PROGRAMA DE AUDITORIA PARA CONTAS DO PASSIVO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROGRAMA DE AUDITORIA PARA CONTAS DO PASSIVO"

Transcrição

1 PROGRAMA DE AUDITORIA PARA CONTAS DO

2 PROGRAMAS DE AUDITORIA PARA CONTAS DO As obrigações representam fontes de recursos e reivindicações de terceiros contra ativos da empresa. Os principais erros no passivo circulante decorrem de subavaliação, valores fictícios, omissões, acréscimos falsos e simulações. Esses erros também são destinados a verificar fins diversos, tais como: falências, concordatas, desvios de numerário, entre outros.

3 PROGRAMAS DE AUDITORIA PARA CONTAS DO GRUPOS DE CONTAS, OBJETIVOS E PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA LIVRO PÁGINA 391

4 PROGRAMAS DE AUDITORIA PARA CONTAS DO AUDITORIA PARA FORNECEDORES E CONTAS A PAGAR O objetivo deste programa é determinar que: 9 Contas a pagar representam obrigações correntes devidamente autorizadas; 9 Importância incluídas nas contas a pagar estão adequadamente classificadas, e de conformidade com os Princípios Fundamentais de Contabilidade consistentemente aplicados; 9 Contas a pagar incluem todas as obrigações correntes significativas.

5 PROGRAMAS DE AUDITORIA PARA CONTAS DO AUDITORIA PARA OBRIGAÇÕES SOCIAIS E OUTRAS OBRIGAÇÕES O objetivo deste programa é determinar que: 9O grau de confiabilidade dos registros e saldos contábeis das obrigações sociais e fiscais é adequado; 9As obrigações abrangem custos e despesas relativos ao período; 9Todas contingências e despesas futuras estimadas foram provisionadas, classificadas e descritas de acordo com os Princípios Fundamentais de Contabilidade, consistentemente aplicados.

6 PROGRAMAS DE AUDITORIA PARA CONTAS DO AUDITORIA DAS CONTAS DO EXIGÍVEL Os objetivos do auditor, ao verificar o exigível, compreendem o seguinte: 9 Verificar se existe controle interno satisfatório sobre o exigível; 9 Determinar a razoabilidade e a propriedade do passivo registrado; 9 Certificar-se de que todo o passivo foi registrado, ou seja de que não há item algum do passivo sem registro; 9 Determinar se os itens do passivo são corretamente apresentados nas demonstrações financeiras.

7 9 As obrigações foram devidamente autorizadas e apropriadamente classificadas e descritas nas demonstrações financeiras; 9 Passivos são registrados corretamente; 9 Os respectivos encargos são contabilizados de acordo com os Princípios Fundamentais de Contabilidade; 9 A contabilização dos encargos é consistentemente efetuada; 9 As demonstrações financeiras incluem informações adequadas sobre cláusulas restritivas, em encargos, ativos ca cionados etc PROGRAMAS DE AUDITORIA PARA CONTAS DO AUDITORIA PARA EMPRÉSTIMOS E FINANCIAMENTOS CIRCULANTE E LONGO PRAZO O objetivo deste programa é determinar que:

8 PROGRAMAS DE AUDITORIA PARA CONTAS DO CONTAS A PAGAR: RELAÇÃO DE TIPOS DE ERROS DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS, OBJETIVOS DE AUDITORIA E TESTES SUBSTANTIVOS DE AUDITORIA. LIVRO PÁGINA 394 A 397

9

10 PROGRAMAS DE AUDITORIA PARA REVISÃO FINAL CARTA DE REPRESENTAÇÃO DECLARAÇÃO FORMAL DA ADMINISTRAÇÃO O auditor deverá solicitar ao cliente a carta de representação, em que se define a responsabilidade da empresa quanto aos fatos de sua competência. A empresa informará, principalmente, aquelas ocorrências que não seriam alcançadas no exame auditorial e confirmará ter procedido com obediência aos princípios gerais e legais que regem sua atividade econômica.

11 PROGRAMAS DE AUDITORIA PARA REVISÃO FINAL CARTA DE REPRESENTAÇÃO DECLARAÇÃO FORMAL DA ADMINISTRAÇÃO Essa carta não exime o auditor da responsabilidade profissional. MODELO NO LIVRO.

