ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO INTERIOR PAULISTA NUPES NÚCLEO DE PESQUISA FAIP/ACIP

Tamanho: px
Começar a partir da página:

Download "ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO INTERIOR PAULISTA NUPES NÚCLEO DE PESQUISA FAIP/ACIP"

Transcrição

1 NUPES NÚCLEO DE PESQUISA FAIP/ACIP Núcleo de Pesquisa da FAIP 1

2 SUMÁRIO 1. NÚCLEO DE PESQUISA NUPES NORMAS PARA A CRIAÇÃO DE LINHA DE PESQUISA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA E DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DA ACIP DIRETRIZES OBJETIVOS ARTICULAÇÃO ENTRE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA Concepção e finalidade da pesquisa Organização, administração e financiamento da pesquisa Providências para a consolidação da pesquisa Linhas de Pesquisas PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AOS DISCENTES DA FAIP/ACIP Apresentação Características do PIC da Faculdade da ACIP Objetivos do Programa de Iniciação Científica - PIC Concepção e implementação de um programa de iniciação científica Trabalhos de Conclusão de Curso TCC NORMAS PARA A INSTITUCIONALIZAÇÃO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Diretrizes para a Operacionalização do Programa Núcleo de Pesquisa da FAIP 2

3 5.2. Requisitos do Projeto de Pesquisa do Aluno Ingresso no Programa de Iniciação Científica Bolsa de Iniciação Científica BIC - Definição, Concessão e Sistemática de Manutenção Complementação à BIC - COBIC Documentos exigidos para a inscrição do aluno Processo de Seleção Acompanhamento e avaliação do Programa Divulgação dos resultados do programa Recursos Financeiros Responsabilidades da Coordenação de Curso ESTÍMULO À PESQUISA E À INICIAÇÃO CIENTÍFICA NA FAIP/ACIP SOLICITAÇÃO DE AUXÍLIO A PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA Complementação à Bolsa de Iniciação Científica (COBIC) APOIO E ACOMPANHAMENTO ACADÊMICO AO DISCENTE ESTÍMULO E AUXÍLIO PARA PARTICIPAÇÃO EM EVENTOS ESTÍMULO PARA DIVULGAÇÃO DA PRODUÇÃO CIENTÍFICA NORMAS DA FACULDADE/ACIP PARA ELABORAÇÃO DE PROJETOS DE PESQUISA, MONOGRAFIAS E TRABALHOS ACADÊMICOS DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO DA ACIP CONSIDERAÇÕES FINAIS Núcleo de Pesquisa da FAIP 3

4 1. NÚCLEO DE PESQUISA NUPES A preocupação com a pesquisa, como eixo básico da Instituição, gerou a necessidade da criação do Núcleo de Pesquisa NUPES - da FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO INTERIOR PAULISTA - FAIP, cuja tarefa permanente é consolidar a vocação da faculdade, não só para o ensino, mas também para a pesquisa de alto nível. Sua finalidade precípua é oferecer aos quadros docente e discente da instituição condições intelectuais e materiais favoráveis ao desenvolvimento da pesquisa. A Diretoria de Pesquisa é o órgão executivo do Núcleo de Pesquisa NUPES, da - FAIP mantida pela ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA- ACIP, que foi criado para ser o órgão colegiado de assessoria da Direção da faculdade, com atuação no eixo de pesquisas da Instituição e sob a tutela do Conselho de Pesquisa e Extensão CEPE da Faculdade FAIP. Atua em sintonia com os demais órgãos colegiados e é constituído por: uma Diretoria Executiva composta por um Diretor e docentes coordenadores de cursos da faculdade (Diretoria de Pesquisa) e de assessores docentes da Disciplina de Metodologia Científica dos cursos ministrados. Fazem parte do NUPES os membros designados para seus fins pela Diretoria, além do corpo de assessores ad hoc, que são os professores de outras Faculdades e Universidades (assessores externos). A atuação do NUPES incide sobre duas áreas de atividades: a) as regulares, representadas pela avaliação e acompanhamento dos projetos de pesquisa desenvolvidos por seus mestres e doutores, bem como pelos alunos da instituição, através do Programa de Iniciação Científica PIC e b) as eventuais, representadas pela promoção e organização de eventos como congressos, simpósios, jornadas, encontros de iniciação científica e similares e a administração do Fundo de Apoio à Pesquisa (FAP). Como as atividades Núcleo de Pesquisa da FAIP 4

5 regulares (e, em alguns casos, também as eventuais) ocorrem em estreita sintonia com o calendário escolar, é imprescindível que os interessados na obtenção de auxílio-pesquisa, e ou Bolsas de Iniciação Científica, concedidos pela instituição, respeitem rigorosamente datas e prazos previstos para a apresentação dos projetos e relatórios, a fim de que as metas, procedimentos e resultados esperados possam ser satisfatoriamente atingidos, ao longo do ano letivo. O NUPES se reúne regularmente, uma vez por bimestre durante os últimos sábados dos meses de Março, Maio, Setembro e Novembro, e a direção do órgão convoca, também, reuniões extraordinárias do CEPE, em consonância com as necessidades e o fluxo dos trabalhos. As reuniões realizadas no início de cada semestre, tanto as dos membros da Coordenadoria quanto às do CEPE, têm por finalidade apreciar os projetos de pesquisa cujo auxílio, uma vez concedido, será gozado a partir do início do semestre seguinte. Ao longo do ano letivo, os membros e assessores do NUPES estarão à disposição de professores e alunos, para esclarecimento de dúvidas e orientação técnica e científica. O Capítulo II do Regimento, da Faculdade mantida pela ACIP, em seu parágrafo único, estabelece que: Art. 2º A Faculdade tem por objetivo: I - estimular a criação cultural e o desenvolvimento do espírito científico e do pensamento reflexivo; III - incentivar o trabalho de pesquisa e investigação científica, visando ao desenvolvimento da ciência e da tecnologia e da criação e difusão da cultura e ao entendimento do homem e do meio em que atua; Art. 23. A Faculdade desenvolve, incentiva e apóia a pesquisa, diretamente ou por meio da concessão de auxílio para a execução de projetos Núcleo de Pesquisa da FAIP 5

6 científicos, bolsas especiais, formação de pessoal pós-graduado, promoção de congressos e seminários, intercâmbio com outras instituições, divulgação dos resultados das pesquisas realizadas e outros meios ao seu alcance. Parágrafo único. As atividades de pesquisa são coordenadas por professor designado pelo Diretor e os projetos de pesquisa são coordenados pelo chefe do departamento a que esteja afeta sua execução, ou por coordenador designado pelo Diretor, quando envolver atividades interdepartamentais. Com vistas ao atendimento dessa prescrição regimental, foi instituído o Núcleo de Pesquisa, que administra as questões relativas à análise e acompanhamento dos projetos de pesquisa, bem como o Projeto Institucional de Pesquisa da Faculdade. O Núcleo é composto da seguinte forma: a Faculdade indica um membro, de preferência doutor, com experiência de pesquisa atestada em publicações; os Núcleos de pós-graduação, graduação e extensão indicarão, cada uma, um representante e da Faculdade mantida pela ACIP é feito um convite a um pesquisador de outra instituição de pesquisa ou Universidade, com mérito reconhecido pela comunidade acadêmica, para integrar o Núcleo como membro externo, em casos especiais. Todos os docentes da disciplina Metodologia Científica, dos cursos de graduação e de pós graduação da Instituição farão também parte do NUPES. As reuniões do Núcleo são convocadas pela Direção do mesmo. O Núcleo pode reunir-se com a presença mínima de 5 membros NORMAS PARA A CRIAÇÃO DE LINHA DE PESQUISA Conceituação As linhas de pesquisa aglutinam projetos que apresentam potencialidades tanto para incentivarem a iniciação científica na graduação, Núcleo de Pesquisa da FAIP 6

