Aditivos para Concreto

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Aditivos para Concreto"

Transcrição

1 Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Aditivos para Concreto Referência desta aula Mehta & Monteiro (1994), Capítulo 8 NBR 11768:1992 Aditivos para concreto de cimento portland 1 Conceito Todo produto que adicionado em pequena proporção em argamassas ou concretos, no momento da mistura, com a finalidade de modificar, no sentido favorável, as propriedades desse conglomerado, tanto no estado fresco quanto no estado endurecido. 2 1

2 Tipos de Aditivos Impermeabilizante (hidrofugante); Expansor; Acelerador de pega; Retardador de pega; Incorporador de ar; Retentor de água; Redutores de água: Plastificantes Superplastificantes 3 Aditivos Impermeabilizantes (Hidrofugantes) Mecanismo principal de ação: Agem sobre a natureza da superfície do conglomerado; São hidrófugos. Substâncias mais comuns: Ácido estereático; Ácido caprílico; Ácido oleico; Emulsão de cera; Ácido cáprico; Estereato de cálcio; Estereato de alumínio; Resina hidrocarbonada. 4 2

3 Aditivos Impermeabilizantes (Hidrofugantes) Mecanismo de ação: 5 Aditivos Impermeabilizantes (Hidrofugantes) Mecanismo de ação: 6 3

4 Aditivos Impermeabilizantes (Hidrofugantes) Mecanismo de ação: 7 Aditivos Aceleradores de Pega Mecanismo de atuação: Promover (acelerar) a dissolução dos cátions e ânions do cimento, especialmente daqueles com menor velocidade de dissolução inicial. Ex.: íons silicatos. Reações iniciais do cimento: Dissolução precipitação. Usos recomendados: Desforma rápida (pré-moldados); Clima frio; Obras submersas. 8 4

5 Aditivos Aceleradores de Pega Substâncias mais comuns: Grupo 1 (teores de 0,5 a 2,0%) mais utilizados: Cloreto de cálcio (CaCl 2 ) Cloreto de sódio (NaCl) Grupo 2 (teores de 0,01 a 0,05%) Trietanolamina Grupo 3 (teores de 1,0 a 3,0%) Formiato de cálcio Nitrato de cálcio Fluoreto de cálcio Tiossulfato de potássio 9 Aditivos Aceleradores de Pega Mecanismo principal de ação: Grupo 1 Agem favorecendo e alterando os produtos da hidratação do C 3 A, C 4 AF e C 3 S. Grupo 2 Acelera a hidratação do C 3 A. Grupo 3 Atuam preponderantemente sobre a hidratação do C 3 A e do C 3 S. 10 5

6 Aditivos Aceleradores de Pega Particularidades: Grupo 1 Aumenta as resistências iniciais; Reduz a segregação e exsudação; Favorece a corrosão das armaduras; Aumenta a retração; Aumenta o risco de eflorescências; Reduz as resistências finais. Grupo 2 Retarda a hidratação do C 3 S em teores acima de 0,06%. Grupo 3 Aumentam as resistências iniciais; Diminuem as resistências finais; Aumentam o risco de eflorescências. 11 Aditivos Retardadores de Pega Usos recomendados: Calda de cimento para injeção de bainhas de cabos de protensão; Concretagem de grandes peças (manutenção da trabalhabilidade); Transporte de concreto por longo período; Temperaturas elevadas. Atuação: Retardar a dissolução dos cátions e ânions do cimento, especialmente aqueles com alta velocidade de dissolução inicial. 12 6

7 Aditivos Retardadores de Pega Substâncias mais comuns: Carbohidratos (açucares); Ácidos hidroxi-carboxílicos e dicarboxílicos; Fosfatos; Sais de chumbo e de zinco. Mecanismos principais de ação: Adsorção dos compostos orgânicos sobre os grãos de cimento impedindo a hidratação; Formação de precipitatos salinos insolúveis sobre os grãos de cimento. 13 Aditivos Tensoativos Incorporadores de Ar; Redutores de Água 14 7

8 Aditivos Tensoativos Moléculas orgânicas de cadeias longas com uma extremidade hidrófila e outra hidrófoba; Atuam na interface: Ar Água (Incorporadores de ar) Cimento Água (Redutores de Água) 15 Aditivos Tensoativos 16 8

9 Aditivos Tensoativos 17 Aditivos Incorporadores de Ar Mecanismo principal de ação: Propicia a formação de micro bolhas de ar homogeneamente distribuídas (φ 100 a 500 µm); Hidrofugam o cimento. Substâncias mais comuns: Resina vinsol (aniômico); Ácido abiético; Ácido oleico; Ácido cáprico; Alquil-sulfonatos; Alquil-fenóis etoxilados (não iônico); Sais de alquil-amônio. 18 9

10 Aditivos Incorporadores de Ar Características: Confere resistência ao ciclo gelo-degelo; Aumento da trabalhabilidade; Aumento da coesão; Pode retardar o tempo de pega do cimento; Diminuição da exsudação; Diminuição da resistência mecânica; Diminuição da massa específica. 19 Aditivos Incorporadores de Ar 20 10

