RESULTADOS ECONÔMICOS DOS ASSENTAMENTOS RURAIS DA ZONA DA MATA DE PERNAMBUCO. RESUMO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "RESULTADOS ECONÔMICOS DOS ASSENTAMENTOS RURAIS DA ZONA DA MATA DE PERNAMBUCO. RESUMO"

Transcrição

1 RESULTADOS ECONÔMICOS DOS ASSENTAMENTOS RURAIS DA ZONA DA MATA DE PERNAMBUCO. José Maurício Pereira Marcio Miceli Maciel de Sousa RESUMO O trabalho analisa o processo de reforma agrária na Mata Pernambucana, a partir de dois estudos de caso, enfatizando os aspectos referentes ao acesso à terra e à diferenciação econômica e social entre os assentados. No estudo foram utilizados documentos recentes de instituições como CONDEPE, INCRA, IBGE, artigos de revistas e contatos feitos com a FETAPE. Foi realizado um diagnóstico da região, identificando-se os principais problemas e potencialidades da sua agropecuária. Estudou-se a problemática dos assentamentos rurais no país e na região. Foram realizadas entrevistas referentes ao objeto do estudo, nos municípios de Vicência e Vitória de Santo Antão. A maioria dos entrevistados sente dificuldade em utilizar a terra, em sua extensão e em intensidade, por falta de condições materiais e de apoio necessários. Disso resulta uma agricultura atrasada tecnologicamente, repercutindo no baixo nível de vida das famílias. Os assentados passaram por dificuldades enquanto acampados, como o frio, a fome e a expectativa de confronto com a polícia. A falta de apoio e de infra-estrutura determina uma diferenciação socioeconômica entre as famílias assentadas. As principais reivindicações dos assentados são a utilização de irrigação e a disponibilidade de um trator comunitário. A metade da produção dos assentados destina-se ao consumo familiar. Palavras-Chave: Assentamentos Rurais, Agricultura Familiar, Viabilidade Econômica. INTRODUÇÃO A reforma agrária no Brasil há tempo vem sendo executada, acumulando resultados tímidos e incapazes de modificar sua estrutura fundiária, caracterizada por uma injusta concentração de terras. Dados de 1995 do IBGE - Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística - mostram que no país 2,2% dos estabelecimentos correspondentes as unidades com 500 ha ou mais ocupam 56,5% da área total das terras no Brasil. O estudo trata da execução da reforma agrária na mesorregião da Mata Pernambucana pela análise da sua execução em dois projetos de assentamento. Prioriza os aspectos que dizem respeito às formas de luta pelo acesso à terra e à diferenciação econômica e social entre os assentados. A Zona da Mata de Pernambuco historicamente foi, e continua sendo, palco de disputas acirradas e conflitos pela posse e uso da terra. No período colonial o modo de produção era

2 2 calcado na plantation, mantido através de um tripé constituído da monocultura canavieira, do trabalho escravo e do latifúndio. O sistema deixou uma herança negativa, contribuindo de forma significativa para a formação de uma estrutura agrária concentrada, vigente até hoje. Dados atuais do INCRA mostram que é nesta região onde se concentra o maior número de assentamentos rurais do Estado, perfazendo 93 projetos que abrigam aproximadamente famílias. Nestas áreas, em geral, a produção é feita sem utilização de técnicas agrícolas avançadas, resultando na oferta de um produto sem competitividade no mercado. A venda dos poucos excedentes da produção é realizada através de intermediários, a preços sempre desvantajosos para o produtor rural. A maioria das famílias, portanto, apenas trabalha para a subsistência, apresentando renda monetária média abaixo de um salário mínimo mensal. A Mata Pernambucana representa 8,6% da área do estado de Pernambuco. Sua população, calculada no ano de 2000 através do Censo (IBGE), atingia habitantes, representando 15,5% do total no estado. A densidade demográfica alcançava 143 hab/km². Da população total, 69% vivem em áreas urbanas e 31% em áreas rurais. (CONDEPE, 1998, p.27). A demanda dos trabalhadores por terra é grande. A pressão das representações dos sem-terra levou o governo a promover a divisão de lotes familiares, cujo tamanho médio varia entre 5 e 7 hectares. O espaço cultivado não se constitui na sua totalidade por produção de cana-de-açúcar, mas também de lavouras anuais e permanentes, além da pecuária. A cana apresenta a maior área plantada, seguida pela banana e pela mandioca. A exploração da cana-de-açúcar ocupava até recentemente 86,45% do total da área cultivada (CONDEPE, 1998, p.43). As áreas exploradas com outras lavouras, permanentes e temporárias, correspondiam a 13,55% do total cultivado. Ainda segundo o CONDEPE (1998), somente 250 mil hectares na mesorregião apresentam condições satisfatórias para o cultivo da cana-de-açúcar; o que equivale dizer que, dos 450 mil hectares hoje cultivados (dados proporcionados pelos fornecedores de cana), há em torno de hectares disponíveis para outras lavouras. O programa de redistribuição de terra na Zona da Mata vem se realizando de forma muito lenta e ineficiente, mesmo se considerando a grande heterogeneidade dos projetos e dos seus assentados a trajetória seguida para obtenção da terra, a experiência acumulada por cada beneficiário, diferenças de idade, composição do grupo familiar, ideologias e práticas religiosas, as aspirações pessoais, entre outros aspectos. Os principais passos metodológicos seguidos na elaboração do estudo foram: revisão bibliográfica, seleção dos dois assentamentos, contatos com técnicos do INCRA e outras instituições e utilização de materiais do seu acervo, reuniões com membros da FETAPE Federação dos Trabalhadores da Agricultura em Pernambuco, duas viagens a cada assentamento, entrevista com 9 assentados. No INCRA foi obtida a relação dos assentamentos existentes na Mata Pernambucana, contendo detalhes referentes ao número de famílias instaladas em cada assentamento, o município a que pertence e a área ocupada por cada um deles. A seguir foram executados os trabalhos de análise das informações coletadas e elaboradas as conclusões do estudo. A escolha dos dois assentamentos a serem definidos como objeto de estudo foi norteada levando-se em conta: a maturação do projeto, a representatividade em número de famílias, a data de fundação e a localização de um assentamento na Mata Setentrional e outro na microrregião de Vitória de Santo Antão, levando-se em consideração assim a heterogeneidade da mesorregião. Os

3 3 dois que mais se enquadraram mediante as características exigidas foram os assentamentos de Barrinha/Firmativo e Açude Grande. A partir de uma maior precisão no objeto do trabalho, contou-se com uma rica fonte de estudo para caracterização e análise do funcionamento dos assentamentos, identificando os principais problemas por eles vivenciados, as potencialidades ali existentes que ainda não haviam sido aproveitadas, bem como e de que forma esses projetos poderiam contribuir para o aumento do dinamismo econômico da Mata pernambucana. A partir da coleta de dados obtidos com a aplicação de dois questionários foram elaborados os resultados da pesquisa, apresentados em forma de tabelas, cujo resultado da tabulação é apresentado em percentuais, dando suporte para a elaboração da conclusão do trabalho. Nos dois estudos de caso referidos constatou-se que a reforma agrária implantada na Mata pernambucana apresenta resultados que estão longe de promover o bem-estar da maioria das famílias assentadas. Com pouco acesso aos serviços de apoio à produção e partindo de dificuldades financeiras e tecnológicas dos assentados, as atividades agrícolas são praticadas com baixa produtividade. No item I serão estudadas as características dos assentamentos, em particular os dois projetos selecionados Barrinha/Firmativo, em Vicência e Açude Grande, em Vitória de Santo Antão - e analisadas as informações obtidas na pesquisa. No item II o estudo apresenta suas conclusões e recomendações. 1. ASSENTAMENTOS RURAIS Durante a década de 1950 tornava-se cada vez mais nítida a intensificação do fluxo de mão-de-obra que se deslocava da região Nordeste em busca de uma condição de vida melhor, no Sudeste brasileiro, mais especificamente nos estados de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Nestas localidades a indústria, principalmente a da construção civil, gerava uma grande oferta de emprego e renda para a população, transformando-se assim, num grande pólo de atração para emigrantes de outras regiões. A migração de parte da população da região Nordeste trouxe várias dificuldades para os latifundiários no que diz respeito à carência de braços no campo, fenômeno esse que jamais havia ocorrido, elevando o preço da mão-de-obra. Paralelamente a esses dois entraves, surgiam as Ligas Camponesas representadas pelo advogado Francisco Julião que lutava pela igualdade de direitos trabalhistas entre trabalhadores rurais e urbanos. Juntamente com os sindicatos foram responsáveis pela organização dos trabalhadores rurais que de tanto insistirem e reivindicarem tiveram seus direitos garantidos e reconhecidos em 1963, quando foi implantado o Estatuto do Trabalhador Rural. Mediante este quadro, muitos proprietários resolveram transformar parte de sua fazenda em atividade pecuária; já que esta necessitava de menos mão-de-obra e pelo fato do preço da carne não estar em decadência como o do açúcar, proporcionaria assim, a manutenção do capital fundiário.

