O IRB Brasil RE mantém seu crescimento dos prêmios emitidos de forma contínua bem como sua retenção.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O IRB Brasil RE mantém seu crescimento dos prêmios emitidos de forma contínua bem como sua retenção."

Transcrição

1 Relatório da Administração Senhores Acionistas, O IRB Brasil RE apresenta o Relatório da Administração, relativo ao exercício, stacando as principais atividas senvolvidas. As monstrações financeiras foram elaboradas e estão apresentadas acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil, associadas às normas e instruções dos órgãos reguladores e supervisores aplicáveis às operações resseguros. 1. Mercado Seguros e Resseguros no Brasil Em, o mercado seguros brasileiro continuou apresentando um bom sempenho e atingiu, no acumulado até novembro, uma alta 10,5% comparado a igual período do ano anterior. A expectativa para 2015, segundo a Conferação Nacional das Empresas Seguros Gerais, Previdência Privada e Vida, Saú Suplementar e Capitalização CNseg é um crescimento em torno 12%, o que garante ao mercado segurador um crescimento bastante superior ao PIB projetado. No que se refere ao mercado riscos resseguráveis, excluindo o DPVAT e o VGBL, a produção seguros atingiu R$ 82,2 bilhões, 9,6% acima dos R$ 75 bilhões dos onze meses. Para 2015, a CNseg estima um crescimento em torno 8,6% para esse mercado. O mercado ressegurador local acompanhou o mercado primário e, no acumulado até outubro, segundo a Superintendência Seguros Privados - SUSEP, alcançou R$ 4,857 bilhões em prêmios resseguro bruto frente aos R$ 4,259 bilhões do mesmo período do ano anterior, o que se traduz em um crescimento 14%. Consirando possíveis ajustes na economia, que vem impactar os grans projetos, bem como a elevada competição, com a entrada novos players e pressão nas taxas, a expectativa é que em 2015, o crescimento do mercado ressegurador se situe em torno 9%. A participação das resseguradoras locais no total prêmios do mercado tem permanecido estável ao longo dos últimos anos. Estima-se que estas empresas continuem mantendo sua participação ao redor 2/3 do mercado, com staque para o IRB Brasil RE. Até outubro, a empresa manteve uma participação aproximadamente 46% entre as resseguradoras locais. No fim do ano, o mercado ressegurador brasileiro contava com 121 resseguradoras, sendo 16 locais, 34 admitidas e 71 eventuais. 2. Expansão Internacional Com o objetivo intensificar sua atuação no continente africano, o IRB Brasil RE adquiriu mais 3,2% do capital acionário da African Reinsurance Corporation Africa Re, tendo agora 8% das ações daquele ressegurador. Tal incremento participação possibilita não só o recebimento divindos, com retorno aquado para o investimento, mas também a aceleração da curva aprendizado nos mercados do continente, com a intensificação do intercâmbio informações e negócios com esse parceiro. Na América Latina, o IRB Brasil RE adotou uma postura mais seletiva na Argentina, por meio da ampliação participações em contratos com boa rentabilida e a redução ou saída negócios não lucrativos. Nos outros países do continente, a empresa tem senvolvido uma política clientes preferenciais, norteada pelos resultados já obtidos e aspectos potenciais cada cliente. 3. Governança Corporativa Em busca do aprimoramento constante, foram realizadas importantes mudanças na estrutura organizacional da empresa. A nova Vice-Presidência Resseguros reorientou os negócios, e promoveu a melhoria dos processos, o que contribuiu para a superação das metas estratégicas. A criação da Vice-Presidência Riscos e Compliance promoveu uma aceleração no senvolvimento produtos e ferramentas para mensuração riscos e apoio à tomada cisão, tanto no âmbito operacional como no da administração. A empresa também potencializou ganhos eficiência e rentabilida com a criação e a gestão especializada da Vice-Presidência Financeira, que engloba as Gerências Tesouraria, Investimentos, Contabilida e Tributos e Orçamento e Controladoria. Para garantir o pronto atendimento aos clientes, a empresa senvolveu o seu programa Gestão Continuida Negócios. O objetivo é assegurar a continuida dos negócios em caso impedimento da operação na se. A ação procurou salvaguardar os interesses dos stakeholrs, a reputação e a marca da empresa, bem como suas atividas valor agregado. Em uma ação inovadora, o IRB Brasil RE instituiu comitês assessoramento com a participação, tanto membros da empresa, como também representantes seus acionistas. A atuação dos comitês dá suporte à tomada cisões e melhora o ambiente negócios e controle da empresa. São eles: Comitê Governança Corporativa: fine e propõe práticas voltadas ao relacionamento entre acionistas e administração, visando à otimização do sempenho e ao aumento do valor da empresa; Comitê Executivo Gestão Riscos: monitora, revisa políticas e auxilia na finição e estabelecimento limites exposição a riscos; Comitê Auditoria: assessora o Conselho Administração, no que concerne ao exercício das suas funções auditoria e fiscalização; Comitê Subscrição: analisa as políticas subscrição e estabelece parâmetros aceitação riscos e retrocessão do IRB Brasil RE; Comitê Investimentos: analisa as operações financeiras, recomenda ações melhoria gestão financeira e acompanha a implementação ssas medidas; Comitê Remuneração: fine e propõe políticas remuneração dos administradores e colaboradores. 4. Desenvolvimento Pessoas Além da estratégia reter seus talentos e da contratação experientes profissionais do mercado seguros e resseguros brasileiro e internacional, o IRB implementou programas e projetos que monstram interesse constante no investimento, na capacitação e na qualida vida seus empregados. Dentre eles, stacam-se: implantação um novo Plano Cargos e Salários (PCS), que gerou maior competitivida atração e retenção e profissionais; vinculação da remuneração variável do Programa Participação nos Lucros e/ou Resultados ao cumprimento das metas individuais sempenho dos empregados; lançamento do Portal do Conhecimento, plataforma online que propiciou o autosenvolvimento profissional; e implantação do primeiro Programa Trainees, com mais 18 mil inscritos para 15 vagas. O IRB Brasil RE encerrou com 438 empregados e dirigentes, com o seguinte perfil: Em, o IRB Brasil RE também colaborou com o senvolvimento projetos que disseminaram informações, produziram e difundiram conhecimento no mercado seguros e resseguros. Destaque para o 3º Encontro Resseguro do Rio Janeiro, a XXVI Assembleia Geral da APF-PASA, e o Seminário O Futuro do Mercado Previdência, Seguros e Resseguros. 7. Ações Sociais O IRB Brasil RE fortaleceu seu posicionamento empresa cidadã, com doações, via leis incentivo (que permitem a dução do imposto renda até 100% do valor aplicado), às seguintes instituições: Hospital Pequeno Príncipe Apoio ao projeto Pelo Direito à Vida, que utiliza novas tecnologias para diagnóstico, prevenção e tratamento doenças; Hospital do Grupo Apoio ao Adolescente e à Criança com Câncer (GRAAC) São dois os projetos apoiados pelo IRB Brasil RE: aquisição novos equipamentos para a UTI do Hospital e apoio à pesquisa sobre os efeitos do transplante medula autólogo; Fundação do Câncer Apoio ao Programa Nacional Formação em Radioterapia que, em sintonia com o Programa Nacional Radioterapia, do Mistério da Saú, trabalha há mais 20 anos na prevenção, no tratamento e no controle do câncer no Brasil. 8. Resultado com Operações Resseguro Dando continuida ao processo reenquadramento das aplicações financeiras, iniciado após a sestatização da empresa, com a extinção dos fundos Extramercados, aquação do benchmarking dos fundos Renda Fixa ao CDI e elevação da posição pós-fixada, novas medidas foram adotadas para melhorar o sempenho da carteira em meio ao cenário volátil observado ao longo do ano, em especial no segundo semestre, vido às incertezas dos cenários nacional e internacional. Tais ações monstraram-se acertadas na medida em que representaram uma evolução no sempenho financeiro em, sobretudo quando comparado a. A empresa manteve postura conservadora na alocação dos recursos conforme monstra o gráfico abaixo. O IRB Brasil RE mantém seu crescimento dos prêmios emitidos forma contínua bem como sua retenção. Em atendimento ao disposto no inciso IV do Art. 32 do Anexo I da Circular SUSEP nº 508, 9 janeiro 2015, o IRB Brasil RE clara possuir capacida financeira compatível com as suas operações e a intenção manter, atéovencimento,ostítulosevaloresmobiliáriosclassificadosnacategoria Títulosmantidosatéovencimento. Os prêmios ganhos bem como seu resultado com operações resseguro reforçam a performance crescimento do faturamento do IRB Brasil RE no período. 11. Lucro Líquido & ROE O IRB Brasil RE em eleva seu percentual retorno ao acionista com base no seu crescimento do período, saindo um ROE 15% para 24%. Principalmente em função da evolução abaixo: a) Evolução do Emitido 19%; b) Evolução do Retido 34%; c) Evolução do Ganho 34%; d) Baixa sinistralida do período em 5 p.p.; e) Baixa do índice spesas administrativas em 3 p.p.; f) Evolução do resultado financeiro principalmente em relação a rentabilida da carteira em 102,2% do CDI; g) Registro do crédito tributário Pis e Cofins sobre alargamento base, um efeito não recorrente na orm R$ 188 milhões no lucro líquido. A sinistralida do período reduziu em 5 p.p Política reinvestimento lucros e Política distribuição dos divindos As políticas reinvestimento dos lucros e distribuição divindos do IRB Brasil RE estão finidas no estatuto da empresa e são liberadas em assembleia geral, sendo distribuído aos acionistas divindo mínimo obrigatório não inferior a 25% do lucro líquido do exercício. O IRB Brasil RE mantém o conservadorismo em relação às provisões técnicas, monitora e acompanha todas as alterações regulatórias. 9. Desempenho Administrativo As spesas administrativas (DA) recorrentes alcançaram R$ 251 milhões, com o índice DA em torno 11%, o que significa uma queda 3 p.p. 5. Tecnologia da Informação Em janeiro, a empresa, dando continuida ao projeto transformação iniciado em 2012, concluiu com sucesso a implantação da plataforma tecnológica SAP integrando os processos negócio com os mais processos corporativos. A mornização proporcionou aos seus clientes e stakeholrs facilida no acesso à informação, transparência e agilida em todas as etapas das operações resseguro. Alinhado ao planejamento estratégico expansão internacional, foi implementado um sistema resseguro para uso nas unidas no exterior. Além sse, foi também implementado um outro sistema para gerenciamento cotações propostas resseguro, o que proporcionou à empresa melhor controle e visibilida da sua estratégia exposição a riscos. Outros sistemas foram revisados com vistas à automação dos processos das áreas jurídicas e recursos humanos ajustando-os à nova realida da empresa. Houve também a implantação uma infraestrutura convergente, com acesso universal a aplicações e serviços mobilida trazendo mais eficiência e agilida nas tomadas cisão e realização novos negócios. 6. Marketing e Comunicação Diversas ações marketing e comunicação contribuíram com um posicionamento positivo da marca, especialmente a campanha alusiva aos 75 anos do IRB Brasil RE, ressaltando que a expertise adquirida no passado está a serviço dos novos safios e conquistas globais. Também foram senvolvidos programas endomarketing que contribuíram para um ambiente trabalho motivador e produtivo e realizadas ações e eventos que promoveram a aproximação com clientes e geraram oportunidas negócios. O IRB Brasil RE valorizou, estimulou e ajudou a difundir a riqueza cultural brasileira e a fomentar a prática esporte. Utilizando leis incentivo à cultura e ao esporte, com dução no Imposto Renda 100% do valor patrocinado, a empresa apoiou eventos e projetos, ntre os quais stacam-se: as exposições da artista japonesa Yayoi Kusama e do mestre do surrealismo Salvador Dali, as competições ciclísticas Copa Rio Janeiro e ao Tour do Rio. 10. Desempenho Financeiro Ao final, a carteira investimentos totalizou R$ 5.587,2 milhões. Desse total, R$ 4.944,8 milhões referem-se a aplicações nominadas em moeda nacional e R$ 642,4 milhões, em moeda estrangeira. A rentabilida nominal da carteira alcançou o equivalente a 102,2% do CDI. 13. Rating Pelo quarto ano consecutivo o IRB Brasil RE teve o rating A- confirmado pela agência classificação risco A.M. Best, a mais antiga empresa especializada em avaliação risco do segmento seguros. A manutenção do rating ratifica a qualida do crédito da empresa, a sua força financeira, a eficiência na gestão riscos e o elevado nível sua governança corporativa. Segundo A.M. Best, o IRB a ter uma posição única e forte no mercado resseguros do Brasil. A empresa tem uma estratégia bem finida e pessoal experiente para executar os seus planos negócios. A avaliação é um atestado eficiência e soliz financeira que crencia o IRB Brasil RE a participar dos principais programas nacionais e internacionais resseguros e dá sustentação à sua estratégia expansão ntro e fora do Brasil. 14. s Reconhecimento Os principais prêmios e homenagens recebidos pelo IRB Brasil RE no ano foram: Valor 1000, anuário do Valor Econômico que staca as maiores empresas brasileiras em seus segmentos o IRB foi apontado como staque por ter mantido a 1ª colocação no ranking das maiores resseguradoras do país, figurando também na primeira colocação entre as maiores em lucro operacional, ativo total, patrimônio líquido, as mais rentáveis sobre o patrimônio e entre as menor sinistralida. Melhores do Seguro, promovido pela Revista Apólice; The European Magazine Business Awards, promovido pela revista The European; XIV Mercado Seguros, Troféu Gaivota Ouro, nas categorias: Excelência: Melhor Desempenho e Lír no Mercado, Melhor Conglomerado Ressegurador Brasileiro e Troféu Personalida - Executivo Resseguros do Ano, Leonardo Paixão ; Ranking da Revista Exame Maiores e Melhores, 13ª posição do ranking na categoria Seguradoras por prêmio líquido emitido ; 10ª Edição do da Revista Segurador Brasil, que homenageou as empresas que mais se stacaram em ; Adicionalmente, o Presinte do IRB Brasil RE, Leonardo Paixão, e o Diretor Subscrição, José Farias Sousa, foram apontados ntre os 50 mais influentes executivos do mercado segurador/ ressegurador da América Latina no Power 50 pela revista LatAm Insurance Review. Agracimentos A Administração agrace a confiança positada pelos acionistas, a preferência das sociedas seguradoras, bem como dos mais agentes do mercado, e o apoio cisivo dos segurados na indicação do IRB Brasil RE como ressegurador prioritário na sua proteção. A Administração agrace, ainda, aos empregados pela dicação no exercício suas atividas, fundamentais para o bom sempenho do IRB Brasil RE. CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO Presinte Marcelo Barbosa Saintive DIRETORIA EXECUTIVA Presinte Leonardo André Paixão CONSELHO FISCAL Presinte Maria Carmozita Bessa Maia Conselheiros Flavio Eduardo Arakaki Marcelo Augusto Dutra Labuto Osvaldo do Nascimento Samuel Monteiro dos Santos Junior Vice-Presintes Mario Di Croce Fernando Passos José Carlos Cardoso Lucia Maria da Silva Valle Conselheiros Haywaldo R. Chamberlain da Costa Marco Antonio Ascoli Mastroeni Balanços Patrimoniais zembro Em milhares reais ATIVO CIRCULANTE... DISPONÍVEL... Caixa e bancos... APLICAÇÕES... Títulos renda fixa... Quotas fundos investimentos - renda fixa... Quotas fundos investimentos - renda variável... Aplicações no exterior... (-) Provisão para svalorização... CRÉDITOS DAS OPERAÇÕES COM RESSEGUROS E RETROCESSÕES... Operações com seguradoras... Operações com resseguradoras... Outros créditos operacionais... (-) Provisão para riscos créditos... ATIVOS DE RETROCESSÃO - PROVISÕES TÉCNICAS... s - Retrocessão... - Retrocessão... Outras Provisões... TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER... Títulos e créditos a receber... Créditos tributários e previnciários... Outros créditos... DESPESAS ANTECIPADAS... CUSTO DE AQUISIÇÃO DIFERIDOS... ATIVO NÃO CIRCULANTE... REALIZÁVEL A LONGO PRAZO... APLICAÇÕES... Títulos renda fixa... Aplicações no exterior... (-) Provisão para svalorização... CRÉDITOS DAS OPERAÇÕES COM RESSEGUROS E RETROCESSÕES... Resseguros... (-) Provisão para riscos crédito... TÍTULOS E CRÉDITOS A RECEBER... Títulos e créditos a receber... Créditos tributários e previnciários... Depósitos judiciais e fiscais... Outros créditos a receber... (-) Provisão para riscos crédito... INVESTIMENTOS... Participações societárias... Imóveis stinados à renda... Outros Investimentos... IMOBILIZADO... Imóveis... Bens móveis... Outras imobilizações... (-) Depreciação... INTANGÍVEL... TOTAL DO ATIVO... explicativa PASSIVO explicativa CIRCULANTE CONTAS A PAGAR Obrigações a pagar Impostos e encargos sociais a recolher Provisões trabalhistas Provisões para benefícios pós-emprego e Provisões para impostos e contribuições (40.868) (36.034) DÉBITOS DE OPERAÇÕES COM RESSEGUROS E RETROCESSÕES Operações com seguradoras Operações com resseguradoras Corretores resseguros e retrocessões ( ) ( ) Outros débitos operacionais DEPÓSITOS DE TERCEIROS Cobrança antecipada prêmios PROVISÕES TÉCNICAS - RESSEGUROS E RETROCESSÕES RAMOS ELEMENTARES E VIDA EM GRUPO Provisão prêmios não ganhos Riscos vigentes emitidos Riscos vigentes não emitidos a liquidar Provisão sinistros ocorridos Outras provisões PASSIVO NÃO CIRCULANTE EXIGÍVEL A LONGO PRAZO CONTAS A PAGAR... ( ) ( ) Provisões para Impostos e contribuições Provisões para benefícios pós-emprego e Outras contas a pagar (30.635) (30.281) DÉBITOS DAS OPERAÇÕES COM RESSEGUROS E RETROCESSÕES Outros débitos operacionais e OUTROS PASSIVOS CONTINGENTES Contingências fiscais Contingências trabalhistas (61.853) (36.942) Contingências previnciárias Outras provisões PATRIMÔNIO LÍQUIDO Capital social Reservas lucros Ajustes avaliação patrimonial Ajustes conversão Proposta Distribuição Divindos Adicionais... (41.387) (38.624) Ações em Tesouraria TOTAL DO PASSIVO E PATRIMÔNIO LÍQUIDO (14.997) (12.956) (19.835) (10.531)

