O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "O NOVO INCRA 1. POR QUE MUDAR O INCRA"

Transcrição

1 O NOVO INCRA Apresentação Estamos chegando ao final do processo de reestruturação do Incra. Foram alguns meses de árduo trabalho, construindo nosso futuro. Chegamos agora ao termo de uma mudança que foi planejada para atender à nossa principal meta: o cumprimento de nossa missão junto à sociedade brasileira. A construção de uma instituição forte é calcada em bases sólidas e em princípios lógicos. É nesse contexto que toda a proposta estrutural foi concebida. Partimos do princípio de que a reforma agrária deve ter conseqüência. As famílias que entram por esta porta, por certo sairão consolidadas rumo à Agricultura Familiar. Este é nosso compromisso e nossa missão. O Incra será, a partir de agora, uma entidade forte, que saberá partilhar com outros segmentos da sociedade e do governo sua missão. Um grande programa social como a reforma agrária, não é obra de uma só instituição, e sim de um conjunto de macro-políticas sociais, com intervenções e parcerias por todos os segmentos de governo com foco claro na satisfação do cidadão. A concepção da nova estrutura é uma resposta ao desafio da realização da reforma agrária com qualidade. Na nova estrutura a dimensão estratégica são a mola propulsora dos aspectos operacionais. Este trabalho foi gerado pela competência de um conjunto e servidores do Incra, com suporte de um grande parceiro, o Banco do Nordeste, que recentemente realizou ele próprio uma reestruturação. Mudamos a essência da gestão, preservando nossa história e a tradição de uma instituição voltada para a construção da cidadania. A todos os que se dedicaram à reflexão, à construção do novo Incra, nosso muito obrigado. 1. POR QUE MUDAR O INCRA Antecedentes O Incra é uma autarquia Federal criada na década de 70 com o objetivo inicial de promover a ocupação de espaços vazios do território nacional, principalmente na Amazônia, por meio de processos de regularização fundiária. Uma de suas principais atribuições, no entanto, sempre foi a de redistribuir terras obtidas pelo atributo constitucional da desapropriação. Por muitos anos a regularização fundiária foi bastante utilizada para colonizar várias regiões do País, pouco modificando a estrutura fundiária existente. Somente na década de 80, a partir da mobilização social que acompanhou a redemocratização do Brasil, o processo de intervenção por desapropriação foi intensificado. Ainda assim, não produziu os efeitos pretendidos pela Lei 4.504/64, o Estatuto da Terra. A partir de 1993, com a edição da Lei 8.629, que regulamentou dispositivos da Constituição de 1988 referentes à reforma agrária, o

2 Incra tomou novo impulso, buscando a transformação das terras obtidas em Projetos de Assentamento. Esse modelo sofreu, no entanto, problemas decorrentes da falta da racionalidade em sua concepção. Obtinham-se as terras, mas não se implementavam os meios de transformar os sem-terra em agricultores familiares competitivos. Com o início do Governo Fernando Henrique Cardoso foram estabelecidas metas ambiciosas no âmbito da reforma agrária. Caberia ao Incra a missão de assentar 280 mil famílias no período de 1995 a Na nova concepção, o conceito de assentar, no sentido de colocar sobre a terra, não seria suficiente. O processo da reforma agrária somente se completaria quando os beneficiários alcançassem a condição de agricultores familiares e fossem inseridos de forma competitiva no mercado. O sucesso, neste caso, dependeria da viabilização racional de serviços e infra-estrutura básicos. Uma vez disponibilizados esses elementos, os beneficiários da reforma agrária receberiam, como os demais agricultores familiares brasileiros, os benefícios das políticas públicas. Este foi o contexto no qual foram construídas as bases da proposta denominada Novo Mundo Rural. O Governo reuniu então a reforma agrária e o Programa de Fortalecimento da Agricultura Familiar - Pronaf - sob a direção do Ministério do Desenvolvimento Agrário. A nova lógica do processo Ficou claro então que as famílias beneficiárias da reforma agrária somente alcançarão condições de vida de sustentabilidade em suas terras se a intervenção na área fundiária estiver acompanhada de outras políticas públicas para o meio rural. O Incra, por orientação do então Ministério Extraordinário da Política Fundiária, passou a trabalhar na construção dos pilares de sua nova missão - obter terras com qualidade, estabelecer parâmetros de custo para investimentos e propiciar ao novo agricultor uma visão abrangente do processo, possibilitando o desenvolvimento sustentável de seu empreendimento. Os elementos imprescindíveis à obtenção fundiária e à implantação de projetos de assentamento foram redefinidos, a partir daí, levando em consideração: análise de mercado e dos sistemas produtivos potenciais como pressuposto para a obtenção fundiária; capacitação básica das famílias beneficiárias; formulação do Plano de Desenvolvimento Sustentável do Assentamento; obtenção de licença ambiental provisória; 2

3 execução dos serviços topográficos relativos à organização espacial definida no Plano de Desenvolvimento Sustentável do Assentamento; outorga de títulos de domínio; disponibilização de serviços de assistência técnica; apoio financeiro para aquisição de alimentos, ferramentas e outros instrumentos básicos; construção de habitações; implantação de infra-estrutura básica; concessão de crédito para a implantação de atividades produtivas; obtenção de licença ambiental de operação. A construção destes elementos considerou a experiência e a impossibilidade de cumprir com as infindáveis atribuições e responsabilidades que eram impostas ao Incra nas antigas regras da emancipação - constantes no Estatuto da Terra e no Decreto /66. A confusão e o emaranhado de encargos resultou em que a instituição não fosse cobrada pelos resultados que deveria apresentar. Em conseqüência, também não cobrava pelos desembolsos, de forma que muito pouco do que foi investido tenha retornado aos cofres públicos. A busca de parcerias e da sustentabilidade era sempre colocada em segundo plano, de forma que a autarquia não conseguiu emancipar praticamente nenhum projeto de assentamentos. Ou seja, a reforma agrária era uma porta de entrada, sem saídas. A percepção destes problemas e nova visão do projeto de assentamento, focado na inserção competitiva do novo agricultor familiar no mercado, aboliu conceitos arcaicos como o da emancipação. Felizmente, essa inconsistência está sendo superada. O Incra não deve agir de forma isolada, razão pela qual a estratégia da parceria foi implantada de forma sólida, O monopólio do fazer, dá espaço, a partir de agora, à certeza de que não existem condições para o fazer sozinho quando se trata de políticas públicas. O princípio do Plano Plurianual Com a adoção, pelo Governo Federal, de uma política de execução de ações por programas, ficou reforçada a visão de que o Incra, totalmente departamentalizado, não atenderia às novas demandas. O ajuste estrutural viria, sob risco de serem ampliadas as sérias dificuldades de convivência na execução da reforma agrária. A construção de uma instituição eficiente e eficaz Uma vez reformulada a lógica do assentamento, com definição de etapas muito claras desde a chegada à terra até a realização da última ação básica de 3

