SILVIO APARECIDO CREPALDI AUDITORIA CONTÁBIL. Teoria e Prática. 6 a Edição Atualizada de acordo com as Leis n os /07 e 11.

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "SILVIO APARECIDO CREPALDI AUDITORIA CONTÁBIL. Teoria e Prática. 6 a Edição Atualizada de acordo com as Leis n os 11.638/07 e 11."

Transcrição

1 SILVIO APARECIDO CREPALDI AUDITORIA CONTÁBIL Teoria e Prática 6 a Edição Atualizada de acordo com as Leis n os /07 e /09

2 Silvio Aparecido Crepaldi Auditoria Contábil Teoria e Prática Respostas dos Exercícios Portal Atlas SÃO PAULO EDITORA ATLAS S.A. 2010

3 Sumário Fundamentos de Auditoria, 3 Auditoria Interna e Externa, 4 Normas de Auditoria, 5 Testes, 21 Controle Interno, 34 Papéis de Trabalho, 38 Auditoria do PL, 39

4 1 Fundamentos de Auditoria Assinale a alternativa que indica o tipo de auditoria que abrange o exame de legalidade dos fatos patrimoniais em face das obrigações tributárias, trabalhistas e sociais, podendo ser feita pela própria empresa, por profissionais da contabilidade especializados, ou pelo poder público, na defesa dos interesses da arrecadação de impostos, taxas e contribuições de qualquer natureza. (A) fiscal; (B) governamental; (C) independente; (D) de gestão governamental.

5 2 Auditoria Interna e Externa QUEtSTÕES OBJETIVAS 1) Quanto à Auditoria Operacional, é correto afirmar que: (A) tem como foco principal o estudo do controle interno da entidade, buscando identificar seus pontos fortes e deficiências; (B) tem por objetivo acompanhar, examinar e avaliar a execução dos programas e projetos governamentais; (C) visa apurar a adequação dos procedimentos e documentos de suporte aos processos de tomada de decisão; (D) incide em todos os níveis de gestão sob o ponto de vista da economia, eficiência e eficácia, nas suas fases de programação, execução e supervisão.

6 6 Normas de Auditoria QUESTÕES OBJETIVAS 1) Quando há uma limitação significativa imposta pela entidade, à extensão do trabalho do auditor independente, esse deve emitir um parecer: (A) com ressalva ou com abstenção de opinião; (B) adverso ou com abstenção de opinião; (C) adverso; (D) sem ressalva, mas com parágrafo de ênfase. 2) O parecer do auditor independente deve, entre outras, ater-se à seguinte norma: (A) nas Demonstrações Contábeis, o período entre a data do término do exercício social e da emissão do parecer é denominado período subsequente, devendo o auditor desconsiderá-lo como parte normal da auditoria; (B) uma vez tomado conhecimento de eventos que afetam de maneira relevante as Demonstrações Contábeis, o auditor deve verificar se eles foram contabilizados e demonstrados de forma adequada. Caso contrário, o auditor deve emitir seu parecer com ressalva ou adverso, independentemente de quaisquer medidas em relação à administração; (C) a contratação de uma auditoria independente para opinar somente sobre o balanço patrimonial e não sobre demais demonstrações contábeis é possível e não caracteriza somente uma limitação na sua extensão, mas somente uma auditoria de objetivo limitado; (D) os elementos básicos de um parecer são compostos por parágrafos referentes à identificação das demonstrações contábeis e à definição das responsabilidades da administração e dos auditores e parágrafo referente à opinião sobre as demonstrações contábeis.

7 Auditoria Contábil Crepaldi 6 3) Quando a aplicação de procedimentos de auditoria, planejados com base na avaliação de risco, resultar na provável existência de fraude e/ou erro, o Auditor Independente deve considerar o efeito potencial sobre as Demonstrações Contábeis. Das alternativas abaixo, indique a que está incorreta: (A) se o Auditor Independente concluir que a fraude e/ou erro tem efeito relevante sobre as Demonstrações Contábeis e que não foram, apropriadamente, refletidos ou corrigidos, ele deve emitir seu parecer com ressalva ou com opinião adversa; (B) se o Auditor Independente não puder determinar se houve fraude e/ou erro devido a limitações impostas pelas circunstâncias, e não pela entidade, deve analisar o tipo de parecer a emitir; (C) o Auditor Independente não pode rescindir o Contrato de Auditoria, independentemente de a entidade tomar, ou não, providências ou medidas corretivas relacionadas com a fraude, pois suas discordâncias deverão ser refletidas no parecer; (D) o Auditor Independente deve sempre comunicar à administração da entidade auditada descobertas factuais envolvendo fraude, seja de forma verbal ou escrita. 4) Para que a função da auditoria mereça toda a credibilidade possível, não existindo qualquer sombra de dúvida quanto à honestidade e aos padrões morais do auditor, devem ser respeitados os princípios ético-profissionais de: (A) Independência, Integridade e Eficiência; (B) Confidencialidade, Integridade e Parcialidade; (C) Independência, Parcialidade e Eficiência; (D) Independência, Integridade e Ineficiência. 5) O ato intencional de omissão ou manipulação de transações e operações, adulteração de documentos, registros, relatórios, informações e demonstrações contábeis, tanto em termos físicos quanto monetários, é definido como: (A) engano; (B) erro; (C) fraude; (D) equívoco. 6) Ao detectar erros relevantes ou fraudes no decorrer dos seus trabalhos, o auditor deve: (A) comunicar aos funcionários da área auditada; (B) desprezar as informações apuradas; (C) comunicar à administração da entidade, sugerindo medidas corretivas; (D) modificar o planejamento da auditoria;

8 Auditoria Contábil Crepaldi 7 7) Constitui risco de Auditoria: (A) o auditor ter dificuldades em manifestar sua opinião em razão de documentos incompletos; (B) a possibilidade de o auditor vir a emitir uma opinião tecnicamente inadequada sobre as demonstrações contábeis significativamente incorreta; (C) o relatório de auditoria conter elementos que contribuam para a liquidação da entidade; (D) os manuais internos da organização não possuírem definição clara das responsabilidades. 8) Com base nas Normas Brasileiras de Contabilidade - NBCs, devem ser excluídas das Demonstrações Contábeis consolidadas as entidades controladas que se encontrem nas seguintes situações: (A) com efetivas e claras evidências de perda de continuidade e cujo patrimônio seja avaliado, ou não, a valores de liquidação; (B) quando haja possibilidade de venda por parte da controladora, em futuro próximo, mesmo que ainda não tenha efetiva e clara evidência de realização devidamente formalizada; (C) cujas operações não mantenham semelhança com as operações da entidade controladora; (D) que encerrem seus exercícios sociais com mais de 60 dias de diferença da data do encerramento da controladora. 9) A companhia XYZ encontra-se em processo de descontinuidade das operações e o auditor independente, para a emissão do seu parecer, avaliou que os fatos determinantes dessa situação não foram adequadamente revelados e divulgados pela sua Administração. Nessas condições, considerando-se que a Administração da companhia não elaborou as Demonstrações Contábeis mediante a adoção de práticas contábeis aplicáveis a empresas em regime de descontinuidade operacional, bem como não apresentou planos de negócios com vistas a sua recuperação, qual deverá ser a decisão do auditor independente relacionada com a emissão do seu parecer? (A) incluir parágrafo de ênfase, relatando a incerteza quanto à continuidade das operações; (B) incluir parágrafo de ênfase, no qual fundamentará as razões que o levaram a emitir uma opinião adversa, em decorrência da falta de divulgação dos fatos por parte da administração; (C) emitir parecer com opinião adversa, destacando a não preparação das demonstrações contábeis de acordo com práticas contábeis aplicáveis e omissão de divulgações relevantes em notas explicativas; (D) emitir parecer com abstenção de opinião, evidenciando a omissão de divulgações relevantes em notas explicativas.

