OS GUARANI E KAIOWÁ NA LUTA PELA TERRA: LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA SITUAÇÃO JURÍDICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "OS GUARANI E KAIOWÁ NA LUTA PELA TERRA: LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA SITUAÇÃO JURÍDICA"

Transcrição

1 OS GUARANI E KAIOWÁ NA LUTA PELA TERRA: LEVANTAMENTO PRELIMINAR DA SITUAÇÃO JURÍDICA Luiz Henrique Eloy Amado 1 (CIMI) Lilian Raquel Ricci Tenório 2 (UFGD) Resumo: Os Guarani e Kaiowá de Mato Grosso do Sul vivenciam constantes violações decorrentes da negação do acesso ao seu território tradicional. A Constituição Federal de 1988 impôs prazo de cinco anos para que todas as terras indígenas fossem demarcadas. Em 2007 o Ministério Público Federal firmou um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC) com a Fundação Nacional do Índio (FUNAI) no intuito de efetivar a demarcação do território tradicional. O presente trabalho tem por objetivo trazer a baila a situação atual da demarcação das terras Guarani e Kaiowá valendo-se de levantamento preliminar realizado junto ao órgão indigenista oficial e no sítio da Justiça Federal de Mato Grosso do Sul, refletindo sobre os difíceis caminhos da luta pela terra. Palavras chave: Guarani Kaiowá. Território. Demarcação. TAC. 1 Terena da Aldeia Ipegue. Advogado. Mestre em Desenvolvimento Local UCDB. Assessor Jurídico do Conselho Indigenista Missionário CIMI/MS. 2 Bacharel em Direito UCDB e em Ciências Sociais UFMS. Mestranda em Antropologia UFGD.

2 1 CONSIDERAÇÕES INICIAIS Os Guarani e Kaiowá habitam Mato Grosso do Sul são aproximadamente mil (IBGE, 2010), estando suas aldeias concentrada no cone sul do estado, sendo os municípios com maior índice: município de Japorã com 49,4%, município de Paranhos com 35,7% e município de Tacuru com 35, 6% em relação a população municipal. Os Guarani Kaiowá e Ñandeva constituem dois povos indígenas geralmente chamados de Guarani, mas que se identificam e se percebem como etnias distintas em Mato Grosso do Sul e em outras partes da região platina. No Paraguai os Kaiowá são conhecidos como Paĩ-Tavyterã e os Guarani Ñandeva conhecidos como Xiripá ou Avá. Concentrando a segunda maior população indígena do Brasil, Mato Grosso do Sul registra número significativo de violações de direitos contras os povos indígenas, que desde o tempo da colonização portuguesa, foram vítimas de projetos de colonização levado a cabo pelo Estado brasileiro. Disso resulta toda a problemática social vivenciada por essas comunidades, resultado de perda territorial que se deu de maneira diferente com relação a cada povo. Nesse processo de colonização, os índios foram retirados de seus territórios tradicionais e confinados em pequenas reservas onde deveriam ser integrados, gradativamente, à comunhão nacional. A Constituição Federal é marco divisor de águas no direito indigenista, visto que, rompendo com o paradigma da política integracionista, reconheceu aos índios o direito de defenderem seus direitos, bem como o direito originário às terras que tradicionalmente ocupam. O Art. 67 da ADCT, impôs prazo de 5 anos para que todas as terras indígenas fossem demarcadas, no entanto, dessa inobservância a norma constitucional acarretou e vem acarretando, uma profusão de conflitos entre índios e não índios, ocorrendo, muitas vezes, mortes por homicídio e ao mesmo tempo se contabilizam altos índices de suicídios entre os índios, gerado

3 pela perda do território, lato sensu, impossibilitados de sua reprodução física e cultural. Vale consignar que este mesmo estado registra número significativo de mortes de lideranças indígenas em conflito fundiário: Cacique Marcos Veron, 72 anos, assassinado em (Ação Penal no , 1a Vara Federal de Dourados, MS); Dorival Benites, 36 anos, assassinado em (Ação Penal no , 1a Vara Federal de Naviraí MS); Dorvalino Rocha, 39 anos, assassinado em (Ação Penal no , 1º Vara Federal de Ponta Porã/MS); Xurite Lopes, 73 anos, assassinada em ( , na 1º Vara Federal de Ponta Porã/MS); Ortiz Lopes, 46 anos, assassinado em (Inquérito Policial nº. 046/2007 na Polícia Civil de Coronel Sapucaia MS); Oswaldo Lopes, assassinado em ; Genivaldo Vera e Rolindo Vera, assassinados em (Inquérito Policial nº. 181/2009. Polícia Federal de Naviraí); Teodoro Ricarde, assassinado em ; Nisio Gomes, assassinado em (Inquérito Policial nº. 0562/2011 PF/Ponta Porã). O cone sul do estado registra ainda, número expressivo de acampamentos indígenas que são comunidade que aguardam a demarcação de seu território. Em relação aos Guarani e Kaiowá no sul do estado de Mato Grosso do Sul é a significativa perda do território tradicional que marca este povo, e atualmente, a realidade desses acampamentos expressa uma tentativa de resistência e superação da imposição histórica do confinamento. Nesta realidade está inserida o que hoje propicia a referência da existência de índios entre a cerca e o asfalto, ou seja, acampados a beira das estradas, também conhecidos como índios do corredor. Como a população kaiowá não se conformou em sua totalidade à situação de reserva, identifico algumas modalidades de assentamento que não estão diretamente associadas a esses espaços físicos, reconhecidos como terras indígenas. Assim, além das reservas, descrevo: a) os espaços sociais dos acampamentos mobilizados para a retomada de terras consideradas pelos Kaiowá como de ocupação tradicional; b) as populações que vivem em periferias de cidades; e c) as populações de corredor, caracterizadas por famílias isoladas e mesmo comunidades que nos últimos anos passaram a

4 residir em caráter relativamente permanente nas margens de rodovias e estradas vicinais (PEREIRA, 2007, p.3). O povo Guarani e Kaiowá sofreu um processo de colonização marcado pela ocupação de seus territórios que foram concedidos a iniciativa privada que tiveram como base o trabalho indígena. Na década de 1940 o governo brasileiro, sob pretexto de promover o desenvolvimento da região, concedeu títulos de propriedades a pequenos agricultores. Essa ação estatal promoveu a expulsão de comunidades de suas terras tradicionais. Ademais, entre os anos de 1915 a 1920 foram criadas pelo Serviço de Proteção ao Índio - SPI oito reservas indígenas nesta região (Caarapó, Dourados, Sassoró, Porto Lindo, Taquapery, Amambai, Limão Verde e Pirajuí) para onde os índios eram levados à força, cedendo assim seus espaços para a instalação dos não índios que implantavam fazendas. Nesses casos o braço estatal denominado Serviço de proteção ao Índio (SPI) atuou contrário aos interesses dos povos indígenas favorecendo o poder local das famílias tradicionais do sul de Mato Grosso. Nos últimos anos vem ocorrendo o avanço expansivo da agricultura mecanizada com a monocultura da soja, do milho e da cana de açúcar, intensificando o desmatamento das pequenas áreas de mata ainda existentes nas fazendas. Com o crescimento avassalador do agronegócio e do desmatamento, as comunidades indígenas que se encontravam em pequenas áreas de matas foram descobertas e expulsas dando lugar ao agronegócio e agroindústria. O século XXI privilegiou o plantio da cana e instalações de usinas sucroalacooleiras, no estado do Mato Grosso do Sul, ocupando grande parte de áreas antes destinada ao gado, muitas delas incidentes em terras dos Guarani Kaiowá. Devido este fenômeno chamado desenvolvimento do bio combustível, as terras nesta região estão sendo supervalorizadas. Esse fato dificulta cada vez mais o reconhecimento e a demarcação das terras indígenas que estão em posse dos fazendeiros, os quais arrendam ou vendem as terras para as empresas multinacionais responsáveis pelo plantio da cana para a fabricação do etanol. Em entrevistas realizadas com o missionário indigenista Egon Heck, é possível apontar três processos diferenciados que levam a formação de acampamentos.

