Latha Soorya Jessica Kiarashi Eric Hollander

Save this PDF as:
 WORD  PNG  TXT  JPG

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "Latha Soorya Jessica Kiarashi Eric Hollander"

Transcrição

1 Intervenções Psicfarmaclógicas para Cmprtaments Repetitivs ns Transtrns d Espectr Autista Psychfarmaclgic Interventins fr Repetitive Behavirs in Autism Spectrum Disrders Child and Adlescent Psychiatric Clinics f Nrth America. Vlume 17, N 4. Publicad em Outubr de Resumid pr Dra. Rsa Magaly Mrais e Rebeca Csta e Silva Latha Srya Jessica Kiarashi Eric Hllander O bjetiv desse artig é ferecer uma visã geral de trataments psicfarmaclógics para cmprtaments repetitivs ns Transtrns d Espectr Autista (TEA), além de ressaltar a visã cntemprânea de um sintma nuclear (pertencente à tríade que define s transtrns glbais d desenvlviment) tã puc estudad. A metdlgia envlveu a revisã da bibligrafia dispnível, fcand nã só intens us de Inibidres Seletivs da Recaptaçã de Sertnina (ISRS), mas utras classes farmaclógicas (antipsicótics, anticnvulsivantes e hrmôni) utilizadas na intervençã medicamentsa ds cmprtaments restritivs, repetitivs e perfil de interesses esteretipads (CRRE) na ppulaçã específica cm TEA. Uma breve recapitulaçã da definiçã e a rigem desses sintmas também fi cntemplada. Os sete maires estuds cntrlads fizeram parte da amstra descrita. Cm resultad artig abrda s seguintes fármacs: - ISRS 1. fluvxamina 2. fluxetina 3. sertralina 4. citalpram 5. escitalpram - Anticnvulsivante 1. divalprat de sódi - Antipsicótic 1. risperidna - Hrmôni 1. xitcina N âmbit ds sintmas nucleares ds TEA, s CRRE sã histricamente mens estudads em cmparaçã cm utrs sintmas. Váris fatres cntribuem para a relativa ausência de atençã a esse sintma. Um fatr, pr exempl, é a crrência desse sintma tant em crianças sem alterações n desenvlviment neurpsicmtr quant em crianças cm TEA. Tdavia, pesquisas recentes mstraram que esse sintma é mais acentuad e frequente em crianças cm TEA d que em crianças ditas nrmtípicas. Os CRRE também têm uma frte hereditariedade, particularmente para cmprtaments cmpulsivs e sã, muitas vezes, a referência mais marcante para diagnóstic de TEA. Os CRRE sã alvs imprtantes para uma intervençã, vist que eles atrapalham cnvívi familiar, interferem n prgress educacinal e impedem desenvlviment satisfatóri das abrdagens psicssciais. Apesar de td impact negativ que causam na qualidade de vida de indivídus cm TEA, as intervenções médicas e cmprtamentais para tratament desses sintmas ainda sã relativamente escassas. A utilizaçã ds ISRS é atualmente a abrdagem farmaclógica mais enfcada.

2 Definind âmbit d cmprtament repetitiv e cmpulsiv ns Transtrns d Espectr Autista Segund s autres, " âmbit d cmprtament repetitiv ns TEA é cmpst pr diverss cmprtaments caracterizads pr repetiçã, cmprtament u padrã de interesses rígids, insistência e preservaçã de rtinas e interesses restrits". As pessas cm autism têm cmprtaments mais cmpulsivs d que bsessivs. Um cnceit generalizad de classificaçã ds CRRE inclui duas categrias: cmprtaments cmpulsivs de primeira grandeza (rituais e precupações circunscritas - semelhantes às bservadas em indivídus cm transtrn bsessiv-cmpulsiv sem cmrbidade cm TEA) e cmprtaments cmpulsivs de segunda grandeza (cmprtaments mtres repetitivs - autagressã, pr exempl - e interesses sensriais incmuns - cheirar bjets, pr exempl). Apesar das pesquisas sbre a categrizaçã ds CRRE estarem em estágis iniciais, um padrã familiar de herança vem send estabelecid para s cmprtaments cmpulsivs de primeira grandeza. Prtant, indivídus cm TEA que tenham parentes de primeir grau cm sintmas bsessiv-cmpulssivs têm mair prbabilidade de desenvlver cmprtaments ritualizads e precupações circunscritas. Essa infrmaçã pderá ser útil para a investigaçã genética ds CRRE. Hipóteses etilógicas ds cmprtaments e interesses repetitvs ns Transtrns d Espectr Autista Diversas terias, baseadas em áreas de estuds distintas, sã prpstas para explicar as causas subjacentes ds CRRE, dentre elas: - Neurpsiclgia: déficits nas funções executivas e fragilidade na teria da Cerência Central. - Bilgia: disfunçã na regulaçã d sistema excitatóri, na sensibilidade à dpamina e pióides endógens e desregulaçã sertninérgica. - Cmprtamental: estud de endfenótips (marcadr de vulnerabilidade, marcadr bilógic u traç subclínc) em mdels animais cm expressã de rigidez ns padrões cgnitivs, rtina de cmprtament e déficit n recnheciment de sinais sciais. Mesm send prpstas várias terias envlvend a(s) causa(s) subjacente(s) as CRRE, ainda sã necessárias pesquisas interdisciplinares que enfquem a integraçã da genética, da endfentipagem e farmaclgia para refinarem essas terias, e se dirigir a etilgias ptencialmente diferentes para classes específicas de CRRE. Desregulaçã da sertnina ns Transtrns d Espectr Autista: implicações para pesquisas sbre intervenções Os autres afirmam que "várias investigações apiam papel da sertnina na patfisilgia subjacente n autism, cm api cnvergente das pesquisas genéticas, farmaclógicas, bilógicas e de neurimagem". Em um estud realizad pr Schain et al. fram bservads níveis elevads de sertnina (hipersertnemia) em pacientes que tinham autism, e desde este estud muits utrs cnfirmaram a hipersertnemia cm send um déficit bilógic cmum ns indivídus cm TEA.

