AS CRÔNICAS DE HAGAMIR AS VIAGENS DE TUD LIVRO 1, CHEGADA. por Fábio Campelo Teixeira. Iniciado em 14/10/2013.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "AS CRÔNICAS DE HAGAMIR AS VIAGENS DE TUD LIVRO 1, CHEGADA. por Fábio Campelo Teixeira. Iniciado em 14/10/2013."

Transcrição

1 AS CRÔNICAS DE HAGAMIR AS VIAGENS DE TUD LIVRO 1, CHEGADA por Fábio Campelo Teixeira. Iniciado em 14/10/2013.

2 CAPÍTULO 1 O hipersono é a experiência mais próxima da morte que um ser humano é capaz de vivenciar estando ainda vivo. Durante os longos anos que o translado intergaláctico dura, os sinais vitais do corpo ficam bem próximos a zero, enquanto este permanece imerso em líquido amniótico sintético. Durante esse processo, livre de suas amarras físicas, a mente afunda-se em seu âmago, transformando o hipersono em um profundo período de contemplação e meditação para alguns, e em um longo pesadelo repleto de um primitivo e indescritível horror para outros tantos. Para Tud, cuja a alma ansiava por períodos de isolamento, o hipersono nunca havia sido uma experiência desagradável. Ao longo dos anos, enquanto seu cérebro encontrava-se desligado do vasto aparato sensorial de seu corpo, sua mente havia afundado-se em seus mais profundos abismos e explorado as mais obscuras reintrâncias e as mais gloriosas alturas de seu ser, havia encarado seu subconsciente e o seu inconsciente, deparando-se com seus mais arraigados traumas e suas mais felizes recordações, revivendo naquele limitado espaço de tempo, boa parte de sua vida. Havia explorado desde os aspectos mais primevos até as porções mais sofisticadas do complexo conjunto heterogênico que compunham o seu ser. Estava ainda profundamente imersa em si mesma quando, subitamente, começou a perceber o áspero, mecânico e repetitivo som dos alarmes automáticos da nave, se esforçando ao máximo para retirá-la de seu estado de hibernação. Ainda coberta pelo muco amniótico sintético, Tud despertou no mundo de caos estridente em que a imensa câmara de hipersono da nave havia se transformado. Luzes ofuscantes e alarmes estridentes berravam urgência por toda parte, enquanto as unidades robóticas de manutenção corriam em disparado de um lado para o outro no vasto recinto, verificando a integridade dos hiperleitos, onde estavam alocados os últimos sobreviventes de um mundo que, aquela hora, não mais existia. Mesmo em seu estado de confusão, Tud tinha consciência o suficiente para saber que o despertar do hipersono seria muito mais suave e consideravelmente menos caótico do que o quadro que vivenciava naquele momento, alguma coisa tinha dado muito errado com a missão! CAPÍTULO - 2 Lutando contra a confusão mental e a sensação de torpor que ainda adormeciam seus membros e sentidos, Tud correu na direção do terminal de controle mais próximo. O caos que imperava ao seu redor lhe dizia que algo terrivelmente errado havia acontecido mas ainda não tinha a menor de qual era o real problema. O terminal holográfico se ascendeu quando os sensores detectaram a presença da oficial de voo da Gilgamesh e ela pode, finalmente, começar a avaliar a extensão da tragédia que ocorria: Todo o sistema de suporte da gigantesca nave havia entrado em colapso, afetando os sistemas que controlavam o funcionamento das capsulas de hipersono. Os números surgiam no monitor e com frieza implacável anunciavam a morte de quase a metade de toda tripulação e dos colonos e, se não agisse rapidamente, ela seria o único ser vivo dentro da imensa nave. Com um comando neural, Tud acessou a neurorede da Gilgamesh, iniciando um escaneamento espacial de média distância. Enquanto aguardava os resultados do escaneamento, com outro comando mental isolou as câmaras de hipersono ainda não afetadas pela pane, retirandoas dos sistemas integrados. Enquanto realizava essas operações, mais dez tripulantes haviam morrido, tornando ainda mais viva em sua mente a imagem da nave enquanto um imenso cemitério vagando pelo vácuo cósmico. Em nome de Mavors, o que aconteceu aqui? - O cérebro de Tud funcionava furiosamente enquanto tentava se concentrar nos dados dos sensores. O tempo se esgotava rapidamente e os sinais vitais de metade dos sobreviventes começavam a falhar. Quando tudo parecia perdido, uma tênue esperança surgiu no horizonte: um planeta habitável a menos de um parsec de distância.

3 CAPÍTULO - 3 Protocolos de evacuação! - Tud sabia que lançar os sobreviventes em um mundo alienígena, sem prévia preparação nem informações detalhadas podia ser quase tão mortal quanto mantê-los vagando a esmo pelo vácuo sideral. Seguindo os protocolos para esse tipo de situação, programou as coordenadas do planeta no sistema de navegação auxiliar da nave. Não sabia o que havia dado errado na missão mas, naquele momento, somente podia esperar que os protocolos de isolamento das capsulas de animação suspensa funcionassem a contento e impedissem novas mortes, enquanto a nave se dirigia para o novo mundo. Em seguida, selecionou trinta e cinco membros da tripulação e ordenou que a nave alocasse seus leitos de hipersono em um dos módulos auxiliares da Gilgamesh, eles seriam seu grupo de colonização, os responsáveis por estabelecer uma cabeça de ponte no novo mundo. Uma por uma as cápsulas de hipersono do grupo de descida foram tragadas pela fuselagem da nave e alocadas no módulo auxiliar, Tud conferiu uma última vez os sistemas de redundância que, agora, protegiam os leitos dos sobreviventes e se encaminhou ela mesma para a ponte de comando do módulo, preparando-se para cruzar as distâncias estelares. Quando chegou a seu assento, os trinta e cinco leitos dos membros do grupo de descida já estavam devidamente acomodados dentro da nave. Enquanto preparava o módulo para a decolagem, acessou novamente a rede da nave e ordenou a realização de um diagnóstico completo nos sistemas, precisava saber o que havia acontecido para ter certeza que não estava condenando a tripulação a uma horrenda morte nas profundezas do espaço porém, estava ficando rapidamente sem tempo a medida que a pane se espalhava pelos sistemas principais da nave colônia. Preservar dados da missão, armazenar dados em sistemas de backup do módulo - ordenou antes de iniciar a sequencia de lançamento do módulo. Mesmo através de todas as camadas de isolamento, conseguia sentir a fuselagem da nave tremer e resmungar mediante a pressão que as forças cósmicas exerciam sobre sua estrutura, as luzes de emergência brilhavam de forma caótica e ritmada como pequenos sóis em delírio enquanto o sistema de auto-falantes da nave berrava vomitando dados e avisos. Tud pensou que aquele deveria ser o som que o fim do mundo deveria ter. O módulo estava preparado, acomodou-se em seu assento o melhor que pôde, terminou de programar as coordenadas do mundo-alvo e concluiu a sequencia de lançamento, fazendo o módulo mergulhar nas trevas espaciais. Tud agarrou com força o pequeno pingente com o símbolo sagrado de Mavors que trazia preso em uma pequena corrente de platina que trazia no pescoço. CAPÍTULO 4 Após todos os preparativos, Tud programou sua própria câmara de hipersono e hibernou novamente, enquanto o módulo realizava o novo salto para chegar ao planeta que havia localizado. Em termos de distâncias estelares, um parsec era uma distância curta e que poderia ser transposta com um simples salto mas era necessário entrar nos leitos pois a aceleração para o salto era tão violenta que poderia esmagar o corpo humano caso este não estivesse devidamente protegido. A ansiedade e as incertezas geradas pelo defeito não descoberto na nave haviam abalado Tud emocionalmente de modo que, ao invés do estado contemplativo em que entrava sempre que adormecia nos períodos de hipersono, sua mente se viu repleta de sonhos de morte e fogo, furiosamente criando fantasias que pudessem oferecer alguma explicação, por mais improváveis que fossem, para a tragédia que havia se abatido sobre eles. A missão Gilgamesh havia começado sob augúrios extremamente favoráveis porém, em algum momento durante a viagem, alguma coisa havia dado muito errado e, agora, o futuro da própria raça humana se encontrava ameaçado. Gilgamesh havia sido o mais ambicioso projeto da raça humana, consumindo quase todos os seus recursos para sua implementação. A busca por um novo planeta que pudesse abriga-la, encheu o espírito humano, doente e exaurido após uma existência de conflitos e lutas, de esperança em um futuro melhor, em um novo mundo, ainda não esgotado, poluído e devastado por gerações e gerações de abusos. Tudo agora dependia dela e de seu grupo de descida, trinta e cinco almas que

