Boas práticas do manejo florestal. Dossel de floresta manejada na Fazenda Cauaxi (PA)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Boas práticas do manejo florestal. Dossel de floresta manejada na Fazenda Cauaxi (PA)"

Transcrição

1 42 UNIDADE 2 Florestabilidade Dossel de floresta manejada na Fazenda Cauaxi (PA)

2 FLORESTABILIDADE UNIDADE 2 43 Unidade 2 Boas práticas do manejo florestal

3 44 UNIDADE 2 Florestabilidade Programas de televisão, programas de rádio e planos de aulas relacionados a esta unidade: Exibição do programa de TV Programa 4 Planejando o manejo madeireiro Programa 5 Atividades exploratórias do manejo madeireiro Programa 6 Atividades pós-exploratórias do manejo madeireiro Programa 7 Manejo de produtos florestais não madeireiros: castanha Programa 8 Manejo de produtos florestais não madeireiros: borracha Programa 9 Manejo de produtos florestais não madeireiros: copaíba Programa 10 Manejo de produtos florestais não madeireiros: cipó-titica Programa 11 Manejo de produtos florestais não madeireiros: babaçu Programa 12 Manejo de produtos florestais não madeireiros: açaí Programa 13 Manejo florestal de uso múltiplo Programa de rádio Programa 4 Como planejar o manejo madeireiro? Programa 5 Como minimizar os riscos no manejo da madeira? Programa 6 O que fazer depois da colheita das árvores? Programa 7 Por que preferir produtos florestais certificados? Programa 8 Como manter a produtividade dos castanhais? Programa 9 Qual é a história do manejo da seringa? Programa 10 Manejo do cipó-titica: por onde começar? Programa 11 Como se extrai o óleo de copaíba? Programa 12 Como beneficiar o babaçu? Programa 13 é preciso ir tão alto para coletar o açaí? Programa 14 Como se organizar para o manejo de uso múltiplo? Plano de aula Plano de Aula 4 Planejando o manejo madeireiro Plano de Aula 5 Atividades exploratórias do manejo madeireiro Plano de Aula 6 Atividades pós-exploratórias do manejo madeireiro Plano de Aula 7 Manejo de produtos florestais não madeireiros: castanha Plano de Aula 8 Manejo de produtos florestais não madeireiros: borracha Plano de Aula 9 Manejo de produtos florestais não madeireiros: copaíba Plano de Aula 10 Manejo de produtos florestais não madeireiros: cipó-titica Plano de Aula 11 Manejo de produtos florestais não madeireiros: babaçu Plano de Aula 12 Manejo de produtos florestais não madeireiros: açaí Plano de Aula 13 Manejo florestal de uso múltiplo

4 FLORESTABILIDADE UNIDADE 2 45 Esta unidade aborda a importância do planejamento e das atividades exploratórias e pós-exploratórias de produtos madeireiros e não madeireiros para a manutenção e conservação dos ambientes florestais. Apresenta, ainda, o manejo florestal de uso múltiplo, com destaque para a atividade pesqueira. Produtos florestais madeireiros A extração de madeira na Amazônia Já vimos que o Brasil é um dos países com a maior vocação florestal do mundo, não só pelo fato de 60% de nosso território ser coberto de florestas, mas também pela importância que os ambientes florestais têm em nossa história. O próprio nome Brasil está associado a uma árvore o pau-brasil extraída do chamado Novo Mundo ao bel-prazer dos colonizadores. A exploração predatória da Amazônia se intensificou a partir de 1960, em um momento em que não havia preocupação com o estado de degradação da floresta após a retirada das árvores. Além disso, a exploração era conduzida na mesma área toda vez que uma nova espécie de madeira se tornava atrativa no mercado, de forma que a floresta não tinha tempo suficiente para se recuperar. Após algumas entradas na floresta para a exploração, todas as madeiras que poderiam ser aproveitadas tinham sido exterminadas e não sobrava mais nenhum uso econômico possível para a floresta, a não ser queimá-la e transformá-la em pasto principalmente para a pecuária extensiva de baixa produtividade. Na verdade, muitos proprietários de terras usaram a renda produzida pela madeira para a implantação dos pastos, aproveitando a abundância de financiamentos do governo voltados para a pecuária. Assim como a exploração predatória quase extinguiu o pau-brasil na Mata Atlântica, o mogno, a castanheira e outras espécies de grande valor ecológico e econômico também chegaram à exaustão na Amazônia. Foi um tempo em que, no Brasil, não se praticava o manejo florestal. Como falamos, o manejo passou a ser exigência legal em 1965, quando o Código Florestal determinou que os recursos naturais das florestas, na Amazônia, só poderiam ser explorados por meio de planos de manejo. O Plano de Manejo é uma exigência legal para a exploração de florestas naturais na Amazônia. Deve ser elaborado por um engenheiro florestal habilitado pelo Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA), que, por sua vez, se torna responsável técnico pela execução do plano. O Plano de Manejo é apresentado ao órgão ambiental competente para que a atividade seja autorizada. Plano de Manejo Documento técnico que especifica as atividades a serem realizadas na área da floresta que se pretende manejar, incluindo a construção de infraestruturas (alojamento, estradas e pátios), a delimitação das áreas de produção a serem exploradas a cada ano e as técnicas e equipamentos que serão utilizados.

5 46 UNIDADE 2 Florestabilidade Qual a importância econômica da madeira da Amazônia? A Amazônia brasileira é a terceira maior região produtora de madeira tropical do mundo, tendo à frente, apenas, a Malásia e a Indonésia. É um setor importante para a geração de renda e empregos para trabalhadores da floresta e da indústria de transformação. Além disso, impulsiona, de forma indireta, várias economias de pequenas comunidades na Região Norte. Estudos indicam que mais de 350 espécies florestais madeireiras estão sendo exploradas na Amazônia. Em 2009, estimativas do Instituto do Homem e do Meio Ambiente da Amazônia (Imazon) mostraram que o setor madeireiro gerou cerca de US$ 2,5 bilhões de receita bruta. Não parece muito, mas ele é relevante se comparado ao Produto Interno Bruto (PIB) total da Amazônia nesse mesmo ano que foi de cerca de US$ 61 bilhões (o equivalente a apenas 8% do PIB brasileiro). Polo Área em que ocorre determinada atividade importante ou se concentra um interesse comercial, um grupo de pessoas. Nesse mesmo ano, foram contabilizados 71 polos madeireiros com mais de empresas na Amazônia, consumindo cerca de 14 milhões de metros cúbicos de madeira nativa. Mais da metade desses empreendimentos é caracterizada como serrarias simples, sem equipamentos sofisticados de beneficiamento de madeira. As serrarias fixas estão estabelecidas em polos nos arredores de cidades, mas existem também serrarias portáteis, que são montadas no interior da floresta e facilmente removidas de um local para outro. Apenas 15% das empresas instaladas na Amazônia agregam valor substancial à madeira, com processos de secagem e acabamento, transformando-a em produtos como assoalhos, portas, móveis, forros, cabos e janelas. Isso quer dizer que há muito potencial de melhoria dos negócios nesse sentido. Toras de madeira na área de manejo da Cooperativa Mista da Flona Tapajós (PA)

