Sistemas Operativos 2005/2006. Arquitectura Cliente-Servidor Aplicada A Uma Biblioteca. Paulo Alexandre Fonseca Ferreira Pedro Daniel da Cunha Mendes

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Sistemas Operativos 2005/2006. Arquitectura Cliente-Servidor Aplicada A Uma Biblioteca. Paulo Alexandre Fonseca Ferreira Pedro Daniel da Cunha Mendes"

Transcrição

1 Sistemas Operativos 2005/2006 Arquitectura Cliente-Servidor Aplicada A Uma Biblioteca Turma 3EIC3 Grupo 5 Paulo Alexandre Fonseca Ferreira Pedro Daniel da Cunha Mendes

2 O trabalho efectuado, consiste numa aplicação que permita simular o funcionamento do sistema de pesquisa, requisição e devolução de livros de uma biblioteca assim como a sua manutenção. Esta aplicação funciona segundo um modelo cliente-servidor e é constituída por três programas: um servidor multithreader, que atende todos os pedidos dos utilizadores da biblioteca(uma thread por cada pedido) e dois programas-clientes, um que permite aos utilizadores comuns consultarem os livros existentes e procederem à respectiva requisição/devolução dos mesmos e um administrador de sistema. (executar algumas tarefas de manutenção e fazer shutdown do sistema). O programa teve como objectivo proporcionar a familirização com a programação de sistema, em ambiente Unix/Linux, envolvendo o desenvolvimento de aplicações multiprocesso e a utilização de diversos mecanismos de comunicação e de sincronização entre processos/threads.

3 ! "# #$ #

4 Utilizamos a arquitectura sugerida pelo guião da pagina da disciplina, explicando-a esquematicamente na figura seguinte: Servidor activo? Sim Apresentar Menu e esperar por opção do utilizador Recebe opção do Utilizador e envia a mesma para o servidor através do FIFO criado por este Não (Após 3 segundos) Servidor activo? Sim Servidor Recebe opção e cria thread com a opção desejada User/Admin Inicializado Handler s inicializados Ligação ao FIFO Opção Escolhida foi de Shutdown? Nao Não (Após 3 segundos) Ou Activa Handler de BrokenPipe Sim, Grava nova Informação Nos ficheiros e Espera Que todos os seus Threads Terminem através de um Join Servidor Inicializado, Carrega Ficheiros, se tiverem conteudos gravaos para estruturas na memoria e espera pedidos de User/Admin. Cria o FIFO de comunicação Thread Cria FIFO dedicado com o cliente(utilizando um pid do pedido) e responde com uma estrutura de resposta e se for caso disso actualiza dados em memória Admin\User Recebe resposta do Servidor através do FIFO dedicado e Apresenta-a no Ecrâ do cliente Volta a Pedir um nova, opção ao utilizador, reiniciando o processo Nao Servidor Terminado? Sim

5 %& O desenvolvimento do programa total relativo à Arquitectura Cliente-Servidor de uma Biblioteca, os programas a implementar (server, user e admin), os quais têm como base a utilização de FIFOs (um de pedido e outro de resposta que fazem a comunicação entre o programa servidor e os programas clientes), está resumidamente explicado no esquema. Começando pelo programa server (multithread), o qual atenderá todos os pedidos dos programas clientes da Biblioteca, este lança um thread que executa o pedido e envia a resposta ao cliente, de seguida. Para haver esta comunicação entre cliente-servidor é necessário a criação de dois tipos de estruturas: RequesitoTipo1, (pedido) e Resposta_tipo (resposta); que serão comuns aos três programas. Neste programa, são também criadas mais três estruturas: Livros, Utilizadores e Livro_Utilizador. Nestas estruturas estarão contidas as características relativas aos clientes (identificador e nome), livros (identificador, título, autores, nº de exemplares e numero de exemplares requisitados) e operações sobre os livros (designação: requisição/devolução, identificador do livro e do cliente e data). Segue-se a inicialização dos threads para cada pedido, assim como dos arrays dinâmicos que vão conter cada estrutura e os seus mutex s. São criadas as funções (threads) relativas às operações acedidas por um utilizador comum ou por um admin. A thread register_client faz o registo de cada utilizador, recebendo uma nova estrutura do cliente atribuindo-lhe o seu identificador (sequencial) e abre um FIFO dedicado com o programa a comunicar baseado no PID mandado pelo cliente (por exemplo se o PID for o 775 o caminho do FIFO dedicado seria /temp/ans775 ) envia a estrutura de resposta ao cliente com a mensagem de sucesso de registo o nome e o identificador. De seguida, é criada a função aknowledge_shutdown, a qual responde ao pedido de shutdown. Cria-se aqui a threads de procura de livros, recebendo como parâmetro a estrutura livro: search_book, search_all_book tal como as funções de requisição e devolução de livros, request_book e deliver_book, respectivamente. Nestas duas são pedidos os identificadores do livro e do utilizador, sendo usados os arrays relativos às estruturas Books e BookUser; em ambas existe uma condição que verifica a existência de exemplares de dado livro e os identificadores do mesmo e do cliente. Também foi implementada a thread de search_all_users que recebe como parâmetro a estrutura utilizadores e utiliza o array de estruturas utilizador. Esta tal como a thread search_all_books manda para o cliente o numero de utilizadores\livros existentes no

