MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO VOLTADO AO SIAFEM/SP APRESENTAÇÃO DO MANUAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO VOLTADO AO SIAFEM/SP APRESENTAÇÃO DO MANUAL"

Transcrição

1 MANUAL DE PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS DA ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA DO ESTADO DE SÃO PAULO VOLTADO AO SIAFEM/SP APRESENTAÇÃO DO MANUAL A Coordenação da Administração Financeira CAF, através da Contadoria Geral do Estado- CGE, lança o presente manual contendo conceitos e instruções básicas para o registro dos procedimentos contábeis relacionados ao Sistema Integrado da Administração Financeira para Estados e Municípios - SIAFEM/SP. Tem como objetivo principal orientar o usuário na aplicação de procedimentos e métodos, padronizando as diretrizes formais da execução orçamentária, atendendo assim as exigências de racionalização e padronização das rotinas, visando à melhoria em proveito do melhor serviço público no que diz respeito à transparência. Com o emprego deste manual, busca-se a democratização e universalização do conhecimento por todos os órgãos da Administração Pública Paulista, atingindo assim, a produtividade via eficácia e eficiência dos procedimentos, reduzindo o tempo de trabalho e por conseqüência, os custos dos processos contábeis. Se observadas com rigidez, as normas contidas neste manual buscarão a minimização da incidência de erros e entradas de dados desnecessárias no sistema, evitando assim, a apuração incorreta do resultado do exercício, o que muitas vezes importa em justificativas desnecessárias aos órgãos de controle. Esperamos que o conteúdo deste manual contribua com a disseminação dos conhecimentos relacionados à contabilidade pública paulista e que você, caro usuário, o utilize no dia-a-dia de seu trabalho, como fonte de subsídio nos procedimentos contábeis de sua unidade, bem como o divulgue aos demais usuários que operam o sistema. A Contadoria Geral do Estado está aberta a sugestões e críticas, bem como as correções que se fizerem necessárias a título de colaboração na atualização deste material, lembrando sempre que o nosso foco é a adequada aplicação dos recursos públicos.

2 APRESENTAÇÃO DO SISTEMA SIAFEM/SP O Sistema SIAFEM/SP O SIAFEM/SP, SISTEMA INTEGRADO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA PARA ESTADOS E MUNICÍPIOS, é um sistema desenvolvido pelo Serviço Federal de Processamento de Dados - SERPRO, utilizado para otimizar e uniformizar a execução orçamentária, financeira, patrimonial e contábil, de forma integrada, minimizando os custos, obtendo maior transparência, eficiência e eficácia na gestão dos recursos públicos, facilitando assim a apreciação de contas do Governo pelos Órgãos de Controle Interno do Poder Executivo e de Controle Externo representados pela Assembléia Legislativa e Tribunal de Contas. O SIAFEM/SP, instituído pelo Decreto Estadual nº de 21 de dezembro de 1995, é um sistema que processa, em tempo real, a execução orçamentária, financeira, patrimonial e contábil das Entidades da Administração Estadual Direta e Indireta. A construção do seu aplicativo foi baseada na Lei nº , de 17 de março de 1964, que institui normas gerais de direito financeiro para elaboração, execução e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados e Municípios e do Distrito Federal, constituindo-se na base da legislação financeira do País e respectivas portarias federais que versam sobre a mesma matéria, bem como na Lei nº , de 15 de dezembro de 1976, que dispõe sobre as Sociedades por Ações.

3 Da Segurança e acesso aos sistemas Para dar maior segurança ao SIAFEM/SP, foi desenvolvida a ferramenta denominada NAVEGA, que administra e controla o acesso dos usuários aos Sistemas bem como fornece de forma padronizada os menus que conduzem os usuários às transações permitidas e escolhidas. O acesso aos sistemas é feito por meio do CPF e senha do usuário, sendo esta pessoal e intransferível. Assim, o usuário é responsável pela utilização dos sistemas sob sua senha, devendo portanto observar as regras contidas na Instrução CGE nº. 1, publicada no Diário Oficial do Estado de São Paulo no dia 15 de dezembro de Na página seguinte é apresentada a árvore dos sistemas NAVEGA, COMUNICA, SIAFISICO E SIAFEM. NAVEGA: Administra e controla: as transações, as senhas (níveis e perfis de acesso dos usuários) nos Sistemas "COMUNICA", SIAFISICO e "SIAFEM". COMUNICA: Administra a troca de mensagens entre os usuários dos sistemas. Vale ressaltar que as mensagens recebidas e não confirmadas irão aparecer quando do acesso ao Sistema SIAFEM. SIAFISICO: em linhas gerais, além de conter os cadastros dos fornecedores, dos materiais, dos serviços e dos preços praticados, processa também a despesa orçamentária referentes a materiais e serviços, descarregando sua contabilização (nota de empenho e liquidação) no SIAFEM/SP. O sistema abriga ainda o subsistema Bolsa Eletrônica de Compras.

4 Árvore dos sistemas No SIAFEM/SP os sistemas e subsistemas se comunicam entre si, a fim de integrar todo o processo de execução orçamentária e financeira, exceto o COMUNICA, que é o sistema de mensagens. SISTEMA NAVEGA Sistema de Segurança para acesso aos sistemas COMUNICA SIAFÍSICO SIAFEM Sistema de Mensagens Administra Sistemas Administra Usuários Recupera Informações Transações da Bolsa Eletrônica de Compras Cadastro de Fornecedores Cadastro de Material e Serviços Cadastro de Órgãos Contabiliza Muda Parâmetros de Habilitação Planejamento Registro de Preços Tabelas de Apoio Auditoria e Controle Cadastros Básicos Contabilidade Execução Financeira Execução Orçamentária Manuais Controle Patrimonial Tabelas Obs.: Cada sistema possui diversos subsistemas, cada subsistema possui diversos módulos, cada módulo possui diversas transações. Abaixo a tela de acesso aos sistemas

5 GOVERNO DO ESTADO DE SAO PAULO ** ** ******** ** ** ******** ****** ****** *** ** ******** ** ** ******** ******** ******** **** ** ** ** ** ** ** ** ** ** ***** ** ******** ** ** ***** ** **** ******** ** ***** ******** ** *** ***** ** **** ******** ** **** ** ** ** *** ** ** ** ** ** ** *** ** ** **** ******** ******** ** ** ** ** ** ** *** ******** ****** ** ** SISTEMA DE CONTROLE DE ACESSO TERMINAL : R5Q8 DATA : 21/05/2007 HORA : 09:37:09 CODIGO : SENHA : NOVA SENHA : PF3/PA1 = RETORNA Obs.: Ao inserir o CPF e senha, será disponibilizado o campo do sistema a ser escolhido seguido dos últimos dois dígitos do ano. Frequentemente o sistema requer que usuário cadastre uma nova senha como medida de segurança.

6 PLANO DE CONTAS E TABELA DE EVENTOS ( ESTRUTURA E ESCRITURAÇÃO ) O SIAFEM/SP registra os lançamentos contábeis correspondentes aos atos e fatos praticados pelos gestores públicos quando do exercício de suas atividades. Assim, é possível utilizar a contabilidade como fonte de informações confiáveis e instantâneas, pois os registros são lançados no mesmo momento em que os fatos ocorrem. A execução contábil relativa aos atos e fatos de gestão financeira, orçamentária e patrimonial do Estado utiliza ao Plano de Contas elaborado e mantido de acordo com os padrões estabelecidos, tendo como partes integrantes a relação das contas agrupadas segundo suas funções, a tabela de eventos (conjunto de todos os eventos existentes) e a indicação do mecanismo de débito e crédito de cada conta. Trata-se, portanto, de um conjunto de contas utilizáveis em toda a Administração Pública Estadual, organizadas e codificadas com o propósito de sistematizar e uniformizar o registro contábil dos atos e fatos de gestão, e permitir a qualquer momento, com precisão e clareza, a obtenção dos dados relativos ao patrimônio do Estado. Portanto, o Plano de Contas tem como objetivo principal atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro dos atos e fatos relacionados com os recursos colocados á disposição dos órgãos da Administração Direta e Indireta, de forma a dar maior flexibilidade no gerenciamento e consolidação dos dados e ainda atender às necessidades de informações em todos os níveis da organização. O Plano de Contas atualizado poderá ser obtido através de contato na página eletrônica da Secretaria da Fazenda com o Centro de Apoio ao Usuário CAU. SISTEMAS DE CONTAS As contas estão separadas em sistemas de contas independentes para facilitar a elaboração dos balanços e demonstrativos. Os lançamentos contábeis são efetuados fechados em cada sistema, quando se debita uma conta de um determinado sistema a conta creditada pertence ao mesmo sistema. Os sistemas são: SISTEMA FINANCEIRO SISTEMA PATRIMONIAL SISTEMA ORÇAMENTÁRIO SISTEMA DE COMPENSAÇÃO

7 SISTEMA FINANCEIRO Relacionado com as entradas e saídas de recursos, ou seja recebimentos e pagamentos de natureza orçamentária e extra-orçamentária. Suas principais contas estão relacionadas com as contrapartidas do grupo DISPONÍVEL, visto que este grupo representa as entradas e saídas de recursos. SISTEMA PATRIMONIAL Registra a incorporação e desincorporação de ativos e passivos. SISTEMA ORÇAMENTÁRIO Representa os atos de natureza orçamentária. Nele é feita a comparação da receita prevista com a sua realização e da despesa fixada com a sua execução, portanto os fatos de arrecadação da receita e liquidação da despesa passam por este sistema. SISTEMA DE COMPENSAÇÃO Representado pelos atos praticados que não afetam o Patrimônio num primeiro momento, mas que direta ou indiretamente, passam a afeta-lo

8 A ESTRUTURA BÁSICA DO PLANO DE CONTAS DO ESTADO EM NÍVEL DE CLASSE/GRUPO CONSISTE NA SEGUINTE DISPOSIÇÃO: 1- ATIVO 1.1- CIRCULANTE 1.2- REALIZÁVEL A LONGO PRAZO 1.4-PERMANENTE 1.9- COMPENSADO 2- PASSIVO 2.1- CIRCULANTE 2.2- EXIGÍVEL A LONGO PRAZO 2.3-RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS 2.4- PATRIMÔNIO LÍQUIDO 2.9- PASSIVO COMPENSADO 3- DESPESA 3.3 DESPESAS CORRENTES 3.4- DESPESAS DE CAPITAL 3.9- RESERVA DE CONTINGÊNCIA 4- RECEITA 4.1- RECEITAS CORRENTES 4.2- RECEITAS DE CAPITAL 4.9- * DEDUÇÕES DA RECEITA 5- RESULTADO DO EXERCÍCIO 5.1- RESULTADO ORÇAMENTÁRIO 5.2- RESULTADO EXTRA-ORÇAMENTÁRIO 6- RESULTADO DO EXERCÍCIO 6.1- RESULTADO ORÇAMENTÁRIO 6.2- RESULTADO EXTRA ORÇAMENTÁRIO O Plano de Contas contém as diretrizes técnicas gerais e especiais que orientam os registros dos atos e fatos praticados na entidade.

9 CONTAS Conta é o título representativo da relação débito/crédito de um determinado fato ou ato administrativo. É na conta que são efetuados os registros das transações de mesma natureza, aglutinadas sob um mesmo título. 0 plano de contas compreende oito níveis de desdobramento, classificados e codificados de acordo com a seguinte estrutura: X X X X X XX XX CÓDIGO 1º NÍVEL - CLASSE 2º NÍVEL - GRUPO 3º NÍVEL - SUBGRUPO 4º NÍVEL - ELEMENTO 5º NÍVEL - SUBELEMENTO 6º NÍVEL - ITEM 7º NÍVEL - SUBITEM 8º NÍVEL - CONTA CORRENTE

10 CONTAS CORRENTES No 8º nível- Conta Corrente, as informações serão tratadas de conformidade com a individualização peculiar a conta respectiva, de acordo com a tabela própria estruturada e cadastrada, observadas as instruções específicas tendo em vista a flexibilidade no gerenciamento dos dados necessários. São contas com detalhamento específico. Permite o controle individualizado de saldos, para os quais seja necessário maior detalhamento, principalmente para identificar fornecedores, empenhos, favorecidos. Ex: Contas bancárias, em que a conta corrente de bancos representa o banco, a agência e a conta bancária do correntista, Fornecedores, detalhada por C.N.P.J ou C.P.F, etc. Com a utilização de contas correntes, é possível manter o plano de contas mais enxuto. Note-se ainda que as contas dividem-se em escrituráveis e não escrituráveis. As escrituráveis recebem registro em qualquer dos seus níveis (exceto nos três (3) primeiros) e subdividem-se em sintéticas (não exigem conta corrente) e analíticas (exigem conta-corrente). TABELA DE CONTA CORRENTE

11 CÓDIGO DESCRIÇÃO COMPOSIÇÃO 01 Banco+Agência+Conta Bancária XXX+XXXXX+XXXXXXXXXX 02 CNPJ, CPF IG ou UG + Gestão XXXXXXXXXXXXXX 03 UG+ FR XXXXXX+XXXXXXXXXX 04 Exercício +CNPJ ou CPF XXXX+XXXXXXXXXXXXXX 05 Guia de Recebimento XXXX+GR+XXXXX 06 Ordem Bancária XXXX+OB+xxxxx 07 Subitem (YY) da natureza da despesa (conta 3) YY 08 Inscrição genérica IGXXXXXXX 10 Fonte de Recursos XXXXXXXXXX 11 Unidade gestora + Gestão XXXXXX+XXXXX 12 Célula da Receita XXXXXXXX 13 Exercício + Fonte de Recursos XXXX+XXXXXXXXXX 14 Célula da Despesa (PTRES+FR+ND+UGR+PI) XXXXXX+XXXXXXXXXX+XXXXXX+XXXXXX+XXXXXXXXXXX 15 Célula Financeira XXX+X (Fonte de Recurso-FR + Categoria de Gasto) 16 Tributo XXXX 17 Célula Financeira +ano +mês XXX+X+XXXX+XX 18 Nota de Empenho - NE XXXX+NE+XXXXX 19 Fonte +Natureza da Despesa XXXXXXXXX+XXXXXXXX 20 Fonte SOF XXX 21 Número do Convênio, Acordo ou Ajuste XXXXXX 22 Célula da Despesa com ND detalhada XXXXXX+XXXXXXXXX+XXXXXXXX+ XXXXXX+XXXXXXXXXXX 23 UG+ Célula Financeira +Ano +Mês XXXXXX+XXX+X+XXXX+XX 24 Número de Auxílio, Subvenções ou XXXXXX Contribuições 25 Célula Financeira com Fonte detalhada +Ano XXXXXXXXX+X+XXXX+XX +Mês 26 Centro de Custos XXXXXXXXXXXXXXXXXXXXXX 27 Credor+Empenho (Apenas Inscrição 14) XXXXXXXXXXXXXX+XXXXNEXXXXX 28 Célula Orçamentária da Despesa sem Plano PTRES +Fonte +ND+GR Interno 29 Célula Orçamentária da Despesa detalhada sem PTRES+Fonte+ND/DET+UGR plano interno 30 UG + Gestão + Fonte + Natureza da despesa XXXXXX+XXXXX+XXXXXXXXX+XXXXXX+ XXXX+XX +ano + mês 31 Fonte +Natureza da Despesa Detalhada XXXXXXXXX+XXXXXXXX 32 UG+ Gestão + Fonte +ano + Mês XXXXXX+XXXXX+XXXXXXXXX+XXXX+XX 33 Número da Oferta de Compra XXXXOCXXXXX 34 Identificador de Obras TUUUUUUAAAAMMNNNNNNNNN 35 Medição de Obra TUUUUUUAAAAMMNNNNNNNNN+Ano+Mêsde Medição 36 Identificador de Obra + Empenho TUUUUUUAAAAMMNNNNNNNNN+NE

12 37 Identificado de Obra+NE+Ano+Mês de Medição TUUUUUUAAAAMMNNNNNNNNN+NE+Ano+Mês de Medição 38 Grupo Idenficador Patrimonial Natureza do Bem +Ano+Mês+Durabilidade em Meses NNNNNNNN+AAAA+MM+QQQ 39 Credor+NE+Natureza da Despesa+Fonte Mãe CCCCCCCCCCCCCC+AAAANENNNNN+NNNNNNNN+FFF 40 Fonte Detalhada+ Categoria de Gasto FFFFFFFFF+C 41 Número do Processo PPPPPPPPPPPPPPP 42 Empenho + Número do Processo AAAANENNNNN+PPPPPPPPPPPPPPP 43 Credor+Natureza da Despesa+Fonte Detalhada XXXXXXXXXXXXXX+DDDDDDDD+FFFFFFFFF 44 Natureza da Receita+Fonte+Ano+Mês NNNNNNNN+FFFFFFFFF+AAAA+MM 45 Natureza da Receita+Fonte+Município NNNNNNNN+FFFFFFFFF+MMMM 46 Natureza do Bem NNNNNNNN 47 Nota Patrimonial-NP + identificador Patrimonial AAAANPNNNNN+XXXXXXXX+AAAA+MM 48 UG+Gestão+NP+Identificador Patrimonial UUUUUU+GGGGG+AAANPNNNNN+XXXXXXXX+AAAA+MM+ QQ 49 UG+Gestão+NP+Natureza do Bem UUUUUU+GGGGG+AAAANPNNNNN+XXXXXXXX 50 Registro Geral do Imóvel-RGI+ AAAA+MM+QQQ XXXXXXXX+MMMM+SSSSSS+AAAA+MM+QQQ 51 UG+Gestão+RGI+AAAA+MM+QQQ UUUUUU+GGGGGG+XXXXXX+MMMM+SSSSSS+AAAA+MM +QQQ 52 UG+Gestão+RGI UUUUUU+GGGGGG+XXXXXX+MMMM+SSSSSS 53 Registro Geral do Imóvel (RGI XXXXXXXX+MMMM+SSSSSS 54 Credor + Natureza da Receita +Fonte XXXXXXXXXXXXXX+YYYYYYYY+FFFFFFFF 55 Credor + Conta Contábil XXXXXXXXXXXXXX+YYYYYYYY 56 Fonte detalhada + Ano +Mês FFFFFFFFF+AAAA+MM 57 Célula orçamentária da despesa com Processo PTRES+Fonte+ND+UGR+Nº Processo CONTAS RETIFICADORAS São identificadas no plano de contas com o sinal * (asterisco) antes da titulação 0 primeiro nível representa a classificação máxima na agregação das contas nas seguintes classes: ATIVO PASSIVO

13 DESPESA RECEITA RESULTADO DO EXERCÍCIO 0 ativo inclui as contas correspondentes aos bens e direitos, demonstrando a aplicação dos recursos. Nele as contas estão dispostas em ordem decrescente de grau de liquidez 0 passivo compreende as contas relativas às obrigações, evidenciando as origens dos recursos aplicados no ativo; A despesa inclui as contas representativas dos recursos despendidos na gestão, a serem computados na apuração do resultado; A receita inclui as contas representativas dos recursos auferidos na gestão, a serem computados na apuração do resultado. 0 ativo compreende os seguintes grupos de contas: ATIVO CIRCULANTE REALIZÁVEL A LONGO PRAZO ATIVO PERMANENTE ATIVO COMPENSADO 0 ativo circulante compreende as disponibilidades de numerário, os recursos a receber, as antecipações de despesa, bem como outros bens e direitos pendentes ou em circulação, realizáveis até o término do exercício seguinte; 0 realizável a longo prazo são os direitos realizáveis normalmente após o término do exercício seguinte; 0 ativo permanente representa os investimentos de caráter permanente, as imobilizações, bem como despesas diferidas que contribuirão para a formação do resultado de mais de um exercício; 0 ativo compensado compreende contas com função precípua de controle, relacionadas aos bens, direitos, obrigações e situações não compreendidas no patrimônio mas que, direta ou indiretamente, possam vir a afetá-lo, inclusive as relativas a atos e fatos relacionados com a execução orçamentária e financeira; No passivo as contas estão dispostas no Plano de contas em ordem decrescente de grau de exigibilidade e é representado pelos seguintes grupos de contas: PASSIVO CIRCULANTE EXIGÍVEL A LONGO PRAZO RESULTADO DE EXERCÍCIOS FUTUROS PATRIMÔNIO LÍQUIDO

14 PASSIVO COMPENSADO 0 passivo circulante compreende os depósitos, os restos a pagar, as antecipações de receita, bem como outras obrigações pendentes ou em circulação, exigíveis normalmente após o término do exercício seguinte; 0 exigível a longo prazo são as obrigações exigíveis normalmente após o término do exercício seguinte; 0 resultado de exercícios futuros compreende as contas representativas de receita de exercícios futuros, bem como as despesas a ela correspondente; 0 patrimônio líquido representa o capital autorizado, as reservas de capital e outras que forem definidas, bem como o0 resultado acumulado não destinado: 0 passivo compensado compreende contas, relacionadas aos bens, direitos, obrigações e situações não compreendidas no patrimônio mas que, direta ou indiretamente, possam vir a afetá-lo. A despesa compreende os recursos despendidos na gestão, a serem computados na apuração do resultado do exercício, desdobradas nas seguintes categorias econômicas: DESPESAS CORRENTES DESPESAS DE CAPITAL CLASSIFICAÇÃO ECONÔMICA DA DESPESA A Lei nº /64 define a classificação econômica da despesa em seus artigos 12 a 21. Visando a consolidação da contas públicas em obediência ao disposto no art. 51 da Lei de Responsabilidade Fiscal - LRF, a Secretaria do Tesouro Nacional- STN e a Secretaria de Orçamento Federal- SOF, editaram a Portaria nº. 163, de 4/5/2001, unificando a classificação econômica da receita e despesa, a serem observadas nos orçamentos e balanços de todas as esferas de governo, a partir do exercício de A classificação econômica da despesa orçamentária dá ênfase nos efeitos dos gastos sobre da administração pública, respondendo às seguintes interrogações: Quais recursos se destinam à manutenção do estado? Quais recursos se destinam á ampliação da capacidade instalada do estado? Quais recursos se destinam às transferências governamentais?

15 A classificação econômica da despesa no Estado de São Paulo, é detalhada em portaria expedida pela Coordenadoria do Orçamento CO, da Secretaria de Economia e do Planejamento. Resumindo temos: Portaria CPO nº. 1 de DIGITOS NOMENCLATURA ESPECIFICAÇÃO 1º Indica a categoria econômica Da despesa X A categoria mostra o efeito econômico do gasto É despesa corrente ou é despesa de capital? 2º Indica o grupo de despesa 0.X O grupo de despesa agrega elementos de despesa com as mesmas características quanto ao objeto do gasto: 1. Pessoal e encargos sociais; 2. Juros e encargos da dívida 3. Outras despesas correntes 4. Investimentos

16 3º e4º Indicam a Modalidade de Aplicação 0.0.XX º e 6º Indicam o elemento de despesa XX.00 7º e 8º Indicam o Item de despesa XX 5. Inversões Financeiras; 6. Amortização da Dívida Aplicação dos recursos. Como serão efetuados os gastos? A finalidade da modalidade é indicar se os recursos são aplicados diretamente pelo órgão ou entidades no âmbito da mesma esfera de governo ou por outro ente da Federação e suas respectivas entidades, objetivando a eliminação da dupla contagem dos recursos transferidos ou descentralizados. Objeto do gasto. O elemento de despesa identifica os objetos de gasto, tais como vencimentos e vantagens fixas, juros, diárias, material de consumo, serviços de terceiros prestados sob qualquer forma, subvenções sociais, obras e instalações, equipamentos e material permanente, auxílios, amortização e outros de que a administração pública se serve para a consecução de seus fins. O item de despesa indica especificamente o que será adquirido. Detalha o elemento da despesa. Ex: limpeza, água, esgoto, serviços gráficos, veículos.

17 RESUMO DA PORTARIA CPO 1-05 DESPESAS ORÇAMENTÁRIAS CORRENTES Compreendem as despesas operacionais, de funcionamento, de manutenção; as despesas com obras de conservação e adaptação de bens imóveis, tanto de execução direta quanto aquelas a cargo de outras entidades, as de pessoal e encargos sociais, observadas as conceituações existentes nos dispositivos legais e normas pertinentes em vigor. Despesas de Custeio " Parágrafo 1º do art. 12 da Lei Fed /64 " São despesas de execução direta. " juros e encargos das dividas interna e externa e outras despesas correntes Dotações feitas para manutenção de serviços anteriormente criados, inclusive as destinadas para atender obras de conservação e adaptação de bens imóveis. Transferências Correntes " Parágrafo 2º do art. 12 da Lei Fed /64. " As dotações não correspondem a uma contraprestação direta de bens ou serviços. " São elas: contribuições e subvenções para a manutenção de outras entidades de direito público ou privado, auxílios, contribuições e encargos da dívida, etc. CAPITAL Criação, constituição ou aquisição de bens de capital, sendo indiferente se determinam ou não acréscimo no Patrimônio Público. ; correspondem as de investimentos, inversões financeiras, amortização das dívidas interna e externa e outras despesas de capital, observadas as conceituações legais pertinentes em vigor; São exemplos:! Acréscimos: Terrenos, prédios, equipamentos, títulos, etc.! Sem acréscimos: Parques, estradas, pontes, praças, etc. Investimentos Inversões Financeiras " Parágrafo 4º do art. 12 da Lei Fed /64. " São dotações para planejamento e obras, inclusive as destinadas à aquisição de imóveis considerados necessários à realização destas últimas, bem como para os programas especiais de trabalho, aquisição de instalações, equipamentos Dotações para: " Aquisição de títulos representativos de capital de empresas ou entidades já constituídas, desde que não seja aumento de capital; " Constituição ou aumento de capital de empresas ou instituições que visem fins comerciais ou financeiros; " Aquisição de imóveis ou bens de capital já em uso. DESPESAS EXTRA-ORÇAMENTÁRIAS Saídas financeiras ou despesas que provocam alterações no patrimônio financeiro, sem que, porém ocorram modificações no saldo patrimonial financeiro. Saída financeira que gera diminuição de igual valor no ativo financeiro e no passivo financeiro.

18 Observe-se que as despesas ainda mais detalhadas na Portaria pela tabela F, objetivam oferecer informações mais específicas sobre gastos do setor público. A receita compreende os recursos auferidos na gestão, a serem computados na apuração do resultado do exercício, desdobradas nas seguintes categorias econômicas: RECEITAS CORRENTES RECEITAS DE CAPITAL Assim temos: RECEITA ORÇAMENTÁRIA Entradas financeiras que aumentam o saldo do patrimônio financeiro. CORRENTES compreendem as tributárias, de contribuições, patrimoniais, agropecuárias, industriais, de serviços e outras de natureza semelhante, bem como as provenientes de transferências correntes, observadas as conceituações legais pertinentes em vigor; CAPITAL correspondem a constituição de dívidas, conversão em espécie de bens e direitos, utilização de saldos de exercícios anteriores ou de reservas e outras de natureza semelhante, bem como as provenientes de transferências de capital, observadas as normas legais pertinentes em vigor; RECEITA EXTRA-ORÇAMENTÁRIA Entradas que provocam alterações do patrimônio financeiro, porém não modificam o seu saldo. Ela não integra o orçamento público, não constituindo renda da Administração. O Estado apenas é considerado seu depositário quando do seu ingresso e nesse momento é gerado um aumento de igual valor no ativo e no passivo, ambos financeiros, mantendo inalterado o saldo patrimonial financeiro. Ex: Fiança, contra-garantia, etc. Note-se que quando da publicação do orçamento público, uma parte é previamente comprometida. São as chamadas vinculações. (Vide artigos da Constituição Federal: arts.: 155,157,159,169,212,218. Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da CF: arts.: 60,77, 198. Constituição Estadual: arts.: 115,167,255,271. Lei de Responsabilidade Fiscal: arts.: 19 e 20

19 0 resultado do exercício (diminutivo) contêm os seguintes grupos: RESULTADO ORÇAMENTÁRIO RESULTADO EXTRA-ORÇAMENTÁRIO 0 resultado orçamentário corresponde as despesas, interferências passivas e as mutações patrimoniais passivas resultantes da execução orçamentária; 0 resultado extra-orçamentário abrange as interferências passivas e as mutações patrimoniais passivas independentes da execução orçamentária. 0 resultado do exercício (aumentativo) compreende os seguintes grupos de contas: RESULTADO ORÇAMENTÁRIO RESULTADO EXTRA-ORÇAMENTÁRIO 0 resultado orçamentário representa as receitas, interferências ativas e as mutações patrimoniais ativas resultantes da execução orçamentária. 0 resultado extra-orçamentário abrange as interferências ativas e as mutações patrimoniais ativas independentes da execução orçamentária. 0 resultado apurado é conta transitória utilizada no encerramento do exercício para demonstrar a apuração do resultado do exercício. MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO As contas do Ativo são debitadas pelos aumentos e creditadas pelas diminuições dos seus componentes As contas do Passivo são creditadas pelos aumentos e debitadas pelas diminuições dos seus componentes.

20 CONSOLIDAÇÃO DOS BALANÇOS A consolidação de Balanços é efetuada no 3º nível (subgrupo de acordo com a estrutura abaixo: ESTRUTURA DA CONSOLIDAÇÃO DE BALANÇOS 1. ATIVO 2. PASSIVO 1.1 CIRCULANTE 2.1 CIRCULANTE DISPONÍVEL DEPÓSITOS CRÉDITOS EM CIRCULAÇÃO OBRIGAÇOES EM CIRCULAÇÃO BENS E VALORES EM CIRCULAÇÃO EMPRESTIMOS E FINANCIAM EM CIRCULCAÇÃO VALORES PENDENTES A CURTO PREAZO VALORES PENDENTES A CURTO PREAZO 1.2 REALIZAVEL A LONGO PRAZO 2.2 EXIGÍVEL A LONGO PRAZO DEPÓSITOS REALIZÁVEIS A LONGO PRAZO DEPÓSITOS EXIGÍVEIS A LONGO PRAZO CRÉDITOS REALIZÁVEIS A LONGO PRAZO OBRIGAÇOES EXIGÍVEIS A LONGO PRAZO OUTRA EXIGIBILIDADES 2.3 RESULTADOS DE EXERCÍCIOS FUTUROS RECEITAS DE EXERCÇIOS FUTUROS CUSTOS E DESPESAS CORRESP. A RECEITAS 1.4 PERMANENTE 2.4 PATRIMÔNIO LÍQUIDO INVESTIMENTOS PATRIMÔNIO/CAPITAL IMOBILIZADO RESERVAS DIFERERIDO RESULTADO ACUMULADO AJUSTE DO PATRIMÔNIO/CAPITAL 1.9 COMPENSADO 2.9 COMPENSADO EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA DA RECEITA EXECUÇÃO OR;AMENTÁRIA DA RECEITA EXECUÇÃO ORÁMENTÁRIA DA DESPESA EXECUÇÃO ORÁMENTÁRIA DA DESPESA EXECUÇÃO DA PROGRAMAÇÃO FINANC EXECUÇÃO DA PROGRAMAÇÃO FINANCEIRA DESP. E DÍVIDAS DOS ESTADOS E MUNICÍP DESP.DÍVIDAAS DOS ESTADOS EMUNICÍPIOS EXECUÇÃO DE RESTOS A PAGAR EXECUÇÃO DE RESTOS A PAGAR ENCERRAM. CONTAS DE CONTR. ESPECÍF CONTROLE DE CRÉDITOS ADICIONAIS LIMITE COMPENSAÇÕES ATIVAS DIVERSAS COMPENSAÇÕES PASSIVAS DIVERSAS

21 3 DESPESA 4 RECEITA 3.3 DESPESAS CORRENTES 4.1 RECEITAS CORRENTES 3.4 DESPESA DE CAPITAL 4.2 RECEITAS DE CAPITAL 3.9 RESERVA DE CONTINGÊNCIA 4.9 *DEDUÇÕES DA RECEITA 5 RESULTADO DO EXERCÍCIO 6 RESULTADO DO EXERCÍCIO 5.1 RESULTADO ORÇAMENTÁRIO 6.1 RESULTADO ORÁMENTÁRIO 5.1.1DESPESA ORÁMENTÁRIA RECEITA ORÇÁMETÁRIA INTERFERÊNCIAS PASSIVAS INTERFERÊNCIAS ATIVAS MUTAÇÕES PASSIVAS MUTAÇÕES ATIVAS 5.2 RESULTADO EXTRA-ORÇAMENTÁRIO 6.2 RESULTADO EXTRA-ORÇAMENTÁRIO INTERFERÊNCIAS PASSIVAS INTERFERÊNCIAS ATIVAS MUTAÇOÕES PASSIVAS MUTAÇÕES ATIVAS 6.3 RESULTADO APURADO

22 A TABELA DE EVENTOS Como são numerosas as contas do Plano de Contas, pois o mesmo abriga as contas dos quatro sistemas contábeis (orçamentário, patrimonial, financeiro e compensação) e ainda as contas de controle da execução orçamentária e financeira, foi essencial que se criasse um outro mecanismo dentro do SIAFEM que pudesse facilitar o trabalho de registro dos atos e fatos de gestão. Assim surgiu o EVENTO, que é um código associado a cada tipo de ato ou fato que deva ser registrado contabilmente pelo sistema e ao qual se associa, por sua vez, um roteiro contábil, ou seja, uma lista das contas de débito e crédito que devam ser afetadas, de forma a que todos os operadores do SIAFEM possam efetuar lançamentos contábeis. código do evento é composto de 6 (seis) algarismos estruturados da seguinte forma: XX X XXX - TRANSAÇÃO IDENTIFICA O CONJUNTO DE EVENTOS DE UMA MESMA NATUREZA. ESTES CÓDIGOS SÃO ASSOCIADOS AOS PRÓPRIOS DOCUMENTOS DE ENTRADA DO SIAFEM - TIPO SITUAÇÃO DO REGISTRO (0) EVENTO NORMAL DO GESTOR. (1) EVENTO INTERNO DO SIAFEM (5) ESTORNO DE EVENTO NORMAL (PELO GESTOR) (6) ESTORNO INTERNO DO SIAFEM - CÓDIGO SEQUENCIAL

23 ÍNDICE DOS EVENTOS EVENTOS DE PREVISÃO DE RECEITA EVENTOS DE DOTAÇÃO EVENTOS DE MOVIMENTAÇÃO DE CREDITO EVENTOS DE EMPENHO EVENTOS DE APROPRIAÇÕES, RETENÇÕES, LIQUIDAÇÕES E OUTROS EVENTOS DE APROPRIAÇÕES DE DESPESAS EVENTOS DE RETENÇÕES E OBRIGAÇÕES EVENTOS DE LIQUIDAÇÕES DE OBRIGAÇÕES EVENTOS DIVERSOS EVENTOS DE APROPRIAÇÕES DE DIREITOS EVENTOS DE LIQUIDAÇÕES DE DIREITOS EVENTOS DE TRANSAÇÕES PRONTAS EVENTOS DE RESTOS A PAGAR EVENTOS DE LIQUIDAÇÃO DE RESTOS A PAGAR EVENTOS PARA CENTRO DE CUSTOS EVENTOS DE LIQUIDAÇÃO DE RESTOS A PAGAR REGIME DE EXECUÇÃO ESPECIAL EVENTOS DE DESEMBOLSOS EVENTOS PARA PAGAMENTOS BAIXA POR NL RETENÇÕES E CANCELAMENTOS EVENTOS DE EMBOLSOS E DE RECEITA APROPRIAÇÕES DE RECEITAS FUNDAMENTOS LÓGICOS Via de regra os códigos dos eventos mantém correlação com os documentos de entrada do SIAFEM/SP. Os eventos 51.0.xxx serão utilizados sempre que a despesa (exceto 4130) for reconhecida, esteja ou não em condições de pagamento. Os eventos 55.0.xxx serão utilizados para apropriar os valores representativos de direitos, inclusive por desembolsos efetuados pela própria unidade gestora para prestação de contas posterior; Os eventos xx serão utilizados para liquidar os direitos apropriados pelos eventos 55.0.xx, e suas dezenas finais mantém, na sua maioria, correlação o entre si, para facilitar a identificação e 0 uso dos mesmos; Os eventos 60.0.xxx serão utilizados para restos a pagar.

24 REGRAS BÁSICAS As unidades gestoras deverão utilizar, para registro de suas transações diárias, os códigos da tabela de eventos existentes no SIAFEM; Caso não encontre na tabela 0 evento que expresse com bastante clareza a transação a ser processada, deverá contatar 0 órgão de contabilidade para os esclarecimentos necessários; Somente aos órgãos de contabilidade compete realizar os registros contábeis, sem utilização de eventos. Neste caso, o tratamento a ser dado aos mesmos será através de débito (d) e crédito (c), desde que não se trate de receitas e/ou despesas. A tabela de eventos, além dos objetivos acima citados, veio substituir a forma usual de apresentação de um plano de contas no que tange a correspondência entre as contas (digrafograma); 0 SIAFEM/SP somente validará os documentos de entrada de dados, em termos contábeis, se eles se apresentarem com os eventos que no todo, completem partidas dobradas (total dos débitos igual ao total dos créditos); A tabela de eventos é parte integrante do plano de contas único; A Contadoria Geral do Estado é o órgão responsável pela manutenção da tabela de eventos. ESCRITURAÇÃO Os fatos contábeis são escriturados com o uso dos eventos de forma sintética nas contas contábeis, em partidas dobradas e detalhados nas contas correntes. A contabilidade Pública se utiliza dos regime de caixa para o registro das receitas e do regime de competência para o registro das despesas, trata-se portanto de regime misto previsto no artigo 35 da Lei Federal nº /64 Um fato contábil dentro da lógica do Plano de Contas do SIAFEM/SP, é qualquer fato que possa ser registrado por meio de contas contábeis, detalhadas ou não por contas correntes. É possível que para o registro de um mesmo fato contábil sejam necessários vários lançamentos que poderão afetar mais de um sistema (orçamentário, financeiro, patrimonial e compensação). Ex: Na arrecadação da receita orçamentária são afetados os sistemas orçamentário e financeiro, cada um deles recebendo seus lançamentos próprios e fechados.

25 1) TERMOS E CONCEITOS MAIS UTILIZADOS-SIAFEM:! ÓRGÃO XXXXX Identifica, no âmbito estadual, os órgãos subordinados ou vinculados diretamente ao Governador ou Secretários de Estado. Para identificação no sistema SIAFEM, utiliza-se código com cinco dígitos.! UNIDADE GESTORA FINANCEIRA - UGF - XX0001 a XX0009. É a unidade com atributos de gerir e controlar os recursos financeiros, centralizando as operações e as transações de contas bancárias.! UNIDADE GESTORA ORÇAMENTÁRIA - UGO - XXX010 a XXX029. É a unidade com atributos de gerir e controlar os recursos orçamentários, relacionada a uma unidade orçamentária mediante a qual serão centralizadas todas as operações de natureza orçamentária, dentre as quais a distribuição de recursos às unidades de despesa e Fundos Especiais de Despesa, controle de quota fixada e dotação contingenciada.! UNIDADE GESTORA DE FUNDOS ESPECIAIS UGFD - XXX030 a XXX100 Constituem para efeitos do SIAFEM - Unidade Gestora Financeiras e Executoras.! UNIDADE GESTORA EXECUTORA - UGE - XXX101 a XXX999 É o atributo dado ao nível de unidade de despesa na administração direta, à unidade codificada no sistema, a qual cabe a execução orçamentária e financeira da despesa propriamente dita.! UNIDADE ORÇAMENTÁRIA UO - XXXXX Consiste em cada uma das Unidades do Órgão, para qual a Lei Orçamentária consigna dotações orçamentárias específicas.! UNIDADE GESTORA Administração Indireta Para as Autarquias, Fundações e Universidades, as unidades gestoras poderão ser desdobradas mediante solicitação à Secretaria da Fazenda.! GESTÃO Ato de gerir parcela do Patrimônio Público, sob a responsabilidade de uma determinada entidade. Uma Gestão terá uma ou várias UGE s, no entanto a cada UGE, corresponde uma só gestão, cujo código informado contém 5 dígitos, como exemplo (Gestão Tesouro)! FONTE DE RECURSOS Identifica a origem dos recursos orçamentários destinados à execução da programação da entidade, sendo estes recursos Próprios ou de Terceiros.

26 ! PROGRAMA DE TRABALHO - PT (CLASSIFICAÇÃO FUNCIONAL PROGRAMÁTICA) Elenco de projetos ou atividades que identificam as ações a serem realizadas pelas entidades. É representado por uma estrutura que permite a elaboração e execução orçamentária, bem como o controle e acompanhamento dos planos definidos pela instituição para ser exercido em um determinado período. Sua estrutura, formada por 17 dígitos, tem a seguinte composição: Função: Sub Função: Programa : Projeto/Atividade: xx xxx xxxx xxxx PROGRAMA DE TRABALHO RESUMIDO - PTRES É um código de 6 dígitos que representa a fusão do Órgão e da Unidade Orçamentária com seu respectivo Programa de Trabalho, com vistas a facilitar o cadastramento dos empenhos e as consultas orçamentárias específicas. Órgão: xx UO: xx Seqüencial: xx INSCRIÇÃO GENÉRICA A identificação do credor é feita, normalmente, através do CGC ou CPF, e na falta destes, atribuímos código de 9 dígitos para os seguintes tipos de inscrição genérica: CC DV EX IM PE PF PV WA CENTRO DE CUSTOS DIVIDA FUNDADA DETAL.DIF.CGC,CPF,UGGESTAO,NE,NL,OB IMOVEIS UNIDADE GESTORA RESPONSAVEL - U.G.R DETAL.DIF.CGC,CPF,UGGESTAO,NE,NL,OB XXXXXX CENTRO DE CUSTOS - PRODESP

27 DOCUMENTOS DO SISTEMA SIAFEM! Nota de Dotação - ND Este documento permite o registro da Dotação Orçamentária Inicial e Crédito Adicional, Antecipação de Quota, Liberação de Quota de Regularização e Suplementação, para as UGO s (Doc. emitido pela Secretaria do Planejamento).! Nota de Credito - NC Este documento permite o registro dos eventos, vinculados à transferência de créditos orçamentários da UGO para uma UGE. É documento utilizado na movimentação de recursos orçamentários entre UGE s dentro da UGO. (Doc. emitido pela Unidade Orçamentária)! Nota de Reserva - NR Este documento permite Reservar a Dotação (Orçamentária e Financeira) para futuro empenhamento. (Doc. emitido pela Unidade Gestora Executora)! Nota de Lançamento Gerencial do Contador Geral - NLGERAL! Nota de Empenho - NE Este documento permite registrar as obrigações de pagamentos do Estado, sendo a garantia de que existe o crédito necessário para a liquidação de um compromisso assumido. (Doc. emitido pela Unidade Gestora Executora)! Nota de Lançamento - NL Este documento permite o registro dos Atos e Fatos Administrativos, da apropriação/realização de Receitas e Despesas, e Incorporação/Desincorporação de patrimônio.! Programação de Desembolso - PD Este documento permite programar o pagamento das despesas autorizadas, registradas nas NLs.! Ordem Bancária - OB Este documento permite efetuar os pagamentos dos compromissos, bem como a liberação de recursos financeiros. (Doc. emitido pelo Departamento de Finanças)! Guia de Recebimento de Depósitos Conta C - GRDEPC Este documento permite o registro das arrecadações de receitas próprias, recolhimento de depósitos de diversas origens e estorno da OB.

28 Contabilidade Pública Básica Contabilidade Pública Conceito A Contabilidade Aplicada à Administração Pública baseia-se na Lei Federal nº , de 17 de março de 1964, que estatui normas gerais de direito financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal e na Lei Complementar Federal nº 101 de 04 de maio de 2000 Lei de Responsabilidade Fiscal. Ela registra a previsão da receita e a fixação da despesa, estabelecidas no Orçamento Público aprovado para o exercício, escritura a execução orçamentária da receita e da despesa, faz a comparação entre a previsão das receitas e a realização das despesas, controla as operações de crédito, a dívida ativa, os valores, os créditos e obrigações, revela as variações patrimoniais e mostra o valor do patrimônio. Objeto O objeto da contabilidade pública é o estudo do Patrimônio Público. Patrimônio Público Bens e direitos Públicos Obrigações Públicas Objetivo O objetivo é o fornecimento de informações exatas para subsidiar as tomadas de decisões, tanto dos órgãos de controle interno e externo como das demais instituições governamentais e particulares. Regime contábil aplicado à contabilidade pública O que é regime contábil? Regime contábil é o procedimento utilizado para realizar os registros dos fatos aplicados à ciência contábil, estabelecendo as diretrizes para classificação das receitas e das despesas.

29 Os regimes contábeis mais utilizados pela contabilidade em geral são: Regime de competência; Regime de caixa; Regime misto. Regime de competência: No regime de competência, as receitas e as despesas devem ser incluídas na apuração do resultado do período em que ocorrerem, sempre simultaneamente quando se correlacionarem, independentemente de recebimento ou pagamento (art. 9º da Resolução nº. 750/93 do Conselho Federal de Contabilidade - CFC). Aplicando o princípio da competência, a Resolução CFC nº 750/93 estabelce que as receitas consideram-se realizadas: Nas transações com terceiros, quando estes efetuarem o pagamento ou assumirem compromisso firme de efetivá-lo, quer pela investidura na propriedade de bens anteriormente pertencentes à ENTIDADE, quer pela fruição de serviços por esta prestados. Exemplo: venda de bens a prazo ou a vista. Quando da extinção, parcial ou total, de um passivo, qualquer que seja o motivo, sem o desaparecimento concomitante de um ativo de valor igual ou maior. Exemplo: perdão de uma dívida. Pela geração natural de novos ativos independentemente de intervenção de terceiros. Exemplo: nascimento de um semovente (animal). No recebimento efetivo de doações e subvenções. Exemplo: doação em dinheiro. Conforme a norma supracitada, as despesas consideram-se incorridas: Quando deixar de existir o correspondente valor ativo, por transferência de sua propriedade para terceiro. Exemplo: doação de um bem. Pela diminuição ou extinção do valor econômico de um ativo. Exemplo: morte de um semovente (animal) ou perda ou furto de um ativo. Pelo surgimento de um passivo, sem o correspondente ativo. Exemplo: encampação de dívida.

30 Regime de caixa: O regime de caixa, é aquele em que são consideradas receitas e despesas do exercício tudo o que for recebido ou pago durante o ano financeiro, mesmo que se trate de receitas e despesa referentes a exercícios anteriores ou posteriores. Regime misto: No regime misto adota-se ao mesmo tempo o regime de caixa e o regime de competência. Esse regime é o adotado pela contabilidade pública no Brasil, ou seja, registra-se a despesa pelo regime de competência e a receita pelo de caixa. Quanto à receita: o resultado financeiro do exercício não aproveita a receita lançada e não arrecadada, ou seja, considera-se em tese, somente as receitas que ingressaram nos cofres públicos. A receita pública passa pelos seguintes estágios ou fases: previsão, lançamento, arrecadação e recolhimento. Quanto à despesa: no encerramento do exercício, a despesa empenhada e não paga é apropriada, ou seja, considera-se em tese, como despesa do exercício, toda aquela que foi empenhada, mesmo aquela que ainda não tenha sido liquidada. A despesa pública passa pelas seguintes fases ou estágios: fixação, empenho, liquidação e pagamento. Empenho da despesa pela Lei 4.320/64 é a primeira fase de sua execução e a liquidação, a segunda, o pagamento, a terceira. (Já pela doutrina considera-se a 1ª fase desde a fixação). Portanto, na execução da despesa pública, pelo sistema SIAFEM/SP passa pelas fases da fixação, da reserva, via do processo licitatório, do empenho, da liquidação, da programação do pagamento e finalmente do pagamento. A despesa é fixada na lei orçamentária anual - LOA, após a sua aprovação, o governo elaborará a programação dos gastos públicos. Previsão legal do regime contábil misto: O regime contábil adotado para a contabilidade pública está previsto em duas normas: na Lei nº /64 e na Lei Complementar nº. 101/00 Lei de Responsabilidade Fiscal LRF. Previsão na Lei nº /64: O art. 35 Lei 4.320/64, reza que: art Pertencem ao exercício financeiro : I - as receitas nele arrecadadas; II- as despesas nele legalmente empenhadas." Trata-se portanto de regime misto: de caixa para as receitas (as receitas nele arrecadadas = pelo ingresso dos recursos financeiros dentro do exercício) e o de competência para as despesas pagas referentes a exercícios anteriores

31 Previsão na Lei de Responsabilidade Fiscal- LRF: A LRF regulamenta o regime contábil misto ao estabelecer que além de obedecer às demais normas de contabilidade pública, a escrituração das contas públicas deverá observar (art. 50). a despesa e a assunção de compromisso serão registradas segundo o regime de competência, apurando-se, em caráter complementar, o resultado dos fluxos financeiros pelo regime de caixa (art. 50, inciso II, da LRF). Portanto, a adoção do regime contábil misto para registro das receitas e despesas na contabilidade pública é legal, ou seja, está consagrado em norma cogente. Podemos afirmar que o regime de caixa para as receitas e de competência para as despesas, adotado pela contabilidade pública é 100% aplicável? Não, trata-se de exceção. Quanto à despesa, funciona exatamente como na contabilidade empresarial, regime de competência, entretanto, mesmo assim, existem exceções. Exemplo: a despesa referente ao exercício de 2003, que não foi paga naquele ano deverá ser inscrita em restos a pagar em 31/12/03 para ser paga em Se até 31/12/04 essa despesa ainda não tiver sido paga, será cancelada (isso no Sistema Integrado de Administração Financeira SIAFEM/SP), entretanto, ainda permanece o direito do credor. A partir de 01/01/2005, se essa despesa for reclamada pelo credor, a administração pública irá pagá-lo com a rubrica despesas de exercícios anteriores. Esse pagamento será considerado uma despesa normal do orçamento vigente. Essa é mais uma das exceções ao princípio da competência.

32 A sistemática funciona assim: Exercício financeiro Situação gerada 2005: A despesa foi empenhada (primeiro estágio), liquidada (segundo estágio) e não paga. pagar. 2006: Vamos supor que a rubrica restos a pagar permaneceu todo o exercício financeiro, até 30/12/06 sem ser paga. 2007: Vamos supor que a despesa foi reclamada pelo credor, reconhecida e paga pela administração pública, na rubrica despesas de exercícios anteriores. Foi considerada despesa nas demonstrações contábeis de 2005, porém, o seu não pagamento ocasionou a inscrição em restos a Em 31/12/06 ocorreu o cancelamento dos restos a pagar no SIAFEM/SP. Essa situação gerou uma receita orçamentária deste exercício. Essa receita é meramente econômica ou escritural. Esse gasto foi considerado despesa a custa do orçamento de Ou seja, onerou o exercício financeiro de Mais uma exceção! Na contabilidade pública admite-se, a inscrição de restos a pagar não-processados, ou seja, despesa ainda não liquidada. Essa observação é importante para fins de entendimento das exceções ao regime de competência e outras situações da despesa! A Secretaria do Tesouro Nacional STN, durante o exercício financeiro, para fins de diversos cálculos, entre eles, os dos resultados nominal e primário, considera a despesa pela sua liquidação (segundo estágio de execução da despesa pela Lei 4.320/64). Excecão ao regime de caixa: Em que momento o governo considera arrecadada a receita? Da previsão orçamentária, até a entrada dos recursos no caixa único do Tesouro, a receita pública passa pelos estágios (previsão, lançamento, arrecadação e recolhimento) acima mencionados. Atenção! Nem toda receita passa pelo estágio do lançamento. Exemplo do Imposto de Renda da Pessoa Física IRPF, que não é realizado o lançamento. A receita é considerada disponível após a arrecadação, momento em que o contribuinte cumpre com sua obrigação junto a uma instituição financeira. Geralmente as instituições financeiras recolhem os recursos arrecadados para o caixa único do Tesouro Nacional em um dia após a arrecadação.

33 As receitas previstas e não arrecadadas são incluídas na dívida ativa e o recebimento geralmente só acontecerá no ano subseqüente. Exemplo prático do regime de caixa e de competência: Vamos supor que nos exercícios financeiros de X0 e X1, uma Autarquia realizou os seguintes eventos econômicos: Despesa Situação Valor $ Despesa empenhada e liquidada em dez/x0, paga em dez/x ,00 Despesa empenhada e liquidada em dez/x0, paga em jan/x ,00 Despesa empenhada no exercício de X0, liquidada e paga em X ,00 Receitas Situação Valor $ Receita arrecadada em dez/x0, recolhida ao Tesouro Nacional em jan/x ,00 Receita inscrita na dívida ativa em dez/x0 e recebida em dez/x ,00 Receita referente ao exercício de X0, inscrita na dívida ativa em jan/x1 e recebida em dez/x ,00 Com base nas informações acima e considerando o regime contábil adotado pela contabilidade pública, quais os resultados apurados considerando o regime misto e o de competência pela Autarquia em X0?

