As escolas deviam ter maior papel na gestão dos seus professores

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "As escolas deviam ter maior papel na gestão dos seus professores"

Transcrição

1 As escolas deviam ter maior papel na gestão dos seus professores Pág: 6 Área: 26,00 x 27,38 cm² Corte: 1 de 6 Autonomia Na gestão de professores, orçamentos e métodos. Para o Ministro da Educação, autonomizar e dar espaço a modelos concorrentes de escola pública é aproximá-la dos alunos. Rosário Lira Bruno Faria Lopes Mais autonomia, mais concorrência entre modelos diferentes de escola pública. Esta é a linha de sempre do ministro da Educação e Ciência, Nuno Crato, cujo aprofundamento faz parte do programa da coligação para a próxima legislatura. O ministro defende o trabalho feito nesta frente e considera que os directores das escolas - que estão mais perto dos alunos do que a máquina do ministério - devem ter mais autonomia na contratação de professores e na gestão orçamental. Uma das matérias que está nas orientações gerais do programa da coligação é o aprofundamento da autonomia das escolas. Até que ponto está disponível a ir? Autonomia o mais possível para as escolas. Uma das primeiras coisas que me aconteceram quando cheguei ao ministério foi receber um pedido de uma escola que queria mais 15 minutos de hora de almoço. Achei a coisa extraordinária, um ministro não tem nada a ver com o assunto. Outro exemplo: as aulas até ao momento em que entrámos eram de 45 minutos ou múltiplos de 45 minutos. Tudo isso estava completamente determinado [centralmente]. O número de minutos para cada disciplina semanal também. O que fizemos primeiro foi dizer que as horas em cada disciplina são da responsabilidade da escola, desde que se cumpra o mínimo. A duração de cada aula é da responsabilidade da escola. Passámos para as escolas uma série de responsabilidades quelhes dámaior liberdade. Queremos ter muito maior autonomia. A bolsa de contratação, por exemplo, dá grande autonomia à escola para definir critérios de contratação de professores para certas necessidades. Mas se já avançou tanto, o que é que pode fazer mais nesta área? Há muito a fazer. Dê-me um exemplo. No aspecto curricular já determinámos isso. As escolas deviam ter maior papel ainda na gestão dos seus professores, na escolha dos professores que vão para as suas aulas. As escolas deviam ter um maior papel ainda na gestão orçamental. Deviam ter certos limites e, depois, maior liberdade de gestão. A descentralização das competências, com o apoio das autarquias, é parte desse trabalho. Um processo em que nada é retirado das escolas, mas em que há coisas que são retiradas do Ministério da Educação. As autarquias têm capacidade para determinar o número de alunos por turma. Essa descentralização dá às autarquias poderes que se calhar não deviam ter... O número de alunos por turma tem máximo e mínimo definidos. Havendo recursos é possível fazer desdobramento de turmas e gerir É muito difícil de compreender, pelo passado de grande centralização, que possam existir modelos concorrentes de escola pública. outras ofertas, outros aspectos da escola, como o curriculum. O princípio é: liberdade na gestão, liberdade nos métodos, avaliação de resultados. Queremos avaliar os resultados e dar às escolas a liberdade para utilizarem os melhores métodos para obterem resultados para os seus alunos. Dá- -me licença para mostrar a primeira página de um jornal? Faça favor. Não vou mostrar o jornal, só este título: Escolas: professores oferecem aulas antes dos exames [manchete do Diário de Notícias de 2 de Junho]. O subtítulo: alunos do 9º, 11º e 12º vão ter aulas extraparasepreparemparaos exames. Escolas públicas estão a planear esses apoios com recurso a crédito de horas ou à boa vontade dos professores. Isto mostra um país diferente. Mostra da parte dos jornalistas uma atenção a estes problemas, da parte das escolas, dos pais, uma atenção aos resultados que não existia até há algum tempo. Queremos que os alunos tenham sucesso. E há liberdade nas escolas, que antigamente não existia, para ter as horas extra. Para utilizar essas horas que fazem parte das horas lectivas dos professores para dar um apoio especial. Como há a boa vontade dos professores. Os professores em Portugal, na sua esmagadora maioria, estão interessados no sucesso dos seus alunos. E todos os directores estão interessados em gerir os recursos para o sucesso dos seus alunos. Sobre modelos de gestão e professores, uma das propostas que consta do programa da coligação são as escolas independentes [de propriedade e gestão dos professores]. A medida já estava no programa em Concorda com a medida? Porque não avançou nesta legislatura? Vivemos durante estes anos momentos excepcionais, de que já nos esquecemos um pouco. Há quatro anos, quando houve intervenção da troika, estávamos em pré-bancarrrota. Estivemos num período de vigilância, em que fomos obrigados a seguir determinado programa com grande atenção aos gastos. Na educação também foi necessária contenção de custos muito grande, sobre as contratações, a constituição de turmas. Um controlo centralizado, porque foi preciso imediatamente fazer com que os custos não disparassem. Não havia condições para haver tanta autonomia? No momento em que nós entramos no Governo estávamos preocupadíssimos em controlar todas as fontes de acréscimo de despesa. Mas agora há? Agora estamos um pouco melhor. Não estamos completamente à vontade, temos uma dívida pública ainda muito grande e temos ainda défice. Mas estamos muitíssimo melhor do que há quatro anos. Temos mais liberdade para pôr em prática outras medidas de descentralização. Como esta especificamente? Sim. Julgo que se pode avançar já para uma autonomia de escola que seja progressiva e que existam modelos concorrentes. É muito difícil de compreender, pelo passado de grande centralização, que possam existir modelos concorrentes. Escolas onde há um grande apoio das câmaras municipais. Escolas em que os professores a possam gerir. Em que o orçamento seja determinado de forma global e em que os professores, através dos seus directores, através de órgãos de gestão, giram esses fundos. Pode haver vários modelos concorrentes e esses modelos todos beneficiam a escola pública. Esse tipo de concorrência podem empenhar mais as pessoas e tornar a escola mais sua, mais eficaz e mais virada para os alunos. Professores: Estamos a dar estabilidade a mais quatro mil famílias O Governo vai ter no fim deste mandato quatro mil professores que não estavam nos quadros, afirma Nuno Crato, quando a entrevista se desloca para o tema dos professores excedentários e dos contratados. Com algumas vinculações extraordinárias que foram feitas e com as vinculações que vão ser feitas este ano para as vagas a mais, além das da norma- -travão, vamos introduzir no sistema cerca de quatro mil professores. Estamos a dar estabilidade a mais 4 mil famílias,

