PROVA TEÓRICA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 HOSPITAL DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO PARANÁ 04 de novembro de Assinatura do candidato

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "PROVA TEÓRICA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 HOSPITAL DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO PARANÁ 04 de novembro de 2014. Assinatura do candidato"

Transcrição

1 PROVA TEÓRICA RESIDÊNCIA MÉDICA 2015 HOSPITAL DA CRUZ VERMELHA BRASILEIRA FILIAL DO PARANÁ 04 de novembro de NOME: Assinatura do candidato 1- Paciente de 45 anos, sexo masculino, assintomático, sem história de comorbidades, vícios ou história familiar de doença cardiovascular, veio para primeira consulta com objetivo de check-up. Ao exame físico, não apresentava alterações dignas de nota, exceto por pressão arterial de 160/100mmhg, confirmada em 3 aferições, com intervalo de 1 minuto entre elas.sobre o diagnóstico e conduta deste caso, assinale a correta: a) O paciente apresenta-se com hipertensão estágio 2 e devido ao risco de complicações deve iniciar tratamento farmacológico. b) Apesar do diagnóstico de hipertensão estágio 2, pode-se optar por orientar medidas nãofarmacológicas e reavaliar o paciente em um prazo de 6 meses. c) O diagnóstico de hipertensão não pode ser confirmado, o paciente deve ser tranquilizado e nova avaliação clínica deve ser feita em um prazo de 6 meses. d) Pode-se considerar o uso de MAPA (monitorização ambulatorial da pressão arterial) ou de MRPA (monitorização residencial da pressão arterial) em um prazo de 1 mês, para confirmação diagnóstica. e) Apesar do diagnóstico não confirmado, este paciente deve receber intervenção medicamentosa imediata até confirmação ou reavaliação em 1 semana. o - ArqBrasCardiol 2010; 95(1 supl.1): Sobre o comportamento da pressão arterial (PA) em adultos, assinale a incorreta: a) o o J co co se caracteriza por níveis elevados de PA no consultório e níveis normais de PA ao MAPA. b) No mo o v c c o níveis normais de PA no consultório e ao MAPA. c) o m c -se aos pacientes com PA elevada no consultório, porém comportamento mascarado ao MAPA. d) O E o o j co b co o oco m indivíduos sabidamente hipertensos e isso deve ser levado em conta durante o tratamento. e) O paciente que se apresenta normotenso durante a vigília, porém com descenso noturno inadequado ao MAPA, pode ser portador da síndrome de apnéia/hipopnéia obstrutiva do sono. o - ArqBrasCardiol 2010; 95(1 supl.1): Sobre as intervenções nãofarmacológicas para o controle da HAS, assinale a incorreta: a) É fundamental manter o peso corporal o mais próximo possível da faixa normal ( IMC entre 18,5 e 24,9 kg/m2) b) O controle do estresse com meditação, musicoterapia e yoga pode ser útil. c) Téc c ç o m mo o resultados favoráveis no controle da PA e pode ser considerada com adjuvante. d) Bebidas alcoólicas tem efeito deletério em altas concentrações, porém existem evidências de benefícios em baixas doses. Por esta razão, o consumo de bebidas com até 30g de etanol, como uma taça de vinho, são recomendadas como adjuvante no controle da PA. e) Não só a redução de sal na dieta, mas também a adoção de frutas e alimentos com baixa densidade calórica e baixo teor de gorduras podem contribuir para o controle da PA. Ref.: VI Diretrizes Brasileiras de i e te s o - ArqBrasCardiol 2010; 95(1 supl.1): Sobre o tratamento farmacológico da hipertensão arterial, assinale a correta: a) O início da terapêutica pode utilizar praticamente qualquer classe de droga, respeitando as indicações e contra-indicações específicas. Os vasodilatadores diretos (hidralazina), por exemplo, são excelentes opções para coronariopatas em monoterapia. b) Em pacientes com HAS estágio 2 e 3 e nos pacientes com alto risco cardiovascular, prefere-se utilizar a combinação dois antihipertensivos de classes diferentes, em doses mais baixas. c) A combinação de inibidores da enzima conversora da angiotensiva (IECA) com inibidores do receptor da angiotensiva (BRA) tem se mostrado uma excelente opção, com

2 redução adicional da mortalidade cardiovascular e baixo risco de efeitos colaterais. d) O uso de diuréticos de alça em monoterapia pode ser de baixa efetividade. A adição de diuréticos tiazídicos pode potencializar seu efeito, além de diminuir o risco de hipocalemia. e) O tratamento da HAS em gestantes deve levar em conta a segurança materno-fetal. Os inibidores da enzima conversora da angiotensina são drogas seguras e que diminuem a proteinúria nessas pacientes, diminuindo a incidência de pré-eclâmpsia e eclâmpsia. Ref.: VI Diretrize o - ArqBrasCardiol 2010; 95(1 supl.1): Sobre a doença coronariana estável, é correto afirmar: I. Em pacientes de alta probabilidade clínica de doença e sintomáticos, o uso do Escore Cálcio pela Tomografia Coronária II. III. representa uma alternativa ao cateterismo cardíaco. A intervenção coronariana percutânea em pacientes uniarteriais não representa benefícios em relação a mortalidade e nem no controle da angina nos pacientes sintomáticos já em tratamento clínico otimizado. A intervenção coronariana percutânea com uso de stents farmacológicos, em pacientes sintomáticos com lesão significativa em tronco de coronária esquerda (>50%), com baixa complexidade anatômica (lesões em óstio e corpo), pode ser uma alternativa à cirurgia de revascularização, especialmente em pacientes de alto risco cirúrgico. a) Apenas I está correta. b) Apenas I e II estão corretas c) Apenas III está correta. d) Apenas I e III estão corretas. e) Todas estão incorretas. o ç o o E v - ArqBrasCardiol 2014; 103(2Supl.2): Paciente masculino, 50 anos, hipertenso, admitido com dor torácica retroesternal opressiva, de forte intensidade, início súbito durante caminhada. Admitido no pronto socorro, com 3h do início da dor. Ao exame físico, PA 85/50mmHg, FC 90 bpm, perfusão regular tecidual regular e asculta cardíaca e pulmonar normais. O ECG da admissão, incluindo as derivações V7, V8, V3R e V4R, está ilustrado a seguir. Sobre este caso, é correto afirmar: a) As medidas iniciais para este caso incluem o uso de AAS, oxigênio além do uso de nitratos, morfina e betabloqueadores, que podem ser utilizados com segurança e benefício clínico comprovado. b) Os exames complementares, além do ECG, incluem Rx tórax e dosagem dos marcadores de necrose miocárdica, que definirão uma estratégia invasiva (cateterismo de emergência) ou conservadora inicial. c) O tratamento da hipotensão com hipoperfusão tecidual, neste caso, deve ser realizado com drogas vasopressoras inicialmente, já que a uso de volume (solução fisiológica) pode precipitar edema agudo de pulmão pelo provável acometimento do ventrículo direito. d) O paciente deve receber uma terapia de reperfusão, preferencialmente invasiva, logo após estabilização inicial, pois trata-se de uma síndrome coronariana aguda com supra-desnivelamento do seguimento ST, com provável envolvimento de artéria coronária direita dominante. e) Nenhuma da afirmativas anteriores está correta. Ref.: IV Diretriz da Sociedade Brasileira de C o o ob T m o o o o o oc o com v o m o T - ArqBrasCardiol 2009; 93(6 Supl. 2): e179-e264.

