Guaramiranga: Lugar para Viver ou Visitar?

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Guaramiranga: Lugar para Viver ou Visitar?"

Transcrição

1 Guaramiranga: Lugar para Viver ou Visitar? Vilma Terezinha de ARAÚJO - Doutoranda em Geografia 1 IGCE Instituto de Geociências e Ciências Exatas Unesp Rio Claro - Guaramiranga, talvez saibam é uma pequena mas famosa cidade de veraneio, na nossa Serra de Baturité. Não há cearense que não fique lírico quando fala de Guaramiranga, paraíso escondido num vale entre as serrarias, clima ideal, águas de nascente, ares puríssimo. Região produtora de café e cana, suas culturas especiais são, contudo, a fruta e a flor. Ah, as rosas e os amores-perfeitos de Guaramiranga! Raquel de Queiroz (1998) Resumo Guaramiranga é uma das cidades de maior altitude do Estado do Ceará com 865m. Numa temperatura média que varia entre a mínima de 17 C e a máxima de 22 0 C. A população em 2000, era de A paisagem serrana se destaca pelo verde abundante, em contraste com as áreas semi-áridas do seu entorno. As características naturais e o fato de possuir a maior oferta de leitos da região contribuem de forma significativa para que o município tenha sido escolhido como sendo uma das áreas de lazer, pelas classes média e alta de Fortaleza. Nas últimas décadas, diversos festivais e mostras culturais têm se apresentado nos palcos de Guaramiranga, sendo os principais: Festival de Jazz e Blues, Festival de Fondue, Festival de Gastronomia, Festival de Vinhos, entre outros apoiados pelo poder público. Eles têm contribuído para atrair um maior número de visitantes, aumentando a especulação imobiliária. Na década de 1990 foi criada pelo governo estadual a Área de Proteção Ambiental de Baturité, abrangendo quase todo o Município. Os que compraram a terra para lazer, passam a usufruir da área preservada o que contribui para a agregação de valor à sua propriedade, enquanto a população local fica impedida do acesso à terra, uma vez que se insere nesse processo apenas como mão-de-obra necessária para o funcionamento da atividade; ou, ainda, utilizando-se da infra-estrutura implantada para a viabilização do turismo local (estradas, iluminação pública, abastecimento de água, saneamento, etc.). Introdução 1 * Bolsista da FUNCAP. Sob a orientação da Profa. Dra. Bernadete A. C. de Oliveira.

2 Este trabalho é resultado decorrente de pesquisa para a realização da tese de doutoramento, intitulada Convivências e conflitos: uso da terra, modo de vida local e preservação ambiental em Guaramiranga-CE. Com a escolha do tema temos a pretensão de intensificar esse debate, que já vem sendo amplamente discutido pela comunidade acadêmica em algumas regiões brasileiras. No estado do Ceará o estudo sobre as populações tradicionais dentro ou no entorno de Unidades de Conservação ainda é incipiente. Guaramiranga localiza-se na Macrorregião Norte-Cearense, mais precisamente na Microrregião de Baturité, a 4º15 48 de latitude sul e 38 o longitude oeste de Greenwich. Tem uma área de 95,00 Km 2, aproximadamente 0,06% do território do Estado. A população, conforme censo do IBGE, Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, de 2000 era de habitantes, sendo residentes na área urbana (40,8%) e na área rural (59,2%), com uma densidade demográfica de 60,12 hab/km 2. (IBGE, 2000). No início do século XVII, a região de Baturité era habitada por povos indígenas vivendo de modo primitivo retirando da mata alimentos, armas e demais utensílios para a sua sobrevivência. O difícil acesso e a presença indígena retardaram sua ocupação como relata o historiador Thomaz Pompeu (1908, s.d.): As condições arriscadas de sua penetração, caminhos inadequados, escorregadios e ondulados, existência de índios rebeldes desconfiados das amizades dos brancos, fizeram com que se considerasse as terras serranas sem préstimos e sem valor. Este pensamento perdurou por muito tempo só começando a ser modificado com as secas que castigaram o Ceará nos anos de e As constantes secas que arrasavam o sertão, matando o gado e dificultando a vida dos agricultores, motivou a migração de muitos fazendeiros do sertão semi-árido a procurar melhores condições de sobrevivência na serra de Baturité. Farias (2001,p.12), no livro Nossa História de Conceição à Guaramiranga relata que: Os sertanejos temerosos das desgraças da fome, da sede e da morte de seu gado, procuraram aproximar-se das serras, garantido assim um local para refrigerar os rebanhos e para saciar sua própria sede. Foi na localidade Conceição (atual Guaramiranga) que se deu a primeira ocupação no final do século XVIII. Os índios que habitavam a área foram perseguidos e quando dominados ficaram reunidos no pé da serra, na aldeia dos índios de Monte-Mor, (hoje Baturité). A partir de então os fazendeiros dos arredores, que dispunham de uma reserva em dinheiro, partiam para a Serra com sua família e os escravos, levando apenas os animais necessários à sua condução e algumas vacas leiteiras. Dirigiam-se aos lotes de terras devolutas que tiveram de comprar dos primeiros exploradores, os quais, vendo a oportunidade de um bom negócio, os tinham precedido. De acordo com estudo realizado pela Secretária de Desenvolvimento Local e Regional do Estado do Ceará, o café foi introduzido na serra de Baturité em 1822:

3 Acredita-se que esse produto chegou à serra de Baturité em 1822, quando Antônio Pereira de Queiroz Sobrinho trouxe sementes de café do Cariri para ser plantado no município de Guaramiranga. A partir de então, muitos outros fazendeiros foram motivados a também produzir, todavia era uma espécie de café que crescia a pleno sol.[... ]. O resultado foi que já em 1850, o Ceará foi responsável por mais de 2% das exportações brasileiras de café, sendo esse considerado internacionalmente de excelente qualidade. (http:/www.apl.ce.gov.br/>. Acesso em 10 de março de 2008). Com o intenso desmatamento para a plantação do café o solo já dava sinais de exaustão. Mas alguns proprietários perceberam a fácil adaptação de pés de café que cresciam na sombra das árvores. Dessa forma, os produtores passaram a intensificar sua produção, denominando-o de café sombreado, plantado principalmente na sombra de Ingazeiras. Além da proteção do intenso sol as árvores fertilizavam o solo com as folhas caídas. A excelente adaptação do café as terras úmidas foi um dos pontos decisivos para a conquista da área serrana. Acontecendo uma verdadeira corrida pela aquisição das terras e para lá se deslocaram muitos dos ricos fazendeiros e seus descendentes. Em pouco tempo essa área apresentava notável influência no cenário estadual, produzindo frutas e legumes para a capital, cana-de-açúcar (transformada em rapadura) para os sertões adjacentes. E além do algodão arbóreo cultivado nos pés de serras, produzia toneladas de café que eram exportadas para a Europa. As secas continuaram castigando os sertões cearenses e milhares de refugiados dirigiam-se para as Serras e para a Capital. Então o Governo mandou iniciar a construção da estrada de ferro de Baturité, com objetivo de escoar a produção e tentando assim evitar o êxodo da população. O intenso cultivo do café contribuiu para a rápida ocupação dessas terras. Com a divulgação da oferta de trabalho ocorreu um grande deslocamento populacional para a região. A mão-de-obra era composta principalmente por mestiços, índios e negros que tinham ganho a liberdade e sertanejos refugiados das secas constantes. Eram moradores nas fazendas de café, trabalhavam para os donos da terra a fim de garantir o seu sustento. Em 1890, por meio de Decreto, o povoado de Conceição é elevado à categoria de Vila e no mesmo ano é alterado para vila de Guaramiranga, sendo significativa sua influência na vida econômica e política do Estado. Logo o pequeno povoado passou a ser o principal ponto de encontro dos ricos proprietários da Serra, que habitualmente discutiam política e muitos dos seus negócios. Mesmo com difícil acesso, os mais antigos relatam que as famílias ricas do Ceará visitavam a Serra constantemente, e que, ao retornarem à capital, contavam aos amigos as grandes semelhanças com o clima e as paisagens européias. Os fazendeiros locais recebiam convidados ilustres que passaram a divulgar o lugar com codinomes, tais como Suíça Cearense e Cidade das Flores. Segundo Queiroz (1998), em 1919 Guaramiranga já estava na moda; as pessoas que