2 O MINISTRO Nuno Crato, 63 anos, doutorou-se em Matemática Aplicada nos EUA. Foi professor de matemática no ensino secundário e superior. É catedrático de Matemática e Estatística no ISEG desde Foi presidente da Sociedade Portuguesa de Matemática. Tem vários trabalhos de investigação publicados na área da estatística. Ficou conhecido do grande público com livros e intervenções públicas sobre matemática, ensino e ciência É casado, com dois filhos. Pág: 7 Área: 26,00 x 30,19 cm² Corte: 2 de 6 O ministro Nuno Crato continua fiel à sua linha para a Educação: mais liberdade para as escolas e mais avaliação. Pagámos um preço político elevadíssimo por aquele erro defende o ministro. Sobre eventuais excedentários no próximo ano lectivo, Nuno Crato prefere não adiantar números uma vez que a colocação de professores é das coisas mais difíceis de prever. Mas adianta que o número venha a ser residual. O nosso objectivo é que seja zero, afirma. O ministro destaca o trabalho feito para minimizar as saídas para a bolsa de excedentários, rebaptizada de requalificação. Este ano conseguimos um feito enorme que foi uma grande redução de horários zero e o número de professores que estão em processo de possível requalificação é reduzidíssimo. Estamos a falar da ordem das dezenas, afirma Crato. São doze. É possível atingir objectivo taxa de abandono escolar de 10% até 2020 A entrevista já estava a deslizar para o tema do Ensino Superior quando Nuno Crato volta atrás, para falar de abandono escolar, um dos problemas estruturais da Educação em Portugal. A taxa de abandono escolar que estava na ordem dos 28% em 2010, está neste momento em 17,4%, afirma o ministro. Isto significa que é perfeitamente possível atingir o objectivo europeu de ter uma taxa de abandono escolar apenas de 10%, prevê. O objectivo tem um prazo que coincide, grosso modo, com o final da próxima legislatura: Para Nuno Crato, a redução do abandono escolar num contexto de crise económica e de maior exigência do sistema é prova de que isto [alterações feitas] está a funcionar. Sobre o chumbo anual de, em média, 150 mil alunos, Crato fala em problema prioritário a combater. Como? Não com passagens administrativas. Queremos que todos os alunos passem, mas que passem sabendo, afirma. Temos que fazer o que já fazemos desde 2012, um conjunto de medidas para acompanhamento aos alunos mal surjam as primeiras dificuldades, indica, exemplificando com a atribuição de horas extra para os professores poderem fazer esse acompanhamento. Ministro antecipa colocação de professoresparaevitarerroque prejudicou alunos e professores. O erro na colocação de professores no início deste ano lectivo foi o momento mais delicado no mandatodenunocrato.oministro sente que houve responsabilização política e administrativa-e defende que a antecipação do processo este ano nada tem a ver com as eleições. No início do ano lectivo foi ao Parlamento pedir perdão pelas falhas graves na colocação dos professores. O que poderia ter feito e não fez? É uma pergunta difícil, porque o erro foi detectado. Foi um momento difícil do mandato. Houve um erro de transposição da lei. A lei indicava um determinado método de hierarquizar os candidatos, que não foi exactamente seguido. Hoje o que teria feito? É fácil dizer. Teria verificado que a transposição estava correcta. Mas assumo a responsabilidade pelo que se passou, assumi-a publicamente. Sente que houve responsabilização da tutela, sua e dos seus secretários de Estado e, depois, dos serviços do ministério? Houve. Nós pagámos um preço político elevadíssimo por aquele erro. O director-geral demitiu-se porque reconheceu que tinha responsabilidade directa. Teve a hombridade de ter a iniciativa de se demitir. Houve algo que foi pago, nesse sentido. Agora, o que mais nos preocupou foram os prejuízos para professores e alunos. Esses prejuízos, na medida em que é possível voltar atrás no tempo, estão resolvidos. Demos às escolas condições para terem complementos educativos que repusessem o tempo que se perdeu. Também os professores que tiveram a sua colocação anulada foram compensados. São 63? Julgo que são 62. Mas não tenho os números na cabeça. Em breve começa um novo ano lectivo. Consegue garantir que não haverá problemas? Estamos a antecipar todos os prazos. Fizemos um estudo de todo o processo de colocação de professores. Não quisemos fazer uma revisão completa do processo em termos da legislação porque são hábitos que estão estabelecidos. Neste momento as coisas estão antecipadas e os ajustamentos a fazer serão a tempo do início do ano lectivo. Antecipar permite-lhe reduzir a pressão. O início do ano lectivo calha na fase de eleições. Têm falado consigo por parte do gabinete do primeiro-ministro? Sente pressão para que as coisas corram bem? O senhor primeiro-ministro acompanhou-me naquele momento e tem acompanhado sempre. Nós discutimos as coisas abertamente e vamos vendo quais são os problemas e as coisas que estão a correr bem. Antecipar também significa algum alívio para os directores. Trabalham todo o ano civil. Enquanto em Agosto muitos de nós estamos em férias eu por acaso não tenho tirado praticamente férias os directores estão na escola. Se não estão, vão lá quase todos os dias, porque têm processos de colocação de professores a resolver. É uma mudança estrutural? Se for só este ano é fácil dizer que, depois de quatro anos, antecipa agora porque existem eleições. Não é porque existem eleições. Desde o princípio que tentámos sempre antecipar as coisas e que corressem da melhor maneira. E esperemos que nos anos seguintes as coisas se passem da mesma maneira. B.F.L. e R.L. Estamos a antecipar todososprazos.os ajustamentos a fazer serão a tempo do início do ano lectivo.(...) Não é porque há eleições.

