ESTATUTO DA AGEPOLJUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AGENTES DE SEGURANÇA DO PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ESTATUTO DA AGEPOLJUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AGENTES DE SEGURANÇA DO PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO"

Transcrição

1 ESTATUTO DA AGEPOLJUS ASSOCIAÇÃO NACIONAL DOS AGENTES DE SEGURANÇA DO PODER JUDICIÁRIO DA UNIÃO CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO E DOS SEUS OBJETIVOS: Art. 1º. A AGEPOLJUS Associação Nacional dos Agentes de Segurança do Poder Judiciário da União, criada pela Assembléia Geral de 13/06/2003, teve seu Estatuto reformado pela Assembléia Geral do dia 27/10/2006, marcada com essa finalidade, é uma sociedade civil de natureza representativa, social, cultural, educacional, assistencial e esportiva, sem fins lucrativos, de caráter nacional, com sede no SCS Quadra 01, Bloco L, sala 510 Ed. Márcia Asa Sul na Cidade de Brasília, no Distrito Federal. Foro de Brasília. Art. 2º. O prazo de duração da AGEPOLJUS é indeterminado. Art. 3º. A AGEPOLJUS rege-se por este Estatuto e demais disposições legais vigentes. Art. 4º. São objetivos da AGEPOLJUS: I promover o segmento dos Agentes de Segurança do Poder Judiciário Federal, através de sua valorização ética e profissional; II representar os interesses dos seus associados perante o Judiciário e demais órgãos da Administração Pública e do Setor Privado; III impulsionar a integração dos Agentes de Segurança do Poder Judiciário da União; IV prestar assistência a seus associados e dependentes, de forma direta ou complementar; V divulgar as atividades dos associados quando envolverem assuntos de interesse geral; VI fomentar e estimular ações ligadas ao desenvolvimento cultural, científico e tecnológico do país, notadamente na área jurídica e da Segurança Judiciária; VII manter intercâmbio com Associações congêneres e afins, visando a atender a assistência recreativa, cultural, esportiva, social, a saúde, educacional e jurídica; VIII prestar consultoria e serviços em geral, promover e administrar cursos educativos e profissionalizantes, seminários e convenções para os associados e comunidade; IV firmar contatos e celebrar convênios com Entes Públicos das esferas Municipal, Estadual, Distrital e Federal, com entidades públicas e privadas, organizações não governamentais nacionais e internacionais e demais entidades regularmente constituídas e envolvidas em projetos de interesse da categoria; X proporcionar através de convênio com os governos Municipal, Estadual, do Distrito Federal e Federal, a aquisição de imóveis residenciais a preço de custo; XI promover a especialização do Agente de Segurança para o exercício de sua profissão. Parágrafo único Os objetivos da AGEPOLJUS são desenvolvidos por meio de diretrizes e programas de trabalho, em consonância com as deliberações e recomendações, quando houver, da assembléia Geral e dos Conselhos Geral e Fiscal. CAPÍTULO II DA ORGANIZAÇÃO Art. 5º. São órgãos da Administração da AGEPOLJUS: I - a Assembléia Geral; II - o Conselho Geral; III - o Conselho Fiscal. IV - a Diretoria; 1º. Os associados que fazem parte dos órgãos de Administração da AGEPOLJUS não têm direito a qualquer remuneração, exceto ajuda de custo para o exercício das atividades a que estão obrigados. 1

2 2º O associado que integrar o Conselho Fiscal não pode integrar a Diretoria, nem o que integrar esta pode integrar aquela. 3 O mandato do Conselho Fiscal e da Diretoria é de três anos, sendo possível uma reeleição por igual período. CAPÍTULO III DA ASSEMBLEIA GERAL Art. 6º. A Assembléia Geral é o órgão soberano da AGEPOLJUS, responsável pelo estabelecimento de diretrizes para o cumprimento de suas finalidades. Art. 7º. À Assembléia Geral, constituída pelos associados em pleno gozo de seus direitos e em dia com todas as obrigações com a AGEPOLJUS, compete: I eleger os membros da Diretoria e do Conselho Fiscal; II alterar, no todo ou em parte, o presente Estatuto, bem como interpretar em última instância, suas disposições e suprir eventuais omissões. III decidir sobre a fusão, transformação, ou dissolução da AGEPOLJUS; IV apreciar o Plano de Trabalho, o Orçamento, o Balanço e o Relatório anuais; V destituir membros da Diretoria ou do Conselho Fiscal, apresentando ampla justificativa para tal medida, assegurando o contraditório e ampla defesa; VI-- tratar de assuntos de interesse geral dos associados; VII deliberar sobre criação de contribuições e taxas adicionais, bem como, aumentos das mensalidades de que trata o inciso III do art. 22 deste Estatuto; VIII deliberar sobre as decisões tomadas pela Diretoria nos casos omissos. 1º Nos casos de destituição de Diretor ou de membro do Conselho Fiscal, a eleição do seu substituto se dá na mesma Assembléia Geral que o destituiu. 2º Os candidatos à substituição do membro da Direção destituído devem, necessariamente, estar presentes na Assembléia Geral, pelo menos até o registro de suas candidaturas pelo seu Presidente. Art. 8º. A convocação de Assembléia Geral se faz por edital divulgado aos associados com antecedência mínima de dez dias, observando-se as seguintes condições: a) edital indicando o dia, a hora, o local e a pauta dos trabalhos; b) Assembléia Geral instalada no dia, hora e local determinados no edital, com a presença de mais da metade dos associados ou, meia hora após, com qualquer número; c) a presença dos associados registrada mediante assinatura em instrumento próprio; d) a Assembléia Geral é dirigida pelo Presidente da AGEPOLJUS ou, na ausência ou impedimento deste, pelo seu substituto imediato; e) na ausência ou impedimento de ambos, por associado indicado pelo plenário; f) o Presidente da Assembléia Geral designa um secretário, dentre os presentes, para elaboração da ata da Assembléia. Art. 9º. As deliberações da Assembléia Geral são tomadas por maioria simples de votos dos presentes e a votação pode ser: a) simbólica ou por aclamação; b) nominal; c) por escrutínio secreto. d) por mecanismos eletrônicos.parágrafo único. Nas Assembléias Gerais não há voto por procuração. Art. 10. As deliberações da Assembléia Geral sobre a extinção da AGEPOLJUS ou de seus órgãos de administração somente podem ser tomadas com a presença de pelo menos metade mais um dos associados. Parágrafo único. Alterações ao presente estatuto, no todo ou em partes, só podem ser decididas em Assembléia Geral, cujo edital de convocação refira a proposição de tais alterações com delimitação no âmbito das mesmas, com quorum superior a 10% (dez por cento) dos associados. Art.11. A Assembléia Geral reúne: 2