4 4 Os assentamentos rurais representam uma situação recente na questão agrária brasileira. A partir da década de 1980, esse processo foi intensificado devido às fortes pressões dos movimentos sociais, representantes de setores marginalizados do acesso à terra. Através de muita força e luta, esses movimentos foram ganhando espaço e voz perante o Governo e a sociedade, constituindo-se num agente imprescindível no processo de transformação deste quadro. O desempenho dos projetos de reforma agrária constitui um tema muito presente na sociedade e há uma expectativa a respeito do êxito ou do fracasso dos assentamentos. Pesquisa da FAO mostra que os projetos de reforma agrária no Nordeste atingem resultados econômicos entre os piores do país. Deve-se registrar que a diversificação de culturas constitui uma das bandeiras dos movimentos pela distribuição da terra na Zona da Mata. É marcante a trajetória de obediência e da falta do exercício em tomar decisões por parte dos produtores assentados, devido à condição anterior de assalariados, dependentes de ordens emanadas dos chefes que organizavam as tarefas a serem por eles cumpridas. Hoje, proprietários de parcelas de terra, um grande número de assentados tem dificuldade em tomar iniciativas em benefício do desenvolvimento dos seus trabalhos. Ninguém vira empresário da noite para o dia, é difícil sair do corte da cana e chegar a empresário rural. Esta é a principal dificuldade dos assentados (Ana Navais, professora da UFRPE). O processo de reforma agrária vem se delineando de forma lenta na Zona da Mata de Pernambuco, como em todo o restante do País. A quantidade demandada de terras ainda é muito maior que a oferta proporcionada pelo INCRA. Permanece a rigidez na estrutura de posse e uso da terra. A formação dos assentamentos rurais no Brasil ocorreu logo após a criação do Estatuto da Terra em 1964 pelo governo militar. A distribuição de terras há muito vem apresentando resultados decepcionantes, quando comparados à meta estipulada pelo governo. Como exemplo, a proposta pelo Plano Nacional de Reforma Agrária no período entre 1985 e 1989 que previa o assentamento de 1,4 milhões de famílias, alcançou apenas 6,5% do objetivo. Percebe-se a imensa defasagem entre o número de famílias assentadas anualmente pelo governo FHC, girando em torno de 70 a 80 mil por ano, em relação à demanda reprimida, a qual, segundo o MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra) encontra-se em torno de quatro milhões de famílias. Quanto ao Governo Collor, apesar de seu compromisso inicial, o programa de assentamentos foi paralisado, não se registrando neste período nenhuma desapropriação por interesse social. O número de famílias assentadas foi insignificante. A evasão há muito representa um enorme problema para a política agrária brasileira. Estima-se que 40 a 50 mil famílias abandonam suas glebas por ano devido à falta de infraestrutura necessária para desenvolver uma atividade agropecuária capaz de faze-los ascender social e economicamente. Segundo listagem obtida no INCRA, existem atualmente 67 assentamentos na Mata Meridional, abrigando famílias. Na Mata Setentrional são 16 assentamentos que abrigam 912 famílias e na microrregião de Vitória de Santo Antão identificam-se 10 assentamentos constituídos por 490 famílias (INCRA, 2002). A liberação de crédito fora do calendário agrícola, a morosidade na demarcação dos lotes familiares, a falta de assistência técnica contínua e a ausência de cooperativas, contribuem de

5 5 forma significativa para que famílias desistam de serem assentadas, passando a trabalhar novamente na agricultura patronal. Uma estrutura que poderia ser aproveitada pelos assentamentos foi criada por iniciativa do INCRA, em articulação com outras instituições na Zona da Mata: a Agência Regional de Comercialização ARCO que objetiva melhorar a renda dos agricultores familiares e promover a sua inserção competitiva no mercado. Foram instaladas duas agências, sendo uma na Mata Meridional e outra na Mata Setentrional. A ARCO define como condição indispensável que haja uma efetiva assistência técnica aos produtores e uma estrutura de assessoramento na realização de negócios. Também pretende estimular o cooperativismo. É cedo para uma análise da atuação deste instrumento, levando em conta sua recente implantação no estado. Todavia pode-se perguntar se o esforço e os recursos destinados à ARCO são condizentes com o tamanho do problema da comercialização e da inserção dos produtores no mercado. A composição populacional dos assentamentos é heterogênea, constituída de assalariados rurais, antigos moradores e assalariados de engenhos e usinas, filhos de trabalhadores que exerciam diversos trabalhos não-agrícolas, formais ou informais, posseiros, parceiros, arrendatários e aposentados. No que se refere à inserção social e à identificação política, os assentados da Zona da Mata de Pernambuco são mobilizados pelo MST, pela Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado de Pernambuco FETAPE, pela Comissão Pastoral da Terra CPT, pelas Comunidades Eclesiais de Base CEBs. Cada um desses agentes institucionais propõe um modelo de organização econômica e social (D INCAO e ROY, 1995 p.27). Nos dias 15 e 16 de abril de 2003 aconteceu no Recife um seminário promovido pelo INCRA, intitulado O Novo Modelo de Reforma Agrária, Instrumento de Inclusão Social e Desenvolvimento Socioeconômico. No evento foi realizado um balanço do número de famílias assentadas nos dois mandatos do ex-presidente Fernando Henrique Cardoso. Foi também apresentado o projeto de reforma agrária do presidente Luís Inácio Lula da Silva, bem como a meta de assentar famílias em 2003 no estado de Pernambuco. Este número foi considerado pequeno pelos representantes dos movimentos sociais presentes no evento. O superintendente do INCRA em Pernambuco prometeu que o órgão faria um esforço máximo para dobrar esta meta. 1.1 Assentamento Barrinha Firmativo Os engenhos Barrinha e Firmativo foram desapropriados, mediante o Decreto publicado no Diário Oficial da União em 25 de novembro de O projeto de assentamento foi criado em 13 de agosto de 1999, apresentando uma área de 374,55 ha dividida entre 36 famílias rurais, estando situado a 87km do Recife e 8km da Sede Municipal. As casas dos assentados dispõem de energia elétrica e foi moldada no sistema de agrovilas. O assentamento dispõe de uma Cooperativa de Produção Agropecuária. A produção está ligada ao cultivo de feijão, macaxeira e milho, em sua maior parte para subsistência. A falta de possibilidades financeiras para adquirir insumos representa uma grande dificuldade para os produtores em combater as pragas. No início das atividades no assentamento

6 6 foi elaborado um projeto para plantar limão e côco, sendo acordado, também, que cada assentado deveria comprar uma vaca. A educação é desenvolvida de forma ineficiente no assentamento Barrinha/Firmativo. As taxas de analfabetismo são bastante elevadas. Os problemas são os mesmos vividos pela educação pública brasileira. A saúde da população residente no assentamento Barrinha/Firmativo é bastante precária. Existem problemas como a verminose causada pela falta de higiene no preparo dos alimentos, pela falta d água apropriada para o consumo e pelo contato com animais domésticos que não recebem vermifugação. Um problema bastante sério é o do alcoolismo. Do total da área foram reservados 75 ha para a constituição de área de reserva, seguindo e respeitando as leis de amparo ao meio ambiente. O INCRA considera como adequados para o assentamento a bovinocultura de leite e carne, a plantação de fruteiras, o cultivo do inhame e da banana. Entrevistado, o senhor João José da Silva, pai de um filho e residente da parcela de número 09, revelou o quanto foi dura a chegada à terra: O começo foi bastante duro, fomos despejados do acampamento de Terra Nova por setenta policiais. O proprietário da terra nos ofereceu o engenho Barrinha-Firmativo para a desapropriação. Ficamos debaixo de lonas em Terra Nova por um bom tempo, onde plantávamos apenas para o nosso consumo. Seu João afirmou que houve ajuda por parte do MST e de um deputado federal às pessoas acampadas. As parcelas já estão demarcadas, mas a terra ainda não está regularizada. Dentro do assentamento existem algumas parcelas melhores do que outras. Outra pessoa entrevistada foi o senhor José Roberto da Silva, pai de quatro filhos e residente da parcela de número 04: A terra que nos foi dada é pouca e fraca, além de ser desnivelada. Os sete hectares da parcela não é suficiente para nós plantar, além do mais algumas terras são melhores do que as outras. No inverno a parcela alaga e no verão seca ligeiro. Aqui só tem energia na casa, não tem na parcela. A energia é fraca por ser do tipo monofásica, dificultando e muito a instalação de um projeto de irrigação aqui no assentamento. A última entrevista foi bastante curiosa, pois a assentada não participou do acampamento. Dona Maria José Barros Pereira, mãe de três filhos e residente da parcela de número 08, considera o tamanho de sua parcela suficiente, bem como a qualidade de sua terra Assentamento Açude Grande O engenho Açude Grande, localizado em Vitória de Santo Antão resultou da situação vivida pela Zona da Mata, palco de disputas pelo uso da terra entre proprietários e produtores sem-terra. Era utilizado pelo proprietário para criação de gado. Mesmo tomando essa medida alternativa, a propriedade sofria com a baixa produtividade obtida pela má administração por

