Análise do desgaste de ferramentas no fresamento de engrenagens cônicas de grandes dimensões fundidas em aço ABNT 4140

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Análise do desgaste de ferramentas no fresamento de engrenagens cônicas de grandes dimensões fundidas em aço ABNT 4140"

Transcrição

1 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA Cláudio Parreira Lopes Análise do desgaste de ferramentas no fresamento de engrenagens cônicas de grandes dimensões fundidas em aço ABNT 4140 São João Del Rei, 2013

2 Análise do desgaste de ferramentas no fresamento de engrenagens cônicas de grandes dimensões fundidas em aço ABNT 4140 Dissertação apresentada ao Curso de Mestrado da Universidade Federal de São João Del Rei, como requisito para a obtenção do título de Mestre em Engenharia Mecânica Área de Concentração: Materiais e Processos de Fabricação Orientador: Prof. Dr. Durval Uchôas Braga São João Del Rei, 2013

3 L864a Lopes, Cláudio Parreira Análise do desgaste de ferramentas no fresamento de engrenagens cônicas de grandes dimensões fundidas em aço ABNT 4140 [manuscrito] / Cláudio Parreira Lopes f. ; il. Orientador: Durval Uchôas Braga Dissertação (mestrado) - Universidade Federal de São João Del Rei. Departamento de Engenharia Mecânica. Referências: f Fresamento - Teses. 2. Avarias - Teses. 3. Engrenagens - fabricação - Teses. 4. Comando Numérico Computadorizado - CNC - Teses. 5. Corrente elétrica - Teses. I. Braga, Durval Uchôas (orientador) II. Universidade Federal de São João Del Rei. Departamento de Engenharia Mecânica. III. Título CDU:

4 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA DISSERTAÇÃO DE MESTRADO Análise do desgaste de ferramentas no fresamento de engrenagens cônicas de grandes dimensões fundidas em aço ABNT 4140 Autor: Cláudio Parreira Lopes Orientador: Prof. Dr. Durval Uchôas Braga A Banca Examinadora composta pelos membros abaixo aprovou esta Dissertação: São João Del Rei, 19 de abril de 2013

5 Dedico este trabalho à minha esposa Michele, meu raio de sol.

6 Agradecimentos Agradeço primeiramente a Deus, força constante que me fez prosseguir nos momentos difíceis deste caminho, sendo meu guia, meu piloto, minha luz e meu norte durante este tempo de provação e mudança de pensamento. Agradeço também a minha esposa Michele de Cássia Fernandes Fonseca, por compartilhar os momentos de alegrias e tristezas durante o mestrado. Pela companhia e pelo carinho, dedico este trabalho a você. A minha família, Sr. Armando Lopes de Camargos, Sra. Raimunda Parreira Lopes, Sr. Jairo Antônio de Paula, Adriano Parreira Lopes, Luciana Parreira Lopes, Mateus Silva Correa, Sr. Divino José da Fonseca, Sra. Beatriz Fernandes Fonseca, Lorena Angélica Fonseca, Arnaldo de Andrade, Fernanda Fernandes Fonseca e Daniel Chaves Backer, pelo apoio e pela amizade neste período de ausência. Aos colegas da Pemill Indústria de Usinagem Ltda. que ajudaram na realização dos ensaios: Claudiney Libério de Bessa, Rômulo Nilmar de Sousa, Anderson Alessandro Diniz, Fábio Lara Amaral e Luiz Henrique de Brito. Ao amigo Edson José dos Santos pelo apoio técnico na parte elétrica. Aos amigos Paulino Salviano Filho e Edson Lemos de Sousa por terem disponibilizado os recursos necessários para realização deste trabalho. Ao Prof. Dr. Wagner Custódio de Oliveira, do Centro Federal de Educação Tecnológica Cefet Divinópolis, pela divulgação dos trabalhos em seu blog. Ao Prof. Steven Shenfield, do Centro de Cultura Britânica Red Lion Divinópolis, pela importante contribuição no aprendizado da língua inglesa. Aos colegas de mestrado Reinaldo Emílio Cruz de Jesus, Elifas Levi da Silva, Deibe Valgas dos Santos, Ana Paula Borges de Melo, Ely Wagner Ferreira Sabará e Cleiton Arlindo Martins, pelo companheirismo e pelo tempo de convivência compartilhado. Aos funcionários da Universidade Federal de São João Del Rei UFSJ, Camilo Lellis dos Santos, Emílio Dias Moreira, Mônica Maria Jaques, Prof. Dr. José Antônio da Silva, Prof. Dr. Lincoln Cardoso Brandão, Prof. Dr. Marco Antônio Schiavon, Prof. Dr. Frederico Ozanan Neves, pela experiência e dedicação demonstradas.

7 Ao Prof. Dr. José Felipe Dias e ao Prof. Antônio Lombardo, da Universidade de Itaúna UIT, que abriram as portas para meu ingresso no programa de mestrado. Em especial ao amigo Prof. Dr. Durval Uchôas Braga, da Universidade Federal de São João Del Rei UFSJ, pela dedicação e pelo comprometimento profissional. Finalmente, a todos aqueles que direta ou indiretamente contribuíram para a realização deste trabalho.

8 Resumo Técnicas não intrusivas de monitoramento são importantes aliadas para redução do descarte subjetivo de ferramentas nos processo de usinagem. Apesar da crescente utilização de equipamentos CNC nas indústrias metalmecânicas, existe a ausência de sensores integrados aos equipamentos que indiquem ao operador o momento ideal para troca da ferramenta desgastada. Assim, torna-se necessário aliar métodos diretos e indiretos de controle com o objetivo de suprir esta carência. Neste trabalho foram monitorados os sinais de corrente elétrica/potência no processo de fresamento frontal de engrenagens em máquina CNC com o intuito de correlacioná-los ao desgaste e/ou avarias apresentados. As informações coletadas formaram um banco de dados responsável pela tomada de decisão com relação ao momento ideal de substituição das pastilhas no processo. Como variáveis independentes utilizou-se dois tipos de ferramentas, três valores de velocidade de corte e quatro comprimentos de usinagem. Os dados foram tratados estatisticamente através da análise de variância (ANOVA). Por meio do contraste estatístico pode-se concluir que as ferramentas utilizadas estão sujeitas a maior ocorrência de desgastes e/ou avarias quando trabalham com menores velocidades de corte, e que os fenômenos de degradação apresentados podem ser relacionados com o aumento da corrente elétrica/potência, pelo menos em 83% dos ensaios realizados. Palavras Chave: CNC, Fresamento, Desgastes/Avarias, Fabricação de Engrenagens, Corrente Elétrica.

9 Abstract Non-intrusive monitoring techniques are important allies to reduce disposal subjective tools in machining process. Despite the increasing use of CNC equipment in the metal-mechanic industries, there is a lack of integrated sensors on equipment to indicate to the operator the ideal time to change the tool worn. Thus, it becomes necessary to combine direct and indirect methods of control in order to fill the gap. In this work we monitored the signals of current / power in the process of face milling of gears on a CNC machine in order to correlate them to wear and / or damage presented. The information collected formed a database responsible for decision making regarding the optimal time to replace the pads in the process. As independent variables, two types of tools, three values of speed of cutting and machining four lengths. The data were statistically analyzed by analysis of variance (ANOVA). By means of statistical contrast can be concluded that the tools used are subjected to higher occurrence of wear and / or damage when working at lower cutting speeds and that the phenomena of degradation presented may be linked to increased electric current / power at least 83% of the tests. Keywords: CNC, Milling, Wear / Damage, Gear Manufacturing, Electrical Current.

10 Lista de figuras Figura a) Tornofresamento; b) Fresamento de rosca; c) Fresamento trocoidal (adaptado de SANDVIK, 2011) Figura Fresamento frontal (METÁLICA, 2012) Figura a) χr = 10º; b) χr = 45º; c) χr = 90º (adaptado de KENNAMETAL, 2012) Figura Localização do diâmetro na fresa (ISCAR, 2012) Figura Diferentes valores de Dc em diferentes geometrias de ferramentas (adaptado de MITSUBISHI, 2012) Figura a) a p fresamento tangencial (adaptado de SANDVIK, 2011); b) a p fresamento frontal (KENNAMETAL, 2012) Figura a) Largura de corte fresamento tangencial; b) Largura de corte fresamento frontal (adaptado de SANDVIK, 2011) Figura Velocidade de corte no fresamento (NBR-6162, 1989) Figura Avanço por dente no fresamento (adaptado de SANDVIK, 2011) Figura Avanço por rotação no fresamento (adaptado de SANDVIK, 2011) Figura Espessura máxima do cavaco no fresamento (WALTER, 2012) Figura Espessura máxima do cavaco para χr = 90º (ISCAR, 2012) Figura Espessura máxima do cavaco em pastilhas redondas (χr < 60º) (adaptado de SANDVIK, 2011) Figura Determinação do diâmetro efetivo em fresas tipo ball (KENNAMETAL, 2010) Figura Inclinação do eixo principal da máquina (SANDVIK, 2011) Figura Corte raso (KENNAMETAL, 2010) Figura Diferentes regiões de entrada da ferramenta (adaptado de SANDVIK, 2011) Figura Danos em ferramentas de corte (adaptado de CHILDS et al. 2000)... 33

11 Figura Regiões para medição de desgastes em ferramentas (adaptado de ISO 3685, 1993) Figura Desgaste de flanco (ISCAR, 2012) Figura Desgaste de cratera (WALTER, 2007) Figura Representação gráfica de desgaste em ferramentas (DAVIM, 2008) Figura Fresamento de engrenagem em centro de usinagem CNC (HELLER GROUP, 2010) Figura a) Verificação do estado de superfície (DIGIMESS, 2012); b) Inspeção visual Figura Medição óptica Figura Medição da corrente elétrica e potência do motor (adaptado de MEASURE CURRENT, 2012) Figura Modelo de um mapa de intensidade luminosa montado a partir do sinal de emissão acústica (SOUTO, 2007) Figura Monitoramento por processamento de imagens (BARREIRO et al., 44 Figura )... Centro de usinagem Travis M Figura Detalhes e dimensões do corpo de prova Figura Determinação dos comprimentos de corte Figura Montagem no microscópio Mitutoyo Figura Montagem no microscópio eletrônico de varredura Figura Projetor de perfil Digimess Figura Medição eixo coordenado X para ferramenta T Figura Transdutor digital Yokogawa Figura a) Transformador de corrente (LUKMA, 2012); b) Montagem do transdutor digital Yokogawa Figura Montagem do sistema via Transdig Figura a) Durômetro manual Time Hardness Tester; b) Pontos de medição da dureza no perfil do dente usinado Figura Valor médio do desgaste nas ferramentas Figura Superfície secundária de folga ferramenta T Figura Superfície secundária de folga ferramenta T

12 Figura Valor médio da corrente para ferramentas utilizadas Figura Aresta secundária de corte da ferramenta T1 para comprimento de corte L2; a) 80% v c ; b) 90% v c ; c) 100% v c Figura Aresta secundária de corte da ferramenta T1 para comprimento de corte L4; a) 80% v c ; b) 90% v c ; c) 100% v c Figura Aresta secundária de corte da ferramenta T2 para comprimento de corte L2; a) 80% v c ; b) 90% v c ; c) 100% v c Figura Aresta secundária de corte da ferramenta T2 para comprimento de corte L4; a) 80% v c ; b) 90% v c ; c) 100% v c... 69

13 Lista de tabelas Tabela Tabela de análise da variância Tabela Variáveis independentes Tabela Seleção das ferramentas T1 e T Tabela Variáveis dependentes Tabela Dureza em Hardness Brinell (HB) no dente da engrenagem Tabela Análise de variância para dureza Tabela Tabela Desgaste (µm) medido na superfície secundária de folga... Análise de variância para desgaste na superfície secundária de folga Tabela Valores da corrente elétrica (Ampere) Tabela Análise de variância da corrente elétrica... 65

14 Lista de abreviaturas e siglas Letras Latinas A - divisão da aresta principal de corte a e - largura de corte [mm] a p - profundidade de corte [mm] Aα - superfície principal de folga A α - superfície secundária de folga B - divisão da aresta principal de corte C - divisão da aresta principal de corte d - diâmetro externo da fresa [mm] D - diâmetro do cortador [mm] Dc - diâmetro externo da fresa [mm] De - diâmetro efetivo [mm] f - avanço por rotação [mm/rot] f z - avanço por dente [mm/dente] h máx. - espessura máxima do cavaco [mm] H 0 - hipótese de nulidade H 1 - hipótese de não nulidade I - i-ésimo ic - diâmetro externo da pastilha redonda [mm] J - j-ésimo KT - profundidade do desgaste de cratera [mm] kv - kilovolt kw - kilowatt L1 - comprimento de corte 1 [mm] L2 - comprimento de corte 2 [mm] L3 - comprimento de corte 3 [mm] L4 - comprimento de corte 4 [mm] L5 - comprimento de corte 5 [mm] L6 - comprimento de corte 6 [mm] Le - comprimento da ferramenta [mm]

