Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12:

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Economia. Contabilidade Social. Introdução. Prof.Carlos Nemer j20@momentus.com.br 1. Sumário. Contabilidade Social. Capítulo 12:"

Transcrição

1 Economia Carlos Nemer 3ª Ed. Contabilidade Social Capítulo 12: Contabilidade Social Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 1 de 54/ Sumário 1.Introdução; 2.Principais Agregados Macroeconômicos; 2.1.Economia a Dois Setores Sem Formação de Capital; 2.2.Economia a Dois Setores Com Formação de Capital; 2.3.Economia a Três Setores: O Setor Público; 2.4.Economia a Quatro Setores: O Setor Externo; 3.Valores Reais e Nominais; 4.Identidades Básicas da Contabilidade Nacional; 5.Aspectos Conceituais; Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 2 de 54/ Introdução Sistema de Contas Nacionais (IBGE): Contas Básicas: - Produto Interno Bruto; - Renda Nacional; - Transações Correntes com o Resto do Mundo; - Conta de Capital; Conta Complementar: - Conta Corrente das Administrações Públicas; Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 3 de 54/

2 Introdução Microeconomia X Macroeconomia Macroeconomia analisa fundamentalmente o comportamento dos grandes agregados, sem se preocupar com as questões específicas dos agentes econômicos. Contabilidade Social ou Nacional Instrumento que mede o total das atividades econômicas de um país. Criado para acompanhar o comportamento das economias nacionais e fornece uma base para a formulação de políticas e a tomada de decisões econômicas. O sistema de contas é usado também para comparar e classificar a performance das economias dos países. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 4 de 54/ Introdução O que não pode ser medido não pode ser controlado. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 5 de 54/ Introdução Sistema de Contas Nacionais (ONU 1993); Considera apenas os bens e serviços finais. ( Matriz de Insumo-Produto; Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 6 de 54/

3 Pressupostos Básicos 1 As contas procuram medir a produção corrente; 2 As contas referem-se a um período (normalmente 1 ano); 3 A moeda é considerada apenas como unidade de medida e instrumentode trocas; Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 7 de 54/ Pressupostos Básicos 1 - As contas procuram medir a produção corrente: Não são considerados bens produzidos em um período anterior, apenas a remuneração por um serviço corrente e não o valor da mercadoria vendida; Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 8 de 54/ Pressupostos Básicos 2- As contas referem-se a um período (1 ano): Os agregados correspondem a variáveis fluxo (são consideradas ao longo de um período de tempo). Ex.: Consumo de bens e serviços em 1999, PIB de 1999; Exportações e Importações de 1999; Obs.: Ex: Diferente das variáveis estoque: Valores tomados em determinado ponto do tempo. Dívida interna e externa, quantidade de moeda de um país, o estoque de capital de um país. A Contabilidade Social trabalha com fluxo, não apresentando um balanço patrimonial. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 9 de 54/

4 Pressupostos Básicos 3 A moeda é considerada apenas como unidade de medida e instrumento de trocas. Não abrange os agregados monetários; Obs.: Agregados monetários: meios de pagamento, empréstimos, depósitos, open market, aplicações financeiras etc. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 10 de 54/ Economia a Dois Setores Inicialmente: Economia FECHADA (sem setor externo) Sem Formação de Capital e Sem Setor Público Economia a Dois Setores Poupança + Investimento + Depreciação = 0 Famílias Unidades Produtivas (Empresas) Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 11 de 54/ Economia a Dois Setores Mercado de Bens e Serviços Despesas de Consumo de Bens e Serviços Fornecimento de Bens e Serviços Famílias Fluxo real Unid. Produtoras Fornecimento dos Serviços dos Fatores de Produção Remuneração aos Serviços dos Fatores de Produção Mercado de Fatores de Produção Fluxo monetário Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 12 de 54/

5 Mercado de Bens e Serviços Famílias Despesas de Consumo de Bens e Serviços DN = C Fornecimento de Bens e Serviços PN = pi.qi Unid.Produtoras Fornecimento dos Serviços dos Fatores de Produção Remuneração aos Serviços dos Fatores de Produção Mercado de Fatores de Produção RN = w + j + a + l +r Fluxo monetário Fluxo real Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 13 de 54/ Remuneração dos fatores de Produção RN = w + j + a + l +r: Salário (w): remuneração dos serviços do fator trabalho; Juro (j): remuneração dos serviços do fator capital monetário. Aluguel (a): remuneração dos serviços do fator terra; Lucro (l): remuneração dos serviços do fator capital físico (instalações); Royalty (r): remuneração da tecnologia; Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 14 de 54/ Três ópticas: Produto, Despesa e Renda O fluxo do produto e o fluxo de rendimentos propiciam três ópticas pelas quais pode ser medida a atividade econômica e que produzem o mesmo resultado: Produto (PN), Despesa (DN) e Renda (RN) Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 15 de 54/

6 Produto Nacional (PN) Produto Nacional (PN) = É o valor de todos os bens e serviços finais produzidos por um país em determinado período de tempo. Valor: os preços e a utilização de um mesmo padrão monetário permite agregar bens diferentes: produção agrícola com automóveis por exemplo. Bens e Serviços Finais: não se consideram bens e serviços intermediários como matérias primas e componentes no sentido de evitar a dupla contagem. Período de Tempo: fluxo, definido em dado período de tempo (mês e ano); Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 16 de 54/ Produto Nacional (PN) Produto Nacional (PN) = É o valor de todos os bens e serviços finais produzidos em determinado período de tempo. PN= pi.qi = p sacas café.q sacas +..+p fogão.q fogão +..+p bilhete.q viagens Setor Primário Agricultura Pecuária Pesca Setor Secundário Indústria Extração mineral Setor Terciário Serviços Comércio Comunicações Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 17 de 54/ Despesa Nacional (DN) Despesa Nacional (DN) = Valor de todas as despesas realizadas pelos agentes: consumidores, empresas, governo e estrangeiros na compra de bens e serviços finais. DN = C (Despesas com Consumo) Forma de aferição do Produto Nacional (mercado de bens e serviços) - A partir de quem vende (por ramo de origem); - A partir dos agentes de despesa (por ramo de destino); Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 18 de 54/

7 Renda Nacional (RN) Renda Nacional (RN) = Soma dos rendimentos pagos às famílias, proprietárias dos fatores de produção, pela utilização de seus serviços, em um período de tempo. RN = salários (w) + juros (j) + aluguéis (a) + lucros (l) + royalties (r) A medida é feita pelo fluxo de rendimento (mercado de fatores de produção) Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 19 de 54/ Economia FECHADA (a dois Setores) Como não existem estoques, tudo que se produz, é vendido. PN = DN Como no agregado, são excluídas as compras de bens intermediários. A empresa gasta com pagamentos a fat.de produção tudo o que recebe pela venda de bens e serviços (PN=DN). Identidade Básica das Contas Nacionais: (mesmo removendo as hipóteses PN = DN = RN simplificadoras) Renda Nacional (RN) Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 20 de 54/ Economia FECHADA (a dois Setores) Na prática (mede-se o PN) pelo: Conceito de Valor Adicionado Consiste em calcular o que cada ramo da atividade adicionou ao valor do produto final, em cada etapa do processo produtivo. V. Adicionado = V. Bruto de Produção Consumo de Prod. Intermed. Receita de Vendas Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 21 de 54/

