Processo de Crédito. Setor Público. Implementação de Medidas Estruturantes. XI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios.

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Processo de Crédito. Setor Público. Implementação de Medidas Estruturantes. XI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios."

Transcrição

1 Processo de Crédito Setor Público Implementação de Medidas Estruturantes XI Marcha a Brasília em Defesa dos Municípios - Abril /2008 -

2 Agenda 1 Operações de Crédito com ente público 2 Parceria Público Privada - PPP 3 Medidas Estruturantes

3 Operação de Crédito PMAT Finalidade 4 Modernização da administração tributária municipal 4 Melhoria da qualidade do gasto público na prestação de serviços (administração geral, saúde, educação e assistência à crianças e jovens e geração de oportunidades de trabalho e renda)

4 Operação de Crédito PMAT Itens financiáveis Ü Tecnologia de informação e equipamentos de informática: hardware, software, sistemas de informação Ü Capacitação de recursos humanos: treinamento, atualização e reciclagem de pessoal Ü Serviços técnicos especializados: sistemas de organização e gerência, base cadastral, tecnologia da informação Ü Equipamentos de apoio à operação e fiscalização: equipamentos operacionais de comunicação e bens móveis operacionais (inclusive carros populares) Ü Infra-estrutura física: melhoria de instalações e adequação/reforma de ambientes físicos

5 Operação de Crédito PMAT Condições de pagamento Ü Prazo: até 96 meses Ü Carência: até 24 meses Ü Encargos: TJLP + 2% ao ano Ü Valor do financiamento (o que for menor) Ü R$ 30 milhões Ü R$ 18,00 p/habitante Ü 7% da Receita Líquida Real

6 Caminho da Escola Condições de financiamento Ü Limite disponibilizado pelo BNDES: R$ 600 milhões Ü Prazo: até 72 meses Ü Carência: até 6 meses Ü Encargos: TJLP + 4% ao ano Ü Valor do financiamento: conforme quantidade de composições definidos pelo FNDE Ü Obs: para habilitação ao Programa o ente público deverá encaminhar Termo de Adesão ao BNDES, via instituição financeira

7 Operação de Crédito Caminho da Escola Situação atual dos Processos encaminhados à STN Fonte: Secretaria do Tesouro Nacional - STN

8 Provias Condições de financiamento Ü Limite disponibilizado pelo BNDES: R$ 500 milhões Ü Prazo: até 54 meses Ü Carência: até 6 meses Ü Encargos: TJLP + 4% ao ano Ü Valor máximo do financiamento: Ü R$ 1,25 milhões - Municípios com até 50 mil habitantes Ü R$ 3 milhões - Municípios com mais de 50 mil habitantes (IBGE ) Ü Obs: para habilitação ao Programa o ente público deverá encaminhar Protocolo de intenções, via instituição financeira

9 Provias Critérios de hierarquização Ü Prioridade para os pleitos autorizados pela STN até Ü Demais municípios de acordo com a produção agropecuária, o número e a área total de estabelecimentos agropecuários e a frota de veículos Obs: Municípios já contemplados anteriormente pelo Provias não poderão contratar novas operações.

10 Operações de Crédito Royalties e Créditos Governamentais Finalidade Antecipar a estados e municípios o fluxo futuro dos direitos creditórios de participações governamentais.

11 Operações de Crédito Royalties e Créditos Governamentais Utilização dos recursos

12 Operações de Crédito Royalties e Créditos Governamentais Vantagens Por se tratar de cessão definitiva de direitos, não impacta o endividamento do Estado. Participação especial de petróleo e gás, compensação financeira de recursos hídricos ou minerais - aplicação em despesas de capital (obras e outros investimentos), a critério do Estado/Município. Royalties - liberação de recursos que seriam destinados para pagto. de dívida com a União e/ou capitalização do Fundo de Previdência Próprio.

13 Operações de Crédito Pró-Mob Limite do Programa... R$ 300 milhões Vencimento do Programa... 30/06/2008 Cartas-Consultas aprovadas p/ Min. Cidades... R$ 177 milhões Operações autorizadas p/ STN e aprovadas BNDES. R$ 28 milhões Operações contratadas... R$ 9 milhões

14 Parceria Público Privada - PPP Características Ü Concessão de serviços públicos, com responsabilidade pecuniária do poder público Ü Utilizada para a viabilizar investimentos em estradas, metrô, saneamento, presídios, hospitais, escolas, centros administrativos, etc. Atuação do BB Ü Apoio às Prefeituras Ü Administração das garantias Ü Gestão financeira do projeto Ü Financiador do projeto

15 Parceria Público Privada - PPP Experiência BB Ü Administração do Fundo Garantidor Federal Ü Gestor Financeiro do projeto Rio das Ostras (RJ) Saneamento Ü Administrador do Fundo Garantidor de Rio Claro (SP) Saneamento

16 Medidas Estruturantes Processo de Crédito - Setor Público 4 Treinamentos - STN e BB 4 Centralização de atividades 4 Disponibilização de informações - internet (portal governo) 4 Pesquisa prévia - CAUC e SISTN

17 Contatos BB - Diretoria de Governo Marcelino Tameirão Machado Fone: (61) Banco do Brasil - Diretoria de Governo Tiago de Melo Smania Fone: (61) / 2146 / 5093 Banco do Brasil - Diretoria de Governo

