CADERNO DE ENCARGOS AQUISIÇÃO / LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CADERNO DE ENCARGOS AQUISIÇÃO / LOCAÇÃO DE BENS MÓVEIS"

Transcrição

1 ANEXO 1. CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1 N âmbit d prjet da Agência para a Sustentabilidade e a Cmpetitividade (RUCI / Prj A3P1), a Câmara Municipal de Águeda encntra-se a prmver a implementaçã de um cnjunt de medidas de eficiência energética em 12 edifícis lcalizads na área gegráfica da Cmunidade Intermunicipal da Regiã de Aveir (CIRA) cnfrme cnsta n Quadr As medidas a implementar integradas n bjet d cntrat sã: Sluçã Ftvltaics unidades de prduçã de energia elétrica através da tecnlgia ftvltaica; Bmbas de circulaçã de água - substituiçã; Iluminaçã eficiente substituiçã de lâmpadas; Película de baixa emissividade e de prteçã slar. Edifíci Lcalizaçã Municípi Escla Básica Fernand Caldeira Águeda Sluçã Ftvltaics Piscina Municipal da Branca Albergaria-a-Velha Sluçã Ftvltaics Piscina Municipal de Anadia Anadia Sluçã Ftvltaics Bibliteca Municipal de Aveir Aveir Sluçã Ftvltaics Bibliteca Municipal de Aveir Aveir Iluminaçã eficiente Medidas de Eficiência Energética Bibliteca Municipal de Aveir Aveir Película de baixa emissividade Cmplex de Desprt e Lazer de Estarreja Estarreja Sluçã Ftvltaics Piscina Municipal de Ílhav Ílhav Sluçã Ftvltaics Piscinas Municipais da Murtsa Murtsa Sluçã Ftvltaics Piscinas Municipais de Oliveira d Bairr Oliveira d Bairr Bmbas de circulaçã de água Piscinas Municipais de Ovar Ovar Sluçã Ftvltaics Piscina Municipal de Sever d Vuga Sever d Vuga Iluminaçã eficiente Piscina Municipal de Sever d Vuga Sever d Vuga Bmbas de circulaçã de água Piscinas Municipais de Vags Vags Sluçã Ftvltaics Edifíci CIRA (Cmunidade Intermunicipal da Regiã de Aveir Iluminaçã eficiente Aveir) Quadr 1: Edifícis públics/municipais, alv de frneciment e instalaçã de bens, pr municípi e pr medida de eficiência energética 1.3 Para cada uma das medidas mencinadas serã especificadas, ns pnts seguintes as características, requisits e demais cndições assciadas a frneciment e instalaçã ds bens. 1.4 As unidades de prduçã de energia elétrica através da tecnlgia ftvltaica a que diz respeit presente prcediment é a de Unidades de Prduçã para Autcnsum (UPAC), que evita s custs assciads a frneciment de energia elétrica para funcinament das unidades em edifícis públics e/u municipais. Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 1 / 11

2 1.5 Legislaçã aplicável O frneciment e instalaçã ds bens, bject d presente prcediment, deverá bedecer a tda a legislaçã geral e específica aplicável e em vigr. 2. SOLUÇÃO FOTOVOLTAICO 2.1 Frneciment e instalaçã de Unidade de Prduçã para Autcnsum (UPAC) ns e para 9 edifícis ds Municípis da CIRA (lcalizaçã cnstantes n quadr1), cm as características mencinadas n quadr seguinte (quadr 2) e cm equipaments que cumpram s requisits d Artig 20.º d Decret-Lei n.º 153/2014 de 20 de Outubr de 2014 e demais legislaçã aplicável. Edifíci / UPAC Ptência Instalada UPAC - Inversr Ptência ativa KW Ptência aparente 1 KVA Ptência Ttal (KW) Painéis N.º Ptencia (Wp) Tip cbertura edifíci Escla Básica Fernand Caldeira > 12 e <12, Plana Piscina Municipal da Branca > 12 e <12, Plana Piscina Municipal de Anadia > 12 e <12, Plana Bibliteca Municipal de Aveir 6 6 >7.5 e < Inclinada Cmplex de Desprt e Lazer de Estarreja > 12 e <12, Plana Piscina Municipal de Ílhav > 12 e <12, Plana Piscinas Municipais da Murtsa > 12 e <12, Plana Piscinas Municipais de Ovar > 12 e <12, Plana Piscinas Municipais de Vags > 12 e <12, Plana 1 - ptência aparente ds inversres Quadr 2: Sluçã Ftvltaic Características das UAPC 2.2 Demais brigações e especificações a cumprir pel adjudicatári n âmbit d frneciment e instalaçã das UPAC A entidade instaladra das UPAC deve preencher s requisits d Artig 9.º d Decret-Lei n.º 153/2014, de 20 de utubr É da respnsabilidade d adjudicatári a btençã de certificad de explraçã da UPAC, bem cm suprtar tdas as despesas assciadas a tds s prcediments exigids pela legislaçã assciada a este tip de unidades, except as taxas regist da UPAC, as quais sã da respnsabilidade da entidade adjudicante e ds municípis envlvids. Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 2 / 11

3 2.2.3 O adjudicatári é respnsável pel prcess de btençã de Garantias de Origem (GO) junt da Entidade Emissra de Garantias de Origem (EEGO) relativas à eletricidade prduzida na UPAC e autcnsumida, prveniente de fntes renváveis, de acrd cm a legislaçã em vigr O Adjudicatári fica ainda brigad a: Suprtar cust das alterações da ligaçã da instalaçã elétrica de utilizaçã à RESP (incluind s frneciments e instalações assciadas), ns terms d Regulament de Relações Cmerciais e d Regulament Técnic e de Qualidade da Prduçã Elétrica para Autcnsum; Suprtar cust assciad as cntadres que medem ttal da eletricidade prduzida pela UPAC (incluind s frneciments e as instalações assciadas), bem cm ttal da eletricidade injetada na RESP, quand a instalaçã elétrica de utilizaçã a que se encntre assciada se encntrar ligada à rede e a ptência instalada da UPAC seja superir a 1,5 kw u quand esta se encntre na situaçã prevista n n.º 8 d artig 4.º d Decret-Lei n.º 153/2014 de 20 de Outubr de 2014 e demais legislaçã aplicável; Assegurar que s equipaments de prduçã instalads se encntram certificads ns terms prevists d Decret-Lei n.º 153/2014 de 20 de Outubr de 2014 e demais legislaçã aplicável É da respnsabilidade d adjudicatári a elabraçã e apresentaçã de tds s dcuments e elements necessári para que tdas as unidades de prduçã sejam certificadas pelas entidades cmpetentes segund a legislaçã em vigr, bem cm a alteraçã destes cas as mesmas sejam slicitadas O Adjudicatári fica respnsável pr td prcediment para celebraçã cm CUR d cntrat de venda da eletricidade prduzida e nã cnsumida Características técnicas ds equipaments a frnecer: Além ds requisits legais d Decret-Lei n.º 153/2014 de 20 de Outubr de 2014 e demais legislaçã aplicável, tds s equipaments a frnecer assciads às UPAC deve respeitar s seguintes pnts: O camp de painéis ftvltaics de cada UPAC deve perfazer uma ptência ttal > 12 kw e <12,5 kw u >7.5 kw e < 8.0 kw, em cnfrmidade cm quadr 2, respeitand, n mínim, as seguintes características: Garantia ds painéis n mínim de 10 ans; Eficiência ds painéis ftvltaics igual u superir a 16%; Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 3 / 11

