HEPATITIS C: PREVALENCE OF ANTI-HCV AND RISK FACTORS AMONG FOR ACQUISITION AND STUDENTS HEALTH AREA CARE THE UNIVERSITY CENTER THE MINAS GERAIS

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "HEPATITIS C: PREVALENCE OF ANTI-HCV AND RISK FACTORS AMONG FOR ACQUISITION AND STUDENTS HEALTH AREA CARE THE UNIVERSITY CENTER THE MINAS GERAIS"

Transcrição

1 755 HEPATITE C: PREVALÊNCIA DE ANTICORPOS ANTI-HCV E FATORES DE RISCO PARA AQUISIÇÃO DO VÍRUS ENTRE ACADÊMICOS DA ÁREA DA SAÚDE DE UM CENTRO UNIVERSITÁRIO DE MINAS GERAIS HEPATITIS C: PREVALENCE OF ANTI-HCV AND RISK FACTORS AMONG FOR ACQUISITION AND STUDENTS HEALTH AREA CARE THE UNIVERSITY CENTER THE MINAS GERAIS Lucilene Aparecida Pereira Alvarenga Graduada em enfermagem pelo Centro Universitário do Leste de Minas Gerais - UnilesteMG. Virgínia Maria da Silva Gonçalves Enfermeira. Graduada pela PUC MG, com especialização em Administração Hospitalar pela Universidade São Camilo. Mestre em Saúde, Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável pela UNEC. Docente do Curso de Enfermagem do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais - UnilesteMG. RESUMO A hepatite C é uma doença infecciosa e contagiosa, causada pelo vírus da hepatite C. Adquirida através do contato com fluídos ou secreções contaminadas. O objetivo foi identificar a prevalência de anticorpos anti-hcv entre os acadêmicos da área da saúde, e os fatores de risco para aquisição do vírus da hepatite C. Trata-se de uma pesquisa de campo com abordagem quantitativa realizado no Centro Universitário do Leste de Minas Gerais UnilesteMG. A amostra foi composta por 275 acadêmicos que após responderem a um questionário estruturado, sobre situações de risco para aquisição do vírus, foram encaminhados para a realização do teste rápido Bioeasy que pesquisa anticorpos anti-hcv no sangue. A análise identificou 1,09% (três) casos positivos para anti-hcv e estes foram encaminhados para investigação e conduta específica. Constatou-se que a faixa etária predominante ficou entre 18 e 34 anos que estão vulneráveis pela exposição a um número maior de fatores de risco para aquisição do vírus da hepatite C. A pesquisa mostrou que há uma necessidade de se trabalhar com intervenções primárias objetivando identificar as situações de risco para aquisição da doença, tais como: sexo sem proteção, compartilhamento de materiais e agulhas no caso de uso de drogas endovenosas, realização de tatuagens e colocação de piercing em locais duvidosos. Portanto, é necessário minimizar estes problemas e secundariamente promover junto aos infectados a prevenção de agravos para diminuir a evolução desfavorável da doença, quebrando o elo da cadeia de transmissibilidade do vírus da hepatite C entre os acadêmicos da área de saúde. PALAVRAS-CHAVE: Hepatite C. Prevenção de doenças. Fatores de risco. ABSTRACT Hepatitis C is an infectious and contagious disease caused by hepatitis C. Acquired through contact with contaminated fluids or secretions. The with the aim of identifying the prevalence of anti-hcv among academics in the health area, as well as to identify situations and risk factors for acquisition of hepatitis C. It is about a field research with quantitative approach undertaken in the University Center of the East of Minas Gerais UnilesteMG. The sample consisted of 275 students surveyed where after answering a structured questionnaire about risky situations for acquiring the virus, were referred for testing from Bioeasy researching anti-hcv antibodies in the blood. Analysis revealed 1.09% (three) cases positive for anti-hcv were referred for investigation of and specific action. It was found

2 756 that the predominant age group was between 18 to 34, young to young adults who are vulnerable through exposure to a greater number of risk factors for acquiring hepatitis C. Research has shows that there is need to work with primary interventions aiming at identifying the risky situations for acquiring the disease, such as unprotected sex, sharing of materials and needles in intravenous drug use, conducting placement of tattoos and piercings in places doubtful. Therefore, it is necessary to minimize these problems and secondarily to promote those infected with the disease prevention to reduce the unfavorable evolution of the disease, breaking the link in the chain of transmission of hepatitis C among academic health care. KEY WORDS: Hepatitis C. Disease prevention. Risk factors. INTRODUÇÃO A hepatite C é uma doença infecciosa e contagiosa, causada pelo vírus da hepatite C. É adquirida através do contato com fluídos ou secreções contaminadas. O agente etiológico é da família flaviviridae, um vírus do tipo RNA no qual guarda semelhança nas sequências nucleotídicas e de aminoácidos, podendo manifestar-se como uma infecção assintomática ou sintomática. Ao contrário dos demais vírus que causam hepatite, o vírus da hepatite C, representado pela sigla HCV não gera uma resposta imunológica adequada no organismo, o que faz com que a infecção aguda seja menos sintomática (FERREIRA; SILVEIRA, 2006). Em média 80% das pessoas que se infectam não conseguem eliminar o vírus, evoluindo para as formas crônicas da doença, com complicações, devido à ausência de sinais e sintomas para o diagnóstico precoce. A hepatite C constitui hoje um sério problema de Saúde Pública no Brasil e no mundo, devido o grande número de pessoas infectadas. Sabe-se que grande parte desses indivíduos toma conhecimento de sua situação sorológica somente ao doar sangue ou ao realizar exames admissionais, o que os torna um elo importante na cadeia de transmissão viral, perpetuando a doença (BRASIL, 2009a; CIORLIA; ZANETTA, 2007). A patologia apresenta uma prevalência estimada de 170 milhões de pessoas infectadas no mundo. No Brasil ainda não há dados oficiais sobre sua real prevalência, entretanto, estima-se que cerca de 2 a 3 milhões de indivíduos sejam portadores do vírus da hepatite C. A taxa de incidência e prevalência era alta entre doadores de sangue principalmente antes da década de 80, sendo responsável pelo elevado índice já em evolução na forma crônica (BURATTINI et al., 2005). São múltiplos os fatores de risco para a aquisição do vírus da hepatite C, ficando em destaque: os usuários de drogas injetáveis; indivíduos que realizaram transfusão sanguínea sem controle prévio de doador; relações sexuais desprotegidas com portadores do vírus HCV; contatos domiciliares com portadores da doença; realização de tatuagens e colocação de piercings em estabelecimentos não regulamentados; escova de dente e lâmina de barbear de uso coletivo; procedimento invasivo com material contaminado; contato com secreções e fluidos corporais; ambiente de trabalho no caso dos profissionais de saúde e indivíduos hemodializados (MARCHESINI, 2007). O Programa Nacional de Hepatites Virais (PNHV) do Ministério da Saúde, foi criado em 2002 para aprimorar ações de controle e de prevenção das hepatites, por intermédio do fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Tem como princípio desenvolver ações de prevenção e promoção à saúde. Entretanto, estimular e garantir as ações de vigilância epidemiológica e sanitária, bem como garantir o

