav, a Assciaçã Industrial

Leia mais

Oficina de Capacitação em Comunicação

Oficina de Capacitação em Comunicação Oficina de Capacitaçã em Cmunicaçã APRESENTAÇÕES: DICAS E INSTRUMENTOS Marcele Basts de Sá Cnsultra de Cmunicaçã mbasts.sa@gmail.cm Prjet Semeand Águas n Paraguaçu INTERESSE DO PÚBLICO Ouvir uma ba história

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA

ABN-HD. Manual de Instruções. Kit Estrogonofe SKYMSEN LINHA DIRETA METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Manual de Instruções METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua Anita Garibaldi, nº 262 Bairr: S Luiz CEP: 8835-40 Brusque Santa Catarina Brasil Fne: (47) 32-6000

Leia mais

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 C S R V X CH

MATERIAL DE APOIO PROFESSOR 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 C S R V X CH IV PALESTRA MOTIVACIONAL Prf. Felipe Lima Data: 23.05.2010 lfg@sugenius.cm.br MATERIAL DE APOIO PROFESSOR MEMORIZAÇÃO NUMÉRICA Tabela de cnversã 0 1 2 3 4 5 6 7 8 9 C S L D T F Z R V X CH G J M N B P K

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho

Apresentação Higiene, Segurança e Medicina no Trabalho Apresentaçã Higiene, Segurança e Medicina n Trabalh 2009 easymed Rua Jrge Barradas, nº 34 Lj 4/5 Tel: +351 21 301 01 00 1400-319 LISBOA Fax: +351 21 301 11 16 PORTUGAL http://www.easymed.pt A Easymed A

Leia mais

Regras para Anulações e Devoluções 2014

Regras para Anulações e Devoluções 2014 Regras para Anulações e Devluções 2014 1. Regras Glbais 1. A anulaçã de uma reserva, pde implicar, quand bilhete se encntra emitid, a devluçã d preç u de parte d preç d bilhete, de acrd as regras descritas

Leia mais

Profa. Dra. Silvia M de Paula

Profa. Dra. Silvia M de Paula Prfa. Dra. Silvia M de Paula Espelhs Esférics Certamente tds nós já estivems diante de um espelh esféric, eles sã superfícies refletras que têm a frma de calta esférica. Em nss ctidian ficams diante de

Leia mais

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL

AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL AGÊNCIA REGULADORA DE AGUAS, ENERGIA E SANEAMENTO BÁSICO DO DISTRITO FEDERAL PUBLICADA NO DODF Nº 158 DE 05 DE AGOSTO DE 2014 ALTERADA POR MEIO DA PORTARIA Nº 112, DE 13 DE AGOSTO DE 2014, PUBLICADA NO

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea T12 Resluçã de prblemas peracinais numa Cmpanhia Aérea Objectiv Criar um Sistema Multi-Agente (SMA) que permita mnitrizar e reslver s prblemas relacinads cm s aviões, tripulações e passageirs de uma cmpanhia

Leia mais

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos

Capítulo V. Técnicas de Análise de Circuitos Capítul V Técnicas de Análise de Circuits 5.1 Intrduçã Analisar um circuit é bter um cnjunt de equações u valres que demnstram as características de funcinament d circuit. A análise é fundamental para

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2010/2011, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

Cinco Passos para Proteger Nossas Crianças. O que é o Abuso Sexual Infantil? Base para Os Cinco Passos

Cinco Passos para Proteger Nossas Crianças. O que é o Abuso Sexual Infantil? Base para Os Cinco Passos Cinc Passs para Prteger Nssas Crianças 1º Pass: Infrme-se sbre s Fats 2º Pass: Reduza Oprtunidades 3º Pass: Cnverse sbre Assunt 4º Pass: Recnheça s Sinais 5º Pass: Reaja de Frma Respnsável Cinc Passs para

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duração 62:34

Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duração 62:34 The Glbal Leadership Summit Ntas d Facilitadr Lições de liderança aprendidas à duras penas Bill Hybels Duraçã 62:34 Resum da Sessã Lições de liderança e estratégias que geram resultads tangíveis em nssas

