A TEIA DE RELAÇÕES DOS ACAMPAMENTOS JOÃO PEDRO TEXEIRA E CARLOS PRESTES NO MUNICÍPIO DE ITAPORANGA D AJUDA-SE 1 RESUMO:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A TEIA DE RELAÇÕES DOS ACAMPAMENTOS JOÃO PEDRO TEXEIRA E CARLOS PRESTES NO MUNICÍPIO DE ITAPORANGA D AJUDA-SE 1 RESUMO:"

Transcrição

1 1 A TEIA DE RELAÇÕES DOS ACAMPAMENTOS JOÃO PEDRO TEXEIRA E CARLOS PRESTES NO MUNICÍPIO DE ITAPORANGA D AJUDA-SE 1 Haiane Pessoa da Silva. Daniel Santos de Sá Universidade Federal de Sergipe RESUMO: As estruturas internas que dão origem aos movimentos sociais são temas de grandes debates na vida acadêmica, política e social. A luta entre classes sociais advém da história da humanidade com o processo de separação dos homens em distintas classes, com a imposição da propriedade privada mediante a exploração dos homens uns sobre os outros. Essa luta pela terra no Brasil,vem sendo efetuada desde a sua colonização em 1500 com a chegada dos Portugueses. A formação econômica e social brasileira, pautada nesta desigualdade, faz com que ao longo dos anos ainda exista a necessidade de corrigir as distorções impostas pela injusta distribuição da terra. Assim, na atualidade aqui em Sergipe, a formação dos acampamentos de trabalhadores rurais sem terra, é a manifestação viva de um problema estrutural ainda não resolvido no país e no estado. Desse modo, a luta e reivindicação pelo acesso a terra iniciadas no território sertanejo sergipano na segunda metade dos anos 80, tem sua continuidade nas décadas posteriores se espalhando em todo o território sergipano. O recurso da ocupação de imóveis rurais continua sendo o principal mecanismo de luta pelo aceso a terra, quando as famílias acampadas pretendem pela pressão garantir a posse da terra através da política de reforma agrária do governo federal. Palavras chaves: Etnografia, acampamento, acampado. 1 O eixo temático novas ruralidades remete, as novas formas de ver o espaço rural sob uma ótica de mudança, na qual o sujeito representa características que se modificam com o passar do processo histórico.

2 2 RESUMEN: Las estructuras internas que dan lugar a los movimientos sociales son temas de debate en la vida académica, política y sociedad. La lucha entre las clases sociales proviene de la historia de la humanidad con el proceso de separación de los hombres en clases distintas y desiguales, la imposición de la propiedad privada y por medio de la explotación del hombre sobre los demás. Esta lucha por la tierra en Brasil, se ha hecho desde su colonización en 1500 con la llegada de los portugueses. La formación brasileña económico y social sobre la base de esta desigualdad, hace con que, en los últimos años todavía, exista la necesidad de corregir las distorsiones impuestas por la injusta distribución de la tierra. Así, en la actualidad hoy en Sergipe, la formación de campamentos de trabajadores rurales sin tierra, es la manifestación viva de un problema estructural aún no resuelto en el país y en el estado. De este modo, la lucha y reinvindicación por el acceso a la tierra, comenzó en el territorio de Sergipe fuera de pista en la segunda mitad de los años 80, tiene su continuidad en las decadas posteriores extiendendose a todo el territorio de Sergipe. La función de la ocupación de la tierra rural, sigue siendo el mecanismo principal de la lucha por el acceso a la tierra, cuando las familias acampadas desea que la presión para asegurar la tenencia de la tierra a través de la política de reforma agraria del gobierno federal. palabras clave: etnografía, campamento, camping. INTRODUÇÃO: Não é muito comum na historiografia brasileira estudos direcionados as teias de relações no universo acampado. Tal fato, decorre da visão de que o acampamento se constitui de uma realidade fluida e passageira, um vir a ser ainda em construção, movido pela inconstância, pelas incertezas, pelo medo, pelas invasões, mas também pelo universo de esperança, palco de conflitos, de relações. A reflexão acerca dos assentamentos e acampamentos agrários fundamenta-se, no reconhecimento de que os processos sociais, relações e antagonismos de classes, respondem pelos movimentos sociais. A valorização dos movimentos sociais, é uma necessidade enquanto mecanismo de denuncia da injusta condição de vida, imposta a um conjunto cada vez mais crescente da população. É um mecanismo importante para levantar a poeira que tenta esconder a presença das classes sociais no interior da sociedade. Essas classes se

3 3 apropriam de maneira desigual das frações do território, dos meios de produção, relegando para uma parcela dessa mesma sociedade a necessidade de se expor, de vender sua força de trabalho para o mercado, já que estes foram expropriados dos meios de produção e da terra. Continuam reivindicando e lembrando para o conjunto da sociedade que também faz parte deste contexto social e precisa ser inserido qualitativamente no seio da sociedade, na justa condição de sujeitos sociais históricos detentores tanto de direitos, como de obrigações. Assim a união desses sujeitos em busca de um objetivo comum resgata a sua identidade individual e coletiva. Faz com que eles marquem seu papel e sua posição nesta luta a fim equalizar as injustas relações de desigualdade característica das relações sociais inseridas no interior do sistema capitalista. Assim, pelo viés da união pressionam o estado para direcionar políticas para a fração fragilizada da sociedade. O nível de organização desses sujeitos sociais e sua capacidade de luta, vão de encontro à estrutura social montada em bases desiguais. Para a realização da pesquisa algumas indagações nos motivaram para o desenvolvimento do nosso trabalho, como primeiramente: o que faz uma pessoa se integrar em um movimento composto por grupos de pessoas até então desconhecidas? O que é ser acampado? O que move estas pessoas a encarar uma luta que perdura tantos anos? Qual o objetivo de vida de cada um dos acampados? Qual o sentido da terra para essas pessoas? E principalmente, quais as teias de relações sociais são desenvolvidas neste cenário? PROCEDIMENTOS METODOLÓGICOS: Para realização do trabalho nos baseamos nos teóricos que trabalham a temática do campesinato, as relações do homem no campo, e suas lutas por melhores condições de vida. No trabalho de campo foi possível identificar as inúmeras relações existentes no interior de um acampamento. O trabalho empírico no acampamento foi dividido em quatro visitas desenvolvidas com membros internos e externos. Primeiramente a visita foi informal, no sentido de conversar com as pessoas para sentir a dinâmica interna, reconhecimento do local e as relações sociais desenvolvidas no mesmo. Na segunda visita foram formuladas perguntas de caráter esclarecedor com os lideres grupais dos acampamentos. A terceira visita foi uma tentativa de encontrar o representante estadual do MST, para ele nos fornecer maiores informações sobre levantamentos de dados dos membros acampados, e registro fotográfico do local. Na última visita foi possível participar da reunião, na qual deu-se a conclusão de coleta de dados sobre os acampamentos.

