A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL I INTRODUÇÃO

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL I INTRODUÇÃO"

Transcrição

1 A REFORMA DA ACÇÃO EXECUTIVA E O REGISTO PREDIAL Armindo Ribeiro Mendes I INTRODUÇÃO 1. Entrou em vigor em 15 de Setembro do corrente ano um conjunto de diplomas que corporiza a chamada Reforma da Acção Executiva. Anunciada pelo anterior Governo, na sua concretização empenhou-se, em primeiro lugar, o anterior Ministro da Justiça ANTÓNIO COSTA. Apesar de ter conseguido aprovar a lei de autorização legislativa no final do ano de 2001, a demissão do Primeiro-Ministro e a convocação de eleições gerais impediram a publicação do decreto-lei da reforma. O novo Governo manteve o propósito de reformar a acção executiva, na linha dos projectos herdados do anterior Executivo, tendo a Ministra da Justiça CELESTE CARDONA conseguido levar a reforma até ao fim, vindo a publicar em 8 de Março de 2003 o Decreto-Lei n.º 38/2003 que procede a uma ampla remodelação do Título III do Livro III do Código de Processo Civil (CPC). 2. A Reforma da Acção Executiva consta, assim, do Decreto-Lei n.º 39/2003 e de diplomas legais e regulamentares subsequentes, em que avultam quatro decretos-leis publicados em 10 de Setembro: Decreto-Lei n.º 199/2003, que altera pontualmente o Decreto-Lei n.º 38/2003; o Decreto-Lei n.º 200/2003 que aprova o modelo de requerimento executivo; o Decreto-Lei n.º 201/2003 que regulamenta o registo informático das execuções instituído e disciplinado pelos novos arts. 806.º e 807.º CPC; por último, o Decreto-Lei n.º 202/2003 que

2 2 estabelece o regime das comunicações por meios telemáticos entre a secretaria judicial e o solicitador de execução, no âmbito das competências a exercer por este último como agente de execução em sede de processo executivo. Dever-se-á ainda acrescentar o Decreto-Lei n.º 204/2003, de 12 de Setembro, que estabelece o regime especial de custas judiciais nas acções executivas. 3. A figura do solicitador de execução aparece prevista no novo art. 808.º, n.º 2 CPC. Trata-se de um solicitador especializado, inscrito na Câmara dos Solicitadores, que se pretende que venha a intervir na maioria das execuções instauradas após 15 de Setembro de 2003, como agente de execução. Só está vedada a sua intervenção nas execuções por custas (art. 808.º, n.º 3, CPC). A regulamentação estatutária do solicitador de execução consta dos arts. 116.º a 131.º do novo Estatuto da Câmara dos Solicitadores, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 88/2003, de 26 de Abril. 4. Não pode deixar de referir-se que esta reforma acabou por entrar em vigor sem que estejam instituídas as estruturas orgânicas especializadas pensadas como factor de êxito da mesma reforma. Faltam, assim, as alterações da legislação judiciária para a criação de juízos de execução e ainda não foram publicados os diplomas sobre criação de secretarias de execução nas comarcas de maior movimento. Apenas em 13 de Setembro de 2003, a Portaria n.º 969/2003 criou uma Secretaria de Execução das Varas Cíveis, Juízos Cíveis e Juízos de Pequena Instância Cível, cujo quadro de pessoal será futuramente fixado. Por outro lado, a circunstância de múltiplos diplomas complementares do Decreto-Lei n.º 38/2003 só terem sido publicados a escassos dias da data da entrada em vigor da Reforma tem contribuído para a instituição de um clima de confusão nos meios forenses, a par do atraso no recrutamento de solicitadores de execução (os primeiros profissionais prestaram juramento no Porto no dia 10 de Setembro do corrente ano).

3 3 5. Avizinha-se, por isso, um período de turbulência e de queixas generalizadas, sendo difícil prever quando estarão plenamente reunidas as condições institucionais pressupostas para garantir uma eficácia mínima dos novos instrumentos executivos. Em todo o caso, a existência de solicitadores de execução na maior parte das comarcas constituirá seguramente um factor de aceleração na execução da Reforma. II IMPLICAÇÕES DA REFORMA DO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL NO REGISTO PREDIAL A)A PENHORA DE IMÓVEIS AS SOLUÇÕES ANTERIORES À REFORMA 6. O art. 1.º do Código do Registo Predial (CRP) Decreto-Lei n.º 224/84, de 6 de Julho, sucessivamente alterado por diversos diplomas legais, o último dos quais é precisamente o Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de Março estatui que o registo predial destina-se essencialmente a dar publicidade à situação jurídica dos prédios, tendo em vista a segurança do comércio jurídico imobiliário. No âmbito da acção executiva, a apreensão de bens efectivada através da penhora carece de publicidade quando estão em causa prédios rústicos ou urbanos, isto é, quando tal penhora incide sobre direitos reais que têm por objecto esses prédios. O mesmo se pode dizer em relação a outros bens registáveis em que a publicidade é assegurada através do registo automóvel, o registo de navios, o registo de aeronaves ou ainda o registo comercial. 7. De facto, no que respeita aos factos sujeitos a registo, pode ler-se no art. 2.º, n.º 1, CRP:

4 4 n) A penhora, o arresto, a apreensão em processo de falência e o arrolamento, bem como quaisquer outros actos ou providências que afectem a livre disposição de bens. Estão igualmente sujeitos a registo predial os factos jurídicos que importem a extinção de direitos, ónus ou encargos registados (art. 2.º, n.º 1, alínea x), do CRP). 8. No que toca à legitimidade para requerer actos de registo, o art. 36.º CRP estabelece que têm legitimidade para pedir o registo os sujeitos activos ou passivos, da respectiva relação jurídica e, em geral, todas as pessoas que nela tenham interesse. Por outro lado, o art. 41.º CRP, sob a epígrafe princípio da instância, estatui: O registo efectua-se a pedido dos interessados em impressos de modelo aprovado, salvo nos casos de oficiosidade previstos na lei. O art. 44.º, n.º 2, CRP impõe que os documentos comprovativos da descrição e do teor da inscrição matricial devem ter sido passados com antecedência não superior a seis meses e a um ano, respectivamente, em relação ao título. 9. Especificamente no que toca ao registo da penhora, a solução tradicional, desde o CPC 1939, era a de o exequente proceder a esse registo com base numa certidão em que se indiquem os nomes do exequente e do executado e a quantia por que se move a execução e se declara que foi ordenada a penhora de determinados prédios. Quando estes estiverem descritos, a identificação

