ESTUDO DE CLUSTERS PARA MODELOS DE PREVISÃO METEOROLÓGICA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTUDO DE CLUSTERS PARA MODELOS DE PREVISÃO METEOROLÓGICA"

Transcrição

1 ESTUDO DE CLUSTERS PARA MODELOS DE PREVISÃO METEOROLÓGICA Mariane Cechinel Gonçalves Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET-SC Avenida Mauro Ramos, 950 Angela Paula De Oliveira Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET-SC Avenida Mauro Ramos, 950 Maria Rita Lua de Quadros Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET-SC Avenida Mauro Ramos, 950 Mário Francisco Leal De Quadro Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina CEFET-SC Avenida Mauro Ramos, 950 Abstract: A computer cluster is a group of computers connected to each other through fast local area networks that work together. In general, clusters are usually deployed to improve performance. There are many kinds of clusters, among them the Beowulf, which is the most commom, and was chosen to be a base for this research. In view of the great utility of cluster in meteorology and its low cost, the focus of this research is explain its assembly and functioning, being able to be used as base for a deeper study that would result in the assembly of a cluster in CEFET/SC Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina. Resumo: Um cluster é um aglomerado de computadores ligados em rede que funcionam como se fossem um só, com o objetivo de diminuir o tempo para a realização de tarefas que envolvem cálculos matemáticos. Existem vários tipos de cluster, entre eles o Beowulf, que é o mais utilizado, o qual foi escolhido para ser a base deste estudo. Tendo em vista a grande utilidade do cluster na meteorologia e seu baixo custo, o foco desta pesquisa é explicar sua montagem e funcionamento, podendo ser usado como base para um estudo mais aprofundado que resultaria na montagem de um cluster no CEFET/SC Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina.

2 1 INTRODUÇÃO Um cluster é um aglomerado de computadores ligados entre si através de uma rede local, cujo objetivo é compartilhar recursos de processamento e memória, formando um único computador de grande capacidade, podendo até chegar ao nível dos supercomputadores, que são computadores com grandes velocidade de processamento e capacidade de memória e não devem ser confundidos com clusters. Um cluster possibilita que atividades que demorariam muito tempo para serem realizadas sejam concluídas muito mais rapidamente, pois neste sistema, as atividades são divididas entre todos os computadores, sendo para isto utilizado o processamento paralelo ou sistema distribuído. A idéia do processamento paralelo é baseada no fato de que o processo de solucionar um problema pode, geralmente, ser dividido em pequenas tarefas, as quais podem ser feitas simultaneamente com alguma coordenação. O computador no qual os processos foram iniciados distribui entre os outros os processos a serem executados, utilizando ao máximo os recursos disponíveis no conjunto e minimizando o tempo de resposta. Na meteorologia o cluster é utilizado basicamente para rodar modelos de previsão, já que a elaboração da previsão envolve muitos cálculos matemáticos complexos que, sem um cluster, demorariam muito mais tempo para serem feitos. Tendo em vista o baixo custo e a grande utilidade de um cluster, o objetivo desta pesquisa é explicar a montagem e funcionamento de um cluster, podendo ser usado como base para um estudo mais aprofundado que resultaria na montagem de um cluster no CEFET/SC Centro Federal de Educação Tecnológica de Santa Catarina. 2 METODOLOGIA Para a elaboração deste estudo foi feita uma revisão bibliográfica para a obtenção de material de apoio. Foram feitas visitas ao CIRAM Centro de Informações de Recursos Ambientais e Hidrometeorológicos centro que possui

3 um cluster (figura 1) e também à UFSC Universidade Federal de Santa Catarina. Colaboraram para a execução desta pesquisa o Meteorologista Marcelo Moraes do CIRAM e o Físico e pesquisador da UFSC Reinaldo Haas. Figura 1: Cluster do CIRAM, composto por oito nós. 3 EVOLUÇÃO DOS COMPUTADORES 3.1 Primeiras invenções: máquinas de calcular Ao contrário do que se imagina, a história dos computadores começou muito tempo atrás, cerca de a.c., quando o homem descobriu que só com os dedos não dava mais pra fazer cálculos. Para agilizar os cálculos, foi criado nesta mesma época, um aparelho muito simples, o ábaco, formado por uma placa de argila na qual se escreviam os algarismos que auxiliavam nos cálculos. Com a

4 evolução, cerca de 200 a.c., o ábaco era constituído por uma moldura retangular de madeira, varetas paralelas e pedras deslizantes (figura 2). Figura 2: Ábaco, máquina simples para efetuar cálculos, criada a.c. Muito tempo depois, em 1642, o físico, matemático e filósofo francês Blaise Pascal criou uma máquina com seis rodas dentadas, cada uma contendo algarismos de 0 a 9, que permitia efetuar as quatro operações matemáticas com até três parcelas de cada vez, desde que o total não ultrapassasse (figura 3). Esta calculadora funcionou por 200 anos. Figura 3: La Pascaline, máquina de calcular inventada por Pascal. Em 1671, Gottfried Leibnitz inventou uma máquina parecida com a de Pascal, que tornou-se antecessora direta das calculadoras manuais. Em 1802, na

5 França, Joseph Marie Jacquard construiu um tear automatizado, programado por uma série de cartões perfurados, cada qual controlando um movimento da lançadeira (figura 4) Figura 4: Máquina de Leibnitz de 1671 (à esquerda) e tear automático de Jacquard de 1804 (à esquerda). Ainda no século XIX, um cientista inglês chamado Charles Babbage aperfeiçoou as máquinas já existentes, e, utilizando os cartões de Jacquard, criou a máquina diferencial (figura 5), que permitia cálculos com funções trigonométricas e logarítmicas. Em 1834, incrementou sua invenção, o que resultou em uma máquina analítica (figura 5), que executava as quatro operações matemáticas, armazenava dados em uma memória e imprimia resultados. Esta máquina, que só foi concluída após sua morte, tornou-se a base para a estrutura dos computadores atuais, fazendo com que Babbage fosse considerado o Pai do computador.