6 FLORESTABILIDADE UNIDADE 2 47 Após os processamentos primário e final da madeira em tora, o produto amazônico alcança vários mercados. Estudos do Imazon mostram que os brasileiros são os maiores consumidores da madeira processada na Amazônia, cerca de 80%. O estado de São Paulo ainda é o principal mercado, com 17% do consumo registrado em Cerca de 16% da madeira são consumidos pelos estados da própria Amazônia Legal. Apenas 22% da madeira produzida em 2009 foram exportados, boa parte para países da União Europeia, EUA e China. Outro fator que torna o manejo florestal importante para a Amazônia é o fato de as atividades representarem uma alternativa à conversão das florestas em pastos ou monoculturas, por exemplo. Para os especialistas, embora seja importante manter florestas intocadas sob a forma de áreas protegidas, como parques e reservas biológicas, é impossível manter todas as florestas intactas. Tanto a sociedade quanto o governo têm um papel importante no estímulo à adoção de boas práticas, por meio de políticas, leis e mecanismos de mercado, conciliando o uso racional com a conservação da floresta. Manejo de produtos florestais madeireiros O manejo é uma forma de extrair os produtos da floresta que minimiza os impactos da exploração sobre as espécies de árvores, sobre outras plantas, sobre os animais e sobre os chamados serviços ambientais das florestas. Permite que a floresta se recupere depois da extração e continue gerando benefícios. O manejo florestal é, hoje, a melhor alternativa para aliar a conservação das florestas da Amazônia ao desenvolvimento das comunidades rurais do interior da região. É uma ferramenta importante para gerar renda e empregos. As comunidades amazônicas podem se beneficiar do manejo fazendo uso direto da floresta em suas áreas, contratando empresas idôneas para realizar a exploração ou concorrendo a concessões florestais em áreas públicas. Atualmente, há um déficit enorme de pessoas devidamente treinadas para fazer o correto manejo florestal na Amazônia. A curto prazo, estima-se que esse déficit seja de 10 mil profissionais, podendo chegar a 30 mil nos próximos 20 anos, se não forem intensificadas ações de formação. Ao mesmo tempo que é um desafio para o uso responsável das florestas, essa lacuna de profissionais representa novas oportunidades de carreira, principalmente para os jovens localizados no interior da Amazônia, que podem se especializar na área florestal participando de cursos técnicos ou de curta duração nos centros de treinamento existentes. Com a formação e o devido aprimoramento das práticas de manejo, o que se aprende também com a experiência em campo, é possível a esses profissionais terem um plano de carreira de longo prazo, sem precisar se afastar de suas regiões

7 48 UNIDADE 2 Florestabilidade Reserva Legal Área particular protegida, localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, na qual a cobertura vegetal nativa deve ser conservada, podendo ser utilizada de forma sustentável mediante Plano de Manejo florestal. Produzir produtos florestais com práticas de manejo é contribuir para o desenvolvimento de uma sociedade que respeita o ambiente e o trabalhador. de origem, contribuindo, assim, para manter os estilos de vida tradicionais do interior da Amazônia e trazer prosperidade para suas famílias e comunidades. Em termos fundiários, é possível realizar o manejo florestal em áreas privadas ou públicas. Nas áreas privadas, os planos de manejo também podem ser praticados dentro da Reserva Legal da propriedade. Para isso, é necessário que o dono da terra comprove a titularidade do imóvel rural. Nas áreas públicas (florestas nacionais e estaduais), é possível acessar os recursos florestais por meio de concessões. O manejo florestal praticado em áreas de comunidades/populações tradicionais também pode ser considerado público, uma vez que a situação fundiária da maioria dessas áreas é caracterizada como concessão não onerosa, o que permite a execução de planos de manejo. No manejo florestal, é feito um planejamento meticuloso das operações antes do início das atividades de extração. As boas práticas do manejo da madeira visam à extração seletiva de árvores, que são previamente identificadas segundo um diâmetro mínimo de corte, a constituição genética e o valor de mercado da espécie. O manejo madeireiro prevê, ainda, a aplicação de técnicas que previnam acidentes de trabalho e diminuam os danos à floresta e os desperdícios nas operações do empreendimento. Além disso, o manejo pressupõe ações pósexploratórias, que buscam auxiliar a recuperação da floresta e o crescimento das árvores de valor comercial, aumentando a rentabilidade da floresta por ciclos contínuos de exploração. As florestas manejadas adequadamente garantem a conservação dos solos, dos rios, dos igarapés e dos habitats para a fauna e contribuem para o equilíbrio do clima regional e global, sobretudo no tocante à manutenção do ciclo das águas e à retenção de carbono, fator importante para minimizar os efeitos do aquecimento global. Técnicos do Instituto Floresta Tropical (PA) identificam as árvores que foram selecionadas na atividade pré-exploratória

8 FLORESTABILIDADE UNIDADE 2 49 Quais as etapas do manejo florestal de produtos madeireiros? O primeiro conceito importante é que o manejo florestal é composto de diferentes atividades, que devem ser realizadas antes, durante e após a extração dos produtos florestais. Dessa forma, temos, conforme pode ser visto na Figura 1, as etapas préexploratória, exploratória e pós-exploratória do manejo. PRÉ-EXPLORATÓRIA Macroplanejamento Microplanejamento EXPLORATÓRIA PÓS-EXPLORATÓRIA Figura 1: Etapas do manejo de produtos florestais madeireiros Etapa pré-exploratória Antes de dar início ao trabalho na floresta, é preciso saber aonde se quer chegar. É preciso planejar. Por isso, vamos conhecer, agora, as atividades do macroplanejamento e do microplanejamento. O macropanejamento ajuda a tomar decisões quanto à seleção das áreas aptas ao manejo florestal, à viabilidade econômica do manejo e à implantação da infraestrutura necessária às atividades de manejo, como o acampamento florestal e a estrada principal por onde os produtos serão transportados até os locais de beneficiamento. Pelo Código Florestal Brasileiro, as florestas ao redor de rios e igarapés, morros com mais de 45 graus de inclinação e nascentes de corpos d água são consideradas áreas de preservação permanente (APPs) e não podem ser exploradas. Além disso, nas concessões florestais, por exemplo, uma parte da propriedade deve permanecer inexplorada para que se possa compará-la à floresta manejada. Nessa fase, também é feito um inventário amostral. Trata-se de um levantamento rápido realizado com o objetivo de orientar a elaboração do Plano de Manejo. A partir desse trabalho, é possível fazer uma descrição dos recursos florestais, estimando-se as espécies e os volumes de madeira existentes na área. O inventário amostral também é útil para o manejo de produtos florestais não madeireiros, que serão abordados mais adiante. Selecionar áreas aptas para extração de madeira é um dos primeiros passos para o manejo madeireiro responsável e sustentável.

9 50 UNIDADE 2 Florestabilidade Ciclo de corte Período de tempo necessário para que a floresta se recupere após a exploração madeireira antes que seja possível uma segunda exploração. Pelas leis brasileiras, o ciclo de corte mínimo deve ser de 25 a 35 anos, se a exploração for feita de forma mecanizada. Para um empreendimento florestal sem o arraste de toras mecanizado, situação típica de comunidades que extraem madeira em volumes menores (menos de 10 m 3 por hectare), o ciclo de corte pode chegar a dez anos, no mínimo. Os resultados do inventário amostral permitem que os gestores da floresta (comunitários, indígenas, proprietários ou concessionários) consigam estimar quanto vão precisar investir na atividade de manejo e o quanto terão de retorno financeiro. É desejável que a área do projeto de manejo possua tamanho suficiente para atender aos objetivos do manejo, respeitando o ciclo de corte, conceitochave do manejo florestal. No macroplanejamento, também são definidas as Unidades de Produção Anual (UPAs). Nessas unidades, será feito o planejamento detalhado do manejo florestal para o período de um ano. Todas essas análises são, geralmente, baseadas em informações de campo complementadas por outras informações geográficas, como mapas da área e imagens de satélite. Atividades pré-exploratórias Selecionar as áreas aptas ao manejo Quantificar o potencial da floresta para o manejo Avaliar a viabilidade econômica do empreendimento Dimensionar e definir as Unidades de Produção Anual (UPAs) Dimensionar e definir as infraestruturas gerais Definir as estratégias de gerenciamento da floresta Inventariar 100% da UPA Mapear detalhadamente o terreno da UPA, incluindo as APPs Cortar os cipós presos às árvores com valor comercial Identificar os recursos humanos necessários à operação