4 podiam, passavam lá suas temporadas de verão, alugando casas ou se hospedando nas várias pensões. O intenso uso do solo ocasionou um agravamento no quadro ambiental da serra de Baturité, na década de 70. Após várias tentativas frustradas (apoiadas pelo governo), com diferentes formas de cultivo do café (sendo a última tentativa, a erradicação do café sombreado), a decadência dessa atividade era visível. As terras improdutivas eram postas à venda por seus tradicionais donos e compradas por investidores que usavam a Serra para lazer, descanso e tratamento de saúde. Um significativo número de produtores da região provocou a reação de um segmento dos proprietários de terra da Serra. Para Duran (1998, p. 221), curiosamente, o embrião do grupo de pressão que deu início ao movimento para a criação da Área de Proteção Ambiental 2 de Baturité foi formado por veranistas de alta renda e produtores de café que não seguiram o programa do governo de erradicação do café sombreado. O movimento foi iniciado em meados da década de 1980 e em 18 de setembro de 1990 o Governado do Estado cria através de Decreto a APA de Baturité. Delimitada pela cota 600 (seiscentos) metros integrando os municípios de Aratuba, Baturité, Capistrano, Caridade, Guaramiranga, Mulungu, Pacoti e Redenção. No entanto, na década de 1990, a economia da região podia ser considerada estagnada. Com a decadência da cultura do café e a ausência da atividade industrial, as taxas de crescimento da região se apresentavam praticamente inalteradas. Guaramiranga, que centralizava o beneficiamento desse produto, foi um dos municípios mais afetados, tendo que buscar alternativas. O pequeno crescimento das culturas de flores (comercializadas em Fortaleza ou exportadas) e hortaliças, cultivadas nos fundos de vales, principalmente para o consumo local, não foram suficientes na geração de receitas para o município. A atividade turística foi a alternativa encontrada pelos governantes na esfera local e estadual para buscar o crescimento econômico, sendo a cidade de Guaramiranga o foco principal na área serrana. Assim, Coriolano e Marinho (2002, p.253), percebem essas transformações como estratégia governamental: Até a década de 70, o Ceará desenvolvia uma economia quase exclusivamente agrícola, sustentada fundamentalmente pela agropecuária, predominando a agricultura de subsistência. A partir da década de 80, o Estado experimentou uma transformação estrutural de sua economia, incluindo o turismo, com a instalação de equipamentos modernos com a intenção de atrair maior fluxo de visitantes. Já em Guaramiranga essa estratégia surgiu a partir da iniciativa dos empresários locais. Como relata Silva (2005, p. 30): 2 Área de Proteção Ambiental - APA - é uma área em geral extensa, com certo grau de ocupação humana, dotada de atributos abióticos, bióticos, estéticos ou culturais especialmente importantes para a qualidade de vida e o bem-estar das populações humanas, e tem como objetivos básicos proteger a diversidade biológica, disciplinar o processo de ocupação e assegurar a sustentabilidade do uso dos recursos naturais. (Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza-SNUC/2002).

5 Após várias tentativas frustradas para a retomada da cafeicultura, os empresários locais passaram a defender o turismo como atividade alternativa para a manutenção do comércio e para promover Guaramiranga como um lugar bonito, próximo da capital do Estado, agradável para passear, bom para morar, oportuno para lazer, aprendizado e negócios. No entanto, Faria (2004, p. 39) defende que o turismo não pode ser a principal fonte de desenvolvimento de um Município, pois: O turismo, como qualquer outra indústria, é pouco sustentável na medida em que é extraordinariamente sensível às flutuações do mercado internacional. Nunca poderá ser entendido como a única solução para o desenvolvimento. O seu sucesso e perenidade dependem de estruturas de autonomia económica social e cultural pré-existentes à sua chegada. Em visitas ao Município percebe-se mudanças significativas na paisagem. As construções no meio da mata, próximo às nascentes são alvo de denúncias dos principais jornais de Fortaleza. Assim, o presente trabalho objetiva investigar as conseqüências advindas com as transformações ocorridas ao longo das últimas décadas no Município, bem como as mudanças no modo de vida da população e suas estratégias de sobrevivência. Para atingir os objetivos propostos foram realizados os seguintes procedimentos metodológicos: pesquisa bibliográfica (análise de documentos diversos) e pesquisa qualitativa (esta tendo como expedientes as entrevistas, as observações diretas da ação cotidiana e pública, os depoimentos registrados em diários de campo). A pesquisa foi realizada com as lideranças políticas e comunitárias, autoridades locais, moradores das comunidades da zona rural, órgãos públicos, etc. Lugar para Visitar? O fato de ser uma das cidades de maior altitude do Estado do Ceará (865,24m), com temperatura média variando entre a máxima de 22 e a mínima de 17 C, a paisagem serrana se destaca pelo verde abundante, em contraste com as áreas semi-áridas do seu entorno. As características naturais e o fato de possuir a maior oferta de leitos da região (cerca de 965) contribuem de forma significativa para que o município tenha sido priorizado pelo poder público. Fato que se soma a uma tendência já estabelecida de ser uma área turística aos olhos das classes média e alta de Fortaleza, identificando-a como possível segunda residência. Daí a multiplicação de chácaras e sítios. Nas duas últimas décadas, diversos festivais e mostras culturais têm se apresentado nos palcos de Guaramiranga, sendo os principais: Festival de Jazz e Blues (já em sua nona edição), Festival de Fondue, Festival de Gastronomia, Festival de Vinhos (três edições), Festival Nordestino de Teatro (já catorze edições), Mostra de Teatro de Guaramiranga (seis edições), Mostra de Dramas, Mostra Junina (já em sua décima-quinta edição) e várias festas religiosas, entre outros. Esses eventos são realizados com apoio do poder público para atrair cada vez mais visitantes. Contudo, a estrutura da cidade ou ainda sua capacidade de carga não suporta o grande fluxo de

6 turistas. Para Mendonça (1996): Nesses períodos, os efluentes domésticos chegam a atingir níveis muito superiores à capacidade de saturação: os despejos de fossas e esgotos acabam contaminando as nascentes. Rodrigues (1998, p. 92), baseando-se em J. M. Thurot esclarece que a capacidade de carga significa a influência turística que um determinado sistema socioeconômico regional pode admitir, de maneira sustentável (durable) sem se modificar irremediavelmente, considerando-se as seguintes instâncias: econômica, sem a necessidade de apelar de forma significativa às estruturas não regionais, nacionais e sobretudo estrangeiras; social, sem modificar radicalmente os equilíbrios sociais anteriores; cultural, sem modificar profundamente os sistemas de valores que prevaleciam; ambiental, sem modificar as grandes características ecológicas iniciais, considerando, portanto, no ambiente, apenas os elementos naturais. Durante o Festival de Jazz e Blues, realizado sempre no período do Carnaval, o público é diversificado. Os visitantes que não conseguem hospedagem em pousadas e hotéis alugam as casas dos moradores, enquanto esses se deslocam para a casa de parentes. Outros preferem a aventura de acampar. Mas a cidade não oferece estrutura necessária como banheiros públicos suficientes, fazendo com que alguns moradores também aproveitem para vender um banho quente. Outros, ainda, buscam hospedagem nos municípios vizinhos. Anúncios publicitários de um Carnaval diferente com boa música e tranquilidade, contribuem para que os visitantes sejam um número maior do que a cidade comporta. Guaramiranga está cercada por matas verdes e localizada num vale. Conta com apenas uma via de acesso e duas ruas paralelas. A rua principal fica fechada durante o Festival, permitindo apenas o fluxo de pedestres como mostra a Figura 1; enquanto a outra rua é transformada em mão-dupla, sendo grande o fluxo de veículos o dia todo. A Figura 2 mostra um congestionamento ao meio-dia numa segundafeira de Carnaval, quando não há atração na cidade, e os visitantes se deslocam para outros pontos turísticos (Pico Alto, cachoeiras, mirantes etc.). As calçadas servem de estacionamento. Figura 1 Foto: Rua principal durante o festival de Jazz e Blues, apenas trânsito de pedestres. Arquivo: Vilma Araújo. Em:

7 Figura 2 Foto: Festival de Jazz e Blues única via de acesso à cidade. Arquivo: Vilma Araujo. Em: A Sede municipal é o local de encontro dos visitantes. À noite, o fluxo de veículos aumenta. Faltando vagas para estacionar, muitos motoristas ficam irritados, pois a principal área de estacionamento é também a única rua de acesso. No entanto, todos querem aproveitar as noites de frio, quando desfilam o seu guarda-roupa de inverno e disputam vagas nos restaurantes para consumir o que não é típico da culinária cearense como o fondue, massas, vinhos, chocolate quente. David Harvey (2005, p. 176) em seu livro A Produção Capitalista do Espaço cita: Os festivais e os eventos culturais também se tornam foco das atividades de investimento. As artes criam um clima de otimismo a cultura do é possível fazer é essencial para o desenvolvimento do empreendimento cultural, afirma a introdução de um recente relatório do Arts Council of Great Britain (Conselho de Artes da Grã-Bretanha), acrescentando que as atividades culturais e as artes podem ajudar a romper a espiral descendente da estagnação econômica nas cidades do interior [...] Inicialmente o turismo surge como uma forma de trazer benefícios como emprego e melhoria na qualidade de vida das populações locais; porém, não passa muitas vezes de mais um discurso a favor da rentabilidade dos negócios imobiliários, culturais e da valorização da natureza. Na opinião de Coutinho, (1998, p.267): Quando o turismo é introduzido em pequenas localidades, em um primeiro momento a população local pode até ser significativamente utilizada como força de trabalho, mas, em geral, é tratada de forma marginal, sendo em seguida condicionada à participação informal. Para funções que requeiram mão-de-obra especializada, de maior tempo de permanência, a tendência é requisitar pessoal dos centros mais evoluídos. Em se tratando de empreendimentos de maior porte, quase sempre os de maiores retornos financeiros, é o empresariado externo que geralmente possui maior capacitação para realizá-los. Para Castro (1998), políticas nacionais de turismo tendem a ser dirigidas para geração de desenvolvimento econômico e para os governos elas são sempre sinônimo de potencial de geração de emprego e de desenvolvimento local e regional.

