Título: A FIDELIZAÇÃO A PROTOCOLOS INSTITUCIONAIS DE USO DE ANTIMICROBIANOS EM TERAPIA INTENSIVA MENSURADA PELO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Título: A FIDELIZAÇÃO A PROTOCOLOS INSTITUCIONAIS DE USO DE ANTIMICROBIANOS EM TERAPIA INTENSIVA MENSURADA PELO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS"

Transcrição

1

2 Título: A FIDELIZAÇÃO A PROTOCOLOS INSTITUCIONAIS DE USO DE ANTIMICROBIANOS EM TERAPIA INTENSIVA MENSURADA PELO CONSUMO DE ANTIBIÓTICOS Temário: Antimicrobianos Instituição: Hospital Mãe de Deus Autores: Gabrielli Paré Guglielmi; Gabriel Narvaez; Juliana Gil Prates; Francyne Sequeira Lopes; Diego Stumpfs; Rafael Cremonese; Introdução: Antimicrobianos representam um item de alto consumo em hospitais, principalmente em unidades de terapia intensiva (UTI). Políticas de racionalização do uso desses medicamentos em UTI visam contribuir na diminuição da resistência microbiana e de falhas no tratamento de infecções. Para isso, implementar protocolos de uso de antibióticos baseados em guidelines reconhecidos e no perfil microbiano institucional é imprescindível para alcançar os melhores resultados.objetivos: Analisar o consumo de antimicrobianos pré e após adequação de protocolos conforme perfil microbiano de prevalência e resistência em uma UTI Adulto.Método: Estudo descritivo, quantitativo e prospectivo. O estudo foi realizado em uma UTI adulto de um hospital privado de Porto Alegre-RS. Foram avaliados os dados de Dose Diária Definida (DDD)/1000 paciente-dia média de vancomicina, meropenem, fluconazol e piperacilina/tazobactam nos períodos pré (outubro de 2013 a junho 2014) e pós (de julho de 2014 a março de 2015) implantação de protocolos e revisão de perfis.resultados: No período pré, a média das DDD de vancomicina foi 227, meropenem 304, fluconazol 214, polimixina B 2258 e piperacilina/tazobactam 151. No período pós, 110, 210, 154, 3056 e 163, respectivamente. Comparando os períodos, houve redução no uso de vancomicina, meropenem, fluconazol (51%, 31%, 28%, respectivamente). Por outro lado, houve aumento para polimixina B em 35% e 7% para piperacilina/tazobactam. A redução no uso de vancomicina deveu-se à baixa prevalência de Staphylococcus aureus resistente à meticilina (MRSA); de meropenem, devido ao foco na política de contenção do uso de carbapenêmico de amplo espectro com o objetivo de minimizar a incidência de enterobactérias resistentes a carbapenêmicos (ERC). O aumento no uso de polimixina B e piperacilian/tazobactam, deve-se à adequação ao protocolo institucional de pneumonia associada à ventilação mecânica, que sugere a cobertura empírica para bacilos gram negativos não fermentadores e enterobactérias, que em grande maioria são os isolados em secreções respiratórias nesta unidade. A redução do uso de fluconazol decorreu da baixa prevalência de isolados de Candida sp.conclusão: Estes dados nos mostram que implementar um programa de controle de antimicrobianos baseado em dados locais de prevalência/resistência, obtêm sucesso no uso adequado de antibióticos. É condição indispensável para obtenção desse resultado, uma efetiva interação entre o SCIH e a terapia intensiva.

3 Título: ADESÃO AO PROTOCOLO DE VANCOCINEMIA COMO ESTRATÉGIA DE PROMOÇÃO DE SEGURANÇA DO PACIENTE: A EXPERIÊNCIA DE UM HOSPITAL DE ENSINO TERCIÁRIO Temário: Antimicrobianos Instituição: HOSPITAL SÃO VICENTE DE PAULO - HSVP Autores: LIDIANE RIVA PAGNUSSAT; ana paula anzolin; Cristiane Barelli; GILBERTO DA LUZ BARBOSA; Siomara Regina Hahn; Marcelo Pedrotti De Cesaro; INTRODUÇÃO: A vancomicina é um antibiótico usado para combater bactérias Gram positivas. O uso de doses padrão de vancomicina pode se associar a níveis séricos inadequados e falha terapêutica, bem como reações adversas graves, como nefrotoxicidade e ototoxicidade, comprometendo a segurança do paciente. OBJETIVO: Avaliar a adesão ao protocolo da vancocinemia e seu impacto na adequação de doses para pacientes hospitalizados. METODOLOGIA: Realizou-se um estudo de coorte, histórico, em um hospital geral terciário situado na região norte do Rio Grande do Sul, aprovado pelo Comitê de Ética. Os dados foram obtidos nos prontuários e nos registros do serviço de controle de infecção hospitalar. Foram incluídos todos os pacientes em uso de vancomicina, no período de janeiro a junho de 2014 e analisados por estatística descritiva. RESULTADOS: Foram incluídos no estudo 99 pacientes, destes 64% eram do sexo masculino, média de idade 59 anos, 27 (27%) estavam internado em Unidade de Terapia Intensiva (UTI), com média de internação de 40 dias. A principal indicação de uso foi pneumonia 32%, seguida de infecções de pele e partes moles 30%. Observou-se o uso de mais de um antibiótico em 89% dos pacientes e o tempo médio de uso de vancomicina foi de 11 dias. Quanto ao Índice de Massa Corpórea (IMC) apenas 42% estavam com peso adequado. Observou-se que 29 (29%) pesavam mais de 80 kg e destes 28 (96%) pacientes receberam doses menores que 15mg/kg/dose. A dosagem sérica da vancomicina foi realizada para 49 pacientes, destes 37 (75,5%) pacientes tinham indicação para mudar de dose, e em 26 (70%) isso ocorreu. A vancocinemia foi repetida para 33 pacientes e 24 destes continuavam com o nível sérico inadequado e o ajuste de dose foi realizado para 21 (87%) pacientes. Dos 50 pacientes que não realizaram vancocinemia, 32 (64%) tinham indicação para realizar: 13 por perda de função renal/diálise, 7 por infecções graves com meningite e osteomielites, 4 por obesidade, 14 pacientes eram maiores de 70 anos e 6 pacientes estavam internados em UTI. CONCLUSÃO: Ocorreu baixa adesão ao protocolo de monitorização da vancomicina, nas situações indicadas. O elevado número de pacientes com alterações da vancocinemia enfatiza a importância da sua monitorização, pois auxilia no ajuste da prescrição a fim de obter uma concentração terapêutica adequada e promover a segurança do paciente.

4 Título: ANÁLISE DO PADRÃO DE CONSUMO DOS ANTIMICROBIANOS EM UMA UNIDADE DE TRATAMENTO INTENSIVO ADULTO Temário: Antimicrobianos Instituição: UNIVERSIDADE DE PASSO FUNDO Autores: Jessica Nardi; Lidiane Riva Pagnussat; Gilberto da Luz Barbosa; Cínthia Raquel Gotz; Introdução: O maior consumo de antimicrobianos dentro dos hospitais ocorre nas unidades de tratamento intensivo (UTI). Esse uso elevado de antimicrobianos induz a uma pressão seletiva e consequente seleção de microrganismos resistentes, que aumentam significativamente a mortalidade nessas unidades, prolongam tempo de internação e, dessa forma, aumentam os custos. Nesse contexto, percebe-se a importância de avaliar a utilização de antimicrobianos como estratégia fundamental para controle da disseminação de bactérias multirresistentes. Objetivo: Analisar o perfil de utilização de antimicrobianos em uma UTI adulto num período de 4 anos. Método: Foi realizado um estudo descritivo e retrospectivo, no período de janeiro de 2010 a dezembro de 2014, na Unidade de Tratamento Intensivo adulto de hospital terciário de ensino do norte do Rio Grande do Sul. A UTI possui 22 leitos com perfil de atendimento clínicocirúrgico. Foram avaliados os registros eletrônicos de consumo de medicamentos e dose diária definida (DDD) por 100 leitos/dia de 17 antibióticos. Resultados: Observou-se o aumento no consumo destes no período estudado em 63%: variando de 491 em 2010, 516 em 2011, 667 em 2012, 790 em 2013 para 867 em Os antibióticos com maior consumo em DDD foram: oxacilina (143 a 298), meropenem (74 a 228), vancomicina (54 a 91), ampicilina/sulbactam (26 a 128), piperacilina/tazobactam (76 a 85) e cefepime (26 a 35). Neste período observou-se a queda no consumo de ceftazidime de 12 para 8 DDD/100leitos/dia (3% para 1%), ceftriaxona de 44 para 20 (8% para 2%) e ciprofloxacino 29 para 11 (5% para 1%) e um aumento significativo de meropenem de 74 para 228, sendo responsável por 25% do consumo dos antibióticos avaliados na unidade; e de ampicilina/sulbactam de 27 para 128, correspondendo a 15% do consumo total. Conclusão: O uso de antimicrobianos aumentou progressivamente ao longo do período estudado, e os antimicrobianos mais consumidos corresponderam às classes terapêuticas de penicilinas associadas a inibidores, carbapenêmicos e glicopeptídeos, mostrando uma tendência a maior utilização de fármacos de amplo espectro, que pode estar relacionado com alterações na microbiota da UTI.

