O Microempreendedor Individual (MEI) Receita Federal - Vitória da Conquista - Bahia

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O Microempreendedor Individual (MEI) Receita Federal - Vitória da Conquista - Bahia"

Transcrição

1 O Microempreendedor Individual (MEI) Receita Federal - Vitória da Conquista - Bahia

2 1. Criado pela LC nº 128/ Vigência: 01/07/ Objetivos: - Legalizar o pequeno empresário informal; - Dar cobertura previdenciária a esses empresários.

3 4. Público-alvo do MEI: - Ambulantes - Alfaiates - Costureiras -Pedreiros - Eletricistas - Contabilistas - Açougueiros - Cabeleireiros - Borracheiros -Chaveiros - Encanadores e etc 3

4 5. Definição de MEI - Empresário individual; - Receita bruta: - R$ 36 mil (por ano) - R$ 3 mil (por mês) - Optante pelo Simples Nacional; - Só pode exercer atividades do Anexo Único da Resolução CGSN nº 58/2009; - Sem filiais; - Não pode participar de outra empresa; - Ter, no máximo, um único empregado que receba o salário mínimo ou piso salarial categoria profission. 4

5 6. Os sete requisitos são essenciais. 7. Não há opção pelo MEI. 8. Não existe MEI fora do Simples Nacional. 9. Todo MEI é microempresa. 5

6 10. O MEI será tributado: a) pelo Simei, caso opte por esse Sistema; ou b) pelas regras do Simples Nacional, caso não opte pelo Simei. 6

7 11. Definição de Simei a) MEI paga valor fixo mensal: de 51,15 a 57,15: - Contrib. Previd. Empresário...R$ 51,15(*) - ICMS, se contribuinte...r$ 1,00 - ISS, se contribuinte...r$ 5,00 Valor do Simei...R$ 57,15 (*) corresponde a 11% do salário mínimo. b) independe da receita bruta mensal auferida. c) recolhe em um único DASMEI. 7

8 12. Só o MEI pode optar pelo Simei. 13. Todo MEI tem o direito assegurado de optar pelo Simei. 8

9 14. Direitos previdenciários do MEI: a) Aposentadoria: idade, tempo contribuição, invalidez e especial. b) Auxílio-doença e salário-maternidade. c) Não tem direito: aux-acidente e sal-familia. d) Aposent. tempo contrib.: complement. 9%. 9

10 15. Direitos previdenciários dependentes MEI a) Pensão por morte. b) Auxílio-reclusão. 10

11 16. Geração e Impressão do DASMEI a) Será em aplicativo no Portal do Simples Nacional ou do Empreendedor Individual; b) Acesso será livre e ilimitado; c) Poderá gerar e imprimir um, alguns ou todos; d) Fora do prazo: calcula juros e multa. 11

12 17. Determinação do valor do Simei (DASMEI) a) Confronto: CNAE do CNPJ X Tabela. b) Valor do Simei será fixo durante todo o ano. c) A alteração da CNAE não altera valor do Simei durante o ano. 12

13 18. Data de Vencimento a) Simei: em DAS, até o dia 20 do mês subsequente. b) Complementação de 9%: em GPS, até o dia 15 do mês subsequente. 13

14 18. Data de Vencimento c) Quota patronal (3%): em GPS, até o dia 20 do mês subsequente. d) Quota empregado (8%): em GPS, até o dia 20 do mês subsequente. 14

15 19. Existem três tipos de MEI: a) MEI optante pelo Simei sem empregado; b) MEI optante pelo Simei com um único empregado que receba o salário mínimo ou o piso salarial da categoria profissional; c) MEI não optante pelo Simei. 15

16 20. O MEI optante pelo Simei sem empregado: a) Pagará por mês: - Simei: R$ 51,15; 52,15; 56,15 ou 57,15. - Complementação: 9% (facultativo). b) Não pagará IRPJ, IPI, PIS, Cofins e CSLL; c) Dispensado de entregar a GFIP. 16

17 21. O MEI optante pelo Simei com um único empregado: a) Pagará por mês: - Simei: R$ 51,15; 52,15; 56,15 ou 57,15; - Complementação: 9% (facultativo); - Contribuição patronal (CPP): 3%; - Contribuição empregado: 8%. b) Não pagará IRPJ, IPI, PIS, Cofins e CSLL; c) Dispensado de entregar a GFIP. 17

18 22. Ingresso no Simei - Características a) Opcional; b) Irretratável durante todo o ano-calendário; c) Não paga IRPJ, PIS, Cofins, CSLL, IPI e, se não tiver empregado, a CPP. 18

19 23. Ingresso no Simei Local e Prazo a) Para 2º semestre 2009: - Local: Portal do Empreendedor. - Prazo: Simultaneamente ao registro na Junta, à inscrição CNPJ e opção pelo SN. (só para PJ em constituição no 2º sem. 2009) 19

20 23. Ingresso no Simei Local e Prazo b) A partir de 2010: b. 1) PJ em constituição - Local: Portal do Empreendedor. - Prazo: Simultaneamente ao registro na Junta, à inscrição CNPJ e opção pelo SN. 20

21 23. Ingresso no Simei Local e Prazo b) A partir de 2010: b. 2) PJ já constituída: - Local: Portal do Simples Nacional. - Prazo: só em janeiro, até seu último dia útil. 21

22 24. Portal do Empreendedor a) b) Responsabilidade: MDIC/DNRC; c) UF atuais: DF, SP, MG e RJ; d) Demais UF: a adesão ocorrerá na medida que a Junta tiver condicões técnicas. 22

23 25. Atendimento gratuito pelos escritórios de contabilidade optantes pelo Simples Nacional e suas entidades representativas: a) orientar o empresário; b) executar todos os serviços necessários à legalização do empresário; c) preencher e transmitir a primeira DASN. 23

24 26. Outras entidades poderão participar do processo de legalização do MEI: - enviar ao CGSIM comunicando a intenção; informar no - identificação; - endereço completo; - horário de funcionamento; - fones e . 24

25 27. Procedimento para Legalização (Etapas) a) Verificações preliminares b) Portal da RFB - Obter código acesso situação fiscal PF. c) Portal do Empreendedor - Cadastramento no Portal. - Reserva do Nome Empresarial. - Preenchimento e transmissão do Coletor Nacional. d) Envio da documentação à Junta Comercial 25 e) Junta Comercial

26 28. Verificações Preliminares O empresário consultará à Prefeitura, escritórios contabilidade optantes pelo Simples Nacional ou Sebrae se: a) a atividade poderá ser exercida no endereço pretendido; b) a atividade requer licença da vigilância sanitária, bombeiros, ambiental etc. 26

27 29. Portal da RFB - Obter código de acesso PF a) Endereço: b) Serviço: Cidadão>Pesquisa de Situação Fiscal>Gerar código de acesso para PF. c) Dados do empresário necessários: CPF, data nascimento e caracteres anti-robôs. 27