34 Resolução: Regime Contábil Misto Receitas: Arrecadada em dez/x0, recolhida ao Tesouro em jan/x1. Receita inscrita na dívida ativa em dez/x0 e recebida em dez/x1.- (-) Despesas: Despesa empenhada e liquidada em dez/x0, paga em dez/x0.--- Despesa empenhada e liquidada em dez/x0, paga em jan/x , , , ,00 Despesa empenhada no exercício de X0, liquidada e paga em X ,00 Resultado ,00 Vamos verificar qual seria o resultado se a contabilidade pública adotasse o regime de competência (regime contábil das empresas em geral). Regime Contábil de Competência Receitas: Arrecadada em dez/x0, recolhida ao Tesouro em jan/x1.- Receita inscrita na dívida ativa em dez/x0 e recebida em dez/x1.- Receita referente ao exercício de X0, inscrita na dívida ativa em jan/x1 e recebida em dez/x1.- (-) Despesas: Despesa empenhada e liquidada em dez/x0, paga em dez/x Despesa empenhada e liquidada em dez/x0, paga em jan/x , , , , ,00 Despesa empenhada no exercício de X0, liquidada e paga em X ,00 Resultado ,00

35 O exemplo acima demonstra a diferença de resultado que existe entre os regimes contábeis (competência e misto). A LEI FEDERAL Nº , DE Estatui normas gerais de direito financeiro para elaboração e controle dos orçamentos e balanços da União, dos Estados, dos Municípios e do Distrito Federal. Os principais artigos que se referem à Contabilidade Pública são: da classificação da receita artigo 11 da classificação da despesa- artigos 12 e 13 do exercício financeiro - artigos 34 e 35 do superávit financeiro -artigo 43 da contabilidade - artigos 83 a 85 e 87 a 89 da contabilidade orçamentária e financeira - artigos 90, 91 e 93 da contabilidade patrimonial - artigos 94 a 100 dos balanços -artigos 101 a 106 PLANO DE CONTAS O Plano de Contas da Administração Pública do Estado de São Paulo representa um conjunto de títulos, organizados e codificados com o propósito de sistematizar e uniformizar o registro contábil dos atos e fatos de gestão, e permitir a qualquer momento, a obtenção dos dados relativos ao patrimônio. O Plano de Contas tem ainda o objetivo de atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos atos e fatos relacionados com os recursos colocados à disposição dos Órgãos da Administração Direta e Indireta, de forma a proporcionar maior flexibilidade no gerenciamento e consolidação dos dados e atender às necessidades de informações em todos os níveis da Administração Pública Estadual

36 ÁREAS ENVOLVIDAS O Plano de Contas é adotado por todas as UG s integrantes do SIAFEM/SP, ou que venham a integrá-lo, sob a modalidade de uso total, sendo a Contadoria Geral do Estado/ SECRETARIA DA FAZENDA o órgão responsável por sua administração, a quem compete: a) criar, extinguir, especificar, desdobrar, detalhar e codificar contas; b) expedir instruções sobre a utilização do Plano de Contas, compreendendo os procedimentos contábeis pertinentes; c) promover as alterações e ajustes necessários à atualização do Plano de Contas, observada sua estrutura básica, incluindo a Tabela de Eventos e os Indicadores Contábeis. CONTA CONTÁBIL CONCEITO As contas contábeis são o título representativo da formação, composição, variação e situação de um patrimônio, e situações nele não compreendidas, mas que, direta ou indiretamente, possam vir a afetá-lo, exigindo por isso controle específico. As contas são agrupadas segundo suas funções, possibilitando: a) identificar, classificar e efetuar a escrituração contábil, pelo método das partidas dobradas, dos atos e fatos de gestão, de maneira uniforme e sistematizada b) conhecer a situação dos responsáveis que, de algum modo, arrecadem receitas, efetuem despesas e administrem ou guardem bens pertencentes ou confiados a uma gestão; d) acompanhar e controlar a execução orçamentária, evidenciando a receita prevista, lançada, realizada e a realizar, bem como a despesa autorizada, empenhada, realizada e as dotações disponíveis; e) elaborar os Balanços Orçamentário, Financeiro e Patrimonial e a demonstração das Variações e dos Resultados; f) conhecer a composição e situação do patrimônio analisado; g) analisar e interpretar os resultados econômicos e financeiros; h) individualizar os devedores e credores, com a especificação necessária ao controle contábil do direito ou obrigação; i) controlar contabilmente os direitos e obrigações oriundos de ajustes ou contratos de interesse da gestão.

37 MECANISMOS DE DÉBITO E CRÉDITO DAS CONTAS DO ATIVO As contas do ativo são debitadas pelos aumentos e creditadas pelas diminuições dos seus componentes. a) AUMENTOS As contas do Ativo são debitadas pelos aumentos dos seus componentes patrimoniais, decorrentes de incorporações de bens e direitos e têm como contrapartida dos débitos uma Variação Ativa, representada pelo grupo (4) - Receita Orçamentária, quando se tratar da arrecadação da receita, e grupo (6) - Resultado do Exercício, quando se tratar de incorporações de ativos. Como exemplo podemos citar a arrecadação da receita tributária que vai aumentar os componentes patrimoniais pelo ingresso dos recursos no banco, que em termos de registro pode ser demonstrado, assim: D- Bancos (aumento do ativo) C- Receita Orçamentária (grupo 4) A contabilização de uma doação recebida de um veículo recebe o seguinte tratamento contábil: D- Veículos (aumento do ativo) C- Variações Ativas (grupo 6) b) DIMINUIÇÕES As contas do Ativo serão creditadas pelas suas diminuições e têm como contrapartida dos créditos uma Variação Passiva, representada pelo grupo (3) - Despesa Orçamentária, quando se tratar de pagamento da despesa, e grupo (5) - Resultado do Exercício, quando se tratar de desincorporações do ativo. Exemplo: Doação concedida de um veículo D - Variações Passivas (Grupo 5) C Veículos (Diminuição do Ativo)

38 DO PASSIVO As contas do Passivo são creditadas pelos aumentos e debitadas pelas diminuições dos seus componentes. a) AUMENTOS: As contas do Passivo serão creditadas pelos aumentos dos seus componentes e terão como contrapartida dos seus créditos uma Variação Passiva, representada pelo grupo (3) - Despesa Orçamentária, quando se tratar da liquidação da despesa (2º estágio da despesa) e (5) - Resultado do Exercício quando se tratar de Incorporações de Passivos (obrigações). Um exemplo típico de aumentos do Passivo é a liquidação da despesa (2º estágio da despesa) que deverá ter a seguinte contabilização, no sistema financeiro: Despesa Orçamentária (grupo 3) a Obrigações (aumentos de passivos) D- Variações Passivas (grupo 5) C- Operações de Créditos (aumento do passivo) b) DIMINUIÇÕES As contas do Passivo serão debitadas pelas diminuições e terão como contrapartida dos seus débitos, a conta Bancos quando se tratar de pagamento das obrigações financeiras e Variações Ativas, quando se tratar de diminuições do passivo (baixa de obrigações por pagamento do passivo não financeiro, perdão da dívida. O terceiro estágio da despesa, o pagamento, pode ser assim resumido em termos de lançamentos: D- Obrig. Financeiras (dimin. do passivo) C- Bancos SISTEMAS DE CONTAS Na Contabilidade Pública as contas do Plano de Contas são separadas em sistemas de contas independentes, para facilitar a elaboração dos balanços e demonstrativos. Esse sistemas são classificados em: SISTEMA FINANCEIRO SISTEMA PATRIMONIAL SISTEMA ORÇAMENTÁRIO SISTEMA DE COMPENSAÇÃO

39 SISTEMA FINANCEIRO O Sistema Financeiro está relacionado com os ingressos (entradas) e os dispêndios (saídas) de recursos, ou seja, com o registro dos recebimentos e pagamentos de natureza orçamentária e extra-orçamentária. É importante esclarecer que os lançamentos contábeis são feitos fechados em cada sistema, quando se debita uma conta de um determinado sistema à conta creditada, também, tem de pertencer ao mesmo sistema. Resumindo : Disponível Entradas : Receitas, Transferências Recebidas, Cota, Repasse, Créditos a Receber, etc Saídas : Despesas Orçamentárias, Transferências Concedidas, Restos a Pagar, Fornecedores, Pessoal a Pagar, Encargos Sociais, etc. SISTEMA PATRIMONIAL Sistema Patrimonial registra os bens móveis, imóveis, estoques, créditos, obrigações, valores, inscrição e baixa da dívida ativa, operações de créditos, etc. No Sistema Patrimonial, os lançamentos de incorporação ou desincorporação de ativos e passivos, são feitos fechados dentro desse sistema, mesmo que o fato venha a acarretar uma entrada ou saída de recurso (Sistema Financeiro). Podemos citar como exemplo uma compra de um veículo, feita com pagamento no ato da aquisição. SISTEMA ORÇAMENTÁRIO O Sistema Orçamentário é representado pelos atos de natureza orçamentária, tais como: previsão da receita, fixação da despesa, descentralização de créditos, empenho da despesa. No Sistema Orçamentário é feita a comparação da receita prevista com a sua realização e da despesa fixada com a sua liquidação. Para isso é necessário que os fatos de arrecadação da receita e liquidação da despesa passem por este sistema. As contas pertencentes ao Sistema Orçamentário são representadas pelos grupos / Execução Orçamentária da Receita e / Execução Orçamentária da Despesa

40 SISTEMA DE COMPENSAÇÃO O Sistema de Compensação é representado pelos atos praticados pelo administrador que não afetam ao Patrimônio de imediato mas que poderão vir a afetá-lo. Esses atos são: Avais, acordos, ajustes, cauções, fianças, garantias contratos, comodatos de bens, bens e valores sob responsabilidade, convênios, contratos TABELA DE EVENTOS CONCEITO DE EVENTO É o instrumento utilizado pelas unidades gestoras no preenchimento das telas e/ou documentos de entrada no SIAFEM, para registrar os atos e fatos administrativos rotineiros no sistema contábil. ESTÁGIOS Receita Definição: Pelo enfoque orçamentário, são todos os ingressos disponíveis para cobertura das despesas públicas, em qualquer esfera governamental. A Receita Orçamentária passa por quatro fases denominadas estágios: a) PREVISÃO A previsão da receita é a estimativa do que se espera arrecadar durante o exercício Exemplo: Total previsto da arrecadação do IPVA b) LANÇAMENTO O lançamento é a identificação do devedor ou da pessoa do contribuinte. A Lei 4.320/64 define o lançamento da receita como o ato da repartição competente que verifica a procedência do crédito fiscal e a pessoa que lhe é devedora e inscreve o débito desta. Exemplo: Contribuinte identificado através do RENAVAN pela Secretaria da Fazenda

41 c) ARRECADAÇÃO A arrecadação da receita é o momento em que o contribuinte recolhe ao agente arrecadador o valor do seu débito. Exemplo : O contribuinte efetua o pagamento do IPVA no banco d) RECOLHIMENTO O recolhimento da receita é o momento em que o agente arrecadador recolhe o produto arrecadado ao Tesouro Nacional, Estadual ou Municipal. Exemplo : Repasse Bancário para a Secretaria Fazenda DESPESA DEFINIÇÃO Despesa é a realização de gastos na implementação de políticas públicas e no cumprimento das finalidades do Estado. Resumindo, podemos dizer que a aplicação de recursos pelo Estado ocorre em situações específicas chamadas de funções: (1) Quando o setor privado não demonstra interesse no fornecimento de bens ou serviços para cuja produção são necessários investimentos de grande vulto com lucros demorados ou quando o setor privado realiza estes investimentos de forma ineficiente ao atendimento das necessidades sociais: o Estado intervêm na alocação de recursos para esta finalidade, desempenhando a sua função alocativa; (2) Quando presta serviços à sociedade, utilizando os recursos recebidos desta própria sociedade, o Estado promove ajustamentos na distribuição de renda, devolvendo aos contribuintes (na forma de prestação de serviços de saúde, educação e segurança, dentre outros) os recursos arrecadados no desempenho da sua função distributiva e (3) A terceira função da atividade estatal resulta da realização das duas funções anteriores que, aliadas à política fiscal, têm quatro objetivos macroeconômicos: manter elevados níveis de empregos; estabilizar o nível de preços; equilibrar o balanço de pagamentos e manter a taxa de crescimento econômico em níveis razoáveis. Qualquer ação para realizar o conjunto destes três objetivos representa o desempenho do Estado na sua função estabilizadora. Percebe-se que a função estabilizadora, enquanto formada pelas demais, merece a maior parcela de atenção da sociedade e com base no enunciado acima fica evidente que as disposições da LRF visam regular o exercício do Estado no desempenho desta função. O comportamento dos gastos públicos será crescente sempre que, segundo Rezende da Silva (1979, p.30), ocorrer uma das seguintes situações: (a) crescimento das funções administrativas e de segurança; (b) crescimento da prestação de serviços à sociedade, especialmente nas áreas de saúde e educação e (c) o Estado aumentar o seu grau de intervenção no processo produtivo (função estabilizadora).

42 As despesas relativas ao aumento da ação do Estado estão sujeitas à observação de normas rígidas (artigos 16 e 17 da LRF), devendo observar os seguintes aspectos para sua geração: (a) estarem acompanhadas da estimativa do impacto orçamentário-financeiro no exercício em que entrarem em vigor e nos dois subseqüentes; (b) receber declaração do ordenador da despesa (quem a autoriza) de que o aumento de despesa tem conformidade a nível orçamentário e financeiro com a Lei Orçamentária Anual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias. Quaisquer despesas que sejam realizadas sem atentar para estas duas condições serão consideradas irregulares (lesivas ao patrimônio público) e configurarão crime de responsabilidade de quem as autorizou. Uma despesa será considerada em conformidade com a lei orçamentária quando tiver dotação específica e suficiente, ou seja, quando somadas todas as despesas da mesma espécie (realizadas e a realizar), previstas no programa de trabalho, não ultrapassar os limites estabelecidos para o exercício. Paralelamente, uma despesa será compatível com o Plano Plurianual e com a Lei de Diretrizes Orçamentárias quando se reúne às diretrizes, objetivos, metas e prioridades previstas nestes instrumentos. Estas regras também são aplicadas aos atos de desapropriação dos imóveis urbanos que, por força do artigo 182 3º da Constituição Federal, para sua efetivação deverão ser precedidos de indenização em dinheiro ou depósito judicial no valor da indenização. As despesas obrigatórias de caráter continuado são aquelas que derivam de uma lei, medida provisória ou ato administrativo normativo e que impõem para o ente a obrigatoriedade legal de executá-las por um período superior a dois anos. Em função do período de tempo em que serão executadas, estas despesas para serem criadas deverão comprovar que não afetarão as metas de resultado fiscal, constantes do anexo de metas fiscais (artigo 4º 1º). Eventuais aumentos financeiros nos exercícios seguintes deverão ser compensados por aumento permanente de receita (elevação de alíquotas, ampliação da base de cálculo, aumento de tributo ou contribuição) ou pela redução de despesa. Em nome da responsabilidade na gestão fiscal, as despesas relativas ao serviço da dívida (juros, atualização monetária, variação cambial, etc.) não estão sujeitas a estas regras. Nota: a compensação da geração da despesa continuada com aumentos permanente de receita ou redução de despesa visa comprovar que a criação da despesa foi um ato financeiramente necessário para obtenção de um futuro benefício. Os limites com despesa de pessoal fixados pela LRF (artigo 19), tendo com base a receita corrente líquida, são: União 50%; Estados e Municípios: 60%.

43 Não são computados no atendimento a estes limites, os gastos com: indenizações por demissões; incentivos à demissão voluntária; em casos de urgência ou relevante interesse público; decorrentes de decisão judicial e da competência de período anterior ao da apuração; com pessoal custeados com recursos da União (incisos XIII e XIV da Constituição Federal e artigo 31 da Emenda Constitucional nº. 19); com inativos, mesmo que através de fundo específico, custeado com recursos da contribuição dos segurados, da compensação financeira de que trata o 9º do artigo 201 da Constituição Federal e demais receitas arrecadadas por fundo vinculado a tal atividade (inclusive alienação de bens, direitos e ativos e seu superávit financeiro). Ressaltamos que as despesas decorrentes de decisão judicial de competência de período anterior ao da apuração poderão ser excluídas do total da despesa com pessoal por Ente da Federação, mas não poderão ser excluídas do total da despesa com pessoal por Poder ou Órgão (os limites por poder e órgão são estabelecidos no artigo 20 da LRF). A LRF, ao estabelecer as regras de apuração do total da despesa com pessoal, reformulou toda a metodologia de verificação da observância dos limites, na forma como até então eram apurados, pois não se atém apenas aos limites globais por Ente da Federação e desdobra esta observação ao nível de Poderes e Órgãos. É importante lembrar que os limites da LRF são divididos em duas categorias: o limite prudencial, expresso em 95% dos valores totais e que representam o momento de serem adotadas medidas de ajuste e o limite máximo, cujo atingimento implica a aplicação imediata das sanções estabelecidas na LRF e que apresentaremos em tópico adiante. Em outras palavras, ao atingir o limite prudencial, as medidas reparadoras são de contenção de despesas, enquanto que no limite máximo as medidas são de corte de despesas. Nos termos do artigo 20 da LRF, a repartição por Poder dos limites globais da despesa com pessoal (artigo 19) não poderá exceder os seguintes percentuais: PODER/ESFERA FEDERAL ESTADUAL MUNICIPAL EXECUTIVO 40,9% 49% 54% LEGISLATIVO 2,5% 3% 6% (inclui o respectivo Tribunal de Contas) 2,5% 3% 6% JUDICIÁRIO 6% 6% (*) MINISTÉRIO PÚBLICO 0,6% 2% (*) (*) Os Municípios não apresentam em sua formação política o Poder Judiciário e, por conseguinte também não têm Ministério Público. A despesa pública deve ser revestida dos seguintes requisitos:

44 Utilidade a despesa deve ser executada visando o atendimento de uma necessidade pública; Adequação a despesa não deve exceder à capacidade financeira do órgão; Oportunidade a despesa deve atender primeiramente às necessidades de maior prioridade sócio-econômica; Publicidade a despesa deve ser decidida e executada através de processos abertos e transparentes; Legitimidade a despesa deve ser executada por autoridade competente; Legalidade a despesa deve ser executada com autorização em base legal. FASES DA EXECUÇÃO DA DESPESA Podemos considerar as fases da DESPESA pelo SIAFEM/SP em: fixação; ( Lei 4.320/64 e LOA) reserva; (SIAFEM/SP) via de regra licitação ou dispensa de licitação ou inexigibilidade de licitação ou ainda adiantamento; (8.666/93 e 6544/89) empenho; (4.320/64) liquidação; (4.320/64) programação; (SIAFEM/SP) pagamento (4.320/64)! Fixação: A despesa é fixada pela Lei Orçamentária Anual! Reserva: A reserva é feita através do sistema por documento NR, indicando na licitação de onde virão os recursos para pagamento da! despesa. A reserva não configura nenhum direito ao fornecedor, apenas indica que há recursos orçamentários para que a despesa seja efetuada.! Licitação: Todas as compras e contratos efetuados com a Administração são, via de regra, precedidos de processo licitatórios nas respectivas modalidades! Empenho: Ocorre via de regra na assinatura do contrato. O valor do empenho corresponde à parcela do contrato que será cumprida no exercício, o empenho configura um compromisso por parte da Administração de que o valor empenhado será pago desde de que o contrato seja cumprido e atestado pela Administração é a chamada NE. Não é permitida a realização de despesa sem prévio empenho, existe a figura da limitação de empenho, quando a arrecadação não acompanha a realização da despesa. Deve-se ter cuidado com a emissão dos empenhos nos dois últimos quadrimestres do mandato, observando o que reza a Lei de Responsabilidade Fiscal.

45 ! Liquidação: Ocorre quando o contrato ou parte dele é efetivamente cumprido. A liquidação configura um direito do fornecedor a receber o pagamento correspondente ao seu valor, uma vez que ela indica que o valor empenhado foi executado no total ou em parte. È a chamada NL. Para efeitos contábeis a despesa é contabilizada pela sua liquidação.! Programação: é a chamada Programação de Desembolso PD, que cria o critério de pagamentos conforme o cronograma de entrega do serviço ou material contratado.! Pagamento: O pagamento é a última fase da despesa pública e é efetuado quando ordenado após a sua devida liquidação. No SIAFEM é a chamada Ordem bancária OB. A Lei Orçamentária anual prevê a RECEITA e fixa a DESPESA. A FIXAÇÃO é, portanto, o primeiro estágio da despesa. A despesa também é fixada por meio dos créditos adicionais. Assim sendo, nenhuma DESPESA pode ser realizada sem Crédito Orçamentário que a comporte, diferentemente da receita que é prevista e poderá ser cobrada independentemente de prévia autorização orçamentária, bastando que a lei criadora do tributo esteja em vigor antes do início do exercício financeiro, ainda que o Orçamento já tenha sido aprovado e publicado. O EMPENHO Considera-se EMPENHO: o ato emanado de autoridade competente, que cria para o Estado obrigação de pagamento,pendente ou não de implemento de condição (art.58,lei 4.320/64); para cada EMPENHO será extraído um documento denominado NOTA DE EMPENHO, que indicará o nome do credor, a especificação e a importância da DESPESA, bem como a dedução desta do saldo da dotação própria (art.61, Lei 4.320/64). Da análise do contido nos dispositivos legais mencionados, depreende-se que empenhar é deduzir a importância autorizada da dotação orçamentária correspondente. Conforme os termos da lei, tem-se que o Empenho: Cria para o Estado obrigação de pagamento; Esta obrigação de pagamento pode ser pendente ou não de implemento de condição no ato do EMPENHO a condição para o pagamento já pode estar satisfeita ou não, o que será necessariamente apurado sempre na fase da liquidação, como será visto mais adiante. Por conseguinte, o empenhamento da despesa compreende as etapas da AUTORIZAÇÃO e da FORMALIZAÇÃO da despesa.

46 a) AUTORIZAÇÃO é a permissão dada por autoridade competente (ordenador de despesa) para a realização da DESPESA b) FORMALIZAÇÃO o momento da dedução do crédito correspondente, com a respectiva emissão da Nota de EMPENHO. O Empenho será formalizado por meio da emissão eletrônica, através do SIAFEM/SP, do documento denominado Nota de Empenho (NE), e impressa quando requerida pelo fornecedor. Conforme o expresso na etapa da autorização, necessariamente, o empenho deve ser um ato emanado de autoridade competente: o ORDENADOR de DESPESA. Ordenador de Despesa: toda e qualquer autoridade de cujos atos resultarem reconhecimento de dívida, emissão de EMPENHO, autorização de pagamento, concessão de adiantamentos, suprimentos de fundos ou dispêndio do Estado ou pelos quais este responda. Os ORDENADORES de DESPESA podem ser de dois tipos: Ordenadores Natos, cuja capacidade está ligada ao cargo que ocupa, previsto em Leis, Regulamentos, Estatutos etc.; Ordenadores Delegados, cuja autoridade baseia-se em DELEGAÇÃO DE COMPETÊNCIA formal, nominativa e específica. A DELEGAÇÃO de COMPETÊNCIA tem caráter facultativo e transitório, apoiando-se em razões de oportunidade e conveniência e na capacidade do Delegado de exercer a contento as atribuições conferidas, de modo que o delegante pode sempre retomar a COMPETÊNCIA e atribuí-la a outrem ou exercê-la pessoalmente (MEIRELLES, H. L., 2000). O EMPENHO como ato pressupõe o princípio da anterioridade, em razão do definido na referida Lei 4320/64: Art. 60. É vedada a realização de despesa sem prévio empenho. Esta anterioridade leva ao entendimento que o EMPENHO é um instrumento de PROGRAMAÇÃO, uma vez que a Execução Orçamentária dos Governos permite a visão do desempenho orçamentário e o nível do comprometimento existente.

47 Os EMPENHOS classificam-se em:! EMPENHOS ORDINÁRIOS: quando destinados a atender despesa cujo pagamento se processe de uma só vez: Destinado à despesa cujo valor se conhece e que será pago em uma única parcela. Exemplo: Aquisição de um bebedouro, pago em uma única vez.! EMPENHOS POR ESTIMATIVA: quando destinados a atender despesa cujo montante exato não se pode previamente determinar: É utilizado nos casos em que não é possível a determinação prévia do valor exato da despesa, podendo o pagamento ser efetuado em uma única vez ou parceladamente. Por essa razão, estima-se um valor e se estabelece um cronograma de pagamento. Exemplo: pagamento de contas de energia elétrica, água e telefone. (Idem).! EMPENHOS GLOBAIS: quando destinados a atender despesas contratuais, e outras sujeitas a parcelamento, cujo montante exato pode ser determinado Utilizado nos casos de despesas contratuais e outras, sujeitas a parcelamento, cujo montante de pagamento é previamente conhecido. Exemplo: Despesa com locação de imóvel LIQUIDAÇÃO DA DESPESA Consiste na verificação do direito do credor, tendo por base os títulos e documentos comprobatórios do respectivo crédito (art. 63, Lei 4 320/64). Em outras palavras, a LIQUIDAÇÃO é a verificação do implemento da condição, observando-se a origem e o objeto do que se deve pagar, a importância a ser paga e a quem se deve pagar a importância, para extinguir a obrigação, com base nos contratos, ajustes ou acordos, na Nota de EMPENHO e nos comprovantes da entrega do material ou da prestação do serviço. No momento da LIQUIDAÇÃO da DESPESA, os Órgãos de Controle encarregados de processá-la transformam-se em agentes solidários com os Gestores, uma vez que determinam, após a análise dos documentos anteriormente relacionados, que a DESPESA encontra-se em condições de ser paga.

48 PAGAMENTO DA DESPESA O PAGAMENTO da DESPESA é a fase que determina a extinção das obrigações, sendo que o pagamento só poderá ser efetuado após regular liquidação da despesa. O ADIANTAMENTO A legislação em vigor define que o regime de adiantamento é aplicável aos casos de DESPESAS expressamente definidos em lei e consiste na entrega de numerário a servidor, sempre precedida de empenho na dotação própria, para o fim de realizar DESPESAS que não possam subordinar-se ao processo normal de aplicação.(art.68, Lei 4 320/64). De acordo com o contido no dispositivo legal transcrito, configura-se o Adiantamento como um regime excepcional de pagamento das DESPESAS Públicas. Alguns casos em que se aplica o adiantamento: Despesas com diligências policiais; Despesas eventuais de gabinete; Despesas miúdas de pronto pagamento; FASES DO ADIANTAMENTO:! CONCESSÃO realizada após requisição, a autoridade ordenadora de despesa que definirá na autorização o prazo de aplicação e a finalidade;! APLICAÇÃO 60 dias dentro do exercício financeiro;! COMPROVAÇÃO 30 dias, contados do último dia útil para sua aplicação.

49 RESTOS A PAGAR As despesas empenhadas, mas não pagas, até 31 de dezembro, constituem-se do que a lei denominou de Restos a Pagar RP. Os Restos a Pagar distinguem-se em processados e não processados. Processados material já entregue, serviço prestado e obra medida até a data do encerramento do exercício financeiro; Não processados ainda na dependência de apuração da obrigação. Art. 36. Consideram-se Restos a Pagar as despesas empenhadas mas não pagas até o dia 31 de dezembro, distinguindo-se as processadas das não processadas. (Lei 4320/64) Os Restos a Pagar serão relacionados em conta nominal do credor é a chamada inscrição dos Restos a Pagar, que é feita obedecendo-se aos critérios de despesas processadas e não processadas. LEI COMPLEMENTAR FEDERAL N.º. 101 de 04 de maio de Dos Restos a Pagar Art. 42. É vedado ao titular de Poder ou órgão referido no art. 20, nos últimos dois quadrimestres do seu mandato, contrair obrigação de despesa que não possa ser cumprida integralmente dentro dele, ou que tenha parcelas a serem pagas no exercício seguinte sem que haja suficiente disponibilidade de caixa para este efeito. Parágrafo único - Na determinação da disponibilidade de caixa serão considerados os encargos e despesas compromissadas a pagar até o final do exercício. DESPESAS DE EXERCÍCIOS ANTERIORES Quando, após o encerramento do exercício, restarem despesas que constavam autorizadas do orçamento e, por alguma razão, não foi possível processá-las na época devida, ou, no caso de Restos a Pagar cuja validade foi interrompida, ou, ainda, por algum motivo, alguma despesa foi assumida após o encerramento do exercício, tais despesas serão pagas à conta de dotação específica, consignada no orçamento do novo exercício. Neste caso, os motivos do não pagamento serão justificados e o ordenador de despesa fará o reconhecimento público da dívida.

50 LEI n.º DE 17 DE MARÇO 1964 Art As despesas de exercícios encerrados, para as quais o orçamento respectivo consignava crédito próprio, com saldo suficiente para atendê-las, que não se tenham processado na época própria, bem como os Restos a Pagar com prescrição interrompida e os compromissos reconhecidos após o encerramento do exercício correspondente poderão ser pagos à conta de dotação específica consignada no orçamento, discriminada pôr elementos, obedecida, sempre que possível, a ordem cronológica. DÍVIDA ATIVA Os valores devidos ao Estado que, na data fixada, não foram pagos pelos devedores constituirão os créditos a receber, devendo haver o seu registro na Dívida Ativa, e o respectivo registro contábil do direito de recebê-la. Serão sempre escriturados como receita do exercício em que forem arrecadados, nas respectivas rubricas orçamentárias (Art.39 da Lei 4320/64).

51 SUBSISTEMA - AUDICON 1 Objetivos oferecer aos usuários do SIAFEM/SP, meios para acompanhamento da consistência dos atos e fatos contábeis praticados pelas Unidades Gestoras Executoras, Financeiras e Orçamentárias; permitir o registro da consistência documental e da conformidade contábil setorial, segregando por Unidades Gestoras, Órgãos e Centros de Controle Interno; fundamentação legal: Decreto nº , de 13 de novembro de 1996; artigo 2º, inciso XIII; Decreto nº , de 16 de dezembro de 1997; artigo 1º, inciso IV; Resolução SF-17, de 26/02/1999; Portaria do Coordenador Estadual de Controle Interno, de 06/04/1999; este subsistema é composto pelos seguintes módulos: CONFUG; CONFSET; CONCILIA;* *Abordado em Manual específico. 2 - Procedimentos CONFUG - Conformidade da Unidade Gestora os Ordenadores de Despesa ou seus Delegados devidamente autorizados junto ao Centro de Apoio ao Usuário - CAU, da Contadoria Geral do Estado - CGE, deverão atestar a consistência documental, sempre que ocorrerem lançamentos no SIAFEM/SP (Resolução SF-17, de 26/02/1999); quando a consistência documental for delegada pelo responsável a terceiros, deverá ser enviado ao Centro de Apoio ao Usuário - CAU, ofício solicitando a alteração do perfil do indicado REGCONSDOC - Reg. Consistência Documental transação que permite ao Gestor da Unidade Gestora atestar a consistência documental da movimentação contábil, feita pela Unidade Gestora sob sua responsabilidade; para processá-la acessar a transação >REGCONSDOC, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX AUDICON, CONFUG, REGCONSDOC ( REG.CONSISTENCIA DOCUMENTAL ) USUARIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTAO : (1) DATA MOVIMENTO : (2) TIPO ACEITE : (3) ( 1 SEM RESTRIÇÃO 2 COM RESTRIÇÃO )

52 instruções para preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual pertence a Unidade Gestora. 2) DATA MOVIMENTO = informar a data relativa ao movimento de registro da consistência, no formato DDMMM. 3) TIPO ACEITE = preencher com o número 1 quando a consistência documental estiver perfeita; caso haja alguma restrição, preencher com o número 2. após o preenchimento da tela, teclar ENTER: SIAFEMXX AUDICON, CONFUG, REGCONSDOC ( REG, CONSISTENCIA DOCUMENTAL ) USUARIO: UNIDADE GESTORA: COD.UG GESTAO : GESTAO DA UG DATA MOVIMENTO : DDMMMAAAA TIPO ACEITE : ( 1 SEM RESTRIÇÃO 2 COM RESTRIÇÃO ) DOC.ORIG. ACERTO OBSERVAÇÃO (1) (2) (3) DESEJA INFORMAR MAIS DOCUMENTOS? (4) instruções para preenchimento: 1) DOC. ORIG. = informar o número do documento (NL, OB, NE, etc.) que apresentou inconsistência. 2) ACERTO = informar o número do documento quando for sanada a inconsistência. 3) OBSERVAÇÃO = detalhar a inconsistência apontada. 4) havendo outros documentos com inconsistência, preencher o campo com a letra "S", que o sistema abrirá uma nova tela. para auxiliar os Ordenadores de Despesa a atestarem a consistência documental, o SIAFEM/SP coloca à disposição as seguintes transações: CONCONSDOC - Consulta a Consistência Documental transação destinada a informar os dias do mês em que a UGE movimentou o SIAFEM/SP, detalhando se a consistência documental foi dada com ou sem restrição, ou, ainda, se não foi dada a referida consistência; caso o movimento de algum dia tenha recebido consistência com restrição, esta transação permitirá a consulta da mesma; digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONCONSDOC e teclar ENTER;

53 informar a gestão e o mês do movimento em questão; teclar ENTER novamente, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX AUDICON, CONFUG, CONCONSDOC ( CONS.CONSISTENCIA DOCUMENTAL ) CONSULTA EM ÀS USUARIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTAO : GESTAO DA UG MÊS/ANO MOVIMENTO : MMMAAAA COM RESTRIÇÃO SEM RESTRIÇÃO SEM CONFORMIDADE XX XX XX DIGITE O DIA COM RESTRIÇÃO PARA DETALHA-LO: CONMOVSINT - Consulta Movimento Sintético transação que informa o total de documentos emitidos pela Unidade Gestora no SIAFEM/SP, numa determinada data, segregando por tipo de documento ( NL, ND, etc.), detalhando a quantidade e, em alguns casos, o valor total; digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONMOVSINT, e teclar ENTER; informar a gestão e a data do movimento a ser consultado, no formato DDMMMAAAA; teclar ENTER novamente, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX AUDICON, CONFUG, CONMOVSINT ( CONSULTA MOVIMENTO SINTÉTICO ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : XXXXXX GESTÃO : XXXXX DATA MOVIMENTO : DDMMMAAAA TIPO DOCUMENTO QUANTIDADE V A L O R NE NOTA EMPENHO XX R$ NL NOTA LANÇAMENTO XX NR NOTA RESERVA XX

54 CONMOVANA - Consulta Movimento Analítico transação que lista, por tipo, os documentos emitidos pela Unidade Gestora no SIAFEM/SP, em uma determinada data; digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONMOVANA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: Tela 1 SIAFEMXX AUDICON, CONFUG, CONMOVANA (CONSULTA MOVIMENTO ANALÍTICO) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : XXXXXX GESTÃO : (1) DATA MOVIMENTO : (2) TIPO DOCUMENTO : (3) ND - NOTA DOTAÇÃO NR - NOTA RESERVA NC NOTA MOVIMENTAÇÃO CRÉDITO NE - NOTA EMPENHO NL NOTA LANÇAMENTO PD PROGRAMAÇÃO DESEMBOLSO OB ORDEM BANCÁRIA GR GUIA RECEBIMENTO instruções para preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual pertence a Unidade Gestora. 2) DATA MOVIMENTO = informar a data do movimento a ser consultado no formato DDMMMAAAA. 3) TIPO DOCUMENTO = informar o tipo de documento a ser consultado; teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: Tela 2 SIAFEMXX AUDICON, CONFUG, CONMOVANA (CONSULTA MOVIMENTO ANALÍTICO) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA GESTÃO DATA MOVIMENTO TIPO DOCUMENTO : XXXXXX : XXXXX : DDMMMAAAA : NE NOTA EMPENHO NÚMERO EVENTO V A L O R NÚMERO EVENTO V A L O R XXXXX XXXXXX R$ XXXXX XXXXXX R$ XXXXX XXXXXX R$ XXXXX XXXXXX R$ IMPCONSDOC - Imprime Documentos para a Consistência transação que permite ao usuário imprimir cópia dos documentos emitidos no SIAFEM/SP em determinada data;

55 digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >IMPCONSDOC e teclar ENTER; informar a gestão e a data do movimento a ser consultado, no formato DDMMMAAAA; teclar ENTER, novamente, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-AUDICON, CONFUG, IMPCONSDOC (IMP. CONSISTENCIA DOCUMENTAL) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTAO : GESTAO DA UG DATA MOVIMENTO : DDMMMAAAA NUMERO DE DOCUMENTOS A SEREM IMPRESSOS NOTA DE DOTACAO : XX NOTA DE RESERVA : XX NOTA DE CREDITO : XX NOTA DE LANCAMENTO : XX NOTA DE EMPENHO : XX PROGRAMACAO DESEMBOLSO : XX ORDEM BANCARIA : XX GUIA DE RECEBIMENTO : XX NOTA PATRIMONIAL : XX IMPRESSORA : (1) CONFIRMA ( C/N/A ) (2) ( C CONFIRMA N NÃO CONFIRMA A ALTERA ) antes da impressão dos documentos, esta tela informará a quantidade por tipo de documento que serão impressos; instruções para preenchimento: 1) IMPRESSORA = informar o endereço lógico da impressora cadastrado junto à PRODESP. 2) CONFIRMA ( C/N/A) = digitar a opção deseja LISUSUCONF - Lista CPF que deu Conformidade transação destinada a informar o CPF do usuário que atestou a consistência documental da Unidade Gestora; digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >LISUSUCONF e teclar ENTER; informar a gestão e a data do movimento a ser consultado, no formato DDMMMAAAA; teclar ENTER, novamente, que o sistema abrirá a seguinte tela: GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO ( LISUSUCONF ) PAG. 1 USUÁRIO: CGEG CONTADORIA GERAL DO ESTADO PRODESP USUÁRIO TERMINAL DT-TRANS HORA UG DT-CONF ACEITE XXXXXXXXX XXXX XX/XX/XXXX XX:XX XXXXXX XX/XX/XXXX X XXXXXXXXX XXXX XX/XX/XXXX XX:XX XXXXXX XX/XX/XXXX X

56 2.2 - CONFSET - Conformidade Setoriais segundo portaria do Coordenador da CECI, expedida em 06/04/1999, conformidade setorial é o ato que atesta o correto registro das informações relativas à execução orçamentária, financeira e patrimonial no SIAFEM/SP; cabe aos CCA s e CRCA s, após o fechamento do mês, registrar no SIAFEM/SP a Conformidade Setorial das UGE s pertencentes à Administração Direta - Poder Executivo; a Conformidade Setorial dos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, e do Ministério Público, bem como a das entidades da Administração Indireta, deverá ser procedida pelos seus respectivos Gestores; a Conformidade Setorial mensal será registrada com base na Consistência Documental expedida pelos Ordenadores de Despesa e demais instrumentos previstos na portaria do Coordenador da CECI; REGCONFSET - Registra Conformidade Setorial por intermédio desta transação será efetuado o registro da conformidade; para isto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >REGCONFSET, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX AUDICON, CONFSET,REGCONFSET (REGISTRA CONFORMIDADE SETORIAL) USUÁRIO: MÊS/ANO MOVIMENTO : (1) UG INICIAL : (2) OBSERVAÇÃO: SERÃO APRESENTADAS APENAS AS UG S PARA AS QUAIS AINDA NÃO FOI DADA A CONFORMIDADE instruções para preenchimento: 1) MÊS/ANO MOVIMENTO = informar a data relativa ao movimento de registro da consistência, no formato MMMAAAA. 2) UG INICIAL = informar o código da UG, a de número menor entre as quais serão dadas a conformidade.

57 teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX AUDICON, CONFSET,REGCONFSET (REGISTRA CONFORMIDADE SETORIAL) USUÁRIO: MÊS/ANO MOVIMENTO : MMMAAAA UG INICIAL : XXXXXX UG GESTÃO REST(S/N) DESCRIÇÃO DA RESTRIÇÃO OU NÚMERO DO EXPEDIENTE XXXXXX XXXXX (1) (2) XXXXXX XXXXX instruções para preenchimento: 1) REST (S/N) = informar N quando a conformidade registrada for sem restrição e S quando houver alguma restrição na conformidade da UG. 2) DESCRIÇÃO DA RESTRIÇÃO OU NÚMERO DO EXPEDIENTE = descrever a restrição apontada na conformidade da UG ou informar o número do expediente relativo ao problema ALTCONFSET - Altera Conformidade Setorial imediatamente após o encerramento do mês, caberá aos CCA s e CRCA s acompanhar, orientar e auxiliar as UGE s na regularização das impropriedades observadas; para alterar a Conformidade Setorial de uma determinada UGE, de conformidade com restrição para sem restrição, ou vice versa, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >ALTCONFSET, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX AUDICON, CONFSET,ALTCONFSET (ALTERA CONFORMIDADE SETORIAL) USUÁRIO: MÊS/ANO MOVIMENTO : MMMAAAA UNIDADE GESTORA GESTÃO : XXXXXX : XXXXX RESTRIÇÃO DESCRIÇÃO DA RESTRIÇÃO OU NÚMERO DO EXPEDIENTE (1) (2)

58 instruções para preenchimento: 1) RESTRIÇÃO = o sistema informará se a conformidade da UG está sem ou com restrição, bastando alterá-la para a conformidade desejada. 2) DESCRIÇÃO DA RESTRIÇÃO OU NÚMERO DO EXPEDIENTE = quando a alteração for de: sem restrição para com restrição", descrever a restrição ou informar número do expediente relativo ao problema. para auxiliar os CCA s, CRCA s e Gestores dos Poderes Executivo e Judiciário, do Ministério Público e da Administração Indireta a atestarem a conformidade Setorial, o SIAFEM/SP coloca à disposição as seguintes transações: CONCONFSET - Consulta Conformidade Setorial transação que informa, aos CCA s e CRCA s, de acordo com o pedido efetuado, o total de UG s ou, por Unidades Gestoras, quais as que não receberam a conformidade setorial ou quais as que receberam sem restrição ou com restrição; para tanto, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONCONFSET, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-AUDICON, CONFSET, CONCONFSET (CONSULTA CONFORMIDADE SETORIAL) USUÁRIO: UG CONTÁBIL : (1) MÊS/ANO/MOVIMENTO : (2) UG INICIAL : (3) INDIQUE A OPÇÃO : (4) DESEJA SABER A QUANTIDADE DE UNIDADES GESTORAS? (5) (S SIM N NÃO) OPÇÕES DISPONÍVEIS 1 UG/GESTÃO QUE NÃO TEVE CONFORMIDADE CONTÁBIL 2 - UG/GESTÃO QUE TEVE CONFORMIDADE CONTÁBIL SEM RESTRIÇÃO 3 - UG/GESTÃO QUE TEVE CONFORMIDADE CONTÁBIL COM RESTRIÇÃO instruções para preenchimento: 1) UG CONTÁBIL = informar o código da UG contábil que está efetuando a consulta. 2) MÊS/ANO MOVIMENTO = informar a data do movimento a ser consultado, no formato MMMAAAA. 3) UG INICIAL = informar o código da UG, a de menor número entre as que serão consultadas. 4) INDIQUE A OPÇÃO = informar a opção desejada, de acordo com a lista constante na tela. 5) Quando a opção escolhida for a de número 3, o sistema além de informar os códigos das UG s e Gestão, habilita na própria tela a consulta da descrição sobre a restrição apontada. Deseja saber a quantidade de unidades gestoras? ( S SIM N- NÃO) = para saber a quantidade de Unidades Gestoras, digitar "S" neste campo, que o sistema informará a quantidade de UG s no final da linha de cada opção disponível.

59 CONCONFORG - Consulta Conformidade do Órgão transação que informa aos Gestores dos órgãos dos Poderes Legislativo e Judiciário, do Ministério Público e da Administração Indireta, de acordo com o pedido efetuado, o total de UG s ou, por Unidades Gestoras, quais as que não receberam a conformidade setorial; quais as que receberam a conformidade setorial ou quais as que receberam sem restrição ou com restrição; para tanto, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONCONFORG; teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-AUDICON, CONFSET, CONCONFORG (CONSULTA CONFORMIDADE ORGAO) USUÁRIO: ORGAO : (1) MÊS/ANO/MOVIMENTO : (2) UNID.GESTORA INICIAL: (3) INDIQUE A OPÇÃO : (4) DESEJA SABER A QUANTIDADE DE UNIDADES GESTORAS? (5) (S SIM N NÃO) OPÇÕES DISPONÍVEIS 1 UG/GESTÃO QUE NÃO TEVE CONFORMIDADE CONTÁBIL 2 - UG/GESTÃO QUE TEVE CONFORMIDADE CONTÁBIL SEM RESTRIÇÃO 3 - UG/GESTÃO QUE TEVE CONFORMIDADE CONTÁBIL COM RESTRIÇÃO instruções para preenchimento: 1) ÓRGÃO = informar o código do órgão ao qual pertencem as UG s a serem consultadas. 2) MÊS/ANO MOVIMENTO = informar a data do movimento a ser consultado, no formato MMMAAAA. 3) UG INICIAL = informar o código da UG, a de menor número entre as que serão consultadas. 4) INDIQUE A OPÇÃO = informar a opção desejada de acordo com a lista constante na tela. 5) Quando a opção escolhida for a de número 3, o sistema além de informar os códigos das UG s e Gestão, habilita na própria tela a consulta da descrição sobre a restrição apontada. 6) Deseja saber a quantidade de unidades Gestoras? ( S SIM N- NÃO) = para saber a quantidade de Unidades Gestoras, digitar "S" neste campo, que o sistema informará a quantidade de UG s no final da linha de cada opção disponível CONCONFDIA - Consulta Conformidade Diária transação que informa aos CCA s e CRCA s, quais UG s que não receberam consistência documental e quais que receberam consistência documental com restrição;

60 para tanto, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONCONFDIA; teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX AUDICON, CONFSET,CONCONFDIA (CONSULTA CONFORMIDADE DIÁRIA) USUÁRIO: UG CONTÁBIL : (1) MÊS ANO MOVIMENTO : (2) OPÇÕES DISPONÍVEIS: 1 UG-GESTÃO QUE NÃO DERAM CONFORMIDADE DIÁRIA 2 UG/GESTÃO QUE DERAM CONFORMIDADE DIÁRIA COM RESTRIÇÃO INDIQUE A OPÇÃO : (3) instruções para preenchimento: 1) UG CONTÁBIL = informar o código da UG contábil que está efetuando a consulta. 2) MÊS/ANO MOVIMENTO = informar a data do movimento a ser consultado no formato MMMAAAA. 3) INDIQUE A OPÇÃO = informar a opção desejada de acordo com os códigos constantes na tela. ao teclar ENTER, o sistema listará as UG s, a gestão e o dia indicado CONMOVDIA - Consulta Movimento Diário transação que informa aos CCA s e CRCA s, quais UG s que efetuaram lançamentos no SIAFEM/SP em uma determinada data; para tanto, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONMOVDIA; teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX AUDICON, CONFSET,CONMOVDIA (CONSULTA MOVIMENTO DIÁRIO) USUÁRIO: UG CONTÁBIL : (1) DATA MOVIMENTO : (2) instruções para preenchimento: 1) UG CONTÁBIL = informar o código da UG contábil que está efetuando a consulta. 2) DATA MOVIMENTO = informar a data do movimento a ser consultado, no formato DDMMMAAAA. ao teclar ENTER, o sistema informará as UG s e respectiva gestão.

61 SUBSISTEMA - EXEFIN 1 - Objetivos propiciar às Unidades Gestoras condições para gerir e controlar a execução financeira; demonstrar o preenchimento dos documentos utilizados; demonstrar mecanismos para consultar, alterar ou cancelar documentos. utilização: todas as Unidades Gestoras da Administração Direta e Indireta; este subsistema é composto pelos seguintes Módulos: ANEXO - ANEXO DE FATURAS DA PD ; CONSULTAS - CONSULTAS; CONTAUNICA - CONTAUNICA ; COTA - COTA FINANCEIRA; LISTA - LISTA DE CREDORES DA PD ; UG - ATIVIDADES DA UNIDADE GESTORA. as transações específicas para a Bolsa Eletrônica de Compras - BEC e Módulo de Obras estão descritas em manuais próprios. 2 - Procedimentos UG - Atividades da Unidade Gestora APLICACAO Secretaria da Fazenda Administradora de Aplicação Financeira a aplicação dos recursos financeiros disponíveis poderá ser efetuada na Corretora Virtual, via Conta Única; atentar para o horário bancário. para tanto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >APLICACAO, informar a gestão, o valor a ser aplicado e teclar ENTER; descrever o histórico do lançamento, teclar ENTER, novamente, e confirmar a operação; concretizada a operação, poderá a mesma ser consultada pela conta contábil , utilizando-se a transação >DETACONTA RESGATE - Secretaria da Fazenda Administradora de Aplicação Financeira quando da necessidade de recursos financeiros, para fazer face às suas obrigações, as Unidades Gestoras providenciarão o resgate, que será disponibilizado imediatamente na Conta Única; observar o horário bancário. para tanto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >RESGATE, informar a gestão, o valor a ser resgatado e teclar ENTER; apor o histórico do lançamento, teclar ENTER, novamente, e confirmar a operação.

62 NL - Nota de Lançamento documento utilizado pelo usuário para registrar atos e fatos de natureza contábil (financeira, orçamentária, patrimonial e de compensação), que não possuam transações e ou documentos específicos; tela 1 SIAFEMXX EXEFIN, UG, NL ( NOTA DE LANÇAMENTO ) USUÁRIO: (1)_ DATA EMISSÃO : (2) NÚMERO : AAAANL_(3)_ UNIDADE GESTORA : (4) GESTÃO : (5) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : (6) GESTÃO FAVORECIDA : (7) EVENTO INSCRIÇÃO DO EVENTO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (8) (9) (10) (11) (12) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA DA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior quando necessário. 3) NÚMERO = controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração para a qual está sendo efetuado o lançamento. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA = preencher este campo, quando necessário, com o código do Credor ou UG favorecida previamente cadastrados no sistema. 7) GESTÃO FAVORECIDA = caso a informação anterior seja relativa a uma UG, informar o código da respectiva gestão. Nos demais casos não preencher. 8) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, constantes na Tabela de Eventos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. 9) INSCRIÇÃO DO EVENTO = informar a conta corrente contábil, quando a inscrição do evento exigir. 10) CLASSIFICAÇÃO = informar o código da conta contábil, exigida pelo evento informado. 11) FONTE = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte da qual sairá o recurso. Informar sempre que o evento exigir. 12) VALOR = informar o valor do lançamento, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto ( s) e sem vírgula.

63 tela 2 SIAFEMXX-EXEFIN,UG,NL ( NOTA DE LANCAMENTO ) USUÁRIO : DATA EMISSAO : NUMERO : UNIDADE GESTORA : GESTAO : CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : GESTAO FAVORECIDA: OBSERVACAO : (1) 1) OBSERVAÇÃO = informar o histórico do lançamento com suficiência de detalhes, teclar ENTER, e surgirá a tela de confirmação NL-UP Liquidação Utilidade Pública documento utilizado, exclusivamente, para registrar contabilmente despesas realizadas com utilidade pública; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >NL-UP, teclar ENTER, o que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, NL-UP ( LIQUIDACAO UTILIDADE PUBLICA ) USUARIO: (1) DATA EMISSAO : (2) UNIDADE GESTORA : (3) GESTAO : (4) EMPENHO : (5) ASSINALE COM X : ( ) NORMAL ( ) ESTORNO (6) VALOR : (7) LISTA OU ANEXO : (8) ASSINALE COM X O EVENTO: (9) ( ) UTILIDADE PUBLICA FONTE TESOURO ( ) UTILIDADE PUBLICA FONTE NÃO TESOURO

64 instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA DA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior quando necessário. 3) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração para a qual está sendo efetuado o lançamento. 4) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 5) EMPENHO = registrar o número do empenho no formato 2XXXNEXXXX ( ano, transação e número seqüencial) gerador da despesa. 6) ASSINALE COM X = opte por uma das opções. 7) VALOR = informar o valor do lançamento. 8) LISTA OU ANEXO = informar o número da lista ou anexo, cadastrado conforme item deste manual. 9) ASSINALE COM X O EVENTO = apor o X na fonte de recursos utilizada por ocasião do empenhamento PD - Programação de Desembolso documento utilizado para registrar todas as obrigações financeiras da Administração, a serem pagas pela Conta Única; deve ser emitido pelas UGEs (Unidades Gestoras Executoras) após a liquidação da Despesa; sua emissão é base para a confecção da Programação Financeira da Gestão responsável pela UGE. SIAFEMXX EXEFIN, UG, PD ( PROGRAMAÇÃO DESEMBOLSO ) USUÁRIO: (1)_ DATA EMISSÃO : (2) DATA VENCIMENTO: (3) NÚMERO : (4)_ UNIDADE GESTORA : (5) GESTÃO : (6) LISTA OU ANEXO: (7) NL REF : (8) PAGADORA UG : (9) GESTÃO : (10) BANCO : (11) AGÊNCIA : (12) CONTA CORRENTE: ÚNICA (13) FAVORECIDO CNPJ/CPF/UG : (14) GESTÃO : (15) BANCO : (16) AGÊNCIA : (17) CONTA CORRENTE: (18) PROCESSO : (19) VALOR : (20) FINALIDADE : (21) EVENTO INSCRIÇÃO DO EVENTO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (22) (23) (24) (25) (26)

65 instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA DA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior quando necessário. 3) DATA VENCIMENTO = informar a data de vencimento da obrigação. 4) NÚMERO = controlado pelo sistema. 5) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração responsável pela liquidação da despesa que gerou a obrigação. 6) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 7) LISTA OU ANEXO = preencher este campo quando: LISTA - utilizada para pagamento de diversos credores, por intermédio de uma única PD; ANEXO - quando o credor for uma Unidade Gestora integrante do SIAFEM/SP; consultar Módulos LISTA/ANEXO. 8) NL REF. = informar o número da NL de liquidação de despesa orçamentária, que gerou a obrigação de pagamento. Nos demais casos, não preencher o campo. 9) PAGADORA UG = informar o código da UGF - Unidade Gestora Financeira responsável pelo pagamento. 10) GESTÃO = informar o código da gestão responsável pela Unidade Gestora Financeira. 11) BANCO = não preencher. 12) AGÊNCIA = não preencher. 13) CONTA CORRENTE = preenchido pelo sistema. 14) CNPJ/CPF/UG = informar o código do credor previamente cadastrado no sistema. 15) GESTÃO = quando o favorecido for uma UG - Unidade Gestora, informar o código da gestão responsável pela mesma. 16) BANCO = nota constante do item nº ) AGÊNCIA = nota constante do item nº ) CONTA CORRENTE = nota a seguir: Nota: Quando o pagamento tiver como favorecido um credor cadastrado no sistema por meio de CNPJ ou CPF, os campos de nºs 16,17 e 18 não precisam ser informados pois ao final do preenchimento da tela, o sistema abre uma "janela", relacionando as contas bancárias cadastradas para o credor, bastando, então, posicionar o cursor na conta desejada e pressionar a tecla "ENTER". Caso o Credor tenha uma única conta cadastrada, o sistema preencherá automaticamente. Quando o favorecido for identificado por código de UG e Gestão, os campos de nºs 16 e 17 devem ficar em branco e de nº 18 deve ser preenchido com a palavra "ÚNICA". Nos pagamentos em que a Unidade Gestora necessita de autenticação mecânica nos documentos, o campo nº 18 deve ser preenchido com a palavra "BANCO". Nos pagamentos de despesas de valor igual ou inferior a 100 UFESPs, o campo nº 18 pode ser preenchido com a palavra "SAQUE", desde que esta informação conste no cadastro do credor favorecido. Este procedimento permite que o credor receba em dinheiro no caixa da agência bancária. Nos pagamentos que a Unidade Gestora utilizou código de lista, preencher este campo com a palavra LISTA.

66 Nos pagamentos de diária preencher este campo com a palavra "DIÁRIA". Quando da colocação de numerário à disposição de responsável por adiantamento preencher este campo com a palavra "CARTÃO". 19) PROCESSO = informar o número do processo relativo ao pagamento a ser efetuado. 20) VALOR = informar o valor total a ser pago, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto (s) e sem vírgula. 21) FINALIDADE = informar o histórico do lançamento com suficiência de detalhes. 22) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. Para as PDs devem ser usados os eventos da classe 70.X.XXX. Apesar de haver 3 linhas para colocação de evento, é recomendável que se utilize apenas, uma para cada PD. 23) INSCRIÇÃO DO EVENTO = informar a conta corrente contábil, quando o evento exigir. 24) CLASSIFICAÇÃO = informar o código da conta contábil, exigida pelo evento informado. 25) FONTE = campo de preenchimento facultativo. Se preenchido, a fonte deve ser a mesma informada na respectiva Nota de Empenho - NE. 26) VALOR = informar o valor a ser pago, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto (s) e sem vírgula EXEPD - Executa Programação de Desembolso transação específica do Departamento de Finanças do Estado - DFE e Gestores Financeiros; utilizada para execução das PDs pendentes de pagamento; aplicação: todas as Unidades da Administração Direta e Indireta que administram recursos financeiros, via Conta Única; tela 1 SIAFEMXX EXEFIN, UG, EXEPD ( EXECUTA PROGRAMAÇÃO DESEMBOLSO) USUÁRIO: (1) UG PAGADORA : (2) GESTÃO : (3) AAAAPD : (4) UG LIQUIDANTE : (5) DATA INICIAL : (6) DATA FINAL : (7) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) UG PAGADORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora Financeira responsável. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora Financeira.

