O programa mediação de conflitos como prevenção à criminalidade

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O programa mediação de conflitos como prevenção à criminalidade"

Transcrição

1 O programa mediação de conflitos como prevenção à criminalidade CONSIDERAÇÕES INICIAIS Braulio de Magalhães Santos A Secretaria de Estado de Defesa Social, a partir de uma nova concepção sobre os fatores que interferem no fenômeno da criminalidade e da violência avançou, na mesma medida, quanto aos arranjos institucionais necessários para tratamento e manejo de tais fenômenos. Para tanto, foi instituído um plano de segurança pública contendo ações a serem desenvolvidas, denominado Plano Emergencial de Segurança Pública. Nos termos expressos neste Plano, sua meta básica é a reversão da tendência de crescimento desmesurado das taxas de criminalidade violenta observadas no Estado de Minas Gerais nos últimos dez anos. O Plano Emergencial de Segurança Pública contempla ações específicas para, dentre outras, a Prevenção Social da Criminalidade, o qual pauta suas ações, em boa medida, pela construção de novas relações entre os órgãos componentes do Sistema de Defesa Social e a sociedade civil, incorporando-se a participação-cidadã no planejamento e execução da política pública. Como um dos eixos essenciais deste plano, ou seja, como matriz estruturante para consecução dos objetivos propostos, convém destacar o seguinte: Prevenção Social e Situacional da Criminalidade: a adoção de medidas nessa área tem impacto de médio e longo prazos. A maximização do poder dissuasório do aparato repressivo do Executivo estadual é inócua se não for acompanhada de ações que incidam sobre os fatores sociais que favorecem o surgimento de indivíduos motivados para a atividade criminosa. Por fim, deve-se destacar que o plano ora apresentado considera em seu escopo a participação da comunidade e o respeito aos direitos humanos como princípios basilares das ações propostas. Há uma conscientização cada vez maior na sociedade brasileira no sentido de que a garantia da segurança pública não é responsabilidade exclusiva do Estado, devendo envolver também a sociedade civil organizada e os cidadãos de maneira geral na discussão dos problemas e na busca de soluções. Além disso, toda e qualquer política pública de combate ao crime deve se pautar pelo respeito aos direitos básicos da cidadania, evitando o risco de alcançarmos resultados eficientes mediante a acentuação da arbitrariedade por parte dos agentes de segurança pública. (Plano de Segurança Pública, 2003, p. 15) Nessa perspectiva, o plano estabelece diretrizes gerais para elaboração de programas e projetos que tratem deste objeto. Dentre os programas e projetos referidos no Plano Estadual de Segurança Pública, convém destacar os Programas de Prevenção Criminal. O fenômeno do aumento da criminalidade, mais especificamente, da criminalidade violenta é fator evidente e pauta as iniciativas em termos de políticas públicas de segurança. Principalmente nos grandes aglomerados urbanos desorganizados áreas de urbanização precária e desordenada caracterizadas pelo desemprego e outras carências generalizadas (higiene, assistência médica, educação, habitação, alimentação e lazer dignos) verifica-se o cenário propício à ocorrência de crimes, os quais afetam em grande medida os jovens mas, sobretudo, instala um sentimento de insegurança e medo coletivos. Retomando, como exposto acerca da prevenção social e situacional da criminalidade e, conforme se evidencia a tônica do Plano, para se tratar destas questões é imprescindível que seja feito de modo articulado com a população, tendo em vista inclusive que as ações devem incidir sobre os vários fatores sociais interligados à temática segurança pública. Uma das formas propostas para enfrentar tais questões consistiu na...mobilização da comunidade para enfrentar os inúmeros problemas vividos pela mesma que possam estar alimentando a violência.... O Plano Estadual de Segurança Pública explicita também as diretrizes gerais da metodologia de 1

2 atuação dos Programas, qual seja, a solução dos problemas. Isso consiste na organização de todo o sistema com seus órgãos formando uma ampla coalizão interinstitucional além da articulação entre os três entes da federação e da sociedade civil e empresarial, tratando do crime numa abordagem ecológica. Os modelos ecológicos (que inspiram grande parte das intervenções de prevenção ao crime que tem a comunidade por foco) argumentam que raramente o crime é o único problema da comunidade e que o mesmo está relacionado a outras formas de desvantagens sociais, principalmente nas comunidades com altas taxas de crime. O modelo vê o crime como resultado de uma variedade de fatores e condições que se interconectam e se corporificam na teoria da etiologia múltipla e aponta ainda possíveis direções para as ações de pesquisa e intervenção no combate à violência. As ações de intervenção devem estar alicerçadas em conhecimentos sólidos dos fatores que geram e influenciam a violência na região onde vão ser implementadas. A crescente adesão ao paradigma preventivo da violência aponta um modelo de intervenção inspirado no campo da saúde pública e que se caracteriza por três níveis de prevenção: primária, secundária e terciária. (Plano Estadual de Segurança Pública, 2003, pp ) A prevenção primária consiste nas abordagens destinadas a evitar a violência antes que ela ocorra, dirigindo-se à população como um todo e podendo implicar intervenções no meio ambiente físico e social, priorizando assim, a abordagem de fatores que podem provocar o crime. Estas intervenções se agrupam conforme o grupo-alvo aos quais se dirigem as ações: - Intervenções Gerais: são ações direcionadas a toda a população independente do risco individual. Ações estas que objetivam atividades sistemáticas em vários espaços das comunidades, dirigidas a vários segmentos sociais e priorizando atividades de fomento à participação, conscientização e prevenção geral. Alguns exemplos são campanhas educativas em escolas, campanhas educativas na mídia em geral, planejamento local, capacitação individual e coletiva para socialização de demandas para execução de práticas preventivas contra a violência. - Intervenções Escolhidas: implicam em ações dirigidas a determinados grupos de risco ou de potencial risco para conter ou melhor elaborar as situações de conflitos nas suas várias facetas. Incluem como atividades, por exemplo, grupos de discussão sobre família, saúde: sexualidade, prevenção ao uso de drogas, gravidez precoce, alternativas de esporte, lazer. - Intervenções Indicadas: são ações voltadas ao público que já demonstra um grau importante de envolvimento com a violência e criminalidade. Incluem-se os agressores domésticos, alcoólicos, reincidentes (egressos) em situações de agressão em família ou na comunidade. PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS: UM BREVE RESGATE Inicialmente, convém inferir algumas observações acerca das modificações sofridas pelo Programa Mediação de Conflitos desde sua introdução no contexto das políticas do Estado de Minas Gerais. Há também considerações sobre algumas peculiaridades do Programa como a diversidade de parceiros nas várias ações exigíveis desde sua coordenação e gestão administrativa, orçamentária e financeira, passando por suas diretrizes teóricas, técnicas e metodológicas até suas rotinas diárias. Implica, portanto, em um gerenciamento que articula atividades-início, atividade-meio e atividades-fim, o que exige planejamento, coordenação, gestão e execução em um programa que envolve a ação do Estado com as parcerias próximas com a Universidade e Municípios além de outros vários intervenientes. No contexto atual, um fator relevante de análise é que o Programa Mediação de Conflitos se situa em uma nova disposição, ou seja, passa a integrar, juntamente com outros quatro (4) programas da Superintendência de Prevenção à Criminalidade (Programa Fica Vivo, Programa CEAPA, Programa Reintegração Social do Egresso e Programa de Proteção ao Adolescente Ameaçado de Morte), o Núcleo de Prevenção à Criminalidade. Como alteração imediata, vê-se a necessária interface de pelo 2

3 menos dois (2) programas posto que passam a atuar no mesmo espaço físico, o que exige uma metodologia planificada por ambos para um eficiente fluxo de trabalho. Até o primeiro semestre do ano de 2005, o Programa Mediação de Conflitos consistia em três (3) Núcleos Aglomerado Santa Lúcia, Aglomerado Serra e Conjunto Jardim Felicidade - os quais estavam dispostos em um espaço exclusivo para funcionamento, com uma metodologia própria e com uma gestão pouco articulada em se tratando de coordenação administrativa do Estado e coordenação e supervisão metodológica pela Universidade Federal de Minas Gerais/Programa Pólos de Cidadania. Outro fator importante é que desde o ano de 2001, quando o Programa passou a ser apoiado pelo Governo do Estado, ocorreram mudanças variadas. Para realização do Programa foi firmado convênio com o Governo Federal/MJ/SENASP, para implantação dos Centros e, inicialmente, integrava a estrutura da Secretaria de Estado Adjunta de Justiça e Direitos Humanos (SEAJDH). Importante registrar que nesta época se estabeleceu a institucionalização destes espaços, com o marco legal estabelecido através do Decreto Estadual de e Resoluções 727 e 728 de , ainda vigentes. Com a mudança do Governo do Estado em 2003, a gestão do Programa passou à Secretaria de Estado de Desenvolvimento Social e Esportes (SEDESE), momento em que se operaram alterações, inclusive de nomenclatura, em que tais espaços eram chamados de Centro de Referência do Cidadão (CRC). Ainda com o funcionamento nos três (3) espaços anteriormente citados (Aglomerado Serra, Aglomerado Santa Lúcia e Conjunto Jardim Felicidade), traçou-se um plano de ampliação de tais Centros, o que seria gradual, mas de alcance restrito ao município de Belo Horizonte e, também com funcionamento isolado, isto é, o Centro era um espaço único e o Programa atuava de modo desvinculado de outras ações ou projetos. Cabe salientar que a perspectiva do Programa até então, pelo contexto da pasta onde estava contida SEDESE -, era autônoma, ampla e generalizada. Assim, as várias ações e projetos desenvolvidos não tinham estabelecidos um foco ou uma temática delimitada ou mesmo orientada. Basicamente, visava à promoção dos direitos humanos na concepção indivisível e, assim, as demandas e públicos não passavam por qualquer determinação mais delineada em termos de política pública e suas implicações. Após o decurso de tempo de conhecimento e de planejamento das ações e na visão racional e intersetorial de um modelo gerencial de Administração Pública, o Programa passou a integrar, a partir de 2005, a Superintendência de Prevenção à Criminalidade, na estrutura da Secretaria de Estado de Defesa Social. Convém frisar que esta Secretaria de Defesa Social surgiu como um novo paradigma em termos de intervenções do Estado no tratamento da segurança pública. Historicamente, foi se firmando uma conjuntura em que a segurança pública era tratada em uma concepção repressiva e, quando preventiva, ainda somente com órgãos institucionalizados ou especializados na questão também como foco dirigido de forma repressiva. A partir de uma nova concepção e como uma mudança de paradigma no trabalho da segurança pública, foi estruturada a SEDS como um órgão que agregasse instituições que trabalhassem a repressão e a prevenção de uma forma articulada, intersetorial e necessariamente, profissional, com instrumentos gerenciais eficazes. Assim, ganha o espaço necessário a Superintendência de Prevenção à Criminalidade como órgão 3