3 7- Paciente do sexo masculino, 28 anos, apresenta-se no pronto-socorro com dor torácica lancinante, irradiação para dorso, associada a palidez mucocutânea e sudorese, início após atividade física. Ao exame, PA 90/60 mmhg, pectuscarinatum, bulhas rítmicas com sopro diastólico 3+/6 foco aórtico, asculta pulmonar normal, pulsos reduzidos simétricos. ECG mostra supra-desnivelamento do segmento ST em D2, D3 e avf. Rx de tórax com alargamento do mediastino. Qual sua suspeita diagnóstica e conduta. a) IAM com supra-desnivelamento do segmento ST inferior. Proceder com trombólise imediata. b) Aneurisma dissecante de Aorta. Realizar angiotomografia de tórax e avisar equipe cirúrgica. c) IAM com supra-desnivelamento do segmento ST inferior. Realizar angioplastia de emergência. d) Insuficiência aórtica aguda por provável endocardite infecciosa. Realizar Ecocardiogramatranstorácico. e) Miopericardite aguda. SolcitarEcocardiogramatranstorácico. Ref.: BRAUNWALD TRATADO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES 9E Ed Elsevier Em relação às síndromes coronarianas agudas sem supra-desnivelamento do segmento ST (SCASST), assinale a alternativa incorreta. a) Pacientes com dor torácica aguda, cuja etiologia isquêmica não pode ser descartada, mesmo com ECG de repouso normal, devem ser considerados como potenciais portadores de SCASST. b) A estratificação de risco inclui história clínica, exame físico, ECG seriados e coleta de marcadores de necrose miocárdica. c) Pacientes com IAM podem ter resultados normais de marcadores de necrose miocárdica na admissão. d) Pacientes em uso de AAS que desenvolvem SCASST tem melhor prognóstico do que aqueles não faziam uso. e) Todos os pacientes com SCASST confirmada devem receber dupla anti-agregação plaquetária (AAS + derivado tienopiridínico) por 12 meses após o evento agudo, salvo contra-indicações. Ref.: Diretrizes da Sociedade Brasileira de Cardiologia sobre Angina Instável e Infarto Agudo do Miocárdio sem Supradesnível do Segmento ST (II Edição, 2007) Atualização 2013/ ArqBrasCardiol 2014; 102(3Supl.1): Sobre o tratamento farmacológico das dislipidemias, assinale a correta. a) As estatinas são as drogas mais eficazes em redução do LDL colesterol, porém seu é limitado pelas taxas elevadas de miopatia e toxicidade hepática (incidência acima de 40%). b) A ezetimiba inibe a absorção intestinal de colesterol e seu benefício clínico, em termos de redução eventos cardiovasculares maiores, é igual ao das estatinas. c) Ao dobrar a dose de uma estatina, conseguimos efeito adicional de redução do LDL próximo de 50%. Esta estratégia é mais eficaz do que trocar a estatina por outra de maior potência, em pacientes com dificuldade em atingir metas. d) Em pacientes com dislipidemia mista e triglicerídeos acima de 100mg/dl, a droga de escolha passa a ser fibrato, por possuir benefício clínico comparável em diminuir eventos cardiovasculares maiores e atuar melhor na redução dos triglicerídeos. e) As estatinas representam a classe de escolha para tratamento da hipercolesterolemia, com melhores evidências clínicas de redução de eventos cardiovasculares. m v ç o o c o -ArqBrasCardiol. 2013; 101(4Supl.1): Paciente do sexo feminino, 68 anos, diabética tipo 2, hipertensa, admitida no pronto socorro por palpitações taquicárdicas. As queixas se iniciaram há 6 meses, porém piora nas últimas horas, enquanto realizava trabalhos domésticos. Ao exame, PA 135/85, FC 130bpm (média), bulhas arrítmicas sem sopros, asculta pulmonar normal. ECG com ritmo de fibrilação atrial, sem outras alterações dignas de nota. Sobre este caso, qual a melhor conduta na sala de emergência: a) Tentar cardioversão química com amiodarona e, se insucesso, cardioversãoelétrica, devido ao risco de instabilização. b) Iniciar AAS e tentar cardioversão química com adenosina, pois paciente está estável. c) Iniciar anticoagulação com heparina e controle da frequência cardíaca com cronotrópicos negativos (betabloqueadores, digitais ou bloqueadores do canal de cálcio), devido ao início >48h da arritmia e risco de eventos embólicos. A estratégia de controle de frequência ou ritmo será definida após avaliação de cardiopatia estrutural e exclusão de trombo no átrio esquerdo. d) Cardioversão elétrica, uma vez que o controle do ritmo é melhor que o controle da frequência. A anticoagulação está contraindicada pelo risco de sangramento. e) Massagem do seio carotídeo para tentar reverter para ritmo sinusal. Ref.: BRAUNWALD TRATADO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES 9E Ed Elsevier Sobre a insuficiência cardíacacrônica (IC), é incorreto afirmar:

4 a) Dentre as etiologias identificáveis, a causa hipertensiva e isquêmica predominam em nosso país, apesar de ainda existirem regiões endêmicas de doença de Chagas. b) Pode ocorrer em pacientes com função sistólica preservada (FE>50%), porém com alterações do relaxamento ventricular. c) A má-aderência ao tratamento é uma das principais causas de descompensação. d) Pacientes sem cardiopatia estrutural, porém com fatores de risco, como hipertensão e diabetes, são considerados como estágio A de IC e necessitam de controle agressivo destas comorbidades. e) Os pacientes com alterações estruturais, porém assintomáticos (estágio B), não necessitam de terapia farmacológica. ç o In c c c c ArqBrasCardiol 2012: 98(1 supl. 1): Sobre o tratamento da insuficiência cardíaca crônica (IC), é incorreto afirmar: a) Medidas não farmacológicas, como restrição de sódio e água, vacinaçãoanti-pneumocócica e anti-influenza e reabilitação cardíaca, são indicadas para todos os pacientes com alterações estruturais, salvo contraindicações. b) Os inibidores da enzima conversora da angiotensina e algunsbeta-bloqueadores são drogas que modificam a história natural da doença. c) Os digitais não apresentam mais utilidade clínica no tratamento da IC, pois não diminuem mortalidade. d) Os diuréticos são importantes para controle dos sintomas de congestão. e) Na presença de contra-indicações para uso dos inibidores da enzima conversora da angiotensiva, pode-se utilizar os bloqueadores dos receptores da angiotensina (BRA), salvo contra-indicações destes. ç o c c c c ArqBrasCardiol 2012: 98(1 supl. 1): Paciente de 59 anos, sexo feminino, sem história de comorbidades ou vícios, admitida com dor torácica típica após estresse emocional intenso (morte do filho). Exame físico sem particularidades. ECG com supradesnivelamento do Segmento ST de até 2mm na parede anterior. Optado por cateterismo de emergência, que mostrou coronárias sem lesões obstrutivas e ventriculografia esquerda com hipocinesiaânteroapical, apical e ínfero-apical, contratilidade das porções basais preservada (balonamento apical). Marcadores de necrose miocárdica coletados na admissão elevados. Dentre os abaixo, qual o diagnóstico mais provável? a) Pericardite aguda. b) Síndrome de Takotsubo. c) Instabilização de placa vulnerável com IAM tipo 1. d) Doença de Kawasaki e) Tromboembolismo pulmonar. BRAUNWALD TRATADO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES 9E Ed Elsevier Sobre o pulso paradoxal é incorreto afirmar: a) É a queda da pressão arterial sistólica >10mmHg durante a inspiração. b) Pode ocorrer no tamponamento cardíaco e pericardite constritiva. c) O nome paradoxal se deve ao fato de que, na fisiologia normal, a pressão arterial sistólica se eleva na inspiração. d) Pode ocorrer no DPOC e asma graves. e) Geralmente, quanto maior a diferença da PAS na inspiração e expiração, maior a gravidade da patologia subjacente. BRAUNWALD TRATADO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES 9E Ed Elsevier Em qual das condições abaixo pode-se encontrar um sopro holossistólico com hipofonese da primeira bulha? a) Insuficiência aórtica. b) Estenose tricúspide. c) Estenose mitral. d) Insuficiência mitral. e) Nenhuma das anteriores. Diretriz Brasileira de Valvopatias ArqBrasCardiol 2011; 97(5 supl.1): Paciente de 78 anos, previamente hipertenso, admitido com queixa de tontura e síncope. PA 80/50 mmhg. O ECG a seguir representa a derivação D2. Qual o diagnóstico.