11 Plastificantes Superplastificantes Atuam: Redução da relação a/c (para mesma trabalhabilidade) Aumento da trabalhabilidade (para mesma relação a/c) 21 Grupos: Plastificante (1ª geração) Redução a/c entre 5 e 10% Ex.: Ácidos lignosulfonados Ácidos carboxílicos hidroxilados Superplastificante (2ª geração) Redução a/c entre 20 e 25% Ex.: Sais de sulfonados de melamina Condensados de naftaleno-formaldeido Superplastificante (3ª geração) Redução a/c entre 30 e 40% Ex.: Policarboxilatos 22 11

12 Plastificantes Mecanismo de ação: Cadeia polar + Grupo polar aniônico; Diminui a tensão superficial da água; Aderem às partículas de cimento, tornando-o hidrófilo. 23 Mecanismo de ação: 24 12

13 Mecanismo de ação: 25 Plastificantes Composição: Ácidos lignosulfonatos; Ácidos carboxílicos hidroxilados; Compostos polihidroxilados; Sais e modificações destes compostos. Efeitos Colaterais: Lignosulfonatos Incorporam ar; Diminuem a resistência. Retardo de pega Dosagem elevada

14 Função do Plastificante: Aumentar da fluidez para: a/c constante Resistência constante. Diminuir o consumo de cimento para: a/c constante; Resistência constante; Fluidez constante. Aumentar a resistência ou diminuir a água: 27 Aplicação dos Plastificantes: 28 14

15 Superplastificantes: Mecanismo de ação: Cadeias longas; Massa molecular elevada; Provoca grande dispersão de partículas: Maior área de reação química; Elevada resistência inicial; Grande fluidez: Até 25cm de abatimento; Sem segregação; Sem exudação. Teores em relação a massa de cimento: Até 3% 29 Problemas - Superplastificantes: Compatibilidade com o cimento; Perda de eficiência: Maior que dos plastificantes; Causa: Composição do aditivo; Temperatura; Finura do cimento; Teor de aditivo. Composição básica: Naftaleno sulfonado Melanina formaldeído. Preço elevado

16 Usos recomendados: Concretos auto adensáveis; Concretos de alto desempenho. Estado físico mais comum Líquido Teores mais comuns: 0,5 a 3,0% Compatibilidade cimento-aditivo 31 16

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Aditivos para argamassas e concretos Materiais de Construção II Professora: Mayara Moraes Introdução Mehta: Quarto componente do concreto ; Estados

Leia mais

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE ARQUITETURA E URBANISMO ADITIVOS PARA O CONCRETO 1) Definição : NBR 11768 (EB-1763/92) - Aditivos para concreto de Cimento Portland. Produtos que adicionados em pequena quantidade a concreto de Cimento Portland modificam algumas

Leia mais

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO

UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO UNIVERSIDADE DO ALGARVE ESCOLA SUPERIOR DE TECNOLOGIA ÁREA DEPARTAMENTAL DE ENGENHARIA CIVIL LABORATÓRIO PARA BETÃO DEFINIÇÕES, REQUISITOS, CONFORMIDADE, MARCAÇÃO E ROTULAGEM Versão 1 DOCENTE: Engº Elson

Leia mais

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES

ADJUVANTES PARA AS ARGAMASSAS OU BETÕES 1.1. OBJECTO Os adjuvantes para as argamassas ou betões devem obedecer às condições técnicas gerais relativas a materiais e elementos de construção e ainda aos vários documentos que lhe são aplicáveis.

Leia mais

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira

ADITIVOS. Reforçar ou introduzir certas características. Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira ADITIVOS 1. OBJETIVO Reforçar ou introduzir certas características 2. UTILIZAÇÃO Em pequenas quantidades (< 5%). Pode ou não ser lançado diretamente na betoneira 3. FUNÇÕES BÁSICAS DOS ADITIVOS CONCRETO

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MAJ MONIZ DE ARAGÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Aditivos; Concreto Auto-Adensável Adensável (CAA): Definições,

Leia mais

Adjuvantes para Betão

Adjuvantes para Betão Degussa Construction Chemicals Portugal, S.A. Acção de Formação Adjuvantes para Betão Mais de 138 Centros de produção em 78 países Universidade do Algarve - Maio 2006 Enfrentamos os desafios O Trabalho

Leia mais

Usos A linha MIRA pode ser usada com uma ampla gama de dosificações. É adequada as seguintes aplicações:

Usos A linha MIRA pode ser usada com uma ampla gama de dosificações. É adequada as seguintes aplicações: MIRA Aditivo Plastificante Polifuncional Redutor de Água Descrição A linha MIRA são aditivos polifuncionais para concreto com bom poder de redução de água e com aplicações múltiplas e isento de cloretos.

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.Eng.º Instrutor Abril / 2006 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

OBRA: REFORMA E RECUPERAÇÃO DE PISCINA ENTERRADA - IEG

OBRA: REFORMA E RECUPERAÇÃO DE PISCINA ENTERRADA - IEG OBRA: REFORMA E RECUPERAÇÃO DE PISCINA ENTERRADA - IEG DATA: Abril/2011. LOCALIZAÇÃO : Av. Anhanguera Goiânia/GO. ESPECIFICAÇÃO TÉCNICA: Impercia Atacadista LTDA. EXECUÇÃO: - ALDEIA ENGENHARIA LTDA. Situação:

Leia mais

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º.

