MÃES E O FUTURO DE SEUS FILHOS: A VIDA EM UMA OCUPAÇÃO RURAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÃES E O FUTURO DE SEUS FILHOS: A VIDA EM UMA OCUPAÇÃO RURAL"

Transcrição

1 MÃES E O FUTURO DE SEUS FILHOS: A VIDA EM UMA OCUPAÇÃO RURAL Edilson Guarnieri Junior Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida Raquel Souza Lobo Guzzo Avaliação e Intervenção Psicossocial: Prevenção, Comunidade e Libertação Centro de Ciências da Vida Resumo: O presente estudo é parte de um projetomãe do grupo de pesquisa que aglutina estudos sobre os processos de conscientização e fortalecimento para o enfrentamento das opressões, da alienação e fatalismo, como respostas às estas circunstâncias de vida. O presente projeto identificou como sente, pensa e age uma mulher ocupante de um assentamento rural do MST na região de Campinas em relação ao futuro de seus filhos. O estudo utiliza abordagem qualitativa de pesquisa em que uma entrevista semi estruturada serviu de roteiros para a coleta de informação e analise dos dados, a participante foi uma mãe moradora de um assentamento do MST que demonstrou entender as contradições do sistema capitalista, e age de forma a lutar por seus direitos, e esta mãe espera que seu filho possa terminar os estudos e que dirija seu futuro sempre dentro do Movimento, que não abandone essas questões políticas. Esta mãe não espera que a educação sirva como instrumento de alienação de seu filho, e sim como instrumento para lutar por seus direitos e do coletivo. Palavras-chave: Consciência, MST, Educação. Área do Conhecimento: Psicologia Psicologia Social Comunitária CNPq. PRA REFLETIR UM POUCO... O presente estudo, sobre o nível de consciência que uma mulher têm de seus direitos fundamentais e de como vê o futuro de seu filho em relação ao potencial transformador que a escola pode ou não ser, se justifica pela grande importância social por trabalhar em um contexto amplo e rico como a do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), sendo assim, pode permitir uma compreensão mais geral dos problemas que este movimento enfrenta, para então elaborar formas de intervenção com a finalidade de promoção da emancipação humana. Ao compreendermos que a realidade em que vivemos - o sistema capitalista, cristaliza nos indivíduos comportamentos de alienação e fatalismo, e assim, entendemos que estes são formas psicossociais de respostas às adversidades, às situações de injustiça, à exclusão e à exploração, que as pessoas da classe social menos favorecida vive nesta realidade. Podemos, a partir do conhecimento destes processos de enfrentamento da realidade destes indivíduos, e analisando como eles vêem o futuro de seus filhos, compreendermos melhor essa realidade e assim há a possibilidade de pensarmos em políticas públicas que possam atender de fato a demanda que esta população reivindica. No ponto de vista pessoal, o trabalho justifica-se pelo fato de que, ao conhecer o nível de consciência de algumas pessoas que fazem parte deste Movimento, é dado um passo importante para compreendermos uma estruturação mais ampla de formas de consciência, processos de enfrentamento e resiliência, que são assuntos de extrema admiração e curiosidade do pesquisador. Além de que a consciência é uma das partes mais intrigantes e misteriosas do ser humano, e essas descobertas se fazem muito importantes para a construção de uma sociedade cada vez melhor, mais justa e igualitária. Visto que a consciência é a categoria mais relevante no projeto pode ser vista como uma grande relevância para a justificativa cientifica do trabalho, porque ao explorarmos e conhecermos ainda mais os processos de tomada de consciência ficará mais fácil a busca por alternativas eficientes de intervenção na sociedade, provocando uma possível melhora na qualidade de vida, além de uma visão mais realista da situação de exploração a qual estamos expostos diante do sistema capitalista. Para que o trabalho seja possível, torna-se necessário o conhecimento das circunstâncias diretas e indiretas presentes nos contextos de vida, sobretudo em espaços sociais em que estes processos podem estar presentes como é o caso da organização do movimento, organizações comunitárias e espaços educativos. Tem-se como objetivos específicos primeiramente conhecer a compreensão que mulheres têm de sua inserção social e das conseqüências para sua vida especialmente o futuro de seus filhos, e por