3 757 diagnóstico e tratamento das hepatites, são algumas das atribuições do programa no âmbito do Sistema de Vigilância em Saúde (BRASIL, 2009b). Não existe, até o momento, vacina para a prevenção da hepatite C, mas existem outras formas de prevenção primária e secundária. As medidas primárias visam à redução do risco para disseminação da doença e as secundárias, a interrupção da progressão da doença em uma pessoa já infectada (FOCACCIA, 2006). Como a maioria das pessoas desconhece sua condição sorológica, ajudando a progredir a cadeia de transmissão da infecção, é necessário ampliar a triagem sorológica para as hepatites virais como estratégia fundamental para equacionar esta situação, além de propiciar a detecção precoce de portadores, permitindo o acesso às medidas para a manutenção da saúde dos possíveis infectados (VASCONCELOS, 2009). Tendo em vista a necessidade de se trabalhar com ações e intervenções primárias para identificar as situações de risco da doença, cabe à equipe multiprofissional e em especial ao enfermeiro a responsabilidade de orientar a população sobre os fatores de risco. Os profissionais de saúde podem intervir na cadeia de transmissibilidade através de medidas educativas e assistenciais de saúde, como meios de minimizar estes problemas. E secundariamente, promover junto aos infectados a prevenção de agravos e diminuir a evolução desfavorável da doença (BRASIL, 2009b). Este trabalho teve como objetivo identificar a prevalência de anticorpos anti- HCV entre os acadêmicos da área da saúde do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais - UnilesteMG, e os fatores de risco para aquisição do vírus da hepatite C. METODOLOGIA Trata-se de uma pesquisa quantitativa. A coleta de dados foi realizada em março de 2009, no Campus Amaro Lanari do Centro Universitário do Leste de Minas Gerais- UnilesteMG situado na cidade de Ipatinga MG, que concentra todos os cursos da área da saúde. Segundo informações do setor administrativo da instituição, no período da coleta de dados, haviam 984 alunos matriculados. A amostra foi composta por 275 alunos da área da saúde que aceitaram voluntariamente participar da pesquisa. Foi solicitada autorização do UnilesteMG para realização da pesquisa. Posteriormente, realizou-se a coleta de dados, onde os pesquisados responderam um questionário estruturado sobre situações de risco para aquisição do vírus da hepatite C. Logo após foram encaminhados para a realização do teste rápido Bioeasy que pesquisa anticorpos anti-hcv no sangue. Para a realização do teste rápido Bioeasy, adotou-se o procedimento recomendado por Tapko, Orione e Souto (2006) no qual remove-se o dispositivo da bolsa de alumínio, coloca-se o dispositivo em uma superfície plana, dispensa-se uma gota da amostra de sangue dentro da cavidade s do dispositivo, adicionado três gotas do tampão dentro da mesma cavidade. Quando inicia a reação, uma cor roxa move-se pela janela de resultados no centro do dispositivo. A leitura do resultado é feita entre cinco e 20 minutos.

4 758 O teste Bioeasy é um método imunocromatográfico semelhante a uma realização de glicemia capilar. É necessária uma gota de sangue para análise. O teste contém uma tira membrana, que é pré - coberta com o antígeno recombinante capturado na região do teste, a amostra sorológica migra através da membrana para a região t que é teste formando uma linha visível com alto grau de sensibilidade e especificidade. Este dispositivo de teste tem gravado em sua superfície as letras t e c, linha teste e linha controle respectivamente, estas não são visíveis antes da aplicação da amostra (TAPKO; ORIONE; SOUTO, 2006). Para realização, a linha controle e os reagentes testes da linha de controle devem aparecer se o procedimento do teste for executado corretamente. Recomenda-se que o teste seja realizado por profissional capacitado seguindo as instruções de biossegurança. Os reagentes não são perigosos e incorpora um componente químico seco que é ativado somente após a adição de amostras específicas. O tampão diluente contém azida sódica como conservante, evitando assim contato com a pele e mucosas (TAPKO; ORIONE; SOUTO, 2006). Para a interpretação dos resultados: o aparecimento de ambas as linhas c e t indicam a presença de anticorpos anti-hcv na amostra testada, a intensidade da linha c e linha t pode ser diferente, mas considera-se o resultado reagente. No resultado não reagente somente a linha c aparece na região controle, indicando que não existem anticorpos anti-hcv detectados e o resultado é inválido quando nenhuma linha controle aparece na região dentro de cinco a 10 minutos. É importante ressaltar que como todo teste, existem limitações e o teste rápido Bioeasy deverá indicar a presença de anticorpos anti-hcv e não deve ser usado como único critério para diagnóstico da infecção da hepatite C (TAPKO; ORIONE; SOUTO, 2006). Todos os casos positivos para pesquisa de anti-hcv foram encaminhados para realização de outros exames específicos na unidade de referência com acompanhamento de profissional médico especialista. Foi respeitado os cuidados éticos estabelecidos pela Resolução nº 196 de 10 de outubro de 1996, do Conselho Nacional de Saúde, que regulamenta as normas e diretrizes de pesquisas envolvendo seres humanos (BRASIL, 1996). Os participantes foram orientados sobre todos os procedimentos e assinaram o Termo de Consentimento Livre e Esclarecido (TCLE) de forma voluntária, anônima, e sem qualquer risco físico e psicológico. Os resultados foram apresentados em forma de estatística descritiva. RESULTADOS E DISCUSSÃO A pesquisa mostrou que no teste realizado para identificação do anticorpo anti-hcv em 275 acadêmicos da área de saúde do UnilesteMG foram positivos 0,36% (um) e 0,73% (dois) indeterminados. De acordo com Tapko, Orione e Souto (2006), quando não é possível realizar uma leitura adequada no teste Bioeasy, ou seja, resultado indeterminado considerase o mesmo como positivos, devendo em ambos os casos encaminhá-los para exames específicos para diagnóstico e tratamento preciso. Portanto, na pesquisa em questão, foram considerados como positivos, os testes com resultados indeterminados, totalizando 1,09% (três) casos positivos para anti-hcv.

5 759 Segundo Vasconcelos (2009), como a maioria das pessoas desconhecem sua condição sorológica, ajudando a progredir a cadeia de transmissão da infecção, é necessário ampliar a triagem sorológica para as hepatites virais como estratégia fundamental para equacionar esta situação, além de propiciar a detecção precoce de portadores, permitindo o acesso às medidas para a manutenção da saúde dos possíveis casos. Quanto à análise de faixa etária, 60% (165) dos participantes estavam entre 18 e 24 anos, sendo que, 1,21% destes estavam positivos para anti-hcv, conforme a TAB. 1. TABELA 1 Idade dos participantes. Ipatinga, MG, Faixa etária (anos) N % Prevalência 18 a ,0 1,21% 25 a ,18 2% 35 a ,27-45 a ,0 - Acima de ,82 - Não respondeu 13 4,73 - Total FONTE: dados da pesquisa As faixas etárias que compreende entre 18 a 34 anos, são classificadas como fase de jovem a adulto jovem. São faixas etárias que têm alta vulnerabilidade por estar exposta a um número maior de fatores de risco para aquisição do vírus da hepatite C. Portanto, a vulnerabilidade nestas faixas etárias pode estar associada a diversos meios de transmissão como: relação sexual, levando em consideração a vida sexual ativa e o não uso do preservativo; usuários que compartilham drogas intravenosas; execução de tatuagens e colocação de piercings; compartilhamento de fômites como alicate, escova de dente e lâmina de barbear; e contato com secreções ou fluidos corporais. Segundo Lopes (2009), deve-se analisar cada fator de risco de acordo com as atividades desenvolvidas, equivalentes a idade e situações de risco, que ficam susceptíveis a aquisição do vírus HVC. Na análise de fatores de risco para aquisição do vírus da hepatite C foram consideradas as variáveis da TAB. 2