5 Primeiro: luta pela terra através das retomadas que surgiram na década de 80 e teve o seu processo de articulação nas Aty Guasu movimento indígena que foi retomado nos anos 70 com objetivo de discutirem as formas de produção para subsistência. Segundo: conflitos internos nas minúsculas reservas, causados pela justaposição de tekoha, por pressões ou pelas imposições de igrejas protestantes que tentam impedir a realização dos rituais de rezas tradicionais, pelo crescimento populacional que se deu no final da década de setenta e começo de oitenta, quando os poucos índios que ainda estavam morando nos fundos das fazendas foram expulsos e levados a força para as reservas, para ceder espaço a agricultura mecanizada e monocultura. Esse fato causou o inchaço das reservas, aumentou o índice de violência e o conflito entre lideranças de famílias extensas. Todas essas pressões levam os grupos familiares a retornarem para os locais de onde foram expulsos, partindo direto para as retomadas ou montando acampamento próximo da área que desejam retomar. Terceiro: acontece quando as famílias são expulsas das fazendas se recusam a irem para as reservas. Por não terem para onde ir, instalam-se as margens das rodovias, montando seus acampamentos entre a cerca e o asfalto, mas sempre próximo do lugar do qual foram expulsos por entender que ainda podem retornar para seu tekoha. Nas três situações em que se formam os acampamentos indígenas as margens das rodovias conhecidos como índios do corredor, ou índios entre a cerca e o asfalto, as comunidades vivem sob opressão, sofrendo ameaças e sendo turbadas do acesso a direitos mínimos como saúde, educação, água potável, moradia, entre outros. Quadro 1: Acampamentos Guarani e Kaiowá de Mato Grosso do Sul Município Dourados Douradina Rio Brilhante Acampamento indígena Ñu Porã Picadinha Apika y Guyraroká Ñuvera Pacuryty Mboqueirão Itaum-Jaguary Kalifórnia Itay Kaguirusu Guyra Kamby Laranjeira Ñanderu Aroeira

6 Sete Placas Amambai Guayviry Karaja Yvy Kajary Samakuã Naviraí Porto Kaioa Tarumã Santiago Kuê Borevi Arodi Bataguassu Juncal Bataguassu São José Jardim Laranjal Takuaju Bouqueirão Juti Juti Aldeinha receber Guia Lopes da Laguna Cero i Paranhos Ypo y Coronel Sapucaia Kurussu Amba Novo Horizonte do Sul Acap. N. Horizonte do sul Iguatemi Mbarakai/Puelito Kue Fonte: ELOY AMADO, L.H. Poké exa ûti: o território indígena como direito fundamental para o Etnodesenvolvimento local. Dissertação de Mestrado. PPGDL-UCDB. Campo Grande, OCUPAÇÃO TRADICIONAL PELA COMUNIDADE INDÍGENA O Artigo 231, segunda parte, da CF/88 reconhece os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens. O direito originário significa dizer um direito de nascença, direito congênito, direito anterior a qualquer outro direito. Essa é a extensão da afirmativa constitucional. Cabe consignar que o texto constitucional de 1988 inovou com relação aos requisitos para definição de terra indígena. Se antes era posto como requisito a imemorialidade, o caput do Artigo 231 trouxe como requisito fundamental a tradicionalidade. Na lição de José Afonso da Silva, o tradicionalmente refere-se não a uma circunstância temporal, mas ao modo tradicional de os índios ocuparem e utilizarem as terras e ao modo tradicional de produção.

7 Ou seja, significa dizer que os povos indígenas têm direito sobre seus territórios tradicionais que tem seu conceito vinculado a norma constitucional. Melhor dizendo, a própria constituição no 1º do Artigo 231 traçou o conceito de tradicionalidade, ou seja, terra indígena não é invenção da FUNAI ou da União como defende o impetrante, mas decorre da própria quadra constitucional, tendo seus parâmetros vinculados a Constituição Federal de Segundo dicção do dispositivo constitucional (Art º) terra tradicionalmente ocupada são as habitadas em caráter permanente; as utilizadas para suas atividades produtivas; as imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar; e as necessárias a sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições. [...] a terra indígena deve contemplar o espaço necessário para as habitações (moradias) da comunidade. Deve ainda, englobar os recursos naturais, como a mata onde se possa caçar e colher as plantas medicinais, os rios e lagos onde se possa pescar e onde as crianças possam desfrutar de momentos de lazer. O espaço deve ser o suficiente para as atividades culturais e para a convivência harmoniosa dos grupos familiares presentes e as futuras gerações. Este território deve abarcar também eventual montanha, rio, mata, gruta ou outro elemento qualquer considerado sagrado pela comunidade, dentre outros, o cemitério (ELOY AMADO, 2014, p. 35). Assim, evidencia-se que as atuais reservas indígenas de Mato Grosso do Sul estão bem longe do que traçou a Constituição de 1988, logicamente porque terra indígena reservada é diferente de terra indígena demarcada, razão pela qual todas as reservas indígenas de Mato Grosso do Sul deverão ser demarcadas de acordo com as lentes constitucionais de Em muitas situação, tal como da Terra Indígena Guyraroká, os proprietários rurais fundamentam a pretensão na anulação dos estudos de demarcação de terra indígena na argumentação de que tais terras estava desafetada da presença indígena em No entando, os estudo de identificação e delimitação antropológica realizado pela Funai demonstra de forma cabal como os Guarani Kaiowá foram expulsos de seu território.

8 Entre os anos de 1915 a 1920 foram criadas pelo Serviço de Proteção ao Índio - SPI oito reservas indígenas na região (Caarapó, Dourados, Sassoró, Porto Lindo, Taquapery, Amambai, Limão Verde e Pirajuí) para onde os índios eram levados à força, cedendo assim seus espaços para a instalação dos não índios que implantavam fazendas. Nesses casos o braço estatal denominado Serviço de proteção ao Índio (SPI) atuou contrário aos interesses dos povos indígenas favorecendo o poder local das famílias tradicionais do sul de Mato Grosso, in verbis: Vários documentos evidenciam que os Kaiowá não aceitaram passivamente a saída das terras que tradicionalmente ocupavam. O Diretor da Colônia Agrícola Federal de Dourados, queixa-se no Ofício n.º 4724 de 1951 de que os Kaiowá não se sujeitam ao aldeamento, que freqüentemente abandonam a vida disciplinada do Posto Indígena do SPI e retornam as suas matas de origem, mesmo na reserva de Dourados que considera uma terra ampla e esplêndida (Apud, Brand, 1997: 104). O processo de retirada dos índios dos fundos das fazendas onde permaneceram refugiados em trechos de matas, se prolonga até a década de Assim, Brand (1997:104) cita a Comunicação de Serviço n.º 211/9/DR/81, onde o delegado da FUNAI determina o deslocamento de um motorista e de um caminhão por um período de três dias para o P.I. de Caarapó, objetivando efetuar o transporte de índios que desejam regressar ao P.I., provenientes de fazendas circunvizinhas. Esse desejo de regressar (mesmo que nunca estivessem residido no local), expressa a ideologia que orienta a prática do confinamento dos índios nas reservas, pois segundo o consenso não explicitado nos documentos, lugar de índio era na reserva e eles não poderiam desejar outra coisa. Cabe ressaltar que as reservas de Caarapó e Dourados são justamente aquelas que receberão o maior número de Kaiowá expulsos de Guyraroká. O chefe de Posto do P. I. Dourados solicita através do Ofício n.º 046/79, a cedência de uma Kombi para atender aos vários problemas que surgem com indígenas desaldeados, principalmente no transporte destes índios no retorno à aldeia (Apud, Brand, 1997: 105). Aqui aparece a idéia de índio desaldeado, categoria forjada para dar conta daqueles casos em que os Kaiowá continuam insistindo em não aceitar a vida na reserva sob a proteção e assistência do Estado. A idéia de retorno à reserva desempenha assim a função de ocultar o confinamento desses índios, que é o que está realmente acontecendo no período. É revelador o fato de que o crescimento demográfico nas reservas demarcadas pelo SPI atinge seu índice mais alto a partir da década de 1970, quando desaparecem os últimos refúgios dos índios que ainda viviam nos fundos de fazendas. Vale lembrar ainda que o aumento da população nas reservas supera em muito as