67 teclar ENTER, que o sistema listará todas as PDs pendentes de pagamento do exercício, pertencentes à UG Financeira informada. 4) AAAAPD = informar o número da PD, a partir do qual o sistema listará as PDs pendentes de pagamento. 5) UG LIQUIDANTE = informar o código do SIAFEM/SP que define a Unidade Gestora Liquidante (emitente). O sistema somente listará as PDs pendentes de pagamentos, emitidas por esta UG. 6) DATA INICIAL = se informada o sistema demonstrará, na seqüência, todas as PDs com vencimento a partir desta data. 7) DATA FINAL = encerra o período objeto de análise. tela 2 SIAFEMXX EXEFIN, UG, EXEPD ( EXECUTA PROGRAMAÇÃO DESEMBOLSO ) EXECUÇÃO EM USUÁRIO: UG/GESTÃO PAGADORA UG/GESTÃO LIQUIDANTE : COD.UG/GESTÃO PAGADORA : COD.UG/GESTÃO LIQUIDANTE PROGRAMAÇÃO DE DESEMBOLSO A PAGAR VENCIMENTO NÚMERO EMISSÃO FAVORECIDO V A L O R ASSINALE N PARA PAGAMENTO NORMAL OU P PARA PAGAMENTO COM PRIORIDADE esta tela é preenchida automaticamente pelo SIAFEM/SP de conformidade com o informado na tela 1; para concretização do pagamento basta assinalar, conforme nota no rodapé da tela, "N" para pagamento normal ou "P" para pagamento com prioridade, no campo à esquerda do vencimento.

68 EXEPD2 - Executa Programação de Desembolso transação que permite executar - PD's selecionadas de referido exercício; tela 1 SIAFEMXX EXEFIN, UG, EXEPD2 ( EXECUTA PROGRAMAÇÃO DESEMBOLSO) USUÁRIO: PAGADORA UNIDADE GESTORA : GESTÃO : LIQUIDANTE UNIDADE GESTORA : GESTÃO : ANO DA PD A SER PAGA : (1)_ instruções para o preenchimento: 1) ANO DA (S) PD (S) A SER (EM) PAGA(S) = informar o ano a que pertence (m) a (s) PD (s) que se pretende pagar. demais campos, preencher nos moldes da EXEPD; tela 2 SIAFEM XX EXEFIN, UG, EXEPD 2 ( EXECUTA PROGRAMAÇÃO DESEMBOLSO ) EXECUÇÃO EM USUARIO: UG/GESTÃO PAGADORA : COD.UG GESTÃO PAGADORA UG/GESTÃO LIQUIDANTE : COD.UG/GESTÃO LIQUIDANTE PROGRAMAÇÃO DE DESEMBOLSO A PAGAR NÚMERO (1) NÚMERO NÚMERO NÚMERO ( A) (B) ASSINALE N PARA PAGAMENTO NORMAL OU P PARA PAGAMENTO COM PRIORIDADE

69 instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO - informar o número da PD a ser paga. a) assinalar no campo à esquerda do número da PD, conforme nota no rodapé da tela, "N" para pagamento normal ou "P" para pagamento com prioridade; b) informar o número da PD a ser paga AUTORIZAOB Autoriza envio OB prior. p/ Bco transação utilizada para autorizar a transferência dos recursos financeiros on line (pagamentos) mediante a prévia confirmação por parte de cada Gestor Financeiro, tendo em vista a nova metodologia definida pelo BACEN, onde os valores acima de R$ 5.000,00 deverão ser transferido através da modalidade TED - Transferência Eletrônica Disponível; as transferências serão transmitidas via arquivo das OB's prioritárias e devidamente autorizadas em 04 (quatro) horários ( 10:00/12:00/ 14:30 e 16:00 horas); as OB's prioritárias que até a 16:00 horas não forem autorizadas, serão devolvidas a crédito da Conta C; as OB's prioritárias poderão ser canceladas (CANOB-CTU), até o momento em que não forem AUTORIZADAS; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >AUTORIZAOB, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, AUTORIZAOB (AUTORIZ ENVIO OB PRIOR. P/ BCO) USUARIO: UNIDADE GESTORA : GESTÃO : (1) INFORME UMA OPÇÃO : ( ) (2) AUTORIZA TODAS AS OB s, SEM VISUALIZAR NA TELA ( ) AUTORIZA OB POR OB, VISUZALIZANDO NA TELA instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 2) INFORME UMA OPÇÃO = assinale com um 'X' a opção desejada.

70 se a opção escolhida for a 1ª, teclar ENTER e confirmar, teclar ENTER novamente que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, AUTORIZAOB (AUTORIZ ENVIO OB PRIOR. P/ BCO) USUARIO: UNIDADE GESTORA GESTÃO : COD.UG : GESTÃO DA UG INFORME UMA OPÇÃO : ( X) AUTORIZA TODAS AS OB s, SEM VISUALIZAR NA TELA ( ) AUTORIZA OB POR OB, VISUZALIZANDO NA TELA <AUTORIZAÇÃO DE ENVIO DE OB s PARA O BANCO> FORAM AUTORIZADAS XX OB s NO VALOR TOTAL DE R$ AUTORIZADO POR: XXXXXXXXX DATA:DD/MM/AAAA HORA: HS caso a escolha recaia na 2ª opção, teclar ENTER, assinalar a(s) OB(s) a serem acolhidas pelo banco e confirmar, teclar ENTER novamente que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, AUTORIZAOB (AUTORIZ ENVIO OB PRIOR. P/ BCO) AUTORIZAÇÃO EM DD/MM/AAAA AS HS USUARIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG NO OB FAVORECIDO DESPESA BCO V A L O R ( ) XXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXX 151 R$ ( ) XXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXX 151 R$ ( ) XXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXX 151 R$ FORAM AUTORIZADAS XX OB s NO VALOR TOTAL DE R$ AUTORIZADO POR: XXXXXXXXX DATA:DD/MM/AAAA HORA: HS CONFIRMA (C/N)? ( C CONFIRMA N NÃO CONFIRMA)

71 CRIAÇÃO DAS UNIDADES GESTORAS FINANCEIRAS XXXX81 E XXXX84 NA ADMINISTRAÇÃO INDIRETA (AUTARQUIAS, FUNDAÇÕES E EMPRESAS) efetuar o controle individualizado dos recursos financeiros recebidos, recursos tesouro (001) e recursos próprios (diferente de 001); a partir de 1º de setembro de 2002; I - UGF XXXX81 - UNIDADE GESTORA FINANCEIRA - TESOURO destina-se ao registro dos recursos recebidos do Tesouro a título de transferências financeiras voluntárias (fonte 001); CARACTERÍSTICAS: as transferências financeiras voluntárias ou "socorro financeiro", não exige a contraprestação por parte da entidade; a destinação/uso dos recursos é apenas para atender aos pagamentos de despesas na fonte Tesouro(001); os domicílios bancários para funcionamento dessa UGF são: CONTA ÚNICA; CONTA C. II - UGF XXXX84 - UNIDADE GESTORA FINANCEIRA - RECURSOS PRÓPRIOS destina-se ao registro dos recursos provenientes da própria gestão/atividade da entidade, bem como dos fundos especiais, convênios federais e outros, cuja administração financeira e orçamentária está sob a responsabilidade da mesma; CARACTERÍSTICAS: o destino e a utilização dos recursos é apenas para atender aos pagamentos de despesas efetuadas na fonte de recursos próprios (diferente de 001); os domicílios bancários para funcionamento dessa UGF são: CONTA ÚNICA; CONTA C; CONTA "D". III - DEVOLUÇÃO DE SALDO DE ADIANTAMENTO quando houver devolução de saldo não utilizado de empenho, a entidade deverá observar a origem do recurso financeiro, se UGF XXXX81 (recursos tesouro) ou UGF XXXX84 (recursos próprios), antes de efetuar as operações; 1 - se UGF XXXX81 A) efetuar o depósito na Conta C e emitir GRDEPC; B) transferir o recurso da Conta C para a Conta Única da entidade através de OB; C) transferir o recurso da Conta Única da entidade para a Conta Única do tesouro, através de OB Intra SIAFEM. 2 - se UGF XXXX84 A) efetuar o depósito na Conta C e emitir GRDEPC; B) transferir o recurso da Conta C da entidade através de OB Intra SIAFEM.

72 IV - PROVIDÊNCIAS AUTOMÁTICAS PELO SISTEMA - PROCESSO BATCH todos os saldos existentes nas contas financeiras do grupo Disponível serão transferidos automaticamente para a UGF XXXX84; todas as Programações de Desembolso PD s emitidas e não pagas terão seus eventos alterados automaticamente, da seguinte forma: DE: XX PARA: XX Observação: A partir de 02/09/2002, todas as Entidades da Administração Indireta ( Autarquias, Fundações e Empresas ) passarão a operar com duas Unidades Gestoras Financeiras, diferentes das suas Unidades Gestoras Executoras; e As Programações de Desembolso PD s emitidas nas novas UGF s deverão utilizar os eventos da faixa XX EXCPDNCONT - EXCLUI PD NÃO CONTABILIZADA transação utilizada para excluir PD s pendentes de exercícios anteriores; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >EXCPDNCONT, teclar ENTER, o que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, EXCPDNCONT ( EXCLUI PD NAO CONTABILIZADA ) USUARIO: (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTAO : (3) PROGRAMACAO DE DESEMBOLSO: AAAAPD (4) CAUSA: (5) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração para o qual está sendo efetuado lançamento. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) PROGRAMAÇÃO DE DESEMBOLSO = informar o número, no formato 2XXXPDXXX (ano, transação e número seqüencial), da PD objeto da exclusão. 5) CAUSA = historiar, com riqueza de detalhe, a operação não deixando de mencionar o nº da PD que se esta a excluir.

73 OB - Ordem Bancária documento utilizado pelo sistema para registro da movimentação de numerário entre contas bancárias; pode desdobrar-se em OB INTRA-SIAFEM/SP, quando a movimentação do numerário ocorrer de Conta Única para Conta Única, caso em que não há envolvimento da rede bancária, ou para transferir saldo da Conta C para a Conta Única; sua validação junto à rede bancária ocorre por meio magnético em um determinado momento, após o horário comercial, implicando em um crédito para o favorecido; comprova, para a Administração Estadual, a liquidação de uma obrigação; emitido automaticamente pelo SIAFEM/SP, após a execução da Programação de Desembolso - PD, por meio da transação >EXEPD efetuada pelo Departamento de Finanças do Estado - DFE ou pelo Gestor Financeiro da Unidade; quando se tratar de OB INTRA-SIAFEM/SP, o Departamento de Finanças do Estado ou o Gestor Financeiro de cada Unidade deverá emitir o documento Ordem Bancária OB: SIAFEMXX EXEFIN, UG, OB ( ORDEM BANCARIA ) USUARIO: (1) DATA EMISSÃO : ( 2) DATA VENCIMENTO: (3) NUMERO : (4) UNIDADE GESTORA : (5) GESTÃO : (6) DOMICÍLIO BANCÁRIO EMITENTE BANCO : (7) AGÊNCIA: (8) CONTA CORRENTE: (9) FAVORECIDO CNPJ/CPF/UG : (10) GESTÃO : (11) DOMICÍLIO BANCÁRIO FAVORECIDO BANCO : (12) AGÊNCIA: (13) CONTA CORRENTE: (14) PROCESSO : (15) VALOR: (16) FINALIDADE : (17) EVENTO INSCRIÇÃO DO EVENTO CLASSIFICAÇÃO FONTE VALOR (18) (19) (20) (21) (22) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA DA EMISSÃO = informada pelo sistema. 3) DATA DE VENCIMENTO = DDMMMAAAA. 4) NÚMERO = número da OB, informado e controlado pelo sistema. 5) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora Financeira responsável pela emissão da OB. 6) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora.

74 7) BANCO = informar o código do banco, quando a OB se referir à transferência de valor da Conta C para a Conta Única. Quando se tratar de transferência de Conta Única para Conta Única, deixar em branco. 8) AGÊNCIA = informar o código da agência, quando a OB se referir à transferência de valor da Conta C para a Conta Única. Quando se tratar de transferência de Conta Única para Conta Única, deixar em branco. 9) CONTA CORRENTE = informar o código da conta corrente, quando a OB se referir à transferência de valor da Conta C para a Conta Única. Quando se tratar de transferência de Conta Única para Conta Única, preencher com a palavra : ÚNICA. 10) FAVORECIDO = informar o código da UG Favorecida. Quando a OB for de transferência da Conta C para Conta Única deve-se repetir a informação do campo nº 4. 11) GESTÃO = informar o código da gestão do favorecido. Quando a OB for de transferência da Conta C para a Conta Única, deve-se repetir a informação do campo nº 5. 12) BANCO = deixar em branco. 13) AGÊNCIA = deixar em branco. 14) CONTA CORRENTE = preencher com a palavra: ÚNICA. 15) PROCESSO = informar o número do processo ou número do documento, que Ocasionou emissão da OB. 16) VALOR = informar o valor da transferência, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem vírgula. 17) FINALIDADE = informar o histórico do lançamento com suficiência de detalhes. 18) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, constantes na Tabela de Eventos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. 19) INSCRIÇÃO DO EVENTO = informar a conta corrente contábil, quando o evento exigir. 20) CLASSIFICAÇÃO = informar o código da conta contábil, exigida pelo evento informado. 21) FONTE = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte da qual sairá o recurso. Informar sempre que o evento exigir. São elas: 001XXXXXX - Tesouro; 002XXXXXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003XXXXXX - Fundo Especial de Despesa; 004XXXXXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005XXXXXX - Recursos Vinculados Federais; 006XXXXXX - Outras Fontes de Recursos; 007XXXXXX - Recursos de Operações de Crédito. para consultar as fontes de recursos cadastradas no SIAFEM/SP, utilizar a transação >LISFONTE. 22) VALOR = informar o valor da OB, preenchendo o campo da esquerda para direita, sem ponto(s) e sem vírgula IMPRELOB - Imprime Relação de RE e RT transação que permite a emissão da RE (Relação Externa), que após conferida pelo Gestor Financeiro, deverá ser enviada a respectiva agência bancária do Banco Nossa Caixa S/A; além de imprimir a(s) RE(s) esta transação iniciará a emissão da(s) RT(s) ( Relatório de Transferência), relação esta gerada no sistema quando das transferências de numerário da Conta C para a Conta Única e das transferências consideradas Intra-SIAFEM (OB);

75 para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >IMPRELOB, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, IMPRELOB ( IMPRIME RELAÇÃO DE RE E RT) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA :COD.UG GESTÃO : (1) BANCO : (2) OU DATA DA SOLICITAÇÃO : (3) OU NÚMERO DO RELATÓRIO : (4) IMPRESSORA : (5) instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 2) BANCO = preencher com o número 151, quando se pretender relacionar todas as OB s geradas para Unidade Gestora e que ainda não foram relacionadas. Neste caso, os campos números 3 e 4 deverão permanecer em branco. 3) DATA DA SOLICITAÇÃO = informar a data no formato DDMMMAAAA, o sistema relacionará as OB s emitidas na data informada. Neste caso, os campos números 2 e 4 deverão permanecer m branco. 4) NÚMERO DO RELATÓRIO = quando se pretender reimprimir alguma RE, basta informar número da mesma. Neste caso os campos números 2 e 3 deverão permanecer em branco. 5) IMPRESSORA = informar o código do endereço lógico da impressora no sistema, cadastrado junto à PRODESP IMPOB - Imprime Ordem Bancária quando da necessidade de se obter fisicamente o documento para diversas finalidades; para acessar, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >IMPOB,

76 teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, UG, IMPOB ( IMPRIME ORDEM BANCÁRIA ) USUARIO : UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTAO : (1) NÚMERO : AAAAOB (2) OPÇÃO : (3) (T TESTE, I IMPRESSÃO) IMPRESSORA : (4) OBS: POSICIONE O FORMULÁRIO COM A CABEÇA DE IMPRESSÃO SOBRE O PICOTE instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 2) NÚMERO = campo a ser completado com o número da Ordem Bancária - OB que se deseja imprimir. 3) OPÇÃO = escolher a alternativa desejada. 4) IMPRESSORA = informar o código do endereço lógico da impressora no sistema, cadastrado junto à PRODESP LISOBUG - Lista OB Restrita a UG da PD transação que permite às Unidades Gestoras, capturarem as OB s, decorrentes da execução das PD s de sua emissão; esta transação se faz necessária quando uma PD for executada com "Prioridade", para possibilitar à UGE a impressão da OB respectiva, que deverá ser encaminhada ao banco, acompanhada ou não, dos documentos para autenticação, etc; para processá-la, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >LISOBUG,

77 teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, UG, LISOBUG ( LISTA OB RESTRITA A UG DA PD ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : (1) GESTÃO : (2) NÚMERO : AAAAOB (3) OU DATA : (3) OU CNPJ/CPF/UG FAVORECIDO : GESTÃO DO FAVORECIDO : 1 SÓ CONTA ÚNICA OPÇÃO : (4) 2 TODAS AS CONTAS 3 NÃO CONTA ÚNICA instruções para o preenchimento: 1) UNIDADE GESTORA = a tela é aberta com o código da UGE. Alterar para o código da Unidade Gestora Financeira - UGF à qual a UGE está vinculada. 2) GESTÃO = informar a gestão à qual a UGE pertence. 3) NÚMERO OU DATA OU FAVORECIDO = escolher a alternativa desejada. 4) OPÇÃO = informar a opção 1. após o preenchimento, teclar ENTER que o sistema relacionará as OB s emitidas para a UGE em pauta, na seguinte conformidade: SIAFEMXX EXEFIN, UG, LISOBUG ( LISTA OB RESTRINGE A UG DA PD ) CONSULTA EM DD/MM/AAAA AS HS. UISUÁRIO: UNIDADE GESTORA: COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG DATA Nº OB FAVORECIDO **OB S CONTA ÚNICA** V A L O R BCO TOB RELAÇÃO CANC DD/MM XXXXX XXXXXXXXX R$ REXXXXX DD/MM XXXXX XXXXXXXXX R$ REXXXXX DD/MM XXXXX XXXXXXXXX R$ REXXXXX PARA DETALHAR INFORME NÚMERO DA OB (AAAAOB_(1) ) instruções para o preenchimento: 1) informar o número da OB constante na tela, teclar ENTER e imprimir a OB solicitada OBNAOCUMP Lista OB s Não Cumpridas

78 esta transação permite consulta de Ordem Bancária não executadas; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >OBNAOCUMP, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: CGE COORDENACAO DA ADMINISTRACAO FINANCEIRA PRODESP CONSULTA ORDEM BANCARIA NÃO CUMPRIDA CGE : (1) REFERENCIA: (2) PARA CONSULTAR TODAS AS PENDENCIAS, PREENCHA SOMENTE A UGE instruções para o preenchimento: 1) UGE = informar a Unidade Gestora Executora, objeto da consulta. 2) REFERÊNCIA = apor a data, no formato DDMMAAAA, da OB a ser consultada. para consultar todas pendências, siga instruções no rodapé GRDEPC GR p/depósito Conta C UG Financeira documento utilizado no SIAFEM/SP para registrar os depósitos efetuados na conta bancária tipo C das Unidades Gestoras Financeiras UGF s; os depósitos efetuados na Conta C, são oriundos de receitas, devolução de saldo de adiantamento, devolução de valores relativos a pagamentos não concluídos pelo Banco, depósitos de origens diversas, etc.;

79 para acessar, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >GRDEPC, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, GRDEPC ( GR P/DEPOS.CTA C UG FINANC. ) USUÁRIO: (1)_ DATA EMISSÃO : (2) NÚMERO : (3)_ DATA RECEBIMENTO : (4) UG EMITENTE : (5) GESTÃO : (6) DOMICÍLIO BANCÁRIO BANCO : (7) AGÊNCIA : (8) CONTA CORRENTE : (9) FAVORECIDA UG FINANCEIRA : (10) GESTÃO : (11) EVENTO INSCRIÇÃO DO EVENTO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (12) (13) (14) (15) (16) FINALIDADE: (17) ORDEM BANCÁRIA DE REFERÊNCIA: (18)_ instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior quando necessário. 3) NÚMERO = controlado pelo sistema. 4) DATA RECEBIMENTO = informar a data do depósito na Conta C. 5) UG EMITENTE = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora responsável pela emissão da GRDEPC. 6) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 7) BANCO = informar o código ) AGÊNCIA = informar o código da agência. 9) CONTA CORRENTE = informar o código da Conta C junto à Agência Bancária. OBS: A Tabela de Cadastro dos Domicílios Bancários pode ser consultada no sistema SIAFEM/SP por meio da transação >LISDOMBAN. 10) UG FINANCEIRA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora Financeira - UGF titular da Conta C. 11) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora financeira. 12) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, constante na Tabela de Eventos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. 13) INSCRIÇÃO DO EVENTO = informar a conta corrente contábil, quando a inscrição do evento exigir. 14) CLASSIFICAÇÃO = informar o código da conta contábil, exigida pelo evento informado, de acordo com o Plano de Contas. 15) FONTE = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte à qual o recurso pertence.

80 Informar sempre que o evento exigir. 16) VALOR = informar o valor do depósito, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto (s) e sem vírgula. 17) FINALIDADE = informar o histórico do lançamento com suficiência de detalhes. 18) ORDEM BANCÁRIA DE REFERÊNCIA = quando o depósito efetuado for relativo a pagamento (s) não concluídos pelo Banco, informar o número da OB original. Nos demais casos, não preencher REGDEPC - Regulariza Depósito na Conta C sempre que o Gestor Financeiro observar que existe saldo na Conta C da UGF, e que a origem do (s) depósito( s) lhe é desconhecida, deve: emitir GRDEPC, com o evento , que gera saldo na conta contábil Depósitos na Conta C a Regularizar; verificar qual a UGE responsável pelo referido depósito e comunicá-la para que a mesma efetue a regularização. a UGE, após identificar a origem do depósito, efetuará a baixa da conta contábil ; para acessar, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >REGDEPC, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, REGDEPC ( REGULARIZ.DEPÓSITO CONTA C ) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : (2) NÚMERO : (3) DATA RECEBIMENTO : (4) UG EMITENTE : (5) GESTÃO : (6) DOMICÍLIO BANCÁRIO BANCO : (7) AGÊNCIA : (8) CONTA CORRENTE : (9) FAVORECIDA UG FINANCEIRA : (10) GESTÃO : (11) EVENTO INSCRIÇÃO DO EVENTO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (12) (13) (14) (15) (16) FINALIDADE: (17) ORDEM BANCÁRIA DE REFERÊNCIA: (18) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior quando necessário. 3) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 4) DATA RECEBIMENTO = informar a data do depósito na Conta C. 5) UG EMITENTE = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora

81 responsável pela emissão da REGDEPC. 6) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 7) BANCO = informar o código ) AGÊNCIA = informar o código da agência. 9) CONTA CORRENTE = informar o código da Conta C junto à Agência Bancária. OBS: A Tabela de Cadastro dos Domicílios Bancários pode ser consultada no sistema SIAFEM/SP por meio da transação >LISDOMBAN. 10) UG FINANCEIRA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora Financeira - UGF titular da Conta C. 11) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 12) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, constante na Tabela de Eventos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. 13) INSCRIÇÃO DO EVENTO = informar a conta corrente contábil, quando a inscrição do evento exigir. 14) CLASSIFICAÇÃO = informar o código da conta contábil, exigida pelo evento informado. 15) FONTE = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte à qual o recurso pertence. Informar sempre que o evento exigir. 16) VALOR = informar o valor do depósito, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto (s) e sem vírgula. 17) FINALIDADE = informar o histórico do lançamento com suficiência de detalhes. 18) ORDEM BANCÁRIA DE REFERÊNCIA = quando o depósito efetuado for relativo a pagamento (s) não concluídos pelo Banco, informar o número da OB original. Nos demais casos, não preencher INCAPFOLHA - Apropriar Despesas de Folha transação utilizada por algumas Unidades Gestoras da Administração Direta e por Outros Poderes, para apropriar despesas com folha de pagamento; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCAPFOLHA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, INCAPFOLHA ( APROPRIAR DESPESAS DE FOLHA ) USUARIO: (1) DATA EMISSAO : (2) NUMERO: AAAANL (3) UNIDADE GESTORA : (4) GESTAO : (5) UG FAVORECIDA : (6) GESTAO FAVORECIDA : (7) CLASSIFICACAO : (8) FONTE : (9) VALOR : (10) ASSINALE COM X O EVENTO: ( ) FOLHA NORMAL ( ) ESTORNO DA FOLHA (11) instruções para o preenchimento:

82 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior quando necessário. 3) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração para qual está sendo efetuado o lançamento. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) UG FAVORECIDA = informar o código cadastrado no SIAFEM/SP, que define Unidade Gestora beneficiária. 7) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora beneficiária. 8) CLASSIFICAÇÃO = informar a natureza de despesas objeto de apropriação. 9) FONTE = Informar a origem dos recursos ora utilizados. 10) VALOR = informar o valor apropriado, sem ponto e sem virgula. 11) ASSINALE COM UM 'X' O EVENTO = basta assinalar com um "X" uma das opções INCRPNPTES - Inclusão RP N/Processado Tesouro a inclusão de Restos a Pagar Não Processados deve ser elaborada com base nos valores existentes em 31 de dezembro de cada ano na conta contábil Empenhos a Liquidar por Emissão, com respaldo no artigo 36 da Lei Federal 4.320/64, considerando-se apenas os Empenhos relativos a operações que vão se concretizar no ano subseqüente; o prazo definido para inscrição é divulgado no Decreto de Encerramento. observar no empenho, se a fonte de recurso é Tesouro; digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCRPNPTES, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, UG, INCRPNPTES ( INCLUSAO RP N/ PROCESS.TESOURO ) USUARIO: (1) DATA EMISSÃO : (2) NUMERO : (3) UNIDADE GESTORA : (4) GESTÃO : (5) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : (6) GESTÃO FAVORECIDA : (7) NÚMERO DO EMPENHO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (8) (9) (10) (11) ASSINALE COM X O EVENTO: (12) FONTE TESOURO ( ) SERVIÇOS GERAIS SEM CONTRATO ( ) MATERIAL DE CONSUMO SEM CONTRATO ( ) MATERIAL PERMANENTE S/CONTRATO ( ) OBRAS E REFORMAS PATRIMONIADAS ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS S/CONTRATO ( ) ATIV.IND./MAT.PRIMA S/CONTRATO ( ) ATIV.IND.MAT.EMBAL.S/ CONTRATO ( ) ATIV.IND./OUT.CUSTOS S/CONTRATO ( ) SERVIÇOS GERAIS COM CONTRATO ( ) MATERIAL DE CONSUMO COM CONTRATO ( ) MATERIAL PERMANENTE C/CONTRATO ( ) OBRAS E REFORMAS NÃO PATRIMONIADAS ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS C/CONTRATO ( ) ATIV.IND./MAT.PRIMA C/CONTRATO ( ) ATIV.IND.MAT.EMBAL.C/ CONTRATO ( ) ATIV.IND./OUT.CUSTOS C/CONTRATO instruções para o preenchimento:

83 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema. 3) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora responsável pela emissão do documento. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA = preencher este campo com o código do Credor ou UG favorecida. 7) GESTÃO FAVORECIDA = caso a informação anterior seja relativa a uma UG, informar o código da respectiva gestão. Nos demais casos não preencher. 8) NÚMERO DO EMPENHO = apor o número do empenho objeto da inscrição. 9) CLASSIFICAÇÃO = informar a natureza da despesa descrita na Nota de Empenho. 10) FONTE = não preencher. 11) VALOR = informar o valor que se deseja inscrever. 12) ASSINALE COM UM 'X' O EVENTO = para inscrição, basta assinalar com um "X" em uma das opções descritas na tela INCRPNPVIN - Inclusão RP N/Processado Vinculado processamento idêntico ao tópico INCRPNPTES; para inscrição, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCRPNPVIN, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, UG, INCRPNPVIN ( INCLUSAO RP N/ PROCESS.VINCUL.) USUARIO: DATA EMISSÃO : NUMERO: UNIDADE GESTORA : GESTÃO : CNPJ/CPF/ UG FAVORECIDA : GESTÃO FAVORECIDA : NÚMERO DO EMPENHO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R ASSINALE COM X O EVENTO: FONTE VINCULADA ( ) SERVIÇOS GERAIS SEM CONTRATO ( ) MATERIAL DE CONSUMO SEM CONTRATO ( ) MATERIAL PERMANENTE SEM CONTRATO ( ) OBRAS E REFORMAS PATRIMONIAIS ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS SEM CONTRATO ( ) ATIV.IND./MAT.PRIMA SEM CONTRATO ( ) ATIV.IND.MAT.EMBAL.SEM CONTRATO ( ) ATIV.IND./OUT.CUSTOS SEM CONTRATO ( ) SERVIÇOS GERAIS COM CONTRATO ( ) MATERIAL DE CONSUMO COM CONTRATO ( ) MATERIAL PERMANENTE COM CONTRATO ( ) OBRAS/REFORMAS NÃO PATRIMONIAIS ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS COM CONTRATO ( ) ATIV.IND./MAT.PRIMA COM CONTRATO ( ) ATIV.IND.MAT.EMBAL.COM CONTRATO ( ) ATIV.IND./OUT.CUSTOS COM CONTRATO instruções para o preenchimento: do mesmo modo que o tópico INCRPNPTES.

84 INCREVRPNP - Inclui Revigoramento de RPNP transação utilizada para acolher empenhos inscritos em Restos a Pagar Não Processados, cujas operações não se concretizaram até a data limite, subseqüente ao da inscrição; para inscrição, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCREVRPNP, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, UG, INCREVRPNP ( INCLUI REVIGORAMENTO DE RPNP ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : (1) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : (2) GESTÃO FAVORECIDA : (3) NÚMERO DO EMPENHO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (4) (5) (6) (7) ASSINALE COM UM X O EVENTO: (8) ( ) NORMAL ( ) ESTORNO instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 2) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA = preencher este campo com o código do Credor ou UG favorecida. 3) GESTÃO FAVORECIDA = caso a informação anterior seja relativa a uma UG, informar código da respectiva gestão. Nos demais casos não preencher. 4) NÚMERO DO EMPENHO = preencher este campo com o número do empenho objeto da inscrição. 5) CLASSIFICAÇÃO = informar a natureza da despesa descrita na Nota de Empenho. 6) FONTE = não preencher. 7) VALOR = informar o valor. 8) ASSINALE COM UM 'X' O EVENTO = basta assinalar com um "X" uma das opções INCREVRPP - Revigoramento de RP Processado transação utilizada para acolher empenhos inscritos em Restos a Pagar Processados, cujos pagamentos não se processam até a data limite; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCREVRPP, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela:

85 SIAFEMXX EXEFIN, UG, INCREVRPP ( REVIGORAMENTO DE RP PROCESSADO ) USUARIO: DATA EMISSAO : DDMMMAAAA NUMERO: AAAANL UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTAO : (1) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : (2) GESTAO FAVORECIDA : (3) NUMERO DO EMPENHO CLASSIFICACAO FONTE VALOR (4) (5) (6) (7) ASSINALE COM X A OPÇÃO : ( ) NORMAL ( ) ESTORNO (8) ASSINALE COM X O EVENTO : ( ) RESTOS A PAGAR PROCESSADO (9) ( ) RESTOS A PAGAR TRANSFERIDO DE NÃO PROCESSADO EVENTOS OU PARA RESTOS A PAGAR PROCESSADO OU PARA RESTOS A PAGAR TRANSFERIDO DE NÃO PROCESSADO instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 2) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA = preencher este campo com o código do Credor ou UG favorecida. 3) GESTÃO FAVORECIDA = caso a informação anterior seja relativa a uma UG, informar código da respectiva gestão, nos demais casos não preencher. 4) NÚMERO DO EMPENHO = preencher este campo com o número do empenho objeto da inscrição. 5) CLASSIFICAÇÃO = informar a natureza da despesa descrita na Nota de Empenho. 6) FONTE = não preencher. 7) VALOR = informar o valor a ser revigorado. 8) ASSINALE COM UM 'X' A OPÇÃO = assinale uma das opções. 9) ASSINALE COM UM 'X' O EVENTO = identifique uma das opções INCRPESPTE Inclusão RPNP Especial Tesouro processamento idêntico ao tópico ; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCRPESPTE teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela:

86 SIAFEMXX EXEFIN, UG, INCRPESPTE ( INCLUSAO RPNP ESPECIAL TESOURO ) USUARIO: DATA EMISSAO : NUMERO : UNIDADE GESTORA : GESTAO : CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : GESTAO FAVORECIDA : NUMERO DO EMPENHO CLASSIFICACAO FONTE VALOR ASSINALE COM UM X O EVENTO: FONTE TESOURO ( ) SERVIÇOS GERAIS S/ CONTRATO ( )MATERIAL CONSUMO SEM CONTRATO ( ) MATERIAL PERMANENTE S/ CONTRATO ( )OBRAS E REFORMAS PATRIMONIADAS ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS S/ CONTRATO ( )ATIV.IND./MAT.PRIMA S/CONTRATO ( ) ATIV.IND.MAT.EMB.S/CONTRATO ( )ATIV.IND.OUT. CUSTOS S/CONTRATO ( ) SERVIÇOS GERAIS C/ CONTRATO ( )MAT. CONSUMO C/ CONTRATO ( ) MAT. PERMANENTE C/ CONTRATO ( )OBRAS E REFOR NÃO PATRIMONIADAS ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS C/ CONTRATO ( )ATIV.IND./MAT.PRIMA C/CONTRATO ( ) ATIV.IND.MAT.EMB.C/CONTRATO ( )ATIV.IND.OUT. CUSTOS C/CONTRATO instruções para o preenchimento: do mesmo modo que o tópico INCRPNPTES INCRPESPVI Inclusão RPNP Especial Vinculado processamento idêntico ao tópico ; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCRPESPVI, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela:

87 SIAFEMXX EXEFIN, UG, INCRPESPVI ( INCLUSAO RPNP ESPECIAL VINCUL. ) USUARIO: DATA EMISSAO : NUMERO : UNIDADE GESTORA : GESTAO : CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : GESTAO FAVORECIDA : NUMERO DO EMPENHO CLASSIFICACAO FONTE VALOR ASSINALE COM UM X O EVENTO: FONTE VINCULADA ( ) SERVIÇOS GERAIS S/ CONTRATO ( )MATERIAL CONSUMO SEM CONTRATO ( ) MATERIAL PERMANENTE S/ CONTRATO ( )OBRAS E REFORMAS PATRIMONIADAS ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS S/ CONTRATO ( )ATIV.IND./MAT.PRIMA S/CONTRATO ( ) ATIV.IND.MAT.EMB.S/CONTRATO ( )ATIV.IND.OUT. CUSTOS S/CONTRATO ( ) SERVIÇOS GERAIS C/ CONTRATO ( )MAT. CONSUMO C/ CONTRATO ( ) MAT. PERMANENTE C/ CONTRATO ( )OBRAS E REFOR NÃO PATRIMONIADAS ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS C/ CONTRATO ( )ATIV.IND./MAT.PRIMA C/CONTRATO ( ) ATIV.IND.MAT.EMB.C/CONTRATO ( )ATIV.IND.OUT. CUSTOS C/CONTRATO instruções para o preenchimento: do mesmo modo que o tópico INCRPNPTES INCTRARPNP - Transfere RPNP p/ Processada deve ser efetuada no exercício subseqüente ao da inscrição; quando do recebimento da mercadoria ou da entrega dos comprovantes dos serviços prestados, é necessário efetuar a transferência de Restos a Pagar Não Processados para Restos a Pagar Processados; para isto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCTRARPNP, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela:

88 SIAFEMXX EXEFIN, UG, INCTRARPNP (INCL.TRANSF.RPNP P/ PROCESSADA) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : (2) NÚMERO : (3) UNIDADE GESTORA : (4) GESTÃO : (5) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : (6) GESTÃO FAVORECIDA : (7) NÚMERO DO EMPENHO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (8) (9) (10) (11) ASSINALE COM X O EVENTO : (12) TRANSFERÊNCIA ( ) SERVIÇOS GERAIS ( ) MATERIAL DE CONSUMO ( ) MATERIAL PERMANENTE ( ) OBRAS PATRIMONIADAS ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS ( ) OBRAS NÃO PATRIMONIADAS ( ) ATIV.INDUSTRIAL/ MATERIA PRIMA ( ) ATIV.INDUST./MAT.EMBALAGEM ( ) ATIV.INDUSTRIAL/ OUTROS CUSTOS instruções para o preenchimento: do mesmo modo que o tópico INCRPNPTES INCTRARPRV - Inclui Transf. Revig. p/ Processada utilização no exercício subseqüente ao da inscrição; quando do recebimento da mercadoria ou da entrega dos comprovantes dos serviços prestados, é necessário efetuar a transferência de revigoramentos de Restos a Pagar Não Processados para Restos a Pagar Revigorados; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCTRARPRV, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela:

89 SIAFEMXX-EXEFIN, UG, INCTRARPRV (INCL.TRANSF.REVIV P/ PROCESSADA) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : (1) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : (2) GESTÃO FAVORECIDA : (3) NÚMERO DO EMPENHO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (4) (5) (6) (7) ASSINALE COM X O EVENTO : (8) TRANSFERÊNCIA ( ) SERVIÇOS GERAIS ( ) MATERIAL DE CONSUMO ( ) MATERIAL PERMANENTE ( ) OBRAS PATRIMONIADAS ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS ( ) OBRAS NÃO PATRIMONIADAS ( ) ATIV.INDUSTRIAL/ MATERIA PRIMA ( ) ATIV.INDUST./MAT.EMBALAGEM ( ) ATIV.INDUSTRIAL/ OUTROS CUSTOS instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 2) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA = preencher este campo com o código do Credor ou UG favorecida. 3) GESTÃO FAVORECIDA = caso a informação anterior seja relativa a uma UG, informar código da respectiva gestão. Nos demais casos não preencher. 4) NÚMERO DO EMPENHO = preencher este campo com o número do empenho objeto da inscrição. 5) CLASSIFICAÇÃO = informar a natureza da despesa descrita na Nota de Empenho. 6) FONTE = não preencher. 7) VALOR = informar o valor. 8) ASSINALE COM UM 'X' O EVENTO = basta assinalar com um "X" uma das opções DIFREC - Diferimento da Receita

90 transação especifica do DIPLAF; utilizada por todas as Unidades da Administração Indireta que gerem recursos próprios. O diferimento somente será efetuado mediante solicitação por Ofício; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >DIFREC, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, DIFREC ( DIFERIMENTO DA RECEITA ) USUARIO: (1) DATA EMISSAO : (2) NUMERO : (3) UNIDADE GESTORA : (4) GESTÃO : (5) UG FAVORECIDA : (6) GESTAO FAVORECIDA : (7) ASSINALE COM X : ( ) NORMAL OU ( ) ESTORNO (8) CODIGO DA RECEITA : (9) FONTE : (10) VALOR : (11) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior quando necessário. 3) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração para qual esta sendo efetuado o lançamento. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração ( Direta ou cada membro da Indireta ) responsável pela Unidade Gestora. 6) UG FAVORECIDA = informar o código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora Beneficiária. 7) GESTÃO FAVORECIDA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração ( Direta ou cada membro da Indireta ) responsável pela Unidade Gestora Beneficiária. 8) ASSINALE COM X = escolha uma das opções. 9) CÓDIGO DA RECEITA = informar o código da receita a ser diferida. 10) FONTE = informar a origem da fonte de recursos objeto de diferimento. 11) VALOR = informar o valor do diferimento RETDIFREC - Retorno do Diferimento da Receita

91 transação utilizada quando da liberação dos recursos diferidos pelo DIPLAF; as Unidades Gestoras a medida das necessidades deverão se manifestar por intermédio de Ofício; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >RETDIFREC, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, UG, RETDIFREC ( RETORNO DO DIFEREIMENTO DA RECEITA ) USUARIO: (1) DATA EMISSAO : (2) NUMERO : (3) UNIDADE GESTORA : (4) GESTAO : (5) UG FAVORECIDA : (6) GESTAO FAVORECIDA : (7) ASSINALE COM X : ( ) NORMAL OU ( ) ESTORNO (8) SE HOUVE ALTERACAO NO CODIGO DA RECEITA (9) CODIGO DA RECEITA NO EXERCICIO ANTERIOR : CODIGO DA RECEITA NO EXERCICIO ATUAL : SE HOUVE ALTERACAO NO CODIGO DA RECEITA MAS ESTAO VALIDAS NOS DOIS EXEFCCIOS (10) CODIGO DA RECEITA NO EXERCICIO ANTERIOR : CODIGO DA RECEITA NO EXERCICIO ATUAL : SE NÃO HOUVE ALTERACAO NO CODIGO DA RECEITA (11) CODIGO DA RECEITA NO EXERCICIO ANTERIOR E ATUAL : FONTE : (12) VALOR : (13) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior quando necessário. 3) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração para qual esta sendo efetuado o lançamento. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração ( Direta ou cada membro da Indireta ) responsável pela Unidade Gestora. 6) UG FAVORECIDA = informar o código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora Beneficiária. 7) GESTÃO FAVORECIDA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração ( Direta ou cada membro da Indireta ) responsável pela Unidade Gestora Beneficiária. 8) ASSINALE COM X = opte por uma das opções. 9) SE HOUVE ALTERAÇÃO NO CÓDIGO DA RECEITA = opte por uma das opções, informando o código da receita. 10) SE HOUVE ALTERAÇÃO NO CÓDIGO DA RECEITA, MAS ESTÃO VÁLIDAS NOS DOIS EXERCÍCIOS = opte por uma das opções, informando o código da receita. 11) SE NÃO HOUVE ALTERAÇÃO NO CÓDIGO DA RECEITA = informar o código da receita, conforme solicitado. 12) FONTE = informar a origem dos recursos a serem retornados do diferimento.

92 13) VALOR = informar o valor do retorno do diferimento CANCELAMENTOS ainda, dentro do universo das atividades de uma Unidade Gestora, o SIAFEM/SP coloca à disposição, para cancelamentos, as seguintes transações: CANAPFOLHA Cancela apropriação da folha; CANGRDEPC - Cancela GR com depósito na Conta" C"; CANLBFONTE Cancela Liberação da Fonte 004 CANOB - Cancela OB Não Conta Única; CANOB - CTU - Cancela OB Conta Única; CANPD - Cancela Programação Desembolso; CANREGDEPC - Cancela Regularização depósito Conta C; CANREL - Cancela Relação Externa - RE; CANRPESPTE Cancela RPNP Especial Tesouro; CANRPESPVI Cancela RPNP Especial Vinculado CANRPNPTES - Cancela RP N/Processado Tesouro; CANRPNPVIN - Cancela RP N/Processado Vinculado; CANTRARPNP - Cancela Transferência RP Não Processado para Processado; CANTRARPRV - Cancela Transferência Revigorado para Processado LISTA - Lista de Credores da PD este módulo é utilizado quando o credor do empenho é identificado por meio de Inscrição Genérica; 7visa facilitar pagamentos continuados e em quantidade razoável, por intermédio de uma única PD; quando do preenchimento da PD, o campo relativo à conta corrente do favorecido, deverá ser preenchido com a palavra LISTA; os beneficiários deverão ser previamente inscritos no cadastro de Credores do SIAFEM/SP; para gerar LISTA no SIAFEM/SP, basta digitar na linha de comando a transação >INCLISTA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela:

93 SIAFEMXX EXEFIN, LISTA, INCLISTA ( INCLUI CREDORES NA LISTA ) USUÁRIO: (1)_ UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) NOME DA LISTA : (4) COPIAR DA LISTA : (5) ESCOLHA O BANCO DOS CREDORES DA LISTA (6) ( ) BANCO DA CONTA ÚNICA 151 NOSSA CAIXA S/A ( ) OUTROS BANCOS instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora responsável pela emissão do documento. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) NOME DA LISTA = informar um nome para a lista, que melhor a identifique. 5) COPIAR DA LISTA = caso haja alguma lista já cadastrada para a Unidade Gestora e esta atender à necessidade do pagamento, informar o número da mesma. Caso contrário não preencher. 6) ESCOLHA O BANCO DOS CREDORES DA LISTA = assinalar com um "X", se o pagamento será efetuado pelo Banco Nossa Caixa S. A. ou outros bancos. Observação: Para cada Banco deve ser emitida uma lista. Para cada lista deve ser emitida uma Programação de Desembolso - PD. teclar ENTER novamente e o SIAFEM/SP abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, LISTA, INCLISTA ( INCLUI CREDORES NA LISTA ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG LISTA : AAAALI (1) NOME DA LISTA : CREDOR V A L O R : (2) : (3) TOTAL DE CREDORES : (4) TOTAL DA LISTA : (5) instruções para o preenchimento: 1) LISTA = número informado e controlado pelo SIAFEM/SP.

94 2) CREDOR = informar o código do credor cadastrado no SIAFEM/SP por meio do CNPJ/CPF. 3) VALOR = informar o valor a ser pago ao credor, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto ( s) e sem vírgula. 4) TOTAL DE CREDORES = quantidade de credores incluídos na LISTA, informado e controlado pelo SIAFEM/SP. 5) TOTAL DE LISTA = soma dos valores a serem pagos aos credores, informado e controlado pelo SIAFEM/SP. caso algum pagamento da LISTA não seja efetivado, devem ser tomadas as seguintes providências: o Banco deve devolver apenas o valor correspondente à parcela não paga, efetuando um crédito na Conta C; o Gestor deve emitir GRDEPC no mesmo valor; o Gestor deve detectar o problema pelo não pagamento ao credor e emitir uma nova PD, após a transferência do recurso devolvido para a Conta Única. para a manutenção do cadastro de LISTA o SIAFEM/SP coloca à disposição as seguintes transações: ALTLISTA - Altera Credores da Lista; CONLISTA Consulta dados de uma lista; LISLISTA - Lista Credores da Lista; LISLISCPF Lista de PD por CPF; EXCLISTA - Exclui Credores da Lista; REALISTA - Reativa Credores da Lista. para utilizá-las, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação > (escolha a transação) e preencher os campos tendo como parâmetro a LISTA original ANEXO - Anexo de Faturas da PD este módulo é utilizado quando de pagamentos a favorecidos integrantes do SIAFEM/SP (Administração Direta e Indireta, incluindo Empresas do Estado); obrigatoriamente o campo do favorecido da PD, deve ser uma Unidade Gestora. para incluir ANEXO, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >INCANEXO, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, ANEXO, INCANEXO ( INCLUI FATURAS NO ANEXO ) USUÁRIO: (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) NOME DO ANEXO : (4) COPIAR DO ANEXO : (5) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo

95 sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora responsável pela emissão do documento. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) NOME DO ANEXO = nominar o ANEXO, de maneira que melhor o identifique. 5) COPIAR DO ANEXO = se houver algum ANEXO já cadastrado, e este atender ao pagamento que será realizado, informar o número deste ANEXO. Caso contrário não preencher. teclar ENTER novamente e o SIAFEM/SP abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, ANEXO, INCANEXO ( INCLUI FATURAS NO ANEXO ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG ANEXO : AAAAANXXXXX NOME DO ANEXO : FATURA DATA DA FATURA HISTÓRICO V A L O R : (1) : (2) : (3) : (4) FATURAS INCLUIDAS : (5) VALOR DESCRITO : (6) instruções para o preenchimento: 1) FATURA = informar o número da fatura a ser paga. 2) DATA DA FATURA = informar a data da emissão da fatura. 3) HISTÓRICO = historiar o pagamento. 4) VALOR = informar o valor a ser pago. 5) FATURAS INCLUÍDAS = quantidade de faturas do ANEXO, informado e controlado pelo SIAFEM/SP. 6) VALOR DESCRITO = soma dos valores a serem pagos ao credor, informado e controlado pelo SIAFEM/SP. para a manutenção do cadastro de ANEXOS, o SIAFEM/SP coloca à disposição as seguintes transações: ALTANEXO - Altera Faturas do Anexo; CONANEXO - Consulta Anexo; LISANEXO - Lista Faturas do Anexo; EXCANEXO - Exclui Faturas do Anexo; REAANEXO - Reativa Faturas do Anexo; quando tratar-se de Utilidade Pública: ALTANEXOUP Altera Anexo de Utilidade Pública; LISANEXOUP Lista Anexo de Utilidade Pública; EXCANEXOUP Exclui Contas de Utilidade Pública; REAANEXOUP Reativa Anexo de Utilidade Pública. para utilizá-las, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação > (escolha a transação) e preencher os campos tendo como parâmetro o ANEXO original.

96 2.3.1 INCANEXOUP Inclui Contas de Utilidade Pública utilizar esta transação quando tratar-se de pagamento de despesas com utilidades pública; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >INCANEXOUP, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, ANEXO, INCANEXOUP ( INCLUI CONTAS DE UTIL.PUBLICA ) USUARIO: (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTAO : (3) NOME DO ANEXO : (4) CNPJ DO FAVORECIDO : (5) COPIAR DO ANEXO : (6) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração para qual está sendo efetuado o lançamento. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) NOME DO ANEXO = nominar o ANEXO, de maneira que melhor o identifique. 5) CNPJ DO FAVORECIDO = informa o CNPJ do favorecido. 6) COPIAR DO ANEXO = preencher este campo somente se houver algum anexo já cadastrado, e este atender ao pagamento que será realizado COTA - Cota Financeira fixa limites de despesa para cada Unidade Gestora Orçamentária - UGO; as cotas mensais poderão ser alteradas, observados o limite da dotação e o comportamento da execução orçamentária LIBCOTA - Libera Cota Financeira Utilização: Coordenação da Administração Financeira - CAF da Secretaria de Estado dos Negócios da Fazenda; esta transação é utilizada na liberação de cota financeira para as entidades integrantes do SIAFEM/SP, para atendimento de gastos à conta de recursos oriundos da fonte 001 Tesouro e operações de crédito; para isto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >LIBCOTA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela:

97 SIAFEMXX-EXEFIN, COTA, LIBCOTA ( LIBERA COTA FINANCEIRA ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) UG FAVORECIDA : (4) GESTÃO FAVORECIDA : (5) FONTE TESOURO : (6) CATEGORIA DE GASTO : (7) EVENTO MÊS V A L O R (8) (9) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define o órgão da Administração responsável pela liberação das Cotas (UG Tesouro do Estado). 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) UG FAVORECIDA = informar o código da Unidade Orçamentária - UGO para a qual está sendo liberada a cota financeira. 5) GESTÃO FAVORECIDA = informar o código da gestão à qual pertence a UGO anteriormente citada. 6) FONTE TESOURO = informar a fonte Tesouro ou operações de crédito. 7) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto, após consulta no SIAFEM/SP, utilizando-se da transação >LISCATGAST. 8) MÊS = informar o mês ou meses para os quais está sendo liberada a cota financeira. 9) VALOR = informar o valor da cota financeira liberada para o mês correspondente. a redução ou cancelamento de liberação de cota financeira, após o cancelamento da distribuição de cota pela Unidade Gestora Orçamentária - UGO correspondente, será efetuada pela UG Tesouro do Estado, utilizando-se da transação >CANLIBCOTA REPCOTA - Distrib. Cota Financeira a Repassar transação utilizada para repasse de cota financeira a Unidade Gestora Executora, por meio de Unidade Gestora não orçamentária ( intermediária); disponibiliza cota financeira a distribuir para posterior destinação da dotação orçamentária;

98 para acessar, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >REPCOTA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, COTA, REPCOTA ( DISTR.COTA FINANC. A REPASSAR ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : UNIDADE GESTORA : (1) GESTÃO : (2) UG FAVORECIDA : (3) GESTÃO FAVORECIDA : (4) FONTE TESOURO : (5) CATEGORIA DE GASTO : (6) EVENTO MÊS V A L O R (7) (8) instruções para o preenchimento: 1) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define o órgão da Administração responsável pelo repasse. 2) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 3) UG FAVORECIDA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define o órgão da Administração beneficiária. 4) GESTÃO FAVORECIDA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define o órgão da Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora beneficiária. 5) FONTE TESOURO = informar a fonte de recursos tesouro ou a 007 operações de crédito. 6) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gastos onde os recursos serão gastos. 7) MÊS = identificar o mês do repasse. 8) VALOR = informar o valor repassado. teclar ENTER, preencher o campo "observação", com suficiência de detalhes, teclar ENTER novamente e confirmar a emissão DISCOTA - Distribui Cota Financeira Utilização: Gestor Orçamentário; esta transação é utilizada, após a liberação da cota financeira, para se processar a distribuição de cotas entre as UGE s, vinculadas à UGO, ao longo do exercício; somente para atender gastos com recursos oriundos da fonte Tesouro; consultar a conta contábil Cota Financeira a Distribuir.

99 para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >DISCOTA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, COTA, DISCOTA ( DISTRIBUI COTA FINANCEIRA ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) UG FAVORECIDA : (4) GESTÃO FAVORECIDA : (5) FONTE TESOURO : (6) CATEGORIA DE GASTO : (7) EVENTO MÊS V A L O R (8) (9) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora responsável pela distribuição das Cotas Financeiras. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) UG FAVORECIDA = informar o código da Unidade Gestora Executora - UGE para a qual está sendo feita a distribuição. 5) GESTÃO FAVORECIDA = informar o código da gestão à qual pertence a UGE anteriormente citada. 6) FONTE TESOURO = informar a fonte Tesouro. 7) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto conforme informação obtida na conta contábil Cota de Despesa a Fixar. 8) MÊS = informar o mês ou meses (2 dígitos) para os quais está sendo distribuída a cota. 9) VALOR = informar o valor da cota financeira que está sendo distribuída para o mês DISDICOTA - Distribuição Direta de Cota utilização: Gestor Orçamentário; esta transação é utilizada, para se processar a distribuição da Cota Financeira ao longo do exercício; somente para atender gastos com recursos de fontes Não Tesouro; consultar a conta contábil Cota de Despesa a Fixar, onde estão alocados os valores a serem distribuídos.