6 760 TABELA 2 Fatores de risco para aquisição do vírus da hepatite C, em acadêmicos da área de saúde do UnilesteMG. Ipatinga, MG, Fatores de risco N % Relação sexual sem proteção ,36 Compartilha alicates de unha ,55 Deixou de usar preservativo ,36 Compartilha escova de dente ou lâmina de ,36 barbear Procedimento cirúrgico ,82 Trabalha na área de saúde 89 32,36 Fez tatuagens em estabelecimentos não 63 22,91 confiávéis ou usa piercing Teve mais de um parceiro 63 22,91 Acupuntura 28 10,18 Acidente com material pérfuro-cortante 25 9,09 Transfusão sanguínea 13 4,73 Hemodiálise 01 0,36 Drogas injetáveis 01 0,36 FONTE: dados da pesquisa OBS.: questão de múltipla escolha A relação sexual desprotegida constitui um relevante fator de risco. A pesquisa mostrou que 76,36% (210) dos participantes já haviam tido relação sexual, e, 60,36% (166) deixaram de usar o preservativo, ficando expostos a aquisição da hepatite C, e outras doenças sexualmente transmissíveis como o Vírus da Imunodeficiência Humana (HIV). O contato através da relação sexual desprotegida, segundo Brasil (2009a) é um fator de risco eminente para contrair o vírus da hepatite C, tendo risco de 2% a 6% para parceiros fixos estáveis. A vulnerabilidade é maior em pessoas com múltiplos parceiros e com prática sexual de risco, ou seja, atividade sexual sem o uso de preservativo. Observou-se que, quanto ao uso de alicates e cortadores de unhas, 70,55% (194) compartilhavam os objetos e quanto ao compartilhamento de escova de dente e lâmina de barbear, 52,36% (140) responderam que usavam objetos de um familiar, cônjuge, irmão ou mãe. Para Veronesi (2005), o principal mecanismo de transmissão do HCV é o sangue infectado e seus derivados contidos nos materiais e objetos podendo acontecer em qualquer fase, portanto, não é aconselhável o compartilhamento dos objetos pessoais, devendo-se evitar esse tipo de comportamento, ficando susceptível a adquirir a doença. Ao analisar a variável procedimento cirúrgico, observou-se que 37,82% (104) já realizaram algum procedimento cirúrgico, o que aumenta a probabilidade de adquirir o vírus da hepatite C. Para Coelho et al., (2009), qualquer procedimento cirúrgico de pequeno ou grande porte que envolva sangue pode transmitir este vírus, desde que possua sangue contaminado ou uso de materiais de esterilização duvidosa. Em relação aos pesquisados 32,36% (89) informaram exercer atividade na área de saúde. Segundo Ciorlia e Zanetta (2007), comparando os profissionais da área da saúde aos profissionais da área administrativa, as diferenças foram significativas, confirmando que os profissionais da saúde têm maiores chance de serem infectados pelo HCV, devido o contato e a manipulação de materiais contaminados com sangue ou secreção, sendo inerente à própria atividade

7 761 profissional. O grande problema, entretanto, é que os profissionais não utilizam os materiais de forma correta, ou seja, uso inadequado ou não utilizam as luvas, as máscaras, o óculos e o avental, ou seja, Equipamentos de Proteção Individual (EPI), aumentando o risco de acidentes (AMARAL et al., 2007). Constatou-se que 9,09% (25) destes participantes já sofreram acidentes com materiais perfuro cortantes. De acordo com Brasil (2009a), os profissionais da saúde com sorologia positiva tinham maior tempo de serviço na instituição e a cada cinco anos de trabalho tem um acréscimo de 50% de chance ser anti-hcv positivo. Este resultado sugere que os profissionais precisam ficar atentos aos cuidados e procedimentos realizados aos clientes, sempre dentro das normas de segurança, podendo contribuir para a diminuição de infecção pelo HCV. Além disso, o risco pode ser ainda maior se os profissionais de saúde não atentarem para as normas de biossegurança. Ainda, segundo Brasil (2009a), o sangue é fonte de infecção encontrada em 70,21% dos casos de acidentes de trabalho, sendo que o risco de soroconversão para hepatite C aumenta, gradativamente, de acordo com a maior quantidade de sangue presente no dispositivo e profundidade da lesão. Outras vias de transmissibilidade do vírus da hepatite C estão relacionadas a lesões cutâneas associadas à acupuntura, tatuagens e piercing. Foi observado que 10,18% (28) submeteram a sessão de acupuntura e 22,91% (63) já fez ou faz uso de piercings e realizaram tatuagens. O estudo de Ciorlia e Zanetta (2007) demonstrou que escoriações resultantes de rituais religiosos, acupuntura, tatuagem e a utilização de piercings no corpo constituíam fatores de risco para aquisição do vírus da hepatite C. Quando questionados sobre a realização de transfusão de sangue ao longo da vida, foi observado que 4,73% (13) dos indivíduos responderam que já realizaram transfusão sanguínea. Segundo Passos (2006), a transfusão de sangue representa risco de 0,01% a 0,001% após a década de 80, tendo o riso reduzido acentuadamente devido rigorosa segurança na triagem sorológica. Observou-se que houve uma queda significativa na incidência a partir de 1994, devido à realização da triagem sorológica analisando componentes e derivados, o que restringe a introdução de sangue contaminado para o receptor. Quanto à exposição ou realização de hemodiálise, 0,36% (um) respondeu que esteve exposto a esse tipo de tratamento. Segundo Lopes (2009), estima-se que a prevalência de anticorpos do HCV em pacientes que utilizam hemodiálise varia de 15 a 48% na América do Norte. A incidência do vírus em pacientes que realizam hemodiálise está em declínio, devido ao controle de infecção mais rigoroso nas unidades terapêuticas que prestam tratamento hemodialítico (AMARAL et al., 2007). A variável uso de drogas ilícitas injetáveis revelou que 0,36% (um) já utilizou ou utiliza a via endovenosa ou intramuscular para uso de entorpecentes e 0,73% (dois) se negaram a responder a questão. O uso de drogas injetáveis é atualmente um dos mais importantes fatores de risco de transmissão do HCV, alcançando até cerca de 50% de novos casos em comunidades urbanas de países subdesenvolvidos, dentro de 6 a 12 meses, após o início do uso de drogas injetáveis por via intravenosa, até 80% dos usuários tornam-se soropositivos e susceptíveis ao vírus da hepatite C (CARVALHO et al., 2006). A pesquisa em questão torna-se relevante para ampliação da visão dos profissionais sobre esse grave problema de saúde pública que pode ser de uma

