CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1"

Transcrição

1 CONFLITO DE COBERTURA DE TERRAS EM REGIÃO DE FLORESTA ESTACIONAL DECIDUAL, EM RELAÇÃO À APLICAÇÃO DO CÓDIGO FLORESTAL EM VIGOR 1 PIAZZA, Eliara Marin 2 ; GONSALVEZ, Lilian Mariano 2 ; BREUNIG, Fábio Marcelo 3 ; DICK, Grasiele 4 ; FELKER, Roselene Marostega 4 ; TOSO, Lucas Donato 5. 1 Trabalho de Pesquisa _Centro de Educação Superior Norte, Universidade Federal de Santa Maria. 2 Curso de Engenharia Florestal, Centro de Educação Superior Norte, Universidade Federal de Santa Maria, Frederico Westphalen, RS, Brasil. 3 Professor adjunto do Departamento de Engenharia Florestal, Centro de Educação Superior Norte, Universidade Federal de Santa Maria, Frederico Westphalen, RS, Brasil. 4 Pós-Graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil. 5 Graduação em Engenharia Florestal, Universidade Federal de Santa Maria, Santa Maria, RS, Brasil. RESUMO Através da realização de mapeamentos em áreas de proteção é possível monitorar os impactos ambientais, sendo o geoprocessamento e o sensoriamento remoto alguns dos artifícios mais utilizados para o alcance de resultados satisfatórios. Diante desse cenário, este trabalho objetiva compreender e avaliar as ordens dos rios, bem como a distribuição de APPs no espaço no município de Frederico Westphalen. Para a realização do estudo foi utilizada uma imagem retirada do sensor TM/Landsat 5, correspondente ao ano de 1985 e, aplicondo-se um contraste nas seis bandas desta imagem. Os resultados obtidos estão sintetizados em três mapas estabelecidos em 3 classes distintas: ordens dos rios, APPs definidas por 30m e APPs definidas por 10m. Diante do exposto, conclui-se que, as informações de sensoriamento remoto, aliadas as técnicas de geoprocessamento, constituem importante subsídio ao planejamento e administração da ocupação ordenada e racional do meio físico. Palavras-chave: análise temporal, sensor TM/Landsat 5, sensoriamento remoto. 1. INTRODUÇÃO A importância de estudos ambientais, em áreas destinadas a preservação vêm despertando interesse em toda a sociedade, pois além de monitorar os possíveis impactos ambientais, pode-se acompanhar o desenvolvimento de um local em varias escalas (MONTEBELO et al, 2005). As modificações do espaço geográfico, segundo Paviani (1991), acarretam em grandes impactos sobre o meio ambiente comprometendo o equilíbrio ecológico e social do planeta. Através da realização de mapeamentos nestas áreas, espera-se obter resultados que sejam o mais próximo do real possível. Sendo o geoprocessamento e o sensoriamento remoto alguns dos artifícios mais utilizados para o alcance de resultados satisfatórios. 1

2 Conforme Batistella (2005), essas técnicas aliadas ao Sistema de Informação Geográfica (SIG) estão sendo utilizadas em mapeamentos de diversas áreas, pois a dinâmica desse conjunto de técnicas tem papel fundamental no entendimento das transformações atuais e futuras na paisagem. Atualmente, com o desenvolvimento tecnológico há possibilidade de grandes abordagens sobre as Áreas de Preservação Permanente (APPs). A evolução do sensoriamento remoto proporcionou uma nova realidade de aquisição de informações espaciais e o geoprocessamento admitiu as análises desses dados (OKA-FIORI et al, 2003). O uso de informações orbitais do sensor Thematic Mapper (TM) a bordo do satélite Landsat - 5, tem se intensificado à medida que suas potencialidades vêm sendo confirmadas com o alcance de resultados concretos. Diversos trabalhos realizados, (BATISTA et al, 1984 e ASSAD 1993), descrevem a utilização de dados dos sensores da série Landsat e asseguram a aquisição de informações confiáveis. Devemos lembrar ainda que o TM apresenta um acervo único de imagens de média resolução espacial que podem e devem ser utilizadas para diversos estudos. A análise temporal das áreas de proteção ambiental é um instrumento indispensável em estudos ambientais. Diante desse cenário, este trabalho objetiva compreender e avaliar as ordens dos rios, bem como a distribuição de APPs no espaço, utilizando imagens do sensor TM/Landsat 5 do ano de 1985 no município de Frederico Westphalen, RS, Brasil. 2. MATERIAIS E MÉTODOS 2.1 Caracterização da área de estudo A área de estudo está localizada em sua maior parte no município de Frederico Westphalen (Figura 1), sendo este o maior município da microrregião do Médio Alto Uruguai, localizado na região Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul (PREFEITURA MUNICÍPAL, 2011). A região do Médio Alto Uruguai se caracteriza pela tipologia de Floresta Estacional Decidual, de acordo com Cunha (1997), sendo uma das formações florestais tropicais mais importantes do estado. A Linha Faguense onde, mais precisamente, localiza-se a área de interesse, compreende uma porção do interior do município (Figura 1). Em termos de localização geográfica é uma região considerada de importância histórico-cultural. No local se encontra o Parque Municipal Arcângelo Busatto, conhecido popularmente como parque municipal da Linha Faguense, que é um dos pontos turísticos do município. Existem ainda, na região, áreas destinadas à produção agrícola, caracterizada pela pequena 2

3 propriedade e agricultura familiar, produzindo principalmente feijão, milho e soja, pratica-se também a avicultura, suinocultura, a piscicultura, e a produção de hortaliças. 2.2 Imagens orbitais e processamento Para a realização do estudo foi utilizada uma imagem retirada do sensor TM/Landsat 5, correspondentes ao ano de 1985, que foram obtidas pela internet através de download gratuito disponível na página do Instituto Nacional de Pesquisas Espacias (INPE). Como a imagem abrangia as demais bacias da região, para delimitar a área de interesse, fez-se necessário a execução do recorte do retângulo envolvente da mesma com suas coordenadas (longitude e ; latitude e ). Fazendo uso do programa SPRING Câmara et al, (1996), também obteve estas imagens gratuitamente através da página do INPE. A imagem foi registrada com base na imagem geocover 2000, com um erro médio quadrático inferior a 1. Ainda no pré-processameneto, foi aplicado o contraste nas seis bandas da imagens. Essa imagen foi combinada com composições coloridas para permitir à interpretação visual. A etapa seguinte consistiu na geração dos mapas das Áreas de Preservação Permanente (APPs) propriamente ditos. Foram estabelecidas 3 classes distintas: ordens dos rios, APPs definidas por 30m e APPs definidas por 10m. O mapeamento foi baseado na interpretação visual e na edição manual dos polígonos. 3