28 29. Portal da RFB - Obter código de acesso d) Se titular de DIRPF/2009 e/ou DIRPF/2008, sistema: - exige código do recibo de entrega; - pede para criar e informar uma senha; - pede para repetir a senha; - gera código de acesso (12 algarismos). 28

29 29. Portal da RFB - Obter código de acesso e) Se não titular de DIRPF/2009 e nem de DIRPF/2008, sistema: - exige título eleitoral; - pede para criar e informar uma senha; - pede para repetir a senha; - gera código de acesso (12 algarismos). 29

30 29. Portal da RFB - Obter código de acesso f) Com isso, o empresário obtém dois códigos de acesso: - código de acesso PF da RFB; - senha RFB. g) Estes dois códigos servirão para acesso ao Coletor Nacional. 30

31 29. Portal da RFB - Obter código de acesso g) Se extraviar o código/senha ou esquecê-los, poderá obter novo código e criar nova senha. 31

32 30. Portal do Empreendedor Cadastramento a) Para iniciar o procedimento, clique em Escolha o Nome da Empresa. b) Clique em Ainda não sou cadastrado. 32

33 30. Portal do Empreendedor Cadastramento c) Informa: - Nome completo, CPF e (obrigató.); - Telefone (facultativo). d) Usuário recebe contendo o link Ativar Cadastro. 33

34 30. Portal do Empreendedor Cadastramento e) Usuário clica no link Ativar Cadastro. f) Sistema envia novo para o usuário contendo a seguinte chave de acesso à reserva do Nome Empresarial: - do usuário; - senha (cinco algarismos), passível de alteração. 34

35 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE a) Nome empresarial é aquele sob o qual o empresário e a sociedade empresária exercem suas atividades e se obrigam nos atos a elas pertinentes. 35

36 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE b) Existem três tipos de NE: - a firma individual (ou razão individual); Ex: José Antônio da Silva - a firma social (ou razão social); Ex: Pedro, Francisco & Cia LTDA - a denominação. Ex: Casa Alfa LTDA 36

37 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE c) Empresário individual firma individual: - só nome civil do empresário; - acrescentar elemento diferenciador. 37

38 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE d) O NE atenderá aos princípios: - da veracidade (objeto e sócio); - da novidade. e) Reserva é um compromisso de aprovar, de proteger o NE. 38

39 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE f) A reserva do NE é válida por 8 dias úteis. g) Proteger um NE é impedir que outro o utilize. h) A proteção do NE decorre do registro do ato. 39

40 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE i) Para iniciar o procedimento, clicar sobre o serviço Escolha o Nome da Empresa. j) Informe no item Acesso Restrito a chave obtida no cadastramento: - ; - senha (cinco algarismos). 40

41 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE k) Selecione: - a natureza jurídica: empresário individual; - a finalidade da pesquisa: inscrição de empreendedor individual; - a Junta Comercial: a da sede da empresa. 41

42 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE l) Informe os seguintes dados do empresário: - Nome civil completo (sem abreviações); - Documento de identificação: - Número; - Órgão expedidor; -UF -CPF. 42

43 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE m) Facultativamente, usuário poderá acrescentar elemento diferenciador ao nome empresarial (apelido, atividade, cidade), com o objetivo de reduzir a possibilidade de haver nome empresarial igual registrado. 43

44 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE n) Sistema gera algumas alternativas de nome empresarial. o) Usuário posiciona os nomes empresariais na ordem do seu maior interesse (usa setas). 44

45 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE p) Usuário clica em Pesquisar. q) Sistema verifica: - se CPF não participa de PJ com natureza jurídica impeditiva (no âmbito nacional DNRC); - se NE escolhido pertence a alguma empresa (no âmbito da UF Junta). 45

46 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE r) Se houver pendência, sistema informa ao usuário. 46

47 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE s) Se não houver pendência, sistema gera Comprovante de Reserva contendo: - nova chave de acesso: - Nº do Recibo; - Nº da Inscrição. - data de validade da reserva do NE; - outras informações. 47

48 31. Portal do Empreendedor Reserva do NE t) Usuário imprime o Comprovante de Reserva e guarda-o. u) O NE deferido não poderá, dentro do prazo de 8 dias úteis: - ser alterado pelo usuário; - ser utilizado por outra empresa. 48

49 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional a) O Coletor Nacional é um formulário eletrônico que serve para o usuário digitar os dados de interesse: - da Junta Comercial; - da RFB; - do INSS; - do Estado e Município, desde que estejam no Cadsin. 49

50 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional b) Prazo para preencher e transmitir: 8 dias úteis (dentro do prazo da reserva do NE). 50

51 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional c) Coletor Nacional exige seguinte chave de acesso: - código de acesso situação fiscal PF RFB: - código de acesso PF; - senha. - código de acesso da reserva do NE: - número do recibo; - número de identificação. 51

52 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional d) O Coletor Nacional: - só serve para a inscrição do MEI; - não serve para alterar ou baixar; -éon line; - permite salvar parcialmente; - permite verificar pendências; - gera resumo do preenchimento. 52

53 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional e) O preenchimento não oferece dificuldades. f) Para transmitir as informações, clicar em Finalizar Preenchimento. 53

54 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional g) Ao finalizar preenchimento, sistema verifica: - no âmbito do INSS: - se NIT existente na base tem óbito; - se CPF é menor de 16 anos; - se data de nascimento é inválida. 54

55 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional h) Ao finalizar preenchimento, sistema verifica: - no âmbito da RFB: - se CPF pertence à base CPF; - se CPF não está cancelado ou nulo; - se CPF não participa de PJ com natureza jurídica impeditiva; - se CNAE é permitida ao MEI. 55

56 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional i) Havendo pendências, sistema mostra ao usuário as pendências. 56

57 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional j) Não havendo pendências, sistema gera: - NIT definitivo, caso não o tenha; - Nire provisório; - CNPJ provisório; - IE e/ou IM provisórias, caso seja Cadsin; - RE/Declarações provisório; - Deme provisória; - Certificado da Condição de MEI (CCEI). 57

58 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional k) Ao finalizar o preenchimento, o sistema gerará um Recibo de Entrega contendo: - nº do recibo e nº de identificação; - nº do CNPJ; - link para o RE e a Deme; - outras informações e instruções. 58

59 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional l) Não haverá DBE nem Protocolo. m) Importante: o empresário poderá iniciar suas atividades imediatamente após a obtenção do Nire e do CNPJ. 59

60 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional n) O contador: - imprime RE/Declarações provisório; - imprime Deme provisório; - tira cópia do documento de identidade do empresário no verso do RE/Declaração. o) Empresário assina RE/Declarações e Deme. 60