8 762 cronicidade elevada, levando em consideração a evolução para estágios irrevogáveis de assistência hepatológica, aumentando substancialmente o risco de morte, pois a hepatite C é uma patologia progressiva e que tem aumentado sua incidência. De acordo com o Ministério da Saúde a hepatite C vem crescendo acentuadamente, ultrapassando a taxa de incidência do HIV. Devendo-se mudar comportamentos que geram riscos à saúde, tendo em vista a necessidade de conscientização sobre a importância da prevenção, do tratamento e do acompanhamento caso não seja diagnosticada em tempo hábil para ações terapêuticas (BRASIL, 2009a). CONCLUSÃO A pesquisa possibilitou ampliar conhecimentos em relação à hepatite C, agregando novas maneiras de pensar e articular formas de interromper as situações de risco para aquisição do vírus da hepatite C bem como, conhecer as vulnerabilidades dos acadêmicos, com as possibilidades de a equipe multiprofissional atuar e contribuir, minimizando este problema de saúde pública. A análise dos dados identificou 1,09% (três) casos positivos para anti-hcv e estes foram encaminhados para investigação, conduta e tratamento adequado. Constatou-se a faixa etária predominante entre 18 e 34 anos, de jovem a adulto jovem, que estão vulneráveis pela exposição a um número maior de fatores de risco para aquisição do vírus da hepatite C. A pesquisa mostrou que há necessidade de se trabalhar com intervenções primárias objetivando identificar as situações de risco para aquisição da doença, como meio de dimminuir estes problemas e secundariamente promover junto aos infectados a prevenção de agravos para diminuir a evolução desfavorável da doença. Busca intervenções para diminuir a incidência e a prevalência da hepatite C no qual terão maior impacto quando precocemente forem realizadas, ou seja, o diagnóstico tardio é um agravante, pois cronifica e agrava o estado clínico do portador do vírus da hepatite C. Mediante as considerações apontadas é necessário trabalhar predominantemente com promoção da saúde e prevenção de agravos, considerando os fatores de risco e diagnosticando precocemente os casos de hepatite C na fase aguda, desfavorecendo a propagação e a evolução para as formas graves da patologia. Fica evidente a necessidade de intervenção junto a população que deve ser educada sobre hábitos e medidas de prevenção, sendo apoiadas por ampliação de políticas públicas que favoreçam essas medidas, além dos profissionais de saúde que conheçam os fatores de riscos inerente a doença e procurem trabalhar com segurança no intuito de prevenir o contágio pelo vírus, promovendo saúde e melhor qualidade de vida para a população assistida. REFERÊNCIAS AMARAL, I. S. A.; VÁVULA, M. J. Epidemiologia de pacientes co-infectados HIV/HCV atendidos na Fundação Santa Casa de Misericórdia do Pará. Rev. Para.

9 763 Med. v. 21, n. 1, p , abr Disponível em: < Acesso em: 11 out BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Resolução nº. 196, de 10 de outubro de Dispõe sobre as diretrizes e normas regulamentadoras de pesquisas envolvendo seres humanos. Diário Oficial da União. Brasília: 10 out BRASIL. Ministério da Saúde. Hepatites Virais: Guia Brasileiro de hepatite C. Brasília: Ministério da Saúde, 2009a. BRASIL. Ministério da Saúde. Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais (PNHV). Brasília: Ministério da Saúde, 2009b. BURATTINI, M. N.; MONTES. V.; HOPE. P. Correlation between HIV and HCV in Brazilian prisoners: evidence for parenteral transmission inside prison. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 34, n. 5, p , jun., CARVALHO, F. H. P.; SILVA, A. M. R.; RANGEL, HÉLIO. R. L.; MOURA. R. D.; Prevalência do anti-hcv em pacientes soropositivos para o HIV. Rev. Para. v. 20, n. 3, p , maio, Disponível em: < phpscript=sci >. Acesso em: 11 out CIORLIA, L. A.; ZANETTA, D. A. Hepatite C em profissionais da saúde: prevalência e associação com fatores de risco. Rev. Saúde Pública, São Paulo, v. 41, n. 2, p , jan., Disponível em:< phpscript=sci8910>. Acesso em: 08 out COELHO, J. C. U.; Otávio, H. K. Lopes, V, R.; Recorrência da Hepatite C após transplante hepático de doador vivo e falecido. Arq. Gastroenterol, São Paulo, v. 46, n. 1, p , out., Disponível em: <http://www.scielosp.org phpscript=sci2803 >. Acesso em: 11 out FERREIRA, C. T.; SILVEIRA, T. R. Hepatites virais: aspectos da epidemiologia e da prevenção. Rev. Epi, São Paulo, v. 7, n.4, p , dez Disponível em: < >. Acesso em: 08 out FOCACCIA, R. R. Tratado de hepatites virais. 2. ed. São Paulo: Atheneu, LOPES, C. C. L. R. Prevalência, fatores de risco e genótipos da hepatite C entre usuários de drogas. Rev. Saúde Pública. São Paulo, v. 43, n. 2, p , maio, Disponível em:< ISSN >. Acesso em: 08 out MARCHESINI, A. S. Hepatites B e C em usuários de drogas injetável vivendo com HIV em São Paulo, Brasil. Rev. Saúde Pública. São Paulo, v. 41, n. 3, p , jan.

10 Disponível em: < virais.com. br >. Acesso em: 18 jan PASSOS, A. D. C. Hepatite C: aspectos críticos de uma epidemia silenciosa. Cad. Saúde Pública, São Paulo, v. 22, n. 8, p , dez Disponível em: < S0102X >. Acesso em: 10 dez TAPKO S. B.; ORIONE, M. A. M.; SOUTO, F. J. D. Perfil epidemiológico de puérperas e prevalência de anticorpos para infecção pelo HIV e vírus da hepatite C em Cuiabá, Mato Grosso. Rev. Soc. Bras. Med.Tro. Uberaba, v. 39, n. 2, p , Disponível em:< >. Acesso em: 08 out VASCONCELOS, C. H. Avaliação de medidas de controle da hepatite em Minas Gerais, Brasil, Cad. Saúde Pública, Uberlândia, v. 25, n. 5, p , fev Disponível em:< >. Acesso em: 08 out VERONESI, F. Tratado de infectologia. 3. ed. São Paulo: Atheneu, 2005.

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015

MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015 MANEJO HEPATITES VIRAIS B/C - 2015 HEPATITE C PAPEL DA ATENÇÃO PRIMÁRIA EM SAÚDE FILIPE DE BARROS PERINI Assessor Técnico GEDST-DIVE-SES Infectologista Policlínica Municipal do Continente SMS-PMF Assessor

Leia mais

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS

Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Vigilância Epidemiológica das Hepatites Virais Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS Lucia Mardini DVAS Hepatites Virais Hepatite: inflamação do fígado. As hepatites podem

Leia mais

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA

VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA 25 a 28 de Outubro de 2011 ISBN 978-85-8084-055-1 VIGILÂNCIA DE HIV EM SANGUE DOADO: TENDÊNCIA DE SOROPREVALÊNCIA Janete Lane Amadei 1 ; Deborah Cristiny Dantas Moreti 2 ; Diego Montanhei 2 ; Dennis Armando

Leia mais

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae.

