PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E ECOTURISMO NA COMUNIDADE DO MARUJÁ, ILHA DO CARDOSO-SP Larissa Paraguassú Campos*

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E ECOTURISMO NA COMUNIDADE DO MARUJÁ, ILHA DO CARDOSO-SP Larissa Paraguassú Campos* (larissaparaguassu@gmail."

Transcrição

1 PRESERVAÇÃO AMBIENTAL E ECOTURISMO NA COMUNIDADE DO MARUJÁ, ILHA DO CARDOSO-SP Larissa Paraguassú Campos* *Departamento de Geografia/IGC Universidade Federal de Minas Gerais Resumo: Localizado no extremo sul do litoral paulista, o Parque Estadual da Ilha do Cardoso (PEIC) destaca-se por sua biodiversidade, sendo também um dos destinos daqueles que acreditam ser possível aliar o turismo à preservação da Mata Atlântica. As Unidades de Conservação (UC s) têm na contemporaneidade importância na preservação e controle da exploração dos biomas brasileiros. Sendo o ecoturismo uma das atividades passíveis de serem desenvolvidas nesses locais, tal prática institui valor de mercado ao uso da natureza ao promover conservação e geração de renda, funcionando como instrumento capaz de fomentar o desenvolvimento econômico em locais ainda pouco explorados. Tendo em vista o turismo de base comunitária desenvolvido na praia do Marujá, Ilha do Cardoso, nota-se que a pressão exercida por turistas resulta na integração dos moradores tradicionais à lógica produtivista de mercado. Embora haja um efetivo controle de visitação, a periódica intensificação do turismo resulta no crescimento do trabalho assalariado, no aumento das tarifas em pousadas e campings, no custo das refeições e nos preços dos passeios ecológicos, o que demonstra, neste caso, a relação direta entre a lógica conservacionista e a indústria do turismo. Entrevistas realizadas com moradores e turistas da praia do Marujá e funcionários do PEIC durante os meses de dezembro e janeiro de 2009 indicam que a consciência ambiental apresenta-se ligada aos ganhos provenientes do turismo e não mais à idéia de preservação da natureza. Portanto, embora o PEIC sirva como referência no âmbito da conservação ambiental, é a prática do turismo sustentável na comunidade do Marujá o elemento responsável pela consciência de proteção da diversidade biológica local. Palavras-chave: Marujá, ecoturismo, consciência ambiental. Abstract: Located at the south of São Paulo state, Ilha do Cardoso State Park (PEIC) is marked for your biodiversity, being also one of the destinies of who believe in a preservation of Mata Atlântica forest ally tourism. The Conservation Units (UC s) have in contemporarily a great importance on the preservation and exploration control of the Brazilian biomes. Seeing the ecotourism as one of the potential activities of the island, is important to note that this practice establishing market values to the use of nature, promoting conservation and income generation, working, wherefore, as a instrument capable of fostering economic development in less exploited places. Owing to the tourism of communitarian base developed at Maruja Beach, Ilha do Cardoso, we find that the pressure exerted by tourists results integration of traditional residents with the market logical productivity. Although exists an effective visitation control, the periodic intensification of tourism results the growth of employment, increases in camping and hostel rates, alimentation costs and ecologic tour prices, which

2 demonstrates, in this case, the direct relation between logical conservationist and the tourism industry. Interviews with dwellers and tourists of Marujá Beach and PEIC s officials during the months of December of 2008 and January of 2009 indicate that environmental awareness is side by side to the earnings from tourism and not to the nature preservation idea. Therefore, although PEIC configure a environmental conservation reference, is the practice of sustainable tourism at Marujá Community the sponsor element of this consciousness. Keywords: Marujá, ecotourism, environmental awareness. Introdução Instituídas pelo Poder Público com a função de promover a preservação ambiental, bem como histórica de determinados locais, as Unidades de Conservação (UC s) têm na contemporaneidade importância significativa no que tange à preservação/exploração dos biomas brasileiros. A educação ambiental, a pesquisa, o uso sustentável dos recursos naturais e o acesso à visitação desses configuram os principais objetivos de tais espaços protegidos. O Estado de São Paulo apresenta atualmente cerca de 10% do seu território ocupado por UC s de Proteção Integral 1. Localizado no litoral sul, a 272 km da capital, o Parque Estadual da Ilha do Cardoso abrange uma área aproximada de 151km², entre as coordenadas 48º W, 25º e 48º 53 48, 25º S. O local é banhado pelo Oceano atlântico e pelo Canal do Ararapira e insere-se na região do Baixo Vale do Ribeira, tendo sido instituído pelo Decreto nº em 03 de julho de 1962, sem consulta popular prévia. Atualmente o PEIC participa de 4 projetos governamentais distintos de proteção ambiental (Projeto de Preservação da Mata Atlântica, Reserva da Biosfera, Plano Estadual de Gerenciamento Costeiro, APA Cananéia- Iguape- Peruíbe). Constituído por 6 comunidades (cujos habitantes são caiçaras) e uma aldeia indígena da etnia Guarani Mybia, estabelecida em 1992, o PEIC tem a Comunidade do Marujá como o principal destino de ecoturistas que procuram na Ilha do Cardoso. Objetivos e Metodologia Visando-se observar as relações entre a consciência ambiental e o ecoturismo, foram realizadas entrevistas com as 54 famílias da comunidade do Marujá, turistas da praia e funcionários do PEIC, durante os meses de dezembro e janeiro de Além disso, foram levantados dados bibliográficos e informações acerca do funcionamento do Parque Estadual da Ilha do Cardoso, desde a sua instituição em Em seguida, os dados foram interpolados e 1 Fonte: Programa Estadual de Conservação da Biodiversidade (PROBIO/SP) citado por Maretti & Raimundo, no texto A Participação em Planos de Gestão Ambiental (mímeo).