61 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional p) No RE/Declarações existem dois tipos de assinaturas: - assinatura da firma pelo empresário: assinar o nome empresarial; - assinatura do empresário: assinar conforme documento de identificação. 61

62 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional q) O RE/Declarações conterá: -RE; - declaração da opção pelo Simples Nacio; - declaração da opção pelo Simei; - declaração que não incorre em vedação ao Simples Nacional; - cópia da Cart. Identificação no verso é fiel; - Termo com Efeito de Alvará Provisório; - código de barras. 62

63 32. Portal do Empreendedor Preenchimento e Transmissão do Coletor Nacional r) Após gerar Nire e CNPJ, sistema disponibiliza no Portal do Empreendedor o Certificado da Condicão de MEI (CCEI): - consulta pública; - é a carteira de identidade do MEI. 63

64 33. Entrega dos Documentos à Junta a) Prazo de entrega: 60 dias contados da data da transmissão do Coletor Nacional. b) Local de entrega: exclusivamente na sede da Junta Comercial em Salvador (Rua Miguel Calmon, 28, Comércio, CEP ). 64

65 33. Entrega dos Documentos à Junta c) Como entregar: pelos Correios ou pessoalmente. d) Quem pode entregar: qualquer pessoa (não há necessidade de procuração). - Não precisa de capa de processo; - Haverá recibo do protocolo. 65

66 33. Entrega dos Documentos à Junta e) Documentos: - RE/Declarações (cópia doc.ident no verso); - Deme; - Procuração com poderes específicos, no caso de procurador; - instrumento público: se empresário não alfabetizado ou sem poder assinar; - instrumento particular: reconhecer firma. 66

67 33. Entrega dos Documentos à Junta e) Documentos: - Prova da emancipação, se 16 a 18 anos; - Se empresário for estrangeiro: - Se português: CIE + Portaria MJ; - Se uruguaio ou argentino: CIE + prova de residência temporária (consulado ou PF); - Outras nacionalidades: CIE + prova do visto permanente + prazo validade. 67

68 34. Junta Comercial a) Se a documentação não chegar na Junta dentro de 60 dias: - Nire, CNPJ, RE, Deme, alvará, IE e IM serao anulados automaticamente; - Anulações terão efeito ex tunc ; - Motivos serão divulgados na internet; - Começar tudo. 68

69 34. Junta Comercial b) Se a documentação chegar na Junta dentro de 60 dias e tudo OK: - Nire, CNPJ, RE,Deme, alvará, IE e IM serão confirmados; - Sistema aguarda prazo de 180 dias para os municípios se pronunciarem acerca do alvará provisório: - Se OK ou silêncio: converte em definitiva; - Se NOK: inscrições são anuladas. 69

70 34. Junta Comercial c) Se a documentação chegar na Junta dentro de 60 dias e algo NOK: - Nire, CNPJ, DE, Deme, alvará, IE e IM serão anulados; - anulações terão efeito ex tunc; - motivos serão divulgados na internet; - começar tudo. 70

71 35. Inscrição do MEI nos Estados e Municípios não integrantes do Cadsin a) RFB disponibilizará no início de cada mês no Portal do Simples Nacional arquivos de optantes pelo Simei do mês anterior; 71

72 35. Inscrição do MEI nos Estados e Municípios não integrantes do Cadsin b) Estados e Municípios: - baixam os arquivos (certificado digital); - inscrevem de ofício os MEI; - dão ciência da inscrição ao MEI ou MEI comparece ao órgão do Estado ou Município. 72

73 36. O sistema permite que o empresário a qualquer momento tenha acesso ao andamento do seu processo de legalização. 73

74 37. As Prefeituras poderão instituir crachás de identificação do MEI e do seu empregado, contendo: - nome órgão emitente; - foto do MEI ou do seu empregado; - nome; - número alvará funcionamento; - ocupação; - local onde exercerá sua atividade; - etc. 74

75 38. Resumo dos Prazos: a) 8 dias úteis: - validade da reserva do NE; - preencher e transmitir o Coletor Nacional (CNEI). b) 60 dias corridos contados da transmissão do CNEI: - entregar documentação na Junta. c) 180 dias corridos contados da transmissão do CNEI: - Municípios se pronunciarem acerca do Alvará. 75

76 39. Resumo do Alvará: a) Sistema gera Alvará Provisório (no RE); b) MEI pode entrar em atividade imediatamente após obter o Nire e o CNPJ; c) Prazo de 180 dias: - se município se pronunciar contra: anula Nire, CNPJ, Alvará, IE e IM. - se município se silencia: alvará provisório se converte em alvará definitivo. 76

77 40. Obrigações e Desobrigações a) Emissão de documentos fiscais: - dispensado para PF; - obrigado para inscritos no CNPJ. b) Obrigado guardar documentos fiscais de compra e de venda. 77

78 40. Obrigações e Desobrigações c) Dispensado de todos os livros contábeis e fiscais. d) Comprovará a receita em formulário específico. 78

79 40. Obrigações e Desobrigações e) Retenção na fonte do ISS: - não retém; - não sofre retenção. f) Retenção na fonte do INSS (11%): - retém; - sofre retenção (casos excepcionais). 79

80 40. Obrigações e Desobrigações g) Dispensado de DIRPF (titular). h) Obrigado entregar: - GFIP (1 empregado); - Rais e Caged; - Dirf, quando cabível; - DASN. 80

81 40. Obrigações e Desobrigações i) Retenção na fonte do IRPJ, PIS, Cofins e CSLL: - retém; - não sofre retenção. j) Dispensado de DCTF e Dacon. 81

82 40. Obrigações e Desobrigações k) Está sujeito ao: - IR aplicações financeiras; - IR ganho de capital; -II, PIS, Cofins, IPI, ICMS e ISS incidentes na importação de bens e serviços. 82

GUIA PRÁTICO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI

GUIA PRÁTICO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI GUIA PRÁTICO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI 2009 APRESENTAÇÃO O Guia Prático do Microempreendedor Individual MEI - é uma publicação da FENACON e dos sindicatos que fazem parte do Sistema SESCAP/SESCON.

Leia mais

I Seminário do Simples Nacional no Estado da Bahia

I Seminário do Simples Nacional no Estado da Bahia I Seminário do Simples Nacional no Estado da Bahia O Microempreendedor Individual Receita Federal do Brasil - Vitória da Conquista - Bahia 05/06/2009 1. É novidade no Direito brasileiro. 2. Vigência: 01/07/2009.