3 I - ordinariamente, no mês de novembro, para apreciação do plano de trabalho e do orçamento para o exercício seguinte, e no mês de abril, para apreciação e aprovação do balanço e dos relatórios do exercício anterior. II - extraordinariamente, sempre que convocada pelo Presidente da AGEPOLJUS, por iniciativa da Diretoria, ou por requerimento subscrito por 20% (vinte por cento) dos associados ou ainda por iniciativa do Conselho Fiscal, somente nos casos previstos pelo inciso IV do artigo 13 deste estatuto. Parágrafo único: A Assembléia Geral ordinária citada no 1º, de três em três anos, tem também caráter eletivo para eleição da nova Diretoria e Conselheiros, nos termos deste Estatuto, sendo chamada de Assembléia Geral Ordinária Eletiva. Art. 12. As decisões tomadas em Assembléia Geral devem ser registradas em ata, devidamente assinada pelo Presidente da Assembléia, pelo secretário. Parágrafo único. Em cada assembléia, é passado, para assinatura dos presentes, uma lista ou livro de presenças. CAPÍTULO IV DO CONSELHO FISCAL Art. 13. Compete ao Conselho Fiscal: I - examinar o Balanço Mensal e o Balanço Anual, emitindo parecer sobre a legalidade das despesas e das aplicações de recursos da AGEPOLJUS; II - fiscalizar a contabilidade da AGEPOLJUS; III - apreciar o plano de trabalho e o orçamento anual para o exercício seguinte, emitindo parecer a ser apresentado na Assembléia Geral Ordinária de novembro; IV - convocar Assembléia Geral para denunciar as irregularidades que verificar na gestão administrativa e financeira, indicando os responsáveis e as medidas cabíveis no caso; V - comparecer às reuniões da Diretoria da AGEPOLJUS quando solicitado; VI - requisitar informações, livros, documentos e papeis junto à Diretoria da AGEPOLJUS; VII - convocar, quando necessário, quaisquer membros da Diretoria da AGEPOLJUS às suas reuniões para esclarecimento. Art.14. O Conselho Fiscal será constituído de três membros titulares e de três suplentes, eleitos em Assembléia Geral Ordinária Eletiva pelos associados da AGEPOLJUS, com mandato de três anos. Art.15. O Presidente do Conselho Fiscal é eleito entre seus membros titulares, na primeira reunião, após a eleição do Conselho Fiscal, cabendo a este órgão comunicar o resultado da eleição à Diretoria da AGEPOLJUS. Art. 16. Excepcionalmente, em caso de destituição coletiva do Conselho Fiscal, ou em situações emergenciais, pode ser determinada pela Assembléia Geral a indicação de um Conselho Fiscal provisório, que atua por um período de, no máximo, noventa dias. Art. 17. Ao renunciar, o membro do Conselho Fiscal tem de fazê-lo por escrito, motivando as razões da renúncia. 1º No caso de vacância da Presidência do Conselho Fiscal, esse Conselho se reúne para eleger o novo Presidente dentre os membros titulares. 2º A vaga aberta no Conselho Fiscal é preenchida pelo primeiro suplente, passando o segundo a primeiro e o terceiro a segundo. 3º No caso de vacância de três cargos, suplentes ou titulares do Conselho Fiscal, é convocada Assembléia Geral Extraordinária, no prazo de trinta dias, para preenchimento de vagas, salvo se, faltando noventa dias para a eleição do novo Conselho Fiscal, o colegiado entender desnecessário o imediato preenchimento das vagas. Art. 18. O membro do Conselho Fiscal que não comparecer a três reuniões consecutivas ou seis intercaladas, sem justificativa, é automaticamente destituído do seu cargo. 3

4 Parágrafo único. No caso de destituição automática de seu Presidente, o Conselho Fiscal se reúne para eleger seu substituto entre seus membros titulares e o processo de preenchimento de vagas é idêntico ao previsto nos 2º e 3º do art. 17. Art. 19. O Conselho Fiscal deve reunir, ordinariamente, uma vez por mês e, extraordinariamente, quando convocado pelo Presidente. 1º As reuniões do Conselho Fiscal são convocadas pelo seu Presidente ou, na ausência ou omissão, por qualquer outro membro do Conselho Fiscal. 2º As reuniões do Conselho Fiscal são dirigidas pelo seu Presidente ou, na sua ausência, por membro eleito entre os presentes. Art. 20. As decisões tomadas em reunião do Conselho Fiscal são registradas em ata, onde são também consignadas as presenças dos participantes. Art.21. Quaisquer decisões do Conselho Fiscal, inclusive as de natureza eletiva, são tomadas por maioria simples de votos, observadas a presença mínima de dois membros. Parágrafo único. O suplente tem efetivamente direito a voto quando substituir um membro titular, mas em quaisquer casos pode se manifestar. CAPÍTULO V DA DIRETORIA Art. 22. A Diretoria, composta pelo Presidente, Vice-Presidente e pelos Diretores, é o órgão executivo da AGEPOLJUS, sendo de sua competência; I cumprir e fazer cumprir este estatuto e as deliberações da Assembléia Geral; II propor à Assembléia Geral a reforma total ou parcial deste estatuto; III propor à Assembléia Geral a criação de contribuições e taxas adicionais, bem como o aumento da mensalidade, nos termos do inciso VII do art. 7º do estatuto; IV - zelar pelo patrimônio da AGEPOLJUS, tomando medidas necessárias à indenização de danos e prejuízos causados por associados ou terceiros; V elaborar e propor ao Conselho Fiscal e Assembléia Geral o Plano de trabalho e o orçamento anual para o exercício subseqüente, bem como suas eventuais alterações; VI elaborar e submeter ao Conselho Fiscal o balanço anual e o balancete mensal com as respectivas prestações de contas e o relatório anual de atividades da AGEPOLJUS; VII submeter, para apreciação e aprovação da Assembléia Geral, o balanço e o relatório anual de atividades da AGEPOLJUS, já com o parecer do Conselho Fiscal; VIII executar o plano de trabalho e o orçamento anual aprovados pela Assembléia Geral; IX prestar informações aos associados nas Assembléias Gerais e através do órgão de divulgação da AGEPOLJUS; X adquirir, construir, reformar, gravar, doar ou alienar bens móveis patrimoniais, bem como firmar contratos com entes públicos ou privados, observados os limites deste estatuto e os objetivos da AGEPOLJUS; XI expedir regulamentos; XII admitir e dispensar empregados da AGEPOLJUS. XIII estabelecer as normas internas para o seu funcionamento XIV Aprovar propostas de novos associados nos três meses antecedentes a convocação da Assembléia Geral para eleição da nova Diretoria e Conselho Fiscal. 1º O Balanço e o Relatório anuais devem ser submetidos ao Conselho Fiscal na primeira quinzena do mês de abril de cada ano. 2º O Plano de Trabalho e o Orçamento anual devem ser submetidos à Assembléia Geral do mês de novembro de cada ano com parecer do Conselho Fiscal. 3º O Balanço mensal deve ser submetido ao Conselho Fiscal na primeira quinzena do mês posterior. 4º Os empregados da AGEPOLJUS são contratados pelo regime da Consolidação das Leis do Trabalho CLT. 5º É vedada a admissão de associados no quadro de empregados da AGEPOLJUS, como também, cônjuges, companheiro (a) e parentes até o terceiro grau de membros da Diretoria e do Conselho Fiscal. 4

5 Art. 23. Os membros da Diretoria não respondem solidariamente pelas obrigações contraídas em nome da AGEPOLJUS no exercício de ato regular de sua gestão, assumindo a responsabilidade pelos prejuízos que causarem em virtude de infração a este estatuto e a lei. Art. 24. A Diretoria da AGEPOLJUS tem a seguinte composição: I - Presidente; II - Vice Presidente; III - Diretor Financeiro; IV - Diretor Administrativo; V - Diretor de Qualificação e Treinamento; VI - Diretor Jurídico; VII - Diretor Social; VIII - Diretores Regionais. 1º - Cada Diretor Regional, componente efetivo da Diretoria, com direito de voz e voto de forma paritária com os demais componentes da mesma e mesmo nível hierárquico dos demais diretores na estrutura da Diretoria, pode representar mais de um Estado da Federação ou o Distrito Federal, ou ainda pode haver mais de um Diretor Regional representante de um mesmo Estado, a critério da Diretoria a partir da 2º gestão de representantes, obedecidas a necessidade e representatividade de cada região. 2º - Ao eleger o Diretor Regional pelo maior número de votos, elege-se também o segundo mais votado para suplente, que assume o cargo em caso de afastamento provisório ou definitivo do Diretor titular. 3º. As deliberações da Diretoria são tomadas por maioria simples dos presentes, sendo exigido o quorum de, no mínimo, 4(quatro) diretores para instalação da reunião da Diretoria, sendo registrados, em ocorrendo ou não a instalação, os presentes e consignadas as faltas e, se houver, suas justificativas. Art. 25. Compete ao Presidente: I administrar a AGEPOLJUS em conformidade com o presente estatuto e outras normas que vierem a ser baixadas pela Assembléia Geral; II propor à Assembléia Geral a reforma total ou parcial deste estatuto; III propor à Assembléia Geral a criação de contribuições e taxas adicionais, nos termos deste estatuto e observância das normas pertinentes; IV zelar pelo patrimônio da AGEPOLJUS, buscando medidas à indenização de danos e prejuízos causados por associados ou terceiros; V elaborar e submeter, para parecer, ao Conselho Fiscal o balanço anual e o balancete mensal com as respectivas prestações de contas, e o relatório anual de atividades da AGEPOLJUS; VI encaminhar para apreciação e aprovação da Assembléia Geral o disposto no inciso anterior; VII propor a criação de órgãos auxiliares com o objetivo de dinamizar o funcionamento da Diretoria; VIII articular-se com diretorias de outras associações congêneres; IX propor a nomeação ou dispensa dos Diretores dos órgãos que forem criados na forma do inciso VII, deste artigo; X receber e aprovar propostas de novos associados, com homologação do Diretor Social e/ou Diretor Financeiro; XI contratar e dispensar funcionários, respeitadas as normas legais e disponibilidades financeiras; XII manter sempre atualizados os livros de atas destinados às reuniões da Diretoria; XIII adquirir, construir, reformar, locar, gravar, doar ou alienar bens móveis patrimoniais, formar contratos com órgãos das administrações públicas ou setor privado, no interesse da AGEPOLJUS ou de seus associados; XIV representar a AGEPOLJUS em juízo ou fora dele, delegando poderes sempre que necessário; XV convocar e presidir as reuniões da Assembléia Geral de acordo com este estatuto; XVI assinar toda correspondência da AGEPOLJUS e as carteiras de seus sócios, membros e colaboradores eventuais; 5