2 segundo estabelecer relações entre a consciência sobre seus direitos fundamentais e as condições de vida concretas e objetivas. MODO DE VIDA NO CAPITALISMO Os fundamentos teóricos deste projeto são os mesmos do projeto-mãe do grupo de pesquisa a que está vinculado. Os fundamentos deste estudo sustentam uma análise da vida no capitalismo e a constituição histórica e social da personalidade. Trata da importância que a consciência assume no fortalecimento individual e coletivo e considera as possibilidades da psicologia nestes processos. Segundo a literatura [5], em seu projeto de pesquisa para o próximo período, relata que alguns indicadores mostram que, no mundo, têm se acentuado grandes diferenças entre ricos e pobres, entre aqueles que possuem os meios de produção e outros que vivem na miséria, entre os que acumulam riquezas e os que mendigam o que comer, entre os que trabalham para construir as riquezas sem desfrutar delas e os que concentram as riquezas produzidas explorando o trabalho de outros. A partir destas considerações, faz-se necessário uma visão de mundo que possa sustentar a análise posterior, [13], afirma que a concepção materialista e dialética da realidade considera que a vida é síntese das condições criadas pelos homens e não somente daquelas existentes na natureza, assim, é nesta relação que o desenvolvimento humano ocorre. Assim, é preciso que a vida humana seja analisada levando-se em conta sua sociedade e sua história, para que se possam tirar as conclusões práticas necessárias. O desenvolvimento de ações transformadoras, tanto no plano pessoal quanto coletivo, está intrinsecamente ligado à análise da realidade em sua totalidade concreta. A questão que se coloca como objeto de pesquisa está relacionada ao sofrimento de pessoas e grupos, manifesta por respostas de violência, sentimentos de impotência, fatalismo e alienação diante de mecanismos de exploração e opressão que, sob diferentes formas, estão presentes e nem sempre percebidos no cotidiano. EXPECTATIVA NA EDUCAÇÃO RUMO A CONSCIENTIZAÇÃO... Diante de tudo isso, existe a educação, que segundo [12] significa: "Processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral da criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração individual e social." Porém, essa educação, que no papel e na teoria é tão bela, se faz de forma muito diferente na prática, servindo assim aos propósitos da Globalização e do Neoliberalismo, obviamente, em detrimento da população menos esclarecida e mais pobre. Assim vê-se que a educação já é prémanipulada para atender os interesses da classe dominante. Segundo o 2º do Art. 1º [7] que diz que: A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social. Deixando exposto e subentendido a posição em que a educação toma no nosso país, logicamente que a educação deve vincular-se ao trabalho, pois é a partir do trabalho que o homem se torna parte da sociedade, porém, vemos o trabalho vinculado à educação apenas como uma forma de criar robôs humanos para satisfazer as necessidades do capital naquele determinado momento histórico, a educação de hoje é como um adestramento desde a pré-escola até a educação superior, em nenhum lugar de fato tem como principal objetivo estimular o senso crítico das pessoas, só querem adestrar e moldar todos a lógica do sistema capitalista. Segundo [9] ao analisar os PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais 1997) consideram que também caminham na mesma linha dessa política neoliberal, além de não levar em conta a realidade social dos homens e ainda coloca a educação como solução para os problemas sociais e aos homens a responsabilidade de seu sucesso ou fracasso na vida. As autoras ainda afirmam que as reformas educacionais vêm sendo estabelecidas para atender às exigências do movimento de rearticulação do capital em nível mundial, as quais impõem estes ajustes como requisito para se alcançar o desenvolvimento e inserir-se no chamado mundo globalizado. A desigualdade social passa a ser um fenômeno trivial que se normaliza e naturaliza enquanto as pessoas se acostumam às estas condições como parte do cotidiano imutável e fora do controle. Trata-se do fatalismo, que é considerado por [2] e [8], como um processo que impede as transformações sociais e abre espaço para a dominação e exploração dos mais fortes para com os mais fracos, e que o modo para superar essa situação é através da conscientização. Por esta razão, pensar a psicologia como uma ferramenta para o fortalecimento de pessoas e grupos, construir uma possibilidade de que sua ação sustente os processos de transformação social na busca de promoção do bem-estar passa a ser uma das contribuições deste projeto. Esse cotidiano imutável citado acima, é destituído por [2] na seguinte frase: Mudar é difícil mas é possível. Assim, portanto, vemos que o homem não é apenas objeto da História mas seu sujeito, igualmente. Assim, uma efetiva transformação deste estado social necessita que as pessoas se envolvam e se movimentem nesta direção de romper

3 o fatalismo, sobretudo compreendendo a situação estrutural em que diferentes forças sociais se confrontam. Para que estas forças sejam entendidas é preciso conhecer as contradições de cada uma delas e como se influenciam mutuamente. Assim, assumindo o processo de educação como uma arma contra o fatalismo e a alienação, devemos, enquanto psicólogos, lutar para que as pessoas tomem a consciência do quão importante é a educação no processo de formação do individuo, enquanto um ser social e responsável por seus atos e de sua coletividade. E, além disso, devemos lutar por uma educação de qualidade e não para manter esta que estão nos dando e apenas fazendo poucas mudanças, temos que mudar a estrutura educacional, devemos lutar pelo senso crítico e pela análise crítica de tudo, pois estas são armas contra a ignorância e as formas mais cruéis de manipulação da qual estamos expostos. Dentro desta perspectiva, [13] frisa que os processos de conscientização e emancipação tornam-se mecanismos psicológicos que levam em conta os processos sociais e históricos constitutivos de cada trajetória de vida. Com isso, fica clara a importância do pensamento dialético no entendimento das contradições presentes no desenvolvimento de cada fase da vida, nas escolhas feitas, nas tomadas de decisão, que, em outras palavras se constituem em formas históricas de individualidade. As ações de transformação social têm como horizonte a libertação de condições de opressão para condições de emancipação. Este é o horizonte colocado por [8], ou seja, em que a superação de condições de opressão em que a maioria da população está imersa, se dará para a libertação pessoal e social. E este processo implica em resistência e fortalecimento diante das forças opressivas que devem ser compreendidas em sua plenitude. No Brasil, [3] cunhou a idéia de conscientização. Freire considera a conscientização como um compromisso histórico, implica em que os homens assumam o papel de sujeitos que fazem e refazem o mundo. Para [8] conscientização não consiste em uma simples mudança de opinião sobre a realidade, uma mudança na subjetividade de cada indivíduo que deixa intacta a realidade, conscientização supõe que pessoas mudam no processo de mudança de suas relações com o ambiente ao seu redor e acima de tudo com os outros (p.41). Este conceito é fundamental para o processo de fortalecimento e, conseqüentemente da transformação social. Para [3], uma das características dos seres humanos é que somente eles são capazes de distanciar-se frente ao mundo para objetivá-lo e com isso, agir sobre a realidade. Isto, para Freire é a práxis humana, ou seja, a união indissolúvel entre a minha ação e a reflexão que posso fazer sobre o mundo. A conscientização, portanto, torna-se um processo pelo qual o homem ultrapassa a esfera espontânea de apreensão da realidade para alcançar uma esfera crítica na qual a realidade se dá como algo conhecido e sobre o qual se assume uma posição epistemológica. Segundo [8] a atuação do psicólogo não pode limitar-se ao plano abstrato do ser individual, deve, ao invés disso, confrontar os fatores sociais onde materializase toda individualidade humana. [4] complementa essa idéia dizendo que, o psicólogo, como profissional social, deve estar sensível e preparado para uma ação comunitária e coletiva junto à maioria da população, que perceba a personalidade como uma construção ideológica e que saiba relacionar o crescimento psicológico com as motivações sociais. MOVIMENTOS SOCIAIS ANTI-CAPITALISTAS Diante deste mundo em que vivemos, existem grupos que se organizam e lutam por seus direitos, como é o caso do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que destaca-se a relação dialética entre sujeito e sociedade na compreensão do nível de consciência e envolvimento com os movimentos sociais,. Em pesquisa realizada por [6] sobre como os sujeitos ingressam em movimentos coletivos buscando melhorar suas condições de vida e que grau de consciência possuem na relação com a sociedade, concluem que os projetos, as necessidades, os dilemas, as decisões tomadas pelos sujeitos só podem ser compreendidas dentro das problemáticas colocadas para os movimentos rurais dentro de uma sociedade capitalista, por isso é preciso conhecer o contexto histórico e o desenvolvimento das condições singulares de vida e como as pessoas nela se inserem para se ter clareza de como se processa e se estabelece a consciência de classe necessária à transformação social. Cabe aqui, um breve histórico sobre o MST, que foi fundado há 26 anos, no ano de 1984, no município de Cascavel (PR), onde centenas de trabalhadores fundaram um movimento social camponês, autônomo, que luta pela terra, pela Reforma Agrária e por muitas transformações sociais necessárias para o Brasil, tais como a desigualdade social e de renda, a discriminação de etnia e gênero, a concentração da comunicação, a exploração do trabalhador urbano, etc. [10] & [11]. O MST possui escolas em alguns assentamentos, e estas, ensinam muito mais do que apenas as matérias básicas para a formação curricular de seus alunos, essa escola cumpre um papel social muito im-