5 5 consistirá na designação dos números respectivos (art. 838.º, 3.º inciso, CPC 1939). A solução passou para o CPC 1961 e manteve-se até à versão do CPC alterada em (art. 838.º, n os. 3 a 5). 10. O art. 58.º CRP regula o cancelamento do registo de penhora, arresto e de outras providências cautelares, nos casos em que a acção já não esteja pendente, estabelecendo, no seu n.º 1, que tal cancelamento se faz com base na certidão passada pelo tribunal competente que comprova essa circunstância e a causa, ou ainda, nos processos de execução fiscal, a extinção ou não existência da dívida à Fazenda Pública. O n.º 2 do art. 58.º CRP prevê que, no caso de venda judicial de bens penhorados ou arrestados, só após o registo da venda é que se podem efectuar os cancelamentos referidos no n.º 1 desse artigo. 11. Deve-se notar-se que, em 1980, o Decreto-Lei 457/80, de 10 de Outubro, deu nova redacção ao art. 907.º CPC, estabelecendo que, após o pagamento do preço e da sisa, na venda executiva de imóveis, seriam oficiosamente mandados cancelar os registos dos direitos reais que caducam, nos termos do n.º 2 do artigo 824.º do Código Civil. Embora parecesse que a nova redacção apontava para um caso de oficiosidade do registo de cancelamento, o entendimento prevalecente no registo predial foi o de que tal cancelamento tinha de ser requerido, nos termos gerais pelo interessado, devendo considerar-se que a oficiosidade referida nesse art. 907.º CPC tinha apenas a ver com o despacho de juiz, não alterando as regras gerais do princípio da instância no registo predial. Aliás, dado o disposto nos arts. 58.º e 101, n.º 5, do CRP dificilmente se poderia sustentar que a oficiosidade se referia ao conservador do registo predial (cfr. J. P. REMÉDIO MARQUES,

6 6 Curso de Processo Executivo Comum à Face do Código Revisto, Coimbra, 2000, págs ). A reforma de acolheu expressamente este entendimento, aditando à redacção a seguinte explicação:...entregando-se ao adquirente certidão do respectivo despacho (art. 888.º CPC). B) AS INOVAÇÕES DO DECRETO-LEI N.º 38/2003 SOBRE REGISTO DA PENHORA DE IMÓVEIS 12. A privatização do processo executivo, que inspira a intervenção dos agentes de execução, em especial dos profissionais liberais que são os solicitadores de execução, obrigou a reformular as soluções tradicionais que remontavam ao CPC Importa notar que a penhora passa a ser levada a cabo pelo agente de execução, desaparecendo o prévio despacho judicial ordenatório da penhora. Assim, o art. 838.º, n.º 1, CPC estabelece que, sem prejuízo de também poder ser feita nos termos gerais do registo predial, a penhora de coisas imóveis realiza-se por comunicação electrónica à conservatória do registo predial competente, a qual vale como apresentação para o efeito da inscrição no registo. Tal significa que o requerimento do registo pode ser feito como até aqui, através de preenchimento de requisição com base numa certidão do auto de penhora passada ou pela secretaria do tribunal, quando o agente de execução seja um funcionário judicial, ou pelo próprio solicitador de execução, ou então através de comunicação electrónica pelo agente de execução, comunicação que vale apresentação e que é anterior ao próprio auto de penhora.

7 7 O art. 838.º, n.º 5, CPC passa a estabelecer que o registo de penhora tem natureza urgente e importa a imediata feitura dos registos anteriormente requeridos sobre o bem penhorado. O n.º 6 deste artigo estabelece, por seu turno, que a apresentação perde eficácia se, no prazo de 15 dias, o exequente, que para o efeito é logo notificado pela conservatória, não pagar o respectivo preparo, ou não o fizer, no mesmo prazo, o agente de execução. O n.º 7 subsequente regula o modo de efectivação dessa notificação: ela é efectuada ao mandatário do exequente, quando este o tenha constituído na execução, sendo a respectiva identificação e domicílio profissional fornecidos à conservatória no acto de comunicação referido no n.º 1. Não é, assim, claro se este registo é lavrado logo, ou se, pelo contrário, se mantém pendente a apresentação com feitura do registo até se mostrar pago o preparo, tornando-se ineficaz a apresentação se o pagamento não for feito no prazo legal. Se o registo for lavrado logo, é questionável se é ou não lavrado como provisório por natureza (aplicação extensiva do art. 92.º, n.º 2, alínea, a)) 13. O Decreto-Lei n.º 38/2003 alterou igualmente a redacção do art. 48.º CRP. O n.º 1 deste artigo passa a estatuir o seguinte: O registo de penhora pode ser feito oficiosamente, com base em comunicação electrónica do agente de execução condicionada, sob pena de caducidade, ao pagamento do respectivo preparo, no prazo de 15 dias, após a notificação do exequente para o efeito; tem natureza urgente, importando a imediata feitura das inscrições pendentes Procurando interpretar conjuntamente o art. 838.º, n.º 1, CPC e o art. 48.º, n.º 1, CRP, parece resultar que há duas formas de proceder ao registo da penhora de imóveis:

8 8 - a forma tradicional que é a requisição do acto pelo exequente ou seu mandatário forense, com base em certidão do auto de penhora passada pelo tribunal (ao que parece, pela secretaria ou pelo próprio solicitador de execução quando esta exerça as funções de agente de execução), procedendo-se ao preparo emolumentar, nos termos gerais; - a forma alternativa que é a comunicação electrónica à conservatória feita oficiosamente pelo agente de execução. Tal comunicação vale apresentação, mas o registo feito na sequência dela, de forma urgente, é precário, ficando a sua vigência dependente do pagamento do preparo no prazo de 15 dias, após a notificação ao mandatário do exequente, quando constituído. 14. Parece que a forma alternativa só será possível quando seja tecnologicamente viável e esteja regulada a comunicação electrónica entre agentes de execução e conservatórias, à semelhança do que se passa com as comunicações entre solicitadores de execução e as próprias secretarias judiciais (cfr. Decreto-Lei n.º 202/2003). De facto, a noção de comunicação electrónica é uma inovação em relação aos anteprojectos elaborados pelo XIV Governo Constitucional (Ministro ANTÓNIO COSTA), visto que, então, a feitura do registo de penhora se baseava numa mera comunicação do solicitador de execução, não havendo então qualquer referência à feitura alternativa do registo nos termos gerais do registo predial (cfr. arts. 862.º, n.º 1, do articulado de 31 de Agosto de 2001 e 862.º, n.º 1 do articulado de Janeiro de 2002, publicado in Ministro de justiça Gabinete de Política Legislativa e Planeamento Reforma de Acção Executiva, pág. 52, e A Reforma da Acção Executiva Trabalhos Preparativos, vol. 3.º, pág. 164, respectivamente). Acrescente-se que a noção de comunicação electrónica parece ser sinónima de correio electrónico, não abrangendo a telecópia (vejam-se os arts. 150.º e 176.º do Código de Processo Civil, a Portaria n.º 1178-E/2000, de 15 de Dezembro, e o Decreto-Lei n.º

9 9 202/2003, de 10 de Setembro). A telecópia não oferece garantias de genuinidade do texto e identificação do emitente compararia com as do correio electrónico. Na forma alternativa de registo, parece preferível a solução técnica constante do art. 48.º, n.º 1, CRP: não é a apresentação que perde eficácia, mas o registo que caduca por não verificação da condição (não pagamento do preparo em certo prazo condição suspensiva de eficácia do registo). Nessa medida, crêse que o registo deverá até ser publicado o regime de comunicação electrónica ser requerido ou pela parte ou seu mandatário ou mesmo pelo solicitador de execução, sendo acompanhado a requisição do necessário documento matricial e do auto de penhora, se já estiver lavrado. C) O CANCELAMENTO DO REGISTO DA PENHORA SOBRE IMÓVEIS 15. O art. 888.º CPC passa a ter a seguinte redacção: Após o pagamento do preço e do imposto devido pela transmissão, o agente de execução promove o cancelamento dos registos dos direitos reais que caducam nos termos do n.º do artigo 824.º do Código Civil e não sejam de cancelamento oficioso pela conservatória. Diferentemente do que sucede com o registo da penhora, com duas formas alternativas de efectivação, o cancelamento agora, no caso de venda executiva, passa a ser diligenciado pelo agente de execução, sem prévio despacho judicial. O agente de execução não é obrigado a juntar ao requerimento o correspondente documento matricial, atento o disposto no n.º 3 do art. 48.º CRP agora aditado (o