8 Valor Bruto de Produção (VBP) Receita de vendas de cada setor produtivo. Ex.: Valores (x Mil) TRIGO FARINHA PÃO a) Receita de Vendas (VBP) PN=DN= b) Compras Intermediárias Valor adicionado (a-b) = = RN Renda paga pelo setor de trigo aos fatores de produção (VA trigo) Renda paga pelo setor de farinha aos fatores de produção (VA farinha) Renda paga pelo setor de panificação aos fatores de produção (VA pão) Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 22 de 54/ Resumo Há 4 formas diferentes de medir o resultado econômico de um país, todas conduzindo a um mesmo valor numérico: Soma dos Produtos finais das empresas produtoras (PN) Soma das Despesas dos agentes com o Produto Nacional (DN) Soma de Rendimentos de salários, juros, aluguéis e lucros (RN) Soma de Valores Adicionados dos setores de atividade (RN) Orgão Responsável (no Brasil) = IBGE Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 23 de 54/ Economia a dois setores, com Formação de Capital As Famílias além de consumir podem poupar. As Empresas além de produzir bens de consumo, produzem e investem em bens de capital. CONCEITO POUPANÇA (S) = Parcela da RN não consumida no período. S = RN C (C = Consumo) Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 24 de 54/

9 Investimento PN = Bens de Consumo + Bens de Investimento Bens de Consumo: consumidos ao longo do processo. Bens de Investimento: não são consumidos, aumentam a riqueza da nação, isto é sua capacidade produtiva. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 25 de 54/ Economia a dois setores, com Formação de Capital I = PN C INVESTIMENTO (I) = Gasto com bens que aumentam a capacidade produtiva da economia: (Capacidade de gerar Rendas Futuras = Taxa de Acumulação de Capital). Obs.: Não foram consumidos no próprio período e que serão utilizados para consumo futuro. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 26 de 54/ Economia a dois setores, com Formação de Capital Quais bens são produzidos e não consumidos no período? Máquinas e equipamentos Imóveis Variação de estoques (produtos acabados e intermediários) I = Ibk + E Planejado Depende do mercado Investimento em bens de capital (Ibk) E FBKF (Força Bruta de Capital Fixo) Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 27 de 54/

10 Economia a dois setores, com Formação de Capital INVESTIMENTO 1ª - E = E t E t-1 = Fluxo no ano. 2ª - Não se deve confundir Investimento no sentido vulgar com investimento no sentido econômico. Ex.: Investir em ações não representa aumento da capacidade produtiva, a menos que seja a emissão original, a disponibilização original do papel. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 28 de 54/ Economia a dois setores, com Formação de Capital 3ª - O investimento em ativos de segunda mão (imóveis etc) não é contabilizado como investimento agregado, sendo apenas uma transferência de ativos. Esses bens já foram computados no passado. 4ª - Os bens de consumo duráveis (TV, automóveis,...), embora não sejam consumidos no presente e gerem fluxo de serviços no futuro, não são considerados como investimento (há controvérsias). Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 29 de 54/ Economia a dois setores, com Formação de Capital DEPRECIAÇÃO (d) = é o consumo de estoque (desgaste) de capital físico, em dado período. Conseqüência: sucata ou obsolescência. INVESTIMENTO BRUTO (IB) E LÍQUIDO (IL) PRODUTO NACIONAL BRUTO (PNB) E LÍQUIDO (PNL) IL = IB - d PNL = PNB - d IL = Acumulação Líquida de Capital = Diferença entre novos inv. (IB) e depreciação Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 30 de 54/

11 Economia a dois setores, com Formação de Capital A identidade S = I Como: S = RN C e: I = PN C Logo: S = I PN = RN Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 31 de 54/ Economia a dois setores, com Formação de Capital Ex.: PN = RN = 100. Com a venda do produto (PN) as empresas remuneram as famílias (RN). Se as famílias decidem consumir apenas 80 (C=80): S = RN C = 20 Parte de PN = 100 não foi comprada, pois as famílias não gastaram tudo. Assim: I = E = 20 e S = I = 20 Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 32 de 54/ Economia a dois setores, com Formação de Capital Ex.: PN = 100. Sendo: Bens de Consumo = 70 Bens de capital = 30 (Investimento) RN = 100 (As famílias receberam 100) Sobraram para as famílias 30 (corresponde à Poupança) S = I = 30 Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 33 de 54/

12 Economia a três setores: O Setor Público Setor Público: União Estados e Municípios Inclui as transações realizadas pelos respectivos Tesouros (UEM); Não inclui as operações efetuadas pelo Banco Central (depósitos e empréstimos); Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 34 de 54/ Economia a três setores: O Setor Público Receita Fiscal do Governo: Impostos Indiretos (Ti) Impostos Diretos (Td) = Incidem sobre bens e serviços. Ex.: ICMS, IPI. = Incidem sobre as pessoas (físicas e jurídicas. Ex.: IR, IPTU. Contribuições à Prev.Social = Encargos Trabalhistas recolhidos de empregados e empregadores. Outras Receitas = taxas (Ex.: Multas, aluguéis,...) Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 35 de 54/ Economia a três setores: O Setor Público Gastos do Governo: Gastos com ministérios, secretarias e autarquias Receitas provêm de dotações orçamentárias. Gastos das empresas e sociedades de economia mista Provêm da venda de bens e serviços no mercado. Gastos com transferências e subsídios Se: Gastos > Receita Fiscal Gastos < Receita Fiscal Déficit Primário (Fiscal) Superávit Primário (Fiscal) Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 36 de 54/

13 Economia a três setores: O Setor Público Produto Nacional a Preços de Mercado e Produto Nacional a Custo de Fatores PNpm = É medido a partir dos valores pagos pelo consumidor PNcf = É medido a partir dos valores pagos que refletem os custos de produção, a remuneração dos fatores (w + j + a + l). Como é medido pela óptica dos rendimentos, é a própria RNcf. PNpm = RNcf + Ti - Sub Imp.Indiretos (ICMS,IPI) Associa-se, normalmente, Renda Nacional à RNcf e Produto Nacional à PNpm Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 37 de 54/ Economia a três setores: O Setor Público Carga Tributária Bruta (CTB) e Líquida (CTL) Carga Tributária Bruta = (Impostos Indiretos + Imp. Diretos) x100 PIBpm Carga Tributária Líquida= (Imp. Ind. + Dir. (Transf. + Sub.)) x100 PIBpm Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 38 de 54/ Economia a três setores: O Setor Público EXPORTAÇÕES (X) = são as compras dos estrangeiros de nossos bens e serviços. São os gastos do setor externo com nossas empresas. IMPORTAÇÃO (M) = São aquisições de bens do exterior. Parte da renda gerada no país que vai para fora. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 39 de 54/