4 inovador e primordial na nova forma de se tratar a segurança pública. Inicialmente havia apenas o Programa Fica Vivo!, o qual serviu como referência para demonstrar a necessidade e a potencialidade dessa nova forma de tratar a violência e a criminalidade. É nessa concepção que se elabora o Plano Estadual de Segurança Pública, já referido anteriormente, e que são traçadas as diretrizes estruturantes e os eixos de cada órgão e de cada programa. A partir de então foram incorporados outros programas que trabalhassem a violência e criminalidade nas dimensões preventivas primárias, secundárias e terciárias, intervindo com ações gerais, indicadas e escolhidas, com direção ao público afeto ou áreas determinadas por estudos e pesquisas. Através de parcerias com institutos especializados foram pesquisadas e apontadas as áreas, os segmentos e outros elementos que apontavam a perspectiva de trabalho da Superintendência de Prevenção. É nesse contexto que se insere o Programa Mediação de Conflitos. A partir da definição de áreas e público-alvos através de estudos e pesquisas fidedignas e técnico-metodologicamente garantidas na sua realização, o Programa se estabelece como uma alternativa de resposta aos problemas da segurança pública. Os objetivos, as concepções, a metodologia e as atividades do Programa têm o seu objeto melhor delimitado, sua área de atuação previamente definida e sua temática bem estabelecida, qual seja a prevenção social da criminalidade e da violência. A forma de gerenciamento do Programa também adota ações mais profissionalizadas com a adesão aos mecanismos de controle de políticas públicas através do estabelecimento e acompanhamento de metas e resultados (Acordo de Resultados) além do monitoramento como Programa integrante do Projeto Estruturador do Estado de Minas Gerais. Internamente, o Programa passa a ter uma coordenação estruturada com vistas ao planejamento, gestão, implementação, execução, monitoramento e avaliação em todas as suas etapas. Isso implica em gerenciamento administrativo-financeiro, técnico-metodológico, teórico-científico e diz respeito às suas articulações e interface de base local, municipal, estadual e nacional e seus desdobramentos e parcerias. Observando as orientações e fundamentos da política, a diretriz era o trabalho integrado tanto com os demais programas da Superintendência de Prevenção e, posteriormente, com os demais órgãos da Secretaria de Defesa Social, demais órgãos do Estado e de outros entes da Federação, além dos agentes e instituições da sociedade civil. Por fim, traçou-se uma matriz para subsidiar as ações de implantação e implementação dos Programas e, no caso da Superintendência de Prevenção, definiu-se pela integração dos Programas em um espaço denominado Núcleo de Prevenção à Criminalidade. O Programa Mediação de Conflitos, então, passa a compor o Núcleo de Prevenção e, pelas semelhanças de área de atuação e segmentos sociais, estabelece a perspectiva de trabalho integrado com o Programa Fica Vivo!. O PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS NO NÚCLEO DE PREVENÇÃO À CRIMINALIDADE A partir do ano de 2005, houve importantes alterações. A Superintendência de Prevenção à Criminalidade redefiniu suas ações e criou o Núcleo de Prevenção à Criminalidade, o qual se constitui da integração dos quatro (4) programas sociais, quais sejam; Programa Fica Vivo, Programa de Acompanhamento e Monitoramento de Penas Alternativas CEAPA, Programa de Reintegração Social 4

5 dos Egressos e Programa Mediação de Conflitos. Desse modo, iniciou-se a construção de uma nova metodologia que fosse integrada, participativa e ampliada, considerando as especificidades mas, sobretudo, a perspectiva preventiva de se tratar as questões sociais de violência e criminalidade. Foram definidas então, além dos outros três (3) Núcleos acima mencionados, definiu-se a implantação de dos seguintes Núcleos em Belo Horizonte: Cabana do Pai Tomás, Morro das Pedras, Pedreira Prado Lopes, Alto Vera Cruz e Ribeiro de Abreu; cinco (5) Núcleos na Região Metropolitana: Santa Luzia, Contagem, Betim, Vespasiano e Ribeirão das Neves e mais cinco (5) Núcleos no Interior do Estado: Ipatinga, Governador Valadares, Montes Claros, Juiz de Fora e Uberlândia, sendo que nos dois (2) últimos municípios não se implantou o Programa Mediação de Conflitos. Assim, a Superintendência de Prevenção à Criminalidade tem empreendido várias atividades para implantação de tais Núcleos, o que está sendo feito gradativamente em conformidade com o planejamento definido. Especialmente as atividades-fim, sendo aquelas realizadas diretamente com o público-alvo ou beneficiários com as ações dos Núcleos, a metodologia de atuação tem sido implementada notadamente entre os Programas Fica Vivo e Mediação de Conflitos, dadas as especificidades e articulações possíveis, o que também se identifica entre o CEAPA e Egressos. Tal metodologia implica na otimização de ações e na realização de todas as atividades para implantação dos Núcleos, de forma integrada entre os Programas especialmente as fases iniciais de mobilização das comunidades, mapeamento e monitoramento das áreas definidas, capacitação de lideranças e capacitação e treinamento dos técnicos. CONCEPÇÕES E OBJETIVOS DO PROGRAMA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS O Programa Mediação de Conflitos constitui-se em ações desenvolvidas pela Secretaria de Estado de Defesa Social através da Superintendência de Prevenção à Criminalidade que visa empreender ações efetivas de prevenção e composição de conflitos. Este Programa pauta suas ações através da identificação de situações de violações de direitos, restaurando-os e integrando as pessoas e comunidades na perspectiva de impedir novas violações. Trata-se da prestação de serviços que viabilizem o acesso à justiça na sua melhor forma, isto é, na interlocução entre as partes envolvidas para que os mesmos construam as soluções para seus conflitos de forma democrática, colaborativa e dialógica. A idealização da Mediação de Conflitos partiu da constatação de que se faz necessária uma revisão das formas de atuação do Estado em relação às questões da exclusão social, da violência e do exercício da cidadania em comunidades marcadas pelo acesso precário aos serviços sociais básicos e por violações recorrentes aos direitos fundamentais. Daí a proposta de utilização do processo extrajudicial de solução de conflitos através da Mediação, entendida como um procedimento que visa à tomada de consciência e o engajamento das pessoas e organizações na busca de soluções criativas e plausíveis para os seus problemas. O projeto sustenta-se na assunção de uma nova cultura - da democracia cotidiana pela qual o sujeito de direito qualifica-se como cidadão - funda-se na problematização da questão do acesso à justiça e às políticas públicas, ou melhor, na possibilidade de participação ativa da própria comunidade na solução de grande parte de seus problemas e conflitos. Programa Mediação de Conflitos adota a mediação de conflitos e a discussão coletiva de problemas 5