Diretoria de Governo. Gerência de Negócios com o Setor Público. - Junho/2009 -

Diretoria de Governo. Gerência de Negócios com o Setor Público. - Junho/2009 - Diretoria de Governo Gerência de Negócios com o Setor Público - Junho/2009 - AGENDA OPERAÇÕES DE CRÉDITO Modalidades: PROVIAS CAMINHO DA ESCOLA FLUXO OPERACIONAL MANUAL PARA INSTRUÇÃO DE PLEITOS: PARCERIAS

Leia mais

III SEMINÁRIO NACIONAL DO SIMPLES NACIONAL

III SEMINÁRIO NACIONAL DO SIMPLES NACIONAL III SEMINÁRIO NACIONAL DO SIMPLES NACIONAL PALESTRANTE: Fernando Rocha de Paiva Arrecadação Banco do Brasil Diretoria de Governo Florianópolis, 10 e 11 de agosto de 2010. Fundamentação legal ARRECADAÇÃO

Leia mais

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE

CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE CARTILHA DE ORÇAMENTO FUNDO MUNICIPAL DE SAÚDE 2017 1 Cartilha sobre Orçamento 1 - Entendendo o orçamento público A lei do orçamento conterá a discriminação da receita e despesa de forma a evidenciar a

Leia mais

5- FINANÇAS PÚBLICAS Abaixo seguem os dados que retratam a conjuntura das finanças públicas do município de Corumbá.

5- FINANÇAS PÚBLICAS Abaixo seguem os dados que retratam a conjuntura das finanças públicas do município de Corumbá. 5- FINANÇAS PÚBLICAS Abaixo seguem os dados que retratam a conjuntura das finanças públicas do município de Corumbá. Tabela 1 Demonstrativo da Receita Total Arrecadada 2012-2013 Receitas Correntes Discriminação

Leia mais

Instituição: Instituto do Vinho do Douro e Porto,I.P. Ano: 2008 Mapa: Fluxos de Caixa

Instituição: Instituto do Vinho do Douro e Porto,I.P. Ano: 2008 Mapa: Fluxos de Caixa Recebimentos SALDO DA GERÊNCIA ANTERIOR Execução Orçamental - Fundos Próprios 16 01 01 De dotações orçamentais (OE ou OE...) 0,00 0,00 De receitas próprias Na posse do serviço 10.302.904,47 10.302.904,47

Leia mais

III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015.

III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015. III Encontro dos Municípios com o Desenvolvimento Sustentável Centro de Convenções Ulysses Guimarães Brasilia, 7 a 9 de abril de 2015. Apoio Específico aos Municípios Linha de Financiamento para Modernização

Leia mais

7º Gestão das Cidades

7º Gestão das Cidades 7º Gestão das Cidades INVESTIMENTO PRODUTIVO NOS MUNICÍPIOS Vitória, 21 de novembro de 2012 Walsey de Assis Magalhães O BNDES e a Administração Pública Objetivo estratégico: redução das desigualdades regionais

Leia mais

PARCEIRO, GUERREIRO E LEAL A CAUSA

PARCEIRO, GUERREIRO E LEAL A CAUSA PARCEIRO, GUERREIRO E LEAL A CAUSA Homenagem... In Memoriam * 10/1960 + 11/2016 Francisco Guarilha Chicão MISSÃO Acompanhar o uso dos recursos públicos no município de Teresópolis, sensibilizando e estimulando

Leia mais

GARANTIAS EM PPP. Arena Fonte Nova

GARANTIAS EM PPP. Arena Fonte Nova GARANTIAS EM PPP Arena Fonte Nova I - Mecanismo de Pagamento SUMÁRIO Legislação; Fluxo Financeiro da Garantia de Pagamento; Adesões ao Mecanismo de Garantia; Bloco de Contratos; Controle de Pagamentos

Leia mais

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS:

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: Diário Oficial do Município de Boquira - Bahia Poder Executivo Ano VIII Nº 1161 12 de Setembro de 2016 RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: DECRETOS DECRETO N.92 DE 26 DE AGOSTO

Leia mais

Proteção social e novos desafios para a descentralização fiscal: o caso brasileiro

Proteção social e novos desafios para a descentralização fiscal: o caso brasileiro 18º Seminário Regional de Política Fiscal - CEPAL/ILPES Proteção social e novos desafios para a descentralização fiscal: o caso brasileiro Sesión Gobiernos sub-nacionales y políticas sociales CEPAL - Santiago,

Leia mais

SofitView! Uma nova forma de fazer gestão da sua frota

SofitView! Uma nova forma de fazer gestão da sua frota SofitView! Uma nova forma de fazer gestão da sua frota ALGUNS DESAFIOS NÃO MUDAM... DESAFIOS INTERNOS Aumento da disponibilidade da frota Redução dos custos da frota Controle dos custos por KM rodado Decisões

Leia mais

Estratégias de Implantação de PPPs. Guilherme Afif Domingos Vice-Governador

Estratégias de Implantação de PPPs. Guilherme Afif Domingos Vice-Governador Estratégias de Implantação de PPPs Guilherme Afif Domingos Vice-Governador Oportunidades globais Brasil: Uma parada obrigatória 2 O Brasil definitivamente entrou no grupo dos paises mais importantes do

Leia mais

I Seminário Internacional UNDIME/MG

I Seminário Internacional UNDIME/MG I Seminário Internacional UNDIME/MG Tema: Divulgação dos custos educacionais e sua utilização pelas políticas públicas Base adotada: Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação SIOPE Apresentação:

Leia mais

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional 4º Encontro de Prefeitos com tema Desenvolvimento Local Sustentável Encontros Regionais de Municípios ABM - Nordeste Camaçari, Setembro de 2015 Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento

Leia mais

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2013/04/19 A 2013/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO

FLUXOS DE CAIXA PERÍODO DE 2013/04/19 A 2013/12/31. Modelo de acordo com a Instrução n.º 1/2004 do Tribunal de Contas CÓDIGO PAGAMENTOS CÓDIGO Despesas de fundos próprios: Saldo da gerência anterior: Dotações orçamentais (OE): Execução orçamental - Fundos próprios: Correntes: De dotações orçamentais (OE) 137.351,67 137.351,67 De receitas próprias:

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 219, ,475 41,768 13,637 9,267 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento Inativos e Pe Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 153,554 88,670 86,394 42,557 27,550 23,672 Assistência Social, Trabalho e Habitação 18,2% 18,6% 13,637 13,405 12,009 11,503 Dívida Pública

Leia mais

MANUAL. Excelência Municipal

MANUAL. Excelência Municipal MANUAL Excelência Municipal 1. Objetivo O objetivo deste estudo é medir a eficiência da gestão dos municípios capixabas ao longo do tempo e avaliar o esforço em melhorar os resultados medidos por indicadores

Leia mais

PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS

PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS SEMINÁRIO PARA PREFEITOS DO MATO GROSSO Cuiabá junho de 2010 PERSPECTIVAS DAS FINANÇAS François E. J. de Bremaeker Consultor da Associação Transparência Municipal Gestor do Observatório de Informações

Leia mais

GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE FROTAS. "SOFIT 4TRANSPORT O SOFTWARE MAIS LEVE E FÁCIL DE USAR.

GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE FROTAS. SOFIT 4TRANSPORT O SOFTWARE MAIS LEVE E FÁCIL DE USAR. GESTÃO DA MANUTENÇÃO DE FROTAS. "SOFIT 4TRANSPORT O SOFTWARE MAIS LEVE E FÁCIL DE USAR. ALGUNS DESAFIOS NÃO MUDAM Aumento no preço dos combustíveis Prazo de entrega reduzido Aumento no preço dos pneus

Leia mais

Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR. Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa

Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR. Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa Finanças Públicas Resultado Primário DÍVIDA PÚBLICA ENTENDER PARA AGIR Prof. Moisés Ferreira da Cunha Colaboração: Prof. Everton Sotto Tibiriçá Rosa Os números que traduzem as finanças públicas decorrem

Leia mais

ORÇAMENTO EMPRESARIAL

ORÇAMENTO EMPRESARIAL ORÇAMENTO EMPRESARIAL Engenharia de Produção Prof. Flávio Smania Ferreira flavioferreira@live.estacio.br http://flaviosferreira.wordpress.com Orçamento de Aquisição de Matéria-Prima O orçamento de aquisição

Leia mais

Consultoria e Assessoria Pública Ltda

Consultoria e Assessoria Pública Ltda Consultoria e Assessoria Pública Ltda Ofício n.º xxxxxxxx Araçatuba, xx de março de 2012. A Sua Excelência o Senhor Nome do destinatário Cargo do destinatário Assunto: Cronograma de das NBCASP (Portaria

Leia mais

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA

COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA COBRANÇA PELO USO DA ÁGUA Aplicação dos recursos arrecadados e sustentabilidade financeira da entidade delegatária CBH- PARANAIBA 31/07/2014 - Brasília DF SERGIO RAZERA Diretor-Presidente Fundação Agência

Leia mais

ARTIGO DO MÊS 2013 Movimento Nossa Betim Rua Paulo de Freitas nº 16 Sala

ARTIGO DO MÊS 2013 Movimento Nossa Betim Rua Paulo de Freitas nº 16 Sala ARTIGO DO MÊS Setembro 2013 Periodicamente o Movimento Nossa Betim divulga artigos sobre temas ligados à sustentabilidade no contexto da gestão de cidades Movimento Nossa Betim Rua Paulo de Freitas nº

Leia mais

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde

O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde O papel do controle interno na fiscalização do gasto público em Saúde Bases Legais do Controle Interno Controle interno na Administração Pública Brasileira previsto nos artigos 75/80 da Lei 4.320/64. O

Leia mais

Links dos principais artigos constantes do blog

Links dos principais artigos constantes do blog Links dos principais artigos constantes do blog ANO DE 2011 Crescimento vegetativo da folha de pagamento do Estado do RS. 5 p. Dezembro/2011. http://www.darcyfrancisco.com/arquivos/crescimento%20vegetativo.pdf

Leia mais

AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE

AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE AUTONOMIA FISCAL DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS E A CAPACIDADE DE GESTÃO DO SISTEMA DE SAÚDE Daniela Savi Geremia 1 Fátima Teresinha Scarparo Cunha 2 Liliana Angel Vargas 2 INTRODUÇÃO A política de saúde constitui

Leia mais

Ajuste Fiscal e Relações Federativas: o desafio dos Estados e o papel da União. Ana Carla Abrão Costa Secretária de Estado da Fazenda de Goiás

Ajuste Fiscal e Relações Federativas: o desafio dos Estados e o papel da União. Ana Carla Abrão Costa Secretária de Estado da Fazenda de Goiás Ajuste Fiscal e Relações Federativas: o desafio dos Estados e o papel da União Ana Carla Abrão Costa Secretária de Estado da Fazenda de Goiás São Paulo, 27 de setembro de 2016 Sumário 1 2 A crise fiscal

