PTC Estágio Supervisionado Relatório Final. UNIX em Telecomunicações. Professor: Antonio Fischer de Toledo, PhD

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PTC-2501 - Estágio Supervisionado Relatório Final. UNIX em Telecomunicações. Professor: Antonio Fischer de Toledo, PhD"

Transcrição

1 PTC Estágio Supervisionado Relatório Final UNIX em Telecomunicações Empresa: Wexperts Soluções em Internet Ltda. Professor: Antonio Fischer de Toledo, PhD Vinicius Pavanelli Vianna de dezembro de

2 1 Trabalhos realizados pré Wexperts 1.1 Highnet A Highnet Internet Provider era um provedor de internet na cidade de Ribeirão Preto, SP, que provia internet via linha discada para até 30 assinantes simultâneos a partir de um link de 256 kbps da Embratel nos anos de Trabalhei como administrador de sistemas lá desde Outubro Fevereiro 2000, onde pude desenvolver um pouco mais o entendimento de redes e sistemas operacionais. Em especial realizei trabalhos como: Administração de um Servidor Linux Slackware, que servia s e sites para uma série de assinantes, quando cheguei lá existiam cerca de 70 sites hospedados, cada um com um domínio diferente, o que era feito alocando um endereço IP para cada domínio, sugeri o uso de domínio virtuais 1 no servidor Apache 2, com isto liberamos mais de 60 IPs para o uso do provedor. Administração de um Servidor HPUX HP9000, que servia para o site, e DNS do próprio provedor (highnet.com.br), após alguns dias pude perceber alguns erros no mapeamento DNS da rede, aonde os registros MX não estavam configurados adequadamente, o ajuste deles fez surgirem vários s parados desde 1995 no servidor. Este servidor utilizava os softwares da Netscape para servidor de HTTP e (SMTP/POP3). Administração e configuração inicial de um Servidor HP-UX HP9000, que serviu de servidor de dedicado para o provedor, alguns detalhes foram a dificuldade de se colocar um compilador C operacional neste servidor (o Netscape Server do outro servidor foi fornecido como binário e não precisava de compilador, portanto nunca foram instalados nestes servidores), como não foi possível identificar a codificação de senhas do Netscape foi feito um software próprio para esta migração, que ao receber a solicitação do usuário conectava no servidor antigo, verificava a senha, e se fosse correta a transferia para este servidor. Configuração inicial de um servidor FreeBSD para substituir o Linux dos domínios virtuais, com isto o provedor ganhou muito mais estabilidade em seus serviços, posteriormente este servidor pode prover a autenticação RADIUS para o sistema BPX que fornecia acesso discado, com isto pudemos armazenar as senhas em formato criptografado (o sistema antigo TACACS no HPUX exigia senhas em formato aberto plaintext). Desenvolvimento de aplicativos básicos para web, inicialmente em linguagem C usando a interface CGI do Apache, posteriormente utilizando PHP3 e bancos de dados MySQL. Suporte ao servidor Windows NT 4.0, que provia serviços ASP e também um CGI em Perl para gerenciamente de listas de s. 1 um domínio que compartilhe recursos com outros, como neste caso de um endereço IP comum a todos os domínios 2 servidor padrão no mercado para web (protocolo HTTP e HTTPS) 2

3 2 Trabalhos realizados pela Wexperts 2.1 COOPENERG - Cooperativa de Economia e Crédito Mútuo dos Funcionários das Empresas de Energia Elétrica do Estado de São Paulo Comecei a prestar serviços para a Coopenerg no ano de 2002, inicialmente tínhamos um contrato para a criação de um sistema de NetBanking básico, somente com extratos, saldos e simulações de empréstimos/investimentos. Inicialmente toda a estrutura foi feita utilizando servidores FreeBSD, e uma estrutura para apenas um NetBanking começou a crescer lentamente: Foi feito um servidor FreeBSD, utilizando Apache+MySQL+PHP para o sistema de Netbanking, este era alimentado por arquivos TXT fornecidos pelo sistema interno deles (Bancoob), posteriormente foi migrado para suportar importação de arquivos HTML gerados também pelo sistema interno. Além deste sistema de NetBanking foi também criada uma estrutura para o site principal da empresa e s. Foi feito um servidor secundário, também em FreeBSD, para armazenar os arquivos da empresa de forma centralizada e servir de controlador de domínio para a rede, este servidor também gerenciava uma conexão VPN entre São Paulo e Bauru/SP, aonde ficava a matriz da empresa. Foi feito um servidor FreeBSD em Bauru/SP para gerenciar a outra ponta da conexão VPN, isto permitia que os funcionários de Bauru usassem, de forma segura, os aplicativos internos que estavam centralizados em São Paulo, a outra solução seria colocar um segundo servidor Oracle para o aplicativo financeiro e também uma gerência para poder sincronizar os dois bancos de dados Oracle (Bauru com São Paulo), o que seria financeiramente inviável para a Cooperativa no momento. Os servidores FreeBSD foram posteriormente migrados para OpenBSD, muito em função do sistema de firewall mais eficiente e estabilidade do sistema operacional. Foi feito posteriormente também um servidor dedicado rodando FreeBSD, contratado nos EUA, para prover o sistema de sites e da Cooperativa, este sistema funciona em paralelo com os servidores locais deles, que estão como redundância. 2.2 ONGAME Entretenimento S.A. Os trabalhos com a ONGAME começaram com um problema que eles tinham de LAG em seu jogo, GunBound. Este problema de LAG era um "congelamento"do jogo por alguns segundos, que afetava em muito a jogabilidade. Foram feitas algumas análises dos gráficos de rede deles, e foi evidenciado uma limitação de banda inicial, pois a partir do período da tarde, no horário de pico de uso do jogo, a rede se mostrava com saída de dados constante, como que saturada, quando o normal é mostrar um gráfico parecido com senoidal (um aumento até o pico e depois um decréscimo a partir dele), este resultado como um platô foi levado até o datacenter e foi 3