100 para isso basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >DISDICOTA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, COTA, DISDICOTA ( DISTRIBUIÇÃO DIRETA DE COTA ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) UG FAVORECIDA : (4) GESTÃO FAVORECIDA : (5) FONTE NÃO TESOURO : (6) CATEGORIA DE GASTO : (7) EVENTO MÊS V A L O R (8) (9) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração responsável pela distribuição das Cotas Financeiras. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) UG FAVORECIDA = informar o código da Unidade Gestora Executora - UGE para a qual está sendo feita a distribuição. 5) GESTÃO FAVORECIDA = informar o código da gestão à qual pertence a UGE anteriormente citada. 6) FONTE NÃO TESOURO = informar a fonte objeto de distribuição. 7) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto conforme informação obtida na conta contábil Cota de Despesa a Fixar. 8) MÊS = informar o mês ou meses (2 dígitos) para os quais está sendo distribuída a cota. 9) VALOR = informar o valor da cota financeira que está sendo distribuída para o mês ROLCOTDIS - Rolagem de Cota a Distribuir Utilização: Gestor Orçamentário; a cota financeira que não tenha sido distribuída no mesmo mês da liberação (recursos Tesouro) somente poderá sê-la após rolagem para o mês seguinte; consultar o saldo da conta contábil Cota Financeira a Distribuir, observando a fonte de recursos e a categoria de gasto.

101 para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >ROLCOTDIS, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, COTA, ROLCOTDIS ( ROLAGEM DE COTA A DISTRIBUIR ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) FONTE TESOURO : (4) CATEGORIA DE GASTO : (5) EVENTO MÊS A REDUZIR MÊS A SUPLEMENTAR V A L O R (6) (7) (8) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração responsável pela Rolagem da Cota. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) FONTE TESOURO = informar a fonte do recurso 001 ( Tesouro) ou 007 operações de crédito. 5) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto para a qual está sendo efetuada a rolagem. 6) MÊS A REDUZIR = informar o mês (2 dígitos) que apresenta saldo para a rolagem. 7) MÊS A SUPLEMENTAR = informar o mês (2 dígitos) no qual será realizada a redistribuição da cota financeira. 8) VALOR = informar o valor que está sendo rolado ROLCOTDBDA - Rolagem de Cota Distribuída Utilização: Gestor Orçamentário; efetuar a rolagem para o mês desejado quando houver necessidade; consultar o saldo da conta contábil Cota Financeira Distribuída, observando a fonte de recurso e a categoria de gasto.

102 para tanto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >ROLCOTDBDA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, COTA, ROLCOTDBDA ( ROLAGEM DE COTA DISTRIBUIDA ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) UG FAVORECIDA : (4) GESTÃO FAVORECIDA : (5) FONTE : (6) CATEGORIA DE GASTO : (7) EVENTO MÊS A REDUZIR MÊS A SUPLEMENTAR V A L O R (8) (9) (10) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração responsável pela Rolagem das Cotas. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) UG FAVORECIDA = informar o código da Unidade Gestora Executora - UGE para a qual está sendo feita a rolagem. 5) GESTÃO FAVORECIDA = informar o código da gestão à qual pertence a UGE anteriormente citada. 6) FONTE = informar a fonte do recurso para o qual está se efetuando a rolagem. 7) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto para a qual está sendo efetuada a rolagem. 8) MÊS A REDUZIR = informar o mês (2 dígitos) que apresenta saldo. 9) MÊS A SUPLEMENTAR = informar o mês (2 dígitos) para o qual se deseja suplementar a cota distribuída. 10) VALOR = informar o valor que está sendo rolado ROLCOTEMP - Rolagem de Cota a Empenhar Utilização: Unidade Gestora Executora - UGE; a cota financeira disponível para empenhamento, após o encerramento do mês, poderá ser rolada para o mês vigente; consultar o saldo da conta contábil Cota de Despesa Disponível a Empenhar.

103 para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >ROLCOTEMP, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, COTA, ROLCOTEMP ( ROLAGEM DE COTA A EMPENHAR ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) FONTE : (4) CATEGORIA DE GASTO : (5) EVENTO MÊS A REDUZIR MÊS A SUPLEMENTAR V A L O R (6) (7) (8) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = controlado pelo sistema. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração responsável pela Rolagem da Cota. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) FONTE = informar a fonte do recurso para o qual está se efetuando a rolagem. 5) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto para a qual está sendo o efetuada a rolagem. 6) MÊS A REDUZIR = informar o mês (2 dígitos) que a redução será efetuada. 7) MÊS A SUPLEMENTAR = informar o mês (2 dígitos) para o qual se deseja suplementar a cota a empenhar. 8) VALOR = informar o valor que está sendo rolado ROLCOTLIQ - Rolagem de Cota a Liquidar Utilização: Unidade Gestora Executora - UGE; a cota financeira disponível referente a empenhos não liquidados, após o encerramento do mês, poderá ser rolada para o mês vigente; consultar o saldo da conta contábil Cota de Despesa Empenhada.

104 para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >ROLCOTLIQ, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, COTA, ROLCOTLIQ ( ROLAGEM DE COTA A LIQUIDAR ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) FONTE : (4) CATEGORIA DE GASTO : (5) EVENTO MÊS A REDUZIR MÊS A SUPLEMENTAR V A L O R (6) (7) (8) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração responsável pela Rolagem da Cota. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) FONTE = informar a fonte do recurso para a qual está se efetuando a rolagem. 5) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto para a qual está sendo efetuada a rolagem. 6) MÊS A REDUZIR = informar o mês (2 dígitos) que a redução foi efetuada. 7) MÊS A SUPLEMENTAR = informar o mês (2 dígitos) para o qual se deseja suplementar a cota a liquidar. 8) VALOR = informar o valor objeto da rolagem ROLCOTRES - Rolagem de Cota Reservada utilização: Unidade Gestora Executora - UGE; a cota financeira compromissada para futuro empenhamento, quando da emissão da Nota de Reserva - NR, poderá ser rolada para o mês do respectivo empenhamento; consultar o saldo da conta contábil Cota Financeira Reservada.

105 para tanto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >ROLCOTRES, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, COTA, ROLCOTRES ( ROLAGEM DE COTA RESERVADA ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) FONTE : (4) CATEGORIA DE GASTO : (5) EVENTO MÊS A REDUZIR MÊS A SUPLEMENTAR V A L O R (6) (7) (8) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = informado e controlado pelo sistema. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração responsável pela Rolagem da Cota. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) FONTE = informar a fonte do recurso para a qual está se efetuando a rolagem de cota reservada. 5) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto para a qual está sendo efetuada a rolagem de cota reservada. 6) MÊS A REDUZIR = informar o mês (2 dígitos) que a redução foi efetuada. 7) MÊS A SUPLEMENTAR = informar o mês (2 dígitos) para o qual se deseja suplementar a cota reservada. 8) VALOR = informar o valor objeto da rolagem CANCELAMENTOS ainda relacionadas ao módulo de Cota Financeira, o SIAFEM/SP coloca à disposição para cancelamentos as seguintes transações: CANDISCOTA - Cancela Distribuição de Cota; CANDISDICO - Cancela Distribuição Direta de Cota; CANLIBCOTA - Cancela Liberação de Cota; CANREPCOTA - Cancela Distrib. Cota Repassada. para utilização basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação > (escolha a opção) e preencher os campos com base na liberação ou distribuição realizada CONSULTAS - Consultas

106 proporciona aos usuários, no que se refere à consultas de documentos contábeis, as transações a seguir relacionadas: CONGR - Consulta Guia de Recebimento; CONNL - Consulta Nota de Lançamento; CONNS - Consulta Nota de Lançamento Sistema; CONOB - Consulta Ordem Bancária; CONPD - Consulta Programação de Desembolso. para utilizá - las, basta identificar a Gestão, à qual a Unidade Gestora pertence, e informar o número do documento objeto da consulta; disponibiliza, ainda, no mesmo módulo, transações demonstrativas de movimentação bancária, registrada no SIAFEM/SP, para consulta e análise, a saber: CONMOVBAN - Consulta Movimento Bancário; CONMOVBANG - Consulta Movimento Bancário Geral; CONTABANCO - Consulta Conta Banco. para acessá-las, basta identificar a Gestão, à qual a Unidade Gestora pertence e informar os dados da conta bancária que se pretende consultar; para as consultas por meio de listagens, coloca à disposição as seguintes transações: LISGR - Lista Guia de Recebimento; LISNL - Lista Nota de Lançamento; LISNS - Lista Nota de Sistema; LISOB - Lista Ordem Bancária; LISOBAGENC Lista OB s por data e agência LISPD - Lista Programação de Desembolso; LISPDCRED - Lista PD por Credor; LISPD2 - Lista PDs Não Pagas com Seleção; LISRELOB - Lista Relação de RE/RT; LISAUTORIZ - Lista OB's Priorit. Autorizadas. IMPPROGFIN Imprime Programação Financeiro. para utilizá-las, basta identificar a Gestão, a qual a Unidade Gestora pertence, e quanto ao preenchimento, informar os dados solicitados na tela CONTAUNICA conta mantida pelo Governo do Estado no Banco Nossa Caixa S.A. para concentrar seus recursos financeiros; seu funcionamento é semelhante ao de uma conta bancária movimento, onde o Banco identifica todas as operações, devendo ser acompanhada no SIAFEM/SP por meio da conta contábil ; sua operação está disponível a todas as Unidades Gestoras das Administrações Direta, Indireta e de Outros Poderes; para controlar a sua utilização, o SIAFEM/SP estabelece as seguintes transações:

107 2.6.1 ALTHOPRIOR Altera hora Autoriz OB Prioridade esta transação permite alterar o horário para pagamento de OB com prioridade; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >ALTHOPRIOR, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, ALTHOPRIOR (ALTERA HORA AUTORIZ OB PRIORID) USUARIO: INFORME O CODIGO DA UG==! (1) OU A GESTAO ==! PARA ATUALIZAR TODAS AS UG S PREENCHA O CPO DA UG OU PARA GESTAO DIFERENTE DE DIGITE GESTAO = instruções para o preenchimento: 1) Informar o código da Unidade Gestora ou Gestão ALTHORAPAG - Altera Horário de Pagamentos esta transação permite alterar o horário para se efetuar pagamentos; uso exclusivo do Departamento de Finanças do Estado DFE. para se processar a alteração, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >ALTHORAPAG, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, ALTHORAPAG ( ALTERA HORÁRIO DE PAGAMENTOS ) USUÁRIO: INFORME O CÓDIGO DA UG==! (1)_ PARA ATUALIZAR TODAS AS UG S PREENCHA O CAMPO COM TECLE ENTER PARA CONTINUAR DATA PF3 PARA RETORNAR HORA instruções para o preenchimento:

108 1) INFORME O CÓDIGO DA UG = informar o código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade da Administração responsável pelos pagamentos. em seguida teclar ENTER, que o sistema abrirá uma janela em que aparecerá explicitado, o horário inicial ( hora e minuto) e o horário final ( hora e minuto) que se pretende alterar como segue: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, ALTHORAPAG ( ALTERA HORÁRIO DE PAGAMENTOS ) USUÁRIO: INFORME O CÓDIGO DA UG==!COD.UG PARA ATUALIZAR TODAS AS UG S PREENCHA O CMAPO COM INFORME HORÁRIO HORA/MINUTO INICIAL=! (1) HORA/MINUTO FINAL =! (2) ENTER = CONTINUAR PF3 = RETORNAR DATA HORA instruções para o preenchimento: 1) HORA/MINUTO INICIAL = preencher com o horário que se deseja iniciar os pagamentos. 2) HORA/MINUTO FINAL = preencher com o horário que se deseja encerrar os pagamentos. teclar ENTER para continuar e confirme a alteração digitando "S" ATUPALAVRA - Atualiza Palavra Reservada CTU está transação permite cadastrar palavras reservadas da Conta Única, com o objetivo de orientar o banco quanto à forma de disponibilizar o recurso para pagamento na agência indicada; exemplificando: quando constar na Programação de Desembolso - PD a palavra Banco, a UG deverá encaminhar ao Banco, juntamente com uma cópia da Ordem Bancária - OB, o documento representativo da dívida para autenticação; transação exclusiva do gestor do sistema (SIAFEM/SP) - Contadoria Geral do Estado - CGE. quando da criação da palavra reservada, após traçadas as diretrizes, digitar na linha

109 de comando do SIAFEM/SP, a transação >ATUPALAVRA que o sistema abrirá uma tela onde aparecem consignadas as palavras reservadas em uso e campos para criação de novas palavras a saber: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, ATUPALAVRA ( ATUALIZA PALAVRA RESERVADA CTU ) USUÁRIO: INFORME AS PALAVRAS RESERVADAS DA CONTA ÚNICA QUE TERÃO O MESMO OBJETIVO DA PALAVRA BANCO, OU SEJA, DISPONIBILIZAR RECURSOS DA CONTA ÚNICA NO BANCO E AGÊNCIA INDICADOS NA PD BANCO CARTÃO DIÁRIA LISTA SAQUE CONFIRMA (C/N)? ( C- CONFIRMA N NÃO CONFIRMA ) instruções para o preenchimento: preencher o campo disponível, obedecendo a seqüência, com a palavra criada e confirmar CONMOVCTU - Consulta Montante da CTU esta transação permite consulta da movimentação global diária da Conta Única, discriminando quantidade de transações e o valor total das mesmas; transação exclusiva do Departamento de Finças do Estado - DFE; para acessá-la, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >CONMOVCTU, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, CONMOVCTU ( CONSULTA MONTANTE DA CTU ) DATA EMISSÃO : DDMMAAAA HORA: HS USUÁRIO: DATA REFERÊNCIA : DDMMMAAAA (1) BANCO CONTA ÚNICA : 151 instruções para o preenchimento: 1) DATA DE REFERÊNCIA = colocar a data que se pretende consultar. A data informada deve ser sempre anterior à do dia que a consulta está sendo efetuada.

110 teclar ENTER novamente que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, CONTAUNICA, CONMOVCTU ( CONSULTA MONTANTE DA CTU ) DATA: DD/MM/AAAA HORA:HS USUÁRIO: DATA REFERÊNCIA DDMMMAAAA REMESSA XXX ENVIADA AO BANCO 151 N.C.S/A SALDO ANTERIOR DA CONTA ÚNICA QTDE R$ 11 OBC/OBB PARA TERCEIROS EM OUTROS BANCOS OBC PARA TERCEIROS NO MESMO OUTROS BANCOS OBB PARA MESMO BANCO/AGÊNCIA OBP DE VALOR INFERIOR AO LIMITE OBP DE VALOR SUPERIOR AO LIMTE OBS PARA OUTRAS CONTAS TOTAL RETIRADO DA CONTA ÚNICA OBC DA CONTA ÚNICA PARA A CONTA ÚNICA OB INTRASIAFEM DA CONTA ÚNICA PARA A CONTA ÚNICA TOTAL DE INGRESSOS POR NOTA DE LANÇAMENTO TOTAL DE DESEMBOLSOSS POR NOTA DE LANÇAMENTO DADOS DE RETORNO ( REMESSA XXX ) 01 OB DO TIPO 21 CONCILIADA CORRETAMENTE OB DO TIPO 21 AINDA NÃO CONCILIADA OB NÃO SACADA E CANCELADA PARA DETALHAR CONCILIAÇÃO ( 01,07,09 OU 99 ERRO ) INFORME O CÓDIGO ( ) o saldo anterior da Conta Única é o saldo da conta contábil do dia anterior ao informado na data de referência, diminuido do valor das OB's do tipo 21 processadas, também no dia anterior; as demais transações são totalizadas por tipo de OB; para os dados de retorno o sistema detalha transação a transação, conforme opção escolhida CONRELPEN - Consulta Relação Pendente opção utilizada para relacionar Relação Externa - RE pendente de impressão até o último mês encerrado; digitar, na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >CONRELPEN, teclar ENTER, que o sistema abrirá uma tela com uma mensagem ao usuário: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, CONRELPEN ( CONSULTA RELAÇÃO PENDENTE ) USUÁRIO: SENHOR USUÁRIO, TECLE <ENTER> PARA CONSULTAR RELAÇÕES PENDENTES ATÉ DDMMMAAAA

111 atendendo à mensagem, teclar ENTER que o sistema relacionará as Relações Externas - RE's pendentes de impressão desde o início do exercício, como segue: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, CONRELPEN ( CONSULTA RELAÇÃO PENDENTE ) CONSULTA EM DD/MM/AAAA ÀS HS USUÁRIO: RELAÇOES NÃO IMPRESSA ATÉ DDMMMAAAA UG GESTÃO RELAÇÃO DATA RELAÇÃO COD.UG GESTÃO DA UG AAAAREXXXXX DDMMMAAAA EXTRAIR PD Extrair PD s para o Micro do DFE transação utilizada pelo Departamento de Finanças do Estado para extração de PD s; para tanto basta digitar, na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >EXTRAIR-PD, teclar ENTER que o sistema processará a extração; DIANAOGERA - Registra Dias P/ Não Gerar CTU utilizada para proceder registro e ou alterações de dias que não haverá expediente bancário; transação exclusiva do Departamento de Finanças do Estado - DFE; para acessá-la, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >DIANAOGERA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, DIANAOGERA ( REGISTRA DIAS P/NÃO GERAR CTU ) USUÁRIO: DIGITE O MÊS DESEJADO PARA SER ALTERADO: XX digitar o mês que se deseja alterar, teclar ENTER, novamente, que o sistema abrirá a tela abaixo: nesta tela identificar os dias sem expediente bancário (sábados, domingos e feriados) e confirmar LISMOVCTUG Lista montante CTU por UGF utilizada esta transação para listar a movimentação da Conta Única por Unidade Gestora Financeira;

112 para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >LISMOVCTUG, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, LISMOVCTUU ( LISTA MONTANTE CTU POR UGF ) DATA : DD/MM/AAAA HS USUARIO: (1) DATA REFERENCIA : (2) UNIDADE GESTORA : OU GESTAO: ( 1 DIRETA/ 2 INDIRETA (3) OBS.: PARA CONSULTAR TODAS AS UG S NÃO PREENCHER A UG E GESTAO instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA DE REFERÊNCIA = informar a data pretendida para listar as movimentações. 3) UNIDADE GESTORA = informar o código da UG objeto da listagem HORAREDE - Altera Hora da Rede do SIAFEM esta transação permite determinar o horário de encerramento das atividades da rede, desde que compreendido entre 17:30 e 21:30 horas; uso exclusivo do gestor do sistema - Contadoria Geral do Estado - CGE; para processar a alteração basta digitar, na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >HORAREDE, teclar ENTER que o sistema abrirá a seguinte tela: o processamento se concretiza digitando-se no campo "HORA DE TERMINO DA REDE" o horário desejado. SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, HORAREDE ( ALTERA HORA DA REDE DO SIAFEM ) USUÁRIO: SENHOR USUÁRIO, O HORÁRIO DE TERMINO DA REDE SÓ PODE ESTAR COMPREENDIDO ENTRE: -" 17:30 E 21:30 <--- HORA DE TERMINO DA REDE-"HHMM

113 INCSALCTU - Inclui saldo Inicial da CTU de uso exclusivo da CGE; acionada por ocasião da necessidade da inclusão de saldo na Conta Única; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >INCSALCTU, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, CONTAUNICA, INCSALCTU ( INCLUI SALDO INICIAL DA CTU ) USUARIO: SENHA: instruções para o preenchimento: identificação do usuário habilitado para esta transação LISSALC - Lista Saldo da Conta C por UG esta transação demonstra analiticamente o saldo da Conta C de todas as Unidades da Administração Direta e Indireta do Estado, que operam o SIAFEM/SP; para consultar basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >LISSALC, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, LISSALC ( LISTA SALDO DA CONTA C POR UG ) USUÁRIO: MÊS : MMM DESEJA IMPRIMIR : N ( N NÃO S SIM) IMPRESSORA :

114 os campos vem preenchidos automaticamente, teclar ENTER que o sistema abrirá uma nova tela onde aparecerão relacionadas todas as UGs que operam o SIAFEM/SP, com seus respectivos saldos, conforme abaixo: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, LISSALC ( LISTA SALDO DA CONTA C POR UG ) DATA : DDMMMAAAA HORA: HHMM USUÁRIO: UG GESTÃO TELA: X SALDO COD.UG GESTÃO DA UG XXX,XX COD.UG GESTÃO DA UG XXX,XX COD.UG GESTÃO DA UG XXX,XX COD.UG GESTÃO DA UG XXX,XX TOTAL A CONTA C " XXX,XX caso haja necessidade de se imprimir a relação, digitar a letra "S" e informar o código do endereço lógico da impressora cadastrado junto à PRODESP LISSALCTU - Lista Saldo da CTU por UG esta transação demonstra analiticamente o saldo da Conta Única de todas as Unidades da Administração Direta e Indireta do Estado, que operam seus recursos por essa conta; para utilizá-la basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >LISSALCTU, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, LISSALCTU ( LISTA SALDO DA CTU POR UG ) USUÁRIO: MÊS : MMM DESEJA IMPRIMIR : N ( N NÃO S SIM) IMPRESSORA :

115 os campos vem preenchidos automaticamente, teclar ENTER, que o sistema abrirá uma nova tela onde aparecerão relacionadas todas as UGs que operam o SIAFEM/SP, com seus respectivos saldos, conforme o relacionado na seqüência: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, LISSALCTU ( LISTA SALDO DA CTU POR UG ) DATA : DDMMMAAAA HORA: HHMM USUÁRIO: UG GESTÃO TELA: X SALDO COD.UG GESTÃO DA UG XXX,XX COD.UG GESTÃO DA UG XXX,XX COD.UG GESTÃO DA UG XXX,XX COD.UG GESTÃO DA UG XXX,XX TOTAL DA CONTA ÚNICA " XXX,XX caso haja necessidade de se imprimir a relação, digitar a letra "S" e informar o código do endereço lógico da impressora cadastrado junto à PRODESP RELOBPNIMP Relaciona OBP s não Impressas esta transação permite verificar as OB s emitidas e não impressas; para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >RELOBPNIMP, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEFIN, CONTAUNICA, RELOBPNIMP ( RELACIONA OBP S NÃO IMPRESSAS ) SENHOR USUARIO, TECLE <ENTER> PARA VER AS OB S DE PAGAMENTO NÃO IMPRESSAS HÁ MAIS DE 1 DIA, CLASSIFICADAS POR UG, GESTAO E DOCUMENTO

116 CONCBANCO Conciliação Bancária transação de uso exclusivo do Departamento de Finanças do Estado - DFE; utilizada para conciliar a Conta Única do Tesouro do Estado; para acessá-la, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONCBANCO, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: CGEG COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA PRODESP CONCILIAÇÃO BANCÁRIA DATA: (DD/ MM/ AA) informar a data que se deseja conciliar e teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: CGEG COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA PRODESP CONCILIAÇÃO BANCÁRIA SALDO EM S I A F E M NOSSA CAIXA S.A. DIFERENÇA DD/MM/AAAA R$ D R$ D R$ DD/MM/AAAA R$ D R$ D R$ DIGITE N PARA ENCERRAR A CONSULTA: OU INFORME A IMPRESSORA, PARA IMPRIMIR:

117 esta tela demonstra a posição da Conta Única no SIAFEM/SP e no Banco Nossa Caixa S.A. na data solicitada e na imediatamente anterior; colocando o cursor sobre a linha que se deseja detalhar, e teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: CGEG COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA PRODESP CONCILIAÇÃO BANCÁRIA PAG: 1 DATA: DD/MM/AAAA UG GESTÃO SALDO SIAFEM SALDO NOSSA CAIXA S.A. DIFERENÇA COD.UG GESTÃO DA UG R$ D R$ D R$ COD.UG GESTÃO DA UG R$ D R$ D R$ COD.UG GESTÃO DA UG R$ D R$ D R$ ASSINALE COM X A UG/GESTÃO A SER CONSULTA: OU DIGITE S PARA IMPRIMIR MOVIMENTO DA UG/GESTÃO: esta tela demonstra a posição da Conta Única de cada UGF/GESTÃO, na data solicitada; para visualizar o movimento da conta de uma determinada UGF, basta digitar um "X" no campo à esquerda do código da UGF, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: CGEG COORDENAÇÃO DA ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA PRODESP ) CONCILIAÇÃO BANCÁRIA PAG: 2 UNIDADE GESTORA: COD.UG GESTÃO: GESTÃO DA UG S I A F E M NOSSA CAIXA S.A DOCUMENTO DATA MOVIMWENTO DATA MOVIMENTO AAAAOBXXXXX DD/MM/AAAA R$ C DD/MM/AAAA R$ C AAAAOBXXXXX DD/MM/AAAA R$ C DD/MM/AAAA R$ C AAAANSXXXXX DD/MM/AAAA R$ D 0,00 AAAAOBXXXXX 0,00 DD/MM/AAAA R$ D

118 SUBSISTEMA - EXEORC 1 - Objetivos auxiliar as Unidades Gestoras na execução orçamentária; demonstrar o correto preenchimento dos documentos utilizados; e demonstrar mecanismos para consultar, alterar ou cancelar documentos. utilização: todas as Unidades Gestoras da Administração Direta e Indireta; 2 - Procedimentos UG - Atividades da Unidade Gestora Nota de Dotação - ND uso exclusivo do Gestor da Secretaria de Economia e Planejamento; documento utilizado pelo sistema para incluir ou alterar as dotações orçamentárias; abrir créditos orçamentários previstos na Lei do Orçamento ou créditos adicionais (suplementares especiais e extraordinários); suplementar a dotação orçamentária de forma automática, por excesso de arrecadação ou superávit financeiro; contingenciar ou descontingenciar crédito inicial ou suplementar; e reprogramar a dotação orçamentária entre elementos. para processar a emissão, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >ND, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEORC, UG, ND ( NOTA DE DOTAÇÃO ) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (2) NÚMERO : AAAAND (3) UNIDADE GESTORA : COD.UG (4) GESTÃO : (5) TIPO DE REFERÊNCIA : (6) DOC.REF.: (7) DATA REF.: (8) EVENTO : (9) UO PROGRAMA FONTE NATUREZA PLANO V A L O R TRABALHO RECURSO DESPESA UGO INTERNO R$ (10) (11) (12) (13) (14) (15) (16) OBSERVAÇÃO: (17)

119 instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior, quando necessário. 3) NÚMERO = controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora responsável pelo gerenciamento do Programa de Trabalho contemplada em determinado crédito orçamentário. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) TIPO REFERÊNCIA = código de instrumento legal, que autoriza a emissão do documento: 01 - Lei; 03 - Decreto; 09 - Outros. 7) DOC. REF. = indicação numérica do instrumento legal. 8) DATA REF. = data de publicação do instrumento legal. 9) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. Na ND devem ser usados os eventos da classe 20.X.XXX. 10) UO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Orçamentária. 11) PROGRAMA TRABALHO = código numérico de 17 dígitos, que define o Programa de Trabalho (ação de governo) que está sendo contemplado pela ND. Este código consta na Lei do Orçamento. para consultar os programas de trabalho, utilizar a transação >LISPT. 12) FONTE RECURSO = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte da qual sairá o recurso para atender o programa de trabalho. São elas: 001XXXXXX - Tesouro; 002XXXXXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003XXXXXX - Fundo Especial de Despesa; 004XXXXXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005XXXXXX - Recursos Vinculados Federais; 007XXXXXX - Recursos de Operações de Crédito. para consultar as fontes de recursos cadastradas no SIAFEM/SP, utilizar a transação >LISFONTE. 13) NATUREZA DESPESA = código numérico de 6 dígitos que define a despesa orçamentária de acordo com a seguinte composição: X.X.XX.XX Elemento da Despesa Modalidade de Aplicação Grupo de Despesa Categoria Econômica da Despesa

120 essa codificação é publicada anualmente pela Secretaria de Economia e Planejamento, por meio de Portaria CPO (Coordenadoria de Programação Orçamentária); 14) UGO = Unidade Gestora Orçamentária, (repetir o código informado no item 4 Unidade Gestora). 15) PLANO INTERNO = não preencher. 16) VALOR = informar o valor da dotação, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto (s) e sem vírgula. 17) OBSERVAÇÃO = campo destinado ao histórico do lançamento efetuado Nota de Crédito - NC documento destinado ao registro da movimentação de créditos internos; distribui a dotação orçamentária consignada na Unidade Gestora Orçamentária - UGO para as Unidades Gestoras Executoras - UGEs; operação conhecida por destaque concedido. para processar a emissão, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >NC, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEORC, UG, NC ( NOTA DE CREDITO ) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (2) NÚMERO : AAAANC (3) UG EMITENTE : COD.UG EMITENTE (4) GESTÃO : (5) UG FAVORECIDA : (6) GESTÃO FAVORECIDA : (7) EVENTO : (8) PROGRAMA FONTE NATUREZA PLANO UO TRABALHO RECURSO DESPESA UGO INTERNO V A L O R (9) (10) (11) (12) (13) (14) (15) OBSERVAÇÃO: (16) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior, quando necessário. 3) NÚMERO = controlado pelo sistema. 4) UG EMITENTE = Unidade Gestora Orçamentária - UGO. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) UG FAVORECIDA = Unidade Gestora que recebe por transferência da UG Emitente, a responsabilidade pela realização de parte de uma parcela do Programa de Trabalho. 7) GESTÃO FAVORECIDA = código cadastrado no SIAFEM/SP que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora favorecida. 8) EVENTO = deve ser usado o evento para emissão e para estorno. 9) UO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Orçamentária.

121 10) PROGRAMA TRABALHO = código numérico de 17 dígitos, que define o Programa de Trabalho (ação de governo) cuja parcela está sendo transferida da UG Emitente para a UG Favorecida. 11) FONTE RECURSO = código numérico de 9 dígitos que define a fonte da qual sairá o recurso para atender o Programa de Trabalho. São elas: 001XXXXXX - Tesouro; 002XXXXXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003XXXXXX - Fundo Especial de Despesa; 004XXXXXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005XXXXXX - Recursos Vinculados Federais; 007XXXXXX - Recursos de Operações de Crédito. para consultar as fontes de recursos cadastradas no SIAFEM/SP, utilizar a transação >LISFONTE. 12) NATUREZA DESPESA = código numérico de 6 dígitos que define a despesa orçamentária com a seguinte composição: X.X.XX.XX Elemento da Despesa Modalidade de Aplicação Grupo de Despesa Categoria Econômica da Despesa essa codificação é publicada anualmente pela Secretaria de Economia e Planejamento, por meio de Portaria CPO (Coordenadoria de Programação Orçamentária); 13) UGO = Unidade Gestora Orçamentária (repetir o código informado no item 4 - Unidade Gestora). 14) PLANO INTERNO = não preencher. 15) VALOR = informar o valor da dotação relativa à parte da UG Favorecida, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto(s) e sem vírgula. 16) OBSERVAÇÃO = campo destinado ao histórico do lançamento efetuado Nota de Reserva - NR documento destinado ao registro da reserva de dotação orçamentária e da cota financeira compromissada para futuro empenhamento; a emissão da NR poderá ocorrer durante a abertura do processo de compras, obras e serviços em geral, de acordo com o Decreto de Execução Orçamentária do exercício; as cotas financeiras reservadas dos meses anteriores deverão ser roladas para o mês corrente de contabilização por meio da transação >ROLCOTRES; quando do cancelamento da NR, as cotas financeiras reservadas retornarão à conta Cotas Disponíveis a Empenhar;

122 para processar a emissão, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >NR, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEORC, UG, NR ( NOTA DE RESERVA ) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (2) NÚMERO : AAAANR (3) UNIDADE GESTORA : COD.UG (4) GESTÃO : (5) EVENTO : (6) PTRES : (7) PROCESSO: (8) PROGRAMA FONTE NATUREZA PLANO UO TRABALHO RECURSO DESPESA UGO INTERNO V A L O R R$ (9) (10) (11) (12) (13) (14) (15) CRONOGRAMA DA COTA MÊS VALOR MÊS VALOR (16) (17) OBSERVAÇÃO: (18) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior, quando necessário. 3) NÚMERO = controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração responsável pela realização da parcela do Programa de Trabalho contemplado em determinado crédito orçamentário. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) EVENTO = preenchido pelo sistema. 7) PTRES = código numérico de 6 dígitos com a seguinte composição: XX - Órgão; XX - U.O.; XX - P.T.; 8) PROCESSO = informar o código cadastrado, no SIAFEM/SP. Caso não tenha, acessar a transação >INCPROCESS e efetuar a inclusão do processo. 9) UO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Orçamentária subordinada à Unidade Gestora. 10) PROGRAMA TRABALHO = código numérico de 17 dígitos, que define o Programa de Trabalho (ação de governo) para o qual está sendo reservada a dotação orçamentária.

123 11) FONTE RECURSO = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte da qual sairá o recurso para atender o Programa de Trabalho. São elas: 001XXXXXX - Tesouro; 002XXXXXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003XXXXXX - Fundo Especial de Despesa; 004XXXXXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005XXXXXX - Recursos Vinculados Federais; 007XXXXXX - Recursos de Operações de Crédito. para consultar as fontes de recursos cadastradas no SIAFEM/SP, utilizar a transação >LISFONTE. 12) NATUREZA DESPESA = código numérico de 6 dígitos, que define a despesa orçamentária composta de: X.X.XX.XX Elemento da Despesa Modalidade de Aplicação Grupo de Despesa Categoria Econômica da Despesa essa codificação é publicada anualmente pela Secretaria de Economia e Planejamento, por meio de Portaria CPO (Coordenadoria de Programação Orçamentária); 13) UGO = Unidade Gestora Orçamentária. 14) PLANO INTERNO = não preencher. 15) VALOR = informar o valor da Reserva, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto(s) e sem vírgula. 16) MÊS = informar o(s) mes(es) para o(s) qual (is) o(s) valor(es) a ser(ão) reservado(s). 17) VALOR = informar o valor mensal da reserva. 18) OBSERVAÇÃO = campo destinado ao histórico do lançamento efetuado. para cancelar uma Nota de Reserva, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CANNR e transcrever os dados de acordo com a NR original; Nota de Empenho - NE documento utilizado para registrar o comprometimento da despesa, bem como, seu reforço quando necessário; o favorecido do empenho deve estar cadastrado no subsistema CADBASICO do SIAFEM/SP; a emissão está condicionada à existência de dotação orçamentária e cota financeira disponível; a emissão da Nota de Empenho - NE de responsabilidade do Ordenador de Despesa da UGE;

124 para processar a emissão, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >NE, que o sistema abrirá a seguinte tela: tela 1 SIAFEMXX, EXEORC, UG, NE (NOTA DE EMPENHO) USUÁRIO: (1) UNIDADE GESTORA : COD.UG (2) GESTÃO : COD.DA GESTÃO(3) CODIGO EVENTO : (4) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA; campo preenchido pelo SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora da Administração responsável pela execução da parcela do Programa de Trabalho. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) EVENTO = utilizar os eventos da classe XXX. teclar ENTER novamente, que o sistema abrirá a seguinte tela: tela 2 SIAFEMXX EXEORC, UG, NE ( NOTA DE EMPENHO ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (1) NÚMERO : AAAANE (2) UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG CNPJ/CPF/UG CREDOR: (3) GESTÃO CREDOR : (4) EVENTO : EMPENHO DA DESPESA PT RESUMIDO : (5) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA : (6) PROGRAMA TRABALHO : (7) FONTE RECURSO : (8) NATUREZA DESPESA : (9) UG ORÇAMENTÁRIA : (10) COD.DO MUNICÍPIO : (11) ACORDO : (12) MODALIDADE : (13) LICITAÇÃO : (14) REFERÊNCIA LEGAL : (15) ORIGEM MATERIAL : (16) NÚMERO PROCESSO : (17) VALOR : (18) LOCAL DE ENTREGA DATA DE ENTREGA (19) (20) TIPO DE EMPENHO : 1-REPASSE FINANCEIRO 2-SUPRIMENTO INDIVIDUAL 3-SUBVENÇÃO SOCIAL 9-DESPESA NORMAL

125 instruções para o preenchimento: 1) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior, quando necessário. 2) NÚMERO = número da NE, informado e controlado pelo sistema. 3) CNPJ/CPF/UG CREDOR = preencher este campo com o código do credor previamente cadastrado no sistema. 4) GESTÃO CREDOR = se a informação preenchida no campo anterior se referir a uma UG, é necessário informar o código da respectiva gestão. 5) PT RESUMIDO = código numérico de 6 dígitos com a seguinte composição: XX - Órgão; XX - U.O; XX - P.T.; ao preencher este campo, deixar em branco os campos: 6 - Unidade Orçamentária e 7 - Programa de Trabalho. 6) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Orçamentária. 7) PROGRAMA TRABALHO = código numérico de 17 dígitos, que define o Programa de Trabalho (ação de governo) para o qual o empenho está sendo emitido. 8) FONTE RECURSO = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte da qual sairá o recurso para atender o empenho. São elas: 001XXXXXX - Tesouro; 002XXXXXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003XXXXXX - Fundo Especial de Despesa; 004XXXXXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005XXXXXX - Recursos Vinculados Federais; 007XXXXXX - Recursos de Operações de Crédito. 9) NATUREZA DESPESA = código numérico de 8 dígitos, que define a despesa orçamentária composta de: X.X.XX.XX XX Item de Despesa Elemento da Despesa Modalidade de Aplicação Grupo de Despesa Categoria Econômica da Despesa essa codificação é publicada anualmente pela Secretaria de Economia e Planejamento, por meio de Portaria CPO (Coordenadoria de Programação Orçamentária); 10) UG ORÇAMENTÁRIA = informar o código da UGO à qual a Unidade Gestora pertence. 11) CÓD. MUNICÍPIO = informar, com base na Tabela de Regionalização, o código do município onde vai ser realizada a despesa. a Tabela de Regionalização pode ser consultada no SIAFEM/SP por meio da transação >LISPLANREG.

126 12) ACORDO = não preencher. 13) MODALIDADE = informar a modalidade do empenho, a saber: 1 = Ordinário (desembolso único, não aceita reforço); 3 = Estimativo (despesa conhecida com valor incerto, aceita reforço); 5 = Global (diversos desembolsos, não aceita reforço). 14) LICITAÇÃO = informar o tipo de Licitação, a saber: 0 = Adiantamento; 1 = Concurso; 2 = Convite; 3 = Tomada de Preços; 4 = Concorrência; 5 = Dispensa de Licitação; 6 = Inexigível; 7 = Pregão; 8 = Adjudicação; 9 = Não aplicável. 15) REFERÊNCIA LEGAL = campo vinculado ao anterior ( Licitação ). Quando for Dispensa de Licitação ou Inexigível, informar o dispositivo legal originário. Nos demais casos, informar o número do documento legal. 16) ORIGEM MATERIAL = informar a origem do material a ser adquirido: 1 - Nacional; 2 - Material estrangeiro adquirido no mercado interno; 3 - Material estrangeiro adquirido fora do país. Caso o empenho se referir a serviços, não preencher o campo. 17) NÚMERO PROCESSO = informar o número do processo. 18) VALOR = informar o valor do empenho, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto(s) e sem vírgula. 19) LOCAL DE ENTREGA = informar o local onde a mercadoria deverá ser entregue ou onde serviço será prestado. 20) DATA DE ENTREGA = informar a data de entrega prevista.

127 teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: tela 3 SIAFEMXX, EXEORC, UG, NE (NOTA DE EMPENHO) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO :AAAANE CRONOGRAMA MENSAL MÊS V A L O R (1) (2) VALOR DO EMPENHO: (3) instruções para o preenchimento: 1) MÊS = informar o(s) mês(es) previsto(s) para a ocorrência do gasto. 2) VALOR = informar o valor do gasto para o(s) mês(es), preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem vírgula. 3) VALOR DO EMPENHO = campo preenchido pelo sistema, este valor tem que ser igual ao valor informado no item nº 18 da segunda tela da NE, e igual à soma das parcelas informadas acima. teclar ENTER, que o sistema solicitará, a confirmação. Ao confirmar o sistema gerará a seguinte tela: tela 4 SIAFEMXX EXEORC, UG, NE ( NOTA DE EMPENHO) USUÁRIO: UG EXECUTORA : COD.UG EXECUTORA GESTÃO : GESTÃO DA UG EXECUTORA CNPJ/CPF/UG CREDOR : CNPJ GESTÃO CREDOR : EMPENHO CADASTRADO EMPENHO NÚMERO : AAAANEXXXXX DATA EMISSÃO : DDMMMAAA LANÇAMENTO : XXXXXX VALOR DO EMPENHO : R$ TIPO DE EMPENHO : XXXXXX

128 todos os campos são preenchidos e confirmados automaticamente pelo sistema, embora a descrição seja consignada na seqüência, teclar ENTER: tela 5 SIAFEMXX EXEORC, UG, NE ( NOTA DE EMPENHO) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG NÚMERO : AAAANEXXXXX ITEM UNID.MEDIDA QTD. PREÇO UNITÁRIO PREÇO TOTAL 1 (1) (2) (3) (4) (5) DESCRIÇÃO (6) VALOR TOTAL DO EMPENHO : (7) VALOR TOTAL JÁ DESCRITO : (8) instruções para o preenchimento: 1) ITEM = número seqüencial preenchido e controlado pelo sistema. 2) UNID. MEDIDA = informar a unidade de medida (peça, metro, quilo, etc.) do bem ou do serviço que está sendo empenhado. 3) QTD.= informar a quantidade a ser adquirida em bens ou serviços. 4) PREÇO UNITÁRIO = informar o preço unitário do bem ou serviço que está sendo empenhado. 5) PREÇO TOTAL = valor fornecido pelo sistema com base na informação dos campos 3 (Quantidade) multiplicado pelo 4 - (Preço Unitário). 6) DESCRIÇÃO = descrever o bem ou serviço objeto do empenho com suficiência de detalhes. 7) VALOR TOTAL DO EMPENHO = campo informado pelo sistema após o término da descrição do último item do empenho. 8) VALOR TOTAL JÁ DESCRITO = campo informado pelo sistema após o término da descrição de cada item componente do empenho a descrição dos itens da NE é obrigatória, inclusive para atender a legislação INCDESCNE - Inclui Descrição Nota de Empenho transação que propicia a inclusão da descrição do material ou serviço na Nota de Empenho já emitida;

129 para processar a inclusão, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCDESCNE, identificar a Nota de Empenho e teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: quando a modalidade do empenho for = 3 (estimativo): SIAFEMXX EXEORC, UG, NE ( NOTA DE EMPENHO) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG NÚMERO : AAAANEXXXXX ITEM UNID.MEDIDA PREÇO TOTAL 1 (1) (2) (3) DESCRIÇÃO (4) VALOR TOTAL DO EMPENHO : (5) VALOR TOTAL JÁ DESCRITO : (6) instruções para o preenchimento: 1) ITEM = número seqüencial preenchido e controlado pelo sistema. 2) UNID. MEDIDA = informar a unidade de medida (peça, metro, quilo, etc.) do bem ou do serviço empenhado. 3) PREÇO TOTAL = informar o total do valor empenhado. 4) DESCRIÇÃO = descrever o bem ou serviço objeto do empenho com suficiência de detalhes. 5) VALOR TOTAL DO EMPENHO = campo informado pelo sistema após o término da descrição do último item do empenho. 6) VALOR TOTAL JÁ DESCRITO = campo informado pelo sistema após o término da descrição de cada item componente do empenho. quando a modalidade do empenho for = 1 (ordinário) ou = 5 (global): SIAFEMXX EXEORC, UG, NE ( NOTA DE EMPENHO) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG NÚMERO : AAAANEXXXXX ITEM UNID.MEDIDA QTD. PREÇO UNITÁRIO PREÇO TOTAL 1 (1) (2) (3) (4) (5) DESCRIÇÃO (6) VALOR TOTAL DO EMPENHO : (7) VALOR TOTAL JÁ DESCRITO : (8)

130 instruções para o preenchimento: 1) ITEM = número seqüencial preenchido e controlado pelo sistema. 2) UNID. MEDIDA = informar a unidade de medida (peça, metro, quilo, etc.) do bem ou do serviço empenhado. 3) QTD.= informar a quantidade a ser adquirida em bens ou serviços. 4) PREÇO UNITÁRIO = informar o preço unitário do bem ou serviço que está sendo empenhado. 5) PREÇO TOTAL = valor fornecido pelo sistema com base na informação dos campos 3 (Quantidade) multiplicado pelo 4 - (Preço Unitário). 6) DESCRIÇÃO = descrever o bem ou serviço objeto do empenho com suficiência de detalhes. 7) VALOR TOTAL DO EMPENHO = campo informado pelo sistema após o término da descrição do último item do empenho. 8) VALOR TOTAL JÁ DESCRITO = campo informado pelo sistema após o término da descrição de cada item componente do empenho ALTDESCNE - Altera Descrição Nota de Empenho transação que propicia a alteração da descrição do material ou serviço na Nota de Empenho já emitida; IMPNE - Impressão da Nota de Empenho transação que propicia a impressão da Nota de Empenho em até três vias; destinação usual das vias: juntada no processo; remessa ao beneficiário; e arquivo. para processar a impressão, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >IMPNE, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEORC, UG, IMPNE ( IMPRESSÃO DE NOTA DE EMPENHO) USUÁRIO: UG EMITENTE : COD.UG EMITENTE (1) GESTÃO : GESTÃO DA UG EMITENTE (2) NÚMERO : AAAANEXXXXX (3) OPÇÃO : ( T TESTE, I IMPRESSÃO) (4) NÚMERO DE VIAS : ( 1 A 3 ) (5) ORDENADOR P/ ASS : (6) IMPRESSORA : (7) OBS: POSICIONAR O FORMULARIO DE NE COM A CABEÇA DA IMPRESSORA ACIMA DO PICOTE DO PAPEL.

131 instruções para o preenchimento: 1) UG EMITENTE = informar o código da UGE cadastrado no SIAFEM/SP, responsável pela emissão. 2) GESTÃO = informar o código da gestão cadastrado no SIAFEM/SP. 3) NÚMERO = informar o número da Nota de Empenho que se pretende imprimir. 4) OPÇÃO = informar (T) quando for teste e (I) quando impressão. 5) NÚMERO DE VIAS = preencher com a quantidade desejada de acordo com o consignado na tela. 6) ORDENADOR P/ ASS = informar o CPF do Ordenador de Despesa cadastrado no sistema, que irá assinar a Nota de Empenho impressa. 7) IMPRESSORA = informar o endereço lógico da impressora cadastrado junto à PRODESP CANCELAMENTOS o SIAFEM/SP disponibiliza ainda para cancelamentos de empenhos, as seguintes transações: CANNETES - cancela empenho Fonte Tesouro; CANNEVINC - cancela empenho Fonte Não Tesouro; CANNEPESS - cancela empenho de pessoal - Folha DDPE; CANNEADTES - cancela Nota de Empenho Adiant. - Fonte Tesouro; CANNEADVIN - cancela empenho Adiant. vinculado; CANNEADTNP - cancela Nota de Empenho Adiant. Tesouro Não Pago; CANNEADVNP - cancela Nota de Empenho Adiant. Vinculado Não Pago, etc; CANNETESBL cancela tesouro bloqueado; CANNR cancela Nota de Reserva para processar cancelamento, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação > (escolha a opção) e preencha os campos com base no empenho original DETAFONTE - Detalhamento de Fonte é obrigatório o detalhamento da fonte-mãe relativa aos recursos vinculados estaduais, fundos especiais de despesa e federais (002/003/005); a fonte-mãe é representada pelos 3 primeiros dígitos e o detalhamento pelos 6 subseqüentes. (Ex: 005XXXXXX); executor: Gestor Orçamentário da Unidade Gestora;

132 para detalhar a fonte de recursos, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >DETAFONTE, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEORC, UG, DETAFONTE ( DETALHAMENTO DE FONTE) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAAND (1) UNIDADE GESTORA : COD.UGO GESTÃO : GESTÃO DA UGO UNIDADE ORÇAMENTÁRIA : (2) PROGRAMA TRABALHO : (3) FONTE DE RECURSO : (4) NATUREZA DE DESPESA : (5) U.G.R. : (6) PLANO INTERNO : (7) EVENTO DETALHAMENTO V A L O R (8) (9) (10) OBSERVAÇÃO: (11) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = não preencher. 2) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA = informar a Unidade Orçamentária quando se tratar de Administração Direta e Gestão quando Administração Indireta. 3) PROGRAMA TRABALHO = código numérico de 17 dígitos, que define o Programa de Trabalho (ação de governo) do detalhamento da fonte de recursos. 4) FONTE RECURSO = informar a fonte-mãe do recurso vinculado ( 002/003 ou 005). 5) NATUREZA DESPESA = informar a natureza de despesa até o nível de elemento. 6) UGO = informar a Unidade Gestora Orçamentária. 7) PLANO INTERNO = não preencher. 8) EVENTO = informar os eventos envolvidos: para o detalhamento a ser reduzido ( utilizar a 1ª linha); e para o detalhamento a ser suplementado (utilizar as linhas subseqüentes). 9) DETALHAMENTO = utilizar a 1ª linha para o detalhamento da fonte a ser reduzida e as linhas subseqüentes para informar o detalhamento da fonte a ser suplementada. 10) VALOR = informar na 1ª linha o valor a ser reduzido da fonte-mãe e nas linhas subseqüentes os valores a serem suplementados nos detalhamentos de fonte. 11) OBSERVAÇÃO = campo destinado ao histórico do lançamento efetuado.

133 2.2 - CONSULTAS - Consultas Orçamentárias CELULAS - Lista Células para consultar demonstrações de Células de Despesa de uma Unidade Gestora, digitar na linha de comando no SIAFEM/SP a transação >CELULAS, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEORC, CONSULTAS, CELULAS ( LISTA CELULAS ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG (1) OU ORGÃO: GESTÃO : GESTÃO DA UG (2) MÊS REFERÊNCIA : (3) VALORES DA CELULA : (A=ACUMULADO ATÉ O MÊS, M= NO MÊS (4) CELULA: (5) UO PROGRAMA TRABALHO FONTE NAT.DESP. UGO PL.INTERNO TIPO DE DEMONSTRAÇÃO: (6) 1-DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA AUTORIZADA DOTAÇÃO E CRÉDITO ANTECIPADO 2-DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA AUTORIZADA DESTAQUE 3-DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA AUTORIZADA PROVISÃO 4-DEMONSTRAÇÃO DA EXECUÇÃO DA DESPESA 5-DEMONSTRAÇÃO DA EXECUÇÃO DE RESTOS A PAGAR 6-DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA AUTORIZADA - INDISPONILIDADE instruções para o preenchimento: 1) UNIDADE GESTORA = informar o código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora a ser analisada. Para uma análise mais abrangente, deixar este campo em branco e informar o órgão, que o sistema selecionará as informações para todas as Unidades Gestoras pertencentes ao órgão informado. 2) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 3) MÊS REFERÊNCIA = informar o mês objeto da consulta. 4) VALORES DA CÉLULA = informar se os valores a serem analisados são os do mês ou os do ano acumulados até o mês. 5) CÉLULA = se este campo não for preenchido, o sistema listará as informações para todas as células da Unidade Gestora ou Órgão informado no item 1. Caso seja preenchido somente o campo UO, o sistema listará apenas as informações relativas à UO informada e assim sucessivamente para os demais campos. 6) TIPO DE DEMONSTRAÇÃO = informar o tipo de demonstração desejada, de acordo com a relação constante na tela.

134 teclar ENTER, que o sistema listará a demonstração solicitada; na utilização desta transação, deve-se considerar que o sistema não permite consultas para os meses 013 e 014, o que inviabiliza o tipo de demonstração 5 - Restos a Pagar; Por conseguinte, a despesa executada por inscrição em restos a pagar não é informada em nenhum dos outros itens desta transação. Quanto ao item 3 - Provisão, este também não gera informações, pois na contabilidade do Estado não é utilizada a figura contábil de Provisão CONSULTORC - Consulta Execução Orçamentária para verificar o andamento da Execução Orçamentária de uma Unidade Gestora digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONSULTORC, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEORC, CONSULTAS, CONSULTORC ( CONSULTA EXECUCAO ORCAMENTARIA) DADOS REFERENTES A: DD/MM/AAAA AS HS USUÁRIO: ORGÃO : (1) UNIDADE GESTORA : COD.UG. (2) GESTÃO : GESTÃO DA UG (3) OPÇÃO CONSULTA : (4) 1 CRÉDITO POR DOTAÇÃO 2 CRÉDITO DETALHADO 3 CRÉDITO POR MOVIMENTAÇÃO 3 CRÉDITO INDISPONÍVEL 5 CRÉDITO EXECUTADO 6 RESTOS A PAGAR MÊS REFERÊNCIA : (5) instruções para o preenchimento: 1) ÓRGÃO = informar o código do órgão que terá sua execução orçamentária consultada. Se a consulta foi dirigida a uma Unidade Gestora, deixar este campo em branco. 2) UNIDADE GESTORA = informar o código cadastrado no SIAFEM/SP. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) OPÇÃO CONSULTA = preencher de acordo com a relação constante na tela. 5) MÊS REFERÊNCIA = informar o mês objeto da consulta, no formato MMM. sistema não permite consulta para os meses 013 e 014, o que inviabiliza a opção de consulta 6 - Restos a Pagar.

135 após o preenchimento, teclar ENTER que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-EXEORC,CONSULTAS,CONSULTORC(CONSULTA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA ) DADOS REFERENTES A: DD/MM/AAAA AS HS USUÁRIO: UNIDADE ORÇAMENTÁRIA: (1) FUNÇÃO PROGRAMA SUBPROGRAMA PROJ/ATIV. SUB-PROJ/ATIV PROGRAMA DE TRABALHO: (2) PTRES : (3) FONTE : (4) OU (PREENCHA UMA DAS OPÇÕES) NATUREZA DE DESPESA : (5) GRUPO DE DESPESA: UGO : (6) instruções para o preenchimento: caso nenhum campo da tela seja preenchido, o sistema informará, de acordo com a solicitação feita na tela anterior, a situação de todos os Programas de Trabalho. 1) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA = informar o código, quando desejar pesquisa para apenas a UO informada. 2) PROGRAMA DE TRABALHO = informar o código da Unidade Orçamentária quando apenas esta for consultada. 3) PTRES = se este campo for preenchido, os dois campos anteriores deverão permanecer em branco. Os campos de números 4, 5 e 6 apresentam duas opções de preenchimento, somente uma delas deve ser informada. Estes campos devem ser preenchidos para especificar as informações. após preencher, ou não, esta tela, teclar ENTER e confirmar, que o sistema trará as informações; CONORC - Consulta Orçamento Detalhado Utilização: Gestores Orçamentários; transação que permite consultar detalhadamente a execução orçamentária de um determinado Órgão ou Unidade Gestora; para tanto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONORC, teclar ENTER, informar a opção desejada; Disponível 3 (três) combinações de consulta: Órgão e Gestão; Unidade Gestora Executora e Gestão; e Gestão.