4 4 As conversas fizeram com que se percebesse um processo de socialização de valores, hábitos e tradições. Muitas vezes questionados dentro das normas de convivência do acampamento, fazendo com que relações de poder apareçam para que se possa manter a ordem dentro do ambiente. O estudo de campo foi realizado buscando entender quais as relações sociais são estabelecidas no interior de um acampamento rural. Além de desmistificar os preconceitos previamente destinados às pessoas que fazem parte deste movimento, como por exemplo, o estigma de vandalismo e marginalização. Muitas perguntas foram respondidas diretamente pelos próprios moradores, e outras foram visualizadas durante o desenvolvimento do trabalho empírico. Os questionamentos levantados aos sujeitos sociais acampados foram por eles respondidos de maneira simples e clara dando embasamento a concretização ao trabalho. RESULTADOS E DISCUSSÕES: As perguntas que nortearam o trabalho de pesquisa nos mostraram que o empírico faz quebrar qualquer paradigma do que é ser acampado. Levantando novamente um velho questionamento de que o homem do campo é atrasado, isto, é um pouco contraditório sendo esse homem capaz de se mobilizar contra o sistema. Caracterizado pela luta de acesso a terra, a superação da sua condição de pobreza no processo histórico, pela manutenção dos seus meios de produção, e sua própria existência como ser social, que tem sua identidade na terra. O ser acampado não luta por uma nova sociedade, mas busca dentro desta, transformações que lhe permitam ter condições de acesso a terra. De acordo com Moura (1986, p.39) ao trabalhar na perspectiva do legalismo camponês, o homem do campo luta para ser visto diante da sociedade. (..).uma questão que parece estar sempre na ordem do dia nos debates sobre o campesinato: o chamado legalismo camponês. Tal questão se ancora fundamentalmente na ideia de que o camponês luta para ser proprietário jurídico da terra em que trabalha. Apressadamente, pode se concluir que o camponês não luta por uma sociedade nova, mas por transformações sociais que lhe permitam melhores condições de se tornar proprietário de uma parcela de terra.,( 1986, pag.39) No rural brasileiro as diferentes frentes articuladas sob a bandeira da Luta pela Terra e a Reforma Agrária, agrupam uma parcela significativa de trabalhadores e trabalhadoras que lutam contra um destino social de exclusão, como afirma Martins (2003). O conflito no campo é a luta de classe dos trabalhadores e trabalhadoras rurais despossuídos dos meios de produção, o qual ideologicamente apresenta-os como se fossem desnecessários

5 5 para um sistema econômico e social que coisifica as relações humanas. Ainda segundo Martins (2003), a luta no campo devem ser entendida numa concepção de direito moral camponesa, em que o processo jurídico deve ser lido no enraizamento das suas regras costumeiras. Essa compreensão nos faz entender que, a luta pela terra não pode ser confundida com a luta em defesa da propriedade. Dentro da categoria geográfica os acampamentos podem ser visualizados como territórios demarcados por bandeiras do MST, que sinalizam a identificação de um território rural brasileiro. O estudo geográfico pressupõe analisar o espaço a partir de relações de poder. Essas relações, são desempenhadas pelos sujeitos que produzem o espaço e têm objetivo de criar territórios, aos quais denominamos sujeitos territoriais. De acordo com Santos e Silveira (2008, p.247), quando quisermos definir qualquer pedaço do território, devemos levar em conta a interdependência e a inseparabilidade entre a materialidade, que inclui a natureza, e o seu uso, que inclui a ação humana, isto é o trabalho e a política. Nesta descrição do espaço, podemos perceber que segundo a compreensão dos autores, o território e o espaço são em alguns momentos confundidos como a mesma categoria geográfica, ou até mesmo indissociável. Como explica Santos (2008, p.230), fazendo relação entre o todo. Mas o território termina por ser a grande mediação entre o Mundo e a sociedade nacional e local, já que, em sua funcionalização, o "Mundo" necessita da mediação dos lugares, segundo as virtualidades destes para usos específicos. Num dado momento, o "Mundo" escolhe alguns lugares e rejeita outros e, nesse movimento, modifica o conjunto dos lugares, o espaço como um todo. O ser acampado é antes de tudo, um ser humano indo à busca de um objetivo, onde talvez para algumas pessoas esta busca seja insignificante ou até mesmo desnecessária, porque acreditam que os sacrifícios feitos não valem a pena serem vividos. A luta pela terra requer medidas incesantes e diária com o poder público, com os donos de terra e até mesmo com a própria família. Quando questionamos a uma integrante do acampamento, o que é para ela ser uma acampada, a mesma respondeu: pra mim é está em casa. Essa fala nos leva a entender um pouco como o campo é visto pelas pessoas situadas dentro do lugar, reflete a identidade de muitas pessoas que apresentam uma série de relações. O lugar estudado geograficamente ganha um significado, deixando de ser compreendido apenas como um espaço produzido ao longo de um determinado tempo pela natureza e pelo homem, para ser visto como uma construção única, singular, carregada de simbolismo e que agrega ideias e sentidos produzidos por aqueles que o habitam.