5 Título: ATIVIDADE ANTIFÚNGICA IN VITRO CONTRA MICROSPORUM CANIS DE EXTRATO HEXÂNICO E FRAÇÕES DE PIPER UMBELLATUM Temário: Antimicrobianos Instituição: FCFAR - UNESP Autores: Jolindo Alencar Freitas; Rodrigo Sorrechia; André Gonzaga dos Santos; Rosemeire Cristina Linhari Rodrigues Pietro; Dermatofitose é o tipo mais comum de micose superficial no mundo, que se manifesta normalmente na forma de manchas vermelhas circulares ( ringworm ). Apesar de não ser uma doença fatal, há uma relevância clínica significativa, pois é uma doença crônica que gera muitos desconfortos, problemas estéticos e são de difícil tratamento. Entre os fungos responsáveis por essa doença, destaca-se Microsporum canis, classificado como um fungo zoofílico, ou seja, é capaz de causar infecções em humanos e outros mamíferos. Os antifúngicos convencionais costumam ser tóxicos, com demorado tratamento e possuem poucos mecanismos de ação, o que causa uma preocupação quanto ao aparecimento de resistência. As plantas são importantes fontes na busca de novas moléculas com atividade terapêutica. Piper umbellatum é conhecida como pariparoba e apresenta diversas atividades terapêuticas. Esse trabalho traz um estudo biodirigido que visa a busca por novas moléculas com atividade antifúngica. Materiais e métodos: O extrato hexânico foi obtido a partir de maceração por 7 dias de folhas pulverizadas de P. umbellatum (200g) foi macerado com hexano (2L) à temperatura ambiente por uma semana. O extrato (185mg) foi submetido a cromatografia em coluna de sílica gel (63-200μm, 15x1,4cm) sob gradiente de eluição partindo de Hex; Hex/AcOEt 9:1 ; Hex/AcOEt 8:2; Hex/AcOEt 7:3 ; Hex/AcOEt 6:4 ; Hex/AcOEt 1:1 ; MeOH, em um total de 15 frações foram coletadas. As frações foram solubilizadas em DMSO e, em seguida, em meio RPMI. A avaliação da atividade antifúngica foi realizada através da determinação da concentração inibitória mínima (CIM) contra isolado clínico de M. canis através da metodologia de microdiluição em caldo de acordo com NCCLS M38-A2. A anfotericina B foi utilizada como controle. A leitura foi realizada visualmente. Resultados: Os valores de CIM (em µg/ml) obtidos foram de 1250 para o extrato hexânico, 625 para F1, 78,1 para F4, 156,2 para F7, e 1250 para F14 e 0,25 para anfotericina B. F4 foi o extrato que demonstrou em CCD maior teor da substância 4-nerolidilcatecol. Conclusão: Os resultados obtidos neste trabalho demonstram uma potencial atividade das frações do extrato hexânico. Portanto, este estudo é um primeiro passo para o isolamento e identificação dos componentes presentes no hexano responsável por esta atividade antifúngica demonstrada.

6 Título: AUDITORIAS ESTÁNDARES DE ANTIBIÓTICOS Temário: Antimicrobianos Instituição: MV Autores: Leonardo Antônio Ferreira dos Santos; Eunice Botelho Barata de Almeida; INTRODUÇÃO Recentes relatórios da OMS refletem constante preocupação face o crescimento da resistência dos micro-organismos aos antibióticos, a nível mundial, e a histórica diminuição dos investimentos da indústria farmacêutica em pesquisa por novos fármacos desta categoria. Dentro deste contexto, o uso racional dos antibióticos adquire papel de relevo, devendo ser elemento de vigilância constante por parte dos serviços de controle de infecção (SCIH). OBJETIVOS Discutir proposta de realização de Auditoria sobre o uso Racional dos Antibióticos, em ambiente hospitalar ou domiciliar, com seus impactos, não apenas na diminuição das possibilidades de geração de bactérias super-resistentes, mas não menos importante, na redução de eventos adversos (interações medicamentosas), notadamente em pacientes que fazem usos de distintos esquemas terapêuticos associados e por longo período. MÉTODO Através da utilização de módulo de Controle de Infecção, integrado a Sistema Informático de Gestão em Saúde, que abarca tecnologia Java/Flex, com Certificação Digital / SBIS a equipe multidisciplinar do SCIH poderá definir os critérios de vigilância frente a todos os antibióticos padronizados em determinada instituição de saúde. As Auditorias possuirão caráter educativo (envio de mensagens, através de computadores, tabletes ou celulares, aos médicos prescritores, contendo recomendações quanto ao tempo máximo para utilização de determinados antibióticos e seus efeitos farmacológicos frente a outros medicamentos associados). As Auditorias poderão, inclusive, ser restritivas, se as configurações forem criadas no sentido de que tal uso não ultrapasse limites de dias, dosagens ou outras variáveis consideradas relevantes pelo SCIH. RESULTADOS A construção/compartilhamento do conhecimento será um processo crescente e irreversível quando ocorre esta interação de forma rápida, clara e multidisciplinar. É possível, inclusive, mensurar estatística e graficamente, os percentuais de assertividade no uso clínico dos ATB, e seus impactos sobre a resistência dos micro-organismos. CONCLUSÃO A prescrição de antibióticos terá um monitoramento efetivo e as atribuições do SCIH serão potencializadas, através de plataformas com elevada usabilidade e facilidade que permeiem as ações quotidianas dos médicos, infectologistas, enfermeiras e farmacêuticos em atividades de farmacovigilância, diminuindo a possibilidade de uso indiscriminado de antibióticos e seus impactos clínicos e financeiros.

7 Título: AVALIAÇÃO DE SINERGISMO ENTRE BACTERIOCINA E ANTIBIÓTICOS BETA-LACTAMICOS PARA ENTEROBACTERIAS PELA TÉCNICA DE CHECKERBOARD Temário: Antimicrobianos Instituição: REDE METODISDA DO SUL - IPA Autores: Camila Braatz Carvalho; Alice Beatriz Mombach Pinheiro Machado; Alessandra Peres; Alexandre Prehn Zavaski; Introdução: O uso generalizado de antimicrobianos e o progresso da medicina, induziu a seleção de bactérias patogênicas resistentes a diferentes antibióticos. As principais consequencias deste fato são o risco de falha terapêutica e a transmissão e propagação clonal, levando a surtos institucionais com impactos variados e difíceis de controlar e eliminar. O presente estudo teve como objetivo testar o sinergismo entre um extrato bruto de bacteriocina, extraída de Lactobacillos rhamnosus, e dois antimicrobianos cefepime e imipenem. Métodos: Para esta análise foi utilizada a técnica de checkerboard in vitro. As amostras clínicas utilizadas para testar o sinergismo foram enterobactérias com screening para teste genotípico para a produção de KPC. Utilizamos os antibióticos em diferentes diluições. A bacteriocina foi extraída a frio, a partir de uma cultura do Lactobacillos rhamnosus na concentração de 2 da escala de Mc Farland. Hipótese alternativa: bacteriocina mais antibiótico igual a redução da MIC. Estatísitca: A variável redução da MIC foi representada por mediana e intervalo interquartílico. Para comparar essa redução foi realizado o teste de Mann-Whitney. O nível de significância utilizado foi p 0,05. Resultados: No estudo foram utilizados dois grupos de isolados clínicos totalizando 35 enterobactérias (grupo1-18 bactérias produtoras de KPC, grupo 2-17 bactérias não produtoras de KPC classificadas pelo teste genotípico). Os dois grupos foram testados para 2 antibióticos imipenem (IMP) e cefepime (CPM) com 8 diluições de 2 μg/ml a 256 μg/ml. Foi encontrado sinergismo para 12 bactérias para cefepime (34,2%) e 8 para imipenem (22,8 %). Entre os achados de sinergismo 9, foram de enterobactérias produtoras da enzima KPC e 11 não produtoras de KPC. Utilizou-se o cálculo da FIC parcial (Fração da Concentração Inibitória) dividindo-se a MIC da combinação de cada antibiótico (IMP e CPM) com a bacteriocina pela MIC dos antibióticos sozinhos e assumiu-se que valores 0,5 configuram sinergismo. Conclusão: Para as bactérias multiresisitentes existem poucas alternativas terapêuticas novas, deste modo, torna-se importante mais testes utilizando a bacteriocina produzida pelo Lactobacillus rhamnosus. Com a bacteriocina isolada, caracterizada por espectrometria de massas e purificada pode-se aumentar a concentração no teste e verificar a possibilidade de ser utilizada como adjuvantes visando aumentar a efetividade ou o sinergismo dos antimicrobianos.

8 Título: AVALIAÇÃO DO PERFIL DE UTILIZAÇÃO DE ANTIMICROBIANOS EM UM HOSPITAL DE PEQUENO PORTE DO INTERIOR DO RIO GRANDE DO SUL Temário: Antimicrobianos Instituição: HOSPITAL SCHLATTER Autores: Samuel Selbach Dries; Eliane Salete Klein; Introdução: Os antimicrobianos são uma das classes de medicamentos mais utilizadas no meio hospitalar, e está cada vez mais evidente a necessidade de controlar sua utilização, evitando o surgimento de cepas resistentes que aumentam os gastos com a saúde pública e diminuem a qualidade de vida dos pacientes. Analisar estes dados e elaborar estratégias para a utilização de antimicrobianos é um grande desafio para os profissionais da área da saúde que atuam neste campo. Objetivo: Avaliar a utilização de antimicrobianos em pacientes admitidos tanto no ambulatório como na unidade clínica médica / cirúrgica de um hospital público-privado do município de Feliz Rio Grande do Sul. Método: Foi realizada uma pesquisa retrospectiva utilizando os relatórios mensais emitidos pela Comissão de Controle de Infecção Hospitalar, no período de julho de 2014 a março de 2015, inserindo os dados no programa de informática Microsoft Excel 2010 (Microsoft Co.) para proceder a análise. Resultados: Ao total foram encontrados 873 tratamentos com antimicrobianos no período avaliado. As infecções mais prevalentes foram: amigdalite (20,50%), tratada no ambulatório, seguida de exacerbação infecciosa na Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica (DPOC) (15,81%) e Broncopneumonia (9,39%). Levando em consideração a utilização de antimicrobianos, a Cefalotina 1 grama esteve presente em 25,50% dos tratamentos prescritos para infecções, seguida da Benzilpenicilina Benzatina UI (21,90%). Já a Ceftriaxona 1 grama, cefalosporina de 3ª geração, esteve presente em 15,30% das prescrições avaliadas. A média do tempo de internação foi de 4,11 dias, não sendo possível atingir o tempo de antibioticoterapia previsto na justificativa de utilização desta classe em 66,08% dos tratamentos. Também foram encontrados muitos esquemas terapêuticos diferentes para uma mesma patologia. Para o tratamento de DPOC foram registrados 19 esquemas, sendo que 68% destes continham associações com outros antimicrobianos. Conclusão: Estes dados evidenciam a necessidade de uma maior atuação da equipe multidisciplinar do Controle de Infecção na elaboração e monitoramento de protocolos clínicos que estimulem a prescrição e utilização racional desta classe de medicamentos dentro da instituição hospitalar.

