Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download ""

Transcrição

1 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA PARA 2013

2 2 I. SUMARIO II. APRESENTAÇÃO III. BASE ESTRATÉGICA IV. PRINCIPIOS V. DESENVOLVIMENTO ESTRATEGICO Analise Ambiente Externo: Definir as oportunides negocio e as ameaças Interno: Pontos fortes e fracos Plano de Ação VI. Proposta Orçamentaria e Financeira... 22

3 3 II. APRESENTAÇÃO Este cumento apresenta o processo de formação Plano de Ação Estratégico PARANACIDADE para 2013, com metologia volta a definição de indicares de desenvolvimento s ações aqui planejas. A configuração ora apresenta é decorrente de uma composição de cenários identificas neste momento. Entretanto, face a dinâmica que envolve as relações intra e inter organizacionais, acentua com as munças sociais, econômicas e políticas que definem o ambiente em que a organização desenvolve suas ativides, à medi que se modificam estas condições externas e internas que sobre o Plano influem, torna-se indispensável sua oportuna adequação e aprimoramento, com o intuito de serem redirecionas estas orientações e os caminhos Entide. Estão contemplas neste cumento propostas, planos, programas, projetos, ativides, produtos e serviços a serem desenvolvis pelo PARANACIDADE no ano de 2013, bem como a respectiva proposta orçamentária e financeira. O Plano de Ação Estratégica para 2013 com maior detalhamento, é adiante apresenta para análise, discussão e aprovação Conselho de Administração. Curitiba, novembro de SUPERINTENDENTE

4 4 III. BASE ESTRATÉGICA Missão Institucional O PARANACIDADE tem como missão institucional, fomentar e executar ativides e serviços não exclusivos Esta, relacionas necessariamente ao desenvolvimento regional, urbano e institucional s municípios e a administração de recursos e de funs financeiros públicos, destinas ao desenvolvimento urbano, regional e institucional, em especial o Fun Estadual de Desenvolvimento Urbano FDU. Objetivos I cumprir e fazer cumprir o Contrato de Gestão firma com o Governo Esta Paraná, nos termos previstos na Lei instituira, bem como, outros Contratos de Gestão que venham a ser firmas pela entide; II executar ações política de desenvolvimento institucional, urbano e regional para o Esta Paraná, sob a coordenação Secretaria de Esta Desenvolvimento Urbano, em consonância com as diretrizes programáticas Governo Esta; III atuar, de acor com as diretrizes emanas pela Secretaria de Esta Desenvolvimento Urbano, em intervenções representas por planos, programas, projetos e ativides voltas ao desenvolvimento institucional, urbano e regional Esta Paraná e seus municípios; IV - constituir-se em instrumento de intermediação administrativo-financeira, visan compatibilizar as exigências s entides de financiamento, internas e externas, as características sócio-econômicas e a capacide financeira s ; V atuar em intervenções representas por planos, programas, projetos e ativides voltas ao desenvolvimento institucional, urbano e regional s estas e seus municípios; VI - contribuir para a eficiente aplicação s recursos públicos, tanto estadual como municipal, na área de desenvolvimento urbano, regional e institucional, promoven, para tanto, o aperfeiçoamento s recursos humanos, administrativos e financeiros s ; VII - incentivar os e sua população a participarem formulação política de desenvolvimento urbano e regional e s mecanismos de financiamento concebis para apoiá-los; VIII promover o desenvolvimento tecnológico, bem como de metologias, produtos e serviços destinas a profissionais e entides públicas ou privas, relacionas à sua área de atuação e destinas a promoção desenvolvimento urbano, institucional e regional;

5 5 IX publicar e divulgar trabalhos técnico-científicos com vistas ao aprimoramento gestão municipal; X - administrar recursos e funs financeiros públicos, atendis as disposições Art. 1º desta lei, em especial o Fun de Desenvolvimento Urbano, cria pela Lei nº de 15 de dezembro de 1988, sem prejuízo disposto no Art. 35 Lei Complementar nº 101, de 04/05/2000; XI propiciar condições para operações de financiamentos com recursos internos ou externos que constituem o Fun Estadual de Desenvolvimento Urbano, aos entes Administração Indireta Estadual, com capacide de pagamento comprova pelo PARANACIDADE, cujas ativides fins estejam voltas ao desenvolvimento regional e urbano. Visão Entide Ser o PARANACIDADE reconheci internacional e nacionalmente como uma Entide de excelência na orientação e promoção desenvolvimento regional, urbano e institucional s, priman por um atendimento eficaz e personaliza.

6 6 IV. PRINCIPIOS NORTEADORES A) QUALIDADE Manter-se como entide de referencia naquilo que faz. B) LEALDADE Comprometer-se com seus objetivos, compromissos, diretrizes, planos, programas e projetos em cooperação com o Governo Esta. C) VALORIZAÇÃO Investir nos seus colaborares. D) INOVAÇÃO Adequar-se e buscar soluções novas, visan o controle de seus projetos e resoluções urbanas viáveis. E) PARCERIA Sintonizar-se com modelos organizacionais com estrutura semelhante, visan o desenvolvimento de pesquisas e manter atitude de colaboração com a Administração Pública na busca de ações que vise a melhoria na qualide de vi s populações.

7 7 EXTERNO DIAGNÓSTICO DO AMBIENTE EXTERNO E INTERNO OPORTUNIDADES São situações atuais externas a Entide que adequamente aproveitas podem influenciá-la positivamente. 1 Novas administrações municipais AMEAÇAS São situações atuais externas a Entide que senão minimizas ou evitas por ela podem influenciá-la negativamente. 1 Falta de sustentabilide SFM 2 Economia nacional favorável 3 Bom relacionamento com instituições financeiras nacionais e internacionais 4 Vinculo com o Governo Esta 5 Deman municipal constante por recursos de financiamento e assistência técnica 6 Possibilide de cooperação com outras Entides INTERNO FORÇAS São características internas PARANACIDADE que podem influenciar positivamente no seu desempenho. 1 - Qualificação corpo técnico know-how 2 - Assistência Técnica aos 3 Contrato Gestão 4- Capilaride 5 Capacide de captação de recursos financeiros 6 Ausência de risco na operação financeira FRAQUEZAS São características internas PARANACIDADE que podem influenciar negativamente no seu desempenho. 1 Corpo Técnico insuficiente em algumas áreas 2 Espaço Físico inadequa E/R de Ponta Grossa; 3- Arquivamento de cumentos deficitário 4- Falta de formalização de procedimentos 5 Sistemas de Informações defasas 7 Ambiente de trabalho favorável