Materiais e Processos Construtivos. Materiais e Processos Construtivos. Concreto. Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º. Concreto Frank Cabral de Freitas Amaral 1º º Ten.-Eng.º Instrutor Março/2005 1 Programação SEMANA DATA TÓPICOS 1 2 3 4 5 6 7 8 06/mar 09/mar 13/mar 16/mar 20/mar 23/mar 27/mar 30/mar 3/abr 6/abr 10/abr

Leia mais

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato

CIMENTO. 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil. - Cimento Branco. - Cimentos resistentes a sulfato CIMENTO 1.5 Tipos de Cimento Portland produzidos no Brasil - Cimento Branco - Cimentos resistentes a sulfato 1.6. Composição química do clínquer do Cimento Portland Embora o cimento Portland consista essencialmente

Leia mais

Construction Chemicals

Construction Chemicals Construction Chemicals Linha de Produtos 2014 CAPA UHE Foz do Chapecó Com uma potência instalada de cerca de 855 MW a Usina Hidrelétrica de Foz do Chapecó é uma das maiores do Brasil. Localizada no Rio

Leia mais

ADITIVOS À BASE DE POLICARBOXILATOS: INFLUÊNCIA NOS TEMPOS DE PEGA E NA MANUTENÇÃO DO ABATIMENTO EM PASTAS DE CIMENTO PORTLAND

ADITIVOS À BASE DE POLICARBOXILATOS: INFLUÊNCIA NOS TEMPOS DE PEGA E NA MANUTENÇÃO DO ABATIMENTO EM PASTAS DE CIMENTO PORTLAND UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL ESCOLA DE ENGENHARIA DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL Romulo Augusto Rigon Fracalossi ADITIVOS À BASE DE POLICARBOXILATOS: INFLUÊNCIA NOS TEMPOS DE PEGA E NA MANUTENÇÃO

Leia mais

ADITIVOS PARA CONCRETO

ADITIVOS PARA CONCRETO Materiais de Construção Civil II ADITIVOS PARA CONCRETO Professor: Yuri Cardoso Mendes 1 Introdução ADITIVO pode ser definido como um produto que não é indispensável na confecção do concreto, mas quando

Leia mais

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes

Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil. Professora: Mayara Moraes Pontifícia Universidade Católica de Goiás Engenharia Civil Professora: Mayara Moraes Consistência; Textura; Trabalhabilidade; Integridade da massa / Segregação Poder de retenção de água / Exsudação Massa

Leia mais

ADITIVOS MCC2001 AULA 5

ADITIVOS MCC2001 AULA 5 ADITIVOS MCC2001 AULA 5 Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil 5.1 USO DE ADITIVOS

Leia mais

Leia estas instruções:

Leia estas instruções: Leia estas instruções: 1 Confira se os dados contidos na parte inferior desta capa estão corretos e, em seguida, assine no espaço reservado para isso. Caso se identifique em qualquer outro local deste

Leia mais

Sumário. 1 Cimento Portland 1

Sumário. 1 Cimento Portland 1 Sumário 1 Cimento Portland 1 Histórico 1 Fabricação do cimento Portland 2 Composição química do cimento Portland 8 Hidratação do cimento 13 Silicatos de cálcio hidratados 14 Aluminato tricálcico hidratado

Leia mais

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo.

Argamassa TIPOS. AC-I: Uso interno, com exceção de saunas, churrasqueiras, estufas e outros revestimentos especiais. AC-II: Uso interno e externo. Especificações Técnicas Argamassa INDUSTRIALIZADA : Produto industrializado, constituído de aglomerantes e agregados miúdos, podendo ainda ser adicionados produtos especiais (aditivos), pigmentos com a

Leia mais

Aditivos para argamassas e concretos

Aditivos para argamassas e concretos Histórico Aditivos para argamassas e concretos Romanos e incas: albumina (sangue e clara de ovos); álcalis (cal); Brasil: óleo de baleia; gesso cru e cloreto de cálcio; Alemanha e França: graxa de cal.

Leia mais

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER

Goiânia GO. Daniel da Silva ANDRADE Danillo de Almeida e SILVA André Luiz Bortolacci GAYER O comportamento do concreto de alto desempenho com sílica ativa e metacaulim como adições químicas minerais quanto à sua resistência à compressão utilizando agregados provenientes da região metropolitana

Leia mais

Direitos e Deveres. Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010. Eng. Flávio Renato P. Capuruço

Direitos e Deveres. Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010. Eng. Flávio Renato P. Capuruço : Direitos e Deveres Belo Horizonte, 16 de Setembro de 2010 Eng. Flávio Renato P. Capuruço Sistemas Construtivos: Comparativo 1 Alguns fatos motivadores da discussão: Na Aquisição: Compras efetuadas apenas

Leia mais

Gesso Odontológico. Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB

Gesso Odontológico. Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB. Prof. Eclérion Chaves Curso de ASB Curso de ASB Gesso Odontológico Modelos Modelos Modelos Modelos Moldes para fabricação de dentaduras GESSO Revestimentos Sulfato de cálcio di-hidratado, quimicamente quase puro (Gipsita) (CaSO 4. 2H 2