Leia mais

Guia de Bem-Estar Gestão do peso

Guia de Bem-Estar Gestão do peso Guia de Bem-Estar Gestã d pes Cm este guia pde beneficiar a sua vida Benefícis psitivs: Melhr saúde geral Mais energia Melhria da imagem crpral e da aut-estima Melhria da dispsiçã Melhria d rendiment físic

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

Manual de Instruções para Aparelhos Auditivos

Manual de Instruções para Aparelhos Auditivos Manual de Instruções para Aparelhs Auditivs Índice Aparelhs Auditivs persnalizads Cnhecend seu aparelh auditiv Clcand a bateria Clcand e retirand aparelh intracanal/intra-auricular Clcand e retirand aparelh

Leia mais

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br

Vensis Manutenção. Rua Américo Vespúcio, 71 Porto Alegre / RS (51) 3012-4444 comercial@vensis.com.br www.vensis.com.br Vensis Manutençã Vensis Manutençã É módul que permite gerenciament da manutençã de máquinas e equipaments. Prgramaçã de manutenções preventivas u registr de manutenções crretivas pdem ser feits de frma

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Orientações gerais MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO ESCOLA AGROTÉCNICA FEDERAL DE RIO DO SUL ESTRADA DO REDENTOR, 5665 BAIRRO CANTAGALO RIO DO SUL (SC) (47) 3521 3700 eafrs@eafrs.gv.br ORIENTAÇÕES GERAIS As rientações

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO:

3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3. TIPOS DE MANUTENÇÃO: 3.1 MANUTENÇÃO CORRETIVA A manutençã crretiva é a frma mais óbvia e mais primária de manutençã; pde sintetizar-se pel cicl "quebra-repara", u seja, repar ds equipaments após a avaria.

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

Programa de 4 semanas DIETA DETOX. Live Love Raw

Programa de 4 semanas DIETA DETOX. Live Love Raw Prgrama de 4 semanas DIETA DETOX Live Lve Raw DESINTOXICAR! 4 semanas para limpar rganism das txinas acumuladas Smthies cremss e super sabrss EXPERIMENTAR! Uma frma delicisa de experimentar alguns ds benefícis

Leia mais

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA

TERAPIA MANUAL DESPORTIVA TERAPIA MANUAL DESPORTIVA 14, 15 e 16 de Nvembr de 2014 - LISBOA Resum A Terapia Manual é indiscutivelmente uma área incntrnável na intervençã d fisiterapeuta. N entant, este é um cnceit lat, cm diversas

Leia mais

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL

INSTITUTO SUPERIOR POLITÉCNICO DE VISEU ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA E GESTÃO DE LAMEGO EDITAL EDITAL CANDIDATURA AOS CURSOS TÉCNICOS SUPERIORES PROFISSIONAIS (CTeSP) 2015 CONDIÇÕES DE ACESSO 1. Pdem candidatar-se a acess de um Curs Técnic Superir Prfissinal (CTeSP) da ESTGL tds s que estiverem

Leia mais

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006.

DISCIPLINA: Matemática. MACEDO, Luiz Roberto de, CASTANHEIRA, Nelson Pereira, ROCHA, Alex. Tópicos de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. DISCIPLINA: Matemática 1- BIBLIOGRAFIA INDICADA Bibliteca Virtual Pearsn MACEDO, Luiz Rbert de, CASTANHEIRA, Nelsn Pereira, ROCHA, Alex. Tópics de matemática aplicada. Curitiba: Ibpex, 2006. PARKIN, Michael.

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede

Processos de Apoio do Grupo Consultivo 5.5 Suporte Informático Direito de Acesso à Rede Prcesss de Api d Grup Cnsultiv 5.5 Suprte Infrmátic Direit de Acess à Rede Suprte Infrmátic - Dcuments 5.5 Âmbit e Objectiv Frmuláris aplicáveis Obrigatóris Obrigatóris, se aplicável Frmulári de Mapa de

Leia mais

MÓDULO 1. Básico. AULA 2. Higiene e Limpeza Corpo, Mente e Coração. OBJETIVO

MÓDULO 1. Básico. AULA 2. Higiene e Limpeza Corpo, Mente e Coração. OBJETIVO MÓDULO 1 Básic. AULA 2 Higiene e Limpeza Crp, Mente e Craçã. OBJETIVO Cnscientizar para a imprtância da higiene e limpeza d crp, da mente e d craçã, cm alternativas para uma ba qualidade de vida material

