A FALSA ILUSÃO DE TER:

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "A FALSA ILUSÃO DE TER:"

Transcrição

1 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CENTRO DE FORMAÇÃO ACADÊMICA E PESQUISA CURSO DE MESTRADO EM GESTÃO EMPRESARIAL A FALSA ILUSÃO DE TER: INVESTIGANDO OS TIPOS DE VALOR PARA O CONSUMIDOR DE FALSIFICAÇÕES MESTRANDA: Márcia Christina de Barros Ferreira ORIENTADOR: Eduardo André Teixeira Ayrosa DISSERTAÇÃO APRESENTADA À ESCOLA BRASILEIRA DE ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS PARA OBTENÇÃO DO GRAU DE MESTRE EM ADMINISTRAÇÃO Rio de Janeiro, 12 de Novembro de i

2 FUNDAÇÃO GETÚLIO VARGAS ESCOLA FUNDAÇÃO BRASILEIRA GETÚLIO DE VARGAS ADMINISTRAÇÃO PÚBLICA E DE EMPRESAS CENTRO ESCOLA TÍTULO DE BRASILEIRA FORMAÇÃO DE ACADÊMICA ADMINISTRAÇÃO E PESQUISA PÚBLICA E DE EMPRESAS CURSO CENTRO DE DE MESTRADO FORMAÇÃO EM ACADÊMICA GESTÃO EMPRESARIAL E PESQUISA CURSO APROVADA DE MESTRADO EM / / EM GESTÃO EMPRESARIAL TÍTULO A FALSA ILUSÃO DE TER: INVESTIGANDO OS TIPOS DE VALOR PARA O CONSUMIDOR DE FALSIFICAÇÕES E APROVADA EM / / PELA COMISSÃO EXAMINADORA Eduardo André Teixeira Ayrosa Ph. D em Administração, London Business School Deborah Moraes Zouain Doutora em Engenharia da Produção, COPPE/UFRJ. João Felipe Sauerbronn Doutor em Administração, EBAPE/FGV Rio de Janeiro, 12 de Novembro de ii

3 Ao inevitável hiato entre os perfeitos prazeres do sonho e as imperfeitas alegrias da realidade. Collin Campbell iii

4 DEDICATÓRIA: A minha Família original (meus pais, minha avó, irmão e cunhada) e a minha Família genérica (meus sogros, a avó de meu marido, suas irmãs e concunhado) sem a ajuda de vocês seria impossível; Às pessoas que com o seu trabalho fazem da FGV e da EBAPE muito mais que uma escola: obrigadíssimo; Ao Eduardo, orientador, amigo e fonte de grande inspiração: obrigada pelos novos caminhos na área acadêmica; Mil desculpas aos não citados, mas este é o momento de gentilmente agradecer a Alda, Bill, Claudia, Delane, Denise, Fátima, João Felipe e Vaninha (em ordem alfabética viu). Vocês fizeram toda diferença nesta jornada, digamos, difícil; E, mais que especialmente, eu agradeço ao meu Maridão por acreditar (antes de mim) na realização deste sonho. iv

5 RESUMO Com o objetivo de compreender de que forma os consumidores de falsificações valorizam os produtos consumidos o presente trabalho opta pela tipologia de valor para o consumidor, proposta por Holbrook (1994; 1996; 1999 e 2006). A abordagem escolhida é capaz de realçar a essência das experiências de consumo vivenciadas e, desta forma, permite identificar quais os tipos de valor que o consumidor atribui as suas ações de consumo. Os dados levantados, em entrevistas em profundidade realizadas com consumidores de falsificações brasileiros, foram interpretados a partir da análise dos depoimentos coletados. O aspecto mais recorrente nas entrevistas com os consumidores de falsificações foi o valor para o consumidor como diversão [prazer], seguido do valor como estima e como status, para só então os valores como excelência, eficiência, ética e altruísmo serem observados. Todavia, o valor para o consumidor como estética não foi apontado nos depoimentos analisados. Os resultados sugerem a realização de pesquisas futuras. v

6 ABSTRACT To better understand the way counterfeit consumers value their consumptions the present work will take the Typology of Consumer Value proposed by Holbrook (1994, 1996, 1999 and 2006) as the chosen approach, given its ability to capture the nature of consumption experiences e, therefore, to identify the types of value in the consumer experience. The analysis presented on this work was based on in-deep interviews with Brazilian counterfeit consumers and the most frequent aspects presented during the interviews were the consumer value as play, followed by esteem and status, and while the values excellence, efficiency, ethics and spirituality were observed with a lower frequency, the value aesthetics was not observed during the interviews. These results suggest the possibility of further studies on the subject. vi

7 SUMÁRIO 1. Introdução Referencial Teórico O Valor seus Conceitos e Perspectivas Valor como Crenças Valor como Troca Valor como Signo Valor como Experiência O Valor para o consumidor suas Dimensões e Tipologia O Valor para o consumidor Dimensões do Valor para o consumidor Tipologia de Valor para o consumidor As Diferentes Perspectivas do Consumo de Falsificações Metodologia de Pesquisa Especificação do problema de pesquisa Definição dos termos Falsificações (DC) Falsificações (DO) Delineamento da pesquisa População e Amostra Técnica de coleta de dados Técnica de Análise de Dados Limitações do estudo Resultados Conclusões Referências Anexos...76 vii

8 TABELAS E QUADROS TABELA 1: Sumário das Abordagens para o Conceito de Valor...26 QUADRO 1: Tipologia de Valor para o consumidor...40 QUADRO 2: Distinção entre produto original e produto falsificado...51 TABELA 2: Relação dos Respondentes...55 viii

9 1. INTRODUÇÃO O consumo mundial de falsificações cresce dia após dia e segundo dados da International Chamber of Commerce (2007) o mercado mundial desses produtos movimenta anualmente US$ 350 bilhões; o que equivale entre 5% e 7% de todo comércio mundial. Com tamanho mercado, as ofertas de falsificações crescem da mesma forma em quantidade e variedade, com isso a diversidade de produtos encontrados se equivale a um mercado tradicional (THE ECONOMIST, 2003). No panorama brasileiro, o mercado de falsificações também está em franco crescimento (IBOPE, 2006) sendo tais produtos facilmente comercializados em todo país (O GLOBO, 2006). Contudo é na forte demanda por falsificações que está a força de seu crescimento (VEJA, 2007b). Apenas no ano de 2007 registrou-se um crescimento de 17% no consumo de produtos falsificados, com destaque para um crescimento de 45% na categoria vestuário, tênis e brinquedos (IBOPE, 2006). E segundo divulgado em pesquisa de mercado realizada pela Federação de Comércio do Rio de Janeiro 42% da população brasileira já consome produtos falsificados (JORNAL DA TARDE, 2006). Agora no que tange ao comportamento deste consumidor demais pesquisas apontaram existir na população brasileira um hábito declarado do consumo de falsificações (O DIA, 2005), sendo o consumidor capaz de diferenciar com facilidade o produto falsificado do original (IDS, 2005), todavia isto não impede sua opção pela falsificação (O GLOBO, 2006). A partir das informações levantas na mídia em geral pôde ser visto que o mercado de falsificações o Brasil se configura como um mercado repleto e o fácil acesso às falsificações (GENTRY, et al., 2001). Outra importante constatação diz respeito ao fato do consumo de falsificações no país ocorre de forma não incidental. Ou seja: uma compra que acontece de forma consciente aonde a falsificação é identificada pelo consumidor com base na oferta de preço, qualidade e ponto de venda (CHAKRABORTY, ALLRED e BRISTOL, 1996). Destacando algumas pesquisas acadêmicas realizadas no contexto nacional foi observado que o consumidor brasileiro apesar de considerar as implicações éticas que envolvem seu ato pouco transforma sua intenção em atitude desfavorável ao consumo de falsificações (MATOS & ITUASSU, 2005). Uma segunda pesquisa apontou que as falsificações podem ser consumidas pelo que significam sendo úteis a este consumidor: para categorização social, 9

