ANIMAIS PEÇONHENTOS Animais Venenosos Animais Peçonhentos

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ANIMAIS PEÇONHENTOS Animais Venenosos Animais Peçonhentos"

Transcrição

1

2

3 ANIMAIS PEÇONHENTOS Animais Venenosos são aqueles que possuem veneno, mas são desprovidos de aparelho inoculador. Ex: sapos, algumas borboletas. Animais Peçonhentos são aqueles que inoculam na vítima o veneno (peçonha produzida por glândulas especiais) por meio de dentes ocos, ferrões ou aguilhões.

4 CARACTERÍSTICAS ANIMAIS PEÇONHENTO SERPENTES Corpo alongado coberto por escamas. Ausência de membros locomotores. Ausência de ouvido. Língua bífida que capta substâncias suspensas no ar e encaminha ao órgão de Jacobson. Olhos sem pálpebras. Ectotérmicos.

5 ANIMAIS PEÇONHENTOS Diferenças entre serpentes peçonhentas e não peçonhentas: - As jararacas, cascavel e a sururucu, possuem em comum, a fosseta loreal, um orifício localizado entre a narina e o olho, em cada lado da cabeça. Somente as serpentes peçonhentas possuem este órgão. Vale a pena ressaltar que existem serpentes venenosas que não possuem fosseta loreal, como é o caso das corais verdadeiras. A fosseta loreal tem como função a captação de calor, que permite às serpentes perceberem as diferenças de temperatura no ambiente.

6 ANIMAIS PEÇONHENTOS Diferenças entre serpentes peçonhentas e não peçonhentas: - Serpentes peçonhentas apresentam corpo coberto por escamas em forma de quilha

7 ANIMAIS PEÇONHENTOS Diferenças entre serpentes peçonhentas e não peçonhentas: - As Serpentes peçonhentas apresentam cabeça com escamas pequenas. - As serpentes não peçonhentas apresentam, em geral, escamas maiores na cabeça

8 ANIMAIS PEÇONHENTOS Diferenças entre serpentes peçonhentas e não peçonhentas: - As Serpentes peçonhentas apresentam, em geral, pupila em fenda. - As serpentes não peçonhentas apresentam pupila circular.

9 ANIMAIS PEÇONHENTOS GÊNEROS DE SERPENTES PEÇONHENTAS DO BRASIL 1 - fosseta loreal presente chocalho presente = Crotalus 2 - chocalho ausente ponta da cauda com 4 séries de escamas eriçadas = Lachesis ponta da cauda normal = Bothrops 3 - fosseta loreal ausente sem presas anteriores = cobra não peçonhenta com presas anteriores = Micrurus

10 ANIMAIS PEÇONHENTOS 1. DENTIÇÃO ÁGLIFA: Não existem dentes inoculadores e nem glândulas secretoras de veneno. Está presente em jibóia, sucuri, boipeva. TIPOS DE DENTIÇÃO

11 ANIMAIS PEÇONHENTOS TIPOS DE DENTIÇÃO 2. DENTIÇÃO OPISTÓGLIFA: Dentes inoculadores fixos, contendo um sulco por onde escorre a substância secretada pelas glândulas de veneno. Estão localizados na região posterior da boca, um de cada lado da cabeça. Este tipo de dentição é encontrado em falsas-corais, muçuranas e cobras-cipó.

12 ANIMAIS PEÇONHENTOS TIPOS DE DENTIÇÃO 3. DENTIÇÃO PROTERÓGLIFA: Dentes inoculadores fixos, localizados na região anterior da boca. Esta dentição é característica das corais verdadeiras.

13 ANIMAIS PEÇONHENTOS TIPOS DE DENTIÇÃO 4. DENTIÇÃO SOLENÓGLIFA: Os dentes inoculadores de veneno estão presentes e localizam-se na região anterior da boca. Estes dentes são móveis e grandes, com um canal por onde o veneno penetra no local atingido pela mordida do animal.

14 ANIMAIS PEÇONHENTOS TIPOS DE DENTIÇÃO 4. DENTIÇÃO SOLENÓGLIFA:

15 ANIMAIS PEÇONHENTOS No Brasil são conhecidas aproximadamente 300 espécies e subespécies de serpentes, das quais 70 variedades são peçonhentas e se distribuem em 4 gêneros: 1) Gênero Bothrops: 32 variedades encontradas em todo o território nacional. Responsável por mais de 90% dos acidentes. Veneno de efeito coagulante e necrosante (jararaca, jararacuçu, urutu, caiçara e outros).

16 ANIMAIS PEÇONHENTOS 2) Gênero Crotalus: 6 variedades, comuns em regiões secas e campos. Veneno de efeito neurotóxico e miotóxico (cascavel).

17 ANIMAIS PEÇONHENTOS 3) Gênero Lachesis: 2 variedades, existentes na Mata Atlântica e na Floresta Amazônica (surucucu). São causa pouco freqüente de acidente peçonhento.

18 ANIMAIS PEÇONHENTOS 4) Gênero Micrurus: 31 variedades em todo o país. Provocam os acidentes mais graves, embora raros. Veneno de efeito curariforme (cobra coral). Micrurus frontalis Micrurus corallinus

19 ANIMAIS PEÇONHENTOS Envenenamento Botrópico Jararacas ( 90% dos acidentes) Manifestações locais: precoce (até 3 horas após o acidente) : - dor imediata, inchaço (edema), calor no local da picada e hemorragia no local da picada ou distante dele. Complicações : - bolhas, gangrena abcesso e insuficiência renal aguda.

20 ANIMAIS PEÇONHENTOS Envenenamento Botrópico Jararacas Veneno de ação proteolítica e hemorrágica

21 ANIMAIS PEÇONHENTOS Envenenamento Crotálico Cascavéis ( 8,2% dos acidentes) Sinais e sintomas do envenenamento: Precoce (até 3 horas após o acidente) - dificuldade de abrir os olhos, visão dupla, cara de bêbado, visão turva, dor muscular e urina avermelhada. Após 6 a 12 horas: - escurecimento da urina. Complicações - insuficiência respiratória e renal aguda

22 ANIMAIS PEÇONHENTOS Envenenamento Crotálico Cascavéis ( 8,2% dos acidentes) Veneno de ação neurotóxica, coagulante e miotóxica

23 ANIMAIS PEÇONHENTOS Envenenamento Laquético Surucucus ( 2,9% dos acidentes) - Envenenamento com reações semelhantes ao de Bothrops. - inchaço no local da picada, diarréia e hemorragia. -Veneno de ação proteolítica, neurotóxica e hemorrágica.

24 ANIMAIS PEÇONHENTOS Envenenamento Elapídico Corais ( 0,7% dos acidentes) Principais sintomas : - dificuldade de abrir os olhos, cara de bêbado, falta de ar, dificuldade em engolir e insuficiência respiratória aguda. Veneno de ação neurotóxica. * Ação rápida, grande potência e mortal se não houver tratamento a tempo.

