PRAÇA ÂNGELO CRETÃ 37 : UMA HISTÓRIA KAINGANG DE CONFLITOS E RESISTÊNCIA. Ana Caroline Goulart João Valentin Wawzyniak (Orientador) RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PRAÇA ÂNGELO CRETÃ 37 : UMA HISTÓRIA KAINGANG DE CONFLITOS E RESISTÊNCIA. Ana Caroline Goulart João Valentin Wawzyniak (Orientador) RESUMO"

Transcrição

1 PRAÇA ÂNGELO CRETÃ 37 : UMA HISTÓRIA KAINGANG DE CONFLITOS E RESISTÊNCIA Ana Caroline Goulart João Valentin Wawzyniak (Orientador) RESUMO No ano de 2009, famílias kaingang de diferentes áreas indígenas do Paraná se deslocaram para a região urbana de Londrina levantando acampamento na praça Ângelo Cretã, onde permanecem até os dias atuais. Essas famílias reivindicam o reconhecimento da área como Terra Indígena, pautando-se na doação da praça pela prefeitura à FUNAI em No entanto, a doação foi invalidada pela prefeitura em 1992, com o argumento da sua não utilização pela FUNAI, órgão agora responsável pela realocação dessas famílias. Situação que acarreta sérias complicações para essas famílias que se mantém em precárias condições de todas as ordens. O presente trabalho tem por objetivos abordar os conflitos entre os kaingang, população não indígena do bairro, prefeitura e FUNAI, buscando identificar, a partir disso, as motivações das famílias para permanecerem na área, bem como as suas estratégias e ocupação do espaço. Essa pesquisa está no seu estágio inicial. Já foram feitas incursões a campo que permitiram conhecer o espaço, fazer uma aproximação inicial com as famílias e observar o cotidiano delas. Ao mesmo tempo está sendo realizado um levantamento de informações a respeito da doação da praça e das ações das instituições envolvidas direta ou indiretamente nesse processo de ocupação. Palavras-chave: kaingang praça conflitos 37 Cacique Kaingang da Terra Indígena de Mangueirinha foi assassinado em 1980 por agir politicamente a favor das causas indígenas. O nome foi dado à praça em uma homenagem ao cacique na ocasião da doação da praça. 129

2 TERRITORIALIDADE E DESLOCAMENTOS KAINGANG Historicamente as famílias kaingang deslocam-se espacialmente de acordo com suas necessidades rituais e de plantio, adicionando novas terras ao que já habitavam antes de levantar novos acampamentos. Tommasino (2000:200) identificou outros modos de apropriação do espaço que variam conforme suas demandas, como os acampamentos fixos (emã) e os temporários (wãre) relativos a diversos tipos de uso da terra. Para a autora a propriedade está relacionada ao direito de uso comum do território para caça e para coleta, com exceção do pinheiral, rigorosamente definida; propriedade individual/familiar da roça e das armadilhas de pesca; propriedade coletiva de cada grupo local pelas terras de campo onde estabeleciam seus alojamentos fixos (emã). Tommasino estabelece ligações com as formas antigas de ocupação dos espaços, com a saída dos índios das aldeias para se estabelecerem na cidade a fim de vender seus produtos, sendo esse um meio de re-humanização da pessoa kaingang, no que dizem ser o espaço do branco. Para essa autora, a vida nas reservas obriga os kaingang a moverem-se no e sobre o espaço do branco. Mesmo negado na sua especificidade, ele ressurge borrando esse espaço com sua territorialidade kaingang. Dialeticamente, o processo indígena se (re)inscreve no mundo dos brancos. (TOMMASINO, 2000, p.223). Nos trabalhos de Tommasino (1998, 2000) referentes aos kaingang da região de Londrina, observamos dois tipos de migração, a temporária e a fixa. A migração temporária, que tem por finalidade a venda de artesanatos e a migração permanente, em que os kaingang deslocam-se para Londrina a fim de fixar moradia e construir novas estratégias de sobrevivência no meio urbano, sendo esse segundo caso o 130

3 exemplo da migração kaingang para uma área na cidade de Londrina desde o ano de 2009, a Praça Ângelo Cretã. Localizada na região norte da cidade de Londrina, a Praça Ângelo Cretã, foi doada pela prefeitura à Fundação Nacional do Índio - FUNAI em Conforme relatos de representantes do órgão, tal doação surgiu de acordos políticos com a prefeitura. A doação foi realizada com o objetivo de criar um centro cultural com os seguintes objetivos: preservação da mata nativa remanescente e replantio das áreas desmatadas; implantação de horto florestal; criação de animais típicos da região; construção de pista de pedestrianismo ao redor da Praça; implantação de cerca de segurança; sede da delegacia regional de Londrina da FUNAI; loja de artesanato; museu do índio com biblioteca, sala de vídeo e um anfiteatro. No ano de 2009, famílias kaingang de diferentes áreas indígenas do Paraná se deslocaram para a região urbana de Londrina levantando acampamento na praça Ângelo Cretã, onde permanecem até os dias atuais. Essas famílias reivindicam o reconhecimento da área como Terra Indígena, pautando-se na doação da praça pela prefeitura à FUNAI. No entanto, a doação foi invalidada pela prefeitura em 1992, com o argumento da sua não utilização pela FUNAI, órgão agora responsável pela realocação dessas famílias. Situação que acarreta sérias complicações para essas famílias que se mantém em precárias condições de todas as ordens. O presente trabalho tem por objetivos abordar os conflitos entre os kaingang, população não indígena do bairro, prefeitura e FUNAI, buscando identificar, a partir disso, as motivações das famílias para permanecerem na área, bem como as suas estratégias e ocupação do espaço. Essa pesquisa está no seu estágio inicial. Já foram feitas incursões a campo que permitiram conhecer o espaço, fazer uma aproximação inicial com as famílias e observar o cotidiano delas. Ao mesmo tempo realiza-se um levantamento de informações a respeito da doação da praça 131

4 e das ações das instituições envolvidas direta ou indiretamente nesse processo. ORGANIZAÇÃO SOCIAL (URBANA) KAINGANG A (re)organização dos kaingang tem em seu centro político a figura dos dois caciques, Valdir (parte de cima) e Aristides (parte de baixo), que encabeçam as tomadas de decisões, mesmo que isso ocorra separadamente, mas seguem com o mesmo objetivo de regularização da área ou a doação de uma nova área. Tendo assim os três fundamentos que envolvem uma liderança política, como apontou Fernandes (2003:267): (1) divisão da comunidade em grupos; (2) a concepção de que a comunidade constitui uma unidade; (3) a concepção da comunidade como um agente em relacionamento com o mundo dos brancos. Enquanto as famílias kaingang aguardam os resultados acerca de suas reivindicações, traçam estratégias de (re)organização para ocupação do local. Essas estratégias têm reproduzido alguns aspectos de sua organização, relações e estrutura das áreas indígenas. Os laços sociais internos são reelaborados pela interação de diversas T.Is., sendo elas de São Jerônimo da Serra, Tamarana, Faxinal e Barão de Antonina. A reorganização das famílias no contexto urbano pode ser analisada a partir das redes de comunicação entre as áreas indígenas. Antes de decidir migrar para cidade são estabelecidos contatos e tomadas decisões quanto ao que fazer. Em outros termos, formula-se um novo projeto de vida que mantenha reforçada sua identidade étnica num espaço que tem sido caracterizado como oposto à aldeia e não podendo haver ligações entre ambos os lados. Verifica-se o que Melo (2009:59) chamou de contínua interação entre os dois mundos, a fim de desconstruir as fronteiras territoriais demarcatórias do que é ser índio. Para que melhor percebamos como ocorre a interação entre os dois 132

