Infra-estruturas física, social e econômica Malha viária interna: estradas e transporte Moradia e saneamento

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "3.4.6. Infra-estruturas física, social e econômica...58 3.4.7. Malha viária interna: estradas e transporte...61 3.4.8. Moradia e saneamento...63 4."

Transcrição

1

2 SUMÁRIO 1. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO Denominação do imóvel Identificação e localização do imóvel Área Distrito e município/uf, mesorregião/microrregião FIBGE e região administrativa de Minas Gerais Sub-bacia hidrográfica Número de famílias assentadas HISTÓRICO DO PA CONDICIONANTES DA LICENÇA PRÉVIA LI SITUAÇÃO ATUAL DA ÁREA DIRETAMENTE AFETADA CARACTERIZAÇÃO FÍSICA DA ÁREA Geologia/formações superficiais Geomorfologia Vegetação Fauna Organização territorial atual Áreas comunitárias Sistemas produtivos, uso atual da terra e cobertura vegetal Produção agropecuária Exploração agropecuária Mulheres e jovens Análise sucinta do sistema produtivo Comercialização e abastecimento Serviços de apoio à produção Assistência técnica Crédito Diagnóstico atual sobre o estado socioeconômico e cultural, escolaridade e habilitação técnica, saúde e percepção ambiental das famílias do PA Habilitação técnica Escolaridade Saúde Trabalho, cultura e lazer Percepção ambiental

3 Infra-estruturas física, social e econômica Malha viária interna: estradas e transporte Moradia e saneamento MEDIDAS E PROJETOS A SEREM IMPLEMENTADOS PROJETO DE ORGANIZAÇÃO TERRITORIAL COM MEDIDAS MITIGADORAS Proposta do anteprojeto de organização territorial Áreas comunitárias Áreas de reserva legal e de preservação permanente Estradas Moradia e saneamento Uso da água e energia AÇÕES RELATIVAS AOS SISTEMAS PRODUTIVOS, USO DA TERRA E DA BIODIVERSIDADE Subprograma de proteção das matas de galeria e ciliares Subprograma de cerceamento de áreas de preservação Subprograma de manejo do solo Estratégias para conservação da fauna Produção Agrícola AÇÕES RELATIVAS À HABITAÇÃO, À SAÚDE, A SANEAMENTO, À EDUCAÇÃO E À IMPLANTAÇÃO DA INFRA-ESTRUTURA SOCIAL Saúde Saneamento Educação Subprograma de recuperação e construção de estradas Subprograma infra-estrutura: energia elétrica Subprograma de infra-estrutura e recursos hídricos: uso da água Subprograma de moradia Subprograma de saneamento Subprograma disposição correta do lixo doméstico REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS EQUIPE TÉCNICA ANOTAÇÃO DE RESPONSABILIDADE TÉCNICA ANEXOS

4 1. CARACTERIZAÇÃO DO PROJETO DE ASSENTAMENTO (PA) 1.1. Denominação do imóvel Fazenda Sacramento Projeto de Assentamento Chico Mendes II Identificação e localização do imóvel O Projeto de Assentamento Chico Mendes II localiza-se em área contígua ao centro do município de Pingo D Água, sendo a área do projeto cortada pela estrada que liga a sede do município ao distrito de Bom Jesus do Galho, Revés de Belém. Esta estrada também é utilizada como acesso ao município de Timóteo e à BR 381. O Assentamento está posicionado nas coordenadas 42º 26' de longitude oeste e 19º 43' de latitude sul. FIGURA 1. Mapa de localização do PA Chico Mendes II no município de Pingo d Água MG. 4

5 1.3. Área o o Área georeferênciada: 950,0601 ha; Área registrada: 934,8999 ha Distrito e município/uf, mesorregião/microrregião FIBGE e região administrativa de Minas Gerais o o Município de Pingo d Água; Microrregião de Caratinga; o Macrorregião de Governador Valadares; o Região Administrativa de Minas Gerais: Vale do Rio Doce Sub-bacia hidrográfica O PA está localizado no médio Rio Doce, no Planalto Sudeste do Brasil, nas terras baixas interplanálticas, onde se encontram 150 lagos não conectados com o Rio Doce, formando um verdadeiro sistema lacustre natural. FIGURA 2. Calha do Rio Sacramento, a montante da ponte na rodovia intermunicipal, que liga Pingo d Água a Ipatinga. o Bacia: Rio Doce (bacia federal); o Sub-bacia: Ribeirão Sacramento (bacia estadual). FIGURA 3. Calha do Rio Sacramento, a jusante da ponte na rodovia intermunicipal, que liga Pingo d Água a Ipatinga (localizada em latitude , longitude e altitude 233 m). A rede hidrográfica é composta pelos seguintes mananciais: Ribeirão Sacramento (Figuras 2 e 3), Córrego Taquaral (Figuras 4 e 5) e Córrego Ferrugem. O Ribeirão Sacramento é o maior manancial dentro do PA, numa extensão de 7,84 km no limite norte da propriedade. O Sacramento nasce na serra que divide os municípios de Vermelho Novo e Simonésia, numa altitude de m, drenando uma área de mais km 2. Tem vazão de 11,603m 3 /s medida com um molinete hidroló- 5

