APOSTILA GNU LINUX MÓDULO-II

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "APOSTILA GNU LINUX MÓDULO-II"

Transcrição

1 1

2 2

3 Apostila Gnu-Linux Módulo-II 3

4 ESTA OBRA PODE SER REPRODUZIDA E DISTRIBUÍDA PARCIAL OU INTEGRALMENTE DESDE QUE CITADA A FONTE. MATERIAL COPYLEFT - VENDA PROIBIDA Todo material desenvolvido pela Coordenadoria do Governo Eletrônico é resultado de um processo coletivo de produção, que se iniciou em 2001 e que é permanente. Agradecemos a todos que colaboraram e que queiram contribuir. CGE COORDENADORIA DO GOVERNO ELETRÔNICO Equipe de Treinamento Técnico Aparecido Quesada Adriana Tosta Eder Moura Dourado Simone Leal dos Santos Thyago Akira de Morais Ribeiro Yuri Robinson de Souza Contato PALÁCIO DO ANHANGABAÚ VIADUTO DO CHÁ Nº 15 CEP SÃO PAULO TEL: FAX

5 Índice Introdução... pg 09 O que é o Curso?... pg 09 Descrição da Apostila... pg 09 Capítulo 1 Visão Geral do Linux... pg 09 Capítulo 2 Visão Geral dos Diretórios... pg 09 Capítulo 3 Usando Discos e Dispositivos... pg 09 Capítulo 4 Iniciando o Sistema... pg 10 Capítulo 5 Gerenciando Contas de Usuários... pg 10 Capítulo 6 Cópias de Segurança... pg 10 Capítulo 7 Conceitos Básicos de Rede... pg 10 Capítulo 8 Servidor de Boot Remoto... pg 10 Objetivo do Curso... pg 10 A Quem se Destina... pg 11 Visão Geral do Linux... pg 11 Partes do Kernel... pg 11 Gerenciador de Sistemas de Arquivos... pg 12 Gerenciador de Memória... pg 12 Gerenciador de Processos... pg 12 Interligação com Redes... pg 12 Drivers de Dispositivos... pg 13 Sistema de Arquivos... pg 13 Vantagens do EXT3... pg 14 Visão Geral dos Diretórios... pg 15 Estrutura dos Diretórios... pg 15 Diretórios da Distribuição Debian... pg 15 / (raiz)... pg 15 /home... pg15 /bin... pg 15 /proc... pg 15 /usr... pg 15 /boot... pg 15 /lib... pg 16 /dev... pg 16 /etc... pg 16 5

6 /var... pg 16 /sbin... pg 16 /mnt... pg 16 /tmp... pg 16 /root... pg 16 /floppy... pg 16 /cdrom... pg16 Diretórios Específicos da Distribuição dos Telecentros... pg 17 /mnt2... pg 17 /opt... pg 17 /tftpboot... pg 17 /initrd... pg 17 Usando Discos e Dispositivos... pg 18 Discos Rígidos... pg 18 Registro Mestre de Boot (MBR)... pg 18 Particionamento... pg 19 Tipos de Partições... pg 19 Partição Primária... pg 19 Partição Estendida... pg 19 Partição Lógica... pg 20 Como saber qual é o dispositivo (device) das partições?... pg 21 Os dispositivos são de dois tipos:... pg 21 Caractere... pg 21 Bloco... pg 22 Discos Rígidos IDE... pg 22 O que posso apagar para liberar espaço no HD?... pg 22 Iniciando o Sistema... pg 23 Usando o LILO para Gerenciar Partições... pg 23 Exemplo Comentado de um Arquivo lilo.conf... pg 24 O que é Init?... pg 25 Roteiro para inicializar o Linux no prompt do shell:... pg 26 Roteiro para Desativar as Teclas <Ctrl> + <Alt> + <Del>:... pg 27 6

7 Arquivo FSTAB (File System Table)... pg 27 Gerenciando Contas de Usuários... pg 29 Por Que Administrar?... pg 29 Segurança... pg 29 Estabilidade... pg 30 Performance... pg 30 Gerenciamento de Usuários... pg 30 Comandos de Gerenciamento de Usuários... pg 32 useradd ou adduser... pg 32 passwd... pg 32 userdel... pg 32 users... pg 32 chfn... pg 32 chown... pg 32 Gerenciamento de Grupos... pg 32 Comandos de Gerenciamento de Grupos... pg 33 groupadd... pg 33 groupdel... pg 33 groups... pg 33 chgrp... pg 33 Permissões dos Arquivos e Diretórios... pg 33 chmod... pg 34 Como Executar um Arquivo?... pg 35 Como Criar um Arquivo de Lote no Linux?... pg 36 Cópias de Segurança... pg 36 A importância de Gerar Cópias de Segurança... pg 36 O que Copiar... pg 37 Como Utilizar TAR com Múltiplos Volumes... pg 37 Conceitos Básicos de Rede... pg 38 O que é uma Rede?... pg 38 As principais vantagens de uma rede são:... pg 38 Definições de Servidor e Cliente... pg 39 Rede Ponto a Ponto... pg 39 LAN com Servidor Dedicado... pg 40 O que é Topologia de Rede?... pg 41 Servidor de Boot Remoto... pg 42 7

8 Configuração da Rede... pg 43 Topologia com uma placa de rede... pg 43 Topologia com duas placas de rede... pg 44 8

9 Introdução O QUE É O CURSO? O curso aborda os aspectos da administração de sistemas Linux. Este curso está voltado para pessoas que Tenham um conhecimento básico do Linux. Administração de sistemas é o conjunto de tarefas necessárias para manter o computador em boas condições de uso. Isso inclui atividades como efetuar e restaurar cópias de segurança, criar e apagar contas de usuários, garantir que os sistemas de arquivos estejam íntegros, e assim por diante. Descrição da Apostila A apostila está organizada em 8 capítulos, que são: CAPÍTULO 1 - VISÃO GERAL DO LINUX Apresenta os principais serviços disponibilizados pelo sistema operacional Linux. O propósito deste capítulo é visualizar o sistema como um todo. CAPÍTULO 2 - VISÃO GERAL DOS DIRETÓRIOS Este capítulo descreve os diretórios do Linux. Ele descreve a forma usual de dividir os diretórios em diferentes sistemas de arquivos com diferentes propósitos, explicando cada divisão. CAPÍTULO 3 - USANDO DISCOS E DISPOSITIVOS Ao instalar ou atualizar o sistema, é necessário preparar os discos rígidos. Deve-se criar sistemas de arquivos para que os arquivos possam ser armazenados e reservar espaços extras para as diferentes partes do sistema. Este capítulo também explica algumas opções de particionamento. 9

10 CAPÍTULO 4 - INICIANDO O SISTEMA Esta seção explica o que acontece quando o Linux é inicializado, e como isto pode ser feito adequadamente. Caso os procedimentos adequados não sejam seguidos, arquivos podem ser corrompidos ou perdidos. CAPÍTULO 5 - GERENCIANDO CONTAS DE USUÁRIOS Este capítulo explica como criar novas contas de usuários, como modificar suas propriedades e como removê-las. As distribuições Linux têm diferentes ferramentas para execução destas tarefas. CAPÍTULO 6 - CÓPIAS DE SEGURANÇA Este capítulo explica porque, como e quando fazer cópias de segurança, e como restaurar arquivos das cópias já realizadas. CAPÍTULO 7 - CONCEITOS BÁSICOS DE REDE Este capítulo aborda os conceitos básicos de uma rede, as vantagens de utilizar uma rede e uma introdução às topologias de redes. CAPÍTULO 8 - SERVIDOR DE BOOT REMOTO Esta seção aborda a configuração de boot remoto e as suas vantagens para os ambientes corporativo e educacional. Objetivo do Curso A importância do crescimento do Software Livre está sendo reconhecida por todos os usuários de informática e sua tendência é a de conquistar completamente o mercado mundial. O Governo Eletrônico participa desta revolução na Tecnologia da Informação e acredita que em pouco tempo a capacitação no uso do Linux será um quesito primordial no currículo profissional. O objetivo do curso é treinar os alunos na utilização dos recursos avançados do Linux, de forma a atender às atuais 10