7 7 parte do proprietário do estabelecimento. O fracasso das atividades fez com que o engenho ficasse em situação difícil. Um grupo de trabalhadores sem-terra orientados pela FETAPE e pelo sindicato de Vitória de Santo Antão resolveu ocupar o engenho em 1997, transformando-o em acampamento. Um empecilho inicial, que foi contornado através do diálogo entre os acampados e os técnicos do INCRA, foi referente à divisão das parcelas e ao estabelecimento de uma área padrão. Segundo o módulo fiscal do INCRA, a área do assentamento, de aproximadamente 300 hectares, deveria receber apenas 27 famílias, pois o módulo oficial para a Zona da Mata Pernambucana é de 15 hectares por pessoa detentora da titularidade da terra. Os representantes dos assentados mantiveram firmes e inalterados a opção pelas 47 famílias. O INCRA decidiu cedeu, ressalvando-se a condição de que todos deveriam assinar uma declaração assumindo perante a sociedade a responsabilidade de terem querido ficar com parcelas de apenas 5 hectares. Uma vez assumida o lote, a demarcação e o parcelamento da terra conquistada foi financiado pela produção remanescente de cana-de-açúcar vendida por dez mil reais, sendo utilizado parte desse dinheiro para o pagamento de uma firma contratada para fazer os trabalhos topográficos, dando a cada assentado o mapa de sua parcela e da área comunitária do assentamento. O dinheiro restante foi utilizado na contratação de um geólogo que juntamente com sua equipe fez os estudos e localizou sete poços artesianos. Vencida a batalha pela água, começava outra dura conquista pela energia elétrica, ainda mais árdua, já que a CELPE (Companhia Energética de Pernambuco) havia sido privatizada. Depois de muita luta foi instalada às vésperas do Natal de 1999 a energia nas casas dos parceleiros, sendo do tipo monofásica. Seu Regino é um dos sete chefes de família que já moravam no engenho antes desse se tornar acampamento. Ele considera a terra como sendo de boa qualidade, mas no que diz respeito ao tamanho da parcela ele a classifica como pequena e insuficiente. : Falta muita coisa como: irrigação, energia elétrica trifásica em toda a parcela, um trator que nos ajude na plantação, um transporte, uma escola melhor, mais dinheiro, assistência técnica e uma Igreja Católica para nós rezar. A terra é fraca, precisa de adubo, mas uso apenas estrume de gado para adubar a plantação. O dinheiro é muito curto pra comprar adubo. Uma diretora do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Vitória de Santo Antão falou: Eu participei de uma associação e juntamente com o sindicato iniciei a luta pela terra. Senti grande dificuldade em chegar no acampamento, pois morava em Pombos. Deixei meu marido e meus filhos para ir lutar no acampamento em busca de um pedacinho de chão para que pudesse morar e plantar. A senhora Maria das Dores de Sousa, mãe biológica de dois filhos e adotiva de um, residente na parcela de número 24 revelou que: Não houve resistência por parte da polícia nem por parte do senhor de engenho, quando acampamento todos nós se ajudávamos (sic), o trabalho era feito em conjunto e no final agente dividia a produção.

8 8 A terra não está regularizada porque nós não recebemos ainda o título de posse, a terra já tá toda demarcada. Algumas parcelas são melhores do que as outras. Dona Maria revelou que o acesso à água é difícil e cansativo. Ela aponta a falta de assistência técnica como sendo um outro grave problema a ser combatido. Pela falta de um veterinário que desse assistência ao assentamento, ela perdeu a sua única vaca, de onde tirava o leite das crianças. A terra tem que ser adubada, pois ela é de má qualidade, eu não adubo ela porque não tenho dinheiro para isso. A terra está no seu nome, o que demonstra o espaço conquistado gradativamente pelas mulheres no meio rural. Dentro do assentamento Açude Grande existem sete proprietárias de parcelas rurais. O senhor Edílson confessou que muitos assentados estão substituindo a lavoura branca pelo cultivo da cana-de-açúcar. Pois a cana rende lucros 3 vezes maiores do que a plantação de inhame, macaxeira, feijão e hortaliças. Entrevistando o senhor Amaro Vicente da Silva, pai de cinco filhos e residente da parcela de número 26, este revelou: Nós chegamos no acampamento em 1997, tivemos de passar alguns meses lutando para que o engenho fosse transformado em assentamento, passamos necessidades de todo tipo. Quando já estávamos assentados recebemos a ajuda do sindicato da construção civil. O tamanho da terra é suficiente, a terra que não é boa, por conta de quando bate a chuva alaga tudo e, quando está seco é inviável a plantação. Falta um maior apoio por parte do Governo Federal principalmente em assistência técnica Alguns demonstraram intranqüilidade com o futuro e a sua situação de assentado. A terra é financiada pelo Governo Federal, não sei quando vou ter que começar a pagar a terra. Através do corpo-a-corpo com os assentados obteve-se a possibilidade de ouvir as inúmeras reivindicações feitas por eles, consideradas fundamentais para que o assentamento prospere tanto no prisma econômico quanto no que diz respeito ao social. Várias foram às dificuldades por eles apontadas. A terra tem que ser adubada, pois ela é de má qualidade, eu não adubo ela porque não tenho dinheiro para isso. Não utilizo adubo por não ter condições financeiras, somente a terra não é suficiente para a minha sobrevivência e da minha família. Por isso trabalho como topógrafo. Se eu utilizasse adubo e a minha parcela fosse irrigada aumentaria a produtividade da minha terra. Na sede do Sindicato de Vitória de Santo Antão, o atual Secretário de Finanças, destaca a falta de comprometimento com a agricultura familiar representado através da criação de um processo de burocratização que dificulta e muito a melhoria de vida das pessoas dependentes do dinheiro obtido junto aos bancos. Segundo ele, há dez anos atrás a inadimplência da pequena produção era mínima, enquanto hoje vem aumentando de forma preocupante.

9 RESULTADOS Sobre o processo de chegada a terra e a organização no acampamento, 100% dos entrevistados declararam ter passado por dificuldades enquanto acampados. Em relação a organização do acampamento todos foram unânimes ao revelar o modo de trabalho coletivo com divisão da produção após a colheita. Das dificuldades na obtenção da terra, 44% apontaram o despejo sofrido mediante atuação policial e a dificuldade e lentidão no processo de transformação de acampamento em assentamento como os principais problemas. Ao serem perguntados sobre quem os ajudou, mais da metade afirmou ter recebido ajuda da FETAPE, do Sindicato e de um deputado estadual. Enquanto 22,3% disseram não terem recebido ajuda de ninguém e, 11% falaram ter recebido ajuda de um deputado federal, do MST e da prefeita de Vicência. Todos os entrevistados afirmaram que a terra encontra-se demarcada, enquanto 89% disseram que a terra não está regularizada. Um pouco menos da metade das pessoas entrevistadas consideram o tamanho da parcela insuficiente, não atendendo às suas necessidades e mais da metade acham o solo pobre e de má qualidade. Entre os entrevistados, 77,8% declararam necessitar de adubo para que a terra se tornasse mais produtiva. A tabela abaixo representa os principais problemas da parcela apontados pelos entrevistados. Tabela nº 1 - Reivindicações Feitas pelos Assentados Reivindicações (%) Irrigação 100 Trator comunitário 100 Água encanada 44 Energia trifásica na parcela 77 Crédito extra 44 Adubo orgânico 33 Assistência técnica 55 Fonte: Pesquisa de Campo.PIBIC 2002/2003.

10 10 No que se refere à mecanização dos trabalhos, não havia o uso de equipamentos a tração mecânica ou animal. A totalidade dos entrevistados considera a falta de irrigação e de um trator comunitário como principais problemas vivenciados. Em segundo lugar aparece a falta de energia trifásica na parcela, restringindo o consumo, em geral, e a irrigação em particular Apenas dois dos nove assentados não mencionaram o problema. Em terceiro lugar aparece a falta de assistência técnica. Cinco dos nove assentados acreditam que com um maior acompanhamento técnico, obteriam melhores resultados nas plantações e na criação de animais. Em relação ao acesso à água para consumo, todos os entrevistados a consideram de boa qualidade, porém lamentam não dispor de água encanada em suas casas. Quando perguntados sobre o acesso à energia elétrica, todos os entrevistados afirmaram possuir energia apenas nas casas, sendo essa do tipo monofásica. Em visitas realizadas em abril de 2003 encontrou-se um cenário mais animador em relação as visitas anteriores, feitas em período de seca. No cenário dessa segunda visita havia cor na paisagem, o verde era predominante, as pessoas não mais estavam dentro de suas casas, desesperançosas. Estavam todos trabalhando em suas parcelas, foram presenteados pela chuva. Apesar de toda essas dificuldades a recepção foi acolhedora, realizada por cidadãos que alegam ter a sua saúde como única riqueza. Quando perguntados sobre as atividades agrícolas desenvolvidas em sua parcela, a resposta aparece representada na tabela abaixo: Tabela nº 2 Atividades Praticadas nos Assentamentos. Atividades (%) Macaxeira 100 Batata 78 Coco 89 Banana 89 Milho 100 Cana-de-açúcar 55 Inhame 78 Feijão 66 Fonte: Pesquisa de Campo. PIBIC 2002/2003. Observa-se que todos os assentados plantam macaxeira e milho. A banana e o coco aparecem em segundo lugar, pois 89% dos parceleiros os cultivam, enquanto 78% dos entrevistados revelaram plantar batata e feijão. Um fato bastante interessante e revelador é o percentual de apenas 55% dos entrevistados plantarem cana-de-açúcar, dada a hegemonia histórica desta cultura na mesorregião da Zona da Mata de Pernambuco, se bem que os assentamentos são iniciativas que apontam para a diversificação. Parece estar se dando início a um processo lento de expansão da pluriatividade em detrimento da monocultura canavieira. Foram mencionados também os cultivos de limão, acerola, manga, mandioca entre outros. Além de também existirem algumas casas de farinha no assentamento. Deve-se ressaltar que os coqueiros são ainda novos e que grande parte ainda não começou a produzir. Todos os entrevistados disseram ter adquirido uma vaca quando receberam o crédito do PRONAF. Hoje em dia, apenas um assentado ainda a possui. Os outros disseram ter perdido o seu animal por falta de assistência médica veterinária, que estava assegurada pelo projeto. Seria o