12 OBRIGADO! PERGUNTAS? Silvio Aparecido Crepaldi

Programas de Auditoria para Contas do Passivo

Programas de Auditoria para Contas do Passivo Programas de Auditoria para Contas do Passivo ATIVO CIRCULANTE Auditoria Contábil PASSIVO E PATRIMÔMIO LÍQUIDO CIRCULANTE Caixa, Bancos e Aplicações Financeiras Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar

Leia mais

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS AUDITORIA 1

UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS AUDITORIA 1 UNIVERSIDADE DE BRASÍLIA - UnB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS AUDITORIA 1 PROGRAMAS DE AUDITORIA E PROCEDIMENTOS ANALÍTICOS PARA CONTAS DO PASSIVO DE DO PATRIMÔNIO LÍQUIDO ALUNOS: DIOGO

Leia mais

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido

Programas de Auditoria para contas do Passivo e Patrimônio Líquido Universidade de Brasília Faculdade de Economia, Administração, Ciências Contábeis e Ciência da Informação e Documentação Disciplina: Auditoria Professor: Wolney Turma: A Programas de Auditoria para contas

Leia mais

Programas de Auditoria para Contas do Ativo

Programas de Auditoria para Contas do Ativo Programas de Auditoria para Contas do Ativo ATIVO CIRCULANTE Auditoria Contábil PASSIVO E PATRIMÔMIO LÍQUIDO CIRCULANTE Caixa, Bancos e Aplicações Financeiras Contas a Receber Estoques Impostos a Recuperar

Leia mais

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro

Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro Maratona Fiscal ISS Auditoria 1. Uma das diferenças entre o auditor independente e o auditor interno é que o primeiro (A) necessita de registro no Conselho Regional de Contabilidade e o segundo, não. (B)

Leia mais

Evidência de Auditoria

Evidência de Auditoria Evidência de Auditoria Compreende as informações utilizadas pelo auditor para chegar às conclusões em que se fundamentam a sua opinião. Inclui as informações contidas nos registros contábeis que suportam

Leia mais

Esperamos que os comentários abaixo ajudem na elaboração dos recursos e no aprendizado da matéria.

Esperamos que os comentários abaixo ajudem na elaboração dos recursos e no aprendizado da matéria. Caro Concursando, Analisamos as questões de Auditoria da prova para AFRFB/09. Em um primeiro momento, identificamos 5 possíveis recursos: 4 anulações (questões 22, 27, 32 e 40) e 1 alteração de gabarito

Leia mais

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL

PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO CONTROLADORIA GERAL DO MUNICÍPIO SUBCONTROLADORIA DE INTEGRAÇÃO DE CONTROLES AUDITORIA GERAL ÓRGÃO/ENTIDADE: TÍTULO DO TRABALHO: Análise contábil das operações, saldos

Leia mais

QUESTÃO DE REVISÃO. a) controle. b) detecção. c) distorção inerente. d) relevante

QUESTÃO DE REVISÃO. a) controle. b) detecção. c) distorção inerente. d) relevante TURMA 6º CCN CENTRO DE ENSINO SUPERIOR DO AMAPÁ CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS AUDITORIA CONTÁBIL PROF.º: AILTON NÓBREGA QUESTÃO DE REVISÃO 01. O planejamento adequado, a designação apropriada de pessoal

Leia mais

AULA EXTRA: Resumo de Auditoria para ISS-Cuiabá.

AULA EXTRA: Resumo de Auditoria para ISS-Cuiabá. AULA EXTRA: Resumo de Auditoria para ISS-Cuiabá. Olá pessoal! Segue resumo de Auditoria para a prova de ISS-Cuiabá, que será aplicada amanhã (27/03). Abraços e boa prova a todos. 1. Auditar é testar a

Leia mais

ATIVO Notas 2009 2008

ATIVO Notas 2009 2008 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2009 2008 CIRCULANTE Caixa e bancos 20.723 188.196 Contas a receber 4 903.098 806.697 Outras contas a receber 5 121.908 115.578 Estoques 11.805 7.673

Leia mais

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009

FUNDAÇÃO EDUCACIONAL REGIONAL JARAGUAENSE - FERJ BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE Valores expressos em Reais. ATIVO Notas 2010 2009 BALANÇOS PATRIMONIAIS EM 31 DE DEZEMBRO DE ATIVO Notas 2010 2009 CIRCULANTE Caixa e bancos 422.947 20.723 Contas a receber 4 698.224 903.098 Outras contas a receber 5 3.304.465 121.908 Estoques 14.070