14 Economia a quatro setores: O Setor Externo Produto Interno Bruto (PIB): é a renda devida à produção dentro dos limites territoriais do país. Renda Líquida de Fatores Externos (RLFE): é a remuneração dos ativos pertencentes à estrangeiros. Divide-se em: Renda Enviada ao Exterior (RE): parte do que foi produzido internamente não pertence aos nacionais (Ex.: capital e tecnologia). A remuneração desses fatores vai para fora do país, na forma de remessa de lucro, royalties, juros. Renda Recebida do Exterior (RR): recebemos renda devido à produção de nossas empresas operando no exterior. RLFE = RE RR No Brasil, RLFE > 0 Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 40 de 54/ Economia a quatro setores: O Setor Externo Produto Interno Bruto PIB Produto Interno Bruto a preços de mercado mede o total dos bens e serviços produzidos pelas unidades produtoras residentes, é a soma dos valores adicionados pelos diversos setores acrescida dos impostos, líquidos de subsídios, sobre produtos não incluídos na valoração da produção (definição do IBGE). Produto Nacional Bruto PNB Renda que pertence efetivamente aos nacionais, incluindo a renda recebida de nossas empresas no exterior, e excluindo a renda enviada para o exterior pelas empresas estrangeiras localizadas no Brasil. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 41 de 54/ Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 42 de 54/

15 Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 43 de 54/ Gráfico II.2 Taxa (%) acumulada em quatro trimestres do PIB a preços de mercado ,9 5,9 4,2 2,7 3,3 4,4 2,5 1,9 1,3 0,1 0,8 0,7 0,0-1 -1,1-0, I 93.III 94.I 94.III 95.I 95.III 96.I 96.III 97.I 97.III 98.I 98.III 99.I 99.III 00.I 00.III 01.I 01.III 02.I 02.III 03.I 03.III 04.I Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 44 de 54/ Evolução do PIB - Brasil 10,0 8,0 6,0 4,0 2,0 0, ,0-4,0-6,0 Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 45 de 54/

16 Economia a quatro setores: O Setor Externo PIB = PNB + RLFE Se : RE > RR RLFE > 0 PIB > PNB RE < RR RLFE < 0 PIB < PNB Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 46 de 54/ Brasil O Brasil inclui-se no caso em que: RE > RR RLFE > 0 PIB > PNB Devido às altas remessas de juros, lucros de empresas estrangeiras e royalties. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 47 de 54/ Fórmula da Despesa Nacional (DN) DN = C + I + G + X M C = I = G = X = M = despesa das famílias com bens de consumo; despesas com bens de capital e a variação de estoques; gastos do governo; exportações; importações; A Despesa Agregada (DN) é apresentada a preços de mercado, já que são valores finais. As importações (M) aparecem devido ao fato de que elas estão embutidas nas demais despesas agregadas (C, I, G, X). Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 48 de 54/

17 Despesa Interna Bruta a Preços de Mercado (DIBpm) DIBpm = C + I + G + X M No Brasil, utiliza-se mais o conceito de Despesa Interna que Nacional. Não inserida a depreciação pois são utilizados os conceitos agregados em termos brutos. Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 49 de 54/ Fluxo Circular de Renda Salários, aluguéis, juros, lucros Consumidores Importação Impostos Poupança Fatores de Produção Bens Governo Mercados Financeiros Consumo Pessoal Outros Países Gastosdo governo Investimento Exportação Empresas (produção) Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 50 de 54/ Valores REAIS e NOMINAIS PN Nominal (ou PN Monetário): PN a preços correntes do ano PN 2000 = p 2000 i. q 2000 i - produto de 2000, avaliado a preços de PN 2001 = p 2001 i. q 2001 i - produto de 2001, avaliado a preços de PN 2002 = p 2002 i. q 2002 i - produto de 2002, avaliado a preços de PN Real (ou PN deflacionado): PN a preços constantes de det. ano (ano-base). PN REAL 2000 = p 2000 i. q 2000 i PN REAL2001 = p 2000 i. q 2001 i PN REAL2002 = p 2000 i. q 2002 i P/ deflacionar: Preços permanecem constantes em Elimina-se a influência dos preços (Inflação). Com isso tem-se o crescimento real PN REAL = PN Nominal x100 Índice de Preços Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 51 de 54/

18 Valores REAIS e NOMINAIS Ano PIB a pr. correntes IGP Base 1990 = 100 PIB a pr. constantes , , , , , , , , , ,0 11,3 11,2 11,8 12,5 13,0 13,4 13,8 13,8 Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 52 de 54/ I.2 - Produto Interno Bruto (PIB) Boletim do Banco Central do Brasil Ano PIB a preços Deflator Índice dopopulação PIB per capita correntes implícito PIB real (1000 hab.) em R$ (%) 2000=100 Preços cons- PIB Taxa realíndice real tantes de de varia-2000= (R$) ção (%) ,2 7,5 75, ,39 5,4 92, ,2 3,5 77, ,30 1,6 94, ,0-0,1 77, ,76-1,9 92, ,4 3,2 80, ,11 1,4 93, ,0-4,3 76, ,58-5,5 88, ,7 1,0 77, ,52-0,6 88, ,0-0,5 77, ,31-2,1 86, ,2 4,9 81, ,31 3,4 89, ,2 5,9 85, ,19 4,3 93, ,6 4,2 89, ,63 2,8 95, ,4 2,7 91, ,02 1,2 96, ,3 3,3 94, ,18 1,9 98, ,7 0,2 95, ,10-1,1 97, ,3 0,8 95, ,77-0,5 97, ,6 4,5 100, ,94 3,1 100,0 Fonte: IBGE Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 53 de 54/ Exercício de Contas Nacionais Dados (bilhões de reais): salários pagos ás famílias (w) 300 juros, aluguéis e lucros pagos (j+a+l) 450 depreciação de ativos fixos (d) 25 impostos indiretos (Ti) 100 impostos diretos (Td) 88 subsídios do governo a emps. privadas (sub)10 outras receitas correntes do governo (ORec) 20 renda enviada ao exterior (RE) 7 renda recebida do exterior (RR) 2 pagamentos de aposentadoria (Tr) 40 Sabendo-se que os valores dos w,j,a,l são brutos (não descontados os impostos diretos, a depreciação e a renda enviada do exterior, e não incluída a renda recebida do exterior), pede-se: RIBcf; RILcf; RNLcf; PNBpm; PIBpm; Índice de CTB; Índice de CTL; Poli-UFRJ Copyright Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte III-2-Slide 54 de 54/