5 a) Bloqueio Sino-atrial b) Bloqueio Atrio-ventricular de segundo grau, Mobitz 1. c) Bloqueio Atrio-ventricular de segundo grau, Mobitz 2. d) Bloqueio Atrio-ventricular total. e) Arritmia sinusal. ç o E oc o m o o- ArqBrasCardiol volume 80, (suplemento II), Qual a conduta mais apropriada para o caso anterior? a) Atropina em infusão continua até implante do marca-passo definitivo. b) Marca-passo transcutâneo, seguido de marcapasso transvenoso, até implante do marcapasso definitivo. c) Cateterismo cardíaco imediato para excluir etiologia isquêmica, antes de qualquer medida. d) Infusão de volume estabilizar a pressão arterial antes de realizar qualquer procedimento invasivo. e) Encaminhar para implante cirúrgico de marcapasso definitivo imediatamente. c ç o o mo o ov c Em c Sociedade Brasileira de Cardiologia -ArqBrasCardiol: 2013; 101, (2 Supl. 3): Você, profissional de saúde, vê um adulto caído na rua e, após checar a segurança do local, se aproxima da vítima e identifica ausência de responsividade e respiração. Qual a conduta mais apropriada a seguir: a) Iniciar imediatamente 2 ventilações. b) Avaliar o pulso. c) Iniciar compressões torácicas. d) Solicitar ajuda (acionar serviço de emergência, solicitar desfibrilador/dea) e) Realizar compressão abdominal devido a possibilidade de engasgo e obstrução de vias aéreas. c ç o o mo o ov c Em c Sociedade Brasileira de Cardiologia -ArqBrasCardiol: 2013; 101, (2 Supl. 3): Paciente do sexo feminino, 38 anos, admitida no pronto-socorro com confusão mental, FC 180 bpm, PA 70/40mmHg. Eletrocardiograma mostra taquicardia, regular, com QRS estreito (<120ms) e frequência de 180bpm. Qual a conduta mais apropriada: a) Realizar manobra vagal. b) Adenosina 6mg EV em bolo. c) Amiodarona 300mg EV em bolo. d) Cardioversão elétrica sincronizada imediata. e) Verapamil ou Diltiazem EV. c ç o o mo o ov c Em c Sociedade Brasileira de Cardiologia -ArqBrasCardiol: 2013; 101, (2 Supl. 3): Sobre a terapia anticoagulante em pacientes com fibrilação atrial, é incorreto afirmar. a) A dabigatrana foi avaliada em grandes estudos e pode ser utilizada como alternativa a varfarina em FA não-valvar, quanto terapia anticoagulante está indicada. b) A rivaroxabana pode ser utilizada como alternativa a varfarina em pacientes com FA crônica, incluindo aqueles com próteses valvares mecânicas. c) A terapia com apixabana foi avaliada pelo estudo ARISTOTLE, que mostrou superioridade desta droga em relação a varfarina, tanto em eficácia quanto em segurança, para pacientes com FA não-valvar e pelo um fator de risco para AVC. d) A decisão de anticoagulação na FA deve levar em conta o risco de eventos embólicos (CHADS-VASc) e o risco de sangramento (HAS-BLED) sendo, portanto, individualizada. e) Pacientes com CHADS-VASc = 0, podem ser tratado com AAS mg ou nenhuma terapia. o co m Cardiologia ArqBrasCardiol. 2013; 101(3Supl.3): Para um paciente considerado de alto risco pelo ERF e para um portador de aterosclerose significativa, as metas de LDL colesterol será respectivamente: a) < 130mg/dl e < 70mg/dl. b) <100mg/dl e < 100mg/dl. c) <100mg/dl (opcional < 70mg/dl) e 70mg/dl. d) <130mg/dl e <100mg/dl. e) <70mg/dl e <100mg/dl. 22- Na angina instável, pode haver o aparecimento de hipoxemia. Qual das alternativas abaixo está incorreta? a) Independente de episódios prolongados de isquemia miocárdica. b) Pode ser devido a alterações da relação ventilação-perfusão. c) Pode ser secundária a shunt arteriovenoso pulmonar conseqüente ao aumento da

6 pressão diastólica final do ventrículo esquerdo. d) Pode ser por formação de edema intersticial e/ou alveolar pulmonar. e) A hipoxemia, por sua vez, agrava a isquemia miocárdica, aumentando a lesão miocárdica Como deve ser feito o diagnóstico de hipertensão arterial? a) Pela medida da pressão arterial, por médicos ou profissionais de saúde devidamente capacitados, observando-se todos os cuidados recomendados pelas V Diretrizes Brasileira de Hipertensão Arterial. b) Pela MAPA. c) Pela MRPA. d) B e C estão corretas. e) Nenhuma das alternativas anteriores está correta Em relação às síndromes isquêmicas miocárdicas instáveis (SIMI) podemos afirmar que: a) Todas as dores torácicas devem ser enquadradas nas SIMI, e, portanto ser realizado a estratificação de risco. b) As SIMI devem ser diferenciadas quanto a presença ou não do supradesnível do segmento ST; na ausência desta alteração do ECG o diagnóstico passa a ser angina instável ou IAM sem supradesnível do segmento ST. c) A elevação dos marcadores bioquímicos de dano miocárdico não define a diferença entre angina instável e IAM sem supra ST, necessitando do complemento eletrocardiográfico. d) Na ocorrência de quadro anginoso típico e alteração eletrocardiográfica (sobrecarga ventricular esquerda e infradesnívelamento do segmento ST) define-se o diagnóstico de angina instável. e) Nenhuma das alternativas anteriores Quanto ao uso de anticoagulante e antiagregantes plaquetários na insuficiência cardíaca não é possível afirmar: a) Pacientes com insuficiência cardíaca sistólica e ritmo sinusal não necessitam receber anticoagulante oral. b) Pacientes com insuficiência cardíaca sistólica em fibrilação atrial devem receber anticoagulante oral independente do escore CHADS2. c) Aspirina está contraindicada de rotina na insuficiência cardíaca. d) O escore CHADS2 está estratificado de risco baseia-se em: insuficiência cardíaca ou fração de ejeção de ventrículo esquerdo < 35%, hipertensão arterial, idade >75 anos, diabetes e acidente vascular cerebral. e) Heparina profilática deve ser recomendada para todos os pacientes hospitalizados com insuficiência cardíaca sistólica, desde que sem contra-indicação. Referência: Diretrizes SBC Perguntas e respostas 26 - A intervenção coronária percutânea primária na vigência do infarto agudo do miocárdio com supradesnível do segmento ST pode ser recomendada até um retardo com limite superior de: a) 60 minutos em infarto com <12 horas de início dos sintomas. b) 90 minutos em infarto com > 12 horas de início dos sintomas. c) 180 minutos em infartos transferidos de um centro de atenção diagnóstica primária. d) 90 minutos de infarto com > 12 horas de início dos sintomas. e) 60 minutos de infarto com > 12 horas de início dos sintomas. 27- No paciente com IAMCST as afirmações abaixo são corretas, exceto: a) Uso em longo prazo de anticoagulantes no paciente com infarto somente se justifica no portador de risco elevado para embolismo sistêmico. b) Antiagragação plaquetária dupla (AAS e tienopirídinico) em longo prazo está justificada em todos os pacientes. c) Betabloqueadores devem ser utilizados no pós-infarto, indefinidamente, exceto se o paciente apresentar contra-indicações próprias para o seu emprego. d) Estatinas são recomendadas precocemente após o IAM. e) Nenhuma das alternativas anteriores. 28- São contra-indicações absolutas ao uso de fibrinolíticos, exceto: a) Gravidez. b) AVC isquêmico nos últimos 3 meses. c) Suspeita de dissecção de aorta. d) Sangramento ativo ou diástese hemorrágica (exceto menstruação). e) Nenhuma das alternativas.