4 competência do Programa de Reforma Agrária e, da mesma maneira, entendida a necessidade do ajustamento da estrutura aos princípios do Plano Plurianual/ Avança Brasil, teve início a revisão estrutural no Incra, visando propiciar eficiência e eficácia às atividades-fim da autarquia. Mesmo sem regras claras e sem a visão do todo, o Incra conseguiu realizar mais de 4 mil projetos de assentamento, fazendo ingressar no Programa mais de 500 mil famílias. Confirma-se, com estes números, as limitações do modelo antigo. Sendo impossível fixar prazos para conclusão das atividades relacionadas à reforma agrária, uma série de deformidades, algumas bastante graves, foram geradas, entre elas a interminável demanda por infra-estrutura e créditos. Outra deformidade constatada no modelo antigo diz respeito à falta de titulação. O processo depende de ações multi-setoriais, mas, nos últimos dez anos, não houve definição quanto a sua execução. Como resultado, quase 100% dos assentados ainda não possuem documentos, não podendo, portanto, pagar pelos créditos que receberam e deixar o programa. Apesar das dificuldades, a capacidade operacional do Incra não está superada. As mudanças estruturais dão novo fôlego à instituição para cumprir os desafios que tem pela frente. 2. O QUE MUDA NO INCRA A partir de agora o Incra funcionará com estruturas organizacionais mais simples e ágeis, menos burocráticas e mais próximas do cidadão Órgãos Colegiados Na antiga estrutura existia somente um órgão colegiado o Conselho Diretor, que concentrava as decisões. Na nova estrutura, esse conselho foi ampliado para um processo de gestão participativa, criando-se mais dois níveis de decisão colegiada: Comitê de Decisão Intermediária, sediado em Brasília, e Comitê de Decisão Regional, em nível regional, nos Estados. Diretorias Executivas As diretorias executivas atuarão em três regiões: Nordeste Sul/Sudeste Norte/Centro-Oeste A atuação das diretorias executivas estará focada nas grandes decisões estratégicas e sua ação será desvinculada das áreas funcionais. Os Diretores Executivos não estão mais ligados às atividades do cotidiano operacional da instituição. Darão suporte ao Órgão Central e às Superintendências Regionais na 4

5 formulação e implementação das políticas de reforma agrária, articulando, junto às demais esferas governamentais e não-governamentais, as ações para a integração das políticas de reforma agrária e de agricultura familiar. Promoverão ainda uma maior interação da autarquia com o Congresso Nacional, realizando a interlocução nos temas de interesse da reforma agrária. Superintendências Nacionais São três: Superintendência Nacional de Desenvolvimento Agrário Superintendência Nacional de Gestão Estratégica Superintendência Nacional de Gestão Administrativa Localizadas na sede, são as asseguradoras dos processos de trabalho interno da Instituição. Coordenando estas três grandes áreas elas são responsáveis pela implementação das ações da reforma agrária. A Superintendência Nacional do Desenvolvimento Agrário congrega funções antes exercidas pelas diretorias de Assentamento, Cadastro Rural e Recursos Fundiários. Estão sob sua responsabilidade as áreas técnicas, de monitoração e controle e de implementação de novos projetos e programas. A Superintendência Nacional de Gestão Estratégica agrega as áreas de planejamento, políticas agrárias e informática. A Superintendência Nacional de Gestão Administrativa reúne as funções que antes eram exercidas pelas diretorias de Administração e Finanças e Recursos Humanos Superintendências Regionais As superintendências Regionais, presentes em todos os Estados, são órgãos descentralizados que executam o Programa de Reforma Agrária. Diferem das antigas superintendências regionais pela maior autonomia no âmbito da administração interna e na condução dos processos e ações de desenvolvimento sustentável local integrado. Áreas Especiais São consideradas especiais as áreas que, por suas características de elevado grau de tensão relacionada à posse e ao uso da terra, demandam ações específicas por parte das instituições governamentais relacionadas ao desenvolvimento rural. São coordenadas por um grupo gerencial composto de representantes dos três níveis de governo, além de instituições da sociedade civil. Estas áreas contam ainda com um Gerente Estratégico, lotado na sede da autarquia, em Brasília, responsável pela interlocução junto ao Ministério do Desenvolvimento Agrário e ao Incra. São especiais, neste primeiro momento, as seguintes regiões: Sul do Pará Médio São Francisco Zona da Mata dos Estado de Pernambuco e Alagoas 5

6 Triângulo Mineiro Parte do Estado de São Paulo Parte do Estado do Paraná Parte do Estado do Mato Grosso do Sul Distrito Federal e Entorno Agentes de Inserção Social Uma das principais inovações do Projeto de Modernização do Incra é a criação da figura do Agente de Inserção Social. Ele será o elo de ligação entre o conhecimento técnico da estrutura da autarquia e o trabalhador assentado. O que é o Programa Agente de Inserção Social? É um Programa que tem o objetivo de impactar as ações da reforma agrária no desenvolvimento local integrado e sustentável, contribuindo para o fortalecimento dos pequenos agricultores familiares. Quem são os Agentes de Inserção Social? São funcionários do Incra treinados para o desempenho das atividades específicas. Eles fomentarão a integração das ações do desenvolvimento agrário nas localidades, sensibilizando e articulando instituições governamentais, não governamentais, movimentos sociais, órgãos técnicos e a sociedade civil. Qual é o público alvo do Agente de Inserção Social? Pequenos Produtores que necessitam ter acesso à terra; Trabalhadores rurais com terra, que vivem em regime de economia familiar; Comunidades rurais tradicionais; Pequenos empreendedores rurais Qual é a área de atuação do Programa? O programa tem abrangência nacional. De que forma o Programa será operacionalizado? Programa atuará nos municípios contemplados com projetos de assentamento pelo Incra, com a parceria entre governos Federal, Estaduais e Municipais, Instituições Governamentais e outros organismos. Como o público-alvo tomará conhecimento do Programa? A divulgação do Programa será feita através de reuniões, visitas, palestras, inserções na mídia e outras ações estruturadas com os movimentos sociais, entidades de classe, organizações governamentais e não-governamentais. Metas para o ano 2000 Formação de 500 Agentes de Inserção Social; Atendimento a 2 mil Projetos de reforma agrária; 6