11 11 leite importante fonte de proteína para alimentar as crianças do assentamento, contribuindo para o combate da desnutrição infantil. Outro acontecimento bastante triste foi a morte de todas as cabras adquiridas com o dinheiro do PRONAF. Em relação ao crédito o INCRA liberou a verba para construção das casas. Havia uma planta básica e o financiamento de R$ 2.500,00 para aquisição de material, sendo o trabalho de construção das casas realizado em mutirão. Ao chegar à terra, as famílias se abrigavam, na sua maioria, em moradias precárias na parcela Os de maior posses, ampliaram a planta inicial, aumentando o número de quartos ou construindo terraço em volta da casa. O apoio creditício destinado a implantar os trabalhos na parcela consta de: financiamento para a implantação de culturas temporárias custeio é de R$ 1.400,00 por família; para realizar investimentos o assentado recebe em financiamento subsidiado a importância de R$ 9.000,00, com carência de três anos e prazo total de 12 anos. A criação de animais nos dois assentamentos se restringe mais ao apoio às atividades de subsistência. Os jumentos, bem como os cavalos, servem para transportar água para a irrigação de pé em pé, e auxílio no transporte das famílias no caso do assentamento Barrinha-Firmativo, pois as parcelas distam 2,5 km das casas, organizadas no estilo de agrovila. Já em Açude Grande as casas ficam dentro das parcelas. Tabela nº 3 Atividades Exercidas Fora da Parcela Atividades Assentados (%) Sim 22,2 Não 77,8 Fonte: Pesquisa de Campo. PIBIC 2002/2003 Indagados sobre a realização de atividades fora de sua parcela, sete entrevistados disseram obter toda a sua renda da própria terra, consolidando o caráter de exploração familiar nos assentamentos. Dos dois assentados que têm atividades fora de sua parcela, um trabalha no período do verão no corte da cana-de-açúcar, enquanto a outra assentada trabalha no sindicato de trabalhadores rurais de Vitória de Santo Antão, não tendo salário fixo. Torna-se importante ressaltar que ambos trabalham uma parte do tempo em suas parcelas e o restante desempenham outras atividades fora de seus lotes. Constatou-se na pesquisa que alguns produtores, mesmo entre os não entrevistados, além dos afazeres no lote, dedicam-se a outras atividades. Entre as temporárias permanece a ligação com o corte da cana. Por outro lado, pode-se constatar que há uma relação entre o assalariamento na palha da cana e a situação de pouco progresso ou fraco dinamismo na sua própria parcela. Ou seja, os produtores encontram-se inviabilizados para desenvolver os trabalhos na terra, por falta de crédito, assistência técnica, braços da família para trabalhar, ou mesmo por falta de capacitação profissional, e então recorrem ao trabalho como diaristas em usinas e engenhos da região. Dizendo de outra forma, o acesso à terra ainda não significou uma mudança nas suas condições econômicas, capaz de se libertarem da situação de vida anterior, de trabalho na palha da cana. Ainda como fonte de renda, os que se dedicam a tarefas fora da sua gleba, o fazem também nas parcelas de companheiros do mesmo assentamento. Tabela nº 4 - Acesso à Terra e Diferenciação Econômica.

12 12 Assentamentos Barrinha/Firmativo e Açude Grande Percentual (%) Situação da terra Demarcada 100 Regularizada 11 Destino da produção Consumo familiar 50 Comercialização 50 Outras rendas Sim 55,7 Não 44,3 Fonte: Pesquisa de Campo - PIBIC2002/2003. Os nove assentados entrevistados disseram comercializar a metade do que produzem, guardando a outra metade para o consumo familiar. Da parte comercializada geralmente a produção é vendida a atravessadores ou em feiras-livres nas cidades onde estão localizados os assentamentos. Gráfico 1 - Formas de Comercialização dos Produtos dos Assentamentos e Parte do Consumo Familiar. G ráfico 1 - Destino da produção 50,0% 33,5% 16,5% Atravessadores Feira-livre Consum o Fam iliar Fonte: Pesquisa de Campo. PIBIC 2002/2003. Dos principais produtos comercializados destacam-se a macaxeira, o milho, o inhame, a banana e a farinha de mandioca. Os que produzem a cana-de-açúcar em suas parcelas, vendem-na integralmente, por esta atividade possuir um mercado garantido na região. Mesmo em terras de assentamentos tem se verificado, nos últimos dois anos, a implantação ou ampliação do cultivo da cana. Na Mata, o pequeno agricultor planta cana para garantir a feira e, se poupar, compra alguns animais. A diversificação surge agora, mas enfrenta como desafio a velha cultura. (Thales Wanderley, professor da UFRPE) Todos os assentados do Barrinha-Firmativo vendem o seu produto a atravessadores, enquanto a grande maioria dos parceleiros de Açude Grande vendem o seu produto em barracas (bancas de pequenos comerciantes). Dentre os assentados entrevistados, 22,3% recebem aposentadoria (marido ou mulher) e 33,4% são beneficiados pelo programa Bolsa-Escola, auxílio proveniente do governo federal que a família recebe para manter os filhos na escola, constituem os principais elementos desta renda obtida fora da atividade primária. Por outro lado, é bastante significativa a renda familiar

13 13 originada de outras fontes que não das atividades agrícolas, como as aposentadorias/pensões, tanto por parte do assentado como por parte dos membros da família. Tabela nº 5 Percentual de Pessoas da Família que Trabalham na Parcela Pessoas que trabalham na parcela Assentados (%) ,2 3 22,2 Mais de 3 44,6 Utilizam mão-de-obra contratada esporadicamente 88,8 Fonte: Pesquisa de Campo. PIBIC 2002/2003 Todos os assentados sinalizaram para a necessidade de contratar trabalhadores para aumentar a área plantada de sua parcela e 88,8% dos parceleiros contratam trabalhadores de forma bastante esporádica. A mínima contratação de mão-de-obra se dá também devido à pouca possibilidade financeira dos produtores. As famílias carentes do campo têm como quase único acréscimo de capital produtivo, o crescimento de suas famílias, pois essa expansão representa mais braços disponíveis para o trabalho no roçado. O nível de participação nas áreas em estudo é baixo, com as decisões concentradas nas mãos de um grupo reduzido. Verifica-se, todavia, a existência de um grupo com um grau maior de participação na vida da comunidade, fazendo-o de forma positiva e afirmativa. Estes associados, nem sempre alfabetizados, enfrentam desafios pela implantação de novas atividades através de esforços pessoais, apresentando idéias sobre a organização da produção e da comercialização e aproveitam melhor os treinamentos e a capacitação. 2. CONCLUSÂO e RECOMENDAÇÕES A partir análise dos dados obtidos constata-se que a reforma agrária desenvolvida na Zona da Mata de Pernambuco apresenta resultados insatisfatórios, causados pela falta de infra-estrutura e apoio necessários para que os assentamentos prosperem. O processo de distribuição de terras promovido pelo Governo Federal, através do INCRA, tem se mostrado incapaz de promover a inclusão social de grande parte dos assentados, que por não deter das condições básicas para sobreviver com dignidade, situam-se a margem da sociedade, impossibilitados de desfrutar da riqueza da nação. Os lotes dos assentados não são aproveitados em sua totalidade, por falta de crédito agrícola e pela não utilização de técnicas modernas na produção, tornando estes pequenos produtores rurais menos competitivos no mercado em relação à agricultura patronal. Esta falta de competitividade da agricultura familiar é resultado do desenvolvimento de uma agricultura com menores investimentos, compensada pelo aumento da extensão da jornada de trabalho familiar. A precariedade das estradas nos assentamentos em geral constitui outro fator que complica a comercialização, bem como todo o processo produtivo e a vida das famílias nas suas articulações com outras comunidades e com os centros urbanos da região.