Leia mais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais

Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO OBJETIVO. Materiais Naturais e Artificiais Dosagem de Concreto INTRODUÇÃO Atualmente, no Brasil, são produzidos cerca de 20 milhões de m3 de concreto/ano em Centrais de Concreto, denominadas Empresas de Serviços de Concretagem. Uma economia de

Leia mais

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO

CURSO DE AQUITETURA E URBANISMO 1- Generalidades PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Todas as misturas de concreto devem ser adequadamente dosadas para atender aos requisitos de: Economia; Trabalhabilidade; Resistência; Durabilidade. Esses

Leia mais

MIRA TM. Aditivo para Concreto. Aditivo Plastificante Polifuncional Redutor de Água

MIRA TM. Aditivo para Concreto. Aditivo Plastificante Polifuncional Redutor de Água Aditivo para Concreto MIRA TM Aditivo Plastificante Polifuncional Redutor de Água DESCRIÇÃO A linha MIRA TM é uma linha de aditivos redutores de água polifuncional, desenvolvida como aditivo redutor de

Leia mais

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS

ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTO MATERIAIS BÁSICOS EMPREGADOS NA PRODUÇÃO DAS ARGAMASSAS DE REVESTIMENTOS INTRODUÇÃO O empirismo durante a especificação dos materiais A complexidade do número de variáveis envolvidas

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL. M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL M.Sc. Arq. Elena M. D. Oliveira GESSO É um aglomerante natural resultante da queima do CaSO4 2H2O (gipsita). Também chamado de gesso de estucador, gessoparisougessodepegarápida.

Leia mais

Conteúdo Programático

Conteúdo Programático FEVEREIRO 0 TEO 05 09 11 TEO 1 Definir as regras do curso. Histórico do. P&D e avanços da tecnologia do. tipos e aplicações do cimento. Contexto da indústria do cimento Materiais de Construção Civil II

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Propriedades do Concreto Referência desta aula Agosto - 2008 1 Propriedades

Leia mais

COMPRASNET - O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO

COMPRASNET - O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO COMPRASNET O SITE DE COMPRAS DO GOVERNO Página 1 de 8 PODER LEGISLATIVO Senado Federal Termo de Homologação do Pregão Eletrônico Nº 00086/2014 (SRP) Às 20:06 horas do dia 14 de outubro de 2014, após constatada

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Adições Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Egydio Herve Neto Dario Dafico Silvia Selmo Rubens Curti, 3/42 Adições Adições minerais são

Leia mais

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO

COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COMPATIBILIDADE DE ADITIVOS: INFLUÊNCIA DO ADITIVO RETARDADOR NA FLUIDEZ DO CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO Costenaro, F. L. (1); Isa M. M. (2) (1) Graduanda de Eng. Civil. Faculdade de Engenharia de Bauru

Leia mais

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland

Dosagem dos Concretos de Cimento Portland (UFPR) (DCC) Disciplina: Materiais de Construção IV - Laboratório Dosagem dos Concretos de Cimento Portland Eng. Marcelo H. F. de Medeiros Professor Dr. do Professor Dr. do Programa de Pós-Graduação em

Leia mais

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável

VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável VENCENDO OS DESAFIOS DAS ARGAMASSAS PRODUZIDAS EM CENTRAIS DOSADORAS argamassa estabilizada e contrapiso autoadensável Juliano Moresco Silva Especialista em Tecnologia do Concreto juliano.silva@azulconcretos.com.br

Leia mais

Ficha Técnica de Produto

Ficha Técnica de Produto Ficha Técnica de Produto GLENIUM 3400 NV Aditivo hiperplastificante. GLENIUM 3400 NV é um aditivo com alto índice de redução de água, pronto para o uso. O GLENIUM 3400 NV é uma nova geração de aditivos

Leia mais

Início da execução de uma concretagem submersa. Borra = Concreto misturado com bentonita e solo Concreto

Início da execução de uma concretagem submersa. Borra = Concreto misturado com bentonita e solo Concreto EXEMPLO N O 166 ESTRUTURAS: Estacas escavadas de concreto armado, com diâmetro de 1,10m e 1,30m, executadas com concreto submerso. OBSERVAÇÃO: Concreto com baixa resistência no topo das estacas. Poroso

Leia mais

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO

PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO PROPRIEDADES DO CONCRETO FRESCO Consistência Textura Trabalhabilidade Integridade da massa Segregação Poder de retenção de água Exsudação Massa específica TRABALHABILIDADE É a propriedade do concreto fresco

Leia mais

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1)

CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) CONTROLE TECNOLÓGICO DO CONCRETO MCC2001 AULA 6 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia

Leia mais

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO

MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO SEÇÃO DE ENSINO DE ENGENHARIA DE FORTIFICAÇÃO E CONSTRUÇÃO MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO II TECNOLOGIA DA ARGAMASSA E DO CONCRETO Definição de concreto hidráulico e de argamassa. Componentes; indicação das proporções

Leia mais

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO

PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO PREFEITURA MUNICIPAL DE PORTO ALEGRE DEPARTAMENTO MUNICIPAL DE HABITAÇÃO Superintendência de Urbanismo e Produção Habitacional Coordenação de Projetos CERCAMENTO DE ÁREAS MUROS PRÉ-MOLDADOS DE CONCRETO