10 FLORESTABILIDADE UNIDADE 2 51 Na prática Imagine uma área florestal de 15 mil hectares de tamanho, na qual, durante o macroplanejamento, tenhamos encontrado vários rios que atravessam a área. Imagine, ainda, que a área de preservação permanente seja de 30 metros ao longo desses rios, cobrindo uma área de hectares. Imagine que tenhamos calculado que a área total a ser coberta por estradas principais, acampamento e por uma serraria seria de 100 hectares. Somando essas duas áreas, teríamos uma área produtiva para manejo florestal igual a 12 mil hectares (15 mil menos 3 mil hectares). Imagine, também, que o macroplanejamento tenha estimado que, com base na intensidade de exploração possível para essa área, tenhamos que praticar um ciclo de corte de 25 anos. No primeiro ano, exploraremos a unidade de produção anual, ou UPA, de número 1. No segundo ano, exploraremos a UPA 2 e assim por diante, até o final das UPAs existentes. No vigésimo sexto ano, finalmente, voltaremos a explorar a mesma UPA 1. Depois de 25 anos sem exploração na UPA 1, a floresta teve tempo de se recuperar, sendo permitida uma nova exploração. Cada UPA, nesse cenário, tem uma área de 480 hectares (12 mil hectares divididos por 25 anos). Reserva Absoluta UPA 13 Portaria Alojamento Estradas UPA 25 UPA 12 UPA 21 UPA 20 UPA 16 UPA 19 UPA 17 UPA 22 UPA 03 UPA 11 UPA 01 UPA 18 UPA 06 UPA 15 UPA 04 UPA 23 UPA 14 UPA 02 UPA 05 UPA 07 UPA 09 UPA 24 UPA 10 UPA 08 Figura 2: A figura mostra a divisão de uma floresta a ser manejada para a produção de madeira. No caso desta figura, existem 25 UPAs, o que significa que o ciclo de corte é de 25 anos. A Reserva Absoluta é uma área representativa dos ecossistemas manejados, delimitada para fins de comparação em empreendimentos certificados e concessões.

11 52 UNIDADE 2 Florestabilidade O uso de mapas é fundamental para orientar o trabalho no manejo florestal. Após o macroplanejamento, damos início às atividades de microplanejamento. Esta etapa inclui o inventário florestal, que é um levantamento detalhado de todas as árvores comerciais da UPA, com o objetivo de subsidiar a seleção das árvores que serão colhidas futuramente; elas são medidas e indicadas em um mapa. Para a confecção desse mapa são utilizados dados obtidos com aparelhos de GPS (Sistema de Posicionamento Global) e programas de computador. No entanto, muitas comunidades o fazem manualmente. Manejadores do Projeto de Assentamento Agroextrativista Chico Mendes, em Xapuri (AC), medem a circunferência da árvore e anotam a posição em GPS Neste momento, também são mapeadas as características do terreno e as APPs (áreas de preservação permanente) existentes dentro da UPA que não puderam ser reconhecidas na etapa de macroplanejamento. Todas essas ações estabelecem a base para a execução do manejo. É também durante o microplanejamento que se faz o corte de cipós presos às árvores comerciais. Embora seja uma prática simples, o corte de cipós ajuda a reduzir danos e acidentes na hora da exploração, já que os cipós conectam as copas de várias árvores. Para dar resultado, o corte de cipós precisa ser feito, pelo menos, um ano antes da exploração. Conhecendo o potencial florestal, definindo o tamanho das UPAs e conhecendo os equipamentos disponíveis para realizar a operação de manejo, é possível estimar o tipo e o número de profissionais necessários para executar o Plano de Manejo. De maneira geral, estima-se que, para cada hectares de floresta a manejar anualmente, sejam necessários 90 funcionários, em se tratando de manejo empresarial. No caso de comunidades, a proporção do número de trabalhadores envolvidos pode ser maior.

12 FLORESTABILIDADE UNIDADE 2 53 O que define uma espécie de valor comercial De acordo com a Resolução Conama 408/2009, o diâmetro mínimo de árvores de florestas nativas, na Amazônia, deve ser de 50 centímetros para que ela tenha valor comercial. Esse cuidado é importante para a preservação das árvores mais jovens. É importante, ainda, que a árvore não tenha muitas deformações no tronco e não tenha bifurcação antes da formação da copa. As espécies comerciais têm algumas características físicas (cor e textura, por exemplo) ou mecânicas (durabilidade, densidade e resistência, dentre outras) que despertam interesse para certos usos. Com base nas preferências e características, as agências estaduais de meio ambiente criaram listas com as espécies comerciais de uma determinada região. As espécies não comerciais podem se tornar comerciais no futuro. O uso de novas espécies da floresta é interessante, pois diminui a pressão sobre as espécies comerciais, sobretudo as mais valiosas. No entanto, nem sempre é fácil introduzir uma nova espécie no mercado. É preciso demonstrar e convencer compradores e consumidores finais de que a nova espécie é tão boa quanto as já existentes. Para isso, o desenvolvimento de pesquisas pode contribuir para a identificação das características de diferentes espécies. Com o manejo florestal, é possível assegurar conservação, segurança e renda tanto para empresas quanto para comunidades. De acordo com a legislação brasileira, não se pode explorar qualquer espécie. Há algumas que são protegidas em todo o território nacional ou em alguns estados. Um exemplo é a castanha-do-brasil. Embora a madeira tenha valor comercial, o corte da árvore é proibido por decreto federal, por se entender que a castanha é um produto importante para a subsistência de comunidades. O mesmo ocorre com a seringueira. Já o corte da copaíba, por exemplo, é proibido no Amazonas, por decreto estadual. O corte para sangrar a seringueira é permitido. Mas o corte da árvore é proibido por leis estaduais e federais

13 54 UNIDADE 2 Florestabilidade MOGNO: MADEIRA NOBRE Dentre as espécies mais valiosas de madeiras tropicais, o mogno (Swietenia macrophylla) destaca-se. Estável e fácil de trabalhar, o mogno foi muito usado, principalmente, na construção naval e na fabricação de mobiliário de luxo e de instrumentos musicais. Na Amazônia, o mogno começou a ser explorado na década de 1970, logo no início da construção das estradas federais. Estima-se que, no século XX, 12,6 milhões de metros cúbicos de mogno tenham sido extraídos das florestas da Amazônia brasileira. Mais de 70% dessa produção foi exportada para a Inglaterra e os Estados Unidos. O mogno nasce, naturalmente, em várias partes da América Central e da América do Sul. No Brasil, distribui-se ao longo de um amplo arco de 1,5 milhão de km 2 que se estende do centro-oeste ao leste da Amazônia, cobrindo a totalidade dos estados do Acre e de Rondônia, a porção sul do estado do Amazonas, o norte de Mato Grosso e o centro-sul do Pará. Porém, após quase 40 anos de exploração predatória, grande parte dos estoques naturais maduros da espécie encontra-se exaurida. Além disso, a espécie apresenta grande vulnerabilidade ecológica, por sua baixa taxa de regeneração, o que diminui a sustentabilidade da exploração. O mogno deve ser plantado em pequena escala devido ao aparecimento de uma lagarta, a Hypsipyla grandella, que dizima as plantações. Várias medidas têm sido tomadas pelo governo e pela sociedade brasileira e internacional para proteger o mogno. Em 2001, o governo federal incluiu a espécie no Sistema de Contingenciamento de Madeira (SCM), impondo uma cota máxima de exportações da espécie. Em 2002, a espécie foi incluída no Anexo II da Convenção sobre Comércio Internacional de Espécies Ameaçadas (CITES), o que implica um controle mais rigoroso do comércio. Em agosto de 2003, o governo estabeleceu, para a exploração do mogno, regras específicas mais rigorosas do que as vigentes para outras espécies.