4 encontrada uma limitação na banda em um dos roteadores, o que melhorou inicialmente o problema de LAG Melhorias realizadas na interface Web-Banco de dados A maioria dos sites dos jogos na Ongame tem um fórum livre aos usuários, este fórum se compõe de um servidor Web e outro servidor de Banco de Dados. Após algumas reclamações, de que nos horários de suporte do jogo o site ficava muito instável e chegava a cair algumas vezes, foi feita uma análise na programação do site, encontrando um problema de escalonabilidade, ou seja, o site não conseguia servir muitos usuários e partir de um certo limiar começava a se tornar indisponível aos usuários. Para poder analisar o problema foi criado um servidor de homologação dentro da empresa, composto de um servidor Linux Ubuntu, utilizando virtualização assistida por hardware que permitem a criação de várias máquinas virtuais internas a este servidor. Com este servidor foi feito um servidor web e um banco de dados, iguais aos que estavam rodando em produção, e analisado o tráfego gerando entre eles, os logs dos servidores e também todo o código do site, deve-se notar que os números de performance deste servidor não são iguais aos de produção, e devem ser tratados qualitativamente, apenas indicando as melhoras mas não definindo muito bem a quantidade desta melhora. Junto com isto foi criado um repositório de código em CVS, que permitiria um acompanhamento de todas as alterações no site e também retornar a qualquer ponto de desenvolvimento do site no tempo (i.e. restaurar o código que estava rodando em certo dia). O problema detectado era um código mal escrito na Classe que lidava com o banco de dados, aonde a mesma, ao receber cada consulta (query) do banco de dados, abria uma nova conexão com o banco, realizava a consulta, e fechava a conexão com o banco. Embora a primeira vista isto possa parecer razoável, a cada página vista pelo usuário são necessárias 85 consultas com o banco de dados! Com isto, a cada página eram realizadas 85 aberturas de conexões e 85 fechamentos, sobrecarregando o sistema por vários motivos: Cada abertura de conexão exige um handshake do protocolo TCP, esta negociação de protocolo utiliza um pouco do sistema operacional e gera uma lentidão pois precisa que 3 pacotes sejam transmitidos somente para estabelecer a conexão. Cada abertura de conexão exige uma checagem das credenciais do usuário com o banco de dados, fazendo com que o mesmo tenha de consultar a tabela de usuários e verificar dados como senha, além disto o banco precisa inicializar o ambiente (environment) do usuário, o que exige tempo computacional. Cada conexão exige uma porta no sistema operacional, e após ser fechada fica um tempo em estados de espera até ser liberada para um novo processo, como temos portas, isto pode resultar em um esgotamento de recursos no sistema operacional, o que aconteceu na prática aonde o sistema ficou um tempo sem portas livre para conexões Versões finais testadas Após a análise foram criadas duas versões básicas do site: 4

5 r52 Release 52, utilizada no sistema em produção, esta versão possuía um defeito de algoritmo, aonde a cada consulta no banco de dados a conexão com o banco era criada e destruída. r53 Release 53, modificado com melhorias nas conexões com banco de dados, criando uma conexão inicial com o banco e somente fechando a conexão no final do script. Pode-se notar na Figura 1 que houve uma melhora considerativa no tempo de resposta e estabilidade do site, apenas para citar algumas melhorias do gráfico: O tempo de resposta para 7 usuários simultâneos passou de 5,3s para 1,5s. O número crítico de usuários para o site passou de 7 usuários para 9 usuários. Figura 1: Performance das duas versões do site para comparação, no eixo horizontal está o número de conexões simultâneas e no vertical o tempo em milisegundos da resposta do site. 5

6 2.2.3 Monitoramento da qualidade da rede Em virtude de várias reclamações ainda de usuários (na maioria jogadores) e também internamente, começamos a procurar alternativas para o monitoramento da rede, no que acabamos usando o software Smokeping. O smokeping permite o monitoramento do tempo de resposta de um servidor ao protocolo ICMP (Internet Control Message Protocol - Protocolo de Mensagens de Controle de Internet), popularizado pela ferramenta ping, este software além de registrar o tempo médio de resposta, também registra o desvio padrão e perdas encontradas no teste, chegando a um gráfico como o da Figura 2 Figura 2: Gráfico Smokeping de um roteador da CTBC ligado diretamente ao firewall de saída, pode-se observar no gráfico alguns problemas por volta das 12h da terça-feira, e um problema maior das 19h-22h de terça-feira também, nestes problemas os pontos azuis indicam uma perda de 1/20 (4%), a sombra cinza indica o desvio padrão do tempo de resposta e é um indicador da saúde do equipamento. 6