7 29- A avaliação do escore de cálcio é recomendada para: a) Seguimento de paciente que teve exame prévio para nova avaliação da evolução da doença. b) Paciente com sintoma típico de doença coronária com alta probabilidade da doença pelos fatores de risco. c) Paciente com antecedente familiar positivo para doença coronariana precoce e fatores de risco com probabilidade intermediária de doença coronariana. d) Paciente assintomático com teste de esforço negativo e baixa probabilidade de doença coronariana. e) Mulheres menopausadas em uso de terapia de reposição hormonal (TRH) para decisão de manutenção ou suspensão da TRH. 30- Ausência de ondas P, linha de base irregular, R-R variáveis sugerem: a) Taquicardia atrial. b) Flutter atrial. c) Fibrilação atrial. d) Taquicardia sinusal. e) Todas as alternativas estão corretas Em virtude de seu ritmo caracteristicamente irregular, a fibrilação atrial, dentre outras características, impõem uma dificuldade nos cálculos da frequência cardíaca a partir do ECG. Num traçado eletrocardiográfico que mostre 14 intervalos RR no espaço de 15 cm, a frequência cardíaca corresponderia aproximadamente: a) 130 b) 140 c) 150 d) 160 e) Dentre os distúrbios da condução intraventricular, aquele que é mais característico da cardiopatia chagásica é: a) Bloqueio do ramo direito. b) Bloqueio do ramo esquerdo. c) Bloqueio do ramo esquerdo + bloqueio divisional ântero-superior do ramo esquerdo. d) Bloqueio do ramo direito + bloqueio divisional ântero-superior do ramo esquerdo. e) Bloqueio trifascicular. 33- Na abordagem da fase aguda do IAM, podemos encontrar um ritmo cardíaco característico da reperfusão miocárdica que recebe o nome de: a) Torsades Des Pointes. b) Ritmo idioventricular acelerado. c) Taquicardia ventricular polimórfica. d) Taquicardia ventricular monomórfica e) Bloqueio atrioventricular total. 34- Com relação às extra-sístoles ventriculares, seria correto afirmar: a) São menos comuns que as atriais. b) Só ocorrem em indivíduos cardiopatas. c) A associação com pior prognóstico é regra. d) A cafeína é um dos fatores relacionados. e) Mesmo as assintomáticas devem ser tratadas Assinale a alternativa que apresenta a característica da síncope que a faz ser considerada de origem cardíaca: a) Presença de pródromos autonômicos. b) Síncope que ocorreu em ortostatismo ou em posição sentada prolongados. c) Síncope durante o esforço d) Se o episódio ocorreu com dor ou procedimento médico. e) Todas as alternativas estão corretas Todas as alternativas a seguir sobre o trauma cardíaco penetrante são corretas, exceto: a) O ventrículo direito é a câmara cardíaca mais freqüentemente lesada pelo trauma penetrante. b) As lesões penetrantes do átrio se associam à pior sobrevida do que as lesões dos ventrículos. c) A ruptura do septo interventricular é uma complicação tardia potencial. d) Na lesão cardíaca penetrante com suspeita de tamponamento, a pericardiocentese é uma intervenção obrigatória. e) Fazem parte do tamponamento cardíaco bulhas abafadas, distensão da veia jugular e hipotensão.

8 37 - A morte súbita cardíaca por taquiarritmias ventriculares é uma complicação estabelecida de cada uma das seguintes alternativas, exceto: a) Sarcoidose. b) Miocardite de células gigantes. c) Doença de chagas. d) Miocardiopatia dilatada idiopática. e) Hipertireoidismo Qual das seguintes afirmativas com relação às etiologias da estenose aórtica( EA) está correta? a) Em pacientes com menos de 70 anos de idade, a febre reumática é a causa mais comum de EA que requer tratamento cirúrgico. b) Em pacientes com mais de 70 anos de idade, a febre reumática é a causa mais comum de EA que requer tratamento cirúrgico. c) Não existem fatores de risco claros para o desenvolvimento de EA degenerativa calcificada. d) A válvula aórtica bicúspide é a malformação cardíaca congênita mais comum encontrada em adultos. e) A deformidade reumática da válvula aórtica, sem envolvimento da válvula mitral, é comum em adultos. a) Cinquenta por cento dos indivíduos infectados pelo HIV desenvolverão disfunção sintomática do VE. b) O tamponamento pericárdico é a manifestação cardíaca mais comum na infecção pelo HIV. c) Em indivíduos infectados pelo HIV, a disfunção do VE tem pouca influência sobre a taxa de mortalidade em um ano. d) A doença arterial coronariana de evolução rápida é incomum em indivíduos infectados pelo HIV. e) O tratamento com inibidor da protease está associado a risco aumentado de Infarto do Miocárdio (IM) A radioterapia em doenças malignas pode afetar o coração de todas as formas a seguir, exceto: a) Pericardite. b) Doença arterial coronariana. c) Estenose Valvular. d) Anormalidades de Condução. e) Hipertrofia septal assimétrica Um homem de 44 anos de idade com diagnóstico recente de infecção pelo vírus da imunodeficiência humana (HIV) chega ao seu consultório com queixa de dispnéia. Ele refere dois meses de fadiga progressiva e dispnéia aos esforços. Sua contagem de CD4 é 500 células/mm³ (normal a células/mm³) e ele continua usando a terapia antirretroviral altamente ativa. O ecocardiograma transtorácico mostra coração dilatado com fração de ejeção do ventrículo esquerdo(ve) de 15% e pequeno derrame pericárdico. Qual das seguintes afirmativas é verdadeira?

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda

a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO Objetivos do tratamento pré-hospitalar da síndrome coronariana aguda Parte II P R O T O C O L O S D E D O E N Ç A S C A R D I O V A S C U L A R E S [111] 47. SÍNDROME CORONARIANA AGUDA a. CONSIDERAÇÕES ESPECIAIS DE AVALIAÇÃO A isquemia do miocárdio resulta do desequilíbrio

Leia mais

Imagem da Semana: Radiografia de tórax

Imagem da Semana: Radiografia de tórax Imagem da Semana: Radiografia de tórax Figura: Radiografia de tórax em PA. Enunciado Paciente masculino, 30 anos, natural e procedente de Belo Horizonte, foi internado no Pronto Atendimento do HC-UFMG

Leia mais

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman

Diretrizes. Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Diretrizes Brasileiras de Fibrilação Atrial (2009) Editor Leandro Ioschpe Zimerman Co-Editores Guilherme Fenelon, Martino Martinelli Filho Coordenadores Cesar Grupi, Jacob Atié Participantes Adalberto

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CARDIOLOGIA

EXAME 2014 RESIDÊNCIA COM PRÉ-REQUISITO: CARDIOLOGIA EXAME 2014 Instruções Leia atentamente e cumpra rigorosamente as instruções que seguem, pois elas são parte integrante das provas e das normas que regem o Exame AMRIGS e ACM. 1. Atente-se a todos os avisos

Leia mais

TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA. Observação:

TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA. Observação: TEMAS LIVRES PÔSTERS APROVADOS DO XII CONGRESSO SERGIPANO DE CARDIOLOGIA Observação: Exposição dos temas livres TL 01 a TL 21 sexta de 08h as 12h, com apresentação 09:45h Exposição dos temas livres TL

Leia mais

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012)

Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) Administração dos riscos cardiovasculares Resumo de diretriz NHG M84 (segunda revisão, janeiro 2012) traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para uso e divulgação sem

Leia mais

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS

INSTITUTO DE DOENÇAS CARDIOLÓGICAS Página: 1/7 1- CONSIDERAÇÕES GERAIS 1.1- As doenças cardiovasculares são, ainda hoje, as principais responsáveis pela mortalidade na população geral, no mundo ocidental. Dentre as inúmeras patologias que

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA. Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA Prof. Fernando Ramos Gonçalves-Msc Insuficiência Cardíaca Conceito É a incapacidade do coração em adequar sua ejeção às necessidades metabólicas do organismo, ou fazê-la

Leia mais

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS

DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS DISCIPLINA DE CARDIOLOGIA UNIVERSIDADE FEDERAL FLUMINENSE ARRITMIAS CARDÍACAS Prof. Humberto Villacorta Arritmias Cardíacas Ritmo Sinusal, taquicardia e bradicardia sinusais Bradiarritmias Extra-sístoles

Leia mais

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos)

Justificativa Depende dos exames escolhidos. Residência Médica Seleção 2014 Prova Clínica Médica Expectativa de Respostas. Caso Clínico 1 (2 pontos) Caso Clínico 1 (2 pontos) Uma mulher de 68 anos, hipertensa, é internada com afasia e hemiparesia direita de início há meia hora. A tomografia de crânio realizada na urgência não evidencia sangramento,

Leia mais

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira

Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica. Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira Consulta de Enfermagem para Pessoas com Hipertensão Arterial Sistêmica Ms. Enf. Sandra R. S. Ferreira O QUE É HIPERTENSÃO ARTERIAL? Condição clínica multifatorial caracterizada por níveis elevados e sustentados

Leia mais

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada)

Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial. Classificação das Arritmias (Segundo a Freqüência Cardíaca Associada) Arritmias Cardíacas Classificação e Tratamento Emergencial Prof. Dr. Luiz F. Junqueira Jr. Universidade de Brasília Departamento de Clínica Médica - Laboratório Cardiovascular Hospital Universitário de

Leia mais

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia

PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA 2014 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 28 de Fevereiro

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS

CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS CONHECIMENTOS ESPECIALIZADOS 31) O Código de Ética Médica apresenta uma série de princípios que são vedados aos médicos no que se refere à relação do profissional com pacientes e familiares. A respeito

Leia mais

Índice Remissivo do Volume 91-2008

Índice Remissivo do Volume 91-2008 Por Assunto A Acidente cerebrovascular/complicações Acidente vascular na doença de Chagas, 306 Abscesso Opção para tratamento de abscesso aórtico, 72 Acesso radial Acesso ulnar Angioplastia primária pelo

Leia mais

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO

INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO INTERVENÇÃO FISIOTERAPÊUTICA CARDIOVASCULAR NO PÓS- OPERATÓRIO DE REVASCULARIZAÇÃO DO MIOCÁRDIO Michael Jaickson de Jesus Chaves* NOVAFAPI Gilderlene Alves Fernandes** NOVAFAPI INTRODUÇÃO O coração é um

Leia mais

Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2015

Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2015 Segunda-Feira, 21 de Setembro de 2015 (19200) Simpósio Insuficiência Cardíaca, Cardiomiopatia e Doenças do Pericárdio Auditório 1 (Capacidade 500) 08:30 10:00 O Desafio da Avaliação de Dispneia em Pacientes

Leia mais

DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C.

DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C. DOR TORÁCICA: ATUAÇÃO DO ENFERMEIRO NA UNIDADE DE PRONTO ATENDIMENTO Marques, C.P.¹, Rubio, L.F.², Oliveira, M.S.³, Leit e, F.M.N. 4, Machado, R.C. 5 1,2,3,4,5 Universidade do Vale Paraíba/Faculdade de

Leia mais

TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR. Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP

TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR. Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP TOMOGRAFIA E RESSONÂNCIA CARDIOVASCULAR Renato Sanchez Antonio Santa Casa RP Tomografia Técnica baseada em radiografia com uso colimadores para restringir feixes Realizada na mesma fase do ciclo cardíaco

Leia mais

Identificação do Risco de Morte Súbita

Identificação do Risco de Morte Súbita Texto de apoio ao curso de especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Identificação do Risco de Morte Súbita Resumo adaptado da referencia A identificação de indivíduos

Leia mais

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC)

INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) INSUFICIÊNCIA CARDÍACA CONGESTIVA (ICC) Categorias: - ICC aguda sem diagnóstico prévio - ICC crônica agudizada - ICC crônica refratária Apresentações clínicas: - Edema agudo de pulmão: rápido aumento da

Leia mais

CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE PÚBLICA

CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE PÚBLICA CONHECIMENTOS GERAIS EM SAÚDE PÚBLICA QUESTÃO 01 A organização do Sistema Único de Saúde (SUS) em uma rede regionalizada e hierarquizada de serviços de saúde está pautada pelas seguintes diretrizes constitucionais:

Leia mais

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL

2. HIPERTENSÃO ARTERIAL TESTE ERGOMETRICO O teste ergométrico serve para a avaliação ampla do funcionamento cardiovascular, quando submetido a esforço físico gradualmente crescente, em esteira rolante. São observados os sintomas,

Leia mais

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA

AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA AULA 11: CRISE HIPERTENSIVA 1- INTRODUÇÃO No Brasil a doença cardiovascular ocupa o primeiro lugar entre as causas de óbito, isto implica um enorme custo financeiro e social. Assim, a prevenção e o tratamento

Leia mais

Abordagem da Dor Torácica Aguda. Jeová Cordeiro de Morais Júnior

Abordagem da Dor Torácica Aguda. Jeová Cordeiro de Morais Júnior Abordagem da Dor Torácica Aguda Jeová Cordeiro de Morais Júnior Introdução Traumática x não-traumática Cerca de 8 milhões de atendimento nas emergências nos EUA Cerca de 10-12% são liberados com SCA Avaliar

Leia mais

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia

Avaliação da dor torácica no serviço de urgência. Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Avaliação da dor torácica no serviço de urgência Carina Arantes Interna de formação específica de cardiologia Introdução Dor torácica constitui a 2ª causa mais comum de admissão no serviço de urgência

Leia mais

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç )

TES TE T S E ER GOMÉTRIC GOMÉTRIC (Te ( ste de esforço ç ) TESTE ERGOMÉTRICO (Teste de esforço) Definição - um dos exames mais importantes de diagnóstico, avaliação clínica e prognóstico dos pacientes com doença arterial coronariana (DAC). - método rápido, barato,

Leia mais

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR

ELETROCARDIOGRAMA 13/06/2015 ANATOMIA E FISIOLOGIA CARDIOVASCULAR ELETROCARDIOGRAMA Professor : Elton Chaves Do ponto de vista funcional, o coração pode ser descrito como duas bombas funcionando separadamente cada uma trabalhando de forma particular e gerando pressões

Leia mais

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR

EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR EXAME CLÍNICO PARA INVESTIGAÇÃO DE UMA DOENÇA CARDIOVASCULAR RESUMO Anamnese ID HPMA IDA Antecedentes Pessoais Antecedentes Familiais Exame Físico Geral Exame Físico Especial Cabeça / Face / Pescoço Aparelho

Leia mais

Síndrome Coronariana Aguda

Síndrome Coronariana Aguda Síndrome Coronariana Aguda CLASSIFICAÇÃO DA DOR TORÁCICA AGUDA. - Dor anginosa típica (tipo A) - Dor provavelmente anginosa (tipo B) - Dor provavelmente não anginosa (tipo C) - Dor não anginosa (tipo D):