8 8 PLANO DE AÇÃO PARA 2013 AÇÕES ADMINISTRATIVAS DE INFRA-ESTRUTURA 1. Aptações aos dispositivos legais: implantar definitivamente alterações nas normas PARANACIDADE, trazis pela Lei /2006, pelo novo Estatuto e pela revisão Plano de Cargos, Salários e Benefícios. a) Revisão s normas internas PARANACIDADE. b) Realização de estus preliminares para padronização de procedimentos no PARANACIDADE Manual de Padronização. SUP AUD/PJU Mai/13 Set/13 Normas revisas. SUPEX/DAF Tos areas Jan./13 Jul./13 Apresentação Estu 2. Realização de certame seletivo para suprir as atuais necessides de pessoal. a) Contratação de Empresa para realização Certame e posterior contratação de canditos aprovas no processo. CAD/DAF - Jan. e PJU Jun./13 Contrato de Prestaçao de Serv ,00 3. Renovação frota de veículos Entide. a) Avaliação Frota de veículos: financeira e de permanência. b) Aquisição (processo de compra/licitação pelo PARANACIDADE). c) Processo de ven: leilão CAD/DAF - Jan./13 Fev./13 Cumprimento meta CAD/DAF Fev./13 Dez./13 Renovação frota CAD/DAF Fev./13 Dez./13 Conclusão , ,00 (ensso seguro) (5% avaliação)

9 9 (contratação leiloeiro) ven 4. Atualizações s centrais de telefonia Sede e Escritórios Regionais. a) telefonia fixa: contratação de software e hardware adesão ao Sistema de Telefonia IP. (Ajustes/Testes) b) telefonia móvel: processo de aquisição. (Ajustes) CAD/DAF CTI - Jun./13 Contrato ,00 mensal: 620,47 CAD/DAF CTI - Jun./13 Contrato Mensal: 8.000,00 5. Elaboração de um Plano de Gerenciamento de Processos e Modelagem Organizacional a) Definição s principais processos desenvolvis pela empresa mapeamento; identificar etapas importantes, eventos e operações que constituem o processo; - Contratação de terceiros. b) Desenvolvimento de Instrumentos de Controle destes processos Plano de Monitoramento e Controle. SUPEX/DAF /CAD SUPEX/DAF /CAD Tos as áreas Tos as áreas - Jun/13 - Identifica -çao s processo s Dez./13 Plano de Monitoramento ,00 c) Definição de etapas para a montagem de modelagem organizacional - levantamento de: estrutura física; ativides; processos, recursos, pessoal, comportamento, objetivos entide e restrições. SUPEX/DAF /CAD Tos as áreas - Dez.13 Definição modelo organizacional

10 10 DE TECNOLOGIA, INFORMAÇÃO E CONTROLE 1. Reestruturação s Sistemas de Informações, principalmente o SAM para adequá-lo às novas demans Entide; a) Implantar novos módulos s aplicativos sistema corporativo PARANACIDADE, contemplan o controle total s Convênios, construção de uma rotina no SAM para controle de Destaque de Capital e estenden as funcionalides módulo de Capacide de Endivimento e outros que estão em fase de definição de regras/critérios a ser atas. - Levantamento de Requisitos e Análise s Processos s novas funcionalides; - Manutenção Arquitetura (Modelo de Das, especificação de Programas) - Codificação s Programas - Testes de Sistema - Implantação s novas funcionalides; - Contratação de serviços de terceiros, para complementar a capacide de desenvolvimento CTI. CTI/COP/ CPR/PJU CAD Mai/13 Dez/14 Módulos em funcionamento ,00

11 11 2. Definição de nova plataforma de sistemas PARANACIDADE e Treinamento Equipe que compõe a CTI para equalizar os conhecimentos técnicos e adquirir conhecimento e mínio de novas ferramentas de desenvolvimento de Sistemas. a) Apresentar cenários atuais e futuros em relação as estratégias SAM - realização de reuniões b) Definir a nova metologia de desenvolvimento de sistemas a ser ata pela CTI. - Estu s Métos, Técnicas e Ferramentas mais utilizas para a função de Desenvolvimento de Sistemas. - Definição novo modelo a ser ata para o Ciclo de Desenvolvimento de Sistemas no PARANACIDADE c) Avaliar os Softwares de Apoio ao Desenvolvimento de Sistemas definis no novo modelo PARANACIDADE. Caso necessite de aquisição: - Elaboração processo de compra s novos softwares de apoio ao desenvolvimento de sistemas PARANACIDADE. CTI/DOP SUPEX/DAF Fev./13 Mar/13 Apresentação s Cenários CTI - CTI - Jun/13 Dez/13 Jun/13 Dez./13 Definição metologia. Apresentaçao diagnóstico e disponibilização s ferramentas escolhis , ,00 d) Capacitar os Analistas CTI para que passem a atar o novo modelo de Desenvolvimento de Sistemas PARANACIDADE. CTI CAD/RH Jun/13 Dez./13 Treinamento conclui ,00

12 12 3. Atualização s softwares de automação de Escritório atualmente em uso no PARANACIDADE para novas versões mais modernas e eficientes; a) Elaboração processo de compra. b) Aquisição e Instalação nos equipamentos conforme cronograma a ser defini. CTI CTI - Jan/13 Mar/.13 Cumprimento meta. Mar./13 Abr./13 Cumprimento meta ,00 4. Acompanhamento processo de aquisição e implantação Sistema Integra de Gestão (ERP), contemplan o fornecimento s Subsistemas e Programas Integrantes Solução (Recursos Humanos, Compras, Estoques, Contas a Pagar, Finanças, Contabilide, Controle de Viagens e Relatórios Gerenciais); a) Inicio implantação sistema, junto as áreas e a empresa contrata. b) Conclusão implantação sistema. CTI/CAD/ CFI CTI/CAD/ CFI DAF Maio/13 Abr./14 DAF Mai./14 Mai./14 Cumprimento meta Cumprimento meta ,00 Sem custo 5. Implantação de Sistema de Gerenciamento Eletrônico de Documentos aderente aos processos PARANACIDADE visan diminuir ao máximo o volume de papéis que circulam e são armazenas na Entide; a) Etapa final de Implantação sistema (cumentar). SUP/CTI GT Comissão Especial - Jun./13 Sistema em operação. Sem custo b) análise, classificação e arquivamento cumentação, perío: 1996 a DAF/CAD GT Comissão Especial/ tos as areas - Dez.13 Cumprimento Meta de Sem custo b.1) digitalização cumentação ,00

13 13 c) desenvolvimento de manual para arquivamento s cumentos. SUP/DAF - Jan.13 Dez.13 Apresentação manual Sem custo 6. Estus para a implantação de Sistema Geral (corporativo) que contemple o acompanhamento e monitoramento s ações ao nível externo ( entre outros) e interno (digitalização, acompanhamento e trâmite de to cumentação, integran sistemas de GED e de Gestão). a) Elaboração de plano de ativides, estus de viabilide. CTI/Grupo de Trabalho- CPR - Dez/13 Cumprimento - meta Sem custo 7. Implantação de Sistema para registro e controle de ativides com acesso via web. a) Avaliar custo, beneficio s alternativas, existentes no merca. b) Processo de aquisição, implantação e treinamento s usuários CTI DAF/CTI DOP/DAF Jan./13 Mar/13 Cumprimento meta. DOP Mar/13 Jul/13 Cumprimento meta. R$ ,00 8. Migração s serviços, s e sistemas executas pelos Servires PARANACIDADE, para a CELEPAR. a) Revisão e implantação plano de migração. b) Adequar ferramenta gerenciara de Caixas postais e converter s. CTI - Jan./13 Mai/13 CTI - Fev./13 Abr/13 Cumprimento meta. Cumprimento meta. Sem Custo Sem Custo