4 Figura 1- Localização geográfica da área em estudo - Frederico Westphalen RS. Fonte: Missio (2003). 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO Por meio da análise temporal das imagens orbitais do sensor TM/Landsat-5 foi possível detectar a dinâmica das ordens dos rios e a delimitação das classes das Áreas de Preservação Permanente. Os resultados obtidos estão sintetizados em três mapas, correspondentes as Figuras 2 e Figuras 3 e 4, relacionada abaixo. 4

5 Figura 2 - Mapeamento das ordens dos rios de Na figura 2, pode ser observada a morfologia fluvial da microbacia constituinte da área de estudo; ainda verifica se que esta microbacia se divide em apenas 3 ordens, sendo que, ocorre o predomínio do deságüe de afluentes de primeira ordem, totalizando 28 rios, seguido pela segunda ordem, com um deságüe de 4 rios e por fim a principal com apenas 1 afluente correspondente a terceira ordem. Estas classificações podem ser diferenciadas pela mudança na coloração do mapa e, a forma com que as mesmas foram delimitadas baseou se na classificação decimal de Horton, que descreve uma linha de água que não tenha tributários como rios de 1ª ordem. Quando duas linhas de 1ª ordem se juntam passam a formar um rio de 2ª ordem. Dois rios, um de 1ª ordem unido a um de 2ª ordem, dão lugar a um rio de 3 ª ordem, e assim sucessivamente a formar as ordens de uma bacia. Após a análise cuidadosa de todas as linhas de água existentes no mapa, conclui-se que a bacia é de 3ª ordem. 5

6 Figura 3- Mapeamento das APPs definidas por 30 metros. Figura 4 - Mapeamento das APPs definidas por 10 metros. Através do mapeamento das ordens dos rios, delimitou-se às Áreas de Preservação Permanente (APP) correspondente a figura 3 e 4. Os critérios referentes às APPs foram estabelecidos com base no Código Florestal Federal (Lei nº 4.771, de 15 de setembro de 6

7 1965) e nas Resoluções CONAMA nº 302/2002 e nº 303/2002, que definem APP como área protegida por Lei, coberta ou não por vegetação nativa, com a função ambiental de preservar os recursos hídricos, a paisagem, a estabilidade geológica, a biodiversidade, o fluxo gênico de fauna e flora, proteger o solo e assegurar o bem estar das populações humanas. Portanto, são áreas que devem ser preservadas da ação antrópica, ou seja, livres de qualquer forma de exploração. Essas áreas no mapeamento podem ser visualizadas pela coloração vermelha no entorno das ordens dos rios. 4. CONCLUSÃO Este estudo mostrou que as informações de sensoriamento remoto, aliadas as técnicas de geoprocessamento, constituem importante subsídio ao planejamento e administração da ocupação ordenada e racional do meio físico, além de permitir a avaliação e monitoramento das Áreas de Preservação Permanente (APPs). Visto que a análise temporal é um instrumento indispensável em estudos ambientais, pois serve para premeditar o uso e manejo dos recursos naturais de uma determinada região. REFERÊNCIAS ASSAD, E. D.; SANO, E. E. Planaltina: EMBRAPA - CPAC, p. Sistemas de informações geográficas aplicadas na agricultura. BATISTA, G. T. et al. Desenvolvimento e Teste de um Sistema de Fiscalização das Operações de Crédito Agrícola ao Nível de Município e de Propriedades Agrícolas Utilizando Técnicas de Sensoriamento Remoto. São José dos Campos. (INPE-3239-RPE/462), BATISTELLA, M. Contribuições para a classificação e monitoramento do uso e cobertura das terras na Amazônia. XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto. Goiânia. p , CÂMARA, G. et al. Spring: Integrating remote sensing and gis by object-oriented data modelling. Computers & Graphics, v. 20, n. 3, p , maio CUNHA, G. C. Aspectos da Ciclagem de nutrientes em diferentes fases sucessionais de uma Floresta Estacional do Rio Grande do Sul. Piracicaba: Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz. Dissertação (Mestrado em Engenharia Florestal), p. 86, MONTEBELO, L. A. et al. Relação entre uso e cobertura do solo e risco de erosão nas áreas de preservação permanente na bacia do ribeirão dos Marins, Piracicaba-SP. XII Simpósio Brasileiro de 7

8 Sensoriamento Remoto, Goiânia. XII Simpósio Brasileiro de Sensoriamento Remoto, p , OKAI-FIORI, C.; FIORI, A. P.; HASUI, Y. Dinâmica da ocupação do solo na bacia do Rio Itiquira, Mato Grosso, Brasil. Revista RA E GA, Curitiba, n. 7, p , PAVIANI, A. A conquista da cidade. Brasília: Editora Universidade de Brasília, p , Prefeitura Municipal de Frederico Westphalen Nossa cidade, dados sociais e estatísticos. Disponível em: Acesso em: 05/06/

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR.

USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. USO DE GEOPROCESSAMENTO NA DELIMITAÇÃO DE CONFLITOS DE USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIO VERÊ, MUNICÍPIO DE VERÊ PR. Ivan Rodrigo Dal-Berti, Marcio Pigosso, Wanessa Suelen

Leia mais

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida²

MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE. Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² MAPEAMENTO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO PAJEÚ-PE Carlos Tiago Amâncio Rodrigues¹, André Quintão de Almeida² ¹Graduando em Agronomia, UAST, UFRPE,Serra Talhada-PE, tiagoamancio@hotmail.com

Leia mais

Município de Colíder MT

Município de Colíder MT Diagnóstico da Cobertura e Uso do Solo e das Áreas de Preservação Permanente Município de Colíder MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Julho de 2008 Introdução O município de Colíder está localizado

Leia mais

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL

METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL METODOLOGIA PARA O GEORREFERENCIAMENTO DE ILHAS COSTEIRAS COMO SUBSÍDIO AO MONITORAMENTO AMBIENTAL Carolina Rodrigues Bio Poletto¹ & Getulio Teixeira Batista² UNITAU - Universidade de Taubaté Estrada Municipal

Leia mais

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB.

Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Diagnóstico da Área de Preservação Permanente (APP) do Açude Grande no Município de Cajazeiras PB. Itallo Harlan Reinaldo Alves Gomes (1) ; Jessily Medeiros Quaresma (2) ; Francisco José (3) ; Laedy Cecília

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS

SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS SENSORIAMENTO REMOTO E SIG APLICADO NO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NA BACIA DO RIO SÃO LAMBERTO NO NORTE DE MINAS GERAIS FERNANDES, Marianne Durães 1 Universidade Estadual de Montes Claros - UNIMONTES mari170191@yahoo.com.br

Leia mais

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DOS USOS E OCUPAÇÃO DA TERRA UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS. ESTUDO DO CASO: MUNICÍPIO DE BOA VISTA DAS MISSÕES RS

DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DOS USOS E OCUPAÇÃO DA TERRA UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS. ESTUDO DO CASO: MUNICÍPIO DE BOA VISTA DAS MISSÕES RS DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DOS USOS E OCUPAÇÃO DA TERRA UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS. ESTUDO DO CASO: MUNICÍPIO DE BOA VISTA DAS MISSÕES RS Andrews Signori 1 Raquel Weiss 2 Tiago Signori 3 Ângela Maria Klein Hentz

Leia mais

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA ANÁLISE COMPARATIVA ENTRE AS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE ANTES E APÓS A CONSTRUÇÃO DE RESERVATÓRIO DE ÁGUA PARA GERAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás,

Leia mais

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI

Autor: Uriálisson Mattos Queiroz Instituição: Escola de Engenharia Mecânica da Bahia(EEMBA)/IQUALI UTILIZAÇÃO DO GEOPROCESSAMENTO PARA ESTUDOS ECOLÓGICOS DA REGIÃO DA SUB-BACIA DO RIO CAPIVARI-BA NOS MUNICÍPIOS DE CRUZ DAS ALMAS, MURITIBA E SÃO FÉLIX. Autor: Gabriel Barbosa Lobo Instituição: Escola

Leia mais

territorium 20 ENTRE 1990 E 2010*

territorium 20 ENTRE 1990 E 2010* MAPEAMENTO DO USO DO SOLO DA BACIA RIBEIRÃO ENGENHO DE FERRO IBIPORÃ PR - BRAZIL, ENTRE 1990 E 2010* Elaine Elise Lapa da Silva elainelapa@hotmail.com Osvaldo Coelho Pereira Neto coelho@uel.br 173 Rigoberto

Leia mais

ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO USO DO SOLO DE PARTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA VÁRZEA NOS ANOS DE 1985, 1996 E 2010, RS, BRASIL

ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO USO DO SOLO DE PARTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA VÁRZEA NOS ANOS DE 1985, 1996 E 2010, RS, BRASIL ANÁLISE ESPAÇO TEMPORAL DO USO DO SOLO DE PARTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO DA VÁRZEA NOS ANOS DE 1985, 1996 E 2010, RS, BRASIL Bruno Conte¹, Anderson Pertuzzatti¹, Silvia Conte², Felipe Turchetto¹ ¹Engenheiro

Leia mais

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor

Figura 1 Classificação Supervisionada. Fonte: o próprio autor ANÁLISE DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO JUQUERY ATRÁVES DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO E IMAGENS DE SENSORIAMENTO REMOTO 1. INTRODUÇÃO Ultimamente tem-se visto uma grande

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3079/2008

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3079/2008 PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3079/2008 UNIDADE DE ASSESSORAMENTO AMBIENTAL GEOPROCESSAMENTO BACIAS HIDROGRÁFICAS PARA: Dr. Alexandre Saltz Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente DE: Luiz

Leia mais

Mapeamento, Identificação e Monitoramento das Áreas de Proteção Permanente ao longo do Ribeirão Anicuns no Município de Goiânia - Go

Mapeamento, Identificação e Monitoramento das Áreas de Proteção Permanente ao longo do Ribeirão Anicuns no Município de Goiânia - Go Mapeamento, Identificação e Monitoramento das Áreas de Proteção Permanente ao longo do Ribeirão Anicuns no Município de Goiânia - Go Daniel Mathias Caixeta 1 1 Centro Federal de Educação Tecnológica de

Leia mais

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica

Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica Estruturando o SIG para fornecer suporte para elaboração e implantação do Plano Municipal de Conservação e Recuperação da Mata Atlântica SIG Sistema de Informação Geográfica O SIG é um sistema de Informação

Leia mais

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG)

USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO RESERVATÓRIO DA USINA HIDRELÉTRICA DE TOMBOS (MG) USO E COBERTURA DAS TERRAS NA ÁREA DE ENTORNO DO Calderano Filho, B. 1 ; Carvalho Junior, W. 2 ; Prado, R.B. 3 ; Calderano, S.B. 4 ; 1 EMBRAPA - CNPS Email:braz.calderano@embrapa.br; 2 EMBRAPA- CNPS Email:waldir.carvalho@embrapa.br;

Leia mais

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO

SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO SENSORIAMENTO REMOTO NO USO DO SOLO Ana Luiza Bovoy Jônatas de Castro Gonçalves Thiemi Igarashi Vinicius Chequer e Silva LEVANTAMENTO DA COBERTURA VEGETAL ATRAVÉS DE PRODUTOS DE SENSORIAMENTO REMOTO NAS

Leia mais

"Protegendo as nascentes do Pantanal"

Protegendo as nascentes do Pantanal "Protegendo as nascentes do Pantanal" Diagnóstico da Paisagem: Região das Cabeceiras do Rio Paraguai Apresentação O ciclo de garimpo mecanizado (ocorrido nas décadas de 80 e 90), sucedido pelo avanço das

Leia mais

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ

DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ DELIMITAÇÃO DAS ÁREAS DE PROTEÇÃO PERMANENTE DA BACIA HIDROGRÁFICA DO JI-PARANÁ JULIA S. MELLO 1 ; DANIEL de C. VICTORIA 2 Nº 10505 RESUMO Sistemas de Informação Geográfica (SIG) são importantes ferramentas

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto É a utilização conjunta de modernos sensores, equipamentos para processamento de dados, equipamentos de transmissão de dados, aeronaves, espaçonaves etc, com o objetivo de estudar

Leia mais

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal

Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal 1/36 Ferramentas de sensoriamento remoto e SIG aplicadas ao novo Código Florestal Teoria e Prática Eng. Allan Saddi Arnesen Eng. Frederico Genofre Eng. Matheus Ferreira Eng. Marcelo Pedroso Curtarelli

