PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE 2010."

Transcrição

1 PORTARIA SEMA N 020, DE 30 DE MARÇO DE Aprova o Regimento Interno do Conselho Deliberativo da Área de Proteção Ambiental - APA do Banhado Grande. O SECRETÁRIO DE ESTADO DO MEIO AMBIENTE, no uso de suas atribuições elencadas na Constituição Estadual, de 03 de outubro de 1989, na Lei Estadual n , de 04 de maio de 2007, e considerando que os membros do conselho deliberaram pela aprovação do Regimento Interno do Conselho Deliberativo da Área de Proteção Ambiental - APA do Banhado Grande; RESOLVE: Art. 1º - Aprovar o Regimento Interno do Conselho Deliberativo da Área de Proteção Ambiental APA do Banhado Grande, Anexo Único desta Portaria. Art. 2º - Esta Portaria entra em vigor na data de sua publicação. Porto Alegre, 30 de março de Antonio Berfran Acosta Rosado Secretário de Estado do Meio Ambiente Expediente Administrativo: /06-0 Publicado no DOE do dia 12 de abril de (ANEXO ÚNICO) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DELIBERATIVO DA ÁREA DE PROTEÇÃO AMBIENTAL - APA DO BANHADO GRANDE CAPÍTULO I DA NATUREZA E ATRIBUIÇÕES Art. 1º - O Conselho Deliberativo da Área de Proteção Ambiental - APA do Banhado Grande é órgão colegiado integrante da estrutura administrativa da APA do Banhado Grande, criada através do Decreto Estadual nº , de 23 de outubro de 1998, sendo regido pela Lei Federal nº 9.985, de 18 de julho de 2000, que institui o Sistema Nacional de Unidades de Conservação da Natureza e dá outras providências, regulamentado pelo Decreto Federal nº 4.340, de 22 de agosto de Parágrafo Único - O Conselho Deliberativo tem sua sede na Secretaria do Meio Ambiente - SEMA, na Rua Carlos Chagas, nº 55, sala 1014, Porto Alegre. Art. 2º - O Conselho tem por finalidade promover a preservação do conjunto de banhados conhecidos pelos nomes de Banhado do Chico Lomã, Banhado dos Pachecos e Banhado Grande; a compatibilização do desenvolvimento sócioeconômico com a proteção dos seus ecossistemas naturais; a conservação do solo e dos recursos hídricos; a recuperação das áreas degradadas com vista à regeneração dos ecossistemas naturais; a otimização da vazão do Rio Gravataí; a proteção da flora e a fauna nativa; bem como a proteção dos locais de reprodução e desenvolvimento 1

2 da fauna e da flora nativas, além de garantir a conservação do conjunto paisagístico e da cultura regional. Art. 3º - Compete ao Conselho Deliberativo da APA do Banhado Grande: I - Elaborar o seu regimento interno; II - Acompanhar e avaliar a elaboração, implementação e revisão do Plano de Manejo da unidade de conservação; III - Buscar a integração da APA do Banhado Grande com as demais unidades e espaços territoriais especialmente protegidos e com o seu entorno; IV - Esforçar-se para compatibilizar os interesses dos diversos segmentos sociais relacionados com a unidade; V - Acompanhar e avaliar o orçamento da unidade e o relatório financeiro anual elaborado pelo órgão executor em relação aos objetivos da unidade de conservação; VI - Ratificar a contratação e os dispositivos do termo de parceria com Organização da Sociedade Civil de Interesse Público (OSCIP), na forma da Lei Federal nº 9.790, de 23 de março de 1999, na hipótese de gestão compartilhada da unidade, quando for o caso; VII - Acompanhar a gestão por OSCIP e recomendar a rescisão do termo de parceria, se for o caso, quando constatada irregularidade; VIII - Manifestar-se sobre obras ou atividades potencialmente causadora de impacto na unidade de conservação, mosaicos ou corredores ecológicos, quando for o caso e sempre que houver estudo de impacto ambiental e respectivo relatório - EIA-RIMA; IX - Propor diretrizes e ações para compatibilizar, integrar e otimizar a relação com a população do entorno ou do interior da unidade, conforme o caso; X - Eleger Vice-Presidente para o mandato de 02 (dois) anos, podendo haver recondução por mesmo período; XI - Fomentar a captação de recursos financeiros adicionais, destinados à implementação, gestão e manutenção da APA do Banhado Grande; XII - Contribuir para a implementação e a consolidação da APA do Banhado Grande, favorecendo o desenvolvimento sócio-econômico e a conservação ambiental da região, interagindo e promovendo o desenvolvimento sustentável das áreas ocupadas e passíveis de intervenção antrópica; XIII - Participar da elaboração e aprovar o Plano de Atividades Anual da APA do Banhado Grande, elaborado pelo órgão executivo da APA do Banhado Grande, indicando projetos e ações, acompanhando a execução e propondo alterações; XIV - Auxiliar a administração da APA do Banhado Grande; XV - Aprovar calendário anual das Reuniões Ordinárias; XVI - Propor a criação de Câmaras Temáticas. CAPÍTULO II DA COMPOSIÇÃO Art. 4º - O Conselho Deliberativo é composto pelos membros titulares e respectivos suplentes das seguintes instituições: I - Secretaria do Meio Ambiente - SEMA; II - Fundação Estadual de Proteção Ambiental Henrique Luís Roessler - FEPAM; III - Fundação Zoobotânica do Rio Grande do Sul - FZB/RS; IV - Secretaria da Agricultura, Pecuária, Pesca e Agronegócio - SEAPA; V - Comando Ambiental da Brigada Militar do Estado do Rio Grande do Sul - CABM; 2