9 Auditoria Contábil Crepaldi 8 10) O auditor independente concluiu não ser praticável obter evidência de auditoria adequada e suficiente (embora fosse esperado obtê-la em condições normais) com relação ao custo de um ativo, que tem ou pode ter efeito significativo sobre as Demonstrações Contábeis. Diante desse fato, obtém uma declaração da administração sobre o custo desse ativo. Indique a alternativa correta, de acordo com as Normas de Auditoria aplicáveis: (A) o auditor, nas circunstâncias, pode aceitar a declaração da administração como base para a emissão de seu parecer não modificado (sem ressalva), desde que formalizada na carta de representação da administração; (B) o auditor deve tratar tal incerteza em parágrafo de ênfase do seu parecer não modificado; (C) o auditor deve considerar que a impraticabilidade na obtenção da evidência de auditoria caracteriza-se como uma limitação no escopo de seu trabalho, a qual não pode ser mitigada pela declaração da administração e, assim, deve abster-se de emitir opinião sobre aquele ativo e os possíveis efeitos nas Demonstrações Contábeis; (D) o auditor deve mencionar o fato em seu parecer emitido na condição de sujeito a confirmação da declaração dos administradores da entidade. 11) Na conclusão dos trabalhos para emissão do parecer de auditoria sobre as Demonstrações Contábeis individuais e consolidadas da companhia ABC, que incluem uma controlada atravessando uma crise financeira significativa, levantou-se a questão de um possível problema com a recuperação de valores dos ativos, além de a controlada estar incorrendo em prejuízos recorrentes e apresentar deficiência no capital de giro e passivo a descoberto. A administração, com base nos estudos e nos planos de negócio, entendeu que essa situação será revertida a médio prazo e evidenciou esses fatos nas notas explicativas. Diante dessas circunstâncias e considerando que o auditor independente concorda com o entendimento da administração da companhia, o seu parecer sobre as Demonstrações Contábeis deve ser emitido: (A) com ressalva; (B) com abstenção de opinião; (C) com parágrafo de ênfase; (D) com ressalva e com parágrafo de ênfase. 12) Quando o auditor emitir parecer com ressalva, adverso ou com abstenção de opinião, ele deve, exceto: (A) quantificar os efeitos dos fatos sobre as Demonstrações Contábeis, em parágrafo de ênfase; (B) incluir clara descrição de todas as razões que fundamentaram seu parecer; (C) quantificar os efeitos dos fatos sobre as Demonstrações Contábeis, se praticável; (D) apresentar as circunstâncias que geraram a modificação do parecer em parágrafo específico, antes do parágrafo da opinião.

10 Auditoria Contábil Crepaldi 9 13) Uma entidade de auditoria foi contratada pela empresa para a qual presta serviços de auditoria independente das Demonstrações Contábeis para proceder a uma revisão específica e detalhada nas contas a receber de clientes. Ocorrida essa revisão, constatou-se a necessidade de efetuar uma conciliação entre o registro auxiliar das contas a receber de clientes e os registros contábeis, em face de divergências significativas entre os saldos. A entidade auditada propôs ao auditor realizar essa conciliação e efetuar os ajustes considerados necessários. Qual, entre as alternativas abaixo, não poderia ser aceita pelo auditor independente sob pena de se caracterizar perda de independência? (A) realizar o trabalho, todavia ficando restrito à identificação dos problemas e à indicação dos ajustes a serem efetivados pela administração do cliente; (B) realizar o trabalho de conciliação limitando-se à identificação dos fatores que motivaram o surgimento das diferenças apontadas; (C) conduzir o trabalho e, como resultado, ajustar os saldos contábeis; (D) recomendar a contratação de um profissional externo para execução das conciliações e identificação dos ajustes necessários. 14) As normas de auditoria independente das Demonstrações Contábeis definem e distinguem os termos Fraude e Erro. Assinale a alternativa que contenha, exclusivamente, as características de um ou de outro termo. (A) manipulação de transações, desatenção e desconhecimento; (B) adulteração de documentos, desconhecimento ou má interpretação dos fatos; (C) atos voluntários de omissão, manipulação de transações e adulteração de registros; (D) atos involuntários de omissão, desatenção, desconhecimento e manipulação de transações. 15) Em linha de convergência das Normas Brasileiras de Contabilidade com as Normas Internacionais, a Comissão de Valores Mobiliários, mediante sua Instrução nº 457/07, determinou que as companhias abertas deverão: (A) a partir do exercício a findar em 2010, apresentar as suas demonstrações contábeis e as de suas sociedades controladas de capital aberto adotando o padrão contábil internacional, de acordo com os pronunciamentos emitidos pelo International Accounting Standards Board IASB; (B) a partir do exercício a findar-se em 2010, apresentar as suas demonstrações contábeis adotando o padrão contábil internacional, de acordo com os pronunciamentos emitidos pelo International Accounting Standards Board IASB; (C) a partir do exercício a findar em 2010, apresentar as suas demonstrações contábeis consolidadas adotando o padrão contábil internacional, de acordo com os pronunciamentos emitidos pelo International Accounting Standards Board IASB; (D) a partir do exercício a findar em 2010, apresentar as suas demonstrações contábeis e as de suas sociedades controladas, adotando o padrão contábil internacional, de acordo com os pronunciamentos emitidos pelo International Accounting Standards Board IASB.

11 Auditoria Contábil Crepaldi 10 16) A companhia ABC divulgou suas demonstrações contábeis acompanhadas do parecer (sem ressalva) dos auditores independentes, como segue: (i) em jornal de grande circulação em nível nacional, de forma sumariada; e (ii) no jornal oficial, de forma completa. Considerando as Normas Brasileiras de Contabilidade, indique a atitude correta do Auditor independente: (A) o auditor independente não tomou conhecimento das publicações efetuadas pela companhia, senão no segundo semestre do exercício seguinte, por ocasião da renovação do seu contrato de auditoria com a companhia, motivo pelo qual não lhe cabe qualquer ação acerca dos procedimentos de divulgação adotados pela companhia; (B) o auditor independente deve acompanhar a divulgação das demonstrações contábeis sobre as quais emitiu seu parecer, para certificar-se da correção da divulgação em todos os seus aspectos relevantes. Assim, ao identificar a publicação das demonstrações contábeis sumariadas acompanhadas de seu parecer, deve dirigir correspondência ao seu cliente requerendo a correção do procedimento (no mínimo com nova divulgação da companhia informando que o parecer dos auditores independentes foi publicado de forma indevida junto às demonstrações contábeis sumariadas e que não deve ser associado a essas demonstrações contábeis sumariadas). A falta de divulgação/correção desse fato pela administração da companhia, nos níveis julgados apropriados pelo auditor independente, deve ser objeto de sua pronta ação, incluindo, se necessário, comunicação ao órgão regulador e, eventualmente, publicação de sua iniciativa no mesmo jornal, para correção do equívoco cometido pela administração; (C) o auditor independente, ao verificar a divulgação de seu parecer acompanhado das demonstrações contábeis sumariadas, considerou apropriada tal divulgação, em face do que dispõe a Resolução CFC nº 820/97, que aprovou a NBC T 11, sobretudo quanto à emissão de parecer sobre demonstrações contábeis condensadas; (D) o auditor independente tomou conhecimento da publicação efetuada pela companhia ao ler o jornal que continha tal divulgação e, considerando que a companhia fez constar no corpo dessa publicação que as demonstrações contábeis completas estavam sendo publicadas nesse mesmo dia no jornal oficial, entendeu que não havia qualquer ação a tomar. 17) Nos termos das Normas de auditoria independente das demonstrações contábeis, quando houver participação de outros auditores independentes no exame de demonstrações contábeis relevantes, das controladas e/ou coligadas, o auditor da controladora e/ou investidora deve destacar esse fato no seu parecer. Baseado nessa referência, que trata do parecer dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis, indique a alternativa incorreta. (A) o auditor independente da controladora e/ou investidora deve expressar sua opinião sobre as demonstrações contábeis como um todo, baseando-se, exclusivamente, no parecer do outro auditor independente com respeito às demonstrações contábeis de controladas e/ou coligadas por ele examinadas, destacando o fato no seu parecer e com indicação dos valores envolvidos; (B) a referência ao parecer dos outros auditores independentes, mesmo sem indicação do conteúdo de sua opinião, significa que o parecer desses outros auditores não teve ressalvas ou teve ressalvas que não afetam a posição patrimonial e financeira e os resultados da investidora e não há nenhuma restrição aos seus trabalhos e conclusões;