5 mundos e a desconstrução de tais fronteiras, é necessário, antes de tudo, conhecer a mitologia e organização kaingang dentro da área indígena, a fim de identificar a reprodução de suas práticas rituais e sociais dentro da cidade. Por muito tempo abandonada pela prefeitura e pela Secretaria Municipal de Meio Ambiente - SEMA, a área da praça foi transformada em lixão, considerada pelos moradores como um lugar perigoso, mesmo tendo seu entorno cercado com grades. Após o acampamento kaingang foi melhorada com a limpeza que fizeram. No entanto, muitos moradores da região continuam jogando lixo no local. Atualmente residem na Praça aproximadamente 30 pessoas, contando com as crianças. Dividem-se em dois grupos, um grupo familiar que ocupa a parte de cima da praça construiu suas casas numa linha vertical e outro grupo, que ocupa a parte de baixo, com casas na linha horizontal. Vemos nessa disposição espacial das casas a dualidade kaingang presente no mito do princípio formador do mundo, sendo essa diferença o fundamento central para a vida kaingang (VEIGA, 2004). Em cada uma das partes há um cacique que representa politicamente o interesse de seu grupo, bem como o interesse comum das duas partes, já que habitam o mesmo espaço. Talvez a análise, ainda incipiente, dessa organização não indique uma representação literal do dualismo kaingang, já que não estamos falando em casamentos exogâmicos, Kamé e Kairu, mas nota-se a presença da divisão mítica dessa população, simbolizada através do faccionalismo. A construção do espaço para as casas segue, de certo modo, a lógica da aldeia, em que (...)a casa do líder político, chamado pã i (ou cacique), esteja localizada no centro da reserva. O espaço ao redor das casas é chamado plur, que significa literalmente espaço limpo, em contraste com a floresta virgem (...) (CRÉPEAU, 2005). A casa do cacique 133

6 Valdir está localizada no centro do lado oposto às casas da parte de cima. A mesma centralidade observa-se na morada do cacique Aristides, parte de baixo, mas com outra disposição espacial. Todo o espaço ao redor das casas foi limpo, criando o plur, embora não se dê de forma tão abrangente como na aldeia devido ao pouco espaço e o desejo de preservar grande parte da mata ali existente, já que encontraram diversas plantas medicinais. Esses têm sido alguns meios de etnização do espaço como forma de resistência dentro da cidade. Há ainda outros fatores que podem fazer parte dessa lógica, mas que, no entanto ainda não é possível tratá-los com maior profundidade na atual fase da pesquisa. ETNIZAÇÃO DA CIDADE Para compreendermos mais amplamente a situação de migração indígena para o espaço urbano, há que se pensar nas teorias traçadas por Cardoso de Oliveira (1972), tendo como ponto de partida seus escritos referentes à fricção interétnica. No entanto, tomando como referência os apontamentos de Melo (2009:74), (...) esse modelo precisa ser redimensionado, pois o foco nas relações de sujeição do índio à sociedade nacional não permite ver a criatividade e a agência indígena no processo.. Dessa forma, tenta-se, nesse trabalho, estabelecer ligações de complementaridade entre a abordagem contatualista com a formulação teórica do agenciamento e intencionalidade de Ortner (2007), bem como as atuais formulações de Cardoso de Oliveira sobre a existência de uma comunidade de comunicação através da horizontalização do diálogo, avançando as teorias do contato. Tais abordagens orientam as reflexões realizadas a partir das visitas a campo. Para analisar o processo migratório deve-se, antes, compreender as motivações que influenciaram essa tomada de decisão. Partindo do 134

7 ponto de vista kaingang, pretendo entender como ocorre a apropriação de um novo espaço e não segundo uma interpretação pautada em valores urbanos-ocidentais para as resignificações étnicas da cidade. Segundo alguns estudos (CESARINO, 2008; MELO, 2009; SOUSA, 2008; OLIVEIRA, 1972), e o Censo do IBGE, há uma crescente auto-identificação indígena nas cidades e o significativo aumento da migração indígena para as áreas urbanas. Este fenômeno é ainda pouco estudado, particularmente no estado do Paraná. Melo (2009:59) ao analisar a fluidez da identidade Baré na cidade de Manaus, desconstrói a barreira criada entre a noção de aldeia e de cidade, ao dizer que: (...) a cidade e a comunidade, [...], não são pensadas como modelos que se opõem, mas que estão em contínua interação [pois] os modelos teóricos frequentemente utilizados difundem o senso de que a aldeia não pode estar na cidade e vice-versa. Deve-se então, lançar um novo olhar a essa situação que nos é apresentada, ou seja, como entender essa nova apropriação e resignificação de espaços sem desetnizá-los? Há que se atentar para o que antecede a migração, conforme indicou Melo (2009), os fatores para o aumento da migração tem sido a precariedade no atendimento às áreas indígenas e a situação atual demarcatória das terras indígenas, afetada por interesses desenvolvimentistas, fato apontado por Teixeira em seu estudo sobre o censo referente às populações indígenas que se encontram nas cidades. Para este autor, as regiões em que a população indígena concentra-se nas áreas rurais, são, geralmente, aquelas em que há maior número de terras indígenas demarcadas e homologadas, como são os casos das Regiões Norte e Centro-Oeste (TEIXEIRA, 2008:3) 135

8 Grande parte das famílias acampadas na Praça é oriunda do Apucaraninha 38 e de São Jerônimo da Serra 39, áreas indígenas que passam por problemas de demarcação de terra e revisão da área, respectivamente. No caso de São Jerônimo, outro fator comentado pelos índios é o aumento de brancos dentro da T.I., como Rothen (2000) apontou em seu trabalho. De acordo com os índios entrevistados pela autora, eles, os brancos, desestruturam suas categorias de identificação, de representação e da continuidade da língua. A etnização da cidade deve ser entendida como um processo de transformação e reconstrução, não simplesmente uma categoria representativa da troca de territórios. Com a chegada dos kaingang à Praça Ângelo Cretã, o espaço que antes esteve abandonado pelas autoridades municipais tornou-se uma aldeia urbana com a reestruturação do território para as casas, o reconhecimento de plantas medicinais e o faccionalismo que caracteriza a organização social Kaigang. O processo de etnização de territórios urbanos passa por mudanças nas suas práticas cotidianas no novo espaço. Entretanto, como observou Cesarino (2008, p ) na prática xamânica dos Marubo que se deslocam para a cidade, os espaços são reversíveis; a multiplicação perspectivista do xamanismo não se detém a domínios circunscritos. Mesmo com a transição e com as expectativas da vida na cidade os kaingang, em sua maioria, não se desvinculam totalmente da vida na aldeia, estabelecem redes sociais com a família que ainda permanece na T.I., mesmo criando novas redes de comunicação com os não índios que moram no bairro. Constroem um jogo duplo de relações diferenciadas que contribui para a formação da pessoa kaingang que se apropria da conexão com os dois mundos como forma de totalidade de si. Essa dupla conexão 38 No caso da T.I. Apucaraninha já está sendo organizado um GT para a revisão da área. 39 Em São Jerônimo da Serra o problema torna-se um pouco mais grave. A área já demarcada não tem espaço suficiente para o plantio e para a população, o que requer uma revisão da área, um pedido já antigo dos indígenas. 136