Leia mais

Videoconferência do Simples Nacional. José Carlos Britto Receita Federal IAT - Salvador, 07/10/2011

Videoconferência do Simples Nacional. José Carlos Britto Receita Federal IAT - Salvador, 07/10/2011 Videoconferência do Simples Nacional José Carlos Britto Receita Federal IAT - Salvador, 07/10/2011 O Portal do Simples Nacional na Internet 1. Endereço eletrônico www8.receita.fazenda.gov.br/simplesnacional

Leia mais

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009

Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Procedimentos para Legalização e Inscrição do MEI Resolução CGSIM nº 2 de 01.07.2009 Perguntas e respostas Atualizado até 15/07/2009 MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL PERGUNTAS E RESPOSTAS (Resolução CGSIM

Leia mais

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL

MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Conheça as condições para recolhimento do Simples Nacional em valores fixos mensais Visando retirar da informalidade os trabalhadores autônomos caracterizados como pequenos

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente blogdosempreendedores.com.br facadiferente.sebrae.com.br contabilidadeschmitt.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae,

Leia mais

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual

Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Orientações sobre Micro Empreendedor Individual Micro Empreendedor individual Definição Microempreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno empresário.

Leia mais

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

EMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMPREENDEDOR INDIVIDUAL Oportunidade de regularização para os empreendedores individuais, desde a vendedora de cosméticos, da carrocinha de cachorro-quente ao pipoqueiro. 2 Empresas em geral Microempresas

Leia mais

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Organização: Patrícia Bianchi Machado, membro da Secretaria Executiva do Comitê Gestor do Simples Nacional V 3.0 06.12.2012

Leia mais

Sumário. Alerta às empresas de serviços contábeis... 3

Sumário. Alerta às empresas de serviços contábeis... 3 Sumário Atualizada em 19.08.2009 Alerta às empresas de serviços contábeis... 3 Das disposições preliminares... 4 1. Quem deve observar a resolução?... 4 2. Como se caracteriza o MEI?... 4 Diretrizes...

Leia mais

VIDEOCONFERÊNCIA AÇÕES DO ESTADO PERANTE O MEI 20/04/2010

VIDEOCONFERÊNCIA AÇÕES DO ESTADO PERANTE O MEI 20/04/2010 VIDEOCONFERÊNCIA AÇÕES DO ESTADO PERANTE O MEI 20/04/2010 1 MEI-MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL EMBASAMENTO LEGAL: MEI - é o empresário individual definido no art. 966 do Código Civil - Lei 10.406/2002; Art.18-A,

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual

Apresentação. Torne-se um Empreendedor Individual e traga para o seu negócio todos os benefícios da formalização. Guia do Empreendedor Individual Apresentação Muitos brasileiros trabalham informalmente por conta própria, ou seja, não têm nenhum tipo de registro. E por isso ficam sem acesso a diversos benefícios, como a Previdência Social, cursos

Leia mais

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa

MANUAL DO PGMEI. 1 Introdução. 1.1 Apresentação do Programa PGMEI PGMEI Pág. 1 MANUAL DO PGMEI 1 Introdução 1.1 Apresentação do Programa O Programa Gerador do Documento de Arrecadação do Simples Nacional para o Microempreendedor Individual (PGMEI) é um sistema

Leia mais

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) MANUAL DO PROCESSO ELETRÔNICO DE INSCRIÇÃO DO MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Organização: Patrícia Bianchi Machado, membro da Secretaria Executiva do Comitê Gestor do Simples Nacional V 1.01-05.02.2010

Leia mais

TUTORIAL DE REGISTRO NO PORTAL DO EMPREENDEDOR

TUTORIAL DE REGISTRO NO PORTAL DO EMPREENDEDOR TUTORIAL DE REGISTRO NO PORTAL DO EMPREENDEDOR Tela inicial do Portal do Empreendedor O Portal do Empreendedor concentra os esclarecimentos e procedimentos para formalização do empreendedor individual.

Leia mais

MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016

MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016 MANUAL DO PGMEI Versão Janeiro/2016 PGMEI Pág. 1 ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO... 3 1.1 APRESENTAÇÃO DO PROGRAMA... 3 1.2 OBJETIVO DO PROGRAMA... 3 1.3 A QUEM SE DESTINA... 3 1.4 TRIBUTOS ABRANGIDOS PELO SIMEI...

Leia mais

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI?

1. Qual o significado da sigla MEI? 2. Qual é a definição de MEI? 3. Quem pode se enquadrar como MEI? FAQ -MEI 1. Qual o significado da sigla MEI? R: MEI é a sigla utilizada para Micro Empreendedor Individual 2. Qual é a definição de MEI? R: O MEI é o empresário individual a que se refere o art. 966 do

Leia mais

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009.

FORMALIZAÇÃO formalização será feita pela internet no endereço no endereço www.portaldoempreendedor.gov.br, a partir de 01/07/2009. M.E.I. (Micro empreendedor Individual) Lei Complementar numero 128 de 19 de dezembro de 2008. Considera-se MEI o empresário individual a que se refere o art. 966 da Lei nº 10.406, de 10 de janeiro de 2002

Leia mais

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1. NOÇÕES GERAIS MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1.1. O que é Micro Empreendedor Individual? É o contribuinte que tenha auferido receita bruta no ano calendário

Leia mais

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI

MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1. NOÇÕES GERAIS MICRO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI 1.1. O que é Micro Empreendedor Individual? É o contribuinte que tenha auferido receita bruta no ano calendário

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA

PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA PROCEDIMENTOS PARA ENCERRAR UMA EMPRESA Equipe Portal de Contabilidade Para encerrar as atividades de uma empresa, é preciso realizar vários procedimentos legais, contábeis e tributários, além de, é claro,

Leia mais

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008.

Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. 1 - INTRODUÇÃO. nº 123/2006, com a redação dada pela Lei Complementar nº 128/2008. Trabalhistas MICROEMPREENDEDOR - Alterações INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 11/04/2011. Sumário: 12 Conceito Introdução 3.1 - Tributação

Leia mais

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual

Lei Geral da Micro e Pequena Empresa Empreendedor Individual 10/07 12/08 07/09 12/06 03/07 03/07 07/07 09/07 09/07 Sanção da Lei Geral da MPE (re)fundação da Frente Parlamentar da MPE Criação da subcomissão Permanente da MPE Entrada em vigor do Simples Nacional

Leia mais

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009

MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 MATERIAL EXTRAIDO DA REVISTA SEMANA COAD Nº 19 PG. 285 / 2009 Informativo 19 - Página 285 - Ano 2009 ORIENTAÇÃO MEI MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL Opção pelo SIMEI Conheça as condições para recolhimento

Leia mais

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP)

CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) CARTILHA TIRA - DÚVIDAS (Elaborada por Bel Contabilidade Eireli EPP) Edição 2013 01) O que é Microempreendedor Individual - MEI? Considera-se Microempreendedor Individual - MEI o empresário individual

Leia mais

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária

Receita Federal do Brasil. Lei Complementar 128. Alterações na Legislação Previdenciária Lei Complementar 128 Alterações na Legislação Previdenciária Microempreendedor Individual MEI Conceito: É o empresário individual, referido no art. 966 do Novo Código Civil, que tenha auferido receita

Leia mais

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO

Abrir uma empresa PRÉ-CONSTITUIÇÃO Abrir uma empresa As três formas jurídicas mais utilizadas são as Empresas de Sociedade Simples, Sociedade Empresária e Empresário Individual, é nelas que eu vou me basear para mostrar os procedimentos

Leia mais

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil.

Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Acredite no seu trabalho que o Brasil acredita em você. Ministério do Desenvolvimento, Confiança no Brasil. Indústria É assim que e Comércio a gente segue Exterior em frente. Introdução Atualmente, muitos

Leia mais

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham!

2ª Etapa 2009 a 2011. EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! 2ª Etapa 2009 a 2011 EI - Empreendedor Individual Profissionalizar para prosperar. Aqui, todos ganham! Benefícios para o Setor de Agenciamento de Viagens Com a Lei Complementar 128/08 - que alterou o Estatuto

Leia mais

Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? Faturar até R$ 36 mil por ano;

Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? Faturar até R$ 36 mil por ano; cultura 1. Quais as condições necessárias para que eu me cadastre como empreendedor individual? 2. Faturar até R$ 36 mil por ano; Não participar de outra empresa, como sócio ou titular; Trabalhar sozinho

Leia mais

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI

Manual. Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Manual Declaração Anual Simplificada para o Microempreendedor Individual DASN - SIMEI Sumário DASN-SIMEI 1. Definições...2 2. Acesso à Declaração...3 3. Apresentação do Programa...3 4. Requisitos Tecnológicos...4

Leia mais

PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA

PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA PASSO A PASSO PARA A EMISSÃO DA NOTA CARIOCA 1º PASSO Certificado Digital ou Senha Web? Existem duas formas de acessar o sistema para a emissão da NFS-e, uma com o Certificado Digital e a outra pela Senha

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010)

RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010) RESOLUÇÃO Nº 16, DE 17 DE DEZEMBRO DE 2009 (consolidada com as alterações da Resolução CGSIM nº 17/2010) Dispõe sobre o procedimento especial para o registro e legalização do Microempreendedor Individual.

Leia mais

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO

TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO TÍTULO: MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - A IMPORTÂNCIA DA FORMALIZAÇÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: CIÊNCIAS CONTÁBEIS INSTITUIÇÃO: FACULDADE ANHANGUERA DE RIO CLARO AUTOR(ES):

Leia mais

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações

MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI - Aspectos Previdenciários e Trabalhistas - Alterações Matéria atualizada com base na legislação vigente em: 20/08/2014. Sumário: 1 - Introdução 2 - Conceito 3 - Opção

Leia mais

Simples Nacional MicroEmpreendedor Individual (MEI)

Simples Nacional MicroEmpreendedor Individual (MEI) MEI Simples Nacional MicroEmpreendedor Individual (MEI) MEI: Definição É considerado MEI (Microempreendedor Individual) o contribuinte que cumpra os requisitos dispostos na Lei Complementar 123/2006, alterada

Leia mais

Lei Complementar 128 / 2008 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI)

Lei Complementar 128 / 2008 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) Lei Complementar 128 / 2008 MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL (MEI) É o empresário individual (sem sócio) que tenha auferido receita bruta anual de até R$ 36.000,00. (Faturamento médio de R$ 3 mil/mês) O Microempreendedor

Leia mais

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM

OBRIGAÇÕES FISCAIS SOCIAIS DA APM COMUNICADO FDE / DRA Nº 001/2015 OBRIGAÇÕES FISCAIS E SOCIAIS DA APM 2 0 1 5 Página 1 de 9 O objetivo deste texto é informar aos dirigentes das Associações de Pais e Mestres APMs de Escolas Estaduais conveniadas

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DO QUARAÍ SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA

PREFEITURA MUNICIPAL DA BARRA DO QUARAÍ SECRETARIA MUNICIPAL DE FAZENDA SIMPLES MUNICIPAL (LEI MUNICIPAL Nº 1.273/2010) SUMÁRIO Apresentação 03 O que é o Simples Municipal 03 Quem coordena o Simples Municipal 03 Do Registro e Legalização de Empresas 04 Do Alvará 04 Da Sala

Leia mais

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 26

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 26 Requerimento Eletrônico Página 1 / 26 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO... 4 Novo Requerimento... 5 Dados da Pessoa Jurídica... 7 Qualificação dos Sócios e Administradores

Leia mais

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 21

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 21 Requerimento Eletrônico Página 1 / 21 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO... 4 Novo Requerimento de Constituição... 5 Dados da Pessoa Jurídica... 7 Qualificação dos Sócios e

Leia mais

Ficha Técnica Copyright 2010 by Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas

Ficha Técnica Copyright 2010 by Sebrae - Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas A I U G OLE R T N TO O N C E DE AM R R O U D T DE FA N O E D RE E P L M A E L U A D I U DO V N I IND ÇÃO A A RA D A A L IC DEC MPLIF SI BRASÍLIA 2010 Ficha Técnica Copyright 2010 by Sebrae - Serviço Brasileiro

Leia mais

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 51

REQUERIMENTO ELETRÔNICO. Requerimento Eletrônico. Página 1 / 51 Requerimento Eletrônico Página 1 / 51 ÍNDICE INTRODUÇÃO... 3 REQUERIMENTO ELETRÔNICO DE CONSTITUIÇÃO... 4 Novo Requerimento de Constituição... 5 Dados da Pessoa Jurídica... 7 Qualificação dos Sócios e

Leia mais

SIMPLES NACIONAL. Panorama para 2010

SIMPLES NACIONAL. Panorama para 2010 SIMPLES NACIONAL Panorama para 2010 SILAS SANTIAGO Rio de Janeiro, 14 de janeiro de 2010. Fundamentação legal Histórico: Fundamentação legal Estatuto Nacional da Microempresa e da Empresa de Pequeno Porte

Leia mais

Microempreendedor Individual Aspectos Tributários

Microempreendedor Individual Aspectos Tributários Microempreendedor Individual Aspectos Tributários SILAS SANTIAGO Vitória, 28 de julho de 2009. Gestão do Simples Nacional Gestão do Simples Nacional Comitê-Gestor do Simples Nacional (CGSN) órgão colegiado

Leia mais

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM

CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM CARTILHA INSCRIÇÃO MUNICIPAL E REDESIM 1- ATRAVÉS DA REDESIM PORTAL REGIN 1.1 -SOLICITAÇÃO DE INSCRIÇÃO MUNICIPAL ( EMPRESA SEM REGISTRO NA JUCEB) PASSO 1: PEDIDO DE VIABILIDADE DE INSCRIÇÃO A empresa