6 como parte da metodologia da pesquisa-ação. A mediação, aqui tomada em sentido amplo, corresponde a todo serviço prestado pelo Núcleo. Realiza-se mediação entre o cidadão e as instituições que prestam serviços públicos, entre as partes que querem resolver seus conflitos de forma dialógica e pacífica, entre as diversas organizações comunitárias, entre as mesmas e as demais equipes do Programa Pólos de Cidadania, entre o cidadão e as organizações comunitárias, entre estas e o Estado, e do sujeito com ele mesmo, uma vez que o conflito e o Outro (sujeito antagônico) encontram-se no discurso e no imaginário construído a cerca da questão. A Equipe de cada Núcleo conta com profissionais e estagiários das áreas de Direito, Serviço Social e Psicologia e é dividida em duas frentes: Equipe de Atendimento, que permanece no espaço físico do Núcleo recebendo demandas individuais e coletivas e a Equipe de Mediação Comunitária, que trabalha junto com as organizações comunitárias no conjunto de toda comunidade. Como objetivos gerais do Programa Mediação de Conflitos, destacamos: Criar um espaço público dotado de recursos humanos, metodológicos e logísticos, capaz de possibilitar o acesso à justiça através da resolução extrajudicial de conflitos, a partir da prática cotidiana da participação efetiva dos membros dessas comunidades na resolução e prevenção de seus problemas. Constituir equipe de trabalho com as organizações comunitárias no sentido da ocupação de espaços nas áreas de exclusão para desenvolvimento dos sentidos de cidadania, de solidariedade e intercompreensão para dar efetividade às políticas públicas e aos direitos humanos e fundamentais. DELINEANDO UMA METODOLOGIA A estratégia metodológica utilizada no Programa Mediação de Conflitos foi desenvolvida e testada pelo Programa Pólos de Cidadania em áreas de exclusão social de Belo Horizonte. Baseada na pesquisaação, trata-se de metodologia calcada na concepção de investigação e intervenção planejada que não se restringe às atividades conjunturalmente emergenciais, mas resulta de diagnósticos fundados em estratégias diversificadas de pesquisas especificamente desenvolvidas para a identificação, análise e explicação da existência de gramáticas de práticas sociais e sua relação com uma pluralidade de discursos éticos e de cidadania. Para essas descobertas torna-se indispensável uma relação constante e sistemática dos agentes da cidadania com a vivência cotidiana das comunidades envolvidas com o Projeto. Entende-se como comunidade todos os grupos organizados em movimentos e os agentes sociais ou entidades que com estes se relacionem sistematicamente. Trata-se, portanto, de um serviço acesso à justiça prestado às comunidades excluídas, respaldado por uma rede de defesa e promoção sócio-econômica da cidadania, composta por entidades não governamentais e governamentais. O processo de mediação é uma das formas de resolução extrajudicial de conflitos. Esse processo não se restringe à esfera jurídica dada a complexidade que os conflitos encerram. Por essa razão, optou-se por uma atuação a partir de equipes interdisciplinares composta por profissionais e estagiários das áreas de Direito, Psicologia e Assistência Social ou Sociologia. Do ponto de vista operacional, o Programa pretendem identificar situações de violações de direitos humanos e de cidadania, compreender tais situações como problemáticas jurídicas e sociais e promover a prevenção de lesões a direitos, buscando a restauração dos mesmos quando necessário. 6

7 Os procedimentos metodológicos previstos são: a) atendimento através de mediação; b) discussão colegiada de casos e c) coletivização de direitos; No primeiro momento, a equipe interdisciplinar dispõe-se a compreender o conflito em seu relato inicial. Nesse momento, os relatos apresentam inúmeros bloqueios de conteúdo social, psicológicoafetivo e de desvirtuamento da nossa justiça. O mediador deverá, pois, estar atento às ocorrências de contradições, exacerbação de ânimo ou de relatos ininteligíveis tendo em vista a situação artificial e atemorizante do primeiro contato. Para que essa situação seja menos opressiva, deve-se atender o litígio (seja uma única pessoa que relata, os dois conflitantes, ou mesmo um grupo) por, no máximo, uma dupla interdisciplinar e não toda a equipe. Essa dupla poderá constituir-se de dois profissionais de áreas diferentes, ou um profissional e um estagiário (também de áreas diversas). O caso é posteriormente apresentado a toda equipe interdisciplinar para a discussão de encaminhamento a serem dados. Essa discussão deve enfocar não somente as características práticas do relato, mas, principalmente, construir uma teoria sobre a questão posta. Essa teorização do caso é sua compreensão efetivamente interdisciplinar tendo em vista os olhares teóricos que acompanharam a escuta do conflito e que serão decodificados por toda equipe através de conteúdos e conceitos interdisciplinares. Teoriza-se a prática. As características do próprio caso, contudo, limitam a capacidade da teoria de compreender a realidade. Daí porque há um processo didático de compreensão do litígio que é bem diverso do procedimento silogístico utilizado pelas estruturas formais do Direito. Entre o caso tópico e sua teoria deve haver um caminho sinuoso de compreensões múltiplas até se chegar às opções de encaminhamentos. Para visualizar melhor a metodologia empregada pelo Programa é importante fazer alguns registros. O Programa se pauta pela execução de várias ações e projetos, com métodos variados e integrados entre si. Além da Mediação-Atendimento, brevemente descrito acima, há a Mediação Comunitária. Esta frente de ações implica, de modo genérico, na compreensão, manejo e tratamento de demandas coletivas. Não raro, muitos dos problemas enfrentados pelas comunidades destas áreas vulneráveis, são afetos a um número maior de pessoas ou a uma área que engloba um grande número de pessoas. Assim, na perspectiva posta pelo Plano de Segurança, devem ser empenhadas ações para soluções de conflitos. Ainda sobre a Mediação-Atendimento é importante visualizar, sucintamente, algumas etapasreferência: 1. Recepção ou Acolhimento: etapa inicial de contato e estabelecimento de laços para vincular Pessoas/Técnicos/Núcleo 2. Apresentação: esta etapa consiste na apresentação do espaço, dos Técnicos e do trabalho desenvolvido no Núcleo. Importante destacar que nessa etapa o objetivo também é ampliar as ações dos Programas fazendo com que cada atendido seja um multiplicador do Programa na comunidade 3. Escuta do relato: inicia-se então a escuta do relato feito pelo atendido, sem proceder quaisquer intervenções que possa parecer juízo de valor ou questionamento. Deve a pessoa descrever a sua versão integral. Nessa etapa, os Técnicos devem apurar a escuta para identificar os pontos marcantes da demanda que apontam a causa dos conflitos. 4. Compreensão da demanda: implica em contextualizar a demanda e obter informações importantes para os passos seguintes do processo. 5. Coleta/Complementação de dados: como é feito o registro e, a partir desse registro em ficha que 7

8 será alimentada quantas vezes a(s) parte(s) o caso exigir procedimentos, faz-se a complementação de informações, especialmente ampliando a coleta para outros membros da família, da vizinhança e também dados sócio-econômicos sobre o atendido. 6. Avaliação da demanda: embora a avaliação seja uma variável constante no atendimento, a primeira avaliação visa discutir e conhecer a demanda a partir das informações apresentadas e, sobretudo, em quais informações foram omitidas ou ainda não foram explicitadas. 7. Classificação prévia da demanda: a classificação de uma demanda não é estática, mas é fundamental, pois direciona o processo no levantamento de possíveis alternativas e métodos para tratar o caso concreto Mediação: Mediação em sentido estrito é o processo metodológico de condução pelas partes de alcance de uma solução possível para a demanda, através do diálogo, da participação e da construção de soluções pelos mesmos. A seguir são descritas as fases, geralmente, identificadas nos procedimentos. - Reunião de equipe - Novo encontro com a parte - Encontro com a outra parte - Encontro entre as duas partes - Acordo ou - Não acordo - Nova reunião de equipe - Termo - Conclusão do caso - Classificação Final 8.2. Orientação: é uma espécie do gênero mediação em sentido amplo que, inicialmente, demonstra ser apenas uma busca por informações ou orientações jurídico-sociais. Através de uma escuta qualificada muitas vezes a orientação se converte em uma mediação. Por exemplo, uma pessoa procura o Núcleo apenas para saber dos direitos seus e de seus filhos acerca de uma possível separação do marido. Com a escuta e outros procedimentos pode ser constatado que se trata de um conflito já estabelecido e que a procura pelo Núcleo e pelas orientações é uma busca de solução aos conflitos enfrentados pela família. Daí, uma potencial situação de mediação. - Sem retorno - Com retorno - Conclusão - Classificação Final 9. Encaminhamentos: esta é uma etapa comum às espécies de Mediação (Mediação e Orientação) e consiste nos necessários e imprescindíveis desdobramentos do caso atendido para a sua solução. Os encaminhamentos, basicamente, se dirigem à rede parceira do Núcleo e, quando exigido, se estabelece um fluxo de encaminhamentos com outras instituições ainda não componentes da rede. A Mediação-Comunitária é uma frente de atuação necessariamente integrada à Mediação-Atendimento e que na perspectiva do Plano Estadual de Segurança Pública e da integração dos Programas da Superintendência de Prevenção se constitui como fundamental para a integração e desenvolvimento comunitário. Na própria concepção do Programa, os conflitos são compreendidos não apenas como litígios, intrigas ou vias de fato. O próprio Plano de Segurança aponta pata a multiplicidade de fatores potencializadores de situações de violência e criminalidade. A situação de desigualdade ou de desvantagens da população demonstra que as carências de serviços essenciais como emprego e renda, saúde, educação, saneamento de água e esgoto, acesso a energia elétrica, moradia e habitação são, pela sua privação, causas 8

