ASSENTAMENTOS DA REFORMA AGRÁRIA NO TERRITÓRIO PORTAL DA AMAZÔNIA: CARACTERÍSTICAS SOCIAIS, ECONÔMICAS E AMBIENTAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSENTAMENTOS DA REFORMA AGRÁRIA NO TERRITÓRIO PORTAL DA AMAZÔNIA: CARACTERÍSTICAS SOCIAIS, ECONÔMICAS E AMBIENTAIS"

Transcrição

1 ASSENTAMENTOS DA REFORMA AGRÁRIA NO TERRITÓRIO PORTAL DA AMAZÔNIA: CARACTERÍSTICAS SOCIAIS, ECONÔMICAS E AMBIENTAIS Alta Floresta, dezembro de Apoio: Projeto Gestar Ministério do Meio Ambiente Secretaria de Desenvolvimento Sustentável Av. José Estevão Torquato, nº. 999 Jd. Vitória Cuiabá-MT CEP: Fone/fax: (65)

2 Índice 1. Apresentação Objetivos Objetivo geral Objetivos específicos Metodologia Técnicas de abordagem Delimitação do universo Tipo de amostragem Embasamento teórico: definição dos termos e conceitos Desenvolvimento Rural Capital social Território Conflitos Socioambientais Apresentação dos dados e análise Caracterização dos assentamentos Rochedo e Assentamento Rochedo Assentamento Cinco Mil Caracterização do assentamento São Pedro Caracterização Assentamento Peru Caracterização dos assentamentos PA Monte Verde e Japuranã II Assentamento PA Monte Verde (Nova Monte Verde) Assentamento Japuranã II (Nova Bandeirantes) Caracterização do assentamento Veraneio Caracterização dos assentamentos União do Norte e PA Vida Nova Assentamento União do Norte Assentamento PA Vida Nova

3 5. Considerações Finais Assentamento PA Vida Nova

4 1. Apresentação O território Portal da Amazônia, conjunto de 16 municípios do extremo norte de Mato Grosso, possui uma forte presença de pequenos agricultores. Segundo dados do Estudo Propositivo do território1, 77% dos estabelecimentos rurais do Portal da Amazônia são lotes de até 100 hectares, que representam menos de 10% da área do território uma clara medida da concentração de terras na região. Este estudo buscou conhecer o cenário de nove assentamentos da reforma agrária do território com o objetivo de caracterizar sua situação sócio-econômica e ambiental. Também mapeou lideranças sociais do meio rural e situações de conflitos socioambientais no território. Assim, este documento fornece subsídios importantes às ações futuras do Gestar e outros projetos destinados ao desenvolvimento regional sustentável, oferecendo informações da realidade das diversas situações da agricultura familiar encontradas no território. Os assentamentos foram visitados no segundo semestre de 2005 pela equipe de pesquisadores do Projeto Gestar composta por: Jose Alesando Rodrigues Coordenador do Gestar Ary Carneiro Agrônomo Pesquisador Unemat Frederico de Oliveira Antropólogo Unemat Lúcio Pereira Brito Historiador/ Filósofo Rodrigo Marcelino Estagiário Biologia 1 Estudo elaborado pela Fundação Cândido Rondon, em parceria com o Instituto Ouro Verde, como parte das atividades da Secretaria de Desenvolvimento Territorial do Ministério do Desenvolvimento Agrário. Está disponível no site 4

5 2. Objetivos 2.1 Objetivo geral Realização de um levantamento preliminar de dados e a busca de uma compreensão mais detalhada do território, com obtenção de informações complementares às já disponíveis e com a adoção do enfoque sistêmico na leitura das realidades locais, precisamente com o intuito de fornecer elementos sólidos para a formulação e implementação de políticas de ações participativas que contribuam para o processo de dinamização econômica dos territórios rurais. 2.2 Objetivos específicos Para tanto se torna relevante efetuar um mapeamento/diagnóstico in loco da realidade de alguns assentamentos rurais, de origem mais recente, que se encontram situados do território compreendido como Portal da Amazônia. Foram, portanto, selecionados dois focos prioritários de observação e análise: a) Organização Social: Reconhecer as principais formas encontradas pelos assentados/atores para uma maior valorização do ambiente à sua volta, que esteja em consonância com suas respectivas capacidades e que possibilitem a efetiva construção de participações inovadoras na comunidade. É nesse sentido que a organização social deve ser visualizada como recurso gerador do capital social necessário ao desenvolvimento social daquela região. b) Conflitos socioambientais: Compreender os significados atribuídos pelos assentados da Reforma Agrária, no território Portal da Amazônia, no que diz respeito à relação entre meio ambiente e sua condição de explorados/dominados diante de recentes, e não tão evidentes formas que se 5

6 apresentam para a reprodução do capital. Torna-se ainda relevante reconhecer de que maneira os atores admitem a necessidade e a importância da conservação ambiental, ou seja, de que ponto parte sua visão/relação com os recursos naturais, além de possíveis conexões para uma eventual mudança social, uma vez que a sociedade capitalista também pode continuar funcionando apesar de seus sérios conflitos internos. 3. Metodologia 3.1 Técnicas de abordagem a) Observação direta intensiva: através não apenas da observação e percepção sensorial de realidade vivida nos assentamentos rurais, o intuito maior da observação é o de examinar fatos ou fenômenos sobre o ambiente em que se encontram os atores e as formas como são vivenciadas as principais dificuldades ao desenvolvimento rural da região. Ex: tipo de solo em que estão localizados, relações familiares, relação com a preservação de cada um dos lotes e da área global do assentamento, além da ocorrência de eventos não previstos no plano da pesquisa, mas que podem contribuir na compreensão dos fatos, etc. Nesse processo foi produzido um arquivo fotográfico com imagens referentes a todos os assentamentos visitados. b) Entrevista semi-estruturada: diante dos objetivos específicos expostos anteriormente (organização social e conflitos socioambientais), esse tipo de entrevista transforma-se mais numa conversa informal, direcionada por alguns tópicos centrais, que pode se desenvolver em qualquer direção considerada adequada para o mapeamento da realidade social em questão e que esteja mais afinada com as capacidades e interesses do interlocutor. Dentre os tópicos orientadores das entrevistas destacam-se: A história do surgimento do assentamento; 6