3 analisados com base nas atividades econômicas, sociais e culturais empreendidas pela comunidade caiçara nos dias de hoje. A Ilha do Cardoso nas trilhas do turismo A beleza e os estado de conservação das formações observadas foram inicialmente os principais motivos que fomentaram a criação do PEIC. Situada na região central do Complexo Estuarino-Lagunar de Iguape, Cananéia e Paranaguá, a Ilha do Cardoso constitui-se predominantemente de topografia montanhosa, podendo ser divida em dois diferentes compartimentos: planícies costeiras que margeiam a ilha e relevo montanhoso visto nas partes centrais e norte. Importantes criadouros de espécies marinhas do Atlântico Sul são também encontrados no local. Dentre os ecossistemas reconhecidos localmente, destacam-se os campos de altitude, a vegetação de dunas, os costões rochosos, os manguezais, a floresta de planície litorânea, dentre outros. Descobertas arqueológicas apontam que os primeiros habitantes da Ilha do Cardoso são os chamados homens sambaquis. A história moderna de ocupação da região relaciona-se ao início do povoamento do território brasileiro. No século XVI, colonizadores portugueses aportaram na região com o intuito de fazerem cumprir as determinações do Tratado de Tordesilhas. Quanto à ocupação do solo, verifica-se que até a década de 1960 a Ilha era alvo da especulação imobiliária, encontrando-se inclusive dividida em loteamentos. A partir da instituição do PEIC dois anos mais tarde, o direito de uso dos recursos ambientais pelos caiçaras ( moradores tradicionais ) é regulamentado. De acordo com relatos de moradores locais, aproximadamente até a década de 1960 praticava-se a atividade agrícola (principalmente a cultura de mandioca) com base nos saberes caiçaras (sistema de corte/ queima/ pousio), o que garantia parte do abastecimento do núcleo familiar. Acompanhando os processos de plantio, os chamados mutirões eram manifestações festivas freqüentes ao final da colheita, envolvendo a participação dos fandangueiros e suas rabecas. Nos dias de hoje, poucas famílias dedicam-se a algum cultivo. A pesca artesanal, fortemente praticada em períodos anteriores, também apresenta declínio. Tal postura não se deve apenas às leis ambientais que muitas vezes impedem tal prática, mas também ao fato de que a agricultura não mais é fundamental para o sustento da comunidade: os ganhos advindos do turismo praticado principalmente no período do verão garantem às famílias grandes lucros que cobrem seus gastos durante o resto do ano. Desse modo, o turismo de base comunitária 2, seguido da pesca, constitui hoje a grande atividade econômica na comunidade do Marujá. Numa breve análise, nota-se a 2 Turismo comunitário ou de base comunitária pode ser definido como aquele onde as sociedades locais possuem controle efetivo sobre seu desenvolvimento e gestão. E por meio do envolvimento participativo desde o início, projetos de turismo devem proporcionar a maior parte de seus benefícios para as comunidades locais (WWF Internacional, 2001, p. 2)

4 vulnerabilidade econômica a que essa comunidade está exposta, visto que tanto a atividade pesqueira quanto a turística é sazonal. Marujá: a consciência ambiental patrocinada pelo turismo sustentável O contexto sócio-econômico observado no PEIC sugere uma adaptação da população caiçara à lógica produtivista de mercado. O trabalho familiar que em outras épocas voltava-se para a produção de bens primários de consumo hoje é direcionado à prática do turismo sustentável 3, fato que aponta em direção à adequação da população local às demandas dos visitantes. Constituída de 54 famílias, a Comunidade do Marujá é o maior dos bairros que configuram o PEIC. As principais atividades de cunho econômico atreladas ao turismo que são desenvolvidas pelos moradores tradicionais (caiçaras) abrangem os segmentos de hospedagem (aluguel de casas, pousadas, quartos em casas de família e área para acampamento), de alimentos e bebidas (restaurantes, bares, comércio informal de doces e salgados), de serviços gerais (caseiros, faxineiros), dos serviços de lazer (monitoria ambiental e pesca amadora) e de serviços de transporte (aluguel de bicicletas, embarcações para passeio e traslados). O acampamento selvagem, algo comum em épocas anteriores, é proibido. O efetivo controle da quantidade de turistas é realizado por meio da contagem de barracas e de leitos ocupados realizado por estagiários do PEIC, que contam com a fiscalização dos próprios moradores. Entretanto, é válido salientar que nenhum estudo técnico de capacidade suporte foi realizado até os dias de hoje. O número limite de visitantes foi estabelecido pelo bom senso dos moradores: a quantidade máxima de barracas é calculada de acordo com o número de banheiros. O poder decisório dos habitantes do Marujá verifica-se na atuação da sua Associação de Moradores (AMOMAR). Tal entidade, criada em 1998, intervém nas decisões juntamente ao PEIC. A AMOAMCA (Associação dos Monitores Ambientais de Cananéia) também é importante nas medidas tomadas em relação às atividades turísticas locais. É perceptível o valor que os moradores do Marujá aferem às belezas naturais do local. Em todas as moradias, pousadas e campings o apelo à preservação ambiental é pregado pelos caiçaras. A noção de que o PEIC é uma área imprescindível para a manutenção da biodiversidade da Mata Atlântica é nítida. Os apelos à separação do lixo orgânico do lixo inorgânico, ao nãoconsumo de drogas no local e à não-poluição das praias e águas são alguns exemplos do respeito que os caiçaras têm pela sua terra. 3 Um segmento da atividade turística que utiliza, de forma sustentável, o patrimônio natural e cultural, incentiva sua conservação e busca a formação de uma consciência ambientalista através da interpretação do ambiente, promovendo o bem estar das populações envolvidas (EMBRATUR, 1994).