25 ANIMAIS PEÇONHENTOS Cuidados Imediatos nos Acidentes Ofídicos: 1) Sempre que houver certeza de picada de serpentes venenosas há necessidade de hospitalização e soroterapia; 2) Toda vez que houver evolução clínica sugestiva, identificado o agressor, a criança deve ser hospitalizada e receber soroterapia; 3) Na dúvida se houve ou não a picada, a criança deve permanecer em observação, pelo menos 24 horas; 4) Paciente deve ser mantido em repouso; 5) Não usar garrote, nem torniquete;

26 ANIMAIS PEÇONHENTOS Cuidados Imediatos nos Acidentes Ofídicos: 6) Não cortar, não furar, não queimar; 7) Membro afetado posicionado para cima; 8) Analgésicos, limpar cuidadosamente o local da picada; 9) Controlar sinais vitais e volume urinário.

27 ANIMAIS PEÇONHENTOS COMO PREVINIR ACIDENTES COM OFÍDIOS Nunca andar descalço, principalmente em mata. (Dependendo da altura do calçado, os acidentes podem ser evitados na ordem de 50 a 72 %); Usar luvas de couro em atividades rurais e de jardinagem; Nunca colocar as mãos em tocas (para pegar pelo rabo do tatu que é visto ao entrar) ou buracos na terra, ocos de árvores, cupinzeiros, montes de pedras ou sob pedras grandes;

28 ANIMAIS PEÇONHENTOS COMO PREVINIR ACIDENTES COM OFÍDIOS Não utilizar diretamente as mãos ao tocar em sapé, capim, mato baixo, montes de folhas secas. Usar sempre um pedaço de pau, enxada ou foice, se for o caso; Vedar frestas e buracos em paredes e assoalhos; Se, por qualquer razão, tiver que se abaixar, além de olhar bem o local, procurar bater a vegetação ou as folhas; Não depositar ou acumular material inútil junto à habitação rural, como lixo, entulhos e materiais de construção.

29 ANIMAIS PEÇONHENTOS COMO PREVINIR ACIDENTES COM OFÍDIOS Evitar trepadeiras muito encostadas a casa, folhagens entrando pelo telhado ou mesmo pelo forro; Procurar controlar o número de roedores existentes na área de sua propriedade. (Não se esquecer de que, ao lado dos outros problemas de saúde pública, a diminuição do número de roedores irá comprometer o ciclo biológico das serpentes venenosas que deles se alimentam); Não montar acampamento junto às plantações, pastos ou matos denominados sujos, ou seja, regiões onde há normalmente roedores;

30 ANIMAIS PEÇONHENTOS COMO PREVINIR ACIDENTES COM OFÍDIOS Não fazer piqueniques às margens dos rios ou lagos, deles mantendo distância segura, e não se encostar a barrancos durante a pescaria; Não tocar nas serpentes, mesmo mortas, pois por descuido ou inabilidade há o risco de ferimento por esbarro nas presas venenosas. Manter sempre uma calçada limpa ao redor da casa. Essa faixa pavimentada junto às paredes tem várias utilidades: evita penetração de umidade nos alicerces, impede o contato com capim ou grama dos jardins e principalmente portas, que normalmente devem estar fechadas e ter um mínimo de vão no solo.

31 ANIMAIS PEÇONHENTOS COMO PREVINIR ACIDENTES COM OFIDIOS Nas matas ou nas beiradas das entradas, em acampamentos ou piqueniques, nunca deixar as portas do carro abertas, principalmente ao anoitecer. Mesmo durante a troca de um pneu, ter essa precaução. A falta de cuidado deixa o motorista posteriormente preocupado com a possibilidade de ter uma serpente dentro do carro. Não matar, não deixar matar e não espantar da região as emas, as seriemas, os gaviões e gambás. Estes são inimigos das serpentes, pois eles matam e comem as cobras. O gambá, animal implacavelmente morto pelo homem nos sítios e nas fazendas, é de extraordinária resistência aos venenos ofídicos, especialmente ao da urutu.

32

33 A Viúva negra: é comum nas regiões regiões praianas. Seu veneno possui uma ação potente sobre o sistema nervoso central. Picadas de viúva negra devem ser tratadas com soro específico e medicamentos sintomáticos administrados no hospital.

34 A Caranguejeira, apesar de seu aspecto assustador, não possui veneno. Sua picada causa alguma dor e pode ser complicada por reações alérgicas em geral, desencadeadas pelo contato com seus pêlos. A Aranha de Jardim (Geolycosa ou Lycosa) possui pouco veneno e sua picada ocasiona apenas dor local, que cede com analgésicos comuns.

35 As Armadeiras são aranhas agressivas e grandes, comumente confundidas com as caranguejeiras. São conhecidas por se apoiarem nas patas traseiras, levantando as dianteiras e dando saltos de até 30 cm quando atacam ou se sentem acuadas. Sua picada causa imediatamente dor intensa no local e a pessoa pode apresentar tremores, convulsões, salivação excessiva, aceleração dos batimentos cardíacos, distúrbios visuais e choque. Apesar destas manifestações, a maioria das pessoas melhora com o tratamento adequado e a morte é extremamente rara.

36 As Aranhas Marrons (Loxosceles) não são agressivas e picam apenas quando espremidas. Encontram-se no interior das residências, dentro de sapatos e roupas. A picada geralmente ocorre no ato de se vestir e pode levar até 24h para tornar-se dolorosa, o que muitas vezes leva à demora no uso do soro apropriado. Felizmente, a maioria dos acidentes com aranhas marrons são de pequena importância, mas algumas pessoas podem desenvolver insuficiência renal aguda, anemia aguda e distúrbios da coagulação.

37 Toda pessoa vítima ou com suspeita de picada de aranha deve ser avaliada por um médico, ainda que a aplicação de soro antiaracnídeo polivalente raramente seja necessária. A medida imediata mais correta é limpar o local da picada com água e sabão, aplicando antissépticos se possível.

38

39 Os acidentes com escorpiões representam grande importância entre os acidentes com animais peçonhentos, seja pela alta incidência ou pela gravidade dos casos, principalmente em crianças com menos de 7 anos ou desnutridas.

40 Os principais escorpiões encontrados no Brasil são o Marrom (Bothiurus Bonaienses) e o Amarelo (Tityus Serrulatos), sendo este último o de veneno mais tóxico. Picadas de escorpião amarelo podem ocasionar náuseas, salivação excessiva, diarréia, dor abdominal, dor de cabeça, escurecimento da visão, tonturas, tremores, espasmos musculares, arritmias cardíacas, alterações da pressão arterial, convulsões, choque e coma. O tratamento varia de acordo com a gravidade das manifestações.

41

42 Como em muitos outros acidentes com animais peçonhentos, a medida inicial recomendada é lavar o local com água corrente e sabão, se possível aplicando um antisséptico tópico. Em seguida, a pessoa deve ser levada ao hospital para administração do soro anti-escorpiônico e, de acordo com o caso, internação nos casos graves, manter a pessoa sob observação no CTI é de extrema importância, dada a grande mortalidade dos casos que evoluem para edema pulmonar agudo.