7 3 Um resumo sobre o UNIX O UNIX foi um sistema operacional criado para um ambiente de multi-usuários e multitarefas nos anos 60, ele se originou de vários sistemas como: Dartmouth College Time-Sharing System (DTSS), nascido em 1o de Maio de 1964, possuia um tempo médio entre falhas de 5 minutos, mas conseguiu rodar duas tarefas básicas simultâneamente, rodando em computadores GE-225 e depois GE-235. Multics (Serviço de Computação e Informação Multiplexado Multiplexed Information and Computing Service), feito por cientistas do Bell Labs e da GE em Como curiosidade, um dos primeiros jogos para computador foi escrito por Thompson para o GECOS em 1969, ele rodava em um GE 635 e custava cerca de US$ 75,00 em tempo computacional. Logo a seguir foi encontrado um PDP-7 sem uso, para o qual foi portado este jogo e escritas algumas rotinas de ponto flutuante para o gráfico do display. Logo após foi notado que o PDP-7 se tornou obsoleto para eles, em 1970 eles propuseram comprar um PDP-11 por cerca de US$ ,00. Dois chefes de departamento, Doug McIlroy e Lee McMahon, perceberam os beneficios de um novo sistema operacional e suportaram esta proposta. Dennis Ritchie e Ken Thompson começaram a portar o UNIX para o PDP-11 utilizando dois terminais Teletype 33. A primeira versão do UNIX foi escrita em linguagem assembler, mas a intenção de Thompson era que fosse escrita em uma linguagem de alto nível. Thompson inicialmente tentou, em 1971, usar o Fortran no PDP-7, mas desistiu após o primeiro dia, depois ele escreveu uma linguagem simples que ele chamou de B, a qual rodou no PDP-7, funcionou porém havia problemas: Primeiro, por causa da implementação ser interpretada, ela seria bem devagar. Segundo, as noções básicas da B, que foram baseadas na BCPL orientada por palavras, não eram certas para uma máquina orientada por bytes como o PDP-11. Ritchie usou o PDP-11 para adicionar tipos à linguagem B, que foi por um tempo chamada de NB (significando "new B"ou "nova B"), e então começou a escreveu um compilador para ela. "Então a primeira fase do C foi realmente duas fases rápidas em sucessão, primeiro algumas mudanças de linguagem a partir do B, na verdade adicionar a estrutura dos tipos sem mudar muito a sintaxe; e fazer o compilador", disse Ritchie. "A segunda fase foi mais lenta", diz ele sobre a reescrita do UNIX em C. Thompson começou no verão de 1972, mas teve dois problemas: entender como rodar as co-rotinas básicas, ou seja, como passar o controle de um processo a outro; e a dificuldade em chegar a uma estrutura de dados apropriada, já que a versão original do C não tinha estruturas. Outra inovação do UNIX foi o desenvolvimento de pipes, que permitiam aos programadores anexar em conjunto um número de processos para uma saída específica. Doug McIlroy, chefe de departamento no centro de pesquisas de computação, tem crédito pelo conceito dos "pipes"no Bell Labs, e Thompson tem o crédito por ter feito na prática. A sintaxe dos "pipes"foi sendo desenvolvida, até que chegou eventualmente no que usamos hoje, utilizando a barra vertical ( ) para ligar a saída de um programa à entrada 7

8 de outro programa, como por exemplo: ls more para listar os arquivos (ls) e paginar esta saída para poder ver se for muito grande (more). Um dos exemplos da filosofia do UNIX é a passagem abaixo: Quando Joe Condon, dono do PDP-7 no qual o Thompson usou o UNIX pela primeira vez, começou a usar o UNIX, ele perguntou a um colega como fazer certa função: "O que você acha que seria razoável para fazer isso Joe?"ele respondeu em seqüência. "Esta foi uma dica muito boa de como a filosofia do UNIX funcionava", Condon disse depois. "O sistema trabalhava de uma forma que era fácil de entender. Não eram funções complexas, escondidas em um monte de regras e escritas.engenharia Cognitiva", foi como Condon chamou, ".. que a caixa preta seja simples o suficiente que quando você formar um modelo do que esta acontecendo dentro da caixa preta, seja realmente o que estiver acontecendo na caixa preta". Em 1976 e 1977, Ken Thompson retirou um semestre do Bell Labs para ensinar como professor visitante no Departamente de Ciências da Computação, na Universidade de Berkeley (UCB). O que ele ensinou foi o sistema UNIX, e enquanto esteve por lá desenvolveu muito do que depois foi a versão 6. Quando Thompson retornou ao Bell Labs, estudantes e professores em Berkeley continuaram a melhorar o UNIX, eventualmente muitas destas melhorias foram incorporadas no que passou aser chamado de Berkeley Software Distribution (BSD - Distribuição de Software Berkeley) Versão 4.2, o qual muitas outras universidades também compraram. UNIX tinha sido distribuido por licensas acadêmicas, que eram relativamente baratas, e licensas governamentais e comerciais por volta de UCB se tornou importante em espalhar a notícia sobre o UNIX quando foi estabelecido o Grupo de Pesquisas em Sistemas de Computação (CSRG - Computer Systems Research Group), originalmente sob direção de Robert Fabry. O CSRG obteve uma verba da DARPA para suportar uma versão do UNIX para contratos da DARP, que eram em sua maioria com organizações militares e acadêmicas. Ritchie lembra do fato assim: "Os contratante pegavam as licensas UNIX com o Bell Labs, mas pegava o software BSD com Berkeley". O CSRG fez muito do trabalho real em tornar o protocolo TCP/IP, que é a base da Internet, acessível através das distribuições BSD. A expansão do UNIX no ambiente acadêmico também foi ajudado pelo fato da máquina Digital VAX estar em um preço que departamentos acadêmicos pudessem pagar. Em 1984, a AT&T se dividiu em companhias telefônicas locais Bell, e também criou uma subsidiária independentes, a AT&T Computer Systems, esta subsidiária começou a incluir o sistema operacional UNIX em seus computadores. Enquanto isso em Berkeley, cientistas da computação continuaram a melhorar o UNIX, adicionando novas aplicações e ferramentas, revisando códigos, tentando levar o sistema operacional até o seu limite BSD-Lite Nasce o primeiro BSD livre Em 1992 houve um processo da AT&T contra a BSDi, uma empresa que distribuia um sistema UNIX usando o código BSD, foi decidido judicialmente que alguns arquivos ainda eram de propriedade intelectual da AT&T e uma nova faxina foi feita no código BSD. Em Junho de 1994 foi lançado o 4.4BSD-Lite, totalmente livre de qualquer código UNIX AT&T e com isto se tornou possível a democratização do UNIX entre os usuários 8