4 portante, que, segundo [1] é importante existir processos comunicativos pedagógicos, pois estes funcionaram como conscientizadores e construtores de uma identidade social crítica, essa educação transforma sujeitos anônimos e passivos em sujeitos coletivos. Porém, a psicologia está distante do MST em relação a sua produção científica, pois, a pesquisa de [1], aponta que existem somente dez dissertações e apenas uma tese de Psicologia que o cita. OS MÉTODOS DO TRABALHO Este estudo toma o materialismo histórico dialético como referencia metodológica, inserido em uma perspectiva qualitativa de pesquisa. Definir por uma condução qualitativa de pesquisa significa optar por uma posição epistemológica e ideológica frente às práticas quantitativas dominantes na Psicologia. O conhecimento produzido por meio da ciência tem sempre uma relação estreita com a ideologia dominante, a ciência como produção humana é uma ação política, portanto, histórica e, no contexto do materialismo está ligada às condições de sua produção [13]. O método construtivo, neste caso, tem dois sentidos: busca compreender as construções psicológicas explicitadas pelos participantes da pesquisa e desvelar os processos utilizados para estas construções. Por meio da construção consciente pode-se alcançar a construção real do próprio processo, segundo [14], pois, das formas de vida coletiva são deduzidas as funções individuais. Desta forma, o processo de desenvolvimento se estabelece na direção das transformações das relações sociais em funções psicológicas, que no coletivo se exercitam, se desenvolvem e se tornam mais complexas, se elevam se freiam, se oprimem ou se exteriorizam primeiro no coletivo em forma de relações sociais, depois como função social da personalidade. Partindo do pressuposto de que a educação é base para o futuro, busca-se compreender como essa mãe vê o futuro de seu filho em relação a educação e a todos os aspectos pertinentes. A escolha por uma mãe que participe do MST é porque, ao participar de um movimento social como este, já partimos do pressuposto de que esta mãe tem consciência sobre seus direitos básicos, garantidos por lei, e por isso, luta para que estes direitos sejam cumpridos, assim, veremos, como essa mãe, que participa deste movimento social vê o futuro de seu filho. A entrevistada foi uma mãe, moradora de um assentamento do MST na região de Campinas, com um filho em idade escolar, esta mãe cursa faculdade de direito e trabalha na roça - no assentamento, ela participou deste estudo por meio de uma entrevista semi dirigida com um roteiro estabelecido. O assentamento em questão já possui rede elétrica, porém ainda não conta com rede de água e esgoto. (foi utilizado um roteiro semi-dirigido já pronto que foi utilizado na ultima pesquisa, porém, foi adaptado para este). RESULTADOS E ANÁLISE DAS DIMENSÕES As dimensões que foram captadas pela entrevista e que servirão de subsídio para a análise a partir dos objetivos propostos pelo trabalho são: a 1ª dimensão diz respeito a identificação da participante, dados como sexo, idade, estado civil, etnia, escolaridade e número de filhos; a 2ª dimensão caracteriza sua vida sócio-econômica descrevendo o local de domicilio, a profissão que exerce e o vinculo profissional, o tempo de trabalho, a renda familiar, além dos aspectos da moradia, como: cômodos, quantidade de moradores e recursos materiais; a 3ª dimensão diz respeito ao direito ao que ela espera para o futuro de seu filho, o que ela acha de sua escola e da educação no geral e o porque ela participa do movimento; já a 4ª dimensão explora aspectos sobre como a participante se diverte, quais são suas preocupações, se gostaria de mudar algo em sua vida, o que espera a respeito do futuro, o que espera que ocorra na sociedade, como vê suas próprias condições de vida e o por que as pessoas não se organizam para lutar por seus direitos. Estas quatro dimensões que serão exploradas servirão de subsidio para a análise proposta com os objetivos do trabalho. Em relação ao primeiro objetivo será objeto de análise o como a entrevistada lida com eventos transitórios de vida, age e percebe as situações de opressão e exploração a que esta exposta, além de buscar elementos no cotidiano para entender as consequências desta inserção social para o futuro de seus filhos. A entrevistada percebe a situação de exploração a que vive, no trecho que diz que tinha uma vida como a de todo mundo até os 40 anos, e depois que conheceu e começou a militar no MST mudou completamente seu modo de ver as coisas, e viu que a vida não é apenas trabalhar naquele emprego sacrificante em que o patrão ganha muito dinheiro, e os empregados ganham uma miséria que mal dá para sustentar uma casa. Vê-se neste ponto, que ela percebe que a sociedade é dividida em classes, de um lado o opressor (patrão) e do outro o oprimido (empregado), no caso a realidade dela. Assim, ela vê no MST um modo de denunciar esta sociedade e lutar por seus direitos, agindo de forma incisiva e corajosa na luta por seus direitos. Além disso ela estuda, cursa direito, não apenas para ter um bom salário no futuro e assim dar conta de sua vida de forma individualmente, a entrevistada tem um norte muito maior para seu trabalho, não de