14 14 A burocracia na liberação do crédito inviabiliza a aquisição de insumos, tornando a terra menos produtiva, dificultando ainda mais a venda do produto, que quase sempre é comercializado de forma desvantajosa para o produtor, remetendo-o a uma baixa qualidade de vida. A falta de irrigação, de um trator comunitário e de energia elétrica nas parcelas, bem como a inexistência de assistência técnica permanente e de boa qualidade, impossibilitam um melhor rendimento das atividades. Verifica-se entre os produtores uma descrença e uma frustração em relação ao trabalho das instituições, sentimento consolidado pela condição de abandono em que vive a pequena produção agrícola. A eletrificação é um exemplo bem concreto. Poucas parcelas são beneficiadas por este serviço, se bem que parte da verba para a instalação da eletricidade já esteja aprovada e os representantes da comunidade insistam junto aos órgãos competentes. As estradas vicinais são precárias, sobretudo no período chuvoso. Não existe o serviço de abastecimento d água nas residências. Há os que debitam a responsabilidade ao Estado por não suprir as condições mínimas e necessárias ao desenvolvimento dos assentamentos e os que atribuem à incompetência do produtor. Há um dado que nem sempre é colocado: o desenvolvimento do assentamento depende desses fatores referidos, sim, mas também é processual, interagindo com o mercado e com os fatores internos, que incluem o homem e sua capacidade de desenvolver a parcela, e fatores externos às unidades produtivas. Verifica-se uma diferenciação socioeconômica entre as famílias assentadas, no que diz respeito ao nível de renda e qualidade de vida, dependendo de experiências adquiridas antes de chegar à terra, do grau de capacitação e da disponibilidade da força de trabalho familiar. Todos estes fatores aglutinados justificam o índice de evasão nos assentamentos rurais da Mata Pernambucana, fazendo-se necessário uma maior reflexão por parte dos órgãos competentes acerca do projeto de política agrária desenvolvida no país. O desenvolvimento dos assentamentos rurais requer uma decisão política, de possibilitar o acesso aos produtores tanto da infra-estrutura econômica e dos serviços de apoio, como assessorar na construção de formas associativas, na construção de um modelo de gestão definido pelos produtores. No aspecto produtivo propriamente dito, constituem-se de fundamental importância a assistência técnica, o crédito e o apoio à comercialização. A assistência técnica requer um grande esforço de revitalização, não só para acompanhar as operações de crédito, mas, sobretudo, para levar aos produtores as inovações tecnológicas adequadas às atividades praticadas nos respectivos assentamentos. O crédito precisa ser mais ágil, liberado no período adequado e acompanhado pela assistência técnica. O apoio à comercialização necessita de recursos suficientes para se munir de informações, com os produtores, buscar brechas no mercado local e regional e criar, utilizar ou ampliar instrumentos como feiras, postos de venda, centrais de abastecimentos, etc.

15 15 Pela sua história de obediência e sentimento de inferioridade nos aspectos econômico e social, não se deve esperar que estas gerações, no seu total e em curto prazo, dêem uma resposta positiva aos incentivos para que se tornem um pequeno empresário rural inserido no mercado, participando de um modelo de gestão que requer mais do que a sua capacidade. Faz-se prioritário um trabalho de educação e capacitação junto aos jovens, nos aspectos técnicos, econômicos e na gestão participativa, em geral mais capazes de assumir novos valores para a construção do futuro. A partir dos dados que mostram baixo grau de alfabetização, vislumbra-se como prioritário o trabalho de educação, capacitação e assessoria à construção da gestão, já que tem acesso a um requisito básico, a terra. O levantamento da situação educacional mostrou que os produtores possuem poucos rudimentos de aritmética, não sendo capazes, por exemplo, de fazer o acompanhamento dos custos e das receitas obtidas em sua gleba de trabalho. 3. REFERÊNCIAS CONDEPE. Plano de Desenvolvimento Sustentável da Mesorregião da Mata Pernambucana. Recife, dez D INCAO, Maria da Conceição; ROY, Gerard. Nós, Cidadãos; Aprendendo e Ensinando a Democracia. Paz e Terra, São Paulo, FAO/INCRA. Diretrizes de Política Agrícola e Desenvolvimento Sustentável. Brasília, FIBGE. Produção Agrícola Municipal: Pernambuco, 1998 FIBGE. Pesquisa da Pecuária Municipal: Pernambuco, 1999 GARCIA JÚNIOR, Afrânio Raul. SUL: O Caminho do Roçado: estratégias de reprodução camponesa e transformação social. Rio de Janeiro, Marco Zero, Brasília, CNPq, MDA/INCRA. Percentuais e Causas das Evasões nos Assentamentos Rurais. Brasília, MEDEIROS, Leonilde S. de e Leite, SÉRGIO. Os Impactos Regionais dos Assentamentos Rurais: dimensões econômicas, políticas e sociais. IN: CPDA/DEBATES, 4, Dez (org.). A Formação dos Assentamentos Rurais no Brasil. UFRGS, 2002.

16 16 MIRAD. Estatuto da Terra - lei nº 4504, Nov de PEREIRA, José Maurício. Assentamentos Rurais: a árdua conquista da cidadania. IN: Anais do VI Congresso da ALASRU. Porto Alegre, nov PEREIRA, José Maurício. Os assentamentos rurais em Rio Formoso: avanços e desafios. IN: Revista Symposium, Recife, jul/dez PEREIRA, J.M.; Silva, K.S. Estratégias de desenvolvimento econômico e tecnológico dos assentamentos de Rio Formoso, Pernambuco. In: Mata Sul de Pernambuco: crises e perspectivas. Coleção Neal nº 4. UNICAP. Recife, REYDON, Bastian P. Intervir para Democratizar: estrutura fundiária e disponibilidade de terra. Agroanalysis, Rio de Janeiro, p.50-52, out SICSÙ, Abraham et al. Mata Sul de Pernambuco: crises e perspectivas. Recife, UNICAP, 2002, p (Coleção NEAL, 4). VEIGA, José Eli da. Diretrizes para uma nova política agrícola. IN: Reforma Agrária e Desenvolvimento Sustentável. Brasília. Ministério do Desenvolvimento Agrário, P Pobreza rural, distribuição da riqueza e crescimento: a experiência brasileira. IN: Distribuição de Riqueza e Crescimento Econômico. Estudos NEAD 2, MDA, Brasília, 2000.

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18

Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Atlas Digital de MINAS GERAIS 1 de 18 Características Agropecuárias A sociedade brasileira viveu no século XX uma transformação socioeconômica e cultural passando de uma sociedade agrária para uma sociedade

Leia mais

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL

TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL TRABALHOS EXITOSOS EM ATER - 2014 EXTENSÃO RURAL ORGANIZAÇÃO E INCLUSÃO SOCIAL ESCADA, 2014 EXTENSÃO RURAL CONSTRUIR UM SONHO E LUTAR POR ELE Regional : Palmares PE Municipio: Escada Comunidades: Sitio

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR

CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR CARACTERIZAÇÃO DE SISTEMAS PRODUTIVOS EM ASSENTAMENTOS RURAIS NO MUNICÍPIO DE CENTENÁRIO DO SUL-PR Luis Artur Bernardes da Rosa¹; Maria de Fátima Guimarães²; Sergio Luis Carneiro³; Dimas Soares Júnior4

Leia mais

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE

III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE III CONGRESSO BRASILEIRO DO CACAU: INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SUSTENTABILIDADE Painel 8: O papel de Instituições Públicas para Desenvolvimento da Cacauicultura Brasileira O Cacau e a Agricultura Familiar Adriana

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com.

AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas. Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. AGRICULTURA FAMILIAR NO MUNICÍPIO DE MOGI MIRIM-SP: Principais políticas publicas Arthur Moriconi harthus94@gmail.com. Acadêmico do Curso de Ciências Econômicas/UNICENTRO Fabio Junior Penteado fabioturvo@gmail.com.