4 tinham sob sua responsabilidade os destinos dos bilhões de colonos adormecidos dentro dos imensos salões da nave colonial. Após poucos meses de viagem, o módulo da Gilgamesh emergiu do hiperespaço e mergulhou na densa atmosfera do planeta, traçando um caminho incandescente nos céus. O mal funcionamento que havia afetado os sistemas da Gilgamesh havia contaminado os sistemas do módulo também e, assim que começou a sofrer com o aquecimento da reentrada, as rotinas de emergência da nave foram acionadas, fazendo com que as cápsulas de hipersono fossem ejetadas da nave, antes que essa conseguisse aterrissar. Descontrolado, o módulo traçou um caminho errático, chocando-se com violência contra o planeta, caindo dentro de uma mata densa. Quando despertou de seu sono conturbado, Tud estava em meio aos destroços do módulo, localizados em meio a uma grande clareira chamuscada que a queda da nave havia aberto na mata. CAPÍTULO 5 Tud respirou fundo, fechou os olhos e contou lentamente até cem antes de reabri-los. Esse era um antigo truque que lhe havia sido ensinado por sua mãe, uma notória exploradora espacial, e que a ajudou a organizar seus pensamentos o suficiente para que ela pudesse avaliar com frieza a situação em que se encontrava. O impacto da aterrissagem forçada havia inutilizado a maior parte dos sistemas do módulo que ainda estavam intactos após a misteriosa pane que havia provocado sua queda e espalhado as capsulas com o grupo de descida por todo o planeta. Naquele exato momento, trinta e cinco de seus compatriotas estavam despertando confusos e enfraquecidos em um ambiente alienígena e potencialmente hostil. Eles estariam desorientados e com poucos recursos além do traje protetor padrão e as ferramentas básicas de exploração. Tud esfregou o pescoço, sentiu uma leve dor em função da concussão provocada pela força do impacto da queda. Recorrendo a um dos poucos sensores que ainda funcionavam na nave, conferiu as condições ambientais fora do veículo e constatou que elas eram suficientemente adequadas para que sobrevivesse, sem a necessidade de um suporte vital. Em seguida, pegou a mochila do kit de sobrevivência, a esfera cristalina de dados onde estavam salvas as informações sobre a missão. Antes de sair do módulo, ordenou que o computador iniciasse uma varredura completa para localizar o paradeiro do resto de sua equipe pelo planeta. A máquina lhe informou que a operação levaria dezesseis horas para se completar. Bem, vamos explorar nesse meio tempo - disse para si mesma, saindo do módulo em seguida. A pureza do ar lhe disse que, onde quer que tivesse caído, não haviam industrias ainda. A exuberância da mata ao seu redor logo conquistou a alma saturada de concreto e aço de Tud que, após respirar o mais profundamente que pode, começou a caminhar no sentido o oposto ao do imenso sol vermelho que, aquela hora, se punha entre as distantes e imponentes montanhas que de erguiam além dos limites da densa mata em que estava. CAPÍTULO 6 Tud caminhava por entre a mata fechada, seguindo uma trilha difícil e pedregosa que a fazia tropeçar em intervalos irregulares. Aos poucos, o grande sol vermelho que era onipresente no céu alienígena começava a sumir, as primeiras estrelas pontilhavam no firmamento, traçando um desenho exótico e diferente de tudo o que ela conhecia e chamava de natural. A constatação de seu isolamento encheu seu coração de solidão, sua alma de melancolia e sua mente de recordações. Após caminhar nas trevas por mais algum tempo, avistou ao longe o brilho difuso do que logo identificou como sendo o de fogueiras primitivas. Colocou a mochila de campo no chão aos seus pés e pegou uma faca e a pequena pistola que fazia parte do sistema de proteção pessoal, que compunham o equipamento básico de campo. Pensou por alguns instantes e resolveu colocar a pistola de volta na mochila, tinha apenas dois cartuchos e não desejava gastá-los a não ser em caso de extrema necessidade. Avançou mais lentamente, atentando para os ruídos que a floresta produzia ao seu redor.

5 Sentia-se tensa e alerta, com seu coração bombeando furiosamente o sangue por suas veias, ampliando seus sentidos até o limite da superhumanidade. Avançou um pouco mais e ocultou-se atrás de um grande arbusto, de onde podia o observa o que revelava o soturno brilho da fogueiras noturnas que havia avistado a distância. E, então, ela os viu! CAPITULO 7 No meio da floresta havia uma grande clareira, coberta por uma gram baixa e vegetação rasteira, repleta de ervas daninhas. Ao longe, silhuetas insinuavam a existência de algum tipo de plantação e, a cerca de trinta metros de onde Tud estava, cinco criaturas grotesca se reuniam ao redor de duas fogueiras onde assavam algum tipo algum tipo de carne. Em toda a sua vida, Tud jamais havia encontrado criaturas de aparência tão repulsiva e vil ou que demonstrassem tamanha propensão a violência. As criaturas eram altas e anormalmente musculosas, sua pele era branca e esverdeada, bastante semelhante a aparência de leite estragado, suas bocas eram largas e tinham grandes e tortos dentes amarelados, muitos deles quebrados e se projetando para fora dela. Olhos azuis vivos sob suas frontes projetadas, das quais pequenos chifres arredondados despontavam. Tud percebeu logo que as criaturas formavam um pequeno grupo porém não percebia qualquer gentileza ou companheirismo na forma como se tratavam. Embora não compreendesse o que diziam, seu tom de voz e os gestos brutais que utilizavam a desestimulou a se aproximar mais do grupo, mas o cheiro da carne assando e da gordura queimando a impediu de se afastar, não provava comida de verdade a muitos anos, desde antes de entrar em hipersono. Tud estava imersa em seus pensamentos quando o som de algo se aproximando rapidamente a pôs novamente em prontidão. CAPÍTULO 8 Logo o som tornou-se alto o suficiente para que as criaturas o ouvissem, elas se calaram repentinamente e se colocaram de pé, olhando nervosamente ao seu redor, como um bando de aves gigantes deformadas. O maior e mais forte dos cinco tinha o corpo coberto por cicatrizes e, devido a sua postura, parecia ser o líder do grupo. Ele farejou o ar por alguns instantes e, depois, começou a rugir ordens para os outros quatro que passaram a assumir posições pré combinadas, ficando o grupo semelhante a uma rústica unidade militar mal treinada. Embora seus modos e postura ainda exalassem violência e agressividade, Tud podia sentir que, por sob essa máscara, o que imperava eram profundos sentimentos de temor e apreensão. Eles estavam bastante assustados. Subitamente e sem qualquer aviso prévio, figuras sombrias saltaram da floresta ao seu redor, atacando a clareira e as cinco criaturas com violência e precisão brutais. De seu posto de observação Tud não pôde acompanhar com exatidão todo o ataque tendo, apenas, vislumbres rápidos do que acontecia. Ela contou quatro atacantes, todos montados em grandes cavalos de pelos cinzentos. Os cavaleiros vestiam couro e metal e traziam grandes espadas de lâmina larga nas mãos. Seus rostos estavam ocultos por pesados elmos cor de cobre, na forma de cabeças de animais selvagens. A luta foi breve e, logo, as criaturas jaziam mortas em uma pilha enquanto os cavaleiros desmontavam e revistavam o acampamento. Ainda insegura sobre o que fazer, Tud apenas se encolheu atrás da moita e continuou a observar. CAPÍTULO 9 Os quatro cavaleiros revistaram os sacos e baús que compunham o pobre equipamento das criaturas e, após guardarem consigo os poucos bens que consideraram de valor, sentaram-se ao redor do fogo que já estava aceso, embainhando suas armas e removendo seus elmos antes de comerem a carne que começava a queimar. Com certo alívio, Tud observou que os quatro tinham aparência humana ainda que um deles demonstrasse possuir uma série de traços exóticos que

6 poderiam sugerir uma ascendência inumana. Eram todos jovens, três deles tinham o cabelo liso e castanho, cortado baixo a moda militar, estando também bem barbeados. O quarto cavaleiro, contudo, era um pouco mais alto que seus companheiros e tinha cabelos completamente brancos e ondulados, presos em grossas tranças. Os traços de seu rosto eram finos. Porém, o que mais se destacavam em sua aparência geral eram seus olhos, com globos oculares completamente negros e pupilas brancas. De modo geral, Tud o considerou tão belo quanto ameaçador. Os quatro conversavam animadamente enquanto comiam, falavam algum tipo de idioma que parecia ser repleto de sílabas tônicas e sons guturais. Fazendo o mínimo de ruído possível, Tud revirou sua mochila pegando seu Transdutor Universal, uma pequena caixa retangular da espessura aproximada de um maço de cigarros. Com o aparelho, gravou alguns minutos de conversa e esperou enquanto os circuitos transdutores da rede neural do aparelho agiam, decifrando os padrões mentais/fonéticos do idioma e, após isso, Tud prendeu um dos eletrodos do aparelho na base de seu crânio, aprendendo em segundos a linguagem que os quatro utilizavam. Desligou o aparelho a tempo de ouvir o homem de cabelos brancos dizer: Estamos sendo vigiados!. CAPÍTULO 10 Tud manteve-se em um silêncio quase tumular evitando, até mesmo, respirar muito forte. Os cavaleiros ficaram novamente em prontidão, sacando suas mortais espadas de lâmina larga e avançando lentamente em direção ás árvores. Sem fazer movimentos bruscos, Tud também sacou sua faca, acionando o o botão que energizava a lâmina, tornando ativo seu fio de monofilamento, dando-lhe o característico brilho avermelhado. Assustada e acuada, a oficial de voo da Gilgamesh apenas aguardava imóvel enquanto os quatro guerreiros se aproximavam. Repentinamente, os passos dos quatro cessaram e uma voz imponente e harmoniosa se fez ouvir acima de todos os ruídos noturnos e das batidas fortes e ritmadas de seu coração. Você não fede a robgoblim e nem faz o mesmo barulho que eles. Saia em paz que nós não lhe faremos nenhum mal. Um profundo espírito de auto-preservação ordenava a Tud que ficasse onde estava porém a fome e o cansaço se impuseram e a levaram a se levantar, erguendo ambos os braços e guardando a faca novamente em sua bainha. Sou uma viajante perdida nessas terras, quero apenas comida e pouso antes de segur em meu caminho - disse Tud, na linguagem dos quatro. Mesmo surpresos com sua aparência e suas roupas, os quatro embainharam suas armas e não manifestaram mais qualquer hostilidade para com Tud. Sente-se - disse o homem de cabelos brancos, indicando um dos troncos ao redor da fogueira. CAPÍTULO 11 Por um breve instante, os cinco estranhos trocaram um olhar mútuo de desconfiança e aguardaram para observar um as reações dos demais sendo que, apenas quando Tud resolveu se acomodar ao redor da fogueira, é que os demais também relaxaram e o fizeram. O homem alto e de cabelos brancos cortou um pedaço da carne que assava e ofereceu a Tud que o pegou e devorou com uma voracidade pouco condizente com sua aparência geral. Meu nome é Dillar, estes são meus camaradas Elvor, Balidan e Alecto. Pertencemos ao exército real e somo parte do regimento dos Leões Montanheses. Prazer, meu nome é Tud - Disse simplesmente entre uma e outra mastigada no suculento assado que Dillar lhe havia oferecido. Mesmo quando não os estava olhando, Tud podia sentir os quatro olhares caindo sobre ela, repletos de dúvidas e desconfianças. Suas vestes são... exóticas - disse o rapaz identificado como Alecto, olhando principalmente para a mochila e o traje de Tud, estudando-os como se fossem criaturas raras e exóticas que, de alguma forma, haviam se aderido a forasteira.