12 Auditoria Contábil Crepaldi 11 (C) o auditor independente deve emitir parecer com ressalva ou abstenção de opinião quando concluir, baseado nos procedimentos recomendados, que o trabalho dos outros auditores independentes não pode ser utilizado, e que não pode aplicar procedimentos adicionais suficientes com relação às demonstrações contábeis da controlada e/ou coligada, ou ao item sobre o qual os outros auditores emitiram parecer; (D) a divisão de responsabilidades evidenciada no parecer do auditor independente ocorre quando este aceita o parecer de outro auditor independente, por não ter evidências que indiquem restrições aos seus trabalhos e conclusões. Consequentemente, o parecer do auditor independente da investidora deve ser emitido sem ressalvas ou abstenção de opinião em relação ao valor do investimento mantido em controlada examinada por outros auditores independentes. 18) A auditoria independente de demonstrações contábeis objetiva validar e certificar a adequação dessas demonstrações em face das normas brasileiras de contabilidade e das práticas contábeis em vigor no Brasil. Para que tenha condições de certificar as informações apresentadas, o auditor aplica dois grandes conjuntos de testes: os testes de observância (ou aderência) e os testes substantivos. Os primeiros objetivam verificar a existência, efetividade, adequação e confiabilidade do controle interno da empresa, com vistas a determinar, em um segundo momento, o volume de testes substantivos a serem aplicados nas diversas áreas a serem testadas. Os testes substantivos compreendem duas categorias: os de transações e saldos e os procedimentos de revisão analítica. Os testes de observância, como o próprio nome evidencia, buscarão validar se as transações contabilizadas de fato ocorreram (em determinadas situações, as empresas registram operações fictícias, sem suporte documental, com o objetivo de mascarar determinada evidência ou apresentar uma situação diferente da real) e se os saldos correspondem à realidade. Já a revisão analítica compreende um conjunto de índices e indicadores que funcionam como sinal de alerta para o auditor. Ao final dos trabalhos, o auditor evidenciará sua opinião em um documento denominado parecer de auditoria. Nele, caso opte pela modalidade sem ressalvas, é correto afirmar que: (A) o trabalho de auditoria foi bem realizado, tendo sido todos os procedimentos listados no planejamento efetivamente executados; (B) serve como garantia de viabilidade futura. Ou seja, constando ou não um parágrafo de ênfase, a empresa deverá continuar a operar normalmente por, pelo menos, mais um exercício; (C) houve limitações significativas no escopo do trabalho; (D) a administração da entidade auditada atuou de forma eficiente e eficaz, tendo optado, na maior parte do tempo, por decisões mais acertadas. 19) O Conselho Federal de Contabilidade CFC conceitua fraude e erro da seguinte forma: I fraude, o ato intencional de omissão ou manipulação de transações, adulteração de documentos, registros e demonstrações contábeis; e II erro, o ato não intencional, resultante de omissão, desatenção ou má interpretação de fatos na elaboração de registros e demonstrações contábeis. Considerando a regulamentação do assunto pelo CFC, em especial a resolução 836, é possível afirmar que:

13 Auditoria Contábil Crepaldi 12 (A) a responsabilidade primária na prevenção e identificação de fraudes e erros é do auditor independente, uma vez que é contratado para garantir que os dados constantes nas demonstrações reflitam a real situação econômico-financeira da entidade auditada; (B) não tem o auditor independente a obrigação de comunicá-los à entidade da auditada, desde que relevantes; (C) o auditor independente deverá considerar a possibilidade de ocorrência, inclusive na fase do planejamento dos trabalhos; (D) a auditoria de demonstrações contábeis tem como objetivo a descoberta de fraudes. 20) O relatório em forma longa normalmente inclui detalhes de itens das demonstrações, dados estatísticos, comentários explicativos e, às vezes, uma descrição da extensão do exame do auditor. Pode coexistir com o relatório em forma breve. Nesse caso: (A) o relatório em forma breve não pode omitir informações consideradas relevantes contidas no relatório em forma longa; (B) os dois relatórios devem conter o mesmo tipo de informação, diferindo apenas no detalhamento; (C) o relatório em forma longa deve incluir informações que constituam ressalvas; (D) recomendações e sugestões constam apenas do relatório em forma longa. 21) O parecer dos auditores independentes é o documento mediante o qual os mesmos expressam sua opinião acerca das demonstrações contábeis nele indicadas. Acerca desse assunto, assinale a opção correta. (A) por meio do parecer, o auditor assume responsabilidade de ordem privada, de natureza estritamente contratual; (B) a data do parecer deve corresponder a das demonstrações que tenham sido auditadas; (C) o auditor, mesmo abstendo-se de emitir opinião a respeito das demonstrações, é responsável por mencionar qualquer desvio relevante que possa influenciar a decisão do usuário das informações; (D) em caso de incerteza acerca de fato relevante, o auditor deve abster-se de opinar, desde que haja nota explicativa da administração relacionada ao fato. 22) De acordo com o Código de Ética, o auditor deve fixar previamente o valor dos serviços, por contrato escrito, sendo, para tanto, irrelevante: (A) o ganho ou a perda financeira que o cliente poderá obter com o resultado do trabalho; (B) a peculiaridade de tratar-se de trabalho eventual ou habitual; (C) o local e as condições de prestação do serviço; (D) a nacionalidade do contratante.

14 Auditoria Contábil Crepaldi 13 23) O auditor contábil externo é responsável pela emissão de parecer acerca das demonstrações contábeis de empresas. Acerca da responsabilidade do auditor e as especificidades na condução de seus exames, assinale a opção correta. (A) de acordo com as normas de auditoria geralmente aceitas, as fraquezas relevantes encontradas ao longo dos exames devem necessariamente ser identificadas separadamente e comunicadas no relatório ao comitê de auditoria ou órgão equivalente da empresa auditada; (B) caso o auditor constate evidências de que ativos não se encontram adequadamente protegidos contra apropriação indébita deverá apontar em seus papéis de trabalho, mas não é obrigado a emitir reportable condition sobre o assunto; (C) apesar das normas de auditoria não exigirem revisões pós-auditoria, se o auditor descubra, logo após a data de emissão de seu parecer, um procedimento que foi omitido ao longo de seus exames, essa descoberta poderá resultar em programa de inspeção de seu próprio sistema de controle de qualidade ou em uma revisão por pares. (D) caso o auditor constate evidências de que há instalações inadequadas para a guarda de ativos deverá apontar em seus papéis de trabalho, mas não é obrigado a emitir reportable condition sobre o assunto. 24) Na situação em que a administração da entidade auditada omitir nota explicativa necessária à adequada análise e interpretação das demonstrações contábeis, o auditor independente, em seu parecer, deve: (A) incluir, em parágrafo de ênfase, a informação omitida pela administração; (B) mencionar o fato em parágrafo intermediário e ressalvar sua opinião, no parágrafo próprio; (C) informar sobre a limitação na extensão de seus exames, em decorrência da falta de divulgação da informação não prestada; (D) mencionar em parágrafo intermediário o fato, porém, sem ressalvar sua opinião. 25) Quando o auditor independente julgar que, pela magnitude das operações com partes relacionadas, divulgadas em nota explicativa, e pela diferenciação dessas operações quando comparadas com operações entre partes não relacionadas, a situação merece ser destacada aos usuários das Demonstrações Contábeis, devendo o auditor independente: (A) mencionar o fato em seu parecer reproduzindo o texto da nota explicativa e modificando o parágrafo de opinião; (B) adicionar em seu parecer parágrafo de ênfase indicando que a entidade realiza volume significativo de operações com partes relacionadas em condições diferentes às de mercado; (C) inserir parágrafo intermediário em seu parecer pois esse tipo de situação implica efeitos relevantes nas demonstrações contábeis; (D) emitir parecer adverso dada a relevância dos valores.