Leia mais

PM DE ALEGRIA ORGÃO Nº: CNPJ: /01/2016 a 31/12/2016

PM DE ALEGRIA ORGÃO Nº: CNPJ: /01/2016 a 31/12/2016 a. Quadro Principal - Receitas e Despesas RECEITAS ORÇAMENTÁRIAS PREVISÃO INICIAL (a) PREVISÃO ATUALIZADA (b) RECEITAS REALIZADAS (c) SALDO (d = c - b) RECEITAS CORRENTES (I) 17.166.500,00 17.166.500,00

Leia mais

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS:

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: Diário Oficial do Município de Riacho de Santana - Bahia Poder Executivo Ano Nº XI Nº 1308 16 de Fevereiro de 2017 RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: LEIS LEI Nº 292, DE

Leia mais

Plano de Benefícios Enersul

Plano de Benefícios Enersul Plano de Benefícios Enersul ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -204 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -204 ENERPREV - RELATÓRIO ANUAL DE ATIVIDADES -204 Demonstração do ativo líquido - Plano

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Mariana MG 18.295.303/0001-44 / - 2014 27/10/2014 11:01:02 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 4.696.251,36

Leia mais

PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Praça São João, nº /

PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Praça São João, nº / PREFEITURA MUNIC MONTE APRAZÍVEL Balanço Orçamentário LRF, Art. 52, inciso I, alíneas "a" e "b" - Anexo I Receitas Previsão p/ o Exercício Receitas Realizadas até RECEITAS CORRENTES 36.336,00 31.631,99

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Artur Nogueira SP 45.735.552/0001-86 / - 2014 22/08/2014 11:17:41 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 3.174.240,11

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR

DEMONSTRATIVO DE INFORMAÇÕES PREVIDENCIÁRIAS E REPASSES - DIPR Eusébio CE 23.563.067/0001-30 / - 2015 24/10/2015 17:45:56 1 - BASES DE CÁLCULO DAS CONTRIBUIÇÕES DEVIDAS, RELATIVAS ÀS FOLHAS DO ENTE 1.1 - Do ENTE ("patronal"), relativa: a) Aos servidores 2.527.574,18

Leia mais

Essa visualização é possibilitada pela consulta à Lista de inscrições no CNPJ (IN 1257/2012), cujo acesso ocorre da seguinte forma:

Essa visualização é possibilitada pela consulta à Lista de inscrições no CNPJ (IN 1257/2012), cujo acesso ocorre da seguinte forma: Orientação ao usuário quanto ao tratamento das informações da Lista de inscrições no CNPJ (IN 1257/2012) Sr. gestor municipal, estadual ou distrital. O Serviço Auxiliar de Informações para Transferências

Leia mais

20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. O BNDES e a Mobilidade Urbana. Setembro/2014

20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária. O BNDES e a Mobilidade Urbana. Setembro/2014 20ª Semana de Tecnologia Metroferroviária O BNDES e a Mobilidade Urbana Setembro/2014 Contextualização A taxa de motorização no Brasil cresceu de 14 carros / 100 habitantes em 2001 para 26 carros / 100

Leia mais

Teleconferência de Resultados 1T de abril de 2016

Teleconferência de Resultados 1T de abril de 2016 Teleconferência de Resultados 1T16 27 de abril de 2016 Agenda Cenário Setorial Destaques Operacionais Destaques Financeiros 2 Financiamento de Veículos Inadimplência em Financiamentos de Veículos Pessoa

Leia mais

Célia Carvalho Presidente do GEFIN

Célia Carvalho Presidente do GEFIN Experiencias de Articulación entre Niveles de Gobierno Locales y Nacionales en La Region IV Seminário de La Red de Sistemas Nacionales de Inversión Pública Célia Carvalho Presidente do GEFIN Montevideo/UY

Leia mais

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ?

BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? 1 Secretaria de Acompanhamento Econômico - SEAE BRASIL 5a. ECONOMIA DO MUNDO: CHEGAREMOS LÁ? Antonio Henrique P. Silveira Secretário de Acompanhamento Econômico 6 de fevereiro de 2010 1 Sumário A Estratégia

Leia mais

Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012

Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012 Análise Projeto de Lei ao Orçamento (PLOA) ano 2012 Principais Pontos da Lei Orçamentária A Lei Orçamentária Anual é a peça de planejamento que detalha quais recursos serão aplicados nos programas de governo,

Leia mais

PASEP. Lei 9.715, de 25/11/1998

PASEP. Lei 9.715, de 25/11/1998 Lei 9.715, de 25/11/1998 Art. 2º A contribuição para o PIS/PASEP será apurada mensalmente: [...] III pelas pessoas jurídicas de direito público interno, com base no valor mensal das receitas correntes

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro Propostas para o Equilíbrio Fiscal

Estado do Rio de Janeiro Propostas para o Equilíbrio Fiscal Estado do Rio de Janeiro Propostas para o Equilíbrio Fiscal Agenda A. Receitas, Despesas e Previdência (diagnóstico) B. Medidas Implantadas C. Medidas a implantar D. Resultado das medidas propostas R$

Leia mais

Gestão do SUS nos Municípios

Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS nos Municípios Gestão do SUS Como o Município participa do SUS? - Atenção básica/primária Atenção integral à saúde - Média complexidade - Alta complexidade Atenção Básica A Atenção Básica