11 exigências de qualificação dos Telecentros. Com os conhecimentos adquiridos durante o treinamento, os alunos poderão elaborar aulas mais interessantes, e assim, desempenhar melhor as suas funções. A Quem se Destina O curso destina-se a todas as pessoas com conhecimentos básicos em Linux, que estejam interessadas em melhor utilizar esse sistema operacional. Desejamos a todos que o curso seja um degrau a mais no sucesso pessoal ou profissional e agradecemos ao esforço e o talento dos alunos e instrutores que, estes sim, dão vida a este material. Visão Geral do Linux PARTES DO KERNEL O kernel é uma das partes centrais de um sistema operacional. É o kernel quem gerencia a memória e concede a cada programa uma fração do tempo do processador, proporcionando desta maneira, muitas características próprias da arquitetura, tais como a multi-tarefa, a memória virtual, as autorizações de acesso, etc. O mundo do kernel do Linux gira em torno de duas palavras: Device Drivers. Um Device Driver é um código que compreende o dispositivo e realiza uma comunicação com ele. O kernel é dividido em várias partes, que são: gerenciador de sistemas de arquivos, gerenciador de memória, gerenciador de processos, serviços abstratos de rede, controle de dispositivos de hardware e vários outros. Veja a figura a seguir: 11

12 Gerenciador de Sistemas de Arquivos - Todo sistema Unix é baseado em arquivos. Quase tudo em Unix pode ser tratado como um arquivo. Através de um sistema de arquivos virtual, o Linux suporta vários sistemas de arquivos que possuem diversas formas de organizar a informação no meio físico. Gerenciador de Memória - Gerencia a memória do computador através de vários algoritmos para possibilitar melhor uso da memória, que é o maior recurso do computador. Muitas partes do kernel interagem com o gerenciamento de memória, requisitando ou dispensando memória para utilização. Gerenciador de Processos - Cuida da criação, eliminação e gerência dos processos. Um processo não é nada mais do que uma terafa sendo executada continuamente. Interligação com Redes - A interligação em redes é controlada pelo kernel. Recebimento, envio e transformação de pacotes são operações controladas pelo kernel, que possui mecanismos para repassar os pacotes a processos, conhecidos como sockets (soquetes). 12

13 Drivers de Dispositivos - É uma das partes mais importantes do kernel. Com exceção do processador, memória e algumas outras partes, a maior parte do código é executada por drives de dispositivos. O kernel necessita ter um driver para cada dispositivo integrado ao computador, de teclados a câmeras de vídeo. Além dessas partes, o kernel do Linux, possui uma parte especial, que adiciona uma nova funcionalidade ao kernel: a habilidade de expandir seu código enquanto está em execução. Isso significa que você pode adicionar funcionalidades ao kernel enquanto o sistema está em execução. Cada pedaço de código adicionado ao kernel é chamado de módulo. Módulos são partes do kernel que são carregadas somente quando são solicitadas por um aplicativo ou dispositivo e descarregadas da memória quando não são mais usadas. Este recurso é útil por dois motivos: evita a construção de um kernel grande (estático) que ocupe grande parte da memória com todos os drivers compilados e permite que partes do kernel ocupem a memória somente quando forem necessários. Sistema de Arquivos Sistema de Arquivos é o método e a estrutura de dados que um sistema operacional utiliza para administrar arquivos em um disco ou partição, ou seja, a forma pela qual os arquivos estão organizados em um disco. Antes de uma partição ou disco ser usado como um sistema de arquivos, ele necessita ser inicializado, e a estrutura básica de dados necessita ser gravada no disco. Este processo é chamado criação de um sistema de arquivos. O EXT3 (Sistema de Arquivos Estendido 3) é o sistema de arquivamento padrão do Linux. EXT3 é um sistema de arquivos 13

14 que utiliza um processo de gravação de arquivos denominado ''journalize''. Neste processo, o kernel mantém uma gravação prévia dos arquivos em separado, para depois efetivar a gravação dos arquivos. Vantagens do EXT3 Se o servidor for desligado inesperadamente, como por exemplo: falta de energia, travamentos, reboot inesperado, etc, o sistema EXT2 não poderá montar o sistema de arquivos antes de ter sua integridade checada pelo comando e2fsck. O sistema EXT2 tem, entre outras desvantagens, perda de tempo para levantar novamente o sistema com possibilidades de perdas de dados. Com o sistema EXT3 estas desvantagens foram eliminadas. A recuperação do sistema se dá em poucos segundos, independente do tamanho do disco rígido. Quanto a integridade de dados, ela ocorre de forma muito mais segura. Inicialmente você teria como optar pela forma de proteger seus dados, mas o EXT3 proporciona ao sistema uma segurança muito maior à integridade dos dados. Os dados recentemente escritos em arquivos nunca irão aparecer corrompidos após um acidente. Apesar de estar escrevendo os dados mais de uma vez, o EXT3 é mais rápido que o EXT2, porque o sistema otimiza o movimento das cabeças do disco rígido. E finalmente o que torna o sistema EXT3 mais interessante, é a facilidade na conversão. Visto que em outros sistemas é necessário recriar o sistema de arquivos, no EXT3 esta transição se dá de forma simples, bastando apenas digitar alguns comandos. 14

15 Visão Geral dos Diretórios ESTRUTURA DOS DIRETÓRIOS A árvore de diretórios é dividida em partes menores, algumas delas em partições diferentes, facilitando questões como limites de tamanho do disco. Os diretórios mais importantes são o / (raiz), /usr, /var e /home. Cada diretório tem um propósito diferente. DIRETÓRIOS DA DISTRIBUIÇÃO DEBIAN Veja abaixo, as explicações de cada diretório: 1./ (raiz) - Contém os arquivos necessários para a inicialização do sistema e permite acesso aos demais diretórios. 2./home - Contém diretórios pessoais dos usuários, ou seja todas as informações armazenadas por estes no sistema. 3./bin - Contém programas (executáveis) que são necessários durante a inicialização do sistema e podem ser utilizados pelos usuários após a inicialização. 4./proc - Na realidade é um diretório virtual. Ele não existe no disco rígido. É criado pelo kernel, sendo usado para disponibilizar informações sobre a configuração atual do sistema, dados estatísticos, dispositivos já montados, etc. 5./usr - Contém comandos, bibliotecas, páginas de manual e outros arquivos imutáveis, isto é, que não precisam ser modificados durante a operação normal do sistema. 6./boot - Contém arquivos utilizados pelo gerenciador de inicialização do sistema. Imagens do kernel são normalmente mantidas aqui. 15

16 7./lib - Contém bibliotecas compartilhadas necessárias aos programas do sistema. 8./dev - Contém arquivos de dispositivos (devices). Você deve ter cuidado com esses arquivos. 9./etc - Este diretório é um dos mais importantes do sistema. Contém vários arquivos de configuração, inclusive o subdiretório / etc/rc.d, aonde estão os scripts de inicialização do sistema em seus vários níveis. 10./var - Contém arquivos mutáveis, como diretórios de arquivos temporários, spool para correio eletrônico, news, impressão e logs, páginas de manual formatadas. 11./sbin - Contém arquivos de sistema essenciais. 12./mnt - Contém pontos para montagens temporárias realizadas pelo administrador do sistema. 13./tmp - Contém arquivos temporários gerados por alguns utilitários. 14./root - É o diretório home do administrador do sistema. É semelhante as contas dos usuários comuns. 15./floppy - Contém pontos de montagens temporários de disquetes. 16./cdrom - Contém pontos de montagens temporários de CD-ROM's. 16