7 como para o desenvolvimento de propostas mais arrojadas com vistas à instituição de programas de pós-graduação. Para isso, devem ser genéricas o suficiente para abrigarem projetos diversificados e, ao mesmo tempo, indicativas de concentração de áreas de pesquisa. Cada linha tem um responsável pelas atividades de pesquisa e pelos trabalhos que se fizerem necessários à operacionalização das atividades da linha. 1 Professor responsável pela linha de pesquisa O responsável pela linha de pesquisa deve ter experiência de pesquisa e titulação de doutor. Em caráter excepcional, quando se tratar de pesquisador com produção científica divulgada nos veículos de publicação de sua área, o título de mestre pode ser aceito. Compete ao responsável pela linha de pesquisa: apresentar um projeto que dê início à operacionalização da linha de pesquisa de seu interesse; articular professores-pesquisadores que tenham propostas de pesquisas em áreas correlatas para integrarem a linha de pesquisa; criar mecanismos de divulgação e seleção de alunos interessados em se candidatarem a bolsas de pesquisa, garantindo a especificidade de sua linha de pesquisa; coordenar as ações necessárias ao desenvolvimento da linha de pesquisa, incluindo divulgação dos resultados no plano interno e participação dos integrantes da linha em congressos e encontros científicos. encaminhar ao Núcleo de Análise de Projetos que integram a linha de pesquisa com vistas às agências de fomento; 1 Está resguardada a iniciativa dos autores dos projetos na captação de recursos que extrapolem o âmbito das agências de fomento que requerem apreciação de um comitê interno. Núcleo de Pesquisa da FAIP 7

8 buscar, nos órgãos de fomento, recursos que viabilizem a publicação dos resultados das pesquisas de sua linha; participar de reuniões internas relativas ao estabelecimento de políticas de pesquisa da instituição e de reuniões externas nas agências de fomento. Projetos integrantes da linha de pesquisa Os projetos integrantes das linhas de pesquisa podem ser de duas modalidades: de responsabilidade de um professor e autoria de um ou mais professores, ou integrados por alunos em iniciação científica, que participarão seja como bolsistas, seja como voluntários. Os projetos poderão ter o formato que melhor atender à especificidade da pesquisa proposta, com as informações adicionais exigidas para sua identificação e tramitação na Faculdade mantida pela ACIP, a serem elaborados em formulário específico. Núcleo de Pesquisa da FAIP 8

9 2. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA E DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FACULDADE DA ACIP A institucionalização da pesquisa na FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR DO INTERIOR PAULISTA FAIP - mantida pela ACIP se dá de forma gradativa, acompanhando as reformas curriculares de cada curso e os interesses do corpo docente, cada vez mais integrado aos programas de pós-graduação. O NUPES Núcleo de Pesquisa da Faculdade da ACIP estimula a iniciativa de elaborar programa visando à institucionalização da pesquisa e da iniciação científica na Instituição, sistematizando procedimentos e normas para a elaboração de projetos e proposição de linhas de pesquisa. Este documento apresenta as diretrizes e normas referentes à pesquisa e à iniciação científica na Faculdade mantida pela ACIP, com base no Projeto Pedagógico da Instituição, nas Diretrizes Curriculares Nacionais emanadas do Ministério da Educação e em normas oriundas dos organismos nacionais de fomento à pesquisa DIRETRIZES Incentivo às iniciativas que se fundamentam na experiência acumulada nos cursos instalados e na dinâmica criada a partir desse processo de pesquisa. Ênfase em pesquisas de caráter interdisciplinar e multidisciplinar de relevância em face dos desafios do mundo contemporâneo. Incentivo às iniciativas de aglutinação de esforços no sentido de delinear linhas de pesquisa em áreas estratégicas para a consolidação de um perfil próprio da Instituição, que seja capaz de distingui-la pela excelência da graduação. Núcleo de Pesquisa da FAIP 9

10 Potencialidade para a implantação de cursos de pós-graduação stricto sensu e mestrados profissionalizantes OBJETIVOS Fortalecer a Faculdade mantida pela ACIP como local de produção, criação e valorização do trabalho científico. Propiciar o diálogo entre as áreas de conhecimento, incentivando projetos interdisciplinares e transdisciplinares de pesquisa. Incentivar pesquisas em áreas já consolidadas de conhecimento, bem como estimular a produção em novas áreas. Criar condições para que o professor possa desenvolver-se como pesquisador, elaborando projetos individuais ou coletivos, com o envolvimento do corpo discente. Definir as áreas prioritárias de pesquisa da Instituição. Racionalizar e agilizar a sistemática de tramitação dos projetos de pesquisa que requeiram aprovação institucional para o pleito de recursos junto aos órgãos de fomento. Integrar Ensino, Pesquisa e Extensão. Instituir um programa de iniciação científica na Faculdade mantida pela ACIP. Incentivar alunos de graduação a se engajarem em pesquisa ARTICULAÇÃO ENTRE PESQUISA E INICIAÇÃO CIENTÍFICA A definição de linhas de pesquisa se apóia na experiência acadêmica da Instituição que, ao longo de sua trajetória, objetiva produzir conhecimento, seja a partir de trabalhos que emergem das disciplinas, seja a partir de projetos experimentais que envolvem a participação de alunos e professores. Núcleo de Pesquisa da FAIP 10

11 A título de orientar a aglutinação de pesquisadores em iniciativas de pesquisa, cumprindo os requisitos básicos exigidos de um trabalho dessa natureza, propõe-se que o exame das propostas seja guiado pelos seguintes critérios: identidade institucional (ou seja, integração aos cursos existentes), mérito científico, viabilidade técnico-financeira e potencialidades nos aspectos indicados nas diretrizes. A explicitação dos indicadores da observância desses critérios e dos instrumentos necessários ao exame dos projetos fica a cargo do NUPES, instituído pelo Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão. As opções de linhas de pesquisa devem fornecer o alicerce para o desenvolvimento de atividades em duas direções: - criando e consolidando um Programa de Iniciação Científica, que vise propiciar a formação de pesquisadores já na graduação; - instituindo, a médio prazo, programas de pós-graduação em áreas de interesse da sociedade. Núcleo de Pesquisa da FAIP 11

12 3. PROGRAMA INSTITUCIONAL DE PESQUISA O apoio à produção científica, pedagógica e cultural da ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA é regido pelo Plano Institucional de Pesquisas direcionado ao corpo docente e discente Concepção e finalidade da pesquisa A Faculdade mantida pela ACIP de MARÍLIA desenvolve a pesquisa nas diversas modalidades, como função indissociável do ensino e da extensão, com o fim de gerar e ampliar o acervo de conhecimentos ministrados nos cursos de graduação que ministra. As atividades de pesquisa serão permanentemente estimuladas, especialmente para: - A formação de pessoal docente em cursos de pós-graduação da própria Faculdade e de outras instituições similares, nacionais ou estrangeiras; - A concessão de auxílio para projetos específicos, de acordo com o Plano de Carreira da Instituição e Plano Institucional de Capacitação, que são integrantes do projeto pedagógico da Faculdade. - A realização de convênios com instituições vinculadas à pesquisa; - A divulgação dos resultados das pesquisas realizadas, em periódicos institucionais e em outros, nacionais ou estrangeiros; - A concessão de bolsas de trabalho a pesquisadores; - A manutenção de intercâmbio com instituições científicas, buscando incentivar contatos entre pesquisadores e o desenvolvimento de projetos comuns; Núcleo de Pesquisa da FAIP 12