9 Título: CARACTERÍSTICAS E INICIATIVAS INSTITUCIONAIS QUE APRIMORA O USO DE ANTIBIOTICOPROFILAXIA CIRÚRGICA. Temário: Antimicrobianos Instituição: ESCOLA DE ENFERMAGEM DA USP Autores: Cristiane Schmitt; Rúbia Aparecida Lacerda; INTRODUÇÃO: Há poucos dados sobre a adesão às diretrizes de antibioticoprofilaxia cirúrgica no Brasil. OBJETIVO: reconhecer as iniciativas institucionais para melhorar as práticas de antibioticoprofilaxia em neurocirurgia. MÉTODOS: estudo observacional transversal, população constituída por hospitais, prontuários de pacientes, profissionais do serviço de controle de infecção hospitalar(scih) e equipe cirúrgica. A amostra de hospitais e equipe cirúrgica foi obtida por conveniência e os prontuários de cada hospital calculados com base em 40% de adesão em geral.resultados: Entre os nove hospitais avaliados, cinco obtiveram certificação de qualidade A média de horas semanais de trabalho dos profissionais do SCIH e por leito crítico foi de 0,7 e 3,8. Oito hospitais divulgavam suas taxas de ISC, sete estratificavam por especialidade, seis as diretrizes de antibioticoprofilaxia tinham aprovação dos cirurgiões; quatro divulgavam essas diretrizes. Das neurocirurgias, 38 foram excluídas devido à falta de registros. A adesão global foi de 10,0%. A via de administração era adequada em 100%, dose em 90,6%, indicação em 90,0% e momento de início 77,1%. Houve adesão menor para duração (26,1%) e associação significativa entre horas de trabalho do SCIH/leito crítico (p=0,048), divulgação da diretriz de antibioticoprofilaxia (p0.035), monitoramento da adesão (p0.024), divulgação de resultados (p0.015), período do dia da cirurgia (IC=1,7-6,6). Dos 43 anestesiologistas e cirurgiões entrevistados mais de 80% concordavam com as diretrizes institucionais e mais de 50% relataram que sempre as seguiam.conclusão: O número de profissionais do SCIH/leito crítico, divulgação das diretrizes, monitoramento e divulgação de resultados estão associados maior conformidade de uso antibioticoprofilaxiaa. As inadequações parecem ter maior relação com resistência microbiana do que com ISC. Os SCIH tinham estrutura conforme legislação, mas apresentavam lacunas quanto à implantação das diretrizes, monitoramento e divulgação de resultados. É imprescindível maior aproximação dos SCIH, especialmente, com os indivíduos envolvidos no processo cirúrgico, bem como a busca por soluções inovadoras, uma vez que os métodos convencionais de intervenção não estão produzindo os resultados desejados.

10 Título: INVESTIGAÇÃO DE MECANISMOS DE AÇÃO DE EXTRATO CLOROFÓRMIO DE PIPER UMBELLATUM FRENTE A MICROSPORUM CANIS Temário: Antimicrobianos Instituição: FCFAR - UNESP Autores: Jolindo Alencar Freitas; Rodrigo Sorrechia; Rosemeire Cristina Linhari Rodrigues Pietro; As infecções fúngicas cutâneas são normalmente chamadas de micoses, dentre a mais comum estão as dermatofitoses, que apresenta Microsporum canis como um dos responsáveis mais comuns. O principal alvo entre os antifúngicos comerciais é o ergosterol presente da membrana celular fúngica, porém ausente em células animais que utilizam o colesterol na composição de sua membrana. Drogas que causam dano na parede celular desencadeiam lise celular, pois atuam gerando uma desestabilização organizacional, se ligando a lipídeos ou açúcares da parede celular. Isso prejudica o equilíbrio osmótico da célula com o meio e, portanto, na presença de um estabilizador osmótico como o sorbitol, a célula seria capaz de crescer. Piper umbellatum é uma Piperacea utilizada para tratamentos de desordens do trato gastrointestinal, hepáticas, para malária e diabetes. Este trabalho visou estudar se os extratos clorofórmio e etanólico de P. umbellatum possuem atividade antifúngica através da desestabilização da parede celular de M. Canis. Materiais e métodos: Folhas secas e pulverizadas (50g) de P. umbellatum foram maceradas por 7 dias com clorofórmio. O extrato foi seco em rotaevaporador. 10mg do extrato foi solubilizado em DMSO e posteriormente diluído em RPMI com adição de sorbitol (0,8 mol/l) e sem a adição. Buscou-se determinar a concentração inibitória mínima (CIM) frente a M. canis em cada caso, de acordo com protocolo CLSI M38-A2. Fluconazol foi utilizado como controle. A leitura foi feita visualmente e os resultados foram analisados por comparação dos valores de CIM com e sem ergosterol. Caso o extrato atue gerando um desequilíbrio osmótico na célula, a sua atividade diminuirá na presença de sorbitol. Resultados : O valor de CIM encontrado para o extrato clorofórmio foi de 78,13 µg/ml na ausência de sorbitol e o valor encontrado na presença de sorbitol foi o dobro. O valor de CIM do fluconazol se manteve em 16 µg/ml em ambas as situações. Conclusão: O fluconazol atua na síntese da parede, e por isso não há alteração no valor de CIM ao se adicionar o sorbitol. Provavelmente a atividade do extrato clorofórmio esteja relacionada a geração de um desequilíbrio osmótico nas células fúngicas.

11 Título: MIC PARA VANCOMICINA: RELATO DE CASOS Temário: Antimicrobianos Instituição: UNIVERSIDADE DE SANTA CRUZ DO SUL - AGIH Autores: Jéssica Chaves; Introdução: As amostras de estafilococos aureus e de estafilococos coagulase negativos resistentes à meticilina/oxacilina com sensibilidade diminuída aos glicopeptídeos foram relatadas, sendo que estão se tornando cada vez mais comuns, acarretando 40% a 70% de todas as infecções estafilococicas do mundo. A Concentração Inibitória Mínima (MIC) é a concentração de antimicrobiano necessária para inibir o crescimento bacteriano. Os isolados com MIC 2 µg/ml são considerados sensíveis à vancomicina; as cepas de MIC entre 4 e 8 µg/ml são ditas de sensibilidade intermediária; e culturas com MIC 16 µg/ml são resistentes ao antimicrobiano. O fato de a vancomicina ser eliminada exclusivamente por via renal aumenta significativamente as chances de ela atingir níveis tóxicos na circulação sanguínea. Relato de casos: Foram analisados 5 pacientes com cultura positiva para Estafilococos coagulase negativo. A dose inicial administrada de vancomicina foi de 1 grama, na posologia de 12 em 12 horas para os adultos e para o recém-nascido 32 miligramas de 8 em 8 horas. A média da MIC foi de 1,9 (±0,58), sendo que 4 paciente apresentarem MIC menor de 2 e somente um paciente apresentou MIC maior de 2. A média da creatinina foi de 2,49 (±3,31). Conclusão: Assim, entende-se que esse único paciente não sensível a vancomina, alerta a necessidade de preocupação em relação ao perfil microbiológico do Hospital Santa Cruz. Dessa forma, em função das limitadas opções terapêuticas na nossa população de pacientes, o uso prudente de vancomicina e a aderência às medidas de controle de infecção são extremamente necessárias para prevenir a emergência de microorganismos. A sensibilildade reduzida à vancomicina de possíveis amostras hetereresistentes deve ser confirmada pela análise populacional completa, porque havendo resistência na população, há risco das mesmas escaparem da detecção quando se utiliza testes simplificados.

12 Título: OTIMIZAÇÃO DO USO DE ANTIMICROBIANOS EM TERAPIA INTENSIVA: IMPACTO DA INTERVENÇÃO DO SCIH (MÉDICO E FARMACÊUTICO) EM ROUNDS MULTIDISCIPLINARES Temário: Antimicrobianos Instituição: Hospital Mãe de Deus Autores: Gabrielli Paré Guglielmi; Gabriel Narvaez; Juliana Gil Prates; Francyne Lopes; Diego Stumpfs; Rafael Cremonese; Introdução: Um programa de racionalização do uso de antimicrobianos visa otimizar os efeitos terapêuticos destes fármacos. Para isso, analisar a indicação, dose e duração da droga é de extrema importância. Objetivos: Avaliar os resultados da intervenção do Serviço de Controle de Infecção Hospitalar-SCIH (médico e farmacêutico) em rounds multidisciplinares junto a equipe médica em uma unidade de terapia intensiva adulto de um hospital privado de Porto Alegre-RS, no que se refere à prescrição de antimicrobianos. Método: O período analisado foi de dezembro de 2014 a abril de Em rounds multidisciplinares abordavam-se em análise crítica os pacientes sob antibioticoterapia com as seguintes intervenções: discussão da indicação, suspensão de antibiótico, descalonamento/escalonamento, ajuste de dose e tempo de uso. Resultados: Foram realizadas 130 intervenções, dessas 19 (n=14,6%) de discussão de indicação da antibioticoterapia, 34 (n=26,2%) de suspensão de tratamento, 33 (n=25,3%) de descalonamento/escalonamento, 34 (n=26,2%) foram de ajuste de dose e 10 (n=7,7%) de discussão de tempo de uso. A adesão às sugestões foi observada em 104 situações (80%), sendo o descalonamento/escalonamento (24%; n=25) e a suspensão de tratamento (23%; n=24) as mais aceitas. No total foram avaliados 159 antimicrobianos; desses, os que mais sofreram intervenções foram a vancomicina 30,2%, meropenem 18,2%, piperacilina/tazobactam 16,4%, polimixina B 11,3%, fluconazol 6,9%, outros 17%. Conclusão: Nossos resultados mostram que a otimização do uso dos antimicrobianos na terapia intensiva, verificando a indicação, dose, e tempo de uso dos antibióticos obtiveram êxito e boa aceitação da equipe médica, podendo assim aumentar a frequência de prescrição correta desses medicamentos, quando indicados e, eventualmente contribuir para um melhor desfecho e minimização da resistência microbiana.