Leia mais

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II

PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II PROTOCOLOS DE REABILITAÇÃO CARDÍACA FASE II III SIMPÓSIO DE FISIOTERAPIA EM CARDIOLOGIA 30 de Outubro a 02 de Novembro de 2004 DAIANA CRISTINE BÜNDCHEN INSTITUTO DE CARDIOLOGIA DE CRUZ ALTA-CT SERVIÇO

Leia mais

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos

SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR. Uma viagem a quatro mãos SEGUIMENTO DO DOENTE CORONÁRIO APÓS A ALTA HOSPITALAR Uma viagem a quatro mãos Doença coronária Uma das principais causas de morte no mundo ocidental Responsável por 1 em cada 6 mortes nos E.U.A. 1 evento

Leia mais

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA

SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA www.gerenciamentoetreinamento.com Treinamentos Corporativos Contato: XX 12 9190 0182 E mail: gomesdacosta@gerenciamentoetreinamento.com SIMPÓSIO DE ELETROCARDIOGRAMA Márcio

Leia mais

Objetivo da participação:

Objetivo da participação: Objetivo da participação: Contribuir para facilitar o entendimento da prescrição da intensidade do exercício em pacientes pós IAM em programas de reabilitação. BENEFÍCIOS: Isquemia miocárdica 1- Melhora

Leia mais

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca

Protocolo de Choque no Pósoperatório. Cardíaca Protocolo de Choque no Pósoperatório de Cirurgia Cardíaca Acadêmico Lucas K. Krum Prof. Dr. Mário Augusto Cray da Costa Choque no pós operatório da CC Função miocárdica declina nas 6 a 8 horas iniciais

Leia mais

Sala 1 - CONFERÊNCIA "Os Desafios da SBC para implantação do Programa Nacional de Prevenção Cardiovascular"

Sala 1 - CONFERÊNCIA Os Desafios da SBC para implantação do Programa Nacional de Prevenção Cardiovascular PROGRAMA CIENTÍFICO CONGRESSO SOCERJ 2013 Quinta-feira 04.04.2013 Hora: 08:00h - 08:30h Sala 1 - ABERTURA OFICIAL Hora: 08:30h - 09:45h Sala 1 - CONFERÊNCIA "Os Desafios da SBC para implantação do Programa

Leia mais

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA

PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA da REGIÃO DE CHAPECÓ - UNOCHAPECÓ ÁREA DE CIÊNCIAS DA SAÚDE CURSO DE ENFERMAGEM PROFESSORA: TÂNIA MARIA ASCARI PRINCÍPIOS BÁSICOS DO ELETROCARDIOGRAMA O eletrocardiograma é o registro

Leia mais

SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR

SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR Yáskara Benevides Guenka Acadêmica do 4º ano de Medicina UFMS Liga de Cardiologia e Cirurgia Cardiovascular Campo Grande MS 27/06/2012 SEMIOLOGIA CARDIOVASCULAR ALTERAÇÕES DAS

Leia mais

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia

Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Novas diretrizes para pacientes ambulatoriais HAS e Dislipidemia Dra. Carla Romagnolli JNC 8 Revisão das evidências Ensaios clínicos randomizados controlados; Pacientes hipertensos com > 18 anos de idade;

Leia mais

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC

Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo. Emergência HNSC Atendimento do Acidente Vascular Cerebral Agudo Emergência HNSC SINAIS DE ALERTA PARA O AVC Perda súbita de força ou sensibilidade de um lado do corpo face, braços ou pernas Dificuldade súbita de falar

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9

Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Cardiologia - Global Consolidado 1 / 9 Tabela 01 - Principais Antecedentes e Fatores de Risco para Doença Cardiovascular à Internação na Unidade Todos os Pacientes Egressos da Unidade Hipertensão Arterial

Leia mais

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini

Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico. Costantini Caso Clínico 1 Módulo: DAC Métodos Diagnósticos Marco Aurélio Nerosky Hospital Cardiológico Costantini Caso 01 IFV, 59 anos, feminino Assintomática Fatores de Risco: história familiar Pressão arterial

Leia mais

Procedimentos Operacionais padrão das unidades integradas de Saúde Unimed Rio

Procedimentos Operacionais padrão das unidades integradas de Saúde Unimed Rio Jornada Unimed Rio A Prática Cardiológica no Cenário da Alta Complexidade Insuficiência Cardíaca e a Utilização de Marcapassos, Ressincronizadores e Desfibriladores Implantáveis Procedimentos Operacionais

Leia mais

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO

INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO INFARTO AGUDO DO MIOCÁRDIO Dr. Wilton César Eckert Medicina na Universidade Federal do Rio Grande do Sul Residência Médica em Clínica Médica, Cardiologia e Ecocardiografia na Santa Casa de Misericórdia

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17

Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Cardiologia - Síndromes Coronarianas Agudas 1 / 17 Tabela 01 - Pacientes com Síndromes Coronarianas Agudas à Internação na Unidade - Principais Características Clinicas - Todos os Pacientes Egressos da

Leia mais

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA

TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Disciplina: Farmacologia Curso: Enfermagem TERAPÊUTICA DA HIPERTENSÃO ARTERIAL SISTÊMICA Professora: Ms. Fernanda Cristina Ferrari Controle da Pressão Arterial Sistêmica Controle Neural estimulação dos

Leia mais

Dissecção Aguda da Aorta

Dissecção Aguda da Aorta Dissecção Aguda da Aorta SD de Dissecção Aguda da Aorta PAM não invasiva, monitorização cardíaca, débito urinário, acesso IV com Gelco 14(02). Se choque / ICC ou hipotensão instalar Swan-Ganz para PCP,

Leia mais

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente

Actilyse alteplase. APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente Actilyse alteplase APRESENTAÇÕES Pó liofilizado injetável frasco-ampola com 10 mg + diluente, ou 20 mg + diluente, ou 50 mg + diluente USO INTRAVENOSO USO ADULTO COMPOSIÇÃO ACTILYSE 10 mg/10 ml: cada frasco-ampola

Leia mais

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões:

AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca. Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Sugestões: Sugestões: AVALIAÇÃO PERIOPERATÓRIA Cirurgia Não Cardíaca Nome do paciente: Registro: Cirurgia a ser realizada: Data da avaliação: / / Risco intrínseco da cirurgia: ( ) Baixo ( ) Intermediário ( ) Alto Risco cardiológico:

Leia mais

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016

HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 HOSPITAL SÃO FRANCISCO RIBEIRÃO PRETO ESTADO DE SÃO PAULO PROGRAMA TEÓRICO E PRÁTICO PARA ESTÁGIO EM CARDIOLOGIA EM 2016 Credenciado e reconhecido pela Sociedade Brasileira de Cardiologia Início 2 de Fevereiro

Leia mais

Reabilitação Cardíaca A reabil

Reabilitação Cardíaca A reabil Reabilitação Cardíaca Reabilitação Cardíaca A reabilitação cardiovascular (RCV) pode ser conceituada como um ramo de atuação da cardiologia que, implementada por equipe de trabalho multiprofissional, permite

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CARDIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CARDIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO CARDIOLOGISTA QUESTÃO 21 Em relação aos métodos diagnósticos não invasivos utilizados para rastreamento de doença cardíaca, é CORRETO afirmar: a) O valor preditivo

Leia mais

XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE.