7 Elas são bem comuns em minha terra E isso seria, exatamente, onde? - Perguntou Elvor, lentamente deslizando sua mão esquerda sobre a cintura, pousando-a sobre o cabo da espada. Um olhar severo de Dillar foi o suficiente para que o guerreiro interrompesse seu movimento e adotasse uma postura menos hostil em relação a Tud. Nossa convidada parece ter tido um dia longo e, creio eu, o que ela menos precisa nesse momento é ser submetida a um interrogatório cansativo e sofrer com a indelicadeza de estranhos - disse Dillar deixando bem claro que não toleraria mais aquela postura hostil contra Tud - Vamos descansar e deixá-la descansar também. Embora a desconfiança ainda envenenasse suas mentes, os três acataram as ordens de Dillar sem qualquer questionamento e se prepararam para dormir. Tud olhou para o céu noturno e viu, uma vez mais, as estrelas alienígenas que queimavam com sua fúria nuclear sobre suas cabeças. Onde estou? - criou ânimo para perguntar, finalmente. Dillar a olhou bem fundo nos olhos e algo naquele olhar intenso fez com que ela se sentisse como se estivesse sendo, de alguma forma, esquadrinhada. Estamos na fonteira oriental do Reino de Arásia - respondeu, finalmente sem qualquer emoção na voz, como se estivesse cumprindo uma função automática. Havia alguma coisa que não batia naquela situação e isso deixou Tud extremamente alarmada. CAPITULO 12 Não foi preciso um grande esforço dedutivo para que Dillar percebesse o desconforto de Tud com toda aquela situação e, corretamente, compreendeu que parte desse desconforto se devia ao fato de que, na verdade, ela desconhecia completamente o lugar onde estava. Tentou novamente, esforçando-se para ser mais esclarecedor da segunda vez: Nós estamos na grande floresta de Vali, próximo a fronteira com o reino de Gideorn que fica a cerca de duzentos quilômetros naquela direção - disse apontando para o norte. Em seguida fez um largo gesto com os braços que abarcava toda a imensa cadeia montanhosa, localizada na direção do sol nascente - As montanhas da Dorsal são o lar dos Robgoblins e nós, leões, estamos aqui para impedir que essas criaturas grotescas consigam transitar livremente por nossas terras. Isso explica a rigidez marcial e a disciplina exacerbada, pensou Tud, olhando para seus companheiros de viagem inesperados com renovado interesse, eles fazem parte de algum tipo de milicia, pensou em seguida, dando-se logo conta que isso poderia ser algo tão benéfico quanto perigoso para ela. Venho de terras muito distantes, Fazia parte de uma caravana mercantil que foi atacada e acabamos nos dispersando. Quem os atacou? Não sei ao certo, apenas sei que fomos emboscados por algum tipo de bando organizado e eu acabei por me separar do grupo. - Havia verdade o suficiente naquela história para que eles acreditassem nela. Continuaram a conversar por mais algum tempo, comeram o restante da carne e beberam o mulso forte e amargo que os Robgoblins traziam consigo dentro de cantis de pele humana e, quando as três luas já estavam bem visíveis no céu noturno, os quatro milicianos acomodaram-se para dormir. Tud esperou até ouvir a respiração de todos ficar pesada e ritmada, antes de levantar-se e embrenhar-se pela mata novamente. Usando a pequena lanterna de seu kit de sobrevivência, reencontrou a trilha que havia seguido desde que havia saído do módulo, retornando a nave acidentada. Tinha muito o que fazer antes que o sol surgisse novamente no horizonte e seu tempo tornava-se cada vez mais exíguo. CAPITULO 13 Quando se chocou contra o planeta e saiu dos destroços da nave para explorar o local onde havia caído, Tud não tinha a menor noção de onde estava. Agora, havia descoberto que havia vida inteligente, civilizações e dinâmicas sociais variadas naquele estranho planeta e percebia que seria

8 preciso encarar seu problema á partir de um outro tipo de abordagem afinal, sua situação havia se tornado bem mais complexa agora. Os restos do módulo davam mostras de visitas recentes de animais selvagens que, inadvertidamente, danificaram alguns dos poucos equipamentos da nave que ainda funcionavam e, em breve haveria, uma falha catastrófica dos sistemas. Pegando as ferramentas de seu kit de sobrevivência, Tud começou a desmontar o painel principal do módulo e, com cuidados, retirou a fiação separando a fiação de ouro dos circuitos mais delicados do computador central da nave, fazendo um pequeno novelo de ouro. Após isso, conectou a orbe de dados que havia retirado da Gilgamesh na força auxiliar do módulo mas, devido aos extensos danos do sistema, não conseguiu acessar os dados que mostravam os motivos para a pane geral nos sistemas da nave. Maldição! - praguejou e esmurrou o que restava do painel. Pensou um pouco e tentou acionar os sensores que ainda funcionavam, conseguindo um rápido sinal. Rapidamente iniciou uma varredura planetária e, após breves e angustiantes momentos, conseguiu o que desejava: a localização das trinta e cinco capsulas que continham os membros perdidos de seu grupo de desembarque! Imprimir! - utilizando os últimos vestígios de energia das células de combustível, imprimiu um rascunho bastante grosseiro da provável localização de seus camaradas. Olhou para o céu e percebeu que ele começava a clarear, seu tempo se esvaia! Saiu apressadamente, liberando o combustível que ainda restava nos tanques do módulo. Uma vez em segurança do lado de fora, incinerou o combustível, destruindo o que restava do módulo, não podia correr o risco que alguém mal intencionado se apoderasse de sua tecnologia. Bom, é isso. Pensou enquanto suspirava e iniciava o caminho de volta ao acampamento. Tinha muito o que fazer e, se quisesse ter sucesso, precisaria de bastante ajuda. CAPÍTULO 14 Tud chegou ao acampamento antes que os primeiros raios da alvorada vermelha daquele mundo despontassem no céu alienígena, encontrando os quatro guerreiros ainda adormecidos. Acomodou-se da melhor maneira possível junto a uma grande e frondosa árvore e pegou seu Transdutor Universal, colocando sobre sua superfície uma velha e suja moeda de eletro, que havia sido parte do pobre espólio dos robgoblins. Em seguida, inseriu o novelo de fios de ouro no aparelho e aguardou enquanto ele produzia réplicas douradas da moeda. Quando terminou a operação, guardou as moedas em sua mochila e enrolou-se em uma fétida pele de urso e tentou dormir um pouco. O céu já estava brilhante no céu e seus raios vermelhos queimavam seu rosto quando Tud despertou. Embora tivesse dormido, no mínimo, quatro horas, a sensação que tinha era que havia acabado de fechar os olhos; seu corpo resmungava, sentindo as dores de uma noite mal dormida. Sentiu o cheiro de comida sendo preparada e viu os quatro guerreiros sentados ao redor de uma fogueira, terminando o próprio dejejum enquanto preparavam para ela ovos, toucinho, torradas e algum tipo de bebida aromática em um grande bule de ferro. Bom dia. Coma bem pois temos uma longa viagem pela frente - disse-lhe Dillar, estendendo-lhe um prato de metal e um copo de madeira com a bebida fumegante. Muito depois, Tud veio a descobrir que a bebida chamava-se chavre e era, basicamente, uma infusão de canela, temperada com gengibre e melaço. Ainda que gentis e educadas, as palavras de Dillar traziam em si uma imposição velada mas que deixava bem claro que, embora ele não tivesse considerado Tud uma ameaça imediata, ela era diferente e misteriosa demais para que ele permitisse que vagasse livremente pelo território sob sua responsabilidade, querendo mantê-la por perto até que seus superiores decidissem o que fazer com ela. Como não conhecia nada a respeito do local onde estava encalhada e, portanto, qualquer direção era tão boa quanto as outras, Tud não lhe impôs resistência. Após o dejejum, arrumaram suas coisas e se preparam para partir. Tud pegou uma das grosseiras capas de pele de um dos Robgoblins e, após desinfetá-la com uma de suas tochas assépticas, passou a usá-la para ocultar o seu traje. Vamos! - Disse Dillar, montando em seu

9 cavalo. CAPÍTULO 15 A floresta de Vali era bastante fechada mas isso não atrasou o progresso do grupo pois os quatro leões conheciam muito bem seus caminhos e atalhos. Novamente, a abundância da natureza local (algo que já não existia em seu mundo a séculos) encantou e surpreendeu Tud, que mantinha uma espécie de admiração temerosa a natureza daquele planeta em que o destino a havia arremessado. O mundo natal de Tud estava morto agora, Gilgamesh havia sido a derradeira tentativa de seus habitantes de sobreviver ao holocausto engendrado por eles próprios. Queimava a alma de Tud não apenas a lembrança da irremediável morte de seu mundo mas também a consciência do ativo papel desenvolvido por seu povo para que isso ocorresse. Tudo bem? - Dillar havia percebido que ela estava muito calada e Tud notou que, por baixo de sua aparência feroz, sua alma era bondosa e gentil. Só estava pensando em meu lar E como ele é? Bem diferente daqui. Há séculos não temos mais florestas grandiosas como essa, foram todas derrubadas para dar lugar a imensas cidades, repletas de torres e palácios tão altos que arranhavam os céus com seus pináculos, ligados por avenidas largas e pavimentadas. É muito bonito mas não se compara a todo esse verde, toda essa vida! E o que a trouxe aqui A alma de Dillar podia ser bondosa e gentil mas sua mente era inquisitiva e desconfiada. Mais uma vez, ele dava voltas e retornava ao mesmo assunto. Enquanto não lhe der alguma explicação convincente, ele não vai largar o osso, pensou Tud antes de decidir lhe contar o suficiente da verdade para que ele a deixasse em paz. Nossa terra estava morrendo e meu povo foi obrigado a vagar pelo mundo em busca de um novo lugar para se estabelecer. Alguma coisa atacou meu grupo durante a nossa viagem e nós nos dispersamos, agora preciso encontrar os sobreviventes antes que o pior aconteça. O pior já está para acontecer - disse Dillar, repentinamente tenso, deslizando rapidamente sua mão para o cabo da espada. CAPITULO 16 Continuaram a cavalgar como se nada tivesse acontecido porém, era bem evidente que os três estavam em estado de prontidão total, tensos, apenas esperando que o inimigo se manifestasse. Um observador desatento provavelmente não teria percebido qualquer tipo de alteração no comportamento ou na postura do quarteto porém, um olhar mais atento logo perceberia a postura rígida, os olhares inquisitivos e a expressão severa dos quatro guerreiros, Tud se perguntava o que havia operado tal transformação em seus companheiros de viagem quando, sem qualquer aviso prévio, um vulto saltou da mata ao redor, atacando-os. Embora estivessem alertas, a velocidade e a ferocidade do atacante conseguiram surpreender os quatro leões montanheses, golpeando Elvor em cheio, derrubando-o de sua montaria. Os demais cavalos se assustaram, obrigando os guerreiros a lutarem par manterem-se montados mas, apesar da habilidade de Dillar, a montaria empinou, derrubando Tud de sua garupa. Quando finalmente conseguiram se reorganizar, a criatura os encarava. Para sus surpresa, Tud reconheceu a criatura de fotos em antigos manuais de zoologia que havia estudado durante sua formação, tratava-se de um gigantesco tigre com o pelo rajado em listras laranjas, pretas e brancas. Presas do tamanho de punhais se projetavam de sua boca selvagem e furiosa e olhos amarelos e brilhantes como duas opalas o encaravam ameaçadoramente. Porém, sem dúvida o que mais atraia sua atenção era o grande número de glifos marcados no couro do animal, aparentemente com ferros em brasas. ESTAMOS SOB ATAQUE! - Gritou Dillar sacando sua espada larga entretanto, antes que pudesse concluir seu movimento, os cincos se viram cercados por uma milícia de asquerosos