Leia mais

BEM-VINDO a mais um Curso

BEM-VINDO a mais um Curso BEM-VINDO a mais um Curso Professor Instrutor: JOÃO HENRIQUE MILDENBERGER SIOPE Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Educação O que é o SIOPE É um sistema de acesso público via internet,

Leia mais

CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS

CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS CONSÓRCIOS PÚBLICOS E TECNOLOGIAS PARA RESOLUÇÃO DO PASSIVO AMBIENTAL DE RÉSÍDUOS SÓLIDOS EDUARDO ROCHA DIAS SANTOS Gerente de Resíduos Sólidos Ministério do Meio Ambiente 25 de maio de 2015 Poços de Caldas

Leia mais

,14. Demonstrativo da Despesa por Órgãos e Funções - Anexo 9 - Admiministração Direta, Indireta e Fundacional. Total da Entidade:

,14. Demonstrativo da Despesa por Órgãos e Funções - Anexo 9 - Admiministração Direta, Indireta e Fundacional. Total da Entidade: ESSENCIAL À CÓDIGO LEGISLATIVA JUDICIÁRIA ADMINISTRAÇÃO DEFESA NACIONAL JUSTIÇA 119.840,60 81.670,45 3 SECRETARIA DE ADMINISTRACAO E FINANCAS 346.963,69 4 SECRET. EDUCACAO, CULTURA E DESPORTO 6 SECRET.OBRAS/ESTR./SERV.URB.AGROP.

Leia mais

Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia Execução da Despesa

Sistema Integrado de Planejamento, Contabilidade e Finanças do Estado da Bahia Execução da Despesa 1. Objetivo... 2 2. Procedimentos da DEPAT... 2 2.1 Valor líquido da Folha de pessoal e das consignações e encargos com vencimentos até o último dia útil do mês... 2 2.2 Valor das consignações e dos encargos

Leia mais

Evolução das Receitas e Despesas dos Municípios do Corede do Vale do Rio dos Sinos

Evolução das Receitas e Despesas dos Municípios do Corede do Vale do Rio dos Sinos PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Convênio FACE/PUCRS e SESCON-RS Relatório 5 - Versão 2 Evolução

Leia mais

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 101,197 71,797 9,346 7,317 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionis

Despesas Realizadas - Ano 2015 Em Milhões de 101,197 71,797 9,346 7,317 Folha de Pagamento Servidores Ativos Folha de Pagamento - Inativos e Pensionis Despesas Realizadas por Área de Governo - Ano 2015 Em Milhões de 75,726 49,571 17,989 17,636 25,3% 7,443 6,135 Dívida Pública (Pagamentos de Financiamentos e Parcelamentos) 9,0% 5,449 5,113 Cultura, Esporte

Leia mais

,00. Déficit Orçamento Corrente ,00. Receitas Correntes 0,00 Despesas Correntes ,00

,00. Déficit Orçamento Corrente ,00. Receitas Correntes 0,00 Despesas Correntes ,00 PARANÁ Demonstração da Receita e Despesa Segundo as Categorias Econômicas Camara Municipal de Rolandia Exercício de 2014 - Anexo 01, da Lei 4.320/64 - Anexo 01, da Lei 4.320/64 Unidade Gestora: CAMARA

Leia mais

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações

Gerência Regional de Araraquara. Financiamentos às Exportações Gerência Regional de Araraquara Financiamentos às Exportações BB no mundo Experiência: Há mais de 70 anos em comércio exterior, inclusive com embaixadas e consulados; Cobertura internacional: mais de 30

Leia mais

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional

Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional Encontros Regionais de Municípios ABM Sudeste Rio de Janeiro, Outubro de 2015 Estratégia CAIXA para Consórcios Públicos e Desenvolvimento Regional Marcus Vinicius Rego Gerente Nacional de Segmentos de

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre os sócios, pois são responsáveis pela proposta do negócio. Caso ocorra necessidade, inserir mais campos, linhas ou colunas. Sócio 1 - Nome: Sócio 2 - Nome:

Leia mais

Portal BI USF. José Luis Biscaia

Portal BI USF. José Luis Biscaia CLOUD S MMIT 2014 25 Junho 2014 - CCB Portal BI USF O Cloud Computing assume importância estratégica nas organizações. Numa era de acelerado desenvolvimento tecnológico, em que a globalização e as profundas

Leia mais

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA

INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA 31 de outubro de 2016 INOVAÇÃO COMO ESTRATÉGIA AO CRESCIMENTO DA INDÚSTRIA Paulo Mól Superintendente do IEL A economia brasileira está perdendo competitividade ÍNDICE GLOBAL DE COMPETITIVIDADE 2016/17

Leia mais

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo Secretaria de Estado de Desenvolvimento.

Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo Secretaria de Estado de Desenvolvimento. Secretaria de Estado de Desenvolvimento do Espírito Santo Secretário José Eduardo de Azevedo 2015 Secretaria de Estado de Desenvolvimento. PROGRAMA ESTADUAL DE PARCERIAS PÚBLICO-PRIVADAS Fórum Concessões

Leia mais

Estado da Bahia PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINA CNPJ: / DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012

Estado da Bahia PREFEITURA MUNICIPAL DE MATINA CNPJ: / DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 DECRETO Nº. 90, DE 26 DE OUTUBRO DE 2012 Estabelece medidas administrativas de racionalização, controle orçamentário e contenção de despesas no âmbito da Prefeitura Municipal e dá outras providências.