Leia mais

Quem tem conhecimento vai pra frente

Quem tem conhecimento vai pra frente facadiferente.sebrae.com.br Fotos: Produtos do Projeto Gemas e Joias do Sebrae-PA blogdosempreendedores.com.br Livro Artesanato- Um negócio genuinamente brasileiro (Sebrae, Vol. 1, março 2008) 2.307.530

Leia mais

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS

SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1. NOÇÕES GERAIS SIMPLES NACIONAL 1.1. O que é O Simples Nacional é um regime tributário diferenciado, simplificado e favorecido previsto na Lei Complementar nº 123, de 2006, aplicável

Leia mais

Para facilitar o entendimento do processo de geração da DIRF 2010 nos Sistemas Cordilheira, a equipe de Suporte Técnico da EBS Sistemas

Para facilitar o entendimento do processo de geração da DIRF 2010 nos Sistemas Cordilheira, a equipe de Suporte Técnico da EBS Sistemas Para facilitar o entendimento do processo de geração da DIRF 2010 nos Sistemas Cordilheira, a equipe de Suporte Técnico da EBS Sistemas disponibilizou este pequeno manual que contém dicas importantes sobre

Leia mais

Manual Prático de Acesso Novo Hamburgo/RS. ISS.Net Emissor de Nota Fiscal Eletrônica

Manual Prático de Acesso Novo Hamburgo/RS. ISS.Net Emissor de Nota Fiscal Eletrônica Novo Hamburgo/RS ISS.Net Emissor de Nota Fiscal Eletrônica SUMÁRIO Página LOGIN AO SISTEMA...3 EMITIR NOTA FISCAL ELETRÔNICA...7 CONSULTAR NOTA FISCAL ELETRÔNICA...12 CONSULTAR SOLICITAÇÕES DE CANCELAMENTO

Leia mais

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores

Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN. Contadores Passo a Passo para utilização do Sistema de Registro Integrado REGIN Contadores Maio / 2008 Índice Introdução... 3 Pedido de Consulta da Viabilidade... 4 Acompanhamento do Pedido de Viabilidade... 11 Registro

Leia mais

MANUAL FUNCIONAL SOBRE NFS-e MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS

MANUAL FUNCIONAL SOBRE NFS-e MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS MANUAL FUNCIONAL SOBRE NFS-e MUNICÍPIO DE PASSO FUNDO/RS SUMÁRIO SUMÁRIO...2 1. APRESENTAÇÃO...4 1 2. ACESSO AO APLICATIVO...5 3. GERAÇÃO DE NFS-e...6 3.1. Preenchimento dos dados para emissão da NFS-e...6

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13.

ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13. Página 1 / 15 ÍNDICE APRESENTAÇÃO...3 PREENCHIMENTO DO PEDIDO DE VIABILIDADE E BUSCA PRÉVIA (CONSULTA PRÉVIA)...5 CONSULTA PEDIDO DE VIABILIDADE...13 Página 2 / 15 APRESENTAÇÃO O que é: O Sistema de Registro

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes versão 19/01/2015

FAQ Perguntas Frequentes versão 19/01/2015 - Jucergs DÚVIDAS ADICIONAIS SOBRE DBE/CNPJ, PREVISTAS NESTE INFORMATIVO, DEVERÃO SER DIRIGIDAS À RECEITA FEDERAL, ATRAVÉS DE AGENDAMENTO DE HORÁRIO PELA INTERNET, PARA O SERVIÇO ORIENTAÇÕES CNPJ OU CONSULTADO

Leia mais

O EMPREENDEDOR INDIVIDUAL ASPECTOS ECONÔMICOS E SOCIAIS

O EMPREENDEDOR INDIVIDUAL ASPECTOS ECONÔMICOS E SOCIAIS O EMPREENDEDOR INDIVIDUAL ASPECTOS ECONÔMICOS E SOCIAIS Características das empresas ECINF/IBGE Evolução do número de empresas informais e das pessoas ocupadas, 1997-2003 1997 2003 Variação % (1997/2003)

Leia mais

AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE

AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE AVANÇOS NA IMPLEMENTAÇÃO E APRIMORAMENTO DA LEI GERAL DAS MPE O MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL - MEI Seminário tripartite - OIT Políticas para superar a informalidade Maio/09 - Brasília - DF 12/08 07/09

Leia mais

VIDE ORIENTAÇÕES ADICIONAIS AO FINAL DESTE PERGUNTAS E REPOSTAS, ITEM 23

VIDE ORIENTAÇÕES ADICIONAIS AO FINAL DESTE PERGUNTAS E REPOSTAS, ITEM 23 DÚVIDAS ADICIONAIS SOBRE DBE/CNPJ, PREVISTAS NESTE INFORMATIVO, DEVERÃO SER DIRIGIDAS À RECEITA FEDERAL, ATRAVÉS DE AGENDAMENTO DE HORÁRIO PELA INTERNET, PARA O SERVIÇO ORIENTAÇÕES CNPJ OU CONSULTADO A

Leia mais

A) Acessar o site da RFB: http://receita.fazenda.gov.br, no menu EMPRESA clicar em CADASTRO CNPJ

A) Acessar o site da RFB: http://receita.fazenda.gov.br, no menu EMPRESA clicar em CADASTRO CNPJ PARA CRIAR CNPJ DA DIREÇÃO MUNICIPAL: 1. É preciso preencher o formulário de inscrição, pela internet 2. Aguardar que a Receita analise a inscrição (é preciso ir consultando pelo site) 3. Quando estiver

Leia mais

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL

CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL CARTILHA DO EMPREENDEDOR INDIVIDUAL MARCOS ARAÚJO Presidente do SINDSIME ÍNDICE 1 3 5 7 9 INTRODUÇÃO LEI 2 VANTAGENS COMO ME ESCREVO OBTENÇÃO DE ALVARÁ 4 OBTENÇÃO DE ALVARÁ DOCUMENTAÇÃO FISCAL 6 AMBULANTES

Leia mais

Neste bip. Participação nos Lucros e Resultados. Você Sabia? Rescisão Complementar. Edição 54 Fevereiro de 2015

Neste bip. Participação nos Lucros e Resultados. Você Sabia? Rescisão Complementar. Edição 54 Fevereiro de 2015 Neste bip Participação nos Lucros e Resultados... Rescisão Complementar... 1 DIRF 2015... 2 Novas Alterações Trabalhistas e Previdenciárias... 3 EFD ICMS-IPI... 4 Nova Tabela de INSS e Salário Família...

Leia mais

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE

LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE LABORATÓRIO DE CONTABILIDADE 2015 O PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO DE EMPRESAS - - 1 O Módulo Integrador da JUCEMG nos permitiu emitir praticamente todos os documentos que compõem o processo que deverá ser entregue

Leia mais

Há apenas uma maneira de se efetuar a solicitação: acesse o site da Receita Federal do Brasil (RFB) através do Coleta Online.