7 Principais tipos de organização social ou movimentos sociais existentes no assentamento; Fontes de renda e possíveis alternativas; Dificuldades para desenvolver a agricultura familiar: apoio do poder executivo, avaliação do PRONAF e assistência técnica, tipos de solo, etc.; Situação estrutural: saúde, educação, energia elétrica, acesso à água, agroindústrias presentes no local, etc.; Relacionamento com os fazendeiros, latifundiários do entorno e com as reservas legais do assentamento. Relação e conscientização sobre o uso do fogo; Interesse dos assentados em produzir e acreditar no futuro no assentamento. Levantamento e comparação do número de lotes originais em relação aos que já foram vendidos; Principais tipos de conflitos existentes no assentamento. Todas as entrevistas foram gravadas a fim de facilitar um retorno mais seguro e confiável às informações recebidas no ato da conversa. Nesse relatório estão inseridos vários trechos das entrevistas com assentados e assentadas, que, todavia não estão, em sua maioria, identificados no texto por questões de privacidade e/ou segurança. Todo o conteúdo das entrevistas foi digitalizado e está arquivado no Instituto Centro de Vida. 3.2 Delimitação do universo A fim de gerar um amplo diagnóstico das realidades e dificuldades vivenciadas nos assentamentos rurais do Portal da Amazônia, foram selecionados um total de sete pontos 7

8 de referência que apresentam características singulares e ao mesmo tempo gerais, capazes de contribuir na elaboração de um painel sobre a região em estudo. São eles: Rochedo (Novo Mundo), São Pedro (Paranaíta), Peru (Terra Nova), PA Nova Monte Verde (Nova Monte Verde) e Japuranã (Nova Bandeirantes), Veraneio (Nova Canaã/Colíder) e União do Norte (Peixoto de Azevedo). Como características gerais mais marcantes destacam-se: o tempo relativamente recente de existência do assentamento, a estrutura precária, número elevado de famílias (em geral pelos menos 300), além das dificuldades de mobilização e organização de seus moradores. 3.3 Tipo de amostragem A ênfase na técnica de coleta de dados se voltou mais para um viés de cunho qualitativo, tornando-se, portanto, inviável abranger a totalidade dos componentes do universo em estudo. Logo, a fim de tornar a amostra a mais representativa possível e poder inferir de forma mais precisa sobre a realidade da população total, as entrevistas se direcionam para as principais lideranças e pessoas de influência do assentamento identificadas previamente ou durante o processo de coleta de dados. Alguns dos principais exemplos são: presidentes de sindicatos e associações comunitárias, vereadores, pioneiros, líderes religiosos, professores, etc. Tabela 1 Classificação dos entrevistados conforme sua representatividade Posição ocupada pelo entrevistado Membros de Rochedo São e 5000 Pedro 2 3 Peru 2 Monte Veraneio União do Total Verde e Norte e Geral Japuranã Vida Nova Associações Comunitárias 8

9 Líderes religiosos Representantes de Movimentos Sociais Sindicalistas Políticos ou associados a partidos políticos Professores Pioneiros, donos de bares e assentados influentes. Total de entrevistados 3.4 Embasamento teórico: definição dos termos e conceitos Desenvolvimento Rural Apesar de muito difundida e utilizada, a noção de desenvolvimento rural permanece sendo de definição complexa e multifacetada, passível de ser abordada por perspectivas teóricas das mais diversas. Uma das visões que vem se destacando, pelo enfoque inovador e aplicabilidade prática, é aquela que enfatiza as dimensões ambientais e territoriais do desenvolvimento sustentável, destacando as interfaces e vínculos em relação ao desenvolvimento em geral, ou seja, enfatizando a necessidade de conceber o desenvolvimento rural e urbano de forma interconectada. Esta visão é defendida por autores como Veiga2 e colaboradores. 2 VEIGA, J.E. O Brasil Rural ainda não encontrou seu eixo de desenvolvimento. Estudos Avançados, v.43, p ,

10 3.4.2 Capital social Mais importante que as vantagens competitivas dadas por atributos naturais, de localização ou setoriais, parece ser a proximidade social entre os diversos atores que permite a valorização do conjunto do ambiente em que atuam, servindo assim de base para empreendimentos inovadores. Neste sentido, as estruturas sociais poderiam ser vistas como recursos, de forma semelhante a um ativo de capital de que os indivíduos podem dispor. É neste ponto que nasce o conceito e a denominação de capital social (Abramovay3), estando profundamente relacionado ao processo de desenvolvimento Território Doniak4 comenta que uma política de desenvolvimento deve abranger o nível territorial, unindo municípios com aspectos econômicos, ambientais, sociais e culturais semelhantes. De acordo com o Ministério do Desenvolvimento Agrário, pode-se entender o termo território como um espaço físico, geograficamente definido, geralmente contínuo, compreendendo a cidade e o campo, caracterizado por critérios multidimensionais, tais como meio ambiente economia, sociedade, cultura e instituições, e uma população com grupos sociais relativamente distintos, que se relacionam interna e externamente por meio de processos específicos, em que se pode distinguir um ou mais elementos de identidade e coesão social, cultural e territorial (SDT/ MDA, 20055). ABRAMOVAY, Rua Conselhos além dos limites. In: Seminário de Desenvolvimento Local e Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural. Anais a 21 de junho de DONIAK, F. A. Participação comunitária no processo de desenvolvimento local: estudo do caso do município de Rancho Queimado. Dissertação de Mestrado. 161f. Universidade Federal de Santa Catarina SDT/ MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL/ MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO. Marco referencial para o apoio ao desenvolvimento de territórios rurais. Série documentos institucionais, n.2, p. 1 29,