3 Destaque Grande Entrevista a Nuno Crato Restrições à gestão não se aplicam ao Ensino Superior Pág: 8 Área: 26,00 x 30,56 cm² Corte: 3 de 6 O ministro, fotografado à saída do estúdio da RDP, em Lisboa. Lei Ministro não percebe receios dos reitores sobre a nova lei de enquadramento orçamental. Bruno Faria Lopes e Rosário Lira Mais autonomia na gestão das escolas e menos na das instituições do Ensino Superior? Os reitores receiam os efeitos da nova Lei de Enquadramento Orçamental, mas o ministro garante que a autonomia de gestão do Ensino Superior não sai beliscada. Temos uma Lei de Enquadramento Orçamental, em discussão no Parlamento, que parece restringir bastante a autonomia de gestão dos reitores. Falo no impedimento de fazer alterações orçamentais ao longo do ano, de usar saldos transitados, e de assumir compromissos plurianuais, tudo enquanto não houver luz verde das Finanças. Esta lei que está neste momento em fase de discussão não significa uma perda de margem grande dos reitores na sua gestão? Sinceramente não percebo a pergunta. Já houve duas ou três pessoas que me levantaram o mesmo problema. Julgo que o artigo 5º dessa lei diz que não se aplica às instituições de Ensino Superior. É uma confusão que os reitores fazem? Será que a lei tem alguma coisa que dá a entender que não é assim? Está lá escrito. Podemos propor ao Parlamento que seja mais claro. Escrever duas vezes Não há qualquer mudança ou restrição que introduz na gestão financeira das universidades? Eu não estou a ver. Está lá especialmente dito que no que se refere às instituições de Ensino Superior que se segue o regulamento geral, o REGIES, que não são alteradas as normas desse regulamento. Por que é que essa lei de enquadramento tem um artigo que diz que as universidades não podem ter dinheiro na banca comercial? Está lá escrito universidades. Acha que isso é uma grande limitação da autonomia das universidades, não terem na banca comercial? Qual éoartigoque tem isso? Não tenho aqui a lei para indicar o número, mas há um artigo que diz isso. É melhor não discutirmos sem termos a legislação à frente. Eu já ouvi essa preocupação, mas continuo sem a perceber. Vou ter que reunir com alguns reitores e com aqueles que manifestam maior preocupação e com alguns juristas, para ver o que ali está que possa criar algum problema. Foi a falta de dinheiro que o levou a não fazer uma efectiva reorganização do Ensino Superior? A reorganização do Ensino Superior é um processo que longo, que exige uma série de coisas que foram feitas entretanto. O Ensino Superior tem um sistema binário: por um lado Politécnicos, por outro Universidades. E tem outra dualidade: escolas no litoral que têm um grande número de estudantes e escolas no interior que têm uma procura menor. Para lidar com essa procura menor de estudantes, os politécnicos têm um papel decisivo porque têm a possibilidade de adequar a sua oferta melhor às necessidades da economia regional. Criámos os cursos técnicos superior profissionais, de dois anos. São uma continuidade natural do ensino profissional e do ensino vocacional. Ao mesmo tempo correspondem a uma necessidade da economia portuguesa, da existência de técnicos de nível intermédio. E a uma necessidade dos jovens de terem uma qualificação profissional superior mas intermédia, que lhes dê uma saída profissional. Isto é uma medida estruturante, por- RESPOSTA RÁPIDAS UDP? União Democrática Popular. Mário Nogueira? Líder de uma frente sindical portuguesa. Professor? Aluno Família? Sociedade. Pátria? Nações. Nuno Crato? Eu próprio. que dá aos Politécnicos a possibilidade de terem muito mais alunos, de se reorganizarem. Outra medida estruturante que vai aparecer em breve é a legislação sobre os consórcios de Ensino Superior. Vão incentivar as Universidades e Politécnicos a conjugarem esforços e a partilharem recursos de forma a funcionarem quase como uma escola única, no sentido em que podem criar cursos em comum. Mas continuamos a ter as mesmas estruturas e a mesma dispersão em termos territoriais sem que exista efectivamente a junção de politécnicos, de faculdades. Isso não aconteceu e está também nas tais linhas de orientação da coligação. O que se vai fazer? Vai-se certamente mais longe nos próximos anos. Mas algumas coisas aconteceram. O mais visível foi a criação da Universidade de Lisboa. A actual Universidade de Lisboa resulta da fusão de duas universidades. A isso não são estranhos um conjunto de motivos que são gerais, que não são apenas de Lisboa, que são a necessidade de melhoria em termos de realização científica, de conjugação de esforços entre as diversas Faculdades e diversos institutos. A criação da Universidade de Lisboa é um passo importante nesse sentido. Outro passo que se registou foi o consórcio do Norte. Pode-se ir neste sentido da constituição de consórcios locais. Não queríamos, nas devíamos tomar uma conjunto de medidas administrativas de vamos fechar este Politécnico, aquela Universidade, ninguém ficava contente com isso. Há aqui uma pressão no sentido de caminhar para uma racionalização da oferta e essa pressão através desta legislação e através destes exemplos que eu dei, certamente vai dar mais resultados no futuro.

4 Há 102 alunos que querem resolver o problema Pág: 9 Área: 4,97 x 28,96 cm² Corte: 4 de 6 Alunos da Lusófona que querem tirar cadeiras em falta ou verificar creditações. Quase três anos após o rebentar do caso da licenciatura de Miguel Relvas, a auditoria à Universidade Lusófona não está concluída. Quando é divulgada a auditoria à universidade Lusófona? O relatório não está concluído, o processo está em curso. O que aconteceu, foi que Já passou imenso tempo. Estas coisas demoram tempo, mas são feitas. A Inspecção-Geral teve que analisar e reanalisar centenas de casos. No momento em que se percebeu que havia irregularidades na creditação de alguns cursos foi necessário verificar quais eram. E a Inspecção passou meses a analisar esses casos, com os funcionários da Lusófona. Chegou à conclusão que havia, salvo erro, 152 casos. E notificou a Lusófona, para que declarasse nulas essas creditações, esses diplomas. Algo que creio que a Lusófona ainda não fez, pelo menos em todos os casos. Não sei se fez em todos, mas fez em muitos. Sei que algumas das notificações não foram registadas pelos próprios. Mas são processos em curso. O importante é que a Inspecção notificou a universidade e a universidade notificou os estudantes. E dos 152 casos é importante que 102 já declaram que querem resolver o problema. Ou seja, querem tirar as cadeiras em falta ou verificar as creditações que estão erradamente atribuídas. O essencial é dignificar as universidades portuguesas. A nossa preocupação foi que a sociedade tivesse confiança que um diploma corresponde a algo de sério. Não era isso que se passava. Estão previstas sanções para a Lusófona? Alguma responsabilização? A lei é omissa nesse aspecto. A Lusófona já teve uma advertência formal. Está a colaborar e vamos acompanhar até ao fim para que o processo tenha conclusão. Mas ao mesmo tempo fizemos uma alteração na lei em 2013 para acabar com um regime em que as creditações por experiência profissional podiam ser ilimitadas. Há pessoas que fizeram óptimas coisas na vida, mas não é por isso que têm um diploma. B.F.L. e R.L.