14 14 c) Treinamento s usuários na nova ferramenta d) Implantar cumentar para gerenciar volume excedente de s nas caixas postais e treinar usuários e) Migrar demais servires, inclusive SAM. CTI CTI CTI - - Mar/13 Mar/13 Mar/13 Mar/13 Cumprimento meta. Cumprimento meta. - Abr/13 Mai/13 Cumprimento meta. Sem Custo Sem Custo Sem Custo DE RECURSOS HUMANOS 1. Implantação s alterações trazis pela revisão no Plano de Cargos, Salários e Benefícios Entide, depois de devimente autorizas pela autoride competente. a) Conclusão implantação sistemática de avaliação de desempenho e competências. CAD/DAF - - Nov./13 Cumprimento meta. Sem custo 2. Dimensionamento Quali-Quantitativo de Pessoal. a) Qualificação e capacitação s empregas pontualmente. CAD/DAF/ DOP Tos as áreas Jan./13 Març/13 Listagem de treinamentos ,00 b) Analise e modificações na estrutura organizacional. b.1) implantação de área volta para apuração de novos projetos (núcleo de gerenciamento/implanta SUPEX/ DAF/DOP CPR Jan./13 Jun./13 Nº de Modificações

15 15 ção de projetos básicos) b.2) remodelagem área de geoprocessamento. (núcleo de geoprocessamento). 3. Elaboração projeto de programa de qualificação e treinamento. a) Aprovação programa de qualificação e treinamento para o exercício, definin critérios de concessão, o montante a ser investi, levan em consideração o Plano de Cargos e Normas internas Plano de Treinamento. CAD/DAF SUP Jan./13 Fev./13 Divulgação Programa Sem custo 4. Implantação de políticas de RH, contemplan Gestão Clima Organizacional: o objetivo é motivar, informar e interagir o quadro funcional com as diretrizes Entide. a) implementar ações que: -melhorem o clima organizacional - facilitem a comunicação interna; - aproximem os empregas corpo diretivo - valorizem boas idéias CAD/DAF TODAS AS AREAS - Dez./13 Clima Organizacional satisfatorio ,00

16 16 AÇÕES OPERACIONAIS DA URBANIZAÇÃO PLANEJADA 1. Planos de Ação e Investimentos s. a) Auxiliar os na elaboração Plano de Ação e de Investimento. CPR Escrit. Regionais Jan./13 Dez./13 Nº de atendis Sem Custo DO SISTEMA DE FINANCIAMENTO MUNICIPAL 2. Fortalecimento SFM a) Plano de Contas SFM - Informatização - Geração de Relatórios b) Aprovação Regulamento Operacional Geral (ROG). c) Proposta de Instituição SFM por Lei. CPR CFI/CTI - Dez/13 Implanta e em funcionamento o Plano. CPR/COP PJU Jan./13 Abri/13 Resolução SEDU SUPEX/ CECR PJU - Abril/13 Minuta Lei DA IMPLEMENTAÇAO DE PROGRAMAS 1. Em cooperaçao com o BRDE a) Fomento de maquinários aos PROVIAS b) Modernização Administração Tributária e Gestão s Setores DOP/COP DOP/CPR Escrit. Regionais Escrit. Regionais - Dez Municipios - Dez Municipios Recursos provenientes BRDE Recursos provenientes

17 17 Sociais Básicos PMAT. c) Caminhos Escola. DOP/COP Escrit. Regionais d) Readequação Urbana DOP/COP Escrit. Regionais e) Mais Paraná - construção, ampliação, reabilitação ou reforma de obras de infraestrutura básica urbana, industrial, rural e turística. DOP/COP 2. Programa Parana Urbano III Escrit. Regionais - Dez Municipios - Dez Municipios Fev.13 Dez Municipios BRDE Recursos provenientes BRDE Recursos provenientes BRDE Recursos provenientes BRDE DOP/COP a) Desenvolvimento Escrit. Urbano Integra; Regionais Mobilide Urbana e Projetos Ambientais Financiamento Programa/Projetos em acima de 50 mil habitantes. b) Revitalização Urbana DOP/COP Escrit. Regionais c) Modernização Gestão Municipal d) Desenvolvimento Sustentável: - Edifícios verdes - praça - Barracão industrial - Parques DOP/CPR DOP/COP Escrit. Regionais Escrit. Regionais Jan/13 Dez./16 10 Jan/13 Dez./16 50 Jan/13 Dez./16 30 Jan/13 Dez./16 30 municipios Recursos provenientes BID Recursos provenientes BID Recursos provenientes BID Recursos provenientes BID

18 18 DAS AÇÕES DE DESENVOLVIMENTO E FORTALECIMENTO MUNICIPAL 1. Elaboração de Plano de Capacitação externa (clientes PARANACIDADE). a) Formação de Grupo de Trabalho para coordenação s cursos b) Levantamento s necessides cliente externo, nas áreas de: Planejamento Urbano; Urbanismo; Obras e Serviços Públicos; Financeira; Tributária; e Jurídica. c) Elaboração de cronograma e custos relativos as fases de implementação. d) Definição s cursos e) Realização de Relatório de Avaliação s etapas. DOP/DAF PJU - Jul/13 Formação, por expedição de Portaria. DOP PJU - Jul./13 Apuração s s identifican o nº de necessides. DOP/DAF - - Jul./13 Apresentação de Cronograma DOP/DAF PJU - Dez/13 Apresenta ção rol de cursos e seus respectivos módulos. DOP/DAF - - Dez/13 Apresentaçao Relatório 2. Elaboração de um Plano de MONITORAMENTO de Projetos Urbanos. a) Definição de critérios de supervisão de projetos urbanos. DOP AUD - Jul./13 Critérios fixas b) Definição de Amostra de Projetos a serem monitoras. DOP AUD - Jul./13 Amostra escolhi c) Realização DOP AUD - Out/14 Aplicação

19 19 monitoramento. Plano na Amostra d) Relatório de Avaliação DOP AUD - Out. 14 Apresentaçao s etapas. Relatório 3. Elaboração de um Plano de Fortalecimento Institucional de ; a) Elaboração de Manual de Diagnóstico Institucional b) Definição de amostras de c) Aplicação Manual Diagnóstico Institucional d) Relatório de Avaliação s participantes. e) Definição de projetos institucionais a serem implementas pelos. DOP PJU - Jun/13 Apresentação Manual DOP - Jun/13 Amostra escolhi DOP - Ago/13 Aplicação Manual na Amostra DOP PJU - Out/13 Apresentação Relatório DOP PJU - Out.13 Apresentação s projetos. 4. Parcerias com entides públicas e privas, compreenden: 4.1 conclusão de obras já inicias; Obras Unide de Atençao Primaria Saúde Família (antigo Centro de Saúde de Atenção à Mulher e à Criança) Centro de Referência de Assistência Social Centros Juventude (SECJ) Nº de Contratos Nº de municípios atendis Prazo Dez./13 Nº de atendis 9 9 Dez./13 Nº de atendis Dez./13 Nº de atendis , , ,08