9 importantes na geração e potencialização de conflitos. Assim, a compreensão do exercício da cidadania através do acesso aos direitos sociais e aos direitos fundamentais individuais e coletivos apontam a dimensão da expressão conflitos. A privação e a negação do exercício de tais direitos são especiais fatores de acirramento de relações interpessoais, intercomunitários e também ante ao Estado na falta de provisão da população. A Mediação-Comunitária, em termos de etapas processuais, tem algumas diretrizes metodológicas no desenvolvimento de ações: 1. Estudo Prévio: conhecimento das comunidades através de estudos, artigos, pesquisas e outras publicações sobre cada local, especialmente no tocante aos fatores que influenciam a temática segurança pública (diagnósticos e pesquisas existentes). 2. Observação: consiste em um trabalho de campo para se inteirar da comunidade e suas peculiaridades. Isso se dá com visitas monitoradas por agentes e lideranças comunitárias ou mesmo de forma indicada pela comunidade, via Mediação-Atendimento, por uma demanda levada ao Núcleo e necessária de acompanhamento local. 3. Planejamento e Diagnóstico qualificado ou micro-diagnóstico: embora haja instrumentos feitos por ocasião da identificação da área alvo dos Programas, este instrumento se destina a um planejamento específico para elaboração de um plano de ação. É feito um levantamento de instituições existentes na localidade e, após sistematização, são definidos os arranjos para levantar as demandas coletivas ou a forma de coletivizar as demandas. Isso implica em fomentar a instituição de espaços de discussão e deliberação sobre a pauta de demandas da comunidade. Os espaços para isso e a forma de utilização destes espaços requer um acompanhamento efetivo da equipe. 4. Estudo colegiado do Planejamento e Diagnóstico: importante ter instâncias de discussão que envolva as demais equipes (Mediação-Atendimento) e, obviamente, os demais Programas do Núcleo de Prevenção. Como se trata da mesma comunidade e é esta comunidade que vai ao Núcleo e a mesma que acessa os demais Programas, é certo que os métodos de ação devem ser compactuados para se evitar superposições e/ou isolamento de ações. 5. Encaminhamentos: Um pouco diferente dos encaminhamentos da Mediação-Atendimento, aqui os encaminhamentos se dão de forma coletiva com equipes e comunidade envolvida. As deliberações dos rumos do tratamento e manejo das demandas implicam, sobretudo, na sua maturação, no esgotamento das discussões e problematização, no envolvimento do maior número possível de pessoas e na utilização do canal adequado para resolução. Importante frisar que, como as demandas são as mais diversas o trabalho das equipes exige um coerente afunilamento de demandas posto que não se pode tratar de todas ao mesmo tempo. Do mesmo modo, o processamento das demandas não tem prazo pré-fixado para resolução e segue a medida de organização e envolvimento da comunidade. CONSIDERAÇÕES FINAIS Até então foi descrito apenas a metodologia específica do Programa Mediação de Conflitos. Mas, como exposto no decorrer desse texto, a integração dos Programas e o trabalho intersetorial são princípios condicionantes para o funcionamento dos Programas da Superintendência de Prevenção. Desse modo, a partir de então deve estar sendo delineado um modelo de atendimento integrado em prevenção à criminalidade. É o que vem a seguir: uma ampliação conceitual consistente capaz de delinear uma política de atingimento mais universalista, ou seja, com uma escala de abrangência qualitativa e quantitativa, sobretudo assegurando as relações inter institucionais rumo à construção de uma modelo que envolva os vários entes federados. Parte-se então à construção de um modelo gradual e programático de articulação Federal, Estadual e Municipal na gestão da Segurança Pública, 9

10 sobretudo, a partir da lógica e perspectiva de prevenção social da violência e criminalidade. É o passo seguinte nessa inovação. BIBLIOGRAFIA Governo do Estado de Minas Gerais. Plano Estadual de Segurança Pública. Minas Gerais. Brasil RESENHA BIOGRÁFICA Nome Braulio de Magalhães Santos Nascimento 21/11/ Rubim/MG - Brasil CPF Formação Acadêmica/Titulação 2003 Mestrado em Ciências Sociais - Gestão de Cidades. Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, PUC Minas, Belo Horizonte, Brasil Título: Reforma Administrativa de Belo Horizonte-2000: Análise crítica de uma descentralização municipal Orientador: Léa Guimarães Souki Bolsista do(a): Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior Especialização em Direitos Humanos. Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia, FAJE, Belo Horizonte, Brasil Graduação em Direito. Faculdade de Direito de Sete Lagoas, FADISETE/MG, Brasil Atuação profissional Escritório de Advocacia - E.A Atual Vínculo: Advogado, Enquadramento funcional: Autônomo, Regime: Integral Disciplinas Ministradas:DIREITO PÚBLICO Fundação Movimento Direito & Cidadania - FMDC Vínculo: Coordenação de curso, Enquadramento funcional: Coordenação de curso, Regime: Dedicação Exclusiva Prefeitura Municipal de Belo Horizonte - PBH Vínculo institucional Atual Vínculo: Servidor público, Enquadramento funcional: Servidor Público, Carga horária: 40, Regime: Dedicação Exclusiva Atividades 06/ /2000 Direção e Administração, Secretaria Municipal de Assistência Social Cargos Ocupados: Gerência Administrativa 10

11 02/ /2001 Direção e Administração, Secretaria Municipal dos Direitos de Cidadania Cargos Ocupados: Gerência de Contratos e Convênios 09/ /2002 Serviço Técnico Especializado, Coordenadoria Municipal de Direitos Humanos Especificação: Pareceres jurídicos - Projetos Sociais - Projetos de Lei - Assessoria e Consultoria Jurídica 12/2005 Atual Serviço Técnico Especializado, Secretaria de Administração Regional Municipal - Centro Sul Especificação: Assessoria Jurídica Secretaria de Estado de Defesa Social SEDS 2005 Atual Vínculo: Contrato Administrativo, Enquadramento funcional: Funcionário contratado, Carga horária: 40, Regime: Integral Atividades 09/2005 Atual Direção e Administração Cargos Ocupados:Diretor Programa Mediação de Conflitos Linhas de pesquisa Capítulos de livros publicados 1. SANTOS, B. M. Psicologia, Direito e Direitos Humanos: perspectiva transdisciplinar In: Psicologia Social e Direitos Humanos.01 ed.belo Horizonte : Edições do Campo Social, 2003, v.1, p Comunicações e Resumos Publicados em Anais de Congressos ou Periódicos (completo) 1. SANTOS, B. M. Algumas considerações sobre o tema Perversão e Lei - Perspectiva Transdisciplinar In: XIII Fórum Internacional de Psicanálise, 2004, Belo Horizonte. Anais XIII Fórum Internacional de Psicanálise. Belo Horizonte: International Federation os Psychoanalytic Societies, v SANTOS, B. M. Psicologia, Direito e Direitos Humanos In: XIII Congresso Nacional da Psicologia Social, 2003, Belo Horizonte. Psicologia e Direitos Humanos. Belo Horizonte: Laço Social, v.1. Demais Trabalhos 1. SANTOS, B. M. Algumas Inflexões sobre a Participação na Gestão das Políticas Sociais, SANTOS, B. M. A Nobre Luta pelos Direitos Humanos, SANTOS, B. M. Aspectos Gerais da Descentralização na América Latina e suas Implicações no Brasil, SANTOS, B. M. 11

12 Função da Divisão do Trabalho, Solidariedade e Direito em Durkheim, SANTOS, B. M. Município, Poder Local e Políticas Públicas em Direitos de Cidadania, SANTOS, B. M. Participação e Representações da Cidade: Algumas Inflexões em Belo Horizonte, SANTOS, B. M. A indivisibilidade dos Direitos Humanos e a Segurança Pública, SANTOS, B. M. Contribuições conceptuais aos Direitos Humanos contemporâneos, SANTOS, B. M. Função e finalidade democrática da propriedade no Estado Social, SANTOS, B. M. Reação Reflexiva à Concepção de Homem, SANTOS, B. M. Virtudes éticas e virtudes dianoéticas: contribuições aristotélicas,

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA

TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO CONTINUADA, ALFABETIZAÇÃO E DIVERSIDADE DIRETORIA DE EDUCAÇÃO INTEGRAL, DIREITOS HUMANOS E CIDADANIA COORDENAÇÃO-GERAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL TERMO DE REFERÊNCIA

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA-GERAL DA PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA NACIONAL DE ARTICULAÇÃO SOCIAL TERMO DE ADESÃO AO COMPROMISSO NACIONAL PELA PARTICIPAÇÃO SOCIAL O Município (NOME), representado

Leia mais

Instituto Jurídico para Efetivação da Cidadania

Instituto Jurídico para Efetivação da Cidadania Instituto Jurídico para Efetivação da Cidadania .:: Quem somos Fundando em junho de 2.000, o Instituto Jurídico para Efetivação da Cidadania (IJUCI) é uma associação civil sem fins lucrativos que desenvolve

Leia mais

S E D S. Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social

S E D S. Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social S E D S Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social Secretaria de Estado da Família e Desenvolvimento Social SEDS Gabinete Conselhos Assessorias Diretoria Geral Núcleos Grupo de Recursos Humanos

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL na Educação. Profa. Dra. Silvia da Costa STOCKINGER UFPA/CRESS

SERVIÇO SOCIAL na Educação. Profa. Dra. Silvia da Costa STOCKINGER UFPA/CRESS SERVIÇO SOCIAL na Educação Profa. Dra. Silvia da Costa STOCKINGER UFPA/CRESS A ESCOLA Um cenário próprio: instituição que reflete as problemáticas vivenciadas pela sociedade; apresenta expressões da Questão

Leia mais

POLÍTICA CRIMINAL ALTERNATIVA À PRISÃO: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA

POLÍTICA CRIMINAL ALTERNATIVA À PRISÃO: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA POLÍTICA CRIMINAL ALTERNATIVA À PRISÃO: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA 1. O INÍCIO: A IMPLANTAÇAO DO PROGRAMA NACIONAL DE PENAS ALTERNATIVAS PELO Instalado em setembro de

Leia mais

ENCONTRO NACIONAL ASSISTÊNCIA HUMANITÁRIA EM SITUAÇÃO DE RISCO E DE DESASTRES 2010 METODOLOGIA

ENCONTRO NACIONAL ASSISTÊNCIA HUMANITÁRIA EM SITUAÇÃO DE RISCO E DE DESASTRES 2010 METODOLOGIA ENCONTRO NACIONAL ASSISTÊNCIA HUMANITÁRIA EM SITUAÇÃO DE RISCO E DE DESASTRES 2010 METODOLOGIA CENÁRIO ATUAL DIFICULDADES E ENTRAVES SOCORRO E ASSISTÊNCIA DIFICULDADES NA COMUNICAÇÃO E ACESSIBILIDADE SISTEMATIZAÇÃO

Leia mais

Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais. CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011

Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais. CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011 Organização de Serviços Básicos do SUAS em Comunidades Tradicionais CONGEMAS Belém/PA 18 a 20 de abril de 2011 Pilares: Constituição Federal Lei Orgânica de Assistência Social - LOAS Política Nacional

Leia mais

COORDENADORIA DA MULHER DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SERGIPE PROJETO INTERIOR EM REDE

COORDENADORIA DA MULHER DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SERGIPE PROJETO INTERIOR EM REDE COORDENADORIA DA MULHER DO TRIBUNAL DE JUSTIÇA DE SERGIPE PROJETO INTERIOR EM REDE Aracaju-SE Abril/2016 1. APRESENTAÇÃO A Coordenadoria da Mulher do Tribunal de Justiça de Sergipe tem como competência

Leia mais

INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMA QUE ESPECIFICA.

INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMA QUE ESPECIFICA. 1/5 LEI Nº 4588 de 03 de setembro de 2010. INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL NA FORMA QUE ESPECIFICA. MARCOS JOSÉ DA SILVA, Prefeito do Município de Valinhos, no uso das atribuições que

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS

PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS PLANO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EM DIREITOS HUMANOS EDUCAÇÃO BÁSICA ENSINO SUPERIOR EDUCAÇÃO NÃO-FORMAL EDUCAÇÃO DOS PROFISSIONAIS DO SISTEMA DE JUSTIÇA E SEGURANÇA EDUCAÇÃO E MÍDIA Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PLANO NACIONAL DE EXTENSÃO

PLANO NACIONAL DE EXTENSÃO PLANO NACIONAL DE EXTENSÃO 1999-2001 (disponível em www.mec.gov.br/sesu/planonaex.shtm) Princípio Básico Eixos Temáticos Objetivos Metas Financiamento Avaliação PRINCÍPIO BÁSICO Tem-se hoje como princípio

Leia mais

FÓRUNS REGIONAIS E FÓRUM MUNICIPAL DE SEGURANÇA CIDADÃ

FÓRUNS REGIONAIS E FÓRUM MUNICIPAL DE SEGURANÇA CIDADÃ FÓRUNS REGIONAIS E FÓRUM MUNICIPAL DE SEGURANÇA CIDADÃ 1. Considerações Iniciais. O tema da violência e da segurança pública está entre as principais preocupações das comunidades nos municípios brasileiros.

Leia mais

Escola de Governo. d a F u n d a ç ã o J o ã o P in h e ir o. P r o g r a m a d e C a p a c it a ç ã o M u n ic ip a l

Escola de Governo. d a F u n d a ç ã o J o ã o P in h e ir o. P r o g r a m a d e C a p a c it a ç ã o M u n ic ip a l E s c o l a d e G o v e r n o d a F u n d a ç ã o J o ã o P in h e ir o P r o g r a m a E s t a d u a l d e Q u a l if ic a ç ã o P r o f is s io n a l d o Se r v id o r P ú b l ic o P r o g r a m a d

Leia mais

A Integralidade da Proteção Social

A Integralidade da Proteção Social ENCONTRO REGIONAL CONGEMAS SUL A Integralidade da Proteção Social 05 e 06 de abril de 2018 A Integralidade da Proteção Social O conceito de Proteção Social no Brasil perpassa outras políticas para além

Leia mais

Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e ao conteúdo mínimo dos Planos de Saneamento Básico.

Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e ao conteúdo mínimo dos Planos de Saneamento Básico. RESOLUÇÃO RECOMENDADA ConCidades N o 75, DE 2 DE JULHO DE 2009 Estabelece orientações relativas à Política de Saneamento Básico e ao conteúdo mínimo dos Planos de Saneamento Básico. O Conselho das Cidades,

Leia mais

Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP

Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP Fevereiro/2018 Página 1 de 10 DECRETO Nº N.NNN, DE DD DE MÊS DE 2018. O PRESIDENTE DA REPÚBLICA, no uso das atribuições

Leia mais

CARTA DE FOZ DO IGUAÇU MESA I. Intersetorialidade Ações Conjuntas das Secretarias Municipais GGI-M

CARTA DE FOZ DO IGUAÇU MESA I. Intersetorialidade Ações Conjuntas das Secretarias Municipais GGI-M CARTA DE FOZ DO IGUAÇU MESA I Intersetorialidade Ações Conjuntas das Secretarias Municipais GGI-M CONSIDERAÇÕES a) O município encontra-se em posição privilegiada, entre os entes federados, para enfrentar

Leia mais

O Papel do Município na Segurança Pública

O Papel do Município na Segurança Pública O Papel do Município na Segurança Pública FATORES INDUTORES DA VIOLÊNCIA Êxodo rural Crescimento urbano desordenado Desigualdade social IMPUNIDADE CONTEXTUALIZAÇÃO HISTÓRICA Responsabilidade recai predominantemente

Leia mais

Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP

Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP MINISTÉRIO DA JUSTIÇA E SEGURANÇA PÚBLICA Política Nacional de Segurança Pública - PNaSP Novembro/2017 Página 1 de 9 POLÍTICA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA INTRODUÇÃO CONSIDERANDO que compete ao Ministério

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA NATAL ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

Plano Nacional de Extensão Universitária

Plano Nacional de Extensão Universitária Plano Nacional de Extensão Universitária Princípios Básicos Assumir mais veementemente a posição de uma universidade voltada para os interesses e as necessidades da maioria da população requer a retomada

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSTRUÇÃO DO PLANO DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES CAICÓ/ RIO GRANDE DO NORTE

PLANO DE AÇÃO CONSTRUÇÃO DO PLANO DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES CAICÓ/ RIO GRANDE DO NORTE PLANO DE AÇÃO CONSTRUÇÃO DO PLANO DE ENFRENTAMENTO A VIOLÊNCIA SEXUAL CONTRA CRIANÇAS E ADOLESCENTES CAICÓ/ RIO GRANDE DO NORTE Contratante: Município de Caicó/ RN Proponente: CEDECA Casa Renascer Natal/

Leia mais

Município dos Barreiros Gabinete do Prefeito

Município dos Barreiros Gabinete do Prefeito / PREFEITURA MUNICIPAL~ DOS BARREIROS CNPJ: 10.1 10.989/0001-40 ' Rua Ayres Belo, 136, Centro, Barreiros-PE Publicado no Quadro de Aviso da Prefeitura EmQJ_thtl ~ Lei Municipal n 980, de 1 de dezembro

Leia mais

Prefeitura Municipal de Santo Antônio de Jesus publica:

Prefeitura Municipal de Santo Antônio de Jesus publica: 1 Quinta-feira Ano Nº 4754 Prefeitura Municipal de Santo Antônio de Jesus publica: Decreto nº 84, de 02 de abril de 2018 - Delegar ao Conselho Municipal de Assistência Social o controle social do Programa

Leia mais

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta:

O GT de Conflitos Fundiários Urbanos do Conselho das Cidades apresenta para uma primeira discussão pública a seguinte proposta: DOCUMENTO DE REFERÊNCIA DA POLÍTICA NACIONAL DE PREVENÇÃO E MEDIAÇÃO DE CONFLITOS FUNDIÁRIOS URBANOS Esta proposta preliminar é resultado de um esforço coletivo do Grupo de Trabalho de Conflitos Fundiários

Leia mais

Conselhos de Saúde (participação social) Teleconsultora Enfermeira Mabel Magagnin Possamai

Conselhos de Saúde (participação social) Teleconsultora Enfermeira Mabel Magagnin Possamai apresentam Conselhos de Saúde (participação social) Teleconsultora Enfermeira Mabel Magagnin Possamai Os Conselhos de Saúde são órgãos colegiados deliberativos de caráter permanente, com funções de formular

Leia mais

RESOLUÇÃO CNAS Nº 6, DE 13 DE ABRIL DE 2016.