6 gico e é um corpo com boa disponibilidade de água para a irrigação. O PA tem parte de sua área com relevo plano a ondulado. O Córrego Taquaral tem extensão de 1,25 km e o Córrego Ferrugem, de 1,73 km, nascendo ambos dentro do PA. Enquanto o Córrego Taquaral é perene, embora a vazão no período seco atinja valores mínimos, o Córrego Ferrugem é intermitente, não apresentando vazões no mesmo período. Estes córregos e rios são tributários da Sub-bacia do Sacramento e Bacia do Rio Doce. FIGURA 4. Córrego Taquaral. O sistema de lagos sofreu o impacto da remoção da Mata Atlântica Tropical, substituída em grande parte pela plantação de eucaliptos. O PA está inserido nessa região e apresenta, no seu interior, algumas lagoas (Figura 6) circundadas por boa FIGURA 5. Detalhe de lago formado pelo Córrego Taquaral (localizado em latitude , longitude e altitude 230 m). formação de gramíneas (capim-navalha e brachiaria) (Figura 7). P.A. CHICO MENDES 2 FIGURA 6. Localização do PA na Bacia Hidrográfica do Rio Doce. 6

7 A Bacia do Rio Doce situa-se na Região Sudeste brasileira, na faixa tropical do Hemisfério Sul, entre os paralelos de 17º30 e 21º de latitude sul e entre os meridianos de 40º 30 e 44º de longitude WGr. O Rio Doce tem suas nascentes na Serra da Mantiqueira e no Complexo do Espinhaço, em Minas FIGURA 7. Detalhe de lagoa na área interna do Assentamento Gerais, percorrendo 853 km até (localizada em latitude , longitude e altitude 267 m). atingir o Oceano Atlântico junto à Regência, no Estado do Espírito Santo. Sua área de drenagem é de km 2 (86,1% pertencem ao território mineiro e 13,9% ao capixaba). É formado pelo Rio Piranga, Rio Xopotó e Ribeirão do Carmo. Seus principais tributários pela margem direita são os Rios Casca, Matipó, Caratinga, Manhuaçu e Guandu, e pela margem esquerda, os rios Gualaxo, Piracicaba, Santo Antônio, Suaçuí Grande e Pancas. A província hidrogeológica da região do PA é o Escudo Oriental e a subprovíncia é a do Sudeste. Nessa província, as rochas pertencem ao embasamento geológico da Idade Pré- Cambriana, compreendendo os aqüíferos fissurais ampliados em alguns trechos devido à associação com rochas porosas do manto de intemperismo. São aqüíferos livres de baixa permeabilidade e com água de boa qualidade química, cujo resíduo seco é inferior a 500 mm/l, salvo a presença local e ocasional de teores de ferro ligeiramente superiores aos limites de potabilidade. Os aqüíferos livres e pouco profundos são muito sensíveis à contaminação pelas ações antrópicas desenvolvidas na província. Apresenta produtividade de média a fraca, com vazões variando de 3,25 a 25 m 3 /h Número de famílias assentadas O Assentamento possui 55 famílias, com uma população total de 225 habitantes, sendo de 4,16 a média de pessoas por família. Dos 225 habitantes, 140 são homens e 85 são mulheres. 7

8 2. HISTÓRICO DO PA A fazenda onde hoje está situado o Assentamento Chico Mendes II pertencia ao senhor Cipriano dos Reis. Este a vendeu ao senhor Saete e, após sua morte, os filhos herdaram a Fazenda Sacramento. Nessa fazenda funcionava uma serraria que explorava vários tipos de madeira da própria mata de seu terreno. Segundo João Félix, posseiro que reside na fazenda desde criança, "na mata tinha até espinheira-santa e eram tão grandes que já aconteceu de um trator não dar conta de arrastar; lá também tinha madeira tão grande que precisava de quatro traços para cortar". O entrevistado acrescenta que "se a serraria continuasse, eles já tinham acabado com a mata". A produção da serraria era vendida para a empresa TASA, no município de Raul Soares, já manufaturada em cabos de madeira. A serraria, que funcionou 12 anos, tinha cerca de 20 funcionários que vinham do Município de Pingo d Água. O Senhor Valdeci conta que "os trabalhadores que moravam na fazenda ganhavam um vale por dia de serviço, que pagavam pra nós no final do ano. Quando eu era criança, carregava saco de milho nas costas, de 80 kg; parei porque estava aleijando e meu pai não deixou mais. Trabalhava e só dava pra comer, nós era sofrido aqui". Vários entrevistados referiram-se a esse período como um tempo de escravidão mesmo (Figura 8). FIGURA 8. Sr. Valdeci, antigo colono da Os posseiros trabalhavam na fazenda construindo fazenda, hoje assentado. cercas, roçando pasto ou na horta de cebola e tomate. Não havia gado, apenas animais pequenos (porcos e aves) para alimentação. Também podiam plantar sua própria horta e construir suas casas. Alguns posseiros permaneceram no Assentamento e são assim chamados pelos assentados. A produção na fazenda era dividida, cabendo 70% ao Sr. Cipriano e 30% aos posseiros. Já na época do Senhor Saete e depois com os seus herdeiros, a divisão da produção passou para 60% e 40% e, mais recentemente, para 50% e 50%. Os entrevistados afirmam que foi uma vitória, atingir após tantos anos, a condição de meeiros. 8