15 n - rotações por minuto ou velocidade do fuso N - divisão da aresta principal de corte PK - ponto de tangência [mm] R - raio da fresa redonda [mm] r ε - raio de ponta da ferramenta [mm] S - aresta de corte T1 - ferramenta 1 T2 - ferramenta 2 Th - espessura da ferramenta [mm] VB B - largura do desgaste de flanco [mm] v c - velocidade de corte [m/min] v f - avanço da mesa ou velocidade de avanço da mesa [mm/min] VI - Virtual Instrument (Instrumento Virtual) Wi - largura da ferramenta [mm] zc - número de arestas efetivas de corte Y ij - observação do i-ésimo tratamento na j-ésima unidade experimental Letras Gregas α - nível de significância ε ij - erro associado ao i-ésimo tratamento da j-ésima unidade experimental χ r - ângulo de posição [graus] µ - média geral estatística µm - micrometro T i - efeito do i-ésimo tratamento φ - ângulo de contato do dente em corte efetivo [graus] Abreviações ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas AD - Analógico Digital AlTiN - Nitreto de Alumínio Titânio ANOVA- Analysis of Variance (Análise de Variância) CAD - Computer Aided Design (Desenho Assistido por Computador)

16 CAM - Computer Aided Manufacturing (Manufatura Assistida por Computador) CNC - Comando Numérico Computadorizado F(calc.) - valor calculado para distribuição de Fisher F(tab.) - valor tabelado para distribuição de Fisher GL - Grau de Liberdade HB - Hardness Brinell HRC - Hardness Rockwell C HSC - High Speed Cutting HSM - High Speed Machining ISO - International Organization for Standardization Hz - Hertz MEV - Microscópio Eletrônico de Varredura MPa - MegaPascal MQL - Minimal Quantity of Lubrificant (Quantidade Mínima de Lubrificante) NBR - Norma Brasileira Regulamentadora NC - Numeric Control (Comando Numérico) QMRes - quadrado médio dos resíduos QMTrat - quadrado médio dos tratamentos rpm - Rotações por Minuto SSRes - soma dos quadrados dos resíduos SSTotal- soma dos quadrados totais SSTrat - soma dos quadrados dos tratamentos TiN - Nitreto de Titânio USB - Universal Serial Bus (Porta Serial Universal)

17 SUMÁRIO 1 - INTRODUÇÃO REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Processo de usinagem por fresamento Características básicas do fresamento frontal Fresamento quanto aos parâmetros de usinagem Fresamento frontal com ferramentas tipo ball Posição da ferramenta no fresamento frontal Desgastes e avarias em ferramentas Elementos causadores de desgastes e avarias em ferramentas Caracterização do desgaste em ferramentas Principais desgastes e avarias em ferramentas Características do aço ABNT Processos de produção de engrenagens Monitoramento e controle de sinais Monitoramento por sinais elétricos do motor Vantagens obtidas com a utilização de sensores de efeito Hall Análise de variância MATERIAIS E MÉTODOS Máquina, corpo de prova, ferramentas e variáveis Monitoramento dos sinais elétricos do motor Medição da dureza no corpo de prova Programação do centro de usinagem CNC Fluido de corte RESULTADOS E DISCUSSÕES Dureza das superfícies usinadas Desgastes das ferramentas Monitoramento da corrente elétrica do motor da máquina Análise qualitativa da superfície da ferramenta CONCLUSÕES SUGESTÕES PARA TRABALHOS FUTUROS REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS... 73

18 1 - INTRODUÇÃO O processo de fresamento convencional utilizado na fabricação de engrenagens de grandes dimensões vem sendo substituído gradativamente por alternativas de manufatura assistidas por computador, executadas em máquinas CNC. A principal vantagem na utilização deste método é a fabricação de perfis com dimensões e formas variadas, sem necessidade de aquisição de ferramentas específicas. As ferramentas convencionais empregadas no processo tradicional (fresa módulo, fresa caracol) possuem valores elevados de aquisição, sendo igualmente custosas quando necessitam de reafiação e execução de nova cobertura. Quando comparadas às ferramentas intercambiáveis, as mesmas perdem em requisitos logísticos e técnicos, como dificuldades para mensurar desgastes/avarias em microscópios e projetores de perfil, geometria complexa, classe limitada de aplicação para usinagem de materiais, custos com equipamentos e ferramental dedicado, entre outros. Apesar dos constantes avanços encontrados nas atuais máquinasferramenta, ainda não é completamente possível se determinar de forma precisa o momento ideal para troca das ferramentas de corte no processo de usinagem. Por vezes, algumas características do produto/processo são utilizadas como justificativa para determinar o fim de vida da ferramenta, o que pode conduzir a uma tomada de decisão imprecisa. Baseado nestas informações torna-se necessário conhecer e avaliar o desempenho das ferramentas substituindo-as no momento ideal. No cenário fabril mundial pode-se observar que os equipamentos que empregam o princípio do fresamento, ou seja, a remoção de material por meio de ferramentas multicortantes, têm se tornado as máquinas de maior utilização e emprego. Isto ocorre devido ao seu caráter multifuncional, pois com a evolução dos equipamentos mecatrônicos, também ocorre crescente demanda na busca por soluções de usinagem. Devido à velocidade de fabricação e atendimento a curtos prazos de entrega, é importante salientar que muitas empresas não se preocupam com a utilização correta de ferramentas de corte, o que pode causar em médio prazo, significativas perdas econômicas. De nada adianta realizar investimentos em maquinário

19 19 tecnologicamente avançado quando não se dá a devida atenção para as ferramentas necessárias ao processo de fabricação. Então, é preciso criar condições de acompanhamento e determinar critérios mais rigorosos quanto ao descarte de ferramentas, principalmente quando levamos em consideração as dificuldades para gerenciar grandes lotes de fabricação e máquinas que trabalham praticamente em ciclos ininterruptos de produção. O objetivo geral deste trabalho consiste em contribuir para formação e aperfeiçoamento dos pesquisadores interessados em estudar o processo de fresamento de engrenagens em máquinas CNC, utilizando-se técnicas de investigação aliadas ao conhecimento científico. O objetivo específico consiste em correlacionar a eficiência de duas ferramentas utilizadas no processo de fresamento frontal na fabricação de engrenagens cônicas de grandes dimensões fundidas em aço ABNT 4140, em três níveis de velocidade de corte e quatro níveis de comprimento de corte, permitindo assim, sugerir uma seleção racional da ferramenta e/ou parâmetros de corte ideais.

20 2 - REVISÃO BIBLIOGRÁFICA Processo de usinagem por fresamento. Atualmente o fresamento pode ser considerado o sistema de fabricação mais flexível encontrado nas indústrias de usinagem de materiais. A característica de adaptação à geometria das peças, independentemente de sua complexidade, principalmente quando se utilizam máquinas CNC, e as altas taxas de remoção de material fazem do processo um dos mais utilizados no setor metalmecânico. Podem-se encontrar inúmeras definições para o processo de fresamento, as quais convergem para uma operação de usinagem na qual a peça de trabalho é submetida à passagem de uma ferramenta rotativa cilíndrica com uma ou mais arestas de corte. O eixo de rotação da ferramenta de corte é perpendicular à direção de alimentação da peça de trabalho e a forma geométrica da superfície criada pode ser diversificada (DAVIS, 2002; DINIZ, MARCONDES e COPPINI, 2008; SANDVIK, 2005; STOETERAU, 2004; TRENT, 2000; YOUSSEF e EL-HOFY, 2008). A aresta da fresa pode possuir diversos formatos e suas taxas de produção são elevadas. O fresamento é uma operação de corte interrompido, onde as arestas da fresa alternam o contato com a peça durante cada rotação, criando um ciclo de força, impacto e choque térmico, sendo necessário à ferramenta suportar tais condições (GROOVER, 2010). Durante os últimos anos o processo de fresamento evoluiu lado a lado com o desenvolvimento das máquinas-ferramentas (SANDVIK, 2011). O estado da arte do processo se caracteriza pelo aumento da flexibilidade dos equipamentos com máquinas de cinco ou mais eixos, máquinas multitarefa, e pela redução dos tempos passivos referentes à troca de máquinas. Segundo Repo (2010), o número adicional de graus de liberdade de um equipamento, caracterizado pelo aumento do número de eixos da máquina, pode comprometer a rigidez do mesmo. Apesar desta limitação e, dependendo da geometria de trabalho, ainda torna-se possível executar praticamente todas as operações para conclusão de uma peça empregando-se uma única máquina.

21 21 21 Outra tendência do fresamento é a usinagem com menor profundidade de corte e com maior velocidade de avanço, conhecida como high speed machining (HSM) ou com maior velocidade de corte, conhecida como high speed cutting (HSC). Este processo possui alta taxa de remoção de material, baixas forças de corte, bom acabamento superficial, elevada transferência de calor na interface cavaco ferramenta, pequena distorção dimensional e baixos níveis de vibração (RODRIGUES e COELHO, 2007). Devido às altas velocidades utilizadas, a usinagem em HSC produz altas temperaturas na zona primária de cisalhamento do cavaco, induzindo a plasticidade na peça de trabalho e, portanto, diminuindo as forças de corte (ABUKHSHIM, MATIVENGA e SHEIKH 2005). A evolução das ferramentas também está ligada ao projeto e ao desenvolvimento dos materiais. Se por um lado fundição e forjamento são capazes de garantir produtos bem próximos das dimensões finais (e consequentemente com menor sobremetal), as ferramentas modernas são capazes de usinar materiais endurecidos, ligas de alta resistência e superligas. Ferramentas com cobertura multicamada, substratos e geometria de corte tecnologicamente desenvolvida também auxiliam na usinagem dos novos materiais. O fresamento básico está dividido em operações elementares, como o faceamento, fresamento de cantos, fresamento de perfis, cavidades e canais. Com o desenvolvimento das máquinas e softwares o número de operações está em constante ampliação. Novas operações são obtidas pelo fresamento, podendo citar o tornofresamento, o fresamento de roscas, a usinagem em rampa circular, o fresamento trocoidal, mostrados na Figura 2.1. a) b) c) Figura a) Tornofresamento; b) Fresamento de rosca; c) Fresamento trocoidal (adaptado de SANDVIK, 2011).

22 2.2 - Características básicas do fresamento frontal O fresamento é denominado frontal quando a posição da árvore na fresadora é perpendicular à superfície da mesa, conforme mostrado na Figura 2.2. Figura Fresamento frontal (METÁLICA, 2012). O ângulo de posição (χ r ) é o ângulo formado entre a tangente de um ponto da aresta principal de corte e a direção de avanço da ferramenta. Este afeta a espessura dos cavacos, a força de corte e a vida da ferramenta. Os ângulos de posição mais comuns são 10º, 45º e 90º, mostrados na Figura 2.3. Quando χ r = 10º, as fresas podem trabalhar com altos valores de avanço por dente (f z ) e serem utilizadas para fresamento de mergulho. Quando χ r = 45º, as forças de corte radiais e axiais possuem as melhores condições de balanceamento, porém os valores da profundidade de corte ficam limitados. Quando χ r = 90º, as forças radiais ficam orientadas na direção do avanço, permitindo usinar peças de paredes finas e com menor vibração. Nas pastilhas redondas e ferramentas com grande raio de ponta, o ângulo de posição varia entre zero e 90º, alternando a direção da força de corte ao longo do raio da aresta.

23 23 23 a) b) c) Figura a) χ r = 10º; b) χ r = 45º; c) χ r = 90º (adaptado de KENNAMETAL, 2012). Segundo Davim (2008), o controle rígido da geometria de corte é capaz de alterar o fluxo dos cavacos, quebrar e executar a expulsão correta dos mesmos. Quando este controle é empregado no fresamento, por exemplo, utilizando-se ângulo de posição com 45, permite que a velocidade de avanço seja ampliada em 40%, aumentando-se assim a produtividade. Também permite distribuir corretamente a temperatura na cunha de corte e influenciar o estado de tensão residual da superfície usinada. O diâmetro da fresa (Dc) é o diâmetro medido acima do ponto PK, onde a aresta de corte principal encontra a fase paralela da ferramenta, conforme mostrado na Figura 2.4. É utilizado para o cálculo da velocidade de corte (v c ) na operação de fresamento. Figura Localização do diâmetro na fresa (ISCAR, 2012).