6 Figura 5: Máquina diferencial de 1822 (à esquerda) e máquina analítica de 1834 (à direita): criações do cientista inglês Charles Babbage. 3.2 A era da computação Em 1890, para apurar os resultados do censo dos EUA, Hermann Hollerith aperfeiçoou os cartões perfurados e aprimorou as máquinas, fazendo com que elas manipulassem os cartões. Como obteve sucesso, em 1896 fundou a TMC (Tabulation Machine Company), a qual mais tarde associou-se com outras duas empresas, formando em 1914, a Computing Tabulation Recording Company, que, em 1924, tornou-se a conhecida IBM (International Business Machines). As inovações para as máquinas existentes eram cada vez melhores. Quando se iniciou a 2 a Guerra Mundial, viu-se a necessidade de projetar máquinas com maior capacidade para a execução de cálculos balísticos com rapidez e precisão, para serem usados da indústria bélica. Para este fim, em 1941 na Alemanha, surgiu o Z3 (figura 6), cuja função era a codificação de mensagens. Como foi destruído em Berlim, não se sabe muitas informações sobre seu funcionamento. Para não ficar atrás, os ingleses desenvolveram, em 1944, o MARK I (figura 6), elaborado na Universidade de Harvard pelo grupo do professor H. Aiken e com ajuda financeira da IBM. O MARK I possuía 15 metros de comprimento, 2,5 de largura e era protegido por uma caixa de vidro e aço inoxidável. Suas principais características eram: Possuía peças, 800 km de fios, 420 interruptores para controle. Realizava uma soma em 0,3 s

7 Realizava uma multiplicação em 0,4 s Realizava uma divisão em cerca de 10 s Figura 6: Z3 (à esquerda), criação dos alemães e MARK I (à direita) criado pelos ingleses: inovações da 2 a Guerra Mundial. 3.3 O cluster A idéia de se montar um cluster começou a ser moldada na década de Porém, sua concepção foi feita por muitas pessoas, sendo praticamente impossível determinar a data do primeiro cluster. A engenharia básica do cluster, fazendo trabalho paralelo, foi desenvolvida por Gene Amdahl, da IBM (International Business Machines, empresa americana voltada para a área da informática). O projeto inicial era construir um sistema capaz de interligar mainframes (grandes computadores que processam grande volume de informações) para conseguir-se um melhor desempenho das máquinas. Para isto era usados os sistemas HASP (Houston Automatic Spooling Priority) e JES (Job Entry System) que possibilitavam a distribuição de tarefas entre os mainframes. Porém, o cluster como o conhecemos hoje, surgiu na década de 1980, quando três conceitos foram incluídos na área da informática: microprocessadores, redes de computadores e computação distribuída. Os microprocessadores controlam e coordenam todas as funções do computador; rede de computadores é um conjunto de dois ou mais computadores ligados entre si que trocam informações e computação distribuída é a capacidade de unir vários computadores para realizarem uma tarefa em comum. Com o avanço da tecnologia, vários programas foram criados para ajudar na performance do cluster até que, a NASA (National Aeronautics and Space

8 Administration) sentiu a necessidade de aumentar a velocidade do seu sistema. Para satisfazer as necessidades computacionais da NASA, os pesquisadores Thomas Sterling e Donald J. Becker começaram a desenvolver, em 1993, um sistema que serviria de alternativa aos supercomputadores. Em 1994 começava o Projeto Beowulf. O protótipo inicial do cluster consistia em 16 computadores, cada um contendo um microprocessador, usando o sistema operacional Linux, ligados em uma rede Ethernet. O primeiro cluster Beowulf foi construído para resolver problemas relacionados com o grande número de dados que freqüentemente envolviam o setor de Ciências da Terra e do Espaço (ESS Earth and Space Sciences, na sigla em inglês) da NASA. Este conjunto atingiu a marca de 70 megaflops, velocidade não muito baixa para a época se comparada aos pequenos supercomputadores comerciais disponíveis. O valor total deste cluster foi de U$ , bem menos que um supercomputador. 3.4 Como funciona Um cluster, como já mencionado, é um sistema de dois ou mais computadores, ou nós, que trabalham de maneira conjunta para realizar processamento pesado. Os computadores dividem as tarefas e trabalham como se fossem um só, tornando possível a realização de processamentos que só supercomputadores seriam capazes de fazer. Este processo de dividir as tarefas chama-se sistema distribuído ou paralelo. A seguir, através do MPI, tem-se um exemplo de distribuição de tarefas em um cluster para calcular o número π (pi): Com 1 nó temos: /usr/local/mpich-1.2.7p1/bin/mpirun -np 1 /home/opera/mpich-1.2.7p1/examples/basic/pi Process 0 of 1 is alive Enter the number of intervals: (0 quits) pi is approximately: Error is:

9 Com 8 nós temos: /usr/local/mpich-1.2.7p1/bin/mpirun -np 8 /home/opera/mpich-1.2.7p1/examples/basic/pi Process 0 of 8 is alive Process 1 of 8 is alive Process 3 of 8 is alive Process 2 of 8 is alive Process 4 of 8 is alive Process 5 of 8 is alive Process 6 of 8 is alive Process 7 of 8 is alive Enter the number of intervals: (0 quits) pi is approximately: Error is: Neste pequeno exemplo, feito por Reinaldo Haas, observou-se que a redução do tempo, quando se utilizou oito nós, foi substancial, porém, não medida. O processo de cálculo acarreta um erro no resultado. Nota-se que este erro aumenta quanto mais nós são acrescentados. Isto ocorre porque o valor encontrado é resultado da interação entre as máquinas, o que aumenta a margem de erro. Os computadores do cluster devem ser interconectados com os outros para formarem uma rede de qualquer topologia (fig 7) e devem possuir o mesmo sistema operacional (ou somente Windows, ou somente Linux, etc), pois cada sistema operacional possui características que, se não compatíveis com as outras, poderiam influenciar no funcionamento do cluster. A rede deve permitir que nós sejam acrescentados ou retirados (em caso de danos), mas sem alterar o desempenho do cluster. É preciso também o emprego de um software que permita a montagem do cluster, que será responsável pela distribuição e processamento. O software precisa trabalhar de forma que erros sejam detectados e reparados sem interromper as atividades do cluster.

10 Figura 7: Topologias (estruturas) de rede. 3.5 Aplicações As áreas da ciência que utilizam clusters são aquelas que necessitam de processamento pesado, como a meteorologia (previsão do tempo e condições climáticas), simulações geotérmicas (ou seja, simulação de eventos no solo), renderização de efeitos especiais (muito usado em filmes), simulações financeiras, distribuição de carga, etc. Os serviços que não podem parar de funcionar ou não podem perder dados podem utilizar um cluster devidamente configurado para não sofrerem falhas graves, podendo utilizar nobreaks (equipamentos que utilizam baterias para gerar energia) ou geradores nos casos de falta de energia, além de meios de manutenção e detecção eficientes de falhas, como já citado. 3.6 Tipos de cluster Neste tópico serão descritos alguns tipos de cluster, bem como suas características e especificações.