7 Atendimento a 200 mil famílias. Sala do Cidadão É um espaço de atendimento ao público. A ser criada em todas as unidades do Incra, a sala do cidadão propiciará à sociedade orientação quanto aos passos e documentos necessários para tratar dos diversos assuntos e demandas referentes ao Incra. 3. OS BENEFÍCIOS DAS MUDANÇAS PARA A SOCIEDADE A mudanças estruturais do Incra têm como objetivo mais amplo melhorar a qualidade de atendimento da autarquia, tornando-a mais ágil e próxima do cidadão, ao mesmo tempo mais moderna, produtiva e eficiente. Algumas mudanças poderão ser notadas, interna e externamente, rapidamente: O projeto de assentamento, que tinha data indefinida para sua consolidação, (alguns têm mais de vinte anos de existência), será agora criado, estruturado e consolidado em no máximo três anos. Até o final deste ano, serão consolidados 560 projetos de assentamento; Os novos projetos de assentamento são concebidos dentro do programa Novo Mundo Rural, que busca a transformação do assentado em agricultor familiar; Massividade na titulação das terras públicas, beneficiando, até o final do ano, 70 mil famílias em todo o País com títulos de domínio da terra. Maior velocidade na tramitação dos processos de reforma agrária, contribuindo para uma melhor qualidade de atendimento para a sociedade; Processos de trabalho simplificados reduzindo a burocracia e a dispersão de esforços; O novo modelo prevê forte articulação institucional em nível nacional, regional, estadual e municipal, como forma de melhor impactar as ações da reforma agrária no desenvolvimento local sustentável; A criação do programa Agente de Inserção Social. Estrutura flexível para se amoldar a novos cenários; Melhor distribuição dos servidores, privilegiando as unidades- fim; Adequação da estrutura organizacional aos princípios da agenda de gestão do Estado contribuindo para melhor viabilização dos programas do Plano Plurianual; Fortalecimento na integração das políticas de agricultura familiar e reforma agrária; 4. O NOVO MODELO DE GESTÃO DO INCRA O princípio básico é a introdução de um novo paradigma gerencial no Incra, voltado para resultados e focado no cliente/cidadão. A visão de futuro orientadora desse princípio é a formação de um serviço público eficaz, eficiente, flexível, transparente, altamente capacitado e profissionalizado. 7

8 O novo modelo de gestão do Incra reúne um conjunto amplo de ações para o aumento da eficácia e eficiência e tem por objetivo ampliar resultados e reduzir custos. A mudança da estrutura organizacional da autarquia é baseada nas diretrizes constantes do Plano Plurianual organização por programas; foco nas ações finalísticas; estímulo ao trabalho em rede; criação de canais de coordenação e integração interna e externa ao Ministério; eliminação de superposições e fragmentação de ações; redução de custos; redução de níveis hierárquicos aumento da amplitude de comando. O princípio que norteou a mudança é tão importante quanto a concepção das ações de uma organização e a forma como ela estará organizada para implementá-las, uma vez que a razão de ser de uma organização deve ser implementar suas ações. Portanto, sua estrutura deve facilitar a gestão, a integração, a articulação, o trabalho em rede e o compartilhamento de recursos. O processo de reestruturação do Incra já conta com algumas ações, já implementadas ou em implementação nos vários segmentos da autarquia: Escolha dos Superintendentes Regionais por processo de avaliação e seleção, feita com base em critérios de competência (títulos, experiência, capacidade de gestão) e probidade administrativa. O cargo será exercido por um período de dois anos, renováveis por mais dois anos. No ato da posse são assinados compromissos de gestão e de cumprimento de metas. O titular do cargo estará sendo periodicamente avaliados; Os recursos para a implantação da infra-estrutura nos projetos de assentamento (estradas, sistema de abastecimento d água e energia elétrica) são repassados, por meio de convênio, à Caixa Econômica Federal, que se responsabiliza por contratá-los e fiscalizá-los, junto aos governos estaduais, municipais e outras entidades. Da mesma forma, foi assinado convênio com o Banco do Brasil, objetivando a liberação dos créditos de instalação (alimentação, fomento e habitação) aos assentados; A assistência técnica aos beneficiários da reforma agrária é feita pelo Projeto Lumiar, com a participação das associações de assentados. Os recursos para a contratação das empresas de extensão rural são repassados pelo Incra, mediante convênio, ao Banco do Brasil, Banco da Amazônia e Banco do Nordeste do Brasil; Ações de parceria; Implantação de Projeto Casulo, em parceria com as prefeituras municipais, para assentamento de famílias em pequenas áreas destinadas à produção de hortigranjeiros, no entorno das áreas urbanas; Convênio com a Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos para entrega e cobrança dos títulos de propriedade aos beneficiários; 8

9 Programa Nossa Terra Nossa Escola que beneficia, com a redução do preço da parcela, o assentado que mantiver seus filhos menores de 14 anos na escola; Proposta de um Contrato de Empréstimo Incra/BID para viabilizar recursos adicionais destinados à infra-estrutura dos projetos de assentamento; Publicação do Livro Branco da Grilagem e cancelamento de todos os cadastros de imóveis com mais de 10 mil hectares para conferência da legitimidade do domínio; Elaboração de proposta de modificação na legislação de registro de imóveis, para melhor acompanhamento dos registros cartoriais. Emissão adicional de Títulos da Dívida Agrária para a descentralização do Programa de Reforma Agrária Descentralização das ações de reforma agrária para os Estados, por meio de convênios; Divulgação de resumo dos valores de avaliação dos imóveis rurais propostos à desapropriação ou aquisição, em jornal de grande circulação nos Estados; Divulgação na Internet dos contratos e licitações. 9

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas

21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas 21. Em 7 anos, mais famílias assentadas do que em 3 décadas O Brasil está realizando a maior reforma agrária do mundo. A pesada herança de séculos de um Brasil latifundiário passou a mudar, em 1995, a

Leia mais

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios

É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios É HORA DE INCLUIR O DESENVOLVIMENTO LOCAL NAS PRIORIDADES DO SEU MUNICÍPIO! Especialistas em pequenos negócios MÃOS À OBRA!!! Prefeito e Prefeita, seguem sugestões de Programas e Ações a serem inseridos

Leia mais

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001

CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Publicada no D.O.U. de 20/12/2001, Seção 1, Página 36 CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL RESOLUÇÃO Nº 21 DE 10 DE OUTUBRO DE 2001 Dispõe sobre a aprovação do Programa Jovem Agricultor

Leia mais

CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA

CONTEXTUALIZAÇÃO/ JUSTIFICATIVA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO Produto Planejamento Territorial TR_02_2015_PDHC Participativo Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

PLANO NACIONAL DE DANÇA

PLANO NACIONAL DE DANÇA PLANO NACIONAL DE DANÇA I APRESENTAÇÃO II - DIRETRIZES E AÇÕES II HISTÓRICO DO SETOR NO PAÍS III DIAGNOSE DE POTENCIAL E PONTOS CRÍTICOS DO SETOR IV DADOS DO SETOR PARA O SISTEMA DE INFORMAÇÕES E INDICADORES

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT ACORDO DE EMPRÉSTIMO FIDA Nº

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO - MDA SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO TERRITORIAL - SDT ACORDO DE EMPRÉSTIMO FIDA Nº TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS (não alterar os campos em cinza) TR nº MODALIDADE TEMA PROCESSO SELETIVO TR_16_2015_PDHC Produto Sistematização de Experiências Inovadoras Parecer Nº 00558/2015/CONJUR-MDA/CGU/AGU,

Leia mais

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano

Estado do Rio de Janeiro. Secretaria Municipal de Planejamento Urbano UMA BARRA MANSA: DUAS CIDADES A CIDADE FORMAL: Regularizada, com infraestrutura completa, usufruindo do melhor que a comunidade pode ter em comércio, serviços, cultura e lazer. É a parte da cidade que

Leia mais

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR.

LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. LEI N 21.156, DE 17 DE JANEIRO DE 2014. INSTITUI A POLÍTICA ESTADUAL DE DESENVOLVIMENTO RURAL SUSTENTÁVEL DA AGRICULTURA FAMILIAR. (PUBLICAÇÃO - MINAS GERAIS DIÁRIO DO EXECUTIVO - 18/01/2014 PÁG. 2 e 03)

Leia mais

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA

MINISTÉRIO DO DESENVOLVIMENTO AGRÁRIO NÚCLEO DE ESTUDOS AGRÁRIOS E DESENVOLVIMENTO RURAL PCT FAO UTF/BRA/083/BRA TERMO DE REFERÊNCIA SERVIÇOS NÃO CONTINUADOS TR Nº MODALIDADE PROCESSO SELETIVO CONS NEAD 024/2013 Consultoria por produto FUNDAMENTO LEGAL Decreto nº 5.151/2004; Portaria MRE Nº 717/2006 e Portaria MDA

Leia mais

RELATO DA SITUAÇÃO ANTERIOR À INTRODUÇÃO DA INOVAÇÃO

RELATO DA SITUAÇÃO ANTERIOR À INTRODUÇÃO DA INOVAÇÃO Experiência: GESTÃO POR PROJETOS ESTRUTURANTES Banco do Nordeste do Brasil S.A. Responsável: Valdemar Barros Filho Equipe: Antonio Carlos Rodrigues, Francisco Carlos Cavalcanti, Ana Altina Teixeira Marciano

Leia mais

Programa 1017 Infraestrutura Pública

Programa 1017 Infraestrutura Pública Órgão 20570 Junta Comercial do Estado do Tocantins - JUCETIS Programa 1017 Infraestrutura Pública Ação 3033 Construção da Sede da JUCETIS Elaboração de projetos estruturais, arquitetônicos, hidro-sanitário

Leia mais

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL RELATÓRIO PRÉVIO

COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL RELATÓRIO PRÉVIO COMISSÃO DE AGRICULTURA, PECUÁRIA, ABASTECIMENTO E DESENVOLVIMENTO RURAL PROPOSTA DE FISCALIZAÇÃO E CONTROLE N o 28, DE 2015 RELATÓRIO PRÉVIO Propõe que a Comissão de Agricultura, Pecuária, Abastecimento

Leia mais

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2

I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC. Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 I CURSO DE CAPACITAÇÃO DOS NOVOS GESTORES LOCAIS DO PROGRAMA MULHERES MIL IFC/IFSC Lidiane Silva Braga 1 ; Ania Tamilis da Silva 2 INTRODUÇÃO O Programa Nacional Mulheres Mil - Educação, Cidadania e Desenvolvimento

Leia mais

Etapas do PLHIS PROPOSTAS

Etapas do PLHIS PROPOSTAS Plano Local de Habitação de Interesse Social de Boituva Seminário de Homologação do PLHIS de Boituva 25 de Fevereiro de 2010 Etapas do PLHIS etapa 1 etapa 2 etapa 3 METODOLOGIA DIAGNÓSTICO PROPOSTAS Princípios

Leia mais

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1

Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Programa Mato-grossense de Municípios Sustentáveis Registro de Experiências municipais 1 Conceito de Tecnologia Social aplicada a Municípios Sustentáveis: "Compreende técnicas, metodologias e experiências

Leia mais

MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE RELAÇÃO DOS PROGRAMAS VIGENTES NO EXERCÍCIO 2015 PLANO PLURIANUAL E ORÇAMENTO 2015

MUNICÍPIO DO CABO DE SANTO AGOSTINHO - PE RELAÇÃO DOS PROGRAMAS VIGENTES NO EXERCÍCIO 2015 PLANO PLURIANUAL E ORÇAMENTO 2015 CódigoDenominação 1001 1002 1003 1004 1005 1006 1007 1008 1009 1011 1012 Objetivo 1013 PROGRAMA DE QUALIFICAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA PROCURADORIA GERAL DO MUNICÍPIO Promover o desenvolvimento pessoal e

Leia mais

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento

Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR. República Federativa do Brasil e o Banco Interamericano de Desenvolvimento TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA/97/032 Coordenação do Programa de Modernização Fiscal dos Estados Brasileiros - PNAFE Contrato de Empréstimo n.º 980/OC-BR entre a República Federativa do Brasil e o Banco

Leia mais

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016

PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 PROJETO DE LEI DO SENADO Nº, DE 2016 Institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da Caatinga. O CONGRESSO NACIONAL decreta: Art. 1º Esta Lei institui a Política de Desenvolvimento Sustentável da

Leia mais

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo

Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO. Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo Roteiro para Plano de Ação Paracatu MATERIAL BRUTO - DOCUMENTO INTERNO Consultoria Maria Helena Cunha Ana Flávia Macedo 2013 ESTRUTURA DO PLANO DE AÇÃO CULTURAL Diagnóstico cultural; Desafios e oportunidades;

Leia mais

2.1- Identificação dos Programas

2.1- Identificação dos Programas O Plano Plurianual 2004-2007 foi aprovado pelo Congresso Nacional e recebeu sanção presidencial em 06 de outubro de 2004 (Decreto 5.233). Ele está estruturado em Programas e Ações, visando proporcionar

Leia mais

Estatuto da Cidade e Plano Diretor Participativo

Estatuto da Cidade e Plano Diretor Participativo AUP-266 Estatuto da Cidade e Plano Diretor Participativo Prof. Dr Nabil Bonduki maio 2008 Antecedentes do Estatuto da Cidade Aceleração do crescimento urbano dos anos 40 aos anos 80 Ausência de instrumentos

Leia mais

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR A ECOAR E O DESENVOLVIMENTO FLORESTAL JUNTO À PEQUENA E MÉDIA PROPRIEDADE RURAL Eduardo S. Quartim. João C. S. Nagamura. Roberto Bretzel Martins. Atuação e abordagem dos trabalhos desenvolvidos pela ECOAR

Leia mais

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente

SÍNTESE JUINA. Meio Ambiente SÍNTESE JUINA Aperfeiçoar mecanismos controle ambiental Meio Ambiente Instalação de viveiros de distribuição de mudas para o reflorestamento e matas ciliares Ampliar aceso aos programas de crédito de Capacitar

Leia mais

Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE

Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Experiência Programa Dinheiro Direto na Escola (PDDE) Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação FNDE Equipe: -Secretária Executiva: Mônica Messemberg Guimarães Tel.: (61) 212-4806 / 212-4812 Fax: (61)

Leia mais

A Política e o Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional

A Política e o Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional A Política e o Plano Nacional de Segurança Alimentar e Nutricional Desafios para o Conhecimento e o Monitoramento dos Programas Públicos Seminário Pesquisa em SAN Brasília, 04 a 06 de dezembro de 2012

Leia mais

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos...

Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Que acontece quando se solta uma mola comprimida, quando se liberta um pássaro, quando se abrem as comportas de uma represa? Veremos... Gilberto Gil file:///c:/documents and Settings/normapaula/Meus documentos/norma

Leia mais

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP

Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Carta à sociedade referente à participação no Plano de Investimentos do Brasil para o FIP Prezado(a)s, Gostaríamos de agradecer por sua participação e pelas contribuições recebidas no âmbito da consulta

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA

POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA POLÍTICAS PÚBLICAS DE ECONOMIA SOLIDÁRIA 1. Concepções e diretrizes políticas para áreas; Quando falamos de economia solidária não estamos apenas falando de geração de trabalho e renda através de empreendimentos

Leia mais

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar

Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Compra e Venda da Produção da Agricultura Familiar para a Alimentação Escolar Hilda Lorena Freitas Agente PNAE/REBRAE Cecane/UNB A partir da Lei n. 11.947/2009 Art. 14. Do total dos recursos financeiros

Leia mais

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META

ESPELHO DE EMENDAS DE ACRÉSCIMO DE META SISTEMA DE ELABORAÇÃO DE S ÀS LEIS ORÇAMENTÁRIAS Página: 240 de 2619 ESPELHO DE S DE ACRÉSCIMO DE META 1 DESAFIO 7 Reduzir as desigualdades regionais e intra-regionais com integração das múltiplas escalas

Leia mais

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO

PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO PROGRAMA DE GOVERNO DA FRENTE POPULAR A FAVOR DO AMAPÁ PROPOSTAS PARA O AMAPÁ CONTINUAR AVANÇANDO MACAPÁ-AP JULHO DE 2014 ÍNDICE APRESENTAÇÃO 1 INTRODUÇÃO 2 DIRETRIZES 3 PRINCÍPIOS 4 OBJETIVOS ESTRATÉGICOS

Leia mais

PROGRAMA DE ATESINCRA/AP 2009 DOCUMENTO DE CARACTERIZAÇÃO REGIONAL DO PROGRAMA DE ATES NO ESTADO DO AMAPÁ 1 INTRODUÇÃO

PROGRAMA DE ATESINCRA/AP 2009 DOCUMENTO DE CARACTERIZAÇÃO REGIONAL DO PROGRAMA DE ATES NO ESTADO DO AMAPÁ 1 INTRODUÇÃO PROGRAMA DE ATESINCRA/AP 2009 DOCUMENTO DE CARACTERIZAÇÃO REGIONAL DO PROGRAMA DE ATES NO ESTADO DO AMAPÁ 1 INTRODUÇÃO Em decorrência da reestruturação organizacional o INCRA tomou-se iniciativas voltadas

Leia mais

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação

PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Foto: João Bittar PDE Plano de Desenvolvimento da Educação Maria do Pilar Lacerda Almeida e Silva Secretária de Educação Básica Ministério da Educação Garantir o direito de aprender, para todos e para

Leia mais

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL

PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL PROJETO DE COMBATE À POBREZA RURAL GOVERNO DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO COORDENAÇÃO ESTADUAL DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA - COECT INSTITUTO DE APOIO À PESQUISA E AO DESENVOLVIMENTO JONES DOS SANTOS NEVES - IPES

Leia mais

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO

ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO ELEIÇÃO 2014 PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA BRASIL 27 DO BRASIL QUE TEMOS PARA O BRASIL QUE QUEREMOS E PODEMOS DIRETRIZES GERAIS DE GOVERNO CUMPRIR E FAZER CUMPRIR A CONSTITUIÇÃO 1. Cumprir e fazer cumprir a

Leia mais

Plano Anual de Aplicação Regionalizada

Plano Anual de Aplicação Regionalizada Plano Anual de Aplicação Regionalizada PAAR - 2015 MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE SERVIÇO FLORESTAL BRASILEIRO FUNDO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO FLORESTAL Introdução PLANO ANUAL DE APLICAÇÃO REGIONALIZADA

Leia mais

Principais Realizações para Modernização das empresas Eletrobras

Principais Realizações para Modernização das empresas Eletrobras Principais Realizações para Modernização das empresas Eletrobras Fev-2011 1 Introdução O Modelo Institucional do Setor Elétrico Brasileiro, implantado após a Constituição de 1988, provocou profundas mudanças

Leia mais

FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Floresta Viva

FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS. Nome da organização: Instituto Floresta Viva FUNDO DE PARCERIA PARA ECOSSISTEMAS CRÍTICOS RELATÓRIO FINAL DO PROJETO I. DADOS BÁSICOS Nome da organização: Instituto Floresta Viva Título do projeto: Creation and Implementation of Protected Areas in

Leia mais

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome

Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome O Brasil assume o desafio de acabar com a miséria O Brasil assume o desafio de acabar com a

Leia mais

Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil. Estratégias para o Enfrentamento ao Trabalho Infantil em 2016

Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil. Estratégias para o Enfrentamento ao Trabalho Infantil em 2016 Fórum Nacional de Prevenção e erradicação do Trabalho Infantil Estratégias para o Enfrentamento ao Trabalho Infantil em 2016 FNPETI Criado em 1994 é um movimento permanente de articulação, mobilização

Leia mais

Programas 2013. Abril de 2013

Programas 2013. Abril de 2013 Programas 2013 Abril de 2013 A nova SUDENE -Lei Complementar n 125, de 03 de janeiro de 2007 -Decreto n 6.219/2007 Autarquia especial, administrativa e financeiramente autônoma,... vinculada ao Ministério

Leia mais

INDENIZAÇÃO DOS CUSTOS DE ANÁLISE E PROCESSAMENTO DOS REQUERIMENTOS DAS LICENÇAS, CERTIFICADOS, AUTORIZAÇÕES E CERTIDÕES AMBIENTAIS.