6 XVII assinar, com o Diretor Financeiro, todos os cheques e demais expedientes relativos às finanças e ao patrimônio da AGEPOLJUS, tais como: emissão de cheques, aplicações financeiras, operações de créditos, transferência de títulos de renda, escrituras públicas, etc. Art. 26. Compete ao Vice-Presidente: I substituir o Presidente nos seus impedimentos e auxiliá-lo quando solicitado, assistindo-o, acompanhando-o e assessorando-o na administração e propondo as soluções que julgar conveniente; II exercer as atribuições que lhe forem delegadas, na forma do inciso XVII do artigo anterior, podendo, nesses casos, assinar cheques e praticar os demais atos de interesse da administração; III substituir o Diretor Financeiro nos seus eventuais impedimentos e nesta condição, assinando sempre em conjunto com o Presidente da AGEPOLJUS. Art. 27. Compete ao Diretor Regional: I representar a AGEPOLJUS nas solenidades e audiências na sua região; II assinar documentos em nome da AGEPOLJUS, no âmbito da sua região, sempre em acordo com a Diretoria, dando ciência à AGEPOLJUS. III efetuar gastos de representação em nome da AGEPOLJUS, sempre em acordo e devidamente autorizado pela Diretoria, respeitando a cota que lhe for destinada em regulamento e prestando contas a AGEPOLJUS. IV representar sua região nas reuniões da Diretoria em paridade com os demais Diretores, contando sua presença como quorum para as decisões e não contando sua ausência como quorum deliberativo, o qual será de 4 (quatro) membros da Diretoria. Art. 28. Compete ao Diretor Administrativo: I assistir o Presidente na administração da AGEPOLJUS; II dirigir os trabalhos administrativos; III elaborar as correspondências da AGEPOLJUS; IV secretariar as reuniões, Assembléia Geral e da Diretoria sempre que não houver incompatibilidade ou quando não houver deliberação em contrário, nos termos deste estatuto; V lavrar e ler as atas das reuniões referidas no inciso anterior, mantendo em dia os livros respectivos; VI manter em dia o calendário dos eventos prescritos para o seu fiel cumprimento. Art. 29. Compete ao Diretor Financeiro: I dirigir o setor financeiro da AGEPOLJUS, fiscalizando serviços de contabilidade e de tesouraria, conferindo as fichas de consignações para a receita da Entidade; II - supervisionar a arrecadação da receita e depositá-la em conta bancária em nome da AGEPOLJUS, nos bancos escolhidos pela Diretoria; III efetuar os pagamentos autorizados pelo Presidente, na forma do inciso XVII do art.36; IV assinar, juntamente com o Presidente, os cheques e demais expedientes relativos às finanças e ao patrimônio da AGEPOLJUS; V apresentar, sempre que solicitado, as prestações de contas da AGEPOLJUS; VI apresentar ao Conselho Fiscal, juntamente com o Presidente, ao final do exercício social de cada ano, o balanço geral financeiro anterior e suas respectivas demonstrações de contas; VII apresentar à Diretoria, ao final de novembro de cada ano, a proposta de orçamento para o exercício seguinte; VIII manter sob sua guarda, em caixa forte ou sob custódia, títulos, valores e os demais documentos relacionados com o patrimônio da AGEPOLJUS; IX Manter o Presidente informado de alterações de caráter contábil/financeiro; X Acompanhar os serviços contábeis de auditoria que vier a ser contratada pela AGEPOLJUS para fins de juízo motivado ao Conselho Fiscal; XI abrir processos que envolvam quaisquer tipos de transações comerciais no âmbito da AGEPOLJUS, com as devidas justificativas, devendo constar numero, data e finalidade que se destina o objeto. 6

7 Art. 30. Compete ao Diretor Social: I promover a integração dos associados, por meio de ações que estejam diretamente ligadas aos objetivos da AGEPOLJUS, no sentido de realizar tarefas, atividades correlatas e eventos sociais; II coordenar e organizar eventos festivos e datas comemorativas da AGEPOLJUS; III coordenar, implantar e fomentar a circulação de periódicos e informativos de natureza cultural e artística; IV organizar apresentações artísticas e culturais, tais como bandas de musicas, grupos teatrais, músicos, interpretes, poetas, etc.; V organizar e fazer a composição da Mesa Diretora para reuniões e Assembléias. Art. 31. Compete ao Diretor de Qualificação e Treinamento; I buscar associação com instituições afins; II promover convênios assistenciais; III manter e zelar pelos equipamentos destinados à promoção da assistência e benefício dos associados; IV indicar profissionais das áreas diretamente ligadas à assistência e beneficio necessário para o bom desempenho das entidades; V solicitar prestação de serviços necessários à ampliação da assistência social; VI informar e colocar à disposição dos associados relação dos benefícios e assistências a que eles têm direito; VII promover estudos direcionados à formação e implantação de instituto de previdência privada, de natureza complementar para os associados; VIII promover ou solicitar ao órgão competente cursos de aperfeiçoamento dos Agentes de Seguranças e outros que se fizerem necessários. Art. 32. Compete ao Diretor Jurídico: I dar assistência jurídica à AGEPOLJUS; II contratar, juntamente com o Presidente, caso seja necessário, assessoria e consultoria jurídica; III acompanhar, dar andamento e manter os dados atualizados dos processos de interesse da AGEPOLJUS; IV acompanhar o Presidente sempre que for necessário. CAPÍTULO VI DO CONSELHO GERAL: Art. 33. O Conselho Geral é órgão de deliberação coletiva dos associados: 1º O Conselho é constituído de membros natos e eleitos em Assembléias Seccionais convocadas pela AGEPOLJUS, com intuito de eleger um representante de cada órgão do Judiciário. Cada membro eleito faz parte do Conselho coincidentemente com o mandato da Diretoria. 2º São membros natos do Conselho Geral, os membros da Diretoria, inclusive cada um dos Diretores Regionais, bem como os membros titulares do Conselho Fiscal e todo Ex- Presidente da AGEPOLJUS. 3º Ao Conselho Geral, cabe o trabalho de análise, elaboração e formulação de propostas a serem submetidas às instâncias diretivas e deliberativas, a fim de indicar as políticas e as estratégias mais coerentes para consecução dos objetivos da AGEPOLJUS determinados neste Estatuto. 4º Ao Conselho Geral, cabe, ainda, analisar matérias que a Diretoria definir como de grande impacto, de maior complexidade ou polêmicas, inclusive a propostas legislativas, sendo a decisão advinda de análise suscitada meramente indicativa. 5º O Conselho Geral pode discutir e deliberar por meio eletrônico, garantidas a documentação física, tanto das discussões quanto da deliberação. 6º O Conselho Geral pode é convocado para deliberar sobre matéria específica, com um mínimo de 10 dias de antecedência, pelo Presidente, pela Diretoria, ou por esta a pedido de um quinto dos membros do Conselho Geral, sem necessidade de um quorum mínimo para deliberação. 7