Leia mais

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA

OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA OCUPAÇÕES IRREGULARES E IMPACTOS SÓCIO-AMBIENTAIS NA REGIÃO NOROESTE DE GOIÂNIA Wellington Nunes de Oliveira Universidade Federal de Goiás, Tecnólogo em Geoprocessamento, Especialista em Perícia Ambiental,

Leia mais

Cadastro Ambiental Rural CAR

Cadastro Ambiental Rural CAR Cadastro Ambiental Rural CAR LEGISLAÇÃO Lei Federal nº 12.651/2012 Código Florestal Brasileiro; Lei Estadual n.º 20.922/2013 - Dispõe sobre as políticas florestal e de proteção à biodiversidade no Estado

Leia mais

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MONITORAMENTO DA TEMPERATURA DE SUPERFÍCIE EM ÁREAS URBANAS UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS Erika Gonçalves Pires 1, Manuel Eduardo Ferreira 2 1 Agrimensora, Professora do IFTO, Doutoranda em Geografia - UFG,

Leia mais

MAPEAMENTO DA COBERTURA DO SOLO E CONFLITO COM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE, ATRAVÉS DE SENSORIAMENTO REMOTO

MAPEAMENTO DA COBERTURA DO SOLO E CONFLITO COM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE, ATRAVÉS DE SENSORIAMENTO REMOTO MAPEAMENTO DA COBERTURA DO SOLO E CONFLITO COM ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE, ATRAVÉS DE SENSORIAMENTO REMOTO Pedro Rogerio Giongo¹, Laécia Cecilia de Azevedo², Reinaldo Adriano Costa 3, Patrícia Costa

Leia mais

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web

Prof. Tiago Badre Marino Geoprocessamento Departamento de Geociências Instituto de Agronomia - UFRRJ. Aquisição de dados cartográficos a partir da Web Exercício Objetivo Aplicativos Entrar nas diferentes fontes de dados cartográficos e imagens de sensoriamento remoto existentes no Brasil e executar os procedimentos para download destes dados disponíveis

Leia mais

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana.

Os mapas são a tradução da realidade numa superfície plana. Cartografia Desde os primórdios o homem tentou compreender a forma e as características do nosso planeta, bem como representar os seus diferentes aspectos através de croquis, plantas e mapas. Desenhar

Leia mais

CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS

CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS CARACTERIZAÇÃO DO USO E OCUPAÇÃO DA TERRA E ANÁLISE DOS REMANESCENTES FLORESTAIS DA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO NIOAQUE UTILIZANDO GEOTECNOLOGIAS MSc. Emerson Figueiredo Leite 1 Dr. Roberto Rosa 2 1 Doutorando

Leia mais

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental

BR 116/RS Gestão Ambiental. Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental BR 116/RS Gestão Ambiental Programa de Apoio às Prefeituras Municipais Oficina para Capacitação em Gestão Ambiental Novo Código Florestal Inovações e aspectos práticos STE Serviços Técnicos de Engenharia

Leia mais

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251

ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11-13 de Novembro de 2010, São João del-rei, MG; pg 251-257 251 ERMAC 2010: I ENCONTRO REGIONAL DE MATEMÁTICA APLICADA E COMPUTACIONAL 11 13 de Novembro de 2010, São João delrei, MG; pg 251 257 251 ANÁLISE DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO DA CIDADE DE VITÓRIAES USANDO A COMPOSIÇÃO

Leia mais

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais.

Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Monocultura do eucalipto e o conflito ambiental na Bacia do Canabrava, no Norte de Minas Gerais. Bruno Alves Nobre Bolsista da FAPEMIG bruno.nobre13@gmail.com Marcos Esdras Leite Professor Dr. Dep. de

Leia mais

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG.

ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE NO MUNICÍPIO DE ALFENAS MG. VI Seminário Latino Americano de Geografia Física II Seminário Ibero Americano de Geografia Física Universidade de Coimbra, Maio de 2010 ANÁLISE E MAPEAMENTO DO USO E OCUPAÇÃO DO SOLO NAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO

Leia mais

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT

Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Diagnóstico Ambiental do Município de Alta Floresta - MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Maio de 2008 Introdução O município de Alta Floresta está localizado na região norte do estado de Mato

Leia mais

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG

GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Goiânia/GO 19 a 22/11/2012 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO DIAGNÓSTICO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DO RIBEIRÃO DAS ALAGOAS, CONCEIÇÃO DAS ALAGOAS - MG Hygor Evangelista Siqueira Gestor Ambiental,

Leia mais

AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA. Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima²

AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA. Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima² AVALIAÇÃO DAS IMAGENS IRS-P6 EM RELAÇÃO AO PADRÃO DE EXATIDÃO CARTOGRÁFICA Danielly Garcia Santos¹, Elaine Reis Costa Lima² ¹Tecnóloga em Geoprocessamento, Assistente em Geoprocessamento, Primegeo, Goiânia-GO,

Leia mais

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12

Módulo fiscal em Hectares 20 10 16 12 CÓDIGO FLORESTAL COMO SE REGULARIZAR O QUE É CÓDIGO FLORESTAL? O Código é uma lei que estabelece limites e obrigações no uso da propriedade,, que deve respeitar a vegetação existente na terra, considerada

Leia mais

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO

NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO NOVO CÓDIGO FLORESTAL: IMPLICAÇÕES E MUDANÇAS PARA A REALIDADE DO PRODUTOR DE LEITE BRASILEIRO Enio Resende de Souza Eng. Agr. M.Sc. Manejo Ambiental / Coordenador Técnico / Meio Ambiente Gestão do Produto

Leia mais

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS

ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ANÁLISE DA TRANSFORMAÇÃO DA PAISAGEM NA REGIÃO DE MACHADO (MG) POR MEIO DE COMPOSIÇÕES COLORIDAS MULTITEMPORAIS ALENCAR SANTOS PAIXÃO 1 ; ÉLIDA LOPES SOUZA ROCHA2 e FERNANDO SHINJI KAWAKUBO 3 alencarspgeo@gmail.com,

Leia mais

Sensoriamento Remoto

Sensoriamento Remoto Sensoriamento Remoto 1. Obtenção de imagens matriciais (raster) Imagens raster podem ser obtidas de várias formas: Aerofotogrametria Fotos aéreas obtidas através do sobrevoo da área de interesse por aeronaves

Leia mais

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO SISTEMA NACIONAL DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Previsão Legal Objetivos Categorias Finalidades Gestão do Sistema Quantitativos Outros Espaços Protegidos Distribuição Espacial Relevância O Brasil possui alguns

Leia mais

BARROS, D. P. 1 ; PONS, N. A. D. 2 DIAGNÓSTICO DE COBERTURA VEGETAL UTILIZANDO GEOPROCESSAMENTO NA CIDADE DE ITAJUBÁ/MG.