5 forma apenas individualista, mas sim de forma coletiva, pois, ela estuda para que ela e seu filho possa ter um futuro melhor, mas, principalmente, porque vê que com este trabalho, após formada, ela poderá ajudar muito mais o movimento, de uma forma diferente e através das burocracias da lei, já que cursa direito. A entrevistada acha que o governo não dá atenção para os que mais precisam, dizendo que a assistência prestada pelo governo é péssima, em relação a saúde, educação e lazer. Por isso estuda e luta para que o futuro do movimento seja melhor, e consequentemente o do seu filho. Acha que a educação do país é ruim, e se tivesse dinheiro colocaria seu filho em uma escola privada. Ai surge uma grande contradição dela, pois, fala que o governo não dá a assistência que deveria para a população mais necessitada, e, ao invés de falar que prefere lutar por uma educação pública de qualidade, diz que colocaria seu filho em uma escola privada. Acha que as pessoas não lutam por condições melhores de educação porque o sistema as deixam cegas, e assim elas não se preocupam com suas vidas. Esse ponto será melhor explorado logo abaixo, com o segundo objetivo do trabalho. O segundo objetivo pretende identificar a consciência por meio da explicitação de formas e tipos de relações interpessoais nos processos de trabalho e na realidade histórica, além dos interesses sociais de uma dada estrutura social. E serão buscadas as contradições entre o indivíduo e sua realidade, sobretudo nas expectativas expressas sobre os projetos de vida, as condições concretas e suas possibilidades de realização. Vê-se que a entrevistada percebe sua situação de opressão de maneira clara, e luta para que isso melhore, por isso participa ativamente do MST. Assim, acha que, lutando dentro do MST está denunciando as contradições do sistema, e além de denunciar, acha que a ação é de extrema importância para que haja mudanças de fato na sociedade. As contradições aparecem sim, principalmente no comentário que a entrevistada faz dizendo que se tivesse dinheiro, colocaria seu filho em uma escola particular. Aqui deve-se levar em conta que ela está preocupada com o momento, e por isso faria isso... porém, como ela luta por seus direitos, esperava-se uma resposta como a de que se deve lutar para que a escola pública seja de melhor qualidade, ela até fala disso após eu perguntar o porque as pessoas não lutam então por uma escola melhor... e até dá uma resposta mais coerente em relação a seu modo de viver, dizendo que as pessoas não lutam pela educação porque não tem consciência do quão importante a educação é na vida dos filhos, mas, antes disso, ela realmente diz que gostaria de colocar seu filho em uma instituição privada. Ela diz isso, ao meu ver, porque acha que lutar por uma educação de qualidade é algo importante sim, porém, não é o crucial na vida dela, ela luta por moradia, alimentação e saúde principalmente, sendo assim, a educação fica em segundo plano, visto que, ter onde morar e o que comer é algo mais urgente do que ter uma boa escola, porém, como já diz a musica Comida, dos Titãs:...a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte! Não é somente isso que queremos, porque o que merecemos é tudo, por inteiro, um lugar digno para morar, ter comida sempre na mesa, ir ao hospital e ser atendido, ter uma educação que emancipe os povos, e não que os aliene... enfim, é isso que merecemos, e que, devido a luta de classes e ao modo como o sistema capitalista é, temos que lutar de forma truculenta, para conseguir, as vezes, apenas migalhas. O modo de vida no capitalismo aliena as pessoas e a cegam, sendo assim, mostrar a realidade estrutural do sistema é parte fundamental da tomada de consciência para a luta, e é isso, que segunda a entrevistada o MST faz, e muito bem, segunda ela, o MST denuncia, mostra a realidade de maneira clara, e assim, chama as pessoas para que ajam, que lutem por seus direitos, já que não é intenção do sistema fazê-los. Em relação a educação, segundo a entrevistada, o ensino é ruim porque eles ensinam de maneira errada, e que fazem isso porque o sistema quer produzir subjetividades alienadas, que não pensem, reflitam e critiquem as coisas, por isso a escola é como é hoje em dia, o modo professor-aluno, em que o professor apenas fala e o aluno fica sentado, sem poder se expressar, demonstra essa intenção que está no seio do sistema capitalista, ou seja, dar um estudo que seja de maneira rasa e não profunda, para formar mão de obra qualifica e também o exercito de reserva, para que assim o sistema se mantenha, e a educação que as escolas estão dando, é essa que aliena as crianças, não as fazem refletir, nem sobre o que estão estudando, e muito menos sobre as questões da vida em geral. A educação deveria ser de modo a emancipar as pessoas, de maneira que elas aprendam a aprender e também a criticar, que sejam ativas, não apenas em seu ensino, como também em tudo, que critiquem, que falem, que questionem, porque, é através desses processos que cidadãos mais esclarecidos em relação a seus direitos serão formados. A entrevista não quer que a educação aliena seu filho e o deixe cego para as questões do mundo, porém, é isso o que ocorre, e ela acha, que devido ao seu filho

6 vivem, desde pequeno nesse contexto de luta pelos direitos, sua identidade está sendo formada dentro do movimento, assim, uma das coisas que ela mais se preocupa é em ele nunca abandonar a luta, ela espera que ele estude, e continue a militar no movimento, lutando pelos direitos dos mais necessitados. CONSIDERAÇÕES FINAIS Cabe aqui falar sobre a função do psicólogo nestes assuntos, pois, a psicologia está mais atrelada a classe mais alta da sociedade, e as vezes deixa de lado a parte pobre e menos favorecida, assim, acho de extrema importância que psicólogos estudem melhor os movimentos sociais e também esses direitos básicos, para que assim, possam, junto com os que realmente precisam, ajudar, dando ferramentas para o fortalecimento do povo mais sofrido em função de uma construção maior, de uma sociedade mais justa e digna para todos, sem essas gigantescas diferenças sociais que sé uma parte intrínseca ao sistema capitalista. Cabe ao psicólogo analisar o como as subjetividades são formadas neste sistema, para assim saber o como a psicologia pode investir numa melhora qualitativa da qualidade de vida das pessoas, porém, a garantia dos direitos básicos é parte fundamental para que a qualidade de vida seja digna. REFERÊNCIAS [1] Domingues, E. Vinte anos do MST: a psicologia nesta história. Psicol. estud; 12(3): , set.-dez [2] Freire, P. (2007). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (36ª ed.). São Paulo: Paz e Terra. [3] Freire, P. (1980). Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire (Trad. K. d. M. e. Silva, 3ª ed.). São Paulo: Editora Moraes. [4] Freitas, M. F. Q. (1998). Inserção na Comunidade e Análise de Necessidades: Reflexões sobre a prática do psicólogo. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11 (1), [5] Guzzo, R.S.L. ( 2009). Fatalismo, Impotência e Modo de Vida: impacto do poder e da opressão em espaços educativos e comunitários. Projeto de Pesquisa para Bolsa Produtividade - CNPq. Campinas. PUC-Campinas. [6] Lacerda Jr & Guzzo, R. S.L. (2006) MST e consciência de classe: estudo a partir da trajetória de um militante. Psicologia Política, vol 6 ( 12) p [7] Lei de Diretrizes e Bases (LDB). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de Presidência da República. [8] Martín-Baró, I. (1996). O papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia, 2(1), [9] Martins, M. L. & Noma, A. K. (s/d). Reflexão sobre a relação entre o neoliberalismo e educação. [10] Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (2009). Quem somos: Nossa História. Recuperado em 12 de fevereiro de <www.mst.org.br>. [11] Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (2009). Quem somos: Nossos Objetivos. Recuperado em 12 de fevereiro de <www.mst.org.br>. [12] Musetti, R. A. (2002). Neoliberalismo, Globalização e Direito à Educação da não Exclusão. [13] Pino Sirgado, A. (2000). O social e o cultural na obra de Vigotski. Educação & Sociedade,71, [14] Vigotski, L. S. (1999). Teoria e Método em Psicologia. (Trad. C. Berliner, 2ª ed.). São Paulo: Martins Fontes. AGRADECIMENTOS FAPIC Reitoria. A minha orientadora Raquel Souza Lobo Guzzo.