Leia mais

Relação Mínima Patrimônio Líquido / Cotas Seniores P.L. Cotas Seniores R$

Relação Mínima Patrimônio Líquido / Cotas Seniores P.L. Cotas Seniores R$ Rio de Janeiro (RJ), 11 de agosto de 2016. À Comissão de Valores Mobiliários CVM Gerência de Registros III Ref.: Relatório Trimestral período encerrado em 30 de junho de 2016. Prezados Senhores, Em conformidade

Leia mais

Análise do financiamento da União destinado às instituições federais de educação superior no Brasil ( )

Análise do financiamento da União destinado às instituições federais de educação superior no Brasil ( ) Análise do financiamento da União destinado às instituições federais de educação superior no Brasil (1995-2008) Cristina Helena Almeida de Carvalho Professora da Faculdade de Educação da Universidade de

Leia mais

FPM - FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS 2015

FPM - FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS 2015 Estudos Técnicos/CNM dezembro de 2015 FPM - FUNDO DE PARTICIPAÇÃO DOS MUNICÍPIOS 2015 O Fundo de Participação dos Municípios (FPM) apresentou um comportamento incerto ao longo desse ano. Tais incertezas

Leia mais

Divulgação de Resultados do 1T10 07 de maio de 2010

Divulgação de Resultados do 1T10 07 de maio de 2010 Divulgação de Resultados do 07 de maio de 2010 Divulgação de Resultados Comentários de abertura Rubens Menin 2 Divulgação de Resultados Destaques Crescimento com margens diferenciadas; Maior operação no

Leia mais

DEMPI Micro, pequena e média

DEMPI Micro, pequena e média LINHAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO ACESSO AO CRÉDITO MICRO, PEQUENAS E MÉDIAS EMPRESAS FIESP - 15/8/14 COMPESCA LINHAS DE FINANCIAMENTO DE LONGO PRAZO AGÊNCIAS DE FOMENTO As agências de fomento são

Leia mais

LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS

LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS FÓRUM POPULAR DO ORÇAMENTO DO RIO DE JANEIRO LEI DA TRANSPARÊNCIA COMO INSTRUMENTO DE FISCALIZAÇÃO DAS CONTAS PÚBLICAS François E. J. de Bremaeker Consultor da Associação Transparência Municipal Gestor

Leia mais

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA

FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA FINANCIAMENTO A INFRAESTRUTURA ADAILTON FERREIRA TRINDADE SUPERINTENDENTE NACIONAL PARA SANEAMENTO E INFRAESTRUTURA Atuação da CAIXA 2 Áreas de Atuação Carteira Ativa por Macrosegmento Saneamento e Infraestrutura

Leia mais

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016

Apoio do BNDES à Infraestrutura. Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 Apoio do BNDES à Infraestrutura Comissão de Obras Públicas, Privatização e Concessões da CBIC Brasília 17 de março de 2016 BNDES Desembolsos do BNDES Infraestrutura representa mais de 1/3 R$ bilhões 168

Leia mais

O Portal da Transparência do Governo Federal. Fevereiro de 2014

O Portal da Transparência do Governo Federal. Fevereiro de 2014 O Portal da Transparência do Governo Federal Fevereiro de 2014 A Controladoria-Geral da União (CGU), criada em 2003, é o órgão do Governo Federal responsável pelo controle interno, pela defesa do patrimônio

Leia mais

Veículos Híbridos e Elétricos: Perspectivas e Atuação do BNDES. Sérgio Schmitt

Veículos Híbridos e Elétricos: Perspectivas e Atuação do BNDES. Sérgio Schmitt Veículos Híbridos e Elétricos: Perspectivas e Atuação do BNDES Sérgio Schmitt 27 de novembro de 2015 1905 Disputa de Padrões ~1900 Vantagens Desvantagens Share ~90mil Vapor Tecnologia Conhecida Não necessitam

Leia mais

Considerações a respeito das receitas e despesas gerais e recursos da educação do estado do Rio de Janeiro

Considerações a respeito das receitas e despesas gerais e recursos da educação do estado do Rio de Janeiro Subseção SEPE - RJ Considerações a respeito das receitas e despesas gerais e recursos da educação do estado do Rio de Janeiro Evolução da Receita Corrente Líquida e das Despesas com Pessoal Desde 2010,

Leia mais

Dinheiro Multiplique-se

Dinheiro Multiplique-se Dinheiro Multiplique-se Por que se preocupar? Por que se preocupar? Basta trabalhar!!! Então, como faço para ganhar ser milionário? Preciso inventar uma nova empresa? 1º passo Você precisa estar alinhado

Leia mais

LEI Nº 023/2005. A CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA, Estado do Paraná, aprova, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte L E I :

LEI Nº 023/2005. A CÂMARA MUNICIPAL DE BOA ESPERANÇA, Estado do Paraná, aprova, e eu, Prefeito Municipal, sanciono a seguinte L E I : LEI Nº 023/2005 SÚMULA: Autoriza a abertura de Credito Adicional Suplementar no valor de R$ 578.400,00 (quinhentos setenta e oito mil e quatrocentos reais), no orçamento da Prefeitura Municipal de Boa

Leia mais

9 meses de gestão Eng. Vinicius Marchese Marinelli

9 meses de gestão Eng. Vinicius Marchese Marinelli 9 meses de gestão Eng. Vinicius Marchese Marinelli Presidente Diárias Funcionários MÊS 2015/2016 2016/2017 VARIAÇÃO VALOR % SETEMBRO 69.383,50 35.110,50-34.273,00-49% OUTUBRO 67.072,00 64.375,00-2.697,00-4%