10 Robgoblins que rosnavam e os ameaçavam como uma matilha de hienas furiosas, prontas para se lançarem sobre suas presas. Rendam-se! - gritou o líder dos Robgoblins, falando em um sofrível idioma geral do norte. Confusa com a situação e ainda lutando para se adaptar a brusca mudança nos acontecimentos, Tud apenas olhava ao seu redor enquanto pensava no que fazer a seguir. CAPITULO 17 Os quatro guerreiros fizeram um circulo ao redor de Tud porém esta rejeitou a proteção e perfilou-se com eles, empunhando sua faca de combate, que brilhava com a tonalidade avermelhada característica das lâminas de monofilamento. Montado em seu grande cavalo de guerra, empunhando sua espada de lâmina larga, Dillar aguardava o avanço das criaturas disformes. Estavam cercados por quinze Robgoblins armados e equipados, que vinham acompanhados por mais dois tigres montanheses. O líder das criaturas era uma alta e mau encarada montanha disforme de músculos e cicatrizes, cujo metade do nariz havia sido previamente extirpado em algum confronto antigo. Sua pele esbranquiçada era coberta de tatuagens tribais e seus braços exibiam muitas correntes e braceletes de ferro. Ele se aproximou lentamente e rugiu por algum tempo de forma ameaçadora. O que ele disse? - perguntou Tud, ainda com a voz áspera do robgoblim retinindo em seus tímpanos. Alguma coisa a respeito dos hábitos sexuais de Dillar e, depois nos mandou depor armas e nos entregarmos - Respondeu Balidan, se colocando ao lado de Tud. Furiosos e famintos, os tigres rosnavam enquanto rodeavam os cinco. O líder dos robgoblins gritou novamente e o bando começou a avançar, armados com grandes e grosseiros machados de ferro com lâminas duplas. Alecto e Elvor, que já traziam suas espadas a mão, sacaram também as lâminas curtas que traziam em bainhas nos cintos e se colocaram em posição ofensiva. O tigre que havia realizado o primeiro ataque emitiu um rosnado mais alto e agressivo antes, pegando impulso com suas poderosas patas traseiras, avançar contra Tud que se protegia com sua lâmina de monofilamento. CAPÍTULO 18 Embora o tempo em hibernação tivessem afetado os reflexos da oficial de voo, seu treinamento em combate permitiu que ela agisse por instinto e, antes de sua mente dar-se conta do que ocorria, o corpo de Tud reagiu a ameaça abaixando-se, conseguindo esquivar-se do ataque do tigre. Com um rápido movimento de pulso, golpeou a pata da fera com sua lâmina de monofilamento, amputando-a. Os robgoblins começaram a avançar e, logo, dois deles também estavam caídos, vitimados pelas espadas de Balidan e Dillar. Temerosos, os demais recuaram formando uma espécie de cordão de isolamento, o líder do grupo de robgoblins, então, ergueu seu grande machado de batalha e, por entre as árvores da floresta, Tud percebeu que surgiam mais criaturas, de aspecto igualmente selvagem, portando bestas e vestindo armaduras de couro e madeira. Antes que pudesse fazer qualquer coisa, uma chuva de dardos precipitou-se sobre eles. Com agilidade e perícia, Dillar e seus companheiros ainda montados, jogaram-se no chão e se protegeram dos besteiros com seus escudos e cavalos. A pesada pele que vestia e a densa trama de seu traje de campanha protegeram Tud do ataque dos dardos porém, com o bombardeio se intensificando, ela não sabia por quanto tempo mais seu traje continuaria aguentando. "Vejam!" - Elvor gritou, apontando para um dos cavalos que haviam sido atingidos pelas setas do último ataque, o animal se contorcia no chão enquanto uma espuma amarelada saia de sua boca, indicando que os dardos estavam envenenados

11 CAPITULO 19 Enquanto os besteiros recarregavam as suas armas, a infantaria de robgoblins avançava e tentava golpeá-los com suas armas com suas armas pesadas e toscas feitas, em sua maioria, em bronze e ferro. Seus golpes, apesar disso, eram fortes e precisos sendo que o menor dos descuidos poderia ser-lhes fatal. Embora fosse proficiente em combate corpo a corpo (Tud era uma militar graduada), os efeitos da hibernação ainda podiam ser sentidos em seus membros, ela ainda não havia tido tempo de adaptar-se a as condições gerais do planeta após o longo período de hipersono pois, desde o momento em que havia despertado ainda a bordo da caótica Gilgamesh, tinha sido jogada de uma aventura a outra, sendo essa a segunda ocasião em dois dias que se via obrigada a lutar pela sobrevivência. O preço da ação ininterrupta tornava-se cada vez mais alto e Tud não sabia o quanto mais poderia suportar antes de sucumbir a própria exaustão. Alecto decapitou mais um robgoblim e gritou chamando Tud para próximo de si, Ela aproveitou o novo recuo das criaturas (movimento que, ela já havia percebido, antecedia um novo ataque com as bestas) para correr para próximo dele. Mal havia encontrado proteção sob o escudo de couro e carvalho quando a segunda leva de setas precipitou-se sobre eles e, após uma nova dose de veneno, mesmo as montarias que haviam sobrevivido ao primeiro ataque, acabaram por sucumbir. Mesmo com muitos de seus homens jazendo mortos, abatidos pelas espadas dos quatro leões, o líder dos robgoblins ria e se regojizava-se pois acreditava que, em pouco tempo, Dillar e seus comandados estariam esgotados pelo combate, caindo em suas mãos e, então, poderia desfrutar da lenta e dolorosa vingança que havia planejado para eles, pelas centenas de companheiros de seu povo que haviam encontrado a morte nas mãos dos guerreiros arasianos. Seguindo o padrão em ondas do ataque, os robgoblins sobreviventes voltaram a avançar, dando tempo para que seus besteiros recarregassem suas armas. Apesar da cobertura, vários dardos haviam ficado presos na densa trama de seu traje de campanha e Tud ocupava-se de removê-los antes que um deles arranhasse sua pele, envenenando-a. Estava tão entretida com essa ação que apenas percebeu a proximidade de outro dos imensos tigres que acompanhavam as criaturas quando as grandes presas curvas estavam se fechando sobre seu crânio. CAPITULO 20 Não havia tempo para pensar em uma saída daquela situação, então Tud simplesmente fechou os olhos e entregou-se inteiramente a seus instintos, dando vazão a um primitivo grito de sobrevivência que a muito encontrava-se sufocado em seu peito. Movida por uma agilidade que sequer desconfiava possuir, Tud agarrou-se ao pescoço da fera e, tomando impulso com as pernas, saltou caindo sentada sobre o lombo do animal. Ao sentir o peso de Tud sobre si o tigre começou a escoicear e a pular de forma descontrolada, urrando com raiva, recusando-se a se submeter a amazona. Tud agarrava-se ao animal com força mas, quanto mais tentava manter-se sobre o animal, mais difícil ficava para que ela conseguisse se equilibrar sobre o tigre raivoso. Uma nova leva de flechas passou por ela enquanto lutava para controlar a besta selvagem mas, novamente, seu traje conseguiu suportar o ataque sem danos sem conseguir conter o animal, Tud apenas acompanhou a cavalgada desenfreada do tigre, enquanto esse voltava para a floresta. O animal arfava e resfolegava enquanto percorria velozmente as trilhas irregulares abertas no meio da mata, após gerações de animais passando pelos mesmos caminhos em suas migrações periódicas. Tud agarrou com força os pelos na parte de trás da grande cabeça do animal, mas isso pareceu, apenas, enfurecê-lo ainda mais, fazendo-o rugir furiosamente. "Anda seu bicho teimoso! Vai fazer o que eu quero!" Tud puxou novamente os pelos da cabeça do animal, com mais força dessa vez, e, apesar da dor e da raiva, o tigre continuou avançando por mais algum tempo, antes de parar bruscamente, atendendo tardiamente ao seu comando. Sem sela em que se apoiar, Tud foi arremessada cerca de cinco metros para frente. Ainda zonza com a cavalgada e a queda violenta, Tud encarava o tigre que avançava lentamente em sua direção.