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1

Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Desenvolvimento Sustentável: idéias sobre a perspectiva da integração 1 Juliano Varela de Oliveira 2 O Desenvolvimento Sustentável é uma proposta alternativa ao modelo de desenvolvimento com viés puramente

Leia mais

Por uma pedagogia da juventude

Por uma pedagogia da juventude Por uma pedagogia da juventude Juarez Dayrell * Uma reflexão sobre a questão do projeto de vida no âmbito da juventude e o papel da escola nesse processo, exige primeiramente o esclarecimento do que se

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE

A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO PROFESSOR DE PEDAGOGIA DA FESURV - UNIVERSIDADE DE RIO VERDE Bruna Cardoso Cruz 1 RESUMO: O presente trabalho procura conhecer o desempenho profissional dos professores da faculdade

Leia mais

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES

FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias dezembro/2006 página 1 FORMAÇÃO PLENA PARA OS PROFESSORES Bernardete Gatti: o país enfrenta uma grande crise na formação de seus professores em especial, de alfabetizadores.

Leia mais

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO

difusão de idéias EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias outubro/2007 página 1 EDUCAÇÃO INFANTIL SEGMENTO QUE DEVE SER VALORIZADO Moysés Kuhlmann :A educação da criança pequena também deve ser pensada na perspectiva de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES

A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES A IMPORTÂNCIA DO PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO PARA OS CURSOS PRÉ-VESTIBULARES Alexandre do Nascimento Sem a pretensão de responder questões que devem ser debatidas pelo coletivo, este texto pretende instigar

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL CENTRO DE ENSINO ATENAS MARANHENSE FACULDADE ATENAS MARANHESE DIRETORIA ACADÊMICA NÚCLEO DE ASSESSORAMENTO E DE DESENVOLVIMENTO PEDAGÓGICO - NADEP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE RESPONSABILIDADE SOCIAL SÃO

Leia mais

Informativo Fundos Solidários nº 13

Informativo Fundos Solidários nº 13 Informativo Fundos Solidários nº 13 Em dezembro de 2014, em Recife, Pernambuco, foi realizado o 2º seminário de Educação Popular e Economia Solidária. Na ocasião, discutiu-se sobre temas relevantes para

Leia mais

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e

1 O texto da Constituição Federal de 1988 diz: Art. 7. São direitos dos trabalhadores urbanos e 1 Introdução A presente pesquisa tem como objeto de estudo a inserção da pessoa com deficiência física no mercado de trabalho. Seu objetivo principal é o de compreender a visão que as mesmas constroem

Leia mais

CONSCIENCIA E MUDANÇA SOCIAL: COMO PENSAM, O QUE SENTEM E COMO AGEM PARTICIPANTES DE UM ASSENTAMENTO

CONSCIENCIA E MUDANÇA SOCIAL: COMO PENSAM, O QUE SENTEM E COMO AGEM PARTICIPANTES DE UM ASSENTAMENTO CONSCIENCIA E MUDANÇA SOCIAL: COMO PENSAM, O QUE SENTEM E COMO AGEM PARTICIPANTES DE UM ASSENTAMENTO Ed Carlos Corrêa de Faria Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida edc@puccamp.edu.br Resumo

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

CIDADANIA: o que é isso?

CIDADANIA: o que é isso? CIDADANIA: o que é isso? Autora: RAFAELA DA COSTA GOMES Introdução A questão da cidadania no Brasil é um tema em permanente discussão, embora muitos autores discutam a respeito, entre eles: Ferreira (1993);

Leia mais

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I

SECRETARIA EXECUTIVA DE DESENVOLVIMENTO E ASSISTÊNCIA SOCIAL - SEDAS GERÊNCIA DE PLANEJAMENTO, PROJETOS E CAPACITAÇÃO TEXTO I TEXTO I Igualdade de Gênero no Enfrentamento à Violência Contra a Mulher As desigualdades são sentidas de formas diferentes pelas pessoas dependendo do seu envolvimento com a questão. As mulheres sentem

Leia mais

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA

PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO: CONSTRUÇÃO COLETIVA DO RUMO DA ESCOLA Luís Armando Gandin Neste breve artigo, trato de defender a importância da construção coletiva de um projeto político-pedagógico nos espaços

Leia mais

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA. Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2 Encontro de Ensino, Pesquisa e Extensão, Presidente Prudente, 22 a 25 de outubro, 2012 1029 OS SABERES NA FORMAÇÃO DO PROFESSOR DE MATEMÁTICA Cleber Luiz da Cunha 1, Tereza de Jesus Ferreira Scheide 2

Leia mais

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR

MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR 1 MOTRICIDADE DIALÓGICA: COMPARTILHANDO A CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO NA EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Clayton da Silva Carmo Luiz Gonçalves Junior (O) Mestrado Práticas Sociais e Processos Educativos Resumo

Leia mais

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO

A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino INTRODUÇÃO A Interdisciplinaridade como Metodologia de Ensino O bom professor é o que consegue, enquanto fala trazer o aluno até a intimidade do movimento de seu pensamento. Paulo Freire INTRODUÇÃO A importância

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem.

LÍDER: compromisso em comunicar, anunciar e fazer o bem. ESCOLA VICENTINA SÃO VICENTE DE PAULO Disciplina: Ensino Religioso Professor(a): Rosemary de Souza Gelati Paranavaí / / "Quanto mais Deus lhe dá, mais responsável ele espera que seja." (Rick Warren) LÍDER:

Leia mais

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude.