4 Valr mínim da ptência de saída de 90% ns primeirs 10 ans; Valr mínim da ptência de saída de 80% até as 25 ans; Os painéis devem ser adequads a inversr a utilizar de md a maximizar rendiment da UPAC. O inversr deve ter uma ptência ativa de 10 kw u de 6 KW e aparente de 10 kva u de 6 kva, em cnfrmidade cm quadr 2, cm uma eficiência (eurpeia) mínima de 97,6% e ser adequad as painéis ftvltaics e à instalaçã de cnsum. O inversr deve ter uma garantia mínima de 5 ans. Sistema de suprte e fixaçã de tds s equipaments necessáris a bm funcinament, acess e cnservaçã da UPAC de acrd cm as cndições técnicas e físicas de cada edifíci send que s materiais a utilizar sejam em Aç galvanizad pr imersã (espessura de zinc nã inferir a 30 µm) u alumíni andizad, série 6000, espessura de revestiment anódic nã inferir a 20 µm (NP 1482) e sejam tmadas tdas as medidas necessárias para evitar dans nas estruturas já existentes. O sistema de suprte e fixaçã deve garantir que a prduçã de energia é maximizada (inclinaçã e rientaçã devem permitir a maximizaçã da prduçã de energia); Tda a instalaçã da UPAC deve garantir cnsum da energia prduzida na instalaçã e a exprtaçã da energia excedente para a RESP de acrd cm a legislaçã em vigr e ser devidamente certificada além de cumprirem cm s seguintes pnts: Os Quadrs de Interligaçã DC deverã ser equipads cm aparelhagem adequada para tensões máximas até 1000Vdc e pssuir entradas e saídas de acrd cm inversr e cnfiguraçã ds arrays de painéis. Deverã cumprir as nrmas técnicas aplicáveis. De uma frma geral deverã ser cnstituíds pr: Caixa pliéster; Seccinadres fusíveis + Fusíveis; Descarregadres de sbretensões; Interruptres; Índice de prtecçã mínim IP 65; Classe de Islament Classe II. Os Quadrs elétrics de interligaçã AC deverã ser dimensinads tend em cnta inversr, a tiplgia d sistema e a legislaçã em vigr e deverá cnter n mínim a seguinte aparelhagem: Interruptr(es) Diferencial(ais); Disjuntr(es); Descarregadr de sbretensã; Seccinadr(es) fusível(eis) Dcumentaçã: N final ds trabalhs adjudicatári deverá entregar a Cmpilaçã Técnica relativa a cada uma das UPAC cm tds s equipaments instalads, incluind nmeadamente: Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 4 / 11

5 Manuais técnics e Certificads ds equipaments; Manual técnic da UPAC; Plan de Manutençã; Telas finais da UPAC; 3. BOMBAS DE CIRCULAÇÃO 3.1 Frneciment e instalaçã de bmbas circuladras (para substituir as existentes) em váris edifícis de acrd cm quadr seguinte (Quadr 3). Edifíci Quant. Pnt de Funcinament Tip de Bmba Caudal m 3/ h Altura (m) Piscina Municipal de Sever d Vuga 3 (A) 20,3 11,4 2 (B) Piscina Municipal de Oliveira d Bairr 2 (C) 16, (D) 47,4 11,2 Quadr 3: Características das Bmbas de circulaçã a frnecer e instalar Tdas as bmbas e acessóris necessáris deverã ser frnecidas e instaladas ns lcais mencinads garantind a adaptabilidade das mesmas às infraestruturas e cndições existentes e a sua crreta instalaçã e funcinament (incluind tds s acessóris necessáris, tubagens, suprtes, etc.). Deverã ainda ser verificadas as alturas manmétrica antes da instalaçã das bmbas de md a garantir s caudais mencinads n quadr 3. Características da Bmba Tip (A) - Grundfs mdel NB A-F-B-BQQE u : - Bmba centrífuga mncelular em cnfrmidade cm EN ; - Bmba diretamente acplada a um mtr (crrente Alternada) trifásic, cm flange IEC; - Impulsr equilibrad dinâmica e hidraulicamente; - Dimensões da flange em cnfrmidade cm a nrma EN1092-2; - Crp da bmba em ferr fundid (EN-GJL-250, ASTM A48-40B); - Impulsr em brnze (DIN W.-Nr. CuSn10, ASTM B584-C83600), vei em aç inxidável e anéis de desgaste em brnze; - Empanque mecânic desequilibrad em cnfrmidade cm a nrma EN 12756; - Gama de temperatura d líquid: ºC; - Velcidade para as características da Bmba: 1450 rpm; - Caudal efectiv: 20,3m3/h; Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 5 / 11

6 - Altura manmétrica: 11,4m; - Empanque: BQQE; - Diâmetr efetiv d impulsr: 198mm; - Tlerância da curva: ISO9906:2012 3B; - Pressã Máx. de funcinament 16bar; - Entrada da bmba: DN65; - Descarga da bmba DN40; - Estági da pressã PN16; - Características elétricas: - IE classe de eficiência: IE3; - Númer de póls: 4; - Ptência nminal: 1,1kW; - Frequência: 50Hz; - Tensã nminal: 3 x D/ Y V; - Crrente nminal: 4,85/2,80 A; - Crrente de arranque: % - Cs Phi factr de ptência: 0,71-0,64; - Velcidade nminal: rpm; - Eficiência: IE3 84,1%; - Eficiência d mtr em carga ttal: 84,1%; - Eficiência d mtr a ¾ de carga: 84,6%; - Eficiência d mtr a 1/2 de carga: 82,9%; - Classe de prtecçã (IEC 34-5): 55; - Classe de Islament (IEC 85): F. Características da Bmba Tip (B) Grundfs mdel NB A-F-B-BQQE u : - Bmba centrífuga mncelular em cnfrmidade cm EN ; - Bmba diretamente acplada a um mtr (crrente Alternada) trifásic, cm flange IEC; - Impulsr equilibrad dinâmica e hidraulicamente; - Dimensões da flange em cnfrmidade cm a nrma EN1092-2; - Crp da bmba em ferr fundid (EN-GJL-250, ASTM A48-40B); - Impulsr em brnze (DIN W.-Nr. CuSn10, ASTM B584-C83600), vei em aç inxidável e anéis de desgaste em brnze; - Empanque mecânic desequilibrad em cnfrmidade cm a nrma EN 12756; Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 6 / 11