9 finais. A partir deste código surgiram vários projetos livres, alguns até hoje em dia, como por exemplo: FreeBSD Uma versão conhecida como a mais estável dentre os BSDs, tem a maior fatia deste mercado e também a maior base de usuários (70% em 2005), pode ser baixado em NetBSD Conhecido por sua portabilidade, é um dos projetos mais antigos e roda em muitas plataformas diferentes, responsável pela popularização do BSD em vários mercados, pode ser baixado em OpenBSD Conhecido por sua segurança, este projeto fez uma implementação livre do SSH, chamada OpenSSH, atualmente usada por quase todos os servidores da Internet, também possui um excelente sistema de firewall chamado PF (Packet Filter), hoje portado para o FreeBSD, além disto possui suporte para redundância de firewall através do protocolo CARP. 9

10 4 Bibliografia História do centro de computação de Dartmouth. A criação do sistema operacional UNIX. GECOS - Artigo da wikipedia. Berkeley Software Distribution - Artigo da wikipedia. Site do Smokeping. 10

Introdução ao Sistema UNIX

Introdução ao Sistema UNIX Volnys & Midorikawa (c) 1 Introdução ao Sistema UNIX Volnys Borges Bernal volnys@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~volnys Edson Toshimi Midorikawa emidorik@lsi.usp.br http://www.lsi.usp.br/~emidorik Laboratório

Leia mais

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede.

Aula 2. Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Aula 2 Objetivo: Saber qual a funcionalidade de um sistema operacional de rede. Sistema Operacional de Rede Definição: Conjunto de módulos que ampliam as tarefas dos sistemas operacionais locais, complementando-os

Leia mais

PLANO DE AULA. Ambiente Operacional Unix Profa. Morganna

PLANO DE AULA. Ambiente Operacional Unix Profa. Morganna PLANO DE AULA 1. Sistema operacional Unix 2. Sistema operacional Linux 3. Utilização dos sistemas operacionais 1 - Sistema Operacional UNIX História 1964 sistema operacional MULTICS (Multiplexed Information

Leia mais

UNIX: Uma Breve Apresentação

UNIX: Uma Breve Apresentação Material Complementar EA869 (Prof. Von Zuben DCA/FEEC/Unicamp) 1 1. Introdução Este documento procura explorar os aspectos históricos envolvidos no desenvolvimento do sistema operacional UNIX com o objetivo

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores

Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Projeto e Instalação de Servidores Introdução a Servidores Prof.: Roberto Franciscatto Introdução Perguntas iniciais O que você precisa colocar para funcionar? Entender a necessidade Tens servidor específico

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

SOP Sistemas Operacionais Módulo 03: História e Evolução

SOP Sistemas Operacionais Módulo 03: História e Evolução SOP Sistemas Operacionais Módulo 03: História e Evolução Prof. Charles Christian Miers e mail: charles.miers@udesc.br História dos Computadores / SOs Primeira Geração (1945 1955): válvula Sem SO, programação

Leia mais

UNIX & Linux. Histórico, distribuição licença, características. Taisy Weber

UNIX & Linux. Histórico, distribuição licença, características. Taisy Weber UNIX & Linux Histórico, distribuição licença, características Taisy Weber História de UNIX 1969 - Ken Thompson Bell Laboratories, PDP-7 Dennis Ritchie logo juntou-se a Thompson Ritchie havia trabalhado

Leia mais

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS

TECNOLOGIA WEB INTERNET PROTOCOLOS INTERNET PROTOCOLOS 1 INTERNET Rede mundial de computadores. Também conhecida por Nuvem ou Teia. Uma rede que permite a comunicação de redes distintas entre os computadores conectados. Rede WAN Sistema

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Linux: Introdução Fabricio Breve Introdução O que é Linux? Uma versão do UNIX (re-implementação do padrão POSIX) Principais diferenciais: Gratuito

Leia mais

Tópicos. Firewall. Terminologia. História - continuação. Primeiros Casos. História. História Conceitos Básicos Hardware Software Híbrido

Tópicos. Firewall. Terminologia. História - continuação. Primeiros Casos. História. História Conceitos Básicos Hardware Software Híbrido Tópicos Firewall Prof. Alexandre Beletti Ferreira História Conceitos Básicos Hardware Software Híbrido Terminologia O termo firewall,, no sentido original, é a conhecida porta corta-fogo, ou seja, um dispositivo

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços

Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação. Guilherme Pereira Carvalho Neto. Portas e Serviços Faculdade de Tecnologia Senac Goiás Segurança da Informação Guilherme Pereira Carvalho Neto Portas e Serviços Goiânia 2015 Relatório de portas e serviços na rede Relatório produzido com base em dados colhidos

Leia mais

Capítulo 8 - Aplicações em Redes

Capítulo 8 - Aplicações em Redes Capítulo 8 - Aplicações em Redes Prof. Othon Marcelo Nunes Batista Mestre em Informática 1 de 31 Roteiro Sistemas Operacionais em Rede Modelo Cliente-Servidor Modelo P2P (Peer-To-Peer) Aplicações e Protocolos

Leia mais

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet

Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Projeto de sistemas O novo projeto do Mercado Internet Mercados em potencial de serviços Serviços da Web ftp,http,email,news,icq! Mercados em potencial de serviços FTP IRC Telnet E-mail WWW Videoconferência

Leia mais

História dos SOs. Tópicos

História dos SOs. Tópicos História dos SOs Cap. 1 - Tanenbaum Prof. Alexandre Beletti Ferreira 1ª Geração 2ª Geração 3ª Geração 4ª Geração Tópicos 1 1ª Geração 1ª Geração: 1945 a 1955 Computadores: em meados da década de 40 Máquinas

Leia mais

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho

http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Prof. Ricardo César de Carvalho vi http://aurelio.net/vim/vim-basico.txt Entrar neste site/arquivo e estudar esse aplicativo Administração de Redes de Computadores Resumo de Serviços em Rede Linux Controlador de Domínio Servidor DNS

Leia mais

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O

Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Guia de Conectividade Worldspan Go Res! A V A N Ç A D O Í n d i c e Considerações Iniciais...2 Rede TCP/IP...3 Produtos para conectividade...5 Diagnosticando problemas na Rede...8 Firewall...10 Proxy...12

Leia mais

Sistemas de Informação Processamento de Dados

Sistemas de Informação Processamento de Dados Sistemas de Informação Processamento de Dados Ferramentas e serviços de acesso remoto VNC Virtual Network Computing (ou somente VNC) é um protocolo desenhado para possibilitar interfaces gráficas remotas.

