RAFAELA APARECIDA DA SILVA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RAFAELA APARECIDA DA SILVA"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JÚLIO DE MESQUITA FILHO INSTITUTO DE BIOCIÊNCIAS - RIO CLARO ECOLOGIA RAFAELA APARECIDA DA SILVA LEVANTAMENTO SÓCIO-AMBIENTAL DO ACAMPAMENTO ELISABETE TEIXEIRA, LIMEIRA/SP: SUBSÍDIO AO INCENTIVO DE PRÁTICAS AGROECOLÓGICAS Rio Claro 2008

2 RAFAELA APARECIDA DA SILVA LEVANTAMENTO SÓCIO-AMBIENTAL DO ACAMPAMENTO ELISABETE TEIXEIRA, LIMEIRA/SP: SUBSÍDIOS AO INCENTIVO DE PRÁTICAS AGROECOLÓGICAS Orientador: BERNADETE AP. C. C. OLIVEIRA Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Instituto de Biociências da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho - Câmpus de Rio Claro, para obtenção do grau de Ecólogo. Rio Claro 2008

3 630 Silva, Rafaela Aparecida da S586L Levantamento sócio-ambiental do acampamento Elisabete Teixeira, Limeira SP / Rafaela Aparecida da Silva. Rio Claro: [s.n.], f. : il., figs., tabs. Trabalho de conclusão (Ecologia) Universidade Estadual Paulista, Instituto de Biociências de Rio Claro Orientador: Bernadete Aparecida C.C. Oliveira 1. Agricultura. 2. Agroecologia. 3. Assentamento e acampamento rural. 4. Conhecimento local. 5. Preservação da natureza. I. Título. Ficha Catalográfica elaborada pela STATI - Biblioteca da UNESP Campus de Rio Claro/SP

4 AGRADECIMENTOS Em primeiro lugar, gostaria de agradecer à professora Bernadete Castro pela sua orientação neste trabalho. Mais do que isso, agradecê-la pela amizade, conselhos, incentivos, oportunidades e cafés durante todo este tempo em que trabalhamos juntas. Ela sempre foi paciente e sempre esteve disposta a me ajudar. Bernadete, muito obrigado de coração! E que o trabalho não pare por aqui... Sou eternamente grata também à professora Dalva Bonotto, que foi minha primeira orientadora na universidade. Dalva, você foi essencial à minha formação como ecóloga. Porém, nada disso estaria acontecendo se não fosse pelos meus pais. Foram eles que sempre me apoiaram e incentivaram durante toda a graduação, tornando este sonho possível. Agradeço também a minha irmã, que é a IRMÃ e a Aninha, que é a SOBRINHA. Agradeço à turma de Meu, vocês foram incríveis, e vou levá-los pela vida. Por isso que eu digo: vamo lá, vamo lá, vamo lá galera vamo lá. Força, coragem e fé!!!! e logicamente: 1, 2, 3, quaaaaaaaatro, 4, 4, 4, ! Meus queridos amigos, obrigado por existirem: But (Príncipe!), Julia (Julião), Claudia, Jana, Mari (Japa), Pacífico, Yuri, Sayuri, Lika, Pavão, Savana, Monique, Maria Alice, Juliana, Natália (Ingrates), Soraya, Chewbaquinha, Hélio Hermínio, EEEEEElson, Nativo, Marina, Pablo, Déa, Pituxa, Zeca, Capote, Ivo, Meire, Dedê, e todos os outros que eu não coloquei o nome. Com vocês, a UNESP é muito mais legal! E como poderia ficar sem falar do Fórum: Jane, a amiga mais louca que já tive nesta vida e acho que em outras também, te adoro menina! Manu, a carioca que já está falando o rioclarense melhor do que eu, você sabe que mesmo a gente não pensando igual em quase nada, eu adoro você! Thaís, a minha irmã gêmea (segundo alguns loucos), você é muito especial, gosto de você para mais de metro, até porque você é uma das únicas que acredita nos meus dotes como goleira. Carla, a mais centrada das 7, no entanto, tão louca quanto, mas com o agravante de transmitir muita segurança. E é amiga, e não é pouco não, é muito!

5 Carol RA, filha minha, sem palavras para falar de você, amiga de danças esquisitas, a minha co-orientadora não oficial, e amiga para toda a hora, e o melhor: besta como eu, no melhor sentido da palavra. Limps, (Letícia), eu sempre pude contar com você. Até quando estava na Alemanha! Você sabe, eu adoro a sua pessoa, porque além de minha amiga do coração, é a mamis que você escolheu para mim. E já está sabendo, filho a gente nunca abandona. Meninas vocês são para sempre!!!!!!!!!!! Faço também um agradecimento a uma pessoa que foi muito importante para a conclusão deste trabalho, dando força nos momentos em que eu achava que nada iria dar certo, que me mandava parar de enrolar e me concentrar e também pelas correções, que não foram poucas: Helena, muito obrigada! Você tem me dado muita força. Ah, você sabe...valeu mesmo! Pessoas que me ajudaram nas entrevistas, agradeço muito a vocês. Não só pela ajuda, mas, principalmente, por serem meus amigos: Caramelo, Frei, Biz, Issa, Say, Natasha, Xena, Tertúlio, Beraba... Gente, sem vocês eu nunca teria feito esse TCC em um ano, talvez em dez, vinte, mas em um jamais!!!! Além destas pessoas, tiveram outras três que, na verdade, nem sei como expressar a importância que tiveram nesse trabalho: Marina (Japa), mas que para mim é a Rédea, Thaisão, minha seguidora (até parece!) e Baiano. Vocês foram muito importantes e tiveram participação essencial, especial, inenarrável!!!! Em todo o processo, gente, eu estou falando da graduação toda. Para vocês o meu muito obrigado e aquele abraço! Agradeço também a Bete, do Deplan, que sempre está disposta a ajudar a todos os desesperados. E por fim, agradeço a todos os acampados do Acampamento Elisabete Teixeira, sem o apoio e a colaboração de vocês esse projeto seria inviável. Espero, realmente, que nosso trabalho não se limite a esse TCC! Vocês foram os personagens principais disso tudo.

6 SUMÁRIO Página RESUMO INTRODUÇÃO Agricultura convencional ou moderna Agroecologia O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) O Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) Experiências do MST com a agroecologia OBJETIVOS MATERIAIS E MÉTODOS Área de Estudo Acampamento Elisabete Teixeira Levantamento Sócio-Ambiental Público alvo RESULTADOS OBTIDOS Caracterização dos sujeitos da pesquisa e dos moradores do Elisabete Teixeira O sustento atual Problemas Vantagens e/ou facilidades Culturas e criações O sustento e a propriedade no futuro Agroecologia e agricultura... 46

7 4.8. Natureza e meio ambiente Lixão : o aterro sanitário de Limeira Solos Pragas e Doenças Agrotóxicos Algumas práticas agroecológicas Sonho OFICINAS REALIZADAS NO ACAMPAMENTO ELISABETE TEIXEIRA A mulher na zona rural CONSIDERAÇÕES FINAIS REFERÊNCIAS ANEXOS Anexo A - Roteiro das entrevistas Anexo B - Cartilha da Oficina 1: Agricultura e Meio Ambiente Anexo C - Cartilha da Oficina 3: Solos...100