7 - Gama de temperatura d líquid: ºC; - Velcidade para as características da Bmba: 1440 rpm; - Caudal efectiv: 62,0m3/h; - Altura manmétrica: 10,0m; - Empanque: BQQE; - Diâmetr efetiv d impulsr: 179mm; - Tlerância da curva: ISO9906:2012 3B; - Pressã Máx. de funcinament 16bar; - Entrada da bmba: DN100; - Descarga da bmba DN80; - Estági da pressã PN16; - Características elétricas: - IE classe de eficiência: IE3; - Númer de póls: 4; - Ptência nminal: 3,0kW; - Frequência: 50Hz; - Tensã nminal: 3 x D/ Y V; - Crrente nminal: 11,0/6,30 A; - Crrente de arranque: % - Cs Phi factr de ptência: 0,82-0,76; - Velcidade nminal: rpm; - Eficiência: IE3 87,7%; - Eficiência d mtr em carga ttal: 87,7%; - Eficiência d mtr a ¾ de carga: 86%; - Eficiência d mtr a 1/2 de carga: 84,5%; - Classe de prtecçã (IEC 34-5): 55; - Classe de Islament (IEC 85): F. Características da Bmba Tip (C) Grundfs mdel NB A-F-B-BQQE u : - Bmba centrífuga mncelular em cnfrmidade cm EN ; - Bmba diretamente acplada a um mtr (crrente Alternada) trifásic, cm flange IEC; - Impulsr equilibrad dinâmica e hidraulicamente; - Dimensões da flange em cnfrmidade cm a nrma EN1092-2; - Crp da bmba em ferr fundid (EN-GJL-250, ASTM A48-40B); Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 7 / 11

8 - Impulsr em brnze (DIN W.-Nr. CuSn10, ASTM B584-C83600), vei em aç inxidável e anéis de desgaste em brnze; - Empanque mecânic desequilibrad em cnfrmidade cm a nrma EN 12756; - Gama de temperatura d líquid: ºC; - Velcidade para as características da Bmba: 1450 rpm; - Caudal efectiv: 16,7m3/h; - Altura manmétrica: 11,0m; - Empanque: BQQE; - Diâmetr efetiv d impulsr: 177mm; - Tlerância da curva: ISO9906:2012 3B; - Pressã Máx. de funcinament 16bar; - Entrada da bmba: DN65; - Descarga da bmba DN40; - Estági da pressã PN16; - Características elétricas: - IE classe de eficiência: IE3; - Númer de póls: 4; - Ptência nminal: 1,1 kw; - Frequência: 50Hz; - Tensã nminal: 3 x D/ Y V; - Crrente nminal: 4,85/2,80 A; - Crrente de arranque: %; - Cs Phi factr de ptência: 0,71-0,64; - Velcidade nminal: rpm; - Eficiência: IE3 84,1%; - Eficiência d mtr em carga ttal: 84,1%; - Eficiência d mtr a ¾ de carga: 84,6%; - Eficiência d mtr a 1/2 de carga: 82,9%; - Classe de prtecçã (IEC 34-5): 55; - Classe de Islament (IEC 85): F. Características da Bmba Tip (D) Grundfs mdel NB A-F-B-BQQE u : - Bmba centrífuga mncelular em cnfrmidade cm EN ; - Bmba diretamente acplada a um mtr (crrente Alternada) trifásic, cm flange IEC; Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 8 / 11

9 - Impulsr equilibrad dinâmica e hidraulicamente; - Dimensões da flange em cnfrmidade cm a nrma EN1092-2; - Crp da bmba em ferr fundid (EN-GJL-250, ASTM A48-40B); - Impulsr em brnze (DIN W.-Nr. CuSn10, ASTM B584-C83600), vei em aç inxidável e anéis de desgaste em brnze; - Empanque mecânic desequilibrad em cnfrmidade cm a nrma EN 12756; - Gama de temperatura d líquid: ºC; - Velcidade para as características da Bmba: 1450 rpm; - Caudal efectiv: 47,4m3/h; - Altura manmétrica: 11,2m; - Empanque: BQQE; - Diâmetr efetiv d impulsr: 189mm; - Tlerância da curva: ISO9906:2012 3B; - Pressã Máx. de funcinament 16bar; - Entrada da bmba: DN80; - Descarga da bmba DN65; - Estági da pressã PN16; - Características elétricas: - IE classe de eficiência: IE3; - Númer de póls: 4; - Ptência nminal: 2,2kW; - Frequência: 50Hz; - Tensã nminal: 3 x D/ Y V; - Crrente nminal: 8,50/4,90 A; - Crrente de arranque: % - Cs Phi factr de ptência: 0,79-0,73; - Velcidade nminal: 1450rpm; - Eficiência: IE3 86,7%; - Eficiência d mtr em carga ttal: 86,7%; - Eficiência d mtr a ¾ de carga: 87,7%; - Eficiência d mtr a 1/2 de carga: 87,6%; - Classe de prtecçã (IEC 34-5): 55; - Classe de Islament (IEC 85): F. Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 9 / 11

10 4. ILUMINAÇÃO EFICIENTE 4.1 Frneciment e instalaçã de lâmpadas (para substituiçã das existentes) de acrd cm quadr seguinte (Quadr 4). Tip de Lâmpada LED Tubular LED Tubular LED Tubular Mdel Lâmpada (u ) VLE 600mm 10W/840 T8C Rt u VLE 1200mm 16W/840 T8 C u VLE 1500mm 20W/840 T8C u LED Casquilh E27 CrePr LEDBulb 10-60W E u LED Casquilh GU10 Master LEDsptMV D W GU D u Bibliteca Municipal de Aveir Piscina Municipal de Sever d Vuga Edifíci da CIRA Quadr 4: Características das lâmpadas a frnecerem e instalar 4.2 Tdas as lâmpadas devem ser instaladas nas luminárias e suprtes existentes, send da respnsabilidade d adjudicatári qualquer alteraçã das ligações elétricas necessárias para as mesmas cntinuarem a funcinar crretamente, nmeadamente a verificaçã da tensã de alimentaçã das luminárias. 4.3 Características das lâmpadas a frnecerem e instalar. Tdas as lâmpadas a frnecer e instalar devem garantir características iguais u superires às da tabela seguinte. Características VLE 600mm 10W/840 T8C Rt u VLE 1200mm 16W/840 T8 C u VLE 1500mm 20W/840 T8C u CrePr LEDBulb 10-60W E u Master LEDsptMV D W GU D u Vida Útil (hras) Cr Angul de Abertura Flux lumins (Lm) Indicie de restituiçã de Cr (IRC) >80 Fatr de Ptência 0,9 0,9 0,9 0,7-5. PELÍCULA DE BAIXA EMISSIVIDADE E DE PROTEÇÃO SOLAR 5.1 Frneciment e instalaçã de película de baixa emissividade e prteçã slar NHE 1035 ER HPR LLumar u (substituiçã/aplicaçã) ns vãs envidraçads ds gabinetes da Bibliteca Municipal de Aveir: Quantidade de pelicula a instalar em vidr dupl (m2): 25 m2; Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 10 / 11