15 Auditoria Contábil Crepaldi 14 26) Na execução de uma auditoria, o Auditor Independente necessita obter evidências para dar suporte às suas conclusões, como, utilizar os trabalhos executados por especialistas. Portanto, a declaração do especialista, na forma de relatório, é um exemplo dessas evidências. De acordo com as normas, quando da emissão de um parecer, o Auditor Independente: (A) não pode fazer referência do trabalho de especialista se o parecer for sem ressalva; (B) pode fazer referência do trabalho de especialista, mesmo o parecer sendo sem ressalva; (C) não pode fazer referência do trabalho de especialista, quando os serviços executados pelo especialista tenham efeitos relevantes nas demonstrações contábeis, independentemente do parecer emitido; (D) pode fazer referência do trabalho de especialista, quando os serviços executados pelo especialista tenham efeitos não relevantes nas demonstrações contábeis, independentemente do parecer emitido. 27) Na execução de seus trabalhos, o Auditor Independente detectou fraudes relevantes nos registros contábeis da entidade auditada. Em obediência ao que é determinado à norma de auditoria, o auditor, com relação às fraudes detectadas, tem a obrigação de: (A) denunciar à Polícia Federal e à Receita Federal do Brasil; (B) comunicar aos organismos controladores e fiscalizadores; (C) comunicar à administração da entidade auditada; (D) denunciar ao Conselho Regional de Contabilidade CRC, ao Conselho Federal de Contabilidade CFC e ao Instituto dos Auditores Independentes do Brasil IBRACON. 28) A responsabilidade primária na prevenção e detecção de fraudes e erros é: (A) da administração; (B) da auditoria interna; (C) do conselho de administração; (D) da auditoria externa. 29) O auditor da empresa Negócios S.A. estabeleceu três procedimentos obrigatórios para emissão do parecer. O primeiro, que a empresa renovasse o contrato de auditoria para o próximo ano, o segundo, que a empresa emitisse a carta de responsabilidade da administração e o terceiro, que o parecer seria assinado por sócio do escritório de contabilidade, cuja única formação é administração de empresas. Pode-se afirmar, com relação aos procedimentos, respectivamente, que: (A) não é ético, não é procedimento de auditoria e não atende às normas de auditoria e da pessoa do auditor; (B) é ético, não deve ser considerado para emissão do parecer e atende às normas de auditoria e da pessoa do auditor; (C) é ético, considera-se apenas em alguns casos para emissão do parecer e não atende às normas de auditoria e pessoa do auditor.

16 Auditoria Contábil Crepaldi 15 (D) não é ético, é procedimento de auditoria e não atende as normas de auditoria e da pessoa do auditor. 30) A empresa Eletronics S.A. fabrica televisores de LCD de última geração. A garantia convencional é dada para três anos e a garantia oferecida é estendida para mais um ano mediante pagamento complementar. Como o custo é baixo, em 90% dos casos o cliente adquire. A empresa registra o valor da venda do televisor como receita de vendas e a garantia estendida como receita de serviços, no resultado. Pode-se afirmar que, nesse caso, não está sendo atendido o princípio: (A) da continuidade; (B) do custo como base do valor; (C) da competência; (D) da neutralidade. 31) A empresa Grandes Negócios S.A. adquiriu a principal concorrente, após o encerramento do balanço e a emissão do parecer pelos auditores. No entanto, a empresa ainda não havia publicado suas demonstrações com o parecer. Nessa situação, a firma de auditoria deve: (A) manter o parecer com data anterior ao evento, dando encerramento aos trabalhos; (B) estabelecer que a empresa inclua o evento relevante nas notas explicativas; (C) refazer o parecer considerando as novas informações, determinando nova data para publicação das demonstrações contábeis; (D) decidir se as demonstrações devem ser ajustadas, discutir o assunto com a administração e tomar as medidas apropriadas às circunstâncias. 32) Na emissão de parecer com abstenção de opinião para as demonstrações contábeis de uma entidade, pode-se afirmar que: (A) elimina a responsabilidade do auditor de emitir qualquer parecer devendo este comunicar à administração da empresa da suspensão dos trabalhos; (B) não suprime a responsabilidade do auditor de mencionar, no parecer, qualquer desvio, independente da relevância ou materialidade, que possa influenciar a decisão do usuário dessas demonstrações; (C) exclui a responsabilidade do auditor de se manifestar sob qualquer aspecto das demonstrações; (D) não elimina a responsabilidade do auditor de mencionar, no parecer, qualquer desvio relevante que possa influenciar a decisão do usuário dessas demonstrações. 33) A empresa de Transportes S.A. é uma empresa que tem seus registros contábeis e procedimentos estabelecidos por agência de fiscalização. A agência estabeleceu procedimento para registro das concessões que diverge significativamente, do procedimento estabelecido pelo Conselho Federal de Contabilidade. Nessa situação, deve o auditor emitir parecer: (A) adverso;

17 Auditoria Contábil Crepaldi 16 (B) com ressalva; (C) sem ressalva, mas evidenciando em nota explicativa a divergência; (D) com abstenção de opinião. 34) O auditor interno, ao efetuar suas revisões nos Estoques de Produtos Acabados de uma empresa industrial, constata as seguintes ocorrências: I O inventário físico apresenta diferença de 100 itens a menos que a quantidade registrada na contabilidade. Não existem vendas justificando essas saídas nem baixas por perda ou perecimento. A empresa foi consultada e não consegue explicar a falta dos 100 itens. II O IPI e o ICMS das matérias-primas adquiridas estão contabilizados nos custos dos estoques. III A depreciação apropriada ao custo dos produtos em processo considerava parte da depreciação dos itens de bens patrimoniais utilizados nos escritórios administrativos da empresa. Em relação a evidências de fraude e erro, I, II e III referem-se, respectivamente, a: (A) fraude, fraude e fraude; (B) fraude, erro e erro; (C) erro, fraude e erro; (D) erro, erro e erro. 35) O auditor externo, ao se deparar com algum passivo que represente para a empresa uma incerteza relevante, deve emitir parecer: (A) com ressalva e limitação de escopo do trabalho; (B) sem ressalva e com limitação de escopo do trabalho; (C) adverso, evidenciando a incerteza constatada; (D) sem ressalva e com parágrafo adicional de ênfase. 36) O auditor externo, ao verificar os passivos contingenciais da empresa auditada, realizando os procedimentos necessários para avaliação dessa área, não constatou a existência de dois processos trabalhistas. Os processos não foram provisionados pela empresa, mas tinham possível probabilidade de ocorrência de perda. Esses evento representa um risco de: (A) controle; (B) contabilidade; (C) negócio; (D) detecção. 37) O contador da empresa Inova S.A. conseguiu condições financeiras vantajosas para comprar dois caminhões por meio de arrendamento mercantil (leasing). Como a empresa tem a intenção de ficar com os veículos no final do prazo do contrato e a compra se enquadra dentro dos conceitos de leasing operacional, a empresa contabilizou como ativo imobilizado os dois caminhões. Referido procedimento atende ao:

18 Auditoria Contábil Crepaldi 17 (A) conceito da essência sobre a forma; (B) pressuposto da competência de períodos; (C) conceito da neutralidade; (D) pressuposto da relevância. 38) Em novembro/2007, a Companhia Equipamentos S/A, de capital fechado, foi fiadora da Companhia Máquinas S/A, também de capital fechado, num contrato de empréstimo, de elevado valor, contraído pela segunda no Banco Emprestar S/A. Considerando tratar-se meramente de um ato administrativo, a fiadora Equipamentos S/A não fez nenhum registro contábil da fiança dada, nem adotou nenhuma outra medida de qualquer ordem ou natureza. Levantada a situação acima descrita, o auditor deve emitir um parecer: (A) adverso; (B) com abstenção de opinião, por incertezas; (C) com parágrafo de ênfase; (D) com ressalva. 39) Para determinar o risco da auditoria, o auditor deve avaliar o ambiente de controle da entidade, compreendendo, exceto: (A) a elaboração, a revisão e a aprovação de conciliações de contas; (B) a função e o envolvimento dos administradores nas atividades da entidade; (C) a estrutura organizacional e os métodos de administração adotados, especialmente quanto a limites de autoridade e responsabilidade; (D) a fixação, pela administração, de normas para inventário, para conciliação de contas, preparação de demonstrações contábeis e demais informes adicionais. 40) De conformidade com as Normas do Conselho Federal de Contabilidade, a quem pertence a responsabilidade primária pela detecção de fraudes? (A) auditor; (B) perito; (C) administração da empresa; (D) advogado da empresa. 41) O auditor lida com o risco de não identificar erros ou irregularidades relevantes, por ser o exame efetuado em base de testes. Esse risco é classificado como: (A) inerente; (B) geral; (C) de controle; (D) de detecção.

19 Auditoria Contábil Crepaldi 18 42) Sobre o parecer do auditor independente, analise as afirmativas a seguir. I Uma limitação na extensão do trabalho conduz aos tipos de parecer com Ressalva ou Abstenção de Opinião. II A discordância da administração da entidade, a respeito do conteúdo e da forma de apresentação das demonstrações contábeis, remete aos pareceres do tipo Ressalva ou Adverso, a juízo do auditor. III Quando houver incerteza em relação a fato relevante, cujo desfecho poderá afetar significativamente a posição patrimonial e financeira de uma entidade, bem como o resultado de suas operações, o auditor deve adicionar um parágrafo de ênfase em seu parecer, após o parágrafo de opinião. IV Quando o auditor não obtém comprovação suficiente para fundamentar a sua opinião sobre a adequação das demonstrações contábeis, deve emitir um parecer sem ressalva. É(São) correta(s) APENAS a(s) afirmativa(s): (A) I. (B) III. (C) I e III. (D) II e IV. 43) O auditor sempre deve comunicar à administração da entidade auditada descobertas factuais envolvendo fraude dependendo das circunstâncias, tão cedo quanto possível: (A) de forma verbal ou escrita, mesmo que o efeito potencial sobre as demonstrações contábeis seja irrelevante; (B) de forma verbal ou escrita, somente quando o efeito sobre as demonstrações contábeis for relevante; (C) de forma escrita, mesmo que o efeito sobre as demonstrações contábeis seja irrelevante; (D) de forma verbal, somente quando o efeito sobre as demonstrações contábeis for irrelevante. 44) Segundo o NBC P1 Normas Profissionais de Auditor Independente, o sigilo profissional deve ser observado: I na relação entre o auditor e a entidade auditada; II na relação entre auditores; III na relação entre os auditores e os organismos reguladores e fiscalizadores; IV na relação entre o auditor e demais terceiros. Estão corretos os itens: (A) 2, 3 e 4 apenas. (B) 1, 2 e 3 apenas. (C) 2 e 3 apenas. (D) 1, 2, 3 e 4 apenas.

20 Auditoria Contábil Crepaldi 19 45) A avaliação dos controles internos tem como objetivo principal: (A) determinar se os procedimentos de controle contábil detectam erros e irregularidades; (B) determinar se os procedimentos de controle contábil previnem erros e irregularidades; (C) determinar a natureza, a profundidade e a extensão dos exames finais de balanço; (D) determinar se os procedimentos necessários são estabelecidos e estão sendo seguidos satisfatoriamente. 46) Segundo a resolução nº 1.203/09, do CFC Conselho Federal de Contabilidade, o auditor corre o risco de os procedimentos executados para reduzir o risco de auditoria a um nível aceitavelmente baixo não detectem uma distorção existente que pode ser relevante, individualmente ou em conjunto, com outras distorções. Assinale a alternativa que indique o tipo de risco citado no trecho acima. (A) risco inerente; (B) risco de auditor; (C) risco de detecção; (D) risco relevante. 47) Associe os tipos de pareceres de auditoria às suas respectivas definições. I Parecer sem ressalvas. II Parecer com ressalvas. III Parecer adverso. P É emitido quando o auditor não obtém elementos comprobatórios suficientes para formar sua opinião sobre as demonstrações financeiras tomadas em conjunto; ocorre, normalmente, em função de limite no escopo do exame ou de incertezas que possam ter efeito bastante relevantes sobre a situação patrimonial e financeira e sobre o resultado das operações. Q Caso em que o parágrafo-padrão da opinião deve ser alterado de modo a deixar de forma clara a natureza da ressalva e seu efeito sobre a situação patrimonial e financeira, o resultado das operações, as mutações do patrimônio líquido e as origens e aplicações de recursos, se esse efeito puder ser razoavelmente determinado. R É emitido quando o auditor possui, de acordo com os princípios fundamentais de contabilidade, informações suficientes para formar a opinião de que as demonstrações financeiras não representam adequadamente a posição patrimonial e financeira assim como o resultado das operações. S É emitido quando o exame foi efetuado de acordo com as normas de auditoria geralmente aceitas; as demonstrações financeiras foram elaboradas de acordo com os princípios fundamentais de contabilidade e os princípios contábeis, aplicados com uniformidade, sendo que as demonstrações financeiras contêm todas as exposições informativas necessárias.

Esperamos que os comentários abaixo ajudem na elaboração dos recursos e no aprendizado da matéria.

Esperamos que os comentários abaixo ajudem na elaboração dos recursos e no aprendizado da matéria. Caro Concursando, Analisamos as questões de Auditoria da prova para AFRFB/09. Em um primeiro momento, identificamos 5 possíveis recursos: 4 anulações (questões 22, 27, 32 e 40) e 1 alteração de gabarito

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos.

a) ser substituída por outra, não podendo retornar a fazer a auditoria da empresa no prazo de dez anos. Comentado pelo professor Ted Jefferson Auditoria 1) (ESAF/AFRFB/2012) A empresa Betume S.A. é uma empresa de interesse público que vem sendo auditada pela empresa Justos Auditores Independentes, pelo mesmo

Leia mais

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Papéis de Trabalho TURMA: PECC Nesta aula, continuaremos o estudo dos aspectos técnicos concernentes à Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis,

Leia mais

Evidência de Auditoria

Evidência de Auditoria Evidência de Auditoria Compreende as informações utilizadas pelo auditor para chegar às conclusões em que se fundamentam a sua opinião. Inclui as informações contidas nos registros contábeis que suportam

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro (A) necessita de registro no Conselho Regional de Contabilidade e o segundo, não. (B)

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

Questões Professor Larratéa

Questões Professor Larratéa AUDITORIA GOVERNAMENTAL QUESTÕES DE PROVAS Prof. Larratéa e-mail luizlarratea@hotmail.com (dúvidas) 01) Sobre as características da auditoria, analise as informações a seguir. I - A auditoria interna não

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL. 1. É permitido ao contador no exercício da auditoria independente:

QUESTÕES PARA A PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL. 1. É permitido ao contador no exercício da auditoria independente: QUESTÕES PARA A PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 1. É permitido ao contador no exercício da auditoria independente: a) Baseado no seu trabalho e julgamento, emitir Parecer de Auditoria sem ressalva,

Leia mais

Tópico 12: Relatórios e Pareceres de Auditoria

Tópico 12: Relatórios e Pareceres de Auditoria Tópico 12: Relatórios e Pareceres de Auditoria Prof. Marcelo Aragão Relatórios Relatórios em forma curta Relatórios em forma longa Descrição chamados de Parecer do Auditor poderão ser bastante analíticos

Leia mais

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria Tópico 6: Testes e Procedimentos básicos de auditoria Prof. Marcelo Aragão Testes de auditoria 1. TESTES DE OBSERVÂNCIA (DE CONTROLES, DE ADERÊNCIA OU DE PROCEDIMENTOS) Visam à obtenção de razoável segurança

Leia mais

Inferência Estatística. Amostragem Estatística. Características das Amostragens Estatísticas. Tipos de Amostragens Estatísticas

Inferência Estatística. Amostragem Estatística. Características das Amostragens Estatísticas. Tipos de Amostragens Estatísticas Fenômenos Estatísticos Classificam-se em: Fenômenos Coletivos ou de Massa - Não podem ser definidos por uma simples observação (natalidade, mortalidade, preço médio de veículos usados em Curitiba, etc.).