11 Beowulf (fig 8): foi criado em 1994 pela NASA, a fim de processar informações espaciais que a agência recolhia. Desde então, empresas como HP e IBM e universidade estão implantando clusters deste tipo com cada vez mais nós. Figura 3: Esquema simples de um cluster Beowulf. Este tipo de cluster distingue-se dos outros pelas seguintes características: - A conexão dos nós pode ser feita por redes do tipo Ethernet (mais comum); - Existe um servidor responsável para controlar todo o cluster, principalmente quanto à distribuição de tarefas e processamento (pode haver mais de um servidor, dedicado a tarefas específicas, como monitoração de falhas). Este servidor é chamado de Front-end; - O sistema operacional é baseado Linux, sendo necessário que ele contenha todos os programas para cluster;

12 - Podem-se usar computadores comuns, inclusive modelos considerados obsoletos; - Não é necessário usar equipamentos próprios para clusters. Basta equipamentos comuns a redes e os tradicionais PCs (Personal Computer Computador Pessoal), o que faz este tipo de cluster ser o mais utilizado. O cluster Beowulf permite o processamento que pode realizar altos valores de gigaflops (um gigaflop equivale a 1 milhão de instruções por segundo) em operações. Além de poder utilizar um sistema operacional gratuito, este tipo de cluster pode ser aprimorado de acordo com sua finalidade, fazendo com que seja aplicado para vários fins. Atualmente, 28 das 500 máquinas mais rápidas que existem são clusters Beowulf (o mais rápido atinge 237 gigaflops). Cluster para Alta Disponibilidade: são utilizados em áreas que quase não param de funcionar e, geralmente, possuem meios eficientes de proteção e detecção de falhas. Cluster para Balanceamento de Carga: refere-se à distribuição de processamento aos nós do cluster, sendo utilizado na Internet, em servidores de , comércio eletrônico e em sistemas de lojas. Este tipo de cluster necessita de monitoramento constante da comunicação, pois qualquer falha poderá interromper o funcionamento do cluster. Cluster Combo: combina as características dos clusters de alta disponibilidade e de balanceamento de carga. Cluster MOSIX (Multicomputer Operating System for Unix): é um cluster utilizado para Linux, voltado para o Balanceamento de Carga e não necessita da utilização de softwares voltados para o cluster.

13 3.7 Curiosidades e informações adicionais A palavra cluster vêm do inglês grupo e é utilizada na informática para designar um grupo de computadores. Beowulf é o nome de um poema épico escrito em inglês antigo entre d.c. O poema narra a história de um herói que viaja à corte do rei Hrothgar para o livrar do demônio Grendel. O herói vence o demônio utilizando somente as mãos. A mãe de Grendel quer vingar a morte do filho, matando muitas pessoas. Beowulf segue seu rastro onde luta e vence. A história continua e no final, encontra-se Beowulf idoso e rei de seu país. Um dragão libertado por um servo que roubara a taça do seu tesouro é o novo adversário de Beowulf, que só o vence à custo da sua vida. O poema termina com o funeral do rei e herói. O cluster mais rápido do mundo é o BlueGene/L, com capacidade de 360 teraflops. Foi desenvolvido pela IBM Watson Research Center, está localizado no Lawrence Livermore National Laboratory, e é utilizado para simulações científicas. O BlueGene/L possui memória total de GigaBytes, consome 1.5 megawatts e ocupa uma área de aproximadamente 760m². O sistema completo tem nós. Megaflops é a realização de um milhão de operações por segundo. O primeiro cluster tinha a capacidade de 70 megaflops, ou seja, realizava 70 milhões de operações por segundo. Gigaflops equivale a um bilhão de instruções por segundo. Teraflops é a realização de um trilhão de operações por segundo (10 9 ). 4 Montagem e instalação do cluster Para se montar um cluster são necessários os equipamentos de uma rede de computadores, como PCs, placas de rede, cabos, switch (dispositivos que encaminham quadros entre os nós), monitor (um só basta, para o usuário poder acessar as informações do nó principal e, a partir deste, acessar os outros nós do cluster), processadores e softwares.

14 O ambiente no qual se instalará o cluster deve ser refrigerado, pois o cluster fica sempre ligado e gera certo aquecimento, que deve ser controlado. Além disso, é preciso instalar o mesmo sistema operacional em todos os nós, para que não haja incompatibilidade no sistema. Os programas a serem instalados para que o cluster funcione, são os que possibilitam a distribuição das tarefas, como MPI, MPICH, SSH, RSH, RIS entre outros. O MPI (Message-passing Interface) é uma linguagem utilizada para programar computadores paralelos. O MPICH é uma implementação do MPI que possui um ambiente de programação e inclui um sistema para a análise de desempenho de programas MPI. Para utilizar este software é necessário que se faça a instalação do ambiente Java, visto que o MPICH fornece ferramentas visuais para a análise da execução de programas paralelos que são construídas em Java. O programa que descreve a instalação do MPICH1 está no anexo 1. O SSH (Secure Shell) é um pacote de programas para logar em outro computador através de uma rede, bem como para executar comandos em outra máquina e para remover arquivos de um computador para outro. É um programa seguro, que protege o usuário de hackers que roubam senhas e arquivos. A instalação segue no anexo 2. O NIS (Network Information Service) foi elaborado pela Sun Microsystems para fazer distribuição de informações em uma rede. 5 CONCLUSÃO Para a montagem física do cluster, é necessário um estudo mais aprofundado da parte de introdução de montagem e manutenção de computadores, porém antes é necessário a parte introdutória que encontra-se neste projeto sendo a mesma a parte de histórico, pesquisa bibliográfica, visita em centros para obtenção de informação quanto ao funcionamento. Conclui-se, então, que para a montagem do cluster é preciso a intercomunicação entre o nó mestre e

15 os nós posteriores trabalhando em conjunto na mesma linguagem ou software, com o objetivo de realizar tarefas em um período menor de tempo, facilitando atividades como rodar os modelos que compõem a previsão do tempo. 6 AGRADECIMENTOS Ao Meteorologista da EPAGRI/CIRAM, Marcelo Moraes, que auxiliou a pesquisa mostrando o cluster da empresa e mostrando seu funcionamento. Ao Físico e pesquisador da UFSC, Reinaldo Haas, que mostrou a programação e softwares necessários para a montagem de um cluster. REFERÊNCIAS A evolução da informática no mundo, disponível em: ALECRIM, Emerson, Cluster: principais conceitos, disponível em: BARBIERI, Gustavo S., SSH, disponível em: BRAGA, Ataualpa A.C. Aspectos técnicos envolvidos na construção de um cluster Beowulf, disponível em: Cluster, disponível em: História do computador, disponível em: Joseph Marie Jacquard, disponível em: MERKEY, Phill. Beowulf history, disponível em: Message-passing interface, disponível em:

16 NG, Paulino, O que é o SSH?, disponível em: Nobreaks, disponível em: O que é um microprocessador?, disponível em: Projeto cluster, disponível em: Top500 Supercomputers Site, disponível em:

17 ANEXO 1 Instalação do MPICH Faça o download do arquivo de instalação do MPICH1 para o diretório /tmp. Agora, descompacte o arquivo conforme mostrado a seguir: % cd /tmp % tar xvfz mpich.tar.gz Após a execução acima, observe que será criada uma pasta chamada /tmp/mpich Antes de usar o mpich é preciso configurá-lo e compilá-lo. O processo de configuraçăo analisa o sistema aonde o mpich será instalado e determina as configuraçőes a serem realizadas. Diretório de Instalaçăo Escolha o diretório de instalaçăo: /home/usuario/mpich Configurando 1 Execute o comando de configuraçăo conforme mostrado abaixo. 2 Por default, o MPICH versão 1 efetua comunicação por meio do uso de RSH. Para alterar para SSH, é preciso informar o parâmetro -rsh=ssh. 3 Também é preciso configurar o SSH para não solicitar senha. Tal configuração pode ser feita conforme mostrado na seção SSH sem Senha mais adiante neste documento. % cd /tmp/mpich %./configure prefix=/home/usuário/mpich rsh=ssh Verifique se houve algum erro no processo anterior. Se sim, voçê deverá solucioná-lo antes de prosseguir. Compilando Compile o mpich com o comando a seguir: % make A compilaçăo será mais ou menos demorada dependendo da capacidade de processamento de sua máquina.