3 VI - Prefeitura Municipal de Santo Antônio da Patrulha; VII - Prefeitura Municipal de Gravataí; VIII - Prefeitura Municipal de Glorinha; IX - Prefeitura Municipal de Viamão; X - Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária; XI - Universidade Federal do Rio Grande do Sul; XII - Comunidade Evangélica Luterana São Paulo - CELSP (ULBRA); XIII - Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis - IBAMA; XIV - Associação dos Moradores do Banhado do Gravataí; XV - Associação de Preservação da Natureza do Vale do Gravataí; XVI - Grupo Transdisciplinar de Estudos Ambientais; XVII - Sociedade Amigos das Águas Limpas e do Verde - SAALVE; XVIII - Lions Clube Internacional - Distrito LD-3; XIX - Legião da Boa Vontade - LBV; XX - Comunidades Tradicionais Quilombola; XXI - Comitê de Gerenciamento da Bacia Hidrográfi ca do Rio Gravataí; XXII - Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural - EMATER; XXIII - Centro dos Professores do Estado do Rio Grande do Sul - Sindicato dos Trabalhadores em Educação - CEPERGS; XXIV - Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul - FIERGS; XXV - Sindicato Rural de Gravataí; XXVI - Sindicato Rural de Viamão; XXVII - Sindicato Rural de Santo Antônio da Patrulha; XXVIII - Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Santo Antônio da Patrulha; XXIX - Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Gravataí; XXX - Petrobrás Transportes S/A; e XXXI - Federação dos Trabalhadores na Agricultura no Rio Grande do Sul. 1º - Cada instituição integrante do Conselho Deliberativo indicará oficialmente 1 (um) representante titular e suplente, vedada a representação de mais de uma instituição, com exceção da Federação das Indústrias do Estado do Rio Grande do Sul - FIERGS que indicará 4 (quatro) titulares e suplentes. 2º - Cada instituição integrante do Conselho deverá informar oficialmente a necessidade de substituição de seus representantes. 3º - Os suplentes poderão participar e opinar nas reuniões do Conselho Deliberativo, sem direito a voto quando o titular estiver presente. 4º - Os representantes dos Municípios integrantes do Conselho deverão ser servidores públicos efetivos das respectivas Administrações. Art. 5º - Poderá o Conselho Deliberativo propor revisão da sua composição, a qualquer momento, através de deliberação em reunião aberta à sociedade, convocada especialmente para essa finalidade, observando-se os critérios de paridade e representatividade. 3

4 1º - A reunião deverá ocorrer com antecedência mínima de 60 (sessenta) dias do término do mandato vigente. 2º - A reunião será convocada com antecedência mínima de 15 (quinze) dias, através de edital público. CAPITULO III DA ESTRUTURA Art. 6º - A estrutura organizacional do Conselho Deliberativo é composta de: I - Assembléia; II - Presidência; III - Vice-Presidência; IV - Secretaria Executiva; V - Câmaras Temáticas. SEÇÃO I DA ASSEMBLÉIA E DOS CONSELHEIROS SUBSEÇÃO I DAS ASSEMBLÉIAS Art. 7º - A Assembléia é a instância soberana do Conselho Deliberativo, representada pelos membros conselheiros, titulares ou suplentes, presentes a cada reunião. Art. 8º - O Conselho Deliberativo reunir-se-á ordinariamente, bimestralmente, e extraordinariamente quando necessário. 1º - Caso haja necessidade de alteração de data da Reunião Ordinária, esta deverá ser comunicada num prazo mínimo de 7 (sete) dias. 2º - A convocação para as reuniões do Conselho Deliberativo será realizada formalmente pelo Presidente, através de ofício ou de correio eletrônico, com confirmação de remessa, contendo o local, horário e pauta proposta, com antecedência mínima de 07 (sete) dias. 3º - As Reuniões Extraordinárias poderão ser convocadas pelo Presidente ou por solicitação de, no mínimo, um terço dos conselheiros, mediante exposição de motivos e respeitando o prazo mínimo de convocação de 7 (sete) dias; ou no âmbito da Assembléia para tratar de assunto não resolvido no momento da reunião, ou ainda imediatamente com a concordância de no mínimo dois terços do total do conselho. 4º - Os assuntos a serem submetidos à apreciação da Assembléia serão apresentados unicamente por membros do Conselho Deliberativo. 5º - As reuniões do Conselho Deliberativo da APA do Banhado Grande serão realizadas na sede da Secretaria do Meio Ambiente - SEMA, de acordo com o calendário anual de Reuniões Ordinárias, aprovada pelo Conselho. 6º - Na primeira reunião anual será estabelecido o cronograma das reuniões bimestrais do respectivo ano. 4

5 Art. 9º - As reuniões do Conselho Deliberativo terão início respeitando o número de metade mais um dos seus membros, com prazo máximo de duração de 3 (três) horas. Parágrafo Único - Decorridos trinta minutos do horário marcado, não havendo quorum lavrar-se-á Ata declaratória, que incluirá as manifestações feitas pela Presidência ou pelos membros do Conselho Deliberativo. Art As reuniões obedecerão à seguinte ordem: I - Instalação dos trabalhos pela Presidência do Conselho Deliberativo; II - Verificação de quorum ; III - Leitura, discussão e aprovação da ata da reunião anterior; IV - Apresentação e deliberação sobre a ordem do dia; V - Discussão e votação dos assuntos em pauta, constantes na ordem do dia; VI - Constituição ou dissolução de Câmaras Temáticas, se for o caso; VII - Assuntos gerais; VIII - Encerramento da reunião pela Presidência do Conselho Deliberativo. Art As votações em assembléia ocorrerão por maioria simples dos membros presentes. 1º - Somente os conselheiros titulares terão direito a voto. 2º - O suplente imediato terá direito a voto quando estiver substituindo seu titular. Art Em cada reunião será lavrada uma Ata pela Secretaria Executiva e submetida aos conselheiros, por correio eletrônico, para aprovação na reunião subsequente. Art As assembléias do Conselho Deliberativo serão públicas, garantida a presença a qualquer cidadão ou cidadã, porém sem direito a voto. Parágrafo Único - As manifestações de não-membros do Conselho obedecerão à inscrição preliminar na Secretaria Executiva e apreciação pela Plenária. SUBSEÇÃO II DOS CONSELHEIROS Art Aos conselheiros compete: I - Solicitar ao Presidente convocação de Reunião Extraordinária; II - Comparecer, participar e votar nas reuniões do Conselho; III - Propor a inclusão de matérias na pauta bem como priorizar os assuntos dela constantes; IV - Apreciar, discutir, analisar, opinar e votar matérias que lhes sejam submetidas; V - Assinar Atas das reuniões do Conselho; VI - Apresentar, discutir e votar alterações do regimento interno e na formação da estrutura organizacional, quando convocada reunião exclusiva para este fim; VII - Apresentar moções de congratulações ou repúdio; VIII - Propor a criação ou dissolução de Câmaras Temáticas para fins específicos; IX - Participar de Câmaras Temáticas, de acordo com resolução da Assembléia; X - Votar e ser votado para os cargos previstos neste regimento; XI - Cumprir o regimento interno, ficando sujeito às penalidades cabíveis. SEÇÃO II DA PRESIDÊNCIA 5