9 possibilidades de crescimento vegetativo nas décadas de 1960, 70 e 80. Assim, fica evidente que a atuação do Estado brasileiro (SPI e depois FUNAI) foram no sentido de deslocar para o interior das reservas a população guarani dispersa por um território muito mais amplo, ocupado segundo sua forma tradicional de residência. Este procedimento permitia liberar as terras para a ocupação pelas empresas privadas. A atuação do SPI e depois FUNAI foram marcadas pela ineficiência, negligência e má fé no cumprimento das obrigações constitucionais atribuídas a estas instituições. A atual situação dos Guarani em Mato Grosso do Sul e os inúmeros conflitos pela posse da terra entre índios e fazendeiros, com prejuízo para ambas as partes, é resultado da incapacidade do órgão indigenista oficial em reconhecer e demarcar as terras indígenas, antes da efetiva ocupação da terra pelas atividades agropecuárias. 3- SITUAÇÃO JURÍDICA DAS TERRAS GUARANI Em 12 de novembro de 2007, foi firmado pela Funai com o Ministério Público Federal, perante as lideranças do Conselho Aty Guasu, um Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), estabelecendo uma série de obrigações para o órgão indigenista, que deveriam resultar na entrega de relatórios de identificação e delimitação de terras indígenas no estado, em 30 de junho de A Funai também deveria ter encaminhado ao Ministro da Justiça, até 19 de abril de 2010, os procedimentos referentes à demarcação de terras indígenas em Mato Grosso do Sul. Mato Grosso do Sul tem a segunda maior população indígena do país, cerca de 78 mil pessoas divididas em várias etnias. Apesar disso, somente 0,2% da área do estado é ocupada por terras indígenas. As áreas ocupadas pelas lavouras de soja ( ha) e cana ( ha) são, respectivamente, dez e trinta vezes maiores que a soma das terras ocupadas por índios em Mato Grosso do Sul. A taxa de mortalidade infantil entre a etnia guarani-kaiowá é de 38 para cada mil nascidos vivos, enquanto a média nacional é de 25 mortes por

10 mil nascimentos. A taxa de assassinatos - cem por cem mil habitantes - é quatro vezes maior que a média nacional, enquanto a média mundial é de 8,8. O índice de suicídios entre os guarani-kaiowá é de 85 por cem mil pessoas. No município de Dourados, há uma reserva com cerca de 3600 hectares, constituída na década de Existem ali duas aldeias - Jaguapiru e Bororó - com cerca de 12 mil pessoas. A densidade demográfica é de 0.3 hectares/pessoa. Quadro 2- Situação jurídica das TI s Kaiowá e Guarani em Mato Grosso do Sul Terra Indígena Município/MS Etapa Vítima Ação judicial Taquara Juti Declarada Marcos Veron Sim. Existem processos na justiça federal em Dourados e no STF. Guayviry Aral Moreira Em estudo Nisio Gomes 10 ações possessórias na justiça federal de Ponta Porã Pindo Roky Caarapó Em estudo Denilson Barbosa Existem processos na justiça federal de Dourados Sombrerito Sete Quedas Declarada Dorival Benites Existem processos na justiça federal de Naviraí Ñande Ru Marangatu Antônio João Homologada Dorvalino Rocha Homologação suspensa pelo STF Kurusu Ambá Amambai Em estudo Xurite Lopes e Ortiz Lopes Ypo'i Paranhos Em estudo Genivaldo Vera e Rolindo Vera Existem processos na justiça federal de Ponta Porã Existem processos na justiça federal de Ponta Porã Campestre Antônio João Regularizada Marçal de Souza ** Samakuã Amambaí Em estudo Samuel Martins Judicializado Guyraroká Caarapó Declarada Edileuso Modesto Judicializado Arroio Korá Paranhos Homologado Eduardo Pires Homologação suspensa pelo STF Fonte: Ministério Público Federal com adaptações dos autores.

11 A judicialização fica evidente demonstrando o altíssimo número de ações judiciais. Neste levantamento é possível averiguar as inúmeras ações judiciais em trâmite perante a Justiça Federal de Mato Grosso do Sul, bem como os recursos interpostos perante o Tribunal Regional Federal da 3ª Região que é a segunda instância de jurisdição. A judicialização é flagrante ainda mais em virtude das ações que tramitam no Supremo Tribunal Federal, que tem por missão julgar causas constitucionais admitindo-se apenas ações excepcionais ou extraordinárias. No entanto, tem-se chegado a aquele tribunal ações de cunho possessório e petitórias. O procedimento de demarcação de terra indígena está previsto para tramitar na via administrativa, iniciando-se na FUNAI e concluindo com expediente da presidência da república (atos do poder executivo). No entanto, com as ações intentadas pelos interessados na não-demarcação, tais procedimentos ficam paralisados por força de decisão judicial, decisões estas que são dadas baseando-se apenas em argumentos jurídicos de cunho civilista (Código Civil), enquanto que o direito dos povos indígenas foi tratado com profundidade pelo direito constitucional (Constituição Federal). O levantamento das ações judiciais demonstra justamente essa tendência do judiciário federal de Mato Grosso do Sul, mas que não é o posicionamento dos Tribunais Superiores, razão pela qual grande parte dessas decisões são revertidas nas instâncias superiores. Na justiça federal de Mato Grosso do Sul estão em trâmite atualmente 388 processos judiciais que versam sobre demarcação de terra indígena e demais conflitos possessórios. Sendo 154 processos na subseção judiciária de Campo Grande; em Dourados temos 73 processos, em Ponta Porã temos 93 processos e em Naviraí 68 processos. Estes são apenas ações que estão tramitando na primeira instância, sem contar outras centenas de recursos pendentes nos tribunais superiores. No Supremo Tribunal Federal encontram-se 13 (treze) ações judiciais envolvendo demarcação de área indígena somente do estado de Mato Grosso do Sul. Há casos em que o Estado de Mato Grosso do Sul ingressa como parte no processo atuando como assistente litisconsorcial do fazendeiro

12 fazendo com que o processo seja deslocado da Vara Federal de primeira instância para o Supremo Tribunal Federal. Esta sistêmica ação por parte do estado (leia-se: governador) tem o nítido objetivo de levar o processo para o STF e consequentemente aumentar a demora por uma decisão do poder judiciário. A evidência é que a judicialização tem sido um dos principais entraves a demarcação e, nessa lógica, várias são as manobras processuais para o retardamento da prestação jurisdicional, dentre eles, o ingresso do estado de Mato Grosso do Sul como parte nos processos. Atualmente existe em Mato Grosso do Sul mais de 40 acampamentos indígenas, que são comunidades que estão acampadas na beira de rodovia, em fundos de fazendas e/ou nas periferias das cidades, esperando a demarcação de seu território tradicional. É justamente neste contexto de instabilidade social que acontecem as violações da vida, da privação a saúde e educação e direitos sociais básicos. Mas sobretudo a negativa do acesso ao território ancestral. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS BRAND, Antonio. Os complexos caminhos da luta pela terra entre os Kaiowá e Guarani no MS. Tellus, Campo Grande, 3(4): ELOY AMADO, L.H. Poké exa ûti: o território indígena como direito fundamental para o Etnodesenvolvimento local. Dissertação de Mestrado. PPGDL-UCDB. Campo Grande, LUTTI, Aline Castilho Crespe. Acampamentos indígenas e ocupações: novas modalidades de organização e territorialização entre os Guarani e Kaiowa no município de Dourados - MS: ( ). Dissertação de Mestrado. Programa de Pós-Graduação em História da UFGD PEREIRA, Levi Marques. Módulos de assentamento Kaiowá atuais. Tellus, Campo Grande, 6(10): 69-82, Mobilidade de processo e processo de territorialização entre os Guarani atuais. História em Reflexão, Dourados, 1(1): 1-33, Relatório circunstanciado de identificação e delimitação da terra indígena Guarani/Kaiowá Taquara. Portaria Nº 140/PRES/FUNAI. Brasília, FUNAI, (não publicado).