5 Destaque Grande Entrevista a Nuno Crato Pág: 10 Área: 26,00 x 30,48 cm² Corte: 5 de 6 Nunca penso nisso [voltar a ser ministro]. Tenho orgulho em ser professor de Matemática na Universidade de Lisboa. Linhas do programa do PS têm muitas medidas que nós fizemos Legislativas Crato acredita em maioria absoluta para a coligação. E chuta para canto possibilidade de segundo mandato. Bruno Faria Lopes e Rosário Lira A coligação PSD/CDS tem condições para continuar a governar, afirma o ministro para quem o PS mostra vontade de continuar no caminho do actual Governo na área do Ensino. Há condições para esta coligação ganhar as eleições? Sim. Há todas as condições. Com maioria absoluta? Creio que as condições estão abertas para haver uma maioria absoluta. Mas mesmo que não haja uma maioria absoluta, julgo que o governo desta coligação mostrou que resolveu problemas dramáticos em que o país se encontrava. Iniciou o seu mandato numa situação muito difícil e conseguiu ultrapassar as dificuldades. Hoje temos um horizonte melhor, temos outras possibilidades de crescimento. O Governo, em situações de extremas dificuldades, cumpriu o seu papel. Estando tão confiante, poderá vir a ser ministro de novo caso venha a ser feito o convite? Nunca penso nisso. Tenho muito orgulho em ser professor de Matemática na Universidade de Lisboa. Eu estou completamente focado em terminar esta missão, em terminá-la bem. Julgo que há uma série de coisas que conseguimos. Quer no Ensino Básico e Secundário, como no Ensino Superior, como na Ciência, que está a passar um ano de ouro. Isto são resultados que se devem, em primeiro lugar, aos cientistas e investigadores portugueses, mas também a muitos incentivos que foram colocados nos locais certos. Já leu as propostas do PS para a No outro dia tive uma discussão interessante com Tony Blair. Ele disse: Quando as medidas têm sucesso os governos que vêm a seguir gostam de as prosseguir. Educação? Disse que algumas das medidas são inexequíveis. A quais se estava a referir? Estava a referir-me à colocação de professores. Há ali meia dúzia de coisas que não me parecem bem trabalhadas. Mas talvez fosse mais interessante discutir programas eleitorais quando eles aparecessem mesmo. Neste momento existem uma série de linhas do programa do PS. São linhas para um programa. Essas linhas têm muitas medidas que são aquilo que nós fizemos. A continuidade dos exames, por exemplo? São aquilo que temos estado a fazer. Eissoébom? Acho que é bom. No outro dia tive uma discussão interessante com o Tony Blair. A certa altura disse-lhe: mas eu não percebo, o senhor é socialista e está a dizer coisas que são exactamente o mesmo que nós estamos a fazer no nosso Governo. E ele disse: São as coisas que é preciso fazer. Gostaria imenso de estar no vosso Parlamento a discutir, só tenho o problema de não saber falar português. E perguntei-lhe: Por que é que as suas medidas foram tão seguidas pelo Governo conservador que apareceu em seguida? Ele disse-me: Quando as medidas têm sucesso os governos que vêm a seguir gostam de as prosseguir. Acha que é por isso que o PS quer prosseguir? Há um conjunto de medidas que fizemos que o PS, quando voltar a ser Governo - que eu julgo que não vai na próxima legislatura, mas há-de voltar a ser porque a democracia é assim e ainda bem - vai prosseguir esse conjunto de medidas. Outras, que estão nas propostas, são para mim menos claras e algumas até me surpreendem, porque parecem contrárias aquilo que tem sido dito nos últimos debates. Mas gostava de discutir isto quando houvesse um programa para discutir.

6 Pág: 1 Área: 11,17 x 7,28 cm² Corte: 6 de 6 GRANDE ENTREVISTA NUNO CRATO Programa do PS tem muitas medidas nossas Ministro da Educação vê continuidade nas propostas dos socialistas. Nuno Crato não compreende receio dos reitores do Ensino Superior sobre perda de autonomia na gestão. P6 A 10

José Epifânio da Franca (entrevista)

José Epifânio da Franca (entrevista) (entrevista) Podemos alargar a questão até ao ensino secundário Eu diria: até à chegada à universidade. No fundo, em que os jovens já são maiores, têm 18 anos, estarão em condições de entrar de uma maneira,

Leia mais

I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s

I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s I n q u é r i t o a o s J o v e n s A d v o g a d o s 1) Encontra-se actualmente a trabalhar? 20% 80% Sim Não 2) Se respondeu sim, como descreveria a sua estabilidade profissional? 22% 17% 28% 33% Excelente

Leia mais

Protocolo da Entrevista a Maria

Protocolo da Entrevista a Maria Protocolo da Entrevista a Maria 1 O que lhe vou pedir é que me conte o que é que aconteceu de importante desde que acabou o curso até agora. Eu... ah!... em 94 fui fazer um estágio, que faz parte do segundo

Leia mais

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010

INVESTIR NO FUTURO CONTRATO DE CONFIANÇA ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL. Janeiro de 2010 INVESTIR NO FUTURO UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL Janeiro de 2010 UM CONTRATO DE CONFIANÇA NO ENSINO SUPERIOR PARA O FUTURO DE PORTUGAL No seu programa, o Governo

Leia mais

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS

O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS O PERCURSO ACADÉMICO NA FBAUL E AS PERSPECTIVAS FUTURAS QUE OPORTUNIDADES PÓS-LICENCIATURA ESPERAM? EXPECTATIVAS QUE INQUIETAÇÕES TÊM OS ALUNOS DE DC? MADALENA : M QUAL É A TUA PERSPECTIVA DO MERCADO

Leia mais

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas

Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Exma. Sra. Presidente do Conselho Geral Transitório Exmos. Srs. Conselheiros Exmos. Srs. Professores Exmos. Srs. Funcionários Caros amigos e amigas Em primeiro lugar gostaria de expressar o meu agradecimento

Leia mais

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA

REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO NOTA JUSTIFICATIVA NOTA JUSTIFICATIVA Em conformidade com os poderes regulamentares que lhes são atribuídos pelos artigos 112º n.º 8 e 241º da Lei Constitucional, devem os Municípios aprovar os respectivos regulamentos municipais,

Leia mais

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos)

I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. (5 pontos) I. Complete o texto seguinte com as formas correctas dos verbos ser ou estar. Hoje. domingo e o tempo. bom. Por isso nós. todos fora de casa.. a passear à beira-mar.. agradável passar um pouco de tempo

Leia mais

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010

ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 ESCLARECIMENTO ORDEM DOS ARQUITECTOS, ENCOMENDA PÚBLICA E PARQUE ESCOLAR. UMA CRONOLOGIA 29-03-2010 Por forma a melhor esclarecer os membros da OA quanto à posição e actuação da Ordem, nos últimos dois

Leia mais

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental

Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Relatório e Parecer da Comissão de Execução Orçamental Auditoria do Tribunal de Contas à Direcção Geral do Tesouro no âmbito da Contabilidade do Tesouro de 2000 (Relatório n.º 18/2002 2ª Secção) 1. INTRODUÇÃO

Leia mais

Quase metade dos cursos superiores impedidos de aumentar vagas

Quase metade dos cursos superiores impedidos de aumentar vagas Pág: 6 ID: 59471903 28-05-2015 Quase metade dos cursos superiores impedidos de aumentar vagas Área: 26,00 x 31,31 cm² Corte: 1 de 5 estaque Cursos superiores e mercado de trabalho Superior 45% dos cursos

Leia mais

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades

Eng.º Mário Lino. por ocasião da Apresentação das Iniciativas. e.escola e.professor e.oportunidades INTERVENÇÃO DO MINISTRO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Eng.º Mário Lino por ocasião da Apresentação das Iniciativas e.escola e.professor e.oportunidades Escola Secundária Eça de Queiroz,

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO

CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO y Câmara Municipal de Redondo CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE REDONDO REGIMENTO O DL 7/2003, de 15 de Janeiro, que prevê a constituição do Conselho Municipal de Educação, regulou as suas competências

Leia mais

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS

UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS UM ANO DEPOIS: PRESTAR CONTAS Há um ano, o XIX Governo constitucional iniciou funções com o País submetido a um Programa de Ajustamento Financeiro e Económico (PAEF) tornado inevitável perante a iminência

Leia mais

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal

GOVERNO. Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal REPÚBLICA DEMOCRÁTICA DE TIMOR LESTE GOVERNO Decreto N. 2/ 2003 De 23 de Julho Estatuto Orgânico do Ministério da Administração Estatal O Decreto Lei N 7/ 2003 relativo à remodelação da estrutura orgânica

Leia mais

Ganhar o Futuro com (a) Educação

Ganhar o Futuro com (a) Educação Começo por congratular todos os deputados, na pessoa da nossa Presidente, e, todos os membros do XI Governo, na pessoa do seu Presidente, certa que em conjunto faremos um trabalho profícuo para bem das

Leia mais

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores.

TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. TOBY MENDEL (Consultor Internacional da Unesco): [pronunciamento em outro idioma] INTÉRPRETE: Deixa eu começar agradecendo para os apresentadores. Aqui, a gente tem uma apresentação muito importante, e

Leia mais

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS

S. R. MINISTÉRIO DAS FINANÇAS RELATÓRIO SOBRE REGIME DE CAPITALIZAÇÃO PÚBLICA PARA O REFORÇO DA ESTABILIDADE FINANCEIRA E DA DISPONIBILIZAÇÃO DE LIQUIDEZ NOS MERCADOS FINANCEIROS (REPORTADO A 25 DE MAIO DE 2012) O presente Relatório

Leia mais

Fausto. de Quadros. 'A verdadeira. reforma do. Estado' S Pág. 24

Fausto. de Quadros. 'A verdadeira. reforma do. Estado' S Pág. 24 Fausto de Quadros 'A verdadeira reforma do Estado' S Pág. 24 FAUSTO DE QUADROS PROFESSOR DE DIREITO 'Reformar o Estado é mais do que despedir funcionários' Manuel A. Magalhães manuei.a.magalhaes@sol.pt

Leia mais

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete

MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL. Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete MUNICÍPIO DE ALCOCHETE CÂMARA MUNICIPAL Regimento do Conselho Municipal de Educação de Alcochete A construção de um futuro impõe que se considere fundamental investir na capacitação e formação das pessoas,

Leia mais

Troika As lições que a Educação foi 'obrigada' a aprender

Troika As lições que a Educação foi 'obrigada' a aprender Troika As lições que a Educação foi 'obrigada' a aprender Entre 2011 e 2014 a Educação foi uma das áreas mais atingidas pelos cortes impostos pela troika. Desafiado a cortar despesas e, simultaneamente,

Leia mais

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR

É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR É PROIBIDO O USO COMERCIAL DESSA OBRA SEM A AUTORIZAÇÃO DO AUTOR Introdução: Aqui nesse pequeno e-book nós vamos relacionar cinco super dicas que vão deixar você bem mais perto de realizar o seu sonho

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA

REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA REGULAMENTO INTERNO CONSELHO LOCAL DE ACÇÃO SOCIAL DO MUNICÍPIO DA MURTOSA PREÂMBULO Designa-se por rede social o conjunto das diferentes formas de entreajuda, praticadas por entidades particulares sem

Leia mais

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica.

No entanto, antes de ser financeira, a crise tem uma natureza económica. INTERVENÇÃO DO PRESIDENTE DA AEP - ASSOCIAÇÃO EMPRESARIAL DE PORTUGAL, JOSÉ ANTÓNIO BARROS, NA CONFERÊNCIA «O QUE FAZER POR PORTUGAL? MEDIDAS PARA ULTRAPASSAR A CRISE», SOB O TEMA «AS PESSOAS E AS EMPRESAS

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga Regimento do Conselho Municipal de Educação de Braga A lei de bases do sistema educativo assume que o sistema educativo se organiza de forma a descentralizar, desconcentrar e diversificar as estruturas

Leia mais

Conselho Municipal de Educação

Conselho Municipal de Educação 1 Regimento do (CME) do Município de Vila Nova de Paiva A Lei 159/99, de 14 de Setembro estabelece no seu artigo 19, n.º2, alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os conselhos locais

Leia mais

Chegou a hora de olhar a classe média

Chegou a hora de olhar a classe média Chegou a hora de olhar a classe média Ricardo Paes de Barros (entrevista de Flavia Lima) Valor Econômico, 13.11.2013 Brasil desenhou política de combate à pobreza tão eficiente que está acabando com os

Leia mais

10 segredos para falar inglês

10 segredos para falar inglês 10 segredos para falar inglês ÍNDICE PREFÁCIO 1. APENAS COMECE 2. ESQUEÇA O TEMPO 3. UM POUCO TODO DIA 4. NÃO PRECISA AMAR 5. NÃO EXISTE MÁGICA 6. TODO MUNDO COMEÇA DO ZERO 7. VIVA A LÍNGUA 8. NÃO TRADUZA

Leia mais

REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO

REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO Comunicado 23/09/2015 REVISÃO DA CARREIRA. PONTO DA SITUAÇÃO COLEGAS Pelas 21 horas, do dia 21 de Setembro de 2015, pôs-se um ponto final na primeira parte, da primeira fase do processo negocial da revisão/criação

Leia mais

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário

Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Protocolo de Acordo entre o Ministério da Educação e o Sindicato Nacional dos Professores do Ensino Secundário Secundário reconhecem que a melhoria da educação e da qualificação dos Portugueses constitui

Leia mais

Éinacreditável que as universidades

Éinacreditável que as universidades Pág: 2 Área: 28,21 x 36,29 cm² Corte: 1 de 5 REDE DE ENSINO SUPERIOR Não podem continuar a existir cursos sem alunos António Rendas, presidente do CRUP, gostava de ver mais empresários e banqueiros a falar

Leia mais

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior

Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior 3 de Setembro de 2010 Regulamento de Atribuição de Bolsas de Estudo a Estudantes do Ensino Superior Capítulo I Princípios da

Leia mais

«A Sociedade tem todas as hipóteses de ser mais solidária!»

«A Sociedade tem todas as hipóteses de ser mais solidária!» «A Sociedade tem todas as hipóteses de ser mais solidária!» Entrevista com Idália Moniz, Secretária de Estado Adjunta e da Reabilitação 1 Num momento em que a situação económica exige uma maior atenção

Leia mais

Excelentíssimo Senhor. Presidente da República Portuguesa. Doutor Aníbal Cavaco Silva

Excelentíssimo Senhor. Presidente da República Portuguesa. Doutor Aníbal Cavaco Silva Excelentíssimo Senhor Presidente da República Portuguesa Doutor Aníbal Cavaco Silva Assunto: carta aberta sobre riscos e oportunidades do novo pacote de Reabilitação Urbana. Pedido de ponderação do exercício

Leia mais

Caracterização dos cursos de licenciatura

Caracterização dos cursos de licenciatura Caracterização dos cursos de licenciatura 1. Identificação do ciclo de estudos em funcionamento Os cursos de 1º ciclo actualmente em funcionamento de cuja reorganização resultam os novos cursos submetidos

Leia mais

Projecto de Lei n.º 54/X

Projecto de Lei n.º 54/X Projecto de Lei n.º 54/X Regula a organização de atribuição de graus académicos no Ensino Superior, em conformidade com o Processo de Bolonha, incluindo o Sistema Europeu de Créditos. Exposição de motivos

Leia mais

10 pontos importantes a saber antes de iniciares e teu curso de instrutor de yoga.