18 Instalando Instale o mpich com o comando abaixo: % make install O passo acima irá instalar o mpich no diretório especificado em --prefix no passo de configuraçăo. A instalaçăo consistirá na inclusăo dos diretórios include, lib, bin, sbin, www, man e examples. Se for necessário remover a instalaçăo, basta apenas executar o comando sbin/mpiuninstall.

19 ANEXO 2 Instalação do SSH O ssh possui a home-page Através dela pode-se chegar a diversos repositórios para copiar o pacote. A versão mais atual é a Esta versão foi instalada no NA-SP em maquinas Solaris 2.4, AIX e Linux- Slackware 3.2 com service pack 2 aplicado. A compilação não apresentou nenhum problema utilizando o gcc /2. A seguir são dadas algumas sugestões de configurações e uso do ssh. Nas estações AIX e Solaris é interessante utilizar o comando:./configure with-rsh=/usr/bin/rsh Para configurar a compilação do pacote. Esta opção permitirá ao ssh encontrar o rsh que será utilizado quando não houver um servidor sshd funcionando no host contactado. Nesse caso, os comandos s (seguros) passam a usar os comandos r (remotamente seguros), alem de instalar no diretório /usr/local/bin links simbólicos rsh, rlogin e rcp para ssh, slogin e scp, respectivamente. Os comandos "make" e "make install" não apresentaram maiores dificuldades para instalar o pacote na maquina utilizada para a compilação. Nas outras maquinas que compartilham o codigo, não é necessario fazer um "make install", mas é necessário executar o comando "make hostinstall" para cada maquina que use o código compartilhado. O "make hostinstall" instala os arquivos de configuração de default no diretório /etc (ssh_config e sshd_config) e gera o par de chaves publica/privada para a estação. As chaves das estações são geradas sem nenhuma frase-senha, observe que estas chaves são diferentes das chaves do "root" da estação (veja geração de chaves pessoais com o ssh-keygen).

Disciplina de Informática. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br

Disciplina de Informática. Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br Disciplina de Informática Profª. Me. Valéria Espíndola Lessa lessavaleria@gmail.com Valeria-lessa@uergs.edu.br 1 O que é Informática? Informática A Informática nasceu da ideia de auxiliar o homem nos trabalhos

Leia mais

Cluster HPC High Performance Computing.

Cluster HPC High Performance Computing. Faculdade de Tecnologia de Guaratinguetá. doze, março de 2009. Cluster HPC High Performance Computing. Diogo Salles, Thiago Pirro, Camilo Bernardes, Paulo Roberto, Ricardo Godoi, Douglas, Fauzer. Sistemas

Leia mais

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid)

Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Tipos de Sistemas Distribuídos (Cluster e Grid) Sistemas Distribuídos Mauro Lopes Carvalho Silva Professor EBTT DAI Departamento de Informática Campus Monte Castelo Instituto Federal de Educação Ciência

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa

SISTEMAS DISTRIBUIDOS. Prof. Marcelo de Sá Barbosa Prof. Marcelo de Sá Barbosa CLUSTER: Um cluster é um conjunto de computadores independentes conectados por rede que formam um sistema único através do uso de software. Um cluster, ou aglomerado de computadores,

Leia mais

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf

Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf UNIVERSIDADE ESTADUAL PAULISTA JULIO DE MESQUITA FILHO FACULDADE DE TECNOLOGIA DA BAIXADA SANTISTA DEPARTAMENTO DE INFORMÁTICA GESTÃO DE NEGÓCIOS Processamento Distribuído em Cluster do Tipo Beowulf ALEXANDRE

Leia mais

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução

Resumo. Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Cluster Resumo Introdução Cluster Cluster Beowulf Curiosidades Conclução Introdução Sua empresa esta precisando fazer um grande processamento; As Nuvens existentes não são suficientes para sua empresa;

Leia mais

Aula 02. Histórico da Evolução dos Computadores. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr.

Aula 02. Histórico da Evolução dos Computadores. Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. 02 Aula 02 Histórico da Evolução dos Computadores Prof. Dr. Dilermando Piva Jr. Site Disciplina: http://fundti.blogspot.com.br/ Ao IBM zenterprise 196 ou TRexx 2000 dc. Do Ábaco 3500 ac. A Primeira forma

Leia mais

Informática. A Era da Computação - Aula 1 ClevertonHentz

Informática. A Era da Computação - Aula 1 ClevertonHentz Informática A Era da Computação - Aula 1 ClevertonHentz 1 Introdução à Microinformática Histórico dos computadores, software, hardware, sistemas operacionais, etc. Softwares Orientado à Tarefas Softwares

Leia mais

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters

Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Instituto Superior de Engenharia do Porto Administração de Sistemas Informáticos I Clusters Trabalho elaborado por: 980368 - Sérgio Gonçalves Lima 1010949 - Nisha Sudhirkumar Chaganlal Clusters O que é

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Universidade Federal do Rio Grande do Norte Departamento de Engenharia de Computação e Automação Introdução à Computação DCA0800 - Algoritmos e Lógica de Programação Heitor Medeiros 1 Informática x Computação

Leia mais

Calculadoras Mecânicas

Calculadoras Mecânicas ARQUITETURA E ORGANIZAÇÃO DE COMPUTADORES Evolução e Desempenho de Computadores 1ª Calculadora - séc. V a.c Muitos povos da antiguidade utilizavam o ábaco para a realização de cálculos do dia a dia, principalmente

Leia mais

Figura 1: Ábaco: considerado a primeira ferramenta em computação.