2 ção Demonstrações do resultado Exercícios findos zembro Em milhares reais Explicativa PRÊMIOS EMITIDOS LÍQUIDOS s resseguros Retrocessões aceitas Sucursais exterior VARIAÇÕES DAS PROVISÕES TÉCNICAS PRÊMIOS GANHOS SINISTROS OCORRIDOS ( ) ( ) diretos... ( ) ( ) Salvados e ressarcimentos Variação da provisão sinistros ocorridos... ( ) (20.216) CUSTOS DE AQUISIÇÃO (79.548) (84.802) Comissões... (79.548) (84.802) OUTRAS RECEITAS E DESPESAS OPERACIONAIS ( ) (72.078) RESULTADO COM RETROCESSÃO ( ) Receita com retrocessão Despesa com retrocessão... ( ) ( ) Receita com participação nos lucros Salvados e ressarcimentos... (20.884) (12.421) DESPESAS ADMINISTRATIVAS ( ) ( ) DESPESAS COM TRIBUTOS RESULTADO FINANCEIRO Receitas financeiras Despesas financeiras... ( ) ( ) RESULTADO PATRIMONIAL Receitas com imóveis renda, líquidas Ajustes investimentos em controladas (29.873) Outras receitas patrimoniais, líquidas GANHOS OU PERDAS COM ATIVOS NÃO CORRENTES RESULTADO ANTES DE IMPOSTOS E PARTICIPAÇÕES Imposto renda ( ) ( ) Contribuição social ( ) (84.407) Imposto renda e contribuição social diferidos (41.397) Participações sobre o lucro... (44.373) (16.814) LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO Quantidas ações ordinárias em circulação Lucro líquido do exercício por ação básico e diluído - R$ ,36 341,75 Demonstrações do resultado abrangente Exercícios findos zembro Em milhares reais Explicativa Lucro líquido do exercício Outros resultados abrangentes Diferença câmbio na conversão operações no exterior Diferenças câmbio originadas no exercício Ativos financeiros disponíveis para venda Perda líquida originada reavaliação ativos financeiros disponíveis para venda no exercício... (6.522) (32.332) Realização ganho originados da venda ativos financeiros disponíveis para venda no exercício Ganhos e perdas não realizadas com TVM Controladas (6.234) (33.058) Benefícios pós-emprego Remensuração obrigações benefícios pós-emprego Remensuração obrigações benefícios pós-emprego Controladas... (985) Imposto renda e contribuição social relacionados a componentes outros resultados abrangentes (3.819) do resultado abrangente do ano Demonstrações das mutações do patrimônio líquido Em milhares reais, exceto juros sobre o capital próprio e divindos por ação ordinária Demonstrações dos fluxos caixa - (Método Direto) Exercícios findos zembro Em milhares reais Atividas operacionais Recebimentos prêmios seguro, contribuições previdência e taxas gestão e outras Recuperações sinistros e comissões Outros recebimentos operacionais (Salvados, Ressarcimentos e outros) Pagamentos sinistros, benefícios, resgates e comissões... ( ) ( ) Repasses prêmios por cessão riscos... ( ) ( ) Pagamentos spesas e obrigações... ( ) ( ) Outros pagamentos operacionais... ( ) ( ) Recebimento aluguéis Recebimentos juros e divindos Constituição pósitos judiciais... (76.058) (43.834) Caixa gerado pelas operações Impostos e contribuições pagos... ( ) ( ) Investimentos financeiros Aplicações ( ) ( ) Vendas e resgates Caixa líquido gerado nas atividas operacionais Atividas investimento Pagamento pela compra : Imobilizado... (7.330) (6.942) Intangível... (28.959) (11.967) Recebimento pela venda : Investimentos Imobilizado Caixa líquido consumido nas atividas investimento... (36.263) (15.800) Atividas Financiamento Aumento Capital Distribuição divindos e juros sobre o capital próprio... ( ) ( ) Aquisição das próprias ações... (2.424) (10.531) Caixa líquido consumido nas atividas financiamento... ( ) ( ) Aumento (redução) caixa e equivalentes caixa... (45.706) Variação cambial sobre caixa e equivalentes caixa Aumento (redução) caixa e equivalentes caixa após a variação cambial... (45.507) Caixa e equivalentes caixa no início do execício Caixa e equivalentes caixa no final do execício Diminuição nas aplicações financeiras - recursos livres... ( ) (15.628) Conciliação entre o lucro líquido do exercício e o caixa líquido gerado pelas atividas operacionais Lucro líquido do exercício Ajustes ao lucro líquido Depreciações e amortizações Reversão perdas por redução do valor recuperável dos ativos... (254) Ganho na alienação imobilizado e intangível... (26) (3.109) Resultado equivalência patrimonial... (190) (583) Outros ajustes... (199) Variação nas contas patrimoniais Aplicações financeiras... ( ) ( ) Créditos das operações seguros e resseguros Ativos retrocessão... ( ) ( ) Créditos fiscais e previnciários... ( ) ( ) Despesas antecipadas Outros ativos... (103) Depósitos judiciais e fiscais... ( ) (47.135) Fornecedores ( ) Impostos e contribuições Débitos operações com seguros e resseguros... ( ) ( ) Depósitos terceiros... (12.099) (35.354) Provisões técnicas - seguros e resseguros Outros passivos... (19.041) (2.058) Provisões judiciais (6.031) Caixa líquido gerado pelas operações Reserva lucros Capital Social Legal Reinvestimento Ações em tesouraria Ajuste avaliação patrimonial Reserva conversão moeda estrangeira Lucros Proposta distribuição divindos adicionais Patrimônio líquido dos sócios da controladora SALDOS EM 1º DE JANEIRO DE (868) Aumento Capital em Aprovação Aquisição ações em tesouraria... (10.531) (10.531) TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Ajuste a valor mercado dos títulos e valores mobiliários (18.967) (18.967) Ajustes conversão LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO PROPOSTA PARA DISTRIBUIÇÃO DO RESULTADO Divindo adicional pago do exercício ( ) ( ) Constituição Reserva Legal (17.435) Constituição Reserva Reinvestimentos ( ) Distribuição Divindos ( ) (10.713) Distribuição Juros sobre Capital Próprio (80.000) (80.000) SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE (10.531) (19.835) SALDOS EM 1º DE JANEIRO DE (10.531) (19.835) Aquisição ações em tesouraria... (2.425) (2.425) TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS Ajuste a valor mercado dos títulos e valores mobiliários (3.703) (3.703) Ajustes conversão Ganho ou perda atuariais em benefício pós-emprego LUCRO LÍQUIDO DO EXERCÍCIO PROPOSTA PARA DISTRIBUIÇÃO DO RESULTADO Divindo adicional pago do exercício... ( ) ( ) Constituição Reserva Legal (30.077) Constituição Reserva Reinvestimentos ( ) Distribuição Divindos ( ) (26.902) Distribuição Juros sobre Capital Próprio ( ) ( ) SALDOS EM 31 DE DEZEMBRO DE (12.956) (14.997) s explicativas da Administração às monstrações contábeis individuais referentes ao exercício findo zembro Valores expressos em milhares reais, exceto quando indicado outra forma 1. Informações gerais O IRB-Brasil Resseguros S.A. ( IRB Brasil RE, Resseguradora ou Companhia ) é uma socieda anônima capital fechado, criada em 1939 pelo então Presinte Getúlio Vargas, está localizada na Avenida Marechal Câmara, número 171, na cida do Rio Janeiro. Suas atividas estão concentradas nas operações resseguros no país e no exterior. Adicionalmente, atua na administração fundos stinados à garantia terminadas atividas, em particular nas áreas exploração e agricultura. O IRB-Brasil Resseguros S.A, na forma do art. 22 da Lei Complementar 126/2007, que facultou o ingresso novas resseguradoras no mercado nacional, está qualificado como ressegurador local e autorizado a r exercendo suas atividas resseguro e retrocessão, inpennte requerimentos e autorização governamental. Importante observar que, s 31 março 2011, com a entrada em vigor da alteração promovida na redação do art. 15 da Resolução do Conselho Nacional Seguros Privados (CNSP) nº 168, 17 zembro 2007 e pela publicação da Resolução CNSP nº 225, em 6 zembro 2010, todos os contratos resseguro passaram a ter, pelo menos 40% (quarenta por cento) cada cessão obrigatoriamente contratados com resseguradores locais. No âmbito do processo sestatização do IRB Brasil RE, sob a gestão do Banco Nacional Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), e que se encontra concluído, já foram realizadas duas assembleias gerais extraordinárias acionistas (AGE), em 30 janeiro e 7 junho, respectivamente, consoante o disposto na Resolução do Conselho Nacional Desestatização (CND) nº 3 7 abril 2011, que retomou o processo, e da Resolução CND nº 03, 16 janeiro, nas quais foram tomadas as seguintes liberações: (i) conversão todas as ações preferenciais (PN) em ordinárias (ON); (ii) concessão pores especiais a União, por intermédio da Goln Share; (iii) reforma do estatuto social da Companhia e (iv) aumento capital, com a emissão novas ações, renunciando a União ao direito na referida subscrição. Em 20 agosto, a Assembleia Acionistas ratificou e homologou o efetivo aumento capital e realizou a consolidação do estatuto social da Resseguradora. Tais liberações foram tratadas através da Assembleia Geral Extraordinária realizada em 7 junho e seus efeitos foram aprovados pela portaria SUSEP nº 5525, 12 setembro e. A conclusão do processo sestatização u-se com o registro todos os atos societários relativos à reestruturação societária na Junta Comercial do Estado do Rio Janeiro, com o marco representado pela obtenção da manifestação da Junta Comercial do registro do novo Estatuto Social e das mais mudanças societárias correntes do referido processo a partir 1º outubro, data em que se obteve a referida manifestação. Ao final, com base em informações do IRB Brasil RE e da SUSEP, o IRB-Brasil Resseguros S.A. manteve-se na posição lír do mercado brasileiro resseguros, com Market share aproximadamente 34% (acumulado até novembro ), focando sua atuação na geração valor para os clientes por meio soluções eficazes resseguros, na busca resultados sólidos e perspectivas crescimento sustentável As monstrações contábeis individuais foram aprovadas pelo conselho administração da Companhia em 12 fevereiro Resumo das principais políticas contábeis As principais políticas contábeis aplicadas na preparação stas monstrações contábeis estão finidas abaixo. Essas políticas vêm sendo aplicadas modo consistente em todos os exercícios apresentados, salvo disposição em contrário Bases preparação As monstrações contábeis foram preparadas consirando o custo histórico como base valor, sendo os ativos financeiros ao valor justo por meio do resultado e disponíveis para venda mensurados ao valor justo. As monstrações contábeis foram elaboradas em consonância com as práticas contábeis adotadas no Brasil, as quais abrangem a legislação societária, as normas do Conselho Nacional Seguros Privados (CNSP) e da Superintendência Seguros Privados (SUSEP) e os pronunciamentos, as orientações e as interpretações emitidas pelo Comitê Pronunciamentos Contábeis (CPC) quando referendadas pela SUSEP, conforme Circular SUSEP nº janeiro. A Demonstração dos Fluxos Caixa (DFC), cuja divulgação tornou-se obrigatória pela Lei n o /07, foi elaborada pelo método direto, com a apresentação da conciliação entre o lucro líquido do exercício e o fluxo caixa líquido das atividas operacionais, conforme previsto na Circular SUSEP n o janeiro. O IRB Brasil Resseguros S.A. mantêm sucursal em Londres, cujas operações encontram-se em processo scontinuida run-off, em 11 zembro em sua 209ª Reunião Ordinária, o Conselho Administração do IRB Brasil RE aprovou a contratação consultoria para um valuation sta sucursal com posterior apreciação da proposta alienação da unida e seu portfólio. A Companhia também possui outra sucursal na Argentina que teve suas operações iniciadas em 1º setembro Os corresponntes saldos contábeis stas sucursais estão registrados e apresentados nos saldos contábeisindividuaisdacompanhia,sendoosmesmostambémauditadospelapricewaterhousecoopers Para manter a comparabilida aos saldos apresentados nas monstrações contábeis do exercício findo zembro, a monstração do resultado do exercício findo zembro está sendo reapresentada, conforme monstrado abaixo, em consonância com os critérios registro e diferimento prêmios estimados, finidos na Circular SUSEP Nº agosto. O balanço patrimonial e as monstrações do resultado abrangente, das mutações do patrimônio líquido e dos fluxos caixa não sofreram alterações em relação às monstrações originalmente apresentadas. Explicativa Como anteriormente apresentado Ajuste Reapresentado PRÊMIOS EMITIDOS LÍQUIDOS ( ) s resseguros ( ) VARIAÇÕES DAS PROVISÕES TÉCNICAS (78.871) PRÊMIOS GANHOS (232) RESULTADO COM RETROCESSÃO Receita com retrocessão Despesa com retrocessão ( ) 232 ( ) Receita com participação nos lucros Salvados e ressarcimentos (12.421) (12.421) 2.2. Conversão em moeda estrangeira (a) Moeda funcional e moeda apresentação Os itens incluídos nas monstrações contábeis da Resseguradora são mensurados usando a moeda do principal ambiente econômico no qual a companhia atua ( a moeda funcional ). As monstrações contábeis estão apresentadas em Reais, que é a moeda funcional da Companhia. (b) Transações e saldos Na elaboração das monstrações contábeis da Companhia, as transações em moeda estrangeira, ou seja, qualquer moeda diferente da moeda funcional cada Companhia, são registradas acordo com as taxas câmbio vigentes na data cada transação. No final cada exercício, os itens monetários em moeda estrangeira são reconvertidos pelas taxas vigentes no fim do período. Os itens não monetários registrados pelo valor justo apurado em moeda estrangeira são reconvertidos pelas taxas vigentes na data em que o valor justo foi terminado. Os itens não monetários que são mensurados pelo custo histórico em uma moeda estrangeira vem ser convertidos, utilizando a taxa vigente da data da transação. Para fins apresentação das monstrações contábeis, os ativos e passivos das operações da Companhia no exterior são convertidos para reais, utilizando as taxas câmbio vigentes no fim do exercício. Os resultados são convertidos pelas taxas câmbio médias do exercício, a menos que as taxas câmbio tenham flutuado significativamente durante o exercício; neste caso, são utilizadas as taxas câmbio da data da transação. As variações cambiais resultantes ssas conversões, se houver, são classificadas em resultados abrangentes e no patrimônio líquido Caixa e equivalentes caixa Caixa e equivalentes caixa incluem o caixa e os pósitos bancários com risco insignificante mudança valor, sendo o saldo apresentado líquido saldos contas garantidas na monstração dos fluxos caixa, quando aplicável. As contas garantidas, quando aplicável, são monstradas no balanço patrimonial como Empréstimos, no passivo circulante Ativos financeiros Classificação A Companhia classifica seus ativos financeiros no reconhecimento inicial, sob as seguintes categorias: mensurados ao valor justo por meio do resultado, empréstimos e recebíveis, disponíveis para venda e mantidos até o vencimento. A classificação pen da finalida para a qual os ativos financeiros foram adquiridos. (a) Ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado Os ativos financeiros ao valor justo por meio do resultado são ativos financeiros mantidos para negociação. Um ativo financeiro é classificado nessa categoria se foi adquirido, principalmente, para fins venda no curto prazo. Os ativos ssa categoria são classificados como ativos circulantes. Os rivativos, quando utilizados, também são categorizados como mantidos para negociação, a menos que tenham sido signados como instrumentos hedge. (b) Empréstimos e recebíveis Empréstimos e recebíveis são ativos financeiros não rivativos com pagamentos fixos ou termináveis e que não são cotados em um mercado ativo. Os empréstimos e recebíveis (inclusive créditos e débitos das operações com resseguros e retrocessões, títulos e créditos a receber, pósitos judiciais e fiscais e outros) são mensurados pelo valor custo amortizado, utilizando o método juros efetivos, duzidos qualquer perda por redução do valor recuperável. São apresentados como ativo circulante, exceto aqueles com prazo vencimento superior a 12 meses após a data emissão do balanço (estes são classificados como ativos não circulantes). Os prêmios fracionados são contabilizados como prêmios a receber, no ativo circulante, e baixados acordo com os recebimentos das parcelas. (c) Ativos financeiros disponíveis para venda Os ativos financeiros disponíveis para venda são não rivativos, que são signados nessa categoria ou que nãosão classificadosem nenhuma das categorias anteriores. Elessão apresentados como ativos não circulantes, a menos que a administração pretenda alienar o investimento em até 12 meses após a data do balanço. (d) Investimentos mantidos até o vencimento Os investimentos mantidos até o vencimento corresponm a ativos financeiros não rivativos com pagamentos fixos ou termináveis e data vencimento fixa que a Companhia tem a intenção e a capacida manter até o vencimento Reconhecimento e mensuração As compras e as vendas ativos financeiros são normalmente reconhecidas na data da negociação. Os investimentos são, inicialmente, reconhecidos pelo valor justo, acrescidos dos custos da transação para todos os ativos financeiros não classificados como ao valor justo por meio do resultado. Os ativos financeiros ao valor justo por meio resultado são, inicialmente, reconhecidos pelo valor justo, e os custos da transação são bitados à monstração do resultado. Os ativos financeiros são baixados quando os direitos receber fluxos caixa tenham vencido ou tenham sido transferidos; neste último caso, s que a Companhia tenha transferido, significativamente, todos os riscos e os benefícios proprieda. Os ativos financeiros disponíveis para venda e os ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado são, subsequentemente, contabilizados pelo valor justo. Os empréstimos e recebíveis são contabilizados pelo custo amortizado, usando o método da taxa efetiva juros. Os ganhos ou as perdas correntes variações no valor justo ativos financeiros mensurados ao valor justo por meio do resultado são apresentados na monstração do resultado em Receitas e spesas financeiras no exercício em que ocorrem. As variações no valor justo títulos monetários, nominados em moeda estrangeira e classificados como disponíveis para venda, são divididas entre as diferenças conversão resultantes das variações no custo amortizado do título e outras variações no valor contábil do título. As variações cambiais títulos monetários são reconhecidas no resultado. As variações cambiais títulos não monetários são reconhecidas no patrimônio. As variações no valor justo títulos monetários e não monetários, classificados como disponíveis para venda, são reconhecidas no patrimônio. Quando os títulos classificados como disponíveis para venda são vendidos ou sofrem perda (impairment), os ajustes do valor justo, reconhecidos no patrimônio, são incluídos na monstração do resultado como Receitas e spesas financeiras. Os juros títulos disponíveis para venda, calculados pelo método da taxa efetiva juros, são reconhecidos na monstração do resultado como parte outras receitas. Osdivindosativosfinanceirosmensuradosaovalorjustopormeiodoresultadoeinstrumentos patrimônio líquido disponíveis para venda, como exemplo as ações, são reconhecidos na monstração do resultado como parte outras receitas, quando é estabelecido o direito da Companhia receber divindos. Os valores justos dos investimentos com cotação pública são baseados nos preços atuais compra. Se o mercado um ativo financeiro (e títulos não listados em Bolsa) não estiver ativo, a Companhia estabelece o valor justo através técnicas avaliação. Essas técnicas incluem o uso operações recentes contratadas com terceiros, referência a outros instrumentos que são substancialmente similares, análise fluxos caixa scontados e molos precificação opções que fazem o maior uso possível informações geradas pelo mercado e contam com o mínimo possível informações geradas pela administração da própria Companhia Compensação instrumentos financeiros Ativos e passivos financeiros são compensados e o valor líquido é reportado no balanço patrimonial quando há um direito legal compensar os valores reconhecidos e há a intenção liquidá-los em uma base líquida, ou realizar o ativo e liquidar o passivo simultaneamente Impairment ativos financeiros (a) Ativos mensurados ao custo amortizado A Companhia avalia na data cada balanço se há evidência objetiva que um ativo financeiro ou grupo ativos financeiros está teriorado. Um ativo ou grupo ativos financeiros está teriorado e as perdas por impairment são incorridas somente se há evidência objetiva impairment como resultado um ou mais eventos ocorridos após o reconhecimento inicial dos ativos (um evento perda ) e aquele evento (ou eventos) perda tem um impacto nos fluxos caixa futuros estimados do ativo financeiro ou grupo ativos financeiros que po ser estimado maneira confiável. Os critérios que a Companhia usa para terminar se há evidência objetiva uma perda por impairment incluem: (i) dificulda financeira relevante do emissor ou vedor; (ii) uma quebra contrato, como inadimplência ou mora no pagamento dos juros ou principal; (iii) a Companhia, por razões econômicas ou jurídicas relativas à dificulda financeira do tomador empréstimo, esten ao tomador uma concessão que um credor normalmente não consiraria; (iv) torna-se provável que o tomador clare falência ou outra reorganização financeira; (v) o saparecimento um mercado ativo para aquele ativo financeiro vido às dificuldas financeiras; ou (vi) dados observáveis indicando que há uma redução mensurável nos futuros fluxos caixa estimados a partir uma carteira ativos financeiros s o reconhecimento inicial daqueles ativos, embora a diminuição não possa ainda ser intificada com os ativos financeiros individuais na carteira, incluindo: condições econômicas nacionais ou locais que se correlacionam com as inadimplências sobre os ativos na carteira. O montante da perda por impairment é mensurada como a diferença entre o valor contábil dos ativos e o valor presente dos fluxos caixa futuros estimados (excluindo os prejuízos crédito futuro que não foram incorridos) scontados à taxa juros em vigor original dos ativos financeiros. O valor contábil do ativo é reduzido e o valor do prejuízo é reconhecido na monstração do resultado. Se um empréstimo ou investimento mantido até o vencimento tiver uma taxa juros variável, a taxa sconto para medir uma perda por impairment é a atual taxa efetiva juros terminada acordo com o contrato. Como um expediente prático, a Companhia po mensurar o impairment com base no valor justo um instrumento utilizando um preço mercado observável. Se, num período subsequente, o valor da perda por impairment diminuir e a diminuição pur ser relacionada objetivamente com um evento que ocorreu após o impairment ser reconhecido (como uma melhoria na classificação crédito do vedor), a reversão ssa perda reconhecida anteriormente será reconhecida na monstração do resultado. (b) Ativos classificados como disponíveis para venda A Companhia avalia na data cada balanço se há evidência objetiva que um ativo financeiro ou um grupo ativos financeiros está teriorado. Para os títulos dívida, a Companhia usa os critérios mencionados no item (a) anterior. No caso investimentos em títulos patrimoniais classificados como disponíveis para venda, uma queda relevante ou prolongada no valor justo do título abaixo seu custo também é uma evidência que o ativo está teriorado. Se qualquer evidência sse tipo existir para ativos financeiros disponíveis para venda, o prejuízo cumulativo - medido como a diferença entre o custo aquisição e o valor justo atual, menos qualquer perda por impairment sobre o ativo financeiro reconhecido anteriormente no resultado - será retirado do patrimônio e reconhecido na monstração do resultado. Perdas por impairment instrumentos patrimoniais reconhecidas na monstração do resultado são revertidas por meio da monstração do resultado. No caso instrumentos dívida, se, em um período subsequente, o valor justo sse instrumento classificado como disponível para venda aumentar, e o aumento pur ser objetivamente relacionado a um evento que ocorreu após a perda por impairment ter sido reconhecido no resultado, a perda por impairment é revertida por meio monstração do resultado.