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente)

Não são considerados bens produzidos em período anterior, apenas a remuneração do vendedor (que é remuneração a um serviço corrente) Macroeconomia Contabilidade Nacional VASCONCELLOS, M. A. S. Economia micro e macro. 3ª ed. São Paulo: Atlas. 2002. Capítulo 9: Contabilidade social Tópicos para Discussão Principais Agregados Macroeconômicos

Leia mais

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1

Prof. Esp. Fábio T. Lobato 1 - Prof. Fábio Tavares Lobato a Dois Setores Sem Formação de Capital a Dois Setores Com Formação de Capital a Três Setores: O Setor Público a Quatro Setores: O Setor Externo 1 2 Contas Básicas: - Produto

Leia mais

Agregados macroeconômicos:

Agregados macroeconômicos: 2.1 Introdução Agregados macroeconômicos: Contabilidade social Capítulo II Macroeconomia: ramo da teoria econômica que estuda a determinação e o comportamento dos agregados nacionais. a parte relativa

Leia mais

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen

CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO. Profa.: Enimar J. Wendhausen CONTABILIDADE SOCIAL: CONCEITOS, INSTRUMENTOS E AVALIAÇÃO Profa.: Enimar J. Wendhausen TEORIA MACROECONÔMICA A partir da teoria macroeconômica foram empregados esforços para a construção de um sistema

Leia mais

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof.

Economia 2º Período. Fundamentos de Macroeconomia (Aula-V) 19/10/2014. Fundamentos de Macroeconomia. Fundamentos de Macroeconomia. Prof. (Aula-V) 19/10/2014 UNIVERSIDADE COMUNITÁRIA DA REGIÃO DE CHAPECÓ Economia 2º Período Noções de Contabilidade Nacional e Cálculo do PIB Professor : Johnny Luiz Grando Johnny@unochapeco.edu.br 5. Noções

Leia mais

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos

Fluxo Circular da Renda. Fluxo Circular da Renda. Aula 2: Agregados Macroeconômicos Aula 2: Agregados Macroeconômicos Macroeconomia As identidades macroeconômicas básicas, o sistema de Contas Nacionais, as Contas Nacionais no Brasil. Gilmar Ferreira Abril 2010 Fluxo Circular da Renda

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR 1 I - Macroeconomia e Contabilidade Social 1. Introdução: A Economia como a Ciência da Escassez Um dos princípios fundamentais da Economia é a chamada lei da escassez, segundo a qual as necessidades humanas

Leia mais

23/07/15. A atividade econômica. Referências. Referências. Mensuração

23/07/15. A atividade econômica. Referências. Referências. Mensuração 1 A atividade econômica Mensuração 2 Referências BACHA, Carlos José Caetano. Macroeconomia aplicada à análise da Economia Brasileira. São Paulo: Edusp, 2004 Ver capítulo 3 3 Referências PAULANI, Leda Maria;

Leia mais

Produto Vendas Custo da matéria-prima

Produto Vendas Custo da matéria-prima Conceitos básicos de economia A economia pode ser subdividida em dois grandes segmentos: - Macroeconomia: trata da evolução da economia como um todo, analisando a determinação, comportamento e relações

Leia mais

LISTA 3A GABARITO. Nova participação no PIB

LISTA 3A GABARITO. Nova participação no PIB 1 LISTA 3A GABARITO Conceitos importantes: 1) Definição de produto 2) Fluxo circular da renda 3) As três óticas de mensuração: as óticas da produção, da renda e da despesa 4) As diversas medidas do produto:

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL

CONTABILIDADE NACIONAL UNIDADE 2 CONTABILIDADE NACIONAL OBJETIVOS ESPECÍFICOS DE APRENDIZAGEM Ao finalizar esta Unidade você deverá ser capaz de: Reconhecer as contas nacionais; Avaliar como se determina a medição do produto

Leia mais

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA

Para evitar dupla contagem não são contabilizados os bens intermediários. Valor Agregado = VA = VBP Cons. Intermediário PN = ΣVA I - CONTAS NACIONAIS 1.1 Produto Agregado = Demanda Agregada = Renda Agregada (valor da produção) = (despesa com produto) = (W+L+J+A). 1.2 Renda Nacional: Somatório de todos os rendimento recebidos pelas

Leia mais

2. CONTABILIDADE NACIONAL

2. CONTABILIDADE NACIONAL 2. CONTABILIDADE NACIONAL 2.1. MEDIÇÃO DO PRODUTO 1. Uma boa contabilidade transforma dados em informação. Estudamos contabilidade nacional por duas razões. Em primeiro lugar, porque fornece a estrutura

Leia mais

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli

Unidade I. Mercado Financeiro e. Prof. Maurício Felippe Manzalli Unidade I Mercado Financeiro e de Capitais Prof. Maurício Felippe Manzalli Mercado Financeiro O mercado financeiro forma o conjunto de instituições que promovem o fluxo de recursos entre os agentes financeiros.

Leia mais

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR

UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR UNIVERSIDADE DA BEIRA INTERIOR FACULDADE DE CIÊNCIAS SOCIAIS E HUMANAS DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ECONOMIA MACROECONOMIA I Licenciaturas: Economia, Gestão 1º A/1º S CADERNO 2 Actividade Económica, Produção

Leia mais

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas.

Bens - É tudo aquilo suscetível de avaliação econômica servindo para satisfazer as necessidades humanas. NOÇÕES DE CONTABILIDADE E FINANÇAS Prof. Adelino Correa 12/8/2011 Contabilidade: é a ciência que estudo o PATRIMÔNIO em suas variações quantitativas e qualitativas. - aspectos quantitativos = montante,

Leia mais

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08

MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 MACROECONOMIA I LEC201 Licenciatura em Economia 2007/08 CAP. 2 A MEDIÇÃO DA ACTIVIDADE ECONÓMICA --- EXERCÍCIOS 1. EXERCÍCIOS DAS AULAS 1.1. Contas Nacionais Considere o Quadro 1, com os principais agregados

Leia mais

Apontamentos de Contabilidade Nacional

Apontamentos de Contabilidade Nacional Apontamentos de Contabilidade Nacional Nuno Cancelo :: 31401 :: ISEL :: Semestre Verão :: Ano Lectivo 2009/2010 1/8 Índice Índices de Preços...3 Produto, Rendimento e Despesa...3 Produto...3 O Produto

Leia mais

DO QUE TRATA A CONTABILIDADE SOCIAL

DO QUE TRATA A CONTABILIDADE SOCIAL DO QUE TRATA A CONTABILIDADE SOCIAL Mensurar a atividade econômica e social em seus múltiplos aspectos. Sistematizar regras para a produção e a organização contínua de informações relevantes para a economia.

