PREVALÊNCIA DE Chlamydia trachomatis EM HOMENS, HIV POSITIVOS, ATENDIDOS NA FUNDACÃO DE MEDICINA TROPICAL DR. HEITOR VIEIRA DOURADO (FMT-HVD)

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PREVALÊNCIA DE Chlamydia trachomatis EM HOMENS, HIV POSITIVOS, ATENDIDOS NA FUNDACÃO DE MEDICINA TROPICAL DR. HEITOR VIEIRA DOURADO (FMT-HVD)"

Transcrição

1 UNIVERSIDADE DO ESTADO DO AMAZONAS FUNDAÇÃO DE MEDICINA TROPICAL DR. HEITOR VIEIRA DOURADO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MEDICINATROPICAL MESTRADO EM DOENÇAS TROPICAIS E INFECCIOSAS PREVALÊNCIA DE Chlamydia trachomatis EM HOMENS, HIV POSITIVOS, ATENDIDOS NA FUNDACÃO DE MEDICINA TROPICAL DR. HEITOR VIEIRA DOURADO (FMT-HVD) ALEX PANIZZA JALKH MANAUS 2011

2 i ALEX PANIZZA JALKH PREVALÊNCIA DE Chlamydia trachomatis EM HOMENS, HIV POSITIVOS, ATENDIDOS NA FUNDACÃO DE MEDICINA TROPICAL DR. HEITOR VIEIRA DOURADO (FMT-HVD) Dissertação de Mestrado apresentada ao Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical da Universidade do Estado do Amazonas em Convênio com a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado, para obtenção do título de Mestre em Doenças Tropicais e Infecciosas. Orientador: Prof. Dr. Luiz Carlos de Lima Ferreira Co-Orientadora: Prof ª. Dra. Angélica Espinosa Miranda MANAUS 2011

3 Ficha Catalográfica J26 Jalkh, Alex Panizza Prevalência de Chlamydia trachomatis em homens, HIV positivos, atendidos na Funcaçao de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado (FMT-HVD). / Alex Panizza Jalkh -- Manaus: Universidade do Estado do Amazonas, f. : il. Dissertação (Mestrado) - Universidade do Estado Amazonas - Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical da Universidade do Estado do Amazonas, Orientador: Prof. Dr. Luiz Carlos de Lima Ferreira. 1. Homens HIV positivo 2. Chlamydia trachomatis I. Ferreira, Luiz Carlos de Lima II. Titulo CDU: Ficha catalográfica elaborada por Maria Eliana N. Silva CRB- 11/248

4 ii FOLHA DE JULGAMENTO PREVALÊNCIA DE Chlamydia trachomatis EM HOMENS, HIV POSITIVOS, ATENDIDOS NA FUNDACÃO DE MEDICINA TROPICAL DR. HEITOR VIEIRA DOURADO (FMT-HVD) ALEX PANIZZA JALKH Esta Dissertação foi julgada adequada para a obtenção do Título de Mestre em Doença Tropicais e Infecciosas, aprovada em sua forma final pelo Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical da Universidade do Estado do Amazonas em convênio com a Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado. Banca Julgadora: Prof. Dr. Luiz Carlos de Lima Ferreira Presidente Prof a. Dra. Angélica Espinosa Barbosa Miranda Membro Prof a. Dra. Cintia Mara Costa de Oliveira Membro

5 iii Baixem sobre mim as tuas misericórdias, para que eu viva Salmo 119: 77

6 iv DEDICATÓRIA A Angélica, minha esposa a Alex Filho, Lorena e Angélica, meus filhos, grandes motivos de vida, por todo o carinho, apoio e compreensão durante minha presença ausente, necessária para a realização deste trabalho.

7 v AGRADECIMENTOS A DEUS, por iluminar o meu caminho e permitir mais essa dádiva em minha vida. A meus Pais, Elisa e Germán, sempre atentos, primeiros mestres da minha formação humana, por seu amor, carinho e principalmente pelo incentivo que sempre me deram em toda minha vida. Ao minha esposa, Angélica, seu Amor, paciência e compreensão. Aos meus Filhos, fontes de toda força e vontade que carrego comigo ao despertar de cada manhã. Com grande estima, expresso a minha mais profunda gratidão aos meus orientadores, Prof. Dr. Luiz Carlos de Lima Ferreira, Prof ª. Dra. Angélica Espinosa Miranda e Prof. Dr. José Camilo Hurtado, pela oportunidade de realização deste trabalho, pelos conhecimentos transmitidos, bem como pela disponibilidade e pela orientação e incentivo constante. Ninguém é capaz de fazer os outros felizes em um passe de mágica. O que podemos é ajudar as pessoas a verem aquilo que precisam ver, apontar o caminho e torcer para que elas o sigam À Farmacêutica bioquímica e amiga Marly Marques de Melo, pela sua valiosa ajuda e incentivo no inicio do curso de mestrado. A técnica de Enfermagem Sra. Francisca Elizabeth Rocha Monteiro, pelo auxilio na execução da coleta das amostras, pela simpatia e amizade.

8 vi Ao Dr. Giuseppe Figliuolo e a acadêmica de medicina Jussimara Maia pela parceria no atendimento aos pacientes. A Dra Cintia Mara Costa de Oliveira, Dra Heline Silva Lira e Dra Carolina Marinho da Costa, pela disponibilidade e atento cuidado na execução dos testes laboratoriais. A Universidade do Estado do Amazonas, Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado, A coordenação do Programa de Pós-Graduação em Medicina Tropical pelos auxílios e incentivos oferecidos no decorrer desse trabalho. Aos pacientes, sem os quais este trabalho seria impossível. A meus verdadeiros amigos que hoje se alegram com meus logros.

9 vii RESUMO Introdução: A Chlamydia trachomatis é o principal agente bacteriano de doença sexualmente transmissível (DST) no mundo. A infecção por Chlamydia trachomatis está associada com uma probabilidade várias vezes maior de adquirir a infecção por HIV. Até hoje, pouco tem sido pesquisado com foco na prevalência da infecção urethral de C. trachomatis em homens HIV positivos no Brasil. O diagnóstico é dificultado pela inadequação laboratorial e pela falta de sintomas específicos. Objetivo: avaliar a prevalência da infecção pela Chlamydia trachomatis, bem como identificar fatores demográficos, comportamentais e clínicos correlacionados a essa infecção em homens HIV positivos que procuraram atendimento na FMT-HVD, no Brasil, no período de 1 de novembro de 2009 a 1 de novembro de Metodologia: todos os pacientes responderam a questionário padrão seguido de atendimento dermatológico e urológico. Foram coletadas amostras uretrais para testar C. trachomatis pelas técnicas de Captura Híbrida e Reação em Cadeia da Polimerase (PCR) em Tempo Real. Os dados foram armazenados e analisados no Epi Info, versão e SPSS versão 9.0. Utilizou-se o teste do Qui-quadrado considerando o valor de 5% (p<0,05) como limiar de significância para análise estatística. Resultados: Um total de 276 homens HIV positivos foram examinados. A prevalência de infecção por CT foi e 11,95% no teste PCR em tempo real e 0,71% no teste de Captura Híbrida. Todas as infecções por CT foram assintomáticos. A media de idade foi 34,63 (DP 10,80) anos. Os fatores identificados como sendo associados com a infecção pela CT foram ser solteiro (p<0,034), ser homem que faz sexo com homem (HSH) (p<0,021) e uma forte associação com histórico de DST (p<0,001). Concluiu-se que a infecção pela C. trachomatis é alta em homens infectados pelo HIV, desde que testados pela PCR real time. Com a maioria dos diagnósticos ocorrendo entre HSH. Palavras-chave: Chlamydia trachomatis, Reação em Cadeia de Polimerase (PCR), Captura Híbrida, Homens HIV Positivo.