10 pelo status através da marca que simula ou ambos (STREHLAU, 2005). Já a terceira pesquisa constatou que alguns consumidores avaliam o consumo de falsificações como uma compra prazerosa e que vale o preço pago (MATOS, ITUASSU & ROSSI, 2007). E, por último uma quarta pesquisa argumenta que estando as falsificações inseridas na dinâmica de construção e afirmação de uma determinada identidade social tais produtos podem contribuir para a legitimação do seu consumidor no grupo ao mesmo tempo em que passam a ser consumidor sem culpa. Com base no cenário descrito vários prismas do consumo de produtos falsificados poderiam ser estudados e as pesquisas acadêmicas na área das ciências sociais sobre o tema refletem, em parte, o panorama exposto (EISEND e SCHUCHERT-GÜLER, 2007). Mas, ao invés de sair investigando fatos, aplicando modelos e quantificando as razões de tal consumo, sugerese para esta pesquisa buscar uma melhor compreensão sobre como o consumidor de falsificações valoriza os produtos que consome. Na atualidade, valores, significados e os custos dos bens que uma pessoa consome vêm se tornando cada vez mais uma parte importante de sua experiência pessoal e social. Consumir, todavia, não se trata da simples aquisição de um produto de significado pré-determinado, muito menos uma via de mão única que parte da constituição social para o uso pessoal, pois consumir é na verdade um processo de negociação e contestação no qual um consumidor, voluntariamente, aceita participar (GOODMAN e COHEN, 2004). E participa representando um papel ativo aonde interpreta e assimila os significados pessoais e sociais existentes em seu meio de modo que tais significados, em essência, representam o fruto das experiências de consumo vivenciadas (ARNOULD, PRICE e ZINKHAN, 2005). Neste sentido, são os estados emocionais do consumidor e a sua habilidade de repetidamente experimentar tais emoções que colocam emoção e desejo, juntamente com certo grau de imaginação, no papel central de suas ações de consumo (CAMPBELL, 2006) onde seu caráter mais experiencial é vivenciado (HIRSCHMAN e HOLBROOK, 1982) por meio de um processo auto-dirigido e criativo no qual o prazer e não a satisfação é o objetivo do consumidor (CAMPBELL, 2001). De tal modo temos uma forma de consumo que não é passível de determinação, somente, com base nas características do objeto consumido uma vez que cada consumidor pode atribuir, ou não, a suas práticas os valores e significados distintos de seu meio social ao substituir o mais verdadeiro dos estímulos pelos mais ilusivos na busca por construir seu próprio ambiente aprazível (CAMPBELL, 2001). 10

11 Com base na perspectiva de comportamento do consumidor aqui apresentada têm-se a experiência como um elemento central da vida do consumidor. Um consumidor que está à procura de sentido e que o faz como uma forma de melhorar e encantar sua vida permitindo que as suas múltiplas experiências sejam sentidas tanto emocionalmente como através da razão, utilizando todos os aspectos do seu ser humano (FIRAT e VENKATESH, 1995) Diante do exposto, tem-se como objetivo para a presente pesquisa: Classificar e descrever os valores associados às experiências de uso de produtos falsificados. Holbrook (1999) observa que consumir nunca é por si só um ato desinteressado e defende: o valor proveniente dos significados esperados pelo consumidor não reside na compra do produto, marca escolhida ou objeto possuído, mas sim na experiência de consumo derivada. Para o autor, o valor derivado dos bens de consumo emerge das ações nas quais o consumidor se envolve: diretamente com o bem consumido, na interação com os demais consumidores e em distintos propósitos de consumo. Todavia, é na comparação das situações vividas que o consumidor molda a natureza de suas experiências (HOLBROOK, 2006). Para Holbrook (1994) o valor para o consumidor é uma experiência de preferências relativistas e interativas. Baseado nestas características, que constituem a natureza do consumo o autor destacou as três dimensões do valor: extrínseco versus intrínseco, autoorientado versus alter-orientado e ativo versus reativo. Assim, Holbrook (1994) organizou uma tipologia de valor para o consumidor a partir das dimensões selecionadas aonde oito tipos de valor podem ser revelados a partir das ações de consumo: eficiência, excelência, status, estima, diversão [prazer], estética, ética e espiritualidade. Com base na proposta de Holbrook (1994; 1996; 1999 e 2006) eis os objetivos secundários de pesquisa: Explorar a natureza do valor para o consumidor a partir do consumo de falsificações; Identificar as formas de valorização das falsificações de acordo como a tipologia de valor para o consumidor; 11

12 Descrever as formas as falsificações são valorizados nas categorias de valorização proposta pela tipologia de valor para o consumidor. A abordagem de valor para o consumidor proposta pelo autor, longe de fazer um tratado sobre valores pessoais, concentra-se na forma como o consumidor valoriza os bens consumidos o que possibilita uma interpretação da percepção do consumidor com base nos valores envolvidos em suas ações de consumo (SAUERBRONN e AYROSA, 2004). Assim sendo, à luz da tipologia do valor para o consumidor (HOLBROOK, 1994; 1996; 1999 e 2006) escolhida foi realizado uma pesquisa exploratória com o propósito de compreender como o consumidor de falsificações atribui valor as suas ações de consumo de falsificações no Brasil. Metodologia de Pesquisa O presente trabalho constitui-se de um estudo exploratório. Este método de pesquisa foi escolhido por oferecer técnicas especializadas para a obtenção de informações (BAUER e GASKELL, 2003) resultando em descrições ricas e bem fundamentadas sobre o fenômeno estudado (VIEIRA, 2004). Uma pesquisa exploratória é caracterizada por sua flexibilidade e versatilidade com respeito aos métodos (McCRACKEN, 1981). Ademais, o método adotado é o mais adequado quando existe pouco conhecimento acumulado e sistematizado (VERGARA, 2000). No caso da presente pesquisa: os valores associados às experiências de uso de produtos falsificados. A pesquisa qualitativa realizada buscou, em entrevistas em profundidade, extrair impressões e experiências do consumidor de falsificações; sendo a análise de conteúdo a ferramenta usada para o tratamento das informações levantadas. A fonte da informação foi consumidor de falsificações de ambos os sexos, acima de 20 anos de idade e residentes na cidade do Rio de Janeiro. A partir de amostra determinada por conveniência, a coleta dos dados feita realizada em 9 entrevistas em profundidade que tiveram como objetivo extrair a maior quantidade possível de valores e significados ligados aos produtos falsificados (McCRACKEN, 1981). Em pesquisas exploratórias, o conceito de representatividade da amostra não é aplicável, portanto o critério de saturação foi adotado na construção do corpo de dados. Segundo este critério, o conjunto de dados cresce em variedade até que nenhum dado adicional seja 12