43

44 Os acidentes envolvendo lagartas urticantes são chamados de Erucismos. Esses animais recebem uma variedade de nomes, tais como bicho cabeludo, lagarta-de-fogo, lagarta-de-hera, mandruvá, mucuarana, taturana, etc. A maioria dos acidentes ocorre no verão e no início do outono, quando as larvas eclodem de seus ovos. Elas podem ser encontradas em goiabeiras, abacateiros, nogais, cajueiros, roseiras, cafeeiros, eucaliptos, figueiras, bananeiros, mamoeiros, mandioqueiras, seringueiras e outras plantas.

45 Normalmente uma lagarta é portadora, em alguma fase de seu desenvolvimento, de pêlos ou espinhos ou cerdas que, direta ou indiretamente, podem causar acidentes nos seres humanos. Estas estruturas desprendem-se ao contato, inoculando o veneno. Na maior parte dos casos, as vítimas são crianças, que tocam as lagartas por curiosidade. As manifestações do veneno são muito variadas e dependem de vários fatores espécie da lagarta, tipo do pêlo, quantidade do veneno, duração do contato, etc. A queimação local, com ou sem coceira, ocorre em quase todas as situações, podendo permanecer por horas. Ainda podem ser observados vemelhidão, bolhas e descamação no local do contato, mal estar, insônia, febre, náuseas e vômitos.

46 Não existe antídoto específico para o Eucismo. O tratamento é basicamente sintomático, limpando-se cuidadosamente a área afetada. Uma vez que a dor não é provocada apenas pela ação direta do veneno, mas também pela trepidação dos pêlos da própria pessoa no local sensibilizado (p.ex.: braço, coxa), indica-se raspagem do local com lâmina de barbear (a raspagem deve ser rápida, evitando manipulação demasiada). Se o local acometido não puder ser raspado, a aplicação de uma pomada de vaselina ajuda a imobilizar os pêlos, diminuindo um pouco a dor. Gelo local pode ser útil nos casos de dor mais intensa. É sempre aconselhável procurar atendimento médico para avaliar a gravidade do acidente.

47 Lonomia Com aproximadamente 6 cm de comprimento quando adultas, estas lagartas apresentam espinhos verdes em forma de pinheirinhos sobre o corpo, chamados de scoli. O corpo é marrom escuro com uma faixa marrom (diferenciada do resto do corpo) que se estende por todo o dorso do inseto, sendo margeada por uma estreito contorno preto e este é revestido por um outro contorno branco, este mais externo.

48 Automeris Com aproximadamente 8 cm de comprimento quando adultas, elas possuem espinhos (scoli) em forma de pinheirinho e corpo verde-claros com manchas laterais de cor branca. Depois da transformação do casulo em animal adulto, se tornam mariposas, conhecidas como mariposas olho-de-boi.

49

50 Ao picarem, a s abelhas perdem o ferrão e parte do abdômen, o que ocasiona a sua morte. A dor é intensa e geralmente desaparece após alguns minutos, ficando o local vermelho e inchado. Como em muitos outros casos, as manifestações decorrentes da inoculação do veneno da abelha dependem de vários fatores, tais como sensibilidade individual, potência e volume do veneno, estado geral de saúde, idade, etc. O local da picada também é importante: picadas na região da face e do pescoço possuem maior potencial de gravidade

51 A pessoa pode apresentar vertigem, urticária, náuseas, vômitos, diarréia, falta de ar, taquicardia, queda da pressão arterial, crises convulsivas, insuficiência renal, distúrbios hemorrágicos e choque. Calcula-se que sejam necessárias cerca de 400 picadas simultâneas para ter um efeito letal um adulto, apesar de alguns apicultores já terem sido atingidos por um número superior a mil abelhas e não terem evoluído desta maneira. A medida mais imediata deve ser a remoção do ferrão quanto mais tempo ele permanecer no local, mais ele vai se aprofundando e injetando o restante do veneno.

52 É importante observar que o ferrão JAMAIS deve ser removido com os dedos ou pinças, pois estes pressionam a bolsa de veneno. Deve-se utilizar uma lâmina de barbear ou faca ou outro material pontiagudo e limpo, bem rente à pele, raspando-se de baixo para cima. O local deve ser lavado com água corrente e sabão de coco. O uso de desinfetantes (p.ex.: álcool, iodo) é bem-vindo. Nos casos de picadas múltiplas ou com manifestações preocupantes, recomenda-se avaliação médica.

53

54

55 A ingestão de 10 bagos de atropina provocam a morte Sintomas de intoxicação: - Náuseas - Delírios - Cegueira Outras plantas como a Saia branca ou Anágua de Vênus também contém atropina no caule, folhas e frutos. A Azucena Formosa é altamente tóxica

56 Azucena Bella Dona Azucena Bella Dona

57 É encontrada em toda cicuta, principalmente nos frutos. Pode ser confundida com o agrião, 5g de folha levam a morte em menos de 40 minutos.

58 É encontrada no acônito em pequenas doses, provoca vertigens e angustia, 10g provocam a morte.

59 Alcalóide que provoca diarréia a paralisia, é encontrada na anemola sendo o caule, as folhas e as flores venenosas.

60 É encontrado nas raízes bagos da Brionia ou Colibina. Provoca diarréia e emagrecimento tetânico. Ingestão de 20g provoca a morte.

61 Chamada de Doce Amarga ou Uva de Cão, provoca diarréia e vômito, 10g provoca a morte.

62 O suco das folhas provoca dermatite.

63 Provoca diarréia, vômitos e alteração de células cerebrais

64 Se a resina dessa planta for ingerida, a pessoa sofre uma séria indigestão.

65 A ingestão de suas folhas ou de qualquer outra parte provoca edema e paralisia da língua. Em contato com os olhos irrita a córnea.

66 Resseca a pele, boca e garganta, cianose, vomito, perturbações psíquico, às vezes é usado como sedativo, agente anti-secretórios; e fumada em cerimônias de índios para produzir alucinações.

67 É venenoso como alimento.

68 Produz a diminuição da motricidade voluntária, paralisia respiratória, é usada como veneno nas flechas dos índios.

69 Comestível quando maduro, pode causar tonturas e perturbações gastrintestinais e alucinações.

70 Cogumelo alucinógeno, causa euforia perda do sentido de distância e tamanho e alucinações.

71 Causa convulsões nos animais e inflamação intestinal no homem

CARACTERÍSTICAS GERAIS

CARACTERÍSTICAS GERAIS RÉPTEIS CARACTERÍSTICAS GERAIS Répteis do latim REPTARE= RASTEJAR. Têm cerca de 7 mil espécies. Surgiram há cerca de 300 milhões de anos. Vivem em ambientes terrestres (secos) ou alguns são aquáticos.