10 viii ABSTRACT Introduction: Chlamydia trachomatis is the leading bacterial agent of sexually transmitted disease (STD), in the world. Chlamydia trachomatis is associated with a rate several times greater risk of acquiring infection HIV. To date, little has been researched with a focus on prevalence of C. trachomatis urethral in HIV-positive men in Brazil. O diagnosis is hampered by inadequate laboratory and the lack of specific symptoms Objective: to assess the prevalence of infection by Chlamydia trachomatis and to identify demographic, behavioral and clinical correlate to this infection in HIV positive men who sought treatment at FMT-HVD, Brazil, from 1 November, 2009 to 1 November Methods all patients answered a standard questionnaire, followed by dermatological and urological care.urethral samples were collected to test C. trachomatis by the techniques of Hybrid Capture and polymerase chain reaction. Data were stored and analyzed using Epi Info version and SPSS version 9.0. We used the chi-square value of 5% (p<0.05) as threshold of significance for statistical analysis. Results: A total of 276 HIV positive men were examined. The prevalence of CT infection was 11,95% in the PCR real time test and 0.72% in the test Hybrid Capture.All CT infections were asymptomatic. The mean age was 34, 63 (SD 10,80) years. Factors identified as being associated with the infection by CT were to be unmarried (p<0,034), man who has sex with men (MSM) (p< 0,021) and a strong association with a history of STD (p<0.001). We conclude that infection with C. trachomatis is high in men infected HIV as long as tested by real time PCR. With most diagnoses occurring among men who have sex with men. Keywords: Chlamydia trachomatis, polymerase chain reaction (PCR), hybrid capture, HIV-Positive Men.

11 ix LISTA DE FIGURAS Figura 1: Ciclo de desenvolvimento da Chlamydia trachomatis... 5 Figura 2: Representação do Genoma da Chlamydia... 7 Figura 3: Estimativa de casos de infecção pela Chlamydia trachomatis... 9 Figura 4: Figura 5: Figura 6: Figura 7: Perspectiva global da infecção por HIV em 2009: 33.3 milhões de pessoas vivendo com HIV Número de homens adultos com HIV registrados em Manaus de Janeiro de 2007 a Dezembro de A relação entre a infecção por Chlamydia trachomatis não tratada e a transmissão sexual do HIV Comparação dos limites de detecção do número de CE em escala logarítmica entre as diferentes tecnologias usadas no diagnóstico de C. Trachomatis Figura 8: Representação da molécula de Sybr Green intercalada na dupla fita de DNA Figura 9: Representação dos ciclos de amplificação da PCR em Tempo Real Figura 10: Fluxograma métodos diagnósticos Figura 11: Procedimentos coleta de amostras Figura 12: Perfil eletroforético em gel de agarose 1,0% corado com brometo de etídeo evidenciando uma banda de 527 pb, utilizando-se iniciadores alfa-tubulina F e R (10pMOL) Figura 13: Figura 14: Figura 15: Figura 16: Figura 17: Figura 18: Divisão, segundo a orientação sexual dos 276 homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD Distribuição segundo o resultado da PCR, da infecção pela Chlamydia trachomatis em homens HIV positivos na FMT-HVD, no período de novembro de 2009 a novembro de Curva de dissociação na presença de Sybr Green, de amplicom amplificados da Chlamydia trachomatis Distribuição segundo o resultado da CH, da infecção pela Chlamydia trachomatis em homens HIV positivos na FMT-HVD, no período de novembro de 2009 a novembro de Associação entre positividade para infecção por CT no exame PCR em Tempo Real e estado civil dos 276 homens HIV positivo estudados Prevalência de CT e sua associação com a variável orientação sexual entre os 276 homens HIV positivos do estudo... 68

12 x LISTA DE TABELAS Tabela 1: Resumo global da epidemia HIV/AIDS Tabela 2: Tabela 3: Tabela 4: Tabela 5 Tabela 6: Tabela 7: Número estimado de crianças e adultos vivendo com HIV em Brasil, estas estimativas incluem todas as pessoas que tenham ou não desenvolvido os sintomas da AIDS Relação entre os 20 sorotipos, o sexo acometido e as doenças causadas Metodologias laboratoriais para o diagnóstico direto e indireto da infecção por C. trachomatis Sumário comparativo das principais características das técnicas de detecção direta, utilizando como referencia o padrão-ouro expandido Sequência dos iniciadores utilizados para amplificação do gene alfa tubulina humana Sequência dos iniciadores utilizados para amplificação do DNA Plasmidial da Chlamydia trachomatis Tabela 8: Distribuição segundo a faixa etária dos homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD Tabela 9: Divisão segundo a cor dos homens HIV positivos atendidos na FMT- HVD Tabela 10: Divisão segundo o estado civil dos homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD Tabela 11: Distribuição segundo a escolaridade dos homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD Tabela 12: Divisão segundo o consumo de bebidas alcoólicas dos homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD Tabela 13: Distribuição segundo o consumo de drogas ilícitas dos homens HIVs positivos atendidos na FMT-HVD Tabela 14: Distribuição da população estudada por zonas de Manaus Tabela 15: Divisão segundo a orientação sexual dos homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD Tabela 16: Distribuição segundo o inicio da atividade sexual dos 276 homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD Tabela 17: Distribuição segundo o número de parceiros no último ano dos 276 homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD Tabela 18: Distribuição segundo o antecedente de DST dos homens HIV dos homens atendidos na FMT-HVD Tabela 19: Distribuição de acordo com a presença de verruga genital ao olho nu Tabela 20: Distribuição segundo a variável estado civil dos homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD e sua associação com a positividade do teste PCR em tempo real... 67

13 xi Tabela 21: Distribuição segundo a variável orientação sexual dos homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD e sua associação com a positividade do teste PCR em tempo real Tabela 22: Distribuição segundo a variável histórico de DST dos homens HIV positivos atendidos na FMT-HVD e sua associação com a positividade do teste PCR em tempo real Tabela 23: Distribuição do número dos pacientes HIV+/AIDS de acordo com as variáveis sócio-demográficas segundo a infecção uretral por CT detectada pelo método de PCR Tabela 24: Infecção uretral por CT, pelo método de PCR segundo distribuição do número dos 276 pacientes HIV+/AIDS de acordo com as variáveis de orientação sexual, inicio da atividade sexual, numero de parceiros, uso de preservativo e antecedente de DST Tabela 25: Distribuição do número dos 276 pacientes do estudo de acordo com as variáveis associadas à presença do vírus da imunodeficiência humana (HIV) segundo a infecção uretral por CT detectada pelo método de PCR Tabela 26: Distribuição do número dos pacientes HIV+/AIDS de acordo com as variáveis sócio-demográficas segundo a infecção uretral detectada pelo método de Captura Híbrida para Chlamydia trachomatis Tabela 27: Infecção uretral por CT, pelo método de Captura Híbrida segundo distribuição do número dos 276 pacientes HIV+/AIDS de acordo com as variáveis do comportamento sexual, inicio da atividade sexual, numero de parceiros no ultimo ano, uso de preservativo e antecedentes de DST Tabela 28: Prevalência da infecção por CT e sua associação com as variáveis: tempo de diagnostico do HIV e uso de TARV, dos 276 homens HIV positivos do estudo... 75