8 Lugar para Viver? Guaramiranga tem apenas um distrito, Pernambuquinho (a 9 km da Sede) e várias comunidades, algumas formadas por grupos familiares, como: Pé de Ladeira (7 km), Linha da Serra (12 km), Conjunto Por do Sol (8 km), Bananal (12 km), Agostinho (12 km), Sítio dos Pilões (8 km). São na maioria excedentes populacionais, antigos moradores das fazendas de café. Esses grupos vêm crescendo principalmente com a venda dos sítios para os novos proprietários que usam a área apenas para lazer não necessitando, portanto, de mão-de-obra. Em 1981, com o intuito de amenizar os problemas de moradia no município, foi construído na sede municipal um Conjunto Habitacional com 70 casas agrupadas em 3 grupos: A, B e C; com 1, 2 e 3 quartos, respectivamente. Atualmente tudo foi reformado e vendido; a maioria pertence à população de Fortaleza, ficando a maior parte do ano fechada (excetuando os meses de férias e épocas de festivais). Alguns moradores venderam suas casas para os visitantes a preços bem abaixo do mercado e vivem atualmente em pontos periféricos do município, ou mesmo em favelas na capital. 3 Na comunidade do Pé de Ladeira, localizada nas margens da rodovia CE 065, via que dá acesso a Fortaleza, o artesanato (tipo traçado de cipó ) é tradição entre as famílias que trabalhavam na colheita do café e faziam os cestos para transportar esse produto. Atualmente, a maioria das famílias tira da mata o seu sustento; seja modelando a madeira, seja fazendo o traçado de cipó, e de taboca. Hoje em dia o gosto do turista é que dá a forma do produto confeccionado. Por outro lado, os moradores são afetados pela especulação imobiliária que supervaloriza a terra, tornando-a inacessível às novas famílias que se formam; sendo comum os filhos mesmo depois de casados continuarem morando com os pais. É uma das comunidades mais carentes do município. Algumas de suas casas, sendo de taipa, nos meses mais chuvosos (fevereiro, março e abril), não resistem e caem, colocando em risco a vida das pessoas. Também não dispõe de saneamento básico. A água potável é doada por um sitiante que libera uma torneira durante dois dias na semana para o abastecimento de aproximadamente 58 famílias. Assim, crianças, jovens, adultos e até os mais velhos passam o dia todo revezando na fila para encher seus baldes e vasilhames, que depois são carregados morro acima ou abaixo, já que as casas, como o nome do lugar indica, ficam numa ladeira (Figura 3). 3 Em agosto de 2007, o prefeito Ilton Barroso, declarou que existe uma lista com mais de 800 pessoas sem moradia em Guaramiranga.

9 Figura 3 Foto: Moradores da comunidade Pé-de-Ladeira na fila para pegar água. Arquivo: Vilma Araújo. Em: Devido a área possuir declive acentuado, com formações de vales, formam-se nascentes onde os moradores tomam banho e lavam roupa. Há aproximadamente uma década instalou-se na área uma empresa de água mineral. Ela cercou algumas nascentes e comercializa água engarrafada para a região, sendo o seu maior consumidor a capital do Estado. Na opinião de Yázigi (2006), quando se cogita um projeto de impacto sobre um lugar, será sempre indispensável que os padrões propostos (comerciais, físicos ou outros) assegurem se não a manutenção de um status quo sadio, pelo menos as perspectivas evolutivas da cidadania plena. Já em outra comunidade, a da Linha da Serra, em menos de uma década ocorreram transformações significativas. Fora a Sede, é o aglomerado com maior número de casas do município. Conta com uma Escola, Posto de Saúde, energia elétrica e água encanada. O único transporte é o ônibus escolar que leva os alunos do Ensino Médio para a Sede toda manhã, ou o serviço informal de moto-taxi que cobra até R$ 10,00 (dez reais) por corrida até a Sede. Recentemente foi inaugurada uma pousada com quatro andares, no último andar funciona um restaurante com mirante para a paisagem sertaneja. Bem próximo fica o Pico Alto, com 1.114m de altitude um dos pontos mais visitados pelos turistas. A especulação imobiliária é bem visível, com a grande procura de terrenos por aqueles que se encantam com o lugar. Inclusive, muitos moradores venderam sua única moradia. Na percepção de alguns entrevistados teria havido melhoria, porque agora trabalham (ainda que informalmente) na construção civil, ou, nos finais de semana, em restaurantes e pousadas. Os mais antigos ainda vivem da agricultura, produzindo para sua subsistência, embora tendo que procurar terra cada vez mais distante. Visto que a maioria dos agricultores, desde cedo, acompanhavam seus pais na roça, adquirindo uma herança cultural já ameaçada de extinção pela falta de incentivos governamentais.

10 Como quase toda a área do município faz parte da Área de Proteção Ambiental, o município está sujeito a uma legislação que dificulta ou impede a prática da agricultura. Carneiro (1996, p. 99) esclarece que: Surge uma nova hierarquia de valores em que a agricultura, como forma de uso social da terra, é colocada no degrau mais inferior. Se, de um lado, os agricultores mais velhos, acuados pela expansão do turismo e pelo avanço da mata, se ressentem ao verem diminuídas as condições para a realização de sua identidade social, de outro, percebem que não há alternativas para seus filhos a não ser que também se engajarem em atividades fora do setor agrícola. Geralmente as famílias trabalham em terras arrendadas, a, aproximadamente, duas horas de caminhada em direção ao sertão nas quebradas 4, como é de costume chamar. Para Martins (2002, p ) O arrendamento pode ser feito mediante pagamento da renda em trabalho 5 ou uma segunda modalidade de renda é a renda em espécie paga diretamente com uma parte da produção do camponês. Ele tem mais liberdade do que o camponês que paga renda em trabalho porque pode usar a parcela de terra como se fosse sua enquanto durar o arrendamento. No Brasil, o arrendamento em espécie se concretiza basicamente na figura do parceiro, aquele que paga o aluguel da terra entregando ao proprietário uma parte de sua produção. Uma das famílias visitadas, composta de um casal e duas filhas, relatou que, além de contar com R$ 94,00 (noventa e quatro reais) de Bolsa Escola, vive da agricultura de subsistência. Mas como na área serrana esta prática é proibida por Lei, eles deslocam-se diariamente para o sertão nos períodos de preparo da terra, plantio, capina e colheita. Em fevereiro de 2008, já tinham feito o primeiro plantio, mas com a estiagem já haviam perdido tudo. Tiveram de dar entrada no seguro safra 6, mas por morarem em área serrana não receberam. Para Silva (1993, p.143), o governo brasileiro tem se caracterizado por ignorar a diferenciação de classes sociais na agricultura ignorância conveniente, porque beneficia os mais poderosos, os grandes proprietários rurais e por formular sempre políticas por região e/ou produto e não por tipo de produtor. A alternativa tem sido as políticas sociais compensatórias, sem dúvida necessárias nessa circunstância, por meio das quais se procura atenuar os efeitos danosos do modelo econômico. Elas apenas legitimam e confirmam a exclusão por meios de benefícios que não constituem legítima apropriação social dos resultados da economia. São apenas débitos a fundo perdido, preço a pagar pela sustentação de uma economia cuja dinâmica bane e descarta parcelas da população. Não há aí esperança, a menos a curto prazo, ao menos no prazo da urgência a que se impõe. Há apenas a migalha que mitiga, não as privações das vítimas e sim os riscos próprios da continuidade de um sistema econômico organizado a partir de contradições agudas. 7 Como estratégia de sobrevivência, alguns moradores criam animais como cabra, porco e galhinha, para ajudar na dieta alimentar animais muitas vezes conseguidos através de pequenos 4 Local no pé da serra, onde os agricultores de Guaramiranga se deslocam diariamente para trabalhar nas roças, como a terra é de terceiros o que planta é divido com o proprietário pela metade. 5 O arrendatário dá ao proprietário um certo número de dias de trabalho nos cultivos do proprietário. 6 O Seguro safra é um programa instituído pelas Leis n /10.700, tomando como base o efeito cíclico da seca no semi-árido, e com o objetivo de oferecer uma renda mínima aos agricultores de base familiar, que porventura venham a ter prejuízos de 50% ou mais de suas lavouras prejudicadas pela estiagem. 7 Ibid., p. 14

11 empréstimos bancários em torno de R$ 1.500,00 (Mil e quinhentos reais), pagos em duas prestações anuais. Os quintais nem sempre são cercados, o que facilita o acesso entre as casas. No entanto, reclamam que quando o turista compra a terra, a primeira coisa que faz é cercar, impedido a passagem dos que moram lá, quebrando a sociabilidade existente. Nesse sentido Luchiare (1998, p.25) comenta: Entre o setor turístico e as comunidades receptoras o primeiro ganha a hegemonia das representações da paisagem. A população local, dominada pelo olhar externo, faz uma reavaliação seletiva de si mesma e de sua região. Este processo altera as percepções individuais e imprime uma nova valoração da paisagem circundante e da cultura local a partir da substituição de hábitos e comportamentos, da implantação de outras formas de apropriação da natureza e de um novo estilo de vida tomado como referência para relativizar a sociedade local e seu modo de vida. A crescente especulação imobiliária, evidenciada nas diversas construções quase sempre nas áreas mais preservadas vem sendo notícia nos principais jornais de Fortaleza. A Figura 4 foi publicada no Jornal Diário do Nordeste de , cuja reportagem tinha como título: Construções Insustentáveis I: Ocupação degrada a serra, e no dia saiu a segunda reportagem no mesmo Jornal. Construções Insustentáveis II: Falta de planejamento na serra enfatizando que: Voltando o olhar para a cidade serrana de Guaramiranga, uma multiplicidade de empreendimentos uni e multifamiliares, assim como de finalidade hoteleira e de recreação e lazer, prolifera por todos os espaços. Mas existe uma limitação, imposta pela natureza, assegurada por lei e, ainda assim, desafiada pelo ser humano. Figura 4. Fonte:Jornal Diário do Nordeste