12 CAPITULO 21 Embora soubesse pouco a respeito de animais selvagens, alguma coisa no fundo da alma de Tud dizia-lhe que permanecesse imóvel e encarando a fera. Sem quebrar o contato visual e com movimentos bem sutis, pegou uma das tiras de carne seca que Dillar havia dado-lhe quando repartiram as rações dos robgoblins e a jogou para o tigre que a abocanhou de um só golpe. A fera continuou a olhar para Tud mas ela percebeu que havia ocorrido alguma mudança, ainda que sutil, na atitude do animal que a olhava com uma curiosidade difusa ao invés de franca hostilidade. Percebendo o que ocorria, Tud lançou mas três tiras de carne para o tigre e, percebendo o ânimo menos beligerante da fera, aproximou-se e, com cautela, fez-lhe um afago atrás da orelha. Após um instante de hesitação, a fera claramente não estava acostumada com atos de bondade, o tigre encostou seu enorme focinho na barriga de Tud, afagando-a também. Ela havia conquistado o animal Tud fez mais alguns carinhos na barriga e na cabeça do tigre que, a essa altura, ja se comportava como um descomunal gato caseiro. Após dar-lhe mais uma tira de carne seca, recolheu alguns cipós e, com a ajuda do transdutor, criou alguns arreios rudimentares que colocou no tigre. Quando o animal começou a se agitar, fez com que o aparelho emitisse uma série de sons harmônicos e tranquilizantes que acalmaram e domesticaram a fera que, a exceção de um grunhido queixoso, aceitou sua amazona com tranquilidade. "Vamos lá, temos que ajudar nossos amigos" - O tigre aceitava os comandos de Tud com a presteza de um alazão que havia sido treinado para isso sua vida inteira. Amazona e montaria, então, avançaram pelas trilhas ocultas na densa vegetação conífera, refazendo o acidentado caminho de volta até onde ela e seus companheiros de viagem haviam sido emboscados e atacados pela milícia robgoblim. A sensação de domínio sobre o animal selvagem e do vento golpeando seu rosto e seus cabelos começou a despertar alguma coisa na alma de Tud que, a muito, encontrava-se dormente, soterrado por milênios de cultura tecnológica. CAPÍTULO 22 Tud estava a cerca de 300 metros do local da emboscada quando começou a ouvir as ásperas e dissonantes vozes dos Robgoblins. Ela puxou as rédeas improvisadas de seu tigre e a montaria prontamente atendeu ao seu comando, parando imediatamente. As palavras do dialeto das criaturas eram rudes e rascantes e feriam seus ouvidos. Tud não era capaz de discernir se eles estavam rindo ou brigando, embora desconfiasse haver pouca distinção entre as duas coisas dentro daquela cultura hostil e belicosa. Valendo-se novamente do transdutor universal, decifrou um pouco do idioma e conseguiu compreender o que ocorria. "Para que prendê-los? Vamos rouba-los, curra-los, mata-los e largar os restos para os tigres!" "No dia em que você liderar a matilha Roark, você faz o que bem entender mas, enquanto eu estiver no comando, nós vamos fazer as coisas do meu jeito!" "Parece que Turé está ficando gentil e delicado!" A essa breve discussão seguiu-se o som de alguma coisa sendo ruidosamente esmagada, seguido por gargalhadas e aplausos. Aquele que se chamava Turé havia batido com a lâmina cega de seu machado no crânio do outro, rachando-o ao meio. "Alguém mais quer sentir a minha gentileza?" - Urrava em júbilo o vencedor da contenda. Lentamente Tud começou a avançar na direção onde estavam os Robgoblins e seus companheiros de viagem, achando logo um esconderijo entre as árvores e moitas, no qual podia observar a situação sem o perigo de ser vista. Dilar e os outros 3 estavam amarrados, cercados pelos robgoblins e pelos tigres que os vigiavam como cães de guarda. O céu começava a escurecer e, apostando que as criaturas montariam acampamento antes de seguir com seus prisioneiros, resolveu aguardar por uma oportunidade.

13 CAPITULO 23 Como Tud havia previsto, a noite chegou com rapidez e os robgoblins haviam haviam decidido acampar no local e aguardar pelo amanhecer antes de seguir viagem. Era uma noite clara, iluminada pelo brilho das duas grandes luas que dominavam o céu noturno daquele estranho mundo. Mesmo involuntariamente, seus pensamentos se voltaram para a Gilgamesh, o imenso colosso dentro do qual o que restava de seu povo vagava adormecido pelo cosmos. Se tudo tivesse saído como o planejado, poderiam ter se estabelecido em um mundo semelhante aquele, tão diferente mas, ao mesmo tempo, tão semelhante ao seu planeta natal e prosperado novamente. Mas, sua prosperidade, condenaria outro mundo a extinção? "Fique aqui" - amplificando suas ondas mentais através do transdutor universal, passou mentalmente o comando para o tigre. Em seguida, aproximou-se sorrateiramente do acampamento, que era patrulhado pelos demais tigres, enquanto os robgoblins dormiam pesada e ruidosamente. Tud havia reparado de seu posto de observação improvisado que os robgoblins haviam ingerido fartas quantidades de algum tipo de bebida alcoólica enquanto comiam as rações que traziam consigo. Um dos tigres aproximou-se perigosamente porém, já conhecendo o ponto fraco dos animais, ela jogou mais um pouco da carne que havia sobrado e ficou imóvel enquanto o animal ia em direção ao inesperado petisco. Avançou um pouco mais silenciosamente que antes e, logo, estava junto aos quatro companheiros de viagem que se encontravam amarrados. "Calma, vou tirá-los desse aperto" - sussurrou para Dillar, enquanto tateava a cintura, em busca do cabo de sua faca. Repentinamente, sentiu uma pesada mão caindo sobre o seu ombro, agarrando-a firmemente e virando-a em sua direção. CAPÍTULO 24 A criatura estava com seu horrendo rosto colado ao dela, de tal forma que a única coisa que preenchia o campo visual de Tud eram seus grandes e vidrados olhos pardacentos sem brilho, enquanto suas narinas eram inundadas pelo pútrido e adocicado odor que emergia da fossa séptica repleta de dentes ameaçadores que o robgoblin chamava de boca. "Ora ora, parece que o tigre cuspiu essa aqui de volta!" - disse a criatura dando um violento tapa no rosto de Tud. Apesar da dor que sentiu, ela ainda teve presença suficiente para, em um rápido movimento, sacar sua faca e abrir o robgoblin da cintura até o peito. Surpreso, o guarda saltou e, quando virou-se na direção dos companheiros, sua barriga se abriu e suas entranhas escorreram para o chão. Assustados e confusos, os demais robgoblins começaram a se levantar, procurando por suas armas em meio ao equipamento caoticamente espalhado. aproveitando-se do choque e da surpresa, Tud correu na direção de Dillar e seus homens e cortou suas amarras, O que se seguiu, foi uma demonstração brutal e e eficiente de destreza marcial porém, em maior número, os robgoblins logo os cercaram e, em breve os capturariam. Quando a situação parecia não poder piorar ainda mais, Robgoblins montados em tigres emergiram da mata, impedindo sua fuga ao cercá-los. Então, aconteceu: Sem qualquer aviso prévio, as criaturas recém chegadas começaram a atacar seus companheiros robgoblins exterminando a todos com a ajuda dos quatro milicianos. Em pouco tempo, duas dezenas de criaturas jaziam mortas e, para surpresa maior de Tud, o líder do grupo recém chegado se aproximou de Dilar e o cumprimentou "A quem eles eram leais?" - perguntou Dilar se aproximando do comandante do novo grupo. "A Karash, da Cidade de Ferro" "Timing perfeito Tuor" O robgoblin se limitou a dar um sorriso de desprezo e, após saquear o acampamento das criaturas mortas, partiu com seu bando em direção as montanhas.

14 CAPITULO 25 Como era habito, Dillar, Elvor, Balidan e alecto revistaram os restos do acampamento dos robgoblins e, após pegar as poucas coisas que pudessem ser uteis ou que tivessem algum valor, queimaram o resto junto com os corpos e seguiram viagem. Estavam mais seguros agora pois Tuor lhes havia garantido que não haviam mais bandos errantes de robgoblins vagando pelas redondezas. Depois de algum tempo de caminhada, Dillar se aproximou de Tud e lhe deu a explicação que ela esperava para compreender o que havia acontecido. "Tuor é um líder guerreiro e comanda uma matilha poderosa entre os robgoblins da Dorsal mas ele não é forte o suficiente para conquistar um domínio próprio. Tuor é ambicioso e tem seus próprios planos então, o que ele faz, é oferecer seus serviços e de sua matilha para algum líder mais forte e, pouco a pouco ele vai minado a força dele, com nossa ajuda. Assim ele espera enfraquecer outras lideranças o suficiente para conquistar seu próprio domínio" "E, dessa forma, vocês conseguem enfraquecer os bandos guerreiros, sem sujar as mãos" - Completou Tud, deliciada com a astúcia do plano - "Mas é uma jogada de risco, vocês estavam amarrados e prestes a serem cozidos por aquelas criaturas" "O risco é calculado e, de mais a mais, se o ganho é alto, a aposta também tem que ser" - disse, se afastando logo em seguida para atender ao chamado de alecto. Sozinha, Tud remoía seus pensamentos, via agora que havia cometido um grande equívoco ao avaliar aquela terra como primitiva e atrasada. Havia uma grande variedade de organizações, culturas e povos e, cada uma delas, tinha suas próprias questões e disputas para resolver e, subestimar essas disputas novamente poderia ser um erro mortal e que ela não pretendia cometer de novo pois tinha muito a perder.

Em algum lugar de mim

Em algum lugar de mim Em algum lugar de mim (Drama em ato único) Autor: Mailson Soares A - Eu vi um homem... C - Homem? Que homem? A - Um viajante... C - Ele te viu? A - Não, ia muito longe! B - Do que vocês estão falando?

Leia mais

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento

Meninas Nhe nhe. Eu Aff Chegando lá. Eu Gente estou com um mau pressentimento Eu e umas amigas íamos viajar. Um dia antes dessa viagem convidei minhas amigas para dormir na minha casa. Nós íamos para uma floresta que aparentava ser a floresta do Slender-Man mas ninguém acreditava

Leia mais

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA

REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) BANCO DO BRASIL DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas,

Leia mais

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO

BANCO DO BRASIL GEREL Belo Horizonte (MG) NUSEG - Núcleo de Segurança SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO SEGURANÇA PESSOAL EM ÁREAS DE ALTO RISCO REGRAS PARA NÃO SE TORNAR UMA VÍTIMA DA VIOLÊNCIA URBANA (Adaptação) DILOG/ PRINCIPAIS AMEAÇAS Seqüestro relâmpago Com duração de 1 a 24 horas, geralmente para

Leia mais

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação...