14 xii LISTA DE ABREVIATURAS, SÍMBOLOS E UNIDADES DE MEDIDAS: o C Graus Celsius µl Microlitros µm Micrometros ADP Difosfato de adenosina AIDS Síndrome da Imunodeficiência Adquirida ATP Trifosfato de adenosina CE Corpúsculos elementares CR Corpúsculos reticulares CP Corpúsculos persistentes CT Chlamydia trachomatis CDC Centro de Controle de Doenças dos Estados Unidos de América DFA Imunofluorescência Direta DIP Doença Inflamatória Pélvica DNA Deoxyribonucleic acid (Ácido desoxirribonucléico) DNTP Desoxinucleosídeo trifosfato DOTS Estratégia de terapia diretamente observada DST Doenças Sexualmente Transmissíveis EDTA Ácido etilenodiamino tetra-acético EIA Enzimaimunoensaio FC Fixação do complemento FMT-AM Fundação de Medicina Tropical do Amazonas FMT-HVD Fundação de Medicina Tropical Dr. Heitor Vieira Dourado HIV Vírus da Imunodeficiência Humana HPV Papilomavírus Humano LGV Linfogranuloma venéreo LPS lipopolissacarídeo LCR Ligase chain reaction (Reação em Cadeia da Ligase) MOMP Major outer membrane protein ou Maior proteína externa da C.trachomatis MS Ministério da Saúde MIF Microimunofluorescência Min Minuto ml Mililitros mm Milimolar NaN 3 Azida de Sódio NAAT Testes de amplificação de ácidos nucléicos OMS Organização Mundial da Saúde OPAS Organização Pan-Americana da Saúde Pb Pares de Bases PCR Polymerase Chain Reaction (Reação em Cadeia da Polimerase) PCR-RT Polymerase Chain Reaction Real Time (Reação em Cadeia da Polimerase em Tempo Real) PMN Polimorfonucleares RNA Ribonucleic acid (Ácido Ribonucléico) RNAm Ácido ribonucléico Mensageiro RNAt Ácido ribonucléico Transportador

15 xiii RPM SBI TARV TCLT Tris HcL UNG Rotações por minuto Sociedade Brasileira de lnfectologia Terapia Anti-retroviral Termo de Consetimento Livre e Esclarecido Tris Hidrocloreto Uretrites não-gonoccócicas

16 xiv SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO Aspectos Gerais Chlamydia trachomatis Classificação Biologia e o ciclo de desenvolvimento da Chlamydia trachomatis Epidemiologia Clamídia e HIV no Mundo Clamídia nas Américas e no Brasil Clamídia em Manaus Co-infecção HIV e CT Manifestações clínicas Métodos de Diagnósticos Coleta e Transporte de Amostras Clínicas Cultivo Celular Pesquisa de Anticorpos Específicos Detecção Direta de Antígenos Testes Biomoleculares Hibridização com Sondas de Ácidos Nucléicos Técnicas de Amplificação de Ácidos Nucléicos Reação em Cadeia da Polimerase em Tempo Real (PCR-RT) Definição de Padrão-Ouro Tratamento OBJETIVOS Objetivo Geral Objetivos Específicos MATERIAL E MÉTODOS Modelo de Estudo Universo de Estudo População de Referência População de Estudo Critérios de Inclusão Critérios de Exclusão Procedimentos Obtenção das Amostras Método de Diagnostico Preparação das Amostra para PCR Extração do DNA Amplificação Controle do DNA Humano (PCR) Sistema de PCR para Controle de DNA Humano Eletroforese em Gel de Agarose 1% Amplificação do DNA Plasmidial da Chlamydia trachomatis (PCR-RT) PRIMERS (Oligonucleotideos)... 52

17 xv Detecção de Chlamydia trachomatis por PCR em Tempo Real Análises por Captura Híbrida Considerações Éticas Análise Estatística RESULTADOS Características Sócio-demográficas da População do Estudo Faixa Etária e Cor Estado Civil e Escolaridade Consumo de Bebidas Alcoólicas e Drogas Ilícitas Número de Pacientes por Zonas de Manaus Orientação Sexual Início da Atividade Sexual Número de Parceiros no Último Ano Uso de Preservativos antes e após o Diagnóstico de HIV Antecedente de DST Presença de Verruga Genital Características Associadas a Presença do HIV Tempo de Diagnóstico de HIV Tempo de uso de TARV Contagem de Linfócitos T CD4 (cél/mm 3 ) Prevalência de Chlamydia trachomatis Prevalência de Chlamydia trachomatis pela técnica de PCR em tempo Real Prevalência de Chlamydia trachomatis pela técnica de Captura Híbrida Características da População do Estudo quanto ao Resultado do PCR para Chlamydia trachomatis Características da População do Estudo quanto ao Resultado da CH Avaliação da concordância e discordância entre as técnicas de Biologia molecular, PCR e Captura Híbrida para detectar DNA de Chlamydia trachomatis empregadas na pesquisa da prevalência de CT em homens HIV positivos DISCUSSÃO CONCLUSÃO REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS ANEXOS Termo de Consentimento Protocolo de Estudo Protocolo da Técnica de Captura Híbrida Registro de Aprovação no CEP Programa PCR-RT Curva de Amplificação na PCR-RT Artigo

18 1 1 INTRODUÇÃO 1.1 Aspectos Gerais A infecção por Chlamydia trachomatis (CT) é considerada a doença bacteriana, sexualmente transmitida, mais comum no mundo 1. Poucas bactérias patogênicas estão tão bem adaptadas quanto às clamídias para sua sobrevivência e persistência no corpo humano e nenhuma outra é mais disseminada 2. A capacidade das clamídias de produzir infecções inaparentes nos hospedeiros (varias espécies de mamíferos e de aves) é inigualável e o indivíduo pode permanecer infectado por longos períodos de tempo sem qualquer prejuízo aparente, sendo uma das razões pelas quais estas infecções são tão comuns. Devido à característica silenciosa dessa infecção, podem ocorrer diversas complicações 2,3,4. A CT consegue estabelecer uma relação equilibrada com seu hospedeiro: por um lado, ela raramente o mata, e, por outro, tem a notável capacidade de evadir-se aos mecanismos imunes do hospedeiro 2. Existem evidencias de certa predisposição genética de indivíduos a formas graves de infecção por CT 5,6,7,8. A CT é o agente causador de doenças do trato urogenital, linfogranuloma venéreo (LGV), proctite, artrite reativa, tracoma, conjuntivite de inclusão e pneumonia do recém nascido. A CT também está implicada na patobiologia do carcinoma cervical 9,10,11. A recorrência das infecções é comum 12,13,14 e a imunidade desenvolvida é parcialmente protetora, considerando-se os 20 serotipos da CT 15,16.