Leia mais

PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 CURSO: ANO LETIVO: 2007 TURMA: 4º ANO AUDITORIA CONTÁBIL EMENTA

PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 CURSO: ANO LETIVO: 2007 TURMA: 4º ANO AUDITORIA CONTÁBIL EMENTA PLANO DE ENSINO ANO DO VESTIBULAR: 2004 DEPARTAMENTO CIÊNCIAS CONTÁBEIS CAMPUS UNIVERSITÁRIO TANGARÁ DA SERRA CURSO: ANO LETIVO: 2007 CIÊNCIAS CONTÁBEIS TURMA: 4º ANO DISCIPLINA: AUDITORIA CONTÁBIL CARGA

Leia mais

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO

1-DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS 1.1 OBJETIVO E CONTEÚDO 2 -DEMONSTRATIVOS CONTÁBEIS BÁSICOS. OBJETIVO E CONTEÚDO Os objetivos da Análise das Demonstrações Contábeis podem ser variados. Cada grupo de usuários pode ter objetivos específicos para analisar as Demonstrações

Leia mais

Unidade II. Unidade II

Unidade II. Unidade II Unidade II 4 DOCUMENTAÇÃO DE AUDITORIA - PAPÉIS DE TRABALHO 1 Os papéis de trabalho constituem os documentos preparados pelo auditor e/ou obtidos diretamente da empresa para comprovar a evidência da transação

Leia mais

Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.)

Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.) Ecoporto Holding S.A. (Anteriormente Denominada Ecoporto Holding Ltda.) Demonstrações Financeiras Referentes ao Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2011 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as

Leia mais

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis

Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis www.pwc.com.br Guia das Demonstrações Financeiras Pontos para Fechamento de 2013 Aspectos contábeis Novembro de 2013 Agenda 2013 Normas novas e revisadas IAS 1 Apresentação das demonstrações financeiras

Leia mais

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Brito Amoedo Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Brito Amoedo Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS

SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 SUR REDE UNIVERSITÁRIA DE DIREITOS HUMANOS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2011 E 2010 CONTEÚDO

Leia mais

Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria

Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria Fiscal Auditoria Procedimentos - Pós Materialidade e Normas de Auditoria 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. Auditoria Profº Guilherme Albuquerque. Profº guilherme

Leia mais

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson

AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE. Jackson AUDITORIA COMO FERRAMENTA DE CONTROLE 1 Jackson Auditoria É um conjunto de técnicas que devem ser aplicadas, para permitir ao auditor emitir uma opinião sobre a razoabilidade das demonstrações contábeis

Leia mais

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Niterói Administradora de Imóveis S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Niterói Administradora de Imóveis S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Em 30 de Junho de 2007 e em 31 de Dezembro de 2006, 2005 e 2004 Parecer dos auditores independentes

Leia mais

Boletimj. Manual de Procedimentos. Temática Contábil e Balanços. Auditoria. Contabilidade Geral. Contabilidade Internacional

Boletimj. Manual de Procedimentos. Temática Contábil e Balanços. Auditoria. Contabilidade Geral. Contabilidade Internacional Boletimj Manual de Procedimentos Fascículo N o 11/2014 // Auditoria Características intrínsecas das informações utilizadas como evidência de auditoria... 01 // Contabilidade Geral Vale-pedágio.... 02 //

Leia mais

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes

CPC 25 Provisões, Passivos e Ativos Contingentes Resumo Objetivo Estabelecer que sejam aplicados critérios de reconhecimento e bases de mensuração apropriados a provisões e a passivos e ativos contingentes e que seja divulgada informação suficiente nas

Leia mais

Sumário. Apresentação

Sumário. Apresentação Sumário Apresentação XVII Capítulo 1 Aspectos introdutórios 1 1 Origens da auditoria moderna 1 2 Teoria da agência 2 3 Auditoria no Brasil: evolução e convergência 3 3.1 Evolução da auditoria no Brasil

Leia mais

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores;

Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; ESTRUTURA CONCEITUAL BÁSICA DA CONTABILIDADE Prof. Francisco Marcelo Avelino Junior, MsC. EVOLUÇÃO HISTÓRICA Princípios primeiros pronunciamentos para orientação de contadores; Princípios Contábeis representam

Leia mais

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013

Relatório dos auditores independentes. Demonstrações contábeis Em 31 de dezembro de 2014 e 2013 Relatório dos auditores independentes Demonstrações contábeis MAA/MFD/YTV 2547/15 Demonstrações contábeis Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações contábeis Balanços patrimoniais

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS A respeito das normas brasileiras de contabilidade, julgue os itens a seguir. 51 Considere que determinada entidade, que passava por uma auditoria independente, tenha contratado

Leia mais

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA.

TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. TESTES EM AUDITORIA: UMA REVISÃO CONCEITUAL APLICÁVEL NA PRÁTICA. Por: Prof. MSc Cláudio Marcelo Rodrigues Cordeiro 1 INTRODUÇÃO Considerando que a atividade de auditoria não se propõe a verificar a totalidade

Leia mais

Relatório dos Auditores Independentes

Relatório dos Auditores Independentes Relatório dos Auditores Independentes Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 JRS/NMT/ SAD Demonstrações contábeis em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos Auditores Independentes

Leia mais

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS

CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS CONCEITOS (PRINCÍPIOS) CONTÁBEIS FUNDAMENTAIS Os números entre parênteses a seguir indicam o número do item que aparece no pronunciamento original do Comitê de Pronunciamentos Contábeis CPC. REGIME DE

Leia mais

I.I Estruturação Conceitual Básica. I.II O Patrimônio. I.III Conceitos de Capital. I.IV Escrituração Contábil Básica

I.I Estruturação Conceitual Básica. I.II O Patrimônio. I.III Conceitos de Capital. I.IV Escrituração Contábil Básica Contabilizando com o Direito: aspectos teóricos e práticos aplicados ao cotidiano do advogado Dr. Gabriel Strazas Henkin OAB/SC 24.583 gabriel@angelitobarbieri.com.br 47-33403333 I Noções Básicas de Contabilidade

Leia mais

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais,

O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.220/09 Aprova a NBC TA 510 Trabalhos Iniciais Saldos Iniciais. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO o processo de

Leia mais

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria

Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria Tópico: Plano e Estratégia. Controle interno e risco de auditoria i Professor Marcelo Aragão Trabalhos de outros auditores ou especialistas Complexidade das transações Volume das transações Áreas importantes

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE

ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE ASSOCIAÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS EM REDE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS EM 31 DE DEZEMBRO DE 2008 E 2007 CONTEÚDO Parecer dos auditores independentes Quadro

Leia mais

Associação Corredor Ecológico do Vale do Paraíba Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes

Associação Corredor Ecológico do Vale do Paraíba Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e relatório dos auditores independentes Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras Aos Administradores Associação Corredor

Leia mais

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com

Notas Explicativas. Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com CONSELHO REGIONAL DE CONTABILIDADE DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO Home page: www.crc.org.br - E-mail: cursos@crcrj.org.br Notas Explicativas Armando Madureira Borely armando.borely@globo.com (Rio de Janeiro)

Leia mais

INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO SOLIDÁRIO DE MARINGÁ DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 31 DE DEZEMBRO DE 2014

INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO SOLIDÁRIO DE MARINGÁ DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 31 DE DEZEMBRO DE 2014 INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO SOLIDÁRIO DE MARINGÁ DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 31 DE DEZEMBRO DE 2014 1 Maringá, 10 de março de 2015. Ilmo Senhor Diretor Presidente do INSTITUIÇÃO DE CRÉDITO SOLIDÁRIO DE MARINGÁ.

Leia mais

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A.

Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. Demonstrações Financeiras UPCON SPE 17 Empreendimentos Imobiliários S.A. 31 de dezembro de 2014 com o relatório dos auditores independentes Demonstrações financeiras Índice Relatório dos auditores independentes

Leia mais

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES

PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES PARECER DOS AUDITORES INDEPENDENTES Aos Diretores, Conselheiros e Associados da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL SÃO PAULO SP 1. Examinamos o Balanço Patrimonial da ASSOCIAÇÃO COMUNITÁRIA MONTE AZUL,

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis

Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Tópico: Procedimentos em áreas específicas das Demonstrações Contábeis Professor Marcelo Aragao ÁREAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS A SEREM AUDITADAS Contas de Ativo Contas de Passivo Patrimônio Líquido

Leia mais

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares. Procedimentos de Auditoria

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares. Procedimentos de Auditoria AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Procedimentos de Auditoria TURMA: PECC 1 - PROCEDIMENTOS DE AUDITORIA ASPECTOS CONCEITUAIS Nesta aula, estudaremos os Procedimentos de Auditoria, abordando

Leia mais

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)

COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52) COMO CONVERTER DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS BRASILEIRAS PARA A MOEDA AMERICANA (FAS 52)! As principais diferenças entre as normas contábeis brasileiras e americanas (US GAAP)! As taxas de conversão a serem

Leia mais

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes

Associação Arte Despertar Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2009 e de 2008 e parecer dos auditores independentes Parecer dos auditores independentes PricewaterhouseCoope~ Av. Francisco Matarauo, 1400 Torre Torino Caixa

Leia mais

SILVIO APARECIDO CREPALDI AUDITORIA CONTÁBIL. Teoria e Prática. 6 a Edição Atualizada de acordo com as Leis n os 11.638/07 e 11.