11 Metdlgia de instalaçã: a aplicar pel exterir; Lcais: diverss gabinetes/salas d últim pis; 5.2 Características da pelicula de baixa emissividade e de prteçã slar a frnecer e instalar. Transmissã U.V.: <1%; Transmissã luz visível: 34% vidr dupl; Energia slar ttal rejeitada (calr): 64% vidr dupl; Reduçã d Encadeament: 62% vidr dupl; Valr d ceficiente de smbra: 0,41 vidr dupl; Valr d ceficiente de transmissã de energia (valr g): 0,36 vidr dupl; Valr d ceficiente de transferência de calr glbal (EN 673, W/m 2 K): 2,9 vidr dupl; Emissividade: 0, DIVULGAÇÃO DAS INTERVENÇÕES EXECUTADAS EM CADA EDIFÍCIO NO ÂMBITO DO PROJETO 6.1 Impressã e frneciment de 12 Rll up, tip Alcala u (inclui estrutura + tela +blsa transprte), e impressã, cm as seguintes características: - medida (aprx.): 900mm x 2050mm; - área de impressã (aprx.): 850mmx2000mm; - impressã: 4 cres Os rll up destinam-se a infrmar tds s utilizadres de cada edifíci sbre as intervenções de que este fi alv, em terms de eficiência energética, e serã clcads ns edifícis crrespndentes. A cncepçã da imagem fica a carg, e será cedida, pela Câmara municipal de Águeda. Imp-04-13_A02 Tip de Dcument: Públic Pág. 11 / 11

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores;

OBJECTIVO. Ligação segura às redes públicas de telecomunicações, sob o ponto de vista dos clientes e dos operadores; Prcediments de Avaliaçã das ITED ANACOM, 1ª ediçã Julh 2004 OBJECTIVO De acrd cm dispst n nº 1, d artº 22º, d Decret Lei nº 59/2000, de 19 de Abril (adiante designad cm DL59), a cnfrmidade da instalaçã

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal.

Promover a obtenção de AIM (Autorização de Introdução no Mercado) no estrangeiro de medicamentos criados e desenvolvidos em Portugal. SIUPI SISTEMA DE INCENTIVOS À UTILIZAÇÃO DA PROPRIEDADE INDUSTRIAL FICHA DE MEDIDA Apia prjects que visem estimular investiment em factres dinâmics de cmpetitividade, assciads à invaçã tecnlógica, a design

Leia mais

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas

Gestão de SHST e Ambiente. Regras de Qualidade, Ambiente e Segurança aplicáveis às entidades externas 1 / 7 I. OBJETIVO E ÂMBITO Este dcument estabelece as regras de Segurança n Trabalh e Ambiente aplicáveis a entidades que venham a desenvlver actividades dentr da RESIESTRELA, em regime de cntrat, prestaçã

Leia mais

família 40 Bombas e Circuladores 06-10-2014 Circuladores AVAC DAB Circuladores AQS DAB Circuladores Solar DAB Circuladores AQS GRUNDFOS

família 40 Bombas e Circuladores 06-10-2014 Circuladores AVAC DAB Circuladores AQS DAB Circuladores Solar DAB Circuladores AQS GRUNDFOS família 40 Bmbas e Circuladres Circuladres AVAC DAB Circuladres AQS DAB Circuladres Slar DAB Circuladres AQ GRUNDFOS Circuladres Slar GRUNDFOS Circuladres AQS GRUNDFOS Circuladres AVAC+AQS GRUNDFOS 282

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição

Procedimentos para aceitação de materiais e equipamentos fornecidos à EDP Distribuição Julh 2010 Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids à EDP Distribuiçã DGF/Departament Gestã de Materiais e Equipaments Prcediments para aceitaçã de materiais e equipaments frnecids

Leia mais

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde

Anexo V. Software de Registro Eletrônico em Saúde. Implantação em 2 (duas) Unidades de Saúde Anex V Sftware de Registr Eletrônic em Saúde Implantaçã em 2 (duas) Unidades de Saúde Índice 1 INTRODUÇÃO... 3 2 ESTRATÉGIAS E PROCEDIMENTOS DE IMPLANTAÇÃO... 3 4 INFRAESTRUTURA NAS UNIDADES DE SAÚDE -

Leia mais

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008

PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 PROJECTO EDUCATIVO ANO LECTIVO 2007-2008 INTRODUÇÃO Prject educativ dcument que cnsagra a rientaçã educativa da escla, elabrad e aprvad pels órgãs de administraçã e gestã, n qual se explicitam s princípis,

Leia mais

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS

PROCEDIMENTO ESPECÍFICO OPERAÇÕES DE DESMATAÇÃO, DESARBORIZAÇÃO E APLICAÇÃO DE FITOFARMACÊUTICOS Página 1 de 9 0 CONTROLO DE REVISÕES... 2 1 OBJECTIVO E CAMPO DE APLICAÇÃO... 2 2 REFERÊNCIAS... 2 3 DEFINIÇÕES... 2 4 ABREVIATURAS... 3 5 PROCEDIMENTO... 3 5.1 NECESSIDADE DE DESARBORIZAÇÃO OU DESMATAÇÃO...