No entanto, a efetividade desses dispositivos constitucionais está longe de alcançar sua plenitude. A MULHER NA ATIVIDADE AGRÍCOLA A Constituição Federal brasileira estabelece no caput do art. 5º, I, que homens e mulheres são iguais em direitos e obrigações e reconhece no dispositivo 7º a igualdade de

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO

OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO OS PROCESSOS DE TRABALHO DO SERVIÇO SOCIAL EM UM DESENHO CONTEMPORÂNEO Karen Ramos Camargo 1 Resumo O presente artigo visa suscitar a discussão acerca dos processos de trabalho do Serviço Social, relacionados

Leia mais

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM

8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM CORRENTES DO PENSAMENTO DIDÁTICO 8. O OBJETO DE ESTUDO DA DIDÁTICA: O PROCESSO ENSINO APRENDIZAGEM Se você procurar no dicionário Aurélio, didática, encontrará o termo como feminino substantivado de didático.

Leia mais

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes

A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL. Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes A FORMAÇÃO DE SUJEITOS CRÍTICOS NO ENSINO SUPERIOR: UM POSSÍVEL CAMINHO PARA A TRANSFORMAÇÃO SOCIAL Marijara de Lima Monaliza Alves Lopes FACULDADE ALFREDO NASSER INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO III PESQUISAR

Leia mais

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE.

Resumo. Introdução. Grupo de pesquisadores da rede municipal de ensino da cidade do Recife PE. TRABALHO DOCENTE: POR UMA EDUCAÇÃO AMBIENTAL CRÍTICA, TRANSFORMADORA E EMANCIPATÓRIA OLIVEIRA, Marinalva Luiz de Prefeitura da Cidade do Recife GT-22: Educação Ambiental Resumo Este trabalho tem o objetivo

Leia mais

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP

PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP PROGRAMA DE RESPONSABILIDADE SOCIAL PRS-FACIIP Aprovado na Reunião do CONASU em 21/01/2015. O Programa de Responsabilidade Social das Faculdades Integradas Ipitanga (PRS- FACIIP) é construído a partir

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de

Quando começou a pensar na alfabetização, em 1962, Paulo Freire trazia mais de 15 anos de PAULO FREIRE E A ALFABETIZAÇÃO Vera Lúcia Queiroga Barreto 1 Uma visão de alfabetização que vai além do ba,be,bi,bo,bu. Porque implica uma compreensão crítica da realidade social, política e econômica

Leia mais

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior.

Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Fragmentos do Texto Indicadores para o Desenvolvimento da Qualidade da Docência na Educação Superior. Josimar de Aparecido Vieira Nas últimas décadas, a educação superior brasileira teve um expressivo

Leia mais

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos

resgate de um processo pedagógico autônomo, de qualidade e que também podem somar-se às problematizações e às reflexões que se realizam nos RESUMO PDI PLANO DE DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL, PPI PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL E PPC PROJETO PEDAGÓGICO DE CURSO, ENTRE O DITO E O FEITO ESTUDOS DE CASO MÚLTIPLOS / IES/ RS BRASIL 2007/2008. Autora

Leia mais

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA

PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PLANO DE AÇÃO FÓRUM DO MUNICÍPIO QUE EDUCA PROPOSTA DE AÇÃO Criar um fórum permanente onde representantes dos vários segmentos do poder público e da sociedade civil atuem juntos em busca de uma educação

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS

O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS O TRABALHO DOCENTE NUM PROGRAMA DE ALFABETIZAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: CONTRADIÇÕES E PERSPECTIVAS Daiana Rodrigues dos Santos Prado¹; Francine de Paulo Martins² Estudante do Curso de Pedagogia; e-mail:

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1

O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 O INTELECTUAL/PROFESSOR DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA FUNÇÃO SOCIAL 1 Efrain Maciel e Silva 2 Resumo: Estudando um dos referenciais do Grupo de Estudo e Pesquisa em História da Educação Física e do Esporte,

Leia mais

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR

PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR PROJETO RECICLAR PARA PRESERVAR FABIA GRAVINA VIEIRA ROCHA Colégio e Faculdade Modelo do Paraná- Curitiba/PR fabiagravina@hotmail.com RESUMO Sensível à necessidade de reflexão sobre as relações dos seres

Leia mais

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua!

Suas atividades terão como horizonte a escola, de modo particular, a escola em que você atua! PROJETO-INTERVENÇÃO O curso de formação de gestores escolares que estamos realizando orientase por dois eixos básicos: a) a educação compreendida como direito social a ser suprido pelo Estado; b) a gestão

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças.

Os sindicatos de professores habituaram-se a batalhar por melhores salários e condições de ensino. Também são caminhos trilhados pelas lideranças. TEXTOS PARA O PROGRAMA EDUCAR SOBRE A APRESENTAÇÃO DA PEADS A IMPORTÂNCIA SOBRE O PAPEL DA ESCOLA Texto escrito para o primeiro caderno de formação do Programa Educar em 2004. Trata do papel exercido pela

Leia mais

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I

universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I universidade de Santa Cruz do Sul Faculdade de Serviço Social Pesquisa em Serviço Social I ELABORAÇÃO DO PROJETO DE PESQUISA: a escolha do tema. Delimitação, justificativa e reflexões a cerca do tema.

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO PARA O TRABALHO A educação é um dos pilares da sociedade e no nosso emprego não é diferente. Um povo culto está mais preparado para criar, planejar e executar os projetos para

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1

Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 FALA PEDAGOGIA Algumas contribuições para a construção do projeto político pedagógico na escola 1 Daniela Erani Monteiro Will O Projeto Político Pedagógico (PPP), há alguns anos, está na pauta de discussões

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM

TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? TUDO O QUE APRENDEMOS É BOM VERDADEIRO? FALSO? A EDUCAÇÃO PODE ME PREJUDICAR VERDADEIRO? FALSO? APRENDO SEMPRE DE FORMA CONSCIENTE ESPAÇOS DE APRENDIZAGEM Podemos concordar que aprendemos

Leia mais

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR

FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR FORMAÇÃO PEDAGÓGICA DE DOCENTES NO ENSINO SUPERIOR As transformações sociais no final do século passado e início desse século, ocorridas de forma vertiginosa no que diz respeito aos avanços tecnológicos