8 6 RESUMO Esta pesquisa teve como objetivo o levantamento sócio-ambiental dos moradores do Acampamento Elisabete Teixeira, localizado no município de Limeira (SP), identificando a trajetória de vida, as relações com a terra e com o meio ambiente, as pretensões futuras, entre outros aspectos. Através dos dados obtidos foi possível elaborar oficinas que subsidiaram o incentivo às práticas da agroecologia, valorizando o conhecimento local e a preservação ambiental. Também foram elaboradas cartilhas com a intenção de difundir, entre os acampados, os conhecimentos e os temas abordados nas oficinas. As metodologias utilizadas foram a pesquisa-ação participativa e entrevistas semi-estruturadas. Os resultados deste trabalho mostram que os acampados têm sua origem relacionada ao campo e que antes da vinda para o acampamento residiam em municípios vizinhos à cidade de Limeira. No Elisabete Teixeira as atividades prioritárias estão relacionadas à produção e à criação agrícola, com o intuito da soberania alimentar da família. Com relação aos desejos futuros, o maior deles é a conquista da terra, para a produção e a reprodução familiar. Esta pesquisa também apontou um fato importante durante as oficinas, a participação efetiva das mulheres no acampamento. Nas oficinas também houve um reconhecimento por parte destas mulheres com relação aos seus conhecimentos e práticas na agricultura e no meio ambiente. Esta pesquisa apontou a importância de se investigar os saberes e práticas camponesas, atrelando-os aos conhecimentos científicos advindos dos estudos e pesquisas acadêmicas, e abriu possibilidades para a construção de novas propostas de trabalhos entre acampados e pesquisadores no sentido da consolidação da reforma agrária. Palavras-chave: agroecologia, assentamento e acampamento rural, conhecimento local, preservação da natureza.

9 7 1. INTRODUÇÃO 1.1. Agricultura convencional ou moderna A partir do século XIX a lógica existente em cultivar respeitando as leis da natureza foi deixada de lado em virtude da disseminação dos conhecimentos da química agrícola. Começou-se a pensar, portanto, que a agricultura moderna seria necessária e que a prática de algumas ações conservacionistas poderia contornar o impacto negativo que ela causaria na natureza (ASSIS, 2005). Esse autor afirma que houve um evidente aumento na produção de alimentos e na disponibilidade desses por habitante entre os anos de 1950 e Porém, a partir daí observou-se um declínio na produtividade agrícola mundial, com o agravante da ocorrência de problemas ambientais. No Brasil, esta agricultura moderna ou convencional acarretou o surgimento e/ou o agravamento de diversos problemas, principalmente de ordem social e ambiental. À medida que tais questões ganharam importância, foram percebidas em toda sua extensão. As estratégias da agricultura convencional, segundo Altieri (2001), são limitantes em sua capacidade de promover um desenvolvimento sustentável. Por isso, não são capazes de atingir os mais pobres e nem de resolver problemas de fome, desnutrição e as questões ambientais. O modelo agrícola convencional visa o lucro e a produção máxima, não se importando com suas conseqüências a médio e longo prazo e desconsiderando a dinâmica ecológica dos agroecossistemas. Para atingir seus objetivos, utiliza práticas que contribuem com a perda da biodiversidade, tornando o ambiente mais susceptível ao ataque de pragas. Acarretando um uso mais intenso de fertilizantes e outras formas de energia externa. Constitui-se assim um ciclo vicioso, já que os agricultores tentam remediar os problemas causados, sem perceber que cada vez mais ficam dependentes destes produtos (FERNADES, RIBEIRO e AGUIAR- MENEZES, 2005; FORNARI, 2002). Dentre as práticas convencionais, merecem destaque:

10 8 Cultivo intensivo do solo Prática que permite uma melhor drenagem do solo, com crescimento rápido das raízes que facilitam a aeração e a semeadura, além de controlar as ervas adventícias. Quando o cultivo intensivo é combinado com rotações de curta duração, as regiões aradas ou cultivadas diversas vezes no ano podem ficar longos períodos sem cobertura. Ocorre então um comprometimento da fertilidade do solo, devido à perda de matéria orgânica. O uso constante de máquinas pesadas acelera a compactação do solo, aumentando a erosão (GLIESSMAN, 2005). Monocultura Permite ao agricultor plantar a mesma cultura em escalas muito extensas, obtendo economia na compra de sementes, fertilizantes e equipamentos, além de favorecer o uso de máquinas para preparar o solo. O agricultor gasta menos com mão-de-obra, permitindo um maior investimento em tecnologias que potencializem a produção. Por existir apenas uma cultura, a área torna-se mais suscetível aos ataques de pragas e doenças específicas, o que incentiva o uso de agrotóxicos (GLIESSMAN, 2005). Fertilizantes Sintéticos: A aplicação destes produtos supre as necessidades nutricionais das plantas em curto prazo, já que seus componentes minerais são lixiviados com certa facilidade. Desta forma, os agricultores desconsideram a fertilidade do solo e os processos que o mantém (GLIESSMAN, 2005). Quando a plantação é irrigada, o problema torna-se mais grave, pois os componentes minerais destes fertilizantes podem atingir os corpos d água (causando a eutrofização) e chegar ao lençol freático. Irrigação: Quando a quantidade de água disponível é insuficiente para o desenvolvimento máximo da planta, a irrigação é recomendada. A utilização de um sistema de irrigação permite uma produção regular durante o ano, evitando problemas com a sazonalidade das chuvas. Com isso, além da maior garantia de safra, a produtividade da planta aproxima-se de seu máximo potencial e ainda há a melhoria na qualidade dos produtos colhidos (ROQUE, 2007).

11 9 Ainda segundo esse autor, os diversos projetos de irrigação não apresentam planejamento apropriado e, depois de implantados, são conduzidos sem a devida preocupação com o manejo e com as operações adequadas, acarretando numa baixa eficiência, que compromete a expectativa de aumento da produtividade. Assim, se realizada de forma errada, a irrigação, como já explicitado anteriormente, contribui com a lixiviação de fertilizantes da lavoura para os corpos d água, além de aumentar a taxa de erosão do solo. Também é prejudicial ao se utilizar água subterrânea, já que quando retirada em quantidade maior do que reposta pela chuva, o nível do lençol freático diminui. Conforme Gliessman (2005), a agricultura é uma das maiores consumidoras de água do mundo. Tal fato deve-se ao desperdício, já que grande parte da água utilizada não é absorvida pelas plantas. Em locais com irrigação intensa, há mudanças na hidrografia e no microclima, prejudicando a vida animal. Uso de agrotóxicos para o controle de pragas e de ervas adventícias: Os agrotóxicos podem baixar a população de pragas que atacam uma lavoura, matando também os predadores naturais dessas. No entanto, as pragas que sobrevivem podem recuperar-se e chegar a uma população maior e mais resistente à anterior, obrigando o agricultor a fazer uso mais intenso do produto em questão. Segundo Gliessman (2005), quando aplicados na plantação, os agrotóxicos são lavados e lixiviados para a água superficial e subterrânea. Entram na cadeia alimentar afetando os animais em todos os níveis tróficos, podendo persistir por décadas. O uso do agrotóxico mantém o desequilíbrio - seja ele causado pelo metabolismo das plantas, pela constituição físico-química e biológica do solo ou pelas cadeias tróficas - que originou o ataque destes organismos. Portanto, mantendo a causa, os efeitos prejudiciais voltarão, exigindo aumento na freqüência e na dose aplicada (FERNANDES, RIBEIRO e AGUIAR-MENEZES, 2005). Manipulação de genomas de plantas: A manipulação de genomas de plantas gerou sementes híbridas mais produtivas do que suas variedades semelhantes não híbridas. As variedades híbridas são mais exigentes para seu sucesso reprodutivo, necessitando de intensa aplicação de fertilizantes inorgânicos. Em contrapartida, são menos resistentes e exigem maior quantidade de agrotóxicos para protegê-