19 2 1.2 Chlamydia trachomatis Membros da família Chlamydiaceae estão entre os patógenos mais freqüentes para o ser humano. Além de freqüentes, estão associadas a uma variada gama de infecções importantes, tais como tracoma, uretrite, pneumonia, linfogranuloma venéreo, psitacose e até mesmo suspeita-se de sua participação como causa de aterosclerose 17. Infectam desde protistas a células da microglia cerebral 18. São parasitas intracelulares obrigatórios de vertebrados e de algumas espécies de artrópodes. Possuem um peculiar ciclo de desenvolvimento bifásico, apresentando duas formas celulares, o corpúsculo elementar, metabolicamente inativo (forma infecciosa extracelular) e o corpúsculo reticular (forma intracelular ou vegetativa). Essas bactérias são imóveis e Gram-negativas 19,20,21. As clamídias são pequenas (0,2 a 0,8 um de diâmetro) em comparação com bactérias típicas como Escherichia coli. Seu cromossomo tem cerca de kb de comprimento e pode codificar aproximadamente 600 proteínas. As clamídias são Gram-negativas tanto na sua arquitetura quanto na sua composição, com uma membrana externa contendo lipopolissacarídeo e uma membrana citoplasmática. As clamídias não possuem mureína (peptidoglicano), o componente clássico da parede celular das bactérias. A ausência de mureína é curiosa, visto que os microrganismos transportam os genes para a síntese de mureína e as proteínas de ligação da penicilina 22. Possuem tanto DNA como RNA, entretanto são obrigatoriamente intracelulares, pois são incapazes de sintetizar ATP. A pesar de apresentarem vias metabólicas para síntese de ATP, pelo que são consideradas parasitas energéticos, pois utilizam ATP produzido pelas células do hospedeiro. Diferem dos vírus, pois possuem ribossomos que evidenciam uma atividade de síntese de proteínas e sensibilidade a certos antibióticos 22,23,24.

20 Classificação Historicamente, todas as clamídias foram classificadas em uma única ordem, Chlamydiales, família Chlamydiaceae, dentro de um único gênero, Chlamydia 19,25 com quatro espécies reconhecidas: Chlamydia trachomatis, Chlamydia psitacci, Chlamydia pneumoniae e Chlamydia pecorum. Entretanto, análises mais recentes de seqüências de rrna 16S e 23S, demonstraram a necessidade de uma nova classificação taxonômica 26. A nova classificação taxonômica propôs que a ordem Chlamydiales fosse subdividida em quatro famílias: (1) Chlamydiaceae, contendo dois gêneros, Chlamydia (G. trachomatis, C. muridarum e C. suis) e Chlamydophila (incluindo Cph. pneumoniae, Cph. pecorum, Cph. abortus, Cph. caviae e Cph. telis); (2) Simkaniaceae, para incluir Simkania negevensis; (3) Parachlamydiaceae, para incluir Parachlamydia acanthamoeba e (4) Waddliaceae para incluir Waddlía chondrophila 20,21. De acordo com a nova classificação as espécies C. trachomatis, Cph. psitacci, Cph. abortus, Cph. felis e Cph. pneumoniae são patogênicas para os humanos, enquanto que as espécies P. acanthamoebae e S. negevensis são consideradas patógenos humanos emergentes e estariam associadas a infecções respiratórias 21. A divisão em sorotipos tem por base uma porina trimérica denominada Major Out Membrane Protein (MOMP) 20. Possuem sete a dez cópias de DNA plasmidial por célula bacteriana, enquanto que para o genoma codificador de maior proteína externa da C. trachomatis (MOMP) é detectado apenas uma cópia de DNA 3.

21 Biologia e o Ciclo de Desenvolvimento da Chlamydia trachomatis A bactéria possui um ciclo de desenvolvimento bifásico e replicação dentro de vacúolos na célula hospedeira, formando inclusões citoplasmáticas característica 16,22. O ciclo de desenvolvimento da clamídia ocorre dentro da célula hospedeira, garantindo com isso um meio ambiente livre da competição com outros microrganismos e preservação da ação do sistema imune 8,27. A replicação apresenta um ciclo multimórfico e sem sincronismo de desenvolvimento. Dentro deste ciclo multimórfico ocorrem duas formas bem distintas: os corpos elementares (CE) e os corpos reticulares (CR) 16,28,29. O corpo elementar é um pequeno coco eletro denso de 300nm a 400nm de diâmetro com numerosos ribossomos circundados por uma rígida parede trilaminar. É uma forma infecciosa, metabolicamente inativa, que não se divide e é capaz de sobreviver na região extracelular 22,30. Esta partícula, que é considerada infecciosa e metabolicamente inativa, penetra no organismo através de solução de continuidade na pele ou mucosas. Logo a seguir, essa partícula adere à célula do hospedeiro suscetível, que parece envolver uma interação específica entre receptores de membrana (Figura 1).

22 5 Figura 1: Ciclo de desenvolvimento da Chlamydia trachomatis 31 Uma vez aderida à célula hospedeira, através das microvilosidades, a clamídia penetra na célula hospedeira por um mecanismo de endocitose e é rapidamente internalizada pelo macrófago inibindo a fusão fagolisossômica. Então, o corpo elementar dá origem a uma forma metabolicamente ativa, o corpo reticulado. Essas partículas reticuladas utilizam os substratos do hospedeiro para se dividir. Aproximadamente 40 a 48 horas após a penetração, o macrófago é rompido, liberando os corpos elementares infectando células vizinhas 16,28,32. Segundo Warford et al. 33, aproximadamente oito horas após a entrada na célula, começa a replicação por divisão binária, completando-se o ciclo dentro do endossoma. Por ser linfotrópica, os corpos elementares invadem os vasos linfáticos e de acordo com Scroferneker e Pohlmann 34, de 4 a 21 dias após o contágio sexual forma-se no ponto de penetração uma reação inflamatória, seguida de aparecimento de linfadenopatia inguinal. Inicialmente, no local da infecção ocorre uma resposta

23 6 imune de leucócitos polimorfonucleares (PMN) seguida por infiltração de tecido com linfócitos, macrófagos e eosinófilos 35. Geralmente, as infecções por C. trachomatis ocorrem nas superfícies epiteliais e mucosas. As células mais suscetíveis são as colunares endocervicais ou metaplásicas escamosas e parabasais do trato genital inferior 22,27, descreveram que os receptores para corpo elementar são restritos principalmente às células epiteliais não-ciliadas, colunares, cúbicas ou de transição, que são encontradas nas membranas mucosas da uretra, endocérvix, endométrio, trompas uterinas, ovários, reto e conjuntivas 28. As clamídias possuem um sistema de fazer intercâmbio de uma molécula própria de ADP por uma molécula de ATP da célula hospedeira. Portanto, não são capazes de produzir seu próprio ATP, composto essencial para o metabolismo e respiração. Essas bactérias realizam o processo de transcrição com RNA polimerase própria, mas para isso, é necessária a utilização dos nucleosídeos trifosfatos da célula hospedeira, assim como a de alguns aminoácidos que elas não são capazes de produzir. O RNAm é produzido a partir do DNA cromossômico usando a RNA polimerase do corpo elementar. Tanto o RNAt quanto o RNA ribossomal também estão presentes no corpo elementar 19,27,36. O genoma de C. trachomatis é formado por um cromossomo circular, com pb (58,7% de A-T) e um plasmídio com 7493 pb (número de acesso no Gen Bank AE001273). O genoma clamidial codifica para aproximadamente 875 proteínas, das quais setenta são exclusivas da espécie C. trachomatis. Até o momento foram seqüenciados os genomas dos sorotipos D, B e L2, de C. trachomatis 37,38 (Figura 2).