Leia mais

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO

CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO CONCRETO AUTO-ADENSÁVEL: AVALIAÇÃO DO EFEITO DE RESÍDUOS INDUSTRIAIS EM SUBSTITUIÇÃO À AREIA (PARTE 1) SELF-COMPACTING CONCRETE: EVALUATION OF INDUSTRIAL WASTES REPLACING THE SAND (PART 1) Silva, Cláudia

Leia mais

A Im p o r t â n c ia d a Es c o l h a d o Ag l o m e r a n t e pa r a Do s a g e m d e Co n c r e t o d e Ci me n t o Po r t l a n d

A Im p o r t â n c ia d a Es c o l h a d o Ag l o m e r a n t e pa r a Do s a g e m d e Co n c r e t o d e Ci me n t o Po r t l a n d A Im p o r t â n c ia d a Es c o l h a d o Ag l o m e r a n t e pa r a Do s a g e m d e Co n c r e t o d e Ci me n t o Po r t l a n d Allison Rosa Castro 1 Sandra Maria de Lima 2 Re s u m o: Este artigo

Leia mais

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2)

Tecnologia da Construção I CRÉDITOS: 4 (T2-P2) UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO RIO DE JANEIRO DECANATO DE ENSINO DE GRADUAÇÃO DEPARTAMENTO DE ASSUNTOS ACADÊMICOS E REGISTRO GERAL DIVISÃO DE REGISTROS ACADÊMICOS PROGRAMA ANALÍTICO DISCIPLINA CÓDIGO: IT836

Leia mais

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila.

O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. Cimento Portland O cimento é um aglomerante hidráulico produzido a partir de uma mistura de rocha calcária e argila. A calcinação dessa mistura dá origem ao clinker, um produto de natureza granulosa, cuja

Leia mais

Materiais de Construção ( TC-031) ADITIVOS PARA CONCRETO

Materiais de Construção ( TC-031) ADITIVOS PARA CONCRETO Aditivos Ministério da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Construção Civil Materiais de Construção ( TC-031) ADITIVOS PARA CONCRETO Prof. José de Almendra Freitas

Leia mais

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO

ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO ANÁLISE DO EFEITO DE ADIÇÃO DE DIFERENTES TEORES DE PÓ DE GRANITO NAS PROPRIEDADES MECÂNICAS DO MICROCONCRETO RESUMO E. Bacarji 1 E. W. Ramirez Perez¹ L. Hamer¹ M. A. Lima¹ M. V. Martins 2 T. F. Campos

Leia mais

Aditivos Para concretos e Argamassas.

Aditivos Para concretos e Argamassas. Aditivos Para concretos e Argamassas. E Suas Aplicações. Histórico Os romanos e os incas já empregavam em suas obras algumas substancias que hoje chamaríamos de aditivos. Albumina: (sangue e clara de ovos)

Leia mais

Propriedades do Concreto

Propriedades do Concreto Universidade Federal de Itajubá Instituto de Recursos Naturais Propriedades do Concreto EHD 804 MÉTODOS DE CONSTRUÇÃO Profa. Nívea Pons PROPRIEDADES DO CONCRETO O concreto fresco é assim considerado até

Leia mais

Carlos Britez¹ Jéssika Pacheco¹ Paulo Helene¹ Suely Bueno²

Carlos Britez¹ Jéssika Pacheco¹ Paulo Helene¹ Suely Bueno² 56º CBC 10/10/2014 Natal/RN Carlos Britez¹ Jéssika Pacheco¹ Paulo Helene¹ Suely Bueno² ¹ PhD Engenharia ² JKMF pilares inclinados concreto autoadensável - vídeo Características do concreto e obra f ck

Leia mais

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru)

1. CONCEITO: 2. CLASSIFICAÇÃO: AGLOMERANTES. Ativos. Inertes. Aéreos. Hidráulicos. Endurecem por secagem Ex.: argila (barro cru) 1. CONCEITO: É um material ativo (pulverulento), que promove a ligação entre os grãos do material inerte (agregado). Exemplos: gesso, cal e cimento). São usados para a fabricação de: Pastas: aglomerante

Leia mais

ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO

ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO ORIENTAÇÃO DE VEDAÇÃO E IMPERMEABILIZAÇÃO DE ESTRUTURAS PRÉ FABRICADAS EM CONCRETO Resumo A utilização de estruturas pré fabricadas em concreto está numa crescente nesses últimos anos. Para a ABCIC (Associação

Leia mais

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS

TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TRABALHO DE GESTÃO DE REVESTIMENTOS TEMA Ensaio de aderência de revestimentos de argamassa, gesso e cerâmica. OBJETIVO Analisar o grau de aderência dos revestimentos utilizados, em relação à norma técnica

Leia mais

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA

ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA ELASTEQ 7000 ARGAMASSA POLIMÉRICA Impermeabilizante à base de resinas termoplásticas e cimentos com aditivos e incorporação de fibras sintéticas (polipropileno). Essa composição resulta em uma membrana

Leia mais

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi

Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi Concreto e Postes de Concreto Diego Augusto de Sá /Janaína Rodrigues Lenzi INTRODUÇÃO: Neste trabalho será apresentado um apanhado sobre as diversas formas de concreto e agregados bem como o seu uso, dando