3 O sistema de sertnina, além de estar relacinad as CRRE, está relacinad (nas pesquisas sbre autism) cm agressã, ansiedade, humr, impulsividade, sn, ingestã, desenvlviment cerebral, dentre utrs. O us de ISRS é cnsiderad uma ba esclha de tratament vist que atua na recaptaçã neurnal da sertnina. Prém, s autres advertem que cada ISRS tem utras características farmaclógicas, e prduz efeits adverss diferentes e tem variaçã na sua efetividade. Tratament cm inibidres de recaptaçã de sertnina (IRS) e inibidres seletivs de recaptaçã de sertnina (ISRS) Segund s autres, "váris artigs recentes pssibilitam uma visã geral de pesquisas sbre a eficácia de IRS n tratament de sintmas nucleares e assciads as TEA. Observa-se que a eficácia ds IRS e ISRS é mais marcante ns sintmas relacinads a funcinament (CRRE, pr exempl) d indivídu cm TEA, e mens marcante em sintmas relacinads à cmunicaçã e à linguagem. Efeits adverss mais cmumente relatads, particularmente em crianças, incluem: aument ptencial de hiperatividade, distúrbis d sn, aument glbal de agitaçã e irritabilidade. Dependend da frequencia e gravidade ds efeits adverss bservads, intervenções cm us ISRS devem ser interrmpidas". Dentre s agentes farmaclógics nessas classes tems: - Clmipramina (Anafranil) A mairia ds estuds sbre us de clmipramina cm intervençã para sintmas de TEA demnstraram benefícis iniciais. Prém, devid a séris efeits adverss de seu us (síndrme sertninérgica, fadiga, tremres, taquicardia, alterações na sudrese e prblemas significativs de cmprtament) precisu ser interrmpid em um númer relevante de sujeits. - Fluvxamina (Luvx) Dis estuds realizads cm us de fluvxamina em adlescentes e adults cm TEA demnstraram eficácia (melhra significativa em interesses e cmprtaments restrits, agressã, interaçã scial, e linguagem repetitiva). Os efeits adverss mais bservads fram náusea e sedaçã. Outr estud realizad em crianças demnstru que dentre 18 participantes, só um bteve benefíci. Os efeits adverss fram bem ntáveis em 14 ds 18 participantes, mesm cm us de 25 mg diáris (dse abaix da mínima recmendada). Em indivídus cm TEA, s níveis plasmátics de fluvxamina sã cnsideravelmente maires quand cmparams crianças cm adlescentes e adults. Também sã mais acentuads em meninas d que menins. Os autres explicam que esta discrepância se dá devid a papel fundamental que a sertnina exerce n iníci d desenvlviment cerebral. - Fluxetina (Przac) O us da fluxetina em crianças e adults cm TEA tem sugerid que a fluxetina é tlerável e eficaz na reduçã de CRRE e interesses restrits. A dse utilizada, entretant, é bastante reduzida quand cmparada cm as prescrições em utrs diagnóstics u utras ppulações específicas. Os principais efeits adverss bservads sã: diarréia, aument de pes, insônia, e ansiedade. - Sertralina (Zlft) Estuds sugerem que a sertralina pde ser um tratament eficaz para CRRE, ansiedade e irritabilidade/agressã. Estuds cm us da sertralina em pessas cm Transtrns Glbais d Desenvlviment (TGD) e Transtrns d Desenvlviment Nã Especificad (TD/NE), btiveram melhra em cmprtaments repetitivs e agressivs, prém nã em interaçã scial. Outr estud sbre tratament cm sertralina em indivídus cm Síndrme de Asperger apresentu resultads insatisfatóris: limitads u nuls. Iss pde ser explicad pela menr presença ds CRRE nesse subgrup. - Citalpram (Cipramil)

4 Estuds cm crianças e adlescentes e us de citalpram demnstraram bastante eficácia n tratament de ansiedade e CRRE. A melhr respsta terapêutica está relacinada a temp de us d citalpram, prém nã há crrelaçã cm dses mais elevadas. - Escitalpram (Lexapr) Um estud sbre impact psitiv d us de escitalpram na gravidade ds sintmas glbais (avaliada através da CGI- escala de funcinament glbal) demnstru melhra n funcinament glbal d grup estudad. Além diss, a presença de irritabilidade (avaliada através d ABC- subescala para avaliaçã de irritabilidade) em indivídus cm TGD também fi investigada, e 17 de 28 participantes apresentaram mens irritabilidade através d instrument utilizad. Cinc participantes nã demnstraram nenhum efeit advers mais grave. Em 18 pacientes, s efeits adverss mais citads fram hiperatividade u irritabilidade. Intervençã precce cm inibidres seletivs de recaptaçã de sertnina Os autres prpõem a utilizaçã precce ds ISRS em crianças cm TEA, devid à imprtância da sertnina n desenvlviment cerebral (maturaçã neurnal, desenvlviment de sinapses - cm ações sbre axônis/dendrits e desenvlviment de funções crticais e talâmicas), cm uma pssibilidade de melhra n desenvlviment psicneurlógic. Outrs trataments para CRRE e interesses restrits ns TEA - Antipsicótics atípics - Anticnvulsivante - Hrmôni Risperidna (Risperdal) (um antipsicótic atípic muit utilizad ns tratament de sintmas glbais d TEA) Diverss estuds demnstraram melhra em sintmas de CRRE, agressã, irritabilidade e ansiedade. Os autres advertem que a intervençã cm us de risperidna deverá ser realizada smente cm "terapia adjunta de utra intervençã, quand indivídu cm TEA nã está respndend". Divalprat de Sódi (Depakte) Mesm que divalprat de sódi seja um medicament ptente para tratament de CRRE, efeits adverss cmuns sã irritabilidade e hiperatividade. Iss faz cm que medicament nã seja muit tlerável, especialmente para crianças cm TEA. Em um estud cm 12 crianças e 1 adult, cm utilizaçã de placeb (substância u preparad inativ usad em estuds cntrlads para determinar a eficácia de substâncias medicinais) e titulaçã lenta da dse d divalprat de sódi huve melhra na irritabilidade e CRRE. Os efeits adverss (aument de pes, irritabilidade, ansiedade e agressã) fram semelhantes ns dis grups. Apesar ds efeits benéfics d divalprat de sódi (reduçã de CRRE), há necessidade de se investigar mais prfundamente seus efeits direts e indirets n tratament desses sintmas ns TEA. Oxitcina Existem pucs estuds sbre us de xitcina em indivídus cm TEA. Pesquisas sugerind uma deficiência n sistema neurendócrin-reguladr da atividade da xitcina nesse grup, sugerem um papel relevante desse hrmôni na melhra de sintmas nucleares. Estuds em animais demnstraram que a xitcina tem efeit psitiv sbre a scializaçã e s CRRE. Outrs estuds recentes também vêm investigand efeit da xitcina em cmprtaments sciais humans cm cnfiança e percepçã emcinal. Os autres e seus grups de pesquisas realizaram um estud experimental cm 15 adults cm TEA e btiveram melhra ds CRRE. Esse estud cntinua investigand a segurança, tlerância, e eficácia d us de xitcina em adults cm TEA e frmas alternativas de administraçã (intranasal e nã endvensa, cm usada inicialmente). Cnclusã: Mesm ns estuds que demnstram benefícis, para um grup relevante de indivídus cm us de medicações (primrdialmente ISRS) para tratament ds