3 ção 2.5. Classificação contratos resseguro OscontratosdaResseguradorasãoclassificadosnoiníciodacoberturariscoparafinscontabilização como contratos resseguro. Um contrato é classificado como contrato resseguro e se mantém classificado como tal até que todos os direitos e obrigações se extinguem ou expiram. Contrato resseguro é um contrato segundo o qual a resseguradora aceita um risco seguro significativo outra parte (resseguradora ou seguradora), aceitando innizar a outra parte no caso um evento específico, futuro e incerto (evento segurado) afetar adversamente a outra parte. Desta forma, o contrato resseguro é classificado como contrato seguro porque ele é finido como uma operação em que um emitente aceita um risco seguro significativo outra parte, aceitando compensá-lo no caso ocorrência um acontecimento futuro, incerto e específico que possa afetá-lo adversamente Instrumentos financeiros rivativos Inicialmente, os rivativos são reconhecidos pelo valor justo na data em que o contrato rivativos é celebrado e são, subsequentemente remensurados ao seu valor justo. A Companhia utiliza instrumentos financeiros rivativos para administrar a sua exposição a riscos taxa juros e câmbio, incluindo contratos câmbio a termo, contratos futuros taxa juros e índices Ativos intangíveis (a) Ativos intangíveis adquiridos separadamente Ativos intangíveis com vida útil finida adquiridos separadamente são registrados ao custo, duzido da amortização e das perdas por redução ao valor recuperável acumuladas. A amortização é reconhecida linearmente com base na vida útil estimada dos ativos. A vida útil estimada e o método amortização são revisados no fim cada exercício e o efeito quaisquer mudanças nas estimativas é contabilizado prospectivamente. Ativosintangíveiscomvida útilinfinida adquiridosseparadamente sãoregistrados ao custo, duzido das perdas por redução ao valor recuperável acumuladas e não são amortizados. (b) Baixa ativos intangíveis Um ativo intangível é baixado na alienação ou quando não há benefícios econômicos futuros resultantes do uso ou da alienação. Os ganhos ou as perdas resultantes da baixa um ativo intangível, mensurados como a diferença entre receitas líquidas da alienação e o valor contábil do ativo, são reconhecidos no resultado quando o ativo é baixado Imobilizado Ativo imobilizado uso próprio O ativo imobilizado uso próprio compreen imóveis uso próprio, equipamentos, móveis, máquinas e utensílios, veículos utilizados na condução dos negócios da Resseguradora. O imobilizado uso, em geral, é monstrado ao custo histórico. Os imóveis uso próprio (terreno e edifício) são monstrados ao custo histórico reavaliado até 31 zembro 2004 com base em laudos peritos inpenntes. Com a edição da Lei n o /07 não foram efetuadas novas reavaliações. O custo histórico do ativo imobilizado compreen gastos que são diretamente atribuíveis para a aquisição dos itens capitalizáveis e para que o ativo esteja em condições uso. Gastos subsequentes são incluídos no valor contábil do ativo imobilizado ou reconhecidos como um ativo separado, conforme apropriado, somente quando é provável que benefícios futuros econômicos associados ao item do ativo irão fluir para a Resseguradora e o custo do ativo possa ser avaliado com confiabilida. Os terrenos não são preciados. A preciação outros ativos é calculada usando o método linear para alocar seus custos aos seus valores residuais durante a vida útil estimada, como segue: Taxa preciação (a.a) - % Anos Edificações Móveis e utensílios Equipamentos informática Veículos Os valores residuais e a vida útil dos ativos são revisados e ajustados, se apropriado, a cada data balanço. O valor contábil um item do ativo imobilizado é baixado imediatamente se o valor recuperável do ativo for inferior ao valor contábil do ativo Propriedas imobiliárias investimento A Resseguradora tém certos imóveis comerciais, que são alugados a terceiros, em contratos que são classificados como contratos leasing operacional segundo o CPC 06. A Resseguradora utiliza o molo custo preciado (método do custo segundo o CPC 28) para avaliação stes ativos. Os ativos imobiliários investimento são preciados pelo método linear, utilizando como base a vida útil estimada do bem. A maioria dos contratos aluguel possui opção renovação por 3 anos e os aluguéis são reajustados pelo IGP-M/FGV Impairment ativos não financeiros Ativos não financeiros (incluindo ativos intangíveis) são avaliados para impairment quando ocorrem eventos ou circunstâncias que indiquem que o valor contábil do ativo não seja recuperável. Uma perda para impairment é reconhecida no resultado do exercício pela diferença entre o valor contábil e seu valor recuperável. O valor recuperável é finido pelo CPC como o maior valor entre o valor em uso e o valor justo do ativo (reduzido dos custos venda dos ativos). Para fins testes impairment ativos não financeiros os ativos são agrupados no menor nível para o qual a Resseguradora consegue intificar fluxos caixa individuais gerados dos ativos, finidos como unidas geradoras caixa (CGUs) Provisões (a) Provisões técnicas Conforme a Circular SUSEP nº 464, 1º março, que alterou a Resolução CNSP nº 86/2002 e revogou a Circular SUSEP nº430/2012, as provisões técnicas sobre as operações resseguro estão monstradas brutas no passivo em Provisões Técnicas - Resseguros e parcela das provisões técnicas cujo risco foi repassado em operações retrocessão estão monstradas brutas no ativo em Ativos retrocessão - provisões técnicas, além da criação novos grupamentos Ativos Retrocessão - Provisões Técnicas e Resultado com Retrocessão, na monstração do resultado, os prêmios resseguro e retrocessão que passaram a ser apresentados líquidos suas respectivas comissões. O mesmo tratamento foi efetuado para a Provisão s Não Ganhos resseguro e retrocessão, que passou a ser apresentada líquida seus respectivos custos aquisições diferidos. A provisão para prêmios não ganhos para os riscos vigentes e emitidos é constituída pela parcela dos prêmios emitidos no exercício, riscos não corridos dos contratos. Tem por objetivo estimar a ocorrência futura sinistros que serão pagos pelo IRB Brasil RE e é apurada operacionalmente conforme a exposição esperada para cada contrato. Em complemento a essa provisão, é constituída a provisão prêmios não ganhos para riscos vigentes e não emitidos (PPNG-RVNE), calculada com base em uma estimativa atuarial para os riscos vigentes cujos contratos ainda não foram emitidos, sendo apurado a partir metodologia atuarial, scrita em nota técnica atuarial. A provisão sinistros a liquidar (PSL) é constituída pela estimativa do valor a innizar indicada nos avisos sinistros recebidos dos resseguradores e das sociedas seguradoras e é ajustada, periodicamente, com base nas análises efetuadas pelas áreas operacionais. Conforme estabelecido na Circular SUSEP 462, 31 janeiro, o saldo da PSL contém o volume referente à provisão sinistros ocorridos mas não suficientemente avisados, scrita abaixo. A provisão para sinistros ocorridos mas não suficientemente avisados, relativos às operações no país e no exterior, é constituída com base em premissas atuariais finidas em nota técnica e/ou relatórios atuários inpenntes, para a cobertura do senvolvimento dos sinistros avisados e ainda não pagos, na data-base cálculo, cujos valores porão ser alterados ao longo do processo até sua liquidação final, na data base cálculo. A provisão para sinistros ocorridos, relativos às operações no país e no exterior, é constituída com base em premissas atuariais finidas em nota técnica e/ou relatórios atuários inpenntes. A provisão para excentes técnicos é constituída para garantir os valores stinados à distribuição excentes correntes superávit técnico na operacionalização contratos. A Circular SUSEP 462/ estabelece ainda que os resseguradores locais constituam a provisão spesas relacionadas (PDR), referente às spesas próprias com a regulação dos sinistros e a provisão complementar cobertura (PCC), que verá ser constituída quando for verificada insuficiência do montante total passivos da Companhia, no teste aquação passivos. (b) Teste aquação passivos (Liabilityaquacytest - LAT) O teste aquação passivos é um teste econômico sobre o valor contabilizado para o passivo da Companhia e tem por objetivo capturar possíveis ficiências nos valores das obrigações correntes dos contratos resseguro. Este teste é estabelecido pela Circular SUSEP nº 457/2012, 14 zembro 2012, vendo ainda ser observado o pronunciamento contábil CPC 11. Para aferição do teste, são comparadas as estimativas correntes dos fluxos caixa brutos retrocessão com a soma do saldo contábil das provisões técnicas na data base cálculo, duzida dos custos aquisição diferidos e dos ativos intangíveis diretamente relacionados às provisões técnicas. Se apurada insuficiência, esta ve ser reconhecida na Provisão Complementar Cobertura (PCC). Os fluxos caixa foram agregados por grupos ramos acordo com suas similaridas, adicionando a discriminação dos contratos em moeda nacional e estrangeira, gerando análise mais analítica do que a mínima indicado pela circular, observadas as divisões entre prêmios registrados e futuros e sinistros passados e futuros. Para apurar o valor presente dos fluxos caixa estimados, utilizou-se o sconto financeiro obtido através do molo Svensson para as curvas cupom IPCA, pré-fixada e cupom cambial. Não foi utilizada a prerrogativa dução da diferença entre o valor mercado e o valor do registro contábil dos títulos classificados como mantidos até o vencimento, vinculados em garantia das provisões técnicas. O teste realizado para a data base 31 zembro não apresentou insuficiências. O IRB Brasil RE acompanha periodicamente sua sinistralida, índice combinado e teste aquação passivos visando manter o equilíbrio técnico-atuarial seus contratos. (c) Provisões judiciais, passivos e ativos contingentes As provisões judiciais natureza cível, trabalhista, previnciária e fiscal, objeto contestação judicial são reavaliadas periodicamente, e são contabilizadas com base nas opiniões do partamento jurídico interno da Companhia, dos consultores legais inpenntes e da administração sobre o provável sfecho dos processos judiciais nas datas dos balanços. As provisões judiciais natureza cível operacional, objeto contestação judicial, são calculadas e contabilizadas, também, com base em percentuais específicos, os quais são calculados a partir da análise do histórico encerramento dos corresponntes processos judiciais, que consira a relação dos valores sembolsados com os processos encerrados, por êxito, acordo judicial ou connação judicial e as suas corresponntes estimativas exposição ao risco. Tais percentuais probabilida perda foram aplicados às contingências cíveis operacionais existentes nas datas encerramento das monstrações contábeis. As provisões judiciais natureza trabalhista, previnciária e fiscal estão contabilizadas no grupo Outros Passivos Contingentes, no passivo não circulante. As contingências natureza cível estão contabilizadas na rubrica a Liquidar, no passivo circulante. Os valores estimados perda das contingências cíveis e trabalhistas são corrigidos conforme critérios atualização e juros que historicamente são imputados às causas, consirando-se sua natureza e tribunal nos quais a causa está sendo avaliada. Os valores estimados perda das contingências fiscais e previnciárias são corrigidos e atualizados pela taxa Selic. Os corresponntes pósitos judiciais, quando exigidos, estão contabilizados na rubrica Depósitos Judiciais e, no ativo não circulante. Os ativos contingentes são avaliados periodicamente para garantir que os senvolvimentos sejam apropriadamente refletidos nas monstrações contábeis. Se for praticamente certo que ocorrerá uma entrada benefícios econômicos, o ativo e o corresponnte ganho são reconhecidos nas monstrações contábeis do exercício em que ocorrer a mudança estimativa. Se a entrada benefícios econômicos se tornar provável, a Companhia divulga o ativo contingente Imposto renda e contribuição social correntes e diferidos A provisão para imposto renda e contribuição social está baseada no lucro tributável do exercício. O lucro tributável difere do lucro apresentado na monstração do resultado, porque exclui receitas ou spesas tributáveis ou dutíveis em outros exercícios, além excluir itens não tributáveis ou não dutíveis forma permanente. A provisão para imposto renda e contribuição social é calculada individualmente com base nas alíquotas vigentes no fim do exercício. O imposto renda e contribuição social diferidos ( tributo diferido ) são reconhecidos sobre as diferenças temporárias no final cada exercício entre os saldos ativos e passivos reconhecidos nas monstrações contábeis e as bases fiscais corresponntes usadas na apuração do lucro tributável, incluindo saldo prejuízos fiscais, quando aplicável. Os impostos diferidos passivos são geralmente reconhecidos sobre todas as diferenças temporárias tributáveis e os impostos diferidos ativos são reconhecidos sobre todas as diferenças temporárias dutíveis, apenas quando for provável que a empresa apresentará lucro tributável futuro em montante suficiente para que tais diferenças temporárias dutíveis possam ser utilizadas. Os tributos diferidos ativos ou passivos não são reconhecidos sobre diferenças temporárias resultantes ágio ou reconhecimento inicial (exceto para combinação negócios) outros ativos e passivos em uma transação que não afete o lucro tributável nem o lucro contábil. A recuperação do saldo dos tributos diferidos ativos é revisada no final cada exercício e, quando não for mais provável que lucros tributáveis futuros estarão disponíveis para permitir a recuperação todo o ativo, ou parte le, o saldo do ativo é ajustado pelo montante que se espera que seja recuperado. Tributos diferidos ativos e passivos são mensurados pelas alíquotas aplicáveis no exercício no qual se espera que o passivo seja liquidado ou o ativo seja realizado, com base nas alíquotas previstas na legislação tributária vigente no final cada exercício, ou quando uma nova legislação tiver sido substancialmente aprovada, atualmente 25% para imposto renda e 15% para contribuição social. A mensuração dos tributos diferidos ativos e passivos refletem as consequências fiscais que resultariam da forma na qual a Companhia espera, no final cada exercício, recuperar ou liquidar o valor contábil sses ativos e passivos Benefícios a empregados (a) Obrigações aposentadoria No caso dos planos aposentadoria benefício finido, o custo da concessão dos benefícios é terminado pelo Método da Unida Crédito Projetada com base em avaliação atuarial realizada anualmente ao final cada período. O custo serviços passados é reconhecido imediatamente, na medida em que os benefícios já foram concedidos, ou então, amortizado pelo método linear pelo período médio até que os benefícios tenham sido adquiridos. A obrigação com benefícios aposentadoria quando reconhecida no balanço patrimonial representa o valor presente da obrigação com os benefícios finidos, ajustada por ganhos e perdas atuariais não reconhecidos e pelo custo dos serviços passados não reconhecidos, reduzido pelo valor justo dos ativos do plano. Em caso superávit (excente do valor justo dos ativos do plano sobre o valor presente uma obrigação benefício finido) o Plano verá ser revisado, atenndo ao estabelecido na Resolução MPS/CGPC nº 26/2008. (b) Outras obrigações pós-emprego A Companhia disponibiliza um plano saú contributário para empregados admitidos na Empresa até 1º outubro, com cobertura ambulatorial e hospitalar, além cobertura odontológica. O Plano prevê a manutenção vitalícia, ou temporária, na forma do que estabelece a legislação aplicável. Os custos esperados sses benefícios são durante o período do emprego, usando a mesma metodologia contábil que a usada para os planos pensão benefício finido. Os ganhos e as perdas atuariais correntes ajustes com base na experiência e na mudança das premissas atuariais, são reconhecidos imediatamente no patrimônio líquido, conforme estabelecido pelo CPC 33. Essas obrigações são avaliadas, por atuários inpenntes qualificados Capital social As ações ordinárias são classificadas no patrimônio líquido. Os custos incrementais diretamente atribuíveis à emissão novas ações ou opções são monstrados no patrimônio líquido como uma dução do valor captado, líquida impostos. Quando alguma empresa tentora ações da Companhia compra ações do capital da Companhia (ações em tesouraria), o valor pago, incluindo quaisquer custos adicionais diretamente atribuíveis (líquidos do imposto renda), é duzido do patrimônio líquido atribuível aos acionistas da Companhia até que as ações sejam canceladas ou reemitidas. Quando essas ações são subsequentemente reemitidas, qualquer valor recebido, líquido quaisquer custos adicionais da transação diretamente atribuíveis e dos respectivos efeitos do imposto renda e da contribuição social, é incluído no patrimônio líquido atribuível aos acionistas da Companhia Divindos A proposta distribuição divindos efetuada pela administração da Companhia que estiver ntro da parcela equivalente ao divindo mínimo obrigatório é registrada como passivo na rubrica Obrigações a pagar por ser consirada como uma obrigação legal prevista no Estatuto Social da Companhia; entretanto, a parcela dos divindos superior ao divindo mínimo obrigatório, clarada pela administração após o período contábil a que se referem às monstrações contábeis, mas antes da data autorização para emissão das referidas monstrações contábeis, é registrada na rubrica Proposta distribuição divindos adicionais, no Patrimônio Líquido Reconhecimento da receita A receita compreen o valor justo da contraprestação recebida ou a receber pela comercialização produtos e serviços no curso normal da ativida. A receita é apresentada líquida cancelamentos. A Resseguradora reconhece a receita quando o seu valor po ser mensurado com segurança, é provável que benefícios econômicos futuros fluirão para a entida e quando critérios específicos tiverem sido atendidos para cada uma das atividas, conforme scrição a seguir. O IRB Brasil RE baseia suas estimativas em resultados históricos, levando em consiração o tipo cliente, o tipo transação e as especificações cada operação. (a) s resseguro Os prêmios resseguro são contabilizados como prêmios emitidos a partir da sua aceitação. Os prêmios resseguros relativos a riscos vigentes, mas cujos contratos resseguros ainda não foram emitidos, são calculados atuarialmente. No caso contratos resseguro facultativos, consira-se prêmio emitido o valor pactuado entre as partes para garantir a cobertura resseguro, na parcela aceita pelo ressegurador, pelo prazo da vigência do risco. No caso contratos resseguro automáticos o prêmio emitido será consirado da seguinte forma: Contratos não proporcionais - consira-se prêmio emitido o valor pactuado entre as partes para garantir a cobertura resseguro, na parcela aceita pelo ressegurador, pelo prazo vigência do contrato resseguro. Contratos proporcionais - consira-se prêmio emitido o valor prêmio estimado pela cente para todas as apólices que serão cobertas pelo contrato resseguro durante sua vigência. Esta estimativa é proporcional ao percentual participação do ressegurador e ponrada por um percentual performance estabelecido pela experiência do ressegurador. Estes prêmios são ajustados a cada prestação contas encaminhada pela cente normalmente com periodicida trimestral. (b) Receita divindos e juros A receita divindos é reconhecida quando o direito do acionista receber tais divindos é estabelecido (s que seja provável que os benefícios econômicos futuros verão fluir para a Resseguradora e o valor da receita possa ser mensurado com confiabilida). A receita juros é reconhecida quando for provável que os benefícios econômicos futuros verão fluir para a Resseguradora e o valor da receita possa ser mensurado com confiabilida. A receita juros é reconhecida pelo método linear com base no tempo e na taxa juros efetiva sobre o montante do principal em aberto, sendo a taxa juros efetiva aquela que sconta os recebimentos caixa futuros estimados durante a vida estimada do ativo financeiro em relação ao valor contábil líquido inicial sse ativo Despesa com comissões As comissões são diferidas e amortizadas, exceto para as operações riscos corridos cujas comissões são contabilizadas diretamente no resultado do exercício, com base no prazo vigência dos contratos resseguro. As comissões relativas a riscos vigentes, mas cujos contratos resseguro ainda não foram emitidos, são calculados atuarialmente Demonstração dos resultados abrangentes As monstrações dos resultados abrangentes estão sendo apresentadas em quadro monstrativo próprio e compreenm itens receita e spesa (incluindo ajustes reclassificação) que não são reconhecidos na monstração do resultado como requerido pelo CPC. A partir, os itens do resultado abrangente passaram a ser apresentados consirando a possibilida serem ou não potencialmente reclassificáveis para o resultado em momento subsequente Normas novas, alterações e interpretações normas que ainda não estãoem vigor As seguintes novas normas e interpretações normas foram emitidas pelo IASB mas não estão em vigor para o exercício. A adoção antecipada normas, embora encorajada pelo IASB, não é permitida, no Brasil, pelo Comitê Pronunciamento Contábeis (CPC). IFRS 9 - Instrumentos Financeiros, aborda a classificação, a mensuração e o reconhecimento ativos e passivos financeiros. O IFRS 9 foi emitido em novembro 2009 e outubro 2010 e substitui os trechos do IAS 39 relacionados à classificação e mensuração instrumentos financeiros. O IFRS 9 requer a classificação dos ativos financeiros em duas categorias: mensurados ao valor justo e mensurados ao custo amortizado. A terminação é feita no reconhecimento inicial. A base classificação pen do molo negócios da entida e das características contratuais do fluxo caixa dos instrumentos financeiros. Com relação ao passivo financeiro, a norma mantém a maioria das exigências estabelecidas pelo IAS 39. A principal mudança é a que nos casos em que a opção valor justo é adotada para passivos financeiros, a porção mudança no valor justo vido ao risco crédito da própria entida é registrada em outros resultados abrangentes e não na monstração dos resultados, exceto quando resultar em scasamento contábil. A Companhia está avaliando o impacto total do IFRS 9. A norma é aplicável a partir 1 o janeiro IFRS 15 Receitas contratos com clientes, aborda o reconhecimento da receita, tendo foco na transferência do controle do produto ou serviço, contra o conceito riscos e benefícios. O IFRS 15 foi emitido em 28 maio e substitui o IAS 18 e o IAS 11. Esta norma substituirá toda a licenciatura existente sobre reconhecimento receitas (normas e interpretações). O nível talhamento sobre a aplicação dos conceitos, especialmente em transações mais complexas, é bem maior que a orientação atualmente existente. As principais mudanças são: (a) postergação do reconhecimento, em muitos casos é postergado; (b) O risco crédito não é duzido da receita bruta no ato da venda, quando aplicável; (c) O conceito ajuste a valor presente para vendas a prazo (mais longos) aplicável; (d) Há exigências divulgações específicas sobre contratos com clientes, julgamentos significativos na aplicação das orientações reconhecimento receitas, entre outras; (e) É preciso aquar os processos das empresas para que seja possível capturar as novas informações exigidas pela norma. A Companhia está avaliando o impacto total do IFRS 15. A norma é aplicável a partir 1 o janeiro Não há outras normas IFRS ou interpretações IFRIC que ainda não entraram em vigor que poriam ter impacto significativo sobre as monstrações contábeis da Companhia. 3. Estimativas e premissas contábeis críticas Políticas contábeis são aquelas importantes para monstrar a condição financeira e os resultados. Algumas ssas políticas requerem julgamentos mais subjetivos e/ou complexos por parte da administração, frequentemente, como resultado da necessida fazer estimativas que têm impacto sobre questões que são inerentemente incertas. À medida que aumenta o número variáveis e premissas que afetam a possível solução futura ssas incertezas, esses julgamentos se tornam ainda mais subjetivos e complexos. Na preparação das monstrações contábeis, a Resseguradora adotou variáveis e premissas com base na sua experiência histórica e vários outros fatores que enten como razoáveis e relevantes. Itens significativos cujos valores são terminados com base em estimativa incluem: os títulos mobiliários avaliados pelo valor mercado, as provisões para ajuste dos ativos ao valor realização ou recuperação; as receitas prêmios e corresponntes spesas comercialização, relativos aos riscos vigentes ainda sem emissão das respectivas apólices e as provisões que envolvem valores em discussão judicial. Destacamos, especialmente, a utilização estimativas na avaliação passivos resseguros, scrito no item (a) abaixo, as estimativas e julgamentos utilizados na avaliação provisões para contingências fiscais, cíveis e trabalhistas, scrito no item (b) abaixo, as estimativas utilizadas para cálculo recuperabilida (impairment) ativos financeiros scritos no item (c) abaixo, as estimativas valor justo instrumentos financeiros, scrito no item (d) abaixo e as estimativas e julgamentos na terminação dos benefícios aposentadoria, scritas no item (e) abaixo. Alterações em tais premissas ou diferenças stas em face da realida porão causar impactos sobre as atuais estimativas e julgamentos. Tais estimativas e premissas são revisadas periodicamente. As revisões das estimativas contábeis são reconhecidas no exercício em que as estimativas estão sendo revisadas, bem como nos exercícios futuros afetados. (a) Estimativas e julgamentos utilizados na avaliação passivos resseguros As estimativas utilizadas na constituição dos passivos resseguros da Resseguradora representam a área on a Resseguradora aplica estimativas contábeis mais críticas na preparação das monstrações contábeis em conformida com o CPC. Existem diversas fontes incertezas que precisam ser consiradas na estimativa dos passivos que a Resseguradora irá liquidar em última instância. A Resseguradora utiliza todas as fontes informação internas e externas disponíveis sobre experiência passada e indicadores que possam influenciar as tomadas cisões da administração e atuários da Resseguradora para a finição premissas atuariais e da melhor estimativa do valor liquidação sinistros para contratos cujo evento ressegurado já tenha ocorrido. Consequentemente, os valores provisionados pom diferir dos valores liquidados efetivamente em datas futuras para tais obrigações. (b) Estimativas e julgamentos utilizados na avaliação provisões para contingências fiscais, cíveis e trabalhistas A Resseguradora é parte em processos judiciais trabalhistas, fiscais e cíveis em aberto, na data preparação das monstrações contábeis. Na terminação e no registro estimativas contábeis, a Resseguradora tem por base pareceres seus consultores jurídicos especialistas em cada área, evolução dos processos e status julgamento cada caso específico. Além disso, a Resseguradora utiliza seu melhor julgamento sobre estes casos. (c) Estimativas utilizadas para cálculo recuperabilida (impairment) ativos financeiros A Resseguradora aplica as regras análise recuperabilida para os ativos financeiros mensurados pelo custo amortizado. Nesta área, a Resseguradora aplica alto grau julgamento para terminar o grau incerteza associado com a realização dos fluxos contratuais estimados dos ativos financeiros, principalmente os prêmios a receber. A Resseguradora segue as orientações do CPC 38 para terminar quando um ativo financeiro disponível para venda está impaired. Essa terminação requer um julgamento significativo. Para esse julgamento, a Resseguradora avalia, entre outros fatores, a duração e a proporção na qual o valor justo um investimento é menor que seu custo, a saú financeira e perspectivas do negócio curto prazo da contraparte, incluindo fatores como: sempenho do setor e do segmento e fluxo caixa operacional e financeiro. (d) Estimativa valor justo instrumentos financeiros Conforme scrito na 4.9, os valores justos dos instrumentos financeiros com cotação pública são baseados nos preços atuais negociação. Para os ativos financeiros sem mercado ativo ou cotação pública, o valor justo é estabelecido através técnicas avaliação. Essas técnicas incluem o uso operações recentes contratadas com terceiros, a referência a outros instrumentos que são substancialmente similares, a análise fluxos caixa scontados e os molos precificação que fazem o maior uso possível informações geradas pelo mercado e contam o mínimo possível com informações geradas pela administração da própria Companhia. A 6 oferece informações talhadas sobre as principais premissas utilizadas na terminação do valor justo instrumentos financeiros, bem como a análise sensibilida ssas premissas. (e) Estimativas e julgamentos na terminação dos benefícios aposentadoria O custo planos aposentadoria com benefícios finidos pós-emprego e o valor presente da obrigação aposentadoria são terminados utilizando métodos avaliação atuarial. A avaliação atuarial envolve o uso premissas sobre as taxas sconto, taxas retorno ativos esperadas, aumentos salariais futuros, taxas mortalida e aumentos futuros benefícios aposentadorias e pensões. A obrigação benefício finido é altamente sensível a mudanças nessas premissas. Todas as premissas são revisadas no final cada exercício. Ao terminar a taxa sconto aquada, a administração consira as taxas juros livres risco. A taxa mortalida se baseia em tábuas mortalida disponíveis no país. Aumentos futuros salários e benefícios aposentadoria e pensão se baseiam nas taxas inflação futuras esperadas para o país. Para mais talhes sobre as premissas utilizadas, vi Gerenciamento riscos A gestão riscos no IRB Brasil RE é consirada instrumento essencial para a implementação uma estratégia otimizaçãodousodocapitaleaseleçãodasmelhoresoportunidasnegócios, visando obter a melhor relação risco/retorno para seus acionistas. Com o objetivo reforçar a relevância conferida ao tema ntro do contexto organizacional, no primeiro trimestre foi estabelecida a Vice-Presidência Riscos e Compliance, à qual estão subordinadas a Gerência Riscos Corporativos e a Gerência Compliance, e que é o primeiro responsável pela supervisão do gerenciamento riscos do IRB Brasil RE. Contudo, mantém-se o comprometimento da Diretoria Colegiada, do Conselho Administração, do Comitê Gestão Riscos e outros órgãos consultivos ou liberativos no suporte e fomento da gestão riscos no âmbito da Companhia. Após 3ª revisão, ocorrida em zembro, foi confirmada a classificação A- (excelente), com viés estável, pela agência rating A.M. Best, sediada nos Estados Unidos, a qual reflete, na opinião ssa agência, uma capitalização fortemente aquada aos riscos da Companhia Principais tipos risco O gerenciamento riscos corporativos abrange as seguintes categorias risco: Subscrição, Mercado, Crédito e Liquiz, que por sua vez são compostas por diversas subcategorias. A Companhia enten que estas categorias representam as suas principais exposições, mas que não são exaustivas, já que diversos riscos pom afetá-la. Para tratamento sses riscos, a Companhia se utiliza diversas metodologias e estratégias, tais como o estabelecimento um Programa Gestão Continuida Negócios, criação um Plano Gestão Risco voltado para a intificação, análise, mensuração, tratamento e reporte, com foco em riscos operacionais, monitoramento do risco crédito contrapartes e do VaR (Value at Risk) da carteira investimentos, senvolvimento cenários estresse, ntre outros Riscos subscrição O risco Subscrição advém oscilações que pom surgir tanto fatores internos como externos à Companhia, que contrariem as expectativas da Resseguradora em relação às premissas atuariais e financeiras adotadas na precificação dos contratos resseguro e na constituição das provisões técnicas. Uma das técnicas disponíveis para a mitigação e controle do risco subscrição é a transferência riscos por meio retrocessão. Da mesma forma que o resseguro, a retrocessão po cobrir um grupo negócios ou somente riscos específicos (também chamados facultativos). O IRB Brasil RE atualmente possui programas retrocessão que cobrem os grupos ramos on há maior exposição, buscando estabilizar os resultados e limitar as perdas, bem como ampliar sua capacida para a aceitação negócios estratégicos. Além disso, para casos específicos pom ser utilizadas retrocessões facultativas, que são individualmente analisadas. Devido à própria natureza da transferência risco, as operações retrocessão implicam em um risco crédito subjacente, que é tratado conforme scrito na nota 4.4. Além disso, a evolução dos riscos é monitorada, assim como é realizada a revisão constante das premissas atuariais e das políticas subscrição e aceitação riscos e acompanhamento das provisões técnicas. Por fim, existe um benefício associado à diversificação do portfólio carteiras resseguros, em que pese uma participação mais relevante nos riscos patrimoniais, como observado na nota abaixo Monitoramento dos passivos resseguro por linhas negócio A Companhia calcula suas provisões técnicas seguindo as normas do Conselho Nacional Seguros Privados (CNSP) e da Superintendência Seguros Privados (SUSEP). O quadro abaixo monstra os passivos (PSL, IBNR, IBNER, PET, PPNG, PDR) brutos e líquidos por linhas negócio. Passivo Resseguro Ativo Retrocessão Grupo Patrimonial ( ) ( ) Riscos especiais ( ) ( ) Responsabilidas ( ) ( ) Cascos ( ) ( ) Automóvel (3.623) (5.356) Transportes ( ) ( ) Riscos financeiros ( ) ( ) Crédito (16.511) (14.937) Pessoas (32.550) (36.774) Habitacional (808) (995) Rural ( ) (99.922) Marítimos (18.892) (31.576) Aeronáuticos ( ) (64.948) Run-off (Londres) Outros (39.872) (83.808) ( ) ( ) A natureza das operações resseguro implica que o ressegurador recebe a maior parte das informações das centes forma agregada, geralmente tendo acesso a dados individualizados em negócios facultativos, somente. Portanto, vido à ausência informações completas a respeito da segregação região geográfica, e seguindo a orientação da Circular SUSEP nº 486/, não é cabível divulgação concentração risco por área geográfica Desenvolvimento As tabelas a seguir apresentam o senvolvimento dos sinistros da Companhia, por ano subscrição. Brutos Retrocessão Bruto retrocessão Ano subscrição Estimativa sinistros No final ano subscrição Um ano pois Dois anos pois Três anos pois Quatro anos pois Cinco anos pois Seis anos pois Estimativa corrente dos sinistros Pagamentos até a data base Passivo reconhecido no balanço Passivo em relação a anos anteriores a IBNER do passivo inclusonobalanço Líquido retrocessão Ano subscrição Estimativa sinistros No final do ano subscrição Um ano pois Dois anos pois Trêsanospois Quatro anos pois Cinco anos pois Seis anos pois Estimativa corrente dos sinistros Pagamentos até a data base Passivo líquido reconhecido no balanço Passivo em relação a anos anteriores a IBNER do passivo líquido incluso no balanço Análise sensibilida A tabela abaixo apresenta possíveis impactos no resultado e patrimônio líquido, consirando um aumento 10% (z por cento) na sinistralida. Efeitos brutos Impacto Resultado e patrimônio líquido... ( ) Resultado líquido (%)... (24,23) Patrimônio líquido (%)... (4,94) Efeitos líquidos Impacto Resultado e patrimônio líquido... (81.728) Resultado Líquido (%)... (13,59) Patrimônio líquido (%)... (2,77) Devido à natureza das operações aceitas pelo IRB Brasil RE, não há exposição material a índice conversibilida, mortalida ou sobrevivência. Outros estudos internos indicaram que parte dos passivos não-operacionais, ligados a benefícios pós-emprego, estão inxados à inflação, que estão cobertos por aplicações em títulos mesma inxação (NTN-B), não havendo exposição significativa a esse índice Risco mercado Po ser finido como o risco oriundo das alterações nos preços e taxas no mercado financeiro, e que po refletir na redução do valor um título ou carteira ativos. As principais variáveis atreladas ao risco mercado são: as taxas juros, as taxas câmbio e a liquiz dos ativos. A gestão do risco proveniente ssas variáveis envolve diferentes unidas organizacionais e contempla uma série diretrizes e estratégias consiradas aquada pela administração, objetivando a gestão dos riscos oriundos daquelas variáveis. Para esse fim são utilizadas as seguintes técnicas: finição limites máximos VaR (Value at Risk) e construção cenários estresse; monitoramento mercado; e gestão preventiva perdas Análise Value at Risk A mensuração do risco mercado, feita através do VaR, estima a perda potencial no lucro antes dos impostos para um terminado horizonte tempo dada uma probabilida específica ocorrência, consirando as volatilidas do mercado e a diversificação dos riscos através do reconhecimento posições compensatórias e correlações entre os produtos e o mercado. O VaR diário da carteira ativos da Resseguradora, registrado zembro, foi R$ 5.335, o que representa uma perda 0,09% do total da carteira ativos, segundo o método não-paramétrico - VaR diário histórico, com nível significância 5% e janela observação móvel 150 dias úteis Análise sensibilida moeda estrangeira A Resseguradora está exposta principalmente ao dólar americano, havendo, contudo, exposição em menor grau a outras moedas estrangeiras, cujas principais são a libra esterlina, o euro e o peso argentino. A tabela a seguir talha a sensibilida da Resseguradora à variação do câmbio para essas principais moedas, consolidando todas as mais moedas estrangeiras em dólares americanos. São consiradas taxas a termo consenso mercado zembro para 31 zembro 2015, calculadas segundo a metodologia Bloomberg Composite NY (CMPN). Taxa a termo 31 zembro 2015 Impacto projetado sobre o resultado bruto 31 zembro (%) Variação no excente em dólares americanos... USD / BRL 2, ,59 Variação no excente em libras esterlinas... GBP 1,0000 / BRL 4,5512 (19.871) (2,01) Variação no excente em euros... EUR 1,0000 / BRL 3, ,14 Variaçãonoexcenteempesosargentinos... ARS1,0000 / BRL0,2419 (9.034) (0,91) (1,19)