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Ref. Proc. Nº RMS 29087 CONSELHO ATY GUASSU GUARANI KAIOWA, através de seus representantes tradicionais (art. 231 CF/88) e por seus advogados

Leia mais

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva.

Ref.: Ataque à comunidade Guarani e Kaiowá Ñande Ru Marangatú e assassinato do jovem Semião Vilhalva. Goiânia e Heidelberg, 02 de setembro de 2015 Senhora Dilma Rousseff Presidenta da República Federativa do Brasil Palácio do Planalto, Praça dos Três Poderes, Brasília DF Ref.: Ataque à comunidade Guarani

Leia mais

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas!

Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Pela Defesa dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas, Quilombolas e das Comunidades em situação de Ocupações Urbanas! Os povos indígenas Kaingang, Guarani, Xokleng, comunidades Quilombolas do Rio Grande

Leia mais

Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI

Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI Os Kaiowá e Guarani no Mato Grosso do Sul: os conflitos de terra e as marcas do SPI Eranir Martins de Siqueira 1 Orientador: Antônio Jacó Brand. 2 Introdução. O presente trabalho centra-se na análise de

Leia mais

Demarcação de terras indígenas kaiowá e guarani em Mato Grosso do Sul: histórico, desafios e perspectivas 1

Demarcação de terras indígenas kaiowá e guarani em Mato Grosso do Sul: histórico, desafios e perspectivas 1 Demarcação de terras indígenas kaiowá e guarani em Mato Grosso do Sul: histórico, desafios e perspectivas 1 Thiago Leandro Vieira Cavalcante 2 (UFGD/MS) Resumo: Os Kaiowá e Guarani, grupos indígenas falantes

Leia mais

UFGD, UM NOVO TEMPO. Senhoras e Senhores Deputados,

UFGD, UM NOVO TEMPO. Senhoras e Senhores Deputados, DISCURSO PROFERIDO PELO DEPUTADO GERALDO RESENDE (PPS/MS), NA SESSÃO DA CÂMARA DOS DEPUTADOS, EM 13/07/2005. UFGD, UM NOVO TEMPO Senhor Presidente Senhoras e Senhores Deputados, Uma boa notícia finalmente

Leia mais

Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da

Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da Sra. Presidente do Fórum Permanente 2015 Sra. Relatora Especial para nós povos indígenas. Mba'éichapa!!! Meu nome é Elizeu Lopes, Ava Kuarahy, sou Guarani-Kaiowá, representante da Grande Assembleia Aty

Leia mais

Da perda à luta pela retomada do Tekoha Yvy Katu: o ciclo da erva-mate ao ciclo do soja (1940-2010)

Da perda à luta pela retomada do Tekoha Yvy Katu: o ciclo da erva-mate ao ciclo do soja (1940-2010) Da perda à luta pela retomada do Tekoha Yvy Katu: o ciclo da erva-mate ao ciclo do soja (1940-2010) Eliezer Martins Rodrigues Acadêmico do Curso de Licenciatura Indígena Teko Arandu (UFGD/FAED) Profª.

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO REGIONAL. Coleção Temas Indígenas (março 2013)

UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO REGIONAL. Coleção Temas Indígenas (março 2013) UNIVERSIDADE FEDERAL DA GRANDE DOURADOS FACULDADE DE CIÊNCIAS HUMANAS CENTRO DE DOCUMENTAÇÃO REGIONAL Coleção Temas Indígenas (março 2013) Seção temas indígenas diversos caixa 20/21 Envelope: IV Jogos

Leia mais

Cleiton Aguiar Dos Santos Rodrigues Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD E-mail: casr0309@hotmail.com INTRODUÇÃO

Cleiton Aguiar Dos Santos Rodrigues Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD E-mail: casr0309@hotmail.com INTRODUÇÃO Cleiton Aguiar Dos Santos Rodrigues Universidade Federal da Grande Dourados-UFGD E-mail: casr0309@hotmail.com INTRODUÇÃO O presente trabalho, de iniciação científica, faz parte de um projeto maior intitulado

Leia mais

Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de branco perpetua estereótipo negativo do índio

Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de branco perpetua estereótipo negativo do índio Universidade de São Paulo Glenda Carlos Ferreira de Almeida Nilbberth Pereira da Silva Orientador: Professor Doutor José Coelho Sobrinho Como o bullying contra jovens indígenas estudantes de escolas de

Leia mais

Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso do Sul

Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso do Sul Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social www.setas.ms.gov.br Pacto de Aprimoramento do SUAS Mato Grosso SETAS Secretaria de Estado de Trabalho e Assistência Social Governadoria ANDRÉ PUCCINELLI

Leia mais

A LUTA DO POVO TERENA POR SEUS TERRITÓRIOS TRADICIONAIS: REFLEXÕES SOBRE DEMARCAÇÃO, JUDICIALIZAÇÃO E MESA DE DIÁLOGO

A LUTA DO POVO TERENA POR SEUS TERRITÓRIOS TRADICIONAIS: REFLEXÕES SOBRE DEMARCAÇÃO, JUDICIALIZAÇÃO E MESA DE DIÁLOGO A LUTA DO POVO TERENA POR SEUS TERRITÓRIOS TRADICIONAIS: REFLEXÕES SOBRE DEMARCAÇÃO, JUDICIALIZAÇÃO E MESA DE DIÁLOGO Luiz Henrique Eloy Amado 1 (CIMI) luiz-eloy@hotmail.com Lilian Raquel Ricci Tenório

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Acampamento Rodovia 463, Wilmar Villalba Ortiz

Acampamento Rodovia 463, Wilmar Villalba Ortiz Acampamento Rodovia 463, Wilmar Villalba Ortiz 16 O O genocídio silencioso de um povo Atualmente, o Mato Grosso do Sul é o segundo maior Estado brasileiro em número de indígenas. No entanto, quando entra

Leia mais

A INTRÍNSECA RELAÇÃO ENTRE A EXPANSÃO CANAVIEIRA E QUESTÃO INDÍGENA NO MATO GROSSO DO SUL 1

A INTRÍNSECA RELAÇÃO ENTRE A EXPANSÃO CANAVIEIRA E QUESTÃO INDÍGENA NO MATO GROSSO DO SUL 1 A INTRÍNSECA RELAÇÃO ENTRE A EXPANSÃO CANAVIEIRA E QUESTÃO INDÍGENA NO MATO GROSSO DO SUL 1 José Roberto Nunes de Azevedo 2 Membro do CEGeT Universidade Federal de São Paulo - Unesp/Presidente Prudente

Leia mais

APRESENTAÇÃO A EXPROPRIAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS E AS VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS

APRESENTAÇÃO A EXPROPRIAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS E AS VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS ASF BRASIL ADVOGADOS SEM FRONTEIRAS BRASIL DÉBORA PINTER MOREIRA TESOUREIRA MEMBRO COLETIVO DA UNIÃO INTERNACIONAL DE ADVOGADOS APRESENTAÇÃO A EXPROPRIAÇÃO DAS TERRAS INDÍGENAS E AS VIOLAÇÕES DE DIREITOS

Leia mais

RECURSO EXTRAORDINÁRIO Nº 270.379-6 MATO GROSSO DO SUL

RECURSO EXTRAORDINÁRIO Nº 270.379-6 MATO GROSSO DO SUL RELATOR: MIN. MAURÍCIO CORRÊA RECORRENTES: EDINA DA SILVA SOUZA OU EDNA DA SILVA SOUZA E OUTRO ADVOGADOS: LUZ EDUARDO GREENHALGH E OUTROS RECORRIDO: LIBERO MONTEIRO DE LIMA ADVOGADO: RENÊ SIUFI RECORRIDA:

Leia mais

Relatos sobre o Curso de Extensão de Direito Indigenista

Relatos sobre o Curso de Extensão de Direito Indigenista Relatos sobre o Curso de Extensão de Direito Indigenista Carla Mayara Alcântara Cruz* O curso de Extensão de Direito Indigenista, realizado pelo programa Rede de Saberes 1 e coordenado pela Universidade

Leia mais

NO TERRITÓRIO DO AGRONEGÓCIO À LUTA PELO RETORNO AOTEKOHA: O CONFLITO TERRITORIAL ENVOLVENDO GUARANIS-KAIOWÁS E FAZENDEIROS NO MATO GROSSO DO SUL

NO TERRITÓRIO DO AGRONEGÓCIO À LUTA PELO RETORNO AOTEKOHA: O CONFLITO TERRITORIAL ENVOLVENDO GUARANIS-KAIOWÁS E FAZENDEIROS NO MATO GROSSO DO SUL NO TERRITÓRIO DO AGRONEGÓCIO À LUTA PELO RETORNO AOTEKOHA: O CONFLITO TERRITORIAL ENVOLVENDO GUARANIS-KAIOWÁS E FAZENDEIROS NO MATO GROSSO DO SUL Marcos Mondardo Universidade Federal da Bahia marcosmondardo@yahoo.com.br

Leia mais

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988...

CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988... CONSTITUIÇÃO DA REPÚBLICA FEDERATIVA DO BRASIL 1988 TÍTULO VII DA ORDEM SOCIAL CAPÍTULO VIII DOS ÍNDIOS Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

Leia mais

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil

ENTREVISTA COLETIVA. Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA. 10 de julho de 2013. Compromisso com o Brasil ENTREVISTA COLETIVA Senadora Kátia Abreu Presidente da CNA 10 de julho de 2013 Compromisso com o Brasil 1 Uso do Solo no Brasil Cidades e Infraestrutura 0,2% Terras Devolutas do Incra 17,6% Outros Usos:

Leia mais

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA

CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA CARTA DO COMITÊ BRASILEIRO DE DEFENSORAS/ES DOS DIREITOS HUMANOS À MINISTRA DA SECRETARIA DOS DIREITOS HUMANOS DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília,12 de Dezembro de 2012. O Comitê Brasileiro de Defensoras/es

Leia mais

Os Kaiowá e Guarani ocupavam um território amplo, situado ao sul do atual

Os Kaiowá e Guarani ocupavam um território amplo, situado ao sul do atual EDUCAÇÃO INDÍGENA UMA EDUCAÇÃO PARA A AUTONOMIA BRAND, Antonio Jacó UCDB GT: Educação Popular / n.06 Agência Financiadora: Não contou com financiamento O presente trabalho centra-se na realidade dos índios

Leia mais

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA PR RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA GUARANI

PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA PR RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA GUARANI PRM-GUA-PR-00002864/2013 RELATÓRIO DE VISITA TÉCNICA À ALDEIA TEKOHA GUARANI Aos sete dias do mês de Junho de dois mil e treze foi realizada visita técnica à Aldeia Indígena Tekoha Guarani, localizada

Leia mais

Reestruturação hospitalar é a prioridade

Reestruturação hospitalar é a prioridade Campo Grande, MS Quarta-Feira, 25 de maio de 2016 INFORME PUBLICITÁRIO www.midiamax.com.br Ano 4 - Edição 950 Distribuição Gratuita Victor Chileno AÇÃO DE GOVERNO Fila zerada e meta superada em Mato Grosso

Leia mais

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente,

MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA. Senhor Presidente, ** Discurso proferido pelo deputado GERALDO RESENDE (PMDB/MS), em sessão no dia 05/06/2013. MORTE DO ÍNDIO OZIEL GABRIEL: UMA TRAGÉDIA ANUNCIADA Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, No dia

Leia mais

CONFLITO, TERRITÓRIO E IDENTIDADE: O CASO DOS INDÍGENAS GUARANI DE GUAÍRA/PR

CONFLITO, TERRITÓRIO E IDENTIDADE: O CASO DOS INDÍGENAS GUARANI DE GUAÍRA/PR CONFLITO, TERRITÓRIO E IDENTIDADE: O CASO DOS INDÍGENAS GUARANI DE GUAÍRA/PR Cíntia Pires Inéia Acadêmica do Curso de Geografia da Universidade Estadual do Oeste do Paraná- Unioeste- Campus Marechal C.

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009.

RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL 4 a CÂMARA DE COORDENAÇÃO E REVISÃO MEIO AMBIENTE E PATRIMÔNIO CULTURAL RECOMENDAÇÃO N.º 07/09-4ª CCR/MPF, 01 DE JULHO DE 2009. O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pela Subprocuradora

Leia mais

Brasília (DF), junho de 2015.

Brasília (DF), junho de 2015. Brasília (DF), junho de 2015. No dia 19 de maio de 2015, na Câmara dos Deputados, organizações e movimentos sociais, indígenas, indigenistas e ambientalistas, junto com as Frentes Parlamentares de Apoio

Leia mais

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003

MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 PORTARIA DPE/SPEAI/MD 983/2003 MINISTÉRIO DA DEFESA GABINETE DO MINISTRO PORTARIA Nº 983/DPE/SPEAI/MD, DE 17 DE OUTUBRO DE 2003 Aprova a Diretriz para o relacionamento das Forças Armadas com as comunidades

Leia mais

DIREITO À MEMÓRIA. DIREITO À VERDADE. IMAGENS DOS POVOS INDÍGENAS NO ACERVO DOCUMENTAL FUNAI/PONTA PORÃ (1973 A 2004).

DIREITO À MEMÓRIA. DIREITO À VERDADE. IMAGENS DOS POVOS INDÍGENAS NO ACERVO DOCUMENTAL FUNAI/PONTA PORÃ (1973 A 2004). 1 DIREITO À MEMÓRIA. DIREITO À VERDADE. IMAGENS DOS POVOS INDÍGENAS NO ACERVO DOCUMENTAL FUNAI/PONTA PORÃ (1973 A 2004). GILCACIA GÜNDEL SALDANHA* INTRODUÇÃO A atual Fundação Nacional do Índio (FUNAI)

Leia mais

MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000

MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000 MANIFESTO PÚBLICO CONTRA A PEC 215/2000 Brasília (DF), junho de 2015. No dia 19 de maio de 2015, na Câmara dos Deputados, organizações e movimentos sociais, indígenas, indigenistas e ambientalistas, junto

Leia mais

Ñanduty TÔ AQUI... PARECE QUE TÔ RENASCENDO TUDO DE NOVO :

Ñanduty TÔ AQUI... PARECE QUE TÔ RENASCENDO TUDO DE NOVO : Revista Eletrônica Ñanduty PPGAnt - UFGD PPGAnt- Programa de Pós-Graduação em Antropologia UFGD - Universidade Federal da Grande Dourados ISSN: 2317-8590 Dourados - MS - Brasil www.ufgd.edu.br/nanduty

Leia mais

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS. COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PATRICIA SANCHEZ PERES

CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS. COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PATRICIA SANCHEZ PERES CENTRO UNIVERSITÁRIO FUNDAÇÃO SANTO ANDRÉ FACULDADE DE FILOSOFIA, CIÊNCIAS E LETRAS. COLEGIADO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS PATRICIA SANCHEZ PERES APRIMORAMENTO DO PROGRAMA DE ETNOTURISMO ORIENTADO NA ALDEIA

Leia mais

LAZER NO ACAMPAMENTO LARANJEIRA ÑANDERU, MUNICÍPIO DE RIO BRILHANTE, MATO GROSSO DO SUL

LAZER NO ACAMPAMENTO LARANJEIRA ÑANDERU, MUNICÍPIO DE RIO BRILHANTE, MATO GROSSO DO SUL 1 LAZER NO ACAMPAMENTO LARANJEIRA ÑANDERU, MUNICÍPIO DE RIO BRILHANTE, MATO GROSSO DO SUL Introdução Professora Indígena: llda Barbosa de Almeida Rio Brilhante/MS Profª Drª Marina Vinha/UFGD marinavinha@ufgd.edu.br

Leia mais

Povos indígenas nas regiões de fronteiras Direitos à documentação e a proposta do status especial cidadão indígena Mercosul

Povos indígenas nas regiões de fronteiras Direitos à documentação e a proposta do status especial cidadão indígena Mercosul Povos indígenas nas regiões de fronteiras Direitos à documentação e a proposta do status especial cidadão indígena Mercosul Marta Maria do Amaral Azevedo Núcleo de Estudos de População Elza Berquó NEPO/UNICAMP

Leia mais

BRASIL. (tradução não oficial para o português)

BRASIL. (tradução não oficial para o português) Distr. GERAL CCPR/C/BRA/CO/2 2 de Novembro 2005 Original: Inglês Comitê de Direitos Humanos 85ª Sessão CONSIDERAÇÃO DE RELATÓRIOS ENVIADOS POR ESTADOS PARTES SOB O ARTIGO 40 DO PACTO Observações finais

Leia mais

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições,

São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, A Constituição Federal de 1988 reconhece aos povos indígenas suas especificidades étnicas e culturais bem como estabelece seus direitos sociais. Dentre as inúmeras proteções conferidas aos povos indígenas

Leia mais

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Internacional Professor Diego Machado Data: 06/09/2009. 1.