6 6 Dentro de um acampamento, podemos perceber cada vez mais a necessidade de se estudar a categoria lugar, que vai ajudar a levantar várias questões de abrangência maior do que a escala local, pois sabemos que as relações que permeiam as áreas rurais perpassam o espaço rural dando dimensão mais global, fazendo com que tenhamos a necessidade de se entender o local para redirecionar o global. De acordo com Santos (2006, p.212): Na verdade, a globalização faz também redescobrir a corporeidade. O mundo da fluidez, a vertigem da velocidade, a frequência dos deslocamentos e a banalidade do movimento e das alusões a lugares e a coisas distantes, revelam, por contraste, no ser humano, o corpo como uma certeza materialmente sensível, diante de um universo difícil de apreender. Os laços de identidade são perceptíveis entre as pessoas nos acampamentos, que vivem como uma grande família e se integram na batalha pelo amor a terra. A luta é grande, mas quem quer vencer tem que lutar, nós já estamos aqui agora não podemos desistir, aqui é uma grande família, ou nós enrica ou fica pobre de vez. O importante é ter a terra, a terra é tudo. ( Senhor João, acampado). Santos (2006, p.214), completa dizendo: O mundo ganha sentido por ser esse objeto comum, alcançado através das relações de reciprocidade que, ao mesmo tempo, produzem a alteridade e a comunicação. Na perspectiva histórica de absorção do sistema capitalista de apropriação e desapropriação dos meios de produção, verificamos o ser social acampado como um personagem sobrevivente em um sistema capitalista desigual, que desestrutura o homem de varias formas. Nos acampamentos as pessoas muitas vezes são penalizadas não somente pela falta da terra, mas também por serem tratados como indivíduos que são invisíveis aos olhos dos poderes públicos. Essas pessoas aparecem somente como uma parcela da sociedade, mas não é só o trabalhador rural que é explorado pelo sistema e sim toda uma classe de trabalhadores. Segundo a análise de Santos (2010): Quem deveria ser indenizado pelos anos de exploração, por serem desapropriados, humilhados, vencidos e vendidos, deveriam ser aqueles que entram para a historiografia brasileira na condição anônima e genérica de cativo. Homens e mulheres sem rosto, sem identidade e quando deixam esta posição retornam ao novo contexto histórico na condição de sujeito invisível, oculto sem vez e sem voz e ganham à denominação genérica de excluídos. (SANTOS, 2010, pp.97-98). Com isso Santos(2010), nos mostra que realmente há uma contradição no modo de ver os trabalhadores em geral. Partilhando da mesma visão o MST, através de seus membros buscam

7 7 os serviços básicos para uma vida digna, Caldart (2005, pp.93-94) faz uma apresentação do que é ser o sem terra. Ser sem terra hoje é bem mais do que ser um trabalhador ou trabalhadora que não tem terra, ou mesmo que luta por ela; sem terra é uma identidade historicamente construída, primeiro como afirmação de uma condição social: sem-terra e, aos poucos, não mais como uma circunstância de vida a ser superada, mas sim como uma identidade de cultivo: somos Sem Terra do MST! CALDART, (2005, pp.93-94). Diante disso é possível verificar que a reforma agrária é necessária para que se possa dar a dignidade do homem de poder viver e sobreviver. É necessário dar a este homem o direito de voltar as suas origens e minimizar as desigualdades sociais. Um dos principais pontos é enxergar quem é esse individuo enquanto sociedade e enquanto ser humano. Várias situações de comportamento e convivência são geradas dentro dos acampamentos rurais, situações essas muitas vezes de poder, de organização espacial, de mobilização grupal e até mesmo de permanência no local, ou seja, forma-se uma teia de relações entre os membros dos acampamentos. Essa teia é formada por vários personagens que se interrelacionam, formando um novo rural com bases territoriais dentro de um mesmo espaço. Os responsáveis pela fiscalização do cumprimento das normas são as lideres grupais, onde posteriormente estes passam as informações para o líder local, que repassa ao representante estadual, conhecido como Edésio Fontes e José Fontes (membros do MST), e por fim eles entregarão a lista com os nomes dos futuros assentados ao INCRA, representante maior do movimento junto ao governo federal. No entanto o fato de estas famílias estarem acampadas não significa que serão assentadas. Esta incerteza de assentamento nos levam a uma reflexão sobre os acampamentos rurais. Um exemplo vivenciado é o acampamento Carlos Prestes, onde no local permanecem famílias já acampadas há mais de oito anos, devido à falta de organização dos membros que coordenavam o grupo de famílias. Segundo membros do próprio acampamento, eles teriam sido esquecidos durante o cadastro realizado pelos coordenadores grupais e enviado posteriormente ao INCRA, enfatizando assim a falta de compromisso de membros responsáveis pelas vidas de tantas famílias ou ainda a negligência dos órgãos públicos pela fiscalização do modo de vida de pessoas, caracterizando os acampados como sujeitos invisíveis a toda uma sociedade. No Acampamento Carlos Prestes ainda é possível encontrar crianças nascidas dentro do próprio local, isso devido ao seu tempo de formação, crianças conhecidas como filhos do acampamento. Essas crianças acabam sendo desprovidas de muitos direitos, pois são

8 8 obrigadas a ficar sem educação formal, sem assistência adequada de saúde pública, sem moradia digna e lazer; condições necessárias para o bom desenvolvimento do ser humano. A situação que deveria ser passageira está se perdurando por vários anos e famílias estão sendo esquecidas por vários seguimentos da sociedade, seja por seus pares, por órgãos políticos e até mesmo pela sociedade que fecham os olhos para outra parcela de sujeitos desta mesma sociedade, como se estes não existissem. O outro acampamento conhecido como João Pedro Teixeira tem cerca de seis meses de formação, conta com mais ou menos 30 famílias e é coordenado por três mulheres que têm o dever de fiscalizar e organizar o acampamento. Todas as informações são repassadas ao representante estadual. As normas dos locais são primordiais para o bom convívio e organização do acampamento, entre as citadas pela própria coordenadora Cristina está: assinar a lista de permanência no local de três dias, o não uso de aparelho de som alto durante o dia e a noite e o não uso de bebida alcoólica dentro do acampamento, além do uso do fogão a lenha( foto.1) que é obrigatório em todas as barracas, cultivar produtos dentro do terreno(foto.2), cabendo as coordenadoras fiscalizar o cumprimento das normas. Fotos 1 e 2. Aspetos do Acampamento João Pedro Teixeira Itaporanga D Ajuda/SE (uso do fogão de lenha e plantação de macaxeira). Fonte: Haiane Pessoa, 2012 Nas fotos acima podemos verificar como o desmatamento de vegetações nativas torna-se necessário para a construção de barracas e até mesmo para o cultivo de alimentos, além do acesso a lenha para o preparo destes. Em alguns momentos é dever dos coordenadores orientar as famílias para não se prolongarem muito no processo de desmatamento, já que segundo eles, o IBAMA proibiu a derrubada da mata.