4 ção Análise sensibilida à taxa juros A Companhia está exposta ao risco taxa juros, uma vez que possui, principalmente, títulos e valores mobiliários vinculados a variação da taxa juros. A tabela a seguir talha a sensibilida da Resseguradora à variação 1% (100bp) na taxa básica Selic: Impactos Impactos +1% -1% Variação nos títulos pré-fixados... (29.228) Variação nos títulos pós-fixados (33.161) Resultado bruto (3.597) Impactos Impactos +1% -1% Variação nos títulos pré-fixados... (11.275) Variação nos títulos pós-fixados (26.896) Resultado bruto (15.480) Parâmetros: (a) 100 basis points nas estruturas taxas juros vigentes zembro. (b) Assumindo por conservadorismo que a taxa juros real (cupom NTN-B) evoluiu proporcionalmente à taxa Selic. Após análise, conclui-se que a sensibilização à taxa juros em 100bps implica uma variação no valor dos títulos expostos cerca -0,09% para a diminuição da taxa e 0,10% para o aumento da taxa Gestão dos riscos correlacionados A Companhia consira que as variáveis econômicas não têm movimento inpennte, havendo correlação entre os principais fatores risco associados aos investimentos. Consirando tais variáveis, bem como suas correlações, concluiu-se que os riscos associados são parcialmente mitigados, já que as variáveis analisadas atuam em movimento compensatório, pondo gerar uma perda máxima 23% no período analisado. Quanto aos cenários estresse analisados, consirando grans crises mundiais ocorridas nos últimos quinze anos, concluiu-se que a perda máxima sua carteira seria 0,2% Risco crédito O IRB Brasil RE enten que a principal origem do seu risco crédito - risco uma contraparte não cumprir com suas obrigações contratuais com perdas financeiras - são as operações retrocessão. A fim mitigar este risco, a Companhia adotou a política ter operações retrocessão com sociedas que tenham, pelo menos, meta dos ratings em registro, comprovadamente, igual ou superior a A- (S&P, Fitch e AM Best) ou A3 (Moody s), e avalia seus retrocessionários através uma classificação própria. A exposição da Resseguradora é mitigada pela adoção limites retrocessão para as contrapartes, que são revisados e aprovados, com uma periodicida mínima anual, pelo Comitê Security. A qualida dos atuais parceiros retrocessão dos contratos proteção do IRB Brasil RE po ser verificada no quadro abaixo: % resseguradores participantes dos contratos proteção em vigor Faixa rating Local Admitido Eventual AAA ou equivalente... AA ou equivalente... 28,57 14,29 42,86 A ou equivalente... 47,62 47,62 BBB ou equivalente... 4,76 4,76 Sem rating... 4,76 4, ,52 28,57 61, O risco crédito em fundos e instrumentos financeiros rivativos é limitado porque as contrapartes são representadas por bancos com alto rating crédito avaliado por agências internacionais. As seguintes técnicas são utilizadas para controlar e mitigar o risco crédito: estabelecimento limites retrocessão por entida; monitoramento exposição risco crédito; acompanhamento das mudanças e tendências do mercado seguros e resseguros e do mercado financeiro; e gestão preventiva perdas. Exposição ao risco crédito A Companhia está exposta à concentração risco com resseguros, vido à natureza do mercado resseguro, abaixo seguem as classificações risco por aging. Ativos vencidos e não impaired Composição carteira por classe e Ativos não vencidos e não 0 a a a a Acima contábil 31 Valor zembro por categoria contábil "impaired" dias dias dias 180 dias 180 dias Contábil Caixa e equivalente caixa Ao valor justo por meio do resultado Privados Públicos Exterior Disponíveis para venda Públicos Exterior Mantido até o vencimento Públicos Exterior s a receber seguradora e ressegudarora ativos financeiros e ativos contratos seguro e resseguro Risco liquiz O risco liquiz está associado ao risco que a Companhia, embora solvente, não tenha recursos disponíveis para cumprir suas obrigações forma tempestiva, ou que possa cumpri-las somente por meio venda ativos em condições sfavoráveis, implicando em perdas financeiras. Para gerir este risco, busca-se alocar uma reserva mínima em fundos elevada liquiz (Operações Compromissadas lastreada em títulos públicos ferais) para fazer face às necessidas caixa no curto prazo. Este risco é monitorado mente pelo acompanhamento dos fluxos caixa previstos e reais, e pela combinação dos perfis vencimento dos ativos e passivos financeiros ao longo do tempo. zero a um um a três três a cinco a Acima Valor Valor ano anos cinco anos z anos z anos contábil contábil Passivos resseguro (provisões técnicas) PSL PPNG RVE PPNG-EPI IBNR + IBNER PPNG RVNE PET PDR Contratos futuros moedas Como parte da política investimentos da Companhia, existe a previsão contratação proteção cambial para as ocorrências excente ativo em moeda estrangeira. Na data base 31 zembro, a Companhia não possuía contrato a termo moeda ou outro instrumento proteção cambial Contratos futuros taxa juros Renda fixa Em 31 zembro, a Companhia possuía a totalida das cotas do Fundo Investimento BB PEABIRU Renda Fixa. Os gestores dos fundos pom adotar como política hedge a utilização instrumentos financeiros rivativos, com a finalida proteger o valor patrimonial em relação a movimentos inesperados nas taxas juros. O fundo não possuía operações com contratos futuros taxa juros na referida data. 6. Aplicações Financeiras 6.1. Composição das aplicações 4.8. Técnicas avaliação e premissas aplicadas para fins apuração do valor justo A terminação do valor justo dos ativos e passivos financeiros é apresentada a seguir: (a) O valor justo dos ativos e passivos financeiros que apresentam termos e condições padrão e são negociados em mercados ativos é terminado com base nos preços observados nesses mercados. (b) O valor justo dos instrumentos rivativos é calculado utilizando preços cotados. Os contratos futuros câmbio são mensurados com base nas taxas câmbio e nas curvas rendimento obtidas com base em cotação e para os mesmos prazos vencimentos dos contratos. (c) O valor justo dos outros ativos e passivos financeiros (com exceção daqueles scritos acima) é terminado acordo com molos precificação geralmente aceitos baseado em análises dos fluxos caixa scontados Mensurações ao valor justo reconhecidas no balanço patrimonial A tabela a seguir fornece uma análise dos instrumentos financeiros que são mensurados pelo valor justo após o reconhecimento inicial, agrupados nos Níveis 1 e 2 com base no grau observável do valor justo: (a) Mensurações valor justo Nível 1 são obtidas preços cotados (não ajustados) em mercados ativos para ativos ou passivos idênticos. (b) Mensurações valor justo Nível 2 são obtidas por meio outras variáveis além dos preços cotados incluídos no Nível 1, que são observáveis para o ativo ou passivo diretamente (ou seja, como preços) ou indiretamente (ou seja, com base em preços). (c) Mensurações valor justo Nível 3 são as obtidas por meio técnicas avaliação que incluem variáveis para o ativo ou passivo, mas que não têm como base os dados observáveis mercado (dados não observáveis). Ativos financeiros ao valor justo por meio do resultado Letras Financeiras do Tesouro... Nível Letras do Tesouro Nacional... Nível s do Tesouro Nacional... Nível Títulos Governos Estrangeiros... Nível Operações compromissadas... Nível Cotas Fundos Investimentos... Nível Cotas Fundos Renda Variável... Nível Outros... Nível Ativos financeiros disponíveis para venda Letras Financeiras do Tesouro... Nível Letras do Tesouro Nacional... Nível s do Tesouro Nacional... Nível Títulos da dívida soberana... Nível American Depositary Receipts - ADR... Nível Títulos Renda Fixa no exterior... Nível Ativos financeiros mantidos até vencimento s do Tesouro Nacional... Nível Certificados Depósito Bancário... Nível Títulos Renda Fixa no exterior... Nível Eurobonds/Term Notes... Nível Ações no Exterior... Nível Capital Mínimo, Risco e Liquiz em Relação ao Capital O CNSP, em 25 setembro, publicou nova regulamentação relativa ao cálculo capital mínimo requerido para autorização e funcionamento dos resseguradores locais e ao cálculo do capital risco, consubstanciada na Resolução CNSP nº 316/, que consolidou todas as parcelas capital risco, extinguindo o conceito margem solvência. Foi também introduzida regulamentação, apresentada na Resolução CNSP nº 317/, 12 zembro, referente ao cálculo do capital risco baseado no risco mercado. Conforme Art. 3º, 4º ssa Resolução, o montante efetivamente exigido do capital risco baseado no risco mercado até 30 zembro 2016 é zero, sendo esse valor majorado em 50% do total calculado entre 31 zembro 2016 e 30 zembro 2017, e atingindo a totalida (100%) a partir 31 zembro Continuam em vigor, para efeito do cálculo capital risco baseado no risco subscrição, a Resolução CNSP nº 280/, que foi complementada pela Circular SUSEP 486/, 23 janeiro ; para o capital risco baseado no risco crédito, a Resolução CNSP nº 228/2010; e para o capital risco baseado em risco operacional, a Resolução CNSP nº 283/. O IRB Brasil Re, zembro, não havia submetido à aprovação da SUSEP molo próprio paraapuraçãodas parcelasdo capital risco, nemexclusivamente daparcela do capital risco baseado no mercado, na forma finida pelo Art. 2º do Anexo IV da Resolução CNSP nº 316/. Consiram-se, para efeitos das citadas resoluções, os conceitos a seguir: I Capital mínimo requerido: montante capital que um ressegurador local verá manter, a qualquer momento, para por operar, sendo equivalente ao maior valor entre o capital base e o capital risco. II Capital base: montante fixo capital, no valor R$ , que um ressegurador local verá manter, a qualquer momento. III Capital risco: montante variável capital que um ressegurador local verá manter, a qualquer momento, para por garantir os riscos inerentes a sua operação, conforme disposto em regulação específica. IV Ativos líquidos: todos os ativos aceitos pelo Conselho Monetário Nacional em até 100% (cem por cento) na cobertura das provisões técnicas. V Liquiz em relação ao capital risco: situação caracterizada pela apresentação um total ativos líquidos, em excesso à necessida cobertura das provisões, superior a 20% (vinte por cento) do capital risco Cálculo do Capital Mínimo Requerido O cálculo efetuado pelo IRB Brasil RE, conforme disposto nas citadas resoluções, não intificou a necessida aporte adicional capital. Com data base zembro, observou-se que o valor do patrimônio líquido ajustado é superior ao valor do capital mínimo requerido. Capital risco baseado em risco subscrição Capital risco baseado em risco crédito Capital risco baseado em risco operacional Capital risco baseado em risco mercado... Benefício da diversificação riscos... ( ) (93.128) Capital risco total Margem solvência Capital base Capital mínimo requerido Patrimônio líquido ajustado (*) Suficiência patrimônio líquido ajustado (*) Cálculo do patrimônio líquido ajustado: Patrimônio líquido Deduções Despesas antecipadas... (871) (972) Participações societárias... (18.417) (16.848) Intangíveis... (57.182) (39.478) Direitos/obrigações sucursais no exterior... (79.027) (33.499) Outras duções... (50) (50) Patrimônio líquido ajustado Liquiz em relação ao Capital Risco O cálculo da liquiz em relação ao capital mínimo requerido para a data base 31 zembro não intificou necessida do IRB Brasil RE dispor maior nível ativos líquidos, em excesso à necessida cobertura das provisões. Ativos Líquidos Provisões Técnicas (*)... ( ) ( ) Cobertura 20% do Capital Risco... ( ) ( ) Suficiência Liquiz (*) A partir, inclui direitos creditórios. 5. Caixa e Equivalentes Caixa O saldo ssa conta po ser assim monstrado: Descrição Caixa Conta corrente bancária país Conta corrente bancária exterior Valor justo por meio do resultado Disponível para venda Mantido até o vencimento avaliado pela curva Valor Contábil avaliado pela curva Valor Contábil avaliado pela curva Valor Contábil Taxa média juros Letras Financeiras do Tesouro (i) ,86% Letras do Tesouro Nacional ,99% s do Tesouro Nacional - Série B ,39% Quotas Fundos Investimento 10,34% Letras do Tesouro Nacional s do Tesouro Nacional Operações Compromissadas Outros Quotas Fundos Investimento em Ações Exclusivos -4,12% Ações Empresas Nacionais Letras Finaceiras do Tesouro Operações Compromissadas Outros Quotas Fundos Investimento Não Exclusivos ,01% American Deposits Receipt (ii) ,93% Títulos da Dívida Soberana (ii) ,38% Brazilian Corporate Bonds (iii) ,84% Corporate Bonds - Nova Iorque (iv) ,52% Papéis renda fixa (HSBC) ,78% Depósito à Prazo Fixo no Exterior (v) ,61% Outras aplicações no exterior Provisão para svalorização (vi)... ( ) ( ) TOTAL %... 13% 72% 15% 100% Não Valor justo por meio do resultado Disponível para venda Mantido até o vencimento avaliado pela curva Valor Contábil avaliado pela curva Valor Contábil avaliado pela curva Valor Contábil Taxa média juros Letras Financeiras do Tesouro (i) ,20% s do Tesouro Nacional - Série B ,64% Quotas Fundos Investimento 0,58% Quotas Fundos Investimento Exclusivos Letras do Tesouro Nacional s do Tesouro Nacional Operações Compromissadas Outros Quotas Fundos Investimento Não Exclusivos ,16% Quotas Fundos Investimento em Ações Exclusivos 4,12% Ações Empresas Nacionais Letras Financeiras do Tesouro s do Tesouro Nacional Outros Quotas Fundos Investimento Não Exclusivos ,37% American Deposits Receipt (ii) ,86% Títulos da Dívida Soberana (ii) ,05% Brazilian Corporate Bonds (iii) ,13% Corporate Bonds - Nova Iorque (iv) ,16% Papéis renda fixa (HSBC) ,25% Depósito à Prazo Fixo no Exterior (v) ,45% Outras aplicações no exterior Provisão para svalorização (vi)... ( ) ( ) TOTAL %... 30% 48% 22% 100% Não (i) Letras Financeiras do Tesouro Referem-se a títulos públicos do Tesouro Nacional que fazem parte da carteira própria do IRB Brasil RE. Seus rendimentos são atualizados pela taxa Selic e os títulos estão custodiados no Banco do Brasil. Adicionalmente, estes títulos são ajustados aos seus valores mercado, obtidos através informações divulgadas pela ANBIMA - Associação Brasileira das Entidas dos Mercados Financeiro e Capitais. (ii) Títulos da dívida mobiliária soberana e empresas estatais brasileiras (ADR s) Representam títulos renda fixa emitidos no exterior, em dólares dos Estados Unidos, pela União. (iii) Brazilian Corporate Bonds Representam títulos renda fixa emitidos por subsidiárias, sediadas no exterior, empresas brasileiras. Estes títulos, nominados em dólares dos Estados Unidos, foram colocados no mercado internacional. Estão sob administração da BB Securities, em Londres. Em junho 2011, a provisão foi contabilizada à razão 100% dos títulos vencidos e não pagos, exceto para os títulos renegociados, em função da condição adimplência dos titulares da dívida. (iv) Corporate Bonds Os Corporate Bonds são letras hipotecárias emitidas por empresas privadas dos Estados Unidos, com base em operações financiamentos imobiliários. A Companhia constituiu provisão para svalorização por consirar que as perdas em seu valor são permanentes. (v) Depósitos a prazo fixo no exterior Representam aplicações em time posits responsabilida do Banco do Brasil S.A. e Brasco, em Nova Iorque, cujos prazos vencimento oscilam entre 12 a 120 dias. Tais aplicações possuem como moedas origem a Libra Esterlina, o Dólar e o Euro. (vi) Provisão para svalorização É compostas : (a) Brazilian Corporate Bonds; (b) Corporate Bonds Nova York; (c) Depósitos a prazo fixo no exterior Abertura das aplicações por tipo e prazo vencimento Sem vencimento 1 a 180 dias 181 a 365 dias acima 365 dias Valor justo por meio do resultado Quotas Fundos Investimento Quotas Fundos Investimento Exclusivos... Letras do Tesouro Nacional s do Tesouro Nacional Operações Compromissadas Outros Quotas Fundos Investimento em Ações Ações Empresas Nacionais Letras Financeiras do Tesouro Operações Compromissadas Outros Quotas Fundos Investimentos Não Exclusivos Disponível para venda Letras Financeiras do Tesouro Letras do Tesouro Nacional s do Tesouro Nacional American Depositary Receipts Títulos da Dívida Soberana Papéis renda fixa (HSBC) Mantidos até o vencimento s do Tesouro Nacional Brazilian Corporate Bonds Corporate Bonds - Nova York Depósito a Prazo Fixo no Exterior Outras Sem vencimento 1 a 180 dias 181 a 365 dias acima 365 dias Valor justo por meio do resultado Quotas Fundos Investimento Quotas Fundos Investimento Exclusivos... Letras do Tesouro Nacional s do Tesouro Nacional Operações Compromissadas Outros Quotas Fundos Investimento Não Exclusivos Quotas Fundos Investimento em Ações Exclusivos Ações Empresas Nacionais Letras do Tesouro Nacional s do Tesouro Nacional Outros Títulos da Dívida Soberana Quotas Fundos Investimentos Disponível para venda Letras Financeiras do Tesouro (i) s do Tesouro Nacional American Deposits Receipt Títulos da Dívida Soberana Papéis renda fixa (HSBC) Mantidos até o vencimento s do Tesouro Nacional Brazilian Corporate Bonds Corporate Bonds - Nova York Depósito a Prazo Fixo no Exterior Outras Aplicações no exterior Movimentação das aplicações financeiras Movimentação das aplicações financeiras Valor justo por meio do resultado Disponível para venda Mantidos até o vencimento s zembro Aplicações Rendimento resgate... ( ) (23.397) (23.491) ( ) Principal resgate... ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado financeiro Ajuste a valor mercado... (6.329) (6.329) Oscilação Cambial s zembro Valor justo por Disponível Mantidos até Movimentação das aplicações financeiras meio do resultado para venda o vencimento s zembro Aplicações Rendimento resgate... ( ) (38.132) (4) ( ) Principal resgate... ( ) ( ) ( ) ( ) Resultado financeiro Ajuste a valor mercado... (31.612) (31.612) Oscilação Cambial s zembro Créditos das Operações com Resseguros e Retrocessões As contas créditos das operações com resseguros e retrocessões representam, principalmente, os saldos a receber resultantes dos movimentos operacionais das sociedas seguradoras do país e sociedas resseguradoras do exterior, acrescidos dos prêmios emitidos a receber, das respectivas comissões, das innizações sinistros a receber e dos créditos correntes dos negócios provenientes operações realizadas no passado pela sucursal Londres, conforme monstrado a seguir: 7.1. Composição Operações com seguradoras (7.2.1) Operações com resseguradoras (7.2.2) Outros créditos operacionais Provisão créditos com liquidação duvidosa (7.4)... ( ) ( ) Não Movimentação Operações com seguradoras Operações com seguradoras Efetivo Estimado RVNE Sinistro s zembro s a receber Recebimentos... ( ) ( ) (90.910) ( ) Salvados, ressarcimentos e adiantamentos para liquidação sinistros Variação cambial s zembro Não Operações com seguradoras Efetivo Estimado RVNE Sinistro zembro s a receber Recebimentos... ( ) (15.722) ( ) ( ) Salvados, ressarcimentos e adiantamentos para liquidação sinistros Variação cambial zembro Não Operações com resseguradoras Efetivo Outros s zembro s a receber Recebimentos... ( ) ( ) Recuperação sinistros Variação cambial Outros créditos s zembro Efetivo Outros s zembro s a receber Recebimentos... ( ) ( ) Recuperação sinistros Variação cambial... (6.259) (4.980) Outros Créditos... s zembro Aging créditos das operações com resseguros e retrocessões A análise vencimento créditos das operações com resseguro e retrocessão está apresentada abaixo: Aging A vencer Vencidos até 30 dias Vencidos entre 31 e 60 dias Vencidos entre 61 e 120 dias Vencidos entre 121 e 180 dias Vencidos entre 181 e 365 dias Vencidos acima 365 dias Sem vencimentos (*) (*) Composto, basicamente, pelos prêmios resseguros estimados e riscos vigentes e não emitidos, no montante R$