24 24 24 Dependendo da geometria da ferramenta, o diâmetro da fresa (Dc) deverá ser cuidadosamente considerado. A interpretação da sua localização no arranjo da ferramenta, conforme mostrado na Figura 2.5, tem influência no cálculo da velocidade de corte real. Figura Diferentes valores de Dc em diferentes geometrias de ferramentas (adaptado de MITSUBISHI, 2012). A profundidade de corte (a p ), mostrada na Figura 2.6, contribui para o volume de metal que a ferramenta remove da peça. Alguns fatores são limitadores da profundidade de corte: tamanho da pastilha, potência da máquina, geometria da peça, entre outros. a) b) Figura a) a p fresamento tangencial (adaptado de SANDVIK, 2011); b) a p fresamento frontal (KENNAMETAL, 2012). A largura de corte (a e ), mostrada na Figura 2.7, é a distância transversal em relação à superfície que está envolvida na usinagem. Também é entendida como a largura radial da fresa envolvida no corte.

25 25 25 Figura a) Largura de corte fresamento tangencial; b) Largura de corte fresamento frontal (adaptado de SANDVIK, 2011) Fresamento quanto aos parâmetros de usinagem. A velocidade de corte é a velocidade instantânea do movimento de corte, no ponto de corte escolhido (NBR-6162, 1989), dada em metros por minuto (m/min) e obtida pela Expressão 2.1, em que n é a rotação do eixo árvore da máquina e d o diâmetro da fresa. No fresamento, a velocidade de corte é representada como mostrado na Figura 2.8. Figura Velocidade de corte no fresamento (NBR-6162, 1989). O avanço por dente (f z ), mostrado na Figura 2.9, é a distância linear percorrida pela ferramenta enquanto um determinado dente está em processo de corte. É dado em milímetros por dente (mm/dente). O valor do avanço por dente é

26 26 26 calculado a partir da espessura máxima recomendada para o cavaco (h máx. ) e do ângulo de posição da ferramenta (χ r ). Figura Avanço por dente no fresamento (adaptado de SANDVIK, 2011). O avanço por rotação (f), mostrado na Figura 2.10, é a distância percorrida pela ferramenta durante uma rotação completa. É dado em milímetros por rotação (mm/rot). É usado nos cálculos de avanço e na determinação da capacidade de acabamento gerada pela fresa. Figura Avanço por rotação no fresamento (adaptado de SANDVIK, 2011). O número de arestas efetivas de corte (z c ) corresponde ao número de dentes que usinam simultaneamente. É utilizado para determinar a velocidade de avanço e tem influência crítica no escoamento dos cavacos e na estabilidade operacional. A velocidade de avanço (v f ), também denominada avanço da mesa, representa o movimento da ferramenta em relação à peça. É dada pela Expressão 2.2 em (mm/min).

27 27 27 A espessura máxima do cavaco (h máx. ) é um valor que está relacionado à produtividade. Quando localizado na faixa ideal, garante que realmente ocorre o processo de corte efetivo. Um cavaco com espessura muito baixa corresponde a um desempenho insatisfatório da usinagem; um cavaco com espessura muito alta corresponde à sobrecarga na aresta de corte, conduzindo a mesma ao colapso. Matematicamente é obtida pela Expressão 2.3 e mostrada na Figura 2.11, em que φ representa o ângulo de contato do dente em corte efetivo. Na Figura 2.12 observa- se a espessura máxima do cavaco em função do ângulo de posição (χ r ). Figura Espessura máxima do cavaco no fresamento (WALTER, 2012). Figura Espessura máxima do cavaco para χ r = 90º (ISCAR, 2012).

28 28 28 É importante salientar que a tendência de tornar a espessura do cavaco próxima do zero permite o aumento do avanço por dente em algumas condições: fresas com pastilhas de aresta reta, fresas com pastilhas redondas, fresas com pastilhas com raio de ponta grande e fresamento periférico com largura radial pequena. Nas fresas com pastilhas redondas ou pastilhas com raio de ponta grande, o melhor desempenho é obtido quando o ângulo de posição permanece abaixo de 60º. Nestes casos, a profundidade de corte possui a limitação de não exceder 25% do diâmetro da pastilha (ic), conforme mostrado na Figura As pastilhas redondas possuem melhor relação de espessura máxima do cavaco quando comparadas às pastilhas de aresta reta. Figura Espessura máxima do cavaco em pastilhas redondas (χ r < 60º) (adaptado de SANDVIK, 2011). No fresamento periférico com largura radial pequena, a espessura máxima do cavaco varia dependendo da razão entre largura fresada e diâmetro da fresa (a e / Dc). Quando esta razão é menor que 50%, a espessura mínima do cavaco é reduzida em relação ao avanço por dente (f z ) Fresamento frontal com ferramentas tipo ball. Ferramentas ball são aquelas que possuem perfil externo semelhante à forma geométrica de uma esfera ou semi-esfera. Este tipo de ferramenta é muito utilizado na usinagem de matrizes, peças com superfícies complexas, usinagem high speed, aplicadas na indústria aeroespacial e na indústria automobilística. Em função da sua forma geométrica, alguns conceitos devem ser considerados para sua utilização.

29 29 29 O diâmetro efetivo da ferramenta deve ser observado inicialmente para o cálculo da rotação do eixo árvore, conforme mostrado na Figura Figura Determinação do diâmetro efetivo em fresas tipo ball (KENNAMETAL, 2010). O diâmetro efetivo é definido como o diâmetro axial real da fresa na linha de centro da profundidade de corte, sendo afetado pelo raio de ponta da ferramenta e pela profundidade axial de corte. Matematicamente é obtido pela Expressão 2.4: O diâmetro efetivo substitui o diâmetro da fresa para o cálculo da velocidade de corte na fórmula convencional. Assim, a velocidade de corte passa a ser obtida matematicamente pela Expressão 2.5: Um inconveniente na aplicação da geometria ball são os esforços de corte presentes na região próxima ao centro da ferramenta. Como o diâmetro possui a tendência de aproximar-se de zero, a velocidade de corte também aproxima-se de zero. Esta montagem é prejudicial ao processo de corte, pois o escoamento de cavacos no centro da ferramenta é crítico devido ao espaço estreito na aresta transversal.

30 30 30 A fim de minimizar as tensões geradas nesta condição, sugere-se que o eixo da ferramenta seja inclinado com relação à linha de centro principal do eixo árvore da máquina, conforme mostrado na Figura O objetivo desta inclinação é de mover a zona de corte para fora do centro da ferramenta, ajudando a equalizar as cargas presentes na formação do cavaco. Figura Inclinação do eixo principal da máquina (SANDVIK, 2011). Infelizmente em muitas máquinas não é possível executar tal configuração, muito menos inclinar as peças que se pretende produzir. Assim, nas situações onde o diâmetro total da ferramenta está envolvido no trabalho de corte, deve-se selecionar um raio de ponta para ferramenta de modo a criar um diâmetro efetivo, e utilizar profundidades de corte adequadas para minimizar os esforços presentes na região próxima ao centro do inserto. Outra montagem que permite o emprego de velocidades de corte e avanço por dente maiores é o corte raso, conforme mostrado na Figura No corte raso, a profundidade de corte é menor que o raio de ponta da fresa, porém a ferramenta possui uma fase reta. Neste caso, a velocidade de corte pode ser aumentada devido ao menor tempo de contato da aresta de corte. O tempo de propagação do calor na zona de contato decai, e consequentemente, as temperaturas da aresta de corte e da peça são mantidas baixas. O avanço por dente também pode ser aumentado devido à diminuição da espessura dos cavacos.

31 31 31 Figura Corte raso (KENNAMETAL, 2010). O diâmetro efetivo (De), no corte raso, pode ser obtido pela Expressão 2.6: Posição da ferramenta no fresamento frontal. A formação inicial do cavaco ocorre em três regiões distintas segundo a posição da fresa, conforme mostrado na Figura 2.17: na entrada do corte, no arco de contato e na saída do corte. Na entrada do corte, a ferramenta está sujeita a tensões de compressão. Não é considerada uma região crítica, apesar de produzir cavacos mais espessos. Figura Diferentes regiões de entrada da ferramenta (adaptado de SANDVIK, 2011).

32 32 32 Os maiores problemas ocorrem na região de saída do cavaco. Um cavaco espesso não tem apoio no ponto final de corte, possuindo tendência a curvar-se. Essa curvatura gera uma força de tração, levando a ferramenta a apresentar quebras. Um arco de contato grande produz maior tempo de corte, e por consequência, maior calor transferido para aresta de corte. Uma maneira de se obter cavacos mais espessos na entrada do corte e cavacos menos espessos na saída do corte é o deslocamento da linha de centro entre ferramenta e peça (WALTER, 2012). Observando-se uma relação prática, é recomendado que o diâmetro da fresa seja entre 20-50% maior do que a largura de corte (a e ), e que a distância entre centros seja maior que zero para atenuar os esforços. Porém, a utilização do deslocamento entre centros não deve ser tomada como regra, pois depende exclusivamente da condição da ferramenta Desgastes e avarias em ferramentas. Os desgastes e as avariais em ferramentas, quando observados de maneira direta ou indireta, podem ser considerados como indicadores do fim de vida das mesmas. Além de alterar a qualidade superficial do produto usinado, também podem comprometer sua dimensão e sua geometria. Apesar de serem fenômenos comuns a qualquer tipo de ferramenta, desgastes e avarias são indesejáveis, no entanto, não é possível trabalhar sem eles. O termo desgaste é definido como sendo a perda contínua e microscópica de partículas da ferramenta devido à ação do corte. As outras ocorrências, que não apresentam esta característica, são definidas como avarias (DINIZ, MARCONDES e COPPINI, 2008). A avaria também é entendida como um fenômeno que ocorre de maneira repentina e inesperada, causada pela quebra, lascamento ou trinca da aresta de corte. A quebra e o lascamento levam a destruição total ou à perda de uma quantidade considerável de material da aresta de corte, sendo mais comum em ferramentas com baixa tenacidade (MACHADO et al., 2009). Estudar e entender o processo pelo qual as ferramentas se desgastam é fundamental, pois permite ações efetivas para reduzir este fenômeno, prolongando assim a vida da aresta de corte. Desgastes acelerados e avarias frequentes levam a

33 33 33 parada das máquinas para troca, significando custos adicionais e perda de produtividade. Segundo Barreiro et al. (2008), esta é uma questão importante para empresas que trabalham com critérios específicos de identificação e substituição de ferramentas Elementos causadores de desgastes e avarias em ferramentas. Segundo Childs et al. (2000), os danos de uma ferramenta de corte são influenciados pelos seguintes fatores: stress, temperatura da superfície da ferramenta, processo de usinagem utilizado, condições de corte da ferramenta e do material de trabalho, velocidade de corte, taxa de alimentação, presença ou não de fluido de corte e seu tipo, entre outros. As condições gerais que levam ao desgaste das ferramentas são baseadas em fenômenos químicos, abrasivos e adesivos. Estes mecanismos são classificados de acordo com a temperatura de corte, conforme mostrado na Figura Figura Danos em ferramentas de corte (adaptado de CHILDS et al., 2000). Os danos mecânicos que incluem abrasão, lascamento, quebra e fadiga são independentes da temperatura. Os danos térmicos, como deformação plástica, difusão térmica e reação química aumentam drasticamente à medida que a temperatura aumenta, porém a difusão térmica e a reação química não são causas diretas dos danos.

34 34 34 O desgaste abrasivo é tipicamente causado pelo deslizamento de partículas duras contra a ferramenta de corte. Estas podem ser provenientes da microestrutura metalúrgica da peça bem como das regiões externas ao corte. O desgaste por atrito ocorre numa escala maior do que o desgaste por abrasão. Antes de serem removidos pelo desgaste, as partículas ou grãos do material da ferramenta são mecanicamente enfraquecidas pela microfratura, como resultado da interação do deslizamento no processo de corte. O lascamento é causado pela carga de choque mecânico devido à flutuação da força de corte. Quando o lascamento atinge níveis elevados, conduz a aresta à fratura. A deformação plástica é observada quando a ferramenta de corte não pode suportar o esforço de compressão sobre sua ponta, devido aos altos valores de temperatura presentes. Segundo Filho e Diniz (2002), no fresamento frontal, a frequência de entrada das arestas de corte na peça é o fator predominante que influencia o desgaste e a vida da ferramenta. Além disso, a variação da velocidade de corte também tem influência na vida da ferramenta, independente da existência de uma variação na velocidade de avanço ou do avanço por dente Caracterização do desgaste em ferramentas. O desgaste da ferramenta é um processo gradual. Existem duas regiões fundamentais de desgaste em ferramentas de corte que podem ser utilizadas para medição: a superfície principal de folga e a superfície de saída (ARAKHOV, 2008). Estas regiões são caracterizadas, em sua grande parte, pelo desgaste na superfície de folga da ferramenta, dito frontal ou de flanco, e pelo desgaste de cratera na superfície de saída do cavaco da mesma. Para medição do desgaste, a aresta principal de corte da ferramenta é dividida em quatro regiões: C, B, A e N (ISO-3685, 1993), conforme mostrado na Figura 2.19.