13 observado indicando sua saturação. Já a amostra está justificada no grupo natural com o qual os informantes interagem. Esta interação resulta das experiências, interesses, associações e mesmo posses em comum; neste sentido os grupos naturais formam um meio social (BAUER e GASKELL, 2003). A análise do conteúdo foi utilizada para tratamento das informações levantadas. Uma técnica de análise extremamente útil, sobretudo em pesquisa qualitativa, por enfatizar a necessidade de sistematização dos depoimentos e apoiar-se no estudo da linguagem permitindo o seu uso como uma forma de representação social capaz de expressar o conjunto de valores e crenças através de um esquema subjacente ao comportamento do indivíduo em diferentes sistemas sociais (DELLAGNELLO e SILVA, 2005, p.115). A presente pesquisa pode ser justificada por abordar um fenômeno de consumo em franco crescimento, mas com muitos pontos ainda por investigar. Também se justifica no método de pesquisa exploratório adotado, por possibilitar o melhor entendimento das razões do fenômeno a ser investigado (HOE, HOOG e HART, 2003). Na proposta de trabalho, inédita ao tema, que propõe investigar os tipos de valor para o consumidor para compreender de que forma o consumidor de falsificações valoriza os produtos consumidos. E, também, no contexto escolhido, o brasileiro, dado que a maioria das pesquisas foram realizadas nos contextos norte-americanos e asiáticos (EISEND e SCHUCHERT-GÜLER, 2007). O trabalho está estruturado em uma primeira parte de introdução, onde se apresentou o tema, os objetivos e as justificativas. Em seguida será apresentado o referencial teórico no qual será discutida a literatura relevante ao tema seguido de uma terceira parte referente ao método de pesquisa adotado. Na quarta parte do trabalho uma análise dos dados discute os resultados alcançados e, por fim uma última apresenta as principais conclusões do trabalho. Em anexo, consta o protocolo e o roteiro de entrevista. 13

14 2. REFERENCIAL TEÓRICO Na atualidade, valores, significados e os custos dos bens 1 que uma pessoa consome vêm se tornado cada vez mais uma parte importante de sua experiência pessoal e social. Os bens de consumo, todavia, não são consumidos apenas por suas características materiais, pois são ainda mais consumidos pelo que representam: seus significados, suas associações e nas percepções de seu consumidor sobre sua subjetividade (GOODMAN e COHEN, 2004). Quando se diz que a função essencial da linguagem é a sua capacidade para a poesia, devemos supor que a função essencial do consumo é a sua capacidade de dar sentido. Esqueçamos a idéia de irracionalidade do consumidor. Esqueçamos que as mercadorias são boas para comer, vestir e abrigar; esqueçamos sua utilidade e tentemos pensar em seu lugar na idéia de que as mercadorias são boas para pensar: tratemo-las como um meio não verbal para a faculdade de criar. (DOUGLAS e ISHERWOOD, 2004, p.108) Consumir então diz respeito à significação, mas não se trata um processo que caminha em uma única direção que vai da constituição social para o uso individual (GOODMAN e COHEN, 2004). Isto acontece porque o processo de significação levado a cabo pelo consumidor configura-se como conjunto culturalmente particular e fundamentalmente arbitrário de associações interligadas aos bens de consumo que possibilita ao individuo extrair do consumo tanto significados pessoais quanto sociais (ARNOULD, PRICE E ZINKHAN e 2005). E independentemente da força com a qual os significados sociais são promovidos pelo meio, o consumidor produz uma interpretação do bem consumido; cria uma história que lhe traz uma significação especial (GOODMAN e COHEN, 2004). Fundamentalmente, o significado é produto da experiência do consumidor. O significado geralmente se desenvolve a partir de um estado inicial vago de refinamento e estabilidade. Uma vez formado, o significado também pode decair e desintegrar-se. Ele é formado em interações sociais e responde às aceitações e recusas de outros consumidores. Pessoas envolvidas em interações, que possuam espectros de experiência e nível cultural semelhantes, desenvolvem um significado comum sobre bens de consumo e experiências 2 (ARNOULD, PRICE e ZINKHAN, 2005). Sendo esta experiência um elemento central da vida do consumidor contemporâneo 3. Um consumidor que está à procura de sentido e que o faz como uma forma de melhorar e encantar sua vida permitindo que as suas múltiplas experiências sejam sentidas tanto emocionalmente 14

15 como através da razão, utilizando todos os aspectos do seu ser humano (FIRAT e VENKATESH, 1995). Com base na perspectiva de comportamento do consumidor aqui apresentada têm-se a experiência como um elemento central da vida do consumidor. Desta forma o consumo pode ser visto como um processo de negociação e contestação no qual o consumidor, voluntariamente, aceita participar (GOODMAN e COHEN, 2004). Uma idéia que segundo Arnould, Price e Zinkhan (2005) põe o significado no núcleo da demanda do consumidor por produtos, serviços, experiências e ideais e ainda permite entender de que forma o valor resultante dos significados cobiçados pelo consumidor funciona como ensejo para suas ações de consumo. Nas últimas duas décadas, o valor para o consumidor tem sido foco de atenção de mais e mais pesquisas. Todavia o termo valor vem sendo empregado sem a devida atenção pela comunidade acadêmica e empresarial (VELUDO-DE-OLIVEIRA e IKEDA, 2005) o que classifica a palavra valor como uma das mais mal empregadas atualmente na área de marketing (BEVAN e MURPHY, 2001). Em parte, isto acontece pela evidente dificuldade em se abordar o tema de forma integrada diante das diversas áreas das ciências sociais e aplicada que tratam a questão. O estudo de valor invariavelmente vai além do que normalmente se refere como valor econômico e passa pelo território moral, estético e simbólico, com isso sua conceitualização dificilmente pode ser reduzida a cálculos racionais e a ciência. (GRAEBER, 2005). Ainda que vários autores tenham mencionado a escassa e insuficiente pesquisa em matéria de valor, é certo que a presença de trabalhos nesta área é ampla, apesar de bastante dispersa e pouco conclusiva (SINHA e DeSARBO, 1998). O principal motivo que pode levar a explicar esta realidade é a evidente dificuldade que existe no estudo deste conceito, pois trata-se de um conceito extremamente complexo per se (KIN, 2002). A fim de posicionar um contexto teórico para o trabalho considerar-se-á os vários conceitos que envolvem o termo valor e, em particular, o valor para o consumidor para então se buscar uma compreensão a respeito dos tipos de valor existentes com base na abordagem proposta por Holbrook (1994; 1996; 1999 e 2006). Desta forma, ao invés de apresentar uma lista 15

16 exaustiva de usos do termo ou revisão categorizada das abordagens existentes, sugere-se examinar de que forma os conceitos de valor se combinam. 2.1 VALOR, SEUS CONCEITOS E PERSPECTIVAS O conceito de valor de consumo está começando a mudar de uma noção estática de classificação para ativa à medida que profissionais de marketing e pesquisadores passaram a prestar maior atenção à natureza dinâmica da percepção dos valores pelos consumidores (FLINT, 2006). Apesar da óbvia importância do valor de consumo para o estudo de Marketing em geral e Comportamento do Consumidor em particular, pesquisadores da área de consumo têm dedicado surpreendentemente pouca atenção às questões centrais relativas à natureza de valor (HOLBROOK, 1999). Se de um lado, há a necessidade de uma exploração mais sistemática a respeito da dimensionalidade do conceito (SINHA e DeSARBO, 1998). De outro, existe a possibilidade de aglutinar e interpretar as múltiplas vertentes em um estudo mediante a análise crítica das diversas contribuições da literatura a este respeito (GRAEBER, 2005). Uma potencial solução para reconciliar as diferentes abordagens é apresentada por Graber (2005) que identifica as três abordagens principais e suas definições de valor: (1) a noção de valor baseado nos valores humanos; (2) a visão econômica e (3) valor como diferenças significativas. Porém, segundo argumenta este autor cada uma das definições destacadas apresentam problemas devido a sua falta de consideração suficiente das demais definições. Para Graeber (2005) cada uma das três abordagens principais de valor identificadas, em última instância, são versões de um mesmo conceito: Isto pressupõe a existência de algum tipo de sistema simbólico que define o mundo em termos do que é importante, significativo, desejável ou valioso nele. Este sistema de valor deveria se estender a tudo desde sentimentos sobre o que alguém gostaria de comer no café da manhã até o que os seres humanos devem uns aos outros ou como alguém deseja ser lembrado depois de morto. E assim sugere que há alguma forma de compreender como este sistema se traduz na prática 4 (GRAEBER, 2005, p ). Então, a invés de propor mais uma definição exclusiva, ou melhor, excludente de valor Graeber (2005, p. 453) opta por uma definição que incorpora muitos dos aspectos das abordagens anteriores e propõe abordar o conceito de valor como uma forma na qual as ações 16