5 ção Parte do contas a receber vencidos e a vencer, no valor R$ , são referentes a operações com seguradoras e resseguradoras que não possuem histórico inadimplência e cujo pagamento está em fase negociação. Para o saldo remanescente vencido e a vencer, no valor R$ , foi constituída provisão créditos liquidação duvidosa no valor R$ , consirando a utilização metodologia própria pela Companhia, baseada na segregação parceiros negócio por origem e atuação país e exterior, classificação rating por histórico adimplência, clientes com saldos passivos não liquidados e tratamento especial para clientes em negociação Provisão créditos liquidação duvidosa no início do exercício... ( ) ( ) Constituição provisão ao valor recuperável reconhecidas sobre os recebíveis... (47.640) (24.463) no final do exercício... ( ) ( )... ( ) ( ) Não... (30.635) (30.281) ( ) ( ) 8. Ativos Retrocessão - Provisões Técnicas A Circular SUSEP nº janeiro, modificou a forma contabilização resseguros, logo os valores referentes a provisões técnicas sta natureza sofreram reclassificações e alterações em sua forma apresentação. Na estrutura patrimonial, o grupamento referente à Provisão Ocorridos mas Não Suficientemente Avisados (IBNER) foi aglutinado no grupamento penntes pagamento, no ativo. Não houve necessida reapresentação dos saldos, pois a movimentações não afetaram os saldos comparativos do balanço patrimonial Composição penntes pagamento e sinistros ocorridos, conforme monstrado abaixo: Grupo Ramos penntes pagamento Patrimonial Riscos especiais Responsabilidas Cascos Automóveis Transportes Riscos financeiros Crédito Pessoas Habitacional Rural Marítimo Aeronáutico Outros Grupo Ramos penntes pagamento Patrimonial Riscos especiais Responsabilidas Cascos Automóveis Transportes Riscos financeiros Crédito Pessoas Habitacional Rural Marítimos Aeronáuticos Outros Movimentação penntes pagamento ocorridos mas não avisados zembro Liquidação sinistros... ( ) (48.093) ( ) Constituição provisão sinistros zembro penntes pagamento ocorridos mas não avisados s zembro Liquidação sinistros... ( ) (56.987) ( ) Constituição provisão sinistros zembro s retrocessão diferidos Provisãoprêmiosnãoganhos Custos aquisição diferidos Grupo Ramos Efetivo Estimado RVNE Efetivo Estimado RVNE Patrimonial (21.028) (96) (2.389) Riscos especiais (16.040) (1) (2.486) Responsabilidas (906) (17) (395) Cascos Automóveis (125) Transportes (611) (497) Riscos financeiros (1.896) (1.346) Crédito (1) 348 Pessoas (107) (1) Rural (1.805) (70) Marítimo (438) (12) (72) Aeronáutico (1.825) (34) (75) Outros (1.887) (2.940) (46.668) (3.100) (7.332) Provisãoprêmiosnãoganhos Custos aquisição diferidos Grupo Ramos Efetivo Estimado RVNE Efetivo Estimado RVNE Patrimonial (23.386) (8.012) (1.983) Riscos especiais (14.850) (1.712) (1.146) Responsabilidas (6.548) (3.037) (89) Cascos (21) 811 Automóveis (184) (34) (3) Transportes (304) (162) (5) Riscos financeiros (2.965) (3.080) (1.599) Crédito (13) 682 Pessoas (10) 875 Habitacional Rural (6.417) (66) (8) Marítimo (38) (180) (1) Aeronáutico (166) (590) (79) Outros (1.552) (494) (56.410) (17.367) (4.957) Movimentação Provisão prêmios não ganhos Custos aquisição diferidos Efetivo Estimado RVNE Efetivo Estimado RVNE s zembro (56.410) (17.367) (4.957) Diferimento pelo risco... ( ) ( ) (8.001) ( ) Constituição (30.222) (3.587) (6.433) s zembro (46.668) (3.100) (7.332) Efetivo Estimado RVNE Efetivo Estimado RVNE s zembro (64.147) (51.435) (7.409) Diferimento pelo risco...( ) ( ) (33.673) ( ) Constituição (83.069) (12.004) (5.468) s zembro (56.410) (17.367) (4.957) Outras provisões técnicas A provisão para excentes técnicos garante os valores stinados à distribuição excentes correntes superávit técnico na operacionalização contratos, e a provisão spesas relacionadas, constituem coberturas das spesas relacionadas a sinistro. Aeronáutico Automóveis Cascos Crédito Habitacional Marítimo Patrimonial Pessoas Responsabilidas Riscos especiais Riscos financeiros Rural Transportes Títulos e créditos a receber Valores a receber shopping centers Valores a receber acordos judiciais(**) Valores a receber - spesas médicas/inss/aposentados Adiantamento a funcionários Outros circulante Valores a receber da Caixa Econômica Feral (*) Valores a receber acordos judiciais (**) não circulante (*) Valor proveniente recuperação valores pagos invidamente por conta da ação corrente manda relacionada ao Seguro Habitacional do Sistema Financeiro Habitação - SFH, com utilização dos recursos do FESA. (**) Valor proveniente acordos judiciais firmados com vedores. 10. Créditos tributários e previnciários Créditos tributários e previnciários Antecipações IRPJ e CSLL Contribuições e impostos pagos a maior a recuperar (*) Imposto renda retido na fonte Impostos a compensar/recuperar Contribuições e impostos pagos a maior a recuperar (*) Créditos tributários sobre diferenças temporárias (*) O saldo é composto, basicamente, pelos pagamentos a maior referentes a PIS (R$ ) e COFINS (R$ ), oriundos da ação alargamento da base, cujo o trânsito em julgado da ação ocorreu em 29 outubro, e o pedido restituição protocolado em 19 zembro ( ). Para terminação e contabilização sses montantes, foram consirados os créditos sobre os quais não existe qualquer dúvida ou discussão sobre a composição sua base cálculo. Conforme scrito na , em, o IRB Brasil RE reuniu todas as condições para reconhecimento integral do crédito Créditos tributários sobre diferenças temporárias O imposto renda e a contribuição social diferidos sobre diferenças temporárias são compostos da seguinte forma: IRPJ CSLL IRPJ CSLL Créditos Tributários Diferenças Temporárias Provisões trabalhistas (a) Provisão para svalorização do investimento (b) Provisão para créditos liquidação duvidosa ( c) Provisão para contingências fiscais e previnciarias (d) Ajuste a valor mercardo - Títulos disponíveis para venda Ganhos e perdas atuariais - Benefícios pós-emprego... (15.876) (15.876) Provisão para contingências trabalhistas (d) Ajuste a valor mercardo - investimento... (14.921) (14.921) Provisão para contingências fiscas/trabalhistas passivo... (79.289) (79.289) (54.525) (54.525) Outras provisões Base cálculo Alíquota... 25% 15% 25% 15% Crédito tributário diferenças temporárias Provisão para perda sobre as realizões créditos tributários acima 10 anos (a)... (11.990) (7.194) (13.801) (8.280) créditos tributários sobre diferenças temporárias Os créditos tributários imposto renda e contribuição social diferidos oriundos diferenças temporárias estão sendo constituídos com base nas alíquotas 25% e 15%, respectivamente. (a) A consumação do crédito tributário está baseada no cálculo atuarial da realização das provisões trabalhistas, previstas para 51 anos. Constituiu provisão para perda impostos diferidos sobre a realização do crédito tributário superior a 10 anos. (b) Referem-se às provisões para perda das aplicações financeiras Brazilian Bonds, BB Securities e Banco Econômico. A primeira encontra-se em fault, a segunda tem a previsão ultrapassar 20 anos para a sua realização e a aplicação do Banco Econômico encontra-se em litígio. (c) A realização do crédito tributário sobre a provisão para crédito liquidação duvidosa está relacionada com a recuperação administrativa ou judicial do crédito ou liberação da Administração da baixa para perda. (d) A realização do crédito tributário sobre a provisão para contingências fiscais, previnciárias e trabalhistas penm cisão finitiva e da data encerramento sses litígios Projeção estimada realização dos créditos tributários Oimpostorendaeacontribuiçãosocialdiferidosserãorealizadosàmedidaqueasdiferençastemporárias sobre as quais são calculadas, sejam revertidas ou se enquadrem nos parâmetros dutibilida fiscal, cujo cronograma realização se apresenta a seguir, com expectativa geração resultados positivos futuros. O valor presente do crédito tributário utilizando a Selic 11% é R$ Ano Realização % Em... 15% Em % Em % Em % A partir % 11. Investimentos Participação societária É composta pela participação no IRB Internacional Corporation & Subsidiaries, localizada nos Estados Unidos da América, que se encontra em processo run-off. As informações sobre a controlada e a movimentação do investimento pom ser assim monstradas: IRB International Corporation & Subsidiares IRB International Corporation & Subsidiares Percentual participação no Capital Social % 100% Quantida ações possuídas Ativo Passivo circulante e não circulante... (32.670) (33.145) Patrimônio líquido no fim do exercício Lucro líquido (prejuízo) do exercício (583) Ajuste avaliação patrimonial... (891) do exercício Equivalência patrimonial (583) Ajuste avaliação patrimonial... (891) Variação cambial Valor contábil do investimento no exercício Imóveis stinados à renda Shopping Centers Terrenos Edificações Custo Imóveis Renda Bruto em Aquisição Em 31 zembro em (672) (4.427) (5.099) Depreciação... (2.833) (2.833) Em 31 zembro... (672) (7.260) (7.932) contábil, líquido Custo Imóveis Renda Bruto em Aquisição Em 31 zembro em... (672) (7.260) (7.932) Depreciação... (3.104) (3.104) Em 31 zembro... (672) (10.364) (11.036) contábil, líquido (a) Abaixo a composição dos investimentos nos shopping centers, com os percentuais participação da Companhia e respectivas benfeitorias realizadas pelo IRB Brasil RE no exercício findo zembro : Investimento Percentual Benfeitorias realizadas Benfeitorias realizadas Em 31 zembro Casa Shopping - Rio Janeiro... 20% Park Shopping - Brasília... 12% Esplanada - Sorocaba... 15% Praia Belas - Porto Alegre... 20% Minas Shopping - Belo Horizonte... 19,13% Shopping Barra - Salvador... 20% contábil das benfeitorias em shopping center ativos Park Shopping - Devolução gastos com benfeitorias... (5.287) contábil, líquido Os investimentos em shopping Center são registrados a custo e a Companhia apura anualmente o valor do fluxo caixa esperado para esses investimentos e constitui provisão para perdas, quando aplicável, cujo valor mercado está avaliado em R$ Imobilizado Terrenos eedificações Equipamentos Processamento dados Equipamentos Telecomunicações Móveis Máquinas e Utensílios Outras Imobilizações Veículos Custo Imobilizado Bruto em Adições Transferências (2.715) 668 Baixas... (262) (385) (28) (354) (1.354) (2.383) Reversão impairment Em31zembro em (9.243) (19.894) (407) (4.437) (33.981) Depreciação... (604) (4.519) (51) (248) (5.422) Baixas Em 31 zembro... (9.600) (24.027) (457) (4.540) (38.624) s contábeis, líquidos Custo Imobilizado Bruto em Adições Transferências (2.734) 19 Baixas... (3.448) (367) (3.815) Em 31 zembro em... (9.600) (24.027) (457) (4.540) (38.624) Depreciação... (621) (5.054) (308) (547) (35) (6.565) Baixas Em31zembro.. (10.221) (25.633) (765) (4.733) (35) (41.387) s contábeis, líquidos Intangível Custo com senvolvimento Software Software em andamento Custo Intangível Bruto em Adições Transferências (2.404) 517 Em 31 zembro Amortização Acumulada em (14.802) (14.802) Amortização... (3.935) (3.935) Em 31 zembro... (18.737) (18.737) contábil, líquido Custo Intangível Bruto em Adições Transferências (31.896) (41) Em 31 zembro Amortização Acumulada em... (18.737) (18.737) Amortização... (11.214) (11.214) Em 31 zembro... (29.951) (29.951) contábil, líquido Obrigações a pagar e provisões para benefícios pós-emprego Obrigações a pagar Fornecedores Divindos Juros sobre capital próprio Participações nos lucros Outros Não Provisão para benefício pós-emprego Benefício - pós emprego - Aposentadoria (i) Benefício - pós emprego - Plano Médico (ii) Benefício - pós emprego - Seguro vida (iii) Benefício - pós emprego - Auxílio funeral (iv) Não (i) Benefício pós-emprego - Aposentadoria A Companhia custeia os benefícios complementação aposentadoria e pecúlio por morte dos empregados admitidos até 31 zembro 1968, melhoria complementação aposentadoria para servidores aposentados até 28 fevereiro 1975 e melhoria pensão relativa aos beneficiários dos servidores falecidos até 28 fevereiro (ii) Benefício pós-emprego - Assistência médica e odontológica Planos autogestão com cobertura médico (ambulatorial), cirúrgico (internação), obstetrício e odontológica, além reembolsos e benefício farmácia para empregados ativos, aposentados e pensionistas, bem como os penntes stas categorias: para os empregados admitidos até 31 maio 2004, os penntes pom ser cônjuges, filhos e pais, com renda inferior a um salário mínimo. Para funcionários admitidos a partir 1º junho 2004, só pom ser consirados penntes cônjuges e os filhos. Para aqueles que ingressaram a partir 14 outubro 1996, o IRB Brasil RE arca com 50% do custeio do plano, isto é, dos valores das tabelas I e II (itens e da seção 1 das Normas do PCAM (Plano Contribuição Assistência Médica) e os empregados e beneficiários, com a outra parcela equivalente aos outros 50%. Para aqueles que ingressaram até 13 outubro 1996, a contribuição do empregado e seus penntes varia 0,25% a 2% do valor das rubricas que formam a base salarial referência. As contribuições são scontadas mensalmente seu salário, variando assim conforme a data admissão, valor da base salarial (%) e faixa etária (tabelas). (iii) Benefício pós-emprego - Seguro vida Para os funcionários admitidos até 1998, o IRB Brasil RE arca com 100% do prêmio e para os funcionários admitidosapósaqueleano,com50%doprêmio.aparticipaçãodofuncionárioéopcional.osaposentados por tempo contribuição que sejam permanecer na apólice ao se aposentarem, arcam integralmente com o prêmio. O IRB Brasil RE arca integralmente com o custo do prêmio dos aposentados por invaliz. (iv) Benefício pós-emprego - Auxilio funeral Este benefício é disponibilizado apenas para os empregados admitidos até 31 outubro O auxílio é limitado ao valor R$ 1.384,38 para funeral simples, R$ 1.630,36 para cremação e R$ 2.739,07 para funeral com cremação. 16. Provisões para Impostos e Contribuições Ativo IRPJ antecipação CSLL antecipação Passivo IRPJ a pagar CSLL a pagar PIS/COFINS a pagar do Passivo Débito Operações Resseguro e Retrocessão As contas débitos das operações com resseguros e retrocessões representam, principalmente, os saldos a pagar resultantes dos movimentos operacionais das sociedas seguradoras do País e sociedas resseguradoras do exterior, acrescidos dos prêmios a pagar, das respectivas comissões, das innizações sinistros a pagar e dos débitos correntes dos negócios provenientes operações realizadas no passado pela sucursal Londres, conforme monstrado a seguir: Composição Operações com seguradoras Operações com resseguradoras Corretores resseguros, retrocessões e outros Outros débitos operacionais (*) (*) Referem-se a débitos da Companhia correntes operações realizadas junto a Fundos e Consórcios Movimentação Operação com seguradoras s Outros zembro s, comissões e juros retrocessões a pagar s, comissões e juros retrocessões pagos... ( ) ( ) Sinistro resseguro a pagar Sinistro resseguro pagos... ( ) ( ) Outros a pagar Outros pagos... (32.866) (32.866) Variação cambial zembro s Outros zembro s e juros retrocessão a pagar s e juros retrocessão pagos Sinistro resseguro a pagar Sinistro resseguro pagos... ( ) ( ) Outros pagos Variação cambial s zembro Operação com resseguradoras s Outros zembro s, comissões e juros retrocessões a pagar s, comissões e juros retrocessões pagos...( ) ( ) Sinistro resseguro a pagar Sinistro resseguro pagos... ( ) ( ) Outros a pagar Outros pagos... (6.186) (6.186) Variação cambial (4.847) zembro (16.409) s Outros s zembro s e juros retrocessão a pagar s e juros retrocessão pagos...( ) ( ) a pagar Outros a pagar Variação cambial... (18.234) (6.538) (23.356) s zembro Depósitos Terceiros Abaixo a composição do saldo da conta por ida pósito: Cobrança antecipada prêmios Até 30 dias a 60 dias a 90 dias a 120 dias Acima 120 dias Provisões Técnicas 19.1 Provisão prêmios não ganhos e custos aquisição Provisão prêmios não ganhos Custos aquisição diferidos Grupo Ramos Efetivo Estimado RVNE Efetivo Estimado RVNE Patrimonial (36.014) (14.223) (4.854) Riscos especiais (30.323) (9) (4.820) Responsabilidas (2.622) (2.366) (494) Cascos (37) (13) Automóveis (1.054) (3.585) (70) Transportes (5.169) (2.918) (1.301) Riscos financeiros (15.845) (20.030) (3.499) Crédito (53) 511 Pessoas (298) (145) (1) Habitacional (208) (125) (5) Rural (20.074) (44.013) (296) Marítimos (2.273) (190) (610) Aeronáuticos (3.944) (778) (808) Outros (17.778) (15.279) ( ) ( ) (16.824) Provisão prêmios não ganhos Custos aquisição diferidos Grupo Ramos Efetivo Estimado RVNE Efetivo Estimado RVNE Patrimonial (38.782) (26.715) (2.179) Riscos especiais (30.055) (6) (2.551) Responsabilidas (8.246) (4.689) (78) Cascos (51) (17) Automóveis (1.599) (3.441) (46) Transportes (6.447) (12.064) (2) Riscos financeiros (12.693) (27.722) (2.009) Crédito (192) Pessoas (6) Habitacional (4.947) (17) Rural (27.196) (48.662) (199) Marítimos (2.339) (431) (231) Aeronáuticos (2.944) (3.171) (492) Outros (16.950) (20.264) ( ) ( ) (8.019) Movimentação Provisão prêmios não ganhos Custos aquisição diferidos Efetivo Estimado RVNE Efetivo Estimado RVNE s zembro ( ) ( ) (8.019) Diferimento pelo risco... ( ) ( ) ( ) Constituição ( ) (54.842) (29.506) s zembro ( ) ( ) (16.824) Provisão prêmios não ganhos Custos aquisição diferidos Efetivo Estimado RVNE Efetivo Estimado RVNE s zembro ( ) ( ) (17.837) Diferimento pelo risco... ( ) ( ) ( ) Constituição (94.560) (93.995) (3.996) s zembro ( ) ( ) (8.019) Provisões sinistros a liquidar e sinistros ocorridos A Circular SUSEP nº janeiro, modificou a forma contabilização resseguros, logo os valores referentes a provisões técnicas sta natureza sofreram reclassificações e alterações em sua forma apresentação. Na estrutura patrimonial, o grupamento referente à Provisão Ocorridos mas Não Suficientemente Avisados (IBNER) foi aglutinado no grupamento Provisão a Liquidar, no passivo. a liquidar Grupo Ramos Resseguro Resseguro Patrimonial Riscos especiais Responsabilidas Cascos Automóveis Transportes Riscos financeiros Crédito Pessoas Habitacional Rural Marítimos Aeronáuticos Run-off (Londres) (*) Outros