6 Art A Presidência do Conselho Deliberativo será ocupada pelo Chefe da Unidade de Conservação da APA do Banhado Grande. Art São atribuições do Presidente: I - Convocar e presidir assembléias ordinárias e extraordinárias do Conselho, inclusive quando estas forem solicitadas pelos demais conselheiros, nos termos previstos neste regimento; II - Submeter à Assembléia as matérias da ordem do dia; III - Representar o Conselho, ou delegar sua representação a outro conselheiro; IV - Assinar, em conjunto com os outros membros, Atas das reuniões do Conselho; V - Autorizar a divulgação na imprensa de assuntos em apreciação ou já apreciados pelo Conselho; VI - Requisitar serviços específicos a membros do Conselho Deliberativo; VII - Cumprir e fazer cumprir as normas deste regimento; VIII - Constituir e extinguir, ouvidos os demais conselheiros, as Câmaras Temáticas; IX - Tomar decisões fundamentadas, de caráter urgente, a serem submetidas a referendo da Assembléia na próxima sessão do Conselho Deliberativo; X - Quando houver empate nas votações, cabe a presidência o voto de desempate, reservada a competência originária. SEÇÃO III DA VICE-PRESIDÊNCIA Art A Vice-Presidência será eleito pelos seus pares dentre os representantes das organizações, com um mandato de 02 (dois) anos, com possibilidade de reeleição. Art Compete ao Vice-Presidente do Conselho: I - Substituir o Presidente nas suas faltas ou impedimentos; II - Supervisionar os trabalhos da Secretaria Executiva; III - Executar outros encargos que lhe forem atribuídos pela Presidência. SEÇÃO IV DA SECRETARIA EXECUTIVA Art A Secretaria Executiva será exercida por um dos funcionários da APA do Banhado Grande, doravante denominado Secretário-Geral, e homologado pelo Conselho Deliberativo, com um mandato de 02 (dois) anos, podendo ser reconduzido por períodos sucessivos. Art São atribuições da Secretaria Executiva: I - Assessorar administrativamente a Presidência do Conselho; II - Organizar e manter arquivada e disponível toda a documentação relativa às atividades do Conselho; III - Colher dados e informações necessárias à complementação das atividades do Conselho; IV - Receber dos membros do Conselho sugestões de pauta; V - Encaminhar ao Presidente as sugestões de pauta das reuniões ordinárias, com antecedência mínima de 10 (dez) dias; VI - Distribuir com antecedência mínima de 5 (cinco) dias os documentos concernentes à próxima reunião; 6

7 VII - Auxiliar a Presidência na convocação e secretariar as reuniões do Conselho; VIII - Providenciar a elaboração das atas das reuniões e a redação final de todos os documentos que forem expedidos pelo Conselho. Art Na ausência do Secretário-Geral deverá ser escolhido, no início da reunião, um dos conselheiros presentes para cumprir a função da Secretaria Executiva. SEÇÃO V DAS CÂMARAS TEMÁTICAS Art De acordo com decisão em assembléia, poder-se-ão constituir ou destituir Câmaras Temáticas, de caráter temporário, tantas quantas forem necessárias, compostos por conselheiros, com ou sem convidados, especialistas nas temáticas de interesse da APA do Banhado Grande. Art Compete às Câmaras Temáticas: I - Estudar, analisar, emitir parecer e elaborar projetos e matérias submetidas à sua apreciação pela Assembléia, expressos em documentos ou relatórios; II - Proporcionar o suporte técnico e científico necessário às decisões do Conselho Deliberativo da APA do Banhado Grande em matérias específicas; III - Elaborar, em conjunto com a Secretaria Executiva do Conselho, a agenda de suas reuniões; IV - Relatar e submeter à aprovação do plenário, assuntos a elas pertinentes; V - Convidar especialistas para assessorá-la em assuntos de sua competência. 1 - Os pareceres ou documentos deverão ser encami nhados à Secretaria Executiva, com mínimo de 10 (dez) dias de antecedência à data prevista para sua discussão em assembléia. 2º - Da exposição de assuntos técnicos, objeto das Câmaras temáticas, os Conselheiros poderão se valer de assessores com efetiva capacidade técnica e/ou profissional sobre a matéria versada, a fim de bem esclarecer os fatos a serem deliberados. Art As Câmaras Temáticas serão formadas por um mínimo de 03 (três) integrantes, delas participando, obrigatoriamente, 02 (dois) conselheiros titulares ou suplentes, podendo participar desta, consultores externos, todos indicados e eleitos pela Assembléia. Parágrafo Único - Os 02 (dois) Conselheiros das Câmaras Temáticas, a que se refere o caput deste artigo, serão o Coordenador e Relator, escolhidos respectivamente em Assembléia. Art As atividades das Câmaras Temáticas não têm caráter decisório, mas sim informativo, devendo agregar dados e argumentos para fundamentar as decisões do Conselho. Art Compete ao Coordenador da Câmara Temática: I - Dirigir e coordenar as atividades da Câmara, determinando as providências necessárias ao seu pleno desempenho; II - Convocar e presidir as reuniões da Câmara; III - Estabelecer a ordem do dia por ocasião das convocações; 7