Leia mais

Tutorial de criação de um blog no Blogger

Tutorial de criação de um blog no Blogger Tutrial de criaçã de um blg n Blgger Bem-vind a Blgger! Este guia pde ajudar vcê a se familiarizar cm s recurss principais d Blgger e cmeçar a escrever seu própri blg. Para cmeçar a usar Blgger acesse

Leia mais

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE CONSELHO NACIONAL DO MEIO AMBIENTE RESOLUÇÃO N 379, DE 19 DE OUTUBRO DE 2006 Cria e regulamenta sistema de dads e infrmações sbre a gestã flrestal n âmbit d Sistema Nacinal

Leia mais

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde

CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativo Centro de Saúde Cnsulta a Temp e Hras CTH - ALERT REFERRAL NOVAS FUNCIONALIDADES/Perfil Administrativ Centr de Saúde 2013 ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.. Tds s direits reservads. A ALERT Life Sciences Cmputing, S.A.

Leia mais

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION

ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION ALTERAÇÕES NO SISTEMA ORION Orin Versã 7.74 TABELAS Clientes Na tela de Cadastr de Clientes, fi inserid btã e um camp que apresenta códig que cliente recebeu após cálcul da Curva ABC. Esse btã executa

Leia mais

MS-PAINT. PAINT 1 (Windows7)

MS-PAINT. PAINT 1 (Windows7) PAINT 1 (Windws7) O Paint é uma funcinalidade n Windws 7 que pde ser utilizada para criar desenhs numa área de desenh em branc u em imagens existentes. Muitas das ferramentas utilizadas n Paint estã lcalizadas

Leia mais

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa)

Sinopse das entrevistas realizadas aos agentes sociais ligados à velhice (Dirigentes, técnicos e auxiliares de acção directa) Sinpse das entrevistas realizadas as agentes sciais ligads à velhice (Dirigentes, técnics e auxiliares de acçã directa) Dimensã 1 Experiência e trabalh n lar Prblemáticas Entrevistad A3 Análise Temp de

Leia mais

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira

A atuação do Síndico Profissional é a busca do pleno funcionamento do condomínio. Manuel Pereira A atuaçã d Síndic Prfissinal é a busca d plen funcinament d cndmíni Manuel Pereira Missã e Atividades Habilidade - Cnhecems prfundamente a rtina ds cndmínis e seus prblemas administrativs. A atuaçã é feita

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs)

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE. Técnicos de Instalação e Manutenção de Edifícios e Sistemas. (TIMs) MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA REGISTO DE Técnics de Instalaçã e Manutençã de Edifícis e Sistemas (TIMs) NO SISTEMA INFORMÁTICO DO SISTEMA NACIONAL DE CERTIFICAÇÃO ENERGÉTICA NOS EDIFÍCIOS (SCE) 17/07/2014

Leia mais

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de

ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA. O ENCONTROCAS é um evento semestral realizado pelo Instituto Superior de Faculdade de Ciências Sciais Aplicadas de Bel Hriznte Institut Superir de Educaçã Curs de Pedaggia ENCONTROCAS 2º SEMESTRE 2012 - ORIENTAÇÕES GERAIS PARA O CURSO DE PEDAGOGIA O ENCONTROCAS é um event semestral

Leia mais

Alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2013

Alterações na aplicação do Critério Brasil, válidas a partir de 01/01/2013 Alterações na aplicaçã d Critéri Brasil, válidas a partir de 01/01/2013 A dinâmica da ecnmia brasileira, cm variações imprtantes ns níveis de renda e na psse de bens ns dmicílis, representa um desafi imprtante

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%.

Processos de desumidificação visam manter a Umidade Relativa do Ar em níveis abaixo de 50%. 1. TEORIA Para prcesss específics de utilizaçã, é necessári manter cndições de temperatura e umidade relativa d ar em cndições específicas para prduçã e u trabalh. Prcesss de desumidificaçã visam manter

Leia mais

FISPQ Nº 025/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725

FISPQ Nº 025/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 Nme d Prdut: POLÉSTER VF BRANCO 028/04 Data da última revisã: 20.02.2008 Códig Nº: PA32.096 Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E

Leia mais

1) A faculdade mediúnica é indício de algum estado patológico ou simplesmente anormal?