9 Os trabalhadores que desempenhavam funções apenas na madeireira recebiam salários, porém, segundo João Félix, "o fazendeiro chegava a ficar seis meses sem pagar eles; quando passou pro neto do velho, ele pagava melhor, só que mesmo assim sempre pagaram menos que a região". João Félix ainda acrescenta que "não adiantava levar na Justiça porque todo mundo perdia e ninguém foi indenizado, e os fazendeiros nunca pagavam imposto, ficaram 25 anos sem pagar imposto". Os entrevistados recordam-se de que, a partir de 1988, o fazendeiro começou a expulsar os posseiros, que, na época, formavam um grupo de 80 famílias. O motivo dessa expulsão não ficou claro e os posseiros não receberam qualquer forma de indenização. Atualmente, há 18 famílias de posseiros que permaneceram no Assentamento. O movimento que culminou com a ocupação da fazenda teve início quando João Calazans, que trabalhava na FETAEMG nessa época, e a CPT fizeram um ofício ao INCRA, pedindo vistoria na área da fazenda. Segundo o próprio João Calazans, em maio e junho de 1998, foi feita uma visita técnica para atender ao ofício, por um professor da Universidade Federal de Lavras (Nílson). Através dessa visita, constatou-se que a fazenda era viável para a reforma agrária. A vistoria oficial foi realizada entre setembro e outubro desse mesmo ano. A ocupação da fazenda teve início durante a madrugada do dia 28 de março de 1999, com a entrada de quatro homens: João Pracide, Florilson, Florisvaldo e Wilson. O Senhor Wilson ficou sabendo, por meio de Chico Luna (dono da Mercearia Santana, de Pingo d Água), que alguns homens iam ocupar a fazenda. Segundo ele, "a ocupação teve que acontecer durante a madrugada porque a polícia da cidade ficou sabendo e ficaram vigiando a entrada da fazenda". Por esse motivo, além de entrarem de madrugada, também tiveram que passar por dentro da mata até acamparem no local escolhido. De manhã, João Calazans chegou de ônibus com um grupo de pessoas, vindas de Tumiritinga. Durante o acampamento, a polícia e o herdeiro sempre iam lá, mas só passavam e olhavam, não falavam e nem faziam nada", acrescenta o Senhor Wilson. Em 27 de julho de 1999, foi emitido o decreto de desapropriação da fazenda. Segundo João Calazans nem houve negociação, foi desapropriação direta, de acordo com os artigos 184 a 186 da Constituição Federal. Segundo os entrevistados, o valor pago pela desapropriação da fazenda foi de aproximadamente R$ ,00, incluindo as benfeitorias já feitas. No dia 15 de agosto de 2001, saiu a emissão de posse para os acampados. Ainda segundo João Calazans, no ano passado (2002), no final de outubro e início de novembro, foi dada a 9

10 Licença Prévia e, em 17 de dezembro de 2002, foi publicada a portaria da criação do PA Chico Mendes II. Inicialmente, a fazenda foi ocupada por cerca de 100 famílias. De acordo com o Sr. Wilson, umas foram embora porque não agüentaram; umas só vieram para dar apoio. Essas famílias eram provenientes dos municípios de Bom Jesus do Galho, Tumiritinga, Açucena, Nova Era e João Monlevade. Antes de irem para a fazenda, as famílias, em sua maioria, trabalhavam com fazendeiros à terça ou à meia, em outras propriedades rurais. A notícia da ocupação foi divulgada pelos Sindicatos de Trabalhadores Rurais das cidades de origem das famílias. Para a ocupação, com algumas exceções, vieram apenas os homens, tendo suas mulheres e filhos chegado depois de algum tempo, em geral após a construção dos barracos. A serraria continuou a funcionar após o acampamento e só encerrou suas atividades quando também foi ocupada pelos trabalhadores em outubro de "A gente não queria mais que eles acabassem com a mata", lembra Dona Conceição. O Sr. Calazans recorda que naquele momento, a questão ambiental tinha se tornado fundamental, e a serraria foi então denunciada para o IBAMA e o IEF. O Senhor Wilson também conta que "no começo nós não podia sair do acampamento e uns acampados começaram a querer dividir os grupos com fofoca e até querer tirar o Calazans da coordenação, tumultuar, mas esses hoje já nem estão mais aqui, foram expulsos porque não estavam de acordo com o movimento". No início, também "o fazendeiro arrendava a terra para pasto para o Diogo, fazendeiro de Pingo d Água, e o Adalberto, fazendeiro de Bom Jesus do Galho; só que eles ficaram com medo de nós comer os bois e tiraram de lá", acrescenta o assentado. Alguns poucos assentados afirmam ter tido contato com o MST em outros movimentos de luta pela terra; porém a maioria deles nunca teve qualquer relação com o movimento. Segundo E- gídio Feliciano, o movimento de lá (referindo-se a Governador Valadares) é mais bruto do que o daqui, mas nenhum dos dois é ruim. Os posseiros que já estavam na fazenda afirmam que têm uma boa relação com os assentados; consideram que tudo melhorou com a chegada deles, principalmente porque não têm mais que dividir a produção. Segundo o Senhor Valdeci, "isso aqui não era nosso e consegui junto com eles". A boa relação com os assentados vem desde a época da ocupação, segundo o Senhor José Júlio, que também é posseiro: "alguns posseiros foram pra debaixo da lona com os sem-terra; eu também fui, pra dar apoio pra eles, ajudar eles no movimento". Os posseiros fica- 10