14 FLORESTABILIDADE UNIDADE 2 55 Etapa exploratória A fase exploratória, também chamada de exploração de impacto reduzido, ou EIR, envolve o planejamento iniciado um ano antes da exploração, propiciando uma extração otimizada, com menos danos e desperdícios e sem vítimas de acidentes de trabalho. Mas, é bom lembrar que EIR não é sinônimo de manejo florestal, apenas um de seus componentes fundamentais. Na EIR, os tratores de esteiras abrem estradas sinalizadas em direção aos pontos nos quais serão construídos os pátios que vão receber as toras, também escolhidos minuciosamente, para evitar áreas com árvores de grande porte. A abertura de estradas e pátios é feita, preferencialmente, um ano antes da exploração. Outro ponto importante é que, na EIR, os trabalhadores usam equipamentos de proteção individual, os chamados EPIs, que servem para aumentar a segurança durante a operação. É uma postura totalmente diferente da adotada na exploração convencional ou predatória, em que os trabalhadores não usam EPIs, estradas e pátios são abertos sem planejamento, sem minimizar os danos à floresta, e as árvores são cortadas às pressas por motosserristas pouco treinados. Atividades exploratórias Abrir estadas em direção aos pátios que vão receber as toras Fazer testes para verificar se a árvore é oca Cortar as árvores respeitando o diâmetro mínimo, 50 cm, do tronco Arrastar as toras para os pátios de estocagem Identificar as toras para garantir a rastreabilidade

15 56 UNIDADE 2 Florestabilidade A vida acima da produção De acordo com a Organização Internacional do Trabalho (OIT), a segurança do trabalho nas atividades florestais é um pré-requisito para o manejo florestal ambientalmente adequado e para a boa utilização dos recursos naturais. Em cada etapa, devem ser usados equipamentos de proteção individual (EPIs). Os principais EPIs para o manejo madeireiro são: botas, luvas, capacetes e protetores auriculares. De acordo com a atividade e, principalmente, para os motosseristas, recomenda-se o uso de capacete com visor, protetor auricular e calça com camadas de fibras, que se enroscam na correia da serra, parando-a instantaneamente, se ela encostar na perna do operador. Capacete com viseira Protetor auricular Capacete Luvas Colete de sinalização Óculos de proteção Figura 3: Principais EPIs para o trabalho no manejo florestal. Botas

16 FLORESTABILIDADE UNIDADE 2 57 Na exploração de impacto reduzido, as equipes de trabalho cortam as árvores mapeadas e selecionadas na etapa de pré-exploração, respeitando um diâmetro mínimo do tronco. Antes do corte das árvores, é feito um teste para verificar se a árvore é oca. Se a árvore estiver oca, ela é deixada em pé, pois continuará prestando serviços ambientais. Se não apresentar ocorrência de oco, a árvore é extraída segundo técnicas especiais, com um corte direcionado para minimizar o desperdício da madeira, facilitar o arraste das toras para fora da floresta e evitar prejuízos às árvores que permanecerão na área. Depois do corte, é a vez do arraste das toras. Em operações mecanizadas, o ideal é que seja usado um tipo diferente de trator, o skidder, desenvolvido especialmente para o arraste de madeira em florestas de terra firme, de forma a minimizar os danos ao solo. É equipado com pneus largos, que compactam menos o terreno durante a operação. As toras são, então, levadas para os pátios de estocagem, nos quais, depois de empilhadas, aguardarão seu carregamento em caminhões até a indústria. Rastreabilidade Capacidade de traçar a trajetória de um produto ou bem na cadeia de produção o que (o produto ou bem), de onde (a origem) e para onde (destino) por meio de uma identificação numérica. Cadeia de produção Sucessão de atividades ou operações que transformam a matériaprima em produto, desde a extração até o beneficiamento e sua comercialização no mercado consumidor. Já é consenso que uma boa EIR pode ir além dessas práticas. É preciso haver um sistema que demonstre a rastreabilidade da madeira, desde o toco da árvore que permanece na floresta até os pátios das serrarias. Hoje em dia, requer-se que cada empreendimento adote um controle formal da produção que permita identificar a origem de uma tora. Assim, no pátio, as toras são identificadas com um número que permite sua rastreabilidade. É a garantia que o comprador tem de que a madeira foi extraída conforme a legislação florestal. Com esse procedimento, é possível traçar o caminho de volta na cadeia de produção da madeira, associando a tora da serraria ao toco da árvore correspondente na floresta.

17 58 UNIDADE 2 Florestabilidade O corte Ceará Valderez Vieira, o Ceará, é instrutor-operador do Instituto Floresta Tropical (IFT). Nasceu no Ceará, em 1953, e iniciou sua atividade na área florestal em 1979, em Goiás. Em 1982, migrou para Paragominas, no Pará, para exercer a função de operador de derrubada de árvores para a formação de pastos. Três anos mais tarde, foi para Almeirim, também no Pará, para trabalhar, no Projeto Jari, como operador de motosserra no corte de florestas plantadas e, mais tarde, no corte de florestas nativas, explorando a maçaranduba. Nesse trabalho, Ceará tinha que cumprir meta de produção, o que lhe rendia, além do salário fixo, uma gratificação proporcional ao metro cúbico de madeira explorada sem rachadura. Para alcançar sua meta, aprimorou as técnicas de corte para evitar rachaduras no tronco. Em 1994, Ceará começou a utilizar duas técnicas de corte especiais, por ele desenvolvidas: os chamados Corte Escada Ceará e Corte Escadinha. Em 1998, foi contratado pelo IFT, tornando-se instrutor e disseminando, dessa forma, suas técnicas pelo Brasil e pelo mundo. Detalhes técnicos desse corte ganharam um capítulo no Manual Técnico 2, do IFT Manejo de florestas naturais da Amazônia: corte, traçamento e segurança. As técnicas desenvolvidas por Ceará são recomendadas para o corte de espécies que racham com facilidade e para árvores que contenham uma inclinação do fuste em relação ao solo superior a 20 graus. O fuste é a porção inferior do tronco de uma árvore na qual não há galhos e que tem valor comercial. Essas técnicas minimizam o desperdício de madeira e dão mais segurança aos operadores.

18 FLORESTABILIDADE UNIDADE 2 59 Etapa pós-exploratória Nesta etapa, faz-se o gerenciamento da área de manejo florestal visando a sua conservação para os próximos ciclos de corte. As medidas que serão tomadas dependem muito das características de cada empreendimento. Do ponto de vista legal, é preciso encaminhar à agência do governo um relatório pós-exploratório, com um mapeamento e resumo do que foi executado durante a exploração. Outra medida é a manutenção das estradas secundárias utilizadas na exploração, nivelando-as e reparando as imperfeições causadas pela extração. Trabalhos de manutenção também devem ser feitos em pontes e pátios de estocagem, pois eles serão utilizados num próximo ciclo. Com isso, evitam-se custos de reconstrução. Há também medidas que protegem a área explorada contra invasões e ações preventivas contra incêndios florestais, como a colocação de placas de proibição de caça e pesca e monitoramento contra invasões e mau uso da terra, principalmente em regiões com conflitos fundiários. Atividades pós-exploratórias Gerenciar a área de manejo florestal Encaminhar à agência do governo um relatório com o resumo das atividades executadas Reparar estradas utilizadas nas atividades de exploração Manter estradas principais, pontes e bueiros Colocar placas de proibição de caça e pesca nas áreas exploradas Monitorar as áreas exploradas contra invasões e mau uso da terra Avaliar os danos e desperdícios causados durante a exploração Monitorar o crescimento e a regeneração da área explorada

19 60 UNIDADE 2 Florestabilidade É fundamental fazer uma avaliação dos danos e desperdícios causados durante a exploração. Essa avaliação permite realizar ações corretivas na próxima exploração, como observar se as árvores extraídas causaram danos irreversíveis em árvores vizinhas, a quantidade de toras esquecidas e de toras ocas eventualmente derrubadas, a altura dos tocos e a existência de toras rachadas. Tais problemas podem ser corrigidos por meio de treinamento das equipes. Afinal, os danos e desperdícios causam prejuízos ao empreendimento, na medida em que representam perda de receita no manejo atual ou futuro. Parcelas permanentes Delimitações feitas com piquetes dentro da floresta, geralmente correspondendo a uma área de um hectare para cada 250 hectares de floresta manejada. Silvicultura Ciência que estuda métodos naturais e artificiais de regeneração de florestas. Outra ação importante é o inventário contínuo, que é a mensuração da floresta explorada, com o objetivo de monitorar seu crescimento e sua regeneração natural. Neste sentido, foram criadas diretrizes para a instalação e medição de parcelas permanentes (PPs) em florestas naturais da Amazônia. Segundo essas diretrizes, a primeira medição de PPs deve ser feita antes da exploração; a segunda, um ano depois da exploração e a terceira, três anos mais tarde. Depois disso, as medições podem ser realizadas a cada cinco anos. O tratamento por meio da silvicultura também é uma medida que pode ser adotada depois da etapa da exploração. Esses tratamentos buscam aumentar o crescimento da floresta ou beneficiar espécies sensíveis exploradas que poderiam ficar mais raras ou desaparecer das florestas manejadas. Essas espécies podem ser plantadas nas áreas abertas pelas árvores extraídas ou mesmo em outras áreas, como pátios de estocagem e ramais de arraste. Espécies como o ipê (Tabebuia), o jatobá (Hymenaeacourbaril) e a maçaranduba (Manilkara) são alguns exemplos usados nos tratamentos silviculturais. A sensibilidade à exploração dessas espécies ocorre porque são poucos os indivíduos jovens e muitos os adultos dispersos na floresta e, geralmente, a remoção das árvores comerciais mais velhas dificulta a geração de novas mudas. Floresta manejada para produtos madeireiros, onde se indentificam pátios e estradas