10 10 documento matricial apresentado para o registo da penhora vale para o registo de venda e, ao que tudo indica, para o registo de cancelamento dos ónus e encargos). Se o levantamento da penhora decorrer da procedência da oposição à execução ou à própria penhora, o correspondente cancelamento de registo depende da necessária decisão judicial. O levantamento da penhora decorrente de paragem da execução por negligência do exequente durante o prazo de 6 meses pressupõe um despacho judicial (arts. 847.º CPC e 58.º CRP). Poderá ainda haver levantamento da penhora decorrente de decisão judicial (por exemplo, rejeição da execução art. 820.º, n.º 2, vários casos de substituição do objecto da penhora ou a substituição por caução - arts. 825, n.º 3, 828.º, n.º 4, 834.º, n.º 3, a), 834.º, n.º 5, CPC). Nestes casos, a requisição do registo de cancelamento deve ser instruída com a necessária certidão do despacho judicial que ordene o cancelamento. O art. 48.º, n.º 2, CRP, na nova redacção introduzida pelo DL 38/2003, estabelece que o registo provisório da aquisição por venda em processo judicial, quando a lei dispense o adquirente do depósito da totalidade do preço, é feito com base em certidão comprovativa da identificação do adquirente, do objecto e do depósito da parte do preço exigida. Parece que só com a conversão desse registo em definitivo é que pode proceder-se ao cancelamento de ónus e encargos (art. 58.º, n.º 2, CRP). 16. A norma do art. 888.º aparece nas disposições gerais sobre venda executiva. Quando o CPC regula a venda mediante propostas em carta fechada, trata de adjudicação do bem vendido e do seu registo no novo art. 900.º Importará ainda referir que o Decreto-Lei nº 38/203 passou a prever uma terceira modalidade de venda de imóveis, a venda em estabelecimento de leilões, mas afigura-se que tal modalidade não terá autonomia em termos de forma do

11 11 acto jurídico, pressupondo sempre a venda por escritura pública, após a escolha do adquirente através do processo de leilões (art. 906º, nº 3). No art. 900º do CPC diz-se que, mostrando-se integralmente pago o preço e satisfeitas as obrigações fiscais inerentes à transmissão, os bens são adjudicados e entregues ao proponente ou preferente, emitindo o agente de execução o título de transmissão a seu favor, no qual se identificam os bens, se certifica o pagamento do preço ou a dispensa do depósito do mesmo e se declara o cumprimento ou a isenção das obrigações fiscais, bem como a data em que os bens foram adjudicados. E, depois, o n.º 2 do art. 900.º estatui o seguinte: Seguidamente, o agente de execução comunica a venda ao conservador do registo predial competente, o qual procede ao respectivo registo e, oficiosamente, ao cancelamento das inscrições relativas aos direitos que tenham caducado com a venda, aplicando-se, com as necessárias adaptações, os n os 1, 2, 6 e 7 do artigo 838.º. Importa notar que, na venda executiva na modalidade de venda por proposta em carta fechada, o registo de aquisição é obrigatório e oficioso, a ele se procedendo mediante comunicação do agente de execução. Por força da remissão para o regime do art. 838.º CPC, tal registo de aquisição e restantes cancelamentos de inscrições são precários, caducando se não houver pagamento dos emolumentos devidos no prazo legal. Resta saber se é a apresentação que se torna definitivamente ineficaz (cfr. art. 838, n.º 6, após a rectificação deste número), se é o registo que caduca, como atrás se referiu. Como deixa de haver despacho judicial de cancelamento de ónus e encargos, é ao conservador que cabe proceder ao cancelamento oficioso de todas as inscrições que devam caducar nos termos do art. 824.º, n.º 2, por exemplo, hipotecas ou penhoras anteriores ou posteriores à penhora decretada na execução onde foi feita a referida venda.

12 Há, assim, dois regimes de venda executiva de imóveis que importa distinguir claramente para melhor compreender a regulamentação em matéria de registo predial: (a) o regime da venda por propostas em carta fechada; (b) o regime de venda por negociação particular (incluindo, a venda em estabelecimento de leilões art. 906.º, n.º 3 CPC). O primeiro é o sucedâneo da anterior venda judicial (por propostas em carta fechada, já que deixou de haver, em processo civil e a partir de 1997, a venda por arrematação em hasta pública). Neste caso, as propostas são abertas na presença do juiz (art. 893.º, n.º 1 CPC), mas a decisão sobre a aceitação das propostas não depende em regra da decisão do próprio juiz. É o agente de execução que lavra o auto de abertura e aceitação de propostas (art. 899.º). À maior solenidade da venda corresponde um regime oficioso de registo dessa venda e de cancelamento dos encargos (art. 900.º), após a emissão do título de transmissão. O agente de execução comunica a venda ao conservador, cabendo a este, oficiosamente, a cancelamento das inscrições. Deve notar-se que nos anteprojectos elaborados pelo Ministro ANTÓNIO COSTA, o conservador do registo predial era a entidade que presidia à venda executiva sendo lógico que lhe coubesse oficiosamente proceder oficiosamente ao cancelamento dos registos dos direitos que haviam caducado pela venda (art. 919.º do Anteprojecto de Janeiro de 2002). O segundo regime de venda por negociação particular decorre fora do tribunal (cfr. arts 904.º e 905.º), com designação de um mandatário para outorgar na venda notarial, podendo esse mandatário ser um mediador imobiliário ou até o solicitador de execução, neste último caso desde que haja acordo de todos os credores (incluindo, claro, o exequente) e sem oposição do executado. O preço tem de ser pago antes de venda. A venda do imóvel em que

13 13 tinha sido, ou esteja sendo, feita construção urbana ou de fracção de prédio urbano pode efectuar-se no estado em que se encontre, com dispensa de licença de utilização ou de construção, cuja falta de apresentação o notário fará consignar na escritura, constituindo ónus do adquirente a respectiva legalização (art. 905.º, n.º 6). Neste caso, para efeitos de registo do acto e de cancelamento dos ónus ou encargos rege o regime geral do art. 888.º - o cancelamento dos registos de direitos reais que caducam nos termos do n.º 2 do art. 824.º do Código Civil e não sejam de cancelamento oficioso pela Conservatória é diligenciado pelo agente de execução. 18. Não é clara a aparente diferenciação de regimes para as duas modalidades de venda executiva de imóveis. O art. 824.º, n.º 2, do Código Civil estatui, como se sabe, que os bens vendidos em execução são transmitidos livres dos direitos de garantia que os onerarem, bem como dos demais direitos reais que não tenham registo anterior ao de qualquer arresto, penhora ou garantia, com excepção dos que, constituídos em data anterior, produzam efeitos em relação a terceiros independentemente dos registo. Embora este artigo seja de difícil interpretação (cfr. nomeadamente LEBRE DE FREITAS, A Acção Executiva à Luz do Código Revisto, 2.ª ed., 1997, págs ; TEIXEIRA DE SOUSA, Acção Executiva Singular, 1998, págs. 385 e segs.), parece seguro que todas as garantias reais, anteriores ou posteriores à penhora, caducam, tal como as próprias penhoras registadas sobre o imóvel. Os problemas mais complicados podem surgir quanto aos direitos reais de gozo com registo anterior ao de qualquer arresto, penhora ou garantia, mas não vale a pena estar a dissecar as várias hipóteses que são algo académicas. Na prática, o solicitador de execução deverá promover o cancelamento dos direitos reais de gozo que devam caducar, devendo todas as garantias