12 Já que o município oferece atrativos necessários à prática turística é necessário salientar as fortes implicações sociais causadas, atingindo sobretudo os sistemas de valores das comunidades acolhedoras. Andrade e Vieira (2006, p.13) lembram que: As localidades turísticas devem necessariamente, zelar pela conservação de sua paisagem e pela qualidade de vida de seus moradores, transmitindo uma imagem positiva ao turista, motivando-o a conhecer e permanecer por um maior período de tempo nessa localidade, tornando-se depois um agente propagador do centro receptor. Se o turista, quando sai para passear, almeja descansar e conhecer locais e pessoas agradáveis torna-se fácil compreender porque um local degradado não lhe vai ser muito atraente. Inicialmente os visitantes que buscavam o lazer na serra era a procura de uma natureza preservada, lugar tranqüilo para descanso, com a grande divulgação dos eventos culturais passou a atrair um público bem diversificado onde muitos vêm a natureza como mercadoria a ser negociada pelo melhor preço. Para Coriolano (1998, p. 116) A grande matéria prima do turismo é a natureza, as paisagens, os lugares que passam a ser vistos como mercadoria. A praia, o sol, a paisagem, o verde, tudo passa a ser vendável. O uso indiscriminado da natureza pelo turismo, com desencadeamento do processo de especulação imobiliária, com a ocupação intensa de áreas consideradas turísticas, passa a deteriorar e descaracterizar estas áreas por ele ocupadas. E mais grave ainda, passa a ser excluída do lazer e do turismo uma grande parcela da população. Estabelecendo-se pois, o turismo elitista e excludente. A expansão do turismo traz uma enorme contradição em relação aos recursos naturais como diz Luchiari (1997, p.71): A justificativa primeira da expansão do turismo é a preservação do recurso natural para ser usufruído pelo turista, ao passo que os empreendimentos imobiliários que vêm atrás dele vão destruindo os recursos naturais, privatizando-os e criando um ambiente artificial. Esse processo de destruição do meio ambiente destrói também a lógica do funcionamento e da expansão do turismo. Percebe-se, então, que a imagem do município de Guaramiranga construída a partir do foco do turismo e dos interesses da especulação imobiliária se torna superficial e com muitas contradições. Esse fato contribui cada vez mais para o aumento do abismo entre a realidade vivida pelos moradores locais e aquela concebida pelo turista. Considerações Finais Com olhar de visitante, não há como discordar das palavras de Raquel de Queiroz: não há cearense que não fique lírico quando fala de Guaramiranga. Entretanto, com o olhar de pesquisadora e, portanto, com uma visão mais atenta, espera-se buscar respostas para as muitas interrogações que o modo de vida dos que lá habitam trazem à tona. Geralmente o turismo surge como uma forma de trazer benefícios, como emprego e melhoria na qualidade de vida das populações locais; contudo, não passa, muitas vezes, de mais um discurso a favor da rentabilidade dos negócios imobiliários, culturais e da valorização da natureza. Transformando esses bens em mercadorias.

13 A imagem que é passada do município, um tanto superficial, não mostra as contradições locais, contribuindo, assim, para que a população local fique impedida do acesso à terra. Porque a especulação imobiliária supervaloriza-a, tornando inacessível às novas famílias que se formam, sendo comum duas ou mais famílias residirem na mesma casa. Para Araújo (2008) A população local não está completamente excluída do processo que dá subsídios à atividade turística, uma vez que se insere enquanto mão-de-obra necessária para o funcionamento da atividade, ou ainda utilizando-se da infra-estrutura implantada para viabilizar a expansão do turismo local. Em Guaramiranga ainda percebe-se um imenso abismo entre o lugar que o turista visita (área preservada, onde tudo parece perfeito; a riqueza natural feita de cachoeiras, paisagens exuberantes, mirantes, trilhas ecológicas; temperaturas agradáveis; diversidade de artesanato; restaurantes com cardápio variado) e aquele vivido pelos moradores dos sítios e povoados, onde a natureza, ao invés de encantar com suas belezas, é a principal fonte e matéria-prima para a sua sobrevivência, através do artesanato e de pequenos cultivos agrícolas. A paisagem apreciada pelos visitantes, nos mirantes, nada mais é do que o local de trabalho daqueles que vivem da agricultura e que percorrem um longo caminho diariamente. São longas caminhadas ladeira abaixo para cuidar do roçado, quase sempre em terra alheia. No final da tarde, após o dia de trabalho, enfrentando o calor do sertão, retornam para suas casas ladeira acima, para no outro dia tudo se repetir. Como a realidade turística já faz parte do calendário do municipio, cabe ao poder público incentivar a diversificação (outras atividades), pois o turismo não pode ser a principal fonte de desenvolvimento do Município, já que a cidade é visitada apenas nos finais de semana, período de férias, feriados e festivais. No restante do tempo, os que trabalham no ramo ficam ociosos e a cidade fica praticamente parada, apenas com a movimentação dos alunos que vão à sede do Município estudar. Referências Bibliográficas ANDRADE, A. C. de; VIEIRA, M. L. Crescimento populacional e modificações na paisagem e na qualidade de vida dos moradores de um centro receptor de turistas. In: Geografia: ações e reflexões. GERARDI, L. H. O; CARVALHO, Pompeu Figueiredo de. (Org.) Rio Claro:Unesp/IGCE: AGETEO, ARAÚJO, V. T. Natureza e Cultura: Bens de Negócio, Bens de Sobrevivência. Revista Ateliê Geográfico Goiânia-GO v. 2, n. 3 maio/2008 p BRASIL, Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC: Lei 9.985, de 18 de julho de Brasília: MMA/SBF. CARNEIRO, M. J. Agricultura, Meio Ambiente e Turismo: desafios para uma agricultura multifuncional (Nova Friburgo, RJ) in: Para além da produção: Multifuncionalidade e Agricultura Familiar. CARNEIRO, M. J.: MALUF, R. S. (Org). Rio de Janeiro: MAUAD CASTRO, I. E. de. Turismo e ética. In: CORIOLANO, L.N.M.T. (Org.). Turismo com Ética. Fortaleza: UECE,1998.

14 CEARÁ, Secretária de Desenvolvimento Local e Regional. Arranjo produtivo local de café ecológico sombreado no Maciço de Baturité. Disponível em: < Acesso em: 10 de março de CORIOLANO, L. N; MARINHO, H. Estratégias para o desenvolvimento do turismo. In: ELIAS, D. (Org.) O novo espaço da produção globalizada. Fortaleza: FUNECE, COUTINHO, S. F. S. Influências do turismo de segunda residência na vida da população local. O caso do município de Gravatá, Pernambuco. In: LIMA, L. C. (Org.) Da cidade ao campo: a diversidade do saber-fazer turístico. Fortaleza, UECE, CRISPIM, M. Construções insustentáveis I: ocupação degrada a serra. Jornal Diário do Nordeste, Fortaleza, , Cad. Negócios.. Construções insustentáveis II: Falta de planejamento na Serra. Jornal Diário do Nordeste, Fortaleza, , Cad. Negócios. DURAN, T. A. Área de Proteção Ambiental: o maciço de Baturité. In: LOPES, I. V.; GUILHERME, S. B. (Orgs.) Gestão Ambiental no Brasil. Ed. Fundação Getúlio Vargas. 2 ed. Rio de Janeiro, FARIA, M. L. de. Metodologias participativas e uma ética global: Duas propostas de análise crítica do fenómeno turístico. In: SILVA, M. C. da. (Org.) Outros Trópicos - Novos destinos turísticos novos terrenos da Antropologia. Livros Horizontes, Portugal, FARIAS, F. M. A. Nossa História de Conceição à Guaramiranga. Fortaleza-CE. Gráfica e Editora, Fortaleza, BRASIL. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística-IBGE. Censo Demográfico LUCHIARI, M. T. D.P. Turismo, natureza e cultura caiçara: um novo colonialismo? In: SERRANO, C. M. BRUHNS, T. (org.) Viagens à natureza: turismo, cultura e ambiente. Campinas: Papirus, Urbanização turística um novo nexo entre o lugar e o mundo. In: LIMA, Luiz. Cruz, (ORG.) Da cidade ao campo: a diversidade do saber-fazer turístico. Fortaleza, UECE, MARTINS, J. S. A sociedade vista do abismo: novos estudos sobre exclusão, pobreza e classes sociais. Petrópolis, RJ: Vozes, MENDONÇA, Rita. Turismo ou Meio Ambiente: uma falsa oposição? In: LEMOS, Amália Inês Geraiges (org.) Turismo: Impactos socioambientais. Huncitec, São Paulo, 1996 POMPEU, T. S de. O Ceará no começo do século XX. Fortaleza-CE, (1908). QUEIRÓZ, R. de. Meu maior fiasco. Jornal O Povo QUEIRÓZ. R. de; QUEIRÓZ, M.L. Tantos Anos.. São Paulo: Siciliano, SILVA, F. I. F. da. A influência da imagem institucional no processo de desenvolvimento social, político e econômico das localidades: um estudo de caso do município de Guaramiranga. Fortaleza, CE. Monografia Comunicação Social. Instituto de Ensino Superior do Ceará, SILVA, J. G. da. Tecnologia e agricultura familiar. Editora UFRGS,1983. YÁZIGI, E. Acertos metodológicos: relativismo cultural e turismo. In: SILVA, J. B da; LIMA, L. C; ELIAS, D. (orgs.) Panorama da Geografia Brasileira 1. São Paulo: Annablume, 2006.