18 - A surpresa... 175 19 A fuga... 185 20 O atraso... 193 21 Vida sem máscaras... 197 22 - A viagem... 209 23 - A revelação... Sumário Agradecimentos... 7 Introdução... 9 1 - Um menino fora do seu tempo... 13 2 - O bom atraso e o vestido rosa... 23 3 - O pequeno grande amigo... 35 4 - A vingança... 47 5 - O fim da dor... 55 6

Leia mais

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER

Atividades Lição 5 ESCOLA É LUGAR DE APRENDER Atividades Lição 5 NOME: N º : CLASSE: ESCOLA É LUGAR DE APRENDER 1. CANTE A MÚSICA, IDENTIFICANDO AS PALAVRAS. A PALAVRA PIRULITO APARECE DUAS VEZES. ONDE ESTÃO? PINTE-AS.. PIRULITO QUE BATE BATE PIRULITO

Leia mais

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura.

Palavras do autor. Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Palavras do autor Escrever para jovens é uma grande alegria e, por que não dizer, uma gostosa aventura. Durante três anos, tornei-me um leitor voraz de histórias juvenis da literatura nacional, mergulhei

Leia mais

By Dr. Silvia Hartmann

By Dr. Silvia Hartmann The Emo trance Primer Portuguese By Dr. Silvia Hartmann Dra. Silvia Hartmann escreve: À medida em que nós estamos realizando novas e excitantes pesquisas; estudando aplicações especializadas e partindo

Leia mais

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial

MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial MOVIMENTO FAMILIAR CRISTÃO Equipe Dia/mês/ano Reunião nº Ano: Local: Tema: QUEM MEXEU NO MEU QUEIJO Acolhida Oração Inicial Esta é uma história de mudança que ocorre em um labirinto em que quatro personagens

Leia mais

2011 ano Profético das Portas Abertas

2011 ano Profético das Portas Abertas 2011 ano Profético das Portas Abertas Porta Aberta da Oportunidade I Samuel 17:26 - Davi falou com alguns outros que estavam ali, para confirmar se era verdade o que diziam. "O que ganhará o homem que

Leia mais

Carta do Chefe índio Seattle ao Grande Chefe de Washington, Franklin Pierce, em 1854, em resposta à proposta do Governo norte-americano de comprar grande parte das terras da sua tribo Duwamish, oferecendo

Leia mais

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo

O dia em que parei de mandar minha filha andar logo O dia em que parei de mandar minha filha andar logo Rachel Macy Stafford Quando se está vivendo uma vida distraída, dispersa, cada minuto precisa ser contabilizado. Você sente que precisa estar cumprindo

Leia mais

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO

AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Bíblia para crianças apresenta AS VIAGENS ESPETACULARES DE PAULO Escrito por: Edward Hughes Ilustradopor:Janie Forest Adaptado por: Ruth Klassen O texto bíblico desta história é extraído ou adaptado da

Leia mais

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar

E sua sede começa a crescer Em angústia e desespero Enquanto os ruídos da cachoeira Da grande cachoeira das eras O convoca para mergulhar Mergulhar Uma Estória Pois esta estória Trata de vida e morte Amor e riso E de qualquer sorte de temas Que cruzem o aval do misterioso desconhecido Qual somos nós, eu e tu Seres humanos Então tomemos acento No dorso

Leia mais

Sou a nona filha entre dez irmãos. Nasci numa cultura com padrões rígidos de comportamento e com pouco afeto. Quando eu estava com um ano e quatro meses, contraí poliomielite que me deixou com sequelas

Leia mais

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu

Sinopse. Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu 1 Sinopse Teria sido uma noite como qualquer outra, se ele não tivesse aparecido. E se eu não estivesse completamente sozinha. Com um estranho em um Penhasco e sem lembrar de como fui parar ali. Me assustei

Leia mais

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias

Lucas Zanella. Collin Carter. & A Civilização Sem Memórias Lucas Zanella Collin Carter & A Civilização Sem Memórias Sumário O primeiro aviso...5 Se você pensa que esse livro é uma obra de ficção como outra qualquer, você está enganado, isso não é uma ficção. Não

Leia mais

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held

Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Patrícia Engel Secco Ilustrações Christian Held Projeto Gráfico Ilustra Online Revisão Trisco Comunicação Uma história de amor pelo nosso planeta. Coordenação Editorial Ler é Fundamental Produções e Projetos

Leia mais

Na área frontal da arena estava presentes o Grande Mestre do Santuário, também conhecido como Papa, sua função era ser o porta voz da Deusa o mais

Na área frontal da arena estava presentes o Grande Mestre do Santuário, também conhecido como Papa, sua função era ser o porta voz da Deusa o mais Dois anos se passaram desde os últimos acontecimentos, o Santuário de Atena começava a se anunciar diante de seus novos cavaleiros, era apresentado a nova geração de honrados e guerreiros, era uma tarde

Leia mais

Um planeta. chamado Albinum

Um planeta. chamado Albinum Um planeta chamado Albinum 1 Kalum tinha apenas 9 anos. Era um menino sonhador, inteligente e inconformado. Vivia num planeta longínquo chamado Albinum. Era um planeta muito frio, todo coberto de neve.

Leia mais

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME

ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME ENTRE FERAS CAPÍTULO 16 NOVELA DE: RÔMULO GUILHERME ESCRITA POR: RÔMULO GUILHERME CENA 1. HOSPITAL. QUARTO DE. INTERIOR. NOITE Fernanda está dormindo. Seus pulsos estão enfaixados. Uma enfermeira entra,

Leia mais

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque

Fantasmas da noite. Uma peça de Hayaldo Copque Fantasmas da noite Uma peça de Hayaldo Copque Peça encenada dentro de um automóvel na Praça Roosevelt, em São Paulo-SP, nos dias 11 e 12 de novembro de 2011, no projeto AutoPeças, das Satyrianas. Direção:

Leia mais

Indice. Bullying O acaso... 11

Indice. Bullying O acaso... 11 Indice Bullying O acaso... 11 Brincadeira de mau gosto. Chega! A história... 21 O dia seguinte... 47 A paixão... 53 O reencontro... 61 O bullying... 69 9 Agosto/2010 O acaso Terça-feira. O sol fazia um

Leia mais

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava:

Dormia e me remexia na cama, o coração apertado, a respiração ofegante. Pensava: Não há como entender a ansiedade sem mostrar o que se passa na cabeça de uma pessoa ansiosa. Este texto será uma viagem dentro da cabeça de um ansioso. E só para constar: ansiedade não é esperar por um

Leia mais

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal

O Tomás, que não acreditava no Pai Natal O Tomás, que não acreditava no Pai Natal Era uma vez um menino que não acreditava no Pai Natal e fazia troça de todos os outros meninos da escola, e dos irmãos e dos primos, e de qualquer pessoa que dissesse

Leia mais

13. Desatenção e cansaço

13. Desatenção e cansaço 13. Desatenção e cansaço Aula Interdisciplinar Indicação: 6º ao 9º Ano do Ensino Fundamental Ilustração do manual de Direção Defensiva do DENATRAN O ato de dirigir um veículo requer atenção permanente.

Leia mais

Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui..

Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui.. Olá caros amigos..finalmente consegui pegar num computador decente pra falar sobre o que aconteceu aqui.. Bem, Ontem, Eu estava na Log Base por volta das 16:50h quando o terremoto aconteceu. Acredite nenhuma

Leia mais

VAMOS DEIXAR UMA coisa bem clara desde já: você não

VAMOS DEIXAR UMA coisa bem clara desde já: você não Os Programas FAT: a verdadeira causa do seu excesso de peso 1 VAMOS DEIXAR UMA coisa bem clara desde já: você não está gordo porque come demais. Você não é fraco, preguiçoso, indisciplinado, tampouco se

Leia mais

História Para as Crianças. A menina que caçoou

História Para as Crianças. A menina que caçoou História Para as Crianças A menina que caçoou Bom dia crianças, feliz sábado! Uma vez, do outro lado do mundo, em um lugar chamado Austrália vivia uma menina. Ela não era tão alta como algumas meninas

Leia mais

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele

Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele O Plantador e as Sementes Era uma vez, numa cidade muito distante, um plantador chamado Pedro. Ele sabia plantar de tudo: plantava árvores frutíferas, plantava flores, plantava legumes... ele plantava

Leia mais

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu

L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu 5 L0NGE, atrás em monte, sol cair e céu ficar em fogo. Fraco, Eu subir monte, pés d Eu molhados em erva fria. Não haver erva em cima em monte. Só haver terra, em volta, monte como cabeça de homem sem cabelo.

Leia mais

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro

Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro Histórias do Velho Testamento 3 a 6 anos Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse Unidade 4: Obedeça ao Senhor Neemias e o muro O Velho Testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas e verdadeiras.

Leia mais

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM

RECUPERAÇÃO DE IMAGEM RECUPERAÇÃO DE IMAGEM Quero que saibam que os dias que se seguiram não foram fáceis para mim. Porém, quando tornei a sair consciente, expus ao professor tudo o que estava acontecendo comigo, e como eu

Leia mais

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling.

CABOCLO D AGUA. Por. Andre Rohling. CABOCLO D AGUA. Por Andre Rohling. (47)8818-2914. andrerohling@hotmail.com www.facebook/andre.rohling 1 CENA-EXT-CAMPO-NOITE-19H10MIN. Noite de lua cheia, era bastante claro devido à luz da lua, faróis

Leia mais

1º Plano de Aula. 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão

1º Plano de Aula. 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão 1º Plano de Aula 1- Citação: Guardar raiva é o mesmo que, beber veneno e querer que o outro morra. 2- Meditação: Meditação da Compaixão 3- História Perdoar Sempre 4- Música Uma Luz Dentro de mim. Vol:

Leia mais

Em um campo inabitado, cheio de flores, em

Em um campo inabitado, cheio de flores, em Para onde foi o meu dinheiro? A fábula das abelhas. Em um campo inabitado, cheio de flores, em uma terra distante, havia uma colméia diferente das demais. Tudo nessa colméia era muito bem organizado, limpo

Leia mais

Luís Norberto Pascoal

Luís Norberto Pascoal Viver com felicidade é sucesso com harmonia e humildade. Luís Norberto Pascoal Agradecemos aos parceiros que investem em nosso projeto. ISBN 978-85-7694-131-6 9 788576 941316 Era uma vez um pássaro que

Leia mais

As 12 Vitimas do Medo.