14 14 (anteriores e posteriores) ser, oficiosamente canceladas pelo conservador por força da lei (art. 824.º, n.º 2, do Código Civil). Neste sentido, o Conselheiro AMÂNCIO FERREIRA sustenta que o agente de execução deve promover o cancelamento dos registos de actos posteriores à penhora feridos de ineficácia relativa, desde que documentados na execução, a fim de a situação do bem transmitido, em termos de inscrições registrais, corresponder à realidade jurídica (Curso de Processo de Execução, 4.ª ed., 2003, pág. 323). 19. Infelizmente, a dualidade de regimes deixa dúvidas ao intérprete, importando dilucidá-las à medida que a aplicação da reforma se for estabilizando. Parece-nos, em todo o caso, que não deve haver uma diferença acentuada de regimes, entendendo-se que o agente de execução tem legitimidade e tem obrigação de diligenciar pelo cancelamento dos direitos reais, de gozo ou de garantia, que devem caducar, nos termos do art. 824.º, n.º 2, do Código Civil, enumerado-os na sua comunicação e, eventualmente, fazendo constar essa enumeração do auto de abertura e aceitação de propostas previsto no art. 899.º do CPC. Seja como for e apesar de um entendimento contrário prevalecente no domínio dos cultores do registo predial parece que os conservadores deverão passar agora a proceder oficiosamente ao cancelamento de todos os direitos reais de garantia, quer constituídos anteriormente à penhora relevante no processo onde se fez a venda, quer posteriormente (incluindo as subsequentes penhoras noutros processos cfr. art. 871.º CPC), não podendo refugiar-se na ideia de que o cancelamento oficioso só deve abranger os ónus e encargos posteriores à penhora, invocando a eventualidade de anulação de venda em casos como os do art. 864.º, n.º 10, CPC (anteriormente a 2003, n.º 3 do mesmo artigo). Neste

15 15 sentido se pronunciam no direito anterior, por exemplo, TEIXEIRA DE SOUSA (ob cit, págs ) e J.P. REMÉDIOS MARQUES (ob cit, pág. 415), embora considerando indispensável, a luz da versão do CPC agora revogada, a emissão de certidão com o necessário despacho judicial (art. 888.º, antiga redacção). Maiores dificuldades se revestirá seguramente o cancelamento de inscrições de direitos reais de gozo que devam caducar. Pena foi que o legislador processual não tivesse sido mais preciso nesta matéria, tanto mais que não foi alterada a redacção do n.º 5 do art. 101.º CRP. D) O REGISTO DA PENHORA DE CRÉDITOS COM GARANTIA REAL SOBRE IMÓVEIS 20. Neste caso, tem de observar-se o disposto no art. 856.º CPC. A penhora pressupõe a notificação do devedor do crédito penhorado, devendo essa notificação fazer-se com as formalidades da citação pessoal. O averbamento ao registo de hipoteca ou consignação é feito a requerimento do exequente ou a solicitação do agente de execução, com base em certidão da notificação ao devedor (art. 856.º, n.º 6) E) CONCLUSÃO 21. Infelizmente, são mais as dúvidas do que as certezas em relação à concatenação entre as normas agora revistas do CPC e o disposto no CRP. Acreditamos que só através de uma alteração legislativa será possível eliminar muitas das dúvidas referidas.

16 16 Até lá, ter-se-á de proceder com bom senso, privilegiando, na medida do possível, os instrumentos próprios do registo predial, os quais não parecem ter sido totalmente levados em conta pelo legislador do Processo Civil.

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07

Decreto-Lei n.º 111/2005, de 08/07 Contém as alterações dos seguintes diplomas: DL n.º 33/2011, de 07/03 DL n.º 99/2010, de 02/09 DL n.º 247-B/2008, de 30/12 DL n.º 318/2007, de 26/09 DL n.º 125/2006, de 29/06 DL n.º 76-A/2006, de 29/03

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos.

DELIBERAÇÃO. Do despacho de recusa foi interposto recurso hierárquico, cujos termos aqui se dão por integralmente reproduzidos. Pº R.P. 16/2008 SJC-CT- Registo de hipoteca legal nos termos do artº 195º do CPPT Título Suficiência Despacho do Chefe de Serviço de Finanças competente que a requerimento do executado autorize a substituição

Leia mais

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT

P.º R. P. 301/04 DSJ-CT P.º R. P. 301/04 DSJ-CT - Registo de hipoteca legal por dívidas à Segurança Social sobre bens dos gerentes da sociedade devedora. Documentos instrutórios : certidão comprovativa da dívida e cópia autenticada

Leia mais

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES

828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES 828 Diário da República, 1. a série N. o 20 29 de Janeiro de 2007 MINISTÉRIO DAS OBRAS PÚBLICAS, TRANSPORTES E COMUNICAÇÕES Portaria n. o 138/2007 Manda o Governo, pelo Secretário de Estado Adjunto, das

Leia mais

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA

AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA AGILIZAÇÃO DOS PROCEDIMENTOS DE PENHORA Carla Mascarenhas 16 de Abril de 2009 A fase de penhora PROGRAMA Consultas e diligências prévias Ordem da realização da penhora Procedimento da penhora de bens Imóveis

Leia mais

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- P.º R. P. 22/2009 SJC-CT- Averbamento de rectificação da descrição quanto à área, fundado em erro de medição. Enquadramento do respectivo pedido na previsão legal do artigo 28.º-C do CRP ou no processo

Leia mais

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho

REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL. Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho (Não dispensa a consulta do Diário da República) REGULAMENTO DO REGISTO COMERCIAL Portaria 657-A/2006, de 29 de Junho CAPÍTULO I Suporte e processo de registo SECÇÃO I Suportes de registo Artigo 1.º Instrumentos

Leia mais

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA

8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA 8500-(38) Diário da República, 1. a série N. o 242 19 de Dezembro de 2006 MINISTÉRIO DA JUSTIÇA Portaria n. o 1416-A/2006 de 19 de Dezembro O Decreto-Lei n. o 76-A/2006, de 29 de Março, aprovou um vasto

Leia mais

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL

( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL ( Até às alterações do Decreto-Lei n.º 20/2008, de 31 de Janeiro) REGISTO AUTOMÓVEL Artigo 1.º 1 - O registo de veículos tem essencialmente por fim dar publicidade à situação jurídica dos veículos a motor

Leia mais

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho

MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA. Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho MINISTÉRIO DA ADMINISTRAÇÃO INTERNA Decreto-Lei n.º 128/2006 de 5 de Julho O n.º 1 do artigo 117.º do Código da Estrada, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 114/94, de 3 de Maio, na última redacção que lhe foi