BARROS, D. P. 1 ; PONS, N. A. D. 2 DIAGNÓSTICO DE COBERTURA VEGETAL UTILIZANDO GEOPROCESSAMENTO NA CIDADE DE ITAJUBÁ/MG. BARROS, D. P. 1 ; PONS, N. A. D. 2 DIAGNÓSTICO DE COBERTURA VEGETAL UTILIZANDO GEOPROCESSAMENTO NA CIDADE DE ITAJUBÁ/MG. 1. Pós graduanda em Meio Ambiente e Recursos Hídricos (Mestrado), Universidade Federal

Leia mais

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis

Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda e Pinus elliottis ISBN 978-85-61091-05-7 Encontro Internacional de Produção Científica Cesumar 27 a 30 de outubro de 2009 Monitoramento de qualidade e quantidade de água superficial em área de reflorestamento de Pinus taeda

Leia mais

Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM

Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM Criação automática de vetores para mapeamentos temáticos e espacialização de aspectos da legislação ambiental a partir de grades refinadas do SRTM Edison Crepani José Simeão de Medeiros Instituto Nacional

Leia mais

COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002.

COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002. COMPARAÇÃO TABULAR DA EXPANSÃO URBANA DOS MUNICÍPIOS DE ITAPEMA, PORTO BELO E BOMBINHAS EM SANTA CATARINA, BRASIL, NO PERÍODO DE 1985 A 2002. Janaina Sant Ana Maia Santos* UFSC - Universidade Federal de

Leia mais

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014

Anais do Simpósio Regional de Geoprocessamento e Sensoriamento Remoto - GEONORDESTE 2014 Aracaju, Brasil, 18-21 novembro 2014 O USO DO GEOPROCESSAMENTO COMO APOIO AO DIAGNÓSTICO AMBIENTAL DA BACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO BOM RETIRO, JAÚ SP Fábio César Martins 1, Rafael Aleixo Braga 2, José Carlos Toledo Veniziani Junior 3 1 Tecnólogo

Leia mais

ANALISE DA COBERTURA FLORESTAL DO MUNICIPIO DE SAN PEDRO DE YCUAMANDYYÚ, PARAGUAI RESUMEM

ANALISE DA COBERTURA FLORESTAL DO MUNICIPIO DE SAN PEDRO DE YCUAMANDYYÚ, PARAGUAI RESUMEM ANALISE DA COBERTURA FLORESTAL DO MUNICIPIO DE SAN PEDRO DE YCUAMANDYYÚ, PARAGUAI RESUMEM Oscar Agustín Torres Figueredo Sergio Schneider O município de San Pedro de Ycumandyyú está localizado no nordeste

Leia mais

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail.

GESTÃO AMBIENTAL. Zoneamento Ambiental. Espaços Territoriais especialmente protegidos ... Camila Regina Eberle camilaeberle@hotmail. ESTADO DE MATO GROSSO SECRETARIA DE CIÊNCIA E TECNOLOGIA UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MATO GROSSO CAMPUS UNIVERSITÁRIO DE SINOP DEPARTAMENTO DE ENGENHARIA CIVIL GESTÃO AMBIENTAL Zoneamento Ambiental Espaços

Leia mais

(i)direito de Propriedade, (ii) Uso Sustentável dos Recursos e (iii) Conservação dos Remanescentes Florestais

(i)direito de Propriedade, (ii) Uso Sustentável dos Recursos e (iii) Conservação dos Remanescentes Florestais (i)direito de Propriedade, (ii) Uso Sustentável dos Recursos e (iii) Conservação dos Remanescentes Florestais Édis Milaré milare@milare.adv.br www.milare.adv.br VII Congresso Latino Americano de Direito

Leia mais

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem

Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem Estudo da Delimitação por MDE de Ottobacias de Cursos de Água da Sub-Bacia 63 Visando o Cálculo de Perímetro e Área de Drenagem RESUMO FRANCISCO F. N. MARCUZZO SGB / CPRM Ministério de Minas e Energia

Leia mais

A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar.

A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar. A dinâmica do desmatamento em duas cidades amazônicas: Rio Branco e Cruzeiro do Sul, Acre, no período de 1985 a 2003 uma análise preliminar. Letícia Palazzi Perez 1 Homero Fonseca Filho 1 Tatiana Mora

Leia mais

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira

Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Gestão Ambiental Disciplina Ciências do Ambiente Prof. Dra. Elizete A. Checon de Freitas Lima Unesp, Campus de Ilha Solteira Política Nacional do Meio Ambiente Lei 6938/81 Principais instrumentos de gestão

Leia mais

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO.

Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Avaliação da ocupação e uso do solo na Região Metropolitana de Goiânia GO. Marcos Vinícius Alexandre da SILVA Instituto de Estudos Sócio-Ambientais - IESA/UFG Mestrando em Geografia marcosalexandregeo@gmail.com

Leia mais

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL

ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL ESTUDO COMPARATIVO DE FERRAMENTAS COMPUTACIONAIS QUE UTILIZAM GEOPROCESSAMENTO E TECNOLOGIA BIM PARA DESENVOLVIMENTO DE PROJETOS DE ENGENHARIA CIVIL 1. INTRODUÇÃO E REFERENCIAL TEÓRICO A área de geoprocessamento

Leia mais

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10

TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 TERMO DE REFERÊNCIA PARA PARCELAMENTO DE SOLO: CODRAM 3414,40; CODRAM 3414,50; CODRAM 3414,60; CODRAM 3414,70; CODRAM 3415,10 O processo administrativo para aprovação e licenciamento de parcelamentos de

Leia mais

Detecção do Desmatamento em Tempo Quase Real DETER-B Teste Utilizando Imagens AWiFS

Detecção do Desmatamento em Tempo Quase Real DETER-B Teste Utilizando Imagens AWiFS Detecção do Desmatamento em Tempo Quase Real DETER-B Teste Utilizando Imagens AWiFS Mírian Corrêa Dias Orientadora: Dra. Alessandra Rodrigues Gomes São José dos Campos, 03 a 06 de dezembro Informações

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E EXATAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS

UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E EXATAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS UNIVERSIDADE FEDERAL DE SANTA MARIA CENTRO DE CIÊNCIAS NATURAIS E EXATAS DEPARTAMENTO DE GEOCIÊNCIAS MAPEAMENTO DAS ÁREAS PROTEGIDAS DO BAIRRO NOSSA SENHORA DO PERPÉTUO SOCORRO NO MUNICÍPIO DE SANTA MARIA-RS

Leia mais

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING.

ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. ANALISE TEMPORAL DA EVOLUÇÃO URBANA DO MUNICÍPIO DE NITERÓI RJ, USANDO O PROGRAMA SPRING. RODRIGUES, Caroline Gomes 1, COSTA, Bruno Lopes ², CORREIA, Mariana Ribeiro³ 1 Universidade do Estado do Rio de

Leia mais

ANÁLISE TEMPORAL DO USO DO SOLO ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO - ESTUDO DE CASO: MUNICÍPIO DE BUTIÁ/RS 1

ANÁLISE TEMPORAL DO USO DO SOLO ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO - ESTUDO DE CASO: MUNICÍPIO DE BUTIÁ/RS 1 ANÁLISE TEMPORAL DO USO DO SOLO ATRAVÉS DE FERRAMENTAS DE GEOPROCESSAMENTO - ESTUDO DE CASO: MUNICÍPIO DE BUTIÁ/RS 1 Aline Duarte Kaliski 2 Me. Tânia Rodrigues Ferrer 3 Prof. Dr. Regis Alexandre Lahm 4

Leia mais

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO

DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO DETERMINAÇÃO DAS ÁREAS DE CONFLITO DO USO DO SOLO NA MICROBACIA DO RIBEIRÃO ÁGUA-FRIA, BOFETE (SP), ATRAVÉS DE TÉCNICAS DE GEOPROCESSAMENTO RAFAEL CALORE NARDINI; SÉRGIO CAMPOS; LUCIANO NARDINI GOMES;

Leia mais

DEFINIÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE ÁREAS DE FRAGILIDADE AMBIENTAL, COM BASE EM ANÁLISE MULTICRITÉRIO, EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO

DEFINIÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE ÁREAS DE FRAGILIDADE AMBIENTAL, COM BASE EM ANÁLISE MULTICRITÉRIO, EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO DEFINIÇÃO E CARACTERIZAÇÃO DE ÁREAS DE FRAGILIDADE AMBIENTAL, COM BASE EM ANÁLISE MULTICRITÉRIO, EM ZONA DE AMORTECIMENTO DE UNIDADES DE CONSERVAÇÃO Costa, Nadja Maria Castilho da 1(*); Costa, Vivian Castilho

Leia mais

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE

CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE INPE-8984-PUD/62 CAPÍTULO 12 USO ESCOLAR DO SENSORIAMENTO REMOTO COMO RECURSO DIDÁTICO PEDAGÓGICO NO ESTUDO DO MEIO AMBIENTE Vânia Maria Nunes dos Santos INPE São José dos Campos 2002 C A P Í T U L O 12

Leia mais

Publicado originalmente em: VIII EREGEO Encontro Regional de Geografia. A geografia no mundo da diversidade. Cidade de Goiás.

Publicado originalmente em: VIII EREGEO Encontro Regional de Geografia. A geografia no mundo da diversidade. Cidade de Goiás. Publicado originalmente em: VIII EREGEO Encontro Regional de Geografia. A geografia no mundo da diversidade. Cidade de Goiás. outubro de 2003 DESMATAMENTO DA ÁREA DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DA MATA CILIAR

Leia mais

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO

QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO QUALIDADE AMBIENTAL EM BACIAS HIDROGRÁFICAS: o uso de indicadores ambientais para gestão de qualidade da água em Catalão (GO) Klayre Garcia PORTO Aluna do Programa de Pós-Graduação do Mestrado em Geografia

Leia mais

Módulo 4. Uso do GPS voltado para coleta de dados e a práticas educacionais.

Módulo 4. Uso do GPS voltado para coleta de dados e a práticas educacionais. UPE Campus Petrolina PROGRAMA DA DISCIPLINA Curso: Licenciatura Plena em Geografia Disciplina: Cartografia B Carga Horária: 60hs Teórica: 32hs Prática: 28hs Semestre: 2013.2 Professor: Antonio Marcos dos

Leia mais

Municípios de Minas Gerais figuram no topo do ranking de desmatamento da Mata Atlântica nos últimos 15 anos

Municípios de Minas Gerais figuram no topo do ranking de desmatamento da Mata Atlântica nos últimos 15 anos Municípios de Minas Gerais figuram no topo do ranking de desmatamento da Mata Atlântica nos últimos 15 anos Fundação SOS Mata Atlântica lança nesta semana o hotsite Aqui Tem Mata, que mostra de forma interativa

Leia mais

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009

XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 XV COBREAP CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES E PERÍCIAS IBAPE/SP 2009 ANÁLISE COMPARATIVA DOS USOS DO SOLO UTILIZANDO IMAGENS ORBITAIS COM DIFERENTES RESOLUÇÕES ESPACIAIS. JUSSARA D'AMBROSIO

Leia mais

Uma Viagem Virtual pelos Biomas Brasileiros

Uma Viagem Virtual pelos Biomas Brasileiros Uma Viagem Virtual pelos Biomas Brasileiros Angelica Carvalho Di Maio1 Cristiane Nunes Francisco1 Cláudia Andréa Lafayette Pinto2 Eusébio Abreu Nunes3 Marcus Vinícius Alves de Carvalho1 1 Universidade

Leia mais

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado

Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Análise da qualidade de imagens Landsat-1-MSS entre os anos de 1972 e 1975 para o bioma Cerrado Carlos Antônio Melo CRISTÓVÃO Laerte Guimarães FERREIRA Jr. Universidade Federal de Goiás - UFG Instituto

Leia mais

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade

Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Legislação Ambiental Brasileira: Entraves, Sucessos e Propostas Inovadoras no Âmbito da Pequena Propriedade Fórum sobre Área de Preservação Permanente e Reserva Legal na Paisagem e Propriedade Rural Piracicaba,

Leia mais

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73.