6 ção a liquidar Grupo Ramos Resseguro Resseguro Patrimonial Riscos especiais Responsabilidas Cascos Automóveis Transportes Riscos financeiros Crédito Pessoas Habitacional Rural Marítimos Aeronáuticos Run-off (Londres) (*) Outros (*) Inclui reserva para risco poluição ambiental, doenças e outros danos ocasionadas por vazamento amianto. Essas estimativas compreenm um maior nível incerteza em relação àquelas relacionadas aos mais riscos, em virtu maior imprevisibilida ocorrência e senvolvimento sse tipo sinistro. Dessa forma, os valores finais pom variar significativamente, para mais ou para menos, quando sua efetiva realização em períodos subsequentes Movimentação a liquidar s zembro Liquidação sinistros... ( ) ( ) Constituição provisão sinistros s zembro a liquidar s zembro Liquidação sinistros... ( ) ( ) Constituição provisão sinistros s zembro em disputa judicial Em 31 zembro e, a rubrica a Liquidar contempla saldos a pagar referentes aos sinistros em disputa judicial relacionados, principalmente, a questionamentos sobre o enquadramento coberturas nas condições contratuais ou as divergências entre valores pleiteados por segurados e a avaliação consultores legais, dos advogados internos e/ou área técnica da Resseguradora. Apresentamos, abaixo, os percentuais, atuarialmente calculados, por probabilida perda, e a corresponnte provisão constituída: Probabilida Quantida Valor exposição total % Sinistro a liquidar Retrocessão Líquido Provável (84.462) Possível (70.855) Remota (25.757) ( ) Probabilida Quantida Valor exposição total % Sinistro a liquidar Retrocessão Líquido Provável (50.500) Possível (81.904) Remota (13.388) ( ) Tais sinistros judiciais estão contabilizados no passivo na rubrica a Liquidar brutos retrocessão, assim como, os valores a recuperar referentes à retrocessão estão classificados no grupamento Ativos Retrocessão - Provisões Técnicas, na rubrica penntes pagamento Aging sinistros judiciais Aging Bruto retrocessão Retrocessão Líquido retrocessão De 31 a 60 dias (564) 50 De 61 a 90 dias (9) 81 De 91 a 120 dias De 121 a 180 dias (5.410) De 181 a 365 dias (4.918) Acima 365 dias ( ) ( ) Outras provisões A provisão para excentes técnicos passou a ser constituída em 2009 para garantir os valores stinados à distribuição excentes correntes superávit técnico na operacionalização contratos, e provisão spesas relacionadas, constituída para a cobertura das spesas relacionadas a sinistros. Grupo Ramos Patrimonial Riscos especiais Responsabilidas Cascos Automóveis Transportes Riscos financeiros Crédito Pessoas Habitacional Rural Marítimo Aeronáutico Outros Garantia das Provisões Técnicas De acordo com a Resolução CMN nº 3.543, 28 fevereiro 2008, as provisões técnicas da Resseguradora possuíam a seguinte cobertura, zembro e 31 zembro : Para fins intificação do saldo provisões técnicas a serem cobertas por tais ativos, ve-se consirar o saldo passivo do grupo Provisões Técnicas - Resseguros e Retrocessões líquido do saldo ativo do grupo Ativos Retrocessão - Provisões Técnicas, referentes à parcela retrocessão risco. Provisões Técnicas Resseguros (-) Ativos retrocessão redutores (*) (-) Direitos creditórios (*) Montante a ser garantido Ativos dados em garantia: Quotas fundos investimentos exclusivos Letras financeiras do tesouro s do tesouro nacional Letras do tesouro nacional Títulos da dívida soberana Time posit ativos (*) De acordo com a Circular SUSEP nº zembro Partes Relacionadas As principais transações realizadas pela Resseguradora com partes relacionadas estão apresentados a seguir. Com participação acionária na Resseguradora A receber A pagar Resultado s Innizações e spesas com sinistros ( ) Comissões ( ) Outros (1.737) Controlada IRB International Corporation Com participação acionária na Resseguradora A receber A pagar Resultado s Innizações e spesas com sinistros ( ) Comissões ( ) Outros (13.934) Controlada IRB International Corporation 921 Referem-se a operações resseguros e retrocessões realizadas com empresas seguradoras que são acionistas sta Resseguradora, cujos montantes estão incluídos nos grupos Créditos das operações com resseguros e retrocessões e Débitos das operações com resseguros e retrocessões nobalanço patrimonial e nas respectivas contas registradas nas monstrações do resultado Remuneração do pessoal-chave da administração A remuneração total dos diretores e dos mais conselhos e comitê da Companhia, zembro, é a seguinte: Contas a Pagar Resultado Remuneração curto prazo a administradores Benefícios pós-emprego Em 31 zembro Em 31 zembro Depósitos Judiciais e, Outras Ações Judiciais e Obrigações Depósitos judiciais e Outras ações Obrigações fiscais judiciais fiscais COFINS PIS Contribuição social Imposto renda ISS Previnciárias INSS FGTS Ações trabalhistas Ações cíveis Honorários Depósitos judiciais e Outras ações Obrigações fiscais judiciais fiscais COFINS PIS Contribuição social Imposto renda ISS IPTU Previnciárias INSS FGTS Ações trabalhistas Ações cíveis Honorários Ações judiciais natureza cível, trabalhista,fiscal e previnciárias A Companhia possui as seguintes ações judiciais, segregadas segundo a sua natureza, probabilida perda, valores em risco e provisionados: Quantida Valor em risco Outras ações judiciais e obrigações fiscais Fiscal Provável Possível Remota Previnciário Possível Remota Trabalhista Provável Possível Remota Quantida Valor em risco Outras ações judiciais e obrigações fiscais Fiscal Provável Possível Previnciário Possível Remota Trabalhista Provável Possível Remota Movimentação das provisões para ações judiciais zembro Atualizações Adições monetárias zembro Baixas COFINS (13.081) PIS (2.934) Contribuição Social ( ) Contribuição Social ( ) (3.286) Imposto Renda ( ) IPTU (2.949) Previnciárias INSS (22.3.1) Ações trabalhistas (22.3.3) Cíveis Honorários (7) (22.257) em 31 zembro 2012 Atualizações monetárias Baixas zembro Adições COFINS PIS Contribuição social ( ) Contribuição social ( ) Imposto renda ( ) ISS ( ) (6.930) IPTU Previnciárias INSS ( ) Ações trabalhistas ( ) (14.199) Cíveis... Honorários (11) (21.140) Ações fiscais INSS e ISS Em virtu fiscalizações efetuadas pelo Instituto Nacional Seguro Social - INSS e pela Procuradoria Geral do Município do Rio Janeiro (ISS - Imposto Sobre Serviço), foram lavrados Autos Infração e movidas Execuções nos anos 1999 e 1989, respectivamente, baseados em supostas divergências enquadramentos tributários e previnciários adotados pela Companhia. A Companhia impetrou recursos administrativos com vistas ao cancelamento das referidas penalidas, mantendo provisionados os montantes R$ (em zembro ) relativos aos Autos Lavrados pelo INSS referente ao adicional 2,5% vidos pelas empresas equiparadas às instituições financeiras. Com relação à discussão judicial referente ao adicional 2,5% do INSS, a Companhia, em 30 abril 2010, foi instada a efetuar pósito judicial dos valores em discussão à época (R$ ), tendo posteriormente, em 28 maio 2010, complementado tal pósito para inclusão encargos legais (R$ 4.666). Os valores questionados referentes ao INSS encontram-se positados judicialmente no referido montante atualizado R$ e provisionados no mesmo montante acordo com a expectativa sembolso/perda da administração. Já com relação à execução fiscal ISS, e diante das importantes conclusões constantes no laudo pericial acerca da matéria, emitido em novembro 2012, que se apresentaram extremamente favoráveis aos interesses da Companhia, os advogados que patrocinam a causa classificam como possível a probabilida perda da manda. Por este motivo, a Companhia efetuou uma reversão do passivo contingente em zembro no valor R$ Os consultores jurídicos da Companhia classificam como possível a probabilida perda ambas as mandas judiciais (INSS e ISS) Compensação Créditos Imposto sobre o Lucro Líquido (ILL) e Fundo Investimento Social - Finsocial Em outubro 2001, a Companhia protocolou Pedidos Restituição/Compensação dos valores pagos a título ILL, no período 31 zembro 1988 a 31 zembro 1992, e FINSOCIAL, no período outubro 1989 a zembro 1991, cuja claração inconstitucionalida já havia sido reconhecida pelo Supremo Tribunal Feral (STF). Nos exercícios 2001 e 2002, a Companhia efetuou a compensação sses créditos tributários com débitos vincendos tributos ferais. Em novembro 2001, a Receita Feral inferiu os citados pedidos restituição, alegando extinção do direito do crédito tributário. Posteriormente, a Companhia recorreu da cisão junto ao Conselho Contribuintes, obtendo, em ambos os casos, cisões favoráveis em julgamento recursos pelo citado Conselho. Com relação especificamente ao processo administrativo ILL, a Companhia obteve êxito na discussão mérito envolvida, estando pennte apenas a discussão em relação à forma atualização dos valores dos créditos tributários propriamente ditos, obtendo ganho parcial do direito creditório para os valores ILL (o valor histórico da compensação aceita pela Receita Feral do Brasil totaliza R$ em março 2002), sendo homologada parte das compensações efetuadas. Nesse sentido, diante da cisão finitiva na esfera administrativa em fevereiro, reconhecendo parte dos referidos créditos fiscais, a Companhia proceu a reversão da provisão contábil constituída com o referido Processo Administrativo, que se encontrava no valor aproximado R$ , para R$ 9.000, com efeito positivo no resultado do IRB Brasil RE. Em seguida, a Companhia ajuizou, em março, ação para pleitear judicialmente a parcela do valor dos créditos que não foram reconhecidos pela Receita Feral do Brasil. Desta forma, a Companhia realizou, em 28 março, pósitos judiciais das quantias cobradas por meio dos aludidos débitos, para suspensão da exigibilida dos mesmos, nos valores R$ e R$ Os referidos pósitos, atualizados até zembro, somam R$ , estando este montante totalmente provisionado. Já com relação ao processo administrativo FINSOCIAL, a Companhia recebeu, em fevereiro 2007, notificação para pagamento do valor mais R$ tendo impetrado Mandado Segurança, obtendo a suspensão da exigibilida dos referidos créditos fiscais até que se tenha cisão finitiva na esfera administrativa. Atualmente a Companhia aguarda julgamento final por parte da Câmara Superior Recursos. O valor provisionado atualmente Imposto Renda é R$ Os consultores jurídicos externos da Companhia classificam como provável a expectativa perda da manda referente ao FINSOCIAL, e como possível a expectativa perda da ação judicial relacionada ao ILL Ações trabalhistas A Companhia encontra-se envolvida em mandas natureza trabalhistas ajuizadas por empregados ativos, aposentados e sligados, as quais objetivam, ntre outros pedidos da mesma relevância, a uniformização dos planos cargos e salários, com o consequente pagamento das diferenças salariais. A administração da Companhia, após análise individualizada sses processos, constituiu provisão para perda provável, sendo consirados para efeitos provisão trabalhista aqueles que estejam em fase liquidação e execução sentença, ou seja, aqueles que tiverem com o trânsito em julgado das cisões. Os consultores jurídicos externos da Companhia estimam o valor atualizado dos processos em R$ e classificam as chances perda nesses processos como provável. As causas trabalhistas classificadas como possíveis montam em R$ PIS/PASEP e COFINS Trata-se ação em que a Companhia pretendia o reconhecimento da inconstitucionalida do 1º do artigo 3º da Lei nº 9.718/98, relativo à questão do alargamento da base cálculo PIS e COFINS, envolvendo um valor crédito fiscal R$ , valor original, relativo ao período maio 2001 a maio 2006 (data ajuizamento da ação). A presente ação foi distribuída em 1 junho 2006 originalmente para a 6ª Vara Feral/RJ. A presente ação transitou em julgado em 29 outubro, tendo a Companhia protocolada, em 19 zembro, o Pedido Habilitação dos referidos créditos fiscais perante a Receita Feral do Brasil. Algumas exigências foram apresentadas pelas autoridas fiscais e vidamente atendidas pela Companhia, com o encaminhamento todas as informações e documentos solicitados. Com o reconhecimento da inconstitucionalida do parágrafo 1º do art. 3º da Lei nº 9.718, 27 novembro 1998, o PIS e a COFINS vem incidir apenas sobre as receitas operacionais. Consirando que a Companhia vinha calculando e recolhendo, mensalmente, aos cofres públicos, até maio 2009, tais contribuições com base em sua receita bruta, incluindo, consequentemente, as receitas não operacionais, tais como receitas financeiras e aluguel, a Companhia, com o trânsito em julgado formal da ação judicial, tem direito a um crédito fiscal na orm R$ , corresponnte aos valores PIS e COFINS pagos a maior no período integral maio 2001 a maio 2009, quando ocorreu a revogação do 1º do art. 3º da Lei nº 9.718/98, por meio do inciso XII, do art. 79, da Lei nº maio Em 3 fevereiro, a Receita Feral habilitou a totalida dos créditos PIS e COFINS sobre alargamento base, restando o saldo remanescente R$ a ser reconhecido quando a confirmação da procedência da base cálculo operacional ou não operacional utilizada para terminação sses créditos fosse integralmente eliminada, não cabendo, portanto, qualquer questionamento sobre a utilização do crédito. Em novembro, acordo com seus consultores jurídicos internos e externos, fundamentados em cisões no Conselho Contribuintes, a última las datada 21 agosto, as receitas dos componentes do resultado financeiro não se qualificam como oriundas do exercício típico do ramo secundário, razão pela qual não se enquadram, no conceito faturamento. Consirando as recentes cisões e a confirmação da habilitação da confirmação do crédito, o IRB Brasil RE reuniu todas as condições para o reconhecimento do saldo remanescente R$ , atualizados pela taxa selic e consequentemente as futuras compensações do referido direito na sua totalida. Esse montante foi reconhecido em contrapartida da conta Resultado com Tributos referente ao principal e Resultado Financeiro referente a atualização monetária, nos montantes R$ e R$ , respectivamente. Do montante total do crédito registrado, o IRB Brasil RE compensou o montante R$ , atualizado monetariamente até a data da compensação, restando R$ a compensar nos próximos exercícios com tributos da mesma natureza ( 10.1) Contribuição Social sobre o Lucro Com a publicação da MP n 413/08, convertida na Lei nº junho 2008, houve aumento da alíquota da CSLL 9% para 15%, para as pessoas jurídicas seguros privados, instituições financeiras e sociedas equiparadas, a partir da competência maio Em junho 2008, a Companhia impetrou Mandado Segurança, questionando a constitucionalida ssa majoração alíquota, provisionando e positando judicialmente os valores questionados. Em zembro, o valor positado judicialmente atualizado para pagamento da CSLL totaliza R$ Os advogados que patrocinam a causa classificam como possível a probabilida perda da manda. 23. Provisões trabalhistas Provisão para férias Provisão para licença-prêmio e previdência privada Patrimônio líquido Capital Em julho, foi realizado um aumento capital R$ , corresponntes a novas ações, elevando o capital R$ para R$ Em 31 zembro, o capital social está representado por (um milhão e quarenta mil), todas ordinárias, ações escriturais, sem valor nominal, totalmente integralizadas, sendo (um milhão, trinta e quatro mil setecentos e zoito) ações ordinárias em circulação, (cinco mil, duzentos e oitenta e dois) ações em tesouraria e 1 (uma) ação proprieda da União. Em 31 zembro, a participação acionária do IRB Brasil RE está composta da seguinte forma: % participação do Acionista ON capital votante Ministério da Fazenda ,56% Banco do Brasil ,51% Brasco ,51% Itaú ,78% FIP - Caixa Barcelona ,90% Outros ,74% ,00% Em 29 zembro, a 47ª Assembleia Geral Extraordinária do IRB Brasil RE, aprovou o sdobramento das ações, na proporção 300 (trezentas) ações ordinárias para cada atual ação ordinária emissão da Companhia, sem modificação do valor do capital social, nos termos aprovados pelo Conselho Administração em sua reunião 24 outubro, perfazendo o capital social, representado por (trezentos e doze milhões) ações ordinárias e 1 (uma) ação preferencial da classe especial titularida da União. Esse sdobramento ações ainda está em fase homologação pela SUSEP Ações em tesouraria Em setembro a Companhia adquiriu (quatro mil trezentos e trinta e sete) ações sua emissão, que representam R$ , pertencentes ao então acionista Companhia Seguros do Estado São Paulo - COSESP. Em 31 Julho a Companhia adquiriu 945 (novecentos e quarenta e cinco) sua emissão, pertencentes ao então acionista Caixa Geral S.A. Seguradora, que somadas passam a ações, que representam R$ Reservas lucros A reserva legal é constituída à razão 5% do lucro líquido do exercício, tendo como limite 20% do capital social, nos termos da Lei nº zembro A reserva legal tem por fim assegurar a integridadocapitalsocialesomenteporáserutilizadaparacompensarprejuízosouaumentarocapital. A reserva para reinvestimento é constituída com base na proposta dos órgãos da administração da Companhia com base em previsão orçamentária, e liberada pela assembleia-geral para retenção parcela do lucro líquido do exercício com base no art. 196, parágrafo 1º da Lei zembro O saldo sta reserva limita-se ao capital social da Companhia e stina-se a realização projetos investimentos Outros resultados abrangentes Ajustes avaliação patrimonial Conforme legislação vigente, os efeitos correntes dos critérios registro e avaliação dos títulos e valores mobiliários classificados na categoria disponíveis para venda, líquidos dos seus corresponntes efeitos tributários, calculados às alíquotas 25% e 15% para o imposto renda e a contribuição social, respectivamente, conforme mencionado na Registra também os efeitos correntes avaliação atuarial sobre os planos benefícios pósemprego, conforme estabelecido pelo CPC 33. no início do exercício... (19.835) (868) Perda líquida originada reavaliação ativos financeiros disponíveis para venda no exercício... (6.522) (32.338) Realização ganho originado da venda ativos financeiros disponíveis para venda no exercício Ganhos e perdas não realizadas com Títulos e Valores Mobiliários - Controladas Remensuração obrigações benefícios pós-emprego Remensuração obrigações benefícios pós-emprego - Controladas. (986) Imposto renda e contribuição social sobre a variação da avaliação dos ativos financeiros disponíveis para venda a valor justo Imposto renda e contribuição social sobre a variação da remensuração obrigações benefícios pós-emprego... (6.350) no final do exercício... (14.997) (19.835) Ajustes conversão Registra os efeitos das variações da taxa câmbio operações no exterior, conforme monstrado abaixo. no início do exercício Diferenças cambiais correntes da conversão dos ativos operações no exterior no final do exercício As diferenças cambiais relacionadas à conversão dos ativos líquidos das operações no exterior da Companhia das suas moedas funcionais para a moeda apresentação da Companhia são reconhecidas no patrimônio líquido e acumuladas nos ajustes conversão Lucro por ação - básico e diluído Conforme requerido pelo Pronunciamento Técnico CPC 41, as tabelas a seguir reconciliam o lucro líquido do exercício aos montantes usados para calcular o resultado por ação básico e diluído. O lucro por ação básico é computado pela divisão do lucro líquido do exercício pela média ponrada das ações em circulação no exercício. O cálculo do lucro por ação básico encontra-se divulgado a seguir: Numerador Lucro Líquido do exercício Denominador (quantida ações em unidas) Média ponrada número ações ordinárias em circulação ,36 341,75 A Resseguradora não emitiu e/ou outorgou instrumentos patrimoniais que vem ser consirados para fins cálculo do lucro por ação diluído, conforme termina o Pronunciamento Técnico CPC 41. Desta forma, o lucro por ação diluído não apresenta diferença em relação ao cálculo do lucro por ação básico monstrado acima Divindos e juros sobre capital próprio Lucro líquido do exercício Constituição reserva legal (5%)... (30.077) (17.435) Base cálculo dos divindos Divindo mínimo obrigatório (25%)... ( ) (82.817) Divindo adicional proposto a pagar... ( ) ( ) ( ) ( ) Porcentagem sobre o lucro líquido do exercício... 75% 75% (-) Juros sobre capital próprio a ser consirado nos divindos (R$ 111,97 para ações ON e Goln Share) Bruto Imposto Renda... (12.006) (7.896) Divindo mínimo obrigatório a pagar (R$ 10,34 para ações ON e Goln Share) Divindo mínimo obrigatório a pagar (R$ 25,87 para ações ON e Goln Share) Divindo adicional proposto (R$ 179,66 para ações ON e Goln Share) Divindo adicional proposto (R$ 274,74 para ações ON e Goln Share) Constituição da Reserva para Reinvestimento Detalhamento das contas resultado Em 31 zembro e, os prêmios ganhos, a sinistralida e o comissionamento para os principais ramos estão monstrados a seguir: s ganhos - Principais grupos atuação Índice Índice Índice Índice s sinistralida comissiona- s sinistra- comissiona ganhos - % mento - % ganhos lida - % mento - % Patrimonial ,8 9, ,7 8,5 Riscos especiais ,4 2, ,3 (8,9) Responsabilidas ,3 12, ,8 13,4 Cascos ,7 (2,4) ,6 (0,3) Automóveis ,4 27, ,4 21,0 Transportes ,5 19, ,2 20,3 Riscos financeiros ,7 31, ,8 25,6 Crédito... (310) (3.251,8) 10, (489,8) 4,2 Pessoas ,6 4, ,1 0,1 Habitacional ,9 17, ,7 17,9 Rural ,9 25, ,0 25,0 Marítimo ,8 4, ,4 1,4 Aeronáutico ,8 5, ,5 2,1 Outros ,9 16, ,2 17, ,0 14, ,1 12, Principais grupos atuação Salvados e Variação diretos ressarcimentos IBNR ocorridos Patrimonial... ( ) (78.383) ( ) Riscos especiais... (50.277) (48.704) Responsabilidas... ( ) (83.570) Cascos... (36.898) 37 (13.510) (50.371) Automóveis... (59.202) 49 (1.388) (60.541) Transportes... (91.757) (78.923) Riscos financeiros... (21.556) (2.799) (17.160) Créditos... (8.934) (6.163) (9.471) Pessoas... ( ) (18.051) ( ) Habitacional... (16.671) (5.583) (22.254) Rural... ( ) 79 (63.048) ( ) Marítimos... (46.572) (43.541) Aeronáuticos... (46.738) (30.849) Outros... ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Salvados e Variação diretos ressarcimentos IBNR ocorridos Patrimonial... ( ) ( ) Riscos especiais... (40.123) (383) (40.506) Responsabilidas... (29.001) (11.458) Cascos... ( ) ( ) Automóveis... (22.221) (20.108) Transportes... (96.549) (56.969) Riscos financeiros... ( ) (33.749) ( ) Créditos Pessoas... (49.223) (36.427) Habitacional... (15.809) (2.551) (18.360) Rural... ( ) 128 (62.059) ( ) Marítimos... (58.315) 49 (2.245) (60.511) Aeronáuticos... (54.469) 148 (2.165) (56.486) Outros... ( ) ( ) ( ) (20.216) ( ) Custo aquisição Patrimonial... (23.327) (17.686) Riscos Especiais... (22.367) (33.495) Responsabilidas... (2.474) (2.263) Cascos... (93) (117) Automóvel... (669) (554) Transportes... (5.011) (5.553) Risco Financeiro... (890) (955) Pessoas... (1.876) (871) Habitacional... (115) (107) Rural... (1.003) (658) Outros... (9.157) (14.351) Marítimo... (3.435) (3.821) Aeronáutico... (9.131) (4.371) (79.548) (84.802)