Leia mais

AULA 4 AGLOMERANTES continuação

AULA 4 AGLOMERANTES continuação AULA 4 AGLOMERANTES continuação Disciplina: Materiais de Construção I Professora: Dra. Carmeane Effting 1 o semestre 2014 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil O que tem em comum

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO. O Concreto de 125 MPa do CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO O Concreto de 125 MPa do e-tower SÃO PAULO O QUE É CAD?! Concreto com propriedades de resistência e durabilidade superiores às dos concretos comuns;! Qualquer concreto com características

Leia mais

Concreto de Cimento Portland

Concreto de Cimento Portland Definição: é o material resultante da mistura, em determinadas proporções, de um aglomerante - cimento Portland - com um agregado miúdo - geralmente areia lavada -, um agregado graúdo - geralmente brita

Leia mais

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30

ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 ANÁLISE DA VIABILIDADE DE INCORPORAÇÃO DE AGREGADOS RECICLADOS PROVENIENTES DO BENEFICIAMENTO DE RESÍDUO CLASSE A NA PRODUÇÃO DE CONCRETOS C20 E C30 Samara Correa Gomes Pontifícia Universidade Católica

Leia mais

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O

GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O GESTÃO DE ESTRUTURAS RACIONALIZADAS DE CONCRETO P R O M O Ç Ã O CONCRETO Engº Rubens Curti O QUE É CONCRETO Mistura em proporções pré-fixadas de um aglutinante (cimento) com água e um agregado constituído

Leia mais

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE

Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Propriedades do concreto JAQUELINE PÉRTILE Concreto O preparo do concreto é uma série de operações executadas de modo a obter, á partir de um determinado número de componentes previamente conhecidos, um

Leia mais

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO

ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO ESTUDO DE DOSAGEM DE CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL DE GRANITO Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP Paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo

Leia mais

Os produtos da BASF ajudam a construir o edifício mais alto do mundo Erguendo-se a mais de 800 metros e 160 andares, o Burj Dubai parece tocar os

Os produtos da BASF ajudam a construir o edifício mais alto do mundo Erguendo-se a mais de 800 metros e 160 andares, o Burj Dubai parece tocar os Os produtos da BASF ajudam a construir o edifício mais alto do mundo Erguendo-se a mais de 800 metros e 160 andares, o Burj Dubai parece tocar os céus de Dubai. Em 04 de janeiro de 2010, o edifício mais

Leia mais

As argamassas e os concretos serão estudados nos capítulos seguintes. Os aglomerantes podem ser classificados, quanto ao seu princípio ativo, em:

As argamassas e os concretos serão estudados nos capítulos seguintes. Os aglomerantes podem ser classificados, quanto ao seu princípio ativo, em: Materiais de Construção Araujo, Rodrigues & Freitas 18 3. Aglomerantes 1. Definição e Uso Aglomerante é o material ativo, ligante, em geral pulverulento, cuja principal função é formar uma pasta que promove

Leia mais

Prof. Eng. VICENTE BUDZINSKI UNIMAR CONCRETO ARMADO I CONCRETO

Prof. Eng. VICENTE BUDZINSKI UNIMAR CONCRETO ARMADO I CONCRETO CONCRETO Concreto é um material de construção proveniente da mistura, em proporção adequada, de: aglomerantes, agregados e água. Também é frequente o emprego de aditivos e adições. AGLOMERANTES Os aglomerantes

Leia mais

TENDÊNCIAS, CONQUISTAS, DESAFIOS DO CONCRETO AUTOADENSÁVEL

TENDÊNCIAS, CONQUISTAS, DESAFIOS DO CONCRETO AUTOADENSÁVEL TENDÊNCIAS, CONQUISTAS, DESAFIOS DO CONCRETO AUTOADENSÁVEL Prof. Bernardo F Tutikian btutikian@terra.com.br bftutikian@unisinos.br O CAA deve possuir: FLUIDEZ HABILIDADE DE PASSAR POR OBSTÁCULOS RESISTÊNCIA

Leia mais

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração

Pavimentação - sub-base de concreto de cimento Portland adensado por vibração MT - DEPARTAMENTO NACIONAL DE ESTRADAS DE RODAGEM DIRETORIA DE DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO - IPR DIVISÃO DE CAPACITAÇÃO TECNOLÓGICA Rodovia Presidente Dutra km 163 - Centro Rodoviário, Parada de Lucas

Leia mais

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND

PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND PROCEDIMENTOS RECOMENDADOS PARA O CONTROLE TECNOLÓGICO E DA QUALIDADE DE CONCRETO DE CIMENTO PORTLAND Engº.. Roberto José Falcão Bauer JUNHO / 2006 SUMÁRIO 1. DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO 2. PREMISSAS VISANDO

Leia mais

Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações.

Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações. Realização: Especificação, aplicação e controle do concreto para assegurar o desempenho de estruturas e fundações. Prof. Dr. Luiz Roberto Prudêncio Jr. Prof. Dr. Alexandre Lima de Oliveira Universidade

Leia mais

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho.