Leia mais

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli

ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli ECONOMIA Prof. Maurício Felippe Manzalli Objetivos da atividade Destacar assuntos relacionados ao estudo da economia notadamente no ambiente empresarial e de comércio externo. Rever conceitos e definições.

Leia mais

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

PLANO DE CONTAS ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO PLANO DE CONTAS O plano de Contas normalmente é composto de cinco grupos. ATIVO - CONTAS DEVEDORAS PASSIVO - CONTAS CREDORAS DESPESAS - CONTAS DEVEDORAS RECEITAS - CONTAS CREDORAS APURAÇÃO DE RESULTADO

Leia mais

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32

Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal 1 de 32 Plano de Contas Referencial da Secretaria da Receita Federal após a Lei 11638/07 Quando informado o registro: as instituições sujeitas

Leia mais

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB:

2) Identifique na lista abaixo que transação ou atividade não seria computada nos cálculos das contas nacionais e do PIB: Cap 2 1) Considere que numa economia em determinado ano ocorreu uma severa epidemia, que ocasionou um aumento na demanda de serviços médico-hospitalares e por medicamentos. Considerando todo o resto constante,

Leia mais

Contas dos Sectores Institucionais

Contas dos Sectores Institucionais Contas dos Sectores Institucionais Plano de Apresentação Enquadramento Sectorização da economia Composição, fontes de informação básica e tratamento Principais resultados Perspectivas Enquadramento O Quadro

Leia mais

Princípios Fundamentais Contabilidade

Princípios Fundamentais Contabilidade Princípios Fundamentais Contabilidade 1 Princípios Contábeis. Resolução CFC 750 de 29 de dezembro de 1993. Art. 3 São Princípios de Contabilidade:(2) I o da ENTIDADE; II o da CONTINUIDADE; III o da OPORTUNIDADE;

Leia mais

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas

CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE DATA: 08/02/2015. HORÁRIO: das 09 às 12 horas Realização: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ CADERNO DE QUESTÕES PROCESSO SELETIVO TRANSFERÊNCIA VOLUNTÁRIA (TRV) 2ª ETAPA EDITAL 02/2015-COPESE CURSO: BACHARELADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Leia mais

LISTA 3A. 4) As diversas medidas do produto: interno/nacional, bruto/líquido, a custo de fatores/a preços de mercado ANOTAÇÕES

LISTA 3A. 4) As diversas medidas do produto: interno/nacional, bruto/líquido, a custo de fatores/a preços de mercado ANOTAÇÕES LISTA 3A Conceitos importantes: 1) Definição de produto 2) Fluxo circular da renda 3) As três óticas de mensuração: as óticas da produção, da renda e da despesa 4) As diversas medidas do produto: interno/nacional,

Leia mais

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS

GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição do valor dos bens intangíveis registrados no ativo permanente, é a perda de valor de capital aplicado na aquisição

Leia mais

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1

Despesa Orçamentária: conceitos, classificação e etapas 1 Para mais informações, acesse o Manual de Contabilidade Aplicada ao Setor Público, Parte I Procedimentos Contábeis Orçamentários, 5ª edição. https://www.tesouro.fazenda.gov.br/documents/10180/137713/parte_i_-_pco.pdf

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Com relação a conceitos, objetivos e finalidades da contabilidade, julgue os itens que se seguem. 51 Auxiliar um governo no processo de fiscalização tributária é uma das finalidades

Leia mais

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1.

CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. CORREÇÃO GRUPO I As questões que se seguem são de escolha múltipla. Das quatro respostas (A a D), apenas uma está correta. Assinala-a. 1. O fornecimento de bens e serviços não mercantis (não comercializáveis)

Leia mais

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional

Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Notas de Aula: Macroeconomia I Introdução à Contabilidade Nacional Victor Gomes Universidade Católica de Brasília victor@pos.ucb.br 6 de março de 2003 1 Introdução Como em outras ciências, os economistas

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

Conta Corrente do Governo

Conta Corrente do Governo Faculdade de Economia UFF Lista 07 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento Presencial: Quartas, 16h às 18h, Sala

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL 1

CONTABILIDADE NACIONAL 1 CONTABILIDADE NACIONAL 1 Ópticas de cálculo do valor da produção O produto de um país pode ser obtido por três ópticas equivalentes: Óptica do Produto permite-nos conhecer o valor do produto por sector

Leia mais

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO

DEMONSTRAÇÃO DO VALOR ADICIONADO Olá, pessoal! Hoje trago uma aula sobre a Demonstração do Valor Adicionado DVA, que foi recentemente tornada obrigatória para as companhias abertas pela Lei 11.638/07, que incluiu o inciso V ao art. 176

Leia mais

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo

Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo Tropa de Elite-PF Economia Módulo 4 - Questões Otacílio Araújo 2012 Copyright. Curso Agora eu Passo - Todos os direitos reservados ao autor. 1. (CESPE/UnB/ECB/ 2011) Acerca de déficit e superávit público

Leia mais

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901

Contas. Osni Moura Ribeiro ; Contabilidade Fundamental 1, Editora Saraiva- ISBN 9788502065901 Contas 2.1. Conceito Na sua linguagem cotidiana, o que representa a palavra conta? Você poderá responder: Uma operação aritmética de soma, subtração, multiplicação ou divisão; A conta de água e esgoto,

Leia mais

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01

Plano de Contas RECURSOS NO EXTERIOR DECORRENTES DE EXPO 01 CONTAS BANCÁRIAS SUBVENÇÕES 01 CONTAS BANCÁRIAS DOAÇÕES 01 1 1.00.00.00.000000 10000 **** A T I V O **** 01 1 1.01.00.00.000000 10050 CIRCULANTE 01 1.01 1.01.01.00.000000 10100 DISPONIBILIDADES 01 1.01.01 1.01.01.01.000000 10150 CAIXA 01 1.01.01.01.00 1.01.01.02.000000

Leia mais

CONTABILIDADE NACIONAL

CONTABILIDADE NACIONAL CONTABILIDADE NACIONAL 1) Conceitos Básicos O que é a CN? A contabilidade nacional é uma técnica que tem por objectivo medir a atividade económica de um país nas suas diversas vertentes. Funciona como

Leia mais

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO REGIÃO OESTE

FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO REGIÃO OESTE FEDERAÇÃO DO COMÉRCIO DO PARANÁ PESQUISA CONJUNTURAL DO COMÉRCIO ANÁLISE CONJUNTURAL DO MÊS DE MARÇO DE 2013 REGIÃO OESTE Este relatório, referente ao mês de MARÇO de 2013, da Pesquisa Conjuntural do Comércio