11 ram acampados até conseguirem a terra e voltaram para suas casas. O Senhor José Julio a- crescenta que "agora é muito bom com a área do coletivo pra ajudar". Os trabalhadores, enquanto acampados, tiveram ajuda da Pastoral da Terra, do prefeito da cidade de Pingo d Água, do deputado federal João Magno (PT de Valadares) e das pessoas da cidade também. A ajuda da CPT aconteceu principalmente quando a terra foi ocupada e ainda não havia produção, tendo sido citada por todos os entrevistados a ajuda que receberam da CPT na alimentação e no estabelecimento das barracas de lona. Dona Conceição afirma que a CPT ajudou a gente com alimentação enquanto nós não plantávamos e até hoje estamos juntos. O Senhor José Francisco também fala da ajuda que recebeu: "fiquei nos arame até aparecer a Pastoral da Terra pra ajudar". Segundo Dona Noêmia, os acampados também tiveram apoio dos habitantes de Pingo d Água: "o povo mais rico vinha com roupa e comida, quando nós tava na lona as pessoas da cidade ajudaram porque eu só vim com as panelinhas e os filhos. João Calazans também afirma que, desde o período do acampamento, os assentados tiveram e mantêm até hoje uma ligação com organizações não-governamentais: a Cáritas, a CPT, o Centro de Tecnologia Alternativa de Montes Claros, e temos também ligação com a CUT Vale do Aço. No município de Pingo d Água, havia o Sindicato de Trabalhadores Rurais, mas, na época do acampamento, os trabalhadores rurais não chegaram a se filiar porque, segundo João Calazans, o Sindicato não tinha registro. Existia um escritório, mas alguém que não tinha nada a ver é que tomava conta do Sindicato. Aí nós nos reunimos e resolvemos mexer com isso. Após a desapropriação, os donos da fazenda não tiveram nenhuma reação contrária. Segundo João Félix, "eles apenas disseram que os sem-terra não iam conseguir plantar nada. Eles não acreditavam que daria alguma coisa, não acreditavam. Hoje, os herdeiros estão em Ipatinga, Raul Soares e Caratinga, mas, de vez em quando, aparecem por aí, acrescenta o ex-posseiro, agora assentado. O Assentamento foi criado em 17 de dezembro de 2002 e a Associação dos Assentados da Fazenda Sacramento PA Chico Mendes II foi criada em 13 de janeiro de O Assentamento conta com importante remanescente da Mata Atlântica, que, em virtude da Lei Ambiental, não pode sofrer corte raso. Além disso, áreas de capoeira em estado de conserva- 11

12 ção diversificado, permitem a interligação desse remanescente com o Parque Estadual do Rio Doce (PERD), uma das mais importantes áreas de preservação na Mata Atlântica. A região tem presença marcante de reflorestamentos com eucalipto. A Acesita Energética faz divisa com o PA a sul e oeste, constituindo importante vizinho que pode trabalhar em parceria de reflorestamento de eucalipto e de plantas nativas, assim como em combate ao fogo, pois mantém ativa brigada de combate a incêndios florestais. O elevado percentual de solos em relevo plano e suave ondulado no PA Chico Mendes II indica baixa incidência de erosão, um dos principais motivos da perda da capacidade produtiva e do fracasso de assentamentos rurais, além do assoreamento de cursos d água, fato de ocorrência generalizada na Bacia do Rio Doce. Com efeito, os acampados e antigos posseiros da fazenda Sacramento já desenvolvem produtivas lavouras de milho, conforme registrado in loco, sem problemas aparentes de conservação de solo. O PA Chico Mendes II nasceu sob uma forte visão ecológica dos acampados e da associação de produtores, que sugeriram diversas ações no sentido de minimizar os impactos de seu Assentamento na área CONDICIONANTES DA LICENÇA PRÉVIA LI Todas as condicionantes apresentadas no ato da concessão da Licença Prévia LP para o PA Chico Mendes II foram rigorosamente desenvolvidas e planejadas no âmbito deste PBA sendo que algumas, de caráter mais empírico como a formação e o treinamento da brigada de combate a incêndios, já foram efetivamente cumpridas. N o. Condicionantes Prazo Situação Apresentar projeto conceitual de recomposição da flora, Quando da formalização especialmente das áreas de maior declividade topográfica, localizadas ao sul da propriedade, entre as cotas do processo para obtenção da Licença Insta- (doc. anexo) Já elaborado 1. topográficas 230 a 260 metros, onde anteriormente existia reflorestamento de lação - LI eucalipto Apresentar projeto conceitual de recomposição das Matas Ciliares ao longo do Rio Sacramento, especialmente as descaracterizadas por atividades antrópicas (faixa dos trinta metros ao longo da margem esquerda) Construir aceiros com largura variável em função da altura da vegetação florestal existente, circundando todas as formações florestais, inclusive aquelas que excedem a reserva florestal. Quando da formalização do processo para obtenção da Licença Instalação - LI Quando da concessão da Licença Operação Já elaborado (doc. anexo) Aguardando a LI 12

13 Construir cercas para o isolamento de todas as áreas com cobertura florestal (capoeira e mata) que fazem divisas com áreas de uso para pecuária. Apresentar projeto de construção de fossa séptica em cada residência/moradia dos assentados Elaborar programa de formação e de treinamento de uma brigada de combate a incêndios florestais Comprar material para brigada de combate a incêndios florestais Isolar com cercas as duas lagoas existentes no imóvel, conforme distância determinada pela legislação em vigor, com passagem apenas para dessedentação do rebanho bovino Apresentar projeto conceitual de implantação de corredor ecológico, baseado no zoneamento agroecológico Apresentar projeto conceitual de implantação de sistemas agroflorestais nas áreas de uso restrito discriminadas no zoneamento agroecológico Quando da concessão da Licença Operação Quando da formalização do processo para obtenção da Licença Instalação - LI Quando da formalização do processo para obtenção da Licença Instalação - LI Quando da concessão da Licença Operação Quando da concessão da Licença Operação Quando da formalização do processo para obtenção da Licença Instalação - LI Quando da formalização do processo para obtenção da Licença Instalação - LI Aguardando a LI parte da área já se encontra cercada Já elaborado (Projetos Básicos de Engenharia) Já elaborado (doc. anexo) Treinamento realizado em maio/04 Aguardando a LI parte da área já se encontra cercada Aguardando a LI parte da área já se encontra cercada Já elaborado (doc. anexo) Já elaborado (doc. anexo) 13

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT

Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT Diagnóstico Ambiental Município de Apiacás MT 2011 Diagnóstico Ambiental do Município de Apiacás MT Carolina de Oliveira Jordão Vinícius Freitas Silgueiro Leandro Ribeiro Teixeira Ricardo Abad Meireles

Leia mais

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO

PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO PROJETO MICROBACIAS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS MICROBACIAS EXISTENTES NO MUNICÍPIO DE TIMÓTEO Timóteo MG Janeiro/2004 RESPONSÁBILIDADE TÉCNICA UNIVERSALIS - Consultoria, Projetos e Serviços Ltda - CREA/MG