HIV. O vírus da imunodeficiência humana HIV-1 e HIV-2 são membros da família Retroviridae, na subfamília Lentividae. A Equipe Multiprofissional de Saúde Ocupacional da UDESC lembra: Dia 01 de dezembro é dia mundial de prevenção à Aids! Este material foi desenvolvido por alunos do Departamento de Enfermagem da Universidade

Leia mais

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C

PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C PRÁTICAS DE BIOSSEGURANÇA ADOTADAS POR MANICURES/PEDICURES NA PREVENÇÃO DE HEPATITE B E C Renato Nelson Sasso 1, Lauyze Dall"ago Barbosa 2, Janete Lane Amadei 3 RESUMO: As hepatites emergem com problema

Leia mais

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite

Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite Informação pode ser o melhor remédio. Hepatite HEPATITE A hepatite é uma inflamação do fígado provocada na maioria das vezes por um vírus. Diferentes tipos de vírus podem provocar hepatite aguda, que se

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007

AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 AVALIAÇÃO DA EPIDEMIA DE AIDS NO RIO GRANDE DO SUL dezembro de 2007 Notas importantes: O Banco de dados (BD) do Sistema de Informação Nacional de Agravos de Notificação (SINAN) vem sofrendo nos últimos

Leia mais

Acidentes com materiais perfurocortantes

Acidentes com materiais perfurocortantes Acidentes com materiais perfurocortantes Forma de transmissão: Oral-fecal Riscos biológicos Via respiratória (gotículas ou aérea) Contato Via sanguínea Alto risco Risco Intermediário Sem risco Sangue e

Leia mais

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE

ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE ACIDENTES DE TRABALHO COM MATERIAL BIOLÓGICO E/OU PERFUROCORTANTES ENTRE OS PROFISSIONAIS DE SAÚDE Os acidentes de trabalho com material biológico e/ou perfurocortante apresentam alta incidência entre

Leia mais

Hepatite C. Posso estar em risco? Portuguese Translation of Hepatitis C: Could I be at risk?

Hepatite C. Posso estar em risco? Portuguese Translation of Hepatitis C: Could I be at risk? Hepatite C Posso estar em risco? Portuguese Translation of Hepatitis C: Could I be at risk? Índice Pág. nº O que é a hepatite C? 3 Como posso contrair hepatite C? 3 Virei a ter sintomas? 5 Como posso saber

Leia mais

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica.

A hepatite aguda causa menos danos ao fígado que a hepatite crônica. Hepatites Virais O FÍGADO E SUAS FUNÇÕES. O fígado é o maior órgão do corpo humano, está localizado no lado superior direito do abdômen, protegido pelas costelas (gradio costal). É responsável por aproximadamente

Leia mais

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS

Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN. Lucia Mardini DVAS Encerramentos de Casos de Hepatites Virais no SINAN Lucia Mardini DVAS Programa Estadual para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais/RS CEVS Rua Domingos Crescêncio Nº 132 sala 310 hepatites@saude.rs.gov.br

Leia mais

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA

O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA O ACONSELHAMENTO NO HIV EM UMA COMUNIDADE COMO MEDIDA PREVENTIVA Zardo L*¹ Silva CL*² Zarpellon LD*³ Cabral LPA* 4 Resumo O Vírus da Imunodeficiência humana (HIV) é um retrovírus que ataca o sistema imunológico.através

Leia mais

Hepatite C Grupo Vontade de Viver

Hepatite C Grupo Vontade de Viver Hepatite C Grupo Vontade de Viver De apoio aos Portadores de Hepatite C Apresentação Data de Fundação : 19 Maio de 2002 Formação do Grupo: Portadores e ex-portadores do vírus C Trasplantados de fígado

Leia mais

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem

HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem HEPATITE C PCR Qualitativo, Quantitativo e Genotipagem O Vírus da Hepatite C (HCV) é considerado o principal agente etiológico responsável por 90 a 95% dos casos de hepatite pós-transfusional não A e não

Leia mais

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO

ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO ACIDENTE COM MATERIAL BIOLÓGICO EXPOSIÇÃO A MATERIAL BIOLÓGICO Sangue, fluidos orgânicos potencialmente infectantes (sêmen, secreção vaginal, liquor, líquido sinovial, líquido pleural, peritoneal, pericárdico,

Leia mais

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS

EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM NA BUSCA E PREVENÇÃO DO HIV/AIDS 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA EXPOSIÇÃO DE RISCO DOS PARTICIPANTES DO PROJETO UEPG-ENFERMAGEM

Leia mais

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho

Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Fluxograma de atendimento a acidente de trabalho Assim que ocorrer o acidente Introdução Fluxo AT Com o objetivo de adotar medidas de cuidado e segurança à saúde de médicos, clientes e colaboradores, a

Leia mais

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006

Profilaxia Pós-Exposição ao HIV. Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Profilaxia Pós-Exposição ao HIV Alcyone Artioli Machado FMRP-USP - 2006 Fatores de risco para infecção ocupacional pelo HIV O risco de infecção ocupacional pelo HIV era aumentado quando: A exposição ocupacional

Leia mais

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS

FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS FACULDADE CATÓLICA SALESIANA GRADUAÇÃO EM ENFERMAGEM DISCIPLINA DE DOENÇAS INFECTO-PARASITÁRIAS HIV/AIDS Descrição Doença que representa um dos maiores problemas de saúde da atualidade, em função de seu

Leia mais

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C

CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C CONHECIMENTO DOS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA SAÚDE EM RELAÇÃO À HEPATITE C 1 Vieira, E. S.; 2 Cardoso E. M.; 3 Souza, J. R.; 4 Filipini. S. M., 5 Giaretta, V. M. A Faculdade de Ciências da Saúde, Curso de

Leia mais

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA.

Hepatites B e C. são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. Hepatites B e C são doenças silenciosas. VEJA COMO DEIXAR AS HEPATITES LONGE DO SEU SALÃO DE BELEZA. heto hepatite manucure.indd 1 Faça sua parte. Não deixe as hepatites virais frequentarem seu salão.

Leia mais

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de

O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de O QUE É AIDS?... 2 TESTAGEM... 3 PRINCIPAIS SINTOMAS DA AIDS... 4 SAIBA COMO SE PEGA AIDS... 5 Assim Pega... 5 Assim não pega... 5 Outras formas de transmissão... 6 Acidentes ocupacionais com materiais

Leia mais

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO

MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE POLÍTICAS DE SAÚDE COORDENAÇÃO NACIONAL DE DST E AIDS MANUAL DE CONDUTAS EM EXPOSIÇÃO OCUPACIONAL A MATERIAL BIOLÓGICO INTRODUÇÃO O objetivo deste documento é descrever

Leia mais

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) 1.1. PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) ATUALIZAÇÃO: VERSÃO 11-27 DE OUTUBRO DE 2014 7.2.1. Introdução A detecção de casos suspeitos de

Leia mais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais

Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Programa Nacional para a Prevenção e o Controle das Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde Gerusa Maria Figueiredo gerusa.figueiredo@saude.gov.br I CONGRESSO BRASILEIRO

Leia mais

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP

Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP Luiz Antonio Vane Prof. Titular do Depto de Anestesiologia da F.M. Botucatu - UNESP CENTRO CIRÚRGICO Jardim Japonês Centro Cirúrgico Hospital Maternidade Terezinha de Jesus Juiz de Fora (MG) Queimaduras

Leia mais

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos.

Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. PARECER Nº121/2015 PAD: Nº 43/2015 Autora: Conselheira Renata Ramalho Da Cunha Dantas Solicitante: Dr. Ronaldo Miguel Beserra Assunto: Realização de teste rápido de HIV,Sífilis e outros agravos. DO FATO

Leia mais

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER

HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER HEPATITES O QUE VOCÊ PRECISA SABER O QUE É HEPATITE? QUAIS OS TIPOS? Hepatopatias Hepatites Virais Doença hepática alcoólica Hepatopatias criptogênicas Hepatites tóxicas Hepatopatias auto-imunes Hepatopatias

Leia mais

Soroprevalência da Infecção pelo Vírus da Hepatite C em Candidatos à Doação de Sangue no Instituto Onco-Hematológico de Anápolis-Go no Ano de 2008.

Soroprevalência da Infecção pelo Vírus da Hepatite C em Candidatos à Doação de Sangue no Instituto Onco-Hematológico de Anápolis-Go no Ano de 2008. Soroprevalência da Infecção pelo Vírus da Hepatite C em Candidatos à Doação de Sangue no Instituto Onco-Hematológico de Anápolis-Go no Ano de 2008. Jordana Martins Borges, Camila Simonella da Silva, Gustavo

Leia mais

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO

DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO DIA DA LUTA CONTRA A SIDA 01 DE DEZEMBRO Presentemente, a infeçãovih/sida não tem cura e a prevenção é a única medida eficaz. A infeçãovih/sida tem uma história relativamente recente, mas já dramática

Leia mais

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C.

PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. PROCEDIMENTOS SEQUENCIADOS PARA O DIAGNÓSTICO, INCLUSÃO E MONITORAMENTO DO TRATAMENTO DA INFECÇÃO PELO VÍRUS DA HEPATITE C. A) DIAGNÓSTICO ETAPA I - TRIAGEM SOROLÓGICA ( ANTI-HCV ) ETAPA II CONFIRMAÇAO

Leia mais

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente

Carrefour Guarujá. O que é DST? Você sabe como se pega uma DST? Você sabe como se pega uma DST? Enfermeira Docente Carrefour Guarujá Bárbara Pereira Quaresma Enfermeira Docente Enfª Bárbara Pereira Quaresma 2 O que é DST? Toda doença transmitida através de relação sexual. Você sabe como se pega uma DST? SEXO VAGINAL

Leia mais

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1

TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 TEXTO BÁSICO PARA SUBSIDIAR TRABALHOS EDUCATIVOS NA SEMANA DE COMBATE À DENGUE 1 A Dengue A dengue é uma doença infecciosa de origem viral, febril, aguda, que apesar de não ter medicamento específico exige

Leia mais

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB

INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB INFECÇÕES SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS E HIV/AIDS: CONHECIMENTOS E PERCEPÇÃO DE RISCO DE IDOSOS DE UMA COMUNIDADE EM JOÃO PESSOA-PB Nívea Maria Izidro de Brito (UFPB). E-mail: niveabrito@hotmail.com Simone

Leia mais

Vírus da Hepatite C: fonte de infecção dos casos notificados residentes na região da Subprefeitura da Capela do Socorro, São Paulo, SP, Brasil

Vírus da Hepatite C: fonte de infecção dos casos notificados residentes na região da Subprefeitura da Capela do Socorro, São Paulo, SP, Brasil Vírus da Hepatite C: fonte de infecção dos casos notificados residentes na região da Subprefeitura da Capela do Socorro, São Paulo, SP, Brasil Willy Brandt Braga Aluno do Curso de Graduação em Enfermagem.

Leia mais

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à :

Risco Biológico. A ocorrência do evento danoso está ligado à : RISCO BIOLÓGICO Risco Biológico A ocorrência do evento danoso está ligado à : 1) Existência ou não de medidas preventivas Níveis de Biossegurança. 2) Existência ou não de medidas preventivas que garantam

Leia mais

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem.

Estudo PARTNER. Foi convidado a participar neste estudo porque é um parceiro VIH positivo numa relação com um homem. Informação ao participante e consentimento informado para o parceiro VIH positivo Estudo PARTNER O estudo PARTNER é um estudo levado a cabo com casais em que: (i) um parceiro é VIH positivo e o outro é

Leia mais

COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO

COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO COMISSÃO DE PREVENÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES COM MATERIAIS PERFUROCORTANTES PROTOCOLO DE PRONTO ATENDIMENTO EM ACIDENTES COM EXPOSIÇÃO AO RISCO BIOLÓGICO ASSIS 2013 Página 1 de 7 COMISSÃO DE PREVENÇÃO

Leia mais

HIV no período neonatal prevenção e conduta

HIV no período neonatal prevenção e conduta HIV no período neonatal prevenção e conduta O HIV, agente causador da AIDS, ataca as células do sistema imune, especialmente as marcadas com receptor de superfície CD4 resultando na redução do número e

Leia mais

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA

MARCADORES SOROLÓGICOS DE HEPATITE B EM GESTANTES DE UMA UNIDADE DE SAÚDE EM PONTA GROSSA 11. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA MARCADORES

Leia mais

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia.

Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. POP n.º: I70 Página 1 de 5 1. Sinonímia Teste rápido Anti-, VIKIA Biomeriéux. 2. Aplicabilidade Aos bioquímicos, técnicos de laboratório e estagiários do setor de imunologia e hematologia. 3. Aplicação

Leia mais

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR

ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR ESTA PALESTRA NÃO PODERÁ SER REPRODUZIDA SEM A REFERÊNCIA DO AUTOR Considerações sobre o diagnóstico de doenças transmitidas pelo sangue Ms. Paulo Germano de Carvalho O sangue é uma porta de entrada para

Leia mais

Hepatites Virais 27/07/2011

Hepatites Virais 27/07/2011 SOCIEDADE DIVINA PROVIDÊNCIA Hospital Nossa Senhora da Conceição Educação Semana Continuada de Luta Contra em CCIH as Hepatites Virais 27/07/2011 Enfº Rodrigo Cascaes Theodoro Enfº CCIH Rodrigo Cascaes

Leia mais

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures

MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES. Manual de prevenção para manicures e pedicures MEU SALÃO LIVRE DAS HEP TITES Manual de prevenção para manicures e pedicures Faça a sua parte e deixe as hepatites virais fora do seu salão de beleza As hepatites são doenças graves e, muitas vezes, silenciosas.