5 A consciência ambiental é uma realidade no Marujá fomentada, no entanto, pelo turismo: a preservação ambiental em destinos quase desconhecidos pela grande população é uma atitude extremamente rentável. A procura por lugares rústicos que conjugam uma bela natureza e um estilo próprio de vida da população local em sítios pouco explorados representam uma exclusividade sustentável. Tal exclusividade deve-se aos custos das hospedagens que crescem em todo verão, aos preços das refeições, bem como dos passeios ecológicos indispensáveis àqueles que buscam um maior contato com a natureza. Os ganhos provenientes da atividade turística são os responsáveis pela conservação ambiental do Marujá pelos seus moradores, antes pescadores e hoje empresários. Considerações finais De acordo com Brito (1995) as UC s têm sido estabelecidas para funcionarem com ilhas onde estão ausentes ou reduzidos os efeitos do processo de desenvolvimento a que estão submetidas outras áreas. Em escala global, a instituição das UC s tem garantido a preservação de ecossistemas. Diante disso, as reais finalidades e importância dessas unidades para a população são aspectos que devem ser debatidos em torno do eixo da conservação ambiental. Necessita-se que sejam elaboradas diretrizes as quais impliquem na melhoria da qualidade de vida dessas pessoas juntamente a uma política que regulamente o uso do solo, de modo que a geração de divisas (através do turismo sustentável ) e a redução de impactos na área sejam garantidos. É importante salientar que não somente a região que abrange o Parque Estadual da Ilha do Cardoso e todo o seu ecossistema devem ser prioridades para o estabelecimento de estratégias de conservação. A história e a cultura caiçara da ilha também devem ser aspectos contemplados. Considerando-se fatores socioeconômicos e culturais, a necessidade da preservação e o processo de gestão ambiental atingem um caráter inicialmente local, exigindo-se a participação da comunidade pertencente à área e ao seu entorno no gerenciamento e manejo dos recursos. O processo de integração ao mercado global a partir da atividade turística modificou os hábitos e relações econômica, social e ambiental dos habitantes do PEIC, especificamente na comunidade do Marujá. A partir dos recursos oferecidos pelos ecossistemas presentes na Ilha, a prática do ecoturismo passou a promover uma geração de renda distinta das daquelas tradicionais que eram vivenciadas. Não apenas o crescimento do trabalho assalariado numa economia anteriormente de subsistência deve ser observado, como também modificações de cunho cultural. No entanto, não é possível afirmar que a cultura tradicional está se esvaindo, visto que a cultura é algo mutável assim como os homens e as sociedades. É crucial apontar que a troca de valores entre turistas e moradores tradicionais, a partir do diálogo entre caiçaras/ visitantes, reforça a idéia da conservação ambiental. Mesmo que essa seja permeada pelos valores da sociedade capitalista contemporânea que mercantiliza territórios, histórias e culturas, impondo-lhes um valor de mercado. Sob o véu da proteção da natureza essa

6 sociedade promove a propagação do ecoturismo, conferindo valor de uso aos aspectos naturais e sociais da comunidade. Ainda não é possível confirmar que a degradação social -característica inerente às sociedades pautadas no desenvolvimento/ acumulação capitalista- é algo presente na comunidade do Marujá. Entretanto, a intensificação do uso de drogas e bebidas alcoólicas (principalmente nos períodos de Ano Novo e Carnaval) é verificada. Apesar de incorporar os valores dos visitantes, será bastante difícil que o processo de massificação do turismo estabeleça-se no Marujá. O Sistema Nacional de Unidades de Conservação (SNUC) constitui-se como um instrumento capaz de impedir que medidas de características predatórias e comercialmente empreendedoras sejam implementadas pelos moradores da comunidade. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS (Acessado em 12/05/2009); (Acessado em 12/05/2009); BRITO, M. C. W. de. Workshop sobre populações e parques, Instituto Florestal (SP): relatório não publicado. (revisão e edição de Rita Mendonça, abril de 1998); DIEGUES, A. C. S. O mito moderno da natureza intocada. São Paulo: Hucitec, p. RODRIGUES, Carmem Lúcia. A Cultura Caiçara e Turismo no Bairro do Marujá, Ilha do Cardoso. In: Antonio Carlos Diegues; Virgílio Viana. (Org.). Comunidades Tradicionais e Manejo dos Recursos Tradicionais na Mata Atlântica. São Paulo: NUPAUB, 2000; WWF-BRASIL. Certificação em Turismo: Lições mundiais e recomendações para o Brasil. SALAZAR, Sergio (Coord.). Brasília: WWF Brasil, 2001.

GESTÃO PARTICIPATIVA DA VISITAÇÃO PÚBLICA NA COMUNIDADE DO MARUJÁ PARQUE ESTADUAL DA ILHA DO CARDOSO 1

GESTÃO PARTICIPATIVA DA VISITAÇÃO PÚBLICA NA COMUNIDADE DO MARUJÁ PARQUE ESTADUAL DA ILHA DO CARDOSO 1 GESTÃO PARTICIPATIVA DA VISITAÇÃO PÚBLICA NA COMUNIDADE DO MARUJÁ PARQUE ESTADUAL DA ILHA DO CARDOSO 1 Marcos Bürher CAMPOLIM 2 Isadora Le Senechal PARADA 3 Juliana Greco YAMAOKA 4 RESUMO O presente trabalho

Leia mais

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental;

a Resolução CONAMA nº 422/2010 de 23 de março de 2010, que estabelece diretrizes para as campanhas, ações e projetos de educação ambiental; Portaria Normativa FF/DE N 156/2011 Assunto: Estabelece roteiros para elaboração de Plano Emergencial de Educação Ambiental e de Plano de Ação de Educação Ambiental para as Unidades de Conservação de Proteção