136 escolha uma das opções, teclar ENTER, que o sistema abrirá na seqüência uma nova tela. opção escolhida: Órgão/Gestão: SIAFEMXX-EXEORC, CONSULTAS, CONORC ( CONSULTA ORCAMENTO DETALHADO ) CONSULTA EM DD/MM/AAAA AS HS USUÁRIO: MÊS REF.: (1) POSICAO : (2) A ACUMULADO ATE O MÊS M NO MÊS OPÇÃO : (3) 1 DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA AUTORIZADA - DOTAÇÃO 1 DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA AUTORIZADA - DESTAQUE 1 DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA AUTORIZADA - PROVISAO 1 DEMONSTRAÇÃO DA EXECUÇÃO DA DESPESA 1 DEMONSTRAÇÃO DA EXECUÇÃO DE RESTOS A PAGAR 1 DEMONSTRAÇÃO DE CRÉDITOS INDISPONÍVEIS DETALHADO POR :(4) 01-UGE 02-UGO 03-PROJETO/ATIVIDADE 04-SUBPROJETO/ATIVIDADE 05-MODALIDADE 06-CATOGORIA DE GASTO 07-SUBORGÃO 08-UO 09-FONTE 10-PLANO INTERNO 11-NATUREZA DE DESPESA instruções para o preenchimento: 1) MÊS REF = informar o mês objeto da consulta, no formato MMM. 2) POSIÇÃO = informar se a consulta é de valores do mês ou do ano acumulado até o mês. 3) OPÇÃO = informar o tipo da demonstração desejada, de acordo com a relação constante na tela. na utilização desta transação, copiar do manual; 4) DETALHADO POR = informar o tipo da demonstração desejada, de acordo com a relação constante na tela. Não está disponível o detalhamento para os códigos 03 e 04.

137 opção escolhida: Unidade Gestora: SIAFEMXX EXEORC, CONSULTAS, CONORC ( CONSULTA ORCAMENTO DETALHADO ) CONSULTA EM DD/MM/AAAA AS HS USUÁRIO: ORGAO : GESTAO : MÊS REF.: POSICAO : A ACUMULADO ATE O MÊS M NO MÊS OPCAO : 1-DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA AUTORIZADA - DOTAÇÃO 2-DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA AUTORIZADA - DESTAQUE 3-DEMONSTRAÇÃO DA DESPESA AUTORIZADA - PROVISAO 4-DEMONSTRAÇÃO DA EXECUÇAO DA DESPESA 5-DEMONSTRAÇÃO DA EXECUÇAO DE RESTOS A PAGAR 6-DEMONSTRAÇÃO DE CRÉDITOS INDISPONÍVEIS DETALHADO POR : 01-UGO 06 UO 02-PROJETO/ATIVIDADE 07 FONTE 03-SUBPROJETO/ATIVIDADE 08 PLANO INTERNO 04-MODALIDADE 09 NATUREZA DE DESPESA 05-CATEGORIA DE GASTO instruções para o preenchimento: Vide opção: ORGÃO CONSULTAS DE DOCUMENTOS o sistema propicia a consulta de documentos pelas seguintes transações: CONND - Consulta Nota de Dotação; CONNC - Consulta Nota de Crédito; CONNR - Consulta Nota de Reserva; CONNE - Consulta Nota de Empenho. para sua utilização, identificar a Gestão à qual a Unidade Gestora pertence e informar o número do documento objeto da consulta; o sistema propicia a listagem de documentos e informações pelas seguintes transações: LISCELNE - Lista células dos Empenhos; LISDESCNE - Lista NE c/ Descrição pendente; LISNC - Lista Notas de Crédito; LISND - Lista Notas de Dotação; LISNDDT - Lista Notas de Dotação por data; LISNE - Lista Notas de Empenho; LISNLFAV - Lista NL por CNPJ/CPF/UG FAV; LISNR - Lista Notas de Reserva.

138 SUBSISTEMA - CADBÁSICO 1 - Objetivos manter atualizados os dados cadastrais dos credores de todos os órgãos governamentais do Estado; permitir aos usuários do sistema, a inclusão e a consulta desses dados; fundamentação legal: Decreto nº , de 27 de abril de 1998; Portaria CAF/G 7, de 29/4/98, publicada no D.O.E. de 30 de abril de 1998; Instrução CG-G 15/96 (SIAFEM), publicada no D.O.E. de 09/03/96; Instrução CG-G 16/96 (SIAFEM), publicada no D.O.E. de 12/03/96; este subsistema é composto pelos seguintes módulos: CREDOR; CONSULTAS; utilização: Administração Direta e Indireta. 2 - Procedimentos CREDOR o CADBÁSICO tem como chave de acesso o número do CNPJ ou CPF do credor; para credores que não possuem cadastro na Receita Federal, o SIAFEM/SP habilita a Inscrição Genérica constante no subsistema TABELAS; a inclusão de credores no cadastro do SIAFEM/SP é efetuada pelas Unidades Gestoras, com exceção a criação da Inscrição Genérica, que é de uso exclusivo da Contadoria Geral do Estado; a liberação do cadastro do credor ocorre 72 horas (3 dias úteis) após a sua inclusão, por conta da necessária validação de seu domicílio bancário junto ao Banco Nossa Caixa S.A.; para alterar os dados cadastrais, a Unidade Gestora deverá acionar o Centro de Apoio ao Usuário - CAU; INCCREDOR - Inclui Credor utilizar esta transação para inclusão de credor no cadastro;

139 para tanto basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >INCCREDOR, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX CADBÁSICO, CREDOR, INCCREDOR (INCLUI CREDOR) USUÁRIO: CNPJ/CPF : (1) NOME : (2) ENDEREÇO : (3) MUNICÍPIO : (4) UF : (5) CEP : (6) IDENTIFICADOR SIAFI : (7) instruções para preenchimento: 1) CNPJ/CPF = informar o CNPJ/CPF do credor. 2) NOME = informar a razão social (não o nome de fantasia) em caso de pessoa jurídica ou o nome completo quando for pessoa física. 3) ENDEREÇO = informar o endereço completo (logradouro, número, complemento e bairro). 4) MUNICÍPIO = informar o município referente ao endereço informado. 5) UF = informar a Unidade Federativa. 6) CEP = informar o código de endereçamento postal com 8 dígitos. 7) IDENTIFICADOR SIAFI = utilizado somente para cadastro de Órgãos pertencentes ao Governo Federal (14 dígitos). após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX CADBÁSICO, CREDOR, INCCREDOR (INCLUI CREDOR) USUÁRIO: CNPJ/CPF : ======================DOMICÍLIOS BANCÁRIOS================ BANCO AGÊNCIA CONTA BANCO AGÊNCIA CONTA (1) (2) (3)

140 instruções para preenchimento: 1) BANCO = informar o número do Banco com 3 dígitos. 2) AGÊNCIA = informar o número da agência bancária com 5 dígitos; se necessário, acrescer zeros à esquerda e desprezar o dígito da agência. 3) CONTA = informar o número da conta corrente do credor com 9 dígitos; se necessário, acrescer zeros à esquerda, e nos casos em que o dígito verificador for letra (X), substituir por O (zero). conforme o disposto no Decreto nº , de 27 de abril de 1998, o domicílio bancário constante do quadro acima, tanto na Administração Direta como na Indireta, será sempre no Banco Nossa Caixa S.A.; excepcionalmente, poderão ser cadastrados contas bancárias de outras Instituições Financeiras e, nesses casos, a liberação do cadastro do credor não sofrerá validação de seu domicílio bancário junto ao Banco Nossa Caixa S/A; para auxiliar o Centro de Apoio ao Usuário - CAU em suas atribuições exclusivas, o SIAFEM/SP coloca à disposição as seguintes transações: ALTCREDOR - Altera Credor transação utilizada para alterar ou adicionar quaisquer dados de credores cadastrados; para processar uma alteração no cadastro de credores, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >ALTCREDOR, teclar ENTER, informar o CNPJ/CPF desejado e teclar ENTER novamente, que o sistema abrirá as seguintes telas: SIAFEMXX CADBÁSICO, CREDOR, ALTCREDOR (ALTERA CREDOR) USUÁRIO: CNPJ/CPF NOME ENDEREÇO MUNICÍPIO UF CEP IDENTIFICADOR SIAFI : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XX : XXXXX-XXX : XXXXXXXXXXXXXX para alterar qualquer dado do credor, posicionar o cursor no local desejado, processar a alteração, teclar ENTER e confirmar; quando a alteração referir-se ao domicílio bancário, apor "X" na coluna STATUS,

141 indicando ao Banco que esta nova conta bancária necessita de conferência. SIAFEMXX CADBÁSICO, CREDOR, ALTERA ( ALTERA CREDOR ) USUARIO: CNPJ/CPF : XXXXXXXXX ======================DOMICÍLIOS BANCÁRIOS================== BANCO AGÊNCIA CONTA STATUS BANCO AGÊNCIA CONTA STATUS XXX XXXXX XXXXXXXXX X ALTCREDTIP - Altera Tipo do Credor quando do cadastramento do credor, simultaneamente é criado um código para tipo de credor; todos os cadastrados tem como tipo de credor o código "zero", indicando que o mesmo é integrante do SIAFÍSICO/SIAFEM/SP; o cadastro permite alteração do tipo de credor; para alterar o tipo de credor, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >ALTCREDTIP, teclar ENTER, informar o CNPJ/CPF desejado e teclar ENTER, novamente, que o sistema abrirá a seguinte tela: CGE CONTADORIA GERAL DO ESTADO PRODESP USUÁRIO: ALTERAÇÃO CNPJ/CPF CREDOR : XXXXXXXXX NOME CREDOR : XXXXXXXXXXX TIPO CREDOR====== _0 _ (1) (5)== RESPONSÁVEL POR ADIANTAMENTO (6)== CONVENIOS (7)== EXCLUIDOS DO SIAFÍSICO

142 a tela aparecerá preenchida: 1) TIPO DE CREDOR = "zero", cadastro inicial único de todos os credores, podendo ser alterado para: 5 = quando se tratar de cadastro de responsável por adiantamento; 6 = quando se tratar de cadastro de empresas fornecedoras de utilidade pública; 7 = quando se tratar de credores, cujas transações são executadas no SIAFEM/SP EXCCREDOR - Exclui Credor transação que permite a exclusão de credores do cadastro; para tanto, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >EXCCREDOR, teclar ENTER, identificar o credor e teclar ENTER novamente, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX CADBÁSICO, CREDOR, EXCCREDOR (EXCLUI CREDOR) USUÁRIO: CNPJ/CPF NOME ENDEREÇO MUNICÍPIO UF CEP : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XX : XXXXX-XXX ==== DOMICÍLIO BANCÁRIO BANCO AGÊNCIA CONTA CORRENTE XXX XXXXX XXXXXXXXX a tela aparecerá preenchida: o sistema solicitará a confirmação: CONFIRMA? (C/N): ( C - CONFIRMA N - NÃO CONFIRMA) após a confirmação, o credor aparecerá no cadastro com a designação de "INATIVO".

143 REACREDOR - Reativa Credor transação destinada a reativar credores no cadastro; para tanto, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >REACREDOR, teclar ENTER, identificar o credor e teclar ENTER novamente, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX CADBÁSICO, CREDOR, REACREDOR (REATIVA CREDOR) USUÁRIO: CNPJ/CPF NOME ENDEREÇO MUNICÍPIO UF CEP : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XX : XXXXX-XXX ==== DOMICÍLIO BANCÁRIO BANCO AGÊNCIA CONTA CORRENTE XXX XXXXX XXXXXXXXX a tela aparecerá preenchida: o sistema solicitará a confirmação: CONFIRMA? (C/N): ( C - CONFIRMA N - NÃO CONFIRMA) se o reativamento vier acompanhado de alteração, efetuar primeiramente o reativamento através da opção >REACREDOR, a seguir, a alteração pela transação >ALTCREDOR CONSULTAS CONCREDOR - Consulta Credor esta transação mostra ao usuário, de maneira clara, os dados cadastrais do credor, objeto da consulta;

144 digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >CONCREDOR, teclar ENTER, informar o CNPJ/CPF desejado e teclar ENTER novamente, que o sistema abrirá as seguintes telas: SIAFEMXX CADBÁSICO, CONSULTAS, CONCREDOR (CONSULTA CREDOR) USUÁRIO: CNPJ/CPF NOME ENDEREÇO MUNICÍPIO UF CEP IDENTIFICADOR SIAFI : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XXXXXXXXX : XX : XXXXX-XXX : XXXXXXXXXXXXXX SIAFEMXX CADBÁSICO, CONSULTAS, CONCREDOR (CONSULTA CREDOR) USUÁRIO: CNPJ/CPF : XXXXXXXXX ======================DOMICÍLIOS BANCÁRIOS================ BANCO AGÊNCIA CONTA STATUS BANCO AGÊNCIA CONTA STATUS XXX XXXXX XXXXXXXXX XXX XXXXX XXXXXXXXX LISCREDOR - Lista Cadastro de Credores transação que lista todo o cadastro de credores do SIAFEM/SP;

145 para listar os credores, a partir de um credor informado, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >LISCREDOR, teclar ENTER, informar o CNPJ/CPF ou o nome/ razão social e teclar ENTER novamente; para consultar a lista de credores desde o início, deixar em branco o campo que solicita o CNPJ/CPF ou o nome/razão social e teclar ENTER novamente; em ambos os casos, o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX CADBÁSICO, CONSULTAS, LISCREDOR (LISTA CADASTRO DE CREDORES) CONSULTA EM : DD/MM/AAAA USUÁRIO: CREDOR BANCO AGÊNCIA CONTA XXXXXXXX/XXXX-XX XXX XXXXX XXXXXXXXX

146 SUBSISTEMA TABELAS 1 - Objetivos armazenar dados específicos e de uma forma padronizada a serem utilizados pelo sistema para validar as informações recebidas, com o intuito de aumentar a segurança no processamento; permitir aos usuários, dentro de sua área de atuação, consulta e atualização dos dados constantes das tabelas; 2 - Procedimentos BANCO este módulo define quais os bancos que serão permitidos no cadastramento de domicílios bancários, tanto de credores quanto de Unidades Gestoras Financeiras UGF s; a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; para se processar a inclusão de um banco na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCBANCO, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: 1ª tela SIAFEMXX TABELAS, BANCO, INCBANCO ( INCLUI BANCO) USUÁRIO: BANCO NOME MNEMONICO : (1) : (2) : (3) INIDICADOR CONTA ÚNICA: (4)(0 NÃO E O BANCO DA CONTA ÚNICA) (1 E O BANCO DA CONTA ÚNICA) (2 E O BANCO DA CONTA CONVENIO) instruções para o preenchimento: 1) BANCO = informar o número do banco, definido pelo Banco Central, que se pretende incluir. 2) NOME = nominar o Banco objeto da inclusão. 3) MNEMONICO = informar a sigla pela qual o Banco é conhecido. 4) INDICADOR CONTA ÚNICA = indicar conforme discriminação ao lado, o tipo de conta que se deseja incluir, teclar ENTER que o sistema incluirá na tela dois novos campos, conforme:

147 2ª tela SIAFEMXX TABELAS, BANCO, INCBANCO ( INCLUI BANCO) USUÁRIO: BANCO NOME MNEMONICO : (1) : (2) : (3) INIDICADOR CONTA ÚNICA: (4)(0 NÃO E O BANCO DA CONTA ÚNICA) (1 E O BANCO DA CONTA ÚNICA) (2 E O BANCO DA CONTA CONVENIO) NÚMERO DA CONTA : (5) SUBITEM DA CONTA CONTÁBIL : (6) caso o indicador informado no campo 4 for o O(zero), os campos 5 e 6 devem permanecer em branco, teclar ENTER e confirmar a inclusão; quando o indicador informado for o 1, e o sistema só permite uma inclusão de Banco para a Conta Única, no campo de número 5 deverá ser informado o número da conta bancária fornecido pelo Banco, e no campo número 6 deverá ser informado os dois últimos dígitos da conta contábil da Conta Única no SIAFEM/SP. teclar ENTER e confirmar a inclusão; o indicador número 2 não é utilizado pela Administração do Estado; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTBANCO - Altera Banco >EXCBANCO - Exclui Banco >LISBANCO - Lista Banco >REABANCO - Reativa Banco AGÊNCIA - Agência Bancária este módulo define quais agências serão permitidas no cadastramento de domicílios bancários, tanto de credores quanto de Unidades Gestoras Financeiras - UGFs; a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado;

148 para se processar a inclusão de uma agência na Tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCAGENCIA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX TABELAS, AGENCIA, INCAGENCIA (INCLUI AGENCIA BANCÁRIA) USUÁRIO: BANCO AGENCIA NOME PRAÇA PAGAMENTO : (1) : (2) : (3) : (4) instruções para o preenchimento: 1) BANCO = informar o número do banco, definido pelo Banco Central e cadastrado no módulo Banco do subsistema TABELAS, ao qual pertence a agência que se deseja incluir; 2) AGÊNCIA = informar o número da agência. 3) NOME = informar o nome da agência. 4) PRAÇA PAGAMENTO = informar a praça de pagamento (nome do município) à qual esta agência está vinculada. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste módulo, são: >ALTAGENCIA - Altera Agência Bancária >EXCAGENCIA - Exclui Agência Bancária >LISAGENCIA - Lista Agências Bancárias >REAAGENCIA - Reativa Agência Bancária DOMBAN - Domicílio Bancário este módulo define quais domicílios bancários poderão ser utilizados pelas Unidades Gestoras Financeiras UGF s da Administração Direta e Indireta do Estado, usuárias do sistema SIAFEM/SP; a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE;

149 para se processar a inclusão de um domicílio bancário na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCDOMBAN, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX TABELAS, DOMBAN, INCDOMBAN (INCLUI DOMICÍLIO BANCÁRIO) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA GESTÃO : COD.UG. : (1) BANCO AGENCIA C0NTA CORRENTE TIPO _(2) (3) (4) (5)_ U CONTA ÚNICA P PRINCIPAL SE NÃO USAR CONTA ÚNICA C CONTA DE TRANSF.PARA CONTA ÚNICA A CONTA COMUM DE UG OFF-LINE D CONTA COMUM instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual a Unidade Gestora Financeira está vinculada. 2) BANCO = informar o número do banco, cadastrado previamente no módulo BANCO do subsistema TABELAS. 3) AGÊNCIA = informar o número da agência, cadastrado previamente no módulo AGÊNCIA do subsistema TABELAS. 4) CONTA CORRENTE = informar o número da conta corrente junto à agência bancária. Campo a ser preenchido com 9 dígitos, obrigatoriamente, começando da esquerda para a direita, a última casa deve permanecer em branco; 5) TIPO = informar o tipo de conta, conforme relação constante na tela. Os tipos P e A não são utilizados pela Administração do Estado. Quando da necessidade de se cadastrar Conta Única, é necessário que se cadastre antes a Conta "C" correspondente. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a operação; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste módulo, são: >ALTDOMBAN - Altera Domicílio Bancário >EXCDOMBAN - Exclui Domicílio Bancário >LISDOMBAN - Lista Domicílio Bancário >READOMBAN - Reativa Domicílio Bancário CATGASTO - Categoria de Gasto este módulo define quais categorias de gasto poderão ser utilizadas na distribuição da cota financeira para as Unidades Gestoras; as categorias de gasto, utilizáveis na execução da despesa, são definidas por Portaria Interministerial. É o segundo dígito do código da natureza de despesa, denominado por grupo de Natureza da Despesa;

150 a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; para se processar a inclusão de uma categoria de gasto na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCCATGAST, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-TABELAS, CATGASTO, INCCATGAST (INCLUI CATEGORIA DE GASTO) USUÁRIO: CATEGORIA DE GASTO NOME MNEMONICO : (1) : (2) : (3) instruções para o preenchimento: 1) CATEGORIA DE GASTO = informar o número da categoria de gasto que se deseja incluir, de acordo com a Portaria Ministerial. 2) NOME = informar o nome da categoria de gasto, de acordo com a Portaria Ministerial. 3) MNEMONICO = criar uma abreviação para o nome da categoria de gasto, com até 19 posições, que melhor a identifique. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a operação; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste módulo, são: >ALTCATGAST - Altera Categoria de Gasto >EXCCATGAST - Exclui Categoria de Gasto >LISCATGAST - Lista Categoria de Gasto >REACATGAST - Reativa Categoria de Gasto CONESPEC - Controles Específicos este módulo define quais os controles específicos que poderão ser utilizados pelas Unidades Gestoras; controle específico é um tipo de conta corrente contábil, que no adendo B do Plano de Contas recebe o código de número 26 e a descrição de Centro de Custo; sua utilização é necessária quando se efetua lançamentos nas contas contábeis cadastradas com este tipo de conta corrente; a atualização deste módulo está a cargo da Unidade Gestora que optar por utilizar controle específico. Cada Unidade Gestora deve criar e manter atualizada a sua tabela;

151 para se processar a inclusão de um controle específico na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCCE, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-TABELAS, CONESPEC, INCCE (INCLUSÃO CONTROLES ESPECIFICOS) USUÁRIO: INCLUSÃO UNIDADE GESTORA : GESTÃO : CONTROLE ESPECIFICO : ESCRITURAÇÃO (S/N) : NOME COD.CONT.ESPECIFICO => POSICIONE O CURSOR NO CAMPO E PRESSIONE A TECLA PF9 PARA OBTER INFORMAÇÕES DE PREENCHIMENTO observar a mensagem constante na parte inferior da tela, quando tiver alguma dúvida sobre o preenchimento dos campos; após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a operação; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste módulo, são: >ALTCE - Altera Controle Específico >CONCE - Consulta Controle Específico >EXCCE - Exclui Controle Específico >LISCE - Lista Controle Específico >REACE - Reativa Controle Específico EVENTOS - Eventos este módulo define quais eventos poderão ser utilizados pelas Unidades Gestoras no preenchimento dos documentos eletrônicos do SIAFEM/SP; o evento cria um roteiro contábil, para o ato ou fato administrativo passível de registro na contabilidade, que além de contemplar os quatros sistemas (orçamentário, patrimonial; financeiro e compensação), ativa, também, as contas de controle da execução orçamentária e financeira; a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; devido à grande quantidade de eventos cadastrados, esta tabela é impressa regularmente. Os usuários do SIAFEM/SP devem solicitar cópia ao Centro de Apoio ao Usuário CAU da Contadoria Geral do Estado - CGE;

152 para se processar a inclusão de um evento na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCEVENTO, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: 1ª tela SIAFEMXX TABELAS, EVENTOS, INCEVENTO ( INCLUI EVENTO ) USUÁRIO: EVENTO MNEMONICO EXTENSO : (1) : (2) : (3) COPIA EVENTO : (4) instruções para o preenchimento: 1) EVENTO = informar o número do evento composto de 6 dígitos. Consultar a Tabela de Eventos (Adendo "A" do Plano de Contas) para ver como este número é estruturado. 2) MNEMÔNICO = informar um nome para o evento, que melhor o identifique. 3) EXTENSO = descrever o ato ou fato administrativo a ser contabilizado para o qual o evento está sendo criado. 4) COPIA EVENTO = informar, quando for o caso, o número de um evento já cadastrado. SIAFEM/SP trará na tela todas as informações sobre o referido evento, permitindo ao usuário a alteração dos dados que se fizer necessária e permitindo, também, que se aproveite os demais para o novo evento.

153 após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: 2ª tela SIAFEMXX TABELAS, EVENTOS, INCEVENTO ( INCLUI EVENTO ) USUÁRIO: EVENTO MNEMONICO EXTENSO : XXXXXX : : DOCUMENTOS PERMITIDOS : _(1) USO DO EVENTO : (2) CREDOR/RECOLHEDOR : (3) INSCRIÇÃO : (4) ABERTURA/ENCERRAMENTO : (5) EXIGE FONTE (S/N) : (6) CLASSIFICAÇÃO : (7) ESTORNO (S/N) : (8) EXERCÍCIO DA NE : (9) INDICADOR GESTÃO TESOURO : (10) INDICADORES CONTÁBEIS UG GESTÃO EXECUTORA 1 : (11)/ (11) UG GESTÃO EXECUTORA 2 :(11)/(11) RESTRIÇÃO CREDOR/RECOLHEDOR UG/GESTÃO : _(12) ATRIBUTO:(13) COD.:(14) EVENTO COMPLEMENTAR PD : (15) EVENTO COMPLEMENTAR OBRAS: :(16) EVENTO COMPLEMENTAR BEC: (17) DETALHAMENTO FONTE: (18) DETALHAMENTO PI :(19) EXERCÍCIO DO EVENTO : (20) (1 ATUAL 2 ANTERIOR 3 QUALQUER) GRUPO CONTÁBIL : (21) (OO-GERAL 01-FORNEC 02-OUTROS CRED. 98-ADIANT.) OBSERVAÇÃO: (22) instruções para o preenchimento: 1) DOCUMENTOS PERMITIDOS = informar em quais documentos eletrônicos do SIAFEM/SP (NL, PD, GR, etc.) será permitida a utilização deste evento. Para saber quais são estes documentos, consultar no subsistema CONTAB, módulo ADMINISTRA a transação >MANUALCONT. 2) USO DO EVENTO = informar quem pode utilizar o evento, conforme: 0 uso de todas as Unidades Gestoras 1 uso exclusivo do Gestor de Contabilidade 2 uso exclusivo das Setoriais Contábeis 3) CREDOR/RECOLHEDOR = informar se no documento emitido é necessário discriminar o favorecido, conforme: 0 não exige 1 exige CNPJ ou CPF ou UG-GESTÃO 2 exige UG-GESTÃO 4) INSCRIÇÃO = informar o código de inscrição do evento, de acordo com a relação constante no subsistema CONTAB, módulo ADMINISTRA e transação > MANUALCONT.

154 5) ABERTURA/ENCERRAMENTO = informar se o evento pode ser usado em qualquer época do ano ou apenas em ocasiões específicas, conforme: 0 normal (mensal) 1 abertura 2 encerra exercício (mês 13) 3 encerra exercício (mês 14) 6) EXIGE FONTE(S/N) = informar se no(s) documento(s) eletrônicos, para o qual o evento está sendo criado, é necessário citar a fonte de recurso ou não. 7) CLASSIFICAÇÃO = informar, quando necessário, a conta contábil a ser mencionada no documento eletrônico. Quando a conta a ser informada pode ser qualquer uma do plano, preencher este campo com: XXXXXXXXX. Caso se deseje restringir a utilização do evento, preencher o campo com número, da esquerda para a direita, até a posição que define a restrição pretendida. Ex.:3XXXXXXXX - para qualquer conta que pertença ao grupo da despesa. 112XXXXXX - para qualquer conta que pertença ao subgrupo de créditos em circulação, e assim sucessivamente. 8) ESTORNO (S/N) = informar "S" caso o evento que está sendo criado admite estorno. sistema criará o evento de estorno automaticamente. 9) EXERCÍCIO DA NE = informar; quando for o caso, o exercício da Nota de Empenho, conforme: 0 empenho tem que pertencer ao exercício atual 1 empenho tem que pertencer ao exercício anterior 2 empenho tem que ser antes exercício anterior 10) INDICADOR GESTÃO TESOURO = campo de preenchimento obrigatório, informar o código conforme tabela constante no subsistema CONTAB, módulo ADMINISTRA e transação >MANUALCONT. 11) UG GESTORA EXECUTORA 1 E 2 = campo de preenchimento obrigatório, informar o código conforme tabela constante no subsistema CONTAB, módulo ADMINISTRA e transação >MANUALCONT. 12) RESTRIÇÃO CREDOR/RECOLHEDOR UG GESTÃO = campo de preenchimento obrigatório, informar o código conforme tabela constante no subsistema CONTAB, módulo ADMINISTRA e transação >MANUALCONT. 13) ATRIBUTO = quando o evento que está sendo incluido necessitar de um evento complementar, informar o código de atributo deste evento complementar, conforme tabela constante no subsistema CONTAB, ódulo ADMINISTRA e transação >MANUALCONT. 14) CÓDIGO = informar o código (número) do evento complementar, quando for o caso. Este evento tem que estar cadastrado e ativo. 15) EVENTO COMPLEMENTAR PD = informar, quando for o caso. 16) EVENTO COMPLEMENTAR OBRAS = informar, quando for o caso. 17) EVENTO COMPLEMENTAR BEC = informar, quando for o caso.

155 18) DETALHAMENTO FONTE = informar; quando for o caso, na seguinte conformidade: 0 cumpra as características da fonte 1 pode ser detalhada 2 não pode estar detalhada 3 não valida fonte 4 deve ser detalhada 19) DETALHAMENTO PI = deixar em branco. 20) EXERCÍCIO DO EVENTO = preencher com uma das opções constantes na tela. 21) GRUPO CONTÁBIL = preencher com uma das opções constantes na tela. 22) OBSERVAÇÃO = campo de preenchimento obrigatório. Informar particularidades do evento que está sendo incluido. após o preenchimento, teclar ENTER que o sistema abrirá a seguinte tela: 3ª tela SIAFEMXX TABELAS, EVENTOS, INCEVENTO ( INCLUI EVENTO ) USUÁRIO: EVENTO : CÓDIGO - MNEMÔNICO ROTEIRO DE CONTABILIZAÇÃO UGE 1 UGE 2 DEBITE CREDITE DEBITE CREDITE PA1 MENU PRINCIPAL PA2 TELA ANTERIOR informar o rol de contas contábeis que serão acionadas quando da utilização do evento; após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão. O evento incluído permanecerá na tabela na situação de inativo, para ativá-lo é necessário processar a transação >REAEVENTO; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTEVENTO - Altera Evento >CONMOVEVEN - Consulta Movimento de Evento >EXCEVENTO - Exclui Evento >LISEVENTO - Lista Evento.

156 para os usuários em geral, este módulo oferece as seguintes transações: >CONEVENTO - consulta evento - útil quando o usuário possui o número do evento e necessita saber as suas características; >LISEVENCON - lista eventos por conta - útil quando o usuário necessita saber quais eventos direcionam lançamentos para determinada conta; FONTE - Fonte de Recursos este módulo define quais as fontes de recursos que deverão ser informadas, pelas Unidades Gestoras, nos documentos eletrônicos do SIAFEM/SP; a fonte de recursos, aqui mencionada, discrimina o recurso financeiro quanto à sua origem, se fonte Tesouro ou se Vinculada e o tipo de vinculação. Deve manter correlação com as fontes citadas na Lei Orçamentária anual, onde, na fixação da despesa, é informada a fonte de recurso que dará cobertura financeira para a realização do gasto; o SIAFEM/SP reconhece dois tipos de fonte. A fonte "Mãe", composta por dois dígitos (nos documentos do SIAFEM/SP deve ser informada com três dígitos, um zero é Acrescido à esquerda ) e a fonte a ela vinculada, que pode ou não ser detalhada, composta por oito dígitos ( nos documentos do SIAFEM/SP deve ser informada com nove dígitos, um zero é acrescido à esquerda ). para se processar a inclusão de uma fonte na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCFONTE, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX TABELAS, FONTE, INCFONTE ( INCLUI FONTE ) USUÁRIO: FONTE DE RECURSO NOME : (1) : (2) instruções para o preenchimento: 1) FONTE DE RECURSO = campo numérico de 8 posições, informar o código da fonte. Caso a fonte a ser incluída for "MÃE" informar somente dois dígitos. 2) NOME = informar o nome da fonte que está sendo incluída. após o preenchimento, teclar ENTER: se a fonte for "Mãe", o sistema solicitará o tipo de detalhamento, conforme: 1 - não detalha, salvo em contra-partida 2 - detalha por convênio, acordo ou ajuste 3 - detalha por cadastro 4 - pode ou não ser detalhada após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão. as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTFONTE - Altera Fonte de Recursos >EXCFONTE - Exclui Fonte >LISFONTE - Lista Fonte >REAFONTE - Reativa Fonte.

157 a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; FUNPROG - Funcional Programática a Lei Federal nº 4.320, de 17 de março de 1964, estabelece:... integrará a Lei de Orçamento o sumário geral da despesa por funções do Governo..., e em seu Anexo V e Portarias SOF que o atualizam, divulga um rol de funções e subfunções de governo que deve ser utilizado pela União, Estados, Distrito Federal e Municípios. Define ainda que, além das funções e subfunções estabelecidas pelo Governo Federal, os demais governos deverão estabelecer, em atos próprios, códigos e identificações para: Programa, Projeto e Atividade; para a junção de função + subfunção + programa + projeto/atividade foi dado o nome de Classificação Funcional/Programática da Despesa, conhecida também por Programa de Trabalho; a Lei Orçamentária anual do estado, define os códigos que poderão ser utilizados no exercício de referência; este módulo, em consonância com a lei do orçamento, registra os códigos e os respectivos nomes das funções, subfunções, programas e projetos/atividades; a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; para se processar a inclusão de um código na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCFUNPROG, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-TABELAS,FUNCPROG,INCFUNCPROG (INCLUI FUNCIONAL PROGRAMÁTICA) USUÁRIO: PROGRAMA DE TRABALHO FUNÇÃO SUBFUNÇÃO PROGRAMA PROJETO/ATIVIDADE : (1) : (1) : (1) : (2) SUBPROJETO/SUBATIVIDADE : (2) NOME : (3) instruções para o preenchimento: 1) Informar o código numérico da função, subfunção, programa ou projeto/atividade. sistema aceita a inclusão de um só código para cada transação. Sugerimos que o usuário cadastre primeiro todas as funções ( uma a uma), depois as subfunções e assim sucessivamente. 2) No cadastramento do projeto/atividade é necessário informar na mesma tela o número do subprojeto/subatividade. 3) Informar o nome relativo ao código que está sendo cadastrado.

158 as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTFUNPROG - Altera Funcional Programática >EXCFUNPROG - Exclui Funcional Programática >LISFUNPROG - Lista Funcional Programática >REAFUNPROG - Reativa Funcional Programática PT - Programa de Trabalho este módulo define quais programas de trabalho poderão ser utilizados pelas Unidades Gestoras no preenchimento dos documentos eletrônicos do SIAFEM/SP. Define, também, os códigos de programa de trabalho resumido (PTRES), sempre em consonância com a classificação funcional/programática da despesa; a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; para se processar a inclusão de um programa de trabalho na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCPT, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX - TABELAS, PT, INCPT ( INCLUI PROGRAMA DE TRABALHO ) USUÁRIO: PROGRAMA DE TRABALHO NOME : _(1) (2) (3) (4) (5)_ : (6) instruções para o preenchimento: 1) Informar o código da função de governo, de acordo com a funcional programática. 2) Informar o código da subfunção de governo. 3) Informar o código do programa de trabalho. 4) Informar o código do projeto. 5) Código da atividade, preencher com zeros. 6) Informar o nome do programa de trabalho, de acordo com a combinação de códigos informada. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão;

159 o programa de trabalho resumido - PTRES foi criado para facilitar o preenchimento de alguns documentos eletrônicos. É um código composto por 6 dígitos, conforme: XX XX XX OS DOIS PRIMEIROS DÍGITOS DO ÓRGÃO OS DOIS ÚLTIMOS DÍGITOS DA UNIDADE ORÇAMENTÁRIA - UO O NÚMERO SEQÜENCIAL DO PROGRAMA DE TRABALHO PARA A UNIDADE ORÇAMENTÁRIA - UO para se processar a inclusão de um programa de trabalho resumido - PTRES na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCPTRES, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX - TABELAS, PT, INCPTRES ( INCLUI PROG.TRAB. RESUMIDO ) USUÁRIO: UNIDADE ORÇAMENTÁRIA : (1) PROGRAMA DE TRABALHO : (2) PTRES : (3) instruções para o preenchimento: 1) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA = informar o código da UO para a qual está se incluindo o PTRES. 2) PROGRAMA DE TRABALHO = informar o código do programa de trabalho, previamente cadastrado, para a qual está se incluindo o PTRES. 3) PTRES = informar o código numérico com 6 dígitos, objeto da inclusão. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a operação; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTPT - Altera Programa de Trabalho >EXCPT - Exclui Programa de Trabalho >REAPT - Reativa Programa de Trabalho.

160 para os usuários em geral, este módulo oferece as seguintes transações: >CONPTRES - Consulta Programa de Trabalho Resumido >CONUOPT - Consulta PTRES da UO/PT >LISPT - Lista Programa de Trabalho >LISPTRES - Lista Programa de Trabalho Resumido >LISPTRESUG - Lista PTRES por UG GESTÃO - Gestão este módulo define quais as gestões que deverão ser informadas, pelas Unidades Gestoras, nos documentos eletrônicos do SIAFEM/SP; gestão = parcela do patrimônio administrada por uma unidade, para a qual é necessário que se faça demonstrações, acompanhamento e controles distintos. No SIAFEM/SP é um código que define a administração, se Direta (Tesouro) ou cada membro da Indireta (Autarquias, Fundações e Empresas de Economia Mista, onde o Estado é sócio majoritário); a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; para se processar a inclusão de uma gestão na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCGESTÃO, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX - TABELAS, GESTÃO, INCGESTÃO ( INCLUI GESTÃO ) USUÁRIO: GESTÃO NOME MNEMONICO TIPO ADMINISTRAÇÃO : (1) : (2) : (3) : (4) EMPENHA? (5) ( 0 SIM 1 NÃO) INSCREVE RESTOS A PAGAR? (6) ( 0 SIM 1 NÃO) instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão que se pretende incluir. 2) NOME = informar o nome da gestão. 3) MNEMÔNICO = criar uma abreviatura para gestão, que melhor a identifique. 4) TIPO ADMINISTRAÇÃO = informar o tipo de administração, na seguinte conformidade: 01 - Administração Direta 03 - Autarquia 04 - Fundação 05 - Empresa pública comercial e financeira 06 - Economia Mista 07 - Fundos 08 - Empresa pública industrial e agrícola 09 - Empresa privada

161 5) EMPENHA? = informar se a gestão, motivo da inclusão, empenha. 6) INSCREVE RESTOS A PAGAR? = informar se a gestão faz inscrição de restos a pagar. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTGESTAO - Altera Gestão >CONGESTAO - Consulta Gestão >EXCGESTAO - Exclui Gestão >LISGESTAO - Lista Gestões >REAGESTAO - Reativa Gestão ORGAO - Órgão este módulo define quais os órgãos do governo que serão permitidos nas transações do SIAFEM/SP; os órgãos estão agregados por tipo de administração. O SIAFEM/SP reconhece oito tipos de Administração, são eles: 01 - Administração Direta 03 - Autarquia 04 - Fundação 05 - Empresa pública comercial e financeira 06 - Economia Mista 07 - Fundos 08 - Empresa Pública industrial e agrícola 09 - Empresa Privada na Administração Direta, os órgãos do governo são as Secretarias de Estado, a Assembléia Legislativa, o Ministério Público, a Procuradoria Geral do Estado, os Tribunais, o Gabinete do Governador e a Administração Geral do Estado; para se processar a inclusão de um órgão na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCORGAO, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX TABELAS, ORGAO, INCORGAO ( INCLUI ORGAO ) USUÁRIO: ORGAO : (1) CNPJ: (2) / - NOME : (3) MNEMONICO : (4) ORGAO SUPERIOR : (5) ===> INDICADORES DO ORGÃO TIPO ADMINISTRAÇÃO : (6) USA PLANO INTERNO? : (7) ( O NÃO 1 SIM ) RELACIONAMENTO ÚNICO COM UO/PT? : (8) ( S - SIM N - NÃO ) TIPO DE UTILIZAÇÃO : (9) ( O TOTAL 1 PARCIAL ) ACUMULA BALANÇO? : (10) ( O NÃO 1 SIM ) UTILIZA ORÇAMENTO? : (11) ( O SIM 1- NÃO 2- NÃO EXIGE ) PODER : (12) ( O - EXEC. 1- LEG. 2- JUD.) ===> UNIDADES GESTORAS FINANCEIRA INTEGRAÇÃO ORÇAMENTÁRIA : (13) : (14) : (15)

162 instruções para o preenchimento: 1) ÓRGÃO = informar o número do órgão, com 5 posições. 2) CNPJ = informar o CNPJ do órgão. 3) NOME = informar a denominação do órgão. 4) MNEMONICO = informar um nome reduzido para o órgão, que melhor o identifique. 5) ÓRGÃO SUPERIOR = informar, caso seja necessário, o número do órgão superior, pertencente à Administração Direta, responsável pela supervisão do órgão que se pretende cadastrar. 6) TIPO ADMINISTRAÇÃO = informar o tipo de Administração da qual o órgão faz parte. 7) USA PLANO INTERNO? = deixar em branco. 8) 8 A 12 = preencher estes campos de acordo com as informações constantes na tela. 13) FINANCEIRA = informar sempre a UG ) INTEGRAÇÃO = deixar em branco. 15) ORÇAMENTÁRIA = informar a Unidade Gestora Orçamentária à qual este órgão está vinculado. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTORGAO - Altera Órgão >CONORGAO - Consulta Órgão >CONORGVINC - Consulta Órgãos Vinculados >EXCORGAO - Exclui Órgão >LISORGAO - Lista Órgãos >REAORGAO - Reativa Órgão. a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; ORGGESTAO - Órgão/Gestão este módulo presta-se a efetuar a vinculação do órgão a uma determinada gestão; para se processar a vinculação, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCORGGEST, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX TABELAS, ORGGESTAO, INCORGGEST ( INCLUI ORGAO/ GESTAO ) USUÁRIO: ORGAO GESTAO : (1) : (2) instruções para o preenchimento: 1) ÓRGÃO = informar o número do órgão. 2) GESTÃO = informar o número da gestão à qual o órgão pertence. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a vinculação; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >EXCORGGEST - Exclui Órgão/Gestão >LISORGGEST - Lista Órgãos/Gestão >REAORGGEST - Reativa Órgão/Gestão.

163 a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; UG - Unidade Gestora este módulo define quais as Unidades Gestoras que serão permitidas nas transações do SIAFEM/SP; o SIAFEM/SP reconhece três tipos de Unidade Gestora, são eles: UNIDADE GESTORA ORÇAMENTÁRIA UNIDADE GESTORA FINANCEIRA UNIDADE GESTORA EXECUTORA. a Unidade Gestora Orçamentária - UGO tem a função de receber a dotação orçamentária, consignada na Lei Orçamentária Anual e nos créditos adicionais, e transferí-la para as Unidades Gestoras Executoras - UGEs à ela vinculadas; a Unidade Gestora Financeira - UGF tem a função de supervisionar os atos de programação e execução financeira das UGEs à ela vinculadas; a Unidade Gestora Executora - UGE tem a função de praticar atos de gestão orçamentária, financeira e/ou patrimonial, cujo titular, em conseqüência, está sujeito à tomada ou prestação de contas; para se processar a inclusão de uma Unidade Gestora na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCUG, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: 1ª tela SIAFEMXX TABELAS, UG, INCUG ( INCLUI UNIDADE GESTORA ) USUÁRIO: ===> IDENTIFICAÇÃO UG : (1) MNEMONICO: (2) NOME : (3) CNPJ/CPF : (4) ORGÃO : (5) ENDEREÇO : (6) MUNICÍPIO : (7) UF: (8) CEP: (9) DDD : TELEF.: (10) RAMAL: DDD : TELEF.: (10) RAMAL: FAX : (11) RAMAL: AGENTE ARRECADADOR: (13) / ===> INDICADORES SITUAÇÃO : (14) ( 1 ON-LINE O OFF-LINE) UG EXECUTORA: (15) (S SIM N NÃO) ===> ORDENADOR DE DESPESA NOME: (16) CPF: ===> ORDENADOR PARA ASSINATURA NOME: (17) CPF: ===> GESTOR FINANCEIRO NOME: (18) CPF: ===> CÓDIGO DAS UNIDADES SETORIAIS AUDITORIA: (19) CONTABILIDADE: _(20) POLO: _(21) FINANCEIRA BEC: (22)

164 instruções para o preenchimento: 1) UG = informar o número da UG, com 6 dígitos. 2) MNEMÔNICO = informar um nome reduzido para a Unidade Gestora que melhor a identifique. 3) NOME = informar o nome da Unidade Gestora. 4) CNPJ = informar o número do CNPJ da Unidade Gestora. 5) ÓRGÃO = informar o número do órgão ao qual se vincula a Unidade Gestora. 6) ENDEREÇO = informar o endereço da Unidade Gestora. 7) MUNICÍPIO = informar o município da Unidade Gestora. 8) UF = informar a sigla da Unidade da Federação. 9) CEP = informar o código de endereçamento postal. 10) TELEF. = informar o número dos dois principais telefones da Unidade Gestora. 11) FAX = informar o número do fax 12) E MAIL = informar o endereço eletrônico (internet). 13) AGENTE ARRECADADOR = informar o número do banco e da agência onde a Unidade Gestora vai operar a Conta Única, quando for o caso. 14) SITUAÇÃO = informar sempre o dígito 1 (on line). 15) UG EXECUTORA = a tela já vem preenchida com a letra "S", não alterar. 16) ORDENADOR DE DESPESA = informar o nome e o respectivo CPF do Ordenador de Despesa. 17) ORDENADOR PARA ASSINATURA = informar o nome e o respectivo CPF do Ordenador para a assinatura. 18) GESTOR FINANCEIRO = informar o nome e o respectivo CPF do Gestor Financeiro. 19) AUDITORIA = informar o código da UG, pertence ao CCI ou CRCI, responsável por efetuar auditoria na UG que se pretende incluir na tabela. 20) CONTABILIDADE = repetir o número da UG informada no campo ) POLO = informar o código da UG financeira à qual a UG que se pretende cadastrar, está vinculada. 22) FINANCEIRA BEC = repetir o número da UG informada no campo 21. após o preenchimento, teclar ENTER que o sistema abrirá a seguinte tela: 2ª tela SIAFEMXX - TABELAS, UG, INCUG ( INCLUI UNIDADE GESTORA ) USUÁRIO: ==> IDENTIFICAÇÃO UG :XXXXXX MNEMONICO:XXXXXX NOME :XXXXXX DOCUMENTOS AUTORIZADOS: (1) UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS VINCULADAS: (2)

165 instruções para o preenchimento: 1) DOCUMENTOS AUTORIZADOS = informar quais os documentos do SIAFEM/SP que a Unidade gestora está autorizada a emitir, quando for caso. 2) UNIDADES ORÇAMENTÁRIAS VINCULADAS = informar o número das Unidades Orçamentárias - UOs Vinculadas à Unidade Gestora que se pretende incluir na tabela, quando for o caso. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão. a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTUG - Altera Unidade Gestora >CONUG - Consulta Unidade Gestora >EXCUG - Exclui Unidade Gestora >LISUG - Lista Unidade Gestora >REAUG - Reativa Unidade Gestora UO - Unidade Orçamentária unidade da Administração que o orçamento do Estado consigna dotações específicas para a realização de seus programas de trabalho e sobre os quais exerce o poder de disposição; este módulo define quais as Unidades Orçamentárias que serão permitidas nas transações do SIAFEM/SP. para se processar a inclusão de uma Unidade Orçamentária na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCUO, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX TABELAS, UG, INCUO ( INCLUI UNIDADE ORÇAMENTÁRIA ) USUÁRIO: UNIDADE ORÇAMENTÁRIA : (1) NOME UNIDADE GESTORA GESTÃO : (2) : (3) : (4) instruções para o preenchimento: 1) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA = informar o número, com 5 dígitos, da UO que se pretende cadastrar. 2) NOME = informar o nome da UO. 3) UNIDADE GESTORA = informar o número, com 6 dígitos, da Unidade Gestora Orçamentária vinculada à UO. 4) GESTÃO = informar a gestão à qual se vincula a Unidade Gestora Orçamentária citada no item anterior. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão.

166 a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTUO - Altera Unidade Orçamentária >EXCUO - Exclui Unidade Orçamentária >LISUO - Lista Unidade Orçamentária >REAUO - Reativa Unidade Orçamentária PROCESSO - Códigos de Processos este módulo define quais os códigos de processos que serão permitidos na transação do SIAFEM/SP; quando da emissão da Nota de Empenho, a UGE deverá informar um código de processo previamente cadastrado neste módulo. para se efetuar a inclusão de um código de processo na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCPROCESS, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX TABELAS, PROCESSO, INCPROCESS ( INCLUI PROCESSO ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA GESTÃO PROCESSO : XXXXXX : XXXXX : NOME : FINALIDADE : POSICIONE O CURSOR NO CAMPO E TECLE PF9 P/ OBTER INFORMAÇÕES DE PREENCHIMENTO instruções para o preenchimento: observar nota no rodapé da tela; cada Unidade Gestora deve montar e atualizar a sua tabela de processos; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTPROCESS - Altera Processo >CONPROCESS - Consulta Processo >EXCPROCESS - Exclui Processo >LISPROCESS - Lista Processo >REAPROCESS - Reativa Processo.

167 TIPGEN - Tipo de Inscrição Genérica este módulo define quais os tipos de Inscrição Genérica que serão permitidos nas transações do SIAFEM/SP; para se processar a inclusão de um tipo de Inscrição Genérica na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCTIPGEN, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-TABELAS, TIPGEN, INCTIPGEN ( INCLUI TIPO INSC.GENÉRICA ) USUÁRIO: TIPO INSCRIÇÃO GENÉRICA : (1) TÍTUTLO : (2) instruções para o preenchimento: 1) TIPO INSCRIÇÃO GENÉRICA = informar o tipo, com duas letras, se possível que tenha alguma coisa a ver com o título. 2) TÍTULO = informar o título que melhor identifique uma coleção de inscrições genéricas. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão. a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTTIPGEN - Altera Tipo de Inscrição Genérica >EXCTIPGEN - Exclui Tipo de Inscrição Genérica >LISTIPGEN - Lista Tipo de Inscrição Genérica >REATIPGEN - Reativa Tipo de Inscrição Genérica INSCGEN - Inscrição Genérica o cadastro de credores do SIAFEM/SP (CADBÁSICO) tem como chave de acesso o número do CNPJ ou CPF do credor. A tabela de inscrição genérica tem a função de cadastrar os credores que não possuem registro na Receita Federal. Tais como: pessoas estrangeiras, empresas e organismos internacionais, etc.; este módulo define quais inscrições genéricas serão permitidas nas transações do SIAFEM/SP;

168 para se processar a inclusão de uma inscrição genérica na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCINSCGEN, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX TABELAS, INSCGEN, INCINSCGEN ( INCLUI INSCRICAO GENERICA ) USUÁRIO: TIPO INSCRIÇÃO NÚMERO MNEMONICO TÍTULO : (1) : (2) : (3) : (4) POSSUI LISTA OU ANEXO? (5) (S= SIM N= NÃO) instruções para o preenchimento: 1) TIPO INSCRIÇÃO = informar o tipo de inscrição ( duas letras), previamente na tabela TIPGEN. 2) NÚMERO = informar o número, com 7 dígitos. 3) MNEMÔNICO = informar um nome abreviado para a inscrição genérica que melhor a identifique. 4) TÍTULO = informar o título e a finalidade da inscrição genérica com suficiência de detalhes. 5) POSSUI LISTA OU ANEXO? = informar de acordo com as opções constantes na tela. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão. a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTINSCGEN - Altera Inscrição Genérica >EXCINSCGEN - Exclui Inscrição Genérica >LISINSCGEN - Lista Inscrição Genérica >REAINSCGEN - Reativa Inscrição Genérica PLANOREG - Plano de Regionalização o Plano de Regionalização visa o desenvolvimento e a integração regional do Estado, mediante o estabelecimento de polos de irradiação e atração. É composto pela junção de várias regiões governamentais em uma região administrativa e seus respectivos municípios; para se processar a inclusão de um plano de regionalização na tabela, deve-se digitar

169 na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCPLANREG, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX - TABELAS, PLANOREG, INCPLANREG (INCLUI PLANO DE REGIONALIZAÇÃO) USUÁRIO: PLANO REGIONAL REGIÃO ADMINISTRATIVA REGIÃO GOVERNAMENTAL MUNICÍPIO : (1) : (2) : (3) instruções para o preenchimento: 1) REGIÃO ADMINISTRATIVA = informar o número com 3 dígitos, de uma região administrativa, previamente cadastrada no SIAFEM/SP. 2) REGIÃO GOVERNAMENTAL = informar o número com 3 dígitos, de uma região governamental, previamente cadastrada no SIAFEM/SP. 3) MUNICÍPIO = informar o número com 4 dígitos, de um município, previamente cadastrado no SIAFEM/SP. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão. a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTPLANREG - Altera Plano de Regionalização >EXCPLANREG - Exclui Plano de Regionalização >LISPLANREG - Lista Plano de Regionalização >REAPLANREG - Reativa Plano de Regionalização REGADM - Região Administrativa as regiões administrativas foram criadas para elevar a eficiência das unidades locais de prestação de serviços, por meio do encurtamento das linhas burocráticas de suprimento de recursos; para se processar a inclusão de uma região administrativa na tabela, deve-se

170 digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCREGADM, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-TABELAS, REGADM, INCREGADM (INCLUI REGIÃO ADMINISTRATIVA) USUÁRIO: REGIÃO ADMINISTRATIVA NOME : (1) : (2) instruções para o preenchimento: 1) REGIÃO ADMINISTRATIVA = informar o número com 3 dígitos, da uma região administrativa, a ser cadastrada no SIAFEM/SP. 2)NOME = informar o nome da região administrativa. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão. a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTREGADM - Altera Região Administrativa >EXCREGADM - Exclui Região Administrativa >LISREGADM - Lista Região Administrativa >REAREGADM - Reativa Região Administrativa REGGOV - Região Governamental as regiões governamentais foram criadas visando a tomada de decisões capazes de orientar o desenvolvimento econômico-social das diferentes regiões do Estado e reduzir excessiva concentração do progresso em torno de sua capital; para se processar a inclusão de uma região governamental na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCREGGOV, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-TABELAS, REGGOV, INCREGGOV (INCLUI REGIÃO ADMINISTRATIVA) USUÁRIO: REGIÃO GOVERNAMENTAL NOME : (1) : (2) instruções para o preenchimento:

171 1) REGIÃO GOVERNAMENTAL = informar o número com 3 dígitos, de uma região governamental a ser cadastrada. 2) NOME = informar o nome da região governamental. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão. a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTREGGOV - Altera Região Governamental >EXCREGGOV - Exclui Região Governamental >LISREGGOV - Lista Região Governamental >REAREGGOV - Reativa Região Governamental MUNICÍPIOS este módulo define quais os municípios que integrarão as regiões governamentais, administrativas e o plano regional; para se processar a inclusão de um município na tabela, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCMUN, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX-TABELAS, MUNICÍPIOS, INCMUN ( INCLUI MUNICÍPIO ) USUÁRIO: MUNICÍPIO NOME : (1) : (2) instruções para o preenchimento: 1) MUNICÍPIO = informar o número com 4 dígitos, do município a ser cadastrado. 2) NOME = informar o nome do município.. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão; a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTMUN - Altera Município >EXCMUN - Exclui Município >LISMUN - Lista Município por código >LISMUNNOME - Lista Município por nome >REAMUN - Reativa Município PLANCONTA - Plano de Contas

172 estruturação ordenada e sistematizada das contas utilizadas por uma entidade. Plano contém as diretrizes técnicas gerais e especiais que orientam os registros dos atos e fatos praticados na entidade; os requisitos a ser observados na sua elaboração são: técnica, homogeneidade, clareza e amplitude; conta contábil = completa o registro das transações contábeis de mesma natureza, aglutinadas sob um mesmo título; é a representação gráfica da relação débito/crédito de um determinado fato ou ato administrativo; a atualização do Plano de Contas está a cargo da Contadoria Geral do estado - CGE; devido à grande quantidade de contas cadastradas, esta tabela é impressa regularmente. Os usuários do SIAFEM/SP devem solicitar cópia ao Centro de Apoio ao Usuário - CAU da Contadoria Geral do Estado - CGE; para se processar a inclusão de uma conta contábil no plano, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCCONTA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: 1ª tela SIAFEMXX-TABELAS, PLANCONTA, INCCONTA ( INCLUI CONTA CONTÁBIL ) USUÁRIO: CÓDIGO DA CONTA DESCRIÇÃO (S/N) ESCRITURAÇÃO ( S/N) NOME DA CONTA CÓPIA CONTA : (1) : (2) : (3) : (4) : (5) instruções para o preenchimento: 1) CÓDIGO DA CONTA = informar o número com 9 dígitos, da conta a ser cadastrada. Este número deverá estar em conformidade com a atual estrutura do Plano de Contas. 2) DESCRIÇÃO (S/N) = o SIAFEM/SP reconhece dois tipos de contas, contas de escrituração e contas de não escrituração. Quando a conta a ser cadastrada for de escrituração, o campo descrição deve ser preenchido com a letra "S" (sim) e quando a conta for de não escrituração, preencher com "N" (não). A descrição é inerente a função da conta, natureza do saldo, etc. 3) ESCRITURAÇÃO (S/N) = digitar "S" se a conta informada é de escrituração, são as contas de menor nível na estrutura do Plano de Contas, nas quais são efetuados os registros contábeis.