1) A faculdade mediúnica é indício de algum estado patológico ou simplesmente anormal? 1) A faculdade mediúnica é indíci de algum estad patlógic u simplesmente anrmal? - As vezes anrmal, mas nã patlógic. Há médiuns de saúde vigrsa. Os dentes sã pr utrs mtivs. 2) O exercíci da faculdade mediúnica

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Introdução. Aula 3: Movimento Anual do Sol e Estações do Ano.

Introdução. Aula 3: Movimento Anual do Sol e Estações do Ano. Aula 3: Mviment Anual d Sl e Estações d An. Maria de Fátima Oliveira Saraiva, Kepler de Suza Oliveira Filh &Alexei Machad Müller O espetácul d pr d sl n Guaíba, em Prt Alegre. Intrduçã Prezad alun, Observar

Leia mais

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software).

HARDWARE e SOFTWARE. O Computador é composto por duas partes: uma parte física (hardware) e outra parte lógica (software). HARDWARE e SOFTWARE O Cmputadr é cmpst pr duas partes: uma parte física (hardware) e utra parte lógica (sftware). Vcê sabe qual é a diferença entre "Hardware" e "Sftware"? Hardware: é nme dad a cnjunt

Leia mais

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador

Matemática / 1ª série / ICC Prof. Eduardo. Unidade 1: Fundamentos. 1 - Introdução ao Computador Unidade 1: Fundaments 1 - Intrduçã a Cmputadr Cnceits básics e Terminlgias O cmputadr é uma máquina eletrônica capaz de realizar uma grande variedade de tarefas cm alta velcidade e precisã, desde que receba

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA

12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA 12. PROCEDIMENTOS DE MANUTENÇÃO PARA ECONOMIA DE ENERGIA 12.1 MANUTENÇÃO: ELEMENTO CHAVE PARA A UTILIZAÇÃO RACIONAL DE ENERGIA Um prgrama bem elabrad de manutençã é um pnt imprtante de qualquer plítica

Leia mais

ASSOCIAÇÃO PROJECTO NOVAS DESCOBERTAS

ASSOCIAÇÃO PROJECTO NOVAS DESCOBERTAS ASSOCIAÇÃO PROJECTO NOVAS DESCOBERTAS PROJECTO PEDAGÓGICO E FUNCIONAMENTO DA ATIVIDADE FORMATIVA FORMAÇÃO DE ANIMADORES/ MONITORES DE CAMPOS DE FÉRIAS E ATL 2013 1. INTRODUÇÃO A atividade frmativa deste

Leia mais

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3

Como identificar, vender e comercializar com os prospectos de pequenas empresas Parte 2/3 Cm identificar, vender e cmercializar cm s prspects de pequenas empresas Parte 2/3 A pequena empresa é um mercad massiv em imprtante cresciment, que alcançu uma maturidade em terms de prtunidade para s

Leia mais

Emenda às Regras Gerais 2012

Emenda às Regras Gerais 2012 Emenda às Regras Gerais 2012 Intrduçã Tds s dcuments estatutáris requerem revisã e atualizaçã casinal. A última emenda às Regras Gerais das Olimpíadas Especiais ( Special Olympics ) fi feita em 2004, cm

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

FISPQ Nº 270/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725

FISPQ Nº 270/2008 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 Nme d Prdut: POLASTA F AZUL TITANIUM MET 214 Data: 10.10.2008 Revisã: 0 Códig Nº: PA 38.214. Página 1 de 5 FICHA DE INFORMAÇÕES DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO - NBR 14725 1. IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

COMO VIVER COM MENOS IMPACTO

COMO VIVER COM MENOS IMPACTO AMBIOTECH CONSULTORIA LTDA Fne (41) 3023 6622 Fax 3016 0436 r. Des. Vieira Cavalcanti 282-A Curitiba-PR cep 80.510-090 www.ambitech.cm.br DICAS AMBIOTECH: COMO VIVER COM MENOS IMPACTO Os prblemas ambientais

Leia mais