MÃES E O FUTURO DE SEUS FILHOS: A VIDA EM UMA OCUPAÇÃO RURAL

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "MÃES E O FUTURO DE SEUS FILHOS: A VIDA EM UMA OCUPAÇÃO RURAL"

Transcrição

1 MÃES E O FUTURO DE SEUS FILHOS: A VIDA EM UMA OCUPAÇÃO RURAL Edilson Guarnieri Junior Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida Raquel Souza Lobo Guzzo Avaliação e Intervenção Psicossocial: Prevenção, Comunidade e Libertação Centro de Ciências da Vida Resumo: O presente estudo é parte de um projetomãe do grupo de pesquisa que aglutina estudos sobre os processos de conscientização e fortalecimento para o enfrentamento das opressões, da alienação e fatalismo, como respostas às estas circunstâncias de vida. O presente projeto identificou como sente, pensa e age uma mulher ocupante de um assentamento rural do MST na região de Campinas em relação ao futuro de seus filhos. O estudo utiliza abordagem qualitativa de pesquisa em que uma entrevista semi estruturada serviu de roteiros para a coleta de informação e analise dos dados, a participante foi uma mãe moradora de um assentamento do MST que demonstrou entender as contradições do sistema capitalista, e age de forma a lutar por seus direitos, e esta mãe espera que seu filho possa terminar os estudos e que dirija seu futuro sempre dentro do Movimento, que não abandone essas questões políticas. Esta mãe não espera que a educação sirva como instrumento de alienação de seu filho, e sim como instrumento para lutar por seus direitos e do coletivo. Palavras-chave: Consciência, MST, Educação. Área do Conhecimento: Psicologia Psicologia Social Comunitária CNPq. PRA REFLETIR UM POUCO... O presente estudo, sobre o nível de consciência que uma mulher têm de seus direitos fundamentais e de como vê o futuro de seu filho em relação ao potencial transformador que a escola pode ou não ser, se justifica pela grande importância social por trabalhar em um contexto amplo e rico como a do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), sendo assim, pode permitir uma compreensão mais geral dos problemas que este movimento enfrenta, para então elaborar formas de intervenção com a finalidade de promoção da emancipação humana. Ao compreendermos que a realidade em que vivemos - o sistema capitalista, cristaliza nos indivíduos comportamentos de alienação e fatalismo, e assim, entendemos que estes são formas psicossociais de respostas às adversidades, às situações de injustiça, à exclusão e à exploração, que as pessoas da classe social menos favorecida vive nesta realidade. Podemos, a partir do conhecimento destes processos de enfrentamento da realidade destes indivíduos, e analisando como eles vêem o futuro de seus filhos, compreendermos melhor essa realidade e assim há a possibilidade de pensarmos em políticas públicas que possam atender de fato a demanda que esta população reivindica. No ponto de vista pessoal, o trabalho justifica-se pelo fato de que, ao conhecer o nível de consciência de algumas pessoas que fazem parte deste Movimento, é dado um passo importante para compreendermos uma estruturação mais ampla de formas de consciência, processos de enfrentamento e resiliência, que são assuntos de extrema admiração e curiosidade do pesquisador. Além de que a consciência é uma das partes mais intrigantes e misteriosas do ser humano, e essas descobertas se fazem muito importantes para a construção de uma sociedade cada vez melhor, mais justa e igualitária. Visto que a consciência é a categoria mais relevante no projeto pode ser vista como uma grande relevância para a justificativa cientifica do trabalho, porque ao explorarmos e conhecermos ainda mais os processos de tomada de consciência ficará mais fácil a busca por alternativas eficientes de intervenção na sociedade, provocando uma possível melhora na qualidade de vida, além de uma visão mais realista da situação de exploração a qual estamos expostos diante do sistema capitalista. Para que o trabalho seja possível, torna-se necessário o conhecimento das circunstâncias diretas e indiretas presentes nos contextos de vida, sobretudo em espaços sociais em que estes processos podem estar presentes como é o caso da organização do movimento, organizações comunitárias e espaços educativos. Tem-se como objetivos específicos primeiramente conhecer a compreensão que mulheres têm de sua inserção social e das conseqüências para sua vida especialmente o futuro de seus filhos, e por

2 segundo estabelecer relações entre a consciência sobre seus direitos fundamentais e as condições de vida concretas e objetivas. MODO DE VIDA NO CAPITALISMO Os fundamentos teóricos deste projeto são os mesmos do projeto-mãe do grupo de pesquisa a que está vinculado. Os fundamentos deste estudo sustentam uma análise da vida no capitalismo e a constituição histórica e social da personalidade. Trata da importância que a consciência assume no fortalecimento individual e coletivo e considera as possibilidades da psicologia nestes processos. Segundo a literatura [5], em seu projeto de pesquisa para o próximo período, relata que alguns indicadores mostram que, no mundo, têm se acentuado grandes diferenças entre ricos e pobres, entre aqueles que possuem os meios de produção e outros que vivem na miséria, entre os que acumulam riquezas e os que mendigam o que comer, entre os que trabalham para construir as riquezas sem desfrutar delas e os que concentram as riquezas produzidas explorando o trabalho de outros. A partir destas considerações, faz-se necessário uma visão de mundo que possa sustentar a análise posterior, [13], afirma que a concepção materialista e dialética da realidade considera que a vida é síntese das condições criadas pelos homens e não somente daquelas existentes na natureza, assim, é nesta relação que o desenvolvimento humano ocorre. Assim, é preciso que a vida humana seja analisada levando-se em conta sua sociedade e sua história, para que se possam tirar as conclusões práticas necessárias. O desenvolvimento de ações transformadoras, tanto no plano pessoal quanto coletivo, está intrinsecamente ligado à análise da realidade em sua totalidade concreta. A questão que se coloca como objeto de pesquisa está relacionada ao sofrimento de pessoas e grupos, manifesta por respostas de violência, sentimentos de impotência, fatalismo e alienação diante de mecanismos de exploração e opressão que, sob diferentes formas, estão presentes e nem sempre percebidos no cotidiano. EXPECTATIVA NA EDUCAÇÃO RUMO A CONSCIENTIZAÇÃO... Diante de tudo isso, existe a educação, que segundo [12] significa: "Processo de desenvolvimento da capacidade física, intelectual e moral da criança e do ser humano em geral, visando à sua melhor integração individual e social." Porém, essa educação, que no papel e na teoria é tão bela, se faz de forma muito diferente na prática, servindo assim aos propósitos da Globalização e do Neoliberalismo, obviamente, em detrimento da população menos esclarecida e mais pobre. Assim vê-se que a educação já é prémanipulada para atender os interesses da classe dominante. Segundo o 2º do Art. 1º [7] que diz que: A educação escolar deverá vincular-se ao mundo do trabalho e à prática social. Deixando exposto e subentendido a posição em que a educação toma no nosso país, logicamente que a educação deve vincular-se ao trabalho, pois é a partir do trabalho que o homem se torna parte da sociedade, porém, vemos o trabalho vinculado à educação apenas como uma forma de criar robôs humanos para satisfazer as necessidades do capital naquele determinado momento histórico, a educação de hoje é como um adestramento desde a pré-escola até a educação superior, em nenhum lugar de fato tem como principal objetivo estimular o senso crítico das pessoas, só querem adestrar e moldar todos a lógica do sistema capitalista. Segundo [9] ao analisar os PCNs (Parâmetros Curriculares Nacionais 1997) consideram que também caminham na mesma linha dessa política neoliberal, além de não levar em conta a realidade social dos homens e ainda coloca a educação como solução para os problemas sociais e aos homens a responsabilidade de seu sucesso ou fracasso na vida. As autoras ainda afirmam que as reformas educacionais vêm sendo estabelecidas para atender às exigências do movimento de rearticulação do capital em nível mundial, as quais impõem estes ajustes como requisito para se alcançar o desenvolvimento e inserir-se no chamado mundo globalizado. A desigualdade social passa a ser um fenômeno trivial que se normaliza e naturaliza enquanto as pessoas se acostumam às estas condições como parte do cotidiano imutável e fora do controle. Trata-se do fatalismo, que é considerado por [2] e [8], como um processo que impede as transformações sociais e abre espaço para a dominação e exploração dos mais fortes para com os mais fracos, e que o modo para superar essa situação é através da conscientização. Por esta razão, pensar a psicologia como uma ferramenta para o fortalecimento de pessoas e grupos, construir uma possibilidade de que sua ação sustente os processos de transformação social na busca de promoção do bem-estar passa a ser uma das contribuições deste projeto. Esse cotidiano imutável citado acima, é destituído por [2] na seguinte frase: Mudar é difícil mas é possível. Assim, portanto, vemos que o homem não é apenas objeto da História mas seu sujeito, igualmente. Assim, uma efetiva transformação deste estado social necessita que as pessoas se envolvam e se movimentem nesta direção de romper