35 35 35 Figura Regiões para medição de desgaste em ferramentas (adaptado de ISO 3685,1993). A largura do desgaste de flanco (VB B ) é medida perpendicular à aresta principal de corte. A profundidade do desgaste de cratera (KT) é medida entre a face original e o ponto de contato mais interno localizado na concavidade do vale Principais desgastes e avarias em ferramentas. O desgaste de flanco (ou desgaste frontal) ocorre na superfície de folga da ferramenta, conforme mostrado na Figura No fresamento é notado quando se utiliza velocidade de corte muito alta e avanço por dente pequeno. Para minimizar sua ocorrência, sugere-se o emprego de ferramentas com melhor classe de resistência ao desgaste, redução da velocidade de corte e aumento do avanço por dente. Figura Desgaste de flanco (ISCAR, 2012).

36 36 36 O desgaste de cratera, mostrado na Figura 2.21, é o desgaste observado na superfície de saída da ferramenta, causado pelo atrito entre ferramenta e cavaco. Seu aparecimento pode ser minimizado quando se utilizam ferramentas de metal duro com cobertura, ferramentas cerâmicas ou quando o material da peça gera cavacos curtos e frágeis. Figura Desgaste de cratera (WALTER, 2007). O desgaste de uma ferramenta também pode ser acompanhado à medida que o tempo de corte ou o percurso de usinagem cresce. Existem três regiões distintas que são observadas quando este acompanhamento é realizado de maneira gráfica (DAVIM, 2008). No gráfico da Figura 2.22 pode-se observar as regiões de desgaste de uma ferramenta. Figura Representação gráfica de desgaste em ferramentas (DAVIM, 2008).

37 37 37 A região I corresponde ao desgaste primário ou inicial, sendo caracterizada pelo desgaste acentuado da ferramenta em função da desagregação das camadas de revestimento e acomodação das faces de contato entre ferramenta e peça. A região II corresponde ao estado estacionário do desgaste, sendo caracterizada pela operação normal da ferramenta durante o trabalho. A região III corresponde ao desgaste acelerado, sendo caracterizada pela concentração dos maiores esforços de corte, elevadas temperaturas e vibrações. Segundo Alexandre (2005), o monitoramento da vibração da ferramenta e a utilização de redes neurais artificiais são utilizados para identificação dos diferentes estágios de desgaste de uma ferramenta, e para o estabelecimento do fim de vida da mesma no processo de usinagem Características do aço ABNT Segundo Catálogo Villares (2005), o aço ABNT 4140 é um aço de média temperabilidade, que atinge valores intermediários de dureza, resistência e tenacidade após o beneficiamento. É um aço de baixa liga que alia resistência mecânica e média usinabilidade (índice 0,55). O aço ABNT 4140 está incluído entre os aços preferenciais para construção mecânica e se caracteriza por possuir um teor de carbono geralmente situado acima de 0,38%, acrescido de elementos de liga tais como cromo, molibdênio e níquel. Na indústria de exploração de petróleo, é utilizado na fabricação de junções de tubos ou canais dotados de várias aberturas e conexões, denominados blocos manifold. Na indústria siderúrgica, é utilizado na fabricação de rolos para laminação e peças de lingotamento contínuo. Na indústria automotiva, é usado na fabricação de eixos, pinos, bielas, cabeçotes, engrenagens, pinhões, virabrequins e na indústria de geração de energia é usado na fabricação de eixos para turbinas, geradores hidráulicos e sistemas de acionamento.

38 38 38 Segundo Catálogo Gerdau (2003), o aço ABNT 4140 apresenta as seguintes propriedades: - Dureza: HB (laminado/normalizado); máximo 228 HB (recozido); máximo 190 HB (esferoidizado). Após a têmpera, atinge dureza entre HRC. - Temperatura de normalização: 870º C. - Temperatura de austenitização: 870º C. - Resistência a tração: 1020 MPa (após normalizado e recozido). - Limite de escoamento: 655 MPa (após normalizado e recozido). Do ponto de vista metalúrgico, a microestrutura do aço ABNT 4140 é predominantemente formada por perlita e ferrita. Quando esferoidizado possui microestrutura formada por carbonetos globulares dispersos na matriz ferrítica Processos de produção de engrenagens. Segundo Maitra (1994), para a produção de engrenagens vários processos de fabricação podem ser utilizados: fundição em areia, fundição centrífuga, metalurgia do pó, forjamento, extrusão, brochamento, entre outros. Para engrenagens de aço com grandes dimensões, os perfis são obtidos por meio de ferramentas de forma ou são produzidos por processos de geração de dentes como o Fellows, Renânia, Gleason, Klingelnberg e o processo Oerlikon. Para efeito da pesquisa é importante conhecer processos que utilizam programas específicos e dedicados, aplicados exclusivamente em máquinas controladas por comando numérico computadorizado (CNC). Segundo Oberg et al. (2008), a programação através de controle numérico (NC) é uma lista de instruções e comandos que descrevem completamente, em sequência, cada operação a ser realizada por uma máquina. Quando um programa é executado, cada instrução é interpretada pelo controlador da máquina, que faz uma ação, como iniciar ou parar um eixo, ligar ou desligar uma bomba de fluido refrigerante, mudar a velocidade de avanço ou rotação, mover a mesa ou uma ferramenta numa direção específica. Uma grande vantagem do processo CNC, se comparado aos processos convencionais antes descritos, é a produtividade e a facilidade para obtenção de perfis complexos. Nos processos tradicionais, para cada perfil de dente necessita-se

39 39 39 de um perfil especial de ferramenta, ou seja, todas as vezes que o perfil é modificado é necessário trocar ou comprar nova ferramenta. No processo CNC, na maioria dos casos, uma única ferramenta pode ser empregada para obter o perfil desejado. Todas as correções da geometria da peça podem ser executadas com auxílio de softwares CAM, tornando o projeto e a manufatura mais versáteis. Na figura 2.23 observa-se um centro de usinagem CNC utilizado no processo de fabricação de uma engrenagem helicoidal. Figura Fresamento de engrenagem em centro de usinagem CNC (HELLER GROUP, 2010) Monitoramento e controle de sinais. Segundo Davis (2002), nos primeiros trabalhos de usinagem o processo de detecção de falhas em ferramentas era exclusivamente dependente do fator humano. Não existiam interfaces que fossem capazes de fornecer dados confiáveis a respeito do estado de utilização de uma máquina ou de um ferramental, tampouco existiam técnicas de manutenção com esta finalidade. Em função do desenvolvimento industrial, as demandas de produção cresceram. Máquinas e ferramentas mais eficientes foram introduzidas gradualmente nas linhas de produção e, apesar do aumento na eficiência das máquinas, a capacidade do operador para responder eventos inesperados tornou-se bastante limitada.

40 40 40 Máquinas modernas podem trabalhar com rotações de até rpm e executar avanços rápidos numa velocidade de até 500 milímetros por segundo. Neste contexto, a necessidade de detecção e monitoramento tornou-se essencial, pois não existem condições físicas ao homem de monitorar estas grandezas subjetivamente. Assim, as máquinas passaram a ser dotadas de mecanismos capazes de prever falhas, evitando o colapso dos sistemas de manufatura. Observa-se que o grau de sofisticação desta tecnologia tornou-se hoje muito evidente, com máquinas monitoradas praticamente 90% do seu tempo de uso. Há uma década, este valor raramente ultrapassaria 60% destes mesmos tempos. Segundo Su (2010), uma característica desejada para os sistemas atuais é a capacidade de detectar eletronicamente o momento no qual uma ferramenta está excessivamente gasta e alertar sobre falhas iminentes da mesma, promovendo o uso racional dos recursos. Apesar dos inúmeros esforços realizados, ainda não foi estabelecido um padrão de monitoramento que pudesse ser aplicado amplamente pelas indústrias. Isso ocorre devido à complexidade dos fenômenos do processo de usinagem e à grande diversidade dos métodos de monitoramento existentes (AIZED, 2010). O monitoramento pode ser definido como o estado que envolve a medição, o processamento e a análise de sinais. As características dos sinais medidos devem ser conhecidas, a fim de selecionar métodos adequados para o processamento e análise dos mesmos (BOTSARIS e TSANAKAS, 2008; MANYAM, 2009; REPO, 2010). Segundo Elbestawi e Dumitrescu (2006), o monitoramento pode ser dividido em dois tipos básicos: monitoramento direto e monitoramento indireto. As técnicas diretas possuem maior precisão na determinação do fracasso do ferramental, entretanto, ocasionam a parada da produção. Através das técnicas diretas é possível realizar análise da ferramenta ou da superfície da peça de trabalho no final de cada ciclo de usinagem. Métodos de análise básicos incluem a verificação do estado de superfície (perfilômetros, rugosímetros), inspeção visual, medições ópticas, análise do tamanho e forma do cavaco, entre outros.

41 41 A principal desvantagem destes métodos é que qualquer deterioração significativa que ocorra entre as medições, quando não percebida, causará posteriormente um dano potencial à máquina e/ou à ferramenta. Nas Figuras 2.24 e 2.25 observam-se alguns exemplos de técnicas de medição direta. a) b) Figura a) Verificação do estado de superfície (DIGIMESS, 2012); b) Inspeção visual. Figura Medição óptica. As técnicas indiretas usam variáveis correlacionadas com os sinais do processo para monitorar as possíveis falhas das ferramentas. Estas técnicas podem ser aplicadas continuamente durante a usinagem, sendo inclusive utilizadas para criação de algoritmos de monitoramento on-line.

42 42 São exemplos de técnicas indiretas a medição das forças de corte, medição da corrente e potência do motor do eixo árvore, medição da temperatura na região de corte, sensores de presença, análise de vibração e ruído, ultra-som, emissão acústica, entre outras. Na Figura 2.26 observa-se um exemplo de técnica de medição indireta. Figura Medição da corrente elétrica e potência do motor (adaptado de MEASURE CURRENT, 2012). Segundo Botsaris e Tsanakas (2008), existe uma tendência óbvia entre os pesquisadores no sentido de aplicar métodos indiretos, devido à sua característica não intrusiva. A utilização de sensores externos de monitoramento nem sempre é prática, uma vez que acrescenta complexidade para o arranjo geral da usinagem (REPO, 2010). Os sensores para monitoramento direto devem ser montados nas imediações da peça, ficando expostos ao calor e aos cavacos e fluidos refrigerantes, o que pode afetar sua integridade e comprometer a qualidade das medições. A fim de funcionarem perfeitamente, os sensores externos também necessitam de manutenção adicional e frequente calibração.

43 43 43 Uma maneira de contornar estes problemas seria a utilização do monitoramento indireto, para coleta dos sinais disponíveis na máquina sem efetuar mudanças significativas no layout. Técnicas de monitoramento indireto também podem utilizar transferência de dados por meio de fibra óptica em operações de corte interrompido, como no fresamento. Este método consiste em verificar a capacidade de resposta da aresta de corte da ferramenta ao estímulo, que vai se alterando à medida que a mesma sofre desgaste (SU, 2010). Souto (2007) executou o monitoramento do fresamento por meio de sinais de emissão acústica e mapas de intensidade luminosa. Os resultados obtidos pelo autor demonstraram erros de batimento e insertos com diferentes níveis de desgaste. Segundo Souto (2007), a técnica de monitoramento através de mapas consegue identificar a energia contida no impacto dos insertos e o momento do lascamento da aresta de corte da ferramenta. Na Figura 2.27 observa-se a utilização deste tipo de técnica. Figura Modelo de um mapa de intensidade luminosa montado a partir do sinal de emissão acústica (SOUTO, 2007).