13 Título: PERFIL DE SENSIBILIDADE BACTERIANA DE HOSPITAL ESPECIALIZADO EM CARDIOLOGIA DE SALVADOR-BAHIA: UMA REFLEXÃO. Temário: Antimicrobianos Instituição: UNIJORGE Autores: Carla Fernanda Mazucato; Andéa Straatmann; Júlio Sampaio; Introdução: Infecções nosocomiais são motivo de preocupação no cuidado à saúde. A resistência bacteriana é um grande desafio, pois eleva a morbi-mortalidade dos pacientes. Os patógenos observados com maior frequência nestas infecções são E.coli, P. aeruginosa, S. aureus e Enterococcus spp. Objetivo: Avaliar o perfil de sensibilidade bacteriana de pacientes internados em hospital privado, especializado em cardiologia, de Salvador-BA. Metodologia: Foram coletadas 214 culturas, colhidas em 2014 de pacientes internados neste hospital. A análise descritiva foi realizada através do software SPSS, Resultados: Das culturas realizadas, 110 foram negativas. Dentre as 104 positivas, observou-se a seguinte distribuição por sítio: urocultura 60,8% (n=31), ponta de cateter 19% (n=20), hemocultura 10,7% (n=25), secreção de ferida 6,2% (n=14), secreção traqueal 3,3% (n=10). Os cinco agentes mais frequentes foram S. coagulase negativo 18,3% (n=19), E. coli 15,4% (n=18), P. mirabilis 10,6% (n=15), P. aeruginosa 9,6% (n=12) e K. pneumoniae 8,7% (n=9). Quando avaliadas as hemoculturas, isoladamente, a E coli deixou de ser agente frequente, enquanto os demais permaneceram em destaque. Neste grupo o percentual de sensibilidade foi o seguinte: S. coagulase negativo, Teicoplanina 89,5% (n=17), Clidamicina 31,6% (n=6), Oxacilina 21,1% (n=4), Penicilina 21,1% (n=4); E. coli Imipenem 100% (n=14), Cefepime 100% (n=14), Ceftriaxone 92,9% (n=13), Amicacina 85,7% ( n=12), Ciprofloxacina 64,3% (n=9); P. mirabilis Imipenem 100% (n=9), Cefepime 100% (n=9), Ceftriaxone 100% (n=9), Amicacina 100% (n=9); P. aeruginosa Imipenem 88,9% (n=8), Cefepime 88,9% (n=8), Amicacina 100% (n=9), Piperacilina-Tazobactam 88,9% (n=8); K. pneumoniae, Imipenem 88,9% (n=8), Cefepime 88,9% (n=8), Ceftriaxone 88,9% (n=8), Amicacina 100% (n=9). Conclusão: O elevado percentual de culturas negativas pode estar associado ao uso de antimicrobianos antes da coleta, contaminação ou indicação inadequada do exame. É de suma importância os hospitais conhecerem o perfil de sensibilidade microbiana, adotarem política de educação para uso racional de antimicrobianos e adequar tratamentos empíricos à flora local. Além disso, o conhecimento do perfil de sensibilidade permite o uso de ferramentas como farmacodinâmica e farmacocinética para driblar a resistência bacteriana.

14 Título: PERFIL DE SUSCEPTIBILIDADE AOS ANTIMICROBIANOS E CARACTERIZAÇÃO MOLECULAR DE OXACILINASES EM ISOLADOS DE ACINETOBACTER BAUMANNII ORIUNDOS DE HOSPITAIS DA REDE PÚBLICA NO RIO DE JANEIRO. Temário: Antimicrobianos Instituição: FUNDAÇÃO OSWALDO CRUZ Autores: Karyne Rangel Carvalho; Daniela Betzler Cardoso Gomes; Gabrielle Limeira Genteluci; Maria José de Souza; Roberto Mauro Fernandes da Costa; Alexandre Baptista; Eduardo Almeida Ribeiro de Castro; Valéria Câmara Almeida; Maria Helena Simões Villas Bôas; Acinetobacter baumannii tem se destacado como um importante patógeno oportunista devido à sua notável capacidade para adquirir resistência aos antimicrobianos, sendo responsável por infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) e surtos hospitalares, particularmente em unidades de tratamento intensivo. Este estudo teve como objetivo determinar o perfil de susceptibilidade aos antimicrobianos e a presença de genes de carbapenemases de classe D (oxacilinases) entre isolados de A. baumannii provenientes de três hospitais públicos do Rio de Janeiro no período de um ano (2014). Em um total de 68 isolados de A. baumannii, foi determinada a susceptibilidade a diferentes antimicrobianos de acordo com o método de discodifusão. Os isolados foram também submetidos a multiplex-pcr para os genes blaoxa. A maioria dos isolados (83,8%) apresentou resistência a pelo menos 9 dos 11 antimicrobianos testados. Dentre os 68 isolados, todos foram positivos para o gene blaoxa-51, 59 isolados (86,8%) foram positivos para a presença do gene blaoxa-23. Outros genes de oxacilinases não foram detectados em nenhum isolado. A alta distribuição de genes codificadores de carbapenemase de classe D, principalmente devido a OXA-23 é preocupante e representa uma ameaça emergente nesses hospitais. Sendo assim, a vigilância molecular local é essencial para ajudar no controle dessas infecções a fim de impedir a troca de material genético entre os patógenos hospitalares endêmicos.

15 Título: CONHECIMENTO DE PROFISSIONAIS DE HIGIENIZAÇÃO HOSPITALAR A RESPEITO DE CONCEITOS CHAVE RELACIONADOS AO CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR EM UM HOSPITAL NO OESTE DO PARANÁ. Temário: Áreas de apoio Instituição: HOSPITAL POLICLÍNICA CASCAVEL Autores: Stephanie da Costa e Sousa Vergara; Juliana Gerhardt; INTRODUÇÃO: As IRAS representam risco à segurança do paciente, e é bem estabelecido o papel do ambiente na transmissão de patógenos. Assim, o serviço de limpeza hospitalar apresenta relevante papel nas instituições. OBJETIVOS: Avaliação do conhecimento da equipe de limpeza hospitalar de um hospital privado a respeito de conceitos relacionados a limpeza e controle de IRAS. MÉTODO: Estudo transversal qualitativo com questionário a respeito de temas abordados nos treinamentos do SCIH. RESULTADOS: Foram 22 profissionais (81,5% do total): 100% gênero feminino, mediana de idade 46 anos, escolaridade média 8 anos, mediana de tempo na instituição 42 meses. 73,6% relataram sobrecarga de trabalho ( número reduzido de colaboradores ), o que temem comprometer a qualidade do trabalho. Pergunta 1 O que você entende por infecção hospitalar (IH)? : 37% relacionaram o conceito à presença de bactérias, 41% à falhas em higiene de mãos e ambiente; um profissional definiu Infecção adquirida no hospital e que não estava no paciente na admissão, e outro citou transmissão cruzada. Pergunta 2 Qual a principal forma de transmissão de IH? : 72,7% responderam as mãos dos profissionais, e 27% também citaram o ambiente. Pergunta 3 O que você entende por matéria orgânica? : 68% = secreções dos pacientes (vômito, fezes, sangue, urina), porém houve comida, seres vivos e tudo o que sai do corpo humano. Pergunta 4 Você sabe o que é biofilme? : 6 profissionais (27%) responderam, com conceitos como é a resistência da bactéria, é uma aglomeração de bactérias e é a camada de proteção das bactérias. Pergunta 5 O que é limpeza concorrente? : 63% limpeza quando o paciente está no quarto e 37% limpeza rotineira, do dia a dia. Pergunta 6 O que é limpeza terminal? : 68% quando o paciente está de alta hospitalar, 18% limpeza geral do piso ao teto ; 1 profissional citou quando tira todos os materiais e faz limpeza em todo o quarto. Pergunta 7 Quais os desinfetantes disponíveis para uso e sua opinião sobre eles? : 45% citaram o nome correto dos produtos, 22% relataram não gostar, não limpam muito bem ou fica muito grudento. CONCLUSÕES: De maneira geral os profissionais possuem conceitos básicos em controle de IRAS, associam-nas a microrganismos e má higiene, porém muitas vezes são inexperientes ou nunca trabalharam em serviços de saúde. É necessário investimento em capacitação e esclarecimento de conceitos, a fim de obter maior comprometimento destes profissionais.

16 Título: IMPLANTAÇÃO DE MÉTODOS DE VALIDAÇÃO DA LIMPEZA TERMINAL EM UMA UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA Temário: Áreas de apoio Instituição: HNSC/GHC Autores: Taís Fernanda da Silva Anelo; Milene Oliveira de Freitas de Vargas; Rosaura Costa Bordinhão; Micheline Gisele Dalarosa; Carine Fonseca Machado; Flávia Gonçalves Perez; Introdução: A limpeza e desinfecção de superfícies em serviços de saúde são elementos primários e eficazes nas medidas de controle para romper a cadeia epidemiológica de transmissão das infecções. A intensificação e qualificação das técnicas de limpeza minimizam a disseminação dos micro-organismos. Nos últimos anos, estuda-se a importância de novos métodos para monitorar e validar a eficácia dos procedimentos de limpeza através de dados objetivos e mensuráveis, não somente através da observação direta das superfícies. O reconhecimento da importância do ambiente na transmissão de micro-organismos, serviço de higienização terceirizada de baixa qualidade e swabs de superfícies com resultados positivos para germes de importância epidemiológica foram motivos que impulsionaram a realização deste estudo. Objetivo: Implantar métodos de validação da limpeza terminal em uma Unidade de Terapia Intensiva (UTI). Método: Trata-se de um estudo prospectivo observacional, realizado no período de maio a julho de 2013, em uma UTI de um hospital púbico de grande porte da cidade de Porto Alegre. A UTI é dividida em quatro áreas distintas, por isso, a limpeza foi realizada em quatro etapas. Foi implantada validação da limpeza terminal com utilização de três métodos: aplicação de marcadores fluorescentes, medição de adenosina trifosfato (ATP) bioluminescência e coleta de swabs de superfícies. Resultados: Na etapa de marcadores fluorescentes houve número importante de reprovações de limpezas, sendo que a primeira área higienizada apresentou média de limpeza de 3,07, enquanto que, na última área, a média foi de 1,44. Das 170 superfícies testadas após a etapa anterior, 7,6% foram reprovadas na medição de ATP bioluminescência. Comparando os resultados dos swabs de superfícies coletados antes da limpeza terminal com os coletados após as demais etapas de validação, foram identificados micro-organismos de menor importância epidemiológica e redução do número total de culturas positivas. Conclusão: A realização da limpeza terminal com três etapas de validação proporcionou impacto no controle de mircro-organismos nas superfícies bastante tocadas pelos profissionais da saúde, garantindo um ambiente mais seguro. A implantação desses métodos também contribuiu para aprimorar a detecção das inconformidades no serviço de higienização, fornecendo subsídios para feedback e capacitações aos funcionários da limpeza, trabalhando as deficiências e qualificando este serviço.