9 é representada pela inserção numa sociedade de classes, faz parte de uma comunidade urbana, assim como, pela relação e afeição, com a comunidade indígena de origem, como foi relatado por um kaingang: Queremos ir para a reserva, mas não tem condições, a FUNAI não consegue atender todos da aldeia, viemos para a cidade para manter nossa cultura e dar comida para nossos filhos. A partir dessa visão kaingang sobre a migração nos interessa analisar as dinâmicas referentes à identidade étnica dos indígenas inseridos numa sociedade de classes, como formulou Cardoso de Oliveira (1972) ao tratar da caboclização dos índios no alto Solimões, em que o caboclo ao mudar para cidade torna-se, ao olhar do branco, integrado e dependende, perdendo suas características próprias. Já estabelecido no espaço urbano o indígena sofre as conseqüências da idealização de um nativo brasileiro, que no caso da Praça, esse olhar se lançou para as habitações erguidas. A proprietária de um bar localizado na frente do acampamento se posicionou da seguinte forma: quando ele (cacique) disse que iam vim pra cá eu até gostei. Falei, ah, eles vão construir umas cabaninhas. Acho até bonitinho, gosto dessas coisas, mas olha isso, tá pior que favela, isso desvaloriza o meu ponto. Observa-se a exteriorização do olhar estereotipado que propaga a imagem de um índio genérico (BURKE, 2004), já que não houve a opção de reconhecer o outro exótico fisicamente, sem seus adornos e vestindose como o homem branco, espera-se algum elemento que diga se realmente são indígenas, remontando-nos à dicotomia nobre selvagem versus canibal, sendo agora, índio aldeado versus citadino. Resta-nos então, desconstruir a idéia de perda da consciência e determinação étnica dessas populações, analisando amplamente os 137

10 fatores determinantes de sua migração e como se dá as transformações de suas práticas sem que isso o afete no atendimento público especializado oferecido pela FUNAI e pela Fundação Nacional de Saúde - FUNASA. A LÓGICA LEGAL URBANA EM OPOSIÇÃO ÀS INTENCIONALIDADES INDÍGENA Residindo na área urbana, os kaingang tornam-se brancos para a FUNAI e FUNASA, não recebendo, assim, os atendimentos necessários como recebiam nas áreas indígenas. É presente no imaginário nacional que lugar de índio é na aldeia, sem analisar os fatores determinantes de sua migração. Trata-se de não torná-lo uma espécie de patrimônio do país, a ser mantido num local específico para que somente assim seja reconhecido como um sujeito de direitos diferenciados. Contrariamente a essa concepção simplista da história, deve-se entender que: Reservas indígenas não são jaulas de jardim zoológico, vitrines do paleolítico, grotões onde índios genéricos devem ficar para que não percam a sua autenticidade e, portanto, a justificativa para a aquisição de seus direitos legais. (CESARINO, 2008: 174) É nesse quadro de reconhecimento de direitos e não-direitos onde se trava o embate da tríade moldada em seus jogos discursivos de poder que envolvem agentes diretamente no caso: 1- a Prefeitura Municipal de Londrina, representando os direitos/interesses urbanos, pautando-se na Lei Orgânica do Município; 2- FUNAI, responsável por atender os direitos das populações indígenas, ainda marcada pela característica tutelar e, por fim, 3- os Kaingang, que depois de suas guerras épicas (MOTA, 1994) traçam uma nova história de resistência e intenções que perpassam os limites territoriais reconhecidos pelo Estado nacional. Entretanto, essa ocupação envolveu indiretamente outros agentes políticos que são o Centro Regional de Assistência Social - CRAS- SUL, o Posto de Saúde e a FUNASA. Para uma melhor análise dessas 138

11 relações conflitantes vamos nos apropriar das formulações teóricas de Cardoso de Oliveira (2000) e Ortner (2007). Como órgão indigenista oficial, a Fundação Nacional do Índio, desempenha suas funções precariamente, diga-se de passagem, e de acordo com as políticas colonialistas que deram início aos descimentos e aldeamentos em áreas reduzidas e improdutivas. Essa política inicial do contato foi problematizada por diversos antropólogos e historiadores, no entanto, a FUNAI tem se posicionado de forma omissa a essas informações ao negar o reconhecimento e atendimento aos indígenas que fixam moradia na cidade, dando a entender que reconhecem como única forma de legitimidade étnica o aldeamento, situação construída de forma truculenta. Partindo desse pressuposto de que ainda há resquícios colonialistas na política indigenista brasileira, nota-se, em uma visita que realizei a FUNAI, o discurso preservacionista e tutelar. Um funcionário ao ser questionado sobre a situação dos Kaingang da Praça Ângelo Cretã, posicionou-se da seguinte forma sobre esse movimento migratório: Se a FUNAI apoiar esse movimento, nós estaremos apoiando a baderna, não concorda?. Outro, logo em seguida, completou tal raciocínio dizendo, seria tudo mais fácil se eles aceitassem voltar para a aldeia. Não é objetivo da FUNAI esvaziar as aldeias. Nesse sentido, temos a negação da atual situação, impossibilitando uma discussão simétrica, retomando assim a seguinte definição de agência: A agência ou sua ausência se expressa por meio de uma linguagem de atividade e passividade. Atividade implica perseguir projetos ; passividade implica não apenas não perseguir projetos, como evitar o desejo de fazê-lo (ORTNER, 2007:59) Uma das funções da FUNAI, segundo OLIVEIRA (2000), é agir como uma mediadora legal entre as duas realidades, índios e não índios, interpretando os discursos indígenas, criando essa relação necessária, o 139

12 que não aconteceu em nenhum momento, deixando nítida a falta de informação referente a estrutura e organização do local. Como bem apontou um kaingang, durante a reunião realizada no CRAS, ao dizer que os representantes da FUNAI só compareceram no bairro por conta da reunião e não pelo interesse na atual situação. Já que o reconhecimento e atendimento a todos os indígenas não tem sido o objetivo da FUNAI, essa atribuição é dada aos órgãos municipais, como é o caso da prefeitura, responsável pela doação da praça em 1990 e agora responsabilizada, pela FUNAI, em realocar essas famílias. Representada pela antropóloga Marlene de Oliveira, a prefeitura ampara-se na Lei Orgânica do Município que proíbe doação, permuta, venda ou permissão de uso de área destinada a logradouro público. Com relação aos envolvidos indiretamente, CRAS e Posto de Saúde, suas ações têm sido diretas no atendimento às famílias acampadas na Praça, através do cadastro no Programa Bolsa Família e encaminhamentos para tirar documentações (RG e CPF). No caso do Posto têm sido realizados atendimentos básicos, encaminhando para outras unidades de saúde os casos mais específicos de doença. A busca pelo Posto de Saúde do bairro ocorreu pelo fato de não haver atendimento da FUNASA, que por sua vez não oferece esse atendimento aos índios urbanos. Segundo o chefe da DSEI, ''Se eles estão vivendo na área urbana por vontade própria, precisarão se submeter a esse procedimento.'' (LUPORINI, 2010) Vale questionar até que ponto essa decisão é por vontade própria. O movimento migratório não se resume na simples vontade de se mudar, pois como colocou Santos (1987), a migração torna-se forçada de acordo com os interesses hegemônicos das diversas localidades, que no caso da Praça Ângelo Cretã esses interesses estão voltados no retorno à 140