8 IV - Fixar a duração das reuniões, os horários destinados ao expediente, à ordem do dia e à livre manifestação dos integrantes e demais presentes; V - Encaminhar a votação de matéria e anunciar seu resultado, no âmbito da Câmara; VI - Decidir sobre questões de ordem ou submetê-las à Câmara; VII - Solicitar, por meio da Secretaria Executiva do Conselho, a emissão de convites para o comparecimento às reuniões da Câmara; VIII - Adotar outras providências destinadas ao regular andamento dos trabalhos e ao atendimento das atribuições da Câmara. Art Compete ao Relator da Câmara Temática elaborar parecer, manifestação ou estudo, conforme o caso, observados os prazos fixados pela Câmara. 1º - Os pareceres, manifestações e estudos deverão consubstanciar as conclusões da Câmara no curso de seus trabalhos, de forma a subsidiar as deliberações do Conselho. 2º - Os pareceres, manifestações e estudos da Câmara deverão ser instruídos com a documentação pertinente e, após a votação final, encaminhados ao Conselho para deliberação da assembléia. Art Os pareceres das Câmaras Temáticas a serem apresentados durante as reuniões deverão ser elaborados por escrito e entregues à Secretaria Executiva, com antecedência mínima de 10 (dez) dias para as reuniões ordinárias e de 05 (cinco) dias para reuniões extraordinárias. 1º - Cabe às Câmaras Temáticas realizar uma exposição sobre os seus pareceres, em linguagem acessível e de fácil entendimento a todos os presentes nas reuniões do Conselho. 2º - Terminada a exposição dos pareceres das Câmaras Temáticas será o assunto posto em discussão pela assembléia. 3º - Os membros do Conselho, nas discussões sobre o teor dos pareceres das Câmaras Temáticas terão uso da palavra, que será concedida pela Presidência na ordem em que for solicitado com limite de tempo de até 5 minutos. CAPÍTULO IV DA PERDA DE MANDATO E DA VACÂNCIA SEÇÃO I DA PERDA DE MANDATO Art O mandato dos conselheiros do Conselho Deliberativo da APA do Banhado Grande é de 02 (dois) anos, renovável por igual período, não remunerado e considerado atividade de relevante interesse público. Parágrafo Único - A recondução do mandato do conselheiro deverá ser mediante manifestação oficial da instituição que representa. Art Perderá o mandato, na vigência do exercício, o conselheiro que deixar de comparecer ou de enviar um dos seus suplentes, no período de um ano civil, a 03 (três) reuniões consecutivas ou 04 (quatro) cumulativas, sem justificativa. 8

9 1º - A justificativa de falta deverá ser encaminhada, por ofício, para a Secretaria Executiva, em até 05 (cinco) dias após a respectiva reunião. 2º - A falta não justificada do conselheiro será comunicada à instituição que representa, por ofício expedido pela Secretaria Executiva, após decorrido o prazo do Parágrafo Primeiro deste Artigo. 3º - As justificativas a que se refere este artigo deverão ser apreciadas pela Presidência, e, caso não aceitas, serão submetidas à Assembléia, na reunião seguinte. Art Perderá a condição de conselheiro aquele que cometer falta julgada grave por ocasião de sua atuação no Conselho ou por práticas de atos ilícitos devidamente comprovados nos termos da legislação penal vigente. Art A perda de mandato do conselheiro será efetivada a partir de resolução da Assembléia. Art A instituição que, por ventura, seja representada por conselheiro que venha a perder seu mandato deverá indicar um substituto através de ofício endereçado à Secretaria Executiva deste Conselho, no prazo máximo de 20 (vinte) dias após a resolução que determina a perda do mandato. Parágrafo Único - O Conselheiro que perder o mandato não poderá ser reconduzido na vigência do mandato. SEÇÃO II DA VACÂNCIA DE INSTITUIÇÃO Art Ocorrerá vacância de uma instituição quando seu representante legal solicitar oficialmente ao Presidente a exclusão da instituição deste Conselho ou quando a instituição, devidamente intimada não indicar um representante substituto no prazo de 30 (trinta) dias. Parágrafo Único - Haverá a substituição desta instituição mediante Edital de Convocação para cadastramento de nova entidade, resguardando a relação de representatividade da entidade. SEÇÃO III DA VACÂNCIA DE MANDATO INDIVIDUAL Art Ocorrerá vacância de mandato do conselheiro quando este: I - Desligar-se da instituição que representa; II - Solicitar seu desligamento, por escrito, ao Presidente deste Conselho. Parágrafo Único - A instituição cujo conselheiro tenha se desligado do Conselho deverá indicar um substituto através de ofício endereçado à Secretaria Executiva deste Conselho, no prazo máximo de 30 (trinta) dias após o desligamento. CAPÍTULO V DAS DISPOSIÇÕES FINAIS E TRANSITÓRIAS 9

10 Art O Conselho Deliberativo poderá apresentar, mediante um terço de seus membros, propostas de alteração deste regimento, sempre que julgarem necessário, à Secretaria Executiva. Parágrafo Único - A Secretaria Executiva submeterá à Presidência do Conselho as propostas de alteração deste regimento, as quais serão encaminhadas para votação em assembléia especialmente convocada para esse fim, com quorum mínimo de dois terços dos membros do Conselho Deliberativo e aprovação por maioria absoluta. Art Os casos omissos e as dúvidas surgidas na aplicação do presente regimento serão resolvidos em assembléia. Publicado no DOE do dia 12 de abril de Código:

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULOI DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho de Alimentação Escolar - CAE, do Município de Sorriso-MT criado por meio da Lei municipal nº 870

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CONSELHO MUNICIPAL DE POLÍTICAS CULTURAIS REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1º - Este regimento interno disciplina o funcionamento do Conselho Municipal de Políticas Culturais,

Leia mais

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991.

DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. ALTERADO PELOS DECRETOS SC N 322/1995; 2.155/1997; 2.442/1997 DECRETO Nº 533, DE 02 DE SETEMBRO DE 1991. Dispõe sobre a competência do Conselho de Meio Ambiente - CONSEMA - SC O GOVERNADOR DO ESTADO DE

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições legais, de acordo com o artigo 24 do Estatuto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, para observância

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

Capítulo I das Atividades do Conselho

Capítulo I das Atividades do Conselho REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ITARANTIM BA, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.947/2009 E RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 038/2009. Capítulo I das Atividades do Conselho

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE

FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE RONDÔNIA NÚCLEO DE TECNOLOGIA NT DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DEE REGIMENTO INTERNO DO DEPARTAMENTO ACADÊMICO DE ENGENHARIA ELÉTRICA CAPÍTULO I Do Departamento de Engenharia Elétrica Art. 1 O Departamento de Engenharia Elétrica é o órgão acadêmico que congregam docentes

Leia mais

ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO

ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO Art. 1º - O presente estatuto dispõe sobre o Conselho Escolar da Escola Municipal Ensino e é constituído

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA

REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE GRADUAÇÃO EM ARQUIVOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO TÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES CAPÍTULO I Da Natureza Art. 1º. O Colegiado do Curso de Graduação em Arquivologia é um órgão normativo e deliberativo, com sede no Centro de

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006

LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 LEI Nº 3.219, DE 29 DE DEZEMBRO DE 2006 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Meio Ambiente, dá outras providências sobre o Fundo Municipal de Meio Ambiente, revoga e altera disposições indicadas

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS - CEP-CH -

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA EM CIÊNCIAS HUMANAS - CEP-CH - SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA FACULDADE DE FILOSOFIA E CIÊNCIAS HUMANAS Estrada de São Lázaro, 197. Federação. Salvador/Bahia. CEP.: 40210-730. Tel/Fax: +55 71 3331-2755 REGIMENTO

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO

REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO 1/12 REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM ESTADUAL DAS MICROEMPESAS E EMPRESAS DE PEQUENO PORTE DE PERNAMBUCO CAPÍTULO I NATUREZA E COMPETÊNCIAS Art. 1º O Fórum Estadual das Microempresas e Empresas de Pequeno Porte

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE CAPÍTULO 1 DAS FINALIDADES DE REGIMENTO INTERNO DA CEUA Art. 1 A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da Fundação Universidade Federal de

Leia mais

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE

CAPÍTULO I DO APOIO A GESTÃO DO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE CAPÍTULO II DA CONFERÊNCIA MUNICIPAL DE SAÚDE LEI N.º 1.297, DE 06 DE JULHO DE 2010. Dispõe sobre apoio a Gestão do Sistema Único de Saúde, da realização de conferências no âmbito municipal, da reformulação e funcionamento do Conselho Municipal de

Leia mais

Título I Do Colegiado e Seus Fins. Título II Da Constituição do Colegiado

Título I Do Colegiado e Seus Fins. Título II Da Constituição do Colegiado Regimento Interno do Colegiado do Curso de Graduação em Ciência da Computação da Faculdade Federal de Rio das Ostras do Pólo Universitário de Rio das Ostras Título I Do Colegiado e Seus Fins Art. 1º. O

Leia mais

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE

RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E EDUCAÇÀO DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS SOCIAIS CURSO DE SECRETARIADO EXECUTIVO BILÍNGUE Bacharelado RESOLUÇÃO DO COLEGIADO DO CURSO DE SECRETARIADO

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA 1 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE ÉTICA DO USO DE ANIMAIS DA MERCOLAB LABORATÓRIOS LTDA Aprova o Regimento Interno do Comitê de Ética no Uso de Animais, da MercoLab Laboratórios Ltda. O conselho de pesquisa

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI)

PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI) PROPOSTA DE REGIMENTO INTERNO PARA O COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO (CTI) Abril/2013 CAPÍTULO I DA NATUREZA E COMPETÊNCIA Art. 1º. O Comitê de Tecnologia da Informação CTI do Instituto Federal

Leia mais

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA)

UNIÃO DAS INSTITUIÇÕES DE SERVIÇO, ENSINO E PESQUISA LTDA - UNISEPE REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) REGIMENTO INTERNO COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS (CEUA) Agosto/2011 CAPÍTULO I SEÇÃO I DA NATUREZA Art. 1º A Comissão de Ética no Uso de Animais (CEUA) da União das Instituições de Serviço, Ensino

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1 o Este Regimento Interno do Conselho Fiscal CONFI estabelece as normas que complementam

Leia mais

NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES

NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES NORMAS E DIRETRIZES DO FUNCIONAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA NO USO CIENTÍFICO DE ANIMAIS (CEUA-UNISANTA) CAPÍTULO I DO OBJETO E FINALIDADES Artigo 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa no Uso Científico de Animais,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE CIÊNCIAS EXATAS E NATURAIS REGIMENTO INTERNO Aprovado na reunião do Conselho de Centro do dia 15.03.2007. SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE

REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas - UNIFAL-MG REGIMENTO INTERNO MUSEU DA MEMÓRIA E PATRIMÔNIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE ALFENAS CAPÍTULO I CATEGORIA, SEDE E FINALIDADE Art. 1º O Museu

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N. 638, DE 22 DE JANEIRO DE 2008 Aprova o Regimento do Campus Universitário do Marajó-Soure. O REITOR DA UNIVERSIDADE

Leia mais

Anexo. Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil

Anexo. Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil RESOLUÇÃO Nº 1 Aprova o Regimento Interno do Conselho Deliberativo do Fundo Soberano do Brasil, ao qual se refere o inciso XI do art. 3º do Decreto n 7.113, de 19 de fevereiro de 2009. Tendo em vista a

Leia mais

REGMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO TRABALHO DO ESTADO DE ALAGOAS CAPITULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS

REGMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO TRABALHO DO ESTADO DE ALAGOAS CAPITULO I DA COMPOSIÇÃO E DAS COMPETÊNCIAS REGMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DO TRABALHO DO ESTADO DE ALAGOAS Aprovado em Reunião Ordinária de 05 de julho de 1995 Alterado em Reunião Ordinária de 12 de dezembro de 2001 e em Reunião Ordinária

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - COSIC

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - COSIC APROVAÇÃO: Deliberação DIREX nº 108, de 14/12/2015 REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ DE SEGURANÇA DA INFORMAÇÃO E DA COMUNICAÇÃO - COSIC 1/7 1. NATUREZA, VINCULAÇÃO E FINALIDADE 1.1 O Comitê de Segurança da

Leia mais

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES.

REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES. REGULAMENTO DAS INSPETORIAS, REPRESENTAÇÕES E DAS COMISSÕES AUXILIARES DE FISCALIZAÇÃO-CAFs CAPÍTULO I DAS INSPETORIAS E REPRESENTAÇÕES Seção I Da Natureza e Finalidade das Inspetorias Art. 1º A Inspetoria

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009

RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 RESOLUÇÃO CONSU Nº 05/2009 Cria o Núcleo de Inovação Tecnológica da UESC - NIT O Presidente do Conselho Universitário CONSU - da Universidade Estadual de Santa Cruz UESC, no uso de suas atribuições, em

Leia mais

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS

REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS REGULAMENTO GERAL DA PÓS-GRADUAÇÃO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO SUDESTE DE MINAS GERAIS CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E DAS FINALIDADES Art. 1º. A pós-graduação do Instituto

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática

Universidade Federal de Pernambuco. Regimento Interno do Centro de Informática Universidade Federal de Pernambuco Regimento Interno do Centro de Informática TÍTULO I DISPOSIÇÃO PRELIMINAR SUMÁRIO 2 TÍTULO II DA FINALIDADE DO CENTRO TÍTULO III DOS CURSOS DO CENTRO TÍTULO IV DA ESTRUTURA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL)

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE ESTUDOS EM EDUCAÇÃO E LINGUAGEM (CEEL) TÍTULO 1 Da Instituição e seus Fins Art. 1 0 O Centro de Estudos em Educação e Linguagem (CEEL), criado em 2004, para integrar uma

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011.

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. Dispõe sobre Criação de Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA/URI. O Reitor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI,

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL. RESOLUÇÃO CEPE-UEMS Nº 1.152, de 24 de novembro de 2011.

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MATO GROSSO DO SUL. RESOLUÇÃO CEPE-UEMS Nº 1.152, de 24 de novembro de 2011. RESOLUÇÃO CEPE-UEMS Nº 1.152, de 24 de novembro de 2011. Aprova o Regulamento da Comissão de Ética no Uso de Animais, da Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul. O CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE JUIZ DE FORA CONSELHO SUPERIOR RESOLUÇÃO Nº 02/2010 Cria e estabelece o Regimento Interno do órgão suplementar, Centro de Educação a Distância (CEAD) da Universidade Federal de Juiz de Fora. O CONSELHO SUPERIOR da

Leia mais

RESOLUÇÃO CONSU Nº 030/2013,

RESOLUÇÃO CONSU Nº 030/2013, IF SUDESTE MG REITORIA Av. Francisco Bernardino, 165 4º andar Centro 36.013-100 Juiz de Fora MG Telefax: (32) 3257-4100/4149 e-mail: gabinete@ifsudestemg.edu.br RESOLUÇÃO CONSU Nº 030/2013, de 25 de novembro

Leia mais

FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração)

FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO. REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração) FÓRUM DA AGENDA 21 LOCAL DE ITABORAÍ MUNICÍPIO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO REGIMENTO INTERNO DO FÓRUM (1ª Alteração) Aprovado em Assembléia Geral Ordinária realizada no dia 11 de Setembro de 2014 às 16:00h,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO CONSULTIVO DO PARQUE NACIONAL DA TIJUCA CAP I - Da Natureza Art. 1 - O Conselho Consultivo do Parque Nacional da Tijuca CCPNT é órgão consultivo integrante da estrutura administrativa

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014

RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014 RESOLUÇÃO Nº 006 CONSUPER/2014 Dispõe sobre o Regulamento das Atividades do Núcleo de Gestão Ambiental do Instituto Federal Catarinense. O Presidente do do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN

RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN RESOLUÇÃO Nº 08/03-COUN Estabelece o Regimento Interno do Núcleo de Educação a Distância (NEAD) da Universidade Federal do Paraná. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO da Universidade Federal do Paraná, no uso de

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CNDRS

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CNDRS CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL CNDRS RESOLUÇÃO Nº 31 DE 26 DE JUNHO DE 2002 Aprova o Regimento Interno da 1ª Conferência Nacional de Desenvolvimento Rural Sustentável. O Presidente

Leia mais

REGIMENTO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RO GRANDE DO SUL

REGIMENTO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO RO GRANDE DO SUL REGIMENTO DO CONSELHO ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DO RO GRANDE DO SUL DECRETO N.º 27.474, DE 24 DE AGOSTO DE 1978* Aprova Regimento do Conselho Estadual de Educação. O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO CUNI Nº 008, DE 6 DE MARÇO DE 2012. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE LAVRAS, no uso de suas atribuições

Leia mais

Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá

Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá Comitê de Ética em Pesquisa Envolvendo Seres Humanos Instituto de Pesquisas Científicas e Tecnológicas do Estado do Amapá INSTITUTO DE PESQUISAS CIENTÍFICAS E TECNOLÓGICAS DO ESTADO DO AMAPÁ IEPA REGIMENTO

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES CAPÍTULO I DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES O COMITÉ GESTOR DO PROGRAMA MUNICÍPIOS VERDES PMV COGES, tendo em conta o Decreto Estadual nº 54 de 29 de março de 2011, posteriormente

Leia mais

REGIMENTO DO CREA-RJ TÍTULO I DO CONSELHO REGIONAL CAPÍTULO I DA NATUREZA, DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DO CREA