SUPERVISOR: Fátima Edília BOLSISTAS: Jusciana do Carmo Marta Claudino

SUPERVISOR: Fátima Edília BOLSISTAS: Jusciana do Carmo Marta Claudino UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS, LETRAS E ARTES. DEPARTAMENTO DE GEOGRAFIA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSA DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA (PIBID) ESCOLA ESTADUAL MASCARENHAS

Leia mais

12 de dezembro de 2016

12 de dezembro de 2016 PNSR Programa Nacional de Saneamento Rural Panorama delimitado pela pesquisa qualitativa os trabalhos de campo 12 de dezembro de 2016 Política Federal de Saneamento Básico / PLANSAB / PNSR O CONCEITO DE

Leia mais

PARATY para Cachaça. Palestrante : Eduardo Calegario Mello (APACAP)

PARATY para Cachaça. Palestrante : Eduardo Calegario Mello (APACAP) Indicação Geográfica de Procedência PARATY para Cachaça Palestrante : Eduardo Calegario Mello (APACAP) Histórico : 29/09/1999 fundação das APPAP. 22/07/2004 alteração para APACAP. 10/10/2006 modificação

Leia mais

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA

URBANIZAÇÃO BRASILEIRA URBANIZAÇÃO BRASILEIRA Urbanização é um conceito geográfico que representa o desenvolvimento das cidades. Neste processo, ocorre a construção de casas, prédios, redes de esgoto, ruas, avenidas, escolas,

Leia mais

Concentração fundiária brasileira Passado histórico colonial. Lei de terras de 1850 (estabelecia a compra como a única forma de acesso à terra). Forte

Concentração fundiária brasileira Passado histórico colonial. Lei de terras de 1850 (estabelecia a compra como a única forma de acesso à terra). Forte AGRICULTURA BRASILEIRA Concentração fundiária Relações de trabalho no campo A fronteira agrícola Principais produtos agrícolas Concentração fundiária brasileira Passado histórico colonial. Lei de terras

Leia mais

Agricultura Brasileira 1 9 / 0 8 /

Agricultura Brasileira 1 9 / 0 8 / Agricultura Brasileira 1 9 / 0 8 / 2 0 1 5 Sistemas Agrícolas Intensivo: Maior importância à mecanização e/ou trabalho Altos índices de produtividade Natureza deixada em segundo plano Extensivo: Elementos

Leia mais

Organização do Território

Organização do Território Organização do Território 1. No século XXI, a participação do Produto Interno Bruto (PIB) do Nordeste no PIB brasileiro vem aumentando paulatinamente, o que indica que a região passa por um ciclo de crescimento

Leia mais

Lua de Mel no Brasil: 10 destinos para uma viagem a dois

Lua de Mel no Brasil: 10 destinos para uma viagem a dois Portal RCP - Notícias Lua de Mel no Brasil: 10 destinos para uma viagem a dois *Da Redação Programar uma viagem de lua de mel é sem dúvida uma das etapas mais prazerosas do casamento, e como esse é um

Leia mais

Trabalho realizado em STC6. Formadora Ilisete Machado

Trabalho realizado em STC6. Formadora Ilisete Machado Monchique possui o ponto mais alto a sul de Portugal, dai ser uma zona agradável para viver. Viver em Monchique é saudável, respira-se ar puro e podemos gozar da linda paisagem que no rodeia. Pelo facto

Leia mais

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências Inglês

Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências Inglês Nome: Nº: Turma: Este caderno contém questões de: Português Matemática História Geografia Ciências Inglês 1 Fazer os exercícios no caderno. Livro Apoema: Páginas 187 e 188. Livro: pág. 107 (Exercício nº

Leia mais

5. A POPULAÇÃO BRASILEIRA. Páginas 04 à 33.

5. A POPULAÇÃO BRASILEIRA. Páginas 04 à 33. 5. A POPULAÇÃO BRASILEIRA Páginas 04 à 33. Diversidade... Demografia Estudo da população de uma localidade, em um país ou conjunto de países a partir de seus indicadores estatísticos relativos à nascimentos,

Leia mais

101

101 PORTO XAVIER 101 PORTO XAVIER Após a decadência do sistema reducional, o território onde se localiza o atual município de Porto Xavier, embora tenha permanecido poucos indígenas, recebeu a chegada gradativa

Leia mais

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia

2º ano do Ensino Médio. Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia 2º ano do Ensino Médio Ciências Humanas e suas Tecnologias Geografia Complexo Regional da Amazônia (processo de ocupação) Século XVII - XVIII Drogas do Sertão Final do século XIX - início do século XX

Leia mais

Propostas de demarcação das terras indígenas e o acirramento dos conflitos rurais

Propostas de demarcação das terras indígenas e o acirramento dos conflitos rurais Propostas de demarcação das terras indígenas e o acirramento dos conflitos rurais ATUALMENTE, A POPULAÇÃO INDÍGENA NO BRASIL SOMA 896,9 MIL (MENOS DE 1% DA POPULAÇÃO), DE 305 ETNIAS, COM LÍNGUAS E COSTUMES

Leia mais

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo;

A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; A agricultura A agricultura: Atividade económica do setor primário; A palavra agricultura significa a cultura do campo; Paisagem agrária: É a forma de cultivo e a divisão dos campos; É condicionada por

Leia mais

Os melhores passeios em Salvador Escrito por: Soraia Barbosa

Os melhores passeios em Salvador Escrito por: Soraia Barbosa Os melhores passeios em Salvador Escrito por: Soraia Barbosa O Nordeste brasileiro possui diversas opções para quem está atrás de um passeio em um local bonito com praias e visual rústico. Um desses lugares

Leia mais

Formas de relevo. Professora: Jordana Costa

Formas de relevo. Professora: Jordana Costa Formas de relevo Professora: Jordana Costa Relevo Observando a parte superficial da litosfera, isto é, o terreno sobre o qual vivemos, sobre o qual construímos cidades e estradas, vemos que ela apresenta

Leia mais

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO).

Com base nos pontos foram determinadas direções intermediárias, conhecidas como. pontos : nordeste (NE), (NO), sudeste (SE) e (SO). PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 6º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL ============================================================================================= 01- Complete as

Leia mais

5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS

5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS GEOGRAFIA 5. O PAPEL DAS REGIÕES BRASILEIRAS NA ECONOMIA DO PAÍS 1. Observe os mapas: Mapa 1 Fonte: IBGE. Atlas geográfico escolar. 6. ed. Rio de Janeiro, 2012. Adaptação. Parte integrante do livro didático

Leia mais

PROJETO DE LEI N /2006

PROJETO DE LEI N /2006 PROJETO DE LEI N /2006 Dispõe sobre os fundamentos e a Política do Agroturismo ou Turismo Rural no Estado da Paraíba e dá outras providências. A Assembléia Legislativa do Estado da Paraíba Decreta: Art.1º

Leia mais

VINÍCOLA FIN. Tradição que transcende gerações

VINÍCOLA FIN. Tradição que transcende gerações Tradição que transcende gerações Da boa terra o melhor vinho Cercada por vertentes de água e lindos lagos, a Vinícola Fin possui uma Área Verde com árvores nativas distribuídas em 22.000 m2. Nessa terra

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ÓBIDOS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ÓBIDOS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DO PORTO ORGANIZADO DE ÓBIDOS 2016 SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO... 3 2 CARACTERISTICAS AMBIENTAIS DE ÓBIDOS... 3 2.1 CLIMA... 3 2.2 RECURSOS HÍDRICOS... 4 2.3 SOLOS... 5 2.4 GEOLOGIA... 5

Leia mais

FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO

FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO FLUTUAÇÃO DA PRECIPITAÇÃO EM ALAGOA NOVA, PARAÍBA, EM ANOS DE EL NIÑO Vicente de Paulo Rodrigues da Silva 1 ; Raimundo Mainar de Medeiros 2 ; Manoel Francisco Gomes Filho 1 1 Prof. Dr. Unidade Acadêmica

Leia mais

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências.

Migrações - Mobilidade Espacial. Externas, internas, causas e consequências. Migrações - Mobilidade Espacial Externas, internas, causas e consequências. Classificação Internas: dentro de um país. Externas: de um país para outro. De retorno: de volta ao país de origem Imigração:

Leia mais

AUP 266 Planejamento de Estruturas Urbanas I Prof. Maria Cristina Leme SETOR 6

AUP 266 Planejamento de Estruturas Urbanas I Prof. Maria Cristina Leme SETOR 6 AUP 266 Planejamento de Estruturas Urbanas I Prof. Maria Cristina Leme SETOR 6 Aruã Wagner Kim Hoffmann Luis Fernando Meyer Marieta Ribeiro Marina Leonardi Jundiaí faz parte da Região Administrativa de

Leia mais

PRODUÇÃO DE ALIMENTOS EM ÁREAS DE RENOVAÇÃO DE CANAVIAIS: VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA, POTENCIAL DE PRODUÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL.

PRODUÇÃO DE ALIMENTOS EM ÁREAS DE RENOVAÇÃO DE CANAVIAIS: VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA, POTENCIAL DE PRODUÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL. PRODUÇÃO DE ALIMENTOS EM ÁREAS DE RENOVAÇÃO DE CANAVIAIS: VIABILIDADE TÉCNICA E ECONÔMICA, POTENCIAL DE PRODUÇÃO E RESPONSABILIDADE SOCIAL. São Paulo, 17/04/07 Silvio Borsari Filho 1 AGRADECIMENTOS é a

Leia mais

1. Propriedade da Família FRITSCH

1. Propriedade da Família FRITSCH HOSPEDAGENS I Seminário de Turismo Rural Pedagógico VENHA DESFRUTAR DAS BELEZAS RURAIS DE PICADA CAFÉ CASAS RURAIS, NATUREZA ABUNDANTE, TRANQUILIDADE E CONFORTO, MATA NATIVA, PÁSSAROS NA JANELA, FRUTAS

Leia mais

A agricultura portuguesa apresenta uma diversidade significativa em resultado de uma série de fatores físicos e humanos...