OAB 140º - 1ª Fase Extensivo Final de Semana Disciplina: Direito Internacional Professor Diego Machado Data: 06/09/2009. 1. TEMAS ABORDADOS EM AULA Aula 1: Nacionalidade, Estrangeiro 1. Nacionalidade É um direito fundamental, é um Direito Humano que tem a previsão na previsão na Declaração de Direitos Humanos de 48, portanto,

Leia mais

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ

NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ NOVOS INSTRUMENTOS PERMITEM CONCRETIZAR DIREITOS HUMANOS NO STF E STJ (Conjur, 10/12/2014) Alexandre de Moraes Na luta pela concretização da plena eficácia universal dos direitos humanos o Brasil, mais

Leia mais

Marco legal. da política indigenista brasileira

Marco legal. da política indigenista brasileira Marco legal da política indigenista brasileira A política indigenista no país tem como base a Constituição Federal de 1988, o Estatuto do Índio (Lei nº 6.001/1973) e instrumentos jurídicos internacionais,

Leia mais

Principais temas em conflito UHE Belo Monte. Marcia Camargo Eletrobras

Principais temas em conflito UHE Belo Monte. Marcia Camargo Eletrobras Principais temas em conflito UHE Belo Monte Marcia Camargo Eletrobras Set/2012 Localizada no rio Xingu, Estado do Pará; Capacidade total instalada de 11.233,1 MW; Previsão de entrada em operação de sua

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 7.747, DE 5 DE JUNHO DE 2012 Institui a Política Nacional de Gestão Territorial e Ambiental de Terras Indígenas PNGATI,

Leia mais

Levantamento de Produtividade da Cultura da Soja para a Safra 2011/12 em Mato Grosso do Sul.

Levantamento de Produtividade da Cultura da Soja para a Safra 2011/12 em Mato Grosso do Sul. Levantamento de Produtividade da Cultura da Soja para a Safra 2011/12 em Mato Grosso do Sul. ¹Lucas Galvan ²Leonardo Carlotto Portalete ³Alexandre Rui Neto 1. Introdução 3. Metodologia A APROSOJA em parceria

Leia mais

Região: Territórios Indígenas da Amazônia Legal Unidade de Medida: unidade Quantidade: 2,00 Descrição:

Região: Territórios Indígenas da Amazônia Legal Unidade de Medida: unidade Quantidade: 2,00 Descrição: OBJETIVO: 0943 Garantir aos povos indígenas a plena ocupação e gestão de suas terras, a partir da consolidação dos espaços e definição dos limites territoriais, por meio de ações de regularização fundiária,

Leia mais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais

A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais Bárbara Duarte de Arruda Universidade Federal Fluminense barbara.dda@gmail.com A Etnização das lutas sociais pela terra na Amazônia: Novas agendas, novos agenciamentos político-territoriais 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

GEOGRAFIA DE MATO GROSSO DO SUL

GEOGRAFIA DE MATO GROSSO DO SUL MARCUS CAVALCANTE GEOGRAFIA DE MATO GROSSO DO SUL TEORIA 70 QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS, VESTIBULARES E EXERCÍCIOS PROPOSTOS GABARITADOS Teoria e Seleção das Questões: Prof. Marcus Cavalcante Organização

Leia mais

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas.

O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O Dever de Consulta Prévia do Estado Brasileiro aos Povos Indígenas. O que é o dever de Consulta Prévia? O dever de consulta prévia é a obrigação do Estado (tanto do Poder Executivo, como do Poder Legislativo)

Leia mais

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA

ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA ENFRENTAMENTO DA VIOLÊNCIA CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES: BALANÇO DE UMA DÉCADA Área Temática: Direitos Humanos e Justiça Liza Holzmann (Coordenadora da Ação de Extensão) Liza Holzmann 1 Palavras Chave:

Leia mais

AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR

AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR Gisele Kava 1 Natália Raquel Niedermayer 2 RESUMO: O trabalho

Leia mais

A felicidade do adolescer

A felicidade do adolescer A felicidade do adolescer Clodolina Martins* Indianara Ramires Machado* Thaisa Dias* Zuleica da Silva Tiago* Desenvolvemos o projeto A felicidade do adolescer: o adolescente conhecendo a si mesmo 1, na

Leia mais

CARTA DO IV SEMINÁRIO DOS POVOS INDÍGENAS E CAMPUS RURAL DE MARABÁ (IFPA/CRMB)

CARTA DO IV SEMINÁRIO DOS POVOS INDÍGENAS E CAMPUS RURAL DE MARABÁ (IFPA/CRMB) CARTA DO IV SEMINÁRIO DOS POVOS INDÍGENAS E CAMPUS RURAL DE MARABÁ (IFPA/CRMB) Nós, lideranças, professores e estudantes dos povos Atikum, Amanayé, Aikewara, Kyikatêjê, Parkatêjê, Akrãtikatêjê, Mbyá-Guarani

Leia mais

VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS DOS INDÍGENAS NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL

VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS DOS INDÍGENAS NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL VIOLAÇÕES DE DIREITOS HUMANOS DOS INDÍGENAS NO ESTADO DO MATO GROSSO DO SUL RELATORIA DO DIREITO HUMANO À TERRA, TERRITÓRIO E ALIMENTAÇÃO RELATÓRIO DA MISSÃO AO MATO GROSSO DO SUL Plataforma Dhesca l Brasil

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

Conselho Nacional de Justiça

Conselho Nacional de Justiça PEDIDO DE PROVIDÊNCIAS N. 0005958-45.2010.2.00.0000 RELATOR REQUERENTE REQUERIDO ASSUNTO : JORGE HÉLIO CHAVES DE OLIVEIRA : MINISTÉRIO PÚBLICO DO TRABALHO : CONSELHO NACIONAL DE JUSTIÇA : REGULAMENTAÇÃO

Leia mais

Trabalho Apresentado no XXV Simpósio Nacional de História, Simpósio Temático 36: Os Índios na História, 13-17 de julho de 2009

Trabalho Apresentado no XXV Simpósio Nacional de História, Simpósio Temático 36: Os Índios na História, 13-17 de julho de 2009 Terra Indígena Ñande Ru Marangatu: laudo pericial de natureza antropológica e histórica sobre parte de um território Kaiowa na fronteira do Brasil com o Paraguai Jorge Eremites de Oliveira * Levi Marques

Leia mais

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Modelo de Currículo Vagas no CNJ e no CNMP

SUPERIOR TRIBUNAL DE JUSTIÇA Modelo de Currículo Vagas no CNJ e no CNMP Nome Tribunal de origem ROBERTO LEMOS DOS SANTOS FILHO TRF3 - Tribunal Regional Federal da 3ª Região Data de posse 24/09/1999 Vaga a que deseja concorrer Membro do CNJ Juiz Federal (Art. 103-B, caput,