Leia mais

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares. Procedimentos de Auditoria

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares. Procedimentos de Auditoria AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Procedimentos de Auditoria TURMA: PECC 1 - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA ASPECTOS CONCEITUAIS Nesta aula, estudaremos os Procedimentos de Auditoria, abordando

Leia mais

PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA. Claudio Longo Ernst & Young. Campo Grande, 17 de Agosto de 2010

PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA. Claudio Longo Ernst & Young. Campo Grande, 17 de Agosto de 2010 XII ENCONTRO ESTADUAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL PRINCIPAIS MUDANÇAS NAS NORMAS DE AUDITORIA Claudio Longo Ernst & Young Campo Grande, 17 de Agosto de 2010 Objetivos da Apresentação

Leia mais

Estatística Análise de Dados de Observação. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística

Estatística Análise de Dados de Observação. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística. Inferência Estatística Estatística Análise de Dados de Observação Descrição dos Fenômenos = Estatística Descritiva. Conclusões acerca dos Fenômenos = Estatística Indutiva ou Inferência Estatística. Inferência Estatística É processo

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE AUDITORIA INDEPENDENTE AUDITORIA INTERNA PERÍCIA CONTÁBIL CUIABÁ - MT Atualizado até agosto de 2004 EDITOR:

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 986/03 Aprova a NBC T 12 Da Auditoria Interna. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade

Leia mais

NBC TA 450. CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional.

NBC TA 450. CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional. NBC TA 450 CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.216/09 Aprova a NBC TA 450 Avaliação das Distorções Identificadas durante a Auditoria. O

Leia mais

Sumário. Apresentação

Sumário. Apresentação Sumário Apresentação XVII Capítulo 1 Aspectos introdutórios 1 1 Origens da auditoria moderna 1 2 Teoria da agência 2 3 Auditoria no Brasil: evolução e convergência 3 3.1 Evolução da auditoria no Brasil

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE AUDITORIA

NOÇÕES GERAIS DE AUDITORIA onilzo farias / onilzo@ig.com.br / onilzo.bangu@click21.com.br / 12/04/04 /1 FACULDADES MACHADO DE ASSIS FAMA DISCIPLINA: AUDITORIA PROFESSOR: ONILZO FARIAS* EXERCÍCIOS BIBLIOGRAFIA BÁSICA: CURSO BÁSICO

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

Então... Estrutura do Relatório. Estrutura do Relatório Compõe-se, basicamente, de quatro partes: Estrutura do Relatório

Então... Estrutura do Relatório. Estrutura do Relatório Compõe-se, basicamente, de quatro partes: Estrutura do Relatório Objetivos do Auditor Independente: Formar uma opinião sobre as demonstrações contábeis com base na avaliação das conclusões atingidas pela evidência de auditoria obtida; e Expressar claramente essa opinião

Leia mais

ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES. Introdução.27. Independência e Conflito de Interesses.

ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES. Introdução.27. Independência e Conflito de Interesses. ANEXO 1 INSTRUÇÕES ÀS FIRMAS PARA EXECUÇÃO DA REVISÃO EXTERNA PELOS PARES ÍNDICE Seção Parágrafo II Instrução às Equipes Revisoras Introdução.27 Independência e Conflito de Interesses.29 Organização da

Leia mais

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE

AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE AS ALTERAÇÕES NAS NORMAS DE AUDITORIA INDEPENDENTE VIGENTES NO BRASIL (2) O RELATÓRIO DO AUDITOR INDEPENDENTE Um dos pontos mais polêmicos e de maior impacto nestas alterações das normas de auditoria independente

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional

Departamento de Desenvolvimento Profissional Departamento de Desenvolvimento Profissional Auditoria Independente Renata Sol Costa renatasolcosta@hotmail.com Rio de Janeiro Maio/2015 Objetivo: Apresentar os conhecimentos fundamentais sobre auditoria

Leia mais

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014

Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Disciplina Auditoria Concurso para auditor-fiscal da Receita Federal do Brasil 2014 Estimados amigos concurseiros! É sabido que foi publicado o Edital ESAF nº 18, de 07 de março de 2014, do concurso para

Leia mais

AUDITORIA EXTERNA PARECERES

AUDITORIA EXTERNA PARECERES 1 AUDITORIA EXTERNA PARECERES Breve conceito Auditoria externa é uma ramificação da contabilidade que dentre seus objetivos esta a análise das demonstrações contábeis/financeiras da empresa auditada. Por

Leia mais

Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria

Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Auditoria Profº Guilherme Albuquerque. Profº guilherme

Leia mais

Muito alunos mandaram e-mails pedindo para analisar possibilidades de recursos na prova de Auditoria do ISS-SP (Gestão Tributária).

Muito alunos mandaram e-mails pedindo para analisar possibilidades de recursos na prova de Auditoria do ISS-SP (Gestão Tributária). Oi, pessoal. Muito alunos mandaram e-mails pedindo para analisar possibilidades de recursos na prova de Auditoria do ISS-SP (Gestão Tributária). Realmente, a prova não foi fácil e exigiu que o aluno fosse

Leia mais

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Revisão Contábil - Auditoria. I. Título.

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Revisão Contábil - Auditoria. I. Título. PUBLICAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE SAS Quadra 5 Bloco J - Ed. CFC Fone: (61) 3314 9600 / Fax: (61) 3322 2033 CEP: 70070-920 Brasília DF Site: www.cfc.org.br E-mail: cfc@cfc.org.br Edição eletrônica

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Origem Evolução do sistema capitalista; Necessidade de ampliação das instalações; Investimento tecnológico; Redução de custos; Empréstimos

Leia mais

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Auditoria Interna. 3. Auditor Interno. I. Título.

1. Normas Brasileiras de Contabilidade - Brasil. 2. Auditoria Interna. 3. Auditor Interno. I. Título. PUBLICAÇÃO DO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE SAS Quadra 5 Bloco J - Ed. CFC Fone: (61) 3314 9600 / Fax: (61) 3322 2033 CEP: 70070-920 Brasília DF Site: www.cfc.org.br E-mail: cfc@cfc.org.br Edição eletrônica

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração da NBC T 1 citada nesta Norma para NBC TG ESTRUTURA CONCEITUAL. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.213/09 Aprova a NBC TA 320 Materialidade no Planejamento e

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 836/99

RESOLUÇÃO CFC Nº 836/99 RESOLUÇÃO CFC Nº 836/99 Aprova a NBC T 11 IT 03 Fraude e Erro. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras de Contabilidade e suas Interpretações Técnicas

Leia mais

Tópico: Provas recentes comentadas

Tópico: Provas recentes comentadas Tópico: Provas recentes comentadas PROVA AFRFB ESAF 2009/2010 Prof. Marcelo Aragão Questão 21- A responsabilidade primária na prevenção e detecção de fraudes e erros é: a) da administração. b) da auditoria

Leia mais

Instituto Brasileiro de Atuária IBA. Normas e procedimentos de auditoria atuarial Parecer dos auditores atuariais independentes