12 10 las de pragas, além de não produzirem sementes com o mesmo genoma que as plantas que lhe deram origem, fazendo com que os agricultores dependam de produtos comerciais (GLIESSMAN, 2005). Impacto na biodiversidade Pode-se constatar que a biodiversidade não foi e não é levada em conta em nenhum aspecto no processo produtivo convencional, sendo ignorados também seus aspectos positivos na agricultura. Altieri (2002) afirma que deve-se manter e aumentar a biodiversidade nos agroecossistemas, pois ela desempenha importantes funções ecológicas, como: reciclagem de nutrientes; controle microclimático; controle de processos hidrológicos e da população de organismos indesejáveis. De acordo com esse autor, a biodiversidade é importante nos limites entre as áreas cultivadas, pois possibilita hábitat favorável e alimento à fauna e aos insetos benéficos, além de modificar a velocidade do vento e o microclima local. Impacto nas relações sociais A desigualdade social também se intensifica neste modelo de produção agrícola, pois os benefícios não são distribuídos igualmente. Os agricultores de subsistência são deslocados pelos grandes produtores de exportação para terras marginais, resultando em desmatamento, erosão e danos sociais e ecológicos severos. De acordo com Gliessman (2005), este sistema de agricultura também é responsável pelo aumento das relações de dependência aos países desenvolvidos. A mão-de-obra humana é trocada por máquinas, levando a população rural para as cidades. Desta forma, a população que antes era capaz de produzir o próprio alimento e ainda vender algum excedente para a população urbana, torna-se dependente de outras fontes de alimentação. E, para suprir as necessidades da crescente população urbana, aumentam as importações de produtos, principalmente de países desenvolvidos. A solução seria o emprego de uma agricultura sustentável que utilizasse práticas agrícolas baseadas nos processos ecológicos (nas áreas produtivas e ao seu redor), gerando lucro e produtividade suficientes para suprir as necessidades dos agricultores (GLIESSMAN, 2005).

13 Agroecologia Segundo Gliessman (2005), uma agricultura sustentável é aquela que tem menores efeitos negativos no ambiente; preserva e recompõe a fertilidade do solo (prevenindo-o da erosão e mantendo suas características ecológicas); conserva a biodiversidade e dependa dos recursos internos dos agroecossistemas. Dessa forma, é garantida a igualdade de acesso às práticas, conhecimentos e tecnologias agrícolas adequadas, que possibilitam o controle local dos recursos agrícolas. Ainda segundo esse autor, estes aspectos podem ser encontrados na agroecologia que é a aplicação de conceitos e princípios ecológicos no desenho e manejo de agroecossistemas sustentáveis. A agroecologia proporciona o conhecimento e metodologia, necessários para desenvolver uma agricultura que é ambientalmente consistente, altamente produtiva e economicamente viável (...), ela valoriza o conhecimento local e empírico dos agricultores, a socialização desse conhecimento e sua aplicação ao objetivo comum da sustentabilidade (pág. 54). Para Altieri (2002), os modelos de agricultura sustentável devem combinar elementos da agricultura tradicional com o conhecimento científico moderno. É necessário, também, o reconhecimento dos governos de que o conhecimento da população rural é o principal recurso. Esta agricultura deve contribuir com o desenvolvimento rural e com a igualdade social, sendo seu objetivo principal a estabilidade de produção em longo prazo. Conforme Altieri (2001), a agroecologia incentiva os pesquisadores a conhecer as técnicas dos agricultores e a desenvolver agroecossistemas com a mínima dependência de insumos externos. Ela trabalha com as interações entre os componentes biológicos para aumentar a fertilidade do solo e sua produtividade, além da proteção das culturas. No entanto, as complicações sociais e os preconceitos políticos mais do que os de ordem técnica, são as principais barreiras na transição para sistemas agrícolas de baixo consumo de energia e uso intensivo da mão-de-obra (ALTIERI, 2002). Um dos obstáculos que pode ser encontrado para a prática agroecológica é que as grandes empresas agrícolas não têm interesse em tecnologias que preservem o meio ambiente e não lhes retornem o lucro estimado após os altos investimentos nas atuais tecnologias. Outros fatores, apontados por Altieri (2002), que agravam este quadro são que as técnicas sustentáveis devem ser específicas para cada local. Durante a fase de transição, a produção e a qualidade do produto podem variar e gerar irregularidades na colheita, inibindo

14 os investimentos, comprometendo os lucros dos produtores e suas relações com os atacadistas. 12 Importância da população rural Altieri (2001) afirma que o conhecimento de grupos locais com relação ao meio ambiente pode ser bastante detalhado, resultando na criação de estratégias produtivas de uso da terra e, dentro de alguns limites ecológicos e técnicos, na auto-suficiência alimentar das comunidades locais. Agroecologia e saber local são propostas de vários movimentos sociais no campo, como o Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), o Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA) e a Via Campesina. Numa agroecologia participativa, os objetivos econômicos, sociais e ambientais devem ser definidos pela comunidade rural local e implementados às tecnologias de baixo uso de insumos externos, para que haja o crescimento econômico, a igualdade social e a preservação ambiental (ALTIERI, 2001). Uma característica dos plantios realizados por agricultores tradicionais é a grande diversidade de culturas, o uso de sistemas agroflorestais (SAF s) e a prática de rotação de culturas. Esses produtores utilizam seus conhecimentos e os recursos disponíveis para obter uma colheita farta e diversificada e para não correr o risco de perder todo o plantio devido ao ataque de pragas. É uma atividade que exige tecnologia e gasto mínimo, além de garantir uma boa qualidade do solo. Para manter esta diversidade, também realizam trocas de sementes com outros produtores. De forma geral, Altieri (2001) aponta quatro aspectos dos sistemas tradicionais relevantes para a agroecologia: os conhecimentos sobre o meio ambiente local; o nome tradicional de determinada espécie (pode apontar sua importância ou função naquela comunidade); a natureza experimental do conhecimento tradicional (que não é resultado apenas de observações) e o conhecimento de práticas agrícolas. Policultivo na agroecologia O policultivo contribui com a saúde do solo. A tendência de algumas culturas em gastar todo o nutriente por ele oferecido é compensada pelo cultivo intercalado com outras espécies, o que o enriquece com matéria orgânica e garante uma produção regular e variada. Esta diversidade também pode reduzir a disseminação de pragas e modificar as