20 FLORESTABILIDADE UNIDADE 2 61 A equipe do manejo madereiro Conheça, na tabela a seguir, algumas das funções essenciais ao manejo responsável da madeira. Profissional Função Qualificações Administrador do empreendimento (proprietário ou extrator) Engenheiro florestal Técnico florestal ou gerente de exploração Operador de motosserra Ajudante de corte Realiza os investimentos necessários para o manejo (equipamentos, máquinas, EPIs, etc.). Faz a conexão da floresta com a indústria. Coordena questões administrativas do manejo. No caso do manejo comunitário, podem ser os próprios produtores individuais ou a coordenação da associação ou cooperativa. Elabora planos de manejo e planos de operação. Supervisiona a operação. É o administrador do projeto em campo, incluindo os aspectos de segurança. Confecciona o cronograma de exploração de acordo com as necessidades do administrador. Propõe correções no caso de problemas. Coordena as atividades junto aos trabalhadores em campo e executa o que está determinado nos planos de manejo e planos de operação. Cuida da logística e distribuição de pessoal. É responsável pela aplicação, em campo, do plano de saúde e segurança no trabalho, controle de ocorrências e controle de qualidade do manejo florestal. Executa atividades de corte e traçamento de árvores. Decide quais árvores cortar com o uso do teste do oco e a realização da queda da árvore na direção em que cause menos danos e facilite o arraste. Pode auxiliar em outras atividades, dependendo do empreendimento. Auxilia nas operações de corte e em demais atividades, dependendo do empreendimento. Na prática, é um aprendiz de operador de motosserra. Deve ter um bom conhecimento do mercado, das necessidades da exploração e dos trabalhadores na floresta. Deve ter o espírito empreendedor e buscar, continuamente, aprimoramentos no manejo, além de boa capacidade de negociação. Deve ter, pelo menos, uma ideia geral da legislação ambiental cabível à exploração. Bacharelado em engenharia florestal. Experiência e capacitação em manejo florestal. Na maioria dos casos de manejo comunitário, os engenheiros não são funcionários do empreendimento, mas são contratados para redigir e acompanhar o Plano de Manejo. Formado em técnico florestal. Experiência e capacitação em manejo florestal. No caso do manejo comunitário, a função pode ser exercida por um trabalhador com muita experiência na execução do manejo, que faz o papel de gerente da exploração. Capacitado como motosserrista (curso de NR 12). Experiência e treinamento em manejo florestal e domínio das técnicas mais adequadas. Deve, também, conhecer muito bem as rotinas de manutenção de motosserras. Nenhuma formação é requerida, mas deve conhecer como o manejo funciona e como sua função influencia nas demais atividades. Deve, também, identificar situações arriscadas a si mesmo e ao operador. Finalmente, deve ter conhecimentos básicos de manutenção de motosserras.

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável

O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável O Papel do Serviço Florestal Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável José Humberto Chaves Gerência de Planejamento Florestal Setembro, 2010-1 - Sumário 1. As florestas no Brasil. 2. O Setor Florestal

Leia mais

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público

PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL. Resumo Público PLANO DE MANEJO FLORESTAL SUSTENTÁVEL Resumo Público RIO CAPIM PA / 2011 2 EMPRESA CIKEL BRASIL VERDE MADEIRAS LTDA - COMPLEXO RIO CAPIM Fazenda Rio Capim, Rod. BR 010, Km 1564, Zona Rural Paragominas-PA

Leia mais

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci

ÍNDICE. Fotos: Greenpeace Designer Gráfico: Carol Patitucci FSC - SECR - 0030 ÍNDICE 3 4 6 8 9 10 11 12 13 14 15 Sua empresa vai ficar fora do mercado O que é manejo florestal Resumo das Etapas do Manejo Florestal O que é Certificação Florestal Como funciona O

Leia mais

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro

Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira. Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Estratégias para evitar o desmatamento na Amazônia brasileira Antônio Carlos Hummel Diretor Geral Serviço Florestal Brasileiro Perfil - 2-1. Fatos sobre Brasil 2. Contexto Florestal 3. Estratégias para

Leia mais

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS

MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS MINISTERIO DO MEIO AMBIENTE DEPARTAMENTO DE FLORESTAS Referência: Agenda para a criação de instrumentos de financiamentos e crédito para o setor florestal Interessado: DFLOR/SBF/MMA. 1. ANTECEDENTES: O

Leia mais

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável

EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável EXO ANEXO TEMÁTICO 2: Tema Prioritário II Manejo de Paisagem Linha de Ação Temática 2.1 Manejo Florestal Sustentável 1. Objetivos da Chamada de Projetos para esta Linha de Ação Temática O objetivo da chamada

Leia mais

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos

TDR N O 11/2011 Diagnóstico Socioeconômico e Ambiental da região do Projeto REDD+ Jari/Amapá Módulo Regulamentações, Programas e Projetos São Paulo, 11 de abril de 2011. Ref.: Termo de referência para realização de proposta técnica e financeira para diagnóstico socioeconômico e ambiental módulo regulamentações, programas e projetos da região

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA TERMO DE REFERÊNCIA Nº 007 Consultoria especializada (pessoa física) para elaborar e implantar novas metodologias

Leia mais

03 de Dezembro de 2015

03 de Dezembro de 2015 Página 1 de 9 Marco Legal pertinente à área florestal no Brasil (1965 ao presente) Data de publicação Ato ou Lei Função 1 1965 Código Florestal Brasileiro Define diretrizes gerais para o uso e conservação

Leia mais

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010

Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Tabelas Resumo das Diretrizes e Critérios para Aplicação do Fundo Amazônia Consolidação: 26.03.2010 Distribuição dos Recursos entre Áreas de Aplicação Área de Aplicação Limite de ção do total dos recursos

Leia mais

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.

Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com. 1 Aprenda a produzir e preservar mais com a Série Produção com Preservação do Time Agro Brasil Entre no portal www.timeagrobrasil.com.br e baixe todas as cartilhas, ou retire no seu Sindicato Rural. E

Leia mais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais

Estrutura de projeto de Serviços Ambientais Estrutura de projeto de Serviços Ambientais 1 Definição do escopo NOME: PAE SERINGAL MATA GRANDE - BEIRA DA BR, ESTADO DO ACRE OBJETIVOS: CONTER O DESMATAMENTO DENTRO DO PAE ATRAVÉS DE ATIVIDADES EXTRATIVISTAS

Leia mais

A Questão Florestal e o Desenvolvimento

A Questão Florestal e o Desenvolvimento Alcir Ribeiro Carneiro de Almeida, Eng. Ftal., MSc.,Dr. Gerente Florestal A Questão Florestal e o Desenvolvimento BNDES, Rio de Janeiro, 09 de julho de 2003 Grupo CIKEL CIKEL BRASIL VERDE S.A. - atua na

Leia mais

Plataforma Ambiental para o Brasil

Plataforma Ambiental para o Brasil Plataforma Ambiental para o Brasil A Plataforma Ambiental para o Brasil é uma iniciativa da Fundação SOS Mata Atlântica e traz os princípios básicos e alguns dos temas que deverão ser enfrentados na próxima