Leia mais

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental

Atlas ambiental do município de Itanhaém 2012. Capítulo 6 - Conservação ambiental Capítulo 6 - Conservação ambiental 71 72 6.1 Unidades de Conservação As Unidades de Conservação da Natureza (UCs) constituem espaços territoriais e mari- 46 55' 46 50' 46 45' nhos detentores de atributos

Leia mais

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO

PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO PRESERVAÇÃO DO PATRIMONIO NATURAL NO SUL MERIDIONAL DA SERRA DO ESPINHAÇO Ronald Carvalho Guerra Diretor de Meio Ambiente Prefeitura Municipal de Ouro Preto Gerente da APA da Cachoeira das Andorinhas -

Leia mais

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL

O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL O USO DA BIODIVERSIDADE COMO PRESERVAÇÃO AMBIENTAL Stefani de Souza Patricia de Freitas Co-autor - Prof. MSc. Cristian Coelho Silva cristian_coelho@yahoo.com.br luscheuer@hotmail.com Palavras-chave: sustentabilidade,

Leia mais

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano **

Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos Granja*, Fabio Giordano ** AVALIAÇÃO SOBRE AS PRÁTICAS EM EDUCAÇÃO AMBIENTAL DESENVOLVIDA ATRAVÉS DO ECOTURISMO NO CAMINHO DO MAR PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR NÚCLEO ITUTINGA PILÕES Daniela Campioto Cyrilo Lima*, Emanuela Matos

Leia mais

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas.

DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. DECRETO Nº 53.526, DE 8 DE OUTUBRO DE 2008: Cria a Área de Proteção Ambiental Marinha do Litoral Centro, e dá providências correlatas. JOSÉ SERRA, Governador do Estado de São Paulo, no uso de suas atribuições

Leia mais

ESCOLA EDUCATIVA SÃO CARLOS - SP

ESCOLA EDUCATIVA SÃO CARLOS - SP NUCLEO PICINGUABA Ecologia & Comunidades tradicionais ESCOLA EDUCATIVA SÃO CARLOS - SP 04 DIAS (17 A 20 setembro 2014) proposta preliminar Apresentação - O PARQUE ESTADUAL SERRA DO MAR O Parque Estadual

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiência em Gestão Territorial João Albuquerque - Outubro/ 2009 Reservas da Biosfera-A escala dos Biomas Art. 41. A Reserva da Biosfera é um modelo, adotado internacionalmente,

Leia mais

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA.

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. Ana Carolina de Campos Honora 1 Presentes na região costeira dos Estados

Leia mais

Reserva da Biosfera da Amazônia Central

Reserva da Biosfera da Amazônia Central Reserva da Biosfera da Amazônia Central Estudo de caso da Reserva de Desenvolvimento Sustentável do Uatumã Seminário Internacional sobre Mineração e Sustentabilidade Socioambiental em Reservas da Biosfera

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO - SNUC - SNUC PREVISÃO LEGAL Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e àcoletividade

Leia mais

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá

Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Projeto de criação do Parque Natural Municipal da Restinga de Maricá Flora Fauna Comunidade Movimento Pró-Restinga Está totalmente equivocada a classificação daque-la área como uma APA. O conceito principal

Leia mais

PROCEDIMENTOS PARA VISITA DE GRUPOS ORGANIZADOS

PROCEDIMENTOS PARA VISITA DE GRUPOS ORGANIZADOS PROJETO AICÁS EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA PRAIA DA ALMADA UBATUBA/SP O Projeto Aicás é uma ong, formada por moradores da praia da Almada uma vila de pescadores localizada ao norte de Ubatuba. Tem como objetivo

Leia mais

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009

Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais. Clayton F. Lino - Maio/ 2009 Mosaicos de Áreas Protegidas na Reserva da Biosfera da Mata Atlântica Experiências e Aspectos Conceituais Clayton F. Lino - Maio/ 2009 SNUC MOSAICOS LEI FEDERAL Nº 9.985-00 Art. 26. Quando existir um conjunto

Leia mais

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo

Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6. Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Criação de uma Unidade de Conservação na ZPA-6 Morro do Careca e sistema dunar Dunar contínuo Justificativa: Art. 225 da Constituição Federal: SNUC: Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

TURISMO EM ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS: algumas reflexões sobre o caso da APA do Cairuçu RJ. Resumo

TURISMO EM ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS: algumas reflexões sobre o caso da APA do Cairuçu RJ. Resumo 1 TURISMO EM ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS: algumas reflexões sobre o caso da APA do Cairuçu RJ Loana Fernandes Coelho Resumo Em meio ao pensamento conservacionista tão amplamente disseminado nas últimas décadas,

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DA NATUREZA - SNUC Lei 9.985 de

Leia mais

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi

Justificativa para a criação da Unidade de Conservação. - Ponta de Pirangi Justificativa para a criação da Unidade de Conservação - Ponta de Pirangi Os recifes de corais são ecossistemas que abrigam grande biodiversidade marinha, tendo, portanto uma grande relevância ecológica,

Leia mais

ECOTURISMO PEDAGÓGICO NO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO MORRO DO OSSO, PORTO ALEGRE (RS): UM OLHAR DOS ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM GUIA DE TURSIMO - EaD

ECOTURISMO PEDAGÓGICO NO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO MORRO DO OSSO, PORTO ALEGRE (RS): UM OLHAR DOS ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM GUIA DE TURSIMO - EaD ECOTURISMO PEDAGÓGICO NO PARQUE NATURAL MUNICIPAL DO MORRO DO OSSO, PORTO ALEGRE (RS): UM OLHAR DOS ALUNOS DO CURSO TÉCNICO EM GUIA DE TURSIMO - EaD Michelle Santos da Silveira 1 Rubilar Ritta Jobim 2