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE

LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE LEVANTAMENTO DOS PRINCIPAIS PROBLEMAS DA PRODUÇÃO DE MAMONA EM UMA AMOSTRA DE PRODUTORES FAMILIARES DO NORDESTE Vicente de Paula Queiroga 1, Robério Ferreira dos Santos 2 1Embrapa Algodão, queiroga@cnpa.embrapa.br,

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina

MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1. CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina MOVIMENTOS SOCIAIS AGRÁRIOS E O ESTADO E O QUE DIZ O DIREITO 1 CANNO, Daniele Cristina; OLIVEIRA, Alex Luciano; SEVERINO, Silvia Regina FACULDADE MARECHAL RONDON/ UNINOVE NPI NÚCLEO DE PESQUISA INTERDISCIPLINAR

Leia mais

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR

ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR ASPECTOS SOCIOECONÔMICOS DE FAMÍLIAS ASSENTADAS EM SITUAÇÃO DE INSEGURANÇA ALIMENTAR Ana Paula Pereira¹, Anselmo Cesário², Cinthia M. Liminides Silva³, Daiana Regina de Lima 3, Demes Nunes da Mota 4, Karina

Leia mais

O INCRA E O ASSENTAMENTO

O INCRA E O ASSENTAMENTO O INCRA E O ASSENTAMENTO É um conjunto de medidas que visa promover a melhor distribuição da terra, mediante modificação no regime de sua posse e uso, a fim de atender aos princípios da justiça social

Leia mais

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011

PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 PLANO SAFRA DA AGRICULTURA FAMILIAR 2010/2011 Mais crédito, mais segurança e juros menores. Do Plano Safra 2002/2003 ao Plano Safra 2010/2011, o volume de recursos oferecidos por meio do Pronaf para custeio

Leia mais

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹

Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de uma usina alcooleira na região¹ IV Semana de Ciência e Tecnologia do IFMG campus Bambuí, IV Jornada Científica, 06 a 09 de dezembro de 2011 Mudanças percebidas nos ecossistemas rurais do município de Bambuí/MG, face à implantação de

Leia mais

CONVIVER - Associação Conviver no Sertão

CONVIVER - Associação Conviver no Sertão CONVIVER - Associação Conviver no Sertão Avenda de produtos à CONAB¹, via PAA: a experiência das mulheres de Mirandiba Mirandiba, localizada no semiárido pernambucano, é um município novo, criado em 1958

Leia mais

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG)

A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) A LUTA PELA TERRA NO SUL DE MINAS: CONFLITOS AGRÁRIOS NO MUNICÍPIO DE CAMPO DO MEIO (MG) Arthur Rodrigues Lourenço¹ e Ana Rute do Vale² madrugarockets@hotmail.com, aruvale@bol.com.br ¹ discente do curso

Leia mais

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe.

O Brasil Melhorou. 36 milhões. de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos. 42 milhões. de brasileiros ascenderam de classe. O Brasil Melhorou 36 milhões de brasileiros saíram da pobreza em 10 anos 42 milhões de brasileiros ascenderam de classe Fonte: SAE/PR O Brasil Melhorou O salário mínimo teve um aumento real de 70% Em 2003,

Leia mais

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo

BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado. Resumo 1 BALANÇO DE INVESTIMENTOS DO PRONAF EM MINAS GERAIS: uma tentativa de inserção da agricultura familiar no mercado Álisson Riceto 1 João Cleps Junior 2 Eduardo Rozetti de Carvalho 3 Resumo O presente artigo

Leia mais

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva**

1 INTRODUÇÃO. Ernesto Pereira Galindo* Sandro Pereira Silva** DISPERSÃO REGIONAL DE EMPREENDIMENTOS COLETIVOS DA AGRICULTURA FAMILIAR A PARTIR DE REGISTROS ADMINISTRATIVOS DO PROGRAMA NACIONAL DE FORTALECIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR (PRONAF) Ernesto Pereira Galindo*

Leia mais

OS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DE TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO ENÉAS RENTE FERREIRA ( 1 ) JOAO CLEPS JUNIOR ( 2 ) SILVIO CARLOS BRAY ( 3 )

OS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DE TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO ENÉAS RENTE FERREIRA ( 1 ) JOAO CLEPS JUNIOR ( 2 ) SILVIO CARLOS BRAY ( 3 ) OS PROJETOS DE ASSENTAMENTO DE TRABALHADORES RURAIS NO ESTADO DE SÃO PAULO ENÉAS RENTE FERREIRA ( 1 ) JOAO CLEPS JUNIOR ( 2 ) SILVIO CARLOS BRAY ( 3 ) RESUMO O presente trabalho procura analisar o processo

Leia mais

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA)

Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro Programa de Pós-graduação de Ciências Sociais em Desenvolvimento, Agricultura e Sociedade (CPDA) Relatório com as principais notícias divulgadas pela mídia

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

Departamento de Geração de Renda e

Departamento de Geração de Renda e Departamento de Geração de Renda e Agregação de Valor - DGRAV ESTRUTURA DO MDA Gabinete do Ministro Secretaria Executiva Secretaria da Agricultura Familiar SAF Secretaria de Reordenamento Agrário - SRA

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO

PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO PROMOVENDO A SUCESSÃO E O COMBATE A POBREZA NO CAMPO PROGRAMA NACIONAL DE CRÉDITO FUNDIÁRIO 3 O QUE É CRÉDITO FUNDIÁRIO O Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF)

Leia mais

Acrise econômica que atinge o país penaliza,

Acrise econômica que atinge o país penaliza, Revista SymposiuM Os assentamentos rurais em Rio Formoso: avanços e desafios Resumo Prof. José Maurício Pereira* Analisa o trabalho desenvolvido junto a três assentamentos rurais no âmbito do Projeto de

Leia mais

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL

1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL 1. O LOCAL, O DISPONÍVEL E O REAL O Serta chegou a esta proposta depois de 6 anos de tentativa de capacitar agricultores para a compreensão e prática de uma agricultura mais natural e orgânica. Isso sem

Leia mais

68. IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas

68. IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas CAPÍTULO 68. 8 IBASE instituto brasileiro de análises sociais e econômicas Percepções dos(as) titulares sobre o programa Os(as) titulares do Programa Bolsa Família percebem a situação de pobreza de forma

Leia mais

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual

Somando forças até o fim da pobreza. CARE Brasil Relatório Anual Somando forças até o fim da pobreza CARE Brasil Relatório Anual 2012 CARE Internacional Em 2012, a CARE apoiou 997 projetos de combate à pobreza em 84 países, beneficiando estimadamente 84 milhões de pessoas.

Leia mais

Apoio à comercialização da agricultura familiar

Apoio à comercialização da agricultura familiar Apoio à comercialização da agricultura familiar Programa de Aquisição de Alimentos 1. Contexto Liberalização dos mercados de produtos agrícolas (anos 90) Intenso processo de concentração de capitais no

Leia mais

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PRODUTOR RURAL. Esta série foi criada para abrigar entrevistas com empresário e produtores rurais.

APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PRODUTOR RURAL. Esta série foi criada para abrigar entrevistas com empresário e produtores rurais. APRESENTAÇÃO DA SÉRIE PRODUTOR RURAL Esta série foi criada para abrigar entrevistas com empresário e produtores rurais. Entrevistas disponíveis até o momento: Carlos Henrique Maranhão Cecílio Rego de Almeida

Leia mais

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012

A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 A LEI GERAL DE ATER, CHAMADAS PÚBLICAS E CONTRATOS DE ATER SEMINÁRIO DE BALANÇO ATER FEIRA DE SANTANA, 18/01/2012 Contexto Retomada dos Serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural no país em 2003;

Leia mais

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA

AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA Espaço Agrário Rússia/China 1 AGRICULTURA NA RÚSSIA SOCIALISTA E NA CHINA! Ambos os países passaram por uma revolução socialista, ou seja, com a revolução a Terra passa a ser propriedade do Estado (propriedade

Leia mais

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal

Contribuições do MAPA para a Implantação da Nova Lei Florestal MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO MAPA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO AGROPECUÁRIO E COOPERATIVISMO SDC DEPARTAMENTO DE SISTEMAS DE PRODUÇÃO E SUSTENTABILIDADE DEPROS Contribuições do

Leia mais

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre

Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre Projeto Alvorada: ação onde o Brasil é mais pobre N o Brasil há 2.361 municípios, em 23 estados, onde vivem mais de 38,3 milhões de pessoas abaixo da linha de pobreza. Para eles, o Governo Federal criou

Leia mais

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab

Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Programa de Aquisição de Alimentos - Conab Exercício 2004 Sumário Executivo O presente documento procura sintetizar as ações desenvolvidas pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) através do Programa

Leia mais

MULHERES NA FUMICULTURA. Adriana Gregolin

MULHERES NA FUMICULTURA. Adriana Gregolin MULHERES NA FUMICULTURA Adriana Gregolin Características gerais Em 2007 as mulheres representavam 41% do emprego total na agricultura no mundo. Na África mulheres executam 80% dos trabalhos domésticos

Leia mais

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico

Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico introdução A Armadilha do Crédito Fundiário do Banco Mundial Esta cartilha traz o primeiro diagnóstico abrangente sobre os programas do Banco Mundial para o campo no Brasil. O estudo foi realizado pela

Leia mais

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais,

DECRETO N 037/2014. O Prefeito Municipal de Santa Teresa Estado do Espírito Santo, no uso de suas atribuições legais, DECRETO N 037/2014 Regulamenta aplicação das Instruções Normativas SDE Nº 01/2014 a 02/2014, que dispõem sobre as Rotinas e Procedimentos do Sistema de Desenvolvimento Econômico a serem observados no âmbito

Leia mais

Microcrédito e investimentos para a agricultura urbana em São Petersburgo, Rússia

Microcrédito e investimentos para a agricultura urbana em São Petersburgo, Rússia Microcrédito e investimentos para a agricultura urbana em São Petersburgo, Rússia Oleg Moldakov - moldakov@mailbox.alkor.ru St Petersburg Urban Gardening Club, Rússia Fotos: O. Moldakov - 1: compostagem

Leia mais

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal

Brasil e suas Organizações políticas e administrativas. Brasil Atual 27 unidades político-administrativas 26 estados e distrito federal Brasil e suas Organizações políticas e administrativas GEOGRAFIA Em 1938 Getúlio Vargas almejando conhecer o território brasileiro e dados referentes a população deste país funda o IBGE ( Instituto Brasileiro

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

Doutoranda: Nadir Blatt

Doutoranda: Nadir Blatt Territórios de Identidade no Estado da Bahia: uma análise crítica da regionalização implantada pela estrutura governamental para definição de políticas públicas, a partir da perspectiva do desenvolvimento

Leia mais

Situação da Armazenagem no Brasil 2006

Situação da Armazenagem no Brasil 2006 Situação da Armazenagem no Brasil 2006 1. Estática de Armazenagem A capacidade estática das estruturas armazenadoras existentes no Brasil, registrada em dezembro de 2006 é de até o mês de novembro de 2006

Leia mais

O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado

O MATOPIBA e o desenvolvimento destrutivista do Cerrado O MATOPIBA e o desenvolvimento "destrutivista" do Cerrado Paulo Rogerio Gonçalves* No dia seis de maio de 2015 o decreto n. 8447 cria o Plano de Desenvolvimento Agropecuário do Matopiba e seu comitê gestor.