Leia mais

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11

Águas Continentais do Brasil. Capítulo 11 Águas Continentais do Brasil Capítulo 11 As reservas brasileiras de água doce O Brasil é um país privilegiado pois detém cerca de 12% da água doce disponível no planeta; Há diversos problemas que preocupam:

Leia mais

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural

8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura. Adequação Legal da Propriedade Rural 8º. Curso de Atualização em Eucaliptocultura Adequação Legal da Propriedade Rural Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes jctmende@esalq.usp.br Departamento de Ciências Florestais Estação Experimental

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ

AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ AVALIAÇÃO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MICROBACIA SANGA ITÁ, MUNICÍPIO DE QUATRO PONTES, PARANÁ Mônica A. Muller, Aline Uhlein, Deise D. Castagnara, Diego A. V. Gambaro, Pedro C. S. da Silva (Orientador/UNIOESTE),

Leia mais

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP)

Comparação entre lei 4771 e PL relatado pelo Dep.Aldo Rebelo preparado por Zeze Zakia Versão preliminar ( APP) Lei 4771 versão em vigor II área de preservação permanente: área protegida nos termos dos arts. 2 o e 3 o desta Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DAS NASCENTES DO CÓRREGO SARAIVA, BETIM-MINAS GERAIS Emerson Chaves Ferreira Gomes (*), Natalia Nogueira de Oliveira, Luiz Gonçalves Junior, Felipe Gonçalves dos Santos Cabral (*)

Leia mais

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3

Sumário. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2. 1.2 Hidrografia 2. 1.3 Topografia 2. 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 Sumário Pág. 1 Características da propriedade 2 1.1 - Cobertura vegetal 2 1.2 Hidrografia 2 1.3 Topografia 2 1.4 - Área de reserva florestal legal 3 1.5 Acesso 3 2 Objetivo Geral 4 3 Metodologia 5 3.1

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP

LICENCIAMENTO AMBIENTAL. Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP LICENCIAMENTO AMBIENTAL Autorização para supressão de vegetação nativa e intervenções em Áreas de Preservação Permanente - APP Engª Adriana Maira Rocha Goulart Gerente Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP

DMA. Diretrizes para apresentação de projeto de licenciamento de PARCELAMENTO DE SOLO PARA FINS RESIDENCIAIS. Licença Prévia LP Diretrizes para apresentação projeto licenciamento Licença Prévia LP A documentação técnica abaixo relacionada ve servir para análise e posterior emissão ou inferimento Licença Prévia - LP. A documentação

Leia mais

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura

VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura VII Reunião de Atualização em Eucalitptocultura Planejamento da Propriedade Agrícola (APP e RL) Eng o. F tal. Msc. João Carlos Teixeira Mendes Dept o. Ciências Florestais ESALQ/USP Estação Experimental

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte

Tabela 1. Tema Dado Atributo Fonte Tabela 1 Tema Dado Atributo Fonte 1. Base Cartográfica Básica a. Limites municipais b. Limites Distritais c. Localidades d. Rodovias e Ferrovias d. Rodovias e Ferrovias e. Linhas de Transmissão f. Estações

Leia mais

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN)

CÂMARA LEGISLATIVA DO DISTRITO FEDERAL GABINETE DO DEPUTADO RODRIGO DELMASSO. PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) PROJETO DE LEI Nº 174/2015 (Do Senhor Deputado RODRIGO DELMASSO - PTN) Dispõe sobre a criação do Sistema de Identificação, Cadastramento e Preservação de Nascentes de Água no Distrito Federal e dá outras

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo

Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Licenciamento Ambiental no Estado de São Paulo Aspectos relacionados com a Legislação Florestal / Mineração LEI FEDERAL 12651/12 Engª Amb. Adriana Maira Rocha Goulart Divisão de Apoio e Gestão dos Recursos

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR

ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR ANÁLISE DO USO DO SOLO EM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO ALTO CURSO DA BACIA DO RIO COTEGIPE, FRANCISCO BELTRÃO - PR Lucas Ricardo Hoenig Universidade Estadual do Oeste do Paraná UNIOESTE Campus de

Leia mais

6 Exploração florestal ATENÇÃO!

6 Exploração florestal ATENÇÃO! 6 Exploração florestal 6.1 O que depende de autorização ambiental? Uso alternativo do solo Toda intervenção na cobertura vegetal nativa (ou seja, desmatamento com ou sem destoca, raleamento ou brocamento

Leia mais

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005

CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 CONSERVADOR DAS ÁGUAS LEI MUNICIPAL 2.100/2005 EXTREMA EXTREMO SUL DE MINAS. SERRA DA MANTIQUEIRA. 480 KM BH E 100 KM DA CIDADE DE SP. POPULAÇÃO 24.800 HABITANTES. CONTINUIDADE ADMINISTRATIVA DE 20 ANOS

Leia mais

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS:

ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CONSOLIDADAS: O mais importante Do novo Código Florestal Engª Agrônoma Carla Beck- FAEP/DTE As propriedades rurais ocupadas até 22 de julho de 2008, terão que cumprir as seguintes regras estabelecidas pelo novo Código

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE

CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE CADASTRO AMBIENTAL RURAL E AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O que são as APP e quais as suas funções Diferença entre APP e Reserva Legal Os diversos tipos de APP Sobre nascentes e olho d água diferenças

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O

PREFEITURA MUNICIPAL DE JUINA E S T A D O D E M A T O G R O S S O P O D E R E X E C U T I V O LEI N.º 1.453/2013. SÚMULA: Autoriza o Poder Executivo Municipal a promover a Concessão de Direto Real de Uso em favor da Colônia Z-20 de Pescadores de Juína, da área urbana que menciona, e dá outras Providências.