13 aldeia, sendo esse o lugar de reconhecimento étnico para as autoridades urbanas. Após um ano de acampamento e de diversos pedidos para que se regularizasse a situação, foi convocada uma reunião no início de julho de 2010 com o intuito de estabelecer um acordo com os Kaingang a fim de tirá-los da praça. Foram convidados para a reunião os Kaingang, o CRAS, a Prefeitura, a FUNAI e o SEMA. É nesse contexto que podemos identificar os diversos discursos construídos em torno do espaço e do poder (DE PAULA, 2005). A reunião foi realizada no CRAS, contando com a presença de nove Kaingang das terras de São Jerônimo da Serra e Barão de Antonina, cacique guarani da T.I. de São Jerônimo da Serra, a antropóloga Marlene de Oliveira, FUNAI e assistente social do CRAS, o secretário da SEMA, também convidado, não compareceu. Analisando a estrutura da reunião, temos aparentemente o que Cardoso de Oliveira (2000: 219) chamou de comunidade de comunicação, (...) diríamos que o encontro entre uma equipe de indigenistas (formada por antropólogos, técnicos e administradores) e lideranças indígenas, consistiria uma comunidade real de comunicação. Contudo, o diálogo nem sempre foi eticamente construído, como foi observado nas falas de uma funcionária da FUNAI que interrompia rudemente as colocações indígenas, não dando espaço para a horizontalização do diálogo. Mas o que cabe ressaltar desse encontro são o objetivo e os projetos que envolvem essa disputa. Seguindo Ortner (2007:45), analisamos essa situação entendendo que (...) a vida social é voltada para metas e projetos culturalmente constituídos e envolvendo tanto práticas de rotina como ações intencionalizadas. O projeto inicia em 1990 com a doação da Praça visando a construção do Centro Cultural a fim de ter um local no meio urbano que fosse referência sobre a história e cultura kaingang. No entanto, não foi o 141

14 que aconteceu. Dando margem a um segundo projeto, partindo do próprio interesse indígena, que a principio seria construir casas para moradia fixa dentro da Praça. Os kaingang reivindicam a área desde 2009 relembrando da doação e fazendo menção ao nome dado à Praça por conta dessa doação: queira ou não queira vamos ficar lá, é o nome de um parente nosso que está lá. A intencionalidade kaingang visa a conquista e transformação do espaço, já que a idéia de pertença da Praça ainda existe no imaginário kaingang uma vez que a revogação da doação não foi comunicada às lideranças da região, como explicou o cacique Nelson, da etnia Guarani: Minha expressão pode parecer que apoio um ou outro. O indígena nunca foi invasor, sempre foi invadido. E por que os índios foram para esse local? Por que um dia alguém doou com o nome de um líder e isso não foi explicado? Se fosse feita uma reunião com prefeito e líderes indígenas, não só os do Apucaraninha, isso não teria acontecido [...] depois de muito tempo está sendo esclarecido. O diálogo construído a partir da intencionalidade kaingang e da intencionalidade dos demais agentes gerou um novo projeto que é a construção de um Centro Cultural em outra área, podendo receber todos os indígenas que se deslocam para a cidade para vender artesanato. Podemos imaginar então que o discurso foi pautado pela eticidade já que as partes entraram num acordo (CARDOSO DE OLIVEIRA, 2000). No entanto, devemos nos atentar para uma das representações da agência sendo identificada por suas relações de poder entre os agentes já que a situação que os envolve é desigual e assimétrica (ORTNER, 2007). O que tento elucidar é que mesmo existindo um acordo, os kaingang presentes na reunião tiveram que reelaborar seu projeto inicial por conta da hegemonia discursiva (CARDOSO DE OLIVEIRA, 2000). Além disso, não há garantia que o Centro Cultural será construído. Entretanto, decidiram manter a ocupação até que o novo Centro Cultural seja construido e esteja funcionando, mesmo que isso demore mais um ano, como foi a demora para a realização da primeira reunião. 142

15 CONSIDERAÇÕES FINAIS Diante das diversas etapas que envolvem a migração das populações indígenas, mais especificamente dos kaingang que residem na Praça Ângelo Cretã, é essencial nesse momento ampliar e aprofundar a analise de como essas famílias tem resignificado a cidade de acordo com sua visão de mundo, bem como as relações de poder que envolvem essa disputa de território, entendendo como essas relações determinam o lugar das populações indígenas. Na mobilização, reorganização e reivindicação dos Kaingang encontram-se várias características próprias de sua cultura que podem assim legitimar qualquer atendimento específico que lhes é de direito, independente de habitarem um território legalmente reconhecido pelo Estado. Notou-se, com a descrição feita, que as características étnicas passam a imbuir um sentido mais amplo nas definições identitárias da cidade, não havendo a necessidade de enquadrar os migrantes indígenas em uma categoria única que representa a vida urbana, como proletários, mendigos ou não-índios. Foi desconsiderado, portanto, a padronização cultural/identitária politicamente elaborada e aplicada aos povos indígenas que se deslocam para as cidades, ou seja, os Kaingang não se tornaram urbanos, mas sim Kaingang urbanos que podem se enquadrar em outras categorias de identificação, mas sem perder sua noção de pessoa. Acompanhando o significado de pessoa kaingang percebemos que não há uma desconexão total da vida na aldeia, já que essa ligação representa a unidade entre os dois mundos, levando para a cidade características kaingang, que ao reproduzir a lógica da aldeia desconstroem as falácias que permeiam o pensamento não indígena com relação a dinâmica cultural ao negarem as possibilidades de 143

16 transformação e resignificação da cultura. Sendo assim, o que permanece como resultado inicial e parcial desta pesquisa, abrindo novas possibilidades de estudo, é o crescente agenciamento Kaingang em defesa de sua autonomia na escolha territorial, construindo estratégias incisivas que demonstram a linha tênue entre aldeia e cidade, além do seu poder discursivo sem mediações tutelares. 144

17 Bibliografia LUPORINI, F. Índios invadem sede da Funasa. In: Jornal de Londrina. 29/03/2010 Acesso em 08/08/2010 BURKE, P. Estereótipos do outro. In: Testemunha Ocular. Bauru: EDUSC, p CARDOSO DE OLIVEIRA, R. C Ação indigenista, eticidade e o diálogo interétnico. Estudos Avançados, São Paulo, v. 14, n. 40, p , O índio e o mundo dos Brancos. Livraria Pioneira Editora. São Paulo, CESARINO, P. de N. Babel da floresta, cidade dos brancos? Os Marubo no trânsito entre dois mundos. Novos Estudos CEBRAP, São Paulo, N. 82, p , Nov CRÉPEAU. R.R. Os Kamé vão sempre primeiro dualismo social e reciprocidade entre os Kaingang. Anuário Antropológico/2005. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro,, p.9-33, DE PAULA, S. Territorialidade indígena na Amazônia brasileira do século XXI: o caso Jamamadi.. f Dissertação de Mestrado. UFPR. Curitiba, FERNANDES, R. C. Política e Parentesco entre os kaingang: uma analise etnologica f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) PPGAS, USP, [2003]. MELO, J. G. Identidades fluidas: ser e perceber-se como Baré (Aruak) na Manaus Contemporânea. Doutorado em Antropologia Social. Universidade de Brasília, 2009 MOTA, L.T. As guerras dos índios Kaingang a história épica dos índios Kaingang no Paraná ( ), Maringá: EDUEM, ORTNER, S. Poder e Projetos: reflexões sobre a agência. In: GROSSI, M; ECKERT, C; FRY, P. (Org.). Conferências e diálogos. Saberes e práticas antropológicas. Brasília: ABA; Blumenau: Nova Letra, 2007 p TEIXEIRA, P. Migração, urbanização e características da população indígena do Brasil através da análise dos dados censitários de 1991 e Trabajo presentado en el III Congreso de la Asociación Latinoamericana de Población, ALAP, realizado em Córdoba Argentina, 145