9 9 Dentro da fazenda São João, está situado dois acampamentos: o João Pedro Carvalho e Carlos Prestes, estes dois acampamentos agrupam mais de cem famílias, por este motivo serão assentadas somente as cem que cumprirem regularmente as normas do acampamento. A fazenda Camaçari é palco dessa reivindicação, segundo membros dos acampamentos são terras improdutivas, pois são terras concedidas pelo governo federal inclusive com carta de desapropriação. Dentro deste futuro assentamento seria construída a infraestrutura por intermédio dos órgãos oficiais ligados ao programa de reforma agrária do governo federal, juntamente com as secretarias estaduais e municipais responsáveis pela construção de escola, posto médico, entre outros. O ingresso no acampamento requer algumas medidas praticas que começa com o fornecimento de dados pessoais, a exemplo de identidade, CPF, comprovante de residência (se tiver) e título de eleitor. Posteriormente na segunda etapa é necessário para ter direito a uma cesta básica mensal, que cada um contribua com a quantia de onze reais para o chamado caixa. Dos onze reais cinco é utilizado para aquisição dos alimentos e seis reais são destinados ao transporte destes alimentos que saem do estado do Paraná, onde está situado um assentamento que fornece alimentos para os acampamentos de outros estados.na terceira etapa de ingresso no local as famílias têm que seguirem uma dinâmica grupal, em que são cumpridas algumas atividades baseadas no rodízio de vigilância do local. Dividem-se os grupos em dois, um grupo deve vigiar o acampamento enquanto o outro descansa e assim posteriormente realizam o rodizio. Este rodízio de vigilância dura três noites para cada grupo. Os outros quatro dias as pessoas podem sair do local para desenvolver outras atividades, desde que, cumpram regularmente suas tarefas nos dias que tiveram dentro do acampamento. O rodízio de vigilância se faz necessário, pois vários membros do movimento foram mortos por donos de fazendas quando se encontravam sozinho. Por este motivo formam grupos até para pegar água em um rio próximo para tentar evitar represarias aos membros do acampamento. Outra norma definida por mediada de segurança é que a noite a partir do sol se pôr ninguém mais sai do acampamento. Em uma das visitas ao acampamento foi possível visualizarmos a interação entre os membros acampados com a construção de um barracão de lona (Foto 3), este irá servi para um curso de alfabetização dos adultos e também para as reuniões de cunho administrativo do próprio local.

10 10 Foto 3. Construção do barracão por acampados. Fonte: Haiane Pessoa, 2012 Uma das características presentes dos acampamentos é a demarcação territorial através de bandeira do MST que identifica um acampamento rural. Na entrada da fazenda São João está situado o primeiro acampamento Carlos Prestes onde este possui um número maior de barracas. O acampamento Carlos Prestes termina quando o João Pedro começa e a símbolo da territorialidade é demarcado pela bandeira do MST (Foto 4). Foto 4. Marcação territorial do Acampamento João Pedro Teixeira e Carlos Prestes Itaporanga D Ajuda/SE. Fonte: Haiane Pessoa, CONSIDERAÇÕES FINAIS:

11 11 Levando em consideração essas características o trabalho em tela tem como principal objetivo buscar entender a interface dos acampamentos, ou seja, como as relações de poder são estabelecidas em seu interior, sua dinâmica de funcionamento, o ingresso ao local e a formação social presente. Destrinchar o processo histórico de luta dos camponeses na escala local, tendo em vista as transformações que ocorreram em escala nacional. Contextualizar as obras que tratam do tema abordado com o empírico. Dentre todos esses fatores abordados o estudo de campo realizado busca entender quais as relações sociais são definidas no campo de um acampamento rural. Além de desmistificar conceitos previamente atribuídos aos acampados que fazem parte deste movimento, como por exemplo, o estigma de vandalismo e marginalização. Esperamos ao final deste trabalho possibilitar novas formas de ver, olhar e enxergar o sujeito social acampado. Permitindo a construção de uma nova visão sobre esses sujeitos, que possibilite uma reflexão sobre a estrutura da sociedade, assim como a passividade e a naturalização das questões sociais, que cedam lugar e espaço para a inquietação, para outro olhar e leitura da sociedade onde estamos inseridos e a qual produzimos em nosso dia a dia, pela passividade ou pelo movimento. A reforma agrária não é concebida como uma questão pontual, restrita ao campo, mas com uma questão de toda a sociedade, pois a sua realização implicaria transformações mais amplas e profundas, onde a democratização da propriedade da terra aparece como condição da democratização nas atuais relações de poder (MOREIRA, 2005) A terra simboliza a razão da própria existência do ser, uma vez que os homens e mulheres que possuem ligação direta com a terra entendem que fazem parte juntos homem e terra, de um todo indissociável. REFERÊNCIAS

12 12 ARROYO, Miguel Gonzalez; CALDART, Roseli Salete; MOLINA, Mônica Castagna (Orgs.). Por uma educação do campo. Petrópolis/ RJ: Vozes, MARTINS, José de Souza. Exclusão social e a nova desigualdade. 2ª ed. São Paulo: Paulus, MOURA, Margarida Maria. Camponeses. São Paulo: Ática, SANTOS, Milton, SILVEIRA, Maria Laura. O Brasil: território e sociedade no início do século XXI. 1ª.ed.Rio de Janeiro: Record Editora, SANTOS, Milton. A Natureza do Espaço: Técnica e Tempo, Razão e Emoção. 4 ed. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, (Coleção Milton Santos; 1). SANTOS, Núbia Dias dos. O passado presente na Inquietante Questão Agrária Brasileira. In: ARAÚJO, Hélio Mario de e SANTOS, Núbia Dias dos (Orgs.). Temas de Geografia Contemporânea. Teoria, Método e Aplicações. São Cristóvão/SE. Editora UFS, Fundação Oviêdo Teixeira, 2010, pág

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA

O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA O PROGRAMA DE EDUCAÇÃO TUTORIAL/PET CONEXÕES EDUCAÇÃO DO CAMPO NA UFMA DINIZ, Diana Costa 1 ; CAVALCANTI, Cacilda Rodrigues 2 ; COUTINHO, Adelaide Ferreira 3 ; MACÊDO, Marinalva Sousa 4 ; NASCIMENTO, Cristiane

Leia mais

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA

AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA AS TECNOLOGIAS NA ESCOLA DO CAMPO UMA QUESTÃO DE DIREITO A CIDADANIA Rose Madalena Pereira da Silva Prof. da Educação Básica e Pós graduanda em Educação e Novas Tecnologias Sara Ingrid Borba Mestra em

Leia mais

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA Prof.ª Dra. Irizelda Martins de Souza e Silva UEM Caroline Mari de Oliveira UEM Kethlen Leite de Moura UEM Thaís Godoi de Souza UEM Agência Financiadora:

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS.

A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. A QUESTÃO DA REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA NO BAIRRO SANGA FUNDA, PELOTAS, RS. Carina da Silva UFPel, carinasg2013@gmail.com INTRODUÇÃO A atual sociedade capitalista tem como alicerce, que fundamenta sua manutenção,

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES

DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES DISCRIMINAÇÃO DO TRABALHO FEMININO E AS DESIGUALDADES SOCIAIS ENTRE HOMENS E MULERES Werena de Oliveira Barbosa Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Cajazeiras FAFIC werena19@hotmail.com Juliana

Leia mais

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG

A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG A formação de professores do campo: análise do perfil e dos sentidos da docência de estudantes da Licenciatura em Educação do Campo da FaE/UFMG Introdução Aline Aparecida Angelo O debate sobre a formação

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS

A FORMAÇÃO DE REDES SOCIAIS MINISTÉRIO DE EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO ACRE PROGRAMA MAIS EDUCAÇÃO/EDUCAÇÃO INTEGRAL Retirado e adaptado de: LEITE, L. H. A., MIRANDA, S. A. e CARVALHO, L. D. Educação Integral e Integrada: Módulo

Leia mais

O PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO MUNICÍPIO DE POÇO REDONDO/SE.

O PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO MUNICÍPIO DE POÇO REDONDO/SE. O PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS DO CAMPO NO MUNICÍPIO DE POÇO REDONDO/SE. Maria Leliana Vieira 1 Maria Vanuzia Soares dos Santos 2 Sandra Santos de Jesus 3 EIXO TEMÁTICO: 16. Educação, Educação no

Leia mais

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA

A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA A INSERÇÃO ECÔNOMICA DOS AGRICULTORES FAMILIARES INSERIDOS NO ASSENTAMENTO ERNESTO CHE GUEVARA Mercedes Ferreira 1 - mercedita4@hotmail.com Maria Inês Vidal 2 Orientador: Luiz Alexandre Gonçalves Cunha

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

A ESCOLA MULTISSERIADA EM IMAGENS: CONSTRUINDO A MEMÓRIA E O SIGNIFICADO DA ESCOLA NA COMUNIDADE CAMPESINA Juber Helena Baldotto Delboni UFES

A ESCOLA MULTISSERIADA EM IMAGENS: CONSTRUINDO A MEMÓRIA E O SIGNIFICADO DA ESCOLA NA COMUNIDADE CAMPESINA Juber Helena Baldotto Delboni UFES A ESCOLA MULTISSERIADA EM IMAGENS: CONSTRUINDO A MEMÓRIA E O SIGNIFICADO DA ESCOLA NA COMUNIDADE CAMPESINA Juber Helena Baldotto Delboni UFES Resumo Este estudo analisa de que maneira as fotografias são

Leia mais

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO

CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO CONCENTRAÇÃO DE TERRAS NO BRASIL UM OLHAR ACADÊMICO SOBRE O PROCESSO Ana Claudia Silva Almeida Universidade Estadual de Maringá - UEM anaclaudia1985@yahoo.com.br Elpídio Serra Universidade Estadual de

Leia mais

Mestre em Educação pela UFF (Universidade Federal Fluminense) e Professora Assistente na Universidade Estadual de Santa Cruz (Ilhéus BA).

Mestre em Educação pela UFF (Universidade Federal Fluminense) e Professora Assistente na Universidade Estadual de Santa Cruz (Ilhéus BA). Aleph Formação dos Profissionais da Educação ISSN 1807-6211 A FORMAÇÃO DO PROFESSOR: POSSIBILIDADES E LIMITES NA ORGANIZAÇÃO DE UM PLANO DE TRABALHO COLETIVO NO PROGRAMA NACIONAL DE EDUCAÇÃO NA REFORMA

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches

PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches PRÁTICAS PEDAGÓGICAS E O USO INTEGRADO DE TECNOLOGIAS DIGITAIS Sérgio Abranches A presença de tecnologias digitais no campo educacional já é facilmente percebida, seja pela introdução de equipamentos diversos,

Leia mais

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA

EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA EDUCAÇÃO INFANTIL E CLASSES MULTISSERIADAS NO CAMPO SOB UM OLHAR IDENTITÁRIO E DE CONQUISTA RESUMO DE LIMA,Claudia Barbosa 1 GONÇALVES, Danielle Balbino Souto 2 HERMENEGILDO, Raquel do Nascimento 3 LIMA,

Leia mais

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo

ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Palavras-Chave: Educação no/do Campo; Educação; Saberes Locais; Povos do Campo ESCOLAS NO/DO CAMPO: UM DIAGNÓSTICO DOS MODELOS EXISTENTES EM GOIÁS 1. Priscylla Karoline de Menezes Graduanda em Geografia (IESA/UFG) e-mail: priscyllakmenezes@gmail.com Dra. Rusvênia Luiza B. R. da Silva

Leia mais

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos.

Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Avanços na Assistência Social brasileira: o trabalho multidisciplinar e a prática com grupos. Autores Aline Xavier Melo alinexaviermelo@yahoo.com.br Juliana Roman dos Santos Oliveira ju_roman@hotmail.com

Leia mais

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO

CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO. Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO CONFERÊNCIA NACIONAL DE EDUCAÇÃO Eixo VI Justiça Social, Educação e Trabalho: Inclusão, diversidade e igualdade EDUCAÇÃO DO CAMPO Quanto à Educação do Campo Superar as discrepâncias e desigualdades educacionais

Leia mais

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL

RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL RESISTÊNCIA CAMPONESA E ORGANIZAÇÃO SÓCIO-ESPACIAL NA COMUNIDADE SERRA DAS PIAS/AL Resumo Aparecida Marta Barbosa Costa Universidade Estadual de Alagoas UNEAL Marta_liz@hotmail.com Antônio Marcos Pontes

Leia mais

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua. Título da experiência: Políticas públicas de apoio à população de rua Uma experiência inovadora como contribuição da sociedade civil: Reintegração Familiar de Crianças e Adolescentes em Situação de Rua.

Leia mais

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO

GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO GUTEMBERG GOMES DE OLIVEIRA UNESP/IPPRI GUTEMBERG_GEOGRAFO@HOTMAIL.COM DESAFIOS PARA CONSTRUÇÃO DE UMA EDUCAÇÃO PARA ALÉM DO CAMPO E CIDADE INTRODUÇÃO A formação geo histórica da Pedagogia da Alternância

Leia mais

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3.