17 Diretórios Específicos da Distribuição dos Telecentros 1./mnt2 - É semelhante ao diretório /mnt. Foi criado com a função de organizar melhor as montagens de disquete. 2./opt - É um diretório que tem a mesma função do diretório / usr. É usado pelo administrador de sistemas para instalar programas, sem entrar em conflito com os programas instalados pelo gerenciador de pacotes. 3./tftpboot - Contém arquivos que são transferidos para os clientes (clients) no momento do boot. É utilizado pelo protocolo TFTP. 4./initrd - É usado durante o processo de inicialização para descompactar a imagem do kernel. 17

18 Usando Discos e Dispositivos DISCOS RÍGIDOS A organização física de um disco rígido é expressa em termos de trilhas, setores. cilindros e cabeçotes, Um disco rígido consiste em diversas lâminas de material magnético chamados pratos. A superfície dos pratos é dividida em anéis concêntricos, chamados trilhas e estes por sua vez estão divididos em setores. Normalmente todos os setores têm o mesmo tamanho físico de 512 bytes. O conjunto das trilhas formam um cilindro. O número total de cabeçotes é o número de lados de todas as lâminas magnéticas. Veja a figura abaixo. Registro Mestre de Boot (MBR) O primeiro setor do disco rígido (cilindro 0, cabeçote 0, setor 1) é chamado de Master Boot Record (MBR - Registro Mestre de Boot). Esta área de armazenamento de 512 bytes contém informações importantes sobre o disco, como a tabela de partição. 18

19 O programa no MBR lê a tabela de partição, determina qual partição está ativa, lê o primeiro setor da partição ativa ou o setor de boot, e executa os programas que residem naquele setor de boot. O programa em um setor de boot da partição normalmente carrega qualquer sistema operacional que esteja instalado naquela partição. Quando você instala o LILO (Linux Loader - Carregador do Linux) no disco rígido, o programa LILO reside no MBR ou setor de boot da partição onde o diretório root (/) do Linux está localizado. PARTICIONAMENTO Dividir o disco rígido em mais de uma partição nos traz algumas vantagens. A começar pela diminuição do desperdício de espaço em disco. Outra grande vantagem em se particionar um disco rígido é que podemos ter sistemas operacionais diferentes em cada partição. A grande desvantagem do particionamento é a perda total dos dados já gravados no disco. Sendo assim, não deixe de fazer backup de todas as informações importantes do seu HD antes de criar as partições. Após o particionamento, deveremos formatar cada partição individualmente. Cada partição é tratada pelo sistema operacional como se fosse um disco ''a parte''. Partição é uma parte do disco rígido que funciona como se fosse uma unidade separada. TIPOS DE PARTIÇÕES Partição Primária - É uma partição que pode ser marcada para uso por um sistema operacional. Pode haver 4 partições primárias. Uma partição primária não pode ser subdividida. Partição Estendida - É uma parte do disco rígido que contém outras partições. 19

20 Partição Lógica - É uma partição que existe dentro de uma partição estendida. Veja a figura abaixo. Participação lógica Participação lógica MBR Setor de inicialização Área de dados da partição Setor de boot Setor de inic. não usado Área de dados Setor de inic. não usado Área de dados Espaço usado em disco Setor de inicialização Área de dados Participação primária Participação estendida Participação primária É necessário criar uma partição separada para o diretório / boot. Neste diretório é onde estão os arquivos de inicialização, como a imagem do kernel e informações de mapeamento e módulos. E o sistema não dará carga se o arquivo com a imagem do kernel estiver acima do cilindro do disco rígido. Então, a primeira partição a ser criada é a do /boot, para garantir que seu posicionamento estará abaixo do cilindro

21 Os diretórios que geralmente são montados em partições exclusivas são: swap Memória virtual / Diretório raiz do sistema /home Área dos usuários /usr Binários dos programas /var Arquivos de log e caixas postais Com relação ao tamanho dessas partições: swap Geralmente tem o dobro da memória RAM. / É o resto do espaço em disco que não está em outras partições. /home Depende da quantidade de usuários na rede. /usr Depende da quantidade de pacotes a serem instalados. /var Depende dos serviços que rodarão no computador. COMO SABER QUAL É O DISPOSITIVO (DEVICE) DAS PARTIÇÕES No Linux, todos os dispositivos físicos (terminais, unidade de disco, unidade de fitas, etc) são ligados e referenciados como arquivos especiais. Todos esses arquivos estão localizados no diretório /dev. Um device driver é um programa que trabalha em conjunto com o kernel, e possui a função de interfacear com os programas dos usuários e os dispositivos de hardware. OS DISPOSITIVOS SÃO DE DOIS TIPOS: Caractere - São terminais, impressoras, fitas. São dispositivos cuja entrada e saída de informação são efetuadas a cada caractere. 21

22 Bloco - São discos, fitas. São dispositivos cuja entrada e saída de informação são efetuadas de bloco em bloco. O formato longo do comando ls -l mostra informações sobre o tipo de arquivo e suas permissões de acesso como uma string de dez caracteres, onde o primeiro identifica o tipo dos arquivos da seguinte forma: CARACTER SIGNIFICADO COR b Device de Bloco(Block Device) Amarela c Device de Caracter(Character Device) Amarela d Diretório Azul mar. l Link Ciano - Arquivo normal Branco DISCOS RÍGIDOS IDE hda = HD master na IDE0 hdb = HD slave na IDE0 hdc = HD master na IDE1 hdd = HD slave na IDE1 Por exemplo: /dev/hda será o dispositivo do HD na primeira hipótese. /dev/hda1 será a primeira partição desse HD e /dev/hda2 será a segunda partição desse HD e assim por diante. O QUE POSSO APAGAR PARA LIBERAR ESPAÇO NO HD? A maioria dos programas já exclui seus próprios arquivos temporários, excedo o KDE, que deixa vários arquivos no diretório /tmp com nomes kio* e kfm*. Estes arquivos podem ser excluídos sem problemas. Exclua também o diretório $HOME/.netscape/ cache, que é o cache em disco do Netscape. 22

23 Ainda resta o /var/log, que é o diretório onde são guardados os arquivos de registro (log) do sistema. Estes arquivos crescem infinitamente e podem apagados de vez em quando. Os principais são: cron, httpd/acess_log, lastlog, maillog, messages e wtmp. Quanto a esses arquivos de registro, pode-se usar o aplicativo logrotate para gerenciá-los automaticamente (apagarem quando estiverem muito grandes ou antigos). É possível ainda excluir os HOWTO, que são documentos tutoriais. Em um caso de emergência você pode excluir a documentação completa de todos os pacotes, usando o seguinte comando: # rm -rf /usr/doc/*. E por último, desinstale os pacotes que não são utilizados. Dificilmente você utilizará todos os pacotes que estão na distribuição. Iniciando o Sistema USANDO O LILO PARA GERENCIAR PARTIÇÕES O LILO (Linux Loader) é um programa do Linux responsável pelo boot do sistema operacional. Ele é usado como um ''Boot Manager'' que divide cada boot para cada tipo de sistema. Nos computadores com mais de um sistema operacional instalado, utiliza-se o LILO para escolher o sistema a ser usado. Quando o LILO é inicializado ele apresenta uma linha de comando com o seguinte formato: 23

24 boot: Neste momento é possível selecionar o sistema operacional que se deseja carregar. Pode-se digitar o seu nome (linux, dos,...), o qual é configurado durante a instalação do LILO. Se você pressionar a tecla <Tab>, aparecerá uma lista com os sistemas operacionais que podem ser iniciados. Estas opções podem ser alteradas no arquivo /etc/lilo.conf, que é o arquivo de configuração do LILO. Este arquivo armazena as informações necessárias para que ele divida as partições. EXEMPLO COMENTADO DE UM ARQUIVO LILO.CONF Comandos boot=/dev/hda map=/boot/map install=/boot/boot.b password=senha restricted prompt timeout=50 default=linux image=/boot/vmlinuz label=linux root=/dev/hdxn read-only other=/dev/hda1 label=win98 table=/dev/hda Explicação # Grava o LILO na MBR # A senha para o LILO # restringe o acesso. Veja as observações. # Mostra o prompt do LILO # Tempo de espera do prompt de 5 segundos # O Linux é o sistema padrão # Arquivo com a imagem do kernel # Nome do Linux no menu do LILO # Partição da imagem do kernel. Veja as observações. # Partição do Windows (C:\>) # Nome do Windows no menu do LILO # O Windows está nesse HD 24