Figura 1: Ábaco: considerado a primeira ferramenta em computação. Introdução à ciência da computação Aula 1: A maioria dos autores considera que, a primeira ferramenta para a computação foi o ábaco. Este instrumento, que hoje conhecemos como pedras polidas enfileiradas

Leia mais

Fundamentos de. Ricardo José Cabeça de Souza 2010 Fundamentos 1

Fundamentos de. Ricardo José Cabeça de Souza 2010 Fundamentos 1 Fundamentos de Microinformática Ricardo José Cabeça de Souza 2010 Fundamentos 1 Sumário Histórico Sistemas Computacionais Representação da Informação COMPUTADOR (ô). [Do lat. computatore.] S. m. 1. Aquele

Leia mais

Introdução à Computação

Introdução à Computação Introdução à Computação Licenciatura em Computação Prof. Adriano Avelar Site: www.adrianoavelar.com Email: eam.avelar@gmail.com História do Computador O que é um computador? Quem o inventou? História do

Leia mais

INFORMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO I

INFORMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO I CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS Surgimento da Informática INFORMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO I Unidade I Prof Célio Conrado www.celioconrado.com celio.conrado@gmail.com Já nos

Leia mais

SUMÁRIO. Evolução. Do passado ao presente. Futuro. Cálculos manuais Calculadoras mecânicas Máquinas eletrônicas

SUMÁRIO. Evolução. Do passado ao presente. Futuro. Cálculos manuais Calculadoras mecânicas Máquinas eletrônicas A ERA DA COMPUTAÇÃO PASSADO, PRESENTE E FUTURO Wagner de Oliveira SUMÁRIO Evolução Cálculos manuais Calculadoras mecânicas Máquinas eletromecânicas Máquinas eletrônicas Transistores Circuitos eletrônicos

Leia mais

Fundamentos e Suporte de Computadores. Professora Monalize

Fundamentos e Suporte de Computadores. Professora Monalize Fundamentos e Suporte de Computadores Professora Monalize COMPUTADOR DIGITAL é um equipamento eletrônico que processa dados usando programas, podendo ser dividido em: HARDWARE : parte "física, é o equipamento

Leia mais

A história da computação. Prof: Diego Medeiros

A história da computação. Prof: Diego Medeiros A história da computação Prof: Diego Medeiros O que é a computação? Computação (latim computatio, -onis) 1. Ato ou efeito de computar. Cálculo, cômputo 2. Conjunto de conhecimentos e técnicas referentes

Leia mais

Fundamentos de Informática 1ºSemestre

Fundamentos de Informática 1ºSemestre Fundamentos de Informática 1ºSemestre Aula 1 Prof. Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com SERVIÇO NACIONAL DE APRENDIZAGEM COMERCIAL FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS Uma abordagem inicial... o

Leia mais

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES

- Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES - Aula 2 ESTÁGIOS DA EVOLUÇÃO DA ARQUITETURA DOS COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Centenas de tipos diferentes de computadores foram projetados e construídos ao longo do ciclo evolutivo dos computadores digitais.

Leia mais

Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES

Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES Universidade do Contestado Campus Concórdia Curso de Engenharia Civil Prof.: Maico Petry Introdução à Informática HISTÓRICO E TIPOS DE COMPUTADORES DISCIPLINA: Informática Aplicada para Engenharia História

Leia mais

Gerações de Computadores. INF005 - Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 3 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.

Gerações de Computadores. INF005 - Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 3 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela. Gerações de Computadores INF005 - Arquitetura de Computadores e Software Básico Aula 3 Flávia Maristela (flavia@flaviamaristela.com) Como é formado o meu computador? Computador = hardware + software 1ª

Leia mais

AULA 01 CONCEITOS BÁSICOS DE PROGRAMAÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira INFORMÁTICA APLICADA TÉCNICO EM ELETRÔNICA

AULA 01 CONCEITOS BÁSICOS DE PROGRAMAÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira INFORMÁTICA APLICADA TÉCNICO EM ELETRÔNICA AULA 01 CONCEITOS BÁSICOS DE PROGRAMAÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira INFORMÁTICA APLICADA TÉCNICO EM ELETRÔNICA CURIOSIDADE 2 O COMPUTADOR O homem sempre procurou máquinas que o auxiliassem em seu trabalho.

Leia mais

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA

Fonte de Consulta: Sistemas de Informação e as Decisões Gerenciais na Era da Internet James A. O Brien NOTAS DE AULA NOTAS DE AULA 1. TENDÊNCIAS EM SISTEMAS DE MICROCOMPUTADORES Existem várias categorias principais de sistemas de computadores com uma diversidade de características e capacidades. Consequentemente, os

Leia mais

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009

Núcleo de Pós Graduação Pitágoras. A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional. Tecnologia. Tecnologia. Tecnologia 29/07/2009 Núcleo de Pós Graduação Pitágoras A Tecnologia da Informação no contexto Organizacional MBA Gestão em TI Disciplina: Administração de Suporte e Automação Professor: Fernando Zaidan Agosto - 2009 Tecnologia

Leia mais

Processamento de dados - Aula I

Processamento de dados - Aula I Fundamentos de computação Paulo R. S. L. Coelho paulo@facom.uuf.br Faculdade de Ciência da Computação Universidade Federal de Uberlândia Organização 1 Conceitos iniciais 2 3 Organização 1 Conceitos iniciais

Leia mais

INFORMÁTICA HISTÓRIA DA INFORMÁTICA 1º PD PROFESSOR

INFORMÁTICA HISTÓRIA DA INFORMÁTICA 1º PD PROFESSOR INFORMÁTICA HISTÓRIA DA INFORMÁTICA 1º PD PROFESSOR Nelson Fabbri Gerbelli O que é informática? INFORMAÇÃO TECNOLOGIA INFORMÁTICA INFORmação automática 2 ÁBACO Na China, 3000 anos antes de Cristo, surgiu

Leia mais

Lógica de Programação

Lógica de Programação Lógica de Programação Softblue Logic IDE Guia de Instalação www.softblue.com.br Sumário 1 O Ensino da Lógica de Programação... 1 2 A Ferramenta... 1 3 Funcionalidades... 2 4 Instalação... 3 4.1 Windows...

Leia mais

Administração de Sistemas de Armazenamento Linux. Rodrigo Caetano Filgueira

Administração de Sistemas de Armazenamento Linux. Rodrigo Caetano Filgueira Administração de Sistemas de Armazenamento Linux Rodrigo Caetano Filgueira Tipos de cluster Cluster para Alta Disponibilidade (High Availability) - Proteção e de detecção de falhas. Cluster para Balanceamento

Leia mais

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira CIRCUITOS DIGITAIS Engenharia de Computação

AULA 01 INTRODUÇÃO. Eduardo Camargo de Siqueira CIRCUITOS DIGITAIS Engenharia de Computação AULA 01 INTRODUÇÃO Eduardo Camargo de Siqueira CIRCUITOS DIGITAIS Engenharia de Computação O COMPUTADOR O homem sempre procurou máquinas que o auxiliassem em seu trabalho. O computador é consciente, trabalhador,

Leia mais

A História dos computadores e da computação Por Gabriel Gugik Fonte: www.tecmundo.com.br/1697-a-historia-dos-computadores-e-da-computacao.