13 - A realização de simpósios destinados ao debate de temas científicos; - A implantação de núcleos temáticos de estudos; - A ampliação e atualização da biblioteca; e, - A adoção de regime de trabalho especial para pesquisadores. - É priorizada a pesquisa vinculada aos objetivos do ensino e inspirada em dados da realidade regional e nacional, sem detrimento da generalização dos fatos descobertos e de suas interpretações. - Buscando cumprir os objetivos da interdisciplinaridade, a Faculdade cria os núcleos temáticos e, por meio destes, propiciar: - O estímulo ao desenvolvimento da pesquisa científica, pelo aperfeiçoamento de docentes e pesquisadores; - Treinamento eficaz de técnicas de alto padrão face ao desenvolvimento nacional; - A criação de condições favoráveis ao trabalho científico; - O aprimoramento da qualidade do ensino com a elevação do perfil acadêmico dos seus docentes; - A criação de adequadas condições de trabalho a pesquisadores de diferentes áreas, que integrem o núcleo; - A integração espaço físico/recursos humanos, racionalizando o trabalho e a produção científica; - O oferecimento de planos integrados de ensino de pós-graduação (latosensu) aperfeiçoamento e especialização - A prestação de serviços à comunidade nas diferentes áreas do núcleo; Núcleo de Pesquisa da FAIP 13

14 - A promoção de intercâmbio cultural e científico com instituições congêneres, entidades governamentais e órgãos interessados no desenvolvimento das áreas pesquisa da Instituição Organização, administração e financiamento da pesquisa A organização e administração da pesquisa serão de responsabilidade da Diretoria do NUPES, sob sua orientação e supervisão, que recebe dos Coordenadores de Cursos as propostas de projetos, analisa-os, hierarquiza-os segundo sua importância e pertinência em relação às linhas básicas estabelecidas, a fim de submete-los às avaliações competentes. O fluxo de entrada de projetos de pesquisa deve manter-se aberto, de acordo com o calendário instituído anualmente, e o professor estimulado a desenvolver a atitude de pesquisa em seus alunos e a elaborar e encaminhar novos projetos. A ACIP busca captar recursos em outras fontes, governamentais e nãogovernamentais, e, diretamente, com as empresas da região, além de agências internacionais de formato à pesquisa Providências para a consolidação da pesquisa Serão adotadas as seguintes medidas, já planejadas, para a implementação da pesquisa: - manutenção e dinamização das ações sistemáticas para o estímulo ao desenvolvimento da atitude de pesquisa em professores e alunos, por meio de palestras, seminários, reuniões e outros eventos; Núcleo de Pesquisa da FAIP 14

15 - fiscalização rigorosa e permanente das atividades referentes à monografia ou Trabalho de Conclusão de Curso TCC, nos cursos que mantém o oferecimento de assistência técnica ao aluno para a elaboração da mesma; - oferecimento, em todos os cursos, da disciplina de Introdução à Metodologia da Pesquisa Científica, objetivando a iniciação científica dos alunos; - elaboração de material de apoio para os professores pesquisadores; - editoração de revistas científicas para veiculação dos resultados da pesquisa na instituição e para trabalhos científicos em geral; - contratação de professores (doutores e mestres) para coordenação do desenvolvimento de projetos de pesquisa e para, também, efetuar pesquisas; - realização de estudos, no nível de colegiado de curso, para a definição de áreas e temas prioritários de pesquisa; - estabelecimento de contatos com órgãos e instituições de amparo à pesquisa objetivando levantar recursos para o desenvolvimento da pesquisa; - estabelecimento do percentual máximo de 50% das aulas, em regime de contratação integral aos docentes da Instituição ficando os 50% das aulas restantes destinados à pesquisa e extensão de acordo com o Plano de Carreira Docente; - estabelecimento de Programas de Bolsas Institucionais de Pesquisa (BIC Bolsa de Iniciação Científica) aos alunos envolvidos em pesquisas científicas. - organização de um Núcleo de Pesquisa com participação de discentes e docentes com designação de coordenação específica para as atividades ali desenvolvidas. Núcleo de Pesquisa da FAIP 15

16 3.4. Linhas de Pesquisas A Faculdade mantida pela ACIP de MARÍLIA desenvolve projetos de pesquisas na região contribuindo para o seu desenvolvimento, contemplando áreas do saber que permitam a melhoria da qualidade de vida da população, bem como formas alternativas de capacitação e qualificação profissional. A pesquisa é a atividade desenvolvida nas diversas disciplinas que compõem os currículos dos cursos, mediante orientação dos respectivos professores e de projetos específicos com a participação dos alunos. As linhas de pesquisas compõem-se de dimensão, tanto disciplinar como interdisciplinar e ou multidisciplinar, ainda possibilitando fazer interface com organizações e entidades de atendimento à comunidade, permitindo investigação, estudos e mapeamento de conflitos sociais existentes em diferentes realidades e contextos locais, regionais, nacionais e internacionais com dados de outras áreas do conhecimento. Originadas da elaboração do projeto pedagógico dos cursos, as linhas de pesquisa interdisciplinares serão definidas em todos os cursos Programa de Auxílio à Pesquisa - PAP O Programa de Auxílio a Pesquisa (PAP) destina-se à concessão de recursos para a realização das pesquisas desenvolvidas pelos professores da FAIP/ACIP. Há distinção entre projetos encaminhados por professores mestres e por professores doutores. Os docentes mestres que se candidatem ao auxíliopesquisa deverão contar com a orientação de um professor doutor, dos quadros da - FAIP mantida pela ACIP; os doutores serão considerados pesquisadores Núcleo de Pesquisa da FAIP 16

17 independentes, prescindindo de orientação formal. Em ambos os casos, os projetos deverão ser encaminhados ao NUPES pelo coordenador do curso ao qual a pesquisa está vinculada. Não se trata de mera formalidade, mas do efetivo envolvimento do coordenador de curso na qualidade das pesquisas elaboradas no âmbito da instituição. O coordenador de curso é, por assim dizer, co-responsável pela pesquisa aplicando-se o mesmo princípio ao orientador, no caso em que a participação deste último for exigida. A partir do momento em que o pedido de auxílio der entrada no NUPES, subentende-se, de parte do orientador e/ou do coordenador de curso, a sua anuência ao teor e à qualidade científica do projeto. Assim como os pedidos dos docentes são encaminhados ao NUPES pelos coordenadores de curso, assim também, ao longo do encaminhamento do processo, o NUPES comunica-se, sempre, com os coordenadores de curso, e não com os professores interessados, cabendo àqueles transmitir a estes últimos as informações e instruções pertinentes. Os professores interessados em desenvolver seus projetos de pesquisa podem entrar diretamente em contato com a Assessoria do NUPES, em busca da orientação que julgarem necessárias, mas o encaminhamento formal do pedido de auxílio deve seguir sempre o canal Coordenação de Curso NUPES Coordenação de Curso. Tanto a Coordenação de Curso quanto o NUPES atuam como instâncias de pré-avaliação dos projetos, ficando a avaliação propriamente dita a cargo de pareceristas, sob solicitação da NUPES. O nome do parecerista é sempre mantido em estrito sigilo, sendo que o parecer é entendido como recomendação, à Faculdade mantida pela ACIP, de conceder ou não o auxílio pleiteado. Ao NUPES, em nível de Assessoria e do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão CEPE, cabe apreciar a recomendação e definir os termos e/ou as condições em que o auxílio é ou não concedido. Todo o procedimento é sempre comunicado, por escrito, pelo NUPES, ao coordenador do curso ao qual o projeto está vinculado. Núcleo de Pesquisa da FAIP 17