25 *Observações: 1.A senha será pedida quando se tentar passar parâmetros para algum item do menu, por exemplo, ''linux single''. 2.Substitua hdxn pela partição onde está a imagem do kernel (/boot/vmlinuz), por exemplo ''/dev/hdc2''. 3.Sempre após editar e salvar o arquivo /etc/lilo.conf, você deve executar o comando /sbin/lilo para que as alterações sejam atualizadas. O que é Init? Init é o processo de controle da inicialização do sistema Linux. Init é o pai de todos os processos. O Init é o primeiro processo iniciado, após a carga do kernel do sistema. Quando o Init é disparado, ele continua o processo de inicialização do sistema, executando diversas tarefas necessárias ao funcionamento do Linux, checando e montando sistemas de arquivos, iniciando servidores, etc. A lista exata de tarefas que o Init realiza depende do estado em que ele está. O Init provê o conceito de modo monousuário, no qual ninguém, além do root (superusuário), pode entrar no sistema, sendo utilizado somente o shell do console do sistema, ou multiusuário, que é o modo padrão de início do sistema. A sua função principal é criar os processos a partir de programas armazenados no arquivo /etc/inittab. Inittab - é um arquivo que descreve quais processos são iniciados na inicialização e durante a operação normal. 25

26 ROTEIRO PARA INICIALIZAR O LINUX NO PROMPT DO SHELL: 1.Abra um terminal. 2.No prompt do Linux, digite o comando: cd/etc. 3.Digite: vi inittab. 4.Mova o cursor até a linha 5, que é: id:5:initdefault;. Veja a figura abaixo. 5.Altere o número 5 para 3. 6.Salve e feche o arquivo inittab. 7.Reinicialize o servidor. Os níveis de execução do sistema Linux são: Nível Nome Explicação 0 Halt Nada está em execução e os volumes de discos não estão montados. 1 Single User Mode Somente o usuário que está no console é capaz de usar o sistema. 2 Multi-user mode Você não pode configurar a without networking rede, ou qualquer coisa que se relacione a isso. 3 Multi-user mode É o modo padrão de operação para o qual o Linux está configurado (prompt do shell). 26

27 4 Multi-user mode, É usado para testar novas spare configurações. É um modo de reserva multiusuário. 5 XDM Mode Mantém o XDM em execução, que é o gerenciador de logon do X11 (modo gráfico). 6 Reboot Reinicializa o computador. ROTEIRO PARA DESATIVAR AS TECLAS <CTRL> + <ALT> + <DEL>: 1.Abra um terminal. 2.No prompt do Linux, digite o comando: cd/etc. 3.Digite: vi inittab. 4.Mova o cursor até a linha 33, que é: ca:12345:ctrlaltdel:/ sbin/shutdown -t1 -a -h now 5.Digite um # no início da linha. Isto transforma a linha em comentário. Veja a figura. 6.Salve e feche o arquivo inittab. 7.Reinicialize o servidor. ARQUIVO FSTAB (FILE SYSTEM TABLE) Quando voçê inicia o Linux, um dos primeiros scripts a ser executado é o rc.sysinit no diretório /etc/rc.d. Esse script monta a partição do Linux para leitura e gravação, depois de verificar se há erros nela. Então, se tudo estiver bem, ele montará todos os sistemas de arquivos descritos na tabela do sistema de arquivos, /etc/fstab. 27

28 O arquivo /etc/fstab é um pequeno arquivo de texto, que contém a descrição de vários sistemas de arquivos. É uma tarefa do administrador do sistema criar e manter este arquivo. Cada sistema de arquivos é descrito em uma linha separada. Os campos em cada coluna são separados por tabulações ou espaços. Veja a figura abaixo. Explicações das colunas: Campo <Sist. Arq.> <Pont. Mont.> <tipo> <opcoes> Explicação Descreve um dispositivo especial de blocos ou um sistema de arquivos remoto a ser montado. Descreve o ponto de montagem para o sistema de arquivos. Para partições da área de swap, este campo deve ter a especificação de none. Descreve o tipo do sistema de arquivos. Descreve as opções de montagem associados com o sistema de arquivos. Usase uma vírgula para separar uma opção da outra. As opções comuns a todos os sistemas de arquivos são: 28

29 noauto - Não montar quando ''mount -a'' for executado durante a inicialização do sistema. user - Permite que um usuário monte o sistema. <dump> <passo> É usado pelo comando dump para determinar quais sistemas de arquivos necessitam ser verificados e copiados. Se você digitar o valor 0 (zero) indicará que o sistema de arquivos não precisa ser verificado e nem copiado. É usado pelo programa fsck para determinar a ordem em que os sistemas de arquivos são checados durante a reinicialização do sistema. Se você digitar o valor o (zero) indicará que o sistema de arquivos não necessita ser checado. Gerenciando Contas de Usuários POR QUE ADMINISTRAR? É responsabilidade dos administradores de sistemas os seguintes itens: - Segurança; - Estabilidade e - Performance SEGURANÇA Um dos fatores que os administradores têm que se preocupar é com a segurança de seu sistema, dando uma atenção especial a detecção de acessos não autorizados. 29

30 ESTABILIDADE Outra tarefa muito importante é manter no ar os serviços oferecidos em seu servidor. O bom administrador busca uma establidade ''constante''. PERFORMANCE E é claro, deve-se oferecer os serviços da maneira mais rápida possível, atendendo, na medida do possível, a necessidade dos usuários. GERENCIAMENTO DE USUÁRIOS O Linux suporta o conceito de múltiplos usuários e grupos. Um usuário é alguém que possui uma identificação única no sistema. Os arquivos aonde estão armazenados os usuários, os grupos e as senhas são: 1. /etc/passwd - Arquivo de usuários. 2. /etc/group - Arquivo de grupos. 3. /etc/shadow - Armazena as senhas criptografadas, as quais só podem ser lidas pelo root. O arquivo /etc/passwd contém somente uma marca especial no campo senha. Explicações das colunas do arquivo passwd: root : x: 0: 0: root: /root: /bin/bash

31 Nº Campo Descrição 1 Login O nome único do usuário no sistema. 2 Senha com shadow A senha fica escondida em outro arquivo. 3 UID (ID do usuário) É a abreviatura de User IDentification. 4 GID (ID do grupo) É a abreviatura de Group IDentification. 5 Comment É uma entrada livre para (nome do usuário) descrever o usuário. 6 Home Dir. Path É o diretório onde os arquivos (diretório home do usuário são armazenados. do usuário) 7 Shell (interpretador O programa que é executado de comandos do usuário).explicações das colunas do arquivo group: automaticamente quando o usuário acessa o sistema. Geralmente é um programa de Shell como o /bin/bash root: x: 0: root Nº Campo Descrição 1 Nome O nome do grupo. Cada grupo deve ser único. 2 Senha com Em muitos casos, você não shadow do grupo precisa se preocupar em definir essa senha. 3 GID (ID do grupo) É a abreviatura de Group IDentification. 4 User List (lista É uma lista delimitada por de usuários) vírgulas de usuários que fazem parte desse grupo. 31

32 COMANDOS DE GERENCIAMENTO DE USUÁRIOS 1. useradd ou adduser - Cria um novo usuário. Exemplo: useradd Vitor 2. passwd - Cria ou altera a senha do usuário. Exemplo: passwd Vitor 3. userdel - Exclui um usuário. Exemplo: userdel Vitor 4. users - Mostra todos os usuários que estão usando o sistema. Exemplo: users 5. chfn - Altera as informações de um usuário. Exemplo: chfn Vitor 6. chown (change ownership) - Altera o dono de um arquivo. Exemplo: chown novo_dono nome_arquivo Gerenciamento de Grupos Um grupo é uma coleção de usuários. O grupo é a definição de direitos e privilégios dos usuários. Os grupos são criados e, a seguir, os usuários são associados a esses grupos. Um usuário pode estar associado a diversos grupos. A vantagem de trabalhar com grupos, é que o acesso dos usuários é controlado por grupos, em vez de fazer o controle de cada usuário individualmente. 32