ArcPlan S/S Ltda. Fone: 3262-3055 Al. Joaquim Eugênio de Lima, 696 cj 73. 1 de 27 GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DA AGRICULTURA PROJETO: GERENCIAMENTO INTEGRADO DE AGROECOSSISTEMAS EM MICROBACIAS HIDROGRÁFICAS DO NORTE-NOROESTE FLUMINENSE - RIO RURAL/GEF

Leia mais

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3116/2008

Ministério Público do Rio Grande do Sul Divisão de Assessoramento Técnico PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3116/2008 PARECER DOCUMENTO DAT-MA Nº 3116/2008 UNIDADE DE ASSESSORAMENTO AMBIENTAL GEOPROCESSAMENTO BACIAS HIDROGRÁFICAS PARA: Dr. Alexandre Saltz Centro de Apoio Operacional de Defesa do Meio Ambiente DE: Luciano

Leia mais

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento

USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO. Geoprocessamento USO DO GEOPROCESSAMENTO NO MONITORAMENTO DO SETOR AGRÍCOLA PARA FINS TRIBUTÁRIOS NA SEFAZ-GO Geog.Ms. Maria G. da Silva Barbalho maria-gsb@sefaz.go.gov.br Conceito Disciplina do conhecimento que utiliza

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA

UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS CENTRO DE CIÊNCIAS DO AMBIENTE PPG - CASA SENSORIAMENTO REMOTO E SIG NA ANÁLISE AMBIENTAL DA MICROBACIA DO RIO PURAQUEQUARA MANAUS, AM BRASIL Antonio da Mata Pequeno Filho

Leia mais

Paulo Affonso Leme Machado

Paulo Affonso Leme Machado APP E PEQUENA PROPRIEDADE RURAL 2007 Paulo Affonso Leme Machado Professor de Direito Ambiental na Universidade Metodista de Piracicaba. Doutor em Direito (PUC/SP); Doutor Honoris Causa (UNESP), Mestre

Leia mais

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO E SEUS IMPACTOS NA INDÚSTRIA FLORESTAL GLOBAL. Eng. Florestal Msc. Dr. Joésio D. P. Siqueira

O NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO E SEUS IMPACTOS NA INDÚSTRIA FLORESTAL GLOBAL. Eng. Florestal Msc. Dr. Joésio D. P. Siqueira O NOVO CÓDIGO FLORESTAL BRASILEIRO E SEUS IMPACTOS NA INDÚSTRIA FLORESTAL GLOBAL Eng. Florestal Msc. Dr. Joésio D. P. Siqueira Vice-Presidente da STCP Engenharia de Projetos Ltda São Paulo, 27 de Março

Leia mais

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE

GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE GOVERNO DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO SECRETARIA DE ESTADO DO AMBIENTE INSTITUTO ESTADUAL DO AMBIENTE RESOLUÇÃO INEA Nº 89 DE 03 DE JUNHO DE 2014 DISPÕE SOBRE AS PROPORÇÕES MÍNIMAS APLICÁVEIS PARA REPOSIÇÃO

Leia mais

Aqui u sição ã d e e ima m g a en e s n de sat a él é ite Suely Franco S. Lima

Aqui u sição ã d e e ima m g a en e s n de sat a él é ite Suely Franco S. Lima Aquisição de imagens de satélite Suely Franco S. Lima http://www.dsr.inpe.br/vcsr http://www.dsr.inpe.br/vcsr/ /apresentacoes.html apresentacoes.html Formatos JPEG e TIF Dois formatos mais comuns: JPEG

Leia mais

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP

AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP 188 AVALIAÇÃO AMBIENTAL INTEGRADA DA MICROBACIA HIDROGRÁFICA DO CÓRREGO RIBEIRÃO BANDEIRANTES REBOJO NO MUNICÍPIO DE TARABAI SP Camila Dias Pinaffi¹; Maira Braghin Christovam¹; Nayara Coelho Silva¹; Décio

Leia mais

A IMPORTANCIA DA LEGISLAÇÃO NOS ESTUDOS AMBIENTAIS E SUAS INFLUENCIAS

A IMPORTANCIA DA LEGISLAÇÃO NOS ESTUDOS AMBIENTAIS E SUAS INFLUENCIAS A IMPORTANCIA DA LEGISLAÇÃO NOS ESTUDOS AMBIENTAIS E SUAS INFLUENCIAS Thaisa Cristiane da SILVA 1 Departamento de geografia da Universidade Estadual de Maringá thaisageouem@gmail.com Valéria LIMA Departamento

Leia mais

Modelo de Formulário

Modelo de Formulário Formulário Pessoa Física ou Autônomo / Profissional Liberal 1. Identificação Pessoal CPF.. -- Nome Completo Sexo Masculino Feminino Data de Nascimento / / Endereço Número Complemento Bairro Cidade UF CEP

Leia mais

AGRICULTURA IRRIGADA E ESTIAGEM NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO

AGRICULTURA IRRIGADA E ESTIAGEM NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO AGRICULTURA IRRIGADA E ESTIAGEM NA BACIA DO RIO SÃO FRANCISCO Daniel Pereira Guimarães 1, Elena Charlotte Landau 1, Denise Luz de Sousa 2 1 Engenheiro Florestal, Pesquisador, Embrapa Milho e Sorgo, Sete

Leia mais

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA

XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA XX SNPTEE SEMINÁRIO NACIONAL DE PRODUÇÃO E TRANSMISSÃO DE ENERGIA ELÉTRICA Versão 1.0 GLT.YY 22 a 25 Novembro de 2009 Recife - PE GRUPO III GRUPO DE ESTUDO DE LINHAS DE TRASMISSÃO - GLT RELATÓRIO AMBIENTAL

Leia mais

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO

DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO DE JANEIRO DISTRIBUIÇÃO DO USO E COBERTURA DA TERRA POR DOMÍNIOS GEOMORFOLÓGICOS NA BACIA HIDROGRÁFICA DO RIO SÃO JOÃO - RIO Oliveira, P.M.F. 1 ; Silveira, J.L.C. 2 ; Seabra, V.S. 3 ; 1 UERJ-FFP Email:pris.mathias@hotmail.com;

Leia mais

Prof. Pedro Brancalion

Prof. Pedro Brancalion Prof. Pedro Brancalion Reserva Legal: área localizada no interior de uma propriedade ou posse rural, delimitada nos termos do art. 12, com a função de assegurar o uso econômico de modo sustentável dos

Leia mais

Geoprocessamento aplicado à identificação de áreas de preservação permanente em microbacias hidrográficas

Geoprocessamento aplicado à identificação de áreas de preservação permanente em microbacias hidrográficas http://www.docentesfsd.com.br ISSN: 2177-0441 Número 4 Janeiro / 2012 Geoprocessamento aplicado à identificação de áreas de preservação permanente em microbacias hidrográficas RESUMO Alexandre Jacintho

Leia mais

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES

CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES CONSIDERAÇÕES PARA APRESENTAÇÃO DE PROJETOS DE RECUPERAÇÃO DAS ÁREAS DE PRESERVAÇÃO PERMANENTE DE NASCENTES Este modelo foi desenvolvido visando à recuperação de Áreas de Preservação Permanente de Nascentes

Leia mais

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT.