INDENIZAÇÃO DOS CUSTOS DE ANÁLISE E PROCESSAMENTO DOS REQUERIMENTOS DAS LICENÇAS, CERTIFICADOS, AUTORIZAÇÕES E CERTIDÕES AMBIENTAIS. OBJETIVO Estabelecer os valores e os critérios de indenização ao Instituto Estadual do Ambiente - INEA dos custos de análise e processamento dos requerimentos de licenças, certificados, autorizações e

Leia mais

Planejamento Estratégico Municipal. Tibagi -PR. A Cidade Que Nós Queremos

Planejamento Estratégico Municipal. Tibagi -PR. A Cidade Que Nós Queremos Municipal Tibagi -PR A Cidade Que Nós Queremos Bem Vindos a Tibagi A Cidade Que Nós Queremos Planejamento Estratégico Municipal Tibagi -PR Municipal Cidades e Cidadãos As cidades são as pessoas A vida

Leia mais

DECRETO Nº 44.905 DE 11 DE AGOSTO DE 2014 (DOM 12/08/2014) O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições

DECRETO Nº 44.905 DE 11 DE AGOSTO DE 2014 (DOM 12/08/2014) O GOVERNADOR DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições DECRETO Nº 44.905 DE 11 DE AGOSTO DE 2014 (DOM 12/08/2014) INSTITUI A CÂMARA METROPOLITANA DE INTEGRAÇÃO GOVERNAMENTAL DO RIO DE JANEIRO E O GRUPO EXECUTIVO DE GESTÃO METROPOLITANA E DÁ OUTRAS PROVIDÊNCIAS.

Leia mais

2013/2014 mda.gov.br incra.gov.br

2013/2014 mda.gov.br incra.gov.br 2013/2014 2013/2014 Presidenta da República Dilma Rousseff Ministro de Estado do Desenvolvimento Agrário Pepe Vargas Secretário Executivo do Ministério do Desenvolvimento Agrário Laudemir Müller Secretário

Leia mais

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - GEO 02. 01 Vaga

INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - GEO 02. 01 Vaga INSTITUTO INTERAMERICANO DE COOPERAÇÃO PARA A AGRICULTURA TERMO DE REFERÊNCIA CONS - GEO 02 01 Vaga 1 - IDENTIFICAÇÃO DA CONSULTORIA Consultoria para apoiar as ações do Programa Nacional de Crédito Fundiário

Leia mais

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP

Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Planejamento Estratégico da UNICAMP PLANES/UNICAMP Abril/2012 Apresentação O Planejamento Estratégico (PLANES) da UNICAMP é um processo acadêmico/administrativo dinâmico cujo objetivo central é de ampliar

Leia mais

Treinamento 2013. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller PRODESU- SECOP

Treinamento 2013. Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller PRODESU- SECOP Treinamento 2013 Programa de Desenvolvimento Sustentável do Sistema Apresentação Polyana Motta Zeller - SECOP DN 86/2012 Aspectos importantes do Manual de Convênios Encaminhamento de proposta de parceria

Leia mais

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Plano de Trabalho. Gestão 2012 2015. Rodrigo Leitão Diretor

Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro. Plano de Trabalho. Gestão 2012 2015. Rodrigo Leitão Diretor Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Triângulo Mineiro Plano de Trabalho Gestão 2012 2015 Diretor Candidato ao cargo de Diretor-Geral do Campus Uberaba do IFTM Professor Rodrigo Afonso

Leia mais

TÍTULO DO PROJETO: OFICINA COMUNITÁRIA DE ARQUITETURA (OCA): ASSISTÊNCIA TÉCNICA E AÇÃO SOCIAL

TÍTULO DO PROJETO: OFICINA COMUNITÁRIA DE ARQUITETURA (OCA): ASSISTÊNCIA TÉCNICA E AÇÃO SOCIAL FORMULÁRIO PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL Nº. 007/2012/PROEC DE FLUXO CONTÍNUO DE CHAMADA DE PROPOSTAS DE EXTENSÃO DA - PROEC, SEM ÔNUS PARA A. Vigência 26-03-2012-31-12-2014 TÍTULO DO

Leia mais

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012

PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 PORTARIA Nº 185, DE 12 DE JULHO DE 2012 Torna públicas as teses e diretrizes para a elaboração de uma Política Nacional de Empreendedorismo e Negócios PNEN, e dá outras providências. O MINISTRO DO DESENVOLVIMENTO,

Leia mais

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Curso Gestão Administrativa e Captação de Recursos Módulo III - Junho - 2013

P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Curso Gestão Administrativa e Captação de Recursos Módulo III - Junho - 2013 P.42 Programa de Educação Ambiental - PEA Curso Gestão Administrativa e Captação de Recursos Módulo III - Junho - 2013 Planejamento Estratégico Municipal Atividade prática Pensar em problemas e soluções.

Leia mais

REF.: RELATÓRIO FINAL DAS PROPOSTAS APRESENTADAS E DEBATIDAS NAS REUNIÕES E MESA DE DEBATES SOBRE PLANO DIRETOR RURAL.

REF.: RELATÓRIO FINAL DAS PROPOSTAS APRESENTADAS E DEBATIDAS NAS REUNIÕES E MESA DE DEBATES SOBRE PLANO DIRETOR RURAL. 1 REF.: RELATÓRIO FINAL DAS PROPOSTAS APRESENTADAS E DEBATIDAS NAS REUNIÕES E MESA DE DEBATES SOBRE PLANO DIRETOR RURAL. MEMBROS DA COMISSÃO : Eng.ª Agr.ª Clarissa Chufalo Pereira Lima Eng.º Agr. Denizart

Leia mais

LEI ORDINÁRIA N º Dispõe sobre a reorganização administrativa da Administração Pública Municipal de Iguatemi e dá outras providências O PREFEITO MUNICIPAL DE IGUATEMI Estado de Mato Grosso do Sul Excelentíssimo

Leia mais

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico

Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher. Termo de Referência. Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico Programa Pernambuco: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Termo de Referência Assessoria à Supervisão Geral Assessor Técnico No âmbito do Programa Pernambuco Trabalho e Empreendedorismo da Mulher conveniado

Leia mais

Serviço Social na Previdência Social

Serviço Social na Previdência Social Trajetória do Serviço Social na Política Previdenciária SERVIÇO SOCIAL - legalmente instituído na Previdência em abril de 1944. Implantado gradativamente nos Institutos de Aposentadorias e Pensões. Posteriormente,

Leia mais

Prefeitura Municipal do Natal

Prefeitura Municipal do Natal Prefeitura Municipal do Natal Secretaria Municipal de Planejamento, Orçamento e Finanças Plano Plurianual 2010/2013 Programa Horizonte Público Objetivo: 3 Vivendo com Cidadania Contínuo População do município

Leia mais

RESUMO EXECUTIVO DO PROJETO

RESUMO EXECUTIVO DO PROJETO RESUMO EXECUTIVO DO PROJETO DECLARAÇÃO DE PROJETO: Implantação de um Centro Profissional de Pesquisa e Educação Técnica e Tecnológica CETEC - Cidade da Escada Pernambuco/ Brasil Proponente: FAESC Faculdade