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos

Partição Partição primária: Partição estendida: Discos básicos e dinâmicos Partição Parte de um disco físico que funciona como se fosse um disco fisicamente separado. Depois de criar uma partição, você deve formatá-la e atribuir-lhe uma letra de unidade antes de armazenar dados

Leia mais

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO

LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS. PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO LABORATÓRIO DE SISTEMAS OPERACIONAIS PROFª. M.Sc. JULIANA HOFFMANN QUINONEZ BENACCHIO Sistema Operacional Conteúdo retirado do livro Sistemas Operacionais Marcos Aurélio Pchek Laureano Diogo Roberto Olsen

Leia mais

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux

03/11/2011. Apresentação. SA do Linux. Sistemas de Arquivos. Curso Tecnologia em Telemática. Disciplina Administração de Sistemas Linux Apresentação Administração de Sistemas Curso Tecnologia em Telemática Disciplina Administração de Sistemas Linux Professor: Anderson Costa anderson@ifpb.edu.br Assunto da aula Aspectos do Sistema de Arquivos

Leia mais

Módulos...2 Shell...3

Módulos...2 Shell...3 Cesar Kállas cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 2 O Kernel...2 Módulos...2 Shell...3 Scripts...3 Bourne Shell sh...3 Bourne-Again Shell bash...3 Korn Shell

Leia mais

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record)

Revisão Aula 3. 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record) Revisão Aula 3 1. Explique a MBR(Master Boot Record). Master Boot Record Primeiro setor de um HD (disco rígido) Dividido em duas áreas: Boot loader

Leia mais

Gerenciamento de Boot

Gerenciamento de Boot - Gerenciamento de Boot é um meio de você configurar e trabalhar com diversos sistemas operacionais instalados. - Gerenciador de Boot é um pequeno software instalado no Master Boot Record (MBR) nas trilhas

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux

Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Sistema Operacional Unidade 2 - Estrutura, dispositivos e sistema de arquivos do Linux Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 ESTRUTURA DE DIRETÓRIOS LINUX... 3 SISTEMA DE ARQUIVOS E PARTICIONAMENTO...

Leia mais

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3

Curso GNU/Linux. Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3. Existe apenas uma partição com espaço livre...3 Cesar Kállas - cesarkallas@gmx.net Curso GNU/Linux Realização CAECOMP Puc Campinas 2004 Capítulo 3 Instalação do Linux...2 O HD não possui nenhuma partição...3 O HD tem espaço livre não particionado...3

Leia mais

Faculdades Senac Pelotas

Faculdades Senac Pelotas Faculdades Senac Pelotas Curso Superior de Tecnologia em Redes de Computadores Introdução a informática Alunos Daniel Ferreira, Ícaro T. Vieira, Licurgo Nunes Atividade 4 Tipos de Arquivos Sumário 1 Tipos

Leia mais

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux

SOFTWARE LIVRE. Distribuições Live CD. Kernel. Distribuição Linux SOFTWARE LIVRE A liberdade de executar o programa, para qualquer propósito. A liberdade de estudar como o programa funciona, e adaptá-lo para as suas necessidades. Acesso ao código-fonte é um pré-requisito

Leia mais

Sistema de Arquivos do Windows

Sistema de Arquivos do Windows Registro mestre de inicialização (MBR) A trilha zero do HD, onde ficam guardadas as informações sobre o(s) sistema(s) operacionais instalados. Onde começa o processo de inicialização do Sistema Operacional.

Leia mais

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1

LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 LISTA DE COMANDOS DO LINUX 1 Comandos para manipulação de diretório 1. ls Lista os arquivos de um diretório. 2. cd Entra em um diretório. Você precisa ter a permissão de execução para entrar no diretório.

Leia mais

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves

Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática. Sistema de Arquivos. Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Campus - Cachoeiro Curso Técnico de Informática Sistema de Arquivos Prof. João Paulo de Brito Gonçalves Introdução É com o sistema de arquivos que o usuário mais nota a presença do sistema operacional.

Leia mais

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06

Sistemas Embarcados. Filesystem Hierarchy Standard (FHS) Root filesystem. Aula 06 Introdução Sistemas Embarcados Root File System Linux (kernel) é apenas uma parte de um sistema embarcado Preciso executa a inicialização do sistema e de aplicações Necessário montar o sistema de arquivos

Leia mais

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação.

Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. Julgue os itens a seguir referentes a conceitos de software livre e licenças de uso, distribuição e modificação. 1.Todo software livre deve ser desenvolvido para uso por pessoa física em ambiente com sistema

Leia mais

Aula 01 Visão Geral do Linux

Aula 01 Visão Geral do Linux Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina Administração de Redes de Computadores Aula 01 Visão Geral do Linux Prof. Gustavo Medeiros de Araujo Profa.

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais O Sistema de Arquivos Fabricio Breve O que você encontra no Sistema de Arquivos do Linux... Processos Portas seriais Canais de comunicação entre

Leia mais

Admistração de Redes de Computadores (ARC)

Admistração de Redes de Computadores (ARC) Admistração de Redes de Computadores (ARC) Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Santa Catarina - Campus São José Prof. Glauco Cardozo glauco.cardozo@ifsc.edu.br ,'*'F"&P'QKDRS'@

Leia mais

Configuração Definitiva do Samba

Configuração Definitiva do Samba Configuração Definitiva do Samba 1 2 Sumário 1. Vantagens... 5 2. Desvantagem... 5 3. Conclusão Final... 5 4. Vamos botar a mão na massa!... 6 5. Instalação... 6 6. Configuração Parte 1 (Criando os diretórios)...

Leia mais

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições

>>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard. === Sistemas de arquivos e Partições >>> OBJETIVOS... === FHS - Filesystem Hierarchy Standard === Sistemas de arquivos e Partições >>> FHS - Filesystem Hierarchy Standard >Padrão de organização de pastas e arquivos em Sistemas Unix-Like >organizar

Leia mais

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com

Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Disciplina: Sistemas Operacionais Professor: Cristiano Mariotti procrismar@globo.com Equivalente a inicializar um computador ; Durante o bootstrapping, o kernel é carregado na memória principal e começa

Leia mais

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS

SIMULADO DE INFORMÁTICA BÁSICA TÉCNICO DO MPU PROF. ALEXANDRE LÊNIN / PROF. JUNIOR MARTINS Olá, pessoal, tudo bem? Vamos fazer um simulado com 10 questões de informática direcionadas para o cargo de TÉCNICO DO MPU? São questões já aplicadas pelo CESPE em certames anteriores, mas que podem ser

Leia mais

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os

REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA. e) os REVISÃO LINUX CAP /SIN PROF. ESTRELA 1 - Em um determinado servidor Linux, a saída do comando "df" aponta 100% de uso no "/". Isso significa que a(o): a) rede atingiu sua capacidade máxima de recepção.

Leia mais

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013

INTRODUÇÃO A LINUX. Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais 26/11/2013 1 2 INTRODUÇÃO A LINUX ADRIANO SILVEIRA ADR_SILVEIRA@YAHOO.COM.BR Características Sistema operacional Software livre Criado em 1991 por Linus Torvalds Dividido em duas partes principais Kernel núcleo do

Leia mais

Administração de Sistemas Operacionais

Administração de Sistemas Operacionais Diretoria de Educação e Tecnologia da Informação Análise e Desenvolvimento de Sistemas INSTITUTO FEDERAL RIO GRANDE DO NORTE Administração de Sistemas Operacionais ESTRATÉGIA DE PARTICIONAMENTO Prof. Bruno

Leia mais

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III

Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Recursos, Redes e Samba Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo III Módulo III 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Recursos, Redes e Samba 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis

Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX. Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Informática Fácil NOÇÕES DE LINUX Prof.: Adelson Gomes Ferraz Antonio Carlos Reis Cronologia 1. 1969 Univ Berkeley, Califórnia, cria-se o SO UNIX para uso geral em grandes computadores 1. Década de 70

Leia mais

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva

Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux. Prof. Claudio Silva Estrutura de um Sistema Linux Moderno Padrões de um Sistema Linux Estrutura de um Sistema Linux Por ter sua origem universitária, a forma como o Linux foi concebido é de perfeito agrado para o seu estudo.