A História dos computadores e da computação Por Gabriel Gugik Fonte: www.tecmundo.com.br/1697-a-historia-dos-computadores-e-da-computacao. Imprimir A História dos computadores e da computação Por Gabriel Gugik Fonte: www.tecmundo.com.br/1697-a-historia-dos-computadores-e-da-computacao.htm Sexta-Feira 6 de Março de 2009 Conheça os principais

Leia mais

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com

APLICAÇÕES EM SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com - Aula 4 - CLUSTER DE COMPUTADORES 1. INTRODUÇÃO Grande parte do tempo, os computadores que utilizamos encontram-se ociosos, ou seja, sem nada para processar. Isso se deve, em grande parte, pelas aplicações

Leia mais

Bases Computacionais da Ciência

Bases Computacionais da Ciência BC-0005 Bases Computacionais da Ciência Aula 02 Sumário - Ciência, aplicação e computação - A evolução da tecnologia e conceito de computação - Exemplo de modelagem - Projeto final Conhecimento da natureza

Leia mais

Informática, Internet e Multimídia. Profa. Késsia R. C. Marchi

Informática, Internet e Multimídia. Profa. Késsia R. C. Marchi Informática, Internet e Multimídia Profa. Késsia R. C. Marchi Informática - Origem Para auxiliar a contar, nossos antepassados usavam pedras... Cálculo deriva do latim calculus (pedra) Information Automatique

Leia mais

A História do Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio/ Natã Goulart UFSJ - CAP

A História do Computador. Linguagem de Programação Rone Ilídio/ Natã Goulart UFSJ - CAP A História do Computador Linguagem de Programação Rone Ilídio/ Natã Goulart UFSJ - CAP Origem da Palavra Computador (século XIX) pessoa com função de fazer contas e resolver problemas com número Termo

Leia mais

Gênese o começo de tudo... Gênese o começo de tudo... Gênese o começo de tudo... Gênese o começo de tudo... Ábaco (cerca de 3000 a.c.

Gênese o começo de tudo... Gênese o começo de tudo... Gênese o começo de tudo... Gênese o começo de tudo... Ábaco (cerca de 3000 a.c. Introdução Evolução da Informática Aula 2: A Origem da Informática Origem da Informática Preocupação do homem: Minimizar tarefas repetitivas; Eliminar atividades rotineiras Ânsia de realização Conseqüências:

Leia mais

EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS

EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS EAGLE TECNOLOGIA E DESIGN CRIAÇÃO DE SERVIDOR CLONE APCEF/RS Relatório Nº 03/2013 Porto Alegre, 22 de Agosto de 2013. ANÁLISE DE SOLUÇÕES: # RAID 1: O que é: RAID-1 é o nível de RAID que implementa o espelhamento

Leia mais

Arquitetura de Computadores I. Introdução e Fatos da Informática Histórico da Computação, o Computador e Suas Origens

Arquitetura de Computadores I. Introdução e Fatos da Informática Histórico da Computação, o Computador e Suas Origens Arquitetura de Computadores I Introdução e Fatos da Informática Histórico da Computação, o Computador e Suas Origens Introdução O que é computador? No dicionário encontramos: "Computador, s.m. - aquele

Leia mais

Administração de Sistemas de Informação I

Administração de Sistemas de Informação I Administração de Sistemas de Informação I Prof. Farinha Aula 02 Hardware e Software Sistemas de Informação Baseados no Computador - CBIS PROCEDIMENTOS PESSOAS HARDWARE SOFTWARE BANCO DE DADOS TELECOMUNICAÇÕES

Leia mais

Microinformática - História da computação. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP

Microinformática - História da computação. Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Microinformática - História da computação Jeronimo Costa Penha SENAI - CFP/JIP Conhecer a história nos traz uma melhor visão das coisas que fazemos: Como elas aconteceram Como evoluíram até o que são hoje

Leia mais

Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM

Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Desenvolvimento de um Cluster de Alto Desempenho com PVM Daniel Cândido de Oliveira 1, Yzaac Gonçalves da Silva 1, Madianita Bogo 1 1 Centro Universitário Luterano de Palmas Universidade Luterana do Brasil

Leia mais

Sistemas Distribuídos

Sistemas Distribuídos Sistemas Distribuídos Software em Sistemas Distribuídos Aplicativo ou Sistema Operacional Sincronismo Interação Controles Um sistema operacional moderno provê dois serviços fundamentais para o usuário

Leia mais

Formação Modular Certificada. Arquitetura interna do computador. História dos computadores UFCD - 0769. Joaquim Frias

Formação Modular Certificada. Arquitetura interna do computador. História dos computadores UFCD - 0769. Joaquim Frias Formação Modular Certificada Arquitetura interna do computador História dos computadores UFCD - 0769 Joaquim Frias O Ábaco Surgiu à cerca de 5000 anos na Ásia e ainda se encontra em uso Foi o primeiro

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 1. Evolução da Computação Prof. Ronaldo Contagem Primeiro ser humano a CALCULAR: pastor de ovelhas Técnica utilizada:

Leia mais

Informática I. Aula 1. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 1-17/04/2006 1

Informática I. Aula 1. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 1-17/04/2006 1 Informática I Aula 1 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 1-17/04/2006 1 Ementa O objetivo da disciplina é dar ao aluno uma visão geral sobre a área de ciência da computação: Histórico dos Computadores

Leia mais

FAT32 ou NTFS, qual o melhor?

FAT32 ou NTFS, qual o melhor? FAT32 ou NTFS, qual o melhor? Entenda quais as principais diferenças entre eles e qual a melhor escolha O que é um sistema de arquivos? O conceito mais importante sobre este assunto, sem sombra de dúvidas,

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CCET CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA

UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CCET CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA UNIVERSIDADE ESTADUAL DO OESTE DO PARANÁ - UNIOESTE CENTRO DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS - CCET CURSO DE BACHARELADO EM INFORMÁTICA TUTORIAL DE CONFIGURAÇÃO DE UM CLUSTER DA CLASSE BEOWULF ALESSANDRO

Leia mais

Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters.

Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters. Introdução a Computação Paralela e a Montagem de Clusters. Marcelo Souza (marcelo@cebacad.net) Granduando em Sistema da Informação CEBACAD Centro Baiano de Computação de alto Desempenho Introdução a Computação

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE

ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 1 OBJETIVOS 1. Qual é a capacidade de processamento e armazenagem que sua organização precisa para administrar suas informações e transações empresariais?

Leia mais

Curso Técnico em Redes de computadores. Evolução Histórica dos Computadores

Curso Técnico em Redes de computadores. Evolução Histórica dos Computadores Curso Técnico em Redes de computadores Evolução Histórica dos Computadores 1 O conceito de efetuar cálculos com algum tipo de equipamento data pelo menos do século V a.c, com os babilônios e sua invenção

Leia mais

Histórico dos Computadores

Histórico dos Computadores Histórico dos Computadores O mais antigo equipamento para cálculo foi o ábaco (Fig. 1), que era um quadro com arruelas móveis, dispostas em arames paralelos, tendo, portanto, um mecanismo simples. Surgido

Leia mais

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal

Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Soluções de Gerenciamento de Clientes e de Impressão Universal Guia do Usuário Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca registrada nos Estados Unidos da Microsoft Corporation.