Leia mais

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental

VI Simpósio Ítalo Brasileiro de Engenharia Sanitária e Ambiental IV-004 - AVALIAÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA X DISPONIBILIDADE HÍDRICA DOS MANANCIAIS SUPERFICIAIS DE SISTEMAS DE ABASTECIMENTO PÚBLICO DO NORTE DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO Ricardo Augusto Pereira Rezende (1)

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL

TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL TERMO DE REFERÊNCIA PARA LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE ATIVIDADES EM GERAL O processo administrativo para aprovação e licenciamento de atividades em geral junto à Prefeitura Municipal de Santa Clara do Sul

Leia mais

BACIA DO RIO DAS VELHAS

BACIA DO RIO DAS VELHAS BACIA DO RIO DAS VELHAS A bacia hidrográfica do rio das Velhas está localizada na região central do estado de Minas Gerais, entre as coordenadas 17 o 15 e 20 o 25 S - 43 o 25 e 44 o 50 W, apresentando

Leia mais

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu

Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu Forum de Discussão Ambiental entre as Secretarias Municipais e o Comitê Guandu 13/05/2013 CAR - Cadastro Ambiental Rural - O Cadastro Ambiental Rural é um registro eletrônico, obrigatório para todos os

Leia mais

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro

Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE -NOVO CÓDIGO FLORESTAL MINEIRO LEI 20922/13 Prof. Charles Alessandro Mendes de Castro ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE(APPs) ART. 8º - São aquelas cobertas ou não por vegetação

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs)

Dispositivos da Lei. Destaques. Áreas de Preservação Permanente (APPs) Cursos d água naturais perenes e intermitentes excluídos os efêmeros: art. 4º, inciso I. A proteção vale para os cursos d água naturais. Variados cursos d água, como resultantes de retificações, canalizações

Leia mais

PLANO DE GESTÃO E MANEJO ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA DO BELÉM ABRIL DE 2008 MARLIÉRIA - MINAS GERAIS

PLANO DE GESTÃO E MANEJO ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA DO BELÉM ABRIL DE 2008 MARLIÉRIA - MINAS GERAIS PLANO DE GESTÃO E MANEJO ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA DO BELÉM ABRIL DE 2008 MARLIÉRIA - MINAS GERAIS PLANO DE GESTÃO E MANEJO APA DO BELÉM PREFEITURA MUNICIPAL DE MARLIÉRIA Vicente Paranhos do Santos

Leia mais

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo

O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo O Código Florestal como ferramenta para o Planejamento Ambiental na Bacia Hidrográfica do Córrego do Palmitalzinho - Regente Feijó/ São Paulo INTRODUÇÃO Aline Kuramoto Gonçalves aline587@gmail.com Graduada

Leia mais

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen

Lei 12.651/2012. Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Lei 12.651/2012 Prof. Dr. Rafaelo Balbinot Departamento. de Eng. Florestal UFSM Frederico Westphalen Considerações Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para aplicação da lei Análise individual

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012

Entendendo o Código Florestal. II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Entendendo o Código Florestal II Congresso Brasileiro de Reflorestamento Ambiental Novembro 23 de Outubro de 2012 Tópicos abordados hoje: * Florestas no Planejamento Federal; * Lei 12.651/12 Estrutura

Leia mais

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965

LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 LEI Nº 4.771, DE 15 DE SETEMBRO DE 1965 Institui o Novo Código Florestal.... Art. 3º Consideram-se, ainda, de preservação permanentes, quando assim declaradas por ato do Poder Público, as florestas e demais

Leia mais

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS

IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS IMPACTOS DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS SOBRE OS RECURSOS HÍDRICOS Devanir Garcia dos Santos Gerente de Uso Sustentável de Água e Solo Superintendência de Implementação de Programas e Projetos DISPONIBILIDADE

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO

TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO SÍSMICO Governo do Estado do Rio Grande do Norte Secretaria de Estado do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos TERMO DE REFERÊNCIA ELABORACÃO DE RELATÓRIO DE CONTROLE AMBIENTAL (RCA) REFERENTE À ATIVIDADE DE LEVANTAMENTO

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

PLANO DE GESTÃO E MANEJO ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA CÓRREGO NOVO ABRIL DE 2008 CÓRREGO NOVO - MINAS GERAIS

PLANO DE GESTÃO E MANEJO ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA CÓRREGO NOVO ABRIL DE 2008 CÓRREGO NOVO - MINAS GERAIS PLANO DE GESTÃO E MANEJO ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL APA CÓRREGO NOVO ABRIL DE 2008 CÓRREGO NOVO - MINAS GERAIS PLANO DE GESTÃO E MANEJO APA CÓRREGO NOVO PREFEITURA MUNICIPAL DE CÓRREGO NOVO Eder Fragoso

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE

PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE PREFEITURA MUNICIPAL DE TAPEJARA SECRETARIA DE AGRICULATURA E MEIO AMBIENTE AUDIÊNCIA PÚBLICA - ESTUDOS TÉCNICOS MACRODRENAGEM E APP S EM ÁREAS URBANA CONSOLIDADA PROPOSTA DE CONDICIONANTES E RESTRIÇÕES

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007:

LAUDO PERICIAL. São quesitos a serem respondidos ao Ministério Público de Minas Gerais, ofício Nº 136 / 2007, de 17 de Abril de 2007: LAUDO PERICIAL A Empresa Universalis Consultoria, Projetos e Serviços Ltda, atendendo solicitação da Prefeitura Municipal de Timóteo, Secretaria Municipal de Obras e Habitação / Divisão de Meio Ambiente,

Leia mais

RESOLUÇÃO N o 289, DE 25 DE OUTUBRO DE 2001 Estabelece diretrizes para o Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária.