20 20 Escola Municipal (SEED) 5 5 Dez./13 Nº de atendis Posto de Bombeiro Comunitário 2 2 Dez./13 Nº de atendis RECAP (2011) Dez./13 Nº de atendis RECAP (2012) 4 4 Dez./13 Nº de atendis PAM (2012) Dez./13 Nº de atendis , , , , , Programa SEDU/PARANACIDADE Interativo; a) Desenvolvimento, implantação e implementação sistema. CPR/PJU - Dez./13 Sistema operacionaliza 4.3 Termo de Cooperação Técnica entre a UFPR e o PARANACIDADE para definição de convenções de representações cartográficas de mapas temáticos urbanos; a) Definição de convenções de representações cartográficas de mapas temáticos urbanos sistema viário. CPR - - Dez/13 Apresentação de Caderno Técnico conten as convenções.

21 Preparação Programa PARANA URBANO III a) Preparação cumentação técnica visan a contratação operação de crédito externo junto ao BID. SUPEX/ DOP/CECR PJU - Maio a Ago13 Documentos: a) Proposta de Desenv. de Operação; b) Contratação. 4.5 Preparação e acompanhamento de projetos e supervisão de obras custeas com recursos Tesouro Esta e FDU Ren Líqui, transferis a título não reembolsável; Supervisão de obras. COP/PJU/ Tos os ER s - - Dez/ Formalização de cumento operacional com o BRDE Programa BRDE Mais Paraná. convenio a) formalização de convênio para financiamento aos. SUP/SUPEX DOP /DAF - Fev./13 Convênio publica

22 VI. PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA 22

23 PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA PARA O EXERCÍCIO DE 2013 SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO PARANACIDADE PREVISÃO DE RECEITAS DISCRIMINAÇÃO R$ 1,00 R$ 1,00 NO EXERCÍCIO PREVISÃO DE DESEMBOLSOS APLICAÇÕES DISCRIMINAÇÃO NO EXERCÍCIO - Contrato de Gestão MANUTENÇÃO - Agência de Fomento ( 1 ) Pessoal Rendimentos de Aplicações Financeiras Custeio Alienação de Imobiliza Investimento Outras Receitas TOTAL SALDO CONTA BANCÁRIA EM 30/11/ TOTAL GERAL TOTAL ( 1 ) - receita sobre o desembolso de R$ milhões NOTAS: - O excedente financeiro será manti no capital de giro e aplica no merca financeiro.

24 24 PROPOSTA ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA PARA O EXERCÍCIO DE 2013 FUNDO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO URBANO - F D U PREVISÃO DE RECEITAS DISCRIMINAÇÃO R$ 1,00 R$ 1,00 APLICAÇÕES NO EXERCÍCIO PREVISÃO DE DESEMBOLSOS DISCRIMINAÇÃO NO EXERCÍCIO. Rendimentos de Aplicações Financeiras CONTRATO DE GESTÃO Retorno de Programa PPU II Manutenção Paranacide RENDA LÍQUIDA - DECRETO 5927/ Quadras Cobertas, Posto de Bombeiros Comunitários, Pavimentações Vias Urbanas, Merca Peixe,Iluminação Pública,Hospital,Elaboração de Projetos,Drenagem Urbana,Creche, Barracão Industrial e Equipamentos TOTAL SALDO CONTA BANCÁRIA EM 30/11/ TOTAL GERAL TOTAL

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO PARA 2012

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO PARA 2012 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICO PARA 2012 O planejamento não diz respeito a decisões futuras, mas às implicações futuras de decisões presentes (Peter Drucker) 2 I. SUMARIO II. APRESENTAÇÃO III. BASE ESTRATÉGICA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA PARA 2014 1 2 I. SUMARIO II. APRESENTAÇÃO... 03 III. BASE ESTRATÉGICA... 04 IV. PRINCIPIOS... 06 V. DESENVOLVIMENTO ESTRATEGICO Analise do Ambiente... 07 Externo: Definir as oportunidas

Leia mais

Plano de Ação Estratégica

Plano de Ação Estratégica Plano de Ação Estratégica 2016 20 anos PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA PARA 2016 1 2 I. SUMARIO II. APRESENTAÇÃO... 03 III. BASE ESTRATÉGICA... 04 IV. PRINCIPIOS... 06 V. DESENVOLVIMENTO ESTRATEGICO Analise

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2009

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2009 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2009 Curitiba, dezembro de 2008 2 APRESENTAÇÃO Em atendimento ao contido na legislação, bem como no Estatuto, a Diretoria Executiva do PARANACIDADE submete à apreciação e aprovação

Leia mais

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração

Universidade de Brasília Sistema de Planejamento Institucional Secretaria de Planejamento Decanato de Administração Anexo T Projetos Estratégicos Institucionais 1 Projetos Estratégicos da UnB 1 O processo de modernização da gestão universitária contempla projetos estratégicos relacionados à reestruturação organizacional

Leia mais

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2006

PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2006 PLANO DE AÇÃO ESTRATÉGICA 2006 Curitiba, dezembro de 2005 APRESENTAÇÃO Em atendimento ao disposto na legislação, bem como no Estatuto, a Diretoria Executiva do PARANACIDADE submete, à apreciação e conseqüente

Leia mais

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS

12.1 AÇÕES E INDICAÇÕES DE PROJETOS 43 Considerando os Objetivos Estratégicos, Indicadores e Metas, foram elaboradas para cada Objetivo, as Ações e indicados Projetos com uma concepção corporativa. O Plano Operacional possui um caráter sistêmico,

Leia mais

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020

ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 ANEXO I PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO 2014-2020 1 Missão 2 Exercer o controle externo da administração pública municipal, contribuindo para o seu aperfeiçoamento, em benefício da sociedade. Visão Ser reconhecida

Leia mais

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016

Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação PETI 2014-2016 Versão 1.0 1 APRESENTAÇÃO O Planejamento

Leia mais

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO

NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO NOTA TÉCNICA 44 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO OPERATIVO Brasília, 28 de outubro de 2013 A POLÍTICA NACIONAL DE INFORMAÇÃO E INFORMÁTICA EM SAÚDE E SEU PLANO

Leia mais

PROGRAMA MP: A CASA DO CIDADÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA

PROGRAMA MP: A CASA DO CIDADÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA PROGRAMA MP: A CASA DO CIDADÃO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA EXCELÊNCIA NA GESTÃO INSTITUCIONAL PRODUTO: CRIAÇÃO DO DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA E ARQUITETURA, COM CLARA DIVISÃO DE TAREFAS E OBJETIVOS