6 total (para que o cliente saiba exactamente quantas estruturas necessita de escutar), e envia todas as estruturas para o cliente. A thread que adiciona um novo livro aos já existentes: add_book, a qual recebe uma estrutura Livro e adiciona-a no array de estruturas Books. A thread que lista a informação de um determinado livro, list_book, é requerida logo de seguida; esta apresenta a informação de um livro identificado pelo título. Na função principal (main), existe um ciclo do While cuja variável de terminação é dada por uma flag shutdown, que apenas é accionada por pedido do administrador. Dentro do ciclo existe um switch case, que através da escuta do main FIFO recebe os opcodes de cada programa executando os serviços(threads), pedidos. Este antes de terminar espera que as threads lançadas por ele terminem através da utilização de um join que percorre o vector que contêm os endereços de todas as threads e só depois se termina. Quanto aos programas cliente, user e admin: contêm o menu de interacção com o utilizador, fazendo o tratamento dos opcodes recebidos do utilizador (convertendo opções inexistentes em,-1 voltando a pedir um novo opcode). As opções também são geridas com switch case que converte o opcode recebido pelo utilizador no opcode desejado para executar o serviço no servidor. Enviam então o opcode convertido para o servidor e ficam à escuta de uma resposta através do FIFO dedicado com o PID do pedido. Assim cada programa cliente possui as opções de operações do menu, que são pedidas ao servidor e executadas por este, obtendo mais tarde estes mesmos programas a resposta da execução. Caso por alguma razão o servidor crashe, todos os reads aos FIFOS são testados com um handler alarme, que caso fique à escuta mais de 3 segundos é disparado e termina o programa. Caso o servidor seja terminado pelo administrador e ainda existam clientes a efectuar operações, o sinal de broken pipe é tratado por um handler que avisa o utilizador que o Servidor foi desligado. O utilizador têm então as seguintes funcionalidades registar-se, procurar livros por titulos, requisitar, devolver livros, listar todos os livros existentes, listar todos os utilizadores existentes. O administrador pode adicionar novos livros listar a informação sobre os livros (vendo por exemplo se se encontram registados ou não), listar todos os livros existentes, listar todos os utilizadores existentes e encerrar o programa servidor, fazendo shutdown, gravando assim todas as operações efectuadas desde o momento que este foi ligado. A inserção/load de ficheiros é feita pelo servidor, respectivamente no inicio e no fim deste.

7 São também utilizados mutexes, de maneira a proteger os vectores globais que são utilizados pelos vários threads, que efectuam os serviços. Todas as pesquisas e modificações feitas nestes arrays ficam então protegidos de entrarem em conflito uns com os outros.

8 Testes e resultados Os testes e resultados obtidos são bastante satisfatórios, correspondendo na totalidade ao que foi proposto. Seguem-se em baixo screenshots do programa em funcionamento. Figura 1: Menu do Administrador

9 ~ Figura 2: Visualização do servidor

10 Figura 3 : Visualização do menu do Utilizador Comum

11 Figura 4: Exemplo de uma Listagem de todos os livros

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0

Sistemas Operativos - 2005/2006. Trabalho Prático v1.0 Instituto Politécnico de Viseu Escola Superior de Tecnologia de Viseu Engenharia de Sistemas e Informática Sistemas Operativos - 2005/2006 Trabalho Prático v1.0 Introdução O presente trabalho prático visa

Leia mais

Fault Tolerance Middleware for Cloud Computing

Fault Tolerance Middleware for Cloud Computing Sistemas Distribuídos e Tolerância a Falhas Fault Tolerance Middleware for Cloud Computing Docente: Prof. Drª Paula Prata 2010-2011 Universidade da Beira Interior Paula Freire M3841 Tiago Machado M3863

Leia mais

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23 Realizado por: Fábio Rebeca Nº6 Iuri Santos Nº8 Telmo Santos Nº23 1 Tutorial de instalação e partilha de ficheiros na Caixa Mágica Índice Índice... 1 Introdução... 2 Material que iremos utilizar... 3 Instalação

Leia mais

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile

Redes de Acesso Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Telefone VoIP WiFi baseado em Windows Mobile Trabalho realizado pelos alunos: Grupo 17 Índice A Introdução...3 B Objectivos...3 C Especificações, Desenvolvimento e Testes...3 C.1 Especificações...3 C.2

Leia mais

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23

Realizado por: Fábio Rebeca Nº6. Iuri Santos Nº8. Telmo Santos Nº23 Realizado por: Fábio Rebeca Nº6 Iuri Santos Nº8 Telmo Santos Nº23 1 Tutorial de instalação e partilha de ficheiros no Ubuntu Índice Índice... 1 Introdução... 2 Material que iremos utilizar... 3 Instalação

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

Programação de Sistemas

Programação de Sistemas Programação de Sistemas Introdução aos modelos de comunicação Programação de Sistemas Modelos de comunicação :1/19 Introdução (1) Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência

Leia mais

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012

PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Departamento de Engenharia Electrotécnica PROGRAMAÇÃO DE MICROPROCESSADORES 2011 / 2012 Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores 1º ano 2º semestre Trabalho Final Reservas de viagens

Leia mais

.Net Remoting Pizzaria

.Net Remoting Pizzaria .Net Remoting Pizzaria 1º Trabalho Prático Tecnologias de Distribuição e Integração 4º Ano do Mestrado Integrado em Engenharia Informática e Computação João Carlos Figueiredo Rodrigues Prudêncio ei07111@fe.up.pt

Leia mais

LEIC/LERC 2012/13 2º Teste de Sistemas Operativos 15/Janeiro/2013

LEIC/LERC 2012/13 2º Teste de Sistemas Operativos 15/Janeiro/2013 Número: Nome: LEIC/LERC 2012/13 2º Teste de Sistemas Operativos 15/Janeiro/2013 Identifique todas as folhas. Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Justifique todas as respostas. Duração: 1h30m

Leia mais

Aleph 18.01 Manual de utilização do módulo de circulação e empréstimos

Aleph 18.01 Manual de utilização do módulo de circulação e empréstimos Aleph 18.01 Manual de utilização do módulo de circulação e empréstimos Elaborado por: Amélia Janeiro e Ana Cosmelli SDUL 2008 Índice Apresentação... 3 1. Gestão de leitores... 5 1.1 Pesquisa de leitores...

Leia mais

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011

ZS Rest. Manual Profissional. BackOffice Mapa de Mesas. v2011 Manual Profissional BackOffice Mapa de Mesas v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 2 3. Iniciar ZSRest Backoffice... 3 4. Confirmar desenho de mesas... 4 b) Activar mapa de mesas... 4 c) Zonas... 4 5. Desenhar

Leia mais

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores

Trabalhos Práticos. Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores Trabalhos Práticos Programação II Curso: Engª Electrotécnica - Electrónica e Computadores 1. Objectivos 2. Calendarização 3. Normas 3.1 Relatório 3.2 Avaliação 4. Propostas Na disciplina de Programação

Leia mais

Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL

Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL OBJECTIVOS Reconhecer alguns dos objectos VBA Automatizar bases de dados recorrendo à programação VBA e scripts SQL O objecto DOCMD Este objecto permite o acesso a todas as operações sobre todos os objectos

Leia mais

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados

Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Tarefa Orientada 2 Criar uma base de dados Objectivos: Criar uma base de dados vazia. O Sistema de Gestão de Bases de Dados MS Access Criar uma base dados vazia O Access é um Sistema de Gestão de Bases

Leia mais

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador

Acronis Servidor de Licença. Manual do Utilizador Acronis Servidor de Licença Manual do Utilizador ÍNDICE 1. INTRODUÇÃO... 3 1.1 Descrição geral... 3 1.2 Política de licenças... 3 2. SISTEMAS OPERATIVOS SUPORTADOS... 4 3. INSTALAR O SERVIDOR DE LICENÇA

Leia mais

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET

WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET MANUAL DO UTILIZADOR WEBSITE DEFIR PRO WWW.DEFIR.NET 1. 2. PÁGINA INICIAL... 3 CARACTERÍSTICAS... 3 2.1. 2.2. APRESENTAÇÃO E ESPECIFICAÇÕES... 3 TUTORIAIS... 4 3. DOWNLOADS... 5 3.1. 3.2. ENCOMENDAS (NOVOS

Leia mais

EXCEL. Listas como Bases de Dados

EXCEL. Listas como Bases de Dados Informática II Gestão Comercial e da Produção EXCEL Listas como Bases de Dados (TÓPICOS ABORDADOS NAS AULAS DE INFORMÁTICA II) Curso de Gestão Comercial e da Produção Ano Lectivo 2002/2003 Por: Cristina

Leia mais

Instituto Superior Técnico MEEC/MEAR. Programação de Sistemas

Instituto Superior Técnico MEEC/MEAR. Programação de Sistemas Instituto Superior Técnico MEEC/MEAR Programação de Sistemas António Grilo Renato Matias Rui Gustavo Crespo Antonio DOT Grilo AT inov DOT pt rms AT comp DOT ist DOT utl DOT pt rgc AT comp DOT ist DOT utl

Leia mais

XD 2013 - Fase B - Novas Implementações

XD 2013 - Fase B - Novas Implementações XD 2013 - Fase B - Novas Implementações Novas funcionalidades - Fichas Técnicas Foram implementadas Fichas Técnicas na Ficha de Artigos para que os clientes possam já começar a organizar o seu sistema

Leia mais

(ou seja, boas praticas de programação orientada a objetos devem ser empregadas mesmo se não foram explicitamente solicitadas)

(ou seja, boas praticas de programação orientada a objetos devem ser empregadas mesmo se não foram explicitamente solicitadas) PC-2 / LP-2 2009/2 Lista 2 Prof. Alexandre Sztajnberg Em todos os exercícios a(o) aluna(o) deve, além de atender aos requisitos enunciados, utilizar os conceitos e características de orientação a objetos