Leia mais

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização

Senha Admin. Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Manual do Nscontrol Principal Senha Admin Nessa tela, você poderá trocar a senha do administrador para obter acesso ao NSControl. Inicialização Aqui, você poderá selecionar quais programas você quer que

Leia mais

Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux

Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux Sistemas operacionais de rede: Windows e Linux Introdução Um sistema operacional de rede é simplesmente um sistema operacional com serviços de rede, que chamamos de um modo geral de servidor. Dependendo

Leia mais

O B B J E E T T I V V O O S

O B B J E E T T I V V O O S OBJ E T I VOS Conhecer as características e possibilidades do SO Linux, como workstation simples ou elemento componente de uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema numa corporação. SU

Leia mais

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s):

Professor(es): Fernando Pirkel. Descrição da(s) atividade(s): Professor(es): Fernando Pirkel Descrição da(s) atividade(s): Definir as tecnologias de redes necessárias e adequadas para conexão e compartilhamento dos dados que fazem parte da automatização dos procedimentos

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 03 Telecomunicações Sistemas de Telecomunicações 1 Sistemas de Telecomunicações Consiste de Hardware e Software transmitindo informação (texto,

Leia mais

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP

Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Projeto e Instalação de Servidores Estrutura da Internet e do TCP/IP Prof.: Roberto Franciscatto TCP/IP, endereçamento e portas TCP/IP? Dois protocolos TCP = Transfer Control Protocol IP = Internet Protocol

Leia mais

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código)

Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Processos (Threads,Virtualização e Migração de Código) Roteiro Processos Threads Virtualização Migração de Código O que é um processo?! Processos são programas em execução. Processo Processo Processo tem

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14

Revisão para a prova B2. Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Revisão para a prova B2 Conteúdo das Aulas: 10, 11 e 14 Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor:

Leia mais

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas

Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Modelo de referência OSI. Modelo TCP/IP e Internet de cinco camadas Conhecer os modelo OSI, e TCP/IP de cinco camadas. É importante ter um padrão para a interoperabilidade entre os sistemas para não ficarmos

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Tipos de Sistemas Operacionais Com o avanço dos computadores foram surgindo alguns tipos de sistemas operacionais que contribuíram para o desenvolvimento do software. Os tipos de

Leia mais

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB

Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Curso de Aprendizado Industrial Desenvolvedor WEB Disciplina: Programação Orientada a Objetos II Professor: Cheli dos S. Mendes da Costa Modelo Cliente- Servidor Modelo de Aplicação Cliente-servidor Os

Leia mais

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.

Implementar servidores de Web/FTP e DFS. Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc. Implementar servidores de Web/FTP e DFS Disciplina: Serviços de Redes Microsoft Professor: Fernando Santorsula fernando.santorsula@esamc.br Conteúdo programático Introdução ao protocolo HTTP Serviço web

Leia mais

Winconnection 6. Internet Gateway

Winconnection 6. Internet Gateway Winconnection 6 Internet Gateway Descrição Geral O Winconnection 6 é um gateway de acesso à internet desenvolvido dentro da filosofia UTM (Unified Threat Management). Assim centraliza as configurações

Leia mais

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012

Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Portfólio de Serviços e Produtos Julho / 2012 Apresentação Portfólio de Serviços e Produtos da WebMaster Soluções. Com ele colocamos à sua disposição a Tecnologia que podemos implementar em sua empresa.

Leia mais

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB

ATIVIDADE 1. Redes Windows. 1.1 Histórico do SMB ATIVIDADE 1 Redes Windows Falar sobre Samba e redes mistas Windows / Linux, sem antes explicar o conceito básico de uma rede não parece correto e ao mesmo tempo, perder páginas e mais páginas explicando

Leia mais

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01

Capacitação IPv6.br. Serviços em IPv6. Serviços rev 2012.08.07-01 Capacitação IPv6.br Serviços em IPv6 Serviços DHCPv6 Firewall DNS NTP HTTP Proxy Proxy Reverso SMB CIFS SSH... Implementações BIND Squid IPv6 desde Julho/2001 IPv6 nativo desde Outubro/2008 BIND 9.1.3

Leia mais

Introdução ao OpenVPN

Introdução ao OpenVPN OpenVPN Índice Capítulo 1: Introdução ao OpenVPN...4 1.1 O que é VPN?...6 1.2 Informações e situações de práticas de uso...6 1.1 Características do OpenVPN...7 1.2 OpenVPN x Outros pacotes VPN...8 Capítulo

Leia mais

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores

Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Virtualização - Montando uma rede virtual para testes e estudos de serviços e servidores Este artigo demonstra como configurar uma rede virtual para ser usada em testes e estudos. Será usado o VirtualBox

Leia mais

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS

ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS ANEXO 9 DO PROJETO BÁSICO DA FERRAMENTA DE MONITORAMENTO, SEGURANÇA E AUDITORIA DE BANCO DE DADOS Sumário 1. Finalidade... 2 2. Justificativa para contratação... 2 3. Premissas para fornecimento e operação

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais O que é um sistema operacional? Sistema operacional (do inglês OS - operating system) é um programa ou conjunto de programas, que tem a função de gerencias o sistema. O sistema é o todo o hardware (computador),

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E TERMINAL SERVICES) Professor Carlos Muniz ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS OPERACIONAIS SERVIÇOS DE ACESSO REMOTO (TELNET E O que é roteamento e acesso remoto? Roteamento Um roteador é um dispositivo que gerencia o fluxo de dados entre segmentos da rede,

Leia mais

O que temos pra hoje?