Leia mais

1. INTRODUÇÃO. INTEGRAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SA- ÚDE NO PROCESSO EDUCATIVO Série: Estudo agosto de 1997-05

1. INTRODUÇÃO. INTEGRAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SA- ÚDE NO PROCESSO EDUCATIVO Série: Estudo agosto de 1997-05 INTEGRAÇÃO DO AGENTE COMUNITÁRIO DE SA- ÚDE NO PROCESSO EDUCATIVO Série: Estudo agosto de 1997-05 Reflexão apresentada pelo SERTA - Serviço de Tecnologia Alternativa - no Encontro promovido pelo CERIS

Leia mais

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR

OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR Tamires Silva Gama Acadêmica do Curso de Geografia da UEM. Bolsista do CNPq Tamires_gama@hotmail.com OS ARRENDAMENTOS DE TERRA PARA A PRODUÇÃO DE CANA- DE- AÇÚCAR INTRODUÇÃO Frente os avanços da modernização

Leia mais

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN

NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN NEIVA SALETE DE OLIVEIRA ROMAN A AGRICULTURA FAMILIAR, AS CONTRIBUIÇÕES DO PROJOVEM CAMPO E O CONTEXTO DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA NO MUNICÍPIO DE LINDOESTE - PR Trabalho de Conclusão de Curso apresentado à banca

Leia mais

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO

PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Discurso pronunciado pelo Deputado Gonzaga Patriota (PSB/PE), na Sessão de 23/05/2006. Senhor Presidente, Senhoras e Senhores Deputados, PRODUTORES DO VALE PARAM PETROLINA E JUAZEIRO Acompanhando os grandes

Leia mais

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis

O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis O Banco da Terra e os beneficiários do programa em Lebon Regis Hanen Sarkis Kanaan 1 Resumo: Este trabalho discute a implantação e a situação das famílias assentadas pelo programa de assentamento do Banco

Leia mais

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013

10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 10º LEVANTAMENTO DE SAFRAS DA CONAB - 2012/2013 Julho/2013 1. INTRODUÇÃO O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), por meio da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), realiza sistematicamente

Leia mais

Clipping de notícias. Recife, 29 de setembro de 2015.

Clipping de notícias. Recife, 29 de setembro de 2015. Clipping de notícias Recife, 29 de setembro de 2015. Saindo do papel O deputado Fernando Monteiro, da bancada pernambucana do PP na Câmara federal, regressou ontem de um giro pelos canais da Transposição

Leia mais

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida

IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida IV Seminário Nacional do Programa Nacional de Crédito Fundiário Crédito Fundiário no Combate a Pobreza Rural Sustentabilidade e Qualidade de Vida 30 DE NOVEMBRO DE 2011 CONTEXTO Durante os últimos anos,

Leia mais

Programa de Segurança Alimentar e Nutricional, PAA - Programa de Aquisição de Alimentos, São Miguel do Anta MG¹.

Programa de Segurança Alimentar e Nutricional, PAA - Programa de Aquisição de Alimentos, São Miguel do Anta MG¹. Programa de Segurança Alimentar e Nutricional, PAA - Programa de Aquisição de Alimentos, São Miguel do Anta MG¹. Marina Almeida Souza. Graduanda do Curso de Economia Doméstica da Universidade Federal de

Leia mais

A INCLUSÃO PRODUTIVA RURAL DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA

A INCLUSÃO PRODUTIVA RURAL DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA A INCLUSÃO PRODUTIVA RURAL DO PLANO BRASIL SEM MISÉRIA A alta incidência de pobreza no meio rural 1 exige do Plano Brasil sem Miséria estratégias específicas, capazes de reconhecer e incorporar em suas

Leia mais

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras

0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos - Fundo de Terras Programa 2066 - Reforma Agrária e Ordenamento da Estrutura Fundiária Número de Ações 11 Tipo: Operações Especiais 0061 - Concessão de Crédito para Aquisição de Imóveis Rurais e Investimentos Básicos -

Leia mais

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010

Tabela 2 - População residente, segundo as unidades da federação 1991/2000/2010 A distribuição populacional de Goiás frente aos dados do Censo demográfico 2010 Daniel da Silva Souza 1 Resumo: A configuração da rede demográfica goiana está em processo de forte alteração. A taxa de

Leia mais

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações.

Linhas de Crédito PISCICULTURA INVESTIMENTO CUSTEIO. Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. PISCICULTURA CUSTEIO INVESTIMENTO Obs.: As informações atinentes às linhas de crédito estão sujeitas a alterações. financiar as despesas normais de custeio da produção agrícola e pecuária. Linhas de Crédito

Leia mais

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento

Reformular as estradas: - estradas prioritárias até 2014 - estradas secundárias até 2017. Manter 100% das estradas em boas. Elaborar um levantamento PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS GT DA AGRICULTURA -"A SANTA MARIA QUE QUEREMOS" Visão: "Que rurais de Santa Maria e região tenham qualidade de vida; mantenham uma produção altamente tecnificada,

Leia mais

Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente.

Secretaria Municipal de Agricultura, Desenvolvimento Econômico e Meio Ambiente. APRESENTAÇÃO O presente diagnóstico Sócio-Econômico da Lavoura de Arroz e sua cadeia produtiva têm por finalidade apresentar sua relevante importância no município de Arroio Grande e Zona Sul, sendo a

Leia mais

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP.

PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP. 1 PERSPECTIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR: a questão sucessória e o envelhecimento dos produtores familiares no Município de Indiana/SP Regiane Aparecida Menegati 1 Rosangela Aparecida de Medeiros Hespanhol

Leia mais

III JORNADAS DE ADMINISTRACIÓN DEL NEA y I ENCUENTRO INTERNACIONAL de ADMINISTRACION de la REGION JESUITICO GUARANI 1 y 2 de septiembre 2011

III JORNADAS DE ADMINISTRACIÓN DEL NEA y I ENCUENTRO INTERNACIONAL de ADMINISTRACION de la REGION JESUITICO GUARANI 1 y 2 de septiembre 2011 III JORNADAS DE ADMINISTRACIÓN DEL NEA y I ENCUENTRO INTERNACIONAL de ADMINISTRACION de la REGION JESUITICO GUARANI 1 y 2 de septiembre 2011 ÁREA TEMÁTICA: ENTIDADES INTERMEDIAS TÍTULO: Desafios e limitações

Leia mais

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: .

PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: <http://www.pubvet.com.br/texto.php?id=125>. PUBVET, Publicações em Medicina Veterinária e Zootecnia. Disponível em: . Recuperação de áreas degradadas com tração animal em Rondônia Ricardo Gomes de Araújo

Leia mais

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA & PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL SET/2011

PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA & PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL SET/2011 PROGRAMA MINHA CASA MINHA VIDA & PROGRAMA NACIONAL DE HABITAÇÃO RURAL SET/2011 Programa Nacional de Habitação Rural META CONTRATAÇÃO 60 MIL UH RURAL Déficit Habitacional Rural no Brasil Região Déficit

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. ISSN 1678-9644 Dezembro, 2007 Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária Embrapa Arroz e Feijão Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento Documentos 213 Produção Comunitária de Sementes: Segurança

Leia mais

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO

O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO O espaço rural brasileiro 7ºano PROF. FRANCO AUGUSTO Agropecuária É o termo utilizado para designar as atividades da agricultura e da pecuária A agropecuária é uma das atividades mais antigas econômicas

Leia mais

Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina

Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina Novo retrato da agricultura familiar em Santa Catarina Resumo Lauro Mattei Professor dos cursos de Graduação e de Pós-Graduação do Departamento de Economia da UFSC. E-mail: mattei@cse.ufsc.br Este artigo

Leia mais

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná

CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA. EMATER Paraná ODÍLIO SEPULCRI CONTRIBUIÇÃO PARA IMPLANTAÇÃO DA QUALIDADE TOTAL NA EMATER Paraná Projeto apresentado a Universidade Federal do Paraná, Confederação Nacional da Indústria, Serviço Nacional de Aprendizagem