18 del 24 al 26 de Septiembre de 2008.http://www.alapop.org/2009/images/DOCSFINAIS_PDF/ALAP_2008 _FINAL_338.pdf Acesso em 15/04/2010. TOMASSINO, K. Os novos acampamentos (WÃRE) kaingang na cidade de Londrina: mudança e persistência numa sociedade jê. Rev. Mediações, Londrina, v.3, n.2, p , jul/dez Território e Territorialidade Kaingang. Resistência cultural e historicidade de um grupo Jê. In: Kimiye Tommasino et al (org.) Urí e Wãxí: Estudos Interdisciplinares dos Kaingang. Londrina: Eduel, 2000, pp VEIGA, J. Cosmologia Kaingang e suas práticas rituais. In: MOTA, L; NOELLI, F; TOMMASINO, K. (Org.). Novas contribuições aos estudos interdisciplinares dos Kaingang. Londrina: EDUEL, 2004:

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO

EDUCAÇÃO INDÍGENA INTRODUÇÃO EDUCAÇÃO INDÍGENA Gonçalves,Emily 1 Mello,Fernanda 2 RESUMO: Falar da educação dos índios nos dias atuais requer uma breve análise histórica deste povo. Precisamos reconhecer que nesses 508 anos, os povos

Leia mais

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros

Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Educação bilíngüe intercultural entre povos indígenas brasileiros Maria do Socorro Pimentel da Silva 1 Leandro Mendes Rocha 2 No Brasil, assim como em outros países das Américas, as minorias étnicas viveram

Leia mais

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a

Ao considerar e ao explicitar a representação feita, nota-se sua lógica e o que levou o aluno a tal escolha. A partir dela, o professor pode chegar a 37 Ao trabalhar questões socioambientais e o conceito de natureza, podemos estar investigando a noção de natureza que os alunos constroem ou construíram em suas experiências e vivências. Alguns alunos

Leia mais

PROGRAMA Oi DE PROJETOS PARA O MEIO AMBIENTE

PROGRAMA Oi DE PROJETOS PARA O MEIO AMBIENTE PROGRAMA Oi DE PROJETOS PARA O MEIO AMBIENTE PROJETOS FINALISTAS - 2011 AMAZONAS Organização: Instituto Pacto Amazônico Projeto: Sustentabilidade na Floresta Objetivo: Garantir a participação efetiva e

Leia mais

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver.

A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Palavras-Chaves: Território Sustentabilidade- Bem Viver. A Uwê uptabi Marãiwatsédé buscam o bem viver no território tradicional. Este trabalho tem o objetivo de discutir a sustentabilidade do território A uwe- Marãiwatsédé, mediada pelas relações econômicas,

Leia mais

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena

Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Série Movimentos Sociais Por uma nova política indigenista. Uma entrevista com Marcos Terena Entre os dias 22 e 25 de abril, houve a IV Festa Nacional do Índio, na Praia da Enseada, em Bertioga. Trata-se

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

48 Os professores optaram por estudar a urbanização, partindo dos espaços conhecidos pelos alunos no entorno da escola. Buscavam, nesse projeto, refletir sobre as características das moradias existentes,

Leia mais

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA.

AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. AS RESERVAS DE DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL COMO ALTERNATIVA PARA A CONSERVAÇÃO DO MEIO AMBIENTE E MANUTENÇÃO DA CULTURA CAIÇARA. Ana Carolina de Campos Honora 1 Presentes na região costeira dos Estados

Leia mais

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui.

mundo. A gente não é contra branco. Somos aliados, queremos um mundo melhor para todo mundo. A gente está sentindo muito aqui. Em 22 de maio de 2014 eu, Rebeca Campos Ferreira, Perita em Antropologia do Ministério Público Federal, estive na Penitenciária de Médio Porte Pandinha, em Porto Velho RO, com os indígenas Gilson Tenharim,

Leia mais

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA.

TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Culturas e Conhecimentos Disciplinares Débora Barreiros TUDO BEM SER DIFERENTE?!? A PRÁTICA CURRICULAR COMO ESPELHO DA CULTURA. Numa sociedade em que o discurso sobre o respeito à diferença ganha cada

Leia mais

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com

Justificativa: Cláudia Queiroz Miranda (SEEDF 1 ) webclaudia33@gmail.com Raimunda de Oliveira (SEEDF) deoliveirarai@hotmail.com 1 COMO COLOCAR AS TEORIAS ESTUDADAS NA FORMAÇÃO DO PNAIC EM PRÁTICA NA SALA DE AULA? REFLEXÕES DE PROFESSORES ALFABETIZADORES SOBRE O TRABALHO COM O SISTEMA DE NUMERAÇÃO DECIMAL Cláudia Queiroz Miranda

Leia mais

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI

ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI PREFEITURA MUNICIPAL DE LONTRAS SECRETARIA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO, CULTURA E ESPORTE ESCOLA MUNICIPAL DE PERÍODO INTEGRAL IRMÃ MARIA TAMBOSI DESPERTANDO AÇÕES SUSTENTÁVEIS LONTRAS 2013 1.TEMA A preservação

Leia mais

Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14

Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14 Seminário Intersetorial Empresas e Povos Indígenas 13/03/14 1 ANDAMENTOS DOS TRABALHOS GTAI/FMASE FMASE 2005 = Coordena ações de interesse do setor sobre aspectos socioambientais geração, transmissão,

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014

PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 PIBID HISTÓRIA 1 COORDENAÇÃO: PROFA. DRA. KARINA KOSICKI BELLOTTI SUPERVISÃO: PROF. DANIEL JACOB NODARI COLÉGIO D. PEDRO II 28 de novembro de 2014 RELATÓRIO FINAL ATIVIDADE SOBRE DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Leia mais

Arqueologia em construção

Arqueologia em construção Carta produzida pelo Grupo de Trabalho Arqueologia de Contrato Coletivo de estudantes do PPGARQ- MAE-USP Arqueologia em construção A Semana de Arqueologia tem como objetivos o debate, a troca de informações

Leia mais

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90.

Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4, 8, 32, 36, 72 e 90. porta aberta Nova edição Geografia 2º ao 5º ano O estudo das categorias lugar, paisagem e espaço tem prioridade nesta obra. 25383COL05 Conheça também! As demais disciplinas desta coleção nas páginas 4,

Leia mais

Saúde Indígena no Brasil

Saúde Indígena no Brasil PAINEL I Particularidades genéticas das populações amazônicas e suas possíveis implicações Coordenação de Mesa: Wim Degrave. Saúde Indígena no Brasil Mário R. Castellani Abordarei um pouco do que estamos

Leia mais

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio.