RESOLUÇÃO N o 289, DE 25 DE OUTUBRO DE 2001 Estabelece diretrizes para o Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária. RESOLUÇÃO N o 289, DE 25 DE OUTUBRO DE 2001 Estabelece diretrizes para o Licenciamento Ambiental de Projetos de Assentamentos de Reforma Agrária. Publicada no DOU de 21 de dezembro de 2001 O CONSELHO NACIONAL

Leia mais

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição

CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição 21 a 25 de Agosto de 2006 Belo Horizonte - MG CEMIG VERDE MINAS Ferramenta Ambiental para Compatibilização com as Redes de Distribuição Eng. Patrícia Maria Mafra Macedo CEMIG Distribuição S.A pmafra@cemig.com.br

Leia mais

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL

DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL 1 1 AS NASCENTES E OS NOSSOS RIOS: IMPORTÂNCIA DE LEVANTAR DADOS SOBRE ESTE RECURSO EM ZONA RURAL Neuma Rubia Figueiredo Santana Email: rubia.aguas@gmail.com Ana Karina Santana Martins Email: bionarika@yahoo.com.br

Leia mais

Santa Catarina - Altitude

Santa Catarina - Altitude Santa Catarina - Altitude RELEVO O relevo catarinense caracteriza-se por sua ondulação, que variam dependendo da região do estado. No litoral, o que predomina são as planícies, as chamadas baixadas litorâneas,

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR

Cadastro Ambiental Rural CAR Cadastro Ambiental Rural CAR LEGISLAÇÃO Lei Federal nº 12.651/2012 Código Florestal Brasileiro; Lei Estadual n.º 20.922/2013 - Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado

Leia mais

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE

DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE DECRETO Nº 6.660, DE 21 DE NOVEMBRO DE 2008: Regulamenta dispositivos da Lei no 11.428, de 22 de dezembro de 2006, que dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Mata Atlântica.

Leia mais

Biodiversidade em Minas Gerais

Biodiversidade em Minas Gerais Biodiversidade em Minas Gerais SEGUNDA EDIÇÃO ORGANIZADORES Gláucia Moreira Drummond Cássio Soares Martins Angelo Barbosa Monteiro Machado Fabiane Almeida Sebaio Yasmine Antonini Fundação Biodiversitas

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA

AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 AVALIAÇÃO DE DRENAGEM NA BACIA DO RIO VERRUGA EM VITÓRIA DA CONQUISTA UERITON DA COSTA FIGUEIREDO FILHO (*), ORLEANE SOUZA DE BRITO 2, LEONARDO GOMES MARTINS 3, ENDEL DE

Leia mais

ATIVIDADES DE MINERAÇÃO. A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa.

ATIVIDADES DE MINERAÇÃO. A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa. IN-08 ATIVIDADES DE MINERAÇÃO INSTRUÇÕES GERAIS: A FMMA coloca-se a disposição dos interessados para dirimir possíveis dúvidas sobre esta instrução normativa. Sempre que julgar necessário a FMMA solicitará

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO AVALIAÇÃO RÁPIDA ESTRATÉGICA (ARE) PARA CRIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Informações do Processo: Nome do Interessado: Nº do Processo: Data / de 20 Município: Localidade: Vistoria: Data: / / 20 Técnicos

Leia mais

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE

SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE Página 1 de 6 SECRETARIA MUNICIPAL DA AGRICULTURA, DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E MEIO AMBIENTE A Secretaria Municipal da Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente, através do Departamento de

Leia mais

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico

A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico. gico-econômico A Política de Meio Ambiente do Acre tendo como base o Zoneamento Ecológico gico-econômico Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Biológica www.animalzoom.org Diversidade Étnica Stuckert Cardeal,

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes

Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes Érika Dolores Izenez Portela Karina do Espírito Santo Laís Guerra Taynãn Paes POLÍTICAS PÚBLICAS ATRAVÉS DA VALORAÇÃO DE SERVIÇOS AMBIENTAIS: ESTUDO DE CASO PARANÁ / MATA CILIAR Juiz de Fora 2008 3 Érika

Leia mais

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1

A1.2 Águas subterrâneas. A1.2.0 Introdução 1 A1.2 Águas subterrâneas Os objetivos desta seção consistem em avaliar o potencial e as disponibilidades das águas subterrâneas, bem como determinar suas principais limitações e áreas mais favoráveis à

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular]

Bacias hidrográficas do Brasil. Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] Bacias hidrográficas do Brasil Só percebemos o valor da água depois que a fonte seca. [Provérbio Popular] A água doce corresponde a apenas 2,5% do volume da hidrosfera. O Brasil é bastante privilegiado

Leia mais

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural

Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Outubro 2012 Novo Código Florestal Orientações Gerais ao Produtor Rural Mediante a publicação da lei nº 12.651, de 25 de maio de 2012; da lei nº 12.727, de 17 de outubro de 2012; e do Decreto nº 7.830,

Leia mais

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS Fórum de Debates da agpch LICENCIAMENTO AMBIENTAL DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS RAFAEL VOLQUIND Diretor Técnico 01 de Outubro de 2015 Porto Alegre RS Brasil IMPACTOS AMBIENTAIS DE EMPREENDIMENTOS HIDRELÉTRICOS

Leia mais

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012

Histórico. Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 Histórico Decreto 7.029/2009 (Decreto Mais Ambiente) Lei Federal 12.651/2012 Decreto 7.830/2012 É criado o Cadastro Ambiental Rural - CAR, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família

Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família Caracterização do Meio Sócio-econômico - propriedades Local e data Nome do chefe da família Naturalidade Data de nascimento Telefone Endereço Nome do cônjuge ou companheiro Naturalidade Data de nascimento

Leia mais

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06

RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 RESOLUÇÃO CONAMA 369/06 Dispõe de casos excepcionais no casos de utilidade pública, interesse social e de baixo impacto ambiental, que possibilitam a intervenção ou supressão de vegetação em áreas de preservação

Leia mais

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU

Reflexão. Kofi Annan, Ex-Secretário Geral da ONU Reflexão O acesso à água segura é uma necessidade humana fundamental e, portanto, um direito básico. A água contaminada coloca em risco a saúde física e mental das pessoas. É uma afronta à dignidade humana.