Leia mais

Programa Fundo Amazônia / Ministério do Meio Ambiente de apoio ao Cadastramento Ambiental Rural

Programa Fundo Amazônia / Ministério do Meio Ambiente de apoio ao Cadastramento Ambiental Rural Programa Fundo Amazônia / Ministério do Meio Ambiente de apoio ao Cadastramento Ambiental Rural 1 OBJETIVO Apoio financeiro a projetos que viabilizem a adesão de proprietários rurais ao Cadastro Ambiental

Leia mais

C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste

C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste C R E D I A M I G O Programa de Microcrédito do Banco do Nordeste De microcrédito, o Banco do Nordeste entende. Primeiro Banco público do Brasil a ter um modelo de atuação voltado para o setor, o Banco

Leia mais

Planejamento estratégico 2016-2019

Planejamento estratégico 2016-2019 Planejamento estratégico 2016-2019 Fortalecer as instituições e a qualidade dos serviços públicos para fortalecer a democracia e a competitividade. www.agendapublica.org.br 2 GOVERNANÇA PARA UM FUTURO

Leia mais

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação)

DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO E COMUNICAÇÃO (Tecnologia, Inclusão Digital e Comunicação) OBJETIVOS E METAS 1. Garantir a inclusão digital, instalando computadores nas escolas públicas de ensino fundamental

Leia mais

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte

Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte SEMINÁRIO NACIONAL DO ESPORTE EM CONSTRUÇÃO: SISTEMAS PÚBLICOS NACIONAIS E MODELOS ESPORTIVOS INTERNACIONAIS Resoluções sobre Financiamento das três edições da Conferência Nacional do Esporte Prof. Dr.

Leia mais

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CECÍLIA GABINETE DO PREFEITO

ESTADO DA PARAÍBA PREFEITURA MUNICIPAL DE SANTA CECÍLIA GABINETE DO PREFEITO Lei Nº 181/2014 Dispõe sobre a utilização de equipamentos e máquinas doados ao município no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento PAC2, assim como os equipamentos e máquinas objetos de compra

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Gerência de Gestão Portuária Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuária Trata-se de um processo contínuo e adaptativo, envolvendo condicionantes ambientais,

Leia mais

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014

COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 COMISSÃO DIRETORA PARECER Nº 522, DE 2014 Redação do vencido, para o turno suplementar, do Substitutivo do Senado ao Projeto de Lei da Câmara nº 90, de 2013 (nº 757, de 2011, na Casa de origem). A Comissão

Leia mais

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO

A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Luiz Estevam Gonçalves Rio de Janeiro fevereiro de 2015 A PRÁTICA DO ORÇAMENTO PARTICIPATIVO François E. J. de Bremaeker Economista e Geógrafo,

Leia mais

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico

Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico Diretrizes para os Serviços Públicos de Saneamento Básico As competências constitucionais Competência para prestação de serviços públicos locais (CF, art. 30) Compete aos Municípios:... V - organizar e

Leia mais

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados

Proposta preliminar para discussão com. Versão de 23 de abril de 2004. Potenciais Parceiros Privados Proposta preliminar para discussão com Versão de 23 de abril de 2004 Potenciais Parceiros Privados Apresentação O Governo do Estado de Minas Gerais, com a publicação da Lei nº 14.868, de 16 de dezembro

Leia mais

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff

PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR....o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff PLANO DE GOVERNO 2015-2018 EXPEDITO JÚNIOR...o futuro pode ser melhorado por uma intervenção ativa no presente. Russel Ackoff Julho/2014 0 APRESENTAÇÃO Se fôssemos traduzir o Plano de Governo 2015-2018

Leia mais

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR)

O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) O que muda com a Lei Geral (para maiores informações acessar WWW.LEIGERAL.COM.BR) Pontos Lei Geral Como é hoje 1 Alcance da Lei A lei do Simples está voltada para os tributos federais. Os sistemas de tributação

Leia mais

Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA

Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA Projeto BRA 04/033 Coordenação do Programa Nacional de Apoio à Gestão Administrativa e Fiscal dos Municípios Brasileiros - PNAFM TERMO DE REFERÊNCIA Contrato por Produto Nacional 1. Função no Projeto:

Leia mais

Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro.

Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro. Rua José Antônio de Campos, nº 250 Centro Registro/SP 11900-000 Fone (13) 3828.1000 Fax (13) 3821.2565 CNPJ: 45.685.872/0001-79 Agricultura Familiar e Alimentação Escolar no município de Registro. Marcos

Leia mais

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - "A SANTA MARIA QUE QUEREMOS"

PLANILHA DE OBJETIVOS E AÇÕES VIABILIZADORAS FT DE CULTURA - A SANTA MARIA QUE QUEREMOS Elaborar o projeto do Plano Municipal de Projeto do Plano Projeto realizado Cultura com ampla participação dos setores da sociedade Conferência Municipal de Cultura Conferência realizada PLANILHA DE OBJETIVOS

Leia mais

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA.

PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. PERFIL DOS ESTADOS E DOS MUNICÍPIOS BRASILEIROS: INCLUSÃO PRODUTIVA. FICHA TÉCNICA Coordenação de População e Indicadores Sociais: Bárbara Cobo Soares Gerente de Pesquisas e Estudos Federativos: Antônio

Leia mais

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA

TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE ATENÇÃO À SAÚDE DEPARTAMENTO DE ATENÇÃO BÁSICA TELESSAÚDE BRASIL REDES NA ATENÇÃO BÁSICA MANUAL INSTRUTIVO Sumário Introdução... 3 Atividades a serem desenvolvidas dentro

Leia mais

Gestão da saúde indígena O Modelo Brasileiro de Atenção à Saúde Indígena

Gestão da saúde indígena O Modelo Brasileiro de Atenção à Saúde Indígena Primer Foro Nacional de Salud de los Pueblos Indígenas San José Costa Rica 26, 27 y 28 de octubre de 2005 Gestão da saúde indígena O Modelo Brasileiro de Atenção à Saúde Indígena Edgard Dias Magalhaes

Leia mais

REUNIÃO DE AVALIAÇÃO PROJETO DE COOPERAÇÃO BRASIL-CANADÁ. Cuiabá, nov/2003

REUNIÃO DE AVALIAÇÃO PROJETO DE COOPERAÇÃO BRASIL-CANADÁ. Cuiabá, nov/2003 REUNIÃO DE AVALIAÇÃO PROJETO DE COOPERAÇÃO BRASIL-CANADÁ Cuiabá, nov/2003 OBJETIVO GERAL Melhorar as relações e as comunicações entre as administrações fiscais, de um lado, e os profissionais do setor