Índios do Brasil. Episódio 7: Nossas Terras. Modalidade Educação de Jovens e adultos Fundamental e Médio. Índios do Brasil Episódio 7: Nossas Terras Resumo A série "Índios no Brasil", com duração média de 20 minutos, traça um perfil da população indígena brasileira e mostra a relação dessa população com a

Leia mais

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE

OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE OFICINAS DE REESTRUTURAÇÃO CURRICULAR REFLEXÕES SOBRE O ENSINO MÉDIO INTEGRADO A EDUCAÇÃO PROFISSIONAL E A AÇÃO DOCENTE NASCIMENTO, Elaine Cristina Universidade Tecnológica Federal do Paraná AMORIM, Mário

Leia mais

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS

MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS MANUAL DE OBSERVAÇÃO PARA O EDUCADOR: CONHECENDO MELHOR A PRÁTICA PROFISSIONAL E MEUS ALUNOS Caro leitor: O objetivo principal deste Manual de Observação para o Educador: conhecendo melhor a prática profissional

Leia mais

Política de alimentação escolar para populações indígenas

Política de alimentação escolar para populações indígenas Política de alimentação escolar para populações indígenas IV Encontro do Programa Nacional de Alimentação Escolar 25 a 28 de novembro de 2008 Profª Dulce Ribas Universidade Federal de Mato Grosso do Sul

Leia mais

Reestruturação Produtiva em Saúde

Reestruturação Produtiva em Saúde Trabalho em Saúde O trabalho Toda atividade humana é um ato produtivo, modifica alguma coisa e produz algo novo. Os homens e mulheres, durante toda a sua história, através dos tempos, estiveram ligados,

Leia mais

Populações Indígenas da Cidade de Manaus Inserção na Cidade e Ligação com a Cultura *

Populações Indígenas da Cidade de Manaus Inserção na Cidade e Ligação com a Cultura * Populações Indígenas da Cidade de Manaus Inserção na Cidade e Ligação com a Cultura * Evelyne Marie Therese Mainbourg FIOCRUZ/Centro Leônidas & Maria Deane Maria Ivanilde Araújo Universidade do Amazonas/

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR

Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Novos cenários para o Brasil e o Nordeste 245 TANIA BACELAR Em nome da comissão que organizou este evento agradeço a todos aqueles que convidamos para compor as diversas mesas e a todos vocês que acompanharam

Leia mais

Os documentos do SPI, acervo Museu do Índio/RJ sobre a Terra Indígena Faxinal/PR

Os documentos do SPI, acervo Museu do Índio/RJ sobre a Terra Indígena Faxinal/PR Os documentos do SPI, acervo Museu do Índio/RJ sobre a Terra Indígena Faxinal/PR Dalila Dos Santos da Silva (Bolsista CNPq Pibic-AF/UEM) Isabel Cristina Rodrigues Orientadora (UEM) Resumo: O presente trabalho

Leia mais

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.)

O ATO DE ESTUDAR 1. (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) O ATO DE ESTUDAR 1 (Apresentação a partir do texto de Paulo Freire.) Paulo Freire, educador da atualidade, aponta a necessidade de se fazer uma prévia reflexão sobre o sentido do estudo. Segundo suas palavras:

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA

DECLARAÇÃO DE POSICIONAMENTO DO IIA: O PAPEL DA AUDITORIA INTERNA Permissão obtida junto ao proprietário dos direitos autorais, The Institute of Internal Auditors, 247 Maitland Avenue, Altamonte Springs, Florida 32701-4201, USA, para publicar esta tradução, a qual reflete

Leia mais

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG

VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG VALORES CULTURAIS (INDÍGENAS) KAINGANG Um cacique kaingang, meu amigo, me escreveu pedindo sugestões para desenvolver, no Dia do Índio, o seguinte tema em uma palestra: "Os Valores Culturais da Etnia Kaingáng".

Leia mais

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande:

Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: Memória coletiva: entre a resistência cultural e a criação do produto turístico na Ilha Grande: HELENA CATÃO H. FERREIRA * Ao mesmo tempo em que podemos observar um refazer constante de resgates de memórias

Leia mais

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO

TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO TITULO A GENTE NA RUA UM OLHAR DIFERENCIADO NA POPULAÇÃO DE RUA NA CIDADE DE SÃO PAULO Breve Histórico da População de Rua na Cidade de São Paulo A população de rua da cidade de são Paulo, heterogenia

Leia mais

AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR

AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR AÇÕES SOCIOAMBIENTAIS EM DEFESA DOS DIREITOS DOS POVOS INDÍGENAS: A COMUNIDADE INDÍGENA TEKOHA YHOVY LOCALIZADA NO MUNICÍPIO DE GUAÍRA- PR Gisele Kava 1 Natália Raquel Niedermayer 2 RESUMO: O trabalho

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ

DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ DESABAFO DE QUEM ESTÁ LÁ Segue um relato de uma pessoa conhecida e séria, que passou recentemente em um concurso público federal e foi trabalhar em Roraima: Trata-se de um Brasil que a gente não conhece.

Leia mais

CULTURA AFRO CULTURA AFRO

CULTURA AFRO CULTURA AFRO CULTURA AFRO ESCOPO Apresentamos o projeto Cultura Afro com o compromisso de oferecer aos alunos do ensino fundamental um panorama completo e diversificado sobre a cultura afro em nosso país. Levamos em

Leia mais

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS

ENTREVISTA COM DRA. MÔNICA MARIA HENRIQUE DOS SANTOS dos Santos, Coordenadora de Assistência Farmacêutica da Funasa, em Pernambuco, e do programa de assistência farmacêutica na saúde indígena. Pelo jornalista Aloísio Brandão, Editor desta revista. m programa

Leia mais

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES.

OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. OS DILEMAS DA DICOTOMIA RURAL-URBANO: ALGUMAS REFLEXÕES. Fausto Brito Marcy R. Martins Soares Ana Paula G.de Freitas Um dos temas mais discutidos nas Ciências Sociais no Brasil é o verdadeiro significado,

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 15 Discurso na cerimónia de sanção

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 49 Discurso no encontro com grupo

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA

O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA O SERVIÇO SOCIAL E A PRÁTICA PROFISSIONAL NA CASA DA ACOLHIDA LEMOS, Josiane (estágio I), e-mail: lemosjosi@hotmail.com SANTOS, Lourdes de Fátima dos (estágio I). e-mail: lurdesfsantos84@hotmail.com SCHEMIGUEL,

Leia mais

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA?

MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? MARGEM DE CONTRIBUIÇÃO: QUANTO SOBRA PARA SUA EMPRESA? Que nome estranho! O que é isso? Essa expressão, Margem de Contribuição, pode soar estranha aos ouvidos, mas entender o que significa ajudará muito

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA

FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA FORMAÇÃO DE PROFESSORES QUE ENSINAM MATEMÁTICA Fabiana de Jesus Oliveira União de Ensino do Sudoeste do Paraná fabiana@unisep.edu.br Diversas são as pesquisas que têm mostrado que o ensino encontra-se

Leia mais

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1

A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 A Comunicação Organizacional e a Mídia o papel dos meios de comunicação na construção da imagem empresarial para o público externo 1 Bárbara Fernandes Valente da Cunha 2 * Palavras-chaves: Comunicação

Leia mais

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família?

AGENDA DA FAMÍLIA. 1 O que é a Agenda da Família? AGENDA DA FAMÍLIA Marcelo Garcia é assistente social. Exerceu a Gestão Social Nacional, Estadual e Municipal. Atualmente é professor em cursos livres, de extensão e especialização, além de diretor executivo

Leia mais

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados

Estimados colegas representantes dos países membros do Fórum das Federações, Embaixadores e delegados PRESIDENCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS SUBCHEFIA DE ASSUNTOS FEDERATIVOS Assunto: DISCURSO DO EXMO. SUBCHEFE DE ASSUNTOS FEDERATIVOS DA SECRETARIA DE RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DA

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo.