RESOLUÇÃO CNAS Nº 6, DE 13 DE ABRIL DE 2016. RESOLUÇÃO CNAS Nº 6, DE 13 DE ABRIL DE 2016. Estabelece parâmetros para a Supervisão Técnica no âmbito do Sistema Único de Assistência Social SUAS, em consonância com a Política Nacional de Educação Permanente

Leia mais

TÍTULO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM DIREITOS HUMANOS

TÍTULO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM DIREITOS HUMANOS TÍTULO: CENTRO DE REFERÊNCIA EM DIREITOS HUMANOS CATEGORIA: CONCURSO DE PRÁTICAS EXITOSAS Endereço: Rua Caldas Júnior, nº 352, bairro Centro Histórico. Cidade: Porto Alegre Estado: Rio Grande do Sul Autoras:

Leia mais

PLANO PLURIANUAL

PLANO PLURIANUAL PLANO PLURIANUAL 2004-2007 INTRODUÇÃO O processo de elaboração do Plano Plurianual 2004-2007 inaugura uma nova fase no planejamento governamental. A construção e a gestão do plano a partir de um amplo

Leia mais

Reduzindo os Homicídios e a Violência Letal no Brasil. Ciclo de Ações e Mobilização

Reduzindo os Homicídios e a Violência Letal no Brasil. Ciclo de Ações e Mobilização Reduzindo os Homicídios e a Violência Letal no Brasil Ciclo de Ações e Mobilização Inovações que têm sido propostas Compreender e tratar a violência como fenômeno multifacetado, demandando, portanto, a

Leia mais

A ATUAÇÃO DA DEFENSORIA PÚBLICA NA PROMOÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA

A ATUAÇÃO DA DEFENSORIA PÚBLICA NA PROMOÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA A ATUAÇÃO DA DEFENSORIA PÚBLICA NA PROMOÇÃO DOS DIREITOS HUMANOS DA POPULAÇÃO EM SITUAÇÃO DE RUA Equipe Pop Rua Especializada de Proteção aos Direitos Humanos A Defensoria Pública tem como atribuições

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS MATRIZ DE COMPETÊNCIAS SOBRE O PVE Saiba no que acreditamos e como vamos trabalhar as competências O programa Parceria Votorantim pela Educação (PVE) é uma iniciativa do Instituto Votorantim e das empresas

Leia mais

PAIR Copa e Grandes Obras

PAIR Copa e Grandes Obras PAIR Copa e Grandes Obras INSTITUCIONAL Fruto de uma parceria firmada em 2002 entre o Governo Brasileiro e Organizações Internacionais. O PAIR écoordenado peloprograma Nacional de Enfrentamento da Violência

Leia mais

PROPOSTAS GT SEGURANÇA CIDADÃ

PROPOSTAS GT SEGURANÇA CIDADÃ PROPOSTAS GT SEGURANÇA CIDADÃ O PAPEL DO MUNICÍPIO NA SEGURANÇA CIDADÃ A Segurança Pública Cidadã é responsabilidade de todos e demanda a construção de ações que combinem controle qualificado e prevenção,

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA ITAITUBA ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA ITAITUBA ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA ITAITUBA ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DAS EQUIPES DE REFERÊNCIA EM SAÚDE E RESPONSABILIDADES SETORIAIS INTERFEDERATIVAS

ANEXO I ATRIBUIÇÕES DAS EQUIPES DE REFERÊNCIA EM SAÚDE E RESPONSABILIDADES SETORIAIS INTERFEDERATIVAS ANEXO I ATRIBUIÇÕES DAS EQUIPES DE REFERÊNCIA EM SAÚDE E RESPONSABILIDADES SETORIAIS INTERFEDERATIVAS 1. Atribuições das equipes de referência em saúde As equipes de referência em saúde preconizadas nesta

Leia mais

INTRODUÇÃO. 15. CONEX Resumo Expandido - ISSN

INTRODUÇÃO. 15. CONEX Resumo Expandido - ISSN 15. CONEX Resumo Expandido - ISSN 2238-9113 1 ÁREA TEMÁTICA: (marque uma das opções) ( ) COMUNICAÇÃO ( ) CULTURA (X ) DIREITOS HUMANOS E JUSTIÇA ( ) EDUCAÇÃO ( ) MEIO AMBIENTE ( ) SAÚDE ( ) TECNOLOGIA

Leia mais

Apêndice I 23 ações programáticas relativas à população LGBT, previstas no Programa Nacional de Direitos Humanos 3 (PNDH 3)

Apêndice I 23 ações programáticas relativas à população LGBT, previstas no Programa Nacional de Direitos Humanos 3 (PNDH 3) Apêndice I 23 ações programáticas relativas à população LGBT, previstas no Programa Nacional de Direitos Humanos 3 (PNDH 3) EIXO ORIENTADOR III - UNIVERSALIZAR DIREITOS EM CONTEXTO DE DESIGUALDADES Diretriz

Leia mais

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO

4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO 4.6. ATENDIMENTO ÀS METAS DO PLANO/PROGRAMA/PROJETO A planilha de atendimento às metas do projeto é apresentada na sequência. Metas Proporcionar os elementos necessários para que seja definido o processo

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA JABOATÃO DOS GUARARAPES ARTICULADORES

TERMO DE REFERÊNCIA JABOATÃO DOS GUARARAPES ARTICULADORES TERMO DE REFERÊNCIA JABOATÃO DOS GUARARAPES ARTICULADORES PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ALCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO. 1º Dentro desta concepção considera-se que a Extensão da Faculdade Católica do Tocantins:

REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO. 1º Dentro desta concepção considera-se que a Extensão da Faculdade Católica do Tocantins: REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino e à pesquisa de forma indissociável, e que

Leia mais

REGULAMENTO DOS PROJETOS INTEGRADORES

REGULAMENTO DOS PROJETOS INTEGRADORES REGULAMENTO DOS PROJETOS INTEGRADORES CAPÍTULO I DA DEFINIÇÃO Art. 1º Os Projetos Integradores são ações pedagógicas desenvolvidas em nível de cursos que viabilizam a interdisciplinaridade no processo

Leia mais

Detalhamento das Linhas Temáticas Edital 070/2018

Detalhamento das Linhas Temáticas Edital 070/2018 Detalhamento das Linhas Temáticas Edital 070/2018 Núcleo de Direitos Humanos e Inclusão NDHI 1. Educação e Cultura em Direitos Humanos Formação para a promoção da educação e da cultura em Direitos Humanos,

Leia mais

MUNINET REDE BRASILEIRA DE INFORMAÇÃO MUNICIPAL DOCUMENTO SÍNTESE

MUNINET REDE BRASILEIRA DE INFORMAÇÃO MUNICIPAL DOCUMENTO SÍNTESE MUNINET REDE BRASILEIRA DE INFORMAÇÃO MUNICIPAL DOCUMENTO SÍNTESE A década de 80 introduziu na agenda internacional novos e importantes eixos conceituais para o desenvolvimento local. O movimento de descentralização

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE

Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário SECRETARIA NACIONAL DE ASSISTÊNCIA SOCIAL COMISSÃO INTERGESTORES TRIPARTITE Resolução nº XX, de 21 de outubro de 2016 Pactua o desenho do Programa Criança

Leia mais

O PMEC E SUA FUNÇÃO DENTRO DAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS: UMA ANÁLISE A PARTIR DA D.E. REGIÃO BAURU /SP 2012

O PMEC E SUA FUNÇÃO DENTRO DAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS: UMA ANÁLISE A PARTIR DA D.E. REGIÃO BAURU /SP 2012 O PMEC E SUA FUNÇÃO DENTRO DAS ESCOLAS PÚBLICAS ESTADUAIS: UMA ANÁLISE A PARTIR DA D.E. REGIÃO BAURU /SP 2012 Trabalho de Conclusão de curso apresentado ao curso de pós-graduação Lato Sensu em Ética, Valores

Leia mais

"DISPÕE SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL, INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS".

DISPÕE SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL, INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS. DECRETO Nº 1134, DE 13 DE OUTUBRO DE 2010 "DISPÕE SOBRE A EDUCAÇÃO AMBIENTAL, INSTITUI A POLÍTICA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO AMBIENTAL E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS". HERCULANO CASTILHO PASSOS JÚNIOR, Prefeito da

Leia mais

Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República

Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República Secretaria de Políticas para as Mulheres Presidência da República Apresentação de propostas e formalização de Convênios com a SPM - PR Vitória, maio de 2011 Secretaria de Políticas para as Mulheres Criada

Leia mais

Assessoria Técnica. Essa atividade se estruturou em dois níveis: presencial e a distância.