Leia mais

Pág. 1. Caracterização. Pré-requisitos. Ementa. Objetivo da disciplina. Descrição do conteúdo Objetivos Conteúdo Data Aulas Estratégias de Ensino

Pág. 1. Caracterização. Pré-requisitos. Ementa. Objetivo da disciplina. Descrição do conteúdo Objetivos Conteúdo Data Aulas Estratégias de Ensino Pág. 1 Caracterização Curso: C U R S O S U P E R I O R D E T E C N O L O G I A E M H O T E L A R I A Ano/Semestre letivo: 2010/2 Período/Série: 5 Carga horária semanal: 4 aulas (1 h 30) Carga horária total:

Leia mais

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DA COMUNIDADE DA VILA DE NAZARÉ, LOCALIZADA NO INTERIOR DO PARQUE METROPOLITANO ARMANDO DE HOLANDA CAVALCANTI.

PERCEPÇÃO AMBIENTAL DA COMUNIDADE DA VILA DE NAZARÉ, LOCALIZADA NO INTERIOR DO PARQUE METROPOLITANO ARMANDO DE HOLANDA CAVALCANTI. Belo Horizonte/MG 24 a 27/11/2014 PERCEPÇÃO AMBIENTAL DA COMUNIDADE DA VILA DE NAZARÉ, LOCALIZADA NO INTERIOR DO PARQUE METROPOLITANO ARMANDO DE HOLANDA CAVALCANTI. Ana Raquel Oliveira Fernandes (*), José

Leia mais

Vista Aérea do Rio de Janeiro

Vista Aérea do Rio de Janeiro ECOTURISMO E ESTRATÉGIAS COLABORATIVAS PARA A SUSTENTABILIDADE DOS PARQUES NATURAIS DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO Marcos Cohen, D.Sc. Departamento de Administração - IAG Rio de Janeiro 30 de Outubro de 2012

Leia mais

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo;

Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte de São Paulo; CENTRO CULTURAL SÃO SEBASTIÃO TEM ALMA DESDE 1989 VALORIZANDO A CULTURA CAIÇARA E O MEIO AMBIENTE Quem Somos Associação sem fins lucrativos, fundada em 1989 no município de São Sebastião, Litoral Norte

Leia mais

sobre cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade

sobre cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade a sobre s a d de dúvi eps e ar suas p e o r i d T o cip ntaçã par ti impla cê pode vo nte como ositivame p cartilha N 1 abrindo os caminhos... critérios plano de MaNeJo Área de amortecimento comunidade

Leia mais

BAIRRO DA BARRA CONTEXTO SOCIOECONÔMICO

BAIRRO DA BARRA CONTEXTO SOCIOECONÔMICO Quadro 5: Contexto socioecológico do Bairro da Barra, município de Balneário Camboriú (SC). BAIRRO DA BARRA DESCRIÇÃO DOS RECURSOS - Morrarias - Foz do Rio Camboriú - Limite com Rio Camboriú - Rio Camboriú

Leia mais

As Questões Ambientais do Brasil

As Questões Ambientais do Brasil As Questões Ambientais do Brasil Unidades de conservação de proteção integral Existem cinco tipos de unidades de conservação de proteção integral. As unidades de proteção integral não podem ser habitadas

Leia mais

praiais estuarino manguezais

praiais estuarino manguezais 3.2.2 Ecossistemas Relevantes Um ecossistema pode ser definido como a interação de comunidades de espécies de animais, vegetais e microorganismos entre si e o seu habitat num grau de equilíbrio estável.

Leia mais

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição

Tabela 85: Caracterização ambiental da Praia da Conceição, município de Bombinhas, SC. Praia da Conceição As praias da Conceição, Tainha, Porto da Vó, Retiro dos Padres, Caixa D Aço, Geremias, Gravatá, Poá e São Miguel encontram-se em processo avançado de urbanização (Fichas 43 a 52 e Anexo 1). Nestas praias

Leia mais

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO

ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO ANEXO III QUADROS DE PARÂMETROS DE USO E SOLO USOS PERMITI PERMISSÍVEL PROIBI Habitação unifamiliar uma por lote Comércio e serviço vicinal de pequeno porte 1 e 2 Comércio e serviço de bairro Comunitário

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Plano Básico Ambiental - PBA. Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151. Novembro de 2009. 4.3 Programa de Compensação Ambiental - PBA Estrada Parque Visconde de Mauá - RJ-163 / RJ-151 4.3 Programa de Compensação Ambiental Elaborado por: SEOBRAS Data: 18/11/2009 Revisão Emissão Inicial INDÍCE 4.3 Programa de Compensação Ambiental

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

TURISMO E MEIO AMBIENTE: A PRESERVAÇÃO DE PATRIMÔNIOS NATURAIS POR MEIO DO ECOTURISMO

TURISMO E MEIO AMBIENTE: A PRESERVAÇÃO DE PATRIMÔNIOS NATURAIS POR MEIO DO ECOTURISMO TURISMO E MEIO AMBIENTE: A PRESERVAÇÃO DE PATRIMÔNIOS NATURAIS POR MEIO DO ECOTURISMO SILVA, Odair Vieira da. Bacharelado e Licenciatura em Geografia Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho

Leia mais

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba

Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania. Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Programa de Inclusão Social e Promoção da Cidadania Projeto Quilombo da Fazenda Picinguaba Histórico Quilombo era o local de refúgio dos escravos evadidos dos engenhos, os quilombolas, em sua maioria,

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

SOCIEDADE INFORMADA APOIO PARA GESTÃO E AÇÕES INDICADORES SOBRE QUALIDADE DE VIDA PESQUISA COM A POPULAÇÃO ACORDO COM A PREFEITURA EDUCAÇÃO CIDADÃ