24 7 Figura 2: Representação do Genoma da Chlamydia 38. O plasmídio críptico de C. trachomatis sorotipo D apresenta oito ORFs (fases de leitura aberta) intercaladas por quatro seqüências curtas não codificantes de 22 pb em tandem. Os genomas das espécies de clamídias apresentam baixa homologia entre si e seus plasmídios podem ser distinguidos por Southem-blotting e por mapeamento com enzimas de restrição. Todos os plamídios de isolados de C. trachomatis, por sua vez, são extremamente conservados, com menos de 1 % de variação na seqüência nucleotídica 39.

25 8 Isolados clínicos de C. trachomatis que não apresentam plasmídio, embora raros, já foram caracterizados 37,38. Observou-se que o padrão de susceptibilidade a antibióticos por linhagens de C. trachomatis com e sem plasmídio não difere, o que demonstra que este não contribui na transferência de resistência. Por outro Iado, linhagens de C. trachomatis que não apresentam plasmídio diferenciam-se das demais pela morfologia não usual das inclusões e pela ausência de glicogênio 38. A existência de linhagens livres de plasmídio demonstra que este não é essencial para a sobrevivência do microrganismo. É provável que a eficiente conservação desta estrutura na evolução de C. trachomatis seja devida a alguma vantagem que a mesma confere, e que esteja associada a alguma das regiões ainda não identificadas das ORF Epidemiologia Clamídia e HIV no Mundo A Organização Mundial da Saúde (OMS) estima que a cada ano ocorram em torno de 92 milhões de novos casos de infecção por CT, dos quais a maioria ocorre em países em desenvolvimento, afetando principalmente jovens. O Centro de Controle de Doenças (CDC) dos Estados Unidos da América estima que, anualmente, metade das novas infecções sexualmente transmissíveis ocorra entre 15 e 24 anos de idade, o que representa mais de nove milhões de jovens infectados, dos quais se estima haver 2,8 milhões de casos de infecção genital por CT 40 (Figura 3).

Chlamydiceae. Tabela 1: Classificação atual da família Chlamydiacea e as espécies suscetíveis aos gêneros. Família Chlamydiaceae

Chlamydiceae. Tabela 1: Classificação atual da família Chlamydiacea e as espécies suscetíveis aos gêneros. Família Chlamydiaceae Departamento de Microbiologia Instituto de Ciências Biológicas Universidade Federal de Minas Gerais http://www.icb.ufmg.br/mic Chlamydiceae Introdução As Clamídias são patógenos intracelulares obrigatórios

Leia mais

Doenças Sexualmente transmissíveis - DST

Doenças Sexualmente transmissíveis - DST Doenças Sexualmente transmissíveis - DST Bacteriologia Médica Carina Scolari Gosch Neisséria O gênero Neisséria é formado por bactérias diplococos g(-) Neisséria gonorrheaea Contato: Perda da resistência

Leia mais

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA

UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS - UNIPAC CURSO DE ENFERMAGEM DANIELLY CRISTINA DA SILVA LUANA CAROLINE URETRITE GONOCÓCICA E NÃO-GONOCÓCICA BOM DESPACHO 2011 UNIVERSIDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS

Leia mais

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere

Adolescência e Puberdade. Adolescere Pubescere Adolescência e Puberdade Adolescere Pubescere Síndrome da Adolescência Busca de si mesmo e da identidade adulta Tendência grupal Necessidade de intelectualizar e fantasiar-elaboração do luto Crises

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 140 Página 1 de 6 1. Sinonímia Detecção qualitativa do DNA bacteriano de Chlamydia trachomatis (CT) e Neisseria gonorrhoeae (NG) por PCR ( Polymerase Chain Reaction) em urina de homens e mulheres,

Leia mais

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani.

DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis. Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. DSTS - Doenças Sexualmente Transmissíveis Alunas : Manuella Barros / Anna Morel /Elaine Viduani. O que são DSTS? São as doenças sexualmente transmissíveis (DST), são transmitidas, principalmente, por contato

Leia mais

Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV.

Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV. A A Aula: 10.2 Conteúdos: Clamídia, Sífilis, Gonorreia, Herpes, HPV, HIV. 2 A A Habilidades: Conhecer algumas doenças sexualmente transmissíveis, analisando suas causas e consequências. 3 A A DST s Clamídia

Leia mais

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes

Texto de revisão. Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Texto de revisão Introdução Dda. Sheilla Sette Cerqueira Dr. Luiz André Vieira Fernandes Infecção Genital por Clamídia Baseado em artigo original do New England Journal of Medicine 2003; 349: 2424-30 Jeffrey

Leia mais

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS

D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS D.S.T D.S.T. CANCRO MOLE TRICOMO ÍASE CANDIDÍASE HERPES CONDILOMA LI FOGRA ULOMA GONORRÉIA SÍFILIS GRANULOMA AIDS CANCRO MOLE Agente: bactéria Haemophilus ducreyi Transmissão: sexo vaginal, anal ou oral

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você:

Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: Conheça as principais DSTs e confira as dicas de prevenção que o Instituto Corpore preparou para você: CANCRO MOLE Pode ser chamada também de cancro venéreo. Popularmente é conhecida como cavalo. Manifesta-se

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com. DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis DST-Doenças Sexualmente Transmissíveis (texto de Marcelo Okuma) As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) constituem um grave problema de saúde pública, pois essas doenças, se não tratadas, são debilitantes,

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense

Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Papilomavírus Humanos (HPV) Virologia MIP Instituto Biomédico Universidade Federal Fluminense Características principais Agente etiológico das verrugas (tumores epiteliais benignos) Infectam epitélio de

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E AIDS As Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) estão entre os problemas de saúde pública mais comuns no Brasil e em todo o mundo, sendo atualmente consideradas o

Leia mais

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi

VIROLOGIA HUMANA. Professor: Bruno Aleixo Venturi VIROLOGIA HUMANA Professor: Bruno Aleixo Venturi O que são vírus? A palavra vírus tem origem latina e significa "veneno". Provavelmente esse nome foi dado devido às viroses, que são doenças causadas por

Leia mais

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante,

Seleção de Temas. Questionário - Proficiência Clínica. Área: Imunologia Rodada: Julho/2008. Prezado Participante, Seleção de Temas Prezado Participante, Gostaríamos de contar com a sua contribuição para a elaboração dos próximos materiais educativos. Cada questionário desenvolve um assunto (temas) específico dentro

Leia mais

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs

VAMOS FALAR SOBRE. AIDS + DSTs VAMOS FALAR SOBRE AIDS + DSTs AIDS A AIDS (Síndrome da Imunodeficiência Adquirida) atinge indiscriminadamente homens e mulheres e tem assumido proporções assustadoras desde a notificação dos primeiros

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

EFEITO DAS DSTS NO FUTURO REPRODUTIVO

EFEITO DAS DSTS NO FUTURO REPRODUTIVO EFEITO DAS DSTS NO FUTURO REPRODUTIVO INFECÇÕES DO TRATO REPRODUTIVO INFECÇÕES ENDÓGENAS INFECÇÕES DE TRANSMISSÃO SEXUAL (DST) INFECÇÕES IATROGÊNICAS Estimativa de casos novos de DST curáveis*, 2000 -

Leia mais

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello

DSTs. Como é contraída; Como evitar; Como tratar. PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello DSTs Como é contraída; Como evitar; Como tratar PIBID:Fernanda Alves,Fernanda Gallon,Luciana Catardo e Priscila Faccinello O que são DSTs? A sigla DSTs quer dizer doenças sexualmente transmissíveis;ou

Leia mais

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis

AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis Revista F@pciência, Apucarana-PR, ISSN 1984-2333, v.10, n. 1, p. 41 30, 2014 31 AVALIAÇÃO DO CONHECIMENTO DOS ACADÊMICOS DA FACULDADE DE APUCARANA EM RELAÇÃO À Chlamydia trachomatis RESUMO MOURA, P. H.