Leia mais

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado

Macroeconomia. Faculdade de Direito UNL 2008/09. José A. Ferreira Machado Macroeconomia Faculdade de Direito UNL 2008/09 José A. Ferreira Machado 1. As principais grandezas macroeconómicas e a sua medição Medição do rendimento nacional, do nível geral de preços e da taxa de

Leia mais

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá

SUMÁRIO. Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson. www.iepg.unifei.edu.br/edson. Universidade Federal de Itajubá 1 www.iepg.unifei.edu.br/edson Avaliação de Projetos e Negócios Prof. Edson de Oliveira Pamplona http://www.iepg.unifei.edu.br/edson 2011 SUMÁRIO 1. Introdução 2. Matemática Financeira 3. Análise de Alternativas

Leia mais

Análise dos resultados

Análise dos resultados Análise dos resultados Produção de bens e serviços de saúde A origem dos bens e serviços ofertados em qualquer setor da economia (oferta ou recursos) pode ser a produção no próprio país ou a importação.

Leia mais

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS

METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS METODOLOGIA GERAL DE AVALIAÇÃO DE EMPRESAS Camila Pires Cremasco Gabriel 1 Luis Roberto Almeida Gabriel Filho 2 Thiago Ariceto 3 Chádia Priscila Cardoso Gonçalves 4 Matheus Choueri 5 RESUMO: A definição

Leia mais

Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos. Conceito de Déficit e Dívida Pública

Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos. Conceito de Déficit e Dívida Pública Conceito de Déficit e Dívida Pública Correção 9)As operações de mercado aberto envolvem variações nos encaixes compulsórios que os bancos comerciais detêm junto ao Banco Central e, por essa razão, afetam

Leia mais

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro

Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro Faculdade Atenas Maranhense - FAMA Professor: Esp. CLEIDIANA SACCHETTO Curso: Ciências Contábeis. Disciplina: ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Entrega dia 30 de Novembro DEMONSTRAÇÃO DE LUCROS OU

Leia mais

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ

FACULDADE DE TECNOLOGIA DE JUNDIAÍ Prof.º Alexandre Schuster Apostila - 3 8. APURAÇÃO DO RESULTADO CONTABILIDADE A cada exercício social (normalmente um ano) a empresa deve apurar o resultado dos seus negócios. Para saber se obteve lucro

Leia mais

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas

10. Balanço Patrimonial. 10.1 Plano de Contas 10. Balanço Patrimonial 10.1 Plano de Contas É um elemento sistematizado e metódico de todas as contas movimentadas por uma empresa. Cada empresa deverá ter seu próprio plano de contas de acordo com suas

Leia mais

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos.

EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO. Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância: 30 minutos. EXAME FINAL NACIONAL DO ENSINO SECUNDÁRIO Prova Escrita de Economia A 11.º Ano de Escolaridade Decreto-Lei n.º 139/2012, de 5 de julho Prova 712/2.ª Fase 15 Páginas Duração da Prova: 120 minutos. Tolerância:

Leia mais

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard

O mercado de bens CAPÍTULO 3. Olivier Blanchard Pearson Education. 2006 Pearson Education Macroeconomia, 4/e Olivier Blanchard O mercado de bens Olivier Blanchard Pearson Education CAPÍTULO 3 3.1 A composição do PIB A composição do PIB Consumo (C) são os bens e serviços adquiridos pelos consumidores. Investimento (I), às vezes

Leia mais

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T...

mhtml:file://c:\documents and Settings\6009\Meus documentos\glossário DE T... Page 1 of 6 Portal de Obras Legislação Guias e Cursos Downloads GLOSSÁRIO DE TERMOS CONTÁBEIS Compilado pela Equipe do Portal de Contabilidade AMORTIZAÇÃO: Representa a conta que registra a diminuição

Leia mais

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa):

Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p. Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Pesquisa Industrial Anual Fonte: http://www.sidra.ibge.gov.br/bda/pesquisas/pia/default.asp?o=16&i=p Conceituação das variáveis (Dados a partir de 1996 - Empresa): Aluguéis e arrendamentos Despesas com

Leia mais

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel

Aula 7 Inflação. Prof. Vladimir Maciel Aula 7 Inflação Prof. Vladimir Maciel Estrutura Ferramenta de análise: OA e DA. Inflação Conceitos básicos. Causas. Trade-off com desemprego. Fator sancionador: expansão de moeda. Instrumentos de Política

Leia mais

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 2

DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC. Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000. Nota metodológica nº 2 DIRETORIA DE PESQUISA - DPE COORDENAÇÃO DE CONTAS NACIONAIS CONAC Sistema de Contas Nacionais - Brasil Referência 2000 Nota metodológica nº 2 Estrutura do Sistema de Contas Nacionais (versão para informação

Leia mais

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo

ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL. FASF - Faculdade Sagrada Família - Curso de Administração - Disciplina Contabilidade Geral - 3º periodo ESTRUTURA DO BALANÇO PATRIMONIAL Introdução Já sabemos que o Patrimônio é objeto da contabilidade, na qual representa o conjunto de bens, diretos e obrigações. Esta definição é muito importante estar claro

Leia mais

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque

2.2 Resultado com mercadorias 2.3 Impostos que afetam as mercadorias 2.4 Critérios de avaliação do estoque Disciplina: Contabilidade Comercial I Período: 2º Tipo: I Professor: Evaldo Modesto de Ávila Curso: Ciências Contábeis Assunto: Texto Semestre: 2º Nome: Nº: Apostila : Turma: ÚNICA Turno: NOITE Data: 002

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época NOVA SCHOOL OF BUSINESS AND ECONOMICS INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA Exame de 2ª época Ana Balcão Reis 28 de Junho de 2012 Inácia Pimentel João Miguel Silva Duração Total: 2h15m I ( 9 val) Nos exercícios seguintes

Leia mais

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado

Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado Pesquisa sobre bens a serem ativados Contabilizados no Ativo Imobilizado ATIVO IMOBILIZADO O Ativo Imobilizado é formado pelo conjunto de bens e direitos necessários à manutenção das atividades da empresa,

Leia mais

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS

ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS ÁREA DE CONHECIMENTOS CONTÁBEIS 1. O Patrimônio Líquido divide-se em: a) Investimentos, Reservas de Capital, Reservas de Lucros e Lucros ou Prejuízos Acumulados. b) Capital Social, Reservas de Capital,

Leia mais

Curso Online - Economia em Exercícios Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro ICMS/RJ Prof. Alexandre Candido

Curso Online - Economia em Exercícios Fiscal de Rendas do Estado do Rio de Janeiro ICMS/RJ Prof. Alexandre Candido Pessoal, Hoje começamos oficialmente o curso. Daremos continuidade ao assunto abordado na aula 00, cujo estudo considero importante para compreensão da aula de hoje. Como disse na aula demonstrativa, resolverei

Leia mais

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR

WWW.CARREIRAFISCAL.COM.BR CUSTOS DOS PRODUTOS I NOÇÕES GERAIS 1. CLASSIFICAÇÃO DOS CUSTOS Existem diversas classificações de custos, as quais variam em função das finalidades a que se destinam. As principais classificações são:

Leia mais

1. CONTEXTO OPERACIONAL

1. CONTEXTO OPERACIONAL BANCO TRIÂNGULO S.A. NOTAS EXPLICATIVAS ÀS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS EM 30 DE JUNHO DE 2002 E 2001 (Em milhares de reais) 1. CONTEXTO OPERACIONAL O Banco Triângulo S.A. é uma sociedade privada que opera

Leia mais

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A.