Leia mais

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC

Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC Perguntas e Respostas via WebCast Roadshow Mais PHC 2009 O novo SNC PERGUNTAS VIA WEB CAST: Dado que vamos ter necessariamente durante o período de transição que efectuar lançamentos manuais na contabilidade,

Leia mais

Web Browser como o processo cliente. Servidor web com páginas estáticas Vs. Aplicações dinâmicas para a Web:

Web Browser como o processo cliente. Servidor web com páginas estáticas Vs. Aplicações dinâmicas para a Web: Web Browser como o processo cliente Servidor web com páginas estáticas Vs Aplicações dinâmicas para a Web: 1 Cliente Web browser HTTP porto 80 Servidor web... JDBC RMI XML... Base de Dados Aplicação em

Leia mais

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos.

Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. 1. Introdução aos Sistemas de Bases de Dados Uma Base de Dados é uma colecção de dados partilhados, interrelacionados e usados para múltiplos objectivos. O conceito de base de dados faz hoje parte do nosso

Leia mais

Bases de Dados II Engª. Informática + Ensino Informática

Bases de Dados II Engª. Informática + Ensino Informática Introdução SQL SERVER hugomcp@di-ubi.pt, 2004 Arranque do MS SQLServer UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR Departamento de Informática Bases de Dados II Engª. Informática + Ensino Informática Pode-se usar o

Leia mais

Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) R. P. António Viera, 23. R. Carlos Seixas, 9, 6º

Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) R. P. António Viera, 23. R. Carlos Seixas, 9, 6º Pesquisa Pesquisa: localização de um Registo num Ficheiro (para aceder ao registo: ler/alterar informação) Ficheiro (ou tabela) Campos Nome Endereço Telefone Antunes, João A. R. P. António Viera, 23 720456

Leia mais

A300 / A30 / A20 / A10 MANUAL DE UTILIZADOR

A300 / A30 / A20 / A10 MANUAL DE UTILIZADOR A300 / A30 / A20 / A10 MANUAL DE UTILIZADOR TELEMAX Telecomunicações e Electrónica, Lda Rua Barão de Forrester, 784 4050-272 Porto Rua da Venezuela, 57 A/B, 1500-618 Lisboa Tlf: (+351) 222085025 / (+351)

Leia mais

Desenvolvimento de Sistema de Software

Desenvolvimento de Sistema de Software Desenvolvimento de Sistema de Software Grupo 5 Abel Matos 51776 João Amorim 51771 João Guedes 51755 Luís Oliveira 51801 Pedro Reis 51829 Introdução Neste relatório, realizado no âmbito da primeira fase

Leia mais

Internet e Email no Akropole. Internet e Email no Akropole

Internet e Email no Akropole. Internet e Email no Akropole Internet e Email no Akropole Internet e Email no Akropole O Akropole tira proveito da ligação à internet, podendo efectuar várias operações de maior valia, com ou sem intervenção directa do utilizador.

Leia mais

Portal AEPQ Manual do utilizador

Portal AEPQ Manual do utilizador Pedro Gonçalves Luís Vieira Portal AEPQ Manual do utilizador Setembro 2008 Engenharia Informática - Portal AEPQ Manual do utilizador - ii - Conteúdo 1 Introdução... 1 1.1 Estrutura do manual... 3 1.2 Requisitos...

Leia mais

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação...

Introdução... 3. 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... Índice Introdução... 3 1ª Parte - Acesso à Aplicação Avaliação Online... 4 I Aceder à Aplicação... 4 1. Inscrição... 4 2. Acesso à Aplicação... 4 II Entrada na Aplicação... 5 1. Informações... 6 1. Avaliação

Leia mais

Um sistema SMS 1 simplificado

Um sistema SMS 1 simplificado 1 Introdução Um sistema SMS 1 simplificado Projecto de Redes de Computadores I - 2007/2008 LEIC IST, Tagus Park 10 de Setembro de 2007 Pretende-se com este projecto que os alunos implementem um sistema

Leia mais

1 2 3 W O R K S H O P 4 5 6 W O R K S H O P 7 W O R K S H O P 8 9 10 Instruções gerais para a realização das Propostas de Actividades Para conhecer em pormenor o INTERFACE DO FRONTPAGE clique aqui 11 CONSTRUÇÃO

Leia mais

Manual de Utilizador do SABI

Manual de Utilizador do SABI Manual de Utilizador do SABI 1) Pesquisa O software do SABI permite ao utilizador realizar pesquisas de acordo com diversos tipos de critérios: Nome Nº. Contribuinte Localização (País ou região do país).