Leia mais

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Objetivos do Curso. Organização do Curso. Apresentação do Curso. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Apresentação do Curso 1 Objetivos do Curso Sistema Operacional Unix/Linux;

Leia mais

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar

Software Livre. Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Software Livre Acesso ao código fonte Alterar o código fonte Redistribuir Utilizar como desejar Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) Linux Licença GPL (Licença Pública Geral) - A liberdade de executar

Leia mais

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores

Organização do Curso. Instalação e Configuração. Módulo II. Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores 1 Pós Graduação em Projeto e Gerencia de Redes de Computadores Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Prof.: Nelson Monnerat Instalação e Configuração 1 Sistemas Operacionais de Redes I - Linux Módulo

Leia mais

6 - Gerência de Dispositivos

6 - Gerência de Dispositivos 1 6 - Gerência de Dispositivos 6.1 Introdução A gerência de dispositivos de entrada/saída é uma das principais e mais complexas funções do sistema operacional. Sua implementação é estruturada através de

Leia mais

Simulado Linux. 5 Existe um diretório responsável pelas bibliotecas compartilhadas e módulos do kernel, que diretório é esse?

Simulado Linux. 5 Existe um diretório responsável pelas bibliotecas compartilhadas e módulos do kernel, que diretório é esse? Simulado Linux 1 Qual dos diretórios abaixo é responsável pelos dados e serviços oferecidos pelo equipamento com o Linux rodando? A) srv B) sbin C) opt D) dev E) mnt 2 Posso considerar o diretório bin

Leia mais

Linux. Wagner de Oliveira

Linux. Wagner de Oliveira Linux Wagner de Oliveira Um computador, uma mesa, um usuário. Duas pessoas não podem trabalhar em paralelo, executando o Microsoft Word na mesma máquina, simultaneamente. Windows 2003 Advanced Server +

Leia mais

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1

Informática I. Aula 19. http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Informática I Aula 19 http://www.ic.uff.br/~bianca/informatica1/ Aula 19-20/11/06 1 Ementa Histórico dos Computadores Noções de Hardware e Software Microprocessadores Sistemas Numéricos e Representação

Leia mais

Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas

Faculdade de Tecnologia Senac Pelotas Curso superior de Tecnologia em Redes De Computador UC: Introdução a Informática I Componentes: Everton Perleberg, Arthur Felippe Knapp Madruga, Maicon de Vargas Pereira Atividade 2: Documentação de recursos

Leia mais

Revisão LPI101. Tópicos e Objetivos. - 1.102 Instalação e Gerenciamento de Pacotes do Linux. - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS

Revisão LPI101. Tópicos e Objetivos. - 1.102 Instalação e Gerenciamento de Pacotes do Linux. - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS Tópicos e Objetivos - 1.101 Hardware e Arquitetura - - 1.103 Comandos GNU e Unix - 1.104 Dispositivos, Sistemas de Arquivos Linux e o FHS - 1.1.10 Sistema Xwindow 65 Questões em 90 minutos = 1m24s por

Leia mais

Computação Instrumental

Computação Instrumental Computação Instrumental Sistemas Operacionais Redes de Computadores Engenharia Ambiental 2º Semestre de 2013 1 Software Hardware O Sistema Operacional (SO) é um software que gerencia os recursos do computador,

Leia mais

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo

Introdução ao Linux. Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Introdução ao Linux Professor Breno Leonardo G. de M. Araújo Sistema Operacional Linux Embora o Sistema Operacional Microsoft Windows ainda seja predominante no mercado de desktops e Notebooks,já é, bastante

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba. Eu defendo!!! Mini Curso. Linux INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA SUDESTE DE MINAS GERAIS Campus Rio Pomba Mini Curso Linux Eu defendo!!! Apresentação Rafael Arlindo Dias Técnico em Informática CEFET Rio Pomba/MG Cursos

Leia mais

Planejamento e Implantação de Servidores

Planejamento e Implantação de Servidores Planejamento e Implantação de Servidores Professor Nataniel Vieira nataniel.vieira@gmail.com Aula 01 - Servidores Abordagem geral Teoria e práticas Servidores Linux Comandos Linux 2 Bibliografias da apoio

Leia mais

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux

Fundamentos de Sistemas Operacionais. GNU / Linux. Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009. Unidade 04-002 GNU / Linux GNU / Linux Prof. Edwar Saliba Júnior Março de 2009 Conceitos Básico O S.O. é case sensitive, ou seja, sensível à caixa; Exemplo: o arquivo apple.txt é diferente do arquivo Apple.txt e podem conviver juntos

Leia mais

Introdução a Sistemas Abertos

Introdução a Sistemas Abertos Introdução a Sistemas Abertos Apresentação filipe.raulino@ifrn.edu.br Sistemas Abertos Qualquer programa de computador que pode ser usado, copiado, estudado e redistribuído inclusive com seu código fonte

Leia mais

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional

TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional TECNÓLOGO EM ANÁLISE E DESENVOLVIMENTO DE SISTEMAS PROGRAMAÇÃO DE COMPUTADORES I Aula 01: Conceitos Iniciais / Sistema Operacional O conteúdo deste documento tem por objetivo apresentar uma visão geral

Leia mais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais

Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Universidade Federal de Ouro Preto Departamento de Computação e Sistemas - DECSI Desenvolvimento para Sistemas Embarcados (CEA 513) Conceitos Gerais Vicente Amorim vicente.amorim.ufop@gmail.com Sumário

Leia mais

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1]

Agente local Aranda GNU/Linux. [Manual Instalación] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Todos los derechos reservados Aranda Software www.arandasoft.com [1] Introdução O Agente Aranda para sistemas Linux se encarrega de coletar as seguintes informações em cada uma das estações de trabalho

Leia mais

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial

INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial INSTALAÇÃO PRINTERTUX Tutorial 2 1. O Sistema PrinterTux O Printertux é um sistema para gerenciamento e controle de impressões. O Produto consiste em uma interface web onde o administrador efetua o cadastro

Leia mais

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux

Kernel Linux. Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903. Representação artística do núcleo Linux Kernel Linux Representação artística do núcleo Linux Trabalho Realizador Por: Tiago Conceição Nº 11903 Índice Introdução...2 O que é o Kernel...3 Como surgiu...4 Para que serve...5 Versões...6 Versões

Leia mais

A linha de comando do Unix e GNU/Linux

A linha de comando do Unix e GNU/Linux A linha de comando do Unix e GNU/Linux A linha de comando do Unix e GNU/Linux Michael Opdenacker Free Electrons http://free-electrons.com Traduzido por Klayson Sesana Bonatto Criado com OpenOffice.org

Leia mais

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre

22:59:36. Introdução à Informática com Software Livre 22:59:36 Introdução à Informática com Software Livre 1 22:59:36 O Debian é uma distribuição GNU/Linux desenvolvida abertamente por um grupo mundial de voluntários, no esforço de se produzir um sistema

Leia mais

Permissões no GNU/Linux

Permissões no GNU/Linux Permissões no GNU/Linux Sistemas operacionais multi-usuário têm de zelar pela segurança e privacidade dos dados individuais de cada usuário, bem como prezar pela integridade do sistema. Para isso existe

Leia mais

Introdução à Computação: Sistemas de Computação

Introdução à Computação: Sistemas de Computação Introdução à Computação: Sistemas de Computação Beatriz F. M. Souza (bfmartins@inf.ufes.br) http://inf.ufes.br/~bfmartins/ Computer Science Department Federal University of Espírito Santo (Ufes), Vitória,

Leia mais

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente?