7 Parecer do Conselho Fiscal Parecer do Conselho Administração ção Resultado com retrocessão Receitas com retrocessões Recuperação innização sinistros Recuperação spesas com sinistros Variação das provisões técnicas - Retrocessões cedidas (376) Receitas com participação nos lucros Despesas com retrocessão... ( ) ( ) s retrocessões cedidas... ( ) ( ) Comissão sobre retrocessões cedidas Variação das spesas retrocessão... ( ) (54.198) Salvados e ressarcidos ao retrocessionário... (20.884) (12.421) resultados com retrocessão... ( ) Outras receitas e spesas operacionais Participação em resultados operacionais - resseguro e retrocessão... (20.894) (18.435) Recuperação dos pósitos terceiros... (4.733) Constituição do Fundo Estabilida do Seguro Rural... (28.889) (42.288) Recuperação do Consórcio Brasileiro Riscos Nucleares (*) Constituição provisão para riscos crédito... (47.640) (24.462) Recuperação outras receitas resseguro... (101) Outras receitas e spesas operacionais... (875) (6.978) ( ) (72.078) (*) Extinto zembro Despesas administrativas Pessoal próprio... ( ) ( ) Reversão benefícios pós-emprego Serviços terceiros... (44.397) (58.342) Localização e funcionamento... (30.405) (21.648) Despesas judiciais... (2.080) (3.732) Multas... (627) (138) Outras spesas... (14.527) (8.225)... ( ) ( ) Despesas com tributos COFINS... (66.269) (49.327) PIS/PASEP... (11.633) (8.997) Recuperação COFINS - Alargamento da base ( ) Recuperação PIS - Alargamento da base ( ) Provisões tributárias - Líquidas (2.004) Taxas fiscalização da SUSEP... (1.380) (2.299) Outros... (7.456) (7.200) Resultado financeiro Descrição Títulos e valores mobiliários Valor justo por meio do resultado Disponível para venda Mantidos até o vencimento Operações resseguros... (81.797) (75.926) Oscilação cambial contas bancárias Correção monetária e mais encargos financeiros Juros Outros Receitas Financeiras Descrição Valorização quotas fundos investimentos Títulos e renda fixa - privados Títulos e renda fixa - públicos Operações resseguros Oscilação Cambial Contas Bancárias Correção monetária e mais encargos financeiros Juros Outras Despesas Financeiras Descrição Desvalorização quotas fundos investimentos e títulos públicos e privados... ( ) ( ) Operações resseguros... (91.157) ( ) Oscilação Cambial Contas Bancárias... (61.375) (2.176) Correção monetária e mais encargos financeiros... (53.540) (11.986) Juros... (186) (83) Outras... (5.639) (19.317)... ( ) ( ) Resultado patrimonial Receitas operacionais diretas resultantes proprieda para investimento Despesas operacionais diretas resultantes propriedas para investimento... (5.898) (2.847) Reversão (provisão) da redução ao valor recuperável dos ativos (11.570) Equivalência patrimonial Variação cambial Sucursais no exterior (30.457) Receita com incorporação do Consórcio Brasileiro Riscos Nucleares (*) Outras receitas operacionais Outras spesas operacionais... (36) (75) (*) Extinto zembro Imposto renda e contribuição social (a) Reconciliação do imposto renda e contribuição social IRPJ CSLL IRPJ CSLL Lucro antes da provisão para IRPJ/CSLL e participações Alíquotas nominais vigentes... 25% 15% 25% 15% IRPJ e CSLL à alíquota nominal... ( ) ( ) ( ) (94.365) Adições e exclusões: Incentivo licença maternida Juros sobre Capital Próprio... (31.993) (19.196) (20.000) (12.000) Remuneração administradores Incentivos fiscais Encargos preciação e amortização... (78) (46) Perdas em operações realizadas no exterior... (4.144) (2.487) Outras adições / exclusões... (9.836) (5.866) Constituições diferidos anos anteriores... (4.943) (2.966) Provisão para Perda (plano saú - pré 68)... (1.811) (1.087) Dedução IR corrente - incentivos... (9.142) (2.797) IR e CS na monstração do resultado... ( ) ( ) ( ) (99.931) Correntes... ( ) ( ) ( ) (84.407) Diferidos (25.873) (15.524) Adoção da Lei nº No dia 14 maio foi publicada a Lei nº , conversão da Medida Provisória nº 627 que revogou o Regime Tributário Transição (RTT) e trouxe outras providências, ntre elas: (i) alterações no Decreto-Lei nº1.598/77 que trata do imposto renda das pessoas jurídicas, bem como altera a legislação pertinente à contribuição social sobre o lucro líquido; (ii) inclui tratamento específico sobre potencial tributação lucros ou divindos; (iii) inclui disposições sobre o cálculo juros sobre capital próprio; e inclui consirações sobre investimentos avaliados pelo método equivalência patrimonial. As disposições previstas na MP convertida em Lei têm vigência a partir A sua adoção antecipada para po eliminar potenciais efeitos tributários, especialmente relacionados com pagamento divindos e juros sobre capital próprio, efetivamente pagos até a data publicação da MP, bem como resultados equivalência patrimonial. A Resseguradora elaborou estudo dos possíveis efeitos que poriam advir da aplicação ssa nova norma e concluiu que não há efeitos relevantes nas monstrações contábeis, sta forma, optou pela adoção da referida Lei em 1º janeiro (b) Movimentação das contas IRPJ e CSLL diferidos zembro Adições Baixas no resultado nos resultados abrangentes Dezembro Ativo fiscal diferido Provisões trabalhistas (3.258) Provisão para svalorização do investimento (45.768) Provisão para créditos liquidação duvidosa ( ) Provisão para contingências fiscais eprevinciárias (38.734) Provisão para contingências trabalhistas (2.567) Ajuste a valor mercado - Títulos disponíveis para venda (1.415) Ajuste a valor mercado - Investimento... (5.968) (5.968) (5.968) Ganhos ou perdas atuariais - Benefícios pós-emprego... (6.351) (6.351) (6.351) Outras provisões (37) Provisão para Perda... (22.081) (19.183) ativo fiscal diferido ( ) (3.819) zembro Adições Baixas no resultado nos resultados abrangentes Dezembro Passivo fiscal diferido Atualização pósitos judiciais Ajuste a valor mercado - Títulos em negociação... Ajuste a valor mercado - Títulos disponíveis para venda... passivo fiscal diferido líquido ( ) (3.819) Planos aposentadoria e pensões e outros benefícios a empregados A Companhia é patrocinadora da Fundação Previdência dos Servidores do Instituto Resseguros do Brasil - PREVIRB, que assegura aos seus participantes e penntes benefícios complementares aos da previdência oficial básica. Os planos oferecidos são os benefício finido (fechado) e o contribuição variável (aberto), sendo adotado o regime capitalização nas avaliações atuariais, para as rendas aposentadoria. As contribuições feitas pela Companhia à PREVIRB, em, incluindo o plano pré- 68 (benefícios pagos aos empregados admitidos até 31 zembro 1968), totalizaram R$ (R$ zembro ). A mais recente avaliação atuarial dos ativos do plano e do valor presente da obrigação dos benefícios finidos foi realizada zembro pelo Atuário Claudio Paz, MIBA 761. O valor presente da obrigação dos benefícios finidos e o respectivo custo dos seus serviços correntes e passados foram mensurados por meio do Método do Crédito Unitário Projetado. Seguem as scrições dos planos patrocinados: Planos contribuição variável A Companhia é patrocinadora do plano Previncial B (Plano contribuição variável), a partir Os ativos do plano são mantidos separadamente daqueles da Companhia em fundos controlados por agentes fiduciários. A spesa total incorrida pela Companhia R$ (R$ zembro ), reconhecida na monstração do resultado, refere-se a contribuições pagas pela Companhia a alíquotas especificadas pelas regras sse plano. Nessa avaliação atuarial efetuada por atuários inpenntes foi apurado um superávit técnico R$ 16. (R$ zembro ) na PREVIRB que, em linha com as práticas contábeis adotadas no Brasil aprovadas pela SUSEP, não foi contabilizado na patrocinadora. Planos benefício finido A Companhia conce planos aposentadoria benefício finido (Plano Benefícios A e plano pré-68) para os empregados que se qualificam. De acordo com esse plano, os empregados têm direito à complementação calculada com base no estipêndio mensal, apurado na data sua aposentadoria. A spesa total incorrida pela Companhia para plano A R$ 256 (R$ 730 zembro ), reconhecida na monstração do resultado, refere-se a contribuições pagas pela Companhia a alíquotas especificadas pelas regras sse plano. A spesa total incorrida pela Companhia para o plano pré-68 R$ (R$ zembro ), reconhecida na monstração do resultado, refere-se a contribuições pagas pela Companhia a alíquotas especificadas pelas regras sse plano. Nessa avaliação atuarial para o plano pré-68, efetuada por atuários inpenntes, foi contabilizada na patrocinadora uma provisão R$ (R$ zembro ), em linha com as práticas contábeis adotadas no Brasil aprovadas pela SUSEP. Nessa avaliação atuarial efetuada por atuários inpenntes foi apurado um superávit técnico, para o planoa, R$ (R$ em31zembro) que, emlinhacomaspráticascontábeis adotadas no Brasil aprovadas pela SUSEP, não foi contabilizado na patrocinadora. As principais premissas atuariais usadas foram as seguintes: Plano benefícios pós-emprego administrados pela PREVIRB Plano benefícios pós-emprego administrados pelo IRB Hipóteses econômicas Taxa real sconto... 4,00% 4,00% 5,00% 4,50% Taxa nominal retorno esperado dos ativos... INPC + 4,00% INPC + 4,00% INPC + 5,00% INPC + 4,50% Projeção crescimento real salário... Não se aplica Não se aplica Não se aplica Não se aplica Projeção crescimento real do maior salário benefício do INSS... Zero Zero Não se aplica Não se aplica Projeção crescimento real dos benefícios do plano... Zero Zero Não se aplica Não se aplica Hipótese sobre gerações futuras novos entrandos... Não adotada Não adotada Não se aplica Não se aplica Hipótese sobre rotativida Plano A: Não adotada Plano B: 1% atéos 60 anos Plano A: Não adotada Plano B: 1% até os 60 anos Plano Médico: 1% atéos 60 anos Demais Planos: Não se aplica Plano Médico: 1% atéos 60 anos Demais Planos: Não se aplica Fatores terminação do valor real ao longo do tempo, benefícios INSS e do plano... Não adotados Não adotados Não se aplica Não se aplica Hipóteses mográficas Tábua sobrevivência... FEMALE FEMALE FEMALE FEMALE Tábua entrada em invaliz... MI-85 MI-85 MI-85 MI-85 Tábua entrada invaliz... Os valores apurados no resultado em zembro e os valores projetados para zembro 2015, relativos ao plano A, que é o plano benefício finido patrocinado pelo IRB Brasil RE junto à PREVIRB, são apresentados a seguir: 2015 Custo dos serviços correntes Custo dos juros Juros sobre os ativos do plano... ( ) ( ) Valor esperado contribuições dos empregados... (4.530) Despesa (receita) no final do exercício... (32.963) (22.915) O valor reconhecido no balanço patrimonial corrente das obrigações da empresa relacionadas a esse plano benefício finido (Plano A) é apresentado a seguir. Valor presente da obrigação benefícios finidos custeados... ( ) ( ) Valor justo dos ativos do plano Ativo líquido corrente da obrigação benefícios finidos A movimentação no valor justo da obrigação do plano A no exercício atual é apresentada a seguir: Valor presente das obrigações atuariais no início do ano Custo dos serviços correntes Custo dos juros Perda atuarial ( ) Benefícios pagos... (89.635) (81.737) Valor presente das obrigações atuariais A seguir encontram-se discriminados os Recursos Garantidores das Reservas da PREVIRB: Disponível Realizável investimentos Títulos públicos Créditos privados e pósitos Ações Fundos investimentos Investimentos imobiliários Empréstimos e financiamentos Exigível operacional investimentos Créditos privados e pósitos... (40) Ações... Investimentos imobiliários... (1) Empréstimos e financiamentos... (298) (205) Outras exigibilidas (IOF)... (7) (5) (346) (212) Exigível contingencial investimentos... (2.716) (2.716) Recursos Garantidores A movimentação no valor justo dos ativos do plano A no exercício atual é apresentada a seguir: Valor justo inicial dos ativos do plano Retorno ocorrido nos investimentos Contribuições do empregador Contribuições dos participantes do plano Benefícios pagos... (89.635) (81.737) Retorno sobre os ativos Valor justo final dos ativos do plano O retorno esperado dos ativos do plano A zembro foi R$ (R$ em 31 zembro ). O histórico dos ajustes pela experiência está apresentado a seguir: Valor presente da obrigação benefícios finidos... ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) ( ) Valor justo dos ativos do plano Superávit A Companhia espera contribuir com R$ 253 com o plano A benefício finido durante o próximo exercício Outros benefícios a empregados Complementação aposentadoria e pensões Assistência médica e odontológica Assistência médica e odontológica - provisão para eventos ocorridos e não avisados Seguro vida em grupo Auxílio funeral Complementação aposentadoria e pensões Assistência médica e odontológica Seguro vida em grupo Auxílio funeral A Companhia custeia, integralmente, os benefícios complementação aposentadoria e pecúlio por morte dos empregados admitidos até 31 zembro 1968, melhoria complementação aposentadoria para os servidores aposentados até 28 fevereiro 1975 e melhoria pensão relativa aos beneficiários dos servidores falecidos até 28 fevereiro A Companhia possui provisão técnica para fazer face às obrigações relativas aos benefícios supramencionados, que abrangem 300 integrantes, zembro (328 zembro ), sendo 287 aposentados e 13 pensionistas, com média ida 82,1 anos (81,4 anos zembro ). A Companhia oferece, ainda, os seguintes benefícios assistenciais: Assistência médica e odontológica Plano autogestão para funcionários ativos e aposentados. Para os funcionários admitidos até 2004, os penntes pom ser cônjuges, filhos e pais, com renda inferior a um salário mínimo. Para funcionários admitidos a partir daquele ano, só pom ser consirados penntes os cônjuges e os filhos. Para este grupo, o IRB Brasil RE arca com 50% do custeio do plano e os funcionários com a outra parcela equivalente aos outros 50%. A contribuição do funcionário é scontada mensalmente seu salário e varia conforme a data admissão e a faixa etária. Auxílio funeral Este benefício é disponibilizado apenas para os funcionários admitidos até 31 outubro O auxílio é limitado ao valor R$ 1.384,38 para funeral simples, R$ 1.630,36 para cremação e R$ 2.739,07 para funeral com cremação. Seguro vida em grupo Para os funcionários admitidos até 1998, o IRB Brasil RE arca com 100% do prêmio e para os funcionários admitidos após aquele ano, com 50% do prêmio. A participação do funcionário é opcional. 27. Fundos, consórcios e contas sob administração do IRB-Brasil Resseguros S.A. FESR Criado pelo Decreto-lei nº 73, 21 novembro A sua finalida é garantir a estabilida do seguro rural e atenr à cobertura suplementar dos riscos catástrofe nessas operações. Os recursos captados pelo Fundo são provenientes do recolhimento anual do excesso lucro do seguro rural, apurado pelas sociedas seguradoras e pela Resseguradora, e crédito especial da União, quando necessário, para cobertura ficiência operacional. O IRB Brasil RE registrou neste exercício uma spesa pela contribuição ao Fundo Estabilida Seguro Rural no valor R$ , registrados na rubrica Outras Receitas e Despesas Operacionais. O CONSELHO FISCAL DO IRB BRASIL RESSEGUROS S.A., no uso suas atribuições legais e estatutárias, tendo procedido ao exame do Relatório da Administração, do Balanço Patrimonial e mais Demonstrações Contábeis acompanhadas das respectivas s Explicativas do IRB Brasil RE, relativos ao exercício, aprovados pelo Conselho Administração na 134ª Reunião Extraordinária, 12 fevereiro 2015, com base nesse exame e à luz do Relatório do Comitê Auditoria e do parecer não ressalvado da PricewaterhouseCoopers Auditores Inpenntes, todos 12 fevereiro 2015 é opinião que os referidos documentos refletem aquadamente a situação financeira e patrimonial do IRB Brasil RE, observados os dispositivos da Circular SUSEP nº483, 6 janeiro. Rio Janeiro, 12 fevereiro Maria Carmozita Bessa Maia - Presinta Marco Antônio Ascoli Mastroeni - Conselheiro Titular Haywaldo Roberto Chamberlain da Costa - Conselheiro Titular O Conselho Administração do IRB-Brasil Resseguros S.A., em cumprimento ao disposto no artigo 142, inciso V, da Lei n o 6.404/76 e no artigo 52 do Estatuto Social da empresa e consirando o Parecer da PricewaterhouseCoopers Auditores Inpenntes, do Conselho Fiscal e o Relatório do Comitê Auditoria, se manifestou favoravelmente às Demonstrações Contábeis Individuais do IRB Brasil RE e ao Relatório da Administração, relativos ao exercício findo zembro, observados os dispositivos da Circular SUSEP nº483, 6 janeiro. No tocante à Destinação do Lucro Líquido do Exercício, o Conselho também se manifestou favoravelmente à proposta divindos, no montante R$ ,67 (R$ 412,11402 por ação ordinária e Goln Share), corresponndo a 75% do lucro líquido ajustado. Os divindos propostos incluem a parcela juros sobre o capital próprio, líquidos impostos, aprovada por este Conselho, em 11 zembro, no montante R$ ,00 (cento e vinte e sete milhões, novecentos e sessenta e nove mil, novecentos e cinquenta reais) e a parcela remanescente, no montante R$ ,45 (trezentos e doze milhões, seiscentos e trinta e quatro mil, novecentos e setenta e um Reais e quarenta e cinco centavos). Rio Janeiro, 12 fevereiro 2015 Marcelo Barbosa Saintive - Presinte Marcelo Augusto Dutra Labuto - Conselheiro Osvaldo do Nascimento - Conselheiro Flávio Eduardo Arakaki - Conselheiro Samuel Monteiro dos Santos Júnior - Conselheiro Resumo do Relatório do Comitê Auditoria referente às Demonstrações Contábeis do exercício/ Relatório dos Auditores Inpenntes Fernando Passos Paulo Daniel Araujo da Rocha Debora Pereira Tavares Vice-Presinte Financeiro Contador - CRC RJ /O-5 Atuário - MIBA 2011 O IRB-Brasil Resseguros S.A. (IRB Brasil RE) é uma socieda anônima capital fechado que se rege pelo seu Estatuto Social e pela legislação vigente que lhe for aplicável e tem por objeto efetuar operações resseguro e retrocessão no País e no Exterior. O Comitê Auditoria do IRB Brasil RE, é órgão consultivo estatutário, constituído em consonância com a Resolução CNSP 312/, que se reporta diretamente ao Conselho Administração e tem por finalida: (i) assessorar o Conselho Administração em suas funções auditoria e fiscalização, principalmente no acompanhamento dos princípios e normas contábeis e das monstrações financeiras da Empresa; (ii)monitorar o processo Controles Internos da Empresa; e (iii) supervisionar as atividas e avaliar os trabalhos da Auditoria Inpennte e da Auditoria Interna. É composto por um integrante do Conselho Administração, o qual não participa da Diretoria e três membros inpenntes, não-vinculados à administração da Socieda. O presente relatório, emitido em observância ao 2º do artigo 17 da citada Resolução, compreenu as atividas senvolvidas no período janeiro a zembro/, relativas ao acompanhamento das ações visando às monstrações contábeis encerradas em Como resultado dos trabalhos, foram analisadas as monstrações contábeis encerradas em , feitas solicitações e expedidas recomendações sobre diversos assuntos, registradas no Relatório Mensal Pendências Operacionais RPO, para fins acompanhamento. As avaliações basearam-se nas informações recebidas, por ocasião suas reuniões, da Administração, dos auditores externos, da auditoria interna, dos responsáveis pelo gerenciamento riscos e controles internos, pelo gestor da área contábil e das mais áreas operacionais e administrativas. As monstrações contábeis do IRB, incluídas as notas explicativas, foram auditadas pela empresa auditoria inpennte externa, PricewaterhouseCoopers Auditores Inpenntes. A administração do IRB Brasil RE, responsável pela elaboração, apresentação e integrida das monstrações contábeis da socieda, forneceu ao auditor inpennte todos os dados, documentações, informações e condições necessárias para o efetivo sempenho do objeto da prestação seus serviços. As monstrações contábeis encerradas em foram elaboradas acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil introduzidas pelos pronunciamentos técnicos emitidos pelo CPC e homologados pela SUSEP. Os controles internos e o gerenciamento riscos vêm sendo motivo constante avaliação e acompanhamento por parte do Comitê, através reuniões periódicas com a Gerência Compliance e com a Gerência Riscos Corporativos, com a participação da Vice-Presinte Riscos e Compliance. A administração do IRB Brasil RE continuou atuando no aperfeiçoamento do Sistema Controles Internos e da gestão riscos, visando torná-lo efetivo e aquado ao atual porte e complexida dos negócios. O Comitê manteve com os auditores externos um canal regular comunicação para discussão dos resultados da auditoria e aspectos contábeis relevantes, o que permitiu aos seus membros avaliar quanto à qualida dos trabalhos realizados e quanto a situações que pussem afetar a efetivida, a objetivida e a inpendência da auditoria externa, dando como plenamente satisfatório os trabalhos senvolvidos. No período em questão a Auditoria Interna sofreu reorganização, forma a se estruturar para realizar suas atividas, consirada a nova forma jurídica da companhia, fato que impactou a realização do Plano Auditoria. De acordo com as informações prestadas pela auditoria externa, auditoria interna e área contábil, não foi constatado qualquer registro núncia scumprimento normas, ausência controles, ato ou omissão por parte da Administração da Empresa que indicasse a existência ou evidência fraus, falhas ou erros que colocassem em risco a continuida da Entida ou a fidignida suas monstrações contábeis. A socieda mantém sucursais em Londres, cujas operações encontram-se em processo scontinuida run off e na Argentina, cujas operações se iniciaram em Os saldos ssas sucursais compõem os saldos individuais das monstrações contábeis do IRB Brasil RE, sendo que os mesmos também foram auditados pela PricewaterhouseCoopers. A auditoria das Demonstrações Contábeis foi realizada pela PricewaterhouseCoopers com eficiência e inpendência atenndo, em sua totalida, os termos do Contrato firmado, tendo emitido o relatório auditoria, datado , sem ressalvas, com parágrafo ênfase quanto aos possíveis reflexos nas monstrações contábeis da socieda do processo scontinuida da sucursal Londres. Isto posto, o Comitê enten que as Demonstrações Contábeis do IRB Brasil RE, findas zembro, elaboradas acordo com as normas legais, regulamentares e as práticas contábeis adotadas no Brasil, aplicáveis às entidas supervisionadas pela Superintendência Seguros Privados SUSEP, estão aptas para aprovação pelo Conselho Administração. Rio Janeiro 12 fevereiro 2015 Nelson Machado Leonardo Giuberti Mattedi Presinte Membro Marco Antonio da Silva Barros Paulo Pereira Ferreira Membro Membro Aos Administradores e Acionistas IRB - Brasil Resseguros S.A. Examinamos as monstrações contábeis individuais do IRB - Brasil Resseguros S.A. ( Resseguradora ), que compreenm o balanço patrimonial zembro e as respectivas monstrações do resultado,doresultadoabrangente,dasmutaçõesdopatrimôniolíquidoedosfluxoscaixaparaoexercício findo nessa data, assim como o resumo das principais políticas contábeis e mais notas explicativas. Responsabilida da administração sobre as monstrações contábeis A Administração da Resseguradora é responsável pela elaboração e aquada apresentação ssas monstrações contábeis acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às entidas supervisionadas pela Superintendência Seguros Privados - SUSEP e pelos controles internos que ela terminou como necessários para permitir a elaboração monstrações contábeis livres distorção relevante, inpenntemente se causada por frau ou erro. Responsabilida dos auditores inpenntes Nossa responsabilida é a expressar uma opinião sobre essas monstrações contábeis com base em nossa auditoria, conduzida acordo com as normas brasileiras e internacionais auditoria. Essas normas requerem o cumprimento exigências éticas pelos auditores e que a auditoria seja planejada e executada com o objetivo obter segurança razoável que as monstrações contábeis estão livres distorção relevante. Uma auditoria envolve a execução procedimentos selecionados para obtenção evidência a respeito dos valores e das divulgações apresentados nas monstrações contábeis. Os procedimentos selecionados penm do julgamento do auditor, incluindo a avaliação dos riscos distorção relevante nas monstrações contábeis, inpenntemente se causada por frau ou erro. Nessa avaliação riscos, o auditor consira os controles internos relevantes para a elaboração e aquada apresentação das monstrações contábeis da Resseguradora para planejar os procedimentos auditoria que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins expressar uma opinião sobre a eficácia sses controles internos da Resseguradora. Uma auditoria inclui, também, a avaliação da aquação das políticas contábeis utilizadas e a razoabilida das estimativas contábeis feitas pela Administração, bem como a avaliação da apresentação das monstrações contábeis tomadas em conjunto. Acreditamos que a evidência auditoria obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião. Opinião Em nossa opinião, as monstrações contábeis anteriormente referidas apresentam aquadamente, em todos os aspectos relevantes, a posição patrimonial e financeira do IRB - Brasil Resseguros S.A. em 31 zembro, o sempenho suas operações e os seus fluxos caixa para o exercício findo nessa data, acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil aplicáveis às entidas supervisionadas pela Superintendência Seguros Privados - SUSEP. Ênfase Chamamos a atenção para as s 2.1 e 19.2 às monstrações contábeis, que menciona que a Resseguradora possui sucursal em Londres que se encontra, atualmente, em processo scontinuida ( run-off ) suas atividas. A referida sucursal mantém provisões técnicas constituídas em razão obrigações assumidas até 1982, cujos valores finais pom variar significativamente quando sua efetiva realização em períodos subsequentes. Nossa opinião não está ressalvada em função sse assunto. Rio Janeiro, 12 fevereiro 2015 PricewaterhouseCoopers Auditores Inpenntes Claudia Eliza Meiros Miranda CRC 2SP000160/O-5 F RJ Contadora CRC 1RJ087128/O-0 Parecer dos Auditores Atuariais Inpenntes Aos AcionistaseAdministradores do IRB Brasil Resseguros S.A. Examinamos as provisões técnicas e os ativos retrocessão registrados nas monstrações financeiras e os monstrativos do capital mínimo, dos valores redutores da necessida cobertura das provisões técnicas, da solvência e dos limites retenção do IRB Brasil Resseguros S.A. ( Resseguradora ) zembro, elaborados sob a responsabilida sua Administração, em conformida com os princípios atuariais divulgados pelo Instituto Brasileiro Atuária IBA e com as normas da Superintendência Seguros Privados SUSEP. Responsabilida da Administração A Administração da Resseguradora é responsável pelas provisões técnicas, pelos ativos retrocessão registrados nas monstrações financeiras e pelos monstrativos do capital mínimo, dos valores redutores da necessida cobertura das provisões técnicas, da solvência e dos limites retenção, elaborados acordo com os princípios atuariais divulgados pelo Instituto Brasileiro Atuária IBA e com as normas da Superintendência Seguros Privados - SUSEP, e pelos controles internos que ela terminou serem necessários para permitir a sua elaboração livre distorção relevante, inpenntemente se causada por frau ou erro. Responsabilida dos atuários inpenntes Nossa responsabilida é a expressar uma opinião sobre as provisões técnicas e os ativos retrocessão registrados nas monstrações financeiras e os monstrativos do capital mínimo, dos valores redutores da necessida cobertura das provisões técnicas, da solvência e dos limites retenção, com base em nossa auditoria atuarial, conduzida acordo com os princípios atuariais emitidos pelo Instituto Brasileiro Atuária IBA. Estes princípios atuariais requerem que a auditoria atuarial seja planejada e executada com o objetivo obter segurança razoável que as provisões técnicas, os ativos retrocessão registrados nas monstrações financeiras e os monstrativos do capital mínimo, dos valores redutores da necessida cobertura das provisões técnicas, da solvência e dos limites retenção estejam livres distorção relevante. Uma auditoria atuarial envolve a execução procedimentos selecionados para obtenção evidência a respeito dos valores das provisões técnicas e dos ativos retrocessão registrados nas monstrações financeiras e dos monstrativos do capital mínimo, dos valores redutores da necessida cobertura das provisões técnicas, da solvência e dos limites retenção. Os procedimentos selecionados penm do julgamento do atuário, incluindo a avaliação dos riscos distorção relevante inpenntemente se causada por frau ou erro. Nessas avaliações risco, o atuário consira os controles internos relevantes para o cálculo e elaboração das provisões técnicas e dos ativos retrocessão registrados nas monstrações financeiras e dos monstrativos do capital mínimo, dos valores redutores da necessida cobertura das provisões técnicas, da solvência e dos limites retenção da Resseguradora para planejar procedimentos auditoria atuarial que são apropriados nas circunstâncias, mas não para fins expressar uma opinião sobre a efetivida sses controles internos da Resseguradora. Acreditamos que a evidência auditoria atuarial obtida é suficiente e apropriada para fundamentar nossa opinião auditoria atuarial. Opinião Em nossa opinião, as provisões técnicas e os ativos retrocessão registrados nas monstrações financeiras e os monstrativos do capital mínimo, dos valores redutores da necessida cobertura das provisões técnicas, da solvência e dos limites retenção do IRB Brasil Resseguros S.A. zembro foram elaborados, em todos os aspectos relevantes, acordo com os princípios atuariais divulgados pelo Instituto Brasileiro Atuária IBA e com as normas da Superintendência Seguros Privados SUSEP. Outros assuntos Chamamos a atenção para as s 2.1 e 19.2 às monstrações contábeis, que mencionam que a ResseguradorapossuisucursalemLondresqueseencontra,atualmente,emprocessoscontinuida ( run-off ) suas atividas. A referida sucursal mantém provisões técnicas constituídas em razão obrigações assumidas até 1982, cujos valores finais pom variar significativamentequando sua efetiva realizaçãoemperíodossubsequentes. Nossaopiniãonãoestáressalvadaemfunçãosse assunto. São Paulo, 12 fevereiro PricewaterhouseCoopers Serviços Profissionais Ltda. Av. Francisco Matarazzo 1400, Torre Torino São Paulo SP Brasil CNPJ / Carlos Eduardo Silva Teixeira CIBA 105 MIBA 729

IRB-Brasil Resseguros S.A.