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3. PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, Erineu - UFES GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: PRONERA/Ação Educativa 1. Tema O curso Pedagogia da Terra/ES

Leia mais

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro

As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro As Escolas Famílias Agrícolas do Território Rural da Serra do Brigadeiro VIEIRA, Tatiana da Rocha UFV - pedagogia_tati@yahoo.com.br BARBOSA, Willer Araújo UFV- wbarbosa@ufv.br Resumo: O trabalho apresentado

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente,

e/ou o recorte dessa área sempre foi uma temática central para pensar a ação de formar profissionais. O professor universitário, historicamente, O COMPROMISSO DA UNIVERSIDADE NO EXERCÍCIO DA DOCÊNCIA BROILO, Cecília Luiza UNISINOS ceciliab@unisinos.br FAGUNDES, Maurício César UNISINOS mc.fagundes@terra.com.br GOMES, Marta Quintanilha UNISINOS martaqg@unisinos.br

Leia mais

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem.

transmitindo o conhecimento científico, e, assim, possibilitando a mudança na forma de vida de todos os que do conhecimento se apropriassem. RESENHA Artigo: ARROYO, M. G. Balanço da EJA: o que mudou nos modos de vida dos jovens adultos populares? Revej@ - Revista de Educação de Jovens e Adultos, V. I; 2007. Estamos diante de um texto que problematiza

Leia mais

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS

Nota Técnica. Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01. Curitiba, PR. Junho de 2014. Coordenação da Gestão do SUAS Nota Técnica Conceitos da Vigilância Socioassistencial Nº 01 Curitiba, PR. Junho de 2014 Coordenação da Gestão do SUAS Conceitos da Vigilância Socioassistencial Finalidade: Considerando a importância da

Leia mais

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis

O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis O programa de urbanização de favelas da prefeitura de São Paulo um estudo de caso da favela de Heliópolis Fabiana Cristina da Luz luz.fabiana@yahoo.com.br Universidade Cruzeiro do Sul Palavras-chave: Urbanização

Leia mais

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias?

1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia. Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 1ª Circular XXXI Encontro Estadual de Geografia O Professor, o Bacharel e o Estudante: diferentes ações, as mesmas geografias? 18 a 20 de maio de 2012 Universidade Federal de Rio Grande FURG Rio Grande

Leia mais

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE

José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE José Fernandes de Lima Membro da Câmara de Educação Básica do CNE Cabe a denominação de novas diretrizes? Qual o significado das DCNGEB nunca terem sido escritas? Educação como direito Fazer com que as

Leia mais

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010)

MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) MAPEAMENTO DE PESQUISAS EDUCACIONAIS EM TORNO DA PEDAGOGIA DA ALTERNÂNCIA TEMAS E DEBATES DAS PESQUISAS DE PÓS GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO (2005-2010) Taílla Caroline Souza Menezes¹ e Ludmila Oliveira Holanda

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua

POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11. Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICAS PÚBLICAS Aula 11 Prof. a Dr. a Maria das Graças Rua POLÍTICA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL (2004) O SUAS materializa o conteúdo da LOAS, cumprindo no tempo histórico dessa Política as exigências

Leia mais

Palavras-chave: Inclusão social; ações afirmativas; extensão universitária; cidadania.

Palavras-chave: Inclusão social; ações afirmativas; extensão universitária; cidadania. TITULO: Coesão e Inclusão social: Universidade num conceito de cidadania EJE: Extensión, docencia e investigación AUTORES: Andréia Pereira da Silva* REFERENCIA INSTITUCIONAL: Universidade Federal de Santa

Leia mais

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO

LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO LIVRO IRATI, SONHO DE CRIANÇA Claudia Maria Petchak Zanlorenzi Kátia Osinski Ferreira Universidade Estadual de Ponta Grossa - UEPG RESUMO Este trabalho aborda a conclusão de uma pesquisa que tinha por

Leia mais

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1

AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 AGROECOLOGIA E EDUCAÇÃO DO CAMPO: pesquisa, ação e reflexão a partir das escolas do campo no município de Goiás-GO 1 SOUZA, Murilo M. O. 2 ; COSTA, Auristela A. 2 ; SANT ANNA, Thiago S. 3 ; SILVA, Fábio

Leia mais

O PROCESSO DA ESCOLARIZAÇÃO NO CAMPO, INGRESSO NA UNIVERSIDADE E O TRABALHO COM A EDUCAÇÃO POPULAR

O PROCESSO DA ESCOLARIZAÇÃO NO CAMPO, INGRESSO NA UNIVERSIDADE E O TRABALHO COM A EDUCAÇÃO POPULAR O PROCESSO DA ESCOLARIZAÇÃO NO CAMPO, INGRESSO NA UNIVERSIDADE E O TRABALHO COM A EDUCAÇÃO POPULAR Henrique Bocalon; Lisiane Costa Claro; Vilmar Alves Pereira Resumo O presente trabalho é um relato de

Leia mais

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte

PROJETO MUTAÇÕES: Cada um na sua, mas todos ligados em rede O mundo e o planeta Urbanização e cidades Globalização: o mundo em toda parte PROJETO MUTAÇÕES: O início do século XXI impressiona não apenas pelo volume das mudanças que se efetivaram em todos os campos da ação humana, mas também na velocidade com que elas têm se processado. Em

Leia mais

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país

Você sabia que... Alguns fatos sobre o meu país Brasil Você sabia que... A pobreza e a desigualdade causam a fome e a malnutrição. Os alimentos e outros bens e serviços básicos que afetam a segurança dos alimentos, a saúde e a nutrição água potável,

Leia mais

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira

FICHA TÉCNICA. Concepção Marcelo Garcia João Cruz Rodrigo Salgueiro Naira de Araújo. Revisão Ludmila Schmaltz Pereira SENAR INSTITUTO FICHA TÉCNICA Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil Senadora Kátia Abreu Secretário Executivo do SENAR Daniel Carrara Presidente do Instituto CNA Moisés Pinto

Leia mais

A CIRANDA INFANTIL DO MOVIMENTO SEM TERRA NO BRASIL: FORMAÇÃO POLÍTICA NA INFÂNCIA

A CIRANDA INFANTIL DO MOVIMENTO SEM TERRA NO BRASIL: FORMAÇÃO POLÍTICA NA INFÂNCIA A CIRANDA INFANTIL DO MOVIMENTO SEM TERRA NO BRASIL: FORMAÇÃO POLÍTICA NA INFÂNCIA Dayane Santos Silva Dalmaz 1 - UNICENTRO dayanemitsue@hotmail.com Daiane Scarmocin UNICENTRO daya_scar@hotmail.com Eixo

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E A PEDAGOGIA DO MOVIMENTO SEM TERRA: NOTAS PARA UM DEBATE 1

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E A PEDAGOGIA DO MOVIMENTO SEM TERRA: NOTAS PARA UM DEBATE 1 1 A EDUCAÇÃO DO CAMPO E A PEDAGOGIA DO MOVIMENTO SEM TERRA: NOTAS PARA UM DEBATE 1 Rosana Kostecki de Lima 2 Universidade Estadual de Londrina, e-mail: rosanakostecki@hotmail.com Margarida de Cássia Campos

Leia mais

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO Breve Histórico da População de Rua na Cidade de São Paulo A população de rua da cidade de são Paulo, heterogenia

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: A EXPRESSIVIDADE CORPORAL NA PRÁTICA EDUCATIVA

EDUCAÇÃO DO CAMPO: A EXPRESSIVIDADE CORPORAL NA PRÁTICA EDUCATIVA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A EXPRESSIVIDADE CORPORAL NA PRÁTICA EDUCATIVA Resumo MACHADO, Carmem UTP carmem.smachado@hotmail.com Eixo temático: Diversidade e Inclusão. Agência financiadora CNPq Este trabalho faz

Leia mais

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES

OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES POPULARES COMO CITAR ESTE TEXTO: Formato Documento Eletrônico (ISO) NASCIMENTO, Alexandre do. Os Cursos Pré-Vestibulares Populares. [Acesso em dd/mm/aaaa]. Disponível em http://www.alexandrenascimento.com. OS CURSOS

Leia mais

Elaboração de Projetos

Elaboração de Projetos Elaboração de Projetos 2 1. ProjetoS Projeto de Vida MACHADO, Nilson José. Projeto de vida. Entrevista concedida ao Diário na Escola-Santo André, em 2004. Disponível em: .