TRX Securitizadora de Créditos Imobiliários S.A. Balanços patrimoniais em 31 de dezembro (Em Reais) (reclassificado) (reclassificado) Ativo Nota 2012 2011 Passivo Nota 2012 2011 Circulante Circulante Caixa e equivalentes de caixa 4 61.664 207.743 Fornecedores

Leia mais

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS

CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Texto para as questões de 31 a 35 conta saldo despesa de salários 10 COFINS a recolher 20 despesas de manutenção e conservação 20 despesa de depreciação 20 PIS a recolher 30 despesas

Leia mais

6º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira

6º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira 1 6º TEXTO: MATERIAL DE APOIO Professor: Me Célio dos Santos Vieira INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 1 Quanto maior a ausência de preconceitos, maior a liberdade de pensar, maior a capacidade de aprender. Identifique

Leia mais

Como anda o investimento público no Brasil?

Como anda o investimento público no Brasil? Como anda o investimento público no Brasil? Cláudio Hamilton Matos dos Santos Coordenação de Finanças Públicas Diretoria de Estudos Macroeconômicos (DIMAC) IPEA Brasília, 29/12/2011 Prólogo (1): O peso

Leia mais

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA

Contabilidade Geral e Avançada Correção da Prova AFRFB 2009 Gabarito 1 Parte 1 Prof. Moraes Junior CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA CONTABILIDADE GERAL E AVANÇADA 1. O Conselho Federal de Contabilidade, considerando que a evolução ocorrida na área da Ciência Contábil reclamava a atualização substantiva e adjetiva de seus princípios,

Leia mais

INVENTÁRIO DE ESTOQUES

INVENTÁRIO DE ESTOQUES 1 de 5 31/01/2015 15:29 Tamanho do Texto + tamanho do texto - INVENTÁRIO DE ESTOQUES No final de cada exercício, as empresas devem inventariar seus estoques de materiais (matérias primas, materiais de

Leia mais

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com

Curso DSc. IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV. Prof.: Antonio Carlos Assumpção. Site: acjassumpcao77.webnode.com Curso DSc IBGE Exercícios de Macroeconomia Banca FGV Prof.: Antonio Carlos Assumpção Site: acjassumpcao77.webnode.com Defensoria Pública do Estado de Mato Grosso Economista - 2015 51 - Considere as seguintes

Leia mais

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA

FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA FUNDAMENTOS DE TEORIA E POLÍTICA MACROECONÔMICA O que a macroeconomia analisa? Analisa a determinação e o comportamento dos grandes agregados como: renda, produto nacional, nível geral de preços, nível

Leia mais

CONTABILIDADE BÁSICA

CONTABILIDADE BÁSICA CONTABILIDADE BÁSICA Professora M. Sc. Crísley do Carmo Dalto Graduação em Ciências Contábeis (UFES) Especialista em Contabilidade Gerencial (UFES) Mestre em Ciências Contábeis- Contabilidade Gerencial

Leia mais

Macroeconomia. Economia

Macroeconomia. Economia Macroeconomia Economia Fluxo de renda Comecemos então com o modelo simples de fluxo circular de renda. Bens e serviços vendidos Mercado de Bens e serviços Bens e serviços comprados Receita Despesa Empresas

Leia mais

Contas Nacionais Trimestrais

Contas Nacionais Trimestrais Contas Nacionais Trimestrais Indicadores de Volume e Valores Correntes 1º Trimestre de 2015 Coordenação de Contas Nacionais 29 de maio de 2015 Tabela Resumo Principais resultados do PIB a preços de mercado

Leia mais

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC

INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA. Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC INDICADORES ECONÔMICOS PARA ANÁLISE DE CONJUNTURA Fernando J. Ribeiro Grupo de Estudos de Conjuntura (GECON) - DIMAC FORTALEZA, Agosto de 2013 SUMÁRIO 1. Fundamentos da Análise de Conjuntura. 2. Tipos

Leia mais

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA

INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA UNIVERSIDADE DA MADEIRA Departamento de Gestão e Economia INTRODUÇÃO À MACROECONOMIA 2º Semestre 2004/2005 1º CADERNO DE EXERCÍCIOS Introdução 1. INTRODUÇÃO 1. * A macroeconomia lida com: a) A Economia

Leia mais

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas

Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3 Balanço Patrimonial: Grupo de Contas 3.1 JUSTIFICATIVAS Como foi visto no capítulo anterior, o Balanço Patrimonial é constituído de Ativo, Passivo e Patrimônio Líquido. O Ativo, por sua vez, compõe-se

Leia mais

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP

GRUPO DE ECONOMIA / FUNDAP ANEXO ESTATÍSTICO Produto Interno Bruto Tabela 1. Produto Interno Bruto Em R$ milhões Em U$ milhões 1 (último dado: 3º trimestre/) do índice de volume 2009 2010 (3ºtri) 2009 2010 (3ºtri) Trimestre com

Leia mais

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30.

Obrigações. Fornecedores 45.000. Salários a pagar 75.000. Impostos a recolher 20.000. Patrimônio Líquido. Capital Social 100.000. Reservas 30. Você acessou como Administrador Usuário (Sair) Info Resultados Visualização prévia Modificar Visualização prévia de Contabilidade Geral Iniciar novamente 1 Considerando: I- A contabilidade estuda e controla

Leia mais

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real.

Questão 1 O que é Fluxo Circular da Renda? O que são fluxos reais e fluxos monetários? Desenhe um e pense sobre como isso resume a economia real. Faculdade de Economia UFF Monitoria 3 Teoria Macroeconômica I (SEN00076) Professor: Claudio M. Considera Monitor: Vítor Wilher (www.vitorwilher.com/monitoria) E-mail: macroeconomia@vitorwilher.com Atendimento

Leia mais

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão

Análise Financeira. Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Análise Financeira Universidade do Porto Faculdade de Engenharia Mestrado Integrado em Engenharia Electrotécnica e de Computadores Economia e Gestão Introdução Objectivos gerais avaliar e interpretar a

Leia mais

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo

Contabilidade Decifrada. Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Contabilidade Decifrada Módulo III - Demonstrações Luiz Eduardo Demonstrações Contábeis - balanço patrimonial; - demonstração do resultado do exercício; e, - demonstração de lucros ou prejuízos acumulados.