15 13 condições ambientais, como temperatura e luminosidade. Dessa forma, torna-as menos favoráveis à proliferação de doenças. O rendimento por hectare é mais alto em policultivos do que em monocultivos, mesmo se a produção individual de cada um dos componentes for reduzida. O consórcio entre leguminosas e outras espécies contribui para a preservação da fertilidade do solo, já que o nitrogênio contido nas leguminosas incrementa o existente no solo. O consórcio de diferentes espécies cria habitats para os inimigos naturais de pragas e patógenos. Há também a manutenção das relações ecológicas entre os seres vivos da lavoura, em virtude da diversidade de funções ecológicas (ALTIERI, 2001; FERNANDES, RIBEIRO e AGUIAR-MENEZES, 2005). Segundo Altieri (2001), o policultivo minimiza a sobreposição de nichos entre as espécies associadas, diminuindo a competição por recursos O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) A agricultura convencional favorece principalmente os grandes latifundiários, que monopolizam a produção e concentram a terra. No caso da estrutura fundiária brasileira, herdada do regime de capitanias/sesmarias e pouco alterada durante esses anos, a concentração de terras nas mãos de poucos foi intensificada (OLIVEIRA, 1994). Esse fato deu origem aos movimentos sociais que buscam a reforma agrária, que de acordo com Bittencourt (1998), visa além da distribuição da terra, necessariamente o acesso a políticas de infra-estrutura básicas e agrícolas, que permitam a implantação de um sistema produtivo viável, e o acesso a benefícios sociais, que promovam a justiça social e a cidadania. Na luta pela reforma agrária surgiu o MST, que atualmente age em diversos estados brasileiros. Para atingir seu objetivo, enfrenta problemas relacionados ao interesse de grandes proprietários e a sua imagem perante a sociedade (questão existente devido ao favorecimento ocasional dado aos latifundiários pelos meios de comunicação). O MST é a principal forma de organização social na luta pela terra e pela reforma agrária no país (FERNANDES, 1996). Segundo esse autor, a propriedade da terra é uma relação social que envolve trocas, conflitos e movimentos. Caracterizada por processos desiguais e conflitantes, já que em

16 14 contrapartida à dominação, expropriação e exploração realizada pelos latifundiários, há subordinação, resistência e libertação por parte dos trabalhadores rurais. A luta pela reforma agrária não visa apenas à distribuição de terras. Envolve a construção de organizações sociais, que possibilitam a conquista da terra, a propriedade coletiva dos meios de produção e o desenvolvimento de novas experiências (FERNANDES, 1996). O surgimento dos movimentos sociais no Brasil Durante os governos militares pós-64, houve o incentivo do desenvolvimento capitalista no campo. As condições necessárias para uma política agrária que favorecesse grandes empresas através de incentivos financeiros foram criadas. Segundo Fernandes (1996), a política agrária da ditadura possuía um projeto de reforma agrária que se transformou no Estatuto da Terra. O Estado manteve a questão agrária sob o controle do poder central, e o Estatuto impediu o acesso à terra aos camponeses, sendo ele estratégico para o controle das lutas sociais. Em 1970, o governo militar criou o Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (INCRA), fortalecendo grandes grupos econômicos. Iniciaram, também, as campanhas do Projeto Rondon, no qual a sociedade foi fortemente influenciada pelos meios de comunicação em massa, que escondiam em suas propagandas a verdadeira intenção do governo de não interferir no processo de aquisição de terras por estrangeiros e ainda incentivá-la através da política dos projetos agropecuários (FERNANDES, 1996). Os governos ditatoriais reprimiram as lutas pela terra. Assim, o governo militar realizou sua política agrária promovendo a modernização técnica no campo, sem alterar a estrutura fundiária. De acordo com Fernandes (1996), no início dos anos 70, os trabalhadores encontravam-se nas Comunidades Eclesiais de Base (CEB s) para se organizar na luta contra as injustiças e por seus direitos. Mesmo tendo apoiado o golpe de 64, a Igreja mudou de posição, e o envolvimento de alguns sacerdotes com a realidade dos trabalhadores (assim como o surgimento das CEB s como lugar de reflexão), modificou as relações políticas em diversas localidades. As CEB s tornaram-se um espaço de socialização política, onde as famílias reuniam-se para se conhecerem e pensar sobre o seu papel na sociedade. O crescimento da luta e da organização dos trabalhadores rurais era notado em todo o país. As várias ocupações de terra realizadas resultaram na fundação do MST, em 1984, na

17 15 cidade de Cascavel, no Paraná. Como objetivos principais: o combate a todas as formas de discriminação social e a busca pela participação igualitária da mulher. De acordo com Fernandes (1996, p. 121), a presença da família, durante toda a luta, possibilitava a criação de novas e ricas experiências, especialmente pelo grau de união e de integração da luta, por meio da criação de comissões na organização do acampamento, além da participação das mulheres como lideranças, fortalecendo o movimento. Os movimentos sociais no Estado de São Paulo Entre 1970 e 1980, a política econômica provocou mudanças no campo paulista. Houve um aumento na taxa de êxodo rural, diminuição do trabalho familiar e crescimento do trabalho assalariado. O aumento do número de posseiros, nos anos 80, relacionou-se ao avanço da luta pela terra e ao crescimento do número de ocupações. Nesse período, as conquistas aconteceram em terras públicas, já que o governo instalou assentamentos rurais em terras do Estado. A maior parte das conquistas resultou da organização dos movimentos sociais, que ocuparam diversas áreas, obrigando os governantes a regularizar suas situações. Em São Paulo pode-se observar uma grande diversidade nas políticas fundiárias, que originaram os assentamentos rurais devido a uma conflituosa origem política (BERGAMASCO e NORDER, 1999). A gênese do MST em São Paulo está registrada na luta dos posseiros da Fazenda Primavera contra a expropriação e a exploração. São características básicas das lutas que contribuíram para a formação do MST no estado: a superação das relações de dependência e a conquista de um espaço próprio O Projeto de Desenvolvimento Sustentável (PDS) O PDS é uma modalidade de projeto de assentamento de interesse sócio-econômicoambiental destinado às populações que desenvolvem ou estejam dispostas a desenvolver atividades de baixo impacto ambiental, baseando-se na aptidão da área (INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA, 2008). Nesta modalidade, o assentamento, segundo Goldfarb (2007), é constituído por pessoas que viveram muitos anos em grandes centros urbanos (ou nas cidades vizinhas), não possuindo um passado recente ligado a terra. Além de ser implantado em áreas próximas aos grandes centros urbanos, utiliza a agroecologia e a cooperação como diretrizes na produção.

18 16 No PDS, a propriedade permanece sempre com a União, não sendo permitida a sua divisão em títulos individuais. Os beneficiários garantem o direito de acesso a terra através da Concessão de Direito Real de Uso, a qual é sempre firmada de forma coletiva (INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA, 2008; GOLDFARB, 2007). Há também um termo de compromisso ambiental característico para cada PDS. De acordo com seu Plano de Utilização (PU), são estabelecidas as obrigações do assentado relativas ao meio ambiente. De acordo com Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (2008), esta modalidade é planejada através de um processo participativo entre INCRA, assentados e outros parceiros. Os assentados discutem e planejam suas necessidades e prioridades com o apoio e consentimento dos parceiros. Assim, o assentamento não é apenas uma unidade produtiva, mas também um espaço onde é possível unificar as práticas agrícolas ao desenvolvimento social e econômico das famílias, visando também à preservação da natureza. Ainda segundo este autor, o PU é o documento definidor dos rumos do desenvolvimento do PDS, e aborda e define diferentes aspectos, como os prazos e o processo de transição agroecológica na produção do assentamento. Nesse documento serão igualmente estabelecidas as áreas de uso, coletivas e individuais, a serem aprovadas pela comunidade e parceiros. Com relação à legislação, há um contrato de concessão real de uso que será renovado a cada 5 anos, para garantir o cumprimento das atividades previstas no PU; e um termo de compromisso ambiental, assinado pelo coletivo das famílias, responsabilizando-o pelo gerenciamento da área total do PDS (INSTITUTO NACIONAL DE COLONIZAÇÃO E REFORMA AGRÁRIA, 2008). Os lotes dos assentamentos do PDS geralmente são menores do que os dos assentamentos convencionais. De acordo com Goldfarb (2007), isso ocorre devido a dois fatores: O primeiro estipula o recebimento das parcelas de uso individual e coletivo pelas famílias; e o segundo, que as áreas serão reduzidas, devido à proximidade dos grandes centros urbanos. Entretanto, esse fato favorece o trabalho com hortifrutigranjeiros, o que permite uma maior agregação de valor aos produtos, compensando a menor área explorada.