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Acórdãos STA Processo: 0715/09 Data do Acordão: 18-11-2009 Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Tribunal: Relator: Descritores: Sumário: 2 SECÇÃO JORGE LINO PENHORA GARANTIA REAL REGISTO TERCEIRO

Leia mais

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira

Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira 1/13 Decreto-Lei n.º 149/95, de 24 de Junho, Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira JusNet 40/1995 Link para o texto original no Jornal Oficial (DR N.º 144, Série I-A, 24 Junho 1995;

Leia mais

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados,

Circular nº 24/2015. Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. 17 de Junho 2015. Caros Associados, Circular nº 24/2015 17 de Junho 2015 Assunto: Lei nº. 41/2015, de 3 de Junho. Caros Associados, 1. Foi publicado no Diário da República, 1ª. Série, nº. 107, de 3 de Junho de 2015, a Lei nº. 41/2015, de

Leia mais

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL

O NOVO CÓDIGO DO PROCESSO CIVIL Nº 52 Setembro de 2013 Direcção: Pedro Costa Azevedo Colaboração: Rui Ferreira d Apresentação Sara Félix No início deste mês, entrou em vigor o novo Código do Processo Civil, diploma estrutural da vida

Leia mais

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em:

Assim, não há lugar a despacho liminar, nem a citação prévia do executado nas execuções baseadas em: Decreto-Lei n.º 38/2003, de 8 de março A revisão do Código de Processo Civil operada pelo Decreto-Lei n.º 329-A/95, de 12 de dezembro, e pelo Decreto-Lei n.º 180/96, de 25 de setembro, complementada pelo

Leia mais

Regime jurídico do contrato de locação financeira

Regime jurídico do contrato de locação financeira Regime jurídico do contrato de locação financeira www.odireitodigital.com REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA Decreto-Lei n.º 149/95 de 24 de Junho. - Altera o regime jurídico do contrato

Leia mais

1. Legislação Aplicável

1. Legislação Aplicável VAI COMPRAR CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! Compra e venda é o contrato pelo qual se transmite a propriedade de uma coisa ou outro direito, mediante um preço Art.º 874.º do Código Civil 1. Legislação

Leia mais

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO

REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO REGULAMENTO DO COLÉGIO DA ESPECIALIDADE DE URBANISMO PREÂMBULO CAPÍTULO I - DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Objecto Artigo 2.º Princípios Artigo 3.º Finalidades Artigo 4.º Atribuições Artigo 5.º Relações

Leia mais

2- Com o devido respeito, esta é uma falsa questão. Senão vejamos:

2- Com o devido respeito, esta é uma falsa questão. Senão vejamos: Pº CP 3/06 DSJ-CT: Desjudicialização - Processo especial de justificação - Acção declarativa comum para reconhecimento do direito de propriedade - Competência material dos julgados de paz CONSULTA: Parecer

Leia mais

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO

CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO CÓDIGOS REGIME JURÍDICO DO CONTRATO DE LOCAÇÃO FINANCEIRA TERMOS DE DISPONIBILIZAÇÃO E DE UTILIZAÇÃO A selecção dos textos legislativos disponibilizados no sitio Home Page Jurídica (www.euricosantos.pt)

Leia mais

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial.

No Site do Instituto de Registos e Notariado (www.irn.mj.pt) poderão obter se os Contactos dos Serviços de Registo Predial. VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

Última actualização em 01/05/2007

Última actualização em 01/05/2007 Portaria n.º 1416-A/2006 de 19 de Dezembro. - Regula o regime da promoção electrónica de actos de registo comercial e cria a certidão permanente, Ministério da Justiça, S.I 2º Suplemento, DR n.º 242, p.

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS

PRESIDÊNCIA DO CONSELHO DE MINISTROS Diário da República, 1. a série 4765 da CPLP, incluindo a República de Angola, tenham depositado na sede da CPLP, junto ao seu Secretariado Executivo, os respectivos instrumentos de ratificação ou documentos

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS

REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS REGULAMENTO E TABELA DE TAXAS E LICENÇAS PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou o regime das taxas das Autarquias Locais e determina que o regulamento de taxas tem obrigatoriamente que

Leia mais

Nos termos da alínea a) do Nº 1 do artigo 198º da Constituição, o Governo decreta o seguinte:

Nos termos da alínea a) do Nº 1 do artigo 198º da Constituição, o Governo decreta o seguinte: Das neue Gesetzesdekret über das Sofortunternehmen Decreto-Lei Nº 111/2005 de 8 de Julho O desenvolvimento da competitividade da economia portuguesa é uma prioridade fundamental do XVII Governo Constitucional.

Leia mais

Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho

Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho Decreto-Lei n.º 122/2005 de 29 de Julho O Decreto-Lei n.º 142/2000, de 15 de Julho, aprovou o regime jurídico do pagamento dos prémios de seguro. Com a publicação deste diploma, procurou alcançar-se um

Leia mais

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO

Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Regulamentos REGULAMENTO DE PROPINAS DA UPORTO Aprovado pelo Conselho Geral da UPorto em 26 de Fevereiro de 2010 Alterado pelo Conselho Geral da UPorto em 18 de Março de 2011 Ao abrigo da Lei n.º 37/2003,

Leia mais

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009

Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Modelos artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 Implementação de actos específicos para cumprimento do disposto no artigo 15ºA da Portaria 331-B/2009 de 30 de Março. Proposta de modelos para SISAAE/GPESE e

Leia mais

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA

ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA (Até às alterações do Decreto Lei n.º 38/2003, de 08 de Março) ARBITRAGEM VOLUNTÁRIA CAPÍTULO I Artigo 1.º Convenção de arbitragem 1 - Desde que por lei especial não esteja submetido exclusivamente a tribunal

Leia mais

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE

FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Câmara dos Solicitadores Colégio de Especialidade de Agentes de Execução Número 6/2012 Data: 06/03/2012 FICHA INFORMATIVA SISAAE/GPESE Descrição: Comunicações com os tribunais e actualização estatística

Leia mais

Conciliação para empresas em dificuldades

Conciliação para empresas em dificuldades Conciliação para empresas em dificuldades Em vez de recorrer aos tribunais, uma empresa com dificuldades em cumprir as suas obrigações pode recorrer ao procedimento extrajudicial de conciliação, através

Leia mais

Lei dos Formulários dos Diplomas

Lei dos Formulários dos Diplomas CÓDIGOS ELECTRÓNICOS DATAJURIS DATAJURIS é uma marca registada no INPI sob o nº 350529 Lei dos Formulários dos Diplomas (1998) Todos os direitos reservados à DATAJURIS, Direito e Informática, Lda. É expressamente

Leia mais

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa

PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS. Nota justificativa PROJECTO DE REGULAMENTO MUNICIPAL DE VENDA DE LOTES DE TERRENO PARA AS NOVAS ZONAS E LOTEAMENTOS INDUSTRIAIS Nota justificativa A criação de novas Zonas e loteamentos Industriais tem como principal finalidade

Leia mais

Avaliação do Pessoal docente

Avaliação do Pessoal docente Avaliação do Pessoal docente Decreto Regulamentar nº 10/2000 de 4 de Setembro BO nº 27, I série Página 1 de 9 Decreto Regulamentar nº 10/2000 de 4 de Setembro BO nº 27, I série A revisão do sistema de