44 44 44 O desgaste também pode ser mensurado através do processamento de imagens por computador, conforme mostrado na Figura Este método consiste em digitalizar a imagem obtida durante a operação de corte e compará-la com uma imagem padrão, buscando-se diferenças entre ambas. Como resultado, o equipamento óptico utiliza as imagens da ferramenta desgastada para interromper o processo. Figura Monitoramento por processamento de imagens (BARREIRO et al., 2008). O sucesso do monitoramento também depende da relação correta entre sensor e filtro. Observados estes requisitos, o sinal deverá ser captado quando a máquina estiver em vazio (ferramenta nova), para posteriormente ser comparado com o sinal da ferramenta desgastada. Normalmente as operações menos severas de usinagem (por exemplo, o acabamento), conseguem produzir melhores resultados de medição por emissão acústica. As operações pesadas de usinagem (por exemplo, o desbaste), são monitoradas de maneira mais eficiente quando utiliza-se técnica indireta via potência do motor (BRAGA, 1992). Finalmente, alguns autores defendem que os melhores resultados com monitoramento são obtidos apenas com a associação de sensores. Segundo Cho, Binsaied e Asfour (2009), somente através da aquisição de dados utilizando agrupamento de sensores (força, vibração e emissão acústica) é possível obter precisão dos resultados no monitoramento das condições da ferramenta nos processos de usinagem.

45 Monitoramento por sinais elétricos do motor Segundo Kovac (2008), a maioria dos sistemas de monitoramento usa as forças de corte como sinal de resposta das condições da ferramenta. No entanto, devido aos custos necessários para aquisição dos equipamentos de monitoramento, tais métodos não são capazes de fornecer boa relação custo benefício. Uma alternativa viável seria a medição das condições da ferramenta baseada nas medições da corrente e potência do motor. Dentre as possíveis vantagens, este método é desvinculado dos problemas associados aos dispositivos de aquisição dos esforços de corte quando utiliza-se um dinamômetro, e livre das limitações provenientes dos sinais de vibração. Ainda, Kovac (2008) comenta que o sinal da corrente é muito preciso quando está relacionado com o desgaste das ferramentas. Apesar das flutuações de fornecimento durante a coleta de dados, os erros são considerados pequenos quando comparados à faixa de aplicação. No seu trabalho de pesquisa o autor concluiu que é possível substituir os sinais oriundos da força de corte por métodos de monitoramento de sinais de energia. Segundo Bhattacharyya et al. (2008), através da escolha de técnicas de processamento de sinal apropriadas, os métodos de regressão linear utilizados para analisar as medições elétricas são capazes de fornecer valores confiáveis quando comparados aos modelos baseados nas forças de corte. Li, Venuvinod e Chen (2000) afirmam que uma das vantagens da utilização de sensores para medição via corrente elétrica do motor é que o sistema necessita de baixo investimento. A aquisição de transformadores de corrente e utilização de hardwares simples conseguem processar dados de maneira satisfatória, inclusive melhorando a abordagem matemática para montagem de redes neurais. Forças de corte e sinais de emissão acústica têm sido amplamente utilizados para monitorar o processo de corte. Porém, a utilização de dinamômetros não é prática em ambientes industriais. Os acelerômetros usados para captação dos ruídos da emissão acústica também apresentam resultados diferentes de acordo com a posição de fixação na máquina. Uma alternativa interessante seria a utilização dos sinais do motor principal da máquina para medição das forças de corte (KIM, KNOW e CHU 2005).

46 46 46 De acordo com Bhattacharyya et al. (2008), a grande maioria dos sistemas de monitoramento utiliza a força de corte como o sinal indicador do estado da ferramenta. No entanto, devido ao custo elevado e problemas de manutenção operacional, tal método não é o preferido pelas indústrias. Bhattacharyya et al. (2008) estudou o desgaste da ferramenta com base nas medições da corrente e tensão elétrica do motor de uma máquina. Através dos resultados obtidos o mesmo considerou que estes sinais estão livres dos problemas associados às forças de corte e aos sinais de vibração. O monitoramento através da medição dos sinais elétricos do motor é um dos métodos mais econômicos para estimar o estado de degradação de uma ferramenta (NORMAN, 2003). O monitoramento através dos sinais elétricos do motor consiste basicamente na utilização de sensores de efeito Hall. Estes sensores são transformadores de corrente que variam sua tensão de saída em função de um campo magnético aplicado, ou seja, a presença de corrente elétrica é capaz de produzir um campo magnético proporcional à corrente. Por uma fonte condutora passa a corrente elétrica do circuito e perpendicularmente tem-se um campo magnético que faz gerar na periferia da fonte condutora uma diferença de potencial, a qual se conecta um circuito de medição. Essa diferença de potencial é chamada de tensão Hall. Apesar da existência do efeito Hall em qualquer material condutor, sua ocorrência é mais perceptível nos semicondutores. A grande vantagem na utilização deste tipo de sensor é sua capacidade de medir tanto campos contínuos quanto campos alternados. Os sensores são compostos por dois conjuntos de enrolamentos de bobinas. Possuem uma bobina primária e uma bobina secundária, onde a razão entre o número de espiras das bobinas fornece o valor da corrente que passa pelo condutor. Os mesmos são montados em uma ou mais fases de alimentação do motor da máquina.

47 Vantagens obtidas com a utilização de sensores de efeito Hall Os sensores ficam totalmente isolados quando utilizados nas proximidades de outros sistemas de tensão elétrica. Assim, não existe contato elétrico físico entre o sensor e o cabo de alimentação. Quando os sinais monitorados são fracos ou quando não se obtém a resolução desejada, basta executar a passagem do cabo de alimentação um número maior de vezes no interior do transformador. Por exemplo, para captar um sinal de 0,03 amperes, basta um loop de 10 voltas no cabo que a leitura obtida será igual a 0,3 amperes. Ao contrário de um resistor Shunt de corrente, que pode apresentar problemas devido à dissipação de calor, os sensores de efeito Hall não possuem alteração da temperatura quando estão em funcionamento Análise de variância. Segundo Anjos (2004), a análise de variância (ANOVA) é um procedimento utilizado para comparar três ou mais tratamentos. Existem muitas variações da ANOVA devido aos diferentes tipos de experimentos que pode-se realizar, mas primeiramente torna-se necessário compreender os conceitos fundamentais. O termo tratamento pode ser entendido como uma condição imposta ao objeto que deseja-se medir ou avaliar num experimento. Normalmente utiliza-se mais de um tratamento por experimento, onde os mesmos são dispostos, segundo a possibilidade, em ordem quantitativa ou qualitativa. Cada tratamento também pode ser chamado de fator. Se os tratamentos são escolhidos pelo pesquisador, tem-se um modelo de efeitos fixos; se os tratamentos são sorteados ao acaso, tem-se um modelo de efeitos aleatórios. Os tratamentos são conhecidos como variáveis independentes. Quando se estuda num experimento apenas um tipo de variável independente, diz-se que o tratamento possui apenas um fator. Num experimento um fator pode ter várias categorias. Estas categorias são chamadas de níveis, que são responsáveis por uma ou mais variáveis de resposta. As variáveis de resposta são conhecidas como variáveis dependentes.

48 48 48 Repetição é o número de vezes que um tratamento aparece no experimento. Este número irá depender dos recursos disponíveis para realização do experimento (delineamento) e das possíveis variáveis de resposta. Um delineamento experimental é planejado de tal forma que a variação ao acaso seja reduzida ao máximo. São exemplos de delineamento experimental o planejamento aleatorizado por blocos, os quadrados latinos e os quadrados greco-latinos. Se o valor de uma variável não pode ser determinado antes da realização de um experimento, esta variável recebe o nome de variável aleatória, sendo discreta quando for enumerável e contínua quando pertencer a um determinado intervalo. Num experimento, cada observação Y ij pode ser decomposta conforme o modelo de análise de variância. Este modelo é dado pela Expressão 2.7: Se num experimento existe o interesse em testar se ocorrem diferenças entre as médias dos tratamentos, utilizam-se as hipóteses da Expressão 2.8 e da Expressão 2.9: Nota-se que, se a hipótese nula for verdadeira, todos os tratamentos terão uma média comum µ. A análise de variância baseia-se na decomposição da variação total da variável de resposta em partes que podem ser atribuídas aos tratamentos e ao erro experimental. Esta variação pode ser medida por meio das somas dos quadrados, definidas para cada um dos seus componentes. A fórmula geral é dada pela Expressão 2.10:

49 49 49 A soma dos quadrados dos resíduos é obtida pela diferença matemática através da Expressão 2.11: As somas dos quadrados são organizadas na forma de tabelas de análise de variância chamadas de tabelas ANOVA (Tabela 2.1). Para testar a hipótese H 0, utiliza-se o teste F da estatística de Fisher. Tabela Tabela de análise da variância. Causas de variação Graus de liberdade Soma dos quadrados Quadrados médios Tratamentos I - 1 SSTrat QMTrat Resíduo I (J - 1) SSRes QMRes Total IJ - 1 SSTotal F(calc.) QMTrat / QMRes Se F(calc.) for maior que F(tab.), rejeitamos a hipótese de nulidade H 0, ou seja, existem evidências de diferenças significativas entre pelo menos um par de médias de tratamentos, ao nível α de significância escolhido. Caso contrário, quando não rejeita-se a hipótese de nulidade H 0, não há evidências de diferenças significativas entre tratamentos, ao nível α de significância escolhido.

50 3 - MATERIAIS E MÉTODOS Neste capítulo serão apresentados os materiais e métodos utilizados para realização desta pesquisa Máquina, corpo de prova, ferramentas e variáveis. Os procedimentos experimentais foram realizados nas dependências da Pemill Indústria de Usinagem Ltda., localizada na cidade de Divinópolis (MG). Os ensaios de fresamento de topo foram executados em corpos de prova de aço ABNT 4140 fundido e recozido, com dureza entre HB, mantendo-se constantes em todos os ensaios a profundidade de corte (a p ) de 0,6 (mm) e o avanço por dente (fz) de 0,3 (mm/dente). A máquina ferramenta utilizada foi um centro de usinagem da marca Travis modelo M2000, conforme mostrado na Figura 3.1. Figura Centro de Usinagem Travis M2000. A máquina possui potência instalada de 15 kw, avanço rápido nos eixos X e Y de 18 metros/minuto e no eixo Z de 10 metros/minuto. O sistema de fixação do porta ferramenta no cone Morse BT-40 é pneumático e o magazine de ferramentas têm capacidade para 20 unidades.

51 Os detalhes da região dos dentes da engrenagem usinada podem ser observados na Figura Figura Detalhes e dimensões do corpo de prova. As variáveis independentes adotadas no processo foram a ferramenta de corte (em dois níveis T1 e T2), a velocidade de corte (em três níveis 80%, 90% e 100% da v c ) e o comprimento de corte (em quatro níveis L1, L2, L3 e L4), conforme mostrado na Tabela 3.1. Tabela Variáveis independentes. Fator de controle Unidade Níveis Ferramenta - 2 Velocidade de corte (v c ) m/min. 3 Comprimento de corte mm 4

52 52 As ferramentas selecionadas eram de metal duro, classe ISO P, com quebra cavaco. A ferramenta T1 possui cobertura de Nitreto de Titânio (TiN) e a ferramenta T2 possui cobertura de Nitreto de Alumínio Titânio (AlTiN). Outras informações das ferramentas estão mostradas na Tabela 3.2. Tabela Seleção das ferramentas T1 e T2. Ferramenta Fabricante Código de identificação r ε (mm) Le (mm) Wi (mm) Th (mm) T1 MITSUBISHI APMT 1135 PDER H4 F7030 1,6 11 6,35 3,5 T2 KENNAMETAL XDHT PA 120 1,6 9 6,35 3,18 De acordo com o catálogo dos fabricantes das ferramentas, a ferramenta T1 da Mitsubishi é indicada para trabalhar numa faixa de dureza entre HB e a ferramenta T2 da Kennametal numa dureza de até 330 HB. Os ensaios foram realizados em quatro níveis de comprimento de corte por aresta da pastilha (ferramenta), sendo este equivalente ao material retirado entre dois dentes consecutivos, conforme mostrado na Figura 3.3. Figura Determinação dos comprimentos de corte. Para cada experimento foram realizadas três réplicas, num total de 2 x 3 x 4 x 3 = 72 ensaios. A ordem de execução dos ensaios foi aleatorizada, garantindo-se que as variáveis estudadas e os erros experimentais também apresentassem caráter aleatório.