IRB-Brasil Resseguros S.A. Demonstrações contábeis individuais referentes ao semestre findo em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório da administração às Demonstrações Contábeis Individuais Intermediárias

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2009 e 2008 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, O IRB-Brasil Re apresenta o Relatório da Administração, relativo ao primeiro semestre de 2011, destacando as principais atividades desenvolvidas. As demonstrações

Leia mais

IRB-Brasil Resseguros S.A. Demonstrações contábeis intermediárias referentes ao semestre findo em 30 de junho de 2014 e relatório dos auditores

IRB-Brasil Resseguros S.A. Demonstrações contábeis intermediárias referentes ao semestre findo em 30 de junho de 2014 e relatório dos auditores Demonstrações contábeis intermediárias referentes ao semestre findo em 30 de junho de 2014 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes Sobre as demonstrações contábeis

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. BALANÇOS PATRIMONIAIS Levantados em 30 de Junho de 2014 e de Dezembro de 2013 (Em Milhares de Reais - R$)

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. BALANÇOS PATRIMONIAIS Levantados em 30 de Junho de 2014 e de Dezembro de 2013 (Em Milhares de Reais - R$) SENHORES ACIONISTAS De acordo com as disposições legais e estatutárias, apresentamos as Demonstrações Financeiras relativas ao semestre encerrado em 30 de junho de 2014 da Mitsui Sumitomo Seguros S.A.,

Leia mais

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS

11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1 ATIVO 1 11 CIRCULANTE 111 DISPONÍVEL 1111 CAIXA 11111 CAIXA 1112 VALORES EM TRÂNSITO 11121 VALORES EM TRÂNSITO 11122 CHEQUES EMITIDOS 1113 BANCOS CONTA DEPÓSITOS 11131 BANCOS CONTA DEPÓSITOS - MOVIMENTO

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

Generali Brasil Seguros S.A. 30 de junho de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as. Demonstrações Financeiras Intermediárias

Generali Brasil Seguros S.A. 30 de junho de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as. Demonstrações Financeiras Intermediárias Demonstrações Financeiras Intermediárias Generali Brasil Seguros S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Intermediárias Demonstrações financeiras intermediárias

Leia mais

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014.

Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Aplicap Capitalização S.A. Demonstrações contábeis intermediárias em 30 de junho de 2014. Relatório da Administração Senhores Acionistas, Em cumprimento as disposições legais e estatutárias, submetemos

Leia mais

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES

SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES SOARES & ASSOCIADOS AUDITORES INDEPENDENTES Ilmos. Srs. Diretores e Acionistas de BVA Seguros S/A Rio de Janeiro - RJ RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES Examinamos as demonstrações financeiras individuais

Leia mais

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006.

Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. Lucro Líquido de R$179,4 milhões ou R$2,33 por ação no 4T06 e R$460,2 milhões ou R$5,99 por ação em 2006. São Paulo, 28 de fevereiro de 2007 - A Porto Seguro S.A. (Bovespa: PSSA3) anuncia seu resultado

Leia mais

IRB-BRASIL RESSEGUROS S/A CNPJ 33.376.989/0001-91

IRB-BRASIL RESSEGUROS S/A CNPJ 33.376.989/0001-91 Relatório da Administração Senhores Acionistas, O IRB-Brasil Re apresenta o Relatório da Administração, relativo ao exercício de 2011, destacando as principais atividades desenvolvidas. As demonstrações

Leia mais

Demonstrações Financeiras Intermediárias Austral Seguradora S.A.

Demonstrações Financeiras Intermediárias Austral Seguradora S.A. Demonstrações Financeiras Intermediárias Austral Seguradora S.A. Em com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Intermediárias Demonstrações financeiras intermediárias

Leia mais

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas

Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Participações Industriais do Nordeste S.A. e Empresas Controladas Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil e com o IFRS, em 31 de dezembro de 2013 e Relatório dos

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e Fundo de Investimento Imobiliário Península Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 3 Balanços patrimoniais em 31 de dezembro Ativo 2009 2008

Leia mais

Release de Resultado 3T08

Release de Resultado 3T08 PORTO SEGURO ANUNCIA LUCRO LÍQUIDO DE R$75,0 MILHÕES OU R$0,33 POR AÇÃO NO E R$211,6 MILHÕES OU R$0,92 POR AÇÃO NO 9M08. São Paulo, 7 de Novembro de 2008 Porto Seguro S.A. (BOVESPA: PSSA3), anuncia os

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DA GENERALI BRASIL SEGUROS S.A.

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DA GENERALI BRASIL SEGUROS S.A. Senhores acionistas, Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, a Administração da Generali Brasil Seguros submete à apreciação de V.Sas. as demonstrações financeiras relativas ao exercício de

Leia mais

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras

Prática - desenvolvimento de sistemas Av. Assis Brasil 1800/302 - Porto Alegre - RS - CEP:91010-001. Empresa: Plano referencial 4 - Seguradoras 1 ATIVO 1.01 CIRCULANTE 1.01.01 DISPONÍVEL 1.01.01.01 Caixa 1.01.01.02 Valores em Trânsito 1.01.01.03 Bancos Conta Depósitos 1.01.01.04 Aplicações no Mercado Aberto 1.01.02 APLICAÇÕES 1.01.02.01 Títulos

Leia mais

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A.

Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Officer Distribuidora de Produtos de Informática S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA.

PATACÃO DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. 1. CONTEXTO OPERACIONAL A Patacão Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. ( Distribuidora ) tem como objetivo atuar no mercado de títulos e valores mobiliários em seu nome ou em nome de terceiros.

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Notas explicativas às Demonstrações Contábeis dos Planos de Assistência Médica, Hospitalar e Odontológica da Fundação Celesc de Seguridade Social do Exercício Findo em 31 de dezembro de 2011 e 2010. NOTAS

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e

Fundo de Investimento Imobiliário Hospital da Criança (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e Fundo de Investimento Imobiliário Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes 2 Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2009 2008 Passivo e patrimônio

Leia mais

Minas Gerais - Caderno 3 Publicações de Terceiros sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2014 11

Minas Gerais - Caderno 3 Publicações de Terceiros sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2014 11 Minas Gerais - Caderno 3 Publicações de Terceiros sexta-feira, 28 de Fevereiro de 2014 11 Senhores acionistas Submetemos à V.Sas. as Demonstrações Financeiras individuais da Zurich Minas Brasil Seguros

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3

ITR - Informações Trimestrais - 30/09/2015 - SUL AMERICA S/A Versão : 1. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2. Balanço Patrimonial Ativo 3 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 3 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 5 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

American Life Companhia de Seguros Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes

American Life Companhia de Seguros Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes American Life Companhia de Seguros Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório da Administração Senhores acionistas: Em cumprimento às

Leia mais

Zurich Minas Brasil Seguros S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e relatório dos auditores independentes

Zurich Minas Brasil Seguros S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 e relatório dos auditores independentes Relatório da Administração Senhores acionistas Submetemos à V.Sas. as Demonstrações Financeiras da Zurich Minas

Leia mais

Outros créditos (Nota 8.4) 368 420 Provisões técnicas - seguros (Nota 18) 728.719 671.251

Outros créditos (Nota 8.4) 368 420 Provisões técnicas - seguros (Nota 18) 728.719 671.251 Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. o relatório da administração e as demonstrações financeiras relativas aos exercícios findos em 31 de dezembro e, acompanhadas do relatório dos auditores

Leia mais

Relatório da Administração

Relatório da Administração Relatório da Administração Senhores Acionistas, O IRB Brasil RE apresenta o Relatório da Administração, relativo ao exercício de, destacando as principais atividades desenvolvidas. As demonstrações contábeis

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

Instituto Lina Galvani

Instituto Lina Galvani Balanços patrimoniais Em milhares de reais Ativo 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Passivo e patrimônio social 31 de dezembro de 2011 31 de dezembro de 2010 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

18 terça-feira, 28 de Fevereiro de 2012 Publicações de Terceiros Minas Gerais - Caderno 3

18 terça-feira, 28 de Fevereiro de 2012 Publicações de Terceiros Minas Gerais - Caderno 3 18 terça-feira, 28 de Fevereiro de 2012 Publicações de Terceiros Minas Gerais - Caderno 3 Senhores acionistas: Atendendo às disposições legais e estatutárias, submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações

Leia mais

Azul Companhia de Seguros Gerais Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes

Azul Companhia de Seguros Gerais Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Azul Companhia de Seguros Gerais Demonstrações financeiras consolidadas em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação

Leia mais

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009. (Em milhares de reais)

NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009. (Em milhares de reais) NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO EXERCÍCIO FINDO EM 31 DE DEZEMBRO DE 2010 e 2009 (Em milhares de reais) NOTA 1 - CONTEXTO OPERACIONAL A Seguradora está autorizada a operar em seguros do

Leia mais

Azul Companhia de Seguros Gerais Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2011 e relatório dos auditores independentes

Azul Companhia de Seguros Gerais Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2011 e relatório dos auditores independentes Azul Companhia de Seguros Gerais Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2011 e relatório dos auditores independentes RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas.

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.)

Fundo de Investimento Imobiliário Península (Administrado pelo Banco Ourinvest S.A.) Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo 2008 2007 Passivo e patrimônio líquido 2008 2007 Circulante Circulante Bancos 3 14 Rendimentos a distribuir 3.599 2.190 Aplicações financeiras de renda fixa

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I)

Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Resolução CNPC Nº. 8 de 31 de outubro de 2011. (Publicado no D.O.U. Nº 241, de 16 de dezembro de 2011, seção I) Dispõe sobre os procedimentos contábeis das entidades fechadas de previdência complementar,

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. o relatório da administração e as demonstrações financeiras relativas aos semestres findos e 2010 e do exercício findo

Leia mais

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes

HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS E VALORES MOBILIÁRIOS LTDA. Parecer dos auditores independentes Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2009 e 2008 HENCORP COMMCOR DISTRIBUIDORA DE TÍTULOS

Leia mais

Crédito y Caución Seguradora de Crédito à Exportação S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes

Crédito y Caución Seguradora de Crédito à Exportação S.A. Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 30 de junho de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório da Administração Senhores Acionistas Submetemos à apreciação de V.Sas as demonstrações financeiras da

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - PARTICIPAÇÕES INDUST. DO NORDESTE S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 4 Demonstração do Resultado 6 Demonstração do Resultado Abrangente 7 Demonstração

Leia mais

Demonstrações Financeiras

Demonstrações Financeiras Demonstrações Financeiras MAPFRE Vera Cruz Seguradora S.A. e relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Senhores Acionistas, MAPFRE VERA CRUZ SEGURADORA S.A. RELATÓRIO DA

Leia mais

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes

HTL SP Participações S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores e Acionistas HTL

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012

BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2013 E 2012(Em Milhares de Reais) ATIVO Nota 31/12/2013 31/12/2012 CIRCULANTE 67.424 76.165 DISPONIBILIDADES 4 5.328 312 TITULOS E VALORES MOBILIÁRIOS E INTRUMENTOS

Leia mais

CHUBB DO BRASIL COMPANHIA DE SEGUROS

CHUBB DO BRASIL COMPANHIA DE SEGUROS sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 Diário Oficial Empresarial São Paulo, 124 (41) 191 Atendendo às disposições legais vigentes, apresentamos as demonstrações financeiras referentes ao ano findo em 31/12/2013

Leia mais

Maringá, 27 de fevereiro de 2015. A Administração

Maringá, 27 de fevereiro de 2015. A Administração CNPJ. 17.643.407/0001-30 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO importante aumento com o objetivo manter principalmente o controle inflacionário pois quando o Banco Central aumenta os juros, estimula a poupança e

Leia mais

Release de Resultados do 1T10

Release de Resultados do 1T10 Release de Resultados do 1T10 Fale com R.I Relações com Investidores Tel: (11) 3366-5323 / 3366-5378 www.portoseguro.com.br, gri@portoseguro.com.br Porto Seguro S.A. Alameda Ribeiro da Silva, 275 1º andar

Leia mais

Sancor Seguros do Brasil S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015

Sancor Seguros do Brasil S.A. Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras em 30 de junho de 2015 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. o relatório da administração

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul

Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul Demonstrações Financeiras Empresa Concessionária de Rodovias do Sul S.A. - Ecosul 31 de dezembro de 2013 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Índice

Leia mais

Mitsui Sumitomo Seguros S.A.

Mitsui Sumitomo Seguros S.A. Mitsui Sumitomo Seguros S.A. Demonstrações Financeiras Intermediárias Referentes ao Semestre Findo em 30 de Junho de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes Deloitte Touche Tohmatsu Auditores Independentes

Leia mais

Rodobens Locação de Imóveis Ltda.

Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Rodobens Locação de Imóveis Ltda. Demonstrações contábeis referentes ao exercício findo em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Approach Auditores Independentes Relatório dos

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2013 - BANCO BRADESCO SA Versão : 2. Composição do Capital 1. Proventos em Dinheiro 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 5 Balanço Patrimonial Passivo 9 Demonstração do Resultado 12 Demonstração do Resultado

Leia mais

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89

00009-4 PANATLANTICA SA 92.693.019/0001-89 01 - CONTEXTO OPERACIONAL A Companhia, com sede em Gravataí (RS) e unidade industrial em Glorinha (RS), tem por objeto a industrialização, comércio, importação, exportação e beneficiamento de aços e metais,

Leia mais

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008

AGENTE E ESCRIVÃO DA POLÍCIA FEDERAL Disciplina: Contabilidade Prof.: Adelino Data: 07/12/2008 Alterações da Lei 6404/76 Lei 11638 de 28 de dezembro de 2007 Lei 11638/07 que altera a Lei 6404/76 Art. 1o Os arts. 176 a 179, 181 a 184, 187, 188, 197, 199, 226 e 248 da Lei no 6.404, de 15 de dezembro

Leia mais

Crescimento expressivo. Conjuntura econômica

Crescimento expressivo. Conjuntura econômica Resultados 2010 Resultados 2010 Crescimento expressivo A SulAmérica registrou lucro líquido de R$ 614 milhões, que corresponde a uma elevação de 48,5% em relação a 2009 Conjuntura econômica O ano de 2010

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas,

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO. Senhores Acionistas, RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Em atenção às disposições legais e estatutárias, submetemos a apreciação de V.Sas. o relatório da Administração e as Demonstrações Contábeis, relativas ao

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A.

A Geradora Aluguel de Máquinas S.A. Balanço patrimonial em 31 de dezembro Ativo Passivo e patrimônio líquido Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 17.488 25.888 Fornecedores e outras obrigações 17.561 5.153 Contas a receber

Leia mais

Demonstrações Financeiras Azul S.A. 31 de dezembro de 2013, 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes

Demonstrações Financeiras Azul S.A. 31 de dezembro de 2013, 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações Financeiras Azul S.A. 2013, 2012 e 2011 com Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações financeiras 2013, 2012 e 2011 Índice Relatório dos auditores independentes...1 Demonstrações

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 30/06/2012 - BPMB I Participações S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.S.as o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras da SUHAI Seguros S.A. relativas ao semestre findo em, apuradas

Leia mais

ITAÚ SEGUROS DE AUTO E RESIDÊNCIA S.A.

ITAÚ SEGUROS DE AUTO E RESIDÊNCIA S.A. 144 São Paulo, 124 (39) Diário Oficial Empresarial quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014 Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. o relatório da administração e as demonstrações financeiras

Leia mais

Abril Comunicações S.A.

Abril Comunicações S.A. Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS em 31 de Dezembro de 2012 e Relatório dos Auditores Independentes Abril Comunicações S.A. e empresas controladas DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

Leia mais

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás

Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Companhia Vale do Rio Doce Estrada de Ferro Carajás Relatório dos Auditores Independentes sobre a Aplicação de Procedimentos Previamente Acordados em 31 de dezembro de 2007 Deloitte Touche Tohmatsu Auditores

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2010 e 2009 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3-4

Leia mais

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF)) CONTABILIDADE INTERMEDIÁRIA CAPÍTULO 2: PASSIVO EXIGÍVEL E RECEITAS DIFERIDAS MATERIAL DE ACOMPANHAMENTO MÓDULO 2 PASSIVO EXIGÍVEL (PE) E RECEITAS DIFERIDAS (ANTIGO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS (REF))

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2012 - COMPANHIA DE BEBIDAS DAS AMÉRICAS-AMBEV Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 Proventos em Dinheiro 2 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 4 Balanço Patrimonial Passivo 6 Demonstração do Resultado 9 Demonstração do Resultado Abrangente

Leia mais

Associação Corredor Ecológico do Vale do Paraíba Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes

Associação Corredor Ecológico do Vale do Paraíba Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores Associação Corredor

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AO EXERCÍCIO BASE DE 2012 ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA À SAÚDE DOS EMPREGADOS DA COPASA COPASS SAÚDE

Leia mais

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012

Instituto Ling. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2013 e 2012 em 31 de dezembro de 2013 e 2012. em 31 de dezembro de 2013 e 2012 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações de superávit

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A.

Raízen Combustíveis S.A. Balanço patrimonial consolidado e condensado (Em milhares de reais, exceto quando indicado de outra forma) Ativo 30.06.2014 31.03.2014 Passivo 30.06.2014 31.03.2014 Circulante Circulante Caixa e equivalentes

Leia mais

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

BR Towers SPE1 S.A. Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstração do resultado Exercício/período findo em 31 de dezembro Receita líquida (Nota 14) 13.913 Custo

Leia mais

Aqua-Rio Aquário Marinho do Rio de Janeiro S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de

Aqua-Rio Aquário Marinho do Rio de Janeiro S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de Aqua-Rio Aquário Marinho do Rio de Janeiro S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2014 e relatório dos auditores independentes Relatório

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08. Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 08 Custos de Transação e Prêmios na Emissão de Títulos e Valores Mobiliários Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 39 partes

Leia mais

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes PricewaterhouseCoope~ Av. Francisco Matarauo, 1400 Torre Torino Caixa

Leia mais

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA

ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA ALTERAÇÕES DA LEI DAS SOCIEDADES POR AÇÕES MARCELO CAVALCANTI ALMEIDA Sócio da Deloitte e autor de livros da Editora Atlas 1 EVOLUÇÃO Instrução CVM n 457/07 Demonstrações financeiras consolidadas a partir

Leia mais

BALANÇOS PATRIMONIAIS Levantados em 30 de Junho de 2015 e 31 de Dezembro de 2014 (Em milhares de reais - R$)

BALANÇOS PATRIMONIAIS Levantados em 30 de Junho de 2015 e 31 de Dezembro de 2014 (Em milhares de reais - R$) RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO SENHORES ACIONISTAS De acordo com as disposições legais e estatutárias, apresentamos as Demonstrações Financeiras relativas ao semestre encerrado em 30 de junho de 2015 da Mitsui

Leia mais

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO

RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. o relatório da administração e as demonstrações financeiras relativas aos semestres findos em 30 de junho de 2013 e de

Leia mais

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009.

MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. (DOU nº. 27, de 09 de fevereiro de 2009, Seção 1, páginas 44 a 49) MINISTÉRIO DA PREVIDÊNCIA SOCIAL Conselho de Gestão da Previdência Complementar RESOLUÇÃO CGPC Nº. 28, DE 26 DE JANEIRO DE 2009. Dispõe

Leia mais

66 São Paulo, 124 (41) Diário Oficial Empresarial sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

66 São Paulo, 124 (41) Diário Oficial Empresarial sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 66 São Paulo, 124 (41) Diário Oficial Empresarial sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014 Apresentamos o Relatório da Administração e as Demonstrações Financeiras da Itaú Vida e Previdência S.A. (ITAÚ VIDA)

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Julgue os itens a seguir, a respeito da Lei n.º 6.404/197 e suas alterações, da legislação complementar e dos pronunciamentos do Comitê de Pronunciamentos Contábeis (CPC). 71 Os gastos incorridos com pesquisa

Leia mais

31 de dezembro de 2013

31 de dezembro de 2013 Senhores Acionistas: Em cumprimento às disposições legais e estatutárias, apresentamos as monstrações financeiras da Assurant Seguradora S.A. relativas ao exercício findo em 31 zembro, elaboradas na forma

Leia mais

Safra Seguros Gerais S.A. Demonstrações contábeis individuais em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes

Safra Seguros Gerais S.A. Demonstrações contábeis individuais em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis individuais em 31 de dezembro de 2012 e relatório dos auditores independentes 3 SAFRA SEGUROS GERAIS S.A. AV. PAULISTA, 2100 SÃO PAULO SP CNPJ: 06.109.373/0001-81 Submetemos à

Leia mais

Zurich Vida e Previdência S.A. Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2012 e relatório dos auditores independentes

Zurich Vida e Previdência S.A. Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2012 e relatório dos auditores independentes Zurich Vida e Previdência S.A. Demonstrações financeiras individuais em 30 de junho de 2012 e relatório dos auditores independentes Relatório da administração Senhores Acionistas, Atendendo às disposições

Leia mais

CHUBB DO BRASIL COMPANHIA DE SEGUROS

CHUBB DO BRASIL COMPANHIA DE SEGUROS quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013 Diário Oficial Empresarial São Paulo, 123 (37) 17 Atendendo às disposições legais vigentes, apresentamos as demonstrações financeiras referentes ao exercício findo

Leia mais

Demonstrações Financeiras SUHAI SEGUROS S.A.

Demonstrações Financeiras SUHAI SEGUROS S.A. Demonstrações Financeiras SUHAI SEGUROS S.A. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.S.as o Relatório da Administração

Leia mais

MAPFRE Seguros Gerais S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - JUNHO DE 2014

MAPFRE Seguros Gerais S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - JUNHO DE 2014 Senhores Acionistas, MAPFRE Seguros Gerais S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - JUNHO DE 2014 Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras Intermediárias da MAPFRE Seguros Gerais S.A., relativas

Leia mais

Relatório da diretoria 3 Parecer de avaliação atuarial 5 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 7

Relatório da diretoria 3 Parecer de avaliação atuarial 5 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras consolidadas 7 Demonstrações Financeiras Consolidadas em 31 de Dezembro de 2012 e 2011 Demonstrações financeiras consolidadas Conteúdo Relatório da diretoria 3 Parecer de avaliação atuarial 5 Relatório dos auditores

Leia mais

ALLIANZ SEGUROS S.A. CNPJ nº 61.573.796/0001-66

ALLIANZ SEGUROS S.A. CNPJ nº 61.573.796/0001-66 sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015 Diário Oficial Empresarial São Paulo, 125 (38) 337 Senhores Acionistas, Apresentamos as demonstrações financeiras individuais da Allianz Seguros S.A. relativas aos

Leia mais

Generali Brasil Seguros S.A. Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2012 e relatório dos auditores independentes

Generali Brasil Seguros S.A. Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2012 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de de 2012 e relatório dos auditores independentes Relatório da Administração Senhores acionistas, Dando cumprimento às disposições legais e estatutárias,

Leia mais

Raízen Combustíveis S.A. Índice

Raízen Combustíveis S.A. Índice Raízen Combustíveis S.A. Índice Balanço patrimonial...2 Demonstração do resultado...4 Demonstração do resultado abrangente...5 Demonstração das mutações do patrimônio líquido...6 Demonstração dos fluxos

Leia mais

RBS Participações S.A. e empresas controladas

RBS Participações S.A. e empresas controladas Demonstrações consolidadas do resultado Exercícios findos em 31 de dezembro Em milhares de reais, exceto valor por ação (Tradução livre do original em inglês) Nota 2014 2013 Receita líquida 18 (a) 487.758

Leia mais

MAPFRE Affinity Seguradora S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - JUNHO DE 2014

MAPFRE Affinity Seguradora S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - JUNHO DE 2014 Senhores Acionistas, MAPFRE Affinity Seguradora S.A. RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO - JUNHO DE 2014 Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras Intermediárias da MAPFRE Affinity Seguradora

Leia mais

MITSUI SUMITOMO SEGUROS S.A. CNPJ nº 33.016.221/0001-07

MITSUI SUMITOMO SEGUROS S.A. CNPJ nº 33.016.221/0001-07 sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015 Diário Oficial Empresarial São Paulo, 125 (38) 381 Senhores Acionistas: De acordo com as disposições legais e estatutárias, apresentamos as Demonstrações Financeiras

Leia mais