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Tipos de Sistemas Operacionais Os tipos de sistemas operacionais e sua evolução estão relacionados diretamente com a evolução do hardware e das

Leia mais

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter

Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter Índice Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter............... 1 Sobre a Instalação do IBM SPSS Modeler Server Adapter................ 1 Requisitos de

Leia mais

Surgimento da Informática

Surgimento da Informática 1 CEAP CENTRO DE ENSINO SUPERIOR ADMINISTRAÇÃO DE EMPRESAS INFORMÁTICA APLICADA À ADMINISTRAÇÃO I Unidade I Prof Célio Conrado www.celioconrado.com celio.conrado@gmail.com Surgimento da Informática Já

Leia mais

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM.

hvbacellar@gmail.com Palavras-chave Cluster; Beowulf; OpenMosix; MPI; PVM. Cluster: Computação de Alto Desempenho Hilário Viana Bacellar Instituto de Computação, Universidade Estadual de Campinas Av. Albert Einstein 1251, Cidade Universitária, CEP 13083-970 Campinas, SP, Brasil

Leia mais

TECNICO EM INFORMATICA PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO

TECNICO EM INFORMATICA PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO (s15h PLANO DE ESTAGIO INTEGRADO A PROPOSTA PEDAGOGICA DO CURSO Curso: 500446 - TECNICO EM INFORMATICA Nivel: Tecnico Area Profissional: 0042 - COMERCIO-TEC Area de Atuacao: 0440 - BANCO DADOS/COMERCIO-TEC

Leia mais

CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL

CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL CENAPAD-SP 15 ANOS APOIANDO A PESQUISA NACIONAL Edison Z. da Silva Centro Nacional de Processamento de Alto Desempenho em São Paulo CENAPAD-SP, UNICAMP Computação de alto desempenho, a missão do CENAPAD-SP,

Leia mais

Objetivos: -Dar uma visão integrada do que é a Informática -Refletir sobre as motivações e problemas que envolvem o uso de ferramentas computacionais

Objetivos: -Dar uma visão integrada do que é a Informática -Refletir sobre as motivações e problemas que envolvem o uso de ferramentas computacionais Informática I Objetivos: -Dar uma visão integrada do que é a Informática -Refletir sobre as motivações e problemas que envolvem o uso de ferramentas computacionais -Introduzir os aspectos conceituais e

Leia mais

Ano Lectivo 2012/2013. Governo da República Portuguesa

Ano Lectivo 2012/2013. Governo da República Portuguesa Ano Lectivo 2012/2013 Governo da República Portuguesa Não há a mínima dúvida de que hoje em dia não podemos viver sem os computadores. Eles são infiltrados em todos os aspectos das nossas vidas, são eles

Leia mais

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni

Material 5 Administração de Recursos de HW e SW. Prof. Edson Ceroni Material 5 Administração de Recursos de HW e SW Prof. Edson Ceroni Desafios para a Administração Centralização X Descentralização Operação interna x Outsourcing Hardware Hardware de um Computador Armazenamento

Leia mais

Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança

Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança Oracle Solaris Studio 12.4: Guia de Segurança Número do Item: E60510 Outubro de 2014 Copyright 2013, 2014, Oracle e/ou suas empresas afiliadas. Todos os direitos reservados e de titularidade da Oracle

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

O que é Arquitetura de Computadores?

O que é Arquitetura de Computadores? O que é Arquitetura de Computadores? Forças Coordenação de um conjunto de níveis de abstração de um computador sobre um grande conjunto de forças de mudança Arquitetura de Computadores = Arquitetura de

Leia mais

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03

INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03 INTRODUÇÃO AOS SISTEMAS OPERACIONAIS SEMANA 03 fevereiro/2011 Surgimento, desenvolvimento e evolução dos sistemas operacionais até os sistemas modernos. 1 - Introdução A evolução dos sistemas operacionais

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER.

FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. 1 FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC PELOTAS CURSO TÉCNICO EM INFORMÁTICA PRONATEC PROFESSOR: NATANIEL VIEIRA ALUNOS: ANA CAROLINA, ROMÁRIO, WAGNER. TURMA: 2 TERMOS TÉCNICOS PELOTAS, 2012 ANA CAROLINA, ROMÁRIO,

Leia mais

ARQUITETURA DE COMPUTADORES

ARQUITETURA DE COMPUTADORES ARQUITETURA DE COMPUTADORES Profa. Rita Rodorigo PARTE 1 2010 1 1- Introdução Computador é uma máquina composta de partes eletrônicas e eletromecânicas, capaz de coletar, manipular, transformar dados sistematicamente

Leia mais

Processamento de Dados. A Evolução dos Computadores

Processamento de Dados. A Evolução dos Computadores Processamento de Dados Antigamente, alguns povos utilizavam pedras, conchas e ábacos para a realização de cálculos. Procurando agilizar a elaboração de cálculos, diversos dispositivos foram inventados...

Leia mais

Softwares de Sistemas e de Aplicação

Softwares de Sistemas e de Aplicação Fundamentos dos Sistemas de Informação Softwares de Sistemas e de Aplicação Profª. Esp. Milena Resende - milenaresende@fimes.edu.br Visão Geral de Software O que é um software? Qual a função do software?

Leia mais

2 Um Primeiro Programa em C

2 Um Primeiro Programa em C 2 Um Primeiro Programa em C Ronaldo F. Hashimoto, Carlos H. Morimoto e José A. R. Soares OobjetivodessaaulaéintroduzirvocêàlinguagemCemambienteLinux,primeiramentemostrandoasua estrutura, e a seguir com

Leia mais

CATEGORIAS E TIPOS DE TI

CATEGORIAS E TIPOS DE TI CATEGORIAS E TIPOS DE TI 1 SISTEMAS INFORMÁTICOS 1.1 MAINFRAMES Um mainframe é um computador de grande porte, dedicado normalmente ao processamento de um volume grande de informações. Os mainframes são

Leia mais

Manual de Acesso ao Sistema e Guia de Utilização do Sun Grid Engine (SGE)

Manual de Acesso ao Sistema e Guia de Utilização do Sun Grid Engine (SGE) Manual de Acesso ao Sistema e Guia de Utilização do Sun Grid Engine (SGE) Meira & Fernandez Centro Nacional de Supercomputação 10 de Dezembro de 2014 1 Acesso Remoto ao Sistema Para acesso externo ao cluster

Leia mais

Tecnologia da Administração Computador: origem, funcionamento e componentes básicos Parte I Sumário Introdução Origem Funcionamento Componentes Básicos Referências Introdução O objetivo deste material

Leia mais

PROJETO SISTEMA DE ALARME REMOTO NO CBMSC. Tecnologias utilizadas

PROJETO SISTEMA DE ALARME REMOTO NO CBMSC. Tecnologias utilizadas PROJETO SISTEMA DE ALARME REMOTO NO CBMSC O "Projeto sistema de alarme remoto no CBMSC" é uma sistemática desenvolvida para acionar o alarme do quartel diretamente pelo COBOM, agilizando o acionamento

Leia mais

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP)

Hardware (Nível 0) Organização. Interface de Máquina (IM) Interface Interna de Microprogramação (IIMP) Hardware (Nível 0) Organização O AS/400 isola os usuários das características do hardware através de uma arquitetura de camadas. Vários modelos da família AS/400 de computadores de médio porte estão disponíveis,