19 Experiências do MST com a agroecologia O MST participa ativamente de encontros que abordam a reforma agrária, a agroecologia e a soberania alimentar dos povos. Para alcançar essa última, acredita-se ser necessário realizar a reforma agrária, ter acesso a produtos saudáveis (livres de produtos químicos), sendo fundamental a implementação da agroecologia. (STEFANO, 2007). Além disso, estimula a participação dos assentados nos Encontros Nacionais de Agroecologia e das crianças em eventos que a promovam (MST, 2006). Através desse envolvimento, os assentados notaram a importância das trocas de experiências e o sucesso daqueles que optaram pela produção orgânica (sem agrotóxicos). Além das plenárias, oficinas temáticas e seminários, os participantes organizam a Feira de Saberes e Sabores, onde podem expor a produção realizada por meio de técnicas agrícolas sem o uso de agrotóxicos e organismos geneticamente modificados (MST, 2007). Além dos incentivos do próprio movimento, os agricultores contam com a ajuda de instituições para a realização das práticas agroecológicas. A Embrapa, por exemplo, realiza treinamentos, capacitações e técnicas a fim de desenvolver plantas especiais para a agricultura familiar em assentamentos (EMBRAPA, 2005; EMBRAPA, 2006) e através do Projeto Embrapa Arroz e Feijão (FEIJÕES, 2002); O Instituto de Pesquisas Ecológicas (IPÊ) auxilia com o Projeto Café com Floresta (O PROJETO, 2007).

20 18 2. OBJETIVOS Este trabalho tem como objetivos: Levantamento sócio-ambiental dos acampados, identificando a trajetória de vida, relações com a terra, com o meio ambiente, pretensões futuras, entre outros aspectos; Elaboração de oficinas, através da análise dos dados, que subsidiem o incentivo às práticas da agroecologia, valorizando o conhecimento local e a preservação ambiental; Elaboração de cartilha, com a intenção de difundir, entre os acampados, os conhecimentos e os temas abordados nas oficinas.

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO [25] TRATADO SOBRE AGRICULTURA SUSTENTÁVEL PREÂMBULO Entendendo que: 1. O sistema sócio-econômico e político internacionalmente dominante, ao qual se articula o modelo industrial de produção agrícola e

Leia mais

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade)

Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural X Sustentabilidade) Categoria Resumo Expandido Eixo Temático - (Expansão e Produção Rural Sustentabilidade) Titulo do Trabalho PRODUÇÃO ORGÂNICA DE CANA-DE-AÇÚCAR, MANEJO E BIODIVERSIDADE Nome do Autor (a) Principal Vagner

Leia mais

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS.

ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. ANÁLISE DAS PRÁTICAS AGRÍCOLAS SUSTENTÁVEIS UTILIZADAS POR COMERCIANTES DA FEIRA DO PRODUTOR FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE SÃO GABRIEL-RS. Graciela Rodrigues Trindade (1) Bacharel em Gestão Ambiental formada

Leia mais

Agroecologia. Agroecossistema

Agroecologia. Agroecossistema Agroecologia Ciência integradora dos princípios agronômicos, ecológicos e sócio-econômicos na compreensão da natureza e funcionamento dos agroecossistemas. Agroecossistema Unidade de estudo da Agroecologia,

Leia mais

AGRICULTURA ORGÂNICA

AGRICULTURA ORGÂNICA Conceitos básicos Oficina do Grupo Meio Ambiente, Mudanças Climáticas e Pobreza Setembro 2009 O que é De modo geral, a agricultura orgânica é uma forma de produção agrícola que não utiliza agrotóxicos,

Leia mais

DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR DE COMUNIDADES

DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR DE COMUNIDADES XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 DISSEMINAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS BARRAGINHAS E LAGO DE MÚLTIPLO USO PARA SEGURANÇA HÍDRICA DE LAVOURAS E ALIMENTAR

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais

O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais O papel do engenheiro agrônomo no desenvolvimento das plantas medicinais Alexandre Sylvio Vieira da Costa 1 1.Engenheiro Agrônomo. Professor Universidade Vale do Rio Doce/Coordenador Adjunto da Câmara

Leia mais

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2

Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto de Miranda 2 XXIX CONGRESSO NACIONAL DE MILHO E SORGO - Águas de Lindóia - 26 a 30 de Agosto de 2012 Inovação Tecnológica e Controle de Mercado de Sementes Transgênicas de Milho 1 João Carlos Garcia 2 e Rubens Augusto

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

CONVIVER - Associação Conviver no Sertão

CONVIVER - Associação Conviver no Sertão CONVIVER - Associação Conviver no Sertão Avenda de produtos à CONAB¹, via PAA: a experiência das mulheres de Mirandiba Mirandiba, localizada no semiárido pernambucano, é um município novo, criado em 1958

Leia mais

Roteiro de visita a campo

Roteiro de visita a campo Roteiro de visita a campo 4Fs Brasil - The Forest Dialogue (TFD) 11-14 Novembro 2012, Capão Bonito, Brasil Dia 1 Domingo, 11 de Novembro 8:00 Saída dos hotéis 8:30 Chegada ao IDEAS e informações sobre

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

Café, Manga e Embaúba

Café, Manga e Embaúba Laranja Café, Manga e Embaúba CAFÉ + CEDRO AUSTRALIANO Café + Macadâmia - Viçosa - MG Café + Nativas - Simonésia - MG SISTEMAS SIMULTÂNEOS Cacau sombreado Cacau + seringueira (sul da Bahia) Sistema cabruca

Leia mais

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza

Legislação Territorial Agenda 21. Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza Legislação Territorial Agenda 21 Alunos: Allan Gomes Murian Rafael Di Cicco Clauber Rogério da Costa Leandro Benicio de Souza O que é Agenda 21? Agenda 21 é um conjunto de resoluções tomadas Eco-92, que

Leia mais

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha

Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Info-Guide On-line: Palmito Pupunha Introdução Nas décadas de 40 e 50 o Estado de São Paulo foi um dos maiores produtores nacional de palmito juçara atingindo praticamente 50% da produção nacional. Atualmente

Leia mais

RELATORIO QUANTITATIVO

RELATORIO QUANTITATIVO PREFEITURA MUNICIPAL DE TEIXEIRA DE FREITAS SECRETARIA MUNICIPAL DE AGRICULTURA RELATORIO QUANTITATIVO PROGRAMA DE AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS PAA O Programa de Aquisição de Alimentos - PAA, tem como finalidades