Leia mais

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ

SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ SEÇÃO JUDICIÁRIA DO PARANÁ MISSÃO: Garantir prestação jurisdicional rápida, acessível e efetiva no âmbito da sua competência. DESCRIÇÃO DA MISSÃO: A Justiça Federal no Paraná existe para garantir direitos

Leia mais

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI

ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI ESCRITÓRIO DE PROJETOS CORPORATIVO DO INPI O modelo implantado e as lições aprendidas PEDRO BURLANDY Maio/2011 SUMÁRIO 1. PREMISSAS E RESTRIÇÕES 2. DIAGNÓSTICO SUMÁRIO 3. O PROBLEMA E A META 4. O MODELO

Leia mais

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação

Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA Regimento da Superintendência de Tecnologia da Informação DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO DA SUPERINTENDÊNCIA Capítulo I - DA

Leia mais

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI

Objetivos. PDI - Plano Diretor de Informática. O que é? Como é feito? Quanto dura sua elaboração? Impactos da não execução do PDI Objetivos Assegurar que os esforços despendidos na área de informática sejam consistentes com as estratégias, políticas e objetivos da organização como um todo; Proporcionar uma estrutura de serviços na

Leia mais

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014.

ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. ANEXO XXII POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO DE FOZ DO IGUAÇU LEI Nº 4.291, DE 31 DE OUTUBRO DE 2014. DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE TURISMO, PREVISTA NO CAPÍTULO X, DO TÍTULO V, DA LEI ORGÂNICA DO MUNICÍPIO,

Leia mais

Contrata Consultor na modalidade Produto

Contrata Consultor na modalidade Produto Contrata Consultor na modalidade Produto PROJETO 914BRZ4011 EDITAL Nº 005/2010 1. Perfil: Iphan Central 28 - Republicação 3. Qualificação educacional: Profissional com nível superior em Direito preferencialmente

Leia mais

8. Excelência no Ensino Superior

8. Excelência no Ensino Superior 8. Excelência no Ensino Superior PROGRAMA: 08 Órgão Responsável: Contextualização: Excelência no Ensino Superior Secretaria de Estado da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior - SETI O Programa busca,

Leia mais

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO

ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO ANEXO À RESOLUÇÃO Nº /2010 REGIMENTO DA DIRETORIA DE TECNOLOGIA DE INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Art. 1º - A Diretoria de Tecnologia de Informação e Comunicação DTIC da Universidade FEDERAL DO ESTADO DO RIO

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO DO PARÁ MPCM CONCURSO PÚBLICO N.º 01/2015 DO MINISTÉRIO PÚBLICO DE CONTAS DOS MUNICÍPIOS DO ESTADO 1 / 5 ANEXO 03 INFORMAÇÕES DOS CARGOS 1. CARGOS DE NÍVEL MÉDIO Cargo 01 Técnico em Administração Realizar atividades que envolvam a aplicação das

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO

EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012. Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO EDITAL DE SELEÇÃO DE PROJETOS Nº /2012 Anexo II PROGRAMA DE TRABALHO Este anexo estabelece o programa de trabalho e resultados para a OSCIP com a fixação de direitos, obrigações, prazos de execução e critérios

Leia mais

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO

REGULAMENTO DA ASSESSORIA DE PLANEJAMENTO REGULAMENTO DA ASSESSORIA PLANEJAMENTO (RES. Nº 280/99-CAD) CAPÍTULO I DA FINALIDA Art. 1º - A Assessoria de Planejamento (ASP), órgão da reitoria, é responsável pela análise da evolução da Universidade

Leia mais

Soluções em Tecnologia da Informação

Soluções em Tecnologia da Informação Soluções em Tecnologia da Informação Curitiba Paraná Salvador Bahia A DTS Sistemas é uma empresa familiar de Tecnologia da Informação, fundada em 1995, especializada no desenvolvimento de soluções empresariais.

Leia mais

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal

Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Agenda Nacional de Apoio à Gestão Municipal Mapa de obras contratadas pela CEF, em andamento com recursos do Governo Federal 5.048

Leia mais

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil

Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos. Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Etapas para a Elaboração de Planos de Mobilidade Participativos Nívea Oppermann Peixoto, Ms Coordenadora Desenvolvimento Urbano EMBARQ Brasil Novo cenário da mobilidade urbana Plano de Mobilidade Urbana:

Leia mais

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia

Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Ricardo Paulino Gerente de Processos e Estratégia Agenda Sobre a Ferrettigroup Brasil O Escritório de Processos Estratégia Adotada Operacionalização do Escritório de Processos Cenário Atual Próximos Desafios

Leia mais

MODELO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO COMO BASE DA AÇÃO COMERCIAL DE PEQUENAS EMPRESAS DE TI

MODELO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO COMO BASE DA AÇÃO COMERCIAL DE PEQUENAS EMPRESAS DE TI MODELO DE GESTÃO DA INFORMAÇÃO COMO BASE DA AÇÃO COMERCIAL DE PEQUENAS EMPRESAS DE TI Lina Krafta Proposta de Dissertação de Mestrado Orientador: Prof. Dr. Henrique Freitas Porto Alegre, 21 de Dezembro

Leia mais

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR

PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA PARA SOLUCIONAR E/OU MINIMIZAR PRÓ-REITORIA DE PLANEJAMENTO COORDENADORIA DE ACOMPANHAMENTO E AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL SÍNTESE DE RELATORIO DE AUTOAVALIAÇÃO INSTITUCIONAL E DE AVALIAÇÃO EXTERNA PONTOS FRACOS E PONTOS FORTES E PROPOSTA

Leia mais

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG

Status: Ativo. Natureza: Aberto. Revisado por: GCMIG Referência: CPA-075-2008 Versão: 1.0 Status: Ativo Data: 09/julho/2008 Natureza: Aberto Número de páginas: 10 Origem: GCMIG e GEOPI Revisado por: GCMIG Aprovado por: GCMIG Título: Proposta para a promoção

Leia mais

Apresentação A Investe Rio é uma instituição financeira não bancária, sociedade de economia mista com personalidade jurídica de direito privado, vinculada à Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Energia,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA

TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA (TR) GAUD 4.6.8 01 VAGA 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Contratação de consultoria pessoa física para serviços de preparação

Leia mais

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012

Ministério de Planejamento Orçamento e Gestão Secretaria de Orçamento Federal. Ações Orçamentárias Integrantes da Lei Orçamentária para 2012 Programa 2115 - Programa de Gestão e Manutenção do Ministério da Saúde 0110 - Contribuição à Previdência Privada Tipo: Operações Especiais Número de Ações 78 Assegurar às autarquias, fundações, empresas

Leia mais

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS

1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1. COMPETÊNCIAS DAS DIRETORIAS 1.1. Diretoria Executiva (DEX) À Diretora Executiva, além de planejar, organizar, coordenar, dirigir e controlar as atividades da Fundação, bem como cumprir e fazer cumprir

Leia mais

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas

Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas Infraestrutura de informações geoespaciais e georreferenciadas 1. Apresentação do Problema Epitácio José Paes Brunet É cada vez mais expressiva, hoje, nas cidades brasileiras, uma nova cultura que passa

Leia mais

Política Ambiental das Empresas Eletrobras

Política Ambiental das Empresas Eletrobras Política Ambiental das Empresas Eletrobras Versão 2.0 16/05/2013 Sumário 1 Objetivo... 3 2 Princípios... 3 3 Diretrizes... 3 3.1 Diretrizes Gerais... 3 3.1.1 Articulação Interna... 3 3.1.2 Articulação

Leia mais

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014.

PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. PORTARIA Nº 7.596, DE 11 DE DEZEMBRO DE 2014. Regulamenta as atribuições e responsabilidades da Secretaria de Tecnologia da Informação e Comunicações do Tribunal Regional do Trabalho da 4ª Região e dá

Leia mais

ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca

ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT. Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca ALINHAMENTO DE PROCESSOS COM A ESTRATÉGIA DA ANTT Nenhum vento sopra a favor de quem não sabe aonde ir. Sêneca novembro 2012 Agenda Apresentação do escopo do projeto Metodologia Gestão de Processos Análise

Leia mais

LEI Nº 6313, DE 30 DE ABRIL DE 2002

LEI Nº 6313, DE 30 DE ABRIL DE 2002 ESTADO DE ALAGOAS GABINETE DO GOVERNADOR LEI Nº 6313, DE 30 DE ABRIL DE 2002 DISPÕE SOBRE A ESTRUTURA ORGANIZACIONAL E AS ATRIBUIÇÕES DO INSTITUTO DE TECNOLOGIA EM INFORMÁTICA E INFORMAÇÃO DO ESTADO DE

Leia mais

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS

SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS SIMPLIFICAÇÃO DE PROCESSOS 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Simplificar e padronizar os processos internos, incrementando o atendimento ao usuário. Especificamente o projeto tem o objetivo de: Permitir

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO VII PROJETO BÁSICO: DESCRIÇÃO DOS MACROPROCESSOS DO BNDES 1. Introdução As tabelas a seguir apresentam os MACROPROCESSOS do BNDES, segregados por plataformas. As

Leia mais

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão:

CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável Missão: O CIEDS, Centro Integrado de Estudos e Programas de Desenvolvimento Sustentável, é uma Instituição Social Sem Fins Lucrativos, de Utilidade Pública Federal, fundada em 1998, com sede na cidade do Rio de

Leia mais

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul

Planejamento Estratégico de TIC. da Justiça Militar do Estado. do Rio Grande do Sul Planejamento Estratégico de TIC da Justiça Militar do Estado do Rio Grande do Sul MAPA ESTRATÉGICO DE TIC DA JUSTIÇA MILITAR DO ESTADO (RS) MISSÃO: Gerar, manter e atualizar soluções tecnológicas eficazes,

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009

CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Institui o Planejamento Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação no âmbito do Poder Judiciário. O PRESIDENTE DO CONSELHO

Leia mais

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS

PROGRAMA PROREDES BIRD - RS PROGRAMA PROREDES BIRD - RS TERMO DE REFERÊNCIA Nº TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA COM VISTAS À DEFINIÇÃO, ELABORAÇÃO E IMPLEMENTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE GESTÃO ESTRATÉGICA PARA O DEPARTAMENTO

Leia mais

XII Congresso Catarinense de Municípios

XII Congresso Catarinense de Municípios XII Congresso Catarinense de Municípios Linha de Financiamento para Modernização da Administração Tributária e da Gestão dos Setores Sociais Básicos - BNDES PMAT e BNDES PMAT Automático O que é o PMAT?

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC PLANO DE DESENVOLVIMENTO DE RECURSOS HUMANOS DA FUNDAÇÃO MUNICIPAL DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO DE CANOAS CANOASTEC Institui o Plano de Desenvolvimento de Recursos Humanos criando o Quadro

Leia mais

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes

Capítulo I Âmbito de Aplicação, Objetivos e Diretrizes MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE MINAS GERAIS COORDENAÇÃO GERAL DE DESENVOLVIMENTO ESTUDANTIL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE ALIMENTAÇÃO ESTUDANTIL Capítulo I Âmbito de Aplicação,

Leia mais

GRUPO DE TRABALHO INTERFEDERATIVO PARA ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE DESBUROCRATIZAÇÃO DOS CONVÊNIOS CRIAÇÃO, FINALIDADE E PLANO DE TRABALHO

GRUPO DE TRABALHO INTERFEDERATIVO PARA ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE DESBUROCRATIZAÇÃO DOS CONVÊNIOS CRIAÇÃO, FINALIDADE E PLANO DE TRABALHO GRUPO DE TRABALHO INTERFEDERATIVO PARA ACOMPANHAMENTO DO PROCESSO DE DESBUROCRATIZAÇÃO DOS CONVÊNIOS CRIAÇÃO, FINALIDADE E PLANO DE TRABALHO MARÇO, 2012 CRIAÇÃO Criado pela Resolução CAF n 11, de 24 de

Leia mais

Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos

Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos BNDES PMAT Linha de Financiamento para a Modernização da Gestão Tributária e dos Setores Sociais Básicos Encontro Nacional de Tecnologia da Informação para os Municípios e do Software Público Brasileiro

Leia mais

O BADESUL Agência de Desenvolvimento, controlada pelo Governo Estadual, integra Sistema

O BADESUL Agência de Desenvolvimento, controlada pelo Governo Estadual, integra Sistema O BADESUL Agência de Desenvolvimento, controlada pelo Governo Estadual, integra o Sistema de Desenvolvimento do Estado coordenado pela Secretaria de Desenvolvimento e Promoção do Investimento SDPI. Tem

Leia mais

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini

Outubro 2009. Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Outubro 2009 Carlos Eduardo Bizzotto Gisa Melo Bassalo Marcos Suassuna Sheila Pires Tony Chierighini Sustentabilidade Articulação Ampliação dos limites Sistematização Elementos do Novo Modelo Incubação

Leia mais

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ

Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Resoluções nº 90 e nº 99 de 2009 CNJ Março COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO - CGTIC 2 ÍNDICE PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO... 3 Apresentação...