O que temos pra hoje? O que temos pra hoje? Temas de Hoje: Firewall Conceito Firewall de Software Firewall de Softwares Pagos Firewall de Softwares Grátis Firewall de Hardware Sistemas para Appliances Grátis UTM: Conceito Mão

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP

Uma poderosa ferramenta de monitoramento. Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Uma poderosa ferramenta de monitoramento Madson Santos - madson@pop-pi.rnp.br Técnico de Operação e Manutenção do PoP-PI/RNP Abril de 2008 O que é? Características Requisitos Componentes Visual O que é?

Leia mais

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1

INTERNET. Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br. http://www.inf.ufsm.br/~leandromc. Colégio Politécnico 1 INTERNET Professor: Leandro Crescencio E-mail: leandromc@inf.ufsm.br http://www.inf.ufsm.br/~leandromc Colégio Politécnico 1 Internet Origem: Guerra Fria DARPA (Departamento de Defesa de Pesquisas Avançadas)

Leia mais

Introdução. O que é Serviços de Terminal

Introdução. O que é Serviços de Terminal Introdução Microsoft Terminal Services e Citrix MetaFrame tornaram-se a indústria padrões para fornecer acesso de cliente thin para rede de área local (LAN), com base aplicações. Com o lançamento do MAS

Leia mais

1 - Introdução. 1.1 - Motivação

1 - Introdução. 1.1 - Motivação 1 - Introdução 1.1 - Motivação Software livre é um tipo de programa desenvolvido por um grupo de pessoas que além de disponibilizar o software gratuitamente, ainda coloca a disposição seu código fonte

Leia mais

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável

Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Faixas de endereços IP, CIDR e máscaras de tamanho variável Por Carlos E. Morimoto em 26 de setembro de 2007 às 09h16 Introdução O endereçamento IP é sempre um tema importante, já que é ele que permite

Leia mais

Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura

Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura Implantação do Zabbix para monitoramento de infraestrutura Raphael Celuppi Curso de Especialização em Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná Curitiba, Setembro 2009 Sumário

Leia mais

GERENCIAMENTO ESTUDO SOBRE FERRAMENTAS DE MONITORAMENTO DE REDES. 1. TIVOLI 1.1 Conceitos Básicos do Tivoli

GERENCIAMENTO ESTUDO SOBRE FERRAMENTAS DE MONITORAMENTO DE REDES. 1. TIVOLI 1.1 Conceitos Básicos do Tivoli ESTUDO SOBRE FERRAMENTAS DE MONITORAMENTO DE REDES 1. TIVOLI 1.1 Conceitos Básicos do Tivoli O gerenciamento de uma rede através do Tivoli esta baseado no conceito de regiões de policiamento (Policy Region

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz

SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL. Professor Carlos Muniz SISTEMAS OPERACIONAIS LIVRES SERVICOS DE REDE LOCAL Na internet, cada computador conectado à rede tem um endereço IP. Todos os endereços IPv4 possuem 32 bits. Os endereços IP são atribuídos à interface

Leia mais

Documento de Requisitos de Rede (DRP)

Documento de Requisitos de Rede (DRP) Documento de Requisitos de Rede (DRP) Versão 1.2 SysTrack - Grupo 1 1 Histórico de revisões do modelo Versão Data Autor Descrição 1.0 30/04/2011 João Ricardo Versão inicial 1.1 1/05/2011 André Ricardo

Leia mais

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C/C++

INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C/C++ INTRODUÇÃO À LINGUAGEM C/C++ História da Linguagem C/C++ Dennis Ritchie, funcionário do Bell Telephone Laboratories, iniciou em 1972 o desenvolvimento da linguagem C. Ele elaborou grande parte de seu trabalho

Leia mais

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO

Intranets. FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO Intranets FERNANDO ALBUQUERQUE Departamento de Ciência da Computação Universidade de Brasília 1.INTRODUÇÃO As intranets são redes internas às organizações que usam as tecnologias utilizadas na rede mundial

Leia mais

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do

Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do OBJETIVOS Conhecer as características e possibilidades do SO GNU Linux como servidor em uma rede; Analisar a viabilidade de implantação do sistema em OM do Exército Brasileiro. SUMÁRIO 1. Introdução 2.

Leia mais

Firewall. Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales

Firewall. Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales Firewall Alunos: Hélio Cândido Andersson Sales O que é Firewall? Firewall pode ser definido como uma barreira de proteção, que controla o tráfego de dados entre seu computador e a Internet (ou entre a

Leia mais

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS.

Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010. Comparativo entre Apache e IIS. Aluno: Paulo Roberto Alves de Oliveira Trabalho da disciplina Segurança em Windows 2010 Comparativo entre Apache e IIS. Apache versus IIS 1. Resumo Os programas de computador Apache, da fundação Apache

Leia mais

INTERNET CONCEITOS. Internet é a "grande rede mundial de computadores"

INTERNET CONCEITOS. Internet é a grande rede mundial de computadores INTERNET CONCEITOS O que é Internet Estamos acostumados a ouvir que Internet é a "grande rede mundial de computadores" Entretanto, essa definição não é muito simplista. Na realidade, Ela é uma coleção

Leia mais

APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS

APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 81 APLICABILIDADE DE QoS NOS RECURSOS DE TELECOMUNICAÇÕES EM AMBIENTES CORPORATIVOS Luiz Eduardo de Castilho Junior,

Leia mais

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos

www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Desenvolvimento Andrique web Amorim II www.andrix.com.br professor@andrix.com.br Conceitos Básicos Sites e Aplicações Web Normalmente, as pessoas utilizam o termo SITE quando se referem a blogs, sites