Leia mais

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase.

O que são DSTs? Gonorréia e/ou Uretrites não Gonocócicas, Tricomoníase, Candidíase. O que são DSTs? DSTs significa, doenças sexualmente transmissíveis, que são passadas nas relações sexuais com pessoas que estejam com essas doenças. São DSTs, a gonorréia, a sífilis, a clamídia, o herpes

Leia mais

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR

DST Testes Moleculares GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR GENÉTICA MOLECULAR DST Testes Moleculares A Genética de Microorganismos do Hermes Pardini é reconhecida por oferecer uma gama de exames moleculares que auxiliam nas decisões clínicas

Leia mais

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES

COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE TOCO-GINECOLOGIA COMO ATUAR NO DIAGNÓSTICO PRÁTICO E TRATAMENTO DO CORRIMENTO GENITAL FEMININO E CERVICITES Ana Katherine

Leia mais

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira

16/02/2013 ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST. Prof. Rivaldo lira ABORDAGEM SINDRÔMICA DAS DST ESPECÍFICO DE ENFERMAGEM Prof. Rivaldo lira 1 2 Assinale a alternativa que indica todas as afirmativas corretas. a) São corretas apenas as afirmativas 1 e 2. b) São corretas

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

Palavras chaves: Chlamydia trachomatis, Infertilidade conjugal, PCR para chlamydia.

Palavras chaves: Chlamydia trachomatis, Infertilidade conjugal, PCR para chlamydia. Pesquisa da Chlamydia Trachomatis através da reação em cadeia da polimerase após realização de sorologia (enzimaimunoensaio e imunofluorescência indireta) em pacientes inférteis Autores: Fabiana Carmo

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis

Doenças sexualmente transmissíveis Doenças sexualmente transmissíveis Lília Maria de Azevedo Moreira SciELO Books / SciELO Livros / SciELO Libros MOREIRA, LMA. Doenças sexualmente transmissíveis. In: Algumas abordagens da educação sexual

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase

Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Síndrome DST Agente Tipo Transmissã o Sexual Vaginose bacteriana Candidíase Corrimentos Gonorréia Clamídia Tricomonías e múltiplos bactéria NÃO SIM Candida albicans Neisseria gonorrhoeae Chlamydia trachomatis

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE AVALIAÇÃO INICIAL - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Após inscrição no estudo, os participantes devem preencher este questionário de avaliação inicial. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado. Após o

Leia mais

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis.

Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis. Unidade II Vida e ambiente Aula 7.2 Conteúdo: Doenças Sexualmente Transmissíveis. 2 Habilidade: Conhecer as Doenças Sexualmente Transmissíveis (DSTs), sua prevenção e forma de tratamento. 3 REVISÃO Métodos

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013)

Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Doenças sexualmente transmissíveis Resumo de diretriz NHG M82 (primeira revisão, setembro 2013) Jan van Bergen, Janny Dekker, Joan Boeke, Elize Kronenberg, Rob van der Spruit, Jako Burgers, Margriet Bouma,

Leia mais

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia

Lílian Maria Lapa Montenegro Departamento de Imunologia Laboratório rio de Imunoepidemiologia XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia e VII Congresso Brasileiro de Epidemiologia Avaliação do desempenho da técnica de nested- PCR em amostras de sangue coletadas de pacientes pediátricos com suspeita

Leia mais

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente:

6) (ANÁPOLIS) Dois seres vivos pertencentes à mesma ordem são necessariamente: Lista de Exercícios Pré Universitário Uni-Anhanguera Aluno(a): Nº. Professor: Mário Neto Série: 1 Ano Disciplina: Biologia 1) Com que finalidade se classificam os seres vivos? 2) Considere os seguintes

Leia mais

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor.

No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças venéreas, como referência a Vênus, a Deusa do Amor. As DST acompanham a história da humanidade. Durante a evolução da espécie humana, as DST vêm acometendo pessoas de todas as classes, sexos e religiões. No tempo da Grécia antiga foram chamadas de doenças

Leia mais

Esses vírus foram reconhecidos como causas de cânceres humanos, especialmente de câncer de cérvice-uterina.

Esses vírus foram reconhecidos como causas de cânceres humanos, especialmente de câncer de cérvice-uterina. Segunda-feira, 4 de dezembro de 2006. Profa. Sônia. HPVs Papillomavirus humanos Esses vírus foram reconhecidos como causas de cânceres humanos, especialmente de câncer de cérvice-uterina. Introdução Anualmente

Leia mais

Papilomavirus Humano (HPV)

Papilomavirus Humano (HPV) Papilomavirus Humano (HPV) Introdução O HPV é uma doença infecciosa, de transmissão freqüentemente sexual, cujo agente etiológico é um vírus DNA não cultivável do grupo papovírus. Atualmente são conhecidos

Leia mais

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis

Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis Guião Terceira Sessão Infeções Sexualmente Transmissíveis SLIDE 1 Introdução do trabalho: Bom dia, estamos aqui para falar a cerca das infeções sexualmente transmissíveis, os problemas associados e o modo

Leia mais

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273)

Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) Doenças Sexualmente Transmissíveis (pág. 273) -DST (no passado conhecidas como doenças venéreas ou doenças de rua ); - São doenças transmitidas por meio de ato sexual ou contato com sangue do doente; -

Leia mais

Programação visual e editoração eletrônica: A 4 Mãos Comunicação e Design Ltda.

Programação visual e editoração eletrônica: A 4 Mãos Comunicação e Design Ltda. Tudo dentro Produção: Associação Brasileira Interdisciplinar de AIDS (ABIA) Av. Presidente Vargas 446 13º andar Centro RJ Tel.: (021) 2223-1040 Fax: (21) 2253-8495 www.abiaids.org.br abia@abiaids.org.br

Leia mais

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira

Ano lectivo 2004/2005. Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Ano lectivo 2004/2005 Andreia Alves Nuno Gonçalves Rita Ferreira Este trabalho vai falar de: Doenças sexualmente transmissíveis. Meios contraceptivos. Como usar alguns dos métodos m de contracepção. As

Leia mais

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV

VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. HIV Instituto Federal de Santa Catarina Curso Técnico em Biotecnologia Unidade Curricular: Microbiologia VIROLOGIA RETROVÍRUS 1. Prof. Leandro Parussolo O que é um retrovírus? É qualquer vírus que possui o

Leia mais

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP -

Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - Cadeira de Clínica Obstétrica e Ginecológica Infecções ginecológicas. - Vulvovaginites e DIP - C. Calhaz Jorge Ano lectivo de 2009/ 2010 Infecções ginecológicas. Vulvovaginites e DIP Sistemas de defesa

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE MEDICINA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EPIDEMIOLOGIA PREVALÊNCIA DE PAPILOMAVÍRUS HUMANO (HPV) E Chlamydia trachomatis (CT) E SUA ASSOCIAÇÃO COM LESÕES

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH NEGATIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de -6 meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO

QUESTIONÁRIO DE FOLLOW-UP - HOMEM VIH POSITIVO INSTRUÇÕES PARA A EQUIPA DO ESTUDO: Os participantes no estudo devem preencher o questionário de follow-up com intervalos regulares de - meses. Certifique-se de que é distribuído o questionário adequado.