O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. 3. METODOLOGIA O fluxograma da Figura 4 apresenta, de forma resumida, a metodologia adotada no desenvolvimento neste trabalho. DEFINIÇÃO E OBTENÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS CARACTERIZAÇÃO DAS MATÉRIAS PRIMAS

Leia mais

Estudo do comportamento do gesso-α com a adição de ácidos graxos

Estudo do comportamento do gesso-α com a adição de ácidos graxos Estudo do comportamento do gesso-α com a adição de ácidos graxos Maria Carolina de Albuquerque Feitosa Bolsista de Iniciação Científica, Engenharia de Minas, UFPE João Alves Sampaio Orientador, Engenheiro

Leia mais

Materiais de Construção ( TC- 030) A ESTRUTURA DO CONCRETO

Materiais de Construção ( TC- 030) A ESTRUTURA DO CONCRETO Estrutura Ministério Interna da Educação Universidade Federal do Paraná Setor de Tecnologia Departamento de Construção Civil Materiais de Construção ( TC- 030) A ESTRUTURA DO CONCRETO Prof. José de Almendra

Leia mais

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO

CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO COM CIMENTO PORTLAND O SEGUNDO MATERIAL MAIS CONSUMIDO NO MUNDO CONCRETO É UM PRODUTO VERSÁTIL PR SC PR RS SC SC China SC CONCRETO É UTILIZADO EM TODAS AS CLASSES SOCIAIS Tecnologia Formal Tecnologia

Leia mais

Descolamento de Revestimentos de Argamassa Aplicados sobre Estruturas de Concreto Estudos de casos brasileiros

Descolamento de Revestimentos de Argamassa Aplicados sobre Estruturas de Concreto Estudos de casos brasileiros Descolamento de Revestimentos de Argamassa Aplicados sobre Estruturas de Concreto Estudos de casos brasileiros Helena CARASEK Escola de Engenharia Civil/ Universidade Federal de Goiás Brasil hcarasek@eec.ufg.br

Leia mais

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento

Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Estudo da Viabilidade Técnica e Econômica do Calcário Britado na Substituição Parcial do Agregado Miúdo para Produção de Argamassas de Cimento Rodrigo Cézar Kanning rckanning@yahoo.com.br Universidade

Leia mais

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS

CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO CONSERVAÇÃO DE REVESTIMENTOS HISTÓRICOS 1 Maria do Rosário Veiga rveiga@lnec.pt novembro 2013 PONTA DELGADA, 15 NOVEMBRO Diagnóstico de Anomalias nãoestruturais: causas e metodologias

Leia mais

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho

Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO. Profº Joel Filho Tecnologia da Construção IMPERMEABILIZAÇÃO Profº Joel Filho Introdução: Impermeabilização NBR 9575/2003 - Elaboração de Projetos de Impermeabilização Item 6 Projeto 6.1. Elaboração e responsabilidade técnica

Leia mais

A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas

A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas A importância da avaliação reológica de pastas com e sem sílica ativa para produção de concretos estruturais com cimento Portland para obras marítimas Alessandra Lorenzetti de Castro 1 & Jefferson Liborio

Leia mais

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP

Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP CEETEPS Centro Estadual de Educação Tecnológica Paula Souza GOVERNO DO ESTADO DE SÃO PAULO 098-ETE PHILADELPHO GOUVEA NETTO - São José do Rio Preto SP APOSTILA DE MATERIAIS DE PROTESE MATERIAIS DE MOLDAGEM

Leia mais

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1)

CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1) CONCRETOS ESPECIAIS MCC2001 AULA 7 (parte 1) Disciplina: Materiais de Construção II Professora: Dr. a Carmeane Effting 1 o semestre 2015 Centro de Ciências Tecnológicas Departamento de Engenharia Civil

Leia mais

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral

Universidade Federal do Ceará. Curso de Engenharia Civil. Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento. Prof. Eduardo Cabral Universidade Federal do Ceará Curso de Engenharia Civil Aulas 1 e 2: Aglomerantes Cal, Gesso e Cimento Prof. Eduardo Cabral Definições Aglomerantes É o material ligante, ativo, geralmente pulverulento,

Leia mais

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência

Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência BE2008 Encontro Nacional Betão Estrutural 2008 Guimarães 5, 6, 7 de Novembro de 2008 Reduzido consumo de cimento na produção de concreto de elevada resistência Thiago Catoia 1, Bruna Catoia 2, Tobias Azevedo

Leia mais

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS

2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS 2.1 Condições gerais 1 2 2QUALIDADE DAS ESTRUTURAS As estruturas de concreto devem atender aos requisitos mínimos de qualidade, durante sua construção e serviço, e aos requisitos adicionais estabelecidos

Leia mais

Ambientes agressivos. Rodnei Corsini

Ambientes agressivos. Rodnei Corsini Ambientes agressivos Téchne 196 - Julho 2013 Projetos de estruturas de concreto expostas a ambientes quimicamente agressivos exigem atenção especial para assegurar desempenho e vida útil à edificação Rodnei

Leia mais

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM

21/08/2012. Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM Disciplina: Materiais de Construção II DOSAGEM 1 Importância A dosagem do concreto: É o processo de obtenção da combinação correta de cimento, agregados, águas, adições e aditivos Os efeitos da dosagem

Leia mais

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira

Materiais constituintes do Concreto. Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Materiais constituintes do Concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Aditivos para concreto Prof. M.Sc. Ricardo Ferreira Fonte: Rubens Curti, ABCP www.basf-cc.com.br www.sika.com.br Cement Concrete& Aggregates

Leia mais

REGIONAL DO IBRACON GOIÂNIA CONCRETO PROJETADO

REGIONAL DO IBRACON GOIÂNIA CONCRETO PROJETADO REGIONAL DO IBRACON GOIÂNIA CONCRETO PROJETADO Geol. Carlos de Oliveira Campos Desde o início do século se usa no mundo o concreto projetado e no Brasil desde a década de 60. Vem da língua inglesa a expressão

Leia mais

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil.

Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana. Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Urbana Universidade Estadual de Maringá Centro de Tecnologia Departamento de Engenharia Civil Agregados Referência desta aula Mehta & Monteiro (1994), Capítulo 7

Leia mais

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS

1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS 1. FUNDAMENTOS HISTÓRICOS Advento da agricultura: + 10.000 AC Terra, pedra e madeira: materiais que abrigaram a humanidade Desuso Produção industrial de materiais Novos padrões estéticos Grandes concentrações

Leia mais

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos

TECNOLOGIA MECÂNICA. Aula 08. Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) Tratamentos Termo-Físicos e Termo-Químicos Aula 08 Tratamentos Térmicos das Ligas Ferrosas (Parte 2) e Termo-Químicos Prof. Me. Dario de Almeida Jané Tratamentos Térmicos Parte 2 - Introdução - - Recozimento - Normalização - Têmpera - Revenido

Leia mais

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS ESTABILIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA

ESTABILIZAÇÃO DE SOLOS ESTABILIZAÇÃO FÍSICO-QUÍMICA INTRDUÇÃ Estabilização procedimentos visando a melhoria e estabilidade de propriedades dos solos (resistência, deformabilidade, permeabilidade,...). físico-química ESTABILIZAÇÃ estabilização granulométrica

Leia mais

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL

CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL CONCRETO DE ALTO DESEMPENHO COM AREIA ARTIFICIAL Paulo Hidemitsu Ishikawa 1 1 Prof. Me. do curso Construção Civil Edifícios da FATEC-SP paulo.ishikawa@uol.com.br Resumo Esta pesquisa tem como proposta

Leia mais

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DAVID COELHO SCOLARO ACOMPANHAMENTO E CONTROLE TECNOLÓGICO DE CONCRETO EM PISOS

UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DAVID COELHO SCOLARO ACOMPANHAMENTO E CONTROLE TECNOLÓGICO DE CONCRETO EM PISOS UNIVERSIDADE DO PLANALTO CATARINENSE DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL DAVID COELHO SCOLARO ACOMPANHAMENTO E CONTROLE TECNOLÓGICO DE CONCRETO EM PISOS LAGES (SC) 2014 DAVID COELHO SCOLARO ACOMPANHAMENTO

Leia mais

Cristalizante para impermeabilização de estruturas. Sistema Clean Construction

Cristalizante para impermeabilização de estruturas. Sistema Clean Construction Cristalizante para impermeabilização de estruturas Como funciona 1 Avaliação e estudo do projeto construtivo 2 Dosagem do aditivo em pó Xypex Admix C-500 NF 3 Aplicação do concreto e preparo das juntas

Leia mais

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE

TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE 1 TRAÇOS DE CONCRETO PARA OBRAS DE PEQUENO PORTE Marcos R. Barboza Paulo Sérgio Bastos UNESP, Faculdade de Engenharia de Bauru, Departamento de Engenharia Civil Resumo Este trabalho surgiu de duas necessidades

Leia mais

GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL INTEMPERISMO: PROCESSOS QUE MOLDAM A SUPERFÍCIE

GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL INTEMPERISMO: PROCESSOS QUE MOLDAM A SUPERFÍCIE GEOLOGIA PARA ENGENHARIA CIVIL INTEMPERISMO: PROCESSOS QUE MOLDAM A SUPERFÍCIE Prof. Dr. Daniel Caetano 2012-1 Objetivos Compreender a superfície da crosta como um componente dinâmico Conhecer os tipos

Leia mais

Carlos Britez¹ Jéssika Pacheco¹ Paulo Helene¹ Suely Bueno²

Carlos Britez¹ Jéssika Pacheco¹ Paulo Helene¹ Suely Bueno² 56º CBC 10/10/2014 Natal/RN Carlos Britez¹ Jéssika Pacheco¹ Paulo Helene¹ Suely Bueno² ¹ PhD Engenharia ² JKMF Ficha Técnica Nome da Obra: Museu da Imagem e do Som (MIS) Endereço: Av. Atlântica, 3432 (Antiga

Leia mais

PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD SLENDER PRECAST IN HPC

PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD SLENDER PRECAST IN HPC ISSN 1809-5860 PRÉ-MOLDADOS ESBELTOS EM CAD Rodrigo Vieira da Conceição 1 & Jefferson Benedicto Libardi Liborio 2 Resumo Até pouco tempo atrás, observou-se que havia uma grande dificuldade no preparo,

Leia mais