17 Título: INVESTIGAÇÃO DAS DIFICULDADES ENVOLVIDAS NAS PRÁTICAS DE CONTROLE DE IRAS EM UTIS Temário: Áreas de apoio Instituição: UNIVERSIDADE DE SÃO PAULO Autores: CLÁUDIA GESSERAME VIDIGAL MENDES DE SOUZA; MARIA LIVIA TOURINHO MORETTO; ANNA SARA SHAFFERMAN LEVIN; MARIA CLARA PADOVEZE; GLÁUCIA ROSANA GUERRA BENUTE; GRACILENE RAMOS DE ASSIS; RENATA DESORDI LOBO; Introdução: O alto índice de não adesão dos Profissionais de Assistência à Saúde (PAS) às práticas de controle de IRAS justifica a investigação sobre aspectos psicológicos dos mesmos, facilitando a construção de estratégias de intervenção mais eficazes na resolução deste problema. Objetivos: investigar as compreensões dos PAS a respeito das dificuldades relacionadas às práticas de controle de IRAS; as percepções a respeito de sua própria participação nas práticas de controle de IRAS; e as sugestões para diminuição das taxas de infecção. Método: Foram realizadas entrevistas semi-dirigidas com 96 PAS que trabalham em UTIs de um Hospital Universitário. Foi utilizada a Técnica de Análise Temática ou de Conteúdo, por meio da categorização dos dados. Resultados: Com relação às compreensões das dificuldades, as respostas mais frequentes foram: falta/problemas de infraestrutura, de equipamentos, de padronização e planejamento (21,01%), falta de tempo relacionada a sobrecarga de trabalho e falta de recursos humanos (16,30%) e comodismo/preguiça (7,97%). Sobre as percepções, as respostas mais frequentes foram: dificuldades relacionadas à falta de tempo, sobrecarga de trabalho e falta de recursos humanos (20,2%), dificuldades relacionadas à falta/problemas de infraestrutura, de equipamentos, de padronização e planejamento (13,8%) e percepção da importância das cobranças e de serem exemplares (11,9%). As sugestões mais frequentes para diminuição das taxas de infecção, foram: investimento em transmissão de conhecimento, informações e conscientização (30,93%), melhoria da infraestrutura, de equipamentos, de padronização e planejamento (19,07%) e mais cobranças, punições, controle e fiscalizações (14,43%). Conclusão: As respostas sobre compreensões, percepções e sugestões podem ser agrupadas, de acordo com o eixo temático, em duas categorias: fatores institucionais e fatores subjetivos. As compreensões dos PAS são, mais frequentemente associadas a fatores subjetivos (52%). No entanto, as percepções são mais frequentemente associadas a fatores institucionais (34%). As sugestões estão mais frequentemente relacionadas a ações institucionais (89%). Essa contradição indica a presença de dificuldades relativas à diferenciação entre o que é de cada sujeito e o que tange ao contexto institucional na abordagem do problema do controle de IRAS, o que aponta para a relevância de intervenções que abordem o problema levando em consideração as dificuldades humanas dos PAS em questão.

18 Título: A EDUCAÇÃO PERMANENTE COMO ESTRATÉGIA DE INCENTIVO A HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS Temário: Educação aplicada ao Controle de Infecção Instituição: CLÍNICA SÃO VICENTE Autores: Ihasmyn Tamyris Herdy; Tatiana da Silva Clerc de Freitas; Simone Cruz Machado Ferreira; Introdução: Embora a higienização das mãos seja eficaz na prevenção das infecções hospitalares, a adesão a pratica é muito baixa. A literatura demonstra que o treinamento é eficaz mas que a sustentação da pratica necessita de permanente acompanhamento. Objetivo:Descrever as praticas utilizadas na educação dos profissionais de saúde quanto a higiene das mãos. Método: Busca dos artigos em português, na base de dados da Biblioteca Virtual em Saúde, no período compreendido entre fev/2014- fev/2014, usando como descritores os termos lavagem de mãos, educação em enfermagem, educação continuada. Foram excluídos os artigos repetidos nas diferentes bases de dados ou por não estarem disponibilizados na íntegra como ocorreu em artigos que foram encontrados no banco de dados da LILACS. E os artigos selecionados foram analisados em relação aos seguintes eixos: País onde foi publicado, ano de publicação, tamanho da amostra, período em que ocorreu a pesquisa e principais resultados observados. Resultados: Em todos os artigos analisados, são encontrados alguns problemas que impactam na adesão da prática como: infraestrutura, falta de insumos, entre outros. Contudo, muitas estratégias vem sendo desenvolvidas como: seleção criteriosa de insumos, utilização de cartazes estilizados, dinâmicas, para o estímulo desses profissionais, dentre todas as práticas descritas pelos autores, a educação permanente é a única citada em todas as publicações. Conclusão: A educação permanente pode ser uma importante ferramenta para a adesão a higienização das mãos pelos profissionais de saúde, como demonstrado nos estudos. Pois ajuda a manutenção da adesão dos profissionais a prática.

19 Título: A PROBLEMATIZAÇÃO COMO METODOLOGIA DE ENSINO APLICADA A DISCIPLINA DE PREVENÇÃO E CONTROLE DE INFECÇÕES RELACIONADAS A ASSISTÊNCIA DE UM CURSO DE GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM Temário: Educação aplicada ao Controle de Infecção Instituição: UNIVERSIDADE SALGADO DE OLIVEIRA Autores: Rita Patrizzi Mendonça; Elsie Storch Borges; Bianca Oliveira Fonseca; Barbara Pompeu Chistovam; A educação dos profissionais da saúde baseia-se em um modelo que prioriza os aspectos biológicos, fragmenta o saber e enfatiza a dicotomia entre teoria e prática. As metodologias de ensino-aprendizagem tradicionais ainda são as mais utilizadas na formação dos profissionais da saúde. Nessas práticas educativas, destacam-se a transferência de conhecimentos pelo docente ao aluno, o qual absorve passivamente o conteúdo sem que seu contexto social ou seus conhecimentos prévios sejam considerados. É durante os cursos de graduação que o professor possui o papel fundamental não apenas no processo de ensino-aprendizagem de temas técnicos, como também na formação ética do caráter que será projetado nas atitudes do futuro profissional. Assim deve-se focalizar um ensino reflexivo, a fim de desafiar, estimular e ajudar os alunos na construção de habilidades e competências que fortaleçam o compromisso profissional. Na Enfermagem, a discussão sobre o processo de formação dos seus profissionais data desde o início da década de 80, quando começaram as discussões e a construção de um projeto político para a profissão, tomando como uma de suas referências a construção do Sistema Único de Saúde - SUS, conduzido pela Associação Brasileira de Enfermagem - ABEn, o qual vem sendo implementado, enfrentando políticas econômicas, de ensino e de saúde nem sempre favoráveis aos processos de transformação. O objetivo é relatar a experiência vivenciada pelo professor de graduação frente o emprego da problematização como metodologia de ensino. Estudo descritivo que relata a experiência de realizar metodologia ativa de ensino como estratégia de aprendizagem na disciplina de Prevenção e Controle de Infecções Relacionadas a Assistência, do curso de graduação em enfermagem de uma Universidade privada do estado do Rio de Janeiro. Utilizou-se como recurso áudio visual, álbum seriado tamanho A4 e após cada aula os professores avaliavam o aprendizado através de discussões crítico reflexivas sobre o tema abordado.os 32 alunos que cursavam a disciplina foram avaliados através de apresentação de seminários sobre os temas abordados em cada aula. Os discentes demonstraram domínio dos assuntos e facilidade de inter relacionar o conteúdo teórico com a prática. O método de problematização como estratégia de ensino proporcionou um processo de ensino aprendizagem mais interessante e eficaz, uma vez que se desvinculou de métodos tradicionais e implementou uma aprendizagem crítico reflexiva.

20 Título: A UTILIZAÇÃO DO FEEDBACK COMO INCENTIVO NA MANUTENÇÃO DA TAXA DE ADESÃO ÀS RECOMENDAÇÕES DE HIGIENE DE MÃOS Temário: Educação aplicada ao Controle de Infecção Instituição: HOSPITAL DE PRONTO SOCORRO DE CANOAS Autores: Priscila de Souza Ávila Pereira; Paulo Francisco Berni Teixeira; Raísa da Silva Dorneles; Vanessa Schultz; Ana Paula Sueiro de Oliveira; Introdução: A higiene das mãos é comprovadamente a maneira mais rápida, simples e com menor custo para prevenir infecções, especialmente às veiculadas através do contato. Nossa pele é um reservatório para diversos microrganismos que podem se transferir de uma superfície a outra. Todos os profissionais que trabalham em serviços de saúde devem higienizar as mãos para prevenir infecções causadas por transmissão cruzada. Objetivo: Verificar a eficácia da metodologia de feedback na manutenção da taxa de adesão às recomendações de higiene de mãos acima da meta estipulada com as equipes assistenciais na UTI de um Hospital da Região Metropolitana de Porto Alegre. Método: Trata-se de um estudo observacional retrospectivo. Os dados foram coletados através de aplicação de instrumento sugerido pela ANVISA dos 5 Momentos para Higienização das Mãos recomendados pela OMS. As observações foram realizadas pela equipe do SCIH no período de outubro de 2014 a março de Os feedbacks foram realizados através de reuniões explicitando as taxas com as equipes dos turnos da manhã e tarde a cada dez dias. Permanecia disponível em documento institucional impresso na unidade durante todo o mês a taxa alcançada no período. Os dados foram tabulados e analisados estatisticamente no programa Microsoft Excel. Resultado: A taxa de adesão às recomendações de higiene de mãos manteve-se acima da meta no período analisado e com tendência a melhora contínua. Conclusão: Apresentar os resultados para as equipes é fundamental quando se busca qualidade e segurança assistencial, pois a partir do entendimento da importância de um simples gesto como higienizar as mãos e pelo envolvimento dos profissionais em buscar melhorias é que se consegue alcançar os objetivos traçados buscando a saúde do paciente. Nos últimos meses foi possível observar maior esforço dos profissionais que buscaram compreender os 5 momentos para higienização das mãos, não apenas para manter as taxas, mas com a consciência de melhorar suas práticas bem como a qualidade e segurança no atendimento a seus pacientes. É necessário que sejamos incansáveis em treinamentos e qualificação das equipes se almejamos oferecer serviços com segurança e qualidade para nossos pacientes.