Leia mais

Manual de Boas Práticas na Utilização Laboratorial. Manual de Boas Práticas Na Utilização Laboratorial

Manual de Boas Práticas na Utilização Laboratorial. Manual de Boas Práticas Na Utilização Laboratorial Manual de Boas Práticas Na Utilização Laboratorial Índice 1. Utilização de máquinas virtuais... 3 1.1. Manuseamento da máquina virtual Windows... 5 2. Sabe que pode utilizar a projecção em simultâneo com

Leia mais

Grupo I [4v] executaprograma();

Grupo I [4v] executaprograma(); Número: Nome: LEIC/LERC 2012/13-1º Exame de Sistemas Operativos 15/Janeiro/2013 Identifique todas as folhas. Responda no enunciado, apenas no espaço fornecido. Justifique todas as respostas. Duração: 2h30m

Leia mais

Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software

Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software Manual do utilizador Copyright 2007 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Windows é uma marca comercial registada da Microsoft Corporation

Leia mais

Manual do GesFiliais

Manual do GesFiliais Manual do GesFiliais Introdução... 3 Arquitectura e Interligação dos elementos do sistema... 4 Configuração do GesPOS Back-Office... 7 Utilização do GesFiliais... 12 Outros modos de utilização do GesFiliais...

Leia mais

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico

Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Sistema Operativo em Ambiente Gráfico Criação e eliminação de atalhos Para criar atalhos, escolher um dos seguintes procedimentos: 1. Clicar no ambiente de trabalho com o botão secundário (direito) do

Leia mais

QNAP Surveillance Client para MAC

QNAP Surveillance Client para MAC QNAP Surveillance Client para MAC Chapter 1. Instalar o QNAP Surveillance Client 1. Clique duas vezes em "QNAP Surveillance Client V1.0.1 Build 5411.dmg". Após alguns segundos, é exibida a seguinte imagem.

Leia mais

Engenharia de Software

Engenharia de Software Engenharia de Software Objectivos Indicação onde são utilizados os computadores Primeiro programa em C++ Etapas básicas do desenvolvimento de programas Projecto centrado nos objectos Classes e programação

Leia mais

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI

UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Gestor de Listas de Distribuição de Emails versão: 0.9.1 Nelson Rodrigues DSI 20-07-2010 ÍNDICE: Introdução... 3 Definição de Mailing List... 3 Grupos de endereços

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Monitor de Publicidade. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Monitor de Publicidade. v2011 Manual Avançado Monitor de Publicidade v2011 1. Índice 2. INTRODUÇÃO... 2 3. HARDWARE... 3 1 4. DEFINIÇÃO... 4 b) Definição dos monitores... 4 c) Definições ZSRest... 4 d) Aspecto Monitor... 5 i. Sim 5

Leia mais

Arquitetura de Sistemas Operativos

Arquitetura de Sistemas Operativos Arquitetura de Sistemas Operativos Sistemas Operativos 2011/2012 1 Introdução Os sistemas operativos implementam mecanismos que asseguram independência entre processos (i.e., a execução de um processo

Leia mais

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server

Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Utilizar o Cisco UC 320W com o Windows Small Business Server Esta nota de aplicação explica como implementar o Cisco UC 320W num ambiente do Windows Small Business Server. Índice Este documento inclui

Leia mais

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534

Seu manual do usuário NOKIA 6630 http://pt.yourpdfguides.com/dref/381534 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a no manual do usuário (informação,

Leia mais

Processos e Threads (partes I e II)

Processos e Threads (partes I e II) Processos e Threads (partes I e II) 1) O que é um processo? É qualquer aplicação executada no processador. Exe: Bloco de notas, ler um dado de um disco, mostrar um texto na tela. Um processo é um programa

Leia mais

ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS

ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS ROUTER BANDA LARGA SEM FIOS 11N 300MBPS Manual de Instalação Rápida DN-70591 INTRODUÇÃO DN-70591 é um dispositivo conjunto de rede com fios/sem fios destinado especificamente para as necessidades de pequenas

Leia mais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 4 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Threads Threads são linhas de execução dentro de um processo. Quando um processo é criado, ele tem uma única linha de execução, ou thread. Esta

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023

DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 GRUPO 10. Vítor Martins 47121. Rui Fonseca 47081. David Barbosa 47076. Ricardo Boas 47023 DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS SOFTWARE FASE 1 David Barbosa 47076 Ricardo Boas 47023 Rui Fonseca 47081 Vítor Martins 47121 GRUPO 10 2009/2010 1 Índice 1. Introdução... 2 1.1 Visão Geral do Problema... 2

Leia mais

Índice. Manual do programa Manage and Repair

Índice. Manual do programa Manage and Repair Manual do programa Manage and Repair Índice 1 Menu Ficheiro... 3 1.1 Entrar como... 3 1.2 Opções do utilizador... 3 2 Administração... 5 2.1 Opções do Programa... 5 2.1.1 Gerais (1)... 5 2.1.2 Gerais (2)...

Leia mais

icq http://www.uarte.mct.pt sobre o programa... ... pag.. 8 e 9 obter o programa... instalar o programa... Registar o icq... menus...

icq http://www.uarte.mct.pt sobre o programa... ... pag.. 8 e 9 obter o programa... instalar o programa... Registar o icq... menus... icq 1 http://www.uarte.mct. sobre o programa...... pag.. 2 obter o programa...... pag.. 3 e 4 instalar o programa...... pag.. 5 Registar o icq...... pag.. 6 e 7 menus...... pag.. 8 entrar num canal e conversar......

Leia mais

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic.

Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida. Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. Conceptronic C100BRS4H Guia de Instalação Rápida Parabéns pela compra do seu Router de Banda Larga com 4 portas da Conceptronic. O seguinte Guia de Instalação de Hardware explica-lhe passo-a-passo como

Leia mais

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP

Licenciatura em Eng.ª Informática Complementos de Redes - 3º Ano - 2º Semestre. Trabalho Nº 4 - VoIP Trabalho Nº 4 - VoIP 1. Introdução A utilização de tecnologia VoIP como alternativa às redes telefónicas tradicionais está a ganhar cada vez mais a aceitação junto dos utilizadores, e está sobretudo em

Leia mais

Guia de instalação do Player Displr Windows 7, 8.1 e 10

Guia de instalação do Player Displr Windows 7, 8.1 e 10 Guia de instalação do Player Displr Windows 7, 8.1 e 10 Versão 1.0 www.displr.com Índice 1- Requisitos mínimos do sistema... 3 2- Preparação da instalação... 3 3- Assistente de instalação... 4 3.1 Bem-vindo

Leia mais

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina

Manual de Utilização do Sítio da Disciplina UNIVERSIDADE CATÓLICA PORTUGUESA DSI Manual de Utilização do Sítio da Disciplina para: Docentes Versão 7.00 Palma de Cima 1649-023 Lisboa Portugal Tel. 21 721 42 19 Fax 21721 42 79 helpdesk@lisboa.ucp.pt

Leia mais

Manual do utilizador Portal de Atenção ao Cliente

Manual do utilizador Portal de Atenção ao Cliente Manual do utilizador Portal de Atenção ao Cliente Seres 2013 Pág. 2 Introdução Introdução A solução apresentada será o único ponto de contacto entre o cliente e a ferramenta de gestão de tickets. O cliente

Leia mais

COM/OLE 11. Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto. Alexandre Bragança 1998/99

COM/OLE 11. Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto. Alexandre Bragança 1998/99 /OLE 11 Ambiienttes de Desenvollviimentto Avançados Engenharia Informática Instituto Superior de Engenharia do Porto Alexandre Bragança 1998/99 11 /OLE 11.1 Objecto 11.2 Servidor 11.3 Principais Serviços

Leia mais

Threads e Sockets em Java. Threads em Java. Programas e Processos

Threads e Sockets em Java. Threads em Java. Programas e Processos Threads em Java Programas e Processos Um programa é um conceito estático, isto é, um programa é um arquivo em disco que contém um código executável por uma CPU. Quando este programa é executado dizemos

Leia mais

NOVO Panda Antivirus 2007 Manual resumido sobre a instalação, registo e serviços Importante! Leia a secção de registo on-line deste manual atentamente. As informações contidas nesta secção são essenciais

Leia mais

Manual de utilização do Moodle

Manual de utilização do Moodle Manual de utilização do Moodle Iniciação para docentes Universidade Atlântica Versão: 1 Data: Fevereiro 2010 Última revisão: Fevereiro 2010 Autor: Ricardo Gusmão Índice Introdução... 1 Registo no Moodle...

Leia mais

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009

Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento de pacotes. Licenciatura: ETI Turma : ETC1 Grupo : rd2_t3_02 Data: 30/10/2009 Licenciaturas em Informática e Gestão de Empresas, Engenharia de Telecomunicações e Informática e Engenharia Informática Redes Digitais II Relatório do 2º Guião Laboratorial de Avaliação: Encaminhamento

Leia mais

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO

COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO COMPUTAÇÃO E PROGRAMAÇÃO 1º Semestre 2010/2011 MEMec, LEAN Ficha da Aula Prática 10: Construção de GUIs Parte I Sumário das tarefas e objectivos da aula: 1. Identificar os vários componentes das GUIs 2.

Leia mais

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source

Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Vídeo Vigilância Abordagem Open-Source Alunos: Justino Santos, Paulo Neto E-mail: eic10428@student.estg.ipleiria.pt, eic10438@student.estg.ipleiria.pt Orientadores: Prof. Filipe Neves, Prof. Paulo Costa

Leia mais

Programação Concorrente Processos e Threads

Programação Concorrente Processos e Threads Programação Concorrente Processos e Threads Prof. Eduardo Alchieri Processos O conceito mais central em qualquer sistema operacional é o processo Uma abstração de um programa em execução Um programa por

Leia mais

Telekit, Componentes Electrónicos S.A. - 2004. Manual Técnico do Interface GSM LEVEL GB RDIS - Sincronismo

Telekit, Componentes Electrónicos S.A. - 2004. Manual Técnico do Interface GSM LEVEL GB RDIS - Sincronismo Manual Técnico do Interface GSM LEVEL GB RDIS - Sincronismo Configuração / Parâmetros: Quando iniciar o programa, os parâmetros de configuração só ficam acessíveis quando os seus valores forem lidos a

Leia mais

Seu manual do usuário ACRONIS ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 ADVANCED SERVER VIRTUAL EDITION http://pt.yourpdfguides.