Instituto Brasileiro de Atuária IBA. Normas e procedimentos de auditoria atuarial Parecer dos auditores atuariais independentes Instituto Brasileiro de Atuária IBA Normas e procedimentos de auditoria atuarial Parecer dos auditores atuariais independentes Índice Itens Introdução 1 Normas profissionais de auditoria atuarial independente

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes

Relatório dos Auditores Independentes Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 JRS/NMT/ SAD Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

1. NBC TA 250 2 2. NBC TA 320 7 3. NBC TA 500 9 4. NBC TA 530 14 Questões comentadas 29 Relação de questões comentadas na aula 55 Referências 67

1. NBC TA 250 2 2. NBC TA 320 7 3. NBC TA 500 9 4. NBC TA 530 14 Questões comentadas 29 Relação de questões comentadas na aula 55 Referências 67 AULA 01: Fundamentos de Auditoria Não- Governamental: NBC TA 250 - Consideração de Leis e Regulamentos na Auditoria; NBC TA 320 - Materialidade no Planejamento e na Execução da Auditoria; NBC TA 500 -

Leia mais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais

2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais Conteúdo 1 Introdução... 1 2 Questão 31 Classificação de Contas e Grupos Patrimoniais... 1 3 Questão 32 Natureza das contas... 3 4 Questão 33 Lançamentos - Operações de captação de recursos... 4 5 Questão

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE ANEXO I DETALHAMENTO DO CONTEÚDO PROGRAMÁTICO APLICÁVEL À PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 10º EXAME DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA 1. LEGISLAÇÃO E ÉTICA PROFISSIONAL. a) A LEGISLAÇÃO SOBRE A ÉTICA PROFISSIONAL

Leia mais

Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva

Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva Auditoria Externa nas cooperativas: atuação de entidade exclusiva Seminário Banco Central do Brasil sobre Governança Cooperativa - Norte Belém, 18 de maio de 2009 Risco da Informação Conflitos de Interesse

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

PROVA A.3 Gabarito 1 - APLICADA EM 14/01/01 (DOMINGO - MANHÃ) Área: AUDITORIA. GABARITO (antes dos recursos)

PROVA A.3 Gabarito 1 - APLICADA EM 14/01/01 (DOMINGO - MANHÃ) Área: AUDITORIA. GABARITO (antes dos recursos) Escola de Administração Fazendária CONCURSO PÚBLICO PARA AUDITOR-FISCAL DA RECEITA FEDERAL - AFRF-2000 PROVA A.3 Gabarito 1 - APLICADA EM 14/01/01 (DOMINGO - MANHÃ) Área: AUDITORIA GABARITO (antes dos

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 4 DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA - PAPÉIS DE TRABALHO 1 Os papéis de trabalho constituem os documentos preparados pelo auditor e/ou obtidos diretamente da empresa para comprovar a evidência da transação

Leia mais

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES

MOORE STEPHENS AUDITORES E CONSULTORES DURATEX COMERCIAL EXPORTADORA S.A. AVALIAÇÃO DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO CONTÁBIL APURADO POR MEIO DOS LIVROS CONTÁBEIS EM 31 DE AGOSTO DE 2015 Escritório Central: Rua Laplace, 96-10 andar - Brooklin - CEP 04622-000

Leia mais

Relatório da Administração Dommo 2014

Relatório da Administração Dommo 2014 Relatório da Administração Dommo 2014 A Administração da Dommo Empreendimentos Imobiliários S.A. apresenta o Relatório da Administração e as correspondentes Demonstrações Financeiras referentes aos exercícios

Leia mais

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE

CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO RIO GRANDE DO SUL NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE AUDITORIA INDEPENDENTE AUDITORIA INTERNA PERÍCIA CONTÁBIL Porto Alegre Atualizado até julho de 2009 EDITOR: CONSELHO

Leia mais

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO

RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO RESUMO DAS NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE APLICADAS AO SETOR PÚBLICO NBC T 16.1 - CONCEITUAÇÃO, OBJETO E CAMPO DE APLICAÇÃO A Contabilidade Pública aplica, no processo gerador de informações, os princípios

Leia mais

PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 CURSO: ANO LETIVO: 2007 TURMA: 4º ANO AUDITORIA CONTÁBIL EMENTA

PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 CURSO: ANO LETIVO: 2007 TURMA: 4º ANO AUDITORIA CONTÁBIL EMENTA PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 DEPARTAMENTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO TANGARÁ DA SERRA CURSO: ANO LETIVO: 2007 CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA: 4º ANO DISCIPLINA: AUDITORIA CONTÁBIL CARGA

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012 Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 Assunto: Orientação sobre os deveres e responsabilidades dos administradores e dos auditores independentes, na elaboração

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA.

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. Por: Prof. MSc Cláudio Marcelo Rodrigues Cordeiro 1 INTRODUÇÃO Considerando que a atividade de auditoria não se propõe a verificar a totalidade

Leia mais

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1

DFP - Demonstrações Financeiras Padronizadas - 31/12/2014 - Encalso Participações em Concessões S.A. Versão : 1. Composição do Capital 1 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Resultado Abrangente 5 Demonstração

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11

RESOLUÇÃO CFC N.º 1.321/11 NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração deste Comunicado de CT 08 para CTA 03; e de outras normas citadas: de NBC T 19.10 para NBC TG 01; de NBC T 3.8 para NBC TG 03; de NBC T

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ITG 1000 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.418/12 -MODELO CONTÁBIL SIMPLIFICADO PARA MICROEMPRESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE ALCANCE 1.... estabelece critérios e procedimentos específicos a serem observados pelas entidades

Leia mais

Seminário. Auditoria. Entendendo o fluxo do trabalho de acordo com as Novas Normas. Setembro 2012. Apoio: Elaborado por: Claudio Gonçalo Longo e

Seminário. Auditoria. Entendendo o fluxo do trabalho de acordo com as Novas Normas. Setembro 2012. Apoio: Elaborado por: Claudio Gonçalo Longo e Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04

RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 RESOLUÇÃO CFC Nº 1.008/04 Aprova a NBC T 14 Norma sobre a Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O, no exercício de suas atribuições legais e regimentais; CONSIDERANDO que o controle de qualidade constitui

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 03 DEMONSTRAÇÃO DE FLUXOS DE CAIXA Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 7 (IASB) PRONUNCIAMENTO Conteúdo Item OBJETIVO

Leia mais

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL

Comunicados Técnicos. 30 de agosto de 2013. Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Comunicados Técnicos 30 de agosto de 2013 Idésio S. Coelho - Diretor Técnico DIRETORIA NACIONAL Agenda Comitês Técnicos do IBRACON CNNT Comissão Nacional de Normas Técnicas CNA Comitê de Normas de Auditoria

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS

ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS REFERENTES AOS EXERCÍCIOS FINDOS 31 DE DEZEMBRO DE 2014 E DE 2013 E RELATÓRIO DOS AUDITORES INDEPENDENTES ASSOCIAÇÃO SAÚDE CRIANÇA FLORIANOPOLIS

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A.

Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A. Demonstrações Financeiras Enel Green Power Damascena Eólica S.A. 31 de dezembro de 2014 com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras 31 de dezembro

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE

CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE RESOLUÇÃO CFC N.º 1.418/12 Aprova a ITG 1000 Modelo Contábil para Microempresa e Empresa de Pequeno Porte. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais e com

Leia mais

Outubro 2012. Elaborado por: Paulo Cesar Raimundo Peppe. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a).