Leia mais

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco

Orientações e Recomendações Orientações relativas à informação periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de notação de risco Orientações e Recmendações Orientações relativas à infrmaçã periódica a apresentar à ESMA pelas Agências de ntaçã de risc 23/06/15 ESMA/2015/609 Índice 1 Âmbit de aplicaçã... 3 2 Definições... 3 3 Objetiv

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇÃO DE CONTRATO INICIAL E DE ENERGIA ASSEGURADA PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para

Leia mais

Transdutor de Potência (analógico)

Transdutor de Potência (analógico) Transdutr de Ptência (analógic) Revisã 3.2 21/08/2013 [1] Intrduçã Os transdutres analógics de ptência têm pr finalidade cnverter a ptência ativa e/u reativa de um sistema em um sinal cntínu (de tensã

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS

FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS PP. 1/6 FICHAS DE PROCEDIMENTO PREVENÇÃO DE RISCOS 1 TAREFA ABATE E DESRAME DE ÁRVORES 2 DESCRIÇÃO As tarefas de abate e desrame de árvres estã habitualmente relacinadas cm s seguintes trabalhs Levantaments

Leia mais

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU

Consulta Serviços de conceção e desenvolvimento criativo, produção e montagem do Fórum PORTUGAL SOU EU Cnsulta Serviçs de cnceçã e desenvlviment criativ, prduçã e mntagem d Fórum PORTUGAL SOU EU Julh 2014 Cnteúd 1. Intrduçã... 2 2. Enquadrament... 2 3. Públic-Alv... 2 4. Objetivs da Cnsulta... 3 5. Cndições

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

Esclarecimento nº 01. Tomada de Preços nº 004/2010

Esclarecimento nº 01. Tomada de Preços nº 004/2010 Esclareciment nº 01 Tmada de Preçs nº 004/2010 Objet: Cntrataçã de Empresa de Engenharia Especializada para frneciment d Sistema de Supervisã e Cntrle da Geraçã a ser implantad n Centr de Operaçã da Geraçã,

Leia mais

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificado. Série-R 90-160 kw/125-200 hp

Compressores de Ar de Parafusos Rotativos Lubrificado. Série-R 90-160 kw/125-200 hp Cmpressres de Ar de Parafuss Rtativs Lubrificad Série-R - kw/- hp A Ingersll Rand entru em seu segund sécul cnstruind seu legad cm líder glbal em cnfiabilidade, frnecend sluções invadras e a experiência

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO

Resumo Executivo - Funcionalidades 1 INTRODUÇÃO 1 INTRODUÇÃO A crescente cmplexidade ds prjets, a quantidade de infrmaçã que lhes está assciada e aument d númer de intervenientes n prcess cnstrutiv, transfrmaram a indústria da cnstruçã numa indústria

Leia mais

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL

AEPSA. Audição sobre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL AEPSA Audiçã sbre as PPL 123/XII (GOV) e 125/XII (GOV) COMISSÃO DE AMBIENTE, ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E PODER LOCAL 13 de Març de 2013 AGENDA 1. Apresentaçã da AEPSA a) A AEPSA em Prtugal b) Estratégia

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Crss Cuntry: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Extrator de Sucos Modelo

Extrator de Sucos Modelo O PREÇO ALIADO À QUALIDADE METALÚRGICA SIEMSEN LTDA. Rua: Anita Garibaldi, nº 22 - Bairr: Sã Luiz - CEP: 8851-10 Brusque - Santa Catarina - Brasil Fne: +55 (0 )7 211 000 / 255 2000 Fax: +55 (0 )7 211 020

Leia mais

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 1 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações PdC CZ.01 PM 3.5 Versã 1 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment de Mercad para Prcediment de Cmercializaçã. Inserid índice. Alterada

Leia mais

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação

PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013. Item 01. Requisitos básicos com justificação PROJETO BÁSICO DE LICITAÇÃO PARA CONTRATAÇÃO DE ASSESSORIA CONTÁBIL 002/2013 Item 01. Requisits básics cm justificaçã a. Serviç a ser licitad:. Escrituraçã mensal d livr diári; Escrituraçã mensal d livr

Leia mais

O CUSTO DO CICLO DE VIDA COMO FACTOR DE ECONOMIA

O CUSTO DO CICLO DE VIDA COMO FACTOR DE ECONOMIA Manual de Engenharia Sistemas de Pressurizaçã - Página 1 O CUSTO DO CICLO DE VIDA COMO FACTOR DE ECONOMIA ÍNDICE 1. Intrduçã... 2 2. O que é Cust d Cicl de Vida?... 3 3. Razões para a utilizaçã d CCV...

Leia mais

Programa provisório -

Programa provisório - Prgrama prvisóri - 1 INTRODUÇÃO O trnei Águeda Basket - Pásca decrrerá ns dias 3 (sexta-feira santa) e 4 (sábad) de abril de 2015 n Pavilhã Multiuss d Ginási Clube de Águeda. É direcinad as escalões Sub-14

Leia mais

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico

ANA, Aeroportos de Portugal, S.A. Plano de Acções de Gestão e Redução de Ruído para o Aeroporto de Lisboa Resumo Não-Técnico ANA, Aerprts de Prtugal, S.A. Plan de Acções de Gestã e Reduçã de Ruíd para Aerprt de Lisba Resum Nã-Técnic Janeir 2014 Aerprt de lisba Plan de Ações de Gestã e Reduçã de Ruíd 2013-2018 Cnteúd CONTEÚDO...

Leia mais

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs

Procedimento Operacional Padrão FMUSP - HC. Faculdade de Medicina da USP Diretoria Executiva da FMUSP e Diretoria Executiva dos LIMs 1. OBJETIVOS: fixar nrma para realizaçã ds prcediments de cleta interna de carcaças de animais de experimentaçã n Sistema FMUSP-HC, bservand-se as devidas cndições de higiene e segurança. 2. ABRANGÊNCIA:

Leia mais

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE

MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE MANUAL DE PROCEDIMENTOS PARA INSCRIÇÕES ON-LINE N prcess de renvaçã de matrículas para an lectiv 2008/2009, e na sequência d plan de melhria cntínua ds serviçs a dispnibilizar as aluns, IPVC ferece, pela

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais

Alteração à Linha de Crédito para apoio às Empresas de Produção, Transformação e Comercialização de Produtos Agrícolas, Pecuários e Florestais Inf - Estruturas Infrmaçã Mensal d Sectr Linha de Crédit PME 2009 Alteraçã à Linha de Crédit para api às Empresas de Prduçã, Transfrmaçã e Cmercializaçã de Prduts Agríclas, Pecuáris e Flrestais A Linha

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)...

