ROLLING FEEDER / ROLLING MED

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ROLLING FEEDER / ROLLING MED"

Transcrição

1 ROLLING FEEDER / ROLLING MED YARN CONTROL SYSTEM Manual Operacional Rev. 3.0 Maio de 2012 PORTUGUÊS

2 ROLLING FEEDER/ROLLING MED Rev. 3.0 Maio de 2012 Copyright - BTSR - Todos os direitos reservados. Este manual é entregado aos usuários dos dispositivos de alimentação de fios ROLLING FEEDER/MED. Aconselha-se de ler cuidadosamente as instruções indicadas no Manual antes de ligar e utilizar os dispositivos. A BTSR reserva-se a faculdade de fazer, em qualquer momento, sem aviso prévio, alterações aos conteúdos do Manual. Para qualquer problema técnico ou comercial, pedimos de dirigir-vos ao nosso mais próximo distribuidor ou revendedor de produtos da BTSR, ou de entrar em contacto directo connosco. Somos felizes de satisfazer cada Vossa exigência. Agradecemos pela confiança depositada em nós e bom trabalho. O produto descrito no presente Manual está em conformidade com os requisitos da Directriz Máquinas 2006/42/CE e da Directriz EMC 2004/108/CE. Todos os produtos da BTSR são patenteados e utilizam soluções exclusivas, vantajosas e de elevado conteúdo tecnológico. LYCRA é uma marca registada INVISTA BTSR é uma marca registada Best Technology Study & Research de BTSR International S.p.A.

3 Índice Geral ÍNDICE GERAL INTRODUÇÃO A solução ideal para as Máquinas Circulares...I.1 Guia à Consulta do Manual...I.2 Símbolos Utilizados...I.2 Documentação de Referência...I.2 Capítulo 1 - GENERALIDADES Composizione del Sistema Características Principais dos Dispositivos Rolling FEEDER/MED Vantagens decorrentes da Utilização dos Dispositivos Rolling FEEDER/MED Outras Vantagens decorrentes da utilização do Terminal SMART MATRIX acoplado com os Dispositivos Rolling FEEDER/MED Capítulo 2 DADOS TÉCNICOS E MONTAGEM Características Técnicas Interface Eléctrica Dispositivos Rolling FEEDER/MED Função dos sinais de entrada/saída Conexão SMART MATRIX Rolling FEEDER/MED MÁQUINA TÊXT Dimensões do Rolling FEEDER/MED (em mm) Capítulo 3 OPERACIONALIDADE Características Operacionais dos Dispositivos Rolling FEEDER/MED Indicações visualizadas no Display LCD Funções que podem ser Efectuadas Directamente pelo Operador da Máquina Têxtil ) Reset Alarmes ) Leitura do Tipo de Fio e Aplicação de Correntes ) Exclusione e Re-inclusão do Dispositivo Rolling FEEDER/MED ) Controlo Temperatura e Corrente Absorvida pelo Dispositivo Rolling FEEDER/MED Programação dos Dispositivos Rolling FEEDER/MED Esquema Geral do Ambiente de Programação Simples Programação Avançada dos Dispositivos Rolling FEEDER/MED Esquema Geral dos Níveis de Programação Avançada P1 P4 e configurações de default Nível de Programação P Nível de Programação P Nível de Programação P Nível de Programação P Comandos Programáveis INC/DEC Capítulo 4 SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS E MANUTENÇÃO Rolling FEEDER/MED Indicações Fornecidas pelos Leds Vermelhos no Dispositivo Rolling FEEDER/MED Solução dos Problemas relativos aos Dispositivos Rolling FEEDER/MED Manutenção Ordinária Reparos Rolling FEEDER/MED - i -

4 Índice Geral Página deixada intencionalmente em branco - ii - Rolling FEEDER/MED

5 Introdução INTRODUÇÃO Parabéns por ter escolhido um produto da BTSR. Com os nossos dispositivos de alimentação do fio Rolling FEEDER/MED com ou sem terminal de controlo SMART MATRIX FEEDER asseguraram-se uma solução inovadora, única no seu próprio género, capaz de oferecer múltiplas vantagens no controlo da qualidade da Vossa produção. A solução ideal para as Máquinas Circulares (Rolling FEEDER) e para as máquinas destinadas à produção de Meias Médicas (Rolling MED) Rolling FEEDER Rolling MED Os dispositivos Rolling FEEDER e Rolling MED se baseiam num princípio de funcionamento substancialmente idêntico, mas apresentam uma estrutura mecânica ligeiramente diversa, devido ao uso diverso. O dispositivo Rolling FEEDER representa uma solução inovadora para a alimentação do fio elástico (especialmente o Lycra nu) em máquinas circulares de diâmetro pequeno, médio e grande. O dispositivo Rolling MED, ao contrário, foi optimizado para a instalação em máquinas para a produção de meias médicas. O Rolling FEEDER/MED combina num único dispositivo a flexibilidade e a facilidade de utilização da Tecnologia com Tensão Constante, com a alta qualidade da Tecnologia com Velocidade/LFA Constante (LFA = Comprimento do Fio Absorvido). Graças à tecnologia eletrônica auto-adaptativa típica dos alimentadores de fio BTSR, o dispositivo Rolling FEEDER/MED é, de fato, capaz de trabalhar na modalidade Tensão Constante durante as fases de start/stop e passar à modalidade Velocidade/LFA constante durante a produção. Além disso, o Rolling FEEDER/MED permite trabalhar na modalidade MASTER-SLAVE, com a possibilidade de configurar um ou dois dispositivos como Master e um número variável de dispositivos como Slave, garantindo, assim, uma produção de alta qualidade. Em combinação com os dispositivos BTSR ULTRAFEEDER (configurados na modalidade Master), os dispositivos Rolling FEEDER/MED (configurados na modalidade Slave) podem trabalhar com uma relação de estiramento constante, garantindo desta maneira uma alimentação do fio controlada e constante e a repetibilidade do trabalho, condições necessárias para obter produtos de alta qualidade. O Rolling FEEDER/MED foi projetado para minimizar e simplificar o trabalho do operador, permitindo elevadas velocidades e qualidades de produção. Os dispositivos Rolling FEEDER/MED são completamente programáveis, permitindo a adaptação com extrema simplicidade de várias tipologias de fio elástico e em qualquer velocidade operacional da máquina têxtil à qual são aplicados. Além disso, tais dispositivos são realizados com componentes electrónicos de elevadíssima qualidade e precisão, garantindo uma indicação da exacta tensão/velocidade do fio e um controlo preciso das mesmas, características exclusivas dos sistemas BTSR. Rolling FEEDER/MED - I.1 -

6 Introdução Guia à Consulta do Manual O presente Manual Operacional é dividido em 4 Capítulos. O Capítulo 1 Generalidades descreve as características gerais, a composição e o princípio de funcionamento dos dispositivos Rolling FEEDER/MED. O Capítulo 2 Dados Técnicos e Montagem indica as instruções necessárias para uma correcta montagem dos dispositivos. O Capítulo 3 Operacionalidade descreve de forma pormenorizada todas as operações necessárias para configurar e programar os dispositivos Rolling FEEDER/MED na base das exigências de aplicação. O Capítulo 4 Solução dos Problemas e Manutenção fornece uma guia sintética para resolver as principais anomalias dos dispositivos Rolling FEEDER/MED. Símbolos Utilizados Evidencia as notas, as advertências e os pontos nos quais quiserem chamar a atenção do leitor. Indica uma situação especialmente delicada que poderia influir sobre a segurança ou sobre o correcto funcionamento do sistema. P1.2 TENSION ERROR (ERRO TENSÃO) Dentro do manual todas as palavras que se referem aos menu de programação do dispositivo são sempre indicadas em LETRAS MAIÚSCULAS. Documentação de Referência Para obter maiores detalhes operacionais sobre o sistema de programação/análise e monitoramento utilizado para a gestão dos dispositivos Rolling FEEDER/MED, consultar o manual SMART MATRIX FEEDER. - I.2 - Rolling FEEDER/MED

7 Generalidades Composição do Sistema 1 - GENERALIDADES Os dispositivos Rolling FEEDER/MED podem ser programados e utilizados individualmente e autonomamente e podem ser utilizados juntamente com um ou dois dispositivos ULTRAFEEDER, programados na modalidade MASTER, para obter uma configuração de sistema optimizado MASTER/SLAVE. Além disso, os dispositivos podem ser conectados a um terminal de monitoramento/programação SMART MATRIX FEEDER, obtendo assim um sistema completo capaz de fornecer mais níveis de análise, regulação, controlo e aceleração dos ciclos de produção e de elaborar dados estatísticos muito úteis para alcançar os objectivos de qualidade e economia citados na Introdução. Características Principais dos Dispositivos Rolling FEEDER/MED Tecnologia Full Digital O dispositivo Rolling FEEDER/MED é um instrumento totalmente digital de elevado conteúdo tecnológico que permite a configuração do valor de tensão e velocidade ao qual quiserem trabalhar. A configuração é efectuada através de um pequeno teclado com três teclas e um display gráfico LCD, que permite, em qualquer momento, a leitura das informações necessárias para o operador (LFA, Tensão, etc). Nas normais condições de trabalho, o display gráfico do dispositivo visualiza em tempo real a exacta tensão do fio em trabalho (em gramas), a velocidade de absorção do fio (LFA) (em metros/min) e, em forma gráfica, o valor médio e o valor de pico da tensão. Os dispositivos Rolling FEEDER/MED são controlados por dois DSP (Digital Signal Processor - Processor de Sinal Digital) e por componentes ASIC (patente BTSR), que garantem a máxima versatilidade (parâmetros programáveis em função das diversas condições de trabalho do fio). Além disso, a Tecnologia Full Digital permite efectuar uma série de controles extremamente exactos do motor do dispositivo (corrente absorvida, velocidade, binário, posição angular do motor, etc.). Rolling FEEDER/MED

8 Generalidades Controlo Temperatura O operador tem, além disso, a possibilidade de visualizar em qualquer momento a temperatura interna do dispositivo (em C), premendo o botão Reset. Um aumento excessivo da temperatura poderia de facto indicar uma utilização errada do dispositivo; por esta razão o software à beira do Rolling FEEDER/MED efectua uma monitoragem contínua da temperatura interna. No caso em que esta temperatura ultrapassar os 100 C, é emitida uma mensagem de alarme (ERROR C) na área gráfica do display e é activada a saída de Stop. Segurança Graças a um código de segurança configurável, todos os parâmetros configurados podem ser alterados somente por pessoal autorizado que conhece este código. Controlo Externo O dispositivo Rolling FEEDER/MED pode ser facilmente programado também mediante o terminal SMART MATRIX FEEDER, que graças à sua flexibilidade de utilização, torna possível a programação de muitos dispositivos em tempos muito breves. Escolhidos os valores de trabalho em uma máquina, será suficiente transferir os dados de configuração escolhidos ao terminal SMART MATRIX FEEDER e sucessivamente transferir estes dados aos outros dispositivos aplicados às várias máquinas em tempos iguais aproximadamente a 1 segundo por máquina (tempo necessário para transferir os dados). Facilidade de instalação e de gestão O dispositivo Rolling FEEDER/MED tem dimensões muito reduzidas (262 x 160 x 128 mm). Isto permite de montar mais dispositivos na mesma máquina limitando ao mínimo as dimensões. O projecto do dispositivo foi elaborado não somente em relação ao conteúdo tecnológico, mas também em relação ao design e à ergonomia. Graças a estas precauções, o dispositivo insere-se perfeitamente na estrutura da máquina têxtil sem prejudicar os espaços da máquina aos quais o operador estiver acostumado. Pode ser utilizado com qualquer tipologia de fios elásticos O dispositivo Rolling FEEDER/MED pode trabalhar com um tipo de fios muito amplo, incluídos os fios muito subtis como elastómeros nus e recobertos, garantindo sempre um perfeito controlo dos valores de tensão do fio escolhidos pelo utilizador e assegurando uma elevada qualidade do produto final. Os valores de velocidade e de tensão visualizados em tempo real no display garantem um monitoramente constante e exacto do andamento do trabalho. Facilidade de programação Possibilidade de visualizar e seleccionar directamente do menu de navegação a aplicação desejada (panty-hose, seamless, knit etc.), sem ter de configurar manualmente os respectivos parâmetros Rolling FEEDER/MED

9 Generalidades Vantagens decorrentes da Utilização dos Dispositivos Rolling FEEDER/MED Alimentação otimizada do fio elástico nu para aplicações seamless, knit, etc. Alimentação em derulè com desenrolamento da bobina controlado diretamente pelo motor do dispositivo. Capacidade de trabalhar com Tensão constante e com a Velocidade/LFA constante, graças ao controlo electrónico de auto-adaptação. Função INC/DEC: possibilidade de aumentar (AUM) ou diminuir (DIM) gradualmente a tensão com uma resolução de 0,1 gr ou com a velocidade (LFA) do fio. Modalidade operativa Master/Salve (patente BTSR). Produção de alta qualidade. Relação de estiramento do fio constante (se usado juntamente com os dispositivos ULTRAFEEDER que operam na modalidade MASTER). Interface fácil de usar. Aumento da eficiência da máquina têxtil. Possibilidade de instalação em várias tipologias de máquinas têxteis. Medição exacta da velocidade de alimentação do fio (com uma resolução de 0,1 mm) (LFA = Comprimento Fio Absorvido em m/min). Facilidade de substituição da bobina montada diretamente no dispositivo. Possibilidade de trabalhar com uma tipologia de fios elásticos extremamente ampla. Possibilidade de identificar as condições de emprego ótimas do dispositivo Rolling FEEDER/MED: (valores de programação ideais dos parâmetros, etc), graças à visualização contínua (de forma gráfica) dos valores de tensão média, tensão de pico e velocidade de alimentação do fio. Rolling FEEDER/MED

10 Generalidades Outras Vantagens decorrentes da utilização do Terminal SMART MATRIX FEEDER acoplado com os Dispositivos Rolling FEEDER/MED Utilizando o terminal SMART MATRIX FEEDER ligado aos dispositivos Rolling FEEDER/MED têm a possibilidade de desenvolver múltiplas funções que facilitam a utilização prática (imediata descarga dos dados e carga dos dados) dos dispositivos Rolling FEEDER/MED montados, e de visualizar os dados basilares como velocidade, consumo do fio e tensão. Possibilidade de criar até 99 artigos e incluí-los em uma Base de Dados para eventual chamada de trabalhos já efectuados anteriormente. Sem tiver que configurar novos parâmetros, estes serão simplesmente chamados e sucessivamente transferidos aos dispositivos Rolling FEEDER/MED aplicados às máquinas. Possibilidade de controlar e corrigir rapidamente as regulações de tensão, eliminando os problemas devidos a tensões irregulares, rupturas e defeitos de desenrolamento do fio. Possibilidade de identificar os dispositivos Rolling FEEDER/MED ligados através de um processo de numeração automática (BTSR Patent). Para outros aprofundamentos fazer referência ao manual operacional do terminal SMART MATRIX FEEDER Rev 3.0 maio de Rolling FEEDER/MED

11 Dados Técnicos e Montagem 2 DADOS TÉCNICOS E MONTAGEM Características Técnicas Dispositivo Rolling FEEDER/MED Tensão de alimentação 24 VDC ± 10% ou 24 VAC ± 20% Absorção máxima 0.2 A (durante o normal funcionamento; 1 A (sob esforço) 3 A (quando sai) Saídas de STOP: contatos relé (NO) 0,3 A 125 VAC 1 A 30 VDC Entradas Opto-isolados 0-24 VDC VIL Max 1,2 VDC VIH Min 5 VDC Tensão max. (entradas/saídas) 30 VDC Tensão fio programável 0,5 50,0 gr. (resolução 0,1 gr.) Alarmes programáveis 0,1 25 sec. Teclado integrado 3 botões + LEDS vermelhos de STOP Sinalizações Mediante display LCD gráfico Dimensões 262 x 160 x 128 mm Range de temperatura operacional C Temperatura de armazenamento C Campo de tensão 0 / fundo de escala Campo de tensão útil 0% - 95% fundo de escala Máxima tensão aplicável 10 vezes o fundo de escala Dimensões máx bobinas FEEDER: ØMax = 160 mm Hmax = 58 mm MED Ømax = 168 mm Hmax = 160 mm Sensores TS44/RF Tensão de alimentação Vdc ± 10% Absorção 20 ma (max) Saída Analógica 500 mv - 10V Resistência de saída analógica 1K Ohm Range de temperatura operacional C Temperatura de armazenamento C Campo de tensão 0 fundo de escala Campo de tensão útil 0% - 95% fundo de escala Máxima tensão aplicável 10 vezes o fundo de scala Erro de deriva 0,05% / C Erro de repetibilidade 0,5% Máximo erro de linearidade 2% (0 - fundo escala) Sinalizações Mediante LED integrados Dimensões 50 x 39 x 14,8 mm Rolling FEEDER/MED

12 Dados Técnicos e Montagem Terminal SMART MATRIX Tensão de alimentação 24 VDC ± 10% Absorção máxima 100 ma Dimensões 140 x 80 x 31 mm Range de temperatura operacional C Temperatura de armazenamento C Display gráfico LCD 80 x 40 mm Pequeno teclado integrado 6 botões + selector rotatório Protecção 2 fusíveis 1,5A Interface Eléctrica Dispositivos Rolling FEEDER/MED TS44/RF SM/IN - SM/OUT EXP/NC POWER/EXT Conector para conexão sensor de tensão TS44/RF Conectores para conexão em correia dos dispositivos Rolling FEEDER/MED (não usados) Conector para conexão de futuras expansões (não usados) Conector de alimentação/interface máquina /can-bus cabo RF/800/ Rolling FEEDER/MED

13 Dados Técnicos e Montagem Função dos sinais de entrada/saída Entradas INC DEC EXC Saídas STOP1 STOP2 Função Determina o aumento da tensão P1 de uma quantidade programável Determina a diminuição da tensão P1 de uma quantidade programável Entrada de exclusão. Função È ativada sempre que o dispositivo Rolling Feeder gera um alarme. Não utilizado Para maiores informações sobre o significado e sobre a gestão das entradas INC, DEC e EXC, consultar o Capítulo 3 Operacionalidade. Rolling FEEDER/MED

14 Dados Técnicos e Montagem Conexão SMART MATRIX Rolling FEEDER/MED MÁQUINA TÊXTIL Interface máquina têxtil É aconselhável em cada instalação eléctrica preocupar-se de ligar o cabo de massa (GND) ao suporte no qual são aplicados os dispositivos Rolling FEEDER/MED

15 Dados Técnicos e Montagem Dimensões do Rolling FEEDER (em mm) Dimensões do Rolling MED (em mm) Rolling FEEDER/MED

16 Dados Técnicos e Montagem Unidade de alimentação Rolling FEEDER/MED A A B B D C C D A B C D Suporte bobina Bobina de fio Motor/roda Sensor de tensão TS44/RF Sensor de Tensão TS44/RF B A CONEXÃO PIN COR SIN. 4 MARROM Vcc 3 AZUL GND 2 VERDE LED ON/OFF 1 PRETO ANAL. OUTPUT CONEXÃO AMP A Furo de fixação com parafuso M4 x 20 B Célula de carregamento (sensor de tensão) Rolling FEEDER/MED

17 3 OPERACIONALIDADE Características Operacionais dos Dispositivos Rolling FEEDER/MED Para a programação e o controlo dos dispositivos Rolling FEEDER/MED o operador dispõe de 3 botões com LED verde/vermelho incorporado e display LCD BOTÃO E (ENTER) Premendo e tendo premido este botão aproximadamente por 3 segundos acede-se às funções de programação avançadas do dispositivo. Em fase de programação confirma o parâmetro visualizado. Premendo e tendo premido este botão aproximadamente por 3 segundos em correspondência de determinados parâmetros, é possível habilitar/desabilitar a função relativa. 2. BOTÃO (RESET) Premendo este botão cancelam-se as eventuais sinalizações de erro presentes no display do Rolling FEEDER/MED (Led vermelho lampejante). Em fase de Programação diminui o parâmetro visualizado. Em fase de Controlo e em falta de alarmes, permite a visualização da temperatura interna ao dispositivo. Rolling FEEDER/MED

18 3. BOTÃO + (CONTROL) Premendo este botão desactiva-se momentaneamente o dispositivo (acendimento dos leds vermelhos incorporados nos botões ENTER, RESET, CONTROL); premendo-o de novo activa-se de novo o dispositivo. Consente além disso de bloquear (off) a central. Em fase de programação aumenta o parâmetro visualizado. Premer este botão quando se tornar necessário intervir no dispositivo (para enfiar o fio, regulação dispositivo separador de espiras, etc.) para evitar partidas indesejadas do motor. Durante o funcionamento normal, os três botões (ENTER, RESET e CONTROL) ficam com o Led verde aceso, exceto o caso em que tenha sido configurada a opção Master/Slave. De fato, neste caso os LEDs são utilizados para identificar a associação entre Master 1/2 e os respectivos Salve. Para maiores detalhes, consultar o parágrafo Modalidade Master/Slave. Em caso de problemas, ficam com o Led vermelho lampejante. 4. DISPLAY LCD Visualiza em tempo real os valores de tensão e de velocidade medidos e regulados, os parâmetros programáveis nos vários menu, as mensagens de programação e de erro, o estado do dispositivo, etc. B C D A Indicações visualizadas no Display LCD A Área Etiquetas OK Indica a ativação da função partida facilitada (implementada somente em alguns algoritmos). COM Indica uma comunicação em curso com a central SMART MATRIX. CONTROL Indica que o dispositivo Rolling FEEDER/MED está operando em estado Control. PROGRAM Indica que o dispositivo Rolling FEEDER/MED está em estado de Programação Parâmetros. INC Indica com 1 lampejo o aumento da MAIN TENSION (TENSÃO TRABALHO). DEC Indica com 1 lampejo a diminuição da MAIN TENSION (TENSÃO TRABALHO). P1 P2 P3 P4 P5 Em ambiente Control indica que é operacional a tensão definida em (MAIN TENSION) (TENSÃO TRABALHO) Em ambiente Control indica que é operacional a tensão definida em P2 (EXIT TENSION) (TENSÃO SAÍDA). (As etiquetas P1 ou P2 lampejante indicam a ativação da entrada em exclusão). Indica a fase de relaxamento do fio em curso. Não utilizado. Indica que está em curso o procedimento de Auto-Offset. B Área Mensagens Visualiza, na língua seleccionada, os vários itens dos menu de programação, as mensagens de erro durante o funcionamento do dispositivo, a tensão do fio, a temperatura interna do dispositivo, etc Rolling FEEDER/MED

19 C Área Visualização LFA Visualiza o valor da velocidade de absorção do fio (LFA). D Área Visualização Gráfica Visualiza em forma gráfica (em escala logarítmica) a tensão média e a tensão de pico. Funções que podem ser Efectuadas Directamente pelo Operador da Máquina Têxtil 1) Reset Alarmes O operador de uma máquina têxtil equipada com dispositivos Rolling FEEDER/MED, possui a possibilidade de efectuar algumas simples operações manuais nos dispositivos, sem requerer o auxílio do supervisor ou do responsável pela repartição: 1) Reset alarmes; 2) Leitura do tipo de fio e aplicação de correntes. 3) Exclusão e re-inclusão de um dispositivo Rolling FEEDER/MED. 4) Controle da temperatura e corrente absorvida pelo motor do dispositivo. Quando em um dispositivo Rolling FEEDER/MED se verifica uma condição de Erro (E2, Erro de Tensão, etc.), o dispositivo para e no display, em vez da indicação TENS nn.n, aparece a respectiva mensagem de erro. Para resetar o alarme após remover a causa que gerou o alarme, premer o botão no dispositivo. 2) Leitura do Tipo de Fio e Aplicação de Correntes Em qualquer momento, premendo o botão, o operador pode verificar o tipo de fio e a aplicação configurados no dispositivo. Premer o botão : No display aparece o tipo de fio (ELASTIC) e a aplicação (PANTY-HOSE, KNIT...) atualmente configurados no dispositivo. Os leds dos botões,, se acendem com a cor vermelha. Premer o botão para retornar ao menu CONTROL. Rolling FEEDER/MED

20 3) Exclusione e Re-inclusão do Dispositivo Rolling FEEDER/MED Em caso de necessidade, é possível excluir temporariamente um dispositivo Rolling FEEDER/MED, para evitar partidas indevidas provocadas por vibrações, etc. Para desactivar e reactivar o dispositivo, agir da seguinte maneira: Exclusão: 3 seg. Premer e manter premido durante 3 segundos : No display, aparece a solicitação de confirmação da exclusão. para confirmar a exclusão. para anular o comando de exclusão. A indicação <<OFF>> visualizada no display indica que dispositivo está atualmente excluído. 3 seg. Re-inclusão: Premer e manter premido durante 3 segundos. para confirmar a re-inclusão. para anular o comando de re-inclusão. Para desactivar momentaneamente um dispositivo Rolling FEEDER/MED, é suficiente premer brevemente. A condição do dispositivo temporariamente desactivado é sinalizado com o acendimento dos LEDs vermelhos incorporados nos três botões e no sensor de tensão TS44/RF. 4) Controlo Temperatura e Corrente Absorvida pelo Dispositivo Rolling FEEDER/MED Em qualquer momento, premendo e mantendo premido o botão, o operador pode controlar a temperatura (T) da placa de controlo interna (no exemplo a seguir, 35 C) e do motor (no exemplo 34 C), além da corrente absorvida pelo motor (C) em Ampère (no exemplo 0,1 A) Rolling FEEDER/MED

21 Programação dos Dispositivos Rolling FEEDER/MED O dispositivo Rolling FEEDER/MED oferece dois ambientes de programação: 5) SIMPLE (SIMPLES) (permite de programar somente a tensão de trabalho do dispositivo) 6) ADVANCED (AVANÇADO) (permite de programar todos os parâmetros do dispositivo) Para aceder ao ambiente de programação é suficiente premer e manter premido por 3 segundos o botão ENTER quando o dispositivo estiver operando em ambiente Control. Mantendo premido o botão por menos de 3 segundos, visualiza-se temporariamente a versão Firmware do dispositivo. Para passar de SIMPLE (SIMPLES) a ADVANCED (AVANÇADO) e vice-versa é suficiente premer e manter premido por 3 segundos o botão ENTER. Para evitar alterações indesejadas dos parâmetros de funcionamento, depois de ter montado os dispositivos Rolling FEEDER/MED e ter configurado e verificado todos os parâmetros de trabalho em ambiente de programação ADVANCED (AVANÇADO) aconselha-se de activar o ambiente de programação SIMPLE (SIMPLES), de maneira que o operador, entrando em programação, tenha somente a possibilidade de variar a tensão de trabalho (1ª variável de P1). Esquema Geral do Ambiente de Programação Simples Acendimento 2 seg. 2 seg. 2 seg. 3 seg. 3 seg. Rolling FEEDER/MED

22 Programação Avançada dos Dispositivos Rolling FEEDER/MED No ambiente de programação ADVANCED (AVANÇADO), cada dispositivo Rolling FEEDER/MED pode ser programado com parâmetros de controlo específicos que dependem do tipo de fio em trabalho e do tipo de aplicação: MAIN TENSION (TENSÃO TRABALHO) Tensão de Controlo ERROR TENSION (ERRO TENSÃO) Tolerância além da qual é gerado o Erro TIME ALARM (TEMPO ALARME) Tempo pelo qual a tensão pode sair da tolerância INC-DEC TENSION (INC-DEC TENSÃO) Tensão graduação INC/DEC EXIT TENSION (TENSÃO SAÍDA) Tensão do dispositivo com a máquina parada EXC TENSION (TENSÃO EXC ) Tensão de exclusão COMP SPEED (VELOC. DE COMP) Velocidade de compensação COMP TENSION (TENSÃO COMP ) Tensão de compensação RELAX YARN (RELAX. FIO ) Corresponde ao número de giros efectuados com uma velocidade constante durante a fase de relaxamento do fio RELAX SPEED (RELAX. VELOCIDADE) Velocidade de alimentação fio em RELAX YARN (RELAX. FIO) Além disso, podem ser programadas determinadas funções e/ou parâmetros de serviço que influenciam a modalidade de trabalho dos dispositivos: OFFSET Possibilidade de ler/configurar o OFFSET. MOTOR CALIBRA (CALIBR. MOTOR) Possibilidade de efetuar a calibração do motor (função reservada aos funcionários BTSR) KEYCODE (CÓDIGO DE ACESSO) Possibilidade de configurar uma password de proteção para o acesso às funções programáveis do dispositivo. FEEDER CODE (CÓD. DE IDENTIFICAÇÃO) Possibilidade de visualizar e/ou configurar directamente o código de identificação do dispositivo. MOTOR-D Sentido de rotação do motor. LÍNGUA Escolha da língua com a qual serão visualizadas as mensagens no display do dispositivo. APLICAÇÃO Modalidade de trabalho do dispositivo predeterminada com base na aplicação. As aplicações predeterminadas actualmente disponíveis são: KNIT, SOCKS, PANTY-HOSE, SEAMLESS. ELASTIC (ELÁSTICO) O dispositivo actualmente está preparado somente para o tratamento de fios elásticos. POLARIDADE SINAIS Possibilidade de escolher a polaridade dos sinais de INPUT e EXC (contacto NO ou NC) MODAL. OPERACIONAL Modalidade operacional do dispositivo (AUTO TENS, AUTO LFA, MASTER 1, MASTER 2, SLAVE 1, SLAVE 2) TIPO DE DISPOSITIVO Tipo de dispositivo utilizado (ROLLING FEEDER ou ROLLING MED) A configuração destes parâmetros já é definida pela BTSR em fase de produção (valores de default), mas pode ser modificada pelo operador da máquina têxtil em função das exigências, utilizando as funções de programação avançada. Os dispositivos Rolling FEEDER/MED têm 4 níveis de programação avançada: P1, P2, P3 e P4, claramente indicados na área mensagens do display LCD durante a fase de programação. No nível P1 podem ser programados os seguintes parâmetros: MAIN TENSION (TENSÃO TRABALHO) ERROR TENSION (ERRO TENSÃO) TIME ALARM (TEMPO ALARME) INC-DEC TENSION (INC-DEC TENSÃO) Rolling FEEDER/MED

23 No nível P2 podem ser programados os seguintes parâmetros: EXIT TENSION (TENSÃO SAÍDA) EXC TENSION (TENSÃO EXC) COMP TENSION (TENSÃO COMP) COMP SPEED (VELOC. DE COMP) RELAX YARN ( RELAX. FIO) RELAX SPEED (RELAX. VELOCIDADE) No nível P3 podem ser programados os seguintes parâmetros: OFFSET MOTOR CALIBRA (CALIBRAÇÃO MOTOR) KEY CODE (CÓDIGO DE ACESSO) FEEDER CODE (CÓD. DE IDENTIFICAÇÃO) No nível P4 podem ser programados os seguintes parâmetros: SENTIDO DE ROTAÇÃO DO MOTOR LÍNGUA APLICAÇÃO TIPO DE FIO (ELASTIC) (ELÁSTICO) POLARIDADE SINAIS MODALIDADE OPERACIONAL TIPO DE DISPOSITIVO Para passar de um nível de programação ao nível sucessivo, premer o botão Para sair da programação premer o botão (Reset). (Control). Rolling FEEDER/MED

24 Esquema Geral dos Níveis de Programação Avançada P1 P4 e configurações de default Acendimento 2 seg. 2 seg. 2 seg. 3 seg. NOTA: Os valores indicados na figura representam os parâmetros de default (configurados pela BTSR). (A) LFA = Comprimento do fio absorvido em m/min (B) As línguas seleccionáveis são Italiano, Inglês, Francês, Espanhol, Alemão, Japonês, Chinês Rolling FEEDER/MED

25 Nível de Programação P1 LFA m/min ADVANCED MENU P1 No nível de programação P1 podem ser programados 4 parâmetros: 1) Tensão de trabalho do dispositivo (MAIN TENSION) (TENSÃO TRABALHO); 2) Tolerância respeito à tensão de trabalho (ERROR TENSION) (ERRO TENSÃO); 3) Tempo máximo de saída da faixa de tolerância (TIME ALARM) (TEMPO ALARME); 4) Resolução de Aumento/Diminuição da tensão graduada (INC-DEC TENSION) (INC-DEC TENSÃO). Com o Rolling FEEDER/MED em estado CONTROL (LFA m/min visualizado no display), premer e manter premido por 3 seg.. No display aparece a escrita ADVANCED (AVANÇADO) e o KTF/100HP passa em estado PROGRAM. ou para prosseguir. para iniciar a programação dos parâmetros do menu P1. P1.1 MAIN TENSION (P1) (TENSÃO TRABALHO) Valor de Tensão com a qual o dispositivo Rolling FEEDER/MED deve trabalhar para criar o produto desejado (comandos INC/DEC activos). [Valores aceites gramas]. Escolher o valor desejado utilizando os botões: (para aumentar o valor) ou (para diminuir o valor). para confirmar. P1.2 ERROR TENSION (ERRO TENSÃO) Faixa de Tolerância além da qual a máquina será parada. A sinalização de erro e a paragem da máquina realizam-se somente se esta Tolerância estiver ultrapassada pelo período de tempo indicado pelo parâmetro sucessivo (TIME ALARM) (TEMPO ALARME). [Valores aceites % ] Escolher o valor desejado utilizando os botões: (para aumentar o valor) ou (para diminuir o valor). para confirmar. Rolling FEEDER/MED

26 Exemplo 1: Main Tension (Tensão Trabalho): 2 g Error Tension (Erro Tensão): ± 25% 2.5 g Tensão Trabalho Teórica 2 g 1.5 g Faixa de Tolerância Exemplo 2: Main Tension (Tensão Trabalho): 5.0 g Error Tension (Erro Tensão): ± 40% Tensão Trabalho Teórica Faixa de Tolerância Exemplo 3: Main Tension (Tensão Trabalho): 5.0 g Error Tension (Erro Tensão): ± 120% Tensão Trabalho Teórica Faixa de Tolerância Rolling FEEDER/MED

27 P1.3 TIME ALARM (TEMPO ALARME) Tempo pelo quale o valor de tensão pode sair da faixa de tolerância configurada com o parâmetro anterior (ERROR TENSION) (ERRO TENSÃO). Pode ser desabilitado (OFF) mantendo premido o botão Enter por 3 segundos. [Valores aceites 0.0 (*) 10 segundos]. (*) Configurando 0.0, ativa-se a modalidade AUTO, com a qual o sistema calcula automaticamente o melhor valor do tempo de geração de alarme e parada da máquina, em função da velocidade de alimentação. Com velocidades baixas, tal tempo é de 1s; ao aumentar a velocidade, reduz-se até 100 ms. Isso permite parar a máquina tempestivamente durante a fase de trabalho na velocidade normal, evitando o risco de falsas paradas em baixa velocidade. Escolher o valor desejado utilizando os botões: (para aumentar o valor) ou para confirmar. (para diminuir o valor). Exemplo: Main Tension (Tensão Trabalho): 2.0 g Error Tension (Erro Tensão): ± 25% Time Alarm (Tempo Alarme): 2.0 seg. P1.4 INC-DEC TENSION (INC-DEC TENSÃO) Resolução de Aumento/Diminuição da tensão graduada pelos impulsos de comando externos INC/DEC. (A cada impulso INC/DEC a tensão de trabalho aumenta ou diminui na quantidade indicada por este parâmetro respeito ao valor configurado em MAIN TENSION (TENS TRABALHO) (1 a variável de P1)) [Valores aceites gramas]. para voltar ao início do Menu P1. para passar ao Menu P2. para voltar em estado CONTROL sem prosseguir com a programação dos menu P2, P3, P4. Quando se trabalha com o dispositivo ULTRAFEEDER, como Master efetua-se o aumento/diminuição na relação de estiramento programado. Ex.: se a relação de estiramento programado é 2.50 e o parâmetro INC/DEC tensão está configurado em 0.1, ao receber um impulso INC, a relação de estiragem tornar-se-á 2.51 (ou 2.49 em caso de recebimento de um impulso DEC). Rolling FEEDER/MED

28 Nível de Programação P2 LFA m/min ADVANCED MENU P2 No nível de programação P2 podem ser programados 5 parâmetros: 1) Tensão do dispositivo quando a máquina estiver parada; 2) Tensão de exclusão (EXC TENSION) (TENSÃO EXC) 3) Tensão de compensação (COMP TENSION) (TENSÃO COMP) 4) Velocidade de compensação (COMP SPEED %) (VELOC. COMP %) 5) Quantidade de fio alimentado na fase de parada (RELAX. FIO); 6) Velocidade de superalimentação do fio (RELAX SPEED) (RELAX. VELOCIDADE) mantida pelo número de giros configurados em RELAX YARN (RELAX. FIO). para seleccionar o nível P2. para prosseguir com a programação dos parâmetros do menu P2. P2.1 EXIT TENSION (P2) (TENSÃO SAÍDA) Valor de tensão do dispositivo quando a máquina estiver parada ou fora da zona de trabalho do fio (impulsos INC/DEC desactivados). Configurando um valor maior ou menor daquele configurado no parâmetro MAIN TENSION (TENSÃO TRABALHO) do menu P1 é possível controlar a fase de abrandamento do dispositivo Rolling FEEDER/MED. Esta função pode ser habilitada (com valores programáveis gramas) ou desabilitada (OFF). Para desabilitar a função premer e manter premido por 3 segundos o botão Enter. A escrita OFF indica que a função foi desabilitada. Neste caso o parâmetro EXIT TENSION (TENSÃO SAÍDA) assume o valor configurado no parâmetro MAIN TENSION (TENSÃO TRABALHO) do nível de programação P1. Para habilitar a função premer e manter premido por 3 segundos o botão Enter. A escrita OFF desaparece e é substituída por um valor numérico modificável. Escolher o valor desejado utilizando: (para aumentar o valor) ou para confirmar (para diminuir o valor). P2.2 EXC TENSION (TENSÃO EXC) Durante a fase de desaceleração da máquina, as inércis devidas à rotação do novelo são elevadas porque as tensões são muito baixas. A entrada de exclusão se ativa quando a máquina está parando e o dispositivo passa a uma tensão mais elevada (tensão de exclusão), para poder parar o dispositivo sem superalimentar [valores programáveis gramas] Quando a tensão de exclusão é alcançada, as etiquetas P1 ou P2 lampejam Rolling FEEDER/MED

29 P2.3 COMP TENSION (TENSÃO COMP) Este parâmetro permite configurar uma tensão adicional, que deve ser somada à tensão de trabalho. No mesmo ciclo da máquina, podem estar presentes velocidades diversas, dependendo do trabalho desejado. Diferenças de velocidade causam diferenças de atrito na parte final do trabalho e, então, densidades de malha diversas (quanto menor for a velocidade, maior será a quantidade de fio e menor será o atrito). A tensão de compensação reduz este problema, somando-se à tensão de trabalho caso a velocidade seja diversa daquela configurada. [Valores aceites ] Escolher o valor desejado utilizando: (para aumentar o valor) ou (para diminuir o valor). para confirmar P2.4 COMP SPEED % (VELOC. COMP) Este parâmetro permite trabalhar com 2 grupos de dispositivos Master Slave diversos, mas com a possibilidade de manter os 2 grupos perfeitamente sincronizados (por exemplo durante as zonas de liso ) ou desvinculados (por exemplo durante as zonas de selecção ). Isso pode ser obtido atribuindo um rolo diverso aos 2 Masters, p. ex: Master 1 = Master Leader, (no qual são configuradas as selecções) Master 2 = Master Follower. Nas zonas de liso, nas quais as velocidades dos 2 Masters (mesmo se configuradas com valores iguais) podem ser ligeiramente diversas por motivos mecânicos de atrito, etc., o Master Follower (e, consequentemente, todos os seus Slaves) manterão exactamente a velocidade do Master Leader, eliminando, então, as possíveis causas de barra de trama. Nas zonas de selecção, nas quais, por ex., o Master Leader passa a uma velocidade inferior, o Master Follower, seguindo a velocidade do Master Leader, verá uma variação de tensão e determinará a saída da faixa de tolerância configurada (Tension Error). A este ponto, o Master Follower iniciará a trabalhar com a velocidade do Master Leader acrescido do valor percentual configurado em Compensation Speed. O parâmetro COMP SPEED % somente age no Master 2. [Valores aceites 0 100%] Escolher o valor desejado utilizando: (para aumentar o valor) ou (para diminuir o valor). para confirmar Rolling FEEDER/MED

30 P2.5 RELAX YARN (RELAX. FIO) Quantidade de alimentação do fio durante a fase de parada. Esta função permite relaxar o fio sempre que o dispositivo Rolling FEEDER/MED terminar de operar. O valor configurado neste parâmetro corresponde com o número de giros efectuados pela roda (motor) após a parada do motor, na velocidade indicada no parâmetro sucessivo (RELAX. VELOCIDADE). [Valores aceites giros]. (Exemplo: durante o trabalho do elástico do punho ou cintura de meias, a função permite efectuar o relaxamento do fio no término do trabalho, permitindo uma fácil pegada do mesmo). Exemplo de valores programados: MAIN TENSION (TENSÃO DE TRABALHO) (P1) = 2 gramas EXIT TENSION (TENSÃO DE SAÍDA) (P2) = RELAX YARN (RELAX. FIO) (P2) = Escolher o valor desejado utilizando: 4 gramas 0.8 giros da roda na velocidade definida em P2.6 (para aumentar o valor) ou para confirmar (para diminuir o valor). P2.6 RELAX SPEED (RELAX. VELOCIDADE) Velocidade de superalimentação do fio pelo número de giros configurado no RELAX YARN (RELAX. FIO) após a parada do motor do dispositivo Rolling FEEDER/MED. [Valores aceites 0 10] onde: 01 significa velocidade de activação 1 mt/min. 02 significa velocidade de activação 5 mt/min. 03 significa velocidade de activação 10 mt/min. 04 significa velocidade de activação 15 mt/min significa velocidade de activação 45 mt/min. 10 significa velocidade de activação 50 mt/min. Esta função pode ser habilitada ou desabilitada (OFF). Para desabilitar a função premer e manter premido por 3 segundos o botão Enter. A escrita OFF indica que a função foi desabilitada. Para habilitar de novo a função premer e manter premido por 3 segundos o botão Enter. A escrita OFF desaparece e é substituída por um valor numérico modificável. Escolher o valor desejado utilizando: (para aumentar o valor) ou para voltar ao início do Menu P2. para passar ao Menu P3. (para diminuir o valor). para voltar em estado CONTROL sem prosseguir com a programação dos menu P3, P Rolling FEEDER/MED

31 Nível de Programação P3 LFA m/min ADVANCED MENU P3 No nível de programação P3 podem ser programados 4 funcionalidade: 1) Leitura/execução Offset; 2) Calibração do motor (MOTOR CALIBRA) (CALIBRAÇÃO MOTOR); 3) Código de acesso às funções programáveis (KEY CODE) (CÓDIGO DE ACESSO); 4) Código de identificação Rolling FEEDER/MED (FEEDER CODE) (CÓD. DE IDENTIFICAÇÃO). para seleccionar o nível P3. para prosseguir. P3.1 OFFSET Por Offset se entende a funcionalidade de calibração da posição mecânica de fixação do sensor de tensão TS44/RF. Esta função consente de anular eventuais erros de medição devidos às diferentes posições de bloqueio do dispositivo à máquina têxtil. A indicação que aparece no display é o valor de OFFSET actual dado pela posição de bloqueio do dispositivo. Mantendo o fio levantado da célula de carga, premer para verificar se o valor de OFFSET memorizado corresponde ao valor de OFFSET actual. Se os dois valores de OFFSET forem discordantes, premer para alinhá-los. Auto-Calibração da Célula de Carregamento Mantendo premido durante 3 segundos, ativa-se a função de Auto-Calibração da célula de carregamento que leva o valor de Offset a aproximadamente 5.0 gramas (valor de calibragem dos dispositivos em produção). Durante a fase de auto-calibração, visualiza-se temporariamente a escrita OFFSET INT-CALI. para passar ao parâmetro sucessivo. A função de auto-calibração somente pode ser efectuada quando se utiliza o sensor TS44/RF Rolling FEEDER/MED

32 P3.2 MOTOR CALIBRA (CALIBRAÇÃO MOTOR) Função automática reservado aos funcionários de assistência técnica BTSR, em caso de substituição do motor. Permite efectuar em automático a calibração do novo motor. Para activar o procedimento, manter premido o botão durante 3 segundos. No lugar da escrita OFF aparece 000 e o motor efectua em automático uma série de movimentos em ambas as direcções para efectuar a calibração, e em seguida para e reaparece a escrita OFF. para passar ao parâmetro sucessivo. P3.3 KEY CODE (CÓDIGO DE ACESSO) Esta função consente de definir um código numérico segredo para impedir o acesso a todas as funções programáveis de P1, P2, P3, P4 ao pessoal não autorizado. A função pode ser habilitada ou desabilitada mantendo premido por 3 segundos A escrita OFF visualizada no display indica que a função é desabilitada. Se for inserido um código de acesso, este será pedido todas as vezes que tentarem de entrar em programação. Após premer durante3 segundos, inserir o código secreto utilizzando os botões e. aumenta o valor do código segredo. diminui o valor do código segredo. Depois de ter inserido o código segredo, premer parâmetro sucessivo. para memorizá-lo e passar ao P3.4 FEEDER CODE (CÓD. DE IDENTIFICAÇÃO) Permite visualizar e/ou configurar o código numérico correspondente ao endereço de identificação do dispositivo Rolling FEEDER/MED. Configurar o código de identificação desejado utilizando valor) ou (para diminuir o valor). (para aumentar o Normalmente, a configuração do código de identificação do dispositivo é efetuada pelo SMART MATRIX através da porta de comunicação serial. Todavia, em determinadas circunstâncias (por exemplo, após a substituição de um dispositivo Rolling FEEDER/MED), pode ser útil efectuar a configuração directamente no novo dispositivo. para voltar ao início do Menu P3 para passar ao Menu P4. para voltar em estado CONTROL sem prosseguir com a programação do menu P Rolling FEEDER/MED

33 Nível de Programação P4 LFA m/min ADVANCED MENU P4 No nível de programação P4, pode-se programar as várias modalidades de trabalho do dispositivo: 1) Sentido de rotação do motor (horário ou anti-horário); 2) Língua de visualização para menu e mensagens; 3) Aplicação na qual o dispositivo é utilizado; 4) Tipo de fio: elástico; 5) Polaridade dos sinais de input e EXC (contacto Normalmente Aberto ou Normalmente Fechado). 6) Modalidade operacional. 7) Tipo de dispositivo para seleccionar o nível P4. para prosseguir. P4.1 MOTOR D Esta função permite escolher o sentido de rotação do motor de alimentação do fio (CW Sentido Horário, CCW Sentido Anti-horário). durante 3 segundos para passar do valor CW (sentido horário) ao valor CCW (sentido anti-horário) ou vice-versa. para confirmar P4.2 SELECÇÃO LÍNGUA Esta função permite de escolher a língua utilizada para a visualização das mensagens e dos erros. ou para passar para frente/para trás a lista das línguas disponíveis: ITALIANO ENGLISH FRANCAIS ESPANOL DEUTSCH JAPANESE CHINÊS para confirmar a língua indicada no display e passar ao parâmetro sucessivo P4.3 SELEÇÃO APLICAÇÃO Esta função permite escolher uma das aplicações predeterminadas. O comportamento do dispositivo Rolling FEEDER/MED (exemplo, reação aos impulsos INC/DEC) dependerá da aplicação escolhida. ou para passar para frente/para trás a lista das aplicações disponíveis: KNIT SOCKS PANTYHOSE SEAMLESS MEDICAL SOCKS para confirmar a aplicação indicada no display e passar ao parâmetro sucessivo. Rolling FEEDER/MED

34 P4.4 ELASTIC (ELÁSTICO) Esta função permite configurar as características do fio. Para as aplicações actualmente implementadas, somente está disponível a opção ELÁSTICO, então o parâmetro actualmente não pode ser modificado. P4.5 POLARIDADE SINAIS Esta função permite configurar a polaridade dos sinais INPUT e EXC. para seleccionar alternativamente NO ou NC no sinal INPUT. para seleccionar alternativamente NO ou NC no sinal EXC. para confirmar as opções indicadas no display e passar ao parâmetro sucessivo. P4.6 MODALIDADE OPERACIONAL Esta função permite escolher a modalidade operacional do dispositivo Rolling FEEDER/MED. ou para passar para frente /para trás a lista das modalidades disponíveis: TENS LFA MASTER 1 MASTER 2 SLAVE 1 SLAVE 2 para confirmar a modalidade indicada no display e passar ao parâmetro sucessivo. O dispositivo Rolling FEEDER/MED pode operar nas seguintes modalidades: AUTO TENS AUTO LFA MASTER/SLAVE (MASTER 1, MASTER 2, SLAVE 1, SLAVE 2) Os detalhes das várias modalidades operacionais serão indicadas nas páginas seguintes. P4.7 TIPO DE DISPOSITIVO Esta função permite configurar o tipo de dispositivo utilizado: ROLLING MED para aplicações em calças médicas. ROLLING FEEDER para todos os outros tipos de aplicações. Manter premido por 3 segundos para alternar a selecção ROLLING FEEDER/ROLLING MED Rolling FEEDER/MED

35 Modalidade AUTO TENS Nesta modalidade, os dispositivos Rolling FEEDER/MED trabalham na prioridade Tensão e, então, se comportam exactamente como dispositivos clássicos de alimentação com Tensão Constante. Durante a fase produtiva, então, os dispositivos manterão a tensão configurada, mas em razão dos atritos na parte final do dispositivo, as velocidades de alimentação (LFA) podem ser diversas. Fazendo um exemplo com uma máquina na qual foram instalados dois alimentadores com tensão = 1gr, a velocidade deles pode ser diversa, em razão dos diversos atritos na parte final do dispositivo (devidos a uma possível acumulação de sujidade na cerâmica guia-fio, a angulações diversas, etc.). Exemplo Alimentador 1: 360 m/min 1 gr Alimentador 2: 340 m/min 1 gr MÁQUINA Para alinhar as duas velocidades, é possível inicializar, em qualquer um dos dispositivos, um procedimento de configuração/calibração, nos quais os dispositivos passarão da modalidade Tensão Constante à modalidade Velocidade Constante (a velocidade configurara pelo utilizador). Durante a fase de configuração/calibração, todos os dispositivos trabalham com esta velocidade. No término da configuração, os dispositivos lêem a tensão média registada e a utilizam como set point para o ciclo sucessivo. Exemplo com velocidade configurada pelo utilizador a 360 m/min Alimentador 1: 360 m/min Tens. Média 1 gr Alimentador 2: 360 m/min Tens. Média 0.8 gr MÁQUINA Rolling FEEDER/MED

36 No ciclo sucessivo, os dois dispositivos trabalharão com Velocidades iguais e Tensões diferentes, mas sempre constantes (no exemplo, o alimentador 2 trabalha com uma tensão de 0.8 gr), compensando desta maneira os atritos na parte final, obtendo tensão e velocidades iguais perto das agulhas de formação da malha. O problema dos atritos na parte final do dispositivo somente se apresenta se as tensões são muito baixas. Em caso de tensões altas, o fio perde a sua natural elasticidade, por isso o problema parece menos relevante Rolling FEEDER/MED

37 Modalidade AUTO-LFA No Estado P2, dispositivo Rolling FEEDER/MED trabalha sempre com Tensão Constante. No estado P1, dispositivo Rolling FEEDER/MED começa a trabalhar com Tensão Constante, e continua a controlar o valor da Tensão mensurada e da Velocidade; quando percebe que a tensão mensurada se mantém dentro da faixa de tolerância e que a velocidade mensurada (velocidade do motor) se estabilizou, (portanto, o dispositivo não está mais na fase de rampa), passa automaticamente da modalidade Tensão Constante à modalidade Velocidade Constante. O dispositivo, então, começa a trabalhar com Velocidade Constante (tal velocidade corresponde à velocidade mensurada no momento da troca de funcionamento). Se a tensão sai da faixa de tolerância (máquina em desaceleração ou em aceleração), o dispositivo Rolling FEEDER/MED retorna à modalidade Tensão Constante para seguir a rampa. A faixa de tolerância da tensão pode ser programada através do parâmetro TENSION ERROR (ERRO TENSÃO) (menu P1.2) velocidade tensão Funcionamento com a tensão constante Funcionamento com velocidade constante Funcionamento com tensão constante Se estiverem presentes dois dispositivos, e em ambos for configurada a Tensão = 1 gr, um desses pode possuir uma Velocidade de 360 m/min e o outro de 340 m/min (come no exemplo anterior). Então, utiliza-se novamente a função de configuração para inserir em todos os dispositivos a mesma Velocidade. É importante configurar a Velocidade exata durante a fase de configuração/calibração, porque através desta se obtém a relação de estiramento (Velocidade com a qual é alimentado o fio elástico e a velocidade com a qual descem os fios duros); desta depende o corte da extremidade: quanto maior for a relação de estiramento, menor será a quantidade de fio absorvido (LFA) e, então, menor será o corte/comprimento da extremidade. Rolling FEEDER/MED

38 Modalidade MASTER/SLAVE Para obter uma extremidade bem definida, é necessário que: a tensão seja homogénea; as velocidades sejam constantes e perfeitamente iguais para todos os dispositivos. Através da modalidade Master/Slave, é possível definir um dispositivo (Master) que comanda os outros dispositivos (Slave) O dispositivo Master trabalha em AUTO TENS mantendo a Tensão configurada como set point. Através da conexão CAN/bus, os Slave seguem a velocidade do Master. Na mesma máquina podem estar presentes vários grupos de dispositivos que realizam trabalhos diversos. Então, podem ser definidos mais Masters e mais conjuntos de Slave: os Slaves 1 seguem as informações do Master 1; os Slave 2 seguem as informações do Master 2, etc. No momento, podem ser definidos no máximo dois Masters; para cada Master, pode-se atribuir um número ilimitado de Slave. Nesta modalidade também é possível iniciar o procedimento de configuração (função possível somente como Master 1). Para obter o máximo da qualidade, é possível utilizar um dispositivo ULTRAFEEDER como dispositivo Master. Durante o funcionamento, para identificar facilmente a associação entre os dispositivos Master e Slave, utiliza-se uma codificação diversa de acendimento dos LEDs: No Master 1 e nos Slave 1 associados, acende-se na cor vermelha somente um LED No Master 2 e nos Slave 2 associados, acendem-se na cor vermelha dois LEDs. Caso não cheguem informações a um Slave, em razão de problemas de comunicação no CAN/bus, a luz vermelha ficará lampejando (um LED para os Slave 1, dois LEDs para os Salve 2). Modalidade MASTER/SLAVE Enhanced A partir da versão software Rolling FEEDER/MED e da versão software SMART MATRIX FEEDER 3.4.0, foi implementada uma nova funcionalidade que permite trabalhar com 2 grupos de dispositivos MASTER/SLAVE diversos, mas com a possibilidade de manter os 2 grupos perfeitamente sincronizados (por exemplo durante as zonas de liso da roupa a ser produzida) ou desvinculados (por exemplo, durante as zonas de selecção ). Isso pode ser obtido através do parâmetro Compensation Speed %. Para maiores informações, consultar a descrição do parâmetro COMP SPEED % (% VELOC. COMP) (P2.4) no nível de programação P2 do presente manual e a descrição dos Parâmetros de Programação do Artigo para dispositivos Rolling Feeder (janela LFA) no manual SMART MATRIX FEEDER Rev Rolling FEEDER/MED

39 Procedimento de configuração (CALIBRATION INIT - CALIBRAGEM INIC.) (função possível somente como Master ou através do terminal SMART MATRIX FEEDER) Manter premido a tecla no dispositivo Rolling FEEDER/MED e, successivamente, a tecla. Apacererá no display a seguinte mensagem durante 2 segundos: As eventuais configurações anteriores são resetadas e o sistema é inicializado. Terminado o procedimento de inicialização, aparecerá no display do dispositivo a escrita: Premer a tecla para iniciar o procedimento, ou a tecla para interrompêla. Se for premido a tecla, aparecerá a tecla: Na parte direita da tela, será possível ver a velocidade com a qual o dispositivo está trabalhando. Tal valor pode ser modificado premendo as teclas ou. Mantendo premida a tecla durante 3 segundos, o procedimento é interrompido. Para iniciar o procedimento, premer a tecla. O display do dispositivo visualiza: O número à direita da tela indica a velocidade com a qual o dispositivo está efectuando a calibração. Rolling FEEDER/MED

40 O procedimento de calibração dura aproximadamente 10 segundos, após os quais visualiza-se a escrita: Nesta fase, os dispositivos Rolling FEEDER/MED memorizam o valor da tensão correspondente com a velocidade de trabalho. Durante o procedimento de configuração, os LEDs de todos os dispositivos (Master e Slave) se acendem na sequência. O procedimento CALIBRATION INIT (INIC. CALIBRAGEM) deve ser efectuado na velocidade máxima Rolling FEEDER/MED

41 Comandos Programáveis INC/DEC Através dos comandos INC-DEC, é possível aumentar ou diminuir a tensão configurada em P1 (TENSÃO TRABALHO). O reset da graduação INC/DEC e a gestão do Alarme Erro Tensão variam em função das características típicas da aplicação seleccionada. Aplicações: SOCKS, PANTYHOSE, SEAMLESS e KNIT (Rolling FEEDER) Reset graduações imediato, quando são desactivados simultaneamente os comandos INC/DEC; Alarme Erro Tensão activo somente quando o dispositivo Rolling FEEDER trabalha com a tensão P1. PASSOS MÁQUINA GUIA FIO Reset Graduações Imediato TENSÃO OPERACIONAL ALARME TENSION ERROR P1 = TENSÃO TRABALHO LAVORO = 2.0 gr. P2 = TENSÃO SAÍDA = 4.0 gr. AUM/DIM TENSÃO = 0.1 gr. Entre um comando AUM/DIM e o successivo deve passar pelo menos 60 seg. Rolling FEEDER/MED

42 Aplicação: MEDICAL SOCKS (Rolling MED) Reset da tensão graduada temporizada através de uma sequência definida pelos sinais de entrada AUM/DIM (desactivação/activação/desactivação); Alarme Erro Tensão activo somente quando o dispositivo Rolling MED trabalha com a tensão P1. PASSOS MÁQUINA GUIA FIO Reset Graduações TENSÃO OPERACIONAL ALARME TENSION ERROR INC-DEC = activados 1 SEG. INC-DEC = desactivados sincronização Início ciclo de restabelecimento tensão configurada Tensão configurada restabelecida ao valor original Os estados A e B, não devem necessariamente possuir a mesma duração, ma é importante que a sua duração mínima não seja inferior a 60 mseg. Se os dois impulsos A e B ocorrem num tempo inferior a 1 seg., a tensão configurada retorna ao valor original sempre após 1 seg. (t) a partir do ponto S Rolling FEEDER/MED

43 Solução dos Problemas e Manutenção Rolling FEEDER/MED 4 SOLUÇÃO DOS PROBLEMAS E MANUTENÇÃO Rolling FEEDER/MED Indicações Fornecidas pelos Leds Vermelhos no Dispositivo Rolling FEEDER/MED Estado do dispositivo Rolling FEEDER/MED Led no sensor TS44/RF Identificação LAMPEJANTE LAMPEJANTE VERDE/VERMELHO ERRO E2 LAMPEJANTE LAMPEJANTE VERDE/VERMELHO BLOQUEIO MOTOR (com tecla CONTROL)(*) LIGADO ACESOS ERRO TENSÃO LAMPEJANTE LAMPEJANTE VERDE/VERMELHO Identificação Master 1 e Slave 1 - aceso fixo no Master 1 (em P1) aceso fixo no Slave 1 (quando conectado ao Master), lampejante (quando Slave 1 está em P1 mas não recebe dados do Master 1) Identificação Master 2 e Slave 2 - Neste caso, acendem-se e (*) Condição obtida quando se trabalha com a tensão de P2 activa. Trabalhando com a tensão de P1, mesmo quando se preme o botão Control, os Leds permanecem apagados. Activando o botão Control é em todo o caso visualizada a tensão configurada em P1. Para interpretar as condições de anomalia e ou restauração das condições de funcionamento, fazer referência à tabela seguinte. Rolling FEEDER/MED

44 Solução dos Problemas e Manutenção Rolling FEEDER/MED Solução dos Problemas relativos aos Dispositivos Rolling FEEDER/MED Anomalias Causas Remédios O display do dispositivo Rolling FEEDER/MED não se liga No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita E2 No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita E3 No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita ES ES-CONT No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita MT-BUS No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita CURRENT No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita TE Sistema não alimentado 1) Motor bloqueado 2) Intervenção temporânea das protecções internas 1) Presença de resíduos de fio por baixo da célula de carga 2) Valor OFFSET do dispositivo Rolling FEEDER/MED fora da calibragem 1) Proteção interna para sobrecargas. 1) Tensão de alimentação inferior a 15 Vdc. 1) A absorção de corrente do dispositivo superou o valor máximo previsto. 1) A temperatura da parte electrónica é superior àquela máxima prevista. Controlar que o conector I/O seja correctamente inserido e que nos pin 1-2 seja presente a tensão de alimentação 24 Vdc. 1) Verificar se o motor roda correctamente; desmontar a roda de alimentação para remover eventuais resíduos de fio que impedem ao motor de rodar de maneira correcta. Enfiar correctamente o dispositivo Rolling FEEDER/MED conforme indicado à página ) Remover e restaurar a alimentação ao dispositivo. No caso não seja possível detectar a causa da anomalia entrar em contacto com o revendedor da BTSR (poderia ser necessário enviar o dispositivo para a sede da BTSR para uma revisão). 1) Limpar a célula de carregamento do sensor TS44/RF utilizando um ligeiro sopro de ar (máx 1 bar) 2) Efectuar a correcta calibragem do valor de OFFSET do dispositivo Rolling FEEDER/MED conforme indicado à página ) Resetar o alarme. Se o problema persistir, entrar em contacto com o revendedor da BSTR. 1) Verificar a tensão de alimentação. Se o problema persistir, entrar em contacto com o revendedor da BSTR. 1) Verificar as condições de utilização do sistema. No caso não seja possível detectar a causa da anomalia entrar em contacto com o revendedor da BTSR (poderia ser necessário enviar o dispositivo para a sede da BTSR para uma revisão). 1) Verificar as condições de utilização do sistema. No caso não seja possível detectar a causa da anomalia entrar em contacto com o revendedor da BTSR (poderia ser necessário enviar o dispositivo para a sede da BTSR para uma revisão) Rolling FEEDER/MED

45 Solução dos Problemas e Manutenção Rolling FEEDER/MED Anomalie Cause Rimedi No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita TM A máquina não é parada pelo Rolling FEEDER/MED no caso de ruptura do fio O Rolling FEEDER/MED não comunica com o terminal SMART MATRIX No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita ASC1010 COM-ERROR No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita ERR CAN No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita ERR LEARN 1) A temperatura do motor é superior àquela máxima prevista. 1) O terceiro parâmetro do nível de programação P1 foi desactivado (OFF). 2) Problema na cablagem 1) O código de identificação do Rolling FEEDER/MED não é correcto 2) Avaria no terminal SMART- Rolling FEEDER/MED ) Problema na cablagem 1) Falta de comunicação entre DSP principal e DSP célula de carregamento do sensor TS44/RF. Falta de comunicação entre os vários dispositivos. O dispositivo Rolling FEEDER/MED mensurou uma tensão muito baixa. 1) Verificar as condições de utilização do sistema. No caso não seja possível detectar a causa da anomalia entrar em contacto com o revendedor da BTSR (poderia ser necessário enviar o dispositivo para a sede da BTSR para uma revisão). a) Verificar a correcta programação dos parâmetros Rolling FEEDER/MED b) Verificar a correcta conexão das entradas P1-P2. c) Se, quando ocorre a ruptura do fio se acendem os leds vermelhos no dispositivo Rolling FEEDER/MED, verificar as conexões da máquina. Para verificar o funcionamento da saída de STOP do Rolling FEEDER/MED premer o botão "Control " que irá activar ambos os leds (dianteiro e traseiro); se isto não acontecer, entrar em contacto com o revendedor da BTSR (poderia ser necessário enviar o dispositivo à sede da BTSR para uma revisão). 1) Verificar que o parâmetro correspondente ao código de identificação (quarto parâmetro de P3.4) seja correcto; ao contrário, efectuar o processo de numeração mediante terminal SMART MATRIX ou configurar novamente o código de identificação directamente no dispositivo (parâmetro P3.4). 2) Verificar o funcionamento do terminal SMART MATRIX efectuando o processo de numeração conforme indicado no manual SMART MATRIX. 3) Verificar as várias conexões do dispositivo. 1) Resetar o alarme. Se o problema persistir, entrar em contacto com o revendedor BTSR. Controlar a conexão Rolling FEEDER/MED na placa INT Verificar se a configuração foi efectuada correctamente (por exemplo, se está configurado somente o Master 1). Verificar se o fio não está partido. Tensão de trabalho muito baixa em razão de um atrito excessivo. Remover as eventuais acumulações de sujidade e alinhar o dispositivo. Rolling FEEDER/MED

46 Solução dos Problemas e Manutenção Rolling FEEDER/MED Anomalie Cause Rimedi No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita ASC1010 EEP-ERROR No display do dispositivo Rolling FEEDER/MED aparece a escrita WATCHDOG 1) Perda dados de calibração. 1) Resetar o alarme. Se o problema persistir, entrar em contacto com o revendedor BSTR. 1) Reset interno do dispositivo. 1) Resetar o alarme. Se o problema persistir, entrar em contacto com o revendedor BSTR. Mesmo se o binário do dispositivo Rolling FEEDER/MED não é tal que possa provocar riscos para a incolumidade do operador, recomenda-se sempre bloquear o motor antes de efectuar qualquer intervenção no dispositivo (inserção bobina, etc.), para evitar partidas indesejadas do motor. Para bloquear o motor, é suficiente premer o botão no dispositivo Rolling FEEDER/MED e verificar se os LEDs vermelhos incorporados nos botões e no sensor de tensão TS44/RF acendem. No término da intervenção, premer novamente o botão e verificar se todos os LEDs vermelhos se apagam. Se a anomalia detectada não for incluída na tabela, é favor dirigir-se ao próprio revendedor da BTSR assinalando de forma pormenorizada o tipo de anomalia e as condições nas quais se verificou. No caso em que seja necessária a intervenção do Serviço Assistência Central da BTSR, antes de efectuar a chamada, aconselha-se de indicar o código impresso no dispositivo defeituoso, dado que esta indicação facilita a pesquisa pelos técnicos de assistência da BTSR. Exemplo: Código Dispositivo: Rolling FEEDER/MED Manutenção Ordinária Os dispositivos Rolling FEEDER/MED não necessitam de especiais operações de manutenção além da normal limpeza periódica, em função das condições do meio ambiente em que operam. Para as operações de limpeza, não utilizar solventes, mas exclusivamente um pano macio humedecido com detergente neutro ou álcool. Reparos Qualquer actividade de reparo dos dispositivos Rolling FEEDER/MED deve ser efectuada por pessoal especializado da BTSR. Eventuais tentativas de intervenção por pessoal não autorizado implicam o vencimento dos termos de garantia Rolling FEEDER/MED

47 DISTRIBUIDOR BTSR International S.p.A. Via S. Rita OLGIATE OLONA (VA) Tel Fax Internet: www/btsr.com REV /12

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador 24849402-04_09 ÍNDICE INFORMAÇÕES GERAIS.................................................................. Pag. 4 Características técnicas..............................................................................

Leia mais

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO. CONTROLADOR DE ACESSSO POR TECLADO NUMÉRICO Y CARTÃO RF Modelo YK-668 (resistente a humidade)

MANUAL DE PROGRAMAÇÃO. CONTROLADOR DE ACESSSO POR TECLADO NUMÉRICO Y CARTÃO RF Modelo YK-668 (resistente a humidade) Introdução MANUAL DE PROGRAMAÇÃO YK-688 CONTROLADOR DE ACESSSO POR TECLADO NUMÉRICO Y CARTÃO RF Modelo YK-668 (resistente a humidade) O YK-668 é um controlador de acesso para porta simples baseado um microcontroladores

Leia mais

MANUAL SENHA DIGITAL SUMÁRIO:

MANUAL SENHA DIGITAL SUMÁRIO: SUMÁRIO: APRESENTAÇÃO... 02 1- RECOMENDAÇÕES IMPORTANTES... 02 2- DESEMBALANDO O CONTROLE DE ACESSO... 02 3- ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS... 02 4- COMO INSTALAR... 03 5- EXEMPLO DE POSICIONAMENTO DO CONTROLE

Leia mais

- Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

- Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. Easy Servo Driver MANUAL Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. Sumário 1. LEGENDA DE PART-NUMBER...

Leia mais

Manual. Autonomus MANUAL DO INSTALADOR AUTONOMUS

Manual. Autonomus MANUAL DO INSTALADOR AUTONOMUS Manual Autonomus 1. Apresentação: A interface celular Pináculo AUTONOMUS dispõe de uma entrada para a conexão de linha telefônica convencional. Por utilizar um módulo celular GSM, ela dispensa o uso de

Leia mais

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia

Módulo FGM721. Controlador P7C - HI Tecnologia Automação Industrial Módulo Controlador P7C - HI Tecnologia 7C O conteúdo deste documento é parte do Manual do Usuário do controlador P7C da HI tecnologia (PMU10700100). A lista de verbetes consta na versão

Leia mais

Decibelímetro Modelo SL130

Decibelímetro Modelo SL130 Manual do Usuário Decibelímetro Modelo SL130 Introdução Parabéns pela sua compra do Decibelímetro SL130 Extech. Desenhado para montagem em parede, mesa, ou montagem em tripé, este medidor está de acordo

Leia mais

Orchid Telecom DX900. Guia do Utilizador

Orchid Telecom DX900. Guia do Utilizador Orchid Telecom DX900 Guia do Utilizador Índice Acessórios e conteúdo 2 Instalação 2 Montagem na parede 2 Características 3 Botões de função 4 Configurações do menu principal 7 Configurar 8 - Idioma 8 -

Leia mais

Teclado de Controle Manual do Usuário

Teclado de Controle Manual do Usuário Teclado de Controle Manual do Usuário Índice 1. PRECAUÇÕES DE SEGURANÇA...1 2. CARACTERÍSTICAS...2 2. LISTA DE ITENS DA EMBALAGEM...3 4. NOME E FUNÇÃO DE CADA PARTE...4 4.1 Painel Frontal...4 4.2 Painel

Leia mais

OMNI-3MD. Placa Controladora de 3 Motores. Disponível Biblioteca para Arduino. Manual de Hardware. Outubro de 2013

OMNI-3MD. Placa Controladora de 3 Motores. Disponível Biblioteca para Arduino. Manual de Hardware. Outubro de 2013 OMNI-3MD Placa Controladora de 3 Motores Disponível Biblioteca para Arduino Manual de Hardware Outubro de 2013 Copyright 2013, SAR - Soluções de Automação e Robótica, Lda. 1 1 Índice 1 Índice... 2 2 Especificações...

Leia mais

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A.

Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. WinREST Sensor Log A Restauração do Séc. XXI WinREST Sensor Log Copyright 2008 GrupoPIE Portugal, S.A. 2 WinREST Sensor Log Índice Índice Pag. 1. WinREST Sensor Log...5 1.1. Instalação (aplicação ou serviço)...6

Leia mais

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0.

Máx Unid Padrão. Mín 1 / 0.1 0/0 0/0 0/0 0/0 100 / 6.9 100 / 6.9 100 / 6.9 999 150.0 / 302 5.0/9 2 -50.0 / -58 0.1/1 1 / 0. PCT6 plus CONTROLADOR DIGITAL DE PRESSÃO PARA CENTRAIS DE REFRIGERAÇÃO Ver. PCT6VT74. DESCRIÇÃO O PCT6 plus é um controlador de pressão para ser utilizado em centrais de refrigeração que necessitem de

Leia mais

Software de aplicação Tebis

Software de aplicação Tebis 5 Software de aplicação Tebis TL304C V 1 x 4 entradas TL310A V 1 x 10 entradas TL302B V 1 x 2 entradas TL304B V 1 x 4 entradas Referência do produto TXA304 TXA310 TXB302 TXB304 Descrição Módulo 4 entradas

Leia mais

Manual de Instruções específicas

Manual de Instruções específicas Manual de Instruções específicas PT Instruções de instalação: PT Instruções para extracção do filtro anti-gordura Vidro desmontável superior Vidro desmontável 1) Fases para a extracção do vidro superior:

Leia mais

Conteúdo BIOTRONIC PLUS

Conteúdo BIOTRONIC PLUS 0 Conteúdo Manual de Instalação...3 RECURSOS DESTE RELÓGIO...5 1 - REGISTRANDO O ACESSO...7 1.1 Acesso através do sensor biométrico:...7 1.2 Acesso através de cartão de código de barras:...7 1.3 Acesso

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. Easy Servo Driver MANUAL Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. Sumário 1. LEGENDA DE PART-NUMBER...

Leia mais

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP16-4.2A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FP4-4 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FP4 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 4 zonas de detecção,

Leia mais

Siesta -CRX. Manual de Instruções Modelo Siesta - CRX RD Radiante Termostato programável piso Aquecimento Geração CorteX

Siesta -CRX. Manual de Instruções Modelo Siesta - CRX RD Radiante Termostato programável piso Aquecimento Geração CorteX Linha de produtos Siesta -CRX Manual de Instruções Modelo Siesta - CRX RD Radiante Termostato programável piso Aquecimento Geração CorteX Nova Programação Nova Ecrã Novo Coração Siesta - CRX RD Radiante

Leia mais

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br

R O B Ó T I C A. Sensor Smart. Seguidor de Linha. Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19. www.robouno.com.br R O B Ó T I C A Sensor Smart Seguidor de Linha Versão Hardware: 1.0 Versão Firmware: 2.0 REVISÃO 1211.19 Sensor Smart Seguidor de Linha 1. Introdução Os sensores seguidores de linha são sensores que detectam

Leia mais

QUADRO ELECTRÓNICO LRX 2150

QUADRO ELECTRÓNICO LRX 2150 QUADRO ELECTRÓNICO LRX 2150 Central electrónica monofásica, para a automatização de portões batentes com receptor rádio incorporado. - Mod. LG 2150 : Sem rádio Receptor - Mod. (LR 2150) : 306 Mhz. - Mod.

Leia mais

POL-100. Dispositivo de diagnóstico. Manual de utilizador. Verificação do loop analógico

POL-100. Dispositivo de diagnóstico. Manual de utilizador. Verificação do loop analógico Honeywell Life Safety Iberia C/Pau Vila, 15-19 08911 BADALONA (BARCELONA) Tel.: 93 497 39 60 Fax: 93 465 86 35 www.honeywelllifesafety.es Dispositivo de diagnóstico POL-100 Verificação do loop analógico

Leia mais

www.comatreleco.com.br R:Benjamim Constant, 56 Tel:(11) 2311-5682 contato@comatreleco.com.br

www.comatreleco.com.br R:Benjamim Constant, 56 Tel:(11) 2311-5682 contato@comatreleco.com.br Monitoramento de motores monofásico/trifásico MRU, MRI, MRM 1 Características Tensão de Alimentação UC12-48V ou UC110-240V Contato Reversível Entradas de medição separadas galvanicamente da alimentação

Leia mais

Biblioteca de aplicações

Biblioteca de aplicações Biblioteca de aplicações Observação: as descrições que se seguem mostram as ligações que permitem aceder à aplicação correspondente. Se o software Zelio Soft 2 estiver instalado, clique uma vez na ligação

Leia mais

- PD64 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DE OPERAÇÃO PD64

- PD64 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO MANUAL DE OPERAÇÃO PD64 - PD64 PROGRAMADOR DE PARISON MANUAL DO USUÁRIO 01 SEÇÃO INDICE PÁGINA 1. Apresentação 04 2. Descrição geral do Programador de Parison 04 a 06 2.1. Funcionamento 04 2.2. Controle de Precisão 05 2.3. Programa.

Leia mais

Central Analógica Endereçável GST200 - Manual do utilizador - MANUAL DO UTILIZADOR

Central Analógica Endereçável GST200 - Manual do utilizador - MANUAL DO UTILIZADOR MANUAL DO UTILIZADOR 1 Índice Índice... 2 1. GST200 Estrutura e configuração do painel de controlo... 3 1.1.Descrição da estrutura interna e configuração típica... 3 1.2. Estrutura do painel frontal da

Leia mais

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev

CONFORTO COM SEGURANÇA CONFORTO COM SEGURANÇA. 0 P27070 - Rev P27070 - Rev. 0 1. RESTRIÇÕES DE FUNCIONAMENTO RECEPTOR IP ÍNDICE 1. Restrições de Funcionamento... 03 2. Receptor IP... 03 3. Inicialização do Software... 03 4. Aba Eventos... 04 4.1. Botão Contas...

Leia mais

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC. Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO CENTRAL DETECÇÃO INCÊNDIO YAZIC Modelo FAP2 2 Zonas Programáveis MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Introdução A FAP2 é uma Central de Detecção de Incêndio Convencional, equipada com 2 zonas de detecção,

Leia mais

3. Painel de Controle

3. Painel de Controle 3. Painel de Controle Esse capítulo descreve botões de operações com os fluxogramas do menu da Jaguar III. Quando a ploter de recorte estiver pronta para o uso como descrito nos capítulos 1 e 2, todas

Leia mais

Duplo Indicador de Temperatura com Alarme T204i/2T0-AL HNI Cód. 90.506.0082

Duplo Indicador de Temperatura com Alarme T204i/2T0-AL HNI Cód. 90.506.0082 MANUAL DE OPERAÇÃO Duplo Indicador de Temperatura com Alarme T204i/2T0-AL HNI Cód. 90.506.0082 Programa Executivo: T204AP_2T0AL Modelos: 220VAC, 127VAC e 24VAC. 40.000.0181 Rev. A maio 2011. ÍNDICE 1.

Leia mais

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final)

CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) 1 - INTRODUÇÃO: CENTRAL DE ALARME DE INCÊNDIO MULTIPLEX Série AIM48 (Final) Trata-se de uma sistema de alarme de incêndio para utilização onde há somente acionadores manuais e sirenes convencionais, não

Leia mais

Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD

Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD Transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-LCD TRANSMISSOR DE TEMPERATURA E UMIDADE MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.0x B 1 INTRODUÇÃO Os transmissores RHT-WM-485-LCD, RHT-DM-485-LCD e RHT-P10-485-

Leia mais

DRIVER MOTOR DE PASSO AKDMPD8/220

DRIVER MOTOR DE PASSO AKDMPD8/220 DRIVER MOTOR DE PASSO AKDMPD8/220 D8/220-8.2A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMPD8/220-8.2A Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva

Leia mais

Atenção: Consulte o manual antes de trabalhar com o medidor.

Atenção: Consulte o manual antes de trabalhar com o medidor. MEDIDOR DIGITAL DE RESISTÊNCIA DE TERRA MODELO: ST-5300 / ST-5300A O comprovador digital de resistência de terra vem mudar o gerador de mão convencional usado actualmente para fazer estas verificações.

Leia mais

Conect. Senha. Manual de Instalação Controle de Acesso C203702R3

Conect. Senha. Manual de Instalação Controle de Acesso C203702R3 Conect Senha C203702R3 Manual de Instalação Controle de Acesso : 1 - Antes de Começar...01 2 - Características Gerais... 02 3 - O Teclado... 03 4 - Instalação... 04 5 - Sinalização Audível... 05 6 - Sinalização

Leia mais

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master)

Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Tutorial 122 CP DUO Inversor WEG (RS485 Protocolo MODBUS - DUO Master) Este documento é propriedade da ALTUS Sistemas de Informática S.A., não podendo ser reproduzido sem seu prévio consentimento. Altus

Leia mais

Segurança 24, Lda VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR

Segurança 24, Lda VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR VIDEOGRAVADOR DIGITAL EM DISCO DURO TRANSMISOR POR TCP-IP SERVIDOR WEB MANUAL DO UTILIZADOR Capítulo 4 Guia Básico de Operação 4.1 Ligar o DVR Nota: Certifique-se que liga correctamente os conectores de

Leia mais

PT MANUAL UTILIZADOR. Manual do utilizador da aplicação ComelitViP Remote 3.0 para dispositivos. Passion.Technology.Design.

PT MANUAL UTILIZADOR. Manual do utilizador da aplicação ComelitViP Remote 3.0 para dispositivos. Passion.Technology.Design. PT MANUAL UTILIZADOR Manual do utilizador da aplicação ComelitViP Remote.0 para dispositivos Passion.Technology.Design. Índice Instalação... Configuração automática da administração de apartamento... 4

Leia mais

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A

MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A MANUAL DRIVE PARA MOTOR DE PASSO MODELO AKDMP5-5.0A V01R12 Atenção: - Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. - A Akiyama Tecnologia se reserva no direito de fazer alterações sem aviso

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Sistema de Controlo de Acessos RACS PR301 v2.1 Controlador de acesso com leitor e teclado integrado MANUAL DE INSTALAÇÃO E PROGRAMAÇÃO Página 0 Conteúdo Introdução... 2 Melhorias e modificações na versão

Leia mais

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input.

Manual do instalador Box Input Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Input. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para detecção de acionamentos e monitoração de sensores. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. Possui seis entradas digitais optoacopladas com indicação de

Leia mais

INFORMATIVO DE PRODUTO

INFORMATIVO DE PRODUTO Temporizador Automático / Relógio Programador de Horário Para Acionamento Automático de Sirenes e Outros Equipamentos Código: AFKITPROG 2 O REGISTRADOR ELETRÔNICO DE PONTO REP O Relógio Acionador Automático

Leia mais

Nota! Características gerais. Instalação

Nota! Características gerais. Instalação P26138 - Rev. 0 Índice Características gerais... 4 Instalação... 4 Programação... 7 Cadastro dos números telefônicos... 7 Programando um número telefônico... 8 Apagando um número telefônico... 9 Testando

Leia mais

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006

SOLUTION. Painel Convencional de Alarme de Incêndio. SOLUTION - Sistema de Detecção e Alarme de Incêndio. Revisão 1.1 Maio de 2006 SOLUTION Painel Convencional de Alarme de Incêndio TABELA DE CONTEÚDO Capitulo 1: Descrição do Produto... 2 1.1: Características...2 1.2: Especificações...2 Capitulo 2: Lógica de Detecção e Alarme de Incêndios...

Leia mais

a ATENÇÃO O instalador está obrigado a respeitar todas as normas técnicas aplicáveis para garantir a segurança do sistema.

a ATENÇÃO O instalador está obrigado a respeitar todas as normas técnicas aplicáveis para garantir a segurança do sistema. Activação do Antigelo O parâmetro AFR U2 (anti frost) permite activar ou desactivar a função de antigelo. O gerenciamento dos dados do antigelo se efectua pelos parâmetros do usuário. PRESSIONAR A TECLA

Leia mais

DCD DCD 100 - (AU02100) DCD 200 - (AU02124) Teclado INSTRUÇÕES PARA A INSTALAÇÃO

DCD DCD 100 - (AU02100) DCD 200 - (AU02124) Teclado INSTRUÇÕES PARA A INSTALAÇÃO DCD DCD 100 - (AU02100) DCD 200 - (AU02124) Teclado INSTRUÇÕES ARA A INSTALAÇÃO 2 DCD Este produto foi testado em Gi.Bi.Di. verificando a correspondência perfeita das características ao normas vigentes.

Leia mais

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação

Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Central de Detecção de Incêndio 4 Zonas Manual de Instalação Características Quatro zonas com capacidade de teste/isolamento. Dois circuitos de alarme com possibilidade de isolamento. Fonte de alimentação

Leia mais

Manual de instalação e operação

Manual de instalação e operação Manual de instalação e operação Central de alarme de incêndio endereçável INC 2000 Central de alarme de incêndio INC 2000 Parabéns, você acaba de adquirir um produto com a qualidade e segurança Engesul.

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03

MANUAL DE INSTRUÇÕES Indicador Microprocessado - IT-IND-2S-LC INFORMAÇÕES DO PRODUTO. Versão: 1.xx / Rev. 03 1 Introdução: Os indicadores possuem uma entrada analógica configurável por software, que permite a conexão de diverstos tipos de sensores de temperatura e outras grandezas elétricas sem a necessidade

Leia mais

Software de aplicação Tebis

Software de aplicação Tebis Software de aplicação Tebis A faire Módulo 4-6-8-10 saídas ON/OFF Características elétricas/mecânicas: Ver manual do produto Referência do produto Designação do produto Ref. software de aplicação Produto

Leia mais

MANUAL DE INSTRUÇÕES

MANUAL DE INSTRUÇÕES MANUAL DE INSTRUÇÕES www.esxxi.pt Departamento Técnico Instruções de Utilização Avançadas A seguir é apresentado a descrição e significado das luzes do teclado: ALARM: Sempre que o sistema tenha gerado

Leia mais

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio.

MANUAL. Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 1 P/N: AKDMP5-1.7A DRIVER PARA MOTOR DE PASSO MANUAL ATENÇÃO Leia cuidadosamente este manual antes de ligar o Driver. A Neoyama Automação se reserva no direito de fazer alterações sem aviso prévio. 2 SUMÁRIO

Leia mais

Alarme Aquecimento Quarto Sala Cozinha Garagem Presente Param. Mensagem

Alarme Aquecimento Quarto Sala Cozinha Garagem Presente Param. Mensagem Minha habitação Aplicação para telemóvel Manual de instalação e utilização PT Alarme Aquecimento Quarto Sala Cozinha Garagem Presente Mensagem Índice 1- Apresentação...............................................3

Leia mais

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Objetivo: Teste da curva do elemento de sobrecarga

INSTRUMENTOS PARA TESTES ELÉTRICOS Tutorial de Teste. Objetivo: Teste da curva do elemento de sobrecarga Tutorial de Teste Tipo de Equipamento: Relé de Proteção Marca: ABB Modelo: SPAM 150 C Funções: 49 ou PTTR - Sobrecarga Térmica Ferramenta Utilizada: CE-6003 & CE-6006 Objetivo: Teste da curva do elemento

Leia mais

Permite a acumulação de valores, zeramento e auto calibração. Não perdem os valores acumulados por ocasião das quedas de energia.

Permite a acumulação de valores, zeramento e auto calibração. Não perdem os valores acumulados por ocasião das quedas de energia. Contador Digital de Eventos Série ZCE-S Descrição do Produto Equipamento microprocessado que permite conexão com dispositivos geradores de pulsos (encoders lineares ou rotativos, sensores ópticos, indutivos

Leia mais

VÁLVULA PROPORCIONAL DE REGULAÇÃO DE PRESSÃO ELECTRÓNICA DIGITAL SENTRONIC D. P302-PT-R4a

VÁLVULA PROPORCIONAL DE REGULAÇÃO DE PRESSÃO ELECTRÓNICA DIGITAL SENTRONIC D. P302-PT-R4a VÁLVULA PROPORCIONAL DE REGULAÇÃO DE PRESSÃO ELECTRÓNICA DIGITAL SENTRONIC D P02-PT-R4a Série 608 / 609 REGULAÇÃO DA PRESSÃO SENTRONIC D: Uma nova geração de reguladores electrónicos de pressão, de controlo

Leia mais

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330.

BLOCKGAS. Sistema de Monitoração e Alarme de vazamento de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás SB330. Este módulo é parte integrante do sistema de detecção de gás. É composto por um circuito inteligente (microcontrolado) que recebe o sinal gerado por um sensor eletrônico de gás, processa sua calibração

Leia mais

Registrador de Dados de Umidade e Temperatura

Registrador de Dados de Umidade e Temperatura Guia do Usuário Registrador de Dados de Umidade e Temperatura Modelo RHT Introdução Parabéns pela sua compra do registrador de dados de Temperatura e Umidade. Com este medidor, você pode monitorar e registrar

Leia mais

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01

SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUPERVISOR ELETRÔNICO PARA POSTOS DE SEGURANÇA RCP-2000 MANUAL DE INSTALAÇÃO / OPERAÇÃO REV. 08/01 SUMÁRIO CONTROLADOR DE PORTARIA RCP-2000...1 A) O EQUIPAMENTO RCP-2000... 1 A.1 CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS...

Leia mais

SC-06 Controle de Acesso Stand-Alone Proximidade + Teclado. Manual de Instalação e Usuário

SC-06 Controle de Acesso Stand-Alone Proximidade + Teclado. Manual de Instalação e Usuário SC-06 Controle de Acesso Stand-Alone Proximidade + Teclado Manual de Instalação e Usuário 1. Introdução O SC-06 não é apenas um controlador comum integrando leitor de proximidade e teclado, mas sim um

Leia mais

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5

ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5 ÍNDICE APRESENTAÇÃO... 3 DESEMBALAGEM... 3 ESPECIFICAÇÕES... 4 CONEXÕES... 5 OPERAÇÃO... 7 LIGANDO O MEDIDOR... 8 REALIZANDO AS PRIMEIRAS MEDIDAS... 8 FUNÇÕES ESPECIAIS... 8 CONFIGURAÇÃO... 10 CICLO DE

Leia mais

Guia do Usuário. Luxímetro Registrador de Dados com Interface para PC. Modelo HD450

Guia do Usuário. Luxímetro Registrador de Dados com Interface para PC. Modelo HD450 Guia do Usuário Luxímetro Registrador de Dados com Interface para PC Modelo HD450 Introdução Parabéns pela sua compra do Luxímetro Digital Extech HD450. O HD450 mede a iluminância em Lux e Foot candles

Leia mais

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM

GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM 1. RESUMO GUIA DE LABORATÓRIO LABORATÓRIO 2 LEI DE OHM Validação, por parte dos alunos, da expressão R = ρ RLApara o cálculo da resistência de um condutor cilíndrico. Determinação da resistência total

Leia mais

CCI.Cam. Monitorização visual da máquina. Manual de instruções. Referência: CCI.Cam v3

CCI.Cam. Monitorização visual da máquina. Manual de instruções. Referência: CCI.Cam v3 CCI.Cam Monitorização visual da máquina Manual de instruções Referência: CCI.Cam v3 Introdução Copyright 2012 Copyright by Competence Center ISOBUS e.v. Zum Gruthügel 8 D-49134 Wallenhorst Número da versão:

Leia mais

PRO V2 A-105. Manuel (PT)

PRO V2 A-105. Manuel (PT) PRO V2 A-105 Manuel (PT) 2 PRO V2 A-105 Conexão dos captores Parte traseira: Magnético/Infra-vermelhos Temperatura 1 Pilha (Tipo: CR2450) RPM (Alta sensibilidade) RPM (Normal) Para substituir a pilha 3

Leia mais

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento

GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante com dois sensores Instruções de instalação e funcionamento Labkotec Oy Myllyhaantie 6 FI-33960 PIRKKALA FINLAND Tel: + 358 29 006 260 Fax: + 358 29 006 1260 19.1.2015 Internet: www.labkotec.fi 1/12 GA-2 Dispositivo de Alarme de Separador de Massa Lubrificante

Leia mais

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine

Manual. Controle de motores via Bluetooth. William Trevine A Manual Controle de motores via Bluetooth 1 William Trevine Sumário 1 Introdução... 4 2 Características... 5 3 Instalação... 6 3.1 Alimentação... 7 3.2 Motores... 8 3.3 Liga e desliga... 9 3.4 Saídas

Leia mais

Manual de instrução e instalação VECTRA EX 204. Versão: 00.2010 ou 00.2010T

Manual de instrução e instalação VECTRA EX 204. Versão: 00.2010 ou 00.2010T Manual de instrução e instalação VECTRA EX 204 Versão: 00.2010 ou 00.2010T SUMÁRIO Introdução... 3 Instalação... 4 Configuração... 4 O software... 5 Número da Receptora... 6 Aviso Sonoro... 7 Hora... 8

Leia mais

HOME. Fechadura electrónica. Manual Instruções. Máxima segurança. Muito fácil de usar. www.burg.biz

HOME. Fechadura electrónica. Manual Instruções. Máxima segurança. Muito fácil de usar. www.burg.biz Fechadura electrónica HOME Máxima segurança. Muito fácil de usar. BA/MA TSE Set 4001 dp/mri/dn 02/2013 Manual Instruções BURG-WÄCHTER KG Altenhofer Weg 15 58300 Wetter Germany www.burg.biz Estrutura Símbolos

Leia mais

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ.

3.1.6 Entradas digitais Quantidade: 8. Tipo: NPN / PNP conforme configuração, dividida em 2 grupos de 4 entradas. Impedância de entrada: 8.8KΩ. 8 Tecla Cancelar. Utilizado para retorno de nível de programação. 9 Tecla Enter. Utilizado para acessar programação. Obs.: Todas as teclas podem ser utilizadas no diagrama Ladder. 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

Leia mais

Estes módulos estão disponível para: DST4602, GCXXX DST4601PX

Estes módulos estão disponível para: DST4602, GCXXX DST4601PX DITHERM, DIGRIN, DIVIT são módulos eletrônicos microprocessados que permitem expandir as entradas analógicas de vários controladores SICES para grupos geradores. Mais concretamente: O módulo DITHERM permite

Leia mais

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO

HUMITECH 1. DESCRIÇÃO PARA RESFRIAMENTO EVAPORATIVO TEMPER UMIDADE 1. DESCRIÇÃO Controlador microprocessado de alta performance, o Humitech aplica-se em conjunto a sistemas de resfriamento evaporativo para conforto térmico

Leia mais

Acessórios SUNNY MATRIX ADMIN TOOL

Acessórios SUNNY MATRIX ADMIN TOOL Acessórios SUNNY MATRIX ADMIN TOOL Instruções de serviço MatrixAdmin-BPT100510 Versão 1.0 PT Índice SMA Solar Technology AG Índice 1 Indicações relativas ao presente manual............. 3 1.1 Objectivo..........................................

Leia mais

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides

1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides 1.3 Conectando a rede de alimentação das válvulas solenóides CONTROLE DE FLUSHING AUTOMÁTICO LCF 12 Modo Periódico e Horário www.lubing.com.br (19) 3583-6929 DESCALVADO SP 1. Instalação O equipamento deve

Leia mais

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240

MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 MANUAL DE INSTALAÇÃO ST240 SUMÁRIO Descrição do Rastreador ST-240... 03 Descrição das entradas e saídas... 03 Led indicador GPS - Vermelho... 04 Led indicador GPRS - Azul... 04 Dicas de instalação... 05

Leia mais

1 Indicações de segurança

1 Indicações de segurança KNX actuador persianas 4 canais DC 12-48 V KNX actuador persianas 2 canais AC 230 V, 1 canal DC 12-48 V KNX actuador persianas 4 canais AC 230 V, 2 canais DC 12-48 V KNX actuador persianas 8 canais AC

Leia mais

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL

SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL SISTEMA DE TREINAMENTO EM CONTROLADOR LÓGICO PROGRAMÁVEL MODELO: CARACTERÍSTICAS 32 Pontos de Entrada / 32 Pontos de Saída. 3 Módulos Básicos: Controlador de Entrada, Simulador de Saída, Contador & Simulador

Leia mais

Guia do Usuário. Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500

Guia do Usuário. Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500 Guia do Usuário Higrotermômetro e Registrador de Dados Modelo SD500 Introdução Parabéns pela sua compra do Registrador de dados de Temperatura/Umidade Extech SD500. Este aparelho mede, exibe e armazena

Leia mais

Transmissor RHT-WM-485-LCD e Transmissor RHT-DM-485-LCD

Transmissor RHT-WM-485-LCD e Transmissor RHT-DM-485-LCD Transmissor RHT-WM-485-LCD e Transmissor RHT-DM-485-LCD TRANSMISSOR DE TEMPERATURA E UMIDADE - MANUAL DE INSTRUÇÕES V1.0x A 1 INTRODUÇÃO Os transmissores RHT-WM-485-LCD e RHT-DM-485-LCD incorporam sensores

Leia mais

Controlo de acessos em rede

Controlo de acessos em rede Manual do software Controlo de acessos em rede Access (Versão do software: 1.0.2) (Versão do documento: 1.0.9) Para mais informação, visite o nosso website: www.simonalert.com Página - 1 - Para mais informação,

Leia mais

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções

www.vwsolucoes.com Copyright 2012 VW Soluções 1 Apresentação O Cabo PicKit2 é uma versão simplificada do gravador PicKit2 da Microchip com a idéia de podermos substituir o microcontrolador dos Clp Pic 28 e/ou Clp Pic40 por outros com maiores capacidades

Leia mais

Função visualizar cartão de memória

Função visualizar cartão de memória Manual de utilizador Função visualizar cartão de memória Este é o manual da função visualizar cartão de memória. Leia este manual atentamente antes de operar com a função visualizar cartão de memória.

Leia mais

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL

SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL SISTEMA DE MONITORAMENTO DIGITAL Módulos para automação Características gerais - Processamento independente - Possui alerta sonoro e luminoso de falta de conexão - Não precisa ser configurado (Plug and

Leia mais

1 Indicações de segurança

1 Indicações de segurança Actuador regulador universal 1 canal, 50-210 W com entrada binária N.º art. 3210 UP Manual de instruções 1 Indicações de segurança A instalação e a montagem de aparelhos eléctricos apenas devem ser realizadas

Leia mais

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS

3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3. CARACTERÍSTICAS TÉCNICAS 3.2 CARACTERÍSTICAS DE SOFTWARE 1. CARACTERÍSTICAS O CLG535R é um controlador programável que integra os principais recursos empregados em uma automação industrial. Dispõe integrado

Leia mais

GRAVADOR VÍDEO 4CH MANUAL DO UTILIZADOR QANDA MOD. TA-412

GRAVADOR VÍDEO 4CH MANUAL DO UTILIZADOR QANDA MOD. TA-412 GRAVADOR VÍDEO 4CH MANUAL DO UTILIZADOR QANDA MOD. TA-412 1 INDEX 1.CARACTERISTICAS... 3 INSTALAÇÃO... 5 PAINEL TRASEIRO... 5 PAINEL FRONTAL... 6 MANUAL DE OPERAÇÃO (MENU PRINCIPAL)... 7 AJUSTE DO SISTEMA...

Leia mais

Manômetros de Pressão Diferencial

Manômetros de Pressão Diferencial GUIA DO USUÁRIO Manômetros de Pressão Diferencial Modelo PS101, PS106 e PS115 Introdução Parabéns pela compra do Manômetro de Pressão Diferencial Extech SO Série 100. Estes manômetros medem a pressão aferida

Leia mais

INDICE. TPW- ZATC - ZQHC guia de usuário 2

INDICE. TPW- ZATC - ZQHC guia de usuário 2 1 INDICE 1. INTRODUÇÃO...3 2. ESPECIFICAÇÕES...3 2.1 TPW...3 2.2 ESPECIFICAÇÕES COMUNS...3 3. INSTALAÇÃO...4 3.1. Instalação geral...4 3.2. Instalação dos modelos TPW...4 4. DESCRIÇÃO...4 5. DISPLAYS...5

Leia mais

CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N

CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N CONTROLE DE ACESSO Modelo PP-360/N Imagem Ilustrativa Características: 1. Leitura de 125 khz do cartão de proximidade com o EM chip acoplado internamente para o modelo padrão. 2. Os parâmetros do sistema

Leia mais

Manual de utilizador. Função Memory Viewer. Índice

Manual de utilizador. Função Memory Viewer. Índice Manual de utilizador Função Memory Viewer Este é o manual da função Memory Viewer. Leia este manual atentamente antes de operar com a função Memory Viewer. Primeiro, leia o manual de utilizador do projector

Leia mais

Indicador Digital Processos MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional. ABB Automação.

Indicador Digital Processos MODO DE USO. Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional. ABB Automação. Indicador Digital Processos MODO DE USO Dados Técnicos Conexões elétricas Utilização do teclado Dimensional ABB Automação Hartmann & Braun Dados Técnicos (NRB5180) Entrada -mvdc: -Vdc -madc Alimentação

Leia mais

Mixer KIKO Gerenciador de áudio MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO NLL-4C LEIA ESTE MANUAL ANTES DE USAR O MIXER.

Mixer KIKO Gerenciador de áudio MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO NLL-4C LEIA ESTE MANUAL ANTES DE USAR O MIXER. Mixer KIKO Gerenciador de áudio NLL-4C MANUAL DE INSTALAÇÃO E OPERAÇÃO LEIA ESTE MANUAL ANTES DE USAR O MIXER. O Mixer KIKO, fabricado pela Eletroleve, centraliza os controles de volumes dos áudios que

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

MANUAL DE OPERAÇÃO DO PROGRAMADOR DE ALARMES MOD. EB-14

MANUAL DE OPERAÇÃO DO PROGRAMADOR DE ALARMES MOD. EB-14 MANUAL DE OPERAÇÃO DO PROGRAMADOR DE ALARMES MOD. EB-14 EBEST COM. DE PROD. ELETRÔNICOS LTDA http://www.ebest-eng.com.br ebest-eng@uol.com.br Av. Otávio Braga de Mesquita, 1299, 2 andar SL 7 GUARULHOS

Leia mais

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC.

Manual do instalador Box Output AC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output AC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente alternada 110/220V. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

Introdução ao Laboratório

Introdução ao Laboratório SISTEMAS DIGITAIS LEIC-T, LERC, LEE Ano lectivo de 2012/2013 Trab0 Introdução ao Laboratório 1 Introdução O objectivo deste trabalho de laboratório é efectuar a adaptação ao ambiente do laboratório da

Leia mais

Guia do Usuário. Fotômetro para serviços pesados com Interface com PC. Modelo HD400

Guia do Usuário. Fotômetro para serviços pesados com Interface com PC. Modelo HD400 Guia do Usuário Fotômetro para serviços pesados com Interface com PC Modelo HD400 Introdução Parabéns pela sua compra desse Medidor de Luz Extech HD400 Digital. O HD400 mede a iluminância em Lux e Fc (Foot-candle

Leia mais

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC.

Manual do instalador Box Output DC Rev. 0.01.000. Figura 01 Apresentação do Box Output DC. Pág. 1/10 Apresentação Equipamento para acionamento de cargas em corrente contínua. Comunicação com outros dispositivos por rede CAN. 6 entradas digitais para acionamento local ou remoto. 6 entradas/saídas

Leia mais

PAINEL DE ALARME VERSÃO 01

PAINEL DE ALARME VERSÃO 01 PAINEL DE ALARME VERSÃO 01 1. CARACTERÍSTICAS GERAIS 8 Zonas duplas programáveis, mais 1 zona por teclado; 4 Teclados endereçáveis com programações independentes; 95 usuários, 3 usuários temporários, além

Leia mais