Leia mais

TERRA PARA OS GUARANI E OS KAIOWÁ: ESPECIFICIDADES E SIMILILARIDADES NO TOCANTE AS DIVERSAS LUTAS PELA TERRA

TERRA PARA OS GUARANI E OS KAIOWÁ: ESPECIFICIDADES E SIMILILARIDADES NO TOCANTE AS DIVERSAS LUTAS PELA TERRA TERRA PARA OS GUARANI E OS KAIOWÁ: ESPECIFICIDADES E SIMILILARIDADES NO TOCANTE AS DIVERSAS LUTAS PELA TERRA MOTA, Juliana Grasiéli Bueno - Mestranda em Geografia UFGD/PPGG. jugeo@ymail.com Orientador:

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina ÍNDICE Encontro de Mulheres Guarani do Litoral Norte do Estado de São Paulo Organização: Selma A. Gomes Projeto gráfico: Irmãs de Criação Fotos: Carlos Penteado Publicado com o apoio da CAFOD Novembro

Leia mais

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012)

Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) Red Derechos Humanos y Educación Superior Taller 1 Metodología de la enseñanza de los DDHH en la Educación Superior (Lima, 16-17 de julio de 2012) O Ensino de Direitos Humanos da Universidade Federal do

Leia mais

A Questão Indígena no Brasil

A Questão Indígena no Brasil Foto: Michel Pellanders, 1987 A Questão Indígena no Brasil Lílian Nogueira Rolim Marcela Cerávolo Salomão Rafael Soares Farias Setembro/2013 Histórico da situação indígena no Brasil Origens: pré-colombianos.

Leia mais

crenças, a proteção em seus territórios ou ainda a garantia de posse das terras ocupadas por eles.

crenças, a proteção em seus territórios ou ainda a garantia de posse das terras ocupadas por eles. Os índios do Brasil Muitos foram os temas tratados pela mídia com o início nessa primeira década do século XXI. As questões econômicas, a instabilidade e desvalorização cambial, quebras de países da zona

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PLANO DE TRABALHO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PEE-MS

GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PLANO DE TRABALHO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PEE-MS GOVERNO DO ESTADO DE MATO GROSSO DO SUL SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO PLANO DE TRABALHO DE ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO PEE-MS Campo Grande-MS Abril 2014 1 1 JUSTIFICATIVA Este Plano objetiva

Leia mais

A RESISTÊNCIA DO POVO KAIOWÁ DA ALDEIA PANAMBIZINHO NO MOMENTO DA TRANSFERÊNCIA PARA A RESERVA FRANCISCO HORTA BARBOSA

A RESISTÊNCIA DO POVO KAIOWÁ DA ALDEIA PANAMBIZINHO NO MOMENTO DA TRANSFERÊNCIA PARA A RESERVA FRANCISCO HORTA BARBOSA A RESISTÊNCIA DO POVO KAIOWÁ DA ALDEIA PANAMBIZINHO NO MOMENTO DA TRANSFERÊNCIA PARA A RESERVA FRANCISCO HORTA BARBOSA Nely Aparecida Maciel PPG-UFMS Neste artigo analiso certos aspectos relacionados com

Leia mais

Procuradoria Geral da Fazenda Nacional. Dívida Ativa. Cartilha aos Órgãos de Origem 8/3/2013

Procuradoria Geral da Fazenda Nacional. Dívida Ativa. Cartilha aos Órgãos de Origem 8/3/2013 2013 Procuradoria Geral da Fazenda Nacional Dívida Ativa Cartilha aos Órgãos de Origem Esta cartilha tem por fim informar e explicar o que é a Procuradoria Geral da Fazenda Nacional PGFN, quais créditos

Leia mais

RUA DA FACULDADE, 645 - JD. SANTA MARIA - FONE/FAX: (45) 3379-7000/7002 - CEP 85903-000 - TOLEDO PR

RUA DA FACULDADE, 645 - JD. SANTA MARIA - FONE/FAX: (45) 3379-7000/7002 - CEP 85903-000 - TOLEDO PR O Colegiado do Curso de Ciências Sociais da Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE vem a público manifestar sua posição diante dos fatos noticiados recentemente envolvendo o povo Guarani da

Leia mais

REQUERIMENTO (DO SR. FRANCISCO PRACIANO)

REQUERIMENTO (DO SR. FRANCISCO PRACIANO) REQUERIMENTO (DO SR. FRANCISCO PRACIANO) Requer o envio de Indicação à Presidência da República, sugerindo a adoção de medidas emergenciais, por meio de ação conjunta dos Ministérios que se fizerem necessários,

Leia mais

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL

QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL QUEBRA DO SIGILO BANCÁRIO PELO BANCO CENTRAL Kiyoshi Harada * O debate em torno da quebra do sigilo bancário voltou à baila após a manifestação do Procurador-Geral do Banco Central no sentido de que as

Leia mais

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO

ORDEM DOS ADVOGADOS DO BRASIL VII EXAME DE ORDEM UNIFICADO PADRÃO DE RESPOSTA - PEÇA PROFISSIONAL O Estado KWY editou norma determinando a gratuidade dos estacionamentos privados vinculados a estabelecimentos comerciais, como supermercados, hipermercados, shopping

Leia mais

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013.

AVISO CGJ Nº 126 de 30 de Janeiro de 2013. AVISO CGJ Nº 26 de 30 de Janeiro de 203. O Desembargador ANTONIO JOSÉ AZEVEDO PINTO, Corregedor Geral da Justiça do Estado do Rio de Janeiro, no exercício das atribuições que lhe são conferidas pelo inciso

Leia mais

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais.

12. Assinale a opção correta a respeito da composição e do funcionamento das juntas eleitorais. TRE-MT ANALIS. JUD. ADM CESPE 9. Assinale a opção correta com relação aos órgãos da justiça eleitoral. a) A justiça eleitoral é composta pelo Tribunal Superior Eleitoral ( TSE ), pelo TRE, na capital de

Leia mais

#TerraDemarcadaTituladaJa #MineracaoNao

#TerraDemarcadaTituladaJa #MineracaoNao Luisa Girardi/Iepé Demarcação/Titulação Já! O processo de regularização fundiária da Terra Indígena KaxuyanaTunayana iniciou-se na primeira década de 2000 e, desde abril de 2013, os índios aguardam a assinatura

Leia mais

Terra vermelha. 116 national ge o graphic

Terra vermelha. 116 national ge o graphic Terra vermelha s guaranis acreditam ter uma ligação espiritual com o lugar em que seus antepassados viveram. No Mato Grosso do Sul, essa crença há décadas banha de sangue o território indígena. 116 national

Leia mais

VIOLAÇÕES DOS DIREITOS DOS ÍNDIOS GUARANI NO MATO GROSSO DO SUL, BRASIL. Março de 2010. Relatório da Survival International para o Comitê para

VIOLAÇÕES DOS DIREITOS DOS ÍNDIOS GUARANI NO MATO GROSSO DO SUL, BRASIL. Março de 2010. Relatório da Survival International para o Comitê para Março de 2010 VIOLAÇÕES DOS DIREITOS DOS ÍNDIOS GUARANI NO MATO GROSSO DO SUL, BRASIL Relatório da Survival International para o Comitê para Eliminação da Discriminação Racial da ONU (CERD ONU): A Survival

Leia mais

Viabilidade Jurídica do Projeto de Carbono da Comunidade Suruí. Questões analisadas

Viabilidade Jurídica do Projeto de Carbono da Comunidade Suruí. Questões analisadas Viabilidade Jurídica do Projeto de Carbono da Comunidade Suruí Rodrigo Sales Viviane Otsubo Kwon FUNAI Brasília DF 19 de fevereiro de 2009 Questões analisadas Elegibilidade dos participantes; Titularidade

Leia mais

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS

MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO MUNICÍPIO DE SÃO JOSÉ DOS CAMPOS EXCELENTÍSSIMO(A) SENHOR(A) JUIZ(A) FEDERAL COMPETENTE POR DISTRIBUIÇÃO PROCEDIMENTO ADMINISTRATIVO.34.04.0009/004-0 O MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL, pelo Procurador da República que esta subscreve, em exercício