Leia mais

Documento Metodológico

Documento Metodológico Documento Metodológico Registo Predial ( Modelo 287 Mapa de actividade mensal) Código: 502 Versão: 1.0 Introdução O Registo Predial destina-se essencialmente a dar publicidade à situação jurídica dos prédios,

Leia mais

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I

DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90. EMISSOR : Ministério das Finanças. DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I DIPLOMA/ACTO : Decreto-Lei n.º 125/90 EMISSOR : Ministério das Finanças DATA : Segunda-feira, 16 de Abril de 1990 NÚMERO : 88/90 SÉRIE I PÁGINAS DO DR : 1808 a 1810 Decreto-Lei n.º 125/90, de 16 de Abril

Leia mais

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011)

REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) Junta de Freguesia de Guadalupe REGULAMENTO E TABELA GERAL DE TAXAS DA FREGUESIA DE GUADALUPE (Aprovado em Reunião ordinária a 26 de Abril de 2011) PREÂMBULO A Lei nº 53-E/2006, de 29 de Dezembro, aprovou

Leia mais

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público

DIRETIVA n.º 3/2014. Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público DIRETIVA n.º 3/2014 Novo Regime Jurídico do Processo de Inventário. A intervenção do Ministério Público A entrada em vigor do Regime Jurídico do Processo de Inventário, aprovado pela Lei n.º 23/2013, de

Leia mais

Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956

Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956 Decreto-Lei n.º 45942 Convenção para a cobrança de alimentos no estrangeiro, concluída em Nova Iorque em 20 de Junho de 1956 Usando da faculdade conferida pela 2.ª parte do n.º 2.º do artigo 109.º da Constituição,

Leia mais

Última actualização em 01/03/2007

Última actualização em 01/03/2007 Decreto-Lei n.º 149/95 de 24 de Junho. - Altera o regime jurídico do contrato de locação financeira, Ministério das Finanças, S.I-A, DR n.º 144, p. 4091-4094 alterado pelo Decreto-Lei n.º 265/97 de 2 de

Leia mais

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE!

VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! VAI PERMUTAR A SUA CASA? PRESTE ATENÇÃO AO SEGUINTE! As normas da compra e venda são aplicáveis aos outros contratos onerosos pelos quais se alienam bens ou se estabeleçam encargos sobre eles, na medida

Leia mais

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação.

Resumo. Sentença Declaratória pode ser executada quando houver o reconhecimento de uma obrigação. 1. Execução Resumo A Lei 11.232/05 colocou fim à autonomia do Processo de Execução dos Títulos Judiciais, adotando o processo sincrético (a fusão dos processos de conhecimento e executivo a fim de trazer

Leia mais

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO

ACTA DE REUNIÃO DE TRABALHO NOME José Henrique Delgado Carvalho Teresa Maria de Melo Madail Manuel Nunes Ferreira Fernando J. F. Brites Maria Manuela Araújo Novais Estrela Celeste Simões Agentes de Execução INTERVENIENTES FUNÇÃO

Leia mais

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO

DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO Delegação de Viana do Castelo Direcção de Finanças de Viana do Castelo DERROGAÇÃO DE SIGILO BANCÁRIO CONFERÊNCIA jesuinoamartins@gmail.com 04.06.2015 Atribuições da AT No conjunto das actividades desenvolvida

Leia mais

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas:

Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: (Não dispensa a consulta do Diário da República) Notas: I - A presente portaria encontra-se atualizada de acordo com os seguintes diplomas: - Portaria nº 562/2007, de 30 de abril; - Portaria nº 1256/2009,

Leia mais

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa.

GUIA COMPRA DE CASA. Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. GUIA COMPRA DE CASA Comprar casa, nova ou usada, é sempre uma tarefa complexa. O BPI sintetizou algumas informações que o ajudarão a tomar a melhor decisão. 1 - Quais os custos a considerar na escolha

Leia mais

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça

Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Lei Orgânica da Provedoria de Justiça Decreto-Lei n.º 279/93, de 11 de Agosto (alterado pelo Decreto Lei N.º15/98, de 29 de Janeiro) (alterado pelo Decreto-Lei n.º 195/2001, de 27 de Junho) (alterado pelo

Leia mais

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010

PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 PRESIDÊNCIA DO GOVERNO REGIONAL Resolução do Conselho do Governo n.º 107/2010 de 14 de Julho de 2010 O Programa Estagiar, nas suas vertentes L, T e U, dirigido a recém-licenciados e mestres, recém-formados

Leia mais

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com

PT PRIME - Soluções Empresariais de Telecomunicações e Sistemas, S.A., pessoa colectiva nº 502 840 757, com Prime Soluções Empresariais SEDE: Rua de Entrecampos, 28, 1749-076 Lisboa Nº de Pessoa Colectiva 502 M 757 - N' de Matricula 08537 C.R.C.L Capital Social de EUR.; 30 000 000. I/ -I- CONTRATO DE PRESTAÇÃO

Leia mais

Diário da República, 1.ª série N.º 251 30 de Dezembro de 2008 9187. Por outro lado, o Decreto -Lei n.º 116/2008, de 4 de. Portaria n.

Diário da República, 1.ª série N.º 251 30 de Dezembro de 2008 9187. Por outro lado, o Decreto -Lei n.º 116/2008, de 4 de. Portaria n. Diário da República, 1.ª série N.º 251 30 de Dezembro de 2008 9187 Por outro lado, o Decreto -Lei n.º 116/2008, de 4 de Julho, aprovou diversas medidas de simplificação, desmaterialização e desformalização

Leia mais

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73

2.º SUPLEMENTO II SÉRIE ÍNDICE. Ministério da Educação e Ciência PARTE C. Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 II SÉRIE Quinta-feira, 12 de abril de 2012 Número 73 ÍNDICE 2.º SUPLEMENTO PARTE C Ministério da Educação e Ciência Gabinetes do Secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar e da Secretária

Leia mais

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1)

O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) 1/9 O Princípio da hierarquia dos planos e efeitos da aprovação de um Plano Regional Num Plano Municipal (1) Susana Alcina Ribeiro Pinto Docente da Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Felgueiras

Leia mais

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS

MUNICIPIO DE REDONDO NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS NORMAS DE ALIENAÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL DE REDONDO - 2ª FASE CAPÍTULO I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Âmbito de aplicação O presente documento tem por objetivo o estabelecimento das regras e condições

Leia mais

Ministério dos Petróleos

Ministério dos Petróleos Ministério dos Petróleos Decreto Executivo nº 197/08 de 16 de Setembro Considerando a necessidade do estabelecimento de disposições relativas ao estatuto das entidades inspectoras das redes e ramais de

Leia mais

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT-

Pº R.P.135 136 /2009 SJC-CT- Pº R.P.135 e 136 /2009 SJC-CT- (Im)possibilidade legal de incluir a cláusula de reversão dos bens doados em contrato de partilha em vida. DELIBERAçÃO Relatório 1. Os presentes recursos hierárquicos vêm

Leia mais

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados

Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados Regime Jurídico das Obras em Prédios Arrendados A Lei n.º 6/2006, de 27 de Fevereiro, aprovou o Novo Regime do Arrendamento Urbano (NRAU), dando resposta à necessidade, por todos sentida, de reformar profundamente

Leia mais

AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA. Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011

AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA. Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011 AS RESTRIÇÕES JUDICIAIS FACE ÀS TRANSMISSÕES DA PROPRIEDADE IMOBILIÁRIA Telma Lúcia Sarsur Outubro de 2011 Para conceituarmos restrição judicial, há de se definir restrição, que é limitação imposta ao

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA

CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA CÂMARA MUNICIPAL DE MOURA Regulamento de Estágio para Ingresso nas Carreiras do Grupo de Pessoal Técnico Superior, Técnico e de Informática do Quadro de Pessoal da Câmara Municipal de Moura PREÂMBULO Publicado

Leia mais

marise.morais@mj.gov.cv jorge.pires@mj.gov.cv

marise.morais@mj.gov.cv jorge.pires@mj.gov.cv Após um período de reflexão e estudos no seio de uma equipa constituída para o efeito, o Ministério da Justiça disponibiliza as versões dos anteprojectos dos códigos do Registo Predial e do Notariado.