5 CRRE, é imprtante salientar que s resultads pdem variar de acrd cm características peculiares de cada pessa: capacidade de absrver, transprtar, ligar (perfil de receptres), metablizar e eliminar as substâncias psicativas. Os dads atuais ainda sã cntraditóris em relaçã às prescrições mais utilizadas na prática clínica. Há uma necessidade de mair investigaçã em diverss segments para avanç das pesquisas sbre tema. Leitura sugerida Andrade, E. R. & Mrais, R. M. C. B. In:Chei-Tung Teng & Demetri, FN (eds). Psicfarmaclgia Aplicada: Manej Prátic ds Transtrns Mentais. 1a. ediçã. Sã Paul, SP. Atheneu. 2006:(8) Mercadante, M. T. & Scahill, L. In: Psicfarmaclgia da criança: Um guia para crianças, pais e prfissinais. 1a. ediçã. Sã Paul, SP. Click Bks

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas

Unidade 7: Sínteses de evidências para políticas Unidade 7: Sínteses de evidências para plíticas Objetiv da Unidade Desenvlver um entendiment cmum d que é uma síntese de evidências para plíticas, que inclui e cm pde ser usada 3 O que é uma síntese de

Leia mais

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito

3 Aplicações dos Modelos de Análise de Crédito 3 Aplicações ds Mdels de Análise de Crédit Pdem ser citads cm principais estuds realizads para previsã de inslvência de pessas jurídicas: Estud de Tamari O estud fi realizad n final da década de 50 e fi

Leia mais

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000

ISO 9001:2008 alterações à versão de 2000 ISO 9001:2008 alterações à versã de 2000 Já passaram quase it ans desde que a versã da ISO 9001 d an 2000 fi publicada, que cnduziu à necessidade de uma grande mudança para muitas rganizações, incluind

Leia mais

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões:

Pessoal, vislumbro recursos na prova de conhecimentos específicos de Gestão Social para as seguintes questões: Pessal, vislumbr recurss na prva de cnheciments específics de Gestã Scial para as seguintes questões: Questã 01 Questã 11 Questã 45 Questã 51 Questã 56 Vejams as questões e arguments: LEGISLAÇÃO - GESTÃO

Leia mais

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA ATUAL INFORME EPIDEMIOLÓGICO Nº 05/2015 SEMANA EPIDEMIOLÓGICA 50 (13 A 19/12/2015) MONITORAMENTO DOS CASOS DE MICROCEFALIAS NO BRASIL Este infrme d COES Micrcefalias visa dcumentar e divulgar infrmações atualizadas

Leia mais

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011.

CÂMARA DOS DEPUTADOS Gabinete do Deputado FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de março de 2011. Gabinete d Deputad FERNANDO JORDÃO - PMDB/RJ Brasília, 21 de març de 2011. Quand ingressei cm Requeriment slicitand a presença de Vssas Senhrias na Cmissã, estava assustad, cm, aliás, tda a ppulaçã, cm

Leia mais

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito*

Capítulo VII Projetos de eficiência energética em iluminação pública Por Luciano Haas Rosito* 20 Api O Setr Elétric / Julh de 2009 Desenvlviment da Iluminaçã Pública n Brasil Capítul VII Prjets de eficiência energética em iluminaçã pública Pr Lucian Haas Rsit* Neste capítul abrdarems s prjets de

Leia mais

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso

Regulamento para realização do Trabalho de Conclusão de Curso Universidade Federal d Ceará Campus de Sbral Curs de Engenharia da Cmputaçã Regulament para realizaçã d Trabalh de Cnclusã de Curs Intrduçã Este dcument estabelece as regras básicas para funcinament das

Leia mais

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa

Passo 1 - Conheça as vantagens do employeeship para a empresa Manual Cm intrduzir emplyeeship na empresa Índice Intrduçã Pass 1 - Cnheça as vantagens d emplyeeship para a empresa Pass 2 - Saiba que é a cultura emplyeeship Pass 3 - Aprenda a ter "bns" empregads Pass

Leia mais

Questão 13. Questão 14. alternativa C

Questão 13. Questão 14. alternativa C Questã 13 O suc de laranja cncentrad da marca M cntém 20 mg de vitamina C pr 50 ml de suc cncentrad. Para ser cnsumid, deve ser diluíd cm água até que seu vlume seja 4 vezes mair que inicial. Pr utr lad,

Leia mais

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso

CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estudo de Caso CONTROLE INTERNO NA INDÚSTRIA AUTOMOBILÍSTICA: Um Estud de Cas Camila Gmes da Silva 1, Vilma da Silva Sant 2, Paul César Ribeir Quintairs 3, Edsn Aparecida de Araúj Querid Oliveira 4 1 Pós-graduada em

Leia mais

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000

GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisão: 000 GUIA DE RELACIONAMENTO MT-COR: 001 Revisã: 000 A Mercur S.A., empresa estabelecida desde 1924, se precupa em cnduzir as suas relações de acrd cm padrões étics e cmerciais, através d cumpriment da legislaçã

Leia mais

Escla Superir Agrária de Cimbra Prcessament Geral de Aliments LEAL 2009/2010 Aqueciment Óhmic Brenda Mel, nº 20803030 Inês Ricard, nº 20090157 Nádia Faria, nº 20803060 O que é? Prcess nde a crrente eléctrica

Leia mais

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social

Anexo 03 Recomendação nº 3: estatuto padrão, estatuto fundamental e contrato social Anex 03 Recmendaçã nº 3: estatut padrã, estatut fundamental e cntrat scial 1. Resum 01 Atualmente, Estatut da Crpraçã da Internet para a atribuiçã de nmes e númers (ICANN) tem um mecanism únic para alterações.