As 12 Vitimas do Medo. As 12 Vitimas do Medo. Em 1980 no interior de São Paulo, em um pequeno sítio nasceu Willyan de Sousa Filho. Filho único de Dionizia de Sousa Millito e Willian de Sousa. Sempre rodeado de toda atenção por

Leia mais

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe?

- Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Trecho do romance Caleidoscópio Capítulo cinco. 05 de novembro de 2012. - Você sabe que vai ter que falar comigo em algum momento, não sabe? Caçulinha olha para mim e precisa fazer muita força para isso,

Leia mais

claudia houdelier - maternidade maternidade

claudia houdelier - maternidade maternidade claudia houdelier - maternidade maternidade dedicatória para alexandre, meu único filho. de fora para dentro Tudo começa no ventre materno com certeza, a nossa história começa aqui. Uma história de uma

Leia mais

Delicadesa. Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado.

Delicadesa. Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado. Delicadeza 1 Delicadesa Deves tratar as pessoas com delicadeza, de contrário elas afastar-se-ão de ti. Um pequeno gesto afectuoso pode ter um grande significado. As Janelas Douradas O menino trabalhava

Leia mais

Você quer ser um Discípulo de Jesus?

Você quer ser um Discípulo de Jesus? Você quer ser um Discípulo de Jesus? A História do povo de Israel é a mesma história da humanidade hoje Ezequel 37:1-4 Eu senti a presença poderosa do Senhor, e o seu Espírito me levou e me pôs no meio

Leia mais

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos

DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69. 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos DANIEL EM BABILÔNIA Lição 69 1 1. Objetivos: Ensinar que devemos cuidar de nossos corpos e recusar coisas que podem prejudicar nossos corpos 2. Lição Bíblica: Daniel 1-2 (Base bíblica para a história e

Leia mais

Lidando com o Cão Dominante

Lidando com o Cão Dominante Lidando com o Cão Dominante De Eugênio Gomes, 2006. Baseado no texto Dealing With the Dominant Dog, de Ed Frawley. Introdução Muitas pessoas, incluindo treinadores experientes, entendem mal a dominância

Leia mais

Conceito de Sobrecarga Psicológica Stanley Milgram Quando cheguei a Nova Iorque pela primeira vez, parecia um pesadelo. Tão logo desci do trem no Grand Central, encontrei-me entre um amontoado de pessoas

Leia mais

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo!

Consternação. Beija-me mais uma vez. Tudo e nada Eu quero Um dilema Em que vivo! Amor perfeito À noite, o mar desponta Nos teus olhos doces No teu corpo, O doce brilho do luar Mexe a brisa Em teus cabelos negros E nessas mãos Tão cheias de carinho Encontro esse amor perfeito Que tens

Leia mais

Superando Seus Limites

Superando Seus Limites Superando Seus Limites Como Explorar seu Potencial para ter mais Resultados Minicurso Parte VI A fonte do sucesso ou fracasso: Valores e Crenças (continuação) Página 2 de 16 PARTE 5.2 Crenças e regras!

Leia mais

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ

NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ NOVE SEGREDOS SOBRE A MANHÃ 1 Prefácio A página está em branco e não é página digna do nome que lhe dou. É vidro. Écran. Tem luz baça e fere os olhos pretos. Eu tenho demasiado sono para escrever papel.

Leia mais

noite e dia marconne sousa

noite e dia marconne sousa noite e dia marconne sousa Mais uma noite na terra a terra é um lugar tão solitário cheio de pessoas, nada mais onde se esconderam os sentimentos? um dedo que aponta um dedo que desaponta um dedo que entra

Leia mais

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva

SARAMAU. Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva SARAMAU Carolina Pereira Rodrigues e Milena da Silva CENA 1 Saramau entra no palco leve e com um ar de alegria e paz. ela acaba de compreender que ama de verdade José o seu marido. Ela entra chamando pelo

Leia mais

COLACIO. J SLIDES APRESENTA

COLACIO. J SLIDES APRESENTA COLACIO. J SLIDES APRESENTA A LIÇÃO RECEBIDO POR E-MAIL DESCONHEÇO A AUTORIA DO TEXTO: CASO VOCÊ CONHEÇA O AUTOR, ENTRE EM CONTATO QUE LHE DAREI OS DEVIDOS CRÉDITOS Éramos a única família no restaurante

Leia mais

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO

Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 ISSN - 2317-1871 VOL 02 2º Edição Especial JUL DEZ 2013 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 42 PAULO HENRIQUE PRESSOTTO Labirinto de vidro 2013 Web Revista Diálogos & Confrontos Revista em Humanidades 43 Início e fim? Um silêncio denso

Leia mais

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa

FIM DE SEMANA. Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa FIM DE SEMANA Roteiro de Curta-Metragem de Dayane da Silva de Sousa CENA 1 EXTERIOR / REUNIÃO FAMILIAR (VÍDEOS) LOCUTOR Depois de uma longa semana de serviço, cansaço, demoradas viagens de ônibus lotados...

Leia mais

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se

Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se A VOZ DAS COISAS Quantas línguas existem no mundo?, perguntava -se Marta, naquela noite, a sós na cama. Há as línguas que as pessoas falam: francês, alemão, espanhol, chinês, italiano. Para indicar a mesma

Leia mais

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br

O TEMPLO DOS ORIXÁS. Site Oficial: http://www.tfca.com.br E-mail: tfca@tfca.com.br O TEMPLO DOS ORIXÁS Quando, na experiência anterior, eu tive a oportunidade de assistir a um culto religioso, fiquei vários dias pensando a que ponto nossa inconsciência modificou o mundo espiritual. Conhecendo

Leia mais

A Cigarra e a Formiga (versão Carla Flores)

A Cigarra e a Formiga (versão Carla Flores) A Cigarra e a Formiga (versão Carla Flores) CRÉDITO: Carla Cavichiolo Flores/Positivo Informática O verão terminava, e as folhas das árvores já começavam a amarelar, anunciando a chegada do outono. E lá

Leia mais

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador.

A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. A beleza persuade os olhos dos homens por si mesma, sem necessitar de um orador. Algumas quedas servem para que nos levantemos mais felizes. A gratidão é o único tesouro dos humildes. A beleza atrai os

Leia mais

A PINTORA Era madrugada, fumaça e pincéis estampavam a paisagem interna de um loft. Lá fora uma grande lua pintava as ruas semi-iluminadas com um fantasmagórico prateado. Uma mão delicada retocava a gravata

Leia mais

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br

O céu. Aquela semana tinha sido uma trabalheira! www.interaulaclube.com.br A U A UL LA O céu Atenção Aquela semana tinha sido uma trabalheira! Na gráfica em que Júlio ganhava a vida como encadernador, as coisas iam bem e nunca faltava serviço. Ele gostava do trabalho, mas ficava

Leia mais

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo.

Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Capítulo um Meu espelho mágico deve estar quebrado Tenho um espelho mágico no porão e vou usá-lo. Jonah está com as mãos paradas em frente ao espelho. Está pronta? Ah, sim! Com certeza estou pronta. Faz

Leia mais

Perdão. Fase 7 - Pintura

Perdão. Fase 7 - Pintura SERM7.QXD 3/15/2006 11:18 PM Page 1 Fase 7 - Pintura Sexta 19/05 Perdão Porque, se vocês perdoarem as pessoas que ofenderem vocês, o Pai de vocês, que está no Céu também perdoará vocês. Mas, se não perdoarem

Leia mais

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada.

Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Sal, Pimenta, Alho e Noz Moscada. Cláudia Barral (A sala é bastante comum, apenas um detalhe a difere de outras salas de apartamentos que se costuma ver ordinariamente: a presença de uma câmera de vídeo

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.

Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri. Tia Pri Didáticos Educação Cristã PROIBIDA REPRODUÇÃO,CÓPIA OU DISTRIBUIÇÃO POR QUALQUER MEIO tiapri@tiapri.com (47) 3365-4077 www.tiapri.com Página 1 1. HISTÓRIA SUNAMITA 2. TEXTO BÍBLICO II Reis 4 3.

Leia mais

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira

Escola Municipal Professora Zezé Ribas. Premio Afago de Literatura. A política brasileira Aluno: Camila Aparecida Pinto Serie: 7º ano A política brasileira Na política brasileira, existe uma grande chaga aberta e crescente já se tornou grande praga. Doença maldita, domina e contamina a toda

Leia mais

Anexo II - Guião (Versão 1)

Anexo II - Guião (Versão 1) Anexo II - Guião (Versão 1) ( ) nº do item na matriz Treino História do Coelho (i) [Imagem 1] Era uma vez um coelhinho que estava a passear no bosque com o pai coelho. Entretanto, o coelhinho começou a

Leia mais

www.nascarbrasil.com Manual de pilotagem e aprendizado

www.nascarbrasil.com Manual de pilotagem e aprendizado Manual de pilotagem e aprendizado Bem vindo ao mundo das corrida virtuais! A razão deste documento é ajudar os novatos em corridas multi-player entender as grandes diferenças entre correr Online e Offline

Leia mais

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01

De Profundis.indd 25 20/05/15 18:01 Janeiro de 1995, quinta feira. Em roupão e de cigarro apagado nos dedos, sentei me à mesa do pequeno almoço onde já estava a minha mulher com a Sylvie e o António que tinham chegado na véspera a Portugal.

Leia mais

Olá, que bom que você está aqui no Relaxamento Presente.

Olá, que bom que você está aqui no Relaxamento Presente. Olá, que bom que você está aqui no Relaxamento Presente. Um dos grandes dilemas que os pais enfrentam atualmente é em relação à educação dos filhos, e se perguntam constantemente: "Como fazer meu filho

Leia mais

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas).

Titulo - VENENO. Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Titulo - VENENO Ext Capital de São Paulo Noite (Avista-se a cidade de cima, forrada de prédios, algumas luzes ainda acesas). Corta para dentro de um apartamento (O apartamento é bem mobiliado. Estofados

Leia mais

-Olhe por onde anda, Peixe-Boi! -disse a Tartaruga do Mar-. Você trombou em mim.