Leia mais

COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques

COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques COBRAS PEÇONHENTAS E NÃO PEÇONHENTAS Prof. Evandro Marques Classificar as cobras como venenosas ou não venenosas é um equívoco, já que todas apresentam veneno, sendo este sua saliva capaz de degradar a

Leia mais

Assustadores e Venenosos

Assustadores e Venenosos Assustadores e Venenosos Assustado e chocado com as plantas tóxicas? Agora o temor e o choque serão ainda maiores. Nos próximos slides, os três animais peçonhentos mais famosos e perigosos que existem

Leia mais

Série Didática Número 5

Série Didática Número 5 Animais Peçonhentos: Serpentes_ Serpentes são animais vertebrados que pertencem ao grupo dos répteis. Seu corpo é coberto de escamas, o que Ihes confere um aspecto às vezes brilhante, às vezes opaco, ou

Leia mais

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS

ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS Protocolo: Nº 81 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 06/09/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS DEFINIÇÃO: Animais peçonhentos são animais que

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS Será que todos nós conhecemos os animais peçonhentos comuns no Estado de São Paulo? m Dependendo da espécie, uma picada pode tornar-se extremamente

Leia mais

AULA 20: ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. No Brasil há cerca de 250 espécies de serpentes, porém cerca de 20% dessas são perigosas.

AULA 20: ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS. No Brasil há cerca de 250 espécies de serpentes, porém cerca de 20% dessas são perigosas. AULA 20: ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS 1- ACIDENTE OFÍDICO No Brasil há cerca de 250 espécies de serpentes, porém cerca de 20% dessas são perigosas. No Brasil estima-se que ocorre, anualmente, cerca

Leia mais

Apresentação. Giselle Agostini Cotta Coleção Científica de Serpentes Fundação Ezequiel Dias

Apresentação. Giselle Agostini Cotta Coleção Científica de Serpentes Fundação Ezequiel Dias Apresentação Os acidentes ocasionados por serpentes, escorpiões, aranhas e abelhas constituem um grave problema de saúde pública no Brasil. Assim, a disponibilização deste guia pretende contribuir para

Leia mais

ANIMAIS PEÇONHENTOS ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS: ACIDENTES COM SERPENTES

ANIMAIS PEÇONHENTOS ACIDENTES POR ANIMAIS PEÇONHENTOS: ACIDENTES COM SERPENTES ANIMAIS PEÇONHENTOS Animais peçonhentos são aqueles que possuem glândulas de veneno que se comunicam com dentes ocos, ou ferrões, ou agulhões, por onde o veneno passa ativamente. Portanto, peçonhentos

Leia mais

Não ficam longe da água. Respiram também pela pele. Ajudam a controlar a população de moscas e mosquitos. primeiras vítimas do desequilíbrio.

Não ficam longe da água. Respiram também pela pele. Ajudam a controlar a população de moscas e mosquitos. primeiras vítimas do desequilíbrio. Não ficam longe da água. Respiram também pela pele. Ajudam a controlar a população de moscas e mosquitos. primeiras vítimas do desequilíbrio. Brasil: 776 espécies no total. O Rio Grande do Sul: 95 espécies

Leia mais

Bula com informações ao Paciente soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético. solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO

Bula com informações ao Paciente soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético. solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético APRESENTAÇÃO O soro antibotrópico (pentavalente) e antilaquético,

Leia mais

Francisco Antônio Tavares Junior Presidente

Francisco Antônio Tavares Junior Presidente A missão social da Funed vai além do fornecimento de produtos e oferta de serviços de saúde de qualidade para a população usuária do SUS. O compromisso com a disseminação do conhecimento científico é também

Leia mais

ARANEÍSMO. Bergson. Bergson. Museu de Paleontologia de Crato Fósseis de aranhas + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri

ARANEÍSMO. Bergson. Bergson. Museu de Paleontologia de Crato Fósseis de aranhas + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ARANEÍSMO Bergson Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fósseis de aranhas + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ARANHAS DE IMPORTÂNCIA MÉDICA As aranhas são animais carnívoros, alimentando-se

Leia mais

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas.

Cartilha. Doenças e Complicações. de Verão. Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Cartilha Doenças e Complicações de Verão Queimaduras solares. Desconforto. Micoses. Coceira. Desidratação. Fungos. Infecções. Ardência. Manchas. Devido às condições climáticas, diversas são as doenças

Leia mais

Bula com informações ao Paciente soro anticrotálico

Bula com informações ao Paciente soro anticrotálico soro anticrotálico solução injetável IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO soro anticrotálico APRESENTAÇÃO O soro anticrotálico, heterólogo e hiperimune, é apresentado em ampolas contendo 10 ml de solução injetável

Leia mais

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis

Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis Acidentes domésticos podem ser prevenidos. Entre pediatras e especialistas da área de cuidados com as crianças, é senso comum que, se os responsáveis tivessem mais orientações ou tomassem mais cuidado

Leia mais

Acidentes por animais peçonhentos e uso racional de soros antiveneno.

Acidentes por animais peçonhentos e uso racional de soros antiveneno. Acidentes por animais peçonhentos e uso racional de soros antiveneno. Nota Técnica 1 OBJETO Uso racional de soros antivenenos e atualizações dos protocolos de manejo dos acidentes por animais peçonhentos.

Leia mais

Medidas básicas de socorro aos humanos

Medidas básicas de socorro aos humanos Medidas básicas de socorro aos humanos CONCEITO TODO ANIMAL VENENOSO É PEÇONHENTO? TODO ANIMAL PEÇONHENTO É VENENOSO? Venenoso x peçonhento Brachycephalus ephippium Bothrops jararaca http://planetasustentavel.abril.com.br/album/anfibios-mata-atlantica-626497.shtml

Leia mais

SERPENTES PEÇONHENTAS Família Elapidae Micrurus corallinus - Cobra-coral* Micrurus frontalis - Cobra-coral

SERPENTES PEÇONHENTAS Família Elapidae Micrurus corallinus - Cobra-coral* Micrurus frontalis - Cobra-coral SERPENTES Família Elapidae Micrurus corallinus - Cobra-coral* Micrurus frontalis - Cobra-coral Família Viperidae Bothrops alternatus - Urutu* Bothrops atrox - Jararaca do norte Bothrops bilineata - Jararaca

Leia mais

Série Didática Número 6

Série Didática Número 6 TATURANAS_ O Instituto Butantan, através do Laboratório de Entomologia, realiza pesquisas e identifica insetos de interesse médico que possuem veneno, como por exemplo, taturanas, abelhas e vespas. As

Leia mais

Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri

Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ESCORPIONISMO Bergson Museu de Paleontologia de Crato Fóssil de escorpião + / - 110 mi anos Formação Santana do Cariri ESCORPIÕES DE IMPORTÂNCIA MÉDICA: Os escorpiões são animais invertebrados. Apresentam

Leia mais

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA

PRIMEIROS SOCORROS. RECURSOS HUMANOS - PH/PHA Data: 28/03/2000 PESSOAS: NOSSA MELHOR ENERGIA PRIMEIROS SOCORROS CONCEITO TRATAMENTO IMEDIATO E PROVISÓRIO CARACTERÍSTICAS DO SOCORRISTA CONHECIMENTO INICATIVA CONFIANÇA CRIATIVIDADE CALMA SOLIDARIEDADE ESTADO DE CHOQUE HIPOTENSÃO COM ACENTUADA BAIXA

Leia mais

OFIDISMO. Aspectos Epidemiológicos

OFIDISMO. Aspectos Epidemiológicos OFIDISMO Aspectos Epidemiológicos Dentre os acidentes por animais peçonhentos, o ofidismo é o principal deles, pela sua freqüência e gravidade. Ocorre em todas as regiões e estados brasileiros e é um importante

Leia mais

Vigilância em Saúde Ambiental

Vigilância em Saúde Ambiental Vigilância em Saúde Ambiental Informações em Saúde ROEDORES (Rodentia): - Gestão inadequada dos resíduos; - Maus hábitos de higiene; - Descuidos com o armazenamento de alimentos; - Facilidade de acesso

Leia mais

CAPÍTULO 23 INTOXICAÇÕES EXÓGENAS, ENVENENAMENTOS E ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONENTOS

CAPÍTULO 23 INTOXICAÇÕES EXÓGENAS, ENVENENAMENTOS E ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONENTOS Manual do Atendimento Pré-Hospitalar SIATE /CBPR CAPÍTULO 23 INTOXICAÇÕES EXÓGENAS, ENVENENAMENTOS E ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONENTOS 1. Intoxicações Exógenas Venenos são substâncias químicas que podem

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A.

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. AFUGENTAMENTO E RESGATE DE FAUNA NA ÁREA DE SUPRESSÃO DA VEGETAÇÃO DA UNIDADE INDUSTRIAL DE PRODUÇÃO DE CELULOSE DO MARANHÃO INTRODUÇÃO Atividades de resgate de fauna são normatizadas

Leia mais

Cobras, Tartarugas e Lagartos Silvestres da PVSuL. - Os Répteis -

Cobras, Tartarugas e Lagartos Silvestres da PVSuL. - Os Répteis - Cobras, Tartarugas e Lagartos Silvestres da PVSuL - Os Répteis - Cobras, lagartos e tartarugas são animais incríveis!! Apesar de muitos terem medo das cobras, elas nos fascinam por caminharem sem terem

Leia mais

ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO)

ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO) ALERGIA A INSETOS PICADORES (CHOQUE ANAFILÁTICO) As abelhas do gênero Apis (abelha-europa ou abelha-africana), as vespas (marimbondos) e as formigas lava-pés são insetos do gênero dos himenópteros que

Leia mais

M i c r o Z o o m. - um jogo de observação e memória -

M i c r o Z o o m. - um jogo de observação e memória - M i c r o Z o o m - um jogo de observação e memória - Material de Apoio Raiva A raiva é uma doença fatal. Isso significa que se uma pessoa que se uma pessoa não vacinada for contaminada pelo vírus da raiva

Leia mais

CONTENÇÃO DE ANIMAIS MSTE

CONTENÇÃO DE ANIMAIS MSTE 4 CONTENÇÃO DE ANIMAIS MSTE 92 4. CONTENÇÃO MECÂNICA DE ANIMAIS, ANIMAIS PEÇONHENTOS, ARANHAS E ESCORPIÕES. 4.1. INTRODUÇÃO A contenção mecânica e a farmacológica de animais, hoje em dia, são empregadas

Leia mais

Primeiros Socorros. O que fazer imediatamente após acontecer um acidente?

Primeiros Socorros. O que fazer imediatamente após acontecer um acidente? Primeiros Socorros Dicas de Primeiros Socorros Você não precisa ser um socorrista experiente para conseguir ajudar alguém que se machucou no meio da natureza. Mas algumas coisas são fundamentais ter em

Leia mais

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico?

Agrotóxicos. O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? Dica de Bolso Agrotóxicos O que são? Como são classificados? Quais os sintomas de cada grupo químico? 12 1 O QUE SÃO AGROTÓXICOS? Agrotóxicos, também chamados de pesticidas, praguicidas, biocidas, fitossanitários,

Leia mais

Picadas de escorpião

Picadas de escorpião Semana de 19 a 23 de maio de 2014. COLÉGIO NOSSA SENHORA DE SION Troca do livro LIÇÕES DE PORTUGUÊS E HISTÓRIA - 3 ano Leia o texto para fazer as lições de Português da semana. 3º ano A, B e C Sexta-feira

Leia mais

Lição 07 INTOXICAÇÕES

Lição 07 INTOXICAÇÕES Lição 07 INTOXICAÇÕES OBJETIVOS: Ao final desta lição os participantes serão capazes de: 1. Enumerar os principais sinais e sintomas das intoxicações por ingestão, inalação ou por contato e, descrever

Leia mais

AULA 23 Drogas: produtos alucinógenos ou substância tóxicas que leva a dependência; Drogas psicoativas: entra na corrente sanguínea e atinge o SNC; Ação depressiva: diminui a atividade das células nervosas.

Leia mais

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999

cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 cloridrato de ambroxol Medicamento Genérico, Lei nº 9.787, de 1999 Cristália Produtos Químicos Farmacêuticos Ltda. Xarope Pediátrico 3 mg/ml Xarope Adulto 6 mg/ml Modelo de Bula para Paciente IDENTIFICAÇÃO

Leia mais

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA

MEMÓRIA DA REUNIÃO 1. PAUTA Assunto: Reunião/Palestra saúde para orientar e esclarecer as dúvidas da população sobre as ações preventivas na área da saúde pública em virtude da construção da UHE Belo Monte. Redator: Lucimara Rios

Leia mais

PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ANIMAIS ESCORPIÃO ESCORPIÕES. William Henrique Stutz

PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ANIMAIS ESCORPIÃO ESCORPIÕES. William Henrique Stutz PREVENÇÃO DE ACIDENTES COM ANIMAIS ESCORPIÃO ESCORPIÕES William Henrique Stutz Os escorpiões são aracnídeos, muitas pessoas os chamam de insetos, mas basta observar que este animal tem 4 (quatro) pares

Leia mais

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes?

Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Como surge o diabetes? Com a queda da produção de insulina, hormônio importante para o funcionamento do organismo, resultando no aumento da quantidade de açúcar. Áreas afetadas pelo

Leia mais

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE MANGARATIBA, RJ. Palavras-chave: Animais peçonhentos; Acidentes. Mangaratiba. Rio de Janeiro.

ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE MANGARATIBA, RJ. Palavras-chave: Animais peçonhentos; Acidentes. Mangaratiba. Rio de Janeiro. Revista Eletrônica Novo Enfoque, ano 2012, v. 15, edição especial, p. 07 15 ACIDENTES COM ANIMAIS PEÇONHENTOS NO MUNICÍPIO DE MANGARATIBA, RJ CARDOSO, Carlos Ferreira de Lima 1 SOARES, Marcelo de Araújo

Leia mais

Alergia a picada de Insetos

Alergia a picada de Insetos Alergia a picada de Insetos A alergia a insetos e conhecida desde a antiguidade, na Europa mais de 95% das reações alérgicas provocadas por insetos são resultantes da picada de abelhas e vespídeos. Os

Leia mais

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções.