173 Digitar "N" se a conta informada não é de escrituração, são as contas que agrupam os saldos das contas de escrituração a elas subordinadas. 4) NOME DA CONTA = informar o nome da conta. Após o preenchimento do nome, caso a conta a ser cadastrada seja de não escrituração, deve-se teclar ENTER e confirmar a inclusão. 5) COPIA CONTA = informar, quando for o caso, o número de uma conta já cadastrada. O SIAFEM/SP trará na tela todas as informações sobre a referida conta, permitindo ao usuário que efetue a alteração dos dados que se fizer necessária e permitindo, também, que se aproveite os demais dados para a nova conta. após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: 2ª tela SIAFEMXX-TABELAS, PLANCONTA, INCCONTA ( INCLUI CONTA CONTÁBIL ) USUÁRIO: CÓDIGO DA CONTA NOME DA CONTA :XXXXXXXXX :X...X ***I N D I C A D OR E S *** ENCERRAMENTO : (1) CONTRA PARTIDA : (2) CONTA CORRENTE : (3) PADRÃO : (4) TIPO SALDO : (5) (D-DÉBITO C-CRÉDITO) INVERSÃO SALDO : (6) (0-NÃO IVERTE 1-INVERTE SALDO) LANÇAMENTO GESTÃO : (7) (0-NÃO PERMITE 1-PERMITE GESTÃO TESOURO) LANÇAMENTO NLSALDO : (8) (0-TRANSFERE OU EXTINGUE SALDO) (1-NÃO TRANSFERE NEM EXTINGUE SALDO) (2-TRANSFERE MAS NÃO EXTINGUE SALDO) INTEGRAÇÃO BALANÇO : (9) (S-SIM N-NÃO) SISTEMA CONTÁBIL : (10) (P-PATRIMONIAL C-COMPENSAÇÃO) (F-FINANCEIRO O-ORÇAMENTÁRIO) TIPO ITEM DESPESA : (11) (00 GERAL 01 - OBRAS) EXERCÍCIO DA CONTA : (12) (1-EXERCÍCIO ATUAL 2-EXERCÍCIO ANTERIOR) GRUPO CONTÁBIL : (13) (00-GERAL 01-FORNECEDORES 02-OUTROS CREDORES) SIAFEM/SIAFÍSICO : (14) (0-SIAFEM 1-SIAFÍSICO 2-SIAFEM E SIAFÍSICO) instruções para o preenchimento: 1) ENCERRAMENTO = preencher com uma das opções:

174 0 - Conta de Movimento Mensal 1 - Conta de Abertura 2 - Conta de Encerramento mês Conta de Encerramento mês Não encerra e não transfere 2) CONTRA PARTIDA = informar a conta contábil, contra partida da conta a ser cadastrada, quando no item anterior (encerramento) foi informado o código de número 1, 2 ou 3. Nos demais casos, deixar em branco. 3) CONTA CORRENTE = informar o tipo de conta corrente, de acordo com a tabela constante no subsistema CONTAB, módulo ADMINISTRA e transação >MANUALCONT. 4) PADRÃO = informar o padrão, quando no item 3 - CONTA CORRENTE foi informado tipo 8 - Inscrição Genérica. Para consultar a tabela, utilizar a transação >LISTIPGEN. Nos demais casos, deixar em branco. 5) TIPO DE SALDO = informar conforme opções constantes na tela. Levar em consideração a natureza da conta. 6) INVERSÃO DE SALDO = informar conforme opções constantes na tela. 7) LANÇAMENTO GESTÃO = informar conforme opções constantes na tela. 8) LANÇAMENTO NL SALDO = informar conforme opções constantes na tela. 9) INTEGRAÇÃO BALANÇO = informar conforme opções constantes na tela. 10) SISTEMA CONTÁBIL = informar conforme opções constantes na tela. 11) TIPO ITEM DESPESA = informar conforme opções constantes na tela. 12) EXERCÍCIO DA CONTA = informar conforme opções constantes na tela. 13) GRUPO CONTÁBIL = informar conforme opções constantes na tela. 14) SIAFEM/SIAFÍSICO = informar conforme opções constantes na tela. após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: 3ª tela SIAFEMXX-TABELAS, PLANCONTA, INCCONTA ( INCLUI CONTA CONTÁBIL ) USUÁRIO: CONTA FUNÇÃO SALDO OBS. :X.X.X.X.X.XX.XX : (1) : (2) : (3) instruções para o preenchimento:

175 1) FUNÇÃO = informar qual a natureza das transações contábeis a serem lançadas nesta conta. 2) SALDO = informar a natureza e o que representa o saldo da conta. 3) OBS: Relatar qualquer observação que se faça necessária. após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: 4ª tela SIAFEMXX-TABELAS, PLANCONTA, INCCONTA ( INCLUI CONTA CONTÁBIL ) USUÁRIO: CONTA :X.X.X.X.X.XX.XX *** D E B I T A - S E *** CONFIRMA? (C/N/A) : (C-CONFIRMA N-NÃO CONFIRMA A-ALTERA) informar os atos ou fatos administrativos que devem ser levados a débito da conta. após o preenchimento, teclar ENTER que o sistema abrirá a seguinte tela: 5ª tela SIAFEMXX-TABELAS, PLANCONTA, INCCONTA ( INCLUI CONTA CONTÁBIL ) USUÁRIO: CONTA :X.X.X.X.X.XX.XX *** C R E D I T A - S E *** CONFIRMA? (C/N/A) : (C-CONFIRMA N-NÃO CONFIRMA A-ALTERA) informar os atos ou fatos administrativos que devem ser levados a crédito da conta.

176 após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTCONTA - Altera Conta Contábil >CONCONTA - Consulta Conta Contábil >EXCCONTA - Exclui Conta Contábil >LISCONTA - Lista Conta Contábil >REACONTA - Reativa Conta Contábil. para verificar se determinada conta sofreu alguma alteração, utilizar a transação >CONMOVCONT; GERAREL - Equações do Balanço este módulo define as linhas de informação que aparecerão na montagem das seguintes demonstrações contábeis: BALANÇO FINANCEIRO BALANÇO PATRIMONIAL VARIAÇÃO PATRIMONIAL DEMONSTRAÇÃO DA EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA estas demonstrações são obtidas por meio da transação >BALANSINT, pertencente ao módulo CONSULTAS, subsistema CONTAB do sistema SIAFEM/SP; para se processar a inclusão de uma linha em uma das demonstrações contábeis relacionadas acima, deve-se digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCGERAREL, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: 1ª tela SIAFEMXX-TABELAS, GERAREL, INCGERAREL ( INCLUI EQUAÇÕES DO BALANÇO) USUÁRIO: ITEM TÍTULO : (1) : (2) EXISTE EQUAÇÃO? : (3) (S-SIM N-NÃO) CÓDIGO VINCULADO : (4) IMPRIME PARA GESTÃO TESOURO? : (5) (S-SIM N-NÃO) instruções para o preenchimento: 1) ITEM = informar o número do item que se deseja incluir. Observar que este número obedece a uma estrutura, e que os dois primeiros dígitos define o tipo de demonstração contábil em consonância com a transação >BALANSINT. 2) TÍTULO = informar o nome da linha que aparecerá na demonstração contábil. 3) EXISTE EQUAÇÃO? = informar de acordo com as opções existentes na tela. A equação define contas cujos saldos deverão ser adicionados ou subtraídos

177 na linha fixada no item 1. Se não houver equação, o valor informado será a somatória dos itens conforme a estrutura definida. 4) CÓDIGO VINCULADO = informar, quando for o caso, o número de outro item da mesma demonstração contábil que tenha, necessariamente, o mesmo saldo que o item a ser incluido. 5) IMPRIME PARA A GESTÃO TESOURO? = informar de acordo com as opções existentes na tela. Na estrutura atual, informar sempre "S". após o preenchimento, teclar ENTER, e: se para a linha a ser incluída não existe equação, basta confirmar a inclusão. Caso exista equação o sistema abrirá a seguinte tela: 2ª tela SIAFEMXX TABELAS, GERAREL, INCGERAREL ( INCLUI EQUACAO DO BALANCO ) USUÁRIO: ITEM TÍTULO : XX.X.XX.XX.XX : XX MÊS CONTA OP DCS MÊS CONTA OP DCS MÊS CONTA OP DCS (1) (2) (3) (4) instruções para o preenchimento: 1) MÊS = informar o mês (2 dígitos) limite para o encerramento do exercício da conta contábil a ser informada. Em geral, informar o mês 14. 2) CONTA = informar a conta contábil, que pode ser de escrituração ou não. 3) OP = sinalizar com ( + ) se o saldo da conta informado deve ser adicionado ou ( - ) se o saldo deve ser subtraído. 4) DCS = informar D para saldo devedor que deva ser adicionado ou subtraído ou C para saldo credor. após o preenchimento, teclar ENTER e confirmar a inclusão; a atualização deste módulo está a cargo da Contadoria Geral do Estado - CGE; as demais transações que permitem ao usuário proceder a atualização deste Módulo, são: >ALTGERAREL - Altera Equações do Balanço >EXCGERAREL - Exclui Equações do Balanço >LISGERAREL - Lista Equações do Balanço.

178 DOCUMENTOS DO SIAFEM 1 - Objetivos demonstrar o correto preenchimento dos documentos utilizados no SIAFEM/SP; utilização: todas as Unidades Gestoras da Administração Direta e Indireta; a entrada de dados no sistema SIAFEM/SP é feita via terminal de computador, por meio de emissão de documentos eletrônicos. São eles: Nota de Dotação - ND; Nota de Crédito - NC; Nota de Reserva - NR; Nota de Empenho - NE; Nota de Lançamento - NL; Programação de Desembolso - PD; Guia de Recebimento para Depósitos na Conta "C" - GRDEPC; Ordem Bancária - OB. 2.1 Nota de Dotação - ND 2 - Procedimentos documento utilizado pelo sistema para: abrir créditos orçamentários previstos na Lei do Orçamento; incluir novos créditos orçamentários, abertos por Decretos; reduzir a dotação orçamentária, ordenada por Decreto; suplementar de forma automática a dotação orçamentária, por excesso de arrecadação ou superávit financeiro, quando a fonte de recursos não for Tesouro; contingenciar ou descontingenciar crédito inicial ou suplementar; efetuar reprogramação entre elementos da despesa orçamentária, etc. documento emitido pelo Gestor da Secretaria de Economia e Planejamento; para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >ND, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEORC, UG, ND (NOTA DE DOTAÇÃO) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (2) NÚMERO: AAAAND (3) UNIDADE GESTORA : COD.UG (4) GESTÃO : (5) TIPO REFERÊNCIA : (6) DOC.REF.: (7) DATA REF.: (8) EVENTO : (9) PROGRAMA FONTE NATUREZA PLANO UO TRABALHO RECURSO DESPESA UGR INTERNO V A L O R (10) (11) (12) (13) (14) (15) (16) OBSERVAÇÃO: (17)

179 instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA, campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior, quando necessário. 3) NÚMERO = número da ND, informado e controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade da Administração responsável pela realização da parcela do Programa de Trabalho contemplada em determinado crédito orçamentário. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) TIPO REFERÊNCIA = código de instrumento legal, que autoriza a emissão do documento: 01 - Lei; 02 - Medida Provisória; 03 - Decreto; 04 - Portaria; 05 - Transferência Constitucional; 09 - Outros. 7) DOC. REF. = é a indicação numérica do instrumento legal. 8) DATA REF. = é a data de publicação do instrumento legal. 9) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. Para a ND devem ser usados os eventos da classe 20.X.XXX. 10) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Orçamentária a qual a Unidade Gestora está subordinada. 11) PROGRAMA TRABALHO = código numérico de 17 dígitos, que define o Programa de Trabalho (ação de governo) que está sendo contemplado ou alterado pela ND. Este código consta na Lei do Orçamento. para consultar os programas de trabalho, utilizar a transação >LISPTRESUG. 12) FONTE RECURSO = código numérico de 9 dígitos, que define de qual fonte sairá o recurso para atender o programa de trabalho. São elas: 001XXXXXX - Tesouro; 002XXXXXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003XXXXXX - Fundo Especial de Despesa; 004XXXXXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005XXXXXX - Recursos Vinculados Federais; 006XXXXXX - Outras Fontes de Recursos; 007XXXXXX - Recursos de Operações de Crédito. para consultar as fontes de recursos cadastradas no SIAFEM/SP, utilizar a transação >LISFONTE. 13) NATUREZA DESPESA = código numérico de 6 dígitos, com a seguinte composição: X. X.XX.XX Elemento da Despesa Modalidade de Aplicação Grupo de Despesa Categoria Econômica

180 essa codificação é publicada anualmente pela Secretaria de Economia e Planejamento, por meio de Portaria CPO (Coordenadoria de Programação Orçamentária); 14) UGR = Unidade Gestora Responsável, repetir o código informado no item 4 - Unidade Gestora. 15) PLANO INTERNO = deixar em branco. 16) VALOR = informar o valor da dotação, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem a vírgula. 17) OBSERVAÇÃO = campo destinado ao histórico do lançamento efetuado Nota de Crédito - NC documento destinado ao registro da movimentação de créditos internos; distribui a dotação orçamentária, bem como suas alterações, consignada na Unidade Gestora Orçamentária - UGO para as Unidades Gestoras Executoras UGEs; operação conhecida por destaque concedido; documento emitido pela Unidade Gestora Orçamentária - UGO; para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >NC, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEORC, UG, NC (NOTA DE CRÉDITO) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (2) NÚMERO: AAAANC (3) UG EMITENTE : COD.UG EMITENTE (4) GESTÃO : (5) UG FAVORECIDA : (6) GESTÃO FAVORECIDA : (7) EVENTO : (8) PROGRAMA FONTE NATUREZA PLANO UO TRABALHO RECURSO DESPESA UGR INTERNO V A L O R (9) (10) (11) (12) (13) (14) (15) OBSERVAÇÃO: (16) instrução para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA, campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior, quando necessário. 3) NÚMERO = número da NC, informado e controlado pelo sistema. 4) UG EMITENTE = Unidade Gestora responsável pela realização da parcela do Programa de Trabalho contemplada em determinado crédito orçamentário. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) UG FAVORECIDA = Unidade Gestora que recebe por transferência da UG Emitente, a responsabilidade pela realização de parte de uma parcela do Programa de Trabalho. 7) GESTÃO FAVORECIDA = informar a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora favorecida. 8) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo.

181 Para a NC devem ser usados os eventos da classe 30.X.XXX. 9) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Orçamentária à qual a Unidade Gestora esta subordinada. 10) PROGRAMA TRABALHO = código numérico de 17 dígitos, que define o Programa de Trabalho (ação de governo) cuja parcela está sendo transferida da UG Emitente para a UG Favorecida. 11) FONTE RECURSO = código numérico de 9 dígitos que define de qual fonte sairá o recurso para atender o Programa de Trabalho. São elas: 001XXXXXX - Tesouro; 002XXXXXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003XXXXXX - Fundo Especial de Despesa; 004XXXXXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005XXXXXX - Recursos Vinculados Federais; 006XXXXXX - Outras Fontes de Recursos; 007XXXXXX - Recursos de Operações de Crédito. para consultar as fontes de recursos cadastradas no sistema SIAFEM/SP, utilizar a transação >LISFONTE. 12) NATUREZA DESPESA = código numérico de 6 dígitos, com a seguinte composição: X. X.XX.XX Elemento da Despesa Modalidade de Aplicação Grupo de Despesa Categoria Econômica essa codificação é publicada anualmente pela Secretaria de Economia e Planejamento, por meio de Portaria CPO (Coordenadoria de Programação Orçamentária); 13) UGR = Unidade Gestora Responsável, repetir o código informado no item 4 Unidade Gestora. 14) PLANO INTERNO = deixar em branco. 15) VALOR = informar o valor da dotação relativa à parte da UG Favorecida, preenchendo campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem vírgula. 16) OBSERVAÇÃO = campo destinado ao histórico do lançamento efetuado Nota de Reserva - NR documento destinado ao registro da reserva da dotação orçamentária e da cota financeira compromissada, para futuro empenhamento; a emissão da NR poderá ocorrer durante a abertura do processo de compras, obras e serviços em geral; as cotas financeiras reservadas nos meses anteriores deverão ser roladas para o mês corrente de contabilização, por meio da transação >ROLCOTRES; quando do cancelamento da NR, as cotas financeiras reservadas ficarão disponíveis de acordo com a posição atualizada do Cronograma de Cotas, ou seja: reserva original mais rolagem;

182 para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >NR, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEORC, UG, NR ( NOTA DE RESERVA ) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (2) NÚMERO: AAAANR (3) UNIDADE GESTORA : COD.UG (4) GESTÃO : COD.DA GESTÃO (5) EVENTO : (6) PTRES : (7) PROCESSO: (8) UO PROGRAMA FONTE NATUREZA PLANO TRABALHO RECURSO DESPESA UGR INTERNO V A L O R (9) (10) (11) (12) (13) (14) (15) CRONOGRAMA DA COTA MÊS VA L O R MÊS V A L O R (16) (17) OBSERVAÇÃO: (18) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA, campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior, quando necessário. 3) NÚMERO = número da NR, informado e controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade da Administração responsável pela realização da parcela do Programa de Trabalho contemplado em determinado crédito orçamentário. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) EVENTO = código numérico de 6 dígitos preenchido pelo sistema, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. Para a NR estão previstos os seguintes eventos: Reserva de Dotação Orçamentária; Reserva de Cota Financeira com a Dotação (Complementar); Processos com Reserva de Recursos (Complementar). 7) PTRES = Programa de Trabalho Resumido, campo numérico de 6 dígitos, montado com base no Programa de Trabalho. 8) PROCESSO = apor o número oriundo da inclusão por meio da transação >INCPROCESS.

183 9) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Orçamentária a qual a Unidade Gestora está subordinada. 10) PROGRAMA TRABALHO = código numérico de 17 dígitos, que define o Programa de Trabalho (ação de governo) para o qual está sendo reservada a dotação orçamentária. 11) FONTE RECURSO = código numérico de 9 dígitos, que define de qual fonte sairá o recurso para atender o Programa de Trabalho. São elas: 001XXXXXX - Tesouro; 002XXXXXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003XXXXXX - Fundo Especial de Despesa; 004XXXXXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005XXXXXX - Recursos Vinculados Federais; 006XXXXXX - Outras Fontes de Recursos; 007XXXXXX - Recursos de Operações de Crédito. para consultar as fontes de recursos cadastradas no SIAFEM/SP, utilizar a transação >LISFONTE. 12) NATUREZA DESPESA = código numérico de 6 dígitos, com a seguinte composição: X. X.XX.XX Elemento da Despesa Modalidade de Aplicação Grupo de Despesa Categoria Econômica essa codificação é publicada anualmente pela Secretaria de Economia e Planejamento, por meio de Portaria CPO (Coordenadoria de Programação Orçamentária); 13) UGR = Unidade Gestora Responsável, informar o código da UGO à qual a Unidade Gestora pertence. 14) PLANO INTERNO = deixar em branco. 15) VALOR = informar o valor da Reserva, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem vírgula. 16) MÊS = informar o(s) mês(es) para o(s) qual(is) o(s) valor(es) será(ão) reservado(s). 17) VALOR = informar o valor mensal da reserva. 18) OBSERVAÇÃO = campo destinado ao histórico do lançamento efetuado Nota de Empenho - NE documento utilizado para registrar o comprometimento da despesa, bem como, quando necessário, o reforço ou a anulação deste comprometimento; a sua emissão está condicionada à existência de dotação orçamentária e cota financeira disponível; o favorecido do empenho deve estar cadastrado na Tabela de Credores do SIAFEM/SP; a emissão da Nota de Empenho - NE é responsabilidade do Ordenador de Despesa da UGE;

184 para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >NE, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: tela 1 SIAFEMXX EXEORC, UG, NE ( NOTA DE EMPENHO ) USUÁRIO: (1) UNIDADE GESTORA : COD.UG (2) GESTÃO : GESTÃO DA UG (3) CÓDIGO EVENTO : (4) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA, campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade da Administração responsável pela execução da parcela do Programa de Trabalho. É necessário que possua crédito orçamentário, por meio da ND (orçamento original) ou NC (destaque concedido) e cota financeira disponível. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. Para a NE devem ser usados os eventos da classe 40.X.XXX. após teclar ENTER, que o sistema abrirá uma nova tela: tela 2 SIAFEMXX EXEORC, UG, NE ( NOTA DE EMPENHO ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (1) NÚMERO : AAAANE (2) UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG CNPJ/CPF/UG CREDOR: (3) GESTÃO CREDOR : (4) EVENTO : EMPENHO DA DESPESA PT RESUMIDO : (5) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA : (6) PROGRAMA TRABALHO : (7) FONTE RECURSO : (8) NATUREZA DESPESA : (9) UG ORÇAMENTÁRIA : (10) COD.DO MUNICÍPIO : (11) ACORDO : (12) MODALIDADE : (13) LICITAÇÃO : (14) REFERÊNCIA LEGAL : (15) ORIGEM MATERIAL : (16) NÚMERO PROCESSO : (17) VALOR : (18) LOCAL DE ENTREGA DATA DE ENTREGA (19) (20) TIPO DE EMPENHO : 1-REPASSE FINANCEIRO 2-SUPRIMENTO INDIVIDUAL 3-SUBVENÇÃO SOCIAL 9-DESPESA NORMAL

185 instruções para o preenchimento: 1) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior, quando necessário. 2) NÚMERO = número da NE, informado e controlado pelo sistema. 3) CNPJ(CGC)/CPF/UG CREDOR = preencher este campo com o código do credor previamente cadastrado no sistema, quando necessário. Referido cadastro é efetuado por intermédio da transação >INCCREDOR, sendo sua validação efetivada após a conferência dos dados informados junto ao Banco Nossa Caixa S/A. Quando se tratar de pessoas ou empresas estrangeiras, que não possuem documento provisório, solicitar à Contadoria Geral do Estado a criação de Inscrição Genérica. 4) GESTÃO CREDOR = se a informação preenchida no campo anterior se referir a uma UG, é necessário informar o código da respectiva gestão. 5) PT RESUMIDO = código numérico de 6 dígitos, montado com base no Programa de Trabalho. Ao preencher este campo, deixar em branco os campos: UNIDADE ORÇAMENTÁRIA e PROGRAMA DE TRABALHO. 6) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Orçamentária a qual a Unidade Gestora está subordinada. 7) PROGRAMA TRABALHO = código numérico de 17 dígitos, que define o Programa de Trabalho (ação de governo) para o qual o empenho está sendo emitido. 8) FONTE RECURSO = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte da qual sairá o recurso para atender ao empenho. São elas: 001XXXXXX - Tesouro; 002XXXXXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003XXXXXX - Fundo Especial de Despesa; 004XXXXXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005XXXXXX - Recursos Vinculados Federais; 006XXXXXX - Outras Fontes de Recursos; 007XXXXXX - Recursos de Operações de Crédito. para consultar as fontes de recursos cadastradas no SIAFEM/SP, utilizar a transação >LISFONTE. 9) NATUREZA DESPESA = código numérico de 8 dígitos, com a seguinte composição: X. X. XX. XX. XX Item de Despesa Elemento de Despesa Modalidade de Aplicação Grupo de Despesa Categoria Econômica essa codificação é publicada anualmente pela Secretaria de Economia e Planejamento, por meio de Portaria CPO (Coordenadoria de Programação Orçamentária);

186 10) UG RESPONSÁVEL = informar o código da UGO à qual a Unidade Gestora pertence. 11) COD. MUNICÍPIO = informar o código do município conforme Tabela de Regionalização, onde se vai efetuar a despesa. a Tabela de Regionalização pode ser consultada no SIAFEM/SP por meio da transação >LISPLANREG, LISMUN e LISMUNNOME. 12) ACORDO = deixar em branco. 13) MODALIDADE = informar a modalidade do empenho, a saber: 1 = Ordinário (desembolso único, não aceita reforço); 3 = Estimativo (despesa com valor incerto, aceita reforço); 5 = Global (diversos desembolsos, não aceita reforço). 14) LICITAÇÃO = informar o tipo de Licitação, a saber: 0 = Adiantamento; 1 = Concurso; 2 = Convite; 3 = Tomada de Preços; 4 = Concorrência; 5 = Dispensa de Licitação; 6 = Inexigível; 7 = Leilão; 8 = Adjudicação; 9 = não aplicável. 15) REFERENCIA LEGAL = campo vinculado ao anterior ( Licitação ). 16) ORIGEM MATERIAL = informar a origem do material a ser adquirido, conforme: 1 - Nacional; 2 - Material estrangeiro adquirido no mercado interno; 3 - Material estrangeiro adquirido fora do país. Caso o empenho se referir a serviços, não preencher o campo. 17) NUMERO PROCESSO = informar o número do processo. Caso não esteja cadastrado, incluí-lo por intermédio da transação >INCPROCESS. 18) VALOR = informar o valor do empenho, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem vírgula. 19) LOCAL DE ENTREGA = informar o local onde a mercadoria deverá ser entregue ou onde o serviço será prestado. 20) DATA DE ENTREGA = informar a data de entrega prevista. teclar ENTER novamente que o sistema abrirá a seguinte tela: tela 3 SIAFEMXX, EXEORC, UG, NE (NOTA DE EMPENHO) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO :AAAANE CRONOGRAMA MENSAL MÊS V A L O R (1) (2) VALOR DO EMPENHO: (3)

187 instruções para o preenchimento: 1) MÊS = informar o mês ou meses, previsto(s) para a ocorrência do gasto. 2) VALOR = informar o valor do gasto para o mês ou meses, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem vírgula. 3) VALOR DO EMPENHO = campo preenchido pelo sistema, este valor tem que ser igual ao valor informado no item nº 18 da tela 2 da NE, e igual à soma das parcelas informadas acima. teclar ENTER e surgirá a tela 1 preenchida, que se confirmada demonstrará a numeração seqüencial do empenho emitido; em continuação teclar ENTER novamente que o sistema abrirá uma nova tela: tela 4 SIAFEMXX EXEORC, UG, NE ( NOTA DE EMPENHO ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA GESTÃO NÚMERO : COD.UG : GESTÃO DA UG : AAAANEXXXXX ITEM UNID.MEDIDA QTD PREÇO UNITÁRIO PREÇO TOTAL 001 (1) (2) (3) (4) (5) VALOR TOTAL DO EMPENHO : (7) VALOR TOTAL JÁ DESCRITO : (8) DESCRIÇÃO (6) instruções para o preenchimento: 1) ITEM = número seqüencial preenchido e controlado pelo sistema. 2) UNID. MEDIDA = informar a unidade de medida (peça, metro, quilo, etc.) do bem ou do serviço que está sendo empenhado. 3) QTD.= informar a quantidade a ser adquirida em bens ou serviços. 4) PREÇO UNITÁRIO = informar o preço unitário do bem ou serviço que está sendo empenhado. 5) PREÇO TOTAL = valor fornecido pelo sistema com base na informação dos campos: 3 - (Quantidade), multiplicado pelo 4 - (Preço Unitário). 6) DESCRIÇÃO = descrever o bem ou serviço objeto do empenho com suficiência de detalhes. 7) VALOR TOTAL DO EMPENHO = campo informado pelo sistema após o término da descrição do último item do empenho. 8) VALOR TOTAL JÁ DESCRITO = campo informado pelo sistema após o término da descrição de cada item componente do empenho. a descrição dos itens da NE é obrigatória, inclusive para atender a legislação; para detectar a inexistência da descrição (tela 4 não preenchida), consultar a transação >LISDESCNE. Caso haja NE sem descrição acessar a transação >INCDESCNE e processar a inclusão.

188 2.5 - Nota de Lançamento - NL documento utilizado pelo sistema para registrar os atos e fatos administrativos de natureza contábil (financeira, orçamentária, patrimonial e de compensação), que não possuam documentos específicos para tal; para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >NL, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: tela 1 SIAFEMXX EXEFIN, UG, NL ( NOTA DE LANÇAMENTO ) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (2) NÚMERO : AAAANL (3) UNIDADE GESTORA : COD.UG (4) GESTÃO : (5) CGC/CPF/UG FAVORECIDA : (6) GESTÃO FAVORECIDA : (7) EVENTO INSCRIÇÃO DO EVENTO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (8) (9) (10) (11) (12) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA, campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior, quando necessário. 3) NÚMERO = número da NL, informado e controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define o órgão da Administração para o qual está sendo efetuado o lançamento. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) CNPJ(CGC)/CPF/UG FAVORECIDA = preencher este campo com o código do credor ou da UG Favorecida previamente cadastrados no sistema. 7) GESTÃO FAVORECIDA = caso a informação anterior seja relativa a uma UG, informar código da respectiva gestão. Nos demais casos, não preencher. 8) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. 9) INSCRIÇÃO DO EVENTO = informar a conta corrente contábil, quando o evento exigir. 10) CLASSIFICAÇÃO = informar o código da conta contábil, quando o evento exigir. 11) FONTE = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte da qual sairá o recurso. Informar sempre que o evento exigir. 12) VALOR = informar o valor do lançamento, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem a vírgula.

189 após, teclar ENTER, que o sistema abrirá uma nova tela; tela 2 SIAFEMXX EXEFIN, UG, NL ( NOTA DE LANÇAMENTO ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG CGC/CPF/UG FAVORECIDA : GESTÃO FAVORECIDA : OBSERVAÇÃO: (1) instruções para o preenchimento: 1) OBSERVAÇÃO = informar o histórico do lançamento com suficiência de detalhes. 2.6 Programação de Desembolso PD documento utilizado para registrar todas as obrigações financeiras da Administração, a serem pagas pela Conta Única; deve ser emitido pelas UGEs (Unidade Gestora Executora) após a liquidação da despesa; sua emissão é base para a confecção da Programação Financeira da Gestão responsável pela UGE; para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >PD, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, PD ( PROGRAMAÇÃO DESEMBOLSO ) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (2) DATA VENCIMENTO:(3) NÚMERO:AAAAPD(4) UNIDADE GESTORA : COD.UG (4) GESTÃO : (5) LISTA OU ANEXO: (7) NL REFE.: (8) PAGADORA UG : (9) GESTÃO : (10) BANCO : (11) AGÊNCIA: (12) CONTA CORRENTE: ÙNICA (13) FAVORECIDO CGC/CPF/UG : (14) GESTÃO : (15) BANCO : (16) AGÊNCIA: (17) CONTA CORRENTE: (18) PROCESSO : (19) VALOR: (20) FINALIDADE : (21) EVENTO INSCRIÇÃO DO EVENTO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (22) (23) (24) (25) (26)

190 instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA, campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema, podendo ser alterada para uma data anterior, quando necessário. 3) DATA VENCIMENTO = informar a data de vencimento da obrigação. 4) NÚMERO = controlado pelo sistema. 5) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora responsável pela liquidação do empenho que gerou a obrigação. 6) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Gestão da Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 7) LISTA OU ANEXO = preencher este campo quando: LISTA - o credor é identificado por meio de Inscrição Genérica (ver 2.6.1),especificamente criada para lista. ANEXO - o credor é uma Unidade Gestora - UG integrante da Conta Única (Empresas ou Entidades da Administração Estadual). (ver 2.6.2). 8) NL REF. = informar o número da NL de liquidação de despesa orçamentária, que gerou a obrigação de pagamento. Nos demais casos, não preencher o campo. 9) PAGADORA UG = informar o código da UGF - Unidade Gestora Financeira responsável pelo pagamento. 10) GESTÃO = informar o código da gestão responsável pela Unidade Gestora Financeira. 11) BANCO = deixar em branco. 12) AGÊNCIA = deixar em branco. 13) CONTA CORRENTE = preenchido pelo sistema com a palavra "ÚNICA". 14) FAVORECIDO CNPJ(CGC)/CPF/UG = informar o código do credor previamente cadastrado no sistema. 15) GESTÃO = quando o favorecido for uma UG - Unidade Gestora, informar o código da gestão responsável pela mesma. 16) BANCO = ver nota constante do item nº ) AGÊNCIA = ver nota constante do item nº ) CONTA CORRENTE = ver nota a seguir: NOTA = Quando o pagamento tiver como favorecido um credor cadastrado no sistema por meio de CNPJ(CGC) ou CPF, os campos de nºs. 16,17 e 18 não precisam ser informados, pois ao final do preenchimento da tela, o sistema abre uma "janela", relacionando as contas bancárias cadastradas para o credor, bastando, então, posicionar o cursor na conta desejada e pressionar a tecla "ENTER". Quando o favorecido for identificado por código de UG e Gestão, os campos de nºs.16 e 17 devem ficar em branco e o de nº 18 virá preenchido pelo sistema com a palavra "ÚNICA". Nos pagamentos em que a Unidade Gestora necessita de autenticação mecânica nos documentos, o campo nº 18 deve ser preenchido com a palavra "BANCO". Nos pagamentos de despesas de valor igual ou inferior a 100 UFESPs, o campo nº 18 pode ser preenchido com a palavra "SAQUE", desde que esta informação conste no cadastro do credor favorecido. Este procedimento permite que o credor receba em dinheiro no caixa da agência bancária.

191 19) PROCESSO = informar o número do processo relativo ao pagamento a ser efetuado, cadastrado por intermédio da transação INCPROCESS. 20) VALOR = informar o valor total a ser pago, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto(s) e sem vírgula. 21) FINALIDADE = informar o histórico do lançamento com suficiência de detalhes. 22) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. Para as PDs devem ser usados os eventos da classe 70.X.XXX. Apesar de haver 3 campos para colocação de evento, é recomendável que se utilize apenas 1(um) para cada PD. 23) INSCRIÇÃO DO EVENTO = informar a conta corrente contábil, quando o evento exigir. 24) CLASSIFICAÇÃO = informar o código da conta contábil quando o evento exigir. 25) FONTE = campo de preenchimento facultativo. Se preenchido, a fonte deve ser a mesma informada na respectiva Nota de Empenho - NE. 26) VALOR= informar o valor a ser pago, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem ponto(s) e sem vírgula Lista - Cadastramento utilizar para pagamentos em quantidade relevante de credores cadastrados no SIAFEM/SP, por intermédio de um único empenho identificado por uma Inscrição Genérica, tipo PF, criada pela CGE; para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCLISTA, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: tela 1 SIAFEMXX EXEFIN, LISTA, INCLISTA ( INCLUI CREDORES NA LISTA ) USUÁRIO: (1) UNIDADE GESTORA : COD.UG (2) GESTÃO : (3) NOME DA LISTA : (4) COPIAR DA LISTA : (5) ESCOLHA O BANCO DOS CREDORES DA LISTA (6) ( ) BANCO DA CONTA ÚNICA NCNB ( ) OUTROS BANCOS instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA, campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define o órgão da Administração para o qual está sendo efetuado o lançamento. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) NOME DA LISTA = informar um nome para a lista, que melhor a identifique. 5) COPIAR DA LISTA = caso haja alguma lista já cadastrada para a Unidade Gestora e esta atender à necessidade do pagamento, informar o número da mesma. Nos casos de inclusão de uma nova lista, deixar em branco. 6) ESCOLHA O BANCO DOS CREDORES DA LISTA = sinalizar por meio de um "X", se pagamento será efetuado pelo Banco Nossa Caixa S.A ou outros bancos. OBS: Para cada Banco deve ser emitida uma Lista. Para cada Lista deve ser emitida uma Programação de Desembolso - PD.

192 após, teclar ENTER, que o sistema abrirá uma nova tela; tela 2 SIAFEMXX EXEFIN, LISTA, INCLISTA ( INCLUI CREDORES NA LISTA ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG LISTA : AAAALI (1) NOME DA LISTA : CREDOR V A L O R : (2) : (3) TOTAL DE CREDORES : (4) TOTAL DA LISTA : (5) instruções para o preenchimento: 1) LISTA = número informado e controlado pelo SIAFEM/SP. 2) CREDOR = informar o código do credor cadastrado no sistema por meio de CNPJ(CGC)/CPF. 3) VALOR = informar o valor a ser pago ao credor, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem vírgula. 4) TOTAL DE CREDORES = quantidade de credores incluídos na lista, informado e controlado pelo SIAFEM/SP. 5) TOTAL DA LISTA = soma dos valores a serem pagos aos credores, informado e controlado pelo SIAFEM/SP. caso algum pagamento da LISTA não seja efetivado, devem ser acionadas as seguintes providências: o Banco deve devolver apenas o valor correspondente à parcela não paga, efetuando um crédito na Conta "C"; o Gestor deve emitir GRDEPC no mesmo valor; o Gestor deve detectar o problema pelo não pagamento ao credor e emitir uma nova PD, após a transferência do recurso devolvido para a Conta Única. a manutenção no cadastro de "LISTA" deve ser efetuada por meio das opções: ALTLISTA = altera credores da lista; EXCLISTA = exclui credores da lista; LISLISTA = lista credores da lista; REALISTA = reativa credores da lista;

193 Anexo - Cadastramento utilizar sempre que ocorrer pagamentos entre Unidades Gestoras Executoras; para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >INCANEXO, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: tela 1 SIAFEMXX-EXEFIN, ANEXO, INCANEXO ( INCLUI FATURAS NO ANEXO ) USUÁRIO: (1) UNIDADE GESTORA : (2) GESTÃO : (3) NOME DO ANEXO : (4) COPIAR DO ANEXO : (5) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA, campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define o órgão da Administração para a qual está sendo efetuado o lançamento. 3) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 4) NOME DO ANEXO = informar um nome para o ANEXO, que melhor o identifique. 5) COPIAR DO ANEXO = caso haja algum ANEXO já cadastrado para a Unidade Gestora, e este atenda à necessidade do pagamento, informar o número do mesmo. No caso de inclusão de um novo ANEXO, deixar em branco. após teclar ENTER, que o sistema abrirá uma nova tela: tela 2 SIAFEMXX EXEFIN, ANEXO, INCANEXO ( INCLUI FATURAS DO ANEXO ) USUARIO: UNIDADE GESTORA GESTAO ANEXO NOME DO ANEXO : COD.UG : COD.DA GESTAO : AAAAAN (1) : FATURA : (2) DATA DA FATURA : DDMMMAAAA (3) HISTORICO : (4) VALOR : (5) FATURAS INCLUIDAS : (6) VALOR DESCRITO : (7)

194 instruções para o preenchimento: 1) ANEXO = número informado e controlado pelo SIAFEM/SP. 2) FATURA = informar o número da fatura ou do documento a ser pago. 3) DATA DA FATURA = informar a data de emissão da fatura ou do documento a ser pago. 4) HISTÓRICO = informar o motivo que gerou a obrigação do pagamento. 5) VALOR = informar o valor a ser pago, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem vírgula. 6) FATURAS INCLUÍDAS = quantidade de faturas incluídas no ANEXO, informada e controlada pelo sistema SIAFEM/SP. 7) VALOR DESCRITO = soma dos valores das faturas ou dos documentos incluídos no ANEXO. a manutenção no cadastro de "ANEXO" deve ser efetuada por meio das opções: ALTANEXO = altera faturas do ANEXO; EXCANEXO = exclui faturas do ANEXO; LISANEXO = lista faturas do ANEXO; REAANEXO = reativa faturas do ANEXO; Guia de Recebimento para Depósitos na Conta "C" - GRDEPC documento utilizado pelo SIAFEM/SP para registrar os depósitos efetuados na conta bancária tipo "C" das Unidades Gestoras Financeiras - UGFs; sua emissão deve ocorrer após a certeza de que o valor foi depositado na Conta "C", comprovado por meio de depósito bancário ou cópia do extrato; os depósitos efetuados na Conta "C", geralmente, são oriundos de receitas, devolução de saldo de adiantamento, devolução de valores relativos a pagamentos não concluídos pelo Banco, depósitos de origem diversas, etc.; para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >GRDEPC, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, GRDEPC ( GR P/ DEPOS.CTA C UG FINANC. ) USUÁRIO: (1) DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA (2) NÚMERO : AAAAGR(3) DATA RECEBIMENTO : (4) UG EMITENTE : COD.UG EMITENTE (5) GESTÃO : (6) DOMICÍLIO BANCÁRIO BANCO : (7) AGÊNCIA : (8) CONTA CORRENTE : (9) FAVORECIDA UG FINANCEIRA : (10) GESTÃO : (11) EVENTO INSCRIÇÃO DO EVENTO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R (12) (13) (14) (15) (16) FINALIDADE: (17) ORDEM BANCÁRIA DE REFERÊNCIA: (18)

195 instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA, campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema. 3) NÚMERO = número da GRDEPC, informado e controlado pelo sistema. 4) DATA RECEBIMENTO = informar a data do depósito na Conta "C". 5) UG EMITENTE = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora responsável pela emissão da GRDEPC. 6) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 7) BANCO = informar o código do banco onde a conta "C" foi aberta. 8) AGÊNCIA = informar o código da agência onde a Conta "C" foi aberta. 9) CONTA CORRENTE = informar o código da Conta "C" junto à Agência Bancária. 10) UG FINANCEIRA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora Financeira - UGF titular da Conta "C". OBS: A Tabela de Cadastro dos Domicílios Bancários pode ser consultada no sistema SIAFEM/SP por meio da transação >LISDOMBAN. 11) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora Financeira - UGF. 12) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. Deve-se observar o que motivou o depósito na Conta "C" para informar evento correto. 13) INSCRIÇÃO DO EVENTO = informar a conta corrente contábil, quando o evento a exigir. 14) CLASSIFICAÇÃO = informar o código da conta contábil, quando o evento exigir. 15) FONTE = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte da qual sairá o recurso. Informar sempre que o evento exigir. 16) VALOR = informar o valor do depósito, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem a vírgula. 17) FINALIDADE = informar o histórico do lançamento com suficiência de detalhes. 18) ORDEM BANCÁRIA DE REFERÊNCIA = quando o depósito efetuado for relativo a pagamentos não concluídos pelo Banco, informar o número da OB original. Nos demais casos, deixar em branco Ordem Bancária - OB documento utilizado pelo sistema para registro da movimentação do numerário entre contas bancárias; pode desdobrar-se em OB INTRA-SIAFEM/SP, quando a movimentação do numerário ocorrer de Conta Única para Conta Única, caso em que não há envolvimento da rede bancária, ou para transferir saldo da Conta "C" para a Conta Única; sua validação junto à rede bancária ocorre por meio magnético em um determinado momento, após o horário comercial, implicando em um crédito para o favorecido; comprova, para a Administração Estadual, a liquidação de uma obrigação; emitido automaticamente pelo sistema SIAFEM/SP, após a execução da Programação de Desembolso - PD, por meio da transação >EXEPD efetuada pelo Departamento de Finanças do Estado - DFE ou pelo Gestor Financeiro da Unidade; execuções de PDs com prioridade deverão ser autorizadas, por meio da transação >AUTORIZAOB; quando se tratar de OB INTRA -SIAFEM/SP, o Departamento de Finanças do Estado ou o Gestor Financeiro de cada Unidade deverá emitir o documento Ordem Bancária - OB;

196 nos casos de transferência de valores da Conta "C" para a Conta Única, é necessária a emissão do documento GRDEPC, certificando, porém, previamente, se o valor depositado na Conta "C" está disponível para saque; para isto, basta digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >OB, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, OB ( ORDEM BANCARIA ) USUARIO: (1) DATA EMISSAO : DDMMMAAAA (2) NUMERO : AAAAOB (3) UNIDADE GESTORA : COD.UG (4) GESTÃO : COD.DA GESTÃO (5) DOMICILIO BANCARIO EMITENTE BANCO: (6) AGENCIA: (7) CONTA CORRENTE: (8) FAVORECIDO CGC/CPF/UG GESTÃO : (9) : (10) DOMICILIO BANCARIO FAVORECIDO BANCO: (11) AGENCIA: (12) CONTA CORRENTE: (13) PROCESSO : (14) VALOR: (15) FINALIDADE : (16) EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (17) (18) (19) (20) (21) instruções para o preenchimento: 1) USUÁRIO = nome do usuário cadastrado no sistema NAVEGA, campo preenchido pelo sistema SIAFEM/SP com base na senha informada. 2) DATA EMISSÃO = informada pelo sistema. 3) NÚMERO = número da OB, informado e controlado pelo sistema. 4) UNIDADE GESTORA = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Unidade Gestora Financeira responsável pela emissão da OB. 5) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 6) BANCO = informar o código do banco, quando a OB se referir à transferência de valor da Conta "C" para a Conta Única. Quando se tratar de transferência de Única para Única, deixar em branco. 7) AGÊNCIA = informar o código da agência quando a OB se referir à transferência de valor da Conta "C" para a Conta Única. Quando se tratar de transferência de Única para Única, deixar em branco. 8) CONTA CORRENTE = informar o código da conta corrente tipo "C" quando a OB se referir à transferência de valor da Conta "C" para a Conta Única. Quando se tratar de transferência de Única para Única, preencher com a palavra Única. 9) FAVORECIDO = informar o código da UG Favorecida. Quando a OB for de transferência da Conta "C" para a Conta Única, deve-se repetir a informação do campo nº 4.

197 10) GESTÃO = informar o código da gestão favorecida. Quando a OB for de transferência da Conta "C" para Conta Única, deve-se repetir a informação do campo nº 5. 11) BANCO = deixar em branco. 12) AGÊNCIA = deixar em branco. 13) CONTA CORRENTE = preencher com a palavra ÚNICA. 14) PROCESSO = informar o número do processo ou número do documento, que ocasionou a emissão da OB. 15) VALOR = informar o valor total da transferência, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem a vírgula. 16) FINALIDADE = informar o histórico do lançamento com suficiência de detalhes. 17) EVENTO = código numérico de 6 dígitos, que define a classificação contábil do ato ou fato administrativo. 18) INSCRIÇÃO DO EVENTO = informar a conta corrente contábil, quando o evento exigir. 19) CLASSIFICAÇÃO = informar o código da conta contábil quando o evento exigir. 20) FONTE = código numérico de 9 dígitos, que define a fonte da qual sairá o recurso. Informar sempre que o evento exigir. São elas: 001 XXX XXX - Tesouro; 002 XXX XXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003 XXX XXX - Fundo Especial de Despesa; 004 XXX XXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005 XXX XXX - Recursos Vinculados Federais; 006 XXX XXX - Outras Fontes de Recursos; 007 XXX XXX - Recursos de Operações de Crédito. para consultar as fontes de recursos cadastradas no SIAFEM/SP, utilizar a transação >LISFONTE. 21) VALOR = informar o valor da OB, preenchendo o campo da esquerda para a direita, sem pontos e sem a vírgula.

198 EXECUÇÃO DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA FIXAÇÃO 1 - Objetivos descrever a rotina a ser observada para a execução da despesa orçamentária em seu 1º estágio, que é a Fixação; o processo inicia-se com a aprovação da Lei do Orçamento Anual - LOA, que fixa a despesa discriminando-a: por órgãos da Administração, consignando dotações próprias às Unidades Orçamentárias; por categoria econômica até o nível de elemento de despesa; a Lei do Orçamento inclui autorização para o Poder Executivo abrir créditos adicionais, a fim de atender despesas não computadas ou insuficientemente dotadas; Referidos créditos classificam-se como: Suplementares: destinados a reforçar a dotação orçamentária; Especiais: destinados às despesas que não receberam dotação orçamentária específica; Extraordinários: destinados às despesas imprevisíveis e urgentes, como as decorrentes de guerra, comoção interna ou calamidade pública; após a publicação da Lei do Orçamento é editado um Decreto fixando normas para a execução orçamentária e financeira e, em seguida, é expedida uma Portaria detalhando as etapas e passos a serem seguidos; utilização: todas as Unidades Gestoras Orçamentárias e Financeiras da Administração Direta e Indireta; 2 - Procedimentos 2.1 Fixação Inicial da Despesa executor: Secretaria de Economia e Planejamento; por meio da emissão da Nota de Dotação - ND (modelo incluso no título: Documentos do SIAFEM/SP, deste Manual) é feita a distribuição das dotações orçamentárias para as Unidades Gestoras Orçamentárias - UGOs, especificando: função, subfunção, programa, projeto e atividade; fonte de recurso não detalhada; natureza da despesa; a ND também é utilizada nas alterações orçamentárias, que ocorrem durante o exercício, sejam elas: reduções, remanejamentos internos, suplementações ou alterações no quadro de detalhamento da despesa; para efetivar a fixação inicial da despesa é utilizado o evento e para as demais transações orçamentárias os eventos da classe 20.0.XXX; as contas contábeis envolvidas são: do Sistema Orçamentário (grupos 192/292); do Sistema de Compensação (grupos 193/293 e, em alguns casos, grupos 196/296);

199 2.2 - Liberação da Cota Financeira executor: Coordenação da Administração Financeira - CAF, subordinada à Secretaria da Fazenda (UG Tesouro do Estado); a liberação de cota financeira às entidades integrantes do SIAFEM/SP, para atendimento de gastos à conta de recursos oriundos das fontes 001 Tesouro, é efetuada por meio da transação >LIBCOTA; SIAFEMXX EXEFIN, COTA, LIBCOTA ( LIBERA COTA FINANCEIRA ) USUARIO: NUMERO : AAAANL (1) DATA EMISSAO : DDMMMAAA UNIDADE GESTORA : (2) GESTAO : (3) UG FAVORECIDA : (4) GESTAO FAVORECIDA : (5) FONTE TESOURO : (6) CATEGORIA DE GASTO: (7) EVENTO : MÊS V A L O R (8) (9) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = deixar em branco. 2) UNIDADE GESTORA = código da Unidade Gestora (UG Tesouro do Estado). 3) GESTÃO = (Gestão da Administração Direta). 4) UG FAVORECIDA = informar o código da Unidade Gestora Orçamentária - UGO para a qual está sendo liberada a cota financeira. 5) GESTÃO FAVORECIDA = informar o código da gestão à qual pertence a UGO anteriormente citada. 6) FONTE = informar a fonte do recurso 001- Tesouro. 7) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria do gasto, após consulta no SIAFEM/SP, utilizando a transação >LISCATGAST. 8) MÊS = informar o mês ou meses (2 dígitos) para os quais está sendo liberada a cota financeira. 9) VALOR = informar o valor da cota financeira liberada para o mês correspondente. a redução ou cancelamento de liberação de cota financeira (UG Tesouro do Estado) deverá ser efetuada pela transação >CANLIBCOTA, após o cancelamento da distribuição de cota pela Unidade Gestora Orçamentária - UGO correspondente; Detalhamento da Fonte de Recursos executor: Gestor Orçamentário da Unidade; é obrigatório o detalhamento da fonte-mãe, relativa aos recursos vinculados estaduais, federais e aos fundos especiais de despesa (002/005/003),quando da carga inicial do orçamento e suplementações; a fonte mãe é representada pelos 3 primeiros dígitos e o detalhamento pelos 6 dígitos subseqüentes, (ex.: 005XXXXXX);

200 acessar a transação >LISFONTE para captura da fonte de recurso a ser detalhada; utilizar a transação >DETAFONTE; SIAFEMXX EXEORC., UG, DETAFONTE ( DETALHAMENTO DE FONTE ) USUARIO: NUMERO : AAAAND (1) DATA EMISSAO : DDMMMAAA UNIDADE GESTORA : COD.UGO GESTAO : GESTAO DA UGO UNIDADE ORCAMENTARIA : (2) PROGRAMA DE TRABALHO : (3) FONTE DE RECURSO : (4) NATUREZA DE DESPESA : (5) U.G.R : (6) PLANO INTERNO : (7) EVENTO DETALHAMENTO VALOR (8) (9) (10) OBSERVACAO: (11) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = deixar em branco. 2) UNIDADE ORÇAMENTÁRIA = informar a Unidade Orçamentária quando se tratar de Administração Direta e Gestão quando Administração Indireta. 3) PROGRAMA DE TRABALHO = informar o número completo do Programa de Trabalho (17 dígitos). 4) FONTE DE RECURSO = informar a fonte-mãe do recurso. 5) NATUREZA DE DESPESA = informar a natureza da despesa até o nível de elemento. 6) U.G. = informar a Unidade Gestora responsável. 7) PLANO INTERNO = deixar em branco. 8) EVENTO = informar o número dos eventos: para o detalhamento a ser reduzido (utilizar a 1ª linha); e para o detalhamento a ser suplementado (utilizar as linhas subseqüentes). 9) DETALHAMENTO = XXXXXX - utilizar a 1ª linha para o detalhamento de fonte a ser reduzido e as linhas subseqüentes para informar o detalhamento de fonte a ser suplementado. 10) VALOR = informar na 1ª linha o valor a ser reduzido da fonte-mãe e nas linhas subseqüentes, os valores a serem suplementados nos detalhamentos de fonte. 11) OBSERVAÇÃO = campo destinado ao histórico da transação.