Leia mais

Servidor de autenticação usando MetaRouter e OpenWRT. MUM Brasil Rio de Janeiro Novembro/2009. Sérgio Souza

Servidor de autenticação usando MetaRouter e OpenWRT. MUM Brasil Rio de Janeiro Novembro/2009. Sérgio Souza Servidor de autenticação usando MetaRouter e OpenWRT MUM Brasil Rio de Janeiro Novembro/2009 Sérgio Souza Nome: Sergio Souza Tecnólogo em Processamento de Dados Consultor independente atuando há vários

Leia mais

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1

Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW. Free Powerpoint Templates Page 1 Segurança na Web Capítulo 6: Firewall Prof. Roberto Franciscatto 4º Semestre - TSI - CAFW Page 1 Introdução Qual a função básica de um firewall? Page 2 Introdução Qual a função básica de um firewall? Bloquear

Leia mais

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015

Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres. Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Prof. Antonio Torres antonioctorres@gmail.com @_antonioctorres Fundamentos de Sistemas Operacionais UNIP/2015 Disciplinas FUNDAMENTOS DE SISTEMAS OPERACIONAIS Horários Quarta-feira Fundamentos de Sistemas

Leia mais

Desenvolvimento de Aplicações Web

Desenvolvimento de Aplicações Web Desenvolvimento de Aplicações Web André Tavares da Silva andre.silva@udesc.br Método de Avaliação Serão realizadas duas provas teóricas e dois trabalhos práticos. MF = 0,1*E + 0,2*P 1 + 0,2*T 1 + 0,2*P

Leia mais

Modelo de Camadas OSI

Modelo de Camadas OSI Modelo de Camadas OSI 1 Histórico Antes da década de 80 -> Surgimento das primeiras rede de dados e problemas de incompatibilidade de comunicação. Década de 80, ISO, juntamente com representantes de diversos

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni Material 5 Administração de Recursos de HW e SW Prof. Edson Ceroni Desafios para a Administração Centralização X Descentralização Operação interna x Outsourcing Hardware Hardware de um Computador Armazenamento

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR. Curso de Especialização Redes e Segurança de Sistemas

Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR. Curso de Especialização Redes e Segurança de Sistemas Pontifícia Universidade Católica do Paraná PUCPR Curso de Especialização Redes e Segurança de Sistemas Desenvolvimento de um Sistema Web para Gerenciamento de Usuários de uma LAN Rafael da Silva Espíndola

Leia mais

SolarWinds Kiwi Syslog Server

SolarWinds Kiwi Syslog Server SolarWinds Kiwi Syslog Server Monitoramento de syslog fácil de usar e econômico O Kiwi Syslog Server oferece aos administradores de TI o software de gerenciamento mais econômico do setor. Fácil de instalar

Leia mais

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE

Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes dos sistemas computadorizados Aula 04 FTC FACULDADE DE TECNOLOGIA E CIÊNCIAS ADMINISTRAÇÃO IV SEMESTRE Componentes da infraestrutura Hardware Software Tecnologia de gerenciamento de dados Tecnologia

Leia mais

DNS DOMAIN NAME SYSTEM

DNS DOMAIN NAME SYSTEM FRANCISCO TESIFOM MUNHOZ 2007 Índice 1 DNS DOMAIN NAME SYSTEM 3 2 PROXY SERVER 6 3 DHCP DYNAMIC HOST CONFIGURATION PROTOCOL 7 4 FIREWALL 8 4.1 INTRODUÇÃO 8 4.2 O QUE É FIREWALL 9 4.3 RAZÕES PARA UTILIZAR

Leia mais

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre

Conteúdo SOFTWARE LIVRE. Terminologia. Histórico de Software Livre. Terminologia: Software livre. Terminologia: Software livre Conteúdo SOFTWARE LIVRE SCE 186 - Engenharia de Software Profs. José Carlos Maldonado e Elisa Yumi Nakagawa 2 o semestre de 2002 Histórico de Software Livre Terminologia Fases do Licença de Software Livre

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Migração para Software Livre Administração da Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira

Migração para Software Livre Administração da Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Migração para Software Livre Administração da Faculdade de Engenharia de Ilha Solteira Valdir Barbosa valdir@adm.feis.unesp.br Outubro 2009 Agenda Motivação Objetivos Projeto Piloto /Treinamento Aplicativos

Leia mais

Internet - A rede Mundial

Internet - A rede Mundial Internet - A rede Mundial Fernando Albuquerque 061-2733589 fernando@cic.unb.br O que é? Qual a sua história? Como funciona? Como está organizada? Quais os serviços? Como acessar? Quais os cuidados? Qual

Leia mais

Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro

Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro Fundamentos de Redes de Computadores Arquitetura TCP/IP Prof. Ricardo J. Pinheiro Resumo Histórico Objetivos Camadas Física Intra-rede Inter-rede Transporte Aplicação Ricardo Pinheiro 2 Histórico Anos

Leia mais

Realizando inventário e gestão de hardware e software utilizando o OCS Inventory NG. Dario Kuceki Knopfholz

Realizando inventário e gestão de hardware e software utilizando o OCS Inventory NG. Dario Kuceki Knopfholz Realizando inventário e gestão de hardware e software utilizando o OCS Inventory NG Dario Kuceki Knopfholz Open Computer and Software Inventory Next Generation Objetivo Tecnologia Propiciar que o administrador

Leia mais

Linux. Guia do Administrador do Sistema. Rubem E. Ferreira. Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br

Linux. Guia do Administrador do Sistema. Rubem E. Ferreira. Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br Linux Guia do Administrador do Sistema Rubem E. Ferreira Novatec Editora Ltda. www.novateceditora.com.br 1 O início de tudo Entre os vários sistemas operacionais existentes, o Unix é um exemplo de maturidade