Questão 46. Questão 47. Questão 48. alternativa D. alternativa B. Dados: calor específico do gelo (água no estado sólido)... Questã 46 A partir de um bjet real de altura H, dispst verticalmente diante de um instrument óptic, um artista plástic necessita bter uma imagemcnjugadadealturaigualah.nesse cas, dependend das cndições

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas

Perguntas frequentes sobre o Programa Banda Larga nas Escolas Perguntas frequentes sbre Prgrama Banda Larga nas Esclas 1. Qual bjetiv d Prgrama Banda Larga nas Esclas? O Prgrama Banda Larga nas Esclas tem cm bjetiv cnectar tdas as esclas públicas à internet, rede

Leia mais

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos

Guia Prático do Estágio. Seu Estágio em 5 Passos Guia Prátic d Estági Seu Estági em 5 Passs O que é Estági? A atividade de estági é um fatr significativ na frmaçã d prfissinal, pr prprcinar a interaçã d alun cm a realidade da prfissã e a cmplementaçã

Leia mais

Bombas simples (aquecimento, ar condicionado, refrigeração, abastecimento de água e indústria)

Bombas simples (aquecimento, ar condicionado, refrigeração, abastecimento de água e indústria) Descrição da sériewilo-crononorm-nl - Hz Materiais Corpo da bomba - Espiral de ferro fundido com alhetas antirrotação. - Com peça de aspiração alinhada axialmente e bocais de recalque radiais, bem como

Leia mais

Física E Extensivo V. 1

Física E Extensivo V. 1 Física E Extensiv V. 1 Exercícis 01) Verdadeira. Verdadeira. Temperatura mede a agitaçã ds átms. Verdadeira. Temperatura e energia cinética sã diretamente prprcinais. Verdadeira. Falsa. Crp nã tem calr.

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Resposta. Resposta ATENÇÃO: Escreva a resluçã COMPLETA de cada questã n espaç a ela reservad. Nã basta escrever resultad final: é necessári mstrar s cálculs u racicíni utilizad. Questã Uma pessa pssui a quantia de R$7.560,00

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Excluídas as seguintes definições:

Excluídas as seguintes definições: Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações Entre PM AM.08 APLICAÇÃO DE PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE CONTRATAÇÃO E PENALIDADE POR INSUFICIÊNCIA DE LASTRO DE VENDA & PdC AM.10 MONITORAMENTO DE INFRAÇÃO

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal;

O fornecedor deverá maximizar o uso de tintas, vernizes e adesivos a base de água ou óleo vegetal; Requeriments de Obstáculs Hipism Salts: Requeriments Mandatóris: Tda madeira e demais prduts flrestais utilizads devem ser cmpsts de fibra reciclada (us n pós-cnsum) u vir de fntes legais e respnsáveis,

Leia mais

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO

DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO DISSERTAÇÃO NOS MESTRADOS INTEGRADOS NORMAS PARA O SEU FUNCIONAMENTO 1. PREÂMBULO... 1 2. NATUREZA E OBJECTIVOS... 1 3. MODO DE FUNCIONAMENTO... 2 3.1 REGIME DE ECLUSIVIDADE... 2 3.2 OCORRÊNCIAS... 2 3.3

Leia mais

ACUMULADOR DE PRESSÃO. Linha de produto 9.1. Pré-seleção

ACUMULADOR DE PRESSÃO. Linha de produto 9.1. Pré-seleção ACUMULADOR DE PRESSÃO Linha de prdut Préseleçã 9.1 Acumuladr de pressã cm diafragma Acumuladr D,725 Acumuladr D,75 Acumuladr D,1625 Acumuladr D,321 Acumuladr D,3225 Acumuladr D,51 Acumuladr D,751 Acumuladr

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL DEPARTAMENTO DO RIO DE JANEIRO 52ª PREMIAÇÃO ANUAL IAB RJ EDITAL 2014 INTRODUÇÃO O Institut de Arquitets d Brasil - IAB-RJ cnvca arquitets e urbanistas a participarem da 52ª Premiaçã Anual ds Arquitets que, em 2014, agrega às categrias

Leia mais

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA

REGULAMENTO CONCURSO DE IDEIAS OESTECIM A MINHA EMPRESA 1. Intrduçã e Objetivs a) O Cncurs de Ideias OESTECIM a minha empresa pretende ptenciar apareciment de prjets invadres na regiã d Oeste sempre numa perspetiva de desenvlviment ecnómic e scial. b) O Cncurs

Leia mais

Regulamento interno. Constituição da equipa pedagógica: Em Campo, Animação Turística Unipessoal, Lda. Entidade Promotora e Organizadora:

Regulamento interno. Constituição da equipa pedagógica: Em Campo, Animação Turística Unipessoal, Lda. Entidade Promotora e Organizadora: Regulament intern A Em Camp pera cm a marca MyCamp e é uma entidade que prmve e rganiza prgramas para crianças, nmeadamente camps de férias, estadias e circuits temátics. Realizams atividades destinadas

Leia mais

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre:

Apresentamos abaixo, os procedimentos que deverão ser seguidos por todos os (as) Professores (as) durante este semestre: Circular / (CA) nº 18 / 2015 Unaí-(MG), 03 de agst de 2015. ASSUNTO: Faculdade CNEC Unaí Prcediments necessáris para iníci d 2º Semestre de 2015. Prezads (as) Prfessres (as), Apresentams abaix, s prcediments

Leia mais

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer?

WORKSHOP 1 Critérios ambientais e sociais na contratação: Como fazer? WORKSHOP 1 Critéris ambientais e sciais na cntrataçã: Cm fazer? Paula Trindade Investigadra LNEG Crdenadra Building SPP Helena Esteván EcInstitut Tratad da Uniã Eurpeia Princípis: Livre mviment de bens

Leia mais

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2

DIRETRIZES PARA APRESENTAÇÃO DE REDES E CRONOGRAMAS SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 1 / 5 SUMÁRIO 1 OBJETIVO...2 2 ELABORAÇÃO...2 2.1 PLANEJAMENTO...2 2.1.1 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO DO CRONOGRAMA DE BARRAS TIPO GANTT:...2 2.1.2 CRITÉRIOS PARA ELABORAÇÃO E APRESENTAÇÃO

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Contabilidade financeira, contabilidade de gestão e contabilidade de custos

Contabilidade financeira, contabilidade de gestão e contabilidade de custos LEC205 Cntabilidade de Custs e de Gestã 1. Intrduçã à Cntabilidade de Custs e de Gestã Cntabilidade financeira, cntabilidade de gestã e cntabilidade de custs Cntabilidade financeira (CF) Cntabilidade de

Leia mais

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Manual de Prevenção de Riscos Profissionais

SEGURANÇA E SAÚDE DO TRABALHO Manual de Prevenção de Riscos Profissionais Manual de Prevençã de Riscs Prfissinais NORMAS TÉCNICAS Listagem nã exaustiva de Nrmas Técnicas prtuguesas sbre aspects que se relacinam cm a segurança e saúde d trabalh Fernand Cabral SEGURANÇA E SAÚDE

Leia mais

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada

Questão 11. Questão 12. Resposta. Resposta S 600. Um veículo se desloca em trajetória retilínea e sua velocidade em função do tempo é apresentada Questã Um veícul se deslca em trajetória retilínea e sua velcidade em funçã d temp é apresentada na fiura. a) Identifique tip de mviment d veícul ns intervals de temp de 0 a 0 s,de 0 a 30 s e de 30 a 0

Leia mais

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.29. Sistemas Mecânica Ar Condicionado e Ventilação Mecânica

Sumário DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.29. Sistemas Mecânica Ar Condicionado e Ventilação Mecânica http://www.bancdbrasil.cm.br 1 DOCUMENTO 2 DO ANEXO 1 - PARTE I - ANEXO 15.1.29 Sistemas Mecânica Ar Cndicinad e Ventilaçã Mecânica Sumári 1. OBJETIVO... 2 2. CONDIÇÕES GERAIS... 2 3 CONDIÇÕES ESPECÍFICAS...