Seu manual do usuário ACRONIS ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10 ADVANCED SERVER VIRTUAL EDITION http://pt.yourpdfguides. Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para ACRONIS ACRONIS BACKUP AND RECOVERY 10. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas

Leia mais

Universidade da Beira Interior. Sistemas Distribuídos

Universidade da Beira Interior. Sistemas Distribuídos Folha 6-1 Sincronização de Threads A sincronização de Threads em Java é baseada no conceito do Monitor (de Hoare). Cada objecto Java tem associado um monitor (ou lock ) que pode ser activado se a palavra

Leia mais

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015)

Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Redes de Computadores (RCOMP 2014/2015) Desenvolvimento de aplicações de rede UDP e TCP 1 Protocolo UDP ( User Datagram Protocol ) Tal como o nome indica, trata-se de um serviço de datagramas, ou seja

Leia mais

Software da Impressora

Software da Impressora Software da Impressora Acerca do Software da Impressora O software Epson inclui o controlador de impressão e o EPSON Status Monitor 3. O controlador de impressão é um software que permite controlar a impressora

Leia mais

Design Doc for Stage 1

Design Doc for Stage 1 Departamento de Engenharia Informática Faculdade de Ciências e Tecnologia Universidade de Coimbra Engenharia de Software II Design Doc for Stage 1 Pneus_DesignDocforStage1_2006-05-26_v1.0.doc Versão 1.0

Leia mais

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática

Universidade da Beira Interior Cursos: Matemática /Informática e Ensino da Informática Folha 1-1 Introdução à Linguagem de Programação JAVA 1 Usando o editor do ambiente de desenvolvimento JBUILDER pretende-se construir e executar o programa abaixo. class Primeiro { public static void main(string[]

Leia mais

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter

Conteúdo do pacote. Lista de terminologia. Powerline Adapter Powerline Adapter Note! Não expor o Powerline Adapter a temperaturas extremas. Não deixar o dispositivo sob a luz solar directa ou próximo a elementos aquecidos. Não usar o Powerline Adapter em ambientes

Leia mais

Eng.ª Informática. Redes de Computadores. Frequência. 4 de Julho de 2006

Eng.ª Informática. Redes de Computadores. Frequência. 4 de Julho de 2006 Eng.ª Informática Redes de Computadores 4 de Julho de 2006 Leia atentamente as perguntas seguintes e responda de forma breve e precisa. Pode acompanhar a suas respostas com figuras de forma a torná-las

Leia mais

Segurança no Computador

Segurança no Computador Segurança no Computador Segurança na Internet: Módulo 1 (CC Entre Mar E Serra), 2008 Segurança na Internet, CC Entre Mar E Serra 1 Segurança no Computador Um computador (ou sistema computacional) é dito

Leia mais

Acessórios SUNNY MATRIX ADMIN TOOL

Acessórios SUNNY MATRIX ADMIN TOOL Acessórios SUNNY MATRIX ADMIN TOOL Instruções de serviço MatrixAdmin-BPT100510 Versão 1.0 PT Índice SMA Solar Technology AG Índice 1 Indicações relativas ao presente manual............. 3 1.1 Objectivo..........................................

Leia mais

Manual de utilizador CRM

Manual de utilizador CRM Manual de utilizador CRM Formulário de Login Personalizado de acordo com a sua empresa mantendo a sua imagem corporativa. Utilizador: Admin Password: 123 1 Formulário Principal Este formulário está dividido

Leia mais

Manual do Nero ControlCenter

Manual do Nero ControlCenter Manual do Nero ControlCenter Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual do Nero ControlCenter e todo o seu conteúdo estão protegidos pelos direitos de autor e são propriedade da Nero

Leia mais

MAIL DINÂMICO O QUE É? . É UM MÓDULO DO SIGARRA QUE PRETENDE FACILITAR A COMUNICAÇÃO

MAIL DINÂMICO O QUE É? . É UM MÓDULO DO SIGARRA QUE PRETENDE FACILITAR A COMUNICAÇÃO MAIL DINÂMICO O QUE É?. É UM MÓDULO DO SIGARRA QUE PRETENDE FACILITAR A COMUNICAÇÃO. PERMITE O ENVIO DE MENSAGENS DE CORREIO ELECTRÓNICO PARA UM OU PARA VÁRIOS DESTINATÁRIOS EM SIMULTÂNEO. FUNCIONA DE

Leia mais

Meghan Desai Intel Corporation

Meghan Desai Intel Corporation A Intel e o respectivo logótipo são marcas ou marcas registadas da Intel Corporation ou das respectivas subsidiárias nos Estados Unidos e noutros países. *Outros nomes e marcas podem ser reivindicados

Leia mais

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011

ZS Rest. Manual Avançado. Gestão de Stocks Local. v2011 Manual Avançado Gestão de Stocks Local v2011 1 1. Índice 2. Introdução... 3 3. Iniciar o ZSRest FrontOffice... 4 4. Produto... 5 b) Activar gestão de stocks... 5 i. Opção: Faz gestão de stocks... 5 ii.