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO

PARANÁ GOVERNO DO ESTADO PROTOCOLOS DA INTERNET FAMÍLIA TCP/IP INTRODUÇÃO É muito comum confundir o TCP/IP como um único protocolo, uma vez que, TCP e IP são dois protocolos distintos, ao mesmo tempo que, também os mais importantes

Leia mais

Lista de Exercício: PARTE 1

Lista de Exercício: PARTE 1 Lista de Exercício: PARTE 1 1. Questão (Cód.:10750) (sem.:2a) de 0,50 O protocolo da camada de aplicação, responsável pelo recebimento de mensagens eletrônicas é: ( ) IP ( ) TCP ( ) POP Cadastrada por:

Leia mais

Componentes de uma Rede. Aula 2. Prof. Wladimir da Costa

Componentes de uma Rede. Aula 2. Prof. Wladimir da Costa Componentes de uma Rede Aula 2 Prof. Wladimir da Costa Objetos de estudo: - NICs. - Nobreak. - Hub. - Switches - Repetidores. - Bridges (pontes). - Roteadores. - Estações de trabalho. - Servidores - Sistema

Leia mais

Trabalho de TI. Elaborado por: Francisco Gonçalves João Pias

Trabalho de TI. Elaborado por: Francisco Gonçalves João Pias Trabalho de TI Elaborado por: Francisco Gonçalves João Pias índice Introdução Freeware o que é? Shareware o que é? Open source Download o que é? Upload o que é? Peer to peer Programas de download Emule

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Operacional Aberto (Linux) AULA 07. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Operacional Aberto (Linux) AULA 07. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Operacional Aberto (Linux) AULA 07 Prof. André Lucio ACI Competências da Aula 7 ACI Compreende todo conteúdo abordado em sala, abordando de maneira geral.

Leia mais

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa.

Um cluster de servidores de email pode ser usado para servir os emails de uma empresa. CLUSTERS Pode-se pegar uma certa quantidade de servidores e juntá-los para formar um cluster. O serviço então é distribuído entre esses servidores como se eles fossem uma máquina só. Um cluster de servidores

Leia mais

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA)

TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) TERMO DE USO DE SERVIÇO DE VALOR ADICIONADO (SVA) Código do Serviço: 3005001 Nome do Serviço: Data de Publicação: 30/04/2013 Entrada em Vigor: SAN AUTENTICAÇÃO 01/06/2013 Versão: 1.0000 Status: Publicado

Leia mais

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas

Universidade Federal do Acre. Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Universidade Federal do Acre Centro de Ciências Exatas e Tecnológicas Pós-graduação Lato Sensu em Desenvolvimento de Software e Infraestrutura

Leia mais

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais:

SISTEMAS OPERACIONAIS. 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: SISTEMAS OPERACIONAIS 01) Considere as seguintes assertivas sobre conceitos de sistemas operacionais: I. De forma geral, os sistemas operacionais fornecem certos conceitos e abstrações básicos, como processos,

Leia mais

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma

6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma 6 PLANEJAMENTO DE SI 6.1 Planejamento de Segurança da Informação O planejamento em S.I é algo crucial para que haja o bom funcionamento de uma empresa. Diferente do senso comum o planejamento não se limita

Leia mais

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com

Tecnologias Web. Lista de Exercícios AV02. Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Luiz Leão luizleao@gmail.com http://www.luizleao.com Questão 1 Um analista de sistemas deseja enviar para seu cliente um arquivo de 300 Mb referente a uma atualização do software. Para transferir esse

Leia mais

O B J E T T I I V V O O S

O B J E T T I I V V O O S O B J E T I V O S - Conhecer as características e possibilidades do SO Linux, como workstation simples ou elemento componente de uma rede; - Adquirir noções sobre as atuais exigências de segurança eletrônica

Leia mais

MINISTÉRIO DA FAZENDA

MINISTÉRIO DA FAZENDA MINISTÉRIO DA FAZENDA Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional PGFN Departamento de Gestão Corporativa - DGC Coordenação-Geral de Tecnologia da Informação - CTI CATÁLOGO DE SERVIÇOS DE TECNOLOGIA Infraestrutura

Leia mais

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real

Cogent DataHub v7.0. A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent DataHub v7.0 A próxima geração em soluções para troca de dados em tempo real Cogent é reconhecida como uma líder no segmento de soluções de middleware no domínio do tempo real. E, com a introdução

Leia mais

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática

16/09/2012. Agenda. Introdução. Introdução. Tipos de Software (Básico) Tipos de Software. Curso Conexão Noções de Informática Curso Conexão Noções de Informática Aula 2 Arquitetura de Computadores (Software) Agenda Introdução; Tipos de Software; Básico; Aplicativo; Livre; Proprietário. Pirataria de Software; Demos, Freewares

Leia mais

Planejando uma política de segurança da informação

Planejando uma política de segurança da informação Planejando uma política de segurança da informação Para que se possa planejar uma política de segurança da informação em uma empresa é necessário levantar os Riscos, as Ameaças e as Vulnerabilidades de

Leia mais

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS

BANCO DE DADOS CONTEÚDO INFORMÁTICA. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br BANCO DE DADOS SGBD TABELA CONCEITOS BÁSICOS CONTEÚDO HARDWARE - 2 AULAS SISTEMA OPERACIONAL - 2 AULAS INFORMÁTICA Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br APLICATIVOS OFFICE - 3 AULAS INTERNET - 1 AULA REDE - 2 AULA SEGURANÇA - 1 AULA BANCO DE

Leia mais

Ferramentas para Desenvolvimento Web

Ferramentas para Desenvolvimento Web Ferramentas para Desenvolvimento Web Profa. Dra. Joyce Martins Mendes Battaglia Mini Currículo Bel. em Ciência da Computação - Unib Mestre e doutora em Eng. Elétrica USP Professora /Coordenadora Pesquisadora

Leia mais