11 3.4.4 Conflitos Socioambientais O termo genérico de conflito socioambiental se refere aos conflitos entre atores sociais que envolvem o acesso a o controle sobre recursos naturais (ambientais), como a terra, a água, recursos florestais, minerais, biodiversidade, entre outros. Geralmente, nesses conflitos se enfrentam atores com níveis sócio-econômicos e culturais diferentes (assimétricos), o que acaba resultando, em muitos casos, na prevalência do ator de maior poder econômico. As relações socioeconômicas não sustentáveis podem existir com base na defesa do interesse particular e imediato, mas não por muito tempo. Uma mudança em direção a práticas sustentáveis, com uma visão de interesses comuns, difusos e de atendimento às necessidades futuras, tem se tornado inevitável. Assim, para os propósitos deste estudo e compreendendo, como Max Weber, que o poder não é eminentemente derivado das condições de domínio (econômico), mas sim de uma série de processos que resultam em sua legitimação, o foco central a ser perseguido sobre a questão dos conflitos socioambientais se volta para a compreensão dos significados atribuídos pelos atores sociais no que toca à relação entre meio ambiente e sua condição de explorados/dominados diante de recentes e não tão evidentes formas que se apresentam para a reprodução do capital. Torna-se ainda relevante reconhecer de que maneira os atores admitem a necessidade da conservação ambiental, além de possíveis conexões para uma eventual mudança social, uma vez que a sociedade capitalista também pode funcionar apesar de seus sérios conflitos internos. 11

12 4. Apresentação dos dados e análise Nesta etapa do relatório, o objetivo é apresentar as informações referentes a cada um dos assentamentos visitados, a fim de expor a realidade da agricultura familiar, bem como outros tópicos de importância. 4.1 Caracterização dos assentamentos Rochedo e 5000 Visita realizada entre os dias 07/10/2005 e 09/10/2005, no Município de Novo Mundo Assentamento Rochedo I. Histórico do assentamento O assentamento do Rochedo é composto por 178 lotes que têm, em média, 25 alqueires cada. O acampamento inicial foi erguido às margens do rio Nhandú. A maioria das famílias do acampamento vinham dos municípios de Carlinda e Colíder, mas também havia famílias de Guarantã do Norte e Alta Floresta. Atualmente, segundo os entrevistados, estão assentadas 120 famílias, aproximadamente. II. Organização social A única forma institucional de organização social presente no assentamento é a Associação Comunitária (Associação do Rochedo). Apesar disto, esta não parece ter um resultado efetivo na mobilização das pessoas em torno de interesses comuns. Como exemplo, citamos a reunião da Associação do Rochedo com o intuito de instalar um resfriador de leite no assentamento, visto que a maioria reconhece que a linha de leite poderia ser uma boa fonte de renda, principalmente em curto prazo. Nesta reunião, contudo, verificou-se a falta de união entre os agricultores para adquirir o resfriador em parceria. De maneira geral, os assentados reconhecem a falta de organização entre eles 12

13 Esse pessoal precisa se organizar. Com organização estes problemas costumam ser menores. Existem três igrejas no assentamento, sendo uma católica, uma congregação cristã e uma da Assembléia de Deus. As mulheres do assentamento só se organizam quando promovem alguma festa. O Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) está iniciando um trabalho de formação de grupos de base no assentamento. Ilustração 1 - Igreja Católica do assentamento Rochedo. III. Perspectivas para a agricultura familiar No início, o laticínio Marajoara coletou leite dos assentados, porém esta coleta só foi realizada durante três meses. Depois, esta coleta foi interrompida devido às dificuldades de acesso em função do precário estado das estradas. Somado a isso existe o problema da balsa para travessia do Rio Teles Pires A balsa é muita cara e inviabiliza o transporte de pessoas e produtos. Ainda na visão de alguns assentados, não adianta receberem o incentivo, através do PRONAF, para criação de gado de leite se as condições de escoamento da produção são precárias. Outro questionamento levantado pelos 13

14 entrevistados é que do montante recebido através do PRONAF, 10% seriam para custear a assistência técnica (EMPAER), mas esta assistência não é satisfatória. É unanimidade entre os assentados que se houvesse energia elétrica no assentamento, eles teriam mais opções para obter uma renda melhor. Algumas alternativas mencionadas pelos assentados foram: aquisição, em cooperativa, de um resfriador de leite, o que poderia viabilizar a coleta do leite produzido por um laticínio; a criação de suínos; a instalação de tanques para piscicultura e a instalação de uma pequena agroindústria de derivados da cana-de-açúcar, para fabricação de açúcar mascavo, melaço e rapadura orgânica. Segundo o vereador de Novo Mundo Sebastião Roberto Soares, que também é um assentado, no ano de 2004 alguns assentados trabalharam com frango caipira juntamente com a Cooperagrepa, mas desistiram pela dificuldade da falta de energia elétrica na hora do abate mesmo assim, com abate manual houve lucro. Vários assentados produzem arroz, mas têm dificuldades na comercialização e não conseguem uma boa remuneração pela produção; Um exemplo é o Capixaba, que vendia a saca de arroz por R$ 10, 00, mas acabava sendo melhor jogar para as galinhas e para os porcos. O ideal era que o pessoal da região pudesse mexer com uma linha de leite. Quem faz o futuro são as pessoas. Aqui tem futuro e é uma terra boa. IV. Situação estrutural O assentamento não possui rede de energia elétrica, sendo que existem três propriedades que possuem geradores. Verificou-se que não existe posto de saúde neste assentamento, nem agentes de saúde atuando. Quando necessitam de socorro médico, os moradores contam apenas com a solidariedade dos companheiros assentados - Deveria ter pelo menos um posto, com uma enfermeira, que seja para dar os primeiros socorros. Quanto ao ensino, há apenas uma escola com ensino fundamental. Tem criança que tem que andar mais 10 km pra chegar na escola, Têm famílias indo embora para os filhos 14

15 estudarem. Também não existe um posto telefônico ou telefone público. Quando os moradores necessitam realizar ou receber ligações, utilizam um telefone celular fixo localizado num pequeno comércio do assentamento. Todas as ligações, realizadas ou recebidas, são cobradas pelo dono do estabelecimento. Na época das chuvas as estradas ficam intransitáveis, dificultando o escoamento da produção e a ligação com Novo Mundo. Existe uma balsa que faz a ligação com o município de Alta Floresta, mas os caminhos até esta também se tornam de difícil trânsito, além do preço cobrado pela travessia ser muito alto (R$ 20,00). Os assentados tentaram negociar com o dono da balsa para baixar o preço, mas segundo eles este não quis discutir o assunto. Os assentados relataram a existência de uma linha de ônibus que fazia o trajeto para Novo Mundo, mas devido ao alto preço cobrado pela balsa, esta linha de ônibus foi desativada. V. Meio ambiente A maioria das propriedades possui água para consumo advinda de poços. Os agricultores reconhecem a necessidade de proteger as nascentes e cursos de água, mas não têm conhecimento de como devem proceder para protegê-las. Na visão dos assentados, o solo é fértil. No entanto, vale ressaltar que são solos rasos com muito afloramento de rochas e sua fertilidade está relacionada com a reposição de matéria orgânica para este. As pessoas têm pouco conhecimento sobre o Parque Estadual Cristalino e seus eventuais benefícios para a comunidade. O assentamento é vizinho da unidade de conservação criada em Verificou-se que a questão do uso de fogo, para limpeza do terreno para plantio de pastagens ainda é uma constante nestes assentamentos, mas os entrevistados divergem quanto à origem do fogo, sendo que alguns responsabilizam os próprios companheiros do 15