Leia mais

COLÉGIO SOUZA MARQUES Rio de Janeiro,... de... de 2012. Professora: Priscilla Moniz Aluno(a):...Turma: 611 Nº:

COLÉGIO SOUZA MARQUES Rio de Janeiro,... de... de 2012. Professora: Priscilla Moniz Aluno(a):...Turma: 611 Nº: COLÉGIO SOUZA MARQUES Rio de Janeiro,... de... de 2012. Professora: Priscilla Moniz Aluno(a):...Turma: 611 Nº: GABARITO 1. (0,5) (UPE) Dentre as categorias taxonômicas apresentadas abaixo, assinale aquela

Leia mais

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características

Virulogia. Vírus. Vírus. características 02/03/2015. Príons: Proteína Viróides: RNA. Características. Características Vírus Virulogia Características Vírus- latim veneno - agentes filtráveis Parasita intracelular obrigatório Extracelular: virion Intracelular: vírus Possuem alta especificidade Vírus Características Alta

Leia mais

Hélio Vasconcellos Lopes

Hélio Vasconcellos Lopes HIV/AIDS no Município de Santos e dados brasileiros Hélio Vasconcellos Lopes Coordenador do Programa Municipal DST/AIDS/Hepatites da Secretaria Municipal de Saúde Professor titular da Faculdade de Medicina

Leia mais

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006

Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Atraso na introdução da terapia anti-retroviral em pacientes infectados pelo HIV. Brasil, 2003-2006 Paulo Roberto Borges de Souza-Jr Célia Landmann Szwarcwald Euclides Ayres de Castilho A Terapia ARV no

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

Infecções do Trato Urinário

Infecções do Trato Urinário Infecções do Trato Urinário Anatomia e Fisiologia do Trato Urinário Órgãos secretores: Rins (2) Órgãos excretores: Ureteres (2) Bexiga Uretra Fonte: http://www.auladeanatomia.com Microbiota Normal da Uretra

Leia mais

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL

Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Diretrizes Assistenciais PREVENÇÃO DA DOENÇA ESTREPTOCÓCICA NEONATAL Versão eletrônica atualizada em fev/2012 O agente etiológico e seu habitat A doença estreptocócica neonatal é causada por uma bactéria,

Leia mais

Patologia Geral AIDS

Patologia Geral AIDS Patologia Geral AIDS Carlos Castilho de Barros Augusto Schneider http://wp.ufpel.edu.br/patogeralnutricao/ SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (AIDS ou SIDA) Doença causada pela infecção com o vírus

Leia mais

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP

Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV. Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Herpesvírus linfotrópicos: CMV e EBV Prof. Dr. Eurico Arruda Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto-USP Citomegalovirus Icosaédrico, 150-200 nm de diâmetro, 162 capsômeros hexagonais, envelopado, com

Leia mais

Infecção pelo HIV e AIDS

Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS Infecção pelo HIV e AIDS 1981: pneumonia por Pneumocystis carinii/jirovecii outros sinais e sintomas: infecção do SNC, infecção disseminada por Candida albicans, perda de peso,

Leia mais

Técnicas Moleculares

Técnicas Moleculares Biologia Molecular no Diagnóstico de Infecção :HPV Maria Elizabeth Menezes,MSc;Ph.D e-mail:melmenezes@dnanalise.com.br DNAnálise Laboratório Técnicas Moleculares HIBRIDIZAÇÃO IN SITU SEQÜENCIAMENTO PCR

Leia mais

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos

Retrovírus: AIDS. Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos Retrovírus: AIDS Apresentador: Eduardo Antônio Kolling Professor: Paulo Roehe Pós doutorandos: Fabrício Campos e Helton dos Santos HIV (Vírus da Imunodeficiência Humana) Surgimento: -Provável origem durante

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO

PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADO FEDERAL PREVINA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO SENADOR CLÉSIO ANDRADE 2 Previna o câncer do colo do útero apresentação O câncer do colo do útero continua matando muitas mulheres. Especialmente no Brasil,

Leia mais

1. Aspectos Epidemiológicos

1. Aspectos Epidemiológicos 1. AspectosEpidemiológicos A influenza é uma infecção viral que afeta principalmente o nariz, a garganta, os brônquiose,ocasionalmente,ospulmões.sãoconhecidostrêstiposdevírusdainfluenza:a,b e C. Esses

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

Mestrado em Biologia Molecular em Saúde

Mestrado em Biologia Molecular em Saúde Mestrado em Biologia Molecular em Saúde Casuística da infeção por Chlamydia trachomatis, Ureaplasma urealyticum/ Ureaplasma parvum e Mycoplasma hominis em amostras genitourinárias de utentes de um Laboratório

Leia mais

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano)

HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica. Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) HIV/AIDS Pediatria Sessão Clínica do Internato Revisão Teórica Orientadora: Dra Lícia Moreira Acadêmico: Pedro Castro (6 Ano) AIDS Conceito Doença que manifesta-se por infecções comuns de repetição, infecções

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas

Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas Construção de um sistema de monitoramento da epidemia de aids: Desafios e Lições Aprendidas XVIII Congresso Mundial de Epidemiologia Porto Alegre, 21-24 de outubro 2008 Célia Landmann Szwarcwald celials@cict.fiocruz.br

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST

Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012. Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Trocando Ideias 2012 Cidade Maravilhosa, 2 de julho de 2012 Análise crítica do tratamento sindrômico em DST Mauro Romero Leal Passos Professor Associado Chefe do Setor de DST - UFF Vice-Presidente da SGORJ

Leia mais

HPV: DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO

HPV: DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO HPV: DIAGNÓSTICO E PREVENÇÃO Bruna Rezende, Rassan Dyego Romão Silva e Antonio Jose Dias Martins Faculdade Alfredo Nasser Aparecida de Goiânia GO Brasil rassandyego@hotmail.com Orientadora: Daniella Cavalcante

Leia mais

Microbiologia do trato genital

Microbiologia do trato genital Microbiologia do trato genital feminino e masculino Estrutura do trato genital feminino O trato genital consiste na genitália externa e na genitália interna em ambos os sexos. Nas mulheres a genitália

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Clamídia e Gonorreia

Clamídia e Gonorreia Doenças Sexualmente Transmissíveis DST Além da Aids, diversas outras doenças são transmitidas através do sangue e, por consequência, do ato sexual, e podem ser evitadas com comportamento sexual responsável

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: PORTARIA Nº 486, DE 16 DE MAIO DE 2.000 O MINISTRO DE ESTADO DA SAÚDE, Interino, no uso de suas atribuições, resolve: Art. 1º - Expedir a edição revisada e atualizada das orientações e critérios relativos