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS1 Avaliaçã e Gerenciament de Riscs e Impacts Sciais e Ambientais 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS1 Identificar, avaliar e gerir s

Leia mais

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização

Prefeitura Municipal de Belo Horizonte Vox Mercado Pesquisa e Projetos Ltda. Dados da organização Data de elabraçã da ficha: Jun 2007 Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Vx Mercad Pesquisa e Prjets Ltda. Dads da rganizaçã Nme: Prefeitura Municipal de Bel Hriznte Endereç: Av. Afns Pena, 1212 - Cep.

Leia mais

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos

3 Fundamentos do Comportamento dos Hidrocarbonetos Fluidos 3 Fundaments d Cmprtament ds Hidrcarbnets Fluids 3.1. Reservatóris de Petróle O petróle é uma mistura de hidrcarbnets, que pde ser encntrada ns estads: sólid, líquid, u ass, dependend das cndições de pressã

Leia mais

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS

ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS ANEXO CONDIÇÕES OU RESTRIÇÕES RESPEITANTES À UTILIZAÇÃO SEGURA E EFICAZ DO MEDICAMENTO A SEREM IMPLEMENTADAS PELOS ESTADOS-MEMBROS 1 Os Estads-Membrs devem garantir que tdas as cndições u restrições relativas

Leia mais

Manual de Procedimentos

Manual de Procedimentos Manual de Prcediments Prcediments para Submissã de Prjets de MDL à Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Secretaria Executiva Cmissã Interministerial de Mudança Glbal d Clima Prcediments para

Leia mais

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops

Resultado do Inquérito On-line aos Participantes dos Workshops Realizados pela Direção-Geral das Artes. Avaliação da Utilidade dos Workshops Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps Realizads pela Direçã-Geral das Artes Avaliaçã da Utilidade ds Wrkshps Títul: Resultad d Inquérit On-line as Participantes ds Wrkshps realizads pela

Leia mais

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS

A SUPERINFLAÇÃO BRASILEIRA EM 1989: NOTAS E COMENTÁRIOS A SUPERINFLAÇÃ BRASILEIRA EM 1989: NTAS E MENTÁRIS Gentil Crazza* "A inflaçã é uma frma de distribuir s ganhs e as perdas através das frças impessais d mercad." Charles Kindieberger Intrduçã A ecnmia e

Leia mais

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO

SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO SEGURANÇA DO PACIENTE: A PRESCRIÇÃO MÉDICA E A PREVENÇÃO DE EVENTOS ADVERSOS Palestrante: Mauríci Laur de Oliveira Junir PRESCRIÇÃO E OS EVENTOS ADIVERSOS A ANVISA define err de medicaçã cm qualquer event

Leia mais

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0)

TESTE DE SOFTWARE (Versão 2.0) Universidade Luterana d Brasil Faculdade de Infrmática Disciplina de Engenharia de Sftware Prfessr Luís Fernand Garcia www.garcia.pr.br TESTE DE SOFTWARE (Versã 2.0) 9 Teste de Sftware Imprtância Dependência

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2014 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3. Limites de expsiçã à

Leia mais

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo

PRINCIPAIS REQUISITOS: Regra final sobre Programas de Verificação do Fornecedor Estrangeiro Em resumo O FDA ferece esta traduçã cm um serviç para um grande públic internacinal. Esperams que vcê a ache útil. Embra a agência tenha tentad bter uma traduçã mais fiel pssível à versã em inglês, recnhecems que

Leia mais

Projetos, Programas e Portfólios

Projetos, Programas e Portfólios Prjets, Prgramas e Prtfólis pr Juliana Klb em julianaklb.cm Prjet Segund PMBOK (2008): um prjet é um esfrç temprári empreendid para criar um nv prdut, serviç u resultad exclusiv. Esta definiçã, apesar

Leia mais

Apresentação do Curso

Apresentação do Curso At endi m ent acl i ent e Apr es ent aç ãdc ur s Apresentaçã d Curs O curs Atendiment a Cliente fi elabrad cm bjetiv de criar cndições para que vcê desenvlva cmpetências para: Identificar s aspects que

Leia mais

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01.

Agenda. A interface de Agendamento é encontrada no Modulo Salão de Vendas Agendamento Controle de Agendamento, e será apresentada conforme figura 01. Agenda Intrduçã Diariamente cada um ds trabalhadres de uma empresa executam diversas atividades, muitas vezes estas atividades tem praz para serem executadas e devem ser planejadas juntamente cm utras

Leia mais

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira

CAPÍTULO IV. Valores, Crenças, Missão, Visão.e Política da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira CAPÍTULO IV Valres, Crenças, Missã, Visã.e Plítica da Qualidade. Waldemar Faria de Oliveira Há alguns ans, quand tínhams ótims atletas, perdíams a Cpa d Mund de futebl, as Olimpíadas, errand em cisas básicas.

Leia mais

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea

T12 Resolução de problemas operacionais numa Companhia Aérea T12 Resluçã de prblemas peracinais numa Cmpanhia Aérea Objectiv Criar um Sistema Multi-Agente (SMA) que permita mnitrizar e reslver s prblemas relacinads cm s aviões, tripulações e passageirs de uma cmpanhia

Leia mais

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016

Sua hora chegou. Faça a sua jogada. REGULAMENTO. Prêmio de Empreendedorismo James McGuire 2016 Sua hra chegu. Faça a sua jgada. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 Salvadr, nvembr de 2015. REGULAMENTO Prêmi de Empreendedrism James McGuire 2016 é uma cmpetiçã interna da Laureate

Leia mais

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS

DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS DIRETRIZES E CRITÉRIOS PARA APLICAÇÃO DOS RECURSOS Prjets n Bima Amazônia A Critéris Orientadres B C D E F Cndicinantes Mínims para Prjets Mdalidades de Aplicaçã ds Recurss Restriçã de Us ds Recurss Critéris

Leia mais

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS

PADRÃO DE RESPOSTA. Pesquisador em Informações Geográficas e Estatísticas A I PROVA 3 FINANÇAS PÚBLICAS Questã n 1 Cnheciments Específics O text dissertativ deve cmtemplar e desenvlver s aspects apresentads abaix. O papel d PPA é de instrument de planejament de médi/lng praz que visa à cntinuidade ds bjetivs

Leia mais

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS.

TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Ntas de Aula Ecnmia Industrial Nta_aula_4_Preç-Oligpli TEORIA DO OLIGOPÓLIO, MODELOS E FORMAÇÃO DE PREÇOS. Bibligrafia: KON, Anita. Ecnmia Industrial. Sã Paul: Nbel, 2001. (CAPÍTULO 2) PINDYCK, RS e RUBINFELD,

Leia mais

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!!

SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! SEM QUEBRAR AS TAÇAS!! CADERNO CATARINENSE DE ENSINO DE ENSINO DE FÍSICA, 1(): 15-156, 1995. CADERNO BRASIEIRO DE ENSINO DE ENSINO DE FÍSICA, 1 Ed. Especial: 64-68, 004. Fernand ang da Silveira Institut

Leia mais

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D

RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D RECOMENDAÇÕES GERAIS PARA AQUISIÇÃO DE IMAGENS RADIOLÓGICAS PARA CRIAÇÃO DE RÉPLICAS FETAIS ATRAVÉS DE IMPRESSÃO 3D ULTRASSONOGRAFIA OBSTÉTRICA RESSONÂNCIA MAGNÉTICA FETAL ANEXO 1 TUTORIAL PARA EXPORTAÇÃO

Leia mais

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto.

TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentação / Apresentação do Projeto. TEXTO AULA 9: Técnicas de apresentaçã / Apresentaçã d Prjet. 9.1 Técnicas de apresentaçã Cm apresentar cm sucess? A qualidade d prdut u d u d serviç quase sempre é cnfundida cm a qualidade da apresentaçã.

Leia mais

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS

MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS MANUAL PARA ELABORAÇÃO DE ARTIGOS CIENTÍFICOS Sã Paul 2013 1 1 INTRODUÇÃO Este Manual tem a finalidade de servir à nrmalizaçã da elabraçã de Trabalhs de Cnclusã de Curs TCC pr mei de artigs científics,

Leia mais

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele

PVC Não dá para imaginar a vida moderna sem ele PVC Nã dá para imaginar a vida mderna sem ele Sã Paul, 26 de nvembr de 2012 A GBC Brasil Ref.: Cmentáris sbre item Materiais e Recurss, crédit 4 Cntrle de Materiais Cntaminantes Referencial GBC Brasil

Leia mais

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB. 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório

AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB. 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatório AMBULATÓRIO DE ENDOCRINOLOGIA OBSTÉTRICA ENDOB 1- Hipóteses diagnósticas que devem ser encaminhadas para este ambulatóri 1a) Diabetes Mellitus Tip 1, Tip 2, Gestacinal (DMG) Outrs tips específics de diabetes,

Leia mais

Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2015.1 Professor: Isabel Celeste Caíres Pereira Gusmão Titulação: Mestre PLANO DE CURSO

Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2015.1 Professor: Isabel Celeste Caíres Pereira Gusmão Titulação: Mestre PLANO DE CURSO Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P

Gestor de Inovação e Empreendedorismo (m/f) GIE /15 P A Pessas e Sistemas, empresa de Cnsultria na área da Gestã e ds Recurss Humans e cm atividade nas áreas de Recrutament e Seleçã, Frmaçã e Cnsultria, prcura para a Câmara Municipal de Amarante - Agência

Leia mais

Internet: um novo espaço de socialização política.

Internet: um novo espaço de socialização política. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Internet: um nv espaç de scializaçã

Leia mais

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt

Versão 1.1.1.3. Descrição do produto, 2009. www.graycell.pt Versã 1.1.1.3 Descriçã d prdut, 2009 www.graycell.pt 1 ENQUADRAMENTO A platafrma ask-it! é uma aplicaçã web-based que permite criar inquérits dinâmics e efectuar a sua dispnibilizaçã n-line. A facilidade

Leia mais

1) A faculdade mediúnica é indício de algum estado patológico ou simplesmente anormal?

1) A faculdade mediúnica é indício de algum estado patológico ou simplesmente anormal? 1) A faculdade mediúnica é indíci de algum estad patlógic u simplesmente anrmal? - As vezes anrmal, mas nã patlógic. Há médiuns de saúde vigrsa. Os dentes sã pr utrs mtivs. 2) O exercíci da faculdade mediúnica

Leia mais

Dados sobre investimento da FAPESP revelam articulação entre geração do conhecimento e sua aplicação

Dados sobre investimento da FAPESP revelam articulação entre geração do conhecimento e sua aplicação POLÍTICA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA Dads sbre investiment da FAPESP revelam articulaçã entre geraçã d cnheciment e sua aplicaçã A ESP investiu, n an 2000, R$ 550,7 milhões fment à atividade científica e

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B

Questão 1. Questão 3. Questão 2. alternativa B. alternativa E. alternativa B Questã 1 Uma pesquisa de mercad sbre determinad eletrdméstic mstru que 7% ds entrevistads preferem a marca X, 40% preferem a marca Y, 0% preferem a marca Z, 5% preferem X e Y, 8% preferem Y e Z, % preferem

Leia mais

Muito prazer, vigorexia!. A representação do fenômeno estético de Pierre Bourdieu no campo das academias de ginástica.

Muito prazer, vigorexia!. A representação do fenômeno estético de Pierre Bourdieu no campo das academias de ginástica. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Muit prazer, vigrexia!. A representaçã

Leia mais

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES

Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES Design Patterns ABSTRACT FACTORY EMERSON BARROS DE MENESES 1 Breve Históric Sbre Design Patterns A rigem ds Design Patterns (Padrões de Desenh u ainda Padrões de Prjet) vem d trabalh de um arquitet chamad

Leia mais

GESTÃO DE LABORATÓRIOS

GESTÃO DE LABORATÓRIOS Seminári Luanda, 26,27,28,29 e 30 de Mai de 2014 - Htel **** Guia Prática GESTÃO DE LABORATÓRIOS Finanças Assegure uma gestã eficaz de tdas as áreas 40 hras de Frmaçã Especializada Cnceits ecnómic-financeirs