-Olhe por onde anda, Peixe-Boi! -disse a Tartaruga do Mar-. Você trombou em mim. Pof! Manny o Peixe-Boi bateu com a cabeça. -Olhe por onde anda, Peixe-Boi! -disse a Tartaruga do Mar-. Você trombou em mim. -Como posso olhar por onde vou? -reclamou Manny-. Não posso ver nada nesta água

Leia mais

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA

LENDA DA COBRA GRANDE. Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA LENDA DA COBRA GRANDE Um roteiro de IVI SIBELI ROCHA DE BARROS DAIANE MONTEIRO POLIANA AGUIAR FERREIRA MARIA LUZIA RODRIGUES DA SILVA CRUZEIRO DO SUL, ACRE, 30 DE ABRIL DE 2012. OUTLINE Cena 1 Externa;

Leia mais

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA

DESENGANO CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA DESENGANO FADE IN: CENA 01 - CASA DA GAROTA - INT. QUARTO DIA Celular modelo jovial e colorido, escovas, batons e objetos para prender os cabelos sobre móvel de madeira. A GAROTA tem 19 anos, magra, não

Leia mais

Nesse prédio, o único som que consigo ouvir é o ranger dos nossos sapatos contra o chão. Não ouço mais o choro de Caleb, mas ele já não estava mesmo

Nesse prédio, o único som que consigo ouvir é o ranger dos nossos sapatos contra o chão. Não ouço mais o choro de Caleb, mas ele já não estava mesmo capítulo um Acordo com o nome dele na boca. Will. Antes de abrir os olhos, vejo o desabar sobre o asfalto novamente. Morto. Pelas minhas mãos. Tobias se agacha na minha frente, apoiando a mão sobre meu

Leia mais

A ovelhinha que veio para o jantar

A ovelhinha que veio para o jantar A ovelhinha que veio para o jantar Oh não! OUTRA VEZ sopa de legumes! queixou-se o lobo, que já era velhinho. Quem me dera ter uma ovelhinha aqui à mesa. Fazia já um belo ensopado de borrego! Eis senão

Leia mais

DIANTE DA LEI O ROTEIRO Baseado em conto homônimo de Franz Kafka - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM.

DIANTE DA LEI O ROTEIRO Baseado em conto homônimo de Franz Kafka - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM. 1 - DIANTE DA LEI ROTEIRO DE: ALYSON LACERDA E-MAIL: ALYSONLACERDA@YAHOO.COM.BR SEQ.01 A RECEPÇÃO DA LEI 2 (CENA 01 - INT. PORTARIA DA LEI.INDIFERENTE) O camponês toca uma campainha que está sobre um balcão.

Leia mais

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope

A Vida Passada a Limpo. Ayleen P. Kalliope A Vida Passada a Limpo Ayleen P. Kalliope 2011 Este livro é dedicado ao meu querido filho, Pedro Paulo, que ao nascer me trouxe a possibilidade de parar de lecionar Inglês e Português, em escolas públicas

Leia mais

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos

10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos VERSÃO FOTOGRAFIA 10 simples passos que irão mudar a forma como você tira fotos Existem várias formas de alterar o resultado final de uma foto, seja através do ISO, da velocidade do obturador, da abertura

Leia mais

MARK CARVALHO. Capítulo 1

MARK CARVALHO. Capítulo 1 MARK CARVALHO Capítulo 1 Mark era um menino com altura média, pele clara, pequenos olhos verdes, cabelos com a cor de avelãs. Um dia estava em casa vendo televisão, até que ouviu: Filho, venha aqui na

Leia mais

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA

AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA AUTORES E ILUSTRADORES: GIOVANNA CHICARINO ROSA JOÃO VICTOR CAPUTO E SILVA 1ºA - 2011 APRESENTAÇÃO AO LONGO DESTE SEMESTRE AS CRIANÇAS DO 1º ANO REALIZARAM EM DUPLA UM TRABALHO DE PRODUÇÃO DE TEXTOS A

Leia mais

Curso Intermediário de LIBRAS

Curso Intermediário de LIBRAS Curso Intermediário de LIBRAS 1 Curso Intermediário de LIBRAS 2 Unidade 2 Fazer as compras Sábado foi dia de ir ao Tok Stok. Nós, casal, fomos passear e dar uma voltada para olhar os moveis e objetos.

Leia mais

FUGA de Beatriz Berbert

FUGA de Beatriz Berbert FUGA de Beatriz Berbert Copyright Beatriz Berbert Todos os direitos reservados juventudecabofrio@gmail.com Os 13 Filmes 1 FUGA FADE IN: CENA 1 PISCINA DO CONDOMÍNIO ENTARDECER Menina caminha sobre a borda

Leia mais

O ESCUDO DA FÉ. Efésios 6.16

O ESCUDO DA FÉ. Efésios 6.16 O ESCUDO DA FÉ Efésios 6.16 Tomando, sobretudo o escudo da fé, com o qual podereis apagar todos os dardos inflamados do maligno. Introdução Estamos em guerra, e como o apóstolo Paulo diz em Efésios 6.12,

Leia mais

4!! PARTE. Prosa de Ficção

4!! PARTE. Prosa de Ficção 4!! PARTE Prosa de Ficção O amigo Toma um fósforo. Acende o teu cigarro! Augusto dos Anjos José Murilo Martins Nunca esqueci o caso do senhor Ed North. Tinha estatura mediana, cabelos brancos, palidez

Leia mais

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com

Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Por volta de 1865, o jornalista João Brígido chega com Ciço ao Seminário da Prainha depois de uma viagem de mais de um mês, montado a cavalo, desde a região do Cariri até a capital, Fortaleza. Trazia uma

Leia mais

Para gostar de pensar

Para gostar de pensar Rosângela Trajano Para gostar de pensar Volume III - 3º ano Para gostar de pensar (Filosofia para crianças) Volume III 3º ano Para gostar de pensar Filosofia para crianças Volume III 3º ano Projeto editorial

Leia mais

Capítulo 1 Não fuja, senão eles vão encará-la como uma presa

Capítulo 1 Não fuja, senão eles vão encará-la como uma presa Capítulo 1 Não fuja, senão eles vão encará-la como uma presa AS CONDIÇÕES DE TEMPO ESTÃO PERFEITAS PARA TUBARÕES anunciou o instrutor de mergulho, por isso não se surpreendam se vocês derem de cara com

Leia mais

1676 TÓPICO C Este ensaio filosófico tem como tema central a legitimidade moral da eutanásia. Face a este problema, destacam-se dois autores dos quais conseguimos extrair dois pontos de vista relacionados

Leia mais

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai

Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai Histórias do Velho Testamento Histórias de Deus:Gênesis-Apocalipse 3 a 6 anos Unidade 04: Obedeça ao Senhor Josué obedece, o muro cai O velho testamento está cheio de histórias que Deus nos deu, espantosas

Leia mais

Objetos projetados por Leonardo Da Vinci para ser usados em guerras e, a maioria, serviria de inspiração mais tarde para nossos objetos atuais de

Objetos projetados por Leonardo Da Vinci para ser usados em guerras e, a maioria, serviria de inspiração mais tarde para nossos objetos atuais de A arte da guerra Biografia O grande Leonardo da Vinci, talvez o maior artista do Renascimento, era um personagem exercia atividade em várias áreas: pintor, arquiteto, cientista, matemático, poeta, músico

Leia mais

o coração ruge como um leão diante do que nos fizeram.

o coração ruge como um leão diante do que nos fizeram. um o coração ruge como um leão diante do que nos fizeram. 11 pois eles tinham coisas para dizer os canários estavam lá, e o limoeiro e a mulher velha com verrugas; e eu estava lá, uma criança e eu tocava

Leia mais

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira?

HISTÓRIA DE LINS. - Nossa que cara é essa? Parece que ficou acordada a noite toda? Confessa, ficou no face a noite inteira? HISTÓRIA DE LINS EE PROF.PE. EDUARDO R. de CARVALHO Alunos: Maria Luana Lino da Silva Rafaela Alves de Almeida Estefanny Mayra S. Pereira Agnes K. Bernardes História 1 Unidas Venceremos É a história de

Leia mais

IV PARTE FILOSOFIA DA

IV PARTE FILOSOFIA DA IV PARTE FILOSOFIA DA 119 P á g i n a O que é? Como surgiu? E qual o seu objetivo? É o que veremos ao longo desta narrativa sobre a abertura do trabalho. Irmos em busca das estrelas, no espaço exterior,

Leia mais

PROJEÇÃO ASTRAL CONSCIENTE

PROJEÇÃO ASTRAL CONSCIENTE www.espiritualistas.org PROJEÇÃO ASTRAL CONSCIENTE 29 de setembro de 2005 PROJEÇÃO ASTRAL - ARTIGO N O 1 Caros amigos, sair do corpo físico de forma inconsciente não é útil para se absorver conhecimentos

Leia mais

Como uma onda no mar...

Como uma onda no mar... Como uma onda no mar... A UU L AL A Certa vez a turma passou férias numa pequena cidade do litoral. Maristela costumava ficar horas a fio admirando a imensidão azul do mar, refletindo sobre coisas da vida

Leia mais

MEU TIO MATOU UM CARA

MEU TIO MATOU UM CARA MEU TIO MATOU UM CARA M eu tio matou um cara. Pelo menos foi isso que ele disse. Eu estava assistindo televisão, um programa idiota em que umas garotas muito gostosas ficavam dançando. O interfone tocou.

Leia mais

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a

Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a João do Medo Era uma vez um menino muito pobre chamado João, que vivia com o papai e a mamãe dele. Um dia, esse menino teve um sonho ruim com um monstro bem feio e, quando ele acordou, não encontrou mais

Leia mais

Sei que a bondade e a fidelidade me acompanharão todos os dias da minha vida, e (habitarei) à casa do Senhor enquanto eu viver. (Salmo 23.

Sei que a bondade e a fidelidade me acompanharão todos os dias da minha vida, e (habitarei) à casa do Senhor enquanto eu viver. (Salmo 23. Sei que a bondade e a fidelidade me acompanharão todos os dias da minha vida, e (habitarei) à casa do Senhor enquanto eu viver. (Salmo 23.6) Sei que a bondade e a fidelidade me acompanharão todos os dias

Leia mais

Contexto Espiritual.

Contexto Espiritual. Contexto Espiritual. Senisio Antonio 2 Contexto Espiritual Contexto Espiritual. 3 Senisio Antonio Projeto Força de Ler Senisio Antonio. 37980-000 Cássia MG Responsabilidade pela revisão: Maria Aparecida

Leia mais