17 dos indivíduos se tornam relevantes para eles próprios e como estas ações ganham importância ao serem incorporadas a sistema de significado mais amplo. Conceito que Graeber (2005) classifica como (4) valor como um sentido para a ação. Assim sendo, o autor dá início ao seu trabalho observando que aqueles que desejam reviver uma teoria de valor mais abrangente deste tipo devem buscar por bases comuns entre valores de cunho sociológico, valor econômico e diferenças relevantes no uso lingüístico da palavra (GRAEBER, 2005) Valor como Crenças O valor como uma concepção primordialmente boa, própria e desejável na vida humana aqui denominado de forma simplificada de valor como crenças tem suas origens nos estudos sociológicos sobre os valores humanos. Contudo pode-se fazer uso do termo no plural como forma de distingui-la de outras correntes de pensamento. Valor, no singular, faz referência a opinião preferencial (HOLBROOK, 1999) já valores, no plural, são crenças persistentes, duradora, sobre resultados desejados que transcendem situações e moldam o comportamento individual 5 (ARNOULD, PRICE e ZINKHAN, 2005). Diante desta perspectiva, temos para a área de comportamento do consumidor, um conceito de valor que é definido em termos de desejos e necessidades do que é esperado pelo indivíduo (BEVAN e MURPHY, 2001). Rokeach, por exemplo, argumenta serem os valores estados-fim da vida e, assim, se constituem nos objetivos e nas metas para as quais se vive. Assim sendo o autor divide os valores em dois tipos: os terminais que são as metas que buscamos na vida (como paz e felicidade) e os instrumentais que são os meios ou padrões comportamentais por meio dos quais perseguimos essas metas (como a honestidade) para então criar um esquema de classificação baseado em 32 tipos de valores pessoais (ROKEACH, 1973 apud VELUDO- DE-OLIVEIRA e IKEDA, 2005). Baseando em Rokeach os mais diversos modelos na área de marketing foram desenvolvidos. Nestes modelos o valor é visto como determinante das atitudes e comportamentos dos indivíduos usando portanto uma abordagem psicográfica orientada para o conceito de estilo de vida no qual tais valores são apresentado como diferenças individuais criadas pela personalidade, cultura e educação (HOLBROOK, 1999). 17

18 Dois dos mais conhecidos exemplos de aplicação desta abordagem são o VALS valores e estilos de vida (tradução de values and lifestyles (VALS) e o LOV lista de valores (tradução list of values). Estes modelos, geralmente aplicados na categorização de grupos de consumidores predeterminados e, segundo Veludo-de-Oliveira e Ikeda (2005), compreendem a perspectiva macro que é representante da Sociologia na abordegem psicográfica. Já na perspectiva micro, baseada na Psicologia, procura-se entender a relevância das ligações entre produto e personalidade na vida do consumidor (VELUDO-DE-OLIVEIRA e IKEDA, 2005). É importante notar um grande criticismo das pesquisas de estilo de vida. Estas crísticas alertam para o excessivo uso de dados psicográficos e aponta desafios para futuras pesquisas na área de Marketing. Segundo, Arnould, Price e Zinkhan (2005) em primeiro lugar, existe um problema conceitual geral de tais modelos: os conceitos centrais (i.e. estilos de vida, psicografias e pesquisas AIO entradas e saídas) tendem a ser mal definidos. Segundo, nem sempre é claro porque segmentos específicos expressam determinadas preferências do consumidor uma vez que predições de padrões emergentes são especialmente difíceis (ARNOULD, PRICE e ZINKHAN, 2005). Há também um problema associado à natureza secreta e muitas vezes única dos métodos usados para desenvolver modelos de estilo de vida. As atuais medidas de estilo de vida não são muito eficientes em capturar a fluidez do segmento de fidelidade de estilo de vida. Isto é, as pessoas são altamente propensas a mudar de segmento de estilo de vida ao longo do tempo. Finalmente, há uma tendência de se encontrar uma consideravelmente baixa correlação entre segmentos de estilo de vida e comportamentos particulares tais como escolhas de marca. Por exemplo, o consumo de muitos produtos em que há baixo envolvimento pode não estar tão intimamente relacionado com variáveis de estilo de vida (ARNOULD, PRICE e ZINKHAN, 2005). Com o foco em uma abordagem psicográfica orientada para o conceito de estilo de vida, pode-se destacar também o modelo de cadeias meios-fim desenvolvido por Gutan (1982) e que possui suas raízes na psicologia cognitiva. Este modelo permite compreender a estrutura cognitiva dos indivíduos, conectando a posse ou consumo de produtos com os valores pessoais dos consumidores. De acordo com Gutman (1982) as inter-relações atributosconsequências-valor constituem o centro desta teoria, aceitando-se que a escolha individual de um produto, caracterizado por uma série de atributos, desdobra-se em conseqüências que 18

19 permitem ao consumidor alcançar seu estado final desejado, definido por um conjunto de valores pessoais (GUTMAN, 1982). Porém as abordagens psicográficas, em geral, apresentam problemas ao focar na forma como os valores são constituídos através de modelos de comportamento relegando compreender qual o real significado do valor para o indivíduo (BEVAN e MURPHY, 2001) Já a crítica de Graeber (2005) sobre o uso da abordagem de valor como crenças toma por base os estudos antropológicos realizados Kluckholn (1949) para contra argumentar que a idéia de valor como conceitos do que se deseja implica em descobrir não só que as pessoas desejam, como coisas como o que as pessoas acham que deveriam querer. O valor como crença então carrega consigo uma força normativa: ele é o critério pelo qual as pessoas julgam quais desejos eles consideram legítimos e relevantes e quais não os são. Valor, portanto, são idéias que se não necessariamente sobre o sentido da vida, são ao menos sobre o que se deseja dela 6 (GRAEBER, 2005, p 446). Desta forma, ao valor pode ser dito possuir um efeito direto em como indivíduos se comportam. Porém o valor de um indivíduo muito embora possa se mensurado com base em seu comportamento diante de determinado contexto de uma determinada comunidade (o chamado de valor orientado único) pouco se consegue explicar sobre a orientação de valor de uma comunidade já que isto implica em comparar orientação de valor desta comunidade a uma outra (KLUCKHON, 1949 apud GRAEBER, 2005). Por isso a orientação de valor deve ser considerada somente como uma mescla de idéias do desejado e premissas sobre a natureza do mundo em que alguém teve que atuar (GRAEBER, 2005) Valor como Troca Rever algumas das definições de valor de consumo revelou que em sua maioria as definições são firmemente ancoradas pelo paradigma econômico (veja VELUDO-DE- OLIVEIRA E IKEDA, 2005). Paradigma este aonde valor é definido em termos do sacrifício financeiro que as pessoas estão dispostas a fazer em troca de suas escolhas de consumo (ZEITHAML, 1998). Seguindo a linha condutora de categorização desta perceptiva Monroe (1979 apud ZEITHAML, 1998) estabelece que as percepções de valor do consumidor são representadas em uma relação que é determinada pelos benefícios, que são função da qualidade percebida e dependendo positivamente desta, e o sacrifício do preço, uma função 19

O Paradigma da nova liderança

O Paradigma da nova liderança O Paradigma da nova liderança Robert B. Dilts Um dos mais importantes conjuntos de habilidades Um dos mais importantes conjuntos de habilidades necessárias num mundo em transformação são as habilidades

Leia mais

3 METODOLOGIA DA PESQUISA

3 METODOLOGIA DA PESQUISA 43 3 METODOLOGIA DA PESQUISA Medeiros (2005) esclarece que a pesquisa científica tem por objetivo maior contribuir para o desenvolvimento humano. Para isso, conta com métodos adequados que devem ser planejados