18 O pedido de auxílio que passar pela pré-avaliação recebe um número de protocolo e passa a constituir processo individualizado. Nenhum pedido se protocolado se não estiver integralmente instruído e em nenhuma hipótese os prazos para encaminhamento dos pedidos serão prorrogados. O pedido eventualmente rejeitado seja pelo NUPES, seja pelo parecer de fora, tem seu processo encerrado e arquivado. O pedido eventualmente devolvido ao interessado com a recomendação de reformular e reapresentar, é, para fins burocráticos, igualmente considerado encerrado e arquivado. Quando de sua reapresentação (caso os interessados, isto é, o pesquisador, o eventual orientador e o coordenador de curso, assim o decidam), o pedido recebe novo número de protocolo e forma novo processo, sempre respeitando os prazos previstos no cronograma, devendo ser encaminhado para (re)avaliação ao mesmo parecerista de fora. Para fins de concessão de auxílio, as pesquisas realizadas pelos docentes são consideradas estritamente temporárias e devem ter duração mínima de 1 (um) e máxima de 2 (dois) anos. Pedidos de prorrogação podem ser excepcionalmente encaminhados ao NUPES, para avaliação, desde que isto se dê pelo menos 3 (três) meses antes do encerramento do auxílio já concedido, e desde que o pedido seja devidamente justificado. Os projetos apresentados ao NUPES devem corresponder a pesquisas por realizar e nunca a pesquisas já realizadas, sob a égide e o auxílio de outras instituições ou eventualmente da própria FACULDADE/ACIP. Uma vez concedido o auxílio, o interessado se compromete a apresentar ao NUPES dois relatórios, sendo um parcial, no término do primeiro ano, e outro final (aplicase às bolsas com duração de 24 meses), ou apenas o relatório final (aplica-se às bolsas com duração de 12 meses). Os relatórios devem ser sucintos e devem dar conta das atividades efetivamente desenvolvidas durante a vigência da bolsa, dispensando-se a reprodução do projeto inicialmente apresentado. A ênfase dos relatórios deve incidir sobre os resultados concretos da pesquisa, representados pela produção de pelo menos dois artigos ou um livro, cujos originais serão anexados aos Núcleo de Pesquisa da FAIP 18

19 relatórios, acompanhados do comprovante de sua aceitação para publicação. Todos os relatórios serão assinados pelo pesquisador e deverão ser encaminhados e endossados pelo coordenador de curso e pelo orientador, no caso do docente mestre, que neste ato consignarão sua anuência ao teor do relatório e do(o) trabalho(s) apresentado(s). Nenhum novo projeto de pesquisa docente será aceito pelo NUPES se o seu autor ainda não tiver apresentado o relatório final e os resultados esperados do projeto anteriormente contemplado com auxílio. Núcleo de Pesquisa da FAIP 19

20 4. PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA AOS DISCENTES DA FAIP/ACIP 4.1. Apresentação A iniciação científica constitui um instrumento necessário à política geral de pesquisa das instituições de ensino superior, que visam atingir o grau de excelência desejado pela comunidade científica atual e contribuir para a qualidade da formação de seus alunos. Como tal transformou-se em parâmetro de avaliação das instituições de terceiro grau existentes no Brasil. A Faculdade mantida pela ACIP inserem-se nesse universo ao determinar que os fundamentos de sua política de pesquisa estejam já inseridos nos primeiros degraus dos seus cursos de graduação. Nesses cursos devem ser conduzidas as principais reflexões sobre os rumos do conhecimento, no âmbito da sua produção, organização e difusão, além de sua compatibilidade com a lógica social. Por outro lado, os alunos da graduação devem ser vistos como candidatos natos aos programas de pós-graduação da Instituição e, como tais, iniciados nos caminhos da construção do conhecimento Características do PIC da Faculdade da ACIP O Programa de Iniciação Científica (PIC) está incluso no Projeto Pedagógico de todos os cursos da faculdade mantida pela ASSOCIAÇÃO CULTURAL E EDUCACIONAL DO INTERIOR PAULISTA ACIP. Para a implementação do PIC a Instituição ACIP disponibiliza a Bolsa de Iniciação Científica BIC, no valor de aproximadamente 20% da mensalidade dos diferentes cursos que mantem. Com esse estímulo todos os alunos se sentirão motivados à elaboração de projetos de pesquisas, que inicialmente são orientados pelos docentes da disciplina Metodologia Científica e, posteriormente, pelos orientadores de área e co-orientadores de metodologia Núcleo de Pesquisa da FAIP 20

21 científica da Instituição. Cabe ao aluno a solicitação da BIC no início de cada semestre letivo e a execução das atividades a serem desenvolvidas para a manutenção das mesmas Objetivos do Programa de Iniciação Científica - PIC - Contribuir para criar a cultura e a prática de pesquisa na Faculdade mantida pela ACIP. - Incentivar alunos de graduação a ingressarem em programas de pesquisa. - Qualificar os melhores alunos para os programas de pós-graduação. - Incentivar a interação interdisciplinar no âmbito do Programa. - Estimular o aumento da produção científica. - Incentivar professores a se engajarem em programas de pesquisa e orientarem alunos de iniciação científica. - Aumentar a produção científica docente e discente. - Identificar a pesquisa como princípio científico e educativo integrante de todo processo de emancipação do indivíduo cidadão. - Criar condições para que o aluno exercite a capacidade de identificar problemas da realidade circundante e de apontar soluções viáveis. - Incentivar o aluno e desenvolver trabalhos científicos que atendam aos interesses da comunidade interna e externa. O PIC estabelece ainda os seguintes objetivos em curto prazo: - Motivar e capacitar os alunos a redigir um projeto de pesquisa, nos moldes do projeto necessário para solicitação de Bolsas de Iniciação Científica (BIC) da FAIP, fazendo com que o aluno desenvolva um projeto de pesquisa, aprendendo na prática a metodologia científica, tornando-o mais crítico tanto na vida acadêmica como fora dela; - Aprender a utilizar a biblioteca para levantamento bibliográfico de um determinado tema; Núcleo de Pesquisa da FAIP 21

22 análise; - Planejar a coleta de dados para aplicação dos métodos estatísticos de - Desenvolver a atuação em grupo para execução do projeto; - Aprender a redigir um trabalho de pesquisa; - Organizar a apresentação dos resultados; Preparar a apresentação dos trabalhos científicos produzidos; Apresentar os trabalhos científicos produzidos em eventos científicos. Para iniciar os trabalhos os alunos escolhem uma área de pesquisa e temas possíveis para desenvolvimento da investigação. Essa escolha é feita com base em características individuais de interesse, onde a curiosidade e criatividade são requisitos fundamentais. Não podemos esquecer que esta escolha também depende da existência de orientadores (professores ou colaboradores) com conhecimento do tema, bem como a existência e disponibilidade de materiais e métodos para o desenvolvimento do projeto. Também é preciso que se destaque para os alunos o eixo temático de pesquisas da Instituição. A Instituição FAIP define o eixo temático após a instalação do seu primeiro curso superior. Após a fase de escolha do tema de interesse, é preciso traçar os rumos da pesquisa através da organização e planejamento, sendo que o projeto de pesquisa tem como função primária a de conter os passos a serem utilizados para testar uma determinada hipótese elaborada. Outra função do projeto é fazer com que outras pessoas reflitam sobre o questionamento elaborado pelo aluno/pesquisador, bem como os métodos escolhidos. Com o andamento do projeto pretende-se enviar projetos para órgãos de financiamento da pesquisa, como por exemplo: CNPq; FAPESP; CAPES para obtenção de recursos financeiros para aquisição de materiais e bolsas de Núcleo de Pesquisa da FAIP 22