Leia mais

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor

O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor O Saneamento Ambiental no BNDES: Estratégias de Financiamento ao Setor Vanessa Duarte de Carvalho Deptº de Saneamento Ambiental do BNDES Belo Horizonte, 26 de novembro de 2010 Agenda RESÍDUOS SÓLIDOS BNDES

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES. ABIMAQ fevereiro de 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ fevereiro de 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização

Leia mais

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014

Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Apresentação Institucional Departamento de Bens de Capital - BNDES ABIMAQ 2014 Prioridades BNDES Infraestrutura logística e energética Infraestrutura urbana de saneamento e mobilidade. Modernização da

Leia mais

AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA

AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA 1 AULA 13: ETAPAS E ESTÁGIOS DA DESPESA PÚBLICA João Pessoa 2016 Profª Ma. Ana Karla Lucena aklucenagomes@gmail.com Etapas da Receita e da Despesa Orçamentária 2 As etapas da receita e da despesa são as

Leia mais

Em 25 de janeiro de 2011.

Em 25 de janeiro de 2011. Nota Técnica nº 73/2011/CCONF/STN Em 25 de janeiro de 2011. ASSUNTO: Demonstrativos da Disponibilidade de Caixa e dos Restos a Pagar - Manual de Demonstrativos Fiscais (MDF). - Esclarecimentos sobre o

Leia mais

Relatório Extraordinário. Despesas na Função Legislativo comparadas

Relatório Extraordinário. Despesas na Função Legislativo comparadas PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DO RS FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO, CONTABILIDADE E ECONOMIA SINDICATO DAS EMPRESAS DE SERVIÇOS CONTÁBEIS DO RS Relatório Extraordinário Despesas na Função Legislativo comparadas

Leia mais

Manual de BB +

Manual de BB + Manual de BB + Aluno@net PREZADO ALUNO, A ESAMC possui duas ferramentas de tecnologia à sua disposição: o aluno@net e o blackboard. Este manual explica como você deve utilizar cada uma dessas ferramentas

Leia mais

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 25 - Piemonte Norte do Itapicuru

Caracterização dos Territórios de Identidade Território 25 - Piemonte Norte do Itapicuru Caracterização dos Territórios de Identidade Território 25 - Piemonte Norte do Itapicuru Dados Gerais Quantidade de Área Total (km 2 População Total Densidade ) municípios Demográfica 9 13.766,67 261.941

Leia mais

Teleconferência de Resultados 4T de março de 2016

Teleconferência de Resultados 4T de março de 2016 Teleconferência de Resultados 4T15 22 de março de 2016 Agenda Cenário Setorial Destaques Operacionais Destaques Financeiros 2 Financiamento de Veículos Inadimplência em Financiamentos de Veículos Pessoa

Leia mais

Orçamento e Finanças 2016

Orçamento e Finanças 2016 Orçamento e Finanças 2016 Orçamento O orçamento total do Grupo Hospitalar Conceição é dividido em duas unidades orçamentárias. Na primeira estão os créditos consignados no Orçamento Geral da União - OGU,

Leia mais

Recebimentos Saldos de RP transitados 0, Feder - PO Fatores de Competitividade 0,00

Recebimentos Saldos de RP transitados 0, Feder - PO Fatores de Competitividade 0,00 Direção-Geral da Saúde Gerência de 01-01-2015 a 31-12-2015 Class. Económica Recebimentos Saldo da gerência anterior 857.255,31 Execução Orçamental De dotações orçamentais (OE) 111 - RG não afetas a projetos

Leia mais

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL. Palestrante: Jorge Khalil Miski STN

LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL. Palestrante: Jorge Khalil Miski STN LEI DE RESPONSABILIDADE FISCAL Palestrante: Jorge Khalil Miski STN Operações de crédito no âmbito do RELUZ Jorge Khalil Miski FUNDAMENTOS NORMATIVOS Resolução do Senado Federal nº n 43, de 2001 O art.

Leia mais

Joaquim Alves - Manuela Sarmento - Lisboa, 22 de Fevereiro de 2017

Joaquim Alves - Manuela Sarmento - Lisboa, 22 de Fevereiro de 2017 Joaquim Alves - alves.jjs@gmail.com Manuela Sarmento - manuela.sarmento2@gmail.com Lisboa, 22 de Fevereiro de 2017 Agenda Introdução Organização da Administração Financeira do Exército Prestação de Contas

Leia mais

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA

DEMONSTRATIVO DE RESULTADOS DA AVALIAÇÃO ATUARIAL - DRAA ENTE Nome: Guarujá UF: SP DADOS DO ATUÁRIO RESPONSÁVEL TÉCNICO Nome: Julio Machado Passos MTE: 1275 DADOS DOS ORGÃOS/ENTIDADES CNPJ Nome Poder Tipo Competência da Base Cadastral 44.959.21/1-4 PREFEITURA

Leia mais

Contrato CAD TRF/Prof. Márcio Augusto Data Rubrica Subrubrica Historico Complemento Valor

Contrato CAD TRF/Prof. Márcio Augusto Data Rubrica Subrubrica Historico Complemento Valor Contrato CAD TRF/Prof. Márcio Augusto Data Rubrica Subrubrica Historico Complemento Valor Total de Receitas 140953,95 Total de Despesas 140953,95 Resultado 0 06/10/2011 RECEITA DE CONTRATANTE Receita de

Leia mais

COMUNICADO Nº 04/2015. Aos: Executivos de Associações de Municípios, Prefeitos e Secretários municipais.