Leia mais

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO

PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO PLANEJAMENTO E ESTRATÉGIAS 1. O CENÁRIO DO SETOR AGROPECUÁRIO BRASILEIRO A economia brasileira tem passado por rápidas transformações nos últimos anos. Neste contexto ganham espaço novas concepções, ações

Leia mais

Terceiro setor: ações da sociedade civil em prol do desenvolvimento social brasileiro

Terceiro setor: ações da sociedade civil em prol do desenvolvimento social brasileiro Terceiro setor: ações da sociedade civil em prol do desenvolvimento social brasileiro Éder Rodrigo Gimenes (Estudante - especialização - UEM) Bianca Burdini Mazzei ( Mestranda - outro) REFERÊNCIA GIMENES,

Leia mais

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010

O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE divulgou a pouco o primeiro prognóstico para a safra de 2011: www.ibge.gov.br Em 2011, IBGE prevê safra de grãos 2,8% menor que a de 2010 O IBGE realizou, em outubro, o primeiro prognóstico para

Leia mais

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil

Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Políticas públicas e o financiamento da produção de café no Brasil Organização Internacional do Café - OIC Londres, 21 de setembro de 2010. O Sistema Agroindustrial do Café no Brasil - Overview 1 Cafés

Leia mais

A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável

A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Seminário: A Extensão Rural Pública e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal Sustentável Belo Horizonte, 17 de Outubro 2007 A Política Nacional de Ater Pnater e seus Impactos no Desenvolvimento Municipal

Leia mais

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto

Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero. Andrea Butto Políticas de Desenvolvimento para as Mulheres Rurais a partir de uma perspectiva de Raça a e Gênero Andrea Butto Ministério do Desenvolvimento Agrário Temas abordados Estados assumiram compromissos que

Leia mais

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA

SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA SEMINÁRIO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO CAMPO SANTA CATARINA CHAPECÓ, 28 A 30 DE AGOSTO DE 2013 CARTA ABERTA À SOCIEDADE CATARINENSE E BRASILEIRA 1. Nós, 350 educadores e educadoras das escolas públicas do campo,

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO. Conclusão

RESUMO EXECUTIVO. Conclusão RESUMO EXECUTIVO Em 12 de Janeiro de 2010, um terremoto de 7.0 (da escala Richter) atingiu a capital do Haiti, Porto Príncipe, e pôs a cidade abaixo. Os resultados foram massivos: entre 230 e 316 mil pessoas

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 62 Discurso na solenidade de sanção

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 11 Pronunciamento sobre a questão

Leia mais

Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1

Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1 Análises e Indicadores do Agronegócio ISSN 1980-0711 Ocupação da Força de Trabalho Feminina na Agropecuária Paulista 1 As mulheres sempre participaram intensamente das atividades agropecuárias. Na estrutura

Leia mais

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta

O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta O Brasil Sem Miséria é um Plano de metas para viabilizar o compromisso ético ousado do Governo da presidenta Dilma Rousseff. É também um desafio administrativo e de gestão ao impor ao setor público metas

Leia mais

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO

PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO PAUTA UNITÁRIA DOS MOVIMENTOS SINDICAIS E SOCIAIS DO CAMPO São Paulo, 12 de março de 2015. No consenso de nossas concepções, dos movimentos sociais do campo e das florestas, inclusive pactuadas no Encontro

Leia mais

A AGRICULTURA FAMILIAR EM GOIOERÊ PARANÁ: IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL

A AGRICULTURA FAMILIAR EM GOIOERÊ PARANÁ: IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL A AGRICULTURA FAMILIAR EM GOIOERÊ PARANÁ: IMPORTÂNCIA PARA O DESENVOLVIMENTO LOCAL Kauhana Mayhara Cândido Desanoski, (IC), Unespar Câmpus de Campo Mourão, kaudesanoski93@gmail.com Cláudia Chies, (OR),

Leia mais

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista

A atividade agrícola e o espaço agrário. Prof. Bruno Batista A atividade agrícola e o espaço agrário Prof. Bruno Batista A agropecuária É uma atividade primária; É obtida de forma muito heterogênea no mundo países desenvolvidos com agricultura moderna, e países

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA. TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - OPE 03 01 Vaga 1. IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para promover estudos, formular proposições e apoiar as Unidades

Leia mais

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO

A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO A PRODUÇÃO DO ESPAÇO RURAL NO ESTADO DA BAHIA: UMA LEITURA DA CONCENTRAÇÃO FUNDIÁRIA DE COMUNIDADES QUILOMBOLAS DO MUNICÍPIO DE ANTONIO CARDOSO Ozeias de Almeida Santos Graduando em Geografia Universidade

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1.

CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. CARACTERIZAÇÃO DOS PRODUTORES FAMILIARES NO MUNICÍPIO DE MONÇÕES, ESTADO DE SÃO PAULO 1. MARIA AP. ANSELMO TARSITANO 2 JULIANO A. FABRÍCIO 3, ANTONIO LÁZARO SANT'ANA 2, ERCIO R. PROENÇA 2, SILVIA M. A.

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem vive no Brasil Rural.

Leia mais

Categoria Negócios Sustentáveis. Artesanato - Plano de Negócio DRS. Nome do Projeto: Artesanato da Taboa. Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL

Categoria Negócios Sustentáveis. Artesanato - Plano de Negócio DRS. Nome do Projeto: Artesanato da Taboa. Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL Categoria Negócios Sustentáveis Artesanato - Plano de Negócio DRS Nome do Projeto: Artesanato da Taboa Agência Responsável: 2440 Piaçabuçu AL Localização: Feliz Deserto Alagoas Feliz Deserto é um município

Leia mais

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas 21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas O Brasil está realizando a maior reforma agrária do mundo. A pesada herança de séculos de um Brasil latifundiário passou a mudar, em 1995, a

Leia mais

METODOLOGIA & PERFIL

METODOLOGIA & PERFIL Maio2010 JOB 100283 METODOLOGIA & PERFIL Metodologia e Amostra Pesquisa quantitativa, com aplicação de questionário estruturado através de entrevistas pessoais. Objetivo Geral Levantar um conjunto de informações

Leia mais

O Programa Nacional de Produção e Uso do

O Programa Nacional de Produção e Uso do O Programa Nacional de Produção e Uso do Biodiesel PNPB PNPB e a Agricultura amiliar Balanço l do Selo Comb. Social il Participação da A. F. no PNPB Estratégia do MDA com a A.F. Pólos, Cooperativas, Crédito,

Leia mais

O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar

O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar O Programa Brasil Sem Miséria e a Agricultura Familiar Valter Bianchini 1 Com o lançamento do Programa Brasil Sem Miséria volta ao debate a caracterização da tipologia da agricultura familiar situada abaixo

Leia mais

3.2.1 - CANA-DE-AÇÚCAR

3.2.1 - CANA-DE-AÇÚCAR 111.2.1 - CANA-DE-AÇÚCAR Recobrindo expressiva parcela do Litoral Norte (40,1%), a cana-de-açúcar é o padrão de uso do solo predominante nos municípios de Araçoiaba, Itaquitinga, Goiana, Igarassu e Itapissuma,

Leia mais

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial

PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA. Banco Mundial PROJETO DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DO ESTADO DA BAHIA POR QUE O PROJETO Decisão Estratégica do Governo do Estado da Bahia Necessidade de avançar na erradicação da pobreza rural Existência de

Leia mais

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996.

GRAZIANO DA SILVA, J. A Nova Dinâmica da Agricultura Brasileira. 2.ed.rev. Campinas, Unicamp.IE,1996. Acesso a Tecnologias, Capital e Mercados, quanto à Agricultura Familiar x Agricultura Patronal (Texto auxiliar preparado para discussão no Primeiro Curso Centralizado da ENFOC) I No Brasil, a agricultura

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Agrário

Ministério do Desenvolvimento Agrário Ministério do Desenvolvimento Agrário MISSÃO Promover a política de desenvolvimento do Brasil rural, a democratização do acesso à terra, a gestão territorial da estrutura fundiária, a inclusão produtiva

Leia mais

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar

Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Banco do Nordeste Apoio à Agricultura Familiar Programa Nacional de Fortalecimento Da Agricultura Familiar OBJETIVO Fortalecer a agricultura familiar, mediante o financiamento da infra-estrutura de produção

Leia mais

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Ronda Alta. Construindo hoje um futuro melhor.

Estado do Rio Grande do Sul Prefeitura Municipal de Ronda Alta. Construindo hoje um futuro melhor. Estado do Rio Grande do Sul Gestão Pública P de Qualidade Construindo hoje um futuro melhor. CARACTERIZAÇÃO DO MUNICÍPIO Porte: Pequeno. População: 10.051 Urbana: 5.663 Rural: 4.338 Área Total= 418,69

Leia mais

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente

Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Financiamento da Transição para a Agroecologia A proposta do Proambiente Letícia Rangel Tura 1 e Luciano Mattos 2 Na Amazônia, desde o final dos anos 90, vêm-se discutindo formas de introduzir, em programas

Leia mais