Leia mais

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV)

ANEXO II. 1 HEPATITE B VÍRUS DA HEPATITE B (Hepatitis B Vírus HBV) ANEXO II ANEXO DA RESOLUÇÃO SESA Nº.../2009 MANUAL DE ORIENTAÇÃO PARA ALTERAÇÃO DA CAUSA DE REJEIÇÃO DO CÓDIGO 57 (INCONCLUSIVO), PELOS SERVIÇOS DE HEMOTERAPIA NO SHTWEB. 1. Segundo a RDC nº 153 de 14

Leia mais

Situação da Hepatite B no Estado de Santa Catarina

Situação da Hepatite B no Estado de Santa Catarina Situação da Hepatite B no Estado de Santa Catarina Gerência de DST/Aids/Hepatites Virais Diretoria de Vigilância em Saúde Gerência de Vigilância Epidemiológica Programa DST/HIV/Aids/HV Secretaria de Estado

Leia mais

Papilomavírus Humano HPV

Papilomavírus Humano HPV Papilomavírus Humano HPV -BIOLOGIA- Alunos: André Aroeira, Antonio Lopes, Carlos Eduardo Rozário, João Marcos Fagundes, João Paulo Sobral e Hélio Gastão Prof.: Fragoso 1º Ano E.M. T. 13 Agente Causador

Leia mais

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO

HEPATITES. Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO HEPATITES Prof. Fernando Ananias HEPATITE = DISTÚRBIO INFLAMATÓRIO DO FÍGADO Hepatites virais: agentes etiológicos A B C D E Vírus hepatotrópicos G TT Herpes vírus EBV CMV Enterovírus Adenovírus Febre

Leia mais

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco DESPACHO

Ministério Público Federal Procuradoria da República em Pernambuco DESPACHO Procedimento Administrativo n. º 1.26.000.000335/2009-11 DESPACHO O presente procedimento administrativo foi instaurado no âmbito desta Procuradoria da República como o objetivo de apurar notícia de que

Leia mais

Hepatites virais e profissionais de saúde

Hepatites virais e profissionais de saúde Hepatites virais e profissionais de saúde Prof. Antonio Carlos de Castro Toledo Jr. Faculdade de Medicina da Unifenas-BH Pós-graduação em Medicina Tropical e Infectologia da Universidade Federal do Triângulo

Leia mais

Hepatite C Casos Clínicos

Hepatite C Casos Clínicos DIA MUNDIAL DE ENFRENTAMENTO DAS HEPATITES VIRAIS Hepatite C Casos Clínicos Dr. Bernardo Machado de Almeida Hospital de Clínicas UFPR H. Municipal São José dos Pinhais Curitiba, 28 de julho de 2014 Para

Leia mais

NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014

NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014 GOVENO DE SANTA CATAINA Secretaria de Estado da Saúde Sistema Único de Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Diretoria de Vigilância Epidemiológica NOTA TÉCNICA Nº. 12/DIVE/SUV/SES/2014 Assunto:

Leia mais

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA

NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA NOVAS TECNOLOGIAS DE PREVENÇÃO CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA Dr. Robinson Fernandes de Camargo Interlocução de DST/Aids da Coordenadoria Regional de Saúde - Sudeste CIRCUNCISÃO MÉDICA MASCULINA No início

Leia mais

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ

LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ LEVANTAMENTO DOS RISCOS DE CONTAMINAÇÃO EM UM LABORATÓRIO DE ANÁLISES CLÍNICAS NO CENTRO- OESTE DO ESTADO PARANÁ Guilherme Viero, Marlise Shoenhals, Franciele A.C. Follador, Darlan Clóvis Vettorello Rech,

Leia mais

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global

Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Os caminhos e descaminhos de uma epidemia global Por Rodrigo Cunha 5 de junho de 1981. O Relatório Semanal de Morbidez e Mortalidade do Centro para Controle e Prevenção de Doenças (CDC) dos Estados Unidos

Leia mais

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda

Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Hepatites virais no Brasil: situação, ações e agenda Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais Secretaria de Vigilância em Saúde Ministério da Saúde I. Apresentação II. Contexto epidemiológico III.

Leia mais

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA

cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA cartões de bolso serié 4 VIH/ SIDA 1 O que é VIH? É o vírus que causa a SIDA. Vírus é um microbio muito pequeno, que não se consegue ver a olho nu, ou seja, é preciso ajuda de um microscópio. VIH significa:

Leia mais

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523

PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 PARECER COREN-SP 042/2014 CT PRCI nº 5441/2014 Tickets nºs 374.222, 374.252 e 374.523 Ementa: Utilização de luvas de procedimentos para aplicação de vacina. 1. Do fato Profissionais de Enfermagem solicitam

Leia mais

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH

Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD Núcleo Municipal de Controle de Infecção Hospitalar - NMCIH Centro de Prevenção e Controle de Doenças CCD ALERTA EPIDEMIOLÓGICO I Influenza Suína ABRIL 2009 Definição de caso 1-Caso suspeito de infecção humana pelo vírus da influenza suína A (H1N1). Apresentar

Leia mais

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS

ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS ACONSELHAMENTO PARA DST/AIDS NO SUS A prática do aconselhamento desempenha um papel importante no diagnóstico da infecção pelo HIV/ outras DST e na qualidade da atenção à saúde. Contribui para a promoção

Leia mais

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae.

-Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Os Papiloma Vírus Humanos (HPV) são vírus da família Papovaviridae. -Chamado de HPV, aparece na forma de doenças como condiloma acuminado, verruga genital ou crista de galo. -Há mais de 200 subtipos do

Leia mais

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1

O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 O Perfil Dos Usuários Do Grupo De Apoio Às DST s E AIDS, Viçosa - MG 1 Talita da Conceição de Oliveira Fonseca. Economista Doméstica. Endereço: Rua João Valadares Gomes nº 210, bairro JK, Viçosa-MG. E-mail:

Leia mais

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014:

ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: ALERTA SARAMPO Atualização da Situação Epidemiológica, Setembro 2014: O Estado de São Paulo reforça a recomendação para que todos os GVE mantenham os municípios de sua área de abrangência em TOTAL ALERTA

Leia mais

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE

REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE REDUÇÃO DE DANOS EM SERVIÇOS DE SAÚDE Prevalência do HIV nas Populações mais Vulneráveis População em geral 0,65% Profissionais do sexo 6,6% Presidiários - 20% Usuários de drogas injetáveis 36,5% REDUÇÃO

Leia mais

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS

DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS DOENÇAS SEXUALMENTE TRANSMISSÍVEIS Doenças Sexualmente Transmissíveis são aquelas que são mais comumente transmitidas através da relação sexual. PRINCIPAIS DOENÇAS SEXUALMENTE

Leia mais

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids

Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids Nessa hora você não vai parar para pensar se sabe tudo sobre Aids 1 a Aids reduz a imunidade A Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (Aids ou SIDA) não é a doença. Ela reduz a imunidade devido à ação

Leia mais

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que

Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que Mulher, 35 anos, terceira gestação, chega em início de trabalho de parto acompanhada do marido que tossia muito e comentou com a enfermeira que estava em tratamento para tuberculose. A mulher informa que

Leia mais

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico.