Assessoria Técnica. Essa atividade se estruturou em dois níveis: presencial e a distância. Assessoria Técnica No conjunto das estratégias definidas por ocasião da implantação do PAIR a atividade da Assessoria Técnica é também destacada como uma das mais relevantes, considerando a necessidade

Leia mais

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA

EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA EIXO III EDUCAÇÃO, TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SUSTENTÁVEL: CULTURA, CIÊNCIA, TECNOLOGIA, SAÚDE, MEIO AMBIENTE DOCUMENTO REFERÊNCIA SUGESTÃO Desde os anos 1980, observam-se transformações significativas

Leia mais

O Impacto social da Reforma da Gestão Pública em Sergipe: o caso da Secretaria Estadual de Segurança Pública

O Impacto social da Reforma da Gestão Pública em Sergipe: o caso da Secretaria Estadual de Segurança Pública 1 O Impacto social da Reforma da Gestão Pública em Sergipe: o caso da Secretaria Estadual de Segurança Pública Naftali Santos Ferreira (PROBIC/Unit), e-mail: nafy.f@hotmail.com; Veronica Teixeira Marques

Leia mais

O SUAS PARÁ NO PLANO ESTADUAL DE AÇÕES INTEGRADAS SOBRE DROGAS. Meive Ausonia Piacesi

O SUAS PARÁ NO PLANO ESTADUAL DE AÇÕES INTEGRADAS SOBRE DROGAS. Meive Ausonia Piacesi O SUAS PARÁ NO PLANO ESTADUAL DE AÇÕES INTEGRADAS SOBRE DROGAS Meive Ausonia Piacesi POLÍTICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL PROTEÇÃO SOCIAL Sistema Único de Assistência Social - SUAS INDIVÍDUOS E FAMÍLIAS EM SITUAÇÃO

Leia mais

PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA COM CIDADANIA PROGRAMA ESPORTE E LAZER DA CIDADE PRONASCI/ PELC

PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA COM CIDADANIA PROGRAMA ESPORTE E LAZER DA CIDADE PRONASCI/ PELC MINISTÉRIO DA JUSTIÇA MINISTÉRIO DO ESPORTE PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA COM CIDADANIA PROGRAMA ESPORTE E LAZER DA CIDADE PRONASCI/ PELC PRONASCI PROGRAMA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA COM CIDADANIA

Leia mais

3 º. S I M P Ó S I O M I N E I R O D E ASSISTENTES SOCIAIS T Â N I A MARIA R A M O S D E G. D I N I Z J U N H O D E

3 º. S I M P Ó S I O M I N E I R O D E ASSISTENTES SOCIAIS T Â N I A MARIA R A M O S D E G. D I N I Z J U N H O D E 3 º. S I M P Ó S I O M I N E I R O D E ASSISTENTES SOCIAIS T Â N I A MARIA R A M O S D E G. D I N I Z J U N H O D E 2 0 1 3 PROPOSTA DA EXPOSIÇÃO Problematizar questão urbana e o direito à cidade Construir

Leia mais

Ivo Luís Oliveira Silva Francisco Antônio Barbosa Vidal Gláudia Mota Portela Mapurunga

Ivo Luís Oliveira Silva Francisco Antônio Barbosa Vidal Gláudia Mota Portela Mapurunga PROPOSIÇÃO DE METODOLOGIAS DE AVALIAÇÃO PARA O INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO CEARÁ. MEDIAÇÕES ENTRE A PROMOÇÃO DA CULTURA DE SUSTENTABILIDADE E OS IMPACTOS NO DESENVOLVIMENTO SÓCIO-

Leia mais

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde

Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde Contextualização da Integração Atenção Básica e Vigilância em Saúde 1999 - Fundação Nacional de Saúde inicia o processo de descentralização para os municípios

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07

FACULDADE DE EDUCAÇÃO DE BACABAL FEBAC Credenciamento MEC/Portaria: 472/07 Resolução 80/07 BACABAL-MA 2012 POLÍTICA DE PESQUISA, INICIAÇÃO CIENTÍFICA E EXTENSÃO No sentido de pensar global e agir localmente, a FEBAC vem ao longo do tempo trabalhando para a formação de cidadãos que sejam capazes

Leia mais

MÓDULO 3 Elaborando o projeto de prevenção

MÓDULO 3 Elaborando o projeto de prevenção MÓDULO 3 Elaborando o projeto de prevenção C0NSTRUINDO O PROJETO DE PREVENÇÃO DO USO DE DROGAS DA ESCOLA 21 Atividade colaborativa 3. Definição de referenciais teóricos, dos objetivos e dos sujeitos da

Leia mais

Objetivo. Planeje. Atribuição não-comercial. 1 Acesse o CAQi no

Objetivo. Planeje. Atribuição não-comercial. 1 Acesse o CAQi no Objetivo Desenvolver um processo de planejamento financeiro para uma Política Intersetorial de Educação Integral garantindo os recursos necessários e tendo como base o Planejamento Intersetorial territorializado,

Leia mais

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos [...] devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. (art.

Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos [...] devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. (art. Todos os seres humanos nascem livres e iguais em dignidade e em direitos [...] devem agir uns para com os outros em espírito de fraternidade. (art. I, da DUDH) 1- Introdução: Por que a educação em matéria

Leia mais

VERSÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO

VERSÃO PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO VERSÃO 2014-2 PROJETO PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO ARACRUZ 2014 1. INTRODUÇÃO 1.1. Missão No intuito de fortalecer e promover uma educação de qualidade em que o discente é o principal protagonista, a

Leia mais

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL

PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SECRETARIA DE ESTADO DE TRABALHO E DESENVOLVIMENTO SOCIAL 5 Tópicos da apresentação Menu 2 01 02 03 04 05 INTRODUÇÃO METODOLOGIA UTILIZADA DIAGNÓSTICOS PLANO ESTRATÉGICO PRÓXIMOS

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2012 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL META: COMBATE AO TRABALHO INFANTIL

Leia mais

LEI Nº , DE 16 DE JUNHO DE 2009.

LEI Nº , DE 16 DE JUNHO DE 2009. LEI Nº 16.586, DE 16 DE JUNHO DE 2009. Dispõe sobre a educação ambiental, institui a Política Estadual de Educação Ambiental e dá outras providências. A ASSEMBLEIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE GOIÁS, nos termos

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA RIO BRANCO ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA RIO BRANCO ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA RIO BRANCO ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DE REDE INTERSETORIAL ÁLCOOL E DROGAS DESCENTRALIZADO I. CONTEXTO O decreto 7.179 de 2010 da Presidência

Leia mais

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA

ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO PDI: Documento elaborado pela Equipe de Assessoria da Pró-reitoria de Planejamento da UEMA Agosto de 2015 INTRODUÇÃO O Ministério de Educação (MEC) através do Sistema Nacional

Leia mais

LISTA DE APRESENTAÇÕES POWER POINT

LISTA DE APRESENTAÇÕES POWER POINT LISTA DE APRESENTAÇÕES POWER POINT TÍTULO A CIDADE E A DEGRADAÇÃO DO TECIDO URBANO E RURAL O ESPAÇO E O LAZER A IMPORTÂNCIA DO LAZER E DO ESPORTE PARA AS CIDADES E OS CIDADÃOS AÇÃO COMUNITÁRIA ATIVIDADE

Leia mais

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Princípios que norteiam os cursos de licenciatura do IFESP vinculados ao PARFOR

FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Princípios que norteiam os cursos de licenciatura do IFESP vinculados ao PARFOR FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Princípios que norteiam os cursos de licenciatura do IFESP vinculados ao PARFOR José Paulino Filho 1 IFESP josepaulinofilho@hotmail.com Márcia Maria Alves de Assis 2 IFESP marciageomat@ig.com.br

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Política de Capacitação dos Servidores da UTFPR PREÂMBULO

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Política de Capacitação dos Servidores da UTFPR PREÂMBULO Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná Política de Capacitação dos Servidores da UTFPR PREÂMBULO 1ª - A Administração Federal, atenta à necessidade de capacitação e qualificação

Leia mais

POLÍCIA COMUNITÁRIA NA POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS

POLÍCIA COMUNITÁRIA NA POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS POLÍCIA COMUNITÁRIA NA POLÍCIA CIVIL DE MINAS GERAIS Adriana Maria da Costa 1 RESUMO O objetivo deste artigo é de conceituar Polícia Comunitária, apresentar brevemente a Resolução nº 6.812, de 19 de julho

Leia mais

Critérios de para análise Projetos para captação de recursos do FIA Palhoça

Critérios de para análise Projetos para captação de recursos do FIA Palhoça Critérios de para análise Projetos para captação de recursos do FIA Palhoça Resolução 001/2013 O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA), de Palhoça, No uso de suas atribuições

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná

Ministério da Educação Universidade Tecnológica Federal do Paraná PROPOSTA DE POLÍTICA DE CAPACITAÇÃO DOS SERVIDORES DA UNIVERSIDADE TECNOLÓGICA FEDERAL DO PARANÁ Julho /2017 PREÂMBULO 1º - A Administração Federal, atenta à necessidade de capacitação e qualificação do

Leia mais

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura

Organização dos Estados Ibero-americanos. Para a Educação, a Ciência e a Cultura Organização dos Estados Ibero-americanos Para a Educação, a Ciência e a Cultura TERMO DE REFERÊNCIA PARA CONTRATAÇÃO DE PESSOA FÍSICA CONSULTOR POR PRODUTO 1. Projeto: Aprimoramento da sistemática de gestão

Leia mais

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes.

Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Resolução CEB nº 3, de 26 de junho de 1998 Apresentado por: Luciane Pinto, Paulo Henrique Silva e Vanessa Ferreira Backes. Institui as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. O Presidente

Leia mais

Responsabilidade Social

Responsabilidade Social Responsabilidade Social Ao assumir conceitos de promoção da saúde e do desenvolvimento social, da difusão do conhecimento científico e tecnológico e, ainda, ser um agente da cidadania, a Fiocruz se caracteriza

Leia mais

Os desafios para a implantação do Plano Nacional de Saneamento.