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF

FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF REGULAMENTO N. 005/2015 REGULAMENTO GERAL DO NÚCLEO DE PESQUISA NUPES DA FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR - GARÇA/SP Vanessa Zappa, Diretora da FACULDADE DE ENSINO SUPERIOR E FORMAÇÃO INTEGRAL FAEF GARÇA/SP,

Leia mais

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF)

Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) FACULDADE DE TECNOLOGIA DE SÃO VICENTE Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de São Vicente (PIC-FATEF) Introdução O Programa de Iniciação Científica da Faculdade de Tecnologia de

Leia mais

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região

Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Promover o Ensino Superior Associado ao Desenvolvimento Sustentável de Belém e Região Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica- PIC A iniciação científica viabiliza, aos universitários

Leia mais

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010

PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO CAMPUS ARARANGUÁ DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 PROGRAMA DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA NO DO IF-SC EDITAL INTERNO- N0 XX/2010 CHAMADA DE PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E TECNOLÓGICA EXECUÇÃO: 19 DE ABRIL DE 2010 A 10 DE MAIO DE 2010

Leia mais

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO

CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO CAPÍTULO I DA NATUREZA E DEFINIÇÃO Art. 1º As atividades de Pesquisa da Universidade de Santo Amaro UNISA buscam fomentar o conhecimento por meio da inovação técnica, científica, humana, social e artística,

Leia mais

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I

NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I RESOLUÇÃO N. 001/2007 ANEXO NORMAS PARA PROGRAMAS DE CONCESSÃO DE BOLSAS DE FORMAÇÃO, DE PESQUISA E TECNOLÓGICA - FAPEG-I 1. Conceituação As normas relativas à concessão de Bolsas de Formação, de Pesquisa

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CAPÍTULO I - DA APRESENTAÇÃO E DOS OBJETIVOS DA INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1 - A atividade de Iniciação Científica integra o processo de ensinoaprendizagem

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA. Conceituação e Objetivos 1 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Conceituação e Objetivos O Programa de Bolsas de Iniciação Científica da FIAR é um programa centrado na iniciação científica de novos talentos entre alunos

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS PRINCÍPIOS DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO ARTIGO 1º - O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) tem os seguintes princípios: 1.1 Consolidar o ISEAT na

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE TECNOLOGIA SENAC MINAS UNIDADE BELO HORIZONTE CAPÍTULO I DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Art. 1º - O programa de Iniciação Científica da

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB)

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) REGULAMENTO DO NÚCLEO DE ESTUDOS E PESQUISAS EM CONTABILIDADE DA UNIVERSIDADE CATÓLICA DE BRASÍLIA (NEPEC/UCB) CAPÍTULO I - DO NEPEC E SEUS OBJETIVOS Artigo 1º - O presente Regulamento disciplina as atribuições,

Leia mais

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007

Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 Programa Centros Associados para o Fortalecimento da Pós-Graduação Brasil/Argentina - (CAFP/BA) Edital CGCI n. 028 /2007 1 Do programa e objetivo 1.1 O Programa CAFP/BA (Centros Associados para o Fortalecimento

Leia mais

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT

FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT 1 FACULDADE CASTANHAL-FCAT COORDENAÇÃO DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA REGULAMENTO DAS ATIVIDADES DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FCAT Dispõe sobre a estruturação e operacionalização do Programa de Iniciação Científica

Leia mais

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional*

Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* Parâmetros para avaliação de mestrado profissional* 1. Natureza do mestrado profissional A pós-graduação brasileira é constituída, atualmente, por dois eixos claramente distintos: o eixo acadêmico, representado

Leia mais

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS

RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS RESOLUÇÃO n o 35 de 16/12/2011- CAS Estabelece a política de pesquisa, desenvolvimento, inovação e extensão da Universidade Positivo (UP). O CONSELHO ACADÊMICO SUPERIOR (CAS), órgão da administração superior

Leia mais

PROFLETRAS R E G I M E N T O

PROFLETRAS R E G I M E N T O PROFLETRAS R E G I M E N T O CAPÍTULO I - CAPITULO II - CAPÍTULO III - CAPÍTULO IV - CAPÍTULO V - CAPÍTULO VI - CAPÍTULO VII - CAPÍTULO VIII - Das Finalidades Das Instituições Associadas Da Organização

Leia mais

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA CURSO DE ODONTOLOGIA DA FACIPLAC PROJETO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A FACIPLAC compreende a importância do desenvolvimento da Iniciação Científica em uma faculdade de ensino superior como alicerce na construção

Leia mais

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE

Faculdades Integradas do Vale do Ivaí Instituto Superior de Educação - ISE DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO 1 Do estágio curricular supervisionado A modalidade de Estágio Supervisionado é uma importante variável a ser considerada no contexto de perfil do egresso. A flexibilidade prevista

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE ATIVIDADES COMPLEMENTARES NORMAS OPERACIONAIS PARA ACOMPANHAMENTO E REGISTRO DOS ESTUDOS COMPLEMENTARES O Parecer do CNE/CES nº 492/2001, assim define as atividades complementares:

Leia mais

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve:

O MINISTRO DE ESTADO DA EDUCAÇÃO, no uso da atribuição que lhe confere o artigo 14 da Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004, resolve: >PORTARIA Nº 2.051, DE 9 DE JULHO DE 2004 Regulamenta os procedimentos de avaliação do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), instituído na Lei no 10.861, de 14 de abril de 2004.

Leia mais

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL

Regulamento Atividades Complementares. Faculdade da Cidade de Santa Luzia - FACSAL Regulamento Atividades Complementares Faculdade da Cidade de Santa Luzia - 2014 Regulamento das Atividades Complementares CAPÍTULO I DA CARACTERIZAÇÃO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Artigo 1º - As Atividades

Leia mais

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB

Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB Programa Institucional de Iniciação Cientifica do Centro Universitário da Fundação Educacional de Barretos PIC/UNIFEB INTRODUÇÃO A atividade de pesquisa científica é parte da tríade das funções das Instituições

Leia mais

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016

Edital PIICT / CNPq / Fucapi 2015-2016 Fundação Centro de Análise Pesquisa e Inovação Tecnológica FUCAPI Faculdade Fucapi Instituto de Ensino Superior Fucapi Coordenação de Pesquisa CPESQ Programa Institucional de Iniciação Científica e Tecnológica

Leia mais

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR

PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR PRÓ-REITORIA DE EXTENSÃO EDITAL N 01/2012 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE EXTENSÃO PROBEXT-SERVIDOR 1- PREÂMBULO O PROBEXT SERVIDOR é um instrumento que abrange Programas e Projetos de Extensão, com

Leia mais

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando:

O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade. de maio de 2007, publicada em DOU de 22 de maio de 2007, considerando: Resolução Nº. 024/2010/CONSEPE/ Regulamento de Estágio Supervisionado O Conselho Superior de Ensino, Pesquisa e Extensão - CONSEPE, da Faculdade de Educação e Meio Ambiente, credenciada pela Portaria MEC

Leia mais

UNIVERSIDADE NILTON LINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO

UNIVERSIDADE NILTON LINS PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL INICIAÇÃO CIENTÍFICA/2015-2016 Programa de Iniciação Científica PROIC/NILTON LINS A Pró-Reitora de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade NILTON LINS, por meio da Coordenação de Iniciação Científica,

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES CAPITULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE Art. 1º. O objetivo das Atividades Complementares é fomentar complementação

Leia mais

PLANO DE GESTÃO 2015-2017

PLANO DE GESTÃO 2015-2017 UNIFAL-MG FACULDADE DE CIÊNCIAS FARMACÊUTICAS PLANO DE GESTÃO 2015-2017 Profa. Fernanda Borges de Araújo Paula Candidata a Diretora Profa. Cássia Carneiro Avelino Candidata a Vice Diretora Índice Apresentação...