16 assentamento pela utilização do fogo; e outros responsabilizam os fazendeiros que utilizariam deste artifício para limpar áreas de mata para implantação de novas pastagens. Eles também relataram que neste ano (2005) ocorreu uma queimada que atingiu quase 80% da área do assentamento, no entanto não houve consenso entre os entrevistados quanto à origem do fogo. Ilustração 2 - Área destruída pelas queimadas. Os assentados reconhecem ainda, que a maioria dos lotes tem um desmatamento maior do que o permitido pela legislação ambiental (20% da área) e acreditam que logo todos os 25 alqueires estarão limpos. A maioria acha que com apenas 20% de sua área disponível para prática agrícola não há possibilidade de retirar seu sustento. VI. Situação fundiária e expectativas dos assentados Os lotes têm, em média, 25 alqueires. De acordo com os entrevistados, aproximadamente 40 famílias compraram os lotes de assentados e os antigos assentados venderam as terras por falta de recursos para investir no lote, devido principalmente à falta de infra-estrutura básica no assentamento. Porém, alguns assentados reconhecem que alguns dos que receberam as terras eram oportunistas que já tinham a intenção de vender os lotes. Estes compradores não tiveram acesso ao PRONAF e temem que o INCRA possa retomar estes lotes. Os entrevistados alegam não ocorrer conflitos entre os que receberam as terra do INCRA e aqueles que compraram as terras; Normalmente quem compra ajuda mais porque vem com a finalidade de ficar no local. 16

17 A única relação dos assentados com os fazendeiros é de trabalho: muitos assentados costumam trabalhar como diaristas para os fazendeiros para poderem obter uma renda que ajude no sustento da família. Não foi relatado nenhum tipo de conflito entre os moradores do assentamento e os fazendeiros. De acordo com os moradores, os fazendeiros até ajudam na conservação da estrada e quando há alguma festa no assentamento, estes colaboram com donativos. VII. Outros Os entrevistados acham que o PRONAF é necessário para dar apoio financeiro para os assentados iniciarem suas atividades, porém, reclamam de como foi gerido este recurso. No caso do PRONAF para aquisição de gado leiteiro, os contemplados tiveram que comprar o gado apenas de criadores certificados, que venderam um gado ruim; As vacas indicadas e são pé-duro. Outro caso, citado pelos entrevistados, foi quanto ao PRONAF Auxílio Moradia, em que muitos não receberam o material ou receberam material de qualidade inferior ao contratado. Vários relatam também que tiveram que investir seus próprios recursos na abertura de estradas Assentamento Cinco Mil I. Organização social Verificou-se a existência de cinco igrejas no assentamento, sendo a católica a mais freqüentada. O assentamento possui uma Associação dos Pequenos Produtores Rurais da Cinco Mil. Recentemente foi criada a Cooperativa dos Catadores de Castanha. A Pastoral da Criança é atuante no assentamento. II. Perspectivas para a agricultura familiar A cooperativa é vista como uma boa alternativa de renda pelos assentados. Ela ainda não conseguiu mercado fixo para a castanha, mas os cooperados acreditam que com a chegada de um secador terão melhor qualidade e confiabilidade, e assim conquistarão um 17

18 lugar no mercado; Já ocorrerem alguns contatos para a venda da castanha, mas pela falta da secadora e embaladora, as empresas deixaram de comprar. Para facilitar a comercialização, a cooperativa fez um acordo com a Cooperagrepa, em que esta fica responsável pela comercialização e em troca recebe 5% da venda. Para agregar valor ao produto, os associados estão certificando a produção como orgânica. A principal dificuldade apontada pelos entrevistados está em obter uma renda mensal no assentamento; Muita gente vive é de diária dos fazendeiros. A coleta de leite foi realizada pelo Laticínio Marajoara apenas nos primeiros meses de produção, como também verificado no Assentamento do Rochedo. Sendo assim, muitos assentados acabaram vendendo o gado leiteiro, pois não tinham como comercializar o produto. Muitos assentados acreditam que com a chegada da rede de energia elétrica poderiam instalar um resfriador no assentamento e, assim, a produção de leite se tornaria uma boa fonte de renda. Porém, estes acreditam que muitos teriam que iniciar novamente a criação; Se vier um resfriador tem de começar quase do zero, porque as vacas foram vendidas. A produção de farinha de mandioca é vista como boa alternativa de produção, pois, segundo os agricultores locais, esta cultura se desenvolve bem na região. Como exemplo alguns entrevistados citam a farinheira do Trajano. A maioria dos assentados é de origem agrícola, e se queixa da falta de assistência; O povo tá meio desorientado porque falta planejamento da agricultura. III. Situação estrutural O assentamento não possui rede de energia elétrica nem de coleta de esgoto, mas está prevista, para o final de 2005 ou início de 2006, a instalação da rede elétrica no assentamento. A água utilizada pelos assentados é retirada de poços. O assentamento possui um posto policial, porém não há posto médico nem ambulância, apenas visitas regulares de uma enfermeira. Nos casos mais graves, é necessário solicitar uma ambulância 18