Leia mais

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES:

DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: DISCIPLINAS TEORIA DAS ORGANIZAÇÕES: A Teoria das Organizações em seu contexto histórico. Conceitos fundamentais. Abordagens contemporâneas da teoria e temas emergentes. Balanço crítico. Fornecer aos mestrandos

Leia mais

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados

5. CONCLUSÃO. 5.1 Resumo dos Resultados 5. CONCLUSÃO 5.1 Resumo dos Resultados O presente trabalho se propôs a entender os significados atribuídos pelo público feminino de baixa renda no consumo dos produtos do mercado HPPC, especificamente

Leia mais

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO

O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA RESUMO O COMPORTAMENTO DO CONSUMIDOR NO PROCESSO DE DECISÃO DE COMPRA Letícia Fernanda Giareta le.giareta@hotmail.com RESUMO Este artigo fundamenta-se numa pesquisa qualitativa que teve por objetivo identificar

Leia mais

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional)

Estratégias em Tecnologia da Informação. Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Estratégias em Tecnologia da Informação Capítulo 2 Missão, Visão e Objetivo Organizacional (Cultura Organizacional) Material de apoio 2 Esclarecimentos Esse material é de apoio para as aulas da disciplina

Leia mais

A Computação e as Classificações da Ciência

A Computação e as Classificações da Ciência A Computação e as Classificações da Ciência Ricardo de Almeida Falbo Metodologia de Pesquisa Departamento de Informática Universidade Federal do Espírito Santo Agenda Classificações da Ciência A Computação

Leia mais

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO

CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO CONSIDERAÇÕES SOBRE O PROCESSO DE ENSINO APRENDIZAGEM DO ESPORTE NA ESCOLA POR MEIO DE UM ESTUDO DE CASO FINCK, Silvia Christina Madrid (UEPG) 1 TAQUES, Marcelo José (UEPG) 2 Considerações iniciais Sabemos

Leia mais

TEORIA ESTRUTURALISTA

TEORIA ESTRUTURALISTA TEORIA ESTRUTURALISTA 1. Origens 2. Idéias Centrais 3. Contribuições à Teoria Estruturalista 4. Críticas à Teoria Estruturalista 1. Origens Alguns autores identificaram a corrente, que foi denominada corrente

Leia mais

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro.

Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. PLANO DE MARKETING Andréa Monticelli Um dos objetivos deste tema é orientar as ações sistemáticas na busca satisfazer o consumidor estimulando a demanda e viabilizando o lucro. 1. CONCEITO Marketing é

Leia mais

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão.

uma das nossas atitudes será tido como não atrativo e estimulará emoções como a aversão. 28 3 Design e emoção Segundo Norman (2004), as emoções são valiosas para a vida cotidiana de todos os seres humanos. A utilidade e a usabilidade também o são, mas sem a diversão, o prazer, o orgulho e

Leia mais

"O valor emocional das marcas."

O valor emocional das marcas. DOMINGO, FEVEREIRO 24, 2008 "O valor emocional das marcas." Por Thales Brandão Atualmente as empresas estão buscando cada vez mais gerir suas marcas com conjunto de valores completamente diferentes dos

Leia mais

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social

ADAPTAÇÃO ESCOLAR. O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social ADAPTAÇÃO ESCOLAR O início da vida escolar: da dependência familiar para autonomia social Lélia de Cássia Faleiros* Esse tema ADAPTAÇÃO ESCOLAR - tem sido motivo de grandes inquietações, principalmente

Leia mais

8 Considerações finais

8 Considerações finais 8 Considerações finais Neste trabalho, propusemo-nos a elaborar uma ferramenta epistêmica de apoio ao design de SiCo s, fundamentada na EngSem, que ajude o designer a elaborar seu projeto da comunicação

Leia mais

3 Metodologia. 3.1. Introdução

3 Metodologia. 3.1. Introdução 3 Metodologia 3.1. Introdução Este capítulo é dedicado à forma de desenvolvimento da pesquisa. Visa permitir, através da exposição detalhada dos passos seguidos quando da formulação e desenvolvimento do

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO Nas últimas décadas a exclusão social tornou-se assunto de importância mundial nos debates sobre planejamento e direcionamento de políticas públicas (Teague & Wilson, 1995). A persistência

Leia mais

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS

7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7 NÍVEL DE UTILIDADE DOS ATRIBUTOS 7.1 INTRODUÇÃO Considera-se que produtos e serviços são conjuntos de atributos, por exemplo, no caso de apartamentos, preço, localização, planta, serviços oferecidos

Leia mais

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2

SUMÁRIO O QUE É COACH? 2 1 SUMÁRIO INTRODUÇÃO...3 O COACHING...4 ORIGENS...5 DEFINIÇÕES DE COACHING...6 TERMOS ESPECÍFICOS E SUAS DEFINIÇÕES...7 O QUE FAZ UM COACH?...8 NICHOS DE ATUAÇÃO DO COACHING...9 OBJETIVOS DO COACHING...10

Leia mais

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS

CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS CONSUMO E OS DESEJOS CONSUMISTAS 2012 Graduanda em Psicologia pelo Centro Universitário de Lavras UNILAVRAS (Brasil) E-mail: vivianecastrofreire@yahoo.com.br RESUMO As necessidades humanas estão diretamente

Leia mais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais

UNIP Universidade Paulista Estudos Políticos e Sociais SOCIEDADE E EDUCAÇÃO INTRODUÇÃO Citelli (2004) apresenta um ponto de vista acerca do momento vivido pela escola e, conseqüentemente, pela educação, bastante elucidativo: A escola está sendo pensada, assim,

Leia mais

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal

CONCLUSÃO. Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal CONCLUSÃO Após dois anos de investigação, a constatação que chegamos é que seria irreal afirmarmos que todos os objetivos da pesquisa foram atingidos. Mesmo porque o campo mostrou-se muito mais amplo e

Leia mais

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R

As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R As Etapas da Pesquisa D R. G U A N I S D E B A R R O S V I L E L A J U N I O R INTRODUÇÃO A pesquisa é um procedimento reflexivo e crítico de busca de respostas para problemas ainda não solucionados. O

Leia mais

PESQUISA QUALITATIVA

PESQUISA QUALITATIVA PESQUISA QUALITATIVA CONHECIMENTO É o processo pelo qual as pessoas intuem, apreendem e depois expressam. Qualquer ser humano que apreende o mundo (pensa) e exterioriza, produz conhecimento. PESQUISA É

Leia mais

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE

IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE IMAGEM E REPUTAÇÃO NAS INSTITUIÇÕES DE ENSINO: A PESQUISA E RESULTADOS NO IMAGE E MARKET SHARE GEduc 2012 - Novos Rumos para a Gestão Educacional Pág 1 Temas Pressupostos teórico-metodológicos As necessidades

Leia mais

Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? O público, os usos. A linguagem e a estética. Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais

Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? O público, os usos. A linguagem e a estética. Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Sistematização: como elaborar um Sumário Executivo? Programa de Avaliação Econômica de Projetos Sociais Este texto visa a registrar as principais diretrizes dos Sumários Executivos do Programa de Avaliação

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

5. Conclusões e recomendações

5. Conclusões e recomendações 5. Conclusões e recomendações Para melhor compreensão das conclusões e recomendações que serão apresentadas neste Capítulo, é necessário rever o contexto do problema e seus objetivos conforme descritos

Leia mais

Motivação para aprender línguas

Motivação para aprender línguas RESENHA: QUERER É PODER? MOTIVAÇÃO, IDENTIDADE E APRENDIZAGEM DE LÍNGUA ESTRANGEIRA Gisele da Cruz Rosa 1 O artigo Querer é poder? Motivação, identidade e aprendizagem de língua estrangeira, escrito por