Leia mais

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações.

A nova metodologia de apuração do DI propõe que o cálculo seja baseado em grupos de taxas e volumes, não mais em operações. Taxa DI Cetip Critéri de apuraçã a partir de 07/10/2013 As estatísticas d ativ Taxa DI-Cetip Over (Extra-Grup) sã calculadas e divulgadas pela Cetip, apuradas cm base nas perações de emissã de Depósits

Leia mais

METAS DE COMPREENSÃO:

METAS DE COMPREENSÃO: 1. TÓPICO GERADOR: Vivend n sécul XXI e pensand n futur. 2. METAS DE COMPREENSÃO: Essa atividade deverá ter cm meta que s aluns cmpreendam: cm se cnstrói saber científic; cm as áreas d saber estã inter-relacinadas

Leia mais

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil;

Software Utilizado pela Contabilidade: Datasul EMS 505. itens a serem inventariados com o seu correspondente registro contábil; TERMO DE REFERÊNCIA CONTRATAÇÃO DE SERVIÇOS ESPECIALIZADOS DE ANÁLISE DA REDUÇÃO AO VALOR RECUPERÁVEL DE ATIVO PARA CÁLCULOS DO VALOR DO IMPAIRMENT E VIDA ÚTIL RESIDUAL, EM CONFORMIDADE COM O DISPOSTO

Leia mais

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira

Posição CELPA Associação da Indústria Papeleira R. Marquês Sá da Bandeira, 74, 2º 1069-076 Lisba, Prtugal Tel. +351 217-611-510 Fax. +351 217-611-529 E-mail. celpa@celpa.pt http://www.celpa.pt Psiçã CELPA Assciaçã da Indústria Papeleira Para: De: Estatut:

Leia mais

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO

Transformadores. Transformadores 1.1- INTRODUÇÃO 1.2- PRINCÍPIO DE FUNCIONAMENTO Transfrmadres 1.1- INTRODUÇÃO N estud da crrente alternada bservams algumas vantagens da CA em relaçã a CC. A mair vantagem da CA está relacinada cm a facilidade de se elevar u abaixar a tensã em um circuit,

Leia mais

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde

Curso Profissional de Técnico Auxiliar de Saúde Curs Prfissinal de Técnic Auxiliar de Saúde Planificaçã Anual de Higiene, Segurança e Cuidads Gerais An Letiv 2014/2015 Códig Módul Cnteúds - - Apresentaçã 17/09/14 - - Avaliaçã Diagnóstica Inicial 6572

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia).

IDENTIFICAÇÃO DO CANDIDATO E DO GRUPO FAMILIAR (fotocópia). DOCUMENTAÇÃO PARA O PROUNI Cmprvaçã de dcuments Ensin Médi; Ficha de Inscriçã, Identificaçã d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de Endereç d Candidat e d Grup Familiar; Cmprvaçã de renda d Candidat

Leia mais

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games

o o o o o o o Comitê Organizador dos Jogos Olímpicos e Paralímpicos Rio 2016 Rio 2016 Organising Committee for the Olympic and Paralympic Games Requeriments de Pódi: Requeriments Mandatóris: O frnecedr deverá adtar s requeriments mínims definids n Códig Básic da Iniciativa Ética Cmercial (IEC) / Ethical Trading Initative (ETI): O empreg deverá

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Escrituração Contábil Digital ECD Parecer Cnsultria Tributária Segments Escrituraçã Cntábil Digital ECD 23/12/2013 Parecer Cnsultria Tributária Segments Títul d dcument Sumári Sumári... 2 1. Questã... 3 2. Nrmas Apresentadas Pel Cliente...

Leia mais

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE

GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE GUIA DE APOIO AO PREENCHIMENTO DO FORMULÁRIO DE Reprte de Ameaça Iminente de Dan Ambiental e de Ocrrência de Dan Ambiental n Âmbit d Regime da Respnsabilidade Ambiental Agência Prtuguesa d Ambiente Julh

Leia mais

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013

PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020. DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versão: 1 Data: 28/10/2013 PROGRAMA DESENVOLVIMENTO RURAL CONTINENTE 2014-2020 DESCRIÇÃO DA AÇÃO Versã: 1 Data: 28/10/2013 M5. ORGANIZAÇÃO DA PRODUÇÃO AÇÃO 5.1. CRIAÇÃO DE AGRUPAMENTOS E ORGANIZAÇÃO DE PRODUTORES NOTA INTRODUTÓRIA

Leia mais

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços:

As cópias dos contratos, assim como outros documentos do projeto, a seguir relacionados serão fornecidos após celebração do contrato dos serviços: Term de Referência para cntrataçã de Auditres Externs A Rede Nrte-Sul http://www.nrd-sued-netz.de é um departament da DGB Bildungswerk BUND, instituiçã educacinal pertencente à Cnfederaçã ds Sindicats

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Diretoria de Regulação de Emissores (DRE)

Diretoria de Regulação de Emissores (DRE) Diretria de Regulaçã de Emissres (DRE) Principais alterações a Regulament e Manual d Emissr 14/03/2016 x Cnfidencial Us Us Intern Públic 1 Regulament e Manual: principais alterações Divulgaçã: até 31/març.

Leia mais

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade.

1- Objetivo Orientar e apoiar a utilização dos serviços de Biblioteca por parte do corpo docente, discente e comunidade. Sistema de Gestã de Prcesss Sistema de Gestã da Qualidade Utilizaçã ds Serviçs de Bibliteca 1- Objetiv Orientar e apiar a utilizaçã ds serviçs de Bibliteca pr parte d crp dcente, discente e cmunidade.