Há apenas uma maneira de se efetuar a solicitação: acesse o site da Receita Federal do Brasil (RFB) através do Coleta Online. DÚVIDAS FREQUENTES SOBRE EMISSÃO DE CNPJ NA JUCESP 1. Quais são as formas disponíveis para solicitação de CNPJ? Há apenas uma maneira de se efetuar a solicitação: acesse o site da Receita Federal do Brasil

Leia mais

DIREITO EMPRESARIAL: MEI - MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, EIRELI E EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Luiz Cezar P. Quintans Novembro/2013

DIREITO EMPRESARIAL: MEI - MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, EIRELI E EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Luiz Cezar P. Quintans Novembro/2013 DIREITO EMPRESARIAL: MEI - MICROEMPREENDEDOR INDIVIDUAL, EIRELI E EMPRESÁRIO INDIVIDUAL. Luiz Cezar P. Quintans Novembro/2013 Agenda MEI e o conceito de Empresário Diferença entre MEI e EIRELI EIRELI

Leia mais

18/03/2015. O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE

18/03/2015. O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE nacional, JUCEMG e Juntas Comerciais para a implantação da REDESIM no País. 1 O que o Projeto Integrar irá fazer? 1) Transferir tecnologia para

Leia mais

NFTS (NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO TOMADOR/INTERMEDIÁRIO DE SERVIÇOS)

NFTS (NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO TOMADOR/INTERMEDIÁRIO DE SERVIÇOS) NFTS (NOTA FISCAL ELETRÔNICA DO TOMADOR/INTERMEDIÁRIO DE SERVIÇOS) A Nota Fiscal Eletrônica do Tomador/Intermediário de Serviços NFTS foi instituída pela Lei Nº 15.406, de 8 de julho de 2011, e se destina

Leia mais

Serviço de Informações Municipais Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e. Manual de Operação Versão 2.0

Serviço de Informações Municipais Nota Fiscal de Serviços Eletrônica - NFS-e. Manual de Operação Versão 2.0 Manual de Operação Versão 2.0 Índice de Operações 1. Apresentação...2 2. Solicitação de Uso da NFS-e...3 3. Consultar Andamento da Solicitação de Uso...5 4. Emitindo a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica...5

Leia mais

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO

NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO NOTA FISCAL ELETRÔNICA DE SERVIÇOS MUNICÍPIO DE SÃO PAULO Cortesia: FARO CONTÁBIL (www.farocontabil.com.br) Matéria publicada originalmente no Diário do Comércio Data: 01/08/2006 01 - CONCEITOS? 1.01.

Leia mais

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI)

Parecer Consultoria Tributária Segmentos Tributos Microempreendedor Individual (MEI) 04/09/2014 Sumário Título do documento 1. Questão... 3 2. Normas apresentadas pelo cliente... 3 3. Análise da Legislação... 4 3.1 Contratação de Empregado... 7 3.2 Cessão ou Locação de Mão-de-Obra... 7

Leia mais

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO

COMO ABRIR SEU NEGÓCIO COMO ABRIR SEU NEGÓCIO 08 a 11 de outubro de 2014 08 a 11 de outubro de 2014 Reflexão Qual o principal motivo para buscar a formalização de seu negócio? É importante lembrarmos que: Para desenvolver suas

Leia mais

FAQ Perguntas Frequentes versão 19/08/2014

FAQ Perguntas Frequentes versão 19/08/2014 DÚVIDAS ADICIONAIS SOBRE DBE/CNPJ, PREVISTAS NESTE INFORMATIVO, DEVERÃO SER DIRIGIDAS À RECEITA FEDERAL, ATRAVÉS DE AGENDAMENTO DE HORÁRIO PELA INTERNET, PARA O SERVIÇO ORIENTAÇÕES CNPJ OU CONSULTADO A

Leia mais

Nacional, na internet, no endereço www8.receita. fazenda.gov.br/ SimplesNacional.

Nacional, na internet, no endereço www8.receita. fazenda.gov.br/ SimplesNacional. O conteúdo apresentado nessa cartilha foi elaborado com base na Lei Complementar nº 123, de 14 de dezembro de 2006, alterada pela Lei Complementar nº 127, de 14 de agosto de 2007, bem como nas resoluções

Leia mais

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples

DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples DECLARAÇÕES Lucro Presumido, Isentas e Simples Wagner Mendes Contador, Pós-Graduado em Controladoria, Auditoria e Tributos, Consultor Tributário, Especialista em Tributos Federais, Contabilidade e Legislação

Leia mais

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008

COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 COMITÊ GESTOR PROROGA PRAZO DA COMPETÊNCIA 12/2008 E REGULAMENTA DISPOSITIVOS DA LEI COMPLEMENTAR Nº 128/2008 O Comitê Gestor do Simples Nacional (CGSN) publicou resoluções que prorrogam o prazo da competência

Leia mais

Secretaria Municipal da Fazenda Serviço de Cadastro Mobiliário. 1. Documentação necessária para Inscrição e Alteração

Secretaria Municipal da Fazenda Serviço de Cadastro Mobiliário. 1. Documentação necessária para Inscrição e Alteração Cartilha Micro Empreendedor Individual (MEI) Alvará de Licença para Localização e Funcionamento Micro empreendedor Individual (MEI) é a pessoa que trabalha por conta própria e que se legaliza como pequeno

Leia mais

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS

Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS Versão 1.0 Nota Salvador NFS-e Versão do Manual: 1.0 pág. 2 Manual do Sistema da Nota Fiscal Eletrônica do Tomador de Serviços NFTS ÍNDICE 1. Acessando

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Sumário: Tópico: Página: 2 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento

Leia mais

MANUAL DE CADASTRO DOS CLIENTES DA EMPRESA CONTÁBIL

MANUAL DE CADASTRO DOS CLIENTES DA EMPRESA CONTÁBIL MANUAL DE CADASTRO DOS CLIENTES DA EMPRESA CONTÁBIL IMPORTANTE Prezado Cliente, Atendimento On-Line (Via Internet). Estivemos trabalhando no desenvolvimento de uma ferramenta de atendimento que permitisse

Leia mais

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi

NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e. Prefeitura Municipal de Tupãssi NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e Prefeitura Municipal de Tupãssi PERGUNTAS E RESPOSTAS O QUE É A NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA NFS-e? R NOTA FISCAL DE SERVIÇOS ELETRÔNICA (NFS-e) é um documento

Leia mais

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 20/10/2010.

Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 20/10/2010. REGIN Dúvidas Frequentes Matéria elaborada com base na legislação vigente em: 20/10/2010. SUMÁRIO: 1 INTRODUÇÃO 2 ROTEIRO DE PERGUNTAS E RESPOSTAS 1 INTRODUÇÃO Segundo orientação presente no endereço eletrônico

Leia mais

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42

PEDIDO DE VIABILIDADE. Pedido de Viabilidade. Página 1 / 42 Pedido de Viabilidade Página 1 / 42 ÍNDICE Apresentação... 3 Pedido de Viabilidade para Inscrição de Primeiro Estabelecimento... 4 Solicitante e Pessoa Jurídica... 4 Quadro Societário... 8 Nome Empresarial,

Leia mais

1ª FASE DE IMPLANTAÇÃO DA REDESIM NA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE GOIÁS

1ª FASE DE IMPLANTAÇÃO DA REDESIM NA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE GOIÁS 1ª FASE DE IMPLANTAÇÃO DA REDESIM NA JUNTA COMERCIAL DO ESTADO DE GOIÁS O que é o Projeto Integrar? Uma parceria do DREI, SEBRAE nacional, JUCEMG e Juntas Comerciais para a implantação da REDESIM no País.

Leia mais

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica.

em nome próprio, responde com a totalidade de seu patrimônio e é apenas equiparado a pessoa jurídica. EIRELI A EIRELI é uma empresa individual de responsabilidade limitada. Com a publicação da Lei nº 12.441 de 11 de julho de 2011, foi alterado o Código Civil, com a finalidade de autorizar a criação das

Leia mais

EI, VOCÊ AÍ! Tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do MEI - Microempreendedor Individual

EI, VOCÊ AÍ! Tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do MEI - Microempreendedor Individual EI, VOCÊ AÍ! Regularize a situação da sua empresa com as dicas do Sebrae-SP e aproveite todos os benefícios da formalização. Tributos, taxas e contribuições de responsabilidade do MEI - Microempreendedor

Leia mais

Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial

Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial FAQ Perguntas Frequentes versão 19/3/13 Deferimento de Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) pela Junta Comercial 1. Quais são as modalidades de cadastro disponíveis para solicitação de CNPJ? No

Leia mais

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012.

*Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. *Decreto 26.200/2012: DECRETO Nº 26.200, DE 16 DE JULHO DE 2012. DISPÕE SOBRE A REGULAMENTAÇÃO DA LEI COMPLEMENTAR Nº 489, DE 31 DE MAIO DE 2012. O Prefeito Municipal de Chapecó, Estado de Santa Catarina,

Leia mais

VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO:

VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO: VEJA COMO GERAR CÓDIGO DE ACESSO E SOLICITAR A ANTECIPAÇÃO DA MALHA FISCAL IRPF, PASSO A PASSO: No sítio da Receita Federal (www.receita.fazenda.gov.br), acesse o Portal e-cac, usando Certificado Digital

Leia mais

Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I.

Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I. Manual do Usuário Abertura de Microempreendedor Individual - M.E.I. Empro - Tecnologia & Informação São José do Rio Preto, São Paulo Sumário Introdução... 3 Acesso... 4 Abertura de M.E.I. - Consulta Prévia...

Leia mais

Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE. 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais?

Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE. 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais? Perguntas frequentes sobre o Via Rápida Empresa VRE 1. O Cadastro WEB e o Sistema Integrado de Licenciamento - SIL não existem mais? Desde o dia 21/10/2013, esta em operação o Módulo Estadual de Licenciamento

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO PESSOA FÍSICA

MANUAL DO USUÁRIO PESSOA FÍSICA MANUAL DO USUÁRIO PESSOA FÍSICA 1 Índice DSF - Desenvolvimento de Sistemas Fiscais Todos os direitos reservados. É permitida a reprodução total ou parcial deste documento sem o pagamento de direitos autorais,

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA MANUAL DE UTILIZAÇÃO DO SISTEMA DE EMISSÃO DE NOTA FISCAL ELETRÔNICA Apresentação Este sistema faz parte do Portal NFS Digital e tem o intuito de ser utilizado por emissores de Nota Fiscal de Serviços

Leia mais

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços.

Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços. 1 Apresentação: O Sistema Integrado de Gerenciamento de Imposto Sobre Serviços ou SIG-ISS é um sistema para gerenciamento do Imposto sobre

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIAS EIRELI X MEI ALUNA: Karen Lorena Guzmán Rodriguez 3º ano de Ciências Contábeis 2012 EMPRESA INDIVIDUAL DE RESPONSABILIDADE LTDA DEFINIÇÃO A Definição do Empresário Individual

Leia mais

Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e. Introdução. Apresentação

Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e. Introdução. Apresentação Nota Fiscal de Serviços eletrônica NFS-e Manual do Usuário Prestador Introdução Este manual tem como objetivo apresentar a Nota Fiscal de Serviços Eletrônica (NFS-e) que será utilizado pelos contribuintes

Leia mais

Opção pelo Simples Nacional 2015-26/12/2014. Confira abaixo as principais informações sobre o processo de Opção pelo Simples Nacional.

Opção pelo Simples Nacional 2015-26/12/2014. Confira abaixo as principais informações sobre o processo de Opção pelo Simples Nacional. Opção pelo Simples Nacional 2015-26/12/2014 Confira abaixo as principais informações sobre o processo de Opção pelo Simples Nacional. Solicitação de Opção pelo Simples Nacional Podem optar pelo Simples

Leia mais

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA GERÊNCIA DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS CORDENAÇÃO DO CADASTRO

ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA GERÊNCIA DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS CORDENAÇÃO DO CADASTRO ESTADO DE GOIÁS SECRETARIA DA FAZENDA SUPERINTENDÊNCIA DE ADMINISTRAÇÃO TRIBUTÁRIA GERÊNCIA DE INFORMAÇÕES ECONÔMICO-FISCAIS CORDENAÇÃO DO CADASTRO ÍNDICE SISTEMÁTICO DO MANUAL DO CADASTRO LISTA DE TELAS...

Leia mais

MANUAL DO CONTRIBUINTE. S I S T E M A E L E T R Ô N I C O ISSQN d e T e r e s ó p o l i s

MANUAL DO CONTRIBUINTE. S I S T E M A E L E T R Ô N I C O ISSQN d e T e r e s ó p o l i s MANUAL DO CONTRIBUINTE S I S T E M A E L E T R Ô N I C O d e T e r e s ó p o l i s S NI OS T VE OM A S IE SL TE T ER MÔ AN I DC O E Prezado Contribuinte, A Secretaria Municipal de Fazenda tem como prioridade

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO.

SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO. Página 1 PREFEITURA MUNICIPAL DE ARAXÁ SECRETARIA MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO E GESTÃO. ARAXÁ MINAS GERAIS 2010 Página 2 Manual do Sistema da Nota Fiscal Eletrônica de Serviços NFS-e ÍNDICE 1. NOTA FISCAL

Leia mais