A agricultura portuguesa apresenta uma diversidade significativa em resultado de uma série de fatores físicos e humanos... A agricultura portuguesa apresenta uma diversidade significativa em resultado de uma série de fatores físicos e humanos... FATORES CONDICIONANTES DA AGRICULTURA PORTUGUESA Fatores Naturais Clima (Precipitação,

Leia mais

Agosto Município de Rio Verde - Goiás

Agosto Município de Rio Verde - Goiás Agosto 2012 Município de Rio Verde - Goiás Prezados, A ASBAN está sistematizando dados sobre a atividade econômica e financeira na sua região de abrangência com o objetivo de subsidiar as demandas de informações

Leia mais

Suportes ambientais Natureza e território

Suportes ambientais Natureza e território Suportes ambientais Natureza e território Desmatamento Construção de casas na AP Contaminação das nascentes Substituição dos canteiros e hortas por novas áreas construídas Imaginário latente de um parque

Leia mais

MAPA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

MAPA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Latino-americana de Cooperação Universitária RS - Brasil Caxias do Sul O município de Caxias do Sul, segundo pólo metal-mecânico do país, está localizado na extremidade leste da encosta superior do nordeste

Leia mais

Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano;

Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; A URBANIZAÇÃO BRASILEIRA 1 Início de nossa urbanização Segundo o Censo 2010 aponta que aproximadamente 85% é urbano; Nossa economia estava voltada para a exportação; As primeiras ocupações urbanas se deram

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos FLORIANÓPOLIS

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos FLORIANÓPOLIS A Evolução da Mídia Exterior Dados Demográficos FLORIANÓPOLIS FLORIANÓPOLIS Com aproximadamente 407 mil habitantes, Florianópolis é um local único. É difícil escolher a praia mais bonita, a lagoa mais

Leia mais

CAP. 11 CHINA O PAÍS COM A MAIOR POPULAÇÃO MUNDIAL

CAP. 11 CHINA O PAÍS COM A MAIOR POPULAÇÃO MUNDIAL CAP. 11 CHINA O PAÍS COM A MAIOR POPULAÇÃO MUNDIAL TERRITÓRIO CHINÊS Terceiro país mais extenso do mundo com 9.596.960 km2 Atrás apenas de Rússia e Canadá Formada por 5 grandes regiões geográficas: Sinkiang,

Leia mais

Resolução de Questões do ENEM (Manhã)

Resolução de Questões do ENEM (Manhã) Resolução de Questões do ENEM (Manhã) Resolução de Questões do ENEM (Manhã) 1. O processo indicado no gráfico demonstra um aumento significativo da população urbana em relação à população rural no Brasil.

Leia mais

Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis

Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis Desastres Naturais e Vulnerabilidade: Caso do Município de Petrópolis polis- Rio de Janeiro. Disciplina: População Espaço o e Ambiente - CST-310 310-3 Aluna: Lira Luz Benites Lázaro Profs: Silvana Amaral

Leia mais

A RAA em números. Geografia

A RAA em números. Geografia 09 Foto: Espectro A RAA em números Geografia O arquipélago dos Açores é constituído por nove ilhas dispersas no Atlântico Norte ao longo de 600 km, segundo uma orientação noroeste-sudeste e enquadrado

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 20 de janeiro de 2017.

Clipping de notícias. Recife, 20 de janeiro de 2017. Clipping de notícias Recife, 20 de janeiro de 2017. Recife, 20 de janeiro de 2017. Recife, 20 de janeiro de 2017. 20/01/2017 Agricultores se reúnem com representantes do Mapa e discutem modelo de assistência

Leia mais

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. ALUNO(a): Lista de atividade P1 Bimestre III Data da prova: 23/09/2016

PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES. ALUNO(a): Lista de atividade P1 Bimestre III Data da prova: 23/09/2016 zx GOIÂNIA, / / 2016 PROFESSOR: ANDERSON JOSÉ SOARES DISCIPLINA: GEOGRAFIA SÉRIE:7º ALUNO(a): Lista de atividade P1 Bimestre III Data da prova: 23/09/2016 No Anhanguera você é + Enem Antes de iniciar a

Leia mais

Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ASSENTAMENTO MILTON SANTOS (AMERICANA/SP, 2014)

Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ASSENTAMENTO MILTON SANTOS (AMERICANA/SP, 2014) Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ASSENTAMENTO MILTON SANTOS (AMERICANA/SP, 2014) Você sabe o que significa assentamento rural? São novas propriedades agrícolas, menores e familiares, criadas pelo governo,

Leia mais

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO

ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA INTRODUÇÃO ARRANJOS ESPACIAIS NO CONSÓRCIO DA MANDIOCA COM MILHO E CAUPI EM PRESIDENTE TANCREDO NEVES, BAHIA JAEVESON DA SILVA 1, JOSÉ RAIMUNDO FERREIRA FILHO 2 1 Eng. Agr., DSc., Pesquisador da Embrapa Mandioca

Leia mais

Brasil Sem Miséria RURAL

Brasil Sem Miséria RURAL Brasil Sem Miséria RURAL O desafio de acabar com a miséria Nos últimos anos, 28 milhões de brasileiros superaram a pobreza; Apesar disso, ainda há 16 milhões de pessoas extremamente pobres no Brasil; Para

Leia mais

Concelho de Arcos de Valdevez 1

Concelho de Arcos de Valdevez 1 Trabalho de Informática Básica criado por: Filipa Ramalho, ci05020 Licenciatura em Ciência da Informação Universidade do Porto, Faculdade de Letras/Engenharia 01-02-2006 01-02-2006 Concelho de Arcos de

Leia mais

Aiuruoca uma viagem inesquecível! 14 a 18 de Fevereiro

Aiuruoca uma viagem inesquecível! 14 a 18 de Fevereiro VIAJE POR MINAS Aiuruoca uma viagem inesquecível! 14 a 18 de Fevereiro Contato: Mara Cristina Costa Fone: (31) 9637-9186 e-mail:remarturismo@gmail.com 14 a 18 de fevereiro (sábado a quarta feira) Horários:

Leia mais

Meio Rural X Meio Agrário:

Meio Rural X Meio Agrário: Introdução Rural X Urbano: Urbano: presença de construções (casas, prédios, comércio, escolas, hospitais, etc.); Rural: presença maior da natureza e atividades agrárias; Meio Rural X Meio Agrário: Rural:

Leia mais

Sistema AchaNotícias

Sistema AchaNotícias MapaMídia Levantamento de presença na imprensa on-line Sistema AchaNotícias Dados básicos da Pesquisa: Universo de Notícias: Veja lista de veículos no Anexo I Período: Janeiro 2009-01/01/2009 a 31/01/2009

Leia mais

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO SÃO PAULO TURISMO DAVID GUETTA PESQUISA DE PERFIL DE PÚBLICO

OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO SÃO PAULO TURISMO DAVID GUETTA PESQUISA DE PERFIL DE PÚBLICO OBSERVATÓRIO DO TURISMO DA CIDADE DE SÃO PAULO SÃO PAULO TURISMO DAVID GUETTA PESQUISA DE PERFIL DE PÚBLICO INTRODUÇÃO A cidade de São Paulo tem sido um palco iluminado para os maiores megaeventos musicais

Leia mais

ASSENTAMENTO MILTON SANTOS (AMERICANA/SP) Prof. Marcos Colégio Sta. Clara

ASSENTAMENTO MILTON SANTOS (AMERICANA/SP) Prof. Marcos Colégio Sta. Clara ASSENTAMENTO MILTON SANTOS (AMERICANA/SP) Prof. Marcos Colégio Sta. Clara Você sabe o que significa assentamento rural? São novas propriedades agrícolas, menores e familiares, criadas pelo governo, para

Leia mais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais

A População e o. Território. Território. Parte 1. Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais A População e o Território 1 A População e o Território Parte 1 2 Evolução Demográfica Assimetrias Espaciais 1 Uma ocupação progressivamente mais intensa do território nacional: 3 A ocupação do solo em

Leia mais

Migrações Brasileiras

Migrações Brasileiras Migrações Brasileiras 1. O enredo do filme Faroeste caboclo, inspirado na letra da canção de Renato Russo, foi contado muitas vezes na literatura brasileira: o retirante que abandona o sertão em busca

Leia mais

01- Analise a figura abaixo e aponte as capitais dos 3 estados que compõem a Região Sul.

01- Analise a figura abaixo e aponte as capitais dos 3 estados que compõem a Região Sul. PROFESSOR: EQUIPE DE GEOGRAFIA BANCO DE QUESTÕES - GEOGRAFIA - 7º ANO - ENSINO FUNDAMENTAL - PARTE 1 ============================================================================================= 01- Analise

Leia mais

Urucum do Brasil.

Urucum do Brasil. Urucum do Brasil www.chr-hansen.com.br Urucum no Sudeste - Brasil 2007 - situação atual e perspectivas Situação atual Situação atual O urucum é um corante natural com crescente importância no mundo todo,

Leia mais

Economia de MS e a globalização

Economia de MS e a globalização Economia de MS e a globalização Sumario 1. Economia de Mato Grosso do Sul pag.1 2. Agricultura e Pecuária pag.4 3. Setor Industrial e Energético pag.5 4. O extrativismo mineral pag.8 5. Turismo pag.10

Leia mais

PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR.

PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR. PRAZER DE COMER E BEBER BEM: A ESSÊNCIA DA MARCA RAR. A marca RAR é sinônimo de qualidade, sabor, tradição, inovação, procedência. Em todas as suas ações com os seus clientes, fornecedores, consumidores

Leia mais

2º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas Turísticas e Patrimônio Mundial

2º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas Turísticas e Patrimônio Mundial 2º Encontro Brasileiro das Cidades Históricas Turísticas e Patrimônio Mundial 1 Histórico 3 HISTÓRICO 1698 - A bandeira de Antônio Dicas de Oliveira se deparou com o Pico do Itacolomi. 1711 - Os núcleos

Leia mais

Geografia. Demografia - CE. Professor Luciano Teixeira.

Geografia. Demografia - CE. Professor Luciano Teixeira. Geografia Demografia - CE Professor Luciano Teixeira www.acasadoconcurseiro.com.br Geografia DEMOGRAFIA - CE O povo cearense foi formado pela miscigenação de indígenas catequizados e aculturados após

Leia mais

Apartamento Red Mustard, Bairro Alto, Lisboa

Apartamento Red Mustard, Bairro Alto, Lisboa Apartamento Red Mustard, Bairro Alto, Lisboa Sumário Um aconchegante e confortável apartamento situado no bairro mais animado e na moda em Lisboa. Descrição Se no topo das suas preocupações está a localização...este

Leia mais

ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA

ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA ESTRUTURA FUNDIÁRIA BRASILEIRA Estrutura Fundiária A estrutura fundiária corresponde ao modo como as propriedades rurais estão dispersas pelo território e seus respectivos tamanhos, que facilita a compreensão

Leia mais

NOTA TÉCNICA N 01/2012

NOTA TÉCNICA N 01/2012 NOTA TÉCNICA N 01/2012 SAFRA 2011/2012 3º LEVANTAMENTO DO CONSELHO TÉCNICO DA AIBA Barreiras (BA), 25 de Abril de 2012 Entidades Participantes: AIBA, ABAPA, ABACAFÉ, AEAB, Banco do Brasil, Banco HSBC,

Leia mais

REVISÃO I Prof. Fernando.

REVISÃO I Prof. Fernando. REVISÃO I Prof. Fernando Brasil Colônia 1500: Descobrimento ou Conquista? Comunidades indígenas do Brasil Características: heterogeneidade e subsistência. Contato: a partir da colonização efetiva, ocorreu

Leia mais

MAIOR PRODUTIVIDADE PARA SUA LAVOURA, SEMENTES DE MILHO E SORGO PARA GRÃOS E SILAGEM.

MAIOR PRODUTIVIDADE PARA SUA LAVOURA, SEMENTES DE MILHO E SORGO PARA GRÃOS E SILAGEM. MAIOR PRODUTIVIDADE PARA SUA LAVOURA, SEMENTES DE MILHO E SORGO PARA GRÃOS E SILAGEM. SEMENTES BIOMATRI É SINAL VERDE PARA A PRODUTIVIDADE. Apresentamos nossa linha de produtos para a safra 2017/2018,

Leia mais

Villa estilo mediterrâneo em terreno 8,000m2, 5 min de carro da praia e Lagos VILLA EM ODIAXERE

Villa estilo mediterrâneo em terreno 8,000m2, 5 min de carro da praia e Lagos VILLA EM ODIAXERE Villa estilo mediterrâneo em terreno 8,000m2, 5 min de carro da praia e Lagos VILLA EM ODIAXERE ref. S2795 575.000 3 2 157 m2 8.320 m2 Localização + Cidade Freguesia Concelho Região Odiaxere Odiáxere Lagos,

Leia mais

Escravos dos seus senhores parte 3

Escravos dos seus senhores parte 3 Escravos dos seus senhores parte 3 O inimigo do meu inimigo é meu amigo e o amigo do meu inimigo também é m amigo: numa terra onde tudo que se planta dar desde a exploração à colonização, ao contr ário

Leia mais

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 1 EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA EMBRAPA- PESCA E AQUICULTURA FUNDAÇÃO AGRISUS RELATÓRIO PARCIAL-01/10/2016 CONSÓRCIO DE MILHO COM BRAQUIÁRIA: COMPREENDENDO OS RISCOS DO ESTRESSE HÍDRICO NA

Leia mais

5º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome:

5º ano. Atividade de Estudo - Ciências. Nome: Atividade de Estudo - Ciências 5º ano Nome: 1- Você sabia que quando misturamos água e álcool essa mistura produz calor? Faça você mesmo: - Molhe a sua mão com bastante álcool líquido. - Em seguida, coloque

Leia mais

RESENHA: No rancho fundo. Espaços e tempos no mundo rural Carlos Rodrigues Brandão. Uberlândia/MG: EDUFU, p.

RESENHA: No rancho fundo. Espaços e tempos no mundo rural Carlos Rodrigues Brandão. Uberlândia/MG: EDUFU, p. RESENHA: No rancho fundo. Espaços e tempos no mundo rural Carlos Rodrigues Brandão. Uberlândia/MG: EDUFU, 2009. 244 p. Na literatura recente sobre o rural brasileiro vivenciamos uma fase importante com

Leia mais

Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas

Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas Apresentação: Objectivos e hipótese Produção alimentar Recursos para a agricultura Modelo de política agrária A província daa Zambézia Políticas públicas Objectivo: Qual a razão da Zambézia, com grande

Leia mais

O CLIMA E A VEGETAÇÃO DO BRASIL

O CLIMA E A VEGETAÇÃO DO BRASIL O CLIMA E A VEGETAÇÃO DO BRASIL [...] Não tinha inverno e verão em Brasília, tinha o tempo da seca e tempo das chuvas. Uma vez choveu onze dias sem parar, e as pessoas andavam quase cegas debaixo do aguaceiro,

Leia mais

Entrevista 01. Dados do entrevistado: Perguntas:

Entrevista 01. Dados do entrevistado: Perguntas: Sexo: Feminino Idade: 18 anos 1. É morador da Vargem Grande? Sim Entrevista 01 2. Trabalha na Vargem Grande? Como é o percurso para ir ao trabalho? Não, trabalha no Santa Mônica. Pega ônibus em frente

Leia mais

CAMPO DE ALTITUDE E FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DE ENCOSTA

CAMPO DE ALTITUDE E FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DE ENCOSTA PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO PICINGUABA CAMPO DE ALTITUDE E FLORESTA OMBRÓFILA DENSA DE ENCOSTA CARACTERISTICAS DO NPIC ÁREA: 47.500ha, 80% do município de Ubatuba DELIMITAÇÃO: : à partir de

Leia mais

O Brasil possui uma população de , com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²;

O Brasil possui uma população de , com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²; A POPULAÇÃO BRASILEIRA Características Gerais O Brasil possui uma população de 191.715.083, com uma densidade demográfica de 22,42 hab/km²; A população brasileira ocupa o território de modo bastante irregular.

Leia mais

sólidos - a incineração, mostrada nas figuras 15 e 16. Muitos proprietários queimam seus lixos

sólidos - a incineração, mostrada nas figuras 15 e 16. Muitos proprietários queimam seus lixos 49 Figura 14 - Deposição de lixo. Na área estudada, é comum outra prática inadequada de tratamento dos resíduos sólidos - a incineração, mostrada nas figuras 15 e 16. Muitos proprietários queimam seus

Leia mais

1. Descrição da Cidade

1. Descrição da Cidade 1. Descrição da Cidade 2. Top Atrações da Cidade 2.1 - Atração Cachoeira da Água Branca 2.2 - Atração Cachoeira de Santa Maria 2.3 - Atração Cachoeira do Astor 2.4 - Atração Cachoeira do Saltão 2.5 - Atração

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos GARUVA

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográficos GARUVA A Evolução da Mídia Exterior Dados Demográficos GARUVA GARUVA Garuva, porta de entrada para o Estado de Santa Catarina, município que ao longo de sua história tem sido exemplo de bravura, pioneirismo e

Leia mais

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Construção de Infraestrutura para Comercialização da Produção Agropecuária.