Para a grande maioria das. fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Sonhos Pessoas Para a grande maioria das pessoas, LIBERDADE é poder fazer o que desejo fazer, ou o que eu tenho vontade, sem sentir nenhum tipo de peso ou condenação por aquilo. Trecho da música: Ilegal,

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS

TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Sétimo Fórum Nacional de Professores de Jornalismo Praia dos Ingleses, SC, abril de 2004 GT: Laboratório de Jornalismo Eletrônico Trabalho: TELEJORNALISMO E ESTUDOS CULTURAIS Autora: Célia Maria Ladeira

Leia mais

Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913

Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913 Notas sobre a organização religiosa e social dos índios kaingang Curt Nimuendajú Abril/1913 O mito de origem diz que os primeiros desta etnia sairam do chão, por isso tem a cor da terra. Chefiados por

Leia mais

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS

SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS SEDUC SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO DE MATO GROSSO ESCOLA ESTADUAL DOMINGOS BRIANTE ANA MARIA DO NASCIMENTO CAMPOS A CHEGADA DOS PORTUGUESES A AMÉRICA E AS VIAGENS MARÍTIMAS Projeto apresentado e desenvolvido

Leia mais

Reordenamento do acolhimento institucional através da formação

Reordenamento do acolhimento institucional através da formação Reordenamento do acolhimento institucional através da formação Uma mudança de cultura Formação - um novo formato A construção de uma metodologia Um processo grupal A construção de um conteúdo pelo grupo

Leia mais

ENTRE O MORAR E O TRABALHAR NA COMUNIDADE: A REALIDADE DE SER ACS

ENTRE O MORAR E O TRABALHAR NA COMUNIDADE: A REALIDADE DE SER ACS ENTRE O MORAR E O TRABALHAR NA COMUNIDADE: A REALIDADE DE SER ACS Autores: Eliane Chaves Vianna ENSP /FIOCRUZ Daniel de Oliveira Costa IESC/UFRJ Regina Helena Simões Barbosa IESC/UFRJ Helena Maria S. Leal

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR

LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR LINGUAGENS DA INFÂNCIA: PROJETO RECICLAR ANNA PAULA SILVA (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS), ELIANE FERREIRA PINTO (PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS). Resumo A reciclagem tem como principal foco a conscientização

Leia mais

Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas

Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas Diretrizes Estaduais de Saúde aos Povos Indígenas 1. Atenção a Saúde da População Indígena no Estado de São Paulo 1 A população Indígena residente no Estado de São Paulo totaliza, segundo Censo do IBGE

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS

13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS 13. A FORMAÇÃO PESSOAL E SOCIAL, AS ÁREAS DE CONHECIMENTO E O DESENVOLVIMENTO DA CRIANÇA ATÉ OS 6 ANOS A importância da formação pessoal e social da criança para o seu desenvolvimento integral e para a

Leia mais

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL

INSTITUTO DE ARQUITETOS DO BRASIL TRANSFORMAR ASSENTAMENTOS IRREGULARES EM BAIRROS Autor(es): Gabriel Carvalho Soares de Souza, Alexandre Klüppel, Bruno Michel, Irisa Parada e Rodrigo Scorcelli Ao considerar a Favela como um fenômeno que

Leia mais

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012 A IMPORTÂNCIA DA PESQUISA PARA AS LICENCIATURAS NA AMAZÔNIA: NÃO HÁ ENSINO SEM PESQUISA E PESQUISA SEM ENSINO Saberes e Práticas Docentes na Formação de Professores PROF.DR. FERNANDO RIBEIRO JUNHO/2012

Leia mais

Roteiro para Apresentação de Projetos (Para sugestões da II OFICINA NACIONAL DE TRABALHO)

Roteiro para Apresentação de Projetos (Para sugestões da II OFICINA NACIONAL DE TRABALHO) MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO SOCIAL E COMBATE À FOME SEDR - DEPARTAMENTO DE EXTRATIVISMO APOIO A GRUPOS VULNERÁVEIS SESAN COORDENAÇÃO GERAL DE CARTEIRA DE PROJETOS FOME ZERO

Leia mais

Câmara Municipal de São Paulo

Câmara Municipal de São Paulo DISCURSO PROFERIDO PELO VEREADOR NATALINI NA 216ª SESSÃO ORDINARIA, REALIZADA EM 17/02/11 GRANDE EXPEDIENTE O SR. NATALINI (PSDB) - Sr. Presidente, Sras. e Srs. Vereadores, telespectadores da TV Câmara,

Leia mais

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO

LÍDERES DO SECULO XXI RESUMO 1 LÍDERES DO SECULO XXI André Oliveira Angela Brasil (Docente Esp. das Faculdades Integradas de Três Lagoas-AEMS) Flávio Lopes Halex Mercante Kleber Alcantara Thiago Souza RESUMO A liderança é um processo

Leia mais

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países

Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Ciclo de Debates sobre Bioética, Diplomacia e Saúde Pública Solidariedade versus interesses nacionais no contexto de comunidades de países Samira Santana de Almeida 1. Apresentação RELATÓRIO O presente

Leia mais

A Motivação no Tratamento da Dependência Química

A Motivação no Tratamento da Dependência Química Seja bem vindo! A Motivação no Tratamento da Dependência Química Ana Carolina Schmidt de Oliveira Psicóloga CRO 06/99198 Especialista em Dependência Química UNIAD/UNIFESP Mestranda UNIFESP Perguntas Por

Leia mais

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina

ÍNDICE. Apresentação. Participantes da Oficina. Aldeias Guaranis do Litoral Norte. Programação da Oficina ÍNDICE Encontro de Mulheres Guarani do Litoral Norte do Estado de São Paulo Organização: Selma A. Gomes Projeto gráfico: Irmãs de Criação Fotos: Carlos Penteado Publicado com o apoio da CAFOD Novembro

Leia mais

Notas sobre a escolarização indígena no Brasil 1. Clarice Cohn DCSo/UFSCar

Notas sobre a escolarização indígena no Brasil 1. Clarice Cohn DCSo/UFSCar Notas sobre a escolarização indígena no Brasil 1 Clarice Cohn DCSo/UFSCar A educação escolar indígena tem uma longa história, tão longa quanto é o contato entre índios e europeus. Desde sempre, a alfabetização

Leia mais

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil

Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Protocolo de Relacionamento Político dos Escoteiros do Brasil Este guia pretende nortear os Grupos Escoteiros do Brasil a desenvolverem um

Leia mais

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta.

As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. As relações de gênero socialmente constituídas e sua influência nas brincadeiras de faz de conta. Angela Agulhari Martelini Gabriel. Pedagogia. Prefeitura Municipal de Bauru. helena2008mg@hotmail.com.