Leia mais

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO

EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO EDITAL Nº 010 /2015 APOIO A PROJETOS DE EXTENSÃO A DA FACAPE, com base na deliberação do Conselho de Ensino Pesquisa e Extensão - CEPE, no uso de suas atribuições previstas no Decreto Lei 085/2009, torna

Leia mais

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da Universidade Nove de Julho UNINOVE destinase a alunos de graduação para desenvolvimento de pesquisa científica (IC) ou tecnológica

Leia mais

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do

crítica na resolução de questões, a rejeitar simplificações e buscar efetivamente informações novas por meio da pesquisa, desde o primeiro período do Dimensão 2 As políticas para o ensino, a pesquisa, a pós-graduação, a extensão e as respectivas normas de operacionalização, incluídos os procedimentos para estímulo à produção acadêmica, as bolsas de

Leia mais

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA

POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA POLÍTICA INSTITUCIONAL DE FORMAÇÃO E DESENVOLVIMENTO PROFISSIONAL DA UNIVERSIDADE SEVERINO SOMBRA Capítulo I Do Regulamento Art. 1º. O presente Regulamento define e regula a Política de Formação e Desenvolvimento

Leia mais

Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha

Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha Edital 011 VV - 2015 Programa de Iniciação Científica - PIC Faculdade Estácio Vila Velha Artigo 1º - O Programa de Iniciação Científica - PIC tem por finalidade despertar o interesse e incentivar vocações

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) - UNIFIEO CAPÍTULO I DO PROGRAMA E DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) - UNIFIEO CAPÍTULO I DO PROGRAMA E DOS OBJETIVOS REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PIC) - UNIFIEO CAPÍTULO I DO PROGRAMA E DOS OBJETIVOS Art. 1 o. O Centro Universitário FIEO manterá o Programa de Iniciação Científica (PIC), oferecido

Leia mais

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos

NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA. Título I. Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos NORMAS GERAIS PARA A REGULAMENTAÇÃO DA ATIVIDADE DE PESQUISA NA FAMA Título I Da Natureza, Caracterização, Fins e Objetivos Art. 1 - A COORDENAÇÃO DE PESQUISA, PÓS-GRADUAÇÃO E EXTENSÃO - CPPE é o órgão

Leia mais

RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015

RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015 RESOLUÇÃO CEP 10/2015 25 de março de 2015 Aprova o Regulamento de Educação Continuada Docente. O CONSELHO DE ENSINO E PESQUISA DA FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO, no uso de suas atribuições regimentais,

Leia mais

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010

Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 Síntese do plano de atuação da CPA- ciclo avaliativo 2008/2010 O trabalho da CPA/PUCSP de avaliação institucional está regulamentado pela Lei federal nº 10.861/04 (que institui o SINAES), artigo 11 e pelo

Leia mais

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO

VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO VICE-DIREÇÃO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO REGIMENTO INTERNO DA COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO Da Concepção e Objetivos Art.1º A extensão acadêmica é um processo educativo, cultural, que se articula ao ensino

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ)

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) REGULAMENTO DO PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PROBIC/UNIARAXÁ) CAPÍTULO I DAS FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1 - As normas que seguem visam orientar pesquisadores e bolsistas vinculados a projetos

Leia mais

FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DE SOROCABA GRUPO DE PESQUISAS - FEFISO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DE SOROCABA GRUPO DE PESQUISAS - FEFISO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE EDUCAÇÃO FÍSICA DA ASSOCIAÇÃO CRISTÃ DE MOÇOS DE SOROCABA GRUPO DE PESQUISAS - FEFISO REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA O Programa de Iniciação Científica da FEFISO destina-se

Leia mais

INSTRUÇÃO NORMATIVA PROPPGE 001/07

INSTRUÇÃO NORMATIVA PROPPGE 001/07 INSTRUÇÃO NORMATIVA PROPPGE 001/07 Altera a Instrução Normativa PROPPGE 001/06 que normatizou o Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica (PIBIC) do Conselho de Desenvolvimento Científico

Leia mais

Faculdade Barão do Rio Branco Faculdade do Acre. Regulamento do Programa de Iniciação Científica (PIC)

Faculdade Barão do Rio Branco Faculdade do Acre. Regulamento do Programa de Iniciação Científica (PIC) Faculdade Barão do Rio Branco Faculdade do Acre Regulamento do Programa de Iniciação Científica (PIC) Rio Branco - Acre Agosto - 2008 Regulamento do Programa de Iniciação Científica Regulamenta o Programa

Leia mais

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES

PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES PROGRAMA DE ESTÍMULO A FORMAÇÃO DE PESQUISADORES O objetivo deste Regulamento é apresentar o Programa de Estímulo a Formação de Pesquisadores e definir os critérios para concessão de bolsas de estudo aos

Leia mais

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE

MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE 1 MANUAL DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES PARA OS CURSOS DE BACHARELADO EM SAÚDE Olinda PE Agosto / 2014 2 Introdução As atividades complementares representam um conjunto de atividades extracurriculares que

Leia mais

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O.

EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O. EDITAL DE SELEÇÃO DOCENTE PARA O PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA CIENTÍFICA (PIBID/FAI) EDITAL N O. 004/15 1. APRESENTAÇÃO A Direção-Geral das FACULDADES ADAMANTINENSES INTEGRADAS

Leia mais

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX

Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Mato Grosso do Sul Programa Institucional de Bolsas e Auxílios para Ações de Extensão. PIBAEX MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO Secretaria de Educação Profissional

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL REGULAMENTO DO PROGRAMA DE CAPACITAÇÃO INSTITUCIONAL CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS E METAS Art. 1º. O Programa de Capacitação Institucional PCI tem por objetivo promover a melhoria da qualidade das funções

Leia mais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais

Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais C A P E S Programa San Tiago Dantas de Apoio ao Ensino de Relações Internacionais A Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES) convida as instituições públicas de ensino superior

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 UNIVERSIDADE DO ESTADO DE MINAS GERAIS - UEMG ESCOLA DE DESIGN ED COORDENAÇÃO DE EXTENSÃO NUCLEO INTEGRADOR DE PRÁTICAS PEDAGÓGICAS - NIPP PROGRAMA INSTITUCIONAL DE MONITORIA VOLUNTÁRIA 2008 Aprovado pelo

Leia mais

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE

NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE NORMA DO PROGRAMA DE BOLSAS REUNI DE ASSISTÊNCIA AO ENSINO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DE CIÊNCIAS DA SAÚDE DE PORTO ALEGRE As Pró-Reitorias de Graduação e de Pesquisa e Pós-Graduação, CONSIDERANDO a necessidade

Leia mais

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER

CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER (Anexo à Portaria nº 067, de 14 de setembro de 2005) CAPES DAV REGULAMENTO DA AVALIAÇÃO DE PROJETOS DE MESTRADO INTERINSTITUCIONAL MINTER 1. Caracterização do Projeto Minter 1.1. Caracteriza-se como Projeto

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA 1. Definição A Iniciação Científica é uma atividade de investigação, realizada por estudantes de graduação, no âmbito de projeto de pesquisa, orientada por

Leia mais

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO

ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO 1) UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE PEDAGOGIA ESTÁGIO CURRICULAR SUPERVISIONADO OBRIGATÓRIO REGULAMENTO Itaberaí/2012 UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS UNIDADE UNIVERSITÁRIA DE ITABERAÍ CURSO DE