SOCIEDADE INFORMADA APOIO PARA GESTÃO E AÇÕES INDICADORES SOBRE QUALIDADE DE VIDA PESQUISA COM A POPULAÇÃO ACORDO COM A PREFEITURA EDUCAÇÃO CIDADÃ APOIO PARA GESTÃO E AÇÕES PESQUISA COM A POPULAÇÃO INDICADORES SOBRE QUALIDADE DE VIDA SOCIEDADE INFORMADA EDUCAÇÃO CIDADÃ ACORDO COM A PREFEITURA COMPORTAMENTO CIDADÃO A UNIÃO FZ A FORÇA GOVERNO TRANSPARENTE

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1

RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 1 RELAÇÃO ENTRE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E ATIVIDADE TURÍSTICA, NO MUNICÍPIO DE JARDIM MS SILVANA APARECIDA L. MORETTI 1 RESUMO: Este trabalho pretende discutir a relação existente entre educação e organização

Leia mais

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação

Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Bioindicadores Ambientais (BAM36AM) Sistema Nacional de Unidades de Conservação Unidades de Conservação SNUC Sistema Nacional de Unidades de Conservação Sistema Nacional de Unidades de Conservação Lei

Leia mais

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO

TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO [27] TRATRADO DE ÁGUA DOCE O CENÁRIO INTERNACIONAL E A PROBLEMÁTICA DA ÁGUA, MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO 1. Nos últimos anos a maioria dos países enfrentou grave crise econômica, que gerou um grande

Leia mais

Tatiana Marchetti Panza 1 & Davis Gruber Sansolo 2

Tatiana Marchetti Panza 1 & Davis Gruber Sansolo 2 TURISMO EM ÁREAS NATURAIS PROTEGIDAS E A NECESSIDADE DE DESENVOLVIMENTO DE POLÍTICAS PÚBLICAS INCLUSIVAS - ESTUDO DE CASO DO NÚCLEO PICINGUABA DO PARQUE ESTADUAL DA SERRA DO MAR-UBATUBA Tatiana Marchetti

Leia mais

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará

Planejamento Turístico para Promoção do Turismo de Base Comunitária: experiências no Amazonas e no Pará Capítulo do Livro: Série Integração, Transformação e Desenvolvimento: Áreas Protegidas e Biodiversidade Fundo Vale para o Desenvolvimento Sustentável. Rio de Janeiro. 2012. Planejamento Turístico para

Leia mais

Mosaico Litoral Sul de São Paulo e Litoral do Paraná MOSAICO LAGAMAR

Mosaico Litoral Sul de São Paulo e Litoral do Paraná MOSAICO LAGAMAR Curso de Gestão Mosaicos Acadebio, Iperó/SP, 15 de agosto de 2012 Mosaico Litoral Sul de São Paulo e Litoral do Paraná MOSAICO LAGAMAR Aroldo Correa da Fonseca Chefe da Estação Ecológica de Guaraqueçaba

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( )

Telefone p/ contato: ( ) FAX: ( ) e-mail: Coordenadas geográficas * (Lat/Long) no Sistema Geodésico, SAD-69 Lat. -. Long ( ) 1. IDENTIFICAÇÃO DO EMPREENDEDOR NOME / RAZÃO SOCIAL *: End.: rua/av *: n *: Bairro *: CEP *: Município *: Telefone *: ( ) FAX *: ( ) e-mail: CNPJ (CGC/MF n.º) *: CGC/TE n. *: CPF/CIC n. *: End. P/ correspondência:

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP. vi.unicamp2010@gmail.com UNIVERSIDADE ESTADUAL DE CAMPINAS UNICAMP e-mail: vi.unicamp2010@gmail.com ANÁLISE DOS CONFLITOS ENTRE ÁREAS DE USO E OCUPAÇÃO DOS SOLOS E ÁREAS DE CONSERVAÇÃO NO MUNICÍPIO DE ILHA COMPRIDA (SP). Viviane

Leia mais

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO

MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO MOSAICOS DE UNIDADES DE CONSERVACÃO E ÄREAS PROTEGIDAS- INTRODUÇÃO O Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza SNUC - lei n 9.985/2000 traz a figura organizacional Mosaico, no cap. IV art.

Leia mais

Projeto de Ecoturismo (turismo de base comunitária)

Projeto de Ecoturismo (turismo de base comunitária) Projeto de Ecoturismo (turismo de base comunitária) Mostra Local de: Guaraqueçaba Categoria do projeto: I Projetos em Andamento (projetos em execução atualmente) Nome da Instituição/Empresa: Sociedade

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores

Fotografias PauloHSilva//siaram. Saber Mais... Ambiente Açores Fotografias PauloHSilva//siaram Saber Mais... Ambiente Açores Convenção Diversidade Biológica O que é a Convenção da Diversidade Biológica? A Convenção da Diversidade Biológica é um acordo assinado entre

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE

PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE FASE II Estrada da Praia Brava: Adequação da Visitação Pública do Parque Estadual Serra do Mar Proponente: Ambiental Litoral Norte OSCIP PROJETO SÃO SEBASTIÃO TEM PARQUE

Leia mais

CÂMARA TEMÁTICA SOBRE TURISMO SUSTENTÁVEL N.CARAGUATATUBA PESM 25/05/15. Apresentação dos partícipes CAFÉ. DIVISÃO EM 5 GRUPOS (municípios-regional)

CÂMARA TEMÁTICA SOBRE TURISMO SUSTENTÁVEL N.CARAGUATATUBA PESM 25/05/15. Apresentação dos partícipes CAFÉ. DIVISÃO EM 5 GRUPOS (municípios-regional) CÂMARA TEMÁTICA SOBRE TURISMO SUSTENTÁVEL N.CARAGUATATUBA PESM 25/05/15 Apresentação dos partícipes Síntese dos processos participativos Comdial/CEDS e Litoral Sustentável Apresentação do Observatório