19 em Terra Nova, Tem gente que chega a morrer a mingua. No assentamento é oferecido ensino até o nível médio. O assentamento possui uma rádio comunitária, através da qual os assentados são informados sobre os acontecimento do assentamento. As coisas que mais precisamos no assentamento são estradas cascalhadas, saúde e escoamento da lavoura. IV. Meio ambiente O fogo tem sido um grande problema. Alguns assentados e fazendeiros do entorno ainda se utilizam desta prática para limpar a juquira. Os assentados responsabilizam os fazendeiros pelas queimadas, mas admitem que algumas vezes o fogo tem origem no próprio assentamento. De acordo com alguns entrevistados, existem fazendeiros dentro do Parque Estadual Cristalino que retiram madeira e estes seriam também responsáveis por queimadas. Muitos lotes não estão de acordo com a legislação que regula a reserva legal de 80% da propriedade na Amazônia Brasileira, Na época que as pessoas entraram ainda não existia a lei do desmatamento. De acordo com o informado por alguns moradores, a estação chuvosa está demorando mais para iniciar e a temperatura média está ficando mais elevada. Quanto à proteção de nascentes e das margens dos rios, os assentados concordam que estas devem ser protegidas; Água é vida. V. Situação fundiária e expectativas dos assentados Na visão dos assentados não existe conflito entre os fazendeiros do entorno do assentamento com os assentados, uma vez que os fazendeiros colaboram com o óleo diesel para as máquinas da prefeitura realizarem o serviço de conservação das estradas. Os assentados ainda julgam que os fazendeiros ajudam o assentamento, pois contratam mão- 19

20 de-obra como diaristas; Hoje as pessoas têm que trabalhar na diária ; e esta muitas vezes é a única fonte de renda de muitos deles. De uma maneira geral, os entrevistados têm uma boa expectativa quanto ao futuro do assentamento e acreditam que, com a instalação da rede elétrica prevista para o início de 2006, a vida poderá melhorar. Com a energia, poderão instalar um resfriador de leite e melhorar a industrialização da castanha, entre outras coisas. Os moradores acreditam que o assentamento será transformado em distrito e assim terão mais recursos destinados a melhorias para o assentamento; Ai é que as coisas começam a melhorar. Segundo os depoimentos, a maioria das famílias presentes no assentamento comprou suas terras de antigos assentados. 4.2 Caracterização do assentamento São Pedro Visita realizada entre 16/10/2005 e 18/10/2005 no município de Paranaíta. I Histórico do assentamento O assentamento São Pedro foi criado em 2000, quando foi ocupada e desapropriada uma área da Fazenda Mogno. Não houve nenhum problema ou conflito no momento da desapropriação, porém, no início a área teria sido superfaturada e o INCRA não tinha intenção de comprar. Posteriormente, a situação foi contornada, um preço mais razoável foi alcançado e o valor pago em títulos da dívida pública. O terreno possui áreas propícias à prática da agricultura, como também afloramentos rochosos. A maioria dos assentados veio dos municípios de Carlinda, Alta Floresta e Paranaíta. Muitas pessoas vieram de garimpos, da construção civil, comércio e das fazendas. A maioria não possui muita afinidade com a terra. Inicialmente, o INCRA ajudou na abertura das estradas, mas aqueles que quiseram ocupar os lotes antes disso, entraram por picada. 20

21 II. Perspectivas para a agricultura familiar As principais atividades produtivas são o café e a pecuária. Predomina o gado de leite, mas alguns já estão optando pelo gado branco, que possui maior facilidade de comercialização. De um modo geral, a principal dificuldade apontada pelos assentados no que diz respeito ao desenvolvimento da agricultura familiar são as poucas opções de renda e a falta de incentivo. O PRONAF é reconhecido como um instrumento importante e necessário para a manutenção do agricultor no campo. Porém, os assentados são praticamente unânimes em admitir que é um recurso que deve ser bem administrado para dar resultado. Alguns ainda destacaram problemas no recebimento do benefício, especialmente no momento da aquisição do gado. Isto porque somente é permitido comprar gado de pessoas credenciadas pelo banco e o preço estava sempre acima do valor de mercado. Houve ainda certos produtos, muitas vezes não necessários, como adubo e agrotóxicos, que os assentados foram induzidos a comprar com o dinheiro do PRONAF. Predomina o gado leiteiro, que também corresponde à principal e mais segura fonte de renda das pessoas, contudo, o preço pago pelo leite ainda é muito baixo (em média R$ 0,25 centavos). A assistência técnica, prestada pela EMPAER, é percebida como ineficiente, principalmente em função do número reduzido de técnicos para a cobertura de uma área demasiado extensa. A maioria das pessoas produz arroz, mas têm dificuldade de conseguir um bom preço para a venda. Desse modo, além da produção de leite, as diárias recebidas por empreitadas nas fazendas do entorno representam outra importante fonte de renda. Observou-se também a presença marcante da pupunha em muitas propriedades, contudo, trata-se de um projeto incentivado pela EMPAER e Secretaria Municipal de Agricultura relatado como não tendo sido bem sucedido, principalmente em função das dificuldades de 21

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência

Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial. Sistema de Gestão Estratégica. Documento de Referência Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento Territorial Sistema de Gestão Estratégica Brasília - 2010 SUMÁRIO I. APRESENTAÇÃO 3 II. OBJETIVOS DO SGE 4 III. MARCO DO SGE 4 IV. ATORES

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo?

O que é o Fundo? Que diferença ele fará para SFX? Qual é o objetivo do Fundo? O que é o Fundo? O Fundo Terra Verde é uma fonte de financiamento para o desenvolvimento sustentável de São Félix do Xingu (SFX), no sudeste do Pará. Ele é um mecanismo privado e tem como objetivo captar,

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico introdução A Armadilha do Crédito Fundiário do Banco Mundial Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico abrangente sobre os programas do Banco Mundial para o campo no Brasil. O estudo foi realizado pela

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO MARANHÃO CENTRO DE CIÊNCIAS HUMANAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS CURSO DE GEOGRAFIA PRONAF BIODIESEL E O PROCESSO DE PERDA DE CREDIBILIDADE JUNTO AOS PEQUENOS PRODUTORES DE MUNICÍPIOS

Leia mais

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto

Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Projeto de Revitalização da Microbacia do Rio Abóboras Bacia Hidrográfica São Lamberto Autores: Emílio Rodrigues Versiani Junior 1 Geraldo Aristides Rabelo Nuzzi Andréa Rodrigues Fróes Resumo O Projeto

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário

Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Ambiente de Gerenciamento do PRONAF e Programas de Crédito Fundiário Janeiro - 2011 Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário

DILMA ROUSSEFF Presidenta da República. PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário MARIA FERNANDA RAMOS COELHO Secretária Executiva do Ministério do Desenvolvimento Agrário MARIA LÚCIA DE OLIVEIRA

Leia mais

EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES

EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES EXPERIÊNCIA DE ASSESSORIA TÉCNICA A COOPERATIVA AGRÍCOLA MISTA DOS PRODUTORES RURAIS DO ASSENTAMENTO NOVA VIDA LTDA (COOPERVIDA), ATRAVES DO PROGRAMA MAIS GESTÃO. Instituto de Assessoria a Cidadania e

Leia mais

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012

GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY. Oficina de Planejamento 2010-2012 GASTRONOMIA SUSTENTÁVEL - PARATY Oficina de Planejamento 2010-2012 Paraty, agosto de 2010 Objetivo da oficina Elaborar o Direcionamento Estratégico da Gastronomia Sustentável de Paraty para os próximos

Leia mais

www.assentamentosustentavel.org.br

www.assentamentosustentavel.org.br INFORMATIVO DO PROJETO ASSENTAMENTOS SUSTENTÁVEIS NA AMAZÔNIA (PAS) NÚMERO 2 SETEMBRO DE 2013 O QUE MUDOU PARA O PEQUENO PRODUTOR RURAL NA AMAZÔNIA? RESERVA LEGAL: são áreas de floresta que devem ser mantidas.

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará.

Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. TERMO DE REFERÊNCIA Diagnóstico de oportunidades de quebra de barreiras para acesso às políticas públicas da Agricultura Familiar em São Félix do Xingu, Pará. 1. Título: Diagnóstico de oportunidades para

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Categoria Voluntariado BB

Categoria Voluntariado BB Categoria Voluntariado BB Voluntário BB: Everaldo Costa Mapurunga Nome do Projeto: Sustentabilidade e Vida Entidade Apoiada: Centro Espírita O Pobre de Deus Localização: Viçosa do Ceará Ceará O Projeto

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

APRESENTAÇÃO Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS)

APRESENTAÇÃO Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS) APRESENTAÇÃO A formação dos Conselhos Municipais de Desenvolvimento Rural Sustentável (CMDRS) e a participação atuante das comunidades são imprescindíveis para o desenvolvimento rural. É função dos Conselhos

Leia mais

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta 13/12/2015 - Copyleft Ameaçado o primeiro Assentamento Agroecológico do Rio de Janeiro O mais grave é que o laudo do MPF nega a possibilidade de permanência das famílias e ignora a potencialidade ambiental

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

EMATER RS. Seminário. A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário A Extensão Rural Pública e Seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável e Mário Augusto Ribas do Nascimento Presidente da EMATER/RS Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência

Leia mais

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR.

EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. EMATER PARANÁ CONDOMÍNIOS DE INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL: UMA PROPOSTA DE MELHORAMENTO GENÉTICO EM BOVINOS DE LEITE NO MUNICÍPIO DE TOLEDO PR. Gelson Hein Médico Veterinário Unidade Local de Toledo NOVEMBRO

Leia mais

AÇAO ENCAMINHAMENTO RESPONSAVEL ORGAO PERIODO OBSERVAÇOES. 1, 2 e 3 - ITERPA e Secretaria de Terras e Patrimoniais (Prefeitura)

AÇAO ENCAMINHAMENTO RESPONSAVEL ORGAO PERIODO OBSERVAÇOES. 1, 2 e 3 - ITERPA e Secretaria de Terras e Patrimoniais (Prefeitura) OPERAÇÃO ARCO VERDE - SANTANA DO ARAGUAIA EIXO - REGULARIZAÇÃO FUNDIÀRIA AÇAO ENCAMINHAMENTO RESPONSAVEL ORGAO PERIODO OBSERVAÇOES 1 2 Presença do Estado regularização fundiária de imóveis rurais em áreas

Leia mais

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia

6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia 6 A cadeia de suprimentos da soja no Mato Grosso sob o ponto de vista dos atores da cadeia Complementando o que foi exposto sobre a gerência da cadeia de suprimentos analisada no Capítulo 3, através de

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

Orgânicos e desenvolvimento sustentável

Orgânicos e desenvolvimento sustentável Orgânicos e desenvolvimento sustentável SÉRGIO ANGHEBEN Gestor do Programa Desenvolvimento Rural Sustentável da Itaipu Binacional A princípio, gostaria de chamar atenção no quadro 1 para a área plantada

Leia mais

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório:

Você atingiu o estágio: Recomendações. NOME: MUNICIPIO: Ipiranga Data de preenchimento do guia: 2012-02-14 Data de devolução do relatório: Guia de sustentabilidade na produção de soja na Agricultura Familiar Relatório individual NOME: Prezado senhor (a), Em primeiro lugar, no nome dacoopafi, da Gebana e da Fundação Solidaridad,gostaríamos

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS

CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS CRIAÇÃO DE COOPERATIVAS ORGÂNICAS NA AMAZÔNIA E ACESSO A MERCADOS DIFERENCIADOS O Território da Transamazônica O Papel da Fundação Viver, Produzir e Preservar NOSSA MISSÃO: Contribuir para as Políticas

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

7. Atividades realizadas pelo projeto no contexto da cooperação com o Funbio. 7.1. Palestras e oficina

7. Atividades realizadas pelo projeto no contexto da cooperação com o Funbio. 7.1. Palestras e oficina 7. Atividades realizadas pelo projeto no contexto da cooperação com o Funbio As atividades do projeto abaixo indicadas são financiadas exclusivamente pelo TFCA/Funbio, sendo que aquelas referentes ao planejamento

Leia mais

Consultoria e Projetos Preparando o solo, aplicando Preparados Biodinâmicos, Produzindo as sementes e Colhendo Bons Frutos

Consultoria e Projetos Preparando o solo, aplicando Preparados Biodinâmicos, Produzindo as sementes e Colhendo Bons Frutos Consultoria e Projetos Preparando o solo, aplicando Preparados Biodinâmicos, Produzindo as sementes e Colhendo Bons Frutos Projeto MDA Ministério do Desenvolvimento Agrário Secretaria de Desenvolvimento