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO DO MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE: Por um MP mais eficiente Natal, 2011 1. Quem somos 2. Histórico da Gestão Estratégica 3. Resultados práticos 4. Revisão

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA

PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS ESTADO DA BAHIA _ LEI Nº 429/07 Cria a Secretaria Municipal de Planejamento, Desenvolvimento e Gestão, e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Teixeira de Freitas, Estado da Bahia. Faço saber que a Câmara Municipal

Leia mais

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI)

Planejamento Estratégico da Tecnologia da Informação (PETI) 00 dd/mm/aaaa 1/15 ORIGEM Instituto Federal da Bahia Comitê de Tecnologia da Informação ABRANGÊNCIA Este da Informação abrange todo o IFBA. SUMÁRIO 1. Escopo 2. Documentos de referência 3. Metodologia

Leia mais

I Efetivação do compromisso social da UFAL com o Estado de Alagoas;

I Efetivação do compromisso social da UFAL com o Estado de Alagoas; PROGRAMA DE APOIO À UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALAGOAS PARA O DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES INTEGRADAS PARA O ESTADO DE ALAGOAS PROUFAL 1. OBJETIVO Apoiar a Universidade Federal de Alagoas UFAL nas atividades

Leia mais

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978

Federação de Sindicatos de Trabalhadores das Universidades Brasileiras Fundada em 19 de dezembro de 1978 GT HUE s e SEMINÁRIO Realizado no período de 12 a 14 de abril de 2010 PROPOSTA PRELIMINAR DE HOSPITAIS UNIVERSITÁRIOS E DE ENSINO E CENTROS HOSPITALARES DE SAÚDE ESCOLA (HUE S) CAPÍTULO I Artigo 1º. Este

Leia mais

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário

ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário RESOLUÇÃO Nº 99, DE 24 DE NOVEMBRO DE 2009 Dispõe sobre o Planejamento Estratégico de TIC no âmbito do Poder Judiciário e dá outras providências. ANEXO I A Estratégia de TIC do Poder Judiciário Planejamento

Leia mais

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica)

Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) Anexo III Contratações de Serviços de Consultoria (Pessoa Física e Jurídica) No decorrer da execução do Projeto, e tão logo sejam definidos os perfis dos consultores necessários para a consecução dos produtos

Leia mais

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC

Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA. Levantamento da Gestão de TIC Relatório de Consultoria PD.33.10.83A.0080A/RT-05-AA Levantamento da Gestão de TIC Cotação: 23424/09 Cliente: PRODABEL Contato: Carlos Bizzoto E-mail: cbizz@pbh.gov.br Endereço: Avenida Presidente Carlos

Leia mais

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada

CONSULTA PÚBLICA até 28/08/2009. até a data acima mencionada CONSULTA PÚBLICA O Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social BNDES está preparando processo licitatório para contratação de serviços de consultoria técnica especializada, conforme detalhado

Leia mais

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT.

Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável. Aperfeiçoamento e Modernização Institucional do Tesouro Nacional - PROMAT. Programa 0773 Gestão da Política de Administração Financeira e Contábil da União Ações Orçamentárias Número de Ações 16 1O600000 Assistência Técnica ao Crescimento Eqüitativo e Sustentável Produto: Projeto

Leia mais

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA

GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO 2 JUSTIFICATIVA GESTÃO EFICIENTE 1 FINALIDADE DO PROJETO ESTRATÉGICO Promover eficiência na gestão de recursos para assegurar a realização da Estratégia, a partir de uma política organizacional de planejamento e execução

Leia mais

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF

I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 1 I. AMBIENTE DE MERCADO II. RESULTADOS III. NOVOS PROJETOS UTVM IV. NOVOS PROJETOS UF 2 Crédito ainda em Expansão, mas Desacelerando 30,7% Crescimento do Crédito 15,1% 20,6% 18,8% 16,4% 14,7% 11,7% 2008

Leia mais

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região

Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação. Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Plano Estratégico de Tecnologia da Informação e Comunicação Tribunal Regional do Trabalho da 10ª Região Dezembro/2010 2 TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Missão: Prover soluções efetivas de tecnologia

Leia mais

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005

SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 NOVO MODELO DE GESTÃO 1 ANO DE GOVERNO SITUAÇÃO AOS 100 DIAS DE GOVERNO APRESENTADO NA FEDERASUL EM ABRIL DE 2005 DIAGNÓSTICO POSIÇÃO EM 31/12/2004 Dívidas de curto prazo 175,8 MILHÕES Disponibilidades

Leia mais

Sumário. Antecedentes legais. Atividades relevantes. O que é o SIGAP. Estrutura simplificada do SIGAP. Principais benefícios

Sumário. Antecedentes legais. Atividades relevantes. O que é o SIGAP. Estrutura simplificada do SIGAP. Principais benefícios Sumário Antecedentes legais Atividades relevantes O que é o SIGAP Relevância do SIGAP para o acompanhamento de projetos Estrutura simplificada do SIGAP Principais benefícios Atividades em desenvolvimento

Leia mais

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL BRDE-2010/234 ANEXO IV INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS DO BRDE ÍNDICE

EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL BRDE-2010/234 ANEXO IV INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS DO BRDE ÍNDICE EDITAL DE LICITAÇÃO PREGÃO PRESENCIAL BRDE-2010/234 ANEXO IV INFORMAÇÕES INSTITUCIONAIS DO BRDE ÍNDICE 1. CARACTERIZAÇÃO E MISSÃO...2 2. ESTRUTURA ORGANIZACIONAL...2 3. LINHAS DE APOIO FINANCEIRO...5 4.

Leia mais

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO

ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL - ESPECIALISTA EM TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO/DESENVOLVIMENTO Requisitos: graduação em qualquer curso da área de Tecnologia da Informação - Elaborar

Leia mais

PAEX Parceiros para a Excelência

PAEX Parceiros para a Excelência PAEX Parceiros para a Excelência Estabelecer parcerias por melhores resultados: uma prática comum na natureza e nas empresas que querem se desenvolver. CONHECA A FDC Alianças Internacionais: Uma Escola

Leia mais

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br

PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE. www.ucp.fazenda.gov.br COORDENAÇÃO-GERAL DE PROGRAMAS E PROJETOS DE COOPERAÇÃO COOPE www.ucp.fazenda.gov.br PROGRAMAS EM ANDAMENTO Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM

Leia mais

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL

PODER EXECUTIVO ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL ANEXO I ATRIBUIÇÕES DO CARGO DE ESPECIALISTA EM POLÍTICAS PÚBLICAS E GESTÃO GOVERNAMENTAL a) formulação, implantação e avaliação de políticas públicas voltadas para o desenvolvimento sócio-econômico e

Leia mais

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013

EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 EDUARDO TADEU SAGGIORATO Gerente de Negócios e Operações NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público 21.02.2013 QUEM SOMOS Legal Instituição Financeira do Estado de São Paulo, vinculada a Secretaria

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO INSTITUCIONAL 2014-2018 (Síntese da Matriz estratégica) Texto aprovado na 19ª Reunião Extraordinária do CONSUNI, em 04 de novembro de 2013. MISSÃO Ser uma Universidade que valoriza

Leia mais

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED

Importância do GED. Implantação de um Sistema de GED Implantação de um Sistema de GED Gerenciamento Eletrônico de Documentos Importância do GED O GED tem uma importante contribuição na tarefa da gestão eficiente da informação; É a chave para a melhoria da

Leia mais

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social Novembro 2009 DEPARTAMENTO REGIONAL NORDESTE - DENOR O que apoiamos Projetos de investimento em indústria, comércio e serviços aumento da capacidade