Leia mais

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL

CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL CAPÍTULO 1 PLANO DE MANEJO FLORESTAL 2 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO O plano de manejo pode ser organizado em três etapas. 1 Na primeira, faz-se o zoneamento ou divisão da propriedade

Leia mais

PRÁTICAS SILVICULTURAIS

PRÁTICAS SILVICULTURAIS CAPÍTULO 10 PRÁTICAS SILVICULTURAIS 94 Manual para Produção de Madeira na Amazônia APRESENTAÇÃO Um dos objetivos do manejo florestal é garantir a continuidade da produção madeireira através do estímulo

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

GREEN NATION FEST. Design e Sustentável Consumo Consciente

GREEN NATION FEST. Design e Sustentável Consumo Consciente GREEN NATION FEST Design e Sustentável Consumo Consciente O trabalho do designer Pedro Petry sempre foi pautado pela busca de alternativas que fomentam a sustentabilidade: Das experiências com objetos

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade

Linhas de Financiamento Setor Florestal. 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Linhas de Financiamento Setor Florestal 1º Encontro Paulista de Biodiversidade São Paulo, 18 de novembro de 2009 Eduardo Canepa Raul Andrade Política Ambiental do BNDES O BNDES entende que investimentos

Leia mais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais

PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais Políticas Públicas PNPCT Política Nacional de Desenvolvimento Sustentável dos Povos e Comunidades Tradicionais A PNPCT reafirma a importância do conhecimento, da valorização e do respeito à diversidade

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009.

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 4, de 08 de setembro de 2009. Dispõe sobre procedimentos técnicos para a utilização da vegetação da Reserva Legal sob regime de manejo florestal sustentável, e dá outras providências.

Leia mais

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio

projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio projeto Pensar globalmente, agir localmente! Junho de 2009 apoio Introdução A Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semma) tem por finalidade colocar em prática ações efetivas de conservação do meio ambiente,

Leia mais

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica

Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica Política Estadual de Governança Climática e Gestão da Produção Ecossistêmica R E A L I Z A Ç Ã O : A P O I O : A Razão Diversos estados e municípios também estão avançando com suas políticas de mudanças

Leia mais

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15

Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Carta de Apresentação Documento Coalizão Brasil Clima, Florestas e Agricultura 11/06/15 Formada por associações empresariais, empresas, organizações da sociedade civil e indivíduos interessados na construção

Leia mais

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV

Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal. Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV Critérios Socioambientais para Concessão de Crédito na CAIXA Ação Madeira Legal Juan Carlo Silva Abad GN Meio Ambiente SUDES / VIGOV ESTRATÉGIA AMBIENTAL CAIXA Portifólio de Produtos Socioambientais Risco

Leia mais

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG

ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG ATIVIDADE DE ANALISE CRITICA DOS EIXOS, PROG EIXOS E PROGRAMAS EIXO 1 - Uso sustentável dos recursos naturais Programa de fortalecimento do sistema de gestão ambiental Programa de formação e manutenção

Leia mais

Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil. Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil

Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil. Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil Programa de Produção Sustentável de Óleo de Palma no Brasil Objetivo: Disciplinar a expansão da produção de óleo de palma no Brasil e ofertar instrumentos para garantir uma produção em bases ambientais

Leia mais

PANORAMA GERAL DO PROGRAMA NO ESTADO

PANORAMA GERAL DO PROGRAMA NO ESTADO GOVERNO DO DO PARÁ SECRETARIA ESPECIAL DE DESENVOLVIMENTO ECONÔMICO E INCENTIVO À PRODUÇÃO-SEDIP PROGRAMA DE REDUÇÃO DA POBREZA E GESTÃO DOS RECURSOS NATURAIS DO PARÁ Incentivo Apoio Técnico Fortalecimento

Leia mais

Manejo Sustentável da Floresta

Manejo Sustentável da Floresta Manejo Sustentável da Floresta 1) Objetivo Geral Mudança de paradigmas quanto ao uso da madeira da floresta, assim como a percepção dos prejuízos advindos das queimadas e do extrativismo vegetal. 2) Objetivo

Leia mais

O GOVERNO PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL.

O GOVERNO PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Programa Nacional de Florestas O GOVERNO PROMOVENDO O DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL. Desenvolvimento ecologicamente sustentável. Justiça social e divisas para o país. O Governo Federal está lançando o novo

Leia mais

GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS O IBAMA E AS CONCESSÕES FLORESTAIS NO BRASIL

GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS O IBAMA E AS CONCESSÕES FLORESTAIS NO BRASIL GESTÃO DE FLORESTAS PÚBLICAS O IBAMA E AS CONCESSÕES FLORESTAIS NO BRASIL Paulo José Prudente de Fontes Engº. Florestal / Analista Ambiental IBAMA / ASIBAMA O RECURSO FLORESTAL BRASILEIRO O Brasil é detentor

Leia mais

Informativo Técnico 1. Manejo Florestal e Exploração de Impacto Reduzido em Florestas Naturais de Produção da Amazônia

Informativo Técnico 1. Manejo Florestal e Exploração de Impacto Reduzido em Florestas Naturais de Produção da Amazônia Informativo Técnico 1 Manejo Florestal e Exploração de Impacto Reduzido em Florestas Naturais de Produção da Amazônia Ficha Técnica Equipe Técnica Responsável Ana Luiza Violato Espada Engenheira de Projetos

Leia mais

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO

1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO 1º RELATÓRIO DE LIMPEZA DO RESERVATÓRIO FOZ DO RIO CLARO Mobilização inicial até 30 de janeiro 2009 CAÇU E SÃO SIMÃO JANEIRO DE 2009 Sumário 1. APRESENTAÇÃO... 3 2. IDENTIFICAÇÃO... 3 2.1. EMPREENDEDOR...

Leia mais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais

ESTADO DO ACRE. Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Estado do Acre estabelece processos de inclusão social e econômica visando ao uso sustentável dos recursos naturais Através da Política de Valorização do Ativo Ambiental Florestal e do Zoneamento Ecológico

Leia mais

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL

DE CARVÃO VEGETAL EM MS. Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL POLÍTICA E LEGISLAÇÃO DA PRODUÇÃO DE CARVÃO VEGETAL EM MS Pedro Mendes Neto Ass. Jurídico Diretoria de Desenvolvimento Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul - IMASUL Política e Legislação até

Leia mais

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA

Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Saiba mais sobre o Novo Código Florestal Brasileiro e o CAR COLADO NA CAPA Índice O que o agricultor brasileiro deve saber sobre o Novo Código Florestal?...1 Começando a regularizar o imóvel rural...2

Leia mais

CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ

CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ - TERMO DE REFERÊNCIA - CONSULTORIA DE ESTUDO SOBRE A PRODUÇAO DE AÇAÍ NO ESTADO DO AMAPÁ 1. ANTECEDENTES O Estado do Amapá possui uma área de 143.453 km², o que representa aproximadamente 2% do território

Leia mais

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro

Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Moratória da Soja no Bioma Amazônia Brasileiro Uma iniciativa multistakeholder de sucesso no combate ao desflorestamento Conferência da Convenção-Quadro sobre Mudança do Clima Copenhague, Dinamarca Dezembro

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO

SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO SEMIPRESENCIAL DISCIPLINA: MEIO AMBIENTE E QUALIDADE DE VIDA MATERIAL COMPLEMENTAR UNIDADE I PROFESSOR: EDUARDO PACHECO 2 - Marco político, normativo e de contexto nacional 2.1 - Marco político atual para

Leia mais

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos

Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Manejo Florestal Sustentável: Dificuldade Computacional e Otimização de Processos Daniella Rodrigues Bezerra 1, Rosiane de Freitas Rodrigues 12, Ulisses Silva da Cunha 3, Raimundo da Silva Barreto 12 Universidade

Leia mais

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES

Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Capítulo 10 ABORDAGEM INTEGRADA DO PLANEJAMENTO E DO GERENCIAMENTO DOS RECURSOS TERRESTRES Introdução 10.1. A terra costuma ser definida como uma entidade física, em termos de sua topografia e sua natureza

Leia mais

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL

DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL CAPÍTULO 5 DEMARCAÇÃO DA EXPLORAÇÃO FLORESTAL Demarcação da Exploração Florestal 53 APRESENTAÇÃO A demarcação das estradas, ramais de arraste, pátios de estocagem e a indicação da direção de queda das

Leia mais

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal

RELATÓRIO DE ESTÁGIO. Curso técnico em manejo florestal RELATÓRIO DE ESTÁGIO Curso técnico em manejo florestal JARBAS ALESSANDRO DA SILVA ANDRADE Manaus dezembro 2006 MINISTERIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO PROFICIONAL E TECNOLOGIA ESCOLA AGROTECNICA

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT

Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Dúvidas e Esclarecimentos sobre a Proposta de Criação da RDS do Mato Verdinho/MT Setembro/2013 PERGUNTAS E RESPOSTAS SOBRE A CRIAÇÃO DE UNIDADE DE CONSERVAÇÃO 1. O que são unidades de conservação (UC)?