Leia mais

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi

Leia mais

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR

PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR PRONAF SUSTENTÁVEL PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA UNIDADE FAMILIAR ANTECEDENTES DO PRONAF SUSTENTÁVEL RESGATANDO OS OBJETIVOS DO PRONAF... Estimular o incremento ordenado dos investimentos rurais,

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV

SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV SÍNTESE BARRA DO GARÇAS RP IV Realizar projetos para destinação de resíduos sólidos * Meio Ambiente Desenvolver programas de educação ambiental Apresentar pequenos e médios projetos de recuperação (seqüestro

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

Projeto de Zoneamento Ecológico Econômico Participativo Diretrizes, estratégias e ações para a sustentabilidade

Projeto de Zoneamento Ecológico Econômico Participativo Diretrizes, estratégias e ações para a sustentabilidade 1 Projeto de Zoneamento Ecológico Econômico Participativo Diretrizes, estratégias e ações para a sustentabilidade Realização: Prefeitura de Nova Bandeirantes - MT Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA)

Leia mais

Conectando Comunidades e Mercados Questionário sobre as Famílias Diagnóstico Gurupá PA (março-abril 2008)

Conectando Comunidades e Mercados Questionário sobre as Famílias Diagnóstico Gurupá PA (março-abril 2008) Conectando Comunidades e Mercados Questionário sobre as Famílias Diagnóstico Gurupá PA (março-abril 2008) Público-alvo: Pequenos produtores agro-extrativistas do município de Gurupá Entrevistador: Data:

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS

AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS AÇÕES PARA DINAMIZAR O FUNCIONAMENTO DAS ASSOCIAÇÕES E COOPERATIVAS RURAIS Objetivo Consolidar os resultados positivos alcançados pelas associações rurais, assistidas pela EMATER e dinamizar as suas ações,

Leia mais

DADOS DE INSCRIÇÃO. ENDEREÇO: Rua José de Alencar, 445, Bairro Pereiros - Telefax: (084) 3314-7328, CEP 59600-000- Mossoró-RN

DADOS DE INSCRIÇÃO. ENDEREÇO: Rua José de Alencar, 445, Bairro Pereiros - Telefax: (084) 3314-7328, CEP 59600-000- Mossoró-RN DADOS DE INSCRIÇÃO DADOS DA INSTITUIÇÃO Nome: COOPERATIVA DE ASSESSORIA TÉCNICA E GERENCIAL PARA O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR TERRA LIVRE - CNPJ: 04.023.765/0001-06 ENDEREÇO: Rua

Leia mais

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP

ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP ELABORAÇÃO DE PLANO DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL DO MEIO RURAL DO MUNICÍPIO DE JAÚ -SP INTRODUÇÃO A Agenda 21 Local é um instrumento de planejamento de políticas públicas que envolve tanto a sociedade

Leia mais

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA

CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA CRIAÇÃO DE GALINHA CAIPIRA INTEGRADA ÀS POLÍTICAS PÚBLICAS - Brasil Sem Miséria (BSM) e Programa de Aquisição de Alimento (PAA): A EXPERIÊNCIA DE UMA FAMÍLIA SERRATALHADENSE. Serra Talhada, 2014 CRIAÇÃO

Leia mais

Saneamento Cachoeira Alta - GO

Saneamento Cachoeira Alta - GO ANEXO III INFORMAÇÕES PRELIMINARES DO MUNICÍPIO E DO PLANO DE MOBILIZAÇÃO SOCIAL Nome do Município/UF Cachoeira Alta- GO População 10.553habitantes Caracterização do sistema de saneamento Breve descrição

Leia mais

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa

PMS-MT Cartilha. Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes. Governança Funcionamento do Programa PMS-MT Cartilha Breve histórico e Abrangência Objetivos gerais e benefícios esperados Componentes Fortalecimento da gestão ambiental municipal Contexto e benefícios Tarefas Regularização ambiental e fundiária

Leia mais

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR

CONTROLE SOCIAL NA GARANTIA DA QUALIDADE DOS PRODUTOS ORGÂNICOS DA AGRICULTURA FAMÍLIAR 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( X) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA CONTROLE SOCIAL

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros

Agronegócios: conceitos e dimensões. Prof. Paulo Medeiros Agronegócios: conceitos e dimensões Prof. Paulo Medeiros Agricultura e Agronegócios Durante milhares de anos, as atividades agropecuárias sobreviveram de forma muito extrativista, retirando o que natureza

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Edital nº 001/2015 EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Contratação de pessoa física ou jurídica para prestar serviços no contexto do Projeto Noroeste: Território Sustentável, conforme descrito abaixo. O Instituto

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE

MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE MEIO AMBIENTE E SUSTENTABILIDADE Sustentabilidade significa permanecer vivo. Somos mais de 7 bilhões de habitantes e chegaremos a 9 bilhões em 2050, segundo a ONU. O ambiente tem limites e é preciso fazer

Leia mais

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA

Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar. Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Inserção da Agricultura Familiar na Alimentação Escolar Estratégia e Políticas Públicas de Apoio da SAF/MDA Objetivo da Apresentação Possibilitar a compreensão das políticas públicas relacionadas e/ou

Leia mais

Feiras livres da agricultura familiar

Feiras livres da agricultura familiar Feiras livres da agricultura familiar FEIRAS LIVRES DA AGRICULTURA FAMILIAR Tradicionalmente, a Emater MG tem participação efetiva na organização e implantação dessas feiras no Estado, desenvolvendo ações,

Leia mais

Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre

Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre Obtenção de recursos para a agricultura urbana através do Orçamento Participativo municipal: a experiência de Porto Alegre Saya Saulière - sayasauliere@hotmail.com IPES/PGU-AL Fotos: Saya Sauliére - 1:

Leia mais

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR

WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR SISTEMA WORKSHOP PARA ORIENTAÇÃO DO POSICIONAMENTO DO SETOR Associação Brasileira de Criadores de Zebu Uberaba/MG, 02 de maio de 2012 SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OBJETIVOS DO ENCONTRO:... 4 PROGRAMAÇÃO DO

Leia mais

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP

Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP Declaração de Aptidão ao Pronaf DAP É o instrumento que identifica os agricultores familiares e/ou suas formas associativas organizadas em pessoas jurídicas, aptos a realizarem operações de crédito rural