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental

Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Cadastro Ambiental Rural e Programa de Regularização Ambiental Segundo a Lei Federal 12.651/2012 e Decreto Federal 7.830/2012 ESALQ Março/Abril de 2014 Caroline Vigo Cogueto Centro de Monitoramento e Avaliação

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente

GOVERNO DO ESTADO DA PARAÍBA SUDEMA Superintendência de Administração do Meio Ambiente RELAÇAO DE DOCUMENTOS PARA PROJETOS DE IRRIGAÇÃO E /OU SIMILARES. CATEGORIA A PROJETOS COM ÁREA ATÉ 5,0 ha LICENÇA PRÉVIA 1. Requerimento; 3. Guia de recolhimento, quitada; 4. Cópia da Publicação do Requerimento

Leia mais

São Gotardo, MG, Brasil, 18 a 19 de novembro de 2003

São Gotardo, MG, Brasil, 18 a 19 de novembro de 2003 RELATÓRIO DE REUNIÃO I CONFERÊNCIA DE MEIO AMBIENTE DA REGIÃO SF4 São Gotardo, MG, Brasil, 18 a 19 de novembro de 2003 Índice Convite...3 Relatório de Viagem - elaborado por Barbara Johnsen (Secretaria

Leia mais

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública

Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago. Consulta Pública Proposta de Criação da Floresta Estadual José Zago Consulta Pública 2015 Base Legal Lei Federal nº 9.985 de 18 de julho de 2000 Regulamenta o artigo 225 da Constituição Federal e Institui o Sistema Nacional

Leia mais

" ;,% / 22 <+ = " >;?,9# 2' = " >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G

 ;,% / 22 <+ =  >;?,9# 2' =  >;@A>BA= 4 #/2: ''-34/#:/ 9'C#0 D2 25' E:/F2/90'G %&$: %09$%:#'%<9'# #2-'/# :2-# 9#'% G !"# $%&' ()*) +,'#-.# /#0#'''1$'2! 0'%%#2'34/#5'# ''-/ %0 2#0%6/7 " 8 9$%$0#2/''-34/#:/ -'##-7 " ;,% / 22

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL

NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL NOVO CÓDIGO FLORESTAL E CADASTRO AMBIENTAL RURAL Eduardo de Mércio Figueira Condorelli desenvolvimentosustentavel@farsul.org.br Ibirubá (RS), 08 de maio de 2014 O TAMANHO DA AGROPECUÁRIA NACIONAL Área

Leia mais

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO.

UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. UTILIZAÇÃO DE FERRAMENTAS LIVRES DA WEB, PARA O MONITORAMENTO DE ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE O RIO MEIA PONTE, GO: UM ESTUDO DE CASO. Patrícia Pinheiro da Cunha 1, Magda Beatriz de Almeida Matteucci

Leia mais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais

Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Programa Produtor de Água Pagamento por Serviços Ambientais Comitê Médio M Paraíba do Sul AGEVAP Jan/2013 Os serviços dos ecossistemas são os benefícios que as pessoas obtêm dos ecossistemas. Serviços

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN

CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN CARACTERIZAÇÃO SOCIOECONÔMICA da ADA Projeto EIA-RIMA Nova Transnordestina - CFN Data Entrevistador Resultado da visita (vide Quadro) Número do Questionário RESULTADO DA VISITA Residência... (a) Comércio...

Leia mais

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM VARGEM DAS FLORES: SOMANDO CIÊNCIA E ARTE DE ENSINAR

EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM VARGEM DAS FLORES: SOMANDO CIÊNCIA E ARTE DE ENSINAR EDUCAÇÃO AMBIENTAL EM VARGEM DAS FLORES: SOMANDO CIÊNCIA E ARTE DE ENSINAR Sônia Santos Baumgratz (1) Diretora Técnica da ECODINÂMICA. Supervisora do Programa de Proteção Ambiental de Vargem das Flores,

Leia mais

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR

Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Considerações Novo Código Florestal, Adequação Ambiental e CAR Prof. Rafaelo Balbinot Curso de Engenharia Florestal UFSM-Campus de Frederico Westphalen Padrão Legal X Padrão de Qualidade Capacitação para

Leia mais

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS

REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS REVITALIZAÇÃO DO RIO SÃO FRANCISCO METAS E RESULTADOS Localização da Bacia do Rio São Francisco 13 milhões de habitantes 8% da população do País 8% 503 municípios 7 Unidades da Federação: Bahia (48,0%

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL

GOVERNO DO ESTADO DO TOCANTINS SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL RELATÓRIO DA TERCEIRA VISITA EM CAMPO PROCESSO DE CRIAÇÃO DA UC SERRA DA CANGALHA Dia 03/10/11: deslocamento para Sede do município de Campos Lindos. Chegada às 20:00, contato com Sindicato dos Trabalhadores

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público

Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal. Prazos para o Poder Público Prazos estabelecidos pelo Novo Código Florestal Prazos para o Poder Público Artigo Obrigação Prazo 11, 5º 13, 2º 29 47 59 59, 1º 78-A 82 Conclusão do Zoneamento Ecológico- Econômico da Zona Costeira ZEEZOC

Leia mais