SILVIO APARECIDO CREPALDI AUDITORIA CONTÁBIL. Teoria e Prática. 6 a Edição Atualizada de acordo com as Leis n os 11.638/07 e 11. SILVIO APARECIDO CREPALDI AUDITORIA CONTÁBIL Teoria e Prática 6 a Edição Atualizada de acordo com as Leis n os 11.638/07 e 11.941/09 Silvio Aparecido Crepaldi Auditoria Contábil Teoria e Prática Respostas

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

PLANEJAMENTO DOS TRABALHOS DE AUDITORIA Parte I

PLANEJAMENTO DOS TRABALHOS DE AUDITORIA Parte I GRADUAÇÃO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ATUARIAIS BEATRIZ CUBAS CAZETTA 05/16278 GABRIELA DINIZ FERREIRA 05/18514 ROBERTO SOUZA GUIMARÃES 04/92973 PLANEJAMENTO DOS TRABALHOS DE AUDITORIA Parte I WONEY DE OLIVEIRA

Leia mais

Noções Básicas de Contabilidade 27-07- 2011

Noções Básicas de Contabilidade 27-07- 2011 Noções Básicas de Contabilidade Aplicada Telefonica 27-07- 2011 0 Apresentação Rogério PROCÓPIO da Cunha Programação Início 14:00 Intervalo 15:30 Retorno 15:50 Conclusão 17:30 Este material poderá ser

Leia mais

Fundo de Parcerias Público-Privadas FPPP do Município de Rio das Ostras (RJ) Demonstrações contábeis em 31 dezembro de 2010

Fundo de Parcerias Público-Privadas FPPP do Município de Rio das Ostras (RJ) Demonstrações contábeis em 31 dezembro de 2010 Fundo de Parcerias Público-Privadas FPPP do Município de Rio das Ostras (RJ) Demonstrações contábeis em 31 dezembro de 2010 Fundo de Parcerias Público-Privadas FPPP do Município de Rio das Ostras (RJ)

Leia mais

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1

Teoria da Contabilidade. Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Teoria da Contabilidade Prof. Joaquim Mario de Paula Pinto Junior 1 Origem Evolução do sistema capitalista; Necessidade de ampliação das instalações; Investimento tecnológico; Redução de custos; Empréstimos

Leia mais

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO

SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE EXAME DE SUFICIÊNCIA Bacharel em Ciências Contábeis CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE EXAME DE SUFICIÊNCIA 01/2000 Edital 01/1999 SÓ ABRA QUANDO AUTORIZADO Este caderno

Leia mais

Basimóvel Consultoria Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes

Basimóvel Consultoria Imobiliária S/A. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes Basimóvel Consultoria Imobiliária S/A Demonstrações Contábeis acompanhadas do Parecer dos Auditores Independentes 30 de Junho de 2007 (Período compreendido entre 06 de Junho e 30 de Junho de 2007) 1/11

Leia mais

AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 01.01.11 A 31.12.11

AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 01.01.11 A 31.12.11 1 AUDITORIA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS DE 01.01.11 A 31.12.11 COOPERATIVA DE ECONOMIA E CREDITO MÚTUO DOS EMPREGADOS DA FUNDAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO - CECREM PARECER E RELATÓRIO CIRCUNSTANCIADO

Leia mais

ESPORTE CLUBE JUVENTUDE. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras. 31 de dezembro de 2013 e 2012

ESPORTE CLUBE JUVENTUDE. Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras. 31 de dezembro de 2013 e 2012 ESPORTE CLUBE JUVENTUDE Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras 31 de dezembro de 2013 e 2012 Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Aos

Leia mais

NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO Anexo à Resolução nº 660/87 1 - APLICABILIDADE

NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO Anexo à Resolução nº 660/87 1 - APLICABILIDADE NORMAS E INSTRUÇÕES DE ACOMPANHAMENTO Anexo à Resolução nº 660/87 1 - APLICABILIDADE As presentes Normas aplicam-se ao acompanhamento de beneficiário de colaboração financeira, objetivando manter o Sistema

Leia mais

Embratel Participações S.A.