201 2.4 - Disponibilização do Recurso Orçamentário para as UGE s utilização: Gestor Orçamentário; a disponibilização dos recursos orçamentários para as Unidades Gestoras Executoras - UGE s é efetuada por meio da emissão do documento Nota de Crédito - NC, sempre indicando a UGE Favorecida (modelo incluso no título: Documentos do SIAFEM/SP, deste manual). Deverão ser utilizados: na emissão, o evento ; no cancelamento, o evento ; após a emissão da NC, deverão ser utilizadas as transações: >DISCOTA, quando se referir a recurso da fonte 001; >DISDICOTA, quando se referir a recursos das demais fontes; Distribuição da Cota Financeira - Recurso da Fonte 001 executor: Gestor Orçamentário; após a liberação da cota financeira é necessário que a mesma seja distribuída ao longo do ano; para tanto, deve-se consultar a conta contábil Cota Financeira a Distribuir, onde estão alocados os valores a serem distribuídos e, para cada categoria de gasto, efetuar a transação >DISCOTA; SIAFEMXX EXEFIN, COTA, DISCOTA ( DISTRIBUI COTA FINANCEIRA ) USUARIO: NUMERO : AAAANL (1) DATA EMISSAO : DDMMMAAA UNIDADE GESTORA : COD.UGO GESTAO : GESTAO DA UGO UG FAVORECIDA : (2) GESTAO FAVORECIDA : (3) FONTE TESOURO : (4) CATEGORIA DE GASTO: (5) EVENTO : MÊS V A L O R (6) (7) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = deixar em branco. 2) UG FAVORECIDA = informar o código da Unidade Gestora para a qual está sendo feita a distribuição. 3) GESTÃO FAVORECIDA = informar o código da Gestão à qual pertence a Unidade Gestora. 4) FONTE = informar a fonte-mãe (001). 5) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto de acordo com a informação obtida na conta Cota de Despesa a Fixar. 6) MÊS = informar os meses (2 dígitos) para os quais se está distribuindo a cota. 7) VALOR = informar o valor da cota financeira que está sendo distribuída para o mês.

202 para remanejar o orçamento ou antecipar cotas, sempre de acordo com as Secretarias de Economia e Planejamento e da Fazenda, respectivamente: efetuar a transação >CANDISCOTA para cancelar a cota financeira já distribuída; realizar nova distribuição; Distribuição da Cota Financeira - Fonte Não Tesouro utilização: Gestor Orçamentário; após o detalhamento das fontes de recursos, é necessário efetuar distribuição da cota financeira ao longo do ano; para tanto, deve-se consultar a conta contábil Cota de Despesa a Fixar, onde estão alocados os valores a serem distribuídos e, para cada fonte de recurso e categoria de gasto, efetuar a transação >DISDICOTA; SIAFEMXX EXEFIN., COTA, DISDICOTA ( DISTRIBUICAO DIRETA COTA ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL (1) UNIDADE GESTORA : COD.UGO GESTÃO : GESTÃO DA UGO UG FAVORECIDA : (2) GESTÃO FAVORECIDA : (3) FONTE : (4) CATEGORIA DE GASTO: (5) EVENTO : MÊS V A L O R (6) (7) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = deixar em branco. 2) UG FAVORECIDA = informar o código da Unidade Gestora para a qual está sendo feita a distribuição. 3) GESTÃO FAVORECIDA = informar o código da Gestão à qual pertence a Unidade Gestora. 4) FONTE = informar a fonte de recursos que está sendo distribuída: Recursos Vinculados Estaduais, Recursos Vinculados Fundo Especial de Despesa, Recursos Próprios da Administração Indireta, Recursos Vinculados Federais, Operações de Crédito. 5) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto, de acordo com a informação obtida na conta Cota de Despesa a Fixar. 6) MÊS = informar os meses (2 dígitos) para os quais se está distribuindo a cota. 7) VALOR = informar o valor da cota financeira que está sendo distribuída para o mês. para remanejar o orçamento, sempre de acordo com a Secretaria de Economia e Planejamento, ou antecipar cotas: efetuar a transação >CANDISDICO; realizar nova distribuição;

203 2.7 - Reserva de Dotação Orçamentária utilização: Gestor Responsável da Unidade; antes da emissão da Nota de Reserva, cadastrar o processo, por meio da transação >INCPROCESS; a reserva da dotação orçamentária e da cota financeira compromissada para futuro empenhamento é efetuada por meio da emissão do documento Nota de Reserva - NR (modelo incluso no título: Documentos do SIAFEM/SP, deste Manual); a emissão da NR deverá ocorrer: quando da abertura de processos licitatórios; quando da necessidade de reservar orçamento para determinada despesa; as cotas financeiras reservadas nos meses anteriores poderão ser roladas para o mês corrente de contabilização por meio da transação >ROLCOTRES; antes, consultar a conta contábil Cota Financeira Reservada; SIAFEMXX EXEFIN., COTA, ROLCOTRES ( ROLAGEM DE COTA FINANCEIRA ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL (1) UNIDADE GESTORA : COD.UGO GESTÃO : GESTÃO DA UGO FONTE : (2) CATEGORIA DE GASTO: (3) EVENTO : MÊS A REDUZIR MÊS A SUPLEMENTAR V A L O R (4) (5) (6) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = deixar em branco. 2) FONTE = informar a fonte-mãe do recurso para o qual a reserva está sendo efetuada. 3) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto para a qual a reserva está sendo efetuada. 4) MÊS A REDUZIR = informar o mês (2 dígitos) em que a reserva de dotação não foi totalmente utilizada. 5) MÊS A SUPLEMENTAR = informar o mês para o qual está sendo transferida a cota reservada, ou parte dela. 6) VALOR = informar o valor que está sendo transferido. a disponibilização do recurso orçamentário, quando do devido empenhamento ou quando não mais for necessária a reserva, dar-se-à por meio do cancelamento da NR utilizando a transação >CANNR;

204 2.8 - Atos de Natureza Orçamentária que Auxiliam a Execução da Despesa utilização: Gestor Orçamentário; a cota financeira que não tenha sido distribuída no mesmo mês em que foi liberada, poderá-sê-la no mês seguinte, bastando o Gestor Orçamentário: consultar o saldo da conta contábil Cota Financeira a Distribuir, observando a fonte de recurso e a categoria de gasto; efetuar a transação > ROLCOTDIS; SIAFEMXX-EXEFIN., COTA, ROLCOTDIS ( ROLAGEM DE COTA A DISTRIBUIR ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL (1) UNIDADE GESTORA : COD.UGO GESTÃO : GESTÃO DA UGO FONTE : (2) CATEGORIA DE GASTO: (3) EVENTO : MÊS A REDUZIR MÊS A SUPLEMENTAR V A L O R (4) (5) (6) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = deixar em branco. 2) FONTE = informar a fonte-mãe do recurso para o qual está sendo feita a rolagem. 3) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto para a qual está sendo efetuada a rolagem. 4) MÊS A REDUZIR = informar o mês (2 dígitos) em que a liberação de cota foi efetuada. 5) MÊS A SUPLEMENTAR = informar o mês no qual será realizada a distribuição de cota. 6) VALOR = informar o valor que está sendo rolado.

205 o saldo da conta contábil Cota Financeira Distribuída, após o encerramento do mês, poderá ser rolado para o mês ou meses subseqüentes, bastando, o Gestor Orçamentário: consultar o saldo da conta Cota Financeira Distribuída, observando a fonte de recurso e a categoria de gasto; efetuar a transação >ROLCOTDBDA; SIAFEMXX EXEFIN, COTA, ROLCOTDBDA ( ROLAGEM DE COTA DISTRIBUIDA) USUARIO: NUMERO : AAAANL (1) DATA EMISSAO : DDMMMAAA UNIDADE GESTORA : COD.UGO GESTAO : GESTAO DA UGO UG FAVORECIDA : (2) GESTAO FAVORECIDA : (3) FONTE DE RECURSO : (4) CATEGORIA DE GASTO: (5) EVENTO : MÊS A REDUZIR MÊS A SUPLEMENTAR V A L O R (6) (7) (8) instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = deixar em branco. 2) UG FAVORECIDA = informar o código da Unidade Gestora para a qual está sendo efetuada a rolagem. 3) GESTÃO = informar o código da gestão à qual pertence a Unidade Gestora anteriormente citada. 4) FONTE = informar a fonte-mãe do recurso para o qual está se fazendo a rolagem. 5) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto para a qual está sendo efetuada a rolagem. 6) MÊS A REDUZIR = informar o mês (2 dígitos) em que há saldo na conta ) MÊS A SUPLEMENTAR = informar o mês para o qual se deseja suplementar a cota distribuída. 8) VALOR = informar o valor que está sendo rolado.

206 3 - Fluxograma ND - Fixação Inicial da Despesa INÍCIO ND FIXAÇÃO INICIAL DA DESPESA PROCESSO CONTINUA? N ESTORNO DA ND FIM s RECURSO FONTE 001 RECURSO FONTE 004 s N LIBCOTA LIBERA COTA FINANCEIRA DETAFONTE DETALHA FONTE MÃE N s PROCESSO CONTINUA? CANLIBCOTA CANCELA LIBERAÇÃO COTA RETIDA P/ POSTERIOR LIBERAÇÃO NC DISTR.ORǺ P/UGEs NC DISTR.ORǺ P/UGEs VÁRIAS UGE s N FIM VÁRIAS UGE s N FIM s s DISCOTA DISTR. COTA FINANC.P/UGE s DISDICOTA DISTR. COTA FINANC.P/UGE s FIM FIM

207 EXECUÇÃO DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA EMPENHO 1 - Objetivos descrever a rotina a ser observada para execução da despesa orçamentária em seu 2º estágio, que é o Empenho; empenho é o ato emanado de autoridade competente que cria para o Estado obrigação de pagamento pendente ou não de implemento de condição; o empenho da despesa não poderá exceder o limite dos créditos orçamentários concedidos; os créditos podem ser visualizados por meio de consulta no sistema SIAFEM/SP ou no SIAFÍSICO; para tanto, o usuário deverá digitar a transação >DETACONTA; Crédito Disponível; Dotação Orçamentária Reservada; Cota de Despesa Disponível a Empenhar; Cota Financeira Reservada; somente é possível a emissão da Nota de Empenho - NE, no SIAFEM/SP ou no SIAFÍSICO, quando houver saldo disponível na conta contábil e ; que tenha sido cadastrado o número do processo no SIAFEM/SP, por meio da transação >INCPROCESS; verificar se o objeto de empenhamento exige reserva de dotação; em caso positivo reservar por intermédio da transação >NR; para cada empenho será emitido um documento denominado Nota de Empenho - NE, que indicará a despesa, bem como a dedução desta do saldo da dotação própria; a maior parte da execução orçamentária da despesa é efetuada através do sistema SIAFÍSICO; O SIAFÍSICO é um sistema atrelado ao sistema SIAFEM/SP que, além de processar a execução orçamentária da despesa, visa: a uniformização de procedimentos relativos ao Cadastro de Fornecedores; a padronização da descrição de materiais e serviços; a transparência nas aquisições de materiais e serviços, colocando à disposição informações sobre preços, quantidades e freqüência de aquisições, por órgão da Administração; utilização: todas as Unidades Gestoras Orçamentárias e Financeiras da Administração Direta e Indireta.

208 2 - Procedimentos Relação das Despesas Processadas pelo Sistema SIAFÍSICO: CÓDIGO NOME DA DESPESA DA NATUREZA DE DESPESA Material de Consumo Material de Distribuição Gratuita Passagens e Despesas com Locomoção (exceto / 42/ 44/ 45) Serviços de Consultoria (exceto ) Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Física (exceto / 12/ 13/ 14/ 16/ 17/ 18) Serv.Limpeza, Vigilância e Outros - Pes.Jurídica Arrendamento Mercantil Outros Serviços de Terceiros - Pessoa Jurídica (exceto / 25/ 74/ 75/ 81/ 92/ 93/ 94) Despesas de exercícios anteriores (exceto / 17/ 18/ 19/ 20/ 21/ 22) Equipamentos e Material Permanente Aquisição de Produtos para Revenda Obs.: As demais despesas orçamentárias deverão ser processadas pelo SIAFEM/SP.

209 2.2 - Inclusão do Contrato Original - CT o CT é um documento obrigatório do sistema SIAFÍSICO, que antecede o empenho; para incluir um CT no sistema, é necessário que: o fornecedor esteja cadastrado no sistema SIAFEM/SP como credor; o fornecedor esteja cadastrado no CADFOR (Cadastro de Fornecedores) do sistema SIAFÍSICO; a despesa esteja cadastrada no CADMAT (Cadastro de Materiais e Serviços) do sistema SIAFÍSICO; após a certificação de que as condições descritas foram atendidas: o usuário deverá digitar na linha de comando do sistema SIAFÍSICO, a transação >INCCONTNE; teclar ENTER que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFÍSICOXX-CONTAB, CONTRATO, INCCONTNE ( INCLUI CT DE EMPENHO ORIGINAL ) DATA: / / HS: USUÁRIO: UASG : COD. UASG UNIDADE GESTORA : COD. UG GESTAO : GESTAO DA UG EXERCICIO : AAAA CNPJ/CPF FORNECEDOR : (1) OU UG/GESTAO: (2) / EVENTO : ( ) DESPESAS SEM RESERVA DE DOTAÇÃO (3) ( ) DESPESAS COM RESERVA DE DOTAÇÃO instruções para o preenchimento: 1) CNPJ/CPF FORNECE\DOR = informar o CNPJ ou CPF do fornecedor do material ou do prestador do serviço. 2) UG/GESTÃO = informar o código da UG e da GESTÃO do fornecedor do material ou do prestador do serviço quando o mesmo for órgão da Administração Estadual. 3) EVENTO = escolher o evento de empenhamento de acordo com a despesa a ser efetuada, com ou sem exigência de reserva de dotação. Para saber o evento consultar no SIAFEM/SP a transação >CONCOTA ( consulta conta contábil ), cuja composição é a natureza de despesa utilizada no empenhamento precedida do número 3 (três) ( representativo de despesa ), teclar ENTER, e verificar o campo "EXIGE RESERVA".

210 após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela : SIAFÍSICOXX-CONTAB, CONTRATO, INCCONTNE ( INCLUI CT DE EMPENHO ORIGINAL ) DATA: DDMMMAAAA HS: USUÁRIO: UASG : COD. UASG UG/GESTAO : COD. UG/GESTAO EVENTO: / CNPJ/CPF FORN. : UG/GESTAO FAV. : DATA DE EMISSAO : DDMMMAAAA FONTE : (1) PTRES : (2) NATUREZA DESPESA : (3) MUNICIPIO: (4) UGR OU UGO : (5) DATA ENTREGA PREVISTA : (6) LOCAL DA ENTREGA : (7) 1 SERVIÇO/ 2 MATERIAL: (8) ORIGEM: (9) MODALIDADE EMPENHO : (10) TIPO DE COMPRA/LICITACAO : (11) REFERENCIA LEGAL : (12) NUMERO PROCESSO : (13) NUMERO CONTRATO FORNEC : (14) NUMERO EDITAL : (15) VALOR A EMPENHAR : (16) instruções para o preenchimento: 1) FONTE = informar o código numérico da fonte de recursos que atenderá a despesa. São elas: 001XXXXXX - Tesouro; 002XXXXXX - Recursos Vinculados Estaduais; 003XXXXXX - Recursos Vinculados Fundo Especial de Despesa; 004XXXXXX - Recursos Próprios da Administração Indireta; 005XXXXXX - Recursos Vinculados Federais; 007XXXXXX - Operações de Crédito. 2) PTRES = informar o código do Programa de Trabalho Resumido, campo numérico de 6 dígitos baseado no Programa de Trabalho. 3) NATUREZA DA DESPESA = informar a classificação da despesa até nível de item (8 dígitos). 4) MUNICÍPIO = informar o código do município, conforme Tabela de Regionalização, onde será efetuada a despesa (4 dígitos). 5) UGR ou UGO = informar o código da Unidade Gestora responsável pela distribuição do orçamento. 6) DATA ENTREGA PREVISTA = informar a data prevista para entrega do material ou prestação do serviço (DDMMMAAAA). 7) LOCAL DE ENTREGA = informar o local da entrega do material ou prestação do serviço. 8) 1 - SERVIÇO/ 2 - MATERIAL = definir a referência do CT: prestação de serviço (1) ou compra de material (2). 9) ORIGEM MATERIAL = informar a origem do material a ser adquirido: 1 - Nacional; 2 - Material estrangeiro adquirido no mercado interno; 3 - Material estrangeiro adquirido fora do país. OBSERVAÇÃO: caso o CT se refira a serviço, deixar em branco.

211 10) MODALIDADE EMPENHO = informar a modalidade do empenho: 1 - Ordinário ( desembolso único, não aceita reforço); 3 - Estimativo ( despesa com valor incerto, aceita reforço); 5 - Global ( diversos desembolsos, não aceita reforço). 11) TIPO DE COMPRA/ LICITAÇÃO = informar o tipo de licitação: 0 - Adiantamento; 1 - Concurso; 2 - Convite; 3 - Tomada de Preços; 4 - Concorrência; 5 - Dispensa de Licitação; 6 - Inexigível; 7 - Pregão; 8 Adjudicação; 9 - Não aplicável. 12) REFERÊNCIA LEGAL = campo vinculado ao anterior. Quando for Dispensa de Licitação ou Inexigível, informar dispositivo legal correspondente; nos demais casos, informar o número do documento da licitação. 13) NÚMERO PROCESSO = informar o número do processo, previamente cadastrado no SIAFEM/SP. 14) NÚMERO CONTRATO FORNEC. = informar o número do contrato de fornecimento, quando houver. 15) NÚMERO EDITAL = informar o número do edital, quando for o caso. 16) VALOR A EMPENHAR = informar o valor a ser empenhado. após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a tela seguinte: SIAFÍSICOXX-CONTAB, CONTRATO, INCCONTNE ( INCLUI CT DE EMPENHO ORIGINAL ) DATA: DDMMMAAAA HORA: USUÁRIO: UASG : COD. UASG UG/GESTÃO : COD.UG/GESTÃO TIPO DE COMPRA : DATA EMISSÃO: DDMMMAAAA CRONOGRAMA MENSAL MÊS V A L O R (1) (2) VALOR CONTRATO: R$

212 instruções para o preenchimento: 1) MÊS = informar o(s) mês(es) previsto(s) para a entrega do material ou prestação do serviço. 2) VALOR = informar o valor correspondente ao(s) mês(es) previsto(s) para a entrega do material ou prestação do serviço. após o preenchimento da tela, será solicitada a confirmação: S = Sim N = Não A = Altera após a confirmação o sistema informará se a inclusão foi efetuada com sucesso, em caso positivo, informará também o número que o sistema SIAFÍSICO gerou para o CT na forma: AAAACTXXXXX Inclusão da Descrição do Contrato de posse do número do contrato, é necessário efetuar a descrição dos itens no mesmo, mediante especificação das despesas que serão realizadas; o usuário deverá, no sistema SIAFÍSICO, digitar na linha de comando a transação >INCDESCCT, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFÍSICOXX-CONTAB, CONTRATO, INCDESCCT ( INCLUI DESCRIÇÃO DE CONTRATO ) DATA: DDMMMAAAA HORA: USUÁRIO: UASG : COD. UASG UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : (1) CONTRATO : (2) instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual a Unidade Gestora pertence. 2) CONTRATO = informar o número do contrato (CT).

213 após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela, onde deverá ser informado o código do material ou serviço; SIAFÍSICOXX-CONTAB, CONTRATO, INCDESCCT ( INCLUI DESCRIÇÃO DE CONTRATO ) DATA: DDMMMAAAA HORA: USUÁRIO: UASG : COD. UASG UNIDADE GESTORA : COD.UG UG / GESTÃO : COD. UG/GESTÃO CONTRATO: AAAACTXXXXX PTRES FONTE NAT.DESP UGR PI CNPJ/CPF FAV. : UG/GESTÃO FAV. : ITEM ITEM DE UNID. QUANTIDADE PREÇO UNITÁRIO TOTAL DO ITEM MATERIAL FORN. 001 (1) (2) (3) (4), (5) SALDO A EMPENHAR: R$ TOTAL DO EMPENHO: R$ instruções para o preenchimento: 1) ITEM DE MATERIAL = informar o código do material ou serviço. Preencher o campo da esquerda para a direita somente com algarismos. Para consultar o cadastro, utilizar na linha de comando a transação >CONITEMMAT ( para material) ou >CONITEMSER (para serviços). teclar ENTER, posicionar o cursor no campo material ou serviço e acionar a tecla F1; Digitar o nome do material ou serviço, no singular; Teclar ENTER para que os itens cadastrados, relacionados com o material ou serviço informado, apareçam na tela; 2) UNID.FORNEC. = informar a unidade de fornecimento. Preencher o campo da esquerda para direita. Para consultar as unidades de fornecimento cadastradas, utilizar na linha de comando a transação >CONUNIDFOR. 3) QUANTIDADE = informar a quantidade de material ou serviço. Preencher o campo de valor inteiro, da esquerda para direita deixando as posições que não forem utilizadas em branco. Preencher o campo de valor fracionado, quando for o caso, do mesmo modo. 4) PREÇO UNITÁRIO = informar o preço unitário. Preencher do mesmo modo que o campo anterior (quantidade) observando valores inteiros e fracionados. 5) TOTAL DO ITEM = informar o total do item ( preço unitário X quantidade). Preencher o campo da esquerda para direita, sem pontos e sem a vírgula.

214 após o preenchimento do item, será solicitada a confirmação da inclusão: S = Sim N = Não A = Altera após a confirmação, o sistema abrirá uma tela para a descrição do próximo item, e assim sucessivamente, até que a soma dos totais dos itens atinjam o valor a ser empenhado Alteração/ Exclusão do Contrato Original - CT a alteração de um CT, cujo empenho não foi contabilizado, será procedida no sistema SIAFÍSICO, por meio da transação >ALTCONTNE; teclar ENTER e informar o número do CT a ser alterado; teclar ENTER e o sistema abrirá uma tela com os dados do CT onde será efetuada a alteração; teclar ENTER para confirmar ou não a alteração; S = Sim N = Não A = Altera a alteração da descrição de itens de um CT, cujo empenho não foi contabilizado, será procedida por meio da transação;> ALTDESCCT; teclar ENTER e informar o número do CT e do item a serem alterados; teclar ENTER e efetuar a alteração; teclar ENTER e confirmar a alteração; a exclusão do CT, (para o qual ainda não foi incluída nenhuma descrição), é feita por meio da transação >EXCCONTNE; teclar ENTER e informar o número do CT; teclar ENTER e certificar o CT a ser excluido; teclar ENTER e confirmar a exclusão; a exclusão de descrição de item de CT, cujo empenho não foi contabilizado, será procedida por meio da transação >EXCDESCCT; teclar ENTER e informar o número do CT e do item a serem excluidos; teclar ENTER e confirmar a exclusão Contabilização da Nota de Empenho - NE digitar na linha de comando do sistema SIAFÍSICO, a transação >CONTNE, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFÍSICOXX-CONTAB, EMPENHO, CONTNE ( CONTABILIZA EMPENHO ) DATA: DDMMMAAAA HORA: USUÁRIO: UNIDADE GESTORA GESTÃO DATA INICIAL DATA FINAL : COD.UG : GESTÃO DA UG : DDMMMAAAA : DDMMMAAAA (1)

215 instruções para o preenchimento: 1) DATA INICIAL/DATA FINAL = informar a data inicial e data final, no formato DDMMMAAAA. após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFÍSICOXX-CONTAB, EMPENHO, CONTNE ( CONTABILIZA EMPENHO ) DATA: DDMMMAAAA HORA: USUÁRIO: UG GESTÃO : COD.UG : GESTÃO DA UG EMPENHOS A CONTABILIZAR EMISSÃO NÚMERO EVENTO FORNECEDOR V A L O R DDMMMAAAA AAAACTXXXXX R$ DDMMMAAAA AAAACTXXXXX R$ ASSINALE COM X OS CONTRATOS A SEREM EMPENHADOS basta assinalar com X o CT(s) a ser(em) contabilizados; teclar ENTER e o sistema demonstrará na tela os CTs, um a um, e solicitará a confirmação ou não da contabilização; C = confirma N = Não confirma A = Altera após a confirmação, teclar ENTER que o sistema abrirá uma tela informando o número da Nota de Empenho - NE gerada para o respectivo CT Reforço do Empenho - SIAFÍSICO é possível reforçar o empenho de um CT já contabilizado, desde que: o CT original tenha sido contabilizado com a modalidade de empenho 3 (estimativo); o preço unitário do CT de reforço seja igual ao preço unitário do CT original; o valor do reforço não ultrapasse 25% do valor original; digitar na linha de comando do sistema SIAFÍSICO, a transação >INCCONTRE, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFÍSICOXX-CONTAB, CONTRATO, INCCONTRE ( INCLUI REFORÇO DE CT ORIG. ) DATA: / / HS: USUÁRIO: UASG : COD. UASG UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTAO : GESTAO DA UG EXERCICIO : AAAA CNPJ/CPF FORNECEDOR : OU UG/GESTAO: / ( 1 ) EVENTO : ( ) CONTRATO DE REFORÇO ( 2 ) ( ) REFORÇO DE EMPENHO ESTIMATIVO

216 instruções para o preenchimento: 1) CNPJ/CPF - FORNECEDOR = informar o CNPJ ou CPF do fornecedor ou, quando tratar-se de órgão componente da Administração do Estado, informar os códigos da UG e da GESTÃO. 2) EVENTO = assinale o evento objeto de reforço; observar se com ou sem exigência de reserva de dotação. após o preenchimento, teclar ENTER que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFÍSICOXX-CONTAB, CONTRATO, INCCONTRE ( INCLUI REFORÇO DE CT ORIG. ) DATA: DDMMMAAAA HS: USUÁRIO: UASG : COD. UASG UG/GESTAO : COD.UG GESTAO DATA EMISSAO : DDMMMAAAA CONTRATO ORIGINAL : (1) EMPENHO ORIGINAL : (2) CNPJ/CPF - FAVORECIDO : OU UG/GESTAO FAV.: / EVENTO : / NATUREZA DA DESPESA : (3) NUMERO DO PROCESSO : (4) VALOR : (5) instruções para o preenchimento: 1) CONTRATO ORIGINAL = informar o número do CT a ser reforçado. 2) EMPENHO ORIGINAL = informar o número da Nota de Empenho - NE a ser reforçada. 3) NATUREZA DESPESA = informar a natureza da despesa (a mesma informada no CT original). 4) NÚMERO PROCESSO = informar o número do processo. 5) VALOR = informar o valor do reforço. teclar ENTER para o sistema abrir uma tela contendo o cronograma mensal para o reforço; após o preenchimento da tela será solicitada a confirmação: S = Sim N = Não A = Altera observar o número do CT de reforço gerado; por meio da transação >INCDESCCT, informar o item ou itens do CT original, que serão reforçados, além do código da gestão e o número do CT de reforço; Observação: o item de material, a unidade de fornecimento e o preço unitário do CT de reforço devem ser iguais ao do CT original, ou seja, só é possível reforçar a quantidade; após a inclusão da descrição, contabilizar a NE, (transação >CONTNE).

217 2.7 - Impressão da Nota de Empenho - NE a impressão da Nota de Empenho - NE, tanto no sistema SIAFEM/SP como no sistema SIAFÍSICO é obtida por meio da transação >IMPNE; teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFÍSICOXX-CONTAB, EMPENHO, IMPNE ( IMPRESSÃO COM DESCRIÇÃO SIAGEM ) USUÁRIO: UG EMITENTE GESTÃO : COD.UG EMITENTE : GESTÃO DA UG EMITENTE NÚMERO : AAAANEXXXXX (1) OPÇÃO : (T-TESTE, I - IMPRESSÃO) (2) NÚMERO DE VIAS : (1 A 3) (3) ORDENADOR DE DESPESA : CPF (4) IMPRESSORA : (5) OBS: POSICIONAR O FORMULÁRIO DE NE COM A CABEÇA DA IMPRESSORA ACIMA DO PICOTE DO PAPEL instruções para o preenchimento: 1) NÚMERO = informar o número da Nota de Empenho - NE a ser impressa. 2) OPÇÃO = informar "T" para teste de impressão, observando que, neste caso, não é preciso informar o número da Nota de Empenho - NE e nem o CPF do ordenador de despesa. Na opção "I" o sistema imprime a Nota de Empenho - NE válida. 3) NÚMERO DE VIAS = informar ( de 1 a 3 ) o número de vias necessárias. 4) ORDENADOR DE DESPESA = informar o número do CPF do Ordenador de Despesa da Unidade. 5) IMPRESSORA = informar o código do endereço lógico da impressora no sistema Cancelamento do Empenho - SIAFÍSICO o cancelamento da Nota de Empenho - NE derivada da emissão de um CT pelo SIAFÍSICO, somente poderá ser efetuada após o cancelamento do respectivo CT; o cancelamento do CT, cujo empenho já tenha sido contabilizado, é efetuado por meio das transações: >CANCTTES para recurso oriundo da fonte 001; >CANCTVINC para recurso das fontes 002, 003, 004,005 e 007; a data de emissão das transações: >CANCTTES e >CANCTVINC pode ser retroagida, desde que o mês informado não esteja fechado para efeito contábil; a base para o cancelamento é sempre o CT original, pois o sistema cancela automaticamente o CT de reforço, quando houver;

218 o cancelamento de um CT gera um novo CT com número próprio e, para este novo CT, devem ser incluídos os itens iguais ao do CT original; a inclusão dos itens para o CT de cancelamento é efetuada por meio da transação >INCDESCCT; após o cancelamento do CT original e da respectiva inclusão dos itens do CT de cancelamento, pode-se cancelar a Nota de Empenho - NE: por meio das transações >CANNETES para recurso oriundo da fonte 001; >CANNEVINC para recursos oriundos das fontes 002, 003, 004, 005 e 007. recomenda-se que, por ocasião do cancelamento da Nota de Empenho - NE, o usuário utilize uma cópia da Nota de Empenho - NE original para a transcrição de alguns dados Registro do Contrato - CT no Sistema Contábil de Compensação é necessário o registro de todos os CTs empenhados, inclusive os de reforço, no sistema contábil de compensação, sem o que, não será possível efetuar a liqüidação da despesa, por ocasião da entrega do material ou da prestação do serviço; nas transações efetuadas, em que haja algum contrato, por exemplo: de fornecimento, valor a ser lançado no sistema de compensação é sempre o valor total do contrato, ainda que o prazo para o contrato vigorar, ultrapasse mais de um exercício; o registro deve ser efetuado após a geração da Nota de Empenho - NE, digitar na linha de comando do sistema SIAFÍSICO a transação >NLCONTRATO, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFÍSICOXX-CONTAB, LIQÜIDAÇÃO, NLCONTRATO (NOTA DE LANÇAMENTO DE CONTRATO) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG CNPJ/CPF/UG GESTÃO FAV. : (1) V A L O R : R$ (2) EVENTO NORMAL (3) ESTORNO (4) SERVIÇOS EM GERAL : ( ) ( ) SEGUROS EM GERAL : ( ) ( ) MATERIAL DE CONSUMO : ( ) ( ) MATERIAL PERMANENTE : ( ) ( ) ALUGUÉIS : ( ) ( ) OBRAS E INSTALAÇÕES : ( ) ( ) IMPORTAÇÃO DE BENS EM GERAL : ( ) ( ) ATIV.INDUST. MATERIA-PRIMA : ( ) ( ) ATIV.INDUST. MAT.EMBALAGEM : ( ) ( ) OBSERVAÇÃO:

219 instruções para o preenchimento: 1) CNPJ/CPF/UG GESTÃO FAV. = informar o CNPJ, CPF ou UG GESTÃO do fornecedor do material ou do prestador do serviço. 2) VALOR = informar o valor total do contrato. 3) NORMAL = sinalizar com X na opção que melhor se enquadre à despesa que se está executando. 4) ESTORNO = quando houver cancelamento da Nota de Empenho - NE para o qual já foi emitida a NLCONTRATO, há a necessidade de se emitir uma 5) NLCONTRATO de estorno, a opção escolhida tem a ver com a opção escolhida na NLCONTRATO original. OBSERVAÇÃO: campo destinado ao histórico do lançamento. teclar ENTER para confirmar o lançamento: C =confirma N = Não confirma A = Altera após a confirmação o sistema abrirá uma nova tela, informando o número da Nota de Lançamento - NL na forma: AAAANLXXXXX Empenhamento pelo sistema SIAFEM/SP quando a natureza da despesa não se enquadrar na lista constante do item 2.1, deste manual: o empenhamento deverá ser realizado diretamente no sistema SIAFEM/SP; efetuar na transação > INCPROCESS, o cadastro do processo; digitar na linha de comando do sistema SIAFEM/SP a transação >NE; teclar ENTER e preencher a tela de acordo com o roteiro constante do Título DOCUMENTOS DO SIAFEM/SP; quando da necessidade de se cancelar uma Nota de Empenho - NE utilizar a transação: >CANNETES para recurso oriundo da fonte 001; >CANNEVINC para recursos das fontes 002, 003, 004, 005 e 007; caso o empenhamento tenha por base um contrato, é necessário fazer o registro no sistema contábil de compensação por meio da transação >NL, na data da assinatura do contrato, informando: EVENTO INSCRIÇÃO DO EVENTO CLASSIFICAÇÃO FONTE V A L O R CNPJ/CPF DO FORNECEDOR X00 R$ o valor total do contrato, independentemente do seu vencimento; caso a operação venha a ser cancelada, ou a NL foi emitida indevidamente, emitir uma Nota de Lançamento - NL, informando o evento ; a impressão da Nota de Empenho - NE pelo sistema SIAFEM/SP segue o mesmo roteiro descrito no item 2.7 deste manual.

220 Atos de Natureza Orçamentária que Auxiliam na Execução da Despesa a Cota Disponível a Empenhar - o saldo da conta , após o encerramento do mês, poderá ser rolado para o mês vigente; digitar na linha de comando do sistema SIAFEM/SP, a transação >ROLCOTEMP, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN., COTA, ROLCOTEMP ( ROLAGEM DE COTA A EMPENHAR ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : (1) FONTE : (2) CATEGORIA DE GASTO: (3) EVENTO : MÊS A REDUZIR MÊS A SUPLEMENTAR V A L O R (4) (5) (6) instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual pertence a Unidade Gestora. 2) FONTE = informar a fonte "mãe" (três primeiros dígitos) do recurso para o qual está se fazendo a rolagem. 3) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto do recurso para o qual está se fazendo a rolagem. 4) MÊS A REDUZIR = informar o mês (2 dígitos) em que a cota não foi totalmente utilizada. 5) MÊS A SUPLEMENTAR = informar o mês para o qual a cota está sendo transferida. 6) VALOR = informar o valor que está sendo transferido. Cota de Despesa Empenhada - o saldo da conta espelha empenhos emitidos e não liquidados no mês fixado no cronograma mensal; após o encerramento do mês este saldo poderá ser rolado para o mês vigente ou meses subseqüentes; digitar na linha de comando do sistema SIAFEM/SP, a transação >ROLCOTLIQ, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN., COTA, ROLCOTLIQ ( ROLAGEM DE COTA A LIQUIDAR ) USUÁRIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NÚMERO : AAAANL UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : (1) FONTE : (2) CATEGORIA DE GASTO: (3) EVENTO : MÊS A REDUZIR MÊS A SUPLEMENTAR V A L O R (4) (5) (6)

221 instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual a Unidade Gestora está subordinada. 2) FONTE = informar a fonte mãe (três primeiros dígitos) do recurso para o qual a rolagem está sendo efetuada. 3) CATEGORIA DE GASTO = informar a categoria de gasto do recurso para o qual está sendo efetuada a rolagem. 4) MÊS A REDUZIR = informar o mês ( 2 dígitos) em que a cota não foi totalmente utilizada. 5) MÊS A SUPLEMENTAR = informar o mês para o qual a cota está sendo transferida. 6) VALOR = informar o valor que está sendo transferido.

222 3 Fluxograma Empenhamento pelo Sistema SIAFÍSICO INÍCIO INCPROCESS SIAFEM S PROCESSO CONTINUA? NR SIAFEM S PROCESSO CONTINUA? INCCONTNE CT PROCESSO CONTINUA? N EXCCONTNE CT FIM S INCDESCCT PROCESSO CONTINUA? N EXCDESCCT S CONTNE PROCESSO CONTINUA? S NE PROCESSO CONTINUA? S NECESSITA REFORÇO PROCESSO CONTINUA? S INCCONTRE S PROCESSO CONTINUA? N CANCTTES OU CANCCTVINC INCDESCCT CANNETES OU CANNEVINC NLCONTRATO FIM

223 Empenhamento pelo Sistema SIAFEM/SP INÍCIO INCPROCESS PROCESSO CONTINUA? S NE PROCESSO CONTINUA? N CANNETES OU CANNEVINC FIM S HÁ CONTRATO? PROCESSO CONTINUA? N FIM S NL COMPENSAÇÃO FIM

224 EXECUÇÃO DA DESPESA ORÇAMENTÁRIA LIQÜIDAÇÃO E PAGAMENTO 1 - Objetivos descrever os passos a serem seguidos para a execução da despesa orçamentária em seu 3º estágio, que é a liquidação, e em seu 4º estágio, que é o pagamento; a liquidação da despesa consiste na verificação do direito adquirido pelo credor, tendo por base os títulos e documentos comprobatórios do respectivo crédito; Esta verificação tem por fim apurar: a origem e o objeto do que se deve pagar; a importância exata a pagar; a quem se deve pagar a importância, para extinguir a obrigação; a liquidação da despesa por fornecimentos feitos ou serviços prestados terá por base: o contrato, ajuste ou acordo respectivo; a nota de empenho; os comprovantes da entrega do material ou da prestação efetiva do serviço; as despesas empenhadas, mas não liquidadas, podem ser visualizadas no SIAFEM/SP por meio de consulta ao saldo das contas: Crédito Empenhado Líquido (C/C - célula de despesa c/ ND detalhada); Empenhos a Liquidar - por Emissão (C/C - número do Empenho + número do processo); Cota de Despesa Empenhada (C/C - Fonte de Recursos + Ano/Mês); o pagamento da despesa só será efetuado quando ordenado, após sua regular liquidação; as despesas liquidadas, mas não pagas, podem ser visualizadas no SIAFEM/SP por meio de consulta ao saldo das contas: a programar Fornecedores e Aluguéis; Outras Obrigações ; Adiantamento; a pagar Fornecedores e Aluguéis; Outras Obrigações ; Adiantamento; 2 - Procedimentos Liquidação da Despesa no Siafísico as despesas empenhadas no SIAFÍSICO só poderão ser liquidadas pelo mesmo;

225 para tanto, digitar na linha de comando do SIAFÍSICO, a transação >NL, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFISICOXX-CONTAB, LIQUIDACAO, NL ( LIQUIDACAO DE EMPENHO ) USUARIO: (1) DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTAO : (1) EMPENHO ORIGINAL : AAAANEXXXXX OU (2) CONTRATO ORIGINAL : AAAACTXXXXX OBSERVAÇÃO: (3) RELACIONE AS NOTAS FISCAIS: (4) instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual a Unidade Gestora pertence. 2) EMPENHO ORIGINAL OU CONTRATO ORIGINAL = informar o número do empenho original ou contrato original. 3) OBSERVAÇÃO = informar com suficiência de detalhes o histórico do lançamento. 4) RELACIONE AS NOTAS FISCAIS = informar o número da nota fiscal. após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema acrescentará na tela acima, as seguintes informações: quando o empenho utilizar fonte de recurso 001: SERVIÇOS EM GERAL : ( ) SEGUROS EM GERAL : ( ) MATERIAL DE CONSUMO : ( ) MATERIAL PERMANENTE : ( ) ALUGUÉIS : ( ) OBRAS E INSTALAÇÕES : UTILIZE SIAFEM IMPORTAÇÃO DE BENS EM GERAL : ( ) ATIV. INDUSTRIAL MATÉRIA-PRIMA : ( ) ATIV. INDUSTRIAL MAT. EMBALAGEM : ( )

226 quando o empenho utilizar fonte de recurso diferente de 001: SERVIÇOS EM GERAL : ( ) SEGUROS EM GERAL : ( ) MATERIAL DE CONSUMO : ( ) MATERIAL PERMANENTE : ( ) ALUGUÉIS : ( ) OBRAS E INSTALAÇÕES : UTILIZE SIAFEM IMPORTAÇÃO DE BENS EM GERAL : ( ) ATIV. INDUSTRIAL MATÉRIA-PRIMA : ( ) ATIV. INDUSTRIAL MAT. EMBALAGEM : ( ) após assinalar com "X" entre os parênteses correspondentes à despesa efetuada, teclar ENTER que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFISICOXX-CONTAB, LIQUIDACAO, NL ( LIQUIDACAO DE EMPENHO ) EXECUCAO EM DD/MM/AAAA ÀS HS USUARIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTAO : GESTAO DA UG EMPENHO ORIGINAL : AAAANEXXXXX OU (2) CONTRATO ORIGINAL : AAAACTXXXXX CREDOR : CNPJ EVENTO : XXXXXX INFORMA AS QUANTIDADES PARA LIQUIDAR OS ITENS DE MATERIAL SEQ ITEM DE MATERIAL DESPESA QUANTIDADE VALOR QUANTIDADE A LIQUIDAR 001 XXXXXXXX-X XXXXXXXXX / R$ (1), instruções para o preenchimento: 1) QUANTIDADE A LIQUIDAR = informar a quantidade a ser liquidada, tanto para a aquisição de material, quanto para a prestação de serviço. No SIAFÍSICO a liquidação só pode ser feita por meio da informação da quantidade. após informar a quantidade, teclar ENTER que o sistema solicitará a confirmação da liquidação; confirmar e teclar ENTER que o sistema abrirá uma nova tela informando o número da NL de liquidação; consultar o item Retenções, Descontos, Abatimentos e Multas; a liquidação da despesa relativa à aquisição de materiais é contabilizada, nas seguintes contas: Material de Consumo - Incorporados por Execução Orçamentária; Equipamentos e Materiais Permanentes - Incorporados por Execução Orçamentária;

227 estas contas, por serem de natureza transitória, necessitam que os valores nelas lançados sejam reclassificados, por meio de emissão de NL no SIAFEM/SP; como por exemplo: Materiais destinados ao estoque - ver item Incorporação/ Desincorporação do Almoxarifado; Material de Consumo para uso imediato - NL com os eventos a seguir: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ Material Permanente para uso imediato deverá circular contabilmente pelo almoxarifado. Observar o item 2.3.2; Estorno da Liquidação da Despesa pelo SIAFÍSICO quando houver necessidade de se estornar, parcial ou a totalidade de uma liquidação efetuada incorretamente, deve-se digitar na linha de comando do SIAFÍSICO, a transação >NLESTORNO e teclar ENTER; os procedimentos para o preenchimento das telas para se efetuar um estorno, são idênticos aos procedimentos para se efetuar uma liquidação; observar que o evento selecionado para o estorno, seja correspondente ao selecionado na NL de Liquidação; o valor do estorno é decorrente da quantidade informada multiplicada pelo preço unitário; Abatimentos Obtidos por Força de Dispositivo Legal (exemplo: convênio ICMS) quando nas aquisições efetuadas houver previsão de abatimento no valor a pagar, por força de dispositivo legal (exemplo: convênio ICMS), a UGE deverá: empenhar e liquidar a despesa pelo valor bruto; utilizar a transação > ANULSIAFI, o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFISICOXX-CONTAB, LIQUIDACAO, ANULSIAFI (ANULA PARTE N/PAGA SIAFISICO) USUARIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NUMERO : AAAANL UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTAO : (1) NL DE REFERENCIA : AAAANL (2) NE DE REFERENCIA : AAAANE (3) VALOR DO DESCONTO : (4) ASSINALE COM X : ( ) INCLUI DOCUMENTO ( ) CANCELA DOCUMENTO (5)

228 instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual a Unidade Gestora pertence. 2) NL DE REFERÊNCIA = informar o número da NL de liquidação da despesa. 3) NE DE REFERÊNCIA = informar o número da Nota de Empenho respectiva. 4) VALOR DO DESCONTO = informar o valor do abatimento obtido. 5) ASSINALE COM 'X' = informar se é inclusão de documento ( operação normal) ou se cancela documento (estorno). após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFISICOXX-CONTAB, LIQUIDACAO, ANULSIAFI (ANULA PARTE N/PAGA SIAFISICO) USUARIO: DATA EMISSÃO : DDMMMAAAA NUMERO : AAAANL UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTAO : GESTAO DA UG CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : XXXXXXXXX GESTÃO FAVORECIDA : OBSERVAÇÃO: (1) instruções para o preenchimento: 1) OBSERVAÇÃO = informar o histórico do lançamento com suficiência de detalhes. após o preenchimento, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFISICOXX-CONTAB, LIQUIDACAO, ANULSIAFI ( ANULA PARTE N/ PAGA SIAFISICO ) USUARIO: NUMERO: AAAANL DATA EMISSAO :DDMMMAAAA UNIDADE GESTORA :COD. UG GESTAO :GESTAO DA UG CNPJ (CGC/CPF/UG FAVORECIDA :XXXXXXXXX GESTAO FAVORECIDA : RELACIONE AS NOTAS FISCAIS:... SE NÃO HOUVER DIGITE NADA CONSTA NO PRIMEIRO ESPACO

229 preencher de acordo com a instrução constante na própria tela, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFISICO-CONTAB, LIQUIDAÇÃO, ANULSIAFI ( ANULA PARTE N/PAGA SIAFISICO) LANCAMENTO EM DD/MM/AA USUARIO: DATA EMISSAO : DDMMMAAAA NUMERO : AAAANL UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : XXXXXXXXX GESTÃO FAVORECIDA : EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R AAAANEXXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXXX R$ AAAANEXXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXXX R$ CONFIRMA (C/N/A) ( C CONFIRMA N NÃO CONFIRMA A ALTERA ) após verificação breve dos dados apresentados, confirmar a transação que o sistema informará o número da NL gerada; esta NL, contabiliza o estorno da despesa, estorno da conta Fornecedores e recompõe a dotação orçamentária; Incorporação/Desincorporação do Almoxarifado Material de Consumo a entrada no estoque se dará pela transferência do valor lançado na conta Incorporados por Execução Orçamentária para a conta Materiais no Estoque, utilizando-se a combinação dos eventos: quando a Unidade não segregar almoxarifados por Controle Específico, emitir Nota de Lançamento - NL, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (1) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (2) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (3) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ R$ (1)Empenho do Exercício; (2)Empenho do Exercício Anterior; (3)Empenho dos Exercícios Anteriores;

230 quando a Unidade utilizar Controle Específico, emitir Nota de Lançamento - NL, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (1) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (2) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (3) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (4) Controle Específico R$ (5) Controle Específico XX.XX R$ (1)Empenho do Exercício; (2)Empenho do Exercício Anterior; (3)Empenho dos Exercícios Anteriores; (4)Estoque Normal; (5)Estoque de Produção. a baixa por requisição, deve ser efetuada mediante emissão de Nota de Lançamento- NL, conforme modelo: quando a Unidade, não segregar por Controle Específico : EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ quando a Unidade utilizar Controle Específico : EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (1) Controle Específico R$ (2) Controle Específico XX.XX R$ R$ (1)Estoque Normal; (2)Estoque de Produção Equipamentos e Materiais Permanentes a entrada no estoque se dará pela transferência do valor lançado na conta Incorporados por Execução Orçamentária para a conta Materiais no estoque, utilizando-se a combinação dos eventos: quando a Unidade não segregar almoxarifados por Controle Específico, emitir Nota de Lançamento - NL, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (1) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (2) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (3) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ R$ (1)Empenho do Exercício; (2)Empenho do Exercício Anterior; (3)Empenho dos Exercícios Anteriores;

231 quando a Unidade utilizar Controle Específico, emitir Nota de Lançamento - NL, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (1) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (2) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (3) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ Controle Específico R$ (1)Empenho do Exercício; (2)Empenho do Exercício Anterior; (3)Empenho dos Exercícios Anteriores; a baixa no estoque, para imobilização, deve ser efetuada utilizando-se a combinação dos eventos: quando a Unidade não segregar almoxarifados por Controle Específico, emitir Nota de Lançamento - NL, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX.XX.XX R$ quando a Unidade utilizar Controle Específico, emitir Nota de Lançamento - NL, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R Controle Específico R$ XX.XX.XX R$ Retenções, Descontos, Abatimentos e Multas sempre que a liquidação da despesa for referente a prestação de serviços por terceiros, a UG liquidante deverá observar a legislação e efetuar as devidas retenções; em toda e qualquer liquidação da despesa a UG liquidante deverá observar se o fornecedor do material ou prestador de serviço está oferecendo algum desconto ou efetuando algum abatimento sobre o valor empenhado; nos próximos módulos são abordadas as seguintes retenções: IRRF, INSS e ISS Retenções IRRF - Imposto de Renda Retido na Fonte de acordo com a Constituição Federal, "artigo pertencem aos Estados: I - o produto da arrecadação do imposto da União sobre renda e proventos de qualquer natureza, incidente na fonte, sobre rendimentos pagos, a qualquer título, por eles, suas autarquias e pelas fundações que instituírem e mantiverem"; abrange o IRRF incidente sobre o pagamento de prestação de serviço efetuada por terceiros, pessoa física (tabela progressiva) ou jurídica (1,5% ou 1%, conforme o caso); recurso fonte Tesouro; neste caso a retenção não deve ser efetuada na apropriação da despesa e sim no dia do pagamento da obrigação principal, por meio de emissão de NL no valor da retenção, utilizando os seguintes eventos:

232 Na Administração Direta: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ R$ emitir PD favorecendo o prestador de serviço pelo valor líquido; Na Administração Indireta: indicar na NL, como UG favorecida a UG Gestão e utilizar os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ R$ efetuar o pagamento ao prestador de serviço pelo valor líquido; recurso Fonte Não Tesouro; neste caso a retenção deve ser feita no momento da apropriação da despesa (liquidação), por meio de emissão de Nota de Lançamento - NL no valor da retenção, utilizando os seguintes eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ R$ tanto na Administração Direta (Fundos Especiais de Despesa) quanto na Administração Indireta; o recolhimento do IR-Fonte pode ser efetuado por GARE (Cód.Tributo 031-0) ou pela Conta Única, por meio de Nota de Lançamento, indicando como favorecida a UG Tesouro e utilizar o evento , no campo CLASSIFICACAO a conta contábil e fonte de recursos e o valor referente a retenção; quando ocorrer o pagamento, a contabilização deve ser feita com a utilização dos eventos: Pagamento pela Conta Única: pelo valor líquido do serviço prestado, emitir PD conforme: XX se a UGE for igual UG Pagadora XX se a UGE for diferente da UG Pagadora pelo valor retido: efetuar recolhimento pela Conta Única - CTU por Nota de Lançamento NL favorecendo a UG Gestão e utilizar o evento: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R UG+GESTÃO R$ Observação: Para estes casos, não é necessário emitir GARE.

233 Pagamento por Conta Bancária Comum: pelo valor líquido do serviço prestado: quando a UGE for igual UG pagadora: emitir NL com os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ BCO+AG+C/C X R$ quando a UGE for diferente da UG pagadora: A UG pagadora emite NL favorecendo a UG executora, com os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R PEO+UGE R$ BCO+AG+C/C X R$ a UG executora emite NL favorecendo o prestador de serviço, com os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ PEO+UGE R$ pelo valor da retenção efetuada: quando a UGE for igual UG pagadora: emitir NL com os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ BCO+AG+C/C X R$ quando a UGE for diferente da UG pagadora: A UG pagadora emite NL favorecendo a UG executora, com os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R PEO+UGE R$ BCO+AG+C/C X R$ a UG executora emite NL, para contabilizar a extinção da obrigação, utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ PE0+UGE R$ Observação: Para estes casos, é necessário emitir GARE e efetuar o recolhimento do valor retido junto à rede bancária.