Conteúdo 1 Comandos Básicos. Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? Conteúdo 1 Comandos Básicos Questão 1: Que comando permite encerrar o sistema definitivamente? a) shutdawn b) shutdown t now c) shutdown r now d) shutdwon h now e) shutdown h now Questão 2: Que comando

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM HYPER-V 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep

Leia mais

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel

ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS. 10.0.0.0 até 10.255.255.255 172.16.0.0 até 172.31.255.255 192.168.0.0 até 192.168.255.255. Kernel ENDEREÇOS DE REDE PRIVADOS Foram reservados intervalos de endereços IP para serem utilizados exclusivamente em redes privadas, como é o caso das redes locais e Intranets. Esses endereços não devem ser

Leia mais

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS

I N F O R M Á T I C A. Sistemas Operacionais Prof. Dr. Rogério Vargas Campus Itaqui-RS I N F O R M Á T I C A Sistemas Operacionais Campus Itaqui-RS Sistemas Operacionais É o software que gerencia o computador! Entre suas funções temos: inicializa o hardware do computador fornece rotinas

Leia mais

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto

Aula 4 Comandos Básicos Linux. Prof.: Roberto Franciscatto Sistemas Operacionais Aula 4 Comandos Básicos Linux Prof.: Roberto Franciscatto Prompt Ao iniciar o GNU/Linux, a primeira tarefa a ser executada é o login no sistema, o qual deve ser feito respondendo

Leia mais

Instalando o Debian em modo texto

Instalando o Debian em modo texto Instalando o Debian em modo texto Por ser composto por um número absurdamente grande de pacotes, baixar os CDs de instalação do Debian é uma tarefa ingrata. Você pode ver uma lista dos mirrors disponíveis

Leia mais

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts)

Gerência de Redes de Computadores. 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) Gerência de Redes de Computadores 05 Gerência de Hospedeiros (Hosts) UFCG / DSC / JPS * 05 GERÊNCIA DE HOSPEDEIROS 1 TIPOS DE HOSPEDEIROS DOIS TIPOS DE HOSPEDEIROS o Servidores o Estações Clientes HÁ GRANDE

Leia mais

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951

Seu manual do usuário XEROX 6279 http://pt.yourpdfguides.com/dref/5579951 Você pode ler as recomendações contidas no guia do usuário, no guia de técnico ou no guia de instalação para XEROX 6279. Você vai encontrar as respostas a todas suas perguntas sobre a XEROX 6279 no manual

Leia mais

Sistemas Operacionais

Sistemas Operacionais Sistemas Operacionais Gerência de Arquivos Edson Moreno edson.moreno@pucrs.br http://www.inf.pucrs.br/~emoreno Sumário Conceituação de arquivos Implementação do sistemas de arquivo Introdução Sistema de

Leia mais

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS LINUX. Professor Mauricio Franceschini Duarte

INFORMÁTICA PARA CONCURSOS LINUX. Professor Mauricio Franceschini Duarte INFORMÁTICA PARA CONCURSOS Professor Mauricio Franceschini Duarte SOFTWARE LIVRE É todo software sobre o qual o usuário tem o livre direito de instalar, usar, estudar, modificar e redistribuir. 2 FSF FREE

Leia mais

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO:

SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF. Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL SISTEMA OPERACIONAL FUNÇÃO: SISTEMA OPERACIONAL INFORMÁTICA PRF Prof.: MARCIO HOLLWEG mhollweg@terra.com.br FUNÇÃO: GERENCIAR, ADMINISTRAR OS RECURSOS DA MÁQUINA. SISTEMA OPERACIONAL EXEMPLOS MS-DOS WINDOWS 3.1 WINDOWS 95 WINDOWS

Leia mais

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior

Unix: Sistema de Arquivos. Geraldo Braz Junior Unix: Sistema de Arquivos Geraldo Braz Junior 2 Arquivos Um arquivo é visto pelo SO apenas como uma seqüência de bytes: nenhuma distinção é feita entre arquivos ASCII, binários, etc.; Muitos programas

Leia mais

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios

Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Roteiro 3: Sistemas Linux arquivos e diretórios Objetivos Detalhar conceitos sobre o sistema operacional Linux; Operar comandos básicos de sistemas Linux em modo Texto; Realizar a manutenção de arquivos

Leia mais

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação.

INICIALIZAÇÃO RÁPIDA. 1 Insira o CD 1 ou DVD do Novell Linux Desktop na unidade e reinicialize o computador para iniciar o programa de instalação. Novell Linux Desktop www.novell.com 27 de setembro de 2004 INICIALIZAÇÃO RÁPIDA Bem-vindo(a) ao Novell Linux Desktop O Novell Linux* Desktop (NLD) oferece um ambiente de trabalho estável e seguro equipado

Leia mais

Curso Técnico de Nível Médio

Curso Técnico de Nível Médio Curso Técnico de Nível Médio Disciplina: Informática Básica 3. Software Prof. Ronaldo Software Formado por um conjunto de instruções (algoritmos) e suas representações para o

Leia mais

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com

Sistemas Operacionais. Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Y. Kusumoto andrekusumoto.unip@gmail.com Prof. André Yoshimi Kusumoto andre_unip@kusumoto.com.br Apresentação Carga horária: 2 horas-aula/semana 2/11 Objetivos Possibilitar ao aluno: Entendimento

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática

Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto. QI ESCOLAS E FACULDADES Curso Técnico em Informática Sistema Operacional Unidade 5 - Iniciando o modo texto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 OPERANDO EM MODO TEXTO... 3 Abrindo o terminal... 3 Sobre o aplicativo Terminal... 3 AS CORES

Leia mais

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04

Guia de Prática. Windows 7 Ubuntu 12.04 Guia de Prática Windows 7 Ubuntu 12.04 Virtual Box e suas interfaces de rede Temos 04 interfaces de rede Cada interface pode operar nos modos: NÃO CONECTADO, que representa o cabo de rede desconectado.

Leia mais

Gerenciar usuário, contas de grupo e sistema de arquivos

Gerenciar usuário, contas de grupo e sistema de arquivos Gerenciar usuário, contas de grupo e sistema de arquivos - 2 Sumário Capítulo 1 Gerenciar usuário, contas de grupo e sistema...3 1.1. Objetivos... 3 1.2. Mãos a obra...4 Capítulo 2 Gerenciando... 14 2.1.

Leia mais

Instalação do Linux Educacional 3.0 Bancadas SED

Instalação do Linux Educacional 3.0 Bancadas SED Instalação do Linux Educacional 3.0 Bancadas SED A instalação do Linux Educacional 3.0 segue os mesmos moldes da instalação normal, porém, com algumas considerações. Backup de Configurações Para evitar

Leia mais

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves

Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves Everson Scherrer Borges João Paulo de Brito Gonçalves 1 Introdução ao Linux e Instalação do Ubuntu Linux História Em 1973, um pesquisador da Bell Labs, Dennis Ritchie, reescreveu todo o sistema Unix numa

Leia mais

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção

Funções de um SO. Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção Sistemas de Arquivos Funções de um SO Gerência de processos Gerência de memória Gerência de Arquivos Gerência de I/O Sistema de Proteção 2 Sistemas Operacionais Necessidade de Armazenamento Grandes quantidades

Leia mais

Introdução ao Linux MICHELLE NERY

Introdução ao Linux MICHELLE NERY Introdução ao Linux MICHELLE NERY O que é preciso saber para conhecer o Linux? Entender os componentes de um computador. Conhecimentos básicos de sistemas operacionais. Referência: Sistemas Operacionais

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VMWARE WORKSTATION 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do

Leia mais

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX

Administração de Redes Linux. Unidade 1 - LINUX Administração de Redes Linux Unidade 1 - LINUX Breve Histórico O Linux é um sistema operacional moderno e gratuito, baseado nos padrões UNIX. Desenvolvido inicialmente em 1991 como um KERNEL PEQUENO E