Leia mais

CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA

CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA CADERNO PRONAF AGROECOLOGIA Ministério do Desenvolvimento Agrário DILMA ROUSSEFF Presidenta da República PATRUS ANANIAS Ministro do Desenvolvimento Agrário Apresentação Sumário 4 FERNANDA MACHIAVELI Chefia

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

"O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia"

O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia "O combate à pobreza é básico e depende da recuperação ambiental e da Agroecologia" Brixius, Leandro* Praticar a agricultura ecológica, como vem defendendo durante décadas, e continuar espalhando o conhecimento

Leia mais

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1

A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 A Experiência do Instituto Ecoar para a Cidadania e da Associação Ecoar Florestal na conservação da sociobiodiversidade no Estado de São Paulo 1 Gabriela Priolli de Oliveira 2 João Carlos Seiki Nagamura

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

1a. prova 1 Agroecossistemas Denis Monteiro. Observando paisagens, percebendo os agroecossistemas

1a. prova 1 Agroecossistemas Denis Monteiro. Observando paisagens, percebendo os agroecossistemas 1a. prova 1 Agroecossistemas Denis Monteiro Observando paisagens, percebendo os agroecossistemas Percorrer o território brasileiro, observando a natureza e os povos, impressiona pela exuberância e diversidade.

Leia mais

Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP.

Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP. Estratégias Inovadoras em ATER Voltados à Transição Agroecológica e ao Desenvolvimento de SAFs: o Caso do Assentamento Ipanema, Iperó/SP. COSTA JR., Edgar Alves da 1. edgacj@yahoo.com.br; GONÇALVES, Pedro

Leia mais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais

Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais Estratégias de ação vinculadas ao manejo da agrobiodiversidade com enfoque agroecológico visando a sustentabilidade de comunidades rurais O desenvolvimento das ações em diferentes projetos poderão identificar

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão)

Maria Nezilda Culti 1 (Coordenadora da Ação de Extensão) IMPLANTAÇÃO DAS TECNOLOGIAS SOCIAIS: PRODUÇÃO AGROECOLÓGICA INTEGRADA SUSTENTÁVEL- PAIS (HORTA MANDALA), CISTERNA E FOSSA SÉPTICA BIODIGESTORA COMO MEIO DE SUSTENTABILIDADE PARA AGRICULTURA FAMILIAR. Área

Leia mais

ACAMPAMENTO MARIO LAGO - UM SONHO EM CONSTRUÇÃO

ACAMPAMENTO MARIO LAGO - UM SONHO EM CONSTRUÇÃO ACAMPAMENTO MARIO LAGO - UM SONHO EM CONSTRUÇÃO Kanaan, H. S. Esp. NEP - Núcleo de Políticas Públicas UDESC-Universidade do Estado de Santa Catarina hanen@ig.com.br Neste trabalho são apresentados os resultados

Leia mais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais

Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais Exercícios sobre África: Características Físicas e Organizações Territoriais 1. Observe o mapa a seguir. As partes destacadas no mapa indicam: a) Áreas de clima desértico. b) Áreas de conflito. c) Áreas

Leia mais

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense

Biomas Brasileiros. 1. Bioma Floresta Amazônica. 2. Bioma Caatinga. 3. Bioma Cerrado. 4. Bioma Mata Atlântica. 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense Biomas Brasileiros 1. Bioma Floresta Amazônica 2. Bioma Caatinga 3. Bioma Cerrado 4. Bioma Mata Atlântica 5. Bioma Pantanal Mato- Grossense 6. Bioma Pampas BIOMAS BRASILEIROS BIOMA FLORESTA AMAZÔNICA

Leia mais

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA

DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA DESCOMPACTAÇÃO DO SOLO NO PLANTIO DIRETO USANDO FORRAGEIRAS TROPICAIS REDUZ EFEITO DA SECA Por: Julio Franchini Área: Manejo do Solo Julio Franchini possui graduação em Agronomia pela Universidade Estadual

Leia mais

Problemas e desafios Soluções e ações propostas

Problemas e desafios Soluções e ações propostas FÓRUM DAS OFICINAS DO GRUPO DE TRABALHO DE AGRICULTURA ORGÂNICA E AGROECOLOGIA I - Introdução/Apresentações II - Comercialização III - Produção/Pesquisa/Assistência Técnica IV - Produção Animal V - Impactos

Leia mais

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta

O lema do grupo é sugestivo: Campo e Cidade se dando as mãos, que é também o título de um excelente documentário de autoria do cineasta 13/12/2015 - Copyleft Ameaçado o primeiro Assentamento Agroecológico do Rio de Janeiro O mais grave é que o laudo do MPF nega a possibilidade de permanência das famílias e ignora a potencialidade ambiental

Leia mais

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código?

Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Impacto das Alterações do Código Florestal: Quais Políticas de Conservação no Pós Código? Dr. Sergius Gandolfi IV Simpósio sobre RAD - Ibt 16/11/2011-14h- Capital (SP) Biólogo, Laboratório de Ecologia

Leia mais

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia

PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU. Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia PROGRAMA DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DA PECUÁRIA DE LEITE EM JARU Prefeitura Municipal de Jaru Embrapa Rondônia 81 81 83 72 88 68 Figura 1. Percentual de estabelecimentos de agricultura familiar nas regiões

Leia mais

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos

Biomas Brasileiros I. Floresta Amazônica Caatinga Cerrado. Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Biomas Brasileiros I Floresta Amazônica Caatinga Cerrado Mata Atlântica Pantanal Campos Sulinos ou Pampas Gaúchos Floresta Amazônica Localizada na região norte e parte das regiões centro-oeste e nordeste;

Leia mais

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG

BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG BOLSA VERDE: AVALIAÇÃO PRELIMINAR DO PAGAMENTO POR SERVIÇOS AMBIENTAIS A PROPRIEDADES RURAIS LOCALIZADAS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO XOPOTÓ MG Marcelo Oliveira Santos; Laércio Antônio Gonçalves Jacovine;

Leia mais

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO

TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO [16] TRATADO DAS FLORESTAS DEFINIÇÕES PARA EFEITO DESTE TRATADO Florestas Naturais são ecossistemas dominados por árvores ou arbustos, em forma original ou quase original, através de regeneração natural.

Leia mais

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas

Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas LEI Nº 13.550, DE 02 DE JUNHO DE 2009 Dispõe sobre a utilização e proteção da vegetação nativa do Bioma Cerrado no Estado, e dá providências correlatas O GOVERNADOR DO ESTADO DE SÃO PAULO: Faço saber que

Leia mais

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO

EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO EFEITO DE SISTEMAS DE CULTIVO E MANEJO NA CONSERVAÇÃO DO SOLO E PRODUTIVIDADE DAS CULTURAS PARA AGRICULTURA DE SEQUEIRO Nielson Gonçalves Chagas, João Tavares Nascimento, Ivandro de França da Silva & Napoleão

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Governo do Estado da Bahia Governador Jaques Wagner

Governo do Estado da Bahia Governador Jaques Wagner Cartilha 2007 Governo do Estado da Bahia Governador Jaques Wagner Secretaria de Meio Ambiente e Recursos Hídricos SEMARH Secretário Juliano Matos Chefe de Gabinete Adolpho Ribeiro Netto Diretor Geral Wesley

Leia mais

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente

Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Planejando o Uso da Propriedade Rural I a reserva legal e as áreas de preservação permanente Ricardo D. Gomes da Costa 1 Marcelo Araujo 2 A rápida destruição de ambientes naturais, juntamente com a redução