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG

RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG Secretaria Geral RESOLUÇÃO Nº 052/2011, DE 25 DE OUTUBRO DE 2011 CONSELHO UNIVERSITÁRIO UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS UNIFAL-MG O Conselho

Leia mais

REGULAMENTO MES MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS Universidade Ibirapuera Aprovado pela Res. CONSUN nº 10/07, de 19.09.07 REGULAMENTO MES - MECANISMOS DE ESTUDOS SISTÊMICOS TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Leia mais

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal

III Seminário de Gestão e. Arrecadação Municipal III Seminário de Gestão e iza Arrecadação Municipal Modernização dos Instrumentos de Arrecadação Fontes de Financiamento para Fazendas Públicas Municipais. Temas abordados no evento: 1. Alternativas de

Leia mais

NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público

NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público NADSON XAVIER SOARES Gerente do Setor Público Instituição financeira do Governo do Estado de São Paulo, que promove o desenvolvimento sustentável por meio de operações de crédito consciente e de longo

Leia mais

Minuta Relatório de resultados do PDTI anterior

Minuta Relatório de resultados do PDTI anterior RELATÓRIO DE RESULTADOS DO PDTI ANTERIOR Outubro de 2011 Elaborado pelo Grupo de Trabalho Intersetorial para elaboração do Plano Diretor de Tecnologia de Informação PDTI, nos termos da Portaria nº 4551,

Leia mais

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br

INSTITUTO NACIONAL DE TECNOLOGIA Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico para a Inovação www.int.gov.br Empresas Empresas Empresas Grupo de Trabalho EMBRAPII Projeto Piloto de Aliança Estratégica Pública e Privada Agosto 2011 Embrapii: P&D Pré-competitivo Fase intermediária do processo inovativo Essencial

Leia mais

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS

INTRODUÇÃO OBJETIVOS GERAIS E ESPECÍFICOS INTRODUÇÃO Com base no Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais - REHUF, destinado à reestruturação e revitalização dos hospitais das universidades federais, integrados

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO PARANACIDADE

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO PARANACIDADE 1 ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO 2 ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTONÔMO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE E JURISDIÇÃO Art. 1º - O, Serviço Social Autônomo, pessoa jurídica de direito privado,

Leia mais

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011

RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 RESOLUÇÃO - TCU Nº 247, de 7 de dezembro de 2011 Dispõe sobre a Política de Governança de Tecnologia da Informação do Tribunal de Contas da União (PGTI/TCU). O TRIBUNAL DE CONTAS DA UNIÃO, no uso de suas

Leia mais

RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014.

RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. RESOLUÇÃO N 92, DE 10 DE OUTUBRO DE 2014. Regulamenta o compartilhamento, entre o CAU/BR e os CAU/UF, da gestão, manutenção, evolução e despesas relativas ao Centro de Serviços Compartilhados do Conselho

Leia mais

A Previdência Social vive um novo tempo

A Previdência Social vive um novo tempo A vive um novo tempo Castro dos Segurados Especiais Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal Brasília, 15 de setembro de 2009 Legislação Segurado Especial Constituição de 1988 - Art.

Leia mais

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016

PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 PLANO SAFRA DA PESCA E AQUICULTURA 2015/2016 Pilares do PSPA CRÉDITO PROMOÇÃO PROMOÇÃO DO DO CONSUMO PESQUEIRO PSPA INFRAESTRUTURA ASSISTÊNCIA TÉCNICA COMERCIALI

Leia mais

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007

IMPORTANTE: Este documento não substitui o original aprovado pela Decisão n o 11/2007 da Congregação da FFFCMPA em 21 de dezembro de 2007 COMISSÃO DE ELABORAÇÃO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO E APERFEIÇOAMENTO E DO PROGRAMA DE AVALIAÇÃO DE DESEMPENHO DOS INTEGRANTES DO PLANO DE CARREIRA DOS CARGOS TÉCNICO-ADMINISTRATIVOS EM EDUCAÇÃO PROGRAMA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA

REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA REGIMENTO INTERNO DA SECRETARIA DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO SETIC CAPÍTULO I CATEGORIA Art. 1º. A Secretaria de Tecnologia de Informação e Comunicação SETIC é um Órgão Suplementar Superior

Leia mais

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+

Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ Ministério de Minas e Energia Centrais Elétricas Brasileiras S.A. Eletrobras ANEXO VI DESCRIÇÃO DO PROJETO ENERGIA+ CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA A PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE ORGANIZAÇÃO DE CONGRESSOS, EXPOSIÇÕES,

Leia mais

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014

Auditoria Interna. Planejamento Estratégico 2014 Auditoria Interna Planejamento Estratégico 2014 1 Sumário APRESENTAÇÃO... 3 METODOLOGIA DO PLANEJAMENTO... 4 MISSÃO... 5 VISÃO... 5 VALORES... 5 ANÁLISE AMBIENTAL... 6 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS... 6 MACROPROCESSO

Leia mais

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES

ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES ANEXO III CONDIÇÕES E CRITÉRIOS DE AVALIAÇÃO PARA APOIO A ESTUDOS, PESQUISAS E PROJETOS INOVADORES I ÁREAS DE INTERESSE Criança e Adolescente Apoio a Estudos e Pesquisas e Projetos Inovadores para promoção,

Leia mais

SEÇÃO TÉCNICA DE FINANÇAS

SEÇÃO TÉCNICA DE FINANÇAS SEÇÃO TÉCNICA DE FINANÇAS Missão A Seção Técnica de Finanças tem a missão de Controlar e Executar os recursos orçamentários e financeiros, fornecendo informações técnicas e legais que fundamentem as decisões

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional

Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Pró-Reitoria de Desenvolvimento Institucional Osvaldo Casares Pinto Pró-Reitor Des. Institucional José Eli S. Santos Diretor Dep. Planej. Estratégico junho de 2015 Plano de Desenvolvimento Institucional

Leia mais

14/Mar/2013 :: Edição 31 ::

14/Mar/2013 :: Edição 31 :: 14/Mar/2013 :: Edição 31 :: Cadernos do Poder Executivo Poder Geraldo Julio de Mello Filho Executivo DECRETO Nº 26.993 DE 13 DE MARÇO DE 2013 EMENTA: Descreve as competências e atribuições dos cargos comissionados

Leia mais

O que é o PMAT e qual o seu objetivo

O que é o PMAT e qual o seu objetivo BNDES PMAT O que é o PMAT e qual o seu objetivo É uma modalidade de financiamento do BNDES, que tem como objetivo auxiliar na modernização da administração tributária e a melhoria da qualidade do gasto

Leia mais

Criado em 1952, o BNDES é uma empresa pública federal, sendo o principal instrumento de financiamento de longo prazo da economia brasileira

Criado em 1952, o BNDES é uma empresa pública federal, sendo o principal instrumento de financiamento de longo prazo da economia brasileira BNDES Criado em 1952, o BNDES é uma empresa pública federal, sendo o principal instrumento de financiamento de longo prazo da economia brasileira Missão: Promover o desenvolvimento sustentável e competitivo

Leia mais