Os desafios para a implantação do Plano Nacional de Saneamento. POLITICA FEDERAL DE SANEAMENTO Os desafios para a implantação do Plano Nacional de Saneamento. Engº civil Gilson Queiroz Maio de 2014 Desafios e Cenários adversos 2 PERFIL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS www.funasa.gov.br

Leia mais

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS

MATRIZ DE COMPETÊNCIAS MATRIZ DE COMPETÊNCIAS SOBRE O PVE Saiba no que acreditamos e como vamos trabalhar as competências O programa Parceria Votorantim pela Educação (PVE) é uma iniciativa do Instituto Votorantim e das empresas

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA VÁRZEA GRANDE ARTICULADOR

TERMO DE REFERÊNCIA VÁRZEA GRANDE ARTICULADOR TERMO DE REFERÊNCIA VÁRZEA GRANDE ARTICULADOR PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE CONSULTORIA INDIVIDUAL EM ARTICULAÇÃO DESCENTRALIZADA DE REDE INTERSETORIAL ÁLCOOL E OUTRAS DROGAS I. CONTEXTO O decreto 7.179 de

Leia mais

REAPARELHAMENTO DAS POLÍCIAS ESTADUAIS

REAPARELHAMENTO DAS POLÍCIAS ESTADUAIS PROJETO BÁSICO REAPARELHAMENTO DAS POLÍCIAS ESTADUAIS Setembro 2003 1 1. APRESENTAÇÃO SUMÁRIO 2. CONSIDERAÇÕES GERAIS SOBRE O PROJETO BÁSICO 3. DIRETRIZES E REQUISITOS 4. DESCRIÇÃO DO PROJETO BÁSICO 5.

Leia mais

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS

ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS ANEXO 2 TEMÁTICAS E CATEGORIAS DAS EXPERIÊNCIAS TEMÁTICA CATEGORIA ESPECIFICAÇÃO DE RELATO Inclui relatos sobre práticas na elaboração e acompanhamento dos Instrumentos: 1.A FERRAMENTAS DO PLANEJAMENTO

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA. Abril/2016

SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA. Abril/2016 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO BÁSICA DISCIPLINA DE SOCIOLOGIA Abril/2016 SECRETARIA DE ESTADO DA EDUCAÇÃO SUPERINTENDÊNCIA DA EDUCAÇÃO DEPARTAMENTO

Leia mais

Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação

Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação Universidade Fernando Pessoa 1º Ciclo de Estudos em Criminologia Regulamento de Estágio e Projecto de Graduação 1. Descrição da unidade curricular A unidade curricular de Estágio e Projecto de Graduação

Leia mais

Luiz Dourado CNE/UFG Recife,

Luiz Dourado CNE/UFG Recife, Luiz Dourado CNE/UFG Recife, 16.09.15 PNE e a formação dos profissionais do magistério da Educação Básica Brasil: desigual e combinado; Conferências nacionais e FNE; Pne: princípios, metas e estratégias;

Leia mais

DIREITO AMBIENTAL. Proteção do meio ambiente em normas infraconstitucionais. Política Nacional de Educação Ambiental Lei n 9.

DIREITO AMBIENTAL. Proteção do meio ambiente em normas infraconstitucionais. Política Nacional de Educação Ambiental Lei n 9. DIREITO AMBIENTAL Proteção do meio ambiente em normas infraconstitucionais Prof. Rodrigo Mesquita Art. 225. Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial

Leia mais

Projeto Especial da OPAS/OMS no Brasil: Violência. Responsáveis

Projeto Especial da OPAS/OMS no Brasil: Violência. Responsáveis Projeto Especial da OPAS/OMS no Brasil: Violência e Saúde de Responsáveis veis: : Diego Gonzalez/Mª Alice Magnitude da Violência Elaboração de um manual de avaliação de Programas de Prevenção a Violência.

Leia mais

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA

PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 2013 PLANO DE AÇÃO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE DE PALHOÇA 1- POLÍTICAS DE PROTEÇÃO POLÍTICA PÚBLICA DE ASSISTÊNCIA SOCIAL/ PROTEÇÃO ESPECIAL 1.1- META: COMBATE AO TRABALHO

Leia mais

Nota Técnica nº 02/2016/ SNAS/ MDS

Nota Técnica nº 02/2016/ SNAS/ MDS Nota Técnica nº 02/2016/ SNAS/ MDS 11 de maio de 2016 Relação entre o Sistema Único de Assistência Social- SUAS e os órgãos do Sistema de Justiça Maio/2016 Objetivo: Descrever a natureza do trabalho social

Leia mais

POLÍTICA DE ALTERNATIVAS PENAIS: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA 1

POLÍTICA DE ALTERNATIVAS PENAIS: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA 1 POLÍTICA DE ALTERNATIVAS PENAIS: A CONCEPÇÃO DE UMA POLÍTICA DE SEGURANÇA PÚBLICA E DE JUSTIÇA 1 1. O INÍCIO: A IMPLANTAÇAO DO PROGRAMA NACIONAL DE PENAS ALTERNATIVAS PELO MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Instalado

Leia mais

Curso Capacitação de Prefeitos Construção do Projeto de Governo. (Roteiro Mesa 2)

Curso Capacitação de Prefeitos Construção do Projeto de Governo. (Roteiro Mesa 2) Curso Capacitação de Prefeitos Construção do Projeto de Governo (Roteiro Mesa 2) Objetivo Apresentar as diretrizes que devem orientar a elaboração do plano de governo (incluindo o tema das relações internacionais

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO

PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO PRÓ-REITORIA DE ADMINISTRAÇÃO 5. ASPECTOS FINANCEIROS E ORÇAMENTÁRIOS 5.1 DEMONSTRAÇÃO DA SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA O Instituto Federal do Amazonas IFAM, é uma Autarquia federal, vinculada diretamente

Leia mais

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA DO DIREITO DE FAMÍLIA, DAS PESSOAS COM DIFICIÊNCIA E DOS IDOSOS (CFDI)

COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA DO DIREITO DE FAMÍLIA, DAS PESSOAS COM DIFICIÊNCIA E DOS IDOSOS (CFDI) COORDENADORIA ESTADUAL DE DEFESA DO DIREITO DE FAMÍLIA, DAS PESSOAS COM DIFICIÊNCIA E DOS IDOSOS (CFDI) Conhecendo o programa de efetivação de vínculos familiares e parentais (Proevi) MIRIAM QUEIROZ LACERDA

Leia mais

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL

POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL POLÍTICA DE SUSTENTABILIDADE E RESPONSABILIDADE SOCIOAMBIENTAL Banco Cooperativo Sicredi S.A. Versão: Julho/2015 Página 1 de 1 1 INTRODUÇÃO O Sicredi é um sistema de crédito cooperativo que valoriza a

Leia mais

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL - APL

ARRANJO PRODUTIVO LOCAL - APL ARRANJO PRODUTIVO LOCAL - APL PROCEDIMENTOS PARA SUA CONSTITUIÇÃO Cuiabá, 26 de janeiro de 2012. Eng. Agr. MSc. José Juarez Pereira de Faria ASES/SADE/ Pressupostos da Atuação em APL Desenvolvimento não

Leia mais

SAÚDE COLETIVA HISTÓRICO DA SAÚDE NO BRASIL

SAÚDE COLETIVA HISTÓRICO DA SAÚDE NO BRASIL SAÚDE COLETIVA HISTÓRICO DA SAÚDE NO BRASIL Prof.ª Dr.ª Rosana Carneiro Tavares I. Histórico do sistema de saúde brasileiro: Linha do tempo Brasil: um século de historia... 1900 - Sanitarismo Campanhista

Leia mais

OF. CMDH / GAB Nº 013/2016. Ref.: Resposta ao Instituto Alana. Belo Horizonte, 19 de fevereiro de Prezada Senhora,

OF. CMDH / GAB Nº 013/2016. Ref.: Resposta ao Instituto Alana. Belo Horizonte, 19 de fevereiro de Prezada Senhora, OF. CMDH / GAB Nº 013/2016 Ref.: Resposta ao Instituto Alana Prezada Senhora, Belo Horizonte, 19 de fevereiro de 2016. Em resposta ao pedido de informações solicitadas através da correspondência S/Nº,

Leia mais

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES

SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES SERVIÇO PÚBLICO FEDERAL MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO FUNDAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE SECRETARIA GERAL DOS CONSELHOS SUPERIORES RESOLUÇÃO Nº 032/2006 CONSELHO UNIVERSITÁRIO EM 29 DE SETEMBRO DE 2006

Leia mais

SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA

SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA SECRETARIA DE ESTADO DE SEGURANÇA PÚBLICA Andradas 21 de julho de 2017 SUMÁRIO 1. Apresentação da Secretaria de Estado de Segurança Pública a) Arranjo Institucional b) Missão c) Políticas de Segurança

Leia mais

METODOLOGIA DO PLANO DE TRABALHO ADOÇÃO DE ESTRATÉGIA DE PROTEÇÃO JURÍDICA SOCIAL POR REGIÃO

METODOLOGIA DO PLANO DE TRABALHO ADOÇÃO DE ESTRATÉGIA DE PROTEÇÃO JURÍDICA SOCIAL POR REGIÃO METODOLOGIA DO PLANO DE TRABALHO ADOÇÃO DE ESTRATÉGIA DE PROTEÇÃO JURÍDICA SOCIAL POR REGIÃO ESTRATÉGIA 1: MOBILIZAÇÃO SOCIAL ESTRATÉGIA 2: INCIDÊNCIA POLÍTICA ESTRATÉGIA 3: DEFESA TÉCNICA ESTRATÉGIA 4:

Leia mais