Leia mais

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta

Núcleo União Pró-Tietê. Água : O ouro azul do planeta Núcleo União Pró-Tietê Água : O ouro azul do planeta Água A água é um mineral, elemento químico simples (H 2 O) fundamental para o planeta. Forma oceanos, geleiras, lagos e rios. Cobre ¾ da superfície

Leia mais

Domínios Morfoclimáticos

Domínios Morfoclimáticos Domínios Morfoclimáticos Os domínios morfoclimáticos representam a interação e a integração do clima, relevo e vegetação que resultam na formação de uma paisagem passível de ser individualizada. Domínios

Leia mais

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES

CICLO DE PALESTRAS E DEBATES CICLO DE PALESTRAS E DEBATES PLC PROGRAMA Nº 30/11 NOVO PRODUTOR CÓDIGO FLORESTAL DE ÁGUA Ã NO GUARIROBA Á COMISSÃO DE AGRICULTURA E REFORMA AGRÁRIA DO SENADO FEDERAL Devanir Garcia dos Santos Gerente

Leia mais

OS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DE TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO ENÉAS RENTE FERREIRA ( 1 ) JOAO CLEPS JUNIOR ( 2 ) SILVIO CARLOS BRAY ( 3 )

OS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DE TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO ENÉAS RENTE FERREIRA ( 1 ) JOAO CLEPS JUNIOR ( 2 ) SILVIO CARLOS BRAY ( 3 ) OS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DE TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO ENÉAS RENTE FERREIRA ( 1 ) JOAO CLEPS JUNIOR ( 2 ) SILVIO CARLOS BRAY ( 3 ) RESUMO O presente trabalho procura analisar o processo

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1

Seres vivos. Mensagens aos jovens. Proposta 1 Mensagens aos jovens Nós, jovens, devemos nos organizar para a construção de projetos, em que possamos, juntos com a população e os órgãos responsáveis, nos responsabilizar pelo bem-estar do nosso patrimônio.

Leia mais

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires

Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Colégio Policial Militar Feliciano Nunes Pires Professor: Josiane Vill Disciplina: Geografia Série: 1ª Ano Tema da aula: Dinâmica Climática e Formações Vegetais no Brasil Objetivo da aula: conhecer a diversidade

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO. Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br

AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO. Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br AGROECOLOGIA E PRODUÇÃO DE FEIJÃO Agostinho Dirceu Didonet Pesq. Embrapa Arroz e Feijão didonet@cnpaf.embrapa.br Feijão no agroecossistema? Sistema de produção para o feijoeiro? Manejo funcional da agrobiodiversidade

Leia mais

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR

CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR CONTROLE BIOLÓGICO NA TEORIA E NA PRÁTICA: A REALIDADE DOS PEQUENOS AGRICULTORES DA REGIÃO DE CASCAVEL-PR 1 DELAI, Lucas da Silva; 1 ALVES Victor Michelon; 1 GREJIANIN, Gustavo; 1 PIRANHA, Michelle Marques

Leia mais

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil

Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Respostas das questões sobre as regiões do Brasil Região Norte 1. Qual a diferença entre região Norte, Amazônia Legal e Amazônia Internacional? A região Norte é um conjunto de 7 estados e estes estados

Leia mais

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO

APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO APÊNDICE C DIRETRIZES VOLUNTÁRIAS PARA A INTEGRAÇÃO DA BIODIVERSIDADE NAS POLÍTICAS, PROGRAMAS E PLANOS DE AÇÃO NACIONAIS E REGIONAIS DE NUTRIÇÃO Objetivo O objetivo das Diretrizes é apoiar os países a

Leia mais

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa

Índice de Confiança do Agronegócio. Realização Parceiros Pesquisa Índice de Confiança do Agronegócio Realização Parceiros Pesquisa Motivações Motivações Medir, trimestralmente, as expectativas dos diferentes agentes do agronegócio, como indústria de insumos, cooperativas,

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA

INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA TEL +55 34 3229 1313 FAX +55 34 3229 4949 celeres@celeres.com.br celeres.com.br IB14.03 16 de dezembro de 2014 INFORMATIVO BIOTECNOLOGIA Conteúdo Análise Geral... 2 Tabelas... 5 Figuras Figura 1. Adoção

Leia mais

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO

TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO [30] TRATADO SOBRE AS ZONAS ÁRIDAS E SEMI-ÁRIDAS PREÂMBULO 1. As zonas áridas e semi-áridas constituem um conjunto de formações naturais complexas, dispersas em vários pontos do planeta e muito diferenciadas

Leia mais

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL

RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL RESUMO DO PLANO DE MANEJO FLORESTAL Introdução Este documento é um resumo dos programas e procedimentos da International Paper para a gestão do seu processo florestal, sendo revisado anualmente. I N T

Leia mais

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012

PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 PLANO DE ESTUDOS 3º trimestre 2012 ano: 9º disciplina: geografia professor: Meus caros (as) alunos (as): Durante o 2º trimestre, você estudou as principais características das cidades globais e das megacidades

Leia mais

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente?

::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? O Meio Ambiente ::Seu João o Senhor sabe o que é o meio ambiente? Seu João: Não sei não! Mas quero que você me diga direitinho pra eu aprender e ensinar todo mundo lá no povoado onde eu moro. : Seu João,

Leia mais

Abordagens metodológicas para o planejamento da melhoria da produção e renda de comunidades de agricultores familiares

Abordagens metodológicas para o planejamento da melhoria da produção e renda de comunidades de agricultores familiares Abordagens metodológicas para o planejamento da melhoria da produção e renda de comunidades de agricultores familiares Zeke Beze Júnior Aluno do Mestrado do Centro de Desenvolvimento Sustentável-CDS Universidade

Leia mais

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE.

A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. A AGROFLORESTA AGROECOLÓGICA: UM MOMENTO DE SÍNTESE DA AGROECOLOGIA, UMA AGRICULTURA QUE CUIDA DO MEIO AMBIENTE. Alvori Cristo dos Santos, Deser, Fevereiro 2007. Há alguns anos atrás, um movimento social

Leia mais

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br

www.vivasustentavel.eco.br facebook.com/vivasustentavel.eco.br CICLO DOS ALIMENTOS Ter uma alimentação saudável é fundamental para a saúde. Na feira, padaria ou no supermercado, devemos escolher os melhores legumes e frutas, pães frescos, leite e outros produtos de

Leia mais

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente

EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS. Disciplinas da Formação Técnica Específica - FTE. Gestão da Qualidade Segurança e Meio Ambiente SECRETARIA DE EDUCAÇÃO DO E STADO DA BAHIA SUPERINTENDÊNCIA DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL- SUPROF DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DIRDEP EIXO TECNOLÓGICO: RECURSOS NATURAIS EMENTÁRIO:

Leia mais

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO

AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE RESUMO AVALIAÇÃO DA PRODUÇÃO DE HORTALIÇAS ORGÂNICAS NO MUNICÍPIO DE CORRENTE Suse Alves Ribeiro¹, Jildemar Oliveira dos Santos Júnior¹, Adriano da Silva Almeida² ¹ Alunos do Curso de Agronomia da UESPI de Corrente.