234 INSS - Retido na Fonte incidente sobre os pagamentos efetuados à empresa prestadora de serviços, não optante pelo SIMPLES, por meio de cessão de mão de obra, tem sua regulamentação agrupada em ordem de serviço expedida pelo Instituto Nacional do Seguro Social; a Unidade Gestora deverá, por ocasião da liquidação e pagamento deste tipo de despesa, observar a legislação pertinente e efetuar os lançamentos na seguinte conformidade: Pagamento pela Conta Única: a UGE contabiliza a retenção efetuada, emitindo NL a favor do INSS, CNPJ = , utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ CNPJ DA PRESTADORA R$ a programação do pagamento é efetuada: quando a UGE for igual UG pagadora, a mesma emite PD, a favor do INSS CNPJ = ), com a utilização do evento: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R CNPJ DA PRESTADORA R$ quando a UGE for diferente da UG pagadora, a UG executora emite PD, a favor do INSS (CNPJ = ), com a utilização do evento: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R CNPJ DA PRESTADORA R$ Pagamento por Conta Bancária Comum: a UGE contabiliza a retenção efetuada, emitindo NL a favor do INSS CNPJ = , utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ CNPJ DA PRESTADORA R$ por ocasião do recolhimento: quando a UGE for igual UG pagadora, a mesma emite NL, a favor do INSS (CNPJ = ), utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R CNPJ DA PRESTADORA R$ BCO+AG+C/C X R$ quando a UGE for diferente da UG pagadora, a UG pagadora emite NL, a favor da UG executora, utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R PE0+UGE R$ BCO+AG+C/C X R$

235 e a UG executora emite NL a favor do INSS (CNPJ = ), utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R CNPJ DA PRESTADORA R$ PEO+UGE R$ ISS - Retido na Fonte incidente sobre os pagamentos efetuados a prestadores de serviço; a Unidade Gestora deverá, por ocasião da liquidação e pagamento deste tipo de despesa, observar a legislação tributária do município onde a despesa ocorreu e, se for o caso, efetuar os lançamentos na seguinte conformidade: Pagamento pela Conta Única: a UGE contabiliza a retenção efetuada, emitindo NL a favor da Prefeitura (CNPJ), utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ R$ a programação do pagamento é efetuada: quando a UGE for igual UG pagadora, a mesma emite PD, a favor da Prefeitura (CNPJ), utilizando o evento: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ quando a UGE for diferente da UG pagadora, a UG executora emite PD, a favor da Prefeitura (CNPJ), utilizando o evento: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ Pagamento por Conta Bancária Comum: a UGE contabiliza a retenção efetuada, emitindo NL a favor da Prefeitura (CNPJ), utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ R$ a contabilização do pagamento é feita por Nota de Lançamento - NL: quando a UGE for igual UG pagadora, a mesma emite PD, a favor da Prefeitura (CNPJ), utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ BCO+AG+C/C X R$

236 quando a UGE for diferente da UG pagadora, a UG pagadora emite NL, a favor da UG executora, utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R PEO+UGE R$ BCO+AG+C/C X R$ e a UG executora emite NL a favor da Prefeitura (CNPJ), utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ PEO+UGE R$ Descontos quando o pagamento da despesa for efetuado com desconto, é necessário que se contabilize o valor do desconto obtido no SIAFEM/SP, como receita, na seguinte conformidade: Na Administração Direta - FUNDOS ESPECIAIS DE DESPESA: a UG executora emite NL revertendo para a receita o valor do desconto com a utilização dos eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ XX.XX.XX.XX R$ XX.XX.XX.XX DEMAIS FONTES R$ Na Administração Indireta : quando a fonte de recurso não for Tesouro: a UG emite NL identificando no campo do favorecido o CNPJ, com a utilização dos eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ XXXXXXXXX R$ quando a fonte de recurso for Tesouro: a UG emite NL a favor da UG Gestão 00001, com a utilização dos eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ R$

237 Abatimentos as devoluções de material ao fornecedor deverão ser contabilizadas no SIAFEM/SP na seguinte conformidade: quando a UG não controlar Almoxarifado por Controle Específico, emitir NL utilizando os seguintes eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ (1) R$ (2) R$ XX (3) R$ (1)Devolução de Material de Consumo (2)Devolução de Material Permanente (3)Devolução de Material de Atividade Industrial quando a UG controlar Almoxarifado por Controle Específico, emitir NL utilizando os seguintes eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ Controle Específico (1) R$ Controle Específico (2) R$ Controle Específico XX (3) R$ (1)Devolução de Material de Consumo (2)Devolução de Material Permanente (3)Devolução de Material de Atividade Industrial empenho do próprio exercício e despesa NÃO PAGA, após a contabilização da devolução do material é necessário providenciar o estorno da despesa, da seguinte maneira: se a liquidação da despesa foi efetuada no SIAFEM/SP; observar se foi emitida PD para esta despesa, em caso positivo entrar na transação >CANPD e cancelá-la, a seguir emitir Nota de Lançamento - NL, utilizando o evento: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R 51.5.XXX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ a seguir, cancelar do empenho o valor da devolução utilizando a transação >CANNETES ou >CANNEVINC, conforme o caso; emitir PD pelo novo valor;

238 se a liquidação da despesa foi efetuada no SIAFÍSICO: observar se foi emitida PD para esta despesa, em caso positivo, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >CANPD e cancelá-la, a seguir: migrar para o SIAFÍSICO e emitir >NLESTORNO considerando a quantidade devolvida; providenciar o cancelamento de parte do CT original, utilizando as opções >CANCTTES ou >CANCTVINC, conforme o caso; efetuar a descrição do item ou itens do CT de cancelamento, utilizando a transação >INCDESCCT; estornar parte do empenho (valor devolvido) utilizando as transações >CANNETES ou >CANNEVINC, conforme o caso; emitir PD pelo novo valor; empenho do exercício anterior e despesa NÃO PAGA, após a contabilização da devolução do material é necessário providenciar o lançamento do débito ao fornecedor em contrapartida à receita, conforme: Na Administração Direta - FUNDOS ESPECIAIS DE DESPESA: emitir NL com a utilização dos eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (1) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (1) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (2) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ XX.XX.XX.XX R$ XX.XX.XX.XX DEMAIS FONTES R$ (1) Material recebido no exercício anterior - Restos a Pagar Processados/Outros Credores. (2) Material recebido no próprio exercício - Restos a Pagar Não Processados. Na Administração Indireta: se a fonte não for a 001: emitir NL com a utilização dos eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (1) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (1) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (2) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ XX.XX.XX.XX DEMAIS FONTES R$ (1) Material recebido no exercício anterior - Restos a Pagar Processados/Outros Credores. (2) Material recebido no próprio exercício - Restos a Pagar Não Processados. se a fonte for recurso Tesouro: emitir NL favorecendo a UG Gestão e utilizar os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (1) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (1) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ (2) AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ XX.XX.XX.XX 001 R$ (1) Material recebido no exercício anterior - Restos a Pagar Processados/Outros Credores. (2) Material recebido no próprio exercício - Restos a Pagar Não Processados.

239 caso a despesa já tenha sido paga, após a contabilização da devolução do material é necessário contabilizar o crédito da Unidade Gestora com o Fornecedor, para tanto, a Unidade deve emitir NL utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R CNPJ DO FORNECEDOR R$ R$ se houver reposição do material devolvido, a Unidade Gestora deverá emitir NL para contabilizar a reentrada do material, utilizando os eventos: se não usar Controle Específico para Almoxarifados: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (1) R$ (2) R$ XX (3) R$ R$ (1) Reposição de Material de Consumo. (2) Reposição de Material Permanente. (3) Reposição de Material de Atividade Industrial. se usar Controle Específico para Almoxarifados: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R Controle Específico (1) R$ Controle Específico (2) R$ Controle Específico XX.YY.(3) R$ R$ (1) Reposição de Material de Consumo. (2) Reposição de Material Permanente. (3) Reposição de Material de Atividade Industrial. baixa do direito pela reposição do material pelo fornecedor, para tanto emitir NL utilizando os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ CNPJ DO FORNECEDOR R$ caso de restituição em numerário - mesmo exercício - Conta Única CTU emitir GRDEPC, utilizando o evento: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ em seguida, emitir OB transferindo o valor da Conta "C" para a Conta Única, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$

240 caso o valor pertença ao Tesouro emitir outra OB, indicando como favorecida a UG , Gestão 00001, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ deverá, ainda, estornar parte da despesa liquidada, restabelecendo o saldo a empenhar, da seguinte maneira: se a liquidação da despesa foi efetuada pelo SIAFEM/SP, emitir NL com o evento: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ e cancelar parcialmente a NE, por meio da transação >CANNETES ou >CANNEVINC com o evento ; se a liquidação da despesa foi efetuada pelo SIAFÍSICO; emitir NLESTORNO, estornar a NLCONTRATO e processar a transação >CANCTTES ou >CANCTVINC, em seguida a transação >INCDESCCT, e cancelar parcialmente a NE, por meio da transação >CANNETES ou >CANNEVINC; caso de restituição em numerário - mesmo exercício utilização de Conta Bancária Comum (Recursos Próprios): se UGE for a própria UGF, a Unidade Gestora deverá emitir NL com os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R BCO+AG+C/C XX R$ XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ se UGE não for a própria UGF, a UGE deverá emitir NL indicando como favorecido a UGF com os seguintes eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R PE0+UGE R$ XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ e a UGF deverá emitir NL com os seguintes eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R BCO+AG+C/C X R$ PE0+UGE R$ a UGE deverá, ainda, estornar parte da despesa liquidada e restabelecer o saldo a empenhar, procedendo da mesma maneira descrita no tópico anterior (empenho do próprio exercício e utilização da Conta Única); se empenho do exercício anterior ou anteriores com utilização da Conta Única: se recursos do Tesouro e a UGF pertencer à Administração Direta ou Fundos especiais de Despesa: a UGF deverá emitir GRDEPC com evento: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX.XX.XX.XX R$ e emitir uma OB transferindo o valor da Conta "C" para a Conta Única com o evento , e no dia seguinte emitir OB INTRA-SIAFEM/SP favorecendo a UG Gestão transferindo o recurso da UGF para o Tesouro com o evento ;

241 se recursos do Tesouro e a UGF pertencer à Administração Indireta: UGF deverá emitir GRDEPC com o evento: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX.XX.XX.XX R$ e emitir uma OB transferindo o valor da Conta "C" para a Conta Única com o evento , emitir também, OB considerada INTRA-SIAFEM/SP favorecendo a UG Gestão transferindo o recurso da UGF para o Tesouro com o evento , a seguir emitir NL com os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R R$ XX.XX.XX.XX R$ indicando, na NL, a UG favorecida = Multas as multas aplicadas pela Administração aos fornecedores de materiais ou prestadores de serviço, por não implemento de obrigação prevista em contrato, deverão ser contabilizadas da seguinte forma: Na Administração Direta - FUNDOS ESPECIAIS DE DESPESA: a Unidade Gestora deverá emitir NL com os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ XX.XX.XX.XX (1) XXXXXXXXX R$ XX.XX.XX.XX (2) XXXXXXXXX R$ (1) se fonte de recursos Tesouro. (2) para as demais fontes de recursos. Na Administração Indireta: se o recurso pertencer ao Tesouro: a Unidade Gestora deverá emitir NL favorecendo a UG Gestão com os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ XX.XX.XX.XX R$ quando o recurso não pertencer ao Tesouro: a Unidade Gestora deverá emitir NL com os eventos: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ XX.XX.XX.XX 002/004/ 005/007 R$

242 2.5 - Liquidação da Despesa pelo SIAFEM/SP as despesas empenhadas pelo SIAFEM/SP só poderão ser liquidadas pelo mesmo, inclusive as transações específicas de obras que têm documento próprio; para tanto, o usuário deverá digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >NL, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, NL ( NOTA DE LANCAMENTO ) USUARIO: DATA EMISSAO : DDMMMAAAA NUMERO : AAAANL UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : (1) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA : (2) GESTÃO FAVORECIDA : (3) EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R (4) (5) (6) (7) (8) instruções para preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual a Unidade Gestora pertence. 2) CNPJ/CPF/UG FAVORECIDA = informar o fornecedor do material ou prestador do serviço. 3) GESTÃO FAVORECIDA = quando no campo de número 2 for informado o código de uma UG, é necessário que se informe o código da gestão à qual a UG pertence. 4) EVENTO = informar o código, de acordo com a tabela de eventos. Para a liquidação da despesa utilizar os eventos da classe 51.0.XXX. 5) INSCRICAO DO EVENTO = informar o AAAANEXXXXX. 6) CLASSIFICACAO = informar o código da conta contábil da despesa constante da NE. 7) FONTE = deixar em branco. 8) VALOR = informar o valor da liquidação. após o preenchimento, teclar ENTER que o sistema abrirá uma tela para que seja informado o histórico do lançamento, preencher com suficiência de detalhes, teclar ENTER e confirmar a operação; consultar o item Retenções, Descontos, Abatimentos e Multas; Pagamento da Despesa Pela Conta Única - CTU os pagamentos das despesas liquidadas, tanto pelo SIAFÍSICO quanto pelo SIAFEM/SP, são efetuados, em sua quase totalidade, por meio da Conta Única do Estado; o usuário deverá digitar, na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >PD, as instruções para o seu preenchimento encontram-se no título DOCUMENTOS DO SIAFEM/SP, deste Manual; a Programação de Desembolso - PD toma por base a NL de liquidação e a respectiva NE;

243 caso haja necessidade de se cancelar uma PD que ainda não foi executada, o usuário deverá digitar, na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >CANPD, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN., UG, CANPD ( CANCELA PROGRAMAÇÃO DESEMBOLSO ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : (1) PROGRAMAÇÃO DE DESEMBOLSO : AAAAPD (2) CAUSA: (3) instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual a Unidade Gestora pertence. 2) PROGRAMAÇÃO DE DESEMBOLSO = informar o número da PD que necessita ser cancelada. 3) CAUSA = informar com suficiência de detalhes o motivo do cancelamento. após a digitação da tela, teclar ENTER que o sistema solicitará confirmação do cancelamento, confirmar e teclar ENTER novamente; caso o usuário queira visualizar no SIAFEM/SP as despesas liquidadas a pagar, basta consultar a conta contábil: Fornecedores e Aluguéis; Outras Obrigações; Adiantamento; a execução da PD é responsabilidade do Gestor Financeiro, que deverá digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >EXEPD, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN., UG, EXEPD ( EXECUTA PROGRAMAÇÃO DESEMBOLSO ) USUÁRIO: UG PAGADORA : COD.DA UG PAGADORA GESTÃO : (1) PD : (2) UG LIQUIDANTE : (3) DATA INICIAL DATA FINAL : (4) AAAA : (5) AAAA

244 instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual a Unidade Gestora pertence. 2) PD = informar o número da PD que se pretende pagar, ou deixar em branco quando se pretender pagar mais de uma PD. 3) UG LIQUIDANTE = informar o código da Unidade Gestora que liquidou a despesa. 4) DATA INICIAL = quando se pretender consultar as PD s vincendas em um período, deve-se informar o dia (dois algarismos) e o mês (três letras) do início do período para o qual se pretende efetuar os pagamentos. sistema considera para efeito deste período a data de vencimento das PDs. 5) DATA FINAL = informar o dia e o mês do final do período. após o preenchimento da tela, teclar, ENTER que o sistema mostrará na tela as PD s pendentes de pagamento, do período informado, basta selecionar as que se pretenda pagar, teclar ENTER e confirmar a operação; a confirmação da operação EXEPD deve ser efetuada durante o horário do expediente bancário, pois a mesma gera no SIAFEM/SP uma Ordem Bancária - OB que será a base para a alimentação, via meio eletrônico, do sistema do Banco Nossa Caixa S.A.; caso o usuário queira visualizar no SIAFEM/SP as despesas liquidadas pagas, basta consultar a conta contábil, utilizando a transação >DETACONTA; X.0X - Despesa Orçamentária Liq.Paga - (C/C - Credor+NE+ND+FR); X.0X - Despesa Orçamentária Liq.Paga - (C/C - Célula da Despesa); caso haja necessidade de se cancelar uma OB (PD executada), e a Relação Externa - RE ainda não tenha sido emitida, o Gestor Financeiro deverá digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >CANOB - CTU, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN., UG, CANOB - CTU ( CANCELA OB CONTA ÚNICA ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : (1) ORDEM BANCÁRIA : AAAAOB (2) CAUSA: (3) instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual a Unidade Gestora pertence. 2) ORDEM BANCÁRIA = informar o número da OB que necessita ser cancelada. 3) CAUSA = informar com suficiência de detalhes o motivo do cancelamento.

245 AUTORIZAOB - AUTORIZ ENVIO OB PRIOR. P/ BCO transação utilizada para autorizar a transferência dos recursos financeiros "on line" (pagamentos) mediante a prévia confirmação por parte de cada Gestor Financeiro, tendo em vista metodologia definida pelo BACEN, onde os valores acima de R$ 5.000,00 deverão ser transferidos através da modalidade TED - Transferência Eletrônica Disponível; as transferências serão transmitidas via arquivo das OB's prioritárias e devidamente autorizadas em 04 (quatro) horários ( 10:00/12:00/ 14:30 e 16:00 horas); as OB's prioritárias que até às 16:00 horas não forem autorizadas, serão devolvidas a crédito da Conta"C"; as OB's prioritárias poderão ser canceladas (CANOB-CTU), até o momento em que não forem AUTORIZADAS; para autorizar a transferência de recursos, digitar na linha de comando do SIAFEM/SP a transação >AUTORIZAOB, teclar ENTER, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, AUTORIZAOB (AUTORIZ ENVIO OB PRIOR. P/ BCO) USUARIO: UNIDADE GESTORA : GESTÃO : (1) INFORME UMA OPÇÃO : ( ) (2) AUTORIZA TODAS AS OB s, SEM VISUALIZAR NA TELA ( ) AUTORIZA OB POR OB, VISUZALIZANDO NA TELA instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = código cadastrado no SIAFEM/SP, que define a Administração (Direta ou cada membro da Indireta) responsável pela Unidade Gestora. 2) INFORME UMA OPÇÃO = assinale com um 'X' a opção desejada.

246 se a opção escolhida for a 1ª, teclar ENTER e confirmar, teclar ENTER novamente que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, AUTORIZAOB (AUTORIZ ENVIO OB PRIOR. P/ BCO) USUARIO: UNIDADE GESTORA GESTÃO : COD.UG : GESTÃO DA UG INFORME UMA OPÇÃO : ( X) AUTORIZA TODAS AS OB s, SEM VISUALIZAR NA TELA ( ) AUTORIZA OB POR OB, VISUZALIZANDO NA TELA <AUTORIZAÇÃO DE ENVIO DE OB s PARA O BANCO> FORAM AUTORIZADAS XX OB s NO VALOR TOTAL DE R$ AUTORIZADO POR: XXXXXXXXX DATA:DD/MM/AAAA HORA: HS caso a escolha recaia na 2ª opção, teclar ENTER, assinalar a(s) OB(s) a serem acolhidas pelo banco e confirmar, teclar ENTER novamente que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, AUTORIZAOB (AUTORIZ ENVIO OB PRIOR. P/ BCO) AUTORIZAÇÃO EM DD/MM/AAAA AS HS USUARIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG NO OB FAVORECIDO DESPESA BCO V A L O R ( ) XXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXX 151 R$ ( ) XXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXX 151 R$ ( ) XXXXX XXXXXXXXX XXXXXXXX 151 R$ FORAM AUTORIZADAS XX OB s NO VALOR TOTAL DE R$ AUTORIZADO POR: XXXXXXXXX DATA:DD/MM/AAAA HORA: HS CONFIRMA (C/N)? ( C CONFIRMA N NÃO CONFIRMA)

247 Impressão da Relação Externa ( RE/RT) a formalização final do pagamento ocorre com a entrega da Relação Externa - RE devidamente assinada por pessoas cadastradas no SIAFEM/SP e em uma agência do Banco Nossa Caixa S.A.; para impressão da RE, o usuário deverá digitar, na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >IMPRELOB, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN, UG, IMPRELOB ( IMPRIME RELACAO DE RE E RT ) USUARIO: UNIDADE GESTORA : COD. UG GESTAO : (1) BANCO : (2) OU DATA DA SOLICITACAO : (3) OU NUMERO DO RELATORIO IMPRESSORA : (4) AAAA : (5) AAAA instruções para o preenchimento: 1) GESTÃO = informar o código da gestão à qual a Unidade Gestora pertence. 2) BANCO = preencher com o número 151, quando se pretender relacionar todas as OB s geradas para a Unidade Gestora e que ainda não foram relacionadas. Neste caso, os campos número 3 e 4 deverão permanecerem branco. 3) DATA DA SOLICITAÇÃO = informar a data no formato DDMMMAAAA, o sistema relacionará as OB s emitidas na data informada. Neste caso, os campos número 2 e 4 deverão permanecerem branco. 4) NÚMERO DO RELATÓRIO = quando se pretender reimprimir alguma RE, basta informar o número da mesma. Neste caso, os campos número 2 e 3 deverão permanecer em branco. 5) IMPRESSORA = informar o código do endereço lógico da impressora no sistema, cadastrado junto à PRODESP.

248 caso haja necessidade de se cancelar uma RE, desde que a mesma não tenha sido entregue ao banco, basta o usuário digitar na linha de comando do SIAFEM/SP, a transação >CANREL, que o sistema abrirá a seguinte tela: SIAFEMXX EXEFIN., UG, CANREL ( CANCELA RELAÇÃO EXTERNA ) USUÁRIO: UNIDADE GESTORA : COD.UG GESTÃO : GESTÃO DA UG NÚMERO DO RELATÓRIO : AAAAREXXXXX preencher a tela, teclar ENTER e confirmar o cancelamento; caso haja necessidade de se cancelar uma OB, para a qual já foi emitida RE, é necessário que se processe primeiro a transação >CANREL e depois a transação >CANOB - CTU; Pagamento Por Conta Bancária Comum se UGE for igual a UGF, emitir Nota de Lançamento - NL, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ BCO+AG+C/C X R$ se UGE for diferente da UGF; a UGF deverá emitir Nota de Lançamento - NL, indicando como favorecida a UGE, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R PE0+UGE R$ BCO+AG+C/C X R$ em seguida a UGE deverá emitir Nota de Lançamento - NL, baixando a obrigação, conforme modelo: EVENTO INSCRICAO DO EVENTO CLASSIFICACAO FONTE V A L O R XX AAAANEXXXXX 3XX.XX.XX.XX R$ PE0+UGE R$

249 Fluxograma Liquidação e Pagamento - SIAFÍSICO/SIAFEM/SP INÍCIO NE PROCESSO CONTINUA? NLCONTRATO N S PROCESSO CONTINUA? NLCONTRATO ESTORNO NL LIQÜIDAÇÃO N S PROCESSO CONTINUA? NLESTORNO SIAFEM PD S PROCESSO CONTINUA? N CANPD EXEPD (OB) N PROCESSO CONTINUA? CANOB - CTU S IMPRELOB (RE) N PROCESSO CONTINUA? CANREL S BANCO FIM OBS: Após a liquidação ( apropriação) da despesa no SIAFÍSICO, migrar para o SIAFEM/SP e dar continuidade no processo de pagamento.

250 Liquidação e Pagamento - SIAFEM/SP INÍCIO NE PROCESSO CONTINUA? NL S PROCESSO CONTINUA? N NL ESTORNO PD S PROCESSO CONTINUA? N CANPD EXEPD S PROCESSO CONTINUA? N CANOB - CTU S IMPRELOB PROCESSO CONTINUA? N CANREL BANCO FIM

251 MÓDULO DE OBRAS 1 - Objetivos descrever os procedimentos para registrar a execução de Obras Patrimoniadas e Não Patrimoniadas, assim definidas: Obras Patrimoniadas - aquelas incorporadas contabilmente no sistema patrimonial da Administração Pública, após sua conclusão; e Obras Não Patrimoniadas - aquelas controladas pela Administração Pública, porém não incorporadas contabilmente no sistema patrimonial após sua conclusão. permitir a identificação dos bens próprios da Entidade e dos bens públicos de uso comum; identificar a Unidade Gestora Executora da Obra, data da contratação, medições efetuadas, valor dispendido e ano e mês de incorporação; regularizar no sistema contábil, obras realizadas nos exercícios anteriores a 2001, que ainda encontram-se em andamento; unificar e padronizar as informações entre as Secretarias de Governo e Gestão Estratégica, Economia e Planejamento e Fazenda no tocante a Obras e Reformas; utilização: Administração Direta e Indireta. 2 - Procedimentos para a execução orçamentária da despesa é necessário que a Unidade: tenha o Código Identificador de Obra gerado pelo sistema SAI - Sistema de Acompanhamento de Investimento da Secretaria de Economia e Planejamento; e tenha disponibilidade orçamentária nas seguintes naturezas de despesa: , , e utilizar no Módulo de Obras os seguintes ítens de despesa: Reformas de Bens Imóveis; Conservação de Estradas e Outros Bens de Domínio Público; Reformas em Bens Imóveis e de Domínio Público - Exerc. Anteriores; Estudos e Projetos; Gerenciamento de Obras; Execução e Conclusão de Obras e Instalações; Obras e Instalações - Exerc.Anteriores. memorial descritivo do cronograma físico e financeiro da Obra/Reforma a ser executada; contratação de acordo com as normas legais vigentes; que tenha saldo disponível nas contas contábeis: Crédito Disponível; Cota de Despesa Disponível a Empenhar Cadastramento da Obra

252 o usuário deverá cadastrar a Obra ou Reforma, no sistema "SAI" da Secretaria de Economia e Planejamento, acessando o site deverá habilitar-se junto a SEPLAN a uma senha de acesso por intermédio: do Coordenador do Grupo de Planejamento Setorial - GPS de sua Secretaria, quando se tratar da Administração Direta; e do Gestor Orçamentário, quando se tratar da Administração Indireta, Ministério Público, Tribunais e Assembléia Legislativa. Após acessar o site: Clicar em SISTEMAS e ACOMPANHAMENTO DE INVESTIMENTOS - SAI; digitar o logon do usuário, senha e clicar em "ENTRA"; clicar em "CADASTRO DE INVESTIMENTO"; preencher os campos ÓRGÃOS, U.O., U.G.E, tipo de investimento, nome, município e estágio do investimento; clicar em "INCLUIR NOVO INVESTIMENTO" Obs: Nos campos onde houver o símbolo sobre a mesma. escolher uma das opções, clicando

253 no dia seguinte ao do cadastro da Obra, no SAI consultar se a respectiva inclusão está no SIAFEM/SP, utilizando-se da transação >LISOBRAS, ( Lista Identificador de Obras).

254

255

Semana de Administração, Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas dos Estados e Municípios Contabilidade Pública Básica

Semana de Administração, Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas dos Estados e Municípios Contabilidade Pública Básica Semana de Administração, Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas dos Estados e Municípios Contabilidade Pública Básica Organização: Paulo Henrique Feijó Welinton Vitor dos Santos Heriberto

Leia mais

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo

10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo 10h40 às 12h - PALESTRA II TEMA: PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Palestrante: Fernando Freitas Melo Plano de Contas Aplicado ao Setor Público CH: 1:20 h Conteúdo: 1. Aspectos gerais do Plano

Leia mais

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC.

TÍTULOS PREVISÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA TÍTULOS FIXAÇÃO EXECUÇÃO DIFERENÇA CRÉD. ORÇAM. SUPLEMENTARES DESPESAS CORRENTES . PESSOAL E ENC. 1 ANEXO III - PT/MPS Nº 95, DE 06 DE MARÇO DE 2007 DOU DE 07.03.07 MODELOS E INSTRUÇÕES DE PREENCHIMENTO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS AS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS SÃO AS EXTRAÍDAS DOS LIVROS, REGISTROS E

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG RESOLUÇÃO DAS QUESTÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA APO MPOG CONCURSO: APO/MPOG/2010 66. (ESAF APO/MPOG/2010) Assinale a opção verdadeira a respeito do objeto, regime e campo de aplicação da contabilidade

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Fonte: Apresentação da Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT do Tesouro Nacional Última Atualização: 14/09/2009 1 Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional;

Portaria Conjunta STN/SOF nº 3/2008 Manual de Despesa Nacional; Código: MAP-DIFIN-001 Versão: 00 Data de Emissão: XX/XX/XXXX Elaborado por: Gerência de Contabilidade Aprovado por: Diretoria de Finanças e Informações de Custos 1 OBJETIVO Estabelecer os procedimentos

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO

CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO CONTABILIDADE PÚBLICA JOSE CARLOS GARCIA DE MELLO Existe conceito de Contabilidade como um todo. Contabilidade é a ciência que estuda e pratica as funções de orientação e controle relativas aos atos e

Leia mais

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA

CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA CURSO DE ATUALIZAÇÃO PARA A NOVA CONTABILIDADE PÚBLICA Demonstrações Contábeis José Rafael Corrêa Quanto mais eu sei, mais eu descubro que nada eu sei Sócrates 1 Conceitos CONTABILIDADE INFORMAÇÃO Informação

Leia mais

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS

DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS DESCENTRALIZAÇÃO ADMINISTRATIVA E FINANCEIRA DAS PROMOTORIAS DE JUSTIÇA REGIONAIS OBJETIVOS Dotar as Promotorias de Justiça

Leia mais

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010

6º Congresso Catarinense de. Controladores Internos Municipais. 17 e 18 de junho de 2010 6º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais 17 e 18 de junho de 2010 RECEITAS E DESPESAS PÚBLICAS: Enfoque Orçamentário X Enfoque Patrimonial

Leia mais

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI

Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Objetivos e principais documentos do Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal SIAFI Amigos e amigas visitantes do Ponto dos Concursos! Desejo muita paz e tranqüilidade a todos os

Leia mais

Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima

Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima. Prof. Alexandre Teshima CONCEITO: O SIAFI (Sistema Integrado de Administração Financeira do Governo Federal) é um sistema informatizado que processa e controla, por meio de terminais instalados em todo o território nacional,

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO - DCASP Novas Demonstrações Contábeis do Setor Público DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DO SETOR PÚBLICO Englobam todos os fatos contábeis e atos que interessam

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015.

Serviço Público Municipal Prefeitura Municipal de Ubatã Estado da Bahia CNPJ: 14.235.253/0001-59 PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. PORTARIA Nº 301 DE 09 DE DEZEMBRO DE 2015. Estabelece os procedimentos e as normas a serem adotados pelos órgãos e entidades da administração pública estadual direta e indireta, para o encerramento anual

Leia mais

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário.

Nota Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. Técnica n. 001/2015/GECOG Vitória, 13 de janeiro de 2015. Assunto: Registro de Passivos sem Suporte Orçamentário. 1 Trata-se de orientação acerca do reconhecimento contábil de obrigações sem suporte orçamentário

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas XI Semana de Administração Orçamentária, Financeira e de Contratações Públicas Oficina nº 63 Consultas às Demonstrações Contábeis no SIAFI ABOP Slide 1 XI Semana de Administração Orçamentária, Financeira

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 3. Apresentação. Definição de Receita Pública. Receita Pública. Classificação da Receita Pública

Contabilidade Pública. Aula 3. Apresentação. Definição de Receita Pública. Receita Pública. Classificação da Receita Pública Contabilidade Pública Aula 3 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Definição de Receita Pública Um conjunto de ingressos financeiros com fonte e fatos geradores próprios e permanentes, oriundos da ação

Leia mais

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS

A NOVA CONTABILIDADE DOS MUNICÍPIOS Apresentação O ano de 2009 encerrou pautado de novas mudanças nos conceitos e nas práticas a serem adotadas progressivamente na contabilidade dos entes públicos de todas as esferas do Governo brasileiro.

Leia mais

WORKSHOP II Curso Básico de Contabilidade Pública, conforme a Lei 4.320/64. Marcus Vinicius P. de Oliveira e Equipe técnica da Pi Contabilidade

WORKSHOP II Curso Básico de Contabilidade Pública, conforme a Lei 4.320/64. Marcus Vinicius P. de Oliveira e Equipe técnica da Pi Contabilidade WORKSHOP II Curso Básico de Contabilidade Pública, conforme a Lei 4.320/64. Marcus Vinicius P. de Oliveira e Equipe técnica da Pi Contabilidade 1 Objetivo do Workshop Apresentar os principais conceitos

Leia mais

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE

NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE NOVAS DIRETRIZES PARA A CONTABILIDADE MUNICIPAL ISAAC DE OLIVEIRA SEABRA TCE-PE CENÁRIO ANTERIOR Gestão Dívida Financeira Pública ORÇAMENTO PUBLICO Contabilidade Receita e Despesa Demonstrativos Contábeis:

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis

Contabilidade Pública. Aula 4. Apresentação. Plano de Contas. Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão. Sistemas Contábeis Contabilidade Pública Aula 4 Apresentação Prof. Me. Adilson Lombardo Plano de Contas Sistema de Contas e Demonstrativos Contábeis de Gestão Consiste em um rol ordenado de forma sistematizada de contas

Leia mais

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público

Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Manual de Contabilidade Aplicada no Setor Público: Plano de Contas Aplicado ao Setor Público Coordenação Geral de Contabilidade STN/CCONT Última Atualização: 12/01/2010 Programa do Módulo 2 1. Plano de

Leia mais

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1

Receita Orçamentária: Conceitos, codificação e classificação 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/images/arquivos/artigos/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA

ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA SISTEMA ORÇAMENTÁRIO 1 - RECEITAS 1.1 - Orçamento da Receita 1.2 - Receita Prevista 1.3 - Execução Orçamentária da Receita ROTEIRO DE AUDITORIA DE CONTABILIDADE PÚBLICA I - Verificar se os registros das

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA

ADMINISTRAÇÃO INDIRETA GLOSSÁRIO A AÇÃO GOVERNAMENTAL: Conjunto de operações, cujos produtos contribuem para os objetivos do programa governamental. A ação pode ser um projeto, atividade ou operação especial. ADMINISTRAÇÃO DIRETA:

Leia mais

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU

TRIBUNAL DE CONTAS DE SANTA CATARINA - DMU Alterações em relação ao arquivos publicados em 03/06/2014: Item alterado/incluído Motivo Regras de consolidação. b.8 Numeração errada. Regras de consistência, b Exclui-se as consignações do passivo financeiro

Leia mais

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR

Governo do Estado do Amazonas. Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Governo do Estado do Amazonas Banco Interamericano de Desenvolvimento BID Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus PROSAMIM III 2676/OC-BR Plano de Contas Manaus Amazonas 2012 0 Índice 1. Introdução

Leia mais

Execução Orçamentária e Financeira

Execução Orçamentária e Financeira Execução Orçamentária e Financeira Introdutório aos cursos dos Sistemas de Contabilidade e Gastos Públicos Setembro / 2008 Administração Pública Classifica-se, conforme a CF/88 em: Administração Direta

Leia mais

PROCEDIMENTO CONTÁBIL Nº 001/2015 (versão 0.0.1)

PROCEDIMENTO CONTÁBIL Nº 001/2015 (versão 0.0.1) PROCEDIMENTO CONTÁBIL Nº 001/2015 (versão 0.0.1) RESTOS A PAGAR PROCESSADOS E NÃO PROCESSADOS ÍNDICE 1 OBJETIVO... 1 2 CONCEITOS... 1 3 CLASSIFICAÇÃO NO PLANO DE CONTAS... 2 4 PROCEDIMENTOS CONTÁBEIS...

Leia mais

Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Distrito Federal. Plano de Contas. 2ª Edição. Dez/2013 Subsecretaria de Contabilidade COPROT

Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Distrito Federal. Plano de Contas. 2ª Edição. Dez/2013 Subsecretaria de Contabilidade COPROT Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público Distrito Federal Plano de Contas 2ª Edição Dez/2013 Subsecretaria de Contabilidade COPROT Subsecretaria de Contabilidade COPROT Manual de Contabilidade

Leia mais

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ.

ENCERRAMENTO DE MANDATO. Heraldo da Costa Reis Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. ENCERRAMENTO DE MANDATO Professor da ENSUR/IBAM e do Departamento de Contabilidade da UFRJ. No ano em curso de 2008, dois fatos ocuparão as nossas atenções: O encerramento dos mandatos dos atuais prefeitos,

Leia mais

MARCELO OLÍMPIO CARNEIRO TAVARES

MARCELO OLÍMPIO CARNEIRO TAVARES D E C L A R A Ç Ã O O Secretário da Fazenda, no uso das suas atribuições e consoante o disposto no artigo 42, 1º, incisos I e IV, da Constituição do Estado do Tocantins, DECLARA para fins de cumprimento

Leia mais

CONTABILIDADE PÚBLICA

CONTABILIDADE PÚBLICA CONTABILIDADE PÚBLICA 1. Conceito: Para Bezerra Filho (2006, p.131), a Contabilidade pública pode ser definida como o ramo da ciência contábil que controla o patrimônio público, evidenciando as variações

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICIPIO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICIPIO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE SECRETARIA MUNICIPAL DA FAZENDA CONTROLADORIA-GERAL DO MUNICIPIO Manual Técnico de Normas e Procedimentos da Controladoria-Geral (MTNP-CGM-POA) ANEXO NOR 002 Glossário

Leia mais

PCASP e os Consórcios Públicos

PCASP e os Consórcios Públicos Subsecretaria de Contabilidade Pública SUCON Coordenação-Geral de Normas de Contabilidade Aplicadas à Federação CCONF V FÓRUM MINEIRO DE CONTABILIDADE PÚBLICA MUNICIPAL Junho/2015 Conteúdo PCASP: introdução,

Leia mais

AULA 01: Sistemas de Contas.

AULA 01: Sistemas de Contas. AULA 01: Sistemas de Contas. Contabilidade Pública p/ SUMÁRIO PÁGINA 1. Apresentação 1 2. Cronologia dos sistemas/subsistemas 2 3. Características comuns dos sistemas e subsistemas 6 3.1. Sistemas contábeis

Leia mais

RESUMÃO. Administração Direta dos entes públicos;

RESUMÃO. Administração Direta dos entes públicos; RESUMÃO CONTABILIDADE PÚBLICA A Contabilidade Pública é um ramo da ciência contábil e tem o objetivo de captar, registrar e interpretar os fenômenos que afetam as situações orçamentárias, financeiras e

Leia mais

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64

VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 VOLUME II ANEXOS DA LEI 4.320/64 Apresentação Este volume compõe o Balanço Geral do Estado do exercício financeiro 2010. Nele são apresentados os anexos exigidos na LEI 4.320/64. LUIZ MARCOS DE LIMA SUPERINTENDENTE

Leia mais

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação

Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44. Apresentação Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda Plano de Contas 1 /44 Apresentação Este Plano de Contas tem o propósito de atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos atos e

Leia mais

Conselho Federal de Contabilidade

Conselho Federal de Contabilidade Processo CFC n.º 2015/000011 INSTRUÇÃO DE TRABALHO INT/VPCI Nº 10/2015 Assunto: Orientação para encerramento do Exercício de 2014, elaboração do processo de Prestação de Contas do Sistema CFC/CRCs e alteração

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE IGREJINHA DECRETO N.º 3.543, DE 28 DE MARÇO DE 2012. Institui o Execução das Atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis.

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08. Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. RESOLUÇÃO CFC N.º 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2015 E ENCERRAMENTO DE 2014 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2015)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA

PREFEITURA MUNICIPAL DE VIANA INSTRUÇÃO NORMATIVA SFI: 01/2014 Versão nº: 01 Data da Aprovação: 31/03/2014 Ato de Aprovação: Decreto Municipal nº 074/2014. Unidade Responsável: Departamento Financeiro da Secretaria Municipal de Finanças

Leia mais

Anexo 12 - Balanço Orçamentário

Anexo 12 - Balanço Orçamentário Anexo 12 - Balanço Orçamentário BALANÇO ORÇAMENTÁRIO EXERCÍCIO: PERÍODO (MÊS) : DATA DE EMISSÃO: PÁGINA: PREVISÃO PREVISÃO RECEITAS SALDO RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS INICIAL ATUALIZADA REALIZADAS (a) (b) c

Leia mais

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013

PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO 2013 Patrícia Dutra Auditora Pública Externa - Contadora A LRF instituiu a necessidade do Poder Executivo da União realizar, anualmente, a consolidação nacional

Leia mais

Descentralização de amentários e de Recursos Financeiros

Descentralização de amentários e de Recursos Financeiros Descentralização de Créditos Orçament amentários e de Recursos Financeiros Conceito: Despesa Orçament amentária Despesa Orçamentária Pública aquela executada por entidade pública e que depende de autorização

Leia mais

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Prof. Alipio Filho

Olá, pessoal! Fraternal abraço! Prof. Alipio Filho Olá, pessoal! Comento neste toque as questões de Contabilidade Pública e Orçamento Público que caíram no concurso para conselheiro substituto do TCE-AM. A banca foi a Fundação Carlos Chagas. Aproveito

Leia mais

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF

QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF QUESTÕES DE AFO SIMULADO 1 ANALISTA ADMINISTRATIVO DO TRF 01 No momento da elaboração do projeto de lei orçamentária anual deve se atentar para algumas normas contidas nas legislações pertinentes à matéria.

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.133/08 Aprova a NBC T 16.6 Demonstrações Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO a internacionalização das

Leia mais

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 11º Congresso Catarinense de Secretários de Finanças, Contadores Públicos e Controladores Internos Municipais ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO 1 Professor João Eudes Bezerra

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 03. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 03. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Olá, ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À Aula 03 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Dando continuidade ao nosso estudo dirigido, hoje veremos os seguintes tópicos: 01.04.04

Leia mais

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.

SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2014 E ENCERRAMENTO DE 2013 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2014)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP

Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP Plano de Contas Aplicado ao Setor PúblicoP PLANO DE CONTAS APLICADO AO SETOR PÚBLICO Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Introdução 2. Sistema Contábil 3. Registro Contábil 4. Composição do Patrimônio Público

Leia mais

Este Plano de Contas será atualizado pela Gerência de Normas da Diretoria da Contabilidade Pública Genor/Dicop.

Este Plano de Contas será atualizado pela Gerência de Normas da Diretoria da Contabilidade Pública Genor/Dicop. Governo do Estado da Bahia Secretaria da Fazenda P l a n o d e C o n t a s 1 /3 Apresentação Este Plano de Contas tem o propósito de atender, de maneira uniforme e sistematizada, ao registro contábil dos

Leia mais

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF

Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF Adequação do Sistema de Contabilidade Pública: novo plano de contas, competência e custos Subsecretaria de Contabilidade Pública STN/MF MUDANÇAS NA ESTRUTURA CONCEITUAL Demonstrações Contábeis Plano de

Leia mais

Análise de Balanços. Flávia Moura

Análise de Balanços. Flávia Moura Análise de Balanços Flávia Moura 1 Tópicos para Reflexão O que é análise de balanços? A análise de balanços consiste em proceder a investigações dos fatos com base nos dados Para que serve a análise de

Leia mais

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade

DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012. Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta. Analista-Contabilidade DEFENSORIA PÚBLICA ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL 2012 Resolução comentada da prova de Contabilidade Prof. Milton M. Ueta Analista-Contabilidade 1 Primeiramente, é necessário Apurar o Resultado pois, como

Leia mais

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA

CURSO ON-LINE PROFESSOR: DJALMA "O sol nasce para todos, mas sombra e água fresca é só para alguns". (frase proferida pelo Professor Osíris em 1999, no Rio de Janeiro) 1. Introdução Neste fim de semana que passou, foram aplicadas pela

Leia mais

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais,

Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições constitucionais e legais, Decreto Nº 9.826, de 26 outubro de 2012 Dispõe sobre procedimentos e prazos relativos ao encerramento do exercício de 2012 e dá outras providências. A PREFEITA DO MUNICÍPIO DE NATAL, no uso de suas atribuições

Leia mais

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO. No nosso encontro de hoje resolvo questões de receita exigidas no último concurso do MPU/2010.

CURSO ON-LINE - PROFESSOR: DEUSVALDO CARVALHO. No nosso encontro de hoje resolvo questões de receita exigidas no último concurso do MPU/2010. QUESTÕES DE RECEITAS PÚBLICAS MPU - 2010 Prezado amigo concursando! Sucesso e sorte na conquista de seu sonho! No nosso encontro de hoje resolvo questões de receita exigidas no último concurso do MPU/2010.

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ

GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ NOTA TÉCNICA Nº 002 / 2013 SATES / DICONF SEFA Aos Órgãos e Entidades da Administração Pública Estadual, 1 Belém, 18 de outubro de 2013 ASSUNTO: Ordem Bancária de Transferência Voluntária (OBTV) do Sistema

Leia mais

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015

DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 1 Gabinete do Prefeito DECRETO Nº 037, DE 08 DE JANEIRO DE 2015 Dispõe sobre critérios a serem adotados na execução orçamentária e financeira do Poder Executivo do Município de Goiânia para o exercício

Leia mais

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro

Balanço Patrimonial. Art. 105. O Balanço Patrimonial demonstrará: I o Ativo Financeiro Segundo o MCASP, o é a demonstração contábil que evidencia, qualitativa e quantitativamente, a situação patrimonial da entidade pública, por meio de contas representativas do patrimônio público, além das

Leia mais

DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL

DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL DEPARTAMENTO DE CONSULTORIA E CAPACITAÇÃO ORIENTAÇÃO TÉCNICA FECHAMENTO DO BALANÇO GERAL 012/2011 Elaborada em 28/12/2011 Este documento descreve os procedimentos que devem ser adotados para o fechamento

Leia mais

I - DA CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL

I - DA CONTA ÚNICA DO TESOURO NACIONAL INSTRUÇÃO NORMATIVA n o 04, de 30 de agosto de 2004. Dispõe sobre a consolidação das instruções para movimentação e aplicação dos recursos financeiros da Conta Única do Tesouro Nacional, a abertura e manutenção

Leia mais

CRESS/MA - 2ª Região Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47

CRESS/MA - 2ª Região Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47 Conselho Regional de Serviço Social/MA CNPJ: 06.042.030/0001-47 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO PASSIVO CIRCULANTE OBRIGAÇÕES TRABALHISTAS,

Leia mais

1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.1.2.7 3.

1 INTRODUÇÃO.4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012).5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS.6 3.1 TABELAS CONTÁBEIS.6 3.1.6 3.1.6 3.1.2.7 3. MANUAL DE ABERTURA DO EXERCÍCIO 2012 E ENCERRAMENTO DE 2011 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO...4 2 PROCEDIMENTOS DE ABERTURA DO EXERCÍCIO (2012)...5 2.1 TABELAS AUTOMÁTICAS CONTÁBEIS...5 3 TABELAS A SEREM PREENCHIDAS

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL DECRETO Nº 1.700

ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL PREFEITURA MUNICIPAL DE MORRINHOS DO SUL DECRETO Nº 1.700 DECRETO Nº 1.700 700/20 2012. Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor

Leia mais

Rotina de Contabilização

Rotina de Contabilização Trata a presente rotina dos procedimentos quanto ao registro de Financiamento Concedido a Mutuários do Sistema Financeiro de Habitação SFH, em substituição a Rotina CNRC/SUNOT/CGE nº 009/2009. Considerando,

Leia mais

TCE-TCE Auditoria Governamental

TCE-TCE Auditoria Governamental TCE-TCE Auditoria Governamental Pessoal, vou comentar as questões da prova. 61. Considere as informações extraídas do Balanço Orçamentário, referentes ao exercício financeiro de 2014, de uma entidade pública:

Leia mais

Contabilidade Aplicada ao. Perspectivas da Convergência aos Padrões Internacionais

Contabilidade Aplicada ao. Perspectivas da Convergência aos Padrões Internacionais Contabilidade Aplicada ao Setor Público: P Desafios e Perspectivas da Convergência aos Padrões Internacionais Tesouro Nacional Conselho Federal de Contabilidade 2008 Para Reflexão Não há vento favorável

Leia mais

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública.

Contabilidade Pública. Aula 1. Apresentação. Aula 1. Conceitos e definições. Bases legais. Contabilidade Pública. Contabilidade Pública Aula 1 Apresentação Prof. Adilson Lombardo Aula 1 Conceitos e definições Bases legais Contabilidade Pública Orçamento Público Normas Brasileiras de Contabilidade Técnicas 16 Normas

Leia mais

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários

ESTUDO DIRIGIDO DAS NOVAS NORMAS APLICÁVEIS À CONTABILIDADE PÚBLICA. Aula 01. MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Aula 01 MCASP, parte I, Procedimentos Contábeis Orçamentários Abordaremos os seguintes pontos: 01.03.03 reconhecimento da receita orçamentária. 01.03.03.01 relacionamento do regime orçamentário com o regime

Leia mais

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público

perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público Demonstrações Contábeis sob a perspectiva da Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público QUEM ATUALIZOU AS DEMONSTRAÇÕES?

Leia mais

CAU - PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99

CAU - PR Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99 Conselho de Arquitetura e Urbanismo do Estado do Paraná CNPJ: 14.804.099/0001-99 Balanço Patrimonial ATIVO PASSIVO ATIVO CIRCULANTE Especificação CAIXA E EQUIVALENTES DE CAIXA CRÉDITOS A CURTO PRAZO Atual

Leia mais

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013.

DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. DECRETO EXECUTIVO N 022/13, de 24 de maio de 2013. Altera o Decreto nº 016/2012, que instituiu o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos

Leia mais

APRESENTAÇÃO PROFESSOR IGOR N OLIVEIRA CONTABILIDADE PÚBLICA E AFO. Apresentação

APRESENTAÇÃO PROFESSOR IGOR N OLIVEIRA CONTABILIDADE PÚBLICA E AFO. Apresentação Olá meus nobres concurseiros (as)! Apresentação Meu nome é Igor Nascimento Oliveira, tenho 30 anos e sou natural de Minas Gerais. Fui oficial da Marinha do Brasil, formado pela Escola Naval em 2002. Naquela

Leia mais

Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas

Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas NOTA TÉCNICA n. 007/2009/GECON Vitória, 03 de julho de 2009. Alterados os itens 1 e 6 em 19 de agosto de 2009. Assunto: Contabilização de Obrigações Tributárias Renegociadas Prezados (as) Senhores (as),

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 CONTADOR PROVA OBJETIVA

PREFEITURA MUNICIPAL DE MIRACEMA 2014 CONTADOR PROVA OBJETIVA 1 CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 1) Os poderes legislativo, executivo e judiciário manterão, de forma integrada, sistema de controle interno. A finalidade que NÃO integra atribuição constitucional do controle

Leia mais

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral

Prefeitura Da Cidade do Rio de Janeiro Controladoria Geral do Município Subcontroladoria de Integração de Controles Contadoria Geral 1 RELATÓRIO DE DESEMPENHO DA PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO FRENTE À LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL NO EXERCÍCIO DE 2012 Este relatório tem por objetivo abordar, de forma resumida, alguns aspectos

Leia mais

AULA 07: Balanço patrimonial, Demonstração das Variações Patrimoniais de acordo com a Lei nº 4.320/64.

AULA 07: Balanço patrimonial, Demonstração das Variações Patrimoniais de acordo com a Lei nº 4.320/64. AULA 07: Balanço patrimonial, Demonstração das Variações Patrimoniais de acordo com a Lei nº 4.320/64. SUMÁRIO PÁGINA 1. Apresentação 1 2. Balanço Patrimonial 1 2.1. Estrutura conceitual 1 2.2. Análise

Leia mais

BALANÇO ORÇAMENTÁRIO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL Créditos Orçamentários e Suplementares

<ESFERA DE GOVERNO> BALANÇO ORÇAMENTÁRIO DO REGIME PRÓPRIO DE PREVIDÊNCIA SOCIAL <PERÍODO DE REFERÊNCIA> Créditos Orçamentários e Suplementares $1(;2,,,6(*81'2$370361ž$78$/,=$'$3(/$370361žH370361ž 02'(/26(,16758d (6'(35((1&+,0(172'$6'(021675$d (6&217È%(,6 Os Regimes Próprios de Previdência Social deverão elaborar, anualmente, as seguintes Demonstrações

Leia mais

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e;

DECRETO 011 / 2012. ATENDER aos dispositivos da Portaria nº 828, de 14 de dezembro de 2011, da Secretaria do Tesouro Nacional, e; DECRETO 011 / 2012 Institui o cronograma de execução das atividades a serem implementadas para o atendimento integral dos dispositivos constantes no Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público MCASP.

Leia mais

GUIA DE CAPACITAÇÃO REGISTRO DE RECEITA EXTRA ORÇAMENTÁRIA - RDE

GUIA DE CAPACITAÇÃO REGISTRO DE RECEITA EXTRA ORÇAMENTÁRIA - RDE GUIA DE CAPACITAÇÃO REGISTRO DE RECEITA EXTRA ORÇAMENTÁRIA - RDE Registro de Receita Extra Orçamentária (RDE) - SUMÁRIO - 1. CONCEITOS...3 2. Registro de Receita Extra Orçamentária...6 2.1. DESCRIÇÃO...6

Leia mais

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA

MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA MANUAL DE NAVEGAÇÃO DO PORTAL DA TRANSPARÊNCIA DO PODER EXECUTIVO DE SANTA CATARINA Versão 1.3 - março de 2013 Permitida a reprodução desde que citada a fonte 1 SUMÁRIO APRESENTAÇÃO... 5 1. SOBRE O PORTAL...

Leia mais

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL

ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL GOVERNO DO ESTADO DO PARÁ PÁGINA: 1 BALANÇO PATRIMONIAL CONSOLIDADO - 2005 ANEXO 14 ATIVO ATIVO FINANCEIRO 855.661.519,48 DISPONÍVEL 450.323.096,72 CAIXA 47.294,31 BANCOS CONTA MOVIMENTO 210.194.091,20

Leia mais

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA

GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA GESTÃO ORÇAMENTÁRIA E FINANCEIRA Brasília 14 de agosto de 2014 EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA E EXECUÇÃO FINANCEIRA Ocorrem concomitantemente; e Estão intrinsecamente relacionadas uma à outra. A despesa não poderá

Leia mais

O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal

O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal O Caixa Único do Estado e a Lei de Responsabilidade Fiscal Roberto B. Calazans O objetivo desse texto, dentro do princípio da transparência da Lei de Responsabilidade Fiscal, é contribuir para demonstrar

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO CRC-DF DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS APLICADAS AO SETOR PÚBLICO Domingos Poubel de Castro Brasília/DF, 18 de Maio de 2012 NECESSIDADES PERMANENTES DO GESTOR INFORMAÇÕES CONTROLE Cenário Externo 0800 570 0800

Leia mais

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO

DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO. 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - ESCOLA DE ATIVISMO 31 de dezembro de 2012 SUMÁRIO BALANÇO PATRIMONIAL 02 DEMONSTRAÇÃO DO RESULTADO DO PERÍODO 03 DEMONSTRAÇÃO DAS MUTAÇÕES DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO 04 DEMONSTRAÇÕES

Leia mais

Presidência da República

Presidência da República Presidência da República Casa Subchefia para Assuntos Jurídicos Civil DECRETO Nº 6.170, DE 25 DE JULHO DE 2007. Dispõe sobre as normas relativas às transferências de recursos da União mediante convênios

Leia mais

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público

ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público SISTEMA INTEGRADO DE CONTROLE E AUDITORIA PÚBLICA - SICAP/CONTÁBIL ENCONTRO TÉCNICO MCASP - Manual de Contabilidade Aplicado ao Setor Público Portaria Conjunta STN/SOF nº 02/2012 Portaria STN nº 437/2012

Leia mais

INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA

INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA Resumo de Contabilidade Pública Assunto: INTRODUÇÃO À CONTABILIDADE PÚBLICA Autor: SÉRGIO LUIZ RAMOS 1 ÍNDICE: 1. NOÇÕES DE CONTABILIDADE PÚBLICA 1.2 SISTEMAS 1.3 RESTOS A PAGAR 1.4 VARIAÇÕES PATRIMONIAIS

Leia mais

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA

2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA SUMÁRIO 1. OBJETIVO... 1 2. MOTIVAÇÃO E JUSTIFICATIVA... 1 3. PROCEDIMENTOS E CONTABILIZAÇÃO NO FIPLAN... 3 3.1 REGISTROS CONTÁBEIS DA DÍVIDA ATIVA... 5 3.1.1 REGISTRO DA INSCRIÇÃO DO CRÉDITO EM DÍVIDA

Leia mais

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas SIAFI Básico ABOP Slide 1

XI Semana de d Adminis minis ação Orç Or amen amen ária , Financeira r e d e e d Contr Con a tr t a ações Públi Púb cas SIAFI Básico ABOP Slide 1 SIAFI Básico ABOP Slide 1 Oficina nº 65 - SIAFI BÁSICO Carga Horária: 4h Conteúdo: 1. Aspectos históricos do SIAFI. 1.1 Apresentação do Sistema. 1.2 Conceituações básicas do SIAFI. 1.3 Objetivos. 1.4 Abrangência.

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS O Conselho Federal de Contabilidade e o Comitê de Pronunciamentos Contábeis são responsáveis pela elaboração das normas contábeis comumente aceitas. Sobre essas normas, julgue

Leia mais

MÓDULO iv. Orçamento, Descentralizaçã. ção o de Créditos e Empenho da Despesa

MÓDULO iv. Orçamento, Descentralizaçã. ção o de Créditos e Empenho da Despesa MÓDULO iv Orçamento, Descentralizaçã ção o de Créditos e Empenho da Despesa Estruturação do Orçamento Art. 165, 5º CF 88 - A lei orçamentária anual compreenderá: I - o orçamento fiscal referente aos Poderes

Leia mais

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul.

Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Implantação do Plano de Contas Aplicado ao Setor Público PCASP. A experiência do Estado do Rio Grande do Sul. Público Alvo: Servidores de Prefeituras do Estado do Rio Grande do Sul que atuam na área contábil.

Leia mais