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo? 10 a Jornada de Controle de Infecção Hospitalar CCIH Hospital de Câncer de Barretos da Maternidade Sinhá Junqueira Ribeirão Preto, 29 e 30 de julho de 2005 Bactérias Multirresistentes: Como eu controlo?

Leia mais

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção)

PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS. (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) PRECAUÇÕES E ISOLAMENTOS (Falhas na adesão ás práticas de prevenção) Transmissão de agentes infecciosos Podem ser encontrados: -Meio ambiente,ar, água e solo; -Utensílios; -Equipamentos; -Seres vivos -

Leia mais

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010

MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 MINISTÉRIO DA SAÚDE HOSPITAL GERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A 24 - Revisada em 29/10/2010 Recomendações para prevenção e controle das enterobactérias produtoras

Leia mais

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar

PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE. Serviço de Controle de Infecção Hospitalar PLANO DE AÇÃO Prevenção da Disseminação de Enterobactérias Resistentes a Carbapenens (ERC) no HIAE Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Fev 2011 1 Como prevenir a disseminação de Enterobactérias

Leia mais

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH

PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 1de 9 PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR-PCIH 2013 Código: PCIH. SCIH. 001 Versão: 1.0 Revisão: 00 Página: 2de 9 Programa de Atividades

Leia mais

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde

Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde Relatório do I Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde I - RESUMO EXECUTIVO Responsáveis: - Adélia Aparecida Marçal dos Santos Gerência de

Leia mais

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO

ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO ANÁLISE MICROBIOLÓGICA: SUA IMPORTÂNCIA PARA O CONTROLE DE INFECÇÃO MSC INES STRANIERI LABORATÓRIO DE MICROBIOLOGIA HOSPITAL UNIVERSITÁRIO JULIO MULLER - HUJM UNIVERSIDADE FEDERAL DE MATO GROSSO - UFMT

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ

UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ UNIVERSIDADE ESTADUAL DE MARINGÁ PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM BIOCIÊNCIAS APLICADAS À FARMÁCIA Perfil de Sensibilidade de Staphylococcus aureus e conduta terapêutica em UTI adulto de Hospital Universitário

Leia mais

Dra. Thaís Guimarães

Dra. Thaís Guimarães Dra. Thaís Guimarães ANTIMICROBIANOS Produtos capazes de destruir microorganismos ou de suprimir sua multiplicação ou crescimento. Antibióticos = produzidos por microorganismos Quimioterápicos = sintetizados

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS

PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS Novembro de 2009 PROGRAMA NACIONAL DE PREVENÇÃO DAS RESISTÊNCIAS AOS ANTIMICROBIANOS ÍNDICE Pág. I. INTRODUÇÃO... 2 II. ENQUADRAMENTO...

Leia mais

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos?

Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Antimicrobianos: onde estamos e para onde vamos? Dra. Vanessa Schultz Médica Infectologista Especialização em Gestão de Risco Hospitalar Coordenadora do SCIH do Hospital Mãe de Deus Canoas Não possuo;

Leia mais

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR

ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR 1 OBJETIVO: ANEXO ROTEIRO DE INSPEÇÃO DO PROGRAMA DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR Este Roteiro estabelece a sistemática para a avaliação do cumprimento das ações do Programa de Controle de Infecção

Leia mais

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT

Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Informações do Sistema de Notificação Estadual de Infecções Hospitalares de Mato Grosso Enfª Ms. Rosangela de Oliveira Serviço Estadual de Controle de Infecção/COVSAN/SVS/SES-MT Indicadores de IH Sistema

Leia mais

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL

II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL II Seminário Nacional da Rede de Monitoramento e Controle da Resistência Microbiana em Serviços de Saúde RELATÓRIO FINAL 1 ÍNDICE I - INTRODUÇÃO... 3 II - NOTIFICAÇÃO... 3 1. Vigilância / Requerimentos...

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF

REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF REGIMENTO INTERNO DA COMISSÂO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (CCIH) E SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SCIH) DO HU/UFJF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO Artigo 1º Atendendo à Portaria de número

Leia mais

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO

AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL UNIVERSITÁRIO V EPCC Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 23 a 26 de outubro de 27 AVALIAÇÃO DA FREQÜÊNCIA E PERFIL DE SENSIBILIDADE DE MICRORGANISMOS ISOLADOS DE UROCULTURAS REALIZADAS EM UM HOSPITAL

Leia mais

Controle de bactéria multirresistente

Controle de bactéria multirresistente Controle de bactéria multirresistente Módulo Especial VII Núcleo de Controle de Infecção Hospitalar HRT, Revisão 2009 1 Controle de bactéria multirresistente 1- Conceitos Bactéria multirresistente (BMR):

Leia mais

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013

Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Drª Viviane Maria de Carvalho Hessel Dias Infectologista Presidente da Associação Paranaense de Controle de Infecção Hospitalar 27/09/2013 Conceitos Básicos Organismo Vivo Conceitos Básicos Organismo Vivo

Leia mais

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI

A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI 1 A PERCEPÇÃO DO TÉCNICO DE ENFERMAGEM SOBRE LIMPEZA TERMINAL EM UTI INTRODUÇÃO Maria do Socorro Oliveira Guimarães - NOVAFAPI Paula Cristina Santos Miranda Queiroz - NOVAFAPI Rosania Maria de Araújo -

Leia mais

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI

USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI USO PRÁTICO DOS INDICADORES DE IRAS: SUBSIDIANDO O TRABALHO DA CCIH HOSPITAIS COM UTI Débora Onuma Médica Infectologista INTRODUÇÃO O que são Indicadores? 1. Indicador é uma medida quantitativa que pode

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 Enfermeira, 01 Farmacêutica e 01 Medico Infectologista e consultores-representantes

Leia mais

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares

CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares freeimages.com CCIH/SCIH: a Enfermagem à frente da prevenção de infecções hospitalares A adesão dos profissionais de saúde e o envolvimento de pacientes e familiares nas medidas de prevenção reduzem o

Leia mais

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana

Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana IV CONGRESSO BRASILEIRO DE QUALIDADE DO LEITE Análise de risco em alimentos, com foco na área de resistência microbiana Perigo (hazard): agente biológico, químico ou físico, ou propriedade do alimento

Leia mais

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação

1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação 1- O que é infecção hospitalar? Para fins de classificação epidemiológica, a infecção hospitalar é toda infecção adquirida durante a internação hospitalar (desde que não incubada previamente à internação)

Leia mais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais

Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Aspectos Microbiológicos das IRAS (infecções relacionadas à assistência a saúde) Infecções hospitalares Infecções nosocomiais Prof. Cláudio Galuppo Diniz Prof. Cláudio 1 Qualquer tipo de infecção adquirida

Leia mais

Estabelecimentos de Saúde/Infec

Estabelecimentos de Saúde/Infec Secretaria Estadual de Saúde Centro Estadual de Vigilância em Saúde Divisão de Vigilância Sanitária Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde/Infec Ana Luiza Rammé Ana Carolina Kraemer Roberta

Leia mais

Relatório de Gestão da CCIH

Relatório de Gestão da CCIH Relatório de Gestão da CCIH 1 - Apresentação A Comissão de Controle de Infecção Hospitalar CCIH é formada por membros executores -01 enfermeira, 01 farmacêutica e 01 infectologista e consultoresrepresentantes

Leia mais

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES.

PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. PRECAUÇÕES FRENTE ÀS BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES. Francisco Eugênio Deusdará de Alexandria e Mestre em Genética e Toxicologia Aplicada Qualquer alteração do padrão de resposta ao tratamento usual de uma

Leia mais

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA

INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA INFECÇÃO DA CORRENTE SANGUÍNEA Enfª Marcia Daniela Trentin Serviço Municipal de Controle de Infecção Esta aula foi apresentada na Oficina de Capacitação para a utilização do Sistema Formsus na notificação

Leia mais

1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO

1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO 1º Curso de Antimicrobianos da AECIHERJ INTRODUÇÃO A ANTIBIÓTICOS DRA. DEBORA OTERO Antimicrobianos antimicrobiano (anti+microbiano) Que extermina micróbios ou impede sua proliferação antibiótico (anti+bio+t+ico)

Leia mais

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA

CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 CARACTERÍSTCAS DOS ATENDIMENTOS AOS PACIENTES COM GRIPE H1N1 EM UM SERVIÇO DE REFERÊNCIA Regina Lúcia Dalla Torre Silva 1 ; Marcia helena Freire Orlandi

Leia mais

Atribuições Clínicas do Farmacêutico

Atribuições Clínicas do Farmacêutico Atribuições Clínicas do Farmacêutico Evolução dos gastos com medicamentos do Ministério da Saúde 650% crescimento R$ Atualizado: 10/02/2014 Fonte: Fundo Nacional de Saúde FNS e CGPLAN/SCTIE/MS Hospitalizações

Leia mais

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007 ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES

INFORME TÉCNICO Nº 01/2007 ASSUNTO: CONTROLE DE BACTÉRIAS MULTIRRESISTENTES ESTADO DO RIO GRANDE DO SUL SECRETARIA ESTADUAL DA SAÚDE CENTRO ESTADUAL DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE DIVISÃO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA Núcleo de Vigilância em Estabelecimentos de Saúde- Controle de Infecção INFORME

Leia mais

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS

ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS ATUALIZAÇÃO EM FERIDAS CUTÂNEAS E CURATIVOS Taís Lopes Saranholi Universidade do Sagrado Coração, Bauru/SP E-mail: tais_saranholi@hotmail.com Cássia Marques da Rocha Hoelz E-mail: cassiarocha@bauru.sp.gov.br

Leia mais

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1

PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 PERCEPÇÃO DOS ACADÊMICOS DE FISIOTERAPIA ACERCA DAS ATIVIDADES DE PROMOÇÃO DA SAÚDE NO SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE 1 VOIGT, Bruna Francisco 2 ; PREIGSCHADT, Gláucia Pinheiro 2 ; MACHADO, Rafaela Oliveira 2