8 CAPÍTULO VII DAS ELEIÇÕES Art. 34. As Eleições Gerais são realizadas através de escrutínio secreto em Assembléia Geral especificamente convocada para esta finalidade ou através de mecanismos eletrônicos desde que garantido o sigilo, através de urnas instaladas em tribunais, a critério da Comissão Eleitoral, ou pode ser por aclamação, no caso de haver chapa única. Parágrafo único. É eleitor todo associado que na data da eleição estiver em dia com suas obrigações para com a AGEPOLJUS, ou seja, que já tenha sido descontada pelo menos sua primeira contribuição. Art. 35. A Assembléia Geral convocada para as eleições gerais será instalada em local e horário a serem definidos pela Diretoria da AGEPOLJUS na segunda quinzena do mês em que ocorre a eleição. Art. 36. A composição da mesa eleitoral é de um coordenador e dois secretários, designados por uma Assembléia Geral Extraordinária a ser convocada com 15 dias de antecedência. Cada chapa pode indicar até 2 fiscais. Art. 37. A Assembléia Geral para as eleições gerais é convocada com antecedência mínima de trinta dias, devendo a notificação ser fixada em locais acessíveis a todos os associados. Art. 38. Deve constar do Edital de Convocação das eleições: I - data das eleições; II - local da Assembléia; III - horário de início e término da votação; IV - informações complementares. Art. 39. A apuração é realizada imediatamente após o término da eleição com reunião de todas as urnas, nas presenças dos interessados, logo após, o Presidente da Comissão Eleitoral proclama os resultados, que devem ser publicados pelo órgão de divulgação da AGEPOLJUS. Art. 40. As chapas para a Diretoria e para o Conselho Fiscal da AGEPOLJUS, que devem ser independentes, são obrigatoriamente registradas até dez dias antes da data marcada para a eleição. Art. 41. Deve constar nas chapas apresentadas, um candidato para cada cargo definido para a Diretoria. Parágrafo Único. O Conselho Fiscal será composto de seis membros que são eleitos diretamente por meios de votação individual simultaneamente com a Diretoria da AGEPOLJUS, sendo membros efetivos os mais votados e suplentes os três subseqüentes. Art. 42. Cabe à Comissão Eleitoral, no prazo máximo de 48(quarenta e oito) horas do encerramento do registro, aprovar ou rejeitar as chapas registradas, observadas as seguintes condições: I nenhum candidato pode figurar em mais de uma chapa; II somente pode ser candidato o associado que na data de realização da eleição, tiver mais de seis meses de inscrição no quadro social e estiver em dia com suas obrigações para com a AGEPOLJUS. Art. 43. A nova Diretoria e o novo Conselho Fiscal tomam posse no prazo máximo de trinta dias contados da data das eleições gerais. CAPÍTULO VIII DOS ASSOCIADOS Art. 44. O quadro social da AGEPOLJUS compõe-se das seguintes categorias: I fundadores: 8

9 II efetivos; III honorários. 1º São considerados sócios fundadores aqueles que assinaram a Ata da Assembléia Geral de Fundação. 2º A categoria de sócios efetivos é constituída de Agentes de Seguranças do Poder Judiciário da União que ingressarem na associação após a fundação. 3º São sócios honorários aqueles aprovados pela Assembléia Geral mediante proposta da Diretoria ou de 20% dos associados, dentre pessoas que tenham prestado relevantes serviços a AGEPOLJUS. 4º Os sócios honorários são isentos de pagamento de quaisquer tipos de contribuições. 5º A Associação à AGEPOLJUS dar-se-á através de formulários preenchidos e enviados à sua Diretoria ou através do site da AGEPOLJUS. 6º Será desligado da AGEPOLJUS o associado que deixar de contribuir com a mensalidade por três meses consecutivos. 7º A readmissão do sócio inadimplente dar-se-á após a quitação dos débitos anteriores, cabendo recurso ao Conselho Geral e à Assembléia Geral, no caso de indeferimento inicial. 8º Os associados não são responsáveis solidaria e nem subsidiariamente pelas obrigações contraídas pela AGEPOJUS. Art. 45. A contribuição mensal do sócio fundador e efetivo é de 1% (um por cento) do valor do vencimento básico do associado. Art. 46. A contribuição mensal é paga por meio de desconto em folha de pagamento ou, na impossibilidade, através de recolhimento direto à AGEPOLJUS, até o vigésimo quinto dia útil de cada mês a que corresponder à mensalidade. Art. 47. São considerados dependentes do associado: I o cônjuge ou companheiro (a); II os filhos até a idade de dezoito anos ou até 24(vinte e quatro) anos quando sem rendimento próprio e estudante em curso de ensino superior regular; III pais inválidos ou quando dependentes economicamente do associado; IV menor sob a guarda e responsabilidade do associado; V outros que, comprovadamente, estejam sob a dependência econômica do associado, observado as disposições das normas internas. Art. 48. São direitos dos associados: I participar de todas as atividades promovidas pela AGEPOLJUS; II utilizar todos os serviços assistenciais e convênios firmados pela AGEPOLJUS; III propor medidas de interesse comum à Diretoria; IV acesso aos documentos financeiros, contábeis, administrativos, etc. da AGEPOLJUS, nos termos do regulamento interno; V convocar com, no mínimo, 20% dos associados, os órgãos deliberativos da entidade. Art. 49. São deveres dos associados, freqüentadores e de seus dependentes: I observar as disposições contidas no estatuto e nos atos regulamentares em vigor; II acatar as decisões emanadas dos órgãos da Administração da AGEPOLJUS, desde que não atinjam seus direitos de pessoas e de associados; III cumprir os compromissos contraídos perante AGEPOLJUS; IV - zelar pelo patrimônio da AGEPOLJUS; V - participar, quando convocado, das reuniões do Conselho Fiscal ou da Diretoria. CAPITULO IX DA DISCIPLINA Art. 50. Aos associados e dependentes que infringirem as normas vigentes ou as prescrições emanadas, podem ser aplicadas as seguintes penas: I advertência; 9

10 II suspensão; III desligamento. Art. 51. As penalidades são aplicadas pela Diretoria, após deliberação em reunião, assegurados o contraditório e a ampla defesa. Parágrafo único. Os associados que forem penalizados pela Diretoria nos termos dos art. 52 podem recorrer em ultima instância, à Assembléia Geral seguinte. Art. 52. Os Convidados dos associados que infringirem as normas vigentes ficam proibidos de participar das atividades da AGEPOLJUS. Art. 53. As penalidades de que trata este capítulo são objeto de disciplinamento em norma própria, a ser baixada pela Diretoria. CAPÍTULO X DO PATRIMÔNIO Art. 54. O patrimônio da AGEPOLJUS é constituído pelos bens móveis e imóveis, receitas e títulos que a Associação possua ou venha a adquirir. 1º Os bens imóveis só podem ser alienados por decisão da Assembléia Geral. 2º Em caso de dissolução da AGEPOLJUS, seu patrimônio é distribuído no que couber, a entidades filantrópicas, devidamente registradas no Conselho Nacional de Serviço Social e reconhecidas como de utilidade pública. Art. 55. Constituem-se receitas da AGEPOLJUS: I as contribuições dos associados; II o produto da prestação de serviços; III as subvenções oriundas de órgãos públicos ou setores privados; IV os legados e doações; V recursos oriundos de aplicações financeiras. CAPÍTULO XI DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS Art. 56. São símbolos da AGEPOLJUS o Estandarte, a Flâmula e o Logotipo, cuja escolha será regulamentada pela Diretoria. Art. 57. O presente Estatuto entra em vigor na data de sua aprovação e, para fins de direito, cabendo ao Presidente a iniciativa de sua inscrição em Cartório de Registro Civil das Pessoas Jurídicas. Art. 58. Os casos omissos são decididos em Assembléia Geral. Brasília, 27 de outubro de EDMILTON GOMES DE OLIVEIRA Presidente 10

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO

CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO CLUBE DE SEGUROS DE PESSOAS E BENEFÍCIOS DO ESTADO DO PARANÁ CVG/PR ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEUS FINS, SEDE E DURAÇÃO ARTIGO 1º O Clube de Seguros de Pessoas e Benefícios do Estado

Leia mais

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET.

ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. ABDEPP/Freinet ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO, ESTUDOS E PESQUISAS DA PEDAGOGIA FREINET. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FORO ART. 1 o - Sob a denominação de ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA PARA DIVULGAÇÃO,

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES

REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES REGIMENTO INTERNO DA ASSOCIAÇÃO DOS EMPREGADOS DE NÍVEL UNIVERSITÁRIO DA CEDAE DAS FINALIDADES Art.1º- O presente Regimento Interno elaborado na forma do artigo 35 (Trinta e cinco) do Estatuto tem por

Leia mais

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e,

DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais e, DECRETO Nº 38.125 DE 29 DE NOVEMBRO DE 2013 Cria a Empresa Pública de Saúde do Rio de Janeiro S/A RIOSAÚDE e aprova seu Estatuto. O PREFEITO DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, no uso de suas atribuições legais

Leia mais

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente.

e) Liberdade assistida; f) Semiliberdade; g) Internação, fazendo cumprir o Estatuto da Criança e do Adolescente. REGIMENTO INTERNO DO COMDICA Título I DO CONSELHO MUNICIPAL DOS DIREITOS DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE Capítulo I - DA NATUREZA Art.1º - O Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente COMDICA,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE FACULDADES ESTATUTO DA ABRAFI ESTATUTO DA ABRAFI ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DAS MANTENEDORAS DE Título I Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Capítulo Único Da Natureza, Sede, Duração e Finalidades Associativas Art. 1 - A Associação

Leia mais

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos

NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO. Capítulo I. Da entidade e seus objetivos Versão Final NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL ESTATUTO Capítulo I Da entidade e seus objetivos Art. 1º - O NÚCLEO AMIGOS DA TERRA / BRASIL, é uma pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos,

Leia mais

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES

COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES COLÉGIO BRASILEIRO DE CIRURGIA DIGESTIVA CBCD CNPJ: 61.569.372/0001-28 REGIMENTO INTERNO CAPÍTULO I DAS FINALIDADES Artigo 1 - Este Regimento Interno tem por fim estabelecer a sistemática administrativa

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS. CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS CAPÍTULO I Da Denominação, Natureza Jurídica, Sede e Regime a que se submete. Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO TRIUNFO DE DEUS, doravante, neste estatuto, denominada pelo

Leia mais

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI

ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI ESTATUTO DO SERVIÇO SOCIAL AUTÔNOMO AGÊNCIA BRASILEIRA DE DESENVOLVIMENTO INDUSTRIAL - ABDI I - DA DENOMINAÇÃO,

Leia mais

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social

Jeep Clube de Brasília. Estatuto Social Jeep Clube de Brasília Estatuto Social CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO NATUREZA E FINS Art. 1º O JEEP CLUBE DE BRASÍLIA, com a sigla JCB, fundado em 17 de junho de 1989, é uma sociedade civil sem fins lucrativos,

Leia mais

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem

Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem Ministério da Educação Universidade Federal de Santa Maria Centro de Educação Superior Norte - RS/UFSM Departamento de Enfermagem REGIMENTO INTERNO DO CURSO DE ENFERMAGEM UFSM/CESNORS TÍTULO I: DO REGIME

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Regimento Interno do Conselho Superior do Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia de Alagoas. CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho Superior, instituído pela Lei n 11.892,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL. CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DE EX-ALUNOS DO CENTRO UNIVERSITÁRIO DO DISTRITO FEDERAL CAPÍTULO I - Da Associação e finalidades Art. 1º A Associação dos ex alunos do Centro Universitário do Distrito Federal doravante

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Finalidade Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO EVANGÉLICA LITERÁRIA PENDÃO REAL, adiante denominada simplesmente

Leia mais

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS

CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS CENTRO ACADÊMICO IAG PAULO MARQUES DOS SANTOS C.A.P.M.S. ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO E SEUS FINS Artigo 1º. O Centro Acadêmico IAG Paulo Marques dos Santos C.A.P.M.S. dos estudantes de Geofísica

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL

ESTATUTO SOCIAL ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL 1 ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E TEMPO DE DURAÇÃO Artigo 1º - Fica constituída a ASSOCIAÇÃO MANTENEDORA DO PROJETO AÇÃO SOCIAL,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV c A ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS AMIGOS DA ESCOLA DE ARTES VISUAIS-AM EAV ADAPTAÇÃO AO CÓDIGO CIVIL LEI N" 10.406/2002 DESIGNAÇÃO E SEDE Artigo Io - A associação terá a denominação de Associação dos Amigos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE

ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE ESTATUTO SOCIAL DA ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC CAPÍTULO I - DA ORGANIZAÇÃO E FINALIDADE Art. 1º. - A ASSOCIAÇÃO DE ASSISTÊNCIA MÚTUA À SAÚDE SBC, fundada em 26.11.62 sob denominação de

Leia mais

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br

CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br CDT - TELEFONE: 3248.1018 / 3248.1019 - PESSOAS JURÍDICAS - e-mail: pj@cdtsp.com.br SUGESTÃO de texto para estatuto de constituição de Associações. Observação: As informações deste arquivo deverão ser

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE EXTENSÃO CAPÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES Art. 1. Este Regimento dispõe sobre a composição, competências e funcionamento do Conselho de Extensão (CoEx), órgão colegiado

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO AGILE ALLIANCE BRAZIL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E DURAÇÃO Artigo 1º - Sob a denominação de AGILE ALLIANCE BRAZIL, foi instituída em 14/11/2013, uma pessoa jurídica de direito

Leia mais

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos».

Os sócios da Liga são ordinários ou honorários, designando-se por «Amigos». CAPÍTULO I (Denominação, natureza e fins) Artigo 1º 1 A Liga dos Amigos do Hospital Geral de Santo António é uma associação apolítica e inconfessional com sede na Cidade do Porto, Largo Professor Abel

Leia mais

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS

DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS ELEIÇÃO PARA A DIRETORIA EXECUTIVA E CONSELHO FISCAL NACIONAL TRIÊNIO 2016-2019 DISPOSITIVOS ESTATUTÁRIOS CAPÍTULO III DOS DIREITOS E DEVERES DOS ASSOCIADOS/FILIADOS SEÇÃO I DOS DIREITOS Art. 10º - São

Leia mais

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO - CAACCH E S T A T U T O CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ARTIGO 1º - O CENTRO DE ATENDIMENTO AO ADOLESCENTE E À CRIANÇA COM HUMANISMO

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev

ESTATUTO SOCIAL. FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev ESTATUTO SOCIAL FUNDO DE PENSÃO MULTINSTITUÍDO DA ASSOCIAÇÃO PAULISTA DE CIRURGIÕES DENTISTAS - APCDPrev Setembro/2015 ÍNDICE CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF. Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS ESTATUTO DO INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF ADAPTSURF Capítulo I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - O INSTITUTO ADAPTAÇÃO E SURF - ADAPTSURF, doravante designado por entidade, constituído em 30/12/2007,

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO PIRANGUÇUENSE DE ARTESANATO CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A Associação Piranguçuense de Artesanato, doravante denominada APA, fundada em 04 de outubro de 2008, é

Leia mais

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP

ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP ESTATUTO DE ORGANIZAÇÃO DA SOCIEDADE CIVIL DE INTERESSE PUBLICO/OSCIP Capitulo I Da DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º - A Afinidades GLSTAL Gays, Lésbicas, Simpatizantes e Transgênero de Alagoas também

Leia mais

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE

REGULAMENTO INTERNO I. DENOMINAÇÃO / SEDE I. DENOMINAÇÃO / SEDE Art.º 1.º A Instinto, Associação Protetora de Animais da Covilhã, é uma associação sem fins lucrativos, que se rege pelos Estatutos, pelo presente Regulamento Interno e demais disposições

Leia mais

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO

ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO 1 ESTATUTO DO INSTITUTO MENINOS DO LAGO ESTATUTO 2011 2 SUMÁRIO CAPÍTULO TÍTULO I Da Denominação, Sede e Fins II Dos Associados III Da Administração IV Do Patrimônio V Da Prestação de Contas VI Das Disposições

Leia mais

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM.

Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM. Quadro Comparativo das Alterações Propostas ao Estatuto da CAIXA DE ASSISTÊNCIA E PREVIDÊNCIA FÁBIO DE ARAUJO MOTTA - CASFAM 1 Estatuto CASFAM CAPITULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E OBJETO CAPITULO I

Leia mais

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT

ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ESTATUTO FUNDAÇÃO DE SEGURIDADE SOCIAL BRASLIGHT ÍNDICE CAPÍTULO I - Da Denominação, Sede e Foro... 4 CAPÍTULO II - Dos Objetivos... 4 CAPÍTULO III - Do

Leia mais

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II

ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES do LOTEAMENTO TURISTICO ANDURALUA II O presente Estatuto foi elaborado em conformidade com a Lei 10.406 de 2002 Novo Código Civil. ASSOCIAÇÃO DOS MORADORES..., doravante simplesmente

Leia mais

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO

CONSELHO MUNICIPAL DE CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO REGIMENTO INTERNO REGIMENTO INTERNO Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação CAPÍTULO I Disposições Gerais Artigo 1º O Conselho Municipal de Ciência, Tecnologia e Inovação (CMCTI/Campinas), criado pela Lei Municipal

Leia mais

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II

REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULO II REGIMENTO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR-CAE CAPÍTULOI DA NATUREZA E FINALIDADE Art. 1º. O Conselho de Alimentação Escolar - CAE, do Município de Sorriso-MT criado por meio da Lei municipal nº 870

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI

ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO SOCIAL DO CRPSI ESTATUTO REGISTRADO NO CARTÓRIO DE REGISTRO CIVIL DAS PESSOAS JURÍDICAS DA COMARCA DE CONCEIÇÃO DO COITÉ BAHIA, sob Número: 6.893, protocolo 2, fls. 117, Registro n.º 477, livro

Leia mais

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO

ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO IRMÃO JOSÉ OTÃO Capítulo I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1 A Fundação Irmão José Otão (FIJO), pessoa jurídica de direito privado, sem fins lucrativos, instituída pela União

Leia mais

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004.

DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. DECRETO Nº 5.933, DE 20 DE ABRIL DE 2004. (PUBLICADO NO DOE DE 26.04.04) Este texto não substitui o publicado no DOE Regulamenta a Lei nº 14.546, de 30 de setembro de 2003, que dispõe sobre a criação do

Leia mais

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

REGIMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS URBANOS - NEURB CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I

CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I 1 CÂMARA PORTUGUESA DE COMÉRCIO E INDÚSTRIA DO RIO DE JANEIRO C.N.P.J. 42.519.785/0001-53 ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Denominação, Sede, Natureza Jurídica, Duração e Fins Artigo 1º A CÂMARA PORTUGUESA DE

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro

ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro ESTATUTO SOCIAL DE CONSTITUIÇÃO DA ASSOCIAÇÃO CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Foro Artigo 1º A Associação dos Gestores de Tecnologia da Informação do Estado de Sergipe, denominada também pela sigla CIO-SE,

Leia mais

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO

CAPÍTULO I. Parágrafo Único - Sua duração é por tempo indeterminado. CAPÍTULO II DAS ATIVIDADES DA FUNDAÇÃO ESTATUTO DA FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA JURÍDICA, SEDE E FORO Artigo 1º - A FUNDAÇÃO HOSPITAL SANTA LYDIA, cuja instituição foi autorizada pela Lei Complementar nº

Leia mais

FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS. TÍTULO I Da Entidade

FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS. TÍTULO I Da Entidade FACULDADE PALOTINA DE SANTA MARIA ESTATUTO DO DIRETÓRIO ACADÊMICO DE ADMINISTRAÇÃO DA FAPAS TÍTULO I Da Entidade Artigo 1º - O Diretório Acadêmico de Administração da Faculdade Palotina de Santa Maria,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO:

ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I - DA DENOMINAÇÃO, TEMPO DE DURAÇÃO, SEDE E FINS DA ASSOCIAÇÃO: Art. 01º - A Associação de Promoção à Assistência Social, Educacional e de Desenvolvimento Econômico de Goiás,

Leia mais

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso

ASSEITE-MT Associação das Empresas de Informática e Telecomunicações de Mato Grosso ESTATUTO SOCIAL DA ASSEITE-MT Data de Fundação: 12 de agosto de 1985. ÍNDICE GERAL Capítulo I - Identidade Social... 03 Capítulo II Objetivos... 03 Capítulo III Associados... 04 Capítulo IV Rendas... 07

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS - LHCMA Capítulo I - Da Natureza e Finalidade ART. 1º - A LIGA DE HOMEOPATIA DA CIÊNCIAS MÉDICAS é uma entidade sem fins lucrativos, com duração

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015)

REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO FISCAL (Aprovado pela Resolução CONDEL n o 027/2015, de 2/9/2015) CAPÍTULO I INTRODUÇÃO Art. 1 o Este Regimento Interno do Conselho Fiscal CONFI estabelece as normas que complementam

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER

REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER REGIMENTO INTERNO DO SECRETARIADO NACIONAL DA MULHER PREÂMBULO O Estatuto do PSDB, aprovado em 1988, previu em sua Seção V, art. 73, 2º a criação do Secretariado da Mulher como parte integrante da Executiva

Leia mais

Associação Brasileira de Pesquisadoras e Pesquisadores pela Justiça Social - ABRAPPS ESTATUTO

Associação Brasileira de Pesquisadoras e Pesquisadores pela Justiça Social - ABRAPPS ESTATUTO Associação Brasileira de Pesquisadoras e Pesquisadores pela Justiça Social - ABRAPPS ESTATUTO CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO Art. 1º. A Associação Brasileira de Pesquisadoras e Pesquisadores

Leia mais

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS

ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS ESTATUTO DO CAMPESTRE CLUBE GILDA BARBOSA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE, DURAÇÃO E FINS Artigo 1º - A Entidade constitui-se de uma associação civil, sem fins lucrativos, com duração por tempo indeterminado

Leia mais

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições,

O PREFEITO MUNICIPAL DO SALVADOR, CAPITAL DO ESTADO DA BAHIA, no uso de suas atribuições, CONSELHOS COMUNITÁRIOS Órgão/Sigla: Natureza Jurídica: Vinculação: Finalidade: CONSELHOS COMUNITÁRIOS ORGAO COLEGIADO GABINETE DO PREFEITO Tornar os cidadãos parte ativa no exercício do governo, mediante

Leia mais

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O

MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais E S T A T U T O MERCANTIL DO BRASIL FINANCEIRA S.A. CRÉDITO, FINANCIAMENTO E INVESTIMENTOS Sede: Belo Horizonte Minas Gerais CAPÍTULO I Denominação, Sede, Objeto e Prazo E S T A T U T O Art. 1º - A Mercantil do Brasil

Leia mais

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários

ESTATUTO DAS LIGAS ACADÊMICAS Diretoria de Extensão e Assuntos Comunitários ESTATUTO DA LIGA ACADÊMICA DE CITOLOGIA CLÍNICA Capítulo I Da Natureza e Finalidade Art. 1º. A Liga de Citologia Clínica é uma entidade sem fins lucrativos, com duração ilimitada, sob a supervisão da da

Leia mais

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS

GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS GRUPO DE AJUDA A CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO REFORMA DO ESTATUTO SOCIAL Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º. O GRUPO DE AJUDA À CRIANÇA CARENTE COM CÂNCER-PERNAMBUCO também designado

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011.

RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. RESOLUÇÃO Nº 1628/CUN/2011. Dispõe sobre Criação de Regimento Interno da Comissão de Ética no Uso de Animais - CEUA/URI. O Reitor da Universidade Regional Integrada do Alto Uruguai e das Missões - URI,

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES

ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES ESTATUTO SOCIAL DA UNIÃO NACIONAL DAS COOPERATIVAS DA AGRICULTURA FAMILIAR E ECONOMIA SOLIDÁRIA - UNICAFES CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, FINALIDADE, SEDE, FORO E DURAÇÃO. Art. 1º - A União Nacional das Cooperativas

Leia mais

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL

ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI - Estatuto Social ESTATUTO SOCIAL ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO, NATUREZA, OBJETIVOS E QUADRO SOCIAL Artigo 1º - A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE AVALIAÇÃO DE IMPACTO ABAI, neste Estatuto designada, simplesmente, como Associação

Leia mais

Capítulo I das Atividades do Conselho

Capítulo I das Atividades do Conselho REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ALIMENTAÇÃO ESCOLAR DA REDE MUNICIPAL DE ENSINO DE ITARANTIM BA, DE ACORDO COM A LEI Nº 11.947/2009 E RESOLUÇÃO/CD/FNDE Nº 038/2009. Capítulo I das Atividades do Conselho

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE POLÍTICAS, DIREITO, ECONOMIA E TECNOLOGIAS DAS COMUNICAÇÕES CCOM/UnB

REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE POLÍTICAS, DIREITO, ECONOMIA E TECNOLOGIAS DAS COMUNICAÇÕES CCOM/UnB REGIMENTO INTERNO DO CENTRO DE POLÍTICAS, DIREITO, ECONOMIA E TECNOLOGIAS DAS COMUNICAÇÕES CCOM/UnB Capítulo I Da Natureza e das Finalidades Art. 1º O Centro de Políticas, Direito, Economia e Tecnologias

Leia mais

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO

ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL. I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO ASSOCIATION INTERNATIONALE DE DROIT DES ASSURANCES SECTION BRASILIENNE ESTATUTO SOCIAL I) Capítulo I - DA DENOMINAÇÃO SOCIAL, SEDE E DURAÇÃO Art. 1º - A "ASSOCIAÇÃO INTERNACIONAL DE DIREITO DE SEGURO -

Leia mais

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas.

e) A sustentação das vertentes científica e técnica nas actividades dos seus membros e a promoção do intercâmbio com entidades externas. ASSOCIAÇÃO PORTUGUESA DE DISTRIBUIÇÃO E DRENAGEM DE ÁGUAS Capítulo I DISPOSIÇÕES GERAIS Artigo 1.º Natureza 1. A Associação Portuguesa de Distribuição e Drenagem de Águas (APDA) é uma associação sem fins

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO. Disposições Preliminares ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA COOPERATIVA DE CRÉDITO RURAL COOPERCITRUS - CREDICITRUS CAPÍTULO I DA ORGANIZAÇÃO Disposições Preliminares Art. 1º - A ASSOCIAÇÃO DOS FUNCIONÁRIOS DA CREDICITRUS,

Leia mais

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL

ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL ESTATUTOS SOCIAIS CAPÍTULO I DA ASSOCIAÇÃO, SEUS FINS E PATRIMÔNIO Art.1º A ASSOCIAÇÃO SUIÇO-VALESANA DO BRASIL, fundada em 07 (sete) de junho do ano de mil novecentos

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO

ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO ESTATUTO SOCIAL CASA DO CUIDAR CAPÍTULO I DA NATUREZA, DENOMINAÇÃO, SEDE E PRAZO Art. 1º - A Casa do Cuidar é uma associação civil, de direito privado, sem fins lucrativos e econômicos e duração por tempo

Leia mais

Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA

Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA Sociedade Brasileira de Engenharia Naval - SOBENA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I DENOMINAÇÃO E SEDE, FINALIDADES, REPRESENTAÇÕES REGIONAIS E FONTES DE RECURSOS Seção Da Denominação e Sede Art. 1º - A SOCIEDADE

Leia mais

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS

PREFEITURA DE PALMAS SECRETARIA MUNICIPAL DE GOVERNO E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS DECRETO Nº 1.153, DE 30 DE NOVEMBRO DE 2015. Aprova o Regimento Interno do Conselho Gestor do Programa de Parcerias Público-Privadas do município de Palmas. O PREFEITO DE PALMAS, no uso das atribuições

Leia mais

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013.

MUNICÍPIO DE CRUZEIRO DO SUL - ACRE GABINETE DO PREFEITO MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. Pág. 1 de 7 MEDIDA PROVISÓRIA N 002/2013, DE 14 DE MARÇO DE 2013. DO: PODER EXECUTIVO AO: PODER LEGISLATIVO DISPÕE SOBRE A POLÍTICA MUNICIPAL DE ATENDIMENTO DOS DIREITOS DO IDOSO, CRIA O FUNDO MUNICIPAL

Leia mais

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato

SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL. Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato SINDICATO DAS LAVANDERIAS E SIMILARES DO RIO GRANDE DO SUL SINDLAV/RS ESTATUTO SOCIAL Capítulo I Constituição e Finalidades do Sindicato Capítulo II Dos Associados dos Direitos e Deveres Capítulo III Da

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto

ESTATUTO SOCIAL. CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Foro, Prazo De Duração E Objeto Artigo 1º A UPTICK PARTICIPAÇÕES S.A. é uma sociedade anônima de capital autorizado, que se rege pelas leis e usos do comércio,

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE

ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE ESTATUTO DO CENTRO ESTUDANTIL UNIFICADO DO INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO RIO GRANDE DO SUL CAMPUS RIO GRANDE Capítulo I Da denominação, natureza, sede, regimento e duração Artigo

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01

ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 ESTATUTO SOCIAL CONSELHO REGIONAL DE ÓPTICA E OPTOMETRIA DO ESTADO DE SÃO PAULO (CROO-SP) CNPJ N 04.851.786/0001-01 CAPÍTULO I DA FINALIDADE, SEDE, DENOMINAÇÃO, DURAÇÃO E PATRIMÔNIO. ART. 1º - O Conselho

Leia mais

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE

INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO. Capítulo I - FINALIDADE INSTITUTO FENASBAC DE EXCELÊNCIA PROFISSIONAL - I.FENASBAC REGIMENTO INTERNO Capítulo I - FINALIDADE Artigo 1º - O Instituto FENASBAC tem as seguintes finalidades: I. promover a geração de conhecimento,

Leia mais

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais.

Art. 1º. Aprovar as alterações do Estatuto da Universidade Federal de Juiz de Fora, com sede na cidade de Juiz de Fora, Estado de Minas Gerais. Portaria 1.105, de 28 de setembro de 1998 O Ministro de Estado da Educação e do Desporto, usando da competência que lhe foi delegada pelo Decreto 1.845, de 28 de março de 1996, e tendo em vista o Parecer

Leia mais

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO

ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO ANEXO REGIMENTO INTERNO DO CURSO UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE PSICOLOGIA CURSO DE MESTRADO EM PSICOLOGIA REGIMENTO INTERNO DO CURSO CAPÍTULO

Leia mais

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA

Estatuto Social. Interaction Design Association IxDA-CURITIBA Estatuto Social Interaction Design Association IxDA-CURITIBA CAPÍTULO I Da Denominação, Sede e Finalidades Art. 1º A Interaction Design Association Capítulo Curitiba, também designada simplesmente como

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE. Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005.