Outubro 2012. Elaborado por: Paulo Cesar Raimundo Peppe. O conteúdo desta apostila é de inteira responsabilidade do autor (a). Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Contador Juarez Domingues Carneiro Presidente

Art. 3º Esta Resolução entra em vigor na data de sua publicação. Contador Juarez Domingues Carneiro Presidente RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.323/11 Aprova a NBC PA 03 Revisão Externa de Qualidade pelos Pares. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, e com fundamento no disposto

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP. PROF. Ms. EDUARDO RAMOS. Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO CONTABILIDADE SOCIETÁRIA AVANÇADA Revisão Geral BR-GAAP PROF. Ms. EDUARDO RAMOS Mestre em Ciências Contábeis FAF/UERJ SUMÁRIO 1. INTRODUÇÃO 2. PRINCÍPIOS CONTÁBEIS E ESTRUTURA CONCEITUAL 3. O CICLO CONTÁBIL

Leia mais

PROGRAMA DE AUDITORIA RELATÓRIOS DE AUDITORIA

PROGRAMA DE AUDITORIA RELATÓRIOS DE AUDITORIA CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: Auditoria Contábil PROGRAMA DE AUDITORIA RELATÓRIOS DE AUDITORIA Prof. Isair Sell, Me. Contador Prof. do Curso

Leia mais

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas

Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Curso Novas Regras de Contabilidade para Pequenas e Médias Empresas Conhecimento essencial em Gestão de Controladoria Depois de sucessivas crises econômicas, os investidores pressionam cada vez mais pela

Leia mais

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes Resumo Objetivo Estabelecer que sejam aplicados critérios de reconhecimento e bases de mensuração apropriados a provisões e a passivos e ativos contingentes e que seja divulgada informação suficiente nas

Leia mais

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Professor Marcelo Aragao ÁREAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS A SEREM AUDITADAS Contas de Ativo Contas de Passivo Patrimônio Líquido

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções:

DOCUMENTO IDENTIFICAÇÃO - BI nº Passaporte nº Duração de 1H30. Leia com atenção as seguinte instruções: Leia com atenção as seguinte instruções: As questões de múltipla escolha têm uma cotação de 0,1 cada. Caso queira alterar a sua resposta, risque a anterior e assinale a sua opção final com um círculo e

Leia mais

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda.

Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. Demonstrações Financeiras Ático Distribuidora de Títulos e Valores Mobiliários Ltda. com Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Demonstrações financeiras Índice Relatório

Leia mais

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance

NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance NBC TSP 8 - Empreendimento Controlado em Conjunto (Joint Venture) Alcance 1. Uma entidade que prepare e apresente demonstrações contábeis sob o regime de competência deve aplicar esta Norma na contabilização

Leia mais

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon:

Faz saber que foi aprovada em seu Plenário a seguinte Norma Brasileira de Contabilidade (NBC), que tem por base o CT 04/2010 (R2) do Ibracon: Norma Brasileira de Contabilidade CFC/CTA Nº 2 DE 27/02/2015 Publicado no DO em 9 mar 2015 Dá nova redação ao CTA 02 que trata da emissão do relatório do auditor independente sobre demonstrações contábeis

Leia mais

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES

IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES IBRACON NPC VI - INVESTIMENTOS - PARTICIPAÇÕES EM OUTRAS SOCIEDADES INTRODUÇÃO 1. Este pronunciamento abrange as participações em sociedades coligadas e controladas e as participações minoritárias de natureza

Leia mais

FONTE: Comissão de Estudos de Auditoria Interna do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul

FONTE: Comissão de Estudos de Auditoria Interna do Conselho Regional de Contabilidade do Rio Grande do Sul AULA 02 Prof. Ailton Azevedo M. da Nóbrega Disciplina: AUDITORIA Turma: 6 CCN 2011.02 AUDITORIA INTERNA CONCEITO: É um controle gerencial que funciona por meio de medição e avaliação da eficiência e eficácia

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES

CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES CONSOLIDAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS: AJUSTES E ELIMINAÇÕES IMPORTANTES Qual o objetivo da consolidação? O que precisa ser consolidado? Quais são as técnicas de consolidação? Como considerar a participação

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil

Ferramentas da Contabilidade. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Tipos de Auditoria. Objetivo da Auditoria Contábil Ferramentas da Contabilidade Tipos de Auditoria Escrituração Contabilidade de Custos Análise das Demonstrações Contábeis Auditoria * Balanço Patrimonial -- BP, BP, Demonstração do do Resultado do do Exercício

Leia mais

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA

QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA QUAIS AS DIFERENÇAS E SEMELHANÇAS BÁSICAS ENTRE AUDITORIA INTERNA E AUDITORIA EXTENA! O que faz a auditoria externa?! Quais as funções da auditoria interna?! Qual a interligação entre a auditoria externa

Leia mais

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as

AUDITORIA CONTÁBIL. as normas são para controlar a qualidade do. os procedimentos de auditoria descrevem as Normas de Auditoria as normas são para controlar a qualidade do exame e do relatório; os procedimentos de auditoria descrevem as tarefas realmente cumpridas pelo auditor, na realização do exame. 2 CONCEITO

Leia mais

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013

Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Associação Saúde Criança São Paulo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. Temática Contábil e Balanços. Auditoria. Contabilidade Geral. Contabilidade Gerencial. Veja nos Próximos Fascículos

Boletimj. Manual de Procedimentos. Temática Contábil e Balanços. Auditoria. Contabilidade Geral. Contabilidade Gerencial. Veja nos Próximos Fascículos Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 09/2014 // Auditoria Exemplos de relatórios de revisão das demonstrações contábeis (NBC TR nº 2.400/2013)... 01 // Contabilidade Geral Aquisição de bens por

Leia mais

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES

AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES 1 AUDITORIA INTERNA E SUA IMPORTÂNCIA PARA AS ORGANIZAÇÕES Alessandra Cristina Rubio¹ Josiane Marcacini Silva² RESUMO Thiago Silva Guimarães³ A auditoria interna é de suma importância para as organizações,

Leia mais

Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber

Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber Nota Técnica nº 001/2013 Florianópolis, 24 de junho de 2013. Assunto: Registro de participações avaliadas pelo método da equivalência patrimonial e tratamento de dividendos a receber Senhor Diretor de

Leia mais

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88

2 Noções de Direito Público e Privado - Paulo César de Melo Mendes, 88 Objetivos, 88 Apresentação 1 Contabilidade Geral - Rodrigo de Souza Gonçalves e Fernanda Fernandes Rodrigues, 1 Objetivos, 1 Introdução, 1 1 Plano de contas - elaboração e utilização, 2 2 Balanço patrimonial - estrutura

Leia mais

Pontuação homologada para o PEPC - 2014

Pontuação homologada para o PEPC - 2014 100 PORCENTO AUDIT 100 PORCENTO AUDIT AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL AGF CONSULT. E TREIN. EMPRESARIAL

Leia mais

PLANEJAMENTO DOS TRABALHOS DE AUDITORIA PARTE II

PLANEJAMENTO DOS TRABALHOS DE AUDITORIA PARTE II Disciplina: Auditoria 1 Turma B Professor: Wolney Resende de Oliveira Alunos: Cláudia Raquel Leão Brizolla 06/17946 Diego Boaventura Soares 05/17402 Guilherme Cardoso Miranda 08/48701 Matheus Lara de Souza

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2)

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 18 (R2) Investimento em Coligada, em Controlada e em Empreendimento Controlado em Conjunto Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.265/09. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, NOTA - A Resolução CFC n.º 1.329/11 alterou a sigla e a numeração desta Interpretação de IT 12 para ITG 12 e de outras normas citadas: de NBC T 19.1 para NBC TG 27; de NBC T 19.7 para NBC TG 25; de NBC

Leia mais

Demonstrações Contábeis Obrigatórias

Demonstrações Contábeis Obrigatórias Demonstrações Contábeis Obrigatórias 1.Introdução As demonstrações contábeis são os meios pelos quais as empresas e as demais entidades informam à sociedade as condições de seu patrimônio. A legislação

Leia mais

SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº TA - RJ2002/5101

SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº TA - RJ2002/5101 Voltar SESSÃO DE JULGAMENTO DO INQUÉRITO ADMINISTRATIVO CVM Nº TA - RJ2002/5101 Indiciados : Ivanildo Alves Messias Messias Auditoria e Consultoria S/C Ementa : Decisão : O auditor independente no exercício

Leia mais