Nº / ANO DA PROPOSTA: /2015 DADOS DO CONCEDENTE OBJETO: Construção de Infraestrutura para Comercialização da Produção Agropecuária. MINISTERIO DO DESENVOLVIMENTO AGRARIO PORTAL DOS CONVÊNIOS SICONV - SISTEMA DE GESTÃO DE CONVÊNIOS Nº / ANO DA PROPOSTA: 032134/2015 OBJETO: DADOS DO CONCEDENTE JUSTIFICATIVA: MUNICÍPIO: IBARAMA - RS está

Leia mais

situação e ambiência códice AI-F08-BM denominação Fazenda da Posse localização Rua Dário Aragão município Barra Mansa época de construção século XVIII

situação e ambiência códice AI-F08-BM denominação Fazenda da Posse localização Rua Dário Aragão município Barra Mansa época de construção século XVIII Parceria: denominação Fazenda da Posse códice AI-F08-BM localização Rua Dário Aragão município Barra Mansa época de construção século XVIII estado de conservação detalhamento no corpo da ficha uso atual

Leia mais

Definição de irrigação: Aplicação de água no solo mediante o uso de. total, com o objetivo de suprir as

Definição de irrigação: Aplicação de água no solo mediante o uso de. total, com o objetivo de suprir as Parte 1: Técnicas de irrigação Definição de irrigação: Aplicação de água no solo mediante o uso de técnicas artificiais, de forma complementar ou total, com o objetivo de suprir as necessidades d hídricas

Leia mais

PERFIL DOS MUNICÍPIOS FUNDÃO

PERFIL DOS MUNICÍPIOS FUNDÃO PERFIL DOS MUNICÍPIOS FUNDÃO VITÓRIA 2004 1-8 FUNDÃO 1. INFORMAÇÕES BÁSICAS PARA O INVESTIDOR O município de Fundão está localizado Região Metropolitana de Vitória, ocupando uma área de 287 quilômetros

Leia mais

Expansão do território brasileiro

Expansão do território brasileiro Expansão do território brasileiro O território brasileiro é resultado de diferentes movimentos expansionistas que ocorreram no Período Colonial, Imperial e Republicano. Esse processo ocorreu através de

Leia mais

O lazer ajuda na realização do indivíduo e por isso sua concretização é um exercício de cidadania. Grande parte da população mundial está excluída do

O lazer ajuda na realização do indivíduo e por isso sua concretização é um exercício de cidadania. Grande parte da população mundial está excluída do Turismo O O entretenimento é extremamente necessário ao ser humano em nossa sociedade moderna.é muito bom dispormos de tempo para atividades distintas daquelas que realizamos sistematicamente. A diversão,

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográfi cos JARAGÚA DO SUL

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográfi cos JARAGÚA DO SUL A Evolução da Mídia Exterior Dados Demográfi cos JARAGÚA DO SUL JARAGUÁ DO SUL Jaraguá do Sul destaca-se principalmente por seu diversificado pólo industrial e pela herança cultural deixada pelos colonizadores,

Leia mais

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela

DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela Direito Administrativo UNISO 1 DIREITO ADMINISTRATIVO Prof. Danilo Vieira Vilela Bens Públicos Bens públicos. Conceito. Classificação. Características. Uso dos bens públicos por particular. Bens públicos

Leia mais

Indústria sucroenergética: Açúcar e etanol importância e cenário atual

Indústria sucroenergética: Açúcar e etanol importância e cenário atual Universidade de São Paulo USP Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz Esalq Departamento de Agroindústria, Alimentos e Nutrição - LAN AÇÚCAR E ÁLCOOL - LAN 1458 Indústria sucroenergética: Açúcar

Leia mais

MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS VERÃO REGIÃO NORTE 2014/2015 REFÚGIO E COEXISTÊNCIA

MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS VERÃO REGIÃO NORTE 2014/2015 REFÚGIO E COEXISTÊNCIA REFÚGIO E COEXISTÊNCIA PLANTIO DO REFÚGIO O plantio das áreas de refúgio representa o principal componente do plano de Manejo de Resistência de Insetos (MRI) dos híbridos com as Tecnologias VT PRO. A preservação

Leia mais

POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO

POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO POPULAÇÃO DE PLANTIO DE ALGODÃO PARA O OESTE BAIANO Liv Soares Severino 1 ; João Luís da Silva Filho 1 ; João Batista dos Santos 2 ; Arnaldo Rocha de Alencar 1. (1)Embrapa Algodão: e-mail liv@cnpa.embrapa.br

Leia mais

SOBRE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ

SOBRE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ CICLO DE PALESTRAS E DEBATES SOBRE COMERCIALIZAÇÃO DE ARROZ E TRIGO NO BRASIL Comissão de Agricultura e Reforma Agrária do Senado Federal Flávio Turra Gerente Técnico e Econômico da Ocepar fturra@ocepar.org.br

Leia mais

AS TRANSFORMAÇÕES NO SISTEMA FEUDAL

AS TRANSFORMAÇÕES NO SISTEMA FEUDAL AS TRANSFORMAÇÕES NO SISTEMA FEUDAL RELEMBRANDO: A DIVISÃO DA IDADE MÉDIA ALTA IDADE MÉDIA V- X BAIXA IDADE MÉDIA X XIV :enfraquecimento das estruturas feudais, ou seja, das principais caraterísticas do

Leia mais

Como estudar o o tempo?

Como estudar o o tempo? Clima e tempo Como estudar o o tempo? É preciso observar os tipos de tempo. Realiza-se a medição dos elementos climáticos, ou seja, das características do tempo. Analisa-se os fatores climáticos, ou seja,

Leia mais

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015. dekalb.com.

LANÇAMENTO DKB 290 MULTI PLANTIO O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015. dekalb.com. LANÇAMENTO DKB 290 O NOVO HÍBRIDO PARA ALTAS PRODUTIVIDADES + MULTI PLANTIO CATÁLOGO DE HÍBRIDOS SAFRINHA REGIÃO SUL 2014/2015 dekalb.com.br ASAS PARA O SEU POTENCIAL. DKB 290 O novo híbrido para altas

Leia mais

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográfi cos PORTO BELO

A Evolução da Mídia Exterior. Dados Demográfi cos PORTO BELO A Evolução da Mídia Exterior Dados Demográfi cos PORTO BELO PORTO BELO Em 1753 o governo português mandou um grupo de casais para colonizar a então chamada Costa das Garoupas, que em 1818 passa a condição

Leia mais

CAPÍTULO 7 - BRASIL - DINÂMICAS TERRITORIAIS E ECONÔMICAS

CAPÍTULO 7 - BRASIL - DINÂMICAS TERRITORIAIS E ECONÔMICAS Disciplina - Geografia 3 a Série Ensino Médio CAPÍTULO 7 - BRASIL - DINÂMICAS TERRITORIAIS E ECONÔMICAS Professor: Gelson Alves Pereira 1- O QUE É REGIONALIZAÇÃO É a divisão de um espaço ou território

Leia mais

Expomusic Gospel PROPOSTA COMERCIAL

Expomusic Gospel PROPOSTA COMERCIAL Expomusic Gospel PROPOSTA COMERCIAL APRESENTAMOS O MAIOR EVENTO GOSPEL DA REGIÃO CENÁRIO De acordo com o IBGE, cerca de 85% da população brasileira é Cristã. Os evangélicos representam hoje 22,3% dessa

Leia mais

TURISMO E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA COMUNIDADE DE SÃO PAULO NA SERRA DA VALÉRIA.

TURISMO E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA COMUNIDADE DE SÃO PAULO NA SERRA DA VALÉRIA. TURISMO E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA COMUNIDADE DE SÃO PAULO NA SERRA DA VALÉRIA. Vilmara Rocha Graça 1 Carlossandro Albuquerque 2 Em muitas localidades do mundo, o turismo é considerado a principal

Leia mais

Prof. Clésio Farrapo

Prof. Clésio Farrapo Prof. Clésio Farrapo Podemos dividir a área agrícola em dois tipos de Iavoura: cultura permanente e cultura temporária. No primeiro caso, as culturas Ievam mais de um ano para produzir; podem ser retiradas

Leia mais

Evolução da Agricultura

Evolução da Agricultura Universidade Estadual Paulista Faculdade de Ciências Agronômicas Depto. de Economia, Sociologia e Tecnologia Acumular "amontoar riquezas, bens, fazer fortuna. Aurélio B. de Hollanda Ferreira Economia e

Leia mais

HEVEA SUPORTE. FONE: (62) CONSULTORIA TÉCNICA VENDA DE MUDAS PROJETO DE IMPLANTAÇÃO E FINANCIAMENTO HEVEÍCOLA

HEVEA SUPORTE. FONE: (62) CONSULTORIA TÉCNICA VENDA DE MUDAS PROJETO DE IMPLANTAÇÃO E FINANCIAMENTO HEVEÍCOLA CONSULTORIA TÉCNICA VENDA DE MUDAS HEVEA SUPORTE FONE: (62) 3353 5100 WWW.heveasuporte.com.br PROJETO DE IMPLANTAÇÃO E FINANCIAMENTO HEVEÍCOLA Fernando Morais Diretor (+55 62) 8546-6181 José Fernando C.

Leia mais

GEOGRAFIA UCS Vestibular de Verão 2007 Caderno 2

GEOGRAFIA UCS Vestibular de Verão 2007 Caderno 2 GEOGRAFIA 01 As rochas são formadas por elevadas pressões e temperaturas cuja origem é o dinamismo da litosfera. Em função do grau e da origem da transformação, algumas rochas são mais ou menos resistentes.o

Leia mais

Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO. Profa. Lérida Malagueta

Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO. Profa. Lérida Malagueta Unidade I SISTEMÁTICA DE IMPORTAÇÃO E EXPORTAÇÃO Profa. Lérida Malagueta Sistemática de importação e exportação - conteúdo O Comércio Internacional Legislação e a estrutura brasileira Termos internacionais

Leia mais

Senhora e Senhores Membros do Governo. Após a leitura do requerimento aqui apresentado, não ficamos, de facto, cientes do que poderá estar

Senhora e Senhores Membros do Governo. Após a leitura do requerimento aqui apresentado, não ficamos, de facto, cientes do que poderá estar Senhora Presidente Senhoras e Senhores Deputados Senhor Presidente do Governo Senhora e Senhores Membros do Governo Após a leitura do requerimento aqui apresentado, não ficamos, de facto, cientes do que

Leia mais

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E EMPRESARIAL DE RONDONÓPOLIS ACIR.

ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E EMPRESARIAL DE RONDONÓPOLIS ACIR. ASSOCIAÇÃO COMERCIAL, INDUSTRIAL E EMPRESARIAL DE RONDONÓPOLIS ACIR. Presidente José Luiz Gonçales Ferreira Vice Presidente Armando Pereira Chaves Diretor Tesoureiro - Sérgio José Pradella EQUIPE DE PESQUISA

Leia mais