Leia mais

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos

PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos PROGRAMA PETROBRAS SOCIOAMBIENTAL: Desenvolvimento Sustentável e Promoção de Direitos Pra começo de conversa, um video... NOVO PROGRAMA Programa Petrobras SOCIOAMBIENTAL 2014-2018 3 ELABORAÇÃO DO NOVO

Leia mais

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades

O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA. Restrições x Oportunidades O MEIO AMBIENTE E A AGROPECUÁRIA BRASILEIRA Restrições x Oportunidades Secretaria de Políticas para o Desenvolvimento Sustentável SDS Dr. Gilney Amorim Viana ASPECTOS REGULATÓRIOS RELEVANTES Código Florestal:

Leia mais

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL

A N E X O LEGISLAÇÃO AMBIENTAL A N E X O V LEGISLAÇÃO AMBIENTAL ASPECTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL REFERENTE AO MANEJO FLORESTAL 1. DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL BRASILEIRA A legislação ambiental traduz um sistema de princípios e normas jurídicas

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA

EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Edital nº 001/2015 EDITAL DE SELEÇÃO CONSULTORIA Contratação de pessoa física ou jurídica para prestar serviços no contexto do Projeto Noroeste: Território Sustentável, conforme descrito abaixo. O Instituto

Leia mais

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO

Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020. São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Convenção sobre Diversidade Biológica: O Plano de Ação de São Paulo 2011/2020 SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE São Paulo, 06 de março de 2.012 GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO Contexto Convenção sobre Diversidade

Leia mais

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL

GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL GESTÃO E MANEJO DE RESÍDUOS DA CONSTRUÇÃO CIVIL NO BRASIL O Ministério Público e a implementação da Resolução CONAMA 307/2002 Ministério das Cidades Secretaria Nacional de Saneamento Ambiental Ministério

Leia mais

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA

IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA IMPACTOS DA LEGISLAÇÃO AMBIENTAL EM PEQUENAS PROPRIEDADES RURAIS NO MUNICÍPIO DE ITAPIRANGA Daniel Schull Brandão 1 ; Fabiana Raquel Muhl 2, Anderson Rhoden 3, Neuri Antonio Feldmann 4 Palavras-Chave:

Leia mais

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá

Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Compromissos com o Meio Ambiente e a Qualidade de Vida Agenda Socioambiental para o Desenvolvimento Sustentável do Amapá Eu, ( ) (sigla do partido) me comprometo a promover os itens selecionados abaixo

Leia mais

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO

Termo de Referência INTRODUÇÃO E CONTEXTO Termo de Referência CONSULTORIA PARA AVALIAÇÃO DOS FINANCIAMENTOS DO BANCO DA AMAZÔNIA BASA, PARA FORTALECIMENTO DA AGENDA DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AMAZÔNIA BRASILEIRA, COM DESTAQUE PARA

Leia mais

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO

PLANO DE AÇÃO NACIONAL DO PATO MERGULHÃO OBJETIVO GERAL O objetivo deste plano de ação é assegurar permanentemente a manutenção das populações e da distribuição geográfica de Mergus octosetaceus, no médio e longo prazo; promover o aumento do

Leia mais

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia

Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Belém, Setembro de 2015 Desafios e iniciativas do Pará na agenda de clima da Amazônia Agenda global: o desafio do nosso tempo Agenda regional:

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA.

CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. CONTRATAÇÃO DE INSTRUTORES NA ÁREA AMBIENTAL PARA SERVIÇOS DE CONSULTORIA. 1. OBJETIVO Contratação de profissionais com formação nas áreas de ciências biológicas, florestais, agronômicas, econômicas e

Leia mais

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS

ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS ENCONTRO E PROSA PARA MELHORIA DE PASTAGENS: SISTEMAS SILVIPASTORIS 10 DE DEZEMBRO DE 2013 REALIZAÇÃO: CATI SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO E SECRETARIA DO MEIO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DE

Leia mais

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos

VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos VIII Simpósio Técnicas de Plantio e Manejo de Eucalipto para Usos Múltiplos Linhas de crédito para o setor florestal Homero José Rochelle Engº Agrônomo ESALQ 1979 Plano de Safra 2014/2015 MAPA - Ministério

Leia mais

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos

MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos MORATÓRIA DA SOJA: Avanços e Próximos Passos - Criação e Estruturação da Moratória da Soja - Realizações da Moratória da Soja - A Prorrogação da Moratória - Ações Prioritárias Relatório Apresentado pelo

Leia mais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais

Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Instrumentos Legais de Proteção Ambiental em Propriedades Rurais Uberlândia Minas Gerais Abril de 2015 Índice Introdução... 2 Instrumentos de planejamento e gestão do uso do solo... 2 Zoneamento Ecológico-

Leia mais

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015

Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Desafios e oportunidades associadas ao Cadastro Ambiental Rural (CAR) 7ª CONSEGURO setembro 2015 Meta brasileira de redução das emissões até 2020 36,1% a 38,9% das 3.236 MM de tonco2eq de emissões projetadas

Leia mais

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014)

PADRÕES DE CERTIFICAÇÃO LIFE. Versão 3.0 Brasil Português. LIFE-BR-CS-3.0-Português (NOVEMBRO/2014) LIFE-BR-CS-3.0-Português Versão 3.0 Brasil Português (NOVEMBRO/2014) Próxima revisão planejada para: 2017 2 OBJETIVO A partir das Premissas LIFE, definir os Princípios, critérios e respectivos indicadores

Leia mais

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços

Legislação Anterior Novo Código Florestal Avanços A APP era computada a partir das margens de rio ou cursos d água, pelo nível mais alto do período de cheia. Várzeas eram consideradas parte dos rios ou cursos d água, porque são inundadas durante o período

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº, DE DE DE 2011 Regula, no âmbito do Instituto Chico Mendes, as diretrizes,

Leia mais

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA

PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ TERMO DE REFERÊNCIA PROCERRADO PROJETO DE REDUÇÃO DO DESMATAMENTO E DAS QUEIMADAS NO CERRADO DO PIAUÍ Acordo de Doação Nº TF016192 TERMO DE REFERÊNCIA TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE CONSULTORIA INDIVIDUAL DE LONGO

Leia mais

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade

Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade Projeto aposta no cultivo da seringueira em consorcio com pupunha como fonte de renda e sustentabilidade De acordo com dados do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, apenas os estados de

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização.