REGIMENTO DO CREA-RJ TÍTULO I DO CONSELHO REGIONAL CAPÍTULO I DA NATUREZA, DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DO CREA REGIMENTO DO CREA-RJ TÍTULO I DO CONSELHO REGIONAL CAPÍTULO I DA NATUREZA, DA FINALIDADE E DA ORGANIZAÇÃO DO CREA Art. 1 o O Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia do Rio de Janeiro Crea-RJ

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná CEP - Comitê de Ética em Pesquisa com Seres Humanos REGULAMENTO DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS DA UNIVERSIDADE

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ. CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO REGIONAL DE ECONOMIA 1ª REGIÃO-RJ CAPÍTULO I Constituição e Jurisdição Art. 1º - O Conselho Regional de Economia da 1ª Região tem sede e foro na cidade do Rio de Janeiro e

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I

REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA. Título I. Das Disposições Gerais. Capítulo I 1 REGIMENTO INTERNO DO SERVIÇO DE PSICOLOGIA IMS/CAT/UFBA Título I Das Disposições Gerais Capítulo I Dos Objetivos e da Estruturação Geral do Serviço de Psicologia Art. 1º - O Serviço de Psicologia é parte

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos

Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos Presidência da República Casa Civil Subchefia para Assuntos Jurídicos DECRETO Nº 4.340, DE 22 DE AGOSTO DE 2002 Regulamenta artigos da Lei n o 9.985, de 18 de julho de 2000, que dispõe sobre o Sistema

Leia mais

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp

Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp Resolução Unesp-38, de 10-9-2008 Estabelece a estrutura organizacional dos Campus Experimentais da Unesp O Reitor da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, tendo em vista o deliberado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTFPR

REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTFPR REGIMENTO INTERNO DO COMITÊ GESTOR DE TECNOLOGIA DA INFORMAÇÃO DA UTF CAPITULO I DA AESENTAÇÃO Art. 1º O presente Regimento disciplina a organização, as competências e o funcionamento do Comitê Gestor

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, COMPETÊNCIA E COMPOSIÇÃO.

REGIMENTO INTERNO TÍTULO I DA NATUREZA, COMPETÊNCIA E COMPOSIÇÃO. REGIMENTO INTERNO O Conselho Municipal de Acessibilidade, Mobilidade e Transporte - CMAMT, considerando o disposto no artigo 2º, VII, da Lei Municipal nº 1.982 de 18 de julho de 2013, aprova o seguinte

Leia mais

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO

PREFEITURA DO ALEGRETE-RS ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA DE GOVERNO SEÇÃO DE LEGISLAÇÃO DECRETO Nº. 584, DE 19 DE NOVEMBRO DE 2014. Homologa Regimento Interno do Fórum Municipal de Educação de Alegrete. O PREFEITO MUNICIPAL, no uso de sua atribuição, que lhe confere o Art. 101, IV, da Lei

Leia mais

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA

UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO REGULAMENTO GERAL COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS CEUA 2010 TÍTULO I DOS OBJETIVOS E ATRIBUIÇÕES Art. 1º - A COMISSÃO DE ÉTICA PARA O USO DE ANIMAIS CEUA-UCB, órgão vinculado

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA (CEUA - UFV) CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA (CEUA - UFV) CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA (CEUA - UFV) CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES Seção I Do objeto Art. 1 0 A Comissão de Ética no Uso de

Leia mais

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016

RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Resolução nº 03/2016 Pág. 1 de 06 RESOLUÇÃO nº 03 DE 28 DE JANEIRO DE 2016 Aprova Regulamento do Colegiado do Curso de Engenharia de Controle e Automação/CEng. A Presidente do Conselho do Ensino, da Pesquisa

Leia mais

Publicado no DOM em 15 jul 2015. Aprova o Regimento Interno do Fórum Permanente de Desenvolvimento Econômico e Turismo, na forma que especifica.

Publicado no DOM em 15 jul 2015. Aprova o Regimento Interno do Fórum Permanente de Desenvolvimento Econômico e Turismo, na forma que especifica. Decreto Nº 15203 DE 01/07/2015 Publicado no DOM em 15 jul 2015 Aprova o Regimento Interno do Fórum Permanente de Desenvolvimento Econômico e Turismo, na forma que especifica. O Prefeito Municipal de Teresina,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL UNIVERSIDADE FEDERAL DA PARAÍBA CONSELHO UNIVERSITÁRIO RESOLUÇÃO N 22/2014 Aprova o Regimento do Centro de Informática da Universidade Federal da Paraíba. O CONSELHO UNIVERSITÁRIO

Leia mais

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT

Regimento Interno da Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT Título I Da Comissão Capítulo I Disposições Gerais Art. 1º - A Comissão Permanente de Perícia Médica, Segurança e Higiene do Trabalho CPMSHT, instituída pelo Decreto nº 9.321, de 1 de março de 2011, integrante

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro Centro de Ciências Jurídicas e Políticas Escola de Ciências Jurídicas PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO (PPGD) MESTRADO ACADÊMICO EM DIREITO REGULAMENTO

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DO COLEGIADO DO CURSO DE LICENCIATURA EM LETRAS PORTUGUÊS/INGLÊS FACULDADE INTERDISCIPLINAR EM HUMANIDADES - UNIVERSIDADE FEDERAL DOS VALES DO JEQUITINHONHA E MUCURI UFVJM CAPÍTULO I

Leia mais

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007

DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 DECRETO Nº 27.958, DE 16 DE MAIO DE 2007 DODF DE 17.05.2007 Aprova o Estatuto Social da Fundação de Apoio à Pesquisa do Distrito Federal e dá outras providências. O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO.

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO. 1 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO DA AGRICULTURA FAMILIAR E REFORMA AGRÁRIA - CEDAFRA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO. Art. 1º - O Agrária CEDAFRA, instituído com base

Leia mais

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 04/2015

SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS RESOLUÇÃO Nº 04/2015 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE VIÇOSA SECRETARIA DE ÓRGÃOS COLEGIADOS Campus Universitário Viçosa, MG 36570-000 Telefone: (31) 3899-2127 - Fax: (31) 3899-1229 - E-mail: soc@ufv.br RESOLUÇÃO

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (Aprovado na RCA de 14.06.2010 e alterado nas RCAs de 25.04.2012, 22.04.2013, 28.10.2013

Leia mais

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015.

DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. Secretaria Estadual De Saúde Conselho Estadual De Saúde - RJ DELIBERAÇÃO CES Nº 130 /2015 De, 10 de junho de 2015. APROVA O REGIMENTO IN- TERNO DA 7ª CONFERÊNCIA ESTADUAL DE SAÚDE DO RIO DE JANEIRO. O

Leia mais

Faculdade de São Paulo. Regimento Consu

Faculdade de São Paulo. Regimento Consu Faculdade de São Paulo Regimento Consu 2 REGMENTO DO CONSELHO SUPEROR (CONSU) TTULO DA NATUREZA, COMPOSÇÃO, COMPETÊNCA, ORGANZAÇÃO E FUNCONAMENTO CAPÍTULO DA NATUREZA Art. 1º - O CONSELHO SUPEROR (CONSU)

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/EEWB REGIMENTO INTERNO

ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/EEWB REGIMENTO INTERNO ESCOLA DE ENFERMAGEM WENCESLAU BRAZ COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA CEP/EEWB REGIMENTO INTERNO ITAJUBÁ 2015 Capítulo 1 DO COMITÊ DE ÉTICA EM PESQUISA Art. 1º - O Comitê de Ética em Pesquisa - CEP - da Escola

Leia mais

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP

MANUAL DE NORMAS Ato: Resolução Nº 012/2011- CONSUP Pág. 1 de 8 CAPÍTULO I DO NÚCLEO DE INOVAÇÃO TECNOLÓGICA E SEUS FINS Art. 1º O Núcleo de Inovação Tecnológica do Instituto Federal do Piauí (IFPI), criado pela Resolução nº 012, de 12 de agosto de 2011,

Leia mais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais

Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em. Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais Regimento Interno do Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica e de Materiais I DOS OBJETIVOS E ORGANIZAÇÃO GERAL Art. 1 O Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Minas, Metalúrgica

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIAL / CODETS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DA COORDENADORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIAL / CODETS PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO D COORDENDORI DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E SOCIL / CODETS PRÓ-REITORI DE EXTENSÃO CPÍTULO I D FINLIDDE rt. 1 o Coordenadoria de Desenvolvimento Tecnológico e Social CODETS, Setor

Leia mais

REGIMENTO INTERNO CONSELHO SUPERIOR (CONSUP)

REGIMENTO INTERNO CONSELHO SUPERIOR (CONSUP) REGIMENTO INTERNO TERESINA-PI 2011 Pág. 1 de 21 SUMÁRIO Página Seção I Da Natureza e Finalidade 2 Seção II Da Composição e Mandatos 2 Seção III Da Posse e Perda dos Mandatos 3 Seção IV Da Competência 4

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO MUNICIPAL DE PLANEJAMENTO URBANO CAPÍTULO I DA NATUREZA, COMPOSIÇÃO E ORGANIZAÇÃO Art. 1º - O Conselho Municipal de Planejamento Urbano, criado pela Lei Complementar nº 510,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA EM PESQUISA PARA USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA EM PESQUISA PARA USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA EM PESQUISA PARA USO DE ANIMAIS (CEUA) DA UNIVERSIDADE ANHEMBI MORUMBI CAPITULO I - DO OBJETO E SUAS FINALIDADES Artigo 1º - A Comissão de Ética para Uso de Animais

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2014/PROEN

INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2014/PROEN INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 05/2014/PROEN Normatiza a criação, atribuições e funcionamento do Colegiado dos Cursos de Graduação do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Farroupilha. O Pró-Reitor

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL DA COOPERATIVA DE CRÉDITO DE LIVRE ADMISSAO DE ASSOCIADOS DE COLORADO E REGIÃO SICOOB COLORADO TÍTULO I DA DEFINIÇÃO E DA FINALIDADE Art. 1º O Conselho de Fiscal é

Leia mais

LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007

LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007 LEI Nº. 179/2007, DE 08/06/2007 Dispõe sobre a criação do Conselho Municipal de Defesa do Meio Ambiente e dá outras providências. O Prefeito Municipal de Malhada/BA, no uso de uma de suas atribuições legais,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA FACULDADE EVANGÉLICA DO PARANÁ CEUAs - FEPAR SOCIEDADE EVANGÉLICA BENEFICENTE DE CURITIBA

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA FACULDADE EVANGÉLICA DO PARANÁ CEUAs - FEPAR SOCIEDADE EVANGÉLICA BENEFICENTE DE CURITIBA REGIMENTO INTERNO DA COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA FACULDADE EVANGÉLICA DO PARANÁ CEUAs - FEPAR SOCIEDADE EVANGÉLICA BENEFICENTE DE CURITIBA CAPÍTULO I DO OBJETO E SUAS FINALIDADES Artigo 1.º

Leia mais

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE TIRADENTES CEUA/UNIT. Regimento Interno

COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE TIRADENTES CEUA/UNIT. Regimento Interno COMISSÃO DE ÉTICA NO USO DE ANIMAIS DA UNIVERSIDADE TIRADENTES CEUA/UNIT Regimento Interno I DA DEFINIÇÃO, NATUREZA E FINALIDADE: Art. 1º. A comissão de Ética no Uso de Animais da Universidade Tiradentes

Leia mais

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. PROJETO DE LEI MUNICIPAL Nº. xxx, DE xx DE xx DE xxxx INSTITUI O CONSELHO MUNICIPAL DE CULTURA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. O PREFEITO MUNICIPAL, Faço saber que a Câmara Municipal decreta e eu sanciono a

Leia mais

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 44/2014, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2014

RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº 44/2014, DE 07 DE NOVEMBRO DE 2014 MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO INSTITUTO FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO SUPERIOR Avenida Rio Branco, 50 Santa Lúcia 29056-255 Vitória ES 27 3227-5564 3235-1741 ramal 2003 RESOLUÇÃO DO CONSELHO SUPERIOR Nº

Leia mais