Perigo: as brotoejas podem coçar, causando incômodo ao bebê e, por serem uma irritação, tornam-se foco de infecções. Trate os problemas de pele mais comuns em bebês Pais devem ficam atentos a descamações, manchas e brotoejas Se existe uma característica comum a todos os bebês saudáveis, só pode ser a pele macia e sedosa,

Leia mais

EXERCÍCIO E DIABETES

EXERCÍCIO E DIABETES EXERCÍCIO E DIABETES Todos os dias ouvimos falar dos benefícios que os exercícios físicos proporcionam, de um modo geral, à nossa saúde. Pois bem, aproveitando a oportunidade, hoje falaremos sobre a Diabetes,

Leia mais

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico

Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Proteja-se! Faça Chuva ou faça Sol, vacine-se a partir de Outubro e até ao final do Inverno. Consulte o seu médico Gripe Perguntas Frequentes Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a

Leia mais

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS ESTADO DE SANTA CATARINA SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUPERINTENDENCIA DE VIGILÂNCIA EM SAUDE DIRETORIA DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA ORIENTAÇÕES EM SITUAÇÕES DE ENCHENTES OU ENXURRADAS

Leia mais

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola

PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA. Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA. Policial BM Espínola PRONTIDÃO ESCOLAR PREVENTIVA Primeiros Socorros ABORDAGEM PRIMÁRIA RÁPIDA Policial BM Espínola LEMBRE-SE Antes de administrar cuidados de emergência, é preciso garantir condições de SEGURANÇA primeiramente

Leia mais

INTRODUÇÃO. O por que de montar uma apostila?

INTRODUÇÃO. O por que de montar uma apostila? GENÉSIO DE BEM NETO INTRODUÇÃO O por que de montar uma apostila? O primeiro contato que tive sobre esse assunto, aconteceu quando ainda jovem, quando trabalhei na Sintex do Brasil Ind e Com como auxiliar

Leia mais

SENAC EM JUNDIAÍ AGROINDÚSTRIA. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009

SENAC EM JUNDIAÍ AGROINDÚSTRIA. João Gama Godoy. Técnico de Segurança do Trabalho. Senac - 2009 ÁREAS DERISCOS ATUAÇÃONA CONTROLE DE SENAC EM JUNDIAÍ João Gama Godoy Técnico de Segurança do Trabalho Senac - 2009 É proibida a reprodução do conteúdo desta apresentação em qualquer meio de comunicação,

Leia mais

Gripe H1N1 ou Influenza A

Gripe H1N1 ou Influenza A Gripe H1N1 ou Influenza A A gripe H1N1 é uma doença causada por vírus, que é uma combinação dos vírus da gripe normal, da aviária e da suína. Essa gripe é diferente da gripe normal por ser altamente contagiosa

Leia mais

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares.

Agente Infectante. Vetor / Transmissão. Doença. Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Dengue Dengue Agente Infectante Arbovirus Vetor / Transmissão Picada do mosquito Aedes Aegypti Sinais e Sintomas Hemorragias na pele, no nariz e em outros locais. Febre, fraqueza, dores musculares. Profilaxia

Leia mais

Corpo de Bombeiros. São Paulo

Corpo de Bombeiros. São Paulo Corpo de Bombeiros São Paulo NOÇÕES DE PRIMEIROS SOCORROS Acionamento do serviço de emergência Antes de iniciar qualquer procedimento, garanta sua segurança e acione o serviço de emergência. 193 192 Fonte:

Leia mais

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV)

azul NOVEMBRO azul Saúde também é coisa de homem. Doenças Cardiovasculares (DCV) Doenças Cardiovasculares (DCV) O que são as Doenças Cardiovasculares? De um modo geral, são o conjunto de doenças que afetam o aparelho cardiovascular, designadamente o coração e os vasos sanguíneos. Quais

Leia mais

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202

Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 Nomes: Melissa nº 12 Naraiane nº 13 Priscila nº 16 Vanessa nº 20 Turma 202 A doença de chagas é assim denominada em homenagem ao seu descobridor, o médico brasileiro Dr. Carlos Justiniano Ribeiro das Chagas.

Leia mais

Punção Venosa Periférica CONCEITO

Punção Venosa Periférica CONCEITO Punção Venosa Periférica CONCEITO É a criação de um acesso venoso periférico a fim de administrar soluções ou drogas diretamente na corrente sanguínea, para se obter uma ação imediata do medicamento. Preparar

Leia mais

ANIMAIS PEÇONHENTOS DEFINIÇÃO Prof. Fabio Azevedo São acidentes provocados por picadas ou mordeduras de animais que possuem glândulas secretoras e aparelhos inoculadores de veneno, como dentes ocos e ferrões.

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos. BETASERC (dicloridrato de

Leia mais

FEBRE AMARELA: Informações Úteis

FEBRE AMARELA: Informações Úteis FEBRE AMARELA: Informações Úteis Quando aparecem os sintomas? Os sintomas da febre amarela, em geral, aparecem entre o terceiro e o sexto dia após a picada do mosquito. Quais os sintomas? Os sintomas são:

Leia mais

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS

INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS INTOXICAÇÃO EXOGÉNA POR AGROTÓXICOS CEREST ESTADUAL Enfª do Trabalho: Thaysa Zago CLASSIFICAÇÃO Inseticidas ou praguicidas: combatem insetos; Fungicidas: atingem os fungos; Herbicidas: matam as plantas

Leia mais

NOÇÕES BÁSICAS DE TOXICOLOGIA DE PLANTAS

NOÇÕES BÁSICAS DE TOXICOLOGIA DE PLANTAS UNIVERSIDADE DO SUL DE SANTA CATARINA CURSO DE ENFERMAGEM DISCIPLINA: FITOTERAPIA PROF.ª DANIELLA KOCH DE CARVALHO NOÇÕES BÁSICAS DE TOXICOLOGIA DE PLANTAS Em princípio, todas as plantas medicinais são

Leia mais

SERPENTES DE INTERESSE MÉDICO DA AMAZÔNIA

SERPENTES DE INTERESSE MÉDICO DA AMAZÔNIA SERPENTES DE INTERESSE MÉDICO DA AMAZÔNIA BIOLOGIA, VENENOS E TRATAMENTO DE ACIDENTES Maria Cristina dos Santos Marcio Martins Antônio Luiz Boechat Raymundo Pereira de Sá Neto M. Ermelinda Oliveira IMPORTANTE

Leia mais

Intoxicações. Suporte às funções vitais (respiração e circulação).

Intoxicações. Suporte às funções vitais (respiração e circulação). Intoxicações Quando estiver em casa, dê uma olhada no seu armário de medicamentos. Vá até a área de serviço e conte quantos produtos de limpeza existem lá. Imagine a felicidade de uma criança ao deparar-se

Leia mais

Betaserc dicloridrato de betaistina

Betaserc dicloridrato de betaistina MODELO DE BULA PARA O PACIENTE I) IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Betaserc dicloridrato de betaistina FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES BETASERC (dicloridrato de betaistina) 16 mg: cartuchos com 30 comprimidos.