Leia mais

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL

MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL MINISTÉRIO DA INTEGRAÇÃO NACIONAL SECRETARIA DE DESENVOLVIMENTO REGIONAL ORIENTAÇÕES PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE INCLUSÃO PRODUTIVA ROTAS DE INTEGRAÇÃO NACIONAL O presente documento tem por objetivo

Leia mais

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário

Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuário Gerência de Gestão Portuária Sistema Integrado de Gestão Ambiental Portuária Trata-se de um processo contínuo e adaptativo, envolvendo condicionantes ambientais,

Leia mais

Dados Gerais da Experiência. Projeto Empreendedor Solidário

Dados Gerais da Experiência. Projeto Empreendedor Solidário Nome da experiência candidata Organização candidata Nome postulante Dados Gerais da Experiência Projeto Empreendedor Solidário Instituto Holcim Tatiana Brasil Nogueira Telefone 11 180867 E-mail País Município

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N 0 DE 2013. (Do Sr. Zé Silva / MG)

CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N 0 DE 2013. (Do Sr. Zé Silva / MG) CÂMARA DOS DEPUTADOS PROJETO DE LEI N 0 DE 2013 (Do Sr. Zé Silva / MG) Institui o Sistema Nacional de Trabalho, Emprego e Renda (SINTER), cria o Sistema Único de Trabalho (SUT) e dá outras providências.

Leia mais

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA

PROGRAMA COMPROMISSO META INICIATIVA Secretaria de 1 Produtivo 1. Ampliar a oferta de infraestrutura adequada para promover a segurança no consumo de gêneros alimentícios em mercados municipais 1. Oferecer espaços adequados para comercialização

Leia mais

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA

PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA PROPOSTA DE AÇÕES PARA ELABORAÇÃO DO PLANO ESTADUAL DA PESSOA COM DEFICIÊNCIA Proposta de ações para elaboração do Plano Estadual da Pessoa com Deficiência Objetivo Geral: Contribuir para a implementação

Leia mais

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento)

Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Brasil em Ação (Investimentos Básicos para o Desenvolvimento) Nos dois últimos anos, vimos construindo as bases de um crescimento sustentável e socialmente benéfico para a grande maioria dos brasileiros.

Leia mais

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens

Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Redução da Pobreza e Desigualdades e Inclusão Produtiva na América Latina: novas abordagens Washington, DC 13 de março de 2006 Senhoras e Senhores É com imensa satisfação que me dirijo aos Senhores para

Leia mais

O programa brasileiro de unidades de conservação

O programa brasileiro de unidades de conservação O programa brasileiro de unidades de conservação MARINA SILVA Ministério do Meio Ambiente, Esplanada dos Ministérios, Brasília, Distrito Federal, Brasil. e-mail: marina.silva@mma.gov.br INTRODUÇÃO A Convenção

Leia mais

Entenda o Programa Fome Zero

Entenda o Programa Fome Zero Entenda o Programa Fome Zero 1. O que é o Programa Fome Zero? O Programa Fome Zero é um conjunto de ações que estão sendo implantadas gradativamente pelo Governo Federal. O objetivo é promover ações para

Leia mais

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita

olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Indução de reflorestamento no Rio de Janeiro: Das compensações ambientais ao desafio olímpico das 24 milhões de árvores Beto Mesquita Seminário Reflorestamento da Mata Atlântica no Estado do Rio de Janeiro

Leia mais

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR

ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR ANEXO 1 PROJETO BÁSICO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO PARA O DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL E ORGANIZACIONAL DE ENTIDADES CIVIS DE DEFESA DO CONSUMIDOR I - OBJETIVO GERAL Realização de Módulos do programa de capacitação

Leia mais

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO

PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO PLANO DE CARGOS E SALÁRIOS METODOLOGIA E ANÁLISE DOS BENEFÍCIOS PARA A ORGANIZAÇÃO Cecília, Pereira¹ Rosalina, Batista¹ Cruz, Paulo Emílio² RESUMO Através deste artigo iremos abordar de forma objetiva,

Leia mais

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais.

Acesse o Termo de Referência no endereço: www.ibam.org.br e clique em Seleção de Profissionais. Programa Pará: Trabalho e Empreendedorismo da Mulher Assessoria à Supervisão Geral No âmbito do Programa Pará Trabalho e Empreendedorismo da Mulher, conveniado com a Secretaria Especial de Políticas para

Leia mais

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA

PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA MINISTÉRIO DA SAÚDE SECRETARIA DE GESTÃO ESTRATÉGICA E PARTICIPATIVA PLANO OPERATIVO DA POLÍTICA NACIONAL DE EDUCAÇÃO POPULAR EM SAÚDE 2013-2015 Proposta formulada no âmbito do Comitê Nacional de Educação

Leia mais

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SPM/PR

PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SPM/PR PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES EDITAL DE CHAMADA PÚBLICA Nº 02/2012 SPM/PR A Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência da República SPM/PR torna público

Leia mais

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES

O PRESIDENTE DA REPÚBLICA Faço saber que o Congresso Nacional decreta e eu sanciono a seguinte Lei: CAPÍTULO I DAS DEFINIÇÕES PROJETO DE LEI N o, DE DE DE 2010 Dispõe sobre a Política Nacional de Economia Solidária, cria o Sistema Nacional de Economia Solidária e o Fundo Nacional de Economia Solidária, e dá outras providências.

Leia mais

Marco de Política para o Reassentamento Involuntário

Marco de Política para o Reassentamento Involuntário Marco de Política para o Reassentamento Involuntário Introdução O Marco de Políticas serve para orientar as equipes estaduais para os casos em que a construção de infra-estrutura hídrica com financiamento

Leia mais

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural

VI Seminário Nacional de Saneamento Rural VI Seminário Nacional de Saneamento Rural MEDIDAS ESTRUTURANTES EM SANEAMENTO COM ENFOQUE PARA O SANEAMENTO RURAL Luiz Roberto Santos Moraes, PhD Professor Titular em Saneamento/ Participante Especial

Leia mais

Estrutura do PDI 2014-2018

Estrutura do PDI 2014-2018 APRESENTAÇÃO O Plano de Desenvolvimento Institucional (PDI) do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Minas Gerais (IFMG) além de constituir um requisito legal, tal como previsto no Artigo

Leia mais

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO

alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO 2014-2015 alimentos para o brasil APRESENTAÇÃO O Plano Safra da Agricultura Familiar 2014/2015 Alimentos Para o Brasil vem consolidar mais de uma década de políticas públicas que melhoram a vida de quem

Leia mais

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental

Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Proposta para que o PAA possa apoiar a regularização ambiental Considerando a Diretriz 2 do Plano Nacional de Segurança Alimentar: Promoção do abastecimento e estruturação de sistemas descentralizados,

Leia mais