COMUNICADO Nº 04/2015. Aos: Executivos de Associações de Municípios, Prefeitos e Secretários municipais. COMUNICADO Nº 04/2015 Aos: Executivos de Associações de Municípios, Prefeitos e Secretários municipais. Referente: Piso Nacional do Magistério. Considerando a nota emitida pelo Ministério da Educação,

Leia mais

PPP do Saneamento Básico. Pioneirismo em parceria tripartite com a iniciativa privada; novo modelo de financiamento para a gestão pública

PPP do Saneamento Básico. Pioneirismo em parceria tripartite com a iniciativa privada; novo modelo de financiamento para a gestão pública PPP do Saneamento Básico Pioneirismo em parceria tripartite com a iniciativa privada; novo modelo de financiamento para a gestão pública Paraty, cidade sem rede de esgoto e água tratada? Patrimônio histórico

Leia mais

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 20 de janeiro de MEMO nº03/2017. Confira as principais responsabilidades!

Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 20 de janeiro de MEMO nº03/2017. Confira as principais responsabilidades! Aos clientes VISÃO CONSULTORIA Tarumã,SP, 20 de janeiro de 2017. MEMO nº03/2017. Assunto: ENCERRAMENTO DO EXERCÍCIO DE 2016. Confira as principais responsabilidades! Prezados (as) Senhores (as): Encerrado

Leia mais

Quanto custa financiar um PNE pra valer?

Quanto custa financiar um PNE pra valer? Quanto custa financiar um PNE pra valer? José Marcelino de Rezende Pinto USP ANPED Campanha Nacional pelo Direito à Educação CEDES Associação Nacional de Pesquisa em Financiamento da Educação - Fineduca

Leia mais

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA.

SUMÁRIO. Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento. SISTEMA TRIBUTÁRIO NACIONAL: PRINCÍPIOS e ESTRUTURA. Conselho Regional de Contabilidade do Estado do Ceará (CRC-CE) SUMÁRIO Introdução Sistema Tributário Nacional como Instrumento de Desenvolvimento Marcelo Lettieri e-mail: marlettieri@gmail.com STN: princípios

Leia mais

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS:

RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: Diário Oficial do Município de Urandi - Bahia Poder Executivo Ano IV Nº 1200 02 de Fevereiro de 2017 RESUMO DO DIÁRIO PUBLICAMOS NESTA EDIÇÃO OS SEGUINTES DOCUMENTOS: LICITAÇÕES RESULTADO DE DISPENSA DE

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMARE

PREFEITURA MUNICIPAL DE SUMARE C.N.P.J. nº 45.787.660/0001-00 Data: 20/12/2011 11:32:53 (Página: 1 / 7) Relação dos empenhos efetuados dia 13 de Dezembro de 2011 02.00.00 - PREFEITURA 02.03.00 - SECRETARIA MUNICIPAL DE SAÚDE 02.03.01

Leia mais

Panorama da Economia Brasileira

Panorama da Economia Brasileira Panorama da Economia Brasileira Nelson Barbosa Secretário de Política Econômica Brasília, 23 de novembro de 2009 1 PRODUÇÃO INDUSTRIAL Índice com ajuste sazonal (jan/2007 = 100) 115 110 110,9 105 101,89

Leia mais

FUNDAÇÃO FAT. Módulo Especial: "Aspectos Econômicos, Financeiros, Contratuais e Legais das Parcerias Público Privadas" TRANSPORTE DE PASSAGEIROS

FUNDAÇÃO FAT. Módulo Especial: Aspectos Econômicos, Financeiros, Contratuais e Legais das Parcerias Público Privadas TRANSPORTE DE PASSAGEIROS FUNDAÇÃO FAT TRANSPORTE DE PASSAGEIROS CURSO INTERATIVO Módulo Especial: "Aspectos Econômicos, Financeiros, Contratuais e Legais das Parcerias Público Privadas" Apresentar por partes a estrutura, o prazo,

Leia mais

IMPACTO DO PISO DOS PSICÓLOGOS

IMPACTO DO PISO DOS PSICÓLOGOS 16 IMPACTO DO PISO DOS PSICÓLOGOS O projeto de Lei n o 3.338/2008 que foi aprovado e está esperando a sanção presidencial, trata sobre a alteração da jornada de trabalho dos psicólogos. O PL altera a Lei

Leia mais

ESTATUTO REMUNERATÓRIO. Conselho de Administração remunerações globais mensais ilíquidas:

ESTATUTO REMUNERATÓRIO. Conselho de Administração remunerações globais mensais ilíquidas: ESTATUTO REMUNERATÓRIO Ao abrigo do artigo 8.º dos Estatutos da CP, aprovados pelo Decreto-Lei n.º 137- A/2009, de 12 de junho, conjugado com o n.º 2 do artigo 28.º do EGP, com a aplicação das regras constantes

Leia mais

Contrato Cedeplar/ABDI Curso Política Industrial Data Rubrica Subrubrica Historico Complemento Valor

Contrato Cedeplar/ABDI Curso Política Industrial Data Rubrica Subrubrica Historico Complemento Valor Contrato Cedeplar/ABDI Curso Política Industrial Data Rubrica Subrubrica Historico Complemento Valor Total de Receitas 85953,5 Total de Despesas 85953,5 Resultado 0 23/02/2012 RECEITA DE CONTRATANTE Receita

Leia mais