3 o fatalismo, sobretudo compreendendo a situação estrutural em que diferentes forças sociais se confrontam. Para que estas forças sejam entendidas é preciso conhecer as contradições de cada uma delas e como se influenciam mutuamente. Assim, assumindo o processo de educação como uma arma contra o fatalismo e a alienação, devemos, enquanto psicólogos, lutar para que as pessoas tomem a consciência do quão importante é a educação no processo de formação do individuo, enquanto um ser social e responsável por seus atos e de sua coletividade. E, além disso, devemos lutar por uma educação de qualidade e não para manter esta que estão nos dando e apenas fazendo poucas mudanças, temos que mudar a estrutura educacional, devemos lutar pelo senso crítico e pela análise crítica de tudo, pois estas são armas contra a ignorância e as formas mais cruéis de manipulação da qual estamos expostos. Dentro desta perspectiva, [13] frisa que os processos de conscientização e emancipação tornam-se mecanismos psicológicos que levam em conta os processos sociais e históricos constitutivos de cada trajetória de vida. Com isso, fica clara a importância do pensamento dialético no entendimento das contradições presentes no desenvolvimento de cada fase da vida, nas escolhas feitas, nas tomadas de decisão, que, em outras palavras se constituem em formas históricas de individualidade. As ações de transformação social têm como horizonte a libertação de condições de opressão para condições de emancipação. Este é o horizonte colocado por [8], ou seja, em que a superação de condições de opressão em que a maioria da população está imersa, se dará para a libertação pessoal e social. E este processo implica em resistência e fortalecimento diante das forças opressivas que devem ser compreendidas em sua plenitude. No Brasil, [3] cunhou a idéia de conscientização. Freire considera a conscientização como um compromisso histórico, implica em que os homens assumam o papel de sujeitos que fazem e refazem o mundo. Para [8] conscientização não consiste em uma simples mudança de opinião sobre a realidade, uma mudança na subjetividade de cada indivíduo que deixa intacta a realidade, conscientização supõe que pessoas mudam no processo de mudança de suas relações com o ambiente ao seu redor e acima de tudo com os outros (p.41). Este conceito é fundamental para o processo de fortalecimento e, conseqüentemente da transformação social. Para [3], uma das características dos seres humanos é que somente eles são capazes de distanciar-se frente ao mundo para objetivá-lo e com isso, agir sobre a realidade. Isto, para Freire é a práxis humana, ou seja, a união indissolúvel entre a minha ação e a reflexão que posso fazer sobre o mundo. A conscientização, portanto, torna-se um processo pelo qual o homem ultrapassa a esfera espontânea de apreensão da realidade para alcançar uma esfera crítica na qual a realidade se dá como algo conhecido e sobre o qual se assume uma posição epistemológica. Segundo [8] a atuação do psicólogo não pode limitar-se ao plano abstrato do ser individual, deve, ao invés disso, confrontar os fatores sociais onde materializase toda individualidade humana. [4] complementa essa idéia dizendo que, o psicólogo, como profissional social, deve estar sensível e preparado para uma ação comunitária e coletiva junto à maioria da população, que perceba a personalidade como uma construção ideológica e que saiba relacionar o crescimento psicológico com as motivações sociais. MOVIMENTOS SOCIAIS ANTI-CAPITALISTAS Diante deste mundo em que vivemos, existem grupos que se organizam e lutam por seus direitos, como é o caso do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST), que destaca-se a relação dialética entre sujeito e sociedade na compreensão do nível de consciência e envolvimento com os movimentos sociais,. Em pesquisa realizada por [6] sobre como os sujeitos ingressam em movimentos coletivos buscando melhorar suas condições de vida e que grau de consciência possuem na relação com a sociedade, concluem que os projetos, as necessidades, os dilemas, as decisões tomadas pelos sujeitos só podem ser compreendidas dentro das problemáticas colocadas para os movimentos rurais dentro de uma sociedade capitalista, por isso é preciso conhecer o contexto histórico e o desenvolvimento das condições singulares de vida e como as pessoas nela se inserem para se ter clareza de como se processa e se estabelece a consciência de classe necessária à transformação social. Cabe aqui, um breve histórico sobre o MST, que foi fundado há 26 anos, no ano de 1984, no município de Cascavel (PR), onde centenas de trabalhadores fundaram um movimento social camponês, autônomo, que luta pela terra, pela Reforma Agrária e por muitas transformações sociais necessárias para o Brasil, tais como a desigualdade social e de renda, a discriminação de etnia e gênero, a concentração da comunicação, a exploração do trabalhador urbano, etc. [10] & [11]. O MST possui escolas em alguns assentamentos, e estas, ensinam muito mais do que apenas as matérias básicas para a formação curricular de seus alunos, essa escola cumpre um papel social muito im-

4 portante, que, segundo [1] é importante existir processos comunicativos pedagógicos, pois estes funcionaram como conscientizadores e construtores de uma identidade social crítica, essa educação transforma sujeitos anônimos e passivos em sujeitos coletivos. Porém, a psicologia está distante do MST em relação a sua produção científica, pois, a pesquisa de [1], aponta que existem somente dez dissertações e apenas uma tese de Psicologia que o cita. OS MÉTODOS DO TRABALHO Este estudo toma o materialismo histórico dialético como referencia metodológica, inserido em uma perspectiva qualitativa de pesquisa. Definir por uma condução qualitativa de pesquisa significa optar por uma posição epistemológica e ideológica frente às práticas quantitativas dominantes na Psicologia. O conhecimento produzido por meio da ciência tem sempre uma relação estreita com a ideologia dominante, a ciência como produção humana é uma ação política, portanto, histórica e, no contexto do materialismo está ligada às condições de sua produção [13]. O método construtivo, neste caso, tem dois sentidos: busca compreender as construções psicológicas explicitadas pelos participantes da pesquisa e desvelar os processos utilizados para estas construções. Por meio da construção consciente pode-se alcançar a construção real do próprio processo, segundo [14], pois, das formas de vida coletiva são deduzidas as funções individuais. Desta forma, o processo de desenvolvimento se estabelece na direção das transformações das relações sociais em funções psicológicas, que no coletivo se exercitam, se desenvolvem e se tornam mais complexas, se elevam se freiam, se oprimem ou se exteriorizam primeiro no coletivo em forma de relações sociais, depois como função social da personalidade. Partindo do pressuposto de que a educação é base para o futuro, busca-se compreender como essa mãe vê o futuro de seu filho em relação a educação e a todos os aspectos pertinentes. A escolha por uma mãe que participe do MST é porque, ao participar de um movimento social como este, já partimos do pressuposto de que esta mãe tem consciência sobre seus direitos básicos, garantidos por lei, e por isso, luta para que estes direitos sejam cumpridos, assim, veremos, como essa mãe, que participa deste movimento social vê o futuro de seu filho. A entrevistada foi uma mãe, moradora de um assentamento do MST na região de Campinas, com um filho em idade escolar, esta mãe cursa faculdade de direito e trabalha na roça - no assentamento, ela participou deste estudo por meio de uma entrevista semi dirigida com um roteiro estabelecido. O assentamento em questão já possui rede elétrica, porém ainda não conta com rede de água e esgoto. (foi utilizado um roteiro semi-dirigido já pronto que foi utilizado na ultima pesquisa, porém, foi adaptado para este). RESULTADOS E ANÁLISE DAS DIMENSÕES As dimensões que foram captadas pela entrevista e que servirão de subsídio para a análise a partir dos objetivos propostos pelo trabalho são: a 1ª dimensão diz respeito a identificação da participante, dados como sexo, idade, estado civil, etnia, escolaridade e número de filhos; a 2ª dimensão caracteriza sua vida sócio-econômica descrevendo o local de domicilio, a profissão que exerce e o vinculo profissional, o tempo de trabalho, a renda familiar, além dos aspectos da moradia, como: cômodos, quantidade de moradores e recursos materiais; a 3ª dimensão diz respeito ao direito ao que ela espera para o futuro de seu filho, o que ela acha de sua escola e da educação no geral e o porque ela participa do movimento; já a 4ª dimensão explora aspectos sobre como a participante se diverte, quais são suas preocupações, se gostaria de mudar algo em sua vida, o que espera a respeito do futuro, o que espera que ocorra na sociedade, como vê suas próprias condições de vida e o por que as pessoas não se organizam para lutar por seus direitos. Estas quatro dimensões que serão exploradas servirão de subsidio para a análise proposta com os objetivos do trabalho. Em relação ao primeiro objetivo será objeto de análise o como a entrevistada lida com eventos transitórios de vida, age e percebe as situações de opressão e exploração a que esta exposta, além de buscar elementos no cotidiano para entender as consequências desta inserção social para o futuro de seus filhos. A entrevistada percebe a situação de exploração a que vive, no trecho que diz que tinha uma vida como a de todo mundo até os 40 anos, e depois que conheceu e começou a militar no MST mudou completamente seu modo de ver as coisas, e viu que a vida não é apenas trabalhar naquele emprego sacrificante em que o patrão ganha muito dinheiro, e os empregados ganham uma miséria que mal dá para sustentar uma casa. Vê-se neste ponto, que ela percebe que a sociedade é dividida em classes, de um lado o opressor (patrão) e do outro o oprimido (empregado), no caso a realidade dela. Assim, ela vê no MST um modo de denunciar esta sociedade e lutar por seus direitos, agindo de forma incisiva e corajosa na luta por seus direitos. Além disso ela estuda, cursa direito, não apenas para ter um bom salário no futuro e assim dar conta de sua vida de forma individualmente, a entrevistada tem um norte muito maior para seu trabalho, não de

5 forma apenas individualista, mas sim de forma coletiva, pois, ela estuda para que ela e seu filho possa ter um futuro melhor, mas, principalmente, porque vê que com este trabalho, após formada, ela poderá ajudar muito mais o movimento, de uma forma diferente e através das burocracias da lei, já que cursa direito. A entrevistada acha que o governo não dá atenção para os que mais precisam, dizendo que a assistência prestada pelo governo é péssima, em relação a saúde, educação e lazer. Por isso estuda e luta para que o futuro do movimento seja melhor, e consequentemente o do seu filho. Acha que a educação do país é ruim, e se tivesse dinheiro colocaria seu filho em uma escola privada. Ai surge uma grande contradição dela, pois, fala que o governo não dá a assistência que deveria para a população mais necessitada, e, ao invés de falar que prefere lutar por uma educação pública de qualidade, diz que colocaria seu filho em uma escola privada. Acha que as pessoas não lutam por condições melhores de educação porque o sistema as deixam cegas, e assim elas não se preocupam com suas vidas. Esse ponto será melhor explorado logo abaixo, com o segundo objetivo do trabalho. O segundo objetivo pretende identificar a consciência por meio da explicitação de formas e tipos de relações interpessoais nos processos de trabalho e na realidade histórica, além dos interesses sociais de uma dada estrutura social. E serão buscadas as contradições entre o indivíduo e sua realidade, sobretudo nas expectativas expressas sobre os projetos de vida, as condições concretas e suas possibilidades de realização. Vê-se que a entrevistada percebe sua situação de opressão de maneira clara, e luta para que isso melhore, por isso participa ativamente do MST. Assim, acha que, lutando dentro do MST está denunciando as contradições do sistema, e além de denunciar, acha que a ação é de extrema importância para que haja mudanças de fato na sociedade. As contradições aparecem sim, principalmente no comentário que a entrevistada faz dizendo que se tivesse dinheiro, colocaria seu filho em uma escola particular. Aqui deve-se levar em conta que ela está preocupada com o momento, e por isso faria isso... porém, como ela luta por seus direitos, esperava-se uma resposta como a de que se deve lutar para que a escola pública seja de melhor qualidade, ela até fala disso após eu perguntar o porque as pessoas não lutam então por uma escola melhor... e até dá uma resposta mais coerente em relação a seu modo de viver, dizendo que as pessoas não lutam pela educação porque não tem consciência do quão importante a educação é na vida dos filhos, mas, antes disso, ela realmente diz que gostaria de colocar seu filho em uma instituição privada. Ela diz isso, ao meu ver, porque acha que lutar por uma educação de qualidade é algo importante sim, porém, não é o crucial na vida dela, ela luta por moradia, alimentação e saúde principalmente, sendo assim, a educação fica em segundo plano, visto que, ter onde morar e o que comer é algo mais urgente do que ter uma boa escola, porém, como já diz a musica Comida, dos Titãs:...a gente não quer só comida, a gente quer comida, diversão e arte! Não é somente isso que queremos, porque o que merecemos é tudo, por inteiro, um lugar digno para morar, ter comida sempre na mesa, ir ao hospital e ser atendido, ter uma educação que emancipe os povos, e não que os aliene... enfim, é isso que merecemos, e que, devido a luta de classes e ao modo como o sistema capitalista é, temos que lutar de forma truculenta, para conseguir, as vezes, apenas migalhas. O modo de vida no capitalismo aliena as pessoas e a cegam, sendo assim, mostrar a realidade estrutural do sistema é parte fundamental da tomada de consciência para a luta, e é isso, que segunda a entrevistada o MST faz, e muito bem, segunda ela, o MST denuncia, mostra a realidade de maneira clara, e assim, chama as pessoas para que ajam, que lutem por seus direitos, já que não é intenção do sistema fazê-los. Em relação a educação, segundo a entrevistada, o ensino é ruim porque eles ensinam de maneira errada, e que fazem isso porque o sistema quer produzir subjetividades alienadas, que não pensem, reflitam e critiquem as coisas, por isso a escola é como é hoje em dia, o modo professor-aluno, em que o professor apenas fala e o aluno fica sentado, sem poder se expressar, demonstra essa intenção que está no seio do sistema capitalista, ou seja, dar um estudo que seja de maneira rasa e não profunda, para formar mão de obra qualifica e também o exercito de reserva, para que assim o sistema se mantenha, e a educação que as escolas estão dando, é essa que aliena as crianças, não as fazem refletir, nem sobre o que estão estudando, e muito menos sobre as questões da vida em geral. A educação deveria ser de modo a emancipar as pessoas, de maneira que elas aprendam a aprender e também a criticar, que sejam ativas, não apenas em seu ensino, como também em tudo, que critiquem, que falem, que questionem, porque, é através desses processos que cidadãos mais esclarecidos em relação a seus direitos serão formados. A entrevista não quer que a educação aliena seu filho e o deixe cego para as questões do mundo, porém, é isso o que ocorre, e ela acha, que devido ao seu filho

6 vivem, desde pequeno nesse contexto de luta pelos direitos, sua identidade está sendo formada dentro do movimento, assim, uma das coisas que ela mais se preocupa é em ele nunca abandonar a luta, ela espera que ele estude, e continue a militar no movimento, lutando pelos direitos dos mais necessitados. CONSIDERAÇÕES FINAIS Cabe aqui falar sobre a função do psicólogo nestes assuntos, pois, a psicologia está mais atrelada a classe mais alta da sociedade, e as vezes deixa de lado a parte pobre e menos favorecida, assim, acho de extrema importância que psicólogos estudem melhor os movimentos sociais e também esses direitos básicos, para que assim, possam, junto com os que realmente precisam, ajudar, dando ferramentas para o fortalecimento do povo mais sofrido em função de uma construção maior, de uma sociedade mais justa e digna para todos, sem essas gigantescas diferenças sociais que sé uma parte intrínseca ao sistema capitalista. Cabe ao psicólogo analisar o como as subjetividades são formadas neste sistema, para assim saber o como a psicologia pode investir numa melhora qualitativa da qualidade de vida das pessoas, porém, a garantia dos direitos básicos é parte fundamental para que a qualidade de vida seja digna. REFERÊNCIAS [1] Domingues, E. Vinte anos do MST: a psicologia nesta história. Psicol. estud; 12(3): , set.-dez [2] Freire, P. (2007). Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa (36ª ed.). São Paulo: Paz e Terra. [3] Freire, P. (1980). Conscientização: teoria e prática da libertação: uma introdução ao pensamento de Paulo Freire (Trad. K. d. M. e. Silva, 3ª ed.). São Paulo: Editora Moraes. [4] Freitas, M. F. Q. (1998). Inserção na Comunidade e Análise de Necessidades: Reflexões sobre a prática do psicólogo. Psicologia: Reflexão e Crítica, 11 (1), [5] Guzzo, R.S.L. ( 2009). Fatalismo, Impotência e Modo de Vida: impacto do poder e da opressão em espaços educativos e comunitários. Projeto de Pesquisa para Bolsa Produtividade - CNPq. Campinas. PUC-Campinas. [6] Lacerda Jr & Guzzo, R. S.L. (2006) MST e consciência de classe: estudo a partir da trajetória de um militante. Psicologia Política, vol 6 ( 12) p [7] Lei de Diretrizes e Bases (LDB). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de Presidência da República. [8] Martín-Baró, I. (1996). O papel do Psicólogo. Estudos de Psicologia, 2(1), [9] Martins, M. L. & Noma, A. K. (s/d). Reflexão sobre a relação entre o neoliberalismo e educação. [10] Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (2009). Quem somos: Nossa História. Recuperado em 12 de fevereiro de <www.mst.org.br>. [11] Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (2009). Quem somos: Nossos Objetivos. Recuperado em 12 de fevereiro de <www.mst.org.br>. [12] Musetti, R. A. (2002). Neoliberalismo, Globalização e Direito à Educação da não Exclusão. [13] Pino Sirgado, A. (2000). O social e o cultural na obra de Vigotski. Educação & Sociedade,71, [14] Vigotski, L. S. (1999). Teoria e Método em Psicologia. (Trad. C. Berliner, 2ª ed.). São Paulo: Martins Fontes. AGRADECIMENTOS FAPIC Reitoria. A minha orientadora Raquel Souza Lobo Guzzo.

CONSCIENCIA E MUDANÇA SOCIAL: COMO PENSAM, O QUE SENTEM E COMO AGEM PARTICIPANTES DE UM ASSENTAMENTO

CONSCIENCIA E MUDANÇA SOCIAL: COMO PENSAM, O QUE SENTEM E COMO AGEM PARTICIPANTES DE UM ASSENTAMENTO CONSCIENCIA E MUDANÇA SOCIAL: COMO PENSAM, O QUE SENTEM E COMO AGEM PARTICIPANTES DE UM ASSENTAMENTO Ed Carlos Corrêa de Faria Faculdade de Psicologia Centro de Ciências da Vida edc@puccamp.edu.br Resumo

Leia mais

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense

Projeto de Extensão. Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense Projeto de Extensão Título: Esporte e Inclusão Social no Instituto de Educação Física da Universidade Federal Fluminense 1.0 - JUSTIFICATIVA Considerando que a Extensão Universitária tem entre as suas

Leia mais

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA

EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA GT-1 FORMAÇÃO DE PROFESSORES EDUCADOR INFANTIL E O PROCESSO FORMATIVO NA CONSTRUÇÃO DE ATORES REFLEXIVOS DA PRÁTICA PEDAGÓGICA RESUMO Maria de Lourdes Cirne Diniz Profa. Ms. PARFOR E-mail: lourdinhacdiniz@oi.com.br

Leia mais

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA

GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA GRAMSCI E A PRÁTICA PEDAGÓGICA DO CENTRO DE TRABALHO E CULTURA SPINELLI, Mônica dos Santos IE/PPGE/UFMT RESUMO O texto apresenta resultados parciais da pesquisa teórica sobre categorias conceituais em

Leia mais

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia

Atuação do psicólogo na Assistência Social. Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Atuação do psicólogo na Assistência Social Iolete Ribeiro da Silva Conselho Federal de Psicologia Concepção de Assistência Social Assistência social direito social e dever estatal Marco legal: Constituição

Leia mais

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA

ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA ESCOLA ITINERANTE: UMA ANÁLISE PARA ALÉM DA SALA DE AULA Prof.ª Dra. Irizelda Martins de Souza e Silva UEM Caroline Mari de Oliveira UEM Kethlen Leite de Moura UEM Thaís Godoi de Souza UEM Agência Financiadora:

Leia mais

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO

ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO ACOMPANHAMENTO FAMILIAR NA ASSISTENCIA SOCIAL: UMA PROPOSTA DE METODOLOGIA PARA O ESTADO DO RIO DE JANEIRO Subsecretaria de Assistência Social e Descentralização da Gestão O PAIF NO ESTADO DO RIO DE JANEIRO

Leia mais

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.

Especial Online RESUMO DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO. Serviço Social 2011-2 ISSN 1982-1816. www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais. Especial Online ISSN 1982-1816 www.unifoa.edu.br/cadernos/especiais.html DOS TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO Serviço Social 2011-2 A INSERÇÃO DO SERVIÇO SOCIAL NO PROGRAMA PROJOVEM URBANO Alunos: VARGAS,

Leia mais

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL

10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL 10º Congreso Argentino y 5º Latinoamericano de Educación Física y Ciencias EDUCAÇÃO FÍSICA COMO LINGUAGEM: ÍNTIMA RELAÇÃO BIOLÓGICO- SOCIAL Pâmella Gomes de Brito pamellagomezz@gmail.com Goiânia, Goiás

Leia mais

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA

EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA EDUCAÇÃO E CIDADANIA: OFICINAS DE DIREITOS HUMANOS COM CRIANÇAS E ADOLESCENTES NA ESCOLA Autores: FIGUEIREDO 1, Maria do Amparo Caetano de LIMA 2, Luana Rodrigues de LIMA 3, Thalita Silva Centro de Educação/

Leia mais

A legislação e a Orientação Educacional

A legislação e a Orientação Educacional A legislação e a Orientação Educacional A legislação relacionada à educação no Brasil auxiliou o Orientador Educacional a fortalecer-se como profissional, muitas vezes embasado em pressupostos teóricos

Leia mais

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko

Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana Turibio Maria Nhyara Fernanda K. Halila Cecilia Hauresko O PROJETO POLITICO PEDAGÓGICO NA ESCOLA: ANALISE DOS PPP DO COLÉGIO ESTADUAL PADRE CHAGAS E COLÉGIO ESTADUAL DO CAMPO DA PALMEIRINHA, PELO PIBID- GEOGRAFIA 1 Resumo: Dalriliane Schultz Josilda Silva Juliana

Leia mais

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB.

A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. A EDUCAÇÃO DO CAMPO E AS PRÁTICAS PEDAGÓGICAS NAS ESCOLAS DO ASSENTAMENTO SÃO FRANCISCO III.SOLÂNEA/PB. Otaciana da Silva Romão (Aluna do curso de especialização em Fundamentos da Educação UEPB), Leandro

Leia mais

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3.

PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, GT: Agência Financiadora: 1. Tema 2. Problema e metodologia 3. PEDAGOGIA DA TERRA: diálogos entre MST e universidade FOERSTE, Erineu - UFES GT: Movimentos Sociais e Educação / n.03 Agência Financiadora: PRONERA/Ação Educativa 1. Tema O curso Pedagogia da Terra/ES

Leia mais

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE

AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE AFROBRASILIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL: UM OLHAR PEDAGÓGICO À DIVERSIDADE Patrícia da Silva Souza Graduanda de Pedagogia pela UEPB pipatricia278@gtmail.com Kátia Anne Bezerra da Silva Graduanda em Pedagogia

Leia mais

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos

3. Autonomia frente aos partidos e parlamentares e Independência em relação aos patrões e governos Eixo III: Programa de trabalho para a direção do SISMMAC Continuar avançando na reorganização do magistério municipal com trabalho de base, organização por local de trabalho, formação política e independência

Leia mais

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA.

O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. O SERVIÇO SOCIAL NA UNIVERSIDADE CASTELO BRANCO: ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO NA CONSTRUÇÃO DE UM PROJETO DE CIDADANIA. Profa. Elizabeth Rodrigues Felix 1 I- INTRODUÇÃO Com dezoito anos de existência, o

Leia mais

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196

A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 A DIDÁTICA NUMA ABORDAGEM FREIREANA Maria da Conceição Bizerra 196 Introdução O presente estudo tem por objetivo refletir sobre o ensino da didática, inspirado no pensamento de Paulo Freire, no contexto

Leia mais

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL

O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Página 1 de 5 O PAPEL DO PSICÓLOGO SOCIAL Leandro Nunes 1 Primeiramente, gostaria de me posicionar e anunciar de que campo da ciência psicológica vou estruturar meu argumento. No entanto afirmo que me

Leia mais

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social

Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social Proposta de tradução da Definição Global da Profissão de Serviço Social O Serviço Social é uma profissão de intervenção e uma disciplina académica que promove o desenvolvimento e a mudança social, a coesão

Leia mais

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação

O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) na atualidade: luta, organização e educação Entrevista concedida por Álvaro Santin*, da coordenação nacional do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem

Leia mais

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto ***

Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** A IMPORTÂNCIA DO ENSINO DE FILOSOFIA NA FORMAÇÃO ACADÊMICA DO CURSO DE PEDAGOGIA * Michele M. Granzotto ** Valdir Pretto *** Resumo: Este estudo foi construído a partir de uma pesquisa realizada na própria

Leia mais

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO

PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO PROJETO PEDAGÓGICO DO ENSINO FUNDAMENTAL E MÉDIO APRESENTAÇÃO O Projeto Político Pedagógico da Escola foi elaborado com a participação da comunidade escolar, professores e funcionários, voltada para a

Leia mais

A CONCEPÇAO DE PROTAGONISMO JUVENIL PRESENTE NA LEGISLACÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA E DO ESTADO DO PARANÁ

A CONCEPÇAO DE PROTAGONISMO JUVENIL PRESENTE NA LEGISLACÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA E DO ESTADO DO PARANÁ 2 A CONCEPÇAO DE PROTAGONISMO JUVENIL PRESENTE NA LEGISLACÃO EDUCACIONAL BRASILEIRA E DO ESTADO DO PARANÁ Thais Gama da Silva UFPR Araci Asinelli-Luz - UFPR Resumo: O protagonismo social dos(as) adolescentes

Leia mais

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS A PEDAGOGIA FREIREANA E A CONSTRUÇÃO DA CIDADANIA NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Avanay Samara do N. Santos. Pedagogia - UEPB-CAMPUS III avanaysamara@yahoo.com.br Lidivânia de Lima Macena. Pedagogia -

Leia mais

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL

ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL 1 Pesquisas e Práticas Educativas ALGUMAS CONSIDERAÇÕES SOBRE A EXPERIÊNCIA DESENVOLVIDA PELA FACED/UFBA NA FORMAÇÃO DOS ALFABETIZADOES NA ALFASOL DANIELA DE JESUS LIMA FACED/UFBA INTRODUÇÃO - O presente

Leia mais

o pensar e fazer educação em saúde 12

o pensar e fazer educação em saúde 12 SUMÁRIO l' Carta às educadoras e aos educadores.................5 Que história é essa de saúde na escola................ 6 Uma outra realidade é possível....... 7 Uma escola comprometida com a realidade...

Leia mais

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco.

O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. O PROFESSOR ITINERANTE E A INCLUSÃO EDUACIONAL : a prática pedagógica no estado de Pernambuco. Autora: Maria José de Souza Marcelino. Orientador: Professor Dr. Washington Luiz Martins (UFPE). Instituto

Leia mais

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO

EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR E ESPORTE: CONTRIBUIÇÕES PARA A INCLUSÃO Priscila Reinaldo Venzke Luciano Leal Loureiro RESUMO Este trabalho é resultado da pesquisa realizada para a construção do referencial teórico

Leia mais

ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO

ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO ANÁLISE CRÍTICA DO PLANO NACIONAL DA EDUCAÇÃO HADDAD, Cristhyane Ramos UTP crisrhaddad@hotmail.com HADDAD, Monaliza Ehlke Ozório UTP monalizahaddad@uol.com.br PACHECO, Marinêz Menoncin UTP marinez_pacheco@hotmail.com

Leia mais

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL

A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL A PSICOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA FORMAÇÃO DO EDUCADOR INFANTIL Rita Melissa Lepre RESUMO: Neste breve artigo relataremos um extrato de uma pesquisa realizada com educadoras infantis que teve como tema as contribuições

Leia mais

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva

CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES. Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva CURSO PREPARATÓRIO PARA PROFESSORES Profa. M. Ana Paula Melim Profa. Milene Bartolomei Silva 1 Conteúdo: Concepções Pedagógicas Conceitos de Educação; Pedagogia; Abordagens Pedagógicas: psicomotora, construtivista,

Leia mais

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PESQUISA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA

RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PESQUISA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA RELATO DE EXPERIÊNCIA E PRÁTICA A PESQUISA E SUAS CONTRIBUIÇÕES PARA A FORMAÇÃO DE PROFESSORES DE GEOGRAFIA Vicente de Paulo da Silva * Este texto consiste num relato de experiências sobre a orientação

Leia mais

CAPITALISMO E EDUCAÇÃO NO CAMPO: O DESAFIO DA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA DO CAMPO

CAPITALISMO E EDUCAÇÃO NO CAMPO: O DESAFIO DA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA DO CAMPO CAPITALISMO E EDUCAÇÃO NO CAMPO: O DESAFIO DA CONSTRUÇÃO DE UMA ESCOLA DO CAMPO Vania Cristina Pauluk de Jesus Rejane Aurora Mion Neste texto, o qual trata de resultados parciais de pesquisa no Mestrado

Leia mais

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES

OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES OS SIGNIFICADOS DA FORMAÇÃO ACADÊMICA ATRIBUÍDOS PELOS EGRESSOS DO CURSO PEDAGOGIA DA TERRA EM SUAS PRÁTICAS DOCENTES Luciana Borges Junqueira Mestranda Educação - UFSJ Écio Portes - Orientador RESUMO

Leia mais

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 2

XVI ENDIPE - Encontro Nacional de Didática e Práticas de Ensino - UNICAMP - Campinas - 2012 2 2 FORMAÇÃO CONTINUADA DE PROFESSORES: REFLETINDO SOBRE AS POSSIBILIDADES DE INCLUSÃO SOCIAL E DE DESENVOLVIMENTO DE CRIANÇAS COM DEFICIÊNCIAS E/OU DIFICULDADES ESCOLARES Profº Dr. Irineu A. Tuim Viotto

Leia mais

AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO

AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO AVANÇOS NAS CONCEPÇÕES E PRÁTICAS DA AVALIAÇÃO 1 Jussara Hoffmann Sobre a avaliação Para se debater o sistema de avaliação das aprendizagens, primeiro é preciso compreender o termo avaliar com a amplitude

Leia mais

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA

PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA PROJETO DE INTERVENÇÃO PEDAGÓGICA NA ESCOLA O que é o Projeto de Intervenção Pedagógica? O significado de projeto encontrado comumente nos dicionários da Língua Portuguesa está associado a plano de realizar,

Leia mais

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA

MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Especial EDUCAÇÃO INCLUSIVA A FAMÍLIA Brasília - 2004 Série: EDUCAÇÃO INCLUSIVA 1. A Fundamentação Filosófica 2. O Município 3 A Escola 4 A Família FICHA TÉCNICA

Leia mais

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO

COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio PLANO DE TRABALHO PEDAGÓGICO Secretaria de Estado da Educação Estado do Paraná Núcleo Regional de Educação de União da Vitória COLÉGIO ESTADUAL PEDRO ARAÚJO NETO Ensino Fundamental e Médio Rua Presidente Kennedy, 200 Fone: (42) 3552

Leia mais

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA

CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA CONSTRUINDO A DEMOCRACIA SOCIAL PARTICIPATIVA Clodoaldo Meneguello Cardoso Nesta "I Conferência dos lideres de Grêmio das Escolas Públicas Estaduais da Região Bauru" vamos conversar muito sobre política.

Leia mais

O CURRÍCULO ESCOLAR A SERVIÇO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS: UMA PROBLEMATIZAÇÃO A PARTIR DO PIBID/PEDAGOGIA

O CURRÍCULO ESCOLAR A SERVIÇO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS: UMA PROBLEMATIZAÇÃO A PARTIR DO PIBID/PEDAGOGIA 1 Ideuvaneide Gonçalves Costa Universidade Federal de Alfenas- UNIFAL O CURRÍCULO ESCOLAR A SERVIÇO DAS AVALIAÇÕES EXTERNAS: UMA PROBLEMATIZAÇÃO A PARTIR DO PIBID/PEDAGOGIA Esse trabalho tem como objetivo

Leia mais

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS

ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS ALFABETIZAR-SE: UM DIREITO DA CRIANÇA DE 6 ANOS Marcia Aparecida Alferes 1 Resumo O presente texto pretende refletir sobre a questão da alfabetização como conceito presente nas políticas educacionais que

Leia mais

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS O SIGNIFICADO DO ENSINO DE BIOLOGIA PARA OS ALUNOS DA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Maikon dos Santos Silva 1 Mirian Pacheco Silva 2 RESUMO: Muitos alunos da Educação de Jovens e Adultos não relacionam

Leia mais

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC.

CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. CIDADANIA LEGAL: DESAFIO E ENFRENTAMENTO DA FORMAÇÃO DE LIDERANÇA SOCIAL NA CIDADE DE LAGES, SC. Neusa Maria Zangelini - Universidade do Planalto Catarinense Agência Financiadora: Prefeitura de Lages/SC

Leia mais

MATEMÁTICA E OS IMPOSTOS: LIÇÃO DE CIDADANIA RESUMO

MATEMÁTICA E OS IMPOSTOS: LIÇÃO DE CIDADANIA RESUMO MATEMÁTICA E OS IMPOSTOS: LIÇÃO DE CIDADANIA Neomar Lacerda da Silva Professor da Secretaria Estadual de Educação da Bahia SEC/BA Wagner Ribeiro Aguiar Professor da Secretaria Estadual de Educação da Bahia

Leia mais

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia

Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Sociologia Proposta Curricular do Estado de São Paulo para a Disciplina de Ensino Médio Elaborar uma proposta curricular para implica considerar as concepções anteriores que orientaram, em diferentes momentos, os

Leia mais

A PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE INSERIDA NO CONTEXTO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS Sônia Fátima Schwendler 274

A PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE INSERIDA NO CONTEXTO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS Sônia Fátima Schwendler 274 A PEDAGOGIA DE PAULO FREIRE INSERIDA NO CONTEXTO DOS MOVIMENTOS SOCIAIS Sônia Fátima Schwendler 274 O Movimento dos Sem-Terra, tão ético e pedagógico quanto cheio de boniteza, não começou agora, nem a

Leia mais

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL

DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL DIMENSÃO TÉCNICO OPERATIVA DO SERVIÇO SOCIAL PROFESSORA: DENISE CARDOSO O serviço social é uma especialização do trabalho coletivo, inserido na divisão sóciotécnica do trabalho, cujo produto expressa-se

Leia mais

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL SOBRE O ESPORTE SEGUNDO OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NA UNED - FLORIANO José Carlos de Sousa 1

A REPRESENTAÇÃO SOCIAL SOBRE O ESPORTE SEGUNDO OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NA UNED - FLORIANO José Carlos de Sousa 1 A REPRESENTAÇÃO SOCIAL SOBRE O ESPORTE SEGUNDO OS ALUNOS DO ENSINO MÉDIO NA UNED - FLORIANO José Carlos de Sousa 1 1 Professor Curso de Educação Física,UESPI garotopi@uespi.br RESUMO O presente trabalho

Leia mais

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos

Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos EDUCAÇÃO CONTRA O TRABALHO INFANTOJUVENIL: CONSIDERAÇÕES SOBRE MÉTODO E VULNERABILIDADES Felipe Pitaro * Ao começar a escrita deste artigo é importante considerar alguns pontos de partida. O primeiro diz

Leia mais

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO

FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA. Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO FACULDADE EDUCACIONAL DA LAPA Eliene Barros Andrade Solange caldeira. INTERAÇÃO PROFESSOR-ALUNO NA CONSTRUÇÃO DO CONHECIMENTO Cláudia, MT 2008 Trabalho de Conclusão apresentado como requisito parcial para

Leia mais

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia

de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia Anais do I Seminário Internacional de Ciências do Ambiente e Sustentabilidade na Amazônia A CONTRIBUIÇÃO DA DIDÁTICA CRÍTICA NA INTERLIGAÇÃO DE SABERES AMBIENTAIS NO PROCESSO DE FORMAÇÃO DE PROFESSORES

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS: ESTRATÉGIAS E METODOLOGIAS PARA UMA SUSTENTABILIDADE LOCAL Márcia Regina de Andrade Universidade Federal de Sergipe - UFS Este trabalho pretende refletir sobre a importância

Leia mais

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul

Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul 1919 X Salão de Iniciação Científica PUCRS Golpe Militar: A Psicologia e o Movimento Estudantil do Rio Grande do Sul Pâmela de Freitas Machado 1, Helena B.K.Scarparo 1 (orientadora) 1 Faculdade Psicologia,

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor

EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor EDUCAÇÃO DO CAMPO: Interfaces teóricas e políticas na formação do professor Juliana Graciano Parise 1 Eliane de Lourdes Felden 2 Resumo: O trabalho apresenta uma experiência de ensino articulado à pesquisa

Leia mais

Educação para a Cidadania linhas orientadoras

Educação para a Cidadania linhas orientadoras Educação para a Cidadania linhas orientadoras A prática da cidadania constitui um processo participado, individual e coletivo, que apela à reflexão e à ação sobre os problemas sentidos por cada um e pela

Leia mais

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento;

Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres. 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Roteiro de Diretrizes para Pré-Conferências Regionais de Políticas para as Mulheres 1. Autonomia econômica, Trabalho e Desenvolvimento; Objetivo geral Promover a igualdade no mundo do trabalho e a autonomia

Leia mais

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE

PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE PROGRAMA SOCIAL COMO ESTRATÉGIA DE DESENVOLVIMENTO DA SOCIEDADE: Experiência da Unidade Móvel do SENAC PE Autor(a): Ivalda Barbosa do Nascimento Mandú Coautor(es): Rosana de Fátima Oliveira Pedrosa Email:

Leia mais

1.3. Planejamento: concepções

1.3. Planejamento: concepções 1.3. Planejamento: concepções Marcelo Soares Pereira da Silva - UFU O planejamento não deve ser tomado apenas como mais um procedimento administrativo de natureza burocrática, decorrente de alguma exigência

Leia mais

EDUCAÇÃO DO CAMPO: GESTÃO DEMOCRÁTICA.

EDUCAÇÃO DO CAMPO: GESTÃO DEMOCRÁTICA. EDUCAÇÃO DO CAMPO: GESTÃO DEMOCRÁTICA. Edson Marcos de Anhaia Coordenador Geral de Educação do Campo SECADI/MEC Contexto de origem da Educação do campo: participação de gestão democrática A situação da

Leia mais

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS

AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS AS RELAÇÕES DE GÊNERO NA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS Deiseane Louise Santos Oliveira (PPGE/UFAL) Resumo A preocupação com a temática surgiu a partir de uma prática interventiva em que atuei como bolsista

Leia mais

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social

Universidade Estadual de Londrina/Departamento de Serviço Social/Londrina, PR Ciências Sociais Aplicadas Ética e Serviço Social O materialismo-histórico dialético e o projeto ético-político do Serviço Social: algumas aproximações Emelin Caroline Tarantini Cremasco (PIBIC/CNPq-UEL), Olegna Souza Guedes (Orientadora), e-mail: olegnasg@gmail.com

Leia mais

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE

O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE O EDUCADOR E AS POLÍTICAS EDUCACIONAIS: INCLUSÃO, DIVERSIDADE E IGUALDADE Kizzy Morejón 1 Luci Riston Garcia 2 Cristiane Camargo Aita 3 Vitor Cleton Viegas de Lima 4 RESUMO Vivemos em uma sociedade que,

Leia mais

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014

A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 2006 E 2014 A ORGANIZAÇÃO CURRICULAR DO CURSO DE FORMAÇÃO DE DOCENTES NO PARANÁ A PARTIR DOS DOCUMENTOS ORIENTADORES DE 006 E 014 Resumo Eduardo Marcomini UNINTER 1 Ligia Lobo de Assis UNINTER Grupo de Trabalho Políticas

Leia mais

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO.

SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. SERVIÇO SOCIAL NA EDUCAÇÃO: UMA RELAÇÃO NECESSÁRIA PARA SE COMPREENDER A COMPLEXIDADE DO ENSINO/APRENDIZADO BRASILEIRO. Resumo Paula Lopes Gomes - Universidade Estadual da Paraíba. E-mail: paulagomes20@msn.com

Leia mais

Título: PROEJA-Uniso: um currículo para educar o jovem e o adulto

Título: PROEJA-Uniso: um currículo para educar o jovem e o adulto Título: PROEJA-Uniso: um currículo para educar o jovem e o adulto Beatriz Elaine Picini Magagna Resumo O presente estudo - Um currículo para educar o jovem e o adulto: reflexões sobre a prática pedagógica

Leia mais

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba

A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba A música como elemento facilitador no processo de inclusão social: um olhar sobre os projetos socioculturais de Piracicaba Andréia Miranda de Moraes Nascimento, UNIMEP, chicobororo@gmail.com Mariana de

Leia mais

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA

A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA A EPISTEMOLOGIA DA PRÁTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES E SUAS CONSEQUÊNCIAS NA RELAÇÃO TEORIA E PRÁTICA Amarildo Luiz Trevisan Eliana Regina Fritzen Pedroso - UFSM Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico

Leia mais

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA

A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA A EDUCAÇÃO E A ESCOLA NUMA PERSPECTIVA GRAMSCIANA CARDOSO NETO, Odorico Ferreira i ; CAMPOS, Cleanil Fátima Araújo Bastos ii ; FREITAS, Cleyson Santana de iii ; CABRAL, Cristiano Apolucena iv ; ADAMS,

Leia mais

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO

A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO A RELAÇÃO ENTRE A GESTÃO ADOTADA NA ESCOLA E A CONSTRUÇÃO DO PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO Maribel Manfrim Rohden PUCPR Ana Maria Eyng PUCPR Este trabalho apresenta a reflexão desenvolvida num projeto de

Leia mais

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo

Campanha Nacional de Escolas da Comunidade Mantenedora da Faculdade Cenecista de Campo Largo Ementas das Disciplinas 1. Teorias Administrativas e a Gestão Escolar - 30 horas Ementa: Gestão Educacional conceitos, funções e princípios básicos. A função administrativa da unidade escolar e do gestor.

Leia mais

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM.

BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. BIOÉTICA E CUIDADOS PALIATIVOS: UM DESAFIO PARA A ENFERMAGEM. RESUMO Karyn Albrecht SIQUEIRA, 1. Aline MASSAROLI, 2. Ana Paula LICHESKI, 2. Maria Denise Mesadri GIORGI, 3. Introdução: Com os diversos avanços

Leia mais

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES

O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES 122 O PROCESSO TERAPÊUTICO EM UM CAPSad: A VISÃO DOS TRABALHADORES Carlise Cadore Carmem Lúcia Colomé Beck Universidade Federal de Santa Maria Resumo Os movimentos da Reforma Sanitária e da Reforma Psiquiátrica

Leia mais

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas

Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares Universidade Estadual de Campinas Incubadora Tecnológica de Cooperativas Populares (ITCP) Programa de extensão universitária vinculada à Pró Reitoria de

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2008.1A 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Prática: 15 h/a Carga Horária: 60 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período

DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE PEDAGOGIA - 2008. Disciplinas Teórica Prática Estágio Total. 1º Período MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Universidade Federal de Alfenas. UNIFAL-MG Rua Gabriel Monteiro da Silva, 700. Alfenas/MG. CEP 37130-000 Fone: (35) 3299-1000. Fax: (35) 3299-1063 DINÂMICA CURRICULAR DO CURSO DE

Leia mais

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1

Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 Texto base para discussão na Jornada Pedagógica julho/2009 O PLANO DE ENSINO: PONTE ENTRE O IDEAL E O REAL 1 É comum hoje entre os educadores o desejo de, através da ação docente, contribuir para a construção

Leia mais

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas

O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA. PALAVRAS-CHAVE: docência universitária, formação docente, representações, perspectivas paradigmáticas O BOM PROFESSOR DA PÓS-GRADUAÇÃO E SUA PRÁTICA Núbia Vieira TEIXEIRA; Solange Martins Oliveira MAGALHÃES Mestrado - Programa de Pós - Graduação em Educação - FE/UFG vitenubia@yahoo.com.br;solufg@hotmail.com

Leia mais

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337.

Tabela 1 Total da população 2010 Total de homens Total de mulheres Homens % Mulheres % Distrito Federal 2.562.963 1.225.237 1.337. PROGRAMA TÉMATICO: 6229 EMANCIPAÇÃO DAS MULHERES OBJETIVO GERAL: Ampliar o acesso das mulheres aos seus direitos por meio do desenvolvimento de ações multissetoriais que visem contribuir para uma mudança

Leia mais

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI

A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes. Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI A REFLEXÃO CRÍTICA NA FORMAÇÃO DE PROFESSORES: Entre Práticas e Saberes Alciane Gonçalves Barbosa - Graduanda em Pedagogia/UFPI Maria Antonia Alves Lima Graduanda em Pedagogia /UFPI Bárbara Maria Macedo

Leia mais

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2

Ementário do Curso de Pedagogia, habilitações: Educação Infantil e Séries Iniciais 2010.2 01 BIOLOGIA EDUCACIONAL Fase: 1ª Carga Horária: 30 h/a Prática: 30 h/a Créditos: 4 A biologia educacional e os fundamentos da educação. As bases biológicas do crescimento e desenvolvimento humano. A dimensão

Leia mais

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO.

PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. PSICOLOGIA E PROJETO POLÍTICO PEDAGÓGICO: EVIDÊNCIAS DE UMA RELAÇÃO. Betânia Maria Oliveira de Amorim UFCG betânia_maria@yahoo.com.br Polliany de Abrantes Silva UFCG pollianyabrantes_psico@hotmail.com

Leia mais

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio.

Proposta Pedagógica. Buscando atender às necessidades da comunidade local, o Colégio La Salle Brasília oferece educação infantil, fundamental e médio. Proposta Pedagógica Visão: Ser um centro de excelência em Educação Infantil, Ensino Fundamental e Médio que busca alcançar a utopia que tem de pessoa e sociedade, segundo os critérios do evangelho, vivenciando

Leia mais

Gestão Democrática na Escola

Gestão Democrática na Escola Gestão Democrática na Escola INTRODUÇÃO Porque é importante estudar o processo de gestão da educação? Quando falamos em gestão da educação, não estamos falando em qualquer forma de gestão. Estamos falando

Leia mais

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1

AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 AVALIAÇÃO INSTITUCIONAL: ELEMENTOS PARA DISCUSSÃO 1 Sandra M. Zákia L. Sousa 2 As demandas que começam a ser colocadas no âmbito dos sistemas públicos de ensino, em nível da educação básica, direcionadas

Leia mais

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO

AS TRÊS DIMENSÕES DA INCLUSÃO r 02.qxp 5/6/2008 16:15 Page 1 293 SANTOS, MÔNICA PEREIRA; PAULINO, MARCOS MOREIRA (ORGS.). INCLUSÃO EM EDUCAÇÃO: CULTURAS, POLÍTICAS E PRÁTICAS. SÃO PAULO: CORTEZ, 2006. 168 P. JANETE NETTO BASSALOBRE*

Leia mais

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL

A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL A AVALIAÇÃO EM CONTEXTO DIFERENCIADO PARA EDUCAÇÃO INFANTIL JOSÉ MATEUS DO NASCIMENTO zenmateus@gmail.com POLIANI SANTOS DA SILVA poliany_mme@hotmail.com MARIA AUXILIADORA DOS SANTOS MARINHO Campus IV(CCAE)

Leia mais

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação

Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação PROGRAMA ÉTICA E CIDADANIA construindo valores na escola e na sociedade Gênero, ética e sentimentos: A resolução de conflitos no campo da educação Valéria Amorim Arantes 1 Brigitte Ursula Stach Haertel

Leia mais

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX

A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX A SOCIOLOGIA DA EDUCAÇÃO NA VISÃO DE KARL MARX ROSA, Aline Azevedo 1 DELGADO, Valéria 2 MARTINS, Eduardo 3 RESUMO Este artigo abordará a temática acerca da disciplina sociologia da educação. Esta disciplina

Leia mais

Gramsci e a sustentabilidade: as possibilidades de uma consciência ambiental crítica

Gramsci e a sustentabilidade: as possibilidades de uma consciência ambiental crítica Gramsci e a sustentabilidade: as possibilidades de uma consciência ambiental crítica VITANGELO PLANTAMURA Centro Universitário Nilton Lins, Manaus, Brasil Introdução O artigo objetiva analisar as contribuições

Leia mais

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão.

que se viver com dignidade, o que requer a satisfação das necessidades fundamentais. O trabalho é um direito e um dever de todo cidadão. Osdireitosdohomemedocidadãonocotidiano (OscarNiemeyer,1990) "Suor, sangue e pobreza marcaram a história desta América Latina tão desarticulada e oprimida. Agora urge reajustá-la num monobloco intocável,

Leia mais

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE

MATRIZ CURRICULAR CURRÍCULO PLENO 1.ª SÉRIE MATRIZ CURRICULAR Curso: Graduação: Regime: Duração: BACHARELADO SERIADO ANUAL - NOTURNO 4 (QUATRO) ANOS LETIVOS Integralização: A) TEMPO TOTAL - MÍNIMO = 04 (QUATRO) ANOS LETIVOS - MÁXIMO = 07 (SETE)

Leia mais

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula.

sonhando nova escola nova sociedade com uma e uma Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. Atividade de leitura de clássicos da literatura. Pai voluntário em sala de aula. 01_IN_CA_FolderTecnico180x230_capa.indd 3 sonhando com uma nova escola e uma nova sociedade 7/24/13 2:16 PM comunidade de

Leia mais

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA

EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA EDUCAÇÃO DE JOVENS E ADULTOS DO CAMPO: IMPLANTAÇÃO DO PRONERA EM RORAIMA Resumo Na história da educação brasileira é perceptível que o direito à educação foi negado às classes menos favorecidas da população,

Leia mais

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS.

A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. A ESCOLA ITINERANTE DO MST: DO PROCESSO DE CONSTITUIÇÃO ÀS PRÁTICAS POLÍTICO-PEDAGÓGICAS. AMES, Maria Madalena INTRODUÇÃO A educação é um direito previsto na Constituição, no entanto, até bem pouco tempo

Leia mais

XI Encontro de Iniciação à Docência

XI Encontro de Iniciação à Docência 4CCSDEFPLIC02 SITUAÇÕES PROBLEMAS RELATADAS NA APLICAÇÃO DA PERSPECTIVA CRÍTICO- SUPERADORA NAS AULAS DE EDUCAÇÃO FÍSICA ESCOLAR Diôgo Severo de Sousa (1),Jeimison de Araújo Macieira (1), Thercles de Araújo

Leia mais

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social

Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social Seminário Cenário Contemporâneo: Polêmicas e Desafios ao Serviço Social PALESTRA 03: Investigação em Serviço Social: para quê, a

Leia mais

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO

PEDAGOGO QUESTÕES DE PROVAS DE CONCURSOS PÚBLICOS DO MAGISTÉRIO PEDAGOGO 01. Um pedagogo que tem como pressuposto, em sua prática pedagógica, a concepção de que o aluno é o centro do processo e que cabe ao professor se esforçar para despertar-lhe a atenção e a curiosidade,

Leia mais