Leia mais

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA

APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA APOSTILA PRIMEIROS SOCORROS À CRIANÇA NA ESCOLA Dra. Maria Beatriz Silveira Schmitt Silva Coordenadora do SAMU do Vale do Itajaí Coordenadora Médica do SOS Unimed Blumenau Setembro/2010 Revisado em Fevereiro

Leia mais

Informações ao Paciente

Informações ao Paciente Informações ao Paciente Introdução 2 Você foi diagnosticado com melanoma avançado e lhe foi prescrito ipilimumabe. Este livreto lhe fornecerá informações acerca deste medicamento, o motivo pelo qual ele

Leia mais

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g

COMPOSIÇÃO Cada 1 g de pó contém: benzocaína... 0,006 g bicarbonato de sódio... 0,884 g clorato de potássio... 0,11g IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: Albicon benzocaína, bicarbonato de sódio, clorato de potássio APRESENTAÇÕES Pó para uso tópico. Cada grama contém 0,006 g de benzocaína, 0,884 g de bicarbonato de sódio e

Leia mais

TIREÓIDE. O que é tireóide?

TIREÓIDE. O que é tireóide? TIREÓIDE O que é tireóide? A tireóide é uma glândula em forma de borboleta, situada no pescoço, logo abaixo do ossinho do pescoço, popularmente conhecido como gogó. A tireóide produz um hormônio capaz

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BOTUCATU (PET-CBB) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BOTUCATU (PET-CBB) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL CIÊNCIAS BIOLÓGICAS BOTUCATU (PET-CBB) INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS Programa FOGO/PET-CBB/ABEM (Associação do Bem Estar) Bolsistas Alice Silva Gonçalves

Leia mais

REPARIL. Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g.

REPARIL. Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g. REPARIL Takeda Pharma Ltda. Gel 10mg/g + 50mg/g. APRESENTAÇÕES Gel com 10 mg/g (escina) + 50 mg/g (salicilato de dietilamônio). Bisnagas com 30 g ou 100 g. USO TÓPICO USO ADULTO E PEDIÁTRICO COMPOSIÇÃO

Leia mais

L E P T O S P I R O S E

L E P T O S P I R O S E L E P T O S P I R O S E Elaborado por: Francisco Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mail: bergson.moura@saude.ce.gov.br bergson.moura@live.com Definição Leptospirose é uma doença infecciosa que causa

Leia mais

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas.

Tralen 1% tioconazol. Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. Tralen 1% tioconazol I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Tralen Nome genérico: tioconazol APRESENTAÇÕES Tralen 1% pó dermatológico em embalagem contendo 1 frasco plástico com 30 gramas. VIA

Leia mais

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO

VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO VACINE-SE A PARTIR DE 1 DE OUTUBRO CONSULTE O SEU MÉDICO Perguntas frequentes sobre a gripe sazonal O que é a gripe? É uma doença infecciosa aguda das vias respiratórias, causada pelo vírus da gripe. Em

Leia mais

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml

FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE Laboratório Farmacêutico Caresse Ltda Xarope adulto 6 mg/ml Xarope pediátrico 3 mg/ml FRUTOSSE XAROPE BULA PACIENTE FRUTOSSE cloridrato de ambroxol APRESENTAÇÕES Xarope adulto de 6 mg/ml: frasco

Leia mais

Actifedrin. cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina

Actifedrin. cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina Actifedrin cloridrato de triprolidina cloridrato de pseudoefedrina Formas farmacêuticas e apresentações Xarope embalagem contendo 100 ml Comprimidos embalagem contendo 20 comprimidos USO ADULTO E PEDIÁTRICO

Leia mais

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado.

RAIVA. A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA A raiva é um doença viral prevenível de mamíferos, que geralmente é transmitida através da mordida de uma animal infectado. RAIVA PRINCIPAIS VETORES - Furão (ferrets) - Raposas - Coiotes - Guaxinins

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA PARA PRODUTO QUÍMICO THINNER USO GERAL - 8016

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA PARA PRODUTO QUÍMICO THINNER USO GERAL - 8016 01 - IDENTIFIÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Código Interno: 8016 THINNER USO GERAL Empresa: RHAI INDÚSTRIA E COMÉRCIO DE MASSAS PLÁSTICAS LTDA Endereço: Rodovia PR 506, 44 km 2 Distrito de Araçatuba Campina

Leia mais

RETIFICAÇÕES DIVERSAS

RETIFICAÇÕES DIVERSAS Circular 340/2014 São Paulo, 10 de Junho de 2014. PROVEDOR(A) ADMINISTRADOR(A) RETIFICAÇÕES DIVERSAS Diário Oficial da União Nº 109, Seção 1, terça-feira, 10 de junho de 2014 Prezados Senhores, Segue para

Leia mais

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão

FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR. Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão FOLHETO INFORMATIVO: INFORMAÇÃO PARA O UTILIZADOR Optiray 160 mg Iodo/ml, Solução injectável ou para perfusão Substância activa: Ioversol Leia atentamente este folheto antes de tomar este medicamento.

Leia mais

Francisco Bergson Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mails: bergson.moura@saude.ce.gov.br Bergson.moura@live.com

Francisco Bergson Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mails: bergson.moura@saude.ce.gov.br Bergson.moura@live.com Francisco Bergson Pinheiro Moura Médico Veterinário E-mails: bergson.moura@saude.ce.gov.br Bergson.moura@live.com Animais Peçonhentos São aqueles que possuem glândulas de veneno que se comunicam com dentes

Leia mais

RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL. 20 mg/ml

RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL. 20 mg/ml RILAN UCI-FARMA INDÚSTRIA FARMACÊUTICA LTDA. SOLUÇÃO NASAL 20 mg/ml I) IDENTIFICAÇÃO DO RILAN NASAL 2% SPRAY cromoglicato dissódico FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÃO RILAN NASAL 2% SPRAY: cartucho com

Leia mais

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA

NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA ISONIAZIDA + RIFAMPICINA D.C.B. 05126.01-0 FORMA FARMACÊUTICA E APRESENTAÇÕES NUPLAM ISONIAZIDA + RIFAMPICINA é apresentado em: Cápsulas duras, para ADMINISTRAÇÃO ORAL,

Leia mais

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros:

Primeiros socorros Material a ter na caixa de primeiros socorros: Primeiros socorros Os primeiros socorros é o tratamento inicial dado a alguém que se magoou ou sofreu um acidente. Se o acidente for grave, não deves mexer na pessoa lesionada e chamar o 112, explicando-lhe

Leia mais

TYLALGIN CAF. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg

TYLALGIN CAF. Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg TYLALGIN CAF Geolab Indústria Farmacêutica S/A Comprimido Revestido 500mg + 65mg MODELO DE BULA PARA O PACIENTE Esta bula é continuamente atualizada. Favor proceder a sua leitura antes de utilizar o medicamento.