10 pontos importantes a saber antes de iniciares e teu curso de instrutor de yoga. 10 pontos importantes a saber antes de iniciares e teu curso de instrutor de yoga. Este documento é para praticantes de yoga que considerem a possibilidade de se tornarem instrutores ou professores de

Leia mais

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO

- CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE LAGOS - PREÂMBULO PREÂMBULO A Lei de Bases do Sistema Educativo (Lei nº 46/86 de 14 de Outubro) consagrou a interacção com a comunidade educativa local como um pilar fundamental da política educativa. Por essa razão o nº

Leia mais

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO

DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO 13.3.2009 Jornal Oficial da União Europeia L 68/3 DIRECTIVAS DIRECTIVA 2009/14/CE DO PARLAMENTO EUROPEU E DO CONSELHO de 11 de Março de 2009 que altera a Directiva 94/19/CE relativa aos sistemas de garantia

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 103 de 21/04/04 Presidente: Vamos iniciar o debate sobre a Proposta de Resolução qualidade dos correios nos Açores e manutenção de critérios de proximidade na oferta dos respectivos

Leia mais

A alteração não aparecerá no absentismo mas sim nas horas disponíveis para montagem, que serão menos do que teriam caso não houvesse uma greve.

A alteração não aparecerá no absentismo mas sim nas horas disponíveis para montagem, que serão menos do que teriam caso não houvesse uma greve. Produção Entendemos que quando há um aviso de greve nas folhas de decisões, a greve ocorre sempre. Entendemos que o único controlo que temos é impedir que volte a ocorrer no trimestre seguinte ao próximo.

Leia mais

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012

Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Apresentação e Discussão do Orçamento Retificativo para 2012 Excelentíssimo Senhor Presidente da Assembleia Legislativa da Madeira Excelentíssimas Senhoras e Senhores Deputados A proposta do Orçamento

Leia mais

Assim nasce uma empresa.

Assim nasce uma empresa. Assim nasce uma empresa. Uma história para você que tem, ou pensa em, um dia, ter seu próprio negócio. 1 "Non nobis, Domine, non nobis, sed nomini Tuo da gloriam" (Sl 115,1) 2 Sem o ar Torna-te aquilo

Leia mais

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS

NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER I SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS NEWSLETTER SISTEMA FINANCEIRO E MERCADO DE CAPITAIS 2.º Trimestre I SISTEMAS DE GARANTIA DE DEPÓSITOS 2 II Legislação A. Direito Bancário Institucional

Leia mais

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha?

Jornalista: O senhor se arrepende de ter dito que crise chegaria ao Brasil como uma marolinha? Entrevista exclusiva concedida por escrito pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, ao jornal Gazeta do Povo, do Paraná Publicada em 08 de fevereiro de 2009 Jornalista: O Brasil ainda tem

Leia mais

REGULAMENTO DE ESTÁGIO

REGULAMENTO DE ESTÁGIO Instituto de Ciências Sociais Departamento de Ciências da Comunicação REGULAMENTO DE ESTÁGIO Mestrado em Ciências da Comunicação Versão revista, aprovada em reunião da Comissão Coordenadora do Departamento

Leia mais

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu

Vítor Caldeira. Presidente do Tribunal de Contas Europeu Os Tribunais de Contas e os desafios do futuro Vítor Caldeira Presidente do Tribunal de Contas Europeu Sessão solene comemorativa dos 160 anos do Tribunal de Contas Lisboa, 13 de Julho de 2009 ECA/09/46

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais O Conselho Técnico-Científico do ISCE Douro, na sua reunião de 6 de maio de 2015, deliberou, por unanimidade, assumir que todos os regulamentos

Leia mais

08/06/2010. Entrevista do Presidente da República

08/06/2010. Entrevista do Presidente da República Entrevista coletiva concedida pelo Presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, após visita ao banco de sangue de cordão umbilical e placentário - Rede BrasilCord Fortaleza-CE, 08 de junho de 2010

Leia mais

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas

Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Seminário Inverno demográfico - o problema. Que respostas?, Associação Portuguesa de Famílias Numerosas Painel: Desafio Demográfico na Europa (11h45-13h00) Auditório da Assembleia da República, Lisboa,

Leia mais

Mestrado em Ciências da Educação

Mestrado em Ciências da Educação Mestrado em Ciências da Educação Tema : Educação e formação de jovens e adultos pouco escolarizados O Processo de Reconhecimento, Validação e Certificação de Competências na (re) definição de trajectórias

Leia mais

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático

Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Regulamento do Laboratório de Cálculo Automático Artigo 1 o (Definição) O Laboratório de Cálculo Automático, adiante designado por Lc, é um dos laboratórios do Departamento de Matemática da Faculdade de

Leia mais

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos

Quero, também, que os Estaleiros Navais de Viana do Castelo sejam capazes de colocar no exterior noutros mercados, projectos DECLARAÇÕES AOS JORNALISTAS DO MINISTRO PAULO PORTAS, EM VIANA DO CASTELO, APÓS REUNIÕES DE TRABALHO COM O CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO E COM A COMISSÃO DE TRABALHADORES DOS ESTALEIROS NAVAIS DE VIANA DO

Leia mais

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente

REGIÃO AUTÓNOMA DOS AÇORES ASSEMBLEIA LEGISLATIVA REGIONAL Gabinete do Presidente Diário da Sessão n.º 008 de 25/01/01 Vamos passar ao ponto nº 4 da nossa ordem do dia, ou seja, à Proposta de Resolução Medidas de Combate à Leptospirose. Tem a palavra o Sr. Deputado Bento Barcelos. Deputado

Leia mais

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão.

REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS. Idade na admissão. REPRESENTAÇÕES SOCIAIS DA GRAVIDEZ: A EXPERIÊNCIA DA MATERNIDADE EM INSTITUIÇÃO Código Entrevista: 2 Data: 18/10/2010 Hora: 16h00 Duração: 23:43 Local: Casa de Santa Isabel DADOS SÓCIO-DEMOGRÁFICOS Idade

Leia mais

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO

REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO REGULAMENTO DE CREDITAÇÃO Artigo 1.º Objectivo e Âmbito 1 - O presente regulamento estabelece, de acordo com o n.º 3 do artigo 45.º do Decreto-Lei n.º 74/2006 de 24 de Março, com a redação dada pelos Decretos-Leis

Leia mais

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas

Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais. do Instituto Superior de Ciências Educativas Regulamento dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais do Instituto Superior de Ciências Educativas O presente regulamento visa aplicar o regime estabelecido pelo Decreto-Lei n.º 43/2014, de 18 de março,

Leia mais

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos?

Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Como Vamos Melhorar a Educação nos Próximos Anos? Apresentação do Debate Nacional Sobre a Educação Assembleia da República, 22 de Maio de 2006 Júlio Pedrosa de Jesus, Presidente do Conselho Nacional de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho

Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Decreto-Lei n.º 125/2008, de 21 de Julho Introduz um regime de fiscalização e de sanção contra-ordenacional aplicável a infracções aos deveres previstos no Regulamento (CE) n.º 1781/2006, do Parlamento

Leia mais

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto *

Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Decreto-Lei n.º 187/2002 de 21 de Agosto * Nos termos da Resolução do Conselho de Ministros n.º 103/2002, de 26 de Julho, que aprovou o Programa para a Produtividade e o Crescimento da Economia, foi delineado

Leia mais

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012

NOS@EUROPE. O Desafio da Recuperação Económica e Financeira. Prova de Texto. Nome da Equipa GMR2012 NOS@EUROPE O Desafio da Recuperação Económica e Financeira Prova de Texto Nome da Equipa GMR2012 Alexandre Sousa Diogo Vicente José Silva Diana Almeida Dezembro de 2011 1 A crise vista pelos nossos avós

Leia mais

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho?

1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS 681 1ª PERGUNTA: Na sua opinião, como deve ser a formação do trabalhador para o atual mercado de trabalho? ANEXO 4 - ANÁLISE DE CONTEÚDO ALUNOS SUJEITO UNIDADE DE CONTEXTO UNIDADE

Leia mais

Na reforma do financiamento da Saúde, o trabalho de Paulo Macedo foi zero

Na reforma do financiamento da Saúde, o trabalho de Paulo Macedo foi zero GRANDE ENTREVISTA ISABEL VAZ Na reforma do financiamento da Saúde, o trabalho de Paulo Macedo foi zero A presidente da comissão executiva da Espírito Santo Saúde está a preparar a entrada em bolsa. Isabel

Leia mais

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES

NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES NEWSLETTER Nº 9 SETEMBRO CONHECIMENTO INOVAÇÃO CRIATIVIDADE EFICIÊNCIA VALOR POTENCIAMOS O VALOR DAS ORGANIZAÇÕES O Novo Regime Jurídico do Sector Empresarial Local O novo regime jurídico do sector empresarial

Leia mais

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006

INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 INSTITUTO PORTUGUÊS DE ADMINISTRAÇÃO DE MARKETING DE MATOSINHOS Diário da República, 2.ª série N.º 186 26 de Setembro de 2006 Regulamento n.º 185/2006 Regulamento de provas de avaliação da capacidade para

Leia mais

N. o 246 21-10-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A

N. o 246 21-10-1999 DIÁRIO DA REPÚBLICA I SÉRIE-A 7023 MAPA IV Anexo a que se refere o n. o 1 do artigo 10. o Consultor... MAPA V Assessor do tesouro. Anexo a que se refere o n. o 1 do artigo 11. o Técnico especialista principal... Chefe de secção...

Leia mais

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor.

O que procuramos está sempre à nossa espera, à porta do acreditar. Não compreendemos muitos aspectos fundamentais do amor. Capítulo 2 Ela representa um desafio. O simbolismo existe nas imagens coloridas. As pessoas apaixonam-se e desapaixonam-se. Vão onde os corações se abrem. É previsível. Mereces um lugar no meu baloiço.

Leia mais

César Frade Finanças Aula 02

César Frade Finanças Aula 02 César Frade Finanças Aula 02 Olá Pessoal. Estamos nós aqui mais uma vez para tentar entender essa matéria. Concordo que a sua compreensão não é das mais fáceis, mas vocês terão que concordar comigo que

Leia mais

A protecção de dados pessoais nas organizações: o futuro hoje.

A protecção de dados pessoais nas organizações: o futuro hoje. A protecção de dados pessoais nas organizações: o futuro hoje. Fórum dos Auditores IPAI Lisboa, 22 de Janeiro de 2015 Tiago Félix da Costa Este documento constitui documento de suporte a uma apresentação

Leia mais

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra. Senhor Representante de Sua Excelência o Presidente da República, General Rocha Viera, Senhor Ministro da Defesa Nacional, Professor Azeredo Lopes, Senhora Vice-Presidente da Assembleia da República, Dra.

Leia mais

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR

Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Câmara Municipal Gondomar REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DE GONDOMAR Aprovado pela Câmara em 6/02/2003, alterado em Reunião de Câmara de 18/09/2003 Aprovado pela Assembleia Municipal em

Leia mais

Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online

Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online Contributo da ANAon para a Legislaça o do Jogo Online Associação Nacional de Apostadores Online Argumentação principal: A ANAon (Associação Nacional de Apostadores On-line) é uma associação sem fins lucrativos,

Leia mais

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento

Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento Conselho Municipal de Educação de Santa Marta de Penaguião Projecto de Regimento A Lei de Bases do Sistema Educativo assume que o sistema educativo se deve organizar de forma a descentralizar, desconcentrar

Leia mais

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo

Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão. Preâmbulo REGULAMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO DO FUNDÃO Publicação II SÉRIE N.º 98 20 de Maio de 2010 Regulamento do Conselho Municipal de Educação do Fundão Preâmbulo A Lei de Bases do Sistema Educativo

Leia mais

Ana Maria Be encourt 1

Ana Maria Be encourt 1 ABERTURA Ana Maria Be encourt 1 Senhor Secretário de Estado dos Negócios Estrangeiros e da Cooperação, Senhor Embaixador Presidente da Comissão Nacional da UNESCO, Senhora Secretária Regional da Educação

Leia mais

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013

Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013 Regimento do Conselho Municipal de Educação de Odivelas 2010/2013 O Decreto-Lei n.º 7/2003, de 15 de Janeiro, tem por objecto os Conselhos Municipais de Educação, regulando as suas competências e composição,

Leia mais

ACS Assessoria de Comunicação Social

ACS Assessoria de Comunicação Social O tempo e a espera Ministro fala de projetos em andamento e ações do governo para a área educacional Entrevista do ministro publicada na Revista Educação no dia 26 de maio de 2004. Tarso Genro é considerado

Leia mais

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas.