PERFIL HEPATITE. Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. PERFIL HEPATITE Segurança para o diagnóstico e acompanhamento clínico. TLA - Total Lab Automation Agilidade e Confiança TAT (Turn Around Time) de produção de 2 horas. Quatro linhas de produção totalmente

Leia mais

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE)

PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) PROTOCOLO DE IDENTIFICAÇÃO E MONITORAMENTO DE CONTACTANTES DE CASOS DE DOENÇA PELO VÍRUS EBOLA (DVE) Versão 1 atualização em 09 de outubro de 2014 1. INTRODUÇÃO A detecção de casos em tempo hábil e a resposta

Leia mais

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL

SEGURANÇA DO PROFISSIONAL SEGURANÇA DO PROFISSIONAL RISCO BIOLÓGICO Palestrante: Carolina Cardoso de Araujo Ferri Importância na Enfermagem Brasil: 1,5 milhões de profissionais São Paulo: 346.730 profissionais * Enfermeiros: 65.981

Leia mais

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO

ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO ANEXO RESOLUÇÃO COFEN Nº 468/2014 ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NO ACONSELHAMENTO GENÉTICO I. OBJETIVO Estabelecer diretrizes para atuação privativa do Enfermeiro em Aconselhamento Genético, no âmbito da equipe

Leia mais

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA

ENFERMAGEM EM BIOSSEGURANÇA BIOSSEGURANÇA : 1-CONCEITO: É a ciência que estuda o manuseio de substâncias biológicas avaliando todas as condições que serão necessárias para a atividade de enfermagem. 1.2 Considerações gerais : Em

Leia mais

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV

PARTE A. Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV DEPARTAMENTO DE SAÚDE DO ESTADO DE NOVA YORK Instituto da AIDS Consentimento Informado para fazer o exame de HIV O exame de HIV é voluntário. O consentimento pode ser revogado a qualquer momento, mediante

Leia mais

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013

Seminário estratégico de enfrentamento da. Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS. Maio, 2013 Seminário estratégico de enfrentamento da Tuberculose e Aids no Estado do Rio de Janeiro PACTUAÇÃO COM GESTORES MUNICIPAIS Maio, 2013 1.Detecção de casos e tratamento da tuberculose 1.1. Descentralizar

Leia mais

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal

Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal Plano de Qualificação das Linhas de Cuidados da Transmissão Vertical do HIV e da Sífilis nos Estados do Semiárido e Amazônia Legal O que é Transmissão Vertical HIV e Sífilis? A transmissão vertical do

Leia mais

Nota Técnica Varicela 2012

Nota Técnica Varicela 2012 Prefeitura da Cidade do Rio de Janeiro Secretaria Municipal de Saúde e Defesa Civil Subsecretaria de Promoção, Atenção Primária e Vigilância em Saúde Superintendência de Vigilância em Saúde Coordenação

Leia mais

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS.

PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. PREVENÇÃO DE DST/AIDS APÓS VIOLÊNCIA SEXUAL AVALIAÇÃO DOS CASOS NOTIFICADOS À SES/RS. Introdução e método: A violência física em especial a violência sexual é, sem dúvida, um problema de saúde pública.

Leia mais

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho

Câncer de Próstata. Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho Câncer de Próstata Fernando Magioni Enfermeiro do Trabalho O que é próstata? A próstata é uma glândula que só o homem possui e que se localiza na parte baixa do abdômen. Ela é um órgão muito pequeno, tem

Leia mais

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO

SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO SITUAÇÃO DO HIV/AIDS NO BRASIL E OS FATORES QUE INFLUENCIAM A INFECÇÃO Jader Dornelas Neto 1 ; Daniel Antonio Carvalho dos Santos 2 ; Guilherme Elcio Zonta 3 ; Simone Martins Bonafé 4 RESUMO: O objetivo

Leia mais

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL

ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL Prefeitura do Município de São Paulo Secretaria Municipal da Saúde Coordenação de Desenvolvimento da Gestão Descentralizada ÁREA TÉCNICA DE SAÚDE BUCAL DIAGNÓSTICO PRECOCE E PREVENÇÃO DO CÂNCER BUCAL RELATÓRIO

Leia mais

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando:

A Secretária de Vigilância Sanitária do Ministério da Saúde, no uso de suas atribuições, e considerando: Detecção de anticorpos anti-hiv - Portaria 488 de 17/6/1998 Ementa: As unidades hemoterápicas, públicas e privadas, que realizam atividades de Hematologia, ficam obrigadas a cumprir as etapas do conjunto

Leia mais

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo

Aids e Ética Médica. Dr. Eugênio França do Rêgo Dr. Eugênio França do Rêgo Aids e discriminação: 1. Deve o médico ter presente a natureza de sua profissão e, principalmente, sua finalidade. (CEM: 1 o ; 2 o e 6 o ) 2. Deve o médico buscar a mais ampla

Leia mais

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010

Briefing. Boletim Epidemiológico 2010 Briefing Boletim Epidemiológico 2010 1. HIV Estimativa de infectados pelo HIV (2006): 630.000 Prevalência da infecção (15 a 49 anos): 0,61 % Fem. 0,41% Masc. 0,82% 2. Números gerais da aids * Casos acumulados

Leia mais

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida

Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida 1 Projeto Verão Sem AIDS Valorizando a Vida O PROJETO VERÃO SEM AIDS VALORIZANDO A VIDA foi idealizado por João Donizeti Scaboli, Diretor do da FEQUIMFAR. Iniciamos de forma pioneira em 1994, quando o

Leia mais

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F.

UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. UNIVERSIDADE TUIUTI DO PARANÁ LUIZ SASSO FILHO PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL DIA AIDS EM BRASÍLIA D.F. BRASÍLIA DF 2009 PERFIL DOS PORTADORES DO VÍRUS HIV ATENDIDOS NO HOSPITAL

Leia mais

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa;

a) Situação-problema e/ou demanda inicial que motivou e/ou requereu o desenvolvimento desta iniciativa; TÍTULO DA PRÁTICA: PERFIL EPIDEMIOLÓGICO DOS CASOS DE TUBERCULOSE DO DISTRITO SANITÁRIO CENTRO 2011: apresentação regular dos dados de tuberculose as unidades do Distrito Sanitário Centro CÓDIGO DA PRÁTICA:

Leia mais

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária

INDICAÇÕES BIOEASY. Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária INDICAÇÕES BIOEASY Segue em anexo algumas indicações e dicas quanto à utilização dos Kits de Diagnóstico Rápido Bioeasy Linha Veterinária 1- ANIGEN RAPID CPV AG TEST BIOEASY PARVOVIROSE Vendas de Filhotes:

Leia mais

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS

ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES EM UM PROJETO: PERFIL DOS POSSÍVEIS PORTADORES DE HIV/AIDS 110. ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA ( ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( X ) SAÚDE ( ) TRABALHO ( ) TECNOLOGIA ACOLHIMENTO DE PARTICIPANTES

Leia mais

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011

Secretaria de Saúde PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 PROTOCOLO PARA A PREVENÇÃO DA TRANSMISSÃO DO HIV PARA ACIDENTES OCUPACIONAIS UBERABA, 2011 INDICE Introdução... 3 1) Definição da sorologia para HIV do paciente-fonte... 4 2) Locais de atendimento ao acidentado...

Leia mais

Pólos de testes anti-hiv para gestantes

Pólos de testes anti-hiv para gestantes Pólos de testes anti-hiv para gestantes Contexto Validação de testes rápidos para diagnóstico sorológico da infecção pelo HIV; Publicação, pelo Ministério da Saúde, da portaria número 34 de julho de 2005,

Leia mais

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias

Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Perguntas e respostas sobre imunodeficiências primárias Texto elaborado pelos Drs Pérsio Roxo Júnior e Tatiana Lawrence 1. O que é imunodeficiência? 2. Estas alterações do sistema imunológico são hereditárias?

Leia mais

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA

PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA PERFIL DO CONSUMO DE ÀLCOOL EM MULHERES DE UM NÚCLEO DE SAÚDE DA FAMÍLIA AGNES MERI YASUDA; Juliana Maria Marques Megale, Quitéria de Lourdes Lourosa; Aldaísa Cassanho Forster; Clarissa Lin Yasuda HOSPITAL

Leia mais