GOVERNO DO ESTADO DO AMAZONAS. Parcela permanente (quando houver), tamanho e localização. TERMO DE REFERÊNCIA PARA ELABORAÇÃO DE PLANO OPERACIONAL DE EXPLORAÇÃO - POE CATEGORIA: MENOR E MAIOR IMPACTO DE EXPLORAÇÃO 1. Informações Gerais 1.1 Identificação Processo Administrativo; Número do Processo;

Leia mais

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL

FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL FLORESTAS PLANTADAS E CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NO BRASIL Uma posição institucional conjunta de: Instituto de Pesquisas e Estudos Florestais Sociedade Brasileira de Silvicultura Departamento de Ciências

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014

Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 Políticas Públicas para Operacionalizar o CAR Câmara temática de Insumos Agropecuários Brasília, 27 de maio de 2014 O QUE É O CAR O Cadastro Ambiental Rural - CAR, é o registro público eletrônico de âmbito

Leia mais

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS

ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS ANEXO CHAMADA III DESENVOLVIMENTO DE AÇÕES PARA GESTÃO E AVALIAÇÃO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO ESTADUAIS OBJETIVO Esta chamada tem por objetivo financiar projetos relacionados a ações de gestão e avaliação

Leia mais

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA

A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA A QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL NA ÁREA DE COLHEITA FLORESTAL MECANIZADA Edna Ap Esquinelato da Silva 1 Eliete Santana 1 Elton Dias da Paz 1 Priscila Alves da Silva 1 RESUMO Colheita Floresta é o processo

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015

Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12. 4º Ecologia 28/09/2015 1 Código Florestal Brasileiro Lei Federal 12.651/12 4º Ecologia 28/09/2015 Motivação para criação 2 Conservação de ecossistemas naturais é interessante! Única lei nacional que veta a ocupação urbana ou

Leia mais

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD

Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD Visão geral e resumo no formato exigido pelo PNUD I. O PROBLEMA DE DESENVOLVIMENTO E PROBLEMAS IMEDIATOS ENFOCADOS A conversão da floresta primária na Amazônia ameaça a biodiversidade e libera estoques

Leia mais

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011.

1.1. Fonte: Elaborado por STCP Engenharia de Projetos Ltda., 2011. 1 - APRESENTAÇÃO A Área de Proteção Ambiental (APA) Serra Dona Francisca, localizada no município de Joinville/SC, com área mapeada de 40.177,71 ha, foi criada através do Decreto n 8.055 de 15 de março

Leia mais

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global

Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global II Congresso de Mineração da Amazônia Mineração e Biodiversidade: lições aprendidas por uma mineradora global Vânia Somavilla Vale - Diretora de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Novembro de

Leia mais

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal

O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal 1 MARCO LEGAL MARCO LEGAL O QUE É O CAR? Lei 12.651/2012 Novo Código Florestal Cadastro Ambiental Rural CAR: Âmbito Nacional Natureza declaratória Obrigatório para todas as propriedades e posses Base de

Leia mais

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.

Café Sustentável. Riqueza do Brasil. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento CAPA. MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO. 12 MA-0005-Cafe_sustentavel_200x200_NOVO.indd 12-1 CAPA 1 30.10.09 16:08:10 Data (M/D/A): 10/30/09 Contato: (61) 3344-8502 Formato (F): 200x200 mm Formato (A): 400x200 mm Data (M/D/A): 10/30/09 Ministério

Leia mais

FSC Forest Stewardship Council

FSC Forest Stewardship Council FSC Forest Stewardship Council Título: Código de referência do documento: FSC-POL-01-004 V2-0 EN Política de Associação de Empreendimentos com o FSC Escopo: Internacional Aprovação: Parte I: julho de 2009

Leia mais

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países:

A Floresta Amazônica. A maior floresta tropical do planeta. São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: A Floresta Amazônica A maior floresta tropical do planeta São 7 milhões de km2 espalhados ao longo de nove países: Bolivia Equador Venezuela Colombia Peru Suriname Guiana Guiana Francesa Brasil A Floresta

Leia mais

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA. REQUERIMENTO Nº, de 2014 (Do Sr. Ricardo Tripoli)

COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA. REQUERIMENTO Nº, de 2014 (Do Sr. Ricardo Tripoli) COMISSÃO DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA, COMUNICAÇÃO E INFORMÁTICA REQUERIMENTO Nº, de 2014 (Do Sr. Ricardo Tripoli) Requer realização de Audiência Pública para tratar dos sistemas de controle e fiscalização

Leia mais

DISPOSIÇÕES PERMANENTES

DISPOSIÇÕES PERMANENTES Revista RG Móvel - Edição 31 DISPOSIÇÕES PERMANENTES CADASTRO AMBIENTAL RURAL (CAR): O novo Código Florestal determina a criação do CAR (Cadastro Ambiental Rural) e torna obrigatório o registro para todos

Leia mais

O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes

O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes O selo verde garante que o produto respeita rios e nascentes Secretária executiva do FSC, ONG que gerencia a principal certificação de florestas, diz que o desafio agora é ampliar atuação na Mata Atlântica

Leia mais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais

Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais Resolução SMA - 44, de 30-6-2008 Define critérios e procedimentos para a implantação de Sistemas Agroflorestais O Secretário do Meio Ambiente, considerando: A necessidade de regulamentação da utilização

Leia mais

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra

www.desmatamentozero.org.br Greenpeace/Daniel Beltra Greenpeace/Daniel Beltra www.desmatamentozero.org.br Chega de desmatamento no Brasil As florestas são fundamentais para assegurar o equilíbrio do clima, a conservação da biodiversidade e o sustento de

Leia mais

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS

1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS Secretaria de Estado do Meio SEMA-MT Roteiro Básico de Projeto de Compensação de Área de Reserva Legal (ARL) 1. DOCUMENTOS A SEREM APRESENTADOS I T E M N º. D O C U M E N T O S E X I G I D O S O B S E

Leia mais

Política Nacional de Meio Ambiente

Política Nacional de Meio Ambiente Política Nacional de Meio Ambiente O Brasil, maior país da América Latina e quinto do mundo em área territorial, compreendendo 8.511.996 km 2, com zonas climáticas variando do trópico úmido a áreas temperadas

Leia mais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais

Regularização Fundiária de Unidades de Conservação Federais Programa 0499 Parques do Brasil Objetivo Ampliar a conservação, no local, dos recursos genéticos e o manejo sustentável dos parques e áreas de proteção ambiental. Indicador(es) Taxa de proteção integral

Leia mais

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS

Curso Agenda 21. Resumo da Agenda 21. Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS Resumo da Agenda 21 CAPÍTULO 1 - Preâmbulo Seção I - DIMENSÕES SOCIAIS E ECONÔMICAS CAPÍTULO 2 - Cooperação internacional para acelerar o desenvolvimento sustentável dos países em desenvolvimento e políticas

Leia mais

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE

ICKBio MMA MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE INSTITUTO CHICO MENDES DE CONSERVAÇÃO DA BIODIVERSIDADE ICKBio INSTRUÇÃO NORMATIVA No- 11, DE 8 DE JUNHO DE 2010 Disciplina as diretrizes, normas e procedimentos para a formação e funcionamento de Conselhos Consultivos em unidades de conservação federais. O

Leia mais

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF

Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012. Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF Entendendo o Novo Código Florestal II CBRA 2012 Eduardo Chagas Engº Agrônomo, M.Sc Chefe DRNRE / IDAF O Idaf por definição O IDAF, é a entidade responsável pela execução da política, florestal, bem como

Leia mais

O programa brasileiro de unidades de conservação

O programa brasileiro de unidades de conservação O programa brasileiro de unidades de conservação MARINA SILVA Ministério do Meio Ambiente, Esplanada dos Ministérios, Brasília, Distrito Federal, Brasil. e-mail: marina.silva@mma.gov.br INTRODUÇÃO A Convenção

Leia mais

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli

Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente. Disciplina de Legislação Ambiental. Professora Cibele Rosa Gracioli Curso de Especialização de Gestão Pública e Meio Ambiente Disciplina de Legislação Ambiental Professora Cibele Rosa Gracioli LEI 11.284/2006 LEI DA CONCESSÃO DE FLORESTAS SUMÁRIO 1 Introdução 2 Serviço

Leia mais

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção

Conservação das Espécies Ameaçadas de Extinção Programa 0508 Biodiversidade e Recursos Genéticos - BIOVIDA Objetivo Promover o conhecimento, a conservação e o uso sustentável da biodiversidade e dos recursos genéticos e a repartição justa e eqüitativa

Leia mais

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015

NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III 05/11/2015 CURSO: ENGENHARIA CIVIL DISCIPLINA: CIÊNCIA DO AMBIENTE PROFESSOR: RAMON LAMAR PARTE III LEGISLAÇÃO AMBIENTAL NOÇÕES DE LEGISLAÇÃO AMBIENTAL Lei nº 6.938, de 31 de agosto de 1981, conhecida como Política

Leia mais