Leia mais

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP

Os objetivos indicados aplicam-se a duas linguagens de programação: C e PHP AGRUPAMENTO DE ESCOLAS DE SANTA COMBA DÃO CURSO PROFISSIONAL DE TÉCNICO DE GESTÃO E PROGRAMAÇÃO DE SISTEMAS INFORMÁTICOS 2012-2015 PROGRAMAÇÃO E SISTEMAS DE INFORMAÇÃO MÓDULO 2 Mecanismos de Controlo de

Leia mais

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda?

O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet eagenda? Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde. O que é o eagenda? O que é a iniciativa de marcação de consultas pela Internet Simplificar e melhorar o acesso a cuidados de saúde Pedir Receitas A de pela Internet, no âmbito do Programa Simplex, surge no seguimento do

Leia mais

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador

VM Card. Referência das Definições Web das Funções Avançadas. Manuais do Utilizador VM Card Manuais do Utilizador Referência das Definições Web das Funções Avançadas 1 Introdução 2 Ecrãs 3 Definição de Arranque 4 Informações de Função Avançada 5 Instalar 6 Desinstalar 7 Ferramentas do

Leia mais

App Inventor 2 - programação divertida para Android

App Inventor 2 - programação divertida para Android App Inventor 2 - programação divertida para Android 1 APP INVENTOR 2 O App Inventor é um ambiente de programação desenvolvido pelo MIT (Massachusetts Institute of Technology), especialmente desenhado para

Leia mais

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE

MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE MANUAL DE UTILIZAÇÃO DA PLATAFORMA MOODLE A EQUIPA DO PTE 2009/2010 Índice 1. Entrar na plataforma Moodle 3 2. Editar o Perfil 3 3. Configurar disciplina 4 3.1. Alterar definições 4 3.2. Inscrever alunos

Leia mais

Computação e Programação Aula prática nº 5. Enunciados dos problemas

Computação e Programação Aula prática nº 5. Enunciados dos problemas Enunciados dos problemas 1 1. Processador de números 1.1 Objectivos do exercício análise sequencial de um problema baseada em objectos e desenvolvimento do respectivo algoritmo; codificação do algoritmo

Leia mais

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira

MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS. Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira MICROSOFT ACCESS MICROSOFT ACCESS Professor Rafael Vieira Professor Rafael Vieira - Access - Programa de base de dados relacional funciona em Windows Elementos de uma Base de Dados: Tabelas Consultas Formulários

Leia mais

Manual do Nero MediaStreaming para MCE

Manual do Nero MediaStreaming para MCE Manual do Nero MediaStreaming para MCE Nero AG Informações sobre direitos de autor e marcas O manual e todos os seus conteúdos estão protegidos pelos direitos de autores e são propriedade da empresa Nero

Leia mais

Aplicações de Escritório Electrónico

Aplicações de Escritório Electrónico Universidade de Aveiro Escola Superior de Tecnologia e Gestão de Águeda Curso de Especialização Tecnológica em Práticas Administrativas e Tradução Aplicações de Escritório Electrónico Folha de trabalho

Leia mais

Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006)

Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006) Ajuda do site www.maxone.biz ( Março 2006) Este documento tem como objectivo ajudar os nossos clientes a trabalhar com o nosso site. Se necessitar de alguma ajuda extra não hesite em contactar-nos. Apesar

Leia mais

Manual do Utilizador

Manual do Utilizador Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade de Coimbra Departamento de Engenharia Electrotécnica e Computadores Software de Localização GSM para o modem Siemens MC35i Manual do Utilizador Índice

Leia mais

Aula 30 - Sockets em Java

Aula 30 - Sockets em Java Aula 30 - Sockets em Java Sockets Sockets são estruturas que permitem que funções de software se interconectem. O conceito é o mesmo de um soquete (elétrico, telefônico, etc...), que serve para interconectar

Leia mais

Tarefa Orientada 20 Cursores

Tarefa Orientada 20 Cursores Tarefa Orientada 20 Cursores Objectivos: Declarar cursores Utilizar cursores Utilizar funções do sistema para trabalhar com cursores Actualizar dados através de cursores Um cursor é um objecto da base

Leia mais

Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software

Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software Actualização, Cópias de Segurança e Recuperação de Software Manual do utilizador Copyright 2006 Hewlett-Packard Development Company, L.P. Microsoft e Windows são marcas registadas da Microsoft Corporation

Leia mais

Controle Parental. Introdução

Controle Parental. Introdução Controle Parental Introdução O acesso das crianças à Internet suscita algumas preocupações aos pais e educadores/as. Contudo, tal como na vida real ou no uso de outros meios de comunicação, os adultos

Leia mais

Transição de POC para SNC

Transição de POC para SNC Transição de POC para SNC A Grelha de Transição surge no âmbito da entrada em vigor, no ano de 2010, do Sistema de Normalização Contabilística (SNC). O SNC vem promover a melhoria na contabilidade nacional,

Leia mais

Instituto Politécnico de Tomar. Manual da Área de Secretariados

Instituto Politécnico de Tomar. Manual da Área de Secretariados Instituto Politécnico de Tomar Manual da Área de Secretariados Última actualização: 13 de Outubro de 2004 Índice Como aceder a Área de Secretariados...2 O que posso efectuar na Área de Secretariado (Acções)...4

Leia mais