Embratel Participações S.A. Embratel Participações S.A. Laudo de avaliação de acervo líquido formado por determinados ativos e passivos apurados por meio dos livros contábeis para efeito de cisão Em 30 de setembro de 2014 Índice

Leia mais

Departamento de Desenvolvimento Profissional

Departamento de Desenvolvimento Profissional Departamento de Desenvolvimento Profissional Auditoria Independente Renata Sol Costa renatasolcosta@hotmail.com Rio de Janeiro Maio/2015 Objetivo: Apresentar os conhecimentos fundamentais sobre auditoria

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Notas ATIVO Explicativas CIRCULANTE 63.224 47.422 Disponibilidades 423 429 Relações Interfinanceiras / Aplicações R.F. 4 31.991 23.380 Relações Interdependências

Leia mais

O que é DUE DILIGENCE? O apoio na tomada de decisão no processo de fusões e aquisições de empresas

O que é DUE DILIGENCE? O apoio na tomada de decisão no processo de fusões e aquisições de empresas O que é DUE DILIGENCE? O apoio na tomada de decisão no processo de fusões e aquisições de empresas! O que é Due Diligence?! É possível adquirir uma empresa sem passar por um processo de Due Diligence?!

Leia mais

QUESTÕES PARA A PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL. 1. É permitido ao contador no exercício da auditoria independente:

QUESTÕES PARA A PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL. 1. É permitido ao contador no exercício da auditoria independente: QUESTÕES PARA A PROVA DE QUALIFICAÇÃO TÉCNICA GERAL 1. É permitido ao contador no exercício da auditoria independente: a) Baseado no seu trabalho e julgamento, emitir Parecer de Auditoria sem ressalva,

Leia mais

PROGRAMA DE AUDITORIA CONTAS DO PASSIVO

PROGRAMA DE AUDITORIA CONTAS DO PASSIVO CENTRO UNIVERSITÁRIO MUNICIPAL DE SÃO JOSÉ USJ Graduação em Ciências Contábeis Disciplina: Auditoria Contábil PROGRAMA DE AUDITORIA CONTAS DO PASSIVO PROGRAMA DE AUDITORIA - CONTAS DO PASSIVO -Circulante

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS INSTITUTO DE CIÊNCIAS GERÊNCIAIS E ECONÔMICAS Ciências Contábeis Contabilidade em moeda constante e conversão de demonstrações contábeis para moeda estrangeira

Leia mais

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria

Tópico 6: Testes e. Procedimentos básicos de auditoria. Testes de auditoria. Prof. Marcelo Aragão. Testes de auditoria Tópico 6: Testes e Procedimentos básicos de auditoria Prof. Marcelo Aragão Testes de auditoria 1. TESTES DE OBSERVÂNCIA (DE CONTROLES, DE ADERÊNCIA OU DE PROCEDIMENTOS) Visam à obtenção de razoável segurança

Leia mais

LAM AUDITORES INDEPENDENTES

LAM AUDITORES INDEPENDENTES COOPERATIVA DE ELETRIFICAÇÃO E DESENVOLVIMENTO DA REGIÃO DE SÃO JOSÉ DO RIO PRETO CERRP Relatório de Auditoria das Demonstrações Contábeis do Exercício Findo em 31 de Dezembro de 2012. LAM AUDITORES INDEPENDENTES

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 06 (R1) Operações de Arrendamento Mercantil Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 17 (BV2010) Índice OBJETIVO 1 Item ALCANCE

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS De acordo com o comando a que cada um dos itens de 51 a 120 se refira, marque, na folha de respostas, para cada item: o campo designado com o código C, caso julgue o item CERTO; ou o campo designado com

Leia mais

NBC TA 450. CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional.

NBC TA 450. CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional. NBC TA 450 CRC SP - Material exclusivo para uso nas atividades promovidas por este Regional. RESOLUÇÃO CFC Nº. 1.216/09 Aprova a NBC TA 450 Avaliação das Distorções Identificadas durante a Auditoria. O

Leia mais

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares

PROFESSOR: Salomão Dantas Soares AUDITORIA PROFESSOR: Salomão Dantas Soares ASSUNTO Papéis de Trabalho TURMA: PECC Nesta aula, continuaremos o estudo dos aspectos técnicos concernentes à Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis,

Leia mais

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015

Demonstrações financeiras intermediárias em 30 de junho de 2015 Demonstrações financeiras intermediárias em KPDS 134230 Conteúdo Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações financeiras intermediárias 3 Balanços patrimoniais 5 Demonstrações dos resultados

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências.

RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97. Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. RESOLUÇÃO CFC N.º 820/97 Aprova a NBC T 11 Normas de Auditoria Independente das Demonstrações Contábeis com alterações e dá outras providências. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas

Leia mais

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR

NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR NORMAS BRASILEIRAS DE CONTABILIDADE NBC TE ENTIDADE FECHADA DE PREVIDÊNCIA COMPLEMENTAR DISPOSIÇÕES GERAIS 1. Esta norma estabelece critérios e procedimentos específicos para estruturação das demonstrações

Leia mais

Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro

Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre

Leia mais

RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03

RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03 RESOLUÇÃO CFC Nº 962/03 Aprova a NBC T 11 - IT - 09 - Estimativas Contábeis. O CONSELHO FEDERAL DE CONTABILIDADE, no exercício de suas atribuições legais e regimentais, CONSIDERANDO que as Normas Brasileiras

Leia mais

Vale S.A. - Estrada de Ferro Vitória-Minas Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de

Vale S.A. - Estrada de Ferro Vitória-Minas Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de Vale S.A. - Estrada de Ferro Vitória-Minas Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 30 de setembro de 2013 Relatório dos auditores independentes

Leia mais

Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 31 de março de

Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 31 de março de Vale S.A. - Estrada de Ferro Carajás Relatório dos auditores independentes sobre a aplicação de procedimentos previamente acordados em 31 de março de 2014 Relatório dos auditores independentes sobre a

Leia mais

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO.

O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 04 NOVEMBRO / 2009 O BANCO DO DESENVOLVIMENTO PROVA DISCURSIVA PROFISSIONAL BÁSICO - CIÊNCIAS CONTÁBEIS (2 a FASE) LEIA ATENTAMENTE AS INSTRUÇÕES ABAIXO. 01 - Você recebeu do fiscal o seguinte material:

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota. Explicativa BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) ATIVO Nota Explicativa CIRCULANTE 39.755 68.651 Disponibilidades 522 542 Relações Interf./Aplicações R.F. 5 13.018 27.570 Relações Interdependências 6-1.733 Operações

Leia mais

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes

Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração. Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Associação Brasileira de Metalurgia, Materiais e Mineração Demonstrações Contábeis acompanhadas do Relatório dos Auditores Independentes Em 31 de dezembro de 2012 Índice Página Relatório dos auditores

Leia mais

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08)

Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Carta-Circular nº 3.337 (DOU de 28/08/08) Divulga procedimentos mínimos necessários para o desempenho do estabelecido pela Circular 3.400, de 2008, no cumprimento das atribuições especiais das cooperativas

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE « CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS»CONTABILIDADE «21. A respeito das funções da Contabilidade, tem-se a administrativa e a econômica. Qual das alternativas abaixo apresenta uma função econômica? a) Evitar erros

Leia mais

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota

BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota BALANÇO PATRIMONIAL (Valores em R$ mil) Nota ATIVO Explicativa CIRCULANTE 19.098 15.444 Disponibilidades 98 90 Relações Interf. / Aplicações R.F. 5 13.053 9.797 Operações de Crédito 6 5.760 5.518 Outros

Leia mais

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS

PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRONUNCIAMENTO TÉCNICO CPC 26 APRESENTAÇÃO DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Correlação às Normas Internacionais de Contabilidade IAS 1 Objetivos e considerações gerais sobre as Demonstrações Financeiras Conteúdo

Leia mais

Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01. Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público

Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01. Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público Contabilidade no Setor Público para Concursos: Aula 01 Princípios de Contabilidade sob Perspectiva do Setor Público Princípios de contabilidade: Entidade Continuidade Oportunidade Registro pelo valor original

Leia mais

Construtora Aterpa M. Martins S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2013

Construtora Aterpa M. Martins S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2013 Construtora Aterpa M. Martins S.A. Demonstrações financeiras de acordo com as práticas contábeis adotadas no Brasil em 31 de dezembro de 2013 Relatório dos auditores independentes sobre as demonstrações

Leia mais

IMPORTAÇÃO DE DADOS DO SIG DO CLIENTE PARA O SAT

IMPORTAÇÃO DE DADOS DO SIG DO CLIENTE PARA O SAT Conteúdo 1. IMPORTAÇÃO DE DADOS DO SIG DO CLIENTE PARA O SAT... 2 1.1 Importação do SINTEGRA/SEF OU SPED FISCAL... 2 1.2 Importação dos INVENTÁRIOS MENSAIS ou TRIMESTRAIS.... 3 1.3 Importação da base de