XXII CONGRESSO NACIONAL DO DEPARTAMENTO DE ERGOMETRIA, EXERCÍCIO, REABILITAÇÃO CARDIOVASCULAR, CARDIOLOGIA NUCLEAR E CARDIOLOGIA DO ESPORTE. PROGRAMAÇÃO CIENTÍFICA QUINTA-FEIRA 29 DE OUTUBRO DE 2015 CREDENCIAMENTO 07:30H MENSAGEM DA COMISSÃO ORGANIZADORA CURSO INTERATIVO E CONJUGADO DE ERGOMETRIA E TESTE CARDIOPULMONAR DE EXERCÍCIO. CURSO INTERATIVO

Leia mais

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck)

Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos (Manual Merck) Texto de apoio ao curso de Especialização Atividade física adaptada e saúde Prof. Dr. Luzimar Teixeira Distúrbios do Coração e dos Vasos Sangüíneos Capítulo14 - Biologia do Coração e dos Vasos Sangüíneos

Leia mais

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013)

Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) Fibrilação atrial Resumo de diretriz NHG M79 (segunda revisão parcial, agosto 2013) grupo de estudos NHG-fibrilação atrial traduzido do original em holandês por Luiz F.G. Comazzetto 2014 autorização para

Leia mais

Cardiologia Hemodinâmica

Cardiologia Hemodinâmica 1 Concurso Público 2011 Cardiologia Hemodinâmica Questão 1: Homem de 40 anos de idade, brasileiro (RJ), solteiro e comerciante, apresentou dor precordial intensa, acompanhada de palpitações e desencadeada

Leia mais

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana

COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana COLÉGIO AMERICANO DE MEDICINA ESPORTIVA Posicionamento Oficial Exercício para Pacientes com Doença Arterial Coronariana RESUMO Posicionamento Oficial do Colégio Americano de Medicina Esportiva: Exercise

Leia mais

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM)

Definição IAM. Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Infarto Agudo do Miocárdio (IAM) Definição Acometimento cardíaco aco causado pela limitação ou obstrução do fluxo sanguíneo neo coronariano (alimentação para o coração) de tal magnitude e duração que resulta

Leia mais

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...

SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO... 2 SUMÁRIO OBESIDADE...4 OBESIDADE EM ADULTOS...5 PREVENÇÃO...6 EM BUSCA DO PESO SAUDÁVEL...7 TRATAMENTO...9 CUIDADOS DIÁRIOS COM A ALIMENTAÇÃO...12 OUTROS HÁBITOS SAUDÁVEIS...14 ATIVIDADE FÍSICA...14 CUIDADOS

Leia mais

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG

PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG 8. CONEX Apresentação Oral Resumo Expandido 1 ÁREA TEMÁTICA: SAÚDE PERFIL MEDICAMENTOSO DE SERVIDORES HIPERTENSOS DA UEPG HEDLER, Priscila 1 HALILA, Gerusa Clazer 2 MADALOZZO, Josiane Cristine Bachmann

Leia mais

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1

ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA RISCO CIRÚRGICO. 9/7/2003 Dr. José Mário Espínola - AMPB 1 ASSOCIAÇÃO MÉDICA DA PARAÍBA 1 I- CONCEITO: avaliação realizada por cardiologista, com fortes bases epidemiológicas, objetivando determinar classificação funcional do paciente, e risco de complicações

Leia mais

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE

CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE CARDIOLOGIA ORIENTAÇÃO P/ ENCAMINHAMENTO À ESPECIALIDADE DOR TORÁCICA CARDÍACA LOCAL: Precordio c/ ou s/ irradiação Pescoço (face anterior) MSE (interno) FORMA: Opressão Queimação Mal Estar FATORES DESENCADEANTES:

Leia mais

predisposição a diabetes, pois Ablok Plus pode mascarar os sinais e sintomas da hipoglicemia ou causar um aumento na concentração da glicose

predisposição a diabetes, pois Ablok Plus pode mascarar os sinais e sintomas da hipoglicemia ou causar um aumento na concentração da glicose ABLOK PLUS Ablok Plus Atenolol Clortalidona Indicações - ABLOK PLUS No tratamento da hipertensão arterial. A combinação de baixas doses eficazes de um betabloqueador e umdiurético nos comprimidos de 50

Leia mais

MINI BULA CARVEDILOL

MINI BULA CARVEDILOL MINI BULA CARVEDILOL Medicamento Genérico Lei nº 9.787, de 1999. APRESENTAÇÃO: Comprimido 3,125mg: caixas contendo 15, 30; Comprimido 6,25 mg: caixa contendo 15, 30; Comprimido 12,5 mg: caixa contendo

Leia mais

DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto

DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) Prof. Abdo Farret Neto DOENÇA ARTERIAL PERIFÉRICA (DAP) OBJETIVOS DO APRENDIZADO SOBRE DAP 1. Aprender a DIANOSTICAR a doença 2. Identificar e tratar adequadamente os FATORES

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 10. A equação para o cálculo do stress de parede (lei de Laplace) é:

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 10. A equação para o cálculo do stress de parede (lei de Laplace) é: 8 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 10 QUESTÃO 17 A equação para o cálculo do stress de parede (lei de Laplace) é: a) pressão x raio / 2 x espessura da parede. b) espessura da parede / pressão x

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul. Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva. Dr. Jamil Mattar Valente

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul. Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva. Dr. Jamil Mattar Valente 2006 Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia da Região Sul Cardiomiopatia Hipertrófica e Restritiva Dr. Jamil Mattar Valente 1 Cardiomiopatia Hipertrófica Primária Secundária 2 Introdução Doença hereditária

Leia mais

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha

06/05/2014. Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com. Prof. Me Alexandre Rocha Prof. Me. Alexandre Correia Rocha www.professoralexandrerocha.com.br alexandre.personal@hotmail.com Docência Personal Trainer Prof. Me Alexandre Rocha 1 Hipertensão Arterial - Exercício Hipertensão Arterial

Leia mais

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior:

2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS. 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: 2ª. PARTE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CIRURGIA VASCULAR 21. Essencial para a utilização bem sucedida da prótese para o amputado da extremidade inferior: I. Reserva cardiopulmonar. II. Coto construído corretamente.

Leia mais

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE. Cada ml contém: levosimendana... 2,5 mg Excipientes: polividona, ácido cítrico e etanol.

MODELO DE BULA PARA O PACIENTE. Cada ml contém: levosimendana... 2,5 mg Excipientes: polividona, ácido cítrico e etanol. MODELO DE BULA PARA O PACIENTE IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: SIMDAX levosimendana Formas Farmacêuticas, vias de administração e apresentações: SIMDAX (levosimendana) 2,5 mg/ml: embalagens com 1 frasco-ampola

Leia mais

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves

Tratamento da Insuficiência Cardíaca. Profª Rosângela de Oliveira Alves Tratamento da Insuficiência Cardíaca Profª Rosângela de Oliveira Alves Insuficiência Cardíaca Causas Insuficiência miocárdica Regurgitação valvular l Disfunção diastólica Sinaisi congestão e edema débito

Leia mais

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml.

ALIVIUM ibuprofeno Gotas. ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. ALIVIUM ibuprofeno Gotas FORMAS FARMACÊUTICAS/APRESENTAÇÕES: ALIVIUM gotas é indicado para uso oral. ALIVIUM gotas 100 mg/ml apresenta-se em frascos com 20 ml. USO ADULTO E PEDIÁTRICO (acima de 6 meses

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA 12 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS MÉDICO ANGIOLOGISTA QUESTÃO 21 Um paciente de 75 anos, ex-garçom, tem há três anos o diagnóstico já confirmado de síndrome isquêmica crônica dos membros inferiores.

Leia mais

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812.