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Regime jurídico que regulamenta a compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção Actualmente em Macau, designa-se geralmente por compra e venda de fracções autónomas de edifícios em construção

Leia mais

DELIBERAÇÃO. Relatório:

DELIBERAÇÃO. Relatório: P.º n.º R. P. 234/2007DSJ-CT:Contrato de arrendamento comercial incidente sobre parte de prédio urbano, com duração superior a seis anos - Sua registabilidade. DELIBERAÇÃO Relatório: 1 Em 28 de Setembro

Leia mais

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL

REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL NOTA INFORMATIVA REGIME EXTRAORDINÁRIO DE PROTECÇÃO DE DEVEDORES DE CRÉDITO À HABITAÇÃO EM SITUAÇÃO ECONÓMICA MUITO DIFÍCIL Fruto da forte pressão social que se foi fazendo junto do Governo e de várias

Leia mais

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas

OTOC - Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas Normas Interpretativas No âmbito dos poderes que estatutáriamente lhe são conferidos, a Direcção da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, tendo em consideração as questões colocadas pelos órgãos da Câmara

Leia mais

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho

REGISTO COMERCIAL. Isabel Quinteiro. Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho REGISTO COMERCIAL Isabel Quinteiro Adjunta da Conservadora na Conservatória do Registo Predial e Comercial de Montemor-o-Velho Outubro de 2010 Introdução IRN, IP É um instituto público integrado na administração

Leia mais

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil

TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO. Artigo 1.º Alteração ao Código Civil TEXTO FINAL DOS PROJECTOS DE LEI N.ºS 486/X e 509/X ALTERAÇÕES AO REGIME JURÍDICO DO DIVÓRCIO Artigo 1.º Alteração ao Código Civil Os artigos 1585.º, 1676.º, 1773.º, 1774.º, 1775.º, 1776.º, 1778.º, 1778.º-A,1779.º,

Leia mais

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho

Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Lei n.º 40/99 de 9 de Junho Assegura a informação e consulta dos trabalhadores em empresas ou grupos de empresas transnacionais e regula a instituição de conselhos de empresa europeus ou de procedimentos

Leia mais

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL

FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL FATURAS E OUTROS DOCUMENTOS COM RELEVÂNCIA FISCAL Controlo da emissão e comunicação Comunicação dos inventários Incentivo fiscal DECRETO-LEI N.º 198/2012, DE 24 DE AGOSTO Estabelece medidas de controlo

Leia mais

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT-

P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- P.º R. P. 80/2009 SJC-CT- Obrigação de registar Determinação do momento relevante para efeitos do cumprimento da obrigação de registar relativamente a acto cujo registo é promovido por via electrónica,

Leia mais

EMPRESAS. Contrato de Sociedade n.º 588/2005 de 15 de Abril de 2005 SALDO ACTIVO CONSULTORIA PARA OS NEGÓCIOS E GESTÃO DOS AÇORES, LDA.

EMPRESAS. Contrato de Sociedade n.º 588/2005 de 15 de Abril de 2005 SALDO ACTIVO CONSULTORIA PARA OS NEGÓCIOS E GESTÃO DOS AÇORES, LDA. EMPRESAS Contrato de Sociedade n.º 588/2005 de 15 de Abril de 2005 SALDO ACTIVO CONSULTORIA PARA OS NEGÓCIOS E GESTÃO DOS AÇORES, LDA. Conservatória do Registo Comercial de Ponta Delgada. Matrícula n.º

Leia mais

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações)

ESCOLA DE CONDUÇÃO INVICTA (Fases do Processo de Contra-Ordenações) FASES DO PROCESSO DE CONTRA ORDENAÇÕES Auto de Notícia Menciona os factos constitutivos da infracção, o dia, a hora, o local e as circunstâncias desta. É levantado pelo agente de autoridade. Notificação

Leia mais

INFORMÁTICA JURÍDICA

INFORMÁTICA JURÍDICA INFORMÁTICA JURÍDICA REGISTO AUTOMÓVEL ON-LINE 6ª Sessão Carla de Sousa Advogada 1º Curso de Estágio 2011 1 Enquadramento Legal Código de Registo Automóvel, alterado pelos: Regulamento do Registo Automóvel

Leia mais

Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar. Regulamento

Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar. Regulamento Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar Regulamento junho de 2011 Regulamento de Venda de Lotes na Zona Industrial de Almodôvar Projeto aprovado por Deliberação da Câmara Municipal,

Leia mais

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1.

DECRETO N.º 265/XII. A Assembleia da República decreta, nos termos da alínea c) do artigo 161.º da Constituição, o seguinte: Artigo 1. DECRETO N.º 265/XII Aprova o regime de concessão de crédito bonificado à habitação a pessoa com deficiência e revoga os Decretos-Leis n.ºs 541/80, de 10 de novembro, e 98/86, de 17 de maio A Assembleia

Leia mais

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro

Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro DECRETO N.º 369/X Autoriza o Governo a alterar o Estatuto da Câmara dos Técnicos Oficiais de Contas, aprovado pelo Decreto-Lei n.º 452/99, de 5 de Novembro A Assembleia da República decreta, nos termos

Leia mais

Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro. Artigo 28.º Remissões

Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro. Artigo 28.º Remissões CÓDIGO DO IMPOSTO MUNICIPAL SOBRE IMÓVEIS (CIMI) (Substitui o Código da Contribuição Autárquica) (Aprovado pelo Decreto-Lei n.º 287/2003, de 12 de Novembro) Nota: A contribuição autárquica considera-se

Leia mais

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS

COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS Validade Válido JURISTA MARTA ALMEIDA TEIXEIRA ASSUNTO COMPETÊNCIAS E FUNCIONAMENTO DOS ÓRGÃOS AUTÁRQUICOS QUESTÃO A autarquia pretende que a CCDR LVT se pronuncie relativamente à possibilidade de existência

Leia mais

Freguesia de Requião

Freguesia de Requião Freguesia de Requião Regulamento e Tabela de Taxas e Licenças Ano de 2014 Em conformidade com o disposto nas alíneas d) e f), nº 1 do artigo 9º, conjugada com a alínea h) do nº 1 do artigo 16º, da Lei

Leia mais

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa

Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Relatório de análise sobre uma queixa relacionada com omissão administrativa Parte I: Assunto * 1. A Associação Novo Macau apresentou, em 11 de Setembro de 2012, uma queixa ao Comissariado contra a Corrupção

Leia mais

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES.