Leia mais

RECOMENDAÇÃO N. 18/2010 1º OFÍCIO CÍVEL - PR/AM

RECOMENDAÇÃO N. 18/2010 1º OFÍCIO CÍVEL - PR/AM M I N I S T É R I O P Ú B L I C O F E D E R A L PROCURADORIA DA REPÚBLICA NO AMAZONAS AV. ANDRÉ ARAÚJO, 358, ALEIXO CEP 69.060-000 - TELEFONE: (92) 3611-3180 RAMAL: 230 www.pram.mpf.gov.br oficiocivel1@pram.mpf.gov.br

Leia mais

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros

Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Acesso ao Tribunal Constitucional: Possibilidade de ações movidas por estrangeiros Os direitos fundamentais previstos na Constituição brasileira de 1988 são igualmente garantidos aos brasileiros e aos

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº 014 /2009

NOTA TÉCNICA Nº 014 /2009 NOTA TÉCNICA Nº 014 /2009 Brasília, 03 de dezembro de 2009. ÁREA: Jurídico TÍTULO: Proposta de alterações nas regras para pagamento de precatórios. REFERÊNCIA(S): art. 100 da Constituição Federal de 1988;

Leia mais

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia.

Justiça Militar estadual e Justiça de Transição. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas que garantiam a dominação sobre a colônia. Justiça Militar estadual e Justiça de Transição Justiça Militar no Império Conselho Supremo Militar e de Justiça Decreto de 1º de abril de 1808. Necessidade de preservar a unidade e obediência das tropas

Leia mais

d) A revogação de um ato administrativo gera direito à indenização?

d) A revogação de um ato administrativo gera direito à indenização? PREPARATÓRIO 2ª ETAPA Direito Administrativo Professora: Patrícia Newley Kopke Resende PRINCÍPIOS 01) A Administração Pública deve seguir a princípios expressos consignados na Constituição da República,

Leia mais

PROCESSO N.º 1629/12 PROTOCOLO N.º 5.674.146-1 PARECER CEE/CP N.º 03/12 APROVADO EM 05/10/12

PROCESSO N.º 1629/12 PROTOCOLO N.º 5.674.146-1 PARECER CEE/CP N.º 03/12 APROVADO EM 05/10/12 PROTOCOLO N.º 5.674.146-1 PARECER CEE/CP N.º 03/12 APROVADO EM 05/10/12 CONSELHO PLENO INTERESSADA: UNIÃO NACIONAL DOS DIRIGENTES MUNICIPAIS DE EDUCAÇÃO - UNDIME/PR MUNICÍPIO: CURITIBA ASSUNTO: Consulta

Leia mais

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO

O BRASIL SEM MISÉRIA APRESENTAÇÃO APRESENTAÇÃO O BRASIL SEM MISÉRIA O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome decidiu organizar este livro por vários motivos. Um deles é evitar que o histórico da construção do Plano Brasil

Leia mais

Vila Nova Casa Verde: existência a partir dos assentamentos

Vila Nova Casa Verde: existência a partir dos assentamentos Vila Nova Casa Verde: existência a partir dos assentamentos Mediante o surgimento de outros assentamentos, invocaremos alguns estudos importantes, para se entender o surgimento e construção da Vila Nova

Leia mais

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso

Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso Ensino Fundamental com 9 anos de duração - Idade de Ingresso A respeito da idade de ingresso das crianças, no ensino fundamental de 9 anos de duração, ocorreram acaloradas discussões na esfera educacional

Leia mais

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende)

PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) PROJETO DE LEI N.º, DE 2003 (Do Sr. Geraldo Resende) Autoriza o Poder Executivo a instituir a Fundação Universidade Federal da Grande Dourados, e dá outras providências. O Congresso Nacional decreta: Art.

Leia mais

Planejamento e Gestão para Cumprimento da Meta 02. *Cristiane Pederzolli Rentzsch*

Planejamento e Gestão para Cumprimento da Meta 02. *Cristiane Pederzolli Rentzsch* Planejamento e Gestão para Cumprimento da Meta 02 *Cristiane Pederzolli Rentzsch* I - Introdução II - A Meta 02 III - Experiência da 17ª Vara da SJDF IV - Conclusão V - Agradecimentos I. Introdução O Conselho

Leia mais

Campo Grande, 08 de outubro de 2015

Campo Grande, 08 de outubro de 2015 Campo Grande, 08 de outubro de 2015 Deus enxugará toda a lágrima de seus olhos, pois nunca mais haverá morte, nem luto, nem clamor, e nem dor haverá mais. Sim! As coisas antigas se foram! (Ap. 21.4) Nhanderu

Leia mais

MAPEAMENTO DA LÍNGUA TERENA DA ALDEIA ALDEINHA ANASTÁCIO/MS Evelin Tatiane da Silva Pereira¹ Margareth Fialho Candido² Elisangela Castedo Maria³

MAPEAMENTO DA LÍNGUA TERENA DA ALDEIA ALDEINHA ANASTÁCIO/MS Evelin Tatiane da Silva Pereira¹ Margareth Fialho Candido² Elisangela Castedo Maria³ 1 MAPEAMENTO DA LÍNGUA TERENA DA ALDEIA ALDEINHA ANASTÁCIO/MS Evelin Tatiane da Silva Pereira¹ Margareth Fialho Candido² Elisangela Castedo Maria³ RESUMO O presente trabalho teve como objetivo principal

Leia mais

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa²

POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE. Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² POVOS INDÍGENAS E A MÍDIA ESCRITA SUL-MATO-GROSSENSE Renata Guerreiro Barbosa¹; Beatriz dos Santos Landa² 1. 2. Bolsista UEMS, Acadêmica do Curso de Enfermagem da UEMS Professora do Curso de Ciências Biológicas

Leia mais

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º

LEI N.º 10/91 ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO. Artigo l.º LEI N.º 10/91 A Assembleia Nacional no uso das atribuições que lhe são conferidas ao abrigo da alínea d) do artigo 87º. Da Constituição, aprova a seguinte Lei: ESTATUTO DOS MAGISTRADOS CAPÍTULO I ESTATUTO

Leia mais

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL EXCELENTÍSSIMO SENHOR DOUTOR MINISTRO DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL Ref. Proc. ARE 803462 COMUNIDADE TERENA, TERRA INDÍGENA LIMÃO VERDE, através dos seus Caciques ROMÃO CAETANO DE MORAES, indígena Terena,

Leia mais

Silvana Jesus do Nascimento Universidade Federal da Grande Dourados ( UFGD), MS, Brasil

Silvana Jesus do Nascimento Universidade Federal da Grande Dourados ( UFGD), MS, Brasil 1 Reflexão sobre atuação da rede de proteção à criança e ao adolescente nos casos em que envolve o abrigamento, a reinsercão familiar e a adoção de crianças indígenas kaiowá 1 Silvana Jesus do Nascimento

Leia mais

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta 13/12/2015 - Copyleft Ameaçado o primeiro Assentamento Agroecológico do Rio de Janeiro O mais grave é que o laudo do MPF nega a possibilidade de permanência das famílias e ignora a potencialidade ambiental

Leia mais

*F69F3DF9* PROJETO DE LEI N.º, de de 2012. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO)

*F69F3DF9* PROJETO DE LEI N.º, de de 2012. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) ** PROJETO DE LEI N.º, de de 2012. (DO TRIBUNAL SUPERIOR DO TRABALHO) Dispõe sobre a criação de cargos de provimento efetivo no Quadro de Pessoal da Secretaria do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região.

Leia mais

O Sistema Internacional de Proteção dos Direitos Humanos nas Questões Indígenas: influência no sistema jurídico brasileiro 1

O Sistema Internacional de Proteção dos Direitos Humanos nas Questões Indígenas: influência no sistema jurídico brasileiro 1 - SEPesq O Sistema Internacional de Proteção dos Direitos Humanos nas Questões Indígenas: influência no sistema jurídico brasileiro 1 Gilberto Schafer 2 1. Introdução O presente projeto de pesquisa tem

Leia mais