Leia mais

Aula 02. Introdução ao Linux

Aula 02. Introdução ao Linux Aula 02 Introdução ao Linux Arquivos Central de Programas do Ubuntu A Central de Programas do Ubuntu é uma loja de aplicativos integrada ao sistema que permite-lhe instalar e desinstalar programas com

Leia mais

Volume ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM. Manual Técnico 4.28

Volume ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM. Manual Técnico 4.28 Volume 1 ACRONUS SOFTWARE GUIA DE UTILIZAÇÃO DO ACRONUS SYSTEM Manual Técnico 4.28 P A C O T E I N S T I T U I Ç Õ E S D E E N S I N 0 - E M P R E S A S Manual Técnico 4.28 ACRONUS SOFTWARE 08.104.732/0001-33

Leia mais

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico

Plano de Trabalho Docente 2014. Ensino Técnico Plano de Trabalho Docente 2014 Ensino Técnico Etec: ETEC PROF. MASSUYUKI KAWANO Código: 136 Município: TUPÃ Eixo Tecnológico: INFORMAÇÃO E COMUNICAÇÃO Habilitação Profissional: Técnica de nível médio de

Leia mais

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre

16:21:50. Introdução à Informática com Software Livre 16:21:50 Introdução à Informática com Software Livre 1 16:21:50 Hardware & Software 2 16:21:50 Hardware Hardware é a parte física de um computador, é formado pelos componentes eletrônicos, como por exemplo,

Leia mais

Treinamento para Manutenção dos Telecentros

Treinamento para Manutenção dos Telecentros Treinamento para Manutenção dos Telecentros Módulo II :: Utilizando o Linux Básico do Sistema Manoel Campos da Silva Filho Professor do IFTO/Palmas 1 2 Código Aberto/Open Source Programas (softwares/aplicativos)

Leia mais

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio

FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04. Prof. André Lucio FTIN Formação Técnica em Informática Módulo Sistema Proprietário Windows AULA 04 Prof. André Lucio Competências da aula 3 Servidor de DHCP. Servidor de Arquivos. Servidor de Impressão. Aula 04 CONCEITOS

Leia mais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais

CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais CESPE - 2012 - FNDE - Técnico em Financiamento e Execução de Programas e Projetos Educacionais De modo semelhante ao Linux, o Windows é considerado um software microbásico. Uma característica desse tipo

Leia mais

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX

GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX GUIA DE INSTALAÇÃO NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX NETDEEP SECURE COM VIRTUAL BOX 1- Visão Geral Neste manual você aprenderá a instalar e fazer a configuração inicial do seu firewall Netdeep Secure em um

Leia mais

Recuperando o GRUB após instalação do Windows

Recuperando o GRUB após instalação do Windows Recuperando o GRUB após instalação do Windows PET Engenharia de Computação - http://www.inf.ufes.br/~pet 1 Instruções iniciais Para efetuar as configurações a seguir talvez precisaremos executar comandos

Leia mais

Mini curso de GNU/Linux

Mini curso de GNU/Linux Rudson Ribeiro Alves Mestre em Física (Semi Condutores) Usuário Unix de 1991 1998 Usuário Slackware deste 1994 Professor da UVV deste 1998 Mini curso de GNU/Linux Noções básicas sobre GNU/Linux Plataforma

Leia mais

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação

ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação ROM-BIOS Inicialização Sistemas de Arquivos Formatação 1 ROM-BIOS ROM-BIOS Basic Input/Output System (Sistema Básico de Entrada/Saída). O termo é incorretamente conhecido como: Basic Integrated Operating

Leia mais

Aula 05 Estrutura de diretórios

Aula 05 Estrutura de diretórios 1 Aula 05 Estrutura de diretórios 1.0 Histórico Quando do desenvolvimento do Linux, Linus Torvalds tinha a pretensão de evitar problemas encontrados durante seu uso do Minix. Dessa maneira, o sistema de

Leia mais

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos

Roteiro. Sistemas Distribuídos. Sistemas de Arquivos Distribuídos. Sistema de arquivos distribuídos Sistemas Distribuídos Sistemas de Arquivos Distribuídos Roteiro Sistema de arquivos distribuídos Requisitos Arquivos e diretórios Compartilhamento Cache Replicação Estudo de caso: NFS e AFS Sistemas Distribuídos

Leia mais

Compartilhamento de recursos de forma a racionar e otimizar o uso de equipamentos e softwares. Servidores e Workstations. Segurança é um desafio, por

Compartilhamento de recursos de forma a racionar e otimizar o uso de equipamentos e softwares. Servidores e Workstations. Segurança é um desafio, por $XWDUTXLD(GXFDFLRQDOGR9DOHGR6mR)UDQFLVFR± $(96) )DFXOGDGHGH&LrQFLDV6RFLDLVH$SOLFDGDVGH3HWUROLQD± )$&$3( &XUVRGH&LrQFLDVGD&RPSXWDomR $8',725,$'$7(&12/2*,$'$,1)250$d 2 &\QDUD&DUYDOKR F\QDUDFDUYDOKR#\DKRRFRPEU

Leia mais

Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20

Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20 Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 1/20 Tutorial para particionamento, instalação do Kurumin GNU/Linux 6.0 e configuração de boot loader. Tutorial Kurumin GNU/Linux 6.0 2/20 Introdução... 3 Requisitos... 4

Leia mais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais

Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais Notas da Aula 15 - Fundamentos de Sistemas Operacionais 1. Software de Entrada e Saída: Visão Geral Uma das tarefas do Sistema Operacional é simplificar o acesso aos dispositivos de hardware pelos processos

Leia mais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais

Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Laboratório de Redes de Computadores e Sistemas Operacionais Linux: Adicionando Usuários Fabricio Breve Introdução Administradores precisam ter um entendimento completo de como funcionam contas Linux Contas

Leia mais

Instalação em Dual Boot

Instalação em Dual Boot Manual Instalação em Dual Boot tutorial de instalação Dual boot Windows XP e o Linux Educacional 2.0 Francisco Willian Saldanha Analista de Teste de Sistemas MEC/SEED/DITEC/CETE Manual Instalação em Dual

Leia mais

Manual Técnico BRMA BALANCE

Manual Técnico BRMA BALANCE B R M A B a l a n c e Manual Técnico BRMA BALANCE EMPRESA Atuando no segmento de comunicação de dados desde 1998, a BRconnection vem se destacando por desenvolver e disponibilizar ao mercado a solução

Leia mais

Pratique o seu conhecimento

Pratique o seu conhecimento Pratique o seu conhecimento QUESTÕES DO CAPÍTULO 1 (A HISTÓRIA ) 1) Explique com suas palavras qual a importância de Richard Stallman para o software livre e o que é o projeto GNU. R.: Richard Stallman

Leia mais

Introdução ao Linux: Parte I

Introdução ao Linux: Parte I Data: Introdução ao Linux: Parte I Marcelo Ribeiro Xavier da Silva marceloo@inf.ufsc.br Histórico 3 Origem do GNU Linux Em 1983, Richard Stallman fundou a Free Software Foundation, com o intuito de criar

Leia mais

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto

Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Sistema Operacional Unidade 12 Comandos de Rede e Acesso Remoto Curso Técnico em Informática SUMÁRIO INTRODUÇÃO... 3 Protocolo de rede... 3 Protocolo TCP/IP... 3 Máscara de sub-rede... 3 Hostname... 3

Leia mais

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA POR PRAZO DETERMINADO

PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA POR PRAZO DETERMINADO UNIVERSIDADE ESTADUAL DA PARAÍBA CENTRAL DE INFORMÁTICA PROCESSO SELETIVO PARA CONTRATAÇÃO DE TÉCNICO DE INFORMÁTICA POR PRAZO DETERMINADO INFORMAÇÕES A) A prova consta de 20 questões de múltipla escolha,

Leia mais