TRATADO DE BUDAPESTE SOBRE O RECONHECIMENTO INTERNACIONAL DO DEPÓSITO DE MICRORGANISMOS PARA EFEITOS DO PROCEDIMENTO EM MATÉRIA DE PATENTES. Resolução da Assembleia da República n.º 32/97 Tratado de Budapeste sobre o Reconhecimento Internacional do Depósito de Microrganismos para Efeitos do Procedimento em Matéria de Patentes, adoptado em Budapeste

Leia mais

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE

ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE ESCOLA DE DIREITO DA UNIVERSIDADE DO MINIJO CURSO DE DIREITO CADEIRA OPCIONAL RECURSOS E PROCESSOS ESPECIAIS ANO LECTIVO 2005-2006 5º ANO 2º SEMESTRE 6 de Junho de 2006 Nome: N.º Leia atentamente as questões

Leia mais

FICHA DOUTRINÁRIA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º.

FICHA DOUTRINÁRIA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º. FICHA DOUTRINÁRIA Diploma: Artigo: Assunto: RITI - CIVA 16º; 14º; 1º; 3º; 8º; 23º; 30º - 1º; 2º; 5º; 6º; 20º. Operações Triangulares Falsas Triangulares Localização de operações Aquisições Intracomunitárias

Leia mais

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL

MINISTÉRIO DO TRABALHO E DA SOLIDARIEDADE SOCIAL 6910 Diário da República, 1.ª série N.º 187 25 de Setembro de 2009 Artigo 110.º Entrada em vigor 1 O presente decreto -lei entra em vigor no dia seguinte ao da sua publicação. 2 O certificado de conformidade

Leia mais

As modalidades de contrato de trabalho admissíveis na administração local são: Contrato de trabalho com termo resolutivo: certo ou incerto;

As modalidades de contrato de trabalho admissíveis na administração local são: Contrato de trabalho com termo resolutivo: certo ou incerto; 10. PESSOAL A Lei n.º 12-A/2008, de 27 de Fevereiro, veio estabelecer os regimes de vinculação, de carreiras e de remunerações dos trabalhadores que exercem funções públicas. A relação jurídica de emprego

Leia mais

Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento

Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Prestação de serviços de promoção, informação e apoio aos consumidores e utentes através de centros telefónicos de relacionamento Comentário da APRITEL 17 de Março de 2009 APRITEL comentarios DL23-2009

Leia mais

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo:

Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo. Acordam na Secção do Contencioso Tributário do Supremo Tribunal Administrativo: Acórdãos STA Acórdão do Supremo Tribunal Administrativo Processo: 01351/13 Data do Acordão: 25-09-2013 Tribunal: 2 SECÇÃO Relator: CASIMIRO GONÇALVES Descritores: Sumário: Nº Convencional: JSTA000P16246

Leia mais

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas

Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Regulamento Municipal de Apoio às Actividades Desportivas Preâmbulo A Câmara Municipal de Nordeste tem vindo a apoiar ao longo dos anos de forma directa e organizada toda a actividade desportiva no concelho

Leia mais

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL LIGEIRA

MUNICÍPIO DE CONDEIXA-A-NOVA REGULAMENTO MUNICIPAL DE ATRIBUIÇÃO DE LOTES DA ZONA INDUSTRIAL LIGEIRA NOTA JUSTIFICATIVA 1º-O presente Regulamento, tem como principal objectivo compilar as alterações a que a versão inicial foi sujeita e expurgá-lo de algumas dificuldades de leitura e interpretação que

Leia mais

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei

B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas. Projecto de Proposta de Lei Sociedades Desportivas Análise do regime jurídico e fiscal B) Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal das sociedades desportivas Projecto de Proposta de Lei Regime fiscal específico das sociedades desportivas

Leia mais

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada

ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada ESTATUTOS DA COOPERATIVA ANTÓNIO SÉRGIO PARA A ECONOMIA SOCIAL Cooperativa de Interesse Público de Responsabilidade Limitada Artigo 1.º Denominação A cooperativa de interesse público adopta a denominação

Leia mais

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ

CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ CÂMARA MUNICIPAL DA LOUSÃ Regulamento das Taxas e Preços Municipais Nota justificativa A disciplina legal atinente à matéria das taxas a cobrar pelas autarquias locais encontra-se plasmada na Lei que estabelece

Leia mais

Encontra-se consagrado no artigo 408º do Código Civil português, o

Encontra-se consagrado no artigo 408º do Código Civil português, o XV Congresso Internacional de Direito Registral Fortaleza, Novembro de 2005 II tema: Regularização fundiária Breves notas sobre os procedimentos legais conducentes à primeira inscrição, no registo predial

Leia mais

O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS

O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS O NOVO REGIME JURÍDICO DA ATIVIDADE DA CONSTRUÇÃO Ivone Nobre 29 de setembro de 2015 ORDEM DOS ADVOGADOS Índice I Qual a extensão da nova lei (em número de artigos), face à anterior? II Quem pode ser titular

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL

REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL REGULAMENTO INTERNO DO INSTITUTO DE SEGUROS DE PORTUGAL CAPITULO I Disposições Gerais Artigo 1º Denominação e natureza O Instituto de Seguros de Portugal, designado abreviadamente por ISP, é uma pessoa

Leia mais

2- Está prevista formação para os avaliadores externos?

2- Está prevista formação para os avaliadores externos? ADD algumas questões O Conselho das Escolas na sequência da reunião hoje ocorrida com o Senhor Diretor Geral da Administração Escolar e dois Assessores dos Senhores Secretários de Estado, sobre a operacionalização

Leia mais

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas:

Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006. Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Prática Processual Civil II 7 Julho de 2006 Considere a hipótese seguinte e responda às questões colocadas: Numa acção executiva baseada em sentença proferida em 20/01/2006 (que julgou a acção totalmente

Leia mais

EDIFÍCIO P/ ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS

EDIFÍCIO P/ ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS VENDA ATRAVÉS DE LEILÃO PÚBLICO NAS INSTALAÇÕES DA GAIP 24/08/2015 ÀS 15h00 vendas@gaip.pt 300 500 072 EDIFÍCIO P/ ORGANIZAÇÃO DE EVENTOS BENAVENTE Valor Base Licitação 1.122.352,94 Insolvência de Fandango

Leia mais

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL

GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL GUIA PRÁTICO LICENCIAMENTO DA ATIVIDADE DOS ESTABELECIMENTOS DE APOIO SOCIAL INSTITUTO DA SEGURANÇA SOCIAL, I.P ISS, I.P. Departamento/Gabinete Pág. 1/15 FICHA TÉCNICA TÍTULO Guia Prático Licenciamento

Leia mais

REAL PPR Condições Gerais

REAL PPR Condições Gerais Entre a, adiante designada por Segurador, e o Tomador do Seguro identificado nas Condições Particulares, estabelece-se o presente contrato de seguro que se regula pelas Condições Particulares e desta apólice,

Leia mais

REGULAMENTO EMOLUMENTAR DOS REGISTOS E NOTARIADO

REGULAMENTO EMOLUMENTAR DOS REGISTOS E NOTARIADO (Até às alterações do DL n.º 116/2008, de 04 de Julho) REGULAMENTO EMOLUMENTAR DOS REGISTOS E NOTARIADO CAPÍTULO I Princípios e normas gerais de interpretação Artigo 1.º Tributação emolumentar 1 - Os actos

Leia mais