Leia mais

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL

POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL 1 POLÍTICAS PÚBLICAS NA EDUCAÇÃO INFANTIL Erika Cristina Pereira Guimarães (Pibid-UFT- Tocantinópolis) Anna Thércia José Carvalho de Amorim (UFT- Tocantinópolis) O presente artigo discute a realidade das

Leia mais

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO

GRITO PELA EDUCAÇÃO PÚBLICA NO ESTADO DE SÃO PAULO Apresentação Esta cartilha representa um grito dos educadores, dos estudantes, dos pais, dos trabalhadores e da sociedade civil organizada em defesa da educação pública de qualidade, direito de todos e

Leia mais

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores

II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores II Congresso Nacional de Formação de Professores XII Congresso Estadual Paulista sobre Formação de Educadores VIVENCIANDO A PRÁTICA ESCOLAR DE MATEMÁTICA NA EJA Larissa De Jesus Cabral, Ana Paula Perovano

Leia mais

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE

OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE OS CONHECIMENTOS DE ACADÊMICOS DE EDUCAÇÃO FÍSICA E SUA IMPLICAÇÃO PARA A PRÁTICA DOCENTE Maria Cristina Kogut - PUCPR RESUMO Há uma preocupação por parte da sociedade com a atuação da escola e do professor,

Leia mais

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo

1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo Prof. Dr. Elydio dos Santos Neto AS CONTRIBUIÇÕES DE ANTONIO GRAMSCI PARA COMPREENDER A ESCOLA E O PROFESSOR NA ESTRUTURA DA SOCIEDADE CAPITALISTA 1. O pensamento marxista e o contexto contemporâneo No

Leia mais

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná.

A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. A PRÁTICA DE FORMAÇÃO DE DOCENTES: DIFERENTE DE ESTÁGIO Maria de Fátima Targino Cruz Pedagoga e professora da Rede Estadual do Paraná. O Curso de Formação de Docentes Normal, em nível médio, está amparado

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995)

Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) Declaração de Pequim adotada pela Quarta Conferência Mundial sobre as Mulheres: Ação para Igualdade, Desenvolvimento e Paz (1995) 1. Nós, os Governos, participante da Quarta Conferência Mundial sobre as

Leia mais

-----------------------------------------------------------------------------------------------------------------

----------------------------------------------------------------------------------------------------------------- GESTÃO DEMOCRÁTICA DA ESCOLA, ÉTICA E SALA DE AULAS Cipriano Carlos Luckesi 1 Nos últimos dez ou quinze anos, muito se tem escrito, falado e abordado sobre o fenômeno da gestão democrática da escola. Usualmente,

Leia mais

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP

educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP Secretaria Municipal de Educação, Cultura e Esporte Rua Prof. Paulo Francisco de Assis 82 Centro Fone e Fax (15) 3554-1290 E-mail educacaobarra@yahoo.com.br CEP: 18.325-000 BARRA DO CHAPÉU - SP I As ações

Leia mais

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS

ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS ASSISTÊNCIA SOCIAL: UM RECORTE HORIZONTAL NO ATENDIMENTO DAS POLÍTICAS SOCIAIS Mônica Abranches 1 No Brasil, no final da década de 70, a reflexão e o debate sobre a Assistência Social reaparecem e surge

Leia mais

VOLUNTARIADO E CIDADANIA

VOLUNTARIADO E CIDADANIA VOLUNTARIADO E CIDADANIA Voluntariado e cidadania Por Maria José Ritta Presidente da Comissão Nacional do Ano Internacional do Voluntário (2001) Existe em Portugal um número crescente de mulheres e de

Leia mais

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA

A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA 1 A IMPORTÂNCIA DA EDUCAÇÃO FISICA NAS SÉRIES INICIAIS DA EDUCAÇÃO BÁSICA LEILA REGINA VALOIS MOREIRA INTRODUÇÃO O tema a ser estudado tem como finalidade discutir a contribuição da Educação Física enquanto

Leia mais

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião

Família. Escola. Trabalho e vida econômica. Vida Comunitária e Religião Família Qual era a profissão dos seus pais? Como eles conciliavam trabalho e família? Como era a vida de vocês: muito apertada, mais ou menos, ou viviam com folga? Fale mais sobre isso. Seus pais estudaram

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II

PROPOSTA PEDAGOGICA CENETEC Educação Profissional. Índice Sistemático. Capitulo I Da apresentação...02. Capitulo II Índice Sistemático Capitulo I Da apresentação...02 Capitulo II Dos objetivos da proposta pedagógica...02 Capitulo III Dos fundamentos da proposta pedagógica...02 Capitulo IV Da sinopse histórica...03 Capitulo

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO

A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO A CARTA DE BANGKOK PARA A PROMOÇÃO DA SAÚDE EM UM MUNDO GLOBALIZADO Introdução Escopo A Carta de Bangkok identifica ações, compromissos e promessas necessários para abordar os determinantes da saúde em

Leia mais

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS

FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS FORMAÇÃO DOCENTE: ASPECTOS PESSOAIS, PROFISSIONAIS E INSTITUCIONAIS Daniel Silveira 1 Resumo: O objetivo desse trabalho é apresentar alguns aspectos considerados fundamentais para a formação docente, ou

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA

UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA UMA LEITURA SOBRE A PARTICIPAÇÃO DO JOVEM NO PROGRAMA ESCOLA DA FAMÍLIA Gina Sanchez, Instituto de Ensino Superior de Bauru IESB PREVE; Leila Maria Ferreira Salles, UNESP/IB - Rio Claro. A participação

Leia mais

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003

Propostas de luta para tornar nossa. vida melhor. Maio de 2003 Propostas de luta para tornar nossa vida melhor Maio de 2003 Companheiros e companheiras A s políticas capitalistas neoliberais, aplicadas com mais força no governo FHC, foram muito duras com os trabalhadores

Leia mais

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1

Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Contribuição sobre Economia solidária para o Grupo de Alternativas econômicas Latino-Americano da Marcha Mundial das Mulheres Isolda Dantas 1 Economia solidária: Uma ferramenta para construção do feminismo

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável

O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável O papel da mulher na construção de uma sociedade sustentável Sustentabilidade Socioambiental Resistência à pobreza Desenvolvimento Saúde/Segurança alimentar Saneamento básico Educação Habitação Lazer Trabalho/