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE. Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE PSICOLOGIA ESCOLAR E EDUCACIONAL ABRAPEE I Leis 10.406/2002 e 11.127, de 28 de junho de 2005. ARTIGO 1 - DENOMINAÇÃO, SEDE, FINALIDADE E DURAÇÃO A ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL A A F C E P

ESTATUTO SOCIAL A A F C E P A A F C E P A s s o c i a ç ã o d o s A u d i t o r e s F i s c a i s d e C o n t r o l e E x t e r n o d o T r i b u n a l d e C o n t a s d o E s t a d o d o P i a u í ESTATUTO SOCIAL Teresina, fevereiro

Leia mais

Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS

Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS Instituto de Investimentos ESTATUTO GERAL DO INSTITUTO DE INVESTIMENTOS AGOSTO 2011 DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, SEDE, FINS E DURAÇÃO Art. 1º O Instituto de Investimentos, assim denominado, e também chamado,

Leia mais

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE

CAPÍTULO I DA CONSTITUIÇÃO E FINALIDADE Preâmbulo Os representantes do CONFAUeD, reunidos em assembléia, no dia 30 de junho de 2011, para instituição dos regimentos dos seus laboratórios e núcleos, após deliberação aprovou o REGIMENTO INTERNO

Leia mais

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS.

Parágrafo primeiro A AGATEF tem sua sede na rua Cristóvão Colombo, 1773, conjunto 403, bairro Floresta, na cidade de Porto Alegre, RS. NOVO ESTATUTO SOCIAL DA AGATEF CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA E OBJETIVOS Artigo 1º A Associação Gaúcha de Terapia Familiar, com sigla AGATEF, fundada em 1º de outubro de 1994, é uma Associação sem

Leia mais

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes

Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes Estatuto Social da Associação Braileira de Redistribuição de Excedentes I DENOMINAÇÃO, SEDE, OBJETIVOS e DURAÇÃO Art. 1º. A Associação Brasileira de Redistribuição de Excedente, também designada pela sigla

Leia mais

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações.

ESTATUTO SOCIAL. Parágrafo 3 Poderão ser emitidas ações preferenciais até 2/3 (dois terços) do total de ações. ESTATUTO SOCIAL Pettenati S/A Indústria Têxtil Atualizado até 29/10/2010 ESTATUTO SOCIAL I Denominação, sede, objeto e duração da sociedade Art. 1º - A sociedade terá por denominação social Pettenati S/A

Leia mais

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração

SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração SUZANO PAPEL E CELULOSE S.A. Regimento Interno do Conselho de Administração Este Regimento Interno foi aprovado pelo Conselho de Administração da Suzano Papel e Celulose S.A. em 18 de fevereiro de 2016.

Leia mais

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins

CAPÍTULO I. Da Denominação, Sede, Duração e Fins CAPÍTULO I Da Denominação, Sede, Duração e Fins Artigo 1 - A Associação dos Auditores Fiscais da Prefeitura Municipal de Campinas é uma sociedade civil, com sede e foro na Cidade de Campinas, na rua General

Leia mais

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013

DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 DECRETO Nº 713, DE 1º DE ABRIL DE 2013 Publicado no DOE(Pa) de 02.04.13. Institui o Programa de Parcerias Público-Privadas PPP/PA e regulamenta o Conselho Gestor de Parcerias Público- Privadas do Estado

Leia mais

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS

SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS SECRETARIA DE DIREITOS HUMANOS CONSELHO NACIONAL DOS DIREITOS HUMANOS RESOLUÇÃO No- 1, DE 9 DE JUNHO DE 2015 Aprova o Regimento Interno do Conselho Nacional dos Direitos Humanos - CNDH. O PLENÁRIO DO CONSELHO

Leia mais

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA.

ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. ESTATUTO DO CENTRO DE ESTUDOS, PESQUISA E DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO EM SAÚDE COLETIVA. Capítulo I Denominação, fins e sede do CEPESC Art. 1º. O Centro de Estudos, Pesquisa e Desenvolvimento Tecnológico

Leia mais

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE

RESOLUÇÃO 41/97. Vitória da Conquista, 10 de novembro de 1997. REGIMENTO DO CONSELHO SUPERIOR DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO - CONSEPE O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, no uso de suas atribuições legais, de acordo com o artigo 24 do Estatuto da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia - UESB, para observância

Leia mais

Estatuto Social do Sebrae/BA

Estatuto Social do Sebrae/BA Estatuto Social do Sebrae/BA TÍTULO I -DAS DISPOSIÇÕES GERAIS CAPÍTULO I -DA DENOMINAÇÃO, SEDE, FORO, ALTERAÇÃO INSTITUCIONAL E DURAÇÃO Art. 1º - O CEAG/BA - Centro de Apoio à Pequena e Média Empresa do

Leia mais

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410

DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 DURATEX S.A. CNPJ. 97.837.181/0001-47 Companhia Aberta NIRE 35300154410 REGIMENTO INTERNO DO CONSELHO DE ADMINISTRAÇÃO (Aprovado na RCA de 14.06.2010 e alterado nas RCAs de 25.04.2012, 22.04.2013, 28.10.2013

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO CEPE-FUNDÃO

REGIMENTO INTERNO DO CEPE-FUNDÃO REGIMENTO INTERNO DO CEPE-FUNDÃO CAPÍTULO I ORGANIZAÇÃO SOCIAL ARTIGO 1 O Clube dos Empregados da PETROBRAS CEPE-FUNDÃO reger-se-á pelas leis do País, por seu Estatuto, por este Regimento Interno e pelas

Leia mais

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL

FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS ESTATUTO SOCIAL FUNDAÇÃO DO ENSINO SUPERIOR DA REGIÃO CENTRO-SUL FUNDASUL FACULDADE CAMAQÜENSE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS E ADMINISTRATIVAS FACJÚNIOR EMPRESA JÚNIOR DA FACCCA ESTATUTO SOCIAL CAPÍTULO I, DENOMINAÇÃO, SEDE,

Leia mais

Estatuto da ADEPO. Art. 2 - A Associação, para suas atividades, adotará a seguinte sigla: ADEPO;

Estatuto da ADEPO. Art. 2 - A Associação, para suas atividades, adotará a seguinte sigla: ADEPO; Estatuto da ADEPO I - DA CONSTITUIÇÃO Art. 1 - A Associação se constituirá, como sociedade civil, sob a designação de ASSOCIAÇÃO DOS EX - ALUNOS PÓS - GRADUADOS EM ORTODONTIA DA U.F.R.J.; Art. 2 - A Associação,

Leia mais

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO

NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO Page 1 of 7 NORMA REGULAMENTADORA 5 - NR 5 COMISSÃO INTERNA DE PREVENÇÃO DE ACIDENTES DO OBJETIVO 5.1 a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - tem como objetivo a prevenção de acidentes e

Leia mais

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração.

ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. ESTATUTO CONSOLIDADO FUNDAÇÃO DE ENSINO SUPERIOR DE PASSOS* Capítulo I Da denominação, sede, fins e duração. Art. 1º - A Fundação de Ensino Superior de Passos, sucessora da Fundação Faculdade de Filosofia

Leia mais

Página 1 de 40 DE PARA JUSTIFICATIVA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E PRAZO DE DURAÇÃO

Página 1 de 40 DE PARA JUSTIFICATIVA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E PRAZO DE DURAÇÃO DE PARA JUSTIFICATIVA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, NATUREZA, INSTITUIDORA, SEDE, FORO, OBJETIVO E PRAZO DE DURAÇÃO Art. 1 O Fundo de Pensão Multipatrocinado da Seccional de São Paulo da Ordem dos Advogados

Leia mais

ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO

ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO ESTATUTO DO CONSELHO ESCOLAR TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES CAPÍTULO I DA INSTITUIÇÃO SEDE E FORO Art. 1º - O presente estatuto dispõe sobre o Conselho Escolar da Escola Municipal Ensino e é constituído

Leia mais

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA

ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA 1 ESTATUTO DA ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA CAPÍTULO I DA DENOMINAÇÃO, SEDE E FINS Art. 1º A ASSOCIAÇÃO DOS CERVEJEIROS ARTESANAIS DE SANTA CATARINA, também designada pela sigla

Leia mais

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE

Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Universidade de Uberaba Curso de Medicina ESTATUTO DA LIGA DE DIABETES DA UNIUBE Capitulo I Da Sede. Fórum. Denominação e Finalidades Art. 1º - A Liga de Diabetes da Universidade de Uberaba é um órgão

Leia mais