Leia mais

Prof. Walter Dominas

Prof. Walter Dominas Unidade II CONTABILIDADE AVANÇADA Prof. Walter Dominas Consolidação das demonstrações contábeis A Consolidação das Demonstrações Contábeis é uma técnica que permite conhecer a posição financeira de um

Leia mais

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012.

Palestra. Demonstração dos Fluxos de Caixa (DFC) e Demonstração do Valor Adicionado (DVA) - Novas Normas Contábeis. Março 2012. Conselho Regional de Contabilidade do Estado de São Paulo Tel. (11) 3824-5400, 3824-5433 (teleatendimento), fax (11) 3824-5487 Email: desenvolvimento@crcsp.org.br web: www.crcsp.org.br Rua Rosa e Silva,

Leia mais

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO

RECEITA BRUTA ( ) Deduções de Receitas = RECEITA LÍQUIDA ( ) Custos = LUCRO BRUTO ( ) Despesas = LUCRO LÍQUIDO MÓDULO V CONTABILIDADE GERENCIAL FATOS CONTÁBEIS QUE AFETAM A SITUAÇÃO LÍQUIDA INTRODUÇÃO Neste módulo iremos fazer uma abordagem sobre os elementos que ocasionam as mutações na situação patrimonial líquida.

Leia mais

TEXTO 4. 4. O Produto Social. 4.1. Questões Econômicas.

TEXTO 4. 4. O Produto Social. 4.1. Questões Econômicas. TEXTO 4 4. O Produto Social O objetivo das páginas seguintes é o de analisar algumas questões essenciais para o entendimento do que é riqueza, como ela é produzida, e como se mede esta riqueza. O conceito

Leia mais

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública

Aula 8. Política Fiscal: déficit e dívida pública Aula 8 Política Fiscal: déficit e dívida pública O Crescimento da Participação do Setor Público na Atividade Econômica Crescimento da renda per capita - gera um aumento da demanda de bens e serviços públicos

Leia mais

ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO

ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO ECONOMIA E MERCADO MBA EM CONTROLADORIA E FINANÇAS PGCF PROF. JOÃO EVANGELISTA DIAS MONTEIRO 1 OBJETIVOS DA AULA 3 Dinâmica dos Mercados em Macroeconomia Contas Nacionais - Quantificando o Desempenho da

Leia mais

CAPITULO 9 CONTABILIDADE NACIONAL

CAPITULO 9 CONTABILIDADE NACIONAL CAPITULO 9 CONTABILIDADE NACIONAL O estudo da Macroeconomia exige o conhecimento do significado de diversas variáveis, atais como o consumo, o investimento, as exportações, as importações, o produto, etc.,

Leia mais

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO

MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO MODELO DE PLANO DE NEGÓCIO 1 Informações sobre o responsável pela proposta. Nome : Identidade: Órgão Emissor: CPF: Endereço: Bairro: Cidade: Estado: CEP: Telefone: FAX: E-mail Formação Profissional: Atribuições

Leia mais

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2

ITR - Informações Trimestrais - 31/03/2011 - CEMEPE INVESTIMENTOS SA Versão : 1. Composição do Capital 1. Balanço Patrimonial Ativo 2 Índice Dados da Empresa Composição do Capital 1 DFs Individuais Balanço Patrimonial Ativo 2 Balanço Patrimonial Passivo 3 Demonstração do Resultado 4 Demonstração do Fluxo de Caixa 5 Demonstração das Mutações

Leia mais

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_...

http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... http://www.econeteditora.com.br/boletim_imposto_renda/ir-11/boletim-19/cont_demonstracoes_... Página 1 de 14 CONTABILIDADE DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS Considerações ROTEIRO 1. INTRODUÇÃO 1. INTRODUÇÃO 2. OBJETIVO

Leia mais

Fundamentos Decifrados de Contabilidade

Fundamentos Decifrados de Contabilidade 1 Resultado... 1 1.1 Receitas... 1 1.2 Despesas... 3 1.3 Ajustes... 6 2 Os conceitos de capital e de manutenção do capital... 7 1 Resultado O resultado é a medida mais utilizada para aferir a performance

Leia mais

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013

Release de Resultados 3T13. 23 de outubro de 2013 Release de Resultados 3T13 23 de outubro de 2013 Ressalvas As informações e declarações sobre eventos futuros estão sujeitas a riscos e incertezas, as quais têm como base estimativas e suposições da Administração

Leia mais

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro

Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento. 9.1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro Capítulo 9: Análise de Projectos de Investimento Conteúdo Temático 1. A dimensão temporal e o cálculo financeiro 2. Critérios de análise da rendibilidade de projectos de investimento 9.1. A dimensão temporal

Leia mais

Prova de Macroeconomia

Prova de Macroeconomia UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ CURSO DE MESTRADO EM ECONOMIA PROCESSO SELETIVO 2010 Prova de Macroeconomia INSTRUÇÕES PARA A PROVA Leia atentamente as questões. A interpretação das questões faz parte da

Leia mais

LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE SOCIAL E MODELO KEYNESIANO SIMPLES

LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE SOCIAL E MODELO KEYNESIANO SIMPLES UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL FACULDADE DE CIÊNCIAS ECONÔMICAS DEPARTAMENTO DE ECONOMIA DISCIPLINA: ANÁLISE MACROECONÔMICA PROF. RAFAEL TIECHER CUSINATO LISTA DE EXERCÍCIOS I NOÇÕES DE CONTABILIDADE

Leia mais

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO

JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO JUROS SOBRE CAPITAL PRÓPRIO Alunos: Gleidiane Lacerda de Souza Raichelle Piol Professor: Aldimar Rossi RESUMO: O presente trabalho tem a finalidade de falar de Juros sobre capital próprio (JSCP) é uma

Leia mais

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis

Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Elementos Operacionais e Não Operacionais nas Demonstrações Contábeis Autoria: Clóvis Luís Padoveze Resumo As demonstrações publicadas de acordo com o formato aprovado pelos órgãos regulatórios, tanto

Leia mais

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos

Boletim. Contabilidade Internacional. Manual de Procedimentos Boletim Manual de Procedimentos Contabilidade Internacional Custos de transação e prêmios na emissão de títulos e valores mobiliários - Tratamento em face do Pronunciamento Técnico CPC 08 - Exemplos SUMÁRIO

Leia mais