Leia mais

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização

CIRCULAR. Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007. Gestão do Currículo na Educação Pré-Escolar. Contributos para a sua Operacionalização CIRCULAR Data: 2007/10/10 Númer d Prcess: DSDC/DEPEB/2007 Assunt: GESTÃO DO CURRÍCULO NA EDUCAÇÃO PRÉ-ESCOLAR Circular nº 17/DSDC/DEPEB/2007 Para: Inspecçã-Geral de Educaçã Direcções Reginais de Educaçã

Leia mais

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi

táxis compartilhados Shared-transport / Shared-taxi Benefícis ds serviçs de transprte de táxis cmpartilhads Shared-transprt / Shared-taxi Reuniã de Especialistas sbre Transprte Urban Sustentável: Mdernizand e Trnand Eclógicas as Frtas de Táxis nas Cidades

Leia mais

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos

Plano de curso Planejamento e Controle da Manutenção de Máquinas e Equipamentos PLANO DE CURSO MSOBRPCMME PAG1 Plan de curs Planejament e Cntrle da Manutençã de Máquinas e Equipaments Justificativa d curs Nã é fácil encntrar uma definiçã cmpleta para Gestã da manutençã de máquinas

Leia mais

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA

MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA MAIO 2009 2 RELATÓRIO DE MONITORIZAÇÃO DA SATISFAÇÃO DOS UTILIZADORES DA ULSNA, EPE Prject encmendad pela Títul: Autres: Ediçã: Mnitrizaçã da satisfaçã

Leia mais

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA

RELATOR: Senador EUNÍCIO OLIVEIRA De Plenári, err1 substituiçã à COMISSÃO DE CONSTITUIÇÃO, JUSTIÇA E CIDADANIA, sbre Prjet de Lei da Câmara 209, de 2015, de autria d Deputad Aeltn Freitas, que altera a Lei n 8.906, de 4 de julh de 1994

Leia mais

Atividades corporais para idosos.

Atividades corporais para idosos. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Atividades crprais para idss. Rsecler Vendruscl. Cita: Rsecler Vendruscl

Leia mais

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica

XVIII Seminário Nacional de Distribuição de Energia Elétrica XVIII Seminári Nacinal de Distribuiçã de Energia Elétrica SENDI 2008-06 a 10 de utubr 7.2 Olinda - Pernambuc - Brasil Autmaçã na Distribuiçã: O Prcess de autmaçã ds equipaments de linha na rede CELPE.

Leia mais

Instruções para as apresentações científicas

Instruções para as apresentações científicas Instruções para as apresentações científicas As apresentações pderã ser realizadas na frma de PÔSTER u ORAL, dentr das especialidades dntlógicas: Ciências Básicas, Estmatlgia/Radilgia/Patlgia, Cirurgia,

Leia mais

Visão de conjunto do bem-estar da criança nos países ricos

Visão de conjunto do bem-estar da criança nos países ricos UNICEF Centr de Estuds Inncenti Reprt Card 7 Pbreza infantil em perspectiva: Visã de cnjunt d bem-estar da criança ns países rics Avaliaçã abrangente da vida e d bem-estar das crianças e adlescentes ns

Leia mais

- Minuta Pesquisa CREPOP - Centro de Referência da Assistência Social CRAS/SE

- Minuta Pesquisa CREPOP - Centro de Referência da Assistência Social CRAS/SE - Minuta Pesquisa CREPOP - Centr de Referência da Assistência Scial CRAS/SE N mês de mai d an de 2010 realizu-se a pesquisa CREPOP cm psicólgas(s) que atuam ns Centrs de Referência da Assistência Scial

Leia mais

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1

REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 REGULAMENTO DA CAMPANHA DO DIA MUNDIAL DE COMBATE A PÓLIO 2015 1 DISPOSIÇÕES GERAIS A campanha d Dia Mundial de Cmbate à Plimielite (também cnhecida cm paralisia infantil), celebrad n dia 24 de utubr,

Leia mais

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013

FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 FORMULÁRIO COLETA CAPES DISCENTE 2013 Este frmulári deve ser preenchid pr tds s aluns matriculads n Mestrad em Atençã à Saúde n an de 2013. Os dads servirã para atualizar, n Cleta Capes, as atividades

Leia mais

Relatório de Gerenciamento de Riscos

Relatório de Gerenciamento de Riscos Relatóri de Gerenciament de Riscs 2º Semestre de 2015 1 Sumári 1. Intrduçã... 3 2. Gerenciament de Riscs... 3 2.1. Organgrama... 4 3. Risc de Crédit... 4 3.1. Definiçã... 4 3.2. Gerenciament... 4 3.3.

Leia mais

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização

Boletim Técnico. CAGED Portaria 1129/2014 MTE. Procedimento para Implementação. Procedimento para Utilização Bletim Técnic CAGED Prtaria 1129/2014 MTE Prdut : TOTVS 11 Flha de Pagament (MFP) Chamad : TPRQRW Data da criaçã : 26/08/2014 Data da revisã : 12/11/2014 País : Brasil Bancs de Dads : Prgress, Oracle e

Leia mais

PROMOÇÃO, APOIO E INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO

PROMOÇÃO, APOIO E INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO PROMOÇÃO, APOIO E INCENTIVO AO ALEITAMENTO MATERNO Mariane Alves Crrêa Mnica Dalles Mnteir Raquel de Lima Seir 1- Prmçã e Incentiv a Aleitament Matern A prmçã a aleitament matern deve ser iniciada na rede

Leia mais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais

Novas Salvaguardas Ambientais e Sociais Nvas Salvaguardas Ambientais e Sciais Discussões Técnicas de Gvern ESS10 Acess a Infrmaçã e engajament de stakehlders 15 de utubr, 2014 Objetivs da ESS10 (1/2) Delinear uma abrdagem sistemática para engajament

Leia mais

Semana 3: Distribuição em Serviços

Semana 3: Distribuição em Serviços 1 Semana 3: Distribuiçã em Serviçs 1. Distribuiçã O prcess de distribuiçã da ferta da empresa insere-se n cntext d cmpst de marketing cm a funçã respnsável pr trnar prdut acessível a cnsumidr. Em serviçs

Leia mais

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014

PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 QUALIDADE RS PGQP PROGRAMA GAÚCHO DA QUALIDADE E PRODUTIVIDADE PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP 2014 GUIA PARA CANDIDATURA SUMÁRIO 1. O PRÊMIO INOVAÇÃO PGQP... 3 1.1 Benefícis... 3 2. PREMIAÇÃO... 3 2.1 Diretrizes