CENTRO DE APOIO OPERACIONAL DE DEFESA DA SAÚDE CESAU. Av. Joana Angélica, 1312, Prédio Principal, sala 404 Nazaré. Tel.: 71 3103-6436 / 6812. ORIENTAÇÃO TÉCNICA N.º 08 /2014 - CESAU Salvador, 23 de janeiro de 2014. OBJETO: Parecer. - Centro de Apoio Operacional de Defesa da Saúde- CESAU REFERÊNCIA:xxxPromotoria da Justiça de xxx/dispensação

Leia mais

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal

Ivan da Costa Barros Pedro Gemal Semiologia Abordagem ao paciente cardiopata Ivan da Costa Barros Pedro Gemal DESAFIO!! 2011 Universidade Federal Fluminense 1. Paciente idoso procura PS à noite queixando- se de falta de ar, taquicárdico

Leia mais

FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA. Profa. Elisabeth Maróstica

FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA. Profa. Elisabeth Maróstica FARMACOLOGIA da ISQUEMIA MIOCÁRDICA Profa. Elisabeth Maróstica ISQUEMIA MIOCÁRDICA Sintoma primário da cardiopatia isquêmica é a ANGINA: Angina estável (esforço) Angina instável (repouso) Angina de Prinzmetal

Leia mais

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista

Prevenção Cardio vascular. Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Prevenção Cardio vascular Dra Patricia Rueda Cardiologista e Arritmologista Principal causa de morte em todo o mundo Considerada uma EPIDEMIA pela OMS em 2009 Alta mortalidade Alta morbidade = Muitas

Leia mais

MARCADORES CARDÍACOS

MARCADORES CARDÍACOS Maria Alice Vieira Willrich, MSc Farmacêutica Bioquímica Mestre em Análises Clínicas pela Universidade de São Paulo Diretora técnica do A Síndrome Coronariana Aguda MARCADORES CARDÍACOS A síndrome coronariana

Leia mais

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis

Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Curso Nacional de Reciclagem em Cardiologia Região Sul 20 a 24 de setembro de 2006 ACM - Florianópolis Dr. José Carlos Moura Jorge Laboratório de Eletrofisiologia de Curitiba Bradicardia Sinusal. Doença

Leia mais

Liga Acadêmica de Transplante e Insuficiência Cardíaca do HUUPD LATIC

Liga Acadêmica de Transplante e Insuficiência Cardíaca do HUUPD LATIC Liga Acadêmica de Transplante e Insuficiência Cardíaca do HUUPD LATIC Processo Seletivo para Admissão de Novos Membros 02.12.2011 Código de Matrícula Gabarito 1. 6. 11. 16. 21. 26. 2. 7. 12. 17. 22. 27.

Leia mais

PROVA ESPECÍFICA Cargo 52

PROVA ESPECÍFICA Cargo 52 11 PROVA ESPECÍFICA Cargo 52 QUESTÃO 26 Em relação à hipertensão do avental branco, marque a afirmativa INCORRETA: a) Normalmente, ocorre em pacientes do sexo feminino e em jovens. b) Apresenta risco cardiovascular

Leia mais

Doenças cardiovasculares e exercício. Prof. Márcio Oliveira de Souza marciofisiol@yahoo.com.br

Doenças cardiovasculares e exercício. Prof. Márcio Oliveira de Souza marciofisiol@yahoo.com.br Doenças cardiovasculares e exercício Prof. Márcio Oliveira de Souza marciofisiol@yahoo.com.br Fatores de risco modificáveis TROCAR FIGURAS Hipertensão Obesidade (PA >140/90 mmhg) (IMC >30 kg/m2) Sedentarismo

Leia mais

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL

DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL DOENTE DE RISCO EM CIRURGIA ORAL I AVALIAÇÃO PRÉVIA DO DOENTE Uma boa metodologia para avaliação de um doente candidato a cirurgia oral é tentar enquadrá-lo na classificação da American Society of Anesthesiologists

Leia mais

( ) A concentração intracelular de íons cálcio é o grande determinante da força de contração da musculatura cardíaca.

( ) A concentração intracelular de íons cálcio é o grande determinante da força de contração da musculatura cardíaca. Grupo de Fisiologia Geral da Universidade de Caxias do Sul Exercícios: Fisiologia do Sistema Cardiovascular (parte III) 1. Leia as afirmativas abaixo e julgue-as verdadeiras (V) ou falsas (F): ( ) A concentração

Leia mais

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA

PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA PROVA PARA A RESIDÊNCIA MÉDICA EM CARDIOLOGIA, GASTROENTEROLOGIA E MEDICINA INTENSIVA CONCURSO DE SELEÇÃO 2013 PROVA DE CLÍNICA MÉDICA Nome: Dia: 20 de dezembro de 2012. 01 - A conduta inicial em embolia

Leia mais

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo

Cadernos UniFOA. Palavras-chaves: Resumo 76 Estudo comparativo entre hipertensos que utilizam e os que não utilizam medicamentos fornecidos pelo SUS na unidade de saúde Três Poços Geraldo Assis Cardoso 1 Ana Paula Ferreira Vilarinho 2 Douglas

Leia mais

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE

ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE ESTRATÉGIAS DE TRATAMENTO DAS DOENÇAS CORONÁRIA E CAROTÍDEA CONCOMITANTE MARCOS ANTONIO MARINO COORDENADOR DEPARTAMENTO DE HEMODINÂMICA, CARDIOLOGIA E RADIOLOGIA VASCULAR INTERVENCIONISTA CONFLITO DE INTERESSES

Leia mais

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC

PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC PROGAMAÇÃO V CURSO TEÓRICO RESIDENTE CARDIOLOGIA SMC MÓDULO AVANÇADO: 2º Semestre de 2013 LOCAL: ASSOCIAÇÃO MÉDICA DE MINAS GERAIS ESTRUTURA DAS AULAS: - Participantes: Um palestrante + Um debatedor +

Leia mais

www.estrategiaconcursos.com.br

www.estrategiaconcursos.com.br Questão 01 No que se refere ao prontuário médico, é correto afirmar que A) o paciente, em caso de erro médico, só pode ter acesso ao seu prontuário sob ordem judicial. B) é permitido ao médico negar acesso

Leia mais

II CURSO SOCERJ DE IMERSÃO EM ARRITMIAS PARA O CLÍNICO - SALA 1

II CURSO SOCERJ DE IMERSÃO EM ARRITMIAS PARA O CLÍNICO - SALA 1 Quarta Feira 25/04 II CURSO SOCERJ DE IMERSÃO EM ARRITMIAS PARA O CLÍNICO - SALA 1 9:00-10:00 Módulo 1 O paciente com arritmias cardíacas no consultório do cardiologista Caso 1: Paciente com queixa de

Leia mais

CASO CLÍNICO DAC III. HOSPITAL VERA CRUZ CAMPINAS SP gioppato@terra.com.br

CASO CLÍNICO DAC III. HOSPITAL VERA CRUZ CAMPINAS SP gioppato@terra.com.br CASO CLÍNICO DAC III SILVIO GIOPPATO SILVIO GIOPPATO HOSPITAL VERA CRUZ CAMPINAS SP gioppato@terra.com.br Antecedentes Feminino, 90 anos HAS; DLP; Obesidade (IMC: 31) IM prévio com ICP primária para ACD

Leia mais

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg

LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg LOSARTANA POTÁSSICA Hypermarcas S/A Comprimido revestido 50mg e 100mg I - IDENTIFICAÇÃO DO MEDICAMENTO: LOSARTANA POTÁSSICA Medicamento genérico Lei nº 9.787, de 1999 APRESENTAÇÕES Comprimido revestido

Leia mais

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação

ADA. ão, acesso venoso, e drogas. desfibrilação C - CIRCULAÇÃO BÁSICA B E AVANÇADA ADA Monitoração, desfibrilação ão, acesso venoso, e drogas Hospital Municipal Miguel Couto Centro de Terapia Intensiva Dr David Szpilman CONCEITO DE PCR: Cessação súbita

Leia mais