Leia mais

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO

TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO TÍTULO: A DIMENSÃO TÉCNICO-OPERATIVO DO TRABALHO DO ASSISTENTE SOCIAL: RELEITURA DOS INSTRUMENTOS E TÉCNICAS UTILIZADOS NA PROFISSÃO CATEGORIA: CONCLUÍDO ÁREA: CIÊNCIAS SOCIAIS APLICADAS SUBÁREA: SERVIÇO

Leia mais

MST PRECURSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO BRASIL

MST PRECURSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO BRASIL MST PRECURSOR DA EDUCAÇÃO DO CAMPO NO BRASIL Carlos Odilon da Costa FURB/BLUMENAU CARLOSODILONCOSTA@GMAIL.COM Naiara Gracia Tibola FURB/BLUMENAU RESUMO O artigo é resultado de pesquisas bibliográficas

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS CUL 07-09 01 Vaga 1 IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria de pessoa física para realizar ações e organizar atividades

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA FARROUPILHA PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO ANEXO I. PROJETO DE CURTA DURAÇÃO 1. IDENTIFICAÇÃO 1.1 Título do

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ

EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ EDUCAÇÃO DO CAMPO: AÇÕES GOVERNAMENTAIS NO ESTADO DO PARANÁ Resumo SOUZA, Maria Antônia de UTP maria.antonia@pq.cnpq.br Este trabalho tem o intuito de caracterizar as ações governamentais que vêm sendo

Leia mais

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011

PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 PROJETO UNIVERSIDADE ABERTA 2011 Trabalhas sem alegria para um mundo caduco Carlos Drumond de Andrade 1. IDENTIFICAÇÃO DO PROJETO Realização do 6º ano do Projeto Universidade Aberta, com o título Faces

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

EXPERIÊNCIAS SÓCIO-EDUCATIVAS DO MST. VENDRAMINI, Célia Regina. Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO

EXPERIÊNCIAS SÓCIO-EDUCATIVAS DO MST. VENDRAMINI, Célia Regina. Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO EXPERIÊNCIAS SÓCIO-EDUCATIVAS DO MST VENDRAMINI, Célia Regina Universidade Federal de Santa Catarina RESUMO Ao estudar um movimento social de grande relevância social e política na conjuntura do país,

Leia mais

Realização. Estados Vizinhos Convidados

Realização. Estados Vizinhos Convidados Relatório-síntese do III Seminário de Articulação Nacional e Construção de Diretrizes para a Educação no Sistema Penitenciário Regional Sul Centro Administrativo Porto Alegre - RS 6 e 7 de março de 2006

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA

RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DO PROGRAMA NACIONAL DE REFORMA AGRÁRIA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MMA MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO MDA INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA INCRA RELATÓRIO DAS OFICINAS SOBRE LICENCIAMENTO AMBIENTAL DOS PROJETOS DE

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER,

EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, EDUCAÇÃO E DESENRAIZAMENTO: PROCESSO DE NUCLEAÇÃO DAS ESCOLAS NO MUNICÍPIO DE BOM RETIRO SC KREMER, Adriana UNIPLAC adriana.kremer@bomjesus.br GT: Educação Popular/ n.06 Agência Financiadora: Não contou

Leia mais

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior

A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior UNIrevista - Vol. 1, n 2: (abril 2006) ISSN 1809-4651 A inclusão de alunos com necessidades educativas especiais no ensino superior Marilú Mourão Pereira Resumo Fisioterapeuta especialista em neurofuncional

Leia mais

Segui buscando en la Red de Bibliotecas Virtuales de CLACSO http://biblioteca.clacso.edu.ar

Segui buscando en la Red de Bibliotecas Virtuales de CLACSO http://biblioteca.clacso.edu.ar Educação do campo e democratização da educação superior no Brasil Titulo Barbosa, Lia Pinheiro - Autor/a; Autor(es) Buenos Aires Lugar CLACSO Editorial/Editor 2014 Fecha Colección Universidades; Educação

Leia mais

TRANSITANDO PELAS FRONTEIRAS: UMA ANÁLISE DOS MORADORES DE ACAMPAMENTOS URBANOS EM DOURADOS-MS

TRANSITANDO PELAS FRONTEIRAS: UMA ANÁLISE DOS MORADORES DE ACAMPAMENTOS URBANOS EM DOURADOS-MS TRANSITANDO PELAS FRONTEIRAS: UMA ANÁLISE DOS MORADORES DE ACAMPAMENTOS URBANOS EM DOURADOS-MS Maria José Martinelli Silva Calixto Universidade Federal da Grande Dourados UFGD Pesquisadora da FUNDECT e

Leia mais

UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA

UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA UM OLHAR SOBRE A MÍSTICA. O USO DA MÍSTICA NOS ESPAÇOS DE ENGAJAMENTO E PARTICIPAÇÃO POLÍTICA Selma Dansi 1 RESUMO As Representações do Rural nos Processos Organizativos da Juventude Rural (UFRRJ/FAPERJ/NEAD/MDA).