Leia mais

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária

Corrente Sanguínea. Critérios Nacionais de Infecções. Relacionadas à Assistência à Saúde. Agência Nacional de Vigilância Sanitária Agência Nacional de Vigilância Sanitária Corrente Sanguínea Critérios Nacionais de Infecções Relacionadas à Assistência à Saúde Unidade de Investigação e Prevenção das Infecções e dos Efeitos Adversos

Leia mais

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013:

Gráfico 01: Número de EAS que notificaram mensalmente dados de IRAS no SONIH em 2013: BOLETIM INFORMATIVO DENSIDADES DE INCIDÊNCIA DE INFECÇÕES RELACIONADAS À ASSISTÊNCIA À SAÚDE NO ESTADO DO PARANÁ, NOTIFICADAS ATRAVÉS DO SISTEMA ONLINE DE NOTIFICAÇÃO DE INFECÇÃO HOSPITALAR (SONIH) Os

Leia mais

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia

Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção. Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Qualidade e Segurança do Paciente: A perspectiva do Controle de Infecção Paula Marques Vidal APECIH Hospital São Camilo Unidade Pompéia Tópicos 1. CCIH no Brasil 2. CCIH e a Segurança do Paciente: Qual

Leia mais

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina

HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina HOSPITAL UNIVERSITÁRIO PEDRO ERNESTO COORDENADORIA DE CONTROLE E INFECÇÃO HOSPITALAR Uso de Antimicrobianos Vancomicina Preâmbulo: Vancomicina é um glicopeptídeo que tem uma ação bactericida por inibir

Leia mais

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus

Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos. Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus Limpeza Terminal e Concorrente de Isolamentos Enfª Francyne Lopes Serviço de Controle de Infecção Hospitalar Hospital Mãe de Deus O Controle de Infecção e a Limpeza Ambiental Histórico Guerra da Criméia

Leia mais

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO

REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO REDE NACIONAL DE MONITORAMENTO DA RESISTÊNCIA MICROBIANA EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDE RM NOVO TERMO DE ADESÃO Atribuições dos participantes da Rede RM 1) Gestor dos Hospitais Colaboradores da Rede RM Indicar

Leia mais

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR

PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR PREVALÊNCIA MICROBIANA EM DIVERSAS AMOSTRAS CLÍNICAS OBTIDAS DE PACIENTES DO CTI DE UM HOSPITAL MILITAR Cecília Santana Bala Pereira Discente do Curso de Farmácia da Universidade Severino Sombra, Vassouras/RJ,

Leia mais

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR

COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR 1 COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR SERVIÇO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA DE CONTROLE DE VETORES NO AMBIENTE HOSPITALAR Flávia Valério de Lima Gomes Enfermeira da CCIH / SCIH Jair

Leia mais

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre

Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar. Enfª. Viviane Silvestre Prevenção e Controle de Infecção em Situações Especiais: Pacientes em atendimento domiciliar Enfª. Viviane Silvestre O que é Home Care? Metas Internacionais de Segurança do Paciente Metas Internacionais

Leia mais

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR

ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR ANEXO I TERMO DE COMPROMISSO DE APOIO À ASSISTÊNCIA HOSPITALAR Pelo presente termo de compromisso, de um lado a Secretaria de Estado da Saúde do Estado do Rio de Janeiro/ Fundo Estadual de Saúde, com endereço

Leia mais

FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO SEMINÁRIO IACS

FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO SEMINÁRIO IACS FORMAÇÃO E INVESTIGAÇÃO EM PREVENÇÃO E CONTROLO DE INFEÇÃO ENFERMEIRA AGRIPINA TENDER PREVENÇÃO E CONTROLO DA INFEÇÃO ASSOCIADA AOS CUIDADOS DE SAÚDE Formação Investigação IACS Infecção Associada aos Cuidados

Leia mais

Manual Ilustrado TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Apoio Gerencial

Manual Ilustrado TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Apoio Gerencial Manual Ilustrado TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Apoio Gerencial Março 2014 Índice Título do documento 1. Como utilizar esse material em seus estudos?... 4 2. Introdução... 4 3. Relatórios Descritivos...

Leia mais

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho

Oncologia. Aula 3: Legislação específica. Profa. Camila Barbosa de Carvalho Oncologia Aula 3: Legislação específica Profa. Camila Barbosa de Carvalho Legislações importante em oncologia - RDC n o. 220/2004 - RDC n o. 67/2007 - RDC n o. 50/2002 - RDC n o. 306/2004 - NR 32/2005

Leia mais

AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) *

AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) * AVALIAÇÃO CLÍNICA E MICROBIOLÓGICA DE ÚLCERAS VENOSAS DE PACIENTES ATENDIDOS EM SALAS DE CURATIVOS DE UNIDADES BÁSICAS DE SAÚDE DE GOIÂNIA (GO) * Silvana de Lima Vieira dos SANTOS¹ ; Maria Márcia BACHION¹

Leia mais

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR

PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR 1 PERCEPÇÃO DA EQUIPE DE LIMPEZA NO CONTROLE E PREVENÇÃO DA INFECÇÃO HOSPITALAR CONSIDERAÇÕES INICIAIS WLLINGTON JORGE DOS SANTOS 1 - UFPI. IVONIZETE PIRES RIBEIRO 2 - NOVAFAPI As Infecções Hospitalares

Leia mais

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648

PLANO DE SEGURANÇA DO PACIENTE NORMA Nº 648 Página: 1/4 1- OBJETIVO Definir estratégias para garantir a segurança do paciente, visando minimizar os riscos durante os processos associados aos cuidados de saúde através da implementação de boas práticas

Leia mais

TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado - Apoio Gerencial. 11.8x. março de 2015. Versão: 3.0

TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado - Apoio Gerencial. 11.8x. março de 2015. Versão: 3.0 TOTVS Controle de Infecção Hospitalar Manual Ilustrado - Apoio Gerencial 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Como utilizar esse material em seus estudos?... 4 2 Introdução... 4 3 Relatórios Descritivos...

Leia mais

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA

PROTOCOLO MÉDICO. Assunto: Infecção do sítio cirúrgico. Especialidade: Infectologia. Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA PROTOCOLO MÉDICO Assunto: Infecção do sítio cirúrgico Especialidade: Infectologia Autor: Cláudio de Cerqueira Cotrim Neto e Equipe GIPEA Data de Realização: 29/04/2009 Data de Revisão: Data da Última Atualização:

Leia mais

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado

Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Simpósio Mineiro de Enfermagem e Farmácia em Oncologia Belo Horizonte - MG, setembro de 2013. Segurança do Paciente e Atendimento de Qualidade no Serviço Público e Privado Patricia Fernanda Toledo Barbosa

Leia mais

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA

1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA 1. CONCEITOS E OBJETIVOS DA VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA A VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA SEGUNDO A LEI 8.080, DE 1990, QUE INSTITUIU O SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE (SUS), PODE SER DEFINIDA COMO: O CONJUNTO DE AÇÕES

Leia mais

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR

WWW.CONTEUDOJURIDICO.COM.BR Em relação a epidemiologia e bioestatística aplicadas ao controle de infecções hospitalares, julgue os itens a seguir. 41 No registro de variáveis contínuas, a exatidão do registro tem fundamental valor

Leia mais

TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM MICRORGANISMOS RESISTENTES

TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM MICRORGANISMOS RESISTENTES Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: INFECÇÃO RELACIONADA Á ASSISTÊNCIA Á SAÚDE EM UNIDADE DE TERAPIA INTENSIVA E SUA RELAÇÃO COM

Leia mais

O desafio é A Segurança do Paciente

O desafio é A Segurança do Paciente O desafio é A Segurança do Paciente CAISM - Fevereiro de 2011: Implantação do Segundo Desafio Global Cirurgias Seguras Salvam Vidas Profª Drª Roseli Calil Enfº Adilton Dorival Leite Conhecendo um pouco

Leia mais

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle *

Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, dezembro de 2010. Boas práticas para assistência ao paciente portador de agentes multiresistentes: medidas de prevenção e controle * Embora o controle

Leia mais

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei :

USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : USO RACIONAL DE ANTIMICROBIANOS NA PRODUÇÃO ANIMAL Renata Magalhães Casadei : Nos últimos anos, a ocorrência de bactérias resistentes aos principais compostos antibióticos tem aumentado, havendo inclusive

Leia mais

Limpeza hospitalar *

Limpeza hospitalar * CONSELHO REGIONAL DE ENFERMAGEM DE SÃO PAULO São Paulo, março de 2009. Limpeza hospitalar * Limpeza hospitalar é o processo de remoção de sujidades de superfícies do ambiente, materiais e equipamentos,

Leia mais

Uma área em expansão. Radiologia

Uma área em expansão. Radiologia Uma área em expansão Conhecimento especializado e treinamento em novas tecnologias abrem caminho para equipes de Enfermagem nos serviços de diagnóstico por imagem e radiologia A atuação da Enfermagem em

Leia mais

Relatório ESTUDO EUROPEU DE PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ASSOCIADA A CUIDADOS DE SAÚDE E USO DE ANTIBIÓTICOS EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS

Relatório ESTUDO EUROPEU DE PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ASSOCIADA A CUIDADOS DE SAÚDE E USO DE ANTIBIÓTICOS EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS Relatório ESTUDO EUROPEU DE PREVALÊNCIA DE INFEÇÃO ASSOCIADA A CUIDADOS DE SAÚDE E USO DE ANTIBIÓTICOS EM UNIDADES DE CUIDADOS CONTINUADOS RESULTADOS NACIONAIS (2010) Departamento da Qualidade na Saúde

Leia mais

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo

ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA. Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo ASSISTÊNCIA FARMACÊUTICA Flávia Soveral Miranda Luciana de Camargo Padrão Nível 1 Uso seguro e racional de medicamentos Dimensões da qualidade Aceitabilidade, adequação e integralidade Assistência Farmacêutica

Leia mais

Doenças que necessitam de Precaução Aérea. TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo

Doenças que necessitam de Precaução Aérea. TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo O que isolar? Doenças que necessitam de Precaução Aérea TB pulmonar ou laríngea bacilífera Varicela / Herpes Zoster Sarampo TB pulmonar ou laríngea bacilífera Avaliação para TB Critérios para isolar Ser

Leia mais

SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER

SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER SESSÃO I. APRESENTAÇÃO POSTER 1. Riscos e causas de contaminação na Central de Material de Juliana Santos Andrade Esterilização: uma análise teórico-reflexiva 2. Biossegurança e Higienização das mãos:

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA: MONITORIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DOS PROFISSIONAIS DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA

RELATO DE EXPERIÊNCIA: MONITORIA DA HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS DOS PROFISSIONAIS DO HOSPITAL REGIONAL DE PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA RELATO DE

Leia mais

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial

Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose Nosocomial MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE HOSPITAL FEDERAL DE BONSUCESSO COMISSÃO DE CONTROLE DE INFECÇÃO HOSPITALAR ROTINA A13 elaborada em 09/12/2010 Rotina para Prevenção de Transmissão de Tuberculose

Leia mais

Vigilância epidemiológica da infecção

Vigilância epidemiológica da infecção Vigilância epidemiológica da infecção Maria Teresa Neto UCIN, Hospital de Dona Estefânia CCIH, Hospital de Dona Estefânia Coordenadora do Programa Nacional de Vigilância Epidemiológica das Infecções em

Leia mais

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2

Antibioticoterapia NA UTI. Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 Antibioticoterapia NA UTI Sammylle Gomes de Castro PERC 2015.2 O uso racional de Antimicrobianos 1) Qual antibiótico devo escolher? 2) Antibióticos dão reações alérgicas? 3) Vírus fica bom com antibiótico?????????

Leia mais

DO TERMO DE CONSENTIMENTO

DO TERMO DE CONSENTIMENTO : DO TERMO DE CONSENTIMENTO AO CHECK LIST E fªl i Li Enfª Luciana Lima Hospital Procardíaco Aliança Mundial para Segurança do paciente Cirurgias seguras salvam vidas Check list baseado nas recomendações

Leia mais

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores.

Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Gerenciamento na Atenção Primária à Saúde: potencialidades e desafios vivenciados pelos gestores. Joyce Santiago Ferreira Orientador: Profa. Dra. Claci Fátima Weirich Faculdade de Enfermagem, Goiânia-GO,

Leia mais

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS

EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS EBOLA MEDIDAS DE PREVENÇÃO E CONTROLE EM SERVIÇOS DE SAÚDE ANA RAMMÉ DVS/CEVS Ebola Perguntas e Respostas 13 O que fazer se um viajante proveniente desses países africanos apresentar sintomas já no nosso

Leia mais

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP

INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP INSTITUTO DE MEDICINA INTEGRAL PROFº FERNANDO FIGUEIRA - IMIP Complexo Hospitalar - Hospital Filantrópico - Área 69.000 m² - 10 prédios - 1.143 leitos - 101 leitos de UTI NHE (VEH / GRSH / CCIH) COMISSÕES

Leia mais

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira)

Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar. Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) Impacto de novas instalações na incidência de infecção hospitalar Filipe Macedo Enf.º GCL-PPCIRA (Hospital Vila Franca de Xira) O Hospital Hoje Um novo edifício Novas capacidades Bloco Operatório, UCI,

Leia mais

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA

SERVIÇO FARMACÊUTICO EM UMA UNIDADE DE EMERGÊNCIA SERVIÇO FARMACÊUTICO UMA UNIDADE DE ERGÊNCIA Junior André da Rosa Blumenau, 23 de maio de 2014 DECLARAÇÃO DE CONFLITO DE INTERESSES Declaro não haver nenhum conflito de interesse nesta apresentação. Parte

Leia mais

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência.

Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI. Hospitais de Longa Permanência. Critérios rios Diagnósticos e Indicadores Infecção do Trato Urinário ITU Infecção Gastrointestinal IGI Hospitais de Longa Permanência ncia 2011 Premissas 1.Todos os sintomas devem ser novos ou com piora

Leia mais

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS

TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO INSTITUIÇÃO: CENTRO UNIVERSITÁRIO DAS FACULDADES METROPOLITANAS UNIDAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: ERROS DE MEDICAÇÃO NA ENFERMAGEM: NO PACIENTE ADULTO HOSPITALIZADO CATEGORIA: EM ANDAMENTO ÁREA:

Leia mais

PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS

PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS PERFIL BACTERIOLÓGICO DAS MÃOS DE PROFISSIONAIS DE SAÚDE DO CENTRO CIRÚRGICO E DO PÓS-OPERATÓRIO DO HOSPITAL GERAL DE PALMAS Gabriella Oliveira Mendes¹, Maria Cristina da Silva Pranchevicius² e Pedro Manuel

Leia mais

Tocar, Nutrir e Cuidar

Tocar, Nutrir e Cuidar Tocar, Nutrir e Cuidar Soluções adequadas para a prevenção e cicatrização de feridas tocar nutrir cuidar Quando falamos do cuidado integral do paciente precisamos pensar em vários fatores que afetam a

Leia mais

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010

Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Ministério da Saúde Gabinete do Ministro PORTARIA Nº 4.283, DE 30 DE DEZEMBRO DE 2010 Aprova as diretrizes e estratégias para organização, fortalecimento e aprimoramento das ações e serviços de farmácia

Leia mais

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH?

Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Programas de Acreditação Hospitalar ajudam ou atrapalham o SCIH? Dra. Cláudia Mangini Hospital Municipal de SJC Hospital vivalle Controle de Infecção Hospitalar e Sistemas de Acreditação Traçar um paralelo

Leia mais

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS

FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO SERES HUMANOS Universidade Bandeirante de São Paulo Comitê de Pós-Graduação e Pesquisa COMISSÃO DE ÉTICA (Resolução CONSEPE-UNIBAN nº 17/06 de 11/02/2006) FORMULÁRIO PARA SUBMISSÃO DE PROJETO DE PESQUISA ENVOLVENDO

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011

RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 RESOLUÇÃO Nº 555 DE 30 DE NOVEMBRO DE 2011 Ementa: Regulamenta o registro, a guarda e o manuseio de informações resultantes da prática da assistência farmacêutica nos serviços de saúde. O Conselho Federal

Leia mais

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente

Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Contribuição da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar para a Segurança do Paciente Paula Marques Vidal Hospital Geral de Carapicuíba- OSS Grupo São Camilo Abril -2013 TÓPICOS CCIH no Brasil Trabalho

Leia mais

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS

HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS HIGIENIZAÇÃO DAS MÃOS HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE LORIANE KONKEWICZ CCIH Hospital de Clínicas de Porto Alegre Hospital de Clínicas de Porto Alegre HOSPITAL DE CLÍNICAS DE PORTO ALEGRE Hospital

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina

DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Elaine Pina DA IH À IACS: A NOMENCLATURA MUDOU ALGUMA COISA? Hospitais Públicos P e Privados Elaine Pina O NOME DAS COISAS What s s there in a name? A rose by any other name would smell as sweet William Shakespeare

Leia mais

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA

PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA PREVENÇÃO DE INFECÇÃO DO TRATO URINÁRIO ASSOCIADA ÀSONDA VESICAL: UMA ABORDAGEM PRÁTICA IRAS As infecções relacionadas à assistência à saúde (IRAS) consistem em eventos adversos ainda persistentes nos

Leia mais

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS

NTRODUÇÃO MATERIAL E MÉTODOS Características socioeconômicas, demográficas, nutricionais, controle glicêmico e atividade física de adolescentes portadores de diabetes melito tipo 1 Izabela Zibetti de ALBUQUERQUE 1 ; Maria Raquel Hidalgo

Leia mais

Grau de Evidência em Infecção Hospitalar

Grau de Evidência em Infecção Hospitalar Grau de Evidência em Infecção Hospitalar Lucieni de Oliveira Conterno Faculdade de Medicina de Marília Disciplina de Infectologia Núcleo de Epidemiologia Clinica SCIH- Santa Casa de Marília ISENÇÃO DE

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.

Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática. Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com. Prevenção de Infecção de Corrente Sanguínea Associada ao Cateter na Prática Drª Marta Fragoso NGSA Hospitais VITA fragoso@hospitalvita.com.br Definição de caso de Infecção de Corrente Sanguínea relacionada

Leia mais

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology

Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology RESIDÊNCIA MÉDICA Seminário de Residência Médica de Cancerologia Clínica Seminar of Residence in Clinical Oncology José Luiz Miranda Guimarães* Neste número estamos divulgando o resultado parcial do Seminário

Leia mais

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO

CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO CONTROLE DA INFECÇÃO HOSPITALAR É DEFICIENTE EM MAIS DE 90% DOS HOSPITAIS DE SÃO PAULO 13/04/2009 Levantamento inédito sobre a situação do controle da infecção hospitalar realizado pelo Conselho Regional

Leia mais

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL

ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL ATRIBUIÇÕES DA EQUIPE MULTIPROFISSIONAL Das Atribuições dos Profissionais dos Recursos Humanos Atribuições comuns a todos os profissionais que integram a equipe: Conhecer a realidade das famílias pelas

Leia mais

Vigilância epidemiológica de surtos de doenças diarreicas e alimentares 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍTICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO EM SAÚDE

Vigilância epidemiológica de surtos de doenças diarreicas e alimentares 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍTICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO EM SAÚDE 2º CONGRESSO BRASILEIRO DE POLÍTICA, PLANEJAMENTO E GESTÃO EM SAÚDE UNIVERSALIDADE, IGUALDADE E INTEGRALIDADE DA SAÚDE: UM PROJETO POSSÍVEL A experiência do Pet-Saúde/Vigilância em Saúde na implementação

Leia mais

ESPECTRO AMPLIADO (ESBL)

ESPECTRO AMPLIADO (ESBL) Disciplinarum Scientia. Série: Ciências da Saúde, Santa Maria, v. 6, n. 1, 2005. 45 PREVALÊNCIA DE BETA LACTAMASES DE ESPECTRO AMPLIADO (ESBL) EM ENTEROBACTÉRIAS ISOLADAS DO TRATO URINÁRIO DE PACIENTES

Leia mais

Painel 1: Experiências de formação em saúde e ambiente. Eixo 3. Direitos justiça ambiental e política públicas

Painel 1: Experiências de formação em saúde e ambiente. Eixo 3. Direitos justiça ambiental e política públicas 2 Simpósio Brasileiro de Saúde e Ambiente Desenvolvimento, conflitos territoriais e saúde: ciência e movimentos sociais para a justiça ambiental nas políticas públicas. 12-22 outubro Minascentro Belo Horizonte

Leia mais