10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. 10 FÓRUM DE EXTENSÃO E CULTURA DA UEM COMPARAÇÃO DE FUSÃO ENTRE AS IMAGENS DO SATÉLITE RAPID EYE, CBERS E SPOT. Thalita Dal Santo 1 Antonio de Oliveira¹ Fernando Ricardo dos Santos² A técnica de fusão

Leia mais

MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS ÁREAS VERDES URBANAS COMO INDICADOR DA QUALIDADE AMBIENTAL DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL.

MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS ÁREAS VERDES URBANAS COMO INDICADOR DA QUALIDADE AMBIENTAL DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL. Porto Alegre/RS 23 a 26/11/2015 MAPEAMENTO E ANÁLISE DAS ÁREAS VERDES URBANAS COMO INDICADOR DA QUALIDADE AMBIENTAL DE DOURADOS, MATO GROSSO DO SUL. Lorenza Virginio Senis (*), Alexandre Borges Miranda,

Leia mais

LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5

LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5 LEVANTAMENTO DO USO DAS TERRAS DO MUNICÍPIO DE SÃO JOÃO DO CARIRI-PB COM BASE EM IMAGENS DO TM/LANDSAT 5 MADSON T. SILVA 1, VICENTE DE P. R. DA SILVA 2, RONILDO A. PEREIRA 3, JOSÉ A. B. DO AMARAL 4 1 Meteorologista,

Leia mais

Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais

Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais Comparação entre classificadores por pixel e por região com imagem SPOT-5 para o estado de Minas Gerais Fernanda Rodrigues Fonseca 1 Thiago Duarte Pereira 1 Luciano Vieira Dutra 1 Eliana Pantaleão 1 Corina

Leia mais

Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT

Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT V Zoneamento e regularização ambiental Marcelândia MT Paula Bernasconi Ricardo Abad Laurent Micol Agosto de 2008 Sumário Introdução... 4 Contexto... 4 Oportunidades... 5 O que já está acontecendo... 6

Leia mais

DINÂMICA MULTITEMPORAL DA VEGETAÇÃO NATURAL EM REGIÃO DE CANA- DE-AÇÚCAR NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO.

DINÂMICA MULTITEMPORAL DA VEGETAÇÃO NATURAL EM REGIÃO DE CANA- DE-AÇÚCAR NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. DINÂMICA MULTITEMPORAL DA VEGETAÇÃO NATURAL EM REGIÃO DE CANA- DE-AÇÚCAR NO SUL DO ESTADO DO ESPÍRITO SANTO. Rafael Rebelo de O. Albaner 1, Alexandre Cândido Xavier 1 1 Universidade Federal do Espírito

Leia mais

Mapeamento do conflito de uso em áreas de preservação permanente na microbacia Santa Cruz, município de Porto Nacional Tocantins Brasil Emmanuel Kirlian Evangelista Barros 1 Alan Kardec Elias Martins 2

Leia mais

NOTIFICAÇÃO Nº 11 /2010

NOTIFICAÇÃO Nº 11 /2010 NOTIFICAÇÃO Nº 11 /2010 O MINISTÉRIO PÚBLICO DO ESTADO DO PIAUÍ, por intermédio da representante da 30ª Promotoria de Justiça abaixo firmada, com fundamento no art. 38, inciso I, letra a e inciso V, da

Leia mais

Mudanças no uso da terra e escoamento em bacias hidrográficas pelo método SCS. Alexandre Catania Greco de Oliveira ¹ Edson Luís Piroli ¹

Mudanças no uso da terra e escoamento em bacias hidrográficas pelo método SCS. Alexandre Catania Greco de Oliveira ¹ Edson Luís Piroli ¹ Mudanças no uso da terra e escoamento em bacias hidrográficas pelo método SCS. Alexandre Catania Greco de Oliveira ¹ Edson Luís Piroli ¹ ¹ UNESP Universidade Estadual Paulista Julio de Mesquita Filho Caixa

Leia mais

Programa do INPE de Monitoramento da Amazônia

Programa do INPE de Monitoramento da Amazônia Programa do INPE de Monitoramento da Amazônia Audiência Pública - Câmara dos Deputados Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Brasília, 7 de maio de 2013 Projetos do Programa Amazônia

Leia mais

Daniela de Azeredo França Delano Menecucci Ibanez Nelson Jesus Ferreira

Daniela de Azeredo França Delano Menecucci Ibanez Nelson Jesus Ferreira Detecção de mudanças e elaboração de cartas de unidades de paisagem e de uso do solo a partir de imagens TM-LANDSAT: o exemplo de São José dos Campos - SP Daniela de Azeredo França Delano Menecucci Ibanez

Leia mais

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL*

LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* LEVANTAMENTO E MONITORAMENTO DOS RECURSOS FLORESTAIS DOS TABULEIROS COSTEIROS DO NORDESTE DO BRASIL* BOLFE, É. L. 1 I. INTRODUÇÃO A necessidade de conhecer os modelos atuais de uso da terra e as modificações

Leia mais

Tema: Geoprocessamento e aplicações. As áreas de preservação permanente a luz do novo código florestal

Tema: Geoprocessamento e aplicações. As áreas de preservação permanente a luz do novo código florestal Tema: Geoprocessamento e aplicações As áreas de preservação permanente a luz do novo código florestal Luciana da Silva Estevam ¹ Samira Amorim Pereira ² ¹ TNC The Nature Conservancy Av. Hist. Rubens de

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA

UNIVERSIDADE FEDERAL RURAL DO SEMI-ÁRIDO PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROGRAMA ANALÍTICO DE DISCIPLINA IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA CÓDIGO NOME NATUREZA PMS0013 GEOPROCESSAMENTO APLICADO AO MANEJO DE SOLO E ÁGUA PROFESSOR(ES): Paulo Cesar Moura da Silva [ ] Obrigatória [

Leia mais