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007

PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 PORTARIA NORMATIVA INTERMINISTERIAL Nº- 17, DE 24 DE ABRIL DE 2007 Institui o Programa Mais Educação, que visa fomentar a educação integral de crianças, adolescentes e jovens, por meio do apoio a atividades

Leia mais

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro

Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma Colheita para o Futuro A Campanha Nacional pela Proteção Infanto-Juvenil no campo: uma colheita para o futuro, é uma ação estratégica do Movimento Sindical de Trabalhadores

Leia mais

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas

Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Desigualdades socioespaciais no RN: velhas causas, novas formas Rita de Cássia da Conceição Gomes Natal, 11/09/2011 As Desigualdades socioespacias em nossa agenda de pesquisa: Dialética apresentada Pesquisa

Leia mais

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores

Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Estrutura e Metodologia da Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Oficina 1: Sensibilização de Agentes Multiplicadores Integração do grupo; Sensibilização para os problemas e potencialidades

Leia mais

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL

TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL TRABALHO SOCIAL COM FAMÍLIAS NO SUAS IRACI DE ANDRADE DRA. SERVIÇO SOCIAL OBJETIVO DO CURSO Capacitar trabalhadores da assistência social para a utilização dos instrumentos técnico-operativos trabalho

Leia mais

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS

CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS CURSO EDUCAÇÃO, RELAÇÕES RACIAIS E DIREITOS HUMANOS MARTA LÚCIA DA SILVA ROSANA CAPPUTI BORGES Educação Infantil: desigualdades de idade e raça, um grande desafio a ser conquistado. São Paulo 2012 EDUCAÇÃO

Leia mais

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s)

ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) ENSINO DE GEOGRAFIA, CULTURA POPULAR E TEMAS TRANSVERSAIS: uma proposta de transversalidade a partir dos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN s) Kálita Tavares da SILVA 1 ; Estevane de Paula Pontes MENDES

Leia mais

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares.

Palavras-chave: Aprendizagem dialógica, aprendizagem escolar, conteúdos-escolares. APRENDIZAGEM ESCOLAR NA PRIMEIRA DÉCADA DO SÉCULO XXI: POSSÍVEIS ENCONTROS COM A APRENDIZAGEM DIALÓGICA NOS CADERNOS DE PESQUISA 1 Adrielle Fernandes Dias 2 Vanessa Gabassa 3 Pôster - Diálogos Abertos

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE

DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÕES DE TRABALHO PRECOCE Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 18 a 22 de outubro, 2010 337 DIMENSÕES DO TRABAHO INFANTIL NO MUNICÍPIO DE PRESIDENTE PRUDENTE: O ENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM

Leia mais

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae

ASSOCIATIVISMO. Fonte: Educação Sebrae ASSOCIATIVISMO Fonte: Educação Sebrae O IMPORTANTE É COOPERAR A cooperação entre as pessoas pode gerar trabalho, dinheiro e desenvolvimento para toda uma comunidade COOPERAR OU COMPETIR? Cooperar e competir

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20

Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Meio Ambiente e Governança Global: da Declaração Universal sobre Bioética e Direitos Humanos ao pós-rio+20 Samira Santana de Almeida 1 RELATÓRIO

Leia mais

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS

ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS ESCOLA-COMUNIDADE-UNIVERSIDADE: PARCEIRAS NA SOCIALIZAÇÃO DOS CONHECIMENTOS E DOS RECURSOS TECNOLÓGICOS Débora Laurino Maçada FURG Sheyla Costa Rodrigues FURG RESUMO - Este projeto visa estabelecer a parceria

Leia mais

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1

A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 A participação social em programas e projetos governamentais de regularização urbana e ambiental 1 Juliano Varela de Oliveira 2 Cada cidade possui suas peculiaridades referentes às condições de sobrevivência

Leia mais

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet

Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet Resenha A conversação em rede: comunicação mediada pelo computador e redes sociais na Internet (RECUERO, Raquel. Porto Alegre, RS: Editora Sulina, 2012) Vinicius Paiva Cândido dos SANTOS 1 Diante de uma

Leia mais

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL

VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL VIII JORNADA DE ESTÁGIO DE SERVIÇO SOCIAL CONSIDERAÇÕES SOBRE O TRABALHO REALIZADO PELO SERVIÇO SOCIAL NO CENTRO PONTAGROSSENSE DE REABILITAÇÃO AUDITIVA E DA FALA (CEPRAF) TRENTINI, Fabiana Vosgerau 1

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário

SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SERVIÇO SOCIAL E DO MEIO AMBIENTE: um debate necessário SILVA, IVANNA SILIANA DO NASCIMENTO 1, ALVES, MARIA GERALDA 2, SILVA, IRBIA SONALY DO NASCIMENTO 3, NASCIMENTO, MARIA ANAZUILA 4, LEANDRO, DARLANIA

Leia mais

A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG.

A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG. A luta pela terra de assentados(as) do Projeto de Assentamento Olhos D água em Sacramento-MG. ELIANA GARCIA VILAS BOAS* LEANDRA DOMINGUES SILVÉRIO** Ao participar dos debates propostos pela Linha de Pesquisa:

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR.

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR. ÉTICA E SERVIÇO SOCIAL: Elementos para uma breve reflexão e debate. Perspectiva de Análise Teoria Social Crítica (Marx e alguns marxistas)

Leia mais

O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO

O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO O ENSINO DE GEOGRAFIA NA EDUCAÇÃO DO CAMPO: A PERSPECTIVA 1 DO TERRITÓRIO TESSMANN, Jéssica Moara da Cunha Universidade Federal de Pelotas UFPel (jessica_tessmann@hotmail.com) DAL MOLIN, Adriana Universidade

Leia mais

AS DINÂMICAS TERRITORIAIS DOS ASSENTAMENTOS RURAIS E O PAPEL DO GEÓGRAFO. Palavras-Chave: Geografia, Assentamentos Rurais, Espaço Geográfico.

AS DINÂMICAS TERRITORIAIS DOS ASSENTAMENTOS RURAIS E O PAPEL DO GEÓGRAFO. Palavras-Chave: Geografia, Assentamentos Rurais, Espaço Geográfico. AS DINÂMICAS TERRITORIAIS DOS ASSENTAMENTOS RURAIS E O PAPEL DO GEÓGRAFO Flamarion Dutra Alves 1 Resumo: Neste trabalho, procuramos discutir o papel do geógrafo frente às dinâmicas territoriais impostas

Leia mais

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA

EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA EDUCAÇÃO GEOGRÁFICA E RISCOS SOCIOAMBIENTAIS: EXPERIÊNCIAS EM ATIVIDADES DE EXTENSÃO UNIVERSITÁRIA Carla Juscélia de Oliveira Souza Departamento de Geociências, Curso de Geografia, Universidade Federal

Leia mais

FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL

FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL FAMÍLIA : DEMANDAS PARA O SERVIÇO SOCIAL Jéssica Caroline Medeiros SILVA 1 RESUMO: O presente estudo traz à discussão a família, visualizando-a na perspectiva critica como uma construção histórica. Analisamos

Leia mais

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1

Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Rompendo os muros escolares: ética, cidadania e comunidade 1 Ulisses F. Araújo 2 A construção de um ambiente ético que ultrapasse

Leia mais