Leia mais

- ENSINO. Texto 1. selva. Esse. Tempo. 1) feroz bravo.

- ENSINO. Texto 1. selva. Esse. Tempo. 1) feroz bravo. PROFESSOR: EQUIPEE DE PORTUGUÊS BANCO DE QUESTÕES - LÍNGUA PORTUGUESA - 2 ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ======== ========= ========= ========= ========= ========= ======== ======== ========= == Texto 1 OLHA

Leia mais

MITOS X VERDADES SOBRE A DENGUE

MITOS X VERDADES SOBRE A DENGUE Uma boa alimentação garante imunidade à doença? Mito. Não há algum alimento específico contra a dengue. Porém, uma alimentação incluindo frutas e vegetais, torna o organismo da pessoa mais saudável e o

Leia mais

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS

GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS GUIA DE PRIMEIROS SOCORROS PREVENT SENIOR Sumário 1. PARADA CARDIORRESPIRATÓRIA (PCR)...1 1.1. Apresentação... 1 1.2. Causas... 1 1.3. Sintomas... 2 1.4. Como agir... 2 2. QUEDAS...2 2.1. Apresentação...

Leia mais

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA

MEDICAMENTO SIMILAR EQUIVALENTE AO MEDICAMENTO DE REFERÊNCIA Olmetec HCT olmesartana medoxomila/hidroclorotiazida I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Nome comercial: Olmetec HCT Nome genérico: olmesartana medoxomila/hidroclorotiazida APRESENTAÇÕES Olmetec HCT 20 mg/12,5

Leia mais

Centro de Saúde de Évora Saúde Escolar. Noções de Primeiros Socorros

Centro de Saúde de Évora Saúde Escolar. Noções de Primeiros Socorros Centro de Saúde de Évora Saúde Escolar Noções de Primeiros Socorros Noções de Primeiros Socorros! O primeiro socorro;! Feridas, picadas e mordeduras;! Produtos e materiais;! Algumas recomendações. O primeiro

Leia mais

Relaxante Muscular e Analgésico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos.

Relaxante Muscular e Analgésico. APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de paracetamol em embalagens com 12 comprimidos. BULA DO PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO Paralon Relaxante Muscular e Analgésico clorzoxazona 200 mg e paracetamol 300 mg Comprimidos APRESENTAÇÕES Comprimidos de 200 mg de clorzoxazona e 300 mg de

Leia mais

Primeiros Socorros Volume I

Primeiros Socorros Volume I Manual Primeiros Socorros Volume I um Manual de Junho de 2008 Rua Braancamp, 52-4º 1250-051 Lisboa Tel. 212476500 geral@oportalsaude.com Copyright, todos os direitos reservados. Este Guia Técnico não pode

Leia mais

O Tato Capítulo 11 (página 204) - Ajuda a controlar a força que se aplica ao segurar objetos;

O Tato Capítulo 11 (página 204) - Ajuda a controlar a força que se aplica ao segurar objetos; O Tato Capítulo 11 (página 204) - A pele humana possui espessura variável, menor que 0,5 milímetros (pálpebras) até 05 milímetros (no alto das costas); - É o sentido que nos permite perceber os estímulos

Leia mais

Manual de Instruções Aparelho Abdominal

Manual de Instruções Aparelho Abdominal Manual de Instruções Aparelho Abdominal Parabéns, você acabou de adquirir o Aparelho Abdominal! Um produto ideal para você cuidar da sua saúde e do seu corpo no conforto da sua casa. Temos certeza que

Leia mais

QUEIMADURAS. Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção

QUEIMADURAS. Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção QUEIMADURAS Calor Electricidade Produtos químicos Radiações Fricção GRAVIDADE DAS QUEIMADURAS DEPENDE: Zona atingida pela queimadura Extensão da pele queimada Profundidade da queimadura: - 1ºGRAU - 2ºGRAU

Leia mais

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM)

TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) Protocolo: Nº 63 Elaborado por: Manoel Emiliano Última revisão: 30/08/2011 Revisores: Samantha Vieira Maria Clara Mayrink TRAUMA RAQUIMEDULAR (TRM) DEFINIÇÃO: O Trauma Raquimedular (TRM) constitui o conjunto

Leia mais

PLANTAS ORNAMENTAIS TÓXICAS: PREVENÇÃO DE ACIDENTES

PLANTAS ORNAMENTAIS TÓXICAS: PREVENÇÃO DE ACIDENTES PLANTAS ORNAMENTAIS TÓXICAS: PREVENÇÃO DE ACIDENTES João Batista Picinini Teixeira¹ Alexandre Almeida Lima ² ¹Professor Doutor da Universidade Federal de Juiz de Fora e Orientador do PROPLAMED/TNC UFJF

Leia mais

Curiosidades A Vida das Abelhas.

Curiosidades A Vida das Abelhas. Curiosidades A Vida das Abelhas. Se as abelhas desaparecessem da face da terra, a espécie humana teria somente mais 4 anos de vida. Sem abelhas não há polinização, ou seja, sem plantas, sem animais, sem

Leia mais

Lareira a lenha Tipo Gota

Lareira a lenha Tipo Gota Lareira a lenha Tipo Gota Manual de instalação, uso e manutenção. ÍNDICE APRESENTAÇÃO CONSIDERAÇÕES INICIAIS EQUIPAMENTO - LAREIRA A LENHA GOTA CUIDADOS INSTALAÇÃO DA LAREIRA DESENHOS TÉCNICOS SISTEMA

Leia mais

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06

FICHA TÉCNICA DE SEGURANÇA DO PRODUTO QUÍMICO - FISPQ Data da Revisão: 06.03.06 01. Identificação do Produto e da Empresa. Nome do Produto: Rotosafe Bro 700 001 OR 0050 nº Material: 110319 Nome da Empresa: Domingos Araújo Neto Endereço: Av. Francisco Sá, 3405 Monte Castelo Fortaleza

Leia mais

DRAMIN BULA DO PACIENTE

DRAMIN BULA DO PACIENTE DRAMIN BULA DO PACIENTE Takeda Pharma Ltda. Cápsula gelatinosa mole 50 mg/cápsula (dimenidrinato) BULA PARA PACIENTE RDC 47/2009 APRESENTAÇÕES Cápsula gelatinosa mole de 50 mg. Embalagem com 4, 10 ou 100

Leia mais

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões.

1. INTRODUÇÃO 2. CONSTITUIÇÃO DA COLÔNIA. A constituição de uma colônia é a seguinte: 60000 a 80000 abelhas operárias; 1 rainha e 0 a 400 zangões. Obtenção do Mel Katiani Silva Venturini 1 (e-mail: katiani_sv@hotmail.com) Miryelle Freire Sarcinelli 1 (e-mail: miryelle@hotmail.com) Luís César da Silva 2 (website: www.agais.com) 1. INTRODUÇÃO Abelhas

Leia mais