Leia mais

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5

Agenda: 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 3 2015 Sage Software, Inc. All rights reserved. 2/1/2016 5 Agenda: Event Sage AEBB Legislaçã inventári permanente (reduçã ds limites) Cnfigurações inventári permanente (ligaçã à CTB) O inventári a 31 de dezembr (imprtância d cntrl stcks, sage inventáris cntagem

Leia mais

Avaliação Imobiliária e Manutenção das Construções

Avaliação Imobiliária e Manutenção das Construções Avaliaçã Imbiliária e Manutençã das Cnstruções 1ª Épca 15 de junh de 2016 (11h30) (V1.26 V1.25) Nme: Númer: Duraçã ttal sem interval: 1,45 hras Ntas: I. Nã é permitida a cnsulta de quaisquer ntas u dcuments,

Leia mais

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO

CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO EA.TAS.6.1.13 HELPCARE CURSO DE TRIPULANTE DE AMBULÂNCIA DE SOCORRO Prpsta Curs de Tripulante de Ambulância de Scrr Fundamentaçã O scrr e transprte de vítimas de dença súbita e/u trauma é executad pr váris

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR

CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR CONCORRÊNCIA AA Nº 05/2009 BNDES ANEXO II PROJETO BÁSICO: JORNADA AGIR 1. Históric da Jrnada AGIR Ns ambientes crprativs atuais, a adçã de um mdel de gestã integrada é uma decisã estratégica n api às tmadas

Leia mais

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1

PM 3.5 Versão 2 PdC Versão 1 Prcediment de Cmercializaçã Cntrle de Alterações SAZONALIZAÇAO DE CONTRATO DE LEILÃO DE VENDA EDITAL DE LEILÃO Nº 001 / 2002 - MAE PM 3.5 Versã 2 PdC Versã 1 Alterad Layut d dcument. Alterad term de Prcediment

Leia mais

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual

PROGRAMA FORMAR / 2009 Modalidade Apoio Formativo Plurianual PROGRAMA FORMAR / 2009 Mdalidade Api Frmativ Plurianual INSCRIÇÕES - GUIA DE PROCEDIMENTOS De acrd cm a Prtaria nº 1229/2006, de 15 de Nvembr, Institut Prtuguês da Juventude (IPJ) cntinua a prmver a frmaçã

Leia mais

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital

Banco Industrial do Brasil S.A. Gerenciamento de Capital Banc Industrial d Brasil S.A. Gerenciament de Capital 2014 1 Sumári 1. INTRODUÇÃO... 3 2. OBJETIVO... 3 3. ESTRUTURA DE GERENCIAMENTO DE CAPITAL... 4 4. PLANO DE CAPITAL... 5 5. RESPONSABILIDADES... 6

Leia mais

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( )

PLANO DE ENSINO 2009 Médio Profissionalizante ( ) Profissionalizante ( ) Fundamental I ( ) Fundamental II ( ) Médi PLANO DE ENSINO 2009 Médi Prfissinalizante ( ) Prfissinalizante ( ) Graduaçã ( x ) Pós-graduaçã ( ) I. Dads Identificadres Curs Superir de Tecnlgia em Gestã Ambiental

Leia mais

ANEXO II Memorial Descritivo do XXXIII CBP

ANEXO II Memorial Descritivo do XXXIII CBP I. DADOS GERAIS: NOME DA EMPRESA TELEFONE FAX E-MAIL ENDEREÇO NOME DO TITULAR DA EMPRESA / CIDADE / ESTADO TEL. CELULAR GERENTE / COORDENADOR RESPONSÁVEL PELO EVENTO TELEFONE CELULAR II. XXXIII CONGRESSO

Leia mais

Integração do POPH no SIIFSE

Integração do POPH no SIIFSE Integraçã d POPH n SIIFSE Manual de Utilizadr Frmulári de Candidatura as Estágis Prfissinais na Administraçã Pública Lcal - 18 de Fevereir de 2008-1ª Versã ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 ENQUADRAMENTO E

Leia mais

Contabilidade Martins

Contabilidade Martins DOCUMENTOS PARA CONTABILIDADE Visand melhrar nss intercâmbi administrativ e s serviçs prestads pr este escritóri, remetems instruções cm relaçã a sua mvimentaçã mensal, dand ênfase a cntrle de arquivs,

Leia mais

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo,

AVISO. operações urbanísticas, que evoluirá até à desmaterialização total, num curto espaço de tempo, AVISO NORMAS DE INSTRUÇÃO DE PROCESSOS EM FORMATO DIGITAL A Câmara Municipal de Viseu vai iniciar, n próxim dia 5 de Janeir de 2015, a implementaçã da tramitaçã eletrónica ds prcesss de licenciament/admissã

Leia mais

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012

UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Aviso Público Nº 08/Unoesc/2012 UNIVERSIDADE DO OESTE DE SANTA CATARINA UNOESC UNIDADE DE CHAPECÓ Avis Públic Nº 08/Unesc/2012 O Magnífic Reitr da Universidade d Oeste de Santa Catarina - Unesc, pessa jurídica de direit privad, mantida

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS FACULDADE DE CIÊNCIAS APLICADAS Cidade Universitária de Limeira DIRETRIZES PARA ESTÁGIO CURRICULAR OBRIGATÓRIO DOS CURSOS DE GESTÃO 1 Sumári I. O Estági em Gestã...3 II. O Estági curricular...4 III. Acmpanhament e avaliaçã...5 IV. Mdels de Plan de Atividades e de Relatóri...5

Leia mais

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos

TECNOLOGIAS DE MICRO-GERAÇÃO E SISTEMAS PERIFÉRICOS. 6 Painéis Solares Fotovoltaicos 6 Painéis Slares Ftvltaics 48 6.1 Descriçã da tecnlgia A funçã de uma célula slar cnsiste em cnverter directamente a energia slar em electricidade. A frma mais cmum das células slares fazerem é através

Leia mais

INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO

INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO Labratóri de Bicmbustíveis Avançads da FEQ INSTALAÇÃO DE GASES ESPECIAIS, GLP E AR COMPRIMIDO Para se habilitarem para frneciment de Materiais e Mã de Obra para a execuçã d prjet de instalaçã de gases

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO

TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO DE EMPRESA PARA PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE TREINAMENTO Term de Referência Anex I - Especificaçã técnica Cntrataçã de Empresa para prestaçã de Serviçs de Treinament na suíte Libreffice TERMO DE REFERÊNCIA ANEXO I ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA SUITE LIBREOFFICE: CONTRATAÇÃO

Leia mais

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I

Manual de Convênios e Termos de Cooperação para Projetos de P&D&I Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para Prjets de P&D&I Gestã de Cnvênis PETROBRAS GTEC/GPPT Apresentaçã O Manual de Cnvênis e Terms de Cperaçã para desenvlviment de prjets de pesquisa e desenvlviment

Leia mais