Leia mais

Metodologia Científica

Metodologia Científica Metodologia Científica Prof. William Costa Rodrigues FAETEC/IST Paracambi 2007 Metodologia Científica: Conceitos e Definições É um conjunto de abordagens, técnicas e processos utilizados pela ciência para

Leia mais

O SIGNIFICADO DA PESQUISA:

O SIGNIFICADO DA PESQUISA: O SIGNIFICADO DA PESQUISA: ESCRITO POR Clive de Freitas PUBLICADO Outubro 2013 como ela molda nossas vidas e cria marcas O RESUMO Como profissionais de marketing, é fácil reduzir a pesquisa para métricas

Leia mais

Marketing etnográfico

Marketing etnográfico MARKETING Marketing etnográfico Aetnografia pode oferecer ao marketing um rico instrumental para o mapeamento do universo simbólico e das práticas de consumo. Sua eficiência será maior se utilizada segundo

Leia mais

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI

FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI FINANÇAS AS EM PROJETOS DE TI 2012 Material 2.1 Prof. Luiz Carlos Valeretto Jr. 1 Fundamentos de Risco e Retorno Se todos soubessem com antecedência qual seria o preço futuro de uma ação, o investimento

Leia mais

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores.

com níveis ótimos de Brand Equity, os interesses organizacionais são compatíveis com as expectativas dos consumidores. Brand Equity O conceito de Brand Equity surgiu na década de 1980. Este conceito contribuiu muito para o aumento da importância da marca na estratégia de marketing das empresas, embora devemos ressaltar

Leia mais

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior

Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior Prof. Dr. Guanis de Barros Vilela Junior INTRODUÇÃO O que é pesquisa? Pesquisar significa, de forma bem simples, procurar respostas para indagações propostas. INTRODUÇÃO Minayo (1993, p. 23), vendo por

Leia mais

A Formulação Cognitivo-Comportamental dos Sentimentos de Insegurança Denise Amorim Rodrigues e Edson Vizzoni - E-mail: npcc@npcc.com.

A Formulação Cognitivo-Comportamental dos Sentimentos de Insegurança Denise Amorim Rodrigues e Edson Vizzoni - E-mail: npcc@npcc.com. A Formulação Cognitivo-Comportamental dos Sentimentos de Insegurança Denise Amorim Rodrigues e Edson Vizzoni - E-mail: npcc@npcc.com.br Inúmeras são as razões pelas quais uma pessoa busca psicoterapia.

Leia mais

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília.

Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento. UNESP de Marília. 1 Grupo de Estudos sobre Organização e Representação do Conhecimento UNESP de Marília. Pontos principais do texto: HJØRLAND, B. Towards a Theory of Aboutness, Subject, Topicality, Theme, Domain, Field,

Leia mais

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa

1 Introdu ç ão. 1.1. A questão de pesquisa 1 Introdu ç ão 1.1. A questão de pesquisa A temática estratégia é muito debatida no meio acadêmico e também possui destacado espaço nas discussões no meio empresarial. Organizações buscam continuamente

Leia mais

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010

XIX CONGRESSO DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UFLA 27 de setembro a 01 de outubro de 2010 CONTRIBUIÇÕES DE UM PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM ADMINISTRAÇÃO PARA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: UM ESTUDO SOB O PONTO DE VISTA DOS PÓS-GRADUANDOS i RESUMO NATHÁLIA DE FÁTIMA JOAQUIM 1, CEYÇA

Leia mais

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos:

Idealismo - corrente sociológica de Max Weber, se distingui do Positivismo em razão de alguns aspectos: A CONTRIBUIÇÃO DE MAX WEBER (1864 1920) Max Weber foi o grande sistematizador da sociologia na Alemanha por volta do século XIX, um pouco mais tarde do que a França, que foi impulsionada pelo positivismo.

Leia mais

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo

5.1. As significações do vinho e o aumento de seu consumo 5 Conclusão Para melhor organizar a conclusão desse estudo, esse capítulo foi dividido em quatro partes. A primeira delas aborda as significações do vinho e como elas se relacionam com o aumento de consumo

Leia mais

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução

a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução a) SEGMENTAÇÃO (1) Introdução Segmentação de mercado é o processo de dividir mercados em grupos de consumidores potenciais com necessidades e/ou características semelhantes e que provavelmente exibirão

Leia mais

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING

SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING SISTEMA DE INFORMAÇÕES DE MARKETING DESAFIOS PARA O SÉC. XXI A globalização, que obrigará a empresa a comparar-se com o que há de melhor no mundo. A necessidade de educar, treinar, motivar e liderar talentos.

Leia mais

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho

Liderança, gestão de pessoas e do ambiente de trabalho Glaucia Falcone Fonseca O que é um excelente lugar para se trabalhar? A fim de compreender o fenômeno dos excelentes locais de trabalho, devemos primeiro considerar o que as pessoas falam sobre a experiência

Leia mais

2 Business to Consumer

2 Business to Consumer 2 Business to Consumer Business to consumer (B2C) é o segmento dentro do comércio eletrônico que abrange qualquer transação em que uma companhia ou organização vende seus produtos ou serviços para as pessoas

Leia mais

Terapia Comportamental de Casais

Terapia Comportamental de Casais CENTRO DE CIÊNCIAS BIOLÓGICAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA GERAL E ANÁLISE DO COMPORTAMENTO PSICOLOGIA CLÍNICA NA ANÁLISE DO COMPORTAMENTO Terapia Comportamental de Casais Ana Paula M. Carvalho Cinthia Cavalcante

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES

OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO EMPRESAS GRANDES Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês seguinte,

Leia mais

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea

A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea A imagem do corpo e o brincar virtual: perspectivas sobre a infância contemporânea Érica Fróis O objetivo deste trabalho é discutir o brincar na internet e a construção da Imagem do corpo na criança a

Leia mais

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO

ESTILO E IDENTIDADE. Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO ESTILO E IDENTIDADE Autores: TACIANA CORREIA PINTO VIEIRA DE ANDRADE E CARMEM LÚCIA DE OLIVEIRA MARINHO Introdução Por milhares de anos, foi possível concordar que a mais importante linguagem do homem

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Gestão de Conflitos Organizacionais UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Gestão de Conflitos Organizacionais Jefferson Menezes de Oliveira Santa Maria, dezembro de 2006 INTRODUÇÃO

Leia mais

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento.

Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. Utilize o roteiro abaixo como mapa para elaboração do projeto. Organizado o conjunto, amplie as partes que requerem detalhamento. ROTEIRO PARA ELABORAÇÃO DE PROJETO DE PESQUISA Título provisório (uma expressão

Leia mais

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR.

SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. ISSN 2316-7785 SOBRE A PRODUÇÃO DE PESQUISAS EM EDUCAÇÃO MATEMÁTICA COM VIÉS FINANCEIRO ESCOLAR. Rodrigo Martins de Almeida Instituo Estadual de Educação de Juiz de Fora (IEE/JF) rodrigomartinsdealmeida@yahoo.com.br

Leia mais

SESSÃO 2: Explorando Profissões

SESSÃO 2: Explorando Profissões SESSÃO 2: Explorando Profissões CURRÍCULO DE PROGRAMA Muitas meninas adolescentes (e adultos também) dizem que não tem ideia do que querem fazer com o resto de suas vidas. Embora que algumas meninas sonham

Leia mais

DESAFIOS. (Autor desconhecido)

DESAFIOS. (Autor desconhecido) QUEM É O EMPREENDEDOR? POR QUE SER EMPRESÁRIO? DEFINIÇÕES DE EMPREENDEDORISMO O empreendedor é motivado pela autorealização, desejo de assumir responsabilidades e independência. Considera irresistível