Agradeço muito o convite que me foi endereçado para encerrar este XI Congresso da Ordem dos Revisores Oficias de Contas. Senhor Bastonário da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas, Dr. José Azevedo Rodrigues; Senhor Vice-Presidente do Conselho Diretivo da Ordem dos Revisores Oficiais de Contas e Presidente da Comissão Organizadora

Leia mais

Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2010. Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos

Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 23 Anos Candidatura de 2010. Tempo para realização da prova: 2 horas Tolerância: 30 minutos Provas de Acesso ao Ensino Superior Para Maiores de 3 Anos Candidatura de 010 Exame de Economia Tempo para realização da prova: horas Tolerância: 30 minutos Material admitido: O examinando apenas pode

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 68 Discurso na cerimónia de lançamento

Leia mais

Ana Maria Bettencourt

Ana Maria Bettencourt 16 17 Entrevista Ana Maria Bettencourt Ana Maria Bettencourt Tendo optado por mudar o mundo através da educação, Ana Maria Bettencourt fala de uma escola onde a responsabilidade pelas aprendizagens está

Leia mais

Pedagógico para o efeito, também os seus membros se mostraram contrários à realização de um projecto de TEIP3 na Escola, por uma ampla maioria dos

Pedagógico para o efeito, também os seus membros se mostraram contrários à realização de um projecto de TEIP3 na Escola, por uma ampla maioria dos Conselho Geral Acta Aos trinta dias do mês de Outubro de dois mil e doze, reuniu o Conselho Geral da Escola Secundária de Odivelas, em sessão ordinária, com a seguinte ordem de trabalhos: Ponto um: Período

Leia mais

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação

Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Presidência da República Casa Civil Secretaria de Administração Diretoria de Gestão de Pessoas Coordenação Geral de Documentação e Informação Coordenação de Biblioteca 70 Cerimónia de sanção do projeto

Leia mais

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003

Rio de Janeiro, 5 de Dezembro de 2003 Intervenção de Sua Excelência a Ministra da Ciência e do Ensino Superior, na II Reunião Ministerial da Ciência e Tecnologia da CPLP Comunidade dos Países de Língua Portuguesa Rio de Janeiro, 5 de Dezembro

Leia mais

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE

SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE V EUROSAI/OLACEFS CONFERENCE SUSTENTABILIDADE FINANCEIRA, PRESTAÇÃO DE CONTAS E RESPONSABILIDADE CONCLUSÕES E RECOMENDAÇÕES A V Conferência EUROSAI/OLACEFS reuniu, em Lisboa, nos dias 10 e 11 de Maio de

Leia mais

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa

O GOVERNO. Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa O GOVERNO Art.º 182º da Constituição da República Portuguesa «O Governo é o órgão de condução da política geral do país e o órgão superior da Administração Pública.» 1 Pela própria ideia que se retira

Leia mais

REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA

REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO INSTITUTO SUPERIOR DE ENGENHARIA DE LISBOA REGULAMENTO DOS REGIMES DE PRESTAÇÃO DE TRABALHO DE HORÁRIOS DO O Instituto Superior de Engenharia de Lisboa (ISEL), é um Estabelecimento de Ensino Superior Público cujo período de funcionamento, de aulas

Leia mais

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA. CIP FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA UM NOVO PASSO Seminário 16 de abril de 2012 Intervenção do Presidente da CIP Bem vindos a este novo passo do projeto CIP - FAZER ACONTECER A REGENERAÇÃO URBANA.

Leia mais

Resumo de Imprensa. Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009

Resumo de Imprensa. Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009 1 Resumo de Imprensa Segunda-feira, 2 de Novembro de 2009 DIÁRIO ECONÓMICO 1. Privatização do BPN estará pronta até final de 2010. Francisco Bandeira, presidente do banco, disse ao Diário Económico esperar

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014

REGIMENTO DO CONSELHO GERAL. fevereiro 2014 REGIMENTO DO CONSELHO GERAL fevereiro 2014 Agrupamento de Escolas Monte da Lua Regimento do Conselho Geral Capítulo I Enquadramento Legal Índice Artigo 1º Fundamento legal do Conselho Geral...... 2 Capítulo

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO

REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO REGIMENTO DO CONSELHO MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO A Lei 159/99, de 14 de Setembro, estabelece no seu artigo 19, nº2., alínea b), a competência dos órgãos municipais para criar os Conselhos Locais de Educação.

Leia mais

Lei dos Partidos Políticos

Lei dos Partidos Políticos Lei dos Partidos Políticos Lei Orgânica n.º 2/2003, de 22 de Agosto, com as alterações introduzidas pela Lei Orgânica n.º 2/2008, de 14 de Maio 1 A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea

Leia mais

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos

Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Enquanto há vida, há sexualidade! Perspectivas dos profissionais de saúde quanto à comunicação sobre sexualidade em cuidados paliativos Entrevista de Estudo E06 Sexo Masculino Profissão - Médico Data 6

Leia mais

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL

SINDICATO DOS MÉDICOS DA ZONA SUL 1 PARECER N.º 04/2008 HOSPITAL DA NOSSA SENHRA DO ROSÁRIO, E.P.E. REGULAMENTO DE PLANEAMENTO DE RECURSOS HUMANOS E CONTROLO DA ASSIDUIDADE - CARREIRA MÉDICA HOSPITALAR PRESTAÇÃO DE TRABALHO EM DOMINGOS,

Leia mais

NOVAS OPORTUNIDADES Cursos do Ensino Artístico Especializado Dança a e Canto Gregoriano

NOVAS OPORTUNIDADES Cursos do Ensino Artístico Especializado Dança a e Canto Gregoriano NOVAS OPORTUNIDADES Cursos do Ensino Artístico Especializado Domínio da Música, M Dança a e Canto Gregoriano Aprender Compensa DIRECÇÃO REGIONAL DE EDUCAÇÃO DE LISBOA E VALE DO TEJO Equipa Multidisciplinar

Leia mais

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL)

LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) LEI N. 108/91, DE 17 DE AGOSTO (LEI DO CONSELHO ECONÓMICO E SOCIAL) Com as alterações introduzidas pelas seguintes leis: Lei n.º 80/98, de 24 de Novembro; Lei n.º 128/99, de 20 de Agosto; Lei n.º 12/2003,

Leia mais

Transcrição de Entrevista nº 14

Transcrição de Entrevista nº 14 Transcrição de Entrevista nº 14 E Entrevistador E14 Entrevistado 14 Sexo Feminino Idade 50anos Área de Formação Engenharia Electrotécnica e dos Computadores Professor Ensino Superior - Investigação E -

Leia mais

Avaliação da Unidade Curricular de Segurança Alimentar pelos alunos 2010-2011. Aluno 1

Avaliação da Unidade Curricular de Segurança Alimentar pelos alunos 2010-2011. Aluno 1 Aluno 1 Em termos negativos, não existe muita coisa a apontar 1º Talvez se houvesse disponibilidade existir uma maior rotação dos grupos a apresentar para que não estivéssemos por exemplo 1 mês sem apresentar

Leia mais

Colóquio "Desigualdades e Desemprego"

Colóquio Desigualdades e Desemprego Observatório das Desigualdades Colóquio "Desigualdades e Desemprego" Rosário Mauritti (rosario.mautitti@iscte.pt) ISCTE, 11 de Novembro de 2009 A precariedade laboral: uma definição um fenómeno complexo

Leia mais

PARECER N.º 31/CITE/2005

PARECER N.º 31/CITE/2005 PARECER N.º 31/CITE/2005 Assunto: Parecer prévio ao despedimento de trabalhadora grávida, nos termos do artigo 51.º do Código do Trabalho e do artigo 98.º da Lei n.º 35/2004, de 29 de Julho Processo n.º

Leia mais