Leia mais

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html

VÍRUS. Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html VÍRUS Fonte: http://rounielo.blogspot.com.br/2011/05/parte-30-foto-em-3-d-do-virus-da-aids.html RESUMO -Os vírus não pertencem a nenhum reino específico, são estudados como um caso à parte. -Os vírus são

Leia mais

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR)

REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) Área de Ciências da Saúde Curso de Medicina Módulo: Saúde do Adulto e Idoso II GENÉTICA HUMANA Professora: Dra. Juliana Schmidt REAÇÃO EM CADEIA DA POLIMERASE (PCR) A molécula de DNA é um longo polímero

Leia mais

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA

PlanetaBio Artigos Especiais www.planetabio.com AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA AIDS- SÍNDROME DA IMUNODEFICIÊNCIA ADQUIRIDA (texto de Marcelo Okuma) 1. Histórico e origem do vírus HIV Há fortes indícios para se acreditar que o vírus da imunodeficiência humana (HIV) tenha evoluído

Leia mais

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br

VÍRUS. DISCIPLINA: BIOLOGIA http://danutaw.webnode.com.br VÍRUS DISCIPLINA: BIOLOGIA 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS DOS VÍRUS - 20 a 300 nm; Micrômetro Nanômetro UNIDADE REPRESENTAÇÃO / VALOR 1 μm = 0,001 milímetro 1 nm = 0,001 micrômetro - Ácido nucléico + proteína

Leia mais

Janeiro D S T Q Q S S

Janeiro D S T Q Q S S Cia. da Saúde 2008 Janeiro D S T Q Q S S 6 13 20 27 7 14 21 28 1 8 15 22 29 2 9 16 23 30 3 10 17 24 31 4 11 18 25 5 12 19 26 2008 Cia. da Saúde Quem somos A Companhia da Saúde é formada por adolescentes

Leia mais

A genética do vírus da gripe

A genética do vírus da gripe A genética do vírus da gripe Para uma melhor compreensão das futuras pandemias é necessário entender sobre as pandemias passadas e os fatores que contribuem para a virulência, bem como estabelecer um compromisso

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG

Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG Aconselhamento e Manejo Básico B das Infecções Sexualmente Transmissíveis Corrimentos uretrais Gonorréia /UNG Roberto Dias Fontes Sociedade Brasileira de DST Regional Bahia sbdstba@terra.com.br (71) 9974-7424

Leia mais

Infecções sexualmente transmissíveis

Infecções sexualmente transmissíveis Escola secundária com 2º e 3º ciclos Anselmo de Andrade Infecções sexualmente transmissíveis 9ºD Ciências Naturais 2011/2012 Professora: Isabel Marques Trabalho realizado por: Inês Pinto nº9 Mariana Cantiga

Leia mais

Dor pêlvica Aguda na Mulher

Dor pêlvica Aguda na Mulher PROFAM Dor pêlvica Aguda na Mulher Dr. Eduardo Durante Fundación MF Para el desarrollo de la Medicina Familiar y la Atención Primaria de la Salud OBJETIVOS Enumerar os diagnósticos diferenciais nas mulheres

Leia mais

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR

A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS. SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR A POLÍTICA DE DST/AIDS NA VISÃO DE UM TRABALHADOR DO SUS SORAIA REDA GILBER Farmacêutica Bioquímica LACEN PR BOLETIM EPIDEMIOLÓGICO DA AIDS NO BRASIL Desde o início de 1980 até junho de 2012 foram registrados

Leia mais

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006.

ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. 1 ANÁLISE DO PERFIL IMUNOLÓGICO E VIRAL DOS PACIENTES HIV/AIDS ATENDIDOS NA UNIDADE DE SAÙDE JUNDIAÍ EM ANÁPOLIS GOIAS ENTRE OS ANOS 2002 E 2006. Adriana Paim da Silva 1,2 ; Andrea Brígida de Souza 1,2

Leia mais

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO

ÁREA TEMÁTICA INTRODUÇÃO TÍTULO: PRÁTICAS E ATITUDES DE ESTUDANTES DE UMA ESCOLA PÚBLICA RELACIONADOS AS DSTS/AIDS AUTORES: Aline Salmito Frota, Luciana Soares Borba, Débora Silva Melo, José Ueides Fechine Júnior, Viviane Chave

Leia mais

Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio

Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio Programa de Prevenção e Promoção à Saúde do NAIS/9ª RPM 2013, intitulado Informação é o melhor remédio Palestrante: Ten Leandro Guilherme O que é? DOENÇA SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS (DST) Toda doença que

Leia mais

Doenças sexualmente transmissíveis curáveis

Doenças sexualmente transmissíveis curáveis Doenças sexualmente transmissíveis curáveis infectologia Helio Magarinos Torres Filho Diretor médico, diretor técnico e médico patologista clínico do Laboratório Richet Pesquisas de Fisiopatologia Humana.

Leia mais

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora Suprema. COMUNICAÇÃO & MARKETING ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Releases

Faculdade de Ciências Médicas e da Saúde de Juiz de Fora Suprema. COMUNICAÇÃO & MARKETING ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO Releases Doenças Sexualmente Transmissíveis DST Além da Aids, diversas outras doenças são transmitidas através do sangue e, por consequência, do ato sexual, e podem ser evitadas com comportamento sexual responsável

Leia mais

PERFIL DAS IDOSAS RASTREADAS PARA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO EM CRUZ ALTA, RS

PERFIL DAS IDOSAS RASTREADAS PARA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO EM CRUZ ALTA, RS PERFIL DAS IDOSAS RASTREADAS PARA O CÂNCER DO COLO DO ÚTERO EM CRUZ ALTA, RS CERBARO, Kamila 1 ; GARCES, Solange Beatriz Billig 2 ; HANSEN, Dinara 2 ; ROSA, Carolina Böettge 2 ; BRUNELLI, Ângela Vieira

Leia mais

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA

TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA TÉCNICAS DE ESTUDO EM PATOLOGIA Augusto Schneider Carlos Castilho de Barros Faculdade de Nutrição Universidade Federal de Pelotas TÉCNICAS Citologia Histologia Imunohistoquímica Citometria Biologia molecular

Leia mais

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular

BIOTECNOLOGIA. 2. Conceito de clonagem molecular BIOTECNOLOGIA 1. Introdução Até a década de 70, o DNA era o componente celular mais difícil de ser analisado. Sua seqüência de nucleotídeos de enorme tamanho e monotonia química era geralmente analisada

Leia mais

Aconselhamento e Manejo Básico B Infecções Sexualmente Transmissíveis

Aconselhamento e Manejo Básico B Infecções Sexualmente Transmissíveis Aconselhamento e Manejo Básico B das Infecções Sexualmente Transmissíveis Interação HIV / DST Roberto Dias Fontes Sociedade Brasileira de DST Regional Bahia sbdstba@terra.com.br (71) 9974-7424 7424 Interação

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSIVEIS Fernando da Rocha Camara Quando discuto com meus alunos no curso de medicina, medidas para prevenção de doenças sexualmente transmissíveis (DST), excluímos a abstinência

Leia mais

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA

ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA 1 ESTADO DO RIO GRANDE DO NORTE PREFEITURA MUNICIPAL DE MOSSORÓ SECRETARIA MUNICIPAL DA CIDADANIA GERÊNCIA EXECUTIVA DA SAÚDE DEPARTAMENTO DE VIGILÂNCIA À SAÚDE ASSUNTOS DESTE INFORME Agravos notificados

Leia mais