53 53 53 Para cada comprimento de corte foram executadas medições de dureza em três posições do dente da engrenagem e, também, medições da corrente e potência elétrica consumida. Na Tabela 3.3 estão indicadas as variáveis dependentes do experimento. Tabela Variáveis dependentes. Variável de resposta Tipo de variável Unidade Dureza Corrente Potência Desgaste e/ou avaria Quantitativa Quantitativa Quantitativa Quantitativa HB Ampere Watt µm Para acompanhamento do desgaste/avaria das ferramentas utilizou-se um microscópio eletrônico Mitutoyo, modelo TM-500 e o software de tratamento de imagens Motic Images 2.0 Plus, conforme mostrado na Figura 3.4. Utilizou-se uma lente objetiva 2x e lente ocular de 30x gerando-se uma ampliação de 60x. As ferramentas foram fixadas na mesa de medição através de gabarito. A movimentação das ferramentas na mesa foi executada por meio do anel micrométrico digital no eixo coordenado X e no eixo Y. O foco do eixo Z foi regulado através de controle manual de aproximação. Figura Montagem no microscópio Mitutoyo.

54 54 54 Para análise qualitativa dos desgastes/avariais presentes nas ferramentas, utilizou-se também um microscópio eletrônico de varredura (MEV), modelo TM 3000 Hitachi, com ampliação de 300x e aceleração de voltagem de 15 kv. As ferramentas foram fixadas no porta amostras, conforme mostrado na Figura 3.5. Figura Montagem no microscópio eletrônico de varredura. Antes do processo de usinagem, cada ferramenta foi inspecionada quanto às suas dimensões de aresta (S) e raio de ponta (r ε ), utilizando-se um projetor de perfil Digimess, modelo , conforme mostrado na Figura 3.6. Figura Projetor de perfil Digimess. Utilizou-se para as medições uma lente padrão objetiva com ampliação de 10x obtendo-se um campo de visão de aproximadamente 30 mm de diâmetro a uma distância de trabalho de aproximadamente 75 mm. Conforme o manual técnico do equipamento, para a distância de trabalho escolhida o equipamento produz um erro de 0,08%. Para melhor detalhamento das arestas das ferramentas foi selecionada a projeção do tipo combinada (diascópica e episcópica), conforme mostrado na Figura 3.7.

55 55 55 Figura Medição eixo coordenado X para ferramenta T1. Através da análise estatística qui-quadrado, com 95% de confiança, aceitou- se a igualdade dos raios e arestas das ferramentas Monitoramento dos sinais elétricos do motor. Os sinais da corrente e potência elétrica consumida, nas fases de alimentação do motor trifásico da máquina, foram coletados de duas maneiras. Primeiramente, utilizou-se de um transdutor digital Yokogawa, modelo 2480 D, conforme mostrado na Figura 3.8 e, posteriormente, apenas para os sinais de corrente, utilizou-se uma placa de aquisição analógica para digital (AD), National Instruments, modelo USB Os sensores foram calibrados conforme manual de instalação dos mesmos. Figura Transdutor digital Yokogawa.

56 56 56 No momento de instalação do equipamento, observou-se que as duas fases selecionadas apresentaram pequenas oscilações, em torno de 3%. Para alimentação do Transdig foram utilizados dois sensores de efeito Hall, marca Lukma, modelo MSQ-30, com a relação de 60/5, capazes de realizar leituras compreendidas numa faixa de 0-5 amperes com erro de aproximação de 5%. O modelo de transformador de corrente e o esquema de montagem utilizado são mostrados na Figura 3.9. a) b) Figura a) Transformador de corrente (LUKMA, 2012); b) Montagem do transdutor digital Yokogawa. Os sinais elétricos das saídas analógicas do transdutor digital foram conectados a uma placa de conversão AD marca ICP CON Self-Tuner modelo 7520 RS-485 RS-232 e esta a um computador por meio da porta USB, utilizando-se o software Transdig Enhanced versão para aquisição dos dados. A tela gráfica do software foi configurada para ler os sinais de corrente e potência elétrica das fases escolhidas. A montagem está representada na Figura 3.10.

57 57 57 Figura Montagem do sistema via Transdig. Na segunda montagem, utilizaram-se os mesmos transformadores de corrente cujas saídas analógicas foram conectadas aos canais de entrada da placa de aquisição AD modelo USB-6008 da National Instruments e, esta, à porta serial do computador, cujos sinais foram coletados e armazenados por meio de um instrumento virtual (VI) criado no software LabView 8.5 da National Instruments. A taxa de amostragem dos sinais monitorados foi de 120 Hz, captados em intervalos de 5 minutos Medição da dureza no corpo de prova. A dureza no corpo de prova foi medida por um durômetro manual Time Hardness Tester, modelo TH 130, em três pontos localizados a 25 milímetros na região final do perfil do dente usinado, conforme mostrado na Figura 3.11.

58 58 58 a) b) Figura a) Durômetro manual Time Hardness Tester; b) Pontos de medição da dureza no perfil do dente usinado Programação do centro de usinagem CNC. A trajetória de corte da ferramenta foi determinada por meio de linguagem de programação ISO, gerada com auxílio de software CAM, da Fagor Automation. O desenho do perfil envolvente do dente da engrenagem foi executado com o auxílio de software CAD, da Zwsoft. Durante o fresamento de cada vazio entre os dentes, a trajetória adotada conduziu a ferramenta aos mesmos movimentos ativos e passivos de corte, independente da posição ocupada pelo dente na circunferência da engrenagem. Este arranjo permitiu a manutenção de um mesmo intervalo de tempo para mesma velocidade de corte usada Fluido de corte. O fresamento foi realizado com presença de fluido de corte solúvel, sendo óleo semi-sintético da marca Side Chemical, na proporção de 1:20. Apesar do corte interrompido no fresamento, a presença do fluido de corte se justifica pelo baixo valor da profundidade de corte (a p ) e pelo estado de superfície, pois não se realiza usinagem posterior para acabamento nas faces dos dentes.

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA

CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA 1 Cada candidato receberá: CADERNO DE PROVA 15 DE SETEMBRO DE 2012 INSTRUÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DA PROVA - 01 (um) Caderno de Prova de 10 (dez) páginas, contendo 25 (vinte e cinco) questões de múltipla

Leia mais

Processo de Forjamento

Processo de Forjamento Processo de Forjamento Histórico A conformação foi o primeiro método para a obtenção de formas úteis. Fabricação artesanal de espadas por martelamento (forjamento). Histórico Observava-se que as lâminas

Leia mais

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril.

Mandrilamento. determinado pela operação a ser realizada. A figura a seguir mostra um exemplo de barra de mandrilar, também chamada de mandril. A UU L AL A Mandrilamento Nesta aula, você vai tomar contato com o processo de mandrilamento. Conhecerá os tipos de mandrilamento, as ferramentas de mandrilar e as características e funções das mandriladoras.

Leia mais

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q

Furação NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q NOMENCLATURA A B C D E F G H I J K L M N O P Q Comprimento Total Haste Corpo Extremidade cônica neste comprimento Largura do Campo Largura das Costas Ângulo da Ponta Aresta Principal de Corte Diâmetro

Leia mais

Furação e Alargamento

Furação e Alargamento UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Furação e Alargamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem

Leia mais

www.meccomeletronica.com página 1

www.meccomeletronica.com página 1 Nem só o padeiro faz roscas Furação A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através do movimento relativo de rotação

Leia mais

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem

Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Aula 3: Forjamento e Estampagem Conceitos de Forjamento Conceitos de Estampagem Este processo é empregado para produzir peças de diferentes tamanhos e formas, constituído de materiais variados (ferrosos

Leia mais

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX

TOOLS NEWS. Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD B202Z. Broca intercambiável MVX TOOLS NEWS Atualiz. 2014.7 B202Z Broca intercambiável Novo quebra-cavaco US Corpo de alta rigidez desenvolvido com tecnologia de ponta. Disponível em comprimentos de 2 ~ 6xD Broca intercambiável 4 arestas

Leia mais

PRECISÃO E ERROS DE USINAGEM

PRECISÃO E ERROS DE USINAGEM Qualidade de um produto Parâmetros geométricos (dimensão, forma, acabamento superficial, etc.), Parâmetros físicos (condutividade elétrica, térmica e magnética, etc.), Parâmetros químicos (resistência

Leia mais

As peças a serem usinadas podem ter as

As peças a serem usinadas podem ter as A U A UL LA Fresagem As peças a serem usinadas podem ter as mais variadas formas. Este poderia ser um fator de complicação do processo de usinagem. Porém, graças à máquina fresadora e às suas ferramentas

Leia mais

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE.

TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. TW101 TW201 TW301 TW311 TW321 TW421 TW431 MAIS QUE PRODUTOS. PRODUTIVIDADE. PARA FURAR MATERIAIS DE ALTA RESISTÊNCIA OU EM CONDIÇÕES EXTREMAS, UTILIZE NOSSA GAMA DE SOLUÇÕES. ALTA PERFORMANCE COM MÁXIMA

Leia mais

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira

7 FURAÇÃO. 7.1 Furadeira 1 7 FURAÇÃO 7.1 Furadeira A furadeira é a máquina ferramenta empregada, em geral, para abrir furos utilizando-se de uma broca como ferramenta de corte. É considerada uma máquina ferramenta especializada

Leia mais

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS

TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS TESTES DE VIDA EM FRESAMENTO COM REDUÇÃO DO NÚMERO DE FERRAMENTAS André Richetti Jovani Panato Márcio Bacci da Silva Álisson Rocha Machado Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Engenharia Mecânica,

Leia mais

Parte 5 Operação de Furação

Parte 5 Operação de Furação Parte 5 Operação de Furação revisão 6 152 Parte 5 Operação de furação 5.1 Introdução Na área de usinagem metal-mecânica existem diversas formas de se obter furos em peças. Pode-se destacar os seguintes

Leia mais

Concurso Público Federal Edital 06/2015

Concurso Público Federal Edital 06/2015 PROVA Concurso Público Federal Edital 06/2015 Área: Mecânica/Usinagem QUESTÕES OBJETIVAS Conhecimentos Específicos 01 a 30 Nome do candidato: Nº de Inscrição: INSTRUÇÕES 1º) Verifique se este caderno corresponde

Leia mais

Parâmetros e métodos de usinagem e sua relação com os custos do processo e o acabamento final do produto

Parâmetros e métodos de usinagem e sua relação com os custos do processo e o acabamento final do produto Parâmetros e métodos de usinagem e sua relação com os custos do processo e o acabamento final do produto Osiel Wrublak (Universidade Tecnológica Federal do Paraná - UTFPR) osielw@yahoo.com.br Luiz Alberto

Leia mais

Retificação: conceitos e equipamentos

Retificação: conceitos e equipamentos Retificação: conceitos e equipamentos A UU L AL A Até a aula anterior, você estudou várias operações de usinagem executadas em fresadora, furadeira, torno, entre outras. A partir desta aula, vamos estudar

Leia mais

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS -

TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - TÊMPERA SUPERFICIAL POR INDUÇÃO E POR CHAMA - ASPECTOS PRÁTICOS - Através da têmpera por indução e por chama consegue-se um efeito similar ao do tratamento de cementação e têmpera, quando se compara a

Leia mais

Processos de Fabricação - Furação

Processos de Fabricação - Furação 1 Introdução Formas de obtenção de furos Definição de furação (usinagem): A furação é um processo de usinagem que tem por objetivo a geração de furos, na maioria das vezes cilíndricos, em uma peça, através

Leia mais

Retificar significa corrigir irregularidades de superfícies de peças. Assim, a retificação tem por objetivo:

Retificar significa corrigir irregularidades de superfícies de peças. Assim, a retificação tem por objetivo: 1 8 - RETIFICAÇÃO 8.1 Introdução A retificação é um processo de usinagem por abrasão. Este processo é realizado utilizando-se uma máquina-ferramenta chamada retificadora, para dar acabamento fino e exatidão

Leia mais

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico

PROCESSOS A CNC. Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico PROCESSOS A CNC Objetivo da disciplina Cronograma O projeto Critérios de avaliação Contrato didático A máquina O Comando eletrônico 1 CFP SENAI VW OBJETIVO da disciplina PROCESSOS A CNC Exercício básico

Leia mais

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico

Fresando com CNC. A sigla CNC significa comando numérico A U A UL LA Fresando com CNC A sigla CNC significa comando numérico computadorizado e refere-se a máquinas-ferramenta comandadas por computadores. A primeira máquina-ferramenta controlada por computador

Leia mais

ur b) F cos ur c) Fsen d) Zero. ur 2

ur b) F cos ur c) Fsen d) Zero. ur 2 CONHECIMENTO ESPECÍFICO 21. Um corpo de prova de aço foi submetido a um ensaio de tração em uma máquina de ensaios universal, a fim de avaliar suas propriedades mecânicas. Porém, dante a execução do ensaio,