Leia mais

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se

Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao Poder Público e à coletividade o dever de defendê-lo

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE

CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CURSO SOBRE PARTICIPAÇÃO DE GRUPOS DE INTERESSE CENÁRIO: GESTÃO COLABORATIVA DE PESCAS Este caso de estudo é largamente fictício e foi baseado em Horrill, J.C., n.d. Collaborative Fisheries Management

Leia mais

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO

PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO PROGRAMA DE PROSPECÇÃO E RESGATE ARQUEOLÓGICO O Programa de Prospecção e Resgate Arqueológico da CSP visa atender aos requisitos legais de licenciamento ambiental, identificar e preservar o patrimônio

Leia mais

Valoração Econômica de Bens Ambientais: um Suporte à Formulação de Políticas Públicas para o Turismo em Áreas Naturais

Valoração Econômica de Bens Ambientais: um Suporte à Formulação de Políticas Públicas para o Turismo em Áreas Naturais Valoração Econômica de Bens Ambientais: um Suporte à Formulação de Políticas Públicas para o Turismo em Áreas Naturais Economic valuation of environmental goods: a support for the formulation of public

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO UNIDADES DE CONSERVAÇÃO espaço territorial e seus recursos ambientais, incluindo as águas jurisdicionais, com características naturais relevantes, legalmente instituído pelo Poder Público com objetivo

Leia mais

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE

O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Contratantes: O TURISMO SOB A ÓTICA DA PLATAFORMA DE SUSTENTABILIDADE DO LITORAL NORTE Tópicos da apresentação: Turismo Sustentável sob a Ótica da PSLN. Tópicos: I Informações gerais sobre a PSLN; II Diagnóstico

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

Unidades de Conservação da Natureza

Unidades de Conservação da Natureza Unidades de Conservação da Natureza Emerson A. de Oliveira, MSc., Doutorando em Ciências Florestais/Conservação da Natureza - UFPR Técnico Especializado - DAP/SBF/MMA Rio do Sul - SC Julho, 2009 DEFINIÇÕES

Leia mais

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO

Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO 148 Eixo Temático ET-02-002 - Gestão de Áreas Protegidas RESERVA DE FLORESTA URBANA MATA DO PASSARINHO: EXPERIÊNCIAS DE UMA ÁREA PROTEGIDA EM MEIO URBANO Wellington Lima Pereira; Cleide Amorim Leite RESUMO

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL

LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL LEGISLAÇÃO AMBIENTAL E FLORESTAL PROFESSORA ENG. FLORESTAL CIBELE ROSA GRACIOLI OUTUBRO, 2014. OBJETIVOS DA DISCIPLINA DISCUTIR PRINCÍPIOS ÉTICOS QUESTÃO AMBIENTAL CONHECER A POLÍTICA E A LEGISLAÇÃO VOLTADAS

Leia mais

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS

RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA. Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS RESERVA DA BIOSFERA DA MATA ATLÂNTICA Projeto : APOIO `A CRIACAO DE MOSAICOS NA SERRA DO MAR Contrato: IA-RBMA /CEPF 2005/2006 O MaB e as Reservas da Biosfera no Brasil 1991 (1992, 1993, 2000, 2002) RB

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS

UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS UNIDADES DE CONSERVAÇÃO NO SEMIÁRIDO BRASILEIRO: ESTUDO DA GESTÃO PÚBLICA DESSES ESPAÇOS PRESERVADOS José Irivaldo Alves Oliveira Silva, Elizandra Sarana Lucena Barbosa Universidade Federal de Campina

Leia mais

Recursos Naturais e Biodiversidade

Recursos Naturais e Biodiversidade 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 16 17 18 19 20 21 22 23 24 25 26 27 28 29 30 31 32 33 34 35 36 37 38 39 Florestas Gestão dos Recursos Hídricos Qualidade e Ocupação do Solo Proteção da Atmosfera e Qualidade

Leia mais

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial)

Ação 14- Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos de cursos de água com Classe Especial) 180 SUB-PROGRAMA 7 USO DO SOLO Áreas Protegidas Este Sub-Programa contempla uma única ação, que trata da Indicação de Áreas Protegidas para Criação de Unidades de Conservação (incluindo nascentes e trechos

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO

ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO ANÁLISE DOS IMPACTOS AMBIENTAIS DO TURISMO Solange Marques Domingos da Silva 1, Pérsio D Oliveira Sandir 2 RESUMO: A necessidade emergente de práticas de lazer mais saudável, a tranqüilidade e o relaxamento

Leia mais

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE

LEI Nº 4.791 DE 2 DE ABRIL DE Lei nº 4791/2008 Data da Lei 02/04/2008 O Presidente da Câmara Municipal do Rio de Janeiro nos termos do art. 79, 7º, da Lei Orgânica do Município do Rio de Janeiro, de 5 de abril de 1990, não exercida

Leia mais

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES

EMENDA AO PLDO/2003 - PL Nº 009/2002-CN ANEXO DE METAS E PRIORIDADES Emenda Nº: 656 0468 CIENCIA E TECNOLOGIA PARA A GESTÃO DE ECOSSISTEMAS 4134 DESENVOLVIMENTO DE PESQUISAS SOBRE FRAGMENTAÇÃO NA MATA ATLANTICA PESQUISAS REALIZADAS 20 Para conservar biodiversidade precisamos,

Leia mais

E.A. REVISTA - Educação Ambiental BE-597 / Volume 2 2009

E.A. REVISTA - Educação Ambiental BE-597 / Volume 2 2009 DESENVOLVIMENTO DE CARTILHA EXPLICATIVA DO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO (SNUC) À COMUNIDADE CAIÇARA DO POUSO DA CAJAÍBA DO MUNICÍPIO DE PARATY- RJ¹ ANA CECÍLIA MOZ ALVES RODRIGUES² 1 Trabalho