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA)

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) Ana Karolina Ferreira Corrêa Universidade Federal do Pará anageo.correa@gmail.com

Leia mais

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE

BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE BAIXO ARAGUAIA PORTAL DA AMAZÔNIA BAIXADA CUIABANA NOROESTE APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA TERRITÓRIOS RIOS DA CIDADANIA Objetivos Os Territórios TERRITÓRIOS RIOS Os Territórios Rurais se caracterizam por: conjunto

Leia mais

Palavras-chave: associações, semiárido, espaço rural. INTRODUÇÃO

Palavras-chave: associações, semiárido, espaço rural. INTRODUÇÃO 1412 OS SUJEITOS COLETIVOS NO ESPAÇO RURAL DO MUNIÍPIO DE CONCEIÇÃO DO COITÉ 1; Joselane da Rocha Brandão Edinusia Moreira Carneiro Santos 2 1. Graduada em Geografia, Universidade Estadual de Feira de

Leia mais

Relatório de Viagem. Consórcio Comunidades e Florestas / Componente 3: Mercados

Relatório de Viagem. Consórcio Comunidades e Florestas / Componente 3: Mercados Relatório de Viagem Consórcio Comunidades e Florestas / Componente 3: Mercados Período: 1 a 8 de agosto de 2007 Locais visitados: Gurupá e Porto de Moz, Pará Equipe: Simone Bauch (pesquisadora do Imazon)

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Relatório Preliminar

Relatório Preliminar Relatório Preliminar O V Seminário Nacional do Crédito Fundiário, realizado no período de 11 a 14 de dezembro de 2012, em Pirenópolis-Go, teve por objetivos a avaliação de propostas e a construção de estratégias

Leia mais

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil.

A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. A transição Agroecológica da Cajucultura familiar no Município de Barreira, Ceará, Brasil. GIRÃO, Enio G. Eng. Agrônomo, Embrapa Agroindústria Tropical, Fortaleza CE, enio@cnpat.embrapa.br; OLIVEIRA, Francyálisson

Leia mais

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS

PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010. PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS PROJETO TÉCNICO SAF/ATER 120/2010 PROJETO ATER - DESENVOLVIMENTO Rural Inclusivo e Sustentável Região da Grande Dourados, MS Propósito da Coopaer Identificar problemas oriundos da Cadeia produtiva leite;

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA

MOC 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA 10. CRONOGRAMA DE EXECUÇÃO DE ATIVIDADES - COMUNIDADE NOSSA SENHORA APARECIDA EIXO Macroação ATIVIDADES Compor a equipe técnica com experiências no trabalho de desenvolvimento de comunidade. Identificar

Leia mais

Pesquisa Pantanal. Job: 13/0528

Pesquisa Pantanal. Job: 13/0528 Pesquisa Pantanal Job: 13/0528 Objetivo, metodologia e amostra Com objetivo de mensurar o conhecimento da população sobre o Pantanal, o WWF solicitou ao Ibope um estudo nacional para subsidiar as iniciativas

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 15 de julho de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 15 de julho de 2015. Clipping de notícias Recife, 15 de julho de 2015. Cepe Recife, 15 de julho de 2015. 14/07/2015 ATÉ QUE ENFIM: 'Secretaria de Agricultura de Tabira instala balança no Curral do Gado' O prefeito de Tabira,

Leia mais

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN A AGRICULTURA FAMILIAR, AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJOVEM CAMPO E O CONTEXTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA NO MUNICÍPIO DE LINDOESTE - PR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca

Leia mais

Consulta Pública Ambiental. Experiências e resultados CICLO 2014

Consulta Pública Ambiental. Experiências e resultados CICLO 2014 Consulta Pública Ambiental Experiências e resultados CICLO 2014 www.sosma.org.br São Paulo/Brasil www.ipm.org.br São Paulo/Brasil Consulta Pública Ambiental Apresentação da metodologia A Consulta Pública

Leia mais

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC)

Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC. Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Serviço Nacional de Aprendizagem Rural Serviço Nacional de Aprendizagem Rural PROJETO FIP-ABC Produção sustentável em áreas já convertidas para o uso agropecuário (com base no Plano ABC) Descrição do contexto

Leia mais

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro

Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Marketing Estratégico no Agronegócio Brasileiro Prof. Adriano Alves Fernandes DCAB - Departamento de Ciências Agrárias e Biológicas CEUNES - Universidade Federal do Espírito Santo 1- Introdução Uma grande

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica

Pólos da Paz e Praças da Paz SulAmérica A iniciativa O projeto Praças é uma iniciativa do Instituto Sou da Paz, em parceria com a SulAmérica, que promove a revitalização de praças públicas da periferia de São Paulo com a participação da comunidade

Leia mais

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316

IV Congresso Brasileiro de Mamona e I Simpósio Internacional de Oleaginosas Energéticas, João Pessoa, PB 2010 Página 316 Página 316 ALGODÃO ORGÂNICO: DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E PROMOÇÃO DA SUSTENTABILIDADE NO MUNICÍPIO DE REMÍGIO PB Luciana Gomes da Silva 1, Perla Joana Souza Gondim 2, Márcia Maria de Souza Gondim 2, Rosemare

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

Prefeitura Municipal de Itapemirim GABINETE DA PREFEITA

Prefeitura Municipal de Itapemirim GABINETE DA PREFEITA DECRETO N. 5109, DE 05 JULHO DE 2011. Regulamenta as Leis Municipal nrs. 2.067/2007 e 2.425/2011 as quais dispõe sobre o Programa de Atendimento ao Produtor Rural, Pró-Rural, e dá outras providências.

Leia mais

ANÁLISE DA REDE SOCIAL DAS FAMÍLIAS PARTICIPANTES DO PROJETO DE CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI.

ANÁLISE DA REDE SOCIAL DAS FAMÍLIAS PARTICIPANTES DO PROJETO DE CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI. ANÁLISE DA REDE SOCIAL DAS FAMÍLIAS PARTICIPANTES DO PROJETO DE CARBONO NO CORREDOR DE BIODIVERSIDADE EMAS TAQUARI Desenvolvido por: E Data: 26/07/2011 Resumo O presente relatório visa apresentar os resultados

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais