INSTRUCOES DE USO SORO CONTROLE LIOFILIZADO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "INSTRUCOES DE USO SORO CONTROLE LIOFILIZADO"

Transcrição

1 INSTRUCOES DE USO SORO CONTROLE LIOFILIZADO UTILIZACAO: CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE EM SOROLOGIA- CIQ INTRODUCAO Os soros para Controle Interno da Qualidade, denominados PAINEL MASTER, foram desenvolvidos procurando atender às necessidades dos laboratórios de sorologia para a manutenção dos padrões de qualidade interna. É importante que os laboratórios de sorologia utilizem soros controles internos, em cada procedimento, além daqueles fornecidos habitualmente pelos produtores de kits. Os PAINEIS MASTER REAGENTES e NAO REAGENTE auxiliam os laboratórios a monitorar a qualidade dos resultados obtidos pelas diversas técnicas utilizadas, tanto no dia a dia, quanto nas mudanças dos lotes de kits e reagentes. São diferentes dos controles dos kits e devem ser utilizados, diariamente, na rotina para validar as reações. Este lote de soro controle será distribuído durante cerca de um ano para os laboratórios participantes, com determina a norma internacional para funcionamento do controle interno da qualidade. FUNDAMENTO O PAINEL MASTER corresponde a um pool de soros Reagentes e Não Reagentes para os parâmetros de uso obrigatório na triagem sorológica, em serviços de hemoterapia conforme RDC ANVISA nº 57 de 16 de dezembro de Devido ao grande número de reagentes(kits de diagnósticos) existente no mercado nacional e levando em consideração que nem sempre esses kits apresentam a mesma reatividade, passamos a produzir três modalidades de MASTER Reagente MR01=HIV, HTLV, HCV, anti-hbc e AgHBs, MR02=Chagas e MR03=Sífilis, cada um deles com composição diferente. APRESENTACAO PAINEL MASTER REAGENTE 01 - MR01 9 frascos contendo soro liofilizado com 5mL cada. PAINEL MASTER REAGENTE 02 - MR02 2 frascos contendo soro liofilizado com 5mL cada. PAINEL MASTER REAGENTE 03 - MR03 4 frascos contendo soro liofilizado com 2mL cada. PAINEL MASTER NAO REAGENTE - MNR 9 frascos contendo soro liofilizado com 5mL cada Tanto os PAINEIS MASTER REAGENTES quanto o PAINEL MASTER NAO REAGENTE estão liofilizados e após reconstituição estão prontos para uso e deverão ser processados da mesma forma que as amostras da rotina de seu laboratório. VALIDAÇÃO Na preparação e validação dos Painéis Máster, o PNCQ testou os reagentes relacionados, com o soro puro e com duas diluições (1/4 e 1/10) para servir de referência para os participantes selecionar qual o material apresenta a melhor reatividade para o reagente utilizado. CONSERVACAO E ESTABILIDADE As datas de fabricação e validade aparecem no rótulo do frasco. Não utilizar componentes cuja data de validade tenha expirado. Os soros controles depois de reconstituídos com água reagente são estáveis quando armazenados entre +2 e +8ºC durante 21 dias ou durante 6 meses entre -18ºC e -22ºC, ou menos. Antes de serem abertos, os soros podem ser transportados em temperatura ambiente por até 10 dias, sem perda de suas características iniciais.

2 RECONSTITUICAO DO SORO LIOFILIZADO 1. Reconstituir o material com o volume de água reagente indicado no rótulo. 2. Rasgar o lacre de alumínio e destampar a rolha de borracha, evitando a perda de algum material que tenha fixado na mesma; 3. Com o auxilio de uma pipeta volumétrica adicionar água reagente, no volume indicado no rótulo; 4. Tampar o frasco com a tampa de borracha, agitar por inversão, lentamente, sem provocar espuma e deixar descansar em temperatura ambiente por 30 minutos; 5. A cada 10 minutos inverter o frasco e agitar delicadamente para que haja completa dissolução; 6. Homogeneizar o material antes de sua utilização evitando a formação de espuma. PRECAUCOES DE BIOSSEGURANCA 1. Material utilizado somente para uso diagnóstico in vitro; 2. Evitar contaminação microbiana dos soros e não utilizá-los se houver sinais de contaminação; 3. Por ser um material potencialmente infectante devem ser seguidas as normas de biossegurança. 4. Para o descarte seguro dos soros, atender as recomendações normativas locais, estaduais ou federais; 5. As amostras-controle devem ser processadas da mesma forma que as amostras da rotina do laboratório; 6. Usar equipamentos de proteção individual (luvas, avental, máscara ou visor); 7. Não pipetar com a boca; 8. Em caso de acidente com derramamento, limpar o local com detergente e hipoclorito de sódio a 5%; 9. Autoclavar todos os materiais contaminados a 121ºC por 30 minutos, antes de descartá-los; 10. Evitar congelar e descongelar os soros muitas vezes; 11. Não comer, beber ou fumar no laboratório; 12. Não utilizar os soros após a data de vencimento. RECOMENDACOES SOBRE O USO DO SORO CONTROLE LIQUIDO 1. Retirar da geladeira ou congelar e deixar em repouso no meio ambiente até estabilizar a temperatura; 2. Homogeneizar o conteúdo dos frascos invertendo-os, várias vezes, antes do uso. Caso seja necessário, centrifugá-los; 3. Após a padronização distribuir em alíquotas com volume suficiente para utilização na rotina diária e conservá-las em freezer (entre -18ºC e 22ªC); 4. O soro controle deve ser processado da mesma forma que as amostras a serem analisadas. PAINEL MASTER REAGENTE PURO- MR (01-03) 1. Para métodos sandwich apresenta leituras que correspondem a uma relação DO/CO > 1,0 (faixa recomendada: 2,0 a 4,5). 2. Para métodos competitivos apresenta leituras que correspondem a uma relação DO/CO < 1.0 (faixa recomendada 0,3 0,7) 3. Para métodos de Floculação (VDRL e RPR) o título encontrado deve ser igual ou maior que 1/4 e igual ou maior que 1/40 para métodos de Hemoaglutinação. Padronização 1a ETAPA: Verificação Inicial 1. Antes de iniciar o Controle Interno da Qualidade com o uso dos Painéis MASTER, recomendamos que fosse feita uma avaliação inicial da reatividade dos mesmos, frente às metodologias e reagentes utilizados em seu laboratório. Para isso sugerimos os itens a seguir;

3 2. Realizar um ensaio do PAINEL MASTER NAO REAGENTE e dos PAINEIS MASTER REAGENTES PURO (MR01 a MR03), em cada um dos testes utilizados no laboratório; 3. Colocar os resultados obtidos na tabela em anexo; 4. Avaliar os resultados de acordo com a faixa de reatividade estipulada pelo laboratório; 5. Caso algum dos PAINEIS MASTER não apresente relação DO/CO adequada (dentro da faixa estabelecida), o laboratório poderá realizar a diluição do material fornecido a fim de se alcançar o valor desejado; 6. A diluição poderá ser feita com solução salina ou algum soro não reagente para o parâmetro que se deseja ajustar; 7. A tabela com os resultados encontrados pelo PNCQ com os diversos reagentes utilizados e respectivas diluições se encontra no Anexo I. 2a ETAPA: Padronização e elaboração do gráfico de Levey-Jennings 1. Após a escolha do PAINEL MASTER REAGENTE PURO ou ter realizado uma das diluições a serem utilizadas em cada teste, acessar no site do PNCQ o link PRO-IN EM TEMPO REAL, selecione o seu método/reagente; 2. Se o seu método reagente já tiver sido usado na caracterização, a relação DO/CO encontrados já está inserida e existe um gráfico de Levey Jennings com estes dados; 3. Insira a relação DP/CO do seu teste, de cada analito; 4. Imediatamente o programa realiza os cálculos e sua média, desvio padrão(dp) e coeficiente de variação(cv%) estarão visíveis, assim como os dos outros serviços que utilizam o mesmo método/reagente; 5. No caso de você estiver utilizando um método/reagente que não exista outro participante, aparecerá somente o seu resultado no Gráfico de Levey Jennings. Observação: No caso de não querer utilizar o Gráfico de Levey Jennings disponível no PRO-IN EM TEMPO REAL, deverão ser realizados os cálculos de 20 determinações em dias diferentes( 4 a 5 por dia) elaborado os gráficos em papel ou eletronicamente, para que possa ficar registrada a realização do Controle Interno da Qualidade. Nestes cálculos das 20 replicatas devem ser excluídos quaisquer valores discrepantes (Outlier). Sugerimos utilizar o teste de Grubbs. Os valores obtidos da média e DP serão utilizados para construir o Gráfico de Levey Jennings. É importante lembrar que para cada metodologia devem ser construídos dois gráficos de Levey- Jennings: um para o MNR e outro para o MR. Observação: Para métodos de floculação (VDRL e RPR) e hemoaglutinação, o valor de referência, para o Gráfico de Levey Jennings deve ser o título médio encontrado na padronização ± um título. 3a ETAPA: Utilização dos PAINEIS MASTER na rotina diária 1. Em cada série de ensaios realizada em seu laboratório, para cada parâmetro, deverá ser incluída uma amostra do MNR e do MR escolhido. 2. Os resultados obtidos com MNR e com o MR, para cada metodologia, deverão ser inseridos nos gráficos de Levey-Jennings construídos para essa metodologia, como especificado acima. 3. Em condições normais os valores encontrados com os MASTER, no dia a dia, estarão dentro da faixa de 3 DP (média ± 3 DP). 4. As analises e interpretações dos resultados obtidos para os soros controle reagentes deverão ser feitas seguindo as Regras de Westgard.

4 PAINEL MASTER NAO REAGENTE MNR 1. Para métodos sandwich deverá apresentar leituras que correspondam a uma relação DO/CO < 1.0 (faixa recomendada 0,7); 2. Para métodos competitivos, frente a kits que detectam anti-hiv, anti-htlv, anti-hcv, anti- HBc, AgHBs, anti - T. pallidum (negativo para testes treponêmicos e cardiolipínicos) e anti-t. cruzi (negativo para testes ELISA, hemoaglutinação e IFI). e relação DO/CO > 1.0 (faixa recomendada 1,3); 3. A análise dos resultados obtidos dos MNR devem servir para acompanhamento das reações diárias mas não se aplicam as Regras de Westgard para a interpretação desses resultados. Interpretação dos resultados obtidos nos gráficos de Shewart ou Levey-Jennings Regras de Westgard 1. A formulação das regras de Westgard está baseada em métodos estatísticos. Essas regras são comumente usadas para analisar os dados dentro de um gráfico de Levey-Jennings. 2. São usadas para definir os limites do desempenho específico de um ensaio em particular e podem ser usadas para detectar erros randômicos e sistemáticos. 3. São 6 as regras de Westgard comumente utilizadas, das quais 3, são Regras de Alerta e as outras 3, Regras Mandatórias. 4. A violação das Regras de Alerta devem ativar uma revisão dos procedimentos do teste, desempenho dos reagentes e calibração dos equipamentos. 5. A violação das Regras Mandatórias deve resultar na rejeição dos resultados obtidos com amostras de soro de pacientes no teste realizado. Deverão ser investigadas as causas que levaram ao aparecimento desse resultado. Regras de Alerta: 1. Alerta 1 2dp : É violada se o CQI excede a Média + 2dp. 2. Alerta 2 2dp : (*) Detecta erros sistemáticos e ocorre violação quando 2 valores consecutivos do CQI excedem, do mesmo lado a Média + 2dp. 3. Alerta 4 1dp : É violada se 4 valores consecutivos do CQI excedem o mesmo limite (Média + 1dp), do mesmo lado da média. 4. Isso pode indicar a necessidade de melhorar a manutenção dos instrumentos ou a calibração dos reagentes. (*) A regra 2 2dp em bioquímica clínica é considerada Regra Mandatória. Em nossa experiência, trabalhando com testes imuno-enzimáticos qualitativos é preferível considerá-la apenas como Regra de Alerta. Regras Mandatórias: 1. Mandatória 1 3dp : É violada quando o valor do CQI excede a Média + 3dp. 2. Mandatória R 4dp : É aplicada apenas quando o CQI é testado em duplicata. A regra é violada quando a diferença entre as duplicatas excede 4dp. 3. Mandatória 10x: É violada quando pelo menos 10 valores consecutivos do CQI estão do mesmo lado da Média. Ações decorrentes da violação Opções: 1ª - Aceitar a corrida por completo Somente uma Regra de Alerta é violada. 2ª - Rejeitar a corrida inteira Quando uma Regra Mandatória é violada.

5 Analise de Resultados Recomendamos antes de validar as reações analisar os resultados dos controles internos. Em algumas ocasiões poderão ser identificadas algumas das seguintes situações: Tendências: 4 1dp ou 10x Dispersão: Perda de precisão (12dp, 13dp e R4dp) Mudanças: Mudanças repentinas de distribuição. Mudança ou substituição de algum componente do lote. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS Levey, S. and Jennings, E. R. The use of control charts in clinical laboratories. Am. J. Clin. Pathol. 20: , Guidelines for Organizing National External Quality Assessment Schemes for HIV Serological testing. Global Programme on AIDS, WHO. GPA/RES/DIA/ Cura, E. y Wendel, S. Manual de Procedimientos de Control de Calidad para los laboratórios de Serología y de los Bancos de Sangre. PAHO/HPC/HCT/ Westgard, J. O.; Groth, T.; Aronsson, T. et al. Performance characteristics of rules for internal quality control: Probabilities for false rejection and error detection. Clin. Chem. 23: , Westgard, J. O.; Barry, P. L.; Hunt, M. R. et al. A multi rule Shewart chart for Quality Control in Clinical Chemistry. Clin Chem. 27(3(: , Organização Pan Americana de Saúde Simpósio Internacional sobre Controle de Qualidade em Bancos de Sangue do Cone Sul e Brasil. Outubro Versão: Fevereiro/10

6 Valores encontrados na amostra-controle pura (sem diluição) MNR - BSNR KITS MR01 - BS DO CO DO/CO a - HBc Bio-Rad 3,029 0,394 7,7 a-hbc Wiener a-hbc Murex 0,075 0,798 0,1 a-hbc Architect HIV - Wiener 1,291 0,151 8,5 HIV Ag-Ab Wiener V.4.0 3,192 0,209 15,3 HIV Bio-Rad AgAb 3,336 0,274 12,2 HIV Bio-Rd 1+2 3,228 0,144 22,4 HIV - Murex 1.2.O HIV - Murex AgAb HIV Bioeasy ,351 0,334 7,0 HIV Ag-Ab Architect AgHBs - Bio-Rad Ultra 0,812 0,071 11,4 AgHBs - Bioeasy AgHBs - Murex 3,376 0,143 23,6 AgHBs - Wiener 3,363 0,083 40,5 AgHBs - Architect HCV - Murex HCV - Murex AgAc 3,322 0,395 8,4 HCV - Wiener 3 Geração 2,513 0,201 12,5 HCV - Bioeasy HCV - BIO-RAD V.2 2,155 0,404 5,3 HCV - Combo Bio-Rad 2,207 0,415 5,3 HCV - Architect HTLV - ORTHO 3,868 0,386 10,0 HTLV - Murex 3,432 0,344 10,0 HTLV GOLD - REM 3,279 0,294 11,2 HTLV - Architect

ÍNDICE. Introdução... 3. Programa Nacional de Controle de Qualidade - PNCQ...5. Descrição do Programa...6

ÍNDICE. Introdução... 3. Programa Nacional de Controle de Qualidade - PNCQ...5. Descrição do Programa...6 ÍNDICE Introdução... 3 1 Programa Nacional de Controle de Qualidade - PNCQ...5 2 Descrição do Programa...6 3 Procedimentos para o Envio de Resultados pela Internet...8 4 Avaliação dos Resultados...10 5

Leia mais

Controle de. Fundamentos, Aplicação e Prática

Controle de. Fundamentos, Aplicação e Prática Controle de 2 0 0 7. 1 Qualidade Fundamentos, Aplicação e Prática 1 2 3 4 5 6 7 8 Controle de Qualidade prática O Ensaio de Proficiência (controle externo) e o Controle Interno são ferramentas eficazes

Leia mais

MONITORAMENTO DA QUALIDADE: CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO E EXTERNO

MONITORAMENTO DA QUALIDADE: CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO E EXTERNO MONITORAMENTO DA QUALIDADE: CONTROLE DE QUALIDADE INTERNO E EXTERNO Dra. Patrícia Regina Araújo Laboratório de Sorologia Associação beneficente de Coleta de Sangue-COLSAN Controle da Qualidade Toda ação

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Sorologia

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Sorologia Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Rita de Cássia Azevedo Martins Especialista em Regulação e Vigilância

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS SBAC

Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. PNCQ Patrocinado pela SOCIEDADE BRASILEIRA DE ANÁLISES CLÍNICAS SBAC C O N T R A T O N º Contrato realizado entre o Programa Nacional de Controle de Qualidade Ltda. - PNCQ, com sede à Rua Vicente Licínio, 193, na cidade do Rio de Janeiro, Tel/Fax.: (21) 2569-6867, C.G.C.

Leia mais

ACCESS Immunoassay System. HIV combo QC4 & QC5. Para monitorização do desempenho do sistema de ensaio Access HIV combo. B71117A - [PT] - 2015/01

ACCESS Immunoassay System. HIV combo QC4 & QC5. Para monitorização do desempenho do sistema de ensaio Access HIV combo. B71117A - [PT] - 2015/01 ACCESS Immunoassay System HIV combo QC4 & QC5 B22822 Para monitorização do desempenho do sistema de ensaio Access HIV combo. - [PT] - 2015/01 Índice Access HIV combo QC4 & QC5 1 Utilização prevista...

Leia mais

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS

ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS ENSAIO PROFICIÊNCIA: UMA FERRAMENTA PARA CONTROLE DA QUALIDADE ALINE MAGALHÃES DE MATOS AEQ-FUNED 1. INTRODUÇÃO Ensaio de proficiência avalia o desempenho de um laboratório, comparando-o com os de mesma

Leia mais

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo

Anti HBc Ref. 414. Controle Negativo Anti HBc Ref. 414 Sistema para a determinação qualitativa de anticorpos totais contra o antígeno core do vírus da hepatite B (anti-hbc) em soro ou plasma. ELISA - Competição PREPARO DA SOLUÇÃO DE LAVAGEM

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO

ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO. Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO ALBUMINA BOVINA 22% PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante: Azida de Sódio 0,1 % Responsável

Leia mais

PERFIL DE RESULTADOS

PERFIL DE RESULTADOS PERFIL DE RESULTADOS Proficiência em Hemoterapia Sorologia I Jul/2011 Selecione um ensaio: Ok > Resultado Anti HIV Resultados 324 1,2 98,5 0,3 0,6 99,1 0,3 0,6 99,1 0,3 99,7 0,3 -

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. POP-I 67 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-½ - OraQuick ADVANCE 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro

Elaborado por: Karina Salvador Revisado por: Hilda Helena Wolff Aprovado por: Andréa Cauduro ANTI- 1 Manual CAMBRIDGE BIOTECH -1 POP: BM 05 Página 1 de 7 1. Sinonímia ANTI, TESTE CONFIRMATÓRIO. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos e técnicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica Os testes

Leia mais

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 12 Junho de 2006

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 12 Junho de 2006 Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia Relatório Global AEQ 12 Junho de 2006 Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos - GGSTO

Leia mais

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 10 Junho de 2005

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 10 Junho de 2005 Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia Relatório Global AEQ 10 Junho de 2005 Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos - GGSTO

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 ELABORAÇÃO E MONITORAMENTO DOS INDICADORES DE QUALIDADE APLICADOS AO LABORATÓRIO DE SOROLOGIA - ESTRATÉGIAS PARA CUMPRÍ-LOS - TRATAMENTO DE NÃO CONFORMIDADES - FLUXOS MAIS APROPRIADOS Vanderléia Bárbaro

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 36 Página 1 de 7 1. Sinonímia Planoteste, Teste de gravidez, Beta-hCG na urina. 2. Aplicabilidade Bioquímicos, auxiliares e estagiários do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica O hcg teste

Leia mais

HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO

HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO CONTROLE INTERNO PARA HEMATOLOGIA AUTOMAÇÃO Lote Validade HHI 242 (Hemato III) 15 de Outubro de 2008 Volume 2,0 ml Temperatura 2 a 8 C (não congelar) ANVISA/REBLAS ANALI-036 CNPJ 29.511.607/0001-18 Rua

Leia mais

Gráfico Shewhart de Regras Múltiplas para Controle de Qualidade em Bioquímica

Gráfico Shewhart de Regras Múltiplas para Controle de Qualidade em Bioquímica Gráfico Shewhart de Regras Múltiplas para Controle de Qualidade em Bioquímica A Multi-Rule Shewhart Chart for Quality Control in Clinical Chemistry Autores: James O. Westgard, Patricia L. Barry e Marian

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS 1. Sinonímia VIDAS DUO 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos do setor de imunologia. 3. Aplicação clínica POP n.º: I 56 Página 1 de 7 O vírus da imunodeficiência humana () é um retrovírus RNA, transmitido

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-IM-021 ANTI HIV 22/10/2015 PT-LB-IM-1 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O vírus da imunodeficiência humana é o agente causador da síndrome da imunodeficiência adquirida (AIDS). A AIDS foi pela primeira vez descrita nos Estados

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaborador Texto Introdutório IMPLANTAÇÃO E MONITORAMENTO DE UM PROGRAMA DE CONTROLE INTERNO DA QUALIDADE NO LABORATÓRIO DE HEMATOLOGIA Marcos Antonio Gonçalves Munhoz. Médico Patologista Clínico

Leia mais

ANTI IgG (Soro de Coombs)

ANTI IgG (Soro de Coombs) ANTI IgG (Soro de Coombs) Soro Anti Gamaglobulinas Humanas PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar

Leia mais

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional

Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Agência Transfusional Curso Básico de Inspeção em Boas Práticas do Ciclo do Sangue Gerência de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos/GSTCO/GGPBS/Anvisa Christiane da Silva Costa Especialista em Regulação e Vigilância Sanitária

Leia mais

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 03 Setembro de 2002

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 03 Setembro de 2002 Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia Relatório Global AEQ 03 Setembro de 2002 Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos - GGSTO

Leia mais

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 09 Dezembro de 2004

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 09 Dezembro de 2004 Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia Relatório Global AEQ 09 Dezembro de 2004 Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos - GGSTO

Leia mais

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 06 Dezembro de 2003

Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia. Relatório Global AEQ 06 Dezembro de 2003 Programa de Avaliação Externa da Qualidade em Serviços de Hemoterapia em Sorologia AEQ-Sorologia Relatório Global AEQ 06 Dezembro de 2003 Gerência Geral de Sangue, outros Tecidos, Células e Órgãos - GGSTO

Leia mais

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012

Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 COMO IMPLANTAR NOVOS KITS E METODOLOGIAS: ELEMENTOS A SEREM CONSIDERADOS NAS TOMADAS DE DECISÕES, AÇÕES E CUIDADOS TÉCNICOS PARA VIABILIZAR A IMPLANTAÇÃO Vanderléia Bárbaro Valente Hemobrás 2.012 Qualidade

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 22 Página 1 de 5 1. Sinonímia Beta 2 Microglobulina, b2m 2. Aplicabilidade Aos técnicos e bioquímicos do setor de imunologia 3. Aplicação clínica A beta-2-microglobulina é uma proteína presente

Leia mais

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico

ANTI HUMANO. Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico ANTI HUMANO Anti IgG Anti C 3 d Poliespecífico PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO SOMENTE PARA USO DIAGNÓSTICO IN VITRO Conservar entre: 2º e 8ºC Não congelar Conservante:

Leia mais

Testes Rápidos Edivaldo Luiz dos Santos

Testes Rápidos Edivaldo Luiz dos Santos Testes Rápidos Edivaldo Luiz dos Santos edivaldo.santos@aids.gov.br Direitos Humanos Risco e Vulnerabilidade - DHRV Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Definição Os testes rápidos são testes de

Leia mais

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS

ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS ENSAIO DE ENDOTOXINAS BACTERIANAS O ensaio de endotoxinas bacterianas (EEB) é um ensaio para detectar ou quantificar endotoxinas de bactérias gram negativas usando um lisado de amebócitos de caranguejo

Leia mais

IMPLANTAÇÃO DO TR NA REDE BÁSICA DE SAÚDE 02/04/2013

IMPLANTAÇÃO DO TR NA REDE BÁSICA DE SAÚDE 02/04/2013 IMPLANTAÇÃO DO TR NA REDE BÁSICA DE SAÚDE 02/04/2013 O que são Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) São doenças causadas por vários tipos de agentes; São transmitidas, principalmente, por contato sexual

Leia mais

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB

ANTI-A ANTI-B ANTI-AB ANTI-A ANTI-B ANTI-AB Monoclonal Murino IgM PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagentes para classificação do sistema sangüíneo ABO PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO

Leia mais

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos.

Testes sorológicos de triagem para componentes hemoterápicos. Parecer do Grupo Técnico de Auditoria em Saúde 08/06 Tema: Testes sorológicos de triagem para doenças infecciosas em doadores de sangue I Data: 13/03/2006 II Grupo de Estudo: Dra. Célia Maria da Silva

Leia mais

Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii.

Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii. POP n.º: I 111 Página 1 de 8 1. Sinonímia Vírus linfotrópico das células T humanas, anticorpos anti-htlv-i e anti-htlv-ii. 2. Aplicabilidade Bioquímicos do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica O ensaio

Leia mais

Regras Múltiplas e Regras de Westgard : O que são?

Regras Múltiplas e Regras de Westgard : O que são? Regras Múltiplas e Regras de Westgard : O que são? Multirule and Westgard Rules : What are They? James O. Westgard Este artigo foi traduzido pela ControlLab, com a permissão da AACC e James O. Westgard,

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS POP n.º: I 29 Página 1 de 5 1. Sinonímia Pesquisa de anticorpos frios. 2. Aplicabilidade Bioquímicos e auxiliares de laboratório do setor de Imunologia. 3. Aplicação clínica As Crioaglutininas são anticorpos

Leia mais

1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c.

1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c. 1/5 1. NOME DO TESTE A hemoglobina glicada é também chamada de hemoglobina glicosilada, hemoglobina A1c ou simplesmente, HbA1c. 2. APLICAÇÃO CLÍNICA Hemoglobina Glicada, também abreviada como Hb A1c, é

Leia mais

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO Data: 01.12.98

FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO Data: 01.12.98 FICHA DE DADOS DE SEGURANÇA DO PRODUTO Data: 01.12.98 1. Identificação do Produto / Reagente e da empresa Nome Comercial do Produto: Microalbumin Standard Series Número do Catálogo: MAL/STS-5X1 Fabricante:

Leia mais

Ata Parcial. Item 0001

Ata Parcial. Item 0001 Ata Parcial Às 09:00 horas do dia 12 de abril de 2012, reuniu-se o Pregoeiro Oficial da Prefeitura Municipal de Santana do Livramento e respectivos membros da Equipe de apoio, designados pela portaria

Leia mais

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015

DATA DE APROVAÇÃO: 23/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO O Trichomonas vaginalis é um parasita flagelado e é o agente causador da tricomoníase. Existe em apenas em uma única forma (trofozoíto), que é simultaneamente infecciosa

Leia mais

O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015

O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015 O Uso de Testes Rápidos na Campanha Fique Sabendo 2015 Testes Rápidos Diagnóstico de HIV Deverão ser solicitados para uso na Campanha com antecedência; O GVE deverá propor um fluxo de entrega dos kits

Leia mais

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh.

A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 1/7 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A finalidade do referido método é determinar a classificação sanguínea do paciente quanto aos sistemas ABO e Rh. 2. NOME DO TESTE E SINONÍMIAS Grupo Sanguíneo,

Leia mais

LABORATÓRIO DE ANÁLISES E PATOLOGIA CLÍNICA ROTEIRO DE INSPEÇÃO RDC 302/05

LABORATÓRIO DE ANÁLISES E PATOLOGIA CLÍNICA ROTEIRO DE INSPEÇÃO RDC 302/05 LABORATÓRIO DE ANÁLISES E PATOLOGIA CLÍNICA ROTEIRO DE INSPEÇÃO RDC 302/05 Data da inspeção: Equipe: Pessoa contactada: I - DA ORGANIZAÇÃO - DADOS CADASTRAIS Identificação da Unidade: Nome do estabelecimento:

Leia mais

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano)

ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) ANTI D IgM +IgG Monoclonal (Humano) PROTHEMO Produtos Hemoterápicos Ltda. Reagente para classificação do fator Rh PARA TESTES EM LÂMINA OU TUBO Somente para Uso Diagnóstico IN VITRO Conservar entre: 2-8

Leia mais

Gestão da Qualidade em Laboratório Clínico. Profa. Silvia Cardoso Junho/2012

Gestão da Qualidade em Laboratório Clínico. Profa. Silvia Cardoso Junho/2012 Gestão da Qualidade em Laboratório Clínico Profa. Silvia Cardoso Junho/2012 Histórico da Qualidade Diferentes fases da qualidade: Empirismo (até 1920) produção artesanal; durabilidade Era da Inspeção produção

Leia mais

Controle de Qualidade de Laboratório

Controle de Qualidade de Laboratório Controle de Qualidade de Laboratório de Ensaio Aliado à Tecnologia Paulo Henrique Muller Sary Diretor Técnico SaaS Ambiental Porto Alegre, 25 de julho de 2014. Garantia da Qualidade O programa de garantia

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B35 Página 1 de 6 1. Sinonímia: FOLATO Mnemônico: FOL 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do Ácido Fólico

Leia mais

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml

ScanGel ScanBrom 86445 12 ml ScanGel ScanBrom 86445 12 ml BROMELINA PARA TESTE DE COMPATIBILIDADE IVD Todos os produtos fabricados e comercializados pela empresa Bio-Rad são submetidos a um sistema de garantia de qualidade, desde

Leia mais

Sífilis ELISA recombinante v.4.0

Sífilis ELISA recombinante v.4.0 C Sífilis ELISA recombinante v.4.0 Ensaio imunoenzimático (ELISA) para a detecção de anticorpos anti-treponema pallidum SIGNIFICADO CLÍNICO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum,

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro da atividade catalítica da CKMB em soro e plasma humano. POP n.º: B07 Página 1 de 5 1. Sinonímia: CKMB, MB. Mnemônico: MB 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro da atividade

Leia mais

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF

GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF POP n.º: B93 Página 1 de 7 1. Sinonímia: GRUPO SANGUÍNEO e FATOR RH, RH e GRUPO. Mnemônico: GSF 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação do

Leia mais

TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos / TR DPP Sífilis

TR DPP HIV-1/2 Bio-Manguinhos / TR DPP Sífilis Pedro Paulo Ferreira Ribeiro Diagnóstico HIV ELISA Teste Rápido Diagnóstico Sífilis ELISA VDRL Testes antigênicos não treponêmicos ou testes lipoídicos: - VDRL (Venereal Disease Research Laboratory) -

Leia mais

Doença de Chagas: diagnóstico, epidemiologia e CQ

Doença de Chagas: diagnóstico, epidemiologia e CQ Doença de Chagas: diagnóstico, epidemiologia e CQ 42º Congresso Brasileiro de Análises Clínicas 21-24 de Junho de 2015 Rio de Janeiro Amadeo Sáez-Alquezar Doença de Chagas American Trypanosomiasis Carlos

Leia mais

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS

GUIA PARA INSPEÇÃO EM SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS MÓDULO V AGÊNCIA TRANSFUSIONAL, TERAPIA TRANSFUSIONAL E OUTROS PROCEDIMENTOS TERAPÊUTICOS Nome do responsável: Formação profissional: Registro no conselho de classe: Contato: 1. Atividades avaliadas Nível

Leia mais

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO

1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO 1/6 1. INTRODUÇÃO / FINALIDADE DO MÉTODO A sífilis é uma doença venérea causada pelo Treponema pallidum, que possui a capacidade de invadir as mucosas inatas ou a pele em áreas de abrasão. O contato sexual

Leia mais

Indicadores de Desempenho: para que servem e como utilizá-los

Indicadores de Desempenho: para que servem e como utilizá-los Indicadores de Desempenho: para que servem e como utilizá-los Workshop PNCQ Andrea Piazza Andrea Piazza Bióloga - PUC-PR Pós-graduada em Ciências do Lab. Clínico - UFRJ Pós-graduada em Gerência de Materiais

Leia mais

HIV 1+2. ELISA 3ª Generación. Ensaio imunoenzimático (ELISA) para detecção de anticorpos anti-hiv-1 e anti-hiv-2 em soro ou plasma

HIV 1+2. ELISA 3ª Generación. Ensaio imunoenzimático (ELISA) para detecção de anticorpos anti-hiv-1 e anti-hiv-2 em soro ou plasma HIV 1+2 ELISA 3ª Generación Ensaio imunoenzimático (ELISA) para detecção de anticorpos anti-hiv-1 e anti-hiv-2 em soro ou plasma SIGNIFICADO CLÍNICO Os vírus da imunodeficiência humana (HIV-1 e HIV-2)

Leia mais

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA

TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA UFF UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE CCM CENTRO DE CIÊNCIAS MÉDICAS HUAP HOSPITAL UNIVERSITÁRIO ANTONIO PEDRO TÉCNICA EM LABORATÓRIO/HEMOTERAPIA Parte I: Múltipla Escolha 01 Quanto à classificação do grupo

Leia mais

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES

MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES MANUAL DE PREENCHIMENTO DA PLANILHA DOS DADOS DE PRODUÇÃO DOS BANCOS DE TECIDOS OCULARES 1. Considerações iniciais Este manual tem por objetivo instruir os Bancos de Tecidos Oculares BTOC para o preenchimento

Leia mais

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro

Elaborado por: Antônio do Amaral Batista Revisado por: Lilia Maria Razzolini Aprovado por: Andréa Cauduro de Castro POPE: B04 Página 1 de 7 1. Identificação do equipamento: 1.1 Nome: Analisador para eletroforese capilar automatizada. 1.2 Modelo: Capillarys Flex Piercing / SEBIA. 1.3 Número de série: Equipamento 5: SN

Leia mais

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde

O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde O papel da CCIH no Processamento de Roupas de Serviços de Saúde A Portaria MS nº 2616/98 define a Infecção Hospitalar (IH) como sendo aquela adquirida após a admissão do paciente e que se manifesta durante

Leia mais

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit

PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit PROGENSA PCA3 Urine Specimen Transport Kit Instruções para o médico Para uso em diagnóstico in vitro. Exclusivamente para exportação dos EUA. Instruções 1. Pode ser útil pedir ao paciente que beba uma

Leia mais

Coordenadora do laboratório, Assistente-técnico e Bioquímicos dos setores de Imunologia.

Coordenadora do laboratório, Assistente-técnico e Bioquímicos dos setores de Imunologia. POP L56 Página 1 de 6 1. Objetivo: Estabelecer procedimentos para realização de testes em paralelo para troca de lote de reagentes para HIV ARCHITECT, HIV ORAQUICK, HIV DUO ELFA, CD4/CD8, CT/NG e RNA-HIV

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema: Elaboradora Questão 1 Questão 2 Questão 3 Questão 4 GARANTIA DA QUALIDADE EM TESTES LABORATORIAIS REMOTOS (TLR) Shélica Colonhezi Castro. Biomédica, Pós-Graduada em Gestão em Saúde; Biomédica da

Leia mais

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando:

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando: Detecção de anticorpos anti-hiv - Portaria 488 de 17/6/1998 Ementa: As unidades hemoterápicas, públicas e privadas, que realizam atividades de Hematologia, ficam obrigadas a cumprir as etapas do conjunto

Leia mais

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal

Determinação colorimétrica de fósforo total em produtos de origem animal Página 1 de 8 1 Escopo Este método tem por objetivo determinar o teor de fósforo de produtos de origem animal. 2 Fundamentos O método se baseia na conversão do fósforo presente na amostra em ortofosfato.

Leia mais

Questionário - Proficiência Clínica

Questionário - Proficiência Clínica Tema Elaboradora TESTE DE ANTIGLOBULINA E SUA APLICAÇÃO EM LABORATÓRIOS Margarida de Oliveira Pinho, Bióloga, Responsável pelo Setor de Imunohematologia e Coordenação da equipe técnica do Serviço de Hemoterapia

Leia mais

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA

GRUPO HOSPITALAR CONCEIÇÃO HOSPITAL NOSSA SENHORA DA CONCEIÇÃO C.R. LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS SETOR DE BIOQUÍMICA POP n.º: B111 Página 1 de 8 1. Sinonímina: Eletroforese de Hemoglobina em ph ácido. 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de Bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação Clínica: A eletroforese de hemoglobina

Leia mais

Todas as amostras para garantia externa da qualidade (proficiência) deverão ser analisadas para participantes de estudos ou amostras de pacientes.

Todas as amostras para garantia externa da qualidade (proficiência) deverão ser analisadas para participantes de estudos ou amostras de pacientes. GERENCIAMENTO DA QUALIDADE NO LABORATÓRIO Versão 3.0, março de 2009 2008 Pharmaceutical Product Development, Inc. Todos os direitos reservados. 2008 Pharmaceutical Product Development, Inc. Todos os direitos

Leia mais

PLANO DA QUALIDADE DA HEMATOLOGIA 1. OBJETIVO

PLANO DA QUALIDADE DA HEMATOLOGIA 1. OBJETIVO 22/10/25 1/14 1. OBJETIVO Definir todas as rotinas executadas no setor da hematologia, como também as ações pertinentes ao Controle de Qualidade Interno e aos testes de Proficiência (Programas de Controle

Leia mais

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados

Prova de gás sulfídrico (H 2 S) em pescados Página 1 de 5 1 Escopo Este método tem como objetivo determinar a presença de gás sulfídrico, proveniente da degradação de proteínas do pescado. 2 Fundamentos O método fundamenta-se na decomposição de

Leia mais

Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos.

Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. RESOLUÇÃO RDC/ANVISA Nº. 302, de 13 de outubro de 2005. Dispõe sobre Regulamento Técnico para funcionamento de Laboratórios Clínicos. A Diretoria Colegiada da Agência Nacional de Vigilância Sanitária,

Leia mais

Determinação dos Ácidos Benzóico e Sórbico em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas por HPLC/DAD

Determinação dos Ácidos Benzóico e Sórbico em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas por HPLC/DAD Página 1 de 5 1 Escopo Determinação simultânea de conservantes (ácido sórbico e ácido benzóico) em vinhos, alcoólicos por mistura e bebidas não alcoólicas, empregando a técnica de Cromatografia Líquida

Leia mais

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano.

Determinação quantitativa in vitro do hormônio luteinizante em soro ou plasma humano. POP n.º: B44 Página 1 de 6 1. Sinonímia:, HORMÔNIO LUTEINIZANTE. Mnemônico: 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica: Determinação quantitativa in vitro do

Leia mais

VERIFICAÇÃO DE METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE ENDOTOXINA EM ÁGUA

VERIFICAÇÃO DE METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE ENDOTOXINA EM ÁGUA VERIFICAÇÃO DE METODOLOGIA PARA ANÁLISE DE ENDOTOXINA EM ÁGUA Leandro Raimundo da Silva 1, Karyne Mourthe Miranda 2, Sibele Aryadne da Silva 3, Carla Martins Pittella 4 1 SENAI, Campus CETEC, Belo Horizonte,

Leia mais

INSTITUI OS ROTEIROS PARA INSPEÇÃO EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS, POSTOS DE COLETA E SERVIÇOS DE

INSTITUI OS ROTEIROS PARA INSPEÇÃO EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS, POSTOS DE COLETA E SERVIÇOS DE SECRETARIA DE ESTADO DE SAÚDE CENTRO DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA ATO DA DIRETORA GERAL PORTARIA SES/CVS Nº 743 DE 28 DE JUNHO DE 2006. INSTITUI OS ROTEIROS PARA INSPEÇÃO EM LABORATÓRIOS DE ANÁLISES CLÍNICAS,

Leia mais

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria

Determinação quantitativa de amido em produtos cárneos por espectrometria Página 1 de 7 1 Escopo Este método tem por objetivo quantificar amido em produtos cárneos por espectrometria molecular no. 2 Fundamentos Baseia-se na determinação espectrofotométrica a 620 nm do composto

Leia mais

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar.

Declaração de Conflitos de Interesse. Nada a declarar. Declaração de Conflitos de Interesse Nada a declarar. G aran ntia da Quali idad de Organização Pessoas Equipamento Aquisição Gestão de Ocorrências Serviço & Satisfação CALIBRAÇÃO Gestão do Controle de

Leia mais

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS

FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTOS QUÍMICOS FIS 00001 1/6 1) IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA Nome do Produto: Empresa: Endereço: Água sanitária Super Cândida Indústrias Anhembi S/A Matriz: Rua André Rovai, 481 Centro Osasco SP Telefone: Matriz:

Leia mais

Teste Rápido DPP HIV

Teste Rápido DPP HIV Orientações para utilização de Teste Rápido DPP HIV com amostra de fluido oral Ministério da Saúde Secretaria de Vigilância em Saúde 2014 Ministério da Saúde Todos os direitos reservados. É permitida a

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Considerações sobre o diagnóstico de doenças transmitidas pelo sangue Ms. Paulo Germano de Carvalho O sangue é uma porta de entrada para

Leia mais

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m

BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB. Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m BIOSSEGURANÇA NOCÕES BÁSICASB Ione Pinto ioneppinto@hotmail.co m Definição de Biossegurança Conjunto de medidas voltadas para a prevenção ão, minimização ou eliminação de riscos inerentes as atividades

Leia mais

REPRODUTIBILIDADE DOS RESULTADOS DE ANTICORPOS ANTI- HIV EM AMOSTRAS DE SORO ARMAZENADAS POR PERÍODOS DE DOIS A DEZOITO ANOS.

REPRODUTIBILIDADE DOS RESULTADOS DE ANTICORPOS ANTI- HIV EM AMOSTRAS DE SORO ARMAZENADAS POR PERÍODOS DE DOIS A DEZOITO ANOS. REPRODUTIBILIDADE DOS RESULTADOS DE ANTICORPOS ANTI- HIV EM AMOSTRAS DE SORO ARMAZENADAS POR PERÍODOS DE DOIS A DEZOITO ANOS. Castejon MJ, Yamashiro R, Oliveira CC, Oliveira CAF, Ueda M Instituto Adolfo

Leia mais

Curso Básico de Capacitação de Agentes do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) para Inspeção em Boas Práticas no Ciclo do Sangue

Curso Básico de Capacitação de Agentes do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) para Inspeção em Boas Práticas no Ciclo do Sangue Curso Básico de Capacitação de Agentes do Sistema Nacional de Vigilância Sanitária (SNVS) para Inspeção em Boas Práticas no Ciclo do Sangue 01 a 05 de setembro de 2014 Goiânia - GO Triagem Laboratorial

Leia mais

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS

PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS PROCEDIMENTO OPERACIONAL PADRÃO PREPARAO DE HEMOCOMPONENTES ESPECIAIS Versão atual: 05 Código: PHEsp-03 Paginação: 1 de 11 Elaborado: Hildenete Monteiro Fortes Assinatura: Data da Elaboração: 05/06/04

Leia mais

NORMA PROCEDIMENTAL BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL

NORMA PROCEDIMENTAL BIOSSEGURANÇA LABORATORIAL 10.03.003 1/09 1. FINALIDADE Garantir que os princípios e normas de Biossegurança sejam implementados e seguidos permanentemente nos laboratórios e instalações do Hospital de Clínicas HC. 2. ÂMBITO DE

Leia mais

PROTOCOLO DE COLETA DE AMOSTRAS BIOLÓGICAS

PROTOCOLO DE COLETA DE AMOSTRAS BIOLÓGICAS 1 SECRETARIA DE ESTADO DA SAÚDE COORDENADORIA DE CONTROLE DE DOENÇAS CENTRO DE VIGILÂNCIA EPIDEMIOLÓGICA PROF. ALEXANDRE VRANJAC DIVISÃO DE DOENÇAS DE TRANSMISSÃO RESPIRATÓRIA INSTITUTO ADOLFO LUTZ PROTOCOLO

Leia mais

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante

FISPQ. FICHA DE INFORMAÇÃO DE SEGURANÇA DE PRODUTO QUÍMICO NBR 14725 NOME DO PRODUTO: Solução Titulante NOME DO PRODUTO: Solução Titulante 1/12 FISPQ NRº. 28 1- IDENTIFICAÇÃO DO PRODUTO E DA EMPRESA: Nome Comercial do Produto: Solução Titulante Nome Químico: Solução Ácida a 0,1 N Nome da Empresa: Hidroazul

Leia mais

Sandra Heidtmann 2010

Sandra Heidtmann 2010 Sandra Heidtmann 2010 Definições: Amostra: Pequena parte ou porção de alguma coisa que se dá para ver, provar ou analisar, a fim de que a qualidade do todo possa ser avaliada ou julgada; Coleta: Ato de

Leia mais

MANUAL DO USUÁRIO OPTIUM XCEED DIABETES MONITORING SYSTEM/ SISTEMA DE CONTROLE DE DIABETES OPTIUM XCEED

MANUAL DO USUÁRIO OPTIUM XCEED DIABETES MONITORING SYSTEM/ SISTEMA DE CONTROLE DE DIABETES OPTIUM XCEED ABBOTT LABORATÓRIOS DO BRASIL LTDA DIVISÃO DIAGNÓSTICOS RUA MICHIGAN, 735 - CEP 04566-905 - SÃO PAULO - SP - BRASIL CAIXA POSTAL 21.111 CEP 04698-970 - TEL. 536.7213 - FAX: (011) 536.7032 MANUAL DO USUÁRIO

Leia mais

HCG, GONADOTROPINA CORIÔNICA, BETA-HCG, HCG QUANTITATIVO. Mnemônico: HCG, BHQ (quantitativo).

HCG, GONADOTROPINA CORIÔNICA, BETA-HCG, HCG QUANTITATIVO. Mnemônico: HCG, BHQ (quantitativo). POP n.º: B43 Página 1 de 6 1. Sinonímia:, GONADOTROPINA CORIÔNICA, BETA-, QUANTITATIVO. Mnemônico:, BHQ (quantitativo). 2. Aplicabilidade: Bioquímicos do setor de bioquímica do LAC-HNSC. 3. Aplicação clínica:

Leia mais

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos.

* Verificar item 9 Preparo dos Reagentes e item 8 - Reagentes e Equipamentos necessários, mas não fornecidos. KIT DE EXTRAÇÃO MINI VAC AUTOMAÇÃO DE 96 AMOSTRAS Instruções de Uso 1. USO PRETENDIDO O BIOPUR Kit de Extração Mini VAC Automação 96 Amostras é a ferramenta ideal para extração automática rápida e confiável

Leia mais

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS

ROTEIRO DE INSPEÇÃO EM BANCO DE TECIDOS OCULARES BTOC INFORMAÇÕES GERAIS Instruções de preenchimento - Somente itens cumpridos integralmente pelo serviço devem ser considerados SIM ; - Nos casos em que o serviço realize apenas parte do disposto no item avaliado, este deve ser

Leia mais

TESTES RÁPIDOS PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV E PARA A TRIAGEM DAS HEPATITES B E C E DA SÍFILIS. Florianópolis (SC), 10/08/2015

TESTES RÁPIDOS PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV E PARA A TRIAGEM DAS HEPATITES B E C E DA SÍFILIS. Florianópolis (SC), 10/08/2015 TESTES RÁPIDOS PARA O DIAGNÓSTICO DA INFECÇÃO PELO HIV E PARA A TRIAGEM DAS HEPATITES B E C E DA SÍFILIS Florianópolis (SC), 10/08/2015 Os Testes Rápidos O que são testes rápidos? São testes que tem por

Leia mais

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0

TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado. 11.8x. março de 2015 Versão: 3.0 TOTVS Gestão Hospitalar Manual Ilustrado Central de Material Esterilizado 11.8x março de 2015 Versão: 3.0 1 Sumário 1 Objetivos... 4 2 Introdução... 4 3 Cadastros... 5 3.1 Cadastros de Unidades de CME...

Leia mais

adoto, ad referendum, a seguinte Consulta Pública e determino a sua publicação:

adoto, ad referendum, a seguinte Consulta Pública e determino a sua publicação: Agência Nacional de Vigilância Sanitária www.anvisa.gov.br Consulta Pública nº 52, de 11 de junho de 2003. D.O.U de 12/06/2003 O Diretor-Presidente Substituto da Agência Nacional de Vigilância Sanitária,

Leia mais

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-010 BILIRRUBINA TOTAL 22/10/2015

CONTROLE DE COPIA: PT-LB-BQ-010 BILIRRUBINA TOTAL 22/10/2015 1/6 1. INTRODUÇÃO A bilirrubina é o produto da quebra da hemoglobina. Depois de formada pelo sistema reticuloendotelial, ela circula no sangue sob a forma não-conjugada ligada à albumina (bilirrubina indireta).

Leia mais