Leia mais

ESTUDO DO DESGASTE DURANTE FRESAMENTO DO AÇO ENDURECIDO AISI D2 COM DIFERENTES CONDIÇÕES DE REFRIGERAÇÃO

ESTUDO DO DESGASTE DURANTE FRESAMENTO DO AÇO ENDURECIDO AISI D2 COM DIFERENTES CONDIÇÕES DE REFRIGERAÇÃO ESTUDO DO DESGASTE DURANTE FRESAMENTO DO AÇO ENDURECIDO AISI D2 COM DIFERENTES CONDIÇÕES DE REFRIGERAÇÃO Lucas Scholz Bandeira Oliveira 1 ; Éd Claudio Bordinassi 2 1 Aluno de Iniciação Científica da Escola

Leia mais

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza)

Materiais em Engenharia. Aula Teórica 6. Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) Aula Teórica 6 Ensaios mecânicos (continuação dos ensaios de tracção, ensaios de compressão e de dureza) 1 ENSAIO DE TRACÇÃO A partir dos valores da força (F) e do alongamento ( I) do provete obtêm-se

Leia mais

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX

UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX UDDEHOLM NIMAX Uma ferramenta confiável e eficiente é essencial para se obter bons resultados. O mesmo se aplica na busca da alta produtividade e disponibilidade. Quando se escolhe um aço ferramenta muitos

Leia mais

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES

DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES CURSO: ENGENHARIA DE PRODUÇÃO NOME: FELIPE VESCOVI ORIENTADOR: FABIO REDIN DO NASCIMENTO CARAZINHO, DEZEMBRO DE 2011. DESENHO TÉCNICO E SUAS APLICAÇÕES PALAVRA CHAVES:

Leia mais

MBC020. Classe de CBN com cobertura para aço endurecido B093Z

MBC020. Classe de CBN com cobertura para aço endurecido B093Z Expansão de insertos B093Z Classe de CBN com cobertura para aço endurecido sistência excepcional ao desgaste e à fratura Classe superior para usinagem de materiais endurecidos Uso da tecnologia de cobertura

Leia mais

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela.

Nesta aula, você vai estudar exatamente isso. E para acabar com o suspense, vamos a ela. Mete broca! Nesta aula, vamos estudar uma operação muito antiga. Os arqueólogos garantem que ela era usada há mais de 4000 anos no antigo Egito, para recortar blocos de pedra. Ela é tão comum que você

Leia mais

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio

Conceitos Iniciais. Forjamento a quente Forjamento a frio Forjamento Conceitos Iniciais Forjamento é o processo de conformação através do qual se obtém a forma desejada da peça por martelamento ou aplicação gradativa de uma pressão. Forjamento a quente Forjamento

Leia mais

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo.

Enumere as grandezas físicas com suas respectivas unidades e assinale a sequência correta da coluna da direita, de cima para baixo. Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Eletromecânica Os condutores devem apresentar características de: A. alta condutibilidade, baixa elasticidade, grande peso. B. baixa elasticidade, pequeno

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS

GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS 1 NITRAMET TRATAMENTO DE METAIS LTDA PABX: 11 2192 3350 nitramet@nitramet.com.br GLOSSÁRIO DE TRATAMENTOS TÉRMICOS E TERMOQUÍMICOS Austêmpera Tratamento isotérmico composto de aquecimento até a temperatura

Leia mais

Monografia de Graduação

Monografia de Graduação Monografia de Graduação MONITORAMENTO DA EVOLUÇÃO DO DESGASTE DE UMA FERRAMENTA DE CORTE ATRAVÉS DE VIBRAÇÕES José Felipe Nobre de Melo Natal, fevereiro de 2014 AGRADECIMENTOS A Deus, por me conceder saúde

Leia mais

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza

Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Material para Produção Industrial Ensaio de Dureza Prof.: Sidney Melo 8 Período 1 O que é Dureza Dureza é a propriedade de um material que permite a ele resistir à deformação plástica, usualmente por penetração.

Leia mais

TM229 - Introdução aos Materiais

TM229 - Introdução aos Materiais TM229 - Introdução aos Materiais Propriedades mecânicas 2009.1 Ana Sofia C. M. D Oliveira Propriedades mecânicas Resistência - Tração - Escoamento - Compressão - Flexão - Cisalhamento - Fluência - Tensão

Leia mais

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora.

Essa ferramenta pode ser fixada em máquinas como torno, fresadora, furadeira, mandriladora. Brocas A broca é uma ferramenta de corte geralmente de forma cilíndrica, fabricada com aço rápido, aço carbono, ou com aço carbono com ponta de metal duro soldada ou fixada mecanicamente, destinada à execução

Leia mais

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010

Concurso Público para Cargos Técnico-Administrativos em Educação UNIFEI 13/06/2010 Questão 21 Conhecimentos Específicos - Técnico em Mecânica A respeito das bombas centrífugas é correto afirmar: A. A vazão é praticamente constante, independentemente da pressão de recalque. B. Quanto

Leia mais

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos:

Os métodos de teste podem ser divididos grosseiramente em dois grupos: Informativo Técnico Medição de Dureza soluções portáteis Em períodos de pressão por redução de custos e aumento da qualidade, os equipamentos portáteis de medição de dureza resultam não apenas em uma resposta

Leia mais

Trefilação O processo de trefilação é a deformação mecânica de um metal através da passagem do material por uma matriz de formato cônico, diminuindo

Trefilação O processo de trefilação é a deformação mecânica de um metal através da passagem do material por uma matriz de formato cônico, diminuindo Trefilação O processo de trefilação é a deformação mecânica de um metal através da passagem do material por uma matriz de formato cônico, diminuindo a seção do material, sem perda nem adição do metal.

Leia mais

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC

CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC CONTROLE NUMÉRICO E AUTOMATIZAÇÃO INDUSTRIAL INTRODUÇÃO: NOÇÕES BÁSICAS DE CNC Operador de máquinas convencionais Materiais recebidos pelo operador da Máquina Convencional Exemplo de Máquina Convencional

Leia mais

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM

PROJETO DE OPERAÇÕES DE USINAGEM Tarefas Envolvidas no Projeto de Operações de Usinagem: Planejamento do roteamento operações para fabricar uma peça ordem lógica Instruções suficientemente detalhadas para execução da usinagem? Projeto

Leia mais

FURAÇÃO E ESCAREAMENTO. Prof. Fernando 1

FURAÇÃO E ESCAREAMENTO. Prof. Fernando 1 FURAÇÃO E ESCAREAMENTO Prof. Fernando 1 Processo de usinagem onde movimento de corte é principal rotativo, e o movimento de avanço é na direção do eixo Furadeira a arco egípcia de 1.000 A.C. Prof. Fernando

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02

PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 18 PROVA ESPECÍFICA Cargo 02 QUESTÃO 41 As afirmativas a seguir tratam das características de alguns dos tratamentos térmicos aplicados aos aços. Verifique quais são verdadeiras (V) ou falsas (F) e marque

Leia mais

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem

Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Universidade Presbiteriana Mackenzie Comparação entre Tratamentos Térmicos e Método Vibracional em Alívio de Tensões após Soldagem Danila Pedrogan Mendonça Orientador: Profº Giovanni S. Crisi Objetivo

Leia mais

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade.

Fundição em Moldes Metálicos Permanentes por Gravidade. Aula 10: Processos de Fundição em Moldes Metálicos por Gravidade (Coquilhas) 01: Introdução - Características do processo - Etapas envolvidas. - Fatores econômicos e tecnológicos - Ligas emprwegadas 02:

Leia mais

Apostila para Unidade 4 Laboratório de Eng. Mecânica 2 Forças de Corte em Ferramentas Multicortantes. Prof. Anna Carla Araujo

Apostila para Unidade 4 Laboratório de Eng. Mecânica 2 Forças de Corte em Ferramentas Multicortantes. Prof. Anna Carla Araujo Apostila para Unidade 4 Laboratório de Eng. Mecânica 2 Forças de Corte em Ferramentas Multicortantes Prof. Anna Carla Araujo 9 de Abril de 2014 Índice 1 Objetivos Acadêmicos e Técnicos da Experiência 2

Leia mais

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica

Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos. Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Curso Automação Industrial Aula 3 Robôs e Seus Periféricos Prof. Giuliano Gozzi Disciplina: CNC - Robótica Cronograma Introdução a Robótica Estrutura e Características Gerais dos Robôs Robôs e seus Periféricos

Leia mais

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento

HYDAC KineSys Sistemas de acionamento HYDAC KineSys Sistemas de acionamento Veículos de manuseio de materiais Usinas termelétricas Máquinas injetoras de plástico Seu parceiro profissional para soluções de acionamento Todas as condições para

Leia mais

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102

ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Universidade Federal do Paraná Curso de Engenharia Industrial Madeireira ELEMENTOS ORGÂNICOS DE MÁQUINAS II AT-102 Dr. Alan Sulato de Andrade alansulato@ufpr.br INTRODUÇÃO: Nem sempre as unidades geradoras

Leia mais

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira

Tratamento térmico. A.S.D Oliveira Tratamento térmico Porque fazer Tratamentos Térmicos? Modificação de propriedades sem alterar composição química, pela modificação da microestrutura Sites de interesse: www.infomet.com.br www.cimm.com.br

Leia mais

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário.

- PLACA DE CHOQUE: É construída com material Aço 1045, podendo levar um tratamento térmico para alcançar uma dureza de 45-48 HRC, se necessário. Estampagem A estampagem é o processo de fabricação de peças, através do corte ou deformação de chapas em operação de prensagem geralmente a frio. A conformação de chapas é definida como a transição de

Leia mais

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS

AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS AULA 34 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 265 34. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: SELEÇÃO E CUIDADOS 34.1. Introdução Para obter uma boa operação de usinagem em retificação, alguns cuidados devem ser

Leia mais

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo.

Introdução. Torneamento. Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Prof. Milton Fatec Itaquera Prof. Miguel Reale / 2014 Introdução Torneamento Processo que se baseia na revolução da peça em torno de seu próprio eixo. Tornos Tornos são máquinas-ferramenta que permitem

Leia mais

1088 - INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Cópia das transparências sobre: TRANSDUTORES DE POSIÇÃO

1088 - INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL. Cópia das transparências sobre: TRANSDUTORES DE POSIÇÃO 1088 - INSTRUMENTAÇÃO INDUSTRIAL Cópia das transparências sobre: TRANSDUTORES DE POSIÇÃO Prof. Demarchi Capítulo 4 TRANSDUTORES DE POSIÇÃO 4.1 Potenciômetros Resistivos A resistência de um condutor elétrico

Leia mais

DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS

DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS DESENVOLVIMENTO DE UMA MÁQUINA- FERRAMENTA PARA USINAGEM EM CAMPO DE EQUIPAMENTOS DE GRANDES DIÂMETROS Almir Lima de Carvalho Lucinéia Corrêa dos Santos de Carvalho Marco Antônio Fonseca de Sá Gerson Alves

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS 10 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS QUESTÃO 31 A principal diferença entre um ferro fundido e um aço (aço carbono) é o teor de carbono. Portanto os percentuais de carbono nestes elementos são: Ferro

Leia mais

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS

TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS Anais do Conic-Semesp. Volume 1, 2013 - Faculdade Anhanguera de Campinas - Unidade 3. ISSN 2357-8904 TÍTULO: UTILIZAÇÃO DE SENSORES PARA UMA SELADORA AUTOMATICA DE TABULEIROS DE DAMAS CATEGORIA: CONCLUÍDO

Leia mais

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL

CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL Fundação de Educação para o Trabalho de Minas Gerais CURSO TÉCNICO DE MECÂNICA INDUSTRIAL HUDSON FABRÍCIO XAVIER PEREIRA Vespasiano-2012 FRESAGEM Apostila elaborada para a disciplina de Fresagem para

Leia mais

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville

Fresamento. UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville UDESC Universidade do Estado de Santa Catarina FEJ Faculdade de Engenharia de Joinville Fresamento DEPS Departamento de Engenharia de Produção e Sistemas Visão sistêmica de um processo de usinagem Aplicação

Leia mais

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem

Removendo o cavaco. Na aula passada, tratamos das noções gerais. Nossa aula. Como calcular a rpm, o avanço e a profundidade de corte em fresagem A U A UL LA Removendo o cavaco Na aula passada, tratamos das noções gerais sobre a operação de usinagem feita com máquinas fresadoras. Vimos, de modo geral, como se dá a fresagem e aprendemos um pouco