Leia mais

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes

Unidade IV. Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas. Prof a. Daniela Menezes Unidade IV Gerenciamento de Produtos, Serviços e Marcas Prof a. Daniela Menezes Tipos de Mercado Os mercados podem ser divididos em mercado de consumo e mercado organizacional. Mercado de consumo: o consumidor

Leia mais

COMPETÊNCIAS PRINCIPAIS

COMPETÊNCIAS PRINCIPAIS COMPETÊNCIAS PRINCIPAIS As onze competências principais em coaching foram desenvolvidas para possibilitar a maior compreensão sobre as habilidades e abordagens usadas atualmente na profissão de coaching

Leia mais

Taxonomia da aprendizagem

Taxonomia da aprendizagem Taxonomia da aprendizagem Taxonomia de Bloom Desde 1948, um grupo de educadores assumiu a tarefa de classificar metas e objetivos educacionais. Eles propuseram-se a desenvolver um sistema de classificação

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES

O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES 26 a 29 de outubro de 2010 ISBN 978-85-61091-69-9 O PROCESSO DE COACHING EXECUTIVO E EMPRESARIAL: PERCEPÇÕES DE GESTORES DE RECURSOS HUMANOS PSICÓLOGOS E DE OUTRAS FORMAÇÕES Dione Nunes Franciscato 1 ;

Leia mais

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA

OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA BOLETIM TÉCNICO MAIO/2011 OS TRÊS PILARES DO LUCRO PEQUENA E MÉDIA EMPRESA Um empresário da indústria se assustou com os aumentos de custo e de impostos e reajustou proporcionalmente seus preços. No mês

Leia mais

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO

CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO CAPÍTULO 1 INTRODUÇÃO A atuação do homem no meio ambiente, ao longo da história, fornece provas de suas ações em nome do progresso. Esta evolução tem seu lado positivo, pois abre novos horizontes, novas

Leia mais

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1

Colégio Estadual Juracy Rachel Saldanha Rocha Técnico em Administração Comportamento Organizacional Aílson José Senra Página 1 Página 1 COMPORTAMENTO ORGANIZACIONAL As pessoas que supervisionam as atividades das outras e que são responsáveis pelo alcance dos objetivos nessas organizações são os administradores. Eles tomam decisões,

Leia mais

RELATÓRIO HOGAN JUDGMENT

RELATÓRIO HOGAN JUDGMENT DECODIFICANDO SEUS ESTILOS DE PENSAMENTO E TOMADA DE DECISÃO 30, Junho, 2015 RELATÓRIO HOGAN Jane Doe ID UH565487 SUMÁRIO EXECUTIVO Este relatório examina os estilos de julgamento e de tomada de decisão

Leia mais

Atividade Extra. Como fazer seu Projeto de Vida

Atividade Extra. Como fazer seu Projeto de Vida Atividade Extra Criação Andrea Fiuza - 2011 Como fazer seu Projeto de Vida Por definição projeto é um empreendimento único, com inicio e fim determinados, que utiliza recursos e é conduzido por pessoas,

Leia mais

COMO AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE OS TEÓRICOS DIZEM ESTILOS DE APRENDIZAGEM

COMO AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE OS TEÓRICOS DIZEM ESTILOS DE APRENDIZAGEM COMO AS CRIANÇAS APRENDEM O QUE OS TEÓRICOS DIZEM ESTILOS DE APRENDIZAGEM CONCRETO DISPERSO SEQUENCIAL ABSTRATO 1 CONCRETO SEQÜENCIAL Habilidades naturais do Concreto Seqüencial Passo a Passo Planeja Segue

Leia mais

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza

Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Projeto de Pesquisa: Estrutura e natureza Após a entrega do exercício D (folha síntese do projeto de pesquisa, vamos rever o projeto de pesquisa e a introdução da tese. Após a aula, além do exercício D

Leia mais

3 Metodologia e Objeto de estudo

3 Metodologia e Objeto de estudo Metodologia e Objeto de estudo 36 3 Metodologia e Objeto de estudo Neste capítulo, através da explanação da metodologia de pesquisa e do objeto de estudo, serão definidas as questões centrais de estudo,

Leia mais

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO

TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Prof. Dr. Eduardo Braga 1 1 Introdução TÓPICOS DE UM PRÉ-PROJETO Iniciar a redação colocando alguns antecedentes do assunto/tema/problema escolhido. Expor as justificativas e razões para a escolha do tema

Leia mais

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA MÓDULO 11 MODELOS DE AVALIAÇÃO DE MARCA

ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA MÓDULO 11 MODELOS DE AVALIAÇÃO DE MARCA ADMINISTRAÇÃO MERCADOLÓGICA MÓDULO 11 MODELOS DE AVALIAÇÃO DE MARCA Índice 1. Modelos de avaliação de marca...3 1.1. Resumo... 3 1.2. Palavras-chave... 3 2. Introdução...3 3. O conceito de marca...4 4.

Leia mais

CIÊNCIA => METODOLOGIA => METODOS (processos e técnicas) => Conhecer, agir e intervir na realidade.

CIÊNCIA => METODOLOGIA => METODOS (processos e técnicas) => Conhecer, agir e intervir na realidade. O QUE É Metodologia Científica, como disciplina: METODOLOGIA CIENTÍFICA Confere os caminhos necessários para o auto-aprendizado através da qual o aluno é sujeito do processo, deve aprender a pesquisar

Leia mais

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes

Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Coaching e Constelação Sistêmica A Dança das Ferramentas Colaboração entre estas duas metodologias trazendo resultados mais abrangentes Bert Hellinger soube muito bem como integrar conhecimentos de várias

Leia mais

Como contratar de forma eficaz

Como contratar de forma eficaz Como contratar de forma eficaz Todos nós, de uma forma ou de outra, somos imperfeitos. Mesmo assim, procuramos contratar as pessoas perfeitas. A Robert Half fornece profissionais altamente qualificados

Leia mais

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola

Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Elvira Cristina de Azevedo Souza Lima' A Utilização do Jogo na Pré-Escola Brincar é fonte de lazer, mas é, simultaneamente, fonte de conhecimento; é esta dupla natureza que nos leva a considerar o brincar

Leia mais

O que é Balanced Scorecard?

O que é Balanced Scorecard? O que é Balanced Scorecard? A evolução do BSC de um sistema de indicadores para um modelo de gestão estratégica Fábio Fontanela Moreira Luiz Gustavo M. Sedrani Roberto de Campos Lima O que é Balanced Scorecard?

Leia mais

As cinco disciplinas

As cinco disciplinas As cinco disciplinas por Peter Senge HSM Management julho - agosto 1998 O especialista Peter Senge diz em entrevista exclusiva que os programas de aprendizado podem ser a única fonte sustentável de vantagem

Leia mais

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade

Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade Aimportância do levantamento de informações e pesquisa na publicidade UNIBAN Unidade Marte Disciplina: Planejamento de Campanha Prof. Me. Francisco Leite Aulas: 07.04.11 Agenda: A importância do levantamento

Leia mais

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com

TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS DE TEXTOS E ARGUMENTAÇÃO LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTOS prof. ALEMAR RENA alemarrena@gmail.com TIPOS RELACIONADOS À FUNÇÃO REFERENCIAL: RESUMO RESUMO DESCRITIVO > Resume estrutura temática > Inclui

Leia mais

Pesquisa de Mercado e Opinião

Pesquisa de Mercado e Opinião Pesquisa de Mercado e Opinião MATTAR Prof. Ms. Alexandre Augusto Giorgio 1 NATUREZA DAS VARIÁVEIS ESTUDADAS 2 NATUREZA DO RELACIONAMENTO ENTRE VARIÁVEIS ESTUDADAS 3 OBJETIVO E GRAU EM QUE O PROBLEMA DE