Leia mais

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia

Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Unidade de Conservação marinha passa a ser o 11º sítio Ramsar brasileiro e o primeiro na Bahia Ao anunciar o título de "Sítio Ramsar" ao Parque Nacional Marinho de Abrolhos, o ministro do Meio Ambiente

Leia mais

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015

A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas. Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 A Água da Amazônia irriga o Sudeste? Reflexões para políticas públicas Carlos Rittl Observatório do Clima Março, 2015 servatório(do(clima( SBDIMA( (( Sociedade(Brasileira( de(direito( Internacional(do(

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC

SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC SECRETARIA DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE SEMA DEPARTAMENTO DE MUDANÇAS CLIMÁTICAS E GESTAO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEMUC DOCUMENTO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PROPOSTA RELACIONADA NO ÂMBITO DOS TEMAS

Leia mais

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial

Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial Meio Ambiente,Turismo e Ordenamento Territorial O Turismo é a atividade mais promissora para a promoção do desenvolvimento sustentável Entretanto...o modelo adotado de Turismo no litoral brasileiro tem

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

EUA, a existência da UC só é possível devido haver os turistas, este além de trazer benefícios para a região trazendo assim melhoria socioeconômica

EUA, a existência da UC só é possível devido haver os turistas, este além de trazer benefícios para a região trazendo assim melhoria socioeconômica EUA, a existência da UC só é possível devido haver os turistas, este além de trazer benefícios para a região trazendo assim melhoria socioeconômica para as pessoas locais, auxilia na preservação e conservação

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia ANÁLISE QUALITATIVA DOS PROBLEMAS AMBIENTAIS CONFIGURADOS PELO USO E OCUPAÇÃO DA ILHA DE COTIJUBA, BELÉM DO PARÁ

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2006 Regulamenta o 4º do art. 225 da Constituição Federal, para instituir o Plano de Gerenciamento da Floresta Amazônica. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei

Leia mais

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2

SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas. Prof. Victor E. L. Ranieri. Aula 2 SHS-381 Gestão de Áreas Protegidas Prof. Victor E. L. Ranieri Aula 2 Aula passada... Perda da biodiversidade é um macro problema de âmbito global. Muitos instrumentos podem ser usados para atacar este

Leia mais

ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO FLORESTAL NA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Paulo Rogério Soares de OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa

ATUAÇÃO DO ENGENHEIRO FLORESTAL NA AVALIAÇÃO DE IMPACTOS AMBIENTAIS. Paulo Rogério Soares de OLIVEIRA Universidade Federal de Viçosa REVISTA CIENTÍFICA ELETRÔNICA DE ENGENHARIA FLORESTAL - ISSN 1678-3867 P UBLICAÇÃO C IENTÍFICA DA F ACULDADE DE A GRONOMIA E E NGENHARIA F LORESTAL DE G ARÇA/FAEF A NO IV, NÚMERO, 07, FEVEREIRO DE 2006.

Leia mais

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional

Mosaicos de áreas protegidas. Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Mosaicos de áreas protegidas Gestão integrada - o desafio da articulação interinstitucional Curso Introdução a Gestão de UCs Rio Branco, junho 2008 SNUC Art. 26. Quando existir um conjunto de unidades

Leia mais

TURISMO. o futuro, uma viagem...

TURISMO. o futuro, uma viagem... TURISMO o futuro, uma viagem... PLANO NACIONAL DO TURISMO 2007-2010 OBJETIVOS Desenvolver o produto turístico brasileiro com qualidade, contemplando nossas diversidades regionais, culturais e naturais.

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

O ecoturismo como alternativa de desenvolvimento sustentável

O ecoturismo como alternativa de desenvolvimento sustentável O ecoturismo como alternativa de desenvolvimento sustentável (angcampos@yahoo.com.br) * Resumo O presente trabalho mostra que o desenvolvimento sustentável pode ser alcançado através do ecoturismo, pois

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROJETO DE LEI N o 1.548, DE 2015 Dispõe sobre a criação, gestão e manejo de Reserva Particular do Patrimônio Natural RPPN, e dá

Leia mais

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo:

A discussão resultou nos pontos sintetizados abaixo: Oficina em Ilhabela Relatoria da Plenária Final Esta oficina, realizada no dia 28 de março de 2012, no Hotel Ilhabela, na sede do município, faz parte do processo de escuta comunitária no âmbito do projeto

Leia mais

ANÁLISE PRÉVIA DO PERFIL DA DEMANDA DE TURISTA DE CRUZEIROS EM FERNANDO DE NORONHA-PE

ANÁLISE PRÉVIA DO PERFIL DA DEMANDA DE TURISTA DE CRUZEIROS EM FERNANDO DE NORONHA-PE ANÁLISE PRÉVIA DO PERFIL DA DEMANDA DE TURISTA DE CRUZEIROS EM FERNANDO DE NORONHA-PE Armando José Santos Camilla Moro Piekarski Paulo Afonso Pinheiro RESUMO: A atividade turística e seus segmentos vêm

Leia mais

1. Descrição da Cidade

1. Descrição da Cidade 1. Descrição da Cidade 2. Top Atrações da Cidade 2.1 - Atração Reserva Biológica Marinha do Arvoredo 2.2 - Atração Ilha do Arvoredo 2.3 - Atração Ilha das Galés 2.4 - Atração Praia da Galheta 2.5 - Atração

Leia mais

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

Ministério do Meio Ambiente IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO IMPLEMENTAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Unidade de Conservação Área geograficamente estabelecida para se alcançar um objetivo específico de conservação por meio do uso controlado dos recursos biológicos

Leia mais