Leia mais

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV

VIII Jornada de Estágio de Serviço Social. A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV A PRÁTICA DO SERVIÇO SOCIAL NA ASSOCIAÇÃO MINISTÉRIO MELHOR VIVER- AMMV SILVA, D. Pollyane¹ MORO, M. Silvana ² SOUSA, G. Cristiane³ Resumo Este trabalho tem o intuito de descrever a Prática Profissional

Leia mais

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo

ÍNDIOS NO BRASIL. Cristina Langendorf Luciana Catardo ÍNDIOS NO BRASIL Cristina Langendorf Luciana Catardo AS PRIMEIRAS IMPRESSÕES Eram pardos, todos nus, sem coisa alguma que lhes cobrissem as suas vergonhas. Traziam nas mãos arcos e setas. Historiadores

Leia mais

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja)

Aspectos externos: contexto social, cultura, rede social, instituições (família, escola, igreja) Lembretes e sugestões para orientar a prática da clínica ampliada e compartilhada Ampliar a clínica significa desviar o foco de intervenção da doença, para recolocá-lo no sujeito, portador de doenças,

Leia mais

Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1. Marina Silva 2

Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1. Marina Silva 2 Desenvolvimento sustentável: o que é e como alcançar? 1 Boa tarde a todos e a todas! Marina Silva 2 Quero dizer que é motivo de muita satisfação participar de eventos como esse porque estamos aqui para

Leia mais

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável

A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável A atividade de Relações Públicas como suporte para a gestão socialmente responsável Felipe de Oliveira Fernandes Vivemos em um mundo que está constantemente se modificando. O desenvolvimento de novas tecnologias

Leia mais

ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR

ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR ESPAÇOS MIGRATÓRIOS E REDES SOCIAIS NA CIDADE DE PRUDENTÓPOLIS-PR Vanessa dos Santos Pereira Discente do curso de Geografia da UNICENTRO-Irati Bolsista do Programa Institucional de Iniciação Científica

Leia mais

O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO)

O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO) O ESPAÇO PÚBLICO NA CIDADE CONTEMPORÂNEA: O COMPLEXO RECREATIVO CLUBE DO POVO DE CATALÃO (GO) Palavras-chave: espaço público, cidade, capital. Patrícia Souza Rocha Marçal Universidade Federal de Goiás

Leia mais

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas.

Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. Resumo Aula-tema 08: Ideário ético. Desafios, questionamentos e propostas. O ideário ético é um conjunto essencial de valores que deve ser conscientizado por todos na Organização para que se consiga implantar

Leia mais

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE

ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE ALFABETIZAÇÃO E LETRAMENTO: TECENDO RELAÇÕES COM O PENSAMENTO DE PAULO FREIRE Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a definição dos conceitos de alfabetização e letramento,

Leia mais

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA:

SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: SAÚDE MENTAL NA ESTRATÉGIA SAÚDE DA FAMÍLIA: CRENÇAS DOS AGENTES COMUNITÁRIOS DE SAÚDE ACERCA DO CUIDADO DA PESSOA EM SOFRIMENTO MENTAL. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Faculdade de Filosofia Ciências

Leia mais

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL PRO INFANTIL PROGRAMA DE FORMAÇÃO INICIAL PARA PROFESSORES EM EXERCÍCIO NA EDUCAÇÃO INFANTIL A IMPORTÂNCIA DO TRABALHO PARA CONSERVAÇÃO AMBIENTAL NA EDUCAÇÃO INFANTIL CASOS DA EDUCAÇÃO INFANTIL NA BAHIA

Leia mais

Enunciação e política de línguas no Brasil

Enunciação e política de línguas no Brasil Enunciação e política de línguas no Brasil Eduardo GUIMARÃES Universidade Estadual de Campinas Considerando o fato de que o Brasil é um país multilingüe, tomo como objetivo específico aqui a reflexão sobre

Leia mais

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015

Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social. Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Serviço Social e o Trabalho Social em Habitação de Interesse Social Tânia Maria Ramos de Godoi Diniz Novembro de 2015 Sobre o trabalho social O trabalho social nos programas de, exercido pelo (a) assistente

Leia mais

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano.

05) Um mesmo assinante poderá ter em casa o acesso normal do STFC e o AICE? - O assinante poderá ter somente um AICE e poderá ter outro plano. 01) O que é AICE? Significa Acesso Individual Classe Especial. É um Plano básico e com regulamentação própria (Regulamentado pela Resolução Nº 586, da ANATEL, de 05 de abril de 2012). Modalidade de telefonia

Leia mais

Gestão de iniciativas sociais

Gestão de iniciativas sociais Gestão de iniciativas sociais Leia o texto a seguir e entenda o conceito do Trevo e as suas relações com a gestão organizacional. Caso queira ir direto para os textos, clique aqui. http://www.promenino.org.br/ferramentas/trevo/tabid/115/default.aspx

Leia mais

Transcrição da Teleconferência Fato Relevante Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário 27 de dezembro de 2007. Tomás Awad, Itaú Corretora:

Transcrição da Teleconferência Fato Relevante Camargo Corrêa Desenvolvimento Imobiliário 27 de dezembro de 2007. Tomás Awad, Itaú Corretora: Tomás Awad, Itaú Corretora: Bom dia. Eu queria só ter um pouco mais de noção pelo menos de Caieiras. Pelo que vocês deram a entender, o projeto começa em 2010 o lançamento. Em que estágio vocês estão agora

Leia mais

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores.

Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Uma Biblioteca e a vontade de formar leitores. Prof. Ms. Deisily de Quadros (FARESC) deisily@uol.com.br Graduando Mark da Silva Floriano (FARESC) markfloriano@hotmail.com Resumo: Este artigo apresenta

Leia mais

Gestão de carreiras nas organizações

Gestão de carreiras nas organizações Gestão de carreiras nas organizações A expressão "Plano de carreira", nas organizações, sempre corre o risco de ser interpretada como algo antiquado, retrógrado, que interessa aos funcionários e, principalmente,

Leia mais

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO

O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO O PROGRAMA ASSISTÊNCIA SÓCIO-JURÍDICA E OS DIREITOS DO IDOSO Maria Salete da Silva Josiane dos Santos O Programa Assistência Sócio-Jurídica, extensão do Departamento de Serviço Social, funciona no Núcleo

Leia mais

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL

ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL ANÁLISE DA PRÁTICA INSTITUCIONAL Prof.ª Mônica Ferreira dos Santos José Augusto Guilhon de Albuquerque é sociólogo e professor da USP. No Serviço Social alguns autores já usaram seu referencial. Weisshaupt

Leia mais

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA

CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA CULTURA OU FERRAMENTA: O DILEMA DA APROPRIAÇÃO QUE OS PROFESSORES FAZEM NO USO DA TECNOLOGIA Aluna: Tatiana de Alemar Rios Orientador: Magda Pischetola Introdução A partir do estudo realizado pelo Grupo

Leia mais

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA)

OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) OS PAEs COMO POSSIBILIDADE DE REGULARIZAÇÃO FUNDIÁRIA E SUSTENTABILIDADE AMBIENTAL EM ÁREAS RIBEIRINHAS: O CASO DA ILHA CAMPOMPEMA (PA) Ana Karolina Ferreira Corrêa Universidade Federal do Pará anageo.correa@gmail.com

Leia mais

PLC 180/08 Cotas Raciais. A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre

PLC 180/08 Cotas Raciais. A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre PLC 180/08 Cotas Raciais A mestiçagem unifica os homens divididos pelos mitos raciais, Gilberto Freyre Art. 3º Em cada instituição federal de ensino superior, as vagas de que trata o art. 1º desta Lei

Leia mais

12 Guia prático de história oral

12 Guia prático de história oral parte i Fundamentos 12 Guia prático de história oral 1. TEMA Ao longo dos últimos anos, muitas abordagens se somam à chamada história oral, termo, contudo pouco explicado e confundido com gravações de

Leia mais

Na Escola Municipal Dr. Humberto da Costa Soares, localizada no Engenho Pau Santo, no Cabo de Santo Agostinho-PE.

Na Escola Municipal Dr. Humberto da Costa Soares, localizada no Engenho Pau Santo, no Cabo de Santo Agostinho-PE. Nome do projeto A Cor da Mata. Um despertar para a sustentabilidade. Local onde o projeto será instalado/executado Na Escola Municipal Dr. Humberto da Costa Soares, localizada no Engenho Pau Santo, no

Leia mais