Leia mais

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL

O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL O PAPEL DESEMPENHADO PELO PROGRAMA LEXT-OESSTE E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO E PARA O EXERCÍCIO PROFISSIONAL Larissa dos Santos Gomes Resumo O presente artigo refere-se ao trabalho de conclusão

Leia mais

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA

PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA PRATICANDO TRABALHO COM PROJETOS NA EDUCAÇÃO MATEMÁTICA Fernanda Pimentel Dizotti Academia de Ensino Superior fernandadizotti@gmail.com Norma Suely Gomes Allevato Universidade Cruzeiro do Sul normallev@uol.com.br

Leia mais

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM

Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Plano de Fiscalização de Unidades de Conservação - SIM Formação Socioambiental 2º Encontro Mapeando e buscando reconhecer o território Polo 2 Floresta Estadual Edmundo Navarro de Andrade O que vimos até

Leia mais

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento

EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento EXPERIÊNCIAS DE UM PROJETO DE APOIO ESCOLAR COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES EM SITUAÇÃO DE VULNERABILIDADE SOCIAL Extensão em andamento Jéssica Albino 1 ; Sônia Regina de Souza Fernandes 2 RESUMO O trabalho

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Orientações para a elaboração do projeto escolar MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO SECRETARIA DE EDUCAÇÃO MÉDIA E TECNOLÓGICA Coordenação-Geral de Ensino Médio Orientações para a elaboração do projeto escolar Questões norteadoras: Quais as etapas necessárias à

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock

ABCEducatio entrevista Sílvio Bock ABCEducatio entrevista Sílvio Bock Escolher uma profissão é fazer um projeto de futuro A entrada do segundo semestre sempre é marcada por uma grande preocupação para todos os alunos que estão terminando

Leia mais

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI

Projeto Pedagógico Institucional PPI FESPSP FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI FUNDAÇÃO ESCOLA DE SOCIOLOGIA E POLÍTICA DE SÃO PAULO PROJETO PEDAGÓGICO INSTITUCIONAL PPI Grupo Acadêmico Pedagógico - Agosto 2010 O Projeto Pedagógico Institucional (PPI) expressa os fundamentos filosóficos,

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11

O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1. Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 O ENSINO DE EDUCAÇÃO FINANCEIRA NA EDUCAÇÃO DOS JOVENS E ADULTOS EM UMA ABORDAGEM CTS 1 Educação Matemática na Educação de Jovens e Adultos GT 11 Ana Luiza Araujo COSTA anaepietro26@gmail.com Maria Simone

Leia mais

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar

O Projeto Político Pedagógico. Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar O Projeto Político Pedagógico Norteadores para uma Gestão Democrática na Escola: PPP e Regimento Escolar 1 A sua escola possui uma Proposta Pedagógica (ou Projeto Político Pedagógico - PPP? Em caso afirmativo,

Leia mais

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA SECRETARIA DE POLÍTICAS PARA MULHERES SECRETRIA DE ENFRENTAMENTO À VIOLÊNCIA CONTRA AS MULHERES Diretrizes para Implementação dos Serviços de Responsabilização e Educação dos Agressores

Leia mais

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL

REFLEXÕES SOBRE A QUESTÃO SOCIAL TEORIA MARXISTA NA COMPREENSÃO DA SOCIEDADE CAPITALISTA Disciplina: QUESTÃO E SERVIÇO Professora: Maria da Graça Maurer Gomes Türck Fonte: AS Maria da Graça Türck 1 Que elementos são constitutivos importantes

Leia mais

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA

CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Fundação Carlos Chagas Difusão de Idéias novembro/2011 página 1 CURSOS PRECISAM PREPARAR PARA A DOCÊNCIA Elba Siqueira de Sá Barretto: Os cursos de Pedagogia costumam ser muito genéricos e falta-lhes um

Leia mais

PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico

PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico 1 PLANEJAMENTO: um vai-e-vem pedagógico Vera Maria Oliveira Carneiro 1 Educar é ser um artesão da personalidade, um poeta da inteligência, um semeador de idéias Augusto Cury Com este texto, pretendemos

Leia mais

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA

A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA A GESTÃO ESCOLAR E O PROCESSO DE DEMOCRATIZAÇÃO DA ESCOLA PÚBLICA Shirlei de Souza Correa - UNIVALI 1 Resumo: No contexto educacional pode-se considerar a gestão escolar como recente, advinda das necessidades

Leia mais

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A

PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A 9 PROVA DE CONHECIMENTOS ESPECÍFICOS Cód. 19/A QUESTÃO 16 O Capítulo II das Entidades de Atendimento ao Idoso, da Lei nº 10.741, de 2003, que dispõe sobre o Estatuto do Idoso, coloca no Parágrafo Único

Leia mais

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL

CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL CUIDAR, EDUCAR E BRINCAR: REFLETINDO SOBRE A ORGANIZAÇÃO DO TRABALHO PEDAGÓGICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL Gislaine Franco de Moura (UEL) gislaine.franco.moura@gmail.com Gilmara Lupion Moreno (UEL) gilmaralupion@uel.br

Leia mais

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA

MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA MATERNIDADE NA ADOLESCÊNCIA Autor: Marusa Fernandes da Silva marusafs@gmail.com Orientadora: Profª. Ms. Mônica Mª N. da Trindade Siqueira Universidade de Taubaté monica.mnts@uol.com.br Comunicação oral:

Leia mais

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral

Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral III Mostra de Pesquisa da Pós-Graduação PUCRS Reflexões sobre as dificuldades na aprendizagem de Cálculo Diferencial e Integral Marcelo Cavasotto, Prof.ª Dra. Ruth Portanova (orientadora) Mestrado em Educação

Leia mais

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional

O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO. Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O TRABALHO COMO PRINCÍPIO EDUCATIVO Reflexões sobre as dimensões teórico-metodológicas da educação profissional O louco No pátio de um manicômio encontrei um jovem com rosto pálido, bonito e transtornado.

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO

Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO Carta Internacional da Educação Física e do Esporte da UNESCO 21 de novembro de 1978 SHS/2012/PI/H/1 Preâmbulo A Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura,

Leia mais

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia

Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Estado da Arte: Diálogos entre a Educação Física e a Psicologia Eixo temático 1: Fundamentos e práticas educacionais Telma Sara Q. Matos 1 Vilma L. Nista-Piccolo 2 Agências Financiadoras: Capes / Fapemig

Leia mais