Leia mais

Organização de Computadores I

Organização de Computadores I Departamento de Ciência da Computação - UFF Objetivos Organização de Computadores I Profa. Débora Christina Muchaluat Saade debora@midiacom.uff.br http://www.ic.uff.br/~debora/orgcomp Dar noções iniciais

Leia mais

Sistemas Operacionais 1/66

Sistemas Operacionais 1/66 Sistemas Operacionais 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware

Leia mais

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA

1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA 1. NÍVEL CONVENCIONAL DE MÁQUINA Relembrando a nossa matéria de Arquitetura de Computadores, a arquitetura de Computadores se divide em vários níveis como já estudamos anteriormente. Ou seja: o Nível 0

Leia mais

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1

Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 Laudon & Laudon Essentials of MIS, 5th Edition. Pg. 6.1 6 OBJETIVOS OBJETIVOS ADMINISTRAÇÃO DOS RECURSOS DE HARDWARE E SOFTWARE 6.1 2003 by Prentice Hall Qual é a capacidade de processamento e armazenagem

Leia mais

Informática Básica. Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin

Informática Básica. Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin Informática Básica Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin A Evolução da Informática Prof. Dr. Charlie Antoni Miquelin A informática 1962, na França. info = informação matique = automática informatique = informação

Leia mais

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS

PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS PROPOSTA DE SOFTWARE DE INSTALAÇÃO PARA UM AMBIENTE INTEGRADO DE GERÊNCIA DE PROJETOS E DE PROCESSOS DE NEGÓCIOS Élysson Mendes Rezende Bacharelando em Sistemas de Informação Bolsista de Iniciação Científica

Leia mais

1. Histórico e Evolução dos Computadores

1. Histórico e Evolução dos Computadores Faculdade UNIREAL Centro Educacional de Ensino Superior de Brasília 1. Histórico e Evolução dos Computadores A evolução da Informática O computador que conhecemos hoje é uma máquina programável que processa

Leia mais

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes:

Gerência de Redes: Modelos de Gerência de Redes: Modelo FCAPS: Ferramentas de Gerência de Redes: Gerência de Redes: - Gerência de redes é o monitoramento de qualquer estrutura física e/ou lógica de uma rede. É de extrema importância esse gerenciamento para que se obtenha um bom fluxo no tráfego das

Leia mais

SUMÁRIO. Informática Informação X Comunicação Sistemas de Informação Tipos de computadores

SUMÁRIO. Informática Informação X Comunicação Sistemas de Informação Tipos de computadores A ERA DA COMPUTAÇÃO SISTEMAS DE COMPUTADOR Wagner de Oliveira SUMÁRIO Informática Informação X Comunicação Sistemas de Informação Tipos de computadores Computadores de grande porte Computadores de médio

Leia mais

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano

Sistemas Operacionais. Roteiro. Sistemas de Computadores. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Marcos Laureano Sistemas Operacionais Marcos Laureano 1/66 Roteiro Máquinas virtuais Emuladores Propriedades Benefícios Futuro 2/66 Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3

Leia mais

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS

Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS Prof. Marcelo de Sá Barbosa SISTEMAS DISTRIBUIDOS 1. Introdução a supercomputação 2. Visão geral de Mainframe 3. Cluster de computadores 4. Cluster Beowulf considerações de projeto 5. Cluster x Grid 6.

Leia mais

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br

SISTEMAS DISTRIBUÍDOS Prof. Ricardo Rodrigues Barcelar http://www.ricardobarcelar.com.br - Aula 4 - INTRODUÇÃO A SUPERCOMPUTAÇÃO 1. INTRODUÇÃO Atualmente cientistas brasileiros usam supercomputadores para pesquisar desde petróleo até mudanças climáticas. Um grande exemplo é o supercomputador

Leia mais

Evolução dos Computadores

Evolução dos Computadores Evolução dos Computadores Campus Cachoeiro Curso: Sistemas de Informação Disciplina: Arquitetura e Organização de Computadores Professor: João Paulo de Brito Gonçalves Geração Zero 1. Computação primitiva

Leia mais

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES

UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES UMA BREVE INTRODUÇÃO AO ESTUDO E IMPLEMENTAÇÃO DE COMPILADORES 1 BRANCO; Guido Aparecido Junior, 2 TAMAE, Rodrigo Yoshio 1-Discente do Curso Sistemas de Informação FAEG/Garça 2-Docente do Curso Sistemas

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I 18/9/2009 Prof. Antonio Carlos Gay Thomé Prof. Aux. Simone Markenson Pech 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos

Leia mais

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos

UFRJ IM - DCC. Sistemas Operacionais I. Unidade I Introdução. 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos UFRJ IM - DCC Sistemas Operacionais I Unidade I Introdução 11/02/2014 Prof. Valeria M. Bastos 1 ORGANIZAÇÃO DA UNIDADE Introdução Conceituação de SO Funções Básicas Breve Histórico Tipos de SO Fundamentos

Leia mais

Desenvolvendo Websites com PHP

Desenvolvendo Websites com PHP Desenvolvendo Websites com PHP Aprenda a criar Websites dinâmicos e interativos com PHP e bancos de dados Juliano Niederauer 19 Capítulo 1 O que é o PHP? O PHP é uma das linguagens mais utilizadas na Web.

Leia mais

Computação em cluster

Computação em cluster Computação em cluster Por Marcos Pitanga em 30 de maio de 2003 Introdução Este artigo tem por finalidade dar ao leitor uma visão mais integrada do que vem a ser a computação em cluster e como esta a cada

Leia mais

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores

Aplicações. Sistema Operacional Hardware. Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: Máquinas Virtuais e Emuladores Máquinas Virtuais e Emuladores Marcos Aurelio Pchek Laureano Sistemas de Computadores Os sistemas de computadores são projetados com basicamente 3 componentes: hardware sistema operacional aplicações Sistemas

Leia mais

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux

Sistema Operacional. História Sistema Operacional 1. QI Escolas e Faculdades Apostila de Linux 4 Capítulo 1 Sistema Operacional É uma coleção de programas que inicializa hardwares, fornece rotinas básicas para controle de dispositivos, mantém a integridade de um sistema. Um sistema operacional de

Leia mais

4 Computação Paralela 4.1. Introdução

4 Computação Paralela 4.1. Introdução 4 Computação Paralela 4.1. Introdução Nos últimos anos observa-se uma tendência cada vez maior do aumento da demanda computacional na resolução de grandes problemas. Exemplos de aplicações que exigem alto

Leia mais

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.

Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu. Classificação de SO (Sistemas Operacionais) Técnico de Informática 2º. Módulo Profa. Madalena Pereira da Silva madalena.silva@ifsc.edu.br Agenda Classificação de SO quanto a: Interface Processamento Tarefas

Leia mais

Apostila: a história dos computadores e da computação

Apostila: a história dos computadores e da computação Apostila: a história dos computadores e da computação Autor: Gabriel Gugik Conheça os principais computadores usados desde a antiguidade até os dias de hoje. Obs.: O conteúdo aqui disponível foi publicado

Leia mais