Leia mais

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle

Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle 25/11/2012 1 2012 Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle A disciplina de Metrologia Aplicada e Instrumentação e Controle, com 40 horas/aulas, será dividida em 2 (duas) partes, sendo : Metrologia

Leia mais

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE

AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE AULA 33 PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 257 33. PROCESSO DE RETIFICAÇÃO: OPERAÇÕES DE CORTE 33.1. Introdução As peças que serão retificadas, normalmente, chegam à retificadora com um sobremetal

Leia mais

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares)

TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA. VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) TECNOLOGIA DA DEFORMAÇÃO PLÁSTICA VOL II APLICAÇÕES INDUSTRIAIS (Enunciados de Exercícios Complementares) Nota Introdutória Este documento é um anexo ao livro Tecnologia Mecânica Tecnologia da Deformação

Leia mais

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de pós-graduação em engenharia mecânica

PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de pós-graduação em engenharia mecânica PONTIFÍCIA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE MINAS GERAIS Programa de pós-graduação em engenharia mecânica AVALIAÇÃO DO DESGASTE DA FERRAMENTA DE METAL DURO REVESTIDA COM TiN NO FRESAMENTO DO AÇO ABNT4140 TEMPERADO

Leia mais

Resultados e Discussões 95

Resultados e Discussões 95 Resultados e Discussões 95 É interessante observar, que a ordem de profundidade máxima não obedece à ordem de dureza Shore A. A definição de dureza é exatamente a dificuldade de se penetrar na superfície

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO, INDÚSTRIA E COMÉRCIO EXTERIOR - MDIC INSTITUTO NACIONAL DE METROLOGIA, NORMALIZAÇÃO E QUALIDADE INDUSTRIAL-INMETRO Portaria n.º 33,de 22 de janeiro de 2004. O PRESIDENTE

Leia mais

TECNOLOGIA DE PONTA PARA A INDÚSTRIA EÓLICA

TECNOLOGIA DE PONTA PARA A INDÚSTRIA EÓLICA TECNOLOGIA DE PONTA PARA A INDÚSTRIA EÓLICA Soluções sob medida sem comprometer a qualidade. Como um dos principais fabricantes mundiais de rolamentos, produtos de movimentação linear e produtos automotivos,

Leia mais

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS

CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE CORRENTES ELEVADAS UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO NORTE CENTRO DE TECNOLOGIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA ELÉTRICA DISCIPLINA: INSTRUMENTAÇÃO ELETRÔNICA PROFESSOR: LUCIANO FONTES CAVALCANTI CIRCUITO PARA MEDIÇÃO DE

Leia mais

Características da Usinagem CNC

Características da Usinagem CNC Características da Usinagem CNC CN: comando numérico É o código propriamente dito! CNC: comando numérico computadorizado É o sistema de interpretação e controle de equipamentos que se utilizam de CN para

Leia mais

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho

UNIVERSIDADE SANTA. Objetivo Metodologia Introdução. Método Experimental Resultados Experimentais Conclusão Grupo de Trabalho UNIVERSIDADE SANTA CECÍLIA ENGENHARIA MECÂNICA INDUSTRIAL Análise dos Parâmetros que Influenciaram a Falha dos Parafusos Calibrados Aço1045 A do Acoplamento de Engrenagem da Mesa Giratória ria do Laminador

Leia mais

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008

QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 QUESTÃO 24 PETROBRÁS / 2008 Um esforço axial de tração gera os valores máximos de tensão (A) normal na seção transversal e de cisalhamento em um plano a 45 o. (B) normal na seção transversal e de cisalhamento

Leia mais

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO

PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO PROCESSOS METALÚRGICOS DE FABRICAÇÃO Amanda Alves PEIXOTO 1 Chelinton Silva SANTOS 1 Daniel Moreira da COSTA 1 Rosângela Chaves dos Santos GUISELINI 1 Eduardo Tambasco MONACO 2 RESUMO Este trabalho visa

Leia mais

Transmissão de Movimento

Transmissão de Movimento Universidade Estadual do Norte Fluminense Centro de Ciências e Tecnologias Agropecuárias Laboratório de Engenharia Agrícola EAG 03204 Mecânica Aplicada * Transmissão de Movimento 1. Introdução A transmissão

Leia mais

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS)

DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) 18º Congresso de Iniciação Científica AVALIAÇÃO DA INTERPOLAÇÃO SPLINE COMO TRAJETÓRIA DA FERRAMENTA NA MANUFATURA SUPERFÍCIES COMPLEXAS ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DOE (DESING OF EXPERIMENTS) Autor(es) MARCO

Leia mais

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases

Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Ensaio de Emissão Acústica Aplicado em Cilindros sem Costura para Armazenamento de Gases Pedro Feres Filho São Paulo, Brasil e-mail: pedro@pasa.com.br 1- Resumo Este trabalho teve como objetivo apresentar

Leia mais

Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72 Inc. Estadual: 147.257.444.110 www.triak.com.

Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72 Inc. Estadual: 147.257.444.110 www.triak.com. Promoção Válida /janeiro 2011 /fevereiro 2011 das normas internacionais, Garantia de 1 ano Assistência Técnica Própria Tel.: 55 (11) 2814-0790 Fax 55 (11) 4647-6782 E-mail: triak@triak.com.br CNPJ: 08.747.866/0001-72

Leia mais

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5

Conteúdo. Ferramentas Especiais Definição... 4. Classificação CT (Custom Tooling)... 5 A Seco Tools tem a reputação de ser um dos líderes mundiais na fabricação e fornecimento de ferramentas de corte de metal duro e equipamentos correlatos. No entanto, a Seco apresenta uma força maior como

Leia mais

Ensaios Não Destrutivos

Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos DEFINIÇÃO: Realizados sobre peças semi-acabadas ou acabadas, não prejudicam nem interferem a futura utilização das mesmas (no todo ou em parte). Em outras palavras, seriam aqueles

Leia mais

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014

PPMEC UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 UNIVERSIDADE FEDERAL DE SÃO JOÃO DEL REI PPMEC PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA PROCESSO SELETIVO DO SEGUNDO SEMESTRE DE 2014 PROVA DE SIMULAÇÃO NUMÉRICA DO COMPORTAMENTO DOS MATERIAIS

Leia mais

ENSAIOS NÃO DESTRUTIVOS - END Ensaios realizados em materiais, acabados ou semi acabados, para verificar a existência ou não de descontinuidades ou defeitos, através de princípios físicos definidos, sem

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

2 Processo de Laminação

2 Processo de Laminação 2 Processo de Laminação O processo de laminação atua na forma do material, modificando-lhe a sua geometria. Para isso, há necessidade da influência de agentes mecânicos externos; que são os meios de se

Leia mais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais

LEI DE OHM. Professor João Luiz Cesarino Ferreira. Conceitos fundamentais LEI DE OHM Conceitos fundamentais Ao adquirir energia cinética suficiente, um elétron se transforma em um elétron livre e se desloca até colidir com um átomo. Com a colisão, ele perde parte ou toda energia

Leia mais

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville

INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM. Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville INSTITUTO FEDERAL DE SANTA CATARINA CAD/CAM Profº Emerson Oliveira Matéria: CAD/CAM emerson.oliveira@ifsc.edu.br Câmpus Joinville Etapas CAD/CAM Quando o sistema tem comunicação direta. CAD/CAM Quando

Leia mais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais

MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais MATERIAIS PARA ENGENHARIA DE PETRÓLEO - EPET069 - Conformação dos Metais CONFORMAÇÃO DOS METAIS Fundamentos da Conformação Plástica Diagrama Tensão x Deformação CONFORMAÇÃO DOS METAIS Fundamentos da Conformação

Leia mais

Parâmetros de corte. Você só vai saber a resposta, se estudar esta aula. Os parâmetros

Parâmetros de corte. Você só vai saber a resposta, se estudar esta aula. Os parâmetros Parâmetros de corte Na aula passada, você aprendeu que usinagem é todo o processo de fabricação pelo qual o formato de uma peça é modificado pela remoção progressiva de cavacos ou aparas de material. Você

Leia mais

Dênison Baldo. ESTUDO DO MICROFRESAMENTO DA LIGA DE TITÂNIO Ti 6Al 4V UTILIZANDO ANÁLISE DE SINAIS DE FORÇA E EMISSÃO ACÚSTICA

Dênison Baldo. ESTUDO DO MICROFRESAMENTO DA LIGA DE TITÂNIO Ti 6Al 4V UTILIZANDO ANÁLISE DE SINAIS DE FORÇA E EMISSÃO ACÚSTICA PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM ENGENHARIA MECÂNICA - PPMEC Dênison Baldo ESTUDO DO MICROFRESAMENTO DA LIGA DE TITÂNIO Ti 6Al 4V UTILIZANDO ANÁLISE DE SINAIS DE FORÇA E EMISSÃO ACÚSTICA São João del-rei,

Leia mais

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado.

USINAGEM. Prof. Fernando Penteado. USINAGEM 1 USINAGEM Usinagem é um processo onde a peça é obtida através da retirada de cavacos (aparas de metal) de uma peça bruta, através de ferramentas adequadas. A usinagem confere à peça uma precisão

Leia mais

Sensores e Atuadores (1)

Sensores e Atuadores (1) (1) 4º Engenharia de Controle e Automação FACIT / 2009 Prof. Maurílio J. Inácio Introdução Sensores Fornecem parâmetros sobre o comportamento do manipulador, geralmente em termos de posição e velocidade

Leia mais

Tolerância geométrica de forma

Tolerância geométrica de forma Tolerância geométrica de forma A UU L AL A Apesar do alto nível de desenvolvimento tecnológico, ainda é impossível obter superfícies perfeitamente exatas. Por isso, sempre se mantém um limite de tolerância

Leia mais

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type)

Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Linha Cincom Evolution Torno Automático CNC Tipo Cabeçote Móvel (Swiss Type) Alta Produção com Excelente Custo Benefício A linha Cincom Evolution da Citizen Apresenta a K16E Processos mais rápido e manuseio

Leia mais

Instruções de montagem

Instruções de montagem Instruções de montagem Indicações importantes relativas às instruções de montagem VOSS O desempenho e a segurança mais elevados possíveis no funcionamento dos produtos VOSS só serão obtidos se forem cumpridas

Leia mais

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro

Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro Desenvolvimento de Selos Mecânicos de Alta Precisão em Metal Duro O desenvolvimento de peças e componentes mecânicos através da metalurgia do pó vem sendo crescentemente utilizado. Destes materiais, o

Leia mais

ConeFit TM para máxima flexibilidade.

ConeFit TM para máxima flexibilidade. Competência em produtos _COMPETÊNCIA EM USINAGEM Fresamento ConeFit TM para máxima flexibilidade. WALTER PROTOTYP ConeFit sistema modular para fresamento O SISTEMA DA FERRAMENTA Sistema modular de fresamento

Leia mais

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho

CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA. Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA Uma Fonte Confiável de Excelentes Máquinas para Complementar Sua Força de Trabalho SÉRIE DV14 1417 / 1422 / 1432 / 1442 CENTRO DE USINAGEM DUPLA COLUNA O Centro de Usinagem

Leia mais

Aula 09. Processo de Furação

Aula 09. Processo de Furação Aula 09 Processo de Furação Prof. Dr. Eng. Rodrigo Lima Stoeterau Formas de obtenção de furos Processos de Usinagem Processo de usinagem onde movimento de corte é principal rotativo, e o movimento de avanço

Leia mais

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc.

Materiais para Ferramenta de Corte. Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para Ferramenta de Corte Prof. João Paulo Barbosa, M.Sc. Materiais para ferramentas de cortes Nas operações mais comuns, utiliza como ferramenta um material mais duro que o da peça. Por outro

Leia mais

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens

Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens Variadores e redutores de velocidade e manutenção de engrenagens A UU L AL A Um conjunto de engrenagens cônicas pertencente a uma máquina começou a apresentar ruídos estranhos. O operador da máquina ficou

Leia mais

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição

As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição As virtudes capitais das ligas de zinco na fundição O que possuem em comum equipamentos e peças tão diversos como torneiras, chuveiros, grampeadores, lanternas, peças para luminotécnica, alto-falantes

Leia mais

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES

CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES CONCURSO DE ADMISSÃO AO CURSO DE FORMAÇÃO E GRADUAÇÃO FÍSICA CADERNO DE QUESTÕES 1 a QUESTÃO Valor: 1,00 A L 0 H mola apoio sem atrito B A figura acima mostra um sistema composto por uma parede vertical

Leia mais