Leia mais

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01. Entidades de Incorporação Imobiliária COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS ORIENTAÇÃO CPC-O - 01 Entidades de Incorporação Imobiliária Descrição Item Objetivo e alcance 1 Formação do custo do imóvel, objeto da incorporação imobiliária 2-9 Despesas

Leia mais

METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011

METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011 METALÚRGICA DUQUE S/A CNPJ N 84.683.762/0001-20 RELATÓRIO DA ADMINISTRAÇÃO DE 2011 Senhores Acionistas, Submetemos à apreciação de V.Sas. as Demonstrações Financeiras da Metalúrgica Duque S/A, referentes

Leia mais

NOÇÕES GERAIS DE AUDITORIA

NOÇÕES GERAIS DE AUDITORIA onilzo farias / onilzo@ig.com.br / onilzo.bangu@click21.com.br / 12/04/04 /1 FACULDADES MACHADO DE ASSIS FAMA DISCIPLINA: AUDITORIA PROFESSOR: ONILZO FARIAS* EXERCÍCIOS BIBLIOGRAFIA BÁSICA: CURSO BÁSICO

Leia mais

Biosev Bioenergia S.A.

Biosev Bioenergia S.A. Demonstrações Financeiras Individuais e Consolidadas Referentes ao Exercício Findo em 31 de Março de 2015 e Relatório dos Auditores Independentes sobre as Demonstrações Financeiras Deloitte Touche Tohmatsu

Leia mais

Pedro@ananadvogados.com.br

Pedro@ananadvogados.com.br Pedro@ananadvogados.com.br Sócio de Anan Advogados Especialista em Direito Empresarial pela PUC-SP MBA Controller pela FEA-USP Membro da Diretoria Jurídica da ANEFAC Diretor do Conselho Consultivo da APET

Leia mais

NORTEV TRANSPORTE DE VEÍCULOS LTDA. LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO

NORTEV TRANSPORTE DE VEÍCULOS LTDA. LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO NORTEV TRANSPORTE DE VEÍCULOS LTDA. LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO LAUDO DE AVALIAÇÃO DO ACERVO LÍQUIDO NORTEV TRANSPORTE DE VEÍCULOS LTDA. ELABORADO EM 30 DE NOVEMBRO DE 2009 BAKER TILLY BRASIL

Leia mais

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO

Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Rio de Janeiro NBC TG32 TRIBUTOS SOBRE O LUCRO contato@agmcontadores.com.br 2015 out-2015 2 Objetivo O objetivo deste Pronunciamento é estabelecer o tratamento

Leia mais

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010

Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 KPMG Assurance Services Ltda. Agosto de 2012 KPDS 41367 Demonstrações financeiras em 31 de dezembro de 2011 e 2010 Conteúdo Relatório dos auditores

Leia mais

Tributos sobre o Lucro Seção 29

Tributos sobre o Lucro Seção 29 Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012

OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012. Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 OFÍCIO-CIRCULAR/CVM/SIN/SNC/ Nº 01/2012 Rio de Janeiro, 04 de dezembro de 2012 Assunto: Orientação sobre os deveres e responsabilidades dos administradores e dos auditores independentes, na elaboração

Leia mais

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS

Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Aula Nº 7 Adoção pela Primeira Vez das Normas Internacionais de Relatórios Financeiros IFRS Objetivos da aula: Nesta aula veremos como cada empresa deve fazer pela primeira vez a adoção do IFRS. Como ela

Leia mais

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento

Demonstrativo do Fluxo de Caixa. Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Demonstrativo do Fluxo de Caixa Atividades operacionais Atividades de investimento Atividades de financiamento Fluxo de Caixa Caixa = caixa em espécie, dinheiro em banco e investimentos de curto prazo.

Leia mais

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910

Manual do Revisor Oficial de Contas. Directriz de Revisão/Auditoria 910 Directriz de Revisão/Auditoria 910 Setembro de 2003 Exames Simplificados ÍNDICE Parágrafos INTRODUÇÃO 1-3 OBJECTIVO 4 ÂMBITO 5-6 TERMOS DO COMPROMISSO 7-9 PLANEAMENTO E EXECUÇÃO 10-15 CONCLUSÕES E RELATO

Leia mais