Leia mais

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO

REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO REGIMENTO INTERNO PÓS-GRADUAÇÃO LATO SENSU DA ESCOLA DO PARLAMENTO DA CÂMARA MUNICIPAL DE SÃO PAULO Sumário TÍTULO I DAS DISPOSIÇÕES PRELIMINARES... 3 CAPÍTULO I Da Caracterização do Curso... 3 CAPÍTULO

Leia mais

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012

COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 COMUNICADO n o 002/2012 ÁREA DE LETRAS E LINGUÍSTICA ORIENTAÇÕES PARA NOVOS APCNS 2012 Brasília, 22 de Maio de 2012 IDENTIFICAÇÃO ÁREA DE AVALIAÇÃO: Letras e Linguística PERÍODO DE AVALIAÇÃO: 2012 ANO

Leia mais

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD

REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD REGULAMENTO DO NÚCLEO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA - NEAD A política de Educação a Distância EAD está claramente expressa em diversos documentos e regulamentos internos da instituição Regulamento do NEAD Os

Leia mais

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC

EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA - PROVIC CENTRO EDUCACIONAL NOSSA SENHORA AUXILIADORA INSTITUTOS SUPERIORES DE ENSINO DO CENSA CENTRO DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO EDITAL Nº 01, DE 22 DE JUNHO DE 2015. PROGRAMA VOLUNTÁRIO DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA

REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA REGIMENTO INTERNO DO NÚCLEO DE PÓS-GRADUAÇÃO, PESQUISA E EXTENSÃO DO INSTITUTO SALESIANO DE FILOSOFIA CAPÍTULO I DO CONCEITO E OBJETIVOS Art. 1º. O Núcleo de Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, doravante

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS

REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS REGULAMENTO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA (PRÓ-CIÊNCIA) CAPÍTULO DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa Institucional de Iniciação Científica (Pró-Ciência) tem por objetivo geral o desenvolvimento

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE DE ADMINISTRAÇÃO DE ASSIS FACULDADE DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS DE ASSIS 1 Capítulo I Da Natureza Artigo 1º - O presente Regulamento tem por finalidade

Leia mais

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008.

NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC) Aprovado pela Resolução CA/FBMG nº 06/2008, de 12 de março de 2008. FACULDADE BATISTA DE MINAS GERAIS NORMAS PARA TRABALHOS DE CONCLUSÃO DE CURSO (TCC)

Leia mais

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES

REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES REGULAMENTO DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO - TCC FACULDADE PRESIDENTE ANTÔNIO CARLOS DE GOVERNADOR VALADARES FUNDAÇÃO FUPAC GOVERNADOR VALADARES 2010 TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO INTRODUÇÃO Todo aluno

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO. Carga Horária Total exigida no curso: 200 horas REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO DE ADMINISTRAÇÃO Carga Horária Total exigida no curso: 200 LONDRINA/PR 2014 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES OBRIGATÓRIAS DO CURSO

Leia mais

Centro Institucional de Pesquisa

Centro Institucional de Pesquisa Centro Institucional de Pesquisa Edital do Programa de Iniciação Científica (PIC UNISANTA) 01/2014 Dispõe sobre as normas contidas no Edital processo de chamada de propostas de projetos de iniciação científica

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ANHEMBI MORUMBI

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ANHEMBI MORUMBI EDITAL 03/2014 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA ANHEMBI MORUMBI A Pró-reitora de Pesquisa, por meio da Coordenadoria de Pesquisa da Universidade Anhembi Morumbi torna público o

Leia mais

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto

Termo de Referência para contratação de consultor na modalidade Produto TÍTULO DO PROJETO: Fortalecimento da capacidade institucional com vistas a melhoria dos processos de monitoramento e avaliação dos programas de fomento voltados para a Educação Básica e para o Ensino Superior

Leia mais

RESOLUÇÃO CEPEX Nº 014/2011 Teresina, 13 de maio de 2011.

RESOLUÇÃO CEPEX Nº 014/2011 Teresina, 13 de maio de 2011. RESOLUÇÃO CEPEX Nº 014/2011 Teresina, 13 de maio de 2011. Revoga a Resolução CEPEX 003/2010 e aprova o Regulamento Geral do Trabalho de Conclusão de Curso de Graduação da Universidade Estadual do Piauí

Leia mais

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação;

V - promover a cooperação internacional na área de ciência, tecnologia e inovação; DECRETO Nº 7.642, DE 13 DE DEZEMBRO DE 2011 * Programa Ciência sem Fronteiras. * Institui o Programa Ciência sem Fronteiras. A Presidenta da República, no uso das atribuições que lhe confere o art. 84,

Leia mais

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE

FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE FACULDADE MORAES JÚNIOR MACKENZIE RIO REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO TÍTULO I CAPÍTULO I DO OBJETIVO, DA NATUREZA E DA FINALIDADE SEÇÃO I DO OBJETIVO Art. 1º O presente Regulamento tem por

Leia mais

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008

RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 CONSUC Parecer 12/2008 Aprovado em 02/12/2008 RESOLUÇÃO N 012, de 02 de dezembro de 2008 Cria o Núcleo de Educação a Distância (NEAD) e aprova seu Regimento Interno O DIRETOR GERAL DA FACULDADE DAS AMÉRICAS,

Leia mais

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES. Plantando Conhecimento para a Vida. Regulamento do Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso TCC

Associação Educativa Evangélica FACULDADE RAÍZES. Plantando Conhecimento para a Vida. Regulamento do Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso TCC Regulamento do Núcleo de Trabalho de Conclusão de Curso TCC DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO E SUA ESTRUTURA Art. 1º O Trabalho de Conclusão do Curso de Bacharelado em Direito da Faculdade Raízes deve

Leia mais

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT

EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT EDITAL PI IPCIT - Nº001/2012 - PRPPGI/IFAM PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INCENTIVO À PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA PI-IPCIT PROJETOS DE PESQUISA CIENTÍFICA E INOVAÇÃO TECNOLÓGICA DO IFAM Maio

Leia mais

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG

REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG REGULAMENTO DE TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO DOS CURSOS DE GRADUAÇÃO - IFG DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO Art.1º. O Trabalho de Conclusão de Curso (TCC) é componente curricular obrigatório dos cursos

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA PIBIC 1. Conceituação O Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica - PIBIC é um programa voltado para o desenvolvimento do pensamento científico e iniciação à pesquisa de estudantes de graduação

Leia mais

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS)

PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS E AUXÍLIOS PARA ATIVIDADES DE EXTENSÃO (PIBAEX) DO INSTITUTO FEDERAL DE MATO GROSSO DO SUL (IFMS) CAPÍTULO I DA FINALIDADE Art. 1 O Programa Institucional de Bolsas e Auxílios

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO

PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO BOLSAS DE APOIO ACADÊMICO E TECNOLÓGICO Normas e Procedimentos 1. DISPOSIÇÕES GERAIS A UNIVESP instituiu, por deliberação de seu Conselho de Curadores, o PROGRAMA DE BOLSAS UNIVESP, com as características

Leia mais

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SERVIÇO SOCIAL/PPGSS MESTRADO REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E CONCESSÃO DE BOLSA(S)

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SERVIÇO SOCIAL/PPGSS MESTRADO REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E CONCESSÃO DE BOLSA(S) PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU EM SERVIÇO SOCIAL/PPGSS MESTRADO REGULAMENTO PARA INSCRIÇÃO E CONCESSÃO DE BOLSA(S) A Coordenação do Programa de Pós-Graduação stricto sensu em Serviço Social (PPGSS),

Leia mais

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação

PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO. Pesquisa e Pós-Graduação GOVERNO DO ESTADO DO PIAUÍ UNIVERSIDADE ESTADUAL DO PIAUÍ - UESPI PRÓ-REITORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO - PROP PLANO DE DESENVOLVIMENTO DA INSTITUIÇÃO Pesquisa e Pós-Graduação A Universidade Estadual