Leia mais

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA Prof.ª Dra. Irizelda Martins de Souza e Silva UEM Caroline Mari de Oliveira UEM Kethlen Leite de Moura UEM Thaís Godoi de Souza UEM Agência Financiadora:

Leia mais

Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais

Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais Projeto Horto, produção de mudas hortícolas, olerícolas e ervas medicinais Mostra Local de: Quatro Barras (Municípios de Quatro Barras, Piraquara, Pinhais e Campina Grande do Sul) Categoria do projeto:

Leia mais

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade.

ecoturismo ou turismo. As faixas de APP que o proprietário será obrigado a recompor serão definidas de acordo com o tamanho da propriedade. São as áreas protegidas da propriedade. Elas não podem ser desmatadas e por isso são consideradas Áreas de Preservação Permanente (APPs). São as faixas nas margens de rios, lagoas, nascentes, encostas

Leia mais

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha

Culturas. A Cultura do Milho. Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha 1 de 5 10/16/aaaa 11:24 Culturas A Cultura do Milho Nome A Cultura do Milho Produto Informação Tecnológica Data Outubro de 2000 Preço - Linha Culturas Resenha Informações resumidas sobre a cultura do milho

Leia mais

Aula 14 Distribuição dos Ecossistemas Brasileiros Floresta Amazônica Mais exuberante região Norte e parte do Centro Oeste; Solo pobre em nutrientes; Cobertura densa ameniza o impacto da água da chuva;

Leia mais

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com

Fonte: Rondônia Rural Disponível em: Rondônia Rural.com I. INTRODUÇÃO O estado de Rondônia está localizado na região Norte do Brasil, a região Norte é a maior das cinco regiões do Brasil definidas pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE)

Leia mais

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são:

Especialização em Direito Ambiental. 3. As principais funções das matas ciliares são: Pedro da Cunha Barbosa. Especialização em Direito Ambiental. Área do conhecimento jurídico que estuda as relações entre o homem e a natureza, é um ramo do direito diferenciado em suas especificidades e,

Leia mais

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica

Tecnologia & Engenharia Desafio Prático. Temporada 2014. Tecnologia & Engenharia. Desafio Prático. Torneio Brasil de Robótica Temporada 2014 Tecnologia & Engenharia Desafio Prático Tecnologia & Engenharia Desafio Prático 7 3 1 4 5 6 2 1. Agroenergia: Descrição: trata-se da fabricação e uso dos diversos tipos de biocombustíveis

Leia mais

Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1

Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1 Levantamento de Indicadores de Sustentabilidade no Assentamento Antonio Conselheiro, Município de Barra do Bugres 1 B. R. WINCK (1) ; M. Rosa (2) ; G. LAFORGA (3), R. N. C. FRANÇA (4), V. S. Ribeiro (5)

Leia mais

FICHA PROJETO - nº 045-MA

FICHA PROJETO - nº 045-MA FICHA PROJETO - nº 045-MA Mata Atlântica Grande Projeto 1) TÍTULO: Floresta Legal corredores florestais conectando habitats e envolvendo pessoas 2) MUNICÍPIOS DE ATUAÇÃO DO PROJETO: Silva Jardim, Rio Bonito,

Leia mais

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação

Praticando seus conhecimentos sobre desertificação Praticando seus conhecimentos sobre desertificação O fenômeno de desertificação pode ocorrer através de um processo natural ou pela ação humana. O manejo inadequado do solo para agricultura, atividades

Leia mais

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor

8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor 8ª Edição do Prêmio Prefeito Empreendedor Projeto nº: 1. 293050/2013 Município: UF: Prefeito: Serrinha BA Orçamento total da Prefeitura: R$ 58.680,00 Qtd. Emp. Form.ME, EPP. EI: Estimativa de Emp. Informais:

Leia mais

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ.

CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. ISBN 978-85-61091-05-7 V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 CONSUMO E GRAU DE CONHECIMENTO SOBRE PRODUTOS ORGÂNICOS EM FEIRAS NA CIDADE DE MARINGÁ. Amanda

Leia mais

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL

CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL CONSELHO PERMANENTE DE AGROMETEOROLOGIA APLICADA DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL Prognósticos e recomendações para o período Maio/junho/julho de 2014 Boletim de Informações nº

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado

Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Mobilização social em defesa dos direitos dos Povos e da conservação do Bioma Cerrado Luis Carrazza Apresentação no encontro temático do CONSEA Água, soberania e segurança alimentar e nutricional São Paulo/SP

Leia mais

MULHERES NA FUMICULTURA. Adriana Gregolin

MULHERES NA FUMICULTURA. Adriana Gregolin MULHERES NA FUMICULTURA Adriana Gregolin Características gerais Em 2007 as mulheres representavam 41% do emprego total na agricultura no mundo. Na África mulheres executam 80% dos trabalhos domésticos

Leia mais

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências.

PROJETO DE LEI Nº 51/2008. Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. PROJETO DE LEI Nº 51/2008 Institui a Política Estadual de Combate e Prevenção à Desertificação e dá outras providências. A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DO ESPIRITO SANTO DECRETA: Art. 1º Esta lei institui

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO -

III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL. USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - III CONGRESSO BRASILEIRO DE REFLORESTAMENTO AMBIENTAL Vitória (ES), 06 de novembro de 2014 USO econômico SUSTENTÁVEL DE FLORESTAS AMBIENTAIS - OS CASOS SERINGUEIRA E CACAUEIRO - Adonias de Castro Virgens

Leia mais

O PROBLEMA MUNDIAL DA ÁGUA Você sabia que:

O PROBLEMA MUNDIAL DA ÁGUA Você sabia que: O PROBLEMA MUNDIAL DA ÁGUA Você sabia que: 1.1 bilhão de pessoas - uma em cada cinco - não tem água potável para consumirem 2.4 bilhões de pessoas - duas em cada cinco - vivem sem saneamento básico 3.4

Leia mais

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil

Número 24. Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no Brasil Número 24 Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 29 de julho de 2009 COMUNICADO DA PRESIDÊNCIA Carga horária de trabalho: evolução e principais mudanças no 2 1. Apresentação Este

Leia mais

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC

BANCO DA AMAZÔNIA. Seminário Programa ABC BANCO DA AMAZÔNIA Seminário Programa ABC O BANCO DA AMAZÔNIA Missão Criar soluções para que a Amazônia atinja patamares inéditos de desenvolvimento sustentável a partir do empreendedorismo consciente.

Leia mais

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão

Documentos 297. Agostinho Dirceu Didonet. ISSN 1678-9644 Março, 2014. Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária. Embrapa Arroz e Feijão ISSN 1678-9644 Março, 2014 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 297 O Papel das Mulheres no Desenvolvimento

Leia mais

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP

Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br - LERF/LCB/ESALQ/USP Conferência 09 Dinâmica de Florestas e Recuperação de Áreas Degradadas 19º. Congresso de Biólogos do Conselho Regional de Biologia - 01 30/07/2009 (11:00 12:00h) São Pedro, SP. Dr. Sergius Gandolfi sgandolf@esalq.usp.br

Leia mais

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR Ana Paula Pereira¹, Anselmo Cesário², Cinthia M. Liminides Silva³, Daiana Regina de Lima 3, Demes Nunes da Mota 4, Karina

Leia mais

Entrevista com Clarice dos Santos - Coordenadora do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA

Entrevista com Clarice dos Santos - Coordenadora do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA Entrevista com Clarice dos Santos - Coordenadora do Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária - PRONERA O Programa Nacional de Educação na Reforma Agrária traz um novo impulso para a Educação do

Leia mais