Leia mais

Consultoria Doméstica em Informática www.consultoriadomestica.com.br 1

Consultoria Doméstica em Informática www.consultoriadomestica.com.br 1 POR QUE AS PESSOAS COMPRAM SERVIÇOS DE INFORMÁTICA? Por que as pessoas compram bens e serviços de informática? Elas compram produtos e serviços para sair da situação em que se encontram e ficar naquela

Leia mais

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo:

Quanto aos meios, trata-se de uma pesquisa bibliográfica, documental, telematizada e pesquisa de campo, conforme descrito abaixo: 3 METODOLOGIA Apresenta-se a seguir a descrição da metodologia utilizada neste trabalho com o objetivo de expor os caminhos que foram percorridos não só no levantamento dos dados do estudo como também

Leia mais

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS

CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS CONDUZINDO MUDANÇAS TRANSFORMADORAS por David Miller The European Business Review, março/abril 2012 As mudanças estão se tornando mais frequentes, radicais e complexas. Os índices de falha em projetos

Leia mais

Metodologia do Trabalho Científico

Metodologia do Trabalho Científico Metodologia do Trabalho Científico Diretrizes para elaboração de projetos de pesquisa, monografias, dissertações, teses Cassandra Ribeiro O. Silva, Dr.Eng. METODOLOGIA DA PESQUISA CIENTÍFICA Porque escrever

Leia mais

APRENDIZAGEM EMOCIONAL

APRENDIZAGEM EMOCIONAL APRENDIZAGEM EMOCIONAL Escrito por Mauricio Aguiar Saudações a você que vem acompanhando o trabalho do POINT DOS AMORES e com a sua participação e interesse contribui para o crescimento do POINT. Nesta

Leia mais

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação

O quê avaliação? Unidade IV - Avaliação de Interfaces. Quem deve avaliar um produto de software? Técnicas de Avaliação Unidade IV - Avaliação de Interfaces O quê avaliação? O quê avaliação? Técnicas de Avaliação Tipos de Avaliação com Usuários Paradigmas de avaliação com usuários Avaliação rápida e suja Testes de Usabilidade

Leia mais

De mãos dadas: RH e marketing

De mãos dadas: RH e marketing De mãos dadas: RH e marketing A união de RH e marketing é um dos melhores caminhos para a sobrevivência de uma empresa - e das próprias áreas Não é incomum, em tempos de turbulência e incertezas econômicas,

Leia mais

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente.

Palavras chave: Letramento Literário; Educação infantil; Literatura infantil; Primeira Infância; Formação Docente. LETRAMENTO LITERÁRIO NA PRIMEIRA INFÂNCIA Mônica Correia Baptista (FAPEMIG/FaE/UFMG) monicacb@fae.ufmg.br Amanda de Abreu Noronha (FaE/UFMG) amandadeabreu13@gmail.com Priscila Maria Caligiorne Cruz FALE/(UFMG)

Leia mais

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus

Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus CURSO DE DESENVOLVIMENTO HUMANO E ESPIRITUAL DESCUBRA A ASSINATURA DE SUAS FORÇAS ESPIRITUAIS Test Viacharacter AVE CRISTO BIRIGUI-SP Jul 2015 Vós sois deuses, pois brilhe a vossa a luz! Jesus I SABER

Leia mais

Competências avaliadas pela ICF

Competências avaliadas pela ICF Competências avaliadas pela ICF ð Estabelecendo a Base: 1. Atendendo as Orientações Éticas e aos Padrões Profissionais Compreensão da ética e dos padrões do Coaching e capacidade de aplicá- los adequadamente

Leia mais

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS

INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS INOVAÇÃO DE PRODUTO, PROCESSO, ORGANIZACIONAL E DE MARKETING NAS INDÚSTRIAS BRASILEIRAS Fábio Luiz Papaiz Gonçalves Faculdade de Administração CEA Centro de Economia e Administração fabiopapaiz@gmail.com

Leia mais

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa

Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Aula 01 - Introdução à Gestão Organizacional e Educação Corporativa Objetivos da aula: Nesta aula o principal objetivo será conceituar itens que irão embasar o conteúdo das aulas seguintes. Serão conceituados

Leia mais

Traduzido e adaptado livremente pelo Prof. Dr. Eloi L. Favero (favero@ufpa.br)

Traduzido e adaptado livremente pelo Prof. Dr. Eloi L. Favero (favero@ufpa.br) Como organizar sua Tese, Dissertação, Monografia ou Artigo [A pesar do texto falar sobre uma tese de doutorado (ou dissertação de mestrado), a forma de estruturar logicamente um artigo técnico segue este

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1

REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1 REFLEXÕES SOBRE O CONCEITO ANTROPOLÓGICO DE CULTURA 1 Jefferson Alves Batista 2 Resumo: Este artigo busca analisar a partir da obra do Antropólogo Luiz Gonzaga de Mello o conceito antropológico de Cultura.

Leia mais

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO

ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO ANEXO B CONTEXTUALIZAÇÃO DA PROMOÇÃO DA SAÚDE EM MODELO DE GESTÃO ORGANIZACIONAL DE ALTO DESEMPENHO Autoria: Elaine Emar Ribeiro César Fonte: Critérios Compromisso com a Excelência e Rumo à Excelência

Leia mais

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade

CENTRO DE ENSINO SUPERIOR CENECISTA DE FARROUPILHA Mantido pela Campanha Nacional de Escolas da Comunidade MANUAL DE ESTÁGIO Curso de PEDAGOGIA S U M Á R I O 1. Apresentação... 03 2. Proposta de Estágio... 03 3. Aspectos legais... 04 4. Objetivo Geral... 04 5. Campo de Estágio... 05 6. Modalidades de Estágio...

Leia mais

Fashion Marketing & Communication

Fashion Marketing & Communication Os programas de Pós-Graduação oferecidos pela Faculdade de Tecnologia do Istituto Europeo di Design estão em conformidade legal e atendem as Resoluções CNE/CES nº 1, de 3 de abril de 2001 e nº 1, de 8

Leia mais

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática

Por Prof. Manoel Ricardo. Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática Por Prof. Manoel Ricardo Os caminhos da Educação e a Modelagem Matemática A sociedade do século XXI é cada vez mais caracterizada pelo uso intensivo do conhecimento, seja para trabalhar, conviver ou exercer

Leia mais

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC

BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO. Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR ENSINO MÉDIO Edenia Maria Ribeiro do Amaral UFRPE/PPGEC Assessoria da Área de Ciências da Natureza - BNCC A BASE NACIONAL COMUM CURRICULAR É parte de um Sistema Nacional

Leia mais

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o

cultural de fundamental importância quando mergulham conceitualmente em temas de interesse para o bem-estar de pessoas e de populações idosas, para o Prefácio Ao longo dos últimos 11 anos, a coleção Velhice e Sociedade vem cumprindo a missão de divulgar conhecimento sobre a velhice e tem contribuído para o desenvolvimento e o aperfeiçoamento de recursos

Leia mais

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO

PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES RESUMO PROGRAMA 5S: COMBINAÇÕES FUNDAMENTAIS PARA O SUCESSO DAS ORGANIZAÇÕES Francislaine Pereira de Souza, Unisalesiano de Lins, e-mail: francislaine_ps@hotmail.com Janaina Fanali Daniel, Unisalesiano de Lins,

Leia mais

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA)

PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) 1 PROGRAMAS DE QUALIFICAÇÃO PROFISSIONAL : UMA ANÁLISE SOBRE O FAZER PEDAGÓGICO Maria Graças Galvão de Souza (UFBA) O presente trabalho trata de uma discussão sobre os aspectos pedagógicos dos programas

Leia mais

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA

UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA UMA ESTÉTICA PARA A ESTÉTICA Por Homero Alves Schlichting Doutorando no PPGE UFSM homero.a.s@gmail.com Quando falares, procura que tuas palavras sejam melhores que teus silêncios. (Provérbio da cultura

Leia mais