Leia mais

Programa de Iniciação Científica Universidade de São Paulo

Programa de Iniciação Científica Universidade de São Paulo EDITAL 2014/2015 A Pró-Reitoria de e o Comitê Institucional do da USP, com base em diretrizes debatidas e acordadas pelo Conselho de tornam público o presente Edital de abertura de inscrições, visando

Leia mais

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB

DIRETRIZES PARA A GESTÃO DAS ATIVIDADES DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO DO IFPB Ministério da Educação Instituto Federal de Educação Ciência e Tecnologia da Paraíba Pró-Reitoria de Ensino Pró-Reitoria de Pesquisa, Inovação e Pós-Graduação Pró-Reitoria de Extensão DIRETRIZES PARA A

Leia mais

RESOLUÇÃO Nº.03/2008

RESOLUÇÃO Nº.03/2008 FACULDADE DE CAMPINA GRANDE DO SUL Credenciada pela Portaria MEC nº 381/2001, de 05/03/2001 D.O.U. 06/03/2001 RESOLUÇÃO Nº.03/2008 Dispõe sobre o Regulamento do Programa de Iniciação Científica. O Conselho

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO

UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS CENTRO DE EXTENSÃO REGIMENTO CENEX DO HOSPITAL DAS CLÍNICAS / UFMG Belo Horizonte, 2008. UNIVERSIDADE FEDERAL DE MINAS GERAIS HOSPITAL DAS CLÍNICAS

Leia mais

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC)

DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) Escola de Enfermagem Wenceslau Braz DISCIPLINA: ATIVIDADES ACADÊMICAS COMPLEMENTARES (AAC) INTRODUÇÃO O Projeto Pedagógico do Curso de Enfermagem da Escola de Enfermagem Wenceslau Braz (EEWB) da cidade

Leia mais

PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ( PROCAPS)

PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ( PROCAPS) UNIVERSIDADE TIRADENTES Pró-Reitoria Acadêmica Pró-Reitoria Adjunta de Pós-Graduação e Pesquisa PROGRAMA DE APOIO INSTITUCIONAL À PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU ( PROCAPS) Março de 2006 REGULAMENTO DO PROGRAMA

Leia mais

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015

EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 EDITAL PIBIC / CNPq/ UFF 2014/2015 PROGRAMA INSTITUCIONAL DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Pró-Reitoria de Pesquisa, Pós-Graduação e Inovação PROPPI torna públicas as normas para apresentação de propostas

Leia mais

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015

PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015 PROGRAMA DE BOLSAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA UEMA PIBIC-CNPq/UEMA/FAPEMA EDITAL UEMA/PPG Nº 03/2015 A Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação da Universidade Estadual do Maranhão - PPG UEMA em conjunto

Leia mais

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC -

REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE METROPOLITANA DE CAMAÇARI FAMEC - REGULAMENTO PARA OS PROJETOS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DA FAMEC CAPÍTULO I DOS OBJETIVOS Art. 1. O Programa de

Leia mais

EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA EDITAL DE BOLSAS DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA Rubens Guilhemat, Secretário Geral do Centro Universitário Sant Anna, no uso de suas atribuições torna público o presente EDITAL que regerá o Processo

Leia mais

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES

REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES 1 REGULAMENTO DAS ATIVIDADES COMPLEMENTARES Este regulamento, elaborado pela Coordenação do Curso de Ciências Econômicas da Universidade Metodista de São Paulo, tem por objetivo regulamentar o desenvolvimento

Leia mais

FACULDADE DE CIÊNCIAS GERENCIAS DE MANHUAÇU COORDENAÇÃO DE PROJETOS PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

FACULDADE DE CIÊNCIAS GERENCIAS DE MANHUAÇU COORDENAÇÃO DE PROJETOS PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA FACULDADE DE CIÊNCIAS GERENCIAS DE MANHUAÇU COORDENAÇÃO DE PROJETOS PESQUISA E EXTENSÃO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO GERAL DO PROGRAMA INSTITUCIONAL DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

Leia mais

EDITAL 2011/ 2012 PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 22/02/2011 a 08/04/2011.

EDITAL 2011/ 2012 PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 22/02/2011 a 08/04/2011. EDITAL 2011/ 2012 PERÍODO DE INSCRIÇÃO: 22/02/2011 a 08/04/2011. INFORMAÇÕES GERAIS: O processo seletivo do Programa de Iniciação Científica da USP na Faculdade de Medicina da USP baseia-se no edital 2011/

Leia mais

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR

REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR REGULAMENTO PROGRAMAS DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA DO CESUMAR CAPÍTULO FINALIDADES E OBJETIVOS Art. 1º - As normas que seguem visam orientar a comunidade acadêmica quanto aos procedimentos que devem ser observados

Leia mais

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA

UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA UNIVERSIDADE SÃO JUDAS TADEU USJT REGULAMENTO INTERNO DO CURSO DE MESTRADO DO PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM EDUCAÇÃO FÍSICA CEPE 04/12/2013 I - DAS DISPOSIÇÕES GERAIS Art. 1 o O Curso de Mestrado do Programa

Leia mais

ATIVIDADES COMPLEMENTARES

ATIVIDADES COMPLEMENTARES ATIVIDADES COMPLEMENTARES Regulamento das Atividades Complementares dos Cursos de Graduação da Faculdade Barretos Art. 1º - O presente Regulamento tem por finalidade definir normas e critérios para a seleção

Leia mais

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR

FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR FACULDADE DE ENGENHARIA, ARQUITETURA E URBANISMO REGIMENTO DO ESTÁGIO CURRICULAR CAPÍTULO I DO ESTÁGIO CURRICULAR Art. 1º O presente Regimento trata do Estágio Curricular dos cursos de graduação da Faculdade

Leia mais

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA

REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA REGULAMENTO DO PROGRAMA DE INICIAÇÃO CIENTÍFICA A Coordenadora da Faculdade de Ciência e Tecnologia de Montes Claros FACIT, no uso de suas atribuições regimentais, considerando que o projeto dos cursos

Leia mais

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos

REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC. TÍTULO I Dos Objetivos Regimento REGIMENTO DOS CURSOS DE PÓS-GRADUAÇÃO DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ABC UFABC TÍTULO I Dos Objetivos Art. 1º - As atividades dos Cursos de Pós-Graduação abrangem estudos e trabalhos de formação

Leia mais

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU

PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU PRÓ-DIRETORIA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU - PROPESP POLÍTICA DE PESQUISA E PÓS-GRADUAÇÃO STRICTO SENSU A Pesquisa e a Pós-Graduação Stricto Sensu são atividades coordenadas por uma mesma

Leia mais

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007

UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO CONSELHO DE ENSINO, PESQUISA E EXTENSÃO RESOLUÇÃO Nº 21/2007 RESOLUÇÃO Nº 21/2007 O DA UNIVERSIDADE FEDERAL DO ESPÍRITO SANTO, no uso de suas atribuições legais e estatutárias, CONSIDERANDO o que consta do Processo nº 25.154/2007-18 CENTRO DE EDUCAÇÃO (CE); CONSIDERANDO

Leia mais

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo)

UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I. DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Regimento Interno UCLEO DE ATIVIDADES, ESTUDOS E PESQUISA SOBRE EDUCAÇÃO, AMBIE TE E DIVERSIDADE CAPÍTULO I DA NATUREZA E FINALIDADE(Vínculo) Artigo 1º - O NEED, Núcleo de atividades, estudos e pesquisa

Leia mais