Leia mais

Estruturas de Concreto

Estruturas de Concreto Estruturas de Cncret ISSN 1519-4086 Númer 4 MODELOS DE PREVISÃO DA FLUÊNCIA E DA RETRAÇÃO DO CONCRETO JOSÉ MILTON DE ARAÚJO Editra DUNAS Estruturas de Cncret é uma publicaçã seriada cm bjetiv de abrdar

Leia mais

Informática II INFORMÁTICA II

Informática II INFORMÁTICA II Jrge Alexandre jureir@di.estv.ipv.pt - gab. 30 Artur Susa ajas@di.estv.ipv.pt - gab. 27 1 INFORMÁTICA II Plan Parte I - Cmplementar cnheciment d Excel cm ferramenta de análise bases de dads tabelas dinâmicas

Leia mais

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2

EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 EIXO 3 CONECTIVIDADE E ARTICULAÇÃO TERRITORIAL REGULAMENTO ESPECÍFICO: EQUIPAMENTOS PARA A COESÃO LOCAL AVISO DE ABERTURA DE CONCURSO N.º 2 Ns terms d regulament específic Equipaments para a Cesã Lcal,

Leia mais

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463

Modelo de Negócios. TRABALHO REALIZADO POR: Antonio Gome- 2007009 // Jorge Teixeira - 2008463 Mdel de Negócis Trabalh n âmbit da disciplina de Mdelaçã de dads. Criaçã de uma platafrma utilizand as tecnlgias SQL PHP e Javascript.. TRABALHO REALIZADO POR: Antni Gme- 2007009 // Jrge Teixeira - 2008463

Leia mais

Desenho centrado em utilização

Desenho centrado em utilização Desenh centrad em utilizaçã Engenharia de Usabilidade Prf.: Clarind Isaías Pereira da Silva e Pádua Departament de Ciência da Cmputaçã - UFMG Desenh centrad em utilizaçã Referências Cnstantine, L.L., &

Leia mais

Antropologia do Consumo no Marketing

Antropologia do Consumo no Marketing Antrplgia d Cnsum n Marketing Objetivs Demnstrar cm as influências culturais estã relacinadas cm s hábits de cnsum, a relaçã cm as Marcas e cmprtament de cmpra, evidenciand assim, prcess fundamental para

Leia mais

Março de 2012. Relatório Consolidado

Março de 2012. Relatório Consolidado Març de 2012 Relatóri Cnslidad Apresentaçã O presente relatóri tem cm bjetiv reunir infrmações referentes à aplicaçã-pilt da versã intermediária ds Indicadres Eths 3ª Geraçã. Essas infrmações serã insum

Leia mais

FORMAÇÃO DE BIÓLOGOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE CURSOS PRESENCIAIS E À DISTÂNCIA

FORMAÇÃO DE BIÓLOGOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE CURSOS PRESENCIAIS E À DISTÂNCIA I.S.S.N.: 1138-2783 FORMAÇÃO DE BIÓLOGOS: UMA COMPARAÇÃO ENTRE CURSOS PRESENCIAIS E À DISTÂNCIA (TRAINING FOR BIOLOGISTS: A COMPARISON BETWEEN CLASSROOM COURSES AND DISTANCE LEARNING) Delan Mdy Simões

Leia mais

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO

REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO REP REGISTO DOS PROFISSIONAIS DO EXERCICIO Um prject eurpeu em clabraçã cm a EHFA Eurpean Health and Fitness Assciatin, cm sede em Bruxelas Regist ds Prfissinais Intrduçã Estams numa fase em que a Tutela

Leia mais

- COMO PROCURAR EMPREGO -

- COMO PROCURAR EMPREGO - GUIA PRÁTICO - COMO PROCURAR EMPREGO - e 1 de 7 Técnicas de Prcura de Empreg...3 1. Aut Avaliaçã...3 2. Meis de Divulgaçã de Ofertas de Empreg...3 3. Carta de Apresentaçã...4 4. Curriculum Vitae...4 4.1.1.

Leia mais

Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2016.1 Professor: Isabel Celeste Caíres Pereira Gusmão Titulação: Mestre PLANO DE CURSO

Pré-requisito: Nenhum Período Letivo: 2016.1 Professor: Isabel Celeste Caíres Pereira Gusmão Titulação: Mestre PLANO DE CURSO CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seçã 1. Pág. 20 Cmpnente Curricular: BIOLOGIA GERAL Códig: ENF - 101 Pré-requisit: Nenhum Períd Letiv: 2016.1 Prfessr:

Leia mais

III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC

III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC III-076 - AVALIAÇÃO DO COMÉRCIO DE RESÍDUOS SÓLIDOS COM VISTAS PARA A RECICLAGEM NO MUNICÍPIO DE ITAJAÍ - SC Marlva Chaves Intini (1) Graduaçã em Oceanlgia pela Fundaçã Universidade d Ri Grande, FURG.

Leia mais

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO

BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO O QUE É O BENEFÍCIO AUXÍLIO CUIDADOR DO IDOSO? É um auxíli financeir que tem cm bjetiv cntribuir para, u pssibilitar, a cntrataçã de um cuidadr para auxiliar beneficiáris

Leia mais

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO:

5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5. PLANEJAMENTO E ORGANIZAÇÃO DA MANUTENÇÃO: 5.1 INTRODUÇÃO A rganizaçã da manutençã era cnceituada, até há puc temp, cm planejament e administraçã ds recurss para a adequaçã à carga de trabalh esperada.

Leia mais

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês

Prova Escrita e Prova Oral de Inglês AGRUPAMENTO DE ESCOLAS AURÉLIA DE SOUSA PROVA DE EQUIVALÊNCIA À FREQUÊNCIA Prva Escrita e Prva Oral de Inglês 11.º An de esclaridade DECRETO-LEI n.º 139/2012, de 5 de julh Prva (n.º367) 1.ªe 2.ª Fase 6

Leia mais

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20

CURSO DE ENFERMAGEM Reconhecido pela Portaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12 Seção 1. Pág. 20 Faculdade Independente d Nrdeste Credenciada pela Prtaria MEC 1.393, de 04/07/2001 publicada n D.O.U. de 09/07/2001. CURSO DE ENFERMAGEM Recnhecid pela Prtaria nº 270 de 13/12/12 DOU Nº 242 de 17/12/12

Leia mais

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA

ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA ROTEIRO DE RECUPERAÇÃO SEMESTRAL DE GEOGRAFIA Nme: Nº 8ºAn Data: / / 2015 Prfessres: Fabiana, Mayra e Olga. Nta: (valr: 1,0 para cada bimestre) 4º bimestre / 2º semestre A - Intrduçã Neste semestre, sua

Leia mais

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO

CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO CADASTRAMENTO 1 INTRODUÇÃO O cadastrament, previst ns editais de Vestibular da UFCG, é um mecanism para garantir a timizaçã das chamadas ds candidats para a matrícula. Esse é um mecanism imprtantíssim

Leia mais

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado

Questão 1. Questão 3. Questão 2. Questão 4. Resposta. Resposta. Resposta. ATENÇÃO: Escreva a resolução COM- PLETA de cada questão no espaço reservado ATENÇÃO: Escreva a resluçã COM- PLETA de cada questã n espaç reservad para a mesma. Nã basta escrever apenas resultad final: é necessári mstrar s cálculs racicíni utilizad. Questã Caminhand sempre cm a

Leia mais

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal

INDICE DE PREÇOS TURISTICO. Desenvolvido no quadro do Programa Comum de Estatística CPLP com o apoio técnico do INE de Portugal INDICE DE PREÇOS TURISTICO Desenvlvid n quadr d Prgrama Cmum de Estatística CPLP cm api técnic d INE de Prtugal Estrutura da Apresentaçã INTRODUÇÃO. METODOLOGIA. FORMA DE CÁLCULO. PROCESSO DE TRATAMENTO.

Leia mais

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS

DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS DIRETORIA DE UNIDADE COORDENAÇÃO DE CURSOS PROJETO DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (X) PROJETO DE PESQUISA PROJETO DE EXTENSÃO Acadêmic ; Scial PROJETO DE INTERDISCIPLINARIDADE

Leia mais

Conceitos em Análise de Risco ecológica e para a saúde humana. Introdução

Conceitos em Análise de Risco ecológica e para a saúde humana. Introdução Mei ambiente FUNDAMENTOS DA ANÁLISE DE RISCO Cnceits em Análise de Risc eclógica e para a saúde humana Luiz Rbert Guimarães Guilherme Prfessr Adjunt, Universidade Federal de Lavras, Departament de Ciência

Leia mais

APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 >

APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 > APLICAÇÃO DE EXPERIMENTOS FATORIAIS E DE MISTURAS NA OTIMIZAÇÃO DE COLETORES< 01 > Ari Dias Turrer< 02 > Paul Jsé de Barrs RabeJ

Leia mais

Influência de Eventos Climatológicos Extremos sobre a Produtividade do Guaranazeiro no Amazonas

Influência de Eventos Climatológicos Extremos sobre a Produtividade do Guaranazeiro no Amazonas 64 ISSN 57-3887 Dezembr, 2008 Manaus, AM Ft: Muril Rdrigues de Arruda Influência de Events Climatlógics Extrems sbre a Prdutividade d Guaranazeir n Amaznas Rnald Ribeir de Mrais Wenceslau Geraldes Teixeira

Leia mais

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa

3 Metodologia. 3.1 Tipo de Pesquisa 3 Metdlgia 3.1 Tip de Pesquisa O principal bjetiv de uma pesquisa é cntribuir para cnheciment, endereçand algumas das muitas perguntas nã respndidas. Para fazê-l de frma satisfatória e para avaliar se

Leia mais

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás

PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Informática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróleo e Gás PROJETO 22ª MOSTRA ESTUDANTIL TECNOLÓGICA Dias 22 e 23 DE OUTUBRO CURSOS: Eletrônica, Infrmática, Mecânica, Mecatrônica, Química e Petróle e Gás Objetiv: Elabrar e desenvlver um prjet na área prfissinal,

Leia mais

Sociedade e melancolia: identidades e representações sociais do trabalho.

Sociedade e melancolia: identidades e representações sociais do trabalho. XXVII Cngres de la Asciación Latinamericana de Scilgía. VIII Jrnadas de Scilgía de la Universidad de Buens Aires. Asciación Latinamericana de Scilgía, Buens Aires, 2009. Sciedade e melanclia: identidades

Leia mais

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado.

1. Conceituação Percentual de crianças imunizadas com vacinas específicas, em determinado espaço geográfico, no ano considerado. INDICADOR: F.13 COBERTURA VACINAL 1. Cnceituaçã Percentual de crianças imunizadas cm vacinas específicas, em determinad espaç gegráfic, n an cnsiderad. 2. Interpretaçã Estima nível de prteçã da ppulaçã

Leia mais

Desenvolvimento e caracterização de filmes de TiO2 para aplicação como fotocatalisadores em processos oxidativos avançados

Desenvolvimento e caracterização de filmes de TiO2 para aplicação como fotocatalisadores em processos oxidativos avançados 11 ISSN 1517-4786 Outubr, 010 Sã Carls, SP Imagem: Rrivald Camarg Imagens de micrscpia eletrônica pr emissã de camp (FEG) d filme de TiO cm 1 uss (a) superfície, (b) superfície ampliada, (c) espessura.

Leia mais

PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO

PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO PASSO A PASSO DE COMO DESENVOLVER UM ARTIGO CIENTÍFICO Objetiv d Manual Este manual bjetiva apresentar a frma de cm se desenvlver um artig científic. Tende a demnstrar as partes que cmpõem um artig e uma

Leia mais

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016

PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 PROGRAMA DE AÇÃO PARA O ANO 2016 Tend presente a Missã da Federaçã Prtuguesa de Autism: Defesa incndicinal ds direits das pessas cm Perturbações d Espectr d Autism e suas famílias u representantes. Representaçã

Leia mais

Uma proposta de avaliação de curso na modalidade a distância

Uma proposta de avaliação de curso na modalidade a distância Uma prpsta de avaliaçã de curs na mdalidade a distância 1 P á g i n a 2 P á g i n a Maria Izabel Lage Martins Gmes Maria d Carm